Page 1

Manual de aplicação de injetáveis


Manual de Aplicação de Injetáveis 4ª edição, 2012. Projeto e coordenação

Beatriz Pinto Coelho Lott Farmacêutica, Consultoria Educacional BD Tássia Wagner Publicitária, Marketing BD Colaboração

Marcia Camargo de Oliveira Enfermeira, Centro BD de Educação em Diabetes Monise Vicente Farmacêutica, Consultoria Educacional BD Projeto gráfico e Ilustrações

Folks Comunicação Conteúdo www.folks.cc Este material foi desenvolvido pela equipe BD e editorado pela Folks Comunicação Conteúdo. É proibida a cópia, reprodução ou qualquer uso que não seja para fins educacionais ou informativos. Para estes fins, a fonte deverá ser citada.


Índice

14 Agulha 15 Seringa

4

Apresentação

6

A oferta de serviços farmacêuticos

7

Legislação

8

Aspectos importantes sobre a aplicação de injetáveis

10 Segurança do profissional na aplicação de injetáveis 11

Como tratar o cliente

13

SELEÇÃO DOS MATERIAIS

19

PREPARO

17 Seringa BD SafetyGlideTM

20 Sala de aplicação 22 Antes do preparo 23 Preparo da seringa 24 Medicamentos em ampola 25 Medicamentos em frasco-ampola

28 Vias de aplicação

27 VIAS,

REGIÕES E PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

39 DESCARTE

16 Seringa BD SolomedTM

SEGURO DE PERFUROCORTANTES

30 IM | Regiões de aplicação 30 Região glútea ou dorsoglútea 31 Região ventroglútea 32 Região vasto lateral 33 Região deltoide

34 IM | Técnicas de aplicação 34 Técnica convencional 35 Técnica em “Z” 36 SC | Regiões de aplicação 37 SC | Técnica de aplicação

42 Referências bibliográficas 40 Descarte seguro de perfurocortantes 41 BD Descartex IITM Este manual não substitui um treinamento específico ou uma educação para a área de saúde e não deve ser usado por pessoas não treinadas. O objetivo deste material é educar profissionais de saúde com informações sobre como administrar aplicações de injetáveis de maneira correta e segura para o paciente e para o profissional de saúde.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

3


Apresentação Líder global em tecnologia médica, a BD se dedica a melhorar a saúde das pessoas no mundo todo. Fundada em 1897 e sediada em New Jersey (EUA), a atuação da BD é voltada a melhorar as terapias medicamentosas, reforçar a qualidade e aumentar a velocidade do diagnóstico de doenças infecciosas, além de promover a pesquisa e descoberta de novos medicamentos e vacinas. Pensando na segurança dos profissionais de saúde, a BD foi a pioneira no desenvolvimento de produtos com dispositivos de segurança. A linha BD Safety é composta de seringas, agulhas, sistemas para coleta, lancetas e cateteres que previnem a exposição ocupacional envolvendo material biológico potencialmente contaminado. A atuação da BD no segmento de sistemas para aplicação de medicamentos injetáveis vai além da produção e comercialização. Considerando a importância do conhecimento e da atualização dos profissionais de saúde, a BD realiza palestras, treinamentos e produz publicações técnico-científicas.

O futuro que vislumbramos Tornarmo-nos a organização mais conhecida em eliminar o sofrimento desnecessário e a morte por doença e, fazendo isso, sermos uma das Companhias de melhor desempenho no mundo.

Profissionais atuantes no segmento de Farmácia que tenham interesse em conhecer melhor os produtos e serviços da BD podem entrar em contato pelo do e-mail consultoriafarma@ bd.com. Agradecemos a você, profissional de saúde, pela oportunidade de desenvolver esta parceria e assim, ajudar as pessoas a viverem vidas saudáveis.

Nosso propósito Ajudar as pessoas a viverem vidas saudáveis.

4

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


A Becton Dickinson no Brasil Fábrica de Curitiba (PR)

Centro de Distribuição Osasco (SP)

Fábrica de Juiz de Fora (MG)

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

5


A oferta de serviços farmacêuticos A oferta de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias é regulamentada pela Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA, RDC nº 44, publicada em 2009. Segundo esta legislação, são considerados serviços farmacêuticos a atenção farmacêutica e a perfuração de lóbulo auricular para colocação de brincos, sendo que a atenção farmacêutica compreende a atenção farmacêutica domiciliar, a aferição de parâmetros fisiológicos e bioquímico e a administração de medicamentos.

A oferta deste serviço é uma importante oportunidade de diferenciação e destaque para o estabelecimento farmacêutico considerando o cenário atual de grande competitividade. Para o farmacêutico, a regulamentação da ANVISA sobre estes serviços é também uma grande oportunidade pois reforça a importância do seu papel como profissional de saúde.

