Issuu on Google+

I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Identificação e caracterização de arbóreas exóticas invasoras, no Espaço Verde Chico Mendes, São Caetano do Sul/SP – Brasil Prado, Michelly Rodrigues do; Bazotti Armas, Paula; Santos Roveratti, Dagmar Resumo Conhecida pela grande capacidade de adaptação e dispersão fora de sua área de distribuição natural, a espécie exótica invasora, pode dominar o espaço de nativas, provocando grandes alterações na dinâmica da comunidade local. A ausência de predadores associada à alta eficiência na competição por recursos, potencializa a dispersão de sementes e favorece a invasibilidade no ambiente. Considerada a segunda maior ameaça mundial à biodiversidade, a presença de exóticas interfere na oferta de recursos alimentares (para fauna), e na disponibilidade de sítios de estabelecimento e presença de dispersor (para a flora). Atualmente, em áreas urbanas, a maioria dessas espécies é introduzida através de atividades antrópicas para fins ornamentais que, quase nunca, consideram a importância da biodiversidade original. Em São Paulo, raros remanescentes de vegetação original (Mata Atlântica e de Cerrado) estão ameaçados pela invasão de ornamentais exóticas. Em terrenos abandonados na malha urbana, a vegetação espontânea é quase toda artificial, de plantas introduzidas pelo homem. Salientandose que estudos sobre espécies exóticas invasoras ainda são recentes e insuficientes, principalmente no Brasil, o objetivo do presente trabalho consistiu na identificação e caracterização de espécies arbóreas exóticas invasoras, no Espaço Verde Chico Mendes, localizado no município de São Caetano do Sul/SP – Brasil. O levantamento das espécies foi feito através de visitas realizadas de Dezembro/2011 a Maio/2012. Os indivíduos observados foram identificados no nível de espécie; família; aspectos fenológicos (época de floração e de frutificação) e as espécies enquadradas em uma das três categorias: NR – Nativa Regional; E – Exótica ou EI - Exótica Invasora, sendo que, as exóticas invasoras foram classificadas de acordo com a capacidade de invasão: A - alta, M – moderada; B - baixa, conforme bibliografia especializada para estes parâmetros. Das arbóreas identificadas houve predominância entre 6 espécies: Cinnamomun camphora (21,74%); Ligustrum lucidum (12,72%); Pinus elliottii (6,56%); Ficus benjamina (6,01%); Eugenia uniflora (3,41%) e Dracaena fragrans (3,01%), que representaram mais de 53% do total analisado. De acordo com os resultados, 27,04% das espécies são exóticas invasoras, sendo que, aproximadamente, 85,16% apresentavam alta capacidade de invasão. Levando-se em consideração os resultados obtidos, foi evidenciada a necessidade de medidas de controle e restrição à introdução destas arbóreas, em especial, das exóticas invasoras, privilegiando as plantas nativas locais, preservação da história, da cultura e bem-estar da população. Palavras chave: exóticas invasoras; levantamento arbóreo; preservação. Introdução Conhecida como espécie que ocorre numa área fora de seu limite natural historicamente conhecido, a espécie exótica, é resultado da dispersão acidental ou intencional, por atividades antrópicas (Ziller, 2001). Uma vez introduzida, a partir de outros ambientes, essa espécie pode apresentar potencial invasor por ser altamente eficiente na competição por recursos, adaptando-se e reproduzindo-se a ponto de ocupar o espaço de espécies nativas e causar graves alterações nos processos ecológicos naturais (Guimarães, 2005). Tamanho é o potencial de adaptação e dispersão dessas espécies que as mudanças causadas no funcionamento do ecossistema, nem sempre permitem a recuperação natural, um processo denominado de contaminação biológica (Ziller & Galvão, 2001). Os contaminantes biológicos tendem a se multiplicar e a se disseminar, gradativamente, dificultando a auto-regeneração dos ecossistemas. Por este motivo, a contaminação biológica é também denominada de poluição biológica. Esse tipo de poluição é bastante sério, pois se agrava

