Page 1

Ano XV / Nº 192 - Março - 2018

HB é o hospital que teve mais doadores viáveis de órgãos no Estado de SP

A Organização de Procura de Órgãos (OPO) do HB celebra os resultados expressivos que obteve em 2017. Graças à dedicação diária de diversas equipes da Funfarme, a OPO conseguiu 34 doadores viáveis no ano passado, o maior número dentre todas Organizações do Estado de São Paulo Página 3


Editorial

Trabalho de uma década a se comemorar A Organização de Procura de Órgãos (OPO) de nosso Hospital de Base obteve, em 2017, resultados bastante expressivos que a fazem, destacar-se no Estado de São Paulo, como você pode conferir na página ao lado. Como destacamos na capa desta edição, nossa OPO foi a que teve o maior número de doadores viáveis entre todos os hospitais e instituições de Saúde do Estado. O desempenho das OPOs, obviamente, é fundamental e repercute em todo o sistema de captação e transplantes de órgãos e tecidos, afinal, sem doação não há órgãos para salvar ou transformar a vida das milhares pessoas que encontram-se na fila por um transplante. Os expressivos resultados da OPO do HB são fruto de um trabalho não recente, mas de quase 10 anos, durante os quais a Funfarme investiu na estrutura deste setor e em seus profissionais. Estes vem se aprimorando através de cursos e contato direto com equipes de centros de referência em captação, no Brasil e no exterior. Recentemente, dois de nossos profissionais permaneceram dias na Espanha, reconhecida como modelo mundial de captação de órgãos e tecidos. Todo ano, o Hospital de Base promove um curso com profissionais de Santa Catarina, Estado referência no Brasil por apresentar os melhores números nesta área. O curso é ministrado a profissionais não só do HB como das outras 16 instituições de Saúde da região onde há equipes especializadas na abordagem às famílias de potenciais doadores e na captação. Aliás, estas 16 equipes não existiam 10 anos atrás. Foram formadas ou melhor capacitadas pelos profissionais da OPO do HB. O resultado é traduzido em números. Antes, o Hospital de Base de Rio Preto respondia, sozinho, por 99% dos órgãos e tecidos oferecidos para transplante. Hoje, o HB é responsável por menos da metade. Não que seu desempenho tenha piorado. Ao contrário. Melhorou. Mas é que as doações que partem das outras instituições aumentaram tanto que hoje representam mais da metade do total registrado no ano pela nossa OPO. Para isso, claro, foi fundamental a maior compreensão por parte das comunidades dos municípios de nossa região. Cada vez mais famílias concordam em doar. A foto da capa desta Revista Funfarme é uma forma de agradecimento aos profissionais dos vários setores da Fundação que, com seu empenho, também colaboram para os resultados da OPO do HB. A vocês e aos profissionais das instituições parceiras da região, parabéns!

Diretoria da Funfarme

Funfarme

Visão Ser reconhecido como complexo hospitalar de assistência, ensino e pesquisa de excelência até 2021.

Missão

Valores

Transformar a saúde regional por meio da integração de assistência, ensino e pesquisa.

Humanismo, Responsabilidade Social e Ambiental, Meritocracia, Inovação, Integridade Absoluta, Qualidade e Segurança, Respeito.

Expediente Gestão 2017/2021 Informativo da Fundação Faculdade Regional de Medicina (Funfarme) Ano XV / Nº 192 - Março - 2018 • Presidente dos Conselhos da Funfarme: Dr. Dulcimar Donizeti de Souza • Diretor Executivo da Funfarme: Dr. Jorge Fares • Vice-Diretor Executivo da Funfarme: Dr. Luiz Sérgio Ronchi • Diretora Administrativa do HB: Dra. Amália Tieco R. Sabbag • Vice-Diretor Administrativo do HB: Dr. João Fernando Picollo de Oliveira • Diretor Clínico do HB: Dr. Alceu Gomes Chueire • Vice-Diretor Clínico do HB: Dr. Valdeci Hélio Floriano

2

Funfarme Notícias - Março - 2018

• Diretora Técnica do HB: Dra. Maria Regina Pereira de Godoy • Diretor do Hemocentro Dr. Octávio Ricci Junior • Diretora Técnica do Hemocentro: Dra. Andreia Aparecida G. Guimarães • Diretor do Ambulatório: Dr. Eumildo Campos Júnior • Diretora do Lucy Montoro: Dra. Regina Chueire • Diretor Técnico do Instituto do Câncer: Dr. Carlos Eduardo Miguel • Diretora Administrativa do HCM: Dra. Leila Neves Bastos Borim • Vice-Diretora Administrativa do HCM: Dra. Maria Lúcia Luiz Barcelos Veloso • Diretor Clínico do HCM:

Dr. Paulo Poiati Junior • Vice-Diretor Clínico do HCM: Dr. Wagner Vicensoto • Diretora Técnica do HCM: Dra. Fernanda Del Campo Braojos Braga • Vice-Diretor Técnico do HCM: Dr. Gustavo Henrique de Oliveira Produção Editorial: Intermídia Comunicação Empresarial Telefone: 17 3011-5435 Jornalista responsável: MTB 24.527 Jornalista: Fernanda Martinazzi Estagiários: Alexandre Souza e Felipe Santos Diagramação: Roger Goulart Impressão: Gráfica Fotogravura Rio Preto Tiragem: 2000 exemplares


Doação de órgãos e tecidos

OPO do HB destaca-se no Estado de São Paulo O trabalho dos últimos oito anos dos profissionais da Organização de Procura de Órgãos (OPO) do Hospital de Base culminou, em 2017, com resultados que se destacam no Brasil. E são fruto de um esforço coletivo, que envolve hoje 16 hospitais da região que possuem equipes de captação de órgãos e, no HB, os colaboradores de vários setores, dentre eles Emergência, Neurologia, Terapia Intensiva, Serviço Social e Exames Complementares (Hemodinâmica, Medicina Nuclear, Laboratório) e muitos outros. Um número já se destaca. De cada 10 famílias, apenas 2 se recusam a doar os órgãos do ente querido que faleceu, a metade da média do Brasil. Em percentuais, o índice de recusa familiar registrado pela OPO do Hospital de Base no ano passado foi de 24, contra 42% do Brasil, segundo relatório da Associação Brasileira de Transplante de Órgão (ABTO), divulgado em março. Outro aumento significativo foi o do número de doadores viáveis, que passou de 15, em 2009, para 79, no ano passado, ou seja, crescimento de 427%. Com isso, a região Noroeste do Estado teve, em 2017, 33 doadores viáveis por milhão de habitantes, o que colocou a OPO do Hospital de Base entre as três organizações com melhores resultados no Estado. “Belo trabalho de formiguinha” Estes e outros números expressivos são frutos de um trabalho bem planejado, conduzido com critério, empenho e eficiência pela equipe da OPO do HB e com a grande receptividade e participação dos colegas dos hospitais da região. Ao longo destes oito anos, a OPO do HB formou ou capacitou Comissões Intra-Hospitalares de Transplantes (CIHTs) em cada uma das outras 15 instituições de saúde na região. E, neste período, são constantes os treinamentos, visitas e trocas de experiência entre os profissionais destas Comissões. “O engajamento dos profissionais da OPO do HB e dos nossos colegas dos outros hospitais é total. Mesmo em instituições de menor porte, temos enfermeiros e médicos aptos a notificar um possível doador”, comemora Dr. João Fernando Pícollo, médico nefrologista e o coordenador da OPO.

