Page 1

Ano X / Nº 134 Fevereiro 2013

Nova Unidade de Radiologia Vascular e Hemodinâmica oferece a mais alta tecnologia Páginas 8, 9 e 10

HB presta homenagem ao dar à Unidade o nome de “Dr. Adinaldo Adhemar Menezes da Silva” (na foto, com colegas e familiares)


Editorial

Qualidade e profissionalismo que saltam aos olhos

Sumário Informatização do HB

03

n

Cirurgias mais seguras

04

n

Programa de qualidade da ANS

05

n

Protocolo de trombose é instituído

05

n

Painéis informam sobre cirurgias

06

n

Festival Gastronômico

07

n

Usuários aprovam Serviço Social

07

n

Nova Radiologia e Hemodinâmica

n

Núcleo de Gestão é criado

11

n

Equipe do transplante se aprimora

11

n

Departamento de Comunicação

12

n

HB é atração na TV TEM

13

n

Aprendiz vai à universidade

14

1.500 kits escolares distribuídos

15

NHE – o que o Núcleo faz

16

n

Os jornalistas da TV TEM (afiliada Rede Globo) passaram duas semanas percorrendo praticamente todos os setores do nosso hospital, da marcenaria e pintura ao ambulatório, da hemodinâmica ao Setor de Transplantes, da maternidade à emergência. Jornalista é um profissional naturalmente crítico, sobretudo quando analisa a área da Saúde em nosso país. Foi, portanto,

EDITORIAL

com imensa satisfação que nós ouvimos dos dois apresentadores do programa De Ponta a Ponta e dos jornalistas produtores somente elogios à instituição. Percebemos que os elogios foram motivados não só pelo que

eles conheceram nestas duas semanas, mas também pelo que ouviram de funcionários, pacientes e acompanhantes. Problemas existem, eles constataram e nós sempre admitimos. Mas os jornalistas perceberam que o Hospital de Base não é afeito a aproveitar-se dos inúmeros problemas inerentes à realidade do setor para ingressar num estado de letargia, a esperar que alguém dê soluções. Ao contrário. Os muitos médicos, enfermeiros e demais pro-

fissionais que deram entrevista demonstraram impressionantes entusiasmo e vigor para vencer os desafios, e isto saltou aos olhos dos jornalistas. Dos pacientes que – diga-se de passagem – os jornalistas escolheram aleatoriamente só se ouviram elogios à instituição. Mais do que ninguém, nós sabemos que temos muito a me-

lhorar em todas as áreas. Mas é evidente também que o Hospital de Base vem melhorando muito, o que o faz referência em várias áreas, como atestam reportagens nesta edição da Revista do HB.

Diretores da Santa Casa de São Paulo, uma das maiores ins-

tituições de saúde do Estado, estiveram aqui para conhecer a informatização do HB. Somos parceiros da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na validação de programa que irá aferir a qualidade dos serviços de prestadores de serviço de todo o país. Inauguramos a nova hemodinâmica, dotada dos mais modernos angiógrafos digitais do mundo. Não há um só dia em que não haja melhorias, novidades, obras e investimentos para que o Hospital de Base permaneça na condição que já conquistou: a de um dos melhores hospitais do Estado de São Paulo e, consequentemente, do Brasil. Realidade fruto da qualidade e do profissionalismo de nossos colaboradores, que saltam aos olhos dos jornalistas da Rede Globo e da imensa maioria da população. Diretoria Funfarme/HB

02 Revista do HB - Fevereiro - 2013

n

n

08 a 10

Expediente Informativo da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) Ano X / Nº 134 - Fevereiro - 2013 • Diretor Executivo da Funfarme: Dr. Horácio José Ramalho • Vice-Diretor Executivo Funfarme: Dr. José Luís E. Francisco • Coordenador de RH e DP: Dr. Paulo Nakaoski • Diretor Administrativo HB: Dr. Jorge Fares • Vice-Diretor Administrativo HB: Dr. Newton Bordin Júnior • Diretor Clínico: Dr. Jorge Adas Dib • Vice-Diretor Clínico: Dr. João Fernando Picollo • Diretor Técnico: Dr. Helencar Ignácio • Vice-diretor técnico: Dr. Helder Sanchez • Diretor do Hemocentro: Dr. Octávio Ricci Júnior • Diretor do Ambulatório: Dr. Aldenis Borim • Diretora Lucy Montoro: Dra. Regina Chueire • Produção Editorial: Intermídia Publicações – Fone: 17- 3353-2083 • Jornalista Responsável: MTB: 24.527 • Produção: Luis Fernando Neves • Diagramação: Roger Goulart • Impressão: Fotogravura Rio Preto • Tiragem: 2000 exemplares


HB - referência na Saúde

Informatização do HB

atrai atenção

da Santa Casa de São Paulo

O sucesso da informatização do Hospital de Base de Rio Preto, a primeira e maior feita por uma instituição de saúde no Brasil, dois anos atrás, começa a atrair a atenção de outras grandes instituições de saúde do pais. Exemplo é a visita do coordenador de transplantes da Santa Casa de São Paulo, Luiz Augusto Pereira (na foto, de barba), e de Maria Cecília Correa, da Área de Planejamento da Diretoria Clínica (de óculos). Eles vieram conhecer o funcionamento do sistema informatizado do HB, desde a chegada de um paciente na instituição, passando por internação, medicamentos, áreas administrativas, altas e retornos. Conversaram com docentes, diretoria, superintendentes, gerente de TI e enfermeiros para trocar informações, tirar dúvidas e compartilhar experiências. O processo de informatização, realizado em parceria com a empresa MV Sistemas, foi gigantesco e revolucionou a gestão e os processos. Pacientes e colaboradores ganharam mais segurança, humanização e conforto.

