Page 1

NEWSLETTER IAHA - IFOAM Animal Husbandry Alliance Edição nº 2 - América Latina e Caribe, Jan/Fev/Mar/2014

Caros Leitores Conteúdo Com muita satisfação apresentamos a Newsletter IAHA Nº 2, a primeira Edição dedicada à América Latina e Caribe. Esta região de grande biodiversidade tem vários biomas muito diferentes e, em todos eles, ótimos exemplos de criações orgânicas, demonstrando a viabilidade técnica e econômica deste sistema produtivo onde benefícios sociais e ambientais também são evidenciados. Mais de um bilhão de pessoas no mundo e 70% dos 880 milhões de pessoas da zona rural que vivem com menos de 1US$ por dia, dependem ao menos em parte das criações de animais para sua subsistência (FAO, 2012). Nas últimas décadas, a pecuária teve um grande desenvolvimento especialmente no cone sul da América Latina. Isto se deve às condições propícias naturais: extensas áreas de pastagens, clima favorável, produção de grãos e tradição em criar gado. Entretanto, cerca de 70% das áreas e pastoreio da América Latina estão em processo de degradação de diversos graus. Além disso, o crescimento da pecuária, duas vezes maior que a média mundial, exerce alta pressão sobre os recursos naturais, especialmente a perda da cobertura florestal. E também, os rebanhos bovinos, vêm sendo acusadas de contribuir para o efeito estufa pela liberação do gás metano pelos animais. Já em 2011, a FAO reconheceu e apontou o modelo agroecológico como a solução para acabar com a fome no mundo e reverter a degradação decorrente do modelo industrial vigente. Isto porque nas criações em sistemas orgânicos ou agroecológicos, com animais livres em pastagens bem manejadas, não só ocorre recuperação das áreas degradadas como também captura de carbono pela ação da microflora e fauna do solo e das próprias pastagens (PRIMAVESI, 2007). Além disso, o gado aduba naturalmente o solo além de transformar pasto em alimento protéico de alto valor nutricional. Nesta edição tratamos de mostrar diversas iniciativas, políticas públicas e experiências exitosas de criações orgânicas que estão ocorrendo em vários países deste continente, envolvendo várias espécies de animais. Esperamos também que esta Edição sirva para aproximar as pessoas que estão atuando nesta área.

Editorial

1

Producción animal orgánica en America Latina y Caribe

2

Producción ganadera en Mesoamérica

3

Bem-estar animal e produção orgânica

4

Los Sistemas Silvopastoriles Intensivos en America Latina

5

Brazil Agroecológico

6

Zoostener en Peru

7

Los cuyes son fuente de proteína en los países andinos

7

Homeopatia Populacional

8

Pecuária no Pantanal

9

Leite orgânico no Nordeste do Brasil

10

Produção de ovos em SP

11

Aquicultura orgânica

12

Eventos

13

Demonstramos assim a viabilidade de um sistema que é produtivo e ao mesmo tempo considera as pessoas envolvidas, respeita o ambiente e o bem-estar dos animais, sem deixar de ser economicamente viável e de produzir alimentos saborosos, nutritivos e isentos de resíduos tóxicos. Agradecemos a todos os que colaboraram com esta Edição que esperamos servirá de referência e fonte de inspiração para muitos que se empenham para a construção de um mundo mais saudável e harmonioso. Angela Escosteguy Membro da IAHA Presidente do Instituto do Bem-Estar Porto Alegre, Brasil


Contexto general de la producción animal orgánica en América Latina y Caribe Carlos Andres Escobar Fernandez Director Operativo Conexion Ecologica - ECONEXOS, info@econexos.org Secretario General Grupo de America Latina y el Caribe de IFOAM : info@latinamerica.ifoam.org

América Latina y el Caribe se es la tercera región con mayor área certificada según las normas de la agricultura orgánica a nivel mundial en la cual se destacan países como Brasil, Uruguay, Argentina, México, Paraguay, República Dominicana y Perú. Asimismo, cerca de 315 mil productores están vinculados a la agricultura orgánica, especialmente, cultivando café, cacao, palma de aceite, mango, banano, cardamomo, caña de azúcar, entre otros cultivos. Con respecto a la producción animal orgánica, las cifras no son comúnmente disponibles y diferenciadas. Se destaca al respecto Argentina donde cerca del 90 % del área certificada está dedicada a la producción animal, particularmente, ovinos (880 mil cabezas) y bovinos (67.400 cabezas) en un área de 3.345.211 ha. Vea el gráfico com datos de SENASA - Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria, 2013.

Aún así, las actuales experiencias orgánicas, mayormente basadas en sistemas de producción bovina de tipo silvopastoril, están evidenciando que no solo se está potenciando los recursos naturales, sino que, mediante el ofrecimiento de una dieta mas local y balanceada, es posible producir mejor carne y leche, aumentar el número de cabezas de ganado por hectárea y reducir las emisiones de metano y el uso de fertilizantes, lo cual contribuye a la disminución de los efectos del calentamiento global. Según diversos estudios en diferentes países, en condiciones convencionales, el promedio de ganancia de peso de un animal oscila entre 200 y 300 gramos por día, y se alimenta menos de una cabeza por hectárea; pero, mediante el establecimiento de sistemas silvopastoriles se han observado ganancias de peso de por lo menos 750 gramos por día, logrando con ello alimentar al menos cuatro animales por hectárea/año y, además los animales demoran menos tiempo para alcanzar su pesos ideal favoreciéndose la calidad de la carne y mejorándose la productividad de las praderas. Efectos similares han sido observados en bovinos lecheros. También es importante mencionar que, complementariamente, el Banco Mundial, la FAO, CATIE y CIPAV, entre otras entidades, vienen ejecutando un proyecto donde se evalúan los beneficios del pago de servicios ambientales a la actividad ganadera sostenible como estrategia para promover un proceso de reconversión de los sistemas de producción animal predominantes (uso extensivo de tierras no aptas para ganadería, etc.). La finalidad es encontrar un punto medio entre la producción y la conservación de los recursos naturales.

