Page 1

Newsletter n.º 3, Jul./2017

DESTAQUE IMPRENSA DO ALGARVE NO OPP

A Hemeroteca Digital será garantia de salvaguarda de todos os periódicos produzidos no Algarve, em formato digital e de consulta universal

TV

HEMEROTECA DIGITAL A VOTOS

Luís Guerreiro, o rosto da Hemeroteca Digital 

A

     proposta da Hemeroteca Digital do Algarve é da autoria de Luís Guerreiro, presidente da Fundação Manuel Viegas Guerreiro e está inserida na plataforma do Orçamento Participativo de Portugal (OPP). A ferramenta do Orçamento do Estado tem como objectivo construir um projecto de participação dos cidadãos que os aproxime da política e que promova uma mais ampla ligação e integração entre territórios. A candidatura regional da Hemeroteca Digital do Algarve pretende garantir a salvaguarda de 

todos os periódicos, jornais e revistas, produzidos no Algarve desde 1833 até aos nossos dias, em formato digital e de fácil consulta pública. Na carta de intenções, Luís Guerreiro explica o interesse e a importância deste material como fonte de investigação sobre a região e as suas relações com as realidades nacional e internacional: “O Algarve possui centenas de títulos de publicações periódicas de âmbito público, desportivo, turístico, religioso, de associações de classe, de feição comercial, que abrangem os  últimos anos da monarquia, a 

primeira república, o Estado Novo e a democracia. Ora, a história do Algarve destes últimos 180 anos está plasmada nestas publicações e elas próprias fizeram, não raro, a própria história da região.” Actualmente, a maioria destas colecções encontra-se na Biblioteca Nacional, muitas delas em elevado estado de degradação, e noutras bibliotecas e arquivos do país, o que dificulta o seu acesso. O projecto da Hemeroteca Digital do Algarve propõe digitalizar e

EXPOSIÇÃO ITINERANTE DE CASIMIRO DE BRITO vai iniciar périplo Além Algarve p.8

CIDADES EDUCADORAS Fundação MVG na Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras p.5

FARO CIDADE BERÇO DA IMPRENSA A complexa história da edição impressa em Portugal em análise dia 14 p.3 e 8

FICHA TÉCNICA: Edição

cont. p.2

| Textos e design: Marinela Malveiro | Fotografia: Marinela Malveiro e Telma Veríssimo


p.2 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

cont. p.1

disponibilizar estes periódicos com acesso universal em dois anos. O contacto com bibliotecas, arquivos públicos e particulares já foi encetado, bem como o período de votação. O processo é simples: em https://opp.gov.pt aceda ao projecto 709 – HEMEROTECA DIGITAL DO ALGARVE e escolha se é cidadão nacional ou estrangeiro. No quadro seguinte, coloque o número do cartão de cidadão ou de bilhete de identidade e VOTE, não se esquecendo de CONFIRMAR a sua intenção. Todos podem votar – uma única vez - independentemente da

"

... a história do Algarve destes últimos 180 anos está plasmada nestas publicações e elas próprias fizeram, não raro, a própria história da região.

"

idade. A votação decorrerá até 15 de Setembro, mês em que serão anunciados os projectos vencedores, ou seja, aqueles que colheram mais votos. Pode não só votar como partilhar o link para votação no seu Facebook: https://opp.gov.pt/projetos/todos/70 9-hemeroteca-digital-do-algarve. A Fundação Manuel Viegas Guerreiro disponibiliza-se para acolher a população local e dar apoio no acto da votação. Basta fazer uma visita à Biblioteca MVG acompanhado do seu documento de identificação.

Pode não só VOTAR como PARTILHAR o link para votação no FACEBOOK: https://opp.gov.pt/projetos/todos/709-hemeroteca-digital-do-algarve http://www.fundacao-mvg.pt/


p.3 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

NOTÍCIAS HEBRAICO EM CARACTERES MÓVEIS

PENTATEUCO REEDITADO

Folheia-se do fim para o princípio e quem não souber hebraico não o conseguirá ler. É o Pentateuco, o mais antigo livro impresso em Portugal agora reeditado Manuel Cadafaz de Matos, da Academia Portuguesa da História, que marcou presença no lançamento desta obra, assina o estudo introdutório que contextualiza a edição de Faro do Pentateuco na história da imprensa incunabular hebraica portuguesa. Para o historiador do livro, o Pentateuco - que integra os livros Génesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronómio - reune os valores com que os seres humanos acordam e adormecem, os padrões de virtude, de bem estar e os valores jurídicos. O descaminho do livro hebraico No dia em que se assinalaram  