Há outras causas do aumento das notificações, na análise do Dr. Horácio José Ramalho, médico nefrologista. “Ao ter uma OPO atuante e por ser o Hospital de Base e o Hospital da Criança e Maternidade centros de referência em transplantes, facilita e motiva os moradores da região a decidirem pela doação, porque sabem que contarão com profissionais bem preparados e infraestrutura pronta para fazer a captação e transplante.”

Hospitais da região que mais notificam Entre as instituições que mais notificam, estão os hospitais de de Araçatuba e Catanduva, com 22% e 14% dos total, respectivamente. “Em 2014, a Santa Casa de Araçatuba realizou apenas 3 notificações, representando 1,2% do total dos casos. Em 2015, sua Comissão foi implantada e, ano passado, notificou 41 doadores”, destaca Pícollo.

Total de córneas doadas por ano Aumento de

Total de doadores viáveis por ano Aumento de 427%

470%

entre 2010 e 2017

entre 2010 e 2017

Notificações de potenciais doadores

Ano

Notificações

2010 2017

78 183

135%

de aumento

Funfarme Notícias - Março - 2018

3


Funfarme e a comunidade

Secretário do Ministério da Saúde visita Funfarme

Abdalla e Sinval visitaram a Unidade de Radioterapia...

O secretário Rogério Abdalla e o deputado Sinval Malheiros foram recebidos pelas lideranças da Funfarme/Famerp

O secretário nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Dr. Rogério Abdalla, visitou, no dia 19 de março, a Funfarme. Acompanhado do médico e deputado federal Dr. Sinval Malheiros, Dr. Abdalla conheceu a Unidade de Radioterapia do HB e a Unidade de Cardiologia Pediátrica do HCM. “Estou impressionado com o tamanho e a infraestrutura do complexo da Funfarme”, afirmou o secretário nacional ao diretor executivo da Fundação, Dr. Jorge Fares, que o recebeu junto com o vice-diretor executivo, Dr. Luiz Sérgio Ronchi, a diretora administrativa do HB, Dra. Amália

Tieco, o ex-diretor executivo Dr. Horácio José Ramalho e o diretor adjunto de administração da Famerp, Dr. José Luís Esteves Francisco. O secretário assegurou que o Ministério da Saúde irá empenhar-se para fazer do Hospital de Base um centro de referência em oncologia para a região e Estado. O deputado Sinval Malheiros ressaltou que a Funfarme já possui grande atendimento nesta área a pacientes de Rio Preto e região, que vem aumentando progressivamente. “Vamos estudar formas de termos verbas fixas e contínuas para a instituição”, afirmou Dr. Abdalla.

... a sala da braquioterapia e...

...a UTI da cardiopediatria, no HCM

HB recebe R$ 500 mil de emendas dos deputados Itamar Borges e Carlão Pignatari O governador Geraldo Alckmin assinou a liberação de recursos num total de R$ 500 mil para o Hospital de Base, em cerimônia realizada, no dia 19 de março, no Palácio Bandeirantes, também com a presença do secretário de Estado da Saúde, David Uip. As verbas, de R$ 250 mil cada, são provenientes de emendas parlamentares apresentadas pelos deputados estaduais Carlão Pignatari e Itamar Borges. “O Hospital de Base é muito importante para a população de Rio Preto, desenvolve um grande trabalho e precisa do nosso apoio”, afirmou Itamar. “A área da saúde é a que mais precisa de recursos para que o atendimento à população seja feito de forma digna”, completou o deputado Carlão. 4

Funfarme Notícias - Março - 2018

Governador Alckmin, durante assinatura de emendas


Funfarme e a comunidade

Destine 3% de seu imposto de renda para projetos como os do HCM Durante este mês de abril, milhares de pessoas na região, assim como em todo o Brasil, estão envolvidas com a preparação da declaração do imposto de renda, que deve ser entregue até o dia 30. É muito importante que saibam que este é o momento que podem praticar o bem e beneficiar outras centenas, milhares de pessoas. É que muitos ainda não sabem, mas as pessoas físicas e jurídicas podem destinar 3% do imposto devido para o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FMDCA) de Rio Preto. O dinheiro arrecadado será investido em projetos de entidades registradas no Conselho Municipal responsável pelo fundo. O HCM tem dois projetos, que precisam de cerca de R$ 1,7 milhão para beneficiar crianças com câncer. Um projeto já foi aprovado. O outro estava em análise pelo Conselho, até o fechamento desta edição da revista, mas a Diretoria do hospital considera como certa a aprovação. Nos quadros abaixo,

Intervenção artística dos personagens "Leão, "Criança" e "Idosa" chamou a atenção de colaboradores, acompanhantes e pacientes para a possibilidade de destinarem 3% do imposto de renda a projetos que ajudarão a ampliar atendimento da saúde de todas as faixas etárias, na Funfarme

você conhece os projetos. Desde o início do ano, a Funfarme realiza ações para chamar a atenção da população para o “Destinação Solidária”, como é chamada esta campanha que incentiva pessoas físicas e jurídicas

a destinarem seu dinheiro a projetos de suas comunidades, enfim, próximos a elas. Outdoors, cartazes e as redes sociais têm sido usadas na campanha. A imprensa também tem colaborado, dedicando grande espaço à campanha.

Conheça os dois projetos do HCM Transplante de medula O primeiro projeto é da instalação no HCM de um setor para atender as crianças e adolescentes que precisam de transplante de medula. São necessários R$ 984 mil para viabilizar o projeto. “Hoje, nossos pacientes que precisam do procedimento são encaminhados a outros centros - o mais próximo é Jaú. “A gente pretende fazer quatro transplantes de medula por mês, atender pelo menos dois novos casos toda semana e fazer mais ou menos 20 consultas de retorno por semana”, explica a enfermeira Alari Furlan de Jesus, gerente administrativa do HCM. Este projeto estava em vias de ser aprovado, até o fechamento desta edição da revista.

