Exposição Itinerante - Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó

Page 1

E X P O S I Ç Ã O

I T I N E R A N T E

ÓCEPAHC OD ZOF ACIRTÉLERDIH ANISU

ÓCEPAHC OD ZOF ACIRTÉLERDIH ANISU PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL -PEA


C O N C E I T O

E

O B J E T I V O S

A exposição itinerante do Programa de Educação Ambiental (PEA) é uma mostra que conta a história da usina hidrelétrica Foz do Chapecó e divulga os resultados dos principais programas socioambientais desenvolvidos nas comunidades atingidas pelo empreendimento. Com o objetivo de valorizar a conservação da fauna silvestre da região, a exposição busca divulgar as espécies de maior relevância ao Plano de Conservação dos Ecossistemas e da Biodiversidade (PCEBio) e sensibilizar os visitantes para a preservação do meio ambiente.


U S I N A H I D R E L É T R I C A D O

C H A P E C Ó

A barragem da usina Foz do Chapecó tem 598 metros de extensão e 48 metros de altura e foi a primeira do Brasil a utilizar a técnica do núcleo asfáltico. O vertedouro é formado por 15 comportas que escoam a água do reservatório não utilizada para geração de energia.

F O Z


L O C A L I Z A Ç Ã O U S I N A

F O Z

D A

D O

C H A P E C Ó

Está inserida na bacia do Alto Uruguai, entre os municípios de Águas de Chapecó/SC e Alpestre/RS. A casa de força fica totalmente localizada em Alpestre.


M U N I C Í P I O S A B R A N G I D O S Doze municípios de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul fazem parte da formação do reservatório e da Área de Preservação Permanente (APP). Outros dois municípios catarinenses, São Carlos e Palmitos, juntamente com o município gaúcho de Alpestre, são afetados pelo trecho de vazão reduzida: 19 quilômetros, onde o rio Uruguai sofreu uma redução em seu nível de água em decorrência do barramento da usina.

RIO GRANDE DO SUL SANTA CATARINA Alpestre Rio dos Índios Nonoai Faxinalzinho Erval Grande Itatiba do Sul

Águas de Chapecó Caxambu do Sul Guatambu Chapecó Paial Itá


P O T Ê N C I A A UHE Foz do Chapecó conta com quatro unidades geradoras e potência instalada total de 855 MW, que corresponde a 25% de todo o consumo de energia do estado catarinense ou a 18% do consumo do Rio Grande do Sul.

A energia produzida é capaz de abastecer mais de 5 milhões de lares brasileiros. As obras começaram em 1º de março de 2007 e duraram 42 meses. A primeira unidade geradora entrou em operação em 14 de outubro de 2010.


A

E M P R E S A

A Foz do Chapecó Energia é a empresa detentora da concessão da usina hidrelétrica Foz do Chapecó. Foi a empresa responsável também pela implantação da hidrelétrica e é quem a administra e opera.

ACIONISTAS 9%

51% 40%


I N V E S T I M E N T O

R E C U P E R A Ç Ã O

E M

D E

Á R E A S A Foz do Chapecó investe na recuperação da natureza incentivando a preservação de diversas áreas de importância ecológica. São aproximadamente R$ 9 milhões investidos, por exigência do Ibama, no processo de licenciamento ambiental, e três mil hectares recuperados com o plantio de mudas de espécies nativas.


E D U C A Ç Ã O

A M B I E N T A L ENTENDE-SE POR EDUCAÇÃO AMBIENTAL OS PROCESSOS POR MEIO DOS QUAIS O INDIVÍDUO E A COLETIVIDADE CONSTROEM VALORES SOCIAIS, CONHECIMENTOS, HABILIDADES, ATITUDES E COMPETÊNCIAS VOLTADAS PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, BEM DE USO COMUM DO POVO, ESSENCIAL À SADIA QUALIDADE DE VIDA E SUA SUSTENTABILIDADE." POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9795/1999, ART 1º.


