Issuu on Google+

Entrevista

Ano 07

|

nÂş 21

|

Janeiro/2014

Roberto Mascarenhas MatĂŠria Haras Anaiti Iluminado de Alfenas


Índice

13 23 40

54

Entrevista Roberto Mascarenhas Um criador que valoriza a marcha

66

Matéria Haras Anaiti Um Centro Equestre completo

Crônica A saga de um campeão

76 Ano 07

Entrevista

|

nº 21

|

Janeiro/2014

Roberto Mascarenhas Matéria Haras Anaiti Iluminado de Alfenas

Capa

Matérias Exposição Nacional 33ª Semana Nacional do Cavalo Campolina é a melhor da última década

O legado de Iluminado A vida, a história e os campeonatos de um dos mais importantes reprodutores da raça campolina. Batizado para iluminar uma ilha, mas iluminou uma raça.

Informativo Inspetores técnicos da ABCCC rodam o Brasil

Moleque de São Judas É TOP x Hadija de São Judas

Haras São Judas Santa Rita da Floresta - Cantagalo/RJ

Foto Capa: Flávio Duarte e Marco Bartoloto

Reinaldo Monteiro (21) 98802.0036 Ronaldo Monteiro (21) 98103.3664

Expediente Edição e Diagramação Marco Livrão Tiago Martins Direção Marco Livrão livrao@cheiodeideias.com.br

Jornalista responsável

Direção de Arte Tiago Martins

Bianca Costa MT 10619

tiago@cheiodeideias.com.br

6 Força Campolina | Janeiro 2014

Fotos Ana Clark Duarte Hamilton Silvester Ivan Machado Nilo Coimbra Pedrão Pedro Viotti Roberto Pinheiro Sérgio Teixeira Sidney Araújo

Agência e Produção

(31) 2555.8900 www.cheiodeideias.com.br Rua Angustura, 210 | Sala 2/C Serra | Belo Horizonte/MG CEP: 30.220-290


Editorial “Dar a cada emoção uma personalidade, a cada estado de alma uma alma.” Fernando Pessoa Certamente a emoção e o privilégio foram os meus primeiros sentimentos quando adentrei o Parque da Gameleira no último setembro, um pavilhão da memória viva do esforço que premeia os homens e suas realizações. Era a imagem nítida da contribuição e da participação de algo que poderei contar para meus filhos e netos, privilégio repito, de fazer parte da história de uma raça que tem um árduo caminho, mas uma rota com companheiros que pensam o futuro, que enxergam sob o muro alto porque sobem em montanhas, se penduram em árvores altas para que sua visão ultrapasse o hoje, o ontem e mirem de maneira concreta no futuro. Assim foi como meu coração se comportou na última Nacional do Cavalo Campolina, um misto de sentimentos maravilhosos. Foi realmente uma Nacional diferente, festa, qualidade, gente e beleza foram palavras marcantes durante o evento. Foi uma Nacional valorizada, não apenas, nos movimentos econômicos da raça, mas pela “boa inveja” que causamos, aquela que nos remete aos anos primeiros, que arduamente tantos e muitos construíram neste caminho que agora nos encontramos. O cavalo Campolina, a raça Campolina e o Campolinista evoluíram, é nítido que fizemos a melhor.

A melhor exposição de todos os tempos, e esperamos que ela se torne pior do que a do ano que há de vir entramos e assim por diante que possamos sempre evoluir. Porque a determinação desta raça é o caminho da vitória maior de se tornar o melhor cavalo se sela do planeta. Muito ainda há de ser feito e realizado, melhorias fazem parte da trajetória, são escadas a subir, são pedras a retirar do caminho. Ainda precisamos de uma homogeneidade em julgamentos, de ajustes na máquina cartorial e de ações outras que incorporem força no rumo da raça. Gostaria de ressaltar a nossa presença na TV, a diretoria da ABCCC, com lisura credenciou leilões, e subsidiou várias presença em transmissões, mais um motivo para acreditar, já que a iniciativa contou com resultados brilhantes. Por fim, e não poderia deixar de ser diferente, gostaria de abraçar todos os amigos e companheiros que fizeram parte desta jornada incrível e que compartilham comigo deste mesmo sentimento, desejando a todos um ano maravilhoso. Força Campolina Sempre!

Força Campolina | Janeiro 2014 7


Entrevista

Roberto Mascarenhas

A

Revista Força Campolina foi a Alagoas, um dos estados mais belos do país para entrevistar o criadorRoberto Mascarenhas. Ele iniciou seu criatório há mais de 15 anos e desenvolveu uma paixão fulminante pela raça Campolina. Na enrtevista ele fala sobre o atual momento da raça, conta sobre o início de sua criação, do mercado principalmente na região Nordeste, da valorização da função e, principalmente, os êxitos dos animais de seu plantel, tanto na marcha picada, quanto na marcha batida. Força Campolina: Fale um pouco sobre o atual momento da raça. Roberto Mascarenhas: Estamos passando por um momento de transição, onde a valorização da marcha é um caminho sem volta, pois só assim conquistaremos novos mercados. Ouvíamos muito de amigos usuários que o cavalo Campolina era lindo mais não andava, isso nos incomodava muito, pois amamos a raça e isso atrapalhava bastante o crescimento da mesma. Conte-nos um pouco da trajetória do criatório RM. Comecei como a maioria dos criadores, queria um cavalo de sela para passear, um para mim e outro para meu pai. Visitamos um criatório de Mangalarga Marchador e dois criatórios de Campolina, todos em Alagoas, a princípio eu queria um cavalo preto, não importando a raça, mas quando cheguei em um dos criatórios Campolina (Haras da Senzala), foi a amor a primeira vista. Saí de lá com um cavalo, uma égua, um potro e uma potra.

Agradeço a família do Haras da Senzala (D. Sheila, Delano, Paulinha e Mônica) a minha entrada no Campolina, isso foi em meados de 1998, desde então percorremos um longo caminho, e espero que o mesmo continue longo e duradouro. O que o senhor nos diz a respeito do mercado da raça em sua região? No decorrer dos anos de criação percebemos que o mercado em que estamos locados (Alagoas/Nordeste) é totalmente voltado para marcha, que é o mercado das cavalgadas onde se procura na maioria esmagadora das vezes animais de marcha picada e pelagens diferenciadas assim sendo, sentimos muito quando o Pampa deixou de ser julgado ou premiado em separado, pois na nossa região é um mercado muito forte e com a falta do incentivo da premiação para o novo criador na pelagem Pampa, o fomento reduziu drasticamente. Espero que nossa diretoria reveja essa posição com urgência, para o bem do fomento da raça. Como o senhor avalia a raça em Alagoas e Pernambuco, estados que seu criatório participa de várias Exposições e Copas de Marcha? Graças a Deus, no que tange a marcha estamos muito bem, pois já vínhamos investindo em genética de marcha há muito tempo. Brincávamos muito entre nós criadores de Alagoas e Pernambuco, que os animais top de morfologia dos melhores criadores de Campolina não eram para o nosso cacife, até tentávamos, fazendo condomínios, beliscando um aqui e outro ali, mas

