Page 1

Homenagem Dia das Mães

Págs. 10 a 13

Ano X / Nº 124 - Abril 2012

Flavia Daniele Lu cio, Enfer meira do 2º andar, com se u filho ar thur

Sencia SU

rg go - Eme Sonia Gre nos a Gabriel 15

Lilian, do IC A, co

Lenira - Portaria

m seus filhotes

RX ção do - Recep enrique e s e lv A H ula Ana Pa s filhos Rafael eu - com s tônio An Marco

Transformação na UINT

- com seus filhos

Bruna - Secreta ria 6º Andar Geovanna

Pág. 05

Lucy Montoro entrega cadeiras de rodas gratuitas

Pág. 03

Isis Bevilaqua - An alista de Sistem a TI - João Pedro

s Esteves Fernande r Convênio Regiane a d n a º nto 3 Faturame s ves 3 ano e st E n ia R


Editorial

Sumário Homenagem às mães

EDITORIAL

No mês de maio comemoramos o dia das mães e para fazer uma justa homenagem às nossas profissionais/mães, pedimos que elas encaminhassem fotos com seus filhos para nossa revista interna. Muitas mães aderiram a ideia e estão estampando nossa capa e páginas desta edição. A diretoria quer a presença ativa de seus funcionários dentro da instituição, seja na revista, nos treinamentos e em campanhas. Todos os funcionários fazem parte da história do HB, das lutas, das conquistas e principalmente das mudanças. Hoje os colaboradores tem canal direto com a diretoria através do “Linha Direta” na Intranet. Todos os elogios, sugestões e reclamações são lidas atentamente e respondidas. As sugestões de matérias para a revista da instituição, publicações no facebook ou notícias no site também podem ser enviadas para o e-mail comunicacao@hospitaldebase.com.br. Nesta revista fizemos uma homenagem a essas mães batalhadoras, pois cuidar dos filhos, dar atenção ao marido, organizar a casa, ficar linda e ainda trabalhar não é tarefa fácil e este é o atual cenário de muitas mulheres que assumem o papel de mãe e profissional. As mulheres brasileiras dessa geração já estão conseguindo enfrentar os desafios de cuidar de tudo “ao mesmo tempo”. As mulheres/mães vêm garantindo seu espaço em todas as áreas da sociedade e assumindo responsabilidades que antes não eram vistas como atividades femininas. Prova disso é a nova presidência do Brasil, que pela primeira vez na história foi assumida por uma mulher, que é mãe e é avó. É por isso que nós do Hospital de Base parabenizamos todas as mães e profissionais, que ao mesmo tempo em que conquistam o seu espaço no mercado de trabalho, cumprem seu papel de mãe de maneira brilhante.

n

Editorial

02

n

Lucy Montoro

03

n

Americanos no HB

04

n

Pós-graduação Fehosp

04

n

Nasce um Novo Setor

05

n

Higienização de Mãos

06

Campanha Hipertensão Arterial

07

n

Grupo de acolhimento

08

n

Parabéns Serviço Social

08

n

CEP HB

09

n

Parabéns Enfermagem

09

n

Mães e filhos na instituição

13

n

Perfil Mães

14

n

Festa de Páscoa

15

n

AVOHB

16

n

Trabalho CIPA

17

n

Rede Sentinela

18

n

Artigo

19

n

Meu Setor: Financeiro

20

n

Trote Solidário Famerp

20

n

Expediente Informativo Fundação Faculdade Regional de Medicina

Diretoria Funfarme / Hospital de Base

02 Revista do HB - Abril - 2012

Ano X / Nº 124 Abril - 2012 • Diretor Executivo Funfarme: Dr. Horácio José Ramalho • Vice-Diretor Executivo Funfarme: Dr. José Luis E. Francisco • Coordenador de RH e DP: Dr. Paulo Nakaoski • Diretor Administrativo HB: Dr. Jorge Fares Vice-Diretor Administrativo HB: Dr. Newton Bordin Júnior • Diretor Clínico: Dr. Jorge Adas Dib • Vice-Diretor Clínico: Dr. João Fernando Picollo • Diretor Técnico: Dr. Helencar Ignácio • Vice-diretor técnico: Dr. Hel-

der Sanchez • Diretor do Hemocentro: Dr. Octávio Ricci Júnior • Diretor do Ambulatório: Dr. Aldenis Borim • Diretora Lucy Montoro: Dra. Regina Chueire • Produção Editorial: Intermídia Publicações – 17- 3353-2083 • Jornalista Responsável: MTB: 24.527 • Produção: Luis Fernando Neves • Diagramação: Roger Goulart • Colaboração: Camila Galvão • Impressão: Fotogravura Rio Preto • Tiragem: 2000 exemplares


