Issuu on Google+

Uma versão em Português do Grego original a partir da edição Elzevir 1624

Queres alegrar o coração do Pai? 3Jo1:4

"Não tenho maior alegria do que esta, a de ouvir que meus filhos andam na verdade."

Volume impresso em 20/01/10


2


3

As Escrituras Gregas As Santas Escrituras que foram escritas em Grego no original são chamadas, tradicionalmente, Escrituras Gregas, ou Novo Testamento. Podem ainda ser referidas como Escrituras da Nova Aliança. Sabemos que as Escrituras incluem ainda os textos que provêm do original Hebraico e Aramaico, conhecidas como Antigo Testamento, ou Velho Testamento, ou Escrituras Hebraicas. Cumpre notar que as designações são convencionais, por tradição dos cristãos. Agora, parece-nos que há mais propriedade em falar-se de Escrituras Hebraicas e Gregas. Qual a diferença entre elas, além da língua original? Se costumas ler, deves estar lembrado de que os textos das Escrituras Hebraicas são formados de trinta e nove livros, e os das Escrituras Gregas, de vinte e sete. Todos foram divinamente assoprados, ou ditados, pelo Espírito Santo, e entre todos eles não há diferença quanto ao nível de absoluta autoridade, veracidade e autenticidade. Os do VT produziram-se num período superior a mil anos, e completaram-se séculos antes que se escrevessem os do NT, estes compostos no primeiro século DC. Qual a diferença que justifica esta distinção formal? Procuremos pensar esclarecidamente, não confundindo as Alianças com as Escrituras. As Alianças são pactos ou tratados que Deus estabeleceu com o seu povo. Dessas duas, uma teve vigência temporária, desde Moisés até à crucificação de Jesus Cristo, com ressurreição, o sublime sacrifício que pôs fim a todos os sacrifícios que envolvessem morte. Ainda mais definido será dizer-se que a Antiga Aliança foi inapelavelmente sepultada com Jesus, no mesmo túmulo. A Nova Aliança entrou em evidência pela Ressurreição do Filho do Homem, mas trata-se de uma aliança eterna, e transcende os limites das eras. Quanto às Santas Escrituras, a distinção está no tempo em que foram escritas. As do Antigo Testamento o foram à época da vigência da aliança estabelecida por intermédio de Moisés. As do Novo Testamento foram escritas após a Ressurreição, depois que aquela aliança foi cumprida e encerrada. Há prefigurações, há uma progressão e há contrastes, da Antiga para a Nova Aliança. Do Antigo Testamento para o Novo, também há prefigurações, mas não há contraste algum. E, quanto à lei: a Lei eterna é o Evangelho eterno, em todos os juízos de Deus. A Nova Aliança é testamento da Lei eterna, a lei em que todas as leis físicas e espirituais estão contidas, a Lei da Verdade. “A Tua Lei é a Verdade”(Sl 119:142). E tudo que Deus requer de seu povo, a par de servir em amor, praticar a justiça e amar a benignidade, é obediência de fé (Rm 16:26) – andar humildemente na Verdade. Proibições, ou injunções, não as há, nem dias santificados, nem dogmas, nem sacramentos, nem preceitos morais ou rituais. A Verdade é pura, e não contempla o mal, nem qualquer fraqueza, ou incerteza, ou opinião. Nem admite autoridade espiritual senão o próprio Espírito Santo.

Ao Senhor pertence o reino, o poder e a glória pelas eras. Amém!

Tradução do Grego: Francisco A F Macedo Notas e apresentação: Francisco A F Macedo © 14/02/04 Todos os direitos ficam reservados.


4

INDICE DO NOVO TESTAMENTO

Mateus Marcos Lucas João Atos Romanos I Coríntios II Coríntios Gálatas Efésios Filipenses Colossenses I Tessalonicenses II Tessalonicenses I Timóteo II Timóteo Tito Filêmon Hebreus Tiago I Pedro II Pedro I João II João III João Judas Apocalipse

Abrev. Mt Mc Lc Jo At Rm 1Co 2Co Gl Ef Fp Cl 1Ts 2Ts 1Tm 2Tm Tt Fm Hb Tg 1Pe 2Pe 1Jo 2Jo 3Jo Jd Ap

Cap. 28 16 24 21 28 16 16 13 6 6 4 4 5 3 6 4 3 1 13 5 5 3 5 1 1 1 22

Pág. 5 37 56 87 117 146 161 175 185 190 195 198 202 205 207 210 213 215 215 226 229 233 235 240 240 241 242


5

NOVO TESTAMENTO Com Notas Explanativas Práticas

O SANTO EVANGELHO SEGUNDO MATEUS Mt 1. A Gênese de Jesus Cristo 1:1 Livro da linhagem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2 Abraão gerou a Isaque; Isaque gerou a Jacó; Jacó gerou a Judá e a seus irmãos; 3 Judá gerou, de Tamar, a Farés e a Zará; Farés gerou a Esrom; Esrom gerou a Arão; 4 Arão gerou a Aminadabe; Aminadabe gerou a Naasson; Naasson gerou a Salmon; 5 Salmon gerou, de Raab, a Booz; Booz gerou, de Rute, a Obede; Obede gerou a Jessé; 6 Jessé gerou ao rei Davi. O rei Davi gerou a Salomão da que foi mulher de Urias; 7 Salomão gerou a Roboão; Roboão gerou a Abias; Abias gerou a Asa; 8 Asa gerou a Josafá; Josafá gerou a Jorão; Jorão gerou a Ozias; 9 Ozias gerou a Joatão; Joatão gerou a Acaz; Acaz gerou a Ezequias; 10 Ezequias gerou a Manassés; Manassés gerou a Amon; Amon gerou a Josias; 11 Josias gerou a Jeconias e a seus irmãos, ao tempo da deportação para Babilônia. 12 E, depois da deportação para Babilônia, Jeconias gerou a Salatiel; Salatiel gerou a Zorobabel; 13 Zorobabel gerou a Abiúde; Abiúde gerou a Eliaquim; Eliaquim gerou a Azor; 14 Azor gerou a Sadoque; Sadoque gerou a Aquim; Aquim gerou a Eliúde; 15 Eliúde gerou a Eleazar; Eleazar gerou a Matã; Matã gerou a Jacó; 16 Jacó gerou a José, o marido de Maria, da qual nasceu Jesus41ª, chamado Cristo. 17 De sorte que todas as gerações desde Abraão até Davi foram catorze gerações; de Davi até a deportação para Babilônia, catorze gerações; e desde a deportação para Babilônia até ao Cristo42ª, catorze gerações. 18 Ora, a gênese de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe, desposada 1 com José, antes que tivessem coabitado, achou-se grávida pelo Espírito Santo2. 19 Mas José, seu esposo, sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente. 20 Enquanto assim deliberava, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, por esposa, pois o que nela foi gerado é do Espírito Santo. 21 Dará à luz um filho, a quem porá o nome de Jesus, porque ele salvará dos pecados o seu povo. 22 Ora, tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que o Senhor anunciara pelo profeta, que diz: 23 Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Immanuel 3 (que se traduz – Deus conosco4). 24 Despertado José do sono, fez como lhe mandara o anjo do Senhor, e recebeu sua esposa5; 25 e não a conheceu até que ela deu à luz seu filho primogênito, a quem pôs o nome de Jesus6. Mt 2. “Será Chamado Nazareno” 41ª

Jesus é a 41ª geração. Outros homens podem ter nome Jesus, ou Yeshua, ou Yehôshua, mas só Ele é Yahshua. O Cristo é a 42ª geração. Ver referência ao nascimento do Ungido, o filho varão: Ap 12. “Uma semente o servirá; será contada, para com o Senhor, como uma geração” (Sl 22:30). Desposada por desponsório, não por casamento. Evidentemente, o Espírito Santo é o Pai de Jesus Cristo, e não uma terceira pessoa. O Espírito Santo é o Pai dos filhos do Altíssimo; logo, o Espírito Santo é o Deus Altíssimo (El-Elyon).

42ª

1 2

3

Is 7:14

4

‘Deus conosco’ é o significado da Festa de Tabernáculos, - o natal de Jesus em 15 do mês Tishri. Recebeu-a em matrimônio. O Nome original, em Hebraico, não é Yeshúa, como muitos sugerem. Vários homens são citados por nome Jesus (Yeshúa ou Yeóshua), no Novo Testamento e no Antigo. O Nome YÁHSHUA –R[D¢I– é exclusivo de Deus e do Salvador. Este é o Nome mais sublime de todos os nomes (Fp 2:9,10).

5 6


6

2:1 Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do oriente a Jerusalém. 2 E perguntavam: Onde está o Rei dos judeus que nasceu? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo. 3 Tendo ouvido isso, o rei Herodes alarmou-se, e, com ele, toda Jerusalém; 4 então, convocando todos os principais sacerdotes e escribas do povo, deles inquiriu quanto a onde o Ungido devia nascer. 5 Responderam-lhe: Em Belém da Judeia, porque assim foi escrito por intermédio do profeta: 6 E tu, Belém, terra de Judá, não és, de modo algum, a menor dentre as principais de Judá; porque de ti sairá um Guia, o qual há de apascentar a meu povo, Israel. 7 Então Herodes, chamando os magos em particular, interrogou-os cuidadosamente sobre o tempo da aparição da estrela. 8 Enviando-os a Belém, disse: Ide informar-vos com precisão sobre o menino; quando o tiverdes encontrado, avisai-me, porque também eu vá adorá-lo. 9 Depois de ouvirem o rei, eles partiram; e eis que a estrela que viram no Oriente os precedia até que, chegada sobre o lugar onde estava o menino, se deteve. 10 Vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. 11 Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram; então, abrindo os seus tesouros, ofereceram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra. 12 Sendo por divina advertência prevenidos em sonho que não retornassem à presença de Herodes, voltaram para sua terra por outro caminho. 13 Tendo-se eles retirado, eis que um anjo do Senhor aparece em sonho a José, e diz: Levanta-te, toma o menino e sua mãe, e foge para o Egito; e permanece lá até que eu te avise; porque Herodes vai procurar o menino para tirar-lhe a vida. 14 Dispondo-se ele, tomou de noite o menino e sua mãe e partiu para o Egito; 15 e lá ficou até à morte de Herodes, para que se cumprisse o que fora dito pelo Senhor, por intermédio do profeta: Do Egito chamei meu Filho. 16 Então Herodes, vendo-se burlado pelos magos, enfureceu-se em extremo, e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e em seus arredores, de dois anos para baixo, conforme o tempo que indagara dos magos. 17 Então se cumpriu o que foi dito pelo profeta Jeremias: 18 Uma voz se ouviu em Ramá, gemidos, pranto e grande lamentação – Raquel a chorar por seus filhos, inconsolável, porque já não existem. 19 Uma vez morto Herodes, eis que um anjo do Senhor aparece em sonho a José, no Egito, 20 e lhe diz: Levanta-te, toma o menino e sua mãe, e vai para a terra de Israel, porque já morreram os que atentavam contra a alma 7 do menino. 21 Dispôs-se ele, tomou o menino e sua mãe, e regressou à terra de Israel. 22 Tendo, porém, ouvido que Arquelau reinava na Judeia em lugar de seu pai Herodes, temeu ir para lá; prevenido em sonho, retirou-se para a região da Galileia. 23 E chegou, e habitou numa cidade chamada Nazaré, para que se cumprisse o que fora dito por intermédio dos Profetas: Ele será chamado Nazareno8. Mt 3. “Este é Meu Filho Bem-amado” 1

3: Naqueles dias, apareceu João Batista a pregar no deserto da Judeia, 2 e ele dizia: Arrependei-vos, pois é chegado o reino dos céus. 3 Porque este é o referido pelo profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto – preparai o caminho de Yahveh9, endireitai as suas veredas. 4 Trajava João uma veste feita de pelos de camelo e uma cinta de couro em torno de seus lombos; tomava, por alimento, gafanhotos e mel silvestre. 5 Então, saíam a ter com ele Jerusalém, toda a Judeia e toda a província adjacente ao Jordão; 6 e eram por ele batizados no Jordão, a confessar os seus pecados. 7 Vendo ele que muitos dos fariseus e saduceus vinham para o seu batismo, disse-lhes: Ninhada de víboras! quem vos advertiu a que fugísseis da ira vindoura? 8 Ora, produzi frutos dignos do arrependimento; 9 e não vos ponhais a dizer convosco mesmos: temos por pai a Abraão; porque eu vos afirmo que Deus pode, destas pedras, suscitar filhos a Abraão. 10 E agora mesmo está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. 11 Eu vos batizo em água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu; e não sou digno de levar as suas sandálias. Ele vos batizará em Espírito Santo10 e em fogo. 12 A sua 7

Alma é a mente psíquica e a vida do corpo. Em alguns contextos, é a mente consciente e a individualidade. É, também, sinônimo de carne, como corpo mais mente. O espírito é distinto da alma. 8 Jesus de Nazaré, o filho de Maria na carne, hoje, não existe, pois morreu e foi sepultado. 9 D E D I YHVH no Hebraico do profeta citado; onde se lê Yahveh (Yavé), pode-se pronunciar Adonai, ou o Senhor, ou o Kýrios, designações autorizadas que substituem o Nome. 10 Ser batizado em Espírito Santo é ser inserido em Cristo Jesus. O Espírito Santo é Cristo Jesus.


7

pá, ele a tem na mão, e limpará a sua eira; recolherá o seu trigo ao celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível. 13 Por esse tempo, Jesus, vindo da Galileia para o Jordão, apresentou-se a João, para ser batizado por este. 14 Ele, porém, lhe resistia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim? 15 Respondendo, Jesus lhe disse: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda justiça11. Então o admitiu. 16 Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo em aparência de pomba, e vindo sobre ele. 17 E eis uma voz dos céus, a dizer: Este é meu Filho bem-amado, no qual estou satisfeito12. Mt 4. “Arrependei-vos” 4:1 Jesus foi, então, conduzido ao deserto pelo Espírito, para ser tentado pelo acusador13. 2 Ele jejuou durante quarenta dias e quarenta noites, e depois teve fome. 3 E o tentador, aproximando-se dele, lhe disse: Se és Filho de Deus, dize a estas pedras que se transformem em pães. 4 Ele, por resposta, assim falou: Está escrito – não só de pão viverá um homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. 5 Então o acusador o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo 6 e lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito – aos seus anjos determinará, a teu respeito, que com suas mãos te sustenham, de modo que não venhas a tropeçar nalguma pedra. 7 Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito – não tentarás a Yahveh, teu Deus. 8 Levou-o ainda o acusador a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles 9 e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10 Então Jesus lhe disse: Retira-te, satanás14, porque está escrito – a Yahveh, teu Deus, adorarás, e só a ele prestarás culto. 11 Com isto, o deixou o acusador, e eis que vieram anjos e o serviram. 12 Ele, Jesus, ao ouvir que João fora preso, retirou-se para a Galileia, 13 e, deixando Nazaré, foi morar em Cafarnaum, situada à beira-mar, nos limites de Zabulon e Neftali, 14 para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta Isaías, que assim falou: 15 Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, além do Jordão, Galileia dos povos 15; 16 o povo acomodado em trevas viu grande luz, e aos que se acomodavam na região e na sombra da morte raiou-lhes a luz. 17 Daí por diante, passou Jesus a pregar16 e a dizer: Arrependei-vos17, porque é chegado o reino dos céus. 18 Caminhando Jesus junto ao mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e André, – que lançavam rede ao mar, uma vez que eram pescadores. 19 E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de gente. 20 Então eles, deixando imediatamente as redes, o seguiram. 21 Passando mais adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, – que se achavam com seu pai no barco, a consertar as redes, e chamou-os. 22 E eles, deixando a embarcação imediatamente, e deixando seu pai, o seguiram. 23 Percorria Jesus toda a Galileia, ensinando nas congregações deles, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doença e de debilidade entre o povo. 24 Sua fama correu por toda a Síria, e lhe traziam todos os que passavam mal de doenças várias, ou que estavam oprimidos de aflições, ou endemoninhados, lunáticos, paralíticos; e ele os curava. 25 Grandes multidões o acompanhavam, gente da Galileia, da Decápolis, de Jerusalém, da Judeia e dalém do Jordão. Mt 5. “Haveis de Ser Perfeitos” 11

Toda a justiça se cumpriu ali (outubro-028 antecedendo em 3,5 anos a ressurreição), mediante o batismo como antecipação da morte e da ressurreição (Fp 3:11). 12 Este é o testemunho que Deus dá de seu Filho (1Jo 5:9). 13 Gr diábolos ‘o diabo’ em outras versões 14 O poder pertence a Deus. Tanto o poder das trevas é inconsistente, que o próprio satanás, adversário do homem e dominador das trevas, é apenas virtual: não é concreto, nem pessoal, nem animal, nem angélico. Sombras não têm consistência. Tudo o que Deus criou é real e concreto; e Deus viu que tudo era bom. Tudo o que o homem ‘cria’ ou produz é virtual ou formal. O inimigo é antiespírito, não é espírito real. É produzido pela mente universal da carne (é o enganador – Jr 17:9 e IIJo 1:7 – o próprio coração universal da carne), e só existe no âmbito da mente humana. 15 Os judeus não são Israel. Israel é o povo de Deus: Judeia + Samaria + Galileia de todos os povos. O mais antigo de Israel não é Jacó. Os mais antigos do povo santo são Adão, Eva, Caim e Abel. 16 A única pregação sempre foi o evangelho do reino de Deus. Não há pregação bíblica sobre temas. 17 Esta é a primeira palavra de Jesus ao povo santo. A obediência começa pelo arrependimento.


8

5:1 Vendo as multidões, subiu ao monte e, assentando-se ele, aproximaram-se os seus discípulos; 2 ele abriu os lábios a ensiná-los 18, dizendo: 3 bem-aventurados os pobres no espírito: deles é o reino dos céus. 4 Bem-aventurados os que pranteiam: eles serão confortados. 5 Bem-aventurados os mansos19: eles herdarão a terra. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça: estes serão saciados. 7 Bem-aventurados os misericordiosos: estes alcançarão misericórdia. 8 Bem-aventurados os puros de coração20: estes verão a Deus21. 9 Bem-aventurados os pacificadores: estes serão chamados filhosΥ de Deus. 10 Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça: deles é o reino dos céus. 11 Bem-aventurados sois quando vos injuriam, e vos perseguem, e quando, mentindo, falam qualquer má palavra contra vós, por minha causa. 12 Regozijai-vos e exultai em que grande é a vossa recompensa nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que houve antes de vós. 13 Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão que seja lançado fora e pisado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; 15 nem se acende uma vela para colocá-la debaixo do alqueire, mas no castiçal, assim que possa alumiar a todos os que se encontram na casa. 16 Da mesma maneira brilhe a vossa luz22 diante dos homens, de modo que vejam as vossas boas obras23 e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. 17 Não penseis que eu tenha vindo revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, mas para cumprir. 18 Porque em verdade vos digo: antes que o céu e a terra passem, não passará um jota ou um til da Lei, até que tudo se realize. 19 Se, pois, alguém descurar um destes mandamentos, posto que seja dos menores, e assim ensinar aos homens, esse há de ser considerado um dos menores no reino dos céus; mas se alguém os praticar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus. 20 Eis que vos digo; – se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus24, não entrareis no reino dos céus25. 21 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar será réu do juízo. 22 Eu, porém, vos digo: todo aquele que futilmente se irar contra seu irmão será réu do juízo26; e quem chamar a seu irmão – tolo – será réu do sinédrio; e quem lhe chamar – estulto – será réu da gehenna 27 de fogo. 23 Se, pois, trouxeres tua oferenda ao altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24 deixa tua oferenda ali ante o altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; então, voltando, faze a tua oferta. 25 Entra em acordo com teu adversário depressa, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, e o juiz, ao executor, e sejas recolhido à prisão. 26 Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo. 27 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não adulterarás. 28 Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher, a desejá-la, já adulterou com ela, no coração. 29 Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; porque melhor é para ti que se perca um dos teus membros, e não se lance teu corpo inteiro na gehenna. 30 E, se tua mão direita te for causa de escândalo, corta-a e lança-a de ti; porque melhor é para ti que se perca um dos teus membros, e não se lance teu corpo inteiro na gehenna. 31 Dito foi: Se alguém repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32 Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, 18

Nenhum discurso de Jesus é moralizante. Os sermões moralizantes do cristianismo não estão inseridos na nova aliança, antes na antiga. Todo conceito moral negativo é preconceito e é injustiça. 19 Os mansos são os que não se ofendem e não julgam. Deus não toma ofensa, e a ninguém condena. Deus nos exorta a buscar a mansidão (Sf 2:3). 20 Os puros de coração são os que seguem a santificação durante esta vida. Não se trata de santidade. Esta só a Deus pertence. Deus nos envolve na santidade divina, mas os puros de coração santificaramse purificando a consciência. 21 Verá a Deus quem puder ver Cristo fisicamente, na sua glória, e ser envolvido na mesma glória. Υ filhos: Gr υιοι (υιοι Θεου = divinos filhos de Deus = filhos de Deus no Céu) 2 2 Deixar a luz brilhar não é por esforço, é por escolha: purificar-se ou não. A limpeza desbloqueia a luz. 2 3 Se a nossa luz brilha, outras pessoas serão beneficiadas, para glória do Pai. 2 4 Escribas e fariseus representam, precisamente, a liderança do cristianismo, bem como a do judaísmo. 2 5 Quem for réu da gehenna, ou do sinédrio, ou do juízo, só entrará no Reino depois que o juízo estiver concluído, e ele estiver santificado e aprovado. A graça de Deus completará a santificação. 2 6 O réu do juízo sofre disciplina nesta era ou na primeira tribulação. O réu do sinédrio, na primeira etapa da grande tribulação. O réu da gehenna sofre disciplina no segundo período da grande tribulação. 2 7 Gehenna é o sofrimento pelo qual passará o povo de Deus, neste mundo, no segundo período da grande tribulação (dia da ira). Não se traduz, do Grego, porque não é palavra grega. Gehenna não é o inferno produzido pela teologia. Os fiéis serão havidos por dignos de escapar das coisas que hão de suceder (Lc 21:36), e estarão de pé, pela ressurreição da vida ou pela sobrevivência, com transformação física.


9

exceto em caso de fornicação, expõe-na ao adultério; e, se alguém casar com a repudiada, comete adultério. 33 Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não perjurarás, mas cumprirás os teus juramentos para com Yahveh. 34 Eu, porém, vos digo: não jureis de modo algum – nem pelo céu, por ser o trono de Deus; 35 nem pela terra, por ser escabelo dos seus pés; nem por Jerusalém, por ser cidade do grande Rei; 36 nem pela tua cabeça, porque não podes fazer um cabelo branco ou preto. 37 Seja vossa palavra: sim, sim, não, não. O que disto passar vem do maligno. 38 Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. 39 Eu, porém, vos digo: Não resistais a quem seja maligno28; e, se alguém te estapear na face direita, dá-lhe também a outra; 40 e, ao que quer litigar contigo para te tirar a túnica, deixa-lhe também o manto. 41 Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas. 42 Entrega o que alguém te exigir, e não voltes as costas a quem de ti pretenda tomar empréstimo. 43 Ouvistes que foi dito: Amarás teu próximo e odiarás teu inimigo. 44 Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos, bendizei os que vos amaldiçoam, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem29; 45 assim sereis filhosΥ de vosso Pai que está nos céus, que faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos. 46 Ora, se amardes os que vos amam, qual é a vossa recompensa? Não fazem isso também os publicanos? 47 E, se saudardes somente a vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? 48 Haveis de ser, portanto, perfeitos30, assim como vosso Pai nos céus é perfeito. Mt 6. “Ao Dia Lhe Basta o Seu Mal” 1

6: Estai atentos a não dardes vossas esmolas diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte, não tereis recompensa de vosso Pai que está nos céus. 2 Quando, pois, deres esmola, não andes a tocar trombeta adiante de ti, como fazem os hipócritas, nas casas de congregação e nas ruas, para serem louvados pelos homens; em verdade vos digo que esses já têm a recompensa. 3 Quanto a ti, ao dares esmola, não saiba tua mão esquerda o que faz a direita, 4 para que tua esmola fique em segredo. E teu Pai, que vê em secreto, te recompensará em público. 5 E quando orares não serás como os hipócritas; eles gostam de orar em pé nas casas de congregação e nas esquinas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a sua recompensa. 6 Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará em público. 7 Nas vossas orações, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos. 8 Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe do que tendes necessidade, antes que lho peçais. 9 Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino; seja feita a tua vontade, assim como no céu também na terra. 11 Dá-nos o necessário pão de cada dia. 12 Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também perdoamos aos nossos devedores; 13 e não nos faças entrar em provação31, mas livra-nos do maligno. Pois teu é o reino, e teu é o poder, e a glória pelas eras. Amém. 14 Ora, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; 15 se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vos perdoará vosso Pai as vossas ofensas. 16 Quando jejuardes, não tomeis um ar sombrio como os hipócritas, que desfiguram o rosto para que seu jejum seja percebido pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam sua recompensa. 17 Tu, porém, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto, 18 de modo que os homens não percebam que jejuas, mas somente teu Pai, em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará em público. 19 Não acumuleis para vós tesouros na terra, onde traça e ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; 20 mas fazei provisão, para vós mesmos, 28

Serás vitorioso pela não-resistência, enquanto afirmas que o Senhor é o teu refúgio e a tua segurança. Não te concerne reprovar essa pessoa pelas obras da sua carne. Tu a amas e abençoas porque ela é um espírito irrepreensível. Caso se trate, apenas, de um animal, tampouco te cabe reprová-lo. Υ filhos: Gr υιοι 30 Somos imperfeitos na mente, no corpo, na consciência e no mundo que nós construímos. É nesses aspectos que somos chamados a ser perfeitos, por meio da renovação que só podemos encontrar na presença de Deus. Ao homem-espírito a perfeição é inerente. Por outro lado, a experiência da perfeição depende de nossa sintonia com a verdade. A Verdade, que é Espírito, é a única realidade. Nada existe fora da realidade. Esta não se vê com os olhos da carne, nem se ouve com os ouvidos da carne. 29

31

Gr peirasmós =provação =tentação


1 0

de tesouros32no céu33, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; 21 porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. 22 A lâmpada do corpo é o olho. Se, pois, o teu olho for simples34, todo o teu corpo será luminoso; 23 se, porém, o teu olho for mau, todo o teu corpo será tenebroso. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas – quão grandes serão as trevas! 24Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e se indisporá com o outro. Não podeis servir a Deus e a Mammon. 25 Por isso vos digo: não vos ponhais a pensar na vossa alma, quanto ao que haveis de comer ou beber, nem no vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir35. Não é a alma superior ao alimento, e o corpo, superior às vestes? 26 Observai as aves do céu, que não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Não valeis vós mais do que elas? 27 Qual de vós, pondo-se a pensar, pode prolongar por um pouco a duração da sua vida? 28 E por que ficais a pensar no que vestireis? Considerai como crescem os lírios do campo, que não trabalham nem fiam. 29 Eu vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. 30 Se, pois, a erva do campo, que hoje aí está e amanhã é lançada no forno, Deus assim a veste, não fará ele muito mais por vós, homens de fé mesquinha? 31 Portanto, não vos ponhais a pensar e a dizer: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? 32 Ora, os gentios é que procuram todas essas coisas; de certo vosso Pai celeste bem sabe que necessitais de todas elas. 33 Buscai vós em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça36, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. 34 ue Portanto, não leveis vosso pensamento para o dia de amanhã, pois o amanhã se ocupa do q é seu. Ao dia lhe basta o seu mal. Mt 7. A Casa sobre a Rocha 1

7: Não julgueis37, para que não sejais julgados38; 2 pois com o julgamento com que julgais sereis julgados39, e com a medida com que medis vos será feita a medição40. 3 Por que 3 2

Os tesouros acumulados na terra estão postos à disposição da carne (foram depositados para a carne pela carne). Os tesouros depositados no céu, por iniciativa da alma submissa ao espírito, ficam à disposição do espírito, a pessoa interior do coração (pesquisar o termo ‘interior’ em todo o documento). Aliás, o céu é coincidente com o espírito. Os valores são alcançados para uso na terra, mediante as chaves do Reino. Ver notas de Mc 11:23, Lc 12:32 e Lc 18:22. 3 3 Para que disponhamos de tesouros verdadeiros para depositar, primeiro precisamos produzi-los. Produzimos os tesouros mediante os recursos de conhecimento e sabedoria que estão em Cristo à nossa disposição, e os depositamos no céu, isto é, no próprio Espírito (o espírito e o Espírito são um só, pois há um único Espírito). O coração do espírito é a casa do tesouro. Agora, como os tesouros são produzidos por ti mesmo, só poderás depositá-los no céu caso sejam produto do espírito, e não da carne. E como produzirás os valores que desejas desfrutar? Entesourando no coração, primeiro, as palavras do Senhor. O Novo Coração é a Casa do Tesouro, no Céu. Os valores depositados no céu só são úteis para se desfrutar na terra. Tu os sacarás na casa do tesouro, utilizando as chaves do reino. 3 4 A tua visão única está nas coisas do alto. A realidade objetiva, percebida pelos sentidos físicos, é ilusória, ainda que pareça ser a única realidade. 3 5 A roupa é para o corpo; a comida e a bebida são para a alma, ou seja, para a vida do corpo. 3 6 Nas Escrituras, a justiça para com Deus consiste, antes de tudo, em buscar o próprio Deus, e na sua presença andar; tem por característica principal a harmonia absoluta do justo com a vontade de Deus. A mútua habitação entre Deus e o homem é identificação, é comunhão e é justiça. A justiça de Deus, pela graça e pelo sangue precioso, nos garante achar lugar na sua presença. 3 7 Todas as vezes que julgamos ou desmerecemos alguém, cometemos injustiça. Todas as vezes que julgas ou desmereces a ti mesmo, cometes injustiça. Pede perdão, e Deus te perdoará, antes que sofras as consequências. O perdão que Deus nos concede significa purificação da consciência. Toda culpa que qualquer pessoa poderia ter foi de antemão desfeita, já que a Redenção é eficaz desde a queda do mundo, antes que qualquer pecado tivesse acontecido. Jamais qualquer pessoa foi, ou será, responsabilizada por qualquer pecado. Não fosse assim, Jesus teria derramado em vão o seu sangue. Quem somos nós para nos queixarmos de alguém?! Ninguém tem culpa de nada. Ninguém é moralmente censurável. Este reconhecimento é o perdão que devemos a nós mesmos, bem como a nosso irmão e a nosso próximo. 3 8 Enquanto pratico julgamento, encontro-me em autocondenação. O perdão pleno e autêntico, que se fundamenta na verdade, me trará libertação. Este perdão decorre do reconhecimento do fato, garantido pelo Evangelho, de que nosso próximo é perfeito e intocável assim como Deus o criou. 3 9 A vítima da queixa é o queixoso, a vítima da injúria é o ofensor, a vítima da inveja é o invejoso, a única vítima do preconceito é o preconceituoso; inclusive quem pensa lutar contra o preconceito. A crítica moral de pessoa enquadra-se no objeto desta advertência (Mt 7:1). 4 0 O Senhor nos instrui a tomar cuidado com a nossa inclinação ao julgamento, e adverte quanto às consequências. Sempre que pronunciamos crítica moral, estamos a julgar. Sempre que temos algo contra uma pessoa, estamos a julgar. Isto não nos concerne! Quem julga uma pessoa humana julga o espírito,


11

reparas no cisco no olho de teu irmão, e não percebes a trave que está no teu olho? 4 Ou, como dirás a teu irmão: deixa-me tirar o cisco do teu olho, quando tens a trave no teu 41? 5 Hipócrita42, tira primeiro a trave do teu olho e, então, estarás enxergando para tirar o cisco do olho de teu irmão! 6 Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem. 7 Reivindicai, e se vos dará; buscai e achareis; batei, e se vos abrirá. 8 Porque todo o que demanda recebe, o que busca encontra e, a quem bate, a porta se abrirá. 9 Ou qual dentre vós é o homem que, se o filho lhe dissesse – quero pão, – lhe daria uma pedra? 10 Ou se lhe dissesse – quero peixe, – lhe daria uma cobra? 11 Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará o que é bom aos que lhe pedirem? 12 Portanto, tudo quanto quiserdes que as pessoas vos façam, assim fazei vós também a elas; porque esta é a Lei, e os Profetas. 13 Entrai pelo portão estreito (largo é o portão, e espaçoso o caminho que conduz à perdição43, e são muitos os que entram por ele 44); 14 pois estreito é o portão, e apertado, o caminho45 que conduz à vida, e são poucos os que acertam com ele. 15 Acautelai-vos dos falsos profetas46, que se vos acercam disfarçados em ovelhas, mas que por dentro são lobos rapaces. 16 Pelos seus frutos os conhecereis47. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos cardos? 17 Do mesmo modo, toda árvore boa dá bons frutos, porém a árvore podre dá frutos ruins. 18 Não pode uma árvore boa48 produzir frutos ruins, nem pode uma árvore podre produzir frutos bons. 19 Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. 20 É certo, pois, que pelos seus frutos os conhecereis 49. 21 Nem todo o que me diz – Senhor, Senhor – entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, acaso não profetizamos em teu nome, e não expulsamos demônios em teu nome, e, em teu nome, não fizemos tantos milagres50? 23 Então lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade51. 24 Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica, compará-lo-ei a um homem sensato que edificou a sua casa sobre a rocha; 25 e caiu a chuva, vieram as enxurradas, assopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela não caiu, porque estava alicerçada na rocha. 26 E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será que é inatacável. Podemos avaliar uma instituição, e repudiar a sua influência; por outro lado, não nos assiste o direito de ter alguma coisa contra elas, visto que cada qual cumpre a função que Deus lhe deu, ou, melhor, que nós lhe demos, já que cada um de nós produz a carne e o mundo dentro de si. Não há nada lá fora, e tudo o que aparece lá fora é manifestação da realidade interior, ou projeção dos pensamentos. Tudo é inconsistente, menos o Espírito, o qual é absolutamente concreto. O Espírito, de si mesmo, dá forma aos corpos espirituais e aos corpos materiais, mas, por detrás dos sistemas e das instituições, está a mente da carne. 41 Não há cisco no olho de teu irmão. É a trave que está no teu olho que te faz ver o cisco inexistente. 42 Jesus nunca dizia de alguém que fosse hipócrita, senão face a face, e mostrava por quê. Quando apontamos a alguém como hipócrita, o juízo reverte contra nós, e devemos buscar misericórdia e purificação. 43 Quem teima em andar no caminho da mentira será surpreendido com a tribulação assim que morrer, pois, assim que morre, tem experiência da ressurreição do juízo, por transferência no tempo. Haverá, então, nova oportunidade de arrependimento, pois os profetas do Evangelho estarão ativos na terra. 44 Todos nós temos sido enganados pelo sistema, irmão (Pv 16:25). O caminho da perdição é o dos preceitos, das doutrinas, liturgias e listas de pecados! O caminho da verdade conduz à vida. O caminho das doutrinas conduz à perdição. 45 É estreito e apertado o caminho da verdade, e ninguém pode alcançar a glória da vida eterna sem que primeiro palmilhe esse caminho no espírito, em obediência de fé. Mesmo para entrar no reino de Deus na terra, temos que seguir por ele. 46 Jesus não apontou homens. Não seria justo apontar determinadas pessoas como falsos profetas. A mesma boca que cospe mentira, em outro momento pronuncia verdade. Somos instruídos na sabedoria divina por intermédio das pessoas, nunca através das instituições. Estas são a origem da falsidade. Ver Is 9:16. 47 Os frutos podres do falso profeta são palavras da carne, os falsos ensinamentos que os santos podem discernir e rejeitar, pelo cotejamento com a revelação divina. 48 A árvore boa é o homem-espírito, ou seja, a mente do espírito. A árvore apodrecida é a mente do homem-alma, ou seja, a mente da carne, enquanto posta em rebeldia contra o espírito. Cada um de nós tem em si ambas as identidades, uma real (espírito), outra aparente e virtual (carne). A alma (com a mente consciente) é extensão do espírito. O espírito é semelhante a Deus, o homem-alma é semelhante aos animais. Alma vivente é sinônimo de animal. Em Gn 2:7 Deus não criou o homem; ele formou o homem animal. 49 Se ando segundo o espírito, produzo os frutos do espírito. Quando ando segundo a carne, produzo os frutos da carne. Pelos meus frutos é que saberei se aprendi a andar segundo o espírito. O fruto se manifesta, primeiro, pela palavra que sai da minha boca. Não preciso saber dos outros, só de mim. 50 É iniquidade ver mérito em minhas obras e esquecer que é a cruz, e o sangue, o que me justifica. 51 Quem declara as próprias obras e não declara a palavra da cruz, não crê no Senhor Jesus.


1 2

comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; 27 e caiu a chuva, vieram as enxurradas, assopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela desabou, e foi grande a sua queda. 28 E aconteceu que, tendo Jesus terminado estes discursos, as multidões estavam assombradas com a sua doutrina; 29 porque ele as ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas52. Mt 8. “Ele Mesmo Tomou as Nossas Enfermidades” 1

8: Depois que ele desceu do monte, quando numerosa multidão o seguia, 2 eis que se aproximou um leproso, o qual se prostrou diante dele, dizendo: Senhor, se queres, podes purificar-me. 3 E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo. E imediatamente ele ficou limpo da lepra. 4 Jesus lhe disse: Olha, não o digas a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote e fazer a oferta prescrita por Moisés, o que lhes servirá de testemunho. 5 Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se um centurião, que lhe rogou: 6 Senhor, meu criado jaz lá em casa, paralítico, sofrendo dores atrozes. 7 Jesus lhe disse: Eu irei e o curarei. 8 Ao que o centurião respondeu: Senhor, não sou digno de receber-te sob meu teto; basta que digas uma única palavra, e meu criado estará são; 9 pois também eu sou homem sujeito a autoridade e tenho soldados às minhas ordens; digo a este – vai – e ele vai; digo a outro – vem – e ele vem; e a meu servo – faze isto – e ele o faz. 10 Jesus, ouvindo-o, admirou-se e disse aos que o seguiam: Em verdade vos afirmo que nem mesmo em Israel achei tamanha fé. 11 Digo-vos que muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, com Isaque e com Jacó, no reino dos céus, 12 ao passo que os filhos do reino serão postos para fora, nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes53.13 E Jesus disse ao centurião: Vai embora, e seja feito conforme a tua fé54. E o criado ficou são naquela mesma hora. 14 Tendo Jesus chegado à casa de Pedro, viu a sogra deste acamada e ardendo em febre. 15 Logo tocou-lhe a mão, e a febre a deixou. Ela se levantou e pôs-se a servi-los. 16 Chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados; e ele expulsou os espíritos pela palavra e curou a todos os que estavam doentes, 17 de modo a cumprir-se o que foi dito por intermédio do profeta Isaías: Ele mesmo55tomou as nossas enfermidades e carregou as nossas doenças56. 18 Vendo Jesus muita gente ao seu redor, mandou partir para a outra margem. 19 Aí aproximouse dele um escriba que lhe disse: Mestre, eu te seguirei para onde quer que fores. 20 E Jesus lhe disse: As raposas têm tocas e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça57. 21 Outro dos seus discípulos lhe disse: Senhor, permite-me ir primeiro sepultar meu pai. 22 Jesus lhe replicou: Segue-me, e deixa que os mortos enterrem os seus mortos. 23 Entrando ele num barco, seus discípulos o seguiram. 24 Eis que sobreveio, no mar, grande tempestade, de sorte que o barco era coberto pelas ondas. E ele dormia. 25 E os discípulos vieram acordá-lo, dizendo: Senhor, salva-nos, que perecemos! 26 Ele lhes disse: Por que estais amedrontados, homens de fé mesquinha? Então, levantando-se, increpou os ventos e o mar, e se fez grande bonança. 27 E maravilharam-se os homens, e diziam: Que homem é este, a quem até os ventos e o mar obedecem? 28 Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo de entre os túmulos, tão furiosos que ninguém podia passar por aquele caminho. 29 E eis que se puseram a gritar: Que temos nós contigo, Filho de Deus? Vieste aqui para, antes do tempo, nos atormentar? 30 Ora, a certa distância deles havia uma numerosa vara de porcos que pastava. 31 Os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, deixa-nos ir para a manada dos porcos. 32 Ele lhes disse: Ide. Eles, 5 2

Os escribas não podiam falar com autoridade, porque sua cobertura era a religião formal, e não o Espírito. Muitos dos que são filhos do reino cairão em grande tribulação, após ressuscitados no corpo da carne. 5 4 Sabes em que tu crês, irmão? Sabes por que crês no que crês? Se crês nas palavras do Senhor, obténs as soluções, e a libertação. Se acreditas em mentiras, também se fará conforme a tua fé, e a falsidade mantém-te escravizado. 5 5 O Senhor tomou sobre si todos os nossos problemas. Se tens que ser pobre e carente, Jesus Cristo esvaziou-se em vão. Se tens que sofrer, Jesus Cristo sofreu em vão. Se tens que estar em desamparo e condenado a morrer, Jesus Cristo morreu em vão. Se tens que andar segundo a carne a servir ao pecado, todo o sangue de Jesus foi derramado à toa. Se uma pessoa, uma sequer, sofre morte eterna(?), Jesus Cristo foi ressuscitado em vão, ou seja, a ressurreição é mentira. Cada um de nós é responsável por qualquer mal que aconteça em sua própria vida. Sofrer azar deve ser motivo para pedido de perdão. 5 6 Desde que cumpramos a condição, o Evangelho nos garante a saúde. 5 7 Nada lhe pertence, pois tudo pertence a Deus. Não significa que seja pobre. E’ rico, pois é herdeiro do universo. Tem todas as riquezas à sua disposição. Filho do homem significa filho de mãe humana. 5 3


13

saindo, passaram para os porcos, e eis que toda a manada lançou-se ao mar barranco abaixo, e nas águas morreram. 33 Os que os apascentavam fugiram e, dirigindo-se à cidade, contaram tudo, inclusive o caso dos demonizados. 34 Diante disso, toda a cidade saiu ao encontro de Jesus e, vendo-o, rogaram-lhe que se retirasse do seu território. Mt 9. “Vim para Chamar os Pecadores ao Arrependimento” 1

9: Ele tomou a embarcação, navegou para o outro lado e foi para a sua cidade. 2 Eis que lhe trouxeram um paralítico deitado num catre; e, vendo-lhes Jesus a fé, disse ao paralítico: Tem bom ânimo, filho; estão perdoados os teus pecados. 3 Ao ver isto, alguns dos escribas diziam consigo: Este blasfema. 4 E Jesus, percebendo-lhes os pensamentos, disse: Com que propósito cogitais o mal em vossos corações? 5 Pois que é mais fácil? Dizer: estão perdoados os teus pecados, – ou dizer: levanta-te e anda? 6 Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem autoridade na terra para perdoar pecados – disse, então, ao paralítico: Levanta-te, toma o teu leito e vai para casa. 7 E ele, levantando-se, partiu para casa. 8 Vendo isto, as multidões se maravilharam e glorificaram a Deus, que deu tal autoridade aos homens58. 9 Passando mais adiante, viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: Segue-me!59 Ele se levantou e o seguiu. 10 E sucedeu que, estando ele em casa, à mesa, muitos publicanos e pecadores vieram e tomaram lugar ali com Jesus e seus discípulos. 11 Os fariseus, vendo isto, disseram aos discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores? 12 Mas Jesus, ouvindo, disse: Não precisam de médico os que têm saúde, e sim os que estão doentes. 13 Ide aprender o que significa: misericórdia quero, e não sacrifício; – porque não vim para chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. 14 Depois, chegaram-se a ele os discípulos de João e disseram: Por que jejuamos muito nós e os fariseus, e teus discípulos não jejuam? 15 E Jesus lhes disse: Podem os companheiros do noivo prantear enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que lhes será tirado o noivo, e nesses dias hão de jejuar. 16 Ninguém põe remendo de pano novo em roupa velha; porque o remendo repuxa a roupa, e fica maior a rotura. 17 Nem se põe vinho novo em odres velhos; do contrário, rompem-se os odres, entorna-se o vinho, e os odres se perdem; mas põe-se vinho novo em odres novos, e ambos se conservam60. 18 Enquanto estas coisas lhes dizia, eis que um chefe se aproxima e se prostra diante dele, dizendo: Minha filha acaba de morrer; mas vem, impõe-lhe a mão e ela viverá. 19 E Jesus, levantando-se, acompanhou-o, com seus discípulos. 20 E eis que uma mulher, que vinha padecendo de uma hemorragia fazia doze anos, veio por detrás e tocou-lhe a orla da veste, 21 dizendo para si mesma: Se eu apenas lhe tocar a veste, serei salva. 22 Jesus voltou-se e, vendo-a, disse: Tem ânimo, filha, tua fé te salvou61. E a mulher salvou-se, desde aquela hora. 23 Tendo Jesus chegado à casa do chefe, e vendo os tocadores de flautas e a multidão em alvoroço, 24 disse: Retirai-vos, porque não está morta a menina, mas dorme. E riam-se dele. 25 Afastada a multidão, ele entrou, tomou-a pela mão, e ela se levantou. 26 E a notícia do que aconteceu propagou-se por toda aquela terra. 27 Prosseguindo caminho Jesus, seguiram-no dois cegos, que clamavam: Tem compaixão de nós, Filho de Davi! 28 Quando entrou em casa, os cegos aproximaram-se dele; e Jesus lhes disse: Credes que eu posso fazer isso? Disseram: Sim, Senhor. 29 Então lhes tocou os olhos, dizendo: Faça-se em vós conforme a vossa fé. 30 E os seus olhos se abriram62. Em tom severo, Jesus os advertiu: Cuidai que ninguém o saiba. 31 Saindo eles, porém, levaram a notícia por toda aquela terra. 32 Quando eles se retiravam, foi-lhe trazido um mudo endemoninhado; 33 expulso o demônio, o mudo falou. E o povo se maravilhava, e dizia: Jamais se viu tal coisa em Israel! 34 Mas os fariseus murmuravam: Pelo maioral dos demônios é que ele expele os demônios. 35 Jesus percorria 58

Tudo o que Jesus fez quando estava na carne os santos estão autorizados a fazer hoje, exceto a redenção, a qual ele realizou plenamente. Quanto a nós, levando adiante a nossa própria redenção, realizamos a nossa parte na salvação do mundo. Justamente para este fim, cada um de nós foi enviado ao mundo, para dar testemunho da verdade. 59 Segui-lo é andar no caminho da vida, no caminho do reino. Este Caminho é a Verdade. 60 Não podes transferir uma parte do homem antigo para o novo homem. Tens que ser totalmente renovado, sem remendos ou retalhos. Tanto na mente quanto no corpo. O vinho novo só será depositado em odres novos, em nova criação. 61 O senhor nos salvou pelo evangelho da redenção e da paixão. Hoje, é a fé que efetiva a cura. 62 Jesus nunca deixou de curar qualquer pessoa que se tenha aproximado dele para ser curada.


1 4

todas as cidades e as aldeias, ensinando nas congregações, pregando o evangelho63do reino e curando toda doença e toda debilidade entre o povo. 36 Vendo ele as multidões, compadecia-se delas, fatigadas e prostradas, como ovelhas que não têm pastor. 37 E, então, disse aos seus discípulos: É grande a seara, mas são poucos os trabalhadores. 38 Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande obreiros para a sua seara. Mt 10. “Basta ao Discípulo Ser como Seu Mestre” 1

10: Chamando a si seus doze discípulos, deu-lhes autoridade sobre espíritos imundos para os expulsar e para curar toda doença e debilidade. 2 Estes são os nomes dos doze apóstolos: primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago de Zebedeu e João, seu irmão; 3 Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago de Alfeu, e Lebeu, chamado também Tadeu; 4 Simão, o cananeu, e Judas Iscariotes, aquele que o entregou. 5 A estes doze enviou Jesus, com estas recomendações: Não tomeis o caminho dos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; 6 ide, antes, às ovelhas desgarradas da casa de Israel64; 7 e, indo, proclamai que é chegado o reino dos céus. 8 Curai enfermos, purificai leprosos, ressuscitai mortos, expulsai demônios; de graça recebestes, de graça dai. 9 Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de dinheiro nos vossos cintos, 10 nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão; porque digno é o trabalhador do seu alimento. 11 E, em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela é digno; e ali ficai até seguir caminho. 12 Na casa em que entrardes, fazei saudação; 13 se a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz; caso, porém, não seja digna, volte para vós a vossa paz. 14 Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sair daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés. 15 Em verdade vos digo que, em dia de juízo, haverá menos rigor para a terra de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade. 16 Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, pois, sensatos como as serpentes e inofensivos como as pombas. 17 Cuidado65 com as pessoas, porque vos entregarão a tribunais e vos açoitarão nas suas congregações; 18 por minha causa sereis levados perante governadores e reis, para testemunho a eles e aos gentios. 19 Quando vos entregarem, não vos ponhais a pensar em como, ou o que, haveis de falar, porque naquela hora vos será concedido o que deveis dizer, 20 visto que não sois vós quem falará, mas o Espírito de vosso Pai é quem fala em vós. 21 Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai, ao filho; filhos haverá que se levantarão contra os pais e os matarão. 22 Sereis odiados por todos por causa do meu nome; aquele, porém, que tiver paciência66 até ao fim será salvo. 23 Quando vos perseguirem numa cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não tereis completado as cidades de Israel até que venha o Filho do Homem67. 24 Não é o discípulo mais do que o mestre, nem o servo, mais do que seu senhor. 25 Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo, como seu senhor. Se ao dono da casa chamaram Belzebu, quanto mais aos seus domésticos! 26 Portanto, não os temais; porque nada há de encoberto, que não venha a ser revelado; nem de oculto, que não venha a ser conhecido. 27 O que vos digo às escuras, dizei-o à luz do dia; e o que se vos diz ao ouvido, proclamai-o dos eirados. 28 Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer alma e corpo na gehenna. 29 Não se vendem dois pardais por um asse? E, no entanto, nenhum deles cairá em terra contra a vontade de vosso Pai. 30 Quanto a vós, até mesmo os cabelos da cabeça estão todos contados. 31 Não temais, pois! Mais valeis vós do que muitos pardais. 32 Portanto, a todo aquele que se declarar por mim diante dos homens, também eu me declararei por ele diante de meu Pai que está nos céus; 33 quanto àquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus. 34 Não penseis que vim trazer paz sobre a terra; não vim trazer paz, mas espada. 35 Porque vim separar um homem de seu pai; uma filha de sua mãe; uma nora de sua sogra. 36 6 3

Evangelho é boas-novas, portanto é notícia de fatos. A fé não altera os fatos, nem a incredulidade os altera. Hoje, o Senhor ainda tem o propósito de reunir as ovelhas de Israel, dispersas nas igrejas e seitas do cristianismo e do judaísmo. As congregações, como grupos separados, não são igrejas, ainda que assim sejam denominadas pelo sistema religioso; p.ex. duas congregações na mesma cidade, ou em cidades diferentes, não são duas igrejas. As igrejas são os santos, e não grupos de santos. As igrejas do cristianismo não são as igrejas de Deus. Os cristãos podem reunir-se em congregações para o Senhor. 6 5 Respeitar os lobos como irmãos nossos. Contudo, tomar cuidado para não ser ferido por eles. 6 6 Ter paciência é perseverar na esperança. 6 7 A pregação do evangelho aos santos em todo o mundo se fará mormente nos 4 anos antes da Vinda. 6 4


15

E serão inimigos do homem os de sua própria casa. 37 Se alguém estima seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; se alguém estima a seu filho ou a sua filha mais do que a mim não é digno de mim; 38 e quem não toma a sua cruz68 para vir após mim não é digno de mim. 39 Quem encontra sua alma perdê-la-á; e quem se privar de sua alma por minha causa achá-la-á69. 40 Quem vos recebe a mim me recebe; e quem me recebe recebe aquele que me enviou. 41 Quem recebe um profeta no caráter de profeta receberá recompensa de profeta; quem recebe um justo no caráter de justo receberá recompensa de justo. 42 E quem der, ainda que apenas um copo de água fresca, a um destes pequeninos, na qualidade de discípulo, – em verdade vos digo – não perderá a sua recompensa. Mt 11. “Aprendei de Mim” 1

11: E aconteceu que, ao terminar Jesus suas instruções aos doze discípulos, partiu dali para ensinar e pregar nas suas cidades. 2 Quando João ouviu, no cárcere, falar das obras do Ungido, mandou dois dos seus discípulos perguntar-lhe: 3 És tu aquele que estava para vir, ou havemos de esperar por outro? 4 E Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide e anunciai a João o que estais a ouvir e observar – 5 cegos passam a ver, coxos a andar; leprosos são purificados, surdos ouvem, mortos são ressuscitados e pobres são evangelizados. 6 E bem-aventurado é aquele que em mim não se escandaliza. 7 Então, em partindo eles, passou Jesus a dizer às multidões, a respeito de João: Que saístes a ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? 8 Que saístes, pois, a ver? Um homem vestido de roupas finas? Ora, os que trajam roupas finas assistem nos palácios reais. 9 Afinal, para que saístes? Para ver um profeta? Eu vos afirmo que sim, e mais do que um profeta. 10 Este é de quem está escrito: Eis que envio ante a tua face o meu mensageiro, o qual preparará o teu caminho diante de ti 70. 11 Em verdade vos digo que, entre os nascidos de mulher, ninguém se levantou que fosse maior que João Batista. Por outro lado, o menor no reino dos céus é maior do que ele71. 12 Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado à força72, e são os esforçados que dele tomam posse. 13 Porque todos os Profetas, e a Lei, profetizaram até João. 14 E, se o quereis receber, ele mesmo é o Elias 73 que estava para vir. 15 Quem tem ouvidos para ouvir ouça. 16 Mas a quem hei de comparar esta geração74? Ela é semelhante a crianças sentadas nas praças, a desafiar-se, 17 dizendo: Nós vos tocamos flauta, e não dançastes; nós vos entoamos lamentações, e não pranteastes 75. 18 Pois veio João, sem comer nem beber, e dizem: tem demônio. 19 Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: eis aí um comilão e beberrão, que é amigo de publicanos e pecadores. Ora, por seus filhos, fica justificada a sabedoria. 20 Passou, então, a increpar as cidades mais favorecidas com seus milagres, por não se haverem arrependido: 21 Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e Sidom se tivessem operado os milagres que se realizaram entre vós, há muito se teriam arrependido, em saco e cinza. 22 E mais vos digo: Para Tiro e Sidom, em dia de juízo, mais suportável será o que devem sofrer, do que o será para vós. 23 E tu, Cafarnaum, que foste elevada até ao céu, serás rebaixada até ao inferno; porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres realizados em teu meio, teria ela permanecido até hoje. 24 Digo-vos mais: Para a terra de Sodoma, em dia de juízo, mais suportável será o que deve sofrer, do que o será para ti. 25 Por esse tempo, veio Jesus a dizer: De ti dou testemunho, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios, aos instruídos, e as revelaste às criancinhas. 26 Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. 27 Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; nem há quem conheça o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 28 Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos 68

Tomar a cruz é eliminar o ego, pela fé na palavra da cruz. A alma é a vida do indivíduo. É preciso perder a alma da carne, e entrar no Reino com o corpo do espírito. 70 O grupo do Afastamento, que pregará durante a primeira tribulação, é o grupo de Elias, e é o de João. 71 No Reino, todos são maiores do que o maior desta era. 72 É preciso levar a sério a entrada no reino, para tomar posse da herança que Deus nos oferece. 73 O grupo de Elias seria de setenta e tantos mil (Dt 33:2, Lc 10:1, Jo 21:2, Jd 14, Mt 11:14, 17:10, Rm 11:4). 74 − a geração do judaísmo e do cristianismo, ou seja, o povo de Deus comprometido com os sistemas 75 O Senhor nos alerta para o fato de que os homens desta geração, ou seja, do sistema cristianismo, querem controlar o comportamento alheio, e nós temos sido manipulados pelo sistema. 69


1 6

darei descanso. 29 Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração76; e achareis descanso para as vossas almas; 30 porque meu jugo é suave, e meu fardo é leve. Mt 12. “Pelo Fruto Se Conhece a Árvore” 12:1 Por aquele tempo, passou Jesus pelas searas em um dos sábados. Ora, estando seus discípulos com fome, entraram a colher espigas e a comer. 2 Os fariseus, porém, vendo isso, disseram-lhe: Olha que os teus discípulos fazem o que não é lícito fazer em dia de sábado. 3 Mas ele lhes disse: Não lestes o que fez Davi quando ele e os que o acompanhavam tiveram fome? 4 Como entrou na casa de Deus para comer os pães da proposição, os quais não era lícito comer, nem a ele nem aos seus companheiros, mas exclusivamente aos sacerdotes? 5 Tampouco lestes na Lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo profanam o sábado e ficam sem culpa? 6 Pois eu vos digo: aqui está quem é maior que o templo. 7 Caso soubésseis o que significa – misericórdia quero77 e não sacrifício – não inculparíeis os inocentes. 8 Ora, o Filho do Homem é Senhor também do sábado. 9 E, tendo partido daquele lugar, entrou na casa de congregação deles. 10 Ali se achava um homem com a mão ressequida; e eles, buscando um motivo para acusá-lo, perguntaram-lhe se seria lícito curar aos sábados. 11 Ele lhes disse: Quem dentre vós será o homem que, se tivesse uma ovelha, e esta caísse numa cova em dia de sábado, não a apanharia para tirá-la dali? 12 Ora, quanto mais vale uma pessoa do que uma ovelha? Logo, é lícito fazer o bem nos sábados. 13 Então ele disse ao homem: Estende a mão. Ele a estendeu, e ela ficou sã, como a outra. 14 Os fariseus, saindo dali, tramaram contra ele, buscando uma maneira de eliminá-lo. 15 Mas Jesus, sabendo disto, afastou-se dali. Seguiu-o o povo em grande número, e ele a todos curou; 16 advertiu-lhes, porém, que o não pusessem em evidência, 17 para que se cumprisse o que foi dito por intermédio do profeta Isaías: 18 Eis o meu servo, a quem escolhi, meu bem-amado, em quem a minha alma se compraz. Porei o meu Espírito sobre ele, que anunciará às gentes o juízo. 19 Não disputará, nem clamará, nem sua voz nas praças se ouvirá. 20 Não quebrará o caniço rachado, nem apagará a mecha que fumega, até fazer triunfar o juízo. 21 E no seu nome as nações 78 porão sua esperança. 22 Nessa ocasião, trouxeram-lhe um endemoninhado, cego e mudo; e ele o curou, de modo que o que era cego e mudo podia falar e ver. 23 E toda a multidão se assombrava e dizia: Não é este o Filho de Davi? 24 Mas os fariseus, isto ouvindo, disseram: Ele não expulsa os demônios senão por Belzebu, maioral dos demônios. 25 Aí Jesus, conhecendo-lhes os pensamentos, assim falou: Todo reino dividido contra si mesmo acaba em desolação, e qualquer cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. 26 Se satanás expele satanás, dividiu-se contra si mesmo; como, então, subsistiria o seu reino? 27 E, se eu expulso demônios por Belzebu, por quem os expulsam vossos filhos? Por esta razão, eles mesmos serão os vossos juízes. 28 Se, por outro lado, eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, então é chegado sobre vós o reino de Deus. 29 Ou como pode alguém entrar na casa do valente e roubar-lhe os pertences sem primeiro amarrálo? Só então lhe saqueará a casa. 30 Quem não está comigo está contra mim, e quem comigo não ajunta espalha. 31 Por isso, vos afirmo: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. 32 Se alguém proferir alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á isso perdoado; mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isso perdoado, nem na era presente nem na era vindoura79. 33 Ou fareis ser boa a árvore80 e o seu fruto bom, ou a árvore podre com seu fruto podre; porque pelo fruto81 se conhece a árvore. 34 Ninhada de víboras! Como podereis falar boas palavras, sendo 7 6

Manso é quem não toma ofensa, nem agride, nem maldiz. Humilde de coração é aquele que sabe não ser mais perfeito do que seus irmãos, e que a perfeição é absoluta em todos, por graça de Deus (Ef4:2; Sf2:3). 7 7 Oseias 6:6 7 8 Para o Senhor, as nações são as pessoas humanas. Não há nação islâmica nem nação cristã. 7 9 A era vindoura é o tempo da grande tribulação de sete tempos, ou ciclos, de 360 dias abreviados. O perdão virá, mas só depois do arrependimento, ou depois da queima. A carne (corpo e alma) dos obstinados será queimada após o final da grande tribulação. Por fim, o verme morrerá, no fogo eterno. 8 0 A árvore boa é o espírito, o homem interior. A árvore má é a carne (alma) corrompida. Todo ensino espiritual que vem das igrejas do cristianismo procede da carne. Quando vem pelo espírito do profeta, é legítimo, e não procede do sistema-igreja, mesmo que o profeta seja, na carne, agente do sistema. Por outro lado, nem tudo o que parece vir do espírito é realmente do espírito. 8 1 Pelo fruto = pela palavra, com o produto da palavra. Se a palavra de orientação espiritual vem da carne, é fruto podre. Se vem do espírito, é fruto bom. Confirmando: uma instituição ou sistema não é


17

maus? Pois a boca fala daquilo de que o coração está cheio. 35 O homem bom82 tira do bom tesouro do coração coisas boas, e o homem mau tira do mau tesouro coisas más 83. 36 Digo-vos que de toda palavra frívola que os homens falarem terão de prestar contas em dia de juízo; 37 porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras te farás culpado84. 38 Por esse tempo, alguns escribas85 e fariseus o interpelaram, dizendo: Mestre, queremos ver de tua parte algum sinal. 39 E ele, respondendo, disse: Uma geração má e adúltera requisita um sinal, e um sinal não se lhe dará, senão o sinal do profeta Jonas. 40 Porque, assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, do mesmo modo o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra86. 41 Ninivitas se levantarão, no juízo, com esta geração e hão de condená-la, porque eles se arrependeram com a pregação de Jonas; e aqui está quem é mais do que Jonas. 42 Uma rainha do sul se levantará, no juízo87, com esta geração, e a condenará, porque veio dos extremos da terra para ouvir a sabedoria de Salomão; e aqui está quem é mais do que Salomão. 43 Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos procurando repouso, porém não o encontra. 44 Diz, então: Vou voltar para minha casa donde saí; quando volta, a encontra desocupada, varrida e arrumada. 45 Daí sai e traz consigo outros sete espíritos, mais perversos do que ele, e, entrando, ali se instala88; e torna-se o estado final daquele homem pior que o primeiro. Assim será também com esta geração perversa. 46 Estava Jesus ainda a discursar para o povo, quando se viu que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar com ele. 47 E alguém lhe disse: Eis que tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te. 48 Ele respondeu ao que lhe trouxera o aviso: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? 49 E, estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. 50 Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, irmã e mãe. Mt 13. “O Campo é o Mundo” 1

13: Naquele dia, saiu Jesus de casa e sentou-se junto ao mar. 2 Acercou-se dele o povo, em grande número; por isso, subiu a um barco para ali assentar-se; toda a multidão estava em pé na praia. 3 E de muitas coisas lhes falou em parábolas, e dizia: Eis que o semeador saiu a semear. 4 No que semeava, uma parte caiu na beira do caminho, e, vindo as aves, a comeram. 5 Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde pouca era a terra, e logo nasceu, por não haver profundidade de solo. 6 Saindo, porém, o sol, insolou-se, e, por não ter raiz, secou. 7 Outra caiu entre os espinhos, e os espinhos cresceram e a sufocaram. 8 Outra, enfim, caiu na boa terra e deu fruto: uma cem, outra sessenta, outra trinta 89. 9 Quem tem ouvidos para ouvir ouça. 10 Os discípulos dele se acercaram e lhe disseram: Por que razão lhes falas em parábolas? 11 Ao que lhes respondeu: A vós foi dado conhecer os segredos90 do reino dos céus, mas àqueles não se lhes concedeu. 12 Pois ao que tem se lhe dará, e transbordará91; mas ao que não tem até o que tem lhe será tirado. 13 É por isso que lhes falo em parábolas; capaz de oferecer legítima orientação espiritual. Bom é o que anda segundo o espírito, mau é o que anda segundo a carne. Não se trata de moralidade, e sim de obediência de fé. O homem-espírito é bom porque deixa-se guiar pelo espírito. O homem-carne é mau porque se identifica com o ego e se deixa guiar pela mente carnal. Todos nós somos carne e somos espírito. O que faz a diferença, na vida, é a mente que nos guia. A escolha pertence à mente consciente. 83 O coração da carne é cheio de maldade. O coração do espírito é absolutamente puro. 84 Pelo fruto = pela palavra. Se dizes − ‘quando eu morrer’ − te fazes réu de morte, se não te arrependes. Só tu mesmo podes condenar-te. “Caso não te arrependas, morrerás como os outros” (Lc 13:3). 85 Os escribas são os teólogos do judaísmo e do cristianismo. 86 Como parte deste sinal, o sol ficará escuro por três dias, logo antes da vinda do Senhor. Esta vinda pode não ser aquela do dia de Cristo, e sim a de 1260 dias depois, no primeiro dia do milênio denominado o dia do Senhor (Sl 86:12-13; Jl 2:1-2; 3:13-16; Mt 24:29-31; Ap 19:14). Será a última oportunidade, de cada um dos santos, para ser contado entre os escolhidos. Nenhum infiel viu Jesus ressuscitado. Logo, o sinal ainda não se realizou. 87 A ressurreição do juízo. Cada indivíduo prestará contas de si mesmo (Rm 14:12). 88 No corpo do homem ressuscitado na carne, durante a grande tribulação. 89 Ao cento: subirão na primeira chamada; a sessenta: na segunda chamada; a trinta: na terceira. 90 Os segredos estão revelados nas Santas Escrituras, e o Espírito Santo os revela, passo por passo, a cada um que busca o conhecimento e pratica a obediência de fé. Quem tem ouvidos para ouvir ouça. 91 O Senhor nos dá oportunidade de conhecer os mistérios. E’ preciso vibrar com o sentimento de grandeza dos bens que ele nos confia, e ser agradecidos. Se houver empenho e gratidão, haverá prosperidade e transbordamento. “O Senhor é o meu Pastor: nada me falta” (Sl 23:1). 82


1 8

porque veem sem ver, e ouvem sem ouvir nem entender. 14 E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Vós ouvireis, e por audição não entendereis; vendo vereis e não percebereis. 15 Pois o coração deste povo se fez insensível; fizeram ouvidos moucos e fecharam os olhos, privando-se de verem com os olhos, de ouvirem com os ouvidos, de entenderem com o coração, de poderem converter-se, e de que eu lhes dê saúde. 16 Bem-aventurados são os vossos olhos, que veem; e os vossos ouvidos, que ouvem. 17 Pois em verdade vos digo que muitos profetas e justos quiseram ver o que vedes e não viram; e ouvir o que ouvis e não ouviram. 18 Escutai, pois, a parábola do semeador. 19 A todos os que ouvem a palavra do reino e não a entendem, vem o maligno e arrebata o que lhes foi semeado no coração. Este é o que foi semeado à beira do caminho. 20 O que foi semeado em terreno pedregoso, esse é o que ouve a palavra e desde logo a recebe com alegria; 21 mas não tem raiz em si mesmo, é de momento; quando se levanta tribulação ou perseguição por causa da palavra, logo vem a tropeçar. 22 O que foi semeado entre os espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados da era presente e a sedução da riqueza sufocam a palavra, e fica sem fruto. 23 Por fim, o semeado em boa terra refere-se ao que ouve a palavra e a compreende; este frutifica e produz a cem, ou a sessenta, ou a trinta92. 24 Propôs-lhes outra parábola, dizendo: Assemelha-se o reino dos céus a um homem que semeou boa semente no seu campo; 25 enquanto sua gente dormia, veio o seu inimigo, semeou cizânia no meio do trigo e retirou-se. 26 E, quando a plantação cresceu e deu fruto, então apareceu também a cizânia. 27 Vieram os servos do dono da casa e lhe disseram: Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde vem, então, a cizânia? 28 Ele lhes disse: Um inimigo fez isso. E os servos lhe disseram: Queres, pois, que vamos arrancá-la? 29 Mas ele disse: Não; não suceda que, ao ajuntar a cizânia, arranqueis com ela o trigo. 30 Deixaios crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: ajuntai primeiro a cizânia, atai-a em molhos para a queima93; quanto ao trigo, recolhei-o ao meu celeiro. 31 Outra parábola lhes propôs, nestes termos: O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda, que um homem pegou e semeou no seu campo; 32 Embora seja a menor de todas as sementes, quando cresce é maior do que qualquer hortaliça, e se torna árvore, a tal ponto que as aves do céu fazem ninhos em seus ramos. 33 Pronunciou-lhes outra parábola: O reino dos céus é semelhante ao fermento94 que uma mulher tomou e acrescentou a três medidas de farinha, até que tudo ficasse levedado. 34 Jesus falou todas estas coisas às multidões em parábolas, e sem parábolas nada lhes falava, 35 para que se cumprisse o que foi dito por intermédio do profeta: Abrirei em parábolas a minha boca; declararei as coisas que estavam ocultas desde a queda do mundo95. 36 Então, despedindo as multidões, foi Jesus para casa. E os discípulos chegaram-se a ele, pedindo-lhe: Explica-nos a parábola das cizânias do campo. 37 E ele lhes respondeu: O que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38 O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do reino. A cizânia são os filhos do maligno. 39 O inimigo96 que a semeou é o acusador. A colheita é a consumação da era97, e os ceifeiros são anjos98. 40 Assim, então, como a cizânia é colhida e consumida no fogo, de igual modo sucederá na consumação da presente era. 41 9 2

em bom terreno − os santos atentos

- produziu a cento por um: será removido do mundo no Afastamento -- assim como Enoque - produziu a sessenta por um: será glorificado no Dia de Cristo -- arrebatado assim como Noé - produziu a trinta por um: escapará ao pior da grande tribulação -- assim como Ló 9 3

O joio se constitui dos santos obstinados. Após a queima, ficará liberado o corpo do espírito. O fermento são as doutrinas do cristianismo e do judaísmo, todas opostas à verdade do Reino. Todas as doutrinas são produzidas pela carne, a qual sempre se opõe ao espírito. O grão de mostarda e o fermento representam fatores de perturbação que provocam confusão na mente das pessoas que procuram o reino de Deus onde o reino não está. 9 5 A queda do mundo ocorreu quando se comeu o fruto do falso conhecimento (o conhecimento do bem e do mal). Foi o “desvio para o medo”, a separação. Todos os males têm seu caminho no medo. 9 6 O inimigo do homem é um só, e nada sabe ele a respeito de Deus. O adversário, satanás, a besta, os anticristos, os enganadores, os falsos profetas, os demônios, os espíritos imundos, os agentes de satanás, a serpente, mammon, abadom, apoliom, o pecado, o falso patrão, belial, o dragão, o acusador, o deus desta era, o diábolos, são todos aspectos do inimigo único, o qual não tem forma nem consciência, nem sequer é real, senão virtual, nem sequer é espírito, senão antiespírito. 9 7 A colheita se dá no dia de Cristo (consumação da era), com ressurreição e arrebatamento dos fiéis ao Paraíso; com ressurreição e sujeição de outros santos (cizânia) à tribulação. Não haverá arrebatamento da Igreja. 9 8 Os anjos ceifeiros são milhares (possivelmente, múltiplos de miríades), escolhidos, para o encargo da ceifa, dentre os bilhões. 9 4


19

Mandará o Filho do Homem os seus anjos, que ajuntarão, do seu reino, todos os escândalos e os praticantes da iniquidade, 42 e os lançarão na fornalha em fogo; ali haverá choro e ranger de dentes. 43 Então os justos resplandecerão99 como o sol, no reino de seu Pai. Quem tem ouvidos para ouvir ouça. 44 Ainda é semelhante o reino dos céus a um tesouro escondido no campo. Um homem o encontrou100 e tornou a escondê-lo. De tanta alegria, ele vai, vende tudo o que possui e compra aquele campo. 45 Assemelha-se ainda o reino dos céus a um comerciante que procurava boas pérolas; 46 tendo ele achado uma pérola de grande valor101, saiu a vender tudo quanto possuía, e a comprou102. 47 O reino dos céus é também semelhante a uma rede de arrastão que, lançada ao mar, recolhe peixes de toda espécie. 48 Quando está cheia, puxam-na para a praia e assentam-se a recolher os bons para os cestos; os ruins jogam fora. 49 Assim será na consumação da era: sairão os anjos e apartarão os maus do meio dos justos, 50 e os lançarão na fornalha em fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes. 51 Jesus lhes disse: Entendestes todas estas coisas? Disseram-lhe: Sim, Senhor. 52 Assim, então, lhes falou: É por isso que todo escriba instruído na doutrina do reino dos céus é semelhante a um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas. 53 Quando Jesus acabou de proferir essas parábolas, retirou-se dali. 54 Havendo chegado a sua terra, ensinava-os na congregação, de sorte a ficarem pasmados e a dizerem: Donde lhe vêm esta sabedoria e os milagres? 55 Não é este o filho do carpinteiro? Não se chama a mãe dele Maria, e seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas? 56 E não vivem entre nós todas as suas irmãs? Donde então lhe vem tudo isso? 57 E escandalizavam-se nele. Jesus, porém, lhes disse: Não há profeta sem honra, exceto na sua terra e na sua casa. 58 E não fez ali muitos milagres, por causa da incredulidade deles. Mt 14. “É Verdade que Tu És Filho de Deus!” 1

14: Por aquele tempo, chegaram ao tetrarca Herodes notícias acerca de Jesus. 2 Ele disse aos seus criados: Esse é João Batista, ressuscitado dos mortos; por isso se operam nele os milagres. 3 É que Herodes prendera João, acorrentara-o e pusera-o no cárcere por causa de Herodíades, mulher de Filipe, seu irmão, 4 por lhe ter dito João: não te é lícito possuí-la. 5 Queria matá-lo, mas temia o povo, porque este o tinha por profeta. 6 Ao chegar o aniversário de Herodes, a filha de Herodíades dançou ali e agradou a Herodes. 7 Diante disso, ele, com juramento, lhe prometeu dar o que pedisse. 8 Ela, instigada por sua mãe, disse: Dá-me aqui, numa bandeja, a cabeça de João Batista. 9 Entristeceu-se o rei, mas, por causa do juramento e dos convivas presentes, determinou que lha dessem; 10 deu ordens e decapitou a João no cárcere. 11 Foi trazida a cabeça dele numa bandeja e dada à jovem, que a levou a sua mãe. 12 Então vieram os seus discípulos, levaram o corpo e o sepultaram, indo, depois, anunciá-lo a Jesus. 13 E Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, afastado. Quando as multidões o souberam, vieram das cidades e o seguiram a pé. 14 Assim que desembarcou, viu Jesus uma grande multidão e, tomado de compaixão, curou os seus doentes. 15 Ao cair da tarde, vieram a ele os discípulos, dizendo: O lugar é ermo e a hora vai adiantada; despede as multidões, para que vão às aldeias comprar alimento para si. 16 Jesus lhes disse: Não precisam retirar-se; dai-lhes, vós mesmos, de comer103. 17 Mas eles responderam: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes. 18 Ele disse: Trazei-os aqui para mim. 19 E, mandando à multidão que se acomodasse na relva, tomou os cinco pães e os dois peixes e, erguendo os olhos ao céu, bendisse. E, tendo partido os pães, deu-os aos discípulos, e estes, à multidão. 20 Todos comeram e ficaram saciados; dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios. 21 Ora, os que comeram eram cerca de cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças. 22 Logo Jesus compeliu seus discípulos a embarcar e passar ao diante dele, enquanto despedisse a multidão. 23 Tendo dispensado o povo, subiu ao monte, a fim de orar a sós. Caindo a tarde, lá estava ele, sozinho. 24 Entretanto, o barco já estava no meio do mar, açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário. 25 Na quarta vigília da noite, foi Jesus ao 99

Esta é outra etapa da colheita, 1260 dias depois, − última oportunidade, para cada um, de ser contado entre os escolhidos, com os vitoriosos da grande tribulação, junto com os santos inocentes. 100 O grande Tesouro é a Verdade revelada pelo Mestre em João cap.VIII. 101 Só posso dispor da grande pérola depois de renunciar a ser dono de qualquer coisa, e reconhecer que tudo pertence a Deus. A grande pérola é a Verdade – a verdade do Ser com a verdade do Evangelho. 102 “Compra a verdade, e não a vendas” (Pv 23:23). 103 Nós, os discípulos, também podemos dar de comer à multidão. Tudo o que o Mestre fez nós podemos fazer, menos a redenção. Aliás, somos também agentes da salvação, em Cristo.


2 0

encontro deles, caminhando sobre o mar. 26 E os discípulos, ao vê-lo andando sobre o mar, estremeceram de susto e exclamaram: É um fantasma! E gritaram de medo. 27 Mas Jesus logo lhes falou, e disse: Tende confiança. Sou eu; não temais! 28 Respondendo-lhe Pedro, disse: Senhor, se és tu, manda-me ir a ti por cima da água. 29 E ele disse: Vem. Pedro, descendo do barco, caminhou sobre a água, para chegar aonde estava Jesus. 30 Reparou, porém, que o vento era forte e teve medo; começou a afundar e exclamou: Senhor, salva-me! 31 Jesus estendeu-lhe a mão prontamente e o segurou, dizendo: Homem de fé mesquinha – por que vacilaste? 32 Quando subiram ao barco, cessou o vento. 33 E os que estavam a bordo prostraram-se diante dele, dizendo: É verdade que tu és Filho de Deus! 34 Completada a travessia, alcançaram terra em Genesaré. 35 Quando os homens daquele lugar o reconheceram, mandaram aviso por toda a região. Trouxeram-lhe todos os doentes, 36 os quais lhe rogavam que ao menos pudessem tocar a orla da sua veste. E todos quantos lhe tocaram ficaram salvos. Mt 15. E Ele Os Curou 1

15: Por esse tempo, vieram a Jesus os escribas e fariseus de Jerusalém, a dizer: 2 Por que transgridem teus discípulos a tradição dos anciãos? 3 Ele, porém, lhes replicou: E por que transgredis vós o mandamento de Deus por causa da vossa tradição104? 4 Pois o fato é que Deus deu esta ordem: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser a seu pai ou a sua mãe seja levado à morte. 5 Mas vós dizeis: Alguém pode alegar a seu pai ou a sua mãe: – é oferta sagrada o que poderias aproveitar de mim (e não honrar a seu pai ou a sua mãe), 6 – e assim invalidais o mandamento de Deus por causa da vossa tradição. 7 Hipócritas! Bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: 8 Faz-se chegado a mim este povo com sua boca, e com seus lábios pretende honrar-me, contudo seu coração põe-se longe de mim. 9 É em vão que me rendem culto, enquanto ensinam doutrinas que são preceitos105 de homens106. 10 E, tendo convocado a multidão, lhes disse: Ouvi e entendei – 11 não é o que entra pela boca107o que contamina o homem, mas o que sai da boca, é isto o que contamina108o homem. 12 Nesse momento, os discípulos se aproximaram dele e disseram: Sabes que os fariseus, ouvindo a tua palavra, se escandalizaram?13 E ele respondeu: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada. 14 Deixai-os; são guias cegos. Ora, se um cego109guiar outro cego, cairão ambos no fosso. 15 Pedro interveio, dizendo: Explica-nos aquela parábola. 16 E Jesus disse: Também vós estais ainda sem entendimento? 17 Ainda não percebeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre e daí para o esgoto? 18 Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem; 19 porque é do coração que procedem maus intentos, homicídios, adultérios, fornicações, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. 20 São essas as coisas110que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina. 21 Jesus, dali partindo, retirou-se para os lados de Tiro e de Sidom. 22 Eis que uma mulher cananeia, daquela região, veio clamando, a dizer-lhe: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim! Minha filha está miseravelmente endemoninhada. 23 E ele não lhe respondeu palavra. Seus discípulos vieram a ele e pediram: Despede-a, que vem clamando atrás de nós. 24 Respondeu ele: Não fui enviado senão às ovelhas desgarradas da casa de Israel. 25 Ela, porém, veio prostrar-se diante dele, e disse: Senhor, socorre-me! 26 E ele assim respondeu: Não é bom tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. 27 E ela replicou: Certamente, Senhor, mas também os cachorrinhos 1 0 4

Estes escribas e fariseus (de hoje) não creem no Filho de Deus. Não creem senão em doutrinas e dogmas, e perenizam a herética tradição cristã. Invalidam o mandamento de Deus, pelo moralismo hipócrita. A propósito, doutrinas bíblicas não existem. Toda a teologia é feita de doutrinas, preceitos e dogmas arbitrários. Pode a verdade ser irracional? Os dogmas são irracionais. 1 0 5 Não é feita de preceitos a Lei de Deus (Is 28:12-14), nem a Doutrina de Cristo. 1 0 6 ...Alegam que os preceitos e rituais sejam de Deus. Alerta! Deus não nos deu preceito nenhum, exceto os que valiam somente na aliança antiga. 1 0 7 Todas as coisas são puras (Tt 1:15), como Deus as fez, e ninguém pode contaminá-las. Os alimentos são puros. Se recebemos tudo das mãos de Deus, com ação de graças, nada nos contamina. 1 0 8 Nenhuma comida, ou bebida, pode fazer mal. O que me faz mal, e me faz sofrer, é o engano que acumulo no coração e que sai pela boca quando falo. Se falares a verdade, terás saúde conforme a verdade da tua redenção em Cristo. Toda promessa é condicionada: a comida nunca fará mal desde que a tomemos com dignidade (1Co 11:29) e demos graças a Deus. Contaminar significa prejudicar o corpo. 1 0 9 Os fariseus eram guias religiosos. Consideravam-se autorizados a oferecer orientação espiritual. 1 1 0 pensamentos, palavras e emoções do coração enganoso


21

comem das migalhas que caem da mesa de seus donos. 28 Então Jesus lhe respondeu: Mulher, grande é tua fé! Faça-se contigo como queres. E sua filha ficou sã desde aquela hora. 29 Retirando-se daquele lugar, Jesus foi para as cercanias do mar da Galileia e, subindo ao monte, ali assentou-se. 30 E veio a ele uma multidão muito grande, e trouxeram consigo coxos, cegos, mudos, mutilados e outros muitos, e os largaram aos pés de Jesus; e ele os curou, 31 de sorte que o povo se maravilhava, ao ver mudos estarem a falar, mutilados ficarem sãos, coxos a andar e cegos a enxergar. E glorificavam ao Deus de Israel. 32 Jesus, chamando os seus discípulos, disse: Tenho compaixão desta gente, que tem ficado comigo já por três dias e não tem o que comer. Não quero despedi-los com fome, para que não suceda desfalecerem pelo caminho. 33 E seus discípulos lhe disseram: Donde nos virão, neste ermo, tantos pães que bastem para saciar tão grande multidão? 34 E Jesus lhes disse: Quantos pães tendes? Responderam: Sete, e alguns peixinhos. 35 Ele mandou que o povo se acomodasse no terreno. 36 Tomou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os e os deu a seus discípulos; os discípulos os distribuíram ao povo. 37 Todos comeram e se fartaram. Dos pedaços que sobejaram, recolheram-se sete cestas cheias. 38 Ora, os que comeram eram quatro mil homens, sem contar mulheres e crianças. 39 E, tendo despedido a multidão, entrou no barco e navegou para o território de Magdala. Mt 16. “Edificarei a Minha Igreja” 16:1 Aproximaram-se os fariseus e os saduceus, tentando-o, e lhe pediram que mostrasse um sinal vindo do céu. 2 Ele, porém, lhes respondeu: Chegada a tarde, dizeis – vai fazer tempo bom, porque o céu está avermelhado; 3 e pela manhã – hoje haverá tempestade, pois o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir o aspecto do céu – e não podeis discernir os sinais dos tempos? 4 Uma geração má e adúltera111 está a buscar um sinal; e nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. E, deixando-os, foi-se embora. 5 Ao passarem para a outra banda, os discípulos esqueceram-se de levar pão. 6 Jesus lhes disse: Vede bem de vos guardardes do fermento dos fariseus e dos saduceus112. 7 Eles se puseram a refletir entre si, e diziam: É que não trouxemos pão. 8 Percebendo-o Jesus, disse: Por que estais a pensar assim, em não haver trazido pães, gente de fé mesquinha? 9 Ainda não percebeis, nem vos lembrais dos cinco pães para os cinco mil, e de quantos cestos recolhestes? 10 Nem dos sete pães para os quatro mil, e de quantas cestas recolhestes? 11 Como é que não percebeis que não foi de pão que vos falei? Há que acautelar-se do fermento dos fariseus e dos saduceus. 12 Então entenderam que não lhes falara de guardar-se do fermento do pão, porém da doutrina dos fariseus e saduceus113. 13 Tendo Jesus chegado às bandas de Cesareia de Filipe, perguntou a seus discípulos: Quem diz o povo ser eu, o Filho do Homem? 14 Eles disseram: Uns dizem – João Batista; outros – Elias; outros – Jeremias, ou algum dos profetas. 15 Disse-lhes: Vós mesmos, quem dizeis que eu sou? 16 Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. 17 E Jesus assim lhe falou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem isto te revelou, mas meu Pai, que está nos céus. 18 Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta rocha edificarei114a minha115Igreja116, e os portões do inferno117não prevalecerão contra ela. 19 A ti darei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra estará ligado nos céus; e o que desatares na terra estará desatado nos céus. 20 Então advertiu os seus 111

Que geração é esta? Por que má? Por que adúltera? Ver referências à geração. O fermento são as doutrinas do judaísmo e do cristianismo. Todas as igrejas do cristianismo estão fundadas em doutrinas de engano, e se arrogam autoridade a oferecer orientação espiritual, autoridade que não foi dada a nenhuma instituição. São instituições, e nenhuma instituição procede de Deus, nem é constituída de pessoas. O que é virtual não pode ter elemento concreto. 113 Fariseus e saduceus, fundamentalistas e modernistas, defendem doutrinas diferentes, mas estão unidos contra o Evangelho. Aqui está um alerta enfático contra a falsidade de todas as doutrinas. 114 O fundamento dos apóstolos é o fundamento do Cristo. A Doutrina não se constitui de doutrinas nem de conceitos. É o Ensino da Verdade. A única edificação do Senhor é o edifício (Ef 2:21, 1Co 3:9) da Igreja, única, que é física e espiritualmente concreta. 115 A Igreja de Jesus Cristo não é, e nunca será, nenhuma das igrejas cristãs. Antes, é o novo nome pelo qual a boca do Senhor chama o seu povo Israel (Is 62:2). 116 Cada vez que um discípulo recebe revelação de que Jesus é o Filho de Deus, e abre a boca em testemunho, uma pedra viva é acrescentada à edificação da igreja; sobre esta pedra outras serão postas. 117 O inferno é sempre a sepultura, e nada mais; abstratamente, a sepultura é a terra do esquecimento (Sl 88:12), a região do silêncio (Sl 115:17), a congregação dos mortos (Pv 21:16). 112


2 2

discípulos de que a ninguém dissessem que ele é o Ungido. 21 Desde então, começou Jesus a manifestar a seus discípulos que tinha de ir a Jerusalém para muito padecer da parte dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, para ser morto, e ressuscitado no terceiro dia. 22 E Pedro, chamando-o à parte, começou a admoestá-lo, dizendo: Que estejas a salvo, Senhor; tal não te suceda!118 23 Ele, voltando-se, disse a Pedro: Arreda de mim, satanás!119 Tu me serves de pedra de tropeço, porque não tens disposição para as coisas de Deus, mas só para as dos homens. 24 Então Jesus disse a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo120, tome a sua cruz121e siga-me. 25 Porquanto quem quiser salvar a sua alma perdê-la-á; e quem se privar de sua alma por minha causa achá-la-á. 26 Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo todo, e sofrer dano em sua alma? Ou que dará o homem em troca de sua alma? 27 Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme o que houver praticado. 28 Em verdade vos digo que alguns há, entre os que aqui estão presentes, que não provarão a morte 122até que vejam vir o Filho do Homem no seu reino123. Mt 17. O Filho na Glória 17:1 Depois de seis dias, tomou Jesus consigo a Pedro e aos irmãos Tiago e João e os levou, em particular, a um monte sobranceiro124. 2 E foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes ficaram brancas como a luz. 3 E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, a falar com ele. 4 Pedro adiantou-se e disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, cá faremos três tendas: uma para ti, outra para Moisés, outra para Elias. 5 Falava ele ainda, quando uma nuvem luminosa os envolveu; e eis uma voz que, procedente da nuvem, dizia: Este é meu Filho bem-amado, com quem estou satisfeito. A ele escutai. 6 Ao ouvirem-na, caíram com o rosto no chão, assustados em extremo. 7 Aproximandose deles, tocou-lhes Jesus, e disse: Erguei-vos e não temais! 8 Levantando, então, os olhos, a ninguém viram senão somente a Jesus. 9 E, descendo eles do monte, Jesus lhes ordenou: A ninguém conteis a visão, até que o Filho do Homem ressurja de entre os mortos. 10 E seus discípulos o interrogaram: Por que, então, os escribas dizem que é preciso que Elias venha primeiro? 11 Então Jesus respondeu: De fato, Elias virá para restaurar todas as coisas. 12 Eu, porém, vos declaro que Elias já veio, e não o reconheceram; antes, fizeram com ele o que quiseram. Assim também o Filho do Homem padecerá da parte deles. 13 Então os discípulos entenderam que ele lhes falava de João Batista. 14 E, quando chegaram aonde estava a multidão, aproximou-se dele um homem, que se ajoelhou e disse: 15 Senhor, compadece-te de meu filho, que está lunático e muito sofre; repetidas vezes cai no fogo e, outras tantas, na água. 16 Apresentei-o a teus discípulos, mas eles não puderam curá-lo. 17 Jesus, então, respondeu: Ó geração incrédula e pervertida! Até quando estarei convosco? Até quando vos suportarei? Trazei-o aqui. 18 E Jesus repreendeu o demônio, que então dele saiu; e, desde aquela hora, ficou o menino curado. 19 Então os discípulos, chegando-se a Jesus, disseram em particular: Por que motivo não pudemos nós expulsá-lo? 20 Jesus lhes disse: Por causa da vossa incredulidade125. Pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis 126 a este monte – remove-te daqui para lá – e ele será removido. Nada vos será 1 1 8

Portanto, a mente da carne é satanás, o adversário. Aqui, Pedro não falou pelo espírito e, sim, pela carne, em contradição; e toda contradição é satânica. 1 1 9 Aqui, Jesus falou a Pedro-carne (homem-alma); no parágrafo anterior, falou a Pedro-espírito (homem-espírito). Ver Rm 8:5-7; 1Co 2:10-16; Hb 4:12-19. 1 2 0 Negue a carne, o ego, para afirmar o espírito, que é o eu superior, a pessoa interior. O ego não é precisamente a carne, mas é o problema da carne. A carne faz parte da alma (pessoa), mas o ego é um fantasma, uma falsa identidade assumida pela mente carnal. O ego é o foco dos problemas. O corpo não tem problemas de si mesmo. O corpo mesmo não precisa de cura, mas sim a mente, a consciência. 1 2 1 Tomar a cruz é aplicar a expiação pela Cruz. 1 2 2 Ver Mc 9:1, Lc 9:27, Jo 8:51, Jo 11:26, Lc 13:1-5. O Senhor nos garante que a morte não é necessária. 1 2 3 Ninguém ainda presenciou a vinda do Filho do Homem no seu reino (pois a primeira tribulação ainda não passou, nem começou). Dentre os que estavam presentes a ouvir estas palavras de Jesus, a maioria morreu, mas a minoria nunca provou a morte. 1 2 4 Que é o monte Sião (Tsiôn), na Nova Terra. 1 2 5 O problema: a fé é insuficiente! Seria plena como a de Jesus, se nenhuma dúvida acompanhasse nossa fé firmada nas palavras de Deus. 1 2 6 O Senhor nos ensina e instrui sobre as chaves do reino dos céus. São a fé e a palavra. As chaves só funcionam em conjunto: o falar da fé. A palavra da fé é a chave do reino dos céus. O poder está na


23 21

impossível . Quanto a esta espécie, não pode ser expulsa senão pela oração e pelo jejum . 22 Quando, outra vez, estavam reunidos na Galileia, Jesus lhes disse: O Filho do Homem está para ser entregue nas mãos dos homens, 23 e estes o matarão; e, ao terceiro dia, será ressuscitado. Entristeceram-se imensamente. 24 Tendo eles chegado a Cafarnaum, acercaram-se de Pedro os cobradores do didracma, e disseram: Vosso Mestre não paga o didracma? 25 Ele disse: sim. Quando Pedro entrou em casa, Jesus se lhe antecipou, dizendo: Simão, que te parece? De quem cobram tributo ou imposto os reis da terra: de seus filhos, ou dos estranhos? 26 Disse-lhe Pedro: Dos estranhos. Jesus lhe disse: Logo os filhos estão certamente isentos. 27 Mas, para que não os escandalizemos, vai ao mar e joga um anzol. O primeiro peixe que subir, segura-o e abre-lhe a boca. Acharás aí um estáter. Pega-o para entregá-lo a eles por mim e por ti. Mt 18. O Maior no Reino dos Céus 127

128

18:1 Naquela hora, aproximaram-se de Jesus os discípulos, a dizer: Quem é, enfim, o maior no reino dos céus? 2 E Jesus, chamando uma criança, colocou-a no meio deles. 3 E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como as crianças, não entrareis no reino dos céus. 4 Portanto, aquele que se põe na condição humilde desta criança, tal é o maior no reino dos céus. 5 E quem recebe a uma criança, tal como esta, por causa do meu nome, a mim me recebe; 6 e ao que escandalizar um destes pequeninos que creem em mim, mais lhe valeria que lhe pendurassem ao pescoço uma pedra de atafona para que fosse atirado ao fundo do mar. 7 Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é inevitável que os haja, mas ai do homem pelo qual vem o escândalo. 8 Ora, se tua mão ou teu pé te faz tropeçar, corta-o e lança-o longe de ti; melhor te será entrar na vida coxo ou mutilado do que, tendo duas mãos ou dois pés, ser lançado no fogo eterno129. 9 E se teu olho te faz tropeçar, arranca-o e lança-o longe de ti; melhor te será entrar na vida de um olho só do que com dois olhos ser lançado na gehenna de fogo130. 10 Olhai que não tenhais desprezo a nenhum destes pequeninos; porque eu vos afirmo que os seus anjos contemplam 131continuamente nos céus132a face de meu Pai, que está nos céus. 11 Ora, o Filho do Homem veio para salvar o que estava perdido. 12 Que vos parece? Se um homem possui cem ovelhas, e uma delas se extraviar, não deixará ele nos montes as noventa e nove, para ir procurar a extraviada? 13 E, se acerta de encontrá-la, em verdade vos digo que com ela mais se alegrará do que com as noventa e nove que não se desgarraram. 14 Da mesma forma, não é da vontade de vosso Pai, que está nos céus, que se perca nem um só destes pequeninos. 15 Se teu irmão pecar contra ti, vai arguí-lo entre ti e ele só133. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. 16 Se te não ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pela boca de duas testemunhas, ou três, se confirme toda palavra. 17 Caso não lhes dê ouvidos, dize-o à igreja; caso se recuse a ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano. 18 Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra estará ligado no céu, e tudo o que desatardes na terra estará desatado no céu134. 19 Em verdade ainda vos digo: se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre intenção intensa por detrás da palavra, e na própria verdade por detrás da fé. A própria intenção intensa (fervor de espírito em Rm 12:11) é a fé bíblica, desde que esteja fundamentada na palavra da verdade. 127 Nada nos será impossível se tivermos fé bastante! 128 O Senhor diz: Assim ganharás mais fé! 129 Tudo o que é eterno é celestial. O fogo eterno é o fogo santo – o fogo inextinguível que, bem depressa, queima a palha (a carne do cristão rebelde e do judaísta obstinado); o fogo eterno é segunda morte para os santos que não se santificarem nesta era nem durante a grande tribulação (Ap 21:8). 130 É preciso rejeitar terminantemente a ímpia atribuição, a Jesus, do conceito de inferno de fogo. Gehenna não é inferno. Inferno é o mesmo que hades, sheol, sepultura, onde não há fogo, nem demônio. 131 Não só os anjos dos adultos, mas também os anjos das crianças assistem nos céus. Portanto cada um de nós, que somos Israel, tem seu anjo no céu. O teu anjo está no céu porque é filho de Deus. Tu estás no céu (Ef 2:6) porque és filho celestial de Deus. O teu anjo é igual (Mt 22:30) a ti. Quem é o teu anjo?! 132 Os anjos de Deus são querubins e serafins. Todos os serafins dos céus são querubins na terra. Não que sejam serafins todos os querubins, nem são estes dotados de consciência celestial. Os anjos vivem no Reino e, por isso mesmo, desconhecem (exceto Miguel e Gabriel) o significado do tempo, até que este seja transferido da terra condenada para a terra renovada, nos tempos de restauração de todas as coisas. 1 3 3 Portanto, jamais comunicar o problema a outra pessoa primeiro. 134 No céu nada acontece, porque nada muda. Na terra há tempo e contingências. Mas o eterno antecede o tempo. E toda manifestação das obras de Deus demonstra o que Deus fez no princípio. Toda bênção manifesta obra antiga. A própria restauração é de uma realidade que nunca mudou, portanto o que se restaura (At 3:21) é, tão somente, a nossa boa consciência.


2 4

qualquer coisa que requisitarem, isso se fará com meu Pai, que está nos céus. 20 Porque, onde dois ou três estão reunidos para o meu nome, ali estou eu no meio deles. 21 Então Pedro lhe veio perguntar: Senhor, quantas vezes há de pecar contra mim meu irmão, que eu deva perdoar-lhe? Até sete vezes? 22 Disse-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23 Por causa disso, assemelha-se o reino dos céus a um rei que resolveu acertar contas com os seus servos. 24 Começando ele o acerto, trouxeram-lhe um devedor de dez mil talentos. 25 Não tendo ele com que pagar, determinou o senhor que se vendesse ele com a mulher, os filhos e tudo quanto possuía, e que a dívida fosse paga. 26 Caiu o servo prostrado diante do rei, a dizer: Senhor, tem paciência comigo, que tudo te pagarei. 27 O senhor daquele servo, compadecido, dispensou-o e perdoou-lhe a dívida. 28 Aquele servo, porém, ao sair, encontrou-se com um dos seus conservos, que lhe devia cem denários; aí agarrou-o pelo pescoço e passou a apertá-lo, dizendo: Paga-me o que me deves. 29 Então o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Tem paciência comigo, que tudo te pagarei. 30 Ele, entretanto, não quis ouvi-lo; foi-se dali e o fez encarcerar, até que pagasse a dívida. 31 Vendo os seus companheiros o que se havia passado, ficaram sobremodo tristes e, procurando o senhor, contaram-lhe todo o acontecido. 32 Então seu senhor mandou chamá-lo e lhe disse: Servo mau, perdoei-te toda aquela dívida, por me haveres suplicado 135; 33 não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti? 34 Indignado, seu senhor o entregou aos atormentadores, até que lhe pagasse tudo o que devia. 35 Assim também meu Pai celeste vos fará, se não perdoardes cordialmente cada um a seu irmão as suas ofensas. Mt 19. “Deixai as Crianças... Vir a Mim” 1

19: Tendo Jesus concluído estes discursos, acertou de partir da Galileia para o território da Judeia que ficava além do Jordão. 2 Seguiu-o o povo em grandes multidões, e curou-as ali. 3 Vieram a ele os fariseus para o tentar, dizendo: É lícito ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo? 4 Ele lhes respondeu: Não lestes que o Criador, desde o princípio, os fez macho e fêmea? 5 e que disse: Por esta causa deixará um homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, e serão os dois uma só carne. 6 Dessa maneira já não são dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. 7 Disseram-lhe: Por que, então, mandou Moisés dar carta de divórcio ao repudiar? 8 Disse-lhes: Foi por causa da dureza dos vossos corações que Moisés permitiu repudiar vossa mulher; não foi assim desde o princípio. 9 Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por motivo de fornicação, e se casar com outra comete adultério, e o que se casar com a repudiada comete adultério. 10 Seus discípulos lhe disseram: Se essa é a condição do homem em relação à mulher, não convém casar. 11 Ele lhes disse: Nem todos podem receber esta palavra, mas apenas aqueles a quem foi concedido. 12 Ora, há eunucos que assim nasceram, há eunucos postos nessa condição por outros homens, e há aqueles que fizeram a opção por causa do reino dos céus. Quem for capaz de o admitir, que admita. 13 Nessa ocasião, trouxeram-lhe algumas crianças, para que lhes impusesse as mãos e orasse. Houve quem as repreendesse, entre os discípulos. 14 Mas Jesus disse: Deixai as crianças, e não as impeçais de vir a mim, porque o reino dos céus lhes pertence. 15 Em seguida impôs-lhes as mãos e partiu dali. 16 E eis que se acercou dele alguém e lhe disse: Bom Mestre, que hei de fazer de bom, para alcançar vida eterna? 17 Ele lhe disse: Por que me chamas bom? Não há quem seja bom exceto um, que é Deus. Se queres entrar na vida, guarda os mandamentos. 18 Falou: Quais? Jesus disse: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho; 19 honra teu pai e tua mãe, e amarás teu próximo como a ti mesmo. 20 Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho observado desde quando era mais moço; que me falta ainda? 21 Jesus lhe disse: Se queres ser perfeito, vai vender os teus bens e dá-los aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem seguir-me. 22 Tendo, porém, o jovem escutado esta palavra, retirou-se triste, por ser dono de muitas propriedades. 23 Jesus disse a seus discípulos: Em verdade vos digo que um rico com dificuldade entrará no reino dos céus. 24 E digo-vos ainda: É mais fácil um camelo passar pelo orifício de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus136. 25 Ouvindo isto, os 1 3 5

O Senhor perdoa aquele que pede perdão e que demonstra gratidão. Reino dos céus não é sinônimo de céu divino. Reino de Deus e Reino dos céus são sinônimos. Este entendimento se confirma neste contexto (vs. 23 e 24). E a terra-eden faz parte do reino.

1 3 6


25

discípulos ficaram muito espantados e disseram: Quem, então, pode ser salvo? 26 Jesus olhou para eles e disse: Para homens isto é impossível, mas tudo é possível para Deus. 27 Então lhe falou Pedro: Eis que nós deixamos tudo e te seguimos; que será de nós, enfim? 28 Jesus lhes disse: Em verdade vos digo que vós, os que me seguistes, quando o Filho do Homem, na regeneração, assentar-se no trono da sua glória, também vos assentareis em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel. 29 E todo o que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por causa do meu nome, receberá cem vezes mais e herdará vida eterna137. 30 Porém muitos dos primeiros serão derradeiros, e derradeiros serão primeiros. Mt 20. Muitos são os Chamados, mas Poucos os Escolhidos 20:1 Ora, o reino dos céus é semelhante a um patrão de granja que saiu cedo de manhã para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2 Tendo ele ajustado com os trabalhadores um denário pelo dia, mandou-os para a sua vinha. 3 Ao sair pela terceira hora, viu outros que estavam desocupados na praça, 4 e disse-lhes: Ide também vós para a vinha, e vos darei o que for justo. Eles foram. 5 Saiu de novo pela hora sexta e pela nona, e procedeu da mesma forma; 6 por volta da hora undécima, encontrou outros que estavam desocupados e lhes disse: Por que estivestes aqui ociosos o dia todo? 7 Disseram-lhe: É que ninguém nos contratou. Ide também vós para a vinha, e recebereis o que for justo. 8 Ao fim da tarde, disse o senhor da vinha ao seu administrador: Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, desde os últimos até aos primeiros. 9 Vindo os da hora undécima, receberam um denário cada um. 10 Ao chegarem os primeiros, pensaram que receberiam mais, mas receberam um denário cada um também eles. 11 E eles, tendo-o recebido, ficaram a murmurar contra o patrão, 12 e a dizer: Esses últimos fizeram uma hora só e tu os igualaste a nós, que suportamos o peso do dia e o calor. 13 Ele, porém, respondendo, disse a um deles: Amigo, não te faço injustiça; não ajustaste comigo um denário? 14 Toma o que é teu e vai embora; pois quero dar a este último tanto quanto a ti. 15 Porventura não me é lícito fazer o que quero do que é meu? Ou é mau o teu olho em virtude de eu ser bom? 16 Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos, porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos138. 17 Estando Jesus a subir para Jerusalém, tomou à parte os doze discípulos e lhes disse pelo caminho: 18 Eis que subimos para Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos principais dos sacerdotes e aos escribas. Eles o condenarão à morte. 19 E o entregarão aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado; mas, ao terceiro dia, será ressuscitado. 20 Então aproximou-se a mulher de Zebedeu, com seus filhos, e prostrou-se, para lhe fazer uma solicitação. 21 Disse-lhe ele: Que queres? Ela respondeu: Manda que, no teu reino, estes meus dois filhos se assentem, um à tua direita e o outro à esquerda. 22 Jesus replicou: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que estou para beber, e ser batizados com o batismo com que sou batizado? Disseram-lhe: Podemos. 23 Então lhes disse: O meu cálice bebereis, e o batismo com que sou batizado será o vosso batismo 139; mas quanto a sentar-se a minha direita e a minha esquerda não me compete concedê-lo; é, porém, daqueles para quem isso está preparado por meu Pai. 24 Ora, ouvindo isto, os dez ficaram aborrecidos com os dois irmãos. 25 E Jesus, chamando-os, disse: Sabeis que os governantes dos gentios os dominam, e os maiorais exercem autoridade sobre eles. 26 Assim não há de ser entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, esse vos será servidor; 27 e quem quiser ser o primeiro entre vós, esse vos será servo; 28 tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar sua alma em resgate por muitos. 29 Quando saíam de Jericó, uma grande multidão o acompanhava. 30 E eis que dois cegos, assentados à beira do caminho, tendo ouvido que Jesus passava, clamaram, a dizer: Tem compaixão de nós, Senhor, Filho de Davi! 31 Mas foram admoestados pela multidão, para que se calassem; entretanto, gritavam cada vez mais: Tem compaixão de nós, Jesus, Filho de 137

A Promessa da vida eterna! Não se trata de vida após a morte. Como poderia haver vida após a morte, se morte é, por definição, o fim da vida? Ressurreição é restauração da vida, mas não na carne. 1 3 8 Está claro que tanto os chamados como os eleitos integram todos a classe dos santos. 139 Quando Jesus padeceu, nós bebemos o cálice da maldição; quando Jesus foi crucificado, nós fomos batizados na sua morte. Esta é a verdade dos fatos. Que é que falta? Falta obedecermos à verdade.


2 6

Davi! 32 E Jesus, detendo-se, chamou-os e disse: Que quereis que eu vos faça? 33 Disseramlhe: Senhor, que nossos olhos se abram. 34 Compadecido, Jesus tocou-lhes os olhos, e imediatamente começaram a ver. E eles o foram seguindo. Mt 21. “Eis que Aí Vem o Teu Rei” 1

21: Quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé, nas proximidades do monte das Oliveiras, Jesus enviou dois discípulos, 2 dizendo-lhes: Ide à aldeia que está diante de vós e logo achareis uma jumenta amarrada e, com ela, um jumentinho. Desprendei-a e trazei-os. 3 E, se alguém vos disser alguma coisa, respondei-lhe que o Senhor precisa deles. E logo os enviará. 4 Ora, tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito por intermédio do profeta, a saber: 5 Dizei à filha de Sião – eis que aí te vem o teu Rei, manso, montado em uma jumenta, com um jumentinho, cria de animal de carga. 6 Os discípulos foram e fizeram como Jesus lhes ordenara; 7 trouxeram a jumenta e o jumentinho. Então puseram em cima deles os seus mantos, sobre os quais o fizeram montar. 8 A maior parte da multidão estendeu seus mantos pelo caminho, enquanto outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam na rua. 9 E as multidões, tanto dos que o precediam como dos que o seguiam, clamavam e diziam: Hosanná ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosanná pelas alturas! 10 Entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, e diziam: Quem é este? 11 E as multidões clamavam: Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia! 12 Aí Jesus entrou no templo, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo; também virou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. 13 E disse-lhes: Está escrito – a minha casa será chamada casa de oração; mas vós a transformastes em covil de ladrões! 14 Vieram a ele, no templo, cegos e coxos; e ele os curou. 15 Mas, vendo os principais sacerdotes e os escribas as maravilhas que ele fazia, e os meninos que clamavam, no templo, a dizer – Hosanná ao Filho de Davi – indignaram-se 16 e lhe disseram: Ouves o que estes estão a dizer? Jesus lhes disse: Certamente. Nunca lestes – na boca de pequeninos e crianças de peito preparaste louvor –? 17 E, deixando-os, saiu da cidade para Betânia, onde pernoitou. 18 Cedo de manhã, quando voltava para a cidade, teve fome 19 e, vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela; nada achou senão folhas, e disse-lhe: Nunca mais se ache fruto em ti! E a figueira secou imediatamente. 20 Vendo isto os discípulos, maravilharam-se e exclamaram: Como secou depressa a figueira! 21 Jesus, respondendo, disselhes: Em verdade vos digo que, se tiverdes fé, sem vacilação, não só fareis o que foi feito à figueira, mas também, se disserdes a este monte, – ergue-te e lança-te ao mar, – assim se fará; 22 e tudo quanto reivindicardes em oração, crendo, recebereis140. 23 Tendo ele chegado ao templo, aproximaram-se dele, que estava a ensinar, os principais sacerdotes e os anciãos do povo, e disseram: Com que autoridade fazes essas coisas? E quem te deu essa autoridade? 24 E Jesus lhes respondeu: Eu também vos farei uma pergunta; se me derdes resposta, então vos direi com que autoridade faço estas coisas. 25 Donde era o batismo de João – era do céu, ou era dos homens? Eles ficaram a debater entre si: Se dizemos que era do céu, ele nos dirá – por que, então, não lhe crestes? 26 E, se dissermos – dos homens – é de temer-se o povo, porque a João todos o têm por profeta. 27 Então responderam a Jesus: Não sabemos. E ele lhes disse: Nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas. 28 E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na minha vinha. 29 Ele respondeu: Não quero; mas depois, reconsiderando, foi. 30 Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Ele respondeu: Deixa comigo, senhor; e não foi. 31 Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram-lhe: O primeiro. Jesus lhes disse: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus. 32 Pois João veio a vós, em caminho de justiça, e não acreditastes nele; ao passo que publicanos e meretrizes lhe deram crédito. Vós, porém, mesmo depois de isto observar, não reconsiderastes, para crer-lhe. 33 Escutai outra parábola. Havia um homem, patrão de granja, que plantou uma vinha; cercou-a com uma sebe, instalou nela um lagar, construiu-lhe uma torre, e arrendou-a a uns lavradores. Depois se ausentou do país. 34 Quando veio o tempo da vindima, enviou seus servos aos lavradores, para receber os frutos que lhe tocavam. 35 Os lavradores, agarrando os servos, a um espancaram, a outro 1 4 0

A oração em espírito e o testemunho em espírito são palavra de fé. Pelo falar da fé, as soluções.