MM

O lançamento da edição fac-símile do exemplar depositado na British Library, Inglaterra, foi apresentado no passado dia 30 de Junho, no Seminário da Diocese do Algarve, Faro. “Em termos científicos é um passo em frente na medida em que a edição de 1991 estava esgotada e muitas universidades portuguesas não chegaram a ter o privilégio de receber um exemplar para o colocar em estudo nas comunidades discentes. Se não for por via do mecenato cultural e das entidades políticas, se não for um investimento financeiro que possibilite a devolução destas obras matriciais à comunidade então a cultura não anda".    

Reedição do 1º livro impresso em Portugal

os 530 anos da publicação do Pentateuco, ouviu-se hebraico na Diocese do Algarve. A embaixadora de Israel em Portugal, Tzipora Rimon, foi outra das convidadas da editora Sul, Sol e Sal que, em colaboração com o Círculo Teixeira Gomes, Associação pelo Algarve, lançou 500 exemplares do livro que inaugurou a história da imprensa em Portugal. A mesma história que conta o desvio do compêndio: “O amargor com que o bispo da Diocese do Algarve comunica ao Papa que o livro saiu da sua posse e que foi levado para Inglaterra, a expressão de que o livro foi levado para Inglaterra é naturalmente uma prova cabal de que houve roubo. Ainda por cima trata-se de um documento único, ou seja, se houvesse mais do que um exemplar do Pentateuco não se teria sentido tanto a falta. Havendo um único exemplar e sabendo do descaminho que houve, não restam dúvidas à comunidade científica, em particular aos historiadores do livro, de que houve de facto um roubo e que o livro foi levado para Inglaterra”. cont. p.4

http://www.fundacao-mvg.pt/


p.4 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

cont. p.3

Gacon. Cadafaz de Matos não acredita que o episódio se repita um dia. “Se os frisos do Partenon nunca mais regressarão à Grécia, também estou plenamente convencido de que o Pentateuco 

nunca mais regressará a Portugal”, assevera. Independentemente do que o futuro reserva à obra, é para já devolvido à comunidade através desta reprodução, com preço de capa no valor de €45.

MM

MM

  A obra, que espelha o peso da cultura algarvia de Quinhentos e que coloca Faro como cidade berço da imprensa nacional, esteve na Biblioteca Nacional de Portugal em 1987, por altura dos 500 anos da sua impressão na oficina de Samuel  

Reedição do Pentateuco

CIDADE BERÇO DA IMPRENSA É PALCO DE COLÓQUIO

ET FACTA EST LUX "E fez-se luz" com a produção do primeiro livro há 530 anos. Quais as condições técnicas que fizeram de Faro a cidade berço da imprensa nacional? Que razões históricoculturais explicam a vitalidade produtiva de Faro? A promessa de luz sobre estas e outras questões é do colóquio “Pentateuco: comemoração dos 530 anos de livro impresso em Portugal”, organizado por Patrícia de Jesus Palma, colaboradora da Fundação MVG e investigadora do CHAMCentro de Humanidades, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas-UNL.

O roubo e a contrafacção de livros fará também parte dos temas em análise, bem como a contextualização da vida cultural de Faro ao longo dos séculos XV-XIX e a influência dos Judeus. A celebração da vitalidade tipográfica ao longo de 530 anos conduzirá à apresentação, no final dos trabalhos, do projecto Museu da Imprensa no Algarve. Artur Anselmo, Fernanda Maria Guedes de Campos, Francisco Lameira, João Alves Dias, João Luís Lisboa, José Jorge Gonçalves, José Pacheco, Rui Loureiro, são alguns dos nomes sonantes que integram o  http://www.fundacao-mvg.pt/

Programa. A iniciativa, apoiada pela Fundação MVG, terá lugar nos Paços do Concelho de Faro, entre as 9h00 e as 18h00 do próximo dia 14. A entrada é livre.