A Resolução de número 499 publicada pelo Conselho Federal de Farmácia em dezembro de 2008 dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias. Segundo esta resolução, as aplicações de medicamentos injetáveis em farmácias ou drogarias só poderão ser feitas pelo farmacêutico ou por profissional habilitado, com autorização expressa do farmacêutico diretor ou responsável técnico.

6

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

Lembre-se A aplicação de injetáveis é uma oportunidade de diferenciação e destaque para o estabelecimento.


Legislação Pontos de destaque na RDC 44 ANVISA e Resolução 499 CFF sobre a oferta do serviço de aplicação de injetáveis em farmácias: ƒƒ A prestação de serviço farmacêutico deve ser realizada por profissional devidamente capacitado, respeitando-se as determinações específicas estabelecidas pelos conselhos federal e regional de farmácia. ƒƒ A prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias deve ser permitida por autoridade sanitária mediante prévia inspeção para verificação do atendimento aos requisitos mínimos dispostos nesta Resolução, sem prejuízo das disposições contidas em normas

Lembre-se A oferta de serviços dentro dos padrões recomendados garante qualidade e segurança.

sanitárias complementares estaduais e municipais. ƒƒ Os medicamentos para os quais é exigida a prescrição médica devem ser administrados mediante apresentação de receita e após sua avaliação pelo farmacêutico. ƒƒ A presença e/ou supervisão do farmacêutico é condição e requisito essencial para aplicação de medicamentos injetáveis. ƒƒ O farmacêutico deverá registrar, em livro próprio, as aplicações de medicamentos injetáveis realizadas. ƒƒ Após a prestação do serviço farmacêutico deve ser entregue ao usuário a Declaração de Serviço Farmacêutico.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

7


Aspectos importantes sobre a aplicação de injetáveis Antes da aplicação de injetáveis é fundamental: ƒƒ Avaliar a prescrição médica. ƒƒ Avaliar as condições do cliente. ƒƒ Ler as orientações de uso do medicamento constantes na bula. ƒƒ Separar e conferir a validade e integridade do medicamento e dos materiais a serem utilizados.

Na prescrição médica, avaliar: ƒƒ Identificação do usuário (cliente). ƒƒ Assinatura e identificação do prescritor com o número de registro no respectivo conselho profissional. ƒƒ Identificação do medicamento, concentração, dosagem, forma farmacêutica e quantidade. ƒƒ Modo de usar ou posologia. (importante: verifique a via de aplicação prescrita!) ƒƒ Duração do tratamento. ƒƒ Local e data da emissão.

Lembre-se O farmacêutico deve entrar em contato com o profissional prescritor para esclarecer eventuais problemas ou dúvidas que tenha detectado no momento da avaliação da receita.

8

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


Atenção! O profissional que aplica injetáveis está sujeito a penalidades legais em caso de erro comprovado por imperícia, negligência ou imprudência. O profissional deve: ƒƒ Tratar o cliente com delicadeza e atenção. Sobre a apresentação pessoal:

ƒƒ Mostrar segurança em suas ações.

ƒƒ Sapatos fechados.

ƒƒ Mostrar interesse pelo bem-estar do cliente

ƒƒ Cabelos presos.

ƒƒ Ser confiável.

ƒƒ Unhas curtas e limpas.

ƒƒ Ter ética prossional.

ƒƒ Jaleco abotoado e limpo.

ƒƒ Fazer as aplicações com cuidado e atenção.

Sobre as condições do cliente, avaliar: ƒƒ Alergia prévia a algum medicamento. ƒƒ Presença de doença crônica. ƒƒ Uso de outros medicamentos. ƒƒ Ausência de lesões cutâneas, cicatrizes, tatuagens ou ferimentos no local da aplicação.

ƒƒ Estado físico geral: nível de ansiedade, se está alimentado, se está alcoolizado. ƒƒ Recomenda-se recusar a aplicação em cliente que esteja alcoolizado.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

9


Segurança do profissional na aplicação de injetáveis Risco Biológico é a probabilidade da exposição ocupacional a agentes biológicos e deve ser fonte de atenção por todos profissionais atuantes em farmácias. O conhecimento e a aplicação das regras definidas na Norma Regulamentadora Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde publicada pelo MTE promove um ambiente de trabalho mais seguro.

