Page 1

FUNFARME n

o

t

í

c

i

a

s

Ano XIII / Nº 165 - 16 a 30 de setembro - 2015

HCM realiza seu primeiro transplante de coração

A cirurgia mobilizou médicos e profissionais do HCM, das Organizações de Procura de Órgãos do HB e do Hospital das Clínicas de São Paulo, além de contar com a ajuda do helicóptero da Polícia Civil. Páginas 10 e 11


Revista Funfarme

Editorial

Vivemos um momento econômico desafiador O atual cenário econômico no Brasil não é bom e se torna desafiador, tanto para as empresas e instituições, sendo a área da saúde a mais afetada, como para os colaboradores em suas vidas privadas. A crise financeira tem sido foco de notícias diárias nos mais variados canais de comunicação e se tornou um dos assuntos mais discutidos e preocupantes. Afinal, não há uma previsão concreta do que pode acontecer nas próximas semanas, meses ou ano. Mesmo assim, devemos afastar o pessimismo. O que precisamos neste momento é da união de todos. O desperdício deve ser combatido, todas as ideias são bem vindas. Você, melhor do que ninguém, conhece seu setor e sabe onde pode

ter melhorias e gerar economias e mais eficiência. Podemos, juntos, iniciar as mudanças, que são refletidas em benefício de todos. A conscientização nos leva mais próximos da saída dessa crise. Por pior que a situação possa parecer, ela não será duradoura e só podemos enfrentar as crises trabalhando e com otimismo. E isto não se faz acomodado ou reclamando. Isso se faz com mudanças, com ideias e determinação. A crise, muitas vezes é momento para criar, inovar e crescer. Unidos, podemos sair dessa turbulência mais fortes, mais qualificados e mais eficientes. Contamos com vocês para superar este momento e vencermos juntos.

Dr. Horácio José Ramalho - Diretor Executivo da Funfarme

Marcio França, Vice-Governador e Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, visita o Complexo Funfarme/Famerp “A estrutura e a maneira de se administrar da Famerp/Funfarme são incomparáveis. Vocês são exemplo para as grandes Universidades do Estado”. A afirmação veio do vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo, Márcio França, durante visita à Famerp e à Unidade do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, no dia 16 de setembro. Neste mês em que o Lucy Montoro de Rio Preto completa quatro anos de funcionamento, Márcio França fez questão de conhecer a Unidade de Robótica do instituto, cujos robôs foram adquiridos com recursos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. O vice-governador experimentou os robôs, dizendo-se impressionado com os resultados obtidos com seu uso.

Vice-governador e Secretário de Desenvolvimento Econômico, Márcio França (quinto da esquerda para direita), com lideranças da Funfarme

Expediente Informativo da Fundação Faculdade Regional de Medicina (Funfarme) Ano XIII/ Nº 165 - 16 a 30 de setembro - 2015 • Diretor Executivo da Funfarme: Dr. Horácio José Ramalho • Vice-Diretor Executivo Funfarme: Dr. José Luís E. Francisco • Diretor Administrativo do HB: Dr. Jorge Fares • Vice-Diretora Administrativa do HB: Dra. Amália Tieco R. Sabbag • Diretor Clínico do HB: Dr. João Fernando Picollo de Oliveira 2

Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

• Vice-Diretor Clínico: Dr. William José Duca • Diretor Técnico: Dr. Paulo Nogueira • Vice-Diretor Técnico: Dr. Maurício de Nassau Machado • Diretor do Hemocentro: Dr. Octávio Ricci Júnior • Diretor do Ambulatório: Dr. Aldenis Borim • Diretora do Lucy Montoro: Dra. Regina Chueire • Diretoria do HCM: Dr. Antônio C. T. Gusson e Dra. Eloísa Galão • Diretor Clínico do HCM:

Dr. Paulo Poiati Junior • Vice-Diretor Clínico do HCM: Dr. Wagner Vicensoto Produção Editorial: Intermídia Comunicação Empresarial Telefone: 17 3011-5435 Jornalista responsável: MTB 24.527 Jornalista: Fernanda Martinazzi Estagiário: Carlos Cristal Diagramação: Roger Goulart Impressão: Gráfica São Sebastião Tiragem: 2000 exemplares


Revista Funfarme

Telemedicina é nova aliada no ensino e atuação médica do HCM

Equipe da GO, estudantes de medicina e profissionais da TI do HCM após encontro científico

Em setembro, as aulas e discussões de casos médicos no HCM ganharam nova aliada, a Telemedicina. Por meio de aparato de tecnologia da informação, o Centro Interdepartamental de Medicina Fetal (Cimef) passou a promover teleconferências, transmitidas no anfiteatro do hospital, com profissionais de outros centros de saúde, como das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Ribeirão. São dois encontros por semana. Às segundas, ginecologistas e obstetras reúnem-se para discutir os casos mais relevantes da especialidade que ocorreram na semana. A partir disso, os médicos trocam experiências, decidem como atuar com cada paciente e se será necessário direcioná-lo para outros serviços. Às sextas, participam de uma reunião científica com convidados que trazem novos questionamentos da área médica. Nestes encontros, o ensino também é beneficiado com a interatividade propiciada pelo sistema. Com capacidade de receber até 60 residentes e alunos de medicina, os participantes interagem com a aula dada utilizando um aparelho que, imediatamente, gera respostas às perguntas propostas. Nos 30 segundos que têm para escolherem a alternativa correta, uma música é colocada para descontrair o ambiente. “A interatividade que temos, prende nossa atenção. É muito bom o sistema e as aulas diferenciadas”, pontuou Dra. Débora Pagam, residente da G.O.