Foto: Acervo Criador

Um criador que valoriza a marcha. Tanto faz: picada ou batida, tem que ser boa.

nós queríamos estar na brincadeira. Na época animais de marcha top não eram tão valorizados, então começamos a buscar os melhores disponíveis no mercado e fomos construindo uma genética de marcha consistente. Hoje a marcha é super valorizada e temos diversos criatórios na nossa região com excelentes plantéis, e reconhecimento nacionais. Conte-nos sobre o atual momento de seu criatório. Como tudo na vida, não construímos nada sozinho. Nessa longa caminhada contamos com muitas mãos amigas como por exemplo o meu pai que sempre me incentivou mesmo nas horas difíceis, minha Força Campolina | Janeiro 2014 13


Entrevista

Roberto Mascarenhas

esposa, exímia amazona e parceira sempre, meu filho que adora cavalos e gosta de me acompanhar ao haras e exposições, fazendo sempre questão de montar. Meus treinadores e tratadores, parceiros que adquiriram animais de nosso criatório que hoje brilham nas pistas de todo do Brasil ou os que simplesmente adquiriram animais e estão fazendo cavalgadas nas lindas praias ou verdes campos, ajudando assim no crescimento do nosso criatório. A todos o nosso muito obrigado. O criatório RM tem campeonatos de marcha batida e picada, qual o principal foco do haras? Fale-nos também sobre a importância desses campeonatos. Nós do RM gostamos de marcha, seja ela batida ou picada, nossa preocupação é a qualidade dessa marcha. Nossas atuais matrizes têm muita genética de marcha, traduzindo isso em produtos nascidos com excelentes andamentos, graças a Deus. Atingimos o nosso melhor momento em 2013, quando dois animais de nosso criatório atingiram

Sentimos muito quando deixou de se ter o Pampa sendo julgado ou premiado em separado, pois na nossa região é um mercado muito forte e com a falta do incentivo da premiação para o novo criador na pelagem pampa, o fomento de novos criadores reduziu drasticamente. 14 Força Campolina | Janeiro 2014

||| Iluminada do RM, Campeão Nacional de Marcha posições de elevados destaques no cenário nacional, são eles: Iluminada do RM, pertencente aos criatórios Campanário e Ventania, com os títulos de Campeã Nacional de Marcha, Reservada Campeã Nacional da Raça e Reservada Grande Campeã Nacional de Marcha (todos no convencional) e primeira do ranking de marcha batida 2012/2013. Joalheiro do RM, pertencente a criadora Alagoana Lolly Leão, que se consagrou na Gameleira, também em 2013, com os títulos de Campeão Nacional de Marcha e Grande Marchadorde Marcha Picada e também primeiro do ranking de marcha picada 2012/2013, ajudando o criatório RM a ser o melhor criador/expositor de marcha picada do Brasil no ranking 2012/2013 e também melhor criador não expositor de marcha picada do Brasil no ranking 2012/2013, ficando também com uma posição de destaque no ranking de convencional de cria-

dor não expositor 2012/2013 (quinta colocação). Levamos muito a sério o termo de parceria, pois ficamos muito realizados quando criatórios amigos conseguem resultado expressivos com animais adquiridos do nosso haras. Já temos novas estrelas no mercado e futuras promessas são elas: JR do RM, já sendo o grande marchador de macha picada da exposição Nordestina (Recife) 2013, JR do RM e irmão de Iluminada do RM, seu Pai Capricho do RM e filho de RRD de Santa Rita, ou seja, muita genética de marcha. Mina do RM (já campeã potra em Maceió e Recife-2013), adquiridas em parcerias pelos Haras Campanários e Preto Pampa, não e mais promessa e uma realidade. Outra grande aposta do haras RM para 2014 e Lotus do RM, filha de fantasia (grande marchadora em várias etapas em Pernambuco/Alagoas) e Negão da Brejaúba outro grande marchador.


||| Fantasia do RM, uma das matrizes Os potros, Maximo do RM, filho de Skala do Haras do Cywa, outra super marchadora com vários títulos de Grande ou Reservada Grande de Marcha na Bahia, Alagoas e Pernambuco. Nascar do RM, filho de Queima Polaris, outra super égua de marcha com muitos títulos no Nordeste. Noticia do RM, filha de Afrodite do Jaburú (Esteio de Hibipeba) também com títulos de marcha na região. Orgulho do RM, filho de Peralta do Atalho, super campeão de marcha, para citar alguns, indivíduos esses com muita marcha. Como o senhor avalia a valorização da marcha? A valorização da marcha é um caminho sem volta e também imprescindível para conquista de novos horizontes, ou seja, novos usuários. Consequentemente os usuário vêm se transformando em criadores. Acredito também, na força da pelagem aliada a marcha, quem não quer um super marchador preto ou pampa de preto. Pelagens comerciais com muita marcha, esse é o Campolina de sonhamos. Minhas matrizes são muitos marchadoras e todas com pelagem comerciais, Skala do Haras Cywa (Lobuna), Hortência do Barulho (Preta), Fantasia do RM (Preta), Lotus do RM (Preta), Linda do RM (Preta), Herança do Pinval, mãe de Joalheiro do RM (Preta), Oxalá da Água Santa (Preta-Pampa), Catrina do Caipirão (Preta-Pampa), Alma do Rochedo (Lobuna) e embriões de éguas já comercializadas, Iluminada do RM, Luneta do Renardi (Mãe de Iluminada), Queima Polaris, Mina do RM, dentre outras, usamos também os reprodutores Idilio do RM (Cale da Hibipeba x Bela da Hibipeba), Peralta do Atalho, Extrato da JAD, Legado do RM, todos com muita genética de marcha e pelagens comerciais.

Estamos passando por um momento de transição, onde a valorização da marcha é um caminho sem volta, pois só assim conquistaremos novos mercados.

Fotos: Acervo Criador

Qual o principal conselho para um iniciante da raça? Visite os haras de sua região, observe os trabalhos realizados nos mesmos, vá às exposições e observe os resultados conseguidos pelos criatórios, ouça opiniões de pessoas de sua confiança, para ai sim montar o seu plantel, outra coisa plantel bom e plantel enxuto.

||| Mina do RM e JR do R, vitoriosos em pistas

||| Skala do Haras Cyaw, campeoníssima de marcha Força Campolina | Janeiro 2014 15


Matéria

Haras Anaiti Um Centro Equestre completo

A

Foto: Duarte

história do Haras Anaití começa antes mesmo da compra de suas terras, quando em 2000, Paulo Mariotti começou a frequentar a Associação Baiana dos Criadores do Cavalo Campolina e suas exposições, após a compra de seu primeiro exemplar puro de origem: Hiato do Bandarra, no Haras Bandarra, de propriedade do saudoso Roque Santana. Após alguns anos, em 2006, o plantel começou a crescer com o seu primeiro garanhão adquirido no Haras Pinval, Netuno do Pinval: ainda um potro, fruto do cruzamento de Desacato da Maravilha com Irônica da JC, ambos ícones da raça na época. Em novembro de 2007, idealizado a partir de um sonho de criança e motivado por uma grande paixão por cavalos, Paulo Mariotti e sua esposa, fundam o Haras Anaití na cidade de Irará, no interior da Bahia. Desde então, todos os esforços foram concentrados para o desenvolvimento de um criatório direcionado para o Campolina Funcional, onde além da beleza e imponência, características da raça, é trabalhada a marcha com apoios bem definidos, proporcionando conforto em sua equitação. Hoje, com um plantel de aproximadamente 100 animais, entre doadoras, garanhões, potras e potros, o Haras Anaití é reconhecido como um dos principais criatórios da Bahia, sempre presente nas exposições mais importantes da raça.