1653


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 ao longo do tempo, diferentemente de poluições químicas que, geralmente, se diluem com o passar dos anos (Westbrooks, 1998). Segundo Siqueira (2004/2005) esta temática atual das invasões de plantas exóticas está relacionada com a visão imediatista e utilitarista da sociedade em que vivemos, além de outros fatores de ordem econômica e cultural. Charles Darwin foi um dos primeiros a manifestar preocupação com o problema. Já na metade do século XIX registrou a densa ocupação dos pampas na Argentina e no Chile por Cynara cardunculus (cardo), planta arbustiva espinhenta originária do Marrocos que, atingindo até 1,5 metros de altura, impedia a passagem de cavalos e pessoas. Em 1865, um visitante solicitou proteção ao Parque Nacional de Yosemite, nos EUA, em função da crescente ocupação por plantas daninhas oriundas da Europa (Ziller, 2001). Em épocas mais recentes, o propósito das introduções dessas espécies tem se voltado significativamente para fins ornamentais (Furlan, 2007). Na África do Sul, estima-se que das 491 espécies exóticas, a metade tenha sido introduzida para fins ornamentais, seguidas de uso para barreiras (como quebra-ventos), cobertura, agricultura, forragem e produção florestal. Quando as espécies são usadas para mais de um fim, maior tende a ser a sua disseminação e maior, por conseqüência, seu potencial de invasão (Ziller; Galvão, 2001). Na Austrália, há estimativas de que 65% das plantas naturalizadas no país nos últimos 25 anos tenham sido introduzidas para fins ornamentais. A Nova Zelândia conta atualmente com cerca de 24 mil espécies introduzidas: mais de 70% para fins ornamentais. Cerca de 240 espécies se tornaram invasoras e calcula-se uma taxa de aumento de quatro novas espécies invasoras por ano. O número de espécies exóticas naturalizadas no país é hoje levemente superior ao de espécies nativas. Há previsão de que cerca de 575.000 hectares de áreas naturais protegidas sofram invasões biológicas nos próximos dez a quinze anos (Ziller, 2001). Nos Estados Unidos, estima-se a introdução de mais de 4.600 espécies exóticas nas Ilhas Havaianas, 1.045 na Califórnia e 1.180 na Flórida. Esses são os estados mais atingidos justamente por apresentarem condições climáticas mais amenas, que facilitam o estabelecimento de invasoras. Cerca de 31% dos parques nacionais estadunidenses, que corresponde a 3,5 milhões de hectares, encontram-se hoje invadidos por espécies exóticas. Os custos de contenção do problema em todos esses países são proporcionalmente exorbitantes (Ziller; Galvão, 2001). Dentre os impactos mais citados no meio científico, estão as alterações causadas em processos ecológicos essenciais como: ciclagem de nutrientes; produtividade vegetal; cadeias tróficas; estrutura, dominância, distribuição e funções de espécies; distribuição de biomassa; densidade de espécies; porte da vegetação; índice de área foliar; queda de serrapilheira; taxa de decomposição; além dos processos evolutivos e relações entre polinizadores e plantas. Podem, também, mudar a adequação do habitat para espécies animais, alterar características físicas do ecossistema, desencadeando processos erosivos, sedimentação e mudanças no ciclo hidrológico, no regime de incêndios e no balanço energético, além de reduzir o valor econômico da terra e o valor estético da paisagem, comprometendo seu potencial turístico. Podem ainda produzir híbridos, ao cruzar com espécies nativas e eliminar genótipos originais e ocupar o espaço de plantas nativas levando-as a diminuir em densidade e extensão geográfica, aumentando os riscos de extinção de populações e de espécies. Os efeitos agregados de invasões potencializadas por atividades antrópicas põem em risco esforços para a conservação da biodiversidade, a manutenção da produtividade de sistemas agrícolas, a funcionalidade de ecossistemas naturais e a saúde humana (Richardson, 1999; Mack et al., 2000). De acordo com Zanchetta e Diniz (2006), vários são os fatores que podem determinar a potencialidade invasiva de certas espécies, entre eles: informações dos atributos da espécie, tempo de residência, extensão do plantio, características da cobertura do solo, latitude, regime de distúrbio e a biota local do ambiente invadido. Dentre as espécies arbóreas já consagradas como invasoras no Brasil, estão Pinus elliottii, Pinus taeda, Casuarina equisetifolia, muito comum no litoral, Melia azedarach (cinamomo), Tecoma stans (amarelinho), Hovenia dulcis (uva-do-japão), Cassia mangium, Eriobothrya japonica (nêspera), Cotoneaster sp. e Ligustrum japonicum (alfeneiro), este usado largamente para fins ornamentais. Entre as plantas menores, o gênero Bracchiaria, de capins introduzidos para pastagens, é dos mais problemáticos (Espíndola et al., 2005). Os países que melhor têm documentado os processos de invasão são a África do Sul, a Nova Zelândia, a Austrália e os Estados Unidos. Talvez seja simplesmente pela capacidade de manter registros que se destaquem no mundo como os maiores detentores de espécies invasoras. Certamente existem problemas de mesma magnitude e gravidade em inúmeros outros