Estudantes escolhem melhor alternativa ao som de “Escravos de Jó”

O que é o Cimef?

Telemedicina

Investimento

Grupo de profissionais da Funfarme e Famerp, que une os serviços da Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria e Cirurgia Pediátrica, Radiologia, Genética Médica, Anestesia e Psicologia.

É o exercício da medicina, praticada à distância, por meio de aparato tecnológico que une dois ou mais pontos em qualquer lugar do país.

Foram Investidos 55 mil reais na compra de diversos equipamentos de tecnologia que possibilitam a transmissão de vídeo, áudio e dados.

As informações oferecidas a partir deste relatório nos permite conduzir melhor nosso ensino. Sabemos onde reforçar mais o aprendizado, o interesse por uma determinada área, entre outros. Temos de nos adaptar a novas realidades. Por meio da interatividade dos aparelhos conseguimos prender mais atenção dos estudantes. Dr. Antonio Hélio Oliani, obstetra e um dos responsáveis pelo do Cimef Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

3


Revista Funfarme

Expectativa positiva após visita do Ministério da Saúde para credenciamento do HB como centro de transplante de pulmão Em, no máximo, três meses, o Serviço de Transplante de Pulmão do HB deve finalmente iniciar os procedimentos que salvarão as vidas de pacientes a espera do órgão. Esta é a boa notícia, a julgar pela avaliação dos representantes do Ministério da Saúde (MS) que fizeram a visita técnica ao hospital, na manhã do dia, 18 de setembro. “A expectativa é positiva com relação o credenciamento do serviço, pois o hospital mostra ter equipe preparada e infraestrutura para fazer os transplantes. É interesse do Ministério da Saúde ter mais centros transplantadores, pois a demanda de pacientes é grande”, afirmou o cirurgião torácico Antero Gomes Neto, representante da Câmara Técnica de Transplante de Pulmão do Ministério da Saúde. Ao recepcionar a equipe do Ministério, o diretor executivo da Funfarme, Dr. Horácio José Ramalho, ressaltou o empenho do HB para capacitar a equipe e preparar uma estrutura para oferecer o melhor atendimento aos pacientes. “São três anos de muito trabalho, durante os quais os médicos e equipe multidisciplinar passaram por capacitação nos principais centros transplantadores do Brasil e do Canadá”, afirmou Dr. Horácio. “Depois da visita, é ainda maior a certeza do credenciamento pelo Ministério. Temos tudo pronto para oferecer o melhor aos nossos pacientes”, disse o coordenador do Programa de Transplante de Pulmão do HB, o cirurgião torácico Henrique Nietmann.

Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

200 pessoas

esperam por um transplante de pulmão no país

SP

110 pacientes

aguardam, no Estado de São Paulo, por este tipo de transplante

No total, 13 RP pessoas em tratamento no HB pleiteiam uma vaga na filano país

Representantes do Ministério conversam com diretores da Funfarme/Famerp e equipe de transplante de pulmão do HB

Equipe do Programa de Transplante de Pulmão do HB, com representantes do Ministério da Saúde, Dr. Antero (ao centro, de paletó) e Diego Emilio (de roxo)

4

BR


Revista Funfarme

anos

4 Equipe do Lucy que trabalha há 4 anos para reabilitação e inclusão do paciente com deficiência

Em comemoração aos seus quatro anos de funcionamento, a Unidade de Rio Preto do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro realiza o Ciclo de Palestras da Pessoa com Deficiência e Cidadania, reunindo como palestrantes referências locais e nacionais no assunto. O evento começou em grande estilo, com a palestra de Mara Gabrilli, deputada federal e primeira titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da cidade de São Paulo. No segundo encontro do Ciclo, o auditório mais uma vez lotou para uma conversa contagiante com o paratleta da Seleção Brasileira de Basquete sobre Rodas e presidente do CAD, Paulo Jatobá. No terceiro encontro, em 24 de setembro, quem ministrou palestra foi o Promotor de Justiça da região de Rio Preto, Dr. Sérgio Clementino. A última conversa foi no dia 25 de setembro, com a Dra. Linamara Basttistella, Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

O que o Lucy fez em 4 anos

6.000 pessoas beneficiadas 38.800 atendimentos médicos atendimentos de

172.000 outras especialidades 8.550

órteses, próteses, meios de locomoção e dispositivos de auxílio entregues

O Lucy Montoro não oferece apenas atendimento profissional. Devolvemos os pacientes reabilitados para o convívio social e a suas famílias. Este é o diferencial do Instituto. Dr. Horácio Ramalho, diretor executivo da Funfarme

Dr. Horário Ramalho fala na abertura do ciclo Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

5


Revista Funfarme

O esporte não é somente para quem quer seguir carreira, mas para dar motivação, aumentar a autoestima e promover a inclusão social da pessoa com deficiência. A partir do momento que se criam normas, dá-se a estas pessoas dignidade, qualidade de vida e fomenta a inclusão.