p.5 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

CIDADES EDUCADORAS

FUNDAÇÃO MVG NA REDE

Fundação Manuel Viegas Guerreiro integra Loulé-Cidade Educadora, da Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras, inserida na Associação Internacional das Cidades Educadoras

Entretanto revista no III Congresso Internacional (Bolonha, 1994) e no de Génova (2004), a Carta baseia-se na Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948), no Pacto Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais (1966), na Declaração Mundial da Educação para Todos (1990), na Convenção nascida da Cimeira Mundial para a Infância (1990) e na Declaração Universal sobre Diversidade Cultural (2001). Em Portugal estão inscritas mais 60 cidades, entre elas Loulé, representada pelo Município, Agrupamento de Escolas João Coelho Cabanita, Escola Profissional de Alte, Casa da Primeira Infância, Universidade Sénior, Academia do Saber, Casa da Cultura de Loulé, Associação de Pais e de Encarregados de Educação, Barroca-Produtos Culturais e Turísticos, Associação de Pesquisa e Estudo da Oralidade, Centro de Saúde, entre outras entidades. 

Na última reunião, realizada no passado dia 23 na Escola EB2,3 Padre João Coelho Cabanita, alinharam-se propostas para as comemorações do Dia Internacional da Cidade Educadora, assinalado a 30 de Novembro.  Todos os presentes deram conta das actividades que desenvolvem no terreno, articulando trabalho em rede.

MM

Cada cidade envolvida dirige a sua acção no sentido da qualidade de vida dos cidadãos e do trabalho em rede entre as diversas entidades e associações que a compõem. Objectivos que estão escritos na Carta inicial, assinada pelas cidades representadas no I Congresso Internacional das Cidades Educadoras, que teve lugar em Barcelona em 1990.  

Reunião de trabalho Loulé-Cidade Educadora

Como "nota de rodapé" deixamos o link para um dos filmes da Associação Internacional das Cidades Educadoras:

MM

https://youtu.be/f1Foze-TLlY

http://www.fundacao-mvg.pt/


p.6 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

FÉRIAS À VISTA

FORMAÇÃO

MM

RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIREITOS DE AUTOR

Casa de ensaios e da Festa de Fim de Ano dos alunos de Querença, o auditório da Fundação MVG acolheu pais, avós e amigos dos oito meninos e meninas do Pré-Escolar e dos 14 alunos de 1º ciclo da EB1/JI de Querença, no passado dia 22 de Junho. Professoras e alunos subiram ao palco para apresentações e representações. O convívio e a partilha também marcaram o dia que encetou as sempre tão desejadas férias de Verão.

Sabia que a Inspecção-Geral das Actividades Culturais é a entidade onde se pode informar, gratuitamente, se há direitos de autor em causa no evento artístico que pretende realizar? Esta e outras questões foram esclarecidas pela Inspecção-Geral das Actividades Culturais no passado dia 21, na sede da Direcção Regional de Cultura do Algarve, Faro. A Fundação Manuel Viegas Guerreiro foi uma das entidades presentes no auditório que acolheu público do Algarve e Alentejo, entre dinamizadores culturais e forças de segurança. Ouviram-se esclarecimentos sobre a legislação em vigor para os recintos de espectáculos de natureza artística, tiraram-se dúvidas sobre condições técnicas e de segurança, bem como relativas a direitos de autor, registo de obras literárias e artísticas e respectiva inspecção. A troca de ideias no final das apresentações foi animada e muito participada, com margem para a indicação de exemplos concretos no que toca a lotação de espaços, acessibilidades para o público e classificação etária de espectáculos.

CURSO DE VERÃO

Além da Directora Regional de Cultura do Algarve, Alexandra Gonçalves e do Inspector-geral das Actividades Culturais, Luís Botelho, a engenheira Noémia Mendes, a arquitecta Joana Costa e o inspector Ricardo Hipólito contribuíram para fazer o enquadramento normativo de funcionamento dos espaços de espectáculos.

A Fundação Manuel Viegas Guerreiro está a promover um curso de pintura a aguarela destinado à população residente em Querença. Maria Viegas ministrará a formação: “A técnica de pintura a aguarela permite que a luz esteja presente no desenho de uma forma muito forte, e isso deve-se à superior dimensão da presença da água nestes trabalhos.” A marca de água será deixada na terra do maior aquífero do Algarve, Querença. A iniciativa desenha-se através de uma parceria com a União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim.