27

mataram e a outro apedrejaram. 36 Enviou ainda outros servos em maior número que os primeiros, e trataram-nos da mesma maneira. 37 Por último, ele lhes enviou seu próprio filho, pois dizia: A meu filho respeitarão. 38 Mas os lavradores, vendo o filho, disseram entre si: Este é o herdeiro; ora, vamos, matemo-lo e tomemos posse de sua herança 141. 39 Agarrando-o, empurraram-no para fora da vinha e o mataram. 40 Pois bem, quando vier o senhor da vinha, que fará ele àqueles lavradores? 41 Disseram-lhe: Fará que pereçam horrivelmente e arrendará a vinha a outros lavradores, que lhe prestem contas dos frutos a seu tempo. 42 Jesus lhes perguntou: Nunca lestes nas escrituras – a pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser cabeça de ângulo; é de Yahveh que ela procede, e é maravilhosa aos nossos olhos –? 43 É por isso que vos digo que o reino de Deus vos será tirado e será confiado a um povo que produza seus frutos142. 44 Qualquer um que cair sobre esta pedra se esfacelará, e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó. 45 Os principais sacerdotes e os fariseus, ouvindo as parábolas dele, entenderam que a eles mesmos se referia. 46 Conquanto procurassem prendê-lo, arreceavam-se do povo, que o tinha por profeta. Mt 22. O Deus de Abraão, de Isaque, de Jacó 1

22: De novo Jesus tomou a palavra e entrou de falar-lhes por parábolas, dizendo: 2 O reino dos céus é semelhante a um rei que celebrou as bodas de seu filho. 3 Ele enviou seus servos a chamar os que tinham sido convidados para as bodas; e estes não quiseram vir. 4 Enviou ainda outros servos, com esta ordem: Dizei aos convidados – Eis que tenho o meu banquete preparado; os meus bois e cevados foram abatidos, e tudo está pronto; vinde às bodas. 5 Eles, porém, não se importaram e foram-se embora, um para a sua lavoura, outro para o seu negócio; 6 outros ainda, agarrando os servos, os afrontaram e mataram. 7 E o rei, tendo notícia disto, encolerizou-se e, mandando suas tropas, exterminou aqueles homicidas e lhes incendiou a cidade. 8 Então disse a seus servos: Está pronta a festa, mas os convidados não eram dignos. 9 Ide agora pelos caminhos vicinais e chamai para as bodas a quantos encontrardes. 10 Saindo aqueles servos pelos caminhos, reuniram todos os que encontraram, maus e bons; e a sala do banquete ficou repleta de convivas. 11 O rei, ao entrar para ver os que estavam à mesa, viu ali um homem que não estava trajado com veste nupcial, 12 e disse-lhe: Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? Ele ficou calado. 13 Então o rei ordenou aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o e lançai-o fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes. 14 Porque muitos são os chamados, mas poucos, os escolhidos. 15 Então, tendo-se retirado os fariseus, tomaram conselho entre si sobre como armar contra ele uma cilada de palavra. 16 Aí enviaram-lhe discípulos, com herodianos, para que assim falassem: Mestre, sabemos que és veraz e que instruis no caminho de Deus segundo a verdade, não dando importância especial a quem quer que seja, nem fazendo acepção de pessoas. 17 Dizenos, pois, a tua opinião: é lícito pagar tributo a César, ou não? 18 Conhecendo-lhes a malícia, disse-lhes Jesus: Por que me tentais, hipócritas? 19 Mostrai-me a moeda do tributo. Trouxeramlhe um denário. 20 E ele lhes disse: De quem é esta efígie e inscrição? 21 Responderam: de César. Então lhes disse: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. 22 Ouvindo isto, se admiraram e, deixando-o, foram-se embora. 23 Naquele dia, aproximaram-se dele alguns saduceus, que dizem não haver ressurreição, e o interrogaram, 24 dizendo: Mestre, Moisés disse – se morrer homem, não tendo filhos, seu irmão casará com a mulher dele, e suscitará descendência ao irmão. 25 Ora, havia entre nós sete irmãos. O primeiro casou, depois faleceu e, não tendo descendência, deixou sua mulher para seu irmão; 26 o mesmo sucedeu com o segundo, com o terceiro, e até ao sétimo; 27 depois de todos eles, morreu também a mulher. 28 E daí, na ressurreição143, de qual dos sete será ela esposa, já que todos a tiveram? 29 Jesus lhes replicou: Laborais em erro, desconhecendo as 141

A Casa de Judá, que tenta tomar posse da herança que não lhe pertence, representa não só a religião dos judaístas, mas também a religião dos cristãos. Religião é todo sistema de orientação espiritual. 142 De Judá para Israel (Ver Isaías 27:6). E de liderança religiosa para Igreja viva. 143 Toda ressurreição é física, portanto é início de uma nova vida na terra. Todos os que morrem, nesta era em que as trevas têm função, retornam ao mundo pela ressurreição e, então, nova oportunidade terão de aprenderem a ser felizes para sempre. Na consciência do indivíduo, dá-se uma real transferência no tempo. Os que se fazem dignos da ressurreição da vida são ressuscitados diretamente para a terra-eden.


2 8

escrituras e o poder de Deus. 30 Porque, na ressurreição144, nem eles se casam, nem elas se dão em casamento, mas são como anjos de Deus no céu145. 31 E, quanto à ressurreição dos mortos, não lestes o que vos foi dito por Deus quando ele falou – 32 Eu Sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó –? Deus não é Deus de mortos, e sim de vivos. 33 Ouvindo tais palavras, as multidões se maravilhavam da sua doutrina. 34 Os fariseus, por sua vez, tendo ouvido que ele fechara a boca dos saduceus, reuniram-se em grupo. 35 E um deles, mestre da lei, veio interrogá-lo para o tentar, e disse: 36 Mestre, qual é o grande mandamento na Lei? 37 Jesus lhe disse: Amarás a Yahveh, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. 38 Este é o primeiro e grande mandamento. 39 O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas. 41 Estando os fariseus reunidos, interrogou-os Jesus: 42 Que pensais vós do Ungido? De quem é filho? Disseram-lhe: De Davi. 43 Ele lhes disse: Como é, então, que Davi, em espírito, lhe chama Senhor, quando assim fala – 44 disse Yahveh ao meu Senhor: assenta-te a minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés –? 45 Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é ele seu filho? 46 E ninguém lhe podia responder palavra, nem ousou homem, a partir daquele dia, fazer-lhe perguntas. Mt 23. “Um Só é Vosso Professor, o Ungido” 23:1 Por esse tempo, Jesus assim falou às multidões e a seus discípulos: 2 Na cátedra de Moisés, assentaram-se os escribas e os fariseus. 3 Tudo, portanto, o que vos disserem para guardar guardai e praticai, mas não os imiteis nas obras; pois falam mas não praticam. 4 Porque atam fardos pesados e insuportáveis, e os põem sobre os ombros das pessoas; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los. 5 Tudo o que praticam são obras que possam ser vistas pelos homens; alargam seus filactérios e alongam as franjas de seus mantos. 6 Apreciam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas salas de congregação; 7 gostam de ser saudados nas praças e de ser chamados rabbí, rabbí, pelas pessoas. 8 Vós, porém, não vos façais chamar rabbí, porque um só é vosso professor, o Ungido, e vós todos sois irmãos. 9 E a ninguém chameis vosso pai, sobre a terra; porque só um é vosso Pai, aquele que está nos céus. 10 Nem vos façais chamar professores, porque um só é vosso professor, o Cristo146. 11 Mas o maior dentre vós vos será por servidor. 12 Aquele que se exaltar será humilhado, e o que se humilhar será exaltado. 13 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que fechais o reino dos céus147 diante dos homens; pois vós não entrais nem deixais que entrem os que procuram entrar. 14 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que devorais as casas das viúvas e, por pretexto, fazeis prolongadas orações; por causa disto sofrereis mais rigoroso juízo. 15 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito e, uma vez feito, o tornais filho da gehenna duas vezes mais do que vós! 16 Ai de vós, guias cegos, que dizeis: se alguém jura pelo santuário, isso não é nada, mas quem jura pelo ouro do santuário, fica obrigado. 17 Estultos e cegos! Pois qual é maior: o ouro, ou o santuário que santifica o ouro? 18 E dizeis: Se alguém jurar pelo altar, isso não é nada; mas quem jurar pela oferta, que está sobre o altar, fica obrigado. 19 Estultos e cegos! Pois qual é maior: a oferta, ou o altar que santifica a oferta? 20 Quem, pois, jura pelo altar jura por ele e por tudo o que está em cima dele. 21 Quem jura pelo santuário jura por ele e por aquele que nele habita. 22 Quem jura pelo céu jura pelo trono de Deus e por aquele que nele se assenta. 23 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e deixastes de lado o que é de peso, na Lei: o direito, a misericórdia e a fé; estes, sim, deveis praticar, sem deixar de lado aquilo. 24 Guias cegos, que coais o mosquito e tragais o camelo! 25 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que limpais o copo e o prato por fora148, quando, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança. 26 Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo e do prato, que o 1 4 4

n e g y r i shabitarão não só no céu, mas também em Os santos glorificados na ressurreição da vida e na pa Sião, na Boa Terra (Dt 8:7). 1 4 5 No céu, há uma só consciência, a de Deus. Na terra, os anjos tem autoconsciência individual. 1 4 6 No reino de Deus, só há um Pai, e só há um professor, – e quem adota tais títulos como orientador espiritual torna-se usurpador do que ao Senhor pertence. 1 4 7 O sistema religioso impede que os iludidos entrem no reino dos céus. 1 4 8 Esse limpar por fora é o moralismo de aparências e a hipocrisia dos preceitos religiosos.


29

exterior também vai ficar limpo. 27 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que vos assemelhais a sepulcros caiados, os quais se mostram bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda sorte de imundície. 28 Assim também vós, exteriormente, pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais repletos de hipocrisia e iniquidade. 29 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que edificais os sepulcros dos profetas, adornais os túmulos dos justos, 30 e dizeis: se tivéssemos vivido em tempos de nossos pais, não teríamos sido seus cúmplices no sangue dos profetas. 31 Com isto, dais testemunho de que vós mesmos sois filhos dos que mataram os profetas; 32 completai vós a medida de vossos pais. 33 Serpentes, ninhada de víboras! Como escapareis ao juízo da gehenna149? 34 Por isso, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas. Deles matareis e crucificareis a uns, açoitareis a outros nas vossas congregações e os perseguireis de cidade em cidade; 35 para que recaia sobre vós todo sangue justo que vai sendo derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem matastes entre o santuário e o altar. 36 Em verdade vos digo que tudo isto há de vir sobre esta geração150. 37 Jerusalém, Jerusalém151, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir teus filhos, da maneira como uma galinha reúne seus pintainhos debaixo das asas, e vós não quisestes! 38 Eis que a vossa casa se há de deixar desolada. 39 Pois eu vos declaro, desde agora já não me vereis, até ao tempo em que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor! Mt 24. “As Minhas Palavras Não Passarão” 24:1 Saiu Jesus do templo, e ia-se afastando, quando os discípulos se lhe acercaram para apontar-lhe as edificações do templo. 2 Jesus lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará152aqui pedra sobre pedra que não seja derribada. 3 Estando ele no monte das Oliveiras, sentado, aproximaram-se os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando será isso, e que sinal haverá da tua vinda e da consumação da era. 4 E Jesus lhes falou por resposta: Vede que ninguém vos engane. 5 Porque muitos virão, com base no meu nome, mesmo a dizer que eu sou o Cristo, e enganarão a muitos153. 6 Ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos perturbeis, porque tudo tem de acontecer, mas ainda não é o fim. 7 Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em lugares diversos; 8 e tudo isso será o princípio das dores154. 9 Então sereis entregues a tribulações, e vos matarão. Sereis odiados de todas as gentes, por causa do meu nome. 10 E, nesse tempo, muitos se escandalizarão, trairão e odiarão uns aos outros; 11 levantar-se-ão muitos falsos profetas155e enganarão a muitos. 12 E, por se multiplicar a iniquidade, dos muitos se esfriará o amor. 13 Aquele, porém, que até ao fim tiver paciência será salvo156. 14 E será pregado este evangelho do reino por toda a terra habitada, para testemunho a todas as gentes157. É então que virá o fim158. 15 Quando, pois, virdes, instalada no lugar santo, a abominação da desolação159de que falou o profeta Daniel (quem lê entenda), 16 então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes; 17 quem estiver no terraço não desça para tomar nada de sua casa; 18 quem estiver no campo não volte atrás para apanhar as roupas. 19 Ai das 149

Juízo da Gehenna, e não o falso conceito de condenação do inferno! Esta geração é a dos comprometidos com o sistema cristão e judaísta. 151 Jerusalém e esta geração são sinônimos, no contexto. 152 Aqui, o templo arrasado é o sistema cristianismo, acompanhado do judaísmo. Não se trata da destruição no ano 70. Até à data desta publicação, o santuário está de pé, bem como o sistema. 153 Os falsos profetas são todos os sistemas de orientação espiritual. Ensinam falsidades em nome de Cristo. 154 A primeira das quatro fases da tribulação de dez tempos. –Antes da 1ª fase, apresenta-se o 1ºcavaleiro. Durante a primeira fase, apresentam-se os outros três (Ap 6). –Uns cristãos não passam por nenhuma das fases de provação, outros passam por uma, out por duas, ou por três, ou por quatro. 155 Falsos profetas são sistemas, doutrinas e práticas de engano. 156 Será salvo do engano, será salvo da tribulação, será salvo da morte. 157 Aqui, todas as gentes são exclusivamente os santos. 158 O fim da era de dois mil anos, e o último dia de que Jesus falou (Jo 6:39,40,44,54,12:48). 159 Esta abominação se instalará, depois da desolação inicial, 2300 dias (Dn8:14) antes que termine a opressão da besta (ao meio da GT), portanto no correr do primeiro período da tribulação de dez ciclos. Durante a 1ª tribulação, a abominação será instalada pelo iníquo após a 1ª desolação, cf.2Tes2. 150


3 0

grávidas e das que amamentarem 160naqueles dias! 20 Orai para que a vossa fuga161não se dê no inverno nem em sábado; 21 porque nesse tempo haverá grande tribulação, tal que desde o princípio do mundo nunca houve, nem depois haverá. 22 Se aqueles dias não fossem decepados, não haveria carne que se salvasse162; porém, por causa dos escolhidos, tais dias serão decepados163. 23 Caso alguém, nesse tempo, vos diga: Eis o Ungido aqui, ou ali, – não acrediteis; 24 porque se levantarão falsos ungidos e falsos profetas apresentando grandes sinais e prodígios164para induzirem a erro, se possível, também os eleitos. 25 Vede que vos preveni! 26 Portanto, se vos disserem – eis que ele está no deserto! Não saiais; ou – aqui está, num esconderijo! Não acrediteis. 27 Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente, tal será o modo da vinda do Filho do Homem. 28 Porque onde cair o corpo, aí se reunirão as águias. 29 Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá165, a lua não dará a sua luz, as estrelas cairão do céu, e as forças dos céus serão sacudidas. 30 E, então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem. E, então, todas as tribos da terra 166se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória. 31 E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta167, os quais reunirão os seus escolhidos168, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus. 32 Aprendei da figueira esta parábola: quando já o seu ramo surge tenro e lhe brotam as folhas, sabeis que está próximo o verão. 33 Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo às portas169. 34 Em verdade vos digo: esta geração não passa sem que tudo isto aconteça. 35 Passará o céu e a terra170, mas as minhas palavras não passarão. 36 A respeito daquele dia e hora171, porém, ninguém sabe172, nem os anjos dos céus, senão somente o Pai. 37 E, como foi nos dias de Noé, assim também será a vinda do Filho do Homem; 38 porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, eles se casavam e elas se davam em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, 39 e não se deram conta, senão quando veio o dilúvio e os pegou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem. 40 Então, dois estarão no campo, um será levado junto173, o outro será deixado; 41 duas estarão a trabalhar no moinho, uma será levada junto, a outra será deixada. 42 Estai, portanto, vigilantes, já que não 1 6 0

As mães-religiões (mães-igrejas) do cristianismo − não têm o leite genuíno da Palavra para alimentar os filhos, e cairão com Babilônia. O que esta leva na mão, em Ap18:6 e em ilustrações artísticas da tradição romana, é o cálice abominável da mistura de falsas doutrinas com elementos da verdade. 1 6 1 Oramos, hoje, que a nossa fuga seja antes da grande tribulação, ou mesmo antes da tribulação. 1 6 2 Todos morreriam, nas guerras e calamidades. Alguns foram escolhidos para escapar à morte. 1 6 3 Haverá uma divisão drástica entre o 1º período da grande tribulação e o 2º da grande tribulação. Esta profecia pode referir-se, também, ao novo calendário que Deus estabeleceria, no início (ou pouco antes) da grande tribulação, quando ele determinaria alteração na rotação do planeta e na duração dos dias, conforme Ap8:12, Dn2:21. Ciclos de 360 dias. Doze meses de 30 dias de 16 horas. Sem ano solar. 1 6 4 Portanto, não só os profetas autênticos apresentam sinais e prodígios; também os falsos profetas. Os milagres, de per si, não abonam satisfatoriamente a doutrina. 1 6 5 Portanto, o sol escurecerá depois da tribulação, e antes da grande tribulação, conforme Joel 2:31. 1 6 6 As tribos da terra são as tribos de Israel, a Igreja, os santos da primeira classe (4ª manifestação). 1 6 7 A trombeta que desperta os mortos que, em tempo, se prepararam para a ressurreição da vida. 1 6 8 A segunda e última reunião dos escolhidos, quarenta e dois meses depois do Dia. 1 6 9 As portas que o Senhor abre para os seus escolhidos são três: antes das tribulações, antes da grande tribulação e no meio da grande tribulação. 1 7 0 Toda carne, física e mental, será eliminada. Passará o céu: a mente carnal, os antiespíritos, as instituições religiosas, os sistemas de filosofia humana e de pensamento religioso que não sirvam à verdade. Passará a terra: toda matéria molecular (corpos materiais), todas as instituições políticas, administrativas e sociais. Tudo o que se extingue é produto humano na capacidade da carne. A criação, que é obra de Deus, jamais passará, e permanece perfeita para sempre. A produção do espírito que trabalha na dependência do Espírito de Deus também permanece. O sistema de corrupção do céu e da terra é produto do homem-carne, projetado pela mente carnal. Este sistema é o mundo virtual, o mundosistema, o aparente. Os elementos do sistema são os elementos do mundo. Tudo o que é virtual, p.ex. empresas, demônios e igrejas, só existe no âmbito da mente humana, e tudo passará. 1 7 1 O céu e a terra passarão em certo dia e hora, mas ninguém sabe quando. 1 7 2 O dia e a hora ninguém sabe, quando se extinguem o céu e a terra. Com certeza, o céu e a terra passarão após 121 meses contínuos de tribulações. 1 7 3 Ser levado é assunção. Também ascensão. Toda assunção é da terra para a Terra, e não para o Céu. Os que são assuntos no Dia de Cristo são também glorificados naquele dia, na consciência celestial.


31

sabeis em que hora vosso Senhor chegará. 43 Mas atentai para isto: se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não permitiria arrombar sua casa. 44 Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá. 45 Quem é, enfim, o servo fiel e atento, a quem seu senhor confiou a responsabilidade da casa, para dar a cada um o sustento a seu tempo? 46 Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar procedendo assim. 47 Em verdade vos digo que lhe confiará todos os seus bens. 48 Mas se aquele mau servo disser no seu coração: meu senhor demora-se; 49 e passar a espancar seus companheiros, e a comer e beber com ébrios, 50 virá o senhor daquele servo em dia em que o não espera e em hora que não sabe, 51 e o cortará em dois174, lançando-lhe a parte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes. Mt 25. “Vigiai” 1

25: Então será o reino de Deus semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo. 2 Cinco dentre elas eram néscias175e cinco eram atentas. 3 As que eram néscias, ao tomarem as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; 4 as que eram atentas levaram azeite em suas vasilhas, juntamente com suas lâmpadas. 5 E, tardando o noivo, todas elas foram tomadas de sono e dormiram. 6 Mas, à meia-noite, ouviu-se clamarem: Eis que chega o noivo. Saí ao seu encontro! 7 Então se levantaram todas aquelas virgens e puseram-se a preparar suas lâmpadas. 8 As néscias disseram às atentas: Dai-nos azeite do vosso, que nossas lâmpadas apagam-se. 9 As atentas, porém, responderam: Não, porque poderia ser que não bastasse para nós e para vós; ide, antes, à venda e comprai-o. 10 E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta. 11 Mais tarde, chegaram as outras virgens, dizendo: Senhor, senhor, abre-nos a porta! 12 Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço 176. 13 Vigiai, pois, visto que não sabeis o dia nem a hora em que vem o Filho do Homem. 14 Ora, será como um homem que, estando para empreender uma viagem, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens. 15 A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um conforme a sua própria capacidade; então, partiu. 16 O que recebeu cinco talentos logo saiu a negociar com eles e ganhou outros cinco talentos. 17 Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. 18 Mas o que havia recebido um só, saindo, cavou a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor. 19 Depois de muito tempo, chegou177o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. 20 Aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou outros cinco talentos, e disse: Senhor, confiaste-me cinco talentos; aqui tens outros cinco talentos que ganhei com eles. 21 Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel178; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo de teu senhor. 22 Aproximando-se também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, dois talentos me confiaste; aqui tens outros dois que ganhei com eles. 23 Disse-lhe seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo de teu senhor. 24 Chegando, por fim, o que havia recebido uma 174

O povo de Deus será cortado em dois. Os fiéis serão glorificados; os desatentos, os devassos, os infiéis, os hipócritas e os que menosprezam a Verdade ficarão a ranger dentes na grande tribulação. Aí, cumpre-se a profecia de Dn 9:26: será cortado o Ungido. 175 São néscias (pouco inteligentes) por terem falsas noções induzidas pela tradição religiosa, a respeito da vinda de Cristo. Em consequência, não se preparam como convém. 176 As palavras ‘não vos conheço’ revelam que as cinco donzelas desatentas, apesar de sua expectativa em relação à vinda física do Senhor, não estarão suficientemente preparadas até ao dia da própria morte (todas adormeceram, logo todas terão falecido antes do Dia de Cristo). Elas, porém, estarão melhor preparadas do que muitos outros cristãos, para a tribulação dos quarenta e dois meses seguintes, no corpo de ressurreição da carne. Poderão entrar na boa Terra e ascender ao céu antes do dia da ira, com os que saírem vitoriosos da besta, com as duas testemunhas, e com os santos inocentes. 177 A prestação de contas se dará no dia de Cristo, quando o Senhor chega, manifestamente. 178 Seremos achados fiéis no Dia de Cristo se andarmos na Verdade nesta vida, negociando os recursos que o Senhor nos outorgou. Os cinco talentos que nos foram confiados para negociar: 1. Abundância – o Senhor Jesus esvaziou-se de sua condição celestial e fez-se pobre 2. Saúde e bem-estar – Jesus passou por intenso sofrimento redentor 3. Remissão de pecados e santificação – Jesus derramou todo o seu sangue sobre a terra 4. Paz e comunhão com Deus – Jesus sofreu a ilusão de solidão e desamparo 5. Vida eterna – Jesus morreu por mim. Quando o Senhor Jesus ressurgiu, confirmou estar consumada a redenção. Temos a responsabilidade de negociar os valores do Reino, para que se multipliquem na experiência humana.


3 2

unidade, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e que ajuntas onde não espalhaste, 25 receoso, saí para esconder o teu talento na terra; aqui tens o que é teu. 26 Respondeu-lhe, porém o seu senhor: Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei, e que ajunto onde não espalhei? 27 Devias ter depositado meu dinheiro junto aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu. 28 Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem os dez. 29 Porque a todo o que tem se lhe dará, e transbordará 179; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. 30 E quanto ao servo inútil, empurrai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes. 31 Quando vier180o Filho do Homem na sua glória, e todos os santos anjos181com ele, então se assentará no trono da sua glória; 32 e todas as gentes182serão reunidas em sua presença, e os separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; 33 e porá as ovelhas183à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; 34 então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai; tomai posse do reino184que vos está preparado desde a queda do mundo. 35 Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; 36 estava nu, e me vestistes; estava enfermo, e me visitastes; estava em prisão, e viestes ver-me. 37 Então lhe perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? 38 Quando foi que te vimos forasteiro e te acolhemos? Ou nu e te vestimos? 39 E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? 40 O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. 41 Então dirá ainda aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos185, para o fogo eterno186, preparado para o acusador e os seus anjos187. 42 Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; 43 Sendo forasteiro, não me acolhestes; quando estava nu, não me vestistes; enfermo e preso, não me visitastes. 44 Então eles também lhe perguntarão: Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou em prisão, e não se assistimos? 45 Aí lhes responderá: Em verdade vos digo que, em cada ocasião em que o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos, a mim deixastes de assistir. 46 E sairão estes para castigo188eterno, ao passo que os justos, para vida eterna189. Mt 26. O Sangue da Nova Aliança 1

26: Tendo Jesus concluído todos estes discursos, disse a seus discípulos: 2 Sabeis que daqui a dois dias se celebrará a Páscoa190; e o Filho do Homem será entregue para ser crucificado. 3 Foi então que os principais sacerdotes, os escribas e os anciãos do povo se reuniram no palácio do sumo sacerdote, chamado Caifás, 4 e deliberaram prender Jesus, à traição, e levá-lo à morte. 5 Mas diziam: Não durante a festa, para que não haja tumulto entre o povo. 6 Ora, achando-se Jesus em Betânia, em casa de Simão o leproso, 7 aproximou-se dele uma mulher trazendo um frasco de alabastro com unguento mui precioso, que lhe derramou sobre a cabeça, estando ele à mesa. 8 Vendo isto, aborreceram-se os seus discípulos e disseram: 1 7 9

E’ preciso vibrar com o sentimento de grandeza dos bens e valores que ele nos confia, e ser agradecidos. Se houver empenho e gratidão, haverá prosperidade e transbordamento. 1 8 0 Todo olho dos habitantes da terra o verá nesta vinda, sete tempos de 360 dias após o dia de Cristo. È a quinta manifestação do Senhor, a última na terra condenada. O fogo eterno tudo queimará. 1 8 1 Os santos anjos são os filhos de Deus, espíritos que estão no Céu. Se somos filhos de Deus no Céu, somos espíritos celestiais. 1 8 2 Todas as gentes são exclusivamente a classe dos santos, já que todos os comuns terão morrido, até poucos anos após o dia de Cristo (arrebatamento dos eleitos). 1 8 3 As ovelhas são os que, ao tempo da ira, arrependem-se e praticam misericórdia. 1 8 4 Aqui, no juízo das nações dos santos, o reino é o Eden (a Boa Terra). 1 8 5 Qualquer maldição ou condenação é escolha do indivíduo, em desafio da verdade. Deus a ninguém condena. Pelo fogo eterno, os obstinados têm experiência da misericórdia e, através dela, são levados à experiência da justiça e da liberação do corpo espiritual. Juízo eterno é juízo de salvação. 1 8 6 O fogo eterno não é condenação. É destruição da carne para liberação do espírito. Tudo o que é eterno é celestial. E todas as advertências são feitas ao povo de Deus; nenhuma aos outros. A condenação não vem diretamente pela Lei de Deus, mas através da lei do pecado e da morte – ver nota em Mc 16. 1 8 7 Os anjos, ou agentes, do acusador são os homens que, tendo sido santificados por Deus no princípio, na vida presente tomam posição com a falsidade, afrontando a verdade. Tais anjos são agentes humanos. 1 8 8 Este castigo removerá a carne empedernida. É eterno porque é pelo juízo de Deus, pelo fogo divino. 1 8 9 A Promessa da vida eterna, na terra. 1 9 0 Esta é a celebração em família, dias antes do sacrifício da páscoa no templo.


33

Para que esse desperdício? 9 Pois este unguento poderia ser vendido por muito dinheiro, e este se daria aos pobres. 10 Sabendo disto, Jesus lhes disse: Por que molestais esta mulher? Ela praticou boa ação para comigo. 11 Porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes; 12 pois, derramando este unguento sobre o meu corpo, ela o fez para o meu sepultamento. 13 Em verdade vos digo: Onde for pregado em todo o mundo este evangelho, será também relatado o que ela fez, para memória sua. 14 Então, um dos doze, chamado Judas Iscariotes, indo ter com os principais dos sacerdotes, 15 disse: Que me quereis dar, para que eu vo-lo entregue? Aí lhe ofereceram trinta peças de prata. 16 E, desde então, ele procurava ocasião para entregá-lo. 17 No primeiro dia dos ázimos191, vieram os discípulos a Jesus e lhe perguntaram: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa? 18 Ele disse: Ide à cidade, à casa de um tal, e dizei-lhe: O Mestre manda dizer – o meu tempo está prestes; em tua casa celebrarei a Páscoa com os meus discípulos. 19 Eles agiram como Jesus lhes determinara e fizeram os preparativos. 20 Caindo a tarde, pôs-se ele à mesa com os doze. 21 E, enquanto comiam, ele lhes falou: Em verdade vos digo que um dentre vós vai trair-me. 22 E eles, muito entristecidos, começaram, um por um, a perguntar-lhe: Acaso sou eu, Senhor? 23 E ele respondeu: O que comigo mete a mão no prato, esse me entregará. 24 O Filho do Homem vai, segundo está escrito a seu respeito, mas ai daquele por intermédio de quem o Filho do Homem é entregue! Melhor lhe fora não haver nascido! 25 Aí Judas, que o traía, replicou: Acaso sou eu, Rabbí? Ele lhe disse: Tu o disseste. 26 Enquanto comiam, tomou Jesus um pão e, após bendizer, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo192. 27 E, tomando o cálice, deu graças e o passou a eles, dizendo: Bebei dele todos; 28 porque isto é o meu sangue da nova aliança193, que é derramado por causa de muitos, para remissão de pecados. 29 Eu vos digo que, a partir desta hora, não mais beberei deste produto da videira, até aquele dia em que o hei de beber, novo, convosco no reino de meu Pai. 30 Aí, após cantar um hino, saíram para o monte das Oliveiras. 31 Então, Jesus lhes disse: Todos vós vos escandalizareis comigo esta noite; porque está escrito: ferirei o pastor, e ficarão dispersas as ovelhas do rebanho. 32 Mas depois de ressurgir irei de vós ao diante para a Galileia. 33 Replicou-lhe Pedro: Ainda que todos de ti se escandalizem, eu jamais me escandalizarei. 34 Jesus lhe disse: Em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, tu me negarás três vezes. 35 Disse-lhe Pedro: Ainda que eu tenha de morrer contigo, não te negarei. E todos os discípulos disseram o mesmo. 36 Em seguida, Jesus foi com eles a um lugar chamado Getsêmane e disse aos discípulos: Sentai-vos aqui, enquanto eu vou ali orar; 37 e, levando consigo a Pedro e aos dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e angustiar-se. 38 Então lhes disse: Minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai comigo. 39 Adiantando-se um pouco, prostrou-se sobre o seu rosto, a orar e a dizer: Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice. Todavia, não seja como eu quero, senão como tu queres.40 Voltando para os discípulos, achou-os a dormir; e disse a Pedro: Então não pudestes vigiar por uma hora comigo? 41 Vigiai e orai, para que não entreis em provação; o espírito está pronto, mas a carne194está enferma195. 42 Retirou-se por segunda vez e orou de novo, dizendo: Meu Pai, se não é possível passar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade. 43 Voltando, achou-os outra vez a dormir, porque os olhos deles estavam pesados. 44 Deixandoos novamente, foi orar pela terceira vez, e dizia as mesmas palavras. 45 Voltou aonde estavam 191

Segunda-feira, 12 Nissan O Senhor não introduz um ritual, nem uma transformação, e sim uma revelação. Quando comemos, toda comida é a carne do Filho do Homem, o pão da vida. Nada é o que parece, nem como aparece no mundo, pois estamos no Reino de Deus, o mesmo que o Reino dos Céus. Jesus bendisse o Pai, agradeceu, e ensinou aos discípulos que o pão é o corpo. Não só o pão daquele dia, mas o pão nosso de cada dia. O pão aparente não serve para nada (Jo6:63). O pão escondido (físico-espiritual) é que sustenta a vida. A realidade aparente não é realidade. 193 Quando bebemos, toda bebida é o sangue do Filho do Homem, o cálice da bênção. Não estamos na aliança da carne, e sim na aliança do espírito. Nosso corpo, assim como o corpo do Senhor, é espiritual, sem deixar de ser físico. Na nova aliança, também a comida, sem deixar de ser física, é espiritual. No reino de Deus, tudo é espiritual, inclusive o universo físico. 194 O espírito é o homem interior. A carne é o homem exterior. 195 A vida na carne não passa de um sonho. Vigiar é observar a vida psico-física como em sonho, como quem sabe que está a sonhar, e ficar atento à verdade revelada. Concretamente, não temos outra vida senão a vida divina. A morte psico-física é possível, mas não é necessária, nem é pessoal. A extinção da carne é necessária, mas pode ser por transformação sem morte. 192


3 4

seus discípulos e lhes disse: Continuais a dormir e repousais! Eis que chega a hora em que o Filho do Homem é entregue às mãos de pecadores. 46 Levantai-vos, vamos! Aproxima-se aquele que me trai. 47 Falava ele ainda, quando Judas (um dos doze) chegou, e, com ele, grande turba com espadas e paus, vinda da parte dos principais sacerdotes e dos anciãos do povo. 48 Ora, o traidor lhes tinha dado este sinal: Aquele a quem eu beijar, é esse; prendei-o. 49 E logo, aproximando-se de Jesus, lhe disse: Salve, Rabbí! E o beijou. 50 E Jesus lhe disse: Amigo, a que vens? Nisto, eles se adiantaram, deitaram mãos em Jesus e o prenderam. 51 Eis que um dos que estavam com Jesus estendeu a mão e, puxando da espada, golpeou o servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha. 52 Então Jesus lhe disse: Embainha tua espada; pois todos os que lançam mão da espada pela espada perecerão. 53 Ou pensas que eu não posso rogar agora mesmo a meu Pai que me mande mais de doze196legiões de anjos? 54 Como então se cumpririam as escrituras, segundo as quais assim deve acontecer? 55 Naquela hora, Jesus assim falou à turba: Como a ladrão saístes a prender-me com espadas e paus? A cada dia eu me assentava diante de vós, a ensinar no templo, e não me prendestes. 56 Tudo isto, porém, sucedeu para que se cumprissem as escrituras dos Profetas. Então os discípulos todos, deixando-o, fugiram. 57 E os que prenderam a Jesus o levaram à casa de Caifás, o sumo sacerdote, onde se haviam reunido os escribas e os anciãos. 58 Mas Pedro o estava seguindo de longe até o palácio do sumo sacerdote e, tendo entrado no pátio, sentou-se entre os servidores, para ver o fim. 59 Ora, os principais sacerdotes, os anciãos e todo o sinédrio estavam a procurar algum testemunho falso contra Jesus, a fim de o fazerem morrer; 60 e não acharam. Conquanto várias falsas testemunhas se apresentassem, não acharam. 61 Por fim, compareceram duas testemunhas falsas, a dizer: Este afirmou – posso destruir o santuário de Deus e reedificá-lo em três dias. 62 E, levantando-se o sumo sacerdote, disse-lhe: Nada respondes ao que estes depõem contra ti? 63 Jesus, porém, guardou silêncio. E o sumo sacerdote, insistindo, lhe disse: Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Ungido, o Filho de Deus. 64 Disse-lhe Jesus: É como disseste; entretanto, eu vos declaro que, desde agora, vereis o Filho do Homem assentado à destra do Poder e vindo sobre as nuvens do céu. 65 Então, o sumo sacerdote rasgou as vestes, dizendo: Blasfemou! Que necessidade temos ainda de testemunhas? Eis que acabais de ouvir a blasfêmia! 66 Que vos parece? Respondendo disseram: É réu de morte! 67 Então, uns lhe cuspiram no rosto e lhe deram murros, outros o estapearam, 68 a dizer: Profetiza-nos, ó Ungido, quem é que te bateu! 69 Enquanto isso, Pedro estava sentado fora no pátio; e, aproximando-se, uma criada lhe disse: Também tu estavas com Jesus, o galileu. 70 Ele, porém, o negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes. 71 Saindo ele para o alpendre, outra o viu e disse aos que ali estavam: Este também estava com Jesus, o Nazareno. 72 E ele negou outra vez, com juramento, que conhecesse o homem. 73 Logo depois os circunstantes, chegando-se, disseram a Pedro: Realmente és também um deles, porque o teu modo de falar o deixa claro. 74 Então começou a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem! E, imediatamente, o galo cantou. 75 E Pedro se lembrou da palavra que Jesus lhe tinha dito: Antes que o galo cante, negar-me-ás três vezes; e, saindo dali, chorou amargamente. Mt 27. Crucificado 1

27: Ao romper o dia, todos os principais dos sacerdotes e os anciãos do povo entraram em conselho contra Jesus, para o fazerem morrer; 2 e o levaram amarrado para entregá-lo ao governador Pôncio Pilatos. 3 Por esse tempo, Judas, o que o entregou, depois que viu ter sido ele condenado, sentiu remorsos e veio devolver as trinta moedas de prata aos principais dos sacerdotes e aos anciãos, 4 e disse: Pequei, entregando sangue inocente! Responderam eles: Que nos importa? Isso é contigo. 5 E Judas, atirando as peças de prata no santuário, retirou-se. E foi enforcar-se. 6 E os principais dos sacerdotes, recolhendo as peças de prata, disseram: Não é lícito depositá-las no cofre das ofertas, pois são preço de sangue. 7 E, após deliberação em conselho, compraram com elas o campo do oleiro197, para cemitério de estrangeiros. 8 Por isso, aquele campo passou a chamar-se, até hoje, Campo de Sangue. 9 Foi nesse episódio que se cumpriu o que foi dito por intermédio do profeta Jeremias: e tomaram as trinta peças de prata, a avaliação do avaliado, daquele que os filhos de Israel avaliaram, 10 e 1 9 6 1 9 7

Os querubins podem ser mais de doze bilhões, talvez menos de treze bilhões. O mesmo campo comprado por Jeremias séculos antes.


35

as deram pelo campo do oleiro, conforme me ordenou o Senhor. 11 Jesus se pôs na presença do governador, e este o interrogou, e disse: És tu o rei dos judeus? Jesus lhe respondeu: Tu o dizes. 12 E, no que era acusado pelos principais dos sacerdotes e pelos anciãos, nada contestou. 13 Então, lhe perguntou Pilatos: Não ouves quanto depoimento se faz contra ti? 14 Jesus não lhe respondeu uma palavra sequer, o que levou o governador a admirar-se sobremodo. 15 Ora, por ocasião da festa, era costume que o governador soltasse, para o povo, um dos presos, conforme quisessem. 16 Nessa ocasião, tinham eles um preso muito conhecido, por nome Barrabás. 17 Estando eles, pois, reunidos, Pilatos assim lhes falou: A quem quereis que eu vos solte, a Barrabás ou a Jesus, chamado Cristo? 18 Ora, ele sabia que o tinham entregado por inveja. 19 Enquanto ele estava assentado no tribunal, sua mulher mandou dizer-lhe: Não te envolvas com esse justo, porque muito padeci hoje, em sonho, por causa dele. 20 Entretanto, os principais sacerdotes e os anciãos persuadiram a multidão a que pedisse Barrabás e que a Jesus fizesse perecer. 21 O governador tomou a palavra e disse: Qual dos dois quereis que eu vos solte? Responderam eles: Barrabás! 22 Pilatos lhes falou: Que farei, então, de Jesus, chamado Cristo? Todos lhe responderam: Seja crucificado! 23 O governador disse: Que mal fez ele? Eles gritavam cada vez mais, dizendo: Seja crucificado! 24 Vendo Pilatos que nada conseguia, e, ainda, um tumulto se formava, mandou vir água e, lavando as mãos perante a multidão, disse: Estou inocente do sangue deste justo; fique o caso convosco. 25 E o povo todo respondeu: Caia sobre nós o seu sangue, e sobre nossos filhos! 26 Então, Pilatos soltou Barrabás e, após fazer que Jesus fosse flagelado, entregou-o para ser crucificado 198. 27 Aí os soldados do governador, levando Jesus para o pretório, reuniram em torno dele todo o bando. 28 Despojando-o das vestes, cobriram-no com um manto escarlate; 29 tecendo uma coroa de espinhos, aplicaram-na a sua cabeça, e lhe puseram um caniço na mão direita. Ajoelhando-se diante dele, diziam-lhe, zombando: Salve, rei dos judeus! 30 E, cuspindo nele, tomaram o caniço e batiam-lhe na cabeça. 31 Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe o manto e o vestiram com as próprias vestes. Então o levaram para ser crucificado. 32 Ao saírem, encontraram um cireneu, chamado Simão, a quem obrigaram a carregar-lhe a cruz. 33 Chegados a um lugar chamado Golgotha, que significa Lugar da Caveira, 34 deram-lhe a beber vinagre misturado com fel; mas ele, provando-o, não o quis beber. 35 Após crucificá-lo, repartiram entre si as suas vestes, lançando a sorte (para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta: repartiram entre si as minhas vestes, e sobre meu traje lançaram sortes). 36 E ali, assentados, ficaram a montar guarda. 37 Puseram, acima de sua cabeça, a sua acusação por escrito: Este é Jesus, o Rei dos Judeus. 38 Junto com ele foram crucificados dois ladrões, um à direita, outro à esquerda. 39 Os que iam passando blasfemavam dele, meneando a cabeça 40 e dizendo: Tu, que destróis o santuário e em três dias o reedificas – salva-te a ti mesmo; se és Filho de Deus, desce da cruz! 41 De igual modo, os principais dos sacerdotes, com os escribas e anciãos, escarnecendo, diziam: 42 A outros salvou, a si mesmo não pode salvar-se. Se é rei de Israel, que desça agora da cruz, e acreditaremos nele. 43 Confiou em Deus; que o livre agora, se por ele se interessa; porque disse: sou Filho de Deus. 44 E até os ladrões crucificados junto com ele o insultavam. 45 Desde a hora sexta houve trevas sobre toda a terra, até à hora nona199. 46 Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Elí, Elí, Lamá Sabactaní? (isto é: Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste 200?) 47 Alguns dos circunstantes, ouvindo-o, diziam: Ele chama por Elias. 48 E, logo, um deles correu a buscar uma esponja, embebeu-a em vinagre, fixou-a numa cana e deu-lhe a beber. 49 Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo. 50 E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito201. 51 E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; tremeu a terra e fenderam-se as rochas. 52 Abriram-se os sepulcros, – e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados 53 e, saindo dos túmulos – depois da ressurreição dele, – entraram na cidade santa e apareceram a muitos. 54 O centurião e os que com ele guardavam a Jesus, percebendo o tremor de terra e os 198

Pilatos o entregou aos sacerdotes na terça-feira. Jesus foi crucificado conforme a Lei de Israel. A hora sexta é antes do meio-dia. A hora nona é antes das três da tarde. 200 Deus não o abandonou, mas Jesus, para nos salvar da perdição, tomou sobre si a ilusão de estar privado da presença de Deus. 201 Aqui, o espírito é o fôlego da vida. 199


3 6

demais fatos, ficaram tomados de grande temor e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus. 55 Achavam-se ali muitas mulheres, observando de longe; eram as que vinham seguindo a Jesus desde a Galileia, e que o serviam; 56 entre elas estavam Maria Magdalena, Maria que era mãe de Tiago e de José 202, e a mulher de Zebedeu. 57 Caindo a tarde, veio um homem rico de Arimateia, chamado José, que também era discípulo de Jesus. 58 Este foi ter com Pilatos e dele requisitou o corpo de Jesus. Então Pilatos autorizou a entrega do corpo. 59 E José, tomando o corpo, envolveu-o num lençol limpo de linho 60 e o depositou no seu túmulo novo, que havia cavado na rocha; e, rolando uma grande pedra para a entrada do sepulcro, retirou-se. 61 Estavam ali Maria Magdalena e a outra Maria203, sentadas em frente ao sepulcro. 62 No dia seguinte, que é o dia depois da preparação, os principais sacerdotes e os fariseus apresentaram-se, juntos, a Pilatos 63 e lhe disseram: Senhor, lembramo-nos de que aquele embusteiro, quando vivo, disse: Depois de três dias eu ressuscito. 64 Ordena, pois, que o túmulo seja guardado com segurança até o terceiro dia, não suceda virem de noite seus discípulos, roubarem-no e dizerem ao povo: ressuscitou de entre os mortos; e será o último embuste pior que o primeiro. 65 Disse-lhes Pilatos: Vós tendes a guarda; ide guardá-lo como sabeis. 66 Indo eles, puseram guarda ao sepulcro, depois de selarem a pedra. Mt 28. Ressuscitado 1

28: No findar dos sábados, ao entrar o primeiro dia da semana, Maria Magdalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. 2 E eis que houve forte tremor de terra; porque um anjo do Senhor desceu do céu, chegou-se, rolou da entrada aquela pedra e assentou-se sobre ela. 3 Era o seu aspecto como um relâmpago, e a sua indumentária, alva como a neve. 4 De medo dele, os guardas estremeceram, e ficaram como mortos. 5 Mas o anjo, dirigindo-se às mulheres, disse: Não temais, pois sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. 6 Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito. Vinde ver o lugar onde jazia o Senhor. 7 Ide depressa dizer aos seus discípulos que ele foi ressuscitado de entre os mortos e que vai adiante de vós para a Galileia; ali o vereis. É como vos digo. 8 Partiram elas pressurosas do sepulcro, tomadas de temor e de grande alegria, e correram a anunciá-lo aos discípulos dele. 9 Quando estavam indo levar a notícia aos discípulos, eis que Jesus veio ao encontro delas, dizendo: Salve! E elas, acercando-se, abraçaram-lhe os pés e o adoraram. 10 Então Jesus lhes disse: Não temais! Ide avisar a meus irmãos que se dirijam à Galileia e lá me verão. 11 Enquanto elas iam, eis que alguns da guarda foram à cidade e relataram aos principais dos sacerdotes os fatos em geral. 12 Re un i do seles em conselho com os anciãos, tomaram bastante dinheiro e o deram aos soldados, 13 recomendando-lhes: Haveis de dizer que vieram os discípulos dele de noite, enquanto dormíeis, e o roubaram; 14 caso isto chegue ao conhecimento do governador, nós o convenceremos, e para vós não haverá problemas. 15 Eles, recebendo o dinheiro, fizeram como foram instruídos. Esta versão propagou-se entre os judeus até hoje. 16 Andaram os onze discípulos para a Galileia, para o monte que Jesus lhes 17 designara. E, quando o viram, prostraram-se diante dele; mas houve quem vacilasse. 18 Tendo Jesus vindo a eles, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra204. 19 Portanto205, indo, discipulai todas as gentes, batizando-as em o nome que é o Pai do Filho e do Espírito Santo206, 20 ensinando-as a guardar todas as coisas que vos ordenei207. E eis que estou convosco todos os dias208até à consumação da era. Amém. 2 0 2 2 0 3

Ver Mt 13:55

A outra Maria era a mãe de Tiago, Simão, Judas, José e Jesus (e de todas as irmãs). 2 0 4 Tudo o que Jesus Cristo afirma que ele é e possui, ele o afirma para que tu saibas que és igual a ele (Jo 1:16). 2 0 5 ‘portanto’ indica relação entre ‘autoridade’ e ‘discipulai’ − toda autoridade é dada, não só na terra (no ambiente físico e social) mas também no céu (na dimensão espiritual), aos discípulos que anunciam fielmente o Evangelho. Temos a autoridade que os escribas (Mt 7:29) não têm. 2 0 6 O Nome é um só: Senhor Jesus Cristo. O Pai é Senhor Jesus, o Filho é Jesus Cristo, o Espírito Santo é Cristo Jesus. 2 0 7 Ensinar não é doutrinar. Doutrinar é ensinar doutrinas. Quem ensina doutrinas impõe conceitos e dogmas, introduz preceitos e ameaças de maldição (Mt 15:9). O ensino conforme a ordem de Jesus é revelação da verdade salvadora, com exclusiva pregação do Evangelho. Neste, não há imposições. 2 0 8 O Senhor fica a trabalhar, hoje, com os discípulos que cá estão. Se tu és discípulo, ele está em ti fisicamente, e o corpo da tua carne é manifestação do corpo espiritual de Cristo.


37

O SANTO EVANGELHO SEGUNDO MARCOS 1. “Arrependei-vos e Crede no Evangelho” 1

1: Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. 2 Conforme está escrito nos profetas: Eis que envio o meu mensageiro ante a tua face, o qual virá preparar o caminho para ti. 3 Voz do que clama no deserto: Deixai pronto o caminho de Yahveh 209, endireitai as suas veredas. 4 Apareceu João Batista no deserto, a pregar batismo de arrependimento para remissão de pecados. 5 Saía a ter com ele toda a província da Judeia e bem assim os habitantes de Jerusalém, e eram todos batizados por ele no rio Jordão, enquanto confessavam os seus pecados. 6 João se vestia de pelos de camelo e de uma cinta de couro; alimentava-se de gafanhotos e de mel silvestre. 7 Proclamava esta mensagem: Vem após mim aquele que é mais forte do que eu, ante o qual não sou digno de curvar-me para lhe desatar a correia das sandálias; 8 eu vos tenho batizado em água; ele, porém, vos batizará em Espírito Santo. 9 Naqueles dias, veio Jesus de Nazaré da Galileia, e foi por João batizado no Jordão. 10 Logo que saiu da água, viu rasgarem-se os céus, e viu o Espírito Santo, como uma pomba, descer sobre ele. 11 E uma voz se fez ouvir desde os céus: Tu és meu Filho bem-amado, estou satisfeito contigo. 12 E logo o Espírito o impeliu para o deserto. 13 Aí no deserto permaneceu por quarenta dias, sendo tentado por satanás; estava com as bestas-feras, e os anjos o serviam. 14 Depois que João foi encarcerado, dirigiu-se Jesus à Galileia, a pregar o evangelho do reino de Deus. 15 Assim falava: O tempo se completou, e é chegado o reino de Deus 210; arrependei-vos211e crede no evangelho212. 16 Caminhando junto ao mar da Galileia, viu os irmãos Simão e André, que, sendo pescadores, lançavam rede ao mar. 17 Disse-lhes Jesus: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de gente. 18 Então eles deixaram imediatamente suas redes para acompanhálo. 19 Pouco mais adiante, viu Tiago de Zebedeu e seu irmão João, que estavam no barco a consertar as redes. 20 E logo os chamou. Deixando no barco a seu pai Zebedeu com os empregados, foram eles seguindo após Jesus. 21 Então, entraram em Cafarnaum e, ali, logo passou a ensinar na congregação aos sábados. 22 Assombravam-se da sua doutrina, porque os ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas. 23 Apareceu na congregação um homem com espírito imundo, o qual bradou: 24 Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para perder-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus! 25 E Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te, e sai dele! 26 O espírito imundo, agitando-o violentamente e bradando em alta voz, dele saiu. 27 Todos se maravilharam, a ponto de perguntarem entre si: Que vem a ser isto? Que doutrina nova é esta, em que ele mostra autoridade e dá comando a espíritos imundos, e estes lhe obedecem! 28 Logo se lhe espalhou a fama em todas as direções, em torno da Galileia. 29 Uma vez tendo saído da congregação, dirigiram-se à casa de Simão e André, junto com Tiago e João. 30 A sogra de Simão achava-se acamada com febre; e logo disseram isso a ele. 31 Ele veio e a fez levantar-se, tomando-a pela mão; de imediato a febre a deixou, e ela passou a servi-los. 32 Ao cair da tarde, quando se punha o sol, estavam a trazer-lhe todos os doentes e endemoninhados. 33 E a cidade toda se aglomerava diante da porta. 34 Ele curou a muitos, que estavam afligidos de moléstias diversas, e ainda expulsou muitos demônios, não permitindo que os demônios falassem, dado que o reconheciam. 35 De manhã cedo, quando ainda estava escuro, ele saiu e foi para um lugar ermo. Ali ficou a orar. 36 Simão e seus companheiros 209

D E D I YHVH no Hebraico do profeta citado; onde se lê Yahveh (Yavé), pode-se pronunciar Adonai, ou o Senhor, ou o Kýrios, designações autorizadas que substituem o Nome. 210 primeiro ensinamento: os temas de ensino são a vida, o reino e a vontade de Deus; e o evangelho, que é a verdade dos fatos, é a pregação exclusiva, e consiste nas boas-novas da vida no reino de Deus; a vontade de Deus, que, precisamente, é a felicidade do homem, realiza-se por meio do evangelho. 211 O arrependimento é a primeira atitude de obediência. Individualmente, o homem-alma – por exemplo, maria-alma, ou pedro-alma – tem, nesta era, consciência de carne, e não de espírito. Quando recebe o dom do arrependimento e se converte, a pessoa deixa de guiar-se pela mente carnal e pelo pensamento limitado e tacanho do mundo psíquico, passando a buscar a direção do espírito, que é a pessoa interior do coração, a verdadeira identidade eterna, perfeita e ilimitada. Esta, por sua vez, é conduzida pelo Espírito de Cristo. Então, os mistérios do reino dos céus lhe são revelados. Assim vai sendo elevado o nível de nossa consciência, e vamos sendo transformados, fisicamente, à forma do protótipo do Cristo. 212 primeira instrução (e o Mandamento): o tema de instrução é sempre a prática da fé, com santificação.


3 8

correram a buscá-lo; 37 encontrando-o, disseram-lhe: Todos andam a tua procura. 38 E ele assim lhes falou: Vamos às localidades que estão ao nosso alcance, para pregar também ali, pois para isso vim213de onde vim. 39 E ia pregando nas congregações deles, por toda a Galileia, e expulsava os demônios. 40 Aproximou-se um leproso, que começou a suplicar e se ajoelhou diante dele, a dizer: Se queres, podes purificar-me. 41 Enternecido, Jesus estendeu a mão, tocou-o e lhe disse: Quero, fica limpo! 42 Assim que ele falou, imediatamente lhe desapareceu a lepra, e ficou limpo. 43 Fazendo-lhe estrita recomendação, logo o despediu 44 dizendo: Olha, não digas nada a ninguém; só vai mostrar-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação aquilo que Moisés preceituou, o que lhes será por testemunho. 45 Saindo esse, porém, entrou a propalar muitas coisas e a espalhar a notícia, de sorte que ele já não podia entrar publicamente numa cidade, mas ficava fora, em lugares ermos; e de toda parte vinham ao seu encontro. Mc 2. Vinho Novo se Põe em Odres Novos 2:1 Ele voltou a Cafarnaum dias depois, e soube-se que estava em casa. 2 Muitos para ali logo afluíram, e tantos eram que faltou espaço diante da porta; e lhes dirigia a palavra. 3 Foram alguns ter com ele conduzindo um paralítico, levado por quatro homens. 4 E, não podendo aproximar-se, por causa da multidão, descobriram o eirado no ponto onde ele estava, e, feita uma abertura, baixaram o leito em que jazia o paralítico. 5 Vendo-lhes Jesus a fé, disse ao paralítico: Filho, estás perdoado dos teus pecados. 6 Estavam ali sentados alguns dos escribas, que criticavam em seus corações: 7 Como fala ele dessa maneira? Está a blasfemar. Quem pode perdoar pecados, senão um só, que é Deus? 8 E Jesus, percebendo logo em seu espírito que assim arrazoavam interiormente, disse-lhes: Por que assim arrazoais em vossos corações? 9 Que será mais fácil? Dizer: estás perdoado dos pecados – ou dizer: levanta-te, toma o teu leito e anda? 10 Ora, para que saibais que o Filho do Homem214tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados – falou ao paralítico: 11 Eu te digo – Levanta-te, toma o teu leito e vai para casa. 12 Ele se levantou imediatamente, pegou o leito e retirou-se à vista de todos, de sorte que todos se assombraram e glorificaram a Deus, a dizer: Jamais vimos coisa semelhante! 13 E saiu outra vez para a beira-mar, e toda a multidão vinha a ele, que então os ensinava. 14Quando passava, viu a Levi, o de Alfeu, sentado na coletoria, e disse-lhe: Segueme! Ele se levantou e o seguiu. 15 Achando-se ele à mesa na casa do mesmo, vários publicanos e pecadores compartilhavam a refeição com Jesus e seus discípulos, porque muitos deles o seguiam. 16 Os escribas e fariseus, vendo-o comer em companhia dos publicanos e pecadores, diziam aos discípulos dele: Por que ele come e bebe com os publicanos e pecadores? 17 Tendo Jesus ouvido isto, assim lhes falou: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento. 18 Ora, os discípulos de João e os fariseus jejuavam. Vieram alguns e lhe falaram: Por que motivo os discípulos de João e os dos fariseus costumam jejuar, porém os teus discípulos não jejuam? 19 Disse-lhes Jesus: Acaso podem os companheiros de bodas jejuar enquanto o noivo está com eles? Durante o tempo em que eles têm consigo o noivo, não podem jejuar. 20 Dias virão, entretanto, em que lhes será tirado o noivo, e serão esses os dias em que hão de jejuar. 21 Ninguém cose um remendo de pano novo em roupa velha, para que a peça nova não repuxe a veste velha de maneira que o rasgo seja maior. 22 Ninguém põe vinho novo em odres velhos, para que o vinho não rompa os odres de modo que o vinho se derrame e os odres se percam. Vinho novo se põe em odres novos 215. 23 Veio a suceder que ele passava, em dia de sábado, pelas plantações, e os seus discípulos puseram-se a abrir caminho e apanhar as espigas. 24 E os fariseus lhe disseram: Vê! Por que fazem em dia de sábado o que não é lícito? 25 E ele lhes falou: Nunca lestes o que fez Davi, quando se viu em necessidade e teve fome, ele com seus companheiros? 26 Como entrou na casa de Deus, no tempo do sumo sacerdote Abiatar, e comeu os pães da proposição, os quais não é lícito comer, senão aos sacerdotes, e os deu também aos que estavam com ele? 27 E falou2 1 3

Jesus disse "Eu venho do Pai e volto para o Pai, eu estou no Pai e o Pai está em mim; tudo o que o Pai tem é meu" (Jo VIII, XIV, XVI) – Não para promover a sua própria individualidade ou divindade, mas a fim de elevar a nossa consciência ao nível da sua própria consciência. 2 1 4 Esta declaração de Jesus não é para promover a si mesmo, e sim promover a nossa boa consciência, a consciência dos filhos-do-homem, os quais são filhos do Altíssimo. Filhos-do-homem = filhos de mulher. 2 1 5 Quando o Senhor falava em odres, referia-se a indivíduos do povo de Deus.


39

lhes: O sábado foi criado por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; sorte que o Filho do Homem é senhor também do sábado.

28

de

Mc 3. “Eis Minha Mãe e Meus Irmãos” 1

3: De novo entrou na casa de congregação, e estava ali um homem que tinha a mão ressequida. 2 E havia os que o observavam para ver se o curaria em dia de sábado, de modo que o pudessem acusar. 3 Ele disse ao homem da mão ressequida: Fica em pé no meio. 4 Disse a eles: É lícito, nos sábados, fazer bem, ou fazer mal? Salvar uma alma, ou matar? Eles ficaram calados. 5 Olhando em torno, dirigiu-lhes um olhar irado, ao mesmo tempo condoído com a dureza do seu coração, e disse ao homem: Estende tua mão. Ele a estendeu, e a mão lhe foi restaurada, tão sã quanto a outra. 6 Saindo dali os fariseus, logo entraram em conspiração junto com os herodianos contra ele, a tramar para tirar-lhe a vida. 7 E Jesus se retirou com seus discípulos para as bandas do mar. Numerosa multidão que era da Galileia o seguiu; vinham também da Judeia, 8 inclusive Jerusalém, e da Idumeia e da Transjordânia; ainda os procedentes dos arredores de Tiro e Sidom; era uma multidão grande que, ouvindo falar do que realizava, a ele acorria. 9 Disse a seus discípulos que deixassem um pequeno barco a sua disposição, por causa da multidão, para que esta não o apertasse. 10 É que ele curara a muitos, e daí o pressionavam, a buscar oportunidade de tocálo quantos padeciam flagelos. 11 Também os espíritos imundos, quando o viam, caíam ao chão diante dele e gritavam: Tu és o Filho de Deus! 12 E os conjurava severamente a que não o dessem a conhecer. 13 Subiu ao monte e chamou a si os que ele mesmo quis, e esses vieram para junto 14 dele. Designou doze para estarem em sua companhia e para os enviar a pregar, 15 tendo eles autoridade para curar as doenças e para expulsar os demônios. 16 Ele acrescentou a Simão o nome Pedro; 17 depois, Tiago de Zebedeu, e João, que era seu irmão; a estes apelidou Boanerges, isto é, filhos de trovão; 18 André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago de Alfeu, Tadeu, Simão o Zelote, 19 e Judas Iscariotes, que foi quem o entregou. Foram, então, para casa. 20 E de novo a multidão acorreu, a ponto de não poderem alimentar-se. 21 E, quando os seus tomaram conhecimento disso, saíram para levá-lo, pois diziam: Está fora de si. 22 Os escribas que haviam descido de Jerusalém estavam a dizer: Ele tem Belzebu, e é por virtude do maioral dos demônios que expulsa demônios. 23 Chamando-os para junto de si, falou-lhes por parábolas: Como pode satanás expelir a satanás?216 24 Se um reino está dividido contra si mesmo, tal reino não pode subsistir; 25 e se uma casa está dividida contra si mesma, tal casa não pode subsistir. 26 Então, se satanás se levantou contra si mesmo e está dividido, não pode subsistir, mas já tem o seu fim. 27 Ninguém pode entrar na casa do valente para saquear-lhe os bens, sem primeiro amarrá-lo; só então lhe saqueará a casa. 28 Em verdade vos digo que todos os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, e bem assim todas as blasfêmias que proferirem. 29 Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para além da era, e se faz réu de juízo eterno217. 30 Isto, porque diziam: Tem um espírito imundo. 31 Nisto, chegaram seus irmãos e sua mãe, e de fora mandaram chamá-lo. 32 Muita gente estava sentada em torno dele, e lhe disseram: Olha, ali fora estão tua mãe e teus irmãos, que te procuram. 33 Ele lhes respondeu, dizendo: Quem é minha mãe e meus irmãos? 34 E, correndo o olhar pelos que estavam sentados à volta, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. 35 Porquanto, se alguém faz a vontade de Deus218, esse é meu irmão, e irmã, e mãe. Mc 4. “Como é Que Não Tendes Fé” 1

4: Ele voltou a ensinar à beira-mar. Acorreu multidão numerosa, de modo que ele teve de entrar no barco que estava no mar; ali se assentou, e toda a multidão estava em terra, junto ao mar. 2 Ensinava-lhes muitas coisas em parábolas, e assim lhes falava em seu ensinamento: 3 Escutai. Eis que saiu o semeador a semear. 4 Estando ele a lançar a semente, uma parte caiu na beira do caminho; vieram as aves do céu e a comeram. 5 Outra caiu em solo 216

correção de conceitos (convicção) repreensão: para convicção e correção (de atitudes) – e tudo o que é eterno é celestial 218 Que é, a final de contas, a vontade de Deus? Nada mais, nada menos que a felicidade do homem. Tudo é para o homem, já que Deus não carece de nada para si mesmo, nem mesmo tem desejos. 217


4 0

pedregoso, onde a terra era pouca, e brotou depressa, mesmo por falta de profundidade na terra. 6 O sol, porém, saiu e a castigou; não tendo raiz, secou-se. 7 Outra parte caiu entre os espinhos; os espinhos cresceram e sufocaram-na, de maneira que não deu fruto. 8 A outra, enfim, caiu em boa terra e deu fruto que foi crescendo e aumentando, e produziu a trinta, a sessenta, e a cem. 9 E lhes dizia: Quem tem ouvidos para ouvir ouça219. 10 Quando a sós, os que estavam com ele e com os doze o interrogaram a respeito da parábola. 11 Assim lhes falou: A vós foi dado conhecer o mistério do reino de Deus220; aos de fora, porém, tudo se passa em parábolas, 12 para que, vendo, vejam e não percebam, de sorte que não venham a converter-se nem lhes sejam perdoados os pecados. 13 E disse-lhes: Se não compreendeis esta parábola, como podereis entender todas as parábolas? 14 O semeador semeia a palavra. 15 Uns estão na beira do caminho, e semeia-se neles a palavra; quando ouvem, logo vem satanás e tira a palavra que foi semeada em seus corações. 16 Outros, semeados em solo pedregoso, semelhantemente, ouvem a palavra e logo a recebem com alegria; 17 e estes, não tendo raiz em si mesmos, e sendo temporários, logo vêm a tropeçar, quando chega a tribulação ou perseguição por causa da palavra. 18 Outros ainda, os semeados no meio dos espinhos, são os que ouvem a palavra 19 mas, em vindo os cuidados da era presente, a sedução da riqueza e o desejo de outras coisas, sufocam a palavra, ficando ela infrutífera. 20 Os outros, enfim, que foram semeados na boa terra, ouvem e acolhem a palavra, a qual frutifica a trinta, a sessenta, e a cem.221 21 Disse-lhes também: Vem, porventura, a vela para ser posta debaixo do alqueire ou da cama? Não é para colocar-se no castiçal? 22 Pois nada está oculto, senão para que seja mostrado; e nada se esconde, senão para que venha a aparecer. 23 Se alguém tem ouvidos para ouvir, que ouça. 24 Disse-lhes ainda: Atentai no que ouvis. A medida com que medirdes vos será aplicada222, e ainda haverá acréscimo para vós que ouvis 223. 25 Pois ao que tem se lhe dará; e ao que não tem, até o que tem lhe será tirado 224. 26 E disse: Tal é o reino de Deus como se um homem lançasse a semente à terra, 27 e dormisse, e se levantasse, de noite e de dia, estando a semente a germinar e a alongar-se, sem saber ele como. 28 A terra por si mesma produz fruto: primeiro a erva, depois a espiga, por fim o grão cheio na espiga. 29 Quando o fruto está no ponto, mete-lhe logo a foice, porque é chegada a ceifa. 30 Disse mais: A que assemelharemos o reino de Deus? Ou com que parábola o apresentaremos? 31 É como um grão de mostarda que, quando é semeado na terra – sendo a menor de todas as sementes da terra, – 32 uma vez semeado, vem a crescer e a tornar-se maior do que todas as hortaliças e deita grandes ramos, a ponto que as aves do céu podem aninhar-se à sua sombra. 33 E em muitas parábolas tais lhes falava, conforme podiam entender. 34 E não lhes falava senão por parábolas; aos seus discípulos tudo explicava em particular. 35 E disse-lhes naquele dia, ao cair da tarde: Passemos para a outra banda. 36 E eles, despedindo a multidão, o levaram consigo, do modo como estava, no barco; e outras pequenas embarcações o acompanharam. 37 E formou-se grande vendaval, e as ondas se arremessavam contra o barco, de sorte que este já se enchia. 38 Ele estava na popa, a dormir sobre o travesseiro; eles o despertaram e lhe disseram: Mestre, não se te dá que pereçamos? 39 E ele, despertando, repreendeu o vento e disse ao mar: Quieto! Silêncio! E o vento serenou, e houve grande bonança. 40 Então, lhes disse: Por que estais amedrontados assim? Como é que não tendes fé?225 41 Eles ficaram tomados de grande temor, e diziam uns aos outros: Afinal, quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem? Mc 5. “Não Temas, Crê Somente” 2 1 9

O ensino de Cristo, em todos os livros das Santas Escrituras, não nos oferece doutrinas nem conceitos. É pura revelação. São poucos os que têm ouvidos para ouvir. Os que ouvem reconhecem que, em espírito, já sabem todas as coisas. 2 2 0 e g r e d od oRe i n od eDe u s . Também se traduz: Os 2 2 1 Parábolas são para instrução em sabedoria (de fé) e para conhecimento do juízo eterno, isto é, de Deus. 2 2 2 Cada um de nós é responsável pela medida que nos é aplicada. 2 2 3 Ouvir, ouvir, ouvir! Atentai! Esta ênfase denota a alta importância do que o Senhor nos diz! 2 2 4 E’ preciso vibrar com o sentimento do valor dos bens que nos foram confiados, e agradecer de coração. Se alguém determina uma baixa medida, não atribuindo alta valia à grandeza das bênçãos que Deus oferece, não haverá prosperidade, e até o que tem lhe será tirado. Não esqueçamos a promessa máxima: a promessa de vida eterna. 2 2 5 alerta para estarem atentos a instrução e correção de atitudes


41

5: 1 Havendo chegado ao outro lado do mar, ao território dos gadarenos, 2 assim que ele desembarcou, veio do cemitério ao seu encontro um homem com espírito imundo, 3 o qual vivia entre os túmulos, e nem mesmo com cadeias alguém podia prendê-lo; 4 porque frequentemente fora amarrado com correntes e grilhões, mas ele quebrara as correntes e despedaçara os grilhões, e ninguém podia domá-lo. 5 E, sem descanso, noite e dia, andava pelas montanhas e pelos túmulos, gritando e ferindo-se com pedras. 6 Quando de longe viu a Jesus, veio correndo e ante ele se prostrou, 7 a clamar em alta voz: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te por Deus que não me atormentes! 8 Porque lhe estava dizendo: Espírito imundo, sai desse homem! 9 E perguntou-lhe: Qual é o teu nome? Respondeu ele: Legião é o meu nome, que somos muitos. 10 E com insistência lhe rogou que não os mandasse para fora do país. 11 Ora, estava ali a pastar pelo monte uma grande vara de porcos. 12 E todos os demônios lhe fizeram um pedido, dizendo: Manda-nos aos porcos para que entremos neles. 13 Jesus logo o permitiu; saíram os espíritos imundos e entraram nos porcos, e a manada se atirou no precipício para dentro do mar; eram cerca de dois mil, que no mar se afogaram. 14 Os porqueiros fugiram e espalharam a notícia na cidade e pelos campos, e o povo saiu para ver o que se passava. 15 Chegados aonde Jesus estava, viram o endemoninhado, agora sentado, vestido, atento, o mesmo que tivera a legião, e ficaram com medo. 16 Os que haviam presenciado os fatos relataram a eles o que se dera com o endemoninhado, e o caso dos porcos. 17 Entraram, então, a rogar-lhe que se retirasse do seu território. 18 Ao entrar ele no barco, aquele que tivera demônio suplicava-lhe que o deixasse ficar com ele. 19 Jesus não deixou, mas disse-lhe: Vai para casa, para os teus. Anuncia-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve misericórdia de ti. 20 E ele foi e começou a proclamar em Decápolis tudo o que Jesus lhe fizera; e todos se maravilhavam. 21 Tendo Jesus feito a travessia no barco, voltando à outra margem, afluiu a ele grande multidão; e se deteve à beira-mar. 22 E eis que se aproximou um dos dirigentes de congregação, por nome Jairo, que, ao vê-lo, caiu a seus pés. 23 Súplice, lhe pediu: Minha filhinha está para morrer; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos, que ela será salva e viverá. 24 E foi com ele. Grande multidão o seguia e o apertava. 25 E uma mulher, que sofria de hemorragia por doze anos, 26 e que muito padecera à mão de vários médicos e gastara todos os seus recursos sem que isso lhe fosse de proveito e, ao contrário, estava a piorar, 27 tendo ouvido a fama de Jesus, veio por detrás, por entre a multidão, e lhe tocou a veste. 28 Pois dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, estarei salva. 29 Imediatamente se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo. 30 Logo Jesus, reconhecendo em si mesmo que dele saíra força, virou-se no meio da multidão e disse: Quem me tocou nas vestes? 31 Disseram-lhe os discípulos: Vês que a multidão te aperta, e dizes – quem me tocou? 32 Ele corria os olhos ao redor para ver quem fizera isso. 33 Então a mulher, atemorizada e trêmula, ciente do que nela se operara, veio prostrar-se diante dele e lhe contou toda a verdade. 34 E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre do teu flagelo. 35 Falava ele ainda, quando vieram alguns da casa do dirigente da congregação, que lhe disseram: Tua filha morreu; já não há por que incomodar o Mestre. 36 Mas Jesus, tendo ouvido tais palavras, logo disse ao dirigente da congregação: Não temas, crê somente226. 37 Ele não permitiu que alguém o acompanhasse, senão Pedro e os irmãos Tiago e João. 38 Chegando à casa do dirigente da congregação, viu o alvoroço, os que choravam e muito pranteavam. 39 Ao entrar, lhes disse: Por que estais em alvoroço e chorais? A criança não morreu; está a dormir. 40 E riam-se dele. Tendo ele, porém, mandado sair a todos, tomou consigo o pai e a mãe da criança, e os que vieram com ele, e entrou aonde ela estava deitada. 41 E, tomando a mão da criança, lhe disse: Talitá cúmi (que é, por interpretação – menina, eu te digo, levantate)! 42 Imediatamente, a menina se levantou e começou a andar, pois tinha doze anos. E assombraram-se com grande enlevo. 43 Ele lhes determinou expressamente que ninguém soubesse disso; e mandou que lhe dessem de comer. Mc 6. “Dai-lhes Vós Mesmos de Comer” 1

6: Tendo partido dali, foi para a sua terra, e seus discípulos o seguiram. 2 Ao sábado, passou a ensinar na congregação; e muitos, ouvindo-o, se assombravam e diziam: Donde lhe vêm essas coisas? Que sabedoria é essa que lhe foi dada? Que maravilhas se fazem 226

E’ o medo que bloqueia a fé.


4 2

por suas mãos! 3 Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele. 4 disse-lhes Jesus: Não há profeta227sem honra, senão em sua terra, entre seus parentes e na sua casa. 5 E não podia fazer ali nenhum milagre, senão curar uns poucos doentes, impondo-lhes as mãos 228. 6 Admirava-se da incredulidade deles. E percorria as localidades circunvizinhas, a ensinar. 7 Chamou a si os doze, para enviá-los dois a dois, dando-lhes autoridade sobre os espíritos imundos. 8 Ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, exceto um bordão; nem alforje, nem pão, nem dinheiro no cinto; 9 que fossem calçados de sandálias e não usassem duas túnicas. 10 E disse-lhes: Quando entrardes nalguma casa, aí permanecei até vos retirardes do lugar; 11 se nalgum lugar não vos receberem nem vos escutarem, ao sairdes dali sacudi o pó de vossos pés em testemunho contra eles. Em verdade vos digo que será mais suportável para Sodoma e Gomorra, em dia de juízo, o que terão de sofrer, do que o será para aquela cidade. 12 Saindo, então, pregavam ao povo, para que se arrependesse229; 13 expulsavam muitos demônios, ungiam com azeite muitos doentes e os curavam. 14 Chegou isto aos ouvidos do rei Herodes, porque mui notável se fizera o nome dele, e Herodes dizia: João Batista foi ressuscitado de entre os mortos e, por isso, opera-se nele o poder de milagres. 15 Outros diziam: É Elias; ainda outros: É profeta como um dos profetas. 16 Herodes, porém, ouvindo isto, disse: É João, a quem eu mandei decapitar; é ele mesmo, ressuscitado de entre os mortos. 17 Ora, o mesmo Herodes mandara prender a João e atá-lo no cárcere por causa de Herodíades, mulher de seu irmão Filipe (e Herodes se casou com ela). 18 Pois João dizia a Herodes: Não te é lícito possuir a mulher de teu irmão. 19 E Herodíades tinha contra ele rancor, e queria matá-lo, mas não podia. 20 Porque Herodes temia a João, ciente de que era homem justo e santo, e o protegia. Muita coisa fazia depois de ouvi-lo, e gostava de escutá-lo. 21 Ora, chegado um dia oportuno, quando, em seu natalício, Herodes oferecia um banquete aos seus dignitários, aos oficiais militares e a personalidades destacadas da Galileia, 22 apresentou-se a filha da própria Herodíades a dançar, e agradou a Herodes e aos convivas. Aí disse o rei à jovem: Pede-me o que quiseres, e eu to darei. 23 E jurou-lhe: Qualquer coisa que me pedires te darei, ainda que seja metade do meu reino. 24 Saindo ela, perguntou a sua mãe: Que pedirei? Ela respondeu: A cabeça de João Batista. 25 Logo voltou apressadamente à presença do rei e fez requerimento, dizendo: Quero que me dês, de imediato, a cabeça de João Batista numa bandeja. 26 Muito se entristeceu o rei. Por causa do juramento e dos convivas, não quis deixar de atendê-la. 27 Enviando logo um executor, mandou que lhe trouxessem a cabeça de João. Ele foi, e o decapitou no cárcere; 28 trazendo a cabeça dele numa bandeja, a levou à jovem, e esta a entregou a sua mãe. 29 Os discípulos dele, logo que souberam disto, vieram e tomaram o corpo para depositá-lo num sepulcro. 30 Voltaram os apóstolos a reunir-se com Jesus e lhe relataram tudo quanto haviam feito e ensinado. 31 E ele lhes disse: Vinde, vós sozinhos, vamos a um lugar retirado para que descanseis um pouco. Ora, eram muitos os que iam e vinham, e não lhes restava tempo, mesmo para comer. 32 Então foram de barco, eles sós, a um lugar retirado. 33 E a multidão viuos partir, e muitos o reconheceram, e correu para lá gente de todas as cidades; foram a pé, chegaram primeiro que eles e vieram juntos para encontrá-lo. 34 Ao desembarcar, viu Jesus uma grande multidão e compadeceu-se deles, que eram como ovelhas sem pastor; e ficou a ensiná-los longamente. 35 Sendo a hora já muito avançada, acercaram-se dele seus discípulos e lhe disseram: O lugar é ermo, e está avançada a hora; 36 despede-os para que vão às granjas e aldeias da redondeza para comprar pão, pois nada têm para comer. 37 Porém ele lhes respondeu: Dai-lhes vós mesmos de comer230. Eles lhe disseram: Havemos de ir comprar duzentos denários de pão para lhes dar de comer? 38 E ele: Quantos pães tendes? Ide ver. Após averiguar, disseram: São cinco, mais dois peixes. 39 Então mandou que fizessem todos acomodar-se em grupos sobre a relva verde. 40 E o fizeram, por fileiras, em grupos de cem e de cinquenta. 41 Tomando ele os cinco pães e os dois peixes e erguendo os olhos ao céu, bendisse; 2 2 7

Jesus não é profeta, mas foi profeta, nesse tempo. Por outro lado, ele é Rei para sempre. Por que curou poucos? por causa da incredulidade deles: – poucos creram – poucos pediram; por outro lado, todo o que pede recebe. 2 2 9 A pregação consiste, sempre, no evangelho do reino, e o arrependimento é o primeiro ato de obediência. 2 3 0 Os discípulos são ensinados a fazer as obras de Jesus, sempre na dependência do Pai. 2 2 8


43

partindo os pães, deu-os aos discípulos para que os distribuíssem; e repartiu os dois peixes por todos. 42 Todos comeram e se fartaram; 43 e ainda recolheram pedaços que encheram doze cestos, inclusive dos peixes. 44 Eram, aproximadamente, cinco mil homens os que comeram dos pães. 45 Logo após, compeliu os seus discípulos a embarcar e passar ao diante para a outra banda, a Betsaida, enquanto ele despedia a multidão. 46 Tendo-se despedido deles, partiu para o monte a fim de orar. 47 Ao cair da tarde, estava o barco no meio do mar, e ele, sozinho em terra. 48 Vendo que eles estavam fatigados de remar, porque o vento lhes era contrário, pela quarta vigília da noite alcançou-os, e fazia menção de lhes tomar a dianteira. 49 Foi quando eles o viram passar andando sobre o mar e pensaram tratar-se de um fantasma; eles gritaram, 50 porque todos o viram e ficaram aterrados. Logo falou com eles e disse: Tende confiança. Sou eu; não temais! 51 Subiu para o barco para estar com eles, e o vento se aquietou. E eles, no seu íntimo, estavam assombrados em extremo, e maravilhados; 52 pois não se haviam dado conta do caso dos pães: seu coração estava endurecido231. 53 Completada a travessia, chegaram a terra, em Genesaré, onde atracaram. 54 Tendo eles desembarcado, as pessoas logo o reconheceram; 55 percorrendo toda aquela região, ficaram a trazer em leitos os doentes aonde ouviam que ele estava. 56 E onde quer que ele entrasse nas povoações, nas cidades, nas fazendas, punham os enfermos nas praças, rogando-lhe permitisse tocar ao menos na orla da sua veste; e quantos o tocavam ficavam salvos. Mc 7. Que é Que Contamina o Homem? 7: 1 Reuniram-se em torno dele os fariseus e alguns escribas vindos de Jerusalém. 2 Vendo que alguns dos discípulos dele comiam pão de mãos impuras, ou seja, por lavar, os criticaram. 3 A propósito, os fariseus e todos os judeus não comem sem lavar as mãos, e nesse particular atêm-se à tradição dos anciãos; 4 quando voltam da rua, sem se lavarem não comem; e muitas outros usos há que receberam para observar, como lavagem de copos, de jarros, de utensílios de metal, e de camas. 5 Então interpelaram-no os fariseus e os escribas: Por que os teus discípulos não andam de conformidade com a tradição dos anciãos, mas comem com as mãos por lavar? 6 Ele lhes respondeu, dizendo: Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas, como está escrito – este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. 7 Em vão me rendem culto, a ensinar doutrinas que são preceitos de homens232. 8 Porque é deixando de lado o mandamento de Deus que retendes a tradição dos homens, como o lavar de jarros e copos – e fazeis ainda muitas coisas tais. 9 Disse-lhes outrossim: Jeitosamente desconsiderais o mandamento de Deus233para guardar a vossa própria tradição. 10 Pois Moisés disse: Honra teu pai e tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe seja levado à morte. 11 Vós, porém, dizeis: Se uma pessoa disser ao pai ou à mãe – o que poderias aproveitar de mim é Corbã, ou seja, oferta sagrada, – 12 então o dispensais de fazer qualquer coisa em favor de seu pai ou de sua mãe, 13 invalidando a palavra de Deus pela vossa tradição, a qual vós mesmos transmitistes, – e fazeis ainda muitas coisas tais. 14 Dirigindo-se ele a toda a multidão, assim falou: Ouvi-me vós todos, e entendei. 15 Nada há, fora do homem, que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que dele sai é o que contamina o homem234. 16 Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça. 17 Depois, quando dispensou a multidão e entrou em casa, interrogaram-no os discípulos acerca da parábola. 18 E ele disse: Assim também vós estais sem entender? Não percebeis que qualquer coisa que de fora entra no homem não pode contaminá-lo, 19 pois que não lhe entra no coração, mas no ventre, e vai para o esgoto (fazendo limpos todos os alimentos 235)? 20 E disse: O que sai do homem, isso é o que o contamina. 21 Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus intentos, adultérios, fornicações, homicídios, 22 furtos, ganância, maldades, dolo, devassidão, inveja, blasfêmia, soberba, loucura. 23 Todos estes males vêm de dentro e 231

O coração estava endurecido; por isso não se davam conta de que a mesma autoridade sobre os elementos lhes fora dada. 232 ... e, invariavelmente, alegam que os preceitos sejam de Deus. Alerta! Deus não nos deu dogma nenhum, nem preceito, salvo as suas preciosas instruções, advertências e exortações. 233 Que é o mandamento de Deus? atentar para o reiterado comando de Jesus! Ver 1Jo3:23. 234 Toda comida e bebida é pura; as palavras humanas são impuras; as palavras de Deus são puras. 235 Todos os alimentos são limpos, pois nenhum contamina, ou seja, nenhum causa dano ao corpo.


4 4

contaminam o homem.236 24 Levantando-se ele, partiu dali para os termos de Tiro e de Sidom. Entrando numa casa, queria que ninguém o soubesse; todavia, não pôde ocultar-se, 25 porque uma mulher, cuja filhinha estava com um espírito imundo e que ouvira a respeito dele, veio lançar-se a seus pés. 26 Era mulher helênica, da etnia siro-fenícia, e ela lhe rogava que expulsasse de sua filha o demônio. 27 Mas Jesus lhe disse: Deixa que primeiro se fartem os filhos, porque não é bom tomar o pão que é dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. 28 Ela, porém, replicou: Certamente, Senhor, pois também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem das migalhas das crianças. 29 E ele lhe disse: Por causa desta palavra, podes ir; o demônio já saiu de tua filha. 30 Voltando ela pra casa, viu que a filha estava deitada na cama, e que o demônio havia saído. 31 E ele, regressando dos territórios de Tiro e Sidom, foi até ao mar da Galileia, passando pela região de Decápolis. 32 Então lhe trouxeram um surdo que tinha dificuldade para falar, e lhe rogaram que pusesse a mão sobre ele. 33 Ele o afastou da multidão, pôs-lhe os dedos nos ouvidos e lhe tocou a língua com saliva; 34 erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse: Efatá (que quer dizer – abre-te)! 35 E, imediatamente, se abriram os seus ouvidos, soltou-se-lhe o empecilho da língua, e falava expeditamente. 36 Ele lhes recomendou que a ninguém contassem o fato; quanto mais, porém, recomendava, tanto mais eles o divulgavam. 37 O assombro era sem medida, e diziam: Tudo o que ele fez é perfeito; não só faz surdos ouvirem, como também mudos falarem. Mc 8. “Como é que Não Entendeis?” 1

8: Naqueles dias, numa ocasião em que a multidão era muito grande e não tinha o que comer, chamou Jesus os seus discípulos e lhes disse: 2 Tenho compaixão desta gente, que há três dias permanece comigo, e agora não tem o que comer. 3 Se eu deixar que se vão para casa em jejum, desfalecerão pelo caminho, pois muitos vieram de longe. 4 Os seus discípulos lhe responderam: Donde poderá alguém saciá-los de pão neste lugar desabitado? 5 E ele lhes perguntou: Quantos pães tendes? Disseram: Sete. 6 Ordenou ao povo que se acomodasse no terreno. Tomando os sete pães, ele deu graças, partiu-os e entregou-os aos discípulos para que os servissem; e eles os serviram à multidão. 7 Tinham também alguns peixinhos; após bendizer, mandou também que se servisse o pescado. 8 Comeram e se fartaram; e dos pedaços restantes recolheram sete cestas. 9 Dos que comeram, contavam-se cerca de quatro mil. E ele os despediu. 10 Subindo logo ao barco com seus discípulos, partiu para a região de Dalmanuta. 11 E saíram os fariseus, que se puseram a discutir com ele, a indagar de um sinal do céu, a tentálo. 12 Suspirando profundamente em seu espírito, ele disse: Por que pede esta geração um sinal? Em verdade vos digo que a esta geração nenhum sinal será dado. 13 E, deixando-os, tornou a embarcar e atravessou para a outra banda. 14 Eles haviam esquecido de levar pães, e tinham consigo apenas um pão no barco. 15 Ele os preveniu237, dizendo: Cuidado; guardai-vos do fermento dos fariseus e do fermento de Herodes. 16 E eles ficaram a ponderar entre si: É que não temos pão. 17 Jesus, notando-o, lhes disse: Por que pensais que é por não terdes pães? Ainda não entendeis nem percebeis? Tendes ainda endurecido o coração? 18 Tendo olhos, não enxergais? Tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais 19 de quando parti os cinco pães para os cinco mil, quantos cestos cheios de pedaços recolhestes? Disseram: Doze. 20 E de quando parti os sete para os quatro mil, quantas cestas repletas de pedaços levantastes? Eles disseram: Sete. 21 E ele lhes disse: Como é que não entendeis? 22 E ele chegou a Betsaida. Aí lhe trouxeram um cego e lhe rogaram que o tocasse. 23 Tomando o cego pela mão, ele o levou para fora da aldeia e, aplicando-lhe saliva aos olhos e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe: Vês alguma 2 3 6

Pautar-se pela tradição religiosa moralista é como lavar o copo meramente por fora. É preciso purificar o coração, para que tudo fique limpo. 2 3 7 Todos os ‘alertas’ referem-se diretamente ao perigo da religião formal (indiretamente quando apontam para o Dia de Cristo e eventos subsequentes). Por outro lado, não se pode nem deve ter nada contra a religião, pois ela cumpre a função que lhe foi dada. Os sistemas doutrinários têm a função de enganar (tentar) o povo santo, para provação de cada um de nós. É responsabilidade nossa libertar-nos do sistema com urgência, a bem da santificação, para não correr o risco de sofrer, na carne, as pragas que cairão sobre Babilônia (Ap 18:4). E’ necessário sair do sistema! Todos fomos enganados e caímos em servidão. Libertar-nos ou não, é escolha nossa. Ali, somos escravizados; fora do sistema, exercemos a nossa liberdade em Cristo. Nada há de errado com a religião, a qual cumpre o seu papel, mas é de vital importância, para os santos, obedecerem à verdade e saírem dos sistemas de orientação espiritual.


45

coisa? 24 Ele olhou e disse: Vejo os homens, porque estou a enxergar coisa como árvores andando. 25 De novo, lhe pôs as mãos sobre os olhos, e mandou que olhasse à frente; ficou restabelecido, e passou a ver claramente. 26 Ele o mandou embora para casa, dizendo: Não entres na aldeia, nem fales aos seus moradores. 27 E saiu Jesus, com seus discípulos, para as aldeias de Cesareia de Filipe e, no caminho, perguntou-lhes: Quem dizem as pessoas que eu seja? 28 Eles responderam: Uns dizem – João Batista; outros – Elias; ainda outros – algum dos profetas. 29 E ele lhes disse: E vós, quem dizeis que eu sou? Respondendo, Pedro assim lhe falou: Tu és o Ungido. 30 E ele os intimou a que a ninguém revelassem sobre ele. 31 E começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do Homem muito padecesse e que fosse rejeitado pelos anciãos, principais sacerdotes e escribas, fosse morto e, três dias depois, ressurgisse. 32 E falava esta palavra com franqueza. Mas Pedro, chamando-o à parte, pôs-se a repreendê-lo. 33 Ele, porém, voltando-se e olhando para seus discípulos, repreendeu a Pedro, dizendo: Arreda de mim, satanás238, que não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens 239. 34 Chamando a multidão, bem como os discípulos, assim lhes falou: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo240, tome a sua cruz e sigame241. 35 Porque quem quiser salvar a sua alma perdê-la-á; quem, porém, se privar de sua alma por causa de mim e do evangelho, esse a salvará. 36 Pois que proveito terá um homem em ganhar o mundo inteiro se vier a perder sua alma? 37 Ou que daria um homem em troca de sua alma? 38 De fato, qualquer que se envergonhar de mim e de minhas palavras, nesta geração242adúltera e pecadora, dele também se envergonhará o Filho do Homem243quando vier na glória de seu Pai, junto com os santos anjos244. Mc 9. Alguns Não Provarão a Morte 1

9: Dizia-lhes ainda: Em verdade vos afirmo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte245até que vejam chegar o reino de Deus com poder. 2 Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, Tiago e João e os levou, a sós, para um monte alto e retirado. Ali foi transfigurado diante deles; 3 Suas vestes tornaram-se resplandecentes e sobremodo brancas, como neve, tais como nenhum lavandeiro na terra poderia branquear. 4 Apareceulhes Elias com Moisés, e conversavam com Jesus. 5 E Pedro, tomando a palavra, disse: Rabbí, bom é que estejamos aqui e que façamos três tendas: uma para ti, outra para Moisés, e outra para Elias. 6 Pois não sabia o que dizer, por estarem eles assombrados. 7 Surgiu uma nuvem que os envolveu; e uma voz, que saiu da nuvem, assim falou: Este é meu Filho bem-amado; a ele escutai. 8 E, de súbito, quando olharam ao redor, a ninguém mais viram com eles, senão Jesus somente. 9 Ao descerem do monte, ordenou-lhes ele que a ninguém contassem o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressurgido de entre os mortos. 10 Eles guardaram a recomendação, a indagar entre si o que significaria ressurgir de entre os mortos. 11 Interrogaram-no, dizendo falarem os escribas que seria preciso Elias vir primeiro 246. 12 Assim ele respondeu: Elias, vindo primeiro, tudo restaura. Mas como está escrito do Filho do Homem? É para muito padecer e para ser aviltado. 13 Mas eu vos digo que Elias já veio, e fizeram com ele tudo o que quiseram, como dele está escrito. 14 Quando se aproximou dos discípulos, viu numerosa multidão em torno deles, e escribas a discutir com eles. 15 Ao vê-lo, logo todo o povo ficou surpreso, e correram a saudá-lo. 16 Ele interpelou os escribas: Que é que discutíeis com eles? 17 Alguém da multidão interveio, a dizer: Mestre, eu te trouxe meu filho, que tem um espírito mudo; 18 este, onde quer que o apanhe, atira-o ao chão, a espumar, a rilhar os dentes, e ele vai definhando. Pedi a teus discípulos que o expulsassem, e eles não puderam. 238

Jesus denuncia a carne como satanás, o adversário. Repreensão: para convicção e correção 240 Negue a carne, o ego, para afirmar o espírito, que é Deus em nós. O ego é a falsa identidade. O novo coração é o do Pai, o novo corpo é o de Cristo, a mente renovada é o Espírito de Cristo. 241 O Senhor nos cobra atitude de fé. 242 Esta geração envergonha-se das palavras de Jesus, e perpetua os sistemas de doutrina. Sistemas doutrinários também podem ser chamados sistemas de crenças. A verdade é que não há doutrina que seja verdadeira, como não há crença doutrinária que se harmonize com as palavras do Senhor. 243 Advertência, a fim de que despertemos para a fé 244 Os santos anjos são espíritos, encontram-se no reino de Deus e são humanos. 245 Depende de crer nas promessas de Jesus. Quem crê tem vida eterna. 239

246

Malaquias 4:5-6


4 6 19

Então, Jesus lhe disse: Ó raça sem fé! Até quando estarei convosco? Até quando vos suportarei? Trazei-o aqui. 20 E o trouxeram a sua presença. Quando ele viu a Jesus, logo o espírito o agitou com violência, e ele, caindo por terra, rolava espumando. 21 E Jesus perguntou ao pai do menino: Há quanto tempo isto lhe sucede? Desde criancinha, disse ele, 22 e, repetidas vezes, o tem lançado no fogo e na água para fazê-lo perecer; mas, se podes alguma coisa, ajuda-nos, e tem compaixão de nós. 23 E Jesus lhe disse: Se podes crer, tudo é possível ao que crê247. 24 E imediatamente o pai do menino exclamou entre lágrimas: Eu creio, Senhor; ajuda-me na carência de fé. 25 Vendo Jesus que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno – sai dele e nunca mais tornes a ele. 26 E saiu, clamando e agitando-o muito, deixando-o como se estivesse morto, a ponto de muitos dizerem – morreu. 27 Mas Jesus, tomando-o pela mão, ergueu-o, e ele se levantou. 28 Quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram em particular: Por que não pudemos nós expulsá-lo? 29 E ele lhes disse: Essa casta por nada pode sair, senão por oração e jejum248. 30 Então, partindo dali, iam passando através da Galileia, e não queria que ninguém o soubesse, 31 porque estava a ensinar os discípulos e a dizer-lhes: O Filho do Homem está para ser entregue em mãos de homens, e eles o matarão; e ele, tendo sido morto, será ressuscitado ao terceiro dia. 32 Eles, contudo, não entendiam o que dizia, e temiam interrogá-lo. 33 Chegou a Cafarnaum e, estando em casa, os interrogou: Que estáveis a discutir pelo caminho? 34 Mas eles guardaram silêncio; porque pelo caminho vinham discutindo sobre quem era maior. 35 Sentando-se, ele chamou os doze e lhes disse: Se alguém quer ser o primeiro, será o último de todos e servidor de todos. 36 Tomou uma criança, colocou-a no meio deles e, pegando-a nos braços, disse-lhes: 37 Aquele que receber uma criança, tal como esta, por causa do meu nome, a mim me recebe: e aquele que me recebe, não é a mim que recebe, mas ao que me enviou. 38 João interveio, dizendo-lhe: Mestre, vimos alguém que, em teu nome, expulsava demônios, e ele não nos segue; nós lho proibimos, porque não nos acompanha. 39 Jesus, porém, disse: Não lho proibais; porque ninguém há que faça milagre com base no meu nome e que possa prontamente falar mal de mim. 40 Pois quem não é contra nós é por nós. 41 De fato, aquele que vos der de beber um copo d’água em meu nome porque sois de Cristo, em verdade vos digo, não perderá a sua recompensa. 42 E qualquer que escandalizar um dos pequeninos que creem em mim, melhor seria que lhe enfiassem pelo pescoço uma mó de atafona e o atirassem no mar. 43 Se tua mão te escandalizar, corta-a; pois é melhor entrares mutilado na vida do que, tendo duas mãos, ires para a gehenna249, entrando no fogo inextinguível, 44 onde não lhes morre o verme250 nem o fogo se apaga. 45 Se teu pé te escandaliza, corta-o; pois é melhor entrares na vida estando coxo do que, tendo dois pés, seres lançado na gehenna251, no fogo inextinguível, 46 onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga. 47 Se teu olho te escandalizar, joga-o fora; melhor é entrares com um só olho no reino de Deus do que, tendo dois olhos, seres lançado na gehenna de fogo, 48 onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga 252. 49 Ora, cada um será salgado com fogo, e cada sacrifício será salgado com sal253. 50 Bom é o sal; mas se o sal vier a tornar-se insulso, como retemperá-lo? Tende sal em vós mesmos, e vivei em paz uns com os outros. Mc 10. “Bebereis o Cálice Que Eu Bebo” 2 4 7

... ao que crê...? ... não só Jesus pode... o crente pode. Trata-se de crer no Evangelho, isto é, que o problema de doenças e demônios foi solucionado através da paixão e da cruz! 2 4 8 instrução para ganhar fé 2 4 9 Gehenna é o sofrimento pelo qual passará o povo de Deus, neste mundo, no segundo período da grande tribulação (dia da ira). Não é o inferno criado pela teologia. Gehennanão se deve traduzir, visto não se ter traduzido, do Aramaico, no original Grego. 2 5 0

Na gehenna, durante a grande tribulação, não lhes morre o verme, mas o verme da carne será queimado até à extinção no juízo das gentes que vem logo após, no mesmo fogo eterno inextinguível. O mesmo fogo eterno produz o sofrimento disciplinar, na gehenna, e o sofrimento que acompanha a eliminação do verme, no último juízo dos santos. Toda carne dos santos será, então, extinta. 2 5 1 Ge h e n n anão é uma palavra grega, portanto é intraduzível. O significado revela-se no contexto em que se insere. A gehenna de fogo, o inferno e o lago de fogo são conceitos bíblicos distintos. O inferno é a sepultura, o hades, o sheol, em que não há fogo. Sobre inferno de fogo, ver fogo estranho, em Nm X. 2 5 2 Advertência: é preciso crucificar a carne (atitude de fé) 2 5 3 Enquanto falta sal, não há sacrifício aceitável, nem há odor de fragrância, que sobe pela ressurreição.


47

10:1 Jesus levantou-se e foi embora dali para a parte da Judeia que fica além do Jordão. Outra vez multidões se reuniram onde ele estava, e, como era seu costume, de novo as estava ensinando. 2 E os fariseus vieram interrogá-lo, para o tentar: É lícito a um marido repudiar sua mulher?254 3 Ele lhes respondeu: Que vos ordenou Moisés? 4 Disseram: Moisés permitiu lavrar carta de divórcio e repudiar. 5 Jesus, respondendo, disse: Pela vossa dureza de coração foi que ele deixou escrito esse mandamento, 6 sendo que, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea255. 7 Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá a sua mulher; 8 e serão os dois uma só carne. De sorte que já não são dois, mas uma só carne. 9 Portanto, o que Deus casou não separe o homem.10 Em casa, os discípulos voltaram a interrogá-lo sobre esse ponto. 11 E ele lhes disse: Quem repudia sua mulher e casa-se com outra comete adultério contra aquela. 12 E, se a mulher repudia seu marido e casa-se com outro, comete adultério. 13 Traziam-lhe crianças para que ele as tocasse, mas os discípulos os repreendiam. 14 Vendo isso, Jesus ficou aborrecido e lhes disse: Deixai vir a mim as crianças; não as impeçais, porque delas é o reino de Deus. 15 Em verdade vos digo: Se alguém não receber o reino de Deus como uma criança256não entrará nele. 16 E ele, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoava. 17 Pondo-se ele a caminho, alguém correu e ajoelhou-se diante dele, perguntandolhe: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar vida eterna? 18 Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus. 19 Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás ninguém, e honra teu pai e tua mãe. 20 Respondeu-lhe ele: Mestre, tudo isto tenho observado desde muito jovem. 21 E Jesus, fitando-o, amou-o, e lhe disse: Só uma coisa te falta – vai, vende tudo o que tens, dá aos pobres, – e terás um tesouro no céu; então vem e segue-me, tomando a cruz 257. 22 Ele, porém, pesaroso desta palavra, retirou-se entristecido, porque era dono de muitas propriedades. 23 Jesus, olhando ao redor, disse aos seus discípulos: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que possuem riquezas! 24 Os discípulos ficaram assustados com estas palavras, mas Jesus insistiu em dizer-lhes: Filhos, quão difícil é, para os que confiam nas riquezas, entrar no reino de Deus! 25 É mais fácil um camelo passar pelo orifício de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus.258 26 Eles muito se espantaram, e diziam entre si: E quem pode salvar-se? 27 Fitando neles o olhar, Jesus disse: Para os homens é impossível, mas não para Deus, pois para Deus tudo é possível. 28 Então Pedro começou a dizer-lhe: Eis que nós tudo deixamos e viemos acompanhar-te. 29 Em resposta, Jesus disse: Em verdade vos digo – ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou fazendas, por minha causa ou por causa do evangelho, 30 que não receba, já no presente, cem vezes mais em casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e fazendas, com perseguições, e, na era vindoura259, vida eterna.260 31 Muitos primeiros serão derradeiros, e os derradeiros, primeiros. 254

A pergunta se refere à lei; por isso, também a resposta se refere à lei. O ser humano é sexual (Gn 1:27-28) desde antes que fosse feito animal (Gn 2:7), e se multiplicará nos planetas do paraíso . A nova criação é a mesma do princípio. Nada jamais mudou na Criação. Se desde o princípio são macho e fêmea, na restauração da criação haverá diferença de sexo, sempre. 256 pela fé simples 257 instrução: despertar para a fé − tomar a cruz é seguir a Jesus na morte da carne − aquele homem, possivelmente, não ouviu a palavra ‘cruz’: esta palavra foi escrita para nossa instrução. Quem não recebe a palavra da cruz não crê em Jesus Cristo, e quem nele não crê não está preparado para entrar no reino de Deus. 255

confiar em riquezas é incompatível com a fé − a riqueza é ótima serva, péssima patroa − ninguém pode servir a dois senhores − ninguém entrará no Reino enqto não tiver servido a Deus de todo o coração. 259 O último dia da era de dois mil anos (Js 3:4, Os 6:2) pode ser o primeiro dia da era de sete tempos (a era vindoura). A era de dois mil anos conta-se a partir da Ressurreição do Filho do Homem. A terra passará. Poucos anos depois do último dia da era, nenhuma vida se achará neste mundo. O próprio mundo não se achará. Será o fim de todas as coisas (1Pe 4:7; Ez 7:2; Mc 13:31). Todos os santos estarão na nova terra. Quando vier o último dia, precisas estar preparado para entrar no Reino de Deus. Se morreres antes do último dia, é preciso que sejas achado fiel, digno de participar da ressurreição da vida. 260 recompensa da fé e da esperança: a vida eterna. 258


4 8 32

Andavam seu caminho, subindo para Jerusalém, e Jesus ia na frente. Estavam assustados e apreensivos enquanto o seguiam. Jesus, tornando a trazer à parte os doze, passou a falar-lhes das coisas que estavam para lhe acontecer – dizendo: 33 Eis que subimos para Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos principais sacerdotes e aos escribas; eles o condenarão à morte e o entregarão aos gentios; 34 vão escarnecê-lo, flagelá-lo, cuspi-lo e matálo; e ao terceiro dia será ressuscitado. 35 Então, aproximaram-se dele Tiago e João, os filhos de Zebedeu, dizendo: Mestre, queremos que nos concedas o que vamos solicitar. 36 Ele lhes disse: Que quereis que vos faça? 37 Disseram-lhe: Concede-nos que, na tua glória, nos assentemos um a tua direita e outro a tua esquerda. 38 Mas Jesus lhes disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o mesmo cálice que eu bebo e ser batizados no mesmo batismo em que sou batizado? 39 Disseram-lhe: Podemos. Disse-lhes Jesus: Bebereis o cálice que eu bebo e sereis batizados no batismo em que sou batizado261; 40 porém, quanto a sentar-vos a minha direita e a minha esquerda, não está em mim concedê-lo, porque é para aqueles para quem está preparado. 41 Ouvindo isto, os dez ficaram aborrecidos com Tiago e João. 42 Mas Jesus os chamou e disse: Sabeis que aqueles que vemos governar os povos exercem domínio sobre eles e os seus grandes exercem autoridade. 43 Assim não há de ser entre vós; antes, se algum de vós quiser ser grande, seja vosso servidor; 44 e quem quiser ser o primeiro entre vós seja servo de todos. 45 Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar sua alma em resgate por muitos. 46 E chegaram a Jericó. Quando ele saía de Jericó junto com seus discípulos e numerosa multidão, o cego Bartimeu, filho de Timeu, estava sentado à beira do caminho, a mendigar; 47 ouvindo que era Jesus, o Nazareno, pôs-se a clamar: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! 48 E muitos o repreendiam, para que se calasse; porém muito mais ele gritava: Filho de Davi, tem compaixão de mim! 49 Jesus deteve-se e disse: Chamai-o. Chamaram o cego e lhe disseram: Tem bom ânimo; levanta-te, que ele te chama. 50 E ele, lançando de si o manto, levantou-se e foi ter com Jesus. 51 Jesus adiantou-se, dizendo: Que queres que eu te faça? O cego disse: Rabboni, que eu possa ganhar visão. 52 Jesus lhe disse: Vai, tua fé te salvou. E imediatamente ganhou vista262e ficou seguindo a Jesus pelo caminho. Mc 11. “Tende Fé de Deus” 11:1 Quando se aproximavam de Jerusalém, de Betfagé e de Betânia, nos arredores do monte das Oliveiras, Jesus enviou dali dois de seus discípulos, 2 dizendo-lhes: Ide à aldeia que está em frente e, logo que nela entrardes, encontrareis um jumentinho amarrado, no qual ninguém montou ainda; soltai-o e trazei-o. 3 E, se alguém vos perguntar por que o fazeis, dizei – o Senhor precisa dele, – e logo deixará trazê-lo. 4 Então foram e acharam o jumentinho preso junto ao portão, fora, no caminho, e o desprenderam. 5 Havia gente ali, que reclamou: Que fazeis, a soltar o jumentinho? 6 Eles, porém, responderam como Jesus tinha determinado, e os deixaram ir. 7 Levaram o jumentinho a Jesus, jogaram sobre ele seus mantos, e Jesus o montou. 8 Então muitos estendiam seus mantos no caminho, e outros cortavam ramos de árvores para estendê-los à sua passagem. 9 Os que iam na frente dele e os que o seguiam clamavam: Hosanná! Bendito o que vem em nome do Senhor! 10 Bendito o reino que vem em nome do Senhor de nosso pai Davi! Hosanná nas alturas! 11 E Jesus entrou em Jerusalém e no templo. Tendo observado tudo, e estando a hora pelo fim da tarde, saiu para Betânia com os doze. 12 No dia seguinte, depois que saíram de Betânia, teve fome. 13 E avistando de longe uma figueira com folhas, foi ver se porventura acharia nela alguma coisa e, chegando-se a ela, nada encontrou senão folhas, porque não era tempo de figos. 14 Então Jesus emitiu sua voz para dizer: Ninguém comerá, jamais, fruto de ti! E seus discípulos ouviram isto. 15 E chegaram a Jerusalém. Entrando Jesus no templo, passou a expulsar os que, no templo, vendiam e compravam; derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos vendedores de pombas. 16 E não permitia que alguém conduzisse algum utensílio pelo templo. 17 Ficava a ensiná-los, dizendo: Não está escrito – a minha casa será chamada casa de oração para todas as nações –? 2 6 1

Quando Jesus padeceu, nós bebemos, com ele, o cálice da maldição, e somos benditos para sempre; quando Jesus foi crucificado, nós fomos batizados na sua morte. 2 6 2 O Senhor Jesus nunca deixou de atender a pedidos de cura.


49

Vós, porém, dela fizestes um covil de ladrões! 263 18E ouviram isto os escribas e os principais dos sacerdotes, e eles procuravam uma maneira de fazê-lo perecer264; pois o temiam, eis que todo o povo se maravilhava de sua doutrina. 19 Quando caiu a tarde, ele saiu da cidade. 20 A passar eles de manhã cedo pela figueira, viram que esta secara desde a raiz. 21 Então Pedro, lembrando-se, assim falou: Rabbí, olha que a figueira que amaldiçoaste está seca. 22 E Jesus respondeu-lhes, dizendo: Tende a fé que é de Deus265. 23 Porque em verdade vos afirmo que, se alguém disser266a este monte – ergue-te e lança-te no mar267– sem divisão em seu coração, e crer que se fará o que diz, será feito assim como ele fala. 24 Por isso vos digo: Tudo quanto em oração268demandardes, crede269que recebeis, e vos será feito270. 25 E, quando estais a orar, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que também vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas. 26 Mas, se não perdoardes, tampouco vosso Pai, que está nos 27 céus, vos perdoará as vossas ofensas271. E eles regressaram a Jerusalém. Quando andavam pelo templo, vieram ao seu encontro os principais sacerdotes, os escribas e os anciãos, 28 e lhe disseram: Com que autoridade fazes estas coisas? E quem te deu tal autoridade para fazer isto? 29 Jesus lhes deu esta resposta: Eu também vos farei uma pergunta; respondei-me, e eu vos direi com que autoridade faço estas coisas. 30 O batismo de João era do céu, ou era dos homens? Respondei-me. 31 E eles arrazoavam entre si, a dizer: Se dissermos que é do céu, ele dirá – por que então não acreditastes nele? 32 Se, por outro lado, dissessem – dos homens, – era de temer o povo, porque todos tinham João em conta de profeta. 33 E, respondendo, disseram a Jesus: Não sabemos. Jesus lhes disse por resposta: Tampouco vos digo eu com que autoridade faço estas coisas. Mc 12. “A Deus o que é de Deus” 12: 1 E Jesus entrou de falar-lhes por parábolas: Certo homem plantou uma vinha, cercou-a de uma sebe, cavou um lagar, construiu uma torre, arrendou-a a uns lavradores e ausentou-se do país. 2 A seu tempo, enviou aos lavradores um servo para perceber deles sua parte dos frutos da vinha; 3 eles, porém, o agarraram, o espancaram e o despacharam de mãos vazias. 4 De novo enviou-lhes outro; a este, acertaram-lhe uma pedrada na cabeça e o mandaram de volta debaixo de afrontas. 5 Ainda outro lhes mandou, e a este mataram. Enviou igualmente muitos outros, dos quais espancaram a uns e mataram a outros. 6 Ora, tendo ainda um, que era seu filho amado, a este também enviou, por fim, dizendo – a meu filho terão respeito. 7 Mas os tais lavradores disseram entre si: Este é o herdeiro; ora, vamos, matemo-lo, e a herança será nossa. 8 E, pegando dele, o mataram e o atiraram para fora da vinha. 9 Que fará, pois, o senhor da vinha? Ele virá, exterminará os lavradores e dará a vinha a outros. 10 Ainda não lestes esta escritura – a pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser cabeça de esquina; 11 isto procede do Senhor, e é maravilhoso aos nossos olhos –? 12 E eles procuravam ocasião de agarrá-lo (e arreceavam-se do povo), porque entenderam que para eles proferira a parábola. Então, desistindo, retiraram-se. 13 Enviaram-lhe alguns dos fariseus e dos herodianos para o apanharem nalguma palavra. 14 Chegando-se, disseram-lhe: Mestre, sabemos que és sincero, e que não levas em conta a posição de ninguém, porque não reparas na aparência dos homens; antes, segundo a verdade, ensinas o caminho de Deus. É lícito pagar tributo a César, ou não? 15 Devemos ou não devemos pagar? E ele, percebendo-lhes a hipocrisia, assim lhes 263

repreensão: para convicção e correção ideia fixa dos obstinados: matar o filho do homem 265 A fé de Deus é a fé que os discípulos viram Jesus aplicar, do modo como ele a aplicou. 266 O Senhor nos ensina e instrui sobre as chaves do reino dos céus. São a fé e a palavra. As chaves só funcionam em conjunto: o falar da fé. Não basta a fé, e não basta a palavra. 267 Esta é, evidentemente, uma determinação enfática, muito séria e expressiva, do fundo do coração. Foi assim que Jesus falou à figueira. A fé que é de Deus não é leviana ou fútil. 268 A oração em espírito também é palavra de fé. 269 Todas as palavras de Jesus são claras e precisas, diretas e simples. Não estão abertas a interpretações. 270 Toda promessa se realiza quando tu cumpres a tua parte. Ouvir, pedir, não ter queixas (perdoar), crer, receber, agradecer. A realização da parte de Deus já foi feita, e é impossível que falhe. 271 Enquanto pratico julgamento, encontro-me em autocondenação. O perdão pleno e autêntico, que se fundamenta na verdade, me trará libertação. Este perdão decorre do reconhecimento do fato, garantido pelo Evangelho, de que nosso próximo é perfeito e intocável assim como Deus o criou. 264


5 0

falou: Por que me tentais? Trazei-me um denário para que o veja. 16 Eles o trouxeram. E ele lhes disse: De quem é esta efígie e a inscrição? De César – foi o que lhe disseram. 17 E Jesus lhes replicou, dizendo: Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus272. E dele ficaram maravilhados. 18 Vieram a ele uns saduceus, que dizem não haver ressurreição, e o interrogaram, 19 a dizer: Mestre, Moisés nos deixou escrito que, se morrer o irmão de alguém e deixar viúva sem filhos, deve seu irmão tomar a mulher e suscitar descendência ao irmão. 20 Ora, havia sete irmãos; o primeiro casou-se e, morrendo, não deixou descendência; 21 o segundo a desposou e morreu, também sem deixar descendência; o terceiro, da mesma forma. 22 Assim, os sete tomaram a mulher e não deixaram descendência. Por fim, depois de todos, morreu também a mulher. 23 Na ressurreição, quando ressuscitados, de qual deles será ela a esposa? Pois os sete a tiveram por mulher. 24 Respondendo, Jesus lhes disse: Não é por isso que estais enganados – por falta de conhecimento273das escrituras e do poder de Deus –? 25 Ora, quando ressuscitados de entre os mortos, eles não se casarão, nem elas se darão em casamento; são, porém, como anjos que estão nos céus. 26 Quanto ao fato de que os mortos são ressuscitados, não lestes no Livro de Moisés, no caso da sarça, como Deus lhe falou, dizendo – Eu Sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó –? 27 Deus não é de mortos, e sim Deus de vivos. Portanto, laborais em grave erro. 28 Tendo chegado um dos escribas, e ouvindo a discussão entre eles, vendo quão boa resposta lhes dera, perguntou-lhe qual seria o primeiro de todos os mandamentos274. 29 Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é – ouve275, ó Israel, Yahveh é o nosso Deus, Yahveh é um só, 30 e –amarás a Yahveh, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força – este é o primeiro mandamento. 31 O segundo é semelhante a este – amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. 32 Disse-lhe o escriba: Muito bem, Mestre, com verdade disseste que Deus é único, e que outro não há senão ele; 33 e que amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento, de toda a alma e de toda a força, e amar ao próximo como a si mesmo, isso significa mais que todas as ofertas queimadas e todos os sacrifícios. 34 Vendo Jesus que ele havia respondido com inteligência, declarou-lhe: Não estás longe do reino de Deus. E já ninguém mais ousava interrogá-lo. 35 Jesus tomou a palavra para ensinar no templo, e disse: Como é que os escribas dizem ser o Ungido filho de Davi? 36 Davi mesmo assim falou, pelo Espírito Santo: Disse Yahveh a meu Senhor – assenta-te a minha direita, até que eu ponha teus inimigos por escabelo dos teus pés. 37 O mesmo Davi chama-lhe Senhor; como, então, seria ele seu filho? E a grande multidão o escutava com agrado. 38 E, por sua doutrina, lhes dizia: Guardai-vos dos escribas 276que gostam de andar com vestes talares e de ser saudados nas praças, 39 das primeiras cadeiras nas salas de congregação e dos primeiros lugares nos banquetes; 40 esses devoram as casas das viúvas e, por pretexto, fazem orações prolongadas; os tais sofrerão juízo mais severo. 41 E Jesus, tendo-se assentado em frente ao gazofilácio, observava como o povo depositava dinheiro ali. Ora, muitos que eram ricos depositavam bastante. 42 Vindo uma viúva pobre, inseriu duas moedinhas, valendo um quadrante. 43 Chamando ele seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta viúva pobre depositou no gazofilácio mais que todos os ofertantes. 44 Porque todos eles depositaram do que lhes sobrava; ela, porém, da sua indigência, deu tudo quanto possuía, todo o seu sustento. Mc 13. “O Que Vos Digo, Digo a Todos: Vigiai!” 1

13: Quando ele estava saindo do templo, disse-lhe um de seus discípulos: Mestre! Olha que pedras, que construções! 2 E Jesus lhe respondeu: Estás vendo estas grandes 2 7 2

Que é que leva a imagem de Deus e a inscrição do nome de Deus?! Os santos, inclusive nós e aqueles judeus. Deus não quer dinheiro, nem autorizou o dízimo como instrumento de manipulação! Quer receber o que ele mesmo criou conforme a sua imagem, não o que a carne produziu. O dinheiro é produto humano e não traz efígie de Deus, nem o Nome. 2 7 3 A sabedoria tem por base o conhecimento, e o ensino precede a instrução. 2 7 4 A pergunta refere-se à Lei; por isso a resposta refere-se à mesma lei. 2 7 5 Ninguém ama a Deus antes que se arrependa e creia. O primeiro mandamento é ouvir e crer! 2 7 6 Todos os ‘alertas’ referem-se diretamente ao perigo e ao engano das religiões do sistema (indiretamente quando apontam para o Dia de Cristo e eventos subsequentes).


