Page 1

FUNDAÇÃO PORTUGUESA “A COMUNIDADE CONTRA A SIDA”

Relatório de Atividades Ano de 2014

Sede da Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA”: Edifício Central da Graça, Praça António Sardinha, nº 9 -1º 1170 - 028 LISBOA i


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Índice

i

Introdução

1

1. Atividades de formação

4

1.1. Cursos de Formação Científica e Pedagógica de Voluntários/as para Intervenção no Projeto Nacional de Educação Pelos Pares 1.2 Ações de formação de docentes

4 36

1.3 Ações para pais, mães e enc. de educação

37

1.4 Ações de formação para pessoal técnico

41

1.5 Ações de formação para jovens

41

2. Projetos de prevenção em contexto escolar

46

2.1 Projeto Nacional de Educação pelos Pares

46

2.2 Teatro Universitário de Intervenção

65

2.3 Projetos de Educação em Sexualidade no ensino secundário

68

2.4 Projetos de Educação em Sexualidade e prevenção da infeção VIH/SIDA

77

2.5 Projetos de desenvolvimento de competências pessoais e sociais

99

3. Projetos de prevenção em Centros Educativos da DGRS

104

4. Projetos de prevenção para crianças e jovens institucionalizados

109

5. Projetos de prevenção em Estabelecimentos Prisionais

110

6. Projetos de intervenção

116

7. Campanhas de prevenção

120

8. Ações de carácter institucional e sociocultural

144

9. Atividade científica

150

10. Acompanhamento e supervisão de estágios curriculares

155

11. Assistência psicológica, social e ético-jurídica

156

12. Candidaturas a financiamento de novos projetos

159

13. Formação contínua de docentes e psicólogas da Fundação

160

14. Produção de material de prevenção

164

15. Divulgação das atividades da Fundação Portuguesa “A comunidade Contra a Sida”

167

16. Estabelecimento de parcerias e apoios

169

17. Agradecimentos

174

NOTAS FINAIS

174

i


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

INTRODUÇÃO À semelhança dos anos anteriores, apresenta-se o Relatório de Atividades da Fundação Portuguesa “ A Comunidade Contra a sida” relativo a 2014, documento que se propõe sintetizar as principais atividades e projetos desenvolvidos pelas diferentes Delegações Regionais ao longo do ano, bem como avaliar o grau de execução do Plano Anual de Atividades para 2014, nas áreas da formação, da prevenção e do apoio psicossocial, para além de outras inicialmente não previstas. Procurou-se dar continuidade aos projetos e atividades de prevenção e intervenção que vinham sendo desenvolvidos pela FPCCSIDA e promoveram-se outros, em resposta a novas solicitações e desafios, adaptando-os sempre aos novos contextos sociais. Partindo da constatação de que a informação transmitida à população sobre a problemática das Infeções Sexualmente Transmissíveis, nomeadamente sobre o VIH e SIDA, tem sido manifestamente insuficiente e pouco adaptada às questões de género e aos diferentes níveis etários, consideramos que a aposta deverá continuar a ser feita sobretudo na mudança de comportamentos, tal como tem defendido o Sr. Professor Doutor Machado Caetano. A falta de literacia nesta área não se combate apenas com informação, mas sim com a educação/formação de toda a população, começando desde muito cedo o investimento junto dos/as mais jovens. A aposta na educação/formação dos e das jovens foi abraçada pela Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a Sida”, com a implementação do Projeto Nacional de Educação pelos Pares (PNEP), através dos Centros de Aconselhamento e Orientação de jovens em diversas Escolas do Ensino Básico e Secundário, na região de Lisboa, Coimbra, Setúbal e Porto e Funchal. Para a concretização das atividades propostas no âmbito do PNEP, a FPCCSIDA contou com a participação de jovens voluntários/as do ensino superior (que constituem as Brigadas Universitárias de Intervenção), que após formação científica e pedagógica dinamizaram as atividades junto das populações–alvo, acompanhados/as por docentes da FPCCSIDA. O desenvolvimento do Programa “Sexualidade e Prevenção do VIH/SIDA”, através da metodologia de “Educação pelos Pares”, incentivou os e as estudantes a explorarem as valências relacional, afetiva, social e fisiológica da sexualidade humana, estimulou a partilha de vivências, a compreensão dos problemas associados a comportamentos de risco e promoveu a tomada de decisão com responsabilidade sobre a forma de viverem a sua própria sexualidade, tendo em conta os valores pessoais, familiares e sociais. Promoveu-se sobretudo a tomada de decisões com vista à adoção de estilos de vida saudáveis, bem como a prevenção da infeção VIH e SIDA. Considera-se assim que neste 1


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 domínio, foram atingidos os objetivos estratégicos a que se tinham proposto, nomeadamente: o desenvolvimento do conceito de sexualidade humana com base no relacionamento interpessoal; a promoção do fortalecimento das competências pessoais e sociais dos e das adolescentes; a prevenção de comportamentos de risco no âmbito da sexualidade e a exploração de conteúdos relacionados com a sexualidade. Na preparação dos estudantes do Ensino Superior para a intervenção no PNEP, a FPCCSIDA contou com o precioso apoio de diversos especialistas das áreas da Saúde, Sexualidade, Psicologia e Educação, na realização dos vários Cursos de Formação Científica e Pedagógica realizados por todas as delegações da Fundação, à semelhança de anos anteriores. É de salientar o enorme investimento humano da Fundação, na preparação destes e destas jovens, que em colaboração com os/as docentes destacados/as, realizam um excelente trabalho na Educação para a Cidadania, para a Saúde e para a Sexualidade de muitos/as jovens escolarizados e não escolarizados. A sua intervenção nas escolas junto de outros jovens, foi muito positiva tendo-se verificado grande adesão na participação em contexto de sala de aula, e um grande envolvimento em companhas de solidariedade promovidas pela Fundação. Para além da intervenção enquadrada no PNEP, foram realizadas sessões de curta duração ou pontuais, bem como o desenho de novos projetos, para responder a novas necessidades e a prestação de apoio em instituições escolares e de formação profissional que nos solicitaram a colaboração. No domínio da (in)formação, a Fundação promoveu em contexto formal, por todo o país, ações de sensibilização e informação para jovens, docentes, pessoal técnico de ação educativa, animadores/as culturais, pais, mães e encarregados/as de educação, bem como a realização de outras atividades em contexto não formal, destinadas a toda a comunidade. A vulnerabilidade das populações de jovens institucionalizados motivou ainda a continuidade do desenvolvimento de projetos de promoção da saúde e prevenção de comportamentos de risco associados à infeção VIH e SIDA e de outras IST, em centros educativos tutelados pela Direção Geral de Reinserção Social, lares de jovens em risco, bairros sociais e estabelecimentos prisionais. Ao longo dos anos foi possível verificar a necessidade de uma intervenção integrada na população jovem o mais cedo possível, ao nível da educação, apoio social, aconselhamento e orientação. A intervenção nas escolas permitiu constatar que há ainda um longo caminho a percorrer na área da educação para a sexualidade, nomeadamente na formação de docentes, direções das escolas parceiras e restante comunidade escolar. Para além da sua ação na área da (in) formação/educação, a FPCCSIDA desenvolveu a sua intervenção na área do apoio psicossocial, através do núcleo de apoio e aconselhamento, 2


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 mais especificamente, no domínio do apoio a pessoas infetados pelo VIH e Sida mais aos seus familiares, disponibilizando apoio psicológico individual, em grupo, bem como ao domicílio a pessoas idosas acamadas ou com pouca mobilidade. Desenvolveram-se ações que visaram a promoção da reintegração socioprofissional de ex-toxicodependentes em tratamento, tutorizando estágios ao abrigo do Projeto “Vida-Emprego” e sempre que se justificou, realizouse a atribuição de bens materiais angariados. Deu-se continuidade ao apoio jurídico na área do VIH e Sida e formou-se mais voluntários (as) para o aconselhamento e encaminhamento de pessoas que recorrem à nossa linha verde (800213140). Resta ainda referir que a concretização das metas e objetivos inscritos no Plano Anual de Atividades da Fundação para 2014, só foi possível graças à conjugação de esforços com diversas entidades, nomeadamente, com o Ministério da Saúde, Ministério da Educação e Ciência, Direção Geral de Reinserção Social e com as Autarquias, bem como, o precioso apoio dos mecenas que colaboram com a Fundação. Conclui-se, assim, que mais uma vez a Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a Sida” cumpriu com a sua missão, mas a Luta contra a Sida continua a fazer todo o sentido!

3


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

1. Atividades de formação 1.1. Cursos de Formação Científica e Pedagógica de Voluntários/as para Intervenção no Projeto Nacional de Educação Pelos Pares

DELEGAÇÃO DE LISBOA O Projeto Nacional de Educação pelos Pares, na delegação de Lisboa, previu a realização de um Curso de Formação de Voluntários (as) que teve lugar nos dias 17 e 18 de outubro, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. A requisição do auditório e demais logística para o dia do evento foi da responsabilidade da Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM), com a qual temos vindo a colaborar há já alguns anos. A organização do curso em termos de convites aos oradores e oradoras esteve a cargo da equipa da delegação de Lisboa, em estreita ligação com o Conselho de Administração. A divulgação do curso foi efetuada pela equipa através da sua mailing list, do site da Fundação e pela ANEM. Os e as jovens que participaram no Curso de Formação eram estudantes de Instituições do Ensino Superior, nomeadamente da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa e Faculdade de Ciências da Saúde. A formação de voluntários/as, desenvolveu-se em moldes diferentes daqueles em que habitualmente ocorria, dado que em ambos os dias a primeira parte (manhã) ficou destinada à formação científica e a segunda (tarde) à formação pedagógica. Para a formação científica foram convidados/as especialistas de diferentes áreas diretamente relacionadas com as temáticas de atuação Brigadas Universitárias de Intervenção (BUI) que se constituem para intervir nas escolas em colaboração com a equipa de docentes da delegação de Lisboa. Esta formação contemplou diversas temáticas, das quais se destacam: “VIH/SIDA e outras IST – Questões atuais e novos desafios”; “Perigos da Internet”; “Sexualidade, Saúde e Educação”; “ Riscos associados ao consumo de drogas e álcool”; “Métodos contracetivos e gravidez na adolescência” e “(Des)igualdade de género e violência no namoro”.

4


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Programa do Curso de Formação de Voluntários (as) para intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares

O questionário de avaliação do curso contemplava cinco questões de resposta fechada sobre: (1) os objetivos definidos para o curso; (2) a metodologia usada; (3) a duração global e (4) as expectativas dos jovens, bem como (5) o relacionamento entre os/as participantes na formação. Nestas questões foi utilizada a escala: (1) Nada; (2) Em parte; (3) Bastante; e (4) Totalmente. As questões seis e sete tinham, cada uma 5


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

delas, vários itens para avaliar. Na sexta questão os itens dizem respeito ao contributo das conferências para a formação científica e, na sétima, referem-se ao contributo das dinâmicas utilizadas para a formação pedagógica. Nestas duas questões, a escala utilizada foi diferente da anterior sendo a seguinte: (1) Nenhum; (2) Pouco; (3) Algum; e (4) Muito. A oitava e a nona questão apresentam perguntas abertas: a primeira diz respeito aos aspetos positivos do curso e a última aos aspetos que deveriam ser melhorados. Segundo o parecer dos e das jovens participantes, através do questionário preenchido no final dos dois dias, a formação científica contemplou “temas muito interessantes” (I010) e “muito pertinentes” (I008); “muito boa a qualidade da informação disponibilizada” (I011); “as exposições… muito claras e objetivas o que torna a aprendizagem muito mais facilitada” (I012); “curso muito adequado e produtivo” (I014); “clareza e oportunidade das palestras” (I048); “formadores bastante acessíveis” (I039); “qualidade científica dos preletores e sua humildade corajosa” (I027); “multidisciplinar” (I037) e “…importante como base para o projeto” (I035); “permitiu a consolidação de conteúdos teóricos” (I028); “as conferências têm importância na nossa formação como futuros médicos” (I044); “abertura e boa disposição de todos os formadores para responderem às nossas dúvidas” (I043); “a forma como a sexualidade é analisada de vários pontos de vista” (I043); “os oradores foram assertivos e tentaram esclarecer todas as dúvidas” (I020) e consideraram os “oradores excelentes”. Por outro lado, os e as jovens consideraram ser necessário obter mais informação científica sobre: (i) a infeção VIH/SIDA, o que fazer quando se recebe um resultado positivo, os tratamentos e as perspetivas de qualidade de vida; (ii) as DST; (iii) as questões ético-jurídicas; (iv) orientação sexual e discriminação; (v) questões de vida saudável (tabaco, drogas, obesidade, …) e (vi) transfobia, bifobia e outras formas de rejeição.

6


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

45

Classificação das conferências em termos de contributo para a formação científica

40

Frequência absoluta

35 30 25 20 15 10 5 0

Não responde

VIH/SIDA e Questões outras IST Ético-Jurídicas Questões associadas ao atuais e novos VIH/SIDA desafios 3

1

Perigos na Internet

2

1

Riscos Métodos (DES)igualdad associados ao Sexualidade, contracetivos es de género Estilos de vida saúde e Consumo de Saudáveis e gravidez na e violência no Drogas e educação adolescência namoro Álcool 1

28

1

1

1

2

3

2

2

5

7

7

11

3

10

2

3

3

18

19

21

20

10

21

9

16

4

24

21

20

16

6

16

39

31

Classificação das conferências em termos de contributo para a formação científica.

Conferencistas Dra. Teresa Branco

Conferencista Prof.ª Doutora Isabel Chagas

A equipa da delegação de Lisboa, na qualidade de entidade promotora do evento, dinamizou a formação pedagógica de voluntários/as, nos dois dias previstos, durante o período da tarde. No segundo dia de formação esteve presente o Mestre 7


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Fernando Marques, da equipa da delegação de Coimbra, que implementou uma dinâmica relacionada com as “Atitudes sobre sexualidade e infeção VIH/Sida”. O roteiro de formação pode ser consultado no seguinte quadro: Roteiro de formação pedagógica

Sexta-feira, dia 17 de outubro de 2014 14h

14h30min

O Projeto Nacional de Educação pelos Pares “Educação em Sexualidade e Prevenção da infeção VIH/sida” - Reflexão sobre a carta de Voluntário Sexualidade e género Jogos e dinâmicas de grupo 1) Jogo de apresentação: “A Teia” [20’]: O meu nome é… O meu prato preferido é… O meu sonho é… Uma qualidade minha é… O que mais aprecio num amigo é…

Equipa de formação do CAOJ de Lisboa.

2) De que falamos quando falamos em sexualidade? – brainwriting, elaboração e apresentação de conceito de sexualidade [20’] 3) O género - montagem de sequências dos filmes “Género (Homem X Mulher) + questão para debate [20’] Crenças e atitudes sobre sexualidade e VIH/SIDA Jogos e dinâmicas de grupo 15h30min

17h

1) Concordo ou talvez não? - crenças e atitudes sobre sexualidade [20’] 2) Segue as minhas instruções. [30’] 3) Passa ou não passa? [20’] 4)Medir o Risco [20’] Balanço do 1º dia de formação

Sábado, dia 18 de outubro Desenvolvimento de competências pessoais e sociais Jogos e dinâmicas de grupo

14h30min

1) Curta-metragem “Catarina e os Outros” - atitudes sobre sexualidade e infeção VIH/Sida [20’]

Mestre Fernando Moreira Marques (CAOJ de Coimbra).

2) Caixa das Dúvidas [5’] 4) Festinhas ao Ego [20’] 3)Transplante de coração [35’] Expressões da sexualidade e orientação sexual Jogos e dinâmicas de grupo 15h45min

1)Baralho das Emoções [35’] 2) “No país de Blowminsk” [25’]

Equipa de formação do CAOJ de Lisboa

Abuso, assédio e violência sexual: Jogos e dinâmicas de grupo 16h45min

17h30min

1) Filme da APAV- “ Quem não te respeita não te merece” [20’] – Violência 2) Gravidez na Adolescência [20’] Avaliação do Curso Constituição das BUI.

8


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

A componente pedagógica completou o processo de formação dos e das jovens Universitários/as e foi impulsionador para a sua inscrição no programa de voluntariado e consequente formação das BUI. Na formação pedagógica foram realizadas diversas atividades práticas, diretamente relacionadas com os conteúdos previstos no Projeto Nacional de Educação pelos Pares (PNEP), seguidas de debate e reflexão. Foi explicitada a importância das metodologias utilizadas em cada dinâmica e foram apresentadas as que poderiam ser usadas nas sessões sobre educação em sexualidade incluindo a problemática do VIH e SIDA. Da avaliação referente à parte pedagógica, os e as jovens mencionaram que o curso: teve “dinamismo, interação e motivação” (I033), proporcionou a “oportunidade de debater ideias” (I004), foi “curto, direto e muito informativo” (I005), os “formadores muito acessíveis e competentes” (I001, I003, I004) e “a relação interpessoal foi marcante” (I002). O “método de formação foi descontraído” (I043), “as dinâmicas foram extremamente interessantes…” (I047) e a “apresentação de jogos didáticos” (I046) permitiram a “consolidação de conhecimentos teóricos” (I046) e “esclarecimento de questões pertinentes” (I031). “A abrangência dos temas abordados” fortalecem “a capacidade de intervenção em situações concretas (violência doméstica, abusos sexuais, bullying)” (I017), com “dinâmicas de execução simples, mas que são muito informativas e profundas psicologicamente.” (I042). Como forma de melhorar o curso, os e as jovens participantes apontaram, a título de exemplo, o seguinte: (i) mais tempo de formação; (ii) abordar com mais profundidade outras IST para além do VIH; (iii) desenvolver mais as competências sociais e pessoais; desenvolverem-se mais dinâmicas de grupo; e (iv) haver maior transmissão de informação sobre como se devem abordar as diversas temáticas com as crianças. Globalmente o curso correspondeu às expectativas dos e das jovens voluntários/as, os objetivos definidos foram concretizados, a metodologia utilizada foi considerada adequada e o relacionamento entre os/as participantes favoreceu a formação. Alguns dos formandos/as consideraram a duração do curso demasiado extensa.

9


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Contributo das dinâmicas para a formação pedagógica

Jogo de apresentação: “A Teia”

Dinâmica: Baralho das Emoções

Avaliação global do curso de formação de voluntários

Questões Os objetivos definidos para o Curso foram concretizados A metodologia do Curso foi adequada O Curso correspondeu às expectativas A duração global do Curso foi adequada O relacionamento entre os/as participantes favoreceu a formação

1 0 0 0 0 0

2 6 7 8 6 2

3 17 13 17 27 14

4 27 30 25 17 34

10


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Na perspetiva dos e das jovens universitários/as houve uma “boa organização” (I011), o curso foi “cativante” (I013), “conjugou muito bem a componente teórica com a prática” (I045), verificou-se um “bom equilíbrio entre as dinâmicas de grupo e as palestras informativas” (I023) e houve uma “excelente dinâmica entre oradores e voluntários, tanto na formação científica como na pedagógica” (I018). Conclui-se que houve uma “boa organização do projeto” (I018) e uma grande adesão por parte dos/as estudantes (dos 110 inscritos, estiveram presentes 74 e destes apenas 66 obtiveram certificado de participação). De salientar que do total de 74 participantes apenas foram recolhidos 50 questionários que foram tratados e serviram de base para a elaboração deste relatório.

DELEGAÇÃO DO PORTO Anualmente, a Delegação/CAOJ do Porto promove o recrutamento de jovens voluntários e voluntárias em instituições do ensino superior. A sua participação no Projeto Nacional de Educação pelos Pares é precedida pela frequência de cursos de formação científica e pedagógica realizados em Lisboa, Porto, Coimbra e Setúbal. As ações de sensibilização decorreram em diversas faculdades e consistiram por um lado, na apresentação da Fundação e seus projetos, e por outro lado, na explicação do Programa Nacional de Educação pelos Pares. Estas sessões ficaram a cargo das professoras do CAOJ. Paralelamente, foram criados e afixados cartazes relativos aos cursos de formação para voluntários de intervenção. A divulgação também se realizou através do site de cada uma das faculdades. A formação Científica para voluntários/as universitários/as realizou-se no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e decorreu nos dias 14 e 15 de novembro de 2014, entre as 9h e as 12h30min, com a presença de vários palestrantes convidados, a saber: Doutor Rosas Vieira, Dra. Patrícia Pinto, Professor Dr. Pais Clemente, Professora Dra. Laura Nunes, Professora Dra. Teresa Vilaça, Dra. Ana Paula Cabral, Mestre Fernando Marques, Dra. Leonor Valente Monteiro, João Ramos e Diogo Silva, alunos de Medicina e responsáveis da ANEM. Foram desenvolvidos diversos temas de Educação para a Saúde, nomeadamente, “VIH em tempo de crise”, “Estilos de vida saudáveis”, “Tabagismo e sua prevenção”, “Riscos associados ao consumo de 11


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

álcool na adolescência”, “Consumos na adolescência”, “Questões de ética e direitos humanos”, “Desigualdade de género e violência no namoro” e “Prevenir abusos sexuais”, os quais serão posteriormente abordados nas sessões de Educação pelos Pares com alunos/as do 3º ciclo e secundário, jovens de centros educativos da DGRSP, de lares de acolhimento e adultos/as de estabelecimentos prisionais. A Formação Pedagógica também decorreu no ICBAS, nos dias 14 e 15 de novembro, das 14h às 18h e, esteve a cargo das professoras com funções na Delegação/CAOJ o Porto, sob a coordenação da Professora Doutora Teresa Vilaça. Também participaram na Formação Pedagógica, o Coordenador Nacional do Departamento de Saúde Reprodutiva e SIDA da ANEM, João Ramos e o Coordenador de Projetos da ANEM, Diogo Silva com a temática “Peers Education and Facilition Skills”. Houve 221 inscrições, mas, efetivamente, só participaram 79 estudantes do ensino superior.

Programa do Curso de Formação de Voluntários para Intervenção no PNEP

12


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

A Formação Científica e Pedagógica foi informalmente avaliada pelos/as participantes, tendo sido sublinhada a qualidade, clareza, objetividade e pertinência, tanto das comunicações como da equipa da Delegação/CAOJ e Coordenadores da ANEM. Foi ainda considerado relevante o processo de transmissão e exemplificação das metodologias adotadas pelo Projeto Nacional de Educação pelos Pares em contexto escolar.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA O Curso de Formação Científica e Pedagógica de Voluntários/as para Intervenção no Projeto Nacional de Educação Pelos Pares, da responsabilidade da Delegação/CAOJ de Coimbra, realizou-se nos dias 26 e 27 de setembro de 2014, no Polo III da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, com o seguinte programa:

13


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Participaram neste Curso 35 jovens, provenientes de diversos cursos do ensino superior. A formação pedagógica foi dinamizada pela equipa de docentes da Delegação/CAOJ de Coimbra (Mestre Fernando M. Marques, Mestre Dulce Folhas e Mestre Sílvia Portugal) sob a supervisão da Prof.ª Doutora Filomena Teixeira. As sessões centraram-se nos seguintes temas: Desenvolvimento de competências Pessoais e Sociais; Crenças sobre sexualidade e VIH/Sida; Identidade de género e orientação sexual; riscos e dependências e Projeto Nacional de Educação pelos Pares (PNEP). Em termos metodológicos, utilizaram-se jogos e dinâmicas de grupo. No final do Curso foram constituídas as Brigadas Universitárias de Intervenção (BUI), que acompanhadas pelos/as professores/as da Delegação/CAOJ de Coimbra, implementam o Projeto Nacional de Educação pelos Pares nas escolas do ensino básico e secundário e Centro Educativo dos Olivais da DGRSP e participam ainda noutras atividades e projetos desenvolvidos ao longo do ano. A avaliação da formação, de cariz quantitativo e qualitativo, realizou-se no final das sessões, através de questionário. Os resultados da análise das respostas, apresentam-se nos quadros seguintes.

Avaliação do Curso

Aspetos gerais da formação

1

2

3

4

S/Resposta

1. Os objetivos definidos para o Curso foram concretizados?

0

1

12

22

0

2. A metodologia do curso foi adequada?

0

1

10

24

0

3. O Curso correspondeu às expetativas?

0

2

13

19

1

4. A duração global do Curso foi adequada?

1

7

11

14

2

5. O relacionamento entre os/as participantes favoreceu a formação?

0

0

10

23

2

Total

1

11

56

102

5

Nota: Foi usada a seguinte escala: (1) Nada (2) Em parte (3) Bastante (4) Totalmente.

14


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Avaliação da formação científica

Classifique as conferências em termos de contributo para a sua formação. (N=35)

1

2

3

4

S/Resposta

Infeção VIH/Sida e outras IST: novos desafios

0

4

13

13

5

Aspetos éticos-legais do VIH/Sida

0

1

21

8

5

Estilos de vida saudáveis

0

5

15

7

8

Consumo e dependência do álcool

0

0

15

15

5

Gravidez na adolescência

0

5

18

9

3

Sexualidade, saúde e educação

0

0

15

18

2

A importância do voluntariado e da educação pelos pares na luta contra a Sida Total

0

2

13

19

1

0

17

110

89

29

Nota: Foi usada a seguinte escala: (1) Nenhum (2) Pouco (3) Algum (4) Muito.

Avaliação da formação pedagógica Classifique os jogos e dinâmicas em termos de contributo para a sua formação. (N=35)

1

2

3

4

S/Resposta

Sexualidade e género

0

2

8

21

4

Crenças e atitudes sobre sexualidade e VIH/Sida

0

1

5

25

4

Desenvolvimento de competências pessoais e sociais

0

0

11

23

1

Expressões da sexualidade e orientação sexual

0

1

11

23

0

Abuso, assédio e violência sexual

0

1

6

28

0

0

5

41

120

9

Total Nota: Foi usada a seguinte escala: (1) Nenhum (2) Pouco (3) Algum (4) Muito.

Aspetos positivos do Curso Indique três aspetos positivos do Curso: 1- Relacionamento entre os participantes; maneira descontraída com que se tratou os vários assuntos; terem utilizado dinâmicas na parte pedagógica. 2- Relacionamento interpessoal com os formadores; desmistificação de assuntos/temas tabu; à vontade usado para falar abertamente. 3- Dinâmicas de grupo; capacidade dos oradores. 4- É dinâmico, abrangente e despreconceituoso. 5- Os conteúdos; a qualidade das dinâmicas e a participação das pessoas nos debates. 6- A interação entre os participantes; o debate; assuntos não só relacionados com a Sida, mas a relação dos jovens em geral; 7- A interação; o conhecimento sobre a questão da sexualidade; a consciencialização da educação nas escolas sobre sexo e vida ativa.

15


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 8- Coffeebrak; debates e dinâmicas bastantes interativas. 9- Achei super interessante as dinâmicas de grupo efetuadas, pois, permitiram-nos obter exemplos práticos de formas de atuar face a jovens nas escolas; a mentalidade aberta e a disponibilidade demonstrada são aspetos a referir também. 10- O facto de nos preparar intelectualmente para pudermos ensinar. O à vontade para estarmos na sala de aula. A oportunidade de fazer pequenos debates e ouvir várias perspetivas sobre um determinado assunto. 11- A boa receção e interesse por parte de todos os alunos; a disponibilidade dos formadores para responderem às questões e os jogos e dinâmicas que foram feitas. 12- Foi bastante produtivo e interessante. Tanto a parte cientifica como os jogos e dinâmicas contribuíram imenso para a formação. O facto de falarem abertamente e nos deixarem à vontade ajudou muito. 13- O ambiente e interação criada entre todos os participantes e os tutores foi muito boa e importante para a realização de todas as atividades; houve uma enorme abertura na discussão de temas e foi sempre permitida a intervenção de todos, tanto na componente pedagógica; os palestrantes convidados foram excelentes, muito dinâmicas e abordaram temas muito importantes. 14- Favorece/fortalece as relações interpessoais; potencia a dinâmica de grupo; reforça a criação de empatia, respeito e outros valores importantes para uma vida saudável em sociedade. 15- Gostei muito da atitude pedagógica dos professores; a interação do grupo é excelente; a formação dos grupos e a atitude de formar BUI é um método importante até para incentivar e dar às pessoas utilidade. 16- Interatividade; novidade; abordagem multidisciplinar. 17- Abertura; proximidade; interativo. 18- Didático; apelativo; diretivo. 19- As dinâmicas de grupo, as reflexões de grupo após as atividades e a interligação entre conferênciasdinâmicas. 20- O curso conta com muitas dinâmicas e momentos de interação, favorece a obtenção de novos conhecimentos e o aprofundamento de outros. 21- Enriquecedor; animado; eficaz. 22- Os exercícios pedagógicos entre os formandos sobre temas interessantes; palestras com diversos temas (não só VIH/Sida) 23- Possui um olhar muito interdisciplinar; interação com diferentes profissionais e pessoas de várias áreas de formação; uso do lúdico, vídeos e dinâmicas para gerar discussões sobre temas polémicos dentro da sexualidade. 24- Interação significativa entre alunos e professores; ótimas conferências de fácil entendimento; abordagem de assuntos que até mesmo no dia de hoje são considerados tabus. 25- Complemento da parte científica com a parte pedagógica; interação entre os intervenientes; o facto de ser uma formação intensiva em dois dias completos. 26- Desmitificação de algumas dúvidas que existem nos formandos (exemplo: confusão entre vulva e vagina); a complementação entre a parte pedagógica e a científica; é sempre gratificante poder participar neste tipo de atividades. 27- A interação da turma que é de grande importância; os assuntos abordados; a eficiência da equipe envolvida na formação da turma. 28- A interação dos alunos com os administradores do curso; a troca de conhecimentos com pessoas de diferentes opiniões e crença; a dinamização do assunto abordado. 29- Os professores ou coordenadores são excelentes; houve uma boa interação entre o grupo e fez com que o curso fosse ainda melhor; os assuntos abordados eram bons tabus a ser discutidos. 30- A interação entre os integrantes da equipa organizadora; a conciliação entre teoria (conferencistas) e prática/aplicabilidade (jogos/dinâmicas); o bom acolhimento pessoal feito pela organização.

16


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 31- Interação entre formadores e formandos; atualidade/pertinência dos temas abordados; disponibilidade e simpatia dos formadores. 32-O “à vontade” com que os temas são abordados; o bom ambiente criado pelos participantes; todos os professores se mostraram acessíveis. 33- Interação entre os participantes; linguagem adequada para a compreensão de todos os participantes (de todos os cursos); recetividade dos conferencistas a todo o tipo de questões. 34- As discussões e debates, confrontação de opiniões; a importância dada à pedagogia e didatismo; a frontalidade e ausência de tabus na abordagem dos diferentes temas. 35- Interação com os colegas de curso (partilha de opiniões, debate de ideias, trabalhos de grupo); Jogos e dinâmicas de grupo. Oradores da parte científica e dedicação dos responsáveis do projeto.

