Page 1

CRESCER EM CONJUNTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ARTUR GONÇALVES TORRES NOVAS DEZEMBRO 2014


Escola Secundária Artur Gonçalves A melhor escola secundária pública do distrito de Santarém

PARABÉNS aos alunos e professores!

Jornal “Correio da manhã” 29 de novembro de 2014

Agrupamento Artur Gonçalves em 15.º no ranking nacional de escolas públicas

2


EDITORIAL

ÍNDICE

UMA ESCOLA... MAIS PARTICIPATIVA, MAIS ABERTA, MAIS EXIGENTE, MAIS CRIATIVA, MAIS NOSSA!

Estas foram as palavras-chave utilizadas na abertura de mais um ano letivo. Na escola aconteceu...

4

Desafios de um mega agrup. 5

Mais do que meras palavras, elas encerram em si um conjunto de princípios que norteiam a atuação da Direção do Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves. Diálogo na procura da melhor solução para os problemas que no quotidiano

Dia do Diploma

6

Bibliotecas Escolares

8

normativo que, inevitavelmente, condiciona a atuação de cada um, mas

Dia Mundial da Filosofia

16

igualmente na defesa dos princípios que julgamos serem os mais corretos e justos,

P. Ed. para Saúde

18

Dept. Ed. Especial

22

Artigos Soltos

24

parceiros. Desejamos, acima de tudo, manter toda a comunidade escolar

Oficina de Teatro

25

informada do que acontece neste Agrupamento que não é de ninguém, mas é de

A palavra é Tua

26

A Leitura Acontece

32

Gonçalves é “Crescer em conjunto”, traduzindo a ideia de que o jovem

Memória do Baú

33

Agrupamento de escolas deve constituir-se como um espaço comum de

A Poesia Acontece

34

Sabias Que...

37

acontecimentos e atividades sejam eles da iniciativa dos professores, dos alunos

A História da Nossa Escola

39

ou do corpo não docente. É nossa prioridade envolver todos no desenvolvimento

Na Escola Acontecerá...

40

Quadro de honra e mérito

41

se nos deparam, rigor na defesa intransigente não só de todo um quadro

e finalmente, transparência nas decisões e procedimentos. Com a Revista que acaba de nascer, a Direção pretende abrir a Escola à Comunidade Educativa: docentes, alunos, corpo não docente, pais, famílias, e

todos. O princípio orientador da organização e gestão do Agrupamento Artur

crescimento e desenvolvimento, onde a articulação entre ciclos de ensino se torna fundamental para a construção de uma escola de qualidade. Queremos divulgar

de uma escola que projete uma imagem com a qual todos se identifiquem e com a qualidade que se impõe na formação de jovens e profissionais, prestando assim um contributo válido para a sociedade. Gostariamos que esta revista trimestral, "Crescer em Conjunto" possa contribuir de forma significativa para a consecução dos objetivos do projeto educativo: promover a imagem do Agrupamento e o envolvimento de toda a comunidade educativa na implementação de uma cultura de participação e responsabilidade; organizar e apoiar atividades suscetíveis de melhorar as relações interpessoais; divulgar informações úteis sobre a vida do agrupamento; celebrar protocolos com instituições para partilhar recursos; convidar ex-alunos para participarem em atividades dinamizadas pelo agrupamento; incentivar a

FICHA TÉCNICA 1º Edição Dezembro 2014 Revista do Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves T.N Coordenação: Teresa Maria Mota Gonçalves Grafismo: Teresa Maria Mota Gonçalves Propriedade: Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves T.N Composição & Impressão: Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves T.N

criação de projetos inovadores, que promovam o espírito de equipa e envolvam toda a comunidade educativa; desenvolver ações de promoção e de valorização da Escola junto dos alunos, pais e encarregados de educação; fomentar projetos que contemplem a participação dos pais, encarregados de educação em regime de voluntariado e restante comunidade. A revista, que pretendemos de periodicidade trimestral, espera, a partir de hoje, sugestões e contributos que lhe permitam melhorar e adquirir um lugar de relevo na vida da nossa comunidade educativa. A Direção da ESAG e os seus colaboradores são responsáveis por este projeto e estarão de portas abertas para receber todas as sugestões e críticas que com certeza serão construtivas e enriquecedoras.

Professora Teresa Maria Mota Gonçalves 3


Na Escola Aconteceu

Disciplinas

Escola

Nacional

Português

13.07

11.6

Matemática

11.34

9.2

Biologia Geologia

11.86

11

Física e Química A

10.22

9.2

Economia A

10.8

10.4

Geografia A

11.8

10.9

Projeto Educativo Um projeto constitui-se como um planeamento do trabalho que temos a intenção de realizar com vista à prossecução de determinados objetivos. Pressupõe, por isso, projetarmo-nos no tempo e perspetivar o futuro. O projeto educativo, obedecendo aos mesmos princípios, constrói-se com base num determinado contexto no qual se identificam potencialidades de ação que visam a melhoria do sucesso escolar, defenindo-se caminhos e etapas de concretização para cada interveniente no processo. Para o quadriénio 2014-18, o projeto educativo do Agrupamento Artur Gonçalves atribui a todos os agentes educativos a missão de ”proporcionar um serviço educativo a todos os alunos, que permita o desenvolvimento pleno das suas capacidades”. Explorar os limites de cada aluno é criar oportunidades para reduzir esses mesmos limites e, desse modo, ampliar as suas potencialidades. Nesta missão somos todos sujeitos ativos: professores, alunos, pessoal não docente, pais e encarregados de educação. Não nos falte responsabilidade, empenho, determinação e vontades colaborativas para crescermos e, assim, participarmos na construção de um futuro melhor para cada criança/jovem. “Crescer em conjunto” afirma-se como mote que congrega todos os esforços (organizacionais, de gestão, de ensino, de aprendizagem e de cidadania) para a melhoria da qualidade do ensino e do sucesso educativo no nosso agrupamento.

Professora Fernanda Marques

4


“Os desafios de um Mega Agrupamento”

Este curso de formação teve por objetivo promover o desenvolvimento de projetos, em articulação com o projeto educativo do mega agrupamento e que se prendem com três vertentes, sendo elas a articulação, a supervisão e a diferenciação, tal como foi explicado pelo diretor do Agrupamento, professor Acácio Neto. Este seminário pretendeu ainda melhorar a articulação entre as diferentes estruturas educativas do Agrupamento e criar canais de comunicação “Os desafios de um Mega eficazes, promovendo a eficácia Agrupamento” é o tema que na articulação entre as estruturas serviu de reflexão a três dias de educativa e a projeção de uma trabalho, correspondentes a 25 imagem de qualidade do horas de formação que o Agrupamento para a Agrupamento Artur Gonçalves comunidade educativa. propôs aos seus mais de 200 Também quis desenvolver as professores. Nos dois primeiros práticas de supervisão e dias, o Centro de Conferências diferenciação capazes de da Nersant encheu para ouvir promover melhorias significativas falar de desafios e metas a que ao nível do ensino e da este Agrupamento se quer aprendizagem, bem como dos propor. No dia 10 de setembro o serviços prestados, e por último, dia foi dedicado à realização de promover a criação de projetos vários workshops. Hoje dia 12, integradores no Agrupamento prosseguem os trabalhos e no dia capazes de mobilizar de forma 17 será feito o balanço e significativa a comunidade avaliação dos trabalhos, escolar, em torno dos objetivos analisando os seus pontos fracos do projeto educativo. e as suas potencialidades.

No decorrer da sessão de abertura deste seminário, no dia 8 de setembro, o professor Acácio Neto afirmou ainda que esta foi uma forma diferente de iniciar o ano letivo. “Não se pretendeu com esta ação de formação o acréscimo de trabalho. Foi antes fazer a articulação do trabalho que afinal já é habitual ser feito, mas no interior da escola. José António Tomé, diretor do Centro de Formação A23, parceiro do Agrupamento Artur Gonçalves afirmou a importância deste seminário, indo assim ao encontro da reflexão em torno dos desafios do agrupamento. “Nesta junção dos dois agrupamentos há que acolher aquilo que cada um tem de melhor, no sentido de melhorar a qualidade da educação”, afirmou. Célia Ramos Jornal “O Almonda”

5


Dia do Diploma - Turmas Finalistas Cientifico Humanistico de Ciências e Tecnologias 12º A , B , C , D Curso Profissional de Técnico de Receção 12º E Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 12º F

66


Dia do Diploma

7


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves O Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves integrará, a partir do presente ano letivo, o grupo de escolas “A LER+”, projeto de promoção da Leitura, no âmbito do Plano Nacional de Leitura, em parceria com a Rede de Bibliotecas Escolares. A candidatura ao referido projeto resultou do desejo de uma equipa que pretende colocar a leitura e o prazer de ler no centro do Projeto Educativo do Agrupamento, correspondendo, deste modo, aos desafios lançados pelo seu Diretor, na abertura do ano escolar, que apontavam para uma escola de excelência, centrada nos seguintes objetivos estratégicos: articular, diferenciar, maximizar e supervisionar. De facto, este grupo de docentes, em sintonia com o PNL, entende a centralidade da Leitura no trabalho desenvolvido como um meio para melhorar o sucesso educativo dos alunos e aumentar os níveis de literacia nas suas comunidades. Neste contexto, surgiu o projeto “Leitura Low Cost: de todos para todos” cujo objetivo primordial é a articulação entre as várias áreas curriculares, níveis de ensino e os diferentes atores educativos