Força Campolina | Janeiro 2014 23


Matéria

Haras Anaiti

Entre as doadoras, se destacam: Badalada do JBJ Dádiva de Pirassirica Dakota da Guariba

||| Rima do Bom Sossego

Donzela de São Judas Flama Bebel Haira da Hibipeba Icaraí do Boomerang

||| Dádiva de Pirassirica

Jóia do Haras Rosso Raissa de São João Rima do Bom Sossego Santa Maria Mazurca

Estão na programação para 2014 os garanhões: Duque do Anaiti Nunes do Barulho Sereno II de Atibainha Kamikaze do Barulho Dimitri de Luanda

||| Nunes do Barulho

Seiko de Atibainha Astral do GDF ||| Duque do Anaiti

”Acreditamos que devemos utilizar a genética mais comprovada, onde os acertos são mais previsíveis, apesar de entendermos que a nossa raça é uma raça muito jovem, onde os cruzamentos ainda não são 100% confiáveis.” Paulo Mariotti

24 Força Campolina | Janeiro 2014


No plantel, se destacam animais que escreveram seu nome na historia Nacional. Badalada do JBJ

Res. Campeã Nacional de Marcha 2012

Carlota do Anaiti

1º em andamento na Nacional 2012 dentre mais de 15 potras de todo país

Dakota da Guariba

Res. Campeã Nacional 2013

Nunes do Barulho

Campeão Nacional Convencional 2012 e Campeão Nacional Campolina Pampa 2013

Sereno II de Atibainha

Campeão de Marcha e Res. Grande Marchador - Brasileira 213

||| Dakota da Guariba

||| Badalada do JBJ

Carlota do Anaiti |||

Vamos continuar trabalhando para em breve, escrevermos mais alguns nomes nesta história” Paulo Mariotti

Força Campolina | Janeiro 2014 25


Matéria

Haras Anaiti

Estrutura O Haras Anaití possui 45 baias e 20 piquetes para criação de seus animais. Toda alimentação de volumoso é produzida em 10 piquetes irrigados, com cortes realizados a cada 20 dias. Com uma equipe de 15 funcionários, sendo três deles do time de pistas, o Haras Anaití foi, pela primeira vez, o melhor expositor na Expo Alagoinhas, exposição esta realizada no interior da Bahia no ano de 2013. Neste mesmo período, seus animais conquistaram dois tí-

tulos nacionais, na grande e pesada pista da Gameleira. O Haras conta com a colaboração do consultor Teófilo Soares de Almeida, dos veterinários da Clínica do Rancho e do Dr. Jacier Flor, responsável pela reprodução do plantel. Eventos Em 2011, o Haras Anaití passou a fazer parte da agenda de leilões da Associação Campolina da Bahia. Em parceria com o Haras Pinval, foram realizadas duas edições do Leilão Campolina Independência, sendo a

segunda durante a Expobahia, em Salvador, em 2012. Ao longo do ano de 2013, foram realizados dias de campo na sede do Haras, onde criadores de toda a região puderam acompanhar o desenvolvimento do plantel. No dia 15 de março de 2014, juntamente com a final da Copa Baiana de Marcha, será realizada a primeira edição do Leilão Marcha na Veia. Nesse evento, o Haras Anaití promete apresentar animais marchadores, que trazem, em si, a essência do Haras e a marca do leilão.

“Independente de onde o animal esteja, seja no nosso haras ou em qualquer outro, se ele for bom, nós adicionaremos essa genética ao nosso plantel. A nossa meta é produzir animais belos, porém funcionais.” Paulo Mariotti Baias ||| Salão de Troféus |||

26 Força Campolina | Janeiro 2014

Sede do Haras |||


NAIROBE MANDALA: COTAS

Um Grande Campeão, produtor de campeões em venda de cotas vitalícias. Na Nacional 2013 seu filhos faturaram: 4 Campeonatos convencionais, 2 Campeonatos de marcha, 1 Grande Campeonato da Raça. Ao todo sua prole tem: 23 Títulos Nacionais e 10 Títulos Brasileiros. Essa genética de resultados pode ser sua.


NO LEILÃO RENOVAÇÃO 2014 DESTAQUES DA SUA PROLE NO HARAS MANDALA

Unabella Mandala por Una-Bella do Dallas

Veronique Mandala por Jolie TOP

Xow Mandala por Una-Bella do Dallas

Zagat Mandala por Quebec Mandala


NAIROBE É PAI E AVÔ COMPROVADO. JÁ SÃO 7 FILHOS CAMPEÕES NACIONAIS.

Confiança Lua

- Nairobe x Tradição da Brejaúba

Grande Campeã Adulta da Raça 2013 Reservada Campeã Nacional Progênie de Mãe 2013 Tricampeã Nacional - 2013 / 2012 / 2008

LOTE DESTAQUE

Valence Mandala Poeta do Chiribiribinha x Confiança Lua

Votan Mandala Poeta do Chiribiribinha x Confiança Lua


50% de um l Campeão Naciona

Volkaine Mandala

- por Rebeca Mandala

Campeão Nacional Potro Maior 2013 (1º de andamento e morfologia)

EMBRIÃO A VENDA

Uliana Mandala Fenômeno de sela!

- por Opção do Oratório


TAMBÉM EM LEILÃO: MATRIZES COMPROVADAS E POTRAS DE PONTA

50%

Uganda Mandala

- Noturno D’Tal x Lolita da Filó

Negra e com sangue do Ilminado de Alfenas!

Zidane Mandala Nairobe x Sacha J.H.R.


50%

Una-Bella do Dallas

- O.P. de Santa Rita x Ocala da Concei巽達o

M達e, entre outras, da multicampe達 Nirvana TOP

Sacha J.H.R

- O.P. de Santa Rita X Nirvana de Santo Afonso

Seu filho por Nairobe - Zidane Mandala


PODE PARAR TUDO: UMA FILHA-NETA DA AGITADA!