Lucy Montoro

Instituto Lucy Montoro entrega mais de 50 cadeiras de rodas No dia 26 abril, membros da Funfarme/HB e Lucy Montoro distribuíram gratuitamente mais de 50 cadeiras de rodas, entre elas estão as convencionais e de banho. A distribuição faz parte de um projeto da Rede Lucy Montoro e do Governo do Estado. “Com esse projeto queremos acabar com a história de pacientes não ter direito ao mínimo que é uma cadeira de rodas. Não precisam mais vender seus bens ou fazer rifas,” disse Dr. Horácio José Ramalho, diretor executivo da Funfarme/HB. Para Dra. Regina Chueire é inaceitável que um deficiente físico ou um paciente com deficiência motora não tenha um meio de locomoção. “Eles precisam desta cadeira para tudo. Sem ela, eles não podem passear, não podem trabalhar, não podem sequer se locomover. Estamos felizes em realizar o desejo de muitos pacientes que é ter uma boa cadeira de rodas”, argumenta Dra. Regina Chueire, diretora da Unidade. Muitos pacientes saíram felizes da vida, como é o caso de Rodrigo que comparou seu equipamento com o carro de Felipe Massa. “Quero correr, empinar e dar cavalo de pau, minha cadeira de rodas é igualzinha o carro do Massa. Com esta cadeira vou até pegar a Juliana Paes”. Emocionada, a mãe de Rodrigo conta que a cadeira de rodas que ele tinha já estava muito velha e até machucava ele. Segundo ela, a antiga cadeira foi adquirida através de uma rifa que a família fez há alguns anos. Sem conseguir contar o entusiasmo, Dra. Regina se emociona, ao comentar que o mínimo que os pacientes precisam ter é condições de ir e vir e confirma que todos os meses serão entregues equipamentos que facilitam a vida dos pacientes com dificuldades físicas ou motoras.

Revista do HB - Abril - 2012

03


Pós-graduação Fehosp

Colaboradoras do HB são selecionadas pela FEHOSP para curso de pós-graduação Desde 2008, a Fehosp (Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo), em parceria com a Secretaria de Saúde e Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, promove o Curso de Especialização Lato Sensu em Administração Hospitalar, aos funcionários das instituições filiadas. Neste ano, 2 colaboradoras do HB irão participar e representar a instituição na 4ª turma. Elas foram selecionadas pela federação, após minuciosa análise, pela coordenação do curso, da documentação apresentada e definição dos critérios adotados: Filiação, participação nos Congressos de Provedores e Audhosp e nos cursos de capacitação e entrevista com os candidatos. Valquiria Eliane Pereira foi uma das selecionadas, ela é formada em enfermagem e exerce o cargo de auxiliar administrativo no 6° andar. “Quero aproveitar esta oportunidade para me atualizar, enriquecer meu currículo, ganhar novos conhecimentos e ter a oportunidade de crescer profissionalmente”, diz ela. A outra selecionada, Natalia Busnardo Colombo, é enfermeira da UTI Neonatal e queria a oportunidade de fazer uma boa pós-graduação. A vaga surgiu e ela foi selecionada. “Esta oportunidade vai ser muito útil, sei que irei crescer bastante profissionalmente e agregar valor à minha profissão”, conclui ela.

“Mesmo antes de me formar eu queria fazer uma pós. Quando vi na intranet a oportunidade, me inscrevi, passei pela seleção e hoje estou fazendo na Santa Casa de Franca, a pós que eu sempre quis em Administração Hospitalar. Estou muito feliz com essa oportunidade.” Natália Busnardo Colombo, 23 anos, enfermeira

“Nos dias de hoje, temos que estar sempre nos atualizando para crescer profissionalmente.” Valquíria, auxiliar administrativa.

Hospital de Base recebeu equipe americana no mês de abril

04 Revista do HB - Abril - 2012

No mês de Abril o HB recebeu novamente a equipe de médicos americanos da Children’s HeartLink e parceiros para dar continuidade no projeto. Estiveram presentes a enfermeira Patsy Stinchfield, especialista em controle de infecção, da Joint Commission International e o intensivista, Dr. Steve Kurachek. O tema desta visita foi a melhora na qualidade no serviço no quesito Controle de Infecção. Eles ministraram aulas, participaram das visitas diárias na beira dos leitos da UTI, além das discussões de casos, participação no Centro Cirúrgico e conheceram o Hospital Materno Infantil. O HB foi a primeira Instituição da América do Sul a receber este tipo de parceria, que beneficia crianças cardiopatas no Brasil. O hospital é considerado referência na área de cirurgia cardíaca pediátrica. Desde 2002, quando o Prof. Dr. Ulisses Alexandre Croti, que é cirurgião cardiovascular especializado em cirurgia cardíaca pediátrica, chegou à instituição, foram realizadas mais de 3200 operações.


Transformação

Nasce um novo setor Novo ambiente, novo clima e transformação, estas são as palavras que definem as mudanças no 5º andar. A Unidade Intermediária agora é Unidade Semi-Intensiva está sob a coordenação da Dra. Andréa Regina Lopes Cunha, médica intensivista. “A atual diretoria teve um olhar humano e percebeu a importância de mudanças neste setor e se empenhou com as mudanças que envolvem contratação de fisioterapeuta e novos enfermeiros, além da divisão da unidade em Cuidados Paliativos e Unidade Semi-Intensiva”, diz Dra. Andréa. As mudanças no setor iniciaram há 3 meses e segundo a Dra. Andréa as mudanças no trabalho com os pacientes já são notáveis, além do excelente trabalho da equipe multidisciplinar. “Toda essa mudança motivou muito a equipe”, diz Dra. Andrea. O novo ambiente se divide em: 4 leitos de neurologia: São pacientes vítimas de AVC Esquémico, são monitorados na sua evolução, definindo então, após este período de observação, alta para enfermaria ou transferência para UTI. 6 leitos gerais: A prioridade é liberar fluxo para as UTI’s. O objetivo é a internação de pacientes que não tem condições de estar na enfermaria, por necessitar de atendimento intensivo, mas que também não é uma indicação para UTI. 2 leitos paliativos: Para pacientes em cuidados paliativos em ventilação mecânica. “Tudo isso foi possível graças ao envolvimento de todas as equipes do hospital, que se envolveram e se empenharam na ideia de um setor mais humano, com um ambiente clean e bonito”, comenta Dra. Andrea. Um projeto está em andamento para melhorar ainda mais o ambiente e trazer mais vida para o setor.