Aspetos do Curso a melhorar

Indique três aspetos do Curso que deveriam ser melhorados. 1- Não tenho nada a acrescentar. Todo o Curso foi bem elaborado e preparado. 2- Otimização dos módulos para o tempo disponível; disponibilização do tempo de almoço com maior duração. 3- Penso que, no planeamento da formação, deve ser considerada uma maior duração para as palestras de forma a poder ultrapassar atrasos e/ou alongamento por parte dos oradores além do tempo estipulado. 4- Devia ter uma maior duração, ter mais foco na parte pedagógica (para o voluntariado) e não houve a parte da igualdade de género. 5- Respeitar mais os horários; aumentar a duração da formação pedagógica em prol da científica, mais dinâmicas de grupo com debate. 6- Cumprimento das horas; orientação sobre os locais; talvez ser sábado e domingo. 7- Tempo; mais debate em grupo; um pouco mais de dinâmica. 8- Sobre a primeira conferência: discurso bastante normativo e classificação dos homossexuais dentro do grupo de pessoas com vários parceiros; muitas pessoas fazendo a formação, o que prejudica em alguns momentos, sobretudo ao discutir-se temas polémicos; pouco tempo para tratar sobre a homossexualidade e machismo. 9- As sessões científico/teóricas do curso torna-se um pouco pesada pelo tempo que demoram. 10- Nada a acrescentar. 11- Para mim todos os temas e dinâmicas que foram abordadas no curso foram bastante interessantes, tudo foi positivo. 12- Nada a acrescentar. 13- A meu ver, deveria haver uma componente durante o curso que nos treinasse e preparasse para estarmos perante uma turma, onde fosse explicada o tipo de abordagem para as diferentes idades e os termos e temas que são abordados para cada ano; Deixo apenas a nota, que nada tem a ver com o CAOJ, onde demonstro o meu descontentamento pela FMUC não ter dispensado os alunos das aulas que se sobrepunham ao horário do curso. Isto implicou que não pudesse assistir a metade de uma palestra. Este meu descontentamento prende-se por perceber que a FMUC demonstra não considerar importante um curso/formação desta dimensão! 14- Não respondeu 15- As apresentações científicas deviam ser mais apelativas; deviam ser apresentados casos clínicos ou filmes; a formação poderia ser mais longa com mais atividades dinâmicas. 16- Aumentar tempo disponível ou diminuir o número de atividades; aumentar o foco em determinadas

17


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 171819202122232425-

26-

27282930313233-

34-

35-

áreas como IST que não HIV. Gestão do tempo das conferências e horários. Deveria haver mais tempo para explorar melhor as dinâmicas de grupo. Nada a acrescentar. Poderia ter mais tempo para a discussão das temáticas apresentadas. Espaço de formação e palestras; durabilidade (com grupos grandes, conciliar o tempo para realizar todas as atividades; mais nada a apontar. Dizer mais aspetos do que o voluntário vai fazer; dizer qual a mensagem que o voluntário tem que passar ao “público-alvo”; fazer uma avaliação da personalidade do voluntário. Inserir mais um dia na formação (maior tempo de discussão); intervalar programação cientifica e dinâmicas tanto de manhã quanto à tarde. No meu ponto de vista as conferências deveriam ser intercaladas com jogos e dinâmicas. Gostei muito do curso. O questionário inicial tinha questões que envolvem a esfera da privacidade da pessoa que responde, que pode sentir-se pouco à vontade para responder a algumas questões; a divulgação foi realizada em meios muito restritos e os formandos são quase todos das mesmas áreas. Deve haver uma maior “homogeneidade” no tempo das conferências (algumas alongaram-se demais). O questionário inicial do curso, apesar de anónimo, era um pouco evasivo ao nível da privacidade; pareceu-me que o curso foi pouco divulgado, deveriam ser colocados cartazes nos vários Departamentos da Universidade de Coimbra. Gostei muito do curso, portanto não tenho nenhum aspeto para questionar. Intercalar as palestras com as dinâmicas pois fica muito mais cansativo; este curso deveria ser feito em 3 dias pelo facto de haver assuntos polémicos. Acho que pela manhã deveria ter a interação entre os assuntos abordados e as dinâmicas, pois durante a manhã torna-se muito cansativo, enquanto à tarde é muito melhor. Meu panorama geral acerca do curso foi bastante positivo, não tendo a princípio nenhum ponto negativo de tamanha relevância a relatar. Superou minha espectativa! Abordagem dos mesmos aspetos em várias conferências; duração das palestras. A duração das palestras; tentar evitar a repetição de certos temas durante as palestras. Penso que deveria haver um intervalo entre cada palestra (5 min); alguma repetição de umas palestras para outras devia ser evitada; algumas palestras tiveram um tempo exagerado, sem se justificar. Melhor gestão de tempo; mais ênfase na formação para formar (concretamente os miúdos do 3ºciclo, como lidar com eles) e não só como mera formação informativa; dinâmicas mais aplicadas à sexualidade. Parte científica sem muitas pausas pode impedir a concentração nas palestras finais; realizar mais jogos e dinâmicas de grupo.

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL Recrutamento de voluntários Anualmente, a Delegação/CAOJ de Setúbal promove o recrutamento de jovens voluntários e voluntárias em instituições do ensino superior. A sua participação no Projeto Nacional de Educação pelos Pares é precedida pela frequência de cursos de formação científica e pedagógica, organizados localmente. 18


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

No inicio do mês de outubro foram realizados contatos via e-mail para o Instituto Politécnico de Setúbal: Escola Superior de Educação, Escola Superior de Saúde, Escola Superior de Tecnologia e Escola Superior de Ciências Empresariais, com o objetivo de apresentar e divulgar o Projeto de Educação pelos Pares a fim de realizar ações de recrutamento de voluntários. É de salientar que Setúbal conta apenas com este Pólo de Ensino Superior. No decorrer das referidas ações, foram os presentes sensibilizados para as questões relativas à promoção e educação para a saúde e para a importância da educação pelos pares na área da sexualidade e do VIH/SIDA. Foram também estabelecidos contactos com todas as BUI e TUI do ano anterior de forma a dar continuidade aos projetos anteriormente desenvolvidos.

Sessões de recrutamento de voluntários/as para o desenvolvimento do Projeto Nacional de Educação pelos Pares Instituto Politécnico de Setúbal Curso

Ano/Turma

Data

1ªA

9 de outubro 2014

1ºB Educação Básica

2ºA

8 de outubro 2014

2ºB Animação

e

Intervenção

9 de outubro 2014

Sociocultural

Comunicação Social

8 de outubro 2014

9 de outubro 2014

Após estas sessões, os estudantes demonstraram uma enorme adesão ao projeto, inscrevendo-se no local e, posteriormente, por correio eletrónico, um total de 76 voluntários/as.

Cursos de Formação Pedagógica de voluntários/as A equipa da Delegação/CAOJ de Setúbal realizou o curso de Formação Pedagógica de Voluntários (as) para intervenção no Projeto Nacional de Educação 19


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

pelos Pares, na Casa da Baía - Centro de Promoção Turística da Câmara Municipal de Setúbal, nos dias 10 e 11 de janeiro de 2014. Este curso correspondeu à 3ª Formação Pedagógica do ano letivo de 2013/2014, devido ao elevado número de voluntários inscritos. Realizaram esta formação 14 jovens universitários/as. No total constituíram-se 4 Brigadas de Intervenção abrangendo 12 voluntários/as estudantes do ensino superior. O Programa de formação foi o seguinte: Curso de Formação Pedagógica de Voluntários/as para Intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares

Programa de Formação da Delegação/ CAOJ de Setúbal 1º Dia - 10 de Janeiro de 2014 9.00 – 11.00h - Apresentação dos/as participantes. Atividade 1 – “O Brasão”.  Apresentação do curso - Conteúdos, objetivos, metodologias e avaliação.  Competências a desenvolver com os/as adolescentes. - Identificação das expectativas dos formandos. - Identificação das competências que os formandos consideram essenciais para o desenvolvimento de um trabalho de formação inter-pares. - Competências relacionais Atividade 2 – “Contorno da mão”. Atividade 3 – “Pote da vida” (Prioridades da vida) 11.00 – 11.30h - Pausa para café. 11.30 – 13.00h - Competências pessoais: - Competências de comunicação Atividade 4 – “Quem conta um conto”. Atividade 5 – “ “Concordo ou talvez não...” 13.00 – 14.30h - Almoço 14.30 – 17:30h - Competências pessoais: a sexualidade Atividade 6 – “Puberdade” Atividade 7 – “Adolescência e Sexualidade” Atividade 8 – “Chuva de Ideias” (conceito de sexualidade). - Competências pessoais e sociais: autoconfiança, assertividade e gestão de conflitos. Competências relacionais Atividade 9 – “Ordenar por uma característica”. Atividade 10 – “Ser verdadeiro consigo próprio e com o outro/“Assertividade”.

2º Dia- 11 de Janeiro de 2014 9.00 – 11.00h - Competências pessoais e sociais: auto-estima e tomada de decisões. Competências relacionais - Formação de grupos de trabalho Atividade 11 – “Jogo das Figuras” Atividade 12 – “Festinhas ao ego”

20


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Atividade 13 – “Os Rótulos” 11.00 – 11.30h - Pausa para café. 11.30 – 13.00h - Perceção do risco - Sexualidade Atividade 14 – “ Conversa com especialistas” Algumas considerações/noções de como trabalhar/interagir com adolescentes. Atividade 15 – “Pisa o risco sem te arriscares”. 13.00 – 14.30h - Almoço 14.30 – 17:00h - Atividade 16 – “VIH / SIDA” Atividade 17 – “Jogo do copo”. Constituição de brigadas Atribuição de turmas Diário Bordo Entrega Diplomas Questionário - Breve exposição:  Contextualização do projeto de formações inter-pares.  Planificação de atividades.  Apresentação e discussão das planificações. - Apresentação e discussão das planificações. - Avaliação final – Preenchimento de questionário e diário de bordo.

A 17 e 18 de outubro de 2014, no mesmo espaço, realizou-se a 1ª Formação Pedagógica das Brigadas Universitárias de Intervenção para intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares, referente ao ano letivo 2014/2015, em que participaram 14 jovens estudantes do ensino superior. Dado o número elevado de solicitações, houve necessidade de agendar uma segunda formação para o mês de novembro. Assim, nos dias 14 e 15 de novembro de 2014 realizou-se a 2ª Formação Pedagógica das Brigadas Universitárias de Intervenção, na Casa da Baía, em que participaram mais 30 jovens. No total constituíram-se 16 BUI, abrangendo 44 voluntários/as, cuja formação será complementada, de forma contínua, nos momentos de preparação, planificação e reflexão das sessões de intervenção nas turmas onde se desenvolve o Projeto de Educação pelos Pares. Esta componente de Formação Pedagógica será também completada com a componente de Formação Científica prevista para o próximo mês de janeiro de 2015. O Programa da Formação Pedagógica desenvolvido para ambos os cursos foi o seguinte: 21


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Curso de Formação Pedagógica de Voluntários/as para Intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares Casa da Baia – Setúbal 1º dia de formação 9h – 11h

Apresentação dos participantes. Apresentação do curso: -Conteúdos, objetivos, metodologias e avaliação. Competências a desenvolver com os adolescentes. Identificação das expectativas dos formandos. Identificação das competências que os formandos consideram essenciais para o desenvolvimento de um trabalho de formação interpares.

11h -11h30min

Competências pessoais: Competências de comunicação Pausa para café

11h30min 13h

Preenchimento de um questionário Conceito de sexualidade: Atitudes, valores e condutas face à sexualidade.

13h 14h30min 14h30min – 18h

Atividade 1 – “O Brasão” Atividade 2 – “Contorno da mão” Atividade 3 - “Quem conta um conto”

Atividade 4 – “Chuva de Ideias” Atividade 5 – “Concordo ou talvez não...”

Almoço Adolescência e Sexualidade Competências pessoais e sociais: autoconfiança, assertividade e gestão de conflitos. Competências relacionais. Assertividade

Atividade 6 – “Puberdade” Atividade 7– “Adolescência e Sexualidade” Atividade 8 – “Ordenar por uma característica” Atividade 9 – “Ser verdadeiro consigo próprio e com o outro”

2º dia de formação 9h30min11h30min

Competências pessoais e sociais: autoestima Competências relacionais. Formação de grupos de trabalho.

11.30h – 11.45h 11.45h –

Atividade 10 – “Apresentação em números” Atividade 11 – “Jogo das Figuras” Atividade 12 – “Festinhas ao ego” Atividade 13 – “Os Rótulos”

Pausa para café Sexualidade

Atividade 14 – “Conversa com especialistas”

22


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 13.00h

Perceção do risco Algumas considerações/noções de como trabalhar/interagir com adolescentes.

13.00h – 14.30h 14.30h – 17.30h

Atividade 15 – “Pisa o risco sem te arriscares”

Almoço VIH/ SIDA Contextualização do projeto de formações interpares. Abordagem pedagógica e metodológica Planificação de atividades - Constituição de brigadas

Atividade 16 – “VIH / SIDA” Atividade 17 – “Eu preocupo-me e tu!” Atividade 18 – “Jogo do copo” Preenchimento de questionário e diário de bordo

Avaliação final.

Delegação/CAOJ de Setúbal 3º Formação Pedagógica de Voluntariado Universitário Ano Letivo 2013/2014 10 E 11 de Janeiro de 2014 - Casa da Baia – Setúbal

23


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Delegação/CAOJ de Setúbal 1º Formação Pedagógica De Voluntariado Universitário Ano Letivo 2014/2015 17 E 18 de Outubro de 2014 - Casa da Baia – Setúbal

24


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Delegação/CAOJ de Setúbal 2º Formação Pedagógica de Voluntariado Universitário Ano Letivo 2014/2015 14 E 15 de Novembro de 2014 - Casa da Baia – Setúbal

25


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Avaliação dos Cursos de Formação Pedagógica de voluntários/as Os resultados da avaliação do Curso de Formação Pedagógica de Voluntários/as para intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares, realizado nos dias 10 e 11 de Janeiro de 2014, foram os seguintes: Nº de ocorrências às respostas do questionário de avaliação da formação I - Assinale com um ( x ) o número que, na escala, melhor reflete a sua opinião, considerando que (1) significa nada ou nenhum e (4) muito ou totalmente. Nº

Questão

(1)

(2)

(3)

(4)

1

-

-

2

12

2

Os objetivos definidos para a ação foram atingidos? A metodologia global da ação foi adequada?

-

-

1

13

3

A ação correspondeu às suas expectativas?

-

-

1

13

4

A duração global da ação foi adequada?

-

-

2

12

5

O relacionamento entre favoreceu a formação?

-

-

6

A organização da ação foi eficiente?

-

-

3

11

Qual o nível de aquisição no âmbito das competências sociais e pessoais:

-

-

3

11

Qual 8 o nível de aquisição no âmbito das competências 8 sobre sexualidade:

-

-

3

11

Avaliação Global

-

-

1

13

os

participantes

14

26


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Avaliação do Curso de Formação de Voluntários (10 e 11 Janeiro de 2014) 100%

93% 93% 86%

90%

Os objetivos definidos para a acção foram atingidos?

79%

80%

Percentagem %

70%

A metodologia global da acção foi adequada?

60% 50% 40%

A acção correspondeu às suas expectativas?

30% 20% 10%

21% 14% 7%

O relacionamento entre os participantes favoreceu a formação?

7%

0%

Escala de Avaliação

A organização da acção foi eficiente?

A duração global da acção foi adequada? 14%

21% 79%

Bom Totalmente

86%

Bom Totalmente

De acordo com os resultados do questionário, a avaliação da formação pedagógica foi considerada bastante positiva. Os/as voluntários/as referiram como aspetos muito satisfatórios a metodologia e as dinâmicas utilizadas, bem como a interação que se estabeleceu entre os participantes.

27


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Avaliação da aquisição de competências 93%

100%

79% 79%

90%

Percentagem %

80% 70%

Qual o nível de aquisição no âmbito das competências sociais e pessoais

50%

Qual o nível de aquisição no âmbito das competências sobre sexualidade

40%

Avaliação global

60%

30% 20% 10% 0%

21%21% 7% Escala de Avaliação

Nº de ocorrências às respostas do questionário de avaliação da formação Indique os três principais aspetos positivos da ação: Atividades dinâmicas, práticas, jogos - 6 PowerPoint interessantes e vídeos - 2 Aprendizagem e enriquecimento pessoal 2 Reflexão- 2 Aprender a lidar com os jovens 1 Favorecimento das nossas competências sociais e pessoais- 1 Acesso a informação desconhecida 1 Boa Organização - 1 Simpatia e dinâmica das formadoras - 1 Boa relação no grupo 1 Dinâmicas utilizadas para abordar o tema da sexualidade -1 Enriquecedor / Ação bastante produtiva e aprendi bastantes coisas novas 1 Indique os três principais aspetos negativos da ação: Recursos- 1 Deveria falar- se mais de pedagogia- 1 Não tem aspetos negativos – 12

Os resultados da avaliação do curso de Formação Pedagógica de Voluntários(as) para intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares, realizado nos dias 17 e 18 de Outubro de 2014, foram os seguintes:

28


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Nº de ocorrências às respostas do questionário de avaliação da formação I - Assinale com um ( x ) o número que, na escala, melhor reflete a sua opinião, considerando que (1) significa nada ou nenhum e (4) muito ou totalmente. Nº

(2)

(3)

(4)

-

1

13

2

Os objetivos definidos para a ação foram atingidos? A metodologia global da ação foi adequada? -

-

1

13

3

A ação correspondeu às suas expectativas?

-

-

0

14

4

A duração global da ação foi adequada?

-

-

2

12

5

O relacionamento entre os participantes favoreceu a formação? A organização da ação foi eficiente? -

-

4

10

-

0

14

Qual o nível de aquisição no âmbito das competências sociais e pessoais: Qual 8 o nível de aquisição no âmbito das competências 8 sobre sexualidade: Avaliação Global -

-

0

14

-

1

13

-

0

14

1

6

Questão

(1)

Avaliação do Curso de Formação de Voluntários (17 e 18 Outubro de 2014) 100%

100%

93% 93%

Os objetivos definidos para a acção foram atingidos?

90% Percentagem %

80%

71%

A metodologia global da acção foi adequada?

70% 60%

A acção correspondeu às suas expectativas?

50% 40% 29%

30% 20% 10%

7% 7% 0%

0%

O relacionamento entre os participantes favoreceu a formação?

Escala de Avaliação

29


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

A duração global da acção foi adequada?

A organização da acção foi eficiente?

14% 100%

Bom

86%

Totalmente

Totalmente

De acordo com os resultados do questionário, a avaliação da formação pedagógica foi considerada bastante positiva. Os/as voluntários/as referiram como aspetos muito satisfatórios a metodologia e as dinâmicas utilizadas, bem como a interação que se estabeleceu entre os participantes.

Avaliação de aquisição de competências 100% 100%

100% 93%

90% Percentagem %

80%

Qual o nível de aquisição no âmbito das competências sociais e pessoais

70% 60% 50% 40% 30% 20% 10%

Escala de Avaliação

7%

Qual o nível de aquisição no âmbito das competências sobre sexualidade

0%

Respostas do questionário de avaliação da formação

30


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Nas respostas abertas optou-se por transcrever o texto escrito pelos/as participantes.

Indique os aspetos mais positivos da ação: O dinamismo das atividades. O facto de ser uma formação dinâmica. As atividades dinâmicas. Ser uma formação dinâmica. Dinâmicas de aprendizagens. Os aspetos positivos da ação foram as atividades. A comunicação e a dinâmica das atividades. O relacionamento entre os formadores e participantes. Esclarecimento de dúvidas pessoais. Aquisição de conhecimentos. Houve muitos momentos de interação e as professoras são muito boas a comunicar. A fácil comunicação entre nós. O facto de deixarem (as formadoras) muito à vontade as participantes da mesma, a flexibilidade e o modo de ensinar. Os aspetos mais positivos foram o facto de estarmos a brincar, mas ao mesmo tempo aprendermos com isso. O facto de fazermos algumas atividades interativas. As atividades “lúdicas” ajudam bastante. Indique os aspetos mais negativos da ação: Ocupar o fim-de-semana. Ter sido a um sábado; A formação ter ocorrido num sábado. O curto espaço de tempo, pois ficam sempre dúvidas. O curto espaço de tempo. Não indicaram aspetos - 9

Os resultados da avaliação do curso de Formação Pedagógica de Voluntários/as para intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares, realizado nos dias 14 e 15 de Novembro de 2014, foram os seguintes: Considere a escala: [1] Nada [2] Em parte [3] Bastante [4] Totalmente

1. Os objetivos definidos para o Curso foram concretizados. 2. A metodologia do Curso foi adequada. 3. O Curso correspondeu às expetativas. 4. A duração global do Curso foi adequada. 5. O relacionamento entre os/as participantes favoreceu a formação.

1 -

2 -

3 3 1 3 7 1

4 26 28 26 22 28

Considere a escala: [1] Nenhum [2] Pouco [3] Algum [4] Muito

6. Classifique as dinâmicas em termos de contributo para a sua formação: 

Competências pessoais e sociais

1 -

2 -

3 4 7 22 31


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Conteúdos no âmbito da sexualidade Conteúdos no âmbito do VIH/SIDA e da prevenção da infeção Competências pedagógicas e metodológicas

-

-

6 23 4 25 7 22

Avaliação do Curso de Formação de Voluntários (14 e 15 Novembro de 2014) 97%

100%

97%

90%

90%

Os objetivos definidos para o Curso foram concretizados

90%

80%

A metodologia do Curso foi adequada?

70%

Percentagem %

  

60%

O Curso correpondeu às expectativas?

50% 40%

O relacionamento entre os/as participantes favoreceu a formação

30% 20% 10%

10% 10% 3%

3%

0%

Escala de Avaliação

A duração global do Curso foi adequada 24% 76%

Bom Totalmente

32


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Classificação das dinâmicas em termos de contributo para a sua formação 86% 79% 76% 76%

90% 80%

Competências pessoais e sociais

Percentagem %

70% 60%

Conteúdos no âmbito da sexualidade

50% 40% 24% 21% 24%

30% 20%

14%

Conteúdos no âmbito do VIH/SIDA e da prevenção da infeção Competências pedagógicas e metodológicas

10% 0% Nenhum

Pouco

Algum

Muito

Escala de Avaliação

De acordo com os resultados dos questionários, a avaliação da formação pedagógica foi considerada bastante positiva. Nesta última formação, um dos jovens não respondeu ao questionário e, no que respeita à última questão - “indique três aspetos a serem melhorados” - a maior parte dos inquiridos indicou apenas um aspeto. Os voluntários/as referiram como aspetos muito satisfatórios a metodologia e as dinâmicas utilizadas, bem como a interação que se estabeleceu entre os participantes, tendo também sido referido a forte componente prática que muito contribuiu para a superação das suas expectativas. As formadoras consideraram que os objetivos da formação foram cumpridos. Verificou-se um grau de satisfação elevado e a avaliação global foi bastante satisfatória. Respostas do questionário de avaliação da formação

Nas respostas abertas optou-se por transcrever o texto escrito pelos participantes. Indique três aspetos positivos do Curso: Como 1º aspeto positivo indicaram: Dinâmica do curso (atividades elaboradas); Muito dinâmico; Dinâmico; Dinâmicas de grupo; O curso foi muito dinâmico; Dinâmica; Boa dinâmica; O curso foi dinâmico; Dinamismo; Curso dinâmico; Dinâmica muito favorável; Foi muito dinâmico o que despertou a nossa curiosidade; Partilha de vivências e jogos; Dinâmica das formadoras. 33


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Conhecimentos sobre o tema; Consolidar conhecimentos; Enriquecimento dos meus conhecimentos; Fiquei com um conhecimento mais rico no tema da sexualidade; As aprendizagens novas; Desenvolvimento de conhecimentos; Disponibilização de conhecimentos científicos; Muita informação foi passada para os formandos. Importância dos temas abordados; Interessante. Gostei muito de todos os jogos e atividades. Momentos de reflexão. Preocupação com aspetos “pessoais” (autoestima). Boa relação com os outros; Boa relação com os outros; Promoveu a comunicação/relação com outras pessoas. Simpatia das professoras. Boa comunicação. Boa organização. Como 2º aspeto positivo indicaram: Relacionamento entre participantes, partilha de ideias e experiências, Interação com os outros; Bom relacionamento com os participantes; Boa relação entre as formadoras e as pessoas que participam na formação; Boa dinâmica. Uma boa comunicação por parte das formadoras; Boa comunicação entre as formadoras e os participantes; Comunicação; Informação explícita. Aprendizagem de novas dinâmicas para grupos; As formadoras ajudaram os participantes a desinibirem-se; Comunicação com os alunos. Mudou a minha visão em relação a certos problemas. Terem sido em dias que não tenho aulas. Divertido. Criativo. Esclarecedor. Jogos didáticos; Jogos realizados; Atividades interativos; Jogos interessantes e que têm algo a ensinar; Aprendizagem sobre sexualidade; Os temas abordados foram muito interessantes. O conhecimento adquirido; Consolidou elementos. Temáticas e abordagens positivas. Desenvolvimento pessoal. Boa organização - 2. Como 3ª aspeto positivo indicaram: Esclarecimento de dúvidas; Explicação teórica. Desenvolvimento de como lidar com os jovens nas escolas. Atividades com muita reflexão; Muita atividade; Jogos de conhecimento. Aprendemos mais. Ajudou a desenvolver competências pedagógicas. Interação com várias pessoas; Boa relação entre formadoras/formandos; As partilhas feitas entre o grupo; Bom espirito de equipa entre os participantes; Interação entre participantes. A comunicação das formadoras foi ótima; Relacionamento entre os participantes. Professoras muito simpáticas e esclarecedoras. 34


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Boa organização; Muito dinâmico. Competências sociais e pessoais mais desenvolvidas; Melhoria no desenvolvimento social. Boa metodologia. O curso é fundamental para que todos tenham a informação necessária sobre todos os conteúdos abrangidos; Foi transmitida bastante informação essencial e o ambiente foi muito agradável e acolhedor.

Indique três aspetos do Curso que deveriam ser melhorados: Como 1º aspeto a melhorar O tempo do curso deveria ser um pouco maior, Um pouco mais de horas, Horário, Mais tempo de formação O tempo de curso deveria ser maior e repartido para preparar mais para enfrentar uma turma. Atualização a nível das apresentações em PowerPoint que deveriam ser mais dinâmicas, Os PowerPoint deveriam ser abordados de formas mais dinâmicas. Como lidar com os mais novos, Ensinar mais como lidar com os alunos Mais estratégias para lidar/saber dar a volta às questões menos adequadas dos alunos. Estratégias com os alunos. Cumprimentos de horários Fornecer aos participantes suportes para ajudar a responder às questões dos alunos Mais formação teórica deveria ter mais formação teórica. Os dias em que a formação é dada; Os dias da formação O Curso superou imenso as minhas expectativas e, portanto, o único aspeto que considerei que considerava de melhorias é a nível dos alunos; Estes deviam perceber qual a altura de intervir e qual a altura de apenas ouvir os outros. Incentivo à participação de voluntariado do sexo masculino. Como 2º aspeto a melhorar indicaram: Mais dias de formação. Maior interação dos alunos. Devíamos ter mais dias de formação. Alimentação. Disponibilizar suportes. Como 3º aspeto a assinalar indicaram: Grupos maiores para as brigadas. Alimentação. Indique três aspetos do Curso que deveriam ser melhorados Não indicaram aspetos - 9 Nada a apontar- 1 Não achou que seja necessário melhorar nenhum aspeto.

35


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Curso de Formação Científica de Voluntários/as para a Intervenção no Projeto Nacional de Educação Pelos Pares Estando prevista a formação científica de jovens voluntários para finais de 2014, deparamo-nos com alguma dificuldade de agendamento para o mês de Dezembro, devido ao desenvolvimento de outras atividades, ou ainda por incompatibilidade de horários por parte dos oradores convidados. A formação científica ficou assim adiada para o dia 9 de janeiro de 2015, apesar de toda a tarefa de organização ter sido efetuada no final de 2014. Pretende-se realizar uma formação com uma especificidade a nível local, pelo que os oradores convidados pertencem a unidades hospitalares ou outras entidades locais relacionadas com a saúde e educação.

1.2 AÇÕES DE FORMAÇÃO DE DOCENTES DELEGAÇÃO DO PORTO Nos Cursos de Formação Científica e Pedagógica foram contempladas inscrições para docentes das escolas parceiras. No entanto, tivemos apenas uma professora do ensino superior a participar. A ausência de professores/as do ensino básico e secundário deve-se, por um lado, ao facto de a formação científica e pedagógica não ser creditada, não obstante a alta qualidade das mesmas e, por outro, à falta de disponibilidade do corpo docente em fazer formação em horário diurno.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA No âmbito da formação de docentes, a equipa da Delegação/CAOJ de Coimbra realizou, no dia 12 de fevereiro, uma sessão de sensibilização sobre “Sexualidade prevenção do VIH/Sida” para professores/as e assistentes operacionais na Escola Básica 2,3 do Caramulo. Nesta sessão estiveram presentes 11 formandos. Os resultados da avaliação da sessão apresentam-se a seguir:

36


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Escola Básica do 2, 3º Ciclos do Caramulo

Parâmetros de Avaliação

Escala

Autoavaliação 3 4 3 1 -

1 – Importância e pertinência da sessão. 2 – Relevância dos assuntos abordados nas sessões. 3 – Dinâmica das sessões.

1 -

2 -

4 – Interação entre formandos e formadoras.

-

-

-

-

11

-

-

-

4

11 51

5 – Apreciação global da sessão. Totais

5 8 10 11

Sobre a sessão quero dizer que: Foi muito importante pelo tema tratado e pelas interações criadas; Gostei muito de partilhar a informação que se gerou entre todos os intervenientes; Não responderam (9) Sugestões Não responderam (11)

1.3 AÇÕES PARA PAIS, MÃES E ENCARREGADOS/AS DE EDUCAÇÃO

DELEGAÇÃO DO PORTO Com o objetivo de assegurar uma intervenção mais consistente – chegando a vários intervenientes da comunidade escolar, nomeadamente os encarregados de educação, mães e pais dos alunos – a delegação do Porto organizou 4 Cafés para Pais. Em parceria com o GAPS da Escola EB 2,3 Manoel de Oliveira e a FPCCSIDA, realizaramse três cafés para Pais na Escola EB 2,3 Manoel de Oliveira, a saber: - “Bullying: estratégias de atuação na escola e em casa”, no dia 18 de fevereiro, tendo como oradora convidada a Professora Doutora Teresa Vilaça, coordenadora pedagógica do CAOJ do Porto; - “Como posso ajudar o meu filho a estudar?”, no dia 26 de março, tendo como oradora convidada a voluntária da Fundação, Dra. Márcia Paiva; - “Saber dizer não! A importância do afeto e dos limites.”, no dia 11 de junho, tendo como palestrante a psicóloga voluntária da Delegação/CAOJ do Porto, Dra. Isabel Pires. Os temas escolhidos resultaram de uma auscultação feita aos pais do Agrupamento Vertical Manoel de Oliveira, selecionando os mais votados. A adesão foi 37


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

grande e o entusiasmo por parte da comunidade educativa também, pelo que a ligação escola família saiu efetivamente reforçada. O jornal semestral da Escola, “Noticias Frescas”, publicou os três encontros na edição de junho. Na escola EB 2,3 de Custóias realizou-se o Café para Pais no dia 28 de outubro pelas 21h, com o tema “Como posso ajudar o meu filho a estudar?”, o qual foi também desenvolvido pela Dra. Marta Paiva, psicóloga voluntária da Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a Sida”.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Escola Secundária Infanta D. Maria A convite da Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Secundária Infanta D. Maria, a Coordenadora do Centro de Aconselhamento e Orientação de Jovens de Coimbra Professora Doutora Filomena Teixeira e o docente da equipa Fernando Moreira Marques, dinamizaram uma sessão de Educação em Sexualidade, no dia 20 de fevereiro, na Biblioteca, com a participação de Mães, Pais e docentes da Escola.

Escola Secundária Engenheiro Acácio Calazans Duarte No âmbito da formação parental, o docente Fernando Moreira Marques realizou uma palestra intitulada “Porquê falar sexualidade com os jovens? Prevenção do VIH/Sida”, no Auditório da Escola Secundária Engenheiro Acácio Calazans Duarte, 38


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

no dia 1 de abril de 2014, pelas 18 horas. Esta palestra foi integrada nas II Jornadas da Saúde do Agrupamento de Escolas Marinha Grande Poente, para as quais o CAOJ de Coimbra foi convidado.