50%

Vera Mandala

Portinari Mandala x Agitada das Duas Marias

Essa é pra fazer a Gameleira tremer! Irmã inteira do Bicampeão Nacional Capricho JHR e do potro invicto em 2013, Grande Campeão em todas as exposições que participou, UpGrade Mandala.


Crônica

A saga de um campeão * Por Vera Annechino

H

Criadora de Campolina, Haras Mandala

á muitos anos um potrinho nascia com o destino traçado: ser campeão! Sua trajetória foi difícil, estava a frente de seu tempo e poucos conseguiam enxergar suas qualidades, esta é a história que vou contar. Na época o Horizonte do Campo, pertencia ao meu sócio e grande amigo Manuel, e ocupava as cocheiras do Mandala. Na alquimia que sempre me motivo a testar novos acasalamentos, resolvi fazer embrião com a Agitada das Duas Marias e deste acasalamento em 10/11/2003 nasceu Nairobe Mandala. Ele era diferente de todos os potros que víamos em outros criatórios, era mais baixo, troncudo, cabeça mais leve e de um olhar “forte”, que mostrava nada temer. Por ser diferente logo foi colocado no piquete e pouca atenção era dispensada a ele, embora eu sempre o olhasse com admiração por suas formas harmônicas. Um dia, sentada no haras olhando os potros brincando, reparei que até nisto ele era distinto. Ele não galopava, só marchava morro acima, morro abaixo, rápido, lento, ao redor da receptora. Isto logo chamou a atenção e pedi que o pegassem e passassem a máquina, pois estávamos no inverno e ele mais parecia um urso de pelúcia.

40 Força Campolina | Janeiro 2014

Fiquei surpresa, pois tudo que me encantara no nascimento continuava marcante, agregado ao andamento muito especial, marchado, de ótima coordenação e movimentação. Não hesitei, mandei que fosse colocado em uma baia e começasse a ser treinado para as pistas, estava encantada com ele. Senti um olhar de “ela está louca”, mas como de louco todos temos um pouco, não me importei. Alguns meses depois, fiz nova avaliação e decidi que ele iria participar da exposição de Bragança Paulista e fui questionada. Como levar um potro tão diferente para a pista? Estava firme em meu propósito de compará-lo com os demais, e mesmo não podendo comparecer a exposição mandei o animal com seu apresentador. Estava trabalhando em um evento de final de ano e recebi um telefonema do Ricardo Figueiredo da 3 Barras, perguntando quem era aquele potrinho barrigudo, que havia dado um show de andamento e acabara de se sagrar reservado campeão! Esta foi sua estreia.


A partir daí somaram-se inúmeros campeonatos, mas sempre questionado, rotulado como animal “inexpressivo”, que deveria ser castrado e que eu não deveria perder tempo com ele. Nada abalava a minha opinião! Os anos foram passando e ele só evoluía. Seu andamento era realmente muito superior o que sempre lhe conferia uma pontuação bem acima dos demais. Nas minhas avaliações ele era o protótipo do Campolina que eu queria, e com certeza seria meu garanhão. E ele conquistava mais títulos, já era conhecido em todo o Brasil, pela polêmica que causava, por sua estrutura, harmonia, angulações e pelo seu andamento. Eu investia cada vez mais tempo em seu preparo e apresentação. Um dia fui perguntada pela venda de coberturas, tomei um susto, nem havia pensado nisto. O cavalo era muito novo e com tantas polêmicas que eu refleti: “será que existe mais um louco como eu, que consegue ver que ele é um cavalo a frente do seu tempo?” E não é que existia! A família Muzzi, que conheci nesta ocasião e hoje são grandes e fraternos amigos, parceiros, sócios e muito mais. Compraram 10 coberturas. Em 2006 veio seu 1o Título Nacional - Reservado Campeão! Já havia conquistado seu espaço e respeito, embora continuasse sendo polêmico. Ao longo dos anos sempre foi Campeão ou Reservado Campeão em todas as exposições que participou, inclusive Nacionais - Bi-Campeão Nacional de Marcha, Bi-Campeão Nacional, Bi-Reservado Campeão Nacional.

Foram 40 minutos que pareceram um ano, não passava e o coração batia forte. Foi o 1º de andamento, já íamos para a morfologia com uma boa vantagem, e sabíamos que a disputa seria difícil pois iria pegar o sempre fortíssimo adversário de outros anos. Quando foi perfilado em 2º na disputa da morfologia, já sabíamos que ele tinha ganho, mas eu ainda não queria acreditar - queria ouvir o grande Afonso, anunciar no microfone – Nairobe Mandala, o Grande Campeao Nacional 2009. Quando acabou e anunciaram o resultado quase morri de tanta emoção! Uma Gameleira lotada, minha família, meus amigos, minha equipe e o fiel escudeiro Dr. Moacyr, nosso veterinário que logo tirou o nº do colete e disse “este é meu”. O palco ficou pequeno para tanta gente na foto. Se me perguntarem o que passou pela minha cabeça neste momento eu digo que foi um filme, muito rápido de toda a trajetória deste cavalo. Muitos vieram falar comigo, me cumprimentar, mas 2 pessoas me marcaram. O amigo Ricardo Nunes, que na hora da minha aflição, passou comemorando o título de sua égua que tinha sido a Grande Campeã da Raça Adulta e olhou pra mim e disse: Seu cavalo vai ser o campeão, é um grande marchador. O segundo foi meu amigo de muitos e muitos anos

Força Campolina | Janeiro 2014 41


Crônica

Nairobe Mandala

Dudu Câmara, que disse: “Eu te devo desculpas, porque detestava seu cavalo, fui dos que mais comentou que ele não era um exemplar representativo, mas na verdade eu nunca tinha dado a ele a oportunidade de ser analisado. Parabéns pelo cavalo!” Só faltou o título de Grande Marchador, mas como entrar nesta disputa se estava para iniciar o concurso e ainda estávamos no pódio recebendo prêmio, estourando champanhe e comemorando? Mas sua história está longe de acabar, muito pelo contrário, está só começando como raçador. Hoje é um pai e avô produtor de grandes exemplares, que já somam 23 títulos Nacionais. Sendo um Grande Campeonato da Raça Adulto, e dois Grandes Campeonatos da Raça Jovem. Faltam 3 filhos campeões para que ele atinja o tão sonhado Livro de Elite que sua mãe já integra. Seria a primeira vez que mãe e filho estariam juntos nessa galeria máxima dos exemplares de destaque da raça. Só na Nacional 2013 foram 09 Títulos. Em sua úni-

ca progênie feita, foi 1o Prêmio, com os 2 fêmeas e 1 macho. As 2 fêmeas desse conjunto ocupam a 1ª e 2ª posição de Melhores Fêmeas do Ranking Nacional de 2013 - Xepa do Chiribiribinha e Confiança Lua. O jovem macho também foi o campeão Nacional de sua categoria, sendo 1º em andamento e morfologia. Confiança Lua, sob a bandeira dos Gladiators, repetiu o feito de seu pai, sendo esse ano a Campeã de Marcha, Campeã de sua categoria e Grande Campeã Égua Adulta da Raça, e, pasmem... com o mesmo número de colete de seu pai em 2009. De quebra, com suas duas únicas filhas nascidas em pista, conseguiu o título de Reservada Campeã Nacional Progênie de Mãe. Neste momento entendi que Nairobe havia nascido no lugar certo - no Haras Mandala, pois talvez não recebesse a oportunidade de mostrar seu potencial em outro criatório menos “louco”. Como diz Emygdio, um apaixonado pelo filme Gladiators e pelo Nairobe: “O potrinho que virou cavalo, o cavalo que virou garanhão e o garanhão que desafiou a Raça”.