MM

#QuerençaAldeiaCriativa

Sessão de esclarecimento sobre legislação e recintos de espectáculos

http://www.fundacao-mvg.pt/


p.7 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

EVENTOS ENTRE MIL ÁGUAS - VIDA LITERÁRIA DE CASIMIRO DE BRITO site da Fundação, a partir de qualquer ponto do país e do mundo, bastando o preenchimento e envio da Ficha de Requisição, ali disponibilizada. A iniciativa inclui ainda uma sessão de apresentação em cada novo espaço expositivo, dinamizada pela Comissária da exposição, a investigadora Patrícia de Jesus Palma. Toda as peças da exposição, fotografias, manuscritos, obras e outros documentos associados à vida literária do poeta algarvio, podem ser observadas no Catálogo FLIQ/16, devidamente identificadas e catalogadas. O livro está à

MM

CML

A Fundação MVG faz um balanço muito positivo da exposição itinerante, colhendo o desafio, por parte de todos os que a colheram, para promover mais exposições desta natureza. Os oito painéis em sistema roll-up, de fácil manuseamento, acondicionamento e mobilidade foram concebidos para espaços públicos de passagem. Um destes painéis integra um écran encastrado, onde é exibido em contínuo um vídeo sobre a vida literária de Casimiro de Brito. A exposição está disponível para entidades públicas e privadas mediante requisição através do

CML

CML

A exposição itinerante Entre Mil Águas – Vida Literária de Casimiro de Brito já está em livro e prepara-se para sair do Algarve. Depois de deixar a Biblioteca Manuel Viegas Viegas Guerreiro, onde inaugurou por altura da 1.ª edição do Festival Literário Internacional de Querença, em Agosto do ano passado, mostrouse em Albufeira, Loulé, Faro, Olhão e Silves. Até deixar o Algarve para ir ao encontro de novos públicos, poderá ainda ser vista na biblioteca da Universidade do Algarve, Gambelas, e nas municipais de Faro e de Vila Real de Santo António, em Setembro e Outubro.

A versão itinerante da exposição inaugurada na Biblioteca MVG

Associação de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, Câmara Municipal de Loulé e Direcção Regional de Cultura do Algarve. TV TV

venda na Fundação MVG, pelo valor de €5. Poderá ser entregue via CTT, mediante transferência bancária e pagamento de portes de envio. A exposição Entre Mil Águas – Vida Literária de Casimiro de Brito tem o apoio da BAD -

http://www.fundacao-mvg.pt/


p.8 | Newsletter n.º 3, Jul./2017

FILME

MM

VIDA LITERÁRIA DE CASIMIRO DE BRITO

Para quem ainda não viu o filme que integra a exposição Entre Mil Águas, aqui fica o link de acesso disponível no canal de Youtube da Fundação MVG: https://www.youtube.com/watch?v=9RnTIxUvwSY

COLÓQUIO 530 ANOS DE LIVRO IMPRESSO O colóquio “Pentateuco: comemoração dos 530 anos de livro impresso em Portugal” irá assinalar a produção do primeiro livro impresso – o Pentateuco no próximo dia 14 na cidade berço da imprensa, Faro. A Fundação Manuel Viegas Guerreiro orgulha-se de apoiar a iniciativa que pretende estimular o debate e o maior conhecimento sobre os primeiros passos da imprensa em Portugal, promovendo a valorização do seu património.

Com organização de Patrícia de Jesus Palma, colaboradora da Fundação MVG e investigadora do CHAM-Centro de Humanidades, da FCSH-UNL, realizar-se-á no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Faro. Após o colóquio, está prevista a inauguração da exposição “Faro: Marcos de Urbanismo”, no Museu Municipal da capital algarvia. Entrada gratuita.

http://www.fundacao-mvg.pt/

NEWSLETTER FMVG N.º 3 JULHO 2017 | CULTURA ALGARVE  

Boletim Informativo da Fundação Manuel Viegas Guerreiro, com sede em Querença, terra natal do Patrono, antropólogo e linguista. Tem como fim...

Advertisement