Page 1

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS

Notícias do Ténis Bimestral, N.º 6

Publicação Online

Setembro 2008

MACHADO reconquista título NEUZA estende hegemonia Campeonato Nacional Absoluto 2008 NESTA EDIÇÃO:

Ranking ATP Frederico Gil iguala classificação de Nuno Marques

Nacionais Sub 16 e Sub 18 Dias, Koehler e Luz campeões

Formação Números que falam por si

Machado deixa marca no Open dos Estados Unidos

Assembleia Geral FPT “Não queremos manter este status quo”, Corrêa de Sampaio

Entrevista com Alfredo Vaz Pinto

Selecção Nacional falha subida de divisão na Taça Davis

Federação Portuguesa de Ténis — Rua Actor Chaby Pinheiro, 7A — 2795-060 Linda-a-Velha Tel.: 214 151 356 Fax: 214 141 520 e-mail: fptenis@mail.telepac.pt http://www.fptenis.pt


Página 2

EDITORIAL Um Desafio ao Ténis A participação no Centro de Alto Rendimento do Jamor ! A Direcção da FPT, constituída por pessoas que gostam muito de Ténis, encara de forma positiva o desafio, que nos está a ser feito pelo IDP e pelo Governo, para arrancar com a participação do Ténis no CAR do Jamor. Assumindo a concretização de apostas bem definidas na escolha e apoio aos nossos talentos, bem como na criação de massa crítica para o Ténis, esta será uma oportunidade para criar condições de sustentabilidade para o seu desenvolvimento, tendo por objectivo os resultados que projectem o Ténis português para níveis de desempenho mundial. Congregando os apoios do Estado, com as iniciativas proporcionadas pelas empresas, devidamente tutelados pela FPT num Programa de Desenvolvimento plurianual do Ténis, a aposta da federação na Alta Competição será o suporte necessário a Jogadores, Treinadores e Clubes, com apoios concretos em três vertentes: preparação e desenvolvimento técnico dos atletas; acesso e apoio logístico às competições internacionais; viabilização da carreira profissional aos melhores. Esta faceta de alto rendimento determina a criação de um sistema de preparação dos atletas, por técnicos especialistas em treino e desenvolvimento desportivo, orientado por princípios de grande rigor, exigência e espírito de sacrifício. Deverá criado um Fundo de Apoio à Alta Competição capaz de potenciar os programas de desenvolvimento de atletas e treinadores, integrando os meios destinados ao ténis. Uma ligação ao sistema de ensino superior de desporto, tirando partido do efeito de proximidade, impulsionará a vertente de formação de treinadores e monitores de ténis, de árbitros e dirigentes, e proporcionará condições à investigação, tão necessária ao progresso das técnicas de treino do ténis e de desempenho físico dos atletas, factores decisivos na melhoria de resultados em Alta Competição. É com estes propósitos de dinamização do Ténis que a Direcção da FPT tem contribuído para normalizar a vida do ténis em Portugal, promovendo o convívio sereno entre todos os agentes da modalidade. Iniciamos as transformações possíveis nas infra-estruturas e regulamentos de forma pausada mas confiante no destino a atingir - credibilizar a Federação. Apostamos no licenciamento de todos os jogadores, praticantes, treinadores, árbitros e dirigentes, tema polémico mas crítico para o desenvolvimento da modalidade. Já se caminhou alguma coisa, mas é necessário fazer ainda mais, com a adesão dos clubes de todo o país. A atenção dedicada à Formação e ao Fomento, proporcionam condições de progresso à modalidade, que dispõe de um número cada vez maior e mais bem preparado de profissionais capazes de desenvolver o ténis desde as camadas mais jovens. Foi dinamizada a ligação ao Desporto Escolar e lançado o Plano Nacional de Detecção de Talentos (PNDT) com reconhecido sucesso na captação de novos valores para o ténis. Do trabalho desenvolvido nos últimos anos começam a aparecer resultados com a presença regular de equipas juvenis em fases finais dos campeonatos europeus, jovens de ambos os sexos em fases finais de provas internacionais, jogadores próximos do topo das classificações mundiais e prémios internacionais atribuídos a jovens tenistas portugueses. Para dar continuidade a este processo teremos ainda de ser capazes de transformar as contribuições líquidas recebidas pela FPT do Estado, através do orçamento do IDP, de Licenças FPT e das taxas nos eventos de ténis, de patrocinadores e mecenas desportivos, assegurando uma repartição mais equilibrada de cada uma no orçamento anual da FPT. Uma resposta positiva a este Desafio proporcionará: Mais Ténis, Melhor Ténis !

José Vaz Pinto Vice - Presidente

Federação Portuguesa de Ténis

AGENDA ITF Espinho (10.000 dólares) - Torneio Internacional Feminino, de 6 a 12 de Outubro, Espinho Future de Espinho (15.000 dólares) Torneio Internacional Masculino, de 6 a 12 de Outubro, Espinho Campanha ‘1 euro uma nova vida’ Cerimónia de entrega de cadeira de rodas a Atletas com mobilidade limitada, 9 de Outubro, Pavilhão Municipal da Maia Curso de Treinador (Nível 1), 10, 11, 12, 17, 18 e 19 de Outubro, Associação de Ténis de Lisboa ITF Hyfas Ladies Open (10.000 dólares) - Torneio Internacional Feminino, de 13 a 19 de Outubro, Clube Campo Quinta da Moura, Caxias - Barcarena Circuito FPT/CIMA - 24.º Torneio Santa Iria (Bronze, 2.000 euros), de 17 a 19 de Outubro, Clube de Ténis de Faro ITF Vila Real de Sto. António (10.000 dólares) - Torneio Internacional Feminino, de 20 a 26 de Outubro, Clube de Ténis de Vila Real de Sto. António Circuito FPT/CIMA - XI Open de Golegã (Bronze, 2.000 euros), de 6 a 9 de Novembro, Clube de Ténis da Golegã Circuito FPT/CIMA - Torneio Câmara Municipal de Espinho (Bronze, 2.000 euros), de 21 a 25 de Novembro, Complexo de Ténis de Espinho Campeonato Nacional de Equipas da 1.ª Divisão — Femininas e Masculinas, de 28 de Novembro a 1 de Dezembro, Clube de Ténis do Estoril

Ficha Técnica Direcção: José Corrêa de Sampaio Coordenação e Revisão: José Santos Costa Redacção, Paginação e Grafismo: AnaLima Comunicação e Marketing Fotografias cedidas gentilmente por Álvaro Isidoro


Federação Portuguesa de Ténis

Página 3

Taça Davis 2008 — Grupo II Zona Europa/África (play - off)

Sonho da subida termina na Ucrânia Depois de concludentes vitórias sobre a Tunísia (4-1) e o Chipre (5-0), ambas em solo português, a Selecção Nacional não foi capaz de eliminar a equipa da Ucrânia. Na cidade de Dnipropetrovsk, num pavilhão com capacidade para 1.300 espectadores, Portugal cedeu por 5-0 e falhou a subida ao Grupo I da Zona Europa/ África - Taça Davis. A jogar no terreno do adversário, perante jogadores experientes, num piso (rápido) pouco favorável aos portugueses e sem poder contar com Frederico Gil (lesionado), a tarefa da equipa, comandada por Pedro Cordeiro, não se adivinhava nada fácil. Porém, um Rui Machado em grande nível, vindo de uma excelente prestação no Open dos Estados Unidos e da conquista do Campeonato Nacional Absoluto, deixava uma certa esperança no ar.

desaire do jovem da Lourinhã, radicado nos Estados Unidos, a pressão passou para o lado de Rui Machado, o número um de Portugal.

teado, com os parciais de 3/6, 2/6 e 4/6, ficando desde logo sentenciada a eliminatória e a consequente subida da Ucrânia ao Grupo I.

