Page 1

Esportes auxiliam na saúde páginas 6 e 7

Rio Preto sedia X ENFHESP página 4

Ano VIII / Nº 113 - Abril - 2011

HB é o primeiro hospital do interior a realizar cirurgia de mal de Parkinson pelo SUS Página 05


Editorial

Comoção na família HB Nos últimos dias, a comunidade do Hospital de Base de Rio Preto tem convivido com a triste realidade da morte da solidária e altruísta estudante, L. N. R., e com a dor da família da jovem e comoção na sociedade. O Hospital de Base em todos os momentos trabalhou da melhor maneira possível para apurar os fatos com ética e responsabilidade, não ocultando informações e agindo com cautela e no cumprimento dos prazos legais. Lembrando que é de nosso maior interesse que todos os fatos sejam esclarecidos. Com renome nacional, há mais de 40 anos o HB presta serviço de qualidade a toda comunidade, desde procedimentos simples à alta complexidade. Mensalmente, são mais de 30.000 atendimentos e mais de 3.500 cirurgias, entre tantos procedimentos, dos quais mais de 90% pelo SUS, números que colocam o Hospital de Base entre as principais instituições médicas do Brasil. Junto a Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, o HB é ainda centro de referência na área de formação continuada de sua equipe profissional, médicos, enfermeiros e áreas da saúde, tendo recebido vários prêmios nos últimos anos como pelo seu serviço de maternidade, escolhido pelo próprio cliente da instituição, com o melhor do Estado de São Paulo. Uma história como esta é construída com empenho e profissionalismo de toda a sua equipe e não pode ser julgada apenas por este fato. As futuras manifestações serão feitas após a conclusão do inquérito policial, Sindicância Interna, Sindicância do Conselho Regional de Medicina, Sindicância do Coren e ANVISA. Todo complexo Funfarme/HB e Famerp continuarão com suas atividades normais de ensino, pesquisa, assistência e extensão a toda a comunidade. Dr. Horácio José Ramalho – Diretor Executivo Funfarme Dr. Humberto Liedtke Junior – Diretor Geral Famerp Dr. Jorge Fares – Diretor Administrativo HB Dr. Jorge Adas Dib – Diretor Clínico HB

Cartas Ao atendimento SUS Prezados Senhores, Venho agradecer imensamente à equipe do Hospital de Base, especialmente aos Drs. Daniel, Alexandre e Mariana da área de Neurologia pelo atendimento brilhante dispensado ao meu irmão durante sua consulta e exames neste hospital. Confesso que quando meu irmão foi encaminhado ao Hospital de Base tive alguns receios por causa das notícias que a gente ouve no dia a dia. Porém, em nada se confirma os boatos. Pelo menos no que diz respeito aos procedimentos pelo SUS dispensados ao meu irmão, devo dizer que desde a triagem, recepção, enfermeiros, as mulheres que servem as refeições, os médicos, os exames, tudo me surpreendeu pelo carinho, humanidade e profissionalismo. Parabéns ao Hospital e toda a equipe! Atenciosamente, Carla Andrezza Ferrari Gomes Irmã do paciente: Carlo Alessandro Ferrari Gomes, que esteve no hospital durante toda a tarde do dia 02 de junho de 2011

Cumprimentos, Senhores Diretores do HB, meus cumprimentos, agradecimentos, obrigado pela atenção de todos, pela alimentação e higiene durante os 9 dias que fiquei internada. Recebi muita atenção e carinho de todos. Um abraço a todos e que Deus abençoe. Att, Aparecida Felipe Nicolini Esta paciente ficou internada no quarto 307.