51

construções? Não se deixará pedra sobre pedra, que não seja derribada. 3 Havendo-se ele assentado no monte das Oliveiras em frente ao templo, em particular lhe perguntaram Pedro, Tiago, João e André: 4 Dize-nos quando será isso, e que sinal haverá quando tudo estiver para realizar-se. 5 E Jesus, respondendo, assim passou a falar-lhes: Vede que ninguém vos engane. 6 Porque muitos virão com base em meu nome, mesmo a dizer que Eu Sou, e enganarão a muitos. 7 Então, quando ouvirdes falar de guerras e rumores de guerras, não vos alarmeis; é preciso que aconteçam, mas ainda não é o fim. 8 Porque se levantará nação contra nação, e reino contra reino. Haverá terremotos por diversos lugares, haverá fomes e agitações. São o princípio das dores de parto277. 9 Estai alertas, porque vos entregarão aos tribunais e às congregações; sereis espancados, e sereis levados à presença de governantes e reis por minha causa, para testemunho perante eles. 10 E a todas as nações é preciso que primeiro seja proclamado o evangelho. 11 Quando vos levarem e vos entregarem, não vos ponhais a pensar, em antecipação, sobre o que haveis de falar, nem prepareis réplica, mas o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós quem fala, senão o Espírito Santo. 12 Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai, ao filho; filhos se levantarão contra os pais e os farão morrer. 13 E sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo278. 14 Quando virdes o abominável da desolação279 (de que falou o profeta Daniel – quem lê entenda) instalado onde não deveria estar, então os que estiverem na Judeia fujam para a montanha; 15 quem estiver no terraço não desça para a habitação procurando retirar dali alguma coisa; 16 e o que estiver no campo não volte atrás para apanhar seu manto. 17 Ai das grávidas e das que amamentarem280naqueles dias! 18 Orai para que vossa fuga não ocorra no inverno. 19 Porque aqueles dias serão de tamanha tribulação que outra não houve igual desde o princípio da criação que Deus fez, até agora, nem haverá. 20 Se o Senhor não cortasse fora os dias, nenhuma carne havia de salvar-se; mas, por causa dos eleitos que escolheu, ele cortou os dias. 21 Se, nesse tempo, alguém vos disser: aqui está o Ungido – ou: eilo ali, –não acrediteis, 22 pois surgirão falsos ungidos e falsos profetas 281, a mostrar sinais e prodígios para enganar, se possível, mesmo os eleitos. 23 Porém vós haveis de estar alerta; eis que de tudo vos dei predição. 24 Contudo, naqueles dias, após a referida tribulação282, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, 25 as estrelas do céu estarão caindo, e as forças que estão nos céus serão sacudidas. 26 Então se verá o Filho do Homem vindo em nuvens com grande poder e glória. 27 E ele, então, enviará os seus anjos e reunirá os seus escolhidos dos quatro ventos, do extremo da terra ao extremo do céu. 28 Mas da figueira aprendei a parábola: quando já o seu ramo se faz tenro, e brotam as folhas, sabeis que está próximo o verão. 29 Assim, também vós: quando virdes estas coisas sucederem, sabei que está próximo às portas. 30 Em verdade vos digo que esta geração não passará até que tudo isto aconteça 283. 31 Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão284. 32 Daquele dia ou da hora ninguém sabe285; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai. 33 Estai alerta, vigiai e orai, pois não sabeis quando é a data. 34 É como um homem que, partindo de viagem, deixa a sua casa, concede autoridade a seus servos, a cada um sua responsabilidade, e ao porteiro ordena que 277

O parto em que nascem os escolhidos, no dia de Cristo. salvo da morte, com referência ao verso anterior 279 A abominação ocupará o santuário desolado da Presença. O santuário é toda pessoa cristã e toda pessoa de Israel. A marca da besta (Ap13:16) faz parte da abominação, pois será aplicada ao santuário que é o corpo dos santos. 280 as mães-igrejas, que alimentam seus filhos com leite falsificado 281 Todos os falsos profetas estão nos sistemas cristão e judaísta. Líderes admitidamente não cristãos não enganam os santos. Por outro lado, cristãos podem aprender com outros sobre os princípios da vida, desde que não se deixem dominar por preconceitos originados de crenças religiosas. Não há ‘outro evangelho’(Gl 1:1,2). 282 Não a maior tribulação, depois do fim, mas sim a primeira, antes do fim. 283 Esta geração não passou ainda, portanto nós somos esta geração, alertada repetidas vezes. A extensão temporal da geração é a mesma da era maligna, desde a religião de Caim até o fim de todas as coisas. 284 Passará esta geração, passará este céu, passará esta terra, – tudo destinado ao fogo. Esta geração e esta terra passam no mesmo instante, consumidas pelo fogo eterno. 285 Ninguém sabe o dia em que a terra decadente desaparece. Poderemos saber, antecipadamente, o ano, porque será pouco depois que se completem os sete tempos da grande tribulação. 278


5 2

vigie. 35 Vigiai, portanto, pois não sabeis quando vem o senhor da casa: se pelo anoitecer, ou à meia-noite, ou ao cantar do galo, ou cedo de manhã286; 36 que não vos ache a dormir, em vindo de repente. 37 O que vos digo, digo a todos: vigiai!287 Mc 14. “Não Seja o Que Eu Quero, Senão o Que Tu Queres” 14:1 A páscoa e os ázimos seriam dali a dois dias, e os principais dos sacerdotes, com os escribas, buscavam ocasião de agarrá-lo à traição e matá-lo. 2 Diziam eles: Que não seja durante a festa, para que não haja tumulto do povo. 3 Estando ele em Betânia, em casa de Simão o leproso, reclinado à mesa, veio uma mulher trazendo um frasco de alabastro com unguento de nardo legítimo, de alto preço; quebrando o frasco, ela o derramou na cabeça dele. 4 Houve alguns que se aborreceram, interiormente, e diziam: para que esse desperdício de perfume? 5 Pois este perfume poderia vender-se por mais de trezentos denários, e dar-se aos pobres. E murmuravam contra ela. 6 Mas Jesus disse: Deixai-a; por que lhe criais problemas? Ela praticou boa ação para comigo. 7 Ora, os pobres, sempre os tendes convosco e, quando quereis, podeis fazer-lhes bem, mas a mim não me tendes sempre. 8 Ela fez o que estava a seu alcance: antecipou-se a ungir-me o corpo para o sepultamento288. 9 Em verdade vos digo: onde for pregado em todo o mundo o evangelho, relatar-se-á o que ela fez, para memória sua. 10 E Judas Iscariotes, um dos doze, foi procurar os principais dos sacerdotes, para entregá-lo a eles. 11 Estes o ouviram e se alegraram; e lhe prometeram dinheiro. E ele buscava ocasião para o entregar. 12 No primeiro dia dos ázimos289, quando se imolava a páscoa, disseram-lhe seus discípulos: Onde queres que vamos fazer os preparativos para comeres a páscoa? 13 Então enviou dois de seus discípulos e lhes disse: Ide à cidade, e vos sairá ao encontro um homem trazendo um cântaro de água; segui-o 14 e dizei ao dono da casa onde ele entrar que o Mestre diz – onde fica a sala em que comerei a páscoa com os meus discípulos? 15 E ele vos mostrará um cenáculo mobilado e pronto. Ali fazei os preparativos para nós. 16 Saíram os discípulos, foram à cidade e, achando tudo como ele lhes dissera, prepararam a páscoa. 17 Ao cair da tarde, veio ele com os doze. 18 Enquanto estavam à mesa e comiam, Jesus disse: Em verdade vos digo que um dentre vós vai trair-me, um que come comigo. 19 E eles começaram a entristecer-se e a dizer-lhe, um após outro: Acaso sou eu? 20 Respondeu-lhes: É um dos doze, o que põe comigo a mão no prato. 21 Pois o Filho do Homem vai, como está escrito a seu respeito; mas ai daquele pelo qual o Filho do Homem está sendo traído! Melhor lhe fora não ter nascido! 22 E, enquanto comiam, tomou Jesus um pão e, após bendizer, partiu-o e lhes deu, dizendo: Tomai, comei, isto é o meu corpo290. 23 Tomou também o cálice e, após dar graças, o deu a eles, e todos beberam dele. 24 E disse-lhes: Isto é o meu sangue291, o da nova aliança292, derramado em referência a muitos. 25 Em verdade vos digo que não mais voltarei a beber do que procede da videira, até aquele dia em que o beberei, novo, no reino de Deus. 26 Tendo cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras. 27 Jesus lhes disse: Todos vos escandalizareis de mim esta noite, como está escrito – ferirei o pastor, e as ovelhas ficarão dispersas. 28 Contudo, depois que eu for ressuscitado, irei adiante de vós para a Galileia. 29 Disse-lhe Pedro: Ainda que todos se escandalizem, eu nunca. 30 E Jesus lhe disse: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, por três vezes me negarás. 31 Mas ele insistia com mais veemência: Ainda que seja preciso morrer contigo, jamais te negarei. Outro tanto diziam todos. 32 Então foram a um sítio cujo nome é Getsêmane; ali chegados, 2 8 6

As quatro vigílias, quartos da noite. Cada vigília pode corresponder a uma das assunções dos santos. ‘Cedo-de-manhã’ corre antes do novo dia, quando todos habitarão o reino, resgatados da velha terra. 2 8 7 Vigiar é estar de prontidão! 2 8 8 Exemplo de fé 2 8 9 Em família, dia 12 de Nissan. 2 9 0 O Senhor não falou palavra mágica, nem ofereceu simbolismo algum, mas trouxe-nos revelação da realidade da nossa comida no reino de Deus. Ora, não só a comida, mas todo o universo físico, na dimensão superior, é o corpo da Igreja e o corpo do Senhor. Assim como o Reino está dentro de nós, nós estamos no Reino hoje, em espírito. O espírito é a realidade. Alimentamos o corpo da carne com o pão da vida, que é o corpo do espírito. Por detrás da aparência do pão material, está a realidade do pão físicoespiritual, que é o pão da vida. 2 9 1 Nossa comida é a carne do Filho do Homem; nossa bebida é o sangue do Filho do Homem. Dentro do reino de Deus, não há ritual nem igreja institucional. 2 9 2 O sangue da nova aliança é o que foi restaurado na Ressurreição.


53

disse Jesus a seus discípulos: Sentai-vos aqui, enquanto vou a orar. 33 Levando consigo a Pedro, Tiago e João, começou a apavorar-se e angustiar-se. 34 E lhes disse: Muito triste está minha alma, até à morte; ficai aqui e vigiai. 35 Adiantando-se um pouco, caiu por terra e orava que, se possível, fosse poupado daquela hora. 36 E dizia: Abbá, Papai, tudo te é possível, leva de mim este cálice; todavia, não seja o que eu quero, senão o que tu queres. 37 Veio e os achou dormindo. Disse a Pedro: Simão, tu dormes? Não pudeste vigiar uma hora? 38 Vigiai e orai, para que não entreis em provação; o espírito está pronto, mas a carne está enferma. 39 Retirando-se de novo, orou repetindo as mesmas palavras. 40 Voltando, outra vez achou-os a dormir, porque os seus olhos estavam pesados; e não sabiam o que lhe responder. 41 E veio pela terceira vez e disse-lhes: Continuais no sono e repousais! Basta! Chegou a hora; o Filho do Homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores. 42 Levantai-vos, vamos! Eis que o traidor se aproxima. 43 Naquele instante, quando ainda estava a falar, apareceu Judas, um dos doze, e, com ele, uma turba numerosa portando espadas e paus, que vinha da parte dos principais sacerdotes, escribas e anciãos. 44 Ora, o traidor tinha-lhes dado uma senha, dizendo: Aquele a quem eu beijar, é esse; prendei-o e levai-o com segurança. 45 Logo chegou, acercou-se dele e disse: Rabbí, Rabbí! E o beijou. 46 Então lhe deitaram mãos e o agarraram. 47 Nisso, um dos circunstantes, sacando da espada, golpeou o servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha. 48 Jesus tomou a palavra e lhes disse: Saístes com espadas e pedaços de pau para prender-me, como a um ladrão? 49 A cada dia estava convosco no templo, ensinando, e não me agarrastes; contudo, é para que se cumpram as escrituras. 50 Aí, deixando-o, todos fugiram. 51 Um certo jovem o seguia, vestido só de um lençol, e o seguraram os jovens. 52 Mas ele, largando o lençol, escapou deles desnudo. 53 E conduziram Jesus ao sumo sacerdote293, e reuniram-se todos os principais dos sacerdotes, os anciãos e os escribas. 54 Pedro seguira-o de longe até ao interior do pátio do sumo sacerdote, e estava sentado entre os serviçais, aquentando-se junto ao fogo. 55 Os principais dos sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam algum testemunho contra Jesus para levá-lo à morte, e não achavam. 56 Porque muitos testemunhavam falsamente contra ele, mas os depoimentos não eram coerentes. 57 E houve quem se levantasse para testificar falsamente, a dizer: 58 Nós o ouvimos declarar – eu destruirei este santuário feito por mão de homem e, em três dias, construirei outro, não feito por mão de homem. 59 Nem assim o testemunho deles fazia sentido. 60 Levantando-se o sumo sacerdote, no meio, interpelou a Jesus: Nada respondes ao que estes depõem contra ti? 61 Ele, porém, guardou silêncio e nada respondeu. Tornou a interrogá-lo o sumo sacerdote e lhe disse: És tu o Ungido, o Filho do Bendito? 62 E Jesus disse: Eu Sou; e vereis o Filho do Homem assentado à direita do Poder, e vindo com as nuvens do céu. 63 Então, o sumo sacerdote rasgou as vestes e disse: Que mais necessidade temos de testemunhas? 64 Acabais de ouvir a blasfêmia; que vos parece? E todos o condenaram por réu de morte. 65 Puseram-se alguns a cuspir nele, a cobrir-lhe o rosto, a esbofeteá-lo e a dizer-lhe: Profetiza! E os serviçais lhe davam tapas. 66 Entrementes, estando Pedro embaixo no pátio, veio uma das criadas do sumo sacerdote 67 e, vendo a Pedro que se aquentava, fitou-o e disse: Tu também estavas com Jesus, o Nazareno. 68 Mas ele o negou, dizendo: Não sei de nada, nem entendo o que dizes. E saiu para o alpendre. E o galo cantou. 69 E a criada, vendo-o, tornou a dizer aos circunstantes: Este é um deles. 70 Outra vez ele o negou. Pouco depois, os que ali estavam disseram a Pedro: De fato, és um deles, porque também és galileu, e tua fala o demonstra. 71 Ele se pôs a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais! 72 E o galo cantou por segunda vez. Então Pedro se lembrou do que Jesus lhe dissera: – primeiro que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás; – e ele, caindo em si, desatou a chorar. Mc 15. “Este Homem Era Filho de Deus” 15:1 Logo pela manhã, entraram em conselho os principais sacerdotes com os anciãos, os escribas e todo o Sinédrio; amarrando a Jesus, levaram-no e o entregaram a Pilatos. 2 Pilatos o interrogou: És tu o rei dos judeus? Respondeu ele: É como dizes. 3 E os principais dos sacerdotes o acusavam de muitas coisas; ele, porém, nada replicava. 4 Outra vez interrogou-o Pilatos, dizendo: Nada respondes? Vê quantas acusações te fazem. 5 Porém Jesus nada mais respondeu, de maneira que Pilatos se admirou. 6 Ora, por ocasião da festa, ele soltava um dos presos, qualquer que eles solicitassem. 7 Havia um, chamado Barrabás, preso 293

O Redentor devia, necessariamente, ser sacrificado pelos sacerdotes de Adonai.


5 4

com sediciosos, os quais, na sedição, tinham cometido homicídio. 8 E a multidão, clamando, começou a exigir que lhes fizesse como de costume. 9 Pilatos lhes respondeu, dizendo: Quereis que eu vos solte o rei dos judeus? 10 Pois percebia que por inveja lho haviam entregado os principais dos sacerdotes. 11 Mas estes incitaram a multidão a fazê-lo soltar-lhes, antes, a Barrabás. 12 Pilatos, então, replicou: Que quereis, pois, que eu faça deste a quem chamais rei dos judeus? 13 E eles, de novo, gritavam: Crucifica-o! 14 Pilatos lhes disse: Que mal fez ele? E eles gritavam cada vez mais: Crucifica-o! 15 E Pilatos, querendo contentar a turba, soltou-lhes Barrabás294; após haver açoitado a Jesus, entregou-o para ser crucificado. 16 Os soldados o levaram para dentro do palácio, ou seja, o pretório, e reuniram todo o destacamento. 17 Vestiram-no de púrpura e cingiram-lhe uma coroa tecida de espinhos. 18 Puseram-se a saudálo: Salve, rei dos judeus! 19 Davam-lhe na cabeça com uma cana, cuspiam nele e, pondo-se de joelhos, lhe faziam reverência. 20 Depois de tê-lo escarnecido, despiram-lhe a púrpura e vestiram-lhe suas próprias vestes. Então o conduziram para fora, a fim de o crucificarem. 21 E forçaram a um certo Simão Cireneu (pai de Alexandre e Rufo), que vinha do campo, a carregar-lhe a cruz. 22 Levaram Jesus para o Golgotha, que quer dizer Lugar da Caveira. 23 Deram-lhe a beber vinho com mistura de mirra, mas ele não o tomou. 24 Então o crucificaram295. E repartiram entre si as vestes dele, lançando sortes sobre elas, para ver o que levaria cada um. 25 Era a hora terceira296quando o crucificaram. 26 E por cima estava escrita a epígrafe de acusação: O Rei dos Judeus. 27 Junto com ele297, crucificaram dois ladrões, um a sua direita, outro a sua esquerda. 28 E cumpriu-se a escritura que diz: Com iníquos foi contado. 29 Os que iam passando injuriavam-no, a menear a cabeça e a dizer: Ah! Tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! 30 Salva-te a ti mesmo, descendo da cruz! 31 Igualmente, os principais dos sacerdotes, com os escribas, mofavam dele e diziam entre si: Salvou os outros, a si mesmo não pode salvar-se; 32 que desça agora da cruz o Ungido, o rei de Israel, para que vejamos e acreditemos. Também os que foram crucificados junto com ele o insultavam. 33 Chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona. 34 À hora nona298, Jesus clamou em alta voz, assim dizendo: Eloí, Eloí, lamá sabactaní (que quer dizer – Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste299)? 35 Alguns dos que ali estavam, ouvindo isto, diziam: Vede, chama por Elias. 36 Um deles correu, embebeu uma esponja em vinagre, prendeu-a a uma cana e deu-lhe de beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias vem tirá-lo! 37 E Jesus, dando um grande brado, expirou300. 38 E o véu do santuário rasgou-se em dois, de alto a baixo. 39 Vendo o centurião, que estava em frente dele, que após o brado assim expirara, disse: Verdadeiramente, este homem era Filho de Deus! 40 Estavam também ali algumas mulheres, a observar de longe; entre elas, 2 9 4

Para que Barrabás (filho do pai Adão) não morra (se vier a morrer, possa ser ressuscitado), o Redentor morre por ele. Israel não quer que Barrabás, ou qualquer pecador, seja castigado. Só Jesus deve ser crucificado, porque só Ele nos pode resgatar da morte pela morte. 2 9 5 Quem foi crucificado e morreu foi o Filho do Homem na carne, ou seja, o filho humano do Altíssimo feito carne, o filho de Maria. Jesus é também o preexistente Filho do Homem, o qual nasceu no dia da Ressurreição, filho da mulher Jerusalém Celestial, a esposa de Deus. Ele não precisava nascer, mas ressurgiu para que nós pudéssemos viver pela sua vida, e para que possamos nascer no dia de Cristo. E’ ainda Filho de Deus, eterno e imortal. Aqui está a revelação da tríade do Filho. 2 9 6 A hora terceira é antes das 9 da manhã (quarta-feira). 2 9 7 Provavelmente, juntos na mesma árvore. O da direita representa os santos, o da esquerda representa os comuns. Toda a humanidade morreu junto com Ele, para que todos pudessem ser agraciados com vida nova, em ressurreição. 2 9 8 A hora nona é entre duas e três da tarde. Pode ser às três, mas não depois. 2 9 9 Deus não o abandonou, mas Jesus, para nos salvar da perdição, tomou sobre si a ilusão de estar privado da presença de Deus. 3 0 0 Pela sua morte e por todas as realizações em que se desdobra o Evangelho, o Senhor Jesus realizou a Redenção, que é o fundamento da salvação de todos os homens. Cumpre observar, a propósito, que a expiação é um conceito ligado à antiga aliança. Agora, na Nova Aliança, jamais haverá pecados a serem expiados. A Redenção desautoriza o conceito de expiação, possível ou necessária, depois de encerrada a antiga aliança. Aplicar o sangue, sim, primeiro derramado depois restaurado, desfaz a culpa. Pela expiação feita por meio dos sacrifícios anteriores à Cruz, os pecados eram cobertos mas não eram apagados. Através do grande sacrifício do Calvário, todos os pecados, de toda a humanidade, foram finalmente apagados. A expiação realizada por Jesus Cristo foi feita por meio do derramamento do seu sangue. No momento em que Jesus foi sepultado a expiação ficou concluída, e a antiga aliança foi encerrada, para sempre, mas a aplicamos pelo sangue restaurado à vida, o qual é o sangue da nova aliança.


55

Maria Magdalena, Maria301(mãe de Tiago o menor302, e de José) e Salomé; 41 as quais, quando Jesus estava na Galileia, o acompanhavam e serviam; além de muitas outras que, com ele, tinham subido a Jerusalém. 42 Como já caía a tarde, por ser o dia de preparação, isto é, a véspera do sábado303, 43 veio José (que era de Arimateia, conselheiro ilustre, que também esperava o reino de Deus), tomando coragem, apresentar-se a Pilatos, e lhe requisitou o corpo de Jesus. 44 Pilatos admirou-se de que já tivesse morrido. Chamando o centurião, perguntou-lhe se havia muito que morrera. 45 Após certificar-se, pela informação do centurião, cedeu o corpo a José. 46 Este, baixando-o, envolveu-o em um lençol que comprara e o depositou em um sepulcro que tinha sido cavado na rocha; e rolou uma pedra sobre a entrada do sepulcro. 47 Ora, Maria Magdalena e Maria de José304 observaram onde ele foi posto. Mc 16. “Ele Ressuscitou; Não Está Aqui” 1

16: Passado o sábado, Maria Magdalena, Maria de Tiago e Salomé compraram aromas para irem ungi-lo. 2 E, muito cedo, no primeiro dia da semana, ao nascer do sol foram ao sepulcro. 3 Diziam uma a outra: Quem nos removerá a pedra da entrada do sepulcro? 4 E, olhando, viram que a pedra já estava removida; esta era muito grande. 5 Entrando no túmulo, viram um jovem assentado ao lado direito, vestido de uma túnica branca longa, e ficaram cheias de espanto. 6 Ele, porém, lhes disse: Não vos assusteis. Buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado. Ele ressuscitou; não está aqui. Vede o lugar onde o puseram. 7 Mas ide dizer a seus discípulos, e a Pedro, que ele vai adiante de vós para a Galileia; lá o vereis, como ele vos disse. 8 Saindo elas, depressa fugiram do sepulcro, possuídas de temor e assombro; tanto era o medo, que nada disseram a ninguém. 9 Tendo ressurgido, cedo no primeiro dia da semana, apareceu primeiro a Maria Magdalena, da qual expulsara sete demônios. 10 Esta foi anunciá-lo aos que tinham vivido com ele e que estavam em prantos e lamentos. 11 E eles, ouvindo estar ele vivo e ter sido visto por ela, não creram. 12 Depois disto, manifestou-se, em forma diferente, a dois deles que estavam de caminho e se dirigiam à zona rural. 13 E eles foram anunciá-lo aos demais, que tampouco deram crédito a estes. 14 Finalmente, manifestou-se aos onze, quando estavam à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, por não terem dado crédito aos que o tinham visto já ressuscitado. 15 E disse-lhes: Indo por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criação. 16 Quem crer e batizar-se305terá salvação306; quem, porém, não crer cairá em condenação307. 17 Estes sinais acompanharão aqueles que crerem308: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; 18 pegarão em serpentes, e, se tomarem algum veneno mortífero, não lhes fará mal; imporão as mãos sobre doentes, e estes ficarão curados. 19 De fato, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi assunto ao céu309e assentou-se à destra de Deus. 20 E eles saíram a pregar em toda parte, e o Senhor ficou a trabalhar com eles310e a confirmar a palavra mediante os sinais que os seguiam.

301

Maria tinha sido mãe de Jesus na carne, mas a carne estava morta e extinta, a partir desse momento. Era o menor dos filhos de Maria. 303 Trata-se do sábado anual da Páscoa, de quarta-feira para quinta-feira, naquele ano. 304 Ver Mt 27:61 e nota. 305 Os que se batizam são os que creem e agradecem ter sido batizados em Cristo e na sua morte. 306 Aquele que, pela fé do evangelho, batizar-se em o nome do Senhor Jesus, salvar-se-á de todos os efeitos da lei do pecado e da morte. 307 A condenação não vem diretamente pela Lei de Deus, e sim por uma lei derivada, que é a lei do pecado e da morte. Quem se liberta da lei que condena não é condenado. Deus jamais condena ninguém, nem mata ninguém, nem leva ninguém por meio da morte. Salvar-se-á quem crer na promessa de vida eterna pelo poder da ressurreição do Redentor, e batizar-se no batismo único (Ef 4:5), que não é em água, mas é em Jesus Cristo (no Corpo) e em Cristo Jesus (no Espírito). A condenação tem três aspectos: sofrimento, morte e perdição. O Evangelho da salvação nos livra de toda condenação, na medida da nossa fé. Quem pede o batismo em água quer dar testemunho de sua fé no Evangelho e de sua inclusão em Cristo. 308 Os crentes creem no Cristo Filho de Deus,creem na Promessa e nas promessas, creem em toda palavra de Deus, uma por uma. Não lhes resta espaço para acreditar nas doutrinas da teologia, as quais estão, todas, em desacordo com a Verdade. Os crentes são os fiéis. Nenhum infiel pode chamar-se crente. 309 Primeira assunção do Senhor. 310 O Senhor fica a trabalhar hoje, com os discípulos que cá estão. 302


5 6

O SANTO EVANGELHO SEGUNDO LUCAS 1:1 Visto ter havido muitos que empreenderam compor uma narração coordenada dos fatos amplamente conhecidos entre nós, 2 conforme no-los transmitiram os que desde o princípio foram deles testemunhas oculares, e bem assim serviçais da Palavra, 3 a mim também pareceu bem, tendo acompanhado tudo desde a origem acuradamente, ilustríssimo Teófilo, dar-te por escrito uma exposição em ordem, 4 para que fiques confirmado na certeza das verdades em que foste instruído. 1. O Seu Reino Não Terá Fim. 5

Nos dias de Herodes, rei da Judeia, houve um sacerdote por nome Zacarias, do turno de Abias. Sua mulher era das filhas de Aarão, e se chamava Isabel. 6 Eram ambos justos diante de Deus, a andar irrepreensivelmente em todos os mandamentos e ordenanças do Senhor. 7 Não tinham filhos, por ser Isabel estéril, e os dois eram de idade avançada. 8 Ora aconteceu que, no exercício do serviço sacerdotal perante Deus na ordem do seu turno 9 conforme o costume dos sacerdotes, coube-lhe entrar no santuário do Senhor para queimar o incenso. 10 E toda a multidão do povo ficou a orar do lado de fora, à hora do incenso. 11 Apareceu-lhe, então, um anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. 12 Ao vê-lo, Zacarias perturbou-se, e o temor se apoderou dele. 13 Disse-lhe o anjo: Não temas, Zacarias, porque foi ouvida a tua súplica, e Isabel, tua mulher, te dará à luz um filho, a quem porás o nome de João. 14 Terás alegria e regozijo, e muitos se alegrarão com o seu nascimento. 15 Porque ele será grande diante do Senhor; não beberá vinho nem bebida forte, e estará cheio de Espírito Santo já no ventre materno. 16 E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus. 17 E irá adiante dele no espírito e na força de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à inteligência dos justos, de modo a habilitar um povo preparado para o Senhor. 18 E disse Zacarias ao anjo: Como saberei isto? pois eu sou velho, e minha mulher avançada em dias. 19 Respondendo, o anjo lhe disse: Eu sou Gabriel 311e assisto diante de Deus; fui enviado para falar-te, e trazer-te esta boa nova. 20 E eis que guardarás silêncio, nada podendo falar até o dia em que estas coisas acontecerem, porque não acreditaste nas minhas palavras, as quais se cumprirão a seu tempo. 21 E o povo aguardava a Zacarias, admirado de que tanto se demorasse no santuário. 22 Mas ele, ao sair, não lhes podia falar; e entenderam que tivera uma visão dentro do santuário; e lhes fazia sinais, e continuava mudo. 23 Sucedeu que, completados os dias de sua ministração, ele foi para casa. 24 Após esses dias, Isabel, sua mulher, concebeu; ela se ocultou por cinco meses, e disse: 25 Assim me fez o Senhor, nos dias em que atentou em mim, para desfazer o meu opróbrio entre os humanos. 26 E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem desposada com um homem de nome José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. 28 E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, favorecida! O Senhor é contigo. Tu és bendita entre as mulheres312. 29 Vendo-o ela, perturbou-se com a palavra dele, e ficou a pensar no que significaria tal saudação. 30 E o anjo lhe disse: Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31 E eis que em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus313. 32 Este será grande, e será chamado Filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. 33 Ele reinará sobre a casa de Jacó pelas eras, e o seu reino não terá fim. 34 E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, uma vez que não conheço varão? 35 Respondendo, o anjo lhe disse: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; pelo que também o santo314que há de nascer será chamado Filho de Deus. 36 E eis que Isabel, tua parenta, ela mesma concebeu um filho em sua velhice; e este é o sexto mês para aquela que era chamada estéril; 37 porque, com Deus, nenhuma palavra será 3 1 1

O mesmo varão Gabriel na profecia de Daniel. Gabriel é um nome que significa homem de Deus. Ninguém foi mais privilegiada do que Maria, entre todas as mulheres -mãe de Jesus na carne. 3 1 3 Jesus = YÁHSHUA (o nome original na língua hebraica). Ver nota em Mt 1:25. 3 1 4 Além de Deus, só Jesus tem direito ao título singular de santo. Nenhum de nós é santo, nem buscamos santidade. A santidade pertence ao Senhor. Seguimos a santificação, que é indispensável. Coletivamente, somos os santos, ainda que eventualmente ignorantes ou rebeldes, como indivíduos. 3 1 2


57

inoperante. 38 Disse, então, Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela. 39 Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, 40 entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. 41 Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre; e Isabel ficou cheia de Espírito Santo. 42 Ela então, com voz bem alta, exclamou: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre! 43 E donde me vem que a mãe de meu Senhor me visite? 44 Pois, quando a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria dentro de mim. 45 E bemaventurada aquela que creu, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor se cumprirá. 46 E Maria disse: A minha alma engrandece ao Senhor, 47 e o meu espírito está exultante em Deus, meu Salvador, 48 por ter ele olhado para a condição humilde de sua serva. Pois doravante todas as gerações me considerarão bem-aventurada, 49 em vista das grandes coisas que me fez o Poderoso; e o seu nome é Santo315,50 e a sua misericórdia perdura de geração em geração, para aqueles que o temem.51 Agiu com a força de seu braço; dispersou os que são arrogantes no entender do próprio coração. 52 Depôs poderosos de seus tronos, e a humildes exaltou. 53 A famintos cumulou de bens, e a ricos despediu de mãos vazias. 54 Amparou a Israel, seu servo, lembrando-se da misericórdia 55 em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre, como prometera a nossos pais. 56 Maria permaneceu com ela cerca de três meses, e voltou para casa316. 57 A Isabel chegou o tempo de dar à luz, e teve um filho. 58 Seus vizinhos e parentes ouviram que o Senhor usara de grande misericórdia para com ela, e participaram do seu regozijo. 59 Sucedeu que, no oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias; 60 mas a mãe, tomando a palavra, disse: Não, ele vai chamar-se João! 61 Eles lhe disseram: Ninguém há na tua parentela que tenha esse nome. 62 E perguntaram ao pai, por sinais, como queria que lhe chamassem. 63 Pedindo uma tabuinha, ele escreveu: João é o seu nome. E todos se admiraram. 64 Então a boca imediatamente se lhe abriu e, desimpedida a língua, falava louvando a Deus. 65 Caiu o temor sobre todos os seus vizinhos. Por toda a região montanhosa da Judeia comentavam-se esses fatos. 66 E todos os que ouviam as palavras, guardavam-nas no coração, e diziam: Que virá a ser este menino? E a mão do Senhor estava com ele. 67 E Zacarias, seu pai, ficou cheio de Espírito Santo e profetizou, dizendo: 68 Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, que nos visitou e operou redenção para o seu povo, 69 e nos suscitou uma força de salvação na casa de Davi, seu servo, 70 como prometera desde tempos remotos por boca dos seus santos profetas, 71 para nos salvar dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam; 72 para usar de misericórdia com nossos pais e lembrar-se da sua santa aliança 73 e do juramento que fez a Abraão, nosso pai, 74 de nos conceder que, sem medo, livres das mãos de nossos inimigos, lhe prestássemos adoração, 75 com santa reverência e com justiça em sua presença, todos os dias de nossa vida. 76 E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, pois andarás ao diante do Senhor, a preparar-lhe o caminho, 77 para dar ao seu povo conhecimento317da salvação, na remissão dos seus pecados, 78 graças ao profundo afeto de misericórdia de nosso Deus, em que nos visitou o sol nascente das alturas, 79 para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, para guiar os nossos passos no caminho da paz. 80 O menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele estava nos desertos até aqueles dias em que seria apresentado a Israel. Lc 2. “Hoje Vos Nasceu um Salvador” 2:1 Naqueles dias, promulgou-se um edito da parte de César Augusto determinando o recenseamento de todo o império. 2 Esse primeiro recenseamento sucedeu no tempo em que Quirino governava a Síria, 3 e todos se dirigiam a sua respectiva cidade para alistar-se. 4 Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, para a Judeia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e da linhagem de Davi, 5 para se inscrever com 315

Só Deus é santo. Ele também chama santo aquilo que foi posto de parte para Seu uso, ou que esteja relacionado com a Sua Presença. O teu espírito, irmão, é santo porque é um com o Espírito de Cristo, que é o Espírito de Deus. O Espírito eterno é a unidade do Pai com o Filho e com a Mãe. 316 Quando Maria voltou para casa, João já havia nascido. 317 Sem o conhecimento da verdade, seria impossível preparar-se para a glória da vida eterna, ou mesmo para viver na Boa Terra que foi prometida a Israel (a nós). O conhecimento da verdade da salvação, e da remissão dos pecados, é o caminho da salvação.


5 8

Maria, que lhe fora dada como esposa, a qual estava grávida. 6 E aconteceu que, enquanto eles estavam nesse lugar, ela completou os dias da gestação, 7 e deu à luz seu filho primogênito318; envolveu-o com faixas e deitou-o na gamela, não havendo lugar para eles na casa319. 8 E havia pastores no campo, os quais passavam a noite fazendo guarda a seu rebanho. 9 Eis que um anjo do Senhor apareceu-lhes, e brilhou glória do Senhor ao redor deles. Tomaram-se de grande temor. 10 E o anjo lhes disse: Não temais; porque eis que vos trago boas-novas de grande alegria, que será para todo o povo. 11 É que hoje vos nasceu um Salvador, que é o Senhor Ungido, na cidade de Davi. 12 E isto vos será por sinal: encontrareis um recém-nascido envolto em faixas, deitado na gamela. 13 E de repente juntou-se ao anjo uma multidão do exército celestial a louvar a Deus, dizendo: 14 Glória a Deus nas alturas e, sobre a terra, paz entre os homens, a quem ele favorece. 15 Quando os anjos os deixaram, em direção ao céu, os pastores disseram entre si: Vamos andar já até Belém, e vejamos esta palavra que toma corpo e que o Senhor nos deu a conhecer. 16 E eles foram depressa, e encontraram a mesma Maria, e a José, e ainda o recém-nascido deitado na gamela. 17 Tendo-o visto, divulgaram eles a palavra que lhes fora falada a respeito dessa criança; 18 e todos os que os ouviam ficavam maravilhados com o que os pastores lhes falavam. 19 Maria, de sua parte, guardava consigo essas palavras, ponderando-as em seu coração. 20 E os pastores voltaram, a glorificar e louvar a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, que tudo era como lhes fora dito. 21 E, quando se passaram os oito dias para a circuncisão do menino, foi-lhe também dado o nome de Jesus, conforme o anjo o chamou antes que fosse concebido. 22 E, ao se completarem os dias para purificação dela, segundo a lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para apresentá-lo ao Senhor 23 (conforme está escrito na lei do Senhor: que todo filho varão que abre o útero será chamado santo ao Senhor), 24 e para (conforme está dito na lei do Senhor) oferecer em sacrifício um par de rolas ou dois pombinhos. 25 E eis que havia um homem em Jerusalém, de nome Simeão; e este, que era justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e havia Espírito Santo sobre ele. 26 Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que ele não veria a morte enquanto não houvesse visto o Ungido do Senhor. 27 E veio320, pelo Espírito, ao templo, quando ali os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que prescrevia a lei a seu respeito. 28 Ele o tomou nos braços e louvou a Deus dizendo: 29 Agora despede em paz, meu Amo, o teu servo, conforme a tua palavra, 30 que os meus olhos viram a tua salvação, 31 a qual preparaste em face de todos os povos, 32 luz para revelação das nações, e glória do teu povo Israel. 33 E estava José maravilhado, e bem assim a mãe, com as coisas que se diziam dele. 34 E Simeão os abençoou, e disse a Maria, sua mãe: Eis que este foi posto para derrubar e alevantar a muitos em Israel, e como sinal de contradição 35 (e, quanto a ti, uma espada traspassará a tua alma), de modo que sejam revelados os pensamentos de muitos corações. 36 E havia uma profetisa, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Asher, ela provecta em idade, que, desde a sua virgindade, apenas tinha vivido com o marido por sete anos. 37 Era viúva, agora de oitenta e quatro anos, e não se afastava do templo, adorando em jejuns e súplicas por uma noite e um dia. 38 E ela, na hora determinada, estando ali, dava testemunho ante o Senhor, e dele falava a todos os que esperavam a redenção em Jerusalém. 39 E, quando ficou tudo cumprido de conformidade com a lei do Senhor, retornaram à Galileia, para a sua cidade que era Nazaré. 40 E o menino crescia e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria, e a graça de Deus estava sobre ele. 41 E seus pais viajavam a cada ano para Jerusalém, para a festa da Páscoa.42 Então, quando alcançou a idade de doze anos, subiram eles a Jerusalém como se costumava na festa. 43 Passados aqueles dias, pondo-se eles a caminho, o menino Jesus ficou atrás em Jerusalém, sem que José o soubesse, ou a mãe. 44 Mas eles, supondo que o menino estivesse a acompanhar o grupo, andaram caminho de um dia, e passaram a procurá-lo entre os parentes e conhecidos; 45 não o encontrando, voltaram a Jerusalém a sua procura. 46 Sucedeu que, decorridos três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos mestres, a ouvi-los e a interrogá-los. 47 E todos os que o ouviam ficavam assombrados com a sua inteligência e as suas respostas. 48 Quando o 3 1 8

O primeiro dos filhos e filhas de Maria. Era casa de parentes de José, mas os quartos já estavam ocupados, por causa da festa de Tabernáculos. 3 2 0 Esse dia era o grande dia da festa de Tabernáculos, o oitavo dia. 3 1 9


59

viram, ficaram pasmados, e assim lhe falou sua mãe: Filho, por que nos fizeste tal coisa? Teu pai e eu te procuramos aflitos! 49 E ele lhes disse: Por que tínheis de me procurar? Não sabíeis que eu havia de estar no que pertence a meu Pai 321? 50 E eles não entenderam322a palavra que lhes falou. 51 Ele desceu com eles, indo para Nazaré, e lhes estava submisso. Sua mãe guardava todas essas palavras no seu coração. 52 E Jesus fazia progressos na sabedoria, e no físico, e na graça, diante de Deus e dos homens. Lc 3. “Preparai o Caminho do Senhor” 3:1 No ano décimo quinto do domínio de Tibério César, ao tempo em que Pôncio Pilatos era governador da Judeia, Herodes era tetrarca da Galileia, Filipe, seu irmão, era tetrarca da Itureia e da região de Traconite, e Lisânias, de Abilene, 2 estando Anás e Caifás nas funções de sumo sacerdote, – veio palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto. 3 E ele andava por toda a região do Jordão a pregar batismo de arrependimento para remissão de pecados, 4 como está escrito no livro das palavras do profeta Isaías, que disse: Voz do que clama no deserto – preparai o caminho de Yahveh323; fazei desimpedidas as suas veredas. 5 Todo vale será aterrado, todo monte e todo outeiro será rebaixado; e o que estiver torto se endireitará, e o que estiver empedrado se acertará. 6 E toda carne verá a salvação de Deus. 7 Dizia então à multidão dos que se apresentavam para ser batizados por ele: Ó ninhada de víboras! Quem vos avisou a fugir da ira vindoura? 8 Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer entre vós: temos por pai a Abraão; porque eu vos afirmo que destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão. 9 E agora mesmo está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, então, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. 10 E as multidões o interrogavam, a dizer: Que é, então, que havemos de fazer? 11 Respondeu-lhes, dizendo: Quem tem duas túnicas reparta com quem não tem; e quem tem comida faça o mesmo. 12 Foram também publicanos para ser batizados, e lhe perguntaram: Mestre, que faremos? 13 Ele lhes disse: Não cobreis mais que o estipulado. 14 Também soldados lhe perguntaram: E nós, que faremos? Disse-lhes ele: A ninguém maltrateis, não deis denúncia falsa, e contentai-vos com o vosso soldo. 15 Como o povo estivesse na expectativa, e todos cogitassem em seus corações a respeito de João, quanto à possibilidade de ser ele o Ungido, 16 declarou João a todos: Eu vos batizo em água, mas vem aquele que é mais forte do que eu, do qual não sou digno de desatar a correia das sandálias; ele vos batizará em Espírito Santo324e em fogo. 17 A pá está em sua mão; limpará totalmente a sua eira e recolherá o trigo ao seu celeiro; a palha 325, porém, ele a queimará completamente em fogo inextinguível. 18 Desta maneira, portanto, e com muitas outras exortações, anunciava o evangelho ao povo. 19 O tetrarca Herodes, repreendido por ele por causa de Herodíades, mulher de seu irmão Filipe, e por causa das maldades que havia feito, 20 acrescentou sobre todas ainda esta: lançou João no cárcere. 21 Ao tempo em que o povo em geral se batizava, e no momento em que Jesus, também batizado, estava a orar, o céu se abriu, 22 e o Espírito Santo desceu corporalmente sobre ele em forma como de pomba; e ouviuse uma voz do céu, a dizer: Tu és meu Filho amado, estou satisfeito contigo. 23 E ele, Jesus, começava a ter cerca de trinta anos de idade 326. Era, ao que se cuidava, filho de José, de Eli, 24 de Matat, de Levi, de Melqui, de Janai, de José, 25 de Matatias, de Amós, de Naum, de Esli, de Nagai, 26 de Maat, de Matatias, de Semei, de José, de Judá, 27 de Joaná, de Resa, de Zorobabel, de Salatiel, de Neri, 28 de Melqui, de Adi, de Cosan, de Elmodan, de Er, 29 de Josse, de Eliézer, 321

Encontramos o Filho, com o Pai, na casa do Pai. Aqui está o verdadeiro santuário de Deus na terra. Agora podemos entender. Jesus será achado no santuário, o coração do Pai, e o seu corpo, em nós. 323 D E D I YHVH no Hebraico do profeta citado; onde se lê Yahveh (Yavé), pode-se pronunciar Adonai, ou o Senhor, ou o Kýrios, designações autorizadas que substituem o Nome. 324 Ele nos batizou no rio do Espírito Santo, e bebemos. Estamos mergulhados na atmosfera do Espírito Santo, e respiramos. 325 É breve esta última tribulação dos que não se arrependem. O fogo eterno elimina o verme-carne. 326 A tradução, neste verso, é literal, sem interpretação. Minha interpretação seria de que era o mês em que completava 29 anos de idade, e era o ano 28. Esse mês era o primeiro do ano 15 de Tibério, contado desde 18/09/14, dia da posse do imperador. Ora, Jesus nasceu em Tabernáculos, e foi levado ao deserto na Expiação; as duas festas bíblicas celebram-se no mês de Tishri. Pode ter sido batizado no dia 1º de Tishri . O dia da Expiação é 10. Tabernáculos começa aos 15 daquele mês do calendário hebraico. Este é o dia natal de Jesus (outubro inicial ou setembro final). 322


6 0

de Jorim, de Matat, de Levi, 30 de Simeão, de Judá, de José, de Jonan, de Eliaquim, 31 de Meleá, de Menan, de Matatá, de Natan, de Davi, 32 de Jessé, de Obed, de Booz, de Salmon, de Naasson, 33 de Aminadab, de Aarão, de Esrom, de Farés, de Judá, 34 de Jacó, de Isaque, de Abraão, de Terá, de Nacor, 35 de Saruc, de Ragau, de Faleque, de Éber, de Salá, 36 de Cainan, de Arfaxade, de Sem, de Noé, de Lameque, 37 de Matusalá, de Enoque, de Jared, de Maleleel, de Cainan, 38 de Enos, de Seth, de Adão, de Deus. Lc 4. O Profeta na Sua Terra 1

4: Jesus, cheio de Espírito Santo, voltou do Jordão e passou a ser conduzido, no Espírito, pelo deserto, 2 durante quarenta dias, sendo tentado pelo acusador. E nada comeu naqueles dias, ao fim dos quais teve fome. 3 Disse-lhe, então, o acusador: Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se transforme em pão. 4 E Jesus lhe respondeu: Está escrito – não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que Deus falar. 5 Então, conduzindo-o para mais alto, mostrou-lhe num instante todos os reinos da terra. 6 E disse-lhe o acusador: Eu te darei toda esta jurisdição e a glória que lhe pertence, pois que me foi entregue, e eu a dou a quem me aprouver; 7 portanto, se te prostrares diante de mim, tudo será teu. 8 Aí Jesus lhe replicou, dizendo: Arreda de mim, satanás, pois está escrito – prostrar-te-ás ante Yahveh teu Deus, e só a ele adorarás. 9 Depois o levou a Jerusalém e o colocou sobre o pináculo do templo, e lhe disse: Se és o Filho de Deus, atira-te daqui abaixo; 10 porque está escrito que aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para que te guardem; 11 e que eles te susterão com as mãos, para não tropeçares nalguma pedra. 12 Respondeu-lhe Jesus, dizendo: Dito está – não porás à prova a Yahveh teu Deus. 13 Tendo acabado toda tentação, apartou-se dele o acusador, por algum tempo. 14 Então Jesus, na força do Espírito Santo, regressou à Galileia, e correu voz geral a seu respeito por toda a circunvizinhança. 15 E ele ensinava nas congregações deles, sendo louvado por todos. 16 Indo a Nazaré, onde fora criado, entrou, conforme o seu costume em dias de sábado, na congregação, e levantou-se para ler. 17 Então lhe foi entregue o livro do profeta Isaías. Ele, abrindo o livro, achou a passagem onde estava escrito: 18 O Espírito de Yahveh está sobre mim, e por ele ungiu-me para evangelizar os pobres, enviou-me a sarar os quebrantados de coração, a pregar libertação327aos cativos, e visão aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, 19 a proclamar o ano aceitável de Yahveh. 20 Tendo fechado o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e todos na congregação tinham os olhos fitos nele 328. 21 Então Jesus passou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta escritura em vossos ouvidos. 22 − E todos davam testemunho dele, e se maravilhavam das palavras de graça que lhe saíam da boca. E diziam: Não é este o filho de José? 23 − Ele lhes disse: Certamente me citareis este provérbio – médico, cura-te a ti mesmo – tudo o que ouvimos ter-se dado em Cafarnaum faze-o também aqui na tua terra. 24 E disse: Em verdade vos afirmo que nenhum profeta é bem recebido em sua terra. 25 Pela verdade vos digo que muitas viúvas havia em Israel no tempo de Elias, quando o céu se fechou por três anos e seis meses, havendo grande fome em toda a terra; 26 e a nenhuma delas Elias foi enviado, senão a Sarepta de Sidom, a uma mulher viúva. 27 Havia também muitos leprosos em Israel nos dias do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro. 28 E todos na congregação, ouvindo estas coisas, se encheram de ira. 29 E, levantando-se, expulsaram-no da cidade e o estavam levando para o cimo do monte sobre o qual estava edificada, intentando precipitarem-no de lá. 30 Ele, porém, passando pelo meio deles, retirouse. 31 E desceu a Cafarnaum, cidade da Galileia, e os ensinava nos sábados. 32Eles ficavam pasmados com a sua doutrina, porque a sua palavra era com autoridade. 33 Achava-se na congregação um homem que tinha um espírito de demônio imundo, que bradou em alta voz: 34 Ah! que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para perder-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus! 35 E Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te, e sai dele! O demônio, depois de o atirar no meio deles, saiu dele sem o machucar. 36 Todos se tomaram de assombro e comentavam, a dizer: Que palavra é essa? Ele usa de autoridade e poder para dar ordens a espíritos imundos, e eles saem! 37 E sua fama se propagava por todo lugar da redondeza. 3 2 7

A pregação consiste, sempre, no evangelho, e a libertação é resultado de obediência ao evangelho. Estavam espantados porque ele leu o nome de Yahveh como estava escrito, e a tradição o proibia. De nossa parte, onde se lê Yahveh (Yavé), podemos pronunciar Adonai, ou o Senhor.

3 2 8


61 38

Deixando ele a congregação, foi para a casa de Simão. Ora, a sogra de Simão sofria de febre alta, e lhe rogaram por ela. 39 E ele, inclinando-se para ela, repreendeu a febre, e esta a deixou; logo ela se levantou, e passou a servi-los. 40 Ao pôr-do-sol, todos os que tinham enfermos de diferentes moléstias lhos traziam; e ele, impondo as mãos a cada um, os curava. 41 Também de muitos saíam demônios329, a clamar e a dizer: Tu és o Ungido, o Filho de Deus! Ele os repreendia, não admitindo dizerem que sabiam ser ele o Ungido. 42 Sendo já dia, saiu e foi para um lugar deserto; as multidões o procuravam e foram ao seu encontro, instando a que não fosse embora e os deixasse. 43 Ele, porém, lhes disse: É necessário que eu anuncie o evangelho do reino de Deus também às outras cidades, pois para isso é que fui enviado. 44 E pregava nas congregações da Galileia. Lc 5. “Eu Vim Chamar Pecadores” 1

5: Aconteceu que, ao apertá-lo a multidão para ouvir a palavra de Deus, estando ele junto ao lago de Genesaré, 2 viu dois barcos ancorados à margem. Os pescadores, havendo desembarcado, lavavam as redes. 3 Entrando ele em um dos barcos, que era de Simão, pediulhe que o afastasse de terra um pouco, e, assentando-se, passou a ensinar do barco o povo ali presente. 4 Quando parou de falar, disse a Simão: Faze-te ao largo, e fazei um lance com as vossas redes. 5 Simão respondeu-lhe, dizendo: Mestre, nós passamos a noite inteira a esforçarnos, e nada apanhamos, mas, com base na tua palavra, vou lançar a rede. 6 E, isso fazendo, apanharam enorme quantidade de peixes, a ponto de se lhes romper a rede. 7 Então fizeram sinais aos companheiros que estavam no outro barco, para que fossem ajudá-los. Foram e encheram ambas as embarcações, e estavam mesmo a soçobrar. 8 Vendo isto, Simão Pedro caiu de joelhos aos pés de Jesus, dizendo: Retira-te de mim, Senhor, que eu sou um pecador. 9 Isso porque ele ficou tomado de assombro, assim como todos os que estavam com ele, com o lance de rede em que tantos peixes apanharam. 10 Assim também Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram colegas de Simão. E Jesus disse a Simão: Não temas; a partir de agora estarás a capturar gente. 11 E, arrastando eles os barcos para terra, deixando tudo, o seguiram. 12 Aconteceu que, estando ele numa das cidades, havia um homem coberto de lepra que, ao ver a Jesus, caindo com o rosto em terra, suplicou-lhe: Senhor, se quiseres podes purificar-me. 13 E ele, estendendo a mão, pegou-lhe, e disse: Eu quero, fica limpo! E, no mesmo instante, a lepra o deixou. 14 Ordenou-lhe que a ninguém o contasse, – mas vai, disse, mostra-te ao sacerdote e apresenta oferta pela tua purificação, conforme Moisés determinou, para que lhes seja por testemunho. 15 Entretanto, o que se dizia a seu respeito cada vez mais se propagava, e muitos grupos numerosos afluíam para ouvi-lo e ser curados de suas enfermidades. 16 Ele, porém, se retirava para lugares ermos e orava. 17 E aconteceu que, num daqueles dias, estava ele a ensinar, e achavam-se ali assentados fariseus e mestres da lei, vindos de todos os povoados da Galileia e da Judeia, bem como de Jerusalém, e a força do Senhor ali estava para curá-los. 18 E eis que vieram uns homens trazendo num leito um paralítico; e procuravam introduzi-lo e pô-lo em sua presença. 19 Não achando por onde introduzi-lo por causa da multidão, subiram ao eirado e o desceram no leito, pela cobertura, para o meio, diante de Jesus. 20 Vendo-lhes a fé, Jesus disse a ele: Homem, estás perdoado dos teus pecados330. 21 E os escribas e fariseus começaram a arrazoar, dizendo: Quem é esse que diz blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus somente? 22 Mas Jesus, conhecendo-lhes os pensamentos, lhes disse: Que arrazoais em vossos corações? 23 É mais fácil dizer – estás perdoado dos teus pecados – ou dizer – levanta-te e anda? 24 Mas para que saibais que o Filho do Homem331tem, na terra, autoridade para perdoar pecados – disse ao paralítico: Eu te mando – levanta-te, toma o teu leito e vai para casa. 25 Levantando-se de imediato na presença deles, pegou o objeto sobre que estivera deitado e se foi para casa, a glorificar a Deus. 26 Todos foram tomados de assombro e davam glória a Deus; cheios de temor, diziam: Hoje vimos coisas incríveis! 27 Depois disso, saindo, viu um publicano, por 329

A mente humana da carne, por negatividade de pensamento e palavra, enseja a atração de antiespíritos impessoais individualizados. Esses demônios são impuros e malignos. Têm existência virtual e conjuntural, e derivam sua força da própria mente humana. 330 Pecados são problemas exclusivamente humanos. Não são ofensa a Deus, pois ele, sendo perfeito, jamais se ofende. 331 Filho do homem significa filho de mãe humana e, também, filho humano do Altíssimo.


6 2

nome Levi, que estava assentado na coletoria, e disse-lhe: Segue-me! 28 Ele se levantou e, deixando tudo, o acompanhou. 29 E Levi lhe preparou um grande banquete em sua casa; e com eles estavam à mesa numerosos publicanos, e outros. 30 E estavam a murmurar aqueles dentre eles que eram escribas e fariseus, para com os discípulos dele, e a dizer: Por que comeis e bebeis com publicanos e pecadores? 31 Jesus, tomando a palavra, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico, e sim os que estão doentes. 32 Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento332. 33 Disseram-lhe eles: Por que os discípulos de João costumam jejuar com frequência, e fazem súplicas, e bem assim os que são fariseus, ao passo que os teus comem e bebem. 34 E Jesus lhes disse: Podeis fazer jejuar os convidados, enquanto está com eles o noivo? 35 Dias virão em que lhes será tirado o noivo; naqueles dias, aí sim, hão de jejuar. 36 Também lhes disse uma parábola: Ninguém tira retalho de uma roupa nova para aplicá-lo a roupa velha; rasgaria também a nova, e o remendo da nova não se ajustaria à velha. 37 E ninguém põe vinho novo em odres velhos; o vinho novo romperia os odres, derramando-se o vinho e perdendo-se os odres. 38 Pelo contrário, vinho novo deve ser posto em odres novos, para que tanto um quanto outros se conservem. 39 E ninguém há que tenha bebido o vinho velho e queira logo do novo; porque diz: é o envelhecido que eu mais aprecio333. Lc 6. “O Filho do Homem é Senhor Também do Sábado” 1

6: Aconteceu que, no segundo dos primeiros sábados, ao passar Jesus pelas searas, seus discípulos colhiam espigas e as comiam, debulhando-as com as mãos. 2 E alguns dos fariseus lhes disseram: Por que fazeis o que não é lícito aos sábados? 3 Jesus lhes replicou: Nem mesmo haveis lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os que o acompanhavam? 4 Que entrou na casa de Deus e que tomou os pães da proposição, deles comeu e os deu aos que com ele estavam, sem que lhes fosse lícito comê-los, senão aos sacerdotes? 5 Disse-lhes ainda: O Filho do Homem é senhor também do sábado. 6 Sucedeu mais que, em outro sábado, tendo entrado na casa de congregação, estava a ensinar. E ali se achava um homem cuja mão direita estava ressequida. 7 Os escribas e os fariseus observavam-no, para acharem de que o acusar, caso fizesse cura no sábado. 8 Mas ele, conhecendo-lhes os pensamentos, disse ao homem da mão ressequida: Levanta-te e fica em pé no meio; e ele, levantando-se, ficou em pé. 9 Então Jesus disse a eles: Eu vos pergunto o que seria lícito nos sábados – fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma alma ou deixá-la perder-se? 10 E, olhando para todos eles em redor, disse ao homem: Estende a mão. Ele assim o fez, e a mão lhe foi restaurada, tão sã quanto a outra. 11 Eles, porém, se encheram de furor, e discutiam entre si quanto ao que fariam a Jesus. 12 E aconteceu naqueles dias que ele se retirou para o monte a fim de orar, e passou a noite em oração a Deus. 13 Quando se fez dia, chamou a si os seus discípulos e, escolhendo doze dentre eles, também os denominou apóstolos: 14 Simão (também lhe chamou Pedro) e André, seu irmão; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15 Mateus e Tomé; Tiago filho de Alfeu, e Simão chamado Zelote; 16 Judas filho de Tiago, e Judas Iscariotes, que veio a ser traidor. 17 E, descendo com eles, parou numa planura, onde havia numeroso grupo de discípulos e grande multidão de pessoas de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e Sidom, que vieram para ouvi-lo e para curar-se de suas doenças. 18 Também os atormentados por espíritos imundos eram curados. 19 E todos da multidão procuravam tocá-lo, pois dele saía uma força que curava a todos. 20 Então ele, olhando para seus discípulos, lhes disse: Bem-aventurados os pobres, porque vosso é o reino de Deus. 21 Bem-aventurados vós, os que agora tendes fome, porque sereis saciados. Bem-aventurados os que agora chorais, porque haveis de rir. 22 Bemaventurados sois quando os homens vos odiarem e quando vos excluírem e vos insultarem e rejeitarem o vosso nome como maligno, por causa do Filho do Homem. 23 Regozijai-vos naquele dia e exultai, porque grande é o vosso galardão no céu; pois foi este mesmo o 3 3 2

Arrepender-se é deixar de ver as coisas segundo os conceitos da sociedade humana, e passar a contemplar a realidade conforme a mente de Deus. Arrependimento = me t á no i a= mudança de entendimento (implica renunciar a crenças). Esta mudança de entendimento equivale a mudança de percepção. O arrependimento é dom de Deus (At 5:31), pois dependemos de sua graça para que nossa percepão seja mudada. Quando houver perfeito conhecimento, este bastará, e nem mesmo a percepção será necessária. Por enquanto, o arrependimento deve ser renovado muitas vezes, com pedido de perdão e misericórdia. 3 3 3 a embriaguez da religião


63

procedimento de seus antepassados para com os profetas. 24 Mas ai de vós, os ricos, porque já estais a receber a vossa consolação. 25 Ai de vós, os que viveis na fartura, porque vireis a ter fome. Ai de vós, os que agora estais a rir, porque haveis de lamentar e chorar. 26 Ai de vós quando todos vos louvarem, porque foi assim que vossos antepassados trataram os falsos profetas. 27 A vós, porém, que me ouvis eu digo: amai vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam. 28 Bendizei os que vos maldizem, orai por aqueles que vos ultrajam334. 29 Ao que te bater numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te tirar a capa, não o impeças de levar também a túnica. 30 A qualquer que de ti exija, entrega; e, se alguém levar o que é teu, não entres em demanda. 31 E como quereis que os homens vos façam, assim o fazei vós também a eles. 32 Se amais os que vos amam, qual é o vosso crédito? Pois mesmo os pecadores amam aos que os amam. 33 Se fazeis o bem aos que vos fazem o bem, que crédito tendes? Até os pecadores fazem isso. 34 E se emprestais àqueles de quem esperais receber, que é que tendes a crédito? Também os pecadores emprestam a pecadores, para receberem outro tanto. 35 Antes, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, nada esperando receber; grande será o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno para com os ingratos e maus. 36 Sede compassivos, assim como vosso Pai é compassivo. 37 Não julgueis335 e não sereis julgados336; não inculpeis e não sereis culpados; liberai e sereis liberados. 38 Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, deitarão em vosso regaço; porque a mesma medida com que medirdes vos será aplicada. 39 Disse-lhes também uma parábola: Poderia um cego guiar a outro cego? Não cairiam ambos num buraco? 40 Um discípulo não está acima do seu mestre; mas cada um que receber instrução completa será como o seu mestre. 41 Por que estás a ver o cisco no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está em teu próprio olho? 42 Como poderás dizer-lhe: – Irmão, deixa-me tirar o cisco que está no teu olho, – não vendo tu mesmo a trave que está no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e daí terás visão para retirar o argueiro que está no olho de teu irmão. 43 Ora, não há árvore boa que dê fruto podre; nem tampouco árvore podre que dê bom fruto337. 44 Porquanto cada árvore é conhecida pelo seu próprio fruto. Ora, não se colhem figos de espinheiros, nem de abrolhos se apanham cachos de uvas. 45 O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o que é bom, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração, tira o que é mau; porque a boca fala do que é abundante no coração. 46 Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando338? 47 Todo o que vem a mim, e ouve as minhas palavras, e as pratica339, eu vos mostrarei a quem é semelhante. 48 É semelhante a um homem que, a edificar uma casa, cavou, abriu profunda vala e firmou o alicerce sobre a rocha; e, vindo a enchente, arrojou-se o rio contra aquela casa e não a pôde abalar, tendo ela a rocha por fundamento340. 49 Mas o que ouve e não pratica é semelhante a um homem que edificou uma casa sobre a terra, sem alicerce; contra ela o rio se arrojou, e essa logo desabou; e foi grande o colapso dessa casa. Lc 7. Aquele Que Havia de Vir 1

7: Havendo ele concluído todas as suas palavras aos ouvidos do povo, entrou em Cafarnaum. 2 E o servo de um centurião, a quem este muito estimava, estava doente, quase à morte. 3 Tendo ouvido falar a respeito de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos dos judeus, a pedirlhe que viesse curar o seu servo. 4 Estes, aproximando-se de Jesus, lhe rogaram encarecidamente, a dizer: Ele merece que lhe concedas este favor, 5 porque ama o nosso povo, 334

Não é justo reprovar essa pessoa, ainda que ela pareça ser teu inimigo, pelas obras da sua carne. Tu a amas e abençoas porque ela é um espírito irrepreensível. 335 Todo conceito moral negativo, aplicado a pessoas, é injustiça e é preconceito. 336 ↔ Este ‘ser julgado’ é efeito direto (na mesma medida). Qualquer julgamento que faças é autojuízo, isto é, reverte contra ti. Por outro lado, cada vez que ofereces bênção, és abençoado na mesma medida. Quando perceberes haver cometido julgamento, apela à misericórdia: Ó Deus, sê propício a este pecador! 337 O bom fruto é o fruto do espírito; o fruto podre é o fruto da carne. 338 Que mais o Senhor nos manda, senão que escutemos a palavra de Deus e, com base na verdade da palavra, nos arrependamos, e creiamos, e cultivemos o amor? Se não obedecemos à verdade, é em vão que invocamos o Senhor. Note-se, mais, que Ele não nos deu nenhum mandamento de proibição. Não confundir com proibição as advertências e as instruções. 339 A prática da palavra do Senhor é a obra de fé, pois a fé se fundamenta na palavra. Onde falta o conhecimento da palavra, a fé é inexistente, já que a fé sem obras é morta, e as obras consistem em praticar a palavra da verdade. 340 Forças externas não podem abalar o que está edificado no fundamento de Cristo, o Espírito.


6 4

e ele mesmo nos construiu a casa de congregação. 6 Então Jesus foi com eles. Estando ele já perto da casa, o centurião enviou-lhe uns amigos para lhe dizer: Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres debaixo do meu teto. 7 Por isso, eu mesmo não me julguei digno de ir ter contigo; mas dize uma palavra, e será curado o meu rapaz. 8 Porque também eu sou homem sujeito a autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e a meu servo: faz isto, e ele o faz. 9 Ouvidas estas palavras, admirou-se Jesus dele e, voltando-se para a gente que o acompanhava, disse: Eu vos afirmo que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé341. 10 E, voltando para a casa os que foram enviados, encontraram o servo enfermo já curado. 11 No dia seguinte, aconteceu que Jesus se dirigia a uma cidade chamada Naim, e iam com ele muitos dos seus discípulos e numerosa multidão. 12 Ao se aproximar da porta da cidade, eis que levavam para fora um morto, filho único de uma viúva; e um grupo numeroso de gente da cidade ia com ela. 13 Vendo-a, o Senhor se compadeceu dela e lhe disse: Não chores. 14 Chegando-se, tocou o esquife, e os que o levavam pararam. Ele disse: Jovem, eu te digo – levanta-te! 15 Sentou-se o defunto, e começou a falar; e ele o restituiu a sua mãe. 16 Todos ficaram tomados de temor e glorificavam a Deus, dizendo: Grande profeta se levantou entre nós, e: Deus visitou o seu povo. 17 A notícia deste fato propagou-se por toda a Judeia e por toda aquela região. 18 E os discípulos342de João lhe relataram tudo isso. Ele chamou dois dos discípulos 19 e os enviou a Jesus para perguntar: És tu aquele que havia de vir, ou devemos esperar outro? 20 Quando os homens chegaram junto dele, disseram: João Batista enviou-nos para te perguntar – és tu aquele que havia de vir, ou devemos esperar outro? 21 Naquela mesma hora, curou Jesus muitos de moléstias, e de flagelos, e de espíritos malignos, e a muitos cegos concedeu vista. 22 Então Jesus lhes respondeu: Ide e anunciai a João o que vistes e ouvistes – cegos começam a ver, coxos andam, leprosos são purificados, surdos ouvem, mortos são ressuscitados, e aos pobres está sendo anunciado o evangelho. 23 E bem-aventurado é aquele que não achar em mim motivo de tropeço. 24 Tendo-se retirado os mensageiros de João, passou Jesus a falar ao povo a respeito de João: Que saístes a observar no deserto? Um caniço agitado pelo vento? 25 Que saístes a ver? Um homem em trajes finos? Vede que os trajes elegantes e o luxo assistem nos palácios. 26 Mas, enfim, que saístes a ver? Um profeta? Sim, eu vos digo, e muito mais que um profeta. 27 Este é aquele de quem está escrito: Eis que envio ante tua face o meu mensageiro, o qual preparará o teu caminho diante de ti. 28 Pois eu vos digo: entre os nascidos de mulher, não há profeta maior do que João Batista. Por outro lado, o menor no reino de Deus é maior do que ele. 29 Todo o povo que o ouviu, e até os publicanos, reconheceram que Deus é justo, batizando-se eles com o batismo de João; 30 mas os fariseus e os mestres da lei desconsideraram o desígnio de Deus para eles, não se deixando por ele batizar. 31 E o Senhor disse: A que hei de comparar, então, os homens desta geração343, e a que são semelhantes? 32 São semelhantes a meninos que, sentados na praça, gritam uns para os outros: Nós vos tocamos flauta, e não dançastes; nós vos entoamos lamentações, e não chorastes. 33 Pois veio João Batista, não comendo pão, nem bebendo vinho, e dizeis: Tem demônio. 34 Veio o Filho do Homem, comendo e bebendo, e dizeis: Eis aí um homem que é glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores. 35 E a sabedoria foi justificada por todos os seus filhos. 36 Pediu-lhe um dos fariseus que comesse com ele. Entrando na casa do fariseu, reclinou-se à mesa. 37 E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, informada de que ele estava à mesa na casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento 38 e, estando por detrás, aos seus pés, a chorar, começou a molhá-los com lágrimas, e estava a enxugá-los com os próprios cabelos, e ainda a beijar-lhe os pés e a ungi-los com o unguento. 39 Ao ver isso, o fariseu que o convidara disse consigo mesmo: Se este fosse profeta, bem saberia quem é essa mulher que lhe está a tocar, e de que tipo, que é uma pecadora. 40 Dirigiu-se Jesus ao fariseu e lhe disse: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. Respondeu: Dize-a, Mestre. 41 Certo credor tinha 3 4 1

A fé foi demonstrada no reconhecimento de que não tem limite o alcance da palavra do Senhor. João tinha discípulos e tinha discurso moral porque se esquecera de acompanhar o salto da antiga aliança para a Nova. 3 4 3 Os homens desta geração, sistema cristianismo, insistem em controlar o comportamento alheio. 3 4 2


65

dois devedores: um lhe devia quinhentos denários, e o outro, cinquenta. 42 Não tendo nenhum dos dois com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Qual deles, então, mais o amará? 43 Respondendo, Simão lhe disse: Suponho que aquele a quem mais perdoou. Replicou-lhe: Julgaste bem. 44 E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; esta, porém, regou-me os pés com lágrimas e os enxugou com os seus cabelos. 45 Não me deste ósculo; ela, entretanto, desde que entrei, não cessa de me beijar os pés. 46 Não me ungiste com azeite a cabeça; ela, com bálsamo, me ungiu os pés. 47 É por isso que te digo: Os muitos pecados dela são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama. 48 Falou, então, a ela: Perdoados são os teus pecados. 49 Os que estavam com ele à mesa começaram a dizer entre si: Quem é este que até perdoa pecados? 50 E Jesus disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz. Lc 8. “Não temas; crê somente.” 8:1 Sucedeu, depois disso, que Jesus esteve a percorrer cidades e povoados pregando e evangelizando o reino de Deus; e os doze iam com ele, 2 bem como algumas mulheres que tinham sido curadas de espíritos malignos e enfermidades: Maria, chamada Magdalena, da qual saíram sete demônios; 3 Joana, mulher de Cuzá, procurador de Herodes; Susana e várias outras, que o serviam com os seus bens. 4 Como afluísse uma numerosa multidão e viesse ter com ele gente de cada cidade, falou ele por parábola: 5 Eis que saiu o semeador a semear a sua semente. Ao semeá-la, uma parte da semente caiu na beira do caminho, e foi pisada, e as aves do céu a comeram. 6 Outra caiu sobre a pedra e, tendo germinado, secou por falta de umidade. 7 Outra caiu no meio dos espinhos, e estes, ao crescerem com ela, sufocaram-na. 8 Outra, por fim, caiu na boa terra; cresceu e produziu fruto a cento por um. Dizendo isto, ele exclamou: Quem tem ouvidos para ouvir ouça. 9 E os seus discípulos o interrogavam, dizendo: Que seria esta parábola? 10 Ele respondeu: A vós vos é dado conhecer os segredos do reino de Deus; aos demais, fala-se por parábolas, para que, vendo, não vejam e, ouvindo, não entendam. 11 Eis, pois, o sentido desta parábola: a semente344é a palavra de Deus. 12 Os da beira do caminho são os que ouvem, mas então vem o acusador e lhes tira a palavra do coração, para que não ocorra que crendo, sejam salvos. 13 Os que estão sobre a pedra são os que, quando ouvem, recebem a palavra com alegria; não tendo porém raiz, ainda que creiam por algum tempo, em sobrevindo tribulação afastam-se. 14 A que caiu entre os espinhos são os que ouviram, mas, caminhando sob o peso dos cuidados, da riqueza e dos prazeres da vida natural, ficam sufocados e não chegam a amadurecer. 15 A da boa terra representa aqueles que, tendo escutado de bom e nobre coração, retêm a palavra e dão fruto na paciência345. 16 Ninguém, depois de acender uma candeia, a cobre com um vaso ou a põe debaixo de uma cama; mas a coloca sobre um velador, assim que os que entrarem vejam a luz. 17 Nada há oculto que não se torne manifesto, nem escondido que não venha a ser conhecido e apareça. 18 Reparai, pois, em como ouvis; porque ao que tem, se lhe dará; e ao que não tem, até aquilo que cuida ter lhe será tirado. 19 Vieram ter com ele sua mãe e seus irmãos, e não podiam aproximar-se por causa da multidão. 20 E lhe foi avisado: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem ver-te. 21 Ele lhes respondeu: Minha mãe e meus irmãos346são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a praticam347. 22 Aconteceu que, num daqueles dias, ele entrou num barco com seus discípulos e lhes disse: Passemos para a outra banda do lago; e partiram. 23 Enquanto navegavam, ele adormeceu. E sobreveio uma tormenta de vento no lago, e faziam água, e estavam em perigo. 24 Chegando-se a ele, despertaram-no, dizendo: Mestre, mestre, eis que perecemos! Ele, então, acordando, repreendeu o vento e a fúria da água; aquietaram-se, e houve bonança. 25 Aí lhes disse: Onde está a vossa fé? Cheios de temor e espanto, diziam uns aos outros: Quem será este 344

A palavra é a semente, e nós somos a terra que a recebe. Enquanto, porém, não acolhemos a palavra de Deus de todo o coração, ainda não somos a boa terra, e não temos posse da herança prometida. 345 Perseverança e constância são sinônimos de paciência. 346 A mãe e os irmãos do Senhor não são os parentes segundo a carne, pois Ele é filho da mãe celestial, que não é Maria. 347 Como se pratica a palavra de Deus? Pela obediência de fé: a prática da boa confissão.


6 6

que dá ordens ao vento e à água, e lhe obedecem? 26 E foram a navegar para a terra dos gadarenos, confrontante com a Galileia. 27 Assim que desembarcaram, veio da cidade ao seu encontro um homem que, havia muito tempo, tinha demônios, e não se vestia, nem tinha casa em que morasse, mas vivia entre os túmulos. 28 E, quando viu a Jesus, deu um grito e, caindo-lhe aos pés, exclamou em voz bem alta: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-te que não me atormentes. 29 (Porque ele ali ordenava que saísse do homem o espírito imundo, que muitas vezes se apossara dele; deixavam-no amarrado, preso em correntes e grilhões, mas ele, rompendo as cadeias, era impelido pelo demônio aos desertos.) 30 Perguntou-lhe Jesus: Qual é o teu nome? Respondeu ele: Legião. É que muitos demônios tinham entrado nele. 31 E lhe pedia que não os mandasse ir-se embora para o abismo. 32 Ora, andava ali uma vara numerosa de porcos, a pastar na montanha; e lhe pediam que os deixasse entrar naqueles; e lhes permitiu. 33 Então os demônios, saindo do homem, entraram nos porcos, e estes se precipitaram de um despenhadeiro para dentro do lago, e se afogaram. 34 Vendo os porqueiros o que sucedera, fugiram e foram anunciá-lo na cidade e pelos campos. 35 Saiu, então, o povo para ver o que se passava, e foram ter com Jesus. Acharam o homem de quem os demônios saíram, vestido e atento, assentado aos pés de Jesus, e ficaram assustados. 36 As pessoas que tinham presenciado os fatos também lhes contaram como fora salvo o endemoninhado. 37 E todo o povo da circunvizinhança dos gadarenos lhe pediu que se retirasse para longe deles, pois ficaram dominados por grande medo. Ele então, tomando o barco, retornou. 38 Agora, o homem de quem haviam saído os demônios estava a suplicar-lhe que pudesse ficar com ele; Jesus, porém, o despediu, dizendo: 39 Volta para casa e conta tudo o que Deus te fez. Então ele se foi, a proclamar por toda a cidade tudo o que Jesus lhe fizera. 40 Sucedeu que, quando do regresso de Jesus, foi ele recebido pela multidão, porque todos o aguardavam. 41 Eis que veio um homem por nome Jairo, que acertava de ser dirigente da congregação, o qual, caindo aos pés de Jesus, rogou-lhe que viesse a sua casa, 42 porque tinha uma filha única de doze anos que estava à morte. Enquanto ele ia, a multidão o apertava. 43 Certa mulher, que vinha sofrendo de hemorragia por doze anos, e que gastara todos os seus recursos com médicos, sem que ninguém a pudesse curar, 44 veio por detrás e tocou a orla da sua veste; imediatamente se lhe estancou a hemorragia. 45 E Jesus disse: Quem me tocou? Como todos negassem, Pedro, com os outros, disse: Mestre, a multidão te aperta, e todos se comprimem, e tu dizes – quem me tocou? – 46 Contudo, Jesus insistiu: Alguém me tocou, porque senti que de mim saiu energia. 47 Vendo a mulher que não podia ocultar-se, aproximou-se trêmula e, prostrando-se diante dele, declarou-lhe, na presença de todo o povo, o motivo pelo qual o tocara, e como imediatamente fora curada. 48 Ele, então, lhe disse: Filha, tem bom ânimo; tua fé te salvou; vai em paz. 49 Falava ele ainda, quando veio uma pessoa da casa do dirigente da congregação, dizendo a este: Tua filha já está morta; deixa de perturbar o Mestre. 50 Mas Jesus, ouvindo isso, replicou: Não temas, crê somente, e ela será salva348. 51 Tendo chegado à casa, a ninguém permitiu que entrasse com ele, senão Pedro, Tiago e João, e bem assim o pai e a mãe da menina. 52 E todos Choravam e a pranteavam. Mas ele disse: Não choreis; ela não morreu, mas está dormindo. 53 E riam-se dele, porque sabiam que tinha morrido. 54 Entretanto ele, deixando todos do lado de fora, falou-lhe em voz alta, tomando-a pela mão: Menina, levanta-te! 55 Voltou-lhe o espírito, ela imediatamente ficou de pé, e ele mandou que lhe dessem de comer. 56 Seus pais ficaram maravilhados, mas ele lhes recomendou que a ninguém contassem o que havia sucedido. Lc 9. “Dai-lhes Vós Mesmos de Comer” 1

9: Tendo Jesus convocado os seus doze discípulos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar doenças. 2 Também os enviou a pregar o reino de Deus e a sanar os enfermos. 3 E disse-lhes: Nada leveis convosco quando vos puserdes a caminho – nem bordão, nem alforje, nem pão, nem dinheiro; nem mesmo haveis de ter duas túnicas. 4 Na casa em que entrardes, ali ficareis, e dali prosseguireis jornada. 5 Se porventura, em algum lugar, não vos derem acolhida, ao sairdes da cidade sacudi o pó dos vossos pés em testemunho contra eles. 3 4 8

Ressurreição é uma forma de salvação da morte. Outra maneira é a preservação da vida.


67 6

Então, partindo, percorriam os povoados, a evangelizar e efetuar curas por toda 7 parte. Ora, o tetrarca Herodes soube de tudo o que ele fazia, e estava perplexo, porque diziam alguns que João fora ressuscitado de entre os mortos, 8 – outros, que apareceu Elias, ou que se levantou algum dos antigos profetas. 9 E disse Herodes: A João eu mandei decapitar; quem é, pois, este de quem tenho ouvido tais coisas? E buscava ocasião de vê-lo. 10 Ao regressarem, os apóstolos lhe contaram tudo o que tinham feito. E ele os levou consigo, à parte, para um lugar ermo de uma cidade chamada Betsaida. 11 Mas as multidões, disso sabendo, o seguiram. Acolhendo-as, ele ficou a falar-lhes a respeito do reino de Deus, e a curar os que careciam de saúde. 12 Mas o dia começava a declinar. Então se aproximaram os doze e lhe disseram: Despede a multidão, para que, indo às aldeias e aos campos em redor, possam achar pousada e alimento, pois estamos aqui em lugar ermo. 13 Foi aí que ele lhes disse: Dailhes vós mesmos de comer349. Disseram eles: Não dispomos de nada mais que cinco pães e dois peixes, a não ser que saiamos a comprar comida para todo este povo. 14 Ora, estavam ali cerca de cinco mil homens. Então ele disse aos seus discípulos: Fazei-os reclinar-se em grupos de cinquenta. 15 Eles atenderam, fazendo que todos se reclinassem. 16 E ele, tomando os cinco pães e os dois peixes, e olhando para o céu, os abençoou e os partiu, distribuindo-os aos discípulos para que servissem à multidão. 17 Todos comeram e se fartaram; e foram recolhidos, do que lhes sobejou, doze cestos de pedaços. 18 E sucedeu, numa ocasião em que ele orava a sós mas os discípulos estavam presentes, que ele lhes perguntou: Quem dizem as multidões que eu seja? 19 E eles, respondendo, disseram: Que serias João Batista, ou Elias, ou que se teria levantado algum dos profetas antigos. 20 Ainda lhes perguntou: E quanto a vós, quem dizeis que Eu Sou? Respondeu Pedro, e disse: O Ungido de Deus! 21 Aí ele determinou estritamente que a ninguém referissem tal coisa. 22 E disse: É necessário que o Filho do Homem padeça muitas coisas, que seja rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas; que seja morto e, no terceiro dia, ressuscitado. 23 Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim350, a si mesmo se negue351, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. 24 Pois quem quiser salvar a sua alma352perdê-la-á; e se alguém se privar de sua alma por minha causa, esse a salvará. 25 Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se ou causar dano a si mesmo? 26 Pois qualquer que de mim ou das minhas palavras se envergonhar353, dele se envergonhará o Filho do Homem quando vier na sua glória e na do Pai e dos santos anjos 354. 27 E em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte355, até que vejam o reino de Deus. 28 Sucedeu que, cerca de oito dias depois de proferidas estas palavras, ele tomou consigo a Pedro, João e Tiago, e subiu ao monte para orar. 29 E aconteceu que, enquanto ele orava, a aparência do seu rosto transfigurou-se356, e as suas vestes se tornaram de um branco resplandecente. 30 Eis que dois homens estavam a conversar com ele: eram Moisés e Elias, 31 os quais apareceram em glória e falavam da partida dele, que estava para cumprir-se em Jerusalém. 32 Pedro e os companheiros estavam pesados de sono; mas mantiveram-se acordados e viram a sua glória e os dois homens que estavam com ele. 33 E aconteceu que, quando aqueles se apartaram dele, Pedro disse a Jesus: Mestre, é bom estarmos aqui. Então façamos três tendas: uma será tua, outra, de Moisés, outra, de Elias; mas não sabia o que 349

Os discípulos estão capacitados a realizar a manifestação das obras de Deus. Por que queremos ir após Jesus? Porque queremos estar com ele onde ele está. E onde está ele? Está onde sempre esteve, mesmo quando se achava na carne: anda na presença do Pai! 351 Negue a carne, o ego, para afirmar o espírito, que é o eu superior, a pessoa interior. O ego não é precisamente a carne, mas é o problema da carne. A carne faz parte da alma (pessoa), mas o ego é um fantasma, uma falsa identidade assumida. O ego é o foco dos problemas. O corpo não tem problemas de si mesmo. O corpo mesmo não precisa de cura, mas o entendimento precisa, a consciência. 352 No contexto, a alma não é vida. O espírito é vida, mas a alma limita-se à percepção da vida animal, aquilo que parece ser nossa experiência de vida, nos sentidos físicos e na mente psíquica. Por amor de Cristo, nós nos desfazemos da identificação com o ego animal, e ganhamos a redenção do corpo real. 353 Há que praticar e afirmar todas as suas palavras, mesmo antes de entendê-las. Só o Senhor tem palavras de vida eterna. 354 Os santos anjos são espíritos que estão no Céu. Se somos filhos divinos, somos espíritos no Céu. 355 São os que acolhem a promessa de vida eterna e reivindicam o seu pleno cumprimento. 356 Os discípulos mais chegados ao coração do Senhor terão participação na sua glória antes mesmo dos escolhidos em geral. 350


6 8

estava a dizer. 34 Enquanto ele assim falava, veio uma nuvem que lhes fez sombra. Assustaram-se quando aqueles entraram na nuvem. 35 E veio da nuvem uma voz, que disse: Este é meu Filho bem-amado; escutai-o. 36 Assim que soou aquela voz, Jesus ficou sozinho. Eles guardaram silêncio e, naqueles dias, a ninguém contaram coisa alguma do que tinham visto. 37 Sucedeu no dia seguinte que, tendo eles descido do monte, lhe veio ao encontro uma grande multidão. 38 Eis que um homem entre a multidão levantou a voz e exclamou: Mestre, eu te suplico que vejas meu filho, que é o único; 39 um espírito se apodera dele e subitamente grita, convulsiona-o até espumar, a custo se retira, e lhe causa ferimentos; 40 roguei a teus discípulos que o expelissem, mas eles não puderam. 41 Jesus respondeu: Ó geração incrédula e arrevesada! Até quando ainda estarei convosco e vos suportarei? Traze teu filho aqui. 42 Quando ele se aproximava, o demônio o derrubou e convulsionou; mas Jesus repreendeu o espírito imundo, curou o menino e o entregou ao pai. 43 E todos ficavam pasmados ante a grandeza de Deus. Enquanto todos se maravilhavam de quanto Jesus fazia, disse ele aos seus discípulos: 44 Fixai nos vossos ouvidos estas palavras: – que o Filho do Homem está para ser entregue nas mãos dos homens. 45 Eles, porém, não entendiam esta palavra, que lhes estava encoberta para que não a percebessem; e temiam interrogá-lo a este respeito. 46 Suscitou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior. 47 Mas Jesus, vendo o que se lhes passava no coração, tomou uma criança, pô-la junto a si 48 e lhes disse: Quem recebe esta criança por causa do meu nome a mim me recebe; e quem recebe a mim recebe aquele que me enviou; porque aquele que dentre vós for o menor de todos, esse será grande. 49 João interveio e disse: Mestre, vimos certo homem que, em teu nome, expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não segue conosco. 50 E Jesus lhe disse: Não proibais; pois quem não é contra nós é por nós. 51 Aconteceu que, quando estavam a completar-se os dias para a sua assunção, ele tomou firme resolução de dirigir-se a Jerusalém, 52 e enviou mensageiros que o antecedessem. Indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos para lhe preparar pousada. 53 Mas não o receberam, porque o aspecto dele era de quem se dirigia a Jerusalém. 54 Em vista disso, os discípulos Tiago e João perguntaram: Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para os consumir, assim como fez Elias? 55 Ele, porém, voltando-se, os repreendeu e disse: Vós não sabeis de que espírito sois. 56 Pois o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E seguiram para outra aldeia. 57 Indo eles caminho fora, alguém lhe disse: Senhor, hei de seguir-te aonde quer que fores. 58 E Jesus lhe disse: As raposas têm tocas, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça 357. 59 A outro Jesus assim falou: Segue-me. E esse respondeu: Senhor, permite-me ir primeiro enterrar meu pai. 60 Mas Jesus lhe disse: Deixa que os mortos enterrem os seus mortos. Quanto a ti, vai e anuncia o reino de Deus. 61 Outro disse: Seguirte-ei, Senhor, mas permite-me primeiro despedir-me dos de casa. 62 Disse-lhe Jesus: Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus. Lc 10. “Uma Só Coisa é Necessária” 1

10: Depois disso, o Senhor designou outros setenta358, e os enviou de dois em dois, para o precederem em cada cidade e lugar aonde ele estava para ir. 2 Disse-lhes, então: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que envie trabalhadores para a sua seara. 3 Ide! Eis que eu vos envio como carneiros para o meio de lobos. 4 Não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias, e a ninguém saudeis pelo caminho. 5 Ao entrardes numa casa, dizei primeiro: Paz a esta casa! 6 E se lá houver um filho da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, voltará sobre vós. 7 Permanecei nessa casa, comei e bebei do que tiverem, pois o trabalhador é digno do seu salário. Não passeis de casa em casa. 8 Em qualquer cidade em que entrardes e fordes recebidos, comei o que vos servirem; 9 curai os enfermos que ali houver e dizei ao povo: O reino de Deus é chegado sobre vós. 10 Mas em qualquer cidade em que entrardes e não fordes recebidos, saí para as praças e exclamai: 11 Até o pó da vossa cidade que se pegou aos nossos pés, nós o sacudimos a deixá-lo para vós. Sabei, no entanto, que o reino de Deus é chegado sobre vós. 12 Digo-vos que, naquele dia, para 3 5 7

Nada lhe pertence, pois tudo pertence a Deus. Não significa que seja pobre. E’ rico, pois é herdeiro de todas as coisas. Tem todas as riquezas à sua disposição! 3 5 8 Estes representam as miríades de Dt 33:2 e Jd 14, os mesmos sete de Jo 21:2 e Rm 11:4).


69

Sodoma será mais suportável o que se há de sofrer, do que para aquela cidade. 13 Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e Sidom se tivessem realizado os milagres que entre vós se realizaram, há muito que se teriam seus habitantes convertido, assentados em saco e cinza. 14 Apesar de tudo, no juízo, será mais suportável para Tiro e Sidom o que se há de sofrer, do que para vós. 15 E tu, Cafarnaum, que foste elevada até ao céu, tu serás deitada abaixo, até ao inferno. 16 Quem vos der ouvidos me estará escutando; e quem vos rejeitar, a mim estará rejeitando; e rejeitar-me significa rejeitar aquele que me enviou. 17 Então regressaram os setenta, com alegria, a relatar: Senhor, os próprios demônios a nós se submetem pelo teu nome! 18 E ele lhes disse: Eu estava a ver satanás cair do céu359como relâmpago. 19 Eis que vos dou autoridade para pisar serpentes e escorpiões debaixo dos pés, e bem assim toda a força do inimigo, e nada vos causará dano. 20 Não obstante, não haveis de alegrar-vos por se vos submeterem os espíritos, e sim, porque os vossos nomes estão escritos nos céus360. 21 Naquela hora, exultou Jesus pelo Espírito, e disse: De ti dou testemunho, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e aos instruídos, e as revelaste às criancinhas. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. 22 Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém sabe quem é o Filho, senão o Pai, nem sabe quem é o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 23 E, voltando-se para os discípulos em particular, disse: Bemaventurados os olhos que veem o que vós vedes. 24 Pois eu vos afirmo que muitos profetas e reis quiseram ver o que vedes e não viram; e ouvir o que ouvis e não ouviram361. 25 Eis que um certo mestre da lei se levantou com o intuito de pô-lo à prova, assim falando: Mestre, que devo fazer para herdar vida eterna? 26 E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Que lês? 27 A isto aquele respondeu: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento, e ao próximo como a ti mesmo362. 28 Então ele lhe disse: Respondeste corretamente; faze isto e viverás363. 29 Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: E quem é meu próximo? 30 Jesus retomou: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores que, após havê-lo despojado e espancado, foram-se, deixando-o semimorto. 31 Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de largo. 32 Da mesma maneira, um levita, chegado que foi àquele lugar, viu-o e passou adiante. 33 Mas um certo samaritano, que seguia o seu caminho, chegou-lhe perto e, vendo-o, teve compaixão. 34 Aproximou-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes azeite e vinho; montando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou dele. 35 Pela manhã, ao sair, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida dele, e o que mais houver de despesa eu te pagarei quando voltar. 36 Qual desses três te parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? 37 Respondeu-lhe: O que usou de misericórdia para com ele. Jesus, então, lhe disse: Vai e procede tu de igual modo. 38 Indo eles de caminho, entrou Jesus num povoado. E certa mulher, por nome Marta, hospedou-o em sua casa. 39 Tinha ela uma irmã, chamada Maria, e esta quedava-se assentada ao pé de Jesus a ouvir-lhe a palavra. 40 Marta estava ocupada com o muito quefazer. Esta se aproximou e falou: Senhor, não se te dá que minha irmã me deixe assim só, no serviço? Por que não dizes a ela que me dê u’a mãozinha? 41 Respondendo, Jesus lhe disse: Marta, Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. 42 Mas uma só coisa é necessária. Maria escolheu a boa parte, e esta lhe não será tirada. Lc 11. “Pai Nosso Que Estás nos Céus” 11:1 De uma feita, estava Jesus em certo lugar orando; quando terminou, um dos seus discípulos lhe disse: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus 359

Significa que satanás era desalojado da mente (baixo céu) dos santos. O Senhor nos garante: proteção absoluta e vida eterna. As promessas cumprem-se com os que creem. 361 Nós, com a revelação da Nova Aliança, somos mais privilegiados do que reis e profetas antigos. 362 Se permanecemos no amor, a vida eterna permanece em nós (1Jo 3:14-15). 363 A Promessa da vida eterna: viverás para sempre. Notemos que o cumprimento de toda promessa é condicional! A realização do amor precede a realização da Promessa. 360


7 0

discípulos. 2 Então ele lhes disse: Quando orardes, assim deveis falar – Pai nosso, que estás nos céus, santificado364seja o teu nome, venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim como no céu também na terra365; 3 dá-nos o necessário pão de cada dia; 4 perdoa-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo o que nos deve; e não nos faças entrar em provação366, mas livra-nos do maligno. 5 Disse-lhes ele ainda: Quem de vós é que, tendo um amigo e que, indo procurá-lo à meia-noite, lhe disser – amigo, empresta-me três pães, 6 pois um amigo meu, ao chegar de viagem, veio a minha casa, e eu nada tenho que lhe oferecer, – 7 e aquele, de dentro, responder dizendo – não me importunes, que a porta já está fechada, e meus filhos, como eu, já estão deitados, e não posso me levantar para dá-los a ti; – 8 digo-vos que, se não se levantar para dá-los por ser seu amigo, ele o fará por causa da importunação, e se há de levantar, e lhe há de dar tudo de que precise. 9 Eu também vos digo: Reivindicai, e se vos dará367; buscai, e achareis368; batei, e se vos abrirá369. 10 Porque todo o que demanda recebe; o que busca encontra; e a quem bate, a porta se abrirá. 11 Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe disser – quero pão, – lhe dará uma pedra? Ou se disser – quero peixe – lhe dará em vez de peixe uma cobra? 12 Ou, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13 Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará Espírito Santo370aos que dele o requererem? 14 De outra feita, estava Jesus a expulsar um demônio que era mudo; aconteceu que, ao sair o demônio, o mudo começou a falar, e as multidões ficaram admiradas. 15 Mas alguns deles diziam: É por Belzebu, maioral dos demônios, que ele expulsa os demônios. 16 Outros, tentando-o, queriam obter dele um sinal do céu. 17 Sabendo o que lhes passava pela mente371, ele lhes disse: Todo reino dividido contra si mesmo ficará desolado, e casa sobre casa cairá. 18 Se também satanás estiver dividido contra si mesmo, como subsistirá o seu reino? Isso porque dizeis que expulso os demônios por Belzebu. 19 E, se eu expulso demônios por Belzebu, por quem os expulsam vossos filhos? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. 20 Se, porém, eu expulso os demônios pelo dedo de Deus, então é chegado sobre vós o reino de Deus. 21 Quando o forte, bem armado, guarda sua própria morada, ficam em segurança os seus bens. 22 Sobrevindo, porém, alguém que é mais forte do que ele, vence-o, tira-lhe a armadura em que confiava e lhe divide os despojos. 23 Quem não está comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha. 24 Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos, a procurar repouso; não o achando, diz: voltarei para minha casa, donde saí. 25 E, ao voltar, a encontra varrida e arrumada. 26 Então, vai e leva consigo outros sete espíritos, piores do que ele, e eles, entrando, passam a habitar ali; com isso, a condição final daquele se torna pior do que a primeira. 27 Ora, aconteceu que, ao dizer Jesus estas palavras, uma mulher, que estava entre a multidão, levantou a voz e lhe disse: Felizes as entranhas que te trouxeram, e os seios que te amamentaram! 28 Ele, porém, disse: Felizes, antes, os que ouvem a palavra de Deus e a guardam! 29 Como afluíssem as multidões, ele começou por dizer: Esta é uma geração má372; 3 6 4

Como é que o Nome do Pai pode ser santificado, se é santíssimo? É por sermos nós os portadores

(Ef 3:15) do seu nome na terra, e é preciso que sejamos santificados. Trata-se de um pedido de graça

para santificação (purificação). No céu nada muda, nem mesmo acontece. A vontade de Deus nunca deixou de ser feita no céu. Na terra, porém, só se realizará plenamente quando todos os homens tiverem entrado no Reino. 3 6 6 e i r a s mó s=provação =tentação Gr p 3 6 7 Todas as bênçãos nos são garantidas pelo evangelho. A Lei (Evangelho) garante o nosso direito. 3 6 8 Alcançaremos a comunhão com o Senhor, se o buscarmos de todo o coração (Jr 29:13). 3 6 9 Faz a tua parte e reclama o teu direito, conforme a Lei do evangelho. A porta que se abre é a porta da assunção gloriosa. 3 7 0 Um pedido de Espírito Santo para a situação específica. Quando precisamos de Espírito Santo? Sempre que nos vemos necessitados de orientação para dar um passo enquanto procuramos andar segundo o espírito. Podemos obter orientação por meio do peitoral da fé (1Ts 5:8, Ex 28:15). O Espírito Santo é o dom de Deus, em que Deus se nos dá a si mesmo. É tudo que precisamos. Com ele, recebemos tudo de que possamos ter necessidade. Quando pedimos pão, o Pai nos dá Espírito Santo, e com este vem o pão. Assim também quando pedimos pescado para comer, ou roupa para vestir. 3 7 1 A mente conceptual é a essência da carne. Ela é um instrumento para ser usado em sujeição ao espírito. Se o espírito está no controle, há unidade no meu universo pessoal, e não há divisão. - mente conceptual = mente psíquica = intelecto-. 3 7 2 Esta é a geração do judaísmo e do cristianismo. Esta geração envergonha-se das palavras de Jesus, e perpetua os sistemas de doutrina. Os sistemas foram produzidos com o fim de controlar e manipular as 3 6 5


71

está a buscar um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, senão o do profeta Jonas. 30 Porque, assim como Jonas foi sinal para os ninivitas, o Filho do Homem o será para esta geração. 31 Uma rainha do sul será levantada, no juízo, com os homens desta geração e os condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis que aqui está quem é mais do que Salomão. 32 Homens de Nínive serão ressuscitados, no juízo, com os homens desta geração e os condenarão, porque aqueles se arrependeram com a pregação de Jonas; e aqui está quem é mais do que Jonas. 33 Ninguém que acenda uma vela há de pô-la em lugar escondido, ou debaixo do alqueire, mas sim sobre o castiçal, a fim de que os que entram vejam a luz. 34 O olho é a lâmpada do corpo; portanto, quando teu olho é simples, também todo o teu corpo é luminoso; mas quando é mau, também o teu corpo é tenebroso. 35 Repara, pois, que a luz que há em ti não sejam trevas. 36 Se, portanto, o teu corpo todo for luminoso, nada tendo de tenebroso, há de ser luminoso de todo, como quando a candeia te ilumina com o brilho. 37 Estava ele a falar, quando certo fariseu o convidou a que fosse almoçar em sua casa; então entrou e tomou lugar à mesa. 38 O fariseu, porém, estranhou de não lavar-se ele, antes da refeição. 39 Mas o Senhor lhe disse: Agora vós, os fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; mas o vosso interior está cheio de rapina e maldade. 40 Insensatos! Quem fez o exterior não é o mesmo que fez o interior? 41 Antes, dai de presente o que está dentro, e tudo vos será limpo. 42 Contudo, ai de vós, fariseus, porque dais o dízimo da hortelã, da arruda e de toda hortaliça, e desatendeis o juízo e o amor de Deus; isto devíeis praticar, sem deixar aquilo de lado. 43 Ai de vós, fariseus, que gostais da primeira cadeira nas casas de congregação e das saudações nas praças. 44 Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, que sois como as sepulturas ocultas, sobre as quais as pessoas andam sem atinar com elas. 45 Aí intervindo, um que era mestre da lei disse-lhe: Mestre, a falares assim, ofendes também a nós. 46 Mas ele disse: Ai de vós também, mestres da lei, que impondes às pessoas fardos insuportáveis, mas vós não moveis sequer um dedo para os tocar. 47 Ai de vós! Porque edificais os túmulos dos profetas, enquanto foram vossos pais que os mataram. 48 Assim, sois testemunhas e aprovais os atos de vossos pais; porque eles os mataram, e vós lhes edificais os túmulos. 49 É por isso que também disse a sabedoria de Deus: Eu lhes enviarei profetas e apóstolos, e a alguns deles matarão e a outros perseguirão, 50 para que a esta geração se peçam contas do sangue de todos os profetas, derramado desde a queda do mundo, 51 desde o sangue de Abel373até ao sangue de Zacarias, que pereceu entre o altar e a casa. Sim, é o que estou a falar, – contas serão pedidas a esta geração374. 52 Ai de vós, mestres da lei, porque tomastes a chave do conhecimento; vós mesmos não entrastes, e impedistes os que entravam. 53 Estando ele a dizer-lhes estas coisas, passaram os escribas e fariseus a arguí-lo com veemência, e a interpelá-lo a respeito de muitos assuntos, 54 armando-lhe ciladas e procurando tirar de sua boca alguma palavra que desse motivo para o acusar. Lc 12. “O Espírito Santo Vos Ensinará” 12:1 Em circunstâncias nas quais as miríades da multidão se atropelavam, Jesus começou por falar aos seus discípulos: Acautelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia375. 2 Nada há encoberto que não venha a ser revelado, e oculto que não venha a ser conhecido. 3 Portanto, o que dissestes às escuras será ouvido em plena luz, e o que falastes ao pé do ouvido nos quartos será proclamado sobre os eirados. 4 E eu vos digo, amigos meus: não temais os que matam o corpo e, depois disso, nada mais podem fazer. 5 Eu, porém, vos mostrarei a quem deveis temer: haveis de temer aquele que, depois de matar, tem autoridade para lançar na gehenna376. Sim, digo-vos, a esse deveis temer. 6 Não se vendem cinco pardais por dois asses? E nenhum deles é esquecido diante de Deus. 7 Pelo contrário, até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Portanto, não temais. Bem mais valeis do que muitos pessoas, e lhes destroem a liberdade. Cada pessoa prestará conta de si mesma. 373

Por que ‘desde o sangue de Abel’? Porque Caim inaugurou a geração do povo santo comprometido com o sistema religioso, e ele mesmo integrava o povo santo, já que esta geração, embora rebelde, é integrada exclusivamente pelo povo de Deus. Começa com Caim e termina com o fim de toda a carne. 374 comprometida com o sistema religioso judaísta e cristão 375 O fermento está na hipocrisia demonstrada pelos sistemas de doutrina e pelo moralismo. 376 Muitos cairão na gehenna, depois de morrerem e de serem levantados no corpo da carne.


7 2

pardais. 8 Eu vos digo: todo aquele que se declarar por mim diante dos homens, o Filho do Homem também se declarará por ele diante dos anjos de Deus; 9 aquele, porém, que me houver renegado diante dos homens será renegado diante dos anjos de Deus. 10 A todo aquele que proferir uma palavra contra o Filho do Homem, isso lhe será perdoado; mas para o que blasfemar contra o Espírito Santo não haverá perdão. 11 Quando vos levarem perante as congregações, os governantes e as autoridades, não fiqueis a pensar quanto ao que replicar, ou de que modo, nem quanto ao que haveis de falar. 12 Porque o Espírito Santo vos ensinará, naquela mesma hora, as coisas que deveis dizer. 13 Nesse ponto, um homem da multidão lhe falou: Mestre, manda que meu irmão reparta comigo a herança. 14 Mas Jesus lhe disse: Homem, quem me constituiu juiz ou árbitro da vossa partilha377? 15 Então lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda cobiça; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. 16 E lhes proferiu uma parábola, dizendo: A terra de um homem rico produziu com abundância. 17 E ele arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, já que não tenho onde recolher os meus frutos? 18 E disse: Eis o que vou fazer – vou demolir os meus celeiros, construir outros maiores, para aí recolher toda a minha produção e todos os meus bens; 19 então direi a minha alma: alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe, regala-te. 20 Mas Deus lhe disse: Insensato, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? 21 Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus. 22 Disse ele ainda aos seus discípulos: Por isso, eu vos falo – não vos ponhais a pensar na vossa alma, quanto ao que haveis de comer, nem no corpo, quanto ao que haveis de vestir. 23 Porque a alma é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes. 24 Observai os corvos, como não semeiam nem colhem, não têm despensa nem celeiro; todavia, Deus os sustenta. Quanto mais valeis vós do que as aves! 25 Qual de vós, pondo-se a pensar, pode prolongar por um pouco a duração da sua vida? 26 Se, portanto, nada podeis fazer quanto às coisas mínimas, por que ficais a pensar nas outras? 27 Considerai os lírios, como crescem; não trabalham, nem fiam; mas eu vos digo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. 28 Ora, se Deus veste assim a erva que hoje está no campo e amanhã será lançada no forno, quanto mais tratando-se de vós, homens de fé mesquinha! 29 E não andeis a indagar o que haveis de comer ou beber, e não vos inquieteis. 30 Ora, toda a gente do mundo procura essas coisas; vosso Pai, porém, sabe que necessitais delas. 31 Antes buscai o reino de Deus, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. 32 Não temas, ó pequenino rebanho, porque vosso Pai agradou-se em dar-vos o reino 378. 33 Vendei os vossos bens e dai esmola; fazei bolsas que não fiquem velhas, tesouro inesgotável nos céus, onde não chega o ladrão, nem a traça rói; 34 porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. 35 Cingidos estejam os vossos rins, e acesas as lâmpadas. 36 Sede semelhantes a pessoas que esperam seu senhor voltar das núpcias, para que possam abrir, logo que ele vier e bater. 37 Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, à sua chegada, encontrar vigilantes; em verdade vos digo que ele há de cingir-se, há de dar-lhes lugar à mesa e, acercando-se, os servirá. 38 E se ele vier na segunda vigília, e se vier na terceira379, e os achar assim, bem-aventurados são esses servos. 39 Sabei, porém, isto: se o pai de família soubesse a que hora vem o ladrão, vigiaria e não deixaria arrombar a casa. 40 Portanto, 3 7 7

Jesus nunca assumiu encargo de moralizador, nem é esse o encargo que nos deu. O Reino dos Céus na Terra. Há que buscar o Reino que o Pai já nos deu. Toda autoridade nos foi dada sobre a terra, pois o Pai se agradou em conceder-nos o Reino e as chaves do Reino. Estamos autorizados a negociar os valores do Reino, para que se multipliquem na experiência humana. O reino que ele nos deu é a herança da Terra. 3 7 9 A ressurreição da vida será em três grupos: o Afastamento primeiro, o Arrebatamento na segunda vigília, assunção dos últimos mártires e testemunhas, na terceira vigília. A segunda vigília é quando Ele vem (meianoite é o 2º quarto da noite e o 2º quarto do ano), já que o Afastamento (quatro anos antes, ou 4 tempos) será uma antecipação do Dia de Cristo, com a chamada para entrar em Sião. Os santos inocentes serão ensinados e treinados no Deserto durante o período inicial da grande tribulação. Mais três tempos e meio, e ele se manifestará (4ª vinda) a todas as tribos da terra, ou seja, toda a Igreja (Mt 24:30; Mc8:38; Lc12:36; Cl3:4; 2Ts1:7), quando se dará a segunda e última reunião dos escolhidos. A primeira vinda foi quando nasceu em Belém, a segunda foi nas manifestações após a Ressurreição; a terceira será no Dia de Cristo. A quinta manifestação, a última na terra baixa (Mt 25:31; Ap 1:7), será para juízo dos que não foram contados com os escolhidos. Bem antes desse tempo, todos os comuns terão morrido. 3 7 8


73

vós também deveis estar preparados, porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá. 41 Nesse ponto, Pedro lhe perguntou: Senhor, proferes esta parábola para nós, ou também para todos? 42 Disse o Senhor: Quem é, pois, o mordomo fiel e atento380que o senhor constituirá sobre o seu pessoal para dar-lhes, a seu tempo, a ração de trigo? 43 Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim. 44 Verdadeiramente vos digo que lhe confiará todos os seus bens. 45 Mas se aquele servo disser de si para si: meu senhor tarda em vir – e começar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber e a embriagar-se, 46 virá o senhor daquele servo, em dia em que não o espera e em hora que não sabe, e cortá-lo-á em dois, e sua parte ele a porá com os infiéis381. 47 Aquele servo que conheceu a vontade de seu senhor e não se aprontou, nem fez segundo a sua vontade, será punido com muitos açoites. 48 Aquele que não tinha conhecimento e fez coisas reprováveis levará poucos açoites. Aquele a quem muito foi dado muito lhe será exigido; e aquele a quem muito foi confiado, muito mais se lhe requererá. 49 Eu vim trazer fogo à terra, e bem quisera que já estivesse a arder. 50 Tenho, porém, um batismo para me batizar, e quanto me angustio até que se realize! 51 Pensais que vim para dar paz à terra? Não, eu vos afirmo; antes, divisão. 52 Porque, daqui em diante, numa casa com cinco pessoas, estarão divididas três contra duas, e duas contra três. 53 Estarão divididos: pai contra filho, filho contra pai; mãe contra filha, filha contra mãe; sogra contra nora, e nora contra sua sogra. 54 Falou também assim às multidões: Quando vedes levantar-se uma nuvem no poente, logo dizeis que vem chuva, e assim acontece; 55 e quando vedes soprar o vento sul dizeis que fará calor, e assim sucede. 56 Hipócritas, sabeis discernir o aspecto da terra e do céu; como então não sabeis discernir este tempo? 57 E por que não julgais também por vós mesmos o que é justo? 58 Assim, pois, enquanto estiveres indo com teu adversário ao magistrado, esforça-te por entrar em acordo com ele no caminho, para que ele não te arraste ao juiz, o juiz te entregue ao executor, e o executor te ponha na prisão. 59 Eu te digo que não sairás de lá antes de pagares o último centavo. Lc 13. “Se Não Vos Arrependerdes, Todos de Igual Modo Perecereis” 13:1 Naquela mesma ocasião, ali estavam alguns que lhe falaram a respeito dos galileus cujo sangue Pilatos misturara com os sacrifícios deles. 2 Jesus, respondendo, disse: Pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem sofrido tal sorte? 3 Eu vos afirmo que não eram; se, porém, não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis382. 4 Ou os dezoito que a torre de Siloé matou em sua queda, cuidais que eram maiores devedores que todos os habitantes de Jerusalém? 5 Eu vos afirmo que não eram; mas, se não vos arrependerdes383, todos de igual modo perecereis384. 6 Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada em sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. 7 Assim sendo, disse ao viticultor: Faz três anos tenho vindo procurar fruto na figueira e não o acho; podes cortá-la; para que está ela ainda a ocupar inutilmente a terra? 8 Ele, porém, respondeu: Senhor, deixa-a ainda este ano, que escavarei ao redor dela e 380

Seremos achados fiéis no Dia de Cristo se andarmos na verdade nesta vida, negociando os recursos que o Senhor nos confiou. Os cinco talentos que nos foram confiados para negociar: 1. Abundância – o Senhor Jesus fez-se pobre para que eu seja rico Rejeito a ilusão de pobreza, e de que qualquer coisa me falte.

