Page 1

CONCEITO DE CIDADES INTELIGENTES Prof. Dr. Marcelo Schneck de Paula Pessôa (mpessoa@usp.br) Prof. Dr. Fernando Tobal Berssaneti (fernando.berssaneti@usp.br)

05 de Novembro de 2019


agenda • • • •

Apresentação do grupo Conceitos de Cidades Inteligentes Modelo Conceitual Como planejar


Apresentação do Grupo de Pesquisa


4

O Grupo de Pesquisa LCTU - LABORATÓRIO DE CIDADES, TECNOLOGIA E URBANISMO do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Nome do grupo de pesquisa CONECTICIDADE http://www.conecticidade.org.br


Marcelo Pessôa – Leandro Patah - EPUSP-PRO nov-19 5

O PROJETO Visão de futuro: • Cidade: sistema harmônico e integrado • cidade bem gerenciada:

– – – – •

oferece conforto é agradável oferece segurança tem foco no cidadão

Ferramentas: Tecnologia e Gestão


6

A EQUIPE • • •

LCTU é um grupo de pesquisa do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP Coordenação : Prof Marcelo Schneck de Pauala Pessôa Vice-coordenação: Prof Fernando Tobal Berssaneti


7

EQUIPE – coordenadores dos temas de pesquisa • • • • • • •

Harmi Takiya – Gestão Ana Paula Paulino da Costa – Economia e Negócios Antonio Bongiovanni – Formação Social Rita de Cássia Giraldi - Cultura de Lazer Saide Kahtouni – Arquitetura e Urbanismo Manoel Martins – Infra e Superestrutura Fernando Berssaneti – Emergência


8

EQUIPE •

O grupo se reúne desde o final de 2016

Multidisciplinaridade e Visão Sistêmica

Os temas são muito abrangentes e por essa razão a equipe é muitidisciplinar e não se limita às pessoas listadas pois, ao surgirem assuntos mais especializados, pesquisadores que dominem esse tema são incorporados ao grupo


Conceitos de Cidades Inteligentes


Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=Z8gwoB-R6rc


CONTEXTO Hoje, mais de 50% da população global vive em cidades e, de acordo com as Nações Unidas, este número irá atingir 70% em 2050

Fonte: http://www.economist.com/node/21642053


CONTEXTO No Brasil, mais de 80% da população é urbana 160 milhões de brasileiros ocupam áreas urbanas Área total 8.447.075 km2 e área urbana 54.077 km2 • 0,64% do território do país • mais de 80% da população … portanto o Brasil já é um país urbano Precisamos cuidar de nossas cidades !

Fonte: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/28840923/mais-de-80-da-populacao-brasileira-habita-063-do-territorio-nacional


CONTEXTO

Fonte: http://www.economist.com/node/21642053


CONTEXTO A tecnologia moderna e a sociedade se tornaram tão complexas que as abordagens científicas sistêmicas passaram a ser fundamentais. (BERTALANFFY, 1972) Cidades ao redor do mundo procuram soluções que habilitem a conexão dos transportes, os usos mistos dos terrenos e serviços de alta qualidade com benefícios de longo prazo para a economia (ALBINO et al, 2015) Autores e instituições trabalham para definir o conceito de cidade inteligente e padronizar dimensões e modelos de medição de desempenho dessas cidades (NEIROTTI et al, 2014; ALBINO et al, 2015; MEIJER e BOLÍVAR, 2015)

Fonte: Palestra Conecticidade de 23/05/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Marceo Dallaqua)


CIDADE INTELIGENTE Visão de desenvolvimento urbano com o objetivo de integrar múltiplas soluções, tanto de tecnologia da informação (TI) quanto de comunicação interna entre as diversas secretarias da administração, de uma forma segura, para gerenciar os ativos de uma cidade. O objetivo de construir uma cidade inteligente é melhorar a qualidade de vida, visando tornar os serviços prestados mais eficientes no atendimento das necessidades dos habitantes. Em uma cidade inteligente há interação direta entre os gestores municipais e a comunidade. Ambos monitoram o que ocorre na cidade, promovendo o desenvolvimento e proporcionando qualidade de vida.