Entre as mudanças já proporcionadas, estão: • Melhor distribuição de leitos • Motivação da equipe • Presença constante de psicólogo e médica no setor • Mudança na estrutura física • Ambiente mais “clean” e organizado • Novos casos de sucesso na evolução de pacientes • Novos equipamentos eletrônicos “Aqui sou tão bem tratada, todos aqui são muito animados. As vezes a gente está meio pra baixo e as meninas nos animam tanto”, conclui a paciente Elaine Guarezini.

Revista do HB - Abril - 2012

05


Campanha No dia 5 de maio, é celebrado o Dia Mundial da Higienização das Mãos e para não deixar essa data tão importante passar em branco a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), realizou ações para frisar a importância de lavar as mãos. Mais de 800 funcionários marcaram presença na exibição de um vídeo disponibilizado pela Organização Mundial de Saúde que ilustrava a importância de higienizar as mãos antes e depois dos procedimentos. Além disso, funcionários e pacientes puderam contar com a alegria do grupo Eis-me Aqui, composto pelos estudantes de enfermagem da Famerp, que em meio a brincadeiras e sorrisos alertaram sobre a importância de lavar as mãos, distribuindo folders informativos e álcool gel.

infecção!

A importância de lavar as mãos Manter as mãos sempre limpas depois de ir ao banheiro, ao mexer em dinheiro, antes de cada refeição ou quando chegar em casa é uma das maneiras mais simples de evitar inúmeras doenças infectocontagiosas. Entre elas destacamos as gripes, os resfriados e até mesmo o contágio pelo vírus H1N1, causador da Influenza A, também conhecida como Gripe Suína. A importância de lavar as mãos se dá por meio da retirada da flora transitória – composta por vírus e bactérias que se instalam na superfície de nossa pele - que pode transmitir doenças para outras pessoas através do contato. A utilização do álcool gel para a higienização também é indicada, mas com moderação. O uso em excesso da substância pode gerar ressecamento da pele. Os momentos ideais para o uso do produto são fora de casa, após o contato com alças de carrinhos de supermercado, elevadores, corrimãos ou outros objetos de utilização coletiva

06 Revista do HB - Abril - 2012


Campanha

HB e Famerp promovem ação para prevenir e combater a Hipertensão Arterial No Brasil, estima-se que apenas 10%, dos cerca de 30 milhões de hipertensos existentes, façam o controle adequado da hipertensão. No dia 26 de abril foi realizada a campanha nacional da Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial em todo Brasil. Em Rio Preto, os profissionais do HB fizeram um mutirão de orientação durante toda a manhã na emergência da instituição, distribuindo panfletos, orientando os pacientes e aferindo a pressão arterial. Ações como esta são extremamente importante, pois a pressão alta não controlada é a principal causa das duas doenças que mais matam no Brasil: o acidente vascular cerebral e o infarto do miocárdio. A cada ano, 300 mil brasileiros são vitimados pelas doenças cardiovasculares, principalmente causadas pela hipertensão. Um número 2 vezes maios que as mortes causadas por câncer de todos os tipos, 3 vezes mais que aquelas devida acidentes e 4 vezes maior que as causadas por infecções, incluindo a AIDS. “Eu sou 12 por 8” é uma campanha humanitária criada pela Sociedade Brasileira de Cardiologia para conscientizar a população sobre os benefícios de manter a pressão arterial em níveis adequados e sobre os riscos da hipertensão. Hoje, no Brasil, existem mais de 30 milhões de hipertensos que precisam entender e cuidar da sua saúde para viver mais e melhor. Segundo o coordenador da campanha no HB, Dr. Vilela, o objetivo da campanha é fazer com que as pessoas percebam os benefícios de ter uma pressão normal ou controlada e a gravidade da hipertensão não tratada, que elas façam um diagnóstico precoce e não abandonem o tratamento.

Por que devemos ter a pressão arterial 12 por 8? Quando a pressão está em 12 por 8 ou menos, tudo funciona bem. Mas quando a pressão está continuamente aumentada, alguns órgãos importantes, como o coração, o cérebro, os rins, os olhos e as próprias artérias, entre outros, sofrem maior desgaste e podem surgir doenças. Quando a pressão está acima de 14 por 9, os médicos diagnosticam a hipertensão arterial. Valores entre 12 por 8 e 14 por 9 são chamados de pré-hipertensão ou pressão limítrofe, já requerendo cuidados como controle do peso e do estresse, redução do sal na alimentação, abandono do sedentarismo e, em muitos casos, uso de medicamentos.

A hipertensão tem cura? Cerca de 10% das causas de hipertensão podem ser eliminadas. São as chamadas hipertensões secundárias a distúrbios hormonais, renais, circulatórios ou associadas ao uso de fármacos. Algumas dessas causas podem ser removidas e a hipertensão é curada. A obesidade também tem sido encarada como uma causa de hipertensão secundária. Muitos hipertensos que conseguem perder peso – com tratamentos dietéticos, clínicos ou cirúrgicos – têm sua hipertensão controlada e muitas vezes eliminada. Mas a grande maioria, 90% dos hipertensos, necessita de uso contínuo de medicamentos.