2. Saúde e bem-estar – Jesus passou por sofrimento redentor intenso Rejeito a ilusão de fraqueza, de doença, de ignorância, ou de dor.

3. Remissão de pecados e santificação – Jesus derramou todo o seu sangue sobre a terra Rejeito a ilusão de culpa, de pecado, de impureza, ou de incapacidade.

4. Paz e comunhão com Deus – Jesus sofreu a ilusão de solidão e abandono Rejeito a ilusão de abandono, de separação, ou de solidão.

5. Vida eterna – Jesus morreu por mim; portanto morri com ele. Rejeito a ilusão de morte futura. Os fatos são declarados no Evangelho. As ilusões, rejeitamo-las todas, em nome do Senhor. 381

Com os infiéis, passará pela grande tribulação. 382 Quem se arrepende passa a andar por espírito, e deixa de servir à lei do pecado (Rm 6:23; 7:25; 8:2). 383 Arrepender-se de andar segundo a carne, e de contar a morte como certa. 384 De que modo perecerão os que não se arrependerem? De igual modo, ou seja, da mesma maneira como todos morrem. Este alerta é feito a nós. E’ tempo de arrepender-nos da nossa expectativa de morte! Para os fiéis, não há problema em morrer, visto que a morte perdeu o ferrão. Em não morrermos, porém, há honra para o Senhor, que nos fez a promessa. As advertências do Senhor são dirigidas a cada um de nós: Caso não te arrependas, morrerás como os outros.


7 4

lhe porei estrume. 9 Se vier a dar fruto, bem está; de contrário, mandarás cortá-la385. 10 Ora, ensinava Jesus nos sábados numa das congregações. 11 E eis que ali estava uma mulher que tinha um espírito de enfermidade, já por dezoito anos; andava encurvada, sem poder desencurvar-se inteiramente. 12 Vendo-a Jesus, chamou-a e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade; 13 ele lhe impôs as mãos, e ela imediatamente se endireitou e ficou a glorificar a Deus. 14 O dirigente da congregação, porém, indignou-se por ver Jesus a curar no sábado e, tomando a palavra, disse à multidão: São seis os dias que se deve dedicar ao trabalho; portanto, deveis vir buscar a cura nesses dias, e não no dia de sábado. 15 Respondeulhe, então, o Senhor: Hipócrita, não solta cada um de vós, da manjedoura, seu boi ou seu jumento no sábado, para levá-lo a beber? 16 E a esta, que é filha de Abraão, atada por satanás desde há dezoito anos, não se havia de soltar deste laço em dia de sábado? 17 Ao falar ele assim, todos os que lhe faziam oposição ficaram envergonhados, e toda a multidão se alegrava com as maravilhas que ele realizava. 18 E ele dizia: A que é semelhante o reino de Deus, e a que o compararei? 19 É semelhante a um grão de mostarda386que um homem pegou e jogou na sua horta; este cresceu e se fez árvore de grande porte, e em seus ramos se aninharam as aves do céu. 20 Disse mais: A que compararei o reino de Deus? 21 É semelhante ao fermento que uma mulher tomou e escondeu em três medidas de farinha, até ficar tudo levedado. 22 Ele passava por cidades e povoados, a ensinar, enquanto caminhava para Jerusalém. 23 E alguém lhe disse: Senhor, são poucos os que estão sendo salvos? 24 Respondeulhes: Esforçai-vos por entrar pelo portão estreito, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não conseguirão387. 25 Desde o momento em que o dono da casa se tiver levantado e fechado a porta, se começardes a colocar-vos junto à porta, do lado de fora, e a bater, mesmo que digais: Senhor, Senhor, abre-nos! – ele vos responderá, dizendo: não sei donde sois. 26 Começareis então a dizer: comíamos e bebíamos na tua presença, em nossas praças ensinavas. 27 Mas ele vos dirá: Não sei de onde sois; apartai-vos de mim, todos os praticantes da injustiça. 28 Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora. 29 E virão do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugares à mesa no reino de Deus. 30 E eis que derradeiros há que serão primeiros; e primeiros há que serão derradeiros. 31 Naquele mesmo dia, uns fariseus vieram para dizer-lhe: Sai e retira-te daqui, que Herodes quer matar-te. 32 E ele lhes disse: Ide dizer àquela raposa388que estou a expulsar demônios e a efetuar curas hoje e amanhã, e que no terceiro389dia estou completo. 33 Importa, todavia, seguir caminho hoje, amanhã, e no dia seguinte, pois não se espera que um profeta pereça fora de Jerusalém390. 34 Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos ao modo da galinha que recolhe seus pintainhos debaixo das asas, e vós não quisestes. 35 Eis que a vossa casa vos ficará desolada. E em verdade vos digo que não mais me vereis até que chegue o tempo em que me digais: Bendito o que vem em nome do Senhor! Lc 14. “Quem Se Humilha Será Exaltado.” 1

14: Sucedeu que, ao entrar ele na casa de um dos líderes dos fariseus, em um sábado, para comer pão, eles o observavam. 2 Ora, diante dele se achava um homem hidrópico. 3 E Jesus, dirigindo-se aos mestres da lei e aos fariseus, perguntou-lhes: É lícito curar no sábado? 4 Eles, porém, ficaram calados. E pegou nele, o curou e o despediu. 5 Aí os interpelou: Qual será de vós o que, caindo-lhe numa cova, em dia de sábado, o jumento ou o boi, o não tire logo? 6 A isto nada lhe puderam responder. 7 E propôs aos convidados uma parábola, ao reparar como eles escolhiam os primeiros lugares, e lhes falou assim: 8 Quando alguém te convidar para um casamento, não ocupes o primeiro lugar; não suceda haja outro 3 8 5

São os quatro anos entre o afastamento e o arrebatamento no dia de Cristo (quando um corte se fará)−? O grão de mostarda e o fermento representam fatores de perturbação que provocam confusão na mente das pessoas que procuram o reino de Deus onde o reino não está. 3 8 7 Queremos entrar no Reino dos céus? E’ preciso entrar pelo portão certo e andar no caminho certo. 3 8 8 O Senhor Jesus não mandaria esta mensagem a Herodes, caso este não fizesse parte do povo santo. 3 8 9 Hoje ele cura, antes da grande tribulação; também amanhã, durante a grande tribulação; no terceiro dia, depois que vier o Reino, todos gozarão perfeita saúde, e o Cristo estará completo. 3 9 0 Jerusalém representa o povo de Deus comprometido com a religião formal (Judaísmo e Cristianismo). 3 8 6


75

convidado mais digno do que tu, 9 e, vindo aquele que te convidou e também a ele, te diga: cede o lugar a este – e tenhas que ir, envergonhado, ocupar o último lugar. 10 Pelo contrário, quando fores convidado, vai tomar o lugar derradeiro, para que, quando vier o que te convidou, te diga: amigo, vem aqui, mais para cima. Assim serás honrado diante de todos os mais convivas. 11 Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado. 12 Assim também falou ao que o convidara: Quando deres um almoço ou uma ceia, não convides teus amigos, nem irmãos, nem parentes, nem vizinhos ricos; não suceda que eles venham, por sua vez, a convidar-te, e haja para ti uma recompensa. 13 Antes, ao dares um banquete, chama os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; 14 e serás bem-aventurado, por não terem eles com que te recompensar; e tua recompensa, tu a terás na ressurreição dos justos. 15 Ora, ouvindo tais palavras, um dos que estavam com ele à mesa lhe disse: Bem-aventurado aquele que comer pão no reino de Deus. 16 Ao que ele respondeu: Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos. 17 Ele enviou seu servo, ao aproximar-se a hora da ceia, a dizer aos convidados: Vinde, que tudo já está preparado. 18 E todos, um a um, começaram a desculparse. Disse o primeiro: Comprei um campo e preciso ir vê-lo; peço-te que me tenhas por escusado. 19 Outro disse: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; peço-te que me tenhas por escusado. 20 E outro assim falou: Acabo de casar-me e, por isso, não posso ir. 21 Aquele servo, de volta, tudo relatou a seu senhor. Então, irado, o dono da casa disse a seu servo: Vai depressa pelas praças e ruas da cidade, e traze aqui os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos. 22 Depois, o servo lhe disse: Senhor, feito está como mandaste, e ainda há lugar. 23 E disse o senhor ao servo: Sai pelos caminhos e trilhas, e obriga as pessoas a entrarem, para que minha casa fique repleta. 24 Porque vos declaro que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia. 25 Grandes multidões o acompanhavam; e ele, voltando-se, lhes disse: 26 Se alguém vem a mim e não aborrece391a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda a sua própria alma392, não pode ser meu discípulo. 27 E qualquer que não levar a sua cruz e não vier após mim não pode ser meu discípulo393. 28 Pois qual de vós, querendo construir uma torre, primeiro não se assenta para calcular o custo, e ponderar se tem com que terminar? 29 Não suceda que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a avistarem zombem dele, 30 dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar. 31 Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, primeiro não se assenta para examinar se com dez mil poderá enfrentar aquele que vem contra ele com vinte mil? 32 Do contrário, estando o outro ainda longe, enviará um embaixador para negociar os termos de paz. 33 Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto possui394não pode ser meu discípulo. 34 O sal é bom; caso, porém, se torne insípido, com que se há de temperar? 35 Não presta para a terra, nem serve para estrume; será jogado fora. Quem tem ouvidos para ouvir ouça. Lc 15. Um Pecador Que Se Arrepende 15:1 Todos os publicanos e pecadores se chegavam para ouvi-lo. 2 E murmuravam os fariseus e os escribas, dizendo: Ele recebe pecadores e come com eles. 3 Então lhes propôs esta parábola: 4 Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa em lugar ermo as noventa e nove e se vai à procura da que se perdeu, até encontrá-la? 5 E achando-a, põe-na sobre os ombros, com alegria. 6 Indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. 7 Digo-vos que, de semelhante modo, haverá maior júbilo no céu por um só pecador que se arrependa do que por noventa e nove justos que não necessitem de arrependimento. 8 Ou qual é a mulher que, tendo 391

o n ésignifica detestar, e também dispensar. Em Aramaico (idioma em que o Mestre se comunicava), s Teus parentes segundo a carne são carne aborrecível, assim como a tua identidade carnal é detestável, enquanto tenta estar no controle da vida. Não te concerne julgar a carne de ninguém; deves dispensar o controle da carne sobre a tua vida; é responsabilidade de cada um crucificar sua própria carne. Há que amar todas as pessoas, no espírito. O espírito de cada um (a identidade autêntica) é amável e perfeito. 393 Levar a cruz é exortação reiterada que o Senhor nos dá. Os discípulos não podiam entender naquele tempo. Podemos hoje. 394 Devo reconhecer e declarar que nada me pertence, pois tudo pertence a Deus. Só depois terei direito a ser discípulo do Senhor, e o Pai se agradará em conceder-me o Reino. Por outro lado, tenho a responsabilidade de negociar os valores do Reino, para que se multipliquem na experiência humana. 392


7 6

dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e procura cuidadosamente até encontrá-la? 9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas e diz: alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que tinha perdido. 10 Assim também, digo-vos, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende. 11 Disse ainda: Certo homem tinha dois filhos. 12 O mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte que me toca na partilha dos bens. E ele lhes repartiu os haveres. 13 Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, foi-se embora para uma terra distante, e lá dissipou os seus recursos, vivendo dissolutamente. 14 Depois que havia consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar privações. 15 Então foi e agregou-se a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os campos a cuidar dos porcos. 16 Ele queria matar a fome com as bolotas que os porcos comiam, e que ninguém lhe dava. 17 Então, caindo em si, disse: Tantos empregados de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome! 18 Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; 19 já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados. 20 E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando o pai o avistou e, compadecido dele, correu e lançouse-lhe ao pescoço, cobrindo-o de beijos. 21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. 22 Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés; 23 trazei também o novilho cevado e matai-o; comamos e festejemos, 24 porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a celebrar. 25 Ora, o filho mais velho estivera no campo e, quando voltava, já perto de casa, ouviu a música e as danças. 26 Chamou um dos criados e lhe perguntou que era aquilo. 27 E ele informou: Chegou teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. 28 Ele ficou irado e não queria entrar. Então o pai saiu para conciliá-lo. 29 Mas ele respondeu ao pai: Há quantos anos te sirvo sem nunca transgredir uma só das tuas ordens, e jamais me deste um cabrito sequer para alegrar-me com meus amigos; 30 vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou teus bens com prostitutas, tu mandaste matar para ele o novilho cevado. 31 Ele lhe respondeu: Filho, tu sempre estás comigo, e tudo o que é meu é teu395. 32 Era preciso que celebrássemos e que nos alegrássemos, visto que teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado396. Lc 16. Evangeliza-se o Reino de Deus 16:1 Disse ainda aos seus discípulos: Um homem rico tinha um administrador, e este foi acusado de dissipar os seus bens. 2 Ele o chamou e lhe disse: Que é isso que ouço de ti? Presta contas da tua administração, porque já não podes continuar nela. 3 E disse o administrador de si para si: Que hei de fazer, agora que meu senhor me tira a administração? Cavar? Não posso. Mendigar? Tenho vergonha... 4 Já sei o que vou fazer, para que, quando for demitido, haja os que me recebam em suas casas. 5 Chamando cada um dos devedores de seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deves a meu senhor? 6 Ele disse: Cem batos de azeite. E disse a ele: Toma a tua conta, senta-te e escreve já cinquenta. 7 Depois disse a outro: Quanto deves? Respondeu ele: Cem coros de trigo. Assim lhe falou: Toma a tua conta e escreve oitenta. 8 E o senhor elogiou o administrador da injustiça porque se houvera atiladamente. Eis que os filhos desta era são mais providentes, na sua própria geração, do que os filhos da luz. 9 E eu vos digo: Fazei amigos com o mammon397 da injustiça, para que, quando este se acabar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos. 10 Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também no muito é injusto. 11 Se vós, pois, não fordes fiéis no mammon que é injusto, quem vos confiará o que é verdadeiro? 12 E se não fordes fiéis no que é alheio, quem vos dará o que é vosso? 13 Nenhum criado pode servir a dois senhores; porque detestará a um e amará ao outro, ou se devotará a um e não terá boa disposição para com o outro. Não podeis servir a Deus e a Mammon398. 14 Também ouviam isto os fariseus, e os havia 3 9 5

Todo poder, toda sabedoria, toda glória e toda abundância pertencem ao Pai. E tudo o que lhe pertence está à disposição de cada um de seus filhos! O seu próprio Espírito é o dom inefável! 3 9 6 Cada um de nós é representado pelos dois filhos, não só por um deles. Quando não me sinto perdido, posso ainda estar fora da boa consciência que me permitiria perceber e saber que o Pai põe à minha disposição todos os recursos do Reino. 3 9 7 Mammon não é uma palavra grega comum. É um conceito revelador, a ser compreendido no contexto. 3 9 8 Mammon é qualquer sistema que obtenha controle sobre o indivíduo. Pode ser um conceito de riqueza,


77

avarentos, e estes dele zombavam. 15 E ele lhes disse: Vós sois os que pretendem passar por justos perante os homens, mas Deus conhece os vossos corações, e sabe que aquilo que é elevado entre os homens é abominação perante Deus. 16 Até João399, – a Lei e os Profetas400. Daí em diante evangeliza-se o reino de Deus, e cada qual faz empenho por nele entrar.17 E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da Lei401. 18 Todo aquele que repudia sua mulher e se casa com outra comete adultério; e aquele que se casa com a repudiada pelo marido comete adultério. 19 Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho fino e vivia todos os dias regalada e esplendidamente. 20 Um pobre, de nome Lázaro, ulcerado, jazia junto ao portão daquele, 21 e desejava alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe as úlceras. 22 Aconteceu morrer o pobre e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. 23 No inferno402, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão, e a Lázaro em seu seio. 24 Então ele clamou, dizendo: Pai Abraão, tem misericórdia de mim! Manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e refresque a minha língua, porque sou torturado403nesta chama. 25 Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste teus bens em tua vida, e Lázaro recebeu os males, e agora ele aqui é consolado, e tu te encontras em aflição. 26 E, além de tudo, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para junto de vós não poderiam, tampouco os de lá transpor a distância até aqui. 27 Ele disse: Eu te rogo então, pai, que o mandes a minha casa paterna, 28 porque tenho cinco irmãos; que ele possa prestarlhes testemunho, a fim de que não suceda venham também eles a dar neste lugar de tormento. 29 Abraão lhe falou: Eles têm Moisés e os Profetas; que os ouçam. 30 Mas ele disse: Não, pai Abraão; se alguém de entre os mortos for ter com eles, arrepender-se-ão. 31 Mas a resposta foi: Se não ouvem a Moisés nem aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir por homem que seja ressuscitado de entre os mortos. Lc 17. “Assim Será o Filho do Homem no Seu Dia” 1

17: E disse aos discípulos: É inevitável que venham escândalos, mas ai daquele por quem eles vêm. 2 Para esse, melhor fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de atafona, e fosse atirado ao mar, do que fazer tropeçar um destes pequeninos. 3 Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. 4 Se ele pecar contra ti sete vezes no dia e sete vezes vier ter contigo, dizendo: estou arrependido, – perdoa-lhe. 5 E os apóstolos disseram ao Senhor: Aumenta-nos a fé. 6 O Senhor disse: Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira – arranca-te e planta-te no mar – e ela vos obedeceria. 7 Qual de vós, tendo um servo ocupado na lavoura ou em guardar o gado, lhe dirá quando ele chegar do campo: agora vem e chega-te à mesa – 8 e que primeiro não lhe diga: prepara-me a ceia, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois tu vais comer e beber –? 9 Há de agradecer o amo àquele servo por ter ele feito o que lhe foi ordenado? Creio que não. 10 Assim também vós, depois de terdes feito o que vos foi determinado, haveis de falar: somos servos inúteis que fizemos o que tínhamos que fazer. 11 De caminho para Jerusalém, estava ele a passar pelo meio da Samaria e da 12 Galileia. Quando entrava numa aldeia, vieram-lhe ao encontro dez homens leprosos, que ou a instituição religiosa, ou um tirano. Quem se compromete com qualquer sistema de orientação espiritual, ou com qualquer sistema-igreja, põe-se em servidão para com Mammon, e não serve a Cristo, o único Senhor. Se estamos à mercê do que parece acontecer fora de nós, temos outro patrão, e não servimos a Deus, que nos oferece refúgio e segurança. Se alguém tenta servir a dois senhores, servirá a um só, e este será o falso patrão, que é Mammon. Este é o próprio satanás. Devemos reconhecer a soberania do indivíduo, a nossa própria soberania, subordinada tão somente ao Senhor dos Exércitos. 399 João Batista ofereceu orientação ligada à moral da Lei (mosaica). Jesus nunca moralizou. A referência ao adultério diz respeito à lei antiga, temporária (até João). A Lei nada proíbe, nem há preceitos morais. Preceitos ou ordenanças, só na antiga aliança, como em Lc 1:6. 400 As injunções e proibições da Lei vigoraram até João Batista. A Lei do Reino requer apenas obediência de fé, e cumpre-se no amor, na justiça e na misericórdia. 401 porque toda lei de Deus é lei precisa, de causa e efeito 402 Qual é a palavra que precede ‘inferno’? O inferno é sempre a sepultura, e nada mais; a sepultura é a terra do esquecimento (Sl 88:12), a região do silêncio (Sl 115:17), a congregação dos mortos (Pv 21:16). 403 Os santos que insistirem em obstinar-se, ao saírem do tempo pela morte, acordarão em corpo de carne na gehenna de fogo (dia da ira), − oportunidade da disciplina final. Terão semeado para a carne, e da carne colherão corrupção. A propósito, o tempo é, por natureza, relativo, não absoluto.


7 8

ficaram a certa distância 13 e elevaram a voz a falar: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós! 14 Em os vendo, Jesus lhes disse: Ide mostrar-vos aos sacerdotes. Aconteceu que, enquanto iam, ficaram limpos. 15 Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, glorificando a Deus em alta voz, 16 e caiu de rosto em terra aos seus pés, agradecido; e era samaritano. 17 Respondendo, Jesus disse: Não foram curados os dez? Onde estão os nove? 18 Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? 19 E disse-lhe: Levanta-te e vai; a tua fé te salvou. 20 Interrogado pelos fariseus quanto ao tempo em que vem o reino de Deus, ele lhes respondeu: Não vem o reino de Deus pela observação atenta. 21 Nem se há de dizer: ei-lo aqui! ou: lá está! Porque o reino de Deus está dentro de vós. 22 E disse aos discípulos: Dias virão em que desejareis ver um dos dias do Filho do Homem e não os vereis. 23 E vos dirão: eilo aqui! Ou: lá está! Não vades nem os sigais; 24 porque assim como o relâmpago, fuzilando, brilha de um lado ao outro do céu, assim será o Filho do Homem no seu dia. 25 Mas importa que primeiro ele padeça muitas coisas e seja rejeitado por esta geração404. 26 E assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem405: 27 comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e a todos fez perecer. 28 O mesmo sucedeu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; 29 mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre, e a todos fez perecer. 30 Assim será o dia em que o Filho do Homem se revela406. 31 Naquele dia, quem estiver no eirado e tiver os seus objetos de uso407em casa não desça para tirálos; e, de igual modo, quem estiver no campo não volte atrás. 32 Lembrai-vos da mulher de Ló. 33 Quem buscar salvar a sua alma perdê-la-á; e quem dela se privar preservá-la-á com vida. 34 Digo-vos que, naquela noite, dois estarão numa cama; um será levado408junto, e o outro será deixado. 35 Duas estarão juntas, a moer; uma se levará, e a outra se deixará. 36 Dois estarão no campo; um se levará, e o outro se deixará. 37 E lhe perguntaram: Onde, Senhor? Respondeulhes: Onde estiver o corpo, aí se reunirão as águias409. Lc 18. Orar Sempre e Nunca Esmorecer 18:1 Contou-lhes também uma parábola para mostrar que é necessário orar sempre e nunca esmorecer, e assim falou: 2 Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus e não tinha consideração para com ninguém. 3 Na mesma cidade, havia também uma viúva que vinha a ele, insistindo: Faz-me justiça contra o meu adversário. 4 Ele, por algum tempo, não quis atender; mas depois disse consigo: bem que não tenho temor a Deus, nem respeito a homens; 5 todavia, como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para que ela não acabe por me prejudicar. 6 Então disse o Senhor: Atentai no que diz esse juiz da injustiça. 7 Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, mesmo tendo paciência com eles? 8 Eu vos digo que depressa lhes fará justiça. Por outro lado, quando vier o Filho do Homem, achará ele alguma fé sobre a terra? 9 Propôs também esta parábola visando a alguns que são autoconfiantes, considerando-se justos, e aos outros menosprezam410. 10 Dois homens subiram ao templo para orar: um, fariseu, e outro, publicano. 11 O fariseu, posto em pé, orava de si para si, desta forma: Ó Deus, graças te dou por não ser eu como os outros, ladrões, 4 0 4

Esta é a geração do judaísmo e do cristianismo. Esta geração de hoje é a mesma nos dias de Noé, bem como nos dias em que o Senhor estava na carne, e, futuramente, nos dias do Filho do Homem. 4 0 6 O dia de Cristo é o dia em que Cristo se manifesta corporalmente, e o dia em que nasce o Ungido, o filho varão. É o último dia, aquele dia (Mc 14:25; Lc 21:34-36; 2Tm 1:12,18; 4:8), o dia central da ressurreição da vida, o dia da redenção do corpo, o dia da grande salvação, o dia do arrebatamento, o dia de entrada na terra santa, o dia da glorificação dos escolhidos, o dia da colheita das primícias do trigo, o dia da pesca dos 153 peixes grandes, o dia que vem chegando (Rm 13:12), o dia da coroação dos fiéis, o dia em que Ele vem, e com Ele está o galardão para os que praticam os seus mandamentos (Ap 22:12-14). 4 0 7 Desapego às coisas que só interessam ao homem na carne (inclusive documento de identidade). 4 0 8 Ser levado ou ser tomado (paralephthésetai) indica uma assunção física (analépsis).O prefixo παρα denota que o sujeito passivo é levado junto, por alguém (pelos anjos). 4 0 9 Se és uma águia, não te perderás, não importa onde estejas. 4 1 0 Na carne, somos todos pecadores, e é impossível que eu seja melhor do que outros. No espírito, somos todos perfeitos. O fariseu não é melhor do que o publicano, nem é o publicano melhor do que o fariseu. 4 0 5


79

injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano; 12 jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. 13 O publicano, mantendo-se a distância, não ousava sequer levantar os olhos para o céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador411. 14 Digo-vos que este desceu justificado412para sua casa, antes que aquele; pois todo o que se exalta será humilhado, e o que se humilha será exaltado. 15 Também lhe traziam as criancinhas, para que as tocasse; e os discípulos, vendo, os repreendiam. 16 Jesus, porém, chamando-as para junto de si, ordenou: Deixai que as crianças venham a mim, e não as embaraceis, pois delas é o reino de Deus. 17 Em verdade vos digo: quem não receber o reino de Deus como uma criança não entrará nele. 18 Certo homem de posição perguntou-lhe: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar vida eterna? 19 Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um, que é Deus. 20 Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra a teu pai e a tua mãe. 21 Ele disse: Tudo isso tenho guardado desde a minha juventude. 22 Ouvindo-o Jesus, disse-lhe: Ainda uma coisa te falta – vende tudo o que tens, distribui aos pobres e terás um tesouro no céu 413; e vem seguir-me. 23 Mas, ouvindo ele estas palavras, ficou cheio de tristeza, porque era muito rico. 24 E Jesus, vendo-o assim triste, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas! 25 Pois é mais fácil passar um camelo pelo orifício de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus. 26 E os que ouviram disseram: Sendo assim, quem pode ser salvo? 27 Mas ele disse: O que é impossível para os homens é possível para Deus. 28 E disse Pedro: Eis que nós já deixamos tudo e te seguimos. 29 E ele lhes disse: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos, por causa do reino de Deus, 30 que não os receba multiplicados no tempo presente, e vida eterna na era vindoura414. 31 Tomando consigo os doze, Jesus lhes falou: Eis que subimos para Jerusalém, e vai cumprir-se tudo quanto foi escrito por intermédio dos profetas a respeito do Filho do Homem; 32 porque será entregue aos gentios, escarnecido, ultrajado, cuspido; 33 e, depois de o flagelarem, o matarão; e, ao terceiro dia, ressuscitará. 34 Mas eles nada disso entenderam; esse falar lhes estava encoberto, e não percebiam o que ele falava. 35 Sucedeu que, ao aproximar-se ele de Jericó, um cego estava assentado à beira do caminho, a mendigar. 36 Este, ouvindo o tropel da multidão que passava, perguntou o que era aquilo. 37 Foi informado de que ali vinha Jesus, o Nazareno. 38 Então ele clamou: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! 39 E os que iam na frente o repreendiam para que se calasse; ele, porém, gritava muito mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim! 40 Então Jesus parou e mandou que o trouxessem, e, tendo ele chegado, perguntou-lhe: 41 Que queres que eu te faça? Ele disse: Senhor, que eu possa ver. 42 E Jesus lhe disse: Vê; – a tua fé te salvou. 43 Imediatamente passou a ver e a segui-lo, glorificando a Deus. Também todo o povo, vendo isto, dava louvor a Deus. Lc 19. “Se Eles Se Calarem, as Pedras Clamarão” 19:1 Ele entrou em Jericó, e atravessava a cidade. 2 Eis que um homem, por nome Zaqueu, que era chefe de publicanos e era rico, 3 procurava ver quem era Jesus e não conseguia, por causa da multidão, por ser ele de pequena estatura. 4 Correu adiante e subiu um sicômoro a fim de vê-lo, porque por ali havia de passar. 5 E, quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima o viu e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, pois me convém ficar hoje em tua casa. 6 Ele desceu depressa e o recebeu com alegria. 7 Houve uma murmuração geral entre os que viram isto: diziam que ele entrara para se hospedar com um pecador. 8 Aí Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, caso tenha extorquido de alguém alguma coisa, restituo-lhe o quádruplo. 9 Jesus lhe disse: Hoje entrou salvação nesta casa, pois que também este é filho de Abraão. 10 Ora, o Filho do Homem veio 411

Quando buscamos a presença de Deus, devemos reconhecer que somos carne e, como tal, pecadores e imperfeitos. Sempre precisamos de socorro; por isso apelamos humildemente para a misericórdia de Deus. E’ preciso estar cônscios, por outro lado, de que, a par da identidade virtual da carne, temos a identidade real de filhos (humanos e divinos) de Deus. Quem é imperfeito e vulnerável precisa de misericórdia, porque misericórdia é sinônimo de socorro (também benignidade). A misericórdia não é para os filhos (os quais são perfeitos), e sim para os servos inúteis que somos na condição da carne. 412 É justificado perante Deus aquele que encontra lugar na consciência da presença de Deus. 413 Não serás dono de nada, mas terás riquezas ilimitadas a tua disposição, por meio das chaves do reino. 414 (Quantos, dentre o povo de Deus, terão vida eterna na era vindoura? minoria?! ou maioria?)


8 0

buscar e salvar o perdido. 11 Quando eles ouviam isso, ele acrescentou uma parábola, visto estar-se aproximando de Jerusalém, e lhes parecer que o reino de Deus devia manifestar-se logo. 12 Disse então: Um homem nobre partiu para uma terra distante a fim de ser investido na realeza e voltar. 13 Chamou dez servos seus, confiou-lhes dez minas e disse-lhes: Negociai até que eu volte. 14 Ora, seus cidadãos o odiavam e enviaram após ele uma embaixada, a dizer: Não queremos que este reine sobre nós. 15 Quando ele regressou, após ter recebido a realeza415, mandou chamar aqueles servos a quem havia confiado dinheiro, para saber como cada um tinha negociado. 16 Apresentou-se o primeiro e disse: Senhor, tua mina rendeu dez. 17 E o senhor lhe disse: Muito bem, bom servo; como foste fiel no pouco, terás autoridade sobre dez cidades. 18 Veio o segundo, dizendo: Senhor, tua mina produziu cinco. 19 Disse também a este: Estarás sobre cinco cidades. 20 E outro veio, dizendo: Senhor, eis aqui tua mina, que eu tenho guardada num lenço; 21 pois tive medo de ti, que és homem severo, que tomas o que não depositaste e colhes o que não semeaste. 22 Disse-lhe: Por tua própria boca eu te julgarei, servo mau. Sabias que eu sou homem severo, que tomo o que não depositei e colho o que não semeei; 23 por que, então, não puseste o meu dinheiro no banco? E eu, ao voltar, o havia de sacar com os juros. 24 E disse aos que lá estavam: Tomai-lhe a mina, e dai-a ao que tem dez. 25 Disseram: Já tem dez minas, senhor. 26 Ele prosseguiu: Pois eu vos declaro: a todo o que tem se lhe dará, e ao que não tem, até mesmo o que tem lhe será tirado. 27 E quanto a esses meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e executai-os na minha presença. 28 E, dito isto, seguia ele avante, subindo para Jerusalém. 29 Ao aproximar-se de Betfagé e de Betânia, perto do monte chamado das Oliveiras, enviou dois de seus discípulos, 30 dizendo-lhes: Ide ao povoado defronte e, ali entrando, encontrareis um jumentinho amarrado, em que ninguém ainda montou; soltai-o e trazei-o. 31 Se alguém vos perguntar: Por que o soltais? Assim respondereis: É que o Senhor precisa dele. 32 Foram os enviados, e o acharam tal como ele lhes dissera. 33 Quanto eles estavam a soltar o jumentinho, seus donos lhes disseram: Por que soltais o jumentinho? 34 Responderam: O Senhor precisa dele. 35 Então o trouxeram a Jesus e, lançando seus mantos sobre o jumentinho, fizeram com que Jesus montasse. 36 Enquanto ele avançava, o povo estendia seus próprios mantos no caminho. 37 Quando já se aproximava da descida do monte das Oliveiras, passou toda a multidão dos discípulos, jubilosa, a louvar a Deus, num grande clamor por todos os milagres que tinham visto, 38 dizendo: Bendito é o Rei que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas! 39 Alguns fariseus da multidão lhe disseram: Mestre, repreende teus discípulos. 40 Mas ele lhes respondeu: Asseguro-vos que, se eles se calarem, as pedras clamarão 416. 41 Quando chegava, vendo a cidade, chorou sobre ela, 42 e dizia: Ah! Se conheceras, tu mesma, ao menos neste teu dia, o que te serve à paz! Mas agora isto está oculto aos teus olhos. 43 Pois sobre ti virão dias em que teus inimigos te cercarão com trincheiras, te rodearão, e te apertarão por todos os lados, 44 e te abaterão ao solo, a ti e aos filhos que abrigas, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não reconheceste o tempo da tua visitação 417. 45 Depois, entrando no templo, passou a expulsar os que ali vendiam, e os que compravam, 46 dizendo-lhes: Está escrito – a minha casa é casa de oração. Mas vós a transformastes em covil de ladrões. 47 Diariamente estava a ensinar no templo; mas os principais sacerdotes e os escribas procuravam eliminá-lo, e bem assim os maiorais do povo. 48 Todavia, não atinavam em como fazê-lo, porque o povo em geral ficava enlevado quando o ouvia. Lc 20. Deus Não é de Mortos, mas de Vivos 20:1 Aconteceu que, em um daqueles dias, estando ele a ensinar o povo no templo e a evangelizar, sobrevieram os principais sacerdotes e os escribas, junto com os anciãos, 2 e assim lhe falaram: Dize-nos – com que autoridade fazes essas coisas? Ou quem te deu esse direito? 3 Respondeu-lhes: Também eu vos farei uma pergunta; dizei-me – 4 o batismo de João 4 1 5

Esta parábola refere-se ao julgamento que haverá após a grande tribulação. Nada tem a ver com a parábola dos talentos. Este julgamento (Mt 25:31-46) será na última vinda física do Senhor Jesus à baixa terra. 4 1 6 Enquanto os santos, hoje, só fazem doutrinar, feito fariseus, as pedras estão a falar por espírito. 4 1 7 O tempo da visitação é hoje! Nós, os cristãos, somos a cidade visitada; e não ficará pedra sobre pedra, caso não nos arrependamos. Trata-se da visitação dos últimos dias. O povo glorificado do Príncipe arrasará a cidade e o santuário (Dn 9:26).


81

era do céu ou era dos homens? 5 Então eles passaram a arrazoar entre si: Se dissermos: do céu – ele dirá: então por que não acreditastes nele? 6 mas se dissermos: dos homens, – o povo todo nos apedrejará, convencido que está de que João seja um profeta. 7 Por fim, responderam que não sabiam de onde. 8 E Jesus lhes disse: Pois nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas. 9 E passou a proferir ao povo esta parábola: Certo homem plantou uma vinha, arrendou-a a uns lavradores e ausentou-se do país por tempo considerável. 10 Em certa data, mandou um servo aos lavradores para que lhe dessem parte do fruto da vinha; o que eles fizeram foi espancá-lo e despachá-lo sem o produto. 11 Ele enviou ainda um outro servo; a este também espancaram e ultrajaram, e o despediram sem nada. 12 Mandou ainda um terceiro; eles feriram também a este e o expulsaram. 13 Disse então o senhor da vinha: Que hei de fazer? Enviarei meu amado filho; quando o virem, talvez lhe tenham respeito. 14 Quando eles o viram, puseram-se a arrazoar e a dizer: Este é o herdeiro; vamos matá-lo, para que a herança seja nossa. 15 E, empurrando-o para fora da vinha, o mataram. Que lhes fará, então, o senhor da vinha? 16 Virá e exterminará esses vinhateiros, e dará a vinha a outros. Ouvindo isso, eles disseram: Tal não aconteça! 17 Fitando neles o olhar, disse: Então, que quer dizer o que está escrito – a pedra que foi rejeitada pelos construtores, esta se tornou cabeça de ângulo–? 18 qualquer um que cair sobre esta pedra se esfacelará, e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó. 19 Quiseram os principais sacerdotes e escribas deitar-lhe mão naquela hora, pois perceberam que dissera essa parábola em referência a eles; mas tiveram receio do povo. 20 Ficando à espreita, enviaram espias, que fingiam ser justos, para o apanharem em alguma palavra, de maneira que pudessem entregá-lo ao poder e autoridade do governador. 21 Eles o interrogaram, dizendo: Mestre, sabemos que com retidão falas e ensinas, e que, sem levar em conta a posição das pessoas, ensinas segundo a verdade o caminho de Deus; 22 é-nos lícito pagar tributo a César, ou não? 23 Mas ele, percebendo-lhes o ardil, disse-lhes: Por que me tentais? 24 Mostrai-me um denário. De quem é a efígie e a inscrição418? Responderam: De César. 25 E ele lhes disse: Pois dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. 26 Não podendo apanhá-lo em palavra alguma diante do povo, e admirados com a sua resposta, calaram-se. 27 Chegando alguns dos saduceus, os quais negam haver ressurreição419, 28 vieram dizer-lhe: Mestre, Moisés nos deixou escrito que, se o irmão de alguém falecer, tendo mulher e não tendo filhos, deve seu irmão tomar a mulher e suscitar descendência ao irmão. 29 Pois havia sete irmãos, e o primeiro tomou mulher e morreu sem filhos; 30 o segundo tomou a mulher e morreu sem filhos; 31 o terceiro a tomou, e os sete da mesma forma não deixaram filhos, e faleceram. 32 Por fim, depois de todos, morreu também a mulher. 33 Na ressurreição, de qual deles será a mulher? Ora, os sete a tiveram por mulher. 34 Respondendo, Jesus lhes disse: Os filhos desta era casam-se e dão-se em casamento. 35 Os que são havidos por dignos de alcançar aquela era, bem como a ressurreição de entre os mortos, não se casam, nem se dão em casamento, 36 pois não podem mais morrer, sendo eles como anjos 420e sendo filhos Υ de Deus, estando na condição de filhos da ressurreição. 37 E que os mortos são ressuscitados, também Moisés o indica ao falar da sarça, quando diz: O Senhor, Deus de Abraão, Deus de Isaque, Deus de Jacó. 38 Ora, Deus não é de mortos, mas de vivos; porque para ele todos vivem421. 39 Então disseram alguns dos escribas: Mestre, disseste bem. 40 Dali por diante, não ousaram mais propor-lhe nenhuma questão. 41 Disse a eles: Como dizem que o Ungido é filho de Davi? 42 O próprio Davi afirma no livro dos Salmos: Disse o Senhor a meu Senhor422 – assenta-te a minha direita 43 até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés. 44 Davi, portanto, lhe chama Senhor, e como pode ser ele seu filho? 418

Que é que leva a imagem de Deus e a inscrição do nome de Deus?! Deus não quer dinheiro, nem autorizou o dízimo como instrumento de manipulação! Quer receber o que ele mesmo criou conforme a sua imagem, não o que a carne produziu. O dinheiro é produto humano e não traz efígie de Deus. 419 A morte é o oposto da sustentação da vida. A vida após a morte virá quando vier o dia da ressurreição. Os que morreram saíram deste tempo para chegarem a outro tempo, na sua experiência imediata. 420 O teu anjo está no céu e tu estás no céu, assim como na terra. Os que estão no céu são filhos de Deus. Na ressurreição da vida, tu és como são os anjos. Quem é o teu anjo?! Υ Gr υιοι filhos divinos (filhos de Deus no Céu) 421 Se os santos não ressuscitassem, Deus seria um deus de mortos, e ele mesmo não seria o Deus vivo. 422 “Disse Yahveh a Adonai” – O Filho é homem, mas também é Adonai (meu Senhor), e é unidade com o Pai (um só Senhor).


8 2 45

Estando todo o povo a ouvir, disse ele a seus discípulos: 46 Acautelai-vos dos escribas, que gostam de andar com vestes talares e muito apreciam as saudações em público, os primeiros assentos nas casas de congregação e os primeiros lugares nos banquetes; 47 esses devoram as casas das viúvas, fazendo, por pretexto, longas orações; os tais sofrerão juízo mais severo. Lc 21. Aquele Dia 21:1 Estando ele a observar, viu os ricos depositarem suas ofertas no gazofilácio. 2 Viu também certa viúva pobre que deitava ali duas moedinhas; 3 e disse: É com verdade que vos digo, – esta viúva pobre depositou mais do que todos. 4 Aqueles, em geral, depositaram para as ofertas de Deus do que lhes sobeja, mas ela, da sua indigência, deu o que tinha para seu sustento. 5 Falando-lhe alguns a respeito do templo, adornado de belas pedras e de ofertas votivas, – ele disse: 6 Quanto a essas coisas que estais a ver, virão dias em que não ficará pedra sobre pedra que não seja demolida. 7 Perguntaram-lhe: Mestre, quando sucederá isso? E que sinal haverá de quando essas coisas estiverem para acontecer? 8 E ele disse: Vede que não sejais enganados; porque virão muitos, com base em meu nome, mesmo a dizer que Eu sou423, e que o tempo teria chegado. Não andeis após eles. 9 Quando ouvirdes falar de guerras e tumultos, não vos assusteis; porque é preciso que sucedam essas coisas primeiro, mas o fim não será logo. 10 Então lhes disse: Levantar-se-á nação contra nação e reino contra reino; 11 em vários lugares haverá grandes terremotos, fomes, pestes, coisas espantosas e grandes sinais no céu. 12 Antes de tudo isso, vos deitarão mão e vos perseguirão, entregando-vos a congregações424e a prisões, conduzindo-vos perante reis e governantes, por causa do meu nome; 13 e isso vos dará ocasião para testemunho. 14 Assentai, pois, em vossos corações, de não vos preocupardes em preparar defesa; 15 porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderá replicar nem resistir nenhum dos vossos opositores. 16 Sereis entregues até mesmo pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos, e a alguns de vós levarão à morte. 17 De todos sereis odiados por causa do meu nome. 18 Ainda assim, não se perderá um só cabelo de vossa cabeça. 19 É na vossa paciência425que ganhareis as vossas almas. 20 Quando virdes Jerusalém sitiada de exércitos426, sabei que se aproxima a sua desolação. 21 Então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes, os que se acharem no meio da cidade retirem-se, e os que estiverem nos campos não entrem nela. 22 Eis que esses são dias de vingança, para que se cumpra tudo o que está escrito. 23 Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias; porque haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo427. 24 Cairão a fio de espada, e para todas as nações serão levados cativos; Jerusalém será pisada pelas gentes até que se completem os tempos das nações428. 25 Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; sobre a terra, angústia das nações em perplexidade, pelo bramido do mar e das ondas, 26 desfalecendo os homens pelo terror e pela ânsia do que vem sobre a humanidade; pois as forças dos céus serão abaladas. 27 Então hão de ver o Filho do Homem vindo numa nuvem, com poder e muita glória. 28 Quando estas coisas começarem a suceder, cobrai ânimo e levantai vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima. 29 E disse-lhes uma parábola: Olhai para a figueira e todas as árvores; 30 quando já brotam, ao vê-las, sabeis por vós mesmos que o verão está próximo. 31 Assim também vós, quando virdes sucederem estas coisas, sabereis que está próximo o reino de Deus. 32 Em verdade vos digo que não passará esta geração429, sem que tudo isto aconteça. 33 Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão. 34 Olhai por vós, não aconteça 4 2 3

Todos os falsos profetas estão na religião cristã e na religião judaísta. Ainda que afirmam ser Jesus o Cristo, iludem os santos pelas doutrinas. Os líderes que reconhecem não serem cristãos não enganam os santos. 4 2 4 =congregações de instituições religiosas 4 2 5 Perseverança e constância são sinônimos de paciência. 4 2 6 intensa perseguição organizada contra os envolvidos nas religiões cristãs e judaístas 4 2 7 sobre o povo do judaísmo e do cristianismo (a Jerusalém atual em Gl 4:25) 4 2 8 Os tempos das nações se completarão quando todos tiverem morrido, menos o povo santo. 4 2 9 passará a geração conjunta do judaísmo com o cristianismo


83

que os vossos corações se carreguem de dissipação, embriaguês e ansiedades da vida, e de repente se vos depare como um laço aquele dia, 35 o qual há de sobrevir a todos os que se assentam sobre a face de toda a terra. 36 Vigiai, pois, em todo o tempo, orando para que sejais havidos por dignos de escapar de todas estas coisas que hão de suceder, e estar de pé430na presença do Filho do Homem. 37 Durante o dia ele ensinava no templo, e à noite, saindo, ficava no monte chamado das Oliveiras. 38 E todo o povo madrugava para ir ter com ele no templo, a fim de escutá-lo. Lc 22. “O Novo Testamento em Meu Sangue” 22:1 Aproximava-se a festa dos ázimos, chamada Páscoa. 2 Os principais sacerdotes e os escribas faziam planos de como eliminá-lo; porque temiam o povo. 3 Ora, satanás entrou em Judas, por sobrenome Iscariotes, que era um dos doze. 4 Este foi conversar com os principais sacerdotes e os capitães sobre como o havia de entregar; 5 então eles se alegraram e concordaram em lhe dar dinheiro. 6 Judas se comprometeu e buscava uma oportunidade de lho entregar longe das aglomerações de povo. 7 Veio o dia dos ázimos, em que se devia sacrificar a páscoa431. 8 Então ele enviou Pedro e João, dizendo: Ide preparar-nos a páscoa, para que a comamos. 9 Eles lhe disseram: Onde queres que a preparemos? 10 Disse-lhes: Entrando na cidade, encontrareis um homem levando um cântaro de água; acompanhai-o até a casa em que ele entrar432 11 e dizei ao dono da casa: O Mestre manda perguntar-te – onde é o aposento onde hei de comer a páscoa com os meus discípulos? 12 E ele vos mostrará um espaçoso cenáculo mobilado; ali fazei os preparativos. 13 Indo eles, tudo encontraram como lhes dissera, e prepararam a páscoa. 14 Chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos. 15 E disse: Desejei ansiosamente comer convosco esta páscoa, antes da minha paixão. 16 Pois vos digo que dela nunca comerei, até que se cumpra no reino de Deus. 17 E, tomando um cálice e dando graças, disse: Recebei este e reparti-o entre vós; 18 pois vos digo que não beberei do fruto da videira, até que venha o reino de Deus. 19 Tomando um pão e dando graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Este é meu corpo433que por vós é oferecido434; fazei isto435em memória de mim436. 20 Semelhantemente, também o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue, o qual é derramado por vós 437. 21 Entretanto, eis que a mão do que me entrega está comigo à mesa. 22 E o Filho do Homem, na verdade, vai, segundo está determinado; ai, porém, daquele por quem ele está sendo entregue. 23 Começaram a indagar entre si quem seria, então, dentre eles, o que estava para fazer isto. 24 Suscitou-se ainda entre eles uma discussão sobre qual deles deveria ser o maior. 25 Mas ele lhes disse: Os reis das nações imperam sobre elas, e os que exercem autoridade são chamados benfeitores. 26 Convosco não será assim; pelo contrário, o maior entre vós seja como o mais jovem, e o dirigente seja como o que serve. 27 Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Não é quem está à mesa? E eu estou entre vós como quem serve. 28 Vós sois os que tendes permanecido comigo em minhas provações; 29 e eu disponho para vós um reino, assim como meu Pai o dispôs para mim, 30 para 430

Como estar de pé? a. tendo a vida preservada para a assunção; b. tendo-se preparado para a ressurreição da vida 431 em família, dia 12 de Nissan; – no templo, a páscoa era sacrificada no dia 14 432 Acasa do Aquário. O zodíaco é obra de Deus, e tem conteúdo profético. 433 Nada é como aparece, nem o que parece ser neste mundo. A carne é a aparência, o espírito é a realidade. O espírito está no reino de Deus, a carne está fora. Quando o Senhor diz – este pão é o meu corpo - ele nos fala da realidade por detrás das aparências. Concretamente, somos espírito, e não carne. Espírito alimenta-se de espírito, bebe espírito, respira espírito, fala espírito. Nós temos livre arbítrio para escolher: - respirar o ar deste mundo, ou respirar o Santo Espírito - mastigar a comida perecível, ou trabalhar o pão da vida - beber a água molecular, ou beber a água da vida que o Senhor nos dá - tomar bebidas várias, ou tomar apenas o cálice da bênção, todas as vezes que bebemos – andar segundo a carne, ou viver a vida segundo o espírito. − O Senhor disse: "Eu sou o pão vivo que desce do céu. Quem come deste pão vive para sempre." Digamos ao Senhor: "Sustenta-me conforme a tua palavra, para que viva, e não me deixes envergonhado da minha esperança (Sl 119:116)." 434 a mesma oferta de Rm 12 (sacrifício vivo do corpo espiritual) – revelação assimilada em 10/02/2007 4 3 5 Fazer isto: dar graças pelo pão da vida e comer o pão da vida, seja em particular, seja em congregação. 436 O Senhor Jesus nada instituiu: nem igreja, nem cristianismo, nem missa, nem clero, nem culto, nem batismo, nem ceia; e nenhuma instituição tem chancela divina – revelação assimilada em 3/07/2007 4 3 7 O sangue é derramado na vigência da Antiga Aliança, e torna-se a base da Nova Aliança. O sangue precioso é vivo, e só pode ser desfrutado na Nova Aliança. E’ o que anteriormente foi derramado na morte, e agora está restaurado pela ressurreição, e incontaminado. Garante a vida para sempre.


8 4

que comais e bebais da minha mesa no meu reino; e vos assentareis em tronos a julgar as doze tribos de Israel. 31 Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que satanás vos reclamou para peneirar-vos como trigo! 32 Eu, porém, roguei por ti, para que tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres438, confirma teus irmãos. 3 Ele lhe disse: Senhor, contigo estou pronto, seja para a prisão, seja para a morte. 34 Disse-lhe, porém: Afirmo-te, Pedro, que o galo hoje não cantará, antes que por três vezes me negues conhecer. 35 E disse a eles: Quando vos mandei sem bolsa, ou alforje, ou sandálias, alguma coisa vos faltou? Nada, disseram eles. 36 Então lhes disse: Agora, porém, quem tem bolsa, tome-a, como também o alforje; e o que não tem espada, venda o seu manto e compre uma. 37 Pois vos digo que importa cumprir-se ainda em mim o que está escrito: E com iníquos foi contado. Porque também o que a mim se refere se cumpre. 38 Eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. Respondeu-lhes: Basta. 39 E, saindo, dirigiu-se, como de costume, ao monte das Oliveiras; e os seus discípulos o acompanharam. 40 Chegando ao lugar, ele lhes disse: Orai para não entrar em provação. 41 Afastou-se deles, coisa de um tiro de pedra, e, de joelhos, orava, 42 dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; não que se faça a minha vontade, e sim a tua. 43 Então lhe apareceu um anjo do céu que o fortalecia. 44 E ele, estando em agonia, orava mais intensamente. Aconteceu que o seu suor se tornou semelhante a gotas de sangue que caíam sobre a terra. 45 Levantando-se da oração, foi ter com os discípulos, e os encontrou adormecidos de tristeza. 46 E disse-lhes: Por que estais a dormir? Levantai-vos e orai, para que não entreis em provação. 47 Falava ele ainda, quando chegou uma multidão; e um dos doze, chamado Judas, que vinha à frente deles, aproximou-se de Jesus para o beijar. 48 Mas Jesus lhe disse: Judas, é com um beijo que entregas o Filho do Homem? 49 E os que estavam em torno dele, vendo o que ia suceder, lhe disseram: Senhor, devemos ferir à espada? 50 Já um deles golpeou o servo do sumo sacerdote e decepou-lhe a orelha direita. 51 Mas Jesus acudiu, dizendo: Isto basta. E, tocando-lhe a orelha, o curou. 52 Então Jesus disse àqueles dentre os principais sacerdotes, oficiais do templo e anciãos que tinham vindo contra ele: Saístes como quem vem contra um salteador, com espadas e paus? 53 Estive diariamente convosco no templo, e não pusestes as mãos sobre mim. Mas esta é para vós439a hora e a jurisdição das trevas. 54 Eles o prenderam e o levaram embora, conduzindo-o à casa do sumo sacerdote. Pedro seguia de longe. 55 Havendo eles acendido uma fogueira no meio do pátio, juntos se assentaram, e Pedro tomou lugar entre eles. 56 Então uma criada, vendo-o sentado ao lume e fitando-o, disse: Este também estava com ele. 57 Mas ele o negava, dizendo: Não o conheço, mulher. 58 Pouco depois, outro o viu e disse: Tu também és um deles. E Pedro retrucou: Homem, não sou. 59 Tendo passado cerca de uma hora, veio outro a insistir: Também este, deveras, estava com ele, porque é um dos galileus. 60 Pedro disse: Homem, não sei de que estás falando. Estava ele ainda a falar, quando o galo cantou. 61 O Senhor então voltou-se, olhou para Pedro, e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, que lhe dissera: antes que o galo cante, me negarás três vezes. 62 Saindo dali, Pedro chorou amargamente. 63 Os homens que detinham Jesus zombavam dele e lhe batiam; 64 vendando-lhe os olhos, golpeavam-lhe a face e o interpelavam, dizendo: Profetiza, quem foi que te feriu? 65 E outras muitas coisas diziam contra ele, a insultá-lo. 66 Assim que amanheceu reuniram o conselho do povo, principais sacerdotes e escribas, e o levaram ao sinédrio deles, onde lhe disseram: 67 Dize-nos: És tu o Cristo? Então Jesus lhes disse: Se vo-lo disser, não o crereis; 68 mesmo que vos faça pergunta, não me respondereis nem me soltareis. 69 Desde agora estará o Filho do Homem assentado à destra da força de Deus. 70 Aí todos disseram: Logo, tu és o Filho de Deus? E ele lhes disse: Vós dizeis que Eu Sou. 71 Disseram eles: Que necessidade mais temos de testemunho? Pois nós mesmos o ouvimos da sua própria boca. Lc 23. Jesus Expirou 23:1 Levantando-se toda a assembleia, eles o levaram a Pilatos. 2 Ali passaram a acusá-lo, dizendo: A este encontramos pervertendo a nação, proibindo pagar tributo a César, 4 3 8

A conversão se dá dos ídolos para o Deus vivo, e da tradição humana para a realidade do reino de Deus. Simão Pedro veio a ser o primeiro discípulo a entender como se deve acolher e confirmar a todos os irmãos chamados a converter-se. 4 3 9 ‘ . . . vocês que se submetem à ilusão de ser governados pelo inexistente poder das trevas’ Esses homens foram enviados pelo grande líder da religião, o qual tem autoridade (e, ao mesmo tempo, é cativo) na jurisdição das trevas (embora ele mesmo seja sacerdote legítimo).


85

dizendo de si mesmo ser Rei Ungido. 3 Pilatos interrogou-o: És tu rei dos judeus? E ele, respondendo, disse: Tu o dizes. 4 Disse Pilatos aos principais sacerdotes e às multidões: Não encontro neste homem nada condenável. 5 Mas eles insistiam, a dizerem: Ele alvoroça o povo, a ensinar por toda a Judeia, começando da Galileia, até aqui. 6 Ouvindo isto, Pilatos perguntou se o homem era galileu. 7 Tendo tomado conhecimento de que era da jurisdição de Herodes, o enviou a Herodes, que nesses dias também se encontrava em Jerusalém. 8 Herodes, por sua vez, vendo a Jesus, ficou muito contente, pois havia muito desejava vê-lo, por ter ouvido falar muitas coisas a seu respeito; esperava também presenciar algum sinal feito por ele. 9 Muitas perguntas lhe fez; ele, porém, nada lhe respondia. 10 E os principais sacerdotes e os escribas teimavam em acusá-lo com veemência. 11 Herodes, com sua tropa, o tratou com desprezo, escarneceu-o e, após vesti-lo de uma roupa brilhante, o mandou de volta a Pilatos. 12 Naquele dia Pilatos e Herodes fizeram-se amigos, embora até então se houvessem por inimigos. 13 Então Pilatos, convocando os principais dos sacerdotes, as autoridades e o povo, 14 disse-lhes: Haveis-me apresentado este homem como agitador do povo; tendo-o, porém, interrogado na vossa presença, nada verifiquei nele que seja condenável, naquilo de que o acusais. 15 Nem tampouco Herodes, já que a ele vos remeti, e para ele nada foi praticado em que seja digno de morte. 16 Castigá-lo-ei, pois, e o soltarei. 17 (Era-lhe forçoso soltar-lhes um pela festa.) 18 Aí gritaram em coro, dizendo: Fora com este! Solta-nos Barrabás! 19 Esse fora lançado no cárcere por causa de uma insurreição ocorrida na cidade, e de homicídio. 20 Ora, Pilatos, querendo soltar a Jesus, ainda uma vez se interpôs. 21 Mas eles clamavam, a dizerem: Crucifica-o, crucifica-o. 22 Então, por terceira vez, lhes disse: Ora, que mal fez ele? Nada achei nele que justifique a pena de morte; portanto, depois de o castigar, soltá-lo-ei. 23 Porém eles instavam a grandes vozes, exigindo que fosse crucificado, e seus clamores se impuseram, inclusive os dos principais sacerdotes. 24 Então Pilatos decidiu atender-lhes a exigência. 25 Soltou-lhes o que estava encarcerado por sedição e por homicídio, conforme a sua demanda; quanto a Jesus, entregou-o à vontade deles440. 26 E depois, quando o iam conduzindo, lançaram mão de um certo Simão, um cireneu que vinha do campo, e puseram-lhe a cruz sobre os ombros, para que a levasse atrás de Jesus. 27 Acompanhava-o grande multidão de povo, inclusive mulheres que estavam a bater no peito e a lamentar-se. 28 Jesus, voltando-se para elas, disse: Filhas de Jerusalém, não choreis por mim; deveis, antes, chorar por vós mesmas e por vossos filhos, 29 pois eis que dias virão em que se dirá – bem-aventuradas as estéreis, as que não geraram, as que não amamentaram. 30 Nesses dias, acabarão por dizer aos montes – caí sobre nós; e aos outeiros – cobri-nos. 31 Ora, se tais coisas fazem com o madeiro verde, que se dará com o seco441? 32 Também se levavam outros dois, que eram malfeitores, para serem executados com ele. 33 Quando chegaram ao lugar chamado Caveira, ali o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita, outro à esquerda. 34 E Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes. 35 O povo olhava. Com eles, também os maiorais escarneciam, e estavam a dizer: A outros salvou; salve-se a si mesmo, se ele é o Ungido, o escolhido de Deus. 36 Os soldados, igualmente, zombavam dele, aproximando-se e trazendo-lhe vinagre, 37 a dizerem: Se tu és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo. 38 Estava também, por cima dele, uma epígrafe em letras gregas, romanas e hebraicas: Este é o Rei dos Judeus. 39 Um dos malfeitores que pendiam blasfemava contra ele, e disse: Se tu és o Ungido, salva-te a ti e a nós. 40 Respondendo-lhe, porém, o outro repreendeu-o, dizendo: Nem ao menos temes a Deus, estando sob igual sentença? 41 Quanto a nós442, é com justiça, porque recebemos a devida recompensa do que praticamos; mas este nada de mal fez. 42 E falou a Jesus: Lembra-te de mim, Senhor, quando entrares no teu reino. 43 Disse-lhe Jesus: – Em verdade te digo: hoje comigo estarás no paraíso443. 44 Era pela hora sexta444, e trevas 440

Jesus não foi condenado por Pilatos, mas este o entregou aos sacerdotes, para que eles o sacrificassem. Para isso foi dada, do céu, autoridade a Pilatos. Este ganhou autoridade para entregar Jesus aos sacerdotes, não para condená-lo. Tanto que não o condenou. 441 O lenho verde (Filho do Homem) padece; o lenho seco (cristianismo) é consumido pelo fogo. 442 Este homem representa a classe dos santos. O outro representa os comuns. Alguns dos santos têm sua fé despertada pelo Espírito Santo durante a vida neste mundo. Os comuns não têm capacidadde de crer no Evangelho. É fato do Evangelho que todos os homens, para ser salvos, fomos crucificados junto com Jesus. 443 “Hoje estarás comigo no paraíso” significa que, se a morte é hoje, a ressurreição da vida é hoje (não hoje-data, mas hoje-consciência), ainda que, cronologicamente, esteja no futuro. 444 Entre onze e meio-dia.


8 6

cobriram toda a terra até à hora nona, 45 escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do santuário. 46 E Jesus, clamando em alta voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. Havendo dito isto, expirou445. 47 Vendo o centurião o que acontecera, glorificou a Deus, dizendo: Certamente, este homem era justo. 48 E toda a multidão dos que vieram para presenciar o fato retirou-se, batendo nos peitos. 49 Entretanto, ficaram, a uma distância, todos os seus conhecidos, inclusive mulheres que o tinham acompanhado desde a Galileia, a contemplar ali estas coisas. 50 E eis que certo homem bom e justo, membro do sinédrio, por nome José, 51 (o mesmo não tinha consentido com a resolução e os atos daqueles) que era de Arimateia, cidade dos judeus, também ele aguardando o reino de Deus, 52 tendo procurado a Pilatos, requisitou-lhe o corpo de Jesus e, 53 desprendendo-o, envolveu-o num lençol de linho, e o depositou num sepulcro cavado na rocha, onde ninguém ainda fora posto. 54 E era dia de preparação, e um sábado se ensejava446. 55 Também viram o sepulcro as mulheres que tudo acompanhavam, as quais tinham vindo da Galileia com ele, e viram como o seu corpo foi ali depositado. 56 Elas se retiraram para preparar aromas e unguentos. No sábado 447, descansaram, conforme o mandamento. Lc 24. “Paz Seja Convosco” 24:1 No primeiro dia da semana, alta madrugada, dirigiram-se elas ao sepulcro, levando os aromas que haviam preparado, e o mais, consigo. 2 Encontraram removida a pedra do sepulcro 3 e, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus. 4 Enquanto elas se achavam, com isto, perplexas, apresentaram-se dois homens448em vestes resplandecentes. 5 Cheias de temor, baixaram os olhos ao chão, e eles lhes falaram: Por que buscais entre os mortos ao que vive? 6 Ele não está aqui, mas foi ressuscitado. Lembrai-vos de como vos falou, estando ainda na Galileia, 7 quando disse: Importa que o Filho do Homem seja entregue em mãos de pecadores, e que seja crucificado, e que, no terceiro dia, venha a ressurgir. – 8 Então se lembraram das palavras dele. 9 E, voltando do túmulo, anunciaram todas estas coisas aos onze e a todos os demais. 10 Eram Maria Magdalena, e Joana e Maria mãe de Tiago449; também as outras que estavam com elas contaram isso aos apóstolos; 11 mas a estes pareciam desvarios tais relatos, e não estavam a acreditar. 12 Ora, Pedro, levantando-se, correu ao sepulcro. Abaixando-se, viu as peças de linho postas em separado, e foi embora para casa, impressionado com o que acontecera. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam de caminho para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. 14 E iam a conversar a respeito de todas as coisas que tinham acontecido. 15 Sucedeu que, enquanto conversavam e arrazoavam, o próprio Jesus aproximou-se e passou a caminhar com eles. 16 Os seus olhos, porém, estavam impedidos de reconhecê-lo. 17 Ele lhes disse: Que é essa conversação que estais a trocar à medida que caminhais, em que vos entristeceis? 18 Respondeu-lhe um deles 450, cujo nome era Cléopas: Porventura és o único que, estando em Jerusalém, ignoras o que ali ocorreu nestes últimos dias? 19 E disse-lhes: Que é? Disseram-lhe: O que aconteceu a Jesus, o Nazareno, varão profeta, poderoso em obra e palavra diante de Deus e de todo o povo; 20 como os principais dos sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para sentença de morte e o crucificaram. 21 Ora, nós esperávamos fosse ele quem havia de redimir a Israel; mas, com tudo isto, já se passaram, até hoje, três dias desde que tais coisas sucederam451. 22 Também é fato que algumas mulheres, das nossas, nos surpreenderam; tendo ido ao sepulcro à primeira luz da aurora, 23 e não achando o seu corpo, voltaram dizendo que tiveram uma visão 4 4 5

Quem foi crucificado e morreu foi o Filho do Homem na carne, ou seja, o filho humano do Altíssimo feito carne, filho de Maria. A morte de Jesus foi psico-física, assim como a morte dos homens. Pela morte, ele nos salvou da mesma morte. O homem-espírito não morre. Morte espiritual nunca aconteceu, e nunca acontecerá, exceto na ilusão da separação. Morte eterna é um conceito absolutamente falso. 4 4 6 Quando o Senhor foi sepultado, às seis da tarde daquela quarta-feira, ou minutos antes, foi enterrada, sem retorno, a velha aliança. Esse sábado era o sábado anual da Páscoa, dia quinze do mês Nissan. 4 4 7 Lucas explicita que houve dois sábados na mesma semana. Um no quinto dia, outro no sétimo. 4 4 8 Portanto os anjos são humanos (homens e mulheres). Não há filho de Deus que não seja humano. 4 4 9 Esta senhora deixou de ser mãe de Jesus nesse dia, já que a carne do Senhor Jesus estava morta. Depois de três dias foi Jesus Cristo ressuscitado no espírito, fisicamente no corpo espiritual. 4 5 0 Por que Lucas não revela o nome do outro discípulo? Possivelmente por ser este o mesmo discípulo que acompanhava Paulo nas viagens narradas em Atos, inclusive no naufrágio, cujo nome não aparece. 4 5 1 Estranhavam que, sendo esse domingo o quarto dia, o corpo de Jesus parecia ainda estar no túmulo.


87

de anjos, os quais afirmam que ele vive. 24 E alguns dos que estavam conosco se dirigiram ao sepulcro e tudo verificaram como também as mulheres disseram; mas não o viram. 25 E ele lhes disse: Ó néscios, tardos de coração para crer tudo o que os profetas falaram! 26 Porventura não era necessário que o Ungido padecesse tais coisas e que entrasse na sua glória? 27 E, começando por Moisés e por todos os profetas, lhes passou a explicar o que a seu respeito constava em todas as escrituras. 28 Quando chegavam à aldeia aonde se dirigiam, ele fez menção de seguir mais adiante. 29 E eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, que na noite entramos, e o dia declinou452. E entrou para ficar com eles. 30 E aconteceu que, quando estava à mesa com eles, tomando o pão, bendisse; partindo-o, o deu a eles; 31 então se lhes abriram os olhos, e o reconheceram; e desapareceu-lhes. 32 E disseram um ao outro: Não é verdade que ardia em nós o coração, quando ele, pelo caminho, nos falava, e quando nos expunha as escrituras? 33 E, na mesma hora, levantando-se, voltaram para Jerusalém, onde acharam reunidos os onze e outros com eles, 34 os quais diziam: O Senhor ressuscitou realmente, e apareceu a Simão! 35 E eles relataram o que houve no caminho e como deles fora reconhecido no partir do pão. 36 Falavam ainda estas coisas quando o mesmo Jesus se apresentou no meio deles e lhes disse: Paz seja convosco! 37 Eles, porém, assustados e atemorizados, pensavam estar vendo algum espírito. 38 E ele lhes disse: Por que vos perturbais? E por que sobem dúvidas aos vossos corações? 39 Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. 40 Assim falando, mostrou-lhes as mãos e os pés. 41 Estando eles ainda incrédulos de alegria, e maravilhados, ele lhes disse: Tendes aqui alguma coisa de comer? 42 Então lhe apresentaram um pedaço de peixe cozido e um favo de mel. 43 Ele pegou e comeu na presença deles. 44 E lhes disse: São estas as palavras que vos falei, estando ainda convosco – importava que se cumprisse tudo o que na lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos está escrito de mim. 45 Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as escrituras; 46 e lhes disse: Assim está escrito, e assim era preciso, que o Ungido padecesse e ressurgisse de entre os mortos no terceiro dia, 47 e que em seu nome se proclamasse arrependimento453e remissão de pecados para todas as gentes, começando de Jerusalém. 48 E destas coisas sois vós testemunhas. 49 Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei na cidade de Jerusalém até que do alto sejais vestidos de energia. 50 Então os conduziu para Betânia454e, erguendo as mãos, os abençoou. 51 Aconteceu que, enquanto os abençoava, apartou-se deles sendo assunto ao céu455. 52 Eles o adoraram, e tornaram com grande júbilo a Jerusalém; 53 e estavam sempre no templo, louvando e bendizendo a Deus. Amém.

O SANTO EVANGELHO SEGUNDO JOÃO 1. "Eis o Cordeiro de Deus" 1

1: No princípio era a Palavra456, e a Palavra estava com Deus, e era Deus a Palavra. Ele estava no princípio com Deus. 3 Todas as coisas vieram a existir por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez458. 4 Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5 E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela. 6 Houve um homem enviado por Deus cujo nome era João. 7 Este veio para testemunho, a testificar a respeito da luz, a fim de que todos pudessem crer por intermédio dele. 8 Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz. 9 A luz que havia era a 2

452

457

A hora era o pôr-do-sol, fim do domingo em Jerusalém. o arrependimento é dom de Deus, que muda o nosso entendimento 454 Betânia: mais de dois quilômetros do Monte das Oliveiras, o local da segunda ascensão (assunção). 455 primeira assunção do Senhor 456 A princípio, a Palavra era a realidade física única. Ainda é, mas há desdobramentos e extensões. 457 O pronome Ele refere-se à Palavra. 458 Tudo o que existe permanentemente foi criado pela Palavra, e nada pode ser prejudicado ou ameaçado. Tudo o mais que parece existir é inconsistente. As coisas que não se veem são eternas. 453


8 8

verdadeira, a qual ilumina a todo homem que vem ao mundo. 10 Estava no mundo, e o mundo veio a existir por intermédio dele, e o mundo não o conheceu. 11 Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. 12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o direito de fazerem-se459filhosΤ de Deus, àqueles que creem no seu nome460; 13 os quais não foram gerados do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade de algum homem, mas foram gerados461de Deus. 14 E a Palavra se fez carne462e habitou no meio de nós463, e contemplamos a sua glória, glória como do Unigênito464do Pai, cheio de graça e de verdade. 15 João, dando testemunho a respeito dele, exclamou: Foi acerca deste que eu disse: – o que vem depois de mim tem origem antes de mim, sendo ele primeiro que eu. 16 E todos nós temos recebido da sua plenitude465, e graça sobre graça466. 17 Enquanto que a lei foi dada por intermédio de Moisés, a graça e a verdade467vieram por Jesus Cristo. 18 Ninguém jamais viu a Deus; o Filho unigênito, que está no seio do Pai, ele é quem o declarou468. 19 E este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para lhe perguntarem – quem és tu? 20 Ele confessou e não negou; confessou, pois: Eu não sou o Ungido. 21 E lhe perguntaram: Quem és, então? És Elias? Ele disse: Não sou. És tu o profeta? Respondeu: Não. 22 Então lhe disseram: Declara-nos quem és, para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes acerca de ti mesmo? 23 Assim falou: Eu sou a voz do que clama no deserto: – endireitai o caminho de Yahveh 469, como disse o profeta Isaías. 24 Ora, os que tinham sido enviados eram da parte dos fariseus. 25 E perguntaram-lhe: Por que, então, batizas, se não és o Ungido, nem Elias, nem o profeta? 26 Respondeu-lhes João: Eu batizo em água; mas no meio de vós está quem não conheceis; 27 ele vem após mim, e sua origem é antes de mim, e eu não sou digno de desatar-lhe a correia da sandália. 28 Estas coisas sucederam em Betábara, do outro lado do Jordão, onde João batizava. 29 No dia seguinte, João viu que Jesus se aproximava dele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado470do mundo! 30 Foi deste que eu disse: após mim vem um homem cuja origem é antes de mim, sendo ele primeiro que eu. 31 E eu não o conhecia, mas para fazê-lo manifesto a Israel eu vim, batizando em água. 32 E João deu testemunho, dizendo: Vi o Espírito descer como se fosse uma pomba vinda do céu e ficar sobre ele. 33 E eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar em água, esse mesmo me disse: Aquele sobre quem vires descer o Espírito e ficar sobre ele, esse é o que batiza em Espírito Santo. 34 E eu vi, e já dei testemunho de que ele é o Filho de Deus471. 35 No dia seguinte, ali estava João outra vez, e, com ele, dois dos seus discípulos, 36 e, a olhar para Jesus que passava, ele disse: Eis o Cordeiro de Deus! 37 Os dois discípulos o 4 5 9

o u‘o direito de reconhecerem-se’

filhos: Gr τεκνα (τεκνα Θεου = filhos humanos de Deus = filhos de Deus na terra Se cremos no Nome, estamos dentro do Nome, e tudo o que o Filho é, nós somos. Fazer-se filho humano do Altíssimo, cf Jo 1:12, consiste em assumir ousadamente a condição de filho. Isto é reconhecimento do SER, o primeiro passo do processo que leva à realização de todo desejo legítimo de nosso coração. Esta realização é pleno direito ou autoridade dos filhos, conforme a Lei do Evangelho. O passo designado SER inclui a visualização envolvente, na qual estamos no centro do cenário em que se realiza o desejo do espírito, com forte sentimento de satisfação e gratidão. 4 6 1 Caso não tivessem sido gerados, impossível seria crerem. Os que não integram a classe dos santos não são capazes de crer no Evangelho, ou no Redentor, ou no Filho Unigênito de Deus, nesta era. ‘Gerados’ indica geração legítima, e Deus não adota ninguém. A Luz é rejeitada pelos filhos (os seus não o receberam). São os santos incréus os que se perdem, ou se extraviam. 4 6 2 Deus não se fez homem nem se fez carne. A Palavra se fez carne, não se fez homem. Sempre foi homem, mesmo antes das eras. 4 6 3 Também significa: “tabernaculou em nós = fez de nós a sua tenda” 4 6 4 A Palavra é o Unigênito Criador, no qual todos os filhos divinos estão incluídos. Por isso, o Filho é Unigênito, e não único. 4 6 5 Plenitude para todos, e não distribuição de partes. 4 6 6 Na graça de Deus, não há limitação. 4 6 7 A Verdade é absoluta, engloba toda a realidade, e desconsidera opiniões, dogmas, religiões, sistemas. 4 6 8 O Unigênito declarou o Pai fisicamente (em corpo e em palavra). 4 6 9 Onde se lê Yahveh (Yavé), pode-se pronunciar Adonai ou o Senhor. 4 7 0 Donde o Cordeiro tirou o pecado, este desapareceu, definitivamente. 4 7 1 Apresentação do Cordeiro – este dia representa os dois mil anos da era, que começa pela Redenção. Τ

4 6 0


89

ouviram e seguiram a Jesus. 38 E Jesus, voltando-se e vendo que o seguiam, lhes disse: Que buscais? Disseram-lhe: Rabbí (que quer dizer mestre), onde moras?472 39 Respondeu-lhes: Vinde e vede473. Eles foram e viram onde ele morava, e ficaram com ele aquele dia; e era, então, pela hora décima. 40 Era André, o irmão de Simão Pedro, um dos dois que ouviram aquilo de João e que seguiram a Jesus. 41 Ele achou primeiro seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Encontramos o Messias (que quer dizer o Ungido) – 42 e o levou a Jesus. Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Kepha (que quer dizer Pedro). 43 No dia seguinte, resolveu Jesus ir para a Galileia, e encontrou Filipe, a quem disse: Segue-me. 44 Ora, Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro. 45 Filipe encontrou a Natanael e lhe disse: Achamos aquele de quem, na Lei, Moisés escreveu, bem como os profetas – Jesus de Nazaré, filho de José. 46 E lhe disse Natanael: Alguma coisa boa pode ser de Nazaré? Disse-lhe Filipe: Vem e vê. 47 Jesus viu Natanael aproximar-se e disse dele: Eis quem é deveras um israelita, em quem não há malícia. 48 Disse-lhe Natanael: Donde me conheces? Respondeu-lhe Jesus: Antes que Filipe te chamasse, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira. 49 Natanael respondeu, dizendo: Rabbí, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel! 50 Ao que Jesus lhe respondeu: Porque te disse que te vi debaixo da figueira, crês? Pois coisas maiores que estas verás. 51 E disse-lhe: Em verdade, em verdade vos digo, – doravante vereis o céu aberto e os anjos de Deus a subir e a descer474sobre o Filho do Homem475. Jo 2. "O Zelo da Tua Casa Me Devorou" 2: E, ao terceiro dia476, houve um casamento em Caná da Galileia, e achava-se ali a mãe de Jesus. 2 Jesus também foi convidado, bem como os seus discípulos, para o casamento. 3 E, tendo faltado vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm vinho. 4 Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora. 5 Sua mãe falou aos que serviam: Fazei tudo quanto ele vos disser. 477 6 Estavam ali postas seis talhas de pedra, usadas para as purificações dos judeus, nas quais cabiam duas ou três metretas por unidade. 7 Jesus lhes disse: Enchei de água as talhas. E eles as encheram até à borda. 8 E disse-lhes: Tirai-o agora e levai ao mestre-sala. E levaram. 9 Tendo o mestre-sala provado a água transformada em vinho (e não sabia donde viera, se bem que o sabiam os servidores que tiraram a água), chamou o noivo 10 e lhe disse: Todos primeiro põem o bom vinho e, depois de se ter bebido à vontade, então o inferior; tu, porém, guardaste o bom vinho até agora478. 11 Com este, deu Jesus início aos sinais, em Caná da Galileia; e manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele. 12 Depois disto, desceu ele para Cafarnaum, com sua mãe, seus irmãos e seus discípulos; e ali ficaram não muitos dias. 13 Quando estava para chegar a Páscoa dos judeus, 1

472

Eles queriam seguir a Jesus para entrar no reino de Deus, e Jesus mora no reino. Convite aos escolhidos, para entrar no Reino. João, André e Simão representam os eleitos das três assunções. Na 1ª assunção, sobem os ceifeiros, para a terra-eden, ou Sião. Na 2ª assunção, sobem os arrebatados no dia de Cristo. Depois (1260dias), os da terceira. A partir da vitória na guerra referida em Salmo 83 e Ezequiel 37, parece que a terra-eden será manifestada em toda a extensão do grande território que Deus deu a Abraão (Gn 15:18), desde o Nilo até ao Eufrates, a terra em que Gog e Magog (Ez 38-39) serão derrotados, durante a tribulação. 474 Neste dia seguinte, o Senhor vem para julgar e libertar. Está dentro da sequência inicial do Dia do Senhor (milênio), em que Jesus Cristo vem outra vez em glória, e realizará o Juízo final dos santos, bem como a restauração da Boa Terra. Restauram-se as consciências. 475 Jesus é Filho de Deus no céu e Filho-do-homem na terra, bem como em sua relação com a terra. Ele é a escada vista por Jacó, sobre a qual os anjos sobem e descem. 476 As bodas se completam no 3º dia, o melhor dia da festa, com a última glorificação, a convocação universal (Hb12:23). Todos os santos constituem, em espírito, a noiva, no momento em que são glorificados. Depois das bodas, todos integrarão, em espírito, a esposa de Deus. Na verdade, Deus tem sua esposa na eternidade, e não se casa em determinado tempo. Por outro lado, Cristo não tem noiva na eternidade. Não pode haver noiva eterna. A esposa eterna tem nome, e o nome é Israel, e Sião (Tsiôn). A Igreja é Israel na terra. A Esposa é Israel no céu. 477 atitude aprovada no teste de fé 478 Era o terceiro dia das bodas. O melhor vinho celebra o fato de completar-se o número dos santos glorificados. Antes, eles eram mera água, enquanto havia outro vinho na festa; agora a água foi transformada em vinho. A transformação em vinho corresponde à glorificação dos santos que estarão na terra-eden ao final dos mil anos, os muitíssimos (que ninguém poderia contar), os quais foram chamados no princípio das eras mas não foram contados entre os escolhidos. 473


9 0

subiu Jesus para Jerusalém. 14 No templo, encontrou os que vendiam bois, ovelhas e pombas, bem como os cambistas assentados; 15 e, tendo feito um azorrague de cordas, lançou todos fora do templo, também as ovelhas e os bois; esparramou as moedas dos cambistas e virou as mesas. 16 E disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui essas coisas; não façais da casa de meu Pai casa de comércio.479 17 Lembraram-se os seus discípulos de que está escrito: O zelo da tua casa me devorou. 18 Reagiram, pois, os judeus, e disseram: Que sinal nos mostras, para fazeres estas coisas? 19 Jesus lhes respondeu: Haveis de destruir este templo, e em três dias480o levantarei. 20 Disseram-lhe, então, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este santuário, e tu, em três dias, o levantarás? 21 Ele, porém, se referia ao santuário do seu corpo481. 22 Quando, pois, Jesus ressuscitou de entre os mortos, lembraram-se os seus discípulos de que ele dissera isto; e acreditaram na escritura e na palavra que Jesus havia falado. 23 Estando ele em Jerusalém pela Páscoa, na festa, houve muitos que, ao ver os sinais que ele fazia, creram no seu nome; 24 mas o próprio Jesus não se fiava neles, pois a todos conhecia. 25 E não necessitava de que alguém lhe testificasse do homem, porque ele mesmo bem sabia o que havia no homem. Jo 3. Nascer do Alto 3: 1 Havia, dentre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dirigente entre os judeus. 2 Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabbí, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele. 3 A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer do alto482, não pode ver o reino de Deus. 4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez? 5 Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo – se alguém não nascer da água e do Espírito 483não pode entrar no reino de Deus. 6 O que foi nascido da carne é carne; e o nascido do Espírito é espírito484. 7 Não te admires de que eu te diga: necessário vos é nascer do alto485. 8 O vento486sopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que seja nascido do Espírito487. 4 7 9

repreensão: para convicção e correção referência a três ressurreições dos escolhidos: afastamento, arrebatamento e mar-de-vidro 4 8 1 Os santos constituem o santuário do seu corpo. 4 8 2 Isto é, mais que tudo, promessa; e é um aspecto da grande Promessa. Como toda promessa do Senhor, só se realizará depois que a condição for cumprida. Ser gerado pelo pai não depende do filho (todos fomos gerados no princípio), mas Jesus diz que o filho precisa preparar-se para nascer; todo nascimento é físico, e quem é responsável por prepará-lo é o espírito do filho; como Deus nos deu um novo espírito, nós temos a responsabilidade de preparar-nos pelo Espírito de Cristo. Ninguém nascerá sem que esteja preparado. O nascimento nos leva ao reino dos céus, na terra-eden, onde entraremos se formos dignos de nascer no dia de Cristo, pela ressurreição da vida ou pela liberação do corpo do espírito. É a redenção do corpo espiritual, que agora está confinado. 4 8 3 E’ da água porque é físico e humano (da Mãe humana que é a Jerusalém de cima); é do Espírito porque o Espírito é o Pai. Já fomos gerados do Espírito (Pai), mas ainda não nascemos da água (fisicamente) para o reino de Deus; nosso nascimento será no Dia de Cristo, se estivermos preparados. Quando nascermos teremos consciência do corpo incorruptível, na terra, o qual já é nosso desde quando ressuscitamos fisicamente com Cristo. Já temos esta nova vida, que foi gerada, mas não nascida. E’ responsabilidade nossa (é imperativo!) buscar antecipadamente este nascimento do alto. Se não buscarmos esta preparação até ao último dia da era (desta vida), entraremos em juízo, e o nascimento será com o restante da prole, com atraso e com sofrimento. O nascimento que é do alto é físicoespiritual, e acontecerá na terra. Cristão nascido de novo é um conceito equivocado. 4 8 4 Quando nascemos da carne, entramos no mundo da carne. Quando do espírito, entramos no reino de Deus. O filho espírito nasce da Mãe Espírito (Jerusalém Celestial). No v.5, Espírito é o Pai. 4 8 5 Se te achares preparado, do alto para o alto, como Enoque se achou, serás nascido e levado como ele. Assumindo o batismo na morte de Jesus e identificando-nos com ele na Ressurreição, assumimos também o seu novo nascimento naquela ressurreição, antecipando o nascimento do alto prometido para o dia de Cristo aos fiéis. É preciso nascer do alto; por que não antecipar nosso nascimento agora, pela fé? Nascer é despertar para a justiça, despertar para o Cristo em nós, despertar para o reino de Deus. A ordem é: "Desperta, ó tu que dormes." Se soubermos tomar posse da promessa agora, despertaremos agora, seremos nascidos agora, e agora mesmo entraremos na plena consciência do reino de Deus. 4 8 0

4 8 6 4 8 7

πνευµα (pneuma) é vento, espírito, respiração, sopro, fôlego de vida Nascer do Espírito é nascer da Jerusalém Celestial. Só Jesus nasceu, na Ressurreição. O dia da


91 9

Replicou Nicodemos: Como pode ser isso? 10 Jesus lhe respondeu: Tu és mestre de Israel e não entendes estas coisas? 11 Em verdade, em verdade te digo que nós falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos488; e não aceitais nosso testemunho. 12 Se, quando falo de coisas terrenas489, não credes, como crereis, se vos falar das celestiais? 13 E ninguém subiu ao céu, senão aquele que do céu desceu, o Filho do Homem que está no céu490. 14 E, da maneira pela qual Moisés ergueu a serpente no deserto, assim é preciso que o Filho do Homem seja erguido, 15 para que todo o que nele crê não pereça491, mas tenha vida eterna492. 16 Porque Deus amou o mundo493de tal maneira que deu seu Filho unigênito494, para que todo aquele que nele crê495não pereça, mas tenha vida eterna496. 17 Porquanto Deus enviou seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por intermédio dele. 18 Quem nele crê não é julgado; quem não crê já está julgado497, por não crer em o nome do Unigênito498Filho de Deus. 19 E o juízo é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas do que a luz499, porque as suas obras eram más. 20 Pois todo aquele que pratica o mal odeia a luz, e não se chega para a luz, a fim de que não sejam arguídas as suas obras. 21 Quem pratica a verdade 500 aproxima-se da luz, para que as suas obras sejam manifestas, feitas que são em Deus501. Ressurreição é o dia da nova criação. Por isso, Jesus é o Primogênito da criação. Quando ele nasceu em Belém, não nasceu do Espírito, nasceu da carne (Mãe Maria). Nós nasceremos fisicamente de nossa Mãe espiritual (Ap 12) no Dia de Cristo, se formos achados fiéis. Será o dia da redenção de nosso corpo (Rm 8:23). O Senhor revela que não entraremos no Reino enquanto não tivermos nascido. 488 Jesus nasceu do alto na ressurreição. Aqui, antes da ressurreição, ele dava testemunho do que via pela fé, e sabia do que estava falando. O fiel que aceita este testemunho pode dar o mesmo testemunho. 489 O Senhor refere-se ao nascimento do alto como sendo coisa terrena. Por quê? É que se dá na terra. 490 Só Jesus subiu ao céu. Só ele tem plena consciência da realidade, no céu, na terra e no tempo. 491 Jesus deixa claro que uns dos santos perecem, e outros não perecem, dependendo de cada qual crer ou não crer. Quando fala em não perecer, ele oferece duas promessas. Uma é não perder-se. Outra é não morrer. Os que se perdem são os santos que caem na terceira das quatro tribulações, o segundo período da grande tribulação, depois que todos os escolhidos tiverem entrado na glória. Os que rejeitam as palavras do Senhor, por preferirem as doutrinas do sistema religioso, ou do sistema ateísta, estão no caminho da perdição. Os santos que afirmam e agradecem a promessa da salvação não cairão na grande tribulação. Aqueles que, além disso, dão graças pela promessa da vida eterna sem morte, esses não morrerão. As palavras do Senhor em Jo3:15-16 e Jo5:24 são pura simplicidade de revelação, e não poderiam ser mais claras. 492 A Promessa da vida eterna: sobreviver? Aqui, sim. Não perecer é sobreviver na graça de Deus. 493 Deus ama o mundo real, sua criação. Não reconhece o mundo aparente, projetado pelo homem. 494 Crer no Unigênito é privilégio dos santos, e muitos dentre eles não creem e entram em juízo. 495 Para alcançar a promessa de vida eterna, a condição é específica: crer no Unigênito. Só estão preparados para receber a promessa os santos cuja fé foi anteriormente despertada; e a maioria destes não alcança a promessa nem a salvação, por não crerem no Unigênito Filho de Deus. 496 Os que creem em Jesus Cristo para vida eterna (1Tm1:16) são os que seguem a santificação e se apegam à esperança de vida eterna. Esses não entrarão em juízo. Infelizmente, tal não é o caso da maioria dos cristãos, mesmo daqueles cuja fé inicial já foi despertada. Este versículo tem sido tomado fora de contexto. Se crês no Filho de Deus, tu vives de fé em fé, perseverando na esperança. Alguém que uma vez creu pode ainda ter seu nome riscado do Livro da Vida, caso não persevere. 497 Deus não condena, mas a incredulidade condena. Este juízo implica sofrimento e condenação à morte (1Co11:30). Será salvo caso se arrependa e creia, em tempo. Mas Deus é o Juiz que recompensa com a salvação. A mente do homem é o juiz que condena. Quando entra a fé, afasta-se a condenação. É nossa a escolha: ou optamos pela fé, ou pela condenação. A advertência é feita aos santos, não aos outros. 498 Nós que cremos sabemos: 1. fomos batizados em o Nome e levamos o Nome 2. por geração de Deus estamos em Cristo, e o Unigênito nos inclui 3. o Unigênito está no céu, e nós nele, na eternidade celestial 4. Deus é Espírito, o Unigênito é Espírito, nós somos Espírito, e só há um Espírito. Se alguém crê no Filho de Deus, sabe que nada pode separá-lo do Unigênito. Enquanto não crê, não o sabe, mas tampouco pode ser separado da realidade eterna. Crer em o nome do Unigênito Filho de Deus é privilégio dos santos, e muitos dentre os santos não obedecem ao mandamento de crer no Unigênito, por isso incorrem em juízo. 499 Quem ama a luz pratica a verdade, e não uma série de preceitos. Se alguém não anda na verdade, suas obras são más, e de nada lhe vale seguir orientação religiosa. O moralismo, impraticável, não é solução. 500 Praticar a verdade é atentar para a palavra de Deus, na disposição de praticá-la. É o que mais alegra o coração do Pai (3Jo1:4). A quem pratica a verdade, é-lhe revelada a Verdade do Ser. 501 Quem pratica a verdade apresenta os frutos do espírito (Gl5:22-23), pois sabe que está morto para o pecado e vivo para Deus (Rm6:10-11).


9 2 22

Depois disto, foi Jesus com seus discípulos para a terra da Judeia; ali permaneceu com eles e batizava. 23 Ora, João também batizava em Enom, junto a Salim, havendo ali muitas águas; e concorriam, e eram batizados. 24 Porque João ainda não tinha sido lançado no cárcere. 25 Suscitou-se, então, uma questão entre os discípulos de João e alguns judeus, a respeito de purificação. 26 E foram ter com João e lhe disseram: Rabbí, aquele que estava contigo além do Jordão, do qual deste testemunho, eis que a todos batiza, e todos vão a ele. 27 Respondeu João: O homem não pode receber coisa alguma que do céu lhe não seja dada. 28 Vós mesmos me sois testemunhas de que vos disse não ser eu o Ungido, mas que fui enviado ao diante dele. 29 O que tem a noiva é o noivo; o amigo do noivo, que está presente e o ouve, muito se alegra com a voz do noivo; assim esta alegria minha já é plena. 30 É preciso que ele cresça e que eu diminua. 31 Aquele que vem das alturas está acima de todos; quem vem da terra é da terra e fala da terra; quem vem do céu está acima de todos 32 e dá testemunho do que viu e ouviu; e ninguém recebe o seu testemunho502. 33 Quem lhe recebeu o testemunho certificou que Deus é verdadeiro. 34 Pois o enviado de Deus fala as palavras de Deus, porque Deus lhe não dá o Espírito por medida. 35 O Pai ama ao Filho, e todas as coisas entregou nas suas mãos. 36 Aquele que crê503no Filho tem vida eterna504; por outro lado, o que se mantém rebelde505contra o Filho não verá a vida506, mas sobre ele permanece a ira de Deus507. Jo 4. A Água Viva 4:1 Então, sabendo o Senhor que os fariseus ouviram dizer que ele, Jesus, fazia mais discípulos e mais batizava do que João 2 (se bem que Jesus mesmo não batizava, e sim os seus discípulos), 3 deixou a Judeia, retirando-se outra vez para a Galileia. 4 E era preciso que atravessasse a Samaria. 5 Chegou, pois, a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, nas proximidades das terras que Jacó dera a seu filho José. 6 Estava ali a fonte de Jacó. Então, cansado da caminhada, assentara-se Jesus, assim, junto à fonte. Era isso pela hora sexta. 7 Veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. 8 Ora, seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida. 9 Disse-lhe, então, a mulher samaritana: Como é que, sendo tu judeu, pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana (porque os judeus não tratam com os samaritanos)? 10 Jesus respondeu-lhe dizendo: Se conheceras o dom de Deus508e quem é o que te pede – dá-me de beber – tu lhe pedirias, e ele te daria, água viva509. 11 Disse-lhe a mulher: Senhor, nada tens com que tirar, e o poço é fundo; donde, pois, tens a água que é viva? 12 És tu, porventura, maior do que nosso pai Jacó, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, e, bem assim, seus filhos, e seu gado? 13 Jesus lhe respondeu: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; 14 mas aquele que beber da água510que eu lhe dou nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe darei será nele uma fonte de água a jorrar para vida eterna511. 15 Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que eu não mais 5 0 2

Há os que não têm oportunidade de ouvir o testemunho. Muitos dos santos o ouvem e rejeitam. O Pai afirma que nos deu o Filho e, com ele, nos deu a vida. A cada um de nós compete afirmar o mesmo, dando crédito ao testemunho do Pai. O Pai nos confirma o testemunho de vida sem fim, divina e plena, mesmo hoje, desde que não sejamos rebeldes (ver I João V). 5 0 4 Nós que cremos temos vida eterna agora, aquela vida que é sem fim, divina e plena, uma herança já posta a nossa disposição. Vivemos no reino de Deus neste momento eterno, e a vida que temos na carne não é nossa, mas é do Filho de Deus. É a vida que se vive, mesmo na carne, pela fé do Filho de Deus. 5 0 5 Trata-se dos santos rebeldes. Incredulidade é rebeldia, porque Crer é O Mandamento. 5 0 6 Não verá a vida para entrar na boa terra com os eleitos. Os santos que se perdem viverão tempo de grande tribulação. Mesmo que tenham passado pela morte, colherão corrupção na ressurreição. 5 0 7 A ira permanece sobre o rebelde, seja ele judaísta, seja cristão, seja escarnecedor, até que se arrependa e se faça digno da vida eterna. Ver Rm2:5. 5 0 8 Concretamente, o dom de Deus, também designado ‘o dom do Espírito Santo’, é o presente que Ele nos faz de si mesmo. É o dom inefável. 5 0 9 O dom de Deus: a água viva, e o Espírito (Jo7:37-38) e a palavra do Espírito; o dom de Deus é vida eterna. A vida eterna é vida divina. Quando nossa sede estiver saciada, a palavra de Deus brotará do nosso interior, e transbordará, para benefício dos irmãos. 5 1 0 Água viva é o Espírito com a Palavra, e Pão da vida é a Palavra com o Espírito. O Senhor(divino) é o Espírito. O Senhor(humano) é a Palavra, que é o corpo do Espírito. O Espírito é a Água, o Filho é o Pão. 5 1 1 A fonte não sofre sede. A fonte é o Novo Espírito que o Pai nos deu, o próprio Espírito do Pai, que é também o mesmo Espírito de Cristo. “Um só Espírito” (1Co6:17, Ef4:3). O dom de Deus é água viva; o 5 0 3


93

tenha sede512, nem tenha de vir aqui tirar água. 16 Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido e vem cá. 17 Ao que lhe respondeu a mulher: Não tenho marido. Disse-lhe Jesus: Bem disseste – não tenho marido; 18 porque cinco maridos tiveste, e esse que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade. 19 Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que tu és profeta. 20 Nossos pais adoravam neste monte; e vós dizeis que é em Jerusalém que está o lugar onde se deve adorar. 21 Disse-lhe Jesus: Mulher, podes crer-me – chega a hora em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. 22 Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, visto que a salvação vem dos judeus. 23 Mas a hora chega513, e é agora, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; mesmo porque o Pai procura tais que assim o adorem. 24 Deus é Espírito, e importa que os seus adoradores o adorem em espírito514e em verdade. 25 A mulher lhe disse: Eu sei que o Messias vem, chamado Cristo; quando vier, ele nos anunciará todas as coisas. 26 Disse-lhe Jesus: Eu Sou, eu que falo contigo. 27 Nisto, chegaram os seus discípulos e se admiraram de que estivesse a falar com uma mulher; todavia, ninguém lhe disse – que pretendes? ou, por que falas com ela? 28 Deixou, então, a mulher o seu cântaro, foi à cidade e disse àquela gente: 29 Vinde comigo e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Não seria este o Ungido? 30 Saíram, pois, da cidade e vieram ter com ele. 31 Nesse ínterim, os discípulos lhe rogavam, dizendo: Rabbí, come! 32 Mas ele lhes disse: Uma comida515tenho para comer, que vós não conheceis. 33 Diziam, então, os discípulos uns aos outros: Teria alguém trazido a ele algo de comer? 34 Disse-lhes Jesus: A minha comida516consiste em fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra. 35 Não dizeis vós que ainda quatro meses517há, até que venha a ceifa? Eis que eu vos digo: levantai os olhos e vede os campos, que eles já estão brancos para a ceifa 518. 36 O ceifeiro recebe recompensa e recolhe fruto para vida eterna519, para que tanto o semeador quanto o ceifeiro, juntos, se alegrem. 37 Pois, no caso, é verdadeiro o ditado: Um é o que semeia, outro é o que ceifa. 38 Eu vos enviei para ceifar520aquilo em que não labutastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho. 39 Muitos samaritanos daquela cidade nele creram, em virtude do testemunho da mulher que havia dito: ele me declarou tudo quanto tenho feito. 40 Vindo, pois, os samaritanos ter com ele, rogavam-lhe que com eles permanecesse; e ficou ali dois dias. 41 E muitos outros creram, por causa da sua palavra, 42 e diziam à mulher: Já não é pelo teu dito que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo521, o Ungido. 43 Passados os dois dias, saiu dali e partiu para a Galileia; 44 pois o mesmo Jesus deu testemunho de que um profeta não tem honras na sua própria terra. 45 Assim, quando chegou à Galileia, os galileus o acolheram, em vista de tudo o que ele fizera em Jerusalém, por ocasião da festa, à qual eles também tinham comparecido. 46 Dirigiu-se, novamente, a Caná da Galileia, onde da água fizera vinho. E havia um oficial do rei, cujo filho estava enfermo em Cafarnaum. 47 Este ouviu dizer que Jesus viera da Judeia para a Galileia, e foi ter com ele, rogando-lhe que dom de Deus é vida eterna (Rm6:23). Aqui vemos que a mulher fez o pedido, conforme a oferta de Jesus. Poderíamos duvidar que o Senhor cumpriu a promessa? 513 Esta é a hora da Nova Aliança. 514 Há um só Espírito – Deus é Espírito – nós somos espírito. 515 Em sequência imediata, após revelar a água superior, o Senhor revela a comida superior. 516 Quem faz a vontade do Pai não precisa de comida física. Jesus comia, mas não precisava comer. Talvez apenas bebesse socialmente e comesse socialmente. Não tinha sede nem fome! 517 O dia da ceifa é o dia de Cristo. Os 4 meses podem indicar 4 anos, ou exatos 4 meses, entre afastamento e arrebatamento. O afastamento indica as primícias da cevada. O arrebatamento, no dia de Cristo, refere-se às primícias do trigo. A cevada antecede o trigo. Os campos estão brancos porque a espiga da cevada é branca. 518 O tempo que conta não são os séculos ou as gerações. O que interessa é que a vida do indivíduo nesta era é muito curta. Por isso, está próximo o tempo do fim. O tempo é, por natureza, relativo, não absoluto. 519 A recompensa do ceifeiro é o encargo de ceifar e recolher o trigo ao celeiro da vida eterna. 520 Os apóstolos serão ceifeiros no dia de Cristo. Nós podemos oferecer-nos para compor o mesmo grupo. 521 O mundo é a humanidade. O Salvador do mundo é o Salvador de toda a humanidade. Todos foram salvos pela redenção, e todos serão salvos da morte quando forem ressuscitados. 512


9 4

descesse para curar seu filho, porque estava à morte. 48 E então Jesus lhe disse: Se não virdes sinais e prodígios, não crereis. 49 Disse-lhe o oficial: Senhor, desce, antes que meu filho morra. 50 Disse-lhe Jesus: Vai, teu filho vive. O homem creu na palavra que Jesus lhe disse, e partiu. 51 Ele já estava descendo, quando seus servos lhe vieram ao encontro, anunciando-lhe que seu filho vivia. 52 Perguntou-lhes, pois, a que hora seu filho se achara melhor. Informaram: Ontem, à hora sétima a febre o deixou. 53 Com isto, reconheceu o pai ser aquela a hora em que Jesus lhe dissera – teu filho vive – e creu ele e toda a sua casa. 54 Foi este o segundo sinal que Jesus fez quando veio da Judeia para a Galileia. Jo 5. "Eu Vim em Nome de Meu Pai" 5:1 Depois disto, havia uma festa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. 2 Ora, em Jerusalém, junto à Porta das Ovelhas, há um tanque, chamado em Hebraico Betesda, o qual tem cinco pórticos. 3 Nestes jazia numerosa multidão de enfermos, cegos, coxos, paralíticos, a esperar que se movesse a água. 4 Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; então o primeiro que descesse depois da agitação da água sarava de qualquer doença que tivesse. 5 Estava ali um homem que, havia trinta e oito anos, estava enfermo. 6 Jesus, vendo-o deitado e sabendo que se achava assim havia muito tempo, perguntou-lhe: Queres ser curado? 7 Respondeu-lhe o enfermo: Senhor, não tenho ninguém que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; enquanto vou, desce outro antes de mim. 8 Disse-lhe Jesus: Levanta-te, apanha o teu leito e anda. 9 E o homem, imediatamente, ficou são e, tomando o seu leito, pôs-se a andar. E aquele dia era sábado. 10 Então os judeus disseram ao que fora curado: Hoje é sábado, e não te é lícito carregar o leito. 11 Ele lhes respondeu: Aquele que me curou, ele mesmo me disse – apanha o teu leito e anda. 12 Perguntaram-lhe eles: Quem foi que te mandou apanhar o teu leito e andar? 13 Mas o que fora curado não sabia quem era; porque Jesus desaparecera, por haver muita gente naquele lugar. 14 Mais tarde, Jesus o encontrou no templo e lhe disse: Olha que estás curado; não peques mais, para que não te suceda coisa pior. 15 O homem retirou-se e informou aos judeus que fora Jesus que o havia curado. 16 E, por causa disso, os judeus perseguiam a Jesus e procuravam matá-lo, por fazer tais coisas em dia de sábado. 17 Mas Jesus lhes replicou: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. 18 Por isso, então, mais ainda procuravam matá-lo, não só porque violaria o sábado, mas também por dizer ser Deus seu próprio Pai522, fazendo-se igual a Deus523. 19 Então lhes falou Jesus: Em verdade, em verdade vos digo – não pode o Filho fazer de si mesmo nada, senão o que veja fazer 524o Pai; porque aquilo que este faz, o mesmo faz também o Filho, da mesma maneira. 20 Ora, o Pai muito preza o Filho, e lhe mostra525tudo o que faz; e obras maiores do que estas lhe mostrará, para que vos maravilheis. 21 Pois assim como o Pai ressuscita e vivifica os mortos, assim também o Filho vivifica aqueles que quiser. 22 Porque também o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento, 23 para que todos honrem o Filho526do mesmo modo que honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou. 24 Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e acredita527naquele que me enviou tem vida eterna528, e não entra em juízo529, mas passou da morte para a vida530. 25 Em verdade, em verdade vos digo: vem a hora, e agora é, 5 2 2

Hoje sabemos que Deus é nosso Pai. O Senhor Jesus nos exorta a declarar esta verdade com ousadia. Ver Jo 1:12; Jo 8:53; Fp 2:7. 5 2 4 Aquele enfermo Jesus curou naquele dia, porque esta obra o Pai lhe mostrou naquele dia. 5 2 5 O que o Filho faz é manisfestação do que o Pai fez no princípio. O Pai mostra ao Filho as suas obras, e o Filho as realiza. 5 2 6 Honrar o Filho Jesus e honrar cada um dos filhos − todos foram enviados. 5 2 7 Quem duvida não desfruta o benefício da promessa, pois põe em dúvida a verdade da palavra de Deus. Não há nada que justifique deixar de crer na promessa de vida eterna. 5 2 8 Os que creem em Jesus Cristo para vida eterna (1Tm1:16) são os que seguem a santificação e se apegam à esperança de vida eterna. Esses não entrarão em juízo. Hoje é dia de salvação, mas esta só é alcançada por aqueles que se agarram à Promessa. 5 2 9 Não entra em juízo de perdição, nem de morte, nem de maldição, nem de provação. 5 3 0 Tendo passado da morte para a vida, estou livre do juízo de sofrimento, de morte, de perdição. 5 2 3


95

quando os mortos531ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão. 26 Porque assim como o Pai tem vida em si mesmo, também concedeu 532ao Filho ter vida em si mesmo533. 27 E lhe deu autoridade para exercer julgamento, Filho do Homem que ele é. 28 Não vos maravilheis disto, que vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz; 29 e sairão, os que tiverem feito o bem534, para a ressurreição da vida535; os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição536do juízo537. 30 Eu nada posso fazer de mim mesmo: como ouço, assim julgo. E o meu juízo é justo, pois não procuro a minha própria vontade, e sim a vontade do Pai que me enviou. 31 Se eu mesmo testificasse a respeito de mim, o meu testemunho não seria verdadeiro. 32 Outro é o que testifica a meu respeito, e sei que é verdadeiro o testemunho que ele dá de mim. 33 Mandastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da verdade. 34 Eu não aceito testemunho humano; digo-vos, entretanto, estas coisas para que vos salveis 538. 35 Ele era a lâmpada que ardia e alumiava, e vós quisestes, por algum tempo, alegrar-vos na sua luz. 36 Mas eu tenho o testemunho que é maior que o de João; porque as obras que o Pai me confiou para que eu as realizasse, as mesmas obras que eu faço, dão testemunho de mim, de que o Pai me enviou. 37 O Pai, que me enviou, esse mesmo é que deu testemunho539de mim. Nunca ouvistes a sua voz, nem vistes a sua forma540, 38 tampouco tendes a sua palavra a permanecer em vós; isto por não acreditardes naquele que ele enviou. 39 Examinais as escrituras541porque julgais ter nelas vida eterna542, e são elas que de mim dão testemunho. 40 E não quereis vir a mim543para terdes vida!?544 41 Eu não recebo glória que seja humana; 42 sei, entretanto, que não tendes em vós o amor de Deus. 43 Eu vim em nome de meu Pai, e não me recebeis; se outro vier no próprio nome, a esse recebereis. 44 Como poderíeis crer, vós que recebeis glória uns dos outros, e que não buscais a glória que é só de Deus? 45 Não penseis que eu vos acusaria perante o Pai; há quem vos acuse, Moisés, em quem pusestes a vossa esperança. 46 Porque se, deveras, acreditásseis em Moisés, me daríeis crédito, pois foi a 531

Os mortos, aqui, são os santos que ainda não atentaram plenamente para a promessa da vida. Os que ouvirem viverão, passando da expectativa de morte para a esperança de vida; os outros morrerão, e, dos que morrerem, uns serão ressuscitados na ressurreição da vida, outros na ressurreição do juízo. 532 O que mais importa é o que o Pai concedeu ao filho menor, por intermédio do Primogênito. 533 Quem tem vida em si mesmo, mediante o sustento pela água viva, e bem assim pela carne e pelo sangue do Filho do Homem, toma posse da vida eterna por fé, e não verá a morte. Tem na alma, e no corpo da carne, a vida do espírito; e este é imortal. O Pai concedeu a Jesus que tivesse seu corpo material e sua mente humana isentos de fraquezas. 534 Fazer o bem é praticar amor e misericórdia, andando na verdade e firmando-se na esperança, ou seja, fazer a vontade de Deus. Nada mais, nada menos. Não há preceitos morais. Tanto os que praticam o mal quanto os que fazem o bem são da classe dos santos. Aqui Jesus não se refere à ressurreição dos comuns. 535 A morte não é necessária para que entremos na glória; mas quem vier a morrer precisa estar preparado para a ressurreição da vida. A santificação da consciência e a transformação do corpo por renovação da mente são indispensáveis para que o retorno à vida não seja na carne, para a grande tribulação. Na ressurreição da vida, levanta-se o corpo do espírito. Na ressurreição do juízo, levanta-se o corpo da carne. Quem não se santificar até o Dia de Cristo, ou seja, até o último dia da vida presente, entrará em juízo na era vindoura, quando for ressuscitado no corpo corruptível. Os fiéis serão ressuscitados no corpo do espírito, assim como o foi Jesus. A propósito, a mente não pode ser transformada, já que não tem forma. Pode e deve, porém, ser renovada. 536 Toda ressurreição é salvação, inclusive a ressurreição do juízo. Todo juízo é oportunidade para arrependimento e para elevação do nível de consciência. Nos juízos de Deus, ninguém será condenado. 537 Esta é a ressurreição de juízo dos santos, não dos comuns. Toda ressurreição é uma volta à terra para juízo, ou uma entrada na nova terra (ressurreição da vida). ‘Ressurreição de condenação’ seria um falso conceito, ausente da Bíblia, ausente mesmo nesta passagem. 538 A salvação, agora, depende de nós, pois ele já fez a sua parte, e já nos instruiu. 539 O Senhor Jesus nos orienta a buscar, em nós, esse testemunho do Pai, que o enviou, e nos enviou. 540 ‘Quem viu a mim viu o Pai’ v.14:9. 541 Ler a Bíblia será de pouca valia, caso não nos leve a uma íntima e efetiva relação com Jesus Cristo, pela obediência de fé. 542 A promessa de vida eterna não é para todos; pertence exclusivamente à família de Deus, e só a desfrutaremos quando formos achados fiéis. 543 Quem tem o Filho de Deus tem vida eterna (1Jo5:12). 544 Temos de dar-nos conta de que falhamos em ver a forma do Pai em Cristo, e em ver a forma do Senhor nos irmãos; bem assim, falhamos em ouvir a voz de Deus quando ele nos fala através dos irmãos.


