Issuu on Google+

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS

Notícias do Ténis Bimestral, N.º 5

Publicação Online

Julho 2008

NESTA EDIÇÃO:

Play and Stay FPT e Nuno Marques estabelecem parceria em dia de celebração no Estádio Nacional

SUBIDA PASSA PELA UCRÂNIA Circuito FPT/CIMA Koehler e Machado lideram rankings

Nacionais 2008

CATEGÓRICO! A Selecção Nacional venceu o Chipre, por 5-0, na segunda eliminatória do Grupo II da Zona Europa/África - Taça Davis 2008, no Lawn Tennis Club da Foz (Porto). Em Setembro, Portugal vai à Ucrânia discutir a subida ao Grupo I

‘Embaixadores’ do Ténis Português nos grandes palcos mundiais

Primeiros campeões já são conhecidos

Europeus Individuais Miguel Almeida entre os oito melhores

Entrevista com Maria J. Koehler

FREDERICO GIL

MICHELLE BRITO

Estreou-se em Grand Slams: Roland Garros e Wimbledon

Qualificou-se para duas provas do WTA Tour e bateu jogadoras do top 100

Federação Portuguesa de Ténis — Rua Actor Chaby Pinheiro, 7A — 2795-060 Linda-a-Velha Tel.: 214 151 356 Fax: 214 141 520 e-mail: fptenis@mail.telepac.pt http://www.fptenis.pt


Página 2

Federação Portuguesa de Ténis

EDITORIAL

AGENDA

Foi num clima de grande entusiasmo e alegria que, no passado dia 21 de Junho, se assinalou, no Estádio Nacional, o primeiro aniversário do lançamento mundial do programa “Play & Stay”, promovido pela International Tennis Federation (ITF) e ao qual a Federação Portuguesa de Ténis aderiu desde a primeira hora, tendo participado na iniciativa desportistas de reconhecido mérito internacional, nas modalidades de rugby, natação, judo, automobilismo, futebol, entre outras. No âmbito da parceria estabelecida, nessa mesma data, entre a Federação Portuguesa de Ténis e a empresa “Nuno Marques & Sports Events”, teve lugar a referida iniciativa que contou pela primeira vez com Nuno Marques, uma das grandes referências do ténis nacional, como “embaixador” do programa “Play & Stay” em Portugal, e que certamente em muito contribuirá para, em sintonia com a Federação Portuguesa de Ténis, através do seu Departamento de Formação, divulgar e promover aquele projecto no nosso país.

Circuito FPT/CIMA - Open Cidade Póvoa de Varzim (Super-Série, 10 mil euros), de 30 de Julho a 3 de Agosto, Schoolkids - Schooleventos, Póvoa de Varzim

Efectivamente, ao longo deste último ano, a Federação Portuguesa de Ténis, no âmbito do programa “Play & Stay", levou a cabo uma série de iniciativas merecedoras de reconhecimento internacional por parte da ITF, facto esse que nos confere um acréscimo de responsabilidade na implementação e divulgação do projecto em Portugal. Nesse sentido, encontra-se a nossa Federação a desenvolver um processo pioneiro na certificação de clubes de ténis como entidades oficiais associadas ao programa “Play & Stay”, os quais para obterem esse reconhecimento, além do cumprimento da metodologia adoptada pela ITF e, consequentemente, pela Federação Portuguesa de Ténis, deverão, ainda, assegurar treinadores devidamente credenciados e munidos da respectiva caderneta profissional actualizada.

Campeonato Nacional Individual de Sub 16, de 25 a 30 de Agosto, Carcavelos Ténis

Aproveitamos para recordar a importância conferida por esta Direcção à formação de treinadores, sendo de realçar as alterações introduzidas no Estatuto da Carreira de Treinador de Ténis, visando uma aposta clara na formação contínua dos treinadores, através de reciclagens obrigatórias, ou, ainda, a organização, num passado recente, de dois cursos de Nível III destinados aos Treinadores de Ténis de Alta - Competição e que não se realizavam no nosso país há mais de uma década. Não poderemos terminar este Editorial sem assinalar os factos positivos que mais marcaram estes últimos dois meses, designadamente: a excelente prestação dos nossos árbitros internacionais no Torneio de Wimbledon; a honrosa participação de Frederico Gil no quadro principal da referida competição, após ter conseguido ultrapassar o sempre difícil qualifying; as várias hecatombes provocadas por Michelle Brito no circuito WTA; a exemplar organização da Taça Davis, a cargo do Lawn Clube Tennis da Foz, em que se registou uma vitória de Portugal sobre Chipre que permitirá a disputa pela subida de divisão para o Grupo 1 da Taça Davis. Em contraponto a toda uma panóplia de factos merecedores da satisfação de todos os amantes de ténis, fica uma palavra de profundo pesar pela partida do nosso querido amigo Luís Serra, Presidente do Conselho de Arbitragem da Federação. Até sempre.

Patrícia Lopes Vice - Presidente

Circuito FPT/CIMA - XIII Open das Laranjeiras (Ouro, 4 mil euros), de 4 a 9 de Agosto, Laranjeiras Ténis, Sete Rios Lisboa Circuito FPT/CIMA - XI Open de Corroios (Super-Série, 6 mil euros), de 25 a 31 de Agosto, CRDB Rouxinol, Corroios

Campeonato Nacional Individual de Sub 18, de 1 a 6 de Setembro, Clube de Ténis Portimão e Rocha Circuito FPT/CIMA - 24.º Open Faro (Bronze, 2 mil euros), de 4 a 6 de Setembro, Centro de Ténis de Faro Campeonato Nacional Absoluto, de 9 a 13 de Setembro, Clube de Ténis do Estoril PNDT - Circuito Nacional de Sub 10 (Zona Norte), 13 e 14 de Setembro, Clube Escola Ténis de Cantanhede PNDT - Circuito Nacional de Sub 10 (Zona Sul), 13 e 14 de Setembro, Clube de Ténis de Montemor-o-Novo Taça Davis - Ucrânia vs Portugal A Selecção Nacional defronta a Ucrânia, como visitante, entre 19 e 21 de Setembro, no play-off que dá acesso ao Grupo I da Zona Europa / África.