P R O G R A M A

D E

E D U C A Ç Ã O A M B I E N T A L U S I N A F O Z

D O

( P E A )

D A

H I D R E L É T R I C A C H A P E C Ó

Visa sensibilizar a população próxima das margens do reservatório quanto aos principais impactos causados à fauna e à Área de Preservação Permanente (APP) da usina. De forma integrada ao Plano de Conservação dos Ecossistemas e da Biodiversidade (PCEBio) promove a conservação da natureza da região.

P Ú B L I C O - A L V O

Educadores, professores, alunos e moradores das comunidades locais com maior incidência aos impactos sobre a fauna e a APP.


C U R S O S

D E

C A P A C I T A Ç Ã O

P A R A

P R O F E S S O R E S

São desenvolvidos em parceria com as secretarias de Educação nas sedes municipais onde todos os professores/educadores são convidados a participar. O Curso de Capacitação em Educação Ambiental é gratuito.


O F I C I N A

P A R A

A L U N O S

As oficinas educativas para alunos ocorrem nas escolas municipais e/ou estaduais dos municípios atingidos pela UHE Foz do Chapecó. São atendidas 14 escolas e aproximadamente 600 estudantes anualmente.


C O N C U R S O

O U

G I N C A N A

Em parceria com as secretarias municipais de Educação é realizado com as comunidades escolares, um concurso artístico sobre a fauna da região ou uma gincana sobre resíduos. Os vencedores da gincana ou concurso são premiados em um evento exclusivo no município.


J O R N A L

M U R A L

O jornal mural é uma publicação que tem o objetivo de levar informações de cunho ambiental para a população lindeira a UHE Foz do Chapecó.

Os jornais murais são fixados em instalações comunitárias como: restaurantes, clubes, postos de saúde, prefeituras, secretarias e escolas.


R E U N I Õ E S

C L U B E

D E

C O M

M Ã E S

A reunião com mulheres das comunidades busca disseminar a consciência de preservação e conservação ambiental para as localidades. No encontro, é realizada uma confraternização com palestra, café colonial e oficina educativa elucidando os assuntos abordados.


P L A C A S

S I N A L I Z A D O R A S

Utilizadas como ferramentas de sensibilização e informação, as placas sinalizadoras são materiais produzidos em conjunto com o Programa de Comunicação Social da UHE Foz do Chapecó. As placas levam temas relacionados à fauna silvestre e à preservação da APP do reservatório.


A P P - Á R E A

D E

P R E S E R V A Ç Ã O P E R M A N E N T E RESERVATÓRIO UHE FOZ DO CHAPECÓ

APP é uma área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, e que tem funções ambientais de preservação dos recursos hídricos, da paisagem, da estabilidade geológica e da biodiversidade. A APP facilita a migração da fauna e da flora, a proteção do solo e, por fim, assegura o bemestar das populações humanas.

Área de Preservação Permanente é definida no artigo 3°, II, da Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012 e na resolução Conama nº 302/2002 discorre sobre os parâmetros, definições e limites de APP de reservatórios artificiais e seu regime de uso do entorno.


A P P

E

A S

M A T A S

C I L I A R E S Mata ciliar é a formação vegetal que ocorre nas margens dos rios, córregos, lagos, lagoas, olhos d'água, represas e nascentes;

Nascente Largura do rio menor que 10m Mata Ciliar raio 50m Mata Ciliar 30m Mata Ciliar 50m

Largura do rio 10 a 50m

Largura do rio 50 a 200m

Largura do rio 200 a 600m

Largura do rio acima de 600m

Mata Ciliar 100m

Mata Ciliar 200m

Mata Ciliar 500m

É considerada pelo Código Florestal Federal como Área de Preservação Permanente;

O tamanho da APP depende da largura do curso d’água.


A P P

E

C O R R E D O R E S

E C O L Ó G I C O S Os corredores ecológicos também são conhecidos como corredores de biodiversidade, pois são usados no deslocamento da fauna e da flora.

A função do corredor ecológico é conectar os fragmentos de vegetação nativa (representados por APPs, unidades de conservação (UCs), terras indígenas e quilombolas, alvos de conservação, manchas, etc.). Esse método possibilita a dispersão da fauna e da flora entre as áreas remanescentes de vegetação nativa.