(docentes, alunos, assistentes operacionais, família, comunidade, parceiros) através da Leitura. A Leitura surge, portanto, como elo de ligação, capaz de criar as condições para fomentar não só a articulação curricular, mas, também, o trabalho colaborativo entre todos os docentes e a aproximação da Escola à família e à comunidade. O nome que designa o nosso projeto aponta para a centralidade da Leitura, que pretende envolver toda a comunidade educativa (“de todos”) e chegar a cada um dos elementos dessa comunidade (“para todos”). Estamos certos de que este caminho através da Leitura está repleto de desafios aliciantes e que, com a colaboração de todos os que acreditam nesta missão, o Agrupamento crescerá. - A equipa da Biblioteca Escolar

“Leitura Low Cost: de todos para todos” No dia 7 de novembro, em Lisboa, o Diretor do Agrupamento Artur Gonçalves, Acácio Neto, com o projeto “Leitura Low Cost: de todos para todos”, participou na apresentação pública dos agrupamentos e escolas que foram integrados no projeto aLeR+ em 2014, tendo recebido da mão do Senhor Ministro da Educação e Ciência, do Comissário do Plano Nacional de Leitura e da Coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares, o respetivo certificado. A sessão teve lugar no V Encontro de Escolas aLeR+, que decorreu no Auditório da Torre do Tombo ao longo de todo o dia e contou com a presença de várias entidades oficiais e conferencistas. Os presentes assistiram ainda a uma partilha de boas práticas de Escolas aLeR+ que

integraram o projeto do Plano Nacional de Leitura na sua primeira fase de implementação. Foi uma cerimónia pública que assinalou, oficialmente, o início do trabalho dos responsáveis pelo projeto “Leitura Low Cost: de todos para todos” e dos diferentes atores educativos envolvidos, que congregará todo o agrupamento numa cultura integral de leitura.

8


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves Aprender e Ensinar com a Biblioteca Escolar O programa IDEIAS COM MÉRITO da Rede de Bibliotecas Escolares distinguiu o projeto "Ensinar e aprender com a Biblioteca Escolar" do Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves, por ter sido considerado um projeto que demonstra um trabalho consistente na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento das literacias e do gosto de ler. O projeto “Aprender e Ensinar com a Biblioteca Escolar” tem duas vertentes: -Vertente Aprender com a Biblioteca Escolar • Disponibilização de ebooks, para leitura digital, em todas as escolas do Agrupamento, com pistas de leitura. • Implementação do “Ginásio de Leituras”: treino individualizado das competências leitoras.

Projetos das Bibliotecas Escolares Uma das atividades programada no projeto "Ensinar e Aprender com as Bibliotecas Escolares" é a realização de sessões de Educação Literária. Os alunos dos 1º, 2º, 3º, 5º e 6º anos iniciaram o estudo de várias obras na biblioteca. Trabalharam com empenho, rigor e concentração! O projeto "Já sei ler" do Plano Nacional de Leitura já está em andamento no Agrupamento. Os alunos do 1º A e do 1º B já tem novos amigos … os livros. Boas leituras! O resultado foi, uma vez mais, excelente! Parabéns aos alunos e professoras!!

-Vertente Ensinar com a Biblioteca Escolar • Apoio na implementação das metas curriculares. • Criação de guiões de trabalho, no âmbito da Educação Literária, por obra selecionada e por ano. • Sessões de esclarecimento sobre a utilização dos tablets e software de leitura. • Oficina de formação para professores. O projeto já está em andamento nas escolas do Agrupamento, tendo sido dinamizadas sessões para os alunos do 1º e 2º ciclos. Para além da utilização dos recursos das bibliotecas escolares (livros, enciclopédias, tablets), foram criados trabalhos que serão depois divulgados, junto da comunidade educativa. Salienta-se o interesse dos alunos, assim como a qualidade dos trabalhos realizados, bem como o empenho dos docentes envolvidos.

9


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves

Oficinas de formação para o 5º ano Oficinas de formação para o 5º ano: "Como elaborar um relatório", em articulação com a disciplina de Ciências da Natureza, e "Como escrever um conto", em articulação com Matemática, Português e Oferta Complementar.

Leitura Low Cost Leitura Low Cost é um projeto aLer+, do Plano Nacional de Leitura. Os professores do Departamento de Português já iniciaram a implementação do projeto e terminaram com … uma leitura partilhada.

10


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves Mês Internacional da Bibliotecas Escolares Agregar, organizar, planificar... estas são as características de um mapa de ideias e este foi o mote para o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares. Foi em torno destas ideias que se desenvolveram as atividades no Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves e que se integraram projetos, com a colaboração de professores, alunos, auxiliares operacionais, pais e convidados. Livros mágicos, reflexão em torno do poder da palavra e entrega de certificados e prémios ao Leitor do Mês, melhor carta do concurso “Escreve uma carta” e melhor mapa de ideias em torno da Biblioteca foram o apetitivo para a sessão “Os fantásticos livros”. Os participantes do BiblioTabletPaper, atividade que decorreu ao longo do mês de outubro, também não foram esquecidos e foi feita a entrega de certificados aos grupos vencedores de todas as turmas do 5º e 6º ano. Um agradecimento especial aos professores que deixaram a sua colaboração num mapa de ideias muito original e que participaram em todas as atividades desenvolvidas.

As Leituras Partilhadas envolveram toda a comunidade escolar, com a participação de alunos voluntários da leitura, que partilharam palavras escritas no bar e no refeitório. A presença de convidados, ligados ao livro e à biblioteca, enriqueceu este dia e todos os participantes. A escritora Ana Cristina da Luz apresentou o seu livro Aristides, o semeador de estrelas, acompanhada pelo ilustrador, que é neto de Aristides de Sousa Mendes. A Coordenadora Interconcelhia das Bibliotecas Escolares, Drª Filomena Rúbio, dinamizou a sessão “Na biblioteca cabe o Mundo…” destinada a todos os alunos dos cursos profissionais.

11


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves

Dia Mundial da Alimentação No âmbito do dia da alimentação, a Biblioteca do Centro Escolar de Meia Via promoveu uma caminhada e uma palestra sobre Nutrição, abertas à comunidade, com a nutricionista, Lara Pombo, e contaram-se histórias relativas à alimentação no refeitório, à hora do almoço.

Dia Mundial dos Correios Para comemorar o dia mundial dos correios, dia 9 de outubro, os alunos do Agrupamento escreveram cartas para participar no concurso "Escreve uma carta". Foram entregues prémios as melhores cartas.

Exposição Halloween e dia de Todos os Santos

12


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves

Dia de S. Martinho

Concurso “A melhor broa” E, para terminar este extenso e rico programa do Mês Internacional da Bibliotecas Escolares, nada melhor do que uma prova de broas, no âmbito do concurso "A melhor broa". O júri teve alguma dificuldade na escolha uma vez que estavam deliciosas! Obrigado a todos os alunos participantes e aos pais que colaboraram na confeção!

13


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves

De 27 de novembro a 5 de dezembro no Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves A Feira do Livro do Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves decorreu nas Bibliotecas Escolares, entre os dias 27 de novembro e 5 de dezembro, com um diversificado programa de atividades. Para além das visitas das turmas às Bibliotecas Escolares e da realização de vários concursos relacionados com o livro e a leitura, foram dinamizados alguns encontros com autores, nomeadamente com as escritoras Carla Maia de Almeida, Manuela Ribeiro e Ana Paula Lopes. E como os livros servem para ser lidos, também foram dinamizadas sessões de animação da leitura e até um serão literário, com a participação de encarregados de educação, sem contar com a presença de uma das mais conhecidas contadoras de histórias a nível nacional, Saphir Cristal, como a sessão “Trapos com Histórias”. No último dia da Feira, foi feito o lançamento do livro O Museu de Imagens na Imprensa do Romantismo, da autoria de um dos professores do Agrupamento, António Ribeiro, na Escola Dr. António Chora Barroso. A Feira do Livro teve horário alargado. no dia 1 de dezembro na Escola Artur Gonçalves e no dia 5 de dezembro na Escola Dr. António Chora Barroso para conhecer as últimas novidades editoriais.

E assim se fez a preparação para a vinda da escritora Carla Maia de Almeida ao nosso Agrupamento… no dia 4 de dezembro, durante a Feira do Livro.

14


Bibliotecas Escolares Agrupamento Artur Gonçalves

Feiras do Livro

Um agradecimento muito especial a todos os que viveram a biblioteca e que participaram nas atividades!

OBRIGADO!

A todos os leitores, A todos os amantes de livros, A todos os professores, A todos os alunos, A todos os funcionários… Que entraram na biblioteca, Que leram um livro, uma revista, um jornal, um folheto… Que participaram numa atividade, Que conversaram sobre a leitura, o livro, … Que fizeram da biblioteca um espaço … E da sua porta, uma chave para a vida! Na nossa biblioteca cabe o Mundo !

15


Dia Mundial da Filosofia

Dia Mundial da Filosofia No dia 20 de novembro, comemorou-se o dia

!