En los demás países se conocen experiencias enfocadas a la producción lechera bovina y a la producción de carne de origen avícola, principalmente. En términos generales, la producción animal orgánica es una actividad potencial en América Latina y el Caribe para la mayoría de los países tanto para sus mercados domésticos pocos desarrollados como para sus mercados internacionales considerando que muchos de estos países se encuentran bajo presiones competitivas de tratados de libre comercio. La producción animal orgánica latinoamericana se caracteriza por elementos favorables tales como el acceso permanente a praderas naturales pero a su vez el bajo acceso a alimentos balanceados orgánicos, la falta de conocimiento y uso de medicinas alternativas en animales así como insuficiente personal capacitado en técnicas pecuarias orgánicas constituyen los principales retos a superar para un mayor desarrollo en diferentes escalas.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

Bajo este contexto lleno de oportunidades, el Grupo de América Latina y el Caribe de IFOAM aprovechando la existencia de la plataforma IAHA y, de paso, la conformación de una nueva directiva para el 2014 – 2017 está empeñado en promover una mayor difusión de las experiencias existentes en la región a través de eventos y procesos de sistematización articulados con la plataforma y, a su vez, incidir en el mejoramiento de los sistemas de información de los países para acceder a datos mas confiables. El Grupo de América Latina y el Caribe de IFOAM aplaude y alienta a todas las instituciones y personas a realizar los esfuerzos necesarios para construir una red de conocimiento incluyente que favorezca el desarrollo de la producción animal orgánica. Para contacto con el Grupo, puede escribirse a info@latinamerica.ifoam.org

2


Un vistazo a la producción ganadera en Mesoamérica Gabriela Soto 1 Jorge Luis Ruiz 2, Carlos Zumbado3 1Coordinadora de la Maestría en Agricultura Ecológica, Universidad Nacional, Costa Rica, vice-presidente de Ifoam:

agroecologiauna@gmail.com investigador de la Facultad de Medicina Veterinaria y Zootecnia de la Universidad Autónoma de Chiapas, México. 3Extensionista, Ministerio de Agricultura y Ganadería, Costa Rica 2Docente e

La producción pecuaria orgánica en Centroamérica se caracteriza por ser de pequeños productores (< 10cabezas), en finca integrales (cultivos y ganadería), con animales de doble propósito (leche y carne). México es el país con mayor desarrollo en la región, con unas 15000 hectáreas de ganadería orgánica, donde, aunque predominan los pequeños productores, se cuenta además productores de ganadería extensiva, con más de 70 cabezas de ganado. En México, una tercera parte del área en producciónse encuentra en el estado de Chiapas (5450 has), con una producción de leche anual de 500 000 litros que se dedica en un 95% a la producción de quesos. En su mayoría, estos 70 productores de Chiapas, están conformados en organizaciones de pequeños productores y un 50% está ya certificado con Sistemas Participativos de Garantía (SPG) mientras, que el otro 50% está en transición. Los quesos que ellos producen son vendidos en los tianguis o mercados orgánicos locales. En Costa Rica, donde existe una tradición de ganadería intensiva en fincas muy pequeñas (1 a 5 has), con animales semi-estabulados, la ausencia de una oferta de concentrados orgánicos a nivel nacional, ha limitado el desarrollo de la actividad pecuaria orgánica.

Existen proyectos al norte del país para fomentar la producción de soya, maíz y leguminosas orgánicas pero aún a muy pequeña escala. Contrario a otros países en la región, en Costa Rica si existe una demanda creciente sobre todo por productos lácteos orgánicos para consumo local, que no se ha logrado satisfacer. DEMANDAS Entre las mayores limitantes que se reportan para toda la región se incluyen la falta de un mercado que reconozca las ventajas de los productos orgánicos, la ausencia de asistencia técnica especializada, la falta de capacitación de los productores, y falta de apoyo estatal. Dentro de los temas donde existe un mayor vacío de información es en el tema de salud animal, sobre todo en el tema de endoparásitos y ectoparásitos como la garrapata y los tórsalos (Dermatobia hominis). Es por esto que este año (2014), la Maestría en Agricultura Ecológica de la Universidad Nacional, de Coata Rica está organizando un curso en Salud Animal, que será facilitado por la Veterinaria brasileña especialista en Ganadería Orgánica Angela Escosteguy (www.agrarias.una.acr.cr).

IFOAM realizó capacitación en formación de líderes en agroecología y producción orgánica en México * En noviembre del 2013, expertos y líderes en materia de productos orgánicos de Colombia, Brasil, Perú, Costa Rica y México concluyeron el evento de formación de líderes en agroecología y producción orgánica en América Latina, realizado en Oaxaca, cuyo propósito fue el intercambio de experiencias y el análisis del rumbo del movimiento orgánico internacional. la convocatoria estuvo a cargo de la Sociedad Mexicana de Producción Orgánica y IFOAM.

El director ejecutivo de (IFOAM) Markus Arbenz en su participación en este evento declaró que “México y en general América Latina crecen de manera relevante tanto en superficie como en número de productores orgánicos por lo que el mercado internacional está poniendo los ojos en estos países”, adicionó que “con la reciente publicación de los lineamientos para la producción orgánica en México ponen al país en la antesala para la negociación de equivalencias con países importadores”.

La costarricense Gabriela Soto vicepresidenta de IFOAM concluyó que “el impacto de este evento Los participantes en este evento se constituyeron trasciende lo académico, ya que además se verán en una red de intercambio permanente para fortalecer el fortalecidas las dos organizaciones y el reconocimiento movimiento orgánico en América Latina. Este curso se internacional de la Agricultura Orgánica como estrategia llevará a cabo este año en Perú. para enfrentar los retos del milenio”. *http://mexicorganico.blogspot.mx/2013/11/exitoso-internabio-deexperiencias-en.html

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

3


Bem-estar animal e produção orgânica podem contribuir para o desenvolvimento sustentável Adroaldo José Zanella Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil : adroaldo.zanella@usp.br