Ala de Oncologia Pediátrica Projeto já aprovado, prevê a instalação, no oitavo andar do HCM, de uma área exclusiva para as crianças e adolescentes. Atualmente, eles ficam internados no sexto andar, junto com pacientes com outras patologias. O investimento necessário é R$ 708 mil. “Vamos ter oito leitos em espaço com fluxo de ar negativo, que isola o ambiente, evitando contaminação pelo ar e reduzindo a possibilidade de infecção hospitalar”, explica Leila Borim, diretora do HCM e médica responsável pelo Setor de Oncologia Pediátrica. A Ala de Oncologia Pediátrica também permitirá, segundo Dra. Leila, que seja oferecido um atendimento ainda mais qualificado para os pacientes com câncer. “Teremos profissionais especializados e focados nestes pacientes, como enfermeiras, psicólogas, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, nutricionistas, entre outros”, disse.

Mais informações sobre o projeto e a “Destinação Solidária” podem ser obtidas no Setor de Captação de Recursos da Funfarme/HB/HCM pelo telefone 17 3234-7155 ou 3201-5000, ramal 1183. Funfarme Notícias - Março - 2018

5


Gestão participativa

“Café da manhã com a Diretoria” visita o Almoxarifado A cada quinze dias, diretores e superintendentes da Funfarme visitam um setor do complexo hospitalar para ouvir reivindicações e sugestões dos colaboradores e, em março, a visita ocorreu no Almoxarifado, setor responsável por atender a demanda

diária de toda a Funfarme. Seus colaboradores são responsáveis por controlar e organizar todos os produtos que chegam e saem da fundação, otimizando assim toda logística necessária para o bom funcionamento da instituição.

“Através destes encontros, nós nos aproximamos mais dos colaboradores. O hospital é muito grande e, por isso, a troca de informações durante a visita é enriquecedora”, comentou Dra. Amália Tieco, diretora administrativa do HB.

Diretores e lideranças da Funfarme, com os colaboradores do Almoxarifado Central

"É muito importante a visita da diretoria para conhecer de perto o funcionamento do setor apontando melhorias e ouvindo sugestões de todos os colaboradores. Nosso maior desafio é manter um estoque tão grande sempre organizado da melhor forma possível, afim de otimizar o trabalho de todos no complexo."

No Almoxarifado Central são armazenados: • Material médico hospitalar • Higiene e limpeza • EPIs (equipamentos de proteção individual) • Material de laboratório • Material administrativo • Material de manutenção

Giovani Oliveira, líder do lmoxarifado

A colaboração deve vir de todos, tanto nós do almoxarifado, quanto dos outros setores. Essa visita foi muito produtiva, uma oportunidade que temos de falar e também de sermos ouvidos.” Anderson Pinheiro, almoxarife há quatro anos

O Almoxarifado central atende cerca de 50 setores e movimenta, em média, por dia:

80n9 s ite

6

Funfarme Notícias - Março - 2018

100

ntos dime aten mente a diret lcão a b o n

2cais 2ta2 s s fi

no

4 por gas

e entr inhão m a c

5cit7 s açõe

soli oques est dos


Funfarme e a comunidade

Projeto de eficiência energética do HB junto à CPFL gera economia de quase R$ 470.000 por ano Alguns números do projeto do HB Foram economizados

R$ 468.000 em 2017 R$ 996.000

foram investidos graças ao projeto O resfriador de líquidos (chiller) é monitorado em tempo real e consegue reduzir a temperatura da água em até 7°C

Uma das metas da Funfarme é o desenvolvimento de projetos que visam a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente. E, só com este objetivo claro foi possível buscar e encontrar uma empresa, como a CPFL, que pudesse apoiar um projeto complexo como o de substituição do resfriador de água do HB. Responsável por refrigerar grande quantidade de água – o “chiller” como é chamado - faz com que seja possível o funcionamento da central de ar-

-condicionado do prédio todo, além de economizar grande quantidade de energia. Em 2017 o Setor de Engenharia Clínica do HB desenvolveu o projeto do chiller, que conquistou o 1º lugar entre os projetos de todo o Estado de São Paulo, analizados pela CPFL. Esta empresa de energia disponibiliza recursos financeiros para projetos de diferentes segmentos: industrial, residencial, comercial, poder público, entre outros.

1.257 KWh

é a quantidade de energia economizada no ano

667 casas

poderiam ser abastecidas, por mês, com a energia economizada

Fácil adaptação A menina angolana, Jéssica (2 anos e 10 meses), achada em um lixão em seu país de origem e adotada pela policial Elisa Tunguica, passa por tratamento no complexo desde meados de 2016 e, agora, começa sua fase de adaptação à nova prótese, que ganhou em janeiro. A reabilitação da menina tem sido um sucesso e é comemorada por todos. “Estamos treinando a marcha da Jéssica e a ensinando a passar obstáculos. A adaptação dela está sendo muito rápida e já faz tudo que uma menina da idade dela faz”, conta Kamila Passos, fisioterapeuta da criança.

Jéssica foi acompanhada por educador físico e equipes da Ortopedia, Vascular, Fisioterapia, Enfermagem, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Psicologia Funfarme Notícias - Março - 2018

7


Segurança do Paciente

Simples ideia de etiquetas aumenta a segurança do paciente e gera economia A Furfarme está em busca da acreditação ONA e a maioria dos colaboradores já sabem. Mudanças estão sendo feitas em praticamente todos os setores do complexo. E, dentro de todo esse processo para alcançar a acreditação, pequenos detalhes no dia a dia fazem a diferença, como a ideia criativa e a pró-atividade da enfermeira responsável pelo Centro Cirúrgico, Priscila Buck.

Observando corretamente as resoluções de cirurgia segura, da Organização Mundial da Saúde (OMS), Priscila desenhou uma etiquetadora de seringas que as separam por cor, baseado em um modelo já existente e utilizado no mercado. E então, levou o desenho para o engenheiro Rodrigo Plazas e, juntos, projetaram a própria etiquetadora. Dessa forma, o complexo conseguiu uma economia de

2.000 reais em cada etiquetadora. “O modelo que existe no mercado tem um valor altíssimo e acaba inviabilizando a compra para toda a instituição e desde outubro de 2017 nós estávamos trabalhando na elaboração desse projeto. Acredito que a identificação por cores se torna muito mais visual do que apenas uma etiqueta branca escrita em caneta, aumentando a segurança do paciente”, afirmou Priscila.