O Campeão Nacional Absoluto não entrou bem no encontro com Sergei Bubka (à data 283.º ATP), cedendo o primeiro set (3/6). Na segunda partida, a garra de Machado veio ao de cima, igualando o encontro (6/3). Motivado para o terceiro set, num embate disputado à melhor de cinco, Rui acabou por sucumbir apenas no tie-break. Apesar da boa réplica no quarto set, Machado não conseguiu levar a contenda para a decisiva partida. Resultado final 3/6, 6/3, 6/7 (4) e 4/6.

“A superioridade ucraniana verificou-se na capacidade de entrosamento dos dois jogadores, e ainda que tivéssemos tido oportunidades para fazer o break point não conseguimos concretizar. Foi pena”, disse o seleccionador, no rescaldo do embate de pares.

“Não esteve perfeitamente adaptado ao piso indoor, além disso, na altura de finalizar, as coisas não lhe correram da melhor forma”, comentou Pedro Cordeiro, em análise ao encontro de Rui Machado.

Segundo set de Machado ainda deu confiança

Gastão no lugar de Gil

Diante do número um ucraniano, Sergiy Stakhovsky (à altura 82.º ATP), Gastão Elias, o primeiro português a entrar em cena, acabou por ceder em três equilibrados sets (4/6, 6/7 (5) e 4/6). Depois do

Com a ausência de Frederico Gil, o ‘capitão’ escolheu Gastão Elias para fazer dupla com Leonardo Tavares no decisivo confronto de pares. Frente aos rodados Stakhovsky e Bubka, o par português foi desfei-

Oportunidade para Sousa Com a eliminatória já decidida, Cordeiro fez jogar João Sousa no quarto encontro. O vimaranense não teve argumentos para contrariar o jogo do ucraniano Illya Marchenko (duplo 3/6). No encerramento da cimeira luso - ucraniana, Leonardo Tavares ainda ganhou o segundo set, mas não impediu novo desaire (6/7 (6), 6/4 e 3/6. Apesar da eliminação, Pedro Cordeiro acredita que “o lugar de Portugal é no Grupo I” , apontando o “piso pouco favorável e a ausência de Gil” como factores que dificultaram a concretização do objectivo de regressar ao Grupo I da Zona Europa/África.

Selecção reencontra Chipre em nova caminhada A Selecção Nacional vai defrontar o Chipre, entre 6 e 9 de Março de 2009, como visitante, na primeira eliminatória do Grupo II da Zona Europa/África - Taça Davis 2009. Será, pois, um reencontro das duas selecções que no passado mês de Julho mediram forças na Foz do Douro (Porto). Nessa eliminatória, Portugal venceu por 50, ganhando assim direito a disputar o play-off de acesso ao Grupo I, frente à Ucrânia. Será também o início de nova caminhada na tentativa de subir de divisão.


Federação Portuguesa de Ténis

Página 4

Campeonato Nacional Absoluto 2008 - Singulares Femininos

NEUZA SILVA

A CONQUISTADORA! E vão quatro títulos para a setubalense no Campeonato Nacional Absoluto. Os últimos três são consecutivos (2008, 2007, 2006 e 2003) Com uma postura muito profissional, compenetrada na sua missão, Neuza Silva passeou classe e solidez do primeiro ao último encontro. Sem ceder qualquer set, a setubalense sagrou-se Campeã Nacional Absoluta pela quarta vez, a terceira consecutiva. Na final que colocou frente-a-frente as duas grandes favoritas, Neuza superiorizou-se à ‘regressada’ Frederica Piedade, com um duplo 6/3, reforçando a sua presença na galeria de campeãs de singulares femininos. Neuza foi dizendo ao longo da semana de prova, no Clube de Ténis do Estoril, que “ganhar o Nacional Absoluto é um motivo de orgulho” e, momentos após levantar o troféu, reforçou a importância deste título, com um certo simbolismo pelo meio. “É especial. Ainda para mais é o quarto título e o número quatro é o meu favorito, porque é o do meu aniversário [4 de Maio], exclamou a campeã nacional. Conformada com a derrota, Frederica Piedade reconheceu a superioridade da sua ‘velha rival’: “Não fiz uma exibição muito boa. A Neu-

za teve muito mérito neste encontro. No entanto, estou contente por ter chegado à final”. A número três portuguesa na tabela WTA já não jogava a prova desde 2005 e, aquando do apuramento para a final, comentou ser uma “sensação muito boa estar novamente na discussão de um Campeonato Nacional Absoluto”.

constata-se que apenas Neuza Silva repetiu o feito. Frederica, Bárbara e Koehler, todas elas ausentes na prova do ano transacto, ‘substituíram’ as habitués Ana Catarina Nogueira, Magali de Lattre (ambas eliminadas por Maria Koehler) e Catarina Ferreira (afastada por Bárbara Luz).

No percurso glorioso da campeã Neuza ficam ainda para os registos as vitórias sobre Charlotte Pires, por 6/1 Confronto geracional e 6/2, e Joana Pangaio, 6/4 e 6/1, na Para se gladiarem na final mais ronda inaugural. aguardada, Neuza Silva e Frederica Nogui apadrinha Joana e Piedade tiveram de superar as talenrecebe Prémio Fair-Play tosas teenagers, Bárbara Luz e Maria João Koehler, respectivamente, nas meias-finais. Neuza (25 anos) venceu O confronto geracional presente na Bárbara (15), por duplo 6/2, enquan- prova feminina não se restringiu às to Frederica (26) ganhou a Koehler meias-finais. Na primeira ronda do (15), por 6/3 e 6/2. Apesar da supe- quadro principal, Ana Nogueira (à rioridade por parte das consagradas, altura com 29 anos) e a estreante é de louvar a coragem e a postura Joana Valle Costa, com tenros 12 com que as duas (fortes) promessas anos, protagonizaram o embate de se bateram. Excelentes indicadores maior diferença de idade entre as para uma futura passagem de teste- jogadoras. Nogui acabou por vencer, munho entre duas gerações do ténis por 6/2 e 6/3. Ana Nogueira viria a receber o prémio Fair-Play deste feminino português. Campeonato Nacional Absoluto, num Olhando para as semifinalistas deste merecido reconhecimento a uma Nacional Absoluto e tendo presente figura incontornável do ténis portuas meias-finais da edição de 2007, guês.


