Issuu on Google+

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS-UFMG COLÉGIO TÉCNICO

TRABALHO DE BIOLOGIA E GEOGRAFIA

GRUPO: AMANDA DE SOUZA SILVA ANA LUISA DE OLIVEIRA ROCHA ANA CLARA DA SILVA FERNANDES DIEGO SANTOS MIRANDA FERNANDA ARAUJO DA SILVA MARIA LAURA RANUJA RODRIGUES

TURMA: 103

PROFESSORES: Rosilene Siray Bicalho (BIOLOGIA) Eliano de Souza Martins Freitas (GEOGRAFIA)

DATA: ABRIL 2013

1


SUMÁRIO

CAPA.................................................................................................................................1 SUMÁRIO.........................................................................................................................2 INTRODUÇÃO.................................................................................................................3 DESENVOLVIMENTO...................................................................................................4 CONCLUSÃO.................................................................................................................15

2


INTRODUÇÃO Quando se faz um trabalho de campo busca-se o experimento científico, que é uma atividade realizada por pesquisadores ou estudantes que procuram na natureza ou no local onde o fenômeno estudado ocorre naturalmente. O trabalho de campo ocorreu no parque das Mangabeiras, localizado na Serra do Curral, um parque com 2.350.000 m² de área totalmente cercada, O parque é um local definido como de preservação e pesquisa ambiental aberto ao público. O espaço é habitado por mais de uma centena e meia de espécies de aves. A mata é composta por diversas amostras da vegetação mineira, dentre as observadas pelo grupo foram o Cerrado e a Mata Atlântica além, claro de matas de transição entre elas. Nosso plano era observar, analisar, fotografar e coletar informações sobre solo, vegetação, sensação térmica, tipo de mata, como é desenvolvida a fauna e a flora no local e como fatores bióticos e abióticos se inter-relacionam. De forma detalhada e organizada comparar as informações e ter a percepção das mudanças ocorridas entre os domínios morfoclimáticos, além disso promover interação, discussão e consequentemente maior aprendizado sobre os domínios, e na interação e importância do domínio morfoclimático com o meio-ambiente, o desenvolvimento da fauna e da flora.

3


DESENVOLVIMENTO 1) Parada 1: Solo húmido avermelhado, folhas espalhadas pelo chão, árvore de médio porte e arbustivas, casca grossa, troncos finos e um pouco retorcidas, favorecendo a adaptação de animais que possuem a pele mais grossa como, lagartos, camaleões, cobra entre outros. Sem falar na quantidade de insetos presente nessa parte notamos a presença de diversos artrópodes como a abelha negra, um cupinzeiro e um formigueiro adaptados a ambientes com tais características: incidência direta de sol e clima menos ameno. Encontramos alguns líquenes e fungos aglomerados espécies que necessitam dos ventos para se reproduzirem(os monitores classificaram como fungos). Parada 2: Nessa parada algo notado foi a presença de musgos e líquen(associação entre fungos e algas) , eles estão por toda a parte, solo é mais argiloso e escorregadio. Muito material em decomposição, árvores próxima e com copas cheias, sem vegetação rasteira, essa densidade favorece a estadia de animais de diversos fortes, pois as possibilidades de defesa e alimentação são maiores, fotografamos um mico e uma aranha branca não identificáveis. Parada 3: No mirante: Vemos alguns contrastes, a vegetação mais rala e árvores de grande porte e os prédios na cidade. A temperatura tornou-se mais amena. Parada 4: Há aqui uma diversidade de bambus, a mata fechada e erosões no solo (que julgamos ser devido as chuvas). Fotografamos nessa parte um pássaro chamado Jacu. Parada 5: Vimos também paredes rochosas, mata ciliar e presença de pteridófitas (samambaias) tais plantas depende inteiramente da abundância de água para sobreviverem e se reproduzirem. Um pouco mais abaixo próximo a ela o solo tem um tom grafite que nos disseram (monitores) ser um minério de nome Pirita. Vimos também uma enorme teia de aranha, com aranhas igualmente grandes.