9 6

meu respeito que ele escreveu. 47 Se, porém, não acreditais nos seus escritos, como haveis de crer naquilo que eu falo? Jo 6. O Pão da Vida 6:1 Depois disto, Jesus partiu para a outra banda do mar da Galileia, que é o de Tiberíades. 2 E numerosa multidão o seguia, tendo visto os sinais que ele fazia na cura dos enfermos. 3 Então subiu Jesus ao monte e assentou-se ali com os seus discípulos. 4 Ora, a Páscoa, festa dos judeus, aproximava-se. 5 Então Jesus, erguendo os olhos e vendo que vinha ter com ele grande multidão, disse a Filipe: Onde compraremos pães para estes comerem? 6 Mas dizia isto para o experimentar, porque bem sabia o que estava para fazer. 7 Respondeulhe Filipe: Não lhes bastariam duzentos denários de pão, para receber cada um o seu bocado. 8 Informou-lhe um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: 9 Está aí um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas que é isso para tanta gente? 10 Então Jesus disse: Fazei o povo assentar-se; e havia naquele lugar muita relva. Assentaram-se, pois, e eram os homens cerca de cinco mil em número. 11 Então Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre os discípulos, e os discípulos aos que estavam assentados; igualmente os peixes, quanto quisessem. 12 E, quando estavam fartos, disse Jesus aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca. 13 Recolheram, pois, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que haviam comido 545. 14 Então aquelas pessoas, vendo o sinal que Jesus havia feito, disseram: Este é verdadeiramente o profeta que vem ao mundo. 15 Jesus, pois, percebendo que queriam vir e arrebatá-lo para fazêlo rei, afastou-se de novo para um monte, ele só. 16 Ao cair da tarde, desceram os seus discípulos para o mar. 17 E, entrando num barco, encetaram a travessia em direção a Cafarnaum; era já escuro, e Jesus não viera a eles. 18 Então o mar entrou de agitar-se, ao sopro de um vento forte. 19 Tendo, pois, remado por uma distância de vinte e cinco ou trinta estádios, viram a Jesus que andava sobre o mar e se aproximava do barco; e tiveram medo. 20 Ele, porém, lhes disse: Sou eu – não temais! 21 Então, com gosto, o receberam no barco, e logo este chegou a terra, aonde iam. 22 No dia seguinte, a multidão que estava da outra banda do mar, vendo que não havia ali mais que um bote, e que Jesus não entrara com seus discípulos naquele bote, mas só os seus discípulos tinham ido embora 23 (se bem que houvesse outros botes vindos de Tiberíades, junto ao lugar onde haviam comido o pão pelo qual o Senhor dera graças); 24 vendo, pois, a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, entraram eles também nos barcos e se foram a Cafarnaum à procura de Jesus. 25 E, encontrando-o no outro lado do mar, disseram-lhe: Rabbí, quando chegaste aqui? 26 Jesus respondeu-lhes, e disse: Em verdade, em verdade vos digo que me buscais não pelos sinais que vistes, mas pelos pães que comestes e porque vos saciastes. 27 Trabalhai546a comida, não a que perece, mas a que permanece para vida eterna547, a qual o Filho do Homem vos dará548; porque o Pai, que é Deus, a este assinalou. 28 Aí eles lhe disseram: Que havemos de fazer a fim de trabalhar as obras de Deus? 29 Jesus lhes respondeu, e disse: Esta é a obra de Deus – que creiais naquele que ele enviou549. 30 Então lhe disseram: Que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos e acreditemos em ti? Que é que tu realizas? 31 Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer pão do céu. 32 Jesus então lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo: – Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. 33 Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo. 34 Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão. 35 E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da 5 4 5

No reino de Deus, não só há abundância, mas também superabundância; e nós somos convidados a usar as chaves do reino. 5 4 6 Quem trabalha a comida - a mastiga e digere. A comida incorruptível trabalha-se no espírito. Direi: Senhor Jesus, ensina-me a trabalhar o Pão da vida, para que nunca mais tenha fome. 5 4 7 O pão da vida é a comida que permanece para que a vida permaneça. É muito importante e é crucial que aprendamos a trabalhar o Pão da vida. 5 4 8 ‘Dará’ era futuro, antes da Redenção. Agora, o Senhor põe à nossa disposição, todos os dias, o pão da vida e o cálice da bênção. 5 4 9 Só manifestaremos a obra de Deus quando crermos que Ele nos enviou ao mundo.


97

vida550; aquele que vem a mim551não terá fome552, e aquele que crê em mim não terá sede jamais553. 36 Mas já vos disse que vós também me vistes e que não credes. 37 Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que a mim vem, de maneira nenhuma o lançarei fora. 38 Eis que eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. 39 Esta é a vontade do Pai que me enviou: que nenhum daqueles que me deu possa eu deixar que se desgarre dele, mas que eu o ressuscite no último dia554. 40 Esta é a vontade daquele que me enviou: que todo aquele que contempla o Filho, e nele crê, tenha vida eterna555; e eu o ressuscitarei556no último dia557. 41 Então os judeus murmuravam dele, porque dissera: Eu sou o pão que desceu do céu. 42 E diziam: Não é este Jesus, o filho de José? Não conhecemos nós seu pai e sua mãe? Como é, então, que ele diz – desci do céu? 43 Respondeu, pois, Jesus, e lhes disse: Não murmureis entre vós. 44 Ninguém pode vir a mim558se o Pai que me enviou o não atrair, e eu o ressuscitarei no último dia. 45 Está escrito nos Profetas: E serão todos de Deus ensinados. Portanto, todo aquele que ouviu e aprendeu junto ao Pai vem a mim. 46 Não que alguém tenha visto o Pai, a não ser aquele que está em Deus; esse tem visto o Pai. 47 Em verdade, em verdade vos digo: quem em mim crê tem vida eterna. 48 Eu sou o pão da vida. 49 Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram 559. 50 Este é o pão que desce do céu, para que alguém dele coma e não morra. 51 Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre560; e o pão que eu lhe darei é a minha carne, que hei de dar pela vida do mundo561. 52 Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como pode ele nos dar a carne a comer? 53 Então Jesus lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo que, se não comeis a carne do Filho do Homem562, e não bebeis o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos563. 54 550

O pão da vida é dado para sustento da vida física, que é a vida do corpo. O Senhor diz: “Eu te ofereço o Pão da vida. Eu mesmo sou o Pão da vida. Vem a mim, come deste pão e vive para sempre.” Absolutamente claro, sem tirar nem pôr. Todas as palavras de Jesus são claras e precisas, diretas e simples. Não estão abertas a interpretações. 552 Ver nota do v.4:14 553 Nem fome nem sede, desde que nos cheguemos a Jesus. Aqui ele esclarece que vir a ele e crer nele são a mesma atitude. Direi: Senhor Jesus, venho a ti, para nunca mais ter fome nem sede. 554 A ressurreição do último dia é a dos que estejam preparados para a glorificação no Dia de Cristo. Haverá, depois, nova chance de participar da ressurreição da vida (três ciclos e meio mais tarde), para as ‘virgens néscias’ (Mt XXV) , que, durante a vida na carne, santificaram-se e praticaram justiça para com Deus em grau insuficiente, - e para os que saírem vitoriosos durante a primeira parte da grande tribulação. As ‘virgens néscias’ e os santos ignorantes serão ressuscitados logo após a ressurreição dos escolhidos, para terem oportunidade de ser julgados e aprovados durante a grande tribulação. Os santos obstinados, que tiverem obedecido à mentira e rejeitado o Senhor para seguir as religiões do sistema, ou o ateísmo rebelde, ou outros ‘ismos’, acordarão no dia da ira, na gehenna. Os ignorantes terão, certamente, uma oportunidade melhor, antes do dia da ira. 555 Sempre há condição de responsabilidade nossa, para realização da Promessa de vida eterna. 556 Se tiver morrido antes do último dia, estarei na ressurreição da vida e entrarei no Reino. Se sobreviver, serei transformado e entrarei no Reino. Sou absolutamente feliz, pela graça de Deus. 557 Vida eterna não é apenas sobrevivência; mas é ressurreição da vida, para quem não tiver sobrevivido. 558 Se venho a Jesus para obedecer a todas as suas palavras, posso contar com a sua promessa, e não tenho dúvida de ser contado entre os escolhidos. Os escolhidos são os fiéis, porque os que vêm a Cristo não vêm por capacidade sua, mas pela graça de Deus. 559 Morreram por não crerem no evangelho. Falharam em entrar no descanso do reino por não crerem nas boas-novas (Hb 4:1-7). A primeira palavra de Jesus ao povo santo foi: Arrependei-vos e crede no evangelho. 560 A Promessa da vida eterna, mais uma vez. 561 O evangelho não é, simplesmente, a morte de Jesus. A boa notícia é que nossa carne já morreu junto com a sua carne, e nenhuma outra morte é necessária. 562 A carne do filho do homem é o corpo do espírito. 563 Quem tem vida em si mesmo tem corpo incorruptível; é vida do espírito no corpo da carne; é vida que transborda em favor das pessoas, com poder para, até mesmo, dar vida aos mortos, conforme o mostra o contexto da página anterior. Para livrar-nos completamente da lei do pecado e da morte, é preciso alimentar-nos do pão da vida. A nossa comida é a carne do Filho do Homem; a nossa bebida é o seu sangue. Em que consiste o dom da ‘vida em si mesmo’, que o Pai concede ao filho (Jo 5:26)? Não é a vida do corpo espiritual, porque esta é inerente. Não é a vida temporária que temos na carne, porque esta já foi concedida a todos. Trata-se da vida incorruptível do espírito, aplicada ao corpo da carne e condicionada à fé (Gl 2:20). O Espírito de Deus, que é Cristo Jesus, manifesta-se no corpo da nossa carne. O Espírito é vida, e é verdade que ele é a vida que temos na carne. Jesus Cristo, o Filho de Deus, vive na tua carne, – e esta 551


9 8

Quem come a minha carne564e bebe o meu sangue tem vida eterna565, e eu o ressuscitarei no último dia. 55 Porque a minha carne é comida verdadeira566e o meu sangue é bebida verdadeira567. 56 Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim, e eu nele568. 57 Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, também aquele que de mim se alimenta por mim viverá569. 58 Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem come este pão viverá para sempre570. 59 Ele disse estas coisas em congregação, a ensinar em Cafarnaum. 60 Muitos dos seus discípulos, ao ouvilo, disseram: Duro é esse discurso; quem o pode ouvir? 61 Sabendo, pois, Jesus em si mesmo que os seus discípulos murmuravam disto, disse-lhes: Isto vos escandaliza571? 62 E que tal, se vísseis o Filho do Homem subir para onde primeiro estava? 63 O espírito é que sustenta a vida, a carne572para nada aproveita573; as palavras que eu vos digo são espírito e são vida. 64 Há, porém, alguns de vós que não creem574. Ora, bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de trair. 65 E dizia: É por isso que eu vos disse – ninguém pode vir a mim, se por meu Pai lhe não for concedido. 66 A partir daí, houve muitos dos seus discípulos que se afastaram, tornaram atrás, e não mais andavam com ele. 67 Então Jesus disse aos doze: Quereis vós também retirar-vos? 68 Aí lhe respondeu Simão Pedro: Senhor, a quem havemos de ir? Tu tens palavras de vida eterna575. 69 E nós havemos crido e ficamos sabendo que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. 70 Respondeu-lhes Jesus: Não vos escolhi a vós os doze? E um de vós é um acusador. 71 Isto dizia ele de Judas de Simão Iscariotes, porque este o havia de trair, sendo um dos doze. Jo 7. "Venha a Mim e Beba" 7:1 E, depois disso, Jesus andava pela Galileia, por não querer andar pela Judeia, visto que os judeus procuravam matá-lo. 2 E se aproximava a festa judaica dos tabernáculos. 3 Disseram-lhe então os seus irmãos: Transfere-te daqui e vai para a Judeia, para que também os teus discípulos vejam as obras que tu fazes. 4 Porque ninguém há que faça as coisas em segredo, se procura estar em evidência. Se fazes tais coisas, manifesta-te ao mundo. 5 Pois nem mesmo seus irmãos criam nele. 6 Então Jesus lhes disse: Agora ainda não é o meu tempo; o vosso tempo é que sempre está à mão. 7 O mundo576 não vos pode odiar, mas a mim ele odeia, já que o testemunho que dele eu dou é que as suas obras são malignas. 8 Subi vós a esta festa; experiência se realiza pela obediência de fé. Não precisas achar fé em ti mesmo: acharás a fé do Filho de Deus. Se ainda não te alimentas da carne físico-espiritual nem do sangue físico-espiritual, é urgente que atendas a este alerta que o Senhor nos faz. 5 6 4 Quem come a carne e bebe o sangue é o mesmo que se alimenta do Pão da vida. 5 6 5 A vida eterna é, portanto, a vida divina, e prepara o nosso corpo para a glorificação no dia de Cristo. 5 6 6 Esta é a comida que o Senhor põe à nossa disposição todos os dias. Não há outra comida verdadeira. 5 6 7 Esta é a bebida que o Senhor põe à nossa disposição todos os dias, a bebida verdadeira. 5 6 8 Nós nele, pela vida que há no sangue e pela vida que há no corpo no qual o sangue flui, e pela vida do Espírito, que é a mesma; ele em nós, pelo pão vivo que comemos, em que nos identificamos com a sua morte (e também com a sua vida, pois o corpo é vivo pelo sangue vivo que flui nas suas artérias). Jesus Cristo em nós hoje, e nós em Cristo Jesus no agora eterno. 5 6 9 = estará vivendo(sobreviverá para sempre) 5 7 0 (vide nota anterior) 5 7 1 Escandalizaram-se de quê? De que fosse necessário comer a carne do Filho do Homem e beber o seu sangue. O Senhor diz que, se queres ter vida eterna, deves comer o pão da vida. Se não entendes, é tempo de crer e agradecer, para depois entender. 5 7 2 Quem sobe aonde primeiro estava não é carne, mas pode ser visto no corpo do espírito. 5 7 3 O pão aparente não serve para nada. O pão escondido (físico-espiritual) é que sustenta a vida. A realidade aparente não é realidade. 5 7 4 Os que creem têm vida eterna. Os santos que ainda não creem ainda não têm vida eterna. Tudo muito claro e muito simples. 5 7 5 O Senhor nos fala densamente de vida eterna. Se pouco entendemos agora, devemos buscar revelação. 5 7 6 Primeira instância do NT em que ocorre “o kosmos” nesta acepção − O mundo não é o que o sistema define por mundo. Por quê? Justamente porque o mundo é o próprio sistema. No contexto, há uma alusão direta ao sistema religioso. O mundo aparente não é o mundo real. A consciência do homem caiu do mundo real para o aparente, produzido por ele mesmo.


99

eu ainda não subo a esta festa, por não se ter cumprido ainda o meu tempo. 9 Tendo-lhes dito isto, deixou-se ficar na Galileia. 10 Depois que seus irmãos haviam subido à festa, subiu ele também, não manifestamente, mas como em oculto. 11 Então os judeus o procuravam na festa e diziam: Onde está ele? 12 E havia muitos comentários a respeito dele entre as multidões. Uns diziam: Ele é bom. Outros diziam: Não, ele engana o povo. 13 Não havia, contudo, ninguém que falasse dele abertamente, por medo dos judeus. 14 Agora, porém, chegada a festa ao meio, subiu Jesus ao templo e ensinava. 15 E os judeus se admiravam, e diziam: como é que ele conhece as escrituras, sem ter cursado estudos? 16 Jesus lhes replicou, e disse: Minha doutrina577 não é minha, mas é daquele que me enviou. 17 Se alguém quiser fazer a vontade dele578, saberá, a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo. 18 Quem fala por si mesmo procura a sua própria glória; quem procura a glória daquele que o enviou, esse é veraz, e nele não há injustiça579. 19 Não vos deu Moisés a lei? E nenhum de vós observa a lei. Por que procurais matar-me? 20 A turba respondeu e disse: Tu tens demônio. Quem te procura matar? 21 Jesus respondeu, dizendo-lhes: Uma obra eu fiz, e vós todos vos maravilhais. 22 Pelo motivo de vos haver Moisés dado a circuncisão – se bem que não seja de Moisés, e sim dos patriarcas – circuncidais um indivíduo em dia de sábado. 23 Se um homem recebe circuncisão num sábado para que a lei de Moisés não fique sem cumprir-se, por que vos indignais contra mim pela cura plena de um homem em dia de sábado? 24 Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo o justo juízo. 25 Então alguns dos de Jerusalém diziam: Não é este o que procuram matar? 26 E eis que fala abertamente, e nada lhe dizem. Não seria o caso que deveras tenham as autoridades reconhecido ser ele de fato o Ungido? 27 Todavia, bem sabemos de onde ele é. Quando vem o Ungido, ninguém sabe de onde. 28 Estava Jesus a ensinar no templo, e exclamou: Tanto conheceis a mim, quanto conheceis de onde sou; e eu não vim de mim mesmo, mas aquele que me enviou é verdadeiro; vós não o conheceis. 29 Eu, de minha parte, o conheço, que nele estou, e foi ele quem me enviou. 30 Procuravam, pois, prendê-lo, e ninguém lhe lançou mão, porque ainda não havia chegado a sua hora. 31 Muitos dentre a multidão creram nele, e diziam: Vindo o Ungido, porventura faria ainda mais sinais do que este tem feito? 32 Ouviram os fariseus esses comentários do povo a respeito dele, e eles, com os principais dos sacerdotes, mandaram criados para o prenderem. 33 Então Jesus lhes disse: Ainda estarei convosco um pouco de tempo, e vou para aquele que me enviou. 34 Buscar-me-eis e não me achareis, e aonde eu estou vós não podeis ir. 35 Disseram, então, os judeus entre si: Aonde vai ele, que não possamos achá-lo? Pretenderia ir para a diáspora dos gregos, a ensinar aos gregos? 36 Que é isso que diz – buscar-me-eis e não me achareis, e aonde eu estou não podeis ir –? 37 E no último dia, o grande dia da festa580, Jesus pôs-se de pé e exclamou: Se alguém tem sede, que venha a mim581e beba! 38 Quem crê em mim, como diz a escritura, rios de água viva582fluirão do seu interior583. 39 Isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem, porque ainda não havia Espírito Santo584, não tendo sido Jesus ainda glorificado585. 40 Da multidão, muitos dos que ouviram a palavra diziam: Este é 577

Tudo o que o Filho ensina é ensino do Pai. Tudo o que o Filho fala é palavra do Pai que o enviou. Jesus nos ensina (doutrina=ensino) que a nossa prestação de contas em juízo consistirá em ter feito a vontade do Pai, para que sejamos aprovados. 579 Os sistemas, com suas doutrinas e controles, são instrumentos de injustiça. Em ser alguém enviado de Deus e realizar a sua obra, jamais haverá injustiça. 580 O grande dia da festa de Tabernáculos é o oitavo. A festa termina com um novo começo, na alegria multiplicada, por causa da presença definitiva de Deus com os homens. A realização plena e definitiva de Tabernáculos se dará no futuro (depois do ano 4000), quando Deus habitará para sempre com toda a humanidade, na manifestação permanente de Jesus Cristo com seu corpo espiritual. 581 Direi: Senhor Jesus, eu venho a ti para beber a água que ofereces, e nunca mais ter sede (Jo 4:15). 582 Água viva é o Espírito com a Palavra, e Pão da vida é a Palavra com o Espírito. O Senhor (divino) é o Espírito. O Senhor (humano) é a Palavra. A Palavra é o corpo do Espírito. 583 Aqui o tema é água viva, como no capítulo IV. 584 Ainda não havia Espírito Santo para beber-se (1Co 12:13). Depois que Jesus foi ressuscitado, o Espírito nos foi dado. 585 Após ter sido glorificado, o Senhor deu aos discípulos a água viva e o sopro-respiração (Jo 20:22) que sustenta a vida. São dois aspectos do dom do Espírito Santo. Agora podemos beber o Espírito e respirar o Espírito, constantemente. 578


1 00

verdadeiramente o Profeta. 41 Outros diziam: Este é o Ungido. Outros, ainda, ficavam a dizer: Poderia o Ungido vir da Galileia? 42 Não diz a escritura que o Cristo vem da descendência de Davi, e de Belém, da aldeia donde era Davi? 43 Assim, entre o povo, havia dissensão por causa dele. 44 Alguns deles quiseram agarrá-lo, mas ninguém lhe pôs as mãos. 45 Então os criados voltaram para os principais sacerdotes e fariseus, e estes lhes disseram: Por que não o trouxestes? 46 Responderam os criados: Jamais homem falou assim como fala esse homem! 47 Aí lhes replicaram os fariseus: Será que vós fostes também enganados? 48 Porventura creu nele algum dos que têm autoridade ou algum dos fariseus? 49 Mas essa turba que não conhece a Lei é amaldiçoada. 50 Disse-lhes Nicodemos, aquele que foi ter com ele de noite, e que era um deles: 51 Porventura nossa lei julga um homem sem que primeiro seja ouvido e sem que se esclareça que é que ele está a fazer? 52 Responderam-lhe dizendo: Serias tu também da Galileia? Examina e vê que da Galileia nenhum profeta surgiu. 53 E cada um foi para sua casa. Jo 8. "A Verdade Vos Libertará" 1

8: Mas Jesus foi para o Monte das Oliveiras. 2 E ao amanhecer veio outra vez ao templo, e todo o povo chegou-se a ele, que, assentando-se, passou a ensiná-los. 3 Os escribas e fariseus lhe trouxeram uma mulher que tinha sido surpreendida em adultério e, pondo-a no meio, 4 disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi pega em flagrante de adultério. 5 Moisés nos determinou, na lei, que as tais sejam apedrejadas: que dizes tu, então? 6 Isto disseram para pô-lo à prova, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, passou a escrever no chão com o dedo, 7 enquanto eles continuavam a interrogá-lo. Novamente de pé, ele lhes disse: Aquele dentre vós que não tem pecado seja o primeiro a atirar a pedra. 8 E, de novo se encurvando, retomou o ato de escrever sobre a terra. 9 Os que o ouviram, sendo reprovados pela consciência586, foram se retirando, um por um, a começar pelo mais velho, até ao último; e só restaram Jesus e a mulher que estivera no meio. 10 Endireitando-se Jesus, e não vendo a ninguém senão a mulher, disse a ela: Mulher, onde estão aqueles que te acusavam? Ninguém te condenou? 11 Ela disse: Ninguém, Senhor. Jesus lhe disse: Nem eu te condeno. Vai, e não peques mais587. 12 Então novamente lhes falou Jesus, dizendo: Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida. 13 A isso, os fariseus lhe disseram: Tu dás testemunho a respeito de ti mesmo. Teu testemunho não é verdadeiro. 14 Jesus lhes replicou, dizendo: Posto que eu dê testemunho de mim mesmo, verdadeiro é o meu testemunho, visto que sei de onde vim e para onde vou; vós não sabeis de onde venho e para onde vou 588. 15 Vós julgais segundo a carne; eu a ninguém julgo. 16 E ainda que eu julgue, o meu juízo é verdadeiro, já que não sou eu só, mas eu e o Pai que me enviou. 17 E na vossa lei está escrito que o testemunho de duas pessoas é verdadeiro. 18 Eu mesmo dou testemunho de mim, e também o Pai que me enviou dá testemunho a meu respeito. 19 Disseram-lhe então: Onde está teu Pai? Jesus respondeu: Não me conheceis a mim, nem a meu Pai; se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai. 20 Estas palavras Jesus falou no lugar do tesouro, a ensinar no templo, e ninguém o prendeu, eis que ainda não havia chegado a sua hora. 21 Disselhes Jesus ainda outra vez: Eu me vou, e me buscareis, e morrereis no vosso pecado 589; para onde eu vou, vós não podeis ir. 22 Então comentaram os judeus: Será que pretende suicidar-se? Pois diz: para onde vou, não podeis ir... 23 Também lhes disse: Vós sois de baixo; Eu Sou 590do 5 8 6

Todo ataque ou acusação, toda culpa, todo mal e todo sofrimento é ilusão da minha inconsciência. Tudo está fora da realidade dos fatos, na qual o Evangelho consiste. 5 8 7 O Senhor jamais condena, Ele só salva. Tu só podes ser condenado por autocondenação. Escolhendo a obediência de fé, rejeitando a ilusão do pecado e despertando para a justiça, ficas livre de condenação e ganhas a salvação perfeita, completa, gloriosa e definitiva. 5 8 8 Somos autorizados a dar testemunho de que o Pai é a nossa procedência e a nossa destinação, se reconhecemos em nós o testemunho do Pai. 5 8 9 A carne é incorrigível pecador, mas o espírito não peca, por ser gerado de Deus. O espírito está permanentemente em Cristo, e é unidade com Eu Sou, o Espírito. Enquanto creio e afirmo que Eu Sou (em nome do Pai, não em meu próprio nome), estou livre e isento da lei da morte, a qual oprime a carne. 5 9 0 Eu Sou é a identidade do Pai, a única identidade autoconsciente autêntica. É a Verdade do Ser, a própria Consciência única.


101

alto. Vós sois deste mundo; Eu não sou deste mundo. 24 Eu vos disse que morrereis nos vossos pecados591. Com efeito, se não crerdes592que Eu Sou593, morrereis nos vossos pecados594. 25 Disseram-lhe então: Quem tu és? E Jesus lhes disse: Eu vos estou a falar do princípio. 26 Muito tenho que dizer e julgar de vós; mas aquele que me enviou é veraz, e o que dele ouvi, isso falo ao mundo. 27 Eles não entenderam que lhes falava do Pai. 28 Foi então que Jesus lhes disse: Quando alçardes595o filho do homem, aí entendereis que Eu Sou; e de mim mesmo nada faço 596, mas assim como meu Pai me ensinou, assim eu falo 597. 29 E aquele que me enviou está comigo. O Pai não me deixou sozinho, porque eu faço sempre o que lhe agrada. 30 Tendo ele falado estas coisas, muitos nele creram. 31 Então Jesus disse aos judeus que haviam acreditado nele: Se permaneceis na minha palavra598, sois verdadeiramente meus discípulos; 32 e conhecereis a Verdade599, e a Verdade600 vos libertará601. 33 Replicaram-lhe: Nós somos descendência de Abraão, e de ninguém fomos jamais escravizados. Como dizes tu que seremos livres? 34 Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo – todo aquele que comete o pecado602 é servo do pecado603. 35 Ora, o servo não fica na casa para sempre; o filho permanece para sempre. 36 Se, pois, o Filho vos libertar 604, estareis realmente livres605. 37 Sei que sois filhos de 591

Quem morre nos seus pecados ficará excluído da ressurreição da vida. Todo o ensino da Verdade do Ser, que o Senhor nos oferece, está neste mesmo contexto de Jo 8. Aqui, Ele nos aponta consequências da rejeição da Verdade. Uns obedecem à Verdade, outros a rejeitam. 593 Não escapará da morte quem não crer no Senhor, Eu Sou, para vida eterna. Eu Sou, que é a autoconsciência do Espírito de Cristo, constitui uma das facetas do mistério de Deus. É o Lugar Santíssimo da Presença de Deus. Vale para nós o que o Senhor disse a Abraão:“Anda na minha presença e sê perfeito.” ‘Sê perfeito’ é promessa a quem anda na Presença. Seremos perfeitos em quê? Naquilo em que não o somos por natureza: na mente humana, no corpo da carne e na consciência. 594 Não fosse pela ilusão dos pecados, não sofreríamos a ilusão da morte, nem a ilusão da dor. Se cremos nas palavras do Senhor, cremos que ele solucionou o problema dos pecados e o problema da morte. Apesar de estarem resolvidos os problemas, pela redenção, morrerão nos seus pecados os que rejeitarem a luz da vida. O Senhor Jesus disse, em nome do Pai: “Se não creres que Eu Sou, morrerás nos teus pecados.” Ele nos instrui a dizer, também em nome do Pai, não em nome da alma:“Eu Sou.” Não se trata de falar aos outros, e sim, de afirmar no coração. Isto é obediência de fé, a qual demonstra, para nós mesmos, que cremos no Filho de Deus e temos vida eterna. Alguns pensadores negam a dor e negam a morte. Embora a dor e a morte possam ser consideradas ilusão (de fato, são produto da ilusão do eucarne), não podem ser negadas. As pessoas-espíritos não podem sofrer nem morrer, assim como Deus não pode sofrer nem morrer. A carne, porém, que não é a pessoa, sofre e morre. Se alguém nega este fato, nega a Redenção realizada por meio da carne de Jesus Cristo, nega a Ressurreição e esvazia a grande promessa, a promessa de vida eterna. Em Cristo Jesus, temos ousadia e acesso com confiança, por meio de sua fé. -Ef 3:12 – (ver notas seguintes, e o contexto do capítulo)− Enquanto não houver a consciência do Eu Sou, não haverá liberação. − Veja bem, aquilo que sofre não é parte de você mesmo. 595 É, portanto, de vital importância que levantemos o filho do homem, primeiro na morte de cruz, depois na ressurreição (ver v.24). Alçarás o filho do homem, que és tu mesmo, pois o Filho Jesus já foi levantado da terra. O Espírito Santo mostrará a cada um de nós como fazê-lo. As instruções serão encontradas nas Escrituras. 596 Ele nos credencia a praticar o que Ele pratica, e a falar as mesmas palavras que Ele fala. 597 Isto Jesus revela, explicitamente: Ele fala ‘Eu Sou’, não de si mesmo, e sim pelo Eu do Pai. 598 A palavra do Senhor é a palavra da verdade. É neste contexto que o Senhor insiste na afirmação de que fala a verdade. Por quê? Porque Eu Sou é a absoluta Verdade do Ser, da Consciência divina. Esta é a verdade cujo conhecimento nos liberta. 599 A verdade não é a realidade aparente, nem física, nem sensorial, nem conceitual, nem histórica. A verdade é a realidade que Deus vê, afirma e declara. A mente carnal não a percebe. É pela fé que a verdade se assimila. Especificamente, o Mestre revela o que é a Verdade apenas neste contexto. 600 A Verdade é Eu Sou, a Consciência divina, o Mistério de Deus. 601 O conhecimento é a chave para a liberdade. Sofrimento é produto da ilusão. Ilusão, por sua vez, é produto de ignorância e de engano maligno. Se rejeitamos o conhecimento (Os 4:6) teimando em dar ouvidos ao engano do sistema cristianismo, continuamos em servidão e alimentamos a ilusão do mal. (A santificação é outro fator necessário de libertação.) O engano vem pelas doutrinas e credos! 602 Quem comete o pecado é quem põe em dúvida a palavra do Senhor, naturalmente por dar preferência à falsidade. A nossa escolha, todos os dias, é entre a verdade e a mentira. Entre o espírito e a carne. 603 Quem comete o pecado iniquidade é servo do pecado satanás. 604 O Filho, aqui, oferece libertação. Tu serás livre, portanto, só depois de aceitar a libertação, seguindo a orientação oferecida neste capítulo. 605 Para que sejamos realmente livres, basta que ouçamos cada palavra do Senhor e a guardemos em nosso coração. O que nos liberta é o conhecimento e entesouramento das palavras do Senhor, especialmente 592


1 02

Abraão, mas procurais matar-me, porque a minha palavra não encontra lugar em vós. 38 Eu falo do que vi na presença de meu Pai, e vós praticais o que vistes na presença de vosso pai. 39 Replicaram-lhe dizendo: Nosso pai é Abraão. Jesus lhes disse: Se fôsseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão. 40 Mas agora procurais matar-me, por ter-vos falado a Verdade que ouvi na presença de Deus; Abraão não fez isso. 41 Vós fazeis a obra de vosso pai. Disseram-lhe então: Nós não somos filhos ilegítimos; temos um pai, que é Deus. 42 Aí lhes disse Jesus: Se Deus fosse vosso Pai, vós havíeis de amar-me, pois é da parte de Deus que eu vim e aqui estou; porque tampouco vim por iniciativa própria, mas foi ele que me enviou. 43 Por que não entendeis a minha linguagem? De fato, não sois capazes de ouvir a minha palavra! 606 44 Vós tendes por pai ao acusador607, e quereis atender aos desejos de vosso pai608; esse foi homicida desde o princípio, e não está firmado na verdade, pois não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, já que é mentiroso e o pai da mentira609. 45 Quanto a mim, é porque eu falo a Verdade que não me credes. 46 Quem dentre vós me arguiria de pecado? Se eu falo a Verdade, por que não acreditais em mim? 47 Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; é por isso que vós não as escutais, por não serdes de Deus. 48 Os judeus então lhe replicaram dizendo: Não dizemos nós bem que és samaritano e que tens demônio? 49 Jesus respondeu: Eu não tenho demônio, antes honro a meu Pai, e vós me desonrais. 50 E eu não busco a minha glória; alguém a busca, e é ele quem julga. 51 Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guarda a minha palavra610, nunca verá a morte611. 52 Disseram-lhe então os judeus: Agora sabemos que tens demônio. Morreu Abraão, e os profetas, e tu dizes que se alguém guardar a tua palavra nunca provará a morte612. 53 Serias, porventura, maior do que nosso pai Abraão que morreu? E os profetas morreram. Quem te fazes ser613? 54 Respondeu Jesus: Se eu me glorifico a mim mesmo, minha glória nada é. Quem me glorifica é meu Pai614, o qual dizeis que é vosso Deus. 55 E vós não chegastes a conhecê-lo, mas eu o conheço; e se eu dissesse que não o conheço, seria mentiroso como vós. Eu, porém, o conheço e guardo a sua palavra. 56 Abraão, vosso pai, exultou em poder ver o meu dia; e viu, e alegrou-se. 57 Então lhe disseram os judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste Abraão? 58 Disse-lhes Jesus615: Em verdade, em verdade vos digo –antes que Abraão existisse, Eu Sou616. 59 Aí eles pegaram de pedras para lhe atirar; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo, passando pelo meio deles, e assim se retirou617. a palavra revelada neste capítulo. Todas as palavras de Jesus foram dirigidas exclusivamente a indivíduos do povo de Deus, inclusive a nós. 6 0 7 O indivíduo que se identifica com a mente carnal é rebelde e iníquo, e tem por pai o acusador, a serpente, o maligno. Ora, o acusador (diabo) é a mente carnal universal e é, portanto, pai do ego individual. 6 0 8 Por ser pai da mentira, o adversário do homem é pai dos que se identificam com a falsidade do ego e que fazem oposição à Verdade do Ser. 6 0 9 É só neste contexto que o Mestre nos ensina tudo sobre a Verdade e sobre a mentira. A mentira é negação da Verdade. A mentira é tomada de posição com o falso poder das trevas e com a ilusão do mal. 6 1 0 A Minha Palavra é a palavra Eu Sou. A Palavra de Deus é a Verdade. Eu sou Israel, e o Deus de Israel é Eu Sou que Eu Sou (Ex 3:14). Israel no Céu é a Terra-Sião, a Jerusalém Celestial, a Mulher de Deus. 6 1 1 Não haverá morte para quem souber entesourar no coração a palavra do Senhor. Não podemos negar, e não negaremos, que o Senhor Jesus morreu por nós. Por isso, devemos reconhecer que a morte da carne não é simplesmente uma ilusão. A realidade pessoal de Jesus não morreu, mas a sua carne, sim. Ele morreu, fisicamente, na carne e ressurgiu, fisicamente, no espírito. 6 1 2 Alguém já provou a morte por todos! Ver Hb 2:9. 6 1 3 Foi-lhe dado o direito de fazer-se Filho de Deus (Fp 2:7; Jo 1:12). 6 1 4 O Pai dá testemunho do Filho, e o Filho não pode fazer de si mesmo menos do que o Pai diz que ele é. 6 1 5 Em Jo 8:12-58, encontramos a mais essencial das aulas-revelação que o Senhor nos deu. A primeira palavra é Eu Sou, e a derradeira é Eu Sou. A palavra de Deus é a verdade. A verdade é Eu Sou. O Mistério de Deus é Eu Sou. Eu Sou é o Segredo eterno, a verdade cujo conhecimento nos liberta. O Senhor diz que, se não creres que Eu Sou, morrerás nos teus pecados. Se não creres que Eu Sou, morrerás sem a libertação que o Senhor te oferece. E a morte não libertará ninguém. O que nos liberta é atentar para a verdade, conhecer a verdade, crer na verdade, afirmar a verdade. 6 1 6 Não é palavra do homem Jesus. O Filho fala a palavra do Pai. Também nisto ele nos dá o exemplo. 6 0 6

6 1 7

No t ae xt r a :Nós, homens e mulheres, somos espíritos.

A mente psíquica, que é carnal e conceptual, não faz parte da identidade pessoal. A mente consciente é a identidade individualizada. A minha mente psíquica não faz parte de mim, assim como o corpo da carne não faz parte. A mente psíquica (conceptual) não deve ser confundida com a mente consciente, assim


103

Jo 9. A Luz do Mundo 9:1 E ia passando, quando viu um homem cego de nascença. 2 E o interrogaram seus discípulos, dizendo: Rabbí, quem foi que pecou, ele ou seus pais, para que nascesse cego? 3 Jesus respondeu: Nem ele pecou, nem os pais; mas foi assim para que nele se manifestem as obras de Deus618. 4 Cumpre-me realizar as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. 5 Enquanto estou no mundo, Eu sou a luz do mundo619. 6 Ao dizer isto, cuspiu no solo, com a saliva fez lodo, e aplicou o lodo aos olhos do cego. 7 E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Ele foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo. 8 Então os vizinhos, e aqueles que dantes tinham visto que era cego, diziam: Não era este que ficava assentado e mendigava? 9 Uns diziam: É este. E outros: Parecese com ele. Ele mesmo dizia: Sou eu. 10 Diziam-lhe então: Como se te abriram os olhos? 11 Ele respondeu, e disse: Um homem chamado Jesus fez lodo e o passou nos meus olhos, dizendome: vai ao tanque de Siloé e lava-te; daí fui, lavei-me, e enxerguei. 12 Disseram-lhe então: Onde está ele? Disse: Não sei. 13 Eles levaram aos fariseus o que dantes era cego. 14 E era um sábado quando Jesus fez o lodo e lhe abriu os olhos. 15 Então também os fariseus lhe perguntaram, novamente, como passara a ver. Ele lhes disse: Ele passou lodo nos meus olhos, e eu me lavei, e estou vendo. 16 Então alguns dos fariseus diziam: Esse homem não é de Deus, pois não guarda o sábado. Outros diziam: Como poderia um homem pecador fazer sinais de tal porte? E houve dissensão entre eles. 17 Tornaram a dizer ao cego: Que dizes tu a respeito desse que te abriu os olhos? Ele disse: Que é profeta. 18 Os judeus, então, não acreditaram que ele tivesse sido cego e que passara a ver, enquanto não chamaram os pais do que agora via. 19 E os interrogaram, dizendo: É este vosso filho, que dizeis ter nascido cego? Como é, então, que agora está vendo? 20 Os pais dele lhes responderam, e disseram: Sabemos que este é nosso filho, e que nasceu cego. 21 Como agora está vendo, não sabemos; ou quem lhe tenha aberto os olhos, não sabemos. Tem idade; fazei a ele a pergunta; falará por si mesmo. 22 Foi isso que seus pais disseram. De fato, arreceavam-se dos judeus, porque já os judeus tinham entrado em acordo de que, se alguém confessasse ser ele o Ungido, fosse excluído da congregação. 23 Por isso seus pais disseram que ele tinha idade, que devia ser interrogado acerca de si mesmo. 24 Chamaram, pois, pela segunda vez, o homem que tinha sido cego e disseram-lhe: Dá glória a Deus; sabemos que esse homem é pecador. 25 Aquele então respondeu, e disse: Se é pecador não sei. Uma coisa eu sei – que era cego e agora vejo. 26 Tornaram a dizer-lhe: Que te fez ele? Como te abriu os olhos? 27 Respondeu-lhes: Já vos disse e não escutastes. Por que quereis ouvir outra vez? Acaso quereis fazer-vos também seus discípulos? 28 Então eles o xingaram e disseram: Discípulo dele sejas tu; nós somos discípulos de Moisés. 29 Nós sabemos que Deus falou a Moisés; quanto a esse, não sabemos de onde é. 30 Respondeu o homem, e lhes disse: Pois nisto está a maravilha, que vós não saibais de onde ele é, e ele me abriu os olhos. 31 Ora, sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém for piedoso e fizer a sua vontade, a esse ele ouve. 32 Jamais se ouviu dizer que alguém abrisse os olhos a um cego de nascença. 33 Se como o corpo da carne não se confundirá com o corpo do espírito. O corpo da carne está à disposição do espírito, e é instrumento de comunicação e de percepção. A mente da carne é instrumento do espírito para comunicação e raciocínio. O subconsciente é instrumento de memória, de energia, de instinto e de produção. Membros interiores do espírito são o corpo do espírito e a mente do espírito, além da mente consciente, que é a ponte entre o espírito e a carne. As escolhas se fazem pela mente consciente. A mente da carne e o corpo material desaparecerão no futuro, e veremos que não há, realmente, qualquer divisão na mente do espírito. Se aprendemos a andar segundo o espírito, aprendemos a usar, de modo apropriado, a mente psíquica, conforme os propósitos do espírito. O espírito é a identidade autêntica. Antes que andássemos segundo o espírito, andávamos segundo a carne, e a mente carnal controlava as nossas experiências, escravizando-nos, como instrumento que era do inimigo. Para andar segundo o espírito (Romanos 8), precisamos buscar libertação, conforme as instruções do Senhor em João 8, bem como em outras passagens das escrituras. O Espírito da verdade nos guia em toda a verdade através da intuição, a qual é a faculdade essencial do espírito, isto é, do homem interior. 618

As obras de Deus se manifestam quando o filho realiza a manifestação. O próprio Deus fez as obras no princípio. Ele quer que, hoje, o filho do homem (os filhos humanos do Altíssimo) realize a manifestação em favor dos homens. A manifestação ocorre hoje, no tempo. A obra foi feita no princípio, antes do tempo. Tudo o que produz puro benefício para o homem, hoje, é manifestação de obra de Deus no princípio, e tudo se realiza através do homem, por revelação do Espírito que procede de Deus. A raiz de tudo está no Evangelho da Redenção. E tudo o que se manifesta é Luz divina. 619 Quando o Mestre não está no mundo, os discípulos são a luz do mundo (Mt 5:14). A luz do mundo confere vista aos cegos.


1 04

aquele não fosse de Deus, nada poderia fazer. 34 Eles lhe replicaram, dizendo: Tu foste gerado todo em pecados, e estás a ensinar-nos. E o lançaram dali para fora. 35 Jesus ouviu que ele fora expulso e, encontrando-o, disse-lhe: Crês tu no Filho de Deus? 36 Ele respondeu, e disse: Quem é ele, Senhor, para que eu nele creia? 37 E lhe disse Jesus: Tu já o contemplaste, e mais, o que está a falar contigo, esse é. 38 Ele disse: Eu creio, Senhor. E prostrou-se diante dele. 39 E Jesus disse: Eu vim a este mundo para juízo, para que os que não veem vejam, e os que veem fiquem cegos. 40 E aqueles dos fariseus que estavam com ele ouviram isto e lhe disseram: Será que também nós somos cegos? 41 Jesus lhes disse: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas agora que dizeis – vemos, – aí o vosso pecado permanece. Jo 10. O Bom Pastor e a Vida Transbordante 1

10: Em verdade, em verdade vos digo: aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é usurpador e ladrão620. 2 Aquele, porém, que entra pela porta, é pastor das ovelhas. 3 A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz. Ele chama as suas próprias ovelhas nome por nome, e as conduz para fora. 4 E, quando traz para fora as suas ovelhas, ele vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, reconhecendo a sua voz. 5 A um estranho621, de modo nenhum seguiriam, mas fugirão dele; porque não conhecem a voz de estranhos. 6 Esta alegoria Jesus lhes apresentou. Mas eles não entenderam de que lhes falava. 7 Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que Eu sou a porta das ovelhas. 8 Todos quantos antes de mim vieram622são ladrões e salteadores623mas as ovelhas não os escutaram. 9 Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo, e entrará, e sairá, e achará pastagem. 10 O ladrão624não vem senão a roubar, a matar e a destruir 625; eu vim para que tenham vida626, e em transbordamento. 11 Eu sou o bom Pastor627. O bom Pastor depõe sua alma em favor das ovelhas. 12 O mercenário628, que mesmo não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, ao perceber que vem o lobo, abandona as ovelhas e foge. E o lobo as arrebata, e dispersa as ovelhas. 13 O mercenário foge, mercenário que é, e não se preocupa com as ovelhas. 14 Eu sou o bom Pastor629, e conheço as que são minhas, e das minhas sou conhecido. 15 Assim como o Pai me conhece, do mesmo modo eu conheço o Pai, e deponho minha alma em favor das ovelhas. 16 Ainda outras ovelhas tenho, que não são deste aprisco; também essas me cumpre conduzir, e elas ouvirão a minha voz, de modo que haverá um só rebanho, um só pastor630. 17 Por isso o Pai me ama, que eu entrego minha alma para voltar a recebê-la. 18 Ninguém ma tira de mim, mas eu, de mim mesmo, a deponho. Tenho o direito de depô-la, bem como o direito de tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai. 9 Tornou, pois, a haver controvérsia entre os judeus, por causa destas palavras. 20 Houve muitos deles que diziam: Tem demônio, e está fora de si. Por que o ouvis? 21 Outros diziam: Essas palavras não são de endemoninhado; acaso poderia um demônio abrir os olhos aos cegos? 22 E em Jerusalém acontecia a festa da dedicação, e era inverno. 23 E Jesus estava a locomover-se no templo, no pórtico de Salomão. 24 Rodearam-no então os judeus e lhe disseram: Até quando nos manterás em suspenso? Se tu és o Ungido, dize-o abertamente. 25 Jesus lhes respondeu: Eu 6 2 0

Eles não entram pela porta, entram pela ordenação do sistema. Os falsos profetas e falsos pastores são sistemas de autoridade e de doutrina, que os pastores do cristianismo estabeleceram e dos quais se fizeram servos. 6 2 2 os líderes religiosos que nos enganaram antes que nos déssemos conta de que só Jesus é o pastor 6 2 3 São ladrões porque nos roubam. São salteadores porque usurpam a autoridade do Bom Pastor. 6 2 4 Os ladrões estão a serviço do ladrão. 6 2 5 Roubar o que nos pertence, matar-nos fisicamente, destruir o amor e a paz em nossa vida. 6 2 6 A vida transbordante é plena suficiência de recursos, saúde perfeita e relacionamento feliz, que transborda para benefício dos outros. O Senhor veio para desfazer as obras do inimigo. 6 2 7 O Senhor é o único Pastor. Eu sou sua ovelha, e nada me falta. 6 2 8 Mercenário é o que trabalha por dinheiro. 6 2 9 O bom pastor é um só. Os outros (que aceitaram do sistema a designação de pastores do rebanho de Cristo) são ladrões e salteadores. O sistema faz oposição à verdade, e é governado pelo príncipe das trevas. O Senhor é o único Bom Pastor, e ele esclarece que não devemos confiar em nenhum outro pastor. 6 3 0 Jesus é o único pastor. Os outros, que se atribuem títulos, de pastores, de bispos, de apóstolos, de missionários, ou de líderes de sistemas a que chamam igrejas, não entram no curral pela porta, como entram as ovelhas do bom Pastor, mas entram por outra parte, ou seja, pela ordenação do sistema. 6 2 1


105

vo-lo disse631, e não acreditais. As obras que eu faço em nome de meu Pai são as que dão testemunho de mim. 26 Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como vos disse. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as reconheço, e elas me seguem. 28 E eu lhes dou vida eterna, e não se perderão632no passar da era, e ninguém as arrebatará da minha mão. 29 Meu Pai, que me fez a doação, é maior que todos; e ninguém as pode arrebatar da mão de meu Pai. 30 Eu e meu Pai somos Um 633. 31 Outra vez pegaram de pedras os judeus, para apedrejá-lo. 32 Jesus lhes replicou: Muitas boas obras vos mostrei, da parte de meu Pai; por qual dessas obras me apedrejais? 33 Os judeus lhe responderam dizendo: Não te apedrejamos por alguma boa obra, mas por blasfêmia; e porque, sendo homem, te fazes Deus. 34 Respondeu-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei – Eu vos disse: sois deuses –? 35 Se a lei chamou deuses aqueles a quem veio a palavra de Deus (e não se pode desfazer a escritura), 36 daquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo dizeis que está a blasfemar? Isto por ter dito que sou Filho de Deus? 37 Se não faço as obras de meu Pai, não acrediteis em mim. 38 Se, porém, as faço, e não me credes, acreditai nas obras, para que saibais e creiais que em mim o Pai está, e eu estou nele. 39 Procuravam, então, outra vez, prendê-lo, mas ele se escapou de suas mãos. 40 E retirou-se novamente para além do Jordão, ao lugar onde João, a princípio, esteve a batizar, e ali ficou. 41 E muitos iam ter com ele e diziam: João não fez realmente nenhum sinal; por outro lado, tudo quanto João disse a respeito deste era verdade. 42 E ali muitos nele creram. Jo 11. A Ressurreição e a Vida 11:1 Estava enfermo um certo Lázaro, de Betânia (onde morava Maria, e também Marta, irmã dela – 2 Maria que ungiu o Senhor com unguento e que lhe enxugou os pés com os cabelos – a mesma cujo irmão Lázaro estava enfermo). 3 Mandaram-lhe as irmãs, então, dizer: Senhor, aquele que tens por amigo está enfermo. 4 E Jesus, tendo escutado, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para a glória de Deus, a fim de que, através dela, o Filho de Deus seja glorificado. 5 Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. 6 Tendo ouvido que ele ficara doente, então ainda permaneceu no lugar em que estava, por dois dias. 7 Depois disto, disse aos discípulos: Vamos outra vez à Judeia. 8 Disseram-lhe os discípulos: Rabbí, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e voltas para lá? 9 Jesus respondeu: Não são doze as horas do dia? Se alguém caminha durante o dia, não tropeça, por ver a luz deste mundo. 10 Se alguém caminha de noite, tropeça, por não estar nele a luz. 11 Assim falou, e depois disse-lhes: Lázaro, nosso amigo, está a dormir; mas eu vou para despertá-lo. 12 Disseram então os seus discípulos: Senhor, se ele dorme estará salvo. 13 Mas Jesus falava da morte dele; eles, porém, cuidavam que se referisse ao repouso do sono. 14 Foi então que Jesus disse aos discípulos com franqueza: Lázaro morreu. 15 E fico contente, por amor de vós, de que não estivesse lá, para que acrediteis; mas vamos ter com ele. 16 Disse então Tomé, chamado Dídimo, aos condiscípulos: vamos nós também, para morrermos com ele. 17 Havendo, pois, Jesus chegado, encontrou-o sepultado já de quatro dias. 18 Ora, Betânia distava de Jerusalém cerca de quinze estádios634; 19 e muitos dos judeus lá tinham ido consolar a Marta e a Maria, acerca de seu irmão. 20 Marta, então, ao ouvir que Jesus chegava, foi ao encontro dele. Maria, porém, ficou assentada em casa. 21 Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. 22 Mas mesmo agora eu sei que, qualquer que seja o pedido que a Deus apresentes, Deus to concederá. 23 Disse-lhe Jesus: Teu irmão será ressuscitado. 24 Disse-lhe Marta: Sei que ele será ressuscitado na ressurreição do último dia. 25 Disse-lhe Jesus: Eu sou635a ressurreição636e a vida. Quem crê em mim, ainda que 631

Outra vez, ele afirma claramente que é o Cristo. ‘não se perderão no passar da era’ pode traduzir-se, igualmente, ‘nunca perecerão’ 633 Jesus sabe que ele e o Pai são Um. Quanto a nós, a diferença é que não sabemos. 634 Quase 3 quilômetros. É importante entendermos que a ascensão em Betânia não é a mesma ascensão no Monte das Oliveiras. 635 Aqui há, evidentemente, um paralelo com o capítulo oitavo de João, em que Ele deixa clara a identidade e a herança do Nome de Deus, em ‘Eu Sou’, o núcleo de todo o ensino do Mestre. A palavra do Senhor pode ser desdobrada desta maneira: “Para quem crê e afirma que Eu Sou a vida, não haverá experiência de morte. Para quem crê e afirma que Eu Sou a Ressurreição, a vida lhe será restaurada para que entre no Reino dos Céus no Dia de Cristo.” 636 Ressurreição é uma forma de salvação da morte. Outra maneira é a preservação da vida. 632


1 06

morra, viverá; 26 e todo o que está vivo637, e em mim crê, nunca morrerá638. Crês tu isto? 27 Disse a ele: Certamente, Senhor. Eu creio que tu és o Ungido, o Filho de Deus que agora veio ao mundo. 28 Tendo dito isto, ela afastou-se e chamou sua irmã Maria em particular, dizendo: O Mestre está aí, e te chama. 29 Ela, assim que ouviu isto, levantou-se depressa e foi ter com ele. 30 Ainda Jesus não tinha chegado à aldeia, mas achava-se no lugar em que Marta o encontrara. 31 Então os judeus que estavam com ela dentro de casa e a consolavam, vendo que Maria depressa se levantara e saíra, seguiram-na dizendo: Vai ao sepulcro para chorar ali. 32 Maria, então, ao chegar aonde estava Jesus, assim que o viu, caiu a seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. 33 Jesus, pois, vendo-a chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, comoveu-se em espírito, e perturbou-se. 34 E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem e vê. 35 Jesus chorou. 36 Disseram então os judeus: Vede como o estimava. 37 Mas alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com que este não morresse? 38 Então Jesus outra vez se comoveu em si mesmo e dirigiu-se ao sepulcro. E era uma caverna, e uma pedra estava posta sobre ela. 39 Disse Jesus: Tirai a pedra. Disse-lhe a irmã do defunto, Marta: Senhor, já cheira mal, porque é de quatro dias. 40 Disse-lhe Jesus: Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus? 41 Tiraram, pois, a pedra de onde o defunto jazia. E Jesus, olhando para cima, disse: Pai, dou-te graças por me haveres ouvido. 42 E eu bem sei que sempre me ouves; mas assim falo por causa da multidão que está em redor, a fim de que creiam que tu me enviaste. 43 E, tendo dito isto, clamou em voz alta: Lázaro, vem para fora!63944 E o defunto saiu, de pés e mãos ligados com faixas, e tendo o rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desatai-o e deixai-o andar. 45 Então muitos dos judeus que tinham vindo ter com Maria, e que viram o que Jesus fez, nele creram. 46 Mas alguns deles foram ter com os fariseus e lhes contaram dos feitos que Jesus realizara. 47 Então os principais sacerdotes e os fariseus formaram conselho, e diziam: Que faremos agora que este homem faz tantos sinais? 48 Se o deixamos assim, todos nele crerão, e virão os romanos para tomar o nosso lugar e a nossa gente. 49 E um deles, que era Caifás640, sumo sacerdote naquele ano, lhes disse: Vós nada sabeis, 50 nem estais a considerar que vos convém que um homem morra pelo povo, para que não venha a perder-se toda a gente. 51 E isto ele não disse por si mesmo, mas, sendo sumo sacerdote naquele ano, profetizou que Jesus havia de morrer pela nação. 52 Também que não havia de ser pela nação somente, mas inclusive para 53 reunir em unidade os filhosΤ de Deus que estão dispersos641. Então, desde aquele dia, 54 deliberaram levá-lo à morte. Jesus, portanto, já não andava abertamente entre os judeus, mas afastou-se dali para uma região próxima ao deserto, para uma cidade chamada Efraim, e por ali permaneceu com seus discípulos. 55 Aproximava-se a Páscoa dos judeus, e muitos daquela terra subiram a Jerusalém antes da Páscoa, para se purificarem. 56 Então procuravam por Jesus, e assim conversavam, enquanto estavam no templo: Qual é vossa opinião? Será que ele não vem à festa? 57 Ora, os principais sacerdotes e os fariseus haviam determinado que, se alguém soubesse onde ele estava, passasse informação, para que o pudessem prender. Jo 12. “Eu Vim para Salvar o Mundo”

6 3 7

Dos que creem (e são fiéis), uns sobreviverão até o dia de Cristo ou serão premiados antecipadamente, outros renderão o espírito (o fôlego de vida) e, na sua experiência, serão imediatamente admitidos ao Eden e à glória, mediante a transferência no tempo. Alguns que estão vivos nunca morrerão, como Enoque nunca morreu, pois Jesus, que é a ressurreição dos que morrem, é também a vida que garante a sobrevivência a quem se apropria desta promessa específica. 6 3 8 Esta promessa infalível é para nós, que estamos vivos hoje. Não esquecer que toda promessa é sempre condicionada à obediência de fé. Quem crê tem vida eterna (Jo 3:36; Jo 6:47). Quem nega a promessa deixa de ser beneficiário da promessa. 6 3 9 Jesus ressuscitou a Lázaro para que nunca mais morresse. Fora do túmulo definitivamente. 6 4 0 Não esquecer que Caifás, Judas e Herodes Antipas fazem parte do povo santo, e um dia serão levados à glória celestial. Não acredito que Herodes seja pior nem melhor do que eu. Somos, ambos, pecadores na carne e perfeitos no espírito. Nem Caifás, nem Judas. Cada qual cumpriu fielmente o papel especial que lhes estava designado. Posso ser mais privilegiado, por misericórdia, mas não cabe fazer comparações. filhos: Gr τεκνα = filhos de Deus na terra Esta abrangência é imensamente maior do que a temos imaginado.

Τ

6 4 1


107

12:1 Então dirigiu-se Jesus, seis dias antes da Páscoa, a Betânia, onde estava Lázaro, que morrera e que ele ressuscitara de entre os mortos. 2 Prepararam-lhe, ali, uma ceia, e Marta estava a servir, sendo Lázaro um dos que se reclinavam com ele à mesa. 3 Maria, então, tomando uma libra de unguento de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus, e os enxugou com seus cabelos; toda a casa se encheu com o perfume do unguento. 4 Nesse momento, um dos seus discípulos, Judas de Simão Iscariotes, aquele que o havia de entregar, disse: 5 por que não se vendeu esse unguento por trezentos denários, que se dariam aos pobres? 6 Isso ele disse, não por ter cuidado dos pobres; mas por ser ladrão e, tendo a bolsa, tirava o que nela era colocado. 7 Disse Jesus então: Deixa-a! ela já guardou isto para o dia do meu sepultamento; 8 porque os pobres sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes. 9 Nessa ocasião, uma numerosa multidão de judeus veio a saber que ele ali estava, e chegaram, não só por causa de Jesus, mas também para ver a Lázaro, a quem ressuscitara de entre os mortos. 10 E os principais dos sacerdotes tomaram deliberação para matar também a Lázaro; 11 porque muitos dos judeus voltavam crendo em Jesus. 12 No dia seguinte, uma grande multidão que viera para a festa, tendo ouvido que Jesus estava a caminho de Jerusalém, 13 tomou ramos de palmeiras e saiu ao seu encontro, a clamar: Hosanná! Bendito o que vem em nome do Senhor! O Rei de Israel! 14 E Jesus, tendo encontrado um jumentinho, montou nele, conforme está escrito: 15 Não temas, ó filha de Sião; eis que o teu Rei vem, montado numa cria de jumenta. 16 Seus discípulos, a princípio, não compreenderam essas coisas, mas, quando Jesus foi glorificado, então se lembraram de que isto estava escrito dele, e que isto lhe fizeram. 17 Rendia-lhe testemunho a multidão que estivera com ele quando chamou Lázaro para fora do sepulcro e o ressuscitou de entre os mortos. 18 Por isso mesmo tanta gente lhe saiu ao encontro, por terem ouvido que ele realizara esse sinal. 19 Enquanto isso, os fariseus, entre si, diziam: Estais vendo que nada adianta; eis que todo mundo vai atrás dele. 20 Houve alguns gregos que tinham vindo para adorar na festa. 21 Esses então dirigiram-se a Filipe, o de Betsaida da Galileia, e lhe fizeram um pedido, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus. 22 Filipe foi dizê-lo a André; então André e Filipe o disseram a Jesus. 23 E Jesus lhes respondeu, dizendo: É chegada a hora em que o Filho do Homem é glorificado. 24 Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo não morrer caindo na terra, fica ele só; se, porém, morrer, dá muito fruto. 25 Quem tiver estima à sua alma, a perderá; e quem detestar a sua alma neste mundo guardá-la-á para vida eterna642. 26 Se alguém há de servir-me, que me siga; onde eu estiver, ali estará também meu servidor; e, se alguém me servir, meu Pai o honrará. 27 Agora minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Mas foi por isso que vim, para esta hora! 28 Pai, glorifica o teu nome! Veio então uma voz do céu: Já o glorifiquei, e outra vez o glorificarei. 29 Então aquela gente que ali estava, e que ouviu isto, dizia: Trovejou. Outros diziam: Um anjo lhe falou. 30 Jesus replicou e disse: Não foi por mim que esta voz se fez ouvir, mas por causa de vós. 31 É agora o juízo deste mundo; é agora que o príncipe deste mundo está para ser lançado fora. 32 E eu, quando for alçado da terra, atrairei todos a mim643. 33 Isto ele dizia indicando de que morte havia de morrer. 34 Aquela gente respondeu-lhe: Nós temos ouvido, da lei, que o Ungido permanece para sempre; como, pois, dizes que o Filho do Homem há de ser levantado? Quem é esse Filho do Homem? 35 Disselhes, então, Jesus: A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Caminhai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos surpreendam; pois aquele que caminha nas trevas não sabe por onde anda. 36 Enquanto tendes luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. Ditas estas coisas, Jesus afastou-se, ocultando-se deles. 37 Embora tivesse feito diante deles tão grandes sinais, nele não criam; 38 foi para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías, que disse: Senhor, quem acreditou em nossa mensagem? E a quem foi revelado o braço do Senhor? 39 Por isso eles não puderam crer, sendo que Isaías também dissera: 40 Cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, para que não vejam com os olhos nem entendam com o coração, nem se convertam, nem eu os cure. 41 Isaías disse isto quando viu a sua glória e dele falou. 42 Apesar de tudo, mesmo muitos dos dirigentes nele creram; todavia, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem barrados da 642 643

Quem guarda sua alma guarda a vida do corpo (ou vida psico-física) Atraiu a si mesmo a todos, para que todos fossem crucificados na mesma cruz.


1 08

congregação644. 43 Porque mais amaram a glória de homens do que a glória de Deus. 44 E Jesus exclamou: Quem em mim crê, não é em mim que está a crer, e sim, naquele que me enviou. 45 E quem me contempla está a contemplar aquele que me enviou. 46 Eu vim como luz ao mundo, para que todo o que em mim crê não fique nas trevas. 47 E se alguém ouvir as minhas palavras e não crer, eu não o julgo; porque eu não vim para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. 48 Aquele que me rejeita e não recebe as minhas palavras já tem quem o julgue; a palavra que tenho falado, essa o há de julgar no último dia. 49 De fato, eu de mim mesmo não tenho falado; mas o Pai, que me enviou, ele me deu mandamento sobre o que hei de dizer e sobre o que hei de falar. 50 Também sei que o seu mandamento645é vida eterna. Portanto aquilo que eu falo o tenho falado exatamente como o Pai primeiro me disse. Jo 13. “Assim Como Eu Vos Amei” 1

13: Ora, antes da festa da Páscoa, vendo Jesus que lhe chegava a hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os que eram seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2 E durante a ceia, quando o acusador já havia lançado no coração de Judas de Simão Iscariotes a ideia de entregá-lo, 3 sabendo Jesus que o Pai lhe tinha depositado nas mãos todas as coisas, e que viera de Deus, e que ia para Deus, 4 levantou-se da ceia, depôs a veste e, tomando uma toalha, cingiu-se. 5 Depois deitou água numa bacia e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido. 6 Chegou então diante de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu me lavas os pés, a mim? 7 Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço, tu não o sabes agora, mas o entenderás depois. 8 Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés! Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo. 9 Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça. 10 Disse-lhe Jesus: Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, mas está limpo por inteiro; e vós estais limpos, ainda que não todos. 11 Ora, ele sabia quem o havia de entregar; por isso disse: nem todos estais limpos. 12 Depois que lhes lavou os pés e retomou a veste, voltando a reclinar-se, disse-lhes: Entendeis o que acabo de fazer? 13 Vós me chamais o Mestre e o Senhor, e dizeis bem, porque Eu Sou. 14 Portanto, se eu, o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, vós também deveis lavar os pés uns aos outros. 15 Porque exemplo vos dei, para que, assim como eu vos fiz, vós o façais também. 16 Em verdade, em verdade vos digo: Não é o servo maior do que seu Senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. 17 Se sabeis estas coisas, bemaventurados sois se as fizerdes. 18 Não falo de todos vós; eu conheço os que escolhi; mas – para que se cumpra a escritura – o que come o pão comigo levantou contra mim o seu calcanhar. 19 Desde agora vo-lo digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, creiais que Eu Sou646. 20 Em verdade, em verdade vos digo: Se alguém receber o que eu enviar, a mim me recebe; e quem me recebe a mim recebe aquele que me enviou. 21 Havendo Jesus dito isto, perturbou-se em espírito e fez uma declaração, dizendo: Em verdade, em verdade vos digo que um de vós me entregará. 22 Então os discípulos olhavam uns para os outros, perplexos quanto a quem ele se referia. 23 Ora, estava reclinado sobre o peito de Jesus um dos seus discípulos, aquele a quem Jesus amava. 24 Então Simão Pedro fez sinal a este para que perguntasse quem era aquele de quem falara. 25 E ele, encostando-se ao peito de Jesus, lhe disse: Senhor, quem é? 26 Respondeu Jesus: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas de Simão Iscariotes. 27 E, após o bocado, logo entrou nele satanás. Disse-lhe, então, Jesus: O que tens a fazer, faze-o depressa. 28 Nenhum dos que estavam à mesa conheceu a que propósito dizia ele isso. 29 Ora, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus estivesse mandando comprar algo que fosse necessário para a festa, ou dar alguma coisa aos pobres. 30 Ele então saiu, logo após tomar o bocado. E era noite. 31 Tendo aquele saído, Jesus assim falou: É agora que o Filho do Homem é glorificado, e Deus é glorificado nele. 32 Se Deus é glorificado nele, o mesmo Deus o há de glorificar em si mesmo, e de pronto o glorificará. 33 Filhinhos, por pouco tempo estou ainda 6 4 4

Então, como agora, alguns creem no Senhor mas querem manter os laços com o sistema que o rejeita. As palavras que Jesus recebeu do Pai para nos falar em revelação e instrução de vida eterna são o mandamento que o Pai deu ao Filho Redentor! Este mandamento é um mandado. Para nós, vida eterna não é mandamento, é dom ou presente. A fé é o mandamento! 6 4 6 A identificação com a Divindade do Pai. Não se trata de crer que o homem Jesus seja... e sim de que o Pai diz ‘Eu Sou’ por boca do Filho. Nós estamos identificados com o Unigênito e, nele, com o Pai. 6 4 5


109

convosco. Vós me buscareis, mas, como tenho dito aos judeus – aonde eu vou vós não podeis ir – isso também agora vos digo. 34 Um novo mandamento647vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vós uns aos outros vos ameis. 35 Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros. 36 Simão Pedro lhe disse: Senhor, para onde vais? Jesus lhe respondeu: Aonde eu vou não me podes acompanhar agora, mas depois me seguirás. 37 Disse-lhe Pedro: Por que não posso seguir-te agora? Por ti darei a minha alma! 38 Respondeu-lhe Jesus: Hás de dar tua alma por mim? Em verdade, em verdade te digo que, antes que o galo cante, tu me negarás por três vezes. Jo 14. “Quem Me Viu Viu o Pai” 14:1 Não se perturbe o vosso coração. Crede em648Deus; crede também em649mim. 2 Na casa de meu Pai há muitas moradas650; não fora assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. 3 E quando eu for, e vos preparar lugar, outra vez virei e vos levarei comigo, para que onde eu estou estejais vós também. 4 Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho. 5 Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais, e como podemos saber o caminho? 6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim. 7 Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e desde agora o estais conhecendo, e o haveis contemplado. 8 Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isto nos basta. 9 Disse-lhe Jesus: Há tanto tempo estou convosco, Filipe, e ainda não me conheces? Quem viu a mim viu o Pai; e como dizes tu – mostra-nos o Pai –? 10 Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que vos falo, não as falo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, ele é quem faz as obras651.11 Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim. Crede-me ao menos por causa das próprias obras. 12 Em verdade, em verdade vos digo que se alguém crê em mim, as obras que eu faço, ele mesmo fará, e maiores do que estas fará, uma vez que vou para meu Pai. 13 E qualquer coisa que requeirais em meu nome, isso farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. 14 Se demandardes alguma coisa em meu nome, eu a farei. 15 Se me amais, guardareis os meus mandamentos. 16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Confortador, para que fique convosco para sempre: 17 o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, já que não o vê nem o conhece; vós o conheceis, visto que está convosco e estará em vós. 18 Eu não vos deixarei órfãos; voltarei para vós. 19 Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis, porque eu vivo, e vós estareis vivendo. 20 Naquele dia sabereis que eu estou em meu Pai, e que vós estais em mim, e eu em vós. 21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda652, esse é o que me ama; e o que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. 22 Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, de onde vem que hajas de manifestar-te a nós, e não ao mundo? 23 Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra653, e meu Pai o amará, e nós viremos a ele, e 24 faremos nele morada654. Quem não me ama não guarda as minhas palavras. E a palavra que estais a ouvir não é minha, mas do Pai que me enviou. 25 Estas coisas vos falei estando ainda convosco. 26 Por outro lado, o Confortador, o Espírito Santo655que o Pai enviará em meu nome, 647

O mandamento novo (amar) é derivado do mandamento dado no princípio: crede! Quem crê em Deus (literalmente, dentro dele) identifica-se com Ele. 649 Quem crê em Cristo (literalmente, dentro dele) identifica-se com o Ungido. 650 Tanto as moradas do Pai quanto as nossas moradas na casa do Pai são os corpos celestiais dos espíritos. Estes são a morada que Deus habita. 651 O Pai fez as obras no princípio pela palavra, e o filho as manifesta, hoje, pela palavra da fé. 652 Guardar os três mandamentos: arrepender-se, crer no evangelho, amar os irmãos. 653 Quem guarda a palavra do Senhor, guarda-a no coração, e a obediência se manifesta pela boa confissão e pela realização das obras de Deus. 654 O Senhor vem com o Pai hoje, e faz morada em nós. Esta foi a segunda vinda (física e espiritual) do Senhor, pela Ressurreição. A próxima vinda que aguardamos será a terceira. Nós nos tornamos um com Cristo e com o Pai, nós em Cristo Jesus e Jesus Cristo em nós. 655 O Espírito Santo não é terceira pessoa. Ele é o próprio Deus Altíssimo, o Pai da nova criação, e é o Deus de toda a terra. Senhor Jesus Cristo é o nome do Pai, e o mesmo nome Ele deu ao Filho. Cristo Jesus é o nome do Espírito Santo. Quando exclamamos – ‘amém Senhor Jesus’ – invocamos o Pai, em nome do Filho, pelo Espírito Santo. 648


1 10

esse vos ensinará todas as coisas656, fazendo-vos lembrar de tudo quanto vos tenho dito. 27 Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não como o mundo dá, eu vo-la dou. Não fique perturbado o vosso coração, nem se atemorize. 28 Ouvistes que eu vos disse: vou e venho para vós. Se me amásseis, certamente exultaríeis por vos ter dito que vou para o Pai 657; porque meu Pai é maior do que eu. 29 E agora vos falei, antes que aconteça, para que, quando suceder, possais crer. 30 Não mais vou falar muito convosco, porque está para vir o príncipe deste mundo658, o qual nada tem em mim. 31 Mas é para que o mundo659saiba que eu amo o Pai, e que faço como o Pai me mandou. – Levantai-vos, vamo-nos daqui. Jo 15. A Videira Verdadeira 1

15: Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor. 2 Todo ramo, em mim, que não dá fruto, ele o remove; e todo o que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto. 3 Vós já estais limpos, por causa da palavra que vos falei. 4 Permanecei em mim, e eu em vós. Assim como o ramo não pode dar fruto de si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes660em mim. 5 Eu sou a videira, vós os ramos. Se alguém permanece em mim, e eu nele, esse dá muito fruto, sendo que sem mim nada podeis fazer. 6 Se alguém não permanece em mim, é jogado fora, como o ramo, e fica seco; e se recolhem, e se lançam no fogo, e se queimam661. 7 Se permaneceis em mim, e minhas palavras em vós permanecem, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. 8 É nisto que meu Pai é glorificado, que deis muito fruto; e me sereis discípulos. 9 Assim como o Pai me amou, também eu vos amei; permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; assim como eu guardei os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor. 11 Isso vos falei, para que a minha alegria permaneça em vós, e a vossa alegria seja plena. 12 Este é o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Amor maior do que este ninguém tem, que alguém dê a sua alma por seus amigos. 14 Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando. 15 Já vos não chamarei servos, visto que o servo não sabe o que seu Senhor está a fazer. Eu passei a chamar-vos amigos, sendo que tudo aquilo que ouvi da parte de meu Pai eu vos dei a conhecer. 16 Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos destinei para que vades e deis fruto, e que o vosso fruto permaneça, a fim de que, seja o que for que venhais a requerer do Pai em meu nome, ele vo-lo conceda. 17 Isto vos ordeno: que vos ameis uns aos outros. 18 Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro que a vós, me odiou a mim. 19 Se fôsseis do mundo, o mundo estimaria o que é seu, mas como não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso o mundo662vos odeia. 20 Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior que seu Senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. 21 Tudo isso, porém, vos farão por causa do meu nome, por não conhecerem aquele que me enviou. 22 Se eu não viera, nem lhes houvera falado, não haveria pecado neles; mas agora não têm desculpa para o seu pecado. 23 Aquele que me odeia, odeia também a meu Pai. 24 Se eu não tivesse feito 6 5 6

Ele nos ensina diretamente ao espírito, por revelação. Jesus disse "Eu venho do Pai e volto para o Pai, eu estou no Pai e o Pai está em mim" - Não para promover a sua própria individualidade, mas a fim de elevar a nossa consciência. 6 5 8 Este mundo é o mundo virtual, aparente, que o homem formou. Sobre este mundo, o homem constituiu príncipe o próprio inimigo. Este mundo está na mente do homem, e não está na mente de Deus. E nada tem existência real que não esteja na mente de Deus. Nada que se oponha à verdade pode ser verdadeiro. Deus não pode ver o mal (Hc 1:13). 6 5 9 Aqui, o mundo é o próprio homem, real e concreto, objeto do amor de Deus. O homem-espírito, com as suas extensões, é o céu e a terra que Deus criou no princípio. Este é o mundo que está na mente de Deus. O que está na mente da carne é outro mundo, o mundo ilusório. 6 6 0 Esta permanência implica fervor de espírito, fé e comunhão. 6 6 1 Após a queima, ficará liberado o corpo celestial. 6 6 2 Que mundo é esse que tanto malestima os servos de Deus?! Que mundo é esse a quem o Senhor veio e a quem falou?! Que mundo é esse, do meio do qual o Senhor escolheu os seus amigos?! Que mundo é esse, no meio do qual o Senhor realizou obras extraordinárias?! Em que consiste o mundo, afinal? Certamente não será preciso explicitar a resposta! As referências de ‘mundo’ e o contexto tudo esclarecem. Lembremo-nos de que o que outrora foi escrito, para nosso ensino foi escrito (Rm 15:4)! Não há diferença entre o judaísmo e o cristianismo, como sistemas de autoridade espiritual no macro-sistema mundo, em relação ao Reino de Deus. 6 5 7


111

entre eles as obras que nenhum outro fez, pecado não teriam; mas agora as viram e me votaram ódio, a mim e a meu Pai. 25 Mas é para que se cumpra a palavra que está escrita na sua lei: Odiaram-me sem causa. 26 Quando, porém, vier o Confortador, que eu vos hei de enviar da parte do Pai, o Espírito da Verdade, o qual procede do Pai, ele dará testemunho de mim. 27 E vós também testemunhais, uma vez que, desde o princípio, estais comigo. Jo 16. “Eu Vou para o Pai” 1

16: Estas palavras vos falei para que vos não escandalizeis. 2 Sereis excluídos das congregações. Vem mesmo a hora em que qualquer que vos matar cuidará prestar serviço a Deus. 3 Essas coisas vos farão por não conhecerem ao Pai nem a mim. 4 Isto, porém, vos tenho dito para que, quando vier a hora, estejais lembrados do que vos falei. Não são palavras que vos tenha falado desde o princípio, porque eu estava convosco. 5 E agora vou-me para aquele que me enviou. – E nenhum de vós me pergunta – para onde vais? 6 Antes, por ter-vos dito estas coisas, a tristeza tomou conta do vosso coração. 7 Eu, porém, vos digo a verdade – que vos é de proveito que eu vá. Porque, caso não me fosse, não viria para vós o Confortador; mas, quando eu for, vo-lo enviarei663. 8 E, quando ele vier, arguirá o mundo do pecado, e da justiça, e do juízo. 9 Quanto ao pecado, de não crerem em mim. 10 Quanto à justiça664, de que eu vou para o Pai e não me vereis mais. 11 Quanto ao juízo, de que o príncipe deste mundo está julgado. 12 Tenho ainda muito que dizer-vos, mas vós não o podeis suportar agora. 13 Quando, porém, vier aquele Espírito da Verdade, ele vos guiará em toda a Verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. 14 Ele me glorificará, uma vez que vai receber do que é meu, e vai anunciá-lo a vós. 15 Tudo quanto o Pai possui é meu. É por isso que eu disse que vai receber do que é meu e vai anunciá-lo a vós 665. 16 Um pouco, e não me vereis; e ainda outro pouco, e ver-me-eis666; porquanto vou para o Pai. 17 Então alguns dos seus discípulos disseram entre si: Que é isto que nos diz (um pouco, e não me vereis, e ainda outro pouco, e me vereis; e que vai para o Pai)? 18 Diziam, pois: Que é esse pouco de que ele nos fala? Não sabemos de que está falando. 19 Sabia Jesus que eles queriam interrogá-lo, e disse-lhes: Indagais entre vós do que vos falei – um pouco, e não me vereis, e ainda outro pouco e ver-me-eis –? 20 Em verdade, em verdade vos digo que chorareis e vos lamentareis, e o mundo se alegrará; vós estareis tristes, porém vossa tristeza se converterá em alegria. 21 A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, por chegar a sua hora; mas, depois de nascida a criança, já não se lembra ela da tribulação, por causa da alegria do nascimento de um ser humano neste mundo. 22 Vós também agora estais entristecidos; mas novamente eu vos verei, e se alegrará o vosso coração, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará. 23 E naquele dia nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo: Tudo quanto requererdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo dará. 24 Até agora nada tendes requerido em meu nome; requerei e recebereis, a fim de que a vossa alegria seja consumada. 25 Estas coisas vos falei figuradamente, mas vem a hora em que vos não falarei mais por figuras, porém abertamente vos comunicarei o que pertence ao Pai. 26 Naquele dia haveis de fazer pedidos em meu nome, e não digo que estarei a rogar por vós ao Pai; 27 porque o Pai mesmo vos tem afeição, visto como vós me tendes amado e tendes crido que eu saí de Deus. 28 Saí do Pai e vim ao mundo; de novo deixo o mundo e vou para o Pai. 29 Disseram-lhe seus discípulos: Eis que agora falas abertamente, e não há figura nenhuma no que dizes. 30 Agora sabemos que conheces todas as coisas, e que não necessitas de que alguém te interrogue; nisto cremos que saíste de Deus. 31 Jesus lhes respondeu: Agora credes? 32 Eis que vem a hora, e agora chegou, em que ficais dispersos, cada um para seu lado, e me deixais sozinho; não que eu esteja só, já que o Pai está comigo. 33 Isto vos disse eu, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis tribulação, mas tende bom ânimo – eu venci o mundo667. Jo 17. “Eu Rogo por Eles” 663

Se o Mestre visível não se fosse, não saberíamos deixar-nos guiar pelo Mestre invisível. Nas Escrituras, a justiça para com Deus consiste, antes de tudo, em buscar o próprio Deus, e na sua presença andar. A justiça de Deus, pela graça, nos garante achar lugar na sua presença. 665 O Filho diz que o Espírito da verdade recebe do que é dele e o anuncia a nós. Que é que lhe pertence? Tudo o que é do Pai! Ele diz que tudo o que o Pai possui é nosso (Lc 15:31). 666 Refere-se à segunda vinda, quando ele voltou em Ressurreição. 667 Se Ele venceu, nós somos vitoriosos. A vitória não interessa, diretamente, ao Senhor, e sim a nós. 664


1 12

17:1 Jesus falou assim, elevou os olhos ao céu, e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também teu Filho te glorifique a ti; 2 assim como lhe deste autoridade sobre toda a carne, para que dê vida eterna a todos quantos lhe deste. 3 E esta é a vida eterna, que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro668, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. 4 Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me encarregaste de realizar. 5 E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com a glória que eu tinha antes que o mundo existisse, diante de ti. 6 Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra. 7 Agora sabem que tudo quanto me deste provém de ti; 8 que foram as palavras que me deste as mesmas que lhes dei, e eles as receberam e souberam verdadeiramente que saí de ti, e vieram a crer que tu me enviaste. 9 Eu rogo por eles; não é pelo mundo que rogo, mas por aqueles que me deste, que são teus. 10 E tudo o que é meu é teu, e o que é teu é meu669, e neles fui glorificado. 11 Já não estou no mundo; mas eles estão no mundo e eu volto a ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, a esses que me deste, para que sejam unidade, assim como nós. 12 Estando com eles no mundo, eu os guardava em teu nome. A esses que me deste, eu os protegi, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a escritura. 13 Agora, porém, vou para junto de ti; e digo isto no mundo, para que eles tenham em si a minha perfeita alegria. 14 Eu lhes dei a tua palavra, e o mundo os odiou, por não serem do mundo670, assim como eu não sou do mundo. 15 Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno. 16 Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo. 17 Santifica-os na Verdade. A tua palavra é a Verdade671. 18 Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. 19 E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles estejam santificados na Verdade. 20 Não é só por estes que estou a rogar, mas também por aqueles que, pela sua palavra, hão de crer em mim; 21 para que todos sejam Um672, assim como tu, ó Pai, em mim, e eu em ti, que também eles em mim sejam Um673, para que o mundo creia que tu me enviaste. 22 E eu dei-lhes a glória que tu me deste, a fim de que sejam um, como nós somos um: 23 eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo saiba que tu me enviaste, e que os amaste do modo como amaste a mim. 24 Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estou, também eles estejam comigo, para que contemplem a minha glória, a qual me deste, porque tu me amaste, mesmo antes da queda do mundo. 25 E o mundo, Pai justo, não te conhece, mas eu te conheço, e estes vieram a conhecer que tu me enviaste. 26 E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e ainda lhes farei conhecê-lo674, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja. Jo 18. “Meu Reino Não é Deste Mundo” 18:1 Em dizendo isto, Jesus foi com seus discípulos para além do ribeiro de Kedron, onde havia um horto, no qual entraram ele e os discípulos. 2 E Judas, que o traía, também conhecia o lugar, pois ali Jesus esteve reunido, várias vezes, com seus discípulos. 3 Tendo, então, Judas recebido o destacamento, bem como os serviçais dos principais sacerdotes e dos fariseus, veio para ali com archotes, lanternas e armas. 4 Então Jesus, conhecendo tudo o que lhe ia suceder, adiantou-se e disse-lhes: A quem procurais? 5 Responderam-lhe: A Jesus Nazareno. Disse-lhes Jesus: Eu Sou. E Judas, que o traía, estava com eles. 6 Assim que lhes disse – Eu Sou – recuaram e caíram por terra. 7 Então novamente lhes perguntou: A quem procurais? Eles disseram: A Jesus Nazareno. 8 Jesus respondeu: Eu vos disse que Eu Sou. Se, 6 6 8

O desfrute da vida eterna é ganho mediante o conhecimento de Deus e de Cristo. Tudo o que pertence ao Pai está à disposição do Filho. 6 7 0 Não somos do mundo, somos do Reino de Deus, onde estamos, sempre estivemos, e sempre estaremos (tanto na Terra quanto no Céu). A realidade nunca mudou; o que se alterou foi a consciência. 6 7 1 A Lei é a Verdade. O Juízo é segundo a Verdade. O caminho da Vida é a Verdade. O Mandamento é crer na Verdade. A função do Filho é o testemunho da Verdade, para salvação do mundo. O Espírito de Deus é o Espírito da Verdade. A Palavra é a Verdade. A Verdade é Eu Sou. 6 7 2 Os filhos e as filhas no Filho, e ele em nós. O Filho no Pai, e o Pai no Filho. Todos no Pai, e o Pai em todos. A Verdade é Eu Sou. Eu e o Pai somos Um. 6 7 3 O Cristo é um com o Pai; nós somos um com o Filho. Assim, estamos no Pai e o Pai está em nós, em mútua habitação e identificação. A mútua habitação implica unicidade. 6 7 4 Ele nos faz conhecer o Nome do Pai, pela comunhão do Pai e do Filho, na qual somos admitidos. 6 6 9


113

pois, é a mim que procurais, deixai que estes se retirem. 9 Foi para que se cumprisse a palavra que havia dito: dos que me deste, nenhum deles perdi. 10 Então Simão Pedro, que trazia uma espada, desembainhou-a e feriu o servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha direita (o nome do servo era Malco). 11 Aí Jesus disse a Pedro: Põe tua espada na bainha. Deixarei de beber o cálice que o Pai me ofereceu? 12 Então o destacamento, e o capitão, e os serviçais dos judeus agarraram a Jesus e o maniataram. 13 E conduziram-no primeiramente a Anás, por ser sogro de Caifás, o qual era sumo sacerdote naquele ano. 14 Caifás era quem tinha avisado aos judeus que convinha que um homem perecesse pelo povo. 15 E seguiam a Jesus Simão Pedro e o outro discípulo, aquele discípulo que era conhecido do sumo sacerdote; ele entrou com Jesus na sala do sumo sacerdote. 16 Pedro ficou do lado de fora, junto ao portão. Então o outro discípulo, conhecido do sumo sacerdote, saiu, falou com a porteira, e introduziu Pedro. 17 Então disse a moça, que era porteira, a Pedro: Não és tu também um dos discípulos desse homem? Disse ele: Não sou. 18 Estavam ali os servos e os serviçais, que fizeram uma fogueira, porque estava frio, e se aquentavam. E com eles estava Pedro, aquentando-se também. 19 Entrementes, o sumo sacerdote interrogava a Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina. 20 Jesus deu-lhe resposta: Eu abertamente falei ao mundo; sempre ensinei na casa de congregação e no templo, onde sempre os judeus se congregam, e nada falei às escondidas. 21 Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram, que foi que lhes falei. Verás que eles sabem o que eu disse. 22 A estas palavras, um dos serviçais que ali se achavam deu um tapa em Jesus, dizendo: Assim respondes ao sumo sacerdote? 23 Respondeu-lhe Jesus: Se falei mal, mostra em quê; se falei bem, por que me bates? 24 Anás mandou-o, maniatado, ao sumo sacerdote Caifás. 25 E Simão Pedro estava ali, e aquentava-se. Disseram-lhe, então: Não és tu também um dos discípulos dele? Ele negou e disse: Não sou. 26 Disse um dos servos do sumo sacerdote, que era parente daquele a quem Pedro cortara a orelha: Não te vi eu no horto com ele? 27 Então novamente Pedro negou; e logo cantou o galo. 28 Estavam então levando Jesus, de Caifás para o pretório. Era de manhã cedo, e eles não entraram no pretório para não se contaminarem, de modo que pudessem comer a páscoa. 29 Foi quando Pilatos saiu ao encontro deles e disse: Que acusação trazeis contra este homem? 30 Responderam, e lhe disseram: Se ele não fosse um malfeitor, não o entregaríamos a ti. 31 Disse-lhes, então, Pilatos: Tomai-o vós mesmos, e julgai-o de acordo com a vossa lei. Aí disseram os judeus: A nós não é lícito matar ninguém 32 (isto, para cumprir-se a palavra de Jesus, com a qual indicara de que morte devia morrer). 33 Então Pilatos de novo adentrou o pretório, chamou Jesus e lhe disse: És tu o rei dos judeus? 34 Respondeu-lhe Jesus: Falas assim por ti mesmo, ou outros disseram isso de mim? 35 Replicou-lhe Pilatos: Acaso sou judeu? Quem te entregou a mim foi teu povo, e os principais dos sacerdotes. Que foi que fizeste? 36 Respondeu-lhe Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se fosse deste mundo o meu reino, meus súditos teriam combatido para que eu não fosse entregue aos judeus675. Agora, o meu reino não é daqui676. 37 Disse-lhe, então, Pilatos: Com que, portanto, tu és rei? Respondeu-lhe Jesus: Tu o dizes – Eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade677. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. 38 Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade? Tendo dito isto, foi ao encontro dos judeus e lhes falou: Eu não encontro nele nenhuma culpa678. 39 É costume, entre vós, que eu vos solte um preso na Páscoa. Quereis, então, que vos solte o rei dos judeus? 40 Então vociferaram eles todos de novo, dizendo: Esse não, mas Barrabás! E Barrabás era um bandido. Jo 19. "Está Consumado" 1

19: Foi quando Pilatos tomou a Jesus e o flagelou. 2 E os soldados, trançando uma coroa de espinhos, puseram-na sobre a cabeça dele, e o envolveram com uma veste de púrpura. 3 E diziam: Salve, rei dos judeus! E o estapeavam. 4 Então Pilatos saiu outra vez fora e 675

Pilatos recebeu autoridade específica do céu, nesse dia, para confirmar a entrega de Jesus aos judeus. Hoje é a hora e a jurisdição das trevas, para os que rejeitam o reino de Deus. Se nós nos submetemos ao Senhor de coração, já estamos no reino. O Senhor assume o reino na nova terra, e mesmo antes, quando vier para julgar. 677 O testemunho da verdade é, portanto, essencial na missão do Filho, e dos filhos. 678 Pilatos não condenou Jesus. Pelo contrário, declarou-o justo repetidas vezes. 676


1 14

disse-lhes: Eis que vo-lo trago aqui fora, para que saibais que não acho nele nenhuma culpa. 5 Aí Jesus veio para fora, trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Disselhes: Eis o homem. 6 Quando o viram os principais dos sacerdotes e os serviçais, vociferaram: Crucifica-o, crucifica-o! Disse-lhes Pilatos: Tomai-o vós e crucificai-o679, porque eu não encontro culpa nele. 7 Replicaram-lhe os judeus: Nós temos uma lei, e de acordo com a nossa lei, ele deve morrer680, que se fez Filho de Deus! 8 Quando Pilatos ouviu isso, mais assustado ficou. 9 E tornou a adentrar o pretório, onde disse a Jesus: De onde tu és? E Jesus não lhe deu resposta. 10 Disse-lhe, então, Pilatos: Não me falas a mim? Não sabes que tenho autoridade para te crucificar e também para te soltar? 11 Respondeu-lhe Jesus: Não terias autoridade nenhuma contra mim, se não te houvesse sido dada do alto. Por isso aquele que a ti me entrega tem maior pecado. 12 Em vista disso, Pilatos procurava soltá-lo, mas os judeus clamavam dizendo: Se o soltas, não és amigo de César! Qualquer que se faça rei opõe-se a César! 13 Ouvindo tais palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora e assentou-se no tribunal, no lugar chamado pavimento de pedra, em Hebraico, gabbathá. 14 Era dia de preparação da páscoa, cerca da hora sexta681; e ele disse aos judeus: Eis o vosso Rei! 15 Mas eles gritaram: Fora, fora, crucifica-o! Disse-lhes Pilatos: Crucificaria o vosso Rei? Responderam os principais dos sacerdotes: Não temos rei, senão César! 16 Então o entregou a eles para que fosse crucificado. Tomaram a Jesus e o levaram. 17 E ele saiu, levando a sua cruz, para o lugar chamado Caveira, que em Hebraico se chama Golgotha, 18 onde o crucificaram682, e, com ele, outros dois, de um lado e do outro, e Jesus no meio. 19 E Pilatos também escreveu um letreiro e o colocou acima da cruz; e nele estava escrito: Jesus, o Nazareno, o Rei dos Judeus. 20 Então muitos dos judeus leram esse letreiro, visto que o lugar em que Jesus foi crucificado era muito próximo à cidade; e estava escrito em Hebraico, Grego e Latim. 21 Aí disseram a Pilatos os sacerdotes dos judeus: Não escrevas – o Rei dos judeus – e sim – ele disse ser Rei dos judeus. 22 Pilatos respondeu: O que escrevi, escrevi. 23 Então os soldados, quando crucificaram a Jesus, tomaram as suas vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte, bem como a túnica. A túnica, porém, tecida toda de alto a baixo, era inconsútil. 24 Disseram eles, pois, entre si: Não a rasguemos, mas tiremos a sorte, para ver com quem ficará. Foi para que se cumprisse a escritura que diz: Dividiram entre si minhas vestes, e sortearam meu traje. Foi o que fizeram os soldados. 25 E junto à cruz de Jesus estavam sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria mulher de Clopas, e Maria Magdalena. 26 Então Jesus, vendo a mãe, e o discípulo ali de pé, que era aquele a quem amava, disse a sua mãe: Mulher, eis teu filho. 27 Então disse ao discípulo: Eis tua mãe. E, a partir dessa hora, o discípulo a recebeu em sua casa. 28 Depois disso, sabendo Jesus que tudo estava concluído, para que se cumprisse a escritura disse: Tenho sede. 29 Então estava ali colocado um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, pondo-a num hissopo, lha chegaram à boca. 30 Quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado683. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. 31 A essa altura, os judeus, para que não ficassem os corpos na cruz no sábado (como era preparação, porque era solene684aquele dia de sábado), pediram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem retirados. 32 Vieram então os soldados, e quebraram as pernas do primeiro, e do outro que fora crucificado junto. 33 Quando, porém, chegaram a Jesus, vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. 34 Contudo, um dos soldados, com sua lança, lhe furou o lado, e logo saiu sangue e água. 35 Aquele que viu deu testemunho, e o seu testemunho é verdadeiro, e ele sabe que está a falar a verdade, para 6 7 9

Quem crucificou a Jesus não foi Pilatos; foram os sacerdotes de Deus. Com efeito, de acordo com a Lei eterna outorgada a Israel, Jesus devia morrer. A Lei eterna é o Evangelho eterno. Jesus foi crucificado conforme a Lei de Israel, não segundo a lei de Roma. 6 8 1 Antes do meio dia. Crucificado antes das nove de quarta-feira. Julgado na terça-feira (Mc 15:25). 6 8 2 A crucificação de Jesus Cristo foi ato de justiça de Deus, não um ato de injustiça dos homens. 6 8 3 A redenção está consumada, e muito padeceu o Senhor para este fim. Jesus fez-se pobre para que tu sejas rico, sofreu para que não sofras nem adoeças, derramou todo o seu sangue para remissão dos teus pecados, morreu para te salvar da morte, sentiu-se abandonado por Deus para que tu saibas que Deus não te abandona e que vives em perfeito amor. Estes são os cinco talentos do Evangelho, oferecidos a quem possa recebê-los. A vida eterna é produto da Ressurreição. 6 8 4 Era solene porque era o sábado anual da Páscoa. Quinta-feira, com início na noite de quarta-feira. 6 8 0


115

que vós creiais. 36 Ora, isso aconteceu de modo a se cumprir a escritura: Nenhum osso lhe será quebrado. 37 E ainda outra escritura diz: Olharão para aquele a quem traspassaram. 38 Após essas coisas, José de Arimateia (que era discípulo de Jesus, mas oculto, por receio dos judeus) pediu a Pilatos permissão para tirar o corpo de Jesus; Pilatos anuiu. Ele foi, então, e retirou o corpo de Jesus. 39 E foi também Nicodemos (aquele que primeiro foi ter com Jesus de noite), trazendo um composto de mirra e aloés, coisa de umas cem libras. 40 Tomaram então o corpo de Jesus e o envolveram em panos de linho com aromas, como os judeus costumam fazer em sepultamentos. 41 E havia um horto no lugar onde foi crucificado, e no horto um sepulcro novo, no qual ninguém fora ainda posto. 42 Foi ali, então, (por causa da preparação dos judeus, por estar o sepulcro muito perto) que puseram Jesus. Jo 20. "Recebei o Espírito Santo" 1

20: No primeiro dia da semana, Maria Magdalena foi ao sepulcro, cedo, quando ainda estava escuro, e viu a pedra removida do sepulcro. 2 Correu, pois, e foi a Simão Pedro e ao outro discípulo, a quem Jesus estimava, e lhes disse: Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram. 3 Pedro saiu então com o outro discípulo, e se dirigiram ao sepulcro. 4 Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. 5 E, inclinando-se, viu os panos de linho por terra, mas não entrou. 6 Então chegou Simão Pedro que o seguia, e entrou no sepulcro e observou os panos de linho no chão, 7 e o lenço que cobrira a sua cabeça. Este não estava arranjado com os panos de linho, mas dobrado num lugar à parte. 8 Nesse momento, entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu. 9 Ora, ainda não conheciam a escritura, segundo a qual era preciso que ele ressurgisse de entre os mortos. 10 Tornaram, pois, os discípulos para casa. 11 Maria ficou ali diante do sepulcro, fora, a chorar. Enquanto chorava, inclinou-se para o sepulcro, 12 e viu dois anjos685, vestidos de branco, sentados onde o corpo de Jesus fora posto, um junto à cabeceira, o outro aos pés. 13 E disseram-lhe: Mulher, por que choras? Ela lhes disse: É que tiraram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. 14 Tendo dito isto, voltou-se e viu Jesus de pé, e não reconheceu ser ele Jesus. 15 Disse-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, cuidando que fosse o hortelão, disse-lhe: Senhor, se tu o levaste embora, dizeme onde o puseste, e eu vou buscá-lo. 16 Jesus lhe falou: Maria! Voltando-se, ela lhe disse: Rabunní (que significa: Mestre)! 17 Jesus lhe disse: Não venhas tocar-me, porque ainda não subi ao Pai. Mas vai a meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. 18 Maria Magdalena foi anunciar aos discípulos que viu o Senhor e que ele lhe disse estas coisas. 19 Chegada a tarde desse dia, o primeiro dia da semana, fechadas as portas ali onde os discípulos estavam reunidos, temerosos eles dos judeus, veio Jesus e estava ele de pé ali no meio, quando lhes falou: Paz seja convosco! 20 Tendo dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Exultaram, pois, os discípulos, por verem o Senhor. 21 Então ele novamente lhes disse: Paz seja convosco! Como o Pai me enviou, também eu vos envio. 22 Assim falando, soprou neles, e lhes disse: Recebei Espírito Santo686. 23 Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhesão perdoados; aqueles a quem os retiverdes, lhes estarão retidos. 24 Um dos doze, Tomé, conhecido como Dídimo, não estava com eles quando Jesus veio. 25 Disseram-lhe, pois, os outros discípulos: Nós vimos o Senhor. Mas ele lhes disse: Se eu não vir em suas mãos as marcas dos cravos e não puser minha mão no seu lado, não acreditarei. 26 E, oito dias depois, achavam-se os seus discípulos de novo ali, e Tomé com eles. Jesus veio, estando as portas fechadas, pôs-se no meio deles, e disse: Paz seja convosco! 27 Disse depois a Tomé: Traz aqui teu dedo, e vê as minhas mãos. Chega também a tua mão e põe-na no meu lado. E não sejas incrédulo, mas crente687. 28 E Tomé lhe respondeu: Meu Senhor e meu Deus! 29 Jesus lhe disse: Creste, Tomé, porque viste. Bem-aventurados os que não viram e creram. 30 Na verdade, 685

Os anjos têm corpo humano, portanto são humanos. Com o dom de Deus, ele nos deu também o Reino e as chaves do Reino. Espírito é vento, é sopro, e é respiração. O Senhor Jesus soprou o Espírito Santo sobre nós para que nós o recebamos, batizados (mergulhados) nele, como a atmosfera que respiramos. 687 Cr e n t eé o que pratica a obediência de fé. Muitos são os santos, poucos os crentes, muitos os chamados, poucos os escolhidos. Os crentes (pistói) são os fiéis (pistói). Nenhum infiel pode chamar-se crente. 686


1 16

muitos outros sinais Jesus realizou diante dos seus discípulos, não descritos neste livro. 31 Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Ungido, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. Jo 21. "Lançai a Rede" 1

21: Depois disto, manifestou-se Jesus novamente aos discípulos, às margens do mar de Tiberíades. Manifestou-se assim: 2 Estavam juntos Simão Pedro, Tomé (chamado Dídimo), Natanael (que era de Caná da Galileia), os filhos de Zebedeu e outros dois de seus discípulos688. 3 Simão Pedro disse aos outros: Vou pescar. Disseram-lhe eles: Nós vamos contigo. Saíram e logo subiram ao barco; e, naquela noite, nada apanharam. 4 Já chegada a manhã, Jesus estava de pé na praia, entretanto os discípulos não reconheciam ser ele Jesus. 5 Então lhes disse Jesus: Meninos, tendes algo para comer? Responderam-lhe: Não. 6 E ele lhes disse: Lançai a rede à direita do barco, e achareis. Lançaram-na, então, e já não tinham força para puxá-la, por causa da quantidade de peixes. 7 Disse então aquele discípulo a quem Jesus amava, a Pedro: É o Senhor! Aí Simão Pedro, ao ouvir que era o Senhor, vestiu a roupa de cima, porque estava nu, e atirou-se ao mar. 8 Os outros discípulos vieram no bote, pois não estavam longe de terra, senão coisa de duzentos côvados, arrastando a rede com os peixes. 9 Ao saltarem em terra, viram ali umas brasas com peixe em cima, e pão. 10 Disse-lhes Jesus: Trazei alguns dos peixes que acabais de apanhar. 11 Simão Pedro subiu e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinquenta e três peixes grandes; apesar de serem tantos, a rede não se rompeu689. 12 Disse-lhes Jesus: Vinde comer. Nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe quem ele era, cientes de que era o Senhor. 13 Veio Jesus, tomou o pão e o distribuiu entre eles; de igual modo o peixe. 14 Foi já esta a terceira vez690que Jesus se manifestou aos seus discípulos, ressuscitado de entre os mortos. 15 Depois de comerem, Jesus disse a Simão Pedro: Simão de Jonas, tu me amas mais do que estes? Disse-lhe ele: Sim, Senhor, tu sabes que te estimo. Jesus lhe disse: Alimenta meus carneiros. 16 Disse-lhe, agora por segunda vez: Simão de Jonas, tu me amas? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te estimo. Disse-lhe Jesus: Apascenta minhas ovelhas. 17 Disse-lhe por vez terceira: Simão de Jonas, tu me estimas? Entristeceu a Pedro que lhe perguntasse pela terceira vez se o estimava, e lhe respondeu: Senhor, tu sabes tudo, e conheces que te estimo. Disse-lhe Jesus: Alimenta minhas ovelhas. 18 Em verdade, em verdade te digo: Quando eras jovem, tu te cingias e andavas por onde querias; quando fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará aonde não queres. 19 Disse isto para indicar com que gênero de morte ele havia de glorificar a Deus. Assim dizendo, ainda falou: Vem comigo. 20 Pedro, voltando-se, viu que o seguia o discípulo que Jesus amava (que na ceia se reclinara ao seu peito e perguntara: Senhor, quem é esse que vai entregar-te?). 21 Vendo a este, Pedro disse a Jesus: Senhor, e aquele ali? 22 Disse-lhe Jesus: Se eu quiser que ele permaneça691até que eu venha, que te importa? Segue-me tu. 23 Correu, então, entre os irmãos o dito de que aquele discípulo não morreria. Em verdade, Jesus não lhe disse que ele não havia de morrer692, e sim – se quero que ele fique até que eu volte, que te importa? 24 Este é o discípulo que dá testemunho a respeito destas coisas, e que isto escreveu; e sabemos que o seu testemunho é

6 8 8

Estes sete, junto com Jesus, representam os ceifeiros (pescadores de gente) do dia de Cristo, as 7 miríades de anjos-profetas que pregarão durante a primeira tribulação (Lc10:1; Mt13:39; Mt24:14). São o exército de Elias (Mt17:10; Rm11:4; Dt33:2; Jd1:14), a nuvem de santos que vem com o Senhor no dia de Cristo (Lc9:34; At1:9; Hb 12:1). 6 8 9 Outros foram deixados nas águas − não por rompimento da rede, mas por não estarem maduros. 6 9 0 Esta 3ª vez é a manifestação do dia de Cristo, agora muito próxima. A 1ª foi no Natal, a 2ª na Ressurreição. Aqui é dado o número dos santos eleitos maduros, arrebatados das águas do mundo: 153′ ′ ′ ′ 6 9 1 Abel e Pedro morreram; Enoque e João Zebedeu não viram morte. Entre os santos afastados do mundo na 1ª chamada haverá uns que terão morrido, outros que terão sido transferidos sem morrer. 6 9 2 Assim como é certo, por este testemunho das Escrituras, que Pedro veio a morrer, também é certo, pelo mesmo testemunho, que João nunca morreu, mas foi transferido sem ver morte, a exemplo de Enoque. Muitos outros santos foram agraciados com a bênção de não sofrer morte psico-física. Jesus mesmo o afirmou. Ver IITm 4:17-18, Mt 16:28; Mc 9:1; Lc 9:27; Jo 8:51.


117

verdadeiro. 25 Mas ainda muitas outras coisas há, que Jesus fez, as quais, se fossem registradas uma por uma, penso que o mundo não poderia conter os livros que se escreveriam. Amém.