Ficha Técnica Direcção: José Corrêa de Sampaio Coordenação e Revisão: José Santos Costa Redacção, Paginação e Grafismo: AnaLima Comunicação e Marketing Fotografias gentilmente cedidas por Diogo Lencastre


Federação Portuguesa de Ténis

Página 3

Taça Davis 2008 — Grupo II Zona Europa/África

PORTUGAL

5

Chipre

0

Certificado de qualidade para cimeira decisiva na Ucrânia

Evidenciando uma superioridade enorme nos cinco embates, a Selecção Nacional fez o pleno e derrotou o Chipre por expressivos 5-0 (cedeu apenas um set), na segunda eliminatória do Grupo II da Zona Europa / África - Taça Davis 2008. No mítico Lawn Tennis Club da Foz, no Porto, os comandados de Pedro Cordeiro asseguraram o apuramento para o playoff de subida ao Grupo I, a discutir com a Ucrânia, na qualidade de visitantes, entre 19 e 21 de Setembro. Partindo como claro favorito à passagem na eliminatória, Portugal cedo mostrou ter argumentos mais do que suficientes para levar de vencida uma equipa do Chipre lesada pela ausência de Marcos Baghdatis, a sua grande figura. Frederico Gil (105.º ATP), o primeiro luso a entrar em court, venceu sem complacência o jovem cipriota George Kallis (sem ranking ATP), por 6/1, 6/1 e 6/0. Rui Machado (220.º ATP) seguiu-

lhe o exemplo e , também em três sets, desembaraçou-se do número um cipriota, Photos Kallias (623.º ATP), com os parciais de 6/4, 6/4 e 7/5, no segundo encontro de singulares, dando uma vantagem de 2-0 a Portugal, no fecho do primeiro dia de competição. “Com pouca história” “Foi bastante rápido, mas, sendo à melhor de cinco sets, obriga sempre a uma certa concentração. Foi um jogo com pouca história. O adversário esteve muito nervoso e penso que acusou a pressão por ser a sua estreia na Taça Davis” , comentou Frederico Gil, no final do primeiro singular.

“Sabia que no papel era superior. Assim que o encontro começou, senti-me sempre a dominá-lo, por vezes até em demasia. Tentei ser constante na concentração, mas irriteime por não me agarrar a cada ponto como deveria fazer”, disse Rui Machado. Gil e ‘Léo’ arrumam questão

A dupla preferencial do ’capitão’, Frederico Gil / Leonardo Tavares, voltou a ter a missão de fechar a eliminatória, como acontecera frente à Tunísia, em Abril, na ronda inaugural. Gil e ‘Léo’ ainda cederam um set na vitória sobre o par Photos Kallias / Demetrios Leontis (6/2, 6/1, 5/7 e 6/3), no sábado. No último dia “Sabia que era superior” de prova, domingo, Frederico Gil Precisou de mais tempo no court do venceu Photos Kallias (6/3 e 6/2), e que Frederico Gil, ainda assim a o estreante João Sousa ganhou a vitória de Machado foi incontestável. Eleftherios Christou, por duplo 6/3.


Página 4

Federação Portuguesa de Ténis

Taça Davis 2008 — Grupo II Zona Europa/África

Regresso ao Grupo I no horizonte de Pedro Cordeiro “...No papel, o favoritismo está do nosso lado. No entanto, temos de prová-lo dentro do campo . O Gil e o Rui são aqueles que estão em melhor momento...” Quinta-feira, 17 de Julho

“...Podemos dizer que meia eliminatória já está ganha. Falta-nos um ponto e temos dois dias para fazê-lo, mas esperamos vencer o Chipre já amanhã, no par...” Sexta-feira, 18 de Julho

“...Jogar em casa ou jogar fora, é a lei do jogo. Neste momento, a nossa equipa está mais rodada do que quando fomos à Holanda, no ano passado...” Sábado, 19 de Julho

“...Os nossos jogadores adaptam-se bem aos diferentes pisos. Teremos tempo para preparar a próxima eliminatória. Desejo-lhes o maior sucesso para os seus torneios...” Domingo, 20 de Julho

“Ambiente magnífico”

José Corrêa de Sampaio

Claramente satisfeito com o apuramento da Selecção Nacional para o play-off de acesso ao Grupo I e com todo o ambiente que envolveu esta eliminatória, José Corrêa de Sampaio destacou o trabalho do Lawn Tennis Club da Foz: “A Selecção esteve muito bem, num ambiente magnífico proporcionado pelo Lawn Tennis Club da Foz. Mesmo com entradas pagas, tivemos três dias de enchentes. Isto é sinal de que as pessoas dão cada vez mais cré-

dito ao ténis em Portugal”. Na opinião do Presidente da FPT, esta eliminatória da Taça Davis contribuiu para “reforçar a visibilidade do ténis nacional”. Corrêa de Sampaio realçou ainda “a coragem do Presidente do Lawn Tennis Club da Foz ao optar pela venda de ingressos”. Uma opção que se revelou certeira, pois o ‘estádio’ improvisado para a eliminatória apareceu bem composto ao longo dos três dias, não faltando apoio à Selecção Nacional.

“O lugar da Selecção é no Grupo I” O Lawn Tennis Club da Foz empenhou-se a 100 por cento, lançando-se com muita coragem para uma organização muito cuidada. Pelo público e pelo interesse que houve à volta da prova, foi realmente um sucesso”, referiu José Santos Costa, director de prova , que viu a venda de ingressos como uma decisão acertada. “Era uma situação que já vínhamos a discutir há algum tempo e havia sempre um certo receio por poder afastar as pessoas, mas aqui teve um efeito contrário. Despertou mais interesse no público e atribuiu mais prestígio à prova e aos próprios patrocinadores”, explicou. José Santos Costa

No plano competitivo, o secretáriogeral da FPT não ficou surpreendido

com a nítida superioridade da Selecção Nacional. “Estava à espera que a Selecção fechasse a eliminatória no par, e, a partir do momento que vi os dois primeiros singulares, não fiquei com grandes dúvidas ”, disse Santos Costa, para quem “o lugar da Selecção é no Grupo I”. A reforçar essa convicção está o potencial de uma equipa bastante jovem, com larga margem de progressão. “Temos potencial para estar no Grupo I e ganhar a muitas das equipas que lá estão. Todos os nossos elementos estão a evoluir, o nosso jogador mais velho tem apenas 24 anos. No entanto, os nossos jogadores já são muito cultos desportivamente”, afirmou.


Federação Portuguesa de Ténis

Página 5

Taça Davis 2008 — Grupo II Zona Europa/África

Miguel Leite, Presidente do Lawn Tennis Club da Foz,

...e o público que veio apoiar a Selecção Nacional

Apoio, beleza e calor no regresso à Foz Passavam 14 anos desde a última vez que o Lawn Tennis Club da Foz recebera uma eliminatória da Taça Davis. No regresso da Selecção à Foz, o centenário clube nortenho aperaltou-se para receber calorosamente a equipa comandada por Pedro Cordeiro. No final da ‘operação’, a palavra ‘sucesso’ foi a mais ouvida na Foz.

graças ao entusiasmo da nossa magnífica equipa. O público e os sócios do clube corresponderam da melhor maneira neste grande espectáculo. Ficamos honrados pela confiança”.

Jogadores e ‘capitão’ não pouparam também elogios a toda a organização, ao apoio do público e à beleza do ‘complexo’. “Não estava à espera de encontrar um O anfitrião Miguel Pereira Leite, presidente do Lawn estádio tão bonito. Queria felicitar o público, Tennis Club da Foz, não escondeu a felicidade pelo fan- como jogador dá-me imenso prazer jogar em tástico ambiente vivido : “Excedeu as expectativas, campos grandes e bonitos”, comentou Gil. Caloiro com novo ‘look’

Sousa vence na estreia Aos 19 anos, o jovem João Sousa estreou-se em encontros da Taça Davis. O ‘capitão’ Pedro Cordeiro deu oportunidade ao vimaranense de defender as cores da Selecção Nacional no quinto e último duelo frente aos cipriotas. Sousa correspondeu da melhor maneira e venceu Eleftherios Christou (duplo 6/3). Neste embate, o jovem apareceu com um novo ‘look’ (cabeça rapada), fruto da praxe dos seus colegas de Selecção, que lhe ‘devastaram’ o cabelo.