O HB pelos pacientes Olá, eu sou uma antiga paciente do Hospital de Base, fiz uma cirurgia há 10 anos, quando tinha 7 aninhos, queria agora agradecer a toda a equipe médica, ao doutor Ulisses, que poucas lembranças tenho, mais existe uma imensa gratidão. Fui tratada com carinho e atenção, e hoje tenho uma qualidade de vida otima, graças ao trabalho de todo os funcionários deste local. Gostaria de um dia voltar, e poder agradecer pessoalmente.

Lara Vilma Silva - Pratinha - MG

Agradecemos à equipe de oncologistas do Hospital de Base/ICA, a equipe do paleativo, ao Hospital de Base, ao Instituto do Câncer, ao laboratório, a quimioterapia e a todos os médicos e funcionários do hospital pelo atendimento, consultas e internações, durante o tratamento de nossa irmã Maria Rosa Papini.

Elsa, Neide e família.

Quero agradecer a equipe do Dr. Gilmar Valdir Greque, cardiologista, Dra Eliane Sayuri Yamada e Dra Isabela Ruy dos Santos, da reumatologia, as enfermeiras e auxiliares de enfermagem do 3° SUS pelo carinho que tiveram com a minha mãe Levina, jamais vou esquecer o que vocês fizeram por ela. Rosi

Levina de Souza Almeida - Urupês - SP

Caros Diretores do HB Gostaria de agradecer ao Hospital de Base por viabilizar a estada de suas profissionais de enfermagem, Sirlei, Bruna e Fabiana, da UTI cardiopediátrica, para treinamento em nosso Centro Médico Children´s Hospital (Minneapolis) e Mayo Clinic (Rochester) no estado de Minnesota – Estados Unidos. A visita foi muito bem sucedida e produtiva para todos. Ficamos impressionados com a qualidade e profissionalismo da equipe do Hospital de Base. É gratificante constatar o fortalecimento das relações profissionais e pessoais entre o HB e nossas instituições. Andreas Tsakisto - Minnesota - EUA Revista do HB - Fevereiro - 2013

03


Centro Cirúrgico

As técnicas de enfermagem Luciana e Veridiana, em sala de cirurgia

Hospital adere a protocolo da OMS para ampliar a segurança das cirurgias “Os procedimentos feitos antes da anestesia, antes da cirurgia e após a cirurgia permitem que a cirurgia seja mais segura, previne erros. Como as ações do check-list são documentadas, é mais fácil perceber se algo está sendo deixado para trás.” Luciana Henrique Dias – técnica de enfermagem A cirurgia é, muitas vezes, a única forma de tratamento e que envolve todo um preparo por parte da equipe médica, de enfermagem e pelo paciente. Em 2008, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou dados preocupantes: foram feitas 234 milhões de cirurgias durante o ano, das quais, 7 milhões tiveram complicações. Em metade destas (3,5 milhões), as complicações eram evitáveis. O triste saldo: 1 milhão de pessoas mortas. “Logicamente, estes números resultam em graves problemas sociopsiquicoeconômicos na vida do paciente vítima do erro, de seus familiares e dos profissionais envolvidos direta e indiretamente e impacto econômico negativo ao sistema de saúde e instituições”, afirma Sônia Fátima Trinca Cavalari, enfemeira chefe do Centro Cirúrgico. Pensando nisso, várias atitudes visando à

04 Revista do HB - Fevereiro - 2013

1 milhão de pessoas morreram devido a complicações cirúrgicas no mundo

“No começo muitas pessoas ficaram relutantes, pois acreditavam que seria complicado seguir todas as regras do check-list. Mas, depois de ver os benefícios que isso trouxe aos pacientes, todos aceitaram que esse procedimento é extremamente necessário.” Veridiana dos Santos – técnica de enfermagem

segurança do paciente durante procedimentos cirúrgicos foram discutidas, e o desafio “Cirurgias Seguras Salvam Vidas” foi lançado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Do desafio, surgiu um protocolo, conjunto de regras estabelecidas em um consenso internacional com o objetivo de tornar as intervenções cirúrgicas mais seguras. É a este protocolo que o Hospital de Base de Rio Preto aderiu. “De forma prática, trata-se de um checklist padrão a ser seguido pela equipe cirúrgica – anestesista, cirurgião e profissionais de enfermagem”, explica Sônia. O protocolo é composto por três etapas: a primeira checagem acontece antes da indução anestésica, já com o paciente na sala de cirurgia. A segunda checagem é realizada antes da incisão cirúrgica e a última, ao final do procedimento e antes que o paciente deixe a sala de cirurgia em direção à sala de recuperação.

A eficácia do checklist é inegável. Reduz em 37% as complicações perioperatórias (que ocorrem durante e depois da operação) e em 42% a mortalidade decorrente de complicações da cirurgia. Traduzindo em vidas? Cerca de 420 mil mortes a menos por ano no mundo. “Vale ressaltar que, para a correta aplicação do checklist, é necessário o envolvimento de todos os profissionais, que devem falar a mesma língua e reconhecerem a importância dessa prática, pois alguns minutos de atenção e envolvimento durante a aplicação do checklist podem salvar uma vida”, ressalta a enfermeira chefe. O ano de 2013 será decisivo para o Hospital de Base, pois o checklist será implantado em todas as equipes cirúrgicas. Atualmente, esta prática já é realizada na cirurgia cardíaca pediátrica com ótimos resultados.