Mundial da Filosofia. Os professores da disciplina envolveram os seus alunos nesta comemoração, solicitando-lhes frases de teor filosófico, iniciativa que teve bastante adesão. Após apreciação das mesmas, de um modo geral bastante interessantes e criativas, foram destacadas as que se seguem. “A vida é um labirinto, e se acharmos que estamos a ir em direção a algo, só nos sentiremos mais perdidos.”. - Diogo Fonseca, 11ºB “A realidade é a prisão da mente.” - Francisco Lopes 11ºC Numa outra atividade, no âmbito da “Filosofia para crianças”, as professoras Sofia Morais e Teresa Leonardo convidaram os alunos do 5ºA a assistir à visualização e audição do poema musicado de António Gedeão. Depois de colocar os alunos em contacto com assuntos da disciplina, deu-se início à discussão da temática abordada no poema, sendo um momento em que a maioria dos alunos participou ativamente sobre o seu entendimento do poema. Após este pensar criticoreflexivo os alunos registaram em documentos próprios a mensagem retirada deste encontro. As mensagens evidenciaram criatividade e sentido ético, destacando-se as dos alunos abaixo referidos… “Sempre que o homem sonha, imagina coisas que vai realizar… evita guerras, discussões e injustiças.” (Maria Leão) “Quando o homem está a sonhar é como se estivesse a governar o mundo de uma forma boa, e pula como se estivesse a subir cada vez mais o seu nível de inteligência.” (Isabel Fonseca) “Sonhar é ultrapassar os limites da realidade.” (Inês Inácio)

Cativar os alunos para o gosto pelo saber, ajudar a desenvolver o espírito crítico e potenciar a sua autonomia intelectual foi o principal objetivo desta iniciativa.

16


Dia Mundial da Filosofia

Projeto "Leitura LowCost” Integrado nas comemorações do Dia da Filosofia, nada melhor do que dinamizar "Oficinas de Filosofia para crianças", no âmbito do projeto "Leitura LowCost: de todos para todos", para alunos do 5.º ano, em articulação com Português, Filosofia e Oferta complementar. Numa primeira etapa, orientados pela professora Teresa Taborda, os alunos do 5º A fizeram a leitura da obra A viúva e o papagaio, de Virginia Woolf. Numa 2ª fase, no espaço da Biblioteca e partindo de um dos aspetos da obra, a professora Teresa Leonardo promoveu a reflexão sobre a temática dos direitos dos animais a partir da qual os alunos puderam tomar posição e registar opiniões. !

!

!

!

!

!

17


Projeto de Educação para a Saúde

Quem não tem vícios tem dinheiro

O Projeto PES aderiu à campanha da Liga Portuguesa

hábitos, especialmente junto da população mais jovem é

Contra o Cancro, promovendo o projeto - GERAÇÃO crucial e a estratégia mais eficaz. SEM FUMO - Quem não tem vícios tem dinheiro -

A ESCOLA assume um papel privilegiado na

uma iniciativa anti tabágica dirigida aos Jovens, mais

comunicação de mensagens de prevenção e promoção

precisamente aos alunos do ensino básico (3º ciclo) e

de hábitos mais saudáveis nos alunos.

ensino secundário.

O projeto GERAÇÃO SEM FUMO - Quem não tem

De acordo com a Organização Mundial de Saúde

vícios tem dinheiro – foi lançado a 17 de novembro no

(OMS), quase 5 milhões de pessoas morrem anualmente Facebook da Liga Portuguesa Contra o Cancro. A em todo o mundo, como resultado do tabagismo, sendo

campanha conta com o apoio de algumas figuras

o consumo de tabaco uma das principais causas de

públicas bem conhecidas dos jovens, promove

morte evitável e a principal causa de morte prematura

mensagens de sensibilização e prevenção anti tabágicas

nos países industrializados.

e vai apelar à participação e adesão do público-alvo

No nosso país, a prevalência de fumadores é de 26%,

através de passatempos/concursos.

sendo que a maioria dos fumadores parece iniciar este hábito na adolescência e, mais de metade dos jovens

Na certeza que reconhecerão a importância desta

que experimentam, tornam-se dependentes.

iniciativa, apelamos à vossa participação na construção

Reconhecendo estes efeitos devastadores, não só para a

duma Geração sem fumo.

saúde mas também a nível social, ambiental e económico, a Liga Portuguesa Contra o Cancro acredita que sensibilizar e contribuir para a mudança de

18


Projeto de Educação para a Saúde Dia Mundial do Não Fumador

Jogo da Mobilidade A Serpente papa léguas - 1º Ciclo

19


Projeto de Educação para a Saúde Saúde Oral     A Direção-Geral da Saúde,

• Constituir os alunos como

importância de manter os dentes sãos

o Plano Nacional de Leitura e a Rede elementos catalisadores das

e ter um sorriso lindo. A professora

de Bibliotecas Escolares

mensagens de promoção da saúde

Maria do Rosário Caldeirão,

estabeleceram um protocolo de

para os membros da família;

distribui os kits de higiene oral (copo,

colaboração no âmbito da prevenção

• Trabalhar, com os alunos, a

escova de dentes e pasta de dentes)

da saúde oral em Portugal,

temática da Saúde Oral nos domínios relembrando a importância da

formalizado pelo projeto SOBE -

das competências, atitudes e valores,

higiene oral, nomeadamente a

Saúde Oral, Bibliotecas Escolares,

de forma a integrar as valências

escovagem dos dentes e ida ao

ligando a saúde oral, a literacia e as

específicas do projeto SOBE no

dentista para que não houvesse cáries

bibliotecas escolares.

quotidiano da escola;

dentárias, mas também referiu como

São hoje comummente conhecidas as

• Suscitar a vontade de os estudantes

os hábitos de alimentação equilibrada

implicações da literacia na saúde e

explorarem o mundo da saúde oral,

contribuem para ter uns dentes

bem-estar dos cidadãos e a

de forma autêntica, com meios

saudáveis.

importância particular no campo

divertidos e favorecendo o

A distribuição de quase uma centena

educativo da literacia em saúde.

cruzamento de vários domínios do

de kits vai permitir aos alunos a

conhecimento.

escovagem dos dentes na escola após

O projeto SOBE (Saúde Oral

o almoço.

Bibliotecas Escolares) situa-se nesta

Na passada 5ª feira dia 23 de

Com o trabalho realizado com estes

área de intervenção, tendo como

outubro, foi realizada uma sessão

alunos recém - chegados ao 1º ciclo

principais objetivos:

sobre “saúde oral”, para os alunos do

foi mais uma vez a escola, promotora

• Direcionar as atividades de

1º ano do Centro Escolar de

de hábitos de vida saudável,

promoção da leitura, da escrita e da

Riachos. As mil cores do sorriso da

pretendendo que esta mensagem seja

saúde oral para as famílias e para a

Maria foi o conto que a professora

também passada para os membros

comunidade;

Felisbela Morgado leu, passando

das famílias.

assim a mensagem sobre a

No âmbito do Projeto de Educação para a Saúde, realizou-se uma Palestra sobre a saúde oral para os alunos dos 1º e 3º anos do Centro Escolar de Meia Via. Esta ação de sensibilização foi apresentada pela professora Rosário Caldeirão que mostrou um filme animado alusivo à prevenção da cárie, salientando a importância das duas escovagens diárias. A coordenadora da educação para a Saúde explicou todos os cuidados a ter perante os danos causados pelas bactérias nos dentes e destacou os comportamentos corretos para a protecção de uma boca sã. 20


Projeto de Educação para a Saúde Dia Mundial da Alimentação, 16 de outubro de 2014 Segundo Emílio Peres, a alimentação “faz-nos pequenos ou grandes, imbecis ou inteligentes, frágeis ou fortes, apáticos ou intervenientes, insociáveis ou capazes de saudável convivência…No fundo somos aquilo que comemos”. De facto, ter uma alimentação saudável assegura o bom funcionamento do nosso organismo, contribui para a manutenção do nosso estado de saúde físico e mental e é fundamental na prevenção de doenças (por exemplo, obesidade, doenças cardiovasculares, cancro, diabetes, entre outras). A alimentação saudável bem como outros hábitos (por exemplo, atividade física) deve ser parte integrante do nosso dia-a-dia.

21


Educação Especial

A Educação Especial vai comemorar o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência no dia 4 de dezembro e para isso convidou um grupo de dança formado também por pessoas com deficiência. De manhã atuam na escola Artur Gonçalves e à tarde na escola Chora Barroso.

Atividade de Sensibilização

Sala do Arco-Íris ( UM 1 ) Dia: 3 de dezembro de 2014 Hora: 9:00/10:30 – 1ºA e 2ºC 11:00/12:00 – 3º F e 4º I Local: Centro Escolar de Riachos

“Rodas Dançantes”

Público Alvo: Turmas 1ºA, 2ºC, 3º F e 4º I Organização: Docentes da Educação Especial da Sala do Arco-Íris ( UM 1) Atividade para comemorar o “Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência”

Dia: 4 de dezembro de 2014 Hora: 14horas Local: EB2,3 Dr. António Chora Barroso Riachos

(Sala do Aluno) Público Alvo: Toda a Comunidade Educativa Organizado pelo Departamento da Educação Especial

Atividade para comemorar o “Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência” (3 de dezembro)

22


Educação Especial

23


Artigos Soltos

«MAGUSTO – Festa da Castanha no JI/EB1 de Santa Maria» Como manda a tradição realizou-se mais um «magusto» no JI/EB1 de Stª Maria. O dia acordou sem chuva e as crianças comentaram mais uma vez que «O S. Martinho existe mesmo, porque quase nunca chove neste dia!...» Agradecemos aos Pais, à Associação de Pais e à Junta de Freguesia de Stª Maria, o empenho e as ofertas de castanhas, groselha, copos e outros bens e às nossas Auxiliares que tornaram a manhã mais saborosa e divertida aos nossos alunos. Os docentes do JI/EB1 de Stª Maria

Dia nacional da literacia científica - Pátios com ciência No dia 24 de novembro comemorou-se, à semelhança do ano anterior, o dia nacional da literacia científica com a atividade “Pátios com ciência”. O tema escolhido para este ano, Luz e cor, foi divulgado à comunidade escolar pelos alunos das turmas A, B e C do oitavo ano, nas disciplinas de Ciências Naturais e Físico-Química. Pretendeu-se desenvolver o gosto pela ciência desafiando, todos os que passavam pelas bancadas, a envolverem-se nas diferentes atividades científicas, propostas e realizadas pelos alunos.