Página 5

Federação Portuguesa de Ténis

Campeonato Nacional Absoluto 2008—Singulares Masculinos

Sob a lei de Machado

Rui recupera ceptro Embalado pela extraordinária prestação no Open dos Estados Unidos - chegou à segunda ronda naquele que foi o seu primeiro Grand Slam — Rui Machado surgiu no Campeonato Nacional Absoluto determinado a mostrar que era o jogador mais forte ali presente. Numa clara demonstração de poder, Machado reconquistou o trono, que já não era seu desde 2005, sem ceder um único set na caminhada triunfal. Com a ausência de Frederico Gil (campeão nacional em 2004, 2006 e 2007), esfumou-se a possibilidade de se assistir a uma eventual final entre os dois melhores jogadores portugueses da actualidade: Gil e Machado. Numa prova onde a lógica prevaleceu, Rui Machado e Leonardo Tavares confirmaram o favoritis-

mo nas respectivas partes do quadro como as coisas estavam a core mediram forças na final. Com um rer”. claro duplo 6/1, Machado evidenciou enorme superioridade neste Diogo Mota, João Ferreira e embate com Tavares, onde foi notóFrancisco Dias em destaque ria a maior rodagem do algarvio. Para chegarem à final, Machado e “Garra e autocontrolo” Tavares superaram os regulares Diogo Mota e João Ferreira, respec“Tenho muitos jogos em cima, tivamente, nas meias-finais, dois muitas vitórias, acabei por encontros com o mesmo resultado estar melhor do que o Leonar- final (6/4 e 6/2). Além dos semifinado, também porque consegui listas, referência especial para o lidar mais facilmente com a desempenho de Francisco Dias, pressão”, constatou Rui Machado, Campeão Nacional de Cadetes e após a conquista do título, acrescen- Juniores, que deixou para trás dois tando que “a garra e o autocon- favoritos, Pedro Sousa e Hugo Anão, trolo têm sido as chaves do antes de ceder frente a Diogo Mota, sucesso”. nos ‘quartos’. Resignado com o desfecho da final, Leo afirmou: “Tentei ser mais consistente, mas era quase impossível ganhar pelo modo

Tal como Tavares e Mota, caíram às mãos do campeão Rui: José Nunes (duplo 6/1), Filipe Rebelo (duplo 6/0) e Diogo Rocha (6/2 e 6/1).

Pares Femininos

Pares Masculinos

Pares Mistos

Frederica Piedade e Ana Catarina Nogueira reeditaram a dupla de outros tempos e saíram-se bem, conquistando o ceptro de pares femininos. Na final, venceram Neuza Silva e Demi Rodrigues (6/2 e 6/3).

Nuno Páscoa (semifinalista de singulares em 2007) e Gonçalo Falcão sagraram-se campeões de pares masculinos, impondo-se à dupla João Ferreira / José R. Nunes, por 6/4 e 7/5, na final.

Os irmãos Catarina e João Ferreira conquistaram, pela quarta vez consecutiva, o título de pares mistos. Desta feita, os ‘manos’ ganharam à dupla Cátia Rodrigues / André Caiado, por 6/4 e 6/3, na final.


Página 6

Federação Portuguesa de Ténis

Campeonato Nacional Absoluto 2008 - As Grandes Revelações

Maria Koehler

Tomba — Gigantes

Já começa a tornar-se habitual ver Maria João Koehler fazer frente às jogadoras consagradas do ténis feminino nacional. Neste Campeonato Nacional Absoluto, a talentosa ‘esquerdina’ superiorizou-se a Magali de Lattre (campeã em 2005), por claros 6/3 e 6/0, na primeira ronda. De seguida, nos quartos-de-final, a detentora do título nacional de juniores voltou a fazer furor, ao derrotar Ana Catarina Nogueira (Vice-Campeã em 2007), com os parciais de 6/4 e 6/0. Esta foi mesmo a terceira vitória de Koehler sobre Nogui em 2008. “Não há segredo nenhum. Hoje não foi mais fácil do que nos encontros anteriores”, disse a portuense, após carimbar a presença nas ‘meias’ para defrontar Frederica Piedade. “Estou com vontade de me bater com ela”, exclamou Maria, antes do duelo com Frederica. Porém, aqui, a experiência de Piedade falou mais alto, perante o forte vento que se fez sentir - 6/3 e 6/2 foram os parciais.

Bárbara Luz

Estreia luminosa

Em três semanas consecutivas, Bárbara Luz revalidou o título nacional de cadetes, foi Vice - Campeã de Juniores e semifinalista no Campeonato Nacional Absoluto. Obra! Sem entrada directa no quadro principal, a jovem de 15 anos ultrapassou duas adversárias no qualifying, estreando-se assim no Campeonato Nacional Absoluto. Uma estreia auspiciosa de Bárbara, que só foi travada nas meias-finais por Neuza Silva (duplo 6/2). A menina conimbricense, que disse querer “ganhar este Campeonato um dia mais tarde”, deixou pelo caminho Catarina Ferreira (semifinalista em 2007), nos quartosde-final, por 6/7 (5), 6/1 e 6/4, naquela que foi a maior vitória da sua ainda precoce carreira, e Demi Rodrigues, com os parciais de 4/6, 7/6 (7) e 7/5, na ronda inaugural. Depois de duas autênticas maratonas, Bárbara ganhou direito a bater-se no court central com a campeã Neuza. Certamente, num futuro próximo, a Campeã Nacional de Sub 16 protagonizará maior equilíbrio entre ambas.

Francisco Dias

Fibra de Campeão

Chegou ao Nacional Absoluto com as insígnias recentes de Campeão Nacional de Sub 16 e Sub 18. Teve direito a um wild card para o quadro principal, que viria a justificar plenamente. Logo na ronda inaugural, Francisco viu Pedro Sousa, vice - campeão em 2007, desistir devido a uma lesão no ombro, depois de Sousa ganhar o primeiro set (6/3) e estar em desvantagem no segundo (0/4). Mas, se o primeiro triunfo do jovem orientado por João Cunha e Silva ficou em parte associado ao ‘azar’ do adversário; de seguida, nos oitavos-de-final, Francisco puxou dos galões de campeão e bateu o favorito Hugo Anão, por 7/6 (5), 0/6 e 6/4. Nos ‘quartos’, o jovem de 16 anos obrigou Diogo Mota a uma contenda de três sets (3/6, 6/4 e 7/5), não evitando, no entanto, a eliminação numa prova masculina onde foi claramente a grande surpresa. A par de Miguel Almeida e Martim Trueva, Dias assume-se como forte esperança do ténis masculino português.


Página 7

Federação Portuguesa de Ténis

Campeonato Nacional Absoluto 2008

“Queremos ter sempre os melhores jogadores” Terminado o Campeonato Nacional Absoluto 2008, José Corrêa de Sampaio, Presidente da Federação Portuguesa de Ténis (FPT), destacou a qualidade dos jogadores que estiveram em prova, não esquecendo alguns ausentes, e deu ênfase às excelentes prestações dos jovens Francisco Dias, Maria João Koehler e Bárbara Luz. Em mais uma parceria com o Clube de Ténis do Estoril, o dirigente reconhece a boa relação com este Clube, bem como com a Câmara Municipal de Cascais. “Apesar deste campeonato ter sido condicionado pelo vento, houve um forte empenho dos jogadores. Tivemos grandes tenistas portugueses nesta prova. Foi notável ver os desempenhos das jovens de 15 anos, Maria João e Bárbara, que chegaram às meias-finais, e do Francisco Dias, de 16 anos, que esteve em grande plano na competição masculina. Gostaríamos de ter contado com a presença do Frederico Gil, mas infelizmente lesionou-se, Gastão Elias, Miguel Almeida, Martim Trueva, João Sousa ou Michelle, todos jovens de grande valor. Queremos ter sempre os melhores jogadores”, resumiu Corrêa de Sampaio.

evento, o Presidente da FPT mostrou-se satisfeito com a receptividade do Clube de Ténis do Estoril (CTE), uma vez mais como palco deste certame, realçando a forte ligação com a autarquia de Cascais. “Temos uma dívida de gratidão com a Câmara Municipal de Cascais e a Junta de Turismo da Costa do Estoril, parceiros fiéis. Uma parceria que tem funcionado muito bem, e realço a postura do Dr. António Capucho, sempre entusiasta e empenhado em ajudar o ténis”, disse.