As preocupações, tanto para o bem-estar animal e produção orgânica sustentável, compartilham motivações semelhantes e complementares. Consumidores motivados a comprar produtos orgânicos e com certificação bem-estar, estão baseando suas escolhas alimentares em valores éticos. Muitas vezes as escolhas refletem o entendimento de que benefícios adicionais a saúde podem surgir com o consumo de produtos com certificado orgânico ou de bemestar animal. Um exemplo é o recente trabalho de pesquisa de Benbrook e colaboradores (2013) (DOI: 10.1371/ journal.pone.0082429) que relata uma composição de ácidos graxos superiores em leite orgânico, quando comparado com o leite produzido convencionalmente. Os consumidores acreditam que os sistemas ​orgânicos sempre fornecem melhores resultados de bem-estar animal, que os sistema convencionais. Entretanto, a pesquisa demonstrou que os animais mantidos em alguns sistemas de produção orgânica também podem experimentar padrões inaceitáveis ​de bem-estar animal. Há uma crescente necessidade de se desenvolver protocolos de avaliação do bem-estar e programas de certificação para garantir que os produtores orgânicos promovam as boas práticas de bemestar animal. PROJETO AWIN : Animal Welfare Science Hub A disponibilidade de indicadores científicos válidos, confiáveis ​e práticos sobre bem-estar animal é de extrema importância para a promoção de boas práticas. Para atender a essas demandas sobre indicadores de bem-estar animal – foi desenvolvido o projeto AWIN (www.animal-welfare- indicators.net), que é patrocinado pelo programa-quadro (FP7) da Comissão Européia, com 11 instituições de 8 países. Os principais objetivos do projeto AWIN são: a) desenvolver e validar protocolos de avaliação do bem-estar , incluindo a dor , b) promover a compreensão sobre a relação entre doenças e bem-estar animal; c) compartilhar informações de pesquisa sobre o impacto das experiências nos períodos pré-natal e neonatal sobre bemestar e resultados de saúde e d) promover redes globais de excelência em ciência do bem-estar e saúde animal. As redes globais de excelência estão disponíveis através da portal de internet AWIN: www.animalwelfarehub.com. O Animal Welfare Science Hub tem como objetivo promover a transparência , estimular discussões, proporcionar fácil acesso, revisão por pares e divulgar informações sobre a ciência de bem-estar animal em todo o mundo.

O Hub é também repositório de informações sobre oportunidades globais de educação, formação e capacitação em bem-estar animal e assuntos relacionados. É um processo dinâmico, interativo, com uma plataforma para desenvolver e hospedar "objetos de aprendizagem “. Um dos principais motivadores para melhorias no bemestar animal tem sido a preocupação de que este aspecto pode se tornar barreira para o comércio internacional. A Organização Mundial do Comércio (OMC), pela primeira vez, determinou que a preocupação com o bem-estar animal, representada pelo abate de focas , foi uma razão legítima para proibir o comércio de produtos para os países da UE. Esta resolução histórica a "disputa DS400", será, provavelmente, um precedente para evitar o comércio de produtos de origem animal que não cumpram as normas de proteção dos animais estabelecidas nos países importadores.

Em conclusão, o Bem-Estar Animal e os Sistemas de Produção Orgânica têm o potencial de conectar produtores e consumidores e de fomentar redes globais , que poderão se tornar em um mecanismo importante para promover a sustentabilidade em nosso planeta frágil e vulnerável. REFERÊNCIAS C.M. Benbrook , G. Butler,M.A. Latif,C.Leifert,D.R. Davis (2013) Organic Production Enhances Milk Nutritional Quality by Shifting Fatty Acid Composition: A United States–Wide, 18-Month Study; DOI: 10.1371/journal.pone.0082429

Imagens de criações no sul do Brasil.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

4


Los Sistemas Silvopastoriles Intensivos (SSPi) para la ganadería sustentable en América Latina Enrique Murgueitio R.1, Martha Xóchitl F.2,Fernando Uribe3 y Julián D. Chará4 1enriquem@cipav.org.co ,

Director Ejecutivo Centro para la Investigación en Sistemas Sostenibles de Producción Agropecuaria (CIPAV),Colombia; 2Presidente Fundación Produce Michoacán A.C., México, dram.x.f.e@producemich.org.mx 3 Coordinador de Ganadería Sostenible CIPAV; 4 Coordinador de investigaciones de CIPAV

INTRODUCCIÓN

Ahora que los productores y los decisores de política conocen y aprecian estos modelos porque son útiles para enfrentar el cambio climático, la competitividad y la sustentabilidad, se requiere su rápida expansión a escalas regionales y de paisaje. Para esto se deben superar importantes barreras de todo tipo empezando por cambiar los prejuicios respecto a los árboles que crecenen los pastizales deriva y dejar de preferir los monocultivos. Los mayores costos iniciales que acarrea el establecimientode la mayoría de los SSPi son un obstáculo para productores pequeños o descapitalizados. La financiación de la asistencia técnica y extensión silvopastoral es necesaria en todas las escalas y como requisito previo se requiere ofrecer capacitación especializada a extensionistas y técnicos. En América Latina los SSPi se multiplicarán a gran escala si se logran políticas públicas para la financiación adecuada e incentivos del mercado ecológico con preferencias comerciales porque generan productos de alta calidad y valor para la sociedad.

Foto Fernando Uribe

En América Latina el sistema ganadero dominante ha favorecido la degradación ambiental a todas las escalas y en casi todos los ecosistemas terrestres tropicales y subtropicales. Pero la ganadería puede ser manejada de forma sostenible con sistemas silvopastoriles de varios tipos donde se destacan los sistemas silvopastoriles intensivos (SSPi). También los rebaños manejados con criterios sustentables son una herramienta de restauración a escala del paisaje al integrarse en corredores de conectividad, rehabilitar las tierras degradadas, y ayudar ala protección de los recursos hídricos al reducir la contaminación y sedimentación. Más recientemente se han aportado pruebas que permiten sustentar la idea de que los sistemas silvopastoriles con manejo integrado de agroecosistemas permiten procesos de mitigación y adaptación al cambio climático.

MULTIPLICACIÓN DE LOS SSPI A MAYOR ESCALA

LOS SSPI Y LA PRODUCCIÓN PECUARIA AGROECOLÓGICA La intensificación ganadera con SSPi emplea principios agroecológicos que busca elevar al máximo la eficiencia de varios procesos biológicos esenciales como la fotosíntesis en tres o cuatro estratos de vegetación; la fijación de nitrógeno y el reciclado de nutrientes con la finalidad de aumentarla producción de biomasa y el contenido de materia orgánica del suelo. Los insumos de los sistemas silvopastoriles son procesos biológicos y no combustibles fósiles o compuestos sintéticos, y en ellos se aplican conocimientos científicos modernos con los cuales se manejan y combinan especies de caracteres y funciones diferentes. Los SSPi constituyen un buen ejemplo de la vía natural de la agricultura, la agroecología, que tiene un lugar especial en el mundo contemporáneo. En síntesis estos modelos al mismo tiempo que generan alimentos de alta calidad para la población en forma rentable, genera empleo rural, fortalece los medios de vida campesina y contribuye a la sociedad con servicios ecosistémicos.