ATOS DOS SANTOS APÓSTOLOS 1. “Jesus Virá da Mesma Maneira” 1

1: Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, tratando de todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar 2 até ao dia em que, depois de ter dado ordens pelo Espírito Santo aos apóstolos 693que escolhera, foi assunto às alturas694. 3 A estes também, depois de haver padecido, apresentou-se vivo, com numerosas provas, sendo contemplado por eles ao longo de quarenta dias695, a falar do que concerne ao reino de Deus. 4 Reunido com eles, determinoulhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual – disse ele – de mim ouvistes; 5 João, de fato, batizou com água, mas vós sereis batizados em Espírito Santo, não muito depois destes dias. 6 Então os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restauras a realeza a Israel? 7 Respondeu-lhes: Não vos pertence saber dos tempos ou das datas que o Pai determinou pela sua exclusiva autoridade; 8 mas recebereis capacitação em milagres 696, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia, na Samaria, e até aos extremos da terra. 9 Ditas estas palavras, à vista deles foi elevado697, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos. 10 Estando eles a olhar para o céu com atenção enquanto ele subia, eis que dois varões em vestes brancas puseram-se diante deles 11 e disseram: Varões galileus, por que ficais a olhar para o céu? Esse Jesus, que de entre vós foi assunto ao céu, virá da mesma maneira como o contemplastes a ir para o céu. 12 Então, regressaram a Jerusalém, do monte chamado de Oliveiras, que dista dali nada mais que um caminho de sábado. 13 Quando lá entraram, subiram para o cenáculo, onde ficaram reunidos Pedro, Tiago, João, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago de Alfeu, Simão Zelote e Judas de Tiago. 14 Todos estes perseveravam unânimes em oração e súplica, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele. 15 Naqueles dias, levantou-se Pedro no meio dos discípulos (era o número de pessoas cerca de cento e vinte), e assim falou: 16 Irmãos, era preciso que se cumprisse a escritura, na predição feita pelo Espírito Santo por boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus, 17 o qual era contado junto conosco e teve parte neste ministério. 18 (De fato, sabeis daquele que adquiriu um campo com o preço da injustiça e, precipitando-se, rebentou pelo meio, e as suas vísceras se derramaram; 19 isto chegou ao conhecimento de todos os habitantes de Jerusalém, tanto que, em sua própria linguagem, esse campo foi chamado Akeldamá, isto é, Campo de Sangue.) 20 Ora, está escrito no Livro dos Salmos: Fique a sua habitação desolada, e não haja quem nela habite; e ainda: Tome outro o seu encargo. 21 É necessário, pois, que, destes homens que andaram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu entre nós, 22 começando pelo batismo de João, até ao dia em que do meio de nós foi assunto às alturas, um destes se torne testemunha conosco da sua ressurreição. 693

Foi dado a este livro o título convencional de Atos dos Santos Apóstolos. Podemos referir como santos qualquer grupo de pessoas que dão testemunho de sua fé no Senhor. Individualmente, ninguém pode ser chamado santo, senão o próprio Senhor. Portanto São Pedro, São Paulo, Santa Rita, etc. não existem, como pessoas. Não passam de conceitos. Simão Pedro, Francisco de Assis, Rita de Cássia, Martinho Lutero, e muitíssimos – são santos falecidos que esperam o dia da ressurreição. Na experiência de cada um, contudo, a transferência de era para era não implica em percepção de espera. 694 primeira assunção, de Betânia 695 Assim como se passam 40 dias desde a 1ª assunção do Senhor até a sua 2ª assunção, correm 4 anos desde a 1ª assunção dos eleitos até a sua 2ª assunção. 696 dýnamis se traduz milagre ou maravilha em Mt 7:22, 11:20, 11:21, 11:23, 13:54, 13:58, 14:2, Mc 6:2, 6:5, 6:14, 9:39, Lc 10:13, 19:37, At 2:22, 8:13, 19:11, ICo 12:10, 12:28, 12:29, IICo 12:12, Gl 3:5, Hb 2:4, capacidade em Mt 25:15, capacitação em milagres em Rm 1:4 e At 1:8 (poder,f o raou e ne r g i aem outras passagens). 697 segunda assunção, do Monte das Oliveiras


1 18 23

E propuseram dois: José, chamado Barsabás, por cognome Justo, e Matias. 24 Então, a orar, disseram: Tu, Senhor, que conheces o coração de todos, mostra qual destes dois escolheste 25 para ocupar a porção deste serviço e apostolado de que Judas se transviou, indo para o seu próprio lugar. 26 Lançaram sortes sobre eles, e a sorte caiu sobre Matias. Então lhe foi dado lugar entre os apóstolos, com os onze. At 2. “Este Jesus Derramou o Espírito Santo” 1

2: Ao cumprir-se o dia de Pentecostes698, estavam todos juntos e unânimes no mesmo lugar. 2 Subitamente, veio do céu um som como de um vento forte e impetuoso, que encheu toda a casa onde estavam assentados. 3 E lhes apareceram línguas como de fogo repartidas, e pousou uma sobre cada um deles. 4 Todos ficaram cheios de Espírito Santo e passaram a falar em diversas línguas, conforme o Espírito lhes concedia que proferissem. 5 Ora, estavam hospedados em Jerusalém judeus que eram homens religiosos vindos de todas as nações debaixo do céu. 6 E, quando se fez ouvir aquela voz, juntou-se uma multidão, que ficou confusa por estar cada um a ouvi-los falar na sua própria língua. 7 Ficaram, pois, atônitos e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Vede! Não são galileus todos esses que estão a falar? 8 Como é, então, que os ouvimos assim, cada um em nossa própria língua de origem? 9 Partos, medos, elamitas, os que habitam a Mesopotâmia, a Judeia e a Capadócia, o Ponto e a Ásia, 10 a Frígia e a Panfília, o Egito e as regiões da Líbia lá por Cirene, os romanos aqui estabelecidos, 11 uns judeus, outros prosélitos, cretenses e árabes: todos estamos a ouvi-los falar das grandezas de Deus em nossos próprios idiomas! 12 Todos estavam atônitos e perplexos, e uns aos outros diziam: Que vem a ser isso? 13 Outros, zombando, sugeriam: Estão cheios de mosto. 14 Então, levantou-se Pedro, com os onze, e erguendo a voz, pronunciou-se diante deles: Varões judeus e todos os habitantes de Jerusalém, tomai conhecimento disto e prestai atenção a minhas palavras. 15 Porque estes não estão embriagados como supondes, sendo esta a hora terceira do dia. 16 Trata-se, porém, do que foi dito por intermédio do profeta Joel: 17 Assim será nos últimos dias, diz o Senhor: derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e vossos anciãos terão sonhos; 18 mesmo sobre meus servos e sobre minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão. 19 Concederei prodígios em cima no céu e sinais embaixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça. 20 O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e manifesto dia do Senhor. 21 E assim será: todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. 22 Varões israelitas, escutai estas palavras: Jesus, o Nazareno, – varão apresentado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais Deus operou por intermédio dele em vosso meio, como vós mesmos sabeis, 23 que foi entregue no contexto do preciso desígnio de Deus e da sua presciência, – vós o pegastes por mãos de iníquos, e o cravastes, e lhe destes fim; 24 a ele mesmo Deus ressuscitou, soltando-o das cordas da morte, porquanto não era possível que ficasse retido por ela. 25 Pois dele disse Davi: Sempre via diante de mim o Senhor, que está a minha direita para que eu não seja abalado. 26 Por isso jubilou meu coração, e minha língua exultou; e ainda minha carne também ficará acampada em esperança, 27 pois que não deixarás minha alma699no inferno700, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção. 28 Fizeste-me conhecer caminhos de vida, com a tua presença me encherás de alegria. 29 Irmãos, seja-me permitido falar-vos com franqueza, a respeito do patriarca Davi, que ele mesmo morreu e foi sepultado, e que o seu túmulo permanece entre nós até hoje. 30 Ora, sendo ele profeta, e sabendo que Deus, com juramento, lhe jurara que do fruto dos seus lombos, segundo a carne, levantaria o Ungido, para sentar-se no seu trono, 31 prevendo isto, referiu-se à ressurreição do Cristo, cuja alma não foi deixada no inferno, nem viu corrupção a sua carne. 32 A este Jesus Deus ressuscitou, e disto nós todos somos testemunhas. 33 Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que agora estais a ver e ouvir. 34 Ora, Davi não subiu aos céus, mas ele mesmo declara: Disse o Senhor ao meu Senhor – assenta-te a minha direita, 35 até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos 6 9 8

A realização plena do Pentecostes ainda é futura (depois do ano 3000), na Panegyris. Alma é a mente psíquica e a vida do corpo. Há contextos em que o termo alma designa a mente consciente e a individualidade. Ou toma-se como sinônimo de carne. 7 0 0 O inferno é sempre a sepultura, e nada mais; abstratamente, a sepultura é a congregação dos mortos (Pv 21:16), a terra do esquecimento (Sl 88:12), a região do silêncio (Sl 115:17). 6 9 9


119

teus pés. 36 Esteja, portanto, absolutamente certa toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. 37 Ouvindo isto, sentiram-se eles compungidos de coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? 38 Pedro lhes disse: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado sobre o nome de Jesus Cristo para remissão de pecados, e recebereis o dom701do Espírito Santo. 39 Pois a promessa é para vós, para vossos filhos e para todos os que estão longe, para tantos quantos há de chamar o Senhor, nosso Deus. 40 Com muitas outras palavras continuou a dar testemunho e a exortá-los, e dizia: 702 Salvai-vos desta geração perversa703. 41 Então os que de bom grado lhe acolheram a palavra foram batizados704, e agregaram-se, naquele dia, umas três mil almas. 42 E eles ficaram a perseverar na doutrina705dos apóstolos, na comunhão706, no partir do pão707e nas orações. 43 Em cada alma estabeleceu-se o temor, e muitos prodígios e sinais se operavam por intermédio dos apóstolos. 44 Todos os crentes estavam unidos e tinham tudo em comum, 45 e vendiam as propriedades e os bens, repartindo o produto entre todos, conforme a necessidade de cada um. 46 Costumavam frequentar o templo, em unanimidade, diariamente. Partiam pão de casa em casa, compartilhavam refeições com alegria e singeleza de coração, 47 a louvar a Deus e a contar com a simpatia de todo o povo. E o Senhor acrescentava à Igreja, dia a dia, os que iam sendo salvos708. At 3. “Com Base na Fé do Seu Nome” 3:1 Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a hora nona. 2 Estava sendo levado certo homem, coxo de nascença, o qual punham diariamente à entrada do templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam no templo. 3 Vendo ele a Pedro e João, que iam adentrar o templo, pediu que lhe dessem uma esmola. 4 Pedro, junto com João, o fitou e disse: Olha para nós. 5 Ficou atento, esperando receber deles alguma coisa. 6 Pedro lhe disse: Prata ou ouro comigo não há, mas o que tenho, isso te dou – em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda! 7 E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, suas bases e tornozelos se firmaram; 8 de um salto, se pôs de pé, e começou a andar, e entrou com eles no templo a caminhar, saltando e louvando a Deus. 9 Viu-o todo o povo a andar e a louvar a Deus, 10 e reconheceram ser ele o mesmo que costumava pedir esmola sentado à Entrada Formosa do templo; encheram-se de estupefação e assombro por isso que lhe sucedera. 11 O aleijado que fora curado não se largava de Pedro e João, e todo o povo correu para junto deles, no Pórtico de Salomão, todos estupefatos. 12 À vista disso, Pedro tomou a palavra e falou ao povo: Varões israelitas, por que vos admirais disto? Ou por que ficais a olhar para nós como se por nossa própria capacidade ou piedade709tivéssemos feito este homem andar? 13 O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu Servo Jesus, a quem vós traístes e renegastes na presença de Pilatos, quando este havia decidido soltá-lo. 14 Vós renegastes aquele que é Santo e Justo, e pedistes que vos fosse presenteado um homicida. 15 Matastes o Autor da vida. A este Deus ressuscitou de entre os mortos, e disto nós somos testemunhas. 16 Foi com base na fé do seu nome que este mesmo nome conferiu força ao homem que vedes e que vos é conhecido; e a fé que vem por ele deulhe esta integridade física diante de todos vós. 17 E agora, irmãos, eu sei que o fizestes por ignorância, e bem assim as vossas autoridades; 18 mas Deus é quem, desta maneira, levou a 701

Concretamente, este dom é o dom de Deus, isto é, o presente que ele nos faz de si mesmo. E’ responsabilidade de cada um salvar-se desta geração perversa e deste cativeiro babilônico, para ser recebido na geração eleita. 703 A geração do povo de Deus que está na carne, escravizada pelo cristianismo e pelos sistemas de doutrina. Esta geração de hoje é a mesma nos dias de Noé, bem como nos dias em que o Senhor estava na carne, e nos dias futuros do Filho do Homem (Lc 17:25-26),− desde a queda do mundo (Lc 11:50-52) 704 ‘foram batizados’ ou ‘batizaram-se’ – não necessariamente em água (certamente os apóstolos os batizaram em o nome do Senhor Jesus, não em água naquele mesmo dia). 705 A doutrina dos apóstolos é o ensino da verdade, fundamentado no Cristo. 706 Trata-se da comunhão de espíritos, no mesmo Espírito. 707 O partir do pão era, simplesmente, a refeição nas casas, seja em particular, seja em grupo de famílias. Eles aprenderam dos apóstolos a comer o pão em memória do Senhor, a alimentar-se, cada dia, do pão da vida. Nenhum ritual. 708 os que iam sendo salvos desta geração perversa – v 40 709 Piedade refere-se a intimidade com Deus, não a compaixão. 702


1 20

efeito o que predissera por boca de todos os seus profetas: que o Ungido havia de padecer710. 19 Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que vos sejam apagados os pecados 711, de modo que, da presença do Senhor, venham dias de refrigério, 20 e que ele vos mande Jesus Cristo, que já dantes vos fora proclamado. 21 A este é preciso que o céu o receba até aos tempos da restauração de todas as coisas712; disto falou Deus por boca de todos os seus santos profetas desde a antiguidade. 22 Ora, Moisés assim falou aos pais: A um profeta semelhante a mim vos suscitará Yahveh713 vosso Deus, dentre vossos irmãos; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser. 23 Assim será: toda alma que não escutar aquele profeta será extirpada do povo. 24 E todos os profetas, Samuel e subsequentes, quantos desde então falaram, também preanunciaram estes dias. 25 Vós sois filhos dos profetas e da aliança que Deus estabeleceu com vossos pais quando disse a Abraão: Na tua semente, serão abençoadas todas as famílias da terra. 26 Primeiro para vós, havendo Deus ressuscitado o seu Servo Jesus, enviou-o para que nisto vos abençoasse: no apartar a cada um de vós das vossas maldades. At 4. Testemunho da Ressurreição do Senhor Jesus 4:1 Falavam eles ainda ao povo quando sobrevieram os sacerdotes, o capitão do templo e os saduceus, 2 contrariados por estarem a ensinar o povo e a anunciar, em Jesus, a ressurreição de entre os mortos; 3 e lhes deitaram mãos e os puseram em prisão até ao dia seguinte, pois já entardecia. 4 Muitos, porém, dos que ouviram a palavra creram, e o número de homens chegou a uns cinco mil. 5 Na manhã seguinte, reuniram-se em Jerusalém as autoridades deles, inclusive anciãos e escribas, 6 com Anás, sumo sacerdote, Caifás, João, Alexandre e todos os que eram da linhagem do sumo sacerdote; 7 eles, pondo-os no meio deles, os arguíram: Com que poder ou em nome de quem fizestes isso? 8 Então Pedro, cheio de Espírito Santo, assim lhes falou: Autoridades do povo e anciãos de Israel, 9 visto que hoje somos investigados a propósito do benefício feito a um homem enfermo, pelo qual ele foi salvo, 10 tomai conhecimento, vós todos e todo o povo de Israel, de que, em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, a quem vós crucificastes, e a quem Deus ressuscitou de entre os mortos, nele foi que este homem pôde comparecer de pé, perante vós, com saúde. 11 Ele é a pedra que foi rejeitada por vós os construtores, a qual se tornou cabeça de ângulo. 12 E a salvação não se acha em nenhum outro, e nenhum outro nome há debaixo do céu que haja sido dado entre os homens, em que tenhamos de ser salvos. 13 Ao verem a intrepidez de Pedro e João, estando informados de que eram homens de poucas letras e limitada instrução, admiraram-se, e reconheceram que eles haviam estado com Jesus. 14 Vendo com eles o homem que fora curado, nada tinham que dizer em contrário. 15 Então, mandando-os sair do sinédrio, consultaram entre si, 16 e diziam: Que havemos de fazer com estes homens? Pois um sinal feito por eles se fez notório a todos os habitantes de Jerusalém, é manifesto e não o podemos negar; 17 mas, para que não haja ainda maior divulgação entre o povo, façamo-lhes ameaça, dissuadindo-os de não mais falarem sobre esse nome a nenhuma pessoa. 18 Chamando-os, intimaram-nos a absolutamente não pronunciarem o nome de Jesus nem ensinarem com base nele. 19 Mas Pedro e João lhes replicaram, dizendo: Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; 20 pois não podemos deixar de falar daquilo que vimos e ouvimos. 21 Eles tornaram a ameaçá-los e os soltaram, não encontrando razão para os castigar, por causa do povo, que todos glorificavam a Deus pelo que acontecera. 22 Ora, tinha mais de quarenta anos aquele em quem se operara esse sinal de cura. 7 1 0

A paixão do Cristo era necessária, por determinação de Deus. Foi ato de justiça, não de injustiça. Os pecados são apagados de nossa consciência. Deus nunca viu pecado em nós. 7 1 2 Toda pessoa humana (exceto a classe dos assoladores), nesta era, é, simultaneamente, homem-alma (animal) e homem-espírito. Depois da futura restauração de todas as coisas, o povo comum continuará sendo homem-espírito e homem-alma incorruptível, como Jesus era, na carne. O povo santo deixará de ser, mesmo na terra, homem-alma, e será homem-espírito e anjo-homem-celestial, como Jesus é, atualmente. Os serafins são, desde sempre, anjos-homens-celestiais. A verdadeira realidade não é passível de alteração. Tudo o que muda ou se polui é imperfeito e temporário, e nunca teve consistência. Aquilo que parece ser restauração da realidade é, de fato, restauração de nossa boa consciência. 7 1 1

7 1 3

DEDI

YHVH no Hebr citado; onde se lê Yahveh (Yavé), pode-se pronunciar Adonai, ou o Senhor, o Kýrios.


121 23

Uma vez soltos, procuraram os seus e lhes contaram tudo o que lhes tinham dito os principais dos sacerdotes e os anciãos. 24 Ouvindo isto, elevaram a voz, unânimes, a Deus e disseram: Deus Soberano, tu que fizeste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há, 25 que disseste por boca de Davi, teu servo – por que se enfureceram as gentes, e o povo imaginou coisas vãs? 26 Levantaram-se os reis da terra, e os governantes ajuntaram-se, à uma, contra o Senhor e contra o seu Ungido714. 27 Ora, em verdade, levantaram-se em oposição ao teu santo Servo Jesus, que tu ungiste, Herodes e Pôncio Pilatos, com gentios e gente de Israel, 28 para fazerem tudo o que a tua mão e o teu desígnio predeterminaram; 29 e agora, Senhor, considera as suas ameaças e concede aos teus servos que declarem com toda intrepidez a tua palavra, 30 enquanto estendes a mão para que se vejam curas, sinais e prodígios por intermédio do nome do teu santo Servo Jesus. 31 Feita a súplica, estremeceu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios de Espírito Santo e declaravam com intrepidez a palavra de Deus. 32 Da multidão dos que creram era um só o coração e uma era a alma. Ninguém tinha, como própria, coisa alguma que lhe pertencesse, antes tudo tinham em comum. 33 Habilitados de grande força, os apóstolos prestavam o testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e sobre todos eles havia abundante graça. 34 Porque nenhum necessitado havia entre eles, pois os que eram donos de terras ou de casas as vendiam para trazer os valores correspondentes, 35 que depositavam aos pés dos apóstolos; então se repassavam a cada um na medida em que tivesse necessidade. 36 Certo José (a quem os apóstolos deram o apelido de Barnabé, que quer dizer filho de consolação), um levita natural de Chipre, 37 tinha um campo; vendeu-o, trouxe o dinheiro e o depositou aos pés dos apóstolos. At 5. “É Mister Obedecer a Deus, Antes que a Homens” 5:1 Havia certo homem, por nome Ananias, que, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade 2 e reteve uma parte do preço, sendo sabedora disso também sua mulher; trouxe ele a outra parte e a depositou aos pés dos apóstolos. 3 Disse Pedro: Ananias, por que ocupou satanás o teu coração para mentires ao Espírito Santo e reteres parte do preço do sítio? 4 Se ficasse como estava, não seria para ti? E vendido, não estava aquele valor à tua disposição? Que coisa é essa que puseste no coração? Não mentiste a homens, e sim a o próprio Deus! 5 Então Ananias, ouvindo estas palavras, caiu e expirou. E um grande temor veio sobre todos os que isto ouviram. 6 Levantando-se os moços, cobriram o corpo e o levaram para darlhe sepultura. 7 Passadas umas três horas, entrou sua mulher, ignorando o sucedido. 8 Então Pedro a interpelou: Dize-me se vendestes o sítio por tal preço? Sim, por esse preço – disse ela. 9 E Pedro lhe disse: Por que combinastes em tentar o Espírito do Senhor? Eis que estão à porta os pés dos que acabam de sepultar teu marido, e eles te levarão. 10 Imediatamente lhe caiu ela aos pés e expirou. Entrando os moços, acharam-na morta; levaram-na e a sepultaram ao lado do marido. 11 Houve grande temor em toda a igreja e em todos quantos tais coisas ouviram. 12 E por mãos dos apóstolos faziam-se muitos sinais e prodígios entre o povo; costumavam congregar-se no Pórtico de Salomão, 13 e ninguém dos outros ousava juntar-se a eles, mas o povo os tinha em grande estima. 14 Mais e mais crentes eram acrescidos ao Senhor, grande número de homens como também de mulheres. 15 Tanto que traziam os enfermos para as ruas, postos em leitos e catres, para que, passando Pedro, ao menos a sua sombra cobrisse alguns deles. 16 E a multidão também acorria a Jerusalém das cidades vizinhas, trazendo os enfermos e os que eram molestados por espíritos imundos, e todos eram curados. 17 Diante disso, levantando-se o sumo sacerdote e todos os seus partidários da seita dos saduceus, cheios de inveja, 18 deitaram mãos aos apóstolos e os puseram na cadeia pública. 19 Mas de noite um anjo do Senhor abriu as portas da prisão e, tirando-os fora, disse: 20 Ide apresentar-vos no templo e falai ao povo todas as palavras desta vida. 21 Eles atenderam e, entrando no templo ao amanhecer, estavam a ensinar. Entretanto, chegando o sumo sacerdote com o seu grupo, convocaram o sinédrio e toda a liderança dos filhos de Israel, e deram ordens para que eles fossem trazidos da prisão. 22 Mas os serviçais vieram e não os acharam na prisão; retornaram, então, e deram aviso, 23 dizendo: Encontramos, por certo, a cadeia fechada 714

O Senhor é o Filho, e o Ungido se constitui dos muitos filhos.


1 22

e bem segura, e os guardas estavam fora diante das portas, mas, quando abrimos, a ninguém achamos dentro. 24 Quando ouviram estas palavras, o sacerdote, o capitão do templo e os chefes dos sacerdotes ficaram perplexos quanto a eles, a pensar no que significaria isso. 25 Nisto, chegou um que lhes comunicou: Eis que os homens que metestes na prisão estão no templo a ensinar ao povo. 26 Então lá foram o capitão e os serviçais, e os trouxeram, sem violência (porque tinham medo de que o povo os apedrejasse). 27 Eles os conduziram à presença do sinédrio. E o sumo sacerdote lhes perguntou: 28 Não vos proibimos severamente de ensinar com base nesse nome? Eis que enchestes Jerusalém da vossa doutrina, e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem! 29 Respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: É mister obedecer a Deus, antes que a homens! 30 O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, a quem vós matastes suspendendo-o em um madeiro. 31 Deus a este exaltou, com a sua destra, como Príncipe e Salvador, para conceder a Israel arrependimento e remissão de pecados715. 32 E nós damos testemunho destas suas palavras, e também o Espírito Santo, o qual Deus outorgou àqueles que lhe obedecem. 33 Eles, ouvindo isto, encrespavam-se, e deliberavam eliminá-los. 34 Levantando-se, então, no sinédrio, um fariseu chamado Gamaliel, mestre da lei, honrado por todo o povo, mandou que conduzissem para fora os apóstolos por alguns minutos. 35 E assim lhes falou: Varões israelitas, atentai por vós acerca destes homens, e considerai o que pretendeis fazer. 36 Porque, em dias passados, levantou-se um certo Teudas, dizendo ser alguém, e aderiram a ele uns quatrocentos homens; esse foi eliminado, e todos os que logrou persuadir ficaram dispersos, reduzidos a nada. 37 Depois deste, levantou-se Judas Galileu, nos dias do recenseamento, e arrastou muita gente após si; também esse pereceu, e todos os que lhe obedeciam debandaram. 38 E isto é o que agora vos digo: Dai de mão a estes homens, e deixai-os, porque, se tal propósito ou tal obra é de homens, se desvanecerá. 39 Se, porém, é de Deus, não a podeis desfazer; não aconteça serdes achados a combater contra Deus. 40 E convieram com ele. Mandaram vir os apóstolos e, depois de fazer vergastá-los, os intimaram a se absterem de falar com base no nome de Jesus; e os soltaram. 41 E eles se retiraram da presença do sinédrio, regozijando-se de serem tidos por dignos de padecer aviltamentos por causa do Seu nome. 42 E não deixaram de ensinar e evangelizar de Jesus, o Ungido, cada dia, no templo e pelas casas. At 6. “Obedeciam à Fé” 6:1 Naqueles dias, havendo crescido o número dos discípulos, produziu-se uma queixa dos helênicos contra os hebreus, em que alegavam serem suas viúvas mal servidas na distribuição de cada dia. 2 Foi quando os doze convocaram a assembleia dos discípulos e assim falaram: Não é conveniente que deixemos o encargo da palavra de Deus para servir às mesas. 3 Escolhei, pois, dentre vós, irmãos, sete varões estimados por todos, cheios de Espírito Santo e de sabedoria, a quem possamos atribuir essa responsabilidade. 4 Quanto a nós, continuaremos atendendo à oração e ao serviço da palavra. 5 Foi bem recebido por toda a assembleia esse parecer; e elegeram a Estêvão, homem cheio de fé e de Espírito Santo, bem como a Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Parmenas e Nicolau (prosélito de Antioquia). 6 Estes foram apresentados ante os apóstolos, os quais, a orar, lhes impuseram as mãos. 7 E crescia a palavra de Deus716, e o número dos discípulos se multiplicava muito em Jerusalém, e grande parte dos sacerdotes obedecia à fé. 8 E Estêvão, cheio de fé e de aptidão, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. 9 Levantaram-se alguns que eram da congregação chamada dos libertinos, e dos cireneus, e dos alexandrinos, e dos que eram da Cilícia e da Ásia, e se puseram a disputar com Estêvão. 10 Mas não puderam resistir à sabedoria e ao espírito com que ele falava. 11 Então instigaram alguns homens a que dissessem tê-lo ouvido falar certas palavras blasfemas contra Moisés e contra Deus. 12 E instigaram o povo, os anciãos, e os escribas, que, arremetendo contra ele, o agarraram e o levaram ao sinédrio. 13 Aí apresentaram falsas testemunhas, que dissessem: Este homem não cessa de falar palavras blasfemas contra este lugar sagrado e contra a lei; 14 pois 7 1 5

Recebemos, por ato de fé, as dádivas de arrependimento e de remissão de pecados. Aqueles que obedecem à revelação dos mandamentos (arrependimento e fé) são favorecidos com o dom de Deus, o Espírito Santo em que o Pai faz doação de si mesmo aos filhos. 7 1 6 A palavra de Deus cresce e multiplica-se à medida que o povo santo mais obedece à verdade, e em maior número. Cristo é a Palavra, e os que estão em Cristo são o Ungido e são a Palavra, junto com ele.


123

assim ouvimo-lo falar – que Jesus Nazareno destruiria este lugar e mudaria os costumes que Moisés nos deu. 15 Então todos os que estavam assentados no sinédrio, fitando nele os olhos, viram seu rosto como o rosto de um anjo. At 7. “O Deus da Glória Apareceu” 1

7: O sumo sacerdote disse então: Isso é verdade, afinal? 2 E ele falou: Varões irmãos e pais, ouvi: – O Deus da glória apareceu a nosso pai Abraão, estando ele na Mesopotâmia, antes que habitasse em Haran, 3 e disse-lhe: Sai da tua terra e da tua parentela e dirige-te a uma terra que te mostrarei. 4 Então saiu da terra dos caldeus e habitou em Haran. Dali, depois que seu pai faleceu, ele o trouxe para esta terra em que vós habitais agora; 5 e não lhe deu nela herança, nem mesmo um pé de terra, mas prometeu dar-lha em possessão, a ele e a sua descendência depois dele, ao tempo em que ele não tinha filhos. 6 E Deus assim lhe falou: Tua descendência será peregrina em terra estrangeira, e a sujeitarão e a maltratarão por quatrocentos anos. 7 E a nação a quem servirão eu a julgarei, disse Deus; e depois sairão e me prestarão culto neste lugar. 8 E deu-lhe a aliança da circuncisão. E assim gerou a Isaque, e o circuncidou ao oitavo dia; e Isaque a Jacó; e Jacó aos doze patriarcas. 9 E os patriarcas, movidos de inveja, venderam José para o Egito; mas Deus estava com ele, 10 e livrou-o de todas as suas tribulações; deu-lhe graça e sabedoria perante o Faraó, o rei do Egito, que o constituiu governante sobre o Egito e sobre toda a sua casa. 11 Sobreveio então a todo o país do Egito e de Canaã fome e grande tribulação, e nossos pais não achavam meios de sustento. 12 E como ouvisse Jacó que havia trigo no Egito, enviou para lá a nossos pais pela primeira vez. 13 Na segunda, José foi reconhecido pelos irmãos, e a família de José ficou conhecida do Faraó. 14 E José mandou chamar a seu pai Jacó com toda a sua família, em número de setenta e cinco almas. 15 E Jacó desceu ao Egito, onde faleceu, ele e nossos pais; 16 foram eles trasladados a Siquém e depositados no sepulcro que Abraão comprara por dinheiro aos filhos de Hemor, pai de Siquém. 17 Aproximando-se, porém, o tempo da promessa que Deus jurara a Abraão, o povo havia crescido e se tinha multiplicado no Egito, 18 até que se levantou um outro rei, que não conhecia a José. 19 Este, usando de astúcia contra nossa linhagem, afligiu nossos pais, a ponto de fazê-los exporem os recém-nascidos para não sobreviverem. 20 Nesse tempo nasceu Moisés, que para Deus era formoso, e foi criado três meses em casa de seu pai. 21 Sendo ele exposto a perigo, a filha do Faraó o acolheu e o criou como seu filho. 22 E Moisés foi instruído em toda a sabedoria dos egípcios; era habilitado em força de palavras e de obras. 23 Quando completou a idade de quarenta anos, propôs-se visitar seus irmãos, os filhos de Israel. 24 Quando viu que um deles era maltratado, veio em sua defesa e vingou o ultrajado, abatendo o egípcio. 25 Mas ele pensava que seus irmãos entendessem que Deus, pela sua mão, lhes dava oportunidade de salvação; eles, porém, não o compreendiam. 26 No dia seguinte, havendo uma briga entre eles, procurou intervir para fazerem as pazes, dizendo: Ora, homens, vós sois irmãos; por que essas agressões? 27 Então aquele que agredia a seu próximo o repeliu, dizendo: Quem te constituiu príncipe e juiz sobre nós? 28 Pretendes eliminar-me, assim como ontem deste cabo do egípcio? 29 A esta palavra, Moisés fugiu e passou a viver como estrangeiro na terra de Midiã, onde gerou dois filhos. 30 Passados quarenta anos, um anjo do Senhor717lhe apareceu no deserto do monte Sinai, em chama de fogo numa sarça. 31 Então Moisés, quando viu isto, maravilhou-se da visão; quando se aproximou para observar, a voz do Senhor dirigiu-se a ele: 32 Eu Sou o Deus de teus pais, o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés, estremecido, não ousava olhar. 33 E disse-lhe o Senhor: Tira dos pés as sandálias, porque o lugar onde estás é terra santa. 34 Eis que, vendo, tenho visto a aflição do meu povo que está no Egito, e tenho ouvido os seus gemidos, e para livrá-los desci. E agora vem, que te enviarei ao Egito. 35 A este Moisés, a quem haviam renegado, dizendo – quem te pôs por príncipe ou juiz? – a este enviou Deus por príncipe e redentor, pela mão do anjo que lhe apareceu na sarça. 36 Foi este que os conduziu para fora, por força de prodígios e sinais na terra do Egito, e no Mar Vermelho, e no deserto, por quarenta anos. 37 Este é o Moisés que disse aos filhos de Israel: A um profeta semelhante a mim vos suscitará Yahveh vosso Deus, dentre vossos irmãos; a ele ouvireis. 38 Este é o mesmo que esteve na igreja no deserto718com o 717 718

O Anjo do Senhor manifesta a Sua presença, e o Senhor fala pela sua boca. A igreja no deserto, com Moisés, é a mesma igreja de hoje e de todos os séculos, pois Deus sempre teve um


1 24

anjo que lhe falava no monte Sinai, e com nossos pais, e que recebeu palavras vivas que a nós daria. 39 A ele nossos pais não se fizeram obedientes, antes o rejeitaram e ao Egito volveram seus corações, 40 dizendo a Aarão: Faze-nos deuses que andem adiante de nós; porque a esse Moisés, que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe teria sucedido. 41 E naqueles dias fizeram um bezerro, e ofereceram sacrifício ao ídolo, e se alegraram com as obras das suas mãos. 42 E Deus se afastou, e os entregou a que servissem o exército do céu, como está escrito em livro dos Profetas: Porventura me oferecestes vítimas e sacrifícios no deserto por quarenta anos, ó casa de Israel? 43 Antes tomastes o tabernáculo de Moloque, e a estrela do vosso deus Renfã, figuras que vós fizestes para as adorar – por isso vos removerei para além de Babilônia. 44 Estava entre nossos pais no deserto o tabernáculo do testemunho, como havia ordenado aquele que falara a Moisés – que o fizesse conforme o modelo que tinha visto. 45 Nossos pais o receberam em sucessão e o trouxeram com Josué ao tomarem posse das nações, as quais Deus lançou para fora da presença de nossos pais, até aos dias de Davi. 46 Este encontrou graça diante de Deus, e demandou oportunidade de achar tabernáculo para o Deus de Jacó. 47 Mas Salomão foi quem lhe edificou casa. 48 O Altíssimo, porém, não habita em santuários719feitos por mãos de homens, como diz o profeta: 49 O céu é o meu trono, e a terra é o escabelo dos meus pés; que casa me edificareis? – diz o Senhor – ou qual é o lugar do meu repouso? 50 Porventura não fez a minha mão todas estas coisas? 51 Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, estais sempre a resistir ao Espírito Santo: assim vós sois como vossos pais. 52 A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? E eles mataram aos que anteriormente anunciaram a vinda do Justo, do qual vós agora vos fizestes traidores e homicidas. 53 Fostes vós que recebestes a lei por ordenação de anjos, e não a guardastes. 54 Ao ouvirem eles estas coisas, encheram-se de raiva em seus corações e rangiam os dentes contra ele. 55 Cheio de Espírito Santo, contemplou ele o céu e viu a glória de Deus e a Jesus em pé à destra de Deus, 56 e disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do Homem em pé, à direita de Deus. 57 E eles, a gritar em altas vozes, taparam os ouvidos; e arremeteram juntos contra ele. 58 Empurrando-o para fora da cidade, começaram a apedrejá-lo. E as testemunhas depositaram os seus próprios mantos aos pés de um jovem por nome Saulo. 59 E apedrejavam a Estêvão, que falava e invocava: Senhor Jesus720, recebe o meu espírito. 60 Posto de joelhos, clamou em alta voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, isto dizendo, adormeceu. At 8. “Adianta-te, e Cola-te a Esse Carro” 8:1 E também Saulo havia consentido na morte dele. – Naquele dia acertou de romper grande perseguição à igreja que estava em Jerusalém, e todos ficaram dispersos pelas regiões de Judeia e Samaria, afora os apóstolos. – 2 Na ocasião, recolheram o corpo de Estêvão homens piedosos, e alçaram grande lamentação por ele. 3 E Saulo maltratava a igreja, invadindo as casas e arrastando homens e mulheres para entregá-los a prisão. 4 Aqueles que se dispersaram iam por toda parte a evangelizar a Palavra. 5 Então Filipe, descendo à cidade de Samaria, ficou a proclamar-lhes o Ungido. 6 Aquela gente prestava atenção, de comum acordo, ao que Filipe dizia, ouvindo e vendo os sinais que estava a fazer. 7 Porque dos muitos que tinham espíritos imundos estes saíam enquanto gritavam em altas vozes, e muitos que eram paralíticos e coxos ficavam curados. 8 E se fez grande alegria naquela cidade. 9 Havia na cidade um certo homem, por nome Simão, o qual vinha praticando a magia e assombrando o povo de Samaria, dizendo ele de si mesmo ser pessoa importante. 10 Captava a atenção de todos, desde o menor até o maior, e d iziam: aí está a grande força de Deus. 11 E lhe ficavam atentos, visto que, por largo tempo, os havia fascinado com artes mágicas. 12 Quando, porém, deram crédito a Filipe que lhes anunciava o evangelho do reino de Deus e do nome de Jesus Cristo, fizeram-se batizar tanto homens quanto mulheres. 13 O próprio Simão também veio a crer e, batizando-se, ficava perto de Filipe; vendo os sinais e grandes milagres que sucediam, estava maravilhado. povo, desde os dias de Adão, e nunca houve mais que um. Israel e a Igreja são o mesmo povo. Ele habita no santuário do nosso corpo (o novo corpo que o Pai nos deu na ressurreição), o qual é o tabernáculo verdadeiro. O próprio corpo material não é o santuário, mas é a manifestação do santuário. 7 2 0 Invocando Senhor Jesus, Estêvão invocava Deus o Pai, não o Filho de Deus. O Pai é Senhor Jesus, o Filho é Jesus Cristo, o Senhor, o Espírito Santo é o Senhor e é Cristo Jesus. Deus é o Senhor Jesus Cristo. 7 1 9


125 14

Os apóstolos que estavam em Jerusalém, ouvindo que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João. 15 Estes, descendo, oraram sobre eles, para que recebessem Espírito Santo 16 (pois este não havia ainda caído sobre nenhum deles, que tinham sido batizados somente em o nome do Senhor Jesus). 17 Então lhes impunham as mãos, e eles recebiam Espírito Santo. 18 Tendo Simão observado que, pela imposição de mãos dos apóstolos, o Espírito Santo era dado, ofereceu-lhes dinheiro, 19 dizendo: dai-me também a mim esta autoridade, para que qualquer um a quem eu imponha as mãos receba Espírito Santo. 20 Pedro então lhe disse: Teu dinheiro dê em perdição junto contigo, que pensas obter por dinheiro o dom de Deus721. 21 Tu não tens nisto parte nem porção, pois teu coração não é reto diante de Deus. 22 Arrepende-te, pois, dessa tua maldade e roga a Deus que te seja apagado esse pensamento do coração; 23 porque vejo que entraste em fel de amargura e em prisão de injustiça. 24 Então Simão replicou, e disse: Rogai vós por mim ao Senhor, que nada venha sobre mim do que dissestes. 25 Eles, enfim, tendo dado amplo testemunho e falado a palavra do Senhor, regressaram a Jerusalém e, enquanto iam, muitas povoações dos samaritanos evangelizavam. 26 E um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para o sul, pelo caminho que desce de Jerusalém para Gaza, o qual está deserto. 27 Logo ele se pôs a caminho, e eis que por ali estava de viagem um homem etíope, eunuco, ministro de Candace, rainha dos etíopes, cujos tesouros estavam postos a seu cargo; ele tinha vindo a Jerusalém para adorar 28 e regressava, sentado em seu carro, lendo o profeta Isaías. 29 E o Espírito disse a Filipe: Adiantate, e cola-te a esse carro. 30 Filipe veio correndo e ouviu-o a ler o profeta Isaías; disse-lhe então: Entendes o que lês? 31 Ele disse: Como posso entender, se não há quem me explique? Aí pediu que Filipe subisse para sentar-se com ele. 32 E o texto da escritura que lia era este: Como ovelha à morte foi levado; e como cordeiro, mudo ante seu tosquiador, não abriu a sua boca. 33 Em sua humilhação, seu juízo lhe foi subtraído; mas sua geração, quem a descreverá, quando da terra é tirada a sua vida? 34 O eunuco, respondendo a Filipe, assim falou: Por favor, de quem diz isto o profeta? De si mesmo, ou de algum outro? 35 Filipe, então, abriu a boca para, começando desta escritura, evangelizar-lhe a Jesus. 36 Prosseguindo eles viagem, chegaram a um lugar onde havia água, e o eunuco disse: Eis que há água; que impede que eu seja batizado 722? 37 Filipe disse: Se tu crês de todo o coração, bem podes. Ele respondeu, dizendo: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. 38 E mandou parar o carro; desceram ambos à água, Filipe junto com o eunuco, e o batizou. 39 Quando subiram para fora da água, um espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e já não podia vê-lo o eunuco, que seguiu o seu caminho cheio de alegria. 40 Quanto a Filipe, achou-se em Azoto; ele foi adiante e evangelizava todas as cidades, até que chegou a Cesareia. At 9. “Por que Me Persegues?” 1

9: Saulo, por sua vez, ainda a respirar ameaças e intenções de morte contra os discípulos do Senhor, foi procurar o sumo sacerdote, 2 e lhe pediu credenciais que pudesse levar às congregações de Damasco, para, encontrando gente que fosse do Caminho723, tanto homens como mulheres, trazê-los algemados a Jerusalém. 3 Indo ele pela estrada, aconteceu que, quando se aproximava de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu; 4 e ele, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? 5 Disse ele: Quem és tu, Senhor? E o Senhor disse: Eu sou Jesus, a quem tu persegues724; dura coisa é para ti dares coices contra aguilhões. 6 E ele, em tremor e susto, disse: Senhor, que queres que eu faça? E o Senhor a ele: Levanta-te e entra na cidade; ali te será dito o que tens de fazer. 7 Os seus companheiros de viagem 721

O dom de Deus é o próprio Deus, o Espírito Santo! O cristão pede o batismo em água para dar testemunho de que crê que o Senhor o batizou em o Nome, e no Corpo, e no Espírito. Só há um batismo! O batismo em água não é o batismo real. É um testemunho. 723 Paulo refere-se ao Caminho seguido pelos discípulos do Senhor: o caminho da verdade, o único caminho que conduz à glória da vida eterna. Poucos dos santos seguem este caminho estreito. Muitos preferem o caminho largo da religião. Ninguém ingressará na glória celestial sem que primeiro tenha palmilhado o Caminho, – nem mesmo adentrará o reino de Deus na terra. 724 Quem persegue a Igreja persegue ao Senhor. 722


1 26

pararam atônitos, ouvindo a voz sem ver a ninguém. 8 Então Saulo levantou-se do solo e, ao abrir os olhos, a ninguém podia ver. Conduzindo-o pela mão, o fizeram entrar em Damasco. 9 Ali ficou por três dias sem enxergar, e não comeu nem bebeu. 10 Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias. Disse-lhe o Senhor numa visão: Ananias! Ao que respondeu: Eis-me aqui, Senhor. 11 Tornou a falar-lhe o Senhor: Dispõe-te, vai à rua que se chama Direita e, na casa de Judas, procura alguém por nome Saulo, que é de Tarso. Ele está em oração, 12 e teve visão de um homem chamado Ananias que entra e lhe impõe a mão para fazê-lo recuperar a vista. 13 E Ananias respondeu: Senhor, de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém, 14 e para aqui é portador de autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome. 15 Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome perante nações e reis, bem como aos filhos de Israel; 16 pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa padecer pelo meu nome. 17 Então Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos, dizendo: Irmão Saulo, o Senhor me enviou, ele mesmo, Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio de Espírito Santo. 18 Imediatamente, caíram-lhe dos olhos como que umas escamas, e tornou a ver. Logo levantouse e batizou-se. 19 Depois de ter-se alimentado, sentiu-se fortalecido. Saulo permaneceu em Damasco alguns dias com os discípulos. 20 E logo pregava, nas congregações, a Jesus, anunciando que este é o Filho de Deus. 21 E todos os que o ouviam ficavam maravilhados e diziam: Não é este o que hostilizava em Jerusalém os que invocam este Nome e aqui veio com o fito de, precisamente, levá-los amarrados aos principais dos sacerdotes? 22 Saulo, entretanto, mais e mais capacitado ficava, e confundia os judeus que moravam em Damasco, a demonstrar que Ele é o Ungido. 23 Muitos dias se haviam passado, e os judeus deliberaram entre si de eliminá-lo; 24 porém o plano deles chegou ao conhecimento de Saulo: – que guardavam os portões dia e noite, a intentar dele dar cabo. 25 Então os discípulos o tomaram de noite e o puseram além da muralha, descendo-o em um cesto. 26 Chegando a Jerusalém, Saulo tentou juntar-se aos discípulos; e percebeu que todos dele se arreceavam, não acreditando que fosse um discípulo. 27 Barnabé, porém, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos, e contou-lhes como ele vira o Senhor na estrada, e como este lhe falara; também lhes relatou como, em Damasco, demonstrara coragem com o nome de Jesus. 28 E estava com eles, entrando em Jerusalém e saindo, a mostrar intrepidez com o nome do Senhor Jesus. 29 Discursava e discutia com os helênicos, mas estes planejavam eliminá-lo. 30 Tendo isto chegado ao conhecimento dos irmãos, levaram-no até Cesareia, e dali o encaminharam para Tarso. 31 As igrejas725, então, tinham paz por toda Judeia, Galileia e Samaria; edificando-se e andando no temor do Senhor e no encorajamento do Espírito Santo, multiplicavam-se. 32 Quanto a Pedro, estando ele a viajar por toda parte, desceu também ao encontro dos santos726que moravam em Lida. 33 Encontrou ali certo homem, chamado Eneias, que era paralítico e jazia de cama, já por oito anos. 34 Disse-lhe Pedro: Eneias, Jesus, o Cristo, te cura. Levanta-te e põe-te arrumado. Ele, imediatamente, se levantou. 35 Viram-no todos os habitantes de Lida e de Sarona, os quais se converteram ao Senhor. 36 Em Jope havia uma discípula por nome Tabita, nome este que, traduzido, quer dizer Gazela; era ela notável pelas boas obras e esmolas que fazia. 37 Aconteceu que, naqueles dias, adoeceu e veio a falecer. Depois de a lavarem, puseram-na em um cenáculo. 38 Como Lida era perto de Jope, ouvindo os discípulos que Pedro estava ali, enviaram-lhe dois homens a pedir-lhe que não se demorasse em ir ter com eles. 39 Pedro atendeu e com eles foi. Tendo chegado, conduziram-no ao cenáculo; e todas as viúvas o cercaram, a chorar e a mostrar-lhe túnicas e vestidos que Gazela fazia enquanto estava com elas. 40 Mas Pedro, tendo feito sair a todos, pôs-se de joelhos e orou; voltando-se para o corpo, disse: Tabita, levanta-te! Ela abriu os olhos e, vendo a Pedro, assentou-se. 41 Ele lhe deu a mão e a fez levantar-se; chamando os santos, especialmente as 7 2 5

Os apóstolos pregavam o Evangelho, ensinavam a verdade, instruíam as igrejas em sabedoria. Nunca fundaram igrejas. As igrejas do cristianismo são instituições, e nenhuma foi autorizada. 7 2 6 Todos os que somos de Cristo somos santos, mas ninguém é um santo. Tu és santo, irmão, e nunca serás menos do que santo, porque Deus te santificou no princípio. A santidade pertence a Deus. A tua santidade decorre da santidade divina, e ninguém pode buscar a santidade. Buscar santificação, sim.


127

viúvas, apresentou-a viva. 42 Este fato se fez conhecido por toda Jope, e muitos puseram sua fé no Senhor. 43 Permaneceu Pedro em Jope muitos dias, em casa de um curtidor chamado Simão. At 10. Caiu o Espírito Santo sobre Todos 10:1 Morava em Cesareia um homem de nome Cornélio, centurião da coorte denominada Italiana, 2 o qual era piedoso e temente a Deus com toda a sua casa; dava muitas esmolas ao povo e constantemente apresentava súplicas a Deus. 3 Ele teve uma visão em que viu claramente, por volta da hora nona do dia, um anjo de Deus que se aproximou dele e lhe falou: Cornélio! 4 Este olhou para ele, ficou assustado e disse: Que é, senhor? Ele assim falou: As tuas orações e as tuas esmolas subiram para memória diante de Deus. 5 Agora, envia mensageiros a Jope e manda chamar Simão, que tem por cognome Pedro. 6 Ele está hospedado com um certo Simão, curtidor, cuja residência está situada à beira-mar. Ele te dirá o que é preciso fazer. 7 Assim que se retirou o anjo que lhe falara, Cornélio chamou dois dos seus domésticos e um soldado piedoso dentre os que estavam a sua disposição e, 8 tendo-lhes contado tudo, enviou-os a Jope. 9 No dia seguinte, indo eles de caminho e estando já perto da cidade, foi quando Pedro subiu ao eirado, por volta da hora sexta, a fim de orar. 10 Ficou com fome e desejava almoçar, mas, enquanto preparavam a mesa, sobreveio-lhe um êxtase; 11 e viu o céu aberto e que descia, acima dele, um vaso como formado por um grande lençol atado pelas quatro pontas, baixado a terra; 12 este continha toda sorte de quadrúpedes, bestas e répteis da terra, e ainda aves do céu. 13 E ouviu-se uma voz que se dirigia a ele: Levanta-te, Pedro! Mata e come. 14 Mas Pedro replicou: De modo nenhum, senhor, que jamais comi coisa alguma comum ou imunda. 15 E a voz lhe falou segunda vez: Não faças tu comum727ao que Deus purificou. 16 Sucedeu isto por três vezes, e o vaso foi recolhido de volta ao céu. 17 Enquanto Pedro estava perplexo sobre o significado da visão, eis que os homens que foram enviados por Cornélio, tendo perguntado pela casa de Simão, pararam junto à porta; 18 chamando, indagavam se estava ali hospedado Simão, por cognome Pedro. 19 Estava Pedro a meditar sobre a visão, e o Espírito lhe disse: Estão aí três homens que te procuram; 20 levanta-te, pois, desce e vai com eles, sem hesitar entre dois pensamentos, porque fui eu que os enviei. 21 Descendo Pedro para junto dos homens enviados por Cornélio, disse-lhes: É a mim que procurais; que motivo vos trouxe aqui? 22 Então disseram: O centurião Cornélio, homem reto e temente a Deus, que goza de bom conceito junto a toda a nação judaica, foi instruído por um santo anjo a mandar chamar-te a sua casa e ouvir as tuas palavras. 23 Convidando-os, pois, a entrar, ofereceu-lhes pousada. No dia seguinte, Pedro partiu com eles, e alguns dos irmãos que moravam em Jope o acompanharam. 24 Mais um dia se havia passado quando entraram em Cesareia. Cornélio os esperava, tendo reunido seus parentes e amigos íntimos. 25 Aconteceu que, estando Pedro para entrar, lhe saiu Cornélio ao encontro e, caindo a seus pés, prostrou-se. 26 Mas Pedro o levantou, dizendo: Ergue-te, que eu também sou humano. 27 Enquanto falava com ele, entrou, encontrando muitos reunidos ali. 28 A eles dirigiu a palavra, dizendo: Estais a par de que, para um judeu, é ilícito ajuntar-se ou mesmo aproximar-se de alguém que pertença a outra etnia. Mas Deus me mostrou que não devo considerar a nenhuma pessoa comum ou imunda. 29 Por isso, sem relutância eu vim, quando me mandaram chamar. Pergunto, pois: por que razão me mandastes chamar? 30 E Cornélio assim falou: Faz, hoje, quatro dias que até esta hora eu jejuava; à hora nona estava em oração em minha casa, e eis que apareceu diante de mim um varão com vestes resplandecentes, 31 que disse: Cornélio, a tua oração foi ouvida, e as tuas esmolas foram lembradas na presença de Deus; 32 manda, pois, alguém a Jope a chamar Simão, por cognome Pedro; acha-se este hospedado em casa de Simão, curtidor, à beira-mar; ele, quando vier, falará contigo. 33 Portanto, sem demora mandei chamar-te, e fizeste bem em vir. Agora, pois, estamos todos aqui, na presença de Deus, para ouvir tudo o que te foi ordenado da parte de Deus. 34 Então Pedro, tomando a palavra, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas; 35 pelo contrário, em qualquer nação, aquele que o teme e pratica justiça lhe é aceitável. 36 Esta é a palavra que ele enviou aos filhos de Israel, evangelizando paz através de Jesus Cristo. Este é Senhor de todos. 37 Vós sabeis da palavra que veio por toda a Judeia, 727

Uns são santos, outros são comuns. Muitos, porém, que parecem comuns são santos.


1 28

começando desde a Galileia, depois do batismo que João proclamou; 38 como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com Espírito Santo e com poder, tendo ele feito todo o percurso a praticar o bem e a curar a todos os que eram oprimidos pelo acusador, porque Deus era com ele. 39 E nós somos testemunhas de tudo o que ele fez na terra dos judeus e em Jerusalém. Também o eliminaram, suspendendo-o em um madeiro728. 40 A este ressuscitou Deus no terceiro dia e concedeu que fosse manifesto, 41 não a todo o povo, mas às testemunhas que foram anteriormente escolhidas por Deus, ou seja, a nós que com ele comemos e bebemos, depois que ressurgiu de entre os mortos; 42 e ele nos encarregou de proclamar ao povo e divulgar o testemunho de que ele é quem está constituído por Deus para ser juiz de vivos e de mortos. 43 Dele todos os profetas dão testemunho de que todo aquele que nele crê obtém remissão de pecados, pelo seu nome. 44 Ainda Pedro estava a dizer estas palavras quando caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam o discurso. 45 E os crentes que eram da circuncisão, que vieram com Pedro, ficaram maravilhados, por ser derramado o dom do Espírito Santo também sobre os gentios, 46 pois os ouviam falar em línguas e engrandecer a Deus. Então Pedro interveio: 47 Porventura pode alguém recusar a água, de modo a não serem batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo? 48 E ordenou que se batizassem em o nome do Senhor729. Então pediram-lhe que permanecesse com eles por alguns dias. At 11. “Não Faças Tu Comum ao Que Deus Purificou” 1

11: Ouviram os apóstolos e os irmãos que estavam na Judeia haverem também os gentios acolhido a palavra de Deus. 2 Quando Pedro subiu a Jerusalém, interpelaram-no os que eram da circuncisão, dizendo: 3 Entraste em casa de homens incircuncisos e comeste com eles. 4 Então Pedro passou a fazer-lhes uma exposição por ordem, e assim falou: 5 Eu estava na cidade de Jope, em oração, e, num êxtase, tive uma visão, na qual vi descer um vaso do céu, como se fosse um grande lençol atado pelas quatro pontas, baixado até onde eu estava. 6 Ao fitar nele os olhos, percebi que ali estavam postos quadrúpedes da terra, e feras, e répteis, e aves do céu. 7 Aí ouvi uma voz que me dizia: Levanta-te, Pedro; mata e come. 8 Ao que respondi: De modo nenhum, senhor; porque jamais entrou em minha boca coisa que fosse comum ou imunda. 9 Segunda vez, falou-me a voz do céu: Não faças tu comum ao que Deus purificou. 10 Isto ocorreu por três vezes e, de novo, tudo foi ao céu recolhido. 11 E eis que, na mesma hora, pararam, em frente à casa em que estávamos, três homens enviados de Cesareia a minha procura. 12 Então o Espírito mandou que eu fosse com eles, sem discriminação. Foram comigo também estes seis irmãos; e nós entramos na casa daquele homem. 13 Ele nos contou como vira o anjo, de pé em sua casa, o qual lhe falou: manda homens a Jope a chamar Simão, por cognome Pedro, 14 o qual te dirá palavras mediante as quais serás salvo, tu e toda a tua casa. 15 Quando, porém, comecei a falar, caiu o Espírito Santo sobre eles, como também sobre nós, no princípio. 16 Então me lembrei da palavra do Senhor, que disse: Foi com água que João batizou, mas vós sereis batizados em Espírito Santo. 17 Se foi, pois, o mesmo dom concedido por Deus a eles como a nós foi outorgado quando pusemos nossa fé no Senhor Jesus Cristo730, quem era eu para que pudesse resistir a Deus? 18 E eles, ao ouvir tais coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Então, de fato, também aos gentios outorgou Deus o arrependimento para vida731. 19 Por esse tempo, os que se dispersaram por causa da tribulação que sobreveio a Estêvão foram-se espalhando até a Fenícia, a Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus. 20 Alguns deles, porém, que eram cipriotas e cireneus e que foram até Antioquia, falavam também aos helênicos, a evangelizar o Senhor Jesus. 21 A mão do Senhor estava com eles, e grande foi o número dos que, crendo, se converteram ao Senhor. 22 A notícia a respeito deles chegou aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé a Antioquia. 23 Quando ele chegou, viu a graça de Deus e alegrou-se, passando a encorajar a todos a permanecerem no Senhor com firme propósito de coração. 24 Era, em 7 2 8 7 2 9 7 3 0 7 3 1

também se traduz: em uma árvore Batizar-se em o nome do Senhor é ato de fé de quem se batiza. Em Hebraico: Yahvéh Yáhshua haMashíakh Quando Deus me outorgou o arrependimento para vida, concedeu-me a esperança de vida eterna.


129

verdade, homem de bem, cheio de Espírito Santo e de fé, e muita gente se acrescentou ao Senhor. 25 E partiu Barnabé para Tarso, à procura de Saulo. 26 Tendo-o encontrado, levou-o para Antioquia. Por todo um ano, se reuniram com a igreja e ensinaram a muita gente. Foi em Antioquia que, por primeira vez, os discípulos foram chamados cristãos732. 27 Naqueles dias, desceram alguns profetas de Jerusalém para Antioquia 28 e, apresentando-se um deles, chamado Ágabo, dava a entender, pelo Espírito, que estava para vir grande fome por todo o império, a qual sobreveio pelo tempo do imperador Cláudio. 29 E os discípulos determinaram mandar, cada um conforme o que pudesse, socorro aos irmãos que moravam na Judeia; 30 o que eles, com efeito, fizeram, enviando-o aos anciãos por mão de Barnabé e de Saulo. At 12. A Palavra de Deus Crescia e Multiplicava-se 1

12: E, por aquele mesmo tempo, pôs o rei Herodes as mãos em alguns da igreja, para os maltratar, 2 fazendo passar a fio de espada a Tiago, irmão de João. 3 Vendo que isso agradava aos judeus, foi adiante, prendendo também a Pedro. E eram os dias dos ázimos. 4 Tendo-o feito prender, o lançou no cárcere, entregando-o a quatro quaternos de soldados para o guardarem, tencionando apresentá-lo ao povo depois da Páscoa. 5 Pedro estava, portanto, guardado no cárcere; mas a igreja orava instantemente a Deus por ele. 6 Quando Herodes estava para apresentá-lo, naquela noite dormia Pedro entre dois soldados, preso a duas correntes, e sentinelas à porta guardavam a prisão. 7 E eis que um anjo do Senhor entrou e uma luz brilhou no prédio; tocando ele o lado de Pedro, acordou-o, dizendo: Levanta-te depressa! E as cadeias caíram-lhe das mãos. 8 Disse-lhe o anjo: Cinge-te e calça as sandálias. E ele assim o fez. Disse-lhe mais: Põe a capa e segue-me. 9 E, saindo, o seguia, sem saber que era real o que fazia o anjo: parecia-lhe, antes, uma visão. 10 Após passarem a primeira e a segunda sentinela, chegaram ao portão de ferro que dava para a cidade. Este abriu-se por si mesmo para eles que, saindo, enveredaram por uma rua; de repente, o anjo desapareceu de diante dele. 11 Então Pedro, voltando a si, disse: Deveras sei, agora, que o Senhor enviou o seu anjo e me livrou da mão de Herodes e de toda a expectação do povo judeu. 12 Considerando ele a sua situação, dirigiu-se à casa de Maria, mãe de João, de cognome Marcos, onde estavam muitos reunidos e oravam. 13 Quando Pedro bateu à porta de entrada, uma moça chamada Rode veio para escutar; 14 reconhecendo a voz de Pedro, tão alegre ficou, que nem lhe abriu a porta, mas voltou correndo para anunciar que Pedro estava à entrada733. 15 Disseram-lhe: Estás doida. Ela insistia em que assim era. Eles disseram: É o seu anjo. 16 Entretanto, Pedro continuava batendo; eles, então, abriram a porta, viram-no e ficaram maravilhados. 17 Ele fez sinal com a mão para que se calassem e lhes contou como o Senhor o tirara da prisão; acrescentou: Dai a notícia a Tiago e aos irmãos. E, saindo, retirou-se para outro lugar. 18 Sendo já dia, houve não pouco alvoroço entre os soldados sobre o que teria sucedido a Pedro. 19 Herodes, tendo-o procurado e não o achando, submeteu os guardas a inquérito e mandou que fossem justiçados; e ele, descendo da Judeia para Cesareia, ali ficou. 20 Ora, Herodes andava irado contra os tírios e sidônios. Estes, no entanto, de comum acordo, obtiveram audiência e, tendo ganho os favores de Blasto, que era o camareiro do rei, pediam paz, porquanto seu país dependia de abastecimento do país do rei. 21 Num dia designado, vestiu Herodes as vestes reais e, assentado no trono, lhes fez um discurso; 22 e o povo exclamava: É voz de um deus, e não de homem! 23 No mesmo instante, um anjo do Senhor o feriu, por não haver ele dado a Deus a glória; e, comido de vermes, expirou. 24 Entretanto, a palavra de Deus crescia e multiplicava-se734. 25 Barnabé e Saulo, cumprida sua missão, retornaram de Jerusalém, levando também consigo a João, de cognome Marcos. At 13. Aquele a Quem Deus Ressuscitou Não Viu Corrupção 732

Foram chamados cristãos porque serviam a Cristo, não por servirem alguma religião, ou algum sistema chamado cristianismo. 733 Antes que ocorresse, ninguém podia imaginar um fato como este. Agora sabemos que pode, novamente, acontecer coisa semelhante. 734 Quando os santos crescem no conhecimento de Deus, a Palavra cresce. Quando se multiplicam os santos que obedecem à fé da verdade, multiplica-se a Palavra.


1 30

13:1 Havia em Antioquia, entre os que ali eram a igreja, alguns profetas e mestres: Barnabé, Simeão, chamado Níger, Lúcio (que era cireneu), Manaém (que era irmão colaço do tetrarca Herodes), e também Saulo. 2 Estando eles a ministrar ao Senhor e a jejuar, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, a Barnabé e a Saulo para a obra a que os chamei. 3 Então, após jejuarem e orarem, eles lhes impuseram as mãos e os despediram. 4 Enviados, pois, pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre. 5 Chegados a Salamina, anunciavam a palavra de Deus nas congregações dos judeus; tinham também a João por auxiliar. 6 Havendo atravessado toda a ilha até Pafos, encontraram um certo mago judeu, falso profeta, cujo nome era Barjesus, 7 o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, que era homem inteligente. Este mandara chamar Barnabé e Saulo, porque fazia empenho em ouvir a palavra de Deus. 8 Mas opunha-se-lhes Elimas (o mago, porque assim se interpreta o seu nome), procurando desviar da fé a atenção do procônsul. 9 Porém Saulo, que também é Paulo, cheio de Santo Espírito, fixando nele os olhos, disse: 10 Ó homem cheio de todo engano e de toda astúcia, filho do acusador, inimigo de toda justiça, não cessarás de perverter os retos caminhos do Senhor? 11 Eis aí, pois, agora contra ti a mão do Senhor, e ficarás cego, não vendo o sol por algum tempo. No mesmo instante, caiu sobre ele uma névoa e escuridade, e, estonteado, procurava quem o guiasse pela mão. 12 Então o procônsul, vendo o que sucedia, creu, assombrado com a doutrina do Senhor. 13 Daí, navegando de Pafos, Paulo e seus companheiros dirigiram-se a Perge da Panfília. João, porém, apartando-se deles, voltou para Jerusalém. 14 Mas eles, tendo seguido caminho de Perge para Antioquia da Pisídia, foram à casa de congregação em dia de sábado, e assentaram-se. 15 Após a leitura da Lei e dos Profetas, os dirigentes da congregação mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a. 16 Levantandose Paulo, e fazendo com a mão sinal de silêncio, assim falou: Varões israelitas e vós outros que temeis a Deus, escutai. 17 O Deus deste povo de Israel escolheu nossos patriarcas e exaltou o povo, ao tempo em que eram estrangeiros na terra do Egito, e de lá os tirou com braço alevantado; 18 durante uns quarenta anos suportou-os no deserto 19 e, destruindo sete nações na terra de Canaã, deu-lhes por herança a terra deles. 20 E depois, por cerca de quatrocentos e cinquenta anos, lhes deu juízes, até ao profeta Samuel. 21 Foi então que solicitaram um rei, e Deus lhes deparou Saul, filho de Quis, da tribo de Benjamim, por um período de quarenta anos. 22 Tendo removido este, levantou-lhes o rei Davi, do qual também, dando testemunho, disse: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade. 23 Da descendência deste, conforme a promessa, levantou Deus a Jesus para Salvador de Israel; 24 e, antes que ele se apresentasse, primeiro veio João pregando batismo de arrependimento a todo o povo de Israel. 25 Quando João completava sua carreira, dizia: Quem estais a supor que eu seja não sou eu. Eis, porém, que vem após mim aquele de cujos pés não sou digno de desatar as sandálias. 26 Irmãos, filhos da estirpe de Abraão, e vós outros que temeis a Deus, a vós vos é enviada a palavra desta salvação. 27 Pois os que habitavam em Jerusalém e as suas autoridades, não o reconhecendo, cumpriram as vozes dos profetas que se leem todos os sábados (as quais tampouco reconheciam), quando o julgaram; 28 e, nada achando em que fosse culpado de morte, exigiram de Pilatos que o fizesse perecer. 29 Havendo eles cumprido tudo o que dele estava escrito, tirando-o do madeiro, puseram-no em um túmulo. 30 Mas Deus o levantou de entre os mortos; 31 foi ele visto, por muitos dias, pelos que haviam subido com ele a Jerusalém desde a Galileia, os quais são agora suas testemunhas perante o povo. 32 E nós vos evangelizamos a promessa que foi feita a nossos ancestrais, a qual Deus cumpriu735para conosco, que somos filhos deles, ressuscitando a Jesus736, 33 como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei737. 34 E que o ressuscitou de entre os mortos para nunca mais tornar à corrupção, desta maneira o disse: Eu vos darei o que é santo e o que é fiel de Davi. 35 Por isso, também em outro salmo diz: Não deixarás que o teu 7 3 5

Quem crê tem vida eterna. Deus cumpriu a sua parte. A nossa parte é crer e agradecer. Quem não crê só desfrutará de vida eterna depois que deixar de duvidar da palavra do Senhor. 7 3 6 Deus cumpriu para conosco a promessa da nova vida, quando nos ressuscitou junto com Jesus, e esta nova vida é a própria divina imortalidade. Quem despreza a promessa de vida eterna desaparece com os desprezadores. Quem toma posse da vida eterna cf a promessa permanece para sempre (1Jo 2:17). 7 3 7 No dia da Ressurreição, o Pai nos gerou para nova vida em Cristo. Nenhum cristão ainda nasceu, enquanto o Dia de Cristo não chega. Nasceremos no futuro.


131

Santo veja corrupção. 36 Ora, tendo Davi servido a sua própria geração, conforme o desígnio de Deus, adormecendo, foi posto com seus pais e viu corrupção. 37 Porém aquele a quem Deus ressuscitou não viu corrupção738. 38 Seja-vos, pois, notório, irmãos, que se vos anuncia remissão de pecados por intermédio deste; 39 e, nele, todo o que crê é justificado739de tudo aquilo de que não pudestes justificar-vos pela lei de Moisés. 40 Cuidai, pois, que não vos sobrevenha o que está dito nos Profetas: 41 Vede, ó desprezadores, maravilhai-vos e desaparecei, porque eu realizo, em vossos dias, obra tal que não dareis crédito a quem vo-la contar740. 42 Quando saíram da casa de congregação dos judeus, os gentios rogaram que, em outro sábado, lhes falassem estas mesmas palavras. 43 Despedida a congregação, muitos dos judeus e prosélitos religiosos seguiram a Paulo e Barnabé, e estes, falando-lhes, os exortavam a permanecer na graça de Deus. 44 No sábado seguinte, afluiu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus. 45 Mas os judeus, vendo as multidões, encheram-se de inveja e, em contradição e blasfêmia, contraditavam o que falava Paulo. 46 Então Paulo e Barnabé, falando ousadamente, disseram: Cumpria que a vós se vos pregasse, por primeiro, a palavra de Deus; porém, dado que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna741, eis que nos volvemos para os gentios. 47 Porque o Senhor assim no-lo mandou: Eu te constituí para luz dos gentios, a fim de que sejas para salvação até aos extremos da terra. 48 Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor, e creram todos os que estavam destinados para vida eterna742. 49 E a palavra do Senhor se propagava por toda aquela província. 50 Mas os judeus instigaram as mulheres religiosas e as mais distintas, bem como os principais da cidade, e levantaram perseguição contra Paulo e Barnabé, expulsando-os do seu território. 51 Estes, sacudindo contra aqueles o pó dos seus pés, partiram para Icônio. 52 Os discípulos, porém, transbordavam de alegria e de Espírito Santo. At 14. Boas-novas e Tribulações 1

14: Em Icônio, Paulo e Barnabé entraram juntos na casa de congregação dos judeus, e falaram de tal modo que veio a crer grande número de pessoas, tanto judeus como helênicos. 2 Mas os judeus obstinados provocaram e instigaram os ânimos dos gentios contra os irmãos. 3 Entretanto, demoraram-se ali muito tempo, a falar ousadamente no Senhor, o qual dava testemunho à palavra da sua graça, concedendo que por mãos deles se fizessem sinais e prodígios. 4 Mas o povo da cidade se dividiu: uns eram pelos judeus; outros, pelos apóstolos. 5 E, como se agravasse a hostilidade de gentios e judeus, associados com as suas autoridades, para os ultrajar e apedrejar, 6 eles, cônscios dessa situação, escaparam-se para as cidades da Licaônia: Listra e Derbe e circunvizinhança, 7 e ali ficaram a evangelizar. 8 Havia certo homem em Listra que, sendo incapaz de usar os pés, ficava sentado, pois era coxo desde o nascimento, e jamais pudera andar. 9 Esse ouviu falar Paulo, que, fixando nele os olhos e vendo que tinha fé para ser curado, 10 disse-lhe em voz alta: Levanta-te direito sobre teus pés! Ele deu um salto e começou a andar. 11 Quando as multidões viram o que Paulo fizera, levantaram a voz em língua licaônica, dizendo: Os deuses, em semelhança de homens, baixaram até nós. 12 A Barnabé chamavam Zeus, e a Paulo, Hermes, por ser este quem discursava. 13 E o sacerdote de Zeus que estava junto à cidade trouxe touros e grinaldas ao portal, e queria, com o povo, sacrificar. 14 Ouvido isto, os apóstolos Barnabé e Paulo rasgaram as suas vestes e correram para a multidão, a exclamar: 15 Senhores, que é isso que fazeis? Nós também somos vulneráveis como vós, e vos anunciamos as boas-novas de que podeis 738

O corpo de carne de Jesus era santo, e nenhum outro o é. Não poderia desfazer-se no túmulo. Qual é, então, o significado da presente revelação? É que, quando os redimidos foram ressuscitados junto com Ele, receberam corpo de espírito, mediante o qual o corpo da carne pode ser absorvido pela vida. 739 A justificação por fé é subjetiva, de consciência. Objetivamente, todos os homens foram justificados para com Deus, pela Redenção. A justificação pelo Evangelho não é a justificação pela fé no Evangelho. 740 Os desprezadores desaparecem por não darem crédito nem respeito ao Evangelho. 741 Deus quer que nos julguemos dignos da vida eterna. É preciso tomar posse da vida eterna, para garantir o cumprimento da promessa. Deus já fez a sua parte; agora é a nossa vez. 742 Tanto os que não veriam a morte quanto os que seriam dignos da ressurreição da vida.


1 32

converter-vos dessas futilidades para o Deus vivo, o qual fez o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles, 16 e que, nas gerações passadas, permitiu que todas as nações andassem nos seus próprios caminhos; 17 contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos tempos de chuvas e de colheitas, enchendo vossos corações de fartura e de alegria. 18 Dizendo isto, foi ainda com dificuldade que impediram as multidões de lhes oferecerem sacrifícios. 19 Sobrevieram, porém judeus de Antioquia e Icônio e, – instigando as multidões e apedrejando a Paulo, – arrastaram-no para fora da cidade, cuidando que estivesse morto. 20 Rodeando-o, porém, os discípulos, levantou-se e entrou na cidade. No dia seguinte, partiu, com Barnabé, para Derbe. 21 Evangelizaram essa cidade e fizeram muitos discípulos; então retornaram a Listra, a Icônio e a Antioquia, 22 confirmando as almas dos discípulos, encorajando-os a perseverar na fé, e mostrando-lhes que é preciso passar por muitas tribulações para entrarmos no reino de Deus. 23 Então, apontando-lhes anciãos em cada igreja, depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido. 24 Atravessando a Pisídia, dirigiram-se à Panfília. 25 E, tendo anunciado a palavra em Perge, desceram a Atália 26 e dali navegaram para Antioquia, de onde tinham sido encomendados à graça de Deus para a obra que já haviam cumprido. 27 Ali chegados, reuniram a igreja e relataram quantas coisas Deus fizera com eles e como abrira aos gentios a porta da fé. 28 E nesse lugar permaneceram não pouco tempo com os discípulos. At 15. “Cremos que Somos Salvos pela Graça” 15:1 Alguns indivíduos que vieram da Judeia ensinavam aos irmãos: Se não vos circuncidardes segundo o costume de Moisés, não podeis ser salvos. 2 Tendo, então, havido, da parte de Paulo e Barnabé, contenda e não pequena discussão com esses, encarregaram Paulo, Barnabé e alguns outros dentre eles de subirem a Jerusalém, aos apóstolos e anciãos, para esclarecer esta questão. 3 Então eles, tendo sido encaminhados com provisões pela igreja, atravessaram a Fenícia e a Samaria a relatar a conversão dos gentios, e trouxeram grande alegria a todos os irmãos. 4 Quando chegaram a Jerusalém, foram bem recebidos pela igreja, pelos apóstolos e pelos anciãos, e contaram tudo o que Deus fizera com eles. 5 Alguns, porém, da seita dos fariseus que haviam crido levantaram-se, dizendo: É necessário circuncidá-los e determinar-lhes que guardem a lei de Moisés. 6 Então se reuniram os apóstolos e os anciãos para examinar a questão. 7 Havendo grande debate, levantou-se Pedro e disse-lhes: Irmãos, vós sabeis que, desde há muito, Deus me escolheu dentre vós para que de minha boca ouvissem os gentios a palavra do evangelho, e cressem. 8 Ora, Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, concedendo o Espírito Santo a eles, assim como também a nós. 9 E não estabeleceu distinção alguma entre nós e eles, purificando-lhes pela fé os corações. 10 Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais puderam suportar, nem nós mesmos? 11 Mas cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo, da mesma maneira que eles. 12 E toda a multidão silenciou, passando a escutar a Barnabé e a Paulo, que contavam quantos sinais e prodígios Deus fizera por intermédio deles entre os gentios. 13 Quando eles terminaram, tomou Tiago a palavra, dizendo: Irmãos, escutai-me – 14 Simão relatou como Deus visitou por primeiro os gentios, a fim de tomar deles um povo para o seu nome743. 15 Conferem com isto as palavras dos Profetas, como está escrito: 16 Depois disto voltarei e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído, e, restaurando-o de suas ruínas, o porei a prumo; 17 para que o restante dos homens busque ao Senhor, e todos os gentios sobre os quais tem sido invocado o meu nome – diz o Senhor, que faz todas estas coisas. 18 São conhecidas do Senhor, desde sempre, todas as suas obras. 19 Por isso, julgo eu, não havemos de perturbar aqueles que procedem das nações e se convertem a Deus, 20 mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, bem como da fornicação, do que é sufocado e do sangue. 21 Ora, Moisés tem em cada cidade, desde antigas gerações, os que o pregam nas congregações, onde é lido todos os sábados. 7 4 3

Simão Pedro foi instruído a dar início à realização da manifestação da obra que consiste em tomar, dentre os gentios, um povo para o nome de Deus. Nós sempre fomos o povo Israel, com todos os santos, mas o fato de que não somos comuns, ou estrangeiros, começou então a ser revelado.


133 22

Então houveram por bem os apóstolos e os anciãos, com toda a igreja, tendo elegido homens dentre eles, enviá-los, junto com Paulo e Barnabé, a Antioquia: Judas (por cognome Barsabás) e Silas, homens notáveis entre os irmãos, 23 escrevendo, por mão deles, o seguinte: Os apóstolos, e os anciãos, e os irmãos, aos irmãos dentre os gentios que estão em Antioquia – Síria e Cilícia – saudações. 24 Visto que ouvimos terem alguns, saídos de entre nós, estado a perturbar-vos com palavras, transtornando as vossas almas, dizendo ser preciso circuncidar-se e guardar a Lei – sem que os tivéssemos autorizado, 25 pareceu-nos bem, chegados a pleno acordo, eleger alguns homens e enviá-los a vós outros junto com os nossos amados Barnabé e Paulo, 26 homens que têm exposto suas almas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27 Enviamos, portanto, Judas e Silas, os quais por palavra também vos dirão as mesmas coisas. 28 Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas essenciais: 29 que vos abstenhais do que é sacrificado a ídolos, do sangue, do que é sufocado e da fornicação; destas coisas fareis bem744se vos guardardes. Saúde. 30 Havendo-se despedido, eles, então, partiram para Antioquia e, reunindo a comunidade, entregaram a epístola. 31 Quando a leram, regozijaram-se pelo conforto recebido. 32 Judas e Silas, que eram também profetas, encorajaram os irmãos com muitas palavras e lhes comunicaram força. 33 Tendo-se eles demorado ali por algum tempo, os irmãos os deixaram ir em paz de volta aos apóstolos. 34 Mas pareceu bem a Silas permanecer ali. 35 Paulo e Barnabé demoraram-se em Antioquia, a ensinar e evangelizar, também com muitos outros, a palavra do Senhor. 36 Alguns dias depois, disse Paulo a Barnabé: Voltemos a todas as cidades em que estivemos a anunciar a palavra do Senhor, para visitar os irmãos e ver como passam. 37 E Barnabé queria também levar João, chamado Marcos. 38 Mas Paulo não concordava em levarem junto aquele que deles se apartara desde a Panfília, não os acompanhando no trabalho. 39 Houve entre eles tal desentendimento, que vieram a separar-se. Então Barnabé, tomando Marcos consigo, navegou para Chipre. 40 Paulo, por sua vez, tendo escolhido a Silas, partiu, confiado pelos irmãos à graça de Deus. 41 E passou através de Síria e Cilícia, a confirmar as igrejas. At 16. “Põe Fé no Senhor Jesus e Serás Salvo, Tu e Tua Casa” 1

16: Depois chegou a Derbe e a Listra. Havia ali um discípulo chamado Timoteo745, filho de uma judia que era crente, e de pai grego; 2 dele davam bom testemunho os irmãos em Listra e Icônio. 3 Quis Paulo que ele fosse em sua companhia e, por isso, circuncidou-o por causa dos judeus daqueles lugares; pois todos sabiam que seu pai era grego. 4 Ao passar pelas cidades, entregavam aos irmãos, para que as observassem, os termos das decisões tomadas pelos apóstolos e anciãos de Jerusalém. 5 Assim, as igrejas eram fortalecidas na fé e, dia a dia, aumentavam em número. 6 E, percorrendo a Frígia e a província da Galácia, foram impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a palavra na Ásia; 7 chegando à Mísia, tentavam dirigir-se à Bitínia, mas o Espírito não o permitiu. 8 Passando adiante, desceram a Trôade. 9 À noite, em uma visão que a Paulo sobreveio, apareceu um homem macedônio em pé e lhe rogava, dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos. 10 Assim que ele teve a visão, imediatamente procuramos 146partir para a Macedônia, concluindo que o Senhor nos chamava para evangelizá-los. 11 Tendo, pois, navegado de Trôade, seguimos em direitura à Samotrácia; no dia seguinte, a Neápolis, 12 e, dali, a Filipos, cidade da Macedônia, primeira do distrito, e colônia. Nesta cidade, estivemos por alguns dias. 13 No dia de sábado, saímos da cidade para junto do rio, onde parecia haver um lugar adequado à oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido. 14 E certa mulher, chamada Lídia, que era vendedora de púrpura da cidade de Tiatira, temente a Deus, nos escutava; o Senhor lhe abriu o coração para atender às coisas que Paulo dizia. 15 Depois de batizada ela e sua casa, nos rogou, dizendo: Se julgais que eu sou fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso. 16 Aconteceu que, indo nós à oração, nos saiu ao encontro uma jovem que tinha um espírito de adivinhação, a qual, 744

Fareis bem: não se trata de lei, nem de proibição, e sim de orientação no sentido de evitar contaminarem-se, no propósito da santificação. NB: a Lei eterna nada proíbe – todas as coisas me são lícitas. 745 –um dos presos do v.25: Timóteo; – outro preso: Lucas


1 34

adivinhando, dava grande lucro aos seus senhores. 17 Seguindo a Paulo e a nós, clamava, dizendo: Estes homens são servos do Deus Altíssimo e vos anunciam caminho de salvação. 18 Isto se repetia por muitos dias. Paulo, quando estava cansado daquilo, voltando-se, disse ao espírito: Eu te mando em nome de Jesus Cristo – retira-te dela. E ele, na mesma hora, saiu. 19 Vendo os seus senhores que se lhes desfizera a esperança do lucro, agarrando em Paulo e Silas, os arrastaram para a praça, à presença das autoridades; 20 levando-os aos pretores, disseram: Estes homens, sendo judeus, perturbam a nossa cidade, 21 a propagar costumes que não nos é lícito receber nem praticar, sendo nós romanos. 22 Levantou-se a turba, unida contra eles, e os pretores, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. 23 E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança. 24 Este, recebendo tal ordem, os lançou no cárcere interior e lhes prendeu os pés no tronco. 25 Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os presos746os escutavam. 26 E, de súbito, sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces do cárcere; abriram-se todas as portas e soltaram-se as cadeias de todos. 27 O carcereiro despertou do sono e, vendo abertas as portas do cárcere, puxou da espada e ia suicidar-se, supondo que os presos já tivessem fugido. 28 Mas Paulo bradou em alta voz: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. 29 Ele, tendo pedido uma luz, entrou correndo e, trêmulo, prostrou-se ante Paulo e Silas. 30 E, trazendo-os para fora, disse: Senhores, que devo fazer para que seja salvo? 31 Eles disseram: Põe fé no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa. 32 E lhe falaram a palavra do Senhor, a ele e a todos os de sua casa. 33 Tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões dos açoites; e logo foi batizado, e todos os seus. 34 Então, levando-os para a sua casa, lhes pôs a mesa; e estava cheio de alegria, com toda a família, por ter acreditado em Deus747. 35 Quando amanheceu, os pretores enviaram os meirinhos, com a seguinte ordem: Põe aqueles homens em liberdade. 36 Então o carcereiro comunicou a Paulo estas palavras: Os pretores mandaram que sejais postos em liberdade. Agora, pois, saí e ide em paz. 37 Paulo, porém, lhes replicou: Depois que nos flagelaram publicamente sem ter havido processo formal, sendo nós cidadãos romanos, e ainda nos lançarem no cárcere, querem agora nos fazer sair às escondidas? Não será assim; ao contrário, que eles venham pessoalmente conduzir-nos para fora. 38 Os meirinhos comunicaram isso aos pretores; e estes assustaram-se, ouvindo que se tratava de cidadãos romanos. 39 Então foram ter com eles e lhes pediram desculpas; conduzindo-os para fora, pediram que se retirassem da cidade. 40 Tendo-se retirado da prisão, dirigiram-se à casa de Lídia e, vendo os irmãos, os confortaram. Então, partiram. At 17. Tessalônica, Bereia e Atenas 17:1 Tendo viajado através de Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma casa de congregação de judeus. 2 Paulo, conforme seu costume, foi procurá-los e, por três sábados, arrazoou com eles acerca das escrituras, 3 expondo e demonstrando ser necessário ao Ungido padecer e ressurgir de entre os mortos; e este é o Ungido, disse: Jesus, que eu vos anuncio. 4 Alguns deles se deixaram persuadir e se uniram a Paulo e Silas; também grande número de gregos religiosos, e não poucas mulheres distintas. 5 Os judeus obstinados, porém, movidos de inveja, tomaram consigo alguns homens perversos dentre a malandragem e, ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade, assaltando a casa de Jasom e procurando trazê-los para o meio do povo. 6 Não os encontrando, arrastaram Jasom e alguns irmãos perante as autoridades, clamando: Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui, 7 os quais Jasom hospedou. Todos estes praticam oposição aos decretos de César, afirmando ser Jesus outro rei. 8 Tanto a multidão como as autoridades ficaram desinquietas ao ouvirem tais palavras; 9 contudo, tendo recebido fiança de Jasom e dos demais, eles os deixaram ir livres. 10 E logo, Durante a noite, os irmãos encaminharam Paulo e Silas para Bereia; em lá chegados, dirigiram-se à casa de congregação dos judeus. 11 Estes eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com o máximo interesse, examinando as escrituras diariamente para verem se assim era. 12 Com isso, muitos deles creram, mulheres gregas de 7 4 6 7 4 7

Os presos eram Timóteo e Lucas, e ainda, talvez, outros cristãos, além de Paulo e Silas. Acreditar em Deus é acreditar na palavra que procede de Deus, e afirmar o que Deus afirma.


135

alta posição e não poucos homens. 13 Logo que os judeus de Tessalônica souberam que também em Bereia era anunciada por Paulo a palavra de Deus, foram lá agitar a plebe. 14 Imediatamente, os irmãos fizeram Paulo partir para os lados do mar, continuando ali Silas e Timóteo. 15 Os que conduziram Paulo levaram-no até Atenas e regressaram trazendo ordem a Silas e Timóteo para que, o quanto antes, fossem ter com ele. 16 Enquanto Paulo os esperava em Atenas, seu espírito se confrangia no íntimo, vendo a cidade cheia de ídolos. 17 Discutia ele na congregação com os judeus e com as pessoas religiosas; também na praça, cada dia, com os que ali se apresentavam. 18 E alguns dos filósofos epicureus e estoicos contendiam com ele, havendo quem assim falasse: Que quer dizer esse paroleiro? Ou então: Parece pregador de deuses estranhos; – pois estava a evangelizar Jesus e a ressurreição. 19 Então, tomando-o consigo, o levaram ao Areópago, dizendo: Podemos saber que nova doutrina é essa que ensinas? 20 Posto que nos trazes aos ouvidos coisas estranhas, queremos saber o que vem a ser isso. 21 Todos os atenienses e os estrangeiros residentes de outra coisa não cuidam senão de dizer e de ouvir novidades. 22 Então Paulo, levantando-se no meio do Areópago, disse: Senhores atenienses, em tudo vos vejo acentuadamente religiosos; 23 pois bem, ao passar e observar os objetos de vosso culto, encontrei um pedestal com esta inscrição: Ao Deus Desconhecido. Ora, este a quem cultuais sem conhecê-lo é quem vos anuncio. 24 O Deus que criou o mundo, e todas as coisas que aí estão, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em santuários feitos por mãos748, 25 nem de mãos humanas é assistido, como se necessitasse de alguma coisa, ele que é o doador da vida, e da respiração, e de tudo; 26 que de um mesmo sangue fez cada uma das nações dos que habitam na face da terra e que delimitou os tempos predeterminados e as fronteiras de sua habitação; 27 para que o buscassem, a ver se, porventura, a tatear o achariam, ainda que, de fato, não esteja longe de nenhum de nós: 28 porque nele vivemos, e nos movemos, e temos o nosso ser749, como também algum de vossos poetas disse: pois dele somos nós também progênie. 29 Sendo, pois, progênie de Deus, não devemos pensar que a divindade seja semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, obra de arte ou produto da imaginação humana. 30 Ora, não levou Deus em conta os tempos de ignorância; agora, porém, em toda parte, intima os homens a que se arrependam; 31 porquanto estabeleceu um dia em que julgará a humanidade com justiça, com um varão a quem conferiu encargo, a todos outorgando fé ao ressuscitá-lo de entre os mortos. 32 Quando ouviram falar de ressurreição de mortos, uns fizeram zombaria, outros disseram: a respeito disso te ouviremos noutra ocasião. 33 Assim, Paulo saiu do meio deles. 34 Mas alguns homens se agregaram a ele e creram; entre estes estava Dionísio, o areopagita, uma mulher por nome Dâmaris e, com eles, outros mais. At 18. Foi a Corinto, subiu (a Jerusalém), desceu a Antioquia e outros lugares 18:1 Depois disto, deixando Paulo Atenas, partiu para Corinto. 2 Lá encontrou certo judeu chamado Áquila, natural do Ponto, recém-chegado da Itália, – com Priscila, sua mulher, – por ter Cláudio decretado que todos os judeus se retirassem de Roma. Paulo veio a eles. 3 Então, como eram do mesmo ofício, passou a morar com eles, e ali trabalhava, sendo que ambos faziam tendas. 4 Todos os sábados, discursava na congregação, a persuadir judeus e gregos. 5 Mas, logo que Silas e Timóteo desceram da Macedônia, Paulo foi constrangido em espírito, para continuar dando o testemunho, aos judeus, de que Jesus é o Ungido. 6 Fazendo eles oposição e blasfemando, ele sacudiu as vestes e lhes disse: Sobre a vossa cabeça, o vosso sangue! Eu dele estou limpo. Doravante, vou para os gentios. 7 Dali saindo, entrou na casa de um certo Justo, que servia a Deus, cuja residência era contígua à casa da congregação. 8 Mas Críspus, que era o dirigente da congregação, acreditou no Senhor, com toda a sua casa; 748

Deus habita no santuário do nosso corpo espiritual (1Co 6:19). Este se acha confinado e manifestado pelo corpo da carne. O corpo da carne se constitui de matéria molecular; o corpo do espírito, de substância quântica; não só nos santos, mas também nos comuns da segunda classe. 749 Deus vive em nós, e nós vivemos nele. Nele vivemos, e nos movemos, e temos o nosso ser. Ele vive em nós, move-se em nós, e tem o seu Ser em nós. Esta realidade aplica-se não só aos filhos de Deus no Céu, mas a todos os filhos do Altíssimo na terra. Vale para todos, assim como valia para o poeta grego, e para todos aqueles gregos que não podiam receber o Evangelho.


1 36

também muitos dos coríntios, ouvindo, criam e eram batizados. 9 Certa noite, o Senhor falou a Paulo em visão: Não temas, mas fala, e não te cales, 10 porquanto eu estou contigo, e ninguém se atreverá a fazer-te mal, pois tenho muito povo nesta cidade. 11 E ali permaneceu um ano e seis meses, a ensinar entre eles a palavra de Deus750. 12 Quando, porém, Galião era procônsul da Acaia, levantaram-se os judeus concordemente contra Paulo e o levaram ao tribunal, 13 acusando-o de persuadir os homens a prestar culto a Deus de maneira incompatível com a lei. 14 Ia Paulo tomar a palavra, quando Galião assim falou aos judeus: Caso se tratasse de algum agravo ou crime sério, ó judeus, de razão seria dar-vos atenção; 15 sendo, porém, uma questão de palavra, de nomes e de uma lei que é vossa, cuidai vós disso; não quero ser juiz desses assuntos. 16 E os mandou embora do tribunal. 17 Então todos os gregos agarraram Sóstenes, o dirigente da congregação, e, diante do tribunal, puseram-se a espancá-lo. Nem mesmo com isso Galião se importava. 18 Paulo ficou ainda algum tempo em Corinto e, por fim, despedindo-se dos irmãos, navegou para a Síria, levando em sua companhia Priscila e Áquila, após rapar a cabeça em Cencreia, porque tomara voto. 19 Foi até Éfeso, e deixou-os ali; mas ele, entrando na casa de congregação, esteve a arrazoar com os judeus. 20 Estes lhe pediram que prolongasse sua permanência, mas ele não acedeu. 21 Antes, despediu-se deles, dizendo: Não posso, de modo algum, faltar à próxima solenidade em Jerusalém; mas, querendo Deus, voltarei outra vez para ver-vos. Então embarcou e partiu de Éfeso. 22 Ele desembarcou em Cesareia, subiu a Jerusalém para saudar a igreja, e desceu para Antioquia. 23 Havendo passado ali algum tempo, partiu, a percorrer sucessivamente as províncias da Galácia e da Frígia, a confirmar todos os discípulos. 24 Nesse meio tempo, chegou a Éfeso um judeu, natural de Alexandria, chamado Apolo, homem eloquente e habilitado nas escrituras. 25 Estava ele instruído no Caminho do Senhor, e, tinha fervor de espírito; falava e ensinava com precisão a respeito do Senhor, embora versado fosse apenas no batismo de João. 26 Ele, pois, começava a falar ousadamente na congregação. Ouvindo-o, porém, Áquila e Priscila tomaram-no consigo e lhe expuseram com mais exatidão o Caminho de Deus. 27 Querendo ele viajar para a Acaia, os irmãos o encorajaram e escreveram aos discípulos que lhe dessem acolhimento. Ali chegado, aproveitou muito aos que, pela graça, haviam crido, 28 porque vigorosamente disputava em público com os judeus, a demonstrar, por meio das escrituras, ser Jesus o Ungido. At 19. Milagres Extraordinários 1

19: Aconteceu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo, tendo passado pelas regiões mais altas, chegou a Éfeso e, achando ali alguns discípulos, 2 disse a eles: Sendo vós crentes, porventura recebestes Espírito Santo? Ao que lhe responderam: Não, realmente, nem mesmo ouvimos que haja Espírito Santo. 3 E ele: Em que, pois, fostes batizados? Responderam: No batismo de João. 4 Paulo falou: João praticou um batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que vinha depois dele, a saber, no Cristo, que é Jesus. 5 Tendo eles ouvido isto, foram batizados dentro do nome do Senhor Jesus. 6 E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e puseram-se a falar em línguas e a profetizar. 7 Esses homens eram ao todo uns doze. 8 Durante três meses, Paulo frequentou a congregação, onde falava com toda firmeza, discorrendo e persuadindo seus ouvintes acerca do reino de Deus. 9 Visto que alguns deles se mostravam empedernidos e obstinados, a falar mal do Caminho diante da multidão, apartou-se deles, separou os discípulos e passou a discorrer cada dia na escola de um certo Tirano. 10 Isto fez durante dois anos, dando ensejo a que todos os habitantes da Ásia ouvissem a palavra do Senhor, tanto judeus como helênicos. 11 E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, 12 de sorte que até lenços e aventais que lhe haviam tocado o corpo, aplicados sobre os enfermos, faziam fugir deles as doenças, e os espíritos malignos se retiravam. 13 E alguns judeus, exorcistas ambulantes, chegaram a invocar o nome do Senhor Jesus sobre os que tinham espíritos malignos, dizendo: Esconjuro-vos por Jesus, a quem Paulo prega. 14 Os que faziam isto eram sete filhos de um judeu chamado Sceva, um dos principais sacerdotes. 15 Mas o espírito 7 5 0

Os coríntios entenderam as epístolas com base no ensino que receberam nesse tempo.


137

maligno lhes respondeu: Conheço a Jesus e sei quem é Paulo; mas vós, quem sois? 16 E, atirando-se sobre eles o homem em quem estava o espírito maligno, dominou uns e outros, e de tal modo prevaleceu que eles, desnudos e feridos, fugiram daquela casa. 17 Chegou este fato ao conhecimento de todos, assim judeus como helênicos que moravam em Éfeso; veio temor sobre todos eles, e o nome do Senhor Jesus era engrandecido. 18 Muitos dos crentes vieram, a confessar e denunciar seus próprios atos. 19 Grande número dos que se haviam dado à magia ajuntaram os livros e os queimaram diante de todos. Calculados os preços, achou-se que montavam a cinquenta mil peças de prata. 20 Assim a palavra do Senhor crescia em força e ia prevalecendo. 21 Depois que estas coisas haviam acontecido, Paulo se propôs, em espírito, ir a Jerusalém passando por Macedônia e Acaia, e ponderava: depois de estar ali, preciso ir também a Roma. 22 Tendo enviado à Macedônia dois de seus assistentes, Timóteo e Erasto, deteve-se algum tempo na Ásia. 23 Por aqueles dias, houve grande alvoroço a propósito do Caminho751. 24 Pois um certo ourives, chamado Demétrio, que fazia, em prata, santuários de Ártemis e que dava ocasião de não pouco lucro aos artífices, 25 convocando-os junto com outros que estavam ligados a esse mister, disse-lhes: Senhores, sabeis que deste ofício vem a nossa prosperidade; 26 e estais vendo e ouvindo que não só em Éfeso, mas em quase toda a Ásia, este Paulo tem persuadido e desviado muita gente, afirmando não serem deuses os que se fazem com as mãos. 27 Não só há o perigo de que nosso negócio caia em descrédito, mas de que também o templo da grande deusa Ártemis seja estimado em nada, e esteja a ponto de ser destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo cultuam. 28 Ouvindo isto, encheramse de furor e clamavam: Grande é a Ártemis dos efésios! 29 Foi a cidade tomada de confusão, e todos, à uma, correram ao teatro, arrebatando os macedônios Gaio e Aristarco, companheiros de Paulo. 30 Querendo Paulo apresentar-se ao povo, não lho permitiram os discípulos. 31 Também alguns dos principais da Ásia, que eram seus amigos, mandaram dizer-lhe que não devia arriscar-se indo ao teatro. 32 Aí, uns gritavam uma coisa e outros outra, pois o ajuntamento era confuso; e os mais deles não sabiam por que causa se tinham ajuntado. 33 Então os judeus fizeram destacar-se Alexandre de entre a multidão, empurrando-o para a frente. Ele, com a mão, fazia acenos de que queria falar ao povo. 34 Quando, porém, perceberam que era judeu, todos à uma levantaram a voz, a clamar, por quase duas horas: Grande é a Ártemis dos efésios! 35 Quando conseguiu acalmar a multidão, o escrivão da cidade assim falou: Senhores efésios, quem é que não sabe que a cidade de Éfeso é guardiã do templo da grande deusa Ártemis que caiu de Zeus? 36 Ora, não podendo isto ser contraditado, convém que fiqueis calmos e nada façais precipitadamente; 37 porque estes homens que aqui trouxestes não são sacrílegos, nem blasfemam contra vossa deusa. 38 Portanto, se Demétrio e os artífices que o acompanham têm alguma queixa contra alguém, fazem-se audiências e há procônsules; que se acusem uns aos outros. 39 Mas, se alguma outra coisa pleiteais, se resolverá segundo o processo da lei. 40 Porque também há o perigo de que, pelo que hoje ocorre, sejamos acusados de insurreição, não havendo motivo que possamos alegar para justificar esta aglomeração. 41 Dito isto, dissolveu a assembleia. At 20. “Mais Bem-aventurado É Dar do que Receber” 1

20: Cessado o tumulto, Paulo mandou chamar os discípulos e, abraçando-os, partiu para a Macedônia. 2 Atravessou essa região, onde esteve a exortar os discípulos longamente, e se encaminhou à Grécia; 3 ali demorou-se por três meses. Uma conjuração tramada contra ele entre os judeus, quando se propunha embarcar para a Síria, fê-lo decidir voltar através da Macedônia. 4 Teve por companheiros, até à Ásia: Sópatros, que era de Bereia, – Aristarco e Segundo, de Tessalônica, – Gaio, de Derbe, – também Timóteo, bem como Tíquico e Trófimo, que eram da Ásia. 5 Estes tomaram a dianteira e nos esperaram em Trôade. 6 Quanto a nós, de Filipos fizemo-nos ao mar após os dias dos ázimos e, em cinco dias, fomos ter com eles em Trôade, onde nos demoramos sete dias. 7 No primeiro dia da semana, estando os discípulos reunidos para partir o pão752, e palestrando com eles Paulo, que devia seguir 751

O Caminho não era o cristianismo. Era o ensino dos apóstolos e a obediência dos cristãos a andar no Caminho da verdade, que conduz à vida, ou seja, ao desfrute da vida plena no reino de Deus. 752 Refeição compartilhada, ou comunitária. Em ocasiões como esta, fazia-se lembrado o fato de que o


1 38

viagem no dia imediato, prolongou o seu discurso até a meia-noite. 8 Havia bastantes lâmpadas na sala superior onde estavam reunidos. 9 Um adolescente, chamado Êutico, que estava sentado numa janela, foi vencido pelo sono (porque a palestra de Paulo se alongava muito) e caiu do terceiro andar abaixo. E o ergueram morto. 10 Mas Paulo desceu, deitou-se sobre ele e, após abraçá-lo, disse: Não haja alvoroço, que sua alma está nele. 11 Depois subiu, partiu o pão753e comeu-o. Ainda lhes falou por bastante tempo, até à aurora. Então seguiu viagem. 12 Quanto ao menino, reconduziram-no vivo, e isso foi causa de não pequena consolação. 13 Nós754, porém, prosseguindo, embarcamos e navegamos para Assôs, onde Paulo havia de juntar-se ao nosso grupo, porque assim nos fora determinado, devendo ele vir por terra. 14 Quando se reuniu conosco em Assôs, juntos seguimos para Mitilene. 15 Dali zarpamos e, no dia seguinte, passamos ao largo de Quios; em mais um dia aportamos em Samos e, após pousar em Trogílio, um dia depois chegamos a Mileto. 16 Ora, Paulo tinha resolvido não passar por Éfeso, não fosse gastar tempo na Ásia, porquanto devia apressar-se, já que pretendia estar em Jerusalém pelo Pentecostes. 17 De Mileto, mandou chamar os anciãos da igreja em Éfeso. 18 Quando se encontraram com ele, assim lhes falou: Vós bem sabeis, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia, como em todo esse tempo me portei no meio de vós, 19 servindo ao Senhor com toda a humildade, com muitas lágrimas e provações que, pelas conjurações dos judeus, me sobrevieram, 20 e nada deixei de vos anunciar que vos fosse de proveito, nem de ensinar-vos publicamente e pelas casas, 21 persistindo no testemunho, tanto a judeus como a helênicos, do arrependimento para com Deus e da fé em nosso Senhor Jesus Cristo. 22 E agora, eis que, ligado eu pelo Espírito, vou a Jerusalém, não sabendo o que ali me há de suceder, 23 senão que o Espírito Santo, de cidade em cidade, me assegura que cadeias e tribulações me aguardam. 24 Nada, porém, levo eu em conta, nem tenho minha alma por valiosa, contanto que, com alegria, leve a bom termo minha carreira e o encargo que recebi do Senhor Jesus, de empenhar-me no testemunho do evangelho da graça de Deus. 25 E agora, eis que estou ciente de que todos vós, em cujo meio passei proclamando o reino de Deus, não vereis mais o meu rosto. 26 Portanto, eu vos protesto, no dia de hoje, que estou limpo do sangue de todos; 27 porque nunca deixei de vos anunciar todo o desígnio de Deus. 28 Olhai, pois, por vós mesmos e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu supervisores, para apascentardes a Igreja de Deus, a qual ele adquiriu com o seu próprio sangue. 29 Ora, eu sei que, após minha partida, se intrometerão em vosso meio uns lobos opressores, que não pouparão o rebanho; 30 e que, mesmo de entre vós, se levantarão homens a falar palavras tortuosas, intentando descaminhar os discípulos e levá-los após si. 31 Portanto haveis de estar vigilantes, lembrados de que por três anos, noite e dia, não cessei de advertir a cada um, com lágrimas. 32 E agora, irmãos, eu vos encomendo a Deus e à palavra da sua graça, que é forte para edificar e para dar-vos uma herança entre todos os santificados755. 33 De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário; 34 vós mesmos sabeis que estas mãos se esforçaram para atender ao que fosse necessário a mim e aos que estavam comigo. 35 Em tudo vos mostrei que é assim, a labutar, que se deve oferecer ajuda aos que sofrem fraquezas, e vos lembro as palavras do Senhor Jesus, que disse, ele mesmo: Mais bem-aventurado é dar do que receber. 36 Após dizer estas palavras, pôs-se de joelhos e orou com todos eles. 37 Então houve grande pranto entre todos, e, abraçando a Paulo, o beijavam, 38 entristecidos principalmente pelo que lhes havia dito, – que não mais veriam o seu rosto. E o acompanharam ao embarque. At 21. De Mileto a Jerusalém 1

21: E aconteceu que, separando-nos deles, fizemo-nos ao mar e, correndo em direitura, chegamos a Cós; no dia seguinte estávamos em Rodes, e de lá viemos a Pátara. 2 Tendo achado um navio que ia para a Fenícia, embarcamos nele e partimos. 3 Depois pão que repartimos é o corpo do Filho do Homem, e a bebida que bebemos é (não um símbolo) o sangue da Nova Aliança. Não há transubstanciação nem simbologia; nem há classe clerical. 7 5 3 Aqui se confirma que partir o pão não era um ritual, e sim um ato em que se davam graças pelo pão e pelo copo de bebida. Comia-se e bebia-se em memória da morte do Senhor. O ato singelo era diário, ou mais que diário, em particular, ou em família, ou nas reuniões da igreja (ver 1Co11). 7 5 4 Lucas junto, portanto. 7 5 5 Desfrutaremos da herança depois que estejamos santificados (puros de coração).


139

avistamos a ilha de Chipre e, deixando-a à esquerda, tomamos a rota da Síria; fomos levados a desembarcar em Tiro, porque ali havia o navio de descarregar-se. 4 Encontrando os discípulos, ali nos demoramos por sete dias. Eles disseram a Paulo, pelo Espírito, que não subisse a Jerusalém. 5 Passados, porém, esses dias, reencetamos jornada, havendo eles todos nos acompanhado, com mulheres e filhos, até fora da cidade. Estivemos a orar, ajoelhados na praia. 6 Após nos termos abraçado uns aos outros, nos levaram ao embarque; e eles regressaram a suas casas. 7 Quanto a nós, concluímos a viagem por mar no trecho de Tiro a Ptolemaida, onde, após saudar os irmãos, ficamos com eles um dia. 8 No dia seguinte, nós, o grupo de Paulo, nos dirigimos a Cesareia; sendo recebidos em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos ali com ele. 9 Este tinha quatro filhas solteiras que profetizavam. 10 Havendo nós prolongado nossa permanência por alguns dias, chegou ali um profeta que descera da Judeia, chamado Ágabo. 11 Aproximando-se ele de nós, tomou a cinta de Paulo e, enlaçando-lhe as mãos e os pés, falou: Assim diz o Espírito Santo – o homem a quem pertence esta cinta, desta maneira o atarão os judeus em Jerusalém, e o entregarão nas mãos dos gentios. 12 Quando ouvimos tais palavras, nós e os que eram do lugar rogamos a Paulo que não subisse a Jerusalém. 13 Ele, porém, respondeu: Que estais a fazer, chorando e quebrantando-me o coração? Pois estou pronto não só para ser amarrado, mas até para morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus. 14 Então, como não o persuadimos, ficamos quietos, dizendo: Faça-se a vontade do Senhor. 15 Passados aqueles dias, tendo feito os preparativos, subimos a Jerusalém; 16 e alguns dos discípulos também vieram de Cesareia conosco, e com eles um certo Mnassom, cipriota, discípulo antigo, com quem nos devíamos hospedar. 17 Tendo nós chegado a Jerusalém, os irmãos nos receberam com satisfação. 18 No dia seguinte, Paulo, junto conosco, foi visitar a Tiago, e todos os anciãos compareceram ao local. 19 Após abraçá-los, ele lhes relatou, em pormenores, as coisas que Deus havia realizado entre os gentios, pelo trabalho dele. 20 E eles, havendo-o escutado, glorificaram ao Senhor. Disseram-lhe756: Irmão, tu vês que há dezenas de milhares de judeus que agora são crentes, e todos são zelosos da Lei; 21 e foram avisados, a teu respeito, de que ensinarias a todos os judeus que estão entre os gentios o afastamento em relação a Moisés, e de que recomendarias não circuncidar os filhos nem andar segundo os costumes. 22 Que se há, então, de fazer? Necessariamente, uma multidão vai-se ajuntar; porque ouvirão que chegaste.23 Faze, pois, isto que te dizemos: Nós temos quatro homens que fizeram voto; 24 toma estes contigo e pratica a purificação junto com eles, e faze por eles os gastos para que rapem a cabeça, e fiquem todos cientes de que nada vale aquilo que de ti ouviram falar, e que tu mesmo andas em conformidade, guardando a Lei. 25 Quanto aos gentios que são crentes, já lhes passamos instruções, após tomar uma resolução, no sentido de que nada disso se lhes impõe, senão que se guardem do que é sacrificado a ídolos, e do sangue, e do que é sufocado, e da fornicação. 26 Paulo, então, tomando consigo aqueles homens, feita sua purificação, no dia seguinte entrou junto com eles no templo, declarando o cumprimento dos dias da purificação, e ficou ali até que se fizesse cada oferta por eles. 27 Mas quando os sete dias estavam quase a terminar, os judeus da Ásia o viram no templo e instigaram toda a multidão contra ele, e lançaram mãos sobre ele, 28 a clamar: Homens israelitas, acudi. Aqui está o homem que por toda parte ensina a todos contra o povo e contra a Lei, e contra este lugar; além disso, ele trouxe estrangeiros para dentro do templo e profanou este santo lugar. 29 É que eles anteriormente tinham visto Trófimo de Éfeso estar com ele, e acreditavam que Paulo o tivesse introduzido no templo. 30 E alvoroçou-se toda a cidade, e houve grande concurso de povo. Agarrando a Paulo, empurraram-no para fora do templo, e imediatamente foram fechadas as portas. 31 Procurando eles matá-lo, chegou ao tribuno da coorte o aviso de que toda Jerusalém estava em tumulto. 32 Ele, de imediato, tomando consigo soldados e oficiais, correu a ver; quando eles viram o tribuno e os soldados, cessaram de ferir a Paulo. 33 Então o tribuno se aproximou, prendeu-o e mandou que fosse atado em duas correntes; perguntou quem ele era, e o que havia feito. 34 Na turba, porém, uns clamavam de uma maneira, outros de outra; como nada podia saber ao certo por causa da confusão, mandou que fosse levado para a fortaleza. 35 756

Esta orientação que foi dada a Paulo, aparentemente equivocada, foi conduzida pelo Espírito Santo, a fim de que Paulo fosse levado preso a Roma, após dar testemunho do Evangelho perante reis e governantes.


1 40

Ao chegar às escadas, foi preciso que os soldados o carregassem, por causa da violência da multidão, 36 pois a massa de povo o seguia e gritava: Acaba com ele! 37 Quando Paulo ia sendo recolhido à fortaleza, disse ao tribuno: É-me permitido dizer-te alguma coisa? Ele disse: Sabes o Grego? 38 És tu, porventura, o egípcio que, há tempos, sublevou e conduziu ao deserto quatro mil sicários? 39 Respondeu-lhe Paulo: Eu sou judeu, cidadão de Tarso, cidade não pouco notável da Cilícia; rogo-te que me permitas falar ao povo. 40 Obtida a permissão, Paulo, pondo-se em pé nas escadas, fez com a mão sinal ao povo; fez-se grande silêncio, e lhes passou a discursar em língua hebraica, dizendo: At 22. Paulo Apresenta Defesa em Jerusalém 22:1 Senhores, irmãos e pais, escutai-me na defesa que apresento perante vós. 2 (Quando ouviram que lhes discursava em língua hebraica, mais quietos ficaram.) E ele prosseguiu: 3 Quanto a mim, sou judeu, nasci em Tarso da Cilícia, mas fui educado nesta cidade e aqui fui instruído aos pés de Gamaliel segundo o rigor da Lei pátria, zelador de Deus, como todos vós hoje sois. 4 Persegui de morte este Caminho757, prendendo e encarcerando homens e mulheres, 5 como poderá testificar o sumo sacerdote e todo o colégio dos anciãos. Deles recebi cartas para os irmãos de Damasco, aonde fui para trazer maniatados a Jerusalém os que ali havia, a fim de os castigar. 6 Porém aconteceu que, indo meu caminho, já perto de Damasco, por volta do meio-dia de repente envolveu-me uma grande luz do céu. 7 Caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? 8 Respondi: Quem és, Senhor? E ele me disse: Sou Jesus, o nazareno, a quem tu persegues. 9 Os que estavam comigo viram a luz, mas não ouviram a voz daquele que me falava. 10 Eu disse: Que hei de fazer, Senhor? O Senhor me disse: Levanta-te e entra em Damasco, e ali ser-te-á dito o que hás de fazer. 11 Como eu não enxergava, por causa do esplendor daquela luz, conduzido pelos que me acompanhavam entrei em Damasco. 12 Um certo Ananias, varão piedoso conforme a Lei, acreditado por todos os judeus que ali habitavam, 13 veio a mim e, apresentando-se, disse-me: Saulo, irmão, recupera a vista. E naquele instante comecei a vê-lo. 14 E ele disse: O Deus de nossos pais escolheu-te para que conhecesses a sua vontade, e visses o Justo, e ouvisses a voz de sua boca; 15 porque tu lhe serás testemunha, perante todos os homens, do que viste e ouviste. 16 Agora, que é que te detém? Levanta-te, batiza-te, e lava-te dos pecados, invocandolhe o nome758. 17 Quando eu voltei a Jerusalém, orando no templo tive um êxtase, 18 e eu o vi a dizer-me: Apressa-te por sair logo de Jerusalém, porque eles não receberão teu testemunho acerca de mim. 19 E eu respondi: Senhor, eles sabem que era eu quem encarcerava e açoitava, nas congregações, os que criam em ti; 20 e, quando era derramado o sangue da tua testemunha, Estêvão, eu estava presente, e consentia, e guardava as vestes dos que o matavam. 21 Porém ele me disse: Vai; porque quero enviar-te a nações distantes. 22 Até esta altura eles lhe prestaram atenção; mas logo, levantando a voz, disseram: Tira esse da terra, pois não merece viver. 23 E, a gritar, arrojavam os mantos e lançavam pó ao ar. 24 Em vista disto, o tribuno ordenou que o introduzissem no quartel e o açoitassem, a fim de conhecer por que causa assim clamavam contra ele. 25 Paulo disse ao centurião que o estirava com correias: É-vos lícito açoitar um romano sem que seja condenado? 26 Ao ouvir isto, o centurião foi ao tribuno e lhe disse: Olha só o que estás para fazer, que este homem é um romano. 27 O tribuno veio a ele e perguntou: Dize-me – és tu romano? Ele respondeu: Sim. 28 Acrescentou o tribuno: Eu adquiri esta cidadania por uma grande soma. Paulo replicou: Pois eu a tenho por nascimento. 29 Imediatamente afastaram-se dele os que iam torturá-lo, e o próprio tribuno temeu ao saber que, sendo ele romano, o atara. 30 No dia seguinte, desejando averiguar com segurança de que coisa era acusado pelos judeus, ele o soltou dos laços, e mandou vir os principais dos sacerdotes e todo o sinédrio, e, levando Paulo, apresentou-o a eles. At 23. “Importa que Testemunhes em Roma”

7 5 7

Quem persegue a igreja persegue o Senhor e o caminho no qual ele nos conduz à vida gloriosa. Os fatos que se seguiram: Paulo lavou-se dos pecados, mediante a invocação do nome do Senhor Jesus, compreendeu o significado do batismo, pediu batismo, e foi batizado, em ato de obediência de fé.