Expediente

Informativo Fundação Faculdade Regional de Medicina Ano IX / Nº 115 Junho de 2011 • Diretor Executivo Funfarme: Dr. Horácio José Ramalho • Vice-Diretor Executivo Funfarme: Dr. José Luis E. Francisco • Diretor Administrativo HB: Dr. Jorge Fares • Vice-Diretor Administrativo HB: Dr. Newton Bordin Júnior • Coordenador de RH e DP: Dr. Paulo Nakaoski • Diretor Clínico: Dr. Jorge Adas Dib • Vice-Diretor Clínico: Dr. João Fernando Picollo • Diretor Técnico: Dr. Roberto Yagi • Diretor do Hemocentro: Dr. Octávio Ricci Júnior • Diretor do Ambulatório: Dr. Aldenis Borim • Produção Editorial: Intermídia Publicações – 17- 3353-2083 • Jornalista Responsável: MTB: 24.527 • Redação e Fotos: Luís Fernando Neves

• Diagramação: Roger Goulart • Colaboração: Camila Galvão • Impressão: Fotogravura Rio Preto • Tiragem: 2000 exemplares

02

Revista do HB - Junho - 2011


Captação de órgãos

Equipe do HB auxilia Santa Casa de Jales na 1° Captação de Órgãos

Marcos da SPOT/HB e equipes de Jales e São Paulo

Na madrugada de 07 de julho, a Santa Casa de Jales acionou o Serviço de Procura de Órgãos e Tecidos do HB (SPOT) para comunicar um potencial doador de órgãos na unidade. O enfermeiro do SPOT/HB Marcos Moraes, junto com uma equipe médica de São Paulo, composta pelo médico-cirurgião Juan Rafael Branez Pereira e pelo médico-assistente Felipe Eulálio realizaram o procedimento para retiradas dos órgãos, junto com funcionários da Santa Casa. Entre eles, a enfermeira Célia Aparecida Fiorentino, que ficou gratificada com o trabalho. Segundo Célia, o procedimento de retirada de órgãos teve início a meia noite e terminou por volta das 03 horas da manhã, sem nenhuma complicação. Os órgãos, 2 rins, fígado, pâncreas e córneas foram doados pela família de um jovem que teve morte cerebral. Segundo o enfermeiro Marcos, os rins foram encaminhados para pacientes de Ribeirão Preto, o pâncreas e fígado foram para a capital paulista e as córneas permanecem no banco de olhos do HB.

Para o provedor da Santa Casa de Jales, José Devanir Rodrigues, o Garça, a retirada dos órgãos para transplante representa um marco na história do hospital e um grande avanço no que diz respeito à conscientização das pessoas. “O gesto dessa família é muito nobre e representa uma evolução na sociedade em termos humanitários. É uma alegria pensar que apesar da chegada da morte ainda é possível salvar outras vidas. Espero que esse seja o primeiro de muitos!”, disse o provedor. Já Dr. João Fernando Picolo, coordenador da SPOT, comemora e parabeniza a iniciativa dos funcionários da Santa Casa de Jales, que com este gesto, junto com a nobreza da família doadora, pode ajudar 6 pessoas que estão esperando por uma chance de vida nova. Ele comenta ainda que o treinamento, para identificação de potenciais doadores de órgãos, realizado com os hospitais da região já começa a dar bons resultados.

Estagiários e supervisores participam de simpósio No mês de junho os estagiários do convênio HB com CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) e seus supervisores foram convidados a participar de um aprimoramento com a consultora comercial Daniela Sandrini. O HB foi eleito em 2010, a melhor empresa da região para estagiar, por isso é importante que esta qualidade aumente cada vez mais. Atualmente o HB conta com 24 estagiários e considera importante a colaboração destes estudantes na instituição. Estagiários e supervisores durante aprimoramento

Revista do HB - Junho - 2011

03


X ENFHESP

Encontro de Enfermeiros é coordenado por profissional do HB O X ENFHESP – Encontro dos Enfermeiros de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo - que aconteceu nos dias 9 e 10 de junho, reuniu 336 profissionais para abordar o tema central: “O poder do cuidado na perspectiva tecnológica”. O evento prima pelo desenvolvimento de temas relacionados à enfermagem brasileira e sempre foi organizado nos hospitais de ensino da capital e de Campinas e pela primeira vez ocorre em Rio Preto, coordenado pela enfermeira do HB Maria Regina Lourenço Jabur. Autoridades locais e estaduais durante abertura

