Issuu on Google+

Boletim Paroquial Nº 234 - 29 Setembro 2013 Fradelos/Vilarinho das Cambas Responsabilidade: Pe. António Machado paroquia.fradelos@sapo.pt Tlm. 917293284; Telef. 252494184

27º Domingo Comum - 06 Outubro 1ª Leit. Hab 1, 2-3; 2, 2-4 «Até quando clamarei contra a violência e não me enviais a salvação?» Salmo Responsorial: 94 Se hoje ouvirdes a voz do Senhor, não fecheis os vossos corações. 2ª Leit. 2 Tim 1, 6-8. 13-14 Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de caridade e moderação. Não te envergonhes de dar testemunho de Nosso Senhor. Evang. Lc 17, 5-10 Assim também vós, quando tiverdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: ‘Somos inúteis servos: fizemos o que devíamos fazer’.

Aumenta a nossa fé.

UM POVO QUE PRODUZA FRUTOS Na Palavra de Deus que hoje nos é proposta, cruzam-se vários temas (a fé, a salvação, a radicalidade do “caminho do Reino”, etc.); mas sobressai a reflexão sobre a atitude correcta que o homem deve assumir face a Deus. As leituras convidam-nos a reconhecer, com humildade, a nossa pequenez e finitude, a comprometer-nos com o “Reino” sem cálculos nem exigências, a acolher com gratidão os dons de Deus e a entregar-nos confiantes nas suas mãos. Na primeira leitura, o profeta Habacuc interpela Deus, convoca-o para intervir no mundo e para pôr fim à violência, à injustiça, ao pecado… Deus, em resposta, confirma a sua intenção de actuar no mundo, no sentido de destruir a morte e a opressão; mas dá a entender que só o fará quando for o momento oportuno, de acordo com o seu projecto. O Evangelho convida os discípulos a aderir, com coragem e radicalidade, a esse projecto de vida que, em Jesus, Deus veio oferecer ao homem… A essa adesão chama-se “fé”; e dela depende a instauração do “Reino” no mundo. Os discípulos, comprometidos com a construção do “Reino” devem, no entanto, ter consciência de que não agem por si próprios; eles são, apenas, instrumentos através dos quais Deus realiza a salvação. Resta-lhes cumprir o seu papel com humildade e gratuidade.


calendÁrio das celebraÇÕes SÁB. 5, 18h Eucaristia Adriano Sousa Moreira Agostinho Dias dos Santos e família António Ferreira Araújo e sogros Avôs de Cristina Flores Isaltina Azevedo Maia Joaquim Gonçalves dos Santos e esposa Joaquim Pereira da Silva Xavier QUA. 2, Santos Anjos da Guarda, José de Sá e família 18h30 Rosário, 19h Eucaristia, na Luciano Rodrigues de Carvalho e capela do Espírito Santo esposa Duarte Gonçalves Cirne e família Maria da Silva Ferreira e família Manuel Costa Azevedo Maria Fátima Silva e Sá, filho e irmãs Maria Ferreira de Almeida e neto Maria Oliveira Rocha e marido Maria Lopes Moreira, marido e filho Mário Martins Dias Maria Urânia Ferreira dos Santos e Pais e sogra de Olindina Carvalho marido QUI. 3, 18h30 Rosário, 19h Eucaristia Padrinhos e tios de Conceição Silva Alberto Ferreira da Costa, 30º dia Virgílio dos Santos Martins, irmão e Deolinda Aurora Carneiro e sobrinho sobrinhos Fernando 21h Rosário - Festa de N. Senhora Felícia Ferreira Carvalho e família DOM. 6, 9h Rosário José Ferreira da Silva e família 11h Eucaristia Nelson Neves dos Santos e pais Américo Ferreira da Silva SEX. 4, S. Francisco de Assis, 18h Adoração Eucarística e Sacramento Ester da Silva Costa, marido e neto da Reconciliação Joaquim José Gomes Carneiro e mãe Lucília de Azevedo Costa 19h Eucaristia Maria Alice Ferreira de Almeida e Ac. Gr. Sra. da Boa Viagem Angelina Gomes de Carvalho e marido família Delfim Pereira Araújo e esposa Maria de Fátima Santos Furtado Francisco Moreira de Figueiredo e filho Pais e sogro de José Carneiro Costa Laurindo Oliveira Dias Serafim Oliveira e Silva e Felicidade Maria Elisa Silva Correia e marido Fernandes Maciel Maria Ilda Pereira, pais e família Vivos e falecidos da Conf. SS. SacraMissa Penitencial Cursilhos de Cristanmento dade 16h Eucaristia, Sermão e Procissão Vivos e falecidos da Assoc. Sagrado Festa de N. Senhora do Rosário Coração de Jesus TER. 1, S. Teresa do Menino Jesus, 18h30 Rosário, 19h Eucaristia Cândida Santos Cruz e marido Deolinda Augusta Azevedo Francisco da Silva Pereira, pais e sogro José Gomes Ferreira e esposa Maria Adelina Assunção Carvalho e marido