1654


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 países que ainda não despertaram para a questão e que carecem tanto de registros como de medidas de prevenção, controle e erradicação, requerendo coleta e organização de dados para retratar a situação atual e para estabelecer prognoses do futuro (Ziller; Galvão, 2001). As espécies exóticas constituem-se como um risco para as populações de espécies nativas, o que consiste em crime ambiental, segundo o art. 485 da Lei 9605/1998. Em 2003, diante da constatação da precariedade de referências bibliográficas e de pesquisas no Brasil relacionadas ao tema, o Ministério do Meio Ambiente decidiu elaborar o “Primeiro Informe Nacional sobre Espécies Exóticas Invasoras”, propondo uma avaliação dos impactos causados ao meio ambiente pelas principais espécies, tanto em relação à biodiversidade quanto à saúde humana e animal. Inúmeros esforços vêm sendo realizados para definir características comuns a espécies invasoras, visando antecipar problemas futuros e estabelecer medidas de controle e restrição a novas introduções. Importância do Planejamento em Áreas Verdes O crescimento contínuo das áreas urbanizadas vem provocando modificações na paisagem com consequente comprometimento da qualidade do meio físico. (Andrews, 1976). Para que as áreas verdes públicas constituam-se como elementos fundamentais para o bem estar da população, a arborização precisa ser aprimorada a partir de um bom planejamento (Loboda & De Angelis, 2005). A cidade não é um elemento isolado da natureza, como diz Metzeger (2001), ela faz parte da paisagem e junto com as áreas naturais são montantes do grande mosaico que hoje forma a superfície da Terra. O conhecimento e a análise das estruturas das cidades e suas funções, através das óticas econômica, social e ambiental são pré-requisitos básicos para o planejamento e administração das áreas urbanas, na busca de melhores condições de vida para os seus habitantes (Rocha et al., 2004). A Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001, também conhecida por Estatuto da Cidade, e talvez a mais importante na atualidade em se tratando do planejamento urbano, estabelece diretrizes para o uso da propriedade urbana em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadãos, bem como do equilíbrio ambiental (Art. 1º, Parágrafo único), garante o direito às cidades sustentáveis (Art. 2º, inc. I), ao planejamento do desenvolvimento das cidades, de modo a evitar e corrigir as distorções do crescimento urbano e seus efeitos negativos sobre o meio ambiente (Art. 2º, inc. IV). De acordo com Ribeiro e Muniz (2011), a falta de planejamento prévio resulta, muitas vezes, na perda da vegetação nativa, uma vez que é muito frequente a introdução de espécies exóticas que podem afetar o equilíbrio ecológico urbano e manutenção das espécies nativas que contribuem para a diversidade da flora e fauna. O que deveria ser de conhecimento para comunidade a favor do ecossistema urbano. A fragmentação das áreas naturais devido a urbanização trazem consequências muito negativas para as espécies que integram essas ilhas da natureza representadas pelas cidades. Para evitar ou diminuir estas consequências, um bom planejamento, pode tornar as áreas verdes urbanas uma estratégia de conectividade, aumentando a porosidade dos trechos urbanos, servindo como trampolins ou corredores biológicos entre remanescentes de vegetação natural (Ayres et al., 2005). Todavia, a falta de políticas públicas associada aos reduzidos recursos destinados às áreas verdes (públicas), não conseguem atender às necessidades reais criadas pela expansão urbana. E é nesse sentido que embora todas as cidades apresentem áreas verdes onde a população possa desfrutar de momentos de lazer e contato com a natureza, poucas têm esses espaços de forma organizada, de modo que não passam de espaços dispersos pela malha urbana (Loboda & De Angelis, 2005). Objetivo Ressaltando-se a precariedade de referências bibliográficas e de pesquisas relacionadas às espécies arbóreas exóticas invasoras, no Brasil, espera-se que a presente proposta seja uma contribuição para a definição de ações mitigadoras e preservação da identidade biológica do Espaço Verde Chico Mendes, em São Caetano do Sul /SP - Brasil.