Alunos visitam o centro de certificação técnica da PT No dia 06 de novembro de 2014, os alunos do Curso Profissional de Multimédia, deslocaram-se às instalações da Portugal Telecom de Torres Novas, para conhecer o Centro de Certificação Técnica. De uma forma bastante esclarecedora, foram abordadas questões relacionadas com a instalação de uma rede por cabo Coaxial e por Fibra óptica. Os alunos tiveram oportunidade de observar a montagem, instalação e configuração de uma rede. Os discentes assistiram com interesse à demonstração apresentada pelo Eng. Luís Leitão e Eng. Justino. A Professora e os alunos agradecem a forma como foram recebidos.

24


Oficina Teatro ESAG

“Encontro –TE - Teatro, Educação e Comunidade” No passado dia 29 de novembro, as professoras Ana Rita Moutinho e Elsa Giraldo estiveram presentes no evento, “Teatro, Educação e Comunidade”, promovido pela Escola Superior de Teatro e Cinema e pela Escola Superior de Educação de Lisboa, onde apresentaram o projeto da oficina de Teatro da ESAG. Este é um encontro bienal que tem como objetivo a partilha, o conhecimento e o estudo de temas relacionados com o teatro, promovendo a divulgação e análise de práticas bem como a experimentação, a fruição e a reflexão.

!

«A nossa comunicação, inserida no painel Teatro e Transformação – Percursos sem idade, teve como tema “Teatro e adolescência -Criar em Conjunto”. Desde sempre, assumimos ser um espaço de criação por excelência, um espaço onde a voz de cada um é ouvida, um espaço para refletir, partilhar, criar laços, um espaço para experimentar emoções que, por vezes, não cabem dentro da sala de aula. Numa época em que o teatro, a música, a dança, e as artes visuais foram praticamente banidas do currículo, estas atividades são pequenos oásis de fruição e criação que desenvolvem competências essenciais na formação dos nossos alunos e que importa promover e apoiar. O que nos caracteriza é a história que escrevemos em cada encontro, é a entrega e o amor que todos sentimos pelo que fazemos …» Professoras Ana Rita Moutinho e Elsa Giraldo

!

!

25


A palavra é tua... Sobre a escola… Pediram-me umas palavras sobre a escola de hoje, a

O que é a escola hoje Muito haverá para falar sobre este tema.

escola que sinto em contínua mudança e

A escola é a instituição que acolhe para além dos

transformação.

alunos e de todo o seu corpo docente e não docente, também os pais e toda a comunidade.

Poderia dizer-vos muita coisa sobre a sua importância na educação e na formação das gerações vindouras,

Sendo que se atravessam momentos de grande

sobre os conhecimentos, os valores que pretende

incerteza, difícil será esconder a preocupação de todos

promover, sobre as pessoas que nela “vivem” e a ela se que dão a devida importância às crianças e ao seu dedicam, sobre as coisas fantásticas que nela se fazem e futuro. nela se passam, como o nosso crescimento conjunto é importante; do muito que conseguimos fazer com o

Muitos problemas de ordem geral, preocupam e

pouco que temos, da nossa entrega constante e do

comprometem todo um sistema, que deveria ser

quanto continuamos a acreditar numa boa “escola”

estável e seguro.

pública, da esperança de fazer melhor em cada dia, do

De qualquer das formas, a escola nunca deixou de ser

abraço e da palavra sentida…

um lugar muito importante na vida de quem a frequenta e dos seus responsáveis. Vejo a escola como

Poderia dizer-vos também, que é um lugar de tensão, um lugar de conflitos, um lugar profundamente burocratizado e, por vezes, esvaziado nas relações uns

um centro onde pessoas se encontram diariamente e têm a oportunidade de se sentirem devidamente integradas no seu meio.

com os outros, um lugar de constante pressão e corrida Muitas crianças não encontram no ambiente familiar contra o tempo que se reflete em todos os agentes resposta às suas expectativas e necessidades. Devido à educativos; poderia falar-vos da falta de recursos, das

crescente crise e desorganização social, muitos pais

dificuldades diárias, dos problemas disciplinares, da

também se sentem à deriva. Desta feita, muitos alunos

falta de respeito… enfim !

encontram na escola o aconchego e a compreensão, quer por parte de colegas, quer por parte de adultos,

Poderia dizer-vos tudo isso porque, na verdade, a

disponíveis para os ouvir.

escola, hoje, é tudo isso. Penso que é a capacidade e a vontade de todos em construir em conjunto uma escola melhor que me faz continuar a acreditar numa

Sendo que a escola é um centro de troca de

escola pública de todos para todos!

trata-la como algo de precioso.

experiências, pode ser muito enriquecedor valorizá-la e

Costumo comparar a escola a um teatro, onde cada um tem o seu papel, ou a uma orquestra onde todos os

A escola somos todos os que a compõe e é com uma

instrumentos têm de estar afinados e a tocar a mesma

forma de pensar positiva que a faremos crescer e

ária, pois todos queremos o sucesso de alguém que é

desenvolver.

muito especial para nós : os vossos filhos, os nossos alunos.

Téc.Op. Fernanda Pereira

Como dizem por aí KEEP CALM AND LOVE YOUR SCHOOL! Prof. Elsa Giraldo 26


A palavra é tua... Houve em deterninada altura elementos da Associação que, por motivos de ordem pessoal, formalizaram a demissão do seu cargo. 1 - Quem é Nicolau Faria? Com perseverança e sentido de responsabilidade, e Vou então fazer a minha apresentação. porque a Associação estava em primeiro lugar, Tenho 73 anos, feitos em Abril, casado desde Dezembro conseguimos ultrapassar este momento, com a eleição de de 1961, com dois filhos, um casal, estando presentemente novos elementos. só a filha entre nós. O filho está ausente, junto de Elaborámos o Regulamento Interno da Associação. Entidades Superiores, tendo partido do nosso convívio Iniciámos no ano lectivo de 2012-2013, as visitas ao terreno hà vinte e um anos. refeitório, duas em cada período, a um prato de carne e Da filha, tenho três belos netos, um rapaz e duas outro de peixe, para apreciação do respectivo serviço em raparigas. relação à comida em quantidade e qualidade, servida aos Em relação à vida académica, tenho o Curso Comercial alunos. Destas visitas elaborámos relatórios que eram completo, com a Secção Preparatória, feitos na Escola enviados à Direcção da Escola e que passámos também a Comercial Veiga Beirão, em Lisboa. Não cheguei a entrar enviar em 2013-2014 para os respectivos Serviços da no Instituto Comercial por um "valente chumbo" no Câmara Municipal de Torres Novas, por esta passar a ter exame de matemática. a responsabilidade do fornecimento de refeições às Escolas Cumpri o serviço militar desde 1962, passando pela do Concelho. Guiné-Bissau de 1963 a 1965 já casado e acompanhado Com a construção de uma Base de Dados, começámos com a minha mulher. Regressámos da ex-província também a enviar aos pais e/ou encarregados de educação ultramarina, com o nosso filho "Guineense". as ementas e outras informações, relativas a assuntos Fui trabalhar na Sonap, empresa petrolífera que após o 25 relacionados com a Escola e alunos e também de interesse de Abril e com a fusão de outras três empresas do ramo, pedagógico para os pais. passou a denominar-se Galp Energia, onde exercia as Além de ofertas de equipamentos para o bem estar dos funções de auditor na Direcção de Auditoria. alunos, e atendendo à crise que se instalou, voltámo-nos Em 1994, e como resultado da ausência terrena do nosso para a ajuda social aos alunos carenciados, no referente a filho, entrámos num processo de reforma e viemos para ajudas nas consultas do foro psicológico, na compra de Torres Novas, terra Natal dos meus familiares. material escolar ou outro, comprovadamente indicado pelos DT's. 2 - Quando começou a sua função na Escola? Em 2013.09.19, candidatámo-nos também ao IEFP no CEI-Património e conseguimos a colaboração de 2 No ano lectivo de 2010-2011, como encarregado de pessoas que, junto dos alunos, fora e dentro do refeitório e educação de dois netos, entrei para a Associação de Pais, ainda no COJ, têm prestado um serviço excelente e como vogal. relevante até de natureza cívica. Em 2011-2012, fui solicitado para desempenhar o cargo Ao longos destes anos, tivemos a prática de diversas de presidente, que aceitei, na condição de ajuda no actividades e palestras com interesse para pais e alunos. referente aos contactos a realizar pela Associação para Entre elas destacamos na "Semana da Escola" - "Os Pais determinados eventos, uma vez que eu sendo lisboeta, os são Professores". meus conhecimentos pessoais eram fracos neste domínio. No evento do "Mexe-te", também numa manhã da Esclareço que sempre tive essa ajuda por parte dos "Semana na Escola", realizámos diversas actividades, elementos da Associação que a ela se propuseram. conforme cartaz reproduzido abaixo. A esses elementos aqui deixo os meus sinceros agradecimentos.Agora e a partir de 2011-2012, um pouco da história da Associação, que não se encontrava legalizada. Para o efeito, iniciámos a sua legalização em 28 de Fevereiro de 2012 com o pedido de certificado de admissibilidade junto do Registo Nacional de Pessoas Colectivas. Em 7 de Março, procedemos à sua constituição na Conservatória do Registo Comercial de Vila Nova da Barquinha. Em 27 de Abril, junto da Autoridade Tributária e Aduaneira, procedeu-se à respectiva legalização, com o início da actividade a partir de 30 de Março. Começámos também neste ano lectivo, em 10 de Fevereiro, com a feitura das actas de reuniões da Direcção, que até à data não existiam, havendo para tal trocas de impressões por e-mail com algumas directrizes.

