Page 1

FUNFARME n

o

t

í

c

i

a

s

anos

Ano XIII / Nº 174 - Julho - 2016

MERECIDO RECONHECIMENTO Ao completar 5 anos, a Unidade do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro é homenageada pela Câmara de Rio Preto pela qualidade e humanização de seu atendimento e serviços a milhares de deficientes físicos da cidade e região. Página 3


Revista Funfarme

Editorial

5 anos para celebrarmos muito Nestes oito anos de gestão da atual Diretoria da Funfarme, uma das nossas grandes realizações foi trazer para Rio Preto, em parceria com o Governo de Estado de São Paulo, e incorporar ao nosso complexo hospitalar a Unidade do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, que tem como diretora Dra. Regina Chueire e conta com equipe multidisciplinar formada de médicos fisiatras, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais e profissionais de enfermagem, além dos das áreas administrativa e de apoio. Tão logo ele iniciou suas atividades, fomos surpreendidos pelo enorme número de pessoas com deficiência física, provenientes de toda região, que apareceu e descobrimos que o contingente de cidadãos que necessitavam de atendimento e serviços com a qualidade do Lucy era muito, mas muito maior do que imaginávamos. A carência se traduz no expressivo aumento do número de atendimentos neste curto espaço de tempo. Se em 2012, o Lucy Montoro realizou 32.000 atendimentos, apenas três anos depois, eles saltaram para 68.500. Aumento de 114%. Por trás dos números estão histórias fantásticas e emocionantes de superação dos pacientes graças à sua tenacidade, amor à vida e pelo incentivo e dedicação de todos os profissionais da Unidade rio-pretense. Não por acaso, estes cinco anos foram suficientes para a Unidade ser considerada referência no Estado de São Paulo, como faz questão de dizer a secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Dra. Linamara Battistella. Ao longo destes cinco anos, de várias formas, o Instituto Lucy Montoro teve o reconhecimento por parte da sociedade da qualidade e do modo humanizado com que são atendidos os seus pacientes e da infraestrutura e tecnologias que disponibiliza, equiparadas somente a dos grandes centros no Brasil e exterior. Reconhecimento da comunidade que se manifestou recentemente também através

de homenagem prestada pela Câmara Municipal de Rio Preto, em sessão solene na qual autoridades públicas, profissionais da Unidade, pacientes e seus familiares lotaram o plenário. Foi uma noite de muita emoção, em que celebramos os 5 anos do Instituto Lucy Montoro e seu exemplo de atenção e respeito para com os deficientes físicos, cujo resgate da cidadania a sociedade e os poderes públicos ainda lhes devem. Neste aniversário de 5 anos, nós, da comunidade da Funfarme, celebramos sobretudo histórias como a da dona de casa Munize Chaboli e seu filho Luiz Antônio, de 2 anos, moradores de Tanabi. O pequeno Luiz chegou ao Lucy Montoro um ano atrás sem ao menos conseguir se sentar e hoje dá os primeiros passos. Ou da jornalista Carla Nassif, que, vítima de AVC ano passado, adentrou o Lucy em cadeira de rodas. Há poucos dias, a encontramos praticamente reabilitada, fazendo exercícios para fortalecer as mãos e com largo sorriso estampado no rosto. Não há maior recompensa.

Diretoria Funfarme

Expediente Informativo da Fundação Faculdade Regional de Medicina (Funfarme) Ano XIII/ Nº 174 Julho - 2016 • Diretor Executivo da Funfarme: Dr. Horácio José Ramalho • Vice-Diretor Executivo Funfarme: Dr. José Luís E. Francisco • Diretor Administrativo do HB: Dr. Jorge Fares • Vice-Diretora Administrativa do HB: Dra. Amália Tieco R. Sabbag • Diretor Clínico do HB: Dr. João Fernando Picollo de Oliveira • Vice-Diretor Clínico: Dr. William José Duca 2

Funfarme Notícias - Julho - 2016

• Diretor Técnico: Dr. Paulo Nogueira • Vice-Diretor Técnico: Dr. Maurício de Nassau Machado • Diretor do Hemocentro: Dr. Octávio Ricci Júnior • Diretor do Ambulatório: Dr. Aldenis Borim • Diretora do Lucy Montoro: Dra. Regina Chueire • Diretor do HCM: Dr. Antônio C. T. Gusson • Vice-Diretora do HCM Dra. Eloísa Galão • Diretor Clínico do HCM: Dr. Paulo Poiati Junior • Vice-Diretor Clínico do HCM:

Dr. Wagner Vicensoto • Diretor Técnico do HCM: Carlos Henrique Demarchi • Vice-Diretor Técnico do HCM Gustavo Henrique de Oliveira Produção Editorial: Intermídia Comunicação Empresarial Telefone: 17 3011-5435 Jornalista responsável: MTB 24.527 Jornalista: Fernanda Martinazzi Estagiário: Carlos Cristal Diagramação: Roger Goulart Impressão: Gráfica BomGraf Tiragem: 2000 exemplares


anos

5

Revista Funfarme

de conquistas com o

Inaugurado em meados de 2011, a unidade rio-pretense do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro foi uma das maiores conquistas para o município e região, principalmente no que diz respeito à inclusão da pessoa com deficiência. Em reconhecimento aos cinco anos de relevantes serviços prestados à comunidade pelo Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, a Câmara Municipal de Rio Preto realizou sessão solene no dia 28 de julho, quando entregou medalha e diploma de gratidão a líderes e profissionais da instituição. Durante a sessão, Dr. Horácio Ramalho reiterou que a inauguração do Lucy foi uma das mais importantes realizações nos 8 anos da atual gestão da diretoria da Funfarme. “O Lucy Montoro restituiu a cidadania ao deficiente, sendo um marco em nossa cidade e região”, disse o diretor. Ao receber a homenagem na Câmara, a diretoria do Lucy Montoro, Dra. Regina Chueire, agradeceu o profissionalismo, a qualidade, o empenho e a dedicação de todos os colaboradores da Unidade rio-pretense e a confiança e o apoio dos familiares dos pacientes, fundamentais para o sucesso nestes cinco anos.