Página 6

Federação Portuguesa de Ténis

Taça Davis 2008 — Grupo II Zona Europa/África

Exposição ‘Era Open Portugal’ arranca na Foz Factos, protagonistas e resultados que marcaram os últimos 40 anos do ténis português compõem a exposição ‘Era Open Portugal’, da autoria do jornalista Norberto Santos, com o apoio da Federação Portuguesa de Ténis (FPT). A ‘Era Open Portugal’ esteve exposta no Lawn Tennis Club da Foz (Porto), por altura da eliminatória entre Portugal e Chipre - Taça Davis. De 1968 a 2008, são revisitados os momentos áureos da modalidade e os seus intervenientes: jogadores, treinadores e dirigentes, sem descurar resultados e datas. A exposição resume as últimas cinco décadas do Ténis Nacional, que surgem separadamente, com o respectivo ‘Era Open Portugal’ será uma exposição itinerante título. Década de 60 - ‘O fim do romantismo’; 70 - ‘ O aventureirismo’, 80 - ‘O profissionalismo assumido’; 90 de imagens, para além de ser mais acessível às pessoas do que um livro”. - ‘Época de ouro’; e 2000 - ‘Uma nova geração’. Dedicado, há já algum tempo, à pesquisa sobre a história do ténis em Portugal, Norberto Santos tem vindo a construir uma base de dados cada vez mais alargada, que, agora, deu lugar a esta pioneira exposição. “Há dois anos fiz um livro sobre a história do Clube de Ténis do Estoril, que acabou por não ser publicado. Foi um ano e meio de trabalho que me permitiu criar uma boa base de dados, e como tal propus-me a fazer este trabalho de forma gratuita para a Federação e para a modalidade. Nunca me conformei com o facto de se desconhecer muitos vice-campeões nacionais e os resultados das finais dos Campeonatos [Nacionais Absolutos]”, explica o jornalista do ‘Record’. Dar continuidade à obra de Fonseca Vaz Depois de um incessante trabalho de pesquisa documental em hemerotecas, de várias conversas com figuras da modalidade das últimas décadas, e aproveitando as comemorações da ‘Era Open’, antes e durante o Roland Garros 2008, Norberto Santos partiu para a ideia da exposição. “Queria trazer algo de novo, que ainda não tivesse sido escrito, curiosidades que são sempre interessantes de conhecer. Por exemplo, o engenheiro David Cohen foi tantas vezes finalista em Nacionais Absolutos e quase ninguém da nova geração sabe. O João Lagos jogou uma final do Nacional Absoluto, em 1968, vencendo o segundo set por 12-10”, conta Norberto Santos. “A história do ténis português está contada pelo Fonseca Vaz, mas vai só até à década de 80, para além de ter falta de muitos dados [resultados, datas]. Pensei então fazer algo diferente, que trouxesse um valor acrescentado àquilo que já existe”, refere o jornalista, que diz ter optado por uma exposição “por esta ser simples, de fácil leitura, e que permite conter um bom leque

Reviver a Foz do Douro A exposição ‘Era Open Portugal’ será itinerante, mas o primeiro destino escolhido para a sua apresentação pública foi o Lawn Tennis Club da Foz. Nesta decisão pesou o factor emocional, como explica o autor da obra: “O primeiro torneio que fiz enquanto jornalista foi aqui, no Lawn Tennis Club da Foz. Trabalhava para o jornal ‘O Dia’ e estive a cobrir o troféu Rica Lewis, um torneio promovido pela Escola de Ténis da João Lagos. Só tive oportunidade de vir ao torneio porque o João Lagos ofereceu-me o alojamento. Foi muito divertido, porque fiz a viagem com os jogadores (Manuel de Sousa, Luis de Sousa e Miguel Soares) e inclusive fiquei no mesmo quarto deles, na Casa do Desporto, no Bessa. Tive direito a praxe e tudo [risos]”. Nesse mesmo torneio, Norberto Santos não esquece o gesto do ex-presidente da FPT, Manuel Cordeiro dos Santos, que fez questão de acompanhar o então jovem jornalista, de apenas 19 anos, à estação dos comboios. Uma figura marcante para a evolução da modalidade em Portugal. “O Cordeiro dos Santos democratizou o ténis. Foi a pessoa certa, na altura certa. Uma pessoa cheia de coragem, com muito amor pela modalidade”, refere. O contributo dos quatro mosqueteiros E haverá alguma das cinco décadas que fascine mais o autor? “Todas têm o seu fascínio”, responde, considerando, no entanto, que as décadas de 80 e 90 trouxeram uma viragem no ténis, no que respeita à crescente profissionalização. “Os quatro mosqueteiros [Nuno Marques, Cunha e Silva, Bernardo Mota e Emanuel Couto], em especial o Cunha e Silva e o Nuno Marques, fizeram aquilo que nunca tinha sido feito até aqui. Desbravaram caminho rumo à profissionalização dos jogadores”, diz.


Pรกgina 7


Página 8

Federação Portuguesa de Ténis

Grand Slam —Wimbledon 2008

“...Acho que não há muitos limites para ele. Vai entrar no top 100 e acredito que irá superar o meu recorde no ranking ATP…” Nuno Marques

FREDERICO GIL Sucessor de Marques na mítica relva Na ressaca da sua primeira presença no quando principal de um Grand Slam, que aconteceu em Roland Garros, Frederico Gil chegou ao qualifying de Wimbledon carregado de motivação, superando os três adversários que se atravessaram no caminho. Ainda no complexo de Roehampton, o campeão nacional carimbou a entrada para o mítico All England Club, onde Nuno Marques, em 1999, fora o último português a ‘pisar’ a relva. Gil ficou-se pela primeira ronda, mas a porta do Slam britânico reabriu-se para os lusos. Quis o sorteio que Frederico Gil voltasse a encontrar o seu carrasco de Roland Garros, o gaulês Jeremy Chardy, na primeira ronda do torneio de Wimbledon - terceiro Grand Slam da temporada. Na relva do All England Club, o número um português deu forte réplica ao francês, que fez do serviço a sua grande arma. Gil partiu para o quarto set em vantagem (2-1), mas Chardy aca-

bou por dar a volta aos acontecimentos (5/7, 7/6 (1), 6/4, 4/6 e 3/6). “Tentei jogar o meu melhor. Numa primeira fase, consegui jogar de forma agressiva, mas depois acusei um pouco a pressão”, disse o melhor jogador português da actualidade, após a eliminação em singulares.