Entrevista

27


A palavra é tua... Numa palestra sobre "Ansiedade e Agitação - Como Ajudar os Nossos Filhos" pela Dr.ª. Clara Cruz da Psitorres.

3 - Quais foram as principais mudanças na Escola? Desde que entrei para a Associação, foram na generalidade um crescendo positivo das normas já existentes, tendo sempre em vista o melhoramento do ensino, procurando um aperfeiçoamento de resultados no ranking nacional, sobretudo nas disciplinas de Português e Matemática, sempre com a finalidade de melhorar os conhecimentos dos alunos. Por parte da Direcção houve também o cuidado intensivo de manter e aumentar o nível de disciplina na Escola, o que nem sempre é fácil, recorrendo nos inícios dos anos lectivos e nesse sentido ao apelo dos pais. A grande mudança, no meu ponto de vista, esteve com a criação dos Mega Agrupamentos, aumentando a responsabilidade na gerência dos mesmos. Aqui o Agrupamento da Artur Gonçalves, está optimamente representado pelo seu Director, na pessoa do Sr. Professor Acácio Neto e da sua equipa a todos os níveis profissionais. Congratulo-me com isso e, desde já, os meus parabéns a todos os profissionais da Artur Gonçalves pelo carinho e cuidado que demonstram no tratamento com os alunos. Aqui, os pais deveriam ser mais benevolentes numa maneira geral com o tratamento e críticas que fazem à Escola. E deixo aqui a grande sabedoria popular, quando diz que "uma só árvore não faz a floresta".

As Associações de Pais têm aqui uma grande responsabilidade. No meu ponto de vista, para o funcionamento eficaz de uma Associação de Pais, têm que existir três princípios basilares.- Uma grande relação entre os pais e a

Associação; - Uma sincera relação entre a Direcção da Escola, professores e auxiliares; - Uma coesão forte entre os elementos da Associação. Com todos a remar para o mesmo lado, o barco chegará a porto seguro. A terminar e no envolvimento dos êxitos alcançados por esta Associação quero, como Presidente da então Direcção, deixar expressos os meus reconhecimentos ao Sr. Director da ESAG e respectivo Corpo Directivo, ao restante corpo docente e não docente da Escola, pela amabilidade e franqueza nas respostas e apoio dado a todas as questões por nós formuladas. Os meus desejos de Felicidades e contínuo progresso para todos.

2014.10.29 Nicolau Faria (A pedido do entrevistado, é mantida a antiga ortografia)

4 - O que é para si a Escola hoje? A Escola é um ponto de encontro de alunos, professores, trabalhadores auxiliares, pais e Associações, irmanados num resultado profícuo para todos os intervenientes. Sem alunos não há escola e vice-versa. A Escola como meio de ensino também tem que se aperfeiçoar e evoluir no andamento dos tempos, mas sempre com uma visão humanista, sem desprezar os conceitos que nos legaram, para não cairmos no extremo de uma modernidade balofa e sem conteúdo humano e social. 28


A palavra é tua... O meu olhar sobre a escola hoje O século XX, em particular na segunda metade, foi, indubitavelmente, um século de mudança do paradigma da educação em Portugal. Ocorreu um

trabalho muito exigente e que necessita, sem dúvida, de toda a colaboração dos encarregados de educação, para que todos sejamos eficazes nesta nobre tarefa, que é educar.

aumento gradual na frequência de todos os níveis de ensino, com grande acréscimo nos níveis secundário e

uma forma articulada, se possam definir e aferir

superior, quando, até este século, apenas uma

estratégias, ajustando-as, sempre que se entenda

pequena elite era provida de condições económicas

necessário, no desenrolar do ano letivo. Esta será a principal condição para que, efetivamente, todos

favoráveis à sua frequência. Hoje em dia é usual afirmar que a escola é de todos e para todos, com todas as consequências socioeducativas que daí advêm. Nas sociedades modernas, as exigências profissionais dos encarregados de educação são cada vez maiores, sendo um enorme desafio corresponder a esse imperativo socioeducativo, sem descuidar o papel fundamental de encarregado de educação. A base da educação das nossas crianças e jovens é a família e sempre que esta esta não existe, ou não desempenha o seu papel, a sociedade vê-se obrigada a criar respostas alternativas, por forma a que nenhuma criança ou jovem fique desprovido deste alicerce fundamental ao seu desenvolvimento. Salientamos, porém, que todo este percurso terá de ser, forçosamente, realizado em parceria com a escola. Esta instituição é corresponsável, não apenas, pela construção de saberes, sem dúvida muito importante,

Efetivamente, todos são necessários, para que, de

sejamos bem sucedidos. Não posso deixar de salientar que, para o êxito deste trabalho, e sobre isto muito haveria a dizer, também será imprescindível o reforço da autoridade do docente, expressão da sua capacidade de liderança, que deverá ser assumida, quer pelos educandos, quer pelos encarregados de educação. A escola deverá ser um local agradável, onde os alunos gostem de permanecer e de aprender, contudo, também deverá ser um espaço de disciplina e rigor, não havendo, nesta perspetiva, qualquer incompatibilidade entre os dois atributos referidos; sendo que, o conhecimento, a disciplina, o rigor e o trabalho árduo serão valores cruciais para a construção das competências necessárias para dar resposta aos grandes desafios da sociedade global do séc. XXI, em que, inexoravelmente, os nossos educandos irão realizar os seus percursos de vida.

mas também pela aquisição de valores, fundamentais ao desenvolvimento integral das nossas crianças e jovens. A escola é, hoje, um espaço multicultural, onde é

Jorge Oliveira Duque Representante dos encarregados de educação do 5ºB e 9º F

exigido a cada docente um trabalho muito completo, de apoiar e promover o desenvolvimento dos seus alunos, tarefa cada vez mais difícil, em resultado da panóplia de situações que têm de gerir quotidianamente, consequência da  grande diversidade de vivências sociais, pessoais, culturais, entre outras, que cada aluno transporta quotidianamente para a escola. Trata-se de um 29


A palavra é tua...

Estados Unidos da América, 27 de outubro de 1978 Caro amigo,

As saudades que tenho de ti avivam-se em mim a cada dia que passa. Não apenas de ti, mas

também da biblioteca de Torres Novas, que outrora também foi a minha casa.

Lembras-te daquela noite fatídica, daquele assalto temeroso, numa noite como todas as outras da

biblioteca, onde os ponteiros do relógio eram os únicos que preenchiam aquele silêncio monótono. Estes marcavam, no momento, vinte e três horas, a biblioteca já tinha fechado há uma hora. Naquele ápice, entraram uns encapuçados de modos rudes, pareciam não ter boas intenções, mas quando eles começaram a lançar livros e mais livros para o chão, as minhas dúvidas tornaram-se certezas. Quando um dos capangas tocou na minha lombada, o meu pavor parecia rasgar-me as folhas. Foi horrível! Ele lançou-me para o chão e quem diria eu cai em cima de ti, foi aí que nos vimos pela primeira vez, trocamos as primeiras palavras e tornamo-nos melhores amigos. Nós, os dois de mundos tão diferentes, eu um livro de química, descrevo a química da vida, as diversas reações químicas reagentes, para mim as dúvidas são experiências por realizar. E tu, um livro de poesia, vives no abstrato, mas transmites mensagens e descreves a beleza do que nos rodeia e de uma forma tão profunda e bela.

Hoje escrevo-te porque já sei o motivo daqueles homens encapuçados me terem levado só a mim,

de tantas centenas de livros que havia na biblioteca. Em 1956, capa dos jornais, em todo o lado, “A imortalidade já pode ser uma realidade”, em letras bem gordas, e a notícia dizia que só existiam dois livros no mundo que continham a fórmula da imortalidade, cujo autor era um cientista de renome, que morrera há muitos anos.

Um dos livros ardeu na Biblioteca de Alexandrina, mas o outro está numa biblioteca ou livraria

algures no mundo. Esta notícia empolgou as pessoas, formando-se bandos de malfeitores por todo o mundo, que sonhavam com a descoberta do tal livro. E esse tal livro sou eu! Aqueles homens que assaltaram a biblioteca de Torres Novas ficaram milionários, porque me venderem a uns cientistas dos E.U.A.

A vida, realmente, é incrível! Saí de uma vida aborrecida numa estante e passei a viver num

laboratório de química nos E.U.A., a minha vida agora é rodeada de bancadas com tubos de ensaio, vidros de relógio, varetas, entre muitos. Posso ver as mais inéditas experiências e o melhor é que agora sou lido por pessoas que parecem-se apaixonar pelo que eu tenho gravado nas páginas. Estou encantado! Mas há uma coisa que me preocupa muito, os cientistas estão a testar a minha fórmula da imortalidade nos ratos. E se os ratos nunca mais morrerem? Eles vão roer-nos?

