Page 1

Set/dezembro 2011

Ano XXXIII - N.º 136

A aliança da

Ciência com a Religião


Trilhas de

Libertação

Set/dezembro 2011

Ano XXXIII - N.º 136

Fundada em 3 de outubro de 1978, é uma publicação do Centro Espírita Fonte de Esperança.

o fé Grup Divulgando o Espiritismo Cristão

Adquira! As músicas são baseadas em comunicações mediúnicas, interpretadas pelo Grupo FÉ. Este CD, sem fins lucrativos, objetiva a divulgação da mensagem consoladora do Espiritismo.

ce e Centro Espírita

Fonte de Esperança

Artigos para publicação devem ser enviados por e-mail ou em mídia digital. Posteriormente, serão submetidos à apreciação do Conselho Editorial e não estão sujeitos a devolução. Conselho Editorial Arnaldo de A. Rocha, Anderson de Oliveira, Carlos Alberto, Carlos Augusto, Enoch Carvalho, Fabiano Augusto e José Lucimar. - Os artigos não identificados com o autor são de responsabilidade do Conselho Editorial. - As pessoas supracitadas nada recebem pelos serviços prestados.

Sócios Mantenedores Membros do Conselho Editorial,

Denise Lemos e Marcus Caldas. - Os sócios mantenedores são os que colaboram financeiramente para a manutenção da REVISTA.

Dados Bancários Agência 1003-0, conta corrente 431.430-1, Banco do Brasil. CTP e Impressão Gráficos Charbel - Tel.: (61) 2105-4500 Caixa Postal 6227, CEP 70740-971, Brasília/DF. Centro Espírita Fonte de Esperança - CEFE CLRN 205 Bl. C, Loja 24, CEP 70.843-530, Asa Norte, Brasília/DF. CNPJ: 01.600.675/0001-34

Internet: www.oespirita.com.br E-mail:oespirita@oespirita.com.br


Sugestão de Leitura

Assuntos Abordados Com temáticas ligadas ao tríplice aspecto da Doutrina Espírita este livro, pelo poder de síntese de Emmanuel, responde a questionamentos valiosos sobre as ciências fundamentais, abstratas, especializadas, combinadas e aplicadas; interpretando a filosofia ligada à vida, ao sentimento, à cultura, à iluminação e à evolução; enfoca a religião em face do Velho Testamento, do Evangelho de Jesus, do amor, do Espiritismo e da mediunidade. Objetivo da Obra Lançar luz sobre inúmeras questões que têm por âncora “O Livro dos Espíritos”, abordando tópicos relevantes como: radioatividade, gravitação, genética, determinismo, livre-arbítrio, educação sexual, almas gêmeas, alimentação de carne e outros temas de suma importância para os estudiosos do Espiritismo. Suas conceituações se revestem de sabedoria e trazem a chancela do bom senso e da autoridade moral do autor espiritual.

Livro: “O Consolador” Autor: Emmanuel Médium: Chico Xavier Editora: FEB

Sumário Descritivo Editada em 1940, composta de 411 perguntas e respostas que apresentam a Doutrina na condição de “Consolador Prometido” por Jesus Cristo, Emmanuel, na referida obra, enfoca os três aspectos básicos da Doutrina: científico, filosófico e religioso, afirmando de forma brilhante que “(...) podemos tomar o Espiritismo, simbolizado desse modo, como um triângulo de forças espirituais. A ciência e a filosofia vinculam à Terra essa figura simbólica, porém, a religião é o ângulo divino que a liga ao céu”.


ce e Centro Espírita

Fonte de Esperança

IMPRESSO ESPECIAL

100017/2005 - DR/BSB

ESPERANÇA CORREIOS

DEVOLUÇÃO GARANTIDA

CORREIOS

Caixa Postal 6227, CEP 70740-971, Brasília/DF.

“Com a Supervisão Celeste, o princípio inteligente gastou, desde os vírus e as bactérias das primeiras horas do protoplasma na Terra, mais ou menos quinze milhões de séculos, a fim de que pudesse, como ser pensante, embora em fase embrionária da razão, lançar as suas primeiras emissões de pensamento contínuo para os Espaços Cósmicos.”

............................................................... Livro “Evolução em dois Mundos”, capítulo VI, espírito André Luiz, médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, Ed. FEB.

www.oespirita.com.br

Artigos, biografias e download gratuito de livros e revistas.


EDITORIAL

A aliança da Ciência com a Religião Allan Kardec, em sua genialidade profética, ao editar “O Evangelho segundo o Espiritismo”, em 1864, na fulgurante Paris, colocou, propositalmente, no primeiro capítulo, a imperiosa necessidade da religião associar-se à ciência, para que a fé, racionalizada, possa convencer o mundo da existência de Deus, da imortalidade da alma, da comunicação com os mortos, da reencarnação... e avançou afirmando que cabe à ciência revelar as leis do mundo físico, e ao Espiritismo as do mundo espiritual. A ciência pode, atualmente, dissipar definitivamente as trevas do preconceito que ainda vige no seio das crenças dogmáticas que sempre se insurgem contra as manifestações das luzes do esclarecimento. Quando Franz Anton Mesmer lançou o seu “Tratado do Magnetismo Animal”, em 1779, também em Paris, “cientistas” religiosos, sacerdotes, governantes, em defesa de suas crenças, atacaram impiedosamente o esforço do ilustre cientista alemão, como foi o caso do rei Luís XVI, que era sustentado pelo chamado alto clero. Saiu em defesa de Mesmer o laureado botânico Laurent de Jussieu, após assistir fenômeno de cura pelo magnetismo. Para muitos, ainda hoje, o magnetismo está impregnado de magia e misticismo, sem utilidade prática e sem comprovação, em que pese os exemplos deixados por Jesus nas conhecidas curas pela imposição das mãos, que os espíritas traduzem na singeleza de uma expressão: o passe. Recentemente, no Brasil, foi fundado o Conselho Nacional de Hipnoterapia. Seu presidente é o eminente cientista Dr. Paulo Renaud, PhD em ética hipnótica e suas aplicações no tratamento Set/dezembro - 2011




de fobias, pânicos, depressões, ansiedades, stress, alcoolismo... O método utilizado pelo Dr. Renaud é exatamente o descrito por André Luiz, em “Mecanismos da Mediunidade”, psicografado por Chico Xavier, editado pela Federação Espírita Brasileira - FEB, em 1959. A hipnose, induzida pela sugestão (tensão favorável) e pelo magnetismo (meio físico), hoje está em clínicas médicas, odontológicas, ambulatórios, hospitais, delegacias etc. Os resultados obtidos com o uso da hipnose são tão expressivos que o Conselho Federal de Psicologia regulamentou o seu uso há alguns anos. Os Conselhos Federais de Medicina e Odontologia seguiram o mesmo caminho. Sabe-se que na Universidade Federal de São Paulo especialistas estão aplicando o método hipnótico para tratamento de drogados e outros viciados. Como se observa, de nada adiantaram as zombarias, os escárneos e a infeliz tentativa de desacreditar a existência dessa força que existe em todos os seres da Natureza e, principalmente, nos seres inteligentes. O tempo é a pomada que cura todos os males, inclusive um dos piores deles: o câncer da intolerância.

Tem o Espiritismo absoluta necessidade da ciência terrestre? Essa necessidade de modo algum pode ser absoluta. O concurso científico é sempre útil, quando oriundo da consciência esclarecida e da sinceridade do coração. Importa considerar, todavia, que a ciência do mundo se não deseja continuar no papel de comparsa da tirania e da destruição, tem absoluta necessidade do Espiritismo, cuja finalidade divina é a iluminação dos sentimentos, na sagrada melhoria das características morais do homem. Questão n.o1 do livro “O Consolador”, autor Emmanuel, médiun Chico Xavier, Ed. FEB.



Set/dezembro - 2011


Parentes mortos

Presença de Emmanuel/Chico Xavier Não olvides que além da morte continua vivendo e lutando o espírito amado que partiu... Tuas lágrimas são gotas de fel em sua taça de esperança. Tuas aflições são espinhos a se lhe implantarem no coração. Tua mágoa destrutiva é como neve de angústia a congelar-lhe os sonhos. Tua tristeza é sombra a escurecer-lhe a nova senda. Por mais que a separação te lacere a alma sensível, levanta-te e segue para a frente, honrando-lhe a confiança com a fiel execução das tarefas que o mundo te reservou. Não vale a deserção do sofrimento, porque a fuga é sempre a dilatação do labirinto que nos arroja à invigilância, compelindo-nos a despender longo tempo na recuperação do rumo certo. Recorda que a lei de renovação atinge a todos e auxilia quem te antecedeu na grande viagem com o valor de tua renúncia e com a fortaleza de tua fé, sem esmorecer no trabalho nosso invariável caminho para o triunfo. Converte a dor em lição e a saudade em consolo Emmanuel porque, de outros domínios vibratórios, as afeições inesquecíveis te acompanham os passos, regozijando-se com as outras tuas vitórias solitárias, portas adentro de teu mundo interior. Todas as provas objetivam o aperfeiçoamento do aprendiz, porquanto, não passamos de meros aprendizes na Terra, amealhando o conhecimento e a virtude, em gradativa e laboriosa ascensão para a Vida Eterna. Deus, a Suprema Sabedoria e a Suprema Bondade, não criaria a inteligência e o amor, a beleza e a vida, para arremessá-las às trevas. Repara em torno dos teus próprios passos. A cada noite no mundo, segue-se o esplendor do alvorecer. O inverno áspero é sucedido pela primavera estuante de renascimento e floração. A lagarta, que hoje se arrasta no solo, amanhã librará em pleno espaço com asas multicores de borboleta. Nada perece. Tudo se transforma na direção infinita do bem. Compreendendo, desta forma, a verdade, entesourando-lhe as bênçãos, aprendamos a encontrar na morte o grande portal da vida e estaremos incorporando em nosso próprio espírito, a luz inextinguível da Gloriosa Imortalidade. Livro “Paz e Libertação”, cap. 2, Ed. CEU. Set/dezembro - 2011




Bezerra de Menezes

Pensamentos Doutrinários XVIII Da série publicada no jornal O PAIZ, no Rio de Janeiro, a partir de 1886.

Excertos da página “O FALSO PRINCÍPIO DA VIDA ÚNICA (continuação)” No número anterior, na página supracitada, Bezerra de Menezes apoia-se em Orígenes, sacerdote e filósofo católico, para provar que a reencarnação era aceita em seu tempo. Nesta oportunidade, complementamos com o texto que segue: É da escritura sagrada: “Nem o pai pagará pelo filho, nem o filho pelo pai; mas cada um pagará por suas obras”. Sobre este pedestal brilha, com efeito, a justiça do senhor, lançando por terra a lenda impossível do pecado original. Mas, se cada um pagará por suas obras, que obras pode ter feito o espírito do que nasce cego, para merecer tão dura pena? Compreende-se que falamos no sentido da Igreja, na 

Set/dezembro - 2011

hipótese de uma vida única. Mas, se, além de ser ensinado por Deus, é de razão e de absoluta justiça que cada um sofra a pena de sua falta, e só a de sua falta, é óbvio que o que nasce com o estigma de uma punição, cometeu falta antes de nascer. E como isto, se não tiver vivido, se não tiver agido livremente, antes de nascer nesta vida? Ou Deus é injusto, tirando a uns o que dá a todos, ou é falsa a doutrina da vida única. Consideremos, porém, a das vidas múltiplas, e procuremos explicar, à sua luz, estes fatos, que parecem depor contra a justiça de Deus. Desde que os espíritos já vêm a esta vida, tendo passado, por outras, compreendese que chegam aqui, cada um


com sua carga de passadas culpas a purgar, e que uns vêm mais e outros menos carregados. Ora, o que é senão justiça que os menos carregados nasçam perfeitos, e que aqueles que se destacaram do comum, praticando as mais horríveis faltas, venham, desde o nascer, com o estigma de duras penas? Eis, pois, como tem o cunho da mais elevada sabedoria as palavras de Jesus a respeito do cego de nascença, e como tem razão Orígenes, padre da Igreja, espírito

Pintura de Bezerra de Menezes

verdadeiramente missionário, para ensinar a doutrina das vidas múltiplas, compreendendo que a união das almas a corpos é um meio de punição, e que a variedade de condições dos homens, nesta vida, faz brilhar a justiça do Senhor. “Mens corruens facia est anima: o espírito caído em culpa foi feito alma, e a alma regenerada tornar-se-á puro espírito” (De principiis, capítulo VII, artigo terceiro). Desdobra-se esta frase e teremos, ensinado por Orígenes, desde os primeiros séculos da era cristã, a pura Doutrina Espírita da pluralidade de existências, como meio de desenvolver-se a perfectibilidade humana, valendo cada existência para lavarmos as faltas das passadas, e fazermos esforços para subirmos na infinita escada do progresso. Esta opinião de um homem tão sábio e tão profundamente versado nas sagradas letras, como o qualifica Santo Agostinho, deve pesar um pouco no ânimo dos que costumam rir do Espiritismo, sem pensar que estão dando de si a mais triste cópia. Set/dezembro - 2011




Divulgação Espírita

“(...) O ensino exige recintos para o magistério. O Espiritismo deve ser apresentado por seus profitentes em sessões públicas. A cultura reclama publicações. O Espiritismo tem a sua alavanca de expansão no livro que lhe expõe os postulados. A arte pede representações. O Espiritismo não dispensa as obras que lhe exponham a grandeza. A indústria requisita produção que lhe demonstre o valor. O Espiritismo possui a sua maior força nas realizações e no exemplo dos seus seguidores, em cujo rendimento para o bem comum se lhe define a excelência. Não podemos relaxar a educação espírita, desprezando os instrumentos da divulgação de que dispomos a fim de estendê-la e honorificá-la. Allan Kardec começou o trabalho doutrinário publicando as obras da Codificação e instituindo uma sociedade promotora de reuniões e palestras públicas, uma revista e uma livraria para a difusão inicial da Revelação Nova. Mas não é só.

Que Jesus estimou a publicidade, não para si mesmo, mas para o Evangelho, é afirmação que não sofre dúvida. Para isso, encetou a sua obra aliciando doze agentes respeitáveis para lhe veicularem os ensinamentos e ele próprio fundou o cristianismo através de assembleias públicas. O ‘ide e pregai’ nasceu-lhe da palavra recamada de luz. E compreendendo que a Boa Nova estava ameaçada pela influência judaizante em vista da comunidade apostólica confinarse de modo extremo aos preceitos do Velho Testamento, após regressar às Esferas Superiores, comunicou-se numa estrada vulgar, chamando Paulo de Tarso para publicar-lhe os princípios junto à gentilidade a que Jerusalém jamais se abria. Visto isso, não sabemos como estar no Espiritismo sem falar nele ou, em outras palavras, se quisermos preservar o Espiritismo e renovar-lhe as energias, a benefício do mundo, é necessário compreender-lhe as finalidades de escola e toda escola para cumprir o seu papel precisa divulgar.”

Livro: “Opinião Espírita”, trecho do cap. 37 - Autores: Emmanuel/ André Luiz - Médiuns: Chico Xavier/Waldo Vieira - Ed. Boa Nova. 

Set/dezembro - 2011


Vianna de Carvalho responde ATUALIDADE DO PENSAMENTO ESPÍRITA Médium: Divaldo Pereira Franco Pergunta: Como o governo espiritual do mundo observa os problemas atuais e que providências estariam sendo adotadas para a evolução espiritual do homem na Terra?

Resposta: A Divindade estabeleceu leis de ordem e equilíbrio que mantêm a harmonia cósmica esplendendo em toda a parte. Os mentores de cada orbe se responsabilizam pelo cumprimento das referidas leis, através das revelações que são dirigidas a todas as consciências, despertando-as para a verdade. No caso específico da Terra, Jesus sempre enviou Seus mensageiros, que buscaram alertar e esclarecer as criaturas humanas a respeito das suas responsabilidades, culminando com a sua vinda pessoal, para ensinar e viver a proposta de vida abundante, encerrando parte do seu ministério com o próprio sacrifício, e retornando depois em espírito, assim provando a imortalidade da alma. Até hoje continua enviando missionários do conhecimento e do amor, de modo que os seres humanos se sintam amparados e estimulados ao avanço, sem protecionismo, sem indiferença. Acompanhando o processo de transformação do planeta de mundo de provas e expiação para mundo de regeneração, enviou o Espiritismo ou Consolador Prometido, a fim de que todos os indivíduos tenham a informação e a prova que lhes faltavam para se entregarem à transformação moral indispensável à própria evolução. Como consequência, participando das ocorrências que se operam no mundo terrestre, inspira, ampara e conduz o pensamento das criaturas para a realidade espiritual, deixando, no entanto, que funcione a lei do livre-arbítrio, que faculta a cada um a escolha do caminho a percorrer, a sementeira e, por efeito, as consequências da sua eleição e sua ensementação...

Set/dezembro - 2011




CU R I O S I DAD E S Q U E E D I F I CA M Extraídas da obra “Os Mensageiros”

Autoria de André Luiz, psicografia de Chico Xavier, Ed. FEB.

Entre “Nosso Lar” e o plano físico existe “uma estrada ampla e bem cuidada”. É uma espécie de rota, como as marítimas e aéreas do plano terrestre. Por ela transitam os benfeitores espirituais e os futuros reencarnantes, com as proteções necessárias. (Cap.14) Nas regiões inferiores há instituições de amparo aos sofredores. “Campo da Paz” é uma delas e se divide em dez postos distribuídos, de 10 em 10 km, abrangendo uma área de 100 km de extensão, dando uma exata dimensão do território ocupado por espíritos em desequilíbrio. (Cap.30) Pela primeira vez André Luiz e Vicente emitiram luz, sob o olhar comovido de Aniceto, o benfeitor que os acompanhava nas proximidades da região umbralina. (Cap. 15) Espíritos desencarnados, que foram espíritas no Rio de Janeiro e São Paulo, entre eles Otávio, Acelino, Joel, Belarmino, Monteiro entre outros, falam de suas experiências fracassadas entre os homens, lamentando o tempo perdido e descrevendo os duros sofrimentos que passaram nas regiões de purgação. Revela, pela primeira vez, a existência das cooperativas para o mal, as chamadas falanges de obsessores, 10 Set/dezembro - 2011

que difundem mentiras, escravizam, fazem baixa exploração de certas forças da Natureza, disseminam paixões, com o propósito de implantarem o materialismo e a degradação das energias espirituais dos seres encarnados, como, agora, observa-se nitidamente. Em “Libertação”, no cap. 8, André Luiz detalha as ações desses grupos que se intitulam “dragões”. São André Luiz hordas do “anticristo”, mencionadas pelo evangelista João em sua primeira epístola. (Cap. 20) Aniceto descreve o Centro de Mensageiros existente nos espaços de “Nosso Lar”, dizendo: “Preparam-se aqui numerosos companheiros para a difusão de esperanças e consolos, instruções e avisos, nos diversos setores da evolução planetária”. (Cap.3) “Saem milhares de mensageiros aptos para o serviço, mas são muito raros os que triunfam. Alguns conseguem execução parcial da tarefa, outros muitos fracassam de todo. O serviço legítimo não é fantasia”. Aniceto completa, afirmando: “Não preparamos, pois, neste Centro, simples postalistas, mas espíritos que se transformem em cartas vivas de Jesus para a Humanidade encarnada”. (Cap. 3)


A prece de

Francisco de Assis

Em “A Caminho da Luz”1, Emmanuel, referindo-se à Inquisição, projeto negro da Igreja que estava preocupada em expandir sua nefasta dominção, afirma: “(...) um dos maiores apóstolos de Jesus desceu à carne com o nome de Francisco de Assis. Seu grande e luminoso espírito resplandeceu próximo de Roma, nas regiões da Úmbria desolada. Sua atividade reformista verificou-se sem os atritos próprios da palavra, porque o seu sacerdócio foi o exemplo na pobreza e na mais absoluta humildade. A Igreja, todavia, não entendeu que a lição lhe dizia respeito e, ainda uma vez, não aceitou as dádivas de Jesus”. Na condição de espírito superior, Francisco de Assis nos oferece para reflexão a bela súplica abaixo retirada do livro “Transição Planetária”.

“Mestre sublime Jesus: fazei que entendamos a Vossa vontade e nunca a nossa, entregando-nos às Vossas mãos fortes para conduzir-nos; permiti que possamos desincumbir-nos dos deveres que nos cabem, mas, não conforme os nossos desejos; lançai Vosso olhar sobre nós, a fim de que tenhamos a claridade da Vossa ternura, e não as sombras da nossa ignorância; abençoai os nossos propósitos de servir-Vos, quando somente nos temos preocupado em utilizar do Vosso santo nome para servir-nos; envolvei-nos na santificação dos Vossos projetos, de forma que sejamos Vós em nós, porquanto ainda não temos condição de estar em Vós; dominai os nossos anseios de poder e de prazer, auxiliando-nos na conquista real da renúncia e da abnegação; ajudai-nos na compreensão dos nossos labores, amparando-nos em nossas dificuldades e socorrendo-nos quando mergulhados na argamassa celular; facultai-nos a dádiva da Vossa paz, de modo que a distribuamos por onde quer que nos encontremos e todos a identifiquem, compreendendo que somos Vossos servidores dedicados... ... e porque a morte restitui-nos a vida gloriosa para continuarmos a trajetória de iluminação, favorecei-nos com a sabedoria para o êxito da viagem de ascensão, mesmo que tenhamos de mergulhar muitas vezes nas sombras da matéria, conduzindo, porém, a bússola do Vosso afável coração apontando-nos o rumo. Senhor! Intercedei, junto ao Pai Todo Amor, por Vossos irmãos da retaguarda, que somos quase todos nós, os trânsfugas do dever.”2 1 “A Caminho da Luz”, cap. 18, espírito Emmanuel, médium Chico Xavier, Ed. FEB. “Transição Planetária”, cap. 13, espírito Manoel P. Miranda, médium Divaldo Franco, Ed. LEAL.

2

Set/dezembro - 2011

11


Publicado há 29 anos

Desânimo Vivemos a época mais difícil da Humanidade, em todos os tempos. Agravamento da crise econômica, pornografia desenfreada, alarmante aumento do uso de tóxicos, corrupção incontrolável, separação conjugal, desregramento sexual, proliferação de artefatos nucleares, guerras intermináveis, descrença em Deus, falência das religiões tradicionais, desamor, consumismo etc. compõem o quadro sombrio de ameaças para todos os continentes do Planeta. A criatura humana, despreparada espiritualmente, não consegue fugir ao contágio desses males por ela mesma criados e manifesta visíveis sintomas de esgotamento de inúmeras cardiopatias, stress, neurastenias, úlceras nervosas, agressividade e mais uma complexa “colcha” de obsessões incuráveis a curto prazo. O movimento espírita, constituído de pessoas comuns, está nitidamente sob a pressão desses fenômenos. Embora a sinceridade, poucos, pouquíssimos estão vencendo a dura batalha de permanecer “de pé”, consoante advertência do Senhor para estes dias. O desânimo, como resul12 Set/dezembro - 2011

tado direto da síndrome apocalíptica, está nos corações, nos lares e nas instituições. Diante das tarefas doutrinárias, alguns companheiros queridos apresentam evasivas; outros respondem com meio sorriso saturado de amargura, quando não se afastam revoltados e vencidos. O Cristo não nos deu fórmulas mágicas ou varinhas de condão para destruir ou transformar de imediato aquilo que os séculos construíram a convite da invigilância, da ignorância e da prepotência. No entanto, disse que o seu “fardo e o seu “jugo” são, respectivamente, bem mais leve e suave do que

Apóstolo Paulo pregando


os do mundo. A verdade é que se implantou em nosso ambiente espírita a falsa ideia de que nós que estamos servindo à Seara, estaríamos a salvo de aborrecimentos e dificuldades. Monstruoso engano! Em momento algum o Cristo e os espíritos disseram algo que nos levasse a crer nisso. O “fardo leve” e o “jugo suave” representam a diminuição das dores expiatórias ou provacionais e não a anulação delas. Se a vida está difícil com Jesus, será insuportável sem Ele. Meditemos nisto. Tudo serenamente compreendido e aceito acumulará “tesouros no céu, onde as traças e os ladrões não alcançam”. A presente encarnação é a maior chance de resgate e de

obtenção de luz, em todos os milênios. O Apóstolo Paulo, após perder a noiva amada, a família, o prestígio do Sinédrio, os amigos, foi à Grécia e lá pregou o Cristianismo para os filósofos e estóicos. Apesar da brilhante exposição, foi alvo de zombarias e maus tratos. Diante de tantas decepções, entregou-se ao desânimo para chorar copiosamente nos arredores de Atenas. Debaixo de enorme desalento, ouviu doce voz a lhe sussurrar nos ouvidos mediúnicos: “Ama, trabalha e espera”. Ergueu-se para nunca mais sentar. Venceu a si mesmo e arrebatou o Céu. Espírita, “ama, trabalha e espera” e o futuro responderá.

Artigo publicado na REVISTA O ESPÍRITA, número 24, 1982.

Publicado na Revista Espírita, set/1858, Ed. FEB, p.363-371 “Podemos distinguir, na propagação do Espiritismo, quatro fases ou períodos distintos: 1.o O da curiosidade, no qual os espíritos batedores hão desempenhado o papel principal para chamar a atenção e preparar os caminhos. 2.o O da observação, no qual entramos, e que podemos chamar também de período filosófico. O Espiritismo é aprofundado e se depura, tendendo à unidade de doutrina e constituindo-se em Ciência. Virão em seguida: 3.o O período de admissão, no qual o Espiritismo ocupará uma posição oficial entre as crenças oficialmente reconhecidas. 4.o O período da influência sobre a ordem social. A Humanidade, então sob a influência dessas ideias, entrará num novo caminho moral. Desde hoje essa influência é individual; mais tarde agirá sobre as massas, para a felicidade geral.” Allan Kardec Set/dezembro - 2011

13


Verificação de Conhecimentos

Doutrinários

Baseada na literatura espírita consagrada por Allan Kardec, Léon Denis, Bezerra de Menezes, Bittencourt Sampaio, Emmanuel, André Luiz, Humberto de Campos, Joanna de Ângelis, Yvonne A. Pereira, Cairbar Schutel, Vianna de Carvalho entre outros.

Assinale a opção correta e confira o resultado na página 24: 1. Qual foi o primeiro centro espírita do mundo? Sociedade de Estudos Espiritistas Federação Espírita Francesa - FEF Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas Centro Espírita de Paris Fundador do pri-

2. Em 1876, foi fundada no Brasil a “Sociedade de Estudos meiro centro esEspíritas Deus, Cristo e Caridade”, sob a direção esclarecida pírita do Planeta do eminente: Antônio Luiz Sayão. Bezerra de Menezes. Bittencourt Sampaio. Inácio Bittencourt. 3. Não deixou nada escrito de sua própria autoria, acreditava na imortalidade da alma, moralmente, intelectualmente e filosoficamente superior às pessoas de sua época, um precursor do Cristianismo. Quem foi? 14 Set/dezembro - 2011

Hipócrates Sócrates Aristóteles Tales de Mileto


4. Após a Proclamação da República no Brasil, com as suas ideologias novas, surgiram alguns embaraços ao desenvolvimento da Doutrina Espírita neste solo, sendo um dos mais marcantes:

A inclusão do Espiritismo nos textos do novo Código Penal. A proibição da circulação de periódicos espíritas. As críticas às páginas do Jornal “O Paiz”. O fechamento temporário da FEB.

5. No livro “Ação e Reação”, André Luiz , em sua passagem pela “Mansão da Paz”, pouso acolhedor que permanece sob a jurisdição de “Nosso Lar”, relata a visita de venerável personalidade que ocupa o posto de Ministro(a) da Regeneração na colônia espiritual de “Nosso Lar”, estamos falando de:

Veneranda.

Célio.

Clarêncio.

Sânzio.

6. O Sr. Didier colaborou com Allan Kardec:

escrevendo obras espíritas. editando obras espíritas. dirigindo a Revista Espírita. presidindo a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

7. O satã e o inferno, do dogmatismo religioso, originaram-se do paganismo que os chamava de:

Plutão e umbral. Júpiter e tártaro.

Plutão e tártaro. Plutão e furnas.

8. “E tu Belém de Judá, não és tão pequena assim, porque de ti sairá o que há de reinar em Israel, cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade”. Este trecho bíblico retirado do Velho Testamento se trata de uma profecia referente ao Nosso Senhor Jesus Cristo feita pelo profeta:

Isaías Jeremias Miquéias Zacarias

Representação do inferno

Set/dezembro - 2011

15


Explicação da Parábola do semeador (Mateus, 13:18-23)

Ensinando aos discípulos, Jesus falou com todo ardor: − Escutai, vós outros, o sentido Da parábola do semeador:

Contudo, não tendo raízes E vindo as tribulações, E por causa da palavra Passe a sofrer perseguições,

A semente significa A palavra do Senhor, E o semeador é aquele Que a palavra divulgou.

Logo se escandaliza. Sua fé desaparece, É broto que o sol cresta E sem demora perece.

Aquele que a palavra Ouve e não lhe dá atenção, Vem satanás e a retira De dentro do seu coração,

As sementes que caíram Em meio ao espinheiro Representam os que são Escravos do dinheiro,

Movido pelo temor De que não venha suceder Que, na palavra crendo, A salvação vá acontecer.

Que ouvem a palavra; Porém, a ilusão da riqueza E muitas outras paixões Sufocam sua beleza.

Esta importante passagem Por Jesus explicada Representa a semente Caída à beira da estrada.

Mas aqueles que a palavra Recebem e lhe dão atenção São os que a cultivam No fundo do coração

− Aquele que a semente Entre as pedras recebeu É o que ouviu a palavra E com alegria a acolheu.

E dela retiram frutos Em crescente proporção, De trinta ou de sessenta, Até mesmo de cem por grão.

16 Set/dezembro - 2011


Dinheiro

Dinheiro Dinheiro

Dinheiro

Dinheiro

“Por seu intermédio, uns são erguidos aos píncaros da paz, da glória humana, enquanto outros são arrojados às furnas pestilentas do pavor e da desagregação moral em que sucumbem.” 1 Temos visto demandas judiciais, traições, mortes, prostituição, mentiras, loucuras pela busca animalizada do dinheiro ou na “defesa” deste. Lares sendo desfeitos, empresas fechando, corrupção em todas as classes, o vício do jogo, a criminalidade desenfreada e mais, muito mais... O cenário em torno do dinheiro na sociedade materialista dos dias atuais é lamentavelmente deplorável na acepção mais pura deste vocábulo. O dinheiro deveria ser entendido como um meio e não como objetivo final. A busca dos bens, do poder, do status, alimenta nosso egoísmo e a vaidade nos fala alto. Na condição de moralmente fracos produzimos, por vezes sem perceber, vigorosas algemas mentais que nos prenderão por décadas, se não séculos, às inomináveis e tormentosas cobranças conscienciais pela extremada ausência do bom senso cristão na gestão dos recursos materiais. Sabiamente, precisamos introjetar os luminosos ensinamentos do Evangelho do Cristo que nos concita a compreender que: - A posse do dinheiro se configura em imensa responsabilidade. - O uso do dinheiro deve ensejar bem estar e progresso a todos que estejam ao nosso alcance sem promover os excessos da ociosidade. - Submeter conceitos e a vida ao dinheiro é certeza de tempo perdido. - O dinheiro é empréstimo divino e seremos convocados pela Justiça Maior a prestar contas da sua utilização. - Ninguém pode usufruir do dinheiro em detrimento dos direitos alheios. - Um dia a verdadeira vida, pelas portas da desencarnação benfajeza, nos apontará a desnecessidade da demasia do dinheiro. - Devemos administrar o dinheiro e não ser conduzidos por ele. - O dinheiro deve ser resultante do trabalho digno e honesto. - O destino do dinheiro define a sua orientação que projetará um céu de felicidades ou um inferno de fantasias. Lembremos que Jesus, o “Senhor do Mundo”, nada teve, nada juntou. Que a aceitação dos valores imortais nos ajude a superar o apego mundano, direcionando nosso pensamento para aspectos nobres como a simplicidade e a fé na vida futura, a fim de que, libertados das convenções sociais, elevemos-nos em relação ao caminho das pesadas sombras do materialismo. Livro “Leis Morais da Vida”, capítulo 19 - O dinheiro, espírito Joanna de Ângelis, médium Divaldo Franco, Ed. Alvorada. 1

Set/dezembro - 2011

17


Extraídas da obra “O Consolador”, autoria de Emmanuel e psicografia de Chico Xavier.

Frases que merecem

meditação

“Somente com a cooperação do Espiritismo poderá a ciência psicológica definir a sede da inteligência humana, não nos complexos nervosos ou glandulares do corpo perecível, mas no espírito imortal.”

“O homem não tem o direito de praticar a eutanásia, em caso algum, ainda que a mesma seja a demonstração aparente de medida benfazeja.”

“A melhor escola ainda é o lar, onde “A palavra é um dom divino, quan- a criatura deve receber as bases do acompanhada dos atos que a do sentimento e do caráter.” testemunhem.” “A pretexto de que a criança deve “Todos os homens são ricos pe- desenvolver-se com a máxima nolas bênçãos de Deus e cada qual ção de liberdade pode dar ensejo deve aproveitar, com êxito, os ‘ta- a graves perigos. Já se disse, no lentos’ recebidos, porquanto, sem mundo, que o menino livre é a seexceção de um só, prestarão um mente do celerado.” dia, além-túmulo, contas de seus “O sentimento e a sabedoria são esforços.” as duas asas com que a alma se “A missão da Doutrina é consolar e elevará para a perfeição infinita.” instruir, em Jesus, para que todos mobilizem as suas possibilidades “Com exceção do suicídio, todos os casos de desencarnação são divinas no caminho da vida.” determinados previamente pelas “‘Vai e não peques mais’ dever ser forças espirituais que orientam a a nossa norma de conduta dentro atividade do homem na Terra.” do próprio coração, afastando-se a “A razão humana é ainda muito erva do mal que nele viceje.” frágil e não poderá dispensar a co“O período infantil é o mais sério e operação da fé que a ilumina, para o mais propício à assimilação dos a solução dos grandes e sagrados problemas da vida.” princípios educativos.” 18 Set/dezembro - 2011


Tribuna Livre Pergunta: A Humanidade está sobressaltada com as constantes notícias sobre as tragédias anunciadas para 2012. O que o Espiritismo tem para nos dizer a respeito de tão conflitante questão? Resposta: O Espiritismo pauta pela sobriedade. Não escandaliza tema algum e busca avançar em questões morais. As convulsões físicas ou cataclismos geológicos são menos importantes que os choques sociais e as mazelas éticas. Acidentes, como os anunciados, sempre ocorreram e ocorrerão em intensidades diferentes. Inequivocamente, muitas dores advêm desses fatos, mas que poderiam ser minimizadas se a sociedade estivesse atenta para as leis de Deus e as praticasse, o que não ocorre. O Materialismo é galopante, a corrupção campeia, a permissividade sexual assusta, o egoísmo está cada vez mais presente no cotidiano, a violência urbana, a irresponsabilidade no trânsito, os vícios, as drogas parecem não ter fim... Em “Há Dois Mil Anos”, psicografado por Chico Xavier, no capítu-

O ESPÍRITA responde lo “ Alvorada do Reino do Senhor”, Emmanuel nos conta que Jesus, ao receber os primeiros cristãos martirizados nos circos romanos, fez grave advertência à sociedade planetária. É impressionante! Todos deveriam lê-lo. A ciência tem dito que há enorme possibilidade de um novo choque de asteróide com a Terra, como tantos que já houve. Em Apocalipse, há referência ao assunto, na “terceira trombeta”, capítulo 8, versículos 10 e 11. Coincidência? Possivelmente! Deus é poder absoluto e o Cristo, em seu nome, com a legião de espíritos elevadíssimos que compõem Sua equipe de trabalho, pode reduzir ao máximo esses acidentes, na medida dos nossos merecimentos. No entanto, os seres humanos parecem cegos embriagados, ávidos de prazer desmedido e criminoso. É o “sinal de Jonas” a que se referiu Jesus, respondendo à hipocrisia farisaica, ou seja, dores acerbas como consequência de nossos atos. É a lei do Criador dizendo-nos “a cada um segundo as suas obras”. Os próprios religiosos, de todas as crenças, com raríssimas exceções, estão se deixando levar por esses desatinos. Só nos resta vigiar, orar, renovar e aguardar! Set/dezembro - 2011

19


Crianças e jovens com habilidades prodigiosas Jorge Hessen - DF

O que é um superdotado? O que faz na Terra? Qual é o seu futuro? Questões, essas, que somente podem ser respondidas, tendo a reencarnação como explicação. Sem as múltiplas existências não há como se conceber o progresso humano. A Revista VEJA, edição de 28 de abril de 2004, diz que “Os sinais da inteligência, sobre-humana, do jovem americano, Gregory Robert Smith, começaram aos 14 meses, quando resolvia problemas simples de matemática; com 1 ano e 2 meses, ele resolvia problemas de álgebra; aos 2 anos, lia, memorizava e recitava livros, além de corrigir os adultos que cometiam erros gramaticais; três anos depois, no jardim-de-infância, estudava Júlio Verne e tentava ensinar os princípios da botânica aos coleguinhas; aos 10, ingressou na Faculdade de Matemática. Smith criou uma fundação internacional e foi indicado para o Nobel da Paz”. Um garoto de 3 anos, morador de Reading, a 40km de Londres, obteve em um teste de QI (coeficiente de inteligência) uma pontuação equivalente à dos físicos Albert Einstein e Stephen Hawking. Os testes de vocabulário e com números comprovaram que Oscar Wrigley faz parte dos 2% da população com QI mais alto. Com isso, Wrigley se tornou o mais jovem garoto a fazer parte da Mensa, a sociedade que reúne pessoas com QI alto. O membro mais jovem da Mensa é a garota Elise Tan Roberts, de Edmonton, no norte de Londres, aceita no início deste ano à idade de dois anos e quatro meses. Encontramos essas mesmas tendências excepcionais em músicos, como Wolfgang Amadeus Mozart, que, aos 2 anos de idade, já executava, com facilidade, diversas peças para piano; dominava três idiomas (alemão, francês e latim) aos 3 anos; tirava sons maviosos do violino, aos 4 anos; apresentou-se ao público, Mozart pela primeira vez, e já compunha minuetos, aos 5 anos; escreveu sua primeira ópera, La finta semplice, em 1768, aos 12 anos. Paganini dava concertos, aos 9 anos,em Gênova, Itália. Na literatura universal, é ímpar o fenômeno Victor Hugo que, precocemente, aos13 anos, arrebatou cobiçado prêmio da cidade de Tolosa. Goethe sabia escrever em diversas línguas, antes da idade de 10 anos. Victor Hugo, o gê20 Set/dezembro - 2011


nio maior da França, escreveu seu primeiro livro, com 15 anos de idade. Pascal, aos 12 anos, sem livros e sem mestres, demonstrou trinta e duas proposições de geometria do I Livro de Euclides; aos 16 anos, escreveu “O tratado sobre as cônicas” e, logo adiante, escreveu obras de Física e de Matemática. Miguel Ângelo, com a idade de 8 anos, foi dispensado das aulas de escultura pelo seu professor, que nada mais havia a lhe ensinar. Allan Kardec, examinando a questão da genialidade, perguntou aos benfeitores: - Como entender esse fenômeno? Eles, então, responderam que eram “lembranças do Léon Denis passado; progresso anterior da alma (...)”. O Doutor Richard Wolman, de Harvard, incorporou o conceito de Inteligência Espiritual às demais teorias em voga. Esse conceito seria a capacidade humana de fazer perguntas fundamentais sobre o significado da vida e de experimentar, simultaneamente, a conexão perfeita entre cada um de nós e o mundo em que vivemos. Não é exatamente o que define a Doutrina Espírita, mas já é um avanço no entendimento integral do indivíduo. Pesquisadores, como Ian Stevenson, Brian L. Weiss, H. N. Banerjee, Erlendur Haraldsson, Hellen Wanbach, Edite Fiore, e outros, trouxeram resultados notáveis sobre a tese reencarnacionista. As pesquisas sobre a reencarnação não cessam nas teses dessas personalidades apontadas. Estudos sobre esse tema crescem constantemente. A física, a genética, a medicina, e várias escolas da psicologia vêm sendo convocadas para oferecer o contributo das suas pesquisas. Só por meio do processo reencarnatório, como lembra Léon Denis, podemos compreender como certos indivíduos, ao encarnarem, mostram desde tenra idade a capacidade de trabalho e de assimilação que distingue as crianças superdotadas. Cada um apresenta ao (re)nascer os resultados da sua evolução, a intuição do que aprendeu, as habilidades adquiridas nas múltiplas propriedades do pensamento, a habilidade para esta ou aquela atividade, finalmente o resultado de um trabalho secular que deixou impresso no seu tecido perispiritual sinais profundos, gerando uma espécie de automatismo psicológico. Estamos convictos de que, nas próximas décadas, assistiremos a Academia de Ciência, declarando esta importante constatação como, há dois mil anos, Jesus ensinou a Nicodemos: “É necessário nascer de novo”. E Allan Kardec a confirmou em “O Livro dos Espíritos”, declarando que somente com a reencarnação entendemos, melhor, a Justiça de Deus e a evolução da Humanidade. Set/dezembro - 2011

21


Perante a Ciência

“Colaborar com as iniciativas que enobreçam as pesquisas e os estudos da inteligência sem propósitos destrutivos. Toda ciência que objetiva o progresso humano vem do Socorro Celestial. (...) Sopitar quaisquer impulsos inamistosos para com os representantes da ciência, sobre temas doutrinários ou problemas assistenciais. Na prestação de serviço, temos o exemplo renovador. Quando chamado a responsabilidades no setor científico, superar limitações e preconceitos, sem perder a simplicidade e a modéstia. Não há sabedoria real sem humildade vivida. Desaprovar os procedimentos que, embora rotulados de científicos, venham de encontro aos ensinamentos espíritas. (...)”. Livro “Conduta Espírita”, cap. 43, André Luiz, médium Waldo Vieira, Ed. FEB.

“Assim como a Ciência propriamente dita tem por objeto o estudo das leis do princípio material, o objeto especial do Espiritismo é o conhecimento das leis do princípio espiritual. Ora, como este último princípio é uma das forças da Natureza, a reagir incessantemente sobre o princípio material e reciprocamente, segue-se que o conhecimento de um não pode estar completo sem o conhecimento do outro. O Espiritismo e a Ciência se completam reciprocamente; a Ciência, sem o Espiritismo, se acha na impossibilidade de explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria; ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação. O estudo das leis da matéria tinha que preceder o da espiritualidade, porque a matéria é que primeiro fere os sentidos. Se o Espiritismo tivesse vindo antes das descobertas científicas, teria abortado, como tudo quanto surge antes do tempo.” Livro “A Gênese”, cap 1, item 16, Allan Kardec, Ed. FEB.

22 Set/dezembro - 2011


Notícias comentadas Inversão dos pólos magnéticos da Terra não causará o fim do mundo

Artigo publicado no site da Nasa, agência espacial norte-americana, afasta qualquer possibilidade da mudança do polo magnético da Terra (figura) causar o apocalipse. Fonte de muitas teorias sobre o fim do mundo, essa inversão magnética não deve varrer os seres vivos da face da Terra ou mudar o eixo de rotação do Planeta, diz o estudo. “Os registros fósseis não mostram nenhuma mudança dramática na vida de animais e plantas da época da última inversão”, afirma o texto. (veja.abril.com.br/noticia/ciencia - 1/12/2011) Temas apocalípticos são recorrentes. Um deles diz respeito à inversão dos pólos magnéticos da Terra como fenômeno causal da destruição da vida. Profecias, crendices e teorias apressadas têm sido sistematicamente desmentidas pelo calendário, pela ciência e por revelações sérias da espiritualidade superior. O ano 2000 foi um desses marcos, 2012 é apontado como outro. Mudanças em escalas geológicas ocorrerão no futuro dentro das leis naturais, mas bilhões de anos à frente. Mais próximo, segundo a Codificação, é a passagem do Mundo de Provas e Expiações para o Mundo de Regeneração. Ajustes e acomodações estão ocorrendo em nosso Planeta em decorrência das ações humanas, como também da própria Terra em seus ciclos naturais. Simultaneamente à preparação estrutural da nova escola, a espiritualidade superior vem movimentando, sob o comando de Jesus, ações em larga escala para a implementação da experiência de Regeneração na face da Terra. Por isso urge que nos preocupemos prioritariamente na nossa reforma íntima, sem outras preocupações com fenômenos telúricos de destruição da Terra. O planejamento Divino cuida para que possamos continuar a contar com a escola abençoada da Terra por um largo tempo. O capítulo XVIII de “A Gênese” fornece precioso acervo de informação e esclarecimento a esse respeito e, mais recente, na literatura complementar, lembramo-nos do Livro “Transição Planetária”, do espírito Manoel Philomeno de Miranda, na psicografia de Divaldo Franco. Confiemos em Jesus, como nosso condutor pelos rumos evolutivos na direção de Deus, pois Ele nunca nos faltou! Set/dezembro - 2011

23


A ‘partícula de deus’ continua arredia

“A cada dia, aumentam as expectativas de que algo precisa acontecer no LHC (Grande Colisor de Hádrons), o gigantesco acelerador de partículas do CERN (Organização Européia de Pesquisa Nuclear). Desenhado para encontrar, principalmente, uma partícula chamada ‘Higgs’, (...), e até o momento os experimentos não têm nada a mostrar. Pelo contrário, os resultados parecem delimitar a massa da hipotética partícula a valores que contrariam muitos cálculos. Talvez a constituição da matéria seja mais estranha do que suspeitamos. (...)” (Folha de São Paulo/Caderno Ciências - 4/11/2011) A busca pela unidade indivisível da matéria é antiga. Demócrito a chamou de átomo, algo muito pequeno, mas consideravelmente maior que o átomo da ciência atual. Sabemos que a unidade da matéria é muito menor como registra o artigo. “O Livro dos Espíritos” afirma nas questões 30, “A matéria é formada de um só ou de muitos elementos? De um só elemento primitivo. Os corpos que considerais simples não são verdadeiros elementos, são transformações da matéria primitiva.” e 31, “Donde se originam as diversas propriedades da matéria? São modificações que as moléculas elementares sofrem, por efeito da sua união, em certas circunstâncias”. A primeira questão é categórica ao afirmar que existe uma unidade fundamental da matéria; a segunda, com a compreensão possível para a época, é a de que combinações dessa partícula fundamental formam toda a matéria existente. A natureza, em sua constituição, encerra muitos segredos para a ciência humana, mas perfeitamente conhecida pela ciência espiritual superior. A ciência caminha na direção das revelações dos espíritos superiores, confirmando aos poucos o que eles nos disseram na Codificação.

Respostas

Verificação de conhecimentos doutrinários Páginas 14 e 15

Q.5 - Sânzio. Q.6 - editando obras espiritas. Q.7 - Plutão e tártaro. Q.8 - Miquéias

Q.1 - Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas Q.2 - Bittencourt Sampaio. Q.3 - Sócrates Q.4 - A inclusão do Espiritismo nos textos do novo Código Penal. 24 Set/dezembro - 2011


Carta ao atual e futuro

ASSINANTE MANTENEDOR Querido(a) irmão(ã), A revista O ESPÍRITA, fundada em 3 de outubro de 1978, jamais deixou de circular em seus 33 anos de existência. Sempre com sacrifício, levou para todo o Brasil a mensagem consoladora do Espiritismo Cristão, com a pureza e a beleza propostas por nossos benfeitores sob a égide de Jesus Cristo. Cabe colocar, que muitas casas espíritas carentes, mormente no interior, onde há enorme falta de material de divulgação, estão recebendo gratuitamente O ESPÍRITA. Por esta razão, solicitamos à sua nobre consciência, que contribua anualmente com um valor sugerido de R$ 15,00 (quinze reais), ou mediante colaboração espontânea acima deste valor, para que possamos custear as três edições da revista (abril/agosto/dezembro), as postagens dos exemplares que serão remetidos em seu nome e a distribuição gratuita para centenas de instituições espíritas. Ao enviar sua parcela de contribuição, você estará viabilizando a continuação deste trabalho e apoiando os editores, que lutam com denodo para manterem erguida a bandeira da Nova Fé, e que arcam com os custos desta produção, sem nada receberem pelos serviços prestados. Que não nos falte a sensibilidade espiritualizada, entendendo que a luta pela vitória do bem é da responsabilidade de todos.

Contribua com a divulgação da Doutrina Espírita. Preencha o formulário no verso. Set/dezembro - 2011

25


Formulário de adesão Assinale a opção desejada:

R$ 15,00 - Valor da colaboração anual. R$ ................ - Valor da colaboração espontânea. Assinale a opção de pagamento:

Depósito bancário na conta 431.430-1, ag. 1003-0, Banco do Brasil.

(Favor anexar cópia do comprovante de pagamento.)

Cheque nominal ao Centro Espírita Fonte de Esperança. Nome: Endereço: Complemento: Bairro: Cidade: CEP: E-mail:

Estado: Tel:

Assinatura anual - Periodicidade quadrimestral

ce e Centro Espírita

Fonte de Esperança

26 Set/dezembro - 2011

CLRN 205 Bl. C Loja 24-Asa Norte-Brasília/DF Cep: 70.843-530 Site: www.oespirita.com.br E-mail: oespirita@oespirita.com.br Caixa postal 6227, CEP 70740-971, Brasília/DF

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Revista

A aliança da Ciência com a Religião - O Espírita - Revista 136  

- Allan Kardec, em sua genialidade profética, ao editar “O Evangelho segundo o Espiritismo”, em 1864, na fulgurante Paris, colocou, proposi...