A etiquetação aumenta a segurança do paciente na cirurgia

Enfermeira Luana Wenceslau Ignacio etiquetando seringa durante cirurgia Cada cor de fita representa uma classe de medicamento

A etiqueta de cor vermelha, por exemplo, representa a classe dos medicamentos relaxantes musculares e antagonistas (compostos químicos que se ligam a determinados receptores neurológicos) 8

Funfarme Notícias - Março - 2018

A etiquetação de seringas facilita aos médicos na identificação de cada medicamento


Aprimoramento profissional

Treinamento aborda diagnóstico da Síndrome Respiratória Aguda Grave Com a chegada das estações frias, cria-se ambiente mais favorável para a propagação da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), conhecida pelos profissionais de saúde como “síndrome gripal”. Embora as pessoas pensem que gripe seja uma doença simples, pode evoluir para quadros mais graves e até a morte. Pensando em diminuir a incidência e proliferação da SRAG, em particular a causada pelo vírus Influenza, Dra. Márcia Wakai, médica infectologista do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da CCIH do HCM, ofe-

receu, em março, treinamento a 15 profissionais da saúde, residentes e médicos das emergências do SUS e Convênio para que estejam melhores

capacitados para, ao realizar diagnóstico de SRAG, agirem com mais rapidez em casos suspeitos. “A rapidez na determinação de uma suspeita de SRAG é fundamental para definir habilmente a conduta médica e, consequentemente, garantir a sobrevivência do paciente. O treinamento possibilitou debatermos diagnóstico, tratamentos disponíveis e prevenção da doença, além dos protocolos de segurança, como uso de máscaras e isolamento imediato do paciente”, ressaltou Dra. Márcia Wakai.

Solidariedade

Por iniciativa dos colaboradores da CME, é dado treinamento sobre EPIs

Algumas colaboradoras da Central de Materiais, que participaram do treinamento

Os colaboradores da Central de Materiais Esterilizados (CME) do HB receberam treinamento sobre o uso de EPIs (equipamentos de proteção individual), como capote de manga longa, máscaras, óculos de proteção, viseiras, entre outros. A iniciativa de promover o treinamento partiu do próprio setor ao constatar a necessidade de se atualizar sobre a legislação sobre o uso dos EPIs. “A Resolução do Ministério da Saúde que normatiza o uso é de 2012. Achamos por bem conferirmos se estamos agindo de forma correta”, a aprimoranda de Enfermagem, Jaqueline Lopes, organizadora do treinamento, que contou com a presença de 55 auxiliares de enfermagem, 7 enfermeiros, 2 colaboradores da limpeza e 4 da área administrativa, 6 estudantes do curso de Enfermagem da Famerp que estagiam na CME e a professora Dalva, do curso.

Cirurgião plástico do HB participa de ação humanitária

Dr. Roberto Bozola, regente do Serviço de Cirurgia Plástica da Funfarme/ Famerp (indicado pela seta), juntou-se a outros 20 colegas de várias regiões do Brasil para uma bela ação humanitária. No início de março, eles estiveram na Paraíba, onde realizaram cirurgias de reconstrução mamária em 20 mulheres que, vítimas de câncer, tiveram que passar por mastectomia. As mulheres são de famílias extremamente pobres que, não fosse a ação de Dr. Bozola e seus colegas, dificilmente teriam suas mamas reconstruídas. É o terceiro ano consecutivo que o regente do Serviço de Cirurgia Plástica participa deste mutirão, organizado pela ONG paraibana Rede Feminina de Combate ao Câncer. Funfarme Notícias - Março - 2018

9


Eventos científicos

Revolução no combate ao câncer é tema do II Ecip

Compuseram a mesa de abertura do evento, a partir da esquerda, o diretor executivo da Funfarme, Dr. Jorge Fares, a diretora administrativa do HB, Dra. Amália Tieco, o vice-diretor geral da Famerp, Dr. Francisco de Assis Cury, o ex-diretor executivo da Funfarme, Dr. Horácio José Ramalho, e Dr. Fábio Leite, representando a Comissão Organizadora do II Ecip.

Funfarme e Famerp realizaram o II Encontro de Cancerologia do Interior Paulista (Ecip), nos dias 9 e 10 de março, o maior do interior do Brasil, com mais de 600 médicos de todo país, promovido no Centro de Convenções da Famerp/Funfarme. O principal tema discutido no Ecip foi o desenvolvimento dos biosimilares (chamados de vacinas) para combater o câncer. Um assuntos abordados foi o uso do Pertuzumab. O composto foi liberado pela Anvisa para uso no país, no começo do mês de março. O medicamento é utilizado no tratamento do câncer de mama HER2+, agressi-

vo, que responde por 30% dos cânceres de mama no Brasil. Combinado a outros medicamentos, o Pertuzumab pode aumentar a sobrevida de pacientes atingidos. A previsão é que seja distribuído pelo SUS ainda no primeiro semestre de 2018. O Nivolumabe, outro composto enfocado no Ecip, é um medicamento que permite uma melhor ação do sistema imunológico contra o tumor. “É como se déssemos uma espada para nossas células de defesa e elas conseguissem, então, reconhecer e atingir as células com câncer, tornando a ação do medicamento mais eficaz e possibilitando maior con-

trole de sua ação”, explica um dos organizadores do evento e médico pesquisador em oncologia do CIP, Dr. Gustavo Girotto. A expectativa, segundo Girotto, é que estas vacinas custem de 10% a 20% do valor dos medicamentos de alto custo utilizados pelos pacientes com câncer. “Estas vacinas causarão um impacto no Brasil tão grande quanto os medicamentos genéricos”, afirma Girotto. A programação incluiu, também, módulos de ovário, TGI, pulmão, próstata, rim, melanoma, pesquisas clínicas e as últimas novidades da imuno-oncologia e das terapias-alvo.