Quando leres a minha carta, responde-me, conta-me as novidades, diz-me o que achas da minha

mudança de vida e já sabes que estás convidado para me vires visitar. Um grande abraço,

Inês 9ºC

Química da Vida

30


A palavra é tua... Dissertação sobre o Riso Há risos francos, abertos, luminosos, que nos despertam simpatia, amizade. Há risos fechados, forçados e insípidos, que nos provocam repulsa. Há risos quentes, carinhosos e ternos, que nos acendem e aquecem o coração. Há risos falsos e cheios de hipocrisia, que nos deixam desconfiados e tristes. Há risos malandros, muito malandros, que despertam vulcões cuja existência desconhecíamos! Há também risos belos e escondidos que nos lançam enigmas e nos despertam curiosidade. Há risos de todas as cores, cheiros e feitios e nenhum nos deixa indiferentes. As nossas gargalhadas têm o poder de despertar emoções, sentimentos, sobressaltos, beijos... Em suma, rir é libertar a nossa alma, deixá-la fugir, voar para bem longe dos problemas. Rir é arejar. Rir é viver. Sofia Acabado 9ºD

SOBRE A LEITURA… Considero que a leitura é fundamental para o desenvolvimento e crescimento de todas as crianças, na medida em que melhoras suas capacidades, facilita a comunicação oral e desinibe a criança para o conhecimento de si próprio e para a socialização com os outros. Ainda que grande parte da população associe a solidão à leitura, a minha opinião é contrária, já que existem inúmeros clubes de leitura em comunidade e além disso, com a companhia de um livro nunca se está só. Em primeiro lugar os livros são, muitas vezes, utilizados para resolver problemas, responder a questões e clarificar as ideias de cada um, na medida em que num livro, contam-se histórias e fazem-se relatos de situações verídicas e não se mostra apenas o lado “cor de rosa” da vida, não é apensa um mundo prisioneiro de irrealidades, é um exemplo de vida, uma forma diferente de agir, um recurso que pode mudar o rumo de qualquer futuro. Em segundo lugar, um bom leitor é um erudito, um omnisciente, já que a leitura favorece o conhecimento e a criatividade, além de que é um fator primordial tanto para o progresso da escrita como para o apuramento do engenho e da imaginação. Pelo exposto, concluo que a leitura é crucial para o desenvolvimento de inúmeras capacidades, fomentando a imaginação e a criatividade, de forma a procurar o impercetível e até a mudar o mundo e torná-lo cada vez melhor. ESAG Margarida Gameiro e Francisco Lopes – 9ºD 31


A leitura acontece O livro da minha vida Qual o livro da minha vida? Não existe o livro da

Sugestão de leitura Coisa complicada sugerir um livro a um auditório

minha vida, apenas os livros das minhas vidas. Uma

sem rosto e certamente diversificado. Dai que,

vida é feita de vidas que vêm e vão e o que pode ser

embora sem fazer perniciosas cedências, evite referir

“o livro” da nossa infância ou juventude pode não ser

certos livros de que gosto muito mas que podem não

“o livro” das outras vidas das nossas vidas.

agradar a um público mais vasto. Sugiro então... A

De acordo com esta lógica pessoal, chamo então à memória As Aventuras de Pinóquio. É o mais antigo livro de que me lembro, ainda não de ler, mas de ver e de me ser lido. É o meu livro genésico, uma espécie de ritual iniciático ao prazer do texto. Depois, pelos 13 anos, Os Miseráveis. A minha primeira grande narrativa, mas também uma obra cuja pedagogia social, política e humana teve uma indelével influência na minha formação pessoal. Anos depois, sem dúvida, a Poesia Toda, do Herberto Helder. Este livro mudou a minha percepção do mundo, ensinando-me a material e semântica plasticidade das palavras. Aliás, mais do que mudar a minha percepção do mundo, inventou-me um mundo. Experiência única foi ler O Nome da Rosa enquanto andava a ter aulas de Filosofia Medieval. Foi a única vez que deixei de jantar para poder terminar um livro. Finalmente, sem espinhas ou uma centelha de dúvida, o meu livro de maturidade, o livro dos livros: o Quixote. Está lá tudo, o humor, a erudição, a filosofia, a religião, a estupidez, a crítica social, a moral, o drama, o amor, a emoção, a história feita de múltiplas histórias enroladas umas nas outras. Tenho

Trilogia de Nova Iorque, do Paul Auster. E se for Todo o Mundo, do Philip Roth? E que tal Pais e Filhos, ou Fumo, de um dos meus escritores preferidos, Turgueniev? Ou, sem sair da Rússia, A Morte de Ivan Ilich, de Tolstoi? E porque não a Tia Júlia e o Escrevedor ou Os Cadernos de dom Rigoberto, de Vargas Llosa? Já agora, vários de David Lodge para combater a má disposição e alegrar o espírito, como Um Almoço Nunca é de Graça, Pensamentos Secretos ou Em Surdina? E do Ian Mcewan, por exemplo, Na Praia de Chesil, Sábado ou Mel? Ah, A Cidade e as Serras, sempre! E por falar em sempre, que tal voltar a ler Vergílio Ferreira? E o teatro de Molière, sei lá, O Avarento, O Tartufo ou O Doente Imaginário, para partir o coco a rir? Mas também não ficaria mal As Três Irmãs, de Tchekov. E Shakespeare? E a Antígona, de Sófocles E…? Irra, o melhor é ficar por aqui, não vá eu ainda acabar a falar do Regulamento Interno da Escola, do Projecto Educativo ou de uma Planificação a Médio Prazo. (A pedido do entrevistado, é mantida a antiga ortografia) Professor José Ricardo

três edições mas só com a tradução e notas de José Bento se tornou um texto inteligível e dado à luz em todo o seu esplendor, mostrando que um bom tradutor pode ser tão importante quanto um bom autor. Sublinhadíssimo, coitadinho, é, de todos os livros, aquele a que mais regresso, seja por causa de um pedaço que faço questão de reler, seja apenas para o abrir ao acaso para me consolar um bocadinho. Nunca me arrependo. 32


Memórias do Baú Primeira Exposição dos Pintores da ESAG “Juntaram-se as tintas, o giz, o óleo, as folhas de papel, os pinceis, a luz, os sonhos, a cor, os sentimentos, o talento, muito, muito talento e surgiram as obras que agora mostramos.” Foi assim que em abril de 2000 se apresentaram as obras produzidas pelos Pintores da ESAG: Antonieta Xavier, Fernanda Torrinha, José Montez, Liseta Queiroz, Luís Grilo, Odete Branco, todos professores da ESAG a participar numa mostra coletiva que decorreu na galeria da nossa escola. É desse evento que agora damos conta, recordando os trabalhos expostos nessa época. Prof. Luís Cavaco

Fernanda Torrinha – Óleo sobre tela Luís Grilo

Liseta Queiroz – Óleo sobre tela Antonieta Xavier - óleo sobre tela

Odete Lopes – colagem de papel de lustro - guacho José Montez - Pastel de óleo sobre papel

33


A poesia acontece

Matemática Olhem vocês, ai que graça, que em todos os lados há Matemática. Já dizia a professora e a minha tia que a Matemática é uma ciência de magia! Todos temos de a saber, para termos de viver, também claro é preciso estudar, mas a Matemática é uma ciência de se apaixonar. Ângulos, livros, mesas e cadeiras , são umas simples brincadeiras da marota da Matemática! Um dia hei-de saber o que não é feito pela Matemática EB 2,3 Dr. António Chora Barroso Feito por: Mariana Reis Mendes 5º F

A virtude da solidão enaltece o silêncio que bebe a substância pensante, Mas a solidão não privou a isolação de muitos pares que detêm intactos Os seus olhares. Eram capazes de ler os seus pensamentos nas suas íris, Como letras rebuscadas em lampejos de pensamentos visuais e olfativos, Onde a carne e a cereja se unem num só beijo angélico. Os cordões astrais esticam-se conforme viajam nesse comunicar silencioso, E, se depois de tocarem de novo a Terra pudessem contar o tempo que passou, Não iriam sequer erguer o dedo mindinho para representar os segundos, Porque o tempo é tolo, E é tolo como todos os humanos são. Assim descobrem e redescobrem as pupilas que antes viram solos de ternura, E mares de pouca bravura. Porque haviam de falar desses ancestrais, se nem mesmo agora as palavras São feitas de decisões ou bofetadas no Destino? As palavras são tolas. Como os humanos. André Metelo dos Santos (Antigo aluno da ESAG)

34


A poesia acontece

O Mar O mar É salgado E quando enche Fica zangado Ele é lindo e brilhante Límpido e transparente E quando vem o calor Enche-se de gente Quando eu vejo o Mar Não consigo resistir Dou um mergulho E começo a rir O Mar tem muitas ondas Nele há peixe a nadar Há gente a boiar E crianças a brincar. Neste grande Mar Eu posso navegar Nas ondas macias Que o Mar tem para dar Quando vejo o João Entrar no Mar Penso sempre No seu balão a voar No seu balão preferido Que o pai lhe deu E passado dois minutos Ele o perdeu Posso fazer muita coisa Um poema, uma canção Pois o Mar Dá-me sempre inspiração

Denise - 5º G Eb 2,3 Dr. António Chora Barroso 35


A poesia acontece

Sou? Enquanto não entrar na noite, Não irei saber o que é o dia… Sou a única estrela não vista, a única Que não brilha tanto como as outras. Ai se eu pudesse! Ser notada como as outras, Brilhar tanto como as outras ou até Ser um brilho especial… Mas não posso, não consigo!   Simplesmente não tenho jeito, Simplesmente sou como sou. E não sou assim… Sempre apressada como uma formiga na primavera… Sim…sou eu! Mas… sou ou não sou? Sou assim e não sou assim.   Gostava de ser mas não sou. Não sou porque não tenho brilho. Eu não sou eu… ou sou? Ai! Tanta confusão… nem sei que estrela sou!   Sinto ou não sinto? Sinto que… não sei quem sou, Sinto que… as outras não sabem quem eu sou.   Ah! Que harmonia melancólica… Se eu pudesse ser quem sou… Eu sentia… e eu sentia… Se pudesse ser quem eu sou!   Afinal… as estrelas são estrelas E são todas iguais. São todas pedaços de tinta No céu numa noite de verão!   Mas eu não sou uma estrela E disso tenho eu a certeza e também o meu coração rosado o sabe… sou um ser humano e tenho um coração que sente e consente.