U S O S

A P P

P E R M I T I D O S

D O

D A

R E S E R V A T Ó R I O

U S I N A

F O Z

C H A P E C Ó

0 1

0 2

N A

Ações de recuperação e/ou conservação ambiental.

Dessedentação animal por meio de corredores, que devem ser autorizados pelo empreendedor.

D O


U S O S

A P P

P E R M I T I D O S

D O

D A

N A

R E S E R V A T Ó R I O

U S I N A

F O Z

D O

C H A P E C Ó

0 3

0 5

Acesso ao reservatório para barco, para contemplação e/ou para lazer, desde que público, seguindo os procedimentos estabelecidos pelo empreendedor.

0 4

Casos de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, previstos em lei e mediante autorização do órgão ambiental competente.

Uso turístico, desde que público, fora do Setor de Preservação Integral e que siga os procedimentos estabelecidos pelo empreendedor e não acarrete na extrapolação do limite de 10% da área total da APP que pode ser destinada a usos públicos. 0 6

Dentre outros usos permitidos, consultar o PACUERA da usina Hidrelétrica Foz do Chapecó.


U S O S

P R O I B I D O S

A P P

D O

R E S E R V A T Ó R I O

U S I N A

N A

F O Z

D A

D O

C H A P E C Ó

0 1

0 2

Presença de animais fora dos corredores de dessedentação, previamente autorizados.

Implantação de estruturas no interior dos corredores ou qualquer descaracterização de seu uso que não seja para dessedentação animal.

0 5

0 3

0 4

Atividades conflitantes com o sistema de operação e/ou com as condicionantes da Licença Ambiental de Operação da usina. Todos os usos que, por suas características, comprometam a qualidade hídrica do reservatório, a conservação do meio ambiente ou que não estejam adequados à legislação vigente.

Qualquer atividade ou uso proibido por lei.


D E S T R U I Ç Ã O

E M

0 1

0 2

D E

A P P

P R O P R I E D A D E S

Quem corta árvores, destrói ou desmata a vegetação nativa das APPs está sujeito à multa de R$ 5 mil a R$ 50 mil por hectare ou fração.

Quem impede ou dificulta a regeneração natural de florestas ou demais formas de vegetação nativa em APP e Reserva Legal, está sujeito à multa de R$ 5 mil por hectare ou fração.

0 3

Fazer atividades agrícolas e pecuárias em APP destrói a vegetação nativa. Manter essas atividades na APP dificulta ou impede a regeneração natural da vegetação.


R E C U P E R A Ç Ã O A M B I E N T A L

D A

A P P

Todo imóvel com vegetação nativa retirada e que esteja sendo utilizado para atividades agropecuárias ou outras atividades econômicas deve promover a recuperação das áreas; A forma mais simples é parar de fazer uso agrícola ou pecuário da área e permitir ou conduzir a regeneração natural das espécies nativas. Se for uma área de pastagem, é necessário cercar a área para que o gado não pisoteie em raízes ou pequenas plantas;

Na recuperação de APPs e reserva legal (RL) deverá ser utilizado o maior número possível de espécies nativas;

A área de APP ou RL recuperada deverá ser cuidada, evitando incêndios e outros danos (extração de espécies sem autorização, caça, incidência de espécies invasoras, erosão no solo e outras).


P L A N O

P A R A

C O N S E R V A Ç Ã O

E C O S S I S T E M A S

A

D O S

E

D A

B I O D I V E R S I D A D E

( P C E B I O )

O PCEBIO VISA À CONSERVAÇÃO DA FAUNA LOCAL NAS ÁREAS DE INFLUÊNCIA DA UHE FOZ DO CHAPECÓ, EM PARTICULAR EM SUA APP E A REDUÇÃO OU ELIMINAÇÃO DOS IMPACTOS NEGATIVOS VERIFICADOS PARA A FAUNA.


E S T U D O S F A U N A F O Z

D O

D A

P A R A

A

U H E

C H A P E C Ó

O foco do PCEBio é buscar a conservação da fauna ameaçada de extinção, bioindicadora e aquelas direta ou indiretamente impactadas pela implantação do empreendimento. Para alcançar seus objetivos o PCEBio divide as suas atividades em três: monitoramento da fauna ameaçada e bioindicadora e do incremento da fauna; implantação e monitoramento dos atrativos à fauna; avaliação e mitigação dos impactos sobre a fauna.