Queso tipo Cotija certificado de origen y producido en SSPi Rancho Los Huarinches, México

LECTURAS RECOMENDADAS Broom, D.M., Galindo, F.M. &Murgueitio, E. 2013. Sustainable, efficient livestock production with high biodiversity and good welfare for animals. Proceedings of the Royal Society. Biological Sciences. 2013 280, 20132025, published 25 September 2013. Calle Z., Murgueitio E.& Chará J. 2012. Integrating forestry, sustainable cattle-ranching and landscape restoration. Unasylva 63: 31-40. Murgueitio, E., Calle, Z., Uribe, F., Calle, A. & Solorio, B. 2011. Native trees and shrubs for the productive rehabilitation of tropical cattle ranching lands. Forest Ecology and Management, 261(10): 1654–1663. DOI: 10.1016/j.foreco.2010.09.027.

Para el buen funcionamiento de los SSPi se requiere suministro permanente de agua de buena calidad en bebederos móviles, sal mineralizada, cercas vivas en la periferia y en las divisiones internas; uso de cercos eléctricos, fijos o móviles, para concentrar el pastoreo en fajas y un manejo del ganado con buenas prácticas sanitarias y de bienestar animal. NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina , Jan/Fev/Mar/2014 5


Brazil Agroecológico Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica Angela Escosteguy, Membro da IFOAM Animal Husbandry Alliance, angela@ibembrasil.org O Governo brasileiro lançou em outubro, o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, com o objetivo de articular políticas públicas e ações de incentivo ao cultivo de alimentos orgânicos com base agroecológica. As ações ocorrerão em 4 grandes eixos: Produção; Uso e conservação de recursos naturais; Conhecimento; e Comercialização e consumo. O público alvo prioritário são agricultores familiares, assentados da reforma agrária, povos e comunidades tradicionais e suas organizações. Dez ministérios estão envolvidos no Programa, sob a coordenação do Ministério do Desenvolvimento Agrário, visando promover o desenvolvimento socioeconômico dos agricultores brasileiros e a preservação ambiental.

Lei da Merenda Escolar Publicada em 2009, a Lei federal 11.974 determina que 30% dos recursos enviados para a merenda escolar devem ser aplicados na compra de alimentos advindos da agricultura familiar. Além disso, na compra junto aos agricultores as escolas devem sempre priorizar os alimentos orgânicos de origem animal ou vegetal. Há, inclusive, um acréscimo de até 30% no valor de venda que pode ser dado aos produtores que estão regularizados. Calcula-se que esta medida pode beneficiar 64 milhões de estudantes e milhares de pequenos produtores orgânicos que terão a garantia de comercialização de sua produção.

O investimento será de R$ 8,8 bilhões em três anos. A maior parte dos recursos, será para crédito e assessoria de 75.000 produtores. Há também iniciativas para os agroextrativistas, pescadores, jovens e apoio a atividades de pesquisa, dentre outras medidas. O Plano pretende passar de 10 mil agricultores agroecológicos certificados para 50 mil. Serão destinados também R$ 168 milhões para um programa de sementes crioulas. Também está prevista a ampliação do acesso a mercados institucionais, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Pretende-se aumentar a oferta de produtos orgânicos, dar escala de produção para aumentar a renda dos agricultores e também baratear o custo para o consumidor. A estimativa do governo é que 5% das compras públicas no Programa de Aquisição de Alimentos e no Programa Nacional de Alimentação Escolar sejam de produtos orgânicos em até três anos. Desta forma, o governo brasileiro assume uma postura mais avançada não se limitando somente à ações de controle, através de leis e fiscalização, mas também com ações para o fortalecimento e desenvolvimento do setor. É uma mudança de paradigma, é o estabelecimento de um processo de transformação para universalizar o acesso aos alimentos orgânicos que vai mais além de simplesmente certificar e fiscalizar produtos que só podem ser consumidos por uma elite da população. Para Miguel Altieri, referência mundial sobre o tema, o Brasil é o único país do mundo que tem uma lei e um plano governamental para o desenvolvimento da agroecologia e por isto está na liderança e vanguarda deste processo.

Vet.Org viabiliza importantes avanços para as criações orgânicas no Brasil Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária

A Vet.Org – Comissão da Pecuária Orgânica, da Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária, propôs duas Moções que foram aprovadas pelos participantes do 40º Congresso Brasileiro de Medicina Veterinária, realizado em novembro, 2013, em Salvador/Bahia. As propostas foram justificadas considerando a preocupação crescente mundial pela busca de sistemas sustentáveis de produção de alimentos, o desenvolvimento qualitativo e quantitativo dos sistemas orgânicos de criação animal no país, a demanda crescente por alimentos orgânicos e as políticas públicas recentes que apóiam, incentivam e demandam ações de profissionais especializados neste sistema de produção. NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

A primeira moção solicitou o encaminhamento ao Ministério de Educação a solicitação de inclusão da disciplina sobre Pecuária Orgânica, além de Homeopatia e Plantas Medicinais nos currículos dos cursos de Medicina Veterinária do país. A segunda moção solicitou a realização um Seminário Brasileiro sobre Pecuária Orgânica em todos os próximos Congressos Brasileiros de Medicina Veterinária. Para Angela Escosteguy, presidente da VET.ORG estas medidas são muito importantes para capacitar médicos veterinários para trabalhar nesta nova área profissional atendendo a demanda de criadores, pesquisadores, professores, estudantes e outros segmentos relacionados, já que este assunto não faz parte do currículo das graduação em Medicina Veterinária no país. 6


Zoostener – Zootecnia sostenible en Peru "Nunca dudes de un pequeño grupo de ciudadanos pensantes y comprometidos pueden cambiar el mundo, de hecho, son los únicos que han logrado "

Somos un grupo de alumnos voluntarios, y ahora también de egresados, de la Facultad de Zootecnia de la Universidad Agraria La Molina (FZ-UNALM), en Lima-Perú, formado en 2012. Tenemos el objetivo de resolver ciertas problemáticas que vemos en nuestro entorno como: la poca participación e involucramiento de los jóvenes con el desarrollo de las comunidades campesinas y la pequeña agricultura; la incongruencia del modelo de producción animal intensiva con los desafíos mundiales en la lucha contra el hambre, la pobreza y el cuidado del medio ambiente; y finalmente, el único enfoque del desarrollo: crecimiento económico, sin contar con aspectos sociales y ambientales. La alta migración rural, la discriminación por vivir y trabajar en el sector rural, la espera de actores externos que vengan a solucionar sus dificultades locales, entre otras, son problemas sociales que tratamos de resolver compartiendo con ellos mensajes como: “La tierra no la heredamos de nuestros padres, sino, la tomamos prestada de nuestros hijos”, “No hay pedacito de cielo como el de mi tierra”, “La mejor manera de predecir el futuro es creándolo”. Este 2013, hemos podido participar activamente en el fomento de actividades productivas en 2 Comunidades Campesinas del departamento de Lima, trabajando en conjunto con empresas como Vacas Felices.