Pontos de destaque da NR 32 e Portaria 1748 publicada em agosto de 2011 pelo MTE Ministério do Trabalho e Emprego: “Entende-se por serviços de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade”. (item 32.1.2) “O empregador deve assegurar capacitação aos trabalhadores, antes do início das atividades e de forma continuada”. “Deve ser fornecido, gratuitamente, programa de imunização ativa contra: tétano, difteria, hepatite B e os estabelecidos no PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional)”. (32.2.4.17.1)

O subitem 32.2.4.16 da NR 32 “Deve ser assegurado o uso de materiais perfurocortantes com dispositivo de segurança, conforme cronograma a ser estabelecido pela CTPN” passa a vigorar com a seguinte redação: “O empregador deve elaborar e implementar Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes”. Segundo a Portaria 1748 publicada pelo MTE em agosto de 2011, Dispositivo de Segurança é um “item integrado a um conjunto do qual faça parte o elemento perfurocortante ou uma tecnologia capaz de reduzir o risco de acidente, seja qual for o mecanismo de ativação do mesmo”.

Lembre-se É fundamental conhecer as normas de Segurança e Saúde dos trabalhadores.

10

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


Como tratar o cliente

Lembre-se O bom humor facilita o contato. Nunca perca a calma!

Calmos e colaboradores, sem medo de injeção: Crianças inquietas e resistentes:

ƒƒ Basta ser gentil, proporcionando o máximo de conforto.

ƒƒ Tente acalmá-Ias, porém, sem mentir para não perder sua confiança.

Ansiosos e estressados com a perspectiva da dor:

ƒƒ Evite que ela veja o preparo da injeção.

ƒƒ Explique o que será feito.

ƒƒ Peça auxílio do acompanhante para segurar a criança.

ƒƒ Se possível, escolha uma região de aplicação onde o cliente possa permanecer sentado.

ƒƒ Faça os procedimentos o mais rápido possível.

ƒƒ Oriente-o quanto à posição mais favorável para relaxar.

ƒƒ Recompense-a no final da aplicação, sempre que possível e com autorização dos pais. Elogios à sua “coragem” também são úteis.

ƒƒ Peça para respirar profundamente e soltar o ar pela boca, enquanto a injeção é aplicada. Esta é uma forma de desviar sua atenção.

Dica O desvio da atenção diminui a percepção da dor.

Mal-humorados, implicantes ou ameaçadores: ƒƒ Mantenha a calma. ƒƒ Ponha-se no lugar do cliente para desarmar resistências, usando argumentos ponderados e firmes.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

11


SELEÇÃO

SELEÇÃO DOS MATERIAIS A escolha da seringa e agulha depende dos seguintes critérios: � � � � �

Via de aplicação Tipo físico e idade do cliente Local de aplicação Viscosidade do medicamento Volume do medicamento

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

13


Agulha SELEÇÃO

Bisel

COMPREENDENDO A MEDIDA DA AGULHA

Ponta angulada no início da cânula. É trifacetado, o que reduz o desconforto na aplicação.

Cânula Feita de aço forte, siliconizada para fácil penetração, minimizando o desconforto para o paciente.

onde D: diâmetro da cânula (calibre) C: comprimento da cânula

As cânulas estão disponíveis em diferentes diâmetros e comprimentos. A escolha deve ser feita de acordo com a viscosidade do medicamento e o local da aplicação, respectivamente.

Canhão

Exemplo:

Colorido para identificação do calibre, permite a conexão da agulha à seringa.

30 mm

TABELA DE MEDIDAS DE AGULHA

A cor do canhão identifica o calibre da agulha.

Branco

14

Rosa

Creme

Verde

Preto

Violeta

Castanho

Cinza

0,70 x 25 0,70 x 30

0,55 x 20

0,45 x 13

0,38 x 13

22G 1 22G 11/4

24G 3/4

26G 1/2

27,5G 1/2

Em milímetros

1,60 x 40

1,20 x 25 1,20 x 40

1,00 x 25 1,00 x 30

0,80 x 25 0,80 x 30 0,80 x 40

Em gauge e polegadas

16G 11/2

18G 1 18G 11/2

19G 1 19G 11/4

21G 1 21G 11/4 21G 11/2

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

0,70 mm


1

Stopper

(ou rolha de retenção) Evita vazamento do medicamento em torno do êmbolo. Também é usado para aferir a dosagem do medicamento. Aferindo a dosagem

SELEÇÃO

Seringa

4

4

Bico

Tipos de bico:

1

Luer-Lok Usado para injeções que necessitam de uma conexão mais firme da agulha, com sistema de rosca.

6

1,6

6

1,8

Luer Slip

2,0

Para conexão da agulha com sistema de encaixe.

2,2

7 Flange

2 Graduação

3 Cilindro Reservatório do medicamento, com alto grau de transparência.

Dispositivo projetado para travar a agulha e proteger o profissional de saúde.

2

2,4

Escala nítida, em negrito, marcada em mililitros (ml).

Dispositivo de segurança

É a base do cilindro onde se apoia o dedo, facilitando a aspiração e a injeção do medicamento.

3 5 Êmbolo Haste no interior do cilindro para aspiração e injeção do medicamento. O êmbolo da seringa BD SoloMedTM possui um dispositivo antirreuso, que deve ser acionado no final do procedimento.