Quanto ao próximo ano, continuará o CTE a receber a prova? “A Federação organizou e vai continuar a organizar outros torneios em outros locais do país. Relativamente à organização do As provas têm de rodar por

Corrêa de Sampaio

diferentes clubes, mas, muitas vezes, uma certa continuidade também é benéfica. Cabe à Federação escolher perante as candidaturas apresentadas pelos clubes”, referiu.

“Campeonato deve rodar para promover a modalidade” Alfredo Laranjinha, Director do torneio, ficou satisfeito com o nível das provas feminina e masculina, realçando o efeito surpresa criado pelos jovens Francisco Dias, Maria J. Koehler e Bárbara Luz, que se intrometeram na luta dos habitués. A equipa de arbitragem merece rasgados elogios do responsável da FPT para os Campeonatos Nacionais, que reconhece ainda as excelentes condições do Clube de Ténis do Estoril. Laranjinha refere, no entanto, que o Campeonato Nacional Absoluto deve rodar por outros clubes e locais do país. “Foi um Campeonato Nacional Absoluto com agradáveis surpresas, quer na competição feminina, quer na masculina. Nos rapazes, reconheço que a prova teria sido mais entusiasmante se o Frederico Gil tivesse podido jogar, pois poderíamos assistir a uma eventual final com o Rui Machado, onde o nível seria muito próximo. Destaco particularmente o desempenho do Francisco Dias, que fez-nos acreditar poder passar mais uma ronda, mas penso que a juventude acabou por travá-lo”, resumiu Alfredo Laranjinha, para quem o vento forte que se

fez sentir no CT Estoril prejudicou sobretudo os mais jovens: “Na prova feminina, a experiência da Neuza e da Frederica prevaleceu sobretudo em condições ventosas, mas a Maria João e a Bárbara deixaram a esperança de se poder assistir a uma outra final, que não a mais expectável”. Pelo terceiro ano consecutivo o CT Estoril recebeu o ‘Absoluto’, e as organizações têm sido bem sucedidas. Laranjinha destaca “as instalações fabulosas”, mas lembra que o “Campeonato deve rodar para promover e fomentar a

Alfredo Laranjinha

modalidade em outros locais do país”, apresentando o exemplo do Clube de Ténis de Évora que “em 2005 recebeu o Absoluto com uma grande organização”.


Pรกgina 8


Federação Portuguesa de Ténis

Página 9

Com força, coesão e Grand Slam - Open dos Estados Unidos 2008 atitude, a Selecção Nacional venceu, natural mente, a Tunísia, por 4-1, na primeira eliminatória do Grupo II da Zona Europa / África - Taça Davis 2008. O Clube de Ténis do Estoril, que recebeu a prova entre 11 e 13 de Abril, voltou a ser palco talismã, tal como, em Setembro de 2005, quando Portugal bateu a Eslovénia (4-1), e assegurou a subida ao Grupo I. Os triunfos de Rui Machado, diante de Walid Jallali (6/1, 6/1 e 7/5), e Frederico Gil, frente a Malek Jaziri (6/3, 6/4 e 6/3), nos dois encontros de singulares, realizados no primeiro dia de competição, deixaram, desde Foi sem dúvida um estóico logo, transparecer a eviMachado, que só quebrou após dente superioridade dos mais de 4 horas de intensa comandados de Pedro batalha, aquele que se exibiu Cordeiro relativamente no court 11 do complexo de aos dois melhores jogaFlushing Meadows, diante do dores tunisinos. espanhol Fernando Verdasco, “Estava à espera de à altura número 13 mundial. ganhar. Joguei bem Os parciais de 7/6 (5), 6/7 (5), nos dois primeiros 4/6, 7/6 (6) e 0/6 ilustram esse sets, e, no terceiro, confronto, da segunda ronda apesar de ter perdido do Open dos Estados Unidos, um jogo de serviço, que deixou Rui Machado muito não foi assim tão graperto de alcançar um feito inéve. O vento estava dito para o ténis português mais irregular e desser o primeiro luso a chegar à concentrei-me um terceira ronda de um torneio pouco”, declarou Rui do Grand Slam. Machado, depois de vencer o número um tunisiEnorme prestação de Rui Machado no - à data 725.º ATP. perante um jogador consolidado no top 20 ATP. Depois de ganhar a parPerante um adversário tida inaugural, o português teve que já oportunidade conhecia, Frederimesmo de levar de co Gilo procurou “jogar vencido segundo set, tendo servido sólido, e duas vezes concentrado para fechar o respectivo. Talsem não aconteceu, com Verdasco a grandes loucuigualar contenda, após novo tieras” apara levar a melhor

MACHADO DE AÇO! Iguala Marques e Cunha em Slams

sobre

um

“jogador

break. O madrileno acabaria depois por dominar o terceiro set, saindo com a motivação em alta para a quarta partida. Porém, Machado voltou à carga e chegou a usufruir de uma vantagem de 4/1, depois de um break (3/1) e um jogo em branco no seu serviço. Quando se pensava que o algarvio caminhava tranquilamente para a vitória no quarto set, igualando assim o encontro, Fernando Verdasco recuperou a diferença no marcador (4/4). O equilíbrio continuaria, e só mesmo um terceiro tiebreak traria decisões. O combativo Machado salvou um match-point e conseguiu forçar a derradeira partida. Aí, o número dois português ATP sucumbiu ao domínio do espanhol, após extenuante contenda. Para a história Tremenda atitude do campeão nacional em título, que deu tudo aquilo que tinha para alcançar o triunfo e assim tornar-se no primeiro português a chegar à terceira ronda de um Grand Slam. De qualquer forma, o nome do algarvio fica ligado à história da modalidade em Por-

tugal, pois tornou-se no terceiro jogador luso - depois de Nuno Marques (Roland Garros - 1990; Open dos Estados Unidos - 1991 e 1995) e Cunha e Silva (Wimbledon - 1993; Open dos Estados Unidos - 1993) - a jogar a segunda ronda de um Slam. Percurso em Flushing Meadows Depois de vencer o norte-americano Eric Nunez (631.º ATP), por duplo 6/4, o chileno Nicolas Massu (121.º ATP), campeão olímpico em Atenas’ 04, por 6/2, 3/6 e 6/3, e o italiano Flavio Cipolla (141.º ATP), por 7/6 (5) e 6/3, sucessivamente, na primeira, segunda e última rondas de qualificação, Machado garantiu a sua primeira presença no quadro principal de uma etapa do Grand Slam, declarando nesse momento ao Site da FPT: “Posso considerar que se trata do melhor momento da minha carreira”. De seguida, o algarvio venceria o sul -africano Rik De Voest (148.º ATP), por 6/4, 7/6 (1) e 6/1, na ronda de abertura do quadro principal.


Federação Portuguesa de Ténis

Página 10

Grand Slam - Open dos Estados Unidos 2008

Frederico Gil

Carrasco pela terceira vez

À terceira não foi de vez e Frederico Gil voltou a cair às mãos do francês Jeremy Chardy, na primeira ronda de um torneio do Grand Slam. Depois de vencer o set inaugural, Gil permitiu a recuperação do gaulês (6/3, 3/6, 2/6 e 3/6) no seu encontro de estreia no Open dos Estados Unidos, onde entrou directamente para o quadro principal. Na primeira ronda de Roland Garros e de Wimbledon, na presente época, Gil já havia cedido diante de Chardy — o seu maior carrasco no circuito ATP. Esta presença no Slam novaiorquino, em Flushing Meadows, ficará registada na carreira do número um português como a sua terceira participação em quadros principais de torneios do Grand Slam.