1655


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Materiais e método Área de estudo O município de São Caetano do Sul está localizado na região metropolitana de São Paulo, integrante da região do ABC paulista, com 15,3 km²; situa-se a uma altitude média de 760 metros. A cobertura vegetal original do município São Caetano do Sul é Mata Atlântica de planície. O intenso processo de urbanização das áreas situadas nos limites da cidade de São Paulo descaracterizou completamente as feições desta composição vegetal. São Caetano do Sul se baseia no turismo de negócios, cultura e lazer, possui sete parques municipais dentre eles, o Espaço Verde Chico Mendes. Um recente levantamento divulgado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) mostra que os indicadores ambientais do município de São Caetano do Sul não são nada animadores: é a cidade com o ar mais poluído do Estado, com uma proporção de veículos de 1,22 carros por habitante. Além disto, São Caetano do Sul registra um índice de áreas verdes de 1,5 m² por habitante enquanto que o recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 12 m² por habitante. Com uma área de aproximadamente 140 mil m2, o Espaço Verde Chico Mendes, em São Caetano do Sul – SP, oferece aos visitantes de todas as idades inúmeras atividades de lazer com intuito de manter a qualidade de vida e incentivar o contato da população com diversas espécies de plantas e animais. Localizado na Avenida Fernando Simonsen, 566, no Bairro Cerâmica, o parque funciona todos os dias da semana das 6 às 22 horas. Coleta de dados As observações de campo foram feitas através de visitas semanais realizadas nos meses de Dezembro/2011 a Maio/2012. Foram consideradas espécies arbóreas os indivíduos com tronco único, sustentação própria e diâmetro à altura do peito, DAP 5 cm. Todas as espécies foram descritas em ficha de identificação, de acordo com a espécie, família, aspectos fenológicos (época de floração e de frutificação), registro fotográfico-digital e literatura pertinente. As espécies identificadas foram localizadas em croquis e enquadradas em uma das três categorias: NR – Nativa Regional; E – Exótica ou EI - Exótica Invasora, sendo que, as exóticas invasoras foram classificadas de acordo com a capacidade de invasão: A - alta, M – moderada; B - baixa, conforme bibliografia especializada para estes parâmetros. Quando não foi possível o reconhecimento das espécies em campo, coletou-se amostras de material botânico disponível como: folhas, flores e frutos, para a identificação no herbário do Instituto de Botânica de São Paulo ou para o envio a especialistas.

Resultados e Discussão Foram identificados 3609 indivíduos pertencentes a 33 famílias, distribuídos em 85 espécies. As famílias Arecaceae, Fabaceae, Lauraceae, Moraceae, Myrtaceae e Oleaceae apresentaram o maior número de indivíduos utilizados na arborização do Espaço Verde Chico Mendes, representando 71,04% do total analisado. As outras 27 famílias contribuíram com cerca de 1011 indivíduos, dentre as quais, 8 famílias apresentaram uma única espécie. Tabela 1 – Lista de espécies amostradas no Espaço Verde Chico Mendes, São Caetano do Sul/SP. Quantidade (QTD) - quantidade de indivíduos encontrados por espécie. Tipo – Nativa Regional (NR), Exótica (E), Exótica Invasora (EI). Capacidade de Invasão (INV) – Baixa (B), Moderada (M), Alta (A). Grupo Família

Nome popular

QTD

TIPO

INV

1656


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Espécie GIMNOSPERMAS Arecaceae Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman Livistona chinensis (N. J. Jacquin) R. Brown ex Mart. Dypsis lutescens H. Wendl Caryota urens L. Acrocomia intrumescens Drude Cocos nucifera L. Cupressaceae Thuja orientalis L. Chamaecyparis pisifera (Sielbold & Zucc.) Endl. Chamaecyparis obtusa (Siebold& Zucc.) Endl. Cycadaceae Cycas circinalis L. Pandanaceae Pandanus utilis Bory Pinaceae Pinus elliottii Engel. ANGIOSPERMAS Anacardiaceae Mangifera indica L. Schinus terebinthifolius Raddi Apocynaceae Nerium oleander L. Plumeria rubra L. Araliaceae Schefflera actinophylla (Endl.) Harns Asparagaceae Dracaena fragrans (L.) Ker Gawl Bignoniaceae Tabebuia pentaphylla Hemsl. Spathodea nilotica Seem Jacaranda cuspidifolia Mart. Tabebuia chysotricha Mart. Tabebuia rosea-alba (Ridl.) Sand. Tabebuia sp Bombacaceae Pachira aquatica Aubl. Chorisia speciosa A. St. Hil. Euphorbiaceae Euphorbia pulcherrima Willd. Ex Klotzsch Euphorbia cotinifolia L. Fabaceae Leucaena leucocephala (Lam.) R. de Wit Delonix regia (Bojer ex Hook.) Raf. Calliandra brevipes Benth. Erytrina speciosa Andrews Bauhinia forticata Link Caesalpinia peltophoroides Benth. Peltophorum dubium (Spreng.) Taub.