Paulo “Jatobá”, paratleta da seleção Brasileira de Basquete sobre Rodas

Dr. Sérgio Clementino, Promotor de Justiça

Mara Gabrilli, dá palestra para o anfiteatro lotado do HCM

Lutei sempre pelos meus direitos porque, se eu não me sentisse incluída na sociedade, como eu iria trabalhar para incluir os outros deficientes? Mara Gabrilli, Deputada Federal

As palestras foram ministradas a médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e outros profissionais envolvidos na reabilitação, deficientes físicos e familiares

6

Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

O Lucy Montoro é um marco para São Paulo e orgulho para nossa região, pois tem como filosofia tratar o deficiente como cidadão, com a dignidade que merece. Dra. Regina Chueire, diretora do Lucy de Rio Preto

Paciente do Lucy, Maria Eduarda Marques presenteia Dr. Sérgio Clementino


Revista Funfarme

Lucy encerra comemorações de seus 4 anos com palestra da secretária de Estado de Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Battistella

anos

4

A quarta e última palestra foi proferida pela secretária de Estado de Direitos da Pessoa com Deficiência, a fisiatra Linamara Battistella, que abordou como tema “Pessoas com Deficiência e Tecnologia”. A secretária iniciou a palestra ressaltando que as pessoas com deficiência devem exigir que seus direitos sejam atendidos e que a elas sejam oferecidas condições para sua reinserção na sociedade. “A Constituição brasileira determina que os poderes públicos estendam às pessoas com deficiência a mesma amplitude, qualidade e padrão de programas de cuidados de saúde gratuitos ou acessíveis a que as demais pessoas têm acesso”, ressaltou Dra. Linamara.

Secretária, Dra. Linamara (de casaco preto e branco), falou sobre tecnologia e direito da pessoa com deficiência

Não é possível que um país que fabrica avião não consiga desenvolver e produzir uma bicicleta de estimulação elétrica, por exemplo. O governo deve ter uma política de estimular a indústria a fabricar tecnologias para a terapia de reabilitação. Dra. Linamara Battistella, Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

7


Revista Funfarme

HCM elege sua primeira Comissão de Ética, Conselho médico e representante dos funcionários O Hospital da Criança e Maternidade elegeu, no dia 21 de setembro, sua primeira Comissão de Ética e primeiro Conselho Médico-Hospitalar de sua história, mandato 2015/2016. Com importante participação do corpo clínico e dos colaboradores (fotos da votação abaixo) que elegeram os seis médicos do conselho do HCM e Alari Furlan representante dos funcionários.

Conselho Médico-Hospitalar do HCM Ana luiza Rodrigues Ana Paula Chaves Denise Cristiane Mós João Batista Salomão Maria Lúcia Veloso Maura Cristina Negrelli Representante dos funcionários Alari Furlan

Conselho de Ética Benedito Olimpio Barros Danielle Lopes Teixeira Ferdinando Fernanda Del Campo Gustavo Henrique de Oliveira Izaura dos Santos Ramos Janete Aparecida Fares Ligia Consentino Junqueira Marciali Gonçalves Fonseca Maria Lucia Alonso Marina Catuta de Rezende

Atribuições do Conselho Médico Hospitalar Ao Conselho Médico Hospitalar, compete, entre outras atribuições, propor ao diretor-executivo da Funfarme a política interna do HCM quanto ao ensino, à pesquisa, à assistência médica e serviços à comunidade. Os membros do Conselho Médico-Hospitalar podem também propor acordos, contratos e convênios a serem firmados entre o HCM com entidades públicas e privadas. É também um órgão à disposição para assessorar as ações desenvolvidas pela Diretoria Administrativa do hospital.

8

Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

Atribuições da Comissão de Ética Médica Cabe a Comissão de Ética médica garantir o exercício ético da profissão, às condições oferecidas pelo HCM para o exercício profissional, bem como à qualidade de atendimento prestado aos pacientes, sugerindo modificações, quando julgado necessário. Além de assessorar e cooperar, no que lhe compete, as diretorias clínicas e administrativas.


Revista Funfarme

Atualização de sistema eletrônico de assistência médica é implantada em todo o HCM Organizar, sistematizar e padronizar as ações no atendimento aos pacientes conforme a necessidade de cada unidade e tipo de prestador (médicos, multidisciplinares, enfermagem, etc.). Esse foi o objetivo da diretoria do HCM/Funfarme em implantar, em agosto, o sistema PEP na instituição, concluindo, assim, 100% da atualização o processo de assistência médica ao paciente. “A atualização para o sistema MVPEP traz, como um dos seus maiores benefícios, a possibilidade de montar perfis de atendimento. Isto nos permite adequar, para cada unidade e tipos de prestadores, as ações que devem ser tomadas com o paciente, dependendo da unidade de internação. Todas estas ações ficaram de fácil acesso, em uma única tela.”, explicou Fernando Henrique dos Santos, analista de sistemas. De maneira semelhante ao procedimento adotado no Ambulatório, os consultores internos da TecnoIogia da Informação (TI) da Funfarme ficaram responsáveis pela instalação e suporte do programa.

Os diretores do HCM Dr. Antonio Carlos Gusson e Dr. Eloisa Galão checam os últimos detalhes do MV PEP com o gestor de TI, Miguel Freddi e o analista de sistema Fernando Henrique

O diferencial

Além de centralizar em uma única tela todos os módulos assistenciais (Internação, Urgência e Ambulatorial) o MVPEP traz como diferencial a possibilidade dos prestadores criarem suas próprias prescrições e receitas padrões, além de definir os itens favoritos para serem prescritos. Para o analista de sistema, Célio Silva, a participação das equipes é fundamental na definição do perfil a ser utilizado: “Uma das propostas do MVPEP é facilitar o acesso às informações utilizadas pelas equipes, agilizando o atendimento assistencial”.