Sessão de formação parental no Auditório da Escola Secundária Eng.º Acácio Calazans Duarte

A entidade comunicou à Delegação/CAO de Coimbra a avaliação da atividade através de mensagem de e-mail datada de 4 de abril de 2014, enviada pelo Coordenador do Projeto de Educação para a Saúde e Educação Sexual da Escola Engenheiro Acácio Calazans Duarte:

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Projeto “ Arrumar a Vida” Famílias residentes no Complexo Habitacional de Santo Amaro, beneficiárias do

Público-alvo: Rendimento Social de Inserção. Reclusas do Estabelecimento Prisional do Funchal Proporcionar através da (In) formação a melhoria e o desenvolvimento de

Objetivo geral:

competências parentais, sociais e pessoais, com vista a promoção de estilos de vida saudáveis.

39


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014  Desenvolver competências parentais com utilização de estratégias de disciplina positivas;  Fornecer informação pertinente sobre as IST´s, drogas legais e ilegais, entre outras situações potenciadoras de risco para saúde;  Desenvolver a capacidade dos pais de estimularem o desenvolvimento de competências de vida (assertividade; capacidade de tomada de decisão;

Objetivos específicos:

competências de recusa; autocontrolo; gestão emocional);  Fomentar a supervisão e participação/acompanhamento parental na vida dos filhos;  Melhorar a qualidade dos afetos e da relação pais-filhos, bem como desenvolver competências de comunicação familiar;  Promover a capacidade dos pais de desenvolverem a autoestima dos seus filhos;  Criar um espaço de partilha de experiências e troca de conhecimentos;  Intervenção de grupo através do treino de competências pessoais e sociais;  Trabalho social pedagógico apoiado em técnicas expositivas e ativas, onde se

Metodologias:

privilegiou as atividades que envolveram a discussão partilhada de casos e situações específicas de cada tema.

Recursos:

Humanos: 2 Formadores Físicos: Sala. Material de desgaste: papel A4, papel de cenário, lápis, canetas, marcadores,

Materiais: quadro Slip Sharp, etc. Material técnico: projetor multimédia, TV, VHS/DVD, etc. Projeto Capacitar, desenvolvido pela Sociohabita – Câmara Municipal do Funchal,

Parceiros:

Direção Geral dos Serviços Prisionais.

N.º de formandos

N.º de Sessões

N.º de Horas

37

35

102

Fotos do Projeto “Arrumar a Vida” (Formação Parental) – Santo Amaro

40


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

1.4 AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA PESSOAL TÉCNICO DELEGAÇÃO DO PORTO Os Cafés para Pais realizados no ano 2014 tiveram a presença e participação dos encarregados de educação, pais e mães do corpo discente e também do pessoal técnico de ação educativa, animadores culturais e elementos da direção das escolas que realizaram a referida ação. A avaliação revelou o agrado dos presentes pela ação realizada, a qual foi ao encontro das necessidades referidas pela maioria dos participantes aquando da auscultação feita à comunidade escolar, no sentido de dar resposta às principais preocupações sentidas por encarregados/as de educação em relação aos educandos e educandas.

1.5 AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA JOVENS DELEGAÇÃO DE LISBOA Formação de Voluntários da FCM - UL No dia 23 de abril de 2014, a delegação de Lisboa da FPCCSIDA realizou uma ação de formação para 13 alunas da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. Ao questionário de satisfação responderam 12 formandas. Da análise das respostas concluiu-se que 75% (n=9) das inquiridas atribuiu nota máxima à avaliação global da sessão. Das restantes, 17 % (n=2), atribuíram uma avaliação global de nível quatro e 8% (n=1) avaliaram a formação com o nível três, numa escala de 5. No que concerne aos restantes aspetos como utilidade, interesse, estratégias inovadoras e expetativas relativamente à formação, todos tiveram avaliação positiva. 41


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Aspetos mais positivos da ação:

Referências

Frequência

À vontade e boa disposição e dinamismo dos formadores Pertinência dos conteúdos Interatividade Boa comunicação Metodologias/estratégias utilizadas (exemplos práticos) Jogos/atividades dinamizadas e explicação dos objetivos Motivar para participar no PNEP Nova perspetiva sobre a Educação Sexual

6 4 4 2 3 1 1 1

Aspetos menos positivos da ação:

Referências

Frequência

Pouco tempo de formação Exposição pública/nervosismo na relação com os miúdos Sem aspetos negativos Estruturação dos conteúdos/pouca esquematização Os horários não permitirem a continuidade com as turmas Não haver necessidade de fazer os jogos mais “básicos”, bastava explicar Abordar mais temas

4 3 2 2 1 1 1

Quando foi perguntado aos participantes o que poderia/deveria ter sido abordado na sessão, obtivemos as seguintes sugestões:          

Dar mais sugestões/estratégias para abordar os temas na escola (2) Agressividade na escola Rejeição dos colegas Anorexia/Bulimia/Obesidade Deficiências físicas Orientação sexual Apresentar o planeamento detalhado da sessão Abordar mais as relações pessoais Teorizar mais o tema Crianças com dificuldades, paralisia cerebral ou atraso mental

Por fim, uma das formandas considerou que nas escolas se deveria dar mais informação sobre: sítios onde se podem fazer os testes do VIH e de outras IST igualmente graves; a localização dos Centros de Saúde ou outros recursos da comunidade que possam dar apoio nestas temáticas e, ainda, a chamada de atenção para o sexo anal e oral como vias de transmissão e a respetiva prevenção.

42


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Formação de Voluntários GASNOVA A formação do grupo GASNOVA decorreu dia 3 de junho, pelas 20h30, nas instalações da CUPAV, no Lumiar. Na sessão participaram 21 formandos, sendo que 7 foram rapazes e 14 raparigas. Nos rapazes, as idades oscilavam entre os 19 e os 27 anos. Nas raparigas as idades variavam entre os 20 e os 26 anos, sendo, em ambos os casos, 22 anos a média das idades. Os formandos eram maioritariamente estudantes dos cursos de Medicina (n=7), outras áreas da Saúde (n=4), Serviço Social (n=3) e de outras áreas (n=7). Sabe-se que destes alunos, 1 está desempregado e 3 encontram-se a realizar Mestrado. Os restantes são alunos da Licenciatura. Relativamente à avaliação realizada pelos participantes, através das respostas ao questionário de satisfação constituído por 8 questões fechadas e por duas questões de resposta abertas (atendendo às respostas assinaladas na escala 4 ou 5) observou-se que a maioria considerou que esta formação teve muito interesse, foi útil, proporcionou à vontade para colocar questões, motivou a participação empenhada nas atividades e à vontade para falar dos temas abordados. Satisfatoriamente foram mais assinalados os itens “melhorou o relacionamento com os meus colegas” e “facilitou o conhecimento dos meus colegas” e “sinto-me mais esclarecido”. Relativamente às questões abertas, apresentamos excertos retirados das afirmações dos e das participantes por melhor expressarem a sua opinião. No item “O que mais gostei”: Achei importantes e interessantes todas as dicas de como abordar o tema; Baralhações; A atividade dos cartões com desenhos (baralho); Dinâmica das baralhações; Definição de sexualidade; Dinamismo da sessão; Dinâmicas; Jogo das emoções; Dinâmica das emoções Dinâmica das cartas; Neste grupo é muito importante a constante analogia à organização e sentido das dinâmicas, colocando-nos assim na posição de quem vai organizar estas formações mais tarde; A abertura que as formadoras tiveram; Enquadramento das sessões; Foi uma sessão muito interativa o que facilita a compreensão do tema; 43


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 A partilha da opinião pessoal sobre sexualidade e a atividade de grupo; A dinâmica das cartas dos sentimentos/emoções; Abertura das formadoras; Dinâmicas; Disponibilidade das formadoras, atividades e tema.

No item “O que menos gostei”: Pouco tempo para fazer as atividades; Muito longa a sessão; Devíamos ter feito o jogo do “segue” é uma atividade mais prática e útil para missão Não ter dado para fazer todas as dinâmicas; Tempo curto; Falta de tempo para mais; Gostava que fossem exemplificados mais casos reais; Não termos feito a dinâmica “segue as minhas instruções”; Falta de tempo para experimentarmos as outras atividades;

No item “Sugestões”: Força nisso; Falar de mitos;

Formação de Voluntários da ANEM para o Festival “Musa Cascais 2014” No dia 4 de junho foi realizada uma ação de formação para voluntários da ANEM que dinamizaram algumas iniciativas no Festival Musa Cascais, nomeadamente a distribuição de preservativos, esclarecimento de dúvidas e dinamização de jogos com perguntas e respostas acerca do VIH e SIDA. A formação decorreu num contexto informal (dadas as condicionantes de ter sido próximo do recinto do festival – junto à praia de Carcavelos) mas onde se esclareceram algumas questões dos jovens voluntários e onde se deu especial importância à correta colocação do preservativo. A duração da ação foi de 2h e estiveram presentes 9 voluntários (5 do sexo masculino e 4 do sexo feminino). A avaliação da sessão foi realizada através do preenchimento de um questionário final de opinião. Da análise dos questionários, a formação foi avaliada como sendo Muito Boa, em especial, no que diz respeito a itens como interesse, utilidade, gestão do tempo e 44


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

relacionamento entre os participantes. A organização foi considerada pela maioria como sendo Boa. Globalmente, a maioria considerou a formação Muito Boa (55,5%) e os restantes participantes considerou a formação como sendo Boa. No que diz respeito aos aspetos positivos, os participantes destacaram: Esclarecimento de questões pertinentes (4); Informalidade (4); Dinâmica adequada (3); Utilidade (2); Descontração e importância da formação (qualidade) (2); Criação de uma atmosfera positiva pelas formadoras; Aprender como lidar com as pessoas em situação de distribuição de preservativos; Simpatia e interesse das formadoras; Acessibilidade das formadoras;

Como aspetos menos positivos, foram destacados: Ser à hora do almoço (2); Deviam existir estratégias inovadoras diferentes para cativar o interesse dos participantes; Local utilizado; Tempo curto.

Registos fotográficos da Formação de Voluntários da ANEM para o Festival “Musa Cascais 2014”

45


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DO PORTO Em setembro de 2014, foi criado mais um protocolo de colaboração entre a Universidade Lusíada do Porto e a Delegação/CAOJ do Porto que consistiu na integração do PNEP no conteúdo programático de uma unidade curricular do 3ºano do Curso de Psicologia, cuja denominação é “Desenvolvimento de competências pessoais e sociais”. Para a concretização desta colaboração, a Delegação/ CAOJ do Porto realizou uma ação de formação pedagógica com um total de 6 horas, a 20 alunos e alunas do 3º ano de Psicologia que tinham aquela unidade curricular e promoveu uma sessão de formação científica de 3 horas, tendo convidado para o efeito a Dra. Margarida Mota, médica infeciologista e voluntária da Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA”. As ações de formação específicas sobre VIH/SIDA promovidas pela Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA” são destinadas à comunidade em geral e dirigidas também ao voluntariado para que estejam sempre atualizados quanto a esta temática. Neste sentido, no ano de 2014, a Fundação promoveu o Seminário “VIH/SIDA – A Sida não tem código de barras”, que decorreu na Universidade Lusíada do Porto, no dia 2 de abril;

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL Realização de uma ação de formação para 23 pioneiros do Agrupamento 64 da Camarinha, do Corpo Nacional de Escutas, no dia 29 de março de 2014. A Ação foi subordinada ao tema “Adolescência, Sexualidade e Prevenção VIH/SIDA”. Foram abordadas assuntos relativos à tomada de decisão, preconceitos e mitos associados à sexualidade. Esta atividade foi considerada muito boa, revelando os participantes muito interesse.

2. PROJETOS DE PREVENÇÃO EM CONTEXTO ESCOLAR 2.1 PROJETO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PELOS PARES O Projeto Nacional de Educação Pelos Pares (PNEP) “Sexualidade e prevenção do VIH/SIDA” foi desenhado pela Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA” 46


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

para responder aos desafios da Educação para a Saúde e prevenção de comportamentos de risco na população jovem em contexto escolar. É dinamizado por jovens estudantes do ensino superior em voluntariado com formação científico e pedagógica ministrada em cursos organizados pela Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA” e supervisionados pelas equipas de docentes das Delegações/CAOJ. Os e as jovens formam as BUI - Brigadas Universitárias de Intervenção - uma por cada turma. O ciclo do projeto decorre durante 3 anos consecutivos. Nos dois primeiros anos, a BUI dinamiza as sessões através de jogos pedagógicos seguidos de reflexão, com o objetivo de desenvolver competências pessoais e sociais, prevenir comportamentos de risco no âmbito da sexualidade e a infeção VIH/SIDA. No terceiro ano, são formadas Brigadas Escolares de Intervenção (BEI) em cada turma, que preparam e realizam sessões para colegas mais novos de outras turmas da escola ou agrupamento. Execução anual do PNEP Apresentam-se, em seguida, os indicadores de execução do Projeto Nacional de Educação por Delegação/CAOJ: número de escolas, número de turmas, número de alunos, número elementos das BUI, número de sessões realizadas, número de BEI constituídas, trabalhos realizados pelas BEI, número de sessões realizadas pelas BEI em outras turmas, concretização do programa e desenvolvimento de outras atividades.

DELEGAÇÃO DE LISBOA Quadro-síntese de execução do PNEP no Ano Letivo 2013/14 (jan-jun. de 2014) e 2014/2015 (out-dez de 2014) Público-alvo Nº de Nº de elementos Nº de turmas Nº de Nº de nº de CAOJ de Lisboa Escolas das BUI BEI sessões alunos 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13

2

21

24

18

-

-

4

1954

28

42

611

47


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro de execução do PNEP por ano letivo e Escola-parceira

Escola

EB 2,3 Pedro Santarém EB 2,3 Francisco Arruda

EBI Vasco da Gama

Escola Secundária Eça de Queirós

Escola Secundária Camilo Castelo Branco Escola Secundária Sebastião e Silva EB 2,3 S. Julião da Barra EB 2,3 Stº. António (Parede) EB 2,3 Sophia de Melo B. Andresen EB 2,3 de Telheiras

EB 2,3 S. Vicente

Escola Secundária Pedro Nunes

Duração da sessão Turma (em minutos) ANO LETIVO DE 2013/14 (JAN-JUN DE 2014) 8º6ª 21 10 45’ 9ºA 17 8 45’ 9ºB 21 5 45’ 9ºC 13 8 45’ 7ºA 30 8 45’ 7ºB 20 8 90’ 7ºC 30 9 45’ 7ºD 30 10 45’ 7ºA 30 9 45’ 7ºB 31 9 45’ 7ºC 24 6 90’ 8ºB 29 8 45’ 8ºC 27 9 45’ 9ºV 24 9 45’ 7ºC 30 12 45’ 7ºD 26 9 45’ 7ºF 31 9 45’ 7ºH 28 9 45’ 8ºA 31 4 45’ 8ºC 31 4 45’ 8ºD 29 9 45’ 8ºE 30 5 45’ 9ºA 25 4 45’ 9ºD 26 4 45’ 9ºF 25 4 45’ 12ºA 28 7 90’ 12ºB/C 20 6 90’ 12ºD 28 5 90’ Nº de estudantes

Nº de sessões

Elementos das BUI

Nº de sessões realizadas pelas BEI

2 1 1 1 -

4 4 4 4 4 4 5 5 5 -

-

7ºH

27

9

45’

-

7ºB 8ºD 6ºB 6ºF 8ºG 7º2ª 7º4ª 7º2ª 7º4ª 8º2ª CEF 7ºA 7º B 7ºC 7ºD 8ºA

26 28 28 28 20 31 30 30 29 26 24 29 30 31 31 29

10 11 9 9 11 9 9 11 9 10 8 11 9 9 9 13

45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 90’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’

2 1 1 1 1 2 -

3 -

48


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Total: 12

EB 2,3 Patrício Prazeres

EBI Vasco da Gama

Escola Secundária Eça de Queirós

Escola Secundária Professor José Augusto Lucas

EB 2,3 S. Julião da Barra EB 2,3 Stº. António (Parede) EB Telheiras EB 2,3 S. Vicente

Escola Secundária Pedro Nunes

Total: 9

8ºB 8ºC 8ºD

30 32 30

9 10 12

49

1304

404

45’ 45’ 45’ 42 (45’) 5 (90’)

ANO LETIVO DE 2014/15 (OUT -DEZ DE 2014) VC1 22 9 VC2 20 9 8ºA 29 9 8ºB 20 9 8ºC 30 9 9ºB 25 9 8ºC 23 9 9ºB 30 9 8ºD 29 9 8ºE 27 9 8ºG 30 9 8ºH 30 9 9ºB 30 9 9ºD 26 9 9ºD 29 9 9ºG 23 9 8º2ª 30 9 8º2ª 24 9 9º2ª 31 9 9ºA 29 9 9ºB 29 9 9ºC 31 9 9ºD 30 9 23

650

207

90’ 90’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45' 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 21 (45´) 2 (90´)

2 -

-

15

42

1 1 2 2 1 3 3

-

13

-

DELEGAÇÃO DO PORTO No que concerne à intervenção nas escolas, no ano 2014, formaram-se várias Brigadas Universitárias de Intervenção, cujo número de elementos variou entre 2 e 4. Intervenção das BUI e BEI nas escolas parceiras do PNEP do Porto Escola

Agrupamento de Escolas António Nobre

E.B. 2, 3 da Areosa

E.B. 2,3 de Júlio Saul Dias

Alvo 7º AN 8ºAN 9ºAN 9ºAN 7ºAA 8ºAA 9ºAA 9AA 9ºA 9ºC

Localidade

Porto

Porto

Elementos BUI 2 2

2 2 2

Vila do Conde

Nº Estudantes 26 28 26 36 26 26 28 26 24 25

Duração da sessão 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’

49


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

E.B. 2, 3 de Santiago - Custóias

E.B. 2, 3 Nicolau Nasoni

EB 2,3 Irmãos Passos E.B. 2,3 Francisco Torrinha E.S. Garcia da Orta E. P. Infante D. Henrique

E.B. 2,3 Manoel de Oliveira

9ºE 7ºF 8ºE 8ºD 9ºJ 7ºBN 8ºAN 8ºBN 8ºAN 9ºAN 9ºBN Voc. 7º B 7ºC 7ºE 7ºJ 7ºH RET. Bar CEF 7ºA 7ºB 7ºC 7ºD Voc. 2º Voc.3º 8ºA 8ºC 8ºD PIEF 9ºA

Matosinhos

3 3 3

Porto

2 2 2 3

Matosinhos

Porto

4 3 1 2 2 2 1 1 2 2 3 2 1 1 1 2 3 1

23 25 26 25 25 19 32 20 22 18 25 18 21 20 27 20 27 21 24 27 20 21 18 14 19 23 30 26 24 21

45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’

Relativamente às Brigadas Escolares de Intervenção, o quadro seguinte apresenta as BEI cuja intervenção foi concluída no ano 2014, o público-alvo das sessões e as escolas a que pertencem os alunos que as constituíram.

50


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Escolas com formação e intervenção realizada por Brigadas Escolares de Intervenção (BEI) Ano Turma

Escola

EB 2,3 Manoel de Oliveira

EB 2,3 Júlio Saúl Dias Total

Nº de BEI

Nº de sessões preparação

Nº de sessões dinamizadas por cada BEI

9ºA

3

10

1

9ºC

4

10

1

9ºD

3

10

1

9ºA 9ºE 5

1 1 12

5 5 40

1 1 5

Público-alvo (N=) JI Vilarinha Lar Idosos Centro de dia de Idosos JI Fonte da Moura (2 grupos) 1º ciclo Vilarinha (3º ano) Lar de Idosos JI Pasteleira Lar de idosos Centro de dia Idosos 8ºano 7ºano (*) 220

19 20 25 40 25 20 20 40 25 25 26

(*)

Para este total apenas se contabiliza uma única vez, os 40 idosos do lar e os 25 do centro de dia, uma vez que foram objeto de várias intervenções pelos diferentes grupos de BEI.

No quadro a seguir reproduzido estão referenciados os temas trabalhados por cada BEI que terminou a sua intervenção em 2014. É importante referir que as BEI das restantes escolas que possuem turmas do 9º ano envolvidas no projeto, não constam destes quadros e pelo facto das suas sessões de intervenção só serem concluídas no 2º período ano letivo 2014-2015.

Temas desenvolvidos pelas várias BEI Escola

EB2,3 Manoel de Oliveira

EB 2,3 Júlio Saúl Dias

Ano Turma

Nº de BEI

Temas dinamizados nas turmas-alvo

9ºA

3

9ºC

4

9ºD

3

9ºA

1

JI Vilarinha: Cuidados com o sol e com a alimentação. Idosos do lar e Centro de Dia: histórias de vida. 2 turmas - JI Fonte da Moura: Piolhos e Alimentação saudável. 1º ciclo Vilarinha (3ºano): Corpo humano Idosos do lar: Prevenção de IST Idosos do lar: histórias de vida. Idosos do Centro de Dia: o meu 1º amor. Infantário: fazer desporto é saudável. A 1º vez. Prevenção de comportamentos de risco, Prevenção do VIH/SIDA.

9ºE

1

Sexualidade e prevenção do VIH/SIDA.

51


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

No sentido de obter uma avaliação diagnóstica das necessidades de formação ao nível da sexualidade e prevenção do VIH/SIDA para iniciar o projeto, solicitou-se às turmas do 7º e 8º ano o preenchimento dos questionários “Eu e os outros” e “Sexualidade e Sida”. No ano 2014, o CAOJ Porto implementou o PNEP em 8 escolas, (46 turmas), 38 voluntários/as e 1098 alunos/as. Foram constituídas, no total 39 BUI e 7 BEI. Pelos dados qualitativos tratados até à data, baseados nos indicadores de execução do programa durante a avaliação contínua do projeto, verifica-se, na globalidade, uma avaliação muito positiva do impacto do projeto em alunos e alunas, salientando-se a melhoria de competências pessoais e sociais, nomeadamente a autoestima, o cumprimento de regras, a capacidade reflexiva, a melhoria da perceção do risco, a capacidade de fazer escolhas assertivas e o aumento do conhecimento sobre temáticas específicas, nomeadamente prevenção do VIH/SIDA e outras IST. Foram tidos em conta os seguintes indicadores de execução: - Número de sessões realizadas, relativamente às previstas; - Número de jovens competentes para se constituir uma BEI por turma; - Qualidade dos trabalhos realizados por alunos e alunas; - Evidências de mudança de atitudes face ao risco, associado à sexualidade e ao consumo de álcool e substâncias psicoativas; - Manifestação de satisfação dos alunos face às atividades; - Satisfação de docentes envolvidos relativamente ao desenvolvimento do Programa. Foram utilizados os seguintes instrumentos de avaliação relativos à execução do Programa: - Questionários em suporte de papel, sendo estes, o diário de bordo dos alunos, o questionário “Eu e os outros” inicial e final e o questionário “Sexualidade e sida” inicial e final; - Questionários das BUI, consistindo no diário de bordo das BUI e questionário inicial e final das BUI; - Questionário inicial e final das professoras acompanhantes, lista de presenças, sumários das sessões; - Planos de sessão com o respetivo registo de observação de aula; 52


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

- Relatório final de intervenção do CAOJ por turma, calendarização e intervenção; - Trabalhos realizados pelas turmas. É de salientar o contributo das professoras acompanhantes e das diretoras de turma, as quais proporcionaram todas as condições para o normal funcionamento das sessões em sala de aula e agilizaram todo o processo de articulação de pedido de recursos materiais, tecnológicos e logística. De forma geral, também participaram oportunamente nos debates e em algumas dinâmicas de interação grupal. Em cada escola, contou-se com a colaboração dos Departamentos de Educação para a Saúde, que permitiram um trabalho articulado e enquadrado na dinâmica de cada escola, nos Projetos Curriculares das turmas e no Projeto Educativo de Escola. É de salientar o empenho e dedicação de todos os voluntários e voluntárias que colaboraram com a Delegação/CAOJ do Porto.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Em 2013/2014, deu-se continuidade ao PNEP nas turmas do 8º e 9º ano e iniciaram-se novas turmas no 7º ano de escolaridade em todas as escolas onde o projeto tem sido implementado. Fizeram parte das BUI 16 voluntários/as, em alguns casos integrando várias equipas. Quadro-sínteses de execução do PNEP no ano letivo de 2013/14 Ano letivo de 2013/2014 [até junho de 2014] Nº turmas 3

Nº alunos 68

Nº turmas 3

Nº alunos 61

Nº turmas 3

Nº Alunos 68

Nº de BUI 9

2

33

1

21

2

26

1

47

4

90

3

56

3

61

14

102

3

66

4

91

3

70

8

87

12

257

11

229

11

225

32

324

7º ano Escolas EB 2,3 Martim de Freitas EB 2,3 Silva Gaio EB 2,3 Rainha Santa Isabel Escola Secundária José Falcão Tota-: 4

8º ano

Total de turmas Total alunos/as

9º ano

Nº de sessões realizadas 88

34 711

53


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

No 9º ano de escolaridade, constituíram-se as BEI (Brigadas Escolares de Intervenção), tendo, em média, cinco BEI por turma, que dinamizaram sessões em turmas de outros anos de escolaridade. Intervenção das BEI em outras turmas (até junho de 2014) Escola Ano

EB 2,3 Martim de Freitas EB 2,3 Silva Gaio

EB 2,3 Rainha Santa Isabel

Escola Secundária José Falcão Totais

9º B 9º D 9º E 9º A 9º B 9º A 9º B 9º C 9º 1 9º 2 9º 3 11

Público – alvo Nº Nº BEI alunos/as 22 5 24 5 22 5 10 3 16 4 19 5 21 4 21 5 29 5 20 4 21 4 225 49

Nº sessões Preparação

Nº sessões Intervenção

5 5 5 4 5 5 5 5 2 2 2 45

5 5 5 5 5 6 8 6 5 5 5 60

No letivo 2014/2015, integraram o projeto 8 novas turmas de 7º ano e deu-se continuidade às turmas do 8º e 9º ano. O quadro seguinte apresenta o número total de sessões realizadas durante o 1º período, por escola e por ano de escolaridade. Quadro-sínteses de execução do PNEP no ano letivo de 2014/15 Ano letivo de 2014/2015 [até dezembro de 2014] 7º ano 8º ano 9º ano Nº Nº Nº Nº Nº Nº turmas alunos/as turmas alunos/as turmas alunos/as

EB 2,3 Martim de Freitas EB 2,3 Silva Gaio

3

66

3

79

3

60

9

Nº sessões realizadas até dez. 2014 34

1

21

1

20

1

15

2

12

EB 2,3 Rainha Santa Isabel Escola Secundária José Falcão Totais

3

80

3

60

2

41

8

36

1

30

4

72

4

88

4

37

8

197

11

231

10

204

23

119

Escolas

Total de turmas Total alunos/as

Nº de BUI

29 632

54


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Intervenção das BEI em outras turmas (até dezembro de 2014) Escola

Público – alvo Ano/ turma Nº alunos

EB 2,3 Martim de Freitas EB 2,3 Silva Gaio EB 2,3 Rainha Santa Isabel

Escola Secundária José Falcão Totais

9º A 9º B 9ºG 9º A 9º A 9º B 9º 1 9º 2 9º 3 9º5** 10

21 23 16 15 20 21 20 20 25 23 204

Nº BEI 5 5 4 4 5 5 5 4 4 0 41

Nº sessões Preparação 3 2 1 3 2 3 5 4 4 --27

Nº sessões Intervenção* ------------1 ------1

*Nota: As turmas irão iniciar a intervenção no 2º período. *Esta turma iniciou este ano letivo o Projeto Nacional de Educação pelos Pares, não formando por isso BEI. Irá participar no Projeto “Não Arisco”.

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL A Delegação/CAOJ de Setúbal desenvolve prioritariamente o Projeto Nacional de Educação pelos Pares, mas promove também outros projetos de intervenção e formação nas escolas do ensino básico e secundário, no âmbito da Educação para a Saúde, Sexualidade e Prevenção da Infeção VIH/SIDA. Estes projetos são de menor duração ou de caráter pontual, visando dar resposta às expetativas e necessidades das comunidades educativas. A equipa da Delegação/CAOJ de Setúbal estabeleceu contactos e realizou reuniões nas diversas escolas com as equipas responsáveis pelo Projeto de Educação para a Saúde, com a finalidade de organizar a implementação dos projetos apresentados, nomeadamente o Projeto Nacional de Educação Pelos Pares “Sexualidade e Prevenção VIH/SIDA” e, especificamente nas escolas com ensino secundário, o Projeto de Educação para a Sexualidade. Estas reuniões foram importantes, pois foi necessário aferir a disponibilidade e interesse das disciplinas envolvidas para a concretização das intervenções. Iniciámos projetos em duas novas escolas face ao ano anterior, onde foram assinados protocolos de colaboração. Neste sentido, foram realizadas reuniões nas seguintes escolas parceiras: 

Escola Secundária D. Manuel Martins 55


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Escola Secundária de Sebastião da Gama

Escola Secundária D. João II

Escola Secundária 2/3 Lima de Freitas

Escola Secundária do Bocage

Escola Básica 2/3 Barbosa du Bocage

Escola Básica 2/3 de Azeitão

Escola Básica 2/3 de Aranguez

Escola Secundário de Sampaio - Sesimbra

Escola Secundária de Santo André - Barreiro

De janeiro a julho de 2014, a Delegação/CAOJ de Setúbal implementou o Projeto Nacional de Educação pelos Pares em 8 escolas do concelho de Setúbal. No total foram realizadas 292 sessões, abrangendo 1030 estudantes, distribuídos por 40 turmas de acordo com o quadro seguinte: Quadro-síntese de execução do PNEP no ano letivo de 2013/2014 (até julho de 2014) Público-alvo Nº de Escolas

CAOJ

CAOJ de Setúbal

8

nº de alunos/as

Nº de turmas 2º CEB

10º

11º

12º

-

21

13

6

-

-

-

1030

Nº de elementos da BUI

Nº de Nº de BEI sessões

52

18

292

40 Quadro-síntese de execução do PNEP por escola (até julho de 2014) Nº de elementos

Escolas

Nº de turmas

Nº de alunos/as

Nº de sessões

BUI

BEI

Sec. Sebastião Gama

6

175

39

5

7

Sec. Bocage

8

239

67

15

-

D. Manuel Martins

3

59

21

3

-

Lima de Freitas

6

133

50

9

6

Se. D. João II

3

72

26

6

-

Básica 2/3 Bocage

11

274

66

5

5

Básica 2/3 Azeitão

2

56

13

6

-

Básica 2/3 Aranguez

1

22

10

3

-

Total

40

1030

292

52

18

56


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro-síntese de execução do projeto por escola e turma (até julho de 2014)

Escola

Sec. de Sebastião da Gama

Sec. de Bocage

2/3 e Sec. Lima de Freitas

Sec. D. Manuel Martins Básica 2/3 Azeitão Básica 2/3 Aranguez Sec. D. João II

Básica 2/3 de Bocage

Nº de sessões realizadas pelas BEI -

Turma

Nº alunos/as

Nº sessõe s

Duração da sessão

Elementos das BUI

7ºB

30

9

45’

2

7ºC

30

45’

3

-

7ºD 8ºF 9ºG* 9ºE* 7ºA 7ºB 7ºC 7ºD 7ºE 7ºF 7ºG 7ºH 7ºD 8ºA

30 28 28 29 30 30 30 30 30 30 29 30 20 25

9 7 6 4 4 10 9 9 6 6 9 9 9 10 10

45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 45’ 50’ 50’

2

2

2 3 -

8ºB

27

10

50’

2

-

8ºD 8ºE 9ºB* 7ºA 8ºA 8ºB 8ºB 8ºD

21 19 21 14 19 26 28 28

10 6 4 9 6 5 9 4

50’ 50’ 50’ 50’ 50’ 50’ 45’ 45’

3 3 3 3

2 -

7ºD

22

10

45’

3

-

7ºG 7ºH 8ºB 7ºA 7ºB 7ºC 7ºD 7ºE 8ºA 8ºB 8ºC 9ºA* 9ºB 9ºC

26 26 20 28 26 24 26 30 22 20 23 23 24 28

9 9 6 6 6 9 6 9 6 6 6 4 4 4

45’ 45’ 45’ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´ 50´

3 3 2 3 -

1 2 -

3 2 3 3 2 2

-

*Nesta turmaconstituíram-se BEI – Brigadas Escolares de Intervenção

57


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Nas turmas do 3º ano do PNEP constituíram-se cinco BEI do 9º ano e uma BEI do 10º ano, abrangendo 18 alunos e alunas que intervieram em turmas de 6º, 7º, 8º e de 9º ano. Foram realizadas 10 sessões, cuja planificação, dinamização e avaliação foram supervisionadas pela respetiva professora do CAOJ. Estas BEI revelaram ter perfil adequado para o desenvolvimento do projeto, reconheceram a importância de serem mediadores de conhecimento, assumindo esse papel com sentido de responsabilidade adequado à idade. As equipas foram muito bem aceites nas turmas onde fizeram a intervenção e verdadeiramente reconhecidas como Pares. Esta intervenção foi muito positiva e gratificante para todas as partes.