G R U P O S E S T U D A D O S

Avifauna – aves Herpetofauna – anfíbios e répteis Mastofauna - mamíferos Ictiofauna – peixes Aracnofauna - aranhas


A V I F A U N A É o conjunto de aves de uma região. São monitoradas aproximadamente 77 espécies bioindicadoras de ambientes florestais, dentre elas as ameaçadas de extinção. O objetivo deste estudo é avaliar a resposta dessas espécies à regeneração da vegetação da APP. Tietinga - Cissopis leverianus Status de Conservação: EN – Em Perigo em SC

Anu-coroca – Crotophaga major Status de Conservação: VU – Vulnerável em SC

Papagaio-do-peito-roxo Amazona vinacea Status de Conservação: EN – Em Perigo em SC e RS

Juruva – Baryphthengus ruficapillus Status de Conservação: CR – Criticamente em Perigo no RS


M A S T O F A U N A Os mamíferos registrados nas áreas de influência da UHE Foz do Chapecó também incluem espécies ameaçadas e bioindicadoras de qualidade ambiental. Estes últimos representados por pequenos mamíferos florestais não voadores e morcegos frugívoros. Veado-bororó-do-sul Mazama nana Status de Conservação: VU – Vulnerável em SC e CR – Criticamente ameaçado no RS

Gato-do-mato-pequeno Leopardus guttulus Status de Conservação: NE – Não avaliada

Quati – Nasua nasua Status de Conservação: VU – Vulnerável no RS

Paca - Cuniculus paca Status de Conservação: VU – Vulnerável em SC e EN – Em Perigo no RS


H E R P E T O F A U N A O monitoramento dos répteis e anfíbios ameaçados de extinção é feito para avaliar a continuidade das espécies nas áreas onde são registradas. Cobra-cipó Chironius bicarinatus Status de Conservação: NE – Não avaliada

Rã-do-rio Limnomedusa macroglossa Status de Conservação: EN – Em perigo em SC

Cágado-rajado Phrynops williamsi Status de Conservação: VU – Vulnerável em SC

Perereca-de-vidro Vitreorana uranoscopa Status de Conservação: VU – Vulnerável em SC e no RS


I C T I O F A U N A O monitoramento de peixes serve para acompanhar as alterações espaço-temporais na ictiofauna, bem como identificar as rotas alternativas para os peixes migradores após a formação do reservatório da UHE Foz do Chapecó. Cachorra-facão Raphiodon vulpinus Status de Conservação: NE – Não avaliada

Piava Megaleporinus obtusidens Status de Conservação: NE – Não avaliada

Dourado Salmirus brasiliensis Status de Conservação: Vulnerável em SC e no RS

Curimbatá Prochilodus lineatus Status de Conservação: NE – Não avaliada


A R A C N O F A U N A As aranhas são animais predadores, sendo esperado que se beneficiem indiretamente com a recuperação florestal na APP. No monitoramento avalia-se a resposta das famílias de aranhas bioindicadoras à regeneração da vegetação da APP. Aranha Sphecozone novaeteutoniae Status de Conservação: NE – Não avaliada

Aranha-marrom Loxocelis intermedia Status de Conservação: NE – Não avaliada

Aranha Glenognatha sp. Status de Conservação: NE- Não avaliada

Aranha Alpaida sp. Status de Conservação: NE – Não avaliada


A T R A T I V O S

À

F A U N A

O principal atrativo é o plantio de mudas frutíferas nativas com interesse para a fauna bioindicadora, especialmente aves e mamíferos frugívoros, potencialmente dispersores de sementes. Outros atrativos à fauna implantados são os poleiros e ninhos artificiais para aves.

Poleiro de 1m instalado em APP

O S

Poleiro de 2m instalado em APP

N I N H O S

A R T I F I C I A I S

F O R A M

I N S T A L A D O S 3 7

º

M Ê S

N O

D E

M O N I T O R A M E N T O F A U N A

D E S T E

P R O G R A M A .