Qualidade de atendimento

HB é parceiro da ANS na validação de programa que avaliará qualidade de prestadores de serviço da Saúde Baseado em sua experiência na análise de dados internos que visam à melhoria da qualidade de seus serviços e atendimento, o Hospital de Base de Rio Preto, junto com outras instituições, está ajudando a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a desenvolver o Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar, conhecido por Qualiss. Os usuários dos planos de saúde e de seus prestadores de serviço são os principais beneficiários desta iniciativa. Através do Programa, a ANS vai determinar às operadoras de planos de saúde que divulguem em todos os seus veículos de comunicação informações para os usuários sobre os indicadores de qualidade dos hospitais, laboratórios e outros prestadores de serviço credenciados. Com isso, o usuário poderá avaliar e escolher o hospital ou prestador de serviço que irá lhe atender. No final de janeiro, a ANS promoveu reunião com as instituições que irão colaborar da formatação dos indicadores. A superintendente assistencial do Hospital de Base, Maria Regina Jabur, e a gestora de Faturamento do HB, Dra. Vanessa Bati-

galia, participaram da reunião na qual começaram a analisar o formulário com os indicadores propostos pela ANS. “Acreditamos que poderemos colaborar bastante para a formulação de indicadores consistentes. O Hospital de Base já tem grande experiência em avaliar seus processos internos de trabalho para aprimorar seus serviços e atendimento”, afirmou Maria Regina.

Para Dra. Vanessa, o programa avança em relação a similares de outros órgãos públicos, sobretudo com relação à segurança do usuário/paciente. “A ANS quer avaliar como o prestador recebe o cliente, se as instalações permitem a a acessibilidade de pessoas com deficiência e com dificuldades de locomoção e a segurança dos procedimentos médicos”, destacou a gestora de Faturamento do HB.

Dra. Vanessa (blusa branca) e Maria Regina (blusa laranja), durante o evento da ANS

Protocolo para avaliar se paciente tem risco de ter

trombose será instituído a partir de março

Profissionais de enfermagem recebem treinamento sobre o protocolo de tromboembolismo venoso - TEV

A partir de março, médicos e demais profissionais de saúde do Hospital de Base terão que realizar o protocolo de trombose (tromboembolismo venoso – TEV) em todos os pacientes adultos que ficarem internados. Um projeto piloto já está sendo realizado, desde outubro, com os pacientes do convênio e os resultados justificam a importância de se instituir protocolo específico para avaliar o risco e instituir medidas com objetivo de reduzir a ocorrência do TEV. Um exemplo já ilustra: dos 910 pacientes classificados como passíveis de vir a ter a trombose, 40% apresentaram risco moderado ou alto para desenvolver a doença. O protocolo constará nos prontuários para que os médicos avaliem e anotem os fatores de risco, contraindicações e medicação a ser ministrada para evitar a trombose. Os pacientes serão classificados numa escala de três cores

– vermelho, amarelo e verde – que correspondem, respectivamente, a alto, médio e baixo risco de ter o TEV. Quando o paciente é classificado com risco intermediário ou alto para trombose, ele recebe medicação apropriada e, caso não possa utilizá-la, é feita profilaxia mecânica com a indicação do uso de vestimentas (como meias) ou equipamentos para estimular a maior circulação do sangue. A pessoa que passa por cirurgia ou precisa ficar acamada por um longo período tem mais chances de sofrer uma trombose venosa. “A avaliação é fundamental para adequar as ações preventivas aos pacientes com este risco e uma das consequências mais temidas, o tromboembolismo pulmonar”, ressalta Maria Regina Jabur, superintendente assistencial do Hospital de Base.

Revista do HB - Fevereiro - 2013

05


TI - Tecnologia da Informação

Painéis informam andamento de cirurgias e dão

tranquilidade aos acompanhantes nas salas de espera

A dona de casa Nilva Damiani e o veterinário Daniel Minari observam o painel (tela, no detalhe)

Célio, supervisor operacional da TI, e a enfermeira Priscila Buch, felizes com a aprovação dos painéis pelos acompanhantes

06 Revista do HB - Fevereiro - 2013

É inevitável. Para quem aguarda por notícias do familiar ou amigo que se encontra em sala de cirurgia, a estada na sala de espera é desesperadora. Segundos, minutos, horas parecem estender-se por uma eternidade. Para aliviar esta experiência dramática e levar tranquilidade aos acompanhantes, o HB instalou nas salas de espera painéis eletrônicos através dos quais é informado, passo a passo, o estágio em que se encontra cada cirurgia. A dona de casa Nilva Damiani dividia as atenções entre a TV e o painel, acompanhando o desenrolar da cirurgia de hérnia por que passava sua filha. Ela e todos os outros acompanhantes fizeram coro de elogios à novidade. “Este painel está aprovadíssimo”, disse Nilva. “Não preciso ficar procurando, preocupada, os enfermeiros por informações. Está tudo ali”, completou, apontando a tela. Sentado ao lado de Nilva, o veterinário Daniel Minari também demonstrava tranquilidade, enquanto aguardava pelo término da colocação de marcapasso em seu pai. “A ideia deste painel é fantástica. Mostra que o hospital tem consideração por nós e tenta diminuir nossa angústia”, disse. O programa informatizado que comanda os painéis foi desenvolvido pela equipe da Área de Tecnologia da Informação (TI), tendo à frente o analista de sistemas Célio Silva dos Santos. Ao ouvir os elogios dos acompanhantes na sala de espera, Célio não conteve a alegria. “Temos projetos de desenvolver vários tipos de painéis informativos, mas priorizamos este porque sabemos o quanto é importante para quem espera”, disse, mal disfarçando o orgulho.