O aprimoramento científico, a troca de experiências entre as instituições e a incorporação de novas tecnologias em saúde foram temas discutidos pelos profissionais durante o evento. “Nesta décima edição discutimos o poder do cuidado na perspectiva tecnológica, encarando o desafio de conciliar tecnologias e cuidados na saúde”, completa Maria Regina. Os hospitais são fundamentais como formadores de Recursos Humanos em saúde, desenvolvimento de pesquisa e incorporação de novas tecnologias. “A enfermagem participa destes aspectos fundamentais e o ENFHESP, ao longo dos anos, consolidou-se como um evento de referência” conclui a enfermeira. Profissionais da saúde durante o X ENFHESP

Enfermeiros participam de Curso de atualização em Campinas Com o objetivo de agregar conhecimentos e trocar experiências, os enfermeiros Pablo Henrique, Kleber Aparecido e Denílson Pereira participaram de um curso de atualização em urgências e emergências em Campinas, no dia 04 de junho. O curso abordou temas como trauma pediátrico, atendimento em catástrofes e transporte aéreo. Durante o curso os enfermeiros trocaram contatos com outros profissionais para possíveis discussões de casos.

04

Revista do HB - Junho - 2011


nonono Pioneiro

HB é o primeiro hospital do interior a realizar cirurgia de mal de Parkinson pelo SUS Nos dias 28, 29, 30 de junho e 1 de julho, 4 pacientes do Ambulatório do Hospital de Base passaram por uma cirurgia inédita pelo SUS no interior de São Paulo. Eles sofrem com o mal de Parkinson, uma doença que atinge 1 em cada 1000 brasileiros e faz com quem o doente pratique movimentos involuntários. Mas o problema não está na musculatura e sim no cérebro. Esta técnica cirúrgica que vem revolucionando o tratamento do mal de Parkinson é indicada para pacientes que não obtiveram sucesso no controle da doença com medicamentos. O procedimento consiste na implantação de eletrodos no cérebro do paciente, controlados por uma espécie de marcapasso. Os neurocirurgiões utilizam avançada técnica de micro registro neuronal, que permite monitorar a atividade dos neurônios e identificar melhor o ponto alvo do procedimento cirúrgico. “A cirurgia diminui os sintomas que são por vezes incompatíveis com uma vida normal”, explica Dr. Carlos Rocha, neurocirurgião do HB. Segundo o neurologista, Dr. Fábio de Nazare, a doença em estágio avançado não permite que o paciente tenha uma vida normal e independente. A cirurgia já é realizada há alguns anos no Brasil pela rede particular, mas há pouco tempo é oferecida pelo SUS na capital. “Como o material é importado, o custo é alto, o que dificulta o acesso à maioria dos pacientes. Agora com este serviço pelo Sistema Único de Saúde, muitos pacientes da nossa região devem ser beneficiados”, diz Dr. Sebastião Carlos da Silva Júnior. Os primeiros pacientes que realizaram a cirurgia estão em acompanhamento no Ambulatório há alguns anos. “O resultado da cirurgia é impressionante, tenho pacientes que fez o procedimento particularmente e é outra pessoa, corre, anda de bicicleta, pinta e até consegue se barbear sozinho”, conclui Dr. Carlos.