7 5 8


141

23:1 Fitando os olhos no sinédrio, Paulo disse: Irmãos, até hoje sempre me deixei conduzir, diante de Deus, de toda a boa consciência759. 2 Mas o sumo sacerdote, Ananias, mandou aos que estavam perto dele que o ferissem na boca. 3 Então Paulo lhe disse: Deus há de ferir-te, parede branqueada. Tu estás aí sentado para julgar-me segundo a Lei e, contra a Lei, mandas agredir-me? 4 Os que estavam a seu lado disseram: Insultas o sumo sacerdote de Deus? 5 Respondeu Paulo: Não sabia, irmãos, que ele é sumo sacerdote; porque está escrito – não dirás mal de um príncipe do teu povo. 6 Ciente Paulo de que o sinédrio era em parte composto por saduceus e em parte por fariseus, exclamou: Senhores, irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseu. No que respeita a uma esperança e a uma ressurreição de mortos sou agora julgado! 7 Havendo ele assim falado, levantou-se uma dissensão entre os fariseus e os saduceus, e o plenário se dividiu. 8 Ocorre que os saduceus declaram não haver ressurreição, nem anjo, nem espírito; ao passo que os fariseus confessam tanto uns quanto outros. 9 Suscitou-se, portanto, grande vozearia, e, levantando-se os escribas da parte dos fariseus, contendiam, a dizer: Nada vemos de errado com este homem; não lhe teria falado algum espírito ou anjo? Não estejamos a lutar contra Deus! 10 Tomando vulto a celeuma, o tribuno, por precaução, não fosse Paulo espedaçado por eles, mandou descer a guarda para que o retirassem dali e o levassem para a fortaleza. 11 Na noite que se seguiu, pôs-se ante ele o Senhor, e disse: Coragem, Paulo! Pois assim como te empenhaste no testemunho a meu respeito em Jerusalém, também importa que, semelhantemente, testemunhes em Roma. 12 Quando amanheceu, alguns dos judeus formaram conciliábulo e, sob pena de anátema, juraram que não haviam de comer nem beber enquanto não matassem Paulo. 13 Foram mais de quarenta os que tomaram parte nessa conspirata. 14 Estes, indo ter com os principais dos sacerdotes e os anciãos, disseram: Juramos, com anátema, nada provar enquanto não tivermos matado Paulo. 15 Agora, pois, vós com o sinédrio, requerei ao tribuno que vo-lo traga, como se quisésseis fazer melhor investigação da causa; e nós, quando ele se aproximar, estaremos prontos para eliminá-lo. 16 Mas o filho da irmã de Paulo ficou sabendo da emboscada, foi lá, entrou na fortaleza e preveniu Paulo. 17 Então este, chamando um dos centuriões, disse: Leva este rapaz ao tribuno, porque tem alguma coisa a comunicar-lhe. 18 O centurião o tomou, pois, e o levou ao tribuno e disse: O preso Paulo pediu-me trazer-te este jovem que tem alguma coisa a te dizer. 19 Tomou-o pela mão o tribuno e, retirando-se à parte, perguntou-lhe: Que tens a comunicar-me? 20 Ele disse: Os judeus combinaram pedir-te que amanhã leves Paulo ao sinédrio, como se quisessem fazer melhor inquérito a seu respeito. 21 Tu, pois, não te deixes persuadir, porque há mais de quarenta deles que estão tramando emboscada, a pactuar, sob anátema, não comer nem beber enquanto não o eliminarem; e agora estão prontos, a esperar a tua decisão. 22 Então o tribuno despediu o rapaz, recomendando-lhe não falar a ninguém das informações que lhe havia passado. 23 Chamando dois centuriões, ordenou: Preparai duzentos soldados para a hora terceira da noite, mais setenta cavaleiros e duzentos lanceiros, para irem até Cesareia; 24 Aprontai também cavalgaduras para que Paulo vá montado em segurança ao governador Félix. 25 E escreveu uma carta do seguinte teor: 26 Cláudio Lísias ao excelentíssimo governador Félix, saudações. 27 Este homem foi aprisionado pelos judeus e estava prestes a ser morto por eles, quando eu, sobrevindo com a guarda, o livrei, ao saber que é romano. 28 Querendo certificar-me do motivo por que o acusavam, levei-o ao sinédrio deles; 29 verifiquei tratar-se de acusação referente à lei que os rege, mas que não havia inculpação que pudesse justificar morte ou mesmo prisão. 30 Sendo eu informado de que os judeus armavam uma cilada contra o homem, sem demora mandei levá-lo a ti, intimando também os acusadores a irem dizer, na tua presença, o que há contra ele. Saúde. 31 Os soldados, então, conforme lhes foi ordenado, tomaram Paulo e o conduziram de noite até Antipátride; 32 no dia seguinte regressaram à fortaleza, deixando que os cavaleiros prosseguissem com ele; 33 estes, chegados a Cesareia, entregaram a carta ao governador e também lhe apresentaram Paulo. 34 Lida a carta, perguntou o governador de que província era; foi informado de que era da Cilícia, 35 e disse: Eu te ouvirei quando chegarem os teus acusadores. E mandou que ele ficasse detido no pretório de Herodes. 759

A boa consciência é tudo o que o Espírito Santo está construindo em nós. Tudo o mais já é perfeito desde o princípio. A consciência é a percepção e o entendimento direto da realidade. A única cura necessária é a da percepção. A inconsciência leva indivíduos a acreditar que o ilusório seja real.


1 42

At 24. Paulo e Félix 24:1 Cinco dias mais tarde, o sumo sacerdote Ananias desceu com os anciãos e com certo orador chamado Tertulo, os quais fizeram representação ao governador contra Paulo. 2 Sendo este chamado, passou Tertulo a acusá-lo, dizendo: A paz profunda que gozamos graças a ti e às acertadas medidas que esta nação deve à tua providência, 3 de toda maneira e por toda parte, nós com satisfação a reconhecemos, excelentíssimo Félix, com toda a gratidão. 4 Mas, evitando fazer-me importuno na tua presença, peço-te que nos escutes por um pouco, por tua gentileza. 5 Ora, tendo nós verificado que este homem é uma praga que instiga sedição entre os judeus esparsos pelo império, como líder da seita dos nazarenos 6 (e ele também tentou profanar o templo), nós o prendemos com o intuito de julgá-lo de conformidade com a nossa lei. 7 Mas, sobrevindo o tribuno Lísias, o tirou das nossas mãos com grande violência, 8 determinando que seus acusadores viessem a tua presença; dele poderás tu mesmo inquirir e assegurar-te de tudo aquilo de que nós o acusamos. 9 Também os judeus deram-lhe apoio, confirmando que as coisas seriam mesmo assim. 10 Paulo, tendo-lhe dado o governador sinal que falasse, respondeu: Sabendo que há muitos anos desta nação és juiz, sinto-me à vontade para apresentar minha defesa. 11 Poderás verificar que não faz mais de doze dias desde que subi a Jerusalém para adorar; 12 e que não me acharam no templo a discutir com alguém, nem tampouco a provocar tumulto, seja nas salas de congregação, seja na cidade; 13 nem te podem provar as acusações que agora fazem contra mim. 14 Porém confesso-te que é assim que sirvo ao Deus de nossos pais: segundo o Caminho, a que chamam seita, acreditando em todas as coisas que estejam na conformidade da Lei e nos escritos dos Profetas, 15 tendo esperança em Deus, como também estes a têm recebido, de que haverá ressurreição de mortos, tanto de justos como de injustos760. 16 Nisto estou a exercitar-me, para ter uma consciência sem tropeço, diante de Deus e diante dos homens, em qualquer tempo. 17 Ora, depois de muitos anos, vim trazer à minha nação esmolas e ofertas; 18 nisso, certos judeus da Ásia me acharam já purificado no templo, sem ajuntamento e sem tumulto; 19 esses deviam comparecer diante de ti e acusar, se tivessem alguma coisa contra mim. 20 Ou estes aqui que o digam, se acharam em mim algum delito, quando estive perante o sinédrio, 21 salvo esta palavra única que bradei quando no meio deles: é com respeito à ressurreição de mortos que sou hoje por vós julgado. 22 Então Félix, tendo ouvido estas coisas, informado que estava, mais acuradamente, com respeito ao Caminho, lhes pôs dilação, dizendo: Quando descer o tribuno Lísias, tomarei inteiro conhecimento do vosso caso. 23 E mandou ao centurião que mantivesse Paulo detido, mas que lhe deixasse relativa liberdade, e que os seus não fossem impedidos de atender-lhe ou de vir ter com ele. 24 Passados alguns dias, veio Félix com sua mulher Drusila, que era judia. Mandou chamar Paulo e ouviu-o a respeito da fé em Cristo. 25 Discorrendo ele acerca da justiça, do domínio próprio e do juízo vindouro, ficou Félix amedrontado e disse: Por agora, vai; quando tiver tempo, te chamarei, 26 esperando também, ao mesmo tempo, que Paulo lhe desse dinheiro para que o soltasse; por isso, chamando-o mais frequentemente, voltava a conversar com ele. 27 Dois anos, entretanto, se passaram, e Félix teve por sucessor Pórcio Festo. Querendo Félix assegurar o apoio dos judeus, manteve Paulo aprisionado. At 25. Paulo e Festo 25:1 Tendo Festo, portanto, assumido o governo da província, subiu, três dias depois, de Cesareia para Jerusalém; 2 então o sumo sacerdote e os maiorais dos judeus lhe fizeram representação contra Paulo e lhe solicitaram, 3 por petição contra ele, que o mandasse vir a Jerusalém, intentando armar cilada para dar cabo dele na estrada. 4 Então Festo respondeu que Paulo ficaria detido em Cesareia, e que ele mesmo, aliás, havia de partir logo. 5 Aqueles dentre vós que estiverem habilitados, disse ele, desçam comigo; e, havendo algo contra este homem, que o acusem. 6 Depois de ficar entre eles mais de dez dias, desceu para Cesareia e, no dia seguinte, assentando-se no tribunal, mandou trazer Paulo. 7 Comparecendo este, os judeus que haviam descido de Jerusalém o cercaram, trazendo muitas e graves acusações, que eram incapazes de provar. 8 Em sua defesa, ele pronunciou: Não pequei contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César. 9 E Festo, querendo assegurar o apoio 7 6 0

Ressurreição: salvação prometida a todos. Os fiéis são favorecidos com salvação especial (1Tm 4:10).


143

dos judeus, respondeu a Paulo: Queres tu subir a Jerusalém e ser ali julgado por mim a esse respeito? 10 Paulo disse: Estou perante o tribunal de César, onde devo ser julgado; nenhuma ofensa pratiquei contra judeus, como tu muito bem sabes. 11 Caso, pois, seja eu culpado de alguma coisa e tenha praticado o que justifique sentença de morte, não recuso morrer; se, ao revés, não tem procedência nada do que estes me acusam, ninguém tem o direito de me ceder a eles. Apelo para César. 12 Então Festo, consultado o conselho, deu resposta: A César apelaste, a César irás761. 13 Transcorridos alguns dias, o rei Agripa e Berenice vieram a Cesareia, a saudar Festo. 14 Em se demorando eles ali alguns dias, Festo deu conta ao rei do caso de Paulo, dizendo: Félix deixou aqui preso certo homem, 15 a respeito de quem os principais dos sacerdotes e os anciãos dos judeus apresentaram queixa e pediram o condenasse, quando eu estava em Jerusalém. 16 Respondi-lhes que não é costume dos romanos entregar um homem à perdição sem que o acusado tenha presentes os seus acusadores e possa defender-se quanto ao alegado delito; 17 de sorte que, sem perda de tempo, vindo eles aqui a mim, sentado no tribunal no dia seguinte, mandei que me trouxessem o homem; 18 então, quando os acusadores se levantaram, não apresentaram qualquer libelo dos que eu pudesse ter previsto, 19 senão que tinham contra ele questões atinentes a sua religião e a um certo Jesus que morrera e de quem Paulo afirmava estar vivo; 20 estando eu perplexo quanto à inquirição dessa causa, pergunteilhe se queria ir a Jerusalém para ali ser julgado; 21 mas Paulo apelou para ficar em custódia até ser interrogado perante o imperador, e eu determinei que ele continuasse detido até que eu o enviasse a César. 22 Então Agripa disse a Festo: Eu também gostaria de ouvir esse homem. Amanhã, respondeu ele, o ouvirás. 23 De fato, no dia seguinte, vindo Agripa e Berenice, com grande pompa, tendo eles entrado na sala de audiências junto com tribunos e homens eminentes da cidade, Paulo foi trazido por ordem de Festo. 24 Então disse Festo: Rei Agripa e todos vós que estais presentes conosco, vedes este homem, por causa de quem os judeus, em peso, recorreram a mim e vieram pleitear, tanto em Jerusalém como aqui, clamando que não convinha que ele vivesse mais. 25 Eu, porém, entendi que ele nada praticara em que fosse passível de morte; entretanto, tendo ele apelado para o imperador, resolvi mandá-lo ao augusto. 26 Nada tenho de consistente que possa escrever ao soberano; por isso, eu o trouxe a vossa presença, e mormente à tua, ó rei Agripa, para que, feita a arguição, tenha alguma coisa que escrever; 27 porque não me parece razoável, ao remeter um preso, deixar de mencionar as acusações que pesam sobre ele. At 26. Paulo e Agripa 26:1 Agripa, nesse momento, dirigindo-se a Paulo, disse: Podes falar por ti mesmo. Paulo, então, erguendo a mão, pronunciou defesa: 2 Tenho-me por feliz, rei Agripa, de poder fazer minha defesa na tua presença hoje, quanto às coisas de que tenho sido acusado pelos judeus, 3 sobretudo por seres conhecedor de todos os costumes dos judeus e de suas controvérsias; isto posto, rogo por tua paciência em escutar-me. 4 Ora, minha vida desde a juventude, que passei desde o início com meu povo em Jerusalém, é conhecida de todos os judeus, 5 e eles de tudo poderiam atestar, se assim o quisessem: de que vivi como fariseu, conforme a seita mais estrita de nossa religião. 6 E, agora, estou a ser julgado por causa da esperança da promessa feita por Deus a nossos pais, 7 a qual as nossas doze tribos, servindo a Deus fervorosamente de noite e de dia, almejam alcançar; é no tocante a esta esperança que sou acusado, ó rei Agripa, pelos judeus. 8 Por que se julga incrível entre vós que Deus ressuscite mortos? 9 Ora, a mim mesmo me parecia que muita oposição ao nome de Jesus, o nazareno, importava praticar; 10 e assim procedi em Jerusalém. E a muitos dos santos encerrei em prisões, mediante autorização dos principais sacerdotes; e, quando se tratava de executálos, eu dava meu voto. 11 Por todas as congregações, muitas vezes, a castigá-los, forçava-os para que blasfemassem; com fúria desmedida eu os perseguia, até mesmo em cidades estrangeiras. 12 Foi com tal intuito que viajei para Damasco, com autorização e encargo conferido pelos principais dos sacerdotes. 13 Pelo meio dia, ó rei, indo eu de caminho, vi resplandecer, vinda do céu, uma luz que superava o brilho do sol, ao redor de mim e daqueles que me acompanhavam. 14 E, caindo todos nós por terra, eu ouvi uma voz que me falava e em língua hebraica dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa te é recalcitrares contra 761

O Senhor revelara a Paulo que ele viajaria a Roma (At 23:11), para testemunho.


1 44

aguilhões. 15 E eu disse: Quem és tu, Senhor? E ele disse: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. 16 Mas levanta-te e firma-te sobre teus pés, porque por isto te apareci, para te constituir serviçal e testemunha, tanto do que de mim viste como do que de mim te farei ver, 17 tirando-te do meio do povo e do meio das nações, a quem agora te envio, 18 para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da autoridade de satanás para Deus; a fim de que recebam remissão de pecados e herança entre os que estarão santificados762pela fé em mim. 19 Aí está o motivo, ó rei Agripa, pelo qual não fui desobediente à visão celestial, 20 mas anunciei em Damasco primeiro, e em Jerusalém, por toda a região da Judeia, e às nações, que se arrependessem e se convertessem a Deus, a praticar obras dignas de arrependimento. 21 Por causa disto, os judeus me agarraram no templo e tentaram linchar-me. 22 Aí alcancei socorro da parte de Deus e sobrevivo até ao dia de hoje, a dar testemunho tanto a pequenos como a grandes, não falando mais que daquilo que havia de acontecer consoante a palavra dos profetas e de Moisés: 23 quanto aos padecimentos do Ungido e quanto a ser este o primeiro da ressurreição de mortos; ele demonstrará haver uma luz para o povo e para as nações. 24 Estando ele a dizer estas coisas em sua defesa, Festo falou em alta voz: Estás louco, Paulo; as muitas letras te fazem delirar. 25 E ele respondeu: Não estou louco, excelentíssimo Festo. Pelo contrário, expresso-me em palavras de verdade e de bom senso. 26 Porque tudo isto é do conhecimento do rei, a quem me dirijo com franqueza, pois estou persuadido de que nada disto lhe é oculto, já que nada teve lugar em algum recanto. 27 Acreditas, ó rei Agripa, nos profetas? Bem sei que crês. 28 Então Agripa se dirigiu a Paulo e disse: Um pouco mais, e me persuades a me fazer cristão. 29 Paulo respondeu: Prouvera a Deus que, ou por pouco ou por muito, não somente tu, mas também todos quantos hoje me estão a ouvir, se tornassem tais qual eu sou, tirante estas algemas. 30 E, dizendo ele isto, levantou-se o rei, também o governador, e Berenice, bem como os que com eles estavam assentados; 31 havendo-se retirado, falavam uns com os outros, dizendo: Este homem nada tem praticado que o faça merecer morte ou prisão. 32 E Agripa disse a Festo: Bem poderia soltar-se este homem, não tivesse ele apelado para César. At 27. Partida de Cesareia e Naufrágio 1

27: Quando ficou decidido que navegaríamos763 para a Itália, entregaram Paulo e alguns outros presos a um centurião por nome Júlio, da coorte chamada Imperial. 2 Embarcando num navio adramitino, que estava de partida para costear a Ásia, zarpamos, estando conosco Aristarco, macedônio de Tessalônica. 3 No dia seguinte chegamos a Sidom, e Júlio, tratando Paulo com humanidade, permitiu-lhe ir ver os amigos e obter assistência. 4 Daí, abrindo velas, fomos navegando abaixo de Chipre, por serem contrários os ventos, 5 e, tendo atravessado o mar, ao longo da Cilícia e da Panfília, chegamos a Mirra, na Lícia. 6 Achando ali o centurião um navio alexandrino que estava de partida para a Itália, nele nos fez embarcar. 7 E, como por bastantes dias navegássemos vagarosamente, tendo chegado apenas defronte de Cnido, não nos permitindo o vento ir mais adiante, seguimos por baixo de Creta, junto de Salmona. 8 Costeando-a penosamente, chegamos a um lugar chamado Bons Portos, perto do qual ficava a cidade de Laseia. 9 Bastante tempo decorrera, e, tendendo a ficar perigosa a viagem, porque mesmo o Dia do Jejum já tinha passado, Paulo deu-lhes conselho, 10 dizendo: Senhores, vejo que a viagem tende a ser desastrosa, com muito dano, não só para a carga e o navio, mas também para as nossas almas. 11 O centurião, porém, dava mais crédito ao piloto e ao mestre do que ao que Paulo dizia. 12 E, como aquele porto não era cômodo para invernar, os mais deles foram de parecer que se partisse dali para ver se podiam chegar a Fenice, porto de Creta que abre vista para sudoeste e para noroeste, e aí passar o inverno. 13 Soprando brandamente o vento sul, pareceu-lhes ter já o que desejavam e, levantando âncora, foram costeando Creta. 14 Entretanto, não muito depois, desencadeou-se um vento tempestuoso, que se chama Euroclidão; 15 sendo o navio atingido com violência, sem poder resistir ao vento, demos de mão a tudo e nos fomos deixando levar. 16 Avançando ao abrigo de uma ilhota chamada Clauda, a custo conseguimos recolher o escaler; 17 uma vez que lograram içá-lo, usaram recursos de emergência: o navio foi 7 6 2

Desfrutaremos da herança depois que estejamos santificados (puros de coração). Lucas estava entre os viajantes que naufragaram, e estava também à disposição de Paulo ao tempo da prisão em Cesareia, como também na moradia em Roma.

7 6 3


145

cingido com cabos; temendo fossem dar na Sirte, arriaram as velas e deixaram-se ir à deriva. 18 Continuando nós açoitados severamente pela tormenta, no dia seguinte já fizeram alívio da carga, 19 e ao terceiro dia, por nossas próprias mãos, alijamos a armação da nau. 20 Por vários dias, nem sol nem estrelas haviam brilhado e, estando ainda a despencar-se grande tempestade, já não restava qualquer esperança de que nos salvássemos. 21 Havíamos passado longo tempo sem comer, quando Paulo se levantou e disse: Senhores, com efeito era preciso que acatassem meu conselho de não partir de Creta para não incorrer neste desastre e neste prejuízo. 22 Mas agora recomendo que tenhais bom ânimo, pois não se perderá nenhuma das vossas almas, mas tão somente o navio. 23 Porque esta noite esteve comigo um anjo do Deus de quem sou e a quem sirvo, 24 o qual me disse: Não temas, Paulo. É preciso que compareças perante César, e eis que Deus te deu todos quantos navegam contigo. 25 Portanto, senhores, tende bom ânimo. Pois eu confio em Deus que assim sucederá como me foi dito. 26 Sem dúvida daremos em uma ilha. 27 Quando chegou a décima quarta noite em que assim éramos levados de uma a outra parte pelo Adriático, pelo meio da noite pressentiram os marinheiros que se aproximavam de alguma terra 28 e, lançando a sonda, acharam vinte braças; depois de avançar um pouco, de novo sondaram onde havia profundidade de quinze braças. 29 Ante o temor de que fossem atirados contra pontos rochosos, lançaram da popa quatro âncoras e rezaram que rompesse o dia. 30 Procurando os marinheiros fugir do navio e tendo arriado ao mar o escaler, a pretexto de estarem para largar âncoras da proa, 31 disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não permanecerem a bordo, vós não podereis salvar-vos. 32 Então os soldados cortaram os cabos do escaler e o deixaram cair. 33 Enquanto o dia não chegava, Paulo rogava a todos que se alimentassem, dizendo: Catorze dias faz hoje de expectativa, em jejum, e nada estais a comer. 34 Eu insisto que comais alguma coisa; porque isto é para vossa salvação; pois nenhum de vós perderá de sua cabeça um fio de cabelo. 35 Tendo dito isto, tomou um pão, deu graças a Deus na presença de todos e, após parti-lo, começou a comer. 36 Todos cobraram ânimo e se puseram também a comer. 37 Estávamos a bordo, ao todo, duzentas e setenta e seis almas. 38 Refeitos com a comida, aliviaram a nau, lançando o trigo ao mar. 39 Quando amanheceu, não reconheceram a terra, mas perceberam haver uma enseada, onde havia praia, e deliberaram que para ali poderiam conduzir o navio. 40 Largando as âncoras, abandonaramnas ao mar, soltando também as amarras do leme; içada a traquetina, foram empurrados à praia pela viração. 41 Dando, porém, num lugar onde duas correntes se encontravam, ali fizeram encalhar a nau; a proa encravou-se e ficou imóvel, mas a popa se abriu pela violência das ondas. 42 Então a ideia dos soldados foi que matassem os presos, para que nenhum escapasse a nado; 43 mas o centurião, querendo salvar Paulo, impediu-os de o fazer, e mandou que os que soubessem nadar saltassem primeiro para chegar a terra. 44 Quanto aos demais, que saíssem sobre tábuas ou sobre os destroços da nau. E foi assim que todos chegaram a terra, sãos e salvos. At 28. De Malta a Roma 28:1 Uma vez que estavam a salvo, verificaram que a ilha se chamava Malta. 2 Os nativos nos trataram com singular humanidade; tanto que, acendendo uma fogueira, nos acolheram a todos por causa da chuva que caía, e do frio. 3 E tendo Paulo ajuntado e atirado ao fogo um punhado de gravetos, saiu uma víbora764que, fugindo do calor, se prendeu a sua mão. 4 Quando os nativos viram o bicho pendente da mão dele, disseram uns aos outros: Sem dúvida este é um homicida, visto como, tendo escapado ao mar, a justiça não o deixa viver. 5 Mas, sacudindo ele o bicho no fogo, não sofreu nenhum mal; 6 mas eles esperavam que ele sofresse inflamação ou que caísse morto de repente. Depois de esperar bastante tempo, vendo que nada de estranho se notava nele, mudaram de parecer e começaram a dizer que era um deus. 7 Havia naquelas cercanias um sítio pertencente ao principal da ilha, de nome Públio; este nos recebeu e nos albergou gentilmente durante três dias. 8 Aconteceu achar-se prostrado no leito o pai de Públio, afligido por febre e disenteria. Paulo veio a ele e, orando, impôs-lhe as mãos e curou-o. 9 À vista deste acontecimento, os demais enfermos da ilha vieram e foram curados. 10 Eles, por seu turno, nos honraram muito e, ao partirmos, nos proveram do necessário. 764

Paulo sabia que a víbora não lhe podia fazer mal, pois Jesus dissera que os crentes pegariam em serpentes, e nenhum veneno lhes faria mal.


1 46 11

Passados três meses, embarcamos numa nau alexandrina que invernara na ilha e levava por insígnia os Dióscuros. 12 Arribados a Siracusa, aí ficamos três dias; 13 dali, a costear, chegamos a Régio. No dia seguinte, soprou o vento sul, e, em dois dias, viemos a Putéoli. 14 Encontrando aí alguns irmãos, fomos convidados a ficar com eles sete dias; e foi assim que viemos até Roma. 15 Os irmãos desta cidade, informados da nossa chegada, vieram ao nosso encontro até ao Mercado Ápio e às Três Tabernas. Paulo, vendo-os, deu graças a Deus e cobrou ânimo. 16 Uma vez em Roma, o centurião entregou os presos ao capitão da guarda; mas a Paulo se permitiu morar por sua conta, tendo em sua companhia o soldado que o guardava. 17 Três dias depois, ele convocou os principais dos judeus e, quando estavam reunidos, lhes disse: Irmãos, eu não fiz nada contra o povo nem contra os costumes pátrios, mas fui feito prisioneiro desde Jerusalém e entregue nas mãos dos romanos; 18 estes, havendome interrogado, quiseram soltar-me por não haver em mim nenhuma culpa para morte. 19 Diante da oposição dos judeus, senti-me compelido a apelar para César, sem no entanto querer acusar em nada minha nação. 20 Foi por esta razão que vos chamei para vos ver e falar; porque é pela esperança de Israel765que estou atado a esta cadeia. 21 Eles lhe disseram: Nós não recebemos da Judeia nenhuma carta que te dissesse respeito; tampouco veio qualquer dos irmãos que nos informasse ou de ti falasse algum mal. 22 Estamos interessados em ouvir de ti sobre tuas intenções, porque dessa seita sabemos que em toda parte é ela impugnada. 23 Marcaram-lhe, então, um dia e vieram em grande número ao seu alojamento. Ele lhes apresentou amplo testemunho do reino de Deus, procurando persuadi-los das coisas concernentes a Jesus, pela Lei de Moisés e pelos Profetas, desde a manhã até à tarde. 24 Uns se convenceram do que ele lhes dizia; outros, porém, recusaram-se a crer. 25 Despediram-se sem que houvesse acordo entre eles, dizendo Paulo uma palavra: Bem falou o Espírito Santo por intermédio do profeta Isaías a vossos pais, 26 nestes termos: Vai a este povo e dize-lhe: – de ouvido, ouvireis e não haveis de entender; de olhar, olhareis e não haveis de ver. 27 Porque embotou-se o coração deste povo; taparam os ouvidos, fecharam os olhos; para que os olhos não vejam e os ouvidos não ouçam, e não entendam com o coração, nem se convertam, nem eu os cure. 28 Isto, pois, vos fique claro: aos gentios é destinada a salvação766de Deus; e eles escutarão. 29 Havendo ele dito estas palavras, partiram os judeus, tendo entre si grande controvérsia. 30 Por dois anos inteiros, Paulo permaneceu em sua casa alugada, onde recebia todos os que vinham procurá-lo, 31 a pregar o reino de Deus767e a ensinar as coisas referentes ao Senhor Jesus Cristo, aberta e desimpedidamente.

EPÍSTOLA DE PAULO AOS ROMANOS 1:1 Paulo, servo de Jesus Cristo chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus, 2 dantes prometido por intermédio dos seus profetas nas santas escrituras, 3 com respeito a seu Filho, o qual veio da descendência de Davi, segundo a carne, 4 e foi caracterizado como Filho de Deus com a capacitação em milagres que é segundo o Espírito de santificação pela ressurreição de mortos, Jesus Cristo nosso Senhor, 5 por meio de quem viemos a receber graça e apostolado, para obediência de fé768, entre todas as gentes, pelo seu nome, 6 entre as quais também sois contados, chamados que sois de Jesus Cristo, − 7 A todos os amados de Deus que estais em Roma, chamados santos 769, vos seja graça e paz da parte de 7 6 5

A esperança de Israel não é exclusiva de um grupo étnico, mas é de todo o grande Israel, como se confirma, nesta página, na referência aos gentios. 7 6 6 Esta salvação é a salvação especial de Israel: viver na Boa Terra para sempre. O termo ‘gentios’ inclui todas as etnias. Aqui fica claro que Israel não é uma etnia; é todo o povo que Deus santificou. 7 6 7 O evangelho do reino de Deus sempre foi a única pregação de Jesus e dos apóstolos. Nunca pregaram ‘sobre’ alguma doutrina. Pregar outra coisa é falsidade. Biblicamente, fazer sermão não é pregar. 7 6 8 Obediência de fé é o tema da Carta aos Romanos, e é tudo o que Deus requer de nós, além do amor, da justiça e da misericórdia (Mq 6:8). 7 6 9 Somos chamados santos, e não chamados para ser santos. A santificação não nos faz santos, pois


147

Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 1. Evangelho, Força de Deus 1:8 Primeiro que tudo, dou graças a meu Deus, mediante Jesus Cristo, no tocante a todos vós, por estar-se tornando conhecida a vossa fé em todo o mundo. 9 Porque Deus, ao qual presto adoração em meu espírito, no evangelho de seu Filho, me é testemunha de como faço continuadamente menção de vós, 10 sempre, em minhas orações, a suplicar que de algum modo venha agora o tempo em que me seja dada, segundo a vontade de Deus, ocasião de visitar-vos. 11 Porque muito desejo ver-vos, a fim de repartir convosco alguma dádiva espiritual da graça, para vos confirmar; 12 isto no sentido de buscar encorajamento mútuo entre vós, mediante vossa fé e a minha, de parte a parte. 13 Pois não quero, irmãos, que desconheçais o fato de que, por várias vezes, me propus ir ter convosco (e, até aqui, fui impedido), para ter algum fruto entre vós, como também entre as outras gentes. 14 Pois sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a iletrados; 15 de modo que, de minha parte, estou pronto a anunciar o evangelho também aos que estais em Roma770. 16 Ora, não me envergonho do evangelho771do Ungido, que é o poder de Deus para salvação de todo aquele que segue crendo: primeiro o judeu, mas também o helênico; 17 visto que a justiça de Deus nele se revela, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé. 18 Por outro lado, a ira de Deus772se revela do céu sobre toda a impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça; 19 porquanto o cognoscível de Deus é manifesto entre eles, tanto que Deus o manifestou. 20 Fato é que aquilo que em Deus773é invisível, desde a criação do mundo sendo entendido através das coisas criadas, está ao alcance da percepção; seja seu poder permanente, seja sua divindade, de modo que eles são indesculpáveis, 21 eis que, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes se tornaram vãos em suas especulações, e se lhes obscureceu o coração insensato. 22 Querendo passar por sábios, fizeram-se tolos, 23 e mudaram a glória do Deus incorruptível em imagem representativa de homem corruptível, de aves, de quadrúpedes e de répteis. 24 Por isso, Deus entregou tais pessoas, com os desejos dos seus corações, à imundícia 774, para desonrarem seus corpos entre si; 25 tendo elas trocado a verdade de Deus pela mentira, e tendo adorado e cultuado a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito pelas eras. Amém. 26 Por causa disso, entregou-os Deus a paixões degradantes; pois até as mulheres trocaram o modo natural de suas relações por outro, contrário à inclinação natural; 27 semelhantemente os homens, deixando o contato natural da mulher, inflamaram-se em sua concupiscência para com outros homens em relações vergonhosas, recebendo em si mesmos apropriada recompensa de seu erro. 28 E, como não deram valor ao conhecimento775de Deus, Deus mesmo os entregou a uma vil disposição mental, de modo a praticarem coisas inconvenientes, 29 sendo eles repletos de toda injustiça, fornicação, maldade, cobiça, malícia; cheios de inveja, de homicídio, de contenda, de trapaça, de malignidade; difamadores, 30 detratores, aborrecedores de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, filhos rebeldes; 31 insensatos, pérfidos, implacáveis, sem afeição natural e sem misericórdia. 32 Esses tais, mesmo conhecendo a sentença de Deus (de que são dignos de morte os que776tais coisas praticam), não só fazem essas coisas, mas também aprovam os que assim procedem. Rm 2. O Juízo Pertence a Deus 1

2: Por isso és indesculpável, ó homem, quando te pões a julgar; pois no que julgas a outrem condenas a ti mesmo, visto que praticas as mesmas coisas que julgas. 2 Bem sabemos somos santos desde o princípio, e quem não se santifica não deixa de ser santo. Isto não impede que entendamos ter ele pregado anteriormente o evangelho aos santos de Roma. 771 Não me envergonho do evangelho que diz: – ele tomou as nossas enfermidades e carregou as nossas doenças – eu morri na cruz de Cristo – tenho vida incorruptível agora no corpo ressuscitado. 772 O Senhor não voltará atrás, e a ira será executada. Nos últimos dias podemos entender isto (Jr30:23,24). 773 Só a verdade é verdadeira, e fora de Deus não há realidade nenhuma. 774 Duas classes de pecados: iniquidade e injustiça. Imundícia é injustiça do indivíduo contra si mesmo. O mal começa pela iniquidade, que consiste em rejeitar a verdade e abraçar mentira e idolatria. 775 Ver Oseias 4:6. Valorizar o conhecimento é a chave da justiça e da liberdade. 776 O justo, o qual vive por fé, não pratica tais coisas, por isso não merece morrer. 770


1 48

que o juízo de Deus é segundo a verdade sobre os que tais coisas praticam. 3 Tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas e tu mesmo as praticas, acaso contas escapar ao juízo de Deus? 4 Ou desprezas a riqueza de sua benignidade, e tolerância, e longanimidade, a ignorar que a bondade de Deus te conduz ao arrependimento? 5 Segundo a tua dureza e o coração impenitente, para ti mesmo acumulas ira no dia da ira777e da revelação do justo juízo de Deus. 6 Ele retribuirá a cada um conforme as suas obras778: 7 a uns, que buscam779glória, honra e incorrupção, a vida eterna780, de acordo com a paciência do bom proceder; 8 a outros, que por rivalidade também são insubmissos à verdade e se deixam levar pela injustiça, é indignação e ira. 9 Tribulação e angústia sobre toda a alma humana que trabalha para o mal, judeu primeiro e helênico também; 10 glória, porém, bem como honra e paz, a todo aquele cujo empenho é pelo bem, ao judeu primeiro e também ao helênico. 11 Porque para com Deus não há acepção de pessoas. 12 Assim, quantos pecaram estando insubmissos à Lei perecerão fora da Lei; quantos pecaram sob a Lei mediante a Lei serão julgados. 13 Ora, quem é justo diante de Deus não são os que ouvem a Lei, mas serão justificados os que praticam a Lei 781. 14 Porque quando gentios que não têm lei agem de conformidade com a lei por disposição natural, os tais, não tendo lei, são lei para si mesmos. 15 Tais pessoas demonstram a norma da lei gravada em seus corações, estando a dar testemunho sua consciência e os pensamentos (estes a debater-se entre si, acusando-se ou defendendo-se), 16 no dia em que Deus julgar os segredos dos homens, de acordo com o meu evangelho, mediante Jesus Cristo. 17 Vê tu, que és judeu por sobrenome782, que repousas na Lei e que te glorias em Deus; 18 que conheces a vontade e tens provado os valores excelentes, sendo instruído com base na Lei; 19 que estás persuadido de que és guia de cegos, luz dos que estão em trevas, 20 educador dos simples, mestre de crianças, tendo na Lei a forma do conhecimento e da verdade; 21 tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Que apregoas a não furtar, furtas? 22 Tu, que dizes a outros que não cometam adultério, o cometes? Que abominas os ídolos, lhes profanas os santuários? 23 Tu que te glorias na Lei, desonras a Deus pela transgressão da Lei? 24 É fato que, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa. 25 Ora, a circuncisão será de valia se praticares a Lei; se és, porém, transgressor da Lei, a tua circuncisão que é da Lei tornou-se incircuncisão. 26 Se, pois, a incircuncisão observa as injunções da Lei, acaso não será a sua incircuncisão levada em conta como circuncisão? 27 E, se aquele que é incircunciso no plano natural vier a cumprir a Lei, ele te julgará a ti, que és transgressor da Lei, ainda que tenhas o texto e a circuncisão. 28 Porque não é judeu quem o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne783; 29 porém judeu784é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a que é do coração, no espírito785, não da letra, − aquela cujo louvor não vem de homens, mas de Deus. Rm 3. Seja Só Deus Verdadeiro 3:1 Qual é, pois, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão? Muita, sob todos os aspectos; principalmente porque lhes foram confiados os oráculos de Deus. 3 E aí? Se alguns não creram, vai a incredulidade deles desfazer a fé que é de Deus? 4 De modo algum! Seja Deus verdadeiro, e seja mentiroso todo homem, como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras 786, e que prevaleças quando fores julgado. 5 Mas, se a nossa 2

7 7 7

Caso nos deparemos com a ira, nós mesmos a teremos acumulado. A ira de Deus é produto nosso, não é de Deus. É impossível que Deus se deixe ofender, ou que tenha sentimentos de reação. 7 7 8 Toda sentença de Deus será conforme as nossas obras, seja para aprovação (obras de obediência de fé), seja para reprovação (obras de injustiça e insubmissão). 7 7 9 A ordem é buscar! A advertência é contra a insubmissão(iniquidade) e a injustiça. 7 8 0 A Promessa da vida eterna. 7 8 1 Como se pratica a Lei? Obedecendo ao Evangelho, que é a Lei. 7 8 2 Esta advertência aplica-se diretamente à liderança cristã, pois o termo ‘judeu’, nas advertências, refere-se não só ao judaísmo, mas também ao cristianismo. 7 8 3 A carne é a imagem do espírito. Porém a imagem não tem olhos para ver a realidade, nem ouvidos para ouvir a verdade. 7 8 4 Judeu, aqui, é sinônimo de cristão. 7 8 5 A carne é o homem exterior. O espírito é o homem interior. 7 8 6 Serás justificado em tuas palavras, mesmo que todo mundo as conteste, desde que sejam segundo a fé nos oráculos de Deus.


149

injustiça evidencia a justiça de Deus, que diremos? Será, porventura, Deus injusto em aplicar a sua ira (falo como homem)? 6 Certo que não. Fosse assim, como julgaria Deus o mundo? 7 Ora, se a verdade de Deus fica em relevo com a minha mentira, para sua glória, por que seria eu ainda julgado pecador? 8 E não falamos deste modo como há quem, injuriosamente, afirme de nós: façamos males, para que coisas boas aconteçam; a sentença deles é merecida. 9 Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? De maneira nenhuma, pois já mostramos que judeus e helênicos estão todos debaixo de pecado. 10 Como está escrito: Não há justo, nem um sequer, 11 não há quem entenda, não há quem busque a Deus; 12 todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem demonstre benignidade, nem mesmo um só. 13 A garganta deles é sepulcro aberto; com a língua urdem engano, peçonha de áspides está sob seus lábios, 14 trazem a boca cheia de maldição e amargura, 15 têm os pés apressados em derramar sangue, 16 nos seus caminhos há ruína e desventura; 17 não conheceram o caminho da paz; 18 não há temor de Deus787diante dos seus olhos. 19 Ora, sabemos que tudo o que a Lei diz, aos que estão com a Lei o diz, para que toda boca se cale, e todo o mundo esteja sujeito ao julgamento de Deus, 20 visto que nenhuma carne será justificada perante ele por obras de lei, em razão de que o conhecimento de pecado é por meio de lei. 21 Agora, pois, independentemente de lei, manifestou-se a justiça de Deus, de que se deu testemunho pela Lei e pelos Profetas, 22 justiça de Deus mediante fé de Jesus Cristo, para todos e sobre todos os que creem; porque não há distinção, 23 sendo que todos pecaram788e estão em falta para com a glória de Deus; 24 e são todos justificados gratuitamente, pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus789, 25 a quem Deus propôs como propiciação, mediante a fé, com o seu sangue790, para demonstrar a sua justiça não levando em conta, na divina tolerância, os pecados dantes cometidos, 26 tratando-se da demonstração de sua justiça no tempo presente, para ser ele mesmo justo e justificador de quem é da fé de Jesus. 27 Onde, pois, a jactância? Foi excluída. Mediante qual lei? Das obras? Não; pelo contrário, por lei de fé. 28 Concluímos, portanto, que o homem é justificado por fé, sem obras de lei. 29 Seria Deus apenas dos judeus, e não também dos gentios? De fato, também dos gentios, 30 visto que Deus é um só, o qual justificará o circunciso pela fé, e o incircunciso mediante a fé. 31 Anulamos, então, alguma lei pela fé? De maneira nenhuma. Antes, confirmamos que há lei. Rm 4. A Justiça da Fé 1

4: Que diremos, pois, ter nosso pai Abraão encontrado em relação à carne? 2 Ora, se Abraão fosse justificado por obras, teria de que se gloriar, mas não diante de Deus. 3 Pois que diz a escritura? Abraão acreditou em Deus, e lhe foi isso posto em conta para justiça. 4 Ora, ao que trabalha, a recompensa não é considerada como favor, e sim como obrigação. 5 Não o que trabalha, mas o que põe sua fé naquele que justifica o ímpio, é esse que tem sua fé posta em conta para justiça. 6 Assim também Davi declara ser bem-aventurado o homem a quem Deus atribui justiça sem obras: 7 Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades foram perdoadas, e cujos pecados foram cobertos; 8 bem-aventurado o homem a quem Yahveh791jamais imputará pecado. 9 Vem, então, esta bem-aventurança sobre os circuncisos, ou também sobre os incircuncisos? Pois dizemos que a fé foi posta em conta para Abraão como justiça. 10 Como, pois, lhe foi atribuída? Estando na circuncisão, ou na incircuncisão? Não na circuncisão, e sim quando incircunciso. 11 E ele recebeu o sinal da circuncisão como selo da justiça da fé que teve quando ainda incircunciso, para ser o pai de todos os que creem, fora da circuncisão, para que 787

Temor de Deus é a busca do conhecimento de Deus, com a reverência diante do reconhecimento da presença divina nos irmãos. Quem teme a Deus não tem medo de nada. 788 Etimologicamente, na língua original,‘erraram o alvo’. Só acertaremos o alvo quando seguirmos a vontade de Deus. Deus é glorificado quando o homem faz a divina vontade, e a vontade de Deus é, exclusivamente, o melhor bem do homem, ou seja, a nossa felicidade. O homem deve negar (e crucificar) o eu inferior, e promover o eu superior (o espírito). 789 Portanto, a justificação por fé é subjetiva. Objetiva é a justificação por graça, pela redenção. 790 Mediante o sangue, fomos regatados e nossos pecados foram apagados, sem interveniência de fé. Hoje, mediante a fé, o sangue nos purifica, abre-nos acesso à Presença e bloqueia as maldições. 791 D E D I YHVH no Hebr citado. Onde se lê Yahveh (Yavé), pode-se pronunciar Adonai, ou o Senhor.


1 50

também a eles fosse creditada a justiça, 12 e pai da circuncisão, isto é, daqueles que não só são da circuncisão, mas andam nas pisadas de nosso pai Abraão, no seu viver de fé já antes da circuncisão. 13 Não foi por meio de lei que a Abraão ou a sua descendência coube a promessa de ser herdeiro do mundo, e sim por meio da justiça da fé. 14 Ora, se os de lei são herdeiros, está vazia a fé, e está anulada a promessa, 15 pois a lei dá origem à ira, posto que onde não há lei tampouco há transgressão. 16 Esta é a razão por que provém da fé, para que seja segundo a graça, a fim de que seja firme a promessa para toda a descendência, não só para o que é da lei, mas também para o que é da fé de Abraão (sendo este o pai de todos nós, 17 como está escrito: Por pai de muitas gentes te constituí), perante aquele no qual creu, o Deus que dá vida aos mortos e chama as coisas que não são como se já fossem. 18 Ele, fora de esperança, pôs fé na esperança, para tornar-se pai de muitas gentes, conforme lhe fora dito: Assim será tua descendência. 19 E, sem enfraquecer na fé, não levou em conta o seu próprio corpo já amortecido, tendo cem anos de idade, nem o amortecimento do ventre de Sara; 20 não duvidou, por incredulidade, da promessa de Deus, mas pela fé fortaleceu-se, dando glória a Deus, 21 estando plenamente convicto de que ele tem o poder para cumprir o que prometeu. 22 Assim isso lhe foi também creditado como justiça. 23 E não só por causa dele está escrito que lhe foi lançado em conta, 24 mas também por nossa causa, eis que a nós igualmente nos será creditado, aos que estamos pondo nossa fé naquele que ressuscitou de entre os mortos a Jesus nosso Senhor, 25 o qual foi entregue por causa das nossas ofensas e foi ressuscitado por causa de nossa justificação. Rm 5. Temos Paz com Deus 5:1 Tendo sido, pois, justificados por fé, temos paz792com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, 2 pelo qual também obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. 3 E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz paciência; 4 e a paciência, experiência; e a experiência, esperança. 5 Ora, a esperança não nos desaponta, pois o amor de Deus foi derramado em nossos corações mediante o Espírito Santo, que nos foi dado. 6 Porque Cristo, quando nós ainda estávamos enfermos, morreu a seu tempo pelos ímpios. 7 Dificilmente alguém morreria por um justo; pois bem, talvez pelo bom alguém ouse morrer. 8 Mas Deus evidencia o seu próprio amor para conosco em ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. 9 Logo muito mais agora, tendo sido justificados em seu sangue, por intermédio dele seremos salvos da ira793. 10 Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte de seu Filho, muito mais, já reconciliados, havemos de ser salvos em sua vida794. 11 E não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual havemos agora recebido a reconciliação. 12 Deste modo, assim como por um só homem o pecado entrou no mundo, e, pelo pecado, a morte, também a morte passou a todos os homens, pois que nele todos pecaram795. 13 Ocorre que até ao tempo da Lei havia, no mundo, pecado; mas não é cobrado em não havendo lei. 14 Entretanto, reinou a morte desde Adão até Moisés, mesmo sobre os que não pecaram à maneira da transgressão de Adão, que prefigurava aquele que havia de vir796. 15 Todavia, não é assim a dádiva como a ofensa; porque, se, pela ofensa de um só, os muitos morreram, muito mais a graça de Deus e o benefício, na graça que está em um só homem, Jesus Cristo, transbordou em favor dos muitos. 16 Não se entende o benefício como no caso em que somente um homem pecou; porque o juízo decorreu de um só para condenação797, mas a dádiva corre no sentido de muitas ofensas para justificação. 17 Ora, se pela ofensa de um só reinou a morte por intermédio de um, muito mais os que recebem a abundância da graça e do dom da justiça hão de reinar em vida por meio de um só, Jesus Cristo. 18 Assim, então, como por uma só ofensa sobreveio a todos os homens 7 9 2

Quando justificados por fé, temos paz na consciência, e encontramos lugar na presença de Deus. A ira é a gehenna, a 2ª parte da grande tribulação. 7 9 4 Declaremos, por fé:”Não acredito na morte. Acredito em Deus, que me garante a vida.” 7 9 5 A morte é efeito do pecado e dos pecados humanos. Resolvido o problema do pecado, não mais haverá lugar para a morte. 7 9 6 Jesus Cristo ainda é aquele que há de vir, inclusive ref. Dn 9:26. 7 9 7 A condenação é a morte psico-física. Os outros aspectos da condenação: sofrimento e perdição. São três os aspectos, todos temporários. Todas as coisas serão restauradas (At 3:21). 7 9 3


151

condenação, da mesma maneira, por um só ato de justiça798, veio a todos os homens a justificação de vida799. 19 Porque assim como, pela desobediência de um só homem, os muitos se constituíram pecadores, também, pela obediência de um só, os muitos hão de ser feitos justos. 20 Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde avultou o pecado, superabundou a graça, 21 a fim de que, como o pecado reinou na morte800, assim também reinasse a graça pela justiça para vida eterna, por intermédio de Jesus Cristo nosso Senhor. Rm 6. Nova Vida 6:1 Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado para fazer avultar a graça? 2 De modo nenhum! Nós que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele? 3 Ou, acaso, ignorais que todos nós que nos havemos batizado em Cristo Jesus batizamo-nos na sua morte? 4 Fomos, portanto, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado de entre os mortos por meio da glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. 5 Ora, se fomos plantados junto com ele na equivalência da sua morte, também o havemos de ser na da ressurreição, 6 sabendo isto: que o nosso homem antigo foi crucificado801junto, para que se eliminasse o corpo do pecado 802, e não mais estivéssemos na servidão do pecado; 7 porquanto quem morreu está justificado do pecado803. 8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também havemos de ter vida com ele, 9 sabedores de que, tendo sido Cristo ressuscitado de entre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele804; 10 pois, quanto a ter morrido, morreu para o pecado de uma vez por todas; quanto a viver, está vivo para Deus805. 11 Assim também vós considerai-vos mortos806para o pecado, e vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor. 12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de modo a lhe obedecerdes em seus desejos807; 13 nem apresenteis os vossos membros808, por instrumentos de injustiça, ao pecado; mas apresentai-vos a Deus, como vivos de entre os mortos, e os vossos membros como instrumentos de justiça, a Deus. 14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós, já que não estais debaixo de uma lei, e sim debaixo da graça. 15 E aí? Havemos de pecar por não estarmos sob uma lei, e sim debaixo da graça? De maneira nenhuma! 16 Não sabeis que daquele a quem vos apresentais como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para morte, seja da obediência para justiça? 17 Mas graças a Deus porque, tendo sido servos do pecado, viestes a obedecer de coração ao modelo de doutrina a que fostes entregues; 18 uma vez, pois, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. 19 Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa 798

Quando Jesus Cristo foi levado à morte, não houve injustiça dos homens. Foi ato de justiça de Deus, em que o juiz humano declarou-o sem culpa alguma e o entregou aos sacerdotes de Adonai para que o sacrificassem por crucificação, conforme Deus tinha determinado. 799 Justificação de vida, para não serem deixados na morte. 800 A morte psico-física em contraste com a vida eterna. 801 Definitivamente morto. 802 Com a morte de Jesus, deu-se a extinção de sua carne, do filho de Maria. Extinguiu-se, na cruz, também o nosso homem antigo, o homem-animal. O novo homem, incorruptível, levantou-se na Ressurreição. 803 Justificado, libertado, resgatado, vindicado do falso patrão, que se chama pecado e satanás. 804 Teve a morte, algum dia, domínio sobre Cristo? Nunca. Como, então,‘não mais tem’? Justamente porque Ele morreu por nós, não por si mesmo; foi ressuscitado por nós, não para si mesmo; assim a morte não mais tem domínio sobre nós! 805 A morte, sendo definitiva, não se repete; a vida, sendo definitiva, permanece para sempre. 806 Quando crucificamos a carne, pela fé no Evangelho eterno, sabemos que estamos mortos. E nossa vida real está no espírito. 807 Quem obedece ao pecado em seus desejos oferece seus membros (o corpo mortal e a mente carnal) por instrumentos de injustiça, em servidão. Quem quer que os seus membros estejam a serviço de Deus oferece-lhe seu corpo espiritual e sua mente superior como instrumentos de justiça, em sacrifício vivo diário. Nós temos a mente de Cristo e temos também o corpo novo, incorruptível. Estamos vivos de entre os mortos, pela Ressurreição. 808 Os membros a apresentar são perfeitos e sem mancha. O corpo espiritual e a mente de Cristo são os membros do novo espírito.


1 52

carne. Assim como apresentastes os vossos membros para a servidão da impureza e da iniquidade para a iniquidade, agora apresentai os vossos membros para servirem à justiça para santificação. 20 Pois quando éreis servos do pecado, estáveis livres de obrigação para com a justiça. 21 Naquele tempo, que fruto tivestes? Coisas de que agora vos envergonhais, porque o fim delas é morte. 22 E agora, libertados do pecado, tornados servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e o objetivo que é vida eterna; 23 porque o salário do pecado é morte, mas o presente de Deus é vida eterna809em Cristo Jesus nosso Senhor. Rm 7. Morrestes para a Lei 1

7: Porventura ignorais, irmãos (pois falo aos que conhecem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem toda a sua vida? 2 Ora, a mulher casada está ligada pela lei ao marido enquanto vivo; mas se o marido morrer ela ficará desobrigada da lei conjugal. 3 De sorte que será considerada adúltera se, vivendo ainda o marido, ela se unir a outro homem; se, porém, morrer o marido, estará livre da lei e não será adúltera se for de outro marido. 4 Assim, meus irmãos, vós também morrestes810para a lei, por meio do corpo de Cristo, para serdes de outro, daquele que ressuscitou de entre os mortos, para que demos fruto para Deus811. 5 Porque, quando estávamos na carne, as aflições dos pecados se operavam por meio da lei em nossos membros, de modo a darem fruto para a morte. 6 Agora, porém, desvencilhados da lei, estamos mortos para aquilo em que estávamos retidos, de sorte que servimos em novidade de espírito, e não na velhice da letra. 7 Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas não conheci o pecado senão por lei; e, de fato, não teria conhecido a cobiça, se a lei não dissesse: Não cobiçarás. 8 O pecado, tomando ocasião pelo mandamento, operou em mim todo o desejo, porque sem lei o pecado está morto812. 9 Em outro tempo, sem lei, eu tinha vida; vindo o mandamento, o pecado reviveu, e eu morri. 10 E verifiquei que o mandamento, que seria para vida, foi para morte. 11 Porque o pecado, ocasionado pelo mandamento, me enganou, e por meio dele me matou. 12 Por conseguinte, a Lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom. 13 Acaso o bom se me tornou em morte? De maneira nenhuma! Pelo contrário, o pecado, para se mostrar pecado por meio de algo bom, me está a produzir morte, para se fazer fortemente pecaminoso como pecado, através do mandamento. 14 Pois sabemos que a Lei é espiritual; eu, porém, sou carnal, e fui vendido ao domínio do pecado813. 15 Porque não compreendo o que resulta de minhas atitudes, pois o que faço não é aquilo que quero, e sim o que detesto. 16 Ora, se faço o que não quero, admito que a Lei é boa. 17 Agora, em tal caso, já não sou eu que busco o resultado, mas o pecado que habita em mim. 18 Porque eu sei que não habita coisa boa em mim, isto é, na minha carne814, posto que está em mim o querer, mas não está o realizar. 19 É que não faço o bem que pretendo fazer, mas o mal que não pretendo, esse faço. 20 Ora, se o que faço é o que não quero, já não sou eu quem o realiza, e sim o pecado que habita em mim. 21 Constato então esta lei: quando eu quero fazer o bem é o mal que se me apresenta. 22 Porque tenho prazer na Lei de Deus, de acordo com o homem interior815; 23 mas vejo outra lei nos meus membros, a guerrear contra a lei da minha mente816e a escravizar-me à lei do pecado que está nos meus membros. 24 Desventurado que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? 25 Dou graças a Deus por Jesus 8 0 9

A morte psico-física é antônimo da vida eterna! A perdição é o outro antônimo (v.Rm 9:22). A vida eterna que temos desde antes das eras não é um dom; é, antes, inerente à nossa condição de filhos de Deus. O presente de Deus consiste em sobreviver para sempre. Por isso, contrasta com o salário que o falso patrão oferece à carne. 8 1 0 Estamos mortos para a lei dos sistemas, dos rituais, dos dogmas, dos preceitos e das proibições. 8 1 1 Caso não ressurgíssemos com Cristo, não poderíamos dar fruto para Deus. O fruto é produzido pelo espírito. Ora, a carne para nada aproveita (Jo 6:63). A disposição da carne é morte (Rm 8:6,18). 8 1 2 Onde não há proibições nem injunções, não há pecados, e está morto o pecado, o falso patrão. A Lei de Deus nada proíbe. A lei de proibições é a lei do pecado e da morte, que é a lei da religião. 8 1 3 Enquanto é carnal, o cristão é escravo no domínio do pecado (Rm 7:25). 8 1 4 Todos nós, menos Jesus, somos pecadores na carne, e todos somos santos, ilimitados, livres, invulneráveis e perfeitos no espírito. 8 1 5 O homem interior é o espírito. 8 1 6 Trata-se, aqui, da mente espiritual, não da mente psíquica.


153

Cristo nosso Senhor. Assim, pois, eu mesmo estou a serviço da Lei de Deus, pela mente817, mas é à lei do pecado818que sirvo819pela carne820. Rm 8. Andar Segundo o Espírito 1

8: Então não há, agora, nenhuma condenação821para os que estão em Cristo Jesus822, que não andam segundo a carne823, mas segundo o espírito824. 2 Porque a Lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, me libertou da lei do pecado e da morte825. 3 Porquanto, visto que faltava capacidade à Lei826, que estava enferma pela carne, Deus, pelo envio de seu Filho em igualdade com a carne de pecado, e em vista do pecado, condenou o pecado na carne, 4 a fim de que a sentença da Lei827se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o espírito. 5 Ora, os que são segundo a carne dão atenção ao que é da carne; os que são segundo o espírito, ao que é do espírito. 6 Porquanto a disposição da carne é morte, mas a disposição do espírito é vida e paz. 7 Por isso, a disposição da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeita à Lei de Deus, nem mesmo pode estar. 8 Assim, os que estão na carne não podem Aqui, a palavra ‘mente’ (νους) refere-se à mente do espírito. Constantemente, cada dia ou cada minuto, sirvo a uma destas leis, enquanto ando, ou segundo o espírito, ou segundo a carne. Se não queremos servir à lei do pecado, a solução é andar por espírito. As Escrituras nos foram dadas, precisamente, para isto. Será que todos os nossos atos e atitudes estão polarizados entre a carne e o espírito? Quem pode elucidar esta questão é o Espírito Santo. É Ele que nos guia em toda a verdade. Apeguemo-nos a Ele, e façamos o pedido cf. Sl 25:5. 819 Quem anda segundo o espírito serve a Deus; quem anda segundo a carne serve ao pecado. A lei do pecado é a lei da morte (8:2). Por isso, quem serve ao pecado tem a morte garantida (6:23). 820 A carne é o homem exterior e a mente psíquica. O espírito é a pessoa interior, o eu superior, a nossa identidade autêntica e eterna. A carne, mesmo não sendo a identidade, é a imagem da identidade, como se fosse um documento com foto. 821 Condenação é morte psico-física, bem como perdição e sofrimento. Os três são temporários; ninguém pode condenar-se para sempre. A condenação se baseia numa lei, que é a lei do pecado e da morte. 822 Estão em Cristo Jesus os que buscam a consciência do Cristo. Onde não há condenação (morte), tampouco há maldição (culpa ou castigo). Temos o direito de requerer libertação de todo sofrimento, desde que, em nosso coração, não tenhamos qualquer coisa contra ninguém. Outra condição, aqui expressa, é que andemos segundo o espírito, e não segundo a carne. Cumprida esta condição, sabemos que estamos mortos para o pecado, mortos para o mundo, mortos para o ego. Sabemos que, em nós, não há lugar para maldição, ou fraqueza, ou medo, ou erro, ou logro, ou doença, ou pecado. 823 A carne é o homem exterior. O espírito é o homem interior. Quem anda segundo a carne vive uma identidade equivocada. Quem anda segundo o espírito vive o Eu verdadeiro. O ego universal é a mente da carne. A iniquidade do ego universal é o único inimigo do homem. É o enganador, o anticristo. O problema de todo indivíduo é que ele se identifica com o ego, como se este fosse sua identidade pessoal. Este é um ‘eu’ fantasma, irreal, e deve ser eliminado, para que haja libertação e felicidade. Não confundir o ego com a carne. A carne é um instrumento de que Deus nos dotou. O ego deve ser eliminado, não a carne. Depois que cumprir o seu papel, a carne será extinta. A carne é falsa como identidade. Quando alguém se identifica com a carne, identifica-se com o ego, que é impessoal, inconsistente e fantasmal. 824 ‘Andar segundo o espírito’ é o próprio tema deste capítulo. Passagem truncada em versões modernas. 825 Por que as pessoas morrem? Sabemos que tudo acontece conforme as leis físicas e espirituais, e que todas as leis são precisas e inescapáveis. Sabemos também que todas as leis estão subordinadas à Lei universal, que é a Lei da Verdade, e é também a Lei do Espírito. A Lei da verdade administra tudo e mantém o equilíbrio entre as leis. As pessoas só podem morrer se estiverem condenadas à morte. A lei que condena pessoas à morte pode ser chamada de lei da morte. É a mesma lei que se chama 'lei do pecado e da morte', em Rm 8. Se não estás debaixo da lei do pecado e da morte, não podes morrer, porque não há lei que te possa condenar. É por isso que não há condenação para os que estão em Cristo Jesus, desde que não andem segundo a carne (a qual está sujeita àquela lei), mas andem segundo o espírito, o qual é absolutamente livre e incorruptível. O espírito é a nossa verdadeira identidade espiritual e física, é o novo espírito que Deus nos deu por meio da Nova Aliança. É o próprio Espírito de Cristo. Importante: foi o Evangelho de Jesus Cristo que nos trouxe plena vida e liberdade. Percebes quanto é primordial aprender a andar segundo o espírito?! Não é difícil, já que este é o tema central das Santas Escrituras! Tampouco é fácil, pois somente os esforçados tomam posse do reino dos céus (Mt 11:12). Este é o empenho do Espírito Santo nesta era: trabalhar a consciência dos santos para que aprendam a andar segundo o espírito, e alcancem plena felicidade. É não pensar ego, e só pensar espírito. Não façamos convênio com a morte! 826 A lei a que faltava capacidade é a Lei da Antiga Aliança, que foi outorgada temporariamente. 827 A sentença da Lei é a sentença de vida para nós, mediante o veredicto de morte que Jesus tomou sobre si. Deus a ninguém condena. A morte de Jesus Cristo foi para nossa redenção, e de todo o mundo. 817 818


1 54

agradar a Deus. 9 Vós, porém, não estais na carne, mas no espírito828, se, de fato829, o Espírito de Deus habita em vós. E se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. 10 Por outro lado, se Cristo está em vós, morto está o corpo por causa do pecado, – vida é o espírito por causa da justiça. 11 Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus de entre os mortos, esse mesmo que ressuscitou ao Ungido de entre os mortos também vivificará830o vosso corpo mortal, por meio de seu Espírito que em vós habita831. 12 Assim, pois, irmãos, não é à carne que devemos obrigação, como para viver segundo a carne. 13 Porque, se viveis segundo a carne, haveis de morrer832; se, porém, por espírito levais à morte os atos do corpo, estareis vivendo833. 14 Pois todos os que são guiados por Espírito de Deus são filhos Υ de Deus834. 15 Ora, não recebestes espírito de servidão, outra vez, como para ter medo, mas o que recebestes foi Espírito de filiação, no qual clamamos: Abbá, Pai. 16 Esse mesmo Espírito dá testemunho junto com o nosso espírito, de que somos filhos Τ de Deus. 17 Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros835com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados. 18 Ora, tenho por certo que as aflições do tempo presente não têm comparação com a glória que nos será revelada, 19 pois a criação, em expectativa, aguarda a revelação dos filhos Υ de Deus. 20 Porque a criação foi posta em sujeição da vanidade836, não voluntariamente, mas por causa daquele que o fez, 21 na esperança837de que ela mesma será libertada do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhosΤ de Deus838. 22 Ora, sabemos que toda a criação, à uma, está a gemer e a suportar dores até agora. 23 E não ela só, mas os que temos a primícia do Espírito também gememos em nosso íntimo, na espera do desfrute da filiação, a redenção do nosso corpo839. 24 Porque em esperança fomos salvos; mas esperança que se vê não é esperança, pois o que alguém vê, como o espera? 25 Ora, se esperamos o que não vemos, com paciência o aguardamos. 26 Do mesmo modo, o Espírito também vem socorrer-nos em nossas fraquezas, pois não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede em nós com gemidos inefáveis. 27 E aquele que sonda os corações sabe qual é a disposição do Espírito, e que é de acordo com Deus que ele intercede pelos santos. 28 Sabemos que todas as coisas840contribuem juntamente para o bem daqueles que 8 2 8

...logo o teu espírito é o espírito de Cristo, a tua mente é a mente de Cristo, o teu corpo é o corpo celestial de Cristo – esta é a afirmação da verdade, e não depende de fé. Por outro lado, só afirma quem crê. E só crê aquele cuja fé foi despertada pelo Espírito Santo. 8 2 9 Se guardas malícia ou ressentimento em tua consciência, o Espírito de Deus não pode habitar na mesma consciência. A purificação é absolutamente necessária. 8 3 0 = sustentará a vida de. A vivificação nada tem a ver, diretamente, com a nossa ressurreição. Na ressurreição da vida, o corpo mortal não será restaurado. O corpo espiritual será resgatado. O corpo está vivo, logo, não precisa ser ressuscitado. A vivificação é a sustentação da vida, para que o corpo mortal não morra e seja, oportunamente, transformado. 8 3 1 O Espírito Santo só habita em nós se andamos segundo o espírito. Habitar é o mesmo que estar estabelecido. Este habitar significa estar bem estabelecido e assentado em sua casa. 8 3 2 Portanto a morte não é para todos. 8 3 3 Se soubermos andar segundo o espírito, podemos sobreviver. Υ filhos: Gr υιοι (filhos de Deus no céu) 8 3 4 O contexto mostra que os filhos de Deus são imortais. Τ filhos: Gr τεκνα (filhos de Deus na terra) 8 3 5 Co-herdeiros, cada um de nós é herdeiro de todas as coisas (Gl 4:1, Hb 1:2). A herança é indivisível. Υ filhos: Gr υιοι − filhos divinos celestiais 8 3 6 Sofre na carne a ilusão de uma pseudo-realidade, como diz o Eclesiastes: vanidade das vanidades, tudo é vanidade (Ec 1:2). Fazem parte desta vaidade, entre outros elementos, o macro-sistema mundo, o planeta deteriorado e o antiespírito inimigo. 8 3 7 Deus nos dá e garante esta esperança. Τ filhos: Gr τεκνα 8 3 8 Neste contexto, vemos que a criação é, mais que tudo, a segunda classe dos homens. Eles também são, portanto, filhos humanos de Deus. 8 3 9 Hoje, nosso corpo espiritual está confinado. A redenção se dará pela ressurreição futura ou pela transformação. 8 4 0 Todas as coisas, inclusive todas as experiências do passado. ‘Em tudo dai graças’ é a recomendação em Ts 5:18. Quando uma memória vem à tona, há oportunidade de dizer: ‘Pai, eu te amo. Muito obrigado por este fato do passado, o qual contribui para o meu mais alto bem e meu maior benefício.’ Voltamos, então, a nossa atenção para a presença de Deus em nós, e para o fato de que somos perfeitos em Cristo. Assim abrimos o coração para que a palavra de Deus tenha mais impacto em nossa consciência, convertendo as memórias em energia construtiva, e pondo-nos preparados para revelações. A palavra da fé potencializa as bênçãos.


155

amam a Deus, que são chamados segundo o seu propósito; 29 pois aos que pré-conheceu também os predestinou à mesma forma da imagem de seu Filho, para que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. 30 E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou 841. 31 Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou a seu próprio Filho, antes por todos nós o entregou, como não nos há de agraciar em todas as coisas junto com ele? 33 Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? Deus é quem justifica. 34 Quem os condenará? É Cristo quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está na destra de Deus, e ele também intercede por nós. 35 Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? 36 Como está escrito: Por tua causa somos levados à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro. 37 Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. 38 Pois estou bem certo de que nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem forças, nem coisas do presente, nem do porvir, 39 nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá privar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Rm 9. Quem é de Fato Israel? 1

9: Digo a verdade em Cristo, não minto, dando testemunho minha própria consciência junto comigo, em Espírito Santo: 2 Tenho uma grande tristeza e uma dor incessante no coração, 3 porque desejaria ser renegado, separado do Ungido, em favor de meus irmãos, meus compatriotas segundo a carne. 4 Esses são israelitas842. Pertence-lhes a filiação e a glória, as alianças, a legislação, o culto e as promessas; 5 deles são os patriarcas, dos quais descende segundo a carne o Cristo, o qual é, acima de tudo, Deus bendito pelas eras. Amém! 6 Não como se a palavra de Deus houvesse falhado, porque nem todos os de Israel são de fato Israel; 7 nem por serem descendentes de Abraão são todos seus filhos; mas: Em Isaque te será chamada a descendência. 8 Isto é, não são os filhos da carne843que são filhos de DeusΤ, mas são os filhos da promessa que são tidos como descendência. 9 Ora, a palavra da promessa é esta: Por esse tempo virei, e Sara terá um filho. 10 E não ela somente, mas também Rebeca, ao conceber de um, que é Isaque nosso pai. 11 Nem ainda tinham os gêmeos nascido, nem tinham praticado algum bem ou mal (para que o propósito de Deus quanto à eleição prevalecesse, não por obras, mas por aquele que chama), 12 já fora dito a ela: o mais velho será servo do mais moço. 13 Como está escrito: Amei a Jacó e aborreci a Esaú844. 14 Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma! 15 Pois ele diz a Moisés: Farei misericórdia a quem eu fizer misericórdia e terei compaixão de quem eu tiver compaixão. 16 De maneira que não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia. 17 Porque a escritura diz ao Faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti a minha força e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra. 18 Assim, pois, ele tem misericórdia de quem ele quer845, e endurece a quem ele quer. 19 Tu, então, me dirás: De que poderia ainda queixar-se? Pois quem pode resistir à sua vontade? 20 A final de contas, quem és tu, ó homem, para discutires com Deus? Porventura pode o objeto questionar a quem o fez: por que me fizeste assim? 21 Ou não teria o oleiro direito sobre a argila, para da mesma massa fazer um vaso para uso nobre, e outro para uso menos digno? 22 Se Deus, querendo mostrar a sua ira e fazer saber que ele mesmo tem poder, suportou com muita longanimidade os vasos da ira846, qualificados 841

Na eternidade, todos os santos estão na glória; no tempo, a glorificação não se dá de uma vez, para todos, - mas em várias ocasiões. 842 São israelitas, mas não os únicos israelitas. Basta ver que Judá é apenas uma parte de Israel. 843 Israel não se constitui, e nunca se constituiu, dos descendentes de Abraão segundo a carne. Israel é, desde o princípio, cada um dos filhos da promessa, a totalidade dos santos. Por isso, Isaque é chamado unigênito. Isaque é unigênito dos filhos de Abraão (pai dos crentes), e Jesus Cristo é Unigênito dos filhos divinos. E todos os santos são, simultaneamente, filhos divinos e humanos de Deus. Israel é o único povo de Deus, desde os dias de Adão. Igreja é o nome novo que o Senhor designou para Israel (Is 62:2). Τ τεκνα του Θεου = filhos humanos de Deus; – (υιοι του Θεου = filhos divinos) 844 Esaú é contado na classe dos santos, certamente, já que os pais eram crentes, quando na carne (1Co 7:14). Nas profecias, Esaú representa a segunda classe, Edom, que tem por destino hostilizar seu irmão Israel. 845

A Deus pertence determinar todas as coisas. O livre-arbítrio que nos foi dado consiste apenas na opção de purificar-nos ou não purificar-nos, santificar-nos ou não – e a oportunidade não é dada a todos, nesta era. 846 Ver 2Tm 2:19-21


1 56

para perdição847, 23 e a fim de que desse a conhecer a riqueza da sua glória sobre os vasos de misericórdia, glória para a qual os havia preparado: – 24 a estes, que somos nós, também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios. 25 Assim também diz Oseias: Chamarei povo meu ao que não era meu povo; e amada, à que não era amada. 26 E acontecerá que no lugar em que se lhes disse: – não sois meu povo – ali serão chamados filhos Υ do Deus vivo. 27 Isaías, por sua vez, proclama acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo. 28 Porque o Senhor, – consumando a palavra e abreviando-a com justiça, – cumprirá a palavra em brevidade, sobre a terra. 29 E, como Isaías havia dito: Se o Senhor dos Exércitos não nos tivesse deixado descendência, nos teríamos tornado como Sodoma, e seríamos comparados a Gomorra. 30 Que diremos, pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, vieram a alcançá-la, a justiça que decorre da fé, 31 ao passo que Israel, que buscava lei de justiça, não chegou à Lei de justiça. 32 Por quê? É que a origem não estava na fé, mas como se fosse das obras; tropeçaram na pedra de tropeço. 33 Como está escrito: Eis que ponho em Sião uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, e quem nela puser sua fé não ficará desapontado. Rm 10. O Falar da Fé 10:1 Irmãos, o desejo do meu coração e a súplica que ponho perante o Senhor a favor de Israel é para que sejam salvos. 2 Porque deles dou testemunho de que têm zelo de Deus, mas não conforme o conhecimento. 3 Porquanto, ignorando a justiça de Deus e procurando estabelecer a sua própria justiça, não se submeteram à justiça de Deus. 4 Pois Cristo é fim de toda lei para justiça – para todo aquele que crê848. 5 Moisés, de fato, descreve a justiça que é pela Lei: Aquele que praticar estas coisas nelas viverá. 6 Mas a justiça que é pela fé assim declara: Não digas em teu coração – quem subirá ao céu? – isto é, para trazer do alto a Cristo; 7 ou – quem descerá ao abismo? – isto é, para levantar Cristo de entre os mortos. 8 Que diz, porém? A palavra está junto a ti, na tua boca e no teu coração; isto é o falar da fé849 – este que pregamos, – 9 que se com a tua boca confessares o Senhor Jesus, e com o teu coração creres que Deus o ressuscitou de entre os mortos, serás salvo850. 10 Porque pelo coração se crê para justiça, e pela boca se confessa para salvação. 11 Porquanto a escritura diz: Aquele que sobre ele puser a sua fé não ficará desapontado. 12 Pois não há distinção entre judeu e grego, uma vez que o mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. 13 Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. 14 Como, então, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele a quem não ouviram? 15 E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que evangelizam a paz, dos que evangelizam as coisas boas! 16 Mas nem todos obedeceram ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem acreditou em nossa mensagem? 17 Desta maneira, a fé vem da mensagem ouvida, e a mensagem vem através do falar de Deus. 18 Mas pergunto: Porventura não ouviram? Certamente: Por toda a terra correu a sua voz; até aos confins do mundo as suas palavras. 19 Pergunto ainda: Não terá isso, porventura, chegado ao conhecimento de Israel? Moisés já dizia: Eu vos porei em ciúmes com os que não são povo, com um povo de pouca inteligência vos incitarei à ira. 20 E Isaías vai mais longe e diz: Fui achado pelos que não me procuravam, apareci aos que não perguntavam por mim. 21 E diz a Israel: Todo o dia 8 4 7

Os vasos da ira fazem parte do povo santo! Eles são qualificados, não para salvação, mas para perdição. Esta deve ter lugar na terra no dia da ira, a gehenna, que é o tempo que abrange a segunda metade (ou 2º período) da grande tribulação. Υ filhos: Gr υιοι − filhos divinos – filhos de Deus no Céu 8 4 8 Na justiça da fé, o homem só se vê devidamente justificado, assim como Deus o vê, quando vê em Cristo o encerramento definitivo da lei para justiça. Quem dentre os santos não crê não tem a justiça da fé. Não tendo a justiça da fé, há uma lei que o condena, a lei do pecado e da morte. O juiz que o condena é a má consciência do próprio indivíduo. Portanto, não há uma lei para justiça, mas há uma lei para maldição e para condenação. Todo padecimento e toda morte decorrem da sujeição a essa lei. 8 4 9 O falar da fé é a boa confissão. 8 5 0 A futura ressurreição da vida e a grande salvação são prêmio exclusivo dos poucos que creem que Deus ressuscitou a Cristo de entre os mortos, não para que ele pudesse viver, mas para que nós pudéssemos viver. Crendo, damos testemunho de que fomos ressuscitados e temos vida eterna hoje. Vida eterna não é vida após a morte; pelo contrário, a vida eterna nos habilita a superar a morte. A salvação não é conforme as doutrinas do cristianismo. E’ conforme a Promessa.


157

estendi as mãos a um povo rebelde e contradizente851. Rm 11. O Remanescente 11:1 Pergunto, pois: Teria Deus rejeitado o seu povo? De modo algum! Pois eu também sou israelita, da semente de Abraão, da tribo de Benjamim. 2 Deus não rejeitou o seu povo, a quem antes conheceu. Ou não sabeis o que diz a escritura quanto a Elias, como ele fala a Deus contra Israel, dizendo: 3 Senhor, mataram os teus profetas, derribaram os teus altares, e só eu fiquei, sendo que buscam a minha alma. 4 Qual foi, então, a resposta divina? Reservei para mim sete mil homens852, que não dobraram os joelhos a Baal. 5 Assim, portanto, também neste tempo presente, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça. 6 E, se é pela graça, já não é pelas obras, uma vez que em tal caso a graça não seria graça; mas se é por obras já não é graça; de outra maneira, a obra já não é obra. 7 Que há, então? O que Israel buscava, isso não alcançou; mas foi alcançado pela eleição; e os outros foram endurecidos. 8 Como está escrito: Deus lhes deu espírito de entorpecimento, olhos para não ver e ouvidos para não ouvir, até ao dia de hoje. 9 E Davi diz: Que se lhes torne a mesa em armadilha e em rede, em tropeço e em retribuição; 10 que se lhes escureçam os olhos, de modo que não vejam, e suas costas se encurvem e fiquem encurvadas. 11 Digo, pois: teriam eles tropeçado para cair? De modo nenhum, mas a sua queda resultou na salvação dos gentios, para pô-los em ciúmes. 12 Ora, se a sua queda reverte em riqueza para o mundo, e a sua falha, em riqueza para os povos, quanto mais a sua plenitude! 13 Dirijo-me, agora, aos que sois gentios: enquanto apóstolo aos gentios, honro meu 14 encargo, a ver se posso provocar ciúmes dos de minha gente e salvar alguns deles. 15 Ora, se a rejeição deles significa reconciliação do mundo, que significará a sua aceitação, senão vida de entre os mortos? 16 E se a primícia é santa, também o será a massa; se a raiz é santa, igualmente os ramos o serão. 17 Se alguns dos ramos se quebraram, e tu, sendo oliveira brava, foste enxertado junto a eles, para te beneficiares da raiz e da seiva da oliveira, 18 não te glories contra os ramos, que não cabe te gloriares nisso: não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti. 19 Dirás, então: Os ramos foram quebrados para que eu fosse enxertado. 20 Pois bem. Por incredulidade foram quebrados; de tua parte, estás firme, pela fé. Não haja orgulho em ti, e sim, temor. 21 Porque, se Deus não poupou os ramos no plano natural, tampouco poupará a ti. 22 Considera, então, a benignidade e a severidade de Deus; por um lado, para os que caíram, severidade; por outro lado, para contigo, benignidade, contanto que nela permaneças; caso contrário, serás também cortado. 23 Também eles, caso não permaneçam na incredulidade, serão enxertados, pois Deus tem poder para os enxertar de novo. 24 Ora, se foste cortado da que, ao modo natural, era oliveira brava, e, fora do modo natural, foste enxertado em boa oliveira, quanto maior razão há para que sejam enxertados na sua própria oliveira os que são ramos naturais! 25 Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não sejais presumidos em vós mesmos): que o endurecimento veio em parte a Israel, até que a totalidade dos gentios haja entrado. 26 E, assim, todo o Israel será salvo853, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e ele apartará de Jacó as impiedades, 27 e esta é, de minha parte, a aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados. 28 Quanto ao evangelho, são eles inimigos por vossa causa; porém, quanto à eleição, são amados por causa dos patriarcas; 29 porque quanto aos dons da graça e ao chamamento de Deus não há mudar de ideia. 30 De fato, assim como também vós, outrora, vos rebelastes contra Deus, e agora alcançastes misericórdia pela rebeldia deles, 31 do mesmo modo também estes, agora, foram rebeldes, para que, pela misericórdia para convosco, eles igualmente alcancem misericórdia. 32 Porque Deus a todos encerrou na insubmissão, a fim de usar de misericórdia para com todos. 33 Oh profundidade de riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão impenetráveis os seus caminhos! 34 Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? 35 Ou quem primeiro deu a ele algo que possa ser restituído? 36 De fato, tudo procede dele, passa por ele, e volta para ele. A 851 852 853

Contradizente é quem ouve a palavra de Deus e, em seguida, afirma o oposto. Os sete mil representam o exército de Elias, as sete miríades de ceifeiros do tempo do fim. inclusive a totalidade dos gentios que houver entrado, quando estiver concluída a grande tribulação


1 58

ele, a glória pelas eras. Amém! Rm 12. A Renovação da Mente 1

12: Rogo-vos, pois, irmãos, que, em vista das compaixões de Deus, apresenteis os vossos corpos854por sacrifício855vivo, santo e agradável a Deus, − adoração racional. 2 E não vos deixeis moldar por esta era, mas transformai-vos856pela renovação da vossa mente857, de forma que experimenteis qual seja a boa, aprazível e perfeita vontade de Deus858. 3 Ora, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém, e sim criteriosamente, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um. 4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e os membros não têm, todos, a mesma função, 5 de igual modo também nós, sendo muitos, somos um só corpo em Cristo 859, e membros uns dos outros, 6 tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: se profecia, segundo a proporção da fé; 7 se diaconia, na prestação de serviço; se para ensinar, que seja no ensino; 8 se a exortar, faça exortação; se a contribuir, com simplicidade; se a liderar, com diligência; se a exercer misericórdia, com alegria. 9 O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem. 10 Sede afetuosos uns para com os outros em amor fraternal, tendo-vos uns aos outros em alta consideração. 11 Trabalhai esforçadamente, sem descuido; sede fervorosos no espírito, no servir ao Senhor; 12 regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverantes na oração; 13 compartilhai as necessidades dos santos; praticai a hospitalidade; 14 abençoai os que vos perseguem; abençoai e não amaldiçoeis. 15 Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram. 16 Tende uma mesma disposição uns para com os outros; deixando de lado qualquer altivez, estai entre os humildes; não vos deis ares de sábios. 17 A ninguém pagueis o mal com o mal; haveis de ter honestas intenções para com todas as pessoas. 18 Enquanto depender de vós, haja em vós paz para com todos. 19 Não façais justiça por vossa conta, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim pertence a vindita; sou eu quem há de retribuir, diz o Senhor. 20 Portanto, se teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas sobre a sua cabeça. 21 Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. Rm 13. Andemos Dignamente 13:1 Toda alma esteja sujeita às autoridades constituídas, porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as que existem foram estabelecidas por Deus. 2 De sorte que, se alguém se opõe à autoridade, faz resistência à ordenação de Deus; e os que resistem atrairão juízo sobre si. 3 Ora, os que governam não são para temer, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres então não ter medo da autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, 4 visto 8 5 4

Caso não tivéssemos sido ressuscitados com Cristo, não teríamos um corpo perfeito a apresentar, e Deus abomina ofertas imperfeitas. Na nova aliança, Deus aceita sacrifícios físicos (o corpo do espírito) e espirituais (o fruto do espírito), sobre o altar de ouro, a nova aliança em Cristo. Nosso corpo espiritual é sacrifício aceitável porque está identificado com o corpo de Cristo. 8 5 5 Este sacrifício físico (oferta alçada) da Nova Aliança opera renovação do corpo. A renovação da mente se dá por meio da oferta espiritual (sacrifícios espirituais sobre o altar de ouro) – Gl 5:22; Hb 13:15; 1Pe 2:5 – O corpo é sacrificado (oferecido a Deus) na ressurreição, não na morte. 8 5 6 Não fomos transformados pela redenção: fomos resgatados. Toda transformação é física, já que elementos não físicos não têm forma. É preciso buscar renovação, para que haja transformação. Transformai-vos: responsabilidade particular de cada um. Transformar-se é transformar o corpo da carne e transformar o mundo da carne. A mente não se transforma, renova-se. O corpo do espírito não se transforma, pois é perfeito desde o princípio. O mundo que nós conhecemos, em nossa experiência, na baixa consciência desta vida, não é o mundo real, mas é o mundo que cada um produziu para si, e que nos cabe transformar. O que nós realmente somos, nosso Eu superior, é perfeição espiritual e física, em plena alegria e perfeito amor. Entraremos no Reino, e nos lembraremos do que somos. Podemos encontrar dentro de nós esta consciência superior, hoje. O jogo da vida presente é temporário, e necessário. A oportunidade deste jogo nos foi dada para que tenhamos experiência dos contrastes e descubramos a verdade do Ser. Renova a tua mente, reconhecendo em ti mesmo a mente de Cristo. Deus nos deu mente nova, corpo novo, coração novo, espírito novo, nova consciência. 8 5 7 A mente renovada é o Espírito de Cristo. Renovar é a palavra-chave. Renovar é transferir a consciência do antigo para o novo, ou seja, rejeitar a mente da carne e assumir a mente do espírito, que é a de Cristo. 8 5 8 A vontade de Deus é sempre boa, agradável e perfeita, pois Ele tem uma única vontade: a felicidade do homem. Obviamente, a vontade de Deus não pode falhar. Desejos, Deus não tem. 8 5 9 Somos um só corpo e, em última análise, o único corpo no universo, o corpo do Cristo.


159

que está a serviço de Deus para o teu bem. Se, por outro lado, praticares o mal, teme, pois não é à toa que ela traz a espada; porque está a serviço de Deus, para fazer justiça, para trazer ira sobre o malfeitor. 5 É, pois, necessário que lhe estejais sujeitos, não só por causa da ira, mas também por causa da consciência. 6 É por isso que também pagais tributos, porque são ministros de Deus, e atendem continuamente a esse mister. 7 Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, o devido tributo; a quem imposto, o devido imposto; a quem respeito, o devido respeito; a quem honra, a devida honra. 8 A ninguém fiqueis a dever coisa alguma, exceto o vosso amor recíproco, pois quem ama ao outro já cumpriu a lei. 9 Com efeito: – não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás, e, se há qualquer outro mandamento, nisto a palavra se totaliza: Amarás a teu próximo como a ti mesmo. 10 O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor. 11 Tanto mais que sabeis em que tempo estamos: já é hora de despertar, porque a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando viemos a crer. 12 Vai alta a noite e vem chegando o dia860; deixemos, pois, as obras das trevas e tomemos por vestes as armas da luz. 13 Andemos dignamente, como à luz do dia, não em comilanças e bebedices, não em devassidão e libertinagem, não em rivalidades e ciúmes. 14 Mas tomai por veste o Senhor Jesus Cristo, e nada disponhais para a carne para lhe atender aos desejos. Rm 14. Vivemos para o Senhor 14:1 Acolhei ao que é débil na fé, e que não seja para discussão de temas 861. 2 Um crê que de tudo pode comer, mas o débil come legumes; 3 quem come não desmereça a quem não come; e quem não come não julgue a quem come, porque Deus o acolheu. 4 Quem és tu que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor está em pé ou cai; mas estará em pé, porque Deus tem força para o suster. 5 Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja bem seguro do que pensa. 6 Quem tem uma disposição ligada ao dia, sua disposição é para o Senhor; e aquele cuja disposição seja outra também é para o Senhor. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus, e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus. 7 Porque nenhum de nós vive para si, nem morre para si. 8 Pois se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor. 9 Para isto foi que Cristo morreu e ressurgiu: para ser Senhor tanto de mortos como de vivos. 10 Tu, então, por que julgas teu irmão? E tu, por que desprezas teu irmão? Pois todos compareceremos perante o tribunal de Cristo. 11 Ora, está escrito: Vivo eu, diz o Senhor, que diante de mim se dobrará todo joelho, e toda língua confessará a Deus. 12 Por conseguinte, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus862. 13 Não nos julguemos mais uns aos outros; pelo contrário, tende discernimento de não pordes tropeço ou escândalo diante do irmão. 14 Eu sei e estou persuadido, no Senhor Jesus, de que nenhuma coisa é comum por si mesma, salvo para aquele que a considera comum; para esse é comum. 15 Se, por causa de comida, teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor. Por causa de tua comida, não faças perder-se aquele por quem Cristo morreu. 16 Não deis ocasião a que se fale mal daquilo que para vós é bom. 17 Porque o reino de Deus não é comida e bebida, mas justiça, e paz, e alegria em Santo Espírito. 18 Aquele que serve a Cristo nestas coisas é agradável a Deus e aprovado pelos homens. 19 Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação em mutualidade. 20 Não desfaças a obra de Deus por questão de comida. Por um lado, todas as coisas são limpas; mas, por outro lado, é algo mau comer e fazer tropeçar. 21 É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer coisa com que teu irmão venha a tropeçar, ou a se escandalizar, ou a se enfraquecer. 22 Tu tens fé? Tem-na para ti mesmo perante Deus. Bemaventurado é aquele que não se desaprova naquilo que aprova. 23 Aquele que tem dúvidas em comer condena-se, uma vez que tal atitude não é de fé; e tudo o que não é de fé é pecado. Rm 15. O Deus da Paciência e do Encorajamento 15:1 Ora, nós que estamos capacitados devemos dar apoio aos menos capazes, em suas debilidades, e não buscar nossa própria satisfação; 2 de sorte que cada um de nós há de 860

O dia vem chegando! Amém. Vem, Senhor Jesus! ou doutrinas 862 Se tens acesso às Santas Escrituras, nada poderás alegar em juízo que possa justificar eventual ignorância ou indução em erro produzida por outrem. Tudo foi escrito para ti. Ver nota abaixo. 861


1 60

agradar ao próximo no que é bom para edificação. 3 Porque também Cristo não buscou a sua própria satisfação; antes, como está escrito: Os insultos dos que te injuriavam caíram sobre mim. 4 Pois tudo quanto outrora foi escrito, para nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pelo encorajamento das escrituras, mantenhamos a esperança863. 5 Ora, o Deus da paciência e do encorajamento vos conceda igual disposição em mutualidade, segundo Cristo Jesus, 6 para que, concordemente e a uma voz, glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. 7 Por isso acolhei-vos uns aos outros, assim como Cristo também nos acolheu para glória de Deus. 8 Digo, pois, que Jesus Cristo foi constituído servidor da circuncisão, em prol da verdade de Deus, para confirmar as promessas feitas aos patriarcas, 9 e para que os gentios glorifiquem a Deus pela misericórdia, como está escrito: Por causa disso, farei confissão de ti entre os gentios e cantarei louvores ao teu nome. 10 E também diz: Alegrai-vos, ó gentios, com o seu povo. 11 E ainda: Louvai a Yahveh, vós todos os gentios, e dai-lhe louvor todos os povos. 12 Também Isaías diz: Haverá a raiz de Jessé, e aquele que se levanta para governar as gentes; nele estará a esperança dos gentios. 13 E o Deus da esperança vos encha de toda a alegria e paz no crer, para o vosso transbordar de esperança, em energia de Espírito Santo. 14 Pessoalmente estou certo, meus irmãos, a vosso respeito, de que também vós estais cheios de bondade, repletos de todo o conhecimento, capacitados ao mútuo aconselhamento. 15 Agora vos escrevi, irmãos, em parte com certa ousadia, como para vos trazer isso à memória, por causa da graça que me foi dada por Deus, 16 para que eu seja ministro de Jesus Cristo em favor dos gentios, no sagrado encargo do evangelho de Deus, de sorte que a oferta das gentes seja aceitável, santificada em Santo Espírito. 17 Tenho, portanto, de que me gloriar em Cristo Jesus, naquilo que se refere a Deus. 18 Porque eu não ousaria discorrer sobre coisas que Cristo não tivesse realizado por meu intermédio, para obter a obediência dos gentios, por palavra e por ação, 19 por força de sinais e prodígios, por força de Espírito de Deus, de maneira que, desde Jerusalém e arredores até ao Ilírico, eu levei a termo o anúncio do evangelho de Cristo, 20 fazendo questão de anunciar o evangelho onde o nome de Cristo ainda não era conhecido, para não edificar sobre fundamento alheio; 21 antes, como está escrito: Aqueles a quem ele não fora proclamado hão de vê-lo; e aqueles que dele não ouviram falar hão de entendê-lo. 22 Foi também por isso que repetidamente me vi impedido de visitar-vos. 23 Mas agora, já não tendo campo de atividade nestas regiões e tendo saudade de estar entre vós, desde há muitos anos; 24 espero chegar aí e estar convosco, mesmo de passagem, estando de viagem para a Espanha, e ser encaminhado para lá por vós, após desfrutar primeiro, um pouco, a vossa companhia. 25 Entretanto agora estou de partida para Jerusalém, a serviço dos santos. 26 Porque Macedônia e Acaia houveram por bem levantar contribuição em benefício dos pobres dentre os santos que vivem em Jerusalém. 27 Isto lhes pareceu bem, como devedores que são para com eles; porque, se os gentios foram feitos participantes dos valores espirituais deles, devem também ministrarlhes valores materiais. 28 Portanto, após ter concluído esse mister e consignado esse fruto, partirei para a Espanha, passando por vós. 29 E bem sei que, indo a estar aí convosco, lá chegarei na plenitude da bênção do evangelho do Ungido. 30 Rogo-vos, pois, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que luteis junto comigo, nas orações que fazeis por mim, 31 para que eu me veja livre dos rebeldes na Judeia, e que este meu serviço em favor de Jerusalém seja bem aceito pelos santos; 32 de modo que, ao visitar-vos, pela vontade de Deus, eu chegue com alegria e possa recrear-me convosco. 33 E o Deus da paz seja com todos vós. Amém! Rm 16. Obediência de fé 16:1 Recomendo-vos nossa irmã Febe, que serve à igreja em Cencreia. 2 Que ela tenha acolhida entre vós no Senhor, como convém aos santos, e lhe deis o auxílio que de vós venha a precisar, pois também ela tem sido benfeitora de muitos, e de mim mesmo. 3 Saudai864Priscila e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus, 4 os quais pela minha alma puseram em risco sua própria cabeça; a eles agradeço, não só eu, mas todas as igrejas dos 8 6 3

Manter a esperança é responsabilidade tua, irmão em Cristo. Tudo foi escrito exclusivamente para ti. Não há grupos responsáveis nem irresponsáveis. Cada pessoa dará conta de si. Nada foi escrito para grupos, instituições ou nações; nem para ‘igrejas’ do cristianismo, que são instituições. O Senhor nada instituiu, nem mesmo sacramentos, ou ‘a ceia’, ou a igreja. Tu mesmo és Israel. Israel é a Igreja, e a Igreja sempre foi Israel, desde os dias de Adão. Deus sempre teve um povo na terra, e nunca terá mais de um. 8 6 4 Percebe-se, com facilidade, que esta carta foi escrita depois que Paulo saiu da 1ª prisão em Roma.


161

gentios; 5 saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primeiro fruto da Acaia para Cristo. 6 Saudai Maria, que muito trabalhou por vós. 7 Saudai Andrônico e Júnias, meus parentes e companheiros de prisão, os quais são notáveis entre os apóstolos e estavam em Cristo antes de mim. 8 Saudai Amplíato, meu dileto amigo no Senhor. 9 Saudai Urbano, que é nosso cooperador em Cristo, e também meu dileto amigo Estáquis. 10 Saudai Apeles, aprovado em Cristo. Saudai os da casa de Aristóbulo. 11 Saudai meu parente Herodião. Saudai os da casa de Narciso que estão no Senhor. 12 Saudai Trifena e Trifosa, que laboram no Senhor. Saudai a estimada Pérside, que muito trabalhou no Senhor. 13 Saudai Rufo, eleito no Senhor, e igualmente a mãe, dele e minha. 14 Saudai Asíncrito, Flegonte, Hermes, Pátrobas, Hermas, e os irmãos que estão com eles. 15 Saudai Filólogo e Júlia, Nereu e sua irmã, Olimpas e todos os santos que estão com eles. 16 Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. As igrejas de Cristo vos saúdam. 17 Rogo-vos, irmãos, que estejais em alerta contra os que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina865que aprendestes; afastai-vos deles, 18 porque esses tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas a seu próprio ventre e, com palavras melífluas e lisonjeiras, seduzem os corações dos que não têm maldade. 19 Pois a vossa obediência se fez conhecida de todos; por isso, estou contente de vós; e quero que sejais sábios para o bem e sem malícia para o mal. 20 E o Deus da paz depressa esmagará a satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja convosco. Amém. 21 Saúda-vos Timóteo, meu cooperador, bem como Lúcio, Jasão e Sosípatro, meus parentes. 22 Saúdo-vos eu, Tércio (que esta carta escrevi), no Senhor. 23 Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro e de toda a igreja. Saúda-vos Erasto, tesoureiro da cidade866, e o irmão Quarto. 24 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém. 25 Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar de acordo com o meu evangelho e a proclamação de Jesus Cristo (conforme a revelação do mistério guardado em silêncio por tempos de eras, 26 e que agora se fez aparecer por meio das escrituras proféticas e segundo o comando do Deus eterno, para a obediência de fé867dado a conhecer a todas as gentes), 27 ao Deus único e sábio, seja a glória, através de Jesus Cristo, pelas eras. Amém!

PRIMEIRA EPÍSTOLA DE PAULO AOS CORÍNTIOS 1:1 Paulo, chamado a ser apóstolo de Jesus Cristo por vontade de Deus, e o irmão Sóstenes, 2 à igreja de Deus que está em Corinto, aos que estão santificados em Cristo Jesus, chamados santos com todos os que invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, em todo lugar, Senhor deles e nosso. 1. A Sabedoria de Deus 1:3 Graça e paz a vós, da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 4 A todo o tempo dou graças a meu Deus a vosso respeito, a propósito da graça de Deus que vos foi dada em Cristo Jesus, 5 pelo fato de que em tudo fostes enriquecidos nele, em toda palavra e em toda instrução 6 (como o testemunho de Cristo foi mesmo confirmado entre vós), 7 de maneira que não vos falta nenhum dos dons da graça, enquanto aguardais a revelação de nosso Senhor Jesus Cristo, 8 o qual também vos confirmará irrepreensíveis até ao fim, no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. 9 Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. 10 Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa e não haja entre vós divisões, que estejais entrosados na mesma mente e no mesmo modo de pensar. 11 Ocorre que me foi trazida informação a vosso respeito, meus irmãos, pelos da casa de Cloé, de que há rivalidades entre vós. 12 Refiro-me ao fato de cada um 865

Uma única doutrina nos foi ensinada da parte de Deus. Todas as outras estão em desacordo, e devem ser rejeitadas. Todas as doutrinas estão inseridas em sistemas, e Deus desaprova sistemas de orientação espiritual. Aliás, biblicamente, doutrina é ensino, e a doutrina de Deus é o ensino da Verdade. 866 A cidade é Corinto, na Grécia. 867 O conceito obediência de fé resume todo o conteúdo da epístola. Consiste em andar no espírito e na verdade pela capacidade da fé. A própria fé é escolha da verdade com rejeição da falsidade.


1 62

de vós estar a dizer: eu sou de Paulo, eu sou de Apolo, eu sou de Kepha, eu sou de Cristo. 13 Acaso está o Cristo fracionado868? Foi Paulo crucificado em favor de vós? Ou acaso fostes batizados em o nome de Paulo? 14 Dou graças a Deus porque a nenhum de vós batizei, exceto Críspus e Gaio; 15 para que ninguém diga que alguém foi batizado no meu nome. 16 Batizei também a casa de Estéfanas; além desses, não sei se batizei alguém mais. 17 Pois Cristo não me enviou a batizar, mas a evangelizar; não com sabedoria de palavra, para que se não torne vã a cruz de Cristo. 18 Porque a palavra da cruz869é loucura para os desgarrados, mas para nós, que estamos a salvar-nos870, é o poder de Deus. 19 Ora, está escrito: Hei de desfazer a sabedoria dos que sabem, e hei de anular o entendimento dos que entendem. 20 Onde está o sábio? Onde está o homem culto? Onde está o inquiridor da era presente? Porventura não tornou Deus em loucura a sabedoria deste mundo871? 21 Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus pela sabedoria, aprouve a Deus, pela loucura da pregação872, salvar os que creem. 22 Percebe-se que tanto judeus pedem sinais, quanto gregos buscam sabedoria; 23 mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gregos; 24 por outro lado, para os que foram chamados873, tanto judeus quanto gregos, pregamos Cristo, força de Deus e sabedoria de Deus; 25 pois a tolice de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. 26 Reparai, pois, irmãos, no vosso chamamento: que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os de alta capacidade, nem muitos os de nobre nascimento. 27 Pelo contrário, Deus escolheu as coisas tolas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu o que é fraco no mundo para envergonhar o que é forte, 28 e as coisas do mundo que não têm berço, e as desprezadas, escolheu Deus, bem como aquelas que não são, para reduzir a nada as que são, 29 a fim de que nenhuma carne se vanglorie na presença de Deus. 30 Mas por ato dele estais em Cristo Jesus, o qual se tornou para nós, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção, 31 para que, como está escrito, – aquele que se gloria, glorie-se no Senhor874. 1Co 2. As Coisas de Deus 2:1 E eu, irmãos, quando fui ter convosco, não me apresentei com ostentação de linguagem ou de sabedoria para anunciar-vos o evangelho de Deus. 2 Porque me propus não ter conhecimento de nada entre vós, senão de Jesus Cristo, e este crucificado 875. 3 E foi em fraqueza, temor e grande tremor que eu estive entre vós. 4 E a minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder, 5 para que a vossa fé não estivesse na sabedoria de seres humanos, mas sim na força de Deus. 6 Ora, entre os perfeitos falamos de sabedoria; não da presente era, nem dos governantes desta era, que se reduzem a nada; 7 mas tratamos da sabedoria de Deus em mistério, que estava oculta, a qual Deus preordenou antes das eras para nossa glória; 8 nenhum dos governantes desta era a conheceu; porque, se a tivessem conhecido, jamais teriam crucificado o Senhor da glória; 9 mas, como está escrito: o que olhos não viram nem ouvidos ouviram, o que não subiu ao coração humano, isso Deus preparou para os que o amam. 10 Mas Deus no-lo revelou pelo seu Espírito; pois o Espírito tudo perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. 11 Porque qual dos homens sabe das coisas do homem, senão o espírito do homem que nele está? Assim também as coisas de Deus ninguém 8 6 8

Cristo não está dividido. No Reino de Deus, não há uma igreja com um sistema de doutrina e outra igreja com outro sistema. Nem há uma igreja qualquer numa cidade e outra noutra. Se alguém afirma a divisão, esse afronta a verdade e pratica iniquidade. “Livrai-vos do fermento antigo” (1Co 5:7). 8 6 9 A palavra da cruz é a palavra que declara e afirma que nós fomos mortos na carne quando Jesus foi crucificado na carne. Se não crucificamos a carne, repetida e deliberadamente, e não nos santificamos, estamos imundos, e vivemos como pecadores. Se a carne determina o que fazemos, estamos no caminho da perdição. É preciso que a alma mova, da carne para o espírito, o foco da autoconsciência. 8 7 0 Nesta era (nesta vida) é responsabilidade nossa levar adiante a salvação, pela graça, mediante a fé. 8 7 1 A sabedoria deste mundo é a sabedoria humana confinada ao alcance dos sentidos físicos. 8 7 2 A pregação é sempre o Evangelho. 8 7 3 Nós não sabemos de antemão quem são os santos, mas o evangelho é só para a primeira classe, os que foram chamados desde o princípio. Os comuns não podem receber o evangelho ainda nesta era. 8 7 4 Aquele que se gloria no Senhor, orgulha-se no espírito, e não na carne. E com razão, porque, no espírito, tudo é perfeição, e toda glória pertence a Deus. 8 7 5 O evangelho não é, simplesmente, a morte de Jesus. A boa notícia é que nossa carne já morreu junto com a sua carne, e nenhuma outra morte é necessária.


163

sabe, senão o Espírito de Deus. 12 Ora, não foi o espírito do mundo que recebemos, e sim o Espírito que vem de Deus, para sabermos daquilo que Deus nos tem dado de graça. 13 Disto também não falamos em termos de sabedoria humana, mas sim em termos espirituais de Espírito Santo, comparando espiritual com espiritual876.14 Ora, o homem-alma877não recebe as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode percebê-las, pois que se discernem espiritualmente. 15 Porém o homem-espírito878discerne todas as coisas, ao passo que ele mesmo879de ninguém é discernido. 16 Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Mas nós temos a mente de Cristo. 1Co 3. A Obra e o Fundamento 3:1 Eu também, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. 2 Leite vos dei a beber, e não alimento sólido, porque ainda não podíeis tomá-lo. Nem ainda agora podeis, pois ainda sois carnais; 3 porquanto, havendo entre vós ciúmes, rivalidades e divisões, não sois porventura carnais880, andando segundo o homem? 4 Quando, pois, alguém diz: eu sou de Paulo, – e outro: eu sou de Apolo, – não é evidente que sois carnais? 5 Quem é Paulo? Quem é Apolo? Nada mais que servidores por meio de quem viestes a crer, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um. 6 Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. 7 De sorte que nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. 8 Ora, o que planta e o que rega são unidade; e cada um receberá sua própria recompensa, conforme o seu próprio trabalho. 9 Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus, edifício de Deus. 10 Segundo a graça de Deus que me foi dada, como competente construtor lancei o fundamento; e há mais alguém que ergue a estrutura. Cada um veja como está a fazer isto. 11 Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo. 12 Então, se o que alguém está firmando sobre este fundamento é ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, 13 manifesta se tornará a obra de cada um; pois o dia a porá em evidência, a revelar-se com fogo; e qual seja a obra de cada um, o fogo há de provar. 14 Se alguém ali edificou e sua obra permanece, esse receberá recompensa; 15 se a obra de alguém se queimar, ele sofrerá perda; ele mesmo será salvo, mas como através de fogo. 16 Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? 17 Se alguém corromper o santuário de Deus, a esse Deus trará corrupção; porque o santuário de Deus, que vós sois, é santo. 18 Ninguém queira enganar-se a si mesmo: se alguém dentre vós se toma por sábio na era presente, faça-se estulto para que possa ser sábio. 19 Porque a sabedoria deste mundo é estultícia diante de Deus; porquanto está escrito: Ele apanha os sábios na astúcia deles. 20 E outra vez: O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são pensamentos vãos. 21 De maneira que ninguém há de gloriar-se nos homens; porque tudo é vosso: 22 seja Paulo, seja Apolo, seja Kepha, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, as coisas presentes, as futuras, tudo é vosso, 23 e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus. comparando espiritual humano (alma) com espiritual divino (espírito) − ver Hb 4:12 O homem-alma é servo do Altíssimo (pode ser servo fiel ou infiel); o homem-espírito é progênie do Altíssimo. Homem-alma e homem-espírito não são duas classes de pessoas; são a mesma pessoa. O homem-alma confunde-se com o homem-carne, enquanto não se submete deliberadamente ao espírito. Não é o teu verdadeiro ser, mas detém a autoconsciência. Naturalmente, resiste à crucificação da carne, porque identifica-se com a carne. O Senhor te exorta a negar-te a ti mesmo e seguir a Ele na morte, porque a morte diária do ego é indispensável, a fim de que possas ser conduzido à autoconsciência do espírito, através do poder da Ressurreição. 878 O homem-alma tem corpo psíquico, de terra. O homem-espírito, da classe dos santos, tem corpo espiritual, celestial. Jesus Cristo foi morto e sepultado como homem-alma (carne); foi ressuscitado homem-espírito. Nós também, com ele, fomos ressuscitados homens-espíritos e mulheres-espíritos. 879 “No princípio criou Deus o Céu e a Terra.” O céu da criação é o homem-espírito com as suas extensões metafísicas. A terra da criação é o corpo do homem-espírito com as suas extensões físicas. O homem é o núcleo da criação, e toda a sua essência. Toda vida psíquica e biológica é extensão do espírito. Todo o universo físico é extensão do corpo espiritual do homem. O homem-alma é extensão do homem-espírito. Nada existe lá fora. O ‘lá fora’ é inexistente, já que o Espírito é tudo, e não há espaço fora dele. Todo o universo aparente é projeção holográfica que procede do interior do homem, pelos pensamentos. 880 A alma carnal anda segundo o homem, isto é, deixa-se levar pela mente conceptual humana. A pessoa (alma) mantém-se na servidão dos sistemas e instituições. A libertação será encontrada na submissão à autoridade e à orientação do espírito. “Quem se privar de sua alma por minha causa achá-la-á”- Mt 10:39. 876 877


1 64

1Co 4. Apóstolo e Modelo 4:1 Que seja assim: os homens nos percebam como serviçais de Cristo e como os que são incumbidos dos segredos de Deus. 2 Além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um seja encontrado fiel881. 3 Quanto a mim, pouco me importa que seja avaliado por vós ou por algum juízo humano; tampouco avalio a mim mesmo. 4 Ora, não estou cônscio de nada em mim mesmo; mas nem por isso me dou por justificado, pois quem me avalia é o Senhor. 5 De maneira que não há que julgardes antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual tanto trará à luz o oculto das trevas, quanto fará aparecer os desígnios dos corações; e cada um receberá, então, o louvor da parte de Deus. 6 Estas coisas, irmãos, apliquei-as figuradamente a mim mesmo e a Apolo, por vossa causa, para que aprendais conosco, de modo que não se vá além do que está escrito, e não haja quem se orgulhe como se estivesse ligado ao partido de um, em oposição ao do outro. 7 Pois quem é que te distingue? Que é que possuis que não hajas recebido? Por que te gloriares, como se não tivesses recebido? 8 Já estais saciados, já enriquecestes, sem nós viestes a reinar; e tomara reinásseis, para que nós também pudéssemos reinar convosco! 9 Ora, tenho para mim que Deus nos apontou a nós, os apóstolos, por últimos, como se estivéssemos condenados à morte; que nos tornamos espetáculo para o mundo, para anjos e homens. 10 Nós somos tolos por causa de Cristo, e vós, inteligentes em Cristo; nós, fracos, e vós, fortes; vós, honrados, e nós, sem honra. 11 Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e falta de roupa; e somos esbofeteados, e não temos pousada certa; 12 e nos afadigamos, a trabalhar com as próprias mãos. Quando somos injuriados, abençoamos; quando perseguidos, suportamos; 13 quando falam mal de nós, respondemos com civilidade; até agora temos sido feitos lixo do mundo, escória de todos. 14 Não escrevo isto para vos envergonhar, mas vos estou chamando à atenção, como a meus filhos queridos. 15 Com efeito, ainda que tivésseis dez mil preceptores em Cristo, muitos pais não teríeis; porque, pelo evangelho, eu vos gerei em Cristo Jesus. 16 Então vos exorto a que sejais meus imitadores. 17 Por esta causa, vos mandei Timóteo, que é meu filho amado e fiel no Senhor, o qual vos lembrará os meus caminhos em Cristo, de como, por toda parte, tenho ensinado em toda igreja. 18 Há quem se tenha ensoberbecido, como se eu não estivesse para ir ter convosco; 19 mas depressa vos visitarei, se o Senhor quiser, e, então, não vou saber qual seja a palavra, mas qual é a força que os presunçosos têm. 20 Porque o reino de Deus não está em palavras, mas em força dinâmica. 21 Que preferis? Devo ir ter convosco com vara, ou com amor e espírito de mansidão? 1Co 5. Livrai-vos do Fermento 1

5: É comum ouvir-se dizer que entre vós há fornicação, e fornicação tal que não se encontra nem mesmo entre os gentios, qual seja, haver quem tome a mulher de seu pai. 2 E estais cheios de orgulho! Não devíeis antes vos lamentar, e tirar do vosso meio quem praticou esse ato? 3 Quanto a mim, ausente de corpo, mas presente em espírito, já sentenciei, como se estivesse presente, que o perpetrador seja 4 (em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, reunidos vós e o meu espírito junto com a energia de nosso Senhor Jesus Cristo) 5 entregue a satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo882no dia do Senhor Jesus. 6 Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouquinho de fermento leveda a massa toda? 7 Livrai-vos do fermento antigo883, para que sejais massa nova, que sem fermento sois. Pois, de fato, Cristo, a nossa páscoa, foi sacrificado por nós. 8 Assim sendo, celebremos a festa não com fermento antigo, nem com fermento de maldade e de malícia, e sim com ázimos da sinceridade e da verdade. 9 Já em carta vos escrevi que não vos associeis com fornicadores; 10 não se trata dos fornicadores deste mundo de modo geral, ou dos gananciosos, ou gatunos, ou idólatras; posto que, nesse caso, seria preciso sair do mundo. 11 Digo que não vos associeis com alguém que, afirmando-se irmão, seja devasso, ou ganancioso, ou idólatra, ou insultador, ou beberrão, ou gatuno; com esse tal, nem mesmo comais. 12 Acaso me compete julgar os de fora? Não. Vós haveis de julgar os de dentro. 13 Os de fora, Deus os julgará. Expulsai o mal de dentro de vós 8 8 1

Seremos achados fiéis no Dia de Cristo se andarmos na Verdade nesta vida, negociando os recursos que o Senhor nos confiou. 8 8 2 A salvação do espírito é a liberação do corpo espiritual. 8 8 3 O fermento antigo é o da antiga aliança, refermentada no cristianismo.


