Issuu on Google+

E n tre vi s ta : M a g n o M u s ta n g

Sócio de loja autorizada a realizar campeonatos diz que jogo de cartas é como uma bolsa de valores Sobre sua coleção, Magno Mustang estima. “Se fosse para vender, acho que daria uns R$ 1 50 mil” Fernanda Nogueira e Isabela Hisatomi

O jogo de cartas colecionáveis, com nome Magic: the Gathering, foi criado pelo americano Richard Garfield em 1 993 e desde então tem feito muito sucesso entre todas as idades. É um jogo de estratégia, onde dois ou mais adversários se enfrentam. Cada um possui um baralho com 60 ou mais cartas, chamado de “deck”. Segundo dados da Editora Devir, responsável pela edição e distribuição do jogo no Brasil, atualmente existem mais de 1 7 mil cartas, que variam de poucos centavos até a R$ 6 mil. A cada ano são lançadas de três a quatro novas edições com 200 até 400 novas cartas, aproximadamente. Em Campo Grande, a loja XD Comic Shop é ponto de referência para os fãs do jogo. Conversamos com Magno Mustang, sócio da loja e jogador de Magic desde 2003, que falou sobre o comércio, os campeonatos e sua experiência pessoal com o jogo.

trado você pode falar o seu nome, sua idade e o que você faz? Meu nome é Magno Mustang, não é Mustang, mas me chamam assim, eu tenho 33 anos e sou sócio da loja, mas minha parte é mais publicidade. Como você conheceu o jogo? Cara, eu morava em Cam-pinas, e tinha uma época que eu passava necessidade e não tinha muita coisa para fazer. Aí acabei aprendendo a jogar Magic para esquecer os problemas. E até hoje eu sou assim. Eu não sou jogador competitivo, eu gosto só de jogar para me divertir com a galera.

Não, não, eu sei separar muito bem. Eu acho que Magic é só um jogo, é um divertimento, é como jogar um dominó, um baralho. É a mesma coisa.

Como é trabalhar aqui, com o jogo? Cara, é assim. É difícil manter. Porque todo mundo acha que a gente está aqui 24 horas jogando, né, sentado numa rede bebendo Coca-cola e jogando o dia inteiro, não. Tem toda a parte administrativa, a parte de limpeza, tem a parte da manutenção. E por aí vai. A gente tem que fazer tudo isso, para no fim do dia se der tempo a gente jogar uma partida. Cada um separa o que cada um vai fazer durante o dia. Somos eu, o Rafael, o Saku e a gente contratou agora o João. Nós somos em 4.

Com que frequência você joga? Na semana, assim, é porque ultimamente está tendo muito Que tipo de público vem evento, mas eu costumo jo- aqui? Eles vêm mais comgar pelo menos 5 ou 6 vezes. prar ou jogar, como é? O público a gente não tem Isso interfere na sua vida uma idade fixa, já vieram pessoas aqui de 50 anos, 60, pessoal? Primeiro, para ficar regiscrianças, jovens.


Então quer dizer, a gente tem um material a disposição da galera que eles testam o jogo como se fosse um degustativo e depois se gostar leva. Se tem no estoque eles levam.

Magic conseguiu disparar. Então, quer dizer, o Magic hoje em dia está par a par com o Yu-Gi-Oh que é um jogo também muito disputado em qualquer tipo de cenário.

Como são os eventos de jogo da loja, vocês fazem eventos? Eles trazem os decks e jogam? Quando é um evento aberto a gente já estipula um tipo de campeonato, é o *“pauper”, o “T2”, o “legacy”, o “modern” e aí vai. Só que na sexta é só o T2, é o Friday que a gente chama. Então quer dizer, sexta só rola deck T2 mas também pode jogar os deck modern. Que o modern é E para os jogadores, quan- quando o T2 cai. Isso é histo chega a custar essas tória muito longa para vocês cartas? . Então, igual você falou do pre-release, tem o T2 né. O Vai ter Magic no evento T2 é uma bolsa de valores. *Parada Nerd ? Uma hora está em alta, outra Eu acho que sim. Magic é um hora está em baixa. No míni- jogo que depende dos jogamo um deck hoje em dia para dores. Se tiver jogadores a estar competitivo para jogar gente vai, a gente pode fazer vai estar em torno de 1 200, um torneio casual ou pode 1 500 reais. É por causa das até sancionar se a gente tiver cartas mesmo, porque assim, o computador lá. Porque tudo tem carta que sai que joga rola através de um programa muito, daí ela sobe, ela vai que você faz o seu cartão, disparando. Ela é cotada nele vai estar seu nome, né, através de mundial que é ro- e esses dados são mandalado lá fora. A carta que o dos para os Estados Unidos, campeão ganhou já vai valo- que é a sede da **Wizard, do rizar. Então quer dizer, o deck Magic. E nisso já sai no PC. inteiro dele vai subir. E nisso Quando você faz pontuação, as cartas vão subir. Igual eu ele te dá um ponto; porque falei, é uma bolsa de valores. depende do tipo de torneio, rola um tipo de pontuação, É um mercado movimen-ta- então quer dizer, se você quido? ser ir para o mundial você Isso, é um mercado muito tem que ter tantos pontos pamovimentado. Desde a épo- ra ir. ca que o Magic foi lançado, ele teve poucos concorren- Esses torneios de sexta-feites. Acho que a empresa ra contam para o mundial? comprou a concorrência e o Contam, contam. Daí você Como é o comércio, quanto custa para manter o jogo? Então, porque é assim, quando a gente pega produto para estoque tem que pegar uma quantidade grande para tirar o lucro. Se a gente pegar uma quantidade pequena não tem nem como manter a loja. Então a gente vê o tanto que vende por mês para fazer para os próximos.

tem que fazer outros, fazer o regional, tem que fazer o estadual e daí vai.