Este tipo de cirurgia exige total concentração

Dr. Carlos ajusta equipamento importado Revista do HB - Junho - 2011

05


De olho na Saúde Uma vida sedentária é uma vida de problemas Hoje o carro nos leva a todos os lugares, a tecnologia vem substituindo o esforço humano e a correria do dia a dia se torna uma desculpa primordial na hora de fugir das atividades e exercícios físicos. Para o responsável do Laboratório de Atividades Físicas e Saúde da Famerp (LAFIS), Dr. Kazuo Nagamine, os exercícios físicos não são muito atraentes porque muitas vezes são relacionados a trabalho, quando na verdade são substitutos de atividades que deixamos de fazer por causa da tecnologia. Um bom exemplo disso são os elevadores. Muitas pessoas deixam de subir um andar de escada e perde a oportunidade de se exercitar, para utilizar os elevadores. Ele diz que temos que ficar atentos para as pessoas que iniciam exercícios físicos para emagrecer. “Se uma pessoa inicia as atividades físicas somente com o objetivo de emagrecer, ela certamente irá parar logo essas atividades. As pessoas têm que se exercitar com o objetivo de ter uma saúde melhor”, diz Dr. Kazuo. Ele menciona também que as atividades são extremamente importantes para auxiliar nos transtornos mentais, como ansiedade, depressão e burnout – conhecida também como síndrome da fadiga profissional-. Segundo uma pesquisa realizada, se você praticar pelo menos duas sessões de ginásta em grupo na semana já colabora para aliviar as tensões e pode trazer resultados melhores que medicamentos. As tradicionais corridas matinais ou de fim de tarde, conhecidas também como “cooper”, podem ser uma solução saudável para quem quer se exercitar, mas não tem muito tempo disponível. “É importante que um médico seja procurado antes do começo do treino, para que seja feita um exame médico inicial , explica Dr. Kazuo. Ele lembra ainda que pessoas com fatores de risco, como diabetes, pressão alta ou tabagistas podem correr riscos de saúde na prática de exercícios ou esportes sem uma orientação adequada.

Os benefícios da atividade física - Lembra do estresse e da ansiedade? Pois bem, a prática da corrida ajuda (assim como toda atividade física) a liberação de endorfina (hormônio que propicia a sensação de bem estar) pelo organismo. De bem com a vida, até o desempenho sexual recebe um upgrade. - Aquelas gordurinhas podem deixar de ser um problema. Com a corrida, a pessoa passa a emagrecer devagar e de maneira saudável. - Além de aumentar o condicionamento físico, a prática da corrida ainda ajuda a diminuir o índice de colesterol “ruim” no sangue - o que evita o entupimento dos vasos sanguíneos. - O cooper ajuda no envelhecimento saudável da pessoa. Corre-se menos risco de ter doenças típicas do envelhecimento, como as coronarianas, a hipertensão, diabetes, osteoporose e artrose.

06

Revista do HB - Junho - 2011

Dr. Kazuo Nagamine explica a importância de uma vida saudável

Na hora de emagrecer... Dr. Kazuo explica que não há segredos para emagrecer e a solução é cortar de seu cardápio gorduras e doces e aumentar as atividades físicas diárias. “As pessoas tem que unir os exercícios físicos com uma reeducação alimentar”, diz ele. Segundo o educador físico, se uma pessoa diminuir 500 kcal. e iniciar uma atividade física que queime este valor, ela poderá perder 1 kg. por semana. “Não podemos esquecer que a perda de peso muito rapidamente faz com que as pessoas recuperem este peso rapidamente. Temos que eliminar o peso extra devagar e com saúde”, conclui ele.

Dica ! O ideal é associarmos uma atividade aeróbica com uma atividade muscular. Sendo assim podemos fazer uma caminhada e pegar um pouco de peso em casa ou praticar corridas e fazer academia. Sendo assim, não podemos usar as palavras tempo e dinheiro como pretextos.

Você Sabia ??? Que atividades físicas, exercícios físicos e esporte não são a mesma coisa? As atividades físicas estão ligadas a atividades laborais, como caminhadas no trabalho, varrer a casa ou lavar o quintal. Os exercícios físicos estão ligados aos movimentos corporais regrados, como 1 hora de caminhada, 40 minutos de pedalada ou alguma aula de dança. Os esportes agregam movimentos corporais com caráter lúdico, como futebol e basquete.