165

mesmos. 1Co 6. Limpos, Santificados, Justificados 1

6: Aventura-se algum de vós, tendo questão contra outro, a levá-la a juízo perante os injustos e não perante os santos? 2 Não sabeis que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo é julgado em vós, acaso sois indignos de decidir questões de pouca monta? 3 Não sabeis que havemos de julgar anjos? Muito mais as coisas da vida humana! 4 Então, se tendes de buscar arbitramento em questões desta vida, constituís como julgadores aqueles a quem na igreja não se dá importância? 5 Isto digo para vergonha vossa: é assim que não há entre vós alguém que seja sábio, nem ao menos um, que tenha competência para decidir o direito entre os irmãos? 6 No entanto, acontece que irmão entra em litígio contra irmão, e isso perante infiéis! 7 Já é mesmo um fracasso, que haja demandas entre vós! Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não suportais, antes, o dano? 8 Mas vós mesmos fazeis a injustiça e causais o dano, e isso aos irmãos! 9 Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus884? Não vos enganeis: nem devassos, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem pederastas, 10 nem ladrões, nem avarentos, nem beberrões, nem insultadores, nem larápios herdarão o reino de Deus885. 11 E fostes tais, alguns de vós; mas vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus e no Espírito de nosso Deus. 12 Todas as coisas me são lícitas, mas nem tudo traz proveito. Todas as coisas me são lícitas, mas nada terá poder sobre mim. 13 Os alimentos são para o estômago, e o estômago para os alimentos; mas Deus dará fim tanto a estes quanto àqueles. Quanto ao corpo, este não é para a devassidão886, mas para o Senhor, e o Senhor, para o corpo. 14 Deus tanto ressuscitou o Senhor quanto ressuscitará a nós pelo seu poder. 15 Não sabeis que os vossos corpos887 são membros de Cristo? E eu acaso tomaria os membros do Ungido e os faria membros de meretriz? 888Não, absolutamente. 16 Ou não sabeis que aquele que se une à meretriz é um só corpo com ela? Como se diz: os dois uma só carne. 17 Mas aquele que se une ao Senhor é um só Espírito889com ele. 18 Fugi da fornicação890. Qualquer pecado que uma pessoa comete é fora do corpo; mas o fornicador peca contra o próprio corpo. 19 Acaso não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo que está em vós? Vós o tendes da parte de Deus, e não sois de vós mesmos. 20 Porque fostes comprados por preço. Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, que são de Deus891. 1Co 7. Solteiros e Casados 7:1 Quanto ao que me escrevestes, é bom para o homem não tocar em mulher; 2 mas, por causa dos pecados sexuais, cada um tenha sua esposa, e, cada uma, o próprio marido. 3 O marido dê à mulher o devido agrado, e, da mesma forma, o dê a mulher ao 884

Nenhum dos injustos da lista abaixo herdará o reino, enquanto não se arrepende. Isto não nos autoriza a julgar ninguém. Pelo contrário, no momento em que julgamos moralmente a alguém, praticamos injustiça e perdemos a herança. É urgente que nos arrependamos! 885 Herdam o reino de Deus os que sobem com os escolhidos, antes ou durante a grande tribulação. 886 Refere-se à infidelidade espiritual, não à devassidão da carne. O corpo que é para o Senhor é o corpo espiritual. Por outro lado, quem profana o corpo da carne profana o corpo espiritual, que é santuário de Deus. 887 O corpo espiritual é membro(célula) do corpo de Cristo; o corpo material não é! 888 Membro de meretriz significa membro de igreja cristã ou seita judaísta. Quem se faz membro de qualquer entidade religiosa, ou se compromete com qualquer sistema doutrinário, faz-se infiel a Cristo. 889 A unicidade do Espírito. Há um só Espírito (1Co 12:13, Ef 4:3), e o nosso espírito é unidade com o Espírito do Senhor. Também o corpo do espírito, em nós, é um com o corpo do Senhor. 890 Mais que orientação moral, aqui há correção e instrução em sabedoria, como em Tg 4:4. As igrejas e seitas do cristianismo e do judaísmo fundam-se não em Cristo, e sim em sistemas de doutrina, em leis de mandamentos e dogmas; todas representam, fora de tempo, a antiga aliança que foi enterrada definitivamente no túmulo de Jesus Cristo. São a estrutura de Babilônia. Exumam a lei dos mandamentos, propagam a falsidade e promovem a infidelidade. As igrejas são instituições e, portanto não se constituem de pessoas, assim como nenhuma instituição, em qualquer terreno da sociedade humana (revelação assimilada em jul/2001). Não se confundam igrejas do cristianismo com as igrejas de Deus. A Igreja não tem nenhuma relação com o sistema chamado cristianismo. A propósito de sistemas, jamais houve conflito entre ciência e religião. Ora, toda instituição é administrada por pessoas, mas a ciência não é instituição. 891 Nosso corpo espiritual é o Corpo do Senhor; nosso espírito é o Espírito de Cristo. Esta é a nossa verdadeira identidade!


1 66

marido. 4 A mulher não dispõe do seu corpo, mas é o marido que dispõe; assim também o marido não dispõe do seu corpo, mas é a mulher que dispõe. 5 Não se privem um do outro, a não ser de comum acordo por algum tempo, se for para jejum e oração, voltando a se ajuntarem, para que satanás não os tente por causa da incontinência. 6 E isto vos digo por concessão e não por injunção. 7 Eu gostaria que todas as pessoas fossem como eu mesmo sou; mas cada qual tem seu próprio dom da graça que Deus lhe dá; um, deste modo, outro, daquele modo. 8 Entretanto, digo às pessoas solteiras e às viúvas que seria bom para elas permanecerem como eu. 9 Caso, porém, não possam manter o autocontrole, que se casem; porque é melhor casar-se do que abrasar-se. 10 Quanto aos casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe 11 do marido (se ela se separar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido); e que o marido não repudie sua mulher. 12 Aos outros digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher não crente, e esta consente em morar com ele, não a repudie; 13 e a mulher que tenha marido não crente, e este consinta em morar com ela, não deixe o marido. 14 Porque o marido não crente foi santificado com a esposa, e a esposa não crente foi santificada com o marido crente892; doutra sorte, os vossos filhos seriam impuros; agora, porém, são santos893. 15 Mas se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; não fica em servidão o irmão ou a irmã em tal caso; foi em paz que Deus nos chamou. 16 Saberias, ó mulher, se hás de salvar teu marido? Ou tu, marido, saberias se hás de salvar tua mulher? 17 De resto, viva cada um segundo a condição que o Senhor lhe assinalou em partilha, quando o Senhor o chamou. É assim que prescrevo em todas as igrejas. 18 Foi alguém chamado quando circunciso? Não desfaça a circuncisão. Foi alguém chamado estando incircunciso? Não se faça circuncidar. 19 A circuncisão não é nada, a incircuncisão também nada é, mas o que vale é guardar os mandamentos de Deus. 20 Cada um permaneça na vocação na qual foi chamado. 21 Foste chamado sendo servo? Não te dê cuidado; e, se ainda podes ser livre, aproveita a oportunidade. 22 Porque o que foi chamado no Senhor, sendo servo, é liberto do Senhor; semelhantemente, o que foi chamado, sendo livre, servo é de Cristo. 23 Por preço fostes comprados; não vos façais servos de homens894. 24 Cada um no que foi chamado, irmãos, nisso permaneça diante de Deus. 25 Com respeito às pessoas solteiras, não tenho imposição do Senhor; dou, porém, o meu parecer, como quem alcançou misericórdia do Senhor para ser fiel. 26 Considero, então, que isto seja bom para a pessoa, estar assim, por causa das condições opressivas que há nestes tempos. 27 Estás ligado a uma mulher? Não procures separar-te. Estás livre de mulher? Não busques mulher. 28 Se te casas, não pecas; e se a moça se casar, não peca. Tais pessoas terão tribulação na carne, e eu quisera poupar-vos. 29 Isto eu digo, irmãos: o tempo se fez curto; o que resta é que mesmo os que têm esposas sejam como se não tivessem; 30 também os que choram, como se não chorassem; e os que se alegram, como se não se alegrassem; e os que compram, como se não possuíssem; 31 e os que se servem deste mundo, como se dele não usassem; porque a forma aparente deste mundo passa. 32 Eu gostaria que estivésseis isentos de preocupações. Quem não é casado se ocupa das coisas do Senhor, de como agradar ao Senhor; 33 quem se casou se ocupa das coisas do mundo, de como agradar à esposa. 34 Há diferença entre a mulher casada e a virgem. A solteira cuida das coisas do Senhor para ser santa, assim no corpo como no espírito; a casada cuida das coisas do mundo, de como agradar ao marido. 35 Digo isto em vista do vosso próprio interesse; não para vos armar laço, mas para o que convém, e para que estejais à disposição do Senhor, sem distrações. 36 Mas se alguém julga que isso seria tratar menos honrosamente a sua virgem, estando a lhe passar a flor da idade, sendo portanto conveniente, seja feito o que ele quer: não peca – que se casem. 37 Agora, aquele que está firme de coração, não estando coagido, mas no pleno uso da própria vontade, e assim decidiu, no coração, conservar a sua virgem, esse procede bem. 38 E, assim, quem dá a filha em casamento procede bem; quem não a dá em casamento procede melhor. 39 A mulher está 8 9 2

A garantia é dada a todos os crentes, não a todos os santos. Quem é crente sabe que os filhos são santos, mesmo que não sejam crentes. Todos os crentes são santos, mas poucos dos santos são crentes, pois muitos são os chamados, e poucos os escolhidos. Os crentes são os que praticam a obediência de fé. 8 9 3 Santos por fazerem parte do povo santo (nova criação), não por alguma condição moral ou de fé. 8 9 4 Servos de homens são os que tentam obedecer a preceitos religiosos.


167

ligada por lei ao marido por tanto tempo quanto ele vive; caso ele faleça, ela está livre para casar com quem quiser, somente no Senhor. 40 Mais feliz será ela se assim permanecer, ao que me parece; e penso que também eu tenho Espírito de Deus. 1Co 8. A Consciência do Irmão 1

8: No que se refere às coisas sacrificadas a ídolos, reconhecemos que todos nós temos ciência. A ciência, de fato, ensoberbece, enquanto que o amor edifica. 2 Se alguém cuida saber alguma coisa, não aprendeu ainda como convém saber. 3 Mas se alguém ama a Deus, esse é reconhecido por ele. 4 Quanto às coisas sacrificadas a ídolos, sabemos que o ídolo 895nada é no mundo e que Deus é um só, e não há outro896. 5 Ora, também há alguns ditos deuses, quer no céu quer sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores897; 6 ainda assim, para nós há um único Deus, o Pai, que deu origem a todas as coisas, e para quem nós existimos; e um único Senhor, Jesus Cristo, pelo qual todas as coisas têm existência; nós também, por ele. 7 Entretanto, não há esse saber em todos; alguns, por consciência ligada ao ídolo, até agora comem o que teria sido sacrificado a ídolos, e a consciência deles, por fraca, contamina-se. 8 Mas não é a comida que nos recomenda a Deus; porque se deixamos de comer, nada perdemos, e se comemos, nada ganhamos. 9 Vede, então, que esse direito vosso não se torne, de algum modo, tropeço para os mais fracos. 10 Ora, caso alguém te veja (a ti que sabes das coisas) à mesa em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a comer daquilo que é oferecido a ídolos? 11 E assim, por causa do que tu sabes, perde-se o irmão mais fraco, pelo qual Cristo morreu. 12 Pecando assim contra os irmãos e ferindo-lhes a consciência, que é fraca, é contra Cristo que pecais. 13 Em vista disso, se a comida é causa de tropeço para meu irmão, nunca mais hei de comer carne, para não escandalizar meu irmão. 1Co 9. Arauto do Evangelho 1

9: Acaso não sou apóstolo? Não sou livre? Não vi Jesus Cristo, nosso Senhor? Não sois obra minha no Senhor? 2 Ainda que para outros eu não seja apóstolo, certamente o sou para vós; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor. 3 Esta é a minha resposta àqueles que me criticam: 4 Não temos nós o direito de comer e de beber? 5 ou o direito de nos fazer acompanhar de uma mulher cristã, como os outros apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Kepha? 6 ou só eu e Barnabé não temos o direito de não trabalhar? 7 Quem vai alguma vez à guerra com seus próprios recursos? Quem planta uma vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho? 8 Não falo eu da maneira humana normal? Ou não diz a Lei a mesma coisa? 9 Pois na lei de Moisés está escrito: Não amordaçarás o boi que debulha o grão. Acaso é com bois que Deus se preocupa? 10 Ou não é, seguramente, por causa de nós que ele o diz? Pois é por causa de nós que está escrito que o que lavra precisa trabalhar com esperança; e o que pisa o grão, com esperança na sua parte da esperança. 11 Se estivemos a semear para vós o que é espiritual, será muito recolhermos de vós o que é material? 12 Se outros têm parte nesse direito convosco, por que não o teríamos nós, com mais razão? Entretanto, não temos usado desse direito; antes, tudo suportamos, para não criar obstáculo ao evangelho de Cristo. 13 Não sabeis que os que prestam os serviços sagrados alimentam-se do próprio templo, e aqueles que atendem ao altar têm sua parte no altar? 14 Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho que vivam do evangelho; 15 da minha parte, porém, não me tenho valido de nenhum desses direitos. Não escrevo isto para que assim se faça comigo; preferiria morrer a deixar que alguém me tire esta glória! 16 Se estou a evangelizar, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa esta obrigação; porque ai de mim se não continuar pregando o evangelho! 17 Se faço isso de livre vontade, tenho recompensa; se for por obrigação, estou a desempenhar um encargo. 18 Qual é então a minha recompensa? É que, a pregar o evangelho de Cristo, eu o ofereça sem nada cobrar, para não me valer do meu direito no evangelho. 19 Estando, pois, sem obrigação para com ninguém, fiz-me servo de todos, para que tantos mais eu possa ganhar. 20 Para os judeus, 895

O ídolo nada é senão um falso conceito. Deus não tem concorrente, nem tem inimigo, e nada poderá prejudicar ou retardar, em mínimo grau, a realização do seu propósito. 897 Pode haver muitos senhores, porém o Senhor é um só. 896


1 68

fiz-me como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que estão sob a lei, como se debaixo da lei eu estivesse, para ganhar os que estão sujeitos à lei. 21 Para os fora-da-lei, como se eu fosse um deles, mesmo não sendo sem lei para com Deus, mas sujeito à Lei de Cristo898, para ganhar os que não têm lei. 22 Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, procurando salvar alguns a todo custo. 23 Assim, tudo faço por causa do evangelho, para que possa ter a minha parte nele. 24 Não sabeis que, de todos os que correm899no estádio, um só ganha o prêmio? Correi, portanto, de maneira a alcançá-lo. 25 Todo competidor em tudo pratica o autocontrole; eles visam a receber uma coroa corruptível; nós, de nossa parte, uma que é incorruptível. 26 Por isso, agora, assim estou a correr, não com alvo incerto; assim estou a combater, não como alguém que golpeia o ar. 27 Trato com dureza o meu corpo e o submeto a disciplina, para que não aconteça de, após ter proclamado a outros, ser desqualificado. 1Co 10. Comunhão e Consciência 10:1 Ora, irmãos, não quero que desconheçais o fato de que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos atravessaram o mar; 2 e todos foram mesmo batizados em Moisés, assim na nuvem como no mar. 3 E todos eles comeram do mesmo manjar espiritual 4 e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma rocha espiritual que os acompanhava. E a rocha era o Ungido. 5 Mesmo assim, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram espalhados no deserto. 6 Tais coisas se tornaram símbolos para nós, para que em nós não haja o desejo do que é mau, como no caso deles. 7 Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles, segundo está escrito: O povo se assentou para comer e beber, e se levantou para divertir-se. 8 E não pratiquemos fornicação, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil. 9 Nem ponhamos à prova o Ungido, como alguns deles o fizeram, e pereceram, das serpentes. 10 Nem murmureis, como alguns deles murmuraram, e pereceram pelo exterminador. 11 Estas coisas lhes sobrevieram para servir de exemplo e foram escritas para nossa instrução, para nós sobre quem os fins das eras chegaram. 12 Assim, aquele que pensa estar de pé veja que não caia. 13 Provação não vos atingiu que não tivesse medida humana; Deus é fiel e não permitirá que sejais provados acima das vossas forças; mas ele vos dará, junto com a provação, os meios de sair dela, de sorte que a possais suportar. 14 Eis por que, meus amados, haveis de fugir da idolatria. 15 Falo como a pessoas criteriosas; julgai vós mesmos o que digo. 16 O cálice de bênção que bendizemos, não é ele comunhão900do sangue do Ungido? O pão que partimos, não é ele comunhão do corpo do Ungido? 17 Visto que há um só pão, nós, sendo muitos, somos um só corpo; porque nós todos tomamos parte no único pão901. 18 Considerai o Israel segundo a carne902; não é certo que aqueles que se alimentam dos sacrifícios estão na comunhão do altar? 19 Que digo, pois? Que o ídolo seja alguma coisa? Ou que o que foi sacrificado ao ídolo seja alguma coisa? 20 Antes, digo que aquilo que os gentios sacrificam, sacrificam para demônios, e não para Deus; e eu não quero que tenhais comunhão com demônios. 21 Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice de demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. 22 Ou queremos provocar o ciúme do Senhor? Seríamos nós mais fortes do que ele? 23 Todas as coisas me são lícitas 903, mas nem todas são proveitosas; todas são lícitas, mas nem todas edificam. 24 Ninguém busque o seu próprio interesse, e sim o dos outros. 25 Comei de tudo o que se vende no mercado, sem nada avaliar por causa da consciência, 26 8 9 8

Deus nos outorga uma só lei, e esta Lei governa todas as leis físicas e espirituais. É a Lei de Cristo, a Lei da verdade, a Lei do Espírito, a Lei da liberdade, a Lei universal, a Lei perfeita. 8 9 9 Correr para, em tempo, alcançar o prêmio e não ser deixado atrás. 9 0 0 O sangue renovado do Filho do Homem é o nosso sangue espiritual e a nossa bebida. O corpo ressuscitado do Filho do Homem é o nosso corpo espiritual e a nossa comida. Isto é comunhão. 9 0 1 Há um só pão porque há um único Corpo, em todo o Universo. 9 0 2 O Israel segundo o espírito é muito maior do que o Israel segundo a carne. 9 0 3 Por quê? porque a Lei de Deus nada proíbe! Nem há preceitos morais ou cerimoniais ou de dias santificados. ⋅− Exemplo: ‘Não matarás’,um dos dez mandamentos em Ex 20, é uma proibição. − Os dez mandamentos, porém, assim como os outros cerca de seiscentos mandamentos da Lei antiga, não fazem parte da Lei eterna, a Lei da Verdade.


169

porque do Senhor é a terra e a sua plenitude. 27 Se algum dos que não são crentes vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que vos for oferecido, sem nada avaliar por causa da consciência. 28 Se, porém, alguém vos disser: – isto faz parte de oferta a ídolo, – não comais, por causa daquele que avisou e por causa da consciência (porque do Senhor é a terra e a sua plenitude); 29 não me refiro à vossa consciência, mas à do outro; pois havia de ser julgada a minha liberdade a partir de uma consciência alheia? 30 Se eu participo com gratidão, por que hei de ser mal visto por causa daquilo que agradeço? 31 Portanto, quer comais, quer bebais ou façais qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus. 32 Não sejais causa de tropeço nem para judeus nem para gregos, tampouco para a igreja de Deus; 33 assim também eu procuro ser agradável a todos em tudo, não buscando o interesse meu, mas o dos muitos, para que sejam salvos. 1Co 11. O Corpo e o Sangue 11:1 Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo. 2 Eu vos louvo, que vos tenhais lembrado de mim em tudo, e estejais a conservar as tradições assim como vo-las transmiti. 3 E quero que saibais ser Cristo a cabeça de todo homem, e o homem, cabeça da mulher, e Deus, cabeça de Cristo. 4 Qualquer homem que ora ou profetiza tendo cobertura sobre a cabeça desonra a sua cabeça. 5 Por outro lado, qualquer mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta traz desonra para sua cabeça, porque é o mesmo que ter a cabeça rapada. 6 Se, pois, uma mulher fica sem cobertura, que se faça tosar; se há vergonha, para a mulher, em tosquiar-se ou rapar-se, cabe-lhe cobrir a cabeça. 7 Ora, de fato, um homem não deve cobrir a cabeça, sendo ele imagem e glória de Deus, mas mulher é glória de homem. 8 Pois o homem não procede da mulher, e, sim, a mulher, do homem904. 9 Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher, por causa do homem 905. 10 Em vista disso, deve a mulher trazer sobre a cabeça um sinal de autoridade, por causa dos anjos 906. 11 Todavia, nem homem é independente de mulher, nem mulher é independente de homem, no Senhor. 12 Porque, como a mulher tem origem no homem, assim o homem tem sua origem através da mulher, e tudo tem origem em Deus. 13 Julgai entre vós mesmos: é próprio que uma mulher ore a Deus estando ela sem cobertura? 14 Ou não vos ensina a própria natureza ser desonra para um homem usar cabelo comprido? 15 E que, tratando-se de mulher, longos cabelos são glória para ela? Que a cabeleira lhe foi dada para servir de manto? 16 Mas se alguém acha que deve ser contencioso, nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus907. 17 Agora, nisto que vos prescrevo, não tenho elogio: que quando vos reunis não tem sido para melhor, e sim para pior. 18 Porque, primeiro, me dizem haver divisões entre vós quando vos reunis na igreja; e eu, em parte, acredito. 19 Ora, importa mesmo que haja facções no meio de vós, para que se perceba908quem são os aprovados dentre vós. 20 Portanto, quando vos congregais em um lugar, não se trata de comer a ceia do 21 Senhor. Ocorre tomar cada um primeiro a sua própria ceia, na refeição, e há quem passe fome, e há quem se embriague. 22 Porventura não tendes casas onde comer e beber? Ou está a faltar, em vós, consideração para com a Igreja de Deus, e humilhais os que não têm? Que vos direi? Hei de vos elogiar? Nisto não tenho elogio a dar! 23 Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei – que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, 24 dando graças, o partiu e disse: Tomai, comei – isto é o meu corpo909, ora partido por vós; fazei o 904

Primeiro o espírito (Gn 1:1), depois a alma (Gn 1:27), depois a carne (Gn 2:7). A carne foi formada por causa do espírito. 906 Cada pessoa humana dentre os santos tem o seu anjo no céu. O anjo é o espírito de cada um, e tem autoridade sobre a alma. Contudo, não interfere no livre-arbítrio da alma. 907 Igrejas estão em toda parte, mas não há uma igreja em lugar nenhum. Os cristãos são a Igreja, e são as igrejas, mas nunca são uma igreja. Um profeta pode falar à igreja e às igrejas em vários lugares, mas não a uma igreja (revelação assimilada em jul/2001). 908 A existência de várias facções favorece ao fiel a percepção de que deve precaver-se contra todas, em bloco, e de que está fora de cogitação escolher uma delas. 909 O Corpo é o Pão da vida. É físico-espiritual, ou quântico, para sustento físico. Sustenta nada mais que o corpo da carne, para que, neste, tenhamos a vida do Espírito de Cristo. Para isso, temos que trabalhar o pão que permanece, o qual está oculto e manifestado pelo pão material. “Isto (que parece ser pão material) é o meu corpo (o pão quântico da vida).” O pão aparente não serve para nada. O pão escondido (físico-espiritual) é que sustenta a vida. O Senhor não pronunciou palavra mágica, e sim palavra de revelação. 905


1 70

mesmo em memória de mim910. 25 Por semelhante modo, após haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto911, todas as vezes912que beberdes913, em memória de mim914. 26 Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte915do Senhor, até que ele venha. 27 Eis por que, se alguém indignamente comer este pão ou beber o cálice916do Senhor, será réu do corpo e do sangue do Senhor. 28 Examine-se, pois, o homem a si mesmo e, assim, coma do pão e beba do cálice; 29 pois quem come e bebe indignamente, come e bebe uma sentença para si, por não discernir917o corpo do Senhor. 30 Eis a razão por que há entre vós muitos que ficam fracos e doentes, e não poucos dormem. 31 Ora, se discerníssemos918o que somos919, não seríamos julgados920. 32 Agora, quando somos julgados921, somos disciplinados922pelo Senhor, para não ser condenados923 junto com o mundo. 33 Assim, pois, irmãos meus, quando vos reunis para comer, esperai uns pelos outros. 34 Então, se alguém tem fome, coma em casa, para que não vos congregueis para juízo. Quanto a outras coisas, darei instruções quando chegar. 1Co 12. Os Membros do Corpo 12:1 A respeito dos dons espirituais, irmãos, não quero que estejais em ignorância. 2 Sabeis que gentios outrora fostes, levados embora aos ídolos mudos conforme éreis impelidos. 3 Por isso, eu vos declaro que ninguém que estivesse a falar por Espírito de Deus diria: anátema Jesus; e ninguém é capaz de dizer: Senhor Jesus! senão em Santo Espírito. 4 E há diversidade nos dons da graça, mas o Espírito é o mesmo. 5 Também há diversidade nos serviços, se bem que o Senhor é o mesmo. 6 E há diversidade nas realizações, mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos. 7 A cada qual se concede a manifestação do Espírito para benefício de todos. 8 Ora, a este é dada, mediante o Espírito, uma palavra de sabedoria; àquele, uma palavra de conhecimento, segundo o mesmo Espírito; 9 a outro, fé, no mesmo Espírito; e a outro, dons de curas, no mesmo Espírito; 10 a outro, realizações de milagres; a outro, profecia; a outro, discernimento de espíritos; a um, espécies de línguas; e a outro, interpretação de línguas. 11 Mas um só e o mesmo Espírito realiza tudo isto, fazendo apropriada distribuição entre indivíduos, conforme lhe apraz. 12 Porque, assim como o corpo é um só e tem muitos 9 1 0

O Senhor Jesus nada instituiu, portanto não instituiu nem a Igreja nem ‘a ceia’; todas as instituições são humanas. A revelação é oferecida a ti, irmão, e não a um grupo. A Igreja não poderia instituir-se, tendo ela sido criada antes das eras. 9 1 1 Fazer isto: dar graças e comer o pão da vida, dar graças e beber o cálice da nova aliança. 9 1 2 O cálice (copo ou caneca) às vezes parece ser de vinho, às vezes de café, ou de suco, mas é sempre o sangue do Filho do Homem. Nós estamos no reino de Deus, e nada é o que parece, ou como aparece no plano da baixa terra. 9 1 3 Todas as vezes, seja em casa, seja em restaurante, seja em reuniões, a bebida é o sangue do Senhor, para cada um de nós que nos apegamos ao reino de Deus e à justiça da sua presença. Por isso, é essencial beber com dignidade e com fé na palavra do Senhor. 9 1 4

‘fazei isto’:fazer isto todos os dias, lembrando-nos do Senhor, é praticar obediência de fé.

9 1 5

Anunciamos a morte tomando a cada dia a nossa cruz e seguindo a Jesus na morte. Come o pão dignamente quem está consciente da importância de seguir a Jesus na morte e na vida consistentemente. Além da referência à morte, há aqui a referência ao corpo vivo no comer, e ao sangue vivo no beber. Isto também é essencial. –É preciso que nos alimentemos na dignidade do espírito e demos graças a Deus. 9 1 6 O pão é para o sustento do corpo em vida, e o cálice é para o fluir de vida e bênçãos no corpo. Tudo é para o corpo. 9 1 7 O fato de o verbo, no versículo 29, ser o mesmo do v.31 não é coincidência, é revelação. 9 1 8 Ver nota anterior. Discernir não é julgar. Deus não quer que nos julguemos, nem nos desmereçamos. Seria injustiça. Toda injustiça é pecado. 9 1 9 9 2 0

Ver 2Co 5:11 e 1Co 13:12.

O problema é que, por um lado, falhamos em discernir que somos o corpo incorruptível do Senhor e, por outro lado, falhamos em referir, com dignidade, ao pão da vida o alimento que tomamos para o corpo. É preciso trabalhar no corpo (Jo 6:27) a comida que permanece para vida eterna. Também havemos de referir ao cálice da bênção a bebida, todas as vezes que bebemos a nossa bebida. 9 2 1 Isto é óbvio, no contexto: O juízo é para disciplina e instrução. Depois que assimilarmos plenamente a lição, não mais haverá doença nem morte. 9 2 2 O Pai só disciplina os filhos, e não os disciplina enquanto fazem a sua vontade. 9 2 3 A autocondenação resulta em morte. Quem se condena morre. E todos os do mundo morrerão.


171

membros, e todos os membros do corpo único, sendo muitos, integram um só corpo, assim também é o Cristo924. 13 Pois nós todos, com um só Espírito925, fomos batizados em um corpo único, seja judeus, seja gregos, quer servos, quer livres; e a todos nós foi dado beber de um só Espírito926. 14 Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos. 15 Se disser o pé: posto que não sou mão não sou do corpo; nem por isso deixa de ser do corpo. 16 E se disser o ouvido: posto que não sou olho não sou do corpo; nem por isso deixa de ser do corpo. 17 Se todo o corpo fosse olho, onde estaria a audição? Se todo fosse audição, onde, o olfato? 18 Mas, de fato, Deus dispôs os membros no corpo, cada um deles, conforme a Sua vontade. 19 Se, porém, o conjunto fosse um só membro, onde estaria o corpo? 20 O certo é que há muitos membros, mas um só corpo. 21 Não pode o olho dizer à mão: não preciso de ti; nem dizer a cabeça aos pés: não preciso de vós. 22 Muito pelo contrário, os membros que no corpo parecem mais fracos são necessários; 23 e os que nos parecem menos dignos no corpo, a esses conferimos maior honra; também os que em nós não são decorosos, a esses vestimos de modo especial, 24 enquanto que os nossos membros nobres não precisam de tais cuidados. Contudo, Deus coordenou o corpo, de modo a conceder maior honra ao que está por último, 25 para que não haja divisão no corpo; seja dada, porém, de maneira igual, a atenção recíproca a todos os membros. 26 E também, se um membro sofre, com ele sofrem todos os membros; se um dos membros obtém honra, com ele todos se alegram. 27 Ora, vós sois corpo de Cristo927, e membros de partes. 28 E aqueles que Deus estabeleceu na Igreja são, em primeiro lugar, apóstolos; em segundo, profetas; em terceiro, mestres; depois, milagres; então, dons de curas, socorros, gerências, espécies de línguas. 29 São, porventura, todos apóstolos? ou todos profetas? ou todos mestres? ou todos operadores de milagres? 30 Teriam todos dons de curas? todos falariam em línguas? todos interpretariam? 31 Ora, haveis de aspirar aos dons da graça que sejam os melhores. E eu ainda vos mostro um caminho de excelência. 1Co 13. Amor 13:1 Mesmo que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tenho amor, tornei-me como bronze ressoante ou como címbalo retumbante. 2 E mesmo que tenha profecia e conheça todos os segredos e toda a ciência; e mesmo que tenha toda a fé, a ponto de remover montes, não tendo amor, nada sou. 3 E ainda que distribua todos os meus bens, e entregue o meu corpo para ser queimado, não tendo amor, não me será de proveito. 4 O amor é paciente, é prestativo; o amor não é ciumento; o amor não se ostenta, não se ensoberbece, 5 não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não guarda rancor, 6 não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade; 7 nunca desiste, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 8 O amor jamais se deixa cair. Quanto a profecias, desaparecerão; quanto a línguas, cessarão; quanto a ciência, desaparecerá; 9 porque em parte conhecemos, e em parte profetizamos. 10 Quando, porém, vier aquilo que é perfeito, então o que é em parte desaparecerá. 11 Quando eu era criança, falava como criança, tinha disposição natural de criança, pensava como criança; logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. 12 Pois agora vemos como em espelho, obscuramente928; mas então veremos face a face. Conheço agora em parte; então, conhecerei do modo como eu mesmo agora sou conhecido. 13 Agora, pois, permanecem: fé, esperança, amor, – estes três; o maior destes é o amor. 1Co 14. As Reuniões da Igreja 14:1 Correi atrás do amor. Por outro lado, buscai com zelo as práticas espirituais, mas principalmente profetizar. 2 Porque se alguém está a falar uma língua não fala a homens, senão a Deus, visto que ninguém o pode entender, e por espírito fala mistérios. 3 Aquele que 924

Trata-se aqui do corpo do Cristo, o corpo que foi gerado na Ressurreição, cujo nascimento é futuro. A 42ª geração (Mt 1). O Cristo é, simultaneamente, singular e coletivo. 925 É a comunhão do Espírito. Há um só Espírito – Deus é Espírito – nós somos espírito. 926 O Espírito Santo é o dom de Deus, a água viva, e o próprio Deus que se doa. 927 Somos o corpo de Cristo por sermos o Ungido, o Novo Homem, junto com ele, que é o Primogênito da nova criação. 928 Não me conheço, hoje, como Deus me conhece, porque minha consciência ainda não está plenamente despertada, e ainda não alcancei a autoconsciência do espírito. Ao espelho, vejo a face da carne.


1 72

profetiza, por sua vez, fala a homens, edificando, exortando, confortando. 4 O que fala uma língua a si mesmo se edifica, mas o que profetiza edifica a igreja. 5 Eu desejo que todos vós faleis línguas, e ainda mais que profetizeis; pois quem profetiza é maior que quem fala línguas, salvo se interpretar, para que a igreja receba edificação. 6 Agora, pois, irmãos, se eu for ter convosco a falar línguas, em que vos aproveitarei, se vos não falar trazendo revelação, ou conhecimento, ou profecia, ou doutrina? 7 Até mesmo ao emitirem sons instrumentos inanimados, como flauta ou cítara, se estes não forem dados em notas distintas, como se reconhecerá o que se toca na flauta ou na cítara? 8 Pois também se uma trombeta der som indistinto, quem se preparará para a batalha? 9 E vós, da mesma forma, a não falardes em linguagem bem definida, como se entenderá o que dizeis? Estareis a falar ao vento. 10 Há de haver uns tantos tipos de vozes no mundo; e nenhum que não tenha significado. 11 Se eu, portanto, não conhecer a dinâmica da voz, serei bárbaro para aquele que fala; e ele, bárbaro para mim. 12 Assim também vós, uma vez que sois zelosos de espíritos, empenhai-vos na edificação da igreja, para que haja abundância. 13 É por essa razão que, se alguém falar uma língua, deve orar para que a possa interpretar. 14 Porque, se eu oro em língua, meu espírito está orando, enquanto minha mente está sem fruto. 15 Que farei, pois? Orarei com o espírito, e também orarei com a mente; cantarei com o espírito, e também cantarei com a mente. 16 Fosse assim, a só bendizeres com o espírito, como poderia dizer o amém aquele que ocupa o lugar de indouto, depois de tua ação de graças? Afinal, ele não entende o que dizes; 17 porque tu, de tua parte, muito bem dás graças, mas o outro não é edificado. 18 Dou graças a meu Deus pelo fato de falar línguas mais que todos vós. 19 Contudo, prefiro dizer na igreja cinco palavras pela minha mente, para instruir também a outros, a dizer dez mil palavras em alguma língua. 20 Irmãos, não sejais infantis no entendimento; na malícia, sim, haveis de ser como crianças; quanto ao entendimento, sede adultos. 21 Na Lei está escrito: Falarei a este povo por gentes de outras linguagens e por lábios outros, e nem assim me escutarão – diz o Senhor. 22 De sorte que as línguas constituem um sinal não para os crentes, mas para os incréus; por outro lado, a profecia não é para os incréus, e sim para os que creem. 23 Se, pois, toda a igreja se reunir no mesmo lugar, e todos falarem em línguas, no caso de entrarem indoutos ou incréus, não dirão que estais loucos? 24 Se, porém, todos profetizarem, e entrar algum incréu ou indouto, de todos é convencido, de todos é posto em cheque. 25 E assim os segredos do seu coração se tornam manifestos, e, deste modo, prostrando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, declarando que Deus está realmente no meio de vós. 26 Que fazer então, irmãos? Quando vos reunis929, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem língua, tem revelação, tem interpretação; seja tudo feito visando à edificação930. 27 Se ocorrer que se fale em língua, que sejam dois e não mais que três, e por vez; e alguém interprete. 28 Se, então, não houver intérprete, fique em silêncio na igreja, a falar consigo mesmo e com Deus. 29 Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros apliquem o discernimento. 30 Se vier revelação a alguém que estiver assentado, o primeiro se cale. 31 Porque todos podeis profetizar, um a um, para que todos aprendam, e todos sejam exortados. 32 Os espíritos de profetas estão sujeitos aos profetas; 33 porque Deus não é de desordem, e sim de paz, como em todas as igrejas dos santos. 34 As vossas mulheres931estejam caladas nas igrejas, porque não lhes é permitido falar 932; mas estejam submissas, como também reza a Lei. 35 Se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque para as mulheres é vergonhoso falar na igreja933. 36 Porventura se originou no meio de vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós? 37 Se alguém se considera profeta ou espiritual, deve reconhecer que aquilo que escrevo são mandamentos do Senhor. 38 E, se alguém o ignorar, que fique na ignorância. 39 Sendo assim, irmãos, tende zelo em profetizar, e quanto a falar em línguas, não ponhais obstáculo. 40 Tudo seja feito de modo apropriado e 9 2 9

A única instrução específica sobre reuniões da igreja. Tudo será feito em mutualidade, e para edificação! Evidentemente, em pequenos grupos de famílias e indivíduos. Ver Cl 3:16. 9 3 0 As reuniões da igreja não são para culto ou missa, nem para rituais de sacramento ou de oração. Sim para edificação em mutualidade. Orações ou batismos podem ser feitos, para glória do Senhor Jesus; também os cânticos e o partir do pão; não, porém, como a prática essencial. 9 3 1 Mulher é qualquer pessoa que esteja a falar por carne; homem fala por espírito. 9 3 2 As restrições que parecem ser feitas às mulheres, nesta epístola, referem-se à carne, figuradamente representada pelas mulheres. Não é permitido à carne falar na igreja, onde só o espírito tem autoridade para falar, e a carne tem a obrigação de estar sempre submissa ao espírito, representado pelo marido. 9 3 3 ‘Na igreja’ significa no meio da igreja, nas reuniões, ou de cristão para cristão.


173

ordeiro. 1Co 15. A Ressurreição 1

15: Irmãos, venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei, o qual também recebestes, e nele estais firmes. 2 Por ele também estais a ser salvos, na palavra em que vos evangelizei, enquanto a retendes, a menos que não tenhais crido seriamente. 3 Porque primeiro vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as escrituras, 4 e que foi sepultado, e que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as escrituras. 5 E que foi visto por Kepha, depois pelos doze. 6 Depois foi visto por mais de quinhentos irmãos de uma só vez, dos quais a maioria permanece até agora, se bem que alguns também adormeceram. 7 Depois foi visto por Tiago, e então por todos os apóstolos 8 e, por derradeiro de todos, foi contemplado também por mim, como por um nascido fora de tempo. 9 Porque eu sou o mínimo dos apóstolos, nem mesmo digno de ser chamado apóstolo, dado que persegui a Igreja de Deus. 10 Mas, pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça para comigo não se tornou vã; antes, mais labutei do que todos eles, não propriamente eu, mas a graça de Deus, a qual está comigo. 11 Portanto, seja eu, seja eles, assim pregamos, e assim crestes. 12 Ora, visto que se proclama o fato de que Cristo ressurgiu de entre os mortos, como é que alguns dentre vós estão a dizer que não haja ressurreição de mortos? 13 Pois se não há ressurreição de mortos, então nem mesmo Cristo foi ressuscitado. 14 E, se Cristo não ressuscitou, então é vã a nossa mensagem, e é vã a vossa fé, 15 e também estamos aqui como falsas testemunhas de Deus, uma vez que temos dado testemunho contrário a Deus, de que ele teria ressuscitado o Ungido, ao qual ele não ressuscitou, se é certo que os mortos não ressuscitam. 16 Porque, se os mortos não são ressuscitados, nem mesmo Cristo ressuscitou. 17 E, se Cristo não ressuscitou, é inútil a vossa fé, e ainda estais nos vossos pecados. 18 E então também os que dormiram em Cristo se perderam934. 19 Se a esperança que pusemos em Cristo foi apenas para esta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens. 20 Agora de fato Cristo ressuscitou de entre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem935. 21 Visto que a morte vem por causa de um homem, também por causa de um homem vem a ressurreição dos mortos. 22 Pois da maneira como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos receberão vida. 23 E cada um em sua própria ordem: as primícias, que são Cristo; depois, os de Cristo na sua vinda936; 24 então vem o final, ao entregar ele o reino àquele que é Deus e Pai, após tornar inoperante937todo principado, e toda autoridade, e toda força. 25 Pois é preciso que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos seus pés. 26 O último inimigo a ser eliminado é a morte938. 27 Porque tudo lhe pôs debaixo dos pés. E, quando diz que tudo lhe está em sujeição, está claro que se exclui aquele que lhe sujeitou todas as coisas. 28 Quando, porém, lhe forem submetidas todas as coisas, então também o próprio Filho se submeterá àquele que tudo lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em tudo939. 29 Doutra maneira, que farão os que se batizam por causa dos mortos? Se, de qualquer forma, mortos não são ressuscitados, por que também se batizam por causa deles? 30 E, também, por que nos expomos a perigos a toda hora? 31 Eu afirmo que a cada dia morro, por aquilo que significa para mim o gloriar-me de vós em Cristo Jesus, nosso Senhor! 32 Se, como homem, lutei com feras em Éfeso, que proveito tenho nisso? Se os mortos não ressuscitam, comamos e bebamos, que morremos amanhã. 33 Não vos enganeis: más conversas corrompem boas relações. 34 Despertai940para a justiça, e não pequeis941; porque alguns não têm conhecimento942de 934

Eles se teriam perdido como os animais se perdem, sem retorno. Os santos ressuscitados junto com Jesus são, com Ele, primícias dos que dormem (Mt 27:52). 936 Os que receberão vida (no futuro) no grupo das primícias entrarão, portanto, na nova terra em data anterior à vinda de Cristo. Esta revelação confirma que a ressurreição da vida se dará em três dias, isto é, em três datas diferentes. 937 O esvaziamento é a desolação da casa de Deus na baixa terra; dar-se-á em três dias (três datas). 938 Quando o último inimigo for eliminado, ninguém mais morrerá. 939 Ou, como também se traduz, ’tudo em todos’. 940 Portanto é imperativo buscar o despertamento, o qual nos liberta e nos ilumina. Por outro lado, quem desperta para a justiça não se torna melhor do que os outros, pois todos são perfeitos e justos, em Cristo. Enquanto não despertamos para a justiça, toda a aparente realidade da vida não passa de um sonho, que se desdobra em ilusões. 941 Se nos despertamos para a justiça de Deus, pecar é um problema resolvido. 942 O povo santo peca e perece porque lhes falta o conhecimento. A rejeição do conhecimento de Deus 935


1 74

Deus; isto digo para vergonha vossa. 35 Mas alguém dirá: Como é que os mortos ressuscitam? E em que corpo vêm? 36 Insensato! O que semeias não ganha vida, se primeiro não morrer. 37 E, quando semeias, não semeias o corpo que há de ser, mas o mero grão, seja de trigo, seja qualquer outro. 38 Deus, porém, lhe dá corpo como ele determinou, e a cada uma das sementes, o corpo apropriado. 39 Nem toda carne é a mesma; porém uma é a carne dos homens, outra, a carne das bestas, outra, a dos peixes, outra, a das aves. 40 Também há corpos celestiais943e corpos terrestres; são, porém, diversas a glória dos celestiais e a glória dos terrestres. 41 Uma é a glória do sol, outra, a glória da lua, e outra, a glória das estrelas; pois uma estrela difere da outra em glória. 42 Assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se na corrupção, levanta-se na incorrupção. 43 Semeia-se em ignomínia, levanta-se em glória. Semeia-se em fraqueza, levanta-se em vigor. 44 Semeia-se corpo psíquico944, levanta-se corpo espiritual. Há corpo psíquico945, e também há corpo espiritual. 45 Assim também está escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente946. O último Adão foi feito Espírito vivificante947. 46 Mas não é primeiro o que é espiritual, e sim o que é psíquico; depois, o espiritual. 47 O primeiro homem, formado da terra, é de barro; o segundo homem é o Senhor, que é do céu. 48 Como o que é de barro, tais são os de barro, e como é o celestial, tais são os celestiais. 49 E, assim como trouxemos vestida a imagem do que é de barro, havemos de trazer também a imagem do celestial. 50 E isto eu afirmo, irmãos: a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção948. 51 Eis que vos digo um segredo: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, 52 num momento, num piscar de olhos, com a última trombeta que soará; e os mortos se levantarão949incorruptíveis, e nós seremos transformados950. 53 Pois é necessário que este que é corruptível se vista de incorrupção, e este que é mortal se vista de imortalidade. 54 E, quando este que é corruptível se vestir de incorrupção, e este que é mortal se vestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. 55 Onde está, ó morte, o teu ferrão? Onde está, ó inferno951, a tua vitória? 56 O ferrão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. 57 Graças a Deus, que nos dá a vitória, por nosso Senhor Jesus Cristo. 58 De modo que, meus irmãos amados, haveis de estar firmes, inabaláveis, sempre transbordantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso labor não é vão. 1Co 16. Cooperação entre os Santos 1

16: Quanto à coleta para os santos, fazei-a vós também da maneira como determinei às igrejas da Galácia. 2 No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que não se façam coletas enseja a perdição (Os 4:6). O corpo espiritual é físico porque é corpo, mas sua substância é celestial (substância-espírito), e não molecular. Na verdade, toda substância é espírito, ao passo que matéria é uma forma dada à substância. O corpo material é terrestre porque é feito de barro, ou seja, de matéria. A substância física é derivada do espírito. Um é o corpo da carne, outro é o corpo do espírito, e este é físico-espiritual. Jesus morreu homem-alma (carne) e ressuscitou homem-espírito. 9 4 4 O corpo material é chamado psíquico porque é ocupado pela alma, não pelo espírito. Alguns pensadores, ainda que esclarecidos, usam a expressão ‘corpo físico’. Ora, corpo é, por definição, ‘toda porção de substância física’. Portanto ‘corpo físico’ é expressão inadequada, tautológica. Assim também‘nascimento físico’, pois todo nascimento é físico. E toda manifestação é física (aos olhos, ou aos ouvidos). 9 4 5 Corpo psíquico é o corpo do homem-alma, corpo espiritual é o corpo do homem-espírito. -‘psíquico’ = ‘da alma’. Corpo psíquico é o corpo da alma; corpo espiritual é o corpo do espírito. 9 4 6 O primeiro é alma, o segundo é espírito. Em Adão e em Cristo, cada um de nós tem ambas as identidades, uma temporária e virtual, outra permanente e autêntica. O espírito sopra sobre a alma, e a vivifica. Somos um ser com dois pontos de perspectiva que estão continuamente interagindo. O espírito sou Eu, e a alma sou eu, em planos diferentes de consciência. 9 4 7 ou “que sustenta a vida” 9 4 8 Nosso corpo de barro não pode entrar no reino de Deus. 9 4 9 Esta ressurreição e esta transformação dão-se no dia de Cristo, data determinada desde o princípio. É o dia do arrebatamento, o mesmo de 1Ts 4. A glorificação é outro passo, no mesmo dia. 9 5 0 Os que não estiverem preparados para a transformação não terão direito à ressurreição da vida, nem herdarão o Reino de Deus na terra, senão depois de disciplinados por meio da grande tribulação. 9 5 1 O inferno é sempre a sepultura, e nada mais; abstratamente, a sepultura é a congregação dos mortos (Pv 21:16), a terra do esquecimento (Sl 88:12), a região do silêncio (Sl 115:17). 9 4 3


175

quando eu chegar. 3 E, quando eu tiver chegado, mandarei os que por cartas aprovardes, para levar a vossa doação a Jerusalém. 4 E, se valer a pena que eu também vá, irão comigo. 5 Irei ter convosco por ocasião de minha passagem pela Macedônia, porque devo passar pela Macedônia. 6 E bem pode ser que convosco eu me demore um pouco, ou mesmo passe o inverno, para que me encaminheis nas viagens que eu tenha de fazer. 7 Porque não quero, agora, ver-vos de passagem, mas espero poder ficar convosco algum tempo, se o Senhor permitir. 8 Mas vou ficar em Éfeso até ao Pentecostes; 9 porque se abriu para mim uma porta grande, cheia de perspectivas; e há muitos adversários. 10 E, se Timóteo for, vede que se sinta à vontade entre vós, porque trabalha na obra do Senhor, como também eu; 11 ninguém, pois, o menospreze. Encaminhai-o em paz, para que venha ter comigo, pois o espero com os irmãos. 12 Quanto ao irmão Apolo, muito lhe recomendei que vos fosse visitar em companhia dos irmãos, mas não quer mesmo ir agora; irá, porém, quando for oportuno. 13 Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos. 14 Tudo entre vós seja feito com amor. 15 E tenho um pedido a fazer, irmãos: – sabeis que a casa de Estéfanas é o primeiro fruto da Acaia e que eles se dedicaram ao serviço dos santos; – 16 que também vos sujeiteis a essas pessoas, assim como a todos os que cooperam e que se afadigam na obra. 17 Estou feliz com a vinda de Estéfanas, e de Fortunato, e de Acaico, que, da vossa parte, me supriram do que me fazia falta; 18 porque trouxeram refrigério ao meu espírito e ao vosso. Sabei apreciar pessoas de tal valor. 19 As igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos muito, no Senhor, Áquila e Priscila, bem como a igreja que está em sua casa 952. 20 Todos os irmãos vos saúdam. Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. 21 A saudação, escrevo-a eu, de próprio punho, Paulo. 22 Se alguém não ama o Senhor Jesus Cristo, esse tal renegado seja. Maránathá! 23 A graça do Senhor Jesus Cristo seja convosco. 24 O meu amor seja com todos vós em Cristo Jesus. Amém!

SEGUNDA EPÍSTOLA DE PAULO AOS CORÍNTIOS 1:1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus que está em Corinto, e a todos os santos em toda a Acaia, 2 Graça a vós outros e paz, da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 1. O Deus de Toda Consolação 3

1: Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das compaixões e Deus de toda consolação! 4 É ele que nos conforta em toda nossa tribulação, para que possamos confortar os que estejam em qualquer aflição, com o encorajamento com que nós mesmos somos favorecidos por Deus. 5 Assim que, como os sofrimentos de Cristo são abundantes para nós, também por Cristo é abundante a nossa consolação. 6 Ora, se somos atribulados, é para vosso encorajamento e salvação, que se opera com a paciência dos mesmos sofrimentos que nós também padecemos; se somos encorajados é para vosso encorajamento e salvação; e a nossa esperança é firme por vós, 7 sabendo que, como tendes comunhão nos sofrimentos, assim a tendes na consolação. 8 Ora, não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, em que fomos extremamente oprimidos, além da conta, ao ponto do desespero de vida. 9 Contudo, nós, em nós mesmos, tivemos a sentença de morte para que não houvesse autoconfiança, mas puséssemos a nossa confiança em Deus, que levanta os mortos. 10 Ele nos livrou de tão grande perigo de morte, e nos livra. Nele firmamos a esperança de que ainda nos livrará, 11 estando vós também a trabalhar junto, em súplica por nós, para que por muita gente sejam dadas graças por termos sido favorecidos pela participação de muitos. 12 Ora, é disto que nos cabe gloriar-nos: o testemunho da nossa consciência é de que temos 952

Ali não havia nenhuma igreja, mas havia a igreja. Ali não havia nenhum santo, mas havia os santos.


1 76

vivido no mundo, particularmente para convosco, com simplicidade e sinceridade de Deus; não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus. 13 Porque nada mais estamos a escrever, senão o que ledes e bem compreendeis; e espero também que o haveis de compreender de todo, 14 como também em parte nos entendestes, que somos a vossa glória, como igualmente sois a nossa no dia do Senhor Jesus953. 15 E, tendo esta convicção, eu quis ir ter convosco primeiro, para que fôsseis favorecidos uma segunda vez e, 16 a partir daí, passar à Macedônia. Então, voltando da Macedônia, estar de novo convosco e ser encaminhado por vós à Judeia. 17 Neste propósito, teria eu usado de leviandade? Ou seria uma deliberação segundo a carne, ter comigo o sim por sim e o não por não? 18 Antes, como Deus é fiel, a nossa palavra para convosco não é o sim com o não. 19 Ora, o Filho de Deus, Jesus Cristo, que vos foi proclamado por nós – por mim, e Silvano, e Timóteo – não foi sim e não: nele estava o sim! 20 De fato, quantas promessas há em Deus, nele são o sim, e nele são o amém, para que resultem em glória para Deus, por nós. 21 Aquele que nos confirma junto convosco para Cristo, e que nos ungiu, é Deus, 22 o qual também nos marcou e nos deu o penhor do Espírito nos corações. 23 E eu, por minha alma, invoco a Deus por testemunha de que foi para vos poupar que ainda não viajei para Corinto; 24 não que tenhamos domínio sobre a vossa fé, mas estamos a colaborar com a vossa alegria; porquanto pela fé já estais firmados. 2Co 2. O Bom Perfume de Cristo 2:1 Isto determinei para comigo: não voltar a encontrar-me convosco em tristeza. 2 Porque, se eu vos entristeço, quem é que vai me alegrar, senão aquele que está triste por causa de mim? 3 E isto vos escrevi para que, ao ir, não encontre tristeza naqueles que deveriam alegrar-me, e possa estar confiante de que a minha alegria é a de todos vós. 4 Porque foi em muita tribulação e angústia de coração que vos escrevi, com muitas lágrimas, não para vos entristecer, mas para saberdes do amor que vos consagro em grande medida. 5 Ora, se alguém me contristou, não me causou tristeza senão em parte (não tenho a intenção de pôr uma sobrecarga sobre vós todos). 6 É bastante que ele sofra essa repreensão imposta por muitos. 7 De modo que será melhor, ao invés, que lhe deis perdão e exortação, para que não seja tomado de excessiva tristeza. 8 Por isso vos recomendo que lhe confirmeis o vosso amor. 9 E foi por isso também que vos escrevi, para ter prova de que, em tudo, sois obedientes. 10 A quem perdoais alguma coisa, também eu perdoo; mesmo porque, se alguma coisa eu perdoei (a quem perdoei), por vossa causa o fiz na presença de Cristo, 11 para que satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não desconhecemos o seu modo de pensar. 12 Quando cheguei a Trôade com o evangelho do Ungido, e uma porta se me abriu no Senhor, 13 não tive tranquilidade em meu espírito, por não encontrar meu irmão Tito; então, despedindo-me deles, parti para a Macedônia. 14 E graças a Deus que sempre, no Ungido, nos conduz em triunfo e, por meio de nós, manifesta em toda parte o aroma do seu conhecimento; 15 sendo nós, para Deus, o bom perfume de Cristo, tanto nos que se estão salvando954quanto nos que se estão perdendo. 16 Para estes, cheiro de morte para morte; para aqueles, cheiro de vida para vida. E quem para isso é idôneo? 17 Porque nós não estamos, como muitos estão a fazer, mercadejando a palavra de Deus; mas quando falamos estamos em Cristo, e é de sinceridade, e é de Deus, na presença de Deus. 2Co 3. O Serviço Glorioso 3:1 Começamos, porventura, a recomendar-nos outra vez a nós mesmos? Ou será que necessitamos, como alguns, de cartas que nos recomendem a vós, ou de vossa parte? 2 Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todas as pessoas, 3 manifestos que estais como carta de Cristo, ministrada por nós, escrita não com tinta mas com Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne do coração. 4 Tal é a confiança que temos em Deus, através do Ungido. 5 Não que sejamos aptos, como de nós 9 5 3

O dia de Cristo é uma data determinada, e é o eixo das eras. É também o eixo de toda a Bíblia. Estamos no caminho estreito que conduz à vida? De contrário, estaríamos com a maioria dos cristãos, no caminho da perdição. Os que se perdem são os santos desatentos. Os que se salvam são os fiéis.

9 5 4


177

mesmos, a pensar alguma coisa; mas a nossa aptidão vem de Deus, 6 o qual nos habilitou a sermos servidores de uma nova aliança, que não é de letra, mas de espírito; porque a letra mata, mas o espírito é que sustenta a vida. 7 E se a diaconia da morte, gravada com letras em pedras, foi gloriosa, a ponto de não poderem os filhos de Israel fitar o rosto de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual estava a desfazer-se, 8 qual não será, comparativamente, em glória, a diaconia que é do Espírito? 9 Ora, se a diaconia da condenação foi glória, em muito maior proporção há de ser gloriosa a diaconia da justiça; 10 porquanto nem mesmo se fez glorioso o que foi glorificado nesta parte, por efeito da glória extraordinária. 11 Porque se o que se desfazia passou por glória, muito mais glorioso é o que permanece. 12 Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia. 13 Não conforme o exemplo de Moisés, que pôs um véu sobre o rosto, para que os filhos de Israel não contemplassem o fim do que se desvanecia. 14 No entanto, embotou-se a sua percepção mental; pois até ao dia de hoje permanece o mesmo véu, que não é retirado ao ouvirem a lição da antiga aliança, véu que em Cristo se desmancha. 15 Mas até hoje, quando é lido Moisés, um véu está posto sobre o coração deles. 16 Quando, porém, alguém se converte ao Senhor, o véu lhe é retirado. 17 Ora, o Senhor é o Espírito955; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. 18 E todos nós, de rosto descoberto, a espelhar956a glória do Senhor, de glória em glória somos transformados na mesma imagem, conforme a operação do Espírito do Senhor957. 2Co 4. Tribulação e Glória 4:1 Por tais motivos, encarregados desta diaconia, de acordo com a misericórdia que nos foi feita, não desanimamos, 2 porém temos rejeitado as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; antes, pela manifestação da verdade, nos recomendamos a toda consciência humana, perante Deus. 3 Mas, se o nosso evangelho está encoberto, é nos que se perdem que está encoberto. 4 Neles, o deus desta era cegou o entendimento dos infiéis958, de modo a não brilhar sobre eles o esplendor do evangelho da glória do Ungido, o qual é a imagem de Deus. 5 Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor, e a nós como vossos servos por causa de Jesus. 6 Proclamamos que Deus, – o qual disse: das trevas resplandecerá a luz, – é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento959da glória de Deus na face de Jesus Cristo. 7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, não porém angustiados; perplexos, não porém desesperados; 9 perseguidos, não porém desamparados; abatidos, não porém arrasados; 10 levando sempre no corpo o morrer960do Senhor Jesus, para que também a vida961de Jesus se manifeste em nosso corpo. 11 Porque nós, que estamos vivos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal. 12 De sorte que em nós opera a morte, mas em vós, a vida. 13 Tendo, porém, o mesmo Espírito da fé, como está escrito: Acreditei, por isso 962 falei ; nós também cremos, por isso também falamos; 14 sabendo que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus também nos há de ressuscitar através de Jesus, e ele nos há de apresentar junto convosco. 15 Porque é tudo por causa de vós, para que a graça, amplificada através de muitos, faça aumentar as ações de graças, para a glória de Deus. 16 Por isso, não desanimamos; mas ainda que o nosso ser exterior se deteriore, o que é interior se renova963de dia em dia. 17 Ora, a nossa leve e momentânea tribulação está a produzir para nós um extremo e extraordinário peso eterno de glória, 18 enquanto não 955

Há um só Espírito. Nós somos espírito, um só com o Senhor (1Co 6:17). Ora, o Senhor é o Espírito. Tu és um espelho da verdade, irmão, espelho da glória de Deus. 957 O Senhor é o Pai, o Senhor é o Filho, o Senhor é o Espírito. Um só Senhor. O Pai e o Filho são um só Espírito Santo. 958 Os que se perdem são os santos infiéis, que caem na ira (os filhos desgarrados). 959 Iluminação é reconhecimento. 960 Um morrer deliberado, espontâneo e reiterado, na crucificação da carne. 961 Jesus Cristo está neste corpo, que tem vida, mas podemos ter bloqueado, até agora, a manifestação. 962 O Espírito da Verdade nos revela a verdade. Nós cremos e declaramos a mesma verdade. Isto é fé. 963 Renovar é transferir a consciência do antigo para o novo, do exterior para o interior. 956


1 78

atentamos nas coisas964que se veem, mas nas que se não veem 965; porque as que se veem são temporais, e as que não se veem são eternas966. 2Co 5. A Nova Criação 1

5: A propósito, sabemos que, se a nossa casa terrestre do tabernáculo967se desfizer, temos da parte de Deus um edifício 969, casa não feita por mãos, eterna, nos céus. 2 Pois também suspiramos neste tabernáculo, ansiosos por ser revestidos de nossa habitação que é do céu; 3 se, de fato, também formos encontrados vestidos 970e não nus. 4 Porque ainda suspiramos opressos, nós que estamos confinados nele, por não querermos ser despojados e, sim, revestidos, de modo que o mortal seja absorvido pela vida. 5 Deus é quem efetivou isso mesmo em nós, ele que também nos outorgou o penhor do Espírito. 6 Estamos, pois, sempre confiantes, mesmo sabendo que, conquanto no corpo estejamos em casa, aí estamos fora de casa em relação ao Senhor, 7 já que é por fé que andamos, não pelo que aparece. 8 Estamos confiantes e também preferimos deixar de morar no corpo e passar a habitar com o Senhor. 9 É por isso que também fazemos empenho em lhe agradar, seja em casa, seja fora de casa. 10 Porque é preciso que todos nós sejamos apresentados ao tribunal de Cristo, para que cada um receba aquilo que, por meio do corpo, se ocupou em realizar, seja o bem, seja o mal. 11 Conhecendo, portanto, o temor do Senhor, procuramos persuadir os humanos. Para Deus está claro aquilo que somos971, e espero que o mesmo fique claro nas vossas consciências. 12 Ora, não estamos a recomendar-nos outra vez a vós; porém vos damos ensejo de vos gloriardes em nós, tendo isto presente ao tratar com os que se gloriam em aparências ao invés do coração. 13 O fato é que, se estivemos fora da razão, foi para Deus; se estamos em são juízo, é para vós. 14 Porque o amor do Ungido nos constrange a esta conclusão: se um morreu por todos, então todos morreram. 15 E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou972. 16 Assim que, daqui por diante, a ninguém conhecemos segundo a carne; e, ainda que antes tenhamos conhecido a Cristo segundo a carne, agora já não conhecemos. 17 E assim, se alguém está em Cristo é nova criação 973; aquilo que era velho já passou974; eis que tudo se fez novo975, 18 e tudo por ato de Deus, que nos reconciliou consigo por meio de Jesus Cristo e nos deu o encargo da reconciliação, 19 qual seja, que Deus estava em Cristo a reconciliar consigo o mundo, não lhes imputando as suas ofensas, e pondo em nós a palavra da reconciliação. 20 Portanto somos embaixadores por Cristo, como estando Deus a exortar por nosso intermédio. Por Cristo rogamos: reconciliai-vos976com Deus. 21 Aquele que 968

9 6 4

Tudo o que aparece não passa de aparência. As coisas eternas são criação de Deus. As temporais são produto do homem. Quando Deus criou a terra, ele não criou as coisas que vemos no mundo. Deus criou o universo concreto, perfeito, que permanece para sempre. Ele não criou o mundo aparente, que se vê com os olhos da carne. 9 6 5 As coisas que vemos foram formadas. As que não vemos foram criadas. O que Deus criou jamais passará. Nós, e todos os irmãos, somos, sempre, como Ele nos fez no princípio. 9 6 6 As coisas que não se veem são eternas, são reais, são puras e santas. Todas as coisas que se percebem são imagens virtuais, produzidas pelo homem. A carne tem, sim, oportunidade de manifestar o espírito. 9 6 7 O tabernáculo é o corpo mortal, o qual se desfaz pela morte ou pela transformação. Se a morte ocorrer, seremos despojados e, em seguida, revestidos pela casa eterna. Se ocorrer transformação sem morte, o efeito será o mesmo, mas sem despojamento. Neste caso, o corpo mortal será simplesmente absorvido pela vida do corpo espiritual. O corpo incorruptível também será tabernáculo, na nova terra. 9 6 8 ‘Temos’ no tempo presente; não se traduz ‘teremos’ futuro. 9 6 9 o corpo celestial 9 7 0 Não ficaremos desabrigados, já que, quando na Boa Terra, habitaremos o corpo celestial do espírito. Seremos encontrados vestidos se, no dia da ressurreição da vida, estivermos vigilantes para que o corpo da carne, vivo ou morto, seja absorvido pela vida do corpo espiritual. 9 7 1 A perfeição do que somos em Cristo. Somos aquilo que Deus diz que somos, e não o que diz a teologia. 9 7 2 Se ele morreu por todos, todos morreram; se ele ressuscitou por todos, todos ressuscitaram. Nada disto depende de fé, nem de pertencer à família de Deus. Esta salvação básica pertence a toda a espécie humana. Ademais, os fatos do Evangelho são inalteráveis, e sua validade eterna não depende de fé. 9 7 3 A nova criação é o homem em Cristo, homem-espírito, celestial, perfeito e incorruptível. A nova criação é geração, e progênie, do Altíssimo, desde o princípio, e nunca se corromperá. 9 7 4 O que era velho (o homem antigo) passou porque morreu com Cristo na cruz, sem retorno. 9 7 5 Foi-nos dado novo corpo, mente nova, novo coração. 9 7 6 Este apelo à reconciliação é feito, evidentemente, aos santos, que são os destinatários da epístola.


179

não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós977, para que, nele, fôssemos feitos justiça978de Deus979. 2Co 6. Apartai-vos 6:1 E nós, cooperando com ele, também vos exortamos a que não recebais em vão a graça de Deus 2 (porque ele diz: Eu te ouvi em tempo oportuno e te socorri em dia de salvação; eis que agora é tempo aceitável, eis que agora é dia de salvação); 3 não causando nenhum tropeço em relação a coisa alguma, a fim de que não se dê ensejo para censura ao serviço que prestamos. 4 Em tudo, porém, fazendo auto-recomendação como servidores de Deus: em muita paciência, em tribulações, em privações, em apertos, 5 em açoites, em prisões, em tumultos, em labutas, em vigílias, em jejuns, 6 em pureza, em conhecimento, em longanimidade, em afeto, em Espírito Santo, em amor sincero, 7 em palavra de verdade, em força de Deus, pelas armas ofensivas e defensivas da justiça; 8 por glória e por desonra, por má fama e por boa fama, como enganadores, mas verdadeiros; 9 como desconhecidos, mas bem conhecidos, como a morrer e eis que vivemos, como levados ao castigo, mas não à morte; 10 como entristecidos, mas sempre alegres; como pobres, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo, mas possuindo tudo. 11 Abriu-se para vós, ó coríntios, a nossa boca; alargou-se o nosso coração. 12 Não tendes espaço limitado em nós; só estais limitados nos vossos afetos. 13 Então (eu vos falo como a filhos) pagai com igual retribuição, dilatai-vos também vós. 14 Não formeis parelha incoerente980com infiéis; pois que parceria pode haver entre justiça981e iniquidade982? Que comunhão entre luz e trevas? 15 Que harmonia entre Cristo e Belial983? Que parte pode ter o fiel com o infiel? 16 Que acordo haverá entre o santuário de Deus e os ídolos984? Porque vós sois santuário do Deus vivo, como disse Deus: Habitarei neles e neles andarei; eu lhes serei por Deus e eles me serão por povo. 17 Por isso, retirai-vos do meio daqueles985, e apartai-vos, diz o Senhor, e não toqueis986o que é impuro, e eu vos acolherei, 18 e vos serei Pai, e vós me sereis filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso. 2Co 7. Tristeza e Encorajamento

977

Isto é expiação, a qual nos cabe reconhecer, aceitar e aplicar a nossa vida.

978

1Co 15:34 Despertai para a justiça. - 2Co 5:21 Fomos feitos justiça de Deus! - Somos justiça de Deus! Esta é a nossa natureza. Só nos falta despertar. - Ef 5:14 Desperta, ó tu que dormes! Levanta-te de entre os mortos,

e o Cristo te iluminará. -

De novo, a ordem é despertar. Por que não obedecer? Quando acordar, verei que estou mergulhado em luz! - Sl 17:15 Eu, porém, na justiça contemplarei a tua face; quando acordar, desfrutarei a tua semelhança. - Não se trata de o homem ser, ou não, iluminado. Ele pode, sim, despertar para a realidade do Paraíso, hoje, e conhecer toda a verdade, na qual se verá iluminado. Iluminação é reconhecimento. Toda a criação de Deus é feita de luz e está banhada em luz – Direi: Meu Deus, desperta-me para a realidade da Luz e da Paz (segundo plano – Paraíso terrestre). - Os santos podem, outrossim, despertar para a consciência da justiça. - 1Co 15:34 Despertai para a justiça. – A justiça é a própria luz divina da Presença, no terceiro plano, celestial. - Direi: Pai, desperta-me para a consciência da justiça. – 2Tm 1:10 Jesus Cristo tanto eliminou a morte como banhou em luz a vida e a incorrupção, mediante o evangelho. 979

Justiça é mútua habitação (e comunhão) entre Deus e o homem, harmonia absoluta com a vontade de Deus, e a própria luz divina da Presença. 980 Não somos convidados, aqui, a avaliar pessoas, e sim, a verificar se estamos inclinados a associar-nos sob cobertura de um sistema doutrinário, o que seria parelha incoerente, ou jugo desigual (a ilusão de uma associação do espírito perfeito com a carne corrompida). 981 Praticar a justiça de Deus é abraçar a verdade e andar na presença de Deus. 982 Praticar iniquidade é rejeitar a verdade e abraçar a mentira. Iniquidade é insubmissão à Lei; ora, a Lei é a Verdade. Deixar de obedecer às palavras de Deus nada mais é que rebeldia. 983 Belial é um dos vários nomes do inimigo único do homem. 984 Que acordo poderia haver entre carne e espírito? O espírito está no Reino de Deus, a carne está fora. 985 Somos exortados a afastar-nos das influências do pensamento da sociedade humana e do pensamento da sociedade cristã. 986 Todos nós temos sido enganados pelo sistema (Pv 16:25). O caminho da perdição é o das doutrinas e preceitos! Para isso é que ele foi posto pelo próprio Deus, por intermédio da nossa capacidade humana: para que sejamos provados. A liberdade, bem como a santificação, é nossa responsabilidade individual.


1 80

7:1 Tendo, pois, tais promessas, ó amados, purifiquemo-nos987de toda contaminação988de carne e espírito, buscando a perfeição de santificação no temor de Deus. 2 Acolhei-nos em vosso coração. A ninguém prejudicamos, a ninguém corrompemos, a ninguém exploramos. 3 Não falo para vos condenar; porque já vos disse que estais em nossos corações, juntos para a morte e para a vida. 4 Uso de muita franqueza para convosco, e muito me glorio de vós; estou grandemente confortado e transbordante de alegria em toda a nossa tribulação. 5 Inclusive porque, chegados nós à Macedônia, nenhum alívio tivemos na carne, mas em tudo fomos atribulados: conflitos por fora, temores por dentro. 6 Porém Deus, que conforta os abatidos, nos encorajou com a chegada de Tito; 7 e não só por ter ele vindo, mas também pelo conforto que de vós recebeu, falando-nos de vossa saudade, de vosso choro, de vosso zelo por mim, dando-me maior alegria. 8 Que vos tenha causado tristeza com a epístola, não me arrependo, embora já tenha lamentado (pois vejo que aquela carta vos entristeceu por algum tempo). 9 Agora estou contente, não porque fostes contristados, mas que houve tristeza para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus, para que não tivésseis de sofrer nenhum dano de que fôssemos causa. 10 Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para salvação, e não há pesar; a tristeza do mundo é que produz morte. 11 Vede quanta solicitude produziu isso mesmo em vós, em quem houve tristeza segundo Deus! Que apologia, que indignação, que temor, que saudade, que zelo, que vindicação! Em tudo vos mostrastes incensuráveis neste assunto. 12 De modo que de fato vos escrevi, mas não por causa daquele que praticou a injustiça, nem por causa da pessoa que sofreu o agravo, mas para que ficasse clara entre vós a vossa solicitude por nós, perante Deus. 13 Foi por isso que nos sentimos confortados. Acima da nossa consolação, muito mais alegria tivemos pelo contentamento de Tito, cujo espírito foi recreado por todos vós. 14 Ocorre que, se de alguma coisa me gloriei de vós para com ele, não fiquei envergonhado; pelo contrário, como em tudo vos temos falado com sinceridade, assim também ficou confirmado o fundamento do elogio que de vós fizemos a Tito. 15 E o terno afeto que ele tem por vós está a crescer mais e mais, enquanto se lembra da obediência de vós todos, de como o recebestes com temor e tremor. 16 Portanto, estou contente de, em tudo, poder confiar em vós. 2Co 8. Contribuição em Favor dos Santos 1

8: Irmãos, passamos a levar ao vosso conhecimento a graça de Deus que foi concedida entre as igrejas da Macedônia; 2 é que, em meio a muita prova de tribulação, na abundância de alegria deles e na sua pobreza extrema, mostraram haver riqueza de generosidade. 3 De sorte que dou testemunho de que se prontificaram, 4 na medida de suas posses e mesmo acima delas, com muitos rogos nos pedindo que recebêssemos a doação e a comunhão de diaconia no interesse dos santos. 5 E não só fizeram como nós esperávamos, mas deram-se a si mesmos primeiro ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus; 6 o que nos levou a recomendar a Tito que completasse, para convosco, essa mercê, como havia começado. 7 Mas assim como em tudo tendes abundância de fé, de palavra, de interesse no conhecimento, e de esforço em geral, bem como de nosso amor para convosco, também haja abundância no que se refere a essa mercê. 8 Não digo isto na forma de imposição, mas falando do esforço de outros e provando a autenticidade do vosso amor; 9 pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre989, para que vós, pela sua pobreza, 9 8 7

O empenho de purificação é crucial para que sejamos contados entre os escolhidos, pois é a própria santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. Toda injustiça é pecado, e toda desarmonia é injustiça: toda fraqueza, falha, ofensa, esquecimento e lembrança indesejados, doença, depressão, gafe, confusão, todo pensamento malévolo, lapso, tropeço, dor. Ponhamos tudo sobre o Senhor Jesus, para que tudo tenha solução no sacrifício da sua morte e no sacrifício da sua ressurreição. Assim praticamos o sacrifício físico da nova aliança. Podemos praticar, além disso, a respiração do Espírito. Respiramos profundamente, inalando o Espírito. Inalar corresponde a invocar (=chamar para dentro). Inalamos dizendo (mentalmente) ‘ Meu Deus’, depois sopramos devagar dizendo ‘perdoa-me’. 9 8 8 Esta referência à contaminação parece relacionada diretamente ao tema do parágrafo anterior(6:14). O espírito é puro, e a carne é impura. O espírito é o homem interior, a carne é o homem exterior. 9 8 9 Nosso Senhor se fez pobre, esvaziando-se, para mostrar-nos que não somos donos de nada, e que tudo pertence a Deus. Por outro lado, ele revela que nós, assim como ele, somos herdeiros do universo, o qual o Pai põe à nossa disposição, pois a Ele aprouve confiar-nos o Reino. “Não temas, ó pequenino rebanho (Lc 12:32)!” O pequenino rebanho dos fiéis mal começa a dar-se conta dos seus privilégios. Deus me fez herdeiro de todas as coisas. Não sou o dono, mas sou herdeiro do universo que Ele me deu, porque lhe


181

vos tornásseis ricos. 10 E nisto dou meu parecer; pois é proveitoso para vós, que, desde o ano passado, tomastes a iniciativa não só de agir, mas também de firmar um propósito. 11 Então levai a cabo, agora, a ação, de maneira que, de conformidade com a prontidão de propósito, venha a concretização, no que estiver ao vosso alcance. 12 Porque, se não falta boa vontade, será aceitável de acordo com o que se tem, e não do que se não tem. 13 Não seja de forma que haja alívio para outros, e sobrecarga para vós; e sim equilíbrio 14 (a vossa abundância no tempo presente, em relação à insuficiência daqueles, de sorte que também a abundância que eles possam ter venha a suprir eventual carência de vossa parte, e haja equilíbrio), 15 como está escrito: o do muito não teve excesso, o do pouco não sofreu falta. 16 E graças a Deus, que põe no coração de Tito a mesma solicitude para convosco; 17 ele, que atendeu ao apelo e, mui diligente, prontificou-se a partir ao vosso encontro. 18 E, com ele, enviamos o irmão cujo louvor no evangelho se espalha por todas as igrejas; 19 e mais: ele foi escolhido pelas igrejas para ser nosso companheiro de viagem, junto com esta mercê ministrada por nós, para a glória do próprio Senhor e para atender a vossa pronta disposição; 20 procuramos evitar que alguém possa ver algum motivo para crítica nessa abundância administrada por nós, 21 tomando as providências com honestidade, não só perante o Senhor, mas também diante dos homens. 22 Com eles, enviamos aqueloutro nosso irmão cuja diligência temos experimentado em diversas e frequentes ocasiões; sendo ele agora ainda mais diligente, pela muita confiança que tem em vós. 23 Quanto a Tito, é companheiro meu e cooperador para convosco; quanto a nossos irmãos, são apóstolos das igrejas, glória de Cristo. 24 Demonstrai, pois, para com eles, e perante as igrejas, a prova de vosso amor e a prova de que estamos ufanos a vosso respeito. 2Co 9. Deus Ama a Quem Dá com Alegria 9:1 Quanto à assistência para com os santos, escusado é que vos escreva, 2porque bem sei da vossa boa disposição, da qual me glorio junto aos macedônios, dizendo que a Acaia está pronta desde o ano passado; e o vosso zelo estimulou a muitos. 3 E enviei os irmãos, para que os nossos elogios a vosso respeito, neste particular, não se desmintam, e que estejais realmente prontos como venho dizendo. 4 Não suceda que, ao chegarem alguns macedônios comigo, vos encontrem desapercebidos, e nós passemos vergonha, para não dizer vós, neste ufanismo em que nos identificamos convosco. 5 Portanto julguei necessário recomendar aos irmãos que me precedessem e preparassem de antemão a vossa dádiva anunciada, para que esteja pronta como bênção, e não como avareza. 6 Então é isto: o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura, com fartura também ceifará. 7 Cada um como tiver proposto no coração – não com tristeza, ou por obrigação; porque Deus ama a quem dá com alegria. 8 Deus tem esta capacidade: dar-vos abundância em toda graça, a fim de que tenhais sempre, em tudo, ampla suficiência, e sejais abundantes em toda boa obra 9 (como está escrito: espalhou, doou aos necessitados, a sua justiça permanece para sempre). 10 Ora, aquele que provê a semente ao que semeia, também vai suprir o pão para alimento e vai multiplicar a vossa sementeira, bem como aumentar o produto da vossa justiça, 11 enriquecendo-vos em tudo, para toda generosidade, a qual suscita, através de nós, ação de graças a Deus. 12 Porque a diaconia desta ministração não só dá pleno atendimento à carência em que se encontram os santos, mas também resulta em abundância de graças dadas a Deus, 13 a glorificar a Deus pela demonstração deste serviço, no ato de submissão da vossa confissão quanto ao evangelho do Ungido, bem como no ato de generosidade na comunhão para com eles e para com todos; 14 também na súplica deles por vós, na saudade que de vós têm, em virtude da extremada graça de Deus que há em vós. 15 Graças a Deus pelo seu dom990inefável! aprouve conceder-me o Reino. O meu universo não é aquele que percebo diretamente pelos sentidos físicos, mas é aquele que Deus criou no princípio, o céu e a terra absolutamente perfeitos, e está à minha disposição em todos os momentos, com todos os recursos, sem limitações. Para que eu possa desfrutar de tudo, o Pai me deu as chaves do Reino: a fé e a palavra, ou seja, a palavra da fé. Poucos são capazes de crer: o rebanho é pequenino. Embora o grande Israel seja um povo imenso, são poucos os escolhidos, e estes são exclusivamente os fiéis, os que andam na verdade. O mundo é o universo da carne. O meu universo é o céu e a terra do espírito. Foi criado por Deus, mas Ele me dá encargo e liberdade para produzir, ali, formas, estruturas e utilidades, mesmo hoje. Estas formas se materializam no mundo visível, o mundo de cada um. Todo poder te foi dado no teu universo próprio. 990 O dom de Deus é o próprio Deus, o Espírito Santo, em autodoação. Inefável e incomensurável!


1 82

2Co 10. As Armas da Nossa Milícia 10:1 E eu mesmo, Paulo, vos rogo, pela mansidão e magnanimidade de Cristo, eu que, pessoalmente presente, sou humilde no meio de vós, mas quando ausente sou ousado para convosco, 2 peço que, estando presente, não tenha de ser ousado com aquela determinação com que suponho devo confrontar certas pessoas que pensam de nós como de quem costumasse andar segundo a carne. 3 Ora, ainda que andamos na carne, não militamos segundo a carne. 4 Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas por Deus para derrubar fortalezas, 5 derrubando pensamentos991e qualquer altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, trazendo cativo todo conceito para a obediência do Ungido, 6 e estando de prontidão para vingar qualquer desobediência, uma vez que a vossa obediência esteja realizada. 7 Olhais para as coisas segundo a aparência? Se alguém confia de si mesmo que é de Cristo, pense outra vez consigo mesmo que, assim como ele é de Cristo, também nós de Cristo somos. 8 Porque posso até me gloriar um pouco mais da nossa autoridade, a qual o Senhor nos conferiu para vossa edificação, e não para destruição; mas não estarei envergonhado, 9 para que não pareça ser meu intuito intimidar-vos por meio de cartas. 10 As cartas, com efeito, dizem, são graves e fortes; mas a presença do corpo é fraca, e a palavra, de pouco peso. 11 Considere o tal isto: o que somos na palavra por cartas, quando ausentes, tais seremos em ação, estando presentes. 12 A propósito, não ousamos classificar-nos ou comparar-nos com alguns dos que se recomendam a si mesmos; mas esses, que se medem a si mesmos pela sua própria medida, e que se comparam consigo mesmos, estão sem entendimento. 13 Nós, porém, não nos gloriaremos sem medida, mas conforme a reta medida que Deus nos deu, a qual é também para vos alcançar. 14 Ora, buscando alcançar-vos, não vamos além do limite, posto que também já chegamos até aonde estais, com o evangelho do Ungido. 15 Assim, não estamos a gloriar-nos fora do limite, nos esforços alheios; antes temos esperança de que, crescendo a vossa fé, estaremos sendo amplamente alargados no meio de vós, em nosso próprio campo, 16 de modo que possamos anunciar o evangelho mais além, partindo daí, e não de campo alheio, como procurando gloriar-nos de obras já prontas. 17 E aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. 18 Porque não é quem a si mesmo se recomenda que é aprovado, e sim aquele a quem o Senhor recomenda. 2Co 11. Problemas e Escapes 11:1 Quisera me suportásseis um pouco na minha insensatez! Mas haveis de suportar-me ainda. 2 Porque estou zeloso de vós com o zelo de Deus, eis que vos fiz ser a noiva de um só homem, apresentando-a ao Ungido como virgem casta. 3 Mas receio que, assim como a serpente enganou992a Eva com a sua maquinação, assim o vosso entendimento possa ser corrompido e afastado da simplicidade para com o Ungido. 4 Porque, caso alguém viesse pregando um outro Jesus diferente do que temos pregado, ou viésseis a receber algum espírito diverso daquele que já recebestes, ou evangelho outro que aquele que já acolhestes, isso ficaríeis a tolerar. 5 A propósito, eu penso que em nada me atrasei em relação aos apóstolos ditos superiores. 6 E, ainda que de pouca eloquência, não sou de pouco conhecimento; mas em cada coisa nos temos feito conhecer por inteiro, entre vós. 7 Ou será que cometi pecado sendo humilde para que vós fôsseis exaltados, a pregar-vos de graça o evangelho993de Deus? 8 A outras igrejas despojei, recebendo salário, para vos prestar diaconia, 9 e, enquanto estava convosco, ante necessidades não me fiz um peso para ninguém (pois às minhas necessidades acudiram os irmãos vindos da Macedônia); e em todo momento me guardei e me guardarei de vos ser pesado. 10 A verdade de Cristo está em mim, de modo que esta glória, nas regiões da Acaia, não me será silenciada. 11 Por que razão? Seria que não vos amo? Deus o sabe! 12 Mas o 9 9 1

Crenças são interpretações da realidade, aceitas por alguém. Crença não é fé. Nenhuma crença doutrinária é verdadeira. Todas as doutrinas são falsas crenças. 9 9 2 O mundo nos tem enganado e dominado com falsa autoridade e doutrinas de maldição. A simplicidade da revelação da Palavra de Deus expõe a falsidade de todos os sistemas que tentam impor domínio e orientação espiritual. A Verdade é soberana e simples, e não se acompanha de doutrinas nem de teorias. 9 9 3 Os apóstolos pregavam o Evangelho, não doutrinas nem moral. Nem mesmo a doutrina de Cristo se prega: ensina-se. Biblicamente, a Doutrina é ensino, não é um ensinamento.


183

que faço e farei é para cortar ocasião aos que a buscam, qual seja a de, naquilo em que se gloriam, serem achados como se estivessem em nosso nível. 13 Porque os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, disfarçados em apóstolos de Cristo. 14 E não é de admirar, já que o próprio satanás se disfarça em anjo de luz. 15 Não é muito, pois, que os seus servidores se transfigurem em servidores da justiça; e o fim deles será conforme as suas obras. 16 Outra vez digo: ninguém me considere insensato; em caso contrário, mesmo como insensato me acolhei, para que eu também me glorie um pouco. 17 O que estou a falar, não o falo segundo o Senhor, e sim como por insensatez, nessa identificação em que me glorio. 18 Considerando que muitos estão a se orgulhar segundo a carne, também eu vou orgulhar-me. 19 Pois com gosto suportais os insensatos, sendo vós inteligentes. 20 Tolerais quem vos escravize, quem vos devore, quem vos defraude, quem se exalte, quem vos fira no rosto. 21 Ingloriamente digo: é como se fôssemos fracos. Mas, naquilo em que alguém pode ter ousadia (com insensatez o digo), eu também sou ousado. 22 São hebreus? Também eu. São israelitas? Também eu. São da descendência de Abraão? Também eu. 23 São servidores de Cristo? – falo como fora de mim – eu, muito mais: em labores, por demais; em açoites, além da conta; em prisões, por demais; em mortes, frequentemente. 24 Recebi dos judeus cinco quarentenas (menos um) de açoites; 25 três vezes fui fustigado com varas; uma vez, apedrejado; três vezes estive em naufrágio; uma noite e um dia passei na voragem do mar; 26 em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos com patrícios, em perigos com gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; 27 em labuta e em fadiga, em vigílias frequentemente; em fome e em sede, em jejuns muitas vezes; em frio e falta de agasalho. 28 Além das coisas exteriores, há os desafios de cada dia, a preocupação com todas as igrejas. 29 Quem desfalece, que eu também não desfaleça? Quem se escandaliza, que eu não me abrase? 30 Se tenho de me gloriar, hei de gloriar-me no que diz respeito à minha fraqueza. 31 O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, ele que é bendito pelas eras, sabe que não minto. 32 Em Damasco, o governador preposto do rei Aretas pôs guardas às portas da cidade dos damascenos, para me prender; 33 e eu fui descido pela muralha por uma janela em um cesto, livrando-me assim de suas mãos. 2Co 12. "A Minha Graça Te Basta" 1

12: Gloriar-me não me é de proveito realmente; de modo que passarei às visões e revelações do Senhor. 2 Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe), foi arrebatado até ao terceiro 994céu995, 3 e sei que o tal homem (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) 4 foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, que não é permitido ao homem pronunciar. 5 De tais coisas vou gloriar-me; mas não de mim mesmo, senão nas minhas fraquezas. 6 Porque, se houver de me gloriar, não serei néscio, pois direi a verdade; mas abstenho-me para que ninguém se ocupe comigo mais do que daquilo que em mim vê ou de mim ouve. 7 E, para que não me exaltasse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, agente de satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. 8 Por causa disso, três vezes roguei ao Senhor que o afastasse de mim. 9 Então ele me disse: A minha graça te basta, porque a minha força ganha perfeição na fraqueza996. De bom grado, pois, mais me gloriarei nas minhas fraquezas, para que 994

Assim como há três céus, há três níveis na mente universal. O primeiro nível corresponde ao primeiro céu; a mente universal da carne; a mente animal do homem, cuja origem remonta ao momento em que o homem se tornou alma vivente (Gn 2:7). O segundo nível corresponde ao segundo céu; a mente universal do homem-espírito (a pessoa interior de cada um). É a mente criada conforme a semelhança de Deus. O homem comum tem acesso a este nível de consciência. O nível superior, mente divina, é o terceiro céu; a mente universal do Espírito de Cristo, incriada. Deus é o Universo dos universos; toda substância está dentro dele, e nada pode haver fora dele. O homem em Cristo tem acesso a este nível superior de consciência (a terceira parte do santuário: o Lugar Santíssimo), bem como ao segundo nível (que corresponde ao Lugar Santo). − Em cada céu há uma mente universal. Em cada céu formam-se consciências coletivas. 995 O terceiro céu é o Céu de Deus. O segundo é o espírito do homem-espírito. O primeiro é feito da mente e do coração do homem-alma. 996 Quando te sentes incapaz de superar uma situação de problema, volta-te para Deus, que está no santuário dentro do teu peito, e a sua força se faz perfeita, na tua fraqueza.


1 84

onde eu estou encontre morada a força997do Ungido. 10 Por isso estou contente nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, por amor de Cristo. De verdade, quando estou fraco, então é que sou forte998. 11 Fui insensato em gloriar-me; vós me constrangestes. Eu devia ter sido louvado por vós, visto que em nada fiquei atrás em relação aos apóstolos ditos superiores, ainda que nada sou. 12 As credenciais de apóstolo foram produzidas no meio de vós, com toda paciência, com sinais e prodígios e milagres. 13 A propósito, em que tendes sido superados pelas outras igrejas, senão no fato de que eu não vos fui pesado? Perdoai-me este agravo. 14 Eis que, por terceira vez, estou pronto a ir ter convosco e não vos serei pesado; porque não procuro vossos bens, e sim a vós mesmos. Não são os filhos que devem entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos. 15 Eu de boa vontade gastarei e me desgastarei pelas vossas almas. Se mais vos amo, serei menos amado? 16 Então, que seja: Não fui um peso para vós, mas, astuto que sou, vos peguei com malícia... 17 Então, acaso vos explorei por meio de algum dos que vos enviei? 18 Animei Tito a ir, e enviei com ele o outro irmão. Porventura, Tito vos explorou? Não temos andado no mesmo espírito? Nas mesmas pisadas? 19 Ainda cuidais que estejamos a desculpar-nos convosco? Perante Deus, em Cristo, estamos a falar: tudo, ó amados, é para vossa edificação. 20 Pois receio que, indo eu, não vos encontre como quisera, e vós não me acheis como quiséreis; que, de alguma maneira, haja desavenças, ciúmes, iras, rivalidades, detrações, mexericos, empáfias, desordens; 21 que, indo outra vez, o meu Deus me humilhe diante de vós, e eu tenha de prantear por muitos dos que dantes pecaram e não se arrependeram da impureza, da fornicação e da lascívia que praticaram. 2Co 13. Examinai-vos a Vós Mesmos, se Estais na Fé 13:1 Esta é a terceira vez que vou ter convosco. Há de ser por boca de duas ou três testemunhas que toda questão será decidida. 2 Já anteriormente o disse e torno a dizer, como fiz quando estive presente pela segunda vez; e agora, estando ausente, escrevo aos que outrora pecaram e a todos os mais, que, se outra vez for, não os pouparei, 3 posto que buscais prova de que em mim Cristo fala, ele que não é fraco para convosco; antes, é poderoso no meio de vós. 4 Porque, tendo sido crucificado em fraqueza, está vivo pelo poder de Deus; ora, nós também somos fracos com ele, mas viveremos junto com ele pela força que é de Deus para convosco. 5 Provai-vos a vós mesmos, se estais na fé: fazei auto-exame999. Ou não reconheceis que Jesus Cristo está em vós? A não ser que estejais reprovados. 6 Mas espero que entendereis que não estamos reprovados. 7 Tenho orado a Deus que vós não façais nenhum mal, não para que nós pareçamos estar aprovados, mas para que vós façais o bem, ainda que possamos ser reprovados. 8 Porque nada podemos fazer contra a verdade1000, somente em favor da verdade1001. 9 Pois nos regozijamos de estar fracos, quando vós estais fortes; e o que desejamos é a vossa perfeição. 10 Portanto escrevo estas coisas estando ausente, a fim de que, quando presente, não use de rigor segundo a autoridade que o Senhor me conferiu para edificar, e não para destruir. 11 Quanto ao mais, irmãos, alegrai-vos, aperfeiçoai-vos, encorajai-vos, sede todos de uma só disposição, vivei em paz; e o Deus do amor e da paz estará convosco. 12 Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. 13 Todos os santos vos saúdam. 14 A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós. Amém!

9 9 7 9 9 8

Dýnamis significa força, poder, milagre e, ainda, capacitação em milagres.

A minha reconhecida fraqueza enseja a liberação da energia divina. O auto-exame de espírito resulta no reconhecimento de que Cristo está em nós. 1 0 0 0 A verdade é a realidade absoluta dos fatos e das substâncias. Não se expressa em doutrinas. A doutrina de Deus é o ensino da verdade. O cerne da Doutrina é que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo. Os fatos da criação e da redenção devem ser proclamados, não devem ser defendidos nem comparados com doutrinas ou teorias. Há uma teoria humana da evolução, mas não há uma teoria da criação. A verdade não tem relação alguma com teorias, nem com ideologias. Se alguém quer fazer a vontade de Deus, saberá pelo ensino que se oferece (Jo 7:17), se vem de Deus ou se o profeta fala de si mesmo, da própria carne. 1 0 0 1 A verdade comanda a razão, e nenhuma teoria irracional será, jamais, consentânea com a verdade. 9 9 9


185

EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS 1:1 Paulo, apóstolo, não da parte de homens, nem por intermédio de homem algum, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que o ressuscitou de entre os mortos, − 2 junto com todos os irmãos que estão comigo, − às igrejas da Galácia: 3 Graça e paz da parte de Deus Pai e de nosso Senhor Jesus Cristo, 4 – o qual se entregou pelos nossos pecados, para nos arrancar da era de maldade1002presentemente instalada, – de acordo com a vontade de nosso Deus e Pai, 5 a quem seja a glória pelas eras das eras. Amém! 1. Outro Evangelho? 1:6 Espanta-me que tão depressa estejais a passar daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho. 7 Não que seja outro1003, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter1004o evangelho do Ungido. 8 Contudo, se nós, ou mesmo se um anjo vindo do céu vos anunciar outro evangelho além do que nós vos anunciamos, renegado seja. 9 Assim como já dissemos, agora também repito: se alguém vos anuncia um evangelho além daquele que recebestes, renegado seja. 10 Ora, pois, –agora estou a apelar a quem –a homens, ou a Deus? Ou será que procuro agradar a homens? Ora, se ainda agradasse a homens, não seria servo de Cristo! 11 Mas quero que saibais, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, 12 pois eu nem o recebi de algum homem, nem fui ensinado, senão por revelação de Jesus Cristo. 13 É fato que ouvistes qual foi o meu proceder no judaísmo, como de modo extremo perseguia eu a Igreja de Deus e a hostilizava. 14 E me avantajava, no judaísmo, em relação a muitos da minha idade, entre o meu povo, sendo extremamente zeloso das tradições de meus pais. 15 Quando, porém, aprouve a Deus (que me separou antes de eu nascer e me chamou pela sua graça) 16 revelar seu Filho em mim para que eu o evangelizasse entre os povos, então, sem detença, sem consultar carne e sangue, 17 sem subir a Jerusalém aos que já eram apóstolos antes de mim 1005, parti para a Arábia1006e voltei, outra vez, para Damasco. 18 Então, decorridos três anos, subi a Jerusalém para avistar-me com Pedro, e permaneci com ele por quinze dias; 19 não vi então outro dos apóstolos, senão Tiago, o irmão do Senhor. 20 Naquilo que ora vos escrevo, eis diante de Deus que não minto. 21 Depois, fui para as regiões da Síria e da Cilícia. 22 Era desconhecido de vista das igrejas1007da Judeia que estavam em Cristo. 23 Só ouviram dizer: quem primeiro nos perseguia agora evangeliza a fé que outrora tratava de hostilizar. 24 E glorificavam a Deus a meu respeito. Gl 2. O Evangelho e a Justificação 1

2: Catorze anos depois, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também a Tito. Subi por revelação, e lhes expus o evangelho que proclamo entre os gentios, em particular aos influentes, para, de algum modo, não correr ou ter corrido em vão. 3 No entanto, nem mesmo Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se, 4 apesar de haver falsos irmãos metendo-se a espreitar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus, a tentar reduzir-nos a escravidão. 5 A esses nem ainda por uma hora nos submetemos, para que a verdade do evangelho permanecesse convosco. 6 E quanto aos influentes (quais tenham sido anteriormente não me importa, visto que Deus não aceita a aparência do homem), sua influência nada me acrescentou; 7 antes pelo contrário, ao verem que o evangelho da incircuncisão me fora confiado, como a Pedro o da circuncisão 8 (pois aquele que operou em Pedro para o apostolado da circuncisão também operou em mim para com os gentios), 9 e, ao 2

1002

A era de maldade abrange todo o período que vai desde o colapso do mundo, quando Adão caiu, até ao fim de todas as coisas, na conclusão da tribulação de dez tempos. 1003 Não há outro e não há plural. O evangelho único é o evangelho do Reino, do Cristo, de Paulo, de Mateus, de Tiago. O evangelho eterno é o da verdade, da paz, da glória, da graça, do reino, da salvação. 1004 A perversão do evangelho observa-se hoje em todos os redutos do cristianismo sistêmico, na assim chamada pregação, e nos cursos de teologia. A perversão básica é a de que o evangelho dependeria de fé. 1005 Não buscou carta de recomendação ou credenciais. 1006 Paulo acampou, certamente, junto ao monte Sinai, na montanha de Horeb, na Arábia Saudita (4:25). 1007 As igrejas não são instituições nem grupos; são os santos e são os cristãos.


1 86

conhecerem a graça que me foi dada, Tiago, Kepha e João, reputados por colunas, estenderam, a mim e a Barnabé, a destra de comunhão, para que nós fôssemos para os gentios e eles para a circuncisão, 10 recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, e isso me esforcei por fazer. 11 Mas quando Pedro veio a Antioquia, encarei-o desassombradamente, porque se tornara repreensível. 12 Com efeito, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, comia com os gentios; assim que chegaram, porém, pôs-se de parte, e então separou-se, por temer os da circuncisão. 13 E também os outros judeus dissimularam com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela dissimulação deles. 14 Quando, porém, eu vi que não procediam retamente segundo a verdade do evangelho, disse a Pedro, na presença de todos: se tu, sendo judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? 15 Nós que somos naturalmente judeus e não pecadores dentre os gentios, 16 sabendo que o homem não é justificado1008 por obras de lei, senão mediante a fé de Jesus Cristo, também nós já cremos em Cristo Jesus para ser justificados pela fé de Cristo e não por obras de lei, posto que nenhuma carne será justificada por obras de lei. 17 Então, procurando ser justificados em Cristo, caso fôssemos também nós mesmos achados pecadores, estaria Cristo a serviço do pecado? Certo que não! 18 Porque, se torno a edificar aquilo que desmanchei, eu mesmo me faço um transgressor. 19 Eu, de fato, mediante a Lei, para a Lei morri, a fim de viver para Deus. Fui crucificado com Cristo; 20 e estou vivo, não mais eu, mas em mim vive Cristo, e o que vivo agora na carne, vivo1009na fé que é do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou1010por mim. 21 Não estou a desconsiderar a graça de Deus; porque se justiça fosse por lei, Cristo teria morrido em vão. Gl 3. Obedecer à Verdade 1

3: Ó gálatas insensatos! Quem vos enfeitiçou para não obedecerdes à verdade, se, diante dos vossos olhos, Jesus Cristo foi exposto, crucificado em vós? 2 Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito por obras de lei, ou por mensagem de fé? 3 Sois assim tão insensatos que, tendo começado em espírito, estais agora acabando em carne? 4 Teria sido em vão que tanto sofrestes? Foi mesmo em vão? 5 Ora, aquele que vos concede o Espírito1011e que opera milagres em vós, ele o faz por obras de lei, ou por palavra de fé1012? 6 Assim foi com Abraão, que acreditou em Deus, e isso lhe foi posto em conta para justiça. 7 Sabei, então, que os da fé é que são filhos de Abraão. 8 Ora, tendo a escritura previsto que Deus justificaria por fé os gentios, preanunciou boas-novas a Abraão: Serão abençoadas em ti todas as gentes. 9 De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão. 10 Todos, pois, quantos são de obras de lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito é todo aquele que não permanece em tudo o que se escreveu no livro da Lei, para agir de acordo. 11 De fato, na Lei ninguém se justifica perante Deus, de vez que o justo de fé viverá. 12 Ora, a Lei não procede de fé, porém o homem que tais coisas cumprir viverá por elas. 13 Cristo nos resgatou da maldição da Lei, fazendo-se ele maldição por nós (pois está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro), 14 para que a bênção de Abraão valesse para as gentes em Cristo Jesus, de modo que recebêssemos, mediante a fé, a promessa do Espírito. 15 Irmãos, falo como homem: Ainda que uma aliança seja meramente humana, uma vez ratificada, ninguém a rejeita ou lhe acrescenta alguma coisa. 16 Ora, as promessas foram feitas a Abraão e a seu descendente. Não diz: – e aos descendentes, – como acerca de muitos, mas como de um só – e a teu descendente, que é Cristo. 17 Isto é o que digo: Uma aliança já antes ratificada por Deus para Cristo, não pode a Lei (que veio quatrocentos e trinta anos depois) revogar, de forma que 1 0 0 8

É justificado perante Deus aquele que encontra lugar na consciência da Presença, sem impedimento. A vida que vivo na carne é a vida psico-física, em vias de extinção. Agora, enquanto a vivo na fé do Filho, em mim vive Cristo, e ele a sustenta, de modo que a morte está vencida. Jesus vive na minha carne, assim que eu tenho vida em mim mesmo. 1 0 1 0 Entregou-se para ser levantado da terra, pela morte por mim, a fim de resgatar-me da jurisdição da lei do pecado e da morte. Entregou-se para ser levantado da terra (Jo 8:28;12:32), pela ressurreição por mim, a fim de que eu possa viver a vida do filho do homem pela fé do Filho de Deus. 1 0 1 1 Quando Deus nos concede o Espírito, ele nos faz presente de si mesmo, o dom do Espírito Santo. No versículo 3º, a inicial é minúscula, já que se trata do paralelo entre espírito e carne, em nós mesmos. 1 0 1 2 A palavra de fé é a chave do reino dos céus. 1 0 0 9


187

venha a desfazer a promessa1013. 18 Porque se a herança1014provém de lei, já não decorre de promessa, mas foi pela promessa que Deus agraciou a Abraão com ela. 19 Qual, pois, a razão da Lei? Foi acrescentada devido às transgressões, enquanto não viesse o descendente a quem se fez a promessa; e foi promulgada por meio de anjos, na mão de um mediador. 20 O mediador não é de um, mas Deus é um. 21 É então a Lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum! Porque, se fosse outorgada uma lei que pudesse dar vida, realmente a justiça seria pela lei. 22 Entretanto, a escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa, pela fé de Jesus Cristo, fosse concedida aos que creem1015. 23 Antes que viesse a fé, estávamos sob tutela da Lei e ali encerrados, para a fé que havia de ser posteriormente revelada. 24 De maneira que a Lei nos serviu de preceptor, levando-nos a Cristo para sermos justificados por fé. 25 Mas, tendo vindo a fé, já não estamos sob cuidados do preceptor. 26 Porque todos vós sois filhos Υ de Deus, mediante a fé em Cristo Jesus; 27 pois quantos vos batizastes em Cristo vos vestistes de Cristo. 28 Não há judeu nem grego, não há escravo nem liberto, não há homem nem mulher; porque todos vós sois unidade em Cristo Jesus. 29 Se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa1016. Gl 4. O Filho e o Servo 1

4: Cabe aqui ponderar que o herdeiro, enquanto criança, em nada difere do servo, posto que seja senhor de todas as coisas. 2 Está, entretanto, sob guardiães e curadores até ao tempo que o pai tiver determinado. 3 Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos em sujeição aos elementos do mundo1017. 4 Quando, porém, veio a completude do tempo, Deus enviou seu Filho, vindo de mulher, vindo sob a Lei, 5 para resgatar os que estavam debaixo de uma lei, a fim de que recebêssemos o desfrute da posição de filhos. 6 E, sendo vós filhosΥ, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, a clamar: Abbá, Pai! 7 De sorte que já não és servo, porém filho; és, pois, filho e herdeiro de Deus por meio de Cristo. 8 Ocorre que, naquele tempo, não conhecendo a Deus, estáveis em servidão para com deuses que não o são de verdade; 9 mas, agora que viestes a conhecer a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como justificar que estejais de novo voltando aos elementos fracos e pobres, sob os quais, ainda outra vez, quereis estar em servidão1018? 10 Estais a observar dias, e meses, e datas, e anos. 11 Receio por vós, possa eu ter debalde laborado em vosso favor. 12 Sede qual eu sou, que também eu sou como vós. Irmãos, por favor – em nada me 13 ofendestes. E sabeis que vos anunciei o evangelho a primeira vez por causa de uma fraqueza física. 14 E a minha provação na própria carne não desprezastes, nem a repelistes; antes, me recebestes como a um anjo de Deus, e como a Cristo Jesus. 15 Qual é, pois, a vossa bemaventurança? Ora, sou testemunha de que, se fosse possível, teríeis arrancado os vossos olhos para dá-los a mim. 16 Então me tornei vosso inimigo, por vos falar verdade? 17 Não há boa intenção no zelo que eles têm por vós, mas nos querem excluir, para que o vosso zelo seja por eles. 18 O que está certo é ter o zelo certo sempre, e não só quando estou junto convosco. 19 Meus filhos, por quem sofro de novo dores de parto, até ser Cristo formado em vós; 20 eu bem quisera estar convosco agora, e mudar a minha voz; é que me vejo perplexo a vosso respeito. 21 Dizei-me, os que quereis estar sob a Lei: acaso não ouvis a Lei? 22 Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da serva, e outro da mulher livre. 23 O da serva nasceu segundo a carne; o da livre, mediante a promessa. 24 Tais coisas constituem alegorias; porque essas mulheres são as duas alianças: uma se refere ao monte Sinai, que gera para servidão; esta é Agar. 25 Ora, 1013

Caso a herança se provasse dependente de guarda da Lei, ficaria revogada e anulada a promessa. A herança, pela promessa, dada a Abraão foi outorgada igualmente a cada um de nós. É a herança plena da Terra universo, a herança do Reino. 1015 A promessa se cumpre, exclusivamente, em favor dos que creem na promessa. Υ filhos: Gr υιοι − filhos de Deus, eternos e divinos − pela fé, somos conscientes deste privilégio 1016 Isaque é o filho da promessa. Israel é filho de Isaque, portanto é herdeiro segundo a promessa. Importante, e primordial, é saber que somos de Cristo, e que somos Israel. Somos herdeiros com Isaque, e somos herdeiros com Cristo. 1017 Ver notas de versos Mt 24:35, Gl 4:9, 1Pe 3:10 Υ filhos: Gr υιοι − filhos divinos 1018 Os sistemas de doutrina e as igrejas, como as conhecemos no cristianismo, são elementos do mundo. 1014


1 88

Agar é o monte Sinai, na Arábia1019, e corresponde à Jerusalém atual1020; está em servidão1021junto com seus filhos1022. 26 Mas a Jerusalém que é de cima é livre, e esta é mãe de todos nós1023. 27 Pois está escrito: Alegra-te, ó estéril, que não dás à luz, solta-te e clama, tu que não estás de parto; porque mais1024são os filhos da mulher solitária do que os da que tem marido. 28 Quanto a vós, irmãos, sois filhos da promessa segundo Isaque. 29 Contudo, assim como naquele tempo o que fora gerado segundo a carne perseguia ao gerado segundo o Espírito, assim também agora. 30 Que diz, porém, a escritura? Lança fora a serva e seu filho, porque de modo algum o filho da serva herdará com o filho da livre. 31 Então, irmãos, não somos filhos da serva, mas da livre. Gl 5. Chamados à Liberdade 5:1 Estai, pois, firmes na liberdade1025com que Cristo nos libertou1026, e não vos submetais de novo a jugo de servidão1027. 2 Eis que eu, Paulo, vos digo: se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. 3 De novo dou testemunho a todo homem que se deixa circuncidar – que está obrigado a guardar toda a Lei. 4 Do Ungido vos desligastes, os que procurais justificar-vos na Lei; caístes da graça. 5 Porque nós, pelo espírito, estamos da fé aguardando a esperança da justiça. 6 De fato, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão pode alguma coisa, mas sim a fé que atua pelo amor1028. 7 Vós corríeis bem; quem vos pôs bloqueio para não obedecerdes à verdade? 8 Essa persuasão não vem daquele que vos chama. 9 Um pouco de fermento leveda toda a massa. 10 Estou persuadido quanto a vós, no Senhor, de que a vossa disposição não será outra: aquele que vos perturba, seja quem for, há de sofrer a sentença. 11 E eu, irmãos, prego ainda a circuncisão? Por que continuo a ser perseguido? Então está desfeito o escândalo da cruz. 12 Tomara até se mutilassem os que andam a incitar confusão entre vós. 13 Ora, irmãos, vós fostes chamados à liberdade; só não useis da liberdade para dar ocasião à carne; antes, sede servos uns dos outros, pelo amor. 14 Porque toda a Lei se cumpre em uma só palavra, a saber: Amarás teu próximo como a ti mesmo. 15 Se vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que 1 0 1 9

O monte Sinai fica na Arábia, portanto. A região hoje impropriamente chamada península do Sinai é denominada, na Bíblia, Deserto do Mar Vermelho, e está situada entre os dois braços do Mar. O segundo braço é o Golfo de Áqaba, e este é o mar que Israel atravessou. Saíram do Egito (Ex 13:18), acamparam no deserto, caminharam dias e noites, sem cansaço, até chegarem ao mar (Nuweibá Beach). 1 0 2 0 a religião cristã e judaísta 1 0 2 1 O povo de Deus está no cativeiro de Babilônia.”Atados em cavernas, escondidos em cárceres”(Is 42:22). 1 0 2 2 Os filhos de Agar são os filhos da religião (aliança extinta). Deus ama Ismael, que é filho de Abraão. 1 0 2 3 Jesus é o Filho divino de Deus. Ele é o Unigênito, porque reúne em si, em unidade, todos os filhos de Deus. Jesus é Filho humano do Altíssimo no Espírito (Filho do Homem), e sua mãe é a Jerusalém lá de cima, a única mãe humana que é celestial. Jesus foi filho humano do Altíssimo na carne (e morreu), e sua mãe foi Maria. Hoje, Jesus Cristo é vindo em carne no corpo dos santos que estão na terra. Eu, fulanoespírito, sou filho divino de Deus no céu, junto com todos os santos gerados na terra. Eu, fulano-espírito, sou filho humano do Altíssimo no espírito (fui gerado na Ressurreição e meu nascimento é futuro, enquanto não entro no reino de Deus); minha mãe é a Jerusalém lá de cima. Eu (ego-carne), fulanocarne, sou filho de carne (mãe-alma) e sangue (pai-alma) e serei eliminado quando o mortal for inteiramente absorvido pela vida (quando fulano-espírito nascer, com um novo nome). Note que quem ganha o céu não perde a terra; o Filho do Homem está simultaneamente no céu e na terra, e nós também. Nossa consciência ainda está ligada à baixa terra; a consciência de Jesus está ligada ao céu e à terra-eden, e ele manifesta a misericórdia de Deus para conosco. O Céu (divino) e a Terra (humana) estão sempre unidos. A Terra-Sião (humana) é a própria esposa de Deus (Jerusalém Celestial, que é humana e divina), a Mãe dos espíritos. Assim como há três céus, há também três terras, e Sião (Tsiôn) é a terceira. Aqui estão revelados elementos do Mistério de Deus, que é o segredo de todos os segredos. Nós estamos no Reino, mas não físicamente; teremos oportunidade de nascer e entrar fisicamente no Reino no dia de Cristo. Todos os santos nascerão em tempo futuro, na terra-paraíso. No céu não há futuro, porque tudo é eterno, no agora. Na terra, o tempo não cessará. Será, oportunamente, transferido desta terra para a Nova. 1 0 2 4 ‘mais’ certamente significa maioria dos homens − a Mãe celestial tem mais filhos do que Eva − parece estéril (Is 54:1) porque os filhos ainda não nasceram. Nascerão humanos, filhos do Deus Altíssimo, Novo Homem em Cristo. Os filhos divinos não nascem: geram-se na eternidade. Cada filho divino é também humano. 1 0 2 5 Não deixes que os sistemas controlem a tua vida! Só a soberania de Deus está acima da tua soberania. 1 0 2 6 Obedeçamos rejeitando, a todo tempo, a manipulação e as injunções dos sistemas. 1 0 2 7 A religião sistêmica é instrumento da carne, a qual se deixa escravizar por ela. 1 0 2 8 Em todo efetivo ato espiritual de fé, a envoltura do amor é elemento essencial.