7

8 Base

do êmbolo

Local onde o êmbolo é pressionado para injeção do medicamento.

5

8

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

15


SELEÇÃO

Seringa BD SolomedTM A Seringa BD SoloMed™ apresenta tecnologia para a segurança do Profissional de Saúde.

Antes da ativação 1 O dispositivo pode ser girado para a total legibilidade da escala, orientação do bisel da agulha e aplicações em ângulos baixos.

Momento da ativação 2 Para ativar o dispositivo de segurança, empurre-o com o dedo polegar, utilizando apenas uma das mãos.

3 Para quebrar o êmbolo, mantenha a agulha volta da para baixo e aperte o êmbolo com o dedo polegar.

2

1

CLIC!

ml

ml

ml

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

4 A agulha permanece presa no interior do dispositivo ativado, o que evita acidentes percutâneos. A haste quebrada evita o reuso da seringa.

CLIC!

16

Depois da ativação

3

ml


Seringa com dispositivo de segurança para aplicação de insulina.

SELEÇÃO

Seringa BD SafetyGlideTM Dispositivo de segurança

Linha de graduação Protetor da agulha

Antes da ativação 1 Gire o protetor ao redor do cilindro, para visualizar a escala de graduação.

Sem espaço residual

Em unidades de insulina, com fácil visualização

Momento da ativação 2 Posicione o polegar ou indicador na parte inferior do dispositivo de segurança e deslize-o em direção à agulha.

Depois da ativação 3 O dispositivo estará ativado quando se ouvir um clique e o bisel da agulha estiver totalmente coberto.

CLIC!

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

17


PREPARO

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

PREPARO

A etapa do preparo deve ser cercada de cuidados que envolvem a garantia de limpeza do ambiente, higiene das mãos e separação dos materiais adequados, bem como o uso de técnica asséptica no preenchimento da seringa.

19


Sala de aplicação

PREPARO

A área física da sala de aplicação e os materiais necessários para a aplicação de injetáveis devem obedecer às normas da vigilância sanitária local.

20

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


Uma sala de aplicação ideal deve conter: ƒƒ Paredes e pisos laváveis. ƒƒ Bancada para o preparo do material.

ƒƒ Cartaz informativo com descrição de procedimentos. ƒƒ Lavatório com água corrente. ƒƒ Toalha de uso individual e descartável (toalha de papel). ƒƒ Sabonete líquido. ƒƒ Gel bactericida. ƒƒ Luvas de procedimento.

ƒƒ Cadeira ou maca para acomodação do cliente. ƒƒ Coletor de perfurocortantes BD DescartexTM II”. ƒƒ BD Alcohol SwabsTM.

ƒƒ Deve ser específico para a realização dos serviços. ƒƒ Deve garantir a privacidade e o conforto dos usuários, possuindo dimensões, mobiliário e infraestrutura compatíveis com as atividades e serviços a serem oferecidos. ƒƒ O procedimento de limpeza deste espaço deve ser registrado e realizado diariamente. ƒƒ Deve estar limpo antes de todos os atendimentos realizados.

PREPARO

ƒƒ Ventilação e iluminação adequados.

ƒƒ Lixeiras com pedal e tampa providas de saco plástico com simbologia compatível com o tipo de resíduo e de acordo com o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde do estabelecimento.

Determinações da RDC 44/2009 para o espaço reservado para a realização de serviços farmacêuticos:

Determinações da NR 32: ƒƒ Todo local onde exista a possibilidade de exposição ao agente biológico deve ter lavatório exclusivo para higiene das mãos provido de água corrente, sabonete líquido, toalha descartável e lixeira provida de sistema de abertura sem contato manual (32.2.4.3). ƒƒ Todos os lavatórios e pias devem possuir torneiras ou comandos que dispensem o contato das mãos (32.10.15). ƒƒ Os Equipamentos de Proteção Individual – EPI, descartáveis ou não, deverão estar à disposição em número suficiente nos postos de trabalho, de forma que seja garantido o imediato fornecimento ou reposição (32.2.4.7).

Atenção: adquira somente produtos de boa procedência, certificando-se de que seu fornecedor possua o CERTIFICADO DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

21


Antes do preparo Separar e conferir os materiais: ƒƒ Conferir cuidadosamente o medicamento a ser utilizado, seu aspecto e dados na embalagem. ƒƒ Ler a bula com atenção especial às recomendações sobre preparo e aplicação.

ƒƒ Separar a seringa e a agulha adequadas ao perfil do cliente, medicamento e via de aplicação. ƒƒ Conferir a data de validade e o aspecto das embalagens de todos os materiais usados.