O que pode acontecer a curto, médio e longo prazo, se a hipertensão não for controlada? A hipertensão provoca um desgaste mais acelerado das artérias e nos principais órgãos irrigados por elas: coração, cérebro, rins, olhos. Assim, a hipertensão não controlada funciona como um acelerador do envelhecimento das artérias e de todo o corpo humano. Um hipertenso que não se trata tem, segundo a Organização Mundial de Saúde, uma redução na expectativa de vida de até 16,5 anos. Além disso, a qualidade de vida também é afetada pela doenças nesses órgãos, tais como infartos, derrames, aneurismas, insuficiências cardíaca e renal, alterações da visão, entre outras. Revista do HB - Abril - 2012

07


UTI Neonatal

Grupo de acolhimento Quando um bebê fica internado em uma UTI Neo, os cuidados devem envolver não só a criança como toda a família. Cientes disto, a equipe do quarto andar do HB desenvolveu um Grupo de Acolhimento que visa orientar os familiares sobre temas importantes como horário de visitas, quem pode visitar, higienização das mãos e orientações para participação efetiva da família no cuidado com o recém-nascido. Além disso, vários outros temas também são desenvolvidos como aleitamento materno, doação de leite humano ao Banco de Leite, a importância da realização do método canguru, informações sobre o cuidado com o desenvolvimento do bebê, acompanhamento psicológico e estimulação da formação vínculo família-bebê.

Profissionais que orientam os pais: Médica- Dra. Luciana De Grande Enfermeiras- Samanta L. Duarte Volpe Fisioterapeutas- Stella MP Corrêa Fonoaudiólogas- Marta Silva Arroyo Psicólogas - Daniela Gusman e Juliana Nutricionistas- Juliana Morelli França.

Serviço Social na Saúde FUNFARME/FAMERP No dia 15 de Maio foi comemorado o Dia do Assistente Social: PARABÉNS a todos os profissionais da Instituição que vêm construindo, ao longo dos anos, um Serviço altamente compromissado com a defesa dos princípios democráticos, melhoria da qualidade dos serviços prestados aos usuários e acesso às políticas públicas que envolvem o conceito ampliado de saúde. Atua na assistência, ensino, pesquisa; propõe e executa vários projetos, programas, ações e serviços, intervindo nas relações sociais que fazem parte do cotidiano da população usuária, tendo um papel eminentemente sócio-educativo. Visa sistematizar suas ações por meio de documentos que subsidiam a práxis profissional e participa de estratégias de educação continuada cumprindo seu projeto ético-político. Nas equipes em que os Assistentes Sociais atuam, intervém como articulador entre usuário, família, instituição e demais profissionais. Reconhece o usuário como cidadão de direitos e socializa os benefícios das políticas públicas. Assim, novamente PARABÉNS a esses profissionais que buscam incansavelmente a efetivação da Política de Humanização e a defesa intransigente dos direitos humanos, na perspectiva do exercício de cidadania e construção de uma sociedade mais justa. Ana Maria Ferreira Rondina - Coordenadora Serviço Social

08 Revista do HB - Abril - 2012


C.E.P. HB

Centro de Educação Permanente do HB Você conhece o CEP do HB? Sabe quais as atividades desenvolvidas? Acompanha o calendário de Educação Permanente? Então preste atenção e mantenha-se sempre em constante atualização profissional. O CEP (Centro de Educação Permanente) é um órgão de assessoria à Gerência de Enfermagem que tem como parceiros os Enfermeiros Supervisores, Enfermeiros Clínicos, Assistenciais, entre outros. Enquanto conceito se diferencia de Educação Continuada pelo fato de considerar os colaboradores como atores do processo educativo, desde o diagnóstico de necessidades até a etapa de avaliação. Outro aspecto importante, é que os treinamentos devem focar, prioritamente, assuntos relacionados ao trabalho com vistas a melhoria contínua.

Finalidades do CEP • Atuar como facilitador no processo de desenvolvimento técnico e pessoal dos colaboradores da FUNFARME através de um planejamento conjunto com a Gerência de Enfermagem.

Carlos, Ilza, Kátia e Danilo compõe a equipe do C.E.P.

Cronograma de treinamentos Gerais Equipe de Enfermagem- 2012 CEP Próximos Treinamentos

A estrutura atual do CEP • Sala no 3o.andar do “Predinho do Bradesco” e a equipe é composta por uma Enfermeira Supervisora, uma Enfermeira, um Auxiliar de RH, um Menor aprendiz

Atividades desenvolvidas pelo CEP Processo Seletivo: Com prova Teórica e Prática • T&D Diagnosticar (levantar necessidades junto à equipe de Enfermagem) • Planejar (cronograma, reserva de sala e equipamento etc.)’ • Administrar (atuar como facilitador) • Participação em Grupos de Estudos, *Este cronograma faz parte do Planejamento anual da Gerência de Enfermagem e é Comissões e outros de apoio à Gerência elaborado com base nas necessidades levantadas junto à equipe de enfermagem e o CEP. de Enfermagem *Atentar para o horário de início dos treinamentos

Os desafios da Enfermagem No decorrer do último século, a profissão “Enfermagem”, vivenciou incontáveis e imensuráveis mudanças, que culminaram em avanços inegáveis. Atualmente, vive-se uma situação histórica bastante diferente, impondo a nós, profissionais da área, enormes desafios. Os Serviços de saúde, de maneira geral, e em especial, as Instituições Hospitalares, têm trabalhado no sentido de incorporar estas novas tendências. Neste sentido, frente às constantes mudanças, o perfil exigido das pessoas que atu-

am dentro destas instituições também sofreu alteração, tendo que assumir assim estes novos desafios. Na atualidade, o marcante envelhecimento da população impõe a adoção de um novo modelo de assistência de enfermagem. O idoso é hoje assunto obrigatório quando se discute o futuro. Hoje, com tantas tecnologias novas, tanta complexidade, em um mercado de trabalho onde muitas vezes o profissional mantém dupla, as vezes triplas jornadas de trabalho, esta não

é uma tarefa fácil. O Tema Central : “A Assistência de Enfermagem do Idoso”, escolhido pelo Hospital de Base, para comemorar a Semana da Enfermagem neste ano vêm de encontro com nossas propostas de trabalho. Deixo aqui registrado, todo meu respeito e admiração por toda equipe de enfermagem Hospital de Base, da qual também faço parte.