Uma atleta no HB De dia, Patrícia Pinhel é enfermeira na hemodiálise do HB, de noite, quando sai para treinar com o marido, ela é uma atleta nas ruas de Rio Preto. Há 6 anos ela começou a praticar corrida junto com o esposo Alexandre e não parou mais, já ganharam medalhas e hoje disputam espaço com outros corredores. Patrícia e Alexandre faziam academia, mas por um problema musculoesquelético, tiveram que trocar a musculação pela corrida. Atualmente disputam maratonas, que são 42 quilômetros. “Correr é meu vício saudável, comecei e não quero parar nunca mais”, diz ela. Alexandre emagreceu 20 quilos correndo e Patrícia manteve o corpo que sempre quis. Ela é tão fã que virou ícone no HB, quando o assunto é corrida. Ela incentiva todos seus amigos a praticar exercícios físicos. Ela disputa este ano o 1° torneio de Duatlon de Rio Preto, que envolve corrida e bike. Na primeira etapa ela ficou com o 5° melhor tempo e na segunda etapa, ela pegou a 2ª colocação. Em setembro ela disputará a fase decisiva.

Comece a correr você também 1º mês

2º mês

3º mês

Andar em ritmo moderado por 30 a 45 min.

Andar em ritmo acelerado de 1h15 a 1h30.

Treino intercalado: 10 min corrida lenta e 3 min andando, até completar 1 h.

Andar em ritmo 2º semana moderado por 30 a 45 min.

Andar em ritmo moderado por 30 a 45 min.

3º Andar em ritmo semana acelerado por 1h a 1h15.

Treino intercalado: 3 min corrida lenta e 3 min andando, até completar 30 min.

Treino intercalado: 15 min corrida lenta e 3 min andando, até completar 1 h. Treino intercalado: 15 min corrida lenta e 3 min andando, até completar 1 h.

4º Andar em ritmo semana acelerado por 1h a 1h15.

Treino intercalado: 10 min corrida lenta e 5 min andando, até completar 40 min.

1º semana

Colaboradores incentivados Com incentivo de Patricia, a equipe da Hemodiálise entra no ritmo, alguns médicos e enfermeiros já participam até de maratonas e corridas oficiais, como é o caso da Dra. Fernanda Ferraz e Dra. Bianca Leal, que irão participar de uma meia maratona ainda este ano. A auxiliar de enfermagem Cris já pratica corrida, Cleuzinha, chamada carinhosamente de Beyoncé iniciou suas caminhadas e Isabela e Adriana estão fazendo exercícios aeróbicos. Todas em busca de uma melhor qualidade de vida. O resultado no caso de Isabela foi surpreendente, ela emagreceu mais de 10 quilos, se apaixonou por exercícios físicos e pretende no próximo ano cursar a faculdade de Educação Física.

Correr em ritmo moderado por 40 min. a 1h.

Em busca de uma boa saúde Hipertenso e obeso, essa era a realidade do Dr. Sérgio Brienze há 15 anos. Em busca de uma melhor qualidade de vida, ele resolveu praticar exercícios físicos. Ele começou com natação e karatê, logo partiu para a corrida e bike. Perdeu 15 quilos com os exercícios. “Gosto mesmo é de correr, já participei de 2 maratonas em São Paulo, 1 em Chicago e 1 em Copenhage, lembrando que essas maratonas são 42 quilômetros de corrida”, diz ele. Ele treina diariamente às 6 horas da manhã e a noite, exceto em dia de plantão. No começo era só caminhada e aos poucos foi introduzindo os famosos “trotes” e logo já estava correndo. “Para aguentar o tranco aqui no hospital tem que ter muita disposição e os exercícios me ajudam muito”, comenta ele. Ao contrário de Patrícia, Dr. Sérgio não participa das corridas para ganhar medalhas, mas sim colocar em práticas seus treinos e mostrar que tem mais fôlego que muitos adolescentes.

Da esquerda para a direita: Cris, Cleuzinha, Isabela, Patrícia e Adriana.