Percurso até ‘All England Club’

Para chegar ao quadro principal de singulares de Wimbledon, Frederico Gil deixou para trás três adversários: o alemão Dominik Meffert (166.º ATP), por 6/4, 3/6 e 6/4, o israelita Noam Okun (288.º ATP), por 6/1 e 6/3, e o norte-americano Hugo Armando (248.º ATP), por 6/2, 7/6 (5), 4/6 e 7/6 (3), na primeira, Vitória em pares segunda e terceira rondas do qualifFrederico Gil ficaria mais alguns ying, respectivamente. dias no All England Club, uma vez “Não há muitos limites para ele” que na competição de pares chegou à segunda ronda. Em parceria com o Detentor de quatro presenças no ‘gigante’ belga Dick Norman, o pupi- mítico Wimbledon, Nuno Marques lo de Cunha e Silva conseguiu a sua viu com muita naturalidade o feito primeira vitória no quadro principal de Frederico Gil: “Não estou surde Wimbledon. Gil e Norman, que já preendido com os resultados do Gil. É um verdadeiro compevinham do qualifying, venceram a tidor e tem feito um trabalho dupla norte-americana Hugo muito bom com o João [Cunha Armando / Jesse Levine, por 7/6 (3), e Silva]. Acho que não há mui7/6 (5) e 6/3, na ronda inicial, tos limites para ele. Vai entrar cedendo, depois, diante do par Petr no top 100 e acredito que, com Pala (R. Che) / Igor Zelenay (Esl), todo o mérito, irá superar o meu recorde no ranking ATP. por 6/4, 6/2, 1/6, 6/7 (4) e 1/6. Não tenho grandes dúvidas”.


Federação Portuguesa de Ténis

Página 9

Grand Slam - Wimbledon 2008

Michelle Brito

Estreia promissora

Pelas épicas vitórias que já conseguiu em torneios do WTA Tour, Michelle Brito acalentava a esperança portuguesa de ter a primeira representante feminina do ténis lusitano a jogar o quadro principal de Wimbledon. Alguma inadaptação à relva e a experiência da gaulesa Stephanie Foretz (101.ª WTA) findaram o sonho da meninaprodígio em entrar no All England Club para actuar no seu primeiro Grand Slam. Com os parciais de 0/6, 6/2 e 4/6, Michelle ficou pelo caminho na ronda inicial do qualifying (o seu primeiro em provas do Grand Slam), não sem antes ter assustado a francesa. Com uma desvantagem de 2/5 no derradeiro set, a ‘coqueluche’ quebrou o serviço da adversária (3/5) e, de seguida, reduziu para 4/5, salvando match-points pelo meio. Insuficiente, porém, para a reviravolta.

Neuza Silva

Segundo set deu esperança

Neuza Silva cumpriu no qualifying de Wimbledon a sua terceira presença em fases qualificativas de torneios do Grand Slam. À semelhança do que sucedera no Open da Austrália, em Janeiro, e em Roland Garros, em Maio, a campeã nacional não foi além da primeira ronda. Diante da norte-americana Alexandra Stevenson (231.ª WTA), jogadora que já esteve no top 20 mundial, Neuza cedeu pelos parciais de 4/6, 6/4 e 4/6. Pela primeira vez, a actual número dois portuguesa na tabela WTA ganhou um set em qualifyings de Slams. Com uma postura muito combativa, numa superfície do seu agrado, a setubalense vendeu cara a derrota perante uma adversária com mais experiência no circuito mundial. Depois de vencer o segundo set, faltou uma ponta final mais forte.

Rui Machado

Primeira experiência

Aos 24 anos, Rui Machado fez a sua estreia em qualificações de provas do Grand Slam. No qualifying de Wimbledon, o número dois português no ranking ATP ficou-se pela primeira ronda. Machado cedeu frente ao britânico Richard Bloomfield (386.º ATP), por 3/6 e 5/7, naquele que foi o seu primeiro encontro em relva natural. “Fui essencialmente pela experiência. Não tive tempo de preparar o torneio, para além de nunca ter jogado em relva natural”, referiu Rui Machado, que visa a participação na fase qualificativa do US Open’ 08. Uma época até ao momento de clara ascensão para o ex-campeão nacional, que se prepara para ‘atacar’ a entrada no top 200 ATP.

Arbitragem

Ramos na final das ‘manas’

Carlos Ramos arbitrou em Wimbledon a sua sexta final em torneios do Grand Slam. No court central do All England Club, o juiz português dirigiu o encontro decisivo da prova feminina do Slam britânico, que opôs as irmãs Williams. Venus levou a melhor sobre Serena, por 7/5 e 6/4, conquistando o quinto título em Wimbledon, ela que também ganhara no ano transacto. Depois de arbitrar as finais masculinas do Open da Austrália e de Roland Garros, na presente época, Ramos fez o pleno em Wimbledon - três finais em três Grand Slams. Mariana Alves, no quadro principal, e Carlos Meirinhos, no qualifying, também representaram a arbitragem portuguesa no histórico torneio de Wimbledon.


Página 10

Federação Portuguesa de Ténis

Grand Slam - Roland Garros 2008

FREDERICO GIL Catedral parisiense no sonho de criança “É a concretização de um sonho de criança, jogar o Roland Garros por mérito próprio”, disse Frederico Gil ao Site da Federação Portuguesa de Ténis (FPT), instantes após consumar o apuramento para o Slam francês. Na terra batida de Paris, o campeão nacional estreou-se no quadro principal de um torneio do Grand Slam, tornandose no terceiro português, depois de Cunha e Silva e Nuno Marques, a jogar a prova rainha do pó-de-tijolo. Frederico Gil quebrou, no último Roland Garros, um jejum de nove anos no que respeita à presença de portugueses em quadros principais de provas do Grand Slam— Nuno Marques fora o último, em 1999, no torneio de Wimbledon. Quanto à catedral parisiense, desde 1991 que não recebia representantes do ténis nacional - Marques e Cunha e Silva. Gil foi afastado na primeira ronda da principal grelha, não conseguindo bater o feito de Nuno Marques - em 1990 alcançou a segunda ronda-, no entanto, ultrapassar três rondas de qualifying em Roland Garros é obra. Anfitrião interrompe sonho

Roland Garros marcou a estreia de Frederico Gil em Grand Slams

por 6/2 e 6/4, na segunda ronda, e o colombiano Santiago Giraldo (180.º ATP), por 3/6, 7/6 (5) e 6/2, na derradeira ronda da qualificação. “Entrega-se de alma e coração” Confirmada a presença de Gil na principal grelha de Roland Garros, Corrêa de Sampaio, presidente da FPT, enalteceu a proeza do jogador: “É com grande regozijo e enorme satisfação que constatamos este feito. Este bom momento é fruto dos bons resultados que tem vindo a fazer de forma consistente. A consistência é uma arma muito importante, e o Gil entrega-se de arma e coração àquilo que faz”.