Dia a dia do HB

94%

dos usuários aprovam atendimento do Serviço Social do ICA O ICA está prestes a completar 7 anos de atividades e o Serviço Social do ICA comemora a aprovação de seu trabalho por parte dos usuários. Em pesquisa de avaliação feita junto a eles, 94% aprovaram o Serviço. “Eles entendem que, tão importante quanto o tratamento em si, é o apoio que o ICA, através do Serviço Social, presta ao paciente e à sua família”, diz a assistente social Lilian Andreia Chessa Dias. As assistentes sociais atuam para conhecer o paciente, família e cuidadores nos aspectos sócio econômico e cultural para depois dar orientações sociais e de direitos específicos e imprescindíveis para um atendimento humanizado e de qualidade. Cabe também ao Serviço ser o elo entre o paciente e a rede de suporte social e acioná-la quando necessário. “Atuamos para garantir atendimento integral ao paciente. Os profissionais do ICA têm perfeita noção do quanto é importante acolher bem no momento de enfrentamento de uma doença tão estigmatizada”, afirma a Stella Grigolette Rodrigues. O Serviço Social conta com três grupos que têm como objetivos acolher, ambientalizar, orientar e socializar direitos específicos a pacientes oncológicos, bem como desenvolver ações multidisciplinares. Elas são conduzidas pelas assistentes sociais e psicólogas. - grupo da urologia – terça-feira, a partir das 7 horas; - grupo dos cuidadores – quarta-feira, a partir das 13h30; - grupo mulher – quinta-feira, às 7 horas.

Festival Gastronômico leva à mesa dos colaboradores pratos típicos de 5 países No início de fevereiro, o restaurante do HB ganhou ares cosmopolitas. Durante cinco dias, os colaboradores foram surpreendidos por cardápios com comidas típicas de Portugal, Itália, Arábia, China e Brasil. As iguarias compuseram o “Festival Gastronômico Volta ao Mundo”, iniciativa inédita na história do hospital e bastante criativa, promovida pelas nutricionistas e colaboradores do refeitório. Durante os cinco dias, as catracas do restaurante foram acionadas 4.800 vezes, o que mostra o grande fluxo de colaboradores da Funfarme e estudantes da Famerp. O jovem aprendiz Alex dos Santos Camargo gostou muito do prato árabe e disse achar importante que seja feito eventos assim mais vezes. A auxiliar administrativa Marta Vieira faz coro: “Achei ótimo! A semana foi muito boa, a comida estava muito gostosa, principalmente a italiana”. O Festival não movimentou apenas o saguão do re-

Central de Altas está agora na emergêmcia do SUS

A Central de Altas mudou de lugar e desde o começo de fevereiro está funcionando na emergência do SUS, em frente à lanchonete. Os pacientes que necessitam de transporte especial (ambulâncias) são atendidos neste espaço. Além de fazer o pedido de ambulância, os funcionários da Central de Altas também marcam retornos ambulatoriais para os pacientes do SUS.

feitório. A cozinha funcionou a todo vapor. Nas mãos das 10 cozinheiras, 450 quilos de comida se transformaram em deliciosos pratos como kibe, yakissoba, bacalhoada, feijoada e talharim. O evento aconteceu graças à dedicação e carinho de 59 colaboradores que ajudaram na decoração, escolha do cardápio (nutrição), compras e limpeza. “Devido ao sucesso da iniciativa, estamos planejando ainda este ano um novo festival gastronômico, mas, dessa vez, com comidas típicas de cada Estado do Brasil” adianta a nutricionista Camila Rocha. A julgar pelo sucesso do Festival, os colaboradores já devem estar esfregando as mãos à espera deste evento.

Revista do HB - Fevereiro - 2013

07


NOVA

Modernização do HB

Unidade de Radiologia Vascular e Hemodinâmica

Conforto e a mais moderna tecnologia do mundo para colaboradores e pacientes No dia 1º de fevereiro, em uma cerimônia emocionante (leia texto na página ao lado), a Diretoria da Funfarme/HB inaugurou as novas instalações da Unidade de Radiologia Vascular e Hemodinâmica, que recebeu o nome de “Dr. Adinaldo Adhemar Menezes da Silva”, uma justa homenagem ao médico introdutor deste serviço na instituição e referência para colegas e colaboradores da instituição e seus alunos na Famerp. A nova Unidade contará com dois angiógrafos digitais, os mais modernos do mundo, ambos importados da Europa. O primeiro já está sendo utilizado. O outro chega até o final deste primeiro semestre. Os dois aparelhos serão utilizados pelas equipes da neurologia, cardiologia, vascular e eletrofisiologia. O equipamento já instalado auxilia os médicos na realização de angioplastias (dilatação da aorta), exames diagnósticos de aneurismas de aorta, colocação de stents periféricos, embolização de aneurisma cerebral, má formações arteriovenosas, doenças hepáticas e na carótida, ablação e estudo eletrofisiológico, entre outros. O segundo angiógrafo será empregado em exames e procedimentos cardiológicos, como angioplastias coronárias e cateteris-