Dr. Sérgio Brienze

Revista Revistado doHB HB--Junho Junho-- 2011

07


Parceria

Cirurgias realizadas no HB são catalogadas em Harvard Os médicos americanos da ONG Children’s Heart Link vieram mais uma vez ao HB, em junho, para trocar experiências com a equipe cardíaca pediátrica e aproveitaram para trocar informações sobre as cirurgias que estão sendo catalogadas em Harvard, nos Estados Unidos. Cirurgias essas, que os profissionais do HB realizam e colocam à disposição de médicos do mundo inteiro para ajudar a salvar vida de crianças com os mesmo problemas. Com este intercâmbio sendo realizado a cada seis meses, os americanos assistem as técnicas brasileiras e vice-versa, aprimorando e ampliando o conhecimento entre ambos. Dados são enviados à Harvard

Diretoria recebe equipe americana

Colaboradoras responsáveis por alimentar o banco de dados

Dr Ulisses Croti, Esta é a foto do Vitinho que foi operado por vossa equipe em 17/06/2009 aí no Hospital de Base, o Vitor completou 2 aninhos no dia 02 de maio. Grande abraço, fique com DEUS e dê lembranças a todos aí deste iluminado hospital. Baltazar Martins Rocha

Dr. Ulisses e equipe, Minha florzinha Isabelle fez 1 aninho dia 06/07 e é com muita alegria e emoção que venho agradecer à você e sua equipe pela benção, que hoje recebo, que é ter minha filha junto a mim, e isso só foi possível pois Jesus colocou pessoas capacitadas e com um dom único que é “SALVAR VIDAS” ! Meu obrigado a vocês será eterno!!! Fiquem com Deus! Abraços...

08

Revista do HB - Junho - 2011


Perfil HB de coração Iraci Calsavara é encarregada de setor da cardiologia, neurologia, oftalmologia e pneumologia do Hospital de Base e carrega o HB no peito. Há 27 anos, quando ela começou a trabalhar no HB as coisas eram bem diferentes do que são hoje. “Antigamente, na divisa entre o prédio do SUS e o prédio do convênio tinha pé de goiaba e manga, todo dia na hora do almoço íamos até lá para apanhar” lembra Iraci. Ela comenta que não conseguia imaginar outro prédio nas instalações da instituição. “Às vezes, via o Dr. Jorge passando com os engenheiros dizendo que um prédio seria construído, eu ouvia e não conseguia concretizar essa ideia, mas hoje o prédio está ai, lindo. Vi cada tijolo sendo colocado”, conta. Hoje ela acha engraçado lembrar como era em volta do HB. “Onde é o estacionamento da Famerp, era uma horta, a gente colhia um monte de quiabo lá” conta aos risos. Quando Iraci foi contratada sua função era a de auxiliar de serviço, depois ela passou a ser encarregada e há 20 anos é supervisora. Esse crescimento e

a gratidão que ela tem pelas pessoas e pelo Hospital, está refletido em seus olhos, que brilham e se emocionam ao lembrar-se de todos os que já a ajudaram de alguma maneira. Sempre muito dedicada ao hospital, Iraci brinca com as situações da vida.

“Entreguei-me tanto a este hospital que me esqueci de casar, minha vida é o HB”. E o segredo de todo esse crescimento ela credita a Deus. “Antes de sair de casa rezo dois terços, pedindo proteção há todos e um bom dia de trabalho” conclui ela.

Equipe Multidisciplinar do HB reestrutura projeto para orientar acompanhantes Em busca de um atendimento de qualidade, funcionários do HB dão orientações extracurriculares A partir deste mês, todos os acompanhantes de pacientes internados no 6° andar do HB, irão participar de reuniões, uma vez por semana, com a equipe multidisciplinar, composta por enfermeiros da CCIH e do andar, assistentes sociais e psicólogas, que irão conscientizar e orientar a todos sobre diversas questões, como a maneira correta de acionar o seguro do DPVAT, a importância de higienizar as mãos e medidas preventivas. Estas reuniões serão todas as segundas-feiras às 10 horas.