Obrigado NairoBÃO! Assim como sua mãe, você está escrevendo sua história na raça Campolina. Um verdadeiro exemplar do “CAMPOLINA MARCHADOR”! 42 Força Campolina | Janeiro 2014


Matéria

Exposição Nacional 2013 33ª Semana Nacional do Cavalo Campolina é a melhor da última década

C

riadores e usuários elegeram a 33ª Semana Nacional do Cavalo Campolina, que ocorreu de 1 a 8 de setembro, no Parque da Gameleira, em Belo Horizonte (MG), a melhor edição da última década. Nas pistas, cerca de 700 animais foram inscritos por 150 expositores do chamado “eixo da raça” (MG, SP, RJ, BA e PE), entre outros estados. A programação apresentou uma série de eventos que ajudou a resgatar o envolvimento social na principal mostra do Cavalo Campolina. Cerca de 10 mil pessoas passaram pelo parque de exposição. “Dos últimos anos essa foi a melhor Nacional. A ABCCC está de parabéns, o evento foi muito bem organizado e superou todas as expectativas que o criador tinha em relação ao mesmo. Essa nova Nacional veio junto a uma fase onde o Campolina tem chegado a níveis de excelência e conquistado o lugar que ele já merecia estar a muito

tempo”comentou o criador Evando Lara. O ponto alto do evento foi a interação do público, inclusive, de pessoas sem envolvimento direto com a raça. “Foi muito gratificante ver criadores e usuários do nosso cavalo confraternizando com amigos e familiares. Sem sombra de dúvidas, essa edição da Nacional ficará marcada na História como a exposição da Família Campolina”, disse o anfitrião Luiz Roberto Horst Silveira Pinto, presidente da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Campolina (ABCCCampolina). O objetivo do evento foi traçado desde o mês de março, quando a diretoria da ABCCCampolina e o comitê organizador da Nacional - formado pelos criadores 54 Força Campolina | Janeiro 2014


Osvaldo Diniz, Suzana Salum e Léo Maia reuniram-se para incorporar a programação da Semana Nacional do Campolina aos planos de fomento da raça. Desta forma, uma aposta certeira foi a criação do “Espaço do Criador”, que cumpriu perfeitamente o papel de aproximar os visitantes, ao sediar diversos encontros ao longo da semana. Outra iniciativa interessante foi o reconhecimento aos tratadores dos cavalos. Um dia antes da abertura, os mais de 300 profissionais foram homenageados com uma grande festa no Pavilhão Redondo do Espaço Expominas. “Vocês são mais importantes do que os próprios criadores. São vocês que cuidam, montam e conhecem bem cada animal. Sabemos que apenas 30% dos fatores que fazem o campeão são genéticos. O restante vem da sanidade, manejo e nutrição, ou seja, da mãos de obra do haras”, disse a eles o presidente da ABCCampolina. Também foi neste local que a dupla sertaneja revelação Bruna e Keyla agitou a exposição.

Força Campolina | Janeiro 2014 55


Matéria

Exposição Nacional 2013

Novidades na pista de julgamento A 33ª Semana Nacional do Cavalo Campolina teve uma programação técnica das mais criteriosas. Neste ano, dez jurados ficaram responsáveis pelo julgamento, cinco avaliando morfologia e os demais, andamento. Maior e menor notas eram desconsideradas e a classificação transmitida em tempo real em um grande telão montado na pista. “Tivemos uma exposição bem distribuída e com animais muito parelhos. Surpresa foi ver a quantidade de éguas com mais de 36 meses, que, pela primeira vez, bateu o número de potras”, avaliou o diretor da Escola Nacional do Cavalo Campolina (ENACAM), Reynaldo Zapalá, explicando que esse dado confirma o progresso experimentado pela raça, atualmente. Outra inovação foi a atuação de Pedro Braga, Raíssa Martins e Paula Carvalho, os novos inspetores contratados pela ABCCCampolina, como jurados de chão. Eles ajudaram na inspeção de entrada e também no concurso de marcha. “A raça vem evoluindo e os animais atingindo cada vez mais altos mas ainda precisamos trabalhar para que consigamos um cavalo que e seja um animal que o usuário monte e encontre conforto, adestramento e o Campolina está caminhando para isso.”, disse o árbitro Paulo Roberto Ribeiro.

Academia Campolina |||

||| Julgamento de marcha

Grade Comercial Para reservar parte do horário nobre aos eventos sociais, foi necessário reduzir significativamente o cronograma de leilões. Ocorreram apenas dois remates, que juntos arrecadaram R$ 2.571,284,00. Animais também foram vendidos em um shopping e, também, houveram negociações diretas entre os criadores. O resultado mais expressivo veio no 2º Leilão Campolina 40°, promovido no dia 5 de setembro, pelo Haras do Barulho, com a oferta de 60 lotes Campolina Pampa. O faturamento chegou à R$ 1.537.000,00, com média geral de R$ 26,7 mil. O lote mais valorizado foi Iluminada do Barulho, com 50% de sua propriedade adquiridos por R$ 92 mil. Já no Leilão Raça Campolina Sun Shine 2013, promovido no dia 6 de setembro, pelos Haras TOP, Campanário, Campolina das Marias e Santa Anna, a grande surpresa foi a presença massiva de novos investidores (20% dos compradores). O faturamento alcançou a cifra de R$ 1.034.284,00 com a comercialização de 38 lotes (média geral de R$ 27.218,00). O lote destaque foi a doadora Onda TOP, vendida ao condomínio Campolina das Marias/Fazenda Mata Nova por R$ 136.400,00. 56 Força Campolina | Janeiro 2014