PREPARO

Higienizar as mãos (antes e depois do procedimento, independentemente do uso de luvas):

1 Molhar as mãos sem tocar as laterais da pia e aplicar sabonete líquido suficiente.

6 Esfregar o dorso dos dedos de uma mão com a palma da outra, com movimento de vai e vem.

22

2 Ensaboar as palmas das mãos, friccionando-as entre si.

7 Com a mão em concha, fazer movimentos circulares das polpas digitais e unhas contra a palma da outra.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

3 Esfregar a palma de uma das mãos contra o dorso da outra.

8 Esfregar o polegar com a palma da mão oposta com movimentos circulares.

4 Entrelaçar os dedos e friccionar os espaços interdigitais.

9 Enxaguar as mãos, retirando os resíduos de sabão, sem contato direto das mãos com a torneira.

5 Esfregar os punhos com a palma da mão oposta, com movimentos circulares.

10 Seque as mãos e punhos com toalha de papel, jogando-a na lixeira para resíduos comuns.


FIXANDO A AGULHA Seringas com bico Luer-Lok

Faça um movimento do tipo rosca.

Para utilizar técnica asséptica no preparo da seringa, são necessários alguns cuidados que se iniciam na abertura da embalagem dos materiais.

1 Pela extremidade próxima à marca do lote, abra a embalagem separando as duas faces (berço e pétala) até expor o êmbolo da seringa.

2 Segure firmemente a seringa com o berço e retire a pétala tocando apenas em uma das extremidades.

4 Confira a fixação da agulha com a seringa. Coloque a seringa novamente dentro do berço.

PREPARO

ml

Preparo da seringa

3 Coloque a pétala na bancada com a face estéril (branca) para cima (ela será usada posteriormente para a abertura da ampola).

Seringas com bico Luer Slip

Use o movimento de pressão. 4 1

ml

2 ml

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

23

ml


Medicamentos em ampola 1 Faça a assepsia do gargalo da ampola com BD Alcohol Swabs® e espere secar.

2 Quebre a parte superior da ampola, envolvendo o gargalo com a face estéril da pétala.

1

3 Segure a ampola com os dedos indicador e médio, introduza a agulha e aspire o conteúdo.

4 Aspire o volume prescrito de medicamento.

3

ml

PREPARO

2 4

Exemplo de graduação de 1mL

5 Faça o reencape passivo e fixe o protetor da agulha.

6

ml

ml

5

24

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

6 Bata rapidamente na seringa para se desfazer de eventuais bolhas de ar. 7 Expulse o ar, acertando e conferindo o volume final.

ml


Medicamentos em frasco-ampola ml

1

4

3

2 Com a seringa já preenchida de diluente, introduza a agulha para aspiração no frasco-ampola apoiado na bancada e injete o líquido.

5

3 Misture bem o pó com o diluente, rolando suavemente o frasco entre as mãos ou fazendo movimentos circulares (carrossel) tomando o cuidado de não tocar na borracha.

ml

1 Retire o lacre de alumínio do frasco-ampola e faça a assepsia da tampa de borracha com BD Alcohol SwabsTM e espere secar.

PREPARO

2

ml

4 Aspire o volume prescrito de medicamento. Elimine possíveis bolhas de ar, conferindo o volume final.

5 Faça o reencape passivo e fixe o protetor da agulha.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

25


VIAS, REGIÕES E PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

VIAS DE APLICAÇÃO

Diferentes vias de aplicação promovem diferentes perfis de absorção. A prescrição médica e a bula do medicamento determinam qual via de aplicação deve ser usada.

27


Vias de aplicação Subcutânea (SC)

Utilizada principalmente para testes de hipersensibilidade e aplicação de vacinas. A camada atingida é a pele ou derme, com ângulo de inserção da agulha de 15°.

Feita no tecido subcutâneo, que fica entre a pele e o músculo. É usada para aplicação de vacinas, insulinas, anticoagulantes e outros medicamentos.

VIAS DE APLICAÇÃO

Intradérmica (ID)

Derme Tecido subcutâneo

Músculo

28

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


Intramuscular (IM)

Endovenosa (EV)

A aplicação é feita no músculo que é rico em vasos sanguíneos, facilitando a absorção de grande parte dos medicamentos. Possui também grande número de nervos que comandam a atividade muscular, sendo por isso muito importante que se identifique com exatidão as áreas apropriadas para aplicação, a fim de evitar possíveis complicações.

É aplicada na veia, tem efeito imediato e por isso deve ser aplicada lentamente pois, caso ocorram reações não desejáveis ou adversas, como hipertensão, mal-estar, formigamento e outros, o aplicador pode suspender a aplicação.

