Page 1

Jornal

Folha Verde

1

Edição 02 - Janeiro/2012 - São Bernardo do Campo - SP - Tiragem de 2.000 exemplares

Distribuição Gratuita

Nesta Edição

Pg.

3e4

Demora na urbanização causa prejuízos e coloca em risco moradores do Jd. Represa.

História de Leitura:

Nossa Gente:

Cultura e Lazer:

Sandra Ferreira nos presenteia com um texto exclusivo sobre os prazeres e descobertas da leitura. Pg. 2

Conheça os jovens que fazem parte do Projeto “Ler a Vida”. E confira ainda nosso “Perfil do mês” Pg. 5 e 6

Fique por dentro dos eventos, cursos, palestras e ações disponíveis para a comunidade local. Pg. 7 e 8


JANEIRO DE 2012

2

EDITORIAL Ao pensar uma comunidade autônoma, dona de si, devemos levar, sempre, em consideração a trajetória dela: quem são os membros que a compõem? De onde partiram? Como chegaram a tal lugar e em que estado chegaram? O jornal Folha Verde nesta edição atende, especialmente três necessidades básicas da comunidade do Jardim da Represa: a primeira é trazer no seu bojo uma reportagem que representa o veio ideológico da publicação, que é uma preocupação com a preservação ambiental, já que sua sede está localizada bem próxima ao mais importante reservatório de água potável da região do Grande ABC, a represa Billings. Outra preocupação, e não menos importante, é registrar e protagonizar as ações de pessoas que fundaram o bairro, ao mesmo tempo em que deve destacar os novos lideres que estão sendo formados no Ponto de Cultura João Santiago e que serão responsáveis pela continuidade da luta por melhoria na cidade. E em caráter emergencial apresenta estratégias para o desenvolvimento da leitura. Dessa forma o jornal cumpre seu papel inicialmente proposto, e assim espera mobilizar a população em busca de uma vida melhor para todos.

HISTÓRIA DE LEITURA “Então, um dia, da janela de um carro (o destino daquela viagem está esquecido), vi um cartaz na beira da estrada. A visão não pode ter durado muito; talvez o carro tenha parado um instante, talvez tenha apenas diminuído a marcha, o suficiente para que eu lesse, grandes, gigantescas, certas formas semelhantes às do meu livro, mas formas que eu nunca vira antes. E, contudo, de repente eu sabia o que eram elas; escutei-as em minha cabeça, elas se metamorfosearam, passando de linhas pretas e espaços brancos a uma realidade sólida, sonora, significante. Eu tinha feito tudo aquilo sozinho. [...] Eu podia ler.” Alberto Manguel, Uma história da leitura, p.19. O trecho acima trata da experiência de um indivíduo que se descobre leitor. Você se lembra de quando se descobriu leitor? Se essa descoberta foi realizada solitariamente, como a do menino, ou em grupo? Ou será que essa descoberta nunca foi, em verdade, descoberta e você se tornou um leitor sem saber? Cada um possui sua própria história de sua leitura. Eu me lembro de andar de ônibus e ficar decifrando as placas das ruas, os letreiros, os folhetos. Lembro também de ler para meu pai fascículos de uma antiga enciclopédia chamada Conhecer, e que seus temas preferidos eram Geografia, História e Astronomia. Meu pai sabe ler, mas aqueles momentos em que eu lia para ele eram especiais. Lembro-me de devorar livros desde cedo. Que menti para minha mãe dizendo que a professora tinha exigido que eu comprasse dois livros (em lugar de apenas um). Lembro que desde que me tenho por gente, os livros me fazem companhia. Talvez sua história de leitura não tenha tantos livros como a minha tem, mas isso não torna sua história menos importante. Um recado que você tenha lido, uma lista, um a carta de um amigo ou parente, uma notícia de jornal, uma história em quadrinhos. Seu próprio nome. Qual foi a sua primeira leitura? Vivemos em um mundo essencialmente voltado para a cultura escrita. O tempo tem passado, e as histórias que ouvíamos dos mais velhos estão se perdendo em um tempo em que se escreve para quase tudo: para reclamar, para pedir, para agradecer, para se expressar. E mesmo aqueles que dizem que odeiam ler, na verdade, odeiam os livros que chegaram às suas mãos. Odeiam aquela obrigação escolar que, às vezes, transformava a leitura em uma tarefa sem sentido. Ninguém odeia ler, nem aqueles que não sabem ler odeiam a leitura. Se você reparar, da hora em que acorda até a hora em que se deita para descansar, a leitura invadiu seu dia-a-dia por todas as brechas possíveis e impossíveis. É... A leitura é assim mesmo, sorrateira. Você leu a capa de revista na banca, leu uma conta que chegou pelo correio, leu uma mensagem no celular, leu, quem sabe, uma página secreta escrita apenas na sua mente. Mas leu. Leu o itinerário do ônibus, leu o aviso na porta, leu o cardápio do restaurante. Certamente, você não deve odiar a leitura, porque ela é como respirar. A gente faz sem se dar muita conta. Porém, a sua história de leitura é uma história que vai se construindo a cada dia e não tem um final. Se até agora você só leu porque precisou, talvez esteja faltando o livro certo para você. Pergunte às pessoas que anunciam que gostam de ler: elas sempre têm uma recomendação de um livro que as levou às lágrimas, que as fez sorrir, que as fez pensar. E sabe o melhor? Você não precisa concordar com elas, porque se você se aventurar a ler o livro que foi recomendado, você estará escrevendo um capítulo da sua história de leitura. Recupere as primeiras linhas dessa história como fez o menino que se descobriu leitor em uma viagem de carro. Quando a leitura chegou para você? Ela ainda o acompanha? E se foi embora, por que não fazê-la voltar? Os livros, essa é uma característica que os faz únicos, serão sempre portas abertas esperando que um leitor as atravesse.