Jerivá

98

E

Palmeira Leque

84

E

Areca Bambu Palmeira Rabo de Peixe Palmeira Barriguda Coco da Bahia

56 21

E E

16 7

E E

Thuja Pinheirinho

44 16

E E

Pinheiro Dourado

5

E

Cica

35

E

Pandalus

4

E

Pinus

229

EI

Manga Aroeira

83 32

E NR

Espirradeira Jasmim Manga

10 4

E E

Cheflera

31

EI

Dracena

105

E

Ipê Balsamo Espatódea Jacarandá Ipê Amarelo Ipê Branco Ipê

61 37 27 20 3 23

E E E NR E

20

E

11

NR

Bico de Papagaio Leiteiro Vermelho

3 1

E E

Leucena Flamboiã Calliandra Eritrina Pata de Vaca Sibipiruna Tamboriu Bravo

61 37 32 31 31 29 24

EI E E E NR NR E

Castanha Maranhão Paineira

do

A

A

A

1657


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Tipuana tipu (Benth.) Kuntze Senna multijuga (Rich.) Irwin et Barn. Calliandra twediiI Benth. Inga uruguaiensis Hooker at Arnott Albizia lebbeck (L.) Benth. Caesalpinia equinata Lam. Caesalpinia ferrea Mart. Brownea ariza Benth. Schizolobium parahyba (Vell.) Blake Lauraceae Cinnamomun camphora (L.) J. Presl Nectandra lanceolata Nees et Mart. Ex Nees Persea americana Mill. Lythraceae Lagerstroemia indica L. Punica granatum L. Magnoliaceae Michelia champaca L. Malpighiaceae Malpighia emarginaginata Sessé & Moc. Ex DC. Melastomataceae Tibouchina granulosa Cong. Tibouchina mutabilis Cong. Meliaceae Melia azedarach L. Cedrela fissilis Vell. Moraceae Ficus benjamina L. Morus nigra L. Artocarpus heterophyllus Lam. Ficus graranitica Schodat Ficus enormis (Mart. ex Miq.) Mart. Ficus elastica Roxb. Musaceae Musa X paradisíaca L. Myrtaceae Eugenia uniflora L. Psidium guajava L. Eucalyptus paniculata Sm. Callistemon viminalis (Sol.ex Gaertn.) G.Don ex Loud Syzygium jambos (L.) Alston Syzygium cumini (L.) Skeels Myrciaria cauliflora (Mart.) O. Berg. Eugenia brasilliensis Lam. Eugenia pyriformis Cambess Oleaceae Ligustrum lucidum W.T. Aiton Phytolaccaceae Gallesia integrifólia (Spreng.) Harms Polygonaceae Triplaris caracasana Cham. Proteaceae Grevillea robusta A. Cunn. Ex R.Br.