Quadro de distribuição das turmas segundo o ciclo de duração do PNEP 1º ano

2º ano

3º ano

28

6

6

Nº de Turmas

Número de elementos BUI BEI 52

18

Formação e intervenção das Brigadas Escolares de Intervenção do 9º ano de escolaridade

Escola

Ano/ Turma

Secundária Sebastião da Gama

9ºG

Secundária Sebastião da Gama

9ºE

Secundária Sebastião da Gama

10ºC

Secundária 2/3 Lima de Freitas

9ºB

Secundária 2/3 Lima de Freitas

9ºB

Básica 2/3 de Bocage

9ºA Total

Elementos da BEI

Nº de sessões preparação

Nº de sessões dinamizadas por cada BEI

Turma(s) alvo

Nº de alunos/as

Beatriz Valadas Daniela Silva

1

1

8ºB (Esc. Sec. D.João II)

20

1

2

7ºD

30

3

3

9ºE

28

1

1

7ºB

28

1

1

7ºA

23

2

2

6º4ª

28

9

10

Djamila Marques Rafaela Filipa Joana T. Daniela Lima Ana Ferreira Alicia Nunes Joana Amorim Luana Coelho Ana Lopes Catarina Silva Daniela Sebastião Vítor Catarina Guilherme David Queimado Beatriz Fabrício 18

157

58


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Temas abordados pelas BEI Escola

Secundária Sebastião da Gama

Ano Turma (alvo) 8ºB

Nº de BEI 2

7ºD

2

9ºE

3

Secundária 2/3 Lima de Freitas

7ºB

3

7ºA

3

Básica 2/3 de Bocage

6º4ª

5

Temas dinamizados nas turmas-alvo Puberdade Atitudes, valores e condutas face à Sexualidade Prevenção - Colocação de Preservativos Atitudes, valores e condutas face à Sexualidade O namoro na Adolescência Métodos contracetivos. Sexo seguro. DST. Métodos contracetivos. Comunicação interpessoal Tomada de decisões Conceito de Sexualidade Caixa de perguntas- Esclarecimento de dúvidas

FOTOS DAS BRIGADAS UNIVERSITÁRIAS DE INTERVENÇÃO 2014

59


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Exemplos de materiais produzidos pelas BUI Caixa de Perguntas

Caixa de Perguntas

Dinâmica do dia dos namorados

Dinâmica do dia dos namorados

Marcadores “Festinhas ao Ego”

Marcadores “Festinhas ao Ego”

60


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Jogo “Dizer bem nas costas”

Jogo de Prevenção da Sida

Resposta às questões da “Caixa de Dúvidas”

PowerPoint Esclarecimento de Dúvidas

PowerPoint Esclarecimento de Dúvidas

Jogo de Prevenção da Sida

61


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro-síntese de execução do PNEP no ano letivo de 2014/15 (de setembro a dezembro de 2014)

CAOJ

Nº de Escolas

Público-alvo Nº de turmas Curso Vocacional 8º 9º

7

1

17

CAOJ de Setúbal

9

nº de alunos/as

Nº de elementos da BUI

Nº de sessões

708

40

114

2

29

Quadro-síntese de execução do PNEP por escola (de setembro a dezembro de 2014) Escolas

Nº turmas

Nº alunos/as

Nº de Sessões

Nº de elementos da BUI

Sec. Sebastião Gama

5

138

20

11

Sec. Bocage

6

181

12

13

D. Manuel Martins

1

21

2

3

Lima de Freitas

4

95

11

4

Básica 2/3 Bocage

8

174

39

9

Básica 2/3 Azeitão

4

86

26

--

Básica 2/3 Aranguez

1

13

4

--

Total

29

708

114

40

Quadro-síntese de execução do PNEP por escola e turma (de setembro a dezembro de 2014)

Escola

Sec. de Sebastião da Gama

Sec. de Bocage

2/3 e Sec. Lima de Freitas

Sec. D. Manuel Martins

7ºB 8º B 8ºC 8ºD 9ºF 8ºA 8ºB 8ºC 8ºF 8ºG 8ºH 8ºD 9ºA

Nº alunos/a s 30 28 28 28 24 30 30 31 30 30 30 23 21

9ºB 9ºD

27 24

8ºA

21

Turma

Nº sessões

Duração da sessão

Elementos das BUI

6 7 2 1 4 2 4 2 1 1 2 2 3

45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 45´ 50 50

3 2 3 3

3 3

50 50

2

45

3 4 3 3 4

3

62


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Básica 2/3 Azeitão

Básica 2/3 Aranguez

Básica 2/3 de Bocage

9ºB 9ºD 9ºG*

26 26 10

C. Vocacional

24

8ºD 8ºA 8ºB 8ºC 8ºD 8ºE 9ºA 9ºB C. Vocacional

13 20 20 24 20 24 18 25 23

6 6 6 8

45 45 45 45

4 5 2 2 6 3 7 7 7

45 50 50 50 50 50 50 50 50

-

3

3 3

-

*Currículo Alternativo

O Projeto de Educação pelos Pares está a ser desenvolvido pelas quatro professoras destacadas na Delegação/CAOJ de Setúbal. No presente ano letivo 2014/2015, a implementação incidiu, prioritariamente, nas turmas do 2º ano de intervenção - 8º e 9º ano de escolaridade – dando continuidade aos projetos já iniciados. Deste modo, estamos a intervir em 17 turmas do 8º ano e 9 turmas do 9º ano de escolaridade. Destas turmas, 12 estão a ser acompanhadas por jovens estudantes universitários que assumem o papel de pares educadores junto da turma. Iniciámos ainda uma turma do 7º ano de escolaridade, que integra o 1º ano de intervenção do projeto, atendendo à disponibilidade da BUI. As sessões das diversas turmas são implementadas, maioritariamente, na oferta de escola ou oferta complementar, existindo, no entanto, escolas onde esta intervenção decorre nas diferentes disciplinas do plano curricular e sempre acompanhadas pelo/a docente da turma. Iniciámos ainda a intervenção em duas turmas de cursos vocacionais e uma turma de currículos alternativos (9ºG, Escola Básica de Azeitão). Atendendo às caraterísticas dos alunos e alunas destas turmas, as escolas consideraram imprescindível a implementação do projeto, sobretudo ao nível das competências pessoais e sociais. Todos os projetos referidos encontram-se a decorrer pelo que ainda não foram avaliados. Contudo, até ao momento, as sessões têm sido muito gratificantes e enriquecedoras para todas as partes: estudantes, BUI e docentes, promovendo uma melhoria de informação na área da Educação para a Saúde. 63


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

A partir do próximo mês de fevereiro de 2015, iniciaremos a intervenção do PNEP em turmas do 7º ano de escolaridade, que integram o 1º ano de intervenção.

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Projeto “ Roteiro Escolas na Prevenção contra ao VIH/Sida Sensibilizar o público-alvo para a prevenção dos comportamentos de riscos Objectivo geral: associados ao VIH/SIDA, bem como noutras temáticas envolventes. Escola Básica e Secundária do Carmo Escola Básica e Secundária da Calheta Escola Básica e Secundária do Porto Moniz Local de realização: Escola Básica e Secundária D. Lucinda Andrade Escola Básica e Secundária Bispo D. M.F. Cabral Escola Básica e Secundária de Santa Cruz Escola Básica e Secundária Francisco Freitas Branco Público-alvo Alunos dos 7º 8º e 9º anos Intervenção em grupo apoiado em métodos ativos que promovam uma aprendizagem

Recursos:

Metodologias: interativa e cooperativa. Humanos: 1 Técnico com formação em Serviço Social e 1 Enfermeiro

Materiais Computador, Vídeo projetor, material de som.

Parceiro: Escolas da R.A.M N.º de participantes

N.º de Sessões

N.º de Horas

700

12

12

64


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Fotos do Projeto “ Roteiro Escolas na Prevenção do VIH/SIDA”

2.2 Teatro Universitário de Intervenção DELEGAÇÃO DO PORTO O TUI da Delegação/CAOJ do Porto é composto por três estudantes do curso de Psicologia, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto e do ISMAI, uma estudante do curso de Educação Social do Instituto Politécnico de Leiria, uma estudante do curso de Criminologia da Universidade Fernando Pessoa, duas estudantes do curso de Ciências da Educação da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto, um professor de teatro voluntário e uma professora destacada (no papel de Curinga). A peça apresentada pelo TUI da Delegação/CAOJ Porto intitula-se “Abre os olhos!”, na qual se abordam as temáticas do bullying, da discriminação pela infeção VIH/SIDA e da violência no namoro, tendo-se criado uma versão em que a violência no namoro é apresentada no masculino e no feminino, fazendo referência às novas 65


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

formas de comunicação na internet (ex:. Facebook e os perigos da exposição/invasão da privacidade). No sentido de recrutar mais estudantes universitários/as para integrarem, em voluntariado, o projeto TUI, realizou-se um workshop sobre teatro do oprimido, utilizando a técnica do teatro-fórum no dia 31 de março, das 10:00h às 13:00h, na FPCEUP. O quadro abaixo apresenta as datas, local e público-alvo das intervenções do TUI.

Quadro-síntese da intervenção do TUI Data

Local

Público

13 de Maio

Escola EB 2,3 de Custóias

2 turmas de 7º ano

14 de Maio

Escola EB 2,3 de Custóias

1 turma de 7º ano

20 de Maio

Escola EB 2,3 Manoel de Oliveira

1 turma de 7º ano

3 de Junho

Casa do Vale Crescer Ser

Todos os rapazes da casa

4 de junho

Escola Secundária Garcia da Orta

1 turma de 7ºano

9 de junho

Escola EB2,3 Manoel de Oliveira

2 turmas de 7º ano

12 de junho

Centro Educativo de Santo António

2 turmas de eletricidade e mecânica

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL O Projeto Teatro Universitário de Intervenção (TUI), para a intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares durante o ano letivo de 2013/2014 foi desenvolvido com estudantes do curso de Animação e Intervenção Sociocultural da Escola Superior de Educação de Setúbal. Este projeto desenvolveu-se com quatro elementos do referido curso com acompanhamento e orientação do CAOJ, na redação e encenação da peça “Escolhas” – teatrodebate. Esta peça foi posteriormente apresentada na Escola Secundária Lima de Freitas, no decurso das sessões do PNEP. Lamentavelmente, os elementos do TUI não planificaram atempadamente as suas atividades prevendo as possíveis apresentações da peça e, pelo facto de se encontrarem em estágio no mês de Abril, tiveram que interromper as apresentações, comprometendo as intervenções em várias escolas. A participação de alunos e alunas foi muito entusiasta e participada, revelando uma grande curiosidade em relação aos assuntos abordados neste tipo de teatro. Demonstraram ter opiniões fundamentadas, expondo os seus pontos de vista a respeito de comportamentos de risco. A avaliação final foi considerada como muito positiva. As exibições da peça constam no quadro seguinte: 66


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro-síntese da intervenção do TUI

Data Local Turmas Nº de estudantes 28/03/14 Esc. Sec. Lima de Freitas 8ºB 27 31/03/14 Esc. Sec. Lima de Freitas 7ºD e 8ºE 39 23/04/14 Esc. Sec. Lima de Freitas 8ºA, 8ºD, 8ºF e 9ºB 76 3 7 142 Total

O Projeto TUI para o ano letivo de 2014/2015 iniciou-se em outubro de 2014, com o recrutamento de voluntários. Aderiram cinco estudantes do 2ºano, do curso de Animação e Intervenção Sociocultural da Escola Superior de Educação de Setúbal. Alguns destes voluntários já tinham constituído BUI no passado ano letivo. Neste momento, o TUI encontra-se a redigir e a ensaiar a peça “Escolhas” – teatrodebate, com o acompanhamento e orientação do CAOJ de Setúbal. Este teatro-debate tem como objetivo, animar uma das sessões previstas no PNEP.

TUI – Teatro Universitário de Intervenção Peça teatro-debate “Escolhas”

Elementos do TUI

Ensaio da Peça

67


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Apresentação da peça

2.3 Projetos de Educação em Sexualidade no ensino secundário

DELEGAÇÃO DE LISBOA Para além do PNEP, a delegação de Lisboa desenvolveu outros projetos de intervenção e formação em escolas do ensino secundário, no âmbito da Educação para a Saúde, Sexualidade e Prevenção da Infeção VIH/SIDA, de menor duração ou de caráter pontual, visando dar resposta às expetativas e necessidades das comunidades educativas.

68


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro-síntese de projetos de intervenção e formação nas escolas para além do PNEP

CAOJ

Projetos Formação de curta duração

Lisboa

Comemoração do Dia Mundial Contra SIDA Comemoração do Dia dos Namorados e Dia Internacional do Preservativo

Total

3

Nº de turmas

Nº de alunos/as

Nº de sessões

35

887

151

13

377

7

22

553

16

70

1817

174

DELEGAÇÃO DO PORTO A Delegação do Porto desenvolve outros projetos de intervenção e formação nas escolas do ensino básico e secundário, públicas e privadas, no âmbito da Educação para a Saúde, sexualidade e prevenção da infeção VIH/SIDA, de menor duração ou de caráter pontual, visando dar resposta às expectativas e necessidades das comunidades educativas. Neste âmbito, foi realizada a seguinte intervenção: 

Sessão de 120 minutos para 90 alunos de 3 turmas do 11º e 12º ano da Escola profissional Bento Jesus Caraças e Totusalus;

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Projeto de Educação em Sexualidade na Escola Secundária Infanta D. Maria Dando continuidade ao Projeto desenvolvido no ano letivo anterior, a Delegação/ CAOJ de Coimbra e a Escola Secundária Infanta D. Maria renovaram a parceria para implementação da Educação Sexual no Ensino Secundário. Em articulação com a Coordenadora do PESES da Escola, Dra. Manuela Cavaleiro, foram elaborados dois programas temáticos, um para o 10º ano e outro para o 11º ano, organizados em seis sessões de 90 minutos cada.

69


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

A pedido da Escola, no ano letivo de 2013/14, foram ainda realizadas duas sessões sobre adição aos videojogos numa turma do 12º ano. Assim, o projeto abrangeu 18 turmas (9 turmas do 10º ano, 8 do 11º ano e 1 do 12º ano), num total de 469 estudantes (238 alunos do 10º ano, 199 do 11º ano e 28 do 12º ano). Ao longo letivo de 2013/2014, realizaram-se 83 sessões de 90 minutos cada.

70


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Mapa de turmas e sessões – ano letivo 2013/14 Ano

Turmas

10º

11º

12º Total

A B C D E F G H I A B C D G H I E E 18

Nº de estudantes 28 28 28 21 28 26 26 26 27 27 27 25 27 24 23 26 25 27 469

Nº de sessões [90’]

6 3 6 6 6 5 6 6 6 6 6 2 2 5 4 5 1 2 83

No final das intervenções, realizou-se a avaliação do projeto através do preenchimento de um questionário por alunos e alunas das turmas envolvidas. No letivo 2014/2015, a calendarização elaborada para o primeiro período permitiu a realização de 28 sessões: Mapa de turmas e sessões – ano letivo 2014/15 (até dezembro de 2014)

10º ano Escola

11º ano

Nº turmas

Nº sessões realizadas até dez. 2014

Nº turmas

Nº sessões realizadas até dez. 2014

Escola Secundária Infanta D. Maria

9

16

8

12

Totais

9

16

8

12

Projeto de Educação em Sexualidade na Escola Secundária Infanta D. Maria Por solicitação da Psicóloga do Agrupamento de Escolas de Coimbra Centro, a Delegação/CAOJ de Coimbra realizou quatro sessões, de 90 minutos cada, a todas as turmas do 10º ano da Escola Secundária Jaime Cortesão A intervenção decorreu durante o mês de janeiro de 2014 e teve como tema “A sexualidade e a prevenção do VIH/Sida”. 71


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Mapa de turmas e sessões – ano letivo 2013/14

Ano

Turmas 10º1 10º2 10º3 10º4 4

10º Total

Nº de estudantes 25 18 25 18 86

Nº de sessões [90’] 4 4 4 4 16

10º ano Nº turmas Nº sessões realizadas de jan a junho 2014 4 16

Escola

Escola Secundária Jaime Cortesão Totais

4

Total de turmas Total sessões

16

8 32

No letivo 2014/2015, deu-se continuidade ao projeto, tendo sido planificadas e realizadas 24 sessões de 50 minutos no 1º período (12 para turmas do 10º ano e 12 para turmas do 11º ano), de acordo com os seguintes programas temáticos: 10º ano Sessão 1ª sessão [duração 50’] 2ª sessão [duração 50’] 3ª sessão [duração 50’] 4ª sessão [duração 50’]

Tema Amor e relações de afeto. Crenças sobre sexualidade. Sexualidade responsável: gravidez na adolescência e contraceção. Desigualdade de género e violência no namoro. Sexualidade sem risco: prevenção da infeção VIH/Sida e outras IST.

11º ano Sessão 1ª sessão [duração 50’] 2ª sessão [duração 50’] 3ª sessão [duração 50’] 4ª sessão [duração 50’]

Tema Identidade de género e orientação sexual. Estigma e discriminação. Stalking, sexting e Cyberbulling. Comportamentos e consumos de risco . Álcool. Crenças e preconceitos sobre o VIH/Sida e a não discriminação.

72


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Mapa de turmas e sessões – ano letivo 2014/15 (até dezembro de 2014)

Escola

Escola Secundária Jaime Cortesão Totais

10º ano Nº sessões Nº turmas realizadas até dezembro de 2014 3 12 3

11º ano Nº sessões Nº turmas realizadas até dezembro de 2014 3 12

12

3

12

A avaliação da intervenção foi realizada no final das sessões, com base num questionário de questões abertas e fechadas.

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL No ano letivo de 2013/2014, as professoras da Delegação/CAOJ de Setúbal, implementaram Projetos de Educação em Sexualidade de curta duração, destinados a jovens do ensino secundário regular ou profissional. Foram também abrangidas turmas do 9º ano, do curso de Formação Vocacional e CE. Os projetos previam, no máximo, quatro sessões de 90 minutos ou oito de 45 minutos Estes projetos surgiram porque foi sentida a necessidade de formação de jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos. Ajudá-los/as a controlar as emoções e a “arrumar” as ideias torna-se importante, pois correm o risco de viverem a sua sexualidade de forma desintegrada das respetivas vivências afetivas. Muitos/as deles/as já iniciaram a vida sexual, mas sem qualquer sentido de prevenção. Nas sessões proporcionou-se um clima que permitiu a discussão franca e construtiva num contexto de responsabilização. Houve momentos potenciais de crescimento e maturação, em que se procurou um maior respeito pela diferença. Em algumas turmas do 12º ano, dada a proximidade da viagem de finalistas, desenvolveu-se um projeto com uma incidência sobre os comportamentos de risco, tendo sido elaborados materiais específicos para o efeito. Quadro-síntese dos projetos de educação em sexualidade no ensino secundário ESCOLAS Secundária Sebastião Gama Secundária Bocage Secundária D. Manuel Martins Secundária Lima de Freitas Secundária Santo André Básica 2/3 de Azeitão TOTAL

Nº TURMAS

Nº ALUNOS

Nº SESSÕES

11 12 7 8 7 5 50

307 324 147 144 198 137 1257

54 74 36 37 50 35 286 73


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro-síntese dos projetos de educação em sexualidade no ensino secundário – por escola Escolas

Secundária Sebastião Gama

Totais

Secundária Bocage

Totais

2/3 Sec. Lima de Freitas

Totais

Secundária D. Manuel Martins

Totais

Turmas

Nº alunos/as

8ºG 9ºI 10ºA 10ºB 10ºF 11ºC 11ºF 11ºJ/L 12ºA 12ºC 12ºE 11 10ºA 10ºC 10ºE 10ºF 10ºG 10ºH 11ºA 11ºB 11ºE 11ºF 11ºH 12ºH 12 10ºD 11ºA 11ºE 12ºA 12ºC 12ºD 6ºF Voc. 8ºG CEF 8 10ºA 10ºD 10ºF 10ºH 11ºB 11ºD 11ºE/F

23 22 30 29 30 25 29 26 31 30 32 307 30 30 29 31 30 29 29 29 29 29 21 8 324 26 28 15 20 20 7 15 13 144 20 28 18 26 25 12 18

7

147

DATAS 26 março, 24 abril e 26 maio 13, 21 março e 30 abril 6, 13 e 23 maio 20 e 26 maio 19, 20 e 27 maio 19 e 22 de maio 28 abril, 6 e 15 maio 29 abril e 6 maio 25 março e 1 abril 24 e 31 março 24 e 25 março 11, 17 e 28 de março 26 de fevereiro, 03 de março e 15 de maio 22, 28 de abril e 05 maio 29 de maio e 05, 12 junho 28 de fevereiro, 06 de março e 03 de abril 06, 10 e 19 de março e 15 de maio 23, 28 de abril e 05 maio 07,12 e 16 de maio 25 de março e 01 e 24 de abril 12, 18 e 27 de março 19, 24 de março e 02 de abril 12, 18 e 26 de março 7, 14 e 23 janeiro 13 , 29, 30 e 5 fevereiro 6, 16 e 21 janeiro 6 fevereiro 7, 16 e 21 janeiro 20 e 27 janeiro 20, 27 janeiro e 3 fevereiro 30 janeiro, 6 e 11 fevereiro 28 janeiro e 5 fevereiro 23, 28 janeiro e 3 fevereiro 8, 15 e 22 janeiro 27 janeiro, 4 e 10 fevereiro 23, 31 janeiro e 3 fevereiro 22 e 30 janeiro 21 e 31 janeiro

Nº sessões (45’-50’) 6 6 6 4 6 4 6 4 4 4 4 54 6 6 6 6 6 8 6 6 6 6 6 6 74 5 5 6 2 6 4 4 5 37 6 5 6 6 5 4 4 36

74


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Escolas

Secundária Santo AndréBarreiro

Totais

Básica 2/3 De Azeitão

Totais

Turmas

Nº alunos/as

10ºA 10ºC 10ºD 10ºG 10ºH 10ºI 10ºK 7 9ºA 9ºB 9ºC 9ºD 9ºE 5

30 28 30 30 27 23 30 198 28 25 28 28 28 137

DATAS 18, 26 e 27 fevereiro 17, 25, 26 e 28 fevereiro 21, 25 e 27 fevereiro 17, 19, 27 e 28 fevereiro 17, 19, 24 e 26 fevereiro 19 Fevereiro,6 e 10 Março 20, 24, 25 fevereiro e 6 Março 13, 20, 27,março 24 abril, 8 e 15, maio 12, 19, 26 março, 2, 23, abril, 7, 14 e 21 maio 21, 28 março, 2 abril, 9, 16 e 23 maio 13, 20, 27 março, 24 abril, 8, 15 e 22 maio 21 março, 23, 30 abril, 7, 14, 21 e 28 (90’) maio

Nº sessões (45’-50’) 6 8 6 8 8 6 8 50 6 8 6 7 8 35

A avaliação foi realizada com base em questionários administrados nas turmas, tendo por base os seguintes indicadores: importância das sessões; interesse dos temas abordados; duração das sessões; comunicação clara e objetiva; contributos para a melhoria de conhecimentos; importância dos conhecimentos adquiridos para a formação pessoal; concretização de expetativas. Os resultados obtidos numa amostra correspondente a 12% dos questionários aplicados mostram que atingiram os níveis mais elevados de apreciação os seguintes indicadores: 

a importância das sessões

a apresentação dos temas de forma clara e objetiva

os conhecimentos adquiridos como sendo importantes para a própria formação

a contribuição para aumentar conhecimentos

a satisfação das expectativas e o interesse dos temas abordados.

Revelou-se uma tomada de consciencialização da importância de uma vida sexual responsável e sem riscos, preservando a saúde. Valorização de atitudes assertivas como saber dizer não a pressões emocionais e sexuais. Globalmente, os e as jovens revelaram consciência da importância da prevenção dos comportamentos de risco quando associados à sexualidade. 75


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Esta formação mostrou-se perfeitamente adequada ao solicitado na atual legislação referente à Educação Sexual no ensino secundário. Programa de formação Objetivos Gerais Promover a formação e informação de jovens

Conteúdos

Promover o fortalecimento das competências pessoais e sociais Educar os adolescentes para uma vivência gratificante da sua sexualidade

Metodologias

Competências sociais e pessoais A adolescência

Dinâmicas de Grupo

Sexualidade e Sexo

Reflexão em grupo

Desenvolver as competências comunicação, de tomada de decisão e de avaliação de riscos

Gravidez e Contraceção

Partilha de conhecimentos

Explorar conteúdos relacionados com a sexualidade humana e a prevenção da infeção VIH/SIDA

VIH/SIDA Transmissão Prevenção

Relacionar a sexualidade humana com o relacionamento interpessoal

Avaliação

Questionário

Cronograma temático das sessões Sessões

Conteúdos Apresentação/Comunicação Relacionamento interpessoal Desenvolver a capacidade de tomar decisões e de argumentação

Adolescência e Sexualidade

Sexualidade

Atividades 1– Apresentação dos participantes. 2 – Sentimentos e emoções 3 –Valores e tomada de decisão-dinamização de atividade 4 – Reflexão sobre as atividades 1-As transformações na Adolescência 2-Os órgãos sexuais masculinos e femininos 3- Mecanismo da reprodução –Ciclo menstrual

1 – Conceito e dimensões da sexualidade. Debate e organização das ideias 2 – Atitudes, valores e condutas face à sexualidade Gravidez e Contraceção 1– Gravidez na adolescência Comportamentos de risco associados 2– Métodos contracetivos à sexualidade 3- Colocação de preservativos Comportamentos de Risco 1 – Partilha de conhecimentos e jogos para Prevenção de comportamentos de avaliação de riscos risco 2 – Prevenção de comportamentos de risco 3 – Esclarecimento de dúvidas VIH e SIDA – Formas de transmissão e meios de prevenção

1 – Clarificação de conceitos 2 – Prevenção da Infeção – Dinamização de atividades 3-Reflexão sobre as atividades 4 – Preenchimento do Questionário

76


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

2.4 Projetos de Educação em Sexualidade e prevenção da infeção VIH/SIDA

DELEGAÇÃO DE LISBOA Programas de educação em sexualidade de curta duração Estes programas com uma duração média 4 sessões, foram dinamizadas pela equipa de docentes da Delegação/CAOJ, com recurso a metodologias ativas, jogos pedagógicos e formação interpares, tendo-se seguido as linhas gerais do Programa “Sexualidade e Prevenção VIH/SIDA”, com as adaptações adequadas à duração e ao contexto de formação. Quadro-síntese das Escolas com programas de educação em sexualidade de curta duração (ano letivo de 2013/2014) Escola

Turmas

Ano Letivo 2013/14 (jan. a jun. de 2014) 9ºA 9ºB 9ºC Escola Secundária Amélia Rey Colaço 9ºD 9ºE 7ºD EB 2,3 Francisco de Arruda 8ºD 7ºD EBI Patrício Prazeres 9ºC 9ºA 9ºB 9ºC 9ºD Escola Secundária de Pedro Nunes 9ºE 10ºF 10ºI 10ªC 8º1ª 8º2ª 8º3ª 8º4ª Escola Básica Pedro de Santarém 8º5ª CEF 1 CEF 2 9ºA E. B. Pintor Almada Negreiros

Nº de sessões

Nº de alunos

4 (45’) 4 (45’) 4 (45’) 4 (45’) 4 (45’) 4 (90’) 4 (45’) 4 (45’) 4 (45’) 4 (45’) 4(45´) 5 (45`) 4 (45’) 4 (45’) 4(90´) 4(90´) 4(90´) 4 (45’) 5 (45’) 5 (45’) 4 (45’) 4 (45’) 4 (45´) 4 (45´) 4 (45´)

29 24 22 24 22 10 10 18 20 29 30 30 28 29 23 32 30 29 29 29 27 27 22 16 25

77


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 9ºB CEF 8ºA 8ºC

EBI/JI Vasco da Gama

4 (45´) 4 (45´) 5 (45´) 8 (45´) 8 (45´)

8º A

ES Eça de Queirós Total

27 18 24 30 26

9ºC

7 (45´)

28

31

123 (45’) e 16 (90’)

767

Quadro-síntese das Escolas com programas de educação em sexualidade de curta duração (ano letivo de 2014/2015) Escola

Turmas

Nº de sessões

Nº de alunos/as

7 (45’)* 7 (45’)* 7 (90’)* 7 (45’)* 28

32 30 29 29 120

Ano Letivo 2014/15 (out. a dez. de2014) 9ºA 9ºC 9ºA 9ºC 4

EBI Vasco da Gama EB 2,3 Francisco de Arruda Total * Em execução.

A avaliação do programa de formação é realizada no final da intervenção com a aplicação às turmas de um questionário de satisfação.

Sessões de formação pontuais Por solicitação das escolas sem possibilidade de intervenções mais prolongadas, o CAOJ realizou as ações referidas no quadro seguinte. Escolas com ações de formação de caráter pontual Turmas

Nº de sessões

Nº de alunos

EB 2,3 Avelar Brotero

7º A,B,C e D; 8º A e B 9º A, B e C

1 (de 1h30) a cada turma

251

ES Pedro Nunes

11ºJ

1 (de 90’)

20

Escola

Total

11

11

289

Escola Básica 2,3 Avelar Brotero Nos dias 19, 21 e 24 de fevereiro, realizaram-se na EB 2,3 Avelar Brotero sessões de prevenção. Foram abordados os seguintes conteúdos através de dinâmicas de grupo: jogo de apresentação; sexualidade e afetos; conceito e dimensões da sexualidade; distinção entre sexo 78


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 e sexualidade; VIH/SIDA: clarificação de conceitos; vias de transmissão e formas de proteção; reflexão; respostas a dúvidas. Preenchimento do questionário de opinião. As sessões distribuíram-se da seguinte forma: dia 19 de fevereiro, das 10h00 às 11h30 – 9ºC; dia 21 de fevereiro, das 13h30 às 15h00 e das 15h15 às 16h45 - 8º A e B e 9º A e B, respetivamente. Estiveram envolvidos, no total, duzentos e cinquenta e um alunos, acompanhados dos respetivos DT e professores das disciplinas envolvidas. A maioria (62%) de participantes avaliou globalmente a sessão como Boa ou Muito Boa.