Michelle Brito

Mais perto da estreia

A romena Ioana Olaru, à altura número 123 WTA, pôs término ao desejo de Michelle Brito em estrear-se no quadro principal de uma etapa do Grand Slam, com precoces 15 anos. Pelos parciais de 2/6 e 3/6, a menina- prodígio foi travada na terceira e última ronda da fase de qualificação do Open dos Estados Unidos. Nos embates antecedentes, Michelle derrotara as anfitriãs Abigail Spears (169.ª WTA), por 6/2 e 7/5, na segunda ronda, e Angela Haynes, com os parciais de 3/6, 7/5 e 6/4, no encontro inaugural. Depois da passagem fugaz pelo qualifying do torneio de Wimbledon, onde não foi além da ronda inicial, a coqueluche ficou perto de se tornar na primeira portuguesa a jogar a grelha final do Slam norte-americano.

Neuza Silva

Enguiço quebrado

Com uma vitória, por duplo 6/3, sobre a bielorrussa Anastasiya Yakimova (113.ª WTA e nova favorita), na primeira ronda qualificativa do Open dos Estados Unidos, Neuza Silva venceu pela primeira vez um encontro em qualifyings de Grand Slams. Depois de ceder na ronda inaugural das qualificações do Open da Austrália, Roland Garros e Wimbledon, a campeã nacional seguiu até à terceira e decisiva ronda de acesso ao quadro principal do Slam de Nova Iorque. Neuza impôs-se à sul-africana Natalie Grandin, por 3/6, 6/4 e 6/4, na segunda ronda, sendo afastada, na seguinte, pela italiana Roberta Vinci, com os parciais de 4/6 e 0/6.

Arbitragem

Ramos em nova final

Após arbitrar as finais de singulares masculinos no Open da Austrália e em Roland Garros, e a final de singulares femininos em Wimbledon, Carlos Ramos voltou a sentar-se na cadeira de árbitro, numa final de um torneio do Grand Slam. O português que reside em Lyon (França) dirigiu a final de pares mistos do Open dos Estados Unidos. Um encontro que culminou na vitória da dupla Cara Black (Zim) / Leander Paes (Ind) sobre Liezel Huber (EUA) e Jamie Murray, por 7/6 (6) e 6/4. Mariana Alves também marcou presença em mais um Grand Slam, como árbitra de cadeira, enquanto Rogério Santos foi juiz-de-linha no torneio de Flushing


Federação Portuguesa de Ténis

Página 11

Ranking ATP

Gil iguala melhor registo português de sempre Estabelecida há mais de 12 anos, parecia quase inalcançável no curto prazo. Falamos da melhor classificação de um jogador português no ranking ATP, da autoria de Nuno Marques, em Setembro de 2005. Pois bem, a 18 de Agosto, Frederico Gil acabou com o mito, ao igualar esse 86.º posto. Aquando da participação de Frederico Gil no torneio de Wimbledon — onde superou três adversários no qualifying, antes de ceder na primeira ronda do quadro principal -, o próprio Nuno Marques já profetizava que Gil iria ultrapassar o seu registo na hierarquia mundial. “Acredito que, com todo o mérito, vai conseguir superar o meu recorde no ranking ATP. Não tenho grandes dúvidas”, disse Marques ao site da FPT.

Para já, a marca do portuense ainda se mantém como referência, mas a autoria passa a ser ‘partilhada’ com o sintrense. Istambul na origem do(s) feito(s)

A vitória no Challenger de Istambul, de 11 a 17 de Agosto, e os 80 pontos acumulados possibilitaram a Frederico Gil igualar o registo de Marques no ATP. Mas, não só. Com este título em solo turco, o maior da sua carreira, Gil igualou também a proeza do seu treinador, João Cunha e Silva, o único português que havia ganho um torneio com um prizemoney de 100 mil dólares — em Monterrey (México, 2005). São assim dois registos históricos do ténis nacional, que Frederico passou a partilhar com os emblemáticos Nuno Marques e Cunha e Silva.

Frederico Gil

Ainda na prova turca, para chegar ao troféu, Gil teve de derrotar adversários como o luxemburguês Gilles Muller, nos quartos-de-final, o ucraniano Sergiy Stakhovsky (que recentemente enfrentou Portugal na Taça Davis), nas ‘meias’, e o germânico Benddikt Dorsch, na final.

ITF Juniors e Tennis Europe

Martim Trueva, Francisco Dias, Maria Koehler, Patrícia Martins e Francisco Ramos em evidência Martim Trueva, Francisco Dias e Maria Koehler, em provas do circuito ITF Juniors, Patrícia Martins, Francisco Ramos e Frederico Silva, em torneios da Tennis Europe (Sub 16 e Sub 14) estiveram em destaque nos dois últimos meses. No Torneio Internacional Júnior de Leiria, Martim Trueva só foi travado na final, pelo neozelandês Sebastien Lavie,

jogador que afastou Francisco Dias nas meias-finais. Trueva e Dias voltariam a estar em grande plano na Taça Diogo Nápoles, na Foz do Douro (Porto). Os dois jovens enfrentaram-se na final, tendo a vitória sorrido a Martim. No sector feminino, Maria Koehler foi Vice - Campeã. Na Vila do Conde Junior Tennis Cup, mais um torneio ITF Juniors em Portugal, Trueva e Koehler

chegaram às meias-finais nas respectivas provas. No Pestana Junior Open (Qta. da Beloura) e no Parque Nascente Cup (Porto), Patrícia Martins foi a ‘princesa’ de serviço, arrebatando os dois títulos femininos. Francisco Ramos ganhou o ‘Pestana’, vencendo Vasco Mensurado na final, enquanto Frederico Silva foi finalista vencido no Parque Nascente Cup.


Federação Portuguesa de Ténis

Página 12

Rankings Internacionais 29 de Setembro

Frederico Gil Pos.

ATP

Miguel Almeida Pos.

Juniores Masculinos

Michelle Brito Pos.

Juniores Femininos

132.ª Michelle Brito

133.ª

Michelle Brito

390.ª

Bárbara Luz

Pos.

WTA

107.º Frederico Gil

88.º

178.º

132.º Gastão Elias

169.ª

Neuza Silva

141.º

234.ª

Frederica Piedade 569.ª

Demi Rodrigues

522.ª

Catarina Ferreira

597ª

Maria Koehler

568.ª

Magali de Lattre

710.ª

Cátia Rodrigues

774.ª

Ana Nogueira

954.ª

Ana Claro

893.ª

Maria Koehler

1251.ª

Rita Vilaça

1038.ª Demi Rodrigues

1755.ª

Patrícia Martins

Rui Machado

485.º Gastão Elias 553.º Leonardo Tavares 584.º João Sousa 1114º Pedro Sousa 1431.º Miguel Almeida 1555.º Frederico Marques 1885.º José R. Nunes

Miguel Almeida

Michelle Brito

Martim Trueva

548.º Manuel Marcelo 406.º Francisco Dias 436.º

Manuel Marcelo

658.º

Francisco Charters

1093.º Tomás Valle Costa

1386.º Pedro Palha


Página 13

Federação Portuguesa de Ténis

Campeonatos Nacionais Individuais de Sub 16 e Sub 18

Reinado de Francisco Dias, Maria Koehler e Bárbara Luz ‘Dobradinha’ para Francisco Dias, título nacional de Sub 18 para Maria João Koehler e revalidação do ceptro de Sub 16 para Bárbara Luz. Assim poderia ser resumido o ‘enredo’ dos Campeonatos Nacionais Individuais de Cadetes (Carcavelos Ténis) e Juniores (Clube Ténis de Portimão e Rocha). Quer no Nacional de Sub 16, quer no Nacional de Sub 18, Francisco Dias foi dominador por completo, vencendo as duas provas em singulares masculinos. Na final da competição de cadetes, Francisco impôs-se a João Monteiro, por duplo 6/1, sucedendo a Miguel Almeida, que não esteve presente. No encontro decisivo do certame de juniores, o jovem orientado por João Cunha e Silva

Bárbara Luz, Francisco Dias e Maria Koehler, Campeões Nacionais

bateu, por 6/2 e 6/1, André Caiado, lo, depois de ganhar a Ana Claro ‘substituindo’ Miguel Alves, na gale- (2/6, 6/3 e 6/2), na final. Na tentativa de revalidar também o ceptro de ria de campeões. Sub 18, a conimbricense só sucumNo quadro feminino do Nacional de biu na final, diante de Maria KoehSub 16, Bárbara Luz renovou o títu- ler (6/1 e 6/2).