D A

Poleiro de 3m instalado em APP


D I C A S

S U S T E N T Á V E I S

A

D O S

P A R A

C O N S E R V A Ç Ã O

E C O S S I S T E M A S

E

D A

B I O D I V E R S I D A D E


Á G U A Uma torneira pingando pode desperdiçar cerca de 46 litros/dia, o que equivale a 1,4 mil litros/mês e 16,5 mil litros/ano. Geralmente, o alto consumo de água está relacionado com vazamentos em conexões, reservatórios, tubulações e outros equipamentos.

Aproveite a água da chuva para molhar as plantas, hortas e o jardim. Dê preferência para os horários mais frescos, como pela manhã cedo ou no fim do dia.

Em vez da mangueira, use vassoura e balde para lavar pátios e quintais. Uma mangueira aberta por 30 minutos libera cerca de 560 litros de água.

Não altere cursos d’água ou banhados. Eles são protegidos por lei. Poços artesianos somente com autorização.

Nunca jogue óleo usado na pia da cozinha. Uma gota de óleo pode contaminar até mil litros de água.

Cuide bem dos cursos d´água. Nunca coloque lixo em rios, lagos e outros ambientes aquáticos e, principalmente, preserve a mata em volta desses locais. Essa mata protege contra erosão e assoreamento.


R E S Í D U O S

Evite o desperdício de alimentos. É importante aproveitar o máximo das frutas, verduras e legumes. Cascas, folhas e talos são ricos em vitamina e não devem ser jogados fora, por exemplo.

Evite usar copos, pratos e talheres descartáveis. Dê preferência a itens com maior vida útil. Fique de olho nas embalagens do que comprar. As embalagens podem virar lixo muito rápido.

Aproveite e adote uma composteira (sistema para armazenar matéria orgânica como restos de frutas, verduras e cascas de ovos que decompostos, por bactérias e fungos, transformam-se em fertilizante natural). O material da composteira será um ótimo adubo para nutrir a terra de vasinho e canteiros. Compre apenas o necessário. Se pergunte: eu realmente preciso? A produção exagerada de produtos ocasiona a exploração de nossos recursos de maneira descontrolada. Separe e descarte corretamente os resíduos. Mesmo que não haja coleta seletiva em seu município, mantenha o hábito de separar os resíduos orgânicos dos resíduos secos.


F A U N A Não pesque em épocas de reprodução e obedeça às regras que indicam a quantidade de pescado permitido.

Ao caminhar em uma mata ou fazer uma trilha, não destrua tocas e ninhos de animais. Além de ser perigoso você pode prejudicar uma espécie que está ameaçada de extinção.

Trate seus bichos de estimação com respeito e amor. Dê água, comida e conforto, pois a escolha de ter um animalzinho foi sua. Não abandone e não maltrate os animais. Há leis que os protegem e você pode ser denunciado.

Ao dirigir, tome cuidado, mantenha sempre a atenção no trajeto, trafegue dentro dos limites de velocidade e redobre os cuidados em rodovias ou locais onde há mata fechada nas margens da via. Segundo a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, é crime matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida. Cumpra a lei. Os animais silvestres são grandes responsáveis por dispersar sementes e reflorestar as matas. Não intervenha nesse fluxo natural. Ao visitar uma floresta observe e leve apenas as boas lembranças de um passeio agradável na natureza, não se aproxime, não alimente e nem espante os animais.


F L O R A

Evite queimadas. Além da fumaça, o fogo pode matar muitas espécies de animais e plantas nativas.

Selecione para compra apenas produtos feitos com madeira certificada. Todo ato de consumo provoca impactos no meio ambiente: reflita sobre isso.

Não corte ou pode árvores sem autorização do órgão ambiental competente: sem autorização, o corte é considerado crime ambiental.

Conserve a mata ciliar. Assim como os cílios de nossos olhos - referência para o nome desse tipo de vegetação - a cobertura nativa serve para garantir proteção. Evite derrubadas, pois as florestas ajudam a contrariar o efeito estufa, e consequentemente, o aquecimento global.