Em apenas cinco anos, o número de atendimentos do Lucy passou de

32.000 para 68.500

A diretora do Instituto Lucy Montoro, Dra. Regina Chueire, e o diretorexecutivo da Funfarme, Dr. Horácio Ramalho, recebem medalha e placa da vereadora Alessandra Trigo, autora do projeto que propôs a homenagem

Reconhecimento

A paciente Roseny Freitas e o professor de dança do Instituto, Guto Rodrigues, emocionaram os presentes à solenidade na Câmara

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Dra, Linamara Rizzo Battistella, enviou uma mensagem especial por vídeo. “A equipe da unidade rio-pretense tem expertise e animação, fazendo com que cada dia de trabalho na instituição seja um dia de felicidade para o paciente”. Funfarme Notícias - Junho - 2016

3


Revista Funfarme

Com consumo consciente, Funfarme economiza R$ 2,4 milhões R$ 750 mil Janeiro

Custo do consumo de energia na Funfarme reduz

43%

em 4 meses

R$ 430 mil

Maio

Outro projeto recente foi a troca de 16.402 lâmpadas convencionais por LED, o que proporcionou economia de cerca de meio milhão de

reais por ano.

Outras ações que contribuem para economia Nos últimos anos, muitas outras ações foram adotadas no complexo, várias delas inclusive imperceptíveis ao olhar dos usuários e dos próprios funcionários. Ações tais como: Substituição de motores elétricos de indução por unidades de mais alto rendimento e acionadores de velocidade ajustável.

Substituição e adequação de alimentadores de energia elétrica de grande potência, evitando perdas no transporte desta.

Instalação de banco de capacitores junto as cargas, eliminando circulação de correntes parasitas.

Troca de aparelhos ar condicionado com 10 anos de uso, em média, por modelos mais modernos, eficientes e econômicos.

Substituição de várias outras tecnologias obsoletas de baixo rendimento por outras com alta eficiência, tais como novas autoclaves, sistemas de vácuo hospitalar, sistemas de ar comprimido medicinal, lavadoras extratoras para lavanderia e outros.

A redução foi possível graças ao envolvimento de todos os colaboradores, que fizeram sua parte apagando as luzes e desligando os condicionadores de ar e computadores quando não utilizados! A Funfarme implantou ações na infraestrutura de energia elétrica que resultaram em redução de 28% dos custos e economia anual de R$ 2,4 milhões, dinheiro revertido ao custeio do complexo hospitalar e investimentos na melhoria de sua infraestrutura, serviços e atendimento. Uma das ações adotadas pela Diretoria da Fundação foi suspender o contrato que detinha com uma companhia de energia para aderir ao mercado livre de energia, ou seja, desta forma a Funfarme, como cliente comprador pede às companhias de energia que apresentem suas propostas e decide qual que lhe é mais favorável. Com esta mudança, a fundação conseguiu economia média mensal de R$ 152,5 mil, valor 22% menor do que pagava antes quando comprava no mercado cativo, cujo preço é fixado por tarifas, sem margem de negociação para o cliente.

Como grande consumidor que é, a Funfarme pode negociar com vários fornecedores de energia, buscando a oferta mais favorável para a instituição. Dr. Horácio José Ramalho, diretor-executivo da fundação

HCM também consome menos energia O hospital conta com aquecimento solar, fornecido por 120 placas instaladas em sua cobertura, e o sistema de ar condicionado é totalmente automatizado, o que possibilita significativa economia de energia elétrica.

4

Funfarme Notícias - Julho - 2016


Revista Funfarme

Árvores plantadas no projeto a colorir o complexo

começam

Sete meses após completar o plantio das árvores do Projeto Funfarme/Famerp Verde, as primeiras flores começaram a aparecer. Os ipês de jardim e as quaresmeiras são os primeiros a enfeitar o complexo de amarelo e roxo. Atualmente, o complexo tem 263 árvores, em sua maioria Oitis (160). Com os plantios das novas mudas, em dezembro, o número de árvores na Fundação aumentou em 25% do total já existente. Além disso, das 17 espécies plantadas, 12 delas eram novas no sistema ambiental da Fundação.

O ipê-de-jardim é uma arvoreta bastante ramificada, que pode alcançar 4 a 6 metros de altura, sua floração é maior nos meses mais quentes, mas pode perdurar durante o outono

A quaresmeira é uma árvore de beleza notável, que encanta por sua elegância e exuberante floração. Seu porte geralmente é pequeno a médio, podendo atingir de 8 a 12 metros de altura

Lívia Chessa, de 6 anos, foi uma das crianças que, no Funfarme Verde, plantou uma quaresmeira. A mãe, Lilian, colaboradora do ICA, conta como a filha ficou encantada quando soube do tamanho da árvore. “Eu ainda não a trouxe para ver as novas flores, mas contei o tamanho que a árvore estava e mostrei uma foto. Ela adorou e se sentiu toda orgulhosa”, comentou a colaboradora.