Circuito FPT/CIMA - Póvoa de Varzim, Laranjeiras e Corroios

Neuza Silva e Rui Machado na liderança dos Rankings A apenas três provas do término do Circuito FPT/CIMA 2008 e da consequente realização do Masters, Neuza Silva e Rui Machado lideram confortavelmente os respectivos rankings. Além do Campeonato Nacional Absoluto, que também integra o Circuito, realizaram-se, nos últimos dois meses, mais três torneios: Póvoa de Varzim (10.000 euros), Laranjeiras (4.000) e Corroios (6.000).

No torneio que serve de antecâmara para o Nacional Absoluto, o Open de Corroios, Neuza Silva revalidou o título, impondo-se a Ana Nogueira, por duplo 6/3, no encontro de atribuição do ceptro. No sector masculino, mais um título para Hugo Anão, depois de levar a melhor sobre João No Open das Laranjeiras, torneio Ferreira, por duplo 6/2, na final. reservado apenas ao sector masculino, Hugo Anão alargou o registo de O 24.º torneio Sta. Iria, o Open da títulos no FPT/CIMA, derrotando o Golegã e o torneio Câmara Municiqualifier Bruno Pedro, com os par- pal de Espinho - todos com prizemoney de 2.000 euros - fecham o ciais de 5/7, 6/2 e 6/1, na final. Numa reedição da final masculina Circuito FPT/CIMA 2008. Top 5 Masculino

1.º Rui Machado, 3678 pts 2.º Frederico Gil, 2635 3.º Hugo Anão, 2469 4.º José R. Nunes, 1841 5.º João Ferreira, 1816

de 2007, Leonardo Tavares voltou a vencer o seu treinador, Nuno Marques, desta feita, por 4/6, 6/4 e 6/4, no Open Cidade Póvoa de Varzim, enquanto Ana Nogueira venceu, por duplo 6/2, Catarina Ferreira no decisivo embate.

Top 5 Feminino 1.ª Neuza Silva, 3493 pts 2.ª Ana Nogueira, 2350 3.ª Magali de Lattre, 1744 4.ª Maria J. Koehler, 1707 5.ª Catarina Ferreira, 1461


Página 14

Federação Portuguesa de Ténis

PNDT — Circuito Nacional de Sub 10 em Imagem

Etapa na Escola de Ténis de Cantanhede

Etapa no OPorto Cricket & Lawn Tennis Club

Etapa no Clube de Ténis da Quinta da Balaia

Etapa no Clube de Ténis do Estoril

Masters Inter-Regionais com datas e locais definidos Estão marcados para o fim-de-semana de 11 e 12 de Outubro os cinco Masters Inter-Regionais do Circuito Nacional de Sub 10 do PNDT (Programa Nacional de Detecção de Talentos). Destas provas sairão os apurados para o Masters Nacional de Sub 10.

Masters Zona Norte - Clube de Ténis do Porto Masters Zona Centro - Clube de Ténis de Vila Velha de Ródão (femininos) e Clube de Ténis de Idanha-aNova (masculinos) Masters Zona Sul — Vilamoura Ténis Masters Zona Açores - Associação Ténis Açores

Campanha de Solidariedade

Um Euro por uma nova Vida Decorre uma Campanha de Solidariedade, entre 22 de Setembro e 3 de Outubro, que tem como objectivo a aquisição de cadeiras de rodas para Atletas com mobilidade limitada, a fim de lhes permitir a prática do ténis e de outras modalidades desportivas. Esta iniciativa irá também ajudar Atletas com limitações funcionais no Desporto Escolar, bem como a formação de Técnicos. A Fundação EDP, a RTP, a Antena 1 e a Ar Telecom são os parceiros que se unem nesta iniciativa. Para aderir a esta campanha basta ligar o 760 300 307 (custo de ligação são 60 cêntimos acrescidos de IVA), por cada euro angariado a

EDP contribui com igual valor. A RTP e a RDP vão difundir entrevistas e reportagens, envolvendo Atletas com mobilidade limitada, que praticam desporto, em representação da Federação Portuguesa de Ténis (FPT) e da Associação Portuguesa de Deficientes - Delegação Distrital de Braga (APD Braga). Os valores doados para esta Campanha de Solidariedade social vão ser geridos através de um sitio na internet, criado pela AR Telecom e auditado por todos os parceiros. O valor da contribuição da Fundação EDP será integralmente entregue no final de todo o processo, às duas entidades envolvidas, a FPT e a APD Braga.


Página 15

Federação Portuguesa de Ténis

Departamento de Formação da FPT

Newsletter da ITF destaca ‘Play and Stay’ em Portugal A newsletter da ITF (Federação Internacional de Ténis) sobre o ‘Play and Stay’ destacou na sua última edição, em Setembro, o trabalho desenvolvido em Portugal com esta metodologia de ensino do ténis. A publicação realça as acções de promoção do ‘Play and Stay’ realizadas durante a eliminatória da Taça Davis, entre Portugal e Chipre, em Julho, no Porto. O trabalho levado a cabo pelo Departamento de Formação da Federação Portuguesa de Ténis (FPT) com o ‘Play and

Stay’ é referenciado como sendo um “bom exemplo” para as outras nações que adoptaram este programa de treino. Elogios também não faltam para Vitor Cabral, que é descrito como o “excelente director”.

ção do ‘Play and Stay’, no primeiro seminário referente a esta metodologia, que terá lugar em Londres, de 28 de Novembro a 1 de Dezembro.

Exemplo português exposto em Londres

Antes de Londres, Vitor Cabral estará na 12.ª Conferência Regional para Treinadores ITF / COSAT, a decorrer no Brasil, de 1 a 5 de Novembro, onde terá a “missão de organizar e coordenar os sistemas de formação dos países de língua oficial portuguesa, sob o auspício da ITF”.

Como resultado de um trabalho de excelência, o Departamento de Formação da FPT, na pessoa do seu responsável, Vitor Cabral, foi convidado para apresentar o programa de implementa-

Formação no Brasil

Números que falam por si

104

Professores de Educação Física formados em Desporto Escolar

68

Cadernetas de Treinador actualizadas (recicladas)

66

Novos Treinadores Nível 1

29

Acções de Formação durante o primeiro semestre de 2008

27

Novos Árbitros Formados

26

Treinadores transitados para Nível 2

12

Treinadores transitados para Nível 3; 12 foram também as localidades por onde passaram as Acções de Formação


Federação Portuguesa de Ténis

Página 16

Assembleia Geral da FPT Corrêa de Sampaio

“Não queremos manter este status quo” A Direcção da Federação Portuguesa de Ténis (FPT) não conseguiu obter aprovação às propostas de alteração ao Regulamento Administrativo e alteração aos valores de taxas da Licença da Federação ,na última Assembleia Geral, a 13 de Setembro, na Escola de Hotelaria do Estoril. “Era um conjunto de propostas cuja aprovação achávamos muito importante, tendo em vista o aumento exponencial do número de federados, para que a modalidade crie condições, a fim de se desenvolver por si própria”, lamentou Corrêa de Sampaio, Presidente da FPT.

dores, a quem a Federação está grata”, referiu Corrêa de Sampaio, que vê no crescimento do número de federados uma receita essencial para o futuro do ténis português: “Não queremos manter este status quo. Queremos aumentar o número de federados para que possamos criar uma espiral virtuosa. Ou seja, através desse financiamento poderemos desenvolver o fomento e a formação, para que possam sair tenistas de alta competição que dêem visibilidade ao ténis nacional e abram portas à entrada de novos patrocinadores”.