Convidados referências no Brasil e mundo Para discutir esta revolução, a Funfarme/HB convidou o médico Antonio Carlos Buzaid, chefe do Centro de Oncologia dos hospitais Beneficência Portuguesa e Albert Einstein, de São Paulo, e o oncologista Gilberto Lopes, médico da Universidade de Miami. Dr. Buzaid esteve no I ECIP, ano passado, e ressaltou que fez questão de participar do evento deste ano devido à organização e ao nível dos palestrantes e das discussões da primeira edição. Gilberto Lopes estaria no evento, porém, teve que proferir sua palestra por videoconferência por causa de problema de saúde ocorrido à véspera do Encontro. 10 Funfarme Notícias - Março - 2018

Antonio Carlos Buzaid, chefe do Centro de Oncologia da Beneficência Portuguesa e Albert Einstein

Gilberto Lopes, oncologista da Universidade de Miami


Eventos científicos

Famerp/Funfarme debate como a tecnologia ajuda no atendimento em Saúde

O diretor geral da Famerp, Dr. Dulcimar Donizeti de Souza, fala durante a abertura do Fórum, ladeado por Dra. Suzana Lobo, coordenadora do evento, Dr. Jorge Fares, diretor executivo da Funfarme, e Dr. Maurício Nogueira, diretor adjunto da pós-Graduação da Famerp

A Famerp, por meio do Núcleo de Apoio à Pesquisa e Publicação (NAPP), em parceria com Funfarme, promoveu no dia 14 de março o I Fórum de Ciência, Inovação e Tecnologia, com o intuito debater sobre a criação de aparatos e sistemas tecnológicos que auxiliem os processos em Saúde, como aplicativos que otimizam o atendimento, a utilização de impressoras 3D para órteses e próteses, entre outros. A diretora adjunta de pesquisas da Famerp e médica responsável pela Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Geral do Hospital de Base (HB), Dra. Suzana Ajeje Lobo, que coordenou o evento, abriu a cerimônia destacando como a inovação é importante para a pesquisa. “O uso da tecnologia na pesquisa auxiliará para que os resultados e aplicações recorrentes deles sejam ainda mais rápidos e benéficos”, concluiu Dra. Suzana Lobo. Para isso, a Funfarme e a Famerp uniram-se a outras instituições de Ensino e Pesquisa da área de tecnologia, como a Escola Técnica Estadual (Etec), Philadelpho Govêa Neto, Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec), a Agência Paulista de Tecnologia e Agronegócios (Apta), , a Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), o Serviço Nacio-

nal de Aprendizagem Comercial (Senac), e contou com a presença da Secretária de Estado dos Direitos de Pessoa com Deficiência, Profa. Dra. Linamara Rizzo Battistella, para que a discussão acontecesse de maneira proveitosa a todas entidades envolvidas, como foco nas melhorias para os usuários da Saúde. A diretora da Unidade Rio-Pre-

tense Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, Dra. Regina, Chueire, e o Engenheiro Clínico da Fundação, Rodrigo Plazas, em palestras apresentaram como a robótica e o Laboratório de Marcha do Instituto e o parque tecnológico do complexo ajudam no tratamento e, consequentemente, na melhora significativa do paciente.

Opinião de participante A estudante do 3º ano de medicina da Famerp Carolina Tanaka participou do Fórum e, para ela isso despertou novos olhares para o uso da tecnologia na Saúde.

“O Fórum foi muito proveitoso ao apresentar as linhas de pesquisa disponíveis para iniciação científica dos alunos. Além disso, permitiu a aproximação com outras instituições de ensino da região e serviu como importante sanador de dúvidas.”

A estudante da Famerp Carolina Tanaka, durante o I Fórum de Ciência, Inovação e Tecnologia

Carolina Tanaka, estudante de medicina e participante do Fórum

Funfarme Notícias - Março - 2018 11


Funfarme e a comunidade

Coincidência ou não, a equipe da Funfarme que atuou no Dia do Rim foi majoritariamente feminina

Incidência de algumas doenças é maior na mulher Dr. Horácio José Ramalho, nefrologista da Funfarme e do IUN e um dos organizadores da campanha, ressalta que a incidência de algumas doenças nas mulheres é maior e elas podem levar a problemas crônicos nos rins. “O agravamento dos problemas nos rins é lento e silencioso, não acontece da noite para o dia. Quando se descobre o problema, já está bastante avançado. Doenças autoimunes, como o lúpus, que acometem 10 vezes mais mulheres que homens, e a gestação podem desencadear doença renal crônica. Por isso, é tão importante a atenção à saúde da mulher.”

Aluna da Famerp mede cintura para aferir o índice de massa corporal (IMC)

Mulheres cuidando de mulheres Como em todos os anos, a Funfarme mobilizou-se para ter participação importante na campanha do Dia Mundial do Rim. Neste ano, como ela coincidiu com o Dia Internacional da Mulher (8 de março), em todo o planeta, as entidades organizadoras elegeram a mulher para ser o alvo da campanha. Embora a mulher tenha sido o destaque deste ano, profissionais e estudantes da Funfarme e Famerp atenderam todas as pessoas, independentemente do sexo. Eles realizaram exames gratuitos de glicemia, pressão e urina, no Shopping HB e no HCM. Mais de 500 pessoas foram atendidas. “Todas as pessoas cujo exame de urina deu alguma alteração mais grave, que sugira problema nos rins, nós encaminhamos para o Serviço de Nefrologia do Ambulatório de Especialidades para dar continuidade ao atendimento e para realizar exames mais complexos”, explicou a enfermeira Rita Helú Ribeiro, professora de Enfermagem da Famerp e coordenadora do Programa de Aprimoramento da Funfarme/ Famerp.

O atendimento foi feito também em

27 Unidades Básicas de Saúde, no Instituto de Urologia e Nefrologia e nos shoppings da cidade

Atendimento no Shopping Antonio Figueiredo de Oliveira (conhecido como shopping HB) 12 Funfarme Notícias - Março - 2018


Funfarme e a comunidade

Pacientes da Oncoped viram protagonista de livro da Turma da Mônica

Carlos Daniel mostra livro, no qual é personagem As crianças interagiam com a história no bairro do Limoeiro, da Turma da Mônica

“É a realização de um sonho, já que literariamente conseguimos transportar os pacientes da Oncoped, para um outro mundo, cheio de diversão e alegria”. Assim, a voluntária do grupo Operação Alegria Rita Zeinum abriu a contação de histórias, no HCM, no dia 6 de março. Havia um brilho mágico no olhar das crianças quando elas foram buscar o livro da Turma da Mônica, no qual elas literalmente foram transformadas no protagonista, com direito a um avatar próprio. A história mostra uma criança que sonhava em conhecer os personagens da Turma da Mônica e participar das suas histórias. Certo dia, uma fada madrinha meio louca ouviu seus pensamentos e realizou seu desejo. Assim, a criança entrou no mundo encantado de Maurício de Souza e encontrou o Cebolinha, a Mônica, o Cascão, a Magali e os outros personagens. No final do dia, o encanto passou e a criança voltou para o seu quarto trazendo sua foto com a turma e o próprio Maurício de Souza. Depois da contação, cada criança pode levar o seu livro para casa e guardar de recordação, além de fazer foto com os ilustres personagens. Para a psicóloga do Serviço, Jéssica Aires, “essa será uma recordação boa, que transformou um dia do tratamento destes pacientes, tornando o ambiente hospitalar mais humano e positivo. E o melhor de tudo, esta boa lembrança ficará para sempre”, pontua.