Visão de futuro: cidade como um sistema harmônico e integrado, que ofereça conforto e segurança com foco no cidadão

Fonte: Apresentação do grupo CONECTICIDADE (2017)


Tecnologias na Cidade Inteligente IoT Gestão -

Big data Inteligeência artificial Machine Learning

-

Cidade Inteligente Comunicação - Integra tudo isso

-

Captadores de informação do mundo real Sensores: Câmeras e outros dispositivos


CIDADE INTELIGENTE Visão de desenvolvimento urbano com o objetivo de integrar múltiplas soluções, tanto de tecnologias de informação e comunicação (TIC) quanto de comunicação interna entre as diversas secretarias da administração, de uma forma segura, para gerenciar os ativos de uma cidade.

“não hádeuma definição globalé melhorar de cidade inteligente” O objetivo construir uma cidade inteligente a qualidade de vida, visando tornar os serviços prestados mais eficientes no atendimento das necessidades dos (NEIROTTI et al, 2014) habitantes. Em uma cidade inteligente há interação direta entre os gestores municipais e a comunidade. Ambos monitoram o que ocorre na cidade, promovendo o desenvolvimento e proporcionando qualidade de vida. Visão de futuro: cidade como um sistema harmônico e integrado, que ofereça conforto e segurança e seja focada no cidadão Fonte: Apresentação do grupo CONECTICIDADE (2017)


APROFUNDANDO O CONCEITO


HARMONIA E INTEGRAÇÃO DE QUÊ?

Fonte: “Abordagem de Princípios de Cidades Inteligentes e Sustentáveis em Intervenções Urbanas no Brasil” (Gabriel Novaes, 2017)


PLANEJAMENTO URBANO SUSTENTÁVEL CERTIFICAÇÃO AQUA-HQE – ASPECTO MULTIDISCIPLINAR ANÁLISE TERRITORIAL

ANÁLISE TÉCNICA E AMBIENTAL

ANÁLISE SOCIOECONÔMICA

Dimensão Urbana Dimensão Histórica Dimensão Geográfica Dimensão Paisagística Dimensão Morfológica Dimensão Patrimonial Política Fundiária Acessibilidade Deslocamentos

Água Energia Climatologia Topografia Solos e Subsolos Biodiversidade Resíduos Recursos Locais Sistema Viário Redes Estudos de Riscos

Dimensão Social Usos e Expectativas Dimensões Culturais Dinâm. Econômicas Demografia Estruturas Locais Saber-fazer Estudo do mercado Economia do projeto

Fonte: Palestra Conecticidade no NUTAU em 08/05/2018 (Prof. Dr. Manuel Martins)


“SMART GROWTH” CRESCIMENTO INTELIGENTE E ORDENADO Cidade compacta com densidade qualificada Cidade planejada com novas centralidades e polos de desenvolvimento Cidade sustentável Criar bairros com walkability: grandes áreas para pedestres Criar uma gama de oportunidades de diversidade de moradia Desenvolvimento regional e megametropolitano Diversidade socioterritorial Espaços abertos de uso coletivo Fornecer uma variedade de opções de transporte Fortalecer o desenvolvimento das comunidades Incentivar o desenvolvimento de áreas centrais Incentivar a participação da comunidade nas decisões de planejamento Incentivar a criação de uma identidade local Projetos de construções compactas Decisões de desenvolvimento justas e rentáveis Uso misto do solo Fonte: “Cidades Inteligentes, Cidades Sustentáveis” (Carlos Leite e Juliana Awad, 2012) Fonte: “Abordagem de Princípios de Cidades Inteligentes e Sustentáveis em Intervenções Urbanas no Brasil” (Gabriel Novaes, 2017)


“INDIA SMART CITIES MISSION” MINISTRY OF HOUSING AND URBAN AFFAIRS, GOVERNMENT OF INDIA

Abastecimento de Água (sistema universal e controle de falhas) Abastecimento de Energia (sistema universal e controle de falhas) Saneamento e coleta de resíduos (sistema universal e controle de falhas) Mobilidade urbana eficiente Transportes compartilhados Habitação acessível e de qualidade Digitalização e conectividade dos serviços públicos Administração pública eficiente com sistemas de participação digitais Alto desempenho ambiental Melhoria da qualidade dos espaços Segurança Saúde Educação