Sandra Ferreira de Oliveira.


JANEIRO DE 2012

3

Responsabilidade Sócioambiental

Demora na urbanização coloca em risco moradores do Jd. Represa

O

jardim da Represa coleciona histórias envolvendo moradores em situação de risco, casos de construções irregulares, próximos aos córregos e nas proximidades de nascentes, sempre viram manchetes nessa época do ano. Neste início de janeiro com as pancadas de chuvas acima do normal tem preocupado, especialmente, os moradores da rua Victor Brecheret , que sofrem todos os anos com a subida do rio até as residências, levando medo e prejuízo de toda ordem. Segundo informações oficiais, a Prefeitura Municipal de São Bernardo iniciou a elaboração de projeto de urbanização para esta área. “Duvido muito que esse projeto seja realizado aqui, são mais de 20 anos de promessa, quando chega perto da eleição, se aproximam políticos dizendo que vai urbanizar e fazer a regularização fundiária”. Desabafou João Roberto da Costa, 46, morador do Núcleo 30, região mais afetada com as chuvas. Mesmo frente a tantas dificuldades e preocupações, é de extrema importância que os moradores da região continuem cobrando dos órgãos público a implantação desse projeto e outras possíveis melhorias na região. E ainda, que os próprios moradores, façam o possível para zelar pelo cuidado com o meio ambiente, evitando o despejo de resíduos e lixo em locais inadequados, o que agrava ainda mais problemas como enchentes, boeiros entupidos, doenças infectocontagioasas entre outras.

Imagens registradas pelos alunos do projeto “Ler a Vida” evidenciam a falta de urbanização e o acúmulo de resíduos em local inadequado, que prejudicam o meio ambiente e colocam em risco moradores da região.


JANEIRO DE 2012

4

Responsabilidade Sócioambiental

O caso da rua Cassiano Ricardo Casa corre risco de desmoronamento com as fortes chuvas e falta de canalização do córrego

Imagem da casa: Rua Cassiano Ricardo. Família não tem para onde ir e corre risco, morando em construção que pode desmoronar a qualquer momento com as fortes chuvas. Segundo moradores a Defesa Civil diz não tomar providências porque a canalização do córrego é de responsabilidade da Sabesp.

E

m 21 de Janeiro a equipe do Jornal Folha Verde esteve nesta localidade e conversou com moradores. O proprietário do imóvel da Rua Cassiano Ricardo, Rivai Frois informou à redação que já acionou a Defesa Civil para indicarem uma providência, mas o agente informou apenas que no momento não há o que fazer, já que a obra de contenção do córrego é de responsabilidade da SABESP. “O que eu podia fazer neste momento era interditar sua casa, mas estou sem fita zebrada”. Alegou o agente. A grande preocupação da locatária da casa, Rosemeire Alves da Silva, é o risco em que está submetendo sua família, já que a casa aos poucos começa a desmoronar a estrutura, levada pelas as fortes chuvas. “A casa foi construída encima de um

aterro muito próximo à margem e quando chove a água sobe e leva a terra de baixo da casa, não consigo dormir em dias de chuva torrencial, a prefeitura tem que fazer alguma coisa, urgente”. Reivindica preocupada, a munícipe.

Agora, basta saber se a Defesa Civil, ou a Sabesp aguardarão algum incidente ocorrer no local para tomar as medidas cabíveis e necessárias. Será preciso esperar pelo pior para ver mudanças acontecerem?

Locatária da casa, Rosemeire Alves, teme pelo bem estar de sua família.

Expediente O Jornal Folha Verde é uma publicação elaborada pelos alunos do projeto “Ler a Vida”, desenvolvido no Ponto de Cultura João Santiago, com o apoio do Ministério da Cultura e Secretaria da Cultura de São Bernardo do Campo. Equipe Técnica: Coordenador Prof. Ms. Raimