Page 1

Blog de Jamildo - PE 25/12/2012 - 17:36 Política

Jornal do Commercio Divulgação

Com os bastidores políticos na expectativa de uma reformulação de quadros e de conduta na área da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) e suas unidades no Estado, o novo secretário estadual da Criança e da Juventude, Pedro Eurico (PSDB), negou ontem que o atual presidente da instituição, Alberto Vinícius Melo, será demitido do cargo e mudanças acontecerão de imediato. "Nada disso está previsto. É especulação. Só vou assumir de fato a secretária na quarta-feira (amanhã) e ainda vou organizar a gestão", disse Eurico ontem, irritado com os rumores. Ele entrou no governo pela cota pessoal do governador Eduardo Campos (PSB). Pedro Eurico promete acabar com ditadura do silêncio sobre a Funase. O ano de 2012 fica marcado como o mais problemático, nos seis anos do governo, na área de menores infratores, com rebeliões e fugas das unidades da Funase no Grande Recife, deixando sete adolescentes trucidados em Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Abreu e Lima. Ex-preso político (nove anos no regime militar de 64) e militante de direitos humanos, Alberto Vinicius Melo foi assessor parlamentar e da Secretaria de Justiça no segundo Governo Miguel Arraes (1987/1990) e no do sucessor Carlos Wilson (1990). "Não vou dar declarações, porque não tem nada programado. Estou analisando. Não vou falar, não vou especular", resumiu Pedro Eurico. Na última sexta-feira (21), o deputado de oposição Betinho Gomes (PSDB) pediu, na sessão de encerramento do ano, na Assembleia, a decretação do estado de emergência pelo governo, na Funase, liberando o Executivo das licitações para realizar obras.

Diário de Pernambuco Online - PE 24/12/2012 - 10:59 Política

PCdoB e PDT: os xodós de Eduardo e do PSB Além de leais, partidos não têm projetos majoritários capazes de ameaçar império socialista Josué Nogueira - Diário de Pernambuco Não tem pra ninguém. PDT e PCdoB são os xodós do PSB. Ultrapassam facilmente a condição de simples integrantes da aliança que respalda o governo de Eduardo Campos (PSB). Estão num patamar acima das demais peças da chamada Frente Popular. E por razões que vão além do peso eleitoral. Aspectos como confiança, fidelidade e mesmo agregação de valor contam em favor dos partidos. Para medir a importância das siglas, basta observar a situação de


pedetistas e comunistas na linha sucessória dentro das gestões socialistas. No estado, o vice, João Lyra (PDT), assumirá o governo assim que Eduardo partir para voos mais altos. Na gestão de Geraldo Julio (PSB), a ser iniciada em janeiro no Recife, o susbstituto primeiro do prefeito é Luciano Siqueira (PCdoB). Mas por que já tanta deferências às duas legendas? Além da evidente lealdade, é importante lembrar que ambos os partidos não têm projetos majoritários mais ousados que sejam capazes de ameaçar o império socialista. Não dão motivos para despertar desconfiança junto ao comando da Frente. O mesmo não se pode dizer, por exemplo, do PTB, que já trabalha para eleger o senador Armando Monteiro governador em 2014. O PT – ex-aliado de primeira hora e hoje está dividido em relação ao respaldo a Eduardo – é outro que jamais escondeu sua motivação majoritária. “Lideranças como João Lyra, Guilherme Uchoa (presidente da Assembleia Legislativa por quatro mandatos consecutivos com apoio do Palácio do Campo das Princesas) não são atores políticos competitivos. Não ameaçam a liderança do PSB, nem são capazes de criar uma fissura na Frente Popular”, observa Túlio Velho Barreto, cientista político da Fundação Joaquim Nabuco. Igual avaliação, prossegue, vale para os líderes do PCdoB. Barreto destaca que o PDT construiu laços fortes com o PSB lá em 2006, ao aderir à candidatura de Eduardo num momento em que o socialista parecia estar fadado a apenas ser mero coadjuvante. Por isso goza hoje de tamanha credibilidade junto aos socialistas. Por outro lado, o PCdoB, que sempre foi fiel escudeiro do PT no país e no estado, firmou-se como parceiro dos socialistas neste ano – embora já apoiasse Eduardo – na disputa da capital. A entrada na chapa de Geraldo veio como prêmio para o respaldo à ideia de lançar um nome socialista como alternativa à postulação petista. Luciano Siqueira, que havia sido vice por dois mandatos do ex-prefeito João Paulo (PT), assumiu à mesmo cargo na chapa e acabou por imprimir um conveniente “verniz vermelho” à candidatura do PSB. “Os comunistas têm uma certa grife. O capital político deles conta mais do que o eleitoral. O PCdoB também faz alianças amplas, não é partido que se diferencie dos outros nesse aspecto, mas, de toda forma, tem capital político acumulado, que o coloca como um partido de esquerda, com tradição de lutas, de inserção nos movimentos sociais”, diz Barreto. Saiba mais Na cozinha com o PSB PDT Foi dos primeiros partidos a aderir à candidatura de Eduardo Campos em 2006 Tem o vice-governador, João Lyra, e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Guilherme Uchoa Conta com três deputados na Assembleia Legislativa. Além de Uchoa, Botafogo Filho e Pedro Serafim Neto. Um deputado federal: Paulo Rubem Santiago. Na Câmara do Recife, elegeu este ano Izabela de Roldão e Rodrigo Vidal, que foi convocado para assumir a secretaria-executiva de Direito dos Animais na Prefeitura do Recife No estado, elegeu dez prefeitos e 119 vereadores PCdoB Foi inicialmente da base da candidatura do PT em 2006 (Humberto Costa). Mas em 2012, aliou-se ao projeto do PSB e ocupou a vice na chapa Geraldo Julio, com Luciano Siqueira. Este ano contou com empenho pessoal do governador Eduardo Campos para reeleger Renildo Calheiros prefeito de Olinda – principal vitrine do partido no estado Contava com Luciano Siqueira como deputado estadual na Assembleia. Ele deixou o cargo para assumir a função de vice-prefeito do Recife.


Na Câmara do Recife, reelegeu Almir Fernando No estado, elegeu três prefeitos (Olinda, Sanharó e Chã de Alegria), 59 vereadores e cinco vice-prefeitos

Diário de Pernambuco Online - PE 24/12/2012 - 11:39 Política

Políticos celebram, de formas diferenrtes, o Natal Rebeca Buarque Depois de desentendimentos, eleições, tramitação de projetos e muitas questões polêmicas, os gestores e parlamentares aproveitam o período natalino para tirar uma folga dos assuntos políticos e dedicar o tempo para a família, a religião e o descanso. Até os mais "ocupados", que tem uma rotina mais pesada, aproveitam o período para recarregar as energias - muitos, inclusive, emendam a "folga" com os festejos do Réveillon, celebrado no fim do ano. O governador Eduardo Campos (PSB) é um dos exemplos, quando o assunto, claro, é comemoração. Neste ano seu partido conquistou o maior número de capitais e teve um crescimento de 42%, em relação a última eleição, elegendo 443 prefeitos em todo o país. Para aliados e pessoas ligadas ao governador, a ceia de Natal será recheada de vitórias. Segundo a assessoria de imprensa do governo do estado, o governador deve ficar longe dos discursos federativos e das especulações que pode concorre à Presidência da República nas eleições de 2014. Ontem, depois de um jantar em família na casa do sogro, em Dois Irmãos, o governador participou da Missa do Galo, na Praça do Derby. Nesta segunda, outro jantar com familiares está agendado. O prefeito eleito do Recife, Geraldo Julio (PSB), talvez seja um dos poucos políticos que, mesmo no descanso natalino, esteja de "olho no trabalho". Apesar de declarar oficialmente que deixou de lado todas as preocupações com a posse, o socialista monitora todos os passos da Câmara do Recife. Isto porque, ainda nesta semana os vereadores devem apreciar o projeto de reforma política, que dará mais agilidade ao início da gestão socialista. "É o momento de agradecer as conquistas desse ano e passar um pouco desse período de paz e amor com minha esposa e meus filhos", afirmou Geraldo, que também declarou que, neste Natal, pretende se reunir com familiares e amigos em sua casa de veraneio, na cidade de Gravatá, no interior de Pernambuco, como faz todos os anos. Enquanto uns comemoram a chegada ao poder, outros se despedem com ares de melancolia. Depois de desentendimentos internos com o partido e as recentes polêmicas à respeito dos altos gastos já no fim de sua gestão, a exemplo da árvore de Natal de R$ 590 mil contratada sem licitação, o prefeito do Recife, João da Costa (PT), dá adeus ao Executivo municipal num suposto clima de paz. Através de sua assessoria de imprensa, ele também desejou votos de sucesso para a população. "Desejo à todos um feliz natal. Que os próximo anos seja de grande conquistas para os recifenses". Para a oposição o momento também é de trégua. O deputado estadual e agora candidato a liderança da bancada federal do DEM, Mendonça Filho (DEM) fechou a agenda pública para um jantar, na noite de ontem, com a família, na casa de parentes em Boa Viagem. Neste Natal, ele pretende fazer a mesma programação. O deputado também nega que no momento esteja pensando em projetos políticos. Para ele, este é um momento e de "dedicação e confraternização".


Jornal do Commercio - PE 25/12/2012 - 14:02 Política

Eurico nega mudança na Funase Ex-preso político, e militante de direitos humanos, Alberto Vinicius Melo foi assessor parlamentar e da Secretaria de Justiça no segundo Governo Miguel Arraes (1987/1990) e no do sucessor Carlos Wilson (1990) Da Redação Com os bastidores políticos na expectativa de uma reformulação de quadros e de conduta na área da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) e suas unidades no Estado, o novo secretário estadual da Criança e da Juventude, Pedro Eurico (PSDB), negou ontem que o atual presidente da instituição, Alberto Vinícius Melo, será demitido do cargo e mudanças acontecerão de imediato. "Nada disso está previsto. É especulação. Só vou assumir de fato a secretária na quarta-feira (amanhã) e ainda vou organizar a gestão", disse Eurico ontem, irritado com os rumores. Ele entrou no governo pela cota pessoal do governador Eduardo Campos (PSB). O ano de 2012 fica marcado como o mais problemático, nos seis anos do governo, na área de menores infratores, com rebeliões e fugas das unidades da Funase no Grande Recife, deixando sete adolescentes trucidados em Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Abreu e Lima. Ex-preso político (nove anos no regime militar de 64) e militante de direitos humanos, Alberto Vinicius Melo foi assessor parlamentar e da Secretaria de Justiça no segundo Governo Miguel Arraes (1987/1990) e no do sucessor Carlos Wilson (1990). "Não vou dar declarações, porque não tem nada programado. Estou analisando. Não vou falar, não vou especular", resumiu Pedro Eurico. Na última sexta-feira (21), o deputado de oposição Betinho Gomes (PSDB) pediu, na sessão de encerramento do ano, na Assembleia, a decretação do estado de emergência pelo governo, na Funase, liberando o Executivo das licitações para realizar obras.

Jornal do Commercio - PE 25/12/2012 - 13:55 Colunas

Pinga-Fogo Da Redação De olho nas bases O deputado estadual Adalto Santos pediu ao Estado que incluísse na lista das cidades beneficiadas pelas medidas de combate aos efeitos da seca os seguintes municípios: Exu, Flores, Ouricuri, Xexéu, Sertânia, Capoeira, Granito, Lajedo e Santa Terezinha.

Alepe Notícias - CLIPPING 25 12 2012  

Alepe Notícias - CLIPPING 25 12 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you