Salomé Batista

36


Sabias que... A minha relação com lápis

Faço por gosto...

A minha relação com lápis, pincéis e tintas vem desde Para mim, o estudo não é sinónimo de escola. Durante o tempo livre, dedico-me também a fazer que me conheço como pessoa. alguns trabalhos manuais. Desde muito cedo, as cores criavam em mim uma Sem dúvida, o que gosto mais de fazer são bonecas emoção e um despertar que eu não compreendia. de Eva. Comecei por fazer desenho a carvão durante alguns anos. Mais tarde veio a pintura sobre tecido, com tinta acrílica. Pintava sobretudo almofadas.

Estas bonecas são feitas com um tipo de cartolina específico, chamado Eva, cola super 3 e bolas de esferovite.

Foi no início da idade adulta que entrou na minha vida a tinta a óleo e as telas.

Aprendi a fazer estas bonecas no COJ da nossa escola, pois desde sempre gostei muito de trabalhos manuais. Então, inscrevi-me para ver se gostava desta “modalidade”.

Hoje para além de pintar quadros, também pinto peças de gesso, fitas de final de curso, pequenas almofadas com cheiro e variados trabalhos de bricolagem. O desenho nunca saiu da minha vida. Faço destas técnicas, uma terapia e um encontro comigo mesma. Téc.Op. Fernanda Pereira

Penso que fazer estas bonecas é muito vantajoso, pois dão ótimas prendas de Natal e a um preço bastante acessível. No Natal passado, fiz uma boneca para cada pessoa da família, consoante a sua profissão e gostos e acho que eles gostaram muito. Com a realização de trabalhos manuais, conseguimos desenvolver a nossa concentração, criatividade e ficamos a conhecer novos materiais. Os trabalhos manuais deste tipo podem ajudar também para trabalhos da escola. Por exemplo, no ano passado, fiz o trabalho de história usando estas bonecas. Espero que tenha despertado a vossa curiosidade para esta atividade! Beatriz Manha 10ºA

37


Sabias que... Origami Origami é uma arte milenar de origem japonesa.

Kusudama é um enfeite em forma de bola. A

Com apenas um pequeno pedaço de papel e algumas palavra kusudama é a união das palavras kusuri = dobragens, construímos formas variadas: animais, remédio e dama = bola. A kusudama era plantas, caixas, poliedros. São inúmeras as

normalmente utilizada como um amuleto que servia

possibilidades de diversão e relaxamento a partir de

para afastar o mal.

simples dobragens.

“Um ilimitado universo de possibilidades encontra-

O tsuru é uma das figuras mais populares uma vez

se contido no discreto pedaço de papel quadrado que se tornou símbolo da paz ao ser relacionado com usado para dobrar origamis. Ali escondem-se formas a história de uma menina, Sadako Sassaki, vítima da inesperadas, ainda que vislumbráveis, podendo variar bomba atómica lançada sobre Hiroshima em 1945. O tsuru é considerado sagrado no Japão e acreditase ter o poder de conceder desejos a quem nele depositar toda a sua fé e esperança. O origami surgiu na minha vida há muitos anos.

de vigorosos animais, até complexas figuras geométricas intelectualmente estimulantes” Lillian Oppenheimer, fundadora do New York Origami Center Prof. Maria José Marinheiro

Um livro e um cd, esquecidos na estante, mostraramme este mundo maravilhoso do papel. Desde então, esta arte tornou-se um passatempo importantíssimo para mim, daqueles que funcionam simultaneamente como relaxante e estimulante de criatividade. Autodidata por natureza, fui evoluindo, no sentido de adaptar as peças favoritas e de as tornar parte do dia-a-dia de quem, como eu, aprecia esta arte. Já dobrei milhares de flores, kusudamas para pendurar, enfiadas de tsurus para decorar, estrelas, corações. As jóias em origami são uma forma inovadora de transformar esta arte em peças de uso quotidiano, um sucesso e um prazer para quem as usa.

38


A história da nossa Escola Escola Secundária Artur Gonçalves contributo para a sua História

intercâmbio com as empresas Alunos, funcionários, professores, na sua maioria, criaram uma escola onde a o ensino disciplinar coabitava com a educação sócio A ideia da construção da cultural, mas que sucumbiria, se não fossem tomadas medidas de política educativa que englobasse todo o Escola Secundária nº 2 concelho, sujeito, na época a uma dinâmica de em Torres Novas foi crescimento urbanístico, onde também exercia surgindo, durante a influência não pouco despicienda o Hospital Distrital década de oitenta, quando estrutura escolar de Torres Novas. Quando se me coloca hoje, como foi possível, concelhia começava a o funcionamento superlotado, relembro as diversas rebentar pelas costuras. reuniões periódicas da DREL, com técnicos do O número de alunos Ministério da Educação, na altura da estruturação da inscritos na escola rede escolar, que manifestavam a sua própria Secundária Maria incredulidade ante o número de alunos que se Lamas ultrapassara os encontravam dentro dum estabelecimento, uma antiga mais de três mil. escola industrial construída para 800/1000 alunos. As A escola funcionava sucessivas visitas da DREL, a intervenção continuada ininterruptamente das 8,30 às 24 horas, de segunda a do presidente da Câmara Municipal de então sexta-feira. As turmas do 3ºciclo e do secundário Casimiro Pereira, desperto para o problema pela rondavam uma média de trinta e mais alunos nas disciplinas genéricas. Além de duas zonas de pavilhões minha intervenção política como vereador, mas sobretudo a actividade do colectivo que era a Maria pré-fabricados, alguns de péssima qualidade, houve a Lamas na década de oitenta, o esforço directivo dum necessidade de divisão das salas desenho do 2º e 3º grupo muito empenhado e solidário, onde destaco com pisos, assim como zonas anteriormente do sector das saudade a grande qualidade de gestor do Manuel oficinas, para os cursos complementares de Artes, da Salvado Fonseca e dum incomparável dinamizador da utilização da sala dos alunos, do gabinete de juventude, o Padre Amílcar Fialho, ambos falecidos, audiovisuais, da própria cabine de cinema, por cima conduziram à consciencialização do Ministério da do ginásio, para aulas com turmas menores, assim Educação, através da DREL, dos técnicos superiores como no rés do chão a substituição do vestiário por da Rede Escolar, sem ignorar a acção da inspecção do salas de aulas e novos laboratórios. ministério, da necessidade de se rever a estrutura do Além disso, a década de 80 transformara a ensino do 3º ciclo e do ensino secundário concelhios, Maria Lamas numa escola de referência, pela conduzindo à criação da Escola Secundária nº 2, organização, empenhando todas as escolas públicas e depois Artur Gonçalves, e, nos Riachos, à C+S , hoje privadas da cidade, das Jornadas Pedagógicas de Escola EB 2.3 Chora Barroso. Quando, em Outubro Torres Novas, realizadas em 1983, 1984 e 1986. A de 1987, entrou em funcionamento a Escola presença de altas figuras da DREL, dos próprios Secundária nº 2 de Torres Novas, o ensino básico e governos, como os secretários de Estado do Ensino secundário público concelhio, restringido à Maria Básico e Secundário e da Administração Escolar, nos diversos anos, colocou no mapa da educação nacional Lamas e à Preparatória Manuel de Figueiredo entrara numa nova fase de amplitude educativa, completado uma escola de província, que se tornava conhecida, com a inauguração, em Outubro de 1991, da escola não só pela amplitude das propostas educativas, C+S de Riachos. abrangendo, na época os quatros grupos do secundário, assim como os técnico profissionais de António Mário Lopes dos Santos mecanotecnia e electrotecnia, como apresentava em cada ano lectivo opções de relação escola-meio, desde Antigo Presidente do Conselho Directivo da Escola Secundária Maria Lamas a área do desporto escolar, à dinâmica de todos os grupos educativos com suas acções disciplinares, como das associações de estudantes, que criaram uma escola inserida no meio social concelhio, mesmo através do 39


Na escola acontecerá...

Acácio Coelho Neto, Diretor do Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves tem o prazer de convidar V. Ex.ª para o lançamento da obra «O Museu de Imagens na Imprensa do Romantismo» da autoria de António Manuel Ribeiro. A sessão terá lugar no dia 5 de dezembro, às 18h, no auditório da Escola Básica Dr. António Chora Barroso (Riachos), estando a apresentação a cargo do Professor Carlos José de Almeida Veloso.

40


Quadro de Honra e Mérito Quadro de Honra

1º Ciclo

2º Ciclo David Miguel Cardoso

Regulamento Interno: Artigo 171º - Quadro de honra. 1. O quadro de honra do agrupamento destina-se a galardoar, anualmente, os alunos que mais se distinguiram a nível da avaliação interna e externa. 2. Avaliação interna: a. Apenas integrarão o quadro de honra os alunos que, estando matriculados em todas as disciplinas, obtêm as seguintes classificações internas: i. “Muito Bom” em todos os parâmetros qualitativos de avaliação no 4º ano e média de 4,5 a Português e Matemática; ii. A oferta complementar e apoio ao estudo não serão contabilizadas. iii. Média de 4,75 no 2º e 3º ciclo, desde que não registem nenhum nível inferior a 3, no 3º período; iv. Média de 17,50 valores no ensino secundário, desde que não registem nenhuma classificação inferior a 10, no 3º período. b. Não serão considerados para o quadro de honra os alunos que tenham sido alvo de medidas sancionatórias. c. A listagem dos alunos que constam do quadro de honra será apresentada por ordem decrescente das médias obtidas. Em caso de igualdade será utilizada a ordem alfabética dos nomes. d. Todos os alunos que integrarem o quadro de honra serão agraciados com a atribuição de um diploma, alusivo à efeméride, em sessão solene aberta a toda a comunidade educativa. 3. Na avaliação externa integrará o quadro de honra o aluno interno que obtiver a melhor classificação por exame nacional: a. Dos 4º, 6º e 9º anos, desde que a classificação seja igual ou superior a 90%; b. Dos 11º e 12º anos, desde que a classificação seja igual ou superior a 17,00 valores.