Convênio com a Pêga |||

||| Karen School - Horsemanship


Homenagens A 33ª Semana Nacional do Cavalo Campolina também foi palco de importantes reconhecimentos. “Antes de pensarmos em planejamentos futuros, devemos sempre preservar nosso passado”, afirmou o presidente da ABCCCampolina, referindo-se ao Hospital Cassiano Campolina, que completou 103 anos neste mês e foi idealizado pelo patriarca da raça Campolina. Hoje, são atendidos mais de 40 mil habitantes da cidade mineira de Entre Rios de Minas e região. O provedor da instituição, Afonso Miranda, agradeceu o apoio e apresentou um vídeo contanto um pouco sobre o dia a dia do hospital. Em seguida, foi a vez de entregar à prefeita de Entre Rios de Minas, Maria Cristina Mansur Teixeira Resende, a tão prometida escultura assinada pelo artista plástico Zê Vasconcellos. A obra (um cavalo Campolina montado customizado em aço inox) tem mais de quatro metros de altura e será o mais novo cartão postal da cidade. “A ABCCCampolina está dando o reconhecimento que Entre Rios merece. Este presente será símbolo da paixão de nosso povo pelo Cavalo Campolina”, disse a prefeita. As festividades continuaram com o coquetel da Família Resende, que foi laureado com uma placa onde foram imortalizados os nomes de cinco Resendes que muito contribuíram com a raça. São eles Joaquim Pacheco de Resende, Joaquim Resende (Quinzinho), Gastão Ribeiro de Oliveira Resende, Roberto de Oliveira Resende e Aloísio Resende Ribeiro de Oliveira.

||| Cristina Resende, Prefeita de Entre Rios de Minas

||| Homenagem a família Resende

Força Campolina | Janeiro 2014 57


35 anos de criação

Iluminado de Alfenas Livro de Elite da raça Campolina Campeão Nacional da Raça Campeão dos Campeões Grande Marchador da Raça


Ilha da Chapada 35 anos de criação

PHARAÓ DE ALFENAS

MALVINA DE ALFENAS

Iluminado x Fada de Alfenas

Iluminado x Belina de Alfenas

Campeão Nacional

Campeã Nacional

QUASAR DE ALFENAS

NICOLE DE ALFENAS

Iluminado x Jessamine de Alfenas

Iluminado x Gazela de Alfenas

Res. Campeão Nacional

Campeã Nacional


Berço Iluminado 35 anos de criação

QUYRA DE ALFENAS

SONATA DE ALFENAS

Iluminado x Jangadeira de Alfenas

Iluminado x Fada de Alfenas

Res. Campeã Nacional

Res. Campeã Nacional

MADONNA DE ALFENAS

XENA DE ALFENAS

com potro Trovador de Alfenas

Iluminado x Ordenança de Alfenas

Irmã Inteira de Iluminado, Res. Campeã Nacional

Campeã Nacional Progênie e Livro de Elite da raça


,

As atuais Eguas 35 anos de criação

VALÊNCIA DE ALFENAS Hércules de Alfenas x Qualidade de Alfenas

TIMBALADA DE ALFENAS Bromo do Angelim x Ciumenta de Sans Souci

CASSANDRA DE ALFENAS

CABOCLA DE ALFENAS

Hércules de Alfenas x Simpatia de Alfenas

Hércules de Alfenas x Laodice de Alfenas


da Ilha 35 anos de criação

MELISSA DE ALFENAS Jupter de Passatempo x Legenda do Campo Novo Prop.: Haras da Filó, em coleta de embriões compartilhada

PINTURA DA FILÓ Iluminado de Alfenas x História da Palmeira

SIMPATIA DE ALFENAS

EMBALADA DE ALFENAS

Pharaó de Alfenas x Lusa de Alfenas

Lexus da Filó x Timbalada de Alfenas


,

As atuais Eguas da Ilha 35 anos de criação

EMPATIA DE ALFENAS

GALÍCIA DE ALFENAS

Lexus da Filó x Simpatia de Alfenas

Frevo do Porto Alegre x Timbalada de Alfenas

GARBOSA DE ALFENAS

HEROICA DE ALFENAS

Frevo do Porto Alegre x Simpatia de Alfenas

Lexus da Filó x Cassandra de Alfenas


Reprodutores 2012 /2013 35 anos de criação

QUARTEL DE PASSATEMPO Iluminado de Alfenas x Eficiência de Passatempo Prop.: Fazenda Cabo Velho

TROVADOR DE ALFENAS Pharaó de Alfenas x Madonna de Alfenas Prop.: Condomínio Fazenda Cabo Velho e Criatório do Vale Responsável pelas coberturas em 2013

LEXUS DA FILÓ Bromo do Angelim x História da Palmeira


ILUMINADO DE ALFENAS

BReeder

, Iluminando a Historia da Raça Campolina

35 anos de criação

Fazenda Ilha da Chapada - Alfenas - MG Ricardo e Paulo Saliba - Rach Stud Agropecuária Ltda - rach@saliba.com.br


Matéria

O legado de Iluminado

I

A vida, a história e os campeonatos de um dos mais importantes reprodutores da raça campolina. Batizado para iluminar uma ilha, mas iluminou uma raça!

luminado de Alfenas, recentemente inscrito no Livro de Elite da raça, é sem dúvida nenhuma o cavalo mais importante nascido na Fazenda Ilha da Chapada, criatório conhecido pelo sufixo de Alfenas, que acaba de completar 35 anos de criação. Mas para compreendermos melhor a origem e a história de Iluminado de Alfenas é importante termos também um panorama de como era a criação de Campolina nos anos 80. No começo daquela década, havia uma predominância da linhagem Passa Tempo, através principalmen-

66 Força Campolina | Janeiro 2014

te dos filhos de Expoente P.T., belos garanhões como Ousado P.T., Recruta de P.T., Quartel P.T.,Quinau de P.T.,Nevoeiro de P.T. e o próprio Júpter P.T., dominavam as pistas de exposição, assim como as belas filhas de Xerife P.T., tais como Tâmara de P.T., Saribanda de P.T. e Quarta de P.T, apenas para citar algumas. Outros garanhões de tipo similar também se consagraram nas exposições daquela época, tais como Ulisses da Lagoa Negra e Leon do Capim Branco. Também neste período, despontavam al-

guns belos exemplares provenientes do Rio de Janeiro, com destaque para os filhos de Júpter de P.T. Eram estes: Frevo, Coca-Cola, Ciumenta e Herói de Sans Souci e o filho de Ousado P.T. e o belo Gavião de Sans Souci. Havia portanto, uma predominância do tipo de animais de porte médio e de linhas mais refinadas. Eram em geral ótimos marchadores de tipo leve e atlético. Foi por um animal destes, que a Família Saliba se apaixonou. Era Júpter de Passatempo, cuja história já


foi contada em matéria especial da edição anterior. Júpter , como todos sabem , passou a fazer parte da Criação da fazenda Ilha da Chapada, e mudou a história da Raça Campolina para sempre. Na época , o plantel da Ilha era formado por descendentes de Mandão de Passatempo, Sheik do Tiguara, Gas Licor, Frevo do Porto Alegre entre outros. Basicamente era constituído de éguas de porte médio, com o tipo mais refinado, principalmente, por se tratarem de filhas destes garanhões citados. Em meados da década de 80, a tendência começou a mudar, e o Campolina de maior porte começou a prevalecer, conquistando as pistas e plantéis que procuravam este tipo de cavalo. Enfim, apesar da tendên-