4


2) TRABALHO COM IMAGENS: Na sua opinião a imagem acima se parece com alguma das paisagens observadas em campo? Sim. Justifique sua resposta: Esta imagem se parece com a ilustração 01, porque a mata possui porte mais fechado, porém menos úmida, com troncos mais retorcidos e materiais em decomposição. Descreva a partir das anotações e da análise da imagem as semelhanças observadas (descreva os aspectos geográficos e biológicos da paisagem observada). Ambas as fotos retratam o Cerrado. Observamos isso pela presença marcante de árvores de galhos tortuosos e de pequeno porte. As raízes destes arbustos são profundas, as cascas destas árvores são duras e grossas, as folhas são cobertas de pelos além da presença de gramíneas e ciperáceas no estrado das árvores.

5


Cole uma fotografia retirada em campo ao lado da imagem a seguir. Ilustração 01:

6


Ilustração 02: Na sua opinião a imagem acima se parece com alguma das paisagens observadas em campo? Sim. Justifique sua resposta: Esta imagem se parece com a ilustração 02, pois ambas fazem parte do bioma Cerrado. Possuem uma serra com árvores de pequeno e médio porte na parte de baixo. Descreva a partir das anotações e da análise da imagem as semelhanças observadas (descreva os aspectos geográficos e biológicos da paisagem observada). São delimitadas pelas áreas encharcadas das depressões. Pode também ocorrer em solos rasos, com presença de afloramentos de rochas, possuindo uma composição diferenciada de espécies, com plantas adaptadas a esse ambiente.

7


Cole uma fotografia retirada em campo ao lado da imagem a seguir.

8


Ilustração 03: Na sua opinião a imagem acima se parece com alguma das paisagens observadas em campo? Não. Justifique sua resposta: Esta ilustração não representa um domínio observado no parque. Observamos no Parque somente os biomas da Mata Atlântica e do Cerrado. Descreva a partir das anotações e da análise da imagem as semelhanças observadas (descreva os aspectos geográficos e biológicos da paisagem observada). Cole uma fotografia retirada em campo ao lado da imagem a seguir.

9


Ilustração 04: Na sua opinião a imagem acima se parece com alguma das paisagens observadas em campo? Sim. Justifique sua resposta: Esta fotografia tirada no Parque das Mangabeiras se parece com a ilustração 04 pois ambas fazem parte do bioma Mata Atlântica. Descreva a partir das anotações e da análise da imagem as semelhanças observadas (descreva os aspectos geográficos e biológicos da paisagem observada). Ambas as imagens possuem a presença de árvores de médio e grande porte, formando uma floresta fechada e densa com rica biodiversidade, presença de diversas espécies animais e vegetais. Fauna rica com presença de diversas espécies de mamíferos, anfíbios, aves, insetos, peixes e répteis. As árvores de grande porte formam um microclima na mata, gerando sombra e umidade.

10


Cole uma fotografia retirada em campo ao lado da imagem a seguir.

11


3) ESPÉCIE – é o conjunto de indivíduos semelhantes (estruturalmente, funcionalmente, bioquimicamente) que se reproduzem naturalmente, originando descendentes férteis.

Essa é uma das espécies de bambu que encontramos na parada três. E são semelhantes entre si e se reproduzem.

12


POPULAÇÃO – é o conjunto de indivíduos de mesma espécie que vivem numa mesma área e num determinado período.

Toca fixa de cupins, encontrada na parada um.

13


COMUNIDADE ou BIOCENOSE – é o conjunto de populações de diversas espécies que habitam numa mesma região num determinado período.

Na foto podemos observar diversas espécies, líquen acinzentado ao centro, e outros líquens ao redor. Também observamos nas árvores(outra espécie) mais ao fundo musgos(outra espécie) sobre o tronco.