Parabéns a equipe de Enfermagem! Revista do HB - Abril - 2012

09


Especial Dia das Mães

“Para Sempre Carlos Drummond de Andrade

Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento.

Cláudia e sua filha Julianne

Ana Paula Galdiano Silva - Lab. Central com Alicia e Lavinia

Ana Paula - Poi 5º andar com seu filho Thiago

Claudia Menezes - Hemocentro Aux. de Serviços e a filha Isabelle Menezes de 4 Anos

Aderlene - Secretaria Trauma com a flha Bianca Adriana - Quimioterapia- e sua Filha Mickaely

Ariane Torres - Núcleo de Vigilância Epidemiológica com a filha Maria Luisa Torres

Cristiana - Quimioterapia com a filha Bianca

Claudia - Diretoria com os filhos Nathara e Vitor Adriana - Agendamento de Exames com sua filha Maria Eduarda

Carla Setor de Custos com os filhos João Guilherme de 11 anos e Pedro Arthur de 4 anos

10 Revista do HB - Abril - 2012

Adriana Padovani com a filha

Andrea Segarra - Faturamento SUS com a Jéssica e Yasmin


Eliane Avero Pereira - Emergencis PA SUS com Victor 14 anos, Lucas 9 anos e Amanda 1 ano Patricia - Enf. Ambulatório - com suas filhas Thalita e Thaisa

Elisabete - Mezanino com as filhas Thais e Beatriz

Cristiane de Queiroz - Emergencia Noturno Sus com o filho Heitor Henrique 5 Anos

Elizabeth Hatano com o filho Denise da Silva Faturamento Mãe da Caroline

Fabiana - Mezanino e sua filha Sarah

Gisele Olivera - Mezzanino - Kauã Rafael 2 anos Katia - Enfermeira CEP mãe do Murilo

Lasara com os filhos

Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus se lembra - mistério profundo de tirá-la um dia?

Marcia -Quimioterapia com a filha Sophia

Noelha com as filhas Ana Laura e Ana Julia Nathalia Ranzoni - Captação Hemocentro com suas filhas Vitoria e Ana Clara Revista do HB - Abril - 2012

11


Mídias Sociais

Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho”.

Valdinéia - Farmácia 6 andar com seu filho Rodolfo

Carlos Drummond de Andrade

Rosângela - Eletro com a filha

Regina - Auditoria com os filhos Maria Rita e Luis Henrique

Rodriani Vian - Assistente Social do TMO com a filha Maria Vitória de 1 ano

Selma - Ambulatorio Ica com seu filho Matheus de 8 anos

Renata - Diretoria - com sua filha Leticia

Sueli - Diretoria com sua filha Eliane

Paula Vanessa Silva - Central de Autorizações com o filho Murilo 12 anos

Gislaine - PABX e seus filhos

12 Revista do HB - Abril - 2012


Mães e filhos

Minha mãe está pertinho de mim Você sai para trabalhar, deixa o filho com a babá e quase morre de culpa? Ou parou de trabalhar, demitiu a babá e agora morre de tédio? Aqui temos 5 mulheres que já não pensam mais nisso, os filhos já são independentes e buscam seu lugar ao sol e o melhor de tudo, trabalham na mesma instituição. São mães e filhos, colaboradores da Funfarme. Alguns seguem a profissão da mãe, outros não seguiram a mesma carreira, mas estão na área da saúde. Uns dizem que é coincidência, outros dizem que é influência e outros dizem que é admiração pelo trabalho da mãe, mas o melhor de tudo é que elas sabem que os filhos estão por perto e estão bem. Maíra, secretária do Serviço de Cirurgia Cardíaca e Pediátrica, filha da colaboradora do SAC, Célia, conta que quase não via a mãe, pois os horários não batiam e quando veio trabalhar no HB, isso mudou totalmente. “Hoje a gente consegue tomar café da manhã junto, almoçar junto e trocar muitas ideias. Eu amo minha mãe, ela é minha melhor amiga”, diz ela. Já Meire, do RH, diz que fica muito feliz em ver que a empresa investe no bom trabalho dos funcionários sem ficar julgando se tem parentesco ou não. “Meu filho entrou no HB como mirim, depois foi estagiário e contratado. A empresa viu o bom trabalho dele e reconheceu. Eu como mãe fico feliz dele estar em uma empresa como nossa instituição”, completa ela. Com Adriana e Armides, a história é a mesma. A mãe está na instituição há mais de 25 anos, atende a todos carinhosamente no PABX, a filha veio depois e trabalha há alguns anos na Contabilidade. Aline, do mezanino, e a mãe Marlene, do Same, também se sentem privilegiadas por trabalharem tão próximas, numa mesma instituição, com apenas uma rua de distância. “Moramos em Mirassol, porém não moramos juntas, mas todos os dias, temos a oportunidade de vir e voltar conversando, trocando conselhos e aproveitando o carinho uma da outra”, diz Aline. Uma voluntária que já comemorou sua boda de prata na instituição é Cristina, carinhosamente conhecida como chilena. Todos conhecem a figura simpática e agitada que acolhe carinhosamente os pacientes do Ambulatório e HB. Sua verdadeira paixão é ajudar ao próximo e ela destaque sempre que tem orgulho de ter seu filho por perto, trabalhando em uma área promissora de uma grande instituição.