Escola Secundária Pedro Nunes (11ºJ) Na Escola Secundária Pedro Nunes, a pedido da Diretora da Turma J do 11º ano, foi realizada uma sessão sobre “Gravidez na Adolescência e Contraceção” que decorreu no dia 3 de abril de 2014. A professora do CAOJ contou com a colaboração dos dois voluntários universitários que constituíram BUI do PNEP em duas turmas nesta escola, o que foi uma mais-valia, quer para os alunos do 11º ano, quer para eles próprios que, assim, tiveram oportunidade de trabalhar com uma turma do ensino secundário e verificar as diferenças em termos de intervenção pedagógica. Ao questionário de satisfação responderam 20 estudantes, dos quais 16 eram do sexo feminino e 4 do masculino. Da análise das respostas concluiu-se que 60% dos inquiridos atribuiu nota máxima à avaliação global da sessão. Os restantes 40%, atribuíram uma avaliação global de nível quatro.

DELEGAÇÃO DO PORTO A Delegação/CAOJ do Porto realizou um projeto de intervenção pontual na Escola Secundária Filipa de Vilhena, com uma turma de 7ºano de escolaridade, no âmbito da cidadania ativa. O projeto consistiu em sensibilizar e informar sobre a prevenção do VIH/SIDA com vista à promoção de iniciativas de prevenção para a comunidade. Foram desenvolvidas duas sessões de 45 minutos, durante a semana da saúde. O projeto culminou com a participação dos alunos e alunas do 7ºA no peditório de beneficência a favor das pessoas portadoras do VIH/SIDA, realizado no dia 1 de dezembro, na Rua de Santa Catarina, no Porto.

79


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Sexualidade e Prevenção do VIH/SIDA para turmas de Cursos de Educação Formação No ano letivo 2013/2014, de modo a dar resposta à formação de alunos e alunas a frequentar os Cursos de Educação Formação na Escola EB 2,3 Poeta Manuel Silva Gaio, a equipa do CAOJ de Coimbra elaborou um projeto de intervenção ajustado às necessidades e características deste grupo específico. Durante o 1º período foi elaborado o plano de intervenção e respetiva calendarização. As sessões decorreram durante o 2º período. Foram abrangidas as 4 turmas dos Cursos de Educação Formação: 1º e 2º ano do Curso de Formação de Cozinha e 1º e 2º ano do Curso de Empregados de Mesa, envolvendo um total de 67 estudantes. O programa contemplou os seguintes núcleos temáticos: Cursos CEF de 1º ano: 1. Relações interpessoais. 2. Conceito de sexualidade. Preconceitos e crenças associados à sexualidade; sentimentos, afetos e emoções. 3. VIH/Sida e outras IST: informação, clarificação de conceitos, formas de transmissão e meios de prevenção; sensibilização para a não discriminação de pessoas com VIH. 4. Reflexão e debate sobre a questão da discriminação de pessoas infetadas com VIH; elaboração de trabalhos com vista a partição no concurso “ VIH/Sida - diga sim à prevenção, diga não à discriminação”, promovido pelo Hospital Pediátrico de Coimbra em parceria com a Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a Sida”.

Cursos CEF de 2º ano: 1. Relacionamento interpessoal: gestão do conflito e tomada de decisão. 2. Gravidez na adolescência: causas e consequências; métodos contracetivos. 3. Infeção VIH/Sida e outras IST; sensibilização para a não discriminação de pessoas infetadas com VIH. 4. Reflexão e debate sobre a questão da discriminação de pessoas infetadas com VIH. Elaboração de trabalhos com vista a partição no concurso “ VIH/Sida - diga sim à prevenção, diga não à discriminação”, promovido pelo Hospital Pediátrico de Coimbra em parceria com a Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a Sida”.

80


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Quadro-síntese da intervenção em Cursos CEF

Escola

Ano/ Turma 1º FEM

EB 2,3 Silva Gaio

Nº turmas 1

Nº alunos 16

Nº sessões 4

1ºFC

1

20

4

2ºFEM

1

12

4

2ºFC

1

19

4

4

67

16

Totais

Projeto de educação em sexualidade para estudantes com surdez Por solicitação da equipa do Projeto de Educação para a Saúde da Escola EB 2,3 Poeta Manuel da Silva Gaio, foi elaborado um projeto de educação para a saúde e sexualidade dirigido à unidade de alunos/as surdos/as do 3º ciclo que teve a participação de uma voluntária do CAOJ, a frequentar o curso de Língua Gestual da Escola Superior de Educação de Coimbra. Realizaram-se 3 sessões, onde foram abordados os seguintes temas: 1. Relações interpessoais. 2. Sexualidade na adolescência. 3. VIH/Sida- meios de transmissão e formas de prevenção.

Quadro-síntese da intervenção na unidade de estudantes com surdez

Escola EB 2,3 Silva Gaio

Ano Turma 7º 1 e 8º 1

Nº turmas 2

Nº alunos 7

Nº sessões 3

Dinamização do Dominó da Vida

81


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Educação Sexual no 2º Ciclo do Ensino Básico No quadro do protocolo estabelecido entre o Agrupamento de Escolas Rainha Santa Isabel e o CAOJ de Coimbra, foi implementado, durante este ano letivo, o Projeto de Educação em Sexualidade e Prevenção de Comportamentos de Risco numa turma do 6º ano de escolaridade de Percursos Curriculares Alternativos, o 6º E PCA, constituído por 11 estudantes. O Projeto decorreu de 30 de novembro de 2013 a 5 de junho de 2014 e visou o desenvolvimento de competências psicossociais promotoras de atitudes e comportamentos saudáveis ao nível dos relacionamentos interpessoais, afetivos e sexuais. Durante as 60 horas de duração da intervenção, foram realizadas diversas sessões temáticas, constituído um grupo de Teatro Escolar de Intervenção -TEI - que criou a peça “Nós Somos Bullies” e realizados 5 espetáculos na Escola a que assistiram 150 alunos do 5º, 7º e 8º ano de escolaridade. Atividades realizadas: - Eu sou… (dinâmica de apresentação e comunicação) - Relações interpessoais (dinâmica Mapa dos relacionamentos) - Relacionamentos amorosos (dinâmica de expressão dramática História de uma relação amorosa) - Prevenção da infeção VIH/Sida (comentário de cartazes, folhetos e vídeos; dinâmica Rede de propagação; dinâmica sobre o uso do preservativo) - Violência no namoro (dinâmica A história da João e a Maria) - Bullying, cyberbullying, sexting e stalking (comentário de vídeos) - Orientação sexual e Homofobia (comentário de vídeo e dinâmica No país de Blowminsk) - Emoções e sentimentos (dinâmica O meu puzzle) - Abuso sexual e gravidez na adolescência (análise de notícias do jornal Público) - Identidade sexual, identidade de género e orientação sexual (dinâmica A meia-bola) - Histórias para contar em teatro (criação de textos, músicas e cenas dramáticas sobre violência e afetos, para apresentar na escola). Estas atividades foram finalizadas na encenação da peça “Nós Somos Bullies”.

82


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Dinâmica de Apresentação e Comunicação “Eu sou…”

83


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Dinâmica Mapa dos Relacionamentos

Dinâmica A meia-bola

84


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Dinâmica A meia-bola

Exercício de música cigana

Atividade de Expressão dramática

Apresentação de trabalho realizado em grupo sobre violência no namoro

85


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

86


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Cena 4 TENHO MEDO… [A cena abre com um trecho das Quatro Estações de Vivaldi. Duas personagens, uma de olhos vendados, outra com óculos e touca de natação, caminham de costas, inseguras, tateando, para o centro do palco, onde se encontram. Vão reagindo às intervenções do coro, mascarado, que os agride verbalmente] Personagem1- Tenho medo do escuro. Coro - Bebé mimado; mariquinhas. [gargalhadas] Personagem 2 - Tenho medo de cobras. Coro - [gritinhos] Ai! Ai! Ai! Vê lá se ela não te sobe pelas pernas acima. [risos]. Personagem 1- Tenho medo de mim próprio. Coro - Medroso. Vai te tratar. Tadinho. Vai ao veterinário! [gargalhadas] Personagem 2 - Tenho medo de perder quem eu mais gosto. Coro- [risinhos] Estás com falta de miminhos? O que tu queres sei eu! [risinhos] Personagem 1- Tenho medo de perder a minha mãe. Coro - [gargalhadas] Tu queres é mamar. Toma lá a chupeta. [risos] Personagem 2- Tenho medo de morrer. Coro- [barulho de automóvel] Cuidado com o carro. [risos] Não saias de casa. Olha para a frente senão cais. Não fazes falta nenhuma. [gargalhadas]. [A cena fecha com um trecho das Quatro Estações de Vivaldi] Texto criado pelos alunos e alunas da turma, nas aulas de Formação para a Cidadania, dinamizadas pelo CAOJ de Coimbra com o apoio da Diretora de Turma.

87


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

88


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 CENA 5 RAP DOS BULLIES Nós somos bullies queremos porrada não te metas comigo senão levas uma bofetada. yô! Nós somos bullies gostamos de matar dar porrada aos outros sem parar. yô! Nós somos bullies e não queremos ajudar nós só queremos maltratar. yô! Nós somos bullies gostamos de bater mas nós temos medo de morrer. yô! Nós somos bullies estamos sempre a criticar uma coisa é certa nunca os vamos apoiar. yô! Nós somos bullies gostamos de bater maltratar pessoas é nosso prazer. yô! Nós somos bullies felicidade em nós não existe nós queremos ver toda a gente triste. yô! [Texto criado pelos alunos e alunas da turma, nas aulas de Formação para a Cidadania dinamizadas pelo CAOJ de Coimbra a partir de proposta de escrita criativa. Apoio da DT e da Docente de Português]

89


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 CENA 6 O QUE SE PASSA COMIGO?

[A cena abre com um trecho das Quatro Estações de Vivaldi. As duas personagens estão sentadas numa cadeira em cada canto do palco, de lado para o público, com um foco por trás, a escrever um diário. As suas falas são intercaladas].

Personagem 1: Bullie (1) Não sei o que se passa comigo… Sinto-me cada vez mais só. Tenho alguma coisa dentro de mim que não me deixa ter amigos. (3) Quando vou para a escola até me esqueço de tudo. Mas depois, quando começam as aulas… acontece sempre alguma coisa que não estrava prevista e começo a sentir raiva. Não sei porquê. É assim de repente. Depois só me apetece bater, empurrar, chamar nomes, provocar, estragar… (5) Tudo se passa muito depressa. É talvez por isso que os professores não me compreendem. Mas eu às vezes também não sei o que se passa comigo. Quando isso acontece, apetece-me gritar e correr, correr, correr, correr… (7) Dizem-me tanta coisa. Será que vou conseguir? Personagem 2: Bull (2) [gargalhadas] Hoje gozei à grande. [risos] Estraguei a brincadeira aos miúdos da escola. Foi o máximo ver a fronha deles espantada sem poderem fazer nada. (4) Não sei porquê, mas estas cenas de violência dão-me bué de adrenalina. Houve um puto que levantou a garimpa quando lhe rebentei o balão nas trombas. Apertei-lhe logo o pescoço e o gajo cagou-se todo. Só somos alguém se mostrarmos aos outros que somos mais fortes. O resto é treta de professores. (6) E aquela pita toda produzida que anda com a mania que já é adolescente? É dessas que eu gosto de gozar. Quando refilam levam logo um apalpão. Já se sabe que fingem que não gostam. Bem, o que elas querem sei eu… só que nunca dão parte de fracas. Nós, homens, é que temos de nos impor e de mostrar quem manda. (7) Foi assim que me ensinaram. Será que vou conseguir?

[A cena fecha com um trecho das Quatro Estações de Vivaldi].

[texto escrito pelo professor Fernando M. Marques do CAOJ de Coimbra]

90


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Sessões sobre sexualidade e prevenção do VIH/Sida No sentido de dar resposta às solicitações das Escolas da região centro e de sensibilizar para práticas de prevenção de comportamentos sexuais de risco em jovens do ensino básico e secundário não envolvidos no Projeto Nacional de Educação Pelos 91


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Pares, a Delegação/CAOJ de Coimbra realizou sessões de prevenção, habitualmente com a duração de 90 minutos. Dinamizadas com recurso a metodologias ativas e participativas, as sessões seguem as linhas orientadoras do Programa “Sexualidade e Prevenção VIH/SIDA”, com as adaptações adequadas à duração e ao contexto de formação. No total, no ano letivo de 2013/14 foram realizadas sessões de prevenção em 4 escolas do concelho de Coimbra, 1 de Poiares, 1 do Caramulo e 1 do Concelho de Marinha Grande. A avaliação realizou-se com base num questionário aplicado no fim da sessão. Os dados globais da intervenção encontram-se no quadro seguinte:

Quadro-síntese das sessões realizadas Escola

Nº sessões

2

Nº alunos 33

9º ano

3

58

3

7ºano

3

45

1

8ºano

2

36

1

9ºano

1

30

1

9º CV

1

22

1

Escola Secundária José Falcão

9º ano

1

20

1

Instituto Educativo de Lordemão

9ºano

4

85

4

9º ano

3

59

3

12º ano

1

13

1

7º ano

2

14

1

8º ano

2

28

1

Secundário

8

180

1 (120’)

-

33

623

21

Escola EB 2,3 Martim Freitas

Escola EB 2,3 S. Silvestre

Escola EB 2,3/Secundária Daniel de Matos – Poiares Escola EB 2,3 do Caramulo Escola secundária Eng. Acácio Calazans Duarte - Marinha Grande Total 8

Ano/Turma

Nº turmas

7º ano

2

Escola EB 2,3 Martim de Freitas No âmbito da parceria com a Escola EB 2,3 Martim de Freitas, a Delegação/CAOJ de Coimbra dinamizou a sessão de formação “Saúde, sexualidade e prevenção do VIH/Sida” em 2 turmas do 7º ano e 3 turmas do 9º ano de escolaridade, não abrangidas pelo PNEP. No 7º ano, deu-se ênfase às questões da sexualidade a 92


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

partir do tema “Sexualidade - Crenças e preconceitos” e no 9º ano de escolaridade, o enfoque foi dado às questões do VIH/Sida com o tema “Sexualidade e prevenção do VIH/Sida”. EB 2,3 de S. Silvestre Por solicitação da equipa responsável pelo Projeto de Educação para a Saúde da Escola EB 2,3 S. Silvestre, a equipa da Delegação/CAOJ Coimbra dinamizou 1 sessão de formação para as turmas do 7º, 8º, 9º ano e 1º CV. Estas sessões realizaram-se no dia 28 de março de 2014. O plano da sessão centrou-se nos seguintes núcleos temáticos: Ano 7º ano 8º ano 9º ano e 1º CV

Tema Crenças e preconceitos associados à sexualidade Comportamentos de risco no âmbito da sexualidade Sexualidade e prevenção do VIH/Sida

Escola Secundária José Falcão No âmbito do Programa de Educação para a Saúde da Escola Secundária José Falcão, realizou-se uma sessão na turma do 9º 4 não abrangida pelo Projeto Nacional de Educação pelos Pares, sobre “Prevenção da infeção VIH/Sida e promoção da sexualidade responsável (métodos contracetivos)” Escola EB 2,3/S Dr. Daniel de Matos A pedido da professora Responsável pelo Projeto de Educação para a Saúde da Escola EB 2,3/S Dr. Daniel de Matos, a Delegação/CAOJ de Coimbra realizou 3 sessões de formação no âmbito da promoção da saúde, sexualidade e prevenção do VIH/Sida, destinadas a alunos e alunas do 9º e 12º anos. Instituto Educativo de Lordemão Por solicitação da Coordenadora da Educação para a Saúde do Instituto Educativo de Lordemão, a Delegação/CAOJ de Coimbra realizou sessões de prevenção destinadas a alunos e alunas do 9º ano de escolaridade. As sessões realizaram-se no

93


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

dia 7 de Março de 2013 e abrangeram todas as turmas do 9º ano da instituição. O tema das sessões foi Sexualidade e prevenção da infeção VIH/Sida. Escola EB 2,3 do Caramulo No âmbito do Projeto de Educação para a Saúde da Escola EB 2,3 do Caramulo, a delegação/CAOJ de Coimbra foi convidado a realizar sessões de sensibilização destinadas a alunos e alunas do 7º e 8º ano de escolaridade, sobre sexualidade e prevenção da infeção VIH/Sida. As sessões decorreram no dia 12 de fevereiro de 2014. Escola Secundária Engenheiro Acácio Calazans Duarte - Marinha Grande A Delegação/CAOJ de Coimbra foi convidado pelo Coordenador do Projeto de Educação para a Saúde e Educação Sexual da Escola secundária Engenheiro Acácio Calazans Duarte para participar nas II Jornadas da Saúde do Agrupamento de Escolas Marinha Grande Poente. Nesse sentido, o docente Fernando M. Marques da Delegação/CAOJ de Coimbra dinamizou uma sessão sobre a “ Prevenção do VIH/Sida” para 180 estudantes do ensino secundário, que decorreu no dia 1 de abril, das 15h às 17, no Auditório da Escola. Durante a sessão foram distribuídos folhetos e preservativos, masculinos e femininos, cedidos pelo Programa Nacional para a Infeção VIH/Sida.

Sessão de prevenção do VIH/Sida para estudantes do ensino secundário

94


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Notícia da sessão publicada no Jornal escolar Ponto & Vírgula Sexo, mentiras e vírus! Alice Marques “Nas II Jornadas da Saúde, o dia 1 de abril foi dedicado à educação sexual. Para os mais novos, falou-se de violência no namoro e sexualidade, com as turmas do 3º ciclo e, para os do secundário, a palestra foi dedicada ao HIV/SIDA. Foi também dia do jogo SIDA – Infetado…Eu?, como noticiamos nesta edição. (Ver SIDA – Infetado…Eu?) O P&V acompanhou as atividades e destaca nesta peça a importância da palestra sobre HIV/SIDA, replicada à noite, para pais, encarregados de educação e alunos adultos. O professor Fernando Moreira Marques, do Centro de Atendimento e Orientação de Jovens de Coimbra, mais do que um palestrante, foi um pedagogo da sexualidade juvenil, que falou dos riscos e responsabilidade dos jovens, da única forma que, segundo ele, estas questões devem ser faladas: “abertamente, sem preconceitos e sem moralismos”. Apoiado em dados estatísticos e algumas imagens, suscitou nos jovens algumas perplexidades e interrogações, apesar de estar consciente de que “uma palestra não basta para que se passe de comportamentos de risco para comportamentos sem risco”. Os dados são preocupantes: Portugal é o país da Europa [é um dos países da EU] com maior percentagem de pessoas infetadas com o vírus HIV embora este seja o continente onde se registam menos infetados. São 42.000 mil diagnosticados no nosso país, mas as previsões apontam para um número muito maior, porque 1 em cada 3 não sabe que está infetado. Estes dados indiciam claramente que muita gente pensa que este é um dos azares que só acontece aos outros. Uma das informações mais importantes desta sessão foi a distinção entre estar infetado com o HIV, (ser seropositivo) e ter SIDA. Com efeito, o conhecimento médico e os meios atualmente disponíveis demonstram que uma pessoa pode estar infetada sem saber, porque não fez o teste, não ter quaisquer sintomas e, nesta ignorância, andar a infetar outras pessoas. Daí a importância de fazer o teste, que é gratuito, absolutamente confidencial e pode fazer-se em qualquer centro de saúde, no médico de família ou num consultório privado. Detetado o vírus, é possível combatê-lo com anti-retrovirais, o que apenas é feito nos hospitais públicos e é também gratuito. Um seropositivo diagnosticado e tratado pode ter uma esperança de vida normal, embora fique dependente dos medicamentos para toda a vida. Desde que faça o tratamento não chegará ao estado de SIDA (síndrome de imunodeficiência adquirida), no qual o corpo já não tem quaisquer defesas e é morte certa. O Dr. Fernando Moreira Marques expôs algumas crenças ligadas ao HIV/SIDA, para clarificar o que há de falso nelas. O HIV/SIDA não é uma doença de homossexuais, como muita gente ainda pensa. Os dados desmentem: o maior número de seropositivos encontra-se entre os heterossexuais. Também já não é uma doença de toxicodependentes; é certo que este foi um grupo de risco acrescido, pela partilha de seringas, mas o programa de troca de seringas fez descer muito significativamente o número de infetados neste grupo. Sangue, esperma, secreções vaginais e leite materno são os fluídos onde o vírus se encontra e através dos quais se propaga. Se excluirmos o leite materno, percebemos que as relações sexuais, com penetração vaginal ou anal, são responsáveis pela propagação do vírus. Mesmo o coito interrompido, à volta do qual existe também a falsa crença de que não se engravida nem se transmitem doenças, é de todo desaconselhado pela sua ineficácia e perturbação emocional que sempre provoca. Assim sendo, excluindo a abstinência sexual, absolutamente desaconselhada, porque a sexualidade é algo natural e deve ser vivida sem medos, com alegria e prazer, só há duas formas de evitar o vírus, inteligente, silencioso e traiçoeiro: fazer o teste e usar preservativo. E porque se tratava de uma sessão pedagógica, foram mostradas imagens de preservativos para homens e para mulheres e, com toda a pertinência, ensinou-se a colocar o preservativo masculino. Não é por acaso que a incidência do vírus HIV entre os homens é 3 vezes mais elevada do que nas mulheres! [Em Portugal] É que existe outra falsa crença: a de que sexo com preservativo “não é mesma coisa”. De facto não é mesma coisa: com preservativo é seguro, sem preservativo é arriscado. A ideia romântica da fidelidade (“eu confio nele”; “eu confio nela”!) é um risco grande. Até porque numa relação, mesmo que seja afetivo-sexual, os parceiros não perguntam, antes de se envolverem sexualmente: “fizeste o teste do HIV”?

95


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 O HIV/SIDA é um problema de saúde pública. O estado português gasta dinheiro dos impostos de todos em campanhas de prevenção junto dos jovens. Não vale a pena tapar o sol com a peneira, fingir que a sexualidade é coisa de adultos. Por isso, coerentemente, o Dr. Fernando Moreira Marques defende que nas escolas secundárias, os preservativos deveriam estar disponíveis em máquinas. Sexo e videojogos A sessão da noite trouxe outros tópicos à discussão. Apesar da presença de pais e encarregados de educação ser minoritária no auditório, o comunicador proporcionou a abordagem de assuntos que devem preocupar os pais. A prática do sexting (troca de mensagens electrónicas de cariz sexual) e os videojogos explicitamente sádico-sexuais. Habituado a lidar com populações diversas (de estabelecimentos prisionais, centros educativos de reinserção e escolas) Fernando Moreira Marques contou histórias, não da carochinha mas de pessoas reais, com as quais lidou, para ilustrar situações que podem potenciar comportamentos sexuais de alto risco. Com frontalidade e sem moralismos. Histórias que dão que pensar! Numa era em que a liberdade e a responsabilidade têm de ser mais do que os chavões destes tempos democráticos.”

Agrupamento de Escolas de Penacova Por solicitação da docente da disciplina de Ciências da Natureza, Fátima Cruz, do Agrupamento de Escolas de Penacova, a delegação/CAOJ de Coimbra realizou 4 sessões de prevenção/sensibilização destinadas a alunos e alunas do 5º e 6º ano de escolaridade. As sessões realizaram-se no dia 03 de dezembro de 2014 e abrangeram um total de 160 estudantes, do 2º ciclo do ensino básico. O tema das sessões foi “Relações de afeto e não discriminação”.

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL A Delegação/CAOJ de Setúbal participou em atividades do projeto “A saúde na minha escola”, realizadas no auditório da biblioteca da Escola Secundária Sebastião da Gama, de 13 janeiro a 15 de janeiro. Dirigido a estudantes do 9º ano de escolaridade, o projeto visa a pesquisa e utilização de informação por parte de alunos e alunas para responder a situações do dia-a-dia e aumentar o conhecimento sobre temas de saúde individual e comunitária. A Delegação/CAOJ de Setúbal participou no workshop com a presença de diversos técnicos da área da saúde, dinamizando atividades relacionadas com a prevenção do VIH/Sida. Verificou-se uma excelente participação e interesse por parte dos alunos intervenientes (cerca de 180 alunos), como se vê no registo fotográfico da sessão:

96


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

No dia 1 de dezembro 2014, no âmbito das comemorações do Dia Mundial de Luta Contra a Sida, a Delegação/CAOJ de Setúbal organizou um workshop na Biblioteca Escolar da Escola Básica de Azeitão. Esta atividade, que envolveu 87 alunos/as das turmas do 9º ano de escolaridade, alertou para a necessidade de prevenção contra o vírus da SIDA, bem como para a discriminação e o estigma que esta doença pode causar. A iniciativa promoveu uma boa abertura ao diálogo e esclareceu muitas dúvidas dos alunos e alunas presentes, potenciando comportamentos e estilos de vida saudáveis.

97


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Projeto C.S.I – Comportamento Seguro e Informado Público-alvo:

Alunos das turmas de 8º ano da Escola Básica Dr. Brasão de Castro Alunos das turmas de 7º ano da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Proporcionar, através da (In) Formação a melhoria e o desenvolvimento de

Objetivo geral:

competências pessoais e sociais, com vista a promoção de estilos de vida saudáveis  Proporcionar aos formandos um espaço para que descubram as suas necessidades (in) formativas e de desenvolvimento pessoal;  Aumentar o nível de conhecimentos gerais relativamente a situações de risco;  Promover o treino de comportamentos, atitudes em relação a determinadas situações, com vista a aquisição e consolidação de

Objetivos específicos:

competências pessoais e sociais;  Desenvolver o comportamento e a comunicação assertiva, a empatia, a cooperação e o respeito pelos outros;  Melhoria das relações interpessoais dos formandos, concomitantemente ao aumento da frequência da assertividade;  Fortalecer o sentimento de pertença a um grupo para potenciar a prática de comportamentos saudáveis  Intervenção de grupo através do treino de competências pessoais e sociais;

Metodologias:

 Trabalho social pedagógico apoiado em técnicas expositivas e ativas, privilegiando as atividades que envolvam a discussão partilhada de casos e situações específicas de cada tema.

Humanos: 1 Técnico de Serviço Social e 1 Enfermeiro

RECURSOS:

Físicos: Sala. Material de desgaste: papel A4, papel de cenário, lápis, canetas, marcadores, Materiais: quadro, Slip Sharp, etc. Material técnico: projetor multimédia, TV, VHS/DVD, etc. N.º de formandos

N.º de Sessões

N.º de Horas

60

51

51

98


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Fotos C.S.I – Comportamento Seguro Informado

2.5 Projetos de desenvolvimento de competências pessoais e sociais DELEGAÇÃO DO PORTO Projeto “Sexualidade saudável” destinado a pessoas portadoras de deficiência. A Delegação/CAOJ do Porto iniciou, em 2014, um projeto-piloto de prevenção no âmbito da sexualidade destinado a crianças, adolescentes e jovens adultos portadores de deficiência, recorrendo à educação pelos pares através do voluntariado universitário. O projeto tem como principais objetivos promover a vivência saudável da sexualidade pelo desenvolvimento de competências pessoais e sociais, prevenção de comportamentos de risco e aumento do conhecimento sobre comportamento sexual. As dinâmicas baseiam-se em metodologias ativas e participativas seguidas de reflexão. O projeto prevê a realização e distribuição de materiais de divulgação e sensibilização sobre a sexualidade humana na incapacidade como forma de prevenção da discriminação, produção e apresentação à comunidade de cenas de teatro do oprimido, utilizando a técnica de teatro fórum, sendo as pessoas com incapacidade os

99


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

protagonistas da história, bem como a realização mensal do Cafés para Pais sobre temas da sexualidade humana. O programa foi desenvolvido em 5 grupos de pessoas com deficiência, durante 9 sessões de 60 minutos com uma periodicidade semanal. No total estiveram envolvidos 11 jovens universitários/as em voluntariado, constituindo 5 BUI com dois a três elementos cada. O número médio de formandos por grupo foi de 8. O projeto terá continuidade por solicitação dos responsáveis de cada grupo da APPACDM. Projeto “Teatro do Oprimido” para reclusos A Delegação/CAOJ do Porto iniciou, em maio de 2014, o projeto “Desconstrução” com um grupo de reclusos do Estabelecimento Prisional de Vale do Sousa, em Paços de Ferreira, o qual consiste na utilização do teatro do oprimido através da técnica do teatro fórum - como ferramenta de intervenção educativa. Os objetivos visados foram: - Aprendizagem de competências pessoais e socias através da expressão dramática; - Partilha de vivências, histórias de vida, memórias em contexto prisional; - Promoção da transformação individual, institucional e social; - Promoção da reinserção social. Como produto do trabalho desenvolvido durante 6 meses de intervenção foi apresentado a toda a comunidade prisional uma peça de teatro do oprimido utilizando a técnica do teatro fórum, a qual consistiu na representação de 2 sketchs, a saber: um sobre a discriminação de pessoas portadoras de VIH/SIDA em meio prisional; outro sobre racismo. A peça foi muito apreciada pelo facto de permitir a interação entre os atores e a plateia, permitindo que os espectadores se coloquem no lugar de quem está a ser oprimido contribuindo para a resolução do problema. A direção do Estabelecimento Prisional solicitou a continuação da intervenção da Delegação/CAOJ do Porto por considerar que esta é eficaz e consistente.

100


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Projeto “ Crescer a Saber” Projeto de intervenção na área do desenvolvimento pessoal e social, que pretende estimular na criança/jovem determinadas aptidões pessoais e sociais, consideradas fundamentais para um crescimento saudável e harmonioso. Para tal, procura adotar as estratégias mais adequadas ao públicoalvo (crianças e jovens dos 7 aos 12 anos), nomeadamente atividades lúdico-pedagógicas, realizadas em contexto escolar. Dotar as crianças de conhecimentos e instrumentos, de modo a serem capazes de Objetivo geral: gerir situações de risco. 

Promover competências de comunicação;

Desenvolver na criança a autoconfiança, de forma a interagir positivamente com o meio;

adequados;

Objetivos específicos:

Fomentar a autoestima, valorizando os seus comportamentos mais assertivos e

Desenvolver na criança a capacidade para se exprimir revelando pensamentos, sentimentos e ações adequadas a diferentes contextos sociais;

Criar um espaço de partilha de experiências e troca de conhecimentos;

Criar um trabalho de grupo a partir de dinâmicas / jogos dramáticos explorados no projeto. Público-alvo Turma do 3ºano A Turma do 3º ano B

Escola EB1/ PE do Tanque

Turma do 3º ano C  Intervenção de grupo através do treino de competências pessoais e sociais;  Trabalho social pedagógico apoiado em técnicas expositivas e ativas, onde se privilegiou as atividades que envolveram a discussão partilhada de casos e Metodologias:

situações específicas de cada tema. Através desta metodologia a criança explorará as

vertentes

emotivas,

cognitivas

e

comportamental,

com

vista

ao

desenvolvimento de uma qualidade de vida que passa pela resposta adequada a

sos:

Recur

diferentes situações sociais. Humanos: 2 Formadores Físicos: Sala. 101


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Material de desgaste: papel A4, papel de cenário, lápis, canetas, marcadores, Materiais: quadro Slip Sharp, etc. Material técnico: projetor multimédia, TV, VHS/DVD, etc. Parceiros: Escola B1/PE do Tanque N.º de formandos

N.º de Sessões

N.º de Horas

120

79

79

Fotos projeto “ Crescer a Saber”

Projeto “ Menina ou Menino” Objetivo geral:

Promoção de estilos de vida saudáveis.  Alertar para situações de risco ao nível da Saúde;  Esclarecer as crianças sobre as diferenças entre géneros;

Objetivos específicos:

 Criar um espaço de partilha de experiências e troca de conhecimentos;  Contribuir para melhoria do comportamento do público-alvo na utilização do espaço balnear.

102


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Local de realização: Público-alvo

Centro Comunitário Music@arte – Santo Amaro Crianças (dos 5 aos 12 anos), Intervenção em grupo apoiado em métodos ativos que promovam uma aprendizagem

Metodologias:

Recursos:

Humanos: Físicos: Materiais

Parceiro:

interativa e cooperativa; 2 Formadores Sala. Diferentes materiais necessários para a conceção de materiais lúdicos/pedagógicos.