Perante um adversário a servir a mais de 200 km/h, ‘empurrado’ pelo apoio do seu público, Frederico Gil não conseguiu dar continuidade à performance da fase de qualificação, cedendo, diante do francês Jeremy Chardy, pelos parciais de 3/6, 2/6 e 6/7 (1), na primeira ronda do quadro principal. Assim chegou ao fim a caminhada de Frederico no pó-de-tijolo do Slam parisiense. Um percurso que começara na ronda inaugural do qualifying, com uma “Não é uma surpresa” vitória frente ao gaulês Stéphane Piro (948.º ATP), por 6/1 e 6/0, e Profundo conhecedor das qualidades prosseguira com os triunfos sobre o de Frederico Gil, o seleccionador alemão Simon Stadler (170.º ATP), nacional Pedro Cordeiro não se mos-

trou surpreendido com o feito do número um português. “O Gil tem nível para estar no quadro principal de Roland Garros. Não é uma surpresa, é fruto da boa época que está a fazer”, declarou o ‘capitão’, considerando que, com este feito, Gil “entra ainda mais para o leque restrito dos melhores jogadores portugueses de sempre”. Carlos Ramos arbitra final Em mais um marco para a arbitragem portuguesa, Carlos Ramos dirigiu a final de singulares masculinos de Roland Garros, que Rafael Nadal ganhou a Roger Federer (6/1, 6/3 e 6/0). A juíza Mariana Alves também marcou presença no torneio. Referência ainda para a participação de Neuza Silva no qualifying: cedeu na ronda inicial, frente à australiana Christina Wheeler, por duplo 6/3.


Federação Portuguesa de Ténis

Página 11

Com força, coesão e WTA Tier II - Bank of the West Classic (Sanford), 600.000 dólares atitude, a Selecção Nacional venceu, natural mente, a Tunísia, por 4-1, na primeira eliminatóProtagonizando ria do Grupo mais II dauma prestação memorávelZona paraEuropa o ténis /nacional, Michelle Brito alcanÁfrica çou a suaDavis quinta2008. vitória - Taça O em encontros de provas de Ténis do a argentina Gisela DuldoClube WTA Tour, ao vencer Estoril, que recebeu ko, à altura número 34 do Mundo, na primeira a prova entre 11 13 West Classic (600 mil ronda do Bank of ethe de Abril, voltou a ser dólares), torneio da categoria Tier II, em Stanpalco talismã, tal ford, na Califórnia (EUA), de 14 a 20 de Julho . como, em Setembro A demenina-prodígio ganhou assim direito a 2005, quando defrontar cometendo a proePortugal Serena bateuWilliams, a e set à ‘poderosa’ nortezaEslovénia de ganhar o(4-1), primeiro assegurou a subida americana. ao Grupo I. Com o primeiro parcial de 6/4 a seu favor, Michelle Os com triunfos de Rui mexeu a serenidade da mais nova das manas WilMachado, diante de Michelle ganhou o primeiro set a Serena Williams liams, número cinco WTA e primeira cabeça-de-série Jallali (6/1,respondeu 6/1 e doWalid torneio. Serena e levou de vencida a derrubou a argentina Gisela Dulko (34.ª WTA), com os 7/5), de e 15Frederico Gil, de três partidas (4/6, 6/3 e menina anos, ao cabo parciais de 7/5 e 7/6 (1). No qualifying, a ‘coqueluche’ frente a Malekda Jaziri 6/2), em encontro segunda ronda. “Se ela conti- do ténis português eliminara a polaca Marta Doma(6/3, 6/4 eassim, 6/3), será nos uma grande jogadora”, nuar a jogar chowska (57.ª WTA), por 6/0 e 6/1, a sul-africana Natadois encontros de singudisse Serena Williams no final da contenda. lie Grandin (300.ª WTA), por 7/5 e 6/2, e a britânica lares, realizados no priGeorgie Stoop (336.ª WTA), por 6/4 e 6/0. Com o meiro dia ao de encontro competi-com a mediática Serena, a Para chegar sublime desempenho no torneio californiano, Michelle ção, portuguesa deixaram,teve desde jovem de ultrapassar quatro adverságarantiu os pontos suficientes para aceder à liderança logo, a evirias. Natransparecer primeira ronda do quadro principal, Michelle nacional no ranking WTA, superando Neuza Silva. dente superioridade dos comandados de Pedro Cordeiro relativamente Em provas pontuáveis para o WTA aos dois melhores jogad o r e s vence t u n i s i nna o s . relva britânica e Magali domina no Norte de África Neuza “Estava à espera de Apesar de Joguei ter cedido, ganhar. bem13 meses depois, a lide- final. rança nacional no ranking WTA, Neuza Silva Também em destaque tem estado Magali de nos dois primeiros ganhou, em Julho, o seu segundo torneio inter- Lattre, que, em Julho, ganhou dois torneios sets, e,na nopresente terceiro, nacional época e o 10.º da sua car- consecutivos: em Damasco (Síria) e Casablanca apesar ter perdido reira. A de campeã nacional conquistou o ITF (Marrocos), ambos de 10 mil dólares. Na semaFelixstowe mil dólares), em relva, na Grã- na seguinte, Magali tentou o ‘tri’, em Rabat um jogo (25 de serviço, Bretanha - emtão 2007 não foi assim gra-sagrara-se vice-campeã. (Marrocos), mas ficou-se pelas meias-finais. Mais tarde, na semana ve. O vento estava de 21 a 26 de Julho, Referência ainda para Frederica Piedade, que Neuza esteve perto de revalidar o título no ITF foi vice-campeã no ITF Valladolid (25 mil dólamais irregular e desCorunha (25 mil dólares), cedendo apenas na res), também em Julho. concentrei-me um pouco”, declarou Rui Machado, depois de vencer o número um tunisino - à data 725.º ATP.

MICHELLE assusta indomável Serena

Perante um adversário que já conhecia, Frederico Gil procurou “jogar sólido, concentrado e sem grandes loucuras” para levar a melhor sobre um “jogador


Federação Portuguesa de Ténis

Página 12

Rankings Internacionais 28 de Julho

Frederico Gil Pos.

ATP

Miguel Almeida Pos.

Juniores Masculinos

Michelle Brito Pos.

WTA

Michelle Brito Pos.

Juniores Femininos

103.º Frederico Gil

108.º Miguel Almeida

169.ª Michelle Brito

87.ª

Michelle Brito

212.º

Rui Machado

109.º Gastão Elias

197.ª

Neuza Silva

396.ª

Bárbara Luz

471.º

Gastão Elias

170.º Martim Trueva

262.ª

Frederica Piedade 556.ª

591.º

Leonardo Tavares

548.º Manuel Marcelo

471.ª

Catarina Ferreira

1059.ª

Filipa Correia

611.º

João Sousa

794.º Francisco Dias

559.ª

Magali de Lattre

1139.ª

Charlotte Pires

1108º Pedro Sousa

1441.º Alexandre Resende

769.ª

Ana Nogueira

1581.ª

Verónica Seruca

1356.º Gonçalo Nicau

1466.º Pedro Palha

869.ª

Maria J. Koehler

1730.ª

Cátia Rodrigues

1622.º Miguel Almeida

1888.º Tomás Valle Costa

1016.ª Demi Rodrigues

1820.ª

Marina Gallo

1866.º José R. Nunes

Demi Rodrigues


Federação Portuguesa de Ténis

Página 13

Comemoração do primeiro aniversário do ‘Play and Stay’