agenda Atendimento / cartório - Terça-feira: 16h-17h. Sexta-feira: 9h30-11h. Confissões - Quinta-feira, em Esmeriz: 9h-12h. Reunião de Catequistas - Quinta-feira, às 21h. Reunião Movimento Mensagem de Fátima - Sábado, dia 5, às 15h. Reunião LIAM - Sábado, dia 5, às 17h. Distribuição de roupa usada - Organizada pela Conferência Vicentina, no Sábado, dia 5, a partir das 13h30, no Salão Paroquial, para todos os que precisarem. Início do novo ano de Catequese - No Sábado, dia 5. 17h: Acolhimento no Salão Paroquial para todos os grupos (do 1º ao 10º ano), catequistas e pais. 18h: Eucaristia com compromisso apostólico dos catequistas e envio dos grupos. Nota: Hoje a Eucaristia será excepcionalmente mais cedo para facilitar presença de todos. Nesta Eucaristia estarão presentes as Equipes de Nossa Senhora da nossa Zona, para receberem a Imagem de Maria. Bem-Vindos! Festa de Nossa Senhora do Rosário - No Sábado, dia 5, teremos a oração do Rosário às 21h. No Domingo, dia 6, teremos a Eucaristia da festa às 16h, com Sermão e seguida de Procissão. Por causa desta festa, não há Eucaristia às 8h. Uma proposta espiritual: Adoração Mensal e Sacramento da Reconciliação De Outubro a Junho, teremos na primeira Sexta-feira de cada um destes meses um tempo de oração com a exposição do Santíssimo Sacramento e onde também podemos contar com a disponibilidade de um ou dois sacerdotes para celebrarmos o Sacramento da Reconciliação. Assim, este tempo de oração e de reconciliação terá início às 18h e terminará às 18h50. Às 19h haverá a celebração da Eucaristia. Neste dia, deixará de haver a Adoração que era habitual no fim da Eucaristia. Continuará a haver Adoração e Vésperas nas outras Sextas-feiras do mês. Também deixará de haver a Adoração mensal dos Domingos. Este tempo mensal de oração será sempre feito em silêncio e com a ajuda de textos que encontraremos nos bancos da igreja. As datas para esta oração mensal serão: 4 de Outubro, 1 de Novembro, 6 de Dezembro, 3 de Janeiro, 7 de Fevereiro, 7 de Março, 4 de Abril, 2 de Maio, 6 de Junho. O Plano Pastoral Diocesano também propõe iniciativas de oração comunitária. Saibamos aproveitar com generosidade esta proposta mensal de oração! Encontrou-se - Óculos, na parte de baixo da Igreja. Falar com o sacristão.

sugestÃo da semana Filme: “A Gaiola Dourada” – uma comédia «à la portugaise» Num dos melhores bairros de Paris, Maria e José Ribeiro vivem há cerca de 30 anos. Este casal de imigrantes portugueses é querido por todos no bairro. Com o passar do tempo, este casal tornou-se indispensável no dia-a-dia dos que com ele convivem. São tão apreciados e estão tão bem integrados que, no dia em que surge a possibilidade de concretizarem o sonho das suas vidas, regressar a Portugal em excelentes condições, ninguém quer deixar partir os Ribeiro, tão dedicados e tão discretos. Até onde serão capazes de ir a sua família, os seus vizinhos e os patrões para não os deixarem partir?


As riquezas da Igreja Com um valioso património histórico e artístico, muitos são os que questionam a “riqueza” dos bens da Igreja, os templos grandiosos, as alfaias preciosas. Evocando a pobreza de Jesus, ou os gestos despojados de figuras históricas, advogam a renúncia desses bens. Baluarte na missão para que está vocacionada, na caridade e na solidariedade, compete à Igreja potenciar pastoralmente esse legado, protegê-lo e estimá-lo. Do mesmo modo, não seria concebível que, invocando a miséria no mundo, se vendessem as obras de arte dos grandes museus ou aniquilasse o património dos Estados. Bens que são, em muitos casos, património classificado e da humanidade, resultam de doações feitas ao longo dos tempos, por cristãos e comunidades de fiéis. Constituem, portanto, uma herança legítima, que a Igreja perpetua, como qualquer instituição, para servir os seus fins: o culto, a evangelização e o serviço da comunidade. Património inalienável, aceites os imperativos legais, duvida-se também da necessidade de o administrar. Podiam utilizar alfaias mais simples. E de facto, exceptuando os casos de flagrante mau gosto, procuram-se ainda hoje obras de arte de qualidade, capazes de cumprir com dignidade a sua missão e traduzir a grandeza da fé. Já sem a ostentação de outros tempos, mas não descurando a beleza como meio de potenciar a sua função, não se cultiva, evidentemente, a ideia do bem precioso para mera fruição estética. As do passado, aquelas que herdámos, as que preenchem as nossas igrejas, reflectindo os gostos e as circunstâncias históricas de cada tempo, constituem o melhor testemunho da fé das comunidades que as materializaram, assumindo, por isso, um valor insubstituível para os cristãos.

Recursos pedagógicos são insuficientes sem mudança pessoal O Secretário do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização afirmou que para uma catequese eficaz não está em causa “novos recursos pedagógicos” mas uma mudança “duradoira e profunda de coração”. “Não são apenas as mudanças de catecismos ou a criação de novos recursos pedagógicos” mas a mudança mais duradoira e profunda que passa “por mudar o coração de todos de modo a que tenhamos um coração aberto a Deus”, afirmou o arcebispo Octavio Arenas esta quinta-feira, aos participantes do Congresso Internacional da Catequese (CIC) que decorre em Roma. A catequese é um dos momentos “mais importantes da vida cristã” e os catequistas “são a força de toda e qualquer comunidade cristã”, no entanto, lembrou o responsável, “a evangelização nunca é um acto isolado”, não dependendo apenas dos catequistas mas “de todo a comunidade cristã a começar pelo bispo de cada diocese”. D. Octavio Arenas pediu “centros de nova evangelização para que os leigos possam falar de Cristo de maneira profunda e coerente”. O CIC junta em Roma 1600 catequistas, provenientes de cinco continentes, numa peregrinação por ocasião do Ano da Fé. Portugal está representado com 32 pessoas provenientes de todas as dioceses.


Boletim nº 234