VIAS DE APLICAÇÃO

Derme Tecido subcutâneo Veia

Músculo

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

29


Via intramuscular (IM) | R E G I Õ E S

DE APLICAÇÃO

Glútea ou dorsoglútea

VIAS DE APLICAÇÃO

Os músculos glúteos são amplos e espessos, considerados ótimos para a aplicação de injetáveis. A grande utilização destes músculos em rotinas diárias estimula a circulação local e a absorção do medicamento. A região contém importantes vasos sanguíneos e nervos tais como o isquiático. A delimitação correta do quadrante a ser usado para a aplicação é fundamental para evitar o risco de lesão deste nervo. Contra-indicações ƒƒ Crianças de 0 a 2 anos devido ao pequeno tamanho da região,

composta primariamente de gordura e com pequeno desenvolvimento de massa muscular. Estes são fatores que aumentam o risco de atingir o nervo isquiático, além da movimentação durante a injeção e incapacidade de indicar sintoma específico em caso de acidente atrasando o diagnóstico e tratamento. ƒƒ Individuos debilitados e caquéticos pois a atrofia muscular aumenta a possibilidade de lesão do isquiático.

Área de aplicação

Volume máximo recomendado 5 ml em adultos.

INDICAÇÃO DE AGULHAS Perfil do cliente

Comprimento da agulha

Adulto obeso

40 mm

Adulto com perfil normal ou magro

30 mm

Crianças

20 ou 25 mm

Decisões sobre tamanho de agulha e análise do volume de medicamento devem ser tomadas a partir de uma avaliação criteriosa do local da injeção e porte do cliente.

30

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

Nervo isquiático


IM | R E G I Õ E S

DE APLICAÇÃO

Ventroglútea Também conhecida como região ventro-lateral-glútea de Hochstetter. Considerada a mais segura para qualquer faixa etária e condição do cliente.

Esta região é vantajosa principalmente para injeções em crianças acima de 2 anos e caquéticos.

As principais vantagens do uso desta região são a grande espessura muscular (média de 4 centímetros na área central) e a ausência de nervos ou vasos significantes. Mesmo em tentativas erradas no direcionamento da agulha não há risco de atingir o nervo isquiático. Além disso, a direção dos feixes musculares previne o deslizamento do medicamento em direção a este nervo.

Volume máximo recomendado

Área de aplicação

5 ml em adultos.

VIAS DE APLICAÇÃO

INDICAÇÃO DE AGULHAS Perfil do cliente

Comprimento da agulha

Adulto obeso

40 mm

Adulto com perfil normal ou magro

30 mm

Crianças

20 ou 25 mm

Decisões sobre tamanho de agulha e análise do volume de medicamento devem ser tomadas a partir de uma avaliação criteriosa do local da injeção e porte do cliente.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

31


IM | R E G I Õ E S

DE APLICAÇÃO

VIAS DE APLICAÇÃO

Vasto lateral Também conhecida como região da face ântero-lateral da coxa. Nas crianças este músculo está desenvolvido já no nascimento e afastado de nervos importantes. Devido à contra-indicação da região glútea em crianças menores de dois anos, o vastolateral é a região de escolha nesta faixa etária. Outra importante indicação é para esquemas de rodízio nas aplicações, fundamental para prescrições de várias doses em reduzido espaço de tempo.

O ângulo ideal para a aplicação é de 45º em direção podálica (com a agulha direcionada para o pé). Área de aplicação Volume máximo recomendado 4 ml em adultos.

INDICAÇÃO DE AGULHAS Perfil do cliente

Comprimento da agulha

Adulto obeso

30 ou 40 mm

Adulto com perfil normal ou magro

25 mm

Crianças

20 ou 25 mm

Decisões sobre tamanho de agulha e análise do volume de medicamento devem ser tomadas a partir de uma avaliação criteriosa do local da injeção e porte do cliente.

32

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


IM | R E G I Õ E S

DE APLICAÇÃO

Deltoide Deve ser considerada como a última região de escolha para a aplicação de injeções intramusculares, pela pequena espessura e grande sensibilidade do músculo.

ƒƒ Crianças e idosos. ƒƒ Caquéticos, muito emagrecidos e/ou com pequeno desenvolvimento muscular local. ƒƒ Presença de complicações motoras ou vasculares dos membros superiores. ƒƒ Injeções consecutivas.

VIAS DE APLICAÇÃO

Aplicações fora da área delimitada, variações anatômicas individuais e excesso de nervos na região aumentam o risco de complicações desta região.

Recomenda-se evitar aplicações intramusculares no deltóide nas seguintes situações:

Volume máximo recomendado 1 ml em adultos.