Esses campeonatos de sexta têm toda semana? É, toda sexta-feira. Tem que pagar alguma taxa? Sim, paga uma taxa. A gente aqui optou pelo seguinte: paga R$ 7,50, que é o normal ou paga 1 6 reais e leva um ***booster. Porque esse incentivo? As vezes a pessoa chega e sai sem nada, entendeu, ela fica em último, mas pelo menos se ela paga 1 6 reais ela sai feliz por isso. “Eu não ganhei, mas sei lá, tipo, mas achei uma carta de 50 reais.”

(risos)

*Parada Nerd é um evento que acontece em 1 7 e1 8 de maio de 201 4 em Campo Grande


Tem premiação? Tem, no final tem. A escolha dos primeiros, ganha uma carta da ****Devir, que é a distribuidora e aí distribui entre os 4. E depois tem a premiação, a cotação vê quantas pessoas jogaram aí vê o tanto que foi gasto e tem prêmio para o primeiro, segundo, terceiro e quarto lugares. Você tem alguma experiência pessoal com o jogo? Eu só acrescentaria o que eu falei no começo, eu comecei a jogar Magic em momentos difíceis. Até cheguei a vender coisas para ter cartas mas, tipo assim, são cartas que não jogavam na época. A gente só se divertia. Eu quando cheguei na XD, tinha um baralho de 60 cartas. Eu joguei, joguei com muitas pessoas no começo e tipo, não rodava, com o tempo fui adquirindo carta cara, carta cara. Hoje, daquela época, tem um ano e meio, uns 2 anos, de 60 cartas que eu tinha naquele dia, hoje eu tenho mais de 200 mil.

Você coleciona também? Eu sou mais a parte que a gente chama de “dealer”. “Dealer” é um vendedor, eu jogo mas eu vendo. Compro mas eu compro com o preço abaixo que eles pedem para player né. Eu compro abaixo para tentar vender para jogador. Você vê bastante o comércio entre os jogadores? Sim, até que quando vai rolar uma troca ou alguma coisa, tem alguns que chegam primeiro em mim. Eles falam: “ah você quer comprar? Porque eu sei que você revende”. Então quer dizer, às vezes eu pego baixa, às vezes eu pego em troca, e aí vai, depende da vantagem do jogador. Porque o Magic tem em especifico um site que vende essas cartas. Então eu vou nesse site, que é o “Liga Magic”, e coloco as cartas num leilão ou coloco as cartas em troca. Daí vai girando, vai girando. Tipo, eu nunca fico com carta que vai cair. O que eu não quero eu passo e o que eu quero fica para mim. Faço um deck, faço alguma coisa, passo para alguém aqui. Você pode dizer pra gente quanto você tem em carta? Em dinheiro? Dinheiro, cara? Se fosse contar... Cara, é muito dinheiro. Se eu fosse pegar... Porque assim, em especifico eu, além de comprar eu gosto de colecionar algumas e outras eu seguro para, que nem eu falei, alta né, espero dar alta e seguro para depois vender. Então, eu tenho uma pasta de cartas lendárias, que são as cartas caras, eu tenho

também uma pasta que eu gosto para caramba que é de uma coleção, Loryn, que eu peguei toda a edição de Loryn Aí tem umas cartas “promos” que eu compro da galera, que eu pego de fora. Sei lá, se fosse para ver minha pasta, hoje em dia, cara, acho que dava uns... Se fosse para vender na ponta do lápis, acho que daria uns R$ 1 50 mil. Isso só 200 mil cartas. Se eu fosse vender a um real cada, passaria do que eu falei. Porque é negociação. Quer dizer, eu falo 1 real, o cara fala 50 centavos, eu vou falar 70. É um trato feito das cartas. Mas às vezes não rola, eu prefiro deixar aqui. Na minha época não tinha como eu ganhar, eu tinha que comprar tudo, hoje em dia, você vê uma criança ou até um adulto, olhando uma carta, você dá. Mas você dá numa forma de comércio, incentivo, entendeu? Na minha cidade a gente chama isso de boi de piranha. Você dá uma isca para o boi vir, entendeu? Aí ele vai vir, vai sempre vir atrás de você. Quer dizer, ou ele compra de mim ou ele compra do comércio onde eu frequento. *T2, legacy, pauper, modern: são tipos de campeonatos baseados nos formatos de decks e edições existentes. **Wizards of the Coast: editora do Magic. ***Booster: pacote fechado com cartas variadas que pode ser comprado nas lojas revendedoras. ****Devir Livraria: editora e distribuidora brasileira.


Entrevista: Magno Mustang