A lo largo de este tiempo, hemos desarrollado temáticas en la Universidad con sus respectivas charlas y salidas de campo en: Soberanía y Seguridad Alimentaria, Agroecología, Producción Orgánica, Bienestar Animal y Manejo de Residuos Pecuarios. En Setiembre/2013, co-organizamos con Ifoam y Ibem el Simposio en Ganadería Ecológica en el marco del SOCLA 2013. Actualmente, estamos llevando a cabo una serie de actividades en el marco de “COPinMyCity” con otras agrupaciones de la Universidad, para sensibilizar, informar y tomar acción frente a la problemática ambiental a la vez que informamos sobre las negociaciones COP que se llevarán a cabo el próximo año en Lima. Finalmente, a través de nuestra página de Facebook (www.facebook.com/Zoostener) compartimos información sobre Ganadería Ecológica, entre otras cosas, donde también pueden contactarnos. Zoostener se formó como iniciativa de un pequeño grupo de amigos, unos amigos locos y poco cuerdos, que creen que “para construir un mundo diferente, no podemos ser indiferentes”. Y es así que, un año después de nuestra fundación, aquí estamos, 25 jóvenes voluntarios llenos de ganas por cambiar para bien muchas cosas. Persona de contacto: candieva123@hotmail.com.

Diego

Valencia,

Los cuyes son fuente de proteína animal en los países andinos Roberto Ugás, rugas@lamolina.edu.pe Programa de Hortalizas, Universidad Nacional Agraria La Molina, Vicepresidente de IFOAM Los cuyes (Cavia porcellus) son una fuente muy importante de proteína animal en algunos países andinos (Perú, Ecuador, Bolivia). Este animal muy prolífico con frecuencia se mueve libremente por la cocina, alimentándose de restos de comida. Recolectar pastos y otras plantas como forraje es una actividad importante, generalmente llevada a cabo por mujeres, niños y personas mayores. Actualmente la producción de cuyes es también un emprendimiento comercial y, por la cultura tradicional de la que proviene y la muy alta calidad de su carne, es un protagonista del boom gastronómico del Perú Bioagricultura Casablanca es un productor orgánico certificado en las afueras de Lima, Perú. Carmen FelipeMorales y Ulises Moreno han capacitado a miles de estudiantes y técnicos en su finca familiar, donde los cuyes son la fuente esencial de estiércol para la producción de compost y biogás, además de proporcionar ingresos económicos muy importantes por la venta de carne.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

7


Homeopatia Populacional Cláudio Martins Real, Marcelo Hencke Real, Diretores da REAL H Nutrição e Saúde Animal, Campo Grande, Brasil: marceloreal.diretor@realh.com.br A Homeopatia aplicada aos animais domésticos está em franco crescimento no Brasil e em muitos outros países da América Latina. Estima-se no Brasil cerca de 25 milhões de bovinos tanto de corte como de leite recebem o benefício desta terapêutica. Medicamentos homeopáticos também vêm sendo usados com sucesso em outras espécies tais como aves, peixes, búfalos, suínos, caprinos e também em animais domésticos. O uso da homeopatia em animais vem crescendo em torno de 9% ao ano no Brasil, o que por si só comprova a eficácia do método. Isto é altamente positivo para a sociedade em geral, pois possibilita o consumo de alimentos mais saudáveis, livres de substâncias nocivas à saúde humana. Na Veterinária, a Homeopatia é uma terapêutica aplicada principalmente na prevenção das doenças, sendo, por isso, ideal para os sistemas orgânicos de criação de animais. AÇÃO Terapêutica criada pelo médico alemão SAMUEL HAHNEMANN no século 18, atua com base na Lei Natural de Cura, Similia Similibus Curantur conhecida como Lei dos Semelhantes. Os medicamentos utilizados são altamente Diluídos e Dinamizados, o que impede que os animais possam sofrer qualquer tipo de problema ou que acumulem resíduos tóxicos em seu organismo tornando-se um terapêutica isenta de restrição quanto ao sua utilização.

equilibrados, têm sua defesas e produtividade aumentada através do estímulo e expressão de suas reais potencialidades genéticas, resultando em aumento da sanidade, fertilidade, ganho de peso e produtividade. USO Este método é de aplicação muito simples e não provoca estresse aos animais pois os medicamentos são agregados ao sal ou aos alimentos ou a água oferecida aos animais. Desta forma eles recebem o estímulo dos medicamentos sem a necessidade de qualquer tipo de manejo diferenciado. O contrário ocorre nas práticas convencionais, onde qualquer aplicação de medicamentos requer manejos intensivos e estressantes.

O crescimento e expansão, no emprego da Homeopatia Populacional nos sistemas produtivos brasileiros se deve a: • Os medicamentos Homeopáticos não se tornam resistentes frente aos parasitas e agentes microbiológicos ; • Alimentos oriundos de animais que recebem homeopatia não têm necessidade de carência no seu consumo; • Redução e até eliminação na utilização de produtos químicos sintéticos que possuem impactos tanto na saúde do homem, dos animais e no meio ambiente; • Simplificação do manejo e mão de obra com os animais com redução de custos e aumento do bem estar animal; • Solução de problemas onde a terapêutica química convencional não resolve; •

Redução no custo dos tratamentos.

A Homeopatia Populacional, embora não seja uma panacéia que tudo cura e resolve, é uma forma de aplicação da Homeopatia com um futuro promissor, que muitos benefícios trará para a humanidade, os animais e ao meio ambiente.

No Brasil a expansão da homeopatia em grandes rebanhos é uma realidade não vivenciada em países da Europa ou na América do Norte. Através de inúmeras pesquisas e estudos, o Veterinário Prof. Dr. Claudio Martins Real na década de 80 criou um novo método que possibilitou a extensão do uso individual e curativo preconizado por Hahneman para grandes populações animais. Este novo método chamado de Homeopatia Populacional procura não só tratar eventualmente doenças como, sobretudo, atuar na prevenção das mesmas através da restauração do equilíbrio orgânico dos animais, permanentemente comprometido por práticas inadequadas de manejo. Desta forma, animais organicamente

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

Imagem: www.cpt.com.br

HOMEOPATIA POPULACIONAL

Os medicamentos homeopáticos podem ser adicionados no sal mineral, na água, ou no alimento do animal, sem alterar o seu sabor.

