Page 47

cio das zonas em terra. Antes da chegada a Taquarana, Luis Leão Pinto destaca-se em relação aos demais e assumiu a cabeça da competição. Lá atrás formaram-se alguns grupos que se colocavam em perseguição do português. Montoya, Rodrigo Nunes, Sharlys Silva e Alexander Sanches, foram os perseguidores imediatos de Luís Leão Pinto. Pedalando como uma moto, o português seguiu aumentando a distância sobre os seus principais perseguidores, passando zonas mais difíceis sem perder o ritmo. Passando

pela barragem da Usina Porto Rico, canaviais da região de Campo Alegre e São Miguel. Chegando ao Mirante do Gunga com 24 minutos de vantagem sobre os quatro e na recta final com pouco mais de 30 minutos. Numa demonstração de grande performance e preparação física, cruza o pórtico da chegada com a bike nos braços. Os seus principais perseguidores chegaram para disputar o prémio ficando Rodrigo Nunes em segundo, Montoya em terceiro, Sharlys Silva em quarto e Alexander Sanches Calderon em

quinto. O campeão europeu, Leão Pinto concluiu o trajecto com o tempo de 7:24:58 numa média de 30.2km/h nos 230kms, 31 minutos à frente do segundo, o goiano Rodrigo Nunes, que suou a camisola para superar três adversários que cruzaram a linha de chegada praticamente iguais. O ciclista português elogiou a organização da prova e revelou que a parte final é sempre a mais complicada, “Estou muito feliz pela vitória numa competição do mais alto nível. FREEBIKE

Freebike22.indd 47

47

11/12/20 15:10

Freebike22  

Revista de ciclismo com distribuição gratuita nas lojas de bicicletas

Advertisement