Issuu on Google+

Boletim Paroquial Nº 259 - 23 Março 2014 Fradelos/Vilarinho das Cambas Responsabilidade: Pe. António Machado paroquia.fradelos@sapo.pt Tlm. 917293284; Telef. 252494184

4º Domingo da Quaresma - 30 Março 1ª Leit. 1 Sam 16, 1b. 6-7. 10-13a «Vou enviar-te a Jessé de Belém, pois escolhi um rei entre os seus filhos». Salmo Responsorial: 22 O Senhor é meu pastor: nada me faltará. 2ª Leit. Ef 5, 8-14 Outrora vós éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz. Evang. Jo 9, 1-41 Jesus disse-lhe: «Tu acreditas no Filho do homem?» Ele respondeu-Lhe: «Senhor, quem é Ele, para que eu acredite?»

Ungiu os olhos do cego.

UM POVO QUE PRODUZA FRUTOS As leituras deste Domingo propõem-nos o tema da “luz”. Definem a experiência cristã como “viver na luz”. No Evangelho, Jesus apresenta-se como “a luz do mundo”; a sua missão é libertar os homens das trevas do egoísmo, do orgulho e da auto-suficiência. Aderir à proposta de Jesus é enveredar por um caminho de liberdade e de realização que conduz à vida plena. Da acção de Jesus nasce, assim, o Homem Novo – isto é, o Homem elevado às suas máximas potencialidades pela comunicação do Espírito de Jesus. Na segunda leitura, Paulo propõe aos cristãos de Éfeso que recusem viver à margem de Deus (“trevas”) e que escolham a “luz”. Em concreto, Paulo explica que viver na “luz” é praticar as obras de Deus (a bondade, a justiça e a verdade). A primeira leitura não se refere directamente ao tema da “luz” (o tema central na liturgia deste Domingo). No entanto, conta a escolha de David para rei de Israel e a sua unção: é um óptimo pretexto para reflectirmos sobre a unção que recebemos no dia do nosso Baptismo e que nos constituiu testemunhas da “luz” de Deus no mundo.


calendÁrio das celebraÇÕes TER. 25, Anunciação do Senhor, 7h30 Rosário, 8h Eucaristia Ac. Gr. Beata Alexandrina e S. Bento Adelina Ferreira Lima e marido Antónia Ferreira da Cunha e marido Deolinda Pereira Azevedo Idalino Gonçalves Joaquim Azevedo Cruz e família Joaquim da Silva Campos, esposa e pais Manuel Azevedo Santos, 30º dia Manuel Santos Silva Maria Emília Gonçalves Silva e família Maria Rosa Moreira Dionísio e pais

Isac Amorim, esposa, pais e sogros Joaquim Gonçalves dos Santos e esposa Adelino Martins e esposa Adélio Reis

SÁB. 29, 18h15 Rosário, 19h Eucaristia Adelino Ferreira de Azevedo e família Albertina Augusta Pereira Campos Américo Ferreira da Silva António de Jesus Ferreira António Ferreira Campos Carlos Alberto Azevedo Silva e família Dialina Oliveira Barranhas e marido Familiares de Henrique Campos QUA. 26, 18h30 Rosário, 19h Eucaristia, Hilário Costa Ferreira e genro na capela da Sra. das Neves Laurentino António de Jesus e Guilhermina Camilo Xavier e filho Joaquim Luciana Moreira Silva Carneiro Elvira Araújo dos Santos, marido e filha Maria das Dores Araújo Campos, Maria Gracinda Pereira da Silva e marido Urânia e marido Joaquim da Silva Ferreira, pais e cunhados Sogros e cunhado de Adelina Azevedo Joaquina Marques da Silva Manuel da Costa Ferreira e filha Joaquina DOM. 30, 8h Eucaristia Adelina Araújo dos Santos e marido Manuel Silva Carneiro e família Alcino Costa Azevedo e sogros Manuel Silva Figueiredo e Fátima Sá Ana Ferreira de Sousa Mário Padrão António Costa Cruz e esposa QUI. 27, 18h30 Rosário, 19h Eucaristia Deolinda Gonçalves Sá e marido António Cunha Joaquim Alves de Azevedo e família Jaselino Loureiro e nora Joaquim Pereira da Silva Xavier Joaquim Domingues Azevedo Costa Laurindo Oliveira Dias e cunhado Joaquina Alves dos Santos e marido Leopoldina Ribeiro Silva e marido Manuel Ferreira Campos e esposa Maria José da Costa Machada Maria de Fátima Santos Furtado Mário Antunes Azevedo Maria Reis Costa Paulo Veloso Oliveira e primo António SEX. 28, 18h30 Via-Sacra, 19h Eucaristia Rosalina do Hilário Albina Ferreira Peniche e marido 9h Rosário Carmina da Silva Oliveira e marido Deolinda Azevedo Ferreira 11h Eucaristia