André João Ferreira Tomás

Margarida Pedro Livramento

Pedro Santana Roldão

David Gouveia Pereira

Rita Marujo Vidigueira

Duarte Nuno Gonçalves Bicho

Nicole Nóbrega Gonçalves

Guilherme Marques Mendes

Débora Gaião Roque

Beatriz Pereira Taborda

Margarida Maurício Girão

Pedro Manuel Carneiro

Tiago Filipe Cabral Lopes

José Miguel Marques Mota Pereira

Maria Manta Luís Serôdio Santos

Maria Branco Alves

Matilde Morais de Oliveira

Bruno Miguel Gomes Vieira

Tiago Faria Lopes

David Filipe Cascão Vieira

Tiago Dinis Bernardino Marques

Guilherme da Luz Marques

João Pedro Pereira Simões

Matilde Oliveira Inácio

Margarida Paulo Pires

Tiago Rosalino Quinteiro

Patrícia Pereira Gouveia

Catarina Grais Pereira

Beatriz Pereira Fernandes

Inês Conde Ribeiro Alves

Inês Pereira Brites

Margarida Neto Gonçalves

Joana Mota Fernandes Pereira

Ana Paula Gonçalves Freitas

Joana Sequeira Pratas

Duarte Miguel Neto Silva

Mariana Reis Mendes

Carolina Marques Neves

Nuno Miguel Gameiro das Neves

Ana Madalena C. da Ponte

Maria Eduarda Brandão

André Soares General

Pedro Dias Vieira

Maria Margarida de Matos

Radija Beatriz Barroso Schw ingel

João Miguel Emídio Pereira

Francisco Marcelino dos Santos João Miguel de Oliveira Correia Leonor Isabel Pinto Neves Margarida Mateus Morais Maria Sénica de Leão Tomás Eduardo Roque Salvador Tomás José Filipe Ana Patrícia Soares de Oliveira Carina Maria Oliveira Subtil

41


Quadro de Honra e Mérito Quadro de Honra

3º Ciclo

Ensino Secundário

João Pedro Salvado Henriques

Mónica Isabel Santana Ferreira Amado

Marta de Sousa Oliveira Rita de Sousa Oliveira Bárbara de Sousa Marques Guilherme EduardoSalvador Khystyna Tsupryk Carlota Frade Vieira

Diogo Vieira Alves Fonseca Francisco dos Reis Pires Francisco Sales Varanda Ana Beatriz Vieira Rodrigues Inês Rosalino de Sousa Lopes Quinteiro

Inês Coelho Lopes Formiga

Maria Isabel Ventura dos Santos Pereira

Maria Rita Braga Lopes

Maria Luís Sousa de Sousa

Susana Gomes Dias

Mariana Ferreira Soares

Francisca Antunes Serras

Miguel Veríssimo Carvalho Lince Duarte

Carlota Manta Luís Santos

Beatriz Neto Iria Varanda Gonçalves

Daniel Rodrigues Sousa

Catarina Neves Conceição

Inês dos Santos Brites

João Afonso Pinto Pereira

Leonor Veríssimo Duarte

Patrícia Dias de Sousa Martins

Paloma Gonçalves Domingos

Ana Beatriz Giestas da Silva

Pedro Vieira Alves da Fonseca Carlota Pinto Pereira Joana Marujo Vidigueira Ester Maria Gasques da Cruz Rui Armando Teixeira Pires Carolina Maria Lourenço Duarte

Afonso Neves Garcia Gabriel Antunes Maia Inês Gimenez Oliveira Pestana Martins Maria João Reis Pires Mariana Branco Farinha

Irina Gaião Roque

Marta Isabel Rodrigues Estrela

Daniel Marques Marçal de Sousa

Patrícia Isabel Rosa de Freitas

Inês Filipe Ferreira Afonso

Marta Filipa Brites Gameiro

Francisca Randall-Picton Oliveira

António Miguel Lobo Machado Teixeira Mendes

Jaime Pires Maia

Diogo Miguel Farinha Hortêncio

Beatriz Santos Ventura Pereira

Alice Catarina Lopes Augusto

Andreia Filipa Lopes de Sousa

Ana Sofia Carreira Fanha

Daniela Filipa Godinho

Francisco Rosa Gonçalves

João Manuel Barbado Gonçalves Ana Catarina Dias Machado João Novo Inês Costa Delgado Joana Rita Pereira Dias

42


Quadro de Honra e Mérito Quadro de Mérito DESPORTO ESCOLAR Boccia Diana Sousa Flávio José de Sousa Matos Milene Bastos de Sousa Tiago Miguel Rocha Lopes

Regulamento Interno: Artigo 172º - Diploma de mérito 1. O diploma de mérito destina-se a reconhecer publicamente todos os comportamentos e atos dignos de relevo protagonizados pelos alunos que tenham contribuído para o prestígio da escola ou para um benefício da sociedade. 2. Serão atribuídos diplomas de mérito aos alunos que se evidenciem em iniciativas de grande valor humanitário ou que tenham conseguido lugares de destaque na participação de eventos desportivos (nomeadamente em campeonatos regionais e nacionais do desporto escolar ou federado) e/ou culturais. 3. Outras propostas serão apresentadas pelo diretor de turma/professor titular ou professor dinamizador de projetos/ atividades que serão apreciadas por uma comissão nomeada pelo conselho pedagógico. 4. Serão excluídos os alunos que tenham sido alvo de aplicação de medidas disciplinares sancionatórias no ano em que decorreu a avaliação dos candidatos.

Basquetebol Irina Roque Maria Faria Carlota Pereira Mariana Nascimento Inês Freitas Catarina Freitas Sofia Bicho Matilde Oliveira Ana Rita Pereira Renata Vieira Francisca Pires Marta Teixeira Leonor Batista Maria Cândida Ferreira Badminton Paulo Carvalho Bruno Lobo Francisco Varanda João Santos Corta Mato Carolina Serra Xadrez Catarina Moebert Diogo Domingos André Garcia Bernardo Gabriel Oliveira Francisco Pires

Desportos Gímnicos Beatriz Nabeiro Carolina Correia Leonor Correia Maria Gameiro Faria Tiro com Arco Maeva Garcia Alexandre Duarte João Cidades

DESPORTO NACIONAL Natação Marta Oliveira Rita Oliveira Karaté Maria João Pires Reis Judo Ivan Banito Ramos CAMPEONATO SUPER T – ONLINE Matilde Inácio Márcia Patrício Ana Ferreira Mariana Fonseca Pedro Nuno Santos Gouveia CONCURSO DE POSTER Carolina Martins Pessoa Francisca Varanda Trincão luz Carolina Serra Carolina Cabaço Marta Teixeira CONCURSO "CONTO INFANTIL MARLISCO" Carolina Martins Pessoa Francisca Varanda Trincão Luz

43


Quadro de Honra e Mérito Quadro de Mérito CAMPEONATO CANGURU MATEMÁTICO Tiago Quinteiro Ana Rita Sousa Carolina Lopes Ana Rita Morais João Manuel Ferreira Pedro Vieira Alves Fonseca Joana Marujo Vidigueira Paloma Gonçalves Domingos Diogo Vieira Fonseca Miguel Veríssimo Duarte Francisco Neto Gonçalves CONCURSO ESTATÍSTICO JÚNIOR Alice Augusto Francisco Gonçalves Beatriz Oliveira Andreia Sousa Inês Delgado Carolina Felgueiras Leonor Duarte EXAME DELF SCOLAIRE Bernardo Manuel Carvalho Inverno Carolina Garcia Oliveira Diogo José Pereirinha Francisca Marto Pereira Inês Viriato Santos Jaime Pires Maia Joana Rita Dias João Manuel Gonçalves João Pedro Batista Leonor Lopes Mendes Carolina Cabaço Estelle Fonseca João Pedro Ribeiro Novo

OFICINA DE TEATRO Rui Rosa Francisca Governo Diogo Brito Tiago Gomes Daniel Teixeira Catarina Freitas Carolina Cabaço Beatriz Manha Maria Rita Lopes Margarida Gameiro Lara Delgado João Santos Bernardo Calisto Ana Catarina Mendes André General Tomás Fazenda Ana Margarida Prata Beatriz Neto Guilherme Manha Leonor Santos Mafalda Coelho Margarida Matos Marta Capito Carolina Lopes Ana Rita Morais CONCURSO SEGURANET Andreia Ferreira Bernardo Gonçalves Vyacheslav Miguel Martins António Abreu Ana Rita Antunes Guilherme Salvador Carlota Santos Joana Casal Daniel Sousa

44


Imprensa Torrejana realรงa o Agrupamento de escolas Artur Gonรงalves

45


As nossas Escolas


O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ARTUR GONÇALVES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ARTUR DESEJA A TODOS UMAS BOAS FESTAS ! GONÇALVES


Profile for Carlos Ferreira

Revista CRESCER EM CONJUNTO - dezembro 2014  

Revista CRESCER EM CONJUNTO - dezembro 2014 1º Edição REVISTA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ARTUR GONÇALVES TORRES NOVAS

Revista CRESCER EM CONJUNTO - dezembro 2014  

Revista CRESCER EM CONJUNTO - dezembro 2014 1º Edição REVISTA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ARTUR GONÇALVES TORRES NOVAS

Profile for fqcarlos
Advertisement