Os organizadores A ação foi organizada pela grupo Operação Alegria, em parceria com a equipe da editora Dentro da História, que desenhou os personagens mirins, elaborou, imprimiu e doou 46 livros para as crianças atendidas no Serviço de Oncologia Pediátrica do HCM. As informações para a criação dos protagonistas foram coletadas pela equipe multidisciplinar do Serviço, por meio de fotos das crianças ou de descrições em detalhes.

Assim como no enredo da Turma da Mônica, ao final da apresentação, todos fizeram uma foto para registrar o momento

“Costumo mais ler livros em quadrinhos, mesmo com desenhos e, quando eu me vi na história, fiquei maravilhado”. Carlos Daniel Palmeira de Souza, de 17 anos

Mundo mágico da leitura A leitura esteve presente desde cedo na vida do pequeno Abimael Calebe, de 10 anos. “Ele aprendeu a ler lá pelos 4 ou 5 anos. Depois veio o linfoma e o tratamento o impediu de ir até a escola, mesmo assim, ele continua os estudos à distância. Nessa história toda, ele tomou amor pela literatura. Parece que tira ele daqui e o leva para o mundo mágico da literatura”, conta o pai, Luciano Silva.

Luciano e o filho Abimael leem o livro Funfarme Notícias - Março - 2018 13


Humanização

7º Funfarme Materna bate recorde de inscritos O 7º Funfarme Materna, realizado durante o mês de março, bateu o recorde de inscritos de todas as edições, com 45 gestantes. O curso preparou os pais para lidarem com etapas como a gestação, acompanhamento pré-natal, a escolha do parto e os cuidados com a mãe e com o recém-nascido. Além das gestantes, seus companheiros assistiram às aulas, no total de 60 participantes, dos quais, 36 da comunidade externa. Eles puderam tirar dúvidas, trocar experiências com os profissionais palestrantes e entre si,

Pais participantes do 7º Funfarme Materna, no anfiteatro do 3° andar do HCM)

permitindo-lhes experimentar o momento único da vinda dos filhos com mais confiança e serenidade. Ao final do último dia, todas as mães foram presenteadas com bolsas maternidade. O curso, gratuito e aberto aos cola-

boradores da Funfarme e à comunidade, tem duração de um mês, com quatro encontros. As inscrições para o 8º Funfarme Materna estão previstas para iniciarem em junho deste ano.

Um anjo de luz chamado Claudete Garcia Na tarde do dia 16 de março, o Instituto do Câncer estava, como sempre, movimentado. Pacientes aguardavam pelo atendimento assistindo à TV ou entretidos com o celular. Sentada no fundo da sala, imperceptível, estava Claudete Garcia, 44 anos, moradora de Votuporanga e diagnosticada com câncer em 2012. Sempre com um sorriso no rosto, atenciosa e com um rosário em mãos – como prova de muita fé –, Claudete faz questão de mostrar a camiseta personalizada que veste, com sua foto estampada e a frase a qual gosta sempre de repetir: “Orar não é obrigação, orar é o prazer de falar com Deus.“ Em uma sala reservada, ela conta sua história e como descobriu a doença leiomiossarcoma – tipo de câncer raro que afeta uma em cada 1.000 pessoas. “Eu queria ser advogada, professora ou costureira. Realizei um dos meus sonhos como costureira e trabalhei nessa profissão por 20 anos. Às vezes vejo uma roupa meia doida e logo quero fazer para mim”, comenta Claudete, sorridente. Em 2012, procurou o médico por conta de um inchaço na perna esquerda e descobriu que estava com uma trombose. No dia 30 de agosto da14 Funfarme Notícias - Março - 2018

quele ano, durante uma cirurgia para o tratamento da doença, uma nova complicação foi descoberta: o tumor leiomiossarcoma. “O que eu admiro muito nos médicos aqui do ICA é que todos eles são muitos sinceros. Na última consulta, as notícias não foram muito boas, mas tenho certeza de que Deus vai arrumar uma forma certa para me ajudar.” A paciente tem um filho de 24 anos, casado há seis anos e que sempre a acompanhou de perto seu tratamento. O filho, às vezes, liga apenas para dizer o quanto ama Claudete e mostra que um gesto de amor, uma palavra de carinho, faz a diferença. “Ele me fala: ‘se você ficar forte, eu fico forte. Se você fica fraca, eu fico fraco. Se você levantar, eu levanto.’ E aí a gente levanta mais forte.” Claudete foi casada por 18 anos e hoje supera todos os desafios tendo a família como base. “No dia 30 de agosto, eu estava com minha irmã e meu irmão no Hospital de Base. Eles me deram um abraço coletivo e disseram: nega, aconteça o que acontecer, tamo junto!” “Hoje dou mais valor à vida. Antes, só queria saber de trabalhar e trabalhar. Eu dizia para Deus: vou ser feliz

Com a fé inabalável, Claudete carrega sempre um terço nas mãos

quando eu conseguir comprar minha casa e meu carro. Hoje, ele me possibilitou tudo isso. Eu tenho um sonho: viver da melhor forma possível com a minha família que, do lado, me dá motivos para lutar.”


Homenagem

Doador de plaquetas há 18 anos, Oswaldo é homenageado pelo Hemocentro

O agente penitenciário Oswaldo Ramires, com a Diretoria e colaboradores do Hemocentro

O agente penitenciário Oswaldo Renato Ramires foi surpreendido pela Diretoria e colaboradores do Hemocentro com uma placa em agradecimento por ser doador de plaquetas há 18 anos, componente do sangue que ajuda na coagulação. Ao chegar no Hemocentro para fazer sua doação, no dia 28 de fevereiro, ele foi surpreendido por toda a equipe. Emocionado, Seu Oswaldo, de 61 anos, agradeceu: “É maravilhoso saber que, através de minhas contribuições, vidas são salvas. Quero doar até quando eu puder, mesmo que de bengala”, brincou. A julgar pela avaliação da equipe do Hemocentro, a promessa será cumprida. E poderá colaborar até completar 69 anos, nove anos a mais do que a maioria dos doadores de plaquetas que, aos 60 anos, não podem mais doar. “Sempre que o convocamos, Seu Oswaldo vem com um sorriso enorme no rosto. Ele merece!”, afirmou a supervisora de Enfermagem do Hemocentro, Mariana Coltro. A coleta de plaquetas é simples. Uma máquina retira o sangue, separa as plaquetas e, por fim, o devolve ao doador.