08 Revista do HB - Fevereiro - 2013

mo, e procedimentos em crianças, como valvuloplastias. “O angiógrafo oferece mais precisão e segurança a nós, médicos, e aos pacientes, pois são apresentados em imagens 3D (em 3 dimensões)”, afirma o médico vascular Luís Fernando Reis. “Ao termos imagens mais nítidas, podemos realizar diagnósticos com mais rapidez, precisão e segurança”, completa o cirurgião vascular André Miquelin. Além dos modernos equipamentos, a Unidade de Radiologia Vascular e Hemodinâmica passou por uma grande ampliação, que projetou sua área de 400 para 700 metros quadrados. Esta ampliação, na verdade, corresponde às duas primeiras de quatro fases das obras de ampliação e reforma do setor. Ao final, ele terá 950 metros quadrados. A nova Unidade é entregue com o aumento de 4 para 8 poltronas e de 4 para 11 leitos de recuperação, estes ocupando espaços de acordo com as normas técnicas. Ganhou uma área de expurgo, na qual é feita a primeira esterilização de materiais utilizados pelos pacientes, e um novo almoxarifado, permitindo melhor controle dos materiais. Nas próximas duas fases das obras, serão construídos a nova sala de exames para o angiógrafo digital, consultórios, vestiários, salas de recuperação e espera.


Modernização do HB

Leia repercussão da homenagem no Facebook

Homenagem a “Dr. Adinaldo” emociona a todos A inauguração da nova Unidade foi permeada por forte emoção, motivada pela bela homenagem ao Dr. Adinaldo Adhemar Menezes da Silva. Médico pioneiro do setor no Hospital de Base, referência para os colegas e alunos e professor da Famerp - Faculdade de Medicina, Dr. Adinaldo mereceu palavras de carinho e gratidão dos colegas médicos e de sua mãe, Adélia.

“Ao dar o nome de Dr. Adinaldo à Unidade, todos nós, do Hospital de Base e da Famerp, queremos que ele fique sempre marcado na trajetória e história de nossas instituições. Ao longo do tempo, Dr. Adinaldo tornou-se uma liderança natural para nossa comunidade, que soube reconhecer nele o exemplo de pessoa e profissional ímpar. Esta inauguração é o momento de celebrarmos a sua luta, de celebrarmos a vida.” Dr. Horácio José Ramalho, diretor-executivo da Funfarme “Dr. Adinaldo começou sozinho na vascular, foi quem deu o pontapé inicial. Tenho orgulho de trabalhar junto com ele, exemplo para a instituição. Eu e todos os colegas estamos torcendo para que esteja com a gente futuramente.” Dr. Jorge Fares diretor administrativo do Hospital de Base

“O Dr. Adinaldo é um grande amigo. Passei por muitos momentos próximos a ele. Nunca conheci pessoa mais humilde. Que o exemplo de vida dele seja seguido por todos os docentes desta instituição.” Dr. Dulcimar Donizete de Souza vice-diretor da Famerp “Esta foi uma forma eterna de homenagear o Dr. Adinaldo, reconheciento à sua dedicação e disponibilidade. Não podia ser feito de maneira melhor.” Dr. José Victor Maniglia Diretor da DRS XV Revista do HB - Fevereiro - 2013

09


Modernização do HB

Colaboradores têm condições adequadas para oferecer

o melhor atendimento possível Além da tecnologia de última geração, a nova Unidade de Radiologia Vascular e Hemodinâmica proporciona aos médicos e colaboradores mais conforto, segurança e infra-estrutura completa para eles possam oferecer o melhor atendimento aos pacientes. Nesta página, você conhece os profissionais que atuam na Unidade. Da esquerda para a direita, Drs. André Miquelin, Luiz Fernando Reis, Leonardo Cotiza e Anderson Lubito

Drs. Anderson Lubito e Carolina Hungaro Cunha

Sala de recuperação

Equipe de enfermagem

Parabéns aos colaboradores pelo empenho e profissionalismo

Alguns dos profissionais que ajudaram a construir a nova Unidade

10 Revista do HB - Fevereiro - 2013

Equipe do administrativo As duas primeiras etapas das obras da Unidade de Radiologia Vascular e Hemodinâmica estenderam-se por um ano e foram um grande desafio para os profissionais. Ali, funcionava a mamografia, que foi remanejada para o térreo para dar lugar às novas instalações da Hemodinâmica. Tudo foi feito sem que fossem interrompidos os serviços e atendimento à população. É, literalmente, trocar o pneu com o carro andando. As obras envolveram profissionais de vários setores do hospital, como engenharia, marcenaria, pintura, elétrica, hidráulica entre outros. Durante a construção da sala onde está o angiógrafo, as equipes tiveram que “virar a noite” e o fizeram com todo entusiasmo. “Todos estão de parabéns pelo profissionalismo e empenho demonstrados”, elogiam os engenheiros Maria José de Almeida Zeituni, Rodrigo Plazas e Abílio Martins Júnior.