Federação e Nuno Marques oficializam parceria O Estádio Nacional, no Jamor, acolheu, sábado, 21 de Junho, a celebração do primeiro ano de actividade do programa ‘Play and Stay’, metodologia de ensino do ténis criada pela ITF para aplicar em 35 países, onde se inclui Portugal. No âmbito das comemorações, José Corrêa de Sampaio e Nuno Marques assinaram um protocolo de parceria entre a Federação Portuguesa de Ténis (FPT) e o ex-tenista, que passa a ser o embaixador do ‘Play and Stay’ em Portugal. A testemunhar o momento, não faltaram grandes figuras do desporto nacional, como Nuno Delgado, Vasco Uva, Ricardo Sá Pinto, Nuno Laurentino ou Pedro Couceiro. Os seus pupilos, Maria João Nuno Marques, Corrêa de Sampaio e Patrícia Lopes (Da esq. para a dta.) Koehler e Leonardo Tavares, Estádio Nacional, para desejar os apostar na qualidade dos protambém marcaram presença. maiores sucessos a Nuno Marques e fissionais na modalidade”, sub“Temos de aproveitar da ao Play and Stay. “São figuras linhou Vitor Cabral, que, para o ano melhor forma o que há de bom públicas, que, ao mesmo tem- de arranque da colaboração FPT / no ténis português. O Nuno po, são meus amigos. Alguns Nuno Marques, prevê a realização Marques tem carisma, foi um acabaram o treino e vieram de “dez acções [em outros tangrande jogador de ténis e tem directamente para aqui, como tos clubes] até ao final de conseguido grandes resultados foi o caso do Vasco Uva, outros 2008”. enquanto treinador”, declarou interromperam o trabalho, “Talento não falta” Corrêa de Sampaio, no momento da como o Nuno Laurentino, para assinatura do protocolo com uma virem prestar apoio. São pesreferência incontornável do ténis soas do desporto e é importan- “É um grande empurrão para a português. “Contar com o apoio te trazê-las para o ténis”, afir- modalidade. Temos de trabalhar o aspecto físico e mental, do Nuno e da sua empresa é mou Nuno Marques porque talento não falta aos indicador de uma grande parjogadores”, declarou ceria”, acrescentou o Presidente da Dez acções até ao final de 2008 nossos Ricardo Sá Pinto. FPT. O grande impulsionador do ‘Play “Óptima iniciativa” “Estou muito motivado para and Stay’ em Portugal, Vítor Cabral, este projecto. Identificamo-nos director do Departamento de Forcompletamente e acreditamos mação da FPT, descreveu, mais con- “É uma óptima iniciativa, na nele. Vamos tentar dar-lhe cretamente, as bases desta parceria: medida em que esta modalidaoutra dimensão, fazê-lo chegar “O Departamento de Formação de procura ter grandes atletas a mais gente”, referiu o detentor da FPT e a empresa do Nuno e sem um investimento na fordo melhor registo de sempre de um Marques vão realizar um proportuguês no ranking ATP (o 86.º grama em conjunto, que inclui mação é complicado”, referiu lugar), para quem “a parte técnica acções de formação nos clubes. Nuno Delgado. do programa está muito bem Pretende-se que esta parceria “Vai dar frutos no futuro” entregue ao PNDT [Programa seja cada vez mais autónoma. Nacional de Detecção de Talen- Inicialmente, serão os nossos tos] e aos treinadores da Fede- técnicos [do Dep. Formação] a “Este programa é muito bom, fazerem esse trabalho, mas vai dar frutos no futuro. Ensiração”. queremos criar condições para nar qualquer desporto às Caras bem conhecidas das mais ter treinadores a trabalhar nis- crianças é sempre importante”, variadas modalidades vieram ao to a tempo inteiro. É altura de constatou Vasco Uva.


Página 14

Federação Portuguesa de Ténis

Departamento de Formação da FPT

Director

Técnico Adjunto

Secretário Técnico

Assessora Técnica

Sob a bandeira do ‘Play and Stay’ “Portugal Case Study of Tennis Play and Stay”, assim se refere a ITF ao primeiro ano de trabalho do Departamento de Formação da Federação Portuguesa de Ténis (FPT) com o ‘Play and Stay’. Cursos de treinadores, acções de formação com árbitros e dirigentes marcam também a agenda da estrutura dirigida por Vitor Cabral Pouco mais de um ano após a implementação do ‘Play and Stay’ - programa que a ITF criou para aplicar em 35 países -, Portugal é reconhecido internacionalmente como uma referência na implementação e divulgação desta metodologia de treino, que visa um ensinamento progressivo do ténis. Investimento e trabalho estão na base deste reconhecimento. “A Direcção da FPT fez um investimento grande, dando cada vez mais condições à Formação para que esta possa trabalhar. O nosso Departamento tem correspondido ao máximo a nível de trabalho”, refere Vitor Cabral, director do Departamento de Formação da FPT. E quanto aos objectivos para este primeiro ano de ‘Play and Stay’, Vitor Cabral acredita que os mesmos foram alcançados, afirmando: “Neste primeiro ano, empenhamo-nos em divulgar ao máximo o programa, tendo como alvo os treinadores. Actualmente, não há um técnico no país que não tenha ouvido falar deste conceito”.

Cursos de treinadores

formação, tem havido uma cooperação sem precedentes. Os treinadores pedem-nos para irmos aos clubes falar com os dirigentes sobre o ‘Play and Stay’”, diz Vitor Cabral, reconhecendo, no entanto, que nem todos os clubes terão a disponibilidade financeira para adquirir o material necessário que o ‘Play and Stay’ exige. “Criar um acordo com uma marca que forneça o material, poderá ser uma das opções”, afirma.

Com prelectores de gabarito internacional nos cursos de treinadores, como o espanhol Miguel Crespo, responsável pelo Departamento de Formação da ITF, ou o polaco Piotr Unierzyski, reconhecido especialista na área técnica, o Departamento dirigido por Vitor Cabral tem incidido fortemente na qualificação dos técnicos portugueses. Nesses mesmo cursos, é passada aos formandos uma componente teórico-prática do ‘Play and Stay’. César Coutinho, João Maio, Bernardo Mota, Fernan- Formação de Árbitros e Dirigentes do Tocha ou Luis Flores Marques já foram também prelectores dos cur- Na mira de Vitor Cabral, para o futusos promovidos pela Formação da ro próximo, está também o trabalho de formação com árbitros e dirigenFPT. tes. “O mundo da arbitragem é bastante complexo. Há necessiAssociações e Clubes dade de fazer estágios e avaliaPara continuar a implementação do ções nos torneios. Temos de ‘Play and Stay’ em Portugal, o estreitar a comunicação com o Departamento de Formação tem de Conselho de Arbitragem e a fazê-lo chegar, cada vez mais, aos Associação de Árbitros. Quanto clubes. É neste sentido que a recente aos dirigentes, vamos avançar parceria formada com Nuno Mar- este ano com formação na área ques pretende avançar. “A articu- de gestão desportiva e gestão lação com as Associações tem de recursos humanos”, antecipa sido muito boa. No âmbito da o director.