8


Pantanal: pecuária e preservação 99.000 bovinos certificados em 132.000 ha Angela Escosteguy, Membro da IFOAM Animal Husbandry Alliance, angela@ibembrasil.org Uma parceria entre a WWF- Brasil e associações de produtores orgânicos da região viabilizou o Programa Pantanal para sempre, desde julho de 2003. O objetivo da parceria é promover a conservação da biodiversidade através da criação e implantação de unidades de conservação, preservação de espécies, estimulando atividades econômicas com baixo impacto ambiental e promovendo o desenvolvimento sustentável. O programa trabalha com o fomento da pecuária orgânica certificada como alternativa de produção sustentável para a região. O Projeto viabiliza a maior concentração de bovinos orgânicos no Brasil. São 26 fazendas, com aproximadamente 131 mil hectares em pastagens e cerca de 99 mil cabeças de gado certificadas. A média de abate é de 1.000 cabeças/mês. O controle sanitário dos animais é efetuado com manejo preventivo e com o uso de produtos homeopáticos adicionados ao sal mineral. A maior parte da carne orgânica produzida abastece o mercado interno e parte é exportada para Itália.

Localizado no coração da América do Sul, o Pantanal é a maior área úmida do planeta. Sua bacia abrange uma área de 624,320 km2, dos quais 61% são localizados no Brasil, 20% na Bolívia e 19% no Paraguai. É uma região peculiar não só pelas suas belezas naturais como também pelo papel que desempenha na conservação da biodiversidade. Esse imenso reservatório de água doce é muito importante para a proteção dos ecossistemas de água doce, a estabilização do clima, conservação da terra, e para a manutenção de sua rica biodiversidade. É o lar de 122 espécies de mamíferos, 263 espécies de peixes, 93 espécies de répteis, 656 espécies de aves, 1.032 espécies de borboletas e 1.647 espécies de plantas de floração. Devido a sua importância ambiental, o bioma foi decretado Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera, pelas Nações Unidas, em 2000.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

O Programa também prevê ações como: o Recuperação das áreas degradadas e a preservação das nascentes e das matas

o Incentivo aos proprietários a criarem unidades de conservação privadas e perpétuas o Cumprimento da legislação trabalhista, moradia digna para os trabalhadores, escolas e capacitação quanto às normas de produção orgânica.

Pecuária contribui para conservação de 87% da vegetação nativa do Pantanal (EMBRAPA, 2010) Estudos comprovaram que a pecuária extensiva praticada no Pantanal é fator de conservação ambiental pois % 87% da vegetação nativa do bioma está intacta, sendo o bioma mais conservado do Brasil. Estes resultados demonstram que a pecuária orgânica pode conviver com o meio natural, adaptando-se às suas condições e gerando menor impacto sobre a biodiversidade e os demais serviços ecossistêmicos. 7


Leite orgânico no nordeste do Brasil Veterinário Antônio Vicente Dias Pesquisador da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) : antoniovicente.dias@ebda.ba.gov.br

A Estação Experimental de Aramarí (EEA) vinculada à Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) foi criada em 1992, para trabalhar na área de bubalinocultura e bovinocultura leiteira. Situada no município de Aramari, na Bahia possui uma área de 806 ha, encontrando-se no domínio ecológico do trópico subúmido, com deficiência hídrica anual de 300 a 400 mm, temperatura média anual de 24,5º C. A Estação está dividida em três áreas para realizar ações de pesquisa e extensão rural: pesquisa com bubalinos (323 ha), preservação ambiental (136 ha), e pesquisa com bovinos de leite (347 ha). Inicialmente, usava-se o modelo convencional, para o manejo dos animais. A partir de 1998, os produtores orgânicos solicitaram informações sobre manejo sanitário com homeopatia. Como havia poucas respostas, nos níveis nacional e internacional, iniciou-se testes de medicamentos homeopáticos. Em 2003, durante uma das visitas com a Diretoria de Pecuária, uma bezerra de 5 dias de idade apresentou uma pneumonia grave que foi tratada com homeopatia. Como o animal se recuperou com rapidez, o Diretor decidiu apoiar a proposta de transformação da Estação num centro de referência para a produção orgânica. Foi a primeira do Brasil a trabalhar nesta área. Com base nesta decisão e no fato de que a última adubação química das pastagens tinha sido feita no ano 2000, elaborou-se uma nova versão do projeto, baseada nos princípios da agroecologia e da produção orgânica e, em 2003, iniciou-se, definitivamente o processo de conversão. Em 2006 a Estação passou a ser certificada como orgânica. A estação também conta com um laticínio-escola para treinar produtores no beneficiamento do leite e derivados de acordo com os princípios da produção orgânica.

A partir de 2009, foram diversificadas as atividades, de acordo com os princípios da agroecologia e iniciou-se a instalação de duas áreas com sistemas agroflorestais. RAÇAS E PRODUÇÃO O rebanho bubalino é composto de 60 búfalas, sendo metade da raça Murrah e a outra metade da raça Mediterrâneo. O rebanho bovino é composto de 80 vacas mestiças leiteiras (basicamente, as raças Holandesa, Gir e Jersey) . A produção média diária está em torno de 250 kg de leite de búfala e 350 kg de leite bovino. MANEJO SANITÁRIO E RESULTADOS São usados medicamentos homeopáticos, misturados ao sal mineral para prevenção e tratamento de endo e ectoparasitas. Quando necessário, usa-se um extrato de folhas de neem (Azadirachta Indica) em solução, para banho. As vacinas são as obrigatórias ou necessárias em caso de surto. No dia da vacinação, usa-se um medicamento homeopático, para reforçar a imunidade e evitar efeitos indesejáveis. PRINCIPAIS RESULTADOS DE PESQUISA ( 2006 A 2013) • Controle de endo e ectoparasitas de bovinos e bubalinos. • Controle de mamites : baixaram de 15- 20% para 1-2% • Controle da tristeza parasitária bovina: morte de bezerras passou de 5-6% para zero. TRABALHOS DE PESQUISA PREVISTOS E EM ANDAMENTO

• Complementação do trabalho sobre tristeza parasitária • Adubação orgânica de pastagens • Controle de formigas cortadeiras • Sistema agroflorestal • Sistema silvipastoril • Conforto animal