Sugestão da semana A confraria das Santas Chagas de Sto. Adrião promove sessão de cinema. No próximo sábado, dia 22 de Março, às 21h30 no Auditório da Fundação Cupertino de Miranda, em V. N. Famalicão, será transmitido o filme “A Aldeia de Cartão”, enquadrado no ciclo de cinema: “Entre a Fé e a Dúvida… em que acreditamos?”. Trata-se de uma iniciativa promovida pela Confraria das Santas Chagas de Santo Adrião, conforme previsto no seu programa para esta Quaresma, com o apoio da Fundação Cupertino de Miranda e em colaboração com o Cineclube de Joane. A não perder!


agenda Atendimento / cartório - Sexta-feira: 10h-11h30. Confissões - Segunda-feira, em Ribeirão, 17h-20h. Terça-feira, em Ribeirão, 9h30-12h e 17h-20h. Via-Sacra - Aos Domingos, às 15h, teremos a dinamização pelos vários grupos da paróquia. Neste Domingo, será junto à Capela de S. Bento; no dia 30, será junto da Capela do Espírito Santo; no dia 6 de Abril, será no lugar do Sapugal, perto do Restaurante Azevedo; no dia 13 de Abril, regressaremos à Igreja Paroquial. Todos estão convidados a participar! Reunião de preparação da Visita Pascal - Na Quarta-feira, às 21h, com a participação dos Juízes das Cruzes e também de todas as pessoas dos Movimentos e Grupos Paroquiais que se disponibilizam para este trabalho pastoral. Desde já agradecemos a ajuda e disponibilidade de todos! Reunião de Catequistas - Quinta-feira, às 21h. Encontro de recolecção de catequistas - Sexta-feira, 14 de Março, a Equipa Arciprestal de Catequese de V. N. de Famalicão promoveu um encontro de Recolecção destinado a todos os catequistas do Arciprestado, subordinado ao tema “Sacia-te na fonte da Alegria” e procurando enfatizar a importância da Liturgia na Igreja e enquanto celebração da Fé. Esta iniciativa, realizada no Seminário dos Missionários Combonianos, em Antas, a partir das 21h15, reuniu mais de sessenta catequistas, provenientes de inúmeras paróquias do Arciprestado, que, assim, em plena Quaresma, quiseram viver um momento privilegiado de celebração, manifestação e fortalecimento da sua Fé. Pena a maioria dos catequistas das nossas paróquias não ter participado... Caminhada Quaresmal - Para o 7º Ano de Catequese, Sábado, às 15h. Para os 4º, 5º e 6º anos, será no Domingo, às 9h. Passeio - 6 de Abril, à Serra da Estrela. O preço por pessoa é 25 €, com almoço incluído. Contactar 966 553 839. Passeio/peregrinação aos Picos da Europa (Astúrias) - Vai realizar-se em 24 e 25 de Maio. Será uma experiência de fé e convívio que vai valer a pena! Não deixemos as inscrições para o fim. Podemos adquirir o programa da viagem junto e ficha de inscrição do pároco ou também no Cartório Paroquial. Jantar convívio - Por ocasião do aniversário do Pe. Machado, no dia 8 de Abril, às 20h, no Salão Paroquial de Fradelos. Este jantar, organizado por um grupo de paroquianos, tem um custo de 6 euros por pessoa; cada família deverá trazer uma sobremesa para partilhar com os outros convivas. As inscrições decorrerão junto do Salão Paroquial de Fradelos até ao dia 2 de Abril, sendo o pagamento no acto de inscrição. As inscrições são limitadas! Apoio financeiro na Agricultura - Vai realizar-se uma sessão de esclarecimento sobre as oportunidades de financiamento para a agricultura no dia 26, às 14h30, na Biblioteca Camilo Castelo Branco, em Famalicão. A participação é gratuita. Para mais esclarecimentos, contactar a Junta de Freguesia ou a Câmara Municipal.


Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma Queridos irmãos e irmãs! Por ocasião da Quaresma, ofereço-vos algumas reflexões com a esperança de que possam servir para o caminho pessoal e comunitário de conversão. Como motivo inspirador tomei a seguinte frase de São Paulo: «Conheceis bem a bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, Se fez pobre por vós, para vos enriquecer com a sua pobreza» (2 Cor 8, 9). O Apóstolo escreve aos cristãos de Corinto encorajando-os a serem generosos na ajuda aos fiéis de Jerusalém que passam necessidade. A nós, cristãos de hoje, que nos dizem estas palavras de São Paulo? Que nos diz, hoje, a nós, o convite à pobreza, a uma vida pobre em sentido evangélico? A graça de Cristo - Tais palavras dizem-nos, antes de mais nada, qual é o estilo de Deus. Deus não Se revela através dos meios do poder e da riqueza do mundo, mas com os da fragilidade e da pobreza: «sendo rico, fez-Se pobre por vós». Cristo, o Filho eterno de Deus, igual ao Pai em poder e glória, fez-Se pobre; desceu ao nosso meio, aproximou-Se de cada um de nós; despojou-Se, «esvaziou-Se», para Se tornar em tudo semelhante a nós (cf. Fil 2, 7; Heb 4, 15). A encarnação de Deus é um grande mistério. Mas, a razão de tudo isso é o amor divino: um amor que é graça, generosidade, desejo de proximidade, não hesitando em doar-Se e sacrificar-Se pelas suas amadas criaturas. A caridade, o amor é partilhar, em tudo, a sorte do amado. O amor torna semelhante, cria igualdade, abate os muros e as distâncias. Foi o que Deus fez connosco. Na realidade, Jesus «trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana, amou com um coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-Se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, excepto no pecado» (Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. Gaudium et spes, 22). A finalidade de Jesus Se fazer pobre não foi a pobreza em si mesma, mas – como diz São Paulo – «para vos enriquecer com a sua pobreza». Não se trata dum jogo de palavras, duma frase sensacional. Pelo contrário, é uma síntese da lógica de Deus: a lógica do amor, a lógica da Encarnação e da Cruz. Deus não fez cair do alto a salvação sobre nós, como a esmola de quem dá parte do próprio supérfluo com piedade filantrópica. Não é assim o amor de Cristo! Quando Jesus desce às águas do Jordão e pede a João Baptista para O baptizar, não o faz porque tem necessidade de penitência, de conversão; mas fá-lo para Se colocar no meio do povo necessitado de perdão, no meio de nós pecadores, e carregar sobre Si o peso dos nossos pecados. Este foi o caminho que Ele escolheu para nos consolar, salvar, libertar da nossa miséria. Faz impressão ouvir o Apóstolo dizer que fomos libertados, não por meio da riqueza de Cristo, mas por meio da sua pobreza. E todavia São Paulo conhece bem a «insondável riqueza de Cristo» (Ef 3, 8), «herdeiro de todas as coisas» (Heb 1, 2). Em que consiste então esta pobreza com a qual Jesus nos liberta e torna ricos? É precisamente o seu modo de nos amar, o seu aproximar-Se de nós como fez o Bom Samaritano com o homem abandonado meio morto na berma da estrada (cf. Lc 10, 25-37). Aquilo que nos dá verdadeira liberdade, verdadeira salvação e verdadeira felicidade é o seu amor de compaixão, de ternura e de partilha. A pobreza de Cristo, que nos enriquece, é Ele fazer-Se carne, tomar sobre Si as nossas fraquezas, os nossos pecados, comunicando-nos a misericórdia infinita de Deus. A pobreza de Cristo é a maior riqueza: Jesus é rico de confiança ilimitada em Deus Pai, confiando-Se a Ele em todo o momento, procurando sempre e apenas a sua vontade e a sua glória. É rico como o é uma criança que se sente amada e ama os seus pais, não duvidando um momento sequer do seu amor e da sua ternura. A riqueza de Jesus é Ele ser o Filho: a sua relação única com o Pai é a prerrogativa soberana deste Messias pobre. Quando Jesus nos convida a tomar sobre nós o seu «jugo suave» (cf. Mt 11, 30), convida-nos a enriquecer-nos com esta sua «rica pobreza» e «pobre riqueza», a partilhar com Ele o seu Espírito filial e fraterno, a tornar-nos filhos no Filho, irmãos no Irmão Primogénito (cf. Rm 8, 29). Foi dito que a única verdadeira tristeza é não ser santos (Léon Bloy); poder-se-ia dizer também que só há uma verdadeira miséria: é não viver como filhos de Deus e irmãos de Cristo.


Boletim nº 259