Página 15

Federação Portuguesa de Ténis

PNDT - Circuito Nacional e Jornadas de Controlo em Imagem

Jornada de Controlo no Porto

Jornada de Controlo em Vilamoura

Etapa em Braga

Etapa na Qta. da Marinha

Etapa no CS Nun`Alvares, Porto

Etapa em Castelo Branco

Etapa em São Miguel

Etapa em Portimão


Página 16

Federação Portuguesa de Ténis

Circuito FPT / CIMA 2008

Koehler e Machado lideram rankings Cantanhede Open (5.000 €), 22 a 25 - Maio

Open Cidade Águeda (6.000 €), 30 a 01 - Junho

Final Singulares Masculinos Nuno Matias - José R. Nunes, 6/4 e 6/4

Final Singulares Masculinos Hugo Anão - Miguel Almeida, 6/4 e 7/5

Final Singulares Femininos Maria Koehler - Ana Nogueira, 7/6 (9), 6/7 (3) e 6/3

Final Singulares Femininos Maria Koehler - Ana Nogueira, 6/4, 4/6 e 6/4

Open de Oeiras (6.000 €), 02 a 07 - Junho

Torneio Têxteis do Minho (2.000 €), 07 a 10 - Junho

Final Singulares Masculinos João Ferreira - Gonçalo Falcão, 4/6, 6/4 e 6/2

Final Singulares Masculinos José R. Nunes - Ruan Lopes, 6/1 e 6/4

Final Singulares Femininos Magali de Lattre - Charlotte Pires, 6/4 e 6/3

Final Singulares Femininos Ana Claro - Van den Biggelaar (Hol), 6/0 e 6/3

Open Cidade de Portimão (2.000 €), 13 a 15 - Junho

Open Cidade de Barreiro (2.000 €), 27 a 29 - Junho

Final Singulares Masculinos José R. Nunes - Nuno Almeida, 7/5 e 6/4

Final Singulares Masculinos José R. Nunes - Vasco Pascoal, 3/6, 6/3 e 6/1

Não contempla prova feminina

Final Singulares Femininos Maria Guerreiro - Diana Batista, 6/2, 0/6 e 6/4

Open Entent Limited (2.000€), 04 a 06 - Julho

Taça Geza Torok (2.000 €), 08 a 12 - Julho

Final Singulares Masculinos Nuno Matias - José R. Nunes, 6/4 e 6/4

Final Singulares Masculinos Vasco Pascoal - José R. Nunes, 7/5, 2/6 e 7/5

Não contempla prova feminina

Final Singulares Femininos Kátia Rodrigues - Inês Santos, 6/1 e 6/3

Open de Pombal (3.000 €), 17 a 20 - Julho

Região Turismo do Oeste (2.000 €), 21 a 23 - Julho

Final Singulares Masculinos Hugo Anão - João Ferreira, 7/6 (5) e 6/2

Final Singulares Masculinos Hugo Anão - Vasco Pascoal, 6/1 e 6/2

Final Singulares Femininos Diana Batista - Maria Guerreiro, 6/3 e 6/3

Final Singulares Femininos Kátia Rodrigues - Inês Santos, 6/2 e 6/0

Top 5 Masculino 1.º Rui Machado, 2878 pts 2.º Hugo Anão, 1264 3.º Frederico Gil, 1263 4.º José R. Nnues, 1216 5.º Gonçalo Falcão, 911 Legenda: a negrito (bold) os vencedores

Top 5 Feminino 1.ª Maria J. Koehler, 1406 pts 2.ª Ana Nogueira, 1345 3.ª Neuza Silva, 1247 4.ª Joana Pangaio, 685 5.ª Magali de Lattre, 640


Federação Portuguesa de Ténis

Página 17

Campeonatos Nacionais Campeonato Individual de Sub 14

Campeonato Individual de Sub 12

Clube de Ténis do Porto, 13 a 19 de Julho Organização: FPT / Smashevents

Vilamoura Ténis Center, 05 a 12 de Julho Organização: FPT / Premier Sports

Campeões Singulares Masculinos: Vasco Mensurado Singulares Femininos: Patrícia Martins Pares Masculinos: Vasco Mensurado e Frederico Silva Pares Femininos: Patrícia Martins e Sofia Araújo Pares Mistos: Rita Correia e Ricardo Jorge

Campeões Singulares Masculinos: José Maria Moya Singulares Femininos: Daniella Silva Pares Masculinos: Sean Hadden e Ivo Rodrigues Pares Femininos: Teresa Lobo e Mariana Geraldes Pares Mistos: Ana Filipa Santos e Nuno Mesquita

Campeonato de Equipas de Sub 18

Campeonato de Equipas de Sub 16

Clube Ténis Portimão e Rocha, 03 a 06 de Julho Organização: FPT / CT Portimão e Rocha

Carcavelos Ténis, 03 a 06 de Julho Organização: FPT / Carcavelos Ténis

Campeões Prova Masculina: CET Oeiras Prova Feminina: Tavira RC

Campeões Prova Masculina: Clube Ténis Jamor Prova Feminina: Clube Ténis do Porto

Campeonato de Equipas de 14

Campeonato de Equipas de Sub 12

Clube de Ténis de VRS António, 08 a 11 de Julho Organização: FPT / CT VRS António

Vilamouraténis Center, 01 a 04 de Julho Organização: FPT / Premier Sports

Campeões Prova Masculina: CIF Prova Feminina: CIF

Campeão Prova Mista: Ginásio Clube Português

Nota de Pesar

Luís Serra, Presidente do Conselho de Arbitragem da FPT, faleceu no passado dia 21 de Julho Vítima de doença prolongada , o Engenheiro Luís Santos Serra, presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Ténis (FPT), faleceu, no passado dia 21 de Julho. Tinha 55 anos. “Uma pessoa afável, bem disposta, companheiro excepcional, desportista cheio de fair-play”, em poucas palavras é assim que Pedro Costa Macedo, vice-presidente do Conselho de Arbitragem da FPT, caracteriza o “amigo” Luís Serra. Como árbitro, dirigente e jogador, Luís Serra

deixou a sua marca no ténis nacional. Foi árbitro na década de 80, mesmo antes de adquirir o curso de arbitragem. Ocupou o cargo de vicepresidente da Direcção da FPT, foi presidente do Clube de Ténis do Estoril, entre 1992 e 1994, onde era também jogador. Pedro Costa Macedo recorda o título que conquistaram na variante de pares, em 2007, no Campeonato Regional de Veteranos. Ainda em 2007, Luís Serra sagrouse campeão nacional de veteranos por equipas, representando o CT Estoril - o seu clube de sempre.