Centro Comunitário Music@arte – Santo Amaro

N.º de formandos

N.º de Sessões

N.º de Horas

20

9

9

Fotos do projeto “ Menina ou Menino”

103


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

3. Projetos de prevenção em Centros Educativos da DGRSP DELEGAÇÃO DE LISBOA No ano letivo 2013/14, a Delegação/CAOJ de Lisboa deu continuidade ao Projeto “Sexualidade e Prevenção do VIH/SIDA” em Centros Educativos da DireçãoGeral de Reinserção e Serviços Prisionais, cujo público-alvo são jovens entre os 14 e os 24 anos, sob medidas tutelares educativas de internamento, em situação de risco social, através do qual se promove a Educação para a Saúde Afetivo-Sexual.

Quadro síntese da intervenção do CAOJ de Lisboa nos Centros Educativos da DGRSP Centro Educativo Navarro Paiva (Benfica)

Padre António Oliveira (Caxias) Total

1 (Rapazes) 1(Rapazes) 1 (Raparigas) 1 (Rapazes) 1 (Rapazes) 1 (Rapazes)

Nº de sessões 6** 6** 6** 7* 7* 7*

Nº de alunos 10 6 6 8 8 7

6

39

45

Turmas

2 *60 minutos de duração

**90 minutos de duração

Nos Centros Educativos Navarro Paiva e Padre António Oliveira foram realizadas sessões de 90 e 60 minutos, respetivamente. Com recurso a dinâmicas de grupo idênticas às utilizadas nas escolas no quadro do PNEP, foram abordados os seguintes temas: conhecimento interpessoal; emoções; sexualidade: conceito e preconceitos, valores e crenças; comunicação; afetos; autoestima; corpo sexuado; higiene; métodos contracetivos; gravidez não planeada; HIV/Sida e outras IST. Aplicou-se também a caixa das dúvidas. Para a avaliação das sessões foi entregue, no final de todas as sessões, um diário de bordo aos alunos e um questionário aos Diretores.

DELEGAÇÃO DO PORTO A turma do CESA era constituída por 12 rapazes, com idades compreendidas entre os 13 e 19 anos, a frequentar um curso de Educação e Formação para Adultos

104


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

(EFA) 2 e B2 de operador de mecânica e eletricidade. Todos os alunos estavam em regime fechado com uma medida tutelar de internamento, sendo que a pena mais baixa era de seis meses e a mais alta de 24. Estes jovens podiam frequentar unicamente atividades formativas e de tempos livres dentro das instalações da instituição. Grande parte dos delitos cometidos estão associados a roubo, furto, ofensa à integridade física, condução sem habilitação legal, coação, ameaça, violação e falsidade de declaração. O plano de intervenção adotado consistiu na dinamização de 11 sessões, onde se desenvolveram competências pessoais e sociais e abordaram temáticas específicas da sexualidade. Os núcleos temáticos foram os seguintes: autoestima; coesão grupal; conhecimento pessoal e interpessoal; autoconceito; assertividade e comunicação; cumprimentos de regras; respeito pelo outro e pelas suas escolhas; sexualidade, definir sexualidade; prevenção do VIH/Sida e outras ISTs; reflexão sobre o autocuidado, vivência sexual com prazer e de forma responsável, comportamentos de risco; conhecer e discutir os mitos sobre doenças sexualmente transmissíveis; métodos contracetivos. A intervenção finalizou com a dramatização das cenas da peça “Abre os olhos”, realizada pelo TUI da Delegação/CAOJ do Porto.

Quadro síntese da intervenção do CAOJ do Porto em Centros Educativos da DGRSP Centro Educativo Centro Educativo Santo António Total

Turmas 1 1

Nº de sessões de 50’ 12 12

Nº de alunos 11 11

Existe, por parte desta instituição uma abertura e vontade em continuar a colaborar com a Delegação/CAOJ. Foram reiterados, pela Delegação/CAOJ do Porto, o interesse e importância da continuidade do trabalho. Houve uma recetividade muito positiva ao programa desenvolvido, tendo os técnicos e os jovens envolvidos manifestado o desejo de dar continuidade às atividades. A Delegação/CAOJ do Porto desenvolveu projetos de intervenção em estabelecimentos prisionais, onde prevalece a baixa escolaridade e a exposição a

105


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

culturas de risco o que tende a agravar as situações de vulnerabilidade. Alguns destes projetos são de continuidade.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Centro Educativo dos Olivais – Coimbra No âmbito da parceria entre a FPCCSIDA e a direção do CEO, a Delegação/CAOJ de Coimbra mantém, desde 2006, o projeto “Em Tempo de Sida Educar para a vida” apoiando jovens institucionalizados a cumprir medidas tutelares educativas. Através da metodologia de Educação pelos Pares, o Projeto visa o desenvolvimento de competências pessoais e sociais, a promoção da saúde, a prevenção da infeção VIH/SIDA e de outros riscos associados a alguns comportamentos sexuais, procurando orientar os jovens para a tomada de decisões refletidas e responsáveis com vista à adoção de estilos de vida saudáveis. Relativamente à intervenção no ano letivo 2013/2014, realizaram-se, durante o mês de outubro, reuniões com a direção do CEO e a equipa docente para planificação da intervenção, tendo sido sendo definidos os objetivos, temas a abordar e calendarização das sessões. Programa de intervenção relativo ao ano letivo de 2013/2014

Área de Intervenção

Objetivos

Público-alvo Frequência e duração Calendarização Local de realização Recursos humanos e materiais

Projeto Em tempo de Sida Educar para a vida Saúde, Sexualidade, VIH/SIDA, prevenção de comportamentos de risco. - Promover o fortalecimento das competências pessoais e sociais; - Identificar, compreender e integrar harmoniosamente as diferentes dimensões da sexualidade no desenvolvimento pessoal. - Compreender a importância das relações interpessoais num quadro de respeito pelas identidades e diferenças. - Desenvolver o sentido crítico pela análise de crenças, estereótipos e papéis de género, em matéria de sexualidade. - Promover atitudes de responsabilidade individual e coletiva dirigidas para a promoção da saúde e prevenção de comportamentos sexuais de risco - Explorar conteúdos relacionados com a vivência da sexualidade e a prevenção da infeção VIH/Sida. Jovens do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 12 e os 18 anos, institucionalizados no Centro Educativo dos Olivais * 7 Sessões de 90 minutos em cada turma Fevereiro e maio 2014 Salas de aula do Centro Educativo dos Olivais – Coimbra Docentes do CAOJ Coimbra. Voluntários(as) do ensino superior organizados em BUI. Jogos e dinâmicas de grupo; apresentações em formato digital.

106


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Avaliação

Entidade parceira

Papel, fotocópias, marcadores, computador, impressora, projetor multimédia, máquina fotográfica, folhetos e preservativos Questionário de avaliação das BUI. Diário de bordo das BUI. Questionário de avaliação dos jovens do CEO Questionário dos docentes das turmas. Relatório da intervenção em cada turma. Centro Educativo dos Olivais – Coimbra.

Os temas abordados nas sessões centraram-se nos seguintes eixos temáticos: 1. Identidade sexual e identidade de género: do sexo biológico à socialização de género; 2. Relacionamentos e afetos: do brincar ao namorar; 3. Violência de género: do machismo às masculinidades expressivas; 4. Bullying e Cyberbullying: da violência entre pares à homofobia; 5. A sexualidade traída: abuso sexual, assédio, prostituição e pornografia infantil; 6. Prevenção da infeção VIH/Sida: sexualidade segura e responsável. 7. Reforço de conteúdos e esclarecimento de dúvidas

Em todas as turmas foram abordados os temas previstos nas 6 sessões inicialmente programadas que se realizaram durante o mês de fevereiro. Por solicitação do Centro Educativo realizou-se, no início de maio, a 7ª e última sessão, para reforço da temática desenvolvida na sessão “A sexualidade traída, abuso sexual, assédio, prostituição e pornografia infantil” e esclarecimento de dúvidas. Apresentam-se, em seguida, os dados de execução anual do Projeto: Quadros-síntese da intervenção do CAOJ de Coimbra nos Centros Educativos da DGRSP Turmas

Nº de sessões

Operador de Jardinagem Operador de Acabamentos e Manutenção de Móveis Operador de Manutenção Hoteleira Empregado de bar e mesa Instalador e reparador de computadores IRC U.E.A 6

7

Nº de alunos 4

7

5

7 7 7 7 42

5 6 7 6 33

Centro Educativo

Centro Educativo dos Olivais

Total

1

Nº de jovens

Nº de sessões

Nº Elementos das BUI

Duração das sessões

Operador de Jardinagem

4

7

2

90’

Operador de Acabamentos e Manutenção de Móveis

5

7

2

90’

Operador de Manutenção Hoteleira Empregado de bar e mesa Instalador e Reparador de Computadores IRC U.E.A Total

5 6 7 6 33

7 7 7 7 42

2 2 1 2 11

90’ 90’ 90’ 90’

Curso/turma

107


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

A execução do projeto assenta nos seguintes indicadores: número de turmas, número de jovens abrangidos, número de sessões realizadas, concretização do programa anual de intervenção e desenvolvimento de outras atividades. A avaliação baseia-se em dados recolhidos nos questionários aplicados à equipa docente do CEO que acompanharam o projeto nas suas aulas, aos jovens das turmas onde decorreram as sessões e às Brigadas Universitárias de Intervenção que as dinamizaram, sob a supervisão da equipa pedagógica da Delegação/CAOJ de Coimbra. Intervenção para o ano letivo 2014/2015 Em outubro realizou-se a reunião entre a equipa da Delegação/CAOJ, a Direção e os responsáveis pela área da educação do CEO com o objetivo de programar a intervenção para o ano letivo 2014/2015. Nessa reunião foram delineados os objetivos, temas a abordar e calendarização das sessões do programa de intervenção. Foi proposta a realização de 6 sessões em cada turma.

Plano da intervenção 2014/2015 “Desatar nós, construir laços” Objetivos: a) Desenvolver competências pessoais e sociais que contribuam para a reinserção social dos jovens; b) Promover atitudes positivas face à saúde individual e coletiva; c) Aprofundar saberes sobre sexualidade, género e direitos humanos; d) Prevenir o consumo de substâncias psicoativas; e) Promover relacionamentos saudáveis no quadro da família, em grupo de pares e nos relacionamentos amorosos; f) Refletir, criticamente, sobre situações e comportamentos associados a experiências de violência.

108


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Cronograma temático Sessões (90’) 1ª sessão 2ª sessão 3ª sessão 4ª sessão 5ª sessão 6ª sessão

Temas Relacionamentos e afetos Dinâmicas de ação e violência familiar Consumos de substâncias psicoativas e a sua relação com comportamentos agressivos e dependências Sociabilidades juvenis e violência entre pares Sexualidade traída: violência sexual e violência de género Promoção da saúde sexual e reprodutiva: prevenção do VIH/Sida e outras IST

A intervenção teve início em novembro, tendo sido realizadas três sessões em cada turma e abrange todos os jovens institucionalizados no CEO. Quadro-síntese de execução do projeto [de setembro a dezembro de 2014] Nº de jovens

Nº de sessões

Nº Elementos das BUI

Duração das sessões

Operador de Jardinagem

7

3

1

90min

Operador de Acabamentos e Manutenção de Móveis

7

3

2

90 min

7 7 7 35

3 3 3 15

1 1 3 8

90 min 90 min 90 min

Curso/turma

Operador de Manutenção Hoteleira Empregado de bar e mesa Instalador e Reparador de Computadores Total

4. Projetos de prevenção para crianças e jovens institucionalizados

DELEGAÇÃO DO PORTO Tendo em vista a crescente ação da Fundação no campo da educação para a saúde e promoção da qualidade de vida, bem como o alargamento e a descentralização das ações de luta contra a SIDA, a Delegação/CAOJ do Porto desenvolveu projetos de intervenção em instituições de acolhimento de jovens. Proveniente de meios socioeconómicos na

sua maioria desfavorecidos e

desestruturados, onde geralmente a organização e suporte familiar e social são muito fracos, esta população apresenta maiores lacunas ao nível da informação e educação e da adoção de comportamentos assertivos que promovam estilos de vida mais saudáveis. 109


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Casa de Acolhimento – Casa do Vale (CrescerSer) Relativamente à Casa do Vale, foi desenvolvido um projeto de intervenção com um grupo de 7 jovens adolescentes do sexo masculino. Nele participou um grupo de jovens universitários constituídos em BUI que, sob a supervisão da professora do CAOJ, desenvolveram 12 sessões de 90 minutos, nas seguintes três áreas temáticas: domínio pessoal: autoestima; tomada de decisão; avaliação de riscos; assertividade; resiliência. Domínio social: relacionamento interpessoal; estratégias de comunicação; gestão de conflitos; pressão dos pares. Promoção da saúde: os temas específicos foram a sexualidade e suas expressões; prevenção da infeção pelo VIH e outras IST; prevenção de consumos problemáticos; métodos contracetivos; higiene pessoal e cuidados na alimentação. Quadro-síntese da intervenção Casa de Acolhimento de jovens Casa do Vale (CrescerSer) [rapazes] Lar de Infância e Juventude [raparigas] Total

1

1 1

Nº elementos da BUI 3 2

1

5

Grupo

Nº de sessões 90’

Nº de alunos/as

12 [90’] [60’]

7 13

12

20

5. Projetos de prevenção em Estabelecimentos Prisionais DELEGAÇÃO DO PORTO A Delegação/CAOJ desenvolveu projetos de intervenção em estabelecimentos prisionais, onde prevalece a baixa escolaridade e a exposição a culturas de risco o que tende a agravar as situações de vulnerabilidade. Alguns destes projetos são de continuidade. Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo (masculino), Matosinhos A intervenção foi dirigida a dois grupos de reclusos, de nacionalidade portuguesa, com idades compreendidas entre os 23 e os 56 anos, pertencendo a diferentes alas do EP. No 1º Grupo, participaram num workshop de 90min., 16 homens em Regime de Visitas Íntimas (RVI), sendo as penas associadas ao consumo e tráfico de drogas. Quanto ao 2º grupo, participaram na sessão de 90 min., 16 homens também 110


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

em RVI, com penas associadas a diferentes delitos. Ambas as sessões foram subordinadas ao tema “Prevenção do VIH/Sida”. Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo (feminino), Matosinhos Dado ao facto de em anos transatos se ter registado um feedback muito positivo por parte da EP quanto à implementação do programa proposto. Atendendo a que técnicos e grupo-alvo manifestaram interesse na sua continuidade, foi formada uma BEI com 3 reclusas que já frequentam o programa pelo terceiro ano consecutivo e, como tal, desenvolveram competências para se tornarem elas próprias educadoras dos seus pares. Assim, esta BEI desenvolveu um projeto de Educação pelos Pares num grupo com 14 de mulheres de nacionalidade portuguesa e 2 de nacionalidade brasileira. As suas idades estão compreendidas entre os 22 e 46 anos, pertencendo a diferentes alas do EP, com penas associadas a vários crimes, estando, contudo, na sua maioria, ligadas ao consumo e tráfico de estupefacientes. O projeto teve a duração de 12 sessões de 60min., abordando os seguintes temas: autoestima; comunicação verbal e não-verbal; respeito pelo outro; cumprimento de regras; comunicação (escuta ativa, assertividade); conceito de risco; tomada de decisão; resolução de problemas; conceito de sexualidade (atitudes, valores e condutas face à sexualidade); relacionamento interpessoal no âmbito da sexualidade; preconceitos e mitos associados à sexualidade; formas de transmissão e meios de prevenção do VIH/SIDA. Quanto à participação da BUI, foi estabelecido um acordo de parceria com os serviços clínicos do EP, no âmbito do plano de atividades previsto no programa de educação para a saúde deste estabelecimento, contemplando mulheres em Regime de Visitas Íntimas (RVI). Assim sendo, esta BUI desenvolveu um programa de intervenção com dois grupos, totalizando 18 de mulheres, com a duração de 12 sessões de 90min., abordando os seguintes temas: autoestima/autoconceito; comunicação interpessoal; comunicação (escuta ativa, assertividade); gestão das emoções; tomada de decisão; resolução de problemas; saúde sexual e reprodutiva; métodos contracetivos; conceito de sexualidade (atitudes, valores e condutas face à sexualidade); relacionamento interpessoal no âmbito da sexualidade; preconceitos e mitos associados à sexualidade; formas de transmissão e meios de prevenção do VIH/Sida.

111


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Estabelecimento Prisional de Vale de Sousa No Estabelecimento Prisional de Vale de Sousa, participaram no projeto 20 reclusos, com idades compreendidas entre os 23 e os 57 anos, em regime comum, ao abrigo de um acordo de parceria entre a FPCCSIDA e a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. O projeto está a ser desenvolvido no âmbito do Teatro do oprimido, utilizando a técnica do teatro-fórum. Decorre de abril a dezembro, em sessões semanais de 90min. As temáticas abordadas através desta metodologia de intervenção foram: autoestima; tomada de decisão; avaliação de risco; assertividade; resiliência; relacionamento interpessoal e comunicação; gestão de conflitos; prevenção da infeção VIH e outras IST; auscultação de opressões pessoais através da dramatização; seleção das opressões para apresentação pública.

Quadro-síntese de intervenção nos Estabelecimentos Prisionais

Instituição

Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo

Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo

Estabelecimento Prisional de Vale de Sousa

Grupo-alvo 16 reclusos do regime comum com visitas íntimas 16 reclusos do regime comum com visitas íntimas 16 reclusas do regime comum com visitas íntimas 18 reclusas do regime comum com visitas íntimas 20 reclusos do regime comum Teatro do Oprimido

Nº Elementos da BUI

Nº de sessões

-*

1 workshop de 90’

2

1 sessão de 90’

2

12 sessões de 60’

1

12 sessões de 90’

2

Sessões semanais de 90’ de abril a dezembro

*Workshop realizado por duas professoras do CAOJ Porto.

112


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Dando

continuidade à

intervenção da Delegação/CAOJ

de

Coimbra

desenvolvida em 2013 no Estabelecimento Prisional de Coimbra, implementou-se no âmbito do Programa Estilos de Vida Saudáveis, em maio de 2014, o Projeto “Em busca da qualidade de vida” e em novembro de 2014, o Projeto “Mais Afetos, Menos Discriminação” que terminou no dia 1 de dezembro de 2014. No Projeto “Em busca da qualidade de vida” realizaram-se 10 sessões de 90 minutos cada, onde foram abordadas diversas temáticas na área da saúde e bemestar, dando especial ênfase à problemática da infeção VIH/Sida: alimentação saudável, consumos, Infeções sexualmente transmissíveis e VIH/Sida. Participaram no projeto um total de 12 reclusos que, através de dinâmicas de grupo e pesquisa de informação realizada com os recursos disponíveis, elaboraram, para além de um conjunto de materiais de informação e divulgação, 4 folhetos informativos sobre cada temática abordada nas sessões. Estes materiais, para além de promoverem uma forma de partilha de informação entre o grupo, constituíram também a “Janela temática do mês junho”, uma iniciativa levada a cabo pelo EPC e que permitiu a divulgação dos trabalhos entre a comunidade de reclusos. Projeto “Em busca da qualidade de vida” Áreas de intervenção

Saúde, Consumo, VIH/SIDA e outras IST

Objetivos

Público-alvo

-Promover estilos de vida saudáveis; -Aumentar o nível de conhecimentos corretos sobre VIH/Sida e outras IST nos reclusos; -Diminuir as atitudes e comportamentos de discriminação face aos seropositivos na comunidade prisional; -Elaborar materiais de informação/divulgação para distribuição aos reclusos e para a “Janela temática de junho”; - Promover atitudes de responsabilidade individual e coletiva na promoção da saúde. Reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra

Frequência e duração

10 Sessões de 90 minutos.

Calendarização

De 13 a 29 de maio de 2014.

Local de realização

Sala de formação do Estabelecimento Prisional de Coimbra

Recursos humanos e materiais

Docentes do CAOJ Coimbra; Jogos e dinâmicas de grupo; Apresentações em formato digital;

113


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Papel, fotocópias, cartolina, marcadores, computador, impressora, projetor multimédia, folhetos e livros. Resultados previstos

- Aumento de atitudes não discriminatórias na comunidade reclusa; - Aumento da sensibilidade para a perceção de situações de risco; -Construção da “Janela Temática de junho”; -Elaboração de panfletos.

Avaliação

Questionário final de avaliação aos formandos. Relatório da intervenção.

Programa da intervenção no Estabelecimento Prisional de Coimbra – maio de 2014 1ª Sessão

Fatores de bem-estar versus fatores de risco

2ª Sessão

Atitudes e comportamentos que põe em risco o nosso bem-estar Consumos” Atitudes e comportamentos que põe em risco o nosso bem-estar: VIH/SIDA e outras IST Eu como promotor de saúde

3ª Sessão 4ª Sessão 5ª Sessão 6ª à 10ª Sessão

Eu como promotor de saúde - Planificação do trabalho a desenvolver para a “Janela temática Eu como promotor de saúde - Elaboração de materiais para exposição na “Janela temática”

A execução do projeto assentou nos seguintes indicadores: número de formandos, número de sessões realizadas, concretização do programa de intervenção. A avaliação baseou-se em dados recolhidos nos questionários aplicados no final do projeto.

Programa da intervenção - “Mais Afetos, Menos Discriminação” O Projeto “Mais Afetos, Menos Discriminação” visou potenciar os afetos e a criatividade como estratégia de promoção da não discriminação, tendo sido realizadas 8 sessões de 90 minutos, onde foram abordados temas no âmbito do VIH/Sida, da importância dos afetos no relacionamento interpessoal e da não discriminação. Esteve envolvido um grupo de 8 reclusos que desenvolveram trabalhos em origami (tsurus) e elaboraram mensagens de afetos e não discriminação, com vista à criação de uma escultura suspensa a inaugurar dia 1 de dezembro e que ficará exposta na sala de visitas do Estabelecimento Prisional de Coimbra, de modo a que estas mensagens possam chegar a todos aqueles que visitam os reclusos. Este projeto contou com o apoio de Filomena Praça, professora de Educação Visual no Agrupamento de Escolas

114


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

da Mealhada, de algumas turmas do 8º ano da Escola Básica Nº2 da Pampilhosa. Alunos e alunas elaboraram mensagens de não discriminação e tsurus que enviaram aos reclusos. Este projeto culminou com uma largada de pombos a partir da porta da sala de visitas com uma mensagem de não discriminação do interior do EPC para a comunidade. Esta iniciativa contou com a presença do Dr. Rui Rêpas da Federação Portuguesa de Columbofilia. Áreas de intervenção Objetivos

Público-alvo Frequência e duração Calendarização Local de realização Recursos humanos e materiais

8 Sessões de 90 minutos.

Resultados previstos

Avaliação

Projeto “Mais Afetos, Menos Discriminação” Saúde, Consumos, VIH/SIDA e outras IST -Desenvolver competências pessoais e sociais; -Promover atitudes positivas face à saúde individual e coletiva; - Aprofundar saberes sobre sexualidade, género e direitos humanos; -Refletir criticamente sobre situações de discriminação de pessoas infetadas com o VIH. Reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra

De 17 de novembro/14 a 1 de Dezembro/14. Sala de formação do Estabelecimento Prisional de Coimbra Docentes do CAOJ Coimbra; Dinâmicas de grupo e oficina de origami Apresentações em formato digital; Papel, fotocópias, cartolina, marcadores, computador, impressora, projetor multimédia, papel de cenário. - Aumento de atitudes não discriminatórias na comunidade reclusa; - Aumento da sensibilidade para a perceção de situações de risco; -Construção de uma escultura de tsurus para colocar na sala de visitas do EPC. Questionário final de avaliação aos formandos. Relatório da intervenção.

Programa da intervenção do Projeto “Mais Afetos, Menos Discriminação” – dezembro de 2014 Sessões (90’) 1ª sessão 2ª sessão 3ª sessão 4ª sessão 5ª sessão

Tema Apresentação do projeto; Relacionamentos e afetos. Direitos e deveres nas relações de afeto e compromissos; Violência de género. Oficina de origami (elaboração de tsurus e de mensagens sobre afetos). Oficina de origami (elaboração de tsurus e de mensagens sobre afetos). Informação e clarificação de conceitos sobre VIH/Sida e outras IST; Dinâmicas de estigma e discriminação associadas ao VIH/Sida.

115


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 6ª sessão 7ª sessão 8ª sessão

Elaboração de mensagens sobre não discriminação. Oficina de origami (elaboração de tsurus). Montagem da escultura.

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL

Com vista ao alargamento das ações da Luta contra a SIDA, bem como à crescente ação da Fundação no campo da Educação para a Saúde e Promoção da Qualidade de Vida, foi contactado o Estabelecimento Prisional de Setúbal, tendo sido realizada uma reunião no dia 24 de novembro de 2014, na qual foi proposto o desenvolvimento de um Programa de Intervenção junto de uma população de reclusos. A população‐alvo a que este Projeto se destina apresenta uma maior vulnerabilidade para comportamentos de risco, pelo que se prevê uma intervenção ao nível da informação e educação, bem como na adoção de comportamentos que promovam estilos de vida mais saudáveis. Prevê-se implementar este projeto a partir de fevereiro de 2015.

6. Projetos de intervenção DELEGAÇÃO DE COIMBRA A convite da Unidade de Reabilitação do Serviço de Psiquiatria do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, EPE, o professor Fernando Moreira Marques da Delegação/CAOJ de Coimbra realizou, no dia 30 de abril, no Hospital Sobral Cid uma

116


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

sessão de prevenção da infeção VIH/Sida, destinada a 32 pessoas portadoras de doença mental compensadas clinicamente. Esta sessão, com a duração de 3 horas, integrou-se na prioridade temática Igualdade de género, enquadrada no Programa Operacional Potencial Humano – Cidadania, Inclusão e Desenvolvimento Social – Qualificação das Pessoas com Deficiência e Incapacidades – Formação Profissional Inicial. Avaliação da entidade por mensagem de e-mail datada de13 de maio de 2014, enviada para a Delegação/CAOJ de Coimbra pela Técnica da Unidade de Reabilitação Paula Salete Barros:

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL Projeto Vida Segura A Delegação/CAOJ de Setúbal desenvolve um projeto de intervenção no âmbito do Programa ADIS-SIDA financiado pelo Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA da DGS intitulado “Projeto Vida Segura”. O projeto “Vida Segura, intervém junto de trabalhadores/as do sexo, (homens, mulheres e transexuais) que exercem a sua atividade em contexto de rua ou de interior (bares de alterne, apartamentos, pensões, casas de massagem, clubes de convívio e bares de swing) nos concelhos de Setúbal, Palmela, Alcácer do Sal e Grândola. A coordenação do Projeto é da responsabilidade da Dr.ª Filomena Frazão de Aguiar. No decorrer do ano de 2013/2014 deu-se continuidade às parcerias estabelecidas com a Câmara Municipal de Grândola, a Câmara Municipal de Setúbal, a Câmara Municipal de Palmela, a Agrupamento de Centros de Saúde do Alentejo Litoral e Agrupamento de Centros de Saúde de Setúbal e Palmela. No decorrer das ações desenvolvidas foram realizadas reuniões técnicas com as Câmaras de Setúbal e 117


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Grândola, bem como no que respeita à avaliação da Intervenção, foram dados a conhecer os resultados aos técnicos interlocutores das CM de Setúbal, Grândola e Palmela, assim como ao ACES do Alentejo Litoral. Foram ainda produzidos materiais informativos, através da parceria com CMS. O projeto Vida Segura fez intervenção junto de mulheres e homens em contexto de rua, em contexto de apartamento e ainda em estabelecimentos noturnos de diversão. A principal metodologia de intervenção foi o Sistema Outreach. A equipa realiza esta abordagem de duas formas: uma em que se desloca a pé, nas grandes áreas urbanas e outra através de uma equipa móvel que aborda os TS que se encontram nas estradas nacionais, ou em locais de sexo de interior, em zonas mais periféricas. Esta estratégia de proximidade contínua permite que os TS confiem na equipa que adota uma atitude neutra/sem julgamentos, que não interfere nos negócios, nem nas suas opções de vida. Esta equipa conta com um gabinete de retaguarda, nas instalações da Fundação em Setúbal e Lisboa, destinado a responder às necessidades de encaminhamento para a prestação de apoio psicológico, social, de saúde e aconselhamento, de forma sigilosa e confidencial, respeitando os códigos éticos e deontológicos As dificuldades com que o projeto se depara no decorrer da intervenção são analisadas em equipa e as estratégias adequadas à situação são delineadas e postas em prática. Relativamente aos objetivos delineados pelo Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infeção VIH/SIDA o projeto "Vida Segura", em termos concretos, contribui para a concretização dos seguintes objetivos: a) aumentar a proporção de indivíduos que adotam comportamentos preventivos face à infeção por VIH; b) assegurar o acesso universal ao conhecimento do estado serológico, reduzindo as barreiras à realização do teste voluntário e à efetivação de uma referenciação adequada; c) assegurar o acesso ao melhor tratamento disponível, de acordo com o estado da arte, a todas as pessoas infetadas por VIH; d) garantir a continuidade e qualidade dos cuidados de saúde e apoio social às pessoas com infeção por VIH. O projeto acompanhou de forma direta 143 pessoas durante o ano de 2014. 118


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Projeto “ A Brincar a brincar… Aprende-se!” Promoção de estilos de vida saudáveis. Objetivo geral: Projeto desenvolvido durante as férias de Verão (Julho e Agosto) e destina-se a crianças e jovens residentes em St. Amaro.  Promover competências de comunicação;  Desenvolver na criança a autoconfiança, de forma a interagir positivamente com o meio;  Fomentar a autoestima, valorizando os seus comportamentos mais assertivos e adequados;  Desenvolver na criança a capacidade para se exprimir revelando pensamentos, sentimentos e ações adequadas a diferentes contextos sociais;  Criar um espaço de partilha de experiências e troca de conhecimentos;  Criar um trabalho de grupo a partir de dinâmicas / jogos dramáticos explorados no projeto. Metodologias: I Intervenção em grupo apoiado em métodos ativos que promovam uma aprendizagem interativa e cooperativa;

Objetivos específicos:

Recursos:

Público-Alvo: Crianças e jovens dos 6 aos 14 anos. Humanos: 2 Formadores e 4 voluntários Físicos: Sala. Material de desgaste: papel A4, papel de cenário, lápis, canetas, marcadores, quadro Slip Sharp, etc. Materiais Material técnico: projetor multimédia, TV, VHS/DVD. N.º de participantes

N.º de Sessões

25

25

N.º de Horas 95

Fotos do projeto “ A Brincar a brincar… Aprende-se!”

119


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Ações de Informação – Roteiro Escolas na Luta Contra a Sida Área de intervenção:

Educação para a saúde

Público-alvo:

Comunidade em geral.

Objetivo geral:

Conteúdos:

Metodologias: Recursos

Humanos: Materiais:

Indicadores de avaliação:

Sensibilizar o público-alvo para a prevenção dos comportamentos de riscos associados ao VIH/SIDA, bem como noutras temáticas envolventes.  VIH/SIDA;  IST;  Comportamentos de risco;  Sexualidade;  Planeamento Familiar;  Prevenção dos comportamentos aditivos;  Outro temas associados. Intervenção em grupo apoiado em métodos ativos que promovam uma aprendizagem interativa e cooperativa. 2Técnico com formação em ciências sociais. Computador, Vídeo projetor, VHS/DVD, TV, Quadro. Aplicação de um questionário avaliativo dos conhecimentos adquiridos ao longo da sessão.