Projeto Funfarme Verde Em dezembro de 2015, filhos de colaboradores da Fundação plantaram cerca de 70 mudas, de 17 espécies nativas e urbanas diferentes nas áreas do complexo, em projeto que previa melhorias na parte ambiental da Funfarme. Além disso, distribuiu aos colaboradores 500 mudas para que eles as plantassem em praças, casas e áreas rurais.

Funfarme Notícias - Julho - 2016

5


Revista Funfarme

Campanha no refeitório diminui quantidade de alimento desperdiçado Na iniciativa de diminuir a quantidade de alimento desperdiçado nas refeições servidas na Fundação, o Serviço de Nutrição e Dietética resolveu trocar as antigas bandejas por pratos no refeitório, no início de junho. Com a ação, o setor economizou em 50% a quantidade de sobra das refeições, já nos primeiros dias. “Era preocupante a quantidade de alimentos que estávamos desperdiçando durante o mês. Chegamos a perder uma tonelada de alimentos. Com a implantação, atingimos nossa meta de desperdício mensal. Mas vamos continuar com as medidas educativas para reduzir ainda mais”, comentou a nutricionista da Funfarme Fabiane de Oliveira.

Colaboradores aprovam a adoção dos pratos Para as colaboradoras do setor de compras, Elisabeth Alves, Célia Hova e Susana Correa, os pratos são muito mais funcionais, porque permitem uma maior noção da quantidade de alimento escolhido na hora de montar a refeição.

Em março, a Funfarme lançou a campanha “Prato limpo, Consciência limpa” e afixou cartazes no refeitório chamando a atenção para o desperdício de alimento.

6

Funfarme Notícias - Julho - 2016


ACONTECEU

Revista Funfarme

Encontro da OPO do HB traz autoridades do Estado e governo federal para discutirem melhorias no sistema de transplantes

A coordenadora substituta do Serviço Nacional de Transplantes, Dra. Patrícia Gonçalves Freire dos Santos fala sobre a realidade atual da área no Brasil à platéia formada por lideranças da Funfarme/HB...

Depois de um crescimento importante no número de doações no país nos últimos 10 anos, de 2014 para 2015 elas estagnaram até com uma leve queda. Nestes últimos 12 meses, o total de doações caiu de 14,2 para 13,9 por milhão de habitantes e está muito longe do que, por exemplo, a Espanha, modelo mundial nesta área, onde são feitas 35 doações por milhão. Esta realidade motivou a Funfarme/Hospital de Base

... e profissionais de 12 hospitais da região, presentes ao Encontro, que recebeu também a diretora técnica da Central de Transplantes – Regional II do Estado de São Paulo, enfermeira Cláudia Wolf

a realizar, pelo terceiro ano consecutivo, o Encontro das Organizações de Procura de Órgãos (OPOs) e Comissões Intra-Hospitalares de Transplantes (CIHT) da Regional de Rio Preto. Entre os dias 11 e 13 de agosto, cerca de 80 profissionais de 12 instituições da região Noroeste do Estado de São Paulo discutiram políticas públicas e ações para aumentar o número de doações e transplantes de órgãos e tecidos.

Treinamento busca melhorar comunicação com familiares para tratar da doação Durante o Encontro, os profissionais participaram de treinamento ministrado pela equipe de Santa Catarina com o objetivo de aprimorarem a comunicação com os familiares dos potenciais doadores. O treinamento contou com palestras teóricas sobre técnicas e uma simulação da conversa com os familiares (fotos ao lado). Embora o índice de recusa dos familiares à doação em nossa Região seja satisfatório, quando comparado com o Brasil, a OPO de Rio Preto decidiu realizar o treinamento para melhorar ainda mais. “Dos familiares consultados, 25% se recusam, enquanto a média do Estado é de 30% e do país, de 45%”, disse Dr. João Fernando Picollo, nefrologista da Funfarme/HB e coordenador da OPO de Rio Preto. “Não estamos satisfeitos. Os profissionais dos hospitais querem melhorar a estrutura e processos que envolvem a doação, captação e transplantes.”

OPO do HB obtém o melhor resultado do Estado em doações Em 2015 Região Noroeste Estado de São Paulo Brasil

Por milhão de habitantes 25 doações 19 doações 14 doações Funfarme Notícias - Julho - 2016

7


Revista Funfarme

ACONTECEU

Profissionais da saúde participam de atualização sobre H1N1 A Funfarme promoveu o Simpósio de Síndrome Respiratória Grave Aguda (SRAG) por Influenza A ou H1N1 para médicos, residentes, alunos, enfermeiros e profissionais da saúde. O intuito do encontro foi demonstrar o panorama da doença no mundo e na região, atualizar e trocar conhecimentos e avaliar perfis dos pacientes para atender de maneira ainda mais eficaz os doentes.

Dra. Maria Lúcia Salomão, coordenadora do NHE, fala aos diretores e profissionais de saúde da fundação, durante o Simpósio

Estas informações auxiliam nossos profissionais e estudantes a qualificar ainda mais os atendimentos voltados a este tipo de gripe, até porque somos referência na região para esses casos . Dra. Maria Lúcia Salomão, coordenadora do NHE da Funfarme

Achei interessante, principalmente porque houve várias abordagens diferentes, das equipes da pneumologia, dos médicos intensivistas, de epidemiologia, sobre o paciente suspeito de ter Influenza A. Se há possibilidade de ter a SRAG, a melhor conduta é tratar o quanto antes. Alexandre Micali de Carvalho, residente de infectologia da Funfarme