Médicos aprovam a atualização

O MVPEP veio atender a uma antiga reivindicação das equipes médicas para centralizar todos os tipos de atendimento em uma única interface mais clean e intuitiva. Miguel Freddi, gestor de TI

Na instituição desde a sua graduação, a pediatra Ana Carolina Held enaltece a iniciativa da Funfarme e vê a atualização com bons olhos. “Todos os nossos procedimentos diários estão sendo facilmente realizados com o novo MV. Sou formada na Famerp, desde 2008, então acompanhei de perto a transição entre os papéis e o sistema informatizado MV. Acredito que o PEP é a prova da constante evolução da instituição”, frisou a pediatra. Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

9


Revista Funfarme

realiza seu primeiro transplante de coração

Procedimento mobilizou cerca de 10 profissionais de várias especialidades

Inaugurado há dois anos, o HCM realizou, na noite de 18 de setembro, o seu primeiro transplante de coração. A receptora foi Dorys Lucy Vidal, de 12 anos, moradora de Jaú. A paciente tinha miocardiopatia dilatada (aumento do coração) e recebeu o órgão de uma menina de 15 anos, moradora do bairro de Campo Limpo, na capital paulista. Todos os profissionais envolvidos comemoraram não só o ineditismo do procedimento para o HCM, mas também o sucesso de uma operação que envolveu dezenas de profissionais do HCM, do Hospital Municipal de Campo Limpo, das Organizações de Procura de Órgãos (OPOs) do HB e do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Luta contra o tempo No dia 18 de setembro, equipe da Funfarme recebe primeiro contato da Cintrans (Central de Transplantes)

Início das mobilizações das equipes na Funfarme e no Hospital de Campo Limpo (SP)

Drs. Ulisses Croti e Paulo Bassan partem para SP em voo comercial da TAM, com passagens pagas pela Sec. de Estado da Saúde

No dia 19 de setembro, a equipe de cardiologia e da cirurgia cardiovascular pediátrica do HCM termina os procedimentos

O novo coração de Dorys começa a bater, totalizando 3 horas e 56 minutos de coração parado

A equipe chega ao HCM, onde a menina Dorys já estava preparada para o procedimento

Os médicos chegam a Rio Preto

10 Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

A equipe Seccap chega ao Aeroporto Internacional de Congonhas para o Hospital de Campo Limpo - SP O coração da doadora para de bater e é retirado para implantação em Dorys

Saem em um helicóptero da Polícia Civil rumo ao Aeroporto de Congonhas

A equipe parte para Rio Preto em um avião monomotor


Revista Funfarme

A vida por um fio Apenas

10%

A imprensa dedicou grande espaço ao primeiro transplante do HCM como, por exemplo, o Diário da Região, que reservou a capa do caderno Cidades

era a capacidade de bombeamento do coração de Dorys, quando o normal é entre

65% e 75%

Os cuidados e a recuperação de Dorys O quadro clínico da menina Dorys já inspirava cuidados, antes mesmo da cirurgia. Agora, uma equipe multiprofissional dedica-se diariamente para cuidar da criança, para que situação delicada seja revertida. De acordo com a médica cardiologista clínica, Dra. Alexandra Siscar, responsável pela garota, “a paciente está estável e em tratamento para rejeição do órgão, o que é normal em todos os transplantes de coração. Estamos lutando todos os dias para que ela se recupere da melhor maneira possível”, pontuou. Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015 11


Revista Funfarme

HCM ganha website e facilita acesso da comunidade à instituição .br/

eto.com

cmriopr www.h

Desde o dia 9 de setembro, o HCM conta com um importante canal de comunicação com a comunidade: seu portal, com diversas abas de informações úteis específicas, como da pediatria, maternidade, pronto-socorro, exames, números da instituição, além de espaço para notícias, e visita virtual para quem quiser conhecer o hospital. “Este é mais um canal de comunicação imprescindível para nos aproximarmos ainda mais da população”, afirma Gianna Matheus, gerente administrativa do Hospital da Criança e Maternidade.

Este era um serviço no qual estávamos trabalhando há mais de um ano. Cada informação, cada foto foi escolhida com consciência para trazer mais qualidade e permitir o acesso da comunidade a nossa instituição. Dr. Antonio Carlos Gusson, diretor pediátrico do HCM

Agradecemos mais esta conquista e queremos a participação ativa de cada setor na atualização do site. Inauguração do site teve a presença de diretores e lideranças do Funfarme, HCM e HB 12 Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

Dra. Eloísa Galão, diretora obstétrica do hospital


Revista Funfarme

Profissionais tiram dúvidas da população em mês de conscientização à doação de órgãos

No dia 25 de setembro, profissionais da Organização de Procura de Órgãos (OPO) do HB e alunos da Liga de Transplantes da Famerp esclareceram dúvidas sobre a doação de órgãos e fizeram exames de glicemia, aferição da pressão arterial e tipagem sanguínea na população. As atividades, que aconteceram no Rio Preto Shopping, fizeram alusão à campanha mundial “Setembro Verde”, que visa à conscientização da importância de ser doador. O coordenador da OPO, Dr. João Fernando Picollo, explica que ainda há informações erradas sobre os trâmites legais do processo na comunidade. “Trabalhamos para capacitar profissionais da região na abordagem de possíveis doadores em hospitais e buscamos informar as pessoas também como forma de diminuir a recusa”, disse.

Nos últimos anos, dados do HB confirmam o crescimento no número de órgãos transplantados na instituição.

2015* - 244 2014 - 205 2013 - 199

* dados até setembro

O número de doadores de órgãos também já superou o total do ano

Yesa de Carvalho (de calça rosa) com Dr. Picollo (à esquerda), equipe da captação de órgãos e outros transplantados

Para sensibilizar e estimular, ainda mais, a população sobre a importância em ser doador de órgãos, o HB convidou transplantados para participarem da mobilização. Foi o caso de Yesa de Carvalho, 19, que recebeu há pouco mais de um ano um rim do pai. “Doando, você devolve vida à pessoa. Você permite que ela tenha qualidade nas atividades cotidianas. E minha família já sabe, quando eu morrer, quero ser doadora também”, garantiu.