Pela idade, Oswaldo poderia parar de doar, mas vai continuar

Durante 18 anos, Seu Oswaldo... ...doou mais de

200 vezes... ... e salvou cerca de

350 vidas.

Funfarme Notícias - Março - 2018 15


ICA

Câncer esofágico atinge seis vezes mais os homens do que as mulheres O câncer de esôfago (tubo que liga a boca ao estômago) é o 6º tipo mais comum em homens e o 13º mais frequente em mulheres, não levando em consideração o tumor de pele (não-melanoma), de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Esta incidência da doença nos paciente atendidos no complexo, segundo o Registro Hospitalar de Câncer (RHC) do HB, mantêm-se a mesma da média nacional. Este tipo da doença atinge, portanto, seis vezes mais aos homens que às mulheres. “O grande problema deste tipo de tumor é a dificuldade do diagnóstico, no qual o tratamento possa ser curativo. Principalmente no nosso país, onde a frequência dele é baixa e não existe programas de rastreamento da doença na população. Assim, o diagnóstico é tardio é comum, não permitindo a cura total”, explica o cirurgião oncológico digestivo, Dr. Aldenis Borim.

Predominância dos casos no HB

86%

14%

são mulheres

são homens

33 casos do sexo feminino

210 casos no sexo masculino

De 2011 até 2016, foram registrados 243 casos no hospital.

Fatores de risco e prevenção Alguns hábitos alimentares e sociais podem cooperar para o surgimento deste tipo de câncer. “A predisposição genética não influencia tanto neste tipo de câncer. O que mais contribui mesmo para isso são os fatores de risco, sendo importante evitá-los”, recomenda Dr. Aldenis. São eles: • Fumar • Uso excessivo de álcool • Consumo de bebidas muito quentes No sul do país, por exemplo, o chimarrão, bebida à base de erva-mate e água, é consumido muito quente, justamente um dos fatores de risco para o câncer. “Como os moradores desta região tomam muito chimarrão, diariamente, põem em risco sua saúde. Nesta região, os médicos então aconselham tomarem o tererê, bebida também à base de erva, mas consumida gelada”, diz Dr. Aldenis. 16 Funfarme Notícias - Março - 2018

Fique atento aos sinais! Um dos principais sintomas é a disfagia, ou seja, a parada do alimento após engolir (entalo), geralmente acompanhado de dores no peito. Além disso podem ocorrer: ·• Perda de peso rápida e anemia • Salivação em excesso

Exames de rotinas são fundamentais As estatísticas do RHC mostram que a faixa etária na qual mais acontece o câncer esofágico é a acima dos 50 anos. Carlos Roberto Gregório foge um pouco aos dados. Com apenas 38 anos, descobriu o problema há um mês e já começou o tratamento no ICA. Carlos conta que a insistência da família para que ele fizesse um check up completo foi fundamental para se descobrir a doença precocemente. “Comecei a sentir dores e achei que fosse úlcera estomacal. Minha esposa e minha mãe insistiram para que eu procurasse o médico. Fiz os exames e acabou constatando o câncer. A equipe médica do ICA me passou muita segurança”, ressalta Carlos que faz quimioterapia e tem previsão de passar por cirurgia no final de maio.

Carlos e sua esposa, Vânia, afirmam que foram muito bem acolhidos pelas equipes do ICA


Cultura

Biblioteca

Dica de leitura, com a palavra das especialistas O Livro da Filosofia De Globo Livros

Ostra Feliz Não Faz Pérola De Rubem Alves

Reúne o básico da filosofia seus principais pensadores, sintetizando de forma simples as ideias que formam a base da filosofia.

O Poder da Solução

De Roberto T. Shinyashiki

É uma leitura que possibilita nos identificar com os diferentes tipos de pessoas, comportamentos e maneira de se relacionar, possibilitando uma auto análise.

A ostra, para fazer uma pérola, precisa ter dentro de si um grão de areia que a faça sofrer. Por vezes a dor aparece como aquela coceira que tem o nome de curiosidade.

Gente Tóxica

De Bernardo Stamateas

O livro ajuda a identificar as pessoas tóxicas e auxilia a se relacionar com elas e se proteger

Simone (à esquerda) e Jaqueline selecionaram livros com abordagens que envolvem os relacionamentos pessoal e profissional, além de autoajuda

As auxiliares de biblioteca, Jaqueline Batista da Silva e Simone Almeida Malumbres, comemoraram o dia do Bibliotecário, celebrado em 12 de março, trazendo sugestões de leituras. Elas, que são responsáveis, respectivamente, pela Biblioteca do HB e pela Biblioteca do “Shopping HB”, coordenam a movimentação de cerca de 300 obras, por mês, nas duas bibliotecas, que juntas contam com um acervo de mais de 7 mil volumes.

Fundação homenageia aposentados A Funfarme homenageou, em março, colaboradores que se aposentaram entre 2017 e 2018 e completaram, pelo menos, uma década de trabalho na instituição. O evento foi prestigiado pelos diretores Dr. Jorge Fares e Dra. Amália Tieco. Aparecida de Fátima G. Lopes, ex-recepcionista do RH, trabalhou durante 20 anos na Fundação que viu crescer. “Foi maravilhoso e fico muito grata com tudo o que eu vivi na instituição. Aprendi que a vida é bela e que devemos sempre amar ao próximo!”, comentou Aparecida, com os olhos brilhando. Conheça os homenageados: Aposentado Rute M. Santos Sueli D. Dos Santos Maria M. S. de Marins Rita de Cassia S. Martins Ana Aparecida de S. Brito Aparecida de Fátima G. Lopes Maria Tereza N. Piton Rivaldo Augusto Martins Magda Susana L. Teixeira Vera Lucia M. Oliveira Maraci N. de Oliveira

O diretor executivo da Funfarme, Dr. Jorge Fares, entregou placas com homenagem aos aposentados

Cargo Técnica de farmácia do 7º andar Secretária na Diretoria Costureira - Lavanderia Téc. de enfermagem no UTI NEO – HCM Copeira no SND-Copa Recepcionista do RH Costureira - Lavanderia Auxiliar de enfermagem do 3º andar Enfermeira do 3º andar Téc. de enfermagem na Quimioterapia Téc. de enfermagem da UTI Geral

Tempo de Trabalho 24 anos 22 anos 23 anos 23 anos 23 anos 20 anos 19 anos 16 anos 17 anos 17 anos 16 anos Funfarme Notícias - Março - 2018 17


Eventos comemorativos

Dia Mundial da Mulher tem almoço especial

Parabéns para as colaboradoras do Setor de Nutrição e Dietética pelo almoço delicioso

Em comemoração ao Dia Mundial da Mulher, 8 de março, Funfarme ofereceu almoço especial para parabenizar as colaboradoras da Fundação. A ideia foi organizada pelos diretores Dr. Jorge Fares, Dra. Amália Tieco, a auditora Dra. Gislaine Fares, a equipe do RH, Compras e Cozinha. Para se ter uma ideia do sucesso do almoço, em média, por dia, são servidas 1.000 refeições. Na data especial foram feitos 1.450 pratos.