Tipuana

17 15

EI NR

Senna Calliandra Vermelha Ingá Albizia Pau Brasil Pau Ferro

11 11 7 6 2

E NR E E E

Flamboiãzinho Guapuruvu

1 1

E NR

Canela canforeira Canela

759 92

E NR

Abacate

27

E

Resedá Romã

58 3

E E

Magnólia

8

E

Acerola

7

E

Quaresmeira Manacá da Serra

9 1

NR NR

Cinamomo Cedro

5 4

EI NR

Ficus Amoreira Jaca Mata Pau Fícus Enormis Seringueira

210 41 32 4 3 3

E EI E NR NR E

Banana

5

E

Pitangueira Goiabeira Eucalípito Escova de Garrafa

119 93 34 6

NR NR EI E

Jambo Jambolão Jabuticabeira Grumixama Uvaia

5 4 3 2 1

E E NR E NR

Alfeneiro

444

EI

Pau D’Álho

1

NR

Pau Formiga

35

E

Grevilea

5

E

M

A

M

A

A

1658


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Rhamnaceae Hovenia dulcis Thunb Zizyphus joazeiro Mart. Rosaceae Eriobotrya japonica Loquat Rubiaceae Coffea arabica L. Rutaceae Citrus sinensis L. Citrus limon (L.) Burm. F. Citrus reticulata L. Murraya paniculata (L.) Jacq. Salicaceae Salix alba L. Sterculiaceae Dombeya wallichii (Lindl.) K. Schum. Verbenaceae Duranta repens L. Não Identificadas

Uva Japonesa Juázeiro

16 1

EI E

M

Ameixeira

14

EI

M

Café

17

EI

B

Laranja Limão Mixirica Murta

8 5 5 1

E E E E

Chorão

11

E

Astrapéia

4

E

Pingo de Ouro

7

E

95

As espécies predominantes no levantamento foram: Cinnamomun camphora (21,74%); Ligustrum lucidum (12,72%); Pinus elliottii (6,56%); Ficus benjamina (6,01%); Eugenia uniflora (3,41%) e Dracaena fragrans (3,01%), que representaram aproximadamente 53% do total analisado. Vale ressaltar que, Pinus elliottii e Ligustrum lucidum são consideradas arbóreas exóticas com alta capacidade de invasão (Amigos das árvores de São Paulo, 2012).

(%)

1659


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Gráfico 1 – Espécies arbóreas mais frequentes (%) no Espaço Verde Chico Mendes Das espécies identificadas, 27,04% são exóticas invasoras, sendo que 1,80% apresentou baixa capacidade invasora, 13,01% moderada e 85,16% alta. De acordo com Espíndola (2005), distante dos seus ambientes de origem e livres de processos competitivos e predatórios, as espécies exóticas invasoras encontram condições favoráveis para a expansão e domínio do espaço de ocupação, sobretudo se este espaço ecossistêmico foi ou vem sendo alterado por processos sucessivos de intervenções antrópicas. Dependendo das condições locais, da produção de frutos e sementes e dos processos de dispersão, muitas espécies exóticas invasoras não conseguem aumentar suas populações, deixando de ser assim problemas para determinadas áreas geográficas e a sua respectiva biodiversidade local (Siqueira, 2006). As espécies de Melia azedarach e Schefflera actinophylla são exemplos deste pouco sucesso de propagação e ocupação desordenada do espaço e alterações ambientais. Estima-se que as áreas verdes sejam compostas por plantas nativas, como forma de perpetuar espécies, de manter uma coerência ambiental, e de fazer a população compreender a riqueza que possuímos (Mascaró, 2005). Conclusão De acordo com a incidência de exóticas invasoras relacionadas no presente projeto e a observação do surgimento espontâneo de novos indivíduos de Ligustrum lucidum e Leucaena leucocephala, com alta capacidade invasora, foi evidenciada a necessidade de medidas de controle e restrição à introdução de espécies com estas características, privilegiando as arbóreas nativas locais. Um paisagismo sustentável deve considerar a preservação da identidade biológica, preservando as espécies vegetais regionais que oferecem abrigo e alimentação à fauna local, além de conectar a população com a história e proporcionar o bem-estar. Bibliografia Amigos das árvores de São Paulo. Lista de plantas invasoras: <http://arvoresdesaopaulo.wordpress.com/plantas-invasoras-lista/> Acesso em: 15 Mai 2012. Andrews, W.A. (1976) A Guide to Urban Studies. Ontário: Prentice-Hall, 293p. Ayres, J.M. et al. Os corredores ecológicos das florestas tropicais do Brasil,1ª ed. p 114, Belém, PA, Sociedade Civil Mamirauá, 2005. Espíndola, M. B. et al. Recuperação ambiental e contaminação biológica: aspectos ecológicos e legais. Departamento de Botânica, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil. Biotemas, 18 (1): 27 - 38, 2005. Furlan, S. A. Tudo o que você queria saber sobre plantas. Oficina de textos. São Paulo. 2007. Guimarães, T. Espécie invasora ataca áreas protegidas. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 maio 2005, Folha Ciência, página A13. Instituto Horus. Espécies Exóticas Invasoras: <http://www.institutohorus.org.br/inf_fichas.htm>. Acesso em: 05 Mai 2012. Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm>. Acesso em: 10 Mai 2012. o

Lei n 9.605, de 12 de Fevereiro de 1998. <http://www.mma.gov.br/port/gab/asin/lei.html>. Acesso em: 05 Mai 2012.