Fonte: http://smartcities.gov.in/ Fonte: “Abordagem de Princípios de Cidades Inteligentes e Sustentáveis em Intervenções Urbanas no Brasil” (Gabriel Novaes, 2017)


“EUROPEAN SMART CITY MODEL” TU - VIENNA UNIVERSITY OF TECHNOLOGY - DEPARTMENT OF SPATIAL PLANNING

Cidades inteligentes “combinam competitividade e desenvolvimento urbano sustentável simultaneamente, com impactos na qualidade urbana em questões relativas à habitação, economia, cultura, condição social e meio ambiente”. Fonte: http://www.smart-cities.eu/?cid=-1&ver=4


“BOYD COHEN SMART CITY WHEEL” Integrar moradores, gestão e meio ambiente. Otimizar trocas econômicas, sociais e culturais.

Gestão de energia, recursos e espaços. Meios informatizados de participação no planejamento e de acesso aos serviços urbanos. Correlações com a norma ISO 37120:2014 Fonte: “Abordagem de Princípios de Cidades Inteligentes e Sustentáveis em Intervenções Urbanas no Brasil” (Gabriel Novaes, 2017)


ATENAS: “IBM SMARTER CITIES CHALLENGE” Planejamento e Gestão Infraestrutura Humano Planejada em camadas de sistemas integrados: • Saúde • Educação • Transportes • Mobilidade • Iluminação • Segurança • Energia • Água • Resíduos • Esgoto, etc. Intervenções devem considerar visão sistêmica da cidade. Fonte: https://bakogiannis.eu/images/publications/4.17/4.17.19.pdf Fonte: “Abordagem de Princípios de Cidades Inteligentes e Sustentáveis em Intervenções Urbanas no Brasil” (Gabriel Novaes, 2017)


EXEMPLOS


SANTANDER, ESPANHA

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=cRusrAqqWBY


PROPOSIÇÃO DE UM MODELO CONECTICIDADE


BUSCA DE UM MODELO DINÂMICO A VISÃO DO PROJETO COMO UM PROCESSO

Interação entre sistemas físicos e da informação Integração entre forma e função na construção ou readequação de cidades Questões técnicas confrontadas com demandas socioambientais e participação dos cidadãos Projetos construídos a partir de balanceamentos e feedbacks O modelo reflete a necessidade de se considerar a dinâmica da cidade, a necessidade de integração dos diversos elementos O modelo reflete uma visão de elementos importantes para oferecer ao cidadão Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


MODELO DE GESTÃO PARA CIDADES INTELIGENTES Não linear DEMANDAS SÓCIOAMBIENTAIS

NBR 16.636-3 Projeto Urbanístico • Superestrutura • Infra-estrutura • Remediação

Kahtouni, Saide (2018)

CIDADE INTELIGENTE CENTRO GESTOR

CONSTRUÇÃO REABILITAÇÃO PAISAGEM CONSTRUÍDA

IMPLANTAÇÃO

PROJETOS TÉCNICOS

DOCUMENTOS TÉCNICOS

INCLUSÃO SOCIAL

FUNCIONALIDADES e SERVIÇOS

FLUXOS DE FEEDBACK FLUXOS INFORMACIONAIS FLUXOS PRODUTIVOS

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


MODELO DE GESTÃO PARA CIDADES INTELIGENTES Demandas

Paisagem construída

Econômicas Sociais Ambientais

Projetos Técnicos Temas

Funcionalidades Serviços

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


MODELO DE GESTÃO PARA CIDADES INTELIGENTES Demandas

Temas Paisagem construída

Econômicas Sociais Ambientais

Funcionalidades Serviços Cultura e Lazer

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


GESTÃO • •

• • •

Governança (conjunto de ações que permita à prefeitura executar e controlar a situação com transparência) Gestão Pública (serviços ao cidadão, recursos humanos adequados, recursos materiais de qualidade, participação do cidadão, conselhos, comitês, etc.) Finanças (gestão financeira adequada, transparente e ética) Legislação (conjunto de leis para oferecerem um ambiente adequado ao cidadão: direito do consumidor, direito da mulher, inclusão social, etc.) Comunicação (ações para informar à sociedade das ações da prefeitura de forma ética e transparente)