cia, o programa de criação da Ilha da Chapada , optou por seguir seu gosto pessoal, acreditando em Júpter , buscando um cavalo mais funcional, que aliasse beleza a lazer e conforto, considerando sempre o tipo e a qualidade da marcha da linhagem Passa Tempo. Tendo isso em mente, mesmo ao ampliar o plantel de matrizes, foram adquiridas éguas que se adequassem ao ideal de cavalo do criatório. Podemos citar, como exemplos: Legenda do Campo Novo, Gaivota de Sans Souci e Soberana do Egito. Apesar destas não serem de linhagem Passatempo, eram do tipo leve e funcional que tanto buscavam. Foi assim que em 1984, durante a Semana Nacional do Cavalo Campolina, uma potranca chamou muito a atenção dos Salibas. Era de tipo refinado, com bela cabeça, olhos e

orelhas, um pescoço bem rodado e ótima paleta. Seu nome: Luiza Brunet das Arabias, filha de Frevo de Santarém e Gás Seda. Apesar de não ter obtido boa colocação na exposição, tendo sido classificada com uma menção honrosa apenas, os Salibas acharam que seria uma ótima matriz para ser colocada com Júpter. Ela ia ao Leilão de Elite da Nacional e eles sabiam que não seria muito cara, já que o leilão contava com grandes estrelas da raça. Então, naquela noite, sem muito esforço adquiriram aquela que se tornaria uma das mais influentes matrizes da Raça Campolina. De seu primeiro cruzamento com Júpter, nasceu um potro do tipo exótico. Tinha olhos enormes, orelhas firmes, um chanfro seco e forte que fazia da cabeça um conjunto harmonioso com o pescoço bem rodado e um corpo excepcionalmente musculoso, com uma paleta longa e inclinada e uma garupa potente. Tinha ossos

Força Campolina | Janeiro 2014 67


Matéria

Iluminado de Alfenas

||| Luiza Brunet das Arábias (Mãe), Iluminado (Potro e Adulto) e Jupter de Passa Tempo (Pai) fortes e ótimos aprumos, era, enfim um potro que mostrava muita Raça. Foi batizado como Iluminado de Alfenas. Seu tipo combinava o melhor da linhagem Passatempo com uma pitada de sangue Gás. Luiza Brunet das Arábias, era filha de Gás Seda que era Gás Marujo em Gás Ilha, o que lhe garantia 25% de sangue Gás e praticamente todo o restante de sangue Passa Tempo. Nesta época, nos contou Ricardo Saliba, Júpter já estava completando 17 anos e a expectativa de criar um sucessor era grande. “Tínhamos até então, outro potro excepcional, filho de Júpter com sua filha Ciumenta de Sans Souci, o Hércules de Alfenas, que

também considerávamos um futuro reprodutor. Hércules, porém, chegou a ser Campeão Potro na Estadual de BH, mas em seguida começou a apresentar um tumor facial que quase lhe custou a vida, e nunca mais foi apresentado em Exposições. Nossa esperança de ter um Campeão Nacional da Raça, filho de Júpter então recaiu toda sobre o Iluminado” contou Ricardo. “Seu primeiro grande triunfo em exposições se deu na Exposição Estadual de BH em 1989, quando se tornou Campeão Júnior, julgado por José Eugênio Dutra Câmara, que o exaltou em seu comentário como um dos mais impressionantes potros

||| Iluminado e seu filho, Pharaó de Alfenas 68 Força Campolina | Janeiro 2014

que já havia julgado. A partir desta exposição, sua carreira foi uma sucessão de vitórias. Em 1990, sagrou-se Campeão Nacional Cavalo Jovem e em 1991, após um ano invicto, sendo Campeão da Raça em 8 exposições se sagrou Campeão Nacional Cavalo e Campeão Nacional da Raça. Em 1992, fechou a sua participação em Morfologia como Campeão dos Campeões Nacional” explicou o criador. A carreira do Iluminado como reprodutor começou a decolar paralelamente às suas vitórias nas exposições. Em 1991, no ano em que sagrou Campeão Nacional da Raça, sua filha Malvina de Alfenas sagrou-se Campeã


Nacional Potranca e a partir daí seus produtos passaram a conquistar a cada vez mais as exposições pelo país. Alguns de maior destaque naquela época, além de Malvina, foram Nicole de Alfenas, Quéops de Alfenas, Sonata de Alfenas, Pintura da Filó, Grega da Filó, Quasar de Alfenas e o principal se seus filhos, o belíssimo Pharaó de Alfenas, que viria a se tornar um reprodutor de grande importância para atual criação nacional. A respeito da consagração de Iluminado como Cavalo Completo, ou seja morfologia aliada a Marcha, Paulo nos conta algumas curiosidades. “Iluminado era um cavalo de índole extraordinária, extremamente dócil e o favorito de sela do Ricardo, meu irmão. E foi em um de nossos passeios pela Ilha, em 1996 enquanto eu montava a Fada e ele o Iluminado e estávamos admirando a qualidade da comodidade dos dois em qualquer velocidade que andássemos que ele disse que deveríamos levar o Iluminado para o concurso de Marcha da Nacional, e eu disse, por que não? Ele tinha uma marcha batida consistente e alcançava cerca de 20km/h com a mesma comodidade que se estivesse passeando devagar. Não era “passarinheiro” e portanto não refugava em situação nenhuma. Marchava sempre avante trocando as orelhas atento aos comandos do cavaleiro. Era enfim, um ótimo cavalo de sela e era mais do que justo que ele tivesse uma chance de provar que poderia ser um cavalo completo” comentou. O Iluminado já havia feito uma ótima participação montado em sua categoria na Nacional de 1991, mas ainda assim não era nem sombra do marchador que veio a se tornar. Seria uma coisa inédita. Nunca um cavalo Campeão da Raça tinha voltado as pistas para disputar Campeonatos de Marcha. Mas além do desafio pessoal, a Ilha da Chapada queria valorizar o ideal da marcha, da funcionalidade e colocar um Campeão dos Campeões e Reprodutor já consagrado para marchar canalizava todo este ideal. Ainda em 1996, apenas em caráter experimental, montado pelo Ricardo o Iluminado foi Campeão de Marcha Expositor nas Exposições de Indaiatuba e na especializada de São Paulo. Em 1997, já bem condicionado e treinado regularmente, Iluminado foi levado a Exposição Nacional do Cavalo Campolina, e fez duas apresentações históricas, lembradas até hoje por quem presenciou como impecáveis sagrando-se Campeão Nacional Sênior de Marcha e Campeão Nacional da Raça de Marcha, título que corresponde hoje ao de Grande Marchador. “Sem dúvida nenhuma, esses campeonatos conquistado pelo Iluminado trouxeram um novo patamar de importância para os concursos de Marcha” explanou Ricardo Saliba.

||| Campeão Nacional da Raça, Campeão Nacional Cavalo Jovem e Campenao Nacional Cavalo Sênior de Marcha Força Campolina | Janeiro 2014 69