7. Campanhas de prevenção

DELEGAÇÃO DE LISBOA Dia dos Namorados (14 de fev.) e Dia Internacional do Preservativo (13 de fev.) No âmbito da comemoração do Dia Internacional do Preservativo (13 de fev.) e do Dia dos Namorados (14 de fev.) foram realizadas algumas iniciativas na Escola Secundária Camilo Castelo Branco (Carnaxide - Oeiras), na EBI Patrício Prazeres (Lisboa), na EB 2,3 de Sto. António (Parede), na Escola Secundária Amélia Rey Colaço (Linda-a-Velha - Oeiras), no Agrupamento de Escolas Eça de Queirós (ESEQ e EBI/JI Vasco da Gama), na Escola Secundária de Pedro Nunes (Lisboa) e na EB 2,3 Avelar 120


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Brotero (Odivelas). Na Escola Secundária Camilo Castelo Branco (ESCCB) foram realizadas, no dia 13 de fevereiro, 3 sessões, de 90 minutos cada, para as 5 turmas do 10º ano de escolaridade (2 turmas das 10h-11h30; 2 turmas das 11h45-13h15) e 1 turma das 13h45-15h15. Estiveram envolvidos mais de 100 alunos. Na Escola Básica Integrada Patrício

Prazeres

(EBIPP)

foram

implementadas, também no dia 13 de fevereiro, 2 sessões, de 90 minutos cada, uma numa turma do 7º ano e outra numa turma do 9º ano. Neste dia, foram ainda realizadas na Escola Básica 2,3 de Santo António duas sessões de 90 minutos - uma com duas turmas de 9º ano e outra com mais uma turma de 9º ano. Nos dias 14 e 17 de fevereiro, foram realizadas 4 sessões de 90 minutos na Escola Secundária Amélia Rey Colaço que envolveram as cinco turmas de 9ºano da escola. Todas estas sessões se intitularam “Amor com Amor se Paga”, cujo roteiro se pode ver na figura. Seguem-se algumas fotografias das sessões realizadas na Escola Secundária Camilo Castelo Branco e na Escola Secundária Amélia Rey Colaço:

121


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Love is de Best Protection No dia 13 de fevereiro, como resultado da participação da FPCCSIDA na iniciativa promovida pela AIDS Heathcare Foundation – “LOVE is the Best Protection”, foram realizadas algumas atividades. No Agrupamento de Escolas Eça de Queirós formaram-se corações à volta de preservativos; na EB 2,3 de Santo António, construíram-se laços com preservativos e na Escola Secundária de Pedro Nunes foram elaborados e distribuídos aos alunos corações em origami. Adicionalmente, foram construídas caixas especialmente para esta iniciativa, nas quais se disponibilizaram 122


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

preservativos: duas delas foram colocadas na sala de professores/as das referidas escolas secundárias e outra, decorrente da parceria que a FPCCSIDA tem com a Florista Romeira Roma, foi entregue na mesma para ser disponibilizada pelos seus clientes.

Na Escola Básica Integrada Patrício Prazeres, no âmbito destas comemorações, montou-se ainda uma banca para sensibilização relativamente ao VIH e à SIDA e outras IST e à importância do uso do preservativo. Alunos e alunas do 3º ciclo que demonstraram interesse levaram um preservativo. 123


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Na Escola Básica 2,3 Avelar Brotero (Odivelas) foram realizadas 5 sessões de sensibilização, de 90 minutos cada, sobre o tema “Sexualidade e Afetos” que já foram descritas anteriormente. Feira da Saúde na ES Amélia Rey Colaço Além das campanhas realizadas nas escolas no âmbito da comemoração do Dia Mundial da Luta contra a Sida, do Dia dos Namorados e do Dia Internacional do Preservativo, já descritas anteriormente, no dia 20 de março de 2014, o CAOJ de Lisboa participou na Feira da Saúde realizada na Escola Secundária Amélia Rey Colaço, tendo sido disponibilizados materiais de informação e divulgação e feita a sensibilização de estudantes de várias turmas relativamente às IST e aos métodos contracetivos, em particular o preservativo. Adicionalmente, foram esclarecidas as dúvidas sobre questões de sexualidade colocadas por alunos e alunas. De forma semelhante, nos dias 6 e 7 de maio, O CAOJ de Lisboa participou na iniciativa Dias da Saúde – “Rica Saúde”, da Escola Secundária Camilo Castelo Branco. Seguem-se algumas fotografias ilustrativas da participação nestas iniciativas:

Festa dos Santos Populares na Zona histórica de Lisboa – Penha de França Foi realizada, no passado dia 12 de junho, véspera de Stº António, a campanha de sensibilização, em contexto recreativo, para a importância do Uso do Preservativo. Nesta iniciativa, que decorreu das 22h às 02h da manhã, foram distribuídos cerca de 4 mil preservativos e 2 mil postais alusivos ao tema, pelas ruas circundantes às imediações da nossa Sede (Penha de França).

124


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

O feedback das pessoas que abordamos nas ruas foi muito positivo e muitas foram as felicitações relativas à iniciativa.

Festa dos Santos Populares na Freguesias de Lisboa – Benfica

Também no âmbito da sensibilização e mobilização da comunidade na luta contra a Sida desencadeámos, no Arraial promovido pela Junta de Freguesia de Benfica, a distribuição de cerca de 2500 preservativos e postais alusivos à quadra festiva. Esta iniciativa decorreu entre as 21h e as 24h do dia 27 de Junho e a recetividade foi também bastante positiva.

125


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Semana do Teste VIH/SIDA - 21 a 28 de novembro Associando-se a diversas iniciativas nacionais e europeias, a Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA" levou a cabo um conjunto de campanhas locais que, na cidade de Lisboa, estiveram a cargo do CAOJ de Lisboa. As campanhas realizaram-se em vários pontos da cidade, entre os dias 21 e 28 de Novembro. Estas campanhas inserem-se na missão da Fundação e visam a mobilização da comunidade na luta contra o VIH/Sida. Operacionalizaram-se através da sensibilização e divulgação de materiais informativos, de aconselhamento e da realização de testes à população que voluntária e confidencialmente o pretenderam. Mapa das Campanhas realizadas durante a Semana do Teste VIH/Sida Dias

Locais das campanhas

24 novembro

Estação Oriente/C.C. Vasco da Gama

25 novembro

Av. Almirante Reis/Martim Moniz

26 novembro

Cidade Universitária

27 novembro

Estação de Entrecampos

28 novembro

Estação Campo Grande/Estádio Alvalade

Horário

Das 10h às 12h30min e das 14h30min às 17h

Campanha de sensibilização para o VIH/SIDA No âmbito da Festa de Natal do Centro Educativo Navarro Pais, o CAOJ de Lisboa levou a cabo uma ação de sensibilização e mobilização da comunidade

126


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

educativa deste estabelecimento para a luta contra o VIH/Sida, através da distribuição de panfletos e preservativos aos pais e familiares de jovens institucionalizados/as. Ano do Voluntário – Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa No dia 1 de outubro, o CAOJ de Lisboa esteve presente na Feira das Instituições onde fez uma breve apresentação do projeto PNEP, com o objetivo de angariar voluntários/as. Disponibilizou uma banca de divulgação onde distribuiu panfletos e preservativos.

DELEGAÇÃO DO PORTO Durante o ano de 2014, a Delegação/CAOJ do Porto realizou as seguintes campanhas de prevenção da infeção VIH/Sida: 

Campanha de prevenção do VIH/SIDA envolvendo cerca de 3500 pessoas da comunidade portuense, na zona da baixa do Porto, no dia 13 de fevereiro, véspera do Dia dos Namorados;

Campanha de prevenção do VIH/SIDA dirigida a cerca de 2500 estudantes universitários, no dia 8 de maio, durante a semana da Queima das Fitas;

Campanha de prevenção do VIH/SIDA no Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo, no dia 9 de junho;

Semana do teste rápido para deteção do VIH, realizada em contextos universitários: Universidade Lusíada, Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação e ISMAI;

Semana do teste rápido do VIH realizada na cidade da Maia;

Comemoração do 1 de dezembro com a inauguração de um mural alusivo à prevenção do VIH, realizado em parceria com o Porto Lazer - Arte Urbana na baixa do Porto, principal zona de diversão noturna da cidade;

Peditório de beneficência, no dia 1 de dezembro, na rua de Santa Catarina, feito por professoras, voluntários e estagiárias da Fundação com a colaboração da turma 7ºA da Escola Secundária Filipa de Vilhena e da empresa Ana Boleicha, Lda. promotora de voluntariado, sediada em Leiria.

127


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Exposição "30 Anos de Sida 20 Anos de Luta pela Vida” Durante os meses de Janeiro e Fevereiro de 2014, esteve patente no átrio do Hospital da Universidade de Coimbra a exposição "30 Anos de Sida 20 Anos de Luta pela Vida” inaugurada a 1 de Dezembro de 2013, no âmbito do Dia Mundial de Luta Contra a SIDA. Esta exposição resultou de uma parceria entre a Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a Sida”, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), com a colaboração da Escola Secundária José Falcão e da Cáritas Diocesana de Coimbra. Numa perspetiva de interação com o público, durante este período, foram sendo dinamizados vários painéis com informação relativa à temática. Em janeiro de 2014 realizaram-se duas visitas guiadas, uma por solicitação do Colégio Apostólico da Imaculada Conceição de Cernache envolvendo turmas do 9º ano, e outra da Escola Tecnológica e Profissional de Pedrógão Grande, destinada a turmas do curso profissional de Técnico Auxiliar de Saúde, abrangendo um total de 75 estudantes.

Aspeto geral da exposição “30 anos de SIDA, 20 ano de LUTA pela VIDA”

128


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Aspeto geral da Exposição

Dia Internacional do preservativo - "O Amor é a melhor proteção" A Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA" associou-se à AHF AIDS Healthcare Foundation na comemoração do Dia Internacional do Preservativo, dia 13 de fevereiro de 2014, que este ano tem como slogan "O Amor é a melhor proteção". Esta campanha realizou-se no Centro Hospitalar de Coimbra durante a Exposição “30 anos de Sida, 20 anos de luta pela vida” com a distribuição de panfletos e preservativos.

Campanha realizada no Centro Hospitalar Universitário de Coimbra

129


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Dia de S. Valentim Comemoração do dia 14 de fevereiro de 2014 – “Dia dos Namorados”, com a construção de um mural e distribuição de preservativos na Escola Secundária José Falcão. Esta iniciativa foi uma organização conjunta com a Associação de Estudantes da Escola e integrada no Projeto de Educação para a Saúde. “Diga sim à Prevenção, Diga não à Discriminação” A Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA" associou-se mais uma vez ao Hospital Pediátrico de Coimbra e à Associação de Saúde Infantil de Coimbra (ASIC) na realização da exposição de trabalhos de alunos e alunas das Escola EB 2,3 Poeta Manuel da Silva Gaio e Escola EB 2,3 Rainha Santa Isabel, parceiras do Projeto Nacional de Educação pelos Pares. Esta exposição integrou-se no 2ºconcurso com o lema “Diga sim à Prevenção, Diga não à Discriminação”, cujo objetivo é sensibilizar para a prevenção da infeção VIH/Sida e para a não discriminação das pessoas afetadas. O CAOJ de Coimbra dinamizou o concurso nas escolas e participou na organização da exposição.

Abertura oficial da exposição, dia 25 de março de 2014

130


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Projeto "Há Noites Assim" O CAOJ de Coimbra participou, mais uma vez, no Projeto "Há Noites Assim" no recinto da Queima das Fitas de Coimbra de Coimbra, no dia 13 de maio de 2014, em parceria com a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e com a Rede Social da Câmara Municipal de Coimbra. Este Projeto de intervenção socioeducativa destina-se à informação e sensibilização para a prevenção dos comportamentos de risco em contexto recreativo universitário.

Equipa do CAOJ de Coimbra e Voluntárias a dinamizarem atividades na tenda do Projeto Há Noites Assim

131


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Campanha no Estabelecimento Prisional de Coimbra - “Em busca da qualidade de vida” Exposição de trabalhos na “Janela Temática de junho de 2014” e distribuição de folhetos informativos sobre as temáticas: alimentação saudável, consumo de substâncias psicoativas, infeções sexualmente transmissíveis e infeção VIH/Sida, elaborados pelos reclusos no âmbito do projeto “Em busca da qualidade de vida”.

Folheto “Alimentação Saudável

132


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Folheto “Consumo de substâncias psicoativas”

133


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Folheto “Infeções sexualmente transmissíveis”

134


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Folheto “VIH/Sida”

135


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Dia Mundial de Luta Contra a Sida – 1 dezembro de 2014 Estabelecimento Prisional de Coimbra Numa parceria entre a Delegação/CAOJ de Coimbra e o Estabelecimento Prisional de Coimbra (EPC), foi inaugurada, no dia 1 de Dezembro, uma escultura de tsurus em origami na sala de visitas deste Estabelecimento e realizada uma largada de pombos junto à porta principal. Os tsurus foram elaborados pelos reclusos do EPC durante as sessões de intervenção da Delegação/CAOJ de Coimbra no âmbito do Projeto “ Mais afetos, Menos discriminação” que decorreu ao longo do mês de novembro 2014 e ainda por estudantes de uma escola do 3º ciclo. Esta campanha teve como principal finalidade, sensibilizar a comunidade - e em especial as pessoas que visitam os reclusos - para a infeção por VIH, através de mensagens de afeto e não discriminação.

Escola Superior de Educação de Coimbra Dinamização de uma banca de prevenção pela estudante voluntária Júlia Pereira. Dessa banca constou a distribuição de panfletos informativos, sensibilização para a necessidade de todas as pessoas realizarem o teste para deteção do VIH e distribuição de preservativos.

136


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Escola Secundária José Falcão Dinamização de uma banca de prevenção na Escola Secundária José Falcão pela docente da Delegação/CAOJ de Coimbra onde foram distribuídos panfletos informativos

Distribuição de preservativos em bares da cidade Distribuição de preservativos, folhetos informativos e bases para copos em dois bares da cidade de Coimbra. Esta campanha foi dinamizada pela estudante voluntária Júlia Pereira e contou com a colaboração da Associação de Estudantes da Escola Superior de Educação de Coimbra e da voluntária Mariela Ramos.

Caixa com preservativos num dos bares da cidade

137


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Orange Day - Escola Secundária José Falcão. Por proposta da equipa da Delegação/CAOJ de Coimbra, foi dinamizada a iniciativa da OrangeDay – um dia para a ação, um alerta da violência contra mulheres e raparigas que foi integrada no Plano Anual de Atividades da Escola Secundária José Falcão. Esta iniciativa contou com a intervenção de estudantes, docentes de artes visuais, equipas do PES e da biblioteca escolar. As atividades decorreram da seguinte forma: - Dia 25 novembro - exposição: "Hoje é o dia" - Dia 1 de dezembro: O VIH e as formas de violência de género. - Dias 25 de novembro a 10 de dezembro "Todos os dias são o DIA", com acontecimentos espalhados pela escola onde predominam as mensagens laranja. - Dia 10 de dezembro: "Um rosto por 1 direito", dia dos direitos humanos.

138


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Fotografias representativas das várias iniciativas dos OrangeDAy

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL Love is the best protection No dia 13 de fevereiro de 2014, para assinalar o dia Internacional do Preservativo, a Delegação/CAOJ de Setúbal dinamizou diversas atividades, tais como distribuição de preservativos e de material informativo na baixa da cidade de setúbal e no Instituto Politécnico de Setúbal. Esta iniciativa partiu do GAT, que nos cedeu materiais e teve como slogan internacional “LOVE is the best protection”.

Campanha na baixa da cidade de Setúbal

139


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Campanha na Escola Superior de Educação de Setúbal

Campanha do “Dia dos Namorados” No dia 14 de fevereiro foi assinalado o dia dos namorados com atividades específicas enquadradas no projeto de Educação pelos Pares.

Campanha do “Dia dos Namorados”

140


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Dia Mundial da Luta contra a SIDA No âmbito do Dia Mundial da Luta Contra a SIDA, a Delegação/CAOJ de Setúbal dinamizou, no dia 27 de novembro de 2014, na Escola Secundária de Bocage, uma campanha de prevenção do VIH/Sida. Foi montada uma banca de divulgação com atividades diversas: jogos de perguntas, pinturas, cartazes,

atividades de

sensibilização, prospetos, folhetos e cartazes de mensagens feitos pelos estudantes, bem como a distribuição de laços, pins e pulseiras com o objetivo de sensibilizar e informar sobre a temática do VIH/SIDA.

Campanha na Escola Secundária de Bocage

141


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Na Semana Europeia do teste de VIH que decorreu de 21 a 28 de novembro, foram divulgados os cartazes do mapeamento dos locais de rastreio comunitário, pelas várias escolas da cidade e também em todas as escolas do Instituto Politécnico de Setúbal. Foram ainda distribuídos e afixados cartazes

pelos estabelecimentos

comerciais da baixa da cidade.

Semana Europeia do Teste VIH

No dia 27 e 28 de novembro, através de uma banca localizada na Escola Superior de Educação e na Baixa da Cidade, promoveu-se a sensibilização da importância da realização de testes rápidos do VIH e a distribuição de preservativos. Da responsabilidade da psicóloga Vera Carinhas foram realizados 140 testes rápidos de VIH, dos quais 85 do sexo feminino e 55 do sexo masculino, em pessoas com mais de 20 anos de idade. As que tiveram resultado reativo foram devidamente encaminhadas para consulta médica. No dia 13 de dezembro de 2014 (sábado) realizou-se uma ação de sensibilização para a prevenção do VIH no ginásio Proaventuras em Setúbal. Esta ação foi inserida no openday do ginásio. Dada a proximidade do Natal foi exposta uma pequena árvore de natal com preservativos, uma banca de material informativo e foram distribuídos preservativos num ambiente promotor de saúde e com muito exercício físico. A banca manteve-se até ao início do mês de janeiro.

142


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Objetivo: Sensibilizar o público-alvo para a prevenção do VIH/SIDA. Recursos Material de divulgação/sensibilização materiais N.º de formandos

N.º campanhas

N.º de Horas

Não contabilizáveis

5

25

Fotos das Campanhas de Prevenção

143


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

8. Ações de carácter institucional e sociocultural DELEGAÇÃO DE LISBOA Participação em reuniões e eventos: 

Participação na apresentação “Public Health Iniciatives”, promovida pelo EEA Grants e ACSS no Auditório do Infarmed, com o objetivo de divulgar a abertura de candidaturas a fundos na área de projetos ligados à saúde (16 janeiro);

Participação na Entrega dos Prémios Gilead – Infarmed (22 de Janeiro);

Participação no grupo de encontro de Informação/sensibilização do Fórum Nacional do Álcool e da Saúde (20 e 27 de janeiro);

Participação na apresentação das caraterísticas das candidaturas ao Programa Cidadania Ativa, na Fundação Calouste Gulbenkian (11 de março);

Participação na 17ª Reunião Plenária do Conselho Local da Ação Social de Lisboa (12 de março);

Participação no Lançamento da Campanha 100% Zero, no Instituto da Juventude (27 março);

Participação no “BIPP – Patient Innovation”, que decorreu no Auditório do ACP (29 de março);

Participação na Conferência “Política de Droga e Saúde”, que decorreu na Assembleia da República (1 abril);

Reunião na Universidade Nova para estabelecimento de Protocolo (8 abril);

144


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Participação na Conferência “Portugal e o VIH/SIDA 30 anos de mitos”, promovida pela Notícias Magazine com o apoio da Gilead, no Auditório do Diário de Notícias (11 de abril);

Participação no Lançamento do Livro “Não Amarás” do Professor Doutor Sócrates Nolasco em parceria com o grupo GEISEXT do IEUL (15 de abril);

Participação na reunião de trabalho do Fórum Nacional do Álcool e da Saúde – Assinatura de compromissos (8 de Maio);

Compromisso assumido pela FPCCSIDA no FNAS

Reunião com Coordenadora do Centro Educativo Padre António Oliveira (30 de abril);

Participação no Fórum Municipal da Interculturalidade 2014, que decorreu no Fórum Lisboa (10 de maio);

Participação no Seminário “Movimento contra o Discurso de Ódio”, no Auditório Pró-Dignitate (24 de maio);

Participação no II Congresso de Terapia Sintónica, na Faculdade de Farmácia de Lisboa (25 de maio);

Participação numa Conferência sobre Jovens em Acolhimento Institucional, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian (29 de maio);

Participação no Fórum Inovar para a Sustentabilidade Social, que teve lugar no auditório Mar da Palha, no Oceanário de Lisboa. (29 de Maio);

145


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Participação na Conferência sobre Tráfico de Seres Humanos, promovida pela APF e que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian (30 de maio);

Reunião com o Presidente da Junta de Freguesia da Estrela (5 de junho);

Participação no I Encontro dos Direitos das Crianças em Lisboa 2014 – Etapa I – Teatro Aberto, Lisboa. (6 de Junho);

Participação na Reunião de Trabalho com a equipa do CAOJ de Coimbra no âmbito do projeto “Crianças, filhas de mães seropositivas”, HUC, Coimbra. (9 de Junho);

Participação na sessão pública do Estudo de Avaliação do Impacto da Lei nº.60/2009, Auditório da Escola Secundária Vergílio Ferreira, Lisboa. (16 de Junho);

Participação no I Encontro dos Direitos das Crianças em Lisboa 2014 – Etapa II, no Auditório dos Serviços Sociais da CML, em Lisboa (19 de Junho);

Participação no Patient Summit, na Fundação Oriente em lisboa (20 de Junho);

Participação no Fórum “Oportunidades e desafios da empregabilidade dos refugiados em Portugal”, Auditório da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Campo Santa Clara, 20 de junho de 2014, organização IEPF – Departamento de Desenvolvimento Social e Programas;

Participação nas reuniões da Comissão Social da Junta de Freguesia da Estrela;

Reunião com o Presidente da Junta de Freguesia da Estrela e a Responsável pelo Pelouro Social;

Reuniões com docente da parte técnica do Curso de Operador de PréImpressão no Centro Educativo Padre António Oliveira;

Reunião com o Secretário-Geral do FNAS (23 de julho);

Realização de reuniões da equipa da Delegação/CAOJ de Lisboa com as Escolas parceiras no Projeto de Educação pelos Pares, para programação das atividades no ano letivo 2014/2015;

Reunião com a Associação de Estudantes do FMH para angariação de voluntários (18 de setembro);

Reunião com a Faculdade de Economia da Universidade Nova e Lisboa no âmbito da abertura do “Ano do Voluntariado” (18 de setembro);

Reunião com Casa Pia de Lisboa (25 de setembro); 146


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Reunião com a Comissão Comemorativa do Centenário da Faculdade de Farmácia de Lisboa (15 de outubro);

Reuniões periódicas com Coordenadores da Saúde das Escolas onde desenvolvemos o projeto de Educação pelos Pares.

Audiência com a Sra. Presidente da Comissão Parlamentar de Saúde, Senhora deputada Maria Antónia Almeida Santos, no dia 16 de outubro, na Assembleia da Republica;

Participação no JIVE (Justice Involving Volunteers in Europe) nos dias 23 e 24 de outubro no ISCTE;

Participação na sessão publicada apresentação dos resultados do estudo “VIH/SIDA Financiamento e Contratualização assente na Eficiência e Qualidade”, no dia 28 de outubro no auditório do INFARMED;

Participação no Congresso da ANEM, nos dias 8 e 9 de novembro, no Hospital de Santa Maria;

Participação no XXVII Encontro das Taipas “Envelhecimento e Dependências” no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE) nos dias 13 e 14 de novembro;

Reunião do Conselho Nacional para os Problemas da Droga, das Toxicodependências e do uso Nocivo do Álcool, 18 de novembro, na sede do SICAD em Lisboa;

Participação na apresentação do projeto “Vamos ganhar defesas” da Liga Portuguesa Contra a Sida, no Palácio Conde de Penafiel, no dia 24 de novembro;

Participação no XI Congresso Internacional do CPR “Mediterrâneo, a última Fronteira” no dia 27 de novembro;

Participação na conferência “Visão Solidária 2014”, na Associação Comercial de Lisboa, no dia 27 de novembro;

Participação na apresentação do projeto “Cidadania Ativa 65+” em Odivelas no dia 28 de novembro;

Participação na “Comemoração do Dia Internacional dos Voluntários” no dia 5 de dezembro no Salão Nobre dos Paços do Concelho;

147


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Participação nas 1as Jornadas de Trabalho – A Igualdade de Género nas Organizações da Economia Social e Solidária – no dia 12 de dezembro no Centro de Exposições de Odivelas;

Participação no 1º Plano de Prevenção e Combate à Violência Doméstica do Género do Município de Lisboa no dia 16 de dezembro;

Participação na sessão pública do Centro Anti Discriminação- ADIS/SIDA a Cidadania Ativa - na sede da SER+ em Cascais, no dia 17 de dezembro;

Participação na apresentação pública do relatório “Portugal – Infeção VIH/SIDA e Tuberculose em Números 2014”, no dia 19 de dezembro.

DELEGAÇÃO DO PORTO Participação em reuniões e eventos: 

Festa de Natal “Lanche dos Afetos” do Projeto “Crianças, filhas de mães seropositivas” que se realizou no dia 13 de dezembro pelas 15h.30, na Escola EB2,3 Manoel de Oliveira, em Aldoar, no Porto. Teve como finalidade proporcionar convívio e partilha de experiência às famílias que vivem com VIH/SIDA, oferecer materiais angariados pela Fundação, nomeadamente roupas, brinquedos, material didático e alimentos. Participaram as crianças seropositivas dos Hospitais Maria Pia e S. João do Porto e sua família nuclear (total: 80 pessoas). A equipa da Delegação/CAOJ Porto decorou o salão disponibilizado para a festa, assim como a sala destinada ao lanche. Os espaços ficaram muito acolhedores. A animação da festa contou com a participação de vários grupos e pessoas singulares, a saber: -Cântico a solo acompanhado de acordeão pelo voluntário Bruninho; - TUNA de Medicina; - Grupo musical da escola “O Mestre” de Ermesinde; - Mãe Natal. O lanche estava muito variado e recheado. As famílias ficaram muito satisfeitas e referiram que nestas festas promovidas pela Fundação não sentem qualquer tipo de discriminação.

Feira Social da Fontinha, a qual decorreu no Centro de Recursos Sociais do Porto no dia 22 de dezembro.

148


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE COIMBRA Participação em reuniões e eventos: 

Participação no II seminário Sexualidade, Género e Educação (SGE) que decorreu nos dias 14 e 15 julho na ESEC e no Pólo I da FPCEUC:

Participação na comemoração dos “20 anos de prevenção da transmissão vertical, 20 anos da consulta de doenças infecciosas no HP” que decorreu no dia 10 de Dezembro de 2014 no Auditório do Hospital Pediátrico de Coimbra.

Participação nas I Jornadas Científicas sobre Trabalho Sexual em Portugal que decorreu no dia 17 de Dezembro 2014 no Centro de Estudos Sociais em Coimbra.

Realização de reuniões com a Diretora do Centro Educativo dos Olivais e com a equipa de docentes em serviço na instituição.

Realização de reuniões com as Coordenações de Educação para a Saúde das escolas parceiras do Projeto Nacional de Educação pelos pares.

Participação nas I Jornadas Científicas Sobre Trabalho Sexual em Portugal, que se realizaram no dia 17 de Dezembro de 2014, no Centro de Estudos Sociais – Coimbra.

Reuniões com Instituições parceiras:

Coordenadora da Educação para a saúde da Escola EB 2,3 Rainha Santa Isabel

Coordenadora da Educação para a saúde Escola EB 2,3 Poeta Silva Gaio

Coordenadora da Educação para a saúde Escola EB 2,3 Martim de Freitas

Reuniões de Conselho de turma da Escola EB 2,3 Martim de Freitas

Coordenadora da Educação para a saúde Escola Secundária Jaime Cortesão

Coordenadora da Educação para a saúde Escola Secundária José Falcão

Coordenadora da Educação para a saúde Escola Secundária D. Maria

Responsáveis pela Consulta de infecciologia do Hospital Pediátrico de Coimbra

Responsável da Educação para a Saúde da Escola Secundária de Penacova

Responsáveis do Centro Educativo dos Olivais

Responsáveis do Estabelecimento Prisional de Coimbra

Responsável da Federação Portuguesa de Columbofilia

Responsáveis da Câmara Municipal de Coimbra 149


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL Participação em reuniões e eventos: A Fundação Portuguesa a Comunidade Contra a Sida é membro da Rede Social do Concelho de Setúbal e tem assento no Concelho Local de Ação Social (CLAS). A Delegação/CAOJ de Setúbal participou nas reuniões de planificação e implementação do Plano de Ação, nos dias 13 de março e 25 de Julho de 2014.

9. Atividade científica DELEGAÇÃO DE LISBOA III Congresso Internacional Sexualidade e Educação Sexual Apresentação do “Relato de uma Experiência de Educação Sexual na Escola como Pares Educadores” no III Congresso Internacional Sexualidade e Educação Sexual, que teve lugar no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, no dia 10 de julho de 2014.

Apresentação da comunicação “Sexualidade o que é isso? Representações de alunos do 3º ciclo do Ensino Básico” no III Congresso Internacional Sexualidade e Educação Sexual, que teve lugar no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, no dia 11 de julho de 2014.

150


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Conferência VIH e os Afetos A Presidente do Conselho de Administração da Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA" Dra. Filomena Frazão de Aguiar participou na Conferência VIH e os Afetos, promovida pela Assembleia da República, a SER+ (Associação para a Prevenção e Desafio à Sida) e a M.A.I.S. (Mulheres Ativistas com Intervenção na Sociedade) para assinalar o Dia Mundial de Luta Contra a SIDA - 1 de Dezembro. A Conferência decorreu na Sala do Senado da Assembleia da República onde estiveram presentes elementos do CAOJ Lisboa.

Mesa do 1º Painel: “Eu, a Família e os Amigos”

151


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

“Crianças com Sida ignorá-las é destruir o seu futuro” A Doutora Paula Almeida Costa dinamizou uma palestra com os temas “VIH/SIDA em números - Panorama em Portugal; importância da realização do teste e da utilização do preservativo; o trabalho da FPCCSIDA na comunidade”, que se realizou no dia 15 de dezembro, na FNAC do Leiria Shopping.

Comunicações em formato de poster Aguiar, Costa, & Cardoso – Ser seropositivo não tem que ser Negativo, Patient Summit 2014. Aguiar, Venceslau, Costa, Bettencourt, Delgado & Mateus – “A Festa da Joana”, IX Congresso Iberoamericano de Psicologia. Aguiar, Costa & Cardoso - Conferência VIH e os Afetos 1º de dezembro, Assembleia da Republica.

152


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DO PORTO 

VIII Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social, com a temática “Valores orientadores: da intervenção social no contexto do VIH”, a 4 de fevereiro no Grande Hotel do Porto;

3º sessão do «Duas de Letra», sob o tema «Juventude e Sexualidade», no dia 24 de maio, pelas 17h, no Palácio das Artes – Fábrica de Talentos, no Largo de S. Domingos, Porto, promovido pela Fundação da Juventude;

 Submissão de dois Pósteres no V Congresso Iberoamericano de Animação Sociocultural do Instituto Politécnico de Leiria, realizado nos dias 16 a 19 de outubro de 2014, com os títulos: - Opinião de alunos/alunas do 3º ciclo sobre o Teatro Universitário de Intervenção do Centro de Aconselhamento e Orientação de Jovens do Porto da FPCCSIDA; - Perceção dos adolescentes sobre o início da vida sexual no âmbito do PNEP.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA, PORTO E DE LISBOA 4 Jornadas Nacionais Ético-Jurídicas da Infeção VIH/SIDA

153


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Numa organização conjunta entre as delegações da Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA" (FPCCSIDA), o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e o Centro de Direito Biomédico da Universidade de Coimbra, decorreram, no dia 11 de dezembro de 2014, as 4as Jornadas Nacionais Ético-Jurídicas da Infeção VIH/SIDA com o lema “Novos Problemas do VIH e SIDA”. Cartaz de divulgação das jornadas

Panfleto informativo e de divulgação das jornadas

as

4 Jornadas Nacionais Ético-Jurídicas da Infeção VIH/SIDA.

154


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Panorâmica da sala

10. Acompanhamento e supervisão de estágios curriculares DELEGAÇÃO DO PORTO No ano 2014 foram renovados e estabelecidos protocolos com Universidades Privadas e Universidades Pública, a saber: - Universidade Lusíada no Porto; - Universidade Fernando Pessoa no Porto; - Instituto Superior da Maia; - Instituto Politécnico de Leiria; - Escola Superior de Estudos Industriais e do Porto; - Universidade do Porto; - Universidade de Aveiro. Os protocolos estabelecidos visaram a realização de 10 estágios curriculares, sendo dois de Criminologia, dois de Psicologia Forense, dois de Psicologia da Justiça, um de Psicologia Clínica, um de Recursos Humanos, um de Ciências da Educação e um de Educação Social. Os estagiários e estagiárias dinamizaram algumas BUI no Projeto Nacional de Educação pelos Pares, tanto em escolas como em outras instituições e colaboraram na elaboração de material pedagógico de suporte às sessões. Estes estágios foram supervisionados pela Dra. Filomena Frazão de Aguiar e pela Dra. Isabel Pires.