"Foi muito gratificante fazer esse trabalho! É maravilhoso saber que as pessoas gostaram. Fizemos tudo com muito carinho para agradar a todos.”

Cardápio especial Macarrão ao molho pesto Salada com muçarela de búfala Frango frito Maionese com passas

Além de gostoso, o cardápio foi elogiado pelo seu visual

Aparecida Amorim, do Setor de Nutrição

“O almoço foi ótimo! As mulheres são batalhadoras e merecem algo especial. Foi lindo!” Marlene Lopes, auxiliar administrativa

"Esse tipo de comemoração motiva o colaborador. Ele sente que a instituição não esquece dele. Tudo isso ajuda em seu desempenho dentro do complexo.” Thatiana Caldeira, assistente de RH Para comemorarem o dia delas, colaboradoras do RH, da Diretoria Executiva e da Cozinha se refrescam com a sobremesa 18 Funfarme Notícias - Março - 2018


Espaço ASFF

ASFF tem novo canal de comunicação (17) 99631-3380 Procuramos estar por dentro de todas as tendências digitais, por isso, criamos mais um canal de atendimento ao associado. Através do Whatsapp, você pode tirar dúvidas, esclarecimentos e ficar por dentro de todas as novidades da ASFF! Mande um “oi” para gente e fique por dentro!

Vale Kit Bebê: saiba como receber Buscamos sempre oferecer o melhor aos nossos associados. Estarmos presentes no momento da chegada de uma nova vida nos dá uma alegria imensa. Benefícios Associada gestante ou associado com esposa gestante, ASFF procure a ASFF e solicite o vale. Um mês antes do parto, é oferecido o vale compras para complementar o enxoval do bebê. Este benefício não é válido para filhos e netos. Em março, tivemos vários associados contemplados com o Vale Kit Bebê da ASFF, entre eles:

Atualização cadastral Camila Flores Veloso

Johnny De Paula Morais

Karina de S. José

Aulas de Natação no Clube ASFF

Fique por dentro de tudo que acontece na ASFF! Ligue-nos nos ramais 15121516 e atualize seu cadastro!

Associado ASFF, você sabia que pode fazer aulas natação no Clube da ASFF por um preço superespecial? Sim, temos todo os sábado aulas, divididas por categorias e faixas etárias. O contato é feito diretamente com o professor Cleber pelo celular 99143-5970. Confira algumas imagens!

Use o cartão ASFF e concorra a prêmios A ASFF, em parceria com os conveniados, vai premiar os associados que utilizam o cartão ASFF! Acompanhe nas próximas edições mais detalhes sobre essa novidade!

Funfarme Notícias - Março - 2018 19


NHE

A atenção à Influenza deve ser constante

Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (DNC), notificadas no NHE/HB/FUNFARME no período de janeiro a dezembro de 2017 e janeiro a fevereiro de 2018

A Influenza é uma doença infecciosa aguda, que compromete as vias aéreas e pode levar a complicações graves e até mesmo à morte. O problema é causado pelo vírus Influenza A, B ou C, daí a origem do nome da doença. Os tipos A e B são os que geram maiores complicações clínicas. A transmissão mais comum é que passa de uma pessoa a outra, em contato direto, principalmente por meio de tosse, espirro ou contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas. Quando há complicações, a pessoa contaminada pode desenvolver a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Se houver suspeita da Síndrome em pessoas internadas na Fundação, o NHE deve ser notificado imediatamente. Quando suspeitar de SRAG? O indivíduo que estiver internado, de qualquer idade, que apresentar febre alta, acompanhada de tosse ou dor de garganta e pelo menos um dos seguintes sintomas: dor de cabeça intensa, no corpo ou nas articulações, dificuldade respiratória e/ou falta de ar, ou com saturação de oxigênio menor que 95%. Prevenção A melhor maneira de se prevenir é por meio da vacinação, da higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool gel e tossir em lenço de papel ou no braço, nunca na mão. SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA Os Estados Unidos vêm enfrentando uma atividade generalizada da circulação de vírus Influenza com o predomínio do vírus A (H3N2). A situação epidemiológica naquele país serve como alerta. No Brasil, nos meses de janeiro e fevereiro deste ano foram notificados 996 casos (Figura 1) de SRAG, destes, 62 por Influenza. A região sudeste registrou o maior número, com 40 casos. Já em Rio Preto, foram notificados 26 casos de SRAG, dois deles positivos para Influenza, sendo 19 notificados pela Funfarme, com um positivo para Influenza A(H3N2). Distribuição dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave segundo agente etiológico e semana epidemiológica do início dos sintomas

Período de janeiro e fevereiro de 2018 (Semana 1 a 8)

Fonte: SINANnet-SINANweb-FIN-FII-NHE/HB/HCM/FUNFARME *Dados provisórios, investigações em andamento, levantamento até dia 28/02/2018. **SRAG(Síndrome Respiratória Aguda Grave) internados/óbitos Not.(notificados) Conf.(confirmados) Dengue e influenza até 28/02/2018

Imunização Nacional - Acontece entre os dias 16 de abril a 25 de maio e é indicada para pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade – inclusive adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas – e os funcionários do sistema prisional.

Referências: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Epidemiológico Influenza. Monitoramento até a SE 08 de 2018. Disponível em http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2018/abril/08/Informe-Epidemiologico-Influenza-2018-SE-08. Acesso em: 09/03/2018.

Funfarme: A vacinação está programada para segunda quinzena de abril. Fique atento às informações da campanha! Composição da vacina: - A/Michigan/45/2015 (H1N1)pmd09; - A/Singapore/INFIMH-16-0019/2016 (H3N2) - Influenza B/Phuket/3073/2013.

Doenças de Notificação Compulsória! - NOTIFIQUE NHE/FUNFARME - Ramais do NHE/HB – 1380 e 1837. Segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. À noite, nos finais de semana e feriados, no NHE ou no telefone do plantão do Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado de SP (17) 3227-8814. 20 Funfarme Notícias - Março - 2018

Revista Funfarme Março 2018  
Revista Funfarme Março 2018