Área de aplicação

INDICAÇÃO DE AGULHAS Perfil do cliente

Comprimento da agulha

Adulto obeso

30 ou 40 mm

Adulto com perfil normal ou magro

25 mm

Crianças

20 ou 25 mm

Decisões sobre tamanho de agulha e análise do volume de medicamento devem ser tomadas a partir de uma avaliação criteriosa do local da injeção e porte do cliente.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

33


DE APLICAÇÃO 3

ml

Técnica convencional (atualizada)

ml

IM | T É C N I C A S Primeiros passos

4

1 Coloque o cliente numa posição que facilite o relaxamento da musculatura do local que vai receber a injeção. 3 Estique a pele firmemente para os dois lados. Em crianças ou adultos com reduzida massa muscular faça uma prega muscular.

CLIC!

6

5

Ilustrações de aplicação na região ventroglútea.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

8

ml

ml

ml

5 Aspire (puxe o êmbolo para trás), verificando se há refluxo de sangue na agulha, pois nesse caso o medicamento não poderá ser injetado.

34

4 Introduza toda a agulha, em ângulo reto (90°), com firmeza e suavidade em um só movimento.

6 Injete o medicamento lentamente e aguarde 10 segundos. Retire a seringa BD SoloMedTM com a mão dominante em um único movimento.

7 Ative o dispositivo de segurança com apenas uma das mãos. (vide recomendações de uso na página 16).

8 Descarte a seringa utilizada no BD Descartex IITM. Faça a compressão no local por um minuto, sem massagear. ml

VIAS DE APLICAÇÃO

2 Avalie o local e faça antissepsia com o BD Alcohol SwabsTM.


IM | T É C N I C A S

Deslocamento do tecido

DE APLICAÇÃO

Trajeto da agulha

Técnica em “Z”

Medicamento

A mais indicada para todas as aplicações intramusculares. Evita o refluxo de medicamentos oleosos (como anticoncepcionais) e que contenham ferro. Primeiros passos 1 Coloque o cliente numa posição que facilite o relaxamento da musculatura do local que vai receber a injeção. 2 Avalie e faça antissepsia do local com o BD Alcohol SwabsTM.

ml

ml

ml

VIAS DE APLICAÇÃO

3 Usando a mão não dominante, puxe a pele deslocando-a por 2 a 3 cm. 4 Mantendo o deslocamento da pele, introduza toda a agulha em 90°, com firmeza e suavidade em um só movimento.

5

5 Aspire (puxe o êmbolo para trás), verificando se há refluxo de sangue na agulha, pois nesse caso o medicamento não poderá ser injetado.

6

6 Injete o medicamento lentamente. Aguarde 10 segundos e retire a seringa BD SoloMedTM em um único movimento. Ative o dispositivo de segurança com apenas uma das mãos. (vide recomendações de uso na página 16).

7

7 Descarte a seringa utilizada no BD Descartex IITM. Faça a compressão no local por um minuto, sem massagear.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

ml

3

35


Subcutânea (SC) | R E G I Õ E S

Regiões laterais direita e esquerda do abdome

DE APLICAÇÃO

Região posterior dos braços

Região glútea superior

VIAS DE APLICAÇÃO

PREGA SUBCUTÂNEA 2 ou 3 dedos.

Região frontal e lateral das coxas

36

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS


SC | T É C N I C A

Cuidados importantes:

DE APLICAÇÃO

ƒƒ Fazer o rodízio das regiões e pontos de aplicações para evitar o aparecimento de lipohipertrofias e garantir absorção eficiente.

Primeiros passos

ƒƒ Na aplicação de insulina use exclusivamente seringas próprias, isto é, graduadas em unidades de insulina e com escala compatível com a prescrição médica.

1 Coloque o cliente numa posição que facilite o relaxamento do local que vai receber a injeção. 2 Avalie o local e faça antissepsia com o BD Alcohol SwabsTM.

6

6 VIAS DE APLICAÇÃO

4 3

7

4 Introduza toda a agulha, em ângulo de 90º, com firmeza e suavidade, em um só movimento.

5 Aspire (puxe o êmbolo para trás), verificando se não há refluxo de sangue. Caso isso ocorra, retire a agulha e escolha outro local para a aplicação.

6 Injete o líquido lentamente. Aguarde 5 segundos e retire a seringa com a mão dominante. 7 Ative o dispositivo de segurança com apenas uma das mãos. (vide recomendações de uso na página 17).

ml

3 Na região escolhida para a injeção, faça uma prega subcutânea que deve ser mantida durante toda a aplicação.

8 Descarte adequadamente o material utilizado no BD Descartex™. MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

37


DESCARTE SEGURO DE PERFUROCORTANTES Após o término da aplicação de injetáveis os resíduos perfurocortantes devem ser descartados seguindo as normas que visam a segurança dos profissionais.

DESCARTE DE PERFUROCORTANTES MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

39


Descarte seguro de perfurocortantes

ml

ml

ml

Nunca reencape agulhas após o uso.