Com a presença de 10 das 13 Associações Regionais (faltaram apenas a AT Madeira, Setúbal e Viseu, sendo que esta delegou a sua representação na AT Vila Real) e a Associação de Árbitros, somente as propostas referentes à alteração ao Regulamento da Licença e à alteração sobre a forma de contabilização dos federados, para efeitos de distribuição de determinadas verbas provenientes do IDP, tiveram a aprovação da Assembleia Geral.

O aumento da receita oriunda das quotas dos federados é fulcral para a Direcção da FPT, uma vez que “essa verba não excede 10% do orçamento da Federação, situação que não permite antever um futuro risonho para a modalidade”, declarou o líder federativo.

“A nossa batalha passa por criar condições de financiamento geradas pelo próprio ténis e não ficar apenas dependente do IDP e dos patrocina-

centou Corrêa de Sampaio. Apesar do chumbo de duas propostas da Direcção, Corrêa de Sampaio nega a existência de quaisquer conflitos entre FPT e Associações. “Vamos pensar sobre o que se passou na Assembleia Geral e depois tomar as medidas úteis para bem do ténis. Há opiniões diferentes, mas não há uma guerra entre Federação e Associações. Temos de pensar na volta que devemos dar. Aliás, as Associações integram a Federação. À Direcção exigese que aponte caminhos e apresente propostas de solução. Foi o que fez”, concluiu.

Pensar outro caminho

“A FPT não tem uma fonte de financiamento como as federações inglesa, francesa ou norte-americana, que detêm as organizações e consequentes receitas dos torneios do Grand Slam. Não somos proprietários de um grande torneio que nos dê financiamento”, acres-

Ordem de Trabalho: 1. Deliberar sobre a alteração ao Regulamento Administrativo Proposta não aprovada, por maioria 2. Deliberar sobre a alteração ao Regulamento da Licença Proposta aprovada, por unanimidade 3. Deliberar sobre a forma de contabilização dos federados para efeitos de distribuição de determinadas verbas provenientes do IDP Proposta aprovada, por maioria 4. Deliberar sobre novos valores de taxas da Licença da Federação Proposta não aprovada, por maioria


Federação Portuguesa de Ténis

Página 17

Circuito Nacional de Ténis de Praia

Filipe Rebelo, Pedro Correia, Joana Pangaio e Ruben Ferreira sagram-se Campeões Nacionais na Praia Castelo do Queijo As duplas Filipe Rebelo / Pedro Correia, em pares masculinos, e Joana Pangaio / Ruben Ferreira, em pares mistos, conquistaram o Campeonato Nacional de Ténis de Praia, prova que decorreu, a 16 e 17 de Agosto, na Praia Castelo do Queijo, no Porto. A competição contou com a presença das oito melhores duplas de cada variante.

3.º e 4.º lugares Mathieu Garcia / Ivo Fonseca – Henrique Freiras / Pedro Andrade, 7/6 (3) e 6/4 Pares Mistos Final Joana Pangaio / Ruben Ferreira – Joana Roda / Filipe Rebelo, 6/3, 3/6 e 13-11

Pares Masculinos 3.º e 4.º lugares Mathieu Garcia / Raquel Rodrigues – Hugo Rola / Final Filipe Rebelo / Pedro Correia – Hugo Rola / Ruben Susana Pereira, 2/6, 7/6 (4) e 10-6 Ferreira, 6/3 e 6/3 Classificação Final de Pares Mistos

Classificação Final de Pares Masculinos 1.º 3.º 4.º 5.º 7.º 8.º 10.º

Filipe Rebelo , 490 pts Pedro Correia, 490 Hugo Rola, 480 Ruben Ferreira, 385 André Alexandrino, 285 Matthieu Garcia, 285 Ivo Fonseca, 250 Dinis Figueiredo, 245 Hugo Silva, 245 Jaime Costa, 220

1.º 3.º 5.º 6.º 8.º 9.º

Filipe Rebelo, 470 pts Joana Roda, 470 Matthieu Garcia, 390 Raquel Rodrigues, 390 Ruben Ferreira, 250 Hugo Rola, 235 Susana Pereira, 235 Jaime Costa, 210 Hugo Silva, 190 Joana Pangaio, 190

ITF Matosinhos Beach Tennis Cup

Primeiro Torneio Internacional de Ténis de Praia em Portugal A praia do Titan, em Matosinhos, foi palco do primeiro Torneio Internacional de Ténis de Praia. O ‘Matosinhos Beach Tennis Cup’, prova inserida no circuito ITF Beach Tennis Tour, teve lugar no fim-de-semana de 12 e 13 de Julho, contando com as variantes de pares femininos e masculinos.

masculinos, depois de vencer a dupla João Peralta / Bruno Polónia, por 6/2 e 6/0, no decisivo encontro. Este evento, dotado de um prize money no valor de dois mil euros, foi organizado pela Norténis em parceria com a Associação de Ténis do Porto. As duplas vencedoras obtiveram 40 pontos para o recente ITF Beach Tennis World Ranking.

A dupla Rita Alexandra / Rita Oliveira conquistou a competição de pares femininos, impondo-se a Catarina Os encontros entre as 30 duplas presentes foram dispuMorais / Inês Morais, por 6/2 e 7/6 (2), na final. O par tados nos campos dispostos numa arena com mais de Alexandre Lopes / Filipe Silva sagrou-se campeão em 1000 lugares.


Página 18

Federação Portuguesa de Ténis

Entrevista com Alfredo Vaz Pinto

“Primazia do físico no Ténis actual” Alfredo Vaz Pinto, Heptacampeão Nacional Absoluto (1963, 1964, 1968, 1970, 1971 e 1972), foi um dos espectadores atentos do último Campeonato Nacional Absoluto, no Clube de Ténis do Estoril. Vaz Pinto diz acompanhar “discretamente” o actual ténis português, mas não deixa de lançar algumas ideias para a projecção da modalidade. ‘Notícias do Ténis’: Como olha para este

Campeonato Nacional Absoluto, comparativamente com aqueles que ganhou nos anos 60 e 70? Alfredo Vaz Pinto: Vejo aqui uma grande diferença. O Nacional Absoluto deveria ser disputado à melhor de cinco sets, como era na minha altura. Na Taça Davis e nos torneios do Grand Slam, joga-se à melhor de cinco partidas. Isso daria mais traquejo aos nossos atletas. A vertente física é muito importante. NT: O ténis actual é mais físico e menos romântico, relativamente aos seus tempos? AVP: Há uma primazia do físico no ténis actual. É necessária uma estatura suficientemente boa para um jogador arcar com este ténis de alta velocidade. Jogadores com uma estatura elevada projectam um ténis mais físico. A grande mudança na forma de jogar ténis deu-se nos anos 70. Até aí, os jogadores tinham um classicismo ao bater a bola. A técnica evoluiu com os movimentos angulares. A batida de direita passou a fazer uso de todos os movimentos do nosso corpo, fazendo com que a bola vá mais depressa. A técnica evoluiu muito.