Os medicamentos homeopáticos podem ser administrados individualmente ou misturados no sal para atender todo o rebanho.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

10


Produção de ovos orgânicos em São Paulo Estimativa de 98 milhões de unidades em 2012 Fabíola Fernandes Schwartz ¹, sfs.agroecologia@gmail.com

¹ Medica Veterinária, Mestre em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, sócia proprietária da SFS Boas Práticas Agropecuárias Ltda. A produção de ovos no Brasil foi de 31,77 bilhões de unidades em 2012, sendo o Estado de São Paulo o maior produtor, responsável por 36,59% da produção nacional (UBABEF, 2013). Embora não existam dados oficiais sobre o volume de ovos orgânicos produzidos, baseando-se em informações de empresas certificadoras e nas estimativas de Buainain e Batalha (2007), cacula-se uma produção de 98 milhões de unidades no Estado de São Paulo, em 2012. Os produtores de ovos orgânicos no Estado de São Paulo podem ser divididos em dois grupos, com os seguintes perfis sócio-econômicos: 1) Empresa ou agroindústria de médio porte, com assistência técnica e com média a grande capacidade de investimento; 2) Pequeno ou médio empresário rural, com ou sem assistência técnica e baixa capacidade de investimento. No primeiro grupo destacamos 5 empresas que alojam de 5 a 20 mil aves, perfazendo aproximadamente 80 mil aves alojadas. A produção é comercializada em redes de supermercado locais e estaduais, feiras de produtos orgânicos e cestas vendidas à domicilio. No segundo grupo encontram-se os produtores da agricultura familiar e pequenos e médios empresários rurais. A produção deste grupo é comercializada fundamentalmente em feiras de produtos orgânicos. Embora não existam dados oficiais específicos sobre o volume de produção de ovos orgânicos por este grupo, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário apresentados por Guilhoto et al. (2007), a criação de aves está entre as atividades de maior crescimento no setor produtivo familiar. Como no Brasil 83% dos estabelecimentos produtores de orgânicos estão nas mãos da agricultura familiar (IBGE, 2006), a avicultura de postura apresenta-se como uma importante atividade para a promoção de inserção social e segurança alimentar. MANEJO ZOOTÉCNICO Existe uma grande variabilidade em termos de infraestrutura de granjas e manejos zootécnicos nos dois grupos. No grupo 1, No grupo 1, temos empresas como a Fazenda da Toca, Itirapina/SP, 2012 com 20 mil aves certificadas alojadas em 4 galpões com ventiladores e nebulizadores, com 5 mil aves cada com, com acesso à área externa durante o dia. No grupo 2 existem criações que os animais ficam soltos no pasto, recebendo a ração sob galpões abertos (fotos 2 e 3). Mesmo entre as empresas do grupo 1, existem diferenças entre as opções de manejo de pastagens: piquetes rotacionados (foto ) ou piquete único (foto ).

À despeito dessas diferenças, todos os produtores misturam a ração em suas propriedades, produzindo parte do milho utilizado e adquirindo parte de milho, soja e suplementos minerais. Como em todas as propriedades existem atividades de horti e fruticultura, as aves recebem, além da ração, folhas de verduras e frutas. Além de serem fontes naturais de vitaminas e minerais, o ato de bicar essas frutas e verduras contribui para o bem-estar das aves, pois diminui o risco de bicagem de penas e canibalismo. Fazenda da Toca 20.000 poedeiras Bom resultado com milho orgânico germinado: 20 gramas/ave, durante quatro semanas, levou a produção de 94% de postura ( setembro 2013).

MANEJO SANITÁRIO Em termos sanitários os produtores dos dois grupos relatam problemas com verminose, coccidiose e infestações por piolho, utilizando-se de homeopatia e fitoterapia para o controle destas infestações. (Quadro 1). Doença Verminose

Cocidiose Piolho

Tratamento Fitoterápicos: Allium sativum, Musa paradisíaca, Chenopodium ambrosioides e Mormodica charantia Produtos homeopáticos e fitoterápicos Homeopatia e fitoterapia Fitoterápicos: Cymbopogon winterianus e Azadirachta indica

Manejo preventivo Rotação de pastagem

Vacinação Limpeza sistemática de instalações e ninhos e aplicação de sílica nos locais de permanência das aves

As enfermidades virais, em sua maioria podem ser prevenidas através de vacinação (Marek, Bouba, New Castle, Bronquite, Gumboro, coriza e EDS), assim como a Samonela. Os tratamentos, quando se fazem necessários são feitos com fitoterápicos, homeopatia e própolis.

GARGALOS DO PROCESSO PRODUTIVO Os produtores são unânimes ao relatarem como dificuldades de produção a limitação ao uso de metionina sintética na nutrição das aves, o alto custo de milho e soja orgânicos e a escassez de técnicos especializados em produção orgânica. BIBLIOGRAFIA

Esquerda, em Jáguariúna – 10 mil aves, em grupos de 80 aves Direita, em Feliz – 12 mil aves, em 3 galpões com área de pastejo, não rotacionada.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

BUAINAIN, A. M.; BATALHA, M. O. (Coord.). Cadeia produtiva de produtos orgânicos. Brasília : IICA; MAPA/SPA, 2007.108 p. (Agronegócios; v. 5). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo agropecuário. Rio de Janeiro, 2006. Sem paginação. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagr o/2006/agropecuario.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2010. UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA – UBA. Relatório anual 2013. . Disponível em:<http://www.ubabef.com.br/files/publicacoes/732e67e684103de4a2117d da9ddd280a.pdf>. Acesso em: 2 de janeiro de 2014.