GERENCIMENTO DE RESÍDUOS

Após a aplicação descarte a seringa usada imediatamente no BD DescartexTM II

Segundo a NR 32, item 32.5.3.2.1, “O recipiente para acondicionamento dos perfurocortantes deve ser mantido em suporte exclusivo e em altura que permita a visualização da abertura para descarte”.

40

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

Nunca faça desconexão manual de agulhas após o uso.

Respeite o limite de enchimento do BD DescartexTM II.

Legislações referentes ao Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde: ƒƒ Resolução 358 publicada pelo CONAMA em 2005. ƒƒ RDC 306 publicada pela ANVISA em 2004.


BD DescartexTM II Coletor de plástico para descarte de perfurocortantes. Atende as especificações da norma NBR 13.853. Tampa Sistema de fechamento que dificulta a violação do coletor.

Alças

Montagem fácil e rápida

Para transporte seguro.

Material translúcido

Evita o contato com os resíduos mesmo na presença de umidade.

Melhor visualização do preenchimento.

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

DESCARTE DE PERFUROCORTANTES

Impermeável

41


Referências bibliográficas BEECROFT, Pauline, KONGELBECK Sylvia. How safe are intramuscular injections? Clinical Issues Critical Care Nursing, 1994, v. 5, nº 2, p. 207-215.

BRASIL. Agência nacional de vigilância sanitária. Higienização das mãos em serviços de saúde. Brasília, 2007.

ZAYBAK, Ayten et al. Does obesity prevent the needle from reaching muscle in intramuscular injections? Journal Advanced Nursing, 2007, v. 58, n. 6, p. 552-556.

BEYEA, S. C., NICOLL, L. Administration of medications via the intramuscular route: an integrative review of the literature and research-based protocol for the procedure. Applied Nursing Research, 1995, v. 8, nº 1, p. 23-33.

CABRAL, Ivone Evangelista. Administração de Medicamentos. Reichmann & Affonso Editores, Rio de Janeiro, 2002.

WYNADEN, Dianne et al. Establishing best practice guidelines for administration of intra muscular injections in the adult: a systematic review of the literature. Contemporary Nurse, dec. 2005, v. 20, n. 2, p. 267-277.

BRASIL. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Resolução nº 358, de 29 de abril de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de maio 2005, nº 84, Seção 1, p. 63-65. BRASIL. Aprova a Norma Regulamentadora NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde. Portaria no 415, de 11 de novembro de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de novembro de 2005, nº 219, Seção 1, p.80-94. BRASIL. Agência nacional de vigilância sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada RDC 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 10 de dezembro de 2004, nº 237, Seção 1, p. 49-56. BRASIL. Agência nacional de vigilância sanitária. Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. Resolução da Diretoria Colegiada RDC 44 de 17 de agosto de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de agosto de 2009, nº 157, Seção 1, p. 78-81.

42

MANUAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS

CASSIANI, Silvia Helena De Bortoli. Administração de Medicamentos. EPU, São Paulo, 2010, 2ª ed. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Epidemiology and Prevention of Vaccine-Preventable Diseases. The Pink Book – Course Textbook. Public Health Foundation, Washington-DC, 2012 ,12th ed. COCOMAN, Angela; MURRAY, John. Recognizing the evidence and changing practice on injection sites. British Journal of Nursing, v. 19, n. 18, p. 1170-1174, 2010. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias, e dá outras providências. Resolução nº 499, de 17 de dezembro de 2008. GROSWASSER, J. et al. Needle length and injection technique for efficient intramuscular vaccine delivery in infants and children evaluated through an ultrasonographic determination of subcutaneous and muscle layer thickness. Pediatrics, 1997, v. 100, nº 3, p. 400-403. MOTTA, Ana Letícia Carnevalli. Manuseio e administração de medicamentos. Iátria, São Paulo, 2003. RODGER, Michael; KING, Lindy. Drawing up and administering intramuscular injections: a review of the literature. Journal of Advanced Nursing, 2000, v. 31, nº 3, p. 574-582, 2000.


BD Medical R. Alexandre Dumas, 1.976 São Paulo | SP | 04741-004 CRC 0800-055 56 54 crc@bd.com.br www.bd.com/brasil

BD SoloMed ™ | Registro ANVISA: 10033430377 e 10033430378 BD Descartex™ II | Registro ANVISA: 10033430457 e 10033430394 BD SafetyGlide™ Insulin | Registro ANVISA: 10033439050 BD Alcohol SwabsTM | Registro ANVISA: 10033430361 BD, BD Logo e todas as outras marcas registradas são propriedades da Becton, Dickinson and Company. © 2012 BD

Manual TAI - BD Brasil  

Projeto gráfico, produção e revisão de conteúdo, produção de ilustrações.

Manual TAI - BD Brasil  

Projeto gráfico, produção e revisão de conteúdo, produção de ilustrações.

Advertisement