Controle e eficiência

Funfarme cria o Núcleo de Gestão para captar recursos e cuidar do patrimônio do Complexo HB O superintendente Robson de Pádua Ribeiro e o coordenador Marcelo Gaspar, com a equipe do Núcleo de Gestão: Cleverson Guzzi, Cristiane Matos, Daniele Martuci, Danieli Cirilo, João Paulo Souza, Luis Perette, Maico Palharini, Raquel Geraldello, Regimara Benatti Toda empresa ou instituição privada deve captar recursos para aumentar seu faturamento e poder assim investir na sua infra-estrutura, produtos e serviços e proporcionar benefícios a seus colaboradores e clientes. Não seria diferente com o Hospital de Base. Pautada por esta filosofia, a Diretoria da Funfarme instituiu recentemente o Núcleo de Gestão, ligado à Superintendência Financeira. Uma das principais atribuições do Núcleo é justamente buscar recursos das esferas municipal, estadual e federal através de convênios, termos aditivos e contratos de prestação de serviços com as prefeituras da região. A atuação do Núcleo pauta-se pela pró-atividade, ou seja, seus 10 colaboradores pesquisam e acompanham sites, jornais e todas as fontes de informação que anunciam oportunidades de se firmar contratos de prestação de serviços. Outra importante atribuição do Núcleo é controlar todo o patrimônio (ativo imobilizado) do complexo HB, que inclui Hospital de Base, ambulatório, hemocentro, Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, laboratório HLAB, dispensário de medicamentos na rua Bernardino de Campos, hemonúcleo de Catanduva e os postos de coleta. “Em se tratando de patrimônio, também gerenciamos parte dos bens que hoje estão em uso na Famerp e postos de sáude da Prefeitura de Rio Preto”, informa Marcelo Gaspar, coordenador do Núcleo. Natural concluir então que este novo departamento interage com todos os setores do complexo hospitalar.

Outras atribuições do Núcleo de Gestão são: n acompanhamento e elaboração de processos de credenciamento SUS perante a Secretaria de Estado / Ministério da Saúde; n gerenciamento de contratos pertinentes ao credenciamento de convênio perante as operadoras de planos de saúde; n acompanhamento de portarias, leis e publicações em geral que são de interesse da Fundação; n acompanhamento de licitações de serviços públicos pertinentes à área da saúde; n gerenciamento e renovações de documentações.

Especialistas em captação de órgãos e tecidos buscam aperfeiçoamento em cursos práticos Equipe de enfermagem no Curso Prático de Extração e Perfusão de Órgãos para Transplantes no Hospital Albert Einstein

Ricardo Alessandro, Rodrigo Florêncio, Alcides Pinto e Neymar Elias

O Serviço de Procura de Órgãos e Tecidos enviou profissionais de diversos setores do Hospital de Base para participar de cursosde capacitação, ministrados no Hospital da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Os especialistas da terapia intensiva assistiram ao curso de identificação e manutenção do potencial doador, que mostrou maneiras de aperfeiçoar o processo de transplantes. “O curso foi muito bom, coloca os profissionais em situações reais e analisa o procedimento de cada um e corrige equívocos”, disse o médico intensivista Neymar de Oliveira. Para ele a experiência mostrou que existe formas de agilizar, de maneira segura, o diagnóstico e manutenção do paciente com morte encefálica. A captação depende do êxito da equipe no relacionamento com familiares e amigos para que entendam, apesar a dor da perda, a importância e o processo da doação. Como conduzir este relacionamento foi o tema do curso “Comunicação de más notícias”, no Hospital do Rim e Hipertensão da Unifesp. A última fase foi abordada no “Curso Prático de Extração e Perfusão de Órgãos para Transplantes”, elogiado pela enfermeira Helen Catharine: “Trocamos experiências com vários colegas e vimos que o trabalho feito no Hospital de Base é tão bom quanto o feito no Albert Einstein.” Revista do HB - Fevereiro - 2013

11


Endomarketing

Hospital cria a Departamento de Comunicação Interna para ampliar as divulgações aos colaboradores O Hospital de Base ampliou, em fevereiro, a sua área de comunicação, com a criação do Departamento de Comunicação Interna, além da manutenção da Assessoria de Imprensa. O Departamento é coordenado pelo jornalista Luís Fernando Neves, que desligou-se da Intermídia Comunicação, empresa que continuará a desenvolver o relacionamento com a imprensa. O Hospital de Base encontra-se num momento que não pode prescindir mais de uma sólida estrutura de comunicação, pois, devido à sua importância para a Saúde da região e com quase 4.500 colaboradores e média de 40.000 atendimentos mês, é imprescindível criar e manter canais de relacionamento com os vários públicos: colaboradores, pacientes, acompanhantes, parceiros, fornecedores, imprensa, entidades e instituições da área da Saúde, enfim a sociedade em geral. “Uma boa estrutura de comunicação faz com que todos dentro do HB trabalhem na mesma direção, focalizando os esforços para alcançar os mesmos objetivos, e com que clientes e outras pessoas externas à instituição entendam qual é a sua missão na sociedade”, afirma Dr. José Luís Esteves, vice-diretor executivo da Funfarme. “Não adianta empenhar tempo e dinheiro na condução de melhoria do atendimento, serviços e em investimentos se o hospital não é capaz de se comunicar de maneira clara e precisa com a sociedade como um todo”, completa.