Revista do HB - Abril - 2012

13


Perfil

Uma mãe guerreira e um filho entre a vida e a morte “Mãe, não temos uma notícia boa. Seu filho queimou 85% do corpo e não tem chance nenhuma de sobreviver”. Foi com esta notícia que o mundo de Nina desabou em outubro de 2005. Ela estava trabalhando quando recebeu uma ligação de sua filha Dani, pedindo pra ir pra casa, pois seu filho André tinha se queimado “um pouco” com álcool e fogo. Quando ela chegou em casa viu que a realidade era outra, seu filho estava em estado grave, sendo socorrido pelo resgate e indo direto para o hospital. Ele recebeu os primeiros socorros no HB e foi encaminhado para a Ala de Queimados do Hospital Padre Albino, chegando lá o médico já adiantou para Nina que seu filho não tinha chance de sobreviver, mas que enquanto ele estivesse respirando ele receberia atendimento. Nina entrou em desespero e sem saber o que fazer e nem a quem recorrer pegou o telefone e lembrou-se de uma amizade que fez com uma ex-residente do Ambulatório de Vascular do HB, chamada Bianca. Ligou imediatamente para Bianca e em prantos contou o que havia acontecido. Bianca, que estava morando fora do Estado de São Paulo, pegou um avião e foi

direto para o hospital. Ao ver o que tinha acontecido ela foi percorrer hospitais do Brasil com referência para queimados, a fim de encontrar uma esperança. A esperança foi encontrada em um hospital de Goiânia. Com a ajuda da diretoria do HB, dos médicos e amigos da instituição, Nina conseguiu a transferência do filho, mas tinha outra notícia ruim – talvez ele não sobrevivesse à viagem. “No meio do caminho a ambulância parou, eu estava no carro de trás, meu coração foi na boca, pensei que o André tinha morrido, mas o motorista tinha parado para ver o nível do álcool. Seguimos viagem e renovei a esperança”.

Foram 6 meses de luta. “Eu estava em uma cidade que não conhecia ninguém, não tinha dinheiro e todo dia tinha um gasto diferente com a internação do André, mas o importante era ter a esperança de que meu filho voltaria comigo pra casa”. O marido e o sobrinho de Nina doaram pele para o pequeno e os amigos do HB, da ASFF e os parentes criaram uma corrente da solidariedade e ajudaram Nina em todos os momentos. Afinal, era gasto com medicamento, moradia, médicos, alimentação especial para o filho, entre outras. Certo dia o médico chegou e informou que André precisaria de 8 placas importadas no valor de R$30.000,00 cada. Nina entrou em desespero e ligou para Dra. Bianca. “Ela me disse - Nina você tem boca? Então vai a luta! Eu vou doar 2, as demais, eu tenho certeza que você consegue!”. Criei coragem, peguei o telefone, lutei e em 8 dias eu entreguei ao médico o dinheiro das placas”. Toda a família sofreu e lutou junta. “A Dani teve que transferir de escola, depois veio ficar comigo em Goiânia. Hoje, meus dois bebês estão ótimos e são o amor e orgulho de minha vida. O amor de mãe é inexplicável e inigualável”, conclui Nina.

Nina é funcionária do HB há 19 anos. Trabalha no Ambulatório de Plástica, Urologia, Vascular e Proctologia.

Meu filho, meu presente de vida

Márcia Balestrero Machado é funcionária do Ambulatório e está há 8 anos na instituição. 14 Revista do HB - Abril - 2012

O sonho de Márcia sempre foi ter um filho, independentemente do sexo, da cor ou qualquer característica. Ela e o marido queriam um pequeno para chamar de seu, para dar amor e carinho. Ela percorreu um longo caminho até chegada do filho. Correu atrás de informação, lutou, derrubou burocracias e venceu todas as barreiras. O filho, que hoje tem 3 anos, nasceu em Alagoas em 20 de abril de 2009. “No dia 25 de abril, dia do meu aniversário, recebi a notícia de que eu já podia ir buscar o meu filho em Alagoas. Ele veio para casa com 7 dias. Foi o melhor presente de aniversário que eu poderia ter recebido na minha vida”. João Gabriel é a alegria da casa. Como é um perfeito presente de Deus, ele emociona a mãe todos os dias e, além disso, é a cara do pai. “Ele é a cara do meu marido. É cúmplice do pai, mas é apaixonado pela mãe”. Márcia se emociona ao falar do filho e se diz indignada quando lê uma notícia de mãe que abandona o filho. “Não consigo entender o que passa na cabeça de uma mãe que maltrata ou abandona um filho. Eu dou minha vida pelo meu filho, ele preenche meu dia. Ele é minha alegria, minha razão de viver”, conclui Márcia.


Festa de Páscoa

Alegria com sabor de chocolate Os pacientes do Ambulatório e da Quimioterapia do HB comemoraram a páscoa em grande estilo. Voluntários da AVOHB e da quimioterapia fizeram a alegria da criançada distribuindo ovos de páscoa, bolo, refrigerante e cachorro quente. No Ambulatório foram distribuídos aproximadamente 180 ovos de páscoa, 288 bombons, 15Kg de bolo e leite com chocolate ao longo de toda semana. Na quimioterapia os funcionários e os voluntários fizeram um verdadeiro banquete para os pacientes. Sorrisos e muito carinho marcaram essa data repleta de significados, e o resultado desta ação foi a ressurreição de sorrisos e esperança, mais dessa vez com um gostinho especial, o de chocolate.