1660


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Loboda, C. R.; De Angelis, B. L. D. Áreas Verdes Públicas Urbanas: Conceito, usos e funções. Ambiência - Revista do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais. Guarapuava, PR v.1 n.1 p. 125-139, 2005. LORENZI, H. Árvores Brasileiras – Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. vol. 1 Nova Odessa: Editora Plantarum, 1992. 352p. LORENZI, H. Árvores Brasileiras – Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. vol. 2 Nova Odessa: Editora Plantarum, 2002. 368p. LORENZI, H. Palmeiras no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Editora Plantarum, 1996. 303 p. LORENZI, H.; SOUZA, H. M (de). Plantas Ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 1999. 1088 p. LORENZI, H. et al. Árvores Exóticas do Brasil: Madeireiras, Ornamentais e Aromáticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2003. 382 p. LORENZI, H. et al. Frutas Brasileiras e Exóticas Cultivadas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2006. 640 p. Mack, R.N.; Chair; Simberloff, D.; Lonsdale, W.M.; Evans, H.; Clout, M.; Bazzaz, F., 2000. Biotic invasions: causes, epidemiology, global consequences and control. In: Issues in Ecology n. 5, Spring. 20 p. Mascaró, L.; Mascaró, J. Vegetação Urbana. 2ºed. Porto Alegre: Editora +4, 2005. Metzger, J.P. O que é Ecologia de Paisagens? Laboratório de Ecologia de Paisagens e Conservação, Departamentode Ecologia, Instituto de Biociências USP, São Paulo. 2001. MMA - Ministério do Meio Ambiente. Espécies Exóticas Invasoras: Situação Brasileira. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. – Brasília. 2006. 24 p. Ribeiro, L. M.; Muniz, J. M. Descrição arborística das praças públicas da cidade de Campanha (MG) e sua relação com a Educação Ambiental. X Congresso de Ecologia do Brasil, São Lourenço, MG. 2011. Richardson, D.M. Commercial forestry and agroforestry as sources of invasive alien trees and shrubs. In: SANDLUND, O.T.; SCHEI, P.J.; VIKEN, A. Invasive species and biodiversity management. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. p. 237-257, 1999. Rocha, R. T., Leles, P. S. S., Oliveira Neto, S. N. Arborização de vias púbicas em Nova Iguaçu, RJ: o caso dos bairros Rancho Novo e Centro. Rev. Árvore, Viçosa, vol.28, no.4, p. 599-607, julho-agosto. 2004. Siqueira, J.C. 2004/2005. Flora Friburguensis: Comentários sobre as espécies daninhas e invasoras exóticas. Eugeniana XX Siqueira, J.C. Bioinvasão Vegetal: Dispersão e propagação de espécies nativas e invasoras exóticas no Campus da Pontíficia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO). Pesquisas, Botânica n° 57: 319-330. São Leopoldo, Instituto Anchietano de Pesquisas, 2006. Westbrooks, R. 1998. Invasive plants: changing the landscape of America: fact book. Federal Interagency Committee for the Management of Noxious and Exotics Weeds, Washington D. C., USA, 107 pp. Zanchetta, D.; Diniz, F. V. Estudo da contaminação biológica por Pinus spp. em três diferentes áreas na estação ecológica de Itirapina (SP, Brasil). Rev. Inst. Flor., São Paulo, v. 18, n. único, p. 1-14, dez. 2006.

1661


I Congreso Latinoamericano de Ecología Urbana “Desafíos y escenarios de desarrollo para las ciudades latinoamericanas” Junio 2012 Ziller, S. R. Plantas exóticas invasoras: a ameaça da contaminação biológica. Rev. Ciência Hoje, São Paulo, v. 20, n. 178, p. 77-79, 2001. Ziller, S. R.; Galvão, F. A degradação da estepe gramíneo-lenhosa no Paraná por contaminação biológica de Pinus elliottii e Pinus taeda. Floresta, Curitiba, v. 32, n. 1, p. 4247, 2001.

1662


Michelly Prado Rodrigues