39 familiares autorizaram a captação dos órgãos. No ano passado todo, foram 38 doadores. passado. De janeiro a julho,

Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015 13


Revista Funfarme

Sessão diversão e cinema Sala de aula vira cinema...

Como parte do serviço desenvolvido pela Terapia Ocupacional, seus profissionais decidiram retomar as seções de cinema para as crianças internadas no HCM, como ocorria no HB. A cada 15 dias, os pacientes e acompanhantes podem desfrutar de um filme animação nas salas de aula dos 6º e 7º andares. “A socialização é a principal característica que pretendemos trabalhar nas crianças com as sessões de cinema”, afir-

...para receber crianças e acompanhantes

ma a residente da T.O., responsável pela reintrodução do projeto no HCM, Mariana Oliveira Leite Silva (foto à esquerda). Julia Jesus Nascimento (blusa listrada), de 11 anos, disse que o filme a ajuda a esquecer a cirurgia de apendicite por quel iria passar. “Ajuda a distrair. Você se esquece da dor e só pensa no filme”, afirma. A mãe, Marly Nascimento (ao lado de Julia), emenda: “ela estava desanimada no quarto. Ouviu falar do cinema e saiu toda alegre para a sala”.

Ampliar o saber brincando Bons exemplos devem ser seguidos. Inspirada por este lema, a enfermeira supervisora da Pediatria, Lígia Sequini, deslumbrou-se com o trabalho de voluntários em uma brinquedoteca de um hospital no Paraná. A ideia que ficou latente na mente da enfermeira e logo foi comprada pela administração e diretoria do HCM, juntamente com hotelaria e coordenação de enfermagem. Elas resolveram empenhar-se para que os chamados “voluntários brinquedistas” fossem implantados na instituição contagiando também as voluntárias da AVOHB e recebendo apoio da Terapia Ocupacional (T.O). Desde fevereiro deste ano, este grupo de colaboradores vem trabalhando para levar a todos a importância do brincar com objetivo pedagógico e, também, para produzir atividades voltadas para crianças da pediatria em maior tempo. Cerca de 60 pessoas já receberam capacitação em conduta, comportamento, NR32 , vacinação, normas e rotinas. O treinamento foi realizado pelos setores da Enfermagem, Administração, AVOHB, T.O., Hotelaria, CCIH, neste ano, com o intuito de preparar estes futuros voluntários. “Estudos comprovam que estas vivências reduzem ou até mesmo tiram o peso de uma internação hospitalar em crianças. Além disso, brincar não é apenas distrair, mas tem o intuito de desenvolver a cognição, perceber

14 Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

Parte das voluntárias e das idealizadoras do projeto na brinquedoteca do 7º andar do HCM

atrasos na educação destes pequenos, colocar limites e regras aos pais também, mudar comportamentos e envolve inclusão social”, explica Graziella Andressa da Silva, terapeuta ocupacional responsável pelo serviço na Fundação. O projeto está encerrando a fase de treinamento e pretende ampliar sua atuação, aumentar o horário de funcionamento e o espaço da brinquedoteca nos 6º e 7º andares do hospital, além de melhorar a logística de trabalho no local, possibilitando que crianças acamadas possam ter o direito de brincar, resguardados através da brinquedoteca itinerante. O projeto conta ainda com a parceria da sala de vacinas do ambulatório, do RH, da Engª Civil, do SHL, da Profª Catarina da Classe Hospitalar, Núcleo de Gestão e Diretoria Executiva da Funfarme.


Revista Funfarme

Jonas Ribeiro, renomado contador de histórias, leva fantasia e alegria aos pacientes e acompanhantes do HCM Os pacientes do Hospital da Criança e Maternidade de Rio Preto e seus acompanhantes esqueceram, por instantes, os problemas de saúde com os quais convivem para entregarem-se à fantasia das histórias narradas pelo renomado contador Jonas Ribeiro. Ele esteve no HCM no dia 10 de setembro para narrar a história de um menino e seu carrinho. Em sua terceira visita ao hospital, o escritor revela que este contato com os pacientes traz-lhe muitos benefícios. “Fico muito feliz de poder visitar um hospital tão bacana quanto o HCM. Acredito que, contando histórias e declamando poesias, contribuo para o tratamento de crianças e adultos”, disse o escritor, formado em Língua e Literatura Portuguesa pela PUC de São Paulo. O autor já escreveu 116 livros infantis e algumas obras de literatura adulta.

João Lucas das Flores, de 12 anos, conta a Jonas que também quer ser escritor; ao lado do menino, sua mãe e maior incentivadora Alexsandra

Alunos de universidade doam cobertores, alimentos e itens de higiene e se cadastram como doadores de medula

Equipe da Avohb contabilizando as doações

A Funfarme recebeu, no dia 28 de agosto, a doação de agasalhos, produtos de higiene pessoal, cobertores e alimentos arrecadados por alunos do curso de fisioterapia da Unorp de Rio Preto. Durante as férias de julho, 60 alunos participaram da 1ª Gincana Solidária de Fisioterapia na faculdade e dividiram-se em equipes para arrecadar os mantimentos. Na mesma ação, 299 alunos também participaram de doações de sangue e 53 cadastraram como doadores de medula óssea.