14


ECOSSITEMA E SISTEMA ECOLOGICO – é um conjunto formado pelo meio ambiente físico ou seja, o BIÓTIPO(formado por fatores abióticos – solo, água, ar) mais a comunidade(formada por componentes biótipos - seres vivos) que com o meio se relacionam

Floresta fechada no fundo de vale, com sua fauna, animais que nela habitam, e as diversas espécies de arbóreas.

15


HABITAT- é o lugar especifico onde uma espécie pode ser encontrada, isto é, seu “ENDEREÇO ” dentro do ecossistema.

Nesta imagem observamos o habitat natural desse mico e de vários outros que se encontram presentes no PARQUE DAS MANGABEIRAS. Eles ficam dentro da floresta no topo das árvores e as vezes se aproximam da trilha.

16


NICHO ECOLÓGICO – É o papel que o organismo desempenha no ecossistema, isto é, e “PROFISSAO ” do organismo no ecossistema. O nicho informa ás custas de que se alimenta, a quem serve de alimento, como se reproduz, etc.

Nesta imagem vemos uma abelha desempenhando sua “PROFISSÃO” , ao pousar nesta flor e em outra da mesma espécie faz a polinização das mesma, possibilitando assim a reprodução dessa espécie de flor.

17


ECÓTONO – é a região de transição entre duas comunidades ou entre dois ecossistemas. Na área de transição vamos encontrar grande número de espécies, e consequentemente grande número de nichos ecológicos.

Vemos aqui diferentes espécies de vegetais juntamente com os fatores abióticos, formando diferentes ecossistemas.

18


BIOTÓPO – Área física na qual os biótipos adaptados a ela e as condições ambientais se apresentam praticamente uniformes.

Vemos aqui os muitos pteridófitos, adaptadas a essa área úmida.

19


BIOSFERA – Toda vida, seja ela animal ou vegetal, ocorre numa faixa denominada biosfera, que inclui a superfície da terra, os rios, os lagos, mares e oceanos e parte da atmosfera. E á vida é só possível nessa faixa porque aí se encontram os gases necessários para as espécies terrestres e aquáticas: Oxigênio e nitrogénio.

Essa imagem mostra uma simples parte de toda a vida presente na Terra.

20


BIOMA – é uma área do espaço geográfico, com dimensões de até mais de um milhão de quilómetros quadrados que tem por características a uniformidade de um microclima definido, de uma determinada formação vegetal, de uma fauna e outros organismos vivos associados, e de outras condições ambientais, como a altitude, o solo, alagamentos, o fogo, a salinidade, entre outros. Estas características todas lhe conferem uma estrutura e uma funcionalidade peculiares, uma ecologia própria.

Esta imagem faz parte do bioma da Mata Atlântica, pois possuem características da vegetação, solo, relevo e do clima.

21


CONCLUSÃO Chegando ao fim desse relatório, podemos concluir que grandes aprendizados foram adquiridos a partir da visita ao parque, além de colocarmos em prática os conceitos vistos em sala de aula pudemos ver as aplicações no meio, ou seja, além de rever e reaprender os conceitos teoricamente eles foram entendidos no meio ambiente, como a fauna e a flora, fatores abióticos e bióticos se correlacionam. O que foi nitidamente perceptível, a mudança dos domínios e consequentemente do tipo de vegetação, animais, clima e solo, além dentre outras coisas, como os domínios observados se inter-relacionam nas matas de transição, e de como os animais transitam entre elas, porém cada uma possui peculiaridades relevantes mesmo quando relativamente próximas. Cada domínio estudado no parque possui espécies de plantas e animais singulares, e cada um se adequa as condições impostas, e foi satisfatório e engrandecedor perceber como cada domínio se auto- sustenta, a partir de todos conceitos observados, de cada informação coletada, e de todos os estudos realizados dentro da sala, no trabalho de campo e de conhecimentos de antes já adquiridos, podemos entender na prática, ao olhar realista e íntimo de como as relações entre os domínios são bem estruturadas e de como tudo tem um porquê dentro do meio, e que cada modificação por mais simples que seja altera toda a forma do meio interagir.

22


TRABALHO DE CAMPO