PARTICIPE

Você, colaborador, é muito importante para que a comunicação do HB funcione Você pode não concordar nem perceber, mas você é fundamental para que a comunicação do Hospital de Base funcione e tenha resultados positivos para a instituição e ajude a consolidar a boa imagem que ele possui na sociedade. Afinal, é humanamente impossível que a Diretoria e os profissionais da Área de Comunicação saibam de tudo que acontece no hospital e que deveria ser divulgado, noticiado. É fundamental, portanto, que você informe o líder do seu setor sobre eventos, fatos, assuntos que você ache que devam ser divulgados. O líder vai avaliar se o fato ou assunto deve chegar à Diretoria ou Área de Comunicação. Estes, por sua vez, fazem nova avaliação para decidirem se deve ou não ser divulgado, para quem e através de quais canais de comunicação. Portanto, participe!

Assessoria de Imprensa A Assessoria de Imprensa é conduzida pela Intermídia Comunicação, agência que conta com dois profissionais em período integral dentro do hospital, o jornalista Marcelo Gomes e a estagiária de jornalismo Daiane Oliveira. Além destes dois, há toda a equipe da Intermídia na retaguarda. Cabe à Assessoria de Imprensa promover o relacionamento entre o Hospital de Base e a imprensa, veículos de comunicação e jornalistas de todos os meios – jornais, revistas, TVs, rádios, internet e redes sociais (facebook e blogs, entre outros). A Assessoria divulga os assuntos de interesse do Hospital de Base para a imprensa e atende os jornalistas que querem obter informações sobre o HB e realizar reportagens. Além disso, a Assessoria de Imprensa trabalha em conjunto com Área de Comunicação Interna. No hospital, seus profissionais são responsáveis pela produção da Revista do HB e, eventualmente, de outras publicações, como o Boletim do NHE e folders. A Assessoria de Imprensa possui um papel muito importante para formar uma imagem positiva de qualquer instituição e empresa. E-mail: imprensa@hospitaldebase.com.br Ramal: 1496 ou 1838

12 Revista do HB - Fevereiro - 2013

Comunicação Interna O departamento de Comunicação Interna é responsável pela união planejada de todas as ferramentas capazes de permitir o fluxo das informações de interesse coletivo de nossa Instituição. Também deve apoiar todos os setores no desenvolvimento de ações de endomarketing, com a finalidade de promover a interação do funcionário juntamente com a empresa, criando métodos motivacionais, eventos, valorizações e atividades do gênero. Não existe o “quase” na Comunicação Interna. A disseminação de informações dentro de uma empresa precisa ser formalizada, divulgada e celebrada por toda a organização. Lembrando sempre que todos os colaboradores são vistos como parceiros, e quanto mais bem informados estiverem, mais envolvidos com a empresa, a missão e o negócio, eles estarão. Por isso, envie todas as suas dúvidas, críticas e sugestões de comunicação para nosso e-mail: comunicação@hospitaldebase.com.br Ramal móvel: 2573 – Luís Fernando Neves


HB na mídia

Um programa inteiro dedicado ao HB, domingo, 10 de março, logo após o Big Brother. Não perca!

Domingo, 10 de março, é dia de toda a comunidade do Hospital de Base espantar o sono e não desgrudar os olhos da TV, logo após o Big Brother, da Rede Globo. É quando irá ao ar o programa De Ponta a Ponta inteiramente dedicado ao Hospital de Base. Durante duas semanas, repórteres, produtores e cinegrafistas da TV TEM entrevistaram e filmaram médicos, enfermeiros, co-

laboradores das mais diversas áreas e – claro! – muitos pacientes. Os relatos emocionaram e confirmaram o que a equipe do De Ponta a Ponta havia se proposto a mostrar: de um lado, a excelência da Medicina, a alta tecnologia, a qualidade do atendimento e serviços e o profissionalismo dos colaboradores do HB; de outro, a importância que a instituição tem para Rio Preto e região.

Embora seja de Votuporanga e, naturalmente, já conheça o Hospital de Base, Marcos Paiva, repórter, produtor e apresentador do programa, confessou ter ficado impressionado com o que presenciou e ouviu. “Sabíamos que o HB era referência em várias áreas da Saúde, mas, ouvindo as pessoas, constatamos o quanto esse hospital representa para elas”, disse Marcos.

CHÁ DE BEBÊ SURPRESA NA UTI O técnico em enfermagem Valdir Alves Rosa teve uma grata surpresa ao chegar à UTI do 7º andar, na última semana de fevereiro. Seus colegas de trabalho prepararam um chá de bebê para o futuro papai. Fernanda Zequini, esposa de Valdir e enfermeira da UTI da Emergência , foi logo chamada para ir ao 7º andar e, também surpreendida, não conteve a emoção.

Revista do HB - Fevereiro - 2013

13


Educação

Jovem aprendiz do C.E.P. é aprovado em universidades públicas Determinação. Essa foi a palavra dita pelos colegas de trabalho do Jovem Aprendiz, Danilo de Miranda Alves. Mas não foi à toa que os companheiros de Danilo disseram isso. O garoto de 17 anos passou em duas universidades públicas no curso de enfermagem. Uma delas é a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e a outra é a Universidade Estadual Paulista (Unesp), mesmo estudando a noite em escola pública. Através de um programa do governo, ele também conseguiu bolsa 100% na Universidade Paulista (Unip). Para que o sonho do curso superior pudesse ser realizado, Danilo teve que enfrentar uma rotina dura de trabalho e estudo. Ele entrava no Centro de Educação Permanente (C.E.P.) às 7hs e durante o almoço estudava. “Foram 8 meses pegando firme”, disse Danilo. Segundo ele, o hospital foi quem o ajudou a descobrir o que ele queria como profissão. “Foi o trabalho da Katia e da Ilza que me inspirou”. “Eu gostaria de agradecer a gerencia de enfermagem, o RH e o C.E.P., pelo suporte e apoio.” Danilo de Miranda Alves

Elas falam sobre ele “O Danilo é determinado. Quando decidiu que iria fazer enfermagem, ele aproveitava todos os dias para estudar no horário de almoço. Isso sempre me chamou a atenção. Quando ele passou na faculdade fiquei muito feliz. Todo o esforço deu certo.” Kátia Luciana Pereira Enfermeira do C.E.P.