Agradecimentos Quero parabenizar a administração do Hospital de Base e seus profissionais pela conduta e conhecimento incrível. Incentivadores naturais, sinceros e leais à sua profissão. Se eu fosse descrever todas as suas qualidades, ficaria horas aqui. Parabéns! James Willyam Assunção Martins - Frutal - MG

Estive em atendimento na emergência obstétrica do HCM há poucos meses e, mesmo sem conseguir preencher a ficha de imediato, fui logo encaminhada ao terceiro andar, onde fui rapidamente atendida. Gostaria de parabenizar e agradecer pelo excelente atendimento que tive na recepção do térreo pela enfermagem e equipe médica. Muito obrigada! Carla Santos – Rio Preto - SP

Agradeço a equipe médica, enfermagem, psicologia e assistente social pelo atendimento ao paciente Marco Antônio Ferreira. Em nome da família, muito obrigado. Luzia Lenira Ferreira – Ribeirão Preto - SP Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015 15


Revista Funfarme

Todos contra a sepse Dona Maria Monteiro recebe panfleto informativo no Ambulatório de Especialidades

O HB realizou uma “blitz” com a distribuição de panfletos informativos para a população, no dia 11 de setembro, no Ambulatório de Especialidades e na Emergência do HB, em comemoração ao Dia Mundial da Sepse (13 de setembro). Responsável por este projeto no HB, a enfermeira Márcia Lopes explica como foi a implantação dos protocolos na instituição. Funfarme tem índice “Implementamos alerta de sepse na ficha de triagem do enfermeide mortalidade por ro e na ficha de avaliação médica, sepse 10% menor o que nos permitiu diagnosticar do que os dos precocemente. Foram revistos processos, fluxos, dentre outros hospitais públicos aspectos, a fim de agilizar o atendo Brasil dimento ao paciente séptico.” Para a técnica em química Maria Monteiro, de 50 anos, e paciente do Ambulatório de Especialidades, abordagens como essas são essências para que a população conheça as causas e sintomas da sepse, que ainda eram desconhecidos por ela. “Nunca ouvi falar de sepse. A gente conhece as infecções hospitalares e acha que são a mesma coisa”, comentou Maria.

As enfermeiras que coordenaram a ação, a partir da esquerda, Andressa Zequini, Samantha Vaccari Melara e Márcia Lopes

Dados da sepse 15 a 17 milhões de novos casos são registrados no mundo/ano

Destes, 670 mil são no Brasil

Mata mais que câncer e infarto agudo

Palestra sobre os desafios de combate à sepse lota anfiteatro Capacitar e atualizar profissionais para que, em tempo hábil, diagnostiquem a sepse é a chave para o tratamento e manejo adequado desta doença. Em parceria com o ILAS, (Instituto Latino Americano de Sepse), o HB realizou, no dia 15 de setembro, palestra para 100 médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde da instituição, que lotaram o anfiteatro. Tendo como tema central “Os desafios no combate a sepse”, Dras. Suzana Lobo e Márcia Wakai apresentaram dados recentes sobre a doença. A Comissão de Combate à Sepse é composta pelas médicas Suzana Lobo, Fernanda Quintino, Luciana Jorge e os profissionais de enfermagem Maria Regina Jabur, Samantha Melara, Márcia Lopes, Rodrigo Tiago e Andressa Batista. 16 Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

Diretores da Funfame/Famerp prestigiam palestra sobre a sepse

Tecnologia a favor do ensino É cada vez mais intenso o uso de tecnologias pelo HB. Um exemplo foi que, durante o evento, os participantes responderam questões sobre os casos clínicos utilizando seus smartphones.


Revista Funfarme

Diretores da Funfarme e HCM abrem o Fórum

Fórum de Humanização supera expectativa e recebe mais que dobro do número de inscritos O primeiro Fórum de Humanização, promovido pelo Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) da Funfarme, recebeu um público acima da expectativa, com média de 90 participantes por dia. Os encontros, realizados no anfiteatro do 3º andar do Hospital da Criança e Maternidade (HCM), tiveram principal objetivo divulgar aos colaboradores da instituição as ações humanizado-

A principal pergunta é: o que podemos fazer além do que já fazemos dentro da nossa instituição? Temos de atuar também na sociedade e não humanizar apenas nossos serviços. Dr. Horácio Ramalho, diretor executivo da Funfarme

ras presentes na instituição. Líderes de setores falaram das melhorias para pacientes, acompanhantes e colaboradores que foram implantadas, com a cooperação do GTH, desde a criação do Grupo, em 2000. Foram abordadas, durante os quatro dias de eventos, diversos vieses da humanização na Fundação, trabalhados pela Psicologia, pela Assistência Social, Hotelaria e Engenharias.

Enfermeira Sonia Cavalari ministrou palestra sobre Alta Qualificada

Randolfo dos Santos Júnior, coordenador do Serviço de Psicologia, falou sobre superação das dificuldades do dia a dia

GTH reunido após primeiro dia do Fórum

Andreza da Rocha, da Hotelaria, explicou as modificações feitas em diversos ambientes para trazer maior conforto a pacientes, acompanhantes e colaboradores Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015 17


Revista Funfarme

Parceria e união são temas do I Encontro de Cuidadores da Hemodiálise do Hospital de Base

Por meio de dinâmicas em grupo, a equipe multidisciplinar da Hemodiálise reforçou a importância da união no tratamento dos pacientes em diálises

O HB realizou I Encontro de Cuidadores da Hemodiálise, nos dias 8 e 9 de setembro, com apresença de cerca de 90 pessoas. “A intenção foi reforçar a importância dos cuidadores para aqueles que passam por diálises. Eles são parte do processo e seguramente ajudarão nas condições e na melhora do tratamento”, afirma a psicóloga da hemodiálise, Leny Gonçalves Ferreira. Atualmente, o HB atende de cerca de 300 pacientes e realiza mais de 3.600 hemodiálises por mês. Um exemplo é Adriano Antunes Vitalina, filho de Dona Maria de Lourdes. Há dois anos e sete meses, ela o acompanha nas sessões de hemodiálise. Para a mãe, o evento foi esclarecedor. “Tem muitas coisas que não sabemos como lidar, tanto aqui como em casa. Achei muito válido. Descobri a importância de se ter parcerias”, disse dona Maria de Lourdes.