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


ECONOMIA E NEGÓCIOS • • •

• • • •

A cidade deve oferecer um ambiente adequado de negócios para que a economia floresça Criação de elementos que permitam a cidade se tornar um polo gerador de riqueza Desenvolvimento regional Inovação Emprego Empreendedorismo Abastecimento Arranjos Produtivos Locais

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


FORMAÇÃO SOCIAL • • • • • •

Oportunidade para os cidadãos terem educação e saúde Premissa básica para a qualidade de vida do cidadão Educação (formal e complementar) Esportes (formação e saúde pública) Eventos (culturais, artísticos, esportivos, religiosos, etc.) Movimentos de formação

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


CULTURA E LAZER Oferecer para o cidadão um ambiente agradável em todos os momentos Também deve oferecer atividades de cultura, lazer, turismo e recreação • Atividades Culturais (teatro, cinema, música, shows, etc.) • Turismo • Recreação • Serviços Sociais • Comunidade • Religião

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


ARQUITETURA E URBANISMO Criação da paisagem urbana, organização do espaço urbano Explorar ao máximo os ecossistemas digitais, oferecendo oportunidades para o uso de tecnologias para a convivência urbana • Meio ambiente • Urbanismo • Paisagismo • Construções • Patrimônio Histórico • Habitação • Acessibilidade e Microacessibilidade

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


INFRA E SUPERESTRUTURA Suprimento de elementos para operação Conceito: itens utilizados pelos cidadãos e empresas no dia a dia da cidade • Energia (elétrica e gás) • Iluminação • Água e Esgoto • Resíduos (sólidos, líquidos, gasosos) • Mobilidade (transporte) • Telecomunicações e Tecnologia da Informação (internet, WiFi, ERB, telefonia, fibra ótica, etc.) • Manutenção (zeladoria)

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


EMERGÊNCIA A cidade deve oferecer também uma infraestrutura adequada para suportar emergências de diversos tipos como incêndios, inundações e crimes • Segurança • Bombeiros • Defesa Civil • Resgate (SAMU)

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


MODELO DE REFERÊNCIA Este modelo está sendo utilizado para o desenvolvimento de pesquisas e aplicações para a proposição de soluções em cada um desses temas

Fonte: Palestra “Modelo sistêmico para cidades inteligentes” de 12/12/2018 (Prof. Dr. Marcelo Pessôa e Profa. Dra. Saide Kahtouni)


COMO PLANEJAR UMA CIDADE INTELIGENTE


Como planejar - problemas •

• •

• •

• •

Necessidade de um planejamento de longo prazo: 20 anos Necessidade de continuidade na implementação desse plano de longo prazo Ciclo político é muito menor: 4 anos Mau hábito de abandonar iniciativas (boas) de gestões anteriores Problemas na implantação de novas tecnologias: limitações legais em concepções e permissão para implementação de novas atividades Riscos legais com a complexidade regulatória do país LGPD – exige cuidados com a privacidade do cidadão


Como planejar - propostas •

Sociedade civil precisa se apropriar com mais firmeza os destinos das cidades

Mudança cultural para todo cidadão compreender que o governo é importante na gestão das cidades mas existem outros interesses que precisam ser ouvidos

Elaboração de um planejamento de longo prazo para a cidade inteligente, conduzida pela sociedade civil e gestão pública


Profile for Gabriel Novaes

Simpósio sobre Engenharia, Tecnologia e Informação é realizado na ARESPI  

Simpósio sobre Engenharia, Tecnologia e Informação é realizado na ARESPI

Simpósio sobre Engenharia, Tecnologia e Informação é realizado na ARESPI  

Simpósio sobre Engenharia, Tecnologia e Informação é realizado na ARESPI

Advertisement