Alfredo Vaz Pinto, Heptacampeão nacional

AVP: Acredito que podem aparecer génios, mas terá de haver uma estrutura para preparar os melhores. Um centro de treinos com técnicos especializados para acompanhar os atletas é fundamental.

NT: Se lhe perguntar quem foi o melhor jogador português [masculino] de sempre, consegue dar-me um nome? AVP: Bem…o Nuno Marques foi o melhor jogador que apareceu até agora. Esperávamos um pouco mais dele, mas há sempre muitos factores NT: Acredita na possibilidade de surgir a que condicionam uma carreira. curto prazo um jogador de grande referência no ténis português, que possa chegar a um top 10 mundial? Um verdadeiro ídolo?


Federação Portuguesa de Ténis

Página 19

Jogos Olímpicos Pequim 2008

VI Jogos CPLP

Mariana na final de ouro das irmãs Williams

Prata e Bronze para as Selecções Nacionais

Mariana Alves arbitrou a final de pares femininos dos Jogos Olímpicos de Pequim, onde as irmãs Serena e Venus Williams conquistaram a medalha de ouro. As norteamericanas venceram a dupla espanhola formada por Virgínia Ruano e Anabel Medina (6/2 e 6/0). Mais um marco importante na carreira da juíza portuguesa. Carlos Ramos também esteve em evidência, tendo dirigido a final de singulares masculinos, que Rafael Nadal ganhou a Novak Djokovic (6/4, 1/6 e 6/4).

Mariana Alves

Jogos Europeus de Transplantados

Ouro e Bronze para o Ténis Português Ouro e bronze para os representantes do ténis português que participaram nos Jogos Europeus de Transplantados, em Wurzburgo, na Alemanha, na primeira semana de Setembro. A dupla Miguel Bento Monteiro / Luis Guedes (ambos fizeram transplante de coração) sagrou-se campeã na variante de pares. Em singulares, no escalão de 50-59 anos, Bento Monteiro obteve o terceiro lugar, juntando assim a medalha de bronze à de ouro que alcançara nos Jogos Mundiais de Transplantados, há um ano, em Bangkok, na Tailândia.

Business Tennis Cup Equipas Campeãs voam para Paris

Bento Monteiro

Vale do Lobo Grand Champions Caixa Geral de Depósitos

Cunha e Silva encerra participação com vitória João Cunha e Silva, representante português na oitava edição do ‘Vale do Lobo Grand Champions Caixa Geral de Depósitos’, terminou com uma vitória a sua participação nesta etapa do Black Rock Tour of Champions - circuito de veteranos da ATP, que decorreu de 5 a 8 de Agosto, em Vale do Lobo.

As Selecções Nacionais Feminina e Masculina de Sub 16, presentes nos VI Jogos Desportivos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), conquistaram as medalhas de prata e bronze, respectivamente, no Rio de Janeiro, a 1 de Agosto. Com Ana Claro, Inês Xavier e Bárbara Ribeiro, a equipa feminina (capitaneada por Ângela Cardoso) sagrou-se Vice-Campeã após ceder contra o Brasil, por 1-2, na final. A Selecção Masculina, composta por Francisco Ramos, Francisco Jordão e João Magalhães, alcançou o bronze, vencendo a GuinéBissau, por 3-0, na atribuição do terceiro e quarto lugares.

Cunha e Silva venceu o argentino Guillermo Vilas, por 6/4 e 6/1, no seu último encontro no Grupo Caixa Geral de Depósitos. Nos dois encontros anteriores, o português cedera frente ao britânico Chris Wilkinson (1/6 e 4/6), na segunda jornada, e ao chileno Marcelo Rios (4/6 e 2/6), na estreia.

As equipas Joana Pedroso Advogada, Banco Privado Português e Mustplay sagraram-se campeãs, na fase final da ‘Business Tennis Cup’, no fimde-semana de 13 e 14 de Setembro, na Vale do Lobo Tennis Academy. Neste torneio estiveram presentes os 48 jogadores apurados nas fases regionais de Lisboa (Quinta da Marinha Health & Racquet Club) e Porto (Clube de Ténis do Porto.) Os vencedores vão poder assistir às meiasfinais e à final do torneio ATP Masters Series Paris-Bercy, no fim-de-semana de 1 e 2 de Novembro.


Página 20

Federação Portuguesa de Ténis

Michelle distinguida pela Fundação Luso - Brasileira

“Não quero ter nacionalidade americana” Numa breve passagem por Lisboa, Michelle Brito esteve no Hotel Tivoli, na manhã de 26 de Setembro, para uma conferência de imprensa organizada pela Fundação Luso-Brasileira, que atribuiu à menina-prodígio o Prémio Revelação 2008.

Prémio “...Tenho muito orgulho em receber este prémio. Vim de propósito a Portugal. Vou estar apenas um dia, porque tenho de partir para o Uzbequistão, onde vou jogar um torneio WTA [Tashkent Open, Tier IV (145.000 dólares]…”

Michelle Brito

Torneios WTA “...Ganhei à [Flavia] Pennetta, “...Quero entrar [directamente] joguei três sets com a Serena no quadro principal, mas, se não [Williams] e a [Svetlana] Kuzconseguir, jogarei o qualifying netsova. Sou capaz de jogar com para tentar chegar lá…” as melhores jogadoras do Mundo...”

Open da Austrália 2009

Open dos EUA 2008

“...No último jogo, não joguei Duelo com Serena muito bem. Não sei o que acon“…Foi um jogo incrível. Apenas teceu, parecia que não estava no pensei: tenho 15 anos e não court...”. tenho nada a perder. Senti-me muito bem por estar a jogar com Circuito ITF Juniors ela…” “...Defini como objectivo ser uma grande jogadora do Nacionalidade americana? [circuito] WTA, por isso, deixar “...Se me perguntarem, digo de jogar nos juniores foi uma não…” decisão minha...”

A fechar Patrícia em 3.º lugar no Masters Europeu Patrícia Martins obteve a terceira posição no Masters Tennis Europe de Sub 14, depois de levar a melhor sobre a ucraniana Ganna Poznikhirenkc, por 4/2 e 4/1, domingo (5 de Setembro), em Orbetello (Itália), no encontro de atribuição do terceiro e quarto lugares. Antes, Patrícia vencera a ucraniana KaterynaKozlova (6/4, 3/6 e 6/3), e cedera frente à campeã europeia e número um do ranking, a eslovaca Petra Uberalova (0/6 e 3/6).

Michelle alcança inéditos ‘quartos’ Michelle Brito atingiu, pela primeira vez, os quartos-de-final num torneio do circuito WTA. A proeza deu-se em Tashkent, no Uzbequistão, numa prova Tier IV (145 mil dólares), onde a menina-prodígio eliminou a eslovena Andreja Klepac, por 6/0, 6/7 (4) e 6/2, na primeira ronda, e a bielorrussa Tatiana Poutchek, por 6/4 e 6/1, nos oitavos-de-final. Nos ‘quartos’, Michelle foi travada pela romena Sorana Cristea, jogadora do top 50, com os parciais de 2/6 e 6/7.

Leia a entrevista na íntegra no Site da FPT (http://www.fptenis.pt/include_ResultadoPesquisa_Completa.asp?article_id=4935)

NT - Setembro 2008  

Notícias do Ténis - Setembro 2008

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you