Exame de Gasometria Arterial é tema de treinamento com 36 colaboradores No dia 10 de setembro, a médica pneumologista, Dra. Susana Perez (no fundo de preto) ministrou o primeiro dia de treinamento sobre o exame de Gasometria Arterial a profissionais da enfermagem da UTI e de outros setores que também utilizam equipamentos de ventilação mecânica. A palestra fez parte de uma programação de três encontros organizados pelo Centro de Educação Permanente (CEP), com o objetivo de orientar os profissionais sobre os devidos cuidados com os pacientes submetidos ao aparelho. No primeiro dia, 36 colaboradores participaram do curso.

HB realiza segundo mutirão de ultrassonografia e atende 40 pacientes

Parte da equipe médica-administrativa que trabalhou no mutirão

Descobrir o câncer no estágio inicial e ter um constante acompanhamento da evolução do tumor é primordial para que o tratamento seja bem conduzido e ofereça o máximo de tranquilidade possível aos pacientes. E para diagnosticar e acompanhar o câncer, o exame de ultrassonografia é fundamental. Para diminuir o tempo de espera por este exame, o Instituto do Câncer (ICA) realizou, no dia 22 de agosto, mutirão de ultrassonografia, ação que aconteceu pela segunda vez, em menos de dois meses. Três médicos e quatro profissionais de apoio atenderam 40 pacientes, cujos exames estavam marcados para dezembro e janeiro, diminuindo assim a fila de espera em quatro meses. Por dar assistência a mais de 100 municípios da região, constantemente o ICA busca alternativas para diminuir a demanda reprimida em exames de imagens. O último mutirão de ultrassom foi realizado em junho deste ano, no qual também foram atendidos 40 pacientes.

Alunos da enfermagem da Funfarme/Famerp promovem I Simpósio de DSTs O Centro Acadêmico de Enfermagem de Rio Preto da Famerp/Funfarme (Caerp) promoveu o I Simpósio de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), no dia 9 de setembro. As palestrantes, a enfermeira Profa. Dra. Margarete Ártico Baptista e a médica Dra. Valéria Dória Mendes da Costa, abordaram temas atuais e falaram de protocolos de atendimentos a pacientes no Brasil e no município. Dras. Valéria (à esquerda) e Margarete esclarecem dúvidas durante evento

18 Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015


Revista Funfarme

Hemocentro reúne 240 profissionais da região para debater hemofilia Para debater as novidades no tratamento terapêutico da hemofilia, o Hemocentro promoveu o 1º Encontro de Cuidadores a Pacientes com esta doença da região, em que reuniu mais de 240 pessoas, entre médicos, enfermeiros, dentistas, fisioterapeutas e educadores físicos, nos dias 11 e 25 de setembro. hematologista do Hemocentro e uma das organizadoras do evento. Para o fisioterapeuta de Birigui, Diego Fernando Souza, de 23 anos, aperfeiçoando da Funfarme, a iniciativa do Hemocentro é fundamental para sua formação, assim como a de todos os colegas. “Em Araçatuba, cidade onde me formei, não existem fisioterapeutas capacitados para tratamento de pessoas com hemofilia, daí a importância da Dr. Octávio Ricci, diretor do Hemocentro, na abertura do Encontro, disse que a capacitação ser expandida para toda recapacitação de especialistas e a integração desses profissionais da região foi o foco do encontro gião”, disse Diego.

Dados da Hemofilia • O Hemocentro atende

96 pacientes com hemofilia,

doença genética e hereditária

prevalência em 1 a cada 10 mil partos • Atinge majoritariamente crianças do sexo masculino • No Brasil, a doença tem

O que é a hemofilia A hemofilia é uma das principais deficiências de coagulação do sangue. Isso ocorre devido à falta de uma proteína no organismo que não permite que as células responsáveis pelo desenvolvimento do tecido do corpo estanquem um sangramento, quando a pessoa se machuca, por exemplo.

O evento lotou sala da Famerp

Dra. Andreia Garcia, hematologista e uma das organizadoras do evento, ressaltou a importância de oferecer informações específicas a cada esfera da saúde Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015 19


Revista Funfarme

O que são óbitos infantis e fetais? São os óbitos ocorridos no período Pós-neonatais (28 dias a 1 ano incompleto de vida), no período Neonatais (0 a 27 dias de vida) e os Fetais (natimortos – morte de um produto de concepção, antes da expulsão ou da extração completa do corpo da mãe, com peso ao nascer igual ou superior a 500 gramas, ou idade gestacional de 22 semanas). O que são óbitos maternos? São os óbitos ocorridos durante a gestação ou até 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou da localização da gravidez. O que são óbitos em mulher em idade fértil ? São os óbitos ocorridos em mulher em idade fértil (10 a 49 anos). As taxas de Mortalidade Infantil e de Mortalidade Materna são indicadores de qualidade de vida de uma população. Estes indicadores refletem as desigualdades socioeconômicas, regionais, étnico-raciais, dificuldades no acesso em tempo oportuno aos serviços de saúde bem como a qualidade e resolubilidade desses serviços. A legislação brasileira, por meio da Declaração Universal dos Direitos Humanos, do Estatuto da Criança e do Adolescente e, dos Direitos Sexuais e Reprodutíveis, reforça o compromisso do direito à saúde e à qualidade de vida da Criança e da Mulher . A redução desses indicadores é uma das prioridades do Sistema de Saúde ! O que é a vigilância de óbitos maternos, infantis e fetais? A vigilância de óbitos maternos, infantis e fetais