Matéria

Iluminado de Alfenas

Em 1998, pelo fato da família Saliba estar na época muito envolvida também com o Cavalo Árabe, tendo inclusive na sequência conquistado o titulo por 3 anos seguidos de melhor

70 Força Campolina | Janeiro 2014

expositor das Nacionais desta raça, os titulares tomaram uma decisão de reduzir o plantel Campolina, colocando no leilão Herança de Júpter 98 boa parte do plantel principal, incluindo

as principais matrizes como Fada e Madonna de Alfenas. Muitas das filhas de Iluminado também foram a leilão, assim como o seu principal filho Pharaó de Alfenas, que bateu o recorde da raça para machos. Ricardo explica: “Após o Leilão, estávamos decididos a não vender o Iluminado, por questão exclusiva da estimação que tínhamos por ele e ele permaneceu conosco por algum tempo, até que o titulares do Haras Hibipeba, Norival e Roberto Siqueira, assessorados pelo nosso amigo Joel Garcia, manifestaram forte interesse em comprá-lo. Para nós foi uma decisão difícil, pois gostávamos muito dele, mas ao mesmo tempo fomos convencidos que ele ainda poderia fazer muito pela raça em outra criação, principalmente com a qualidade do Haras Hibipeba. E por gostarmos muito dele, e querermos ainda mais sucesso para o mesmo, tomamos a decisão de vendê-lo” contou. Então em 27/09/1999 Iluminado passou para as mãos do Haras Hibipeba. “Estávamos certos sobre a nossa expectativa em relação ao que ele poderia produzir em outra casa, com éguas de outras linhagens e mais uma vez ele não nos decepcionou. O fato de termos criado e feito sua campanha Nacional e a de muitos de seus filhos nos traz muito orgulho, e orgulho maior ainda por vermos hoje no que ele se tornou para a Raça Campolina. A qualidade produzida no Haras Hibipeba foi excepcional, além da abertura que foi dada para outros criatórios. Ver suas filhas Agitada das Duas Marias e Xena de Alfenas ingressarem no Livro de Elite também nos enche de satisfação! Este orgulho pelo sucesso atual que faz hoje o legado de Iluminado, que é exatamente o tipo de cavalo que sempre acreditamos, foi o fator principal para que mantivéssemos uma criação que completou recentemente 35 anos de existência. Sua inscrição no Livro De Elite da Raça, com certeza não será o capitulo final de sua História” finaliza Paulo.


Informativo

Inspetores técnicos da ABCCCampolina rodam o Brasil Novo serviço dá novo ânimo aos pequenos criadores de cavalos Campolina

D

e Norte a Sul do Brasil, onde existir um criador de cavalo Campolina, lá estarão os inspetores técnicos contratados pela Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Campolina (ABCCCampolina). Os sete dias da semana serão pouco para Paula Carvalho de Camargo, Raíssa Antunes Martins e Pedro Luiz Braga Bernardino. Iniciado há pouco tempo, a fila de espera já é imensa. Mas, vale a pena. Apesar da visita ser anual e em apenas um único dia, houve criador que conseguiu resolver um ano de pendências com a associação. E acredite: serviu como fator decisivo para que um associado permanecesse fiel à raça. Assim aconteceu com Renato Alexandre Martins da Silva, único criador de Campolina no Rio Grande do Norte. “Confesso que pela distância da associação pensei em largar o Campolina. Com essa prestação de serviço, repensei e continuo meu projeto. Isso diminuiu o fosso que existia entre mim,

||| Paula Carvalho de Camargo, acompanhando julgamento 76 Força Campolina | Janeiro 2014

a associação e a raça em si”, destacou. O núcleo mais próximo fica em Pernambuco, há 300 km do seu criatório. Antes, era uma dificuldade imensa quando tinha de levar pessoal da ABCCCampolina, e o custo alto, muitas vezes precisando arcar com as passagens aéreas dos profissionais. Segundo ele, tudo foi colocado em dia. Raíssa chipou animais, coletou amostras de DNA, resolveu pendências das transferências, solicitou registros definitivos e regularizou pagamentos. “Fiquei surpreso não só pela gratuidade da visita, mas também pela qualidade. Ela olhou o criatório e os meus animais, orientou cruzamentos e apontou coisas possivelmente indesejadas. Com isso, passei a enxergar a criação com uma visão mais crítica”, complementa Renato Alexandre. Da mesma forma ocorreu com Roberval Lima dos Santos, de Santo André, na Paraíba, há um ano na criação. “Ela ensinou algumas metodologias em relação ao treinamento e à seleção dos animais. Também fez esclarecimentos quanto ao padrão racial do Campolina”, destaca Roberval. O criador paraibano conta que Raíssa identificou algumas fêmeas muito baixas e sugeriu cobri-las com um reprodutor um pouco mais alto. Ela atende associados em Goiás, Distrito Federal, Bahia, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. “Os criadores dessas regiões costumam trocar informações com o pessoal de Pernambuco e atuam em mercados


dominados por outras raças. Mesmo nestes pontos extremos, é importante valorizá-los por não desistirem da raça”, enaltece a inspetora. “O trabalho é ótimo e a associação tem que manter”, afirma Dr. Joffre Antônio Dias Belfort A. Sandin, que seleciona cavalos de marcha picada há 30 anos, em São Simão (SP). Para ele, essa iniciativa foi uma ótima ideia para valorizar os criadores. “O trabalho da Paula muito bom, ela não entende apenas da raça como também muito de cavalo. Tenho um embrião de Ímega do Atalho e no futuro devo emprenhá-la com Ion do Haras Rosso, um reprodutor moderno, bonito e marchador. Tenho certeza de que nascerão animais belíssimos. A Paula viu isso, pois já conhecia Ímega”, aposta Sandin. Lúcio Queiroz, do Rancho do Comando, em Vargem Grande Paulista (SP), também atendido pela Paula, teceu mais elogios ao profissionalismo da técnica e da associação. “Esse trabalho foi muito bacana, até para saber se estamos fazendo certo. Minha ideia é chamá-la de volta para dar uma olhada nos animais quando tiverem a idade certa”, disse Queiroz. Nas poucas provas que têm na região do Rancho do Comando, é grande a presença de muares e outros marchadores. O preparo dos inspetores foi fundamental para o sucesso das visitas técnicas e já começou no processo seletivo, que foi muito rigoroso, como lembra Pedro. “Eram 50 candidatos para três vagas. Estudei a raça, o estatuto, marcha e a prova teórica exigiu um bom conhecimento daquilo que um técnico teria pela frente”, assinala. Após a aprovação, os inspetores fizeram cursos específicos na Escola Nacional do Cavalo Campolina e participaram de diversos eventos. “Na Nacional, trabalhamos como jurados de chão e acompanhamos tudo para refinar a parte de morfologia e marcha”, explicou Paula.

||| Pedro Luiz Braga Bernardino em vistoria

||| Raíssa Antunes Martins analisando um exemplar da raça Força Campolina | Janeiro 2014 77



Revista Força Campolina 21