Revista do HB - Junho - 2011

09


Pacientes no ritmo da sanfona No mês de junho e julho os pacientes do HB se divertem no ritmo junino. Vários setores preparam festas com deliciosas guloseimas e muita música. No ICA, os pacientes deixam de lado a doença e sorriem o tempo todo. Na quimioterapia é só alegria. Nos corredores do hospital as voluntárias fazem a festa. Os funcionários também aproveitam a oportunidade para confraternizar. Até a cozinha muda a sobremesa para entrar no tema, paçoca e pé-de-moleque não podem faltar.

10

Revista do HB - Junho - 2011


Revista do HB - Junho - 2011

11


BOLETIM NHE

Nononono - Nhê

Rio Preto não confirma nenhum caso de Gripe Suína (H1N1) em 2011 da de Influenza A (H1N1) ema 2011 curar o serviço de saúde próximo para assistênciadomédica, AtéSituação o dia 20 julho deste ano, Secretaria de Saúde do Município e o Núcleo de mais Vigilância Epidemiológica HB não esclarecimento tratamento registraram nenhum caso de pacientes confirmados com Influenza A- H1N1,diagnóstico conhecidaecomo “Gripeadequado. Suína”, mas não po A atividade do vírus influenzanecessários, continua baixa no estamos munMedidas preventivas - lavar para as mãos sempre que demos deixar de tomar os cuidados pois em uma época propícia propagação dopossível, vírus. prindo todo. cipalmente ao tossir e ou espirrar; evitar ao máximo levar as No ano passado, tivemos 11 casos confirmados da doença, como podemos conferir nos gráficos abaixo. No Brasil, neste ano, de acordo com os dados disponíveis no Sistema de Notificação da Vigilância Sentinela de Influenza Nacional, dentre as 3.128 amostras clínicas coletadas até o mês de junho de 2011, foram identificados 703 (22%) vírus respiratórios. Sendo: 371 (54%) Vírus Respiratório Sincicial (VRS); 172 (24%) Vírus Influenza A; 65 (9%) Influenza B; 51 (7%) Adenovírus e 44 (6%) Parainfluenza 1+2+3 No Estado de São Paulo, em 2011, até o mês de junho, foram notificados 236 casos suspeitos para Influenza A (hospitalizados), sendo: 182 (77%) descartados, 32 (13%) estavam em investigação de outro agente 26 casos (10%) outro agente etiológico (entre eles influenza A-H3N2 e influenza B). Portanto, neste período, no Estado de São Paulo, não houve confirmação e nem óbito pelo vírus pandêmico A (H1N1) (SinanWeb, 2011). Em São José do Rio Preto no ano de 2011, até o momento, a Secretaria de Saúde do Município e o Núcleo Hospitalar de Epidemiologia do HB não registraram nenhum caso de pacientes confirmados com Influenza A- H1N1, conforme tabela 1.

mãos aos olhos, boca e nariz; evitar locais com aglomerações, fechados e sem ventilação; sempre usar lenços descartáveis ao tossir e espirrar; limpar as superfícies de mesas, maçanetas, e entre outros objetos/superfícies de uso coletivo.

Aspectos e recomendações gerais que devem ser sempre lembrados: Transmissão - O modo de transmissão mais comum é a pessoa-pessoa, por meio de pequenas gotículas, expelidas pelo indivíduo infectado com o vírus influenza, a pessoas suscetíveis, ao falar, espirrar e tossir, e eventualmente, pode ocorrer transmissão pelo ar, pela inalação de pequenas partículas, que podem ser levadas a distâncias maiores que um metro. Pode-se transmitir também, através do contato com superfícies infectadas pelo vírus. Conduta adequada - Ao surgirem sinais e sintomas de gripe ou resfriado, como febre, tosse e dor de garganta, as pessoas não devem tomar remédios por conta própria, pois eles podem mascarar sintomas e dificultar o diagnóstico, e sim pro-

Mais Informações: NHE - Tel: 17-32015000 Fonte: CVE- www.cve.saude.sp.gov.br/18/03/2011

12

Revista do HB - Junho - 2011

Ramal 1380

Revista hb junho 2011  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you