Vigilância de Óbitos: Infantil, Fetal, Materno e de Mulher em idade fértil é obrigatória nos serviços de saúde (públicos e privamortalidade infantil e materna. Todo município deve dos) que integram o Sistema Único de Saúde (SUS). ter o Comitê de Vigilância à Morte Materna e Infantil, Tem como objetivo incorporar o uso de informação conforme Resolução SS - 59 DE 3 DE JUNHO DE 2008 qualificada no planejamento, avaliação de políticas que Normatiza a constituição dos Comitês Regionais públicas e ação em saúde. A Portaria nº 1.271, de 6 de Vigilância à Morte Materna e Infantil. Os Comitês de junho de 2014 do Ministério da Saúde e Anexo dede Mortalidade Materna e Infantil são organismos fine óbitos infantis, fetais e maternos como agravos interinstitucionais, de caráter eminentemente educade notificação compulsória. tivo e formativo, com atuação sigilosa, não-coercitiva Como é realizada a vigilância de óbitos maternos, inou punitiva. Congregam instituições governamentais fantis e fetais? De acordo com as Portaria n° 72, de e da sociedade civil organizada, contando com parti11 de janeiro de 2010, Portaria n° 1.119, de 5 de jucipação multiprofissional. São instrumentos de gesnho de 2008 e Resolução SS-109, de 06 de agosto de tão que permitem avaliar a qualidade da assistência à 1997, determinam o prazo para o serviço ou profissaúde prestada à gestante, ao parto e ao nascimensional da saúde informar o óbito materno e infantil, to e à criança no primeiro ano de vida, contribuindo que é de, no máximo, 48 horas a contar da data de para o melhor conhecimento sobre os óbitos e a reocorrência até o envio da Declaração de Óbito (DO), dução da mortalidade materno e infantil. instrumento base para viabilizar o início oportuno da No Brasil, apesar do declínio das taxas de mortalidade investigação. A investigação deve ser feita obrigatoinfantil e materna, as taxas ainda se encontram em riamente por profissionais de saúde (da vigilância em nível muito elevado se comparadas com as de países saúde e da assistência à saúde), visando conhecer o desenvolvidos. número e o perfil dos óbitos, identificar seus determinantes, monitorar a qualidade da assistência Doenças e Agravos de Notificação Comà saúde e subsidiar a adoção de medidas que possam prevenir a ocorrência de óbitos evitápulsória (DNC), notificadas no NHE/HB/ veis, evitando a reincidência. A seleção dos caHCM/FUNFARME no período de janeiro a sos para investigação deve obedecer aos critéjulho de 2015*. rios nacionais mínimos de referência, são eles: Pós-neonatais (28 dias a 1 ano incompleto de vida), Neonatais (0 a 27 dias de vida), Fetais (natimortos), Materno e Mulher em idade fértil (10 a 49 anos). Conforme a PORTARIA Nº 1.172, de 15 de junho de 2004, competem aos municípios à vigilância epidemiológica e monitoramento da

Referências: -BRASIL. Ministério da Saúde. Estabelece que a vigilância do óbito infantil e fetal é obrigatória nos serviços de saúde (públicos e privados) que integram o Sistema Único de Saúde (SUS). Portaria n. 72, de 11 de janeiro de 2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/ gm/2010/prt0072_11_01_2010.html > Acesso em: 10/08/2015. -BRASIL. Ministério da Saúde. Regulamenta a Vigilância de Óbitos Maternos. Portaria n. 1.119, de 5 de junho de 2008. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/ prt1119_05_06_2008.html> Acesso em 10/08/2015. -BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ manual_obito_infantil_fetal_2ed.pdf> Acesso em 10/08/2015. -BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 3. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2007. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/comites_mortalidade_materna_3ed.pdf > Acesso em 10/08/2015. -http://www.saude.sp.gov.br/coordenadoria-de-controle-de-doencas/homepage/acesso-rapido/ comite-mortalidade-materna-e-infantil.-novo-cronograma-2015

Distribuição dos óbitos, Neonatal Precoce (NP), Pós Neonatal (PN), Fetal e Materno (MM) por mês e local de ocorrência, São José do Rio Preto, de janeiro a julho de 2015*.

Fonte: SIM-GVEXXIX SJRP - * Dados provisórios acessado em 25/8/2015 - ** inclui óbito com ocorrência em outro local

Fonte: SINAN Net-FIN-FIE-Planilhas de acompanhamento-Dengue, Influenza online/NHE/HB/FUNFARME *Dados provisórios, investigação em andamento. Dados provisórios até 25 de agosto 2015 Not. (notificados) Conf.(confirmados) ** SRAG internados

DENGUE - Doenças de Notificação Compulsória! - NOTIFIQUE NHE/FUNFARME - Ramais do NHE/HB – 1380 e 1837 HTTP://www.hospitaldebase.com.br/nhe - Segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30. À noite, nos finais de semana e feriados, o telefone do plantão da Vigilância Epidemiológica do município de São José do Rio Preto: 17 - 99784-8863 20 Funfarme Notícias - 16 a 30 de setembro - 2015

Revista Funfarme 16 a 30 de Setembro 2015  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you