Médica da Unicamp faz palestra sobre microangiopatias trombóticas, associadas à síndrome hemolítico-urêmica atípica (SHUa) A Residência Médica da Funfarme/Famerp recebeu Dra. Lilian Monteiro Palma, médica assistente da Disciplina de Nefrologia Pediátrica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com atuação em transplante renal. Ela é mais uma referência nacional a participar do Ciclo de Palestras da Nefrologia, promovido ao longo do ano. Doutora na especialidade pela USP, a médica falou sobre as microangiopatias trombóticas e como associá-las como causa da Síndrome Hemolítico-Urêmica Atípica (SHUa). É importante os médicos nefrologistas saberem cada vez mais sobre a SHUa porque ela causa, além de lesão renal, anemia e diminuição do número de plaquetas e pode progredir para doença renal crônica, tendo o paciente que fazer diálises ou transplante. 8

Funfarme Notícias - Julho - 2016

Antes da palestra, Dra. Lilian Palma foi recebida pelas diretorias da Funfarme e do HB; a partir da esquerda, Drs. Horácio Ramalho, Lilian Monteiro, Jorge Fares, José Esteves e a gerente de empresa farmacêutica, Marília Costa


Revista Funfarme

ACONTECEU

Equipe do Serviço de Urologia da Funfarme/HB, com o vice-presidente da SBU (de terno e óculos)

Vice-presidente da SBU fala sobre tratamento para incontinência urinária a médicos e residentes A Funfarme recebeu o vice-presidente da Seção São Paulo da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU- SP), Dr. Flávio Trigo Rocha, para ministrar aula à equipe do Serviço da Funfarme/ HB sobre a evolução do tratamento da incontinência pós-prostatectomia. Após a explanação do vice-presidente e professor da USP, os médicos e residentes assistiram a outra aula, dada pela colega na Fundação, Dra Ana Paula Bogdan, coordenadora do Departamento de Disfunções Miccionais da SBU-SP. Ao abordar a evolução do tratamento, os médicos destacaram as complicações, casos clínicos, resultados e o uso do sling Argus. Após as palestras, houve uma cirurgia-aula, transmitida ao vivo, demonstrando a técnica utilizada para a colocação do sling.

Buscamos sempre novas alternativas de tratamento aos nossos pacientes. Para isso, investimentos em conhecimento e em aulas como essas. O objetivo é sempre oferecer dignidade e tratamento humanizado aos nossos usuários. Dr. Horácio Ramalho, diretor executivo, na abertura do evento

Médica do Paraná, referência na área de neuroinfectologia, fala das novidades no tratamento da AIDS Dra. Mônica ressaltou, durante o curso, o impacto que as medicações de combate à AIDS têm no sistema neurológico

A aula permitiu ampliarmos nossas condutas para o HIV. Geralmente focamos mais na infecção. A partir da palestra, podemos olhar para outras causas, como o efeito dos medicamentos em pacientes que convivem com HIV/AIDS. Dra. Karen Sanmartin Rogovsky, residente da infectologia da Funfarme

A declaração da residente Karen ao lado dá a dimensão do impacto positivo para os profissionais da Funfarme e seus pacientes graças à aula dada por uma das maiores referências nacionais em doenças neuroinfecciosas, Dra. Monica Gomes. A médica, professora e coordenadora desta área na Universidade Federal do Paraná (UFPR) esteve no HB para falar das implicações neurológicas e em pacientes com AIDS e como detectá-las. Além de proferir sua palestra – cujo tema foi “HIV, AIDS e TARV: O que o SNC tem a ver com isso?!” – Dra. Mônica circulou pela Funfarme, acompanhada pelo Dr. Irineu Maia, chefe da Disciplina de Infectologia, e ficou impressionada com a estrutura do complexo, principalmente no que diz respeito à infectologia. “Espero que o conhecimento aqui compartilhado possa auxiliá-los a identificar problemas neurológicos decorrentes da doença em portadores de HIV e a detectar o quanto antes estes sinais para tratamento precoce”. Funfarme Notícias - Julho - 2016

9


ACONTECEU

Revista Funfarme

No Dia do Amigo, colaboradores do HCM recebem treinamento de relacionamento interpessoal Nos dias 20 e 21, os profissionais das portarias e recepções do HCM receberam treinamento interpessoal, em comemoração ao dia do Amigo, celebrado em 20 de julho. Durante o curso, oferecido pelo RH, psicologia e administração da instituição, os colaboradores participaram de dinâmicas motivacionais e aprenderam sobre empatia, tudo com o intuito de perceberem o outro e suas necessidades e, assim, oferecerem um atendimento ainda mais humanizado e de qualidade. Veja as fotos das reuniões na intranet.

Profissionais do SHL passam por treinamento sobre a intranet

Kátia Pereira, do CIEPS (blusa branca), com as colaboradoras do SHL

Cerca de 120 profissionais do SHL receberam treinamento com noções sobre a intranet, opções e primeiros acessos. No total, foram 15 turmas, revezadas nos meses de junho e julho. As aulas tinham duração de meia hora e foram ministradas nos três períodos: manhã, tarde e noite. A ordem da diretoria é que todos tenham acesso ao canal oficial de comunicação da instituição.

A necessidade do acesso destes colaboradores ao ambiente virtual surgiu em uma das reuniões do Café com a Diretoria.

Eulalia Barbosa, ao centro, foi quem deu a sugestão durante o café com a diretoria. Ao lado, os coordenadores do Serviço de Higienização e Limpeza da Funfarme, Pablo Henrique e Iraci Finco 10 Funfarme Notícias - Julho - 2016


Revista Funfarme

ACONTECEU

HCM faz capacitação de brinquedistas Com intuito de continuar oferecendo um tratamento de excelência, que abranja mais que as terapêuticas, o Hospital da Criança e Maternidade começou, em julho, o treinamento de novos voluntários brinquedistas. A intenção é que as brinquedotecas da Pediatria, localizadas nos sexto e sétimo andares, funcionem todos os dias da semana, inclusive aos sábados, domingos e feriados, o que não acontece ainda por falta de pessoal preparado para atuar na área.