“Nós estudávamos na mesma escola e, quando ele me disse que tinha passado no vestibular, fiquei muito feliz”. Ele mereceu, estudou muito. Ele é um exemplo para todos nós do Jovem Aprendiz.” Stefanie Carolina de Souza Jovem Aprendiz do C.E.P.

14 Revista do HB - Fevereiro - 2013

“Eu fique lisonjeada, mas, ao mesmo tempo, preocupada com tamanha responsabilidade. Temos certeza de que ele tem potencial e torcemos muito para que ele seja um enfermeiro que faça a diferença em qualquer área que escolha para atuar.” Ilza dos Passos Zborowski Enfermeira supervisora do C.E.P.


Educação

1500

HB distribuiu mais de kits escolares para os filhos de colaboradores este ano

Durante dezembro de 2012 e janeiro de 2013, o Hospital de Base distribuiu aos seus funcionários kits de materiais escolares. Todos que se inscreveram no período de cadastramento foram contemplados. Segundo a gestora de Recursos Humanos, Cristiane de Lima Bussolote, foram distribuídos 1514 kits escolares, sendo 316 para alunos do maternal ao jardim 2, 450 para estudantes do 1° ao 5° ano do ensino fundamental, 371 do 6° ao 9° ano e 377 para os estudantes do ensino médio. A distribuição do kit escolar começou em 2008 como forma de incentivar a educação e a cultura, além de valorizar o funcionário. Para os kits deste ano, foram investidos R$ 122 mil. Todas as unidades pertencentes ao Hospital de Base são contempladas pelo kit escolar, basta o interessado se inscrever no RH no período determinado, levando RG do estudante ou certidão de nascimento e comprovante de matrícula.

“Os materiais que vêm no kit suprem boa parte dos que são pedidos na lista escolar. Além do mais, são materiais de ótima qualidade.”

“Poder contar com esse kit é muito bom. Com o que não precisamos gastar, podemos comprar outras coisas necessárias para as crianças.” “No começo do ano nós temos muitas despesas, e ganhar parte do material escolar é uma ajuda indispensável.” “Muito importante, o kit supriu praticamente tudo o que eu precisava. Com essa economia, a gente investe em outras coisas, como uniforme”.

Josiane

Darlene

Andreza e Silvia mostram a sinalização colorida no chão e nas paredes dos corredores

Ana Paula

Ana Beatriz Revista do HB - Fevereiro - 2013

15


NHE

Sucesso

do controle de doenças depende da colaboração de todos os colaboradores do HB Muitos colaboradores sabem o que é Vigilância Epidemiológica (VE) e porque sua atuação é tão importante para a saúde individual e da população. Você pode saber o que é a VE e conhece o Núcleo Hospitalar de Epidemiologia, o NHE do Hospital de Base. Mas muitos dos colaboradores podem não saber, seja porque nunca foram informados ou não atentaram para estes órgãos parceiros ou ingressaram agora na instituição e não conhecem a fundo. Nesta página, nos propomos a explicar, mais uma vez, o que é o NHE. Ele é o setor do hospital ligado à Vigilância Epidemiológica do município, responsável por todas as ações que permitem o conhecimento, a detecção ou a prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes de saúde individual ou coletiva. O Núcleo Hospitalar de Epidemiologia do HB foi criado em 1991 para cooperar com a Secretaria de Estado de Saúde. A partir de 2004, passou a integrar o Sub-sistema Nacional de Epidemiologia Hospitalar, que concentra 39 unidades de NHE no Estado de São Paulo. Em relação às ações e competência o NHE/HB no sistema é nível III. É uma das unidades de vigilância epidemiológica do município. Cabe ao NHE acompanhar as características das doenças notificadas, possibilita descrever e identificar o surgimento de novas doenças, ressurgimento de outras, mudanças na história natural de uma doença e detectar a possibilidade de ocorrência de epidemia, contribuindo assim para que as medidas e ações de controle sejam oportunas. O NHE tem com rotina executar busca ativa das DNC nos seguintes setores do hospital: internação hospitalar, laboratórios, farmácias, emergências, ambulatórios, consultórios, avisos de óbitos, Sistema de Verificação de Óbitos – SVO e relatórios elaborados com recurso do sistema de informação hospitalar MV .

Busca ativa nos setores

Como notificar no Hospital de Base? Caso suspeito de DNC

Médicos ou outros profissionais de saúde notificam ao NHE/HB por telefone, ramal 1380, pelo e-mail nhe@hospitaldebase.com.br ou verbalmente a qualquer profissional do NHE/HB

Núcleo Hospitalar de Epidemiologia – NHE/HB avalia, investiga e encaminha para a Secretaria Municipal de Saúde – SMS/SJRP

NOTIFIQUE O NHE/HB/FAMERP - Ramal 1380 16 Revista do HB - Fevereiro - 2013

2 revista hb fevereiro 2013  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you