155


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

11. Assistência psicológica, social e ético-jurídica Atendimento Presencial

Continua a ser um dos objetivos do Núcleo de Aconselhamento do CAOJ funcionar como um centro integrado de intervenção junto das necessidades dos jovens e de suas famílias em especial dos/das infetados ou afetados pela problemática do VIH e Sida. Na sequência do trabalho desenvolvido quer nas escolas quer noutros contextos temse vindo a constatar que os/as jovens se vêm defrontados com situações de risco e de instabilidade psicológica e emocional, que são muitas vezes resultados de um deficiente acompanhamento familiar. Para tal, sempre que são registadas situações problemáticas, quer os jovens quer as suas famílias são encaminhados para o Núcleo de Apoio e Aconselhamento do CAOJ das diferentes delegações, em que os Psicólogos da Fundação, auxiliados pelos restantes técnicos da equipa, prestaram apoio psicológico, psicoterapêutico e social a utentes que apresentavam diferentes problemáticas estando 955 famílias a serem apoiadas nas delegações (338 Lisboa, 267 Porto, 228 Coimbra e 122 Setúbal). Este ano, foi prestado apoio a nível jurídico a cerca de 290 utentes e seus familiares (56 Lisboa, 64 Porto, 78 Coimbra, 92 Setúbal). Aos adolescentes e jovens, orientados para o CAOJ pelos técnicos das Escolas, por apresentarem comportamentos disruptivos, dificuldades de relacionamento com adultos e mesmo com os seus pares, foi prestado apoio psicológico individual nos CAOJ/delegações. A 236 dos utentes, não infetados pelo VIH/Sida, mas afetados, foi prestado apoio psicológico, com a duração média de 8 sessões por utente. A 120 dos utentes foi prestado aconselhamento psicológico, 116 consultas pré e pós teste, em contexto restrito, 22 com resultado positivo para o VIH. A Fundação para além do apoio psicológico ao domicílio a utentes séniores acamados ou com pouca mobilidade, acompanhou também utentes no levantamento e toma dos antirretrovirais, suportando as despesas das suas deslocações e alimentação. Este ano de 2014, a Fundação iniciou a consulta específica para casais homossexuais, vítimas de violência doméstica.

Aconselhamento e Orientação via telefónica

Registou se um aumento considerável 867 aconselhamentos, a utentes entre os 16 e os 78 anos, mais homens, os quais procuravam informação sobre vias de transmissão do VIH, 156


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 sintomas da infeção, locais onde fazer os testes, bem como apoio para o agendamento urgente de consulta nos serviços de infeciologia. Algumas pessoas pediram informações sobre “lares” que acolham pessoas com Sida. Destes utentes, 36, seropositivos, telefonavam com alguma regularidade para “desabafarem” com as técnicas, pois vivem em zonas do interior do país, e em condições socioeconómicas desfavorecidas, o que inviabiliza uma relação próxima com os técnicos dos hospitais que os acompanham. Registaram-se muitos pedidos de séniores portadores do VIH e SIDA para apoio psicológico ao domicílio uma vez que alguns estavam acamados ou com muito pouca mobilidade. Registaram-se, também, muitos pedidos para a entrega da TAR ao domicílio em pessoas que residem em meios rurais.

DELEGAÇÃO/CAOJ DO PORTO A Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA” - Delegação da região norte e o CAOJ do Porto - desenvolvem duas atividades no âmbito do apoio psicossocial, a saber: - Intervenção psicológica individual e/ou em grupo a doentes seropositivos e seus familiares com o objetivo de ajudar a lidar com a doença, de forma a potenciar o bem-estar psicológico, capacitando com mecanismos e estratégias capazes de promover uma atitude de aceitação face a estados emocionais negativos e a sentimentos de isolamento; - Apoio psicológico no domicílio a seniores infetados pelo VIH/SIDA e outros utentes seropositivos incapacitados ou com pouca mobilidade.

DELEGAÇÃO/CAOJ DE SETÚBAL Atendimento - e encaminhamento sempre que necessário - de jovens adolescentes: esclarecimento, apoio e aconselhamento relativo a problemáticas relacionadas com a sua saúde, sexualidade e relacionamento interpessoal. Continuação de desenvolvimento do gabinete de apoio e aconselhamento a jovens e portadores de VIH e família, pela psicóloga da DDS.

157


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Aumento considerável de trabalhadoras de sexo, imigrantes, em contexto de interior e ou em apartamentos e casas de alterne.

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Gabinete de Apoio e Aconselhamento Público-alvo: Frequência Local de realização:

População em geral. 6 Horas semanais (Segundas e Quartas) Sede da Delegação Madeira da F. P. C.C. SIDA.  Diagnosticar situações-problemas, de modo a elaborar estratégias e desenvolver ações tendentes a melhorar genericamente as condições de vida;  Assessorar e aconselhar os clientes do gabinete com vista à satisfação de necessidades sociais e à resolução de problemas, designadamente através da informação sobre os fatores geradores dos problemas, os direitos, os recursos e serviços disponíveis e as ações a desenvolver para encontrarem os recursos necessários;  Proceder e garantir uma articulação qualificada, através da conjugação de esforços dos vários intervenientes internos e externos;  Proceder ao encaminhamento para recursos existentes na comunidade, que Objetivos específicos: satisfaçam as necessidades de bem-estar e de participação social dos clientes do gabinete;  Intervir numa perspetiva dinâmica que permita prevenir situações de risco que possam conduzir a caminhos de exclusão social;  Mediar as relações entre os clientes do gabinete e as entidades detentoras de recursos, por exemplo entidades empregadoras, serviços de saúde e segurança social;  Impulsionar ações com potencial para desenvolver culturalmente a comunidade do Bairro Social de Santo Amaro, fomentando a participação ativa na construção de estratégias e procedimentos adequados à satisfação das suas necessidades.  Metodologia de Relação de Ajuda.  Procurar-se-á intervir segundo e seguindo o método de intervenção social de ajuda à pessoa que se caracteriza por um método dinâmico de troca entre o técnico e o cliente, apoiando-se sobre as capacidades deste último. Este tipo Metodologias de intervenção visa a transformação da situação do cliente, procurando criar e potenciar as condições para que o próprio cliente se constitua como ator no processo de mudança social. A intervenção social de ajuda à pessoa visa potenciar a autonomia dos clientes e atingir a plena inserção social. Humanos 1 Técnico Superior de Serviço Social. Recursos Materiais Sala

158


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014 Indicadores de avaliação: N.º de Participantes

Nível de adesão ao gabinete Avaliação das mudanças sociais atingidas. N.º de Sessões

-----------------

N.º de Horas

60

180

12. Candidaturas a financiamento de novos projetos DELEGAÇÃO DE LISBOA 

Elaboração de uma candidatura ao Pompidou Prevention Prize (Março de 2014).

Elaboração de uma candidatura ao Projeto “EEAGRANTS”, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian (CAOJ Lx – Maio de 2014);

Elaboração de uma candidatura com Ideias sobre “Direitos das Crianças” promovida pela Câmara Municipal de Lisboa (Maio de 2014) intitulada “Direitos em ponto pequeno são os maiores… Crescer sem preconceitos!” tendo sido aceite e apresentada publicamente;

Elaboração de uma candidatura ao Projeto “Sexualidade e longevidade: Informar e prevenir”, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, submetida em 12 de setembro de 2014;

Elaboração de uma candidatura ao programa Gilad Génese, “(Des)apertar o Laço: diminuir o estigma, valorizar a pessoa”, submetida em agosto de 2014.

DELEGAÇÃO DO PORTO 

Pontes para o futuro – Porto Social.

Prémio Manuel da Mota – Projeto Mimala

BPI Capacitar 2014 com o projeto “Vivência saudável da sexualidade”

Missão Sorriso com o projeto “Fazer pontes com a comunidade sénior”

Projeto Escolhas 5º geração “Crescer para o trabalho”

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL 

Candidatura ao financiamento do ADIS/Sida

Candidatura ao programa de Cidadania Ativa 159


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Candidatura ao AHF Europe - Rapid Testing program

Candidatura à Missão Sorriso

13. Formação contínua de docentes e psicólogas da Fundação No sentido de uma formação contínua, os elementos das Equipas das Delegações/ CAOJ tiveram a liberdade e oportunidade de participar em Congressos, Workshops ou qualquer outro curso considerado como uma mais-valia para o desempenho das suas atividades. Mais concretamente uma docente frequentou a Oficina de Formação "Educação sexual em contexto não formal", de 23 de janeiro a 3 de maio, orientada pelos formadores Maria Helena Caldeira, Filomena Teixeira, Andreia santos e João Relvas Pires, com a duração de 15 horas presenciais e 15 não presenciais, no Centro de Formação do Exploratório Infante D. Henrique. Outra docente participou do Projeto WebEducaçãoSexual2014, tendo como carga horária 12 horas. Também na II Etapa do Projeto WebEducaçãoSexual2014, tendo como carga horária 12 horas. Este Projeto é organizado pelo Grupo de Estudos e Investigação em Sexualidade, Educação Sexual e TIC - GEISEXT do IEUL, em parceria com os Grupos LabEdusex da UDESC, GSEX da UNESP e ISMAI.

DELEGAÇÃO DE LISBOA 

III Encontro de Profissionais de Saúde promovido pela APF no Cinema City de Alvalade, no dia 14 de março de 2014;

Conferência “VIH 2: O vírus esquecido”, no dia 5 de abril de 2014, no Instituto de Medicina Molecular;

Formação sobre “Discriminação e Direitos Humanos”, promovido pela Ser +, no dia 20 de abril de 2014.

Fórum “Oportunidades e desafios da empregabilidade dos refugiados em Portugal”, Auditório da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa - Campo Santa Clara, 20 de junho de 2014, organização IEPF – Departamento de Desenvolvimento Social e Programas.

160


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

III Congresso Internacional Sexualidade e Educação Sexual: Direitos, Políticas, Investigação e Práticas, que decorreu no período de 10 a 12 de julho de 2014, no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Ação de Formação “Boas Práticas e Códigos de Condutas de uma ONG”, que decorreu na sede da APDSI promovida pela PASC nos dias 27, 28 e 30 de outubro de 2014.

X Congresso Nacional do VIH, Doenças Infeciosas e Microbiologia Clínica, que decorreu na Universidade Católica de Lisboa de 1 a 3 de dezembro de 2014.

DELEGAÇÃO DO PORTO 

Visionamento do documentário “3 horas para Amar” – de Patrícia Nogueira, Biblioteca Florbela Espanca da CM Matosinhos, dia 21 de fevereiro de 2014;

 Congresso de Psicologia e Ciências da Educação “Capacitar a escola em tempos de crise”, o qual decorreu na Universidade Lusíada do Porto nos dias 20 e 21 de março; 

Seminário “VIH/SIDA: Direitos humanos e discriminação, o qual decorreu no ISPUP no dia 27 de março;

Seminário “VIH/Sida – A Sida não tem código de barras”, Universidade Lusíada – Porto, dia 2 abril;

Ação de sensibilização sobre igualdade de género na etnia cigana, intitulandose “Igualdade de género na cultura roma”, a qual foi da responsabilidade da APF e teve lugar no Porto, no dia 19 de maio;

Ação de formação “Pontes para o futuro”, promovida pela Fundação Porto Social, realizada na Quinta da Bonjóia no dia 22 de maio;

Sessão “Pensar o abandono escolar: (dês)Motivações” que se desenrolou nas instalações da Fundação da Juventude, no porto, no dia 29 de maio de 2014;

Seminário final “Representações sociais e igualdade de género na publicidade” realizado no auditório multimédia do Instituto de Educação da Universidade do Minho, em Braga, no dia 6 de junho;

Tertúlia subordinada ao tema “Tráfico de seres humanos” promovida pelas Juntas de Freguesia de Lordelo do Ouro e Massarelos, no dia 11 de junho; 161


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Formação “Patient Summit 2014”, a qual teve lugar na Fundação do Oriente – Lisboa no dia 20 de junho;

6º Encontro Nacional de Clínica de Ambulatório VIH/Hospitais de Dia, o qual decorreu nos dias 9 e 10 de outubro, no Centro de Congressos do Hotel Porto Palácio;

Conferência “Identidade de Género: Ciência e Arte” promovida pela JANO, no dia 21 de novembro, na Universidade Lusíada do Porto;

Seminário “VIH e os afetos” promovido pela SER+, a qual decorreu na sala do Senado, na Assembleia da República no dia 1 de dezembro;

Tertúlia sobre o VIH/SIDA promovido pela associação ABRAÇO, a qual decorreu no Porto, na Galerias Paris, no dia 1 de dezembro.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA 

III Congresso Internacional Sexualidade e Educação Sexual: Direitos, Políticas, Investigação e Práticas, que decorreu no período de 10 a 12 de julho de 2014, no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

II Seminário "Sexualidade, Género e Educação: olhares múltiplos”, realizado na Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC) e na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra, 14 e 15 de julho de 2014.

4 Jornadas Nacionais Ético-Jurídicas da Infeção VIH/SIDA. Organização conjunta da Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA" (FPCCSIDA), Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e Centro de Direito Biomédico da Universidade de Coimbra, realizadas no Auditório dos CHUC, no dia 11 de dezembro de 2014, tendo como tema central “Novos Problemas do VIH e SIDA”.

Participação no Projeto WebEducaçãoSexual2014, organizado pelo Grupo de Estudos e Investigação em Sexualidade, Educação Sexual e TIC - GEISEXT do IEUL, em parceria com os Grupos LabEdusex da UDESC, GSEX da UNESP e ISMAI.

162


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL 

Palestra intitulada “Transdisciplinaridade da Sexualidade”, promovida pelo Gabinete de Intervenção Pedagógica e dinamizada pelo professor António Marques da Escola Superior de Saúde da Setúbal, realizado na Escola Secundária do Bocage, no dia 9 de janeiro de 2014, em Setúbal

III Encontro de profissionais de Saúde, no dia 14 março de 2014, organizado pela APF no cinema City Alvalade, em Lisboa

Sessão de Apresentação Pública do Estudo de Avaliação do Impacto da Lei n.º 60/2009, de 6 de agosto, no dia 16 de junho de 2014, pelas 14.30h, no Auditório da Escola Secundária Vergílio Ferreira, em Lisboa. A Sessão foi presidida pelo Senhor Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário.

III Congresso Internacional Sexualidade e Educação Sexual – Direitos, Politicas, Investigação e Práticas, realizado nos dias 10, 11 e 12 de Julho de 2014, no Instituto de Educação de Lisboa.

Métodos e Técnicas de Avaliação: questões teórico-práticas no processo de Ensino". Oficina de formação promovida pelo CFAE Ordem de Santiago, realizada entre 9 a 16 julho na Escola Secundária D. Manuel Martins. Esta formação teve a duração de 25 horas.

Participação no 6º Encontro Nacional da Clínica de Ambulatório VIH/Hospitais de Dia, no Porto (9 e 10 de outubro).

4as Jornadas Nacionais Ético-jurídicas da Infeção VIH/SIDA da Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA”, subordinada ao tema “Novos Problemas do VIH e SIDA”, realizada no dia 11 de dezembro de 2014, no auditório do CHUC em Coimbra.

Gestão de Conflitos- Imobilização prática, dinamizado pela EAPN.

Formação em estratégias para envolver clientes “difíceis” na intervenção, dinamizado pela EAPN.

163


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

14. Produção de material de prevenção DELEGAÇÃO DE LISBOA Elaboração de um postal para a campanha “Uso do Preservativo” (junho 2014)

Elaboração do convite para a Festa de Voluntariado (Junho de 2014)

Elaboração de ilustrações pelos jovens do Centro Educativo Navarro Paiva

164


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Elaboração de um jogo pedagógico em parceria com jovens do Centro Educativo Padre António Oliveira

Elaboração do folheto “Sexualidade Saudável” para os jovens do Centro Educativo Padre António Oliveira

165


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Participação na elaboração do Guia de Gestão do Voluntariado promovido pelo Banco de Voluntariado da Câmara Municipal de Lisboa com sugestões de boas práticas. Campanha de angariação de fundos

Postal de Natal

166


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL A Delegação/CAOJ de Setúbal elaborou um guião de apoio aos projetos de 2º ano, do Projeto Nacional de Educação pelos Pares, destinado às Brigadas Universitárias de Intervenção. Procedeu-se à adaptação de diversos materiais e jogos didáticos. Foram ainda produzidas novas atividades pedagógicas no âmbito da prevenção de comportamentos de risco, nomeadamente as seguintes dinâmicas: “Vulnerável eu?”, “Eu preocupo-me e tu?”, “Para um dia mais tarde te lembrares” e “Ainda bem que existes”. No âmbito do projeto Vida Segura foram produzidos materiais informativos para distribuição ao público-alvo.

DELEGAÇÃO DA MADEIRA 5000 Pacotes de Açúcar

15. Divulgação das atividades da Fundação Portuguesa “A comunidade Contra a Sida” DELEGAÇÃO DE LISBOA 

Realização de uma Nota Informativa para a Câmara Municipal de Lisboa;

Envio de documentação para a página Web da FPCCSIDA;

Elaboração de relatórios de diferentes atividades realizadas.

DELEGAÇÃO DO PORTO Foram elaboradas notícias das seguintes atividades: 

Lanche dos Afetos, festa de Natal das crianças seropositivas dos Hospitais S. João e Sto. António;

Semana do teste rápido realizada em universidades e na cidade do Porto; 167


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Publicação do anúncio do peditório de beneficência a favor da FPCCSIDA, que decorreu no dia 1 de dezembro de 2014;

Valor angariado no peditório de beneficência a favor da FPCCSIDA, que decorreu no dia 1 de dezembro de 2014;

Realização do mural na zona da baixa do Porto, em parceria com a Arte Urbana - Porto Lazer para a comemoração do dia 1 de Dezembro, Dia Mundial da Luta Contra a Sida;

Divulgação da notícia redigida por uma professora do CAOJ do Porto relativa ao projeto desenvolvido na APPACDM de Gaia, a qual foi publicada no jornal da APPACDM de Gaia no mês de julho.

DELEGAÇÃO DE COIMBRA 

Gestão e desenvolvimento de conteúdos do website oficial da Fundação – www.fpccsida.org.pt

DELEGAÇÃO DE SETÚBAL 

Divulgação no site da Fundação das ações de sensibilização para voluntariado, realizadas na Escola Superior de Educação de Setúbal (ESE), nos dias 8 e 9 de Outubro.

Divulgação no site da Fundação dos Cursos de Formação de Voluntários/as para intervenção no Projeto Nacional de Educação pelos Pares, nos dias 17 e 18 de outubro e 14 e 15 de novembro de 2014.

Entrevista na Rádio Flash IPS no dia 11 de dezembro 2014, no programa de informação do Instituto Politécnico de Setúbal, relativo ao projeto Nacional de Educação pelos Pares.

DELEGAÇÃO DA MADEIRA Divulgação nas Redes Sociais - Facebook

168


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

16. Estabelecimento de parcerias e apoios A Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA“ estabeleceu parcerias e teve o apoio de instituições e pessoas que passaremos, de seguida, a mencionar: 

32 SENSES Academy

AbbVie

ACES do Alentejo Litoral

Administração Regional de Saúde de Coimbra

Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT)

Administração Regional de Saúde do Centro;

Agrupamento de Centros de Saúde de Alentejo Litoral

Agrupamentos de Centro de Saúde dos Concelhos de Setúbal, Palmela, Barreiro, Moita, Montijo, Sesimbra, Seixal, Almada e Alcochete

APPACDM

Arte Branca

Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM)

AXA Seguros 169


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Banco Alimentar Madeira

Belcinto

Cabeleireiro Alcino Lima

Câmara Municipal de Coimbra

Câmara Municipal de Grândola

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Oeiras

Câmara Municipal de Palmela

Câmara Municipal de Setúbal

Câmara Municipal do Porto

Casa Bacelar

Casa da Baia

Casas de Acolhimento Temporário onde se desenvolvem projetos CAOJ

Centro Comunitário Music@rte

Centro de Direito Biomédico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra

Centro de Recursos Sociais da Câmara Municipal do Porto

Centro de Saúde de Fernão de Magalhães

Centro Educativo dos Olivais da DGRS

Centro Educativo Navarro Paiva (Benfica)

Centro Educativo Padre António Oliveira (Caxias)

Centro Educativo Santo António

Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Comissão Social da Junta de Freguesia da Estrela

Confeitaria Leça

Confetil

Continente

Direção Geral de Reinserção Social

Direção Geral dos Serviços Prisionais

Direção Regional de Saúde do Centro

Disney 170


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

El Corte Inglês

Empresa Delta

Escola Superior de Educação de Coimbra

Escola Superior de Educação de Lisboa

Escola Superior de Educação de Setúbal

Escola Superior de Enfermagem Calouste Gulbenkian

Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Politécnico do Porto;

Escola Superior de Saúde de Setúbal

Escola Superior de Tecnologias de Saúde de Lisboa

Escolas, docentes e alunos envolvidos no Projeto Nacional de Educação pelos Pares

Estabelecimento Prisional de Coimbra

Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo

Estabelecimento Prisional de Setúbal

Estabelecimento Prisional do Funchal

Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Direito da Universidade do Porto

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Motricidade Humana

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto

Federação Portuguesa de Columbofilia

Florista TINA

Formadores da componente técnico-científica do CAOJ

Freituck

Fundação AXA Seguros

Fundação Manuel António da Mota

Fundação Porto Social

Fundação PT 171


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Gallo

Gedepa

Gilead

Governo Regional da Madeira

Haity

Hospital Pediátrico de Coimbra

Instituto Politécnico de Leiria

Instituto Superior da Maia

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas

Investimentos Habitacionais da Madeira – Cedência do espaço

JATinteiros

JB Fernandes – Memorial Trust

Jerónimo Martins

JF Ramos Confecções

Jornal de Noticias

Jovens das BEI

Jovens voluntários do ensino superior das BUI e do TUI

Junta de Freguesia da Ajuda

Junta de Freguesia da Estrela

Junta de Freguesia da Penha de França

Junta de Freguesia de Benfica

Junta de Freguesia de Santa Engrácia

Lar Especializado de Infância e juventude de Baguim do Monte

Leiripantone

Luís Onofre

Maria Vaidosa Porto Editora

Matutano

Mc Donald`s

Metro do Porto

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Saúde 172


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Novarroz

Novotel - Setúbal

Padaria Luanda

Padaria Ribeiro

Paez

Pastelaria Lusitana

Paula Salgado

Paulo Brandão

Pimenta Rosa

Pingo Doce

Professores destacados nos CAOJ

Programa Escolhas – Projeto “ Capacitar”

Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA

PT Comunicações

Quiksilver

Restaurante Piquenique

Santa Casa de Misericórdia de Setúbal

Sapataria Prudêncio

Sapatos Savana

Secretaria Regional de Educação e Cultura

Secretaria Regional de Educação e Recursos Humanos

Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

Segurança Social da Madeira

Sociedade Portuguesa de Medicina Interna

Sonae MC

Sonopão

Tonerecicla

Tryp Coimbra

Tuna do Porto

TVU: Televisão da Universidade (Porto)

União das freguesias de Aldoar, Nevogilde e Foz do Douro 173


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

Universidade de Aveiro;

Universidade de Coimbra

Universidade do Porto

Universidade Fernando Pessoa do Porto

Universidade Lusíada do Porto

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Xuz

17. AGRADECIMENTOS A Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA“ agradece a todas as instituições e pessoas que colaboraram diretamente ou criaram condições favoráveis à realização dos seus projetos e atividades ao longo do ano de 2014. Sem o seu apoio seria difícil à Fundação cumprir com os seus compromissos e levar a cabo a sua missão.

18. NOTAS FINAIS Chegados a este ponto é possível afirmar que podemos fazer sempre mais e melhor, temos no entanto, a certeza de que o empenho e o rigor pautaram o nosso dia-a-dia. Os indicadores de execução do Projeto Nacional de Educação pelos Pares (PNEP), em 2014, revelam a importância social e educacional da missão assumida pela Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a Sida”. A concretização do projeto só foi possível, devido ao enorme empenho, dedicação, profissionalismo e qualidade do trabalho de todos os intervenientes (técnicos e docentes), que desenvolveram o seu trabalho com exigência, eficiência e eficácia. O sucesso da intervenção no âmbito do PNEP demonstra a qualidade no trabalho desenvolvido na área da Saúde Sexual e Reprodutiva e uma boa gestão dos parcos recursos disponíveis. A convergência de sinergias de saberes dos diversos intervenientes, tais como os colaboradores da Fundação e os responsáveis pela execução do PNEP e dos outros projetos que esta Fundação levou a cabo em 2014, permitiu constatar a mudança de atitudes e de práticas sociais conducentes a uma consciência cívica dos deveres e 174


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

direitos humanos, bem como à não discriminação das pessoas com Infeções Sexualmente Transmissíveis, nomeadamente as que são portadoras do vírus da Sida e suas famílias. Em relação à consecução do Plano Anual de Atividades (PAA) da Fundação para o ano de 2014, verificou-se que relativamente à formação de jovens universitários que vieram a integrar as Brigadas Universitárias de Intervenção e participaram noutras ações de voluntariado, bem como, dos jovens do ensino básico que constituíram as Brigadas Escolares de Intervenção, foram atingidos todos os objetivos a que nos propusemos, tendo-se constatado uma crescente adesão dos jovens universitários para a participação em ações de voluntariado, o que levou à necessidade da realização de mais do que um curso de formação Científica e Pedagógica em algumas delegações. Utilizando como critério de avaliação do cumprimento do PAA no que diz respeito à intervenção nas escolas, os dados relativos ao ano civil de 2014 são indicadores da superação dos objetivos que foram delineados inicialmente, uma vez que se verificou um aumento do número de turmas abrangidas pelo PNEP e, consequentemente, do número de alunos que beneficiaram desta formação. Importa também salientar um aumento das solicitações por parte das instituições escolares, tendo sido dado resposta fora do âmbito do PNEP, com a realização de diversas sessões de curta duração para alunos/as e de formação/esclarecimento para outros responsáveis educativos, como por exemplo, pais e encarregados de educação, auxiliares de ação educativa, animadores culturais, entre outros. Verificou-se uma grande recetividade e abertura por parte das instituições escolares que já nos consideram como parceiros para o desenvolvimento de projetos na área da sexualidade, uma vez que a FPCCSIDA assegura e garante a formação dos alunos na área da sexualidade, dando cumprimento ao estipulado no quadro legislativo atual que torna obrigatória a inclusão da Promoção e Educação para a Saúde, como área de formação global e define como uma das áreas prioritárias, a Educação Sexual. A forma como os projetos desta Fundação se encontram estruturados, vem dar resposta ao disposto na Lei nº 60/2009 de 6 de Agosto, quer ao nível dos objetivos, quer ao nível dos conteúdos, bem como das metodologias adotadas. Qualquer turma que esteja abrangida está a dar cumprimento ao disposto na lei atual de educação 175


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

sexual, uma vez que este se encontra perfeitamente adequado com uma intervenção preferencialmente preventiva, com ênfase no envolvimento e participação de jovens, garantindo um processo educativo que conduz a mudanças de atitudes e comportamentos. Neste espírito de trabalho colaborativo, que carateriza a nossa Fundação continuaremos a primar pelos objetivos que contribuem para levar a cabo as prioridades estabelecidas no campo da saúde, da cidadania e do respeito dos direitos humanos. A participação de jovens universitários no desenvolvimento do PNEP, como educadores pelos pares, tem-se revelado para eles de grande importância, nomeadamente para a tomada de consciência da necessidade do cumprimento de cuidados na prevenção da transmissão das Infeções Sexualmente Transmissíveis, uma vez que a maioria deles já ter iniciado a sua vida sexual. Pode-se concluir que o desenvolvimento do PNEP revelou ser uma estratégia eficaz na promoção de comportamentos e estilos de vida saudáveis junto da população juvenil. Por ser muito gratificante e enriquecedor para todas as partes, deve ser-lhe dada continuidade. Os projetos desenvolvidos no âmbito do PNEP possuem objetivos fundamentais para o fortalecimento das competências pessoais e sociais dos jovens e uma melhoria do seu nível de (in)formação na área da Educação para a Saúde e Sexualidade. Deste modo, pode afirmar-se que contribuem para uma melhoria dos relacionamentos afetivo-sexuais, para a redução das possíveis consequências negativas dos comportamentos sexuais, tais como a gravidez não desejada e as infeções sexualmente transmissíveis, assim como para a tomada de decisões saudáveis no âmbito da sexualidade. É gratificante educar adolescentes para que estes atinjam uma maturidade intelectual, afetiva e social que lhes permita exprimir e vivenciar a sua sexualidade de um modo responsável. Trabalhar com jovens e adultos temáticas no âmbito da sexualidade e do VIH e Sida, pressupõe uma discussão franca e aberta sobre estas temáticas, vias de transmissão das IST e formas de prevenção. Não basta possuir informação cientificamente correta, importa igualmente estar na posse de um conjunto de competências necessárias para assumir a mudança de comportamentos com 176


Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA” Relatório de Atividades – janeiro a dezembro de 2014

responsabilidade por si e pelos outros e que lhes permitam reagir adequadamente perante situações de risco, serem capazes de tomar decisões e resistir às pressões sociais que conduzem a comportamentos desviantes. O afeto, o apoio da família e o sentido de responsabilidade podem ajudar nesta escolha. A importância e o sucesso destes projetos passam pelo desenvolvimento de metodologias ativas e participativas, que facilitam a aprendizagem, transmitem confiança, promovem a aquisição de conhecimentos, a capacidade para questionar e a tomada de atitudes, conscientes do risco em relação a si próprio/a e aos outros/as. Assim sendo, o Programa Nacional de Educação Pelos Pares é a melhor forma de trabalhar estas competências e simultaneamente possibilitar aos jovens apropriação de informação cientificamente correta, pelo que a sua implementação nas escolas, mais do que necessária, torna-se imprescindível para dar resposta às necessidades educativas atuais. Estamos certos que a estratégia do Projeto Nacional de Educação pelos Pares enquanto meio de intervenção na área da Promoção e Educação para a Saúde – Prevenção de Comportamentos de Risco está em consonância com os objetivos da Comissão Nacional de Luta Contra a Sida. Neste espírito de trabalho colaborativo, a FPCCSIDA, continuará a lutar para que a saúde e os direitos humanos continuem a fazer parte das prioridades de desenvolvimento da sociedade portuguesa.

Lisboa, 26 de fevereiro de 2015 O Conselho de Administração da FPCCSIDA

177

Relatório Anual de Atividades - 2014  
Relatório Anual de Atividades - 2014  
Advertisement