Evite incêndios, contaminação das águas e dos solos. Não jogue bitucas de cigarro acesas próximas a vegetações. Carregue-as até uma lixeira mais próxima. Ao reflorestar uma área, dê preferência para as espécies nativas e frutíferas da região. Essas espécies se adaptam melhor e são atrativos para a fauna que irá colonizar o ambiente.


E N E R G I A

Economize. Na hora da compra, prefira eletrodomésticos com o Selo Procel, que indica aos consumidores quais são os modelos que consomem menos energia.

Aproveite a luz natural do dia. Abra as cortinas, apague as luzes quando ninguém estiver no local. Escolha lâmpadas fluorescentes para locais onde a luz fica acesa mais de quatro horas por dia.

Evite o uso de adaptadores e benjamins. O acúmulo de ligações na mesma tomada pode causar o seu aquecimento e aumentar as perdas elétricas.

Se possível, não use aparelhos elétricos durante o horário de pico, das 18h às 21h. Evite deixar os equipamentos em modo de espera. Desligue os aparelhos da tomada quando não estiverem sendo usados. Um banho de 15 minutos por dia para uma família de 4 pessoas equivale ao consumo de energia de 40 lâmpadas de 100W ou 4000 Watts (4KW/h dia). Em dias quentes, coloque a chave na posição verão e nunca reaproveite uma resistência queimada. Isso aumenta o consumo e põe em risco a sua segurança. Os donos de sítios, pequenos pedaços de terra ou fazendas podem reduzir custos de energia elétrica com o uso de sistemas de aquecimento de água, de iluminação e de sistemas de uso de eletrodomésticos em geral.


S O L O S Prefira produtos orgânicos, que preservam a saúde do solo. Evite fazer o uso de químicos, pesticidas, herbicidas e fungicidas em cultivos de plantas. Prefira fertilizantes naturais e compostos orgânicos em hortas e jardins. Faça canais de drenagem para guiar o escoamento da água pluvial. Se você vive numa encosta ou em um vale onde a água se acumula, crie canais ao redor de sua propriedade para redirecionar o escoamento. Pratique a adubação verde ou orgânica. É melhor para a preservação dos solos durante o cultivo. Recomenda-se alternar as safras com leguminosas (plantas que dão vagens, como o feijão, lentilha e ervilha). Esse tipo de vegetação possui a característica de se associar com micro-organismos presentes na terra, capazes de transformar o nitrogênio do ar em compostos hidrogenados que enriquecem o solo. Uma boa alternativa ao cultivo em declives, é o socalco. Uma estrutura formada por pequenas plataformas similares a degraus onde os vegetais são plantados. Em vez de descer colina abaixo, a água será absorvida igualmente pela terra de cada plataforma, hidratando as plantas igualmente e impedindo a erosão.

Para evitar a compactação do solo pelo pisoteio dos animais de criação (gado principalmente) invista em um sistema de pastejo rotacionado. Assim pode ocorrer a recuperação da qualidade física do solo durante o período de pousio, devido ao efeito positivo das raízes das plantas e dos ciclos de umedecimento e secamento sobre a estrutura do solo.


C O N S U M O

F A M I L I A R Não compre por impulso. Avalie bem se necessita do que vai comprar e desfaça-se apenas de um objeto quando já não puder mesmo ser utilizado. Aposte num consumo consciente. Esteja atento a todos os detalhes do produto ou serviço que vai adquirir e valorize as empresas com práticas de responsabilidade social e ambiental. Não compre produtos piratas ou contrabandeados. Compre sempre do comércio legalizado e, dessa forma, contribua para gerar empregos estáveis e para combater o crime organizado e a violência.

Antes de comprar, informe-se sobre os impactos ambientais causados pela fabricação, transporte e venda do produto, assim como sobre a mão de obra contratada para a produção. Verifique se o produto é certificado por entidades autorizadas e reconhecidas em termos ambientais.

Valorize os produtores locais. Incentive o desenvolvimento da economia local, conheça melhor o produtor e entenda de onde vêm os produtos que consome. Assim, você também contribui com a diminuição de emissões de gás carbônico das longas viagens que os produtos fazem para chegar até nós.


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.