11


Aquicultura orgânica PRIMAR: 1ª Ostra orgânica certificada no mundo e 1º Camarão orgânico certificado no Brasil Angela Escosteguy, Membro da IFOAM Animal Husbandry Alliance, angela@ibembrasil.org Fundada em 1993, a empresa PRIMAR iniciou sua produção com o cultivo convencional de camarões nativos. Evoluiu ao longo de 10 anos para a prática do monocultivo intensivo do camarão do Pacífico, o Litopenaeus vannamei. Instalada no Estado do Rio Grande do Norte, no Nordeste do Brasil, a empresa PRIMAR possui cerca de 40 hectares de área de viveiros. Em 2002, a empresa iniciou a criação orgânica , de acordo com as diretrizes do IFOAM e em 2003, obteve a certificação orgânica. O Sistema Primar caracteriza-se pela adoção e promoção de práticas de manejo de baixo impacto ecológico, evidenciando a preocupação e o respeito ambiental e social por parte da empresa. Os cultivos são isentos de produtos químicos, agrotóxicos, transgênicos, antibióticos e hormônios. O cuidado em reproduzir nos viveiros um ambiente semelhante ao habitat natural reduz o stress do animal, proporciona seu crescimento de forma saudável, aumenta a sobrevivência e minimiza a ocorrência de doenças. Para o melhor aproveitamento dos diversos nichos ecológicos, os viveiros são povoados com espécies de diferentes requerimentos alimentares, buscando um equilíbrio e uma sinergia positivos entre os organismos. Camarões marinhos, ostras, siris e peixes crescem num mesmo ambiente, criando um ecossistema natural que aumenta e protege a biodiversidade. Os recursos naturais são conservados de maneira sustentável, de modo a reduzir o impacto ambiental no entorno e no interior da propriedade. A Primar efetua monitoramento constante da qualidade da água, garantindo a inocuidade microbiológica dos seus produtos.

A ostra orgânica é criada nos mesmos viveiros em que os camarões, em cultivo consorciado onde a produção beneficia as diferentes espécies pela via natural da cadeia alimentar. Para desenvolver, manter e expandir o sistema de produção a Primar conta com um conjunto de parceiros, tais como a Fundação Mokiti Okada, o Departamento de Oceanografia e Limnologia da UFRN, o Departamento de Pós-Graduação da Escola Superior de Agronomia de Mossoró, o Instituto Biodinâmico (IBD), a Norte Pesca S/A, a Conatura e a Eng&áqua Ltda. Essas instituições são importantes para a Primar, não somente por contribuírem com a melhor qualidade técnica do sistema de produção, mas também por exercerem um papel decisivo na legitimidade das atividades da empresa. FONTES 1. Baldi, Mariana, & Lopes, Fernando. (2008). Primar orgânica: inovação em tempos de crise. Cadernos EBAPE.BR, 6(3), 01-16. Retrieved January 05, 2014, from: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167939512008000300005&lng=en&tlng=pt. 10.1590/S167939512008000300005. 2. www.primarorganica.com.br, consulta em jan 2014.

Já o camarão orgânico é criado num sistema de baixo adensamento, onde eles podem nadar com liberdade, o que os deixa com uma carne de textura mais rígida. O fundo dos viveiros ganha uma cobertura biológica formada por algas e por micro crustáceos, que servem de alimento para a criação. Devido à alimentação natural, o seu sabor é bem diferente do camarão de cultivo convencional e muito próximo do gosto do camarão do mar.

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

12


EVENTOS NA AMÉRICA LATINA II ENCONTRO PANAMERICANO SOBRE MANEJO AGROECOLÓGICO DE PASTAGENS 07-09 ABRIL 2014 PELOTAS/RS/BRASIL

III ENCONTRO NACIONAL DE AGROECOLOGIA 26-30 MAIO 2014 JUAZEIRO/BAHIA/BRASIL

BIOFACH BRAZIL 5-8 JUN 2014 SÃO PAULO/SP/BRASIL

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PECUÁRIA ORGÂNICA/ 41º CONBRAVET 07-10 AGOSTO DE 2014 GRAMADO/ RS/BRASIL

CURSO PARA FORMACIÓN DE LÍDERES EN AGROECOLOGÍA Y PRODUCCIÓN ORGÁNICA PERU

CONFERENCIA DE LAS NACIONES UNIDAS SOBRE EL CAMBIO CLIMÁTICO DICIEMBRE LIMA/ PERU

NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014 13


NA EUROPA

O Congresso Orgânico Mundial da IFOAM (OWC) é a maior e mais importante reunião mundial sobre o tema e ocorre a cada três anos para discutir a estratégia e rumos da Agricultura Orgânica. A Associação Bugday de Apoio à Vida Ecológica está hospedando o 18º OWC, que ocorrerá de 13-15 de outubro de 2014 em Istambul, na Turquia. O congresso vai reunir pessoas de todo o mundo interessadas no tema: " Construindo Pontes Orgânicas” O OWC é uma oportunidade única para o mundo orgânico formar uma rede entre pessoas de todas as partes do mundo interessadas no assunto e, além disso aprender sobre as mais recentes tecnologias, técnicas de produção e marketing envolvendo produção orgânica. Também será uma grande oportunidade para profissionais e pesquisadores da área de produção animal orgânica se encontrarem e trocar experiências. Os participantes do Congresso terão acesso às Palestras magnas, Atividades Científicas, Atividades Práticas, oficinas, discussões e palestras inspiradoras de palestrantes de renome mundial, além de acesso à Exposição orgânica e ao jantar de abertura.

Para mais detalhes sobre o Congresso e inscrições: www.owc2014.org Email: owc2014@bugday.org

PRÉ- CONFERÊNCIA SOBRE A PECUÁRIA ORGÂNICA NO OWC 12 DE OUTUBRO 2014, ISTAMBUL A IAHA está organizando uma Pré- conferência que ocorrerá na tarde do dia 12 de outubro, antes do Congresso, onde será apresentada uma visão geral sobre o estágio atual da pecuária orgânica em diferentes partes do mundo. Na seqüência os debates terão foco na identificação das necessidades de pesquisas e demais demandas relacionados com produção animal orgânica. Mais informações em breve serão colocadas no site do Congresso.

CRÉDITOS A Newsletter da IFOAM Animal Husbandry Alliance (IAHA) é publicada pela Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Orgânica (IFOAM), Bonn/Alemanha e o Instituto de Pesquisas em Agricultura Orgânica (FiBL), Frick/ Suíça. Editora e fotos: Angela Escosteguy, Instituto do Bem-Estar (IBEM), Porto Alegre/ Brazil Jan/Fev/Mar 2014 - Newsletter No 2 – Edição América Latina e Caribe A Newsletter está disponível no website da IFOAM em duas versões : em português - espanhol e em inglês. Copyright © 2014 |FOAM, Todos direitos reservados. IAHA Newsletter, Edição No 2, Jan/Fev/Mar 2014, Edição América Latina e Caribe Endereço do Escritório da IFOAM: Charles-de-Gaulle-Strassee 5 53113 Bonn, ALEMANHA www.ifoam.org NEWSLETTER IAHA - Edição nº 2, América Latina, Jan/Fev/Mar/2014

1414

NEWSLETTER IAHA -IFOAM Animal Husbandry Alliance  

Ediçãonº 2 -América Latina e Caribe, Jan/Fev/Mar/2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you