“Ser voluntário só te faz bem!” A frase acima resume tudo e é compartilhada pela profissional de RH Célia Regina Macedo e a professora Juliana Bichofre Peres, que encontraram no ser voluntário brinquedista não uma forma de ocupação para a ociosidade pós-aposentadoria, mas uma deliciosa troca intensa de amor, afeto, carinho e todos os sentimentos imprescindíveis ao ser humano.

Juliana

Juliana (sentada) e Célia (à direita) com a paciente Ana Evelyn e sua mãe, Sueli

Celia Regina

Após 30 anos lecionando para crianças, Juliana se viu em casa, no final do ano passado, aposentada. “Ficou um vazio enorme.” Ao saber do curso de brinquedistas, inscreveu-se imediatamente e, desde fevereiro, está realizada. “O voluntariado preencheu todo o vazio que eu sentia. É uma alegria enorme poder estar com as crianças e receber o carinho delas. O convívio com as outras brinquedistas e com os profissionais permite uma troca de experiência muito rica.”

Perguntada sobre a profissão, Célia brinca: “Sou vó”. Aposentada há seis anos, ela dedicava-se ao neto, mas, ao saber também do curso de brinquedista, aderiu e comemora: “No primeiro dia como voluntária no HCM, me apaixonei logo de cara. As histórias, o carinho das crianças e a gratidão dos pais e avós me fortalecem. Presencio tantas histórias incríveis aqui que volto para casa revigorada.”

Residentes multiprofissionais promovem campanha sobre câncer de cabeça e pescoço

Profissionais e residentes da fonoaudiologia do Ambulatório, HB e ICA promoveram campanha de conscientização sobre câncer de cabeça e pescoço. Em estande montado na Emergência do SUS, mais de 10 profissionais deram orientações sobre fatores de risco, sinais e sintomas, além de fazerem em uma rápida triagem vocal. Para Arianny Cíntia de Souza, residente multiprofissional em atenção ao câncer da Fundação, “a orientação à população é fundamental, pois o quanto antes se fizer o diagnóstico, melhor será para o tratamento e para uma possível remissão da doença”. Quem apresentou sintoma foi aconselhado a procurar o serviço de saúde mais próximo de casa. Funfarme Notícias - Julho - 2016 11


ACONTECEU

Revista Funfarme

Semana de Aleitamento promove encontro de mães de bebês prematuros, apresentação do Grupo de Apoio à Amamentação e palestra à comunidade

Com o objetivo de apoiar, orientar e incentivar a prática de aleitamento materno, o HCM participou, em parceira com o Banco de Leite Humano e outras instituições, da 25ª Semana Mundial de Aleitamento Materno, nos dias 1º a 5 de agosto. No dia 1º, foi realizada uma reunião com mães de bebês prematuros e algumas puderam contar a experiência de amamentar. Também durante o evento, foram apresentadas as profissionais do recém-criado Grupo de Apoio à Amamentação, que dará assistência às mães internadas ou com seus bebês internados, além de oferecer suporte às mães que já foram para casa, com atendimento 24h por telefone, para sanar as dúvidas. Adriana Evelin Batista, do Setor do Faturamento, foi uma das mães escolhidas para contar um pouco sobre a importância do leite materno a bebês prematuros. Ela fez questão de participar da reunião ao lado do filho Otávio, de 7 anos, que nasceu prematuramente e ficou internado por 4 meses na UTI Neonatal. “Foi um período difícil, porque meu sonho sempre foi amamentar. Naquela época, pude contar com o apoio de toda uma equipe que me instruiu e colaborou para que meu filho estivesse aqui hoje”, disse Adriana, emocionada.

No encerramento, o presidente da Academia Brasileira de Pediatria, Dr. José Martins Filho, ministrou duas palestras, uma à comunidade e outra para os profissionais do hospital. Pediatra há mais de 40 anos, com doutorado em medicina pela Unicamp, onde foi reitor e vice-reitor, Dr. José Martins Filho explanou sobre o tema “Desmame Precoce e a Terceirização da Infância”. O médico ainda é autor de oito livros e um dos profissionais que mais atuou para pressionar as autoridades públicas a aumentar a licença maternidade no Brasil de 3 para 4 meses e que agora luta para estendê-la para um ano. 12 Funfarme Notícias - Julho - 2016

Por sermos um hospital de ensino, temos que ser multiplicadores para conscientizar nossos pacientes e colaboradores sobre o quanto é vital o leite materno para o desenvolvimento da criança. Dr. Antonio Carlos Gusson, diretor do HCM


ACONTECEU

Revista Funfarme

Funfarme traz cozinha itinerante que ensina alimentação balanceada e saborosa

O diretor-executivo da Funfarme, Dr. Horácio José Ramalho, e o diretor administrativo do HB, Dr. Jorge Fares, foram conferir se a criançada tinha talento para mestre-cucas

Em parceria com o Sesi, Serviço Social da Indústria, a Funfarme trouxe, entre os dias 21 de junho a 15 de julho, uma cozinha itinerante, toda equipada com aparelhos e utensílios culinários modernos, que serviu de sala de aula para ensinar gratuitamente aos colaboradores da Fundação a cozinharem de maneira divertida, nutritiva, saborosa e saudável. Ao todo, a atividade envolveu mais de 800 participantes.