Página 18

Federação Portuguesa de Ténis

Entrevista com Maria João Koehler

“Não gosto muito de pensar no ranking” Tem apenas 15 anos, mas a precocidade não a impede de fazer frente às mais ‘crescidas’. Maria João Koehler é já uma das grandes jogadoras portuguesas da actualidade, capaz de vencer figuras como Neuza Silva ou Ana Catarina Nogueira. A jovem portuense lidera o ranking do circuito FPT/CIMA e integra o top 900 da tabela WTA. ‘Notícias do Ténis’: Depois da paragem forçada, apareceste em grande plano, com vitórias a nível nacional e internacional. A que é que se deve o bom momento? Maria J. Koehler: Após recuperar da cirurgia, comecei a treinar com uma força de vontade cada vez maior, contando com o forte apoio do meu treinador [Nuno Marques]. Estive um mês parada e queria recuperar ao máximo. NT: Com os recentes triunfos em encontros de torneios internacionais realizados em Portugal, passaste a estar cotada no ranking WTA. A que top achas que poderás chegar, até ao final da época? MJK: Estou a subir no ranking, mas não gosto muito de pensar nisso. Se pensarmos muito nos pontos, não conseguiremos jogar ao melhor nível. Isso pressiona sempre os jogadores. Essencialmente tenho de ganhar cada jogo e não pensar muito em pontos, pois só estaria a criar stress e não conseguiria estar tranquila. Nacional Absoluto e Masters FPT / CIMA NT: Lideras o ranking do circuito FPT / CIMA. Pretendes segurar a liderança até ao Masters? MJK: Não tenho o objectivo de acabar o ano no primeiro lugar do circuito. Quero ir ao Masters, mas não é a minha maior preocupação. NT: Qual é então a tua maior preocupação? MJK: [Risos] Jogar bem, fazer bons resultados, incluindo a nível internacional, e subir no ranking WTA, ainda que sem obsessão.

Maria João Koehler com um futuro promissor

Bárbara e Patrícia...outras promessas NT: Consideras-te favorita a vencer o Campeonato Nacional Absoluto ou o facto de se jogar em terra batida [Clube Ténis do Estoril] pode não ser muito benéfico para ti? MJK: Não sei se sou favorita...Quanto ao piso, treino o ano todo em terra batida e, há uns anos, era o meu piso preferido. Mas, reconheço que o meu jogo se enquadra melhor em piso rápido.

NT: Qual a tua opinião relativamente ao potencial tuas colegas de selecção - a Bárbara Luz e a Patrícia Martins? MJK: A Bárbara mudou um pouco o seu estilo de jogo. Tem vindo a jogar de forma mais agressiva, e é uma jogadora com talento. A Patrícia é uma jogadora cheia de raça, imenso valor, atitude incrível, grande vontade. É um exemplo a seguir pelos miúdos mais novos.


Federação Portuguesa de Ténis

Campeonatos da Europa Individuais

European Summer Cups

Europeu de Sub 16 - Moscovo, Rússia Miguel Almeida entre os oito melhores Singulares Masculinos Miguel Almeida: Quartos-de-final Francisco Dias: Segunda ronda; Meias-finais na consolação Singulares Femininos Bárbara Luz: Segunda ronda Maria João Koehler: Primeira ronda; Meias-finais na consolação ‘Capitães’: André Lopes e Gonçalo Portas

Miguel Almeida

Europeu de Sub 14 - Pilzen, Rep. Checa Patrícia Martins chega aos ‘oitavos’ Singulares Masculinos Frederico Silva: Segunda ronda; Segunda ronda na consolação Vasco Mensurado: Primeira ronda; Quartos-de-final na consolação

Patrícia Martins

Prestação discreta

Singulares Femininos Demi Rodrigues: Primeira ronda Cátia Rodrigues: Primeira ronda ‘Capitães’: Jorge Gonçalves e Miguel Sousa

Mesmo não conseguindo a qualificação para as respectivas fases finais das European Summer Cups (Campeonatos da Europa por Equipas), as selecções nacionais de Sub 14 estiveram em bom plano. A selecção feminina, com Patrícia Martins, Joana V. Costa e Sofia Araújo, capitaneadas por Magda Leal, obteve o 5.º lugar na sua zona qualificativa, em Salerno (Itália), após vitórias sobre Áustria e Montenegro. A selecção masculina, capitaneada por Pedro Felner e com Vasco Mensurado, Frederico Silva e Diogo Rocha foi 4.ª classificada, depois de vencer Israel, em Valência.

Selecção Masculina perto do apuramento

Europeu de Sub 18 - Bad Hofgastein, Áustria Singulares Masculinos Manuel Marcelo: Segunda ronda Martim Trueva: Primeira ronda

Selecções de Sub 14 com vitórias na qualificação

Europeu Sub 12 - Qualificação

Singulares Femininos Patrícia Martins: Oitavos-de-final Sofia Araújo: Segunda ronda; Oitavos-de-final na consolação ‘Capitães’: Pedro Felner e Pedro Bivar

Página 19

A selecção masculina de Sub 12 esteve perto de se apurar para a fase final do Campeonato de Europa de Equipas de Sub 12, ao obter o terceiro lugar na respectiva zona de qualificação, que terminou a 27 de Julho, em Salo (Itália). Bernardo Lemos, Ivo Rodrigues e Zé Maria Dória formaram a equipa capitaneada por José Mário Silva. Também em Salo, a selecção feminina, capitaneada por António Moreira, e com Matilde Fernandes, Daniella Silva e Maria Silva, ficou no oitavo posto da sua zona.


Página 20

Federação Portuguesa de Ténis

European Summer Cups - Qualificação

A fechar

Selecção Feminina de Sub 16 em Livorno, Itália Helvetie Cup - Qualificação, de 30 de Julho a 01 de Agost0 Classificação final: 4.º lugar Jogadoras: Maria J. Koehler, Bárbara Luz, Rita Vilaça ‘Capitão’: Gonçalo Portas

Selecção Masculina de Sub 16 em Torrelavega, Espanha Borotra Cup - Qualificação, de 30 de Julho a 01 de Agost0 Classificação final: 6.º lugar Jogadores: Miguel Almeida, Francisco Dias e Pedro Lopes ‘Capitão’: André Lopes

Selecção Feminina de Sub 18 em Lleida, Espanha Reina / Soisbault Cup - Qualificação, de 30 de Julho a 01 de Agost0 Classificação final: 5.º lugar Jogadoras: Demi Rodrigues, Cátia Rodrigues, Marina Gallo ‘Capitão’: Miguel Sousa

Selecção Masculina de Sub 18 em La Rochelle, França Valerio / Galea Cup - Qualificação, de 30 de Julho a 01 de Agost0 Classificação final: 7.º lugar Jogadores: Martim Trueva, Manuel Marcelo e Pedro Palha ‘Capitão’: Jorge Gonçalves

Ténis nos VI Jogos CPLP O ténis português está representado nos VI Jogos Desportivos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), no Rio de Janeiro (Brasil), por duas selecções nacionais de sub 16 uma feminina e uma masculina. O certame começou dia 26 de Julho e encerra a 2 de Agosto. A selecção feminina é composta por Ana Claro, Bárbara Ribeiro e Inês Xavier, tendo Ângela Cardoso como ‘capitã’, enquanto a equipa masculina é formada por Francisco Ramos, Francisco Jordão e João Magalhães, capitaneados por Paulo Santiago. O secretário-geral da FPT, José Santos Costa, e o Juiz-Árbitro, Jorge Cardoso, completam a delegação da FPT no Rio de Janeiro.

Michelle em grande Michelle Brito alcançou os oitavos-de-final da Rogers Cup prova WTA Tier I, em Montreal (Canadá). A menina-prodígio só foi travada pela número quatro do ranking mundial, a russa Svetlana Kuznetsova (5/7, 6/2 e 4/6).


NT - Julho 2008