Revista do HB - Abril - 2012

15


AVOHB

Números com emoção e solidariedade As pessoas costumam dizer que números são frios, refletem dados estatísticos e, assim, distanciam-se da realidade humana. Definitivamente, não é o caso dos números apresentados pela AVOHB, a Associação de Voluntários do Hospital de Base, sobre os inúmeros e importantes trabalhos que realizou em 2011, em benefícios de milhares de pessoas. Impossível não se impressionar e constatar o quanto é importante o trabalho destes voluntários ao olhar o relatório apresentado pela AVOHB à Diretoria do Hospital de Base. Destacamos alguns números ao lado. Num mundo em que tornou-se discurso padrão reclamar da falta de horas, os 150 voluntários dedicaram ao próximo13.290 horas, o correspondente a 554 dias ininterruptos ou 1 ano e meio sem parar.

Voluntários representam a equipe

Heloísa é eleita presidente da AVOHB

171.768 Fraldas, entre neonatal, pequenas, médias e grandes, foram feitas em 2011.

17.576 Itens foram doados, entre materiais de higiene, vestuário, chinelos, toalhas e fraldas descartáveis.

13.290 Maria de Lourdes, a esquerda, e a nova presidente Heloísa

Após 4 anos de mandato, Maria de Lourdes Pavanelo passa a presidência da Associação dos Voluntários do HB para Heloísa Siqueira. A nova presidenta foi eleita pelos voluntários e assume o mandato de 2012 a 2014. Ela conhece bem a associação e foi tesoureira durante a última gestão.

16 Revista do HB - Abril - 2012

Foi o total de horas dedicadas pelos 150 voluntários da AVOHB ao longo de 2011.

860 Peças de roupa foram confeccionadas pelas costureiras voluntárias e doadas a pacientes.


Boletim CIPA

Cipa incentiva doação de sangue Aproximadamente 63 funcionários da Funfarme foram até o Hemocentro doar sangue em uma campanha de incentivo a doação realizada pela CIPA. O presidente Reinaldo Dalur de Souza, o fisioterapeuta Alexandre Trancoso e o assistente de DP Saulo Silveira, foram os primeiros funcionários a doar. “O intuito desta campanha é motivar e alertar os funcionários da importância de doar sangue”, afirma Reinaldo presidente da CIPA. A movimentação dos funcionários ajudaram a aumentar o estoque de sangue do Hemocentro, que atende uma demanda grande de pacientes todos os dias.

Curso de Pilotagem No dia 30 de maio às 9 horas da manhã e às 13h30min, no anfiteatro do Fleury na Famerp, a Cipa, o Sesmt e a Honda irão oferecer aos funcionários do HB uma aula teórica e prática de pilotagem. O curso contará com um instrutor da Honda e visa orientar e alertar os motoqueiros sobre os cuidados que este veículo exige. As inscrições serão limitadas e deverão ser feitas pelo ramal 1379 e 1378. Haverá também sorteios de brindes. Compareça!

Revista do HB - Abril - 2012

17


Gerência de Risco

HB é credenciado na Rede Sentinela O HB foi credenciado em 04 de abril como hospital participante da Rede Sentinela, que na instituição fica sob a responsabilidade da Gerência de Risco, coordenada pelo enfermeiro Kleber de Oliveira e com o auxílio do secretário Danilo Bellei. A partir de agora, a instituição em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é considerada um hospital Sentinela e participa da Rede Sentinela de Hospitais, cujo objetivo é ampliar e sistematizar a vigilância sobre produtos de saúde e assim promover melhores serviços e condições de trabalho. A Rede Sentinela está implantada nos principais hospitais do país, atuando em três grandes áreas: Tecnovigilância, Farmacovigilância e Hemovigilância. Os “Hospitais Sentinela” devem acompanhar o desempenho e eficácia de medicamentos, equipamentos, artigos de uso médico, sangue e seus derivados. Possíveis efeitos adversos detectados, prejudiciais à saúde dos pacientes e/ ou dos profissionais, serão notificados à ANVISA.

O que é ANVISA? É o órgão responsável pela vigilância em todo o país. A ANVISA define se um produto de saúde será mantido ou retirado do mercado. Todos os problemas evidenciados pela ANVISA são comunicados à Organização Mundial de Saúde (OMS), o que beneficia a saúde do Brasil e do mundo.

Qual o papel dos profissionais de saúde do Hospital de Base? A Atuação dos profissionais de saúde é fundamental para o sucesso da Rede Sentinela.

Qualquer suspeita com relação a algum medicamento, equipamento, artigo de uso médico, sangue (e derivados) e até mesmo produtos de limpeza deve ser comunicada à equipe de Gerência de Risco. A equipe vai analisar cada notificado, para decidir se será preciso comunicar a ANVISA. Para notificar há um formulário disponível na INTRANET.

Tecnovigilância Detecção de eventos adversos relacionados a equipamentos, artigos de uso médico e até saneantes e materiais de limpeza.

18 Revista do HB - Abril - 2012

Farmacovigilância Identificação e avaliação dos efeitos adversos de medicamentos em pacientes expostos a tratamentos específicos.

Hemovigilância Detecção, obtenção de dados e análise dos efeitos indesejáveis de transfusão de sangue em todo o seu processo.