Uma das colaboradoras que fizeram questão de participar das aulas foi a técnica de enfermagem do Centro Cirúrgico da Oftalmologia, Helena de Souza Cunha. “Estou no 3º ano de nutrição e faço a faculdade com apoio da instituição. Além disso, sempre gostei de cozinhar. Todos os cursos são válidos, principalmente porque, como profissionais da saúde, temos de saber fazer a comida de maneira nutritiva e passar isto ao paciente. Nos tornamos multiplicadoras”, conta colaboradora. Ela ainda ressalta que, por meio da boa alimentação, já perdeu 25kg e diminuiu o alto teor de açúcar no sangue e a hipertensão.

Enquanto acompanhava os filhos, Pedro e Joaquim, na aula especial às crianças, a colaboradora Renata Fleming, do SESMT da Funfarme, comentava: “Eles sempre estão por perto quando estou cozinhando e fazem questão de ajudar no preparo de algumas coisas”, disse Renata.

Funfarme Notícias - Julho - 2016 13


Revista Funfarme

Funfarme promove integração de terceirizados A Superintendência administrativa, junto às lideranças da Hotelaria, Segurança Patrimonial, SESMT, Manutenção e Serviço de Higiene e Limpeza da Fundação promoveram nos dias 26, 27 e 28 de julho, mais uma edição da integração das empresas terceirizadas. A estimativa é que cerca de 260 colaboradores e enfermeiras responsável dessas empresas das áreas de Higiene/Limpeza, Portaria, Vigilância Patrimonial, Motoristas e Motofretistas tenham participado do evento. Segundo o superintendente, Osmar Silva, o intuito é acolher estes profissionais, apresentando a Fundação por meio de vídeo institucional, introduzir normas básicas e técnicas em todas as áreas em que irão atuar, visando a proteção de toda comunidade que circula diariamente na instituição e a segurança dos pacientes.

Sob a coordenação do superintendente administrativo, Osmar da Silva (camisa cinza), as lideranças de cada setor foram apresentadas aos novos terceirizados e colocaram-se à disposição para esclarecerem qualquer dúvida

Ao estar na Integração, pude ter mais conhecimento sobre a história do hospital, as normas e procedimentos do trabalho. Por exemplo, muitos de nós não sabíamos sobre algumas normas do dia a dia, se eram leis e se realmente vigoravam. Foi uma das muitas informações importantes que nos passaram.. Caio Santos, vigilante patrimonial há três anos no Hospital de Base

Momentos de reflexão

Apenas um terno Quando eu comecei a ministrar aulas, tinha apenas um terno. E com meu fiel companheiro de cor preta, de tecido sintético, ia todos os dias exercer a minha paixão. Numa noite, dessas que se seguem a dias que começam mal, uma aluna inconveniente fez um comentário em sala de aula: “Você só tem este terno?”. Eu ruborizei, não respondi e segui com a aula. Saí daquela sala com um misto de vergonha e raiva. Mas segui. Firme. Cabeça erguida. No dia seguinte, recebi um e-mail de uma outra aluna, da mesma sala, essa de alma iluminada. No e-mail me contava a história do seu pai, o Sr. Toninho, filho do Sr. Osterno. Um renomado advogado que, em cidade pequena, era Toninho do Osterno, falando-se 14 Funfarme Notícias - Julho - 2016

rápido, “Toninho dos Terno”. Tinha ele também poucos ternos, a despeito do que se induzia pelo nome, mas competência de sobra. Acordei hoje nostálgico dessa história e de como esse e-mail mudou minha vida naqueles dias e para sempre. Fez-me compreender que o verdadeiro valor está no conhecimento. Por isso, ainda hoje, mesmo tendo outros ternos, prefiro ministrar aulas sem eles. Porque eles não me fazem o que sou. Porque sou mais do que aquilo que os olhos podem ver e julgar precipitadamente.

Dr. Luiz Loraschi, advogado Funfarme


Revista Funfarme

Colaboradores se aposentam na Funfarme e recebem homenagem aos anos de serviços prestados A todos os colaboradores, nossos eternos agradecimentos! Vocês foram muito importante para o crescimento da nossa Fundação. Dr. Horácio Ramalho, diretor executivo da Funfarme

Após 29 e 27 anos de empenho, respectivamente na Manutenção e no SHL, os colaboradores Claudiomar Soldeira e Maria Aparecida Teixeira de Souza receberam homenagem da Diretoria, no dia 3 de agosto, com a presença dos colegas, em festa de despedida.

Cacilda de Oliveira, do PABX, foi ovacionada em sua despedida, no dia 27 de julho. Parte da diretoria e alguns colaboradores fizeram questão de agradecer pessoalmente aos 30 anos de trabalho na Funfarme.

Na equipe de enfermagem da Funfarme há mais de duas décadas, Celia Regina Martins, de azul, e Tereza Cristina Pacheco receberam placa em homenagem trabalho dedicado à Fundação, no dia 4 de agosto.

No dia 1º de julho, a emoção tomou conta do Núcleo de Faturamento da Funfarme, quando os colaboradores prepararam festa surpresa de despedida para Maria de Lurdes, (ao centro), que se aposentou após 28 anos na instituição. Funfarme Notícias - Julho - 2016 15


Revista Funfarme

A general mãezona

Biblioteca

PERFIL

Dicas de livros da “Biblioteca Dr. José Paulo Cipullo”, situada no térreo do HB. Colaboradores, pacientes e acompanhantes podem retirá-los. Informações no ramal 1843.

Anticâncer

De David Servan-Schreiber

Adenirce tem os colegas do trabalho como familiares, aliás, mãe de três filhos e com quatro netos, já teve o marido e a filha como colegas de trabalho da Funfarme e, atualmente, o cunhado é colaborador da fundação

“Já comeram?” Adenirce Aparecida Trindade Salmazo interrompe a entrevista para se certificar de que os colegas de trabalho estão bem alimentados. Neste estilo bem mãezona, a colaboradora do HCM, há 25 anos atuando na Área Operacional, diz amar o “corre-corre” do complexo hospitalar e, principalmente, os colegas de trabalho. “Gosto de todo mundo aqui e, justamente por isso, ponho ordem em tudo e todos. Gosto das coisas certinhas, sabe?” indaga. É aí que aparece o outro lado de Adenirce: a “general”. De tão correta na condução de suas atividades e dos processos em que está envolvida, a operacional orgulha-se de nunca ter sido advertida em suas duas décadas e meia na Funfarme. “Se eu não me importasse com eles, nem falaria nada”, explica. Apesar de rígida, a colaboradora não dispensa a brincadeira. “Costumo dizer que, na Funfarme, a vida é feita de aprendizado e, se não tivermos momentos de descontração, acaba ficando difícil, né?” Se para Adenirce o trabalho na Fundação é aprendizado, em casa, a labuta é lazer. “Sempre vivi no campo. Moro numa chácara, onde cuidar da minha hortinha e das minhas galinhas é terapia.” De repente, bem a seu estilo, ela dispara: “Agora vamos trabalhar porque o serviço está batendo à porta!”. Distribui abraços, tapinhas e encerra a conversa, esbanjando carinho e autoridade, na medida certa.

Entrelaçando lazer e aprendizado

16 Funfarme Notícias - Julho - 2016

Depois de todos afazeres na Fundação e em casa, Adenirce gosta de fazer seus trabalhos manuais: crochê, tricô e, principalmente, o crochê em tear. Aliás, este último artesanato, ela aprendeu durante seus 15 minutos de descanso com várias pacientes. “Eu ia lá bedelhar o que estavam fazendo. Quando vi as madeiras, os pregos e elas tecendo naquela estrutura, me apaixonei. Depois que termino as obrigações, vou para meu tearzinho fazer meus cachecóis”.

Como todo organismo vivo, o corpo humano fabrica células defeituosas permanentemente. Mas é o próprio organismo, também equipado com múltiplos mecanismos, que permite detectá-las e contê-las. Este princípio científico é a base que ajudou o médico e pesquisador David Servan-Schreiber a superar o câncer e, em seguida, escrever o livro Anticâncer, que se tornou o mais vendido no mundo sobre o assunto.

Empresas feitas para vencer De Jim Collins

Considerado, pela Time Magazine, um dos livros de negócios mais importantes de todos os tempos, esta obra seminal de Jim Collins responde a seguinte pergunta: Como empresas boas, medianas e até ruins podem atingir uma qualidade duradoura? Collins apresenta exemplos que desafiam a lógica e transformam a mediocridade em uma superioridade duradoura. O autor apresenta também quais são as características universais que levam uma empresa a se tornar excelente e outras não. Os resultados do estudo irão surpreender muitos leitores e lançar novas abordagens sobre quase todas as áreas da gestão.

Guia politicamente incorreto da história do Brasil De Leandro Narloch

Existe um esquema tão repetido para contar a história do Brasil, que basta misturar chavões, mudar datas ou nomes, e pronto. Você já pode passar em qualquer prova de história na escola. Nesse livro, o jornalista Leandro Narloch prefere adotar uma postura diferente que vai além dos mocinhos e bandidos tão conhecidos. É verdade: esse guia enfurecerá muitas pessoas. Porém, é também verdade que a história, assim, fica muito mais interessante e saborosa para quem a lê.


PERFIL

Revista Funfarme

30 anos na lavanderia do HB

Uma história para ‘lavar’ a alma Com 30 anos de Funfarme, Izabel Prado, ou a Bel, como é conhecida na instituição, é considerada “uma máquina de lavar e passar”. Muito dedicada, entrou no HB quando o complexo era bem menor e, por dois anos, tocou a lavanderia do hospital sozinha. Natural de Cardoso, Isabel veio a Rio Preto com a família quando tinha 12 anos. Aqui alternou trabalhos em casa de família até se estabelecer. Vir ao HB é tão comum que, até nas folgas, ela aparece. “Têm dias que chego ao hospital, me troco para começar a trabalhar e alguma colega me pergunta se não estou de folga. Só aí que me dou conta e vou embora”, disse aos risos a colaboradora de 66 anos. Parceira de Izabel há 25 anos, Adevania Caro, encarregada da Lavanderia, faz questão de ressaltar o quanto ela é importante para o setor. “A Bel não é só uma excelente colaboradora, mas um exemplo para todos. Em todo esse tempo, nunca faltou sem justificativa ou recebeu advertência.”

Eu amo trabalhar nesse hospital. Amo meus colegas de trabalho. Não sei o que vai ser da minha vida quando eu sair. Então nem penso nisso. Izabel Prado

O sucesso da Bel é tão grande no setor que, para comemorar os 30 anos dedicados à Fundação, os amigos preparam uma festa Funfarme Notícias - Julho - 2016 17


Revista Funfarme

Arraiais

Nos meses de junho e julho, diversos setores da Funfarme organizaram seus arraias. Confira as fotos:

Fisioterapia do Ambulatório Hemodiálise

Radiologia

Oncologia Pediátrica

Serviço de Nutrição e Dietética Transplante de Medula Óssea

18 Funfarme Notícias - Julho - 2016

da


Revista Funfarme

Funfarme

Faturamento Fisioterapia do Ambulatório

Instituto do Câncer Ginecologia HB

Central de Exames e Documentação, Gerenciamento e Agendas, Núcleos de Contratos e Assessoria de Imprensa

Centro Integrado de Pesquisa

Funfarme Notícias - Julho - 2016 19


Revista Funfarme

Síndrome de Guillain-Barré Tabela 1 - Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (DNC), notificadas no NHE/HB/FUNFARME no período de janeiro a junho de 2016. A Síndrome de Guillain-Barré (SGB) é a maior causa de paralisia flácida generalizada no mundo, com incidência anual de 1–4 casos por 100.000 habitantes e pico entre 20 e 40 anos de idade. Inexistem dados epidemiológicos específicos para o Brasil. O que é Síndrome de Guillain-Barré (SGB)? É uma doença de caráter autoimune que acomete a porção proximal dos nervos periféricos de forma aguda ou subaguda. Cerca de 60% a 70% dos pacientes apresentam alguma doença aguda precedente (1 a 3 semanas antes), sendo a infecção por Campilobacter jejuni a mais frequente (32%), seguida por citomegalovírus (13%), vírus Epstein Barr (10%) e outras infecções virais, tais como hepatite por vírus tipo A, B e C, influenza e vírus da imunodeficiência humana (HIV). Outros fatores precipitantes de menor importância são intervenção cirúrgica, imunização e gravidez . Qual é o quadro clinico? Inicia com sensação de parestesia nas extremidades distais dos membros inferiores e, em seguida, superiores. Dor neuropática lombar ou nas pernas em 50% dos casos. Fraqueza progressiva ocorrendo dos membros inferiores, braços, tronco, cabeça e pescoço. A intensidade pode variar desde fraqueza leve, que motiva a busca por atendimento médico na atenção básica, até ocorrência de tetraplegia completa com necessidade de ventilação mecânica (VM) por paralisia de musculatura respiratória acessória. A doença usualmente progride por 2 a 4 semanas, sendo que 50% a 75% dos pacientes na segunda semana, 80% a 92% até a terceira semana e 90% a 94% até a quarta semana. Insuficiência respiratória com necessidade de VM ocorre em até 30% dos pacientes nessa fase. Como é o diagnóstico? É primeiramente clínico, sendo complementado com análise do líquido cefalorraquidiano. Um recente estudo demonstrou-se que de 42 pacientes diagnosticados com SGB, 98% tiveram anticorpos antivírus Zika IgM ou IgG detectável. Qual é o tratamento? É realizado de duas formas: manejo das comorbidades associadas e o tratamento específico dos sinais e sintomas da SGB acelerando o processo de recuperação diminuindo as complicações associadas à fase aguda e reduzindo os déficits neurológicos residuais em longo prazo. Inclui o uso de plasmaférese e imunoglobulina humana intravenosa (IgIV), sendo na dose 0,4g/kg/dia, por via intravenosa, por 5 dias. Os benefícios esperados da imunoglobulina são a diminuição do tempo para o restabelecimento da capacidade de deambular, diminuição do numero de pacientes com utilização da ventilação mecânica e diminuição da mortalidade em 1 ano. A identificação de fatores de risco e da doença em seu estágio inicial e o encaminhamento ágil e adequado para o atendimento especializado na Atenção Básica possibiluitam um melhor resultado terapêutico e prognóstico dos casos. Qual é a evolução? De 5% a 7% dos paciente evoluem para a morte, geralmente resultante de insuficiência respiratória, pneumonia aspirativa, embolia pulmonar, arritmias cardíacas e sepse hospitalar. Os fatores de risco para um mau prognóstico funcional são idade acima dos 50 anos, diarreia precedente, início abrupto de fraqueza grave (menos de 7 dias), necessidade de VM e amplitude do potencial da condução neural motora menor que 20% do limite normal. O prognóstico motor é melhor nas crianças, pois necessitam menos de suporte ventilatório e recuperam-se com maior rapidez. Recorrência em até 3% dos casos, não havendo relação com a forma de tratamento utilizada na fase aguda. Mais informações em: http://www.saude.ba.gov.br/novoportal/images/stories/PDF/protocolo-sindrome-guillain-barre-livro-2009.pdf ftp://ftp.cve.saude.sp.gov.br/doc_tec/outros/protocolo16_vig_sindrome_guillain_barre. pdf

Atualmente investiga-se a relação dos casos que evoluem com SGB e o Zika Virus. No HB no ano de 2016 observou-se 4 pacientes com Síndrome Guillain-Barré SGB. Deste 3 em evolução e 1 óbito. ATENÇÃO: Síndrome Guillain-Barré A partir de Junho de 2016, a Síndrome Guillain-Barré é uma Doença de Notificação Compulsória. (SMS – SJRP, 2016) Doenças de Notificação Compulsória! - NOTIFIQUE NHE/FUNFARME Ramais do NHE/HB – 1380 e 1837 . Segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30. HTTP://www.hospitaldebase.com.br/nhe À noite, nos finais de semana e feriados, o telefone do plantão da Vigilância Epidemiológica do município de São José do Rio Preto: 17 - 99784-8863. 20 Funfarme Notícias - Julho - 2016

Fonte: SINANnet-SINANweb-FIN-FII-NHE/HB/HCM/ FUNFARME Dengue e influenza até 18/07/2016 Not. (notificados) Conf.(confirmados)

Revista hb julho 2016  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you