Artigo

HB Possui um Comitê de Qualidade e Segurança do Paciente A constituição de um comitê multidisciplinar que articule e coordene programas e atividades de prevenção de eventos adversos é muito importante para que se tenha êxito na gestão de riscos e segurança dos pacientes. Para formar um comitê de segurança do paciente, deve-se considerar que os eventos adversos são frutos das falhas dos sistemas e envolve a atuação de diferentes profissionais. Assim sendo, os membros do comitê devem representar diferentes setores das instituições de saúde: médicos, enfermagem, farmácia, psicologia, recursos humanos, engenharia clínica, jurídico, administração, gerência de riscos. Quando possível, é interessante contar com a participação de pacientes e cuidadores. Um comitê de segurança do paciente deve ter como finalidade a promoção de uma cultura institucional voltada para a segurança dos pacientes, por meio de planejamento, desenvolvimento, controle e avaliação de processos assistenciais, a fim de garantir a qualidade destes em cada instituição. São funções prioritárias a serem desenvolvidas pelo comitê: • identificar pontos críticos para a segurança dos pacientes (diagnose); • estabelecer sistemas de detecção, notificação e análise dos eventos adversos; • criar base de dados sobre eventos adversos; • elaborar, analisar e divulgar os indicadores relacionados à segurança dos pacientes para a instituição; • estabelecer programa de metas e plano de ação para instituir sistemas seguros; • estimular a notificação dos eventos adversos; • promover a participação dos diversos profissionais, usuários e seus familiares na formulação e implementação de programas de segurança do paciente; • capacitar recursos humanos sobre o tema segurança do paciente. Além disso, o comitê deve avaliar o grau de adesão da instituição de saúde para as práticas e as recomendações emitidas por ele no que se refere à utilização segura dos medicamentos. O comitê do Hospital de Base está em funcionamento desde 02 de julho de 2010 e é composta pelos profissionais: - Maria Regina Lourenço Jabur – Superintendente de Atendimento e Operações; - Dr. Newton Antonio Bordin Júnior – Vice Diretor do Hospital de Base; - Cristiane de Lima Bussolote – Coordenador RH; - Adriana Cristina Moreira – Enfermeira UTI 7º andar; - Eduvaldo Daniel – SAC - Ilza dos Passos Zborowski – Enfermeira CEP; - Andrea Renata Munholi – Enfermeira Hemocentro; - Andreza Francisca Ferreira Rocha – Enfermeira Hotelaria; - Silvia Lopes Moreira Kawata – Enfermeira Hotelaria; - Laís H. Carvalho Marino – Fisioterapeuta Coordenadora; - Kleber Aparecido de Oliveira – Enfermeiro Gerência de Risco; - Luciana Jorge – Médica CCIH; - Maria Gabriela de Lucca Oliveira – Médica Laboratório; - Patrícia Iara Jordão – Enfermeira Ambulatório; - Helga Tâmara Agostinho – Farmacêutica Coordenadora; As reuniões são mensais, todas primeiras sexta-feira do mês e

tem como metas para 2012: • Reduzir as infecções com foco em higiene das mãos; • Consolidar a identificação do paciente; • Implantar processos que visem a redução, abordando desde a prescrição médica a realização do procedimento; • Cirurgia segura; As ações dos comitês de segurança do paciente devem ser contínuas, principalmente a abordagem dos profissionais, a fim de promover a criação de uma cultura não punitiva na instituição de saúde para incentivar o relato de eventos adversos. Referência Bibliográfica: -CASSIANI, Sílvia Helena de Bortoli (org.). Hospitais e medicamentos: impacto na segurança dos pacientes. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora, 2010.

Maria Regina L. Jabur Superintendente de Atendimento e Operações

Revista do HB - Abril - 2012

19


Conheça meu setor Composto por 8 funcionários, o setor Financeiro é responsável pela administração financeira, onde envolve planejamento, orçamento, análise de custos e controle das atividades financeiras da entidade. O setor integra a Controladoria do HB e está sob a superintendência Financeira, coordenada por Robson Pádua. Segundo a encarregada, Patrícia Oliveira, o objetivo do setor é otimizar recursos com gestão de qualidade e proporcionar melhor atendimento aos nossos clientes. É um setor muito importante do HB, pois é responsável pela administração financeira na qual o orçamento é bem maior do que grande parte das prefeituras da Região. Com as informações prestadas serve de base para as decisões da Diretoria Executiva. Alguns projetos e mudanças no setor são destaques, como a organização de notas fiscais, despesas e receitas, além da diminuição de papéis com o serviço de pagamento online e a informação em tempo real. Esta área pode ser considerada como o “sangue” da empresa que possibilita o funcionamento de forma correta, sistêmica e sinérgica, passando o “oxigênio” para os outros setores, sendo preciso circular constantemente, possibilitando a realização das atividades necessárias, objetivando o lucro, maximização dos investimentos, mas acima de tudo, o controle eficaz da entrada e saída de recursos financeiros, sempre visionando a viabilidade dos negócios, que proporcionem não somente o crescimento mas o desenvolvimento e estabilização.

Meu setor O controle dos recursos

Trote solidário arrecada mais de 700 produtos para pacientes do HB Os alunos recém-chegados do curso de medicina da Famerp, participaram do Trote Solidário 2012. Com o intuito de arrecadar mantimentos para os pacientes do HB, os alunos se reuniram em dois supermercados da cidade divulgando a ideia e recolhendo as doações. Depois de uma semana de arrecadações foram coletados mais de 700 produtos, incluindo alimentos não perecíveis como macarrão e bolacha, produtos de higiene pessoal, como pasta de dente e sabonetes. Os produtos foram entregues para a AVOHB, que será responsável pela distribuição destes mantimentos para os pacientes do HB. O Trote Solidário foi organizado pelos acadêmicos vinculados a IFMSA – Brazil.

20 Revista do HB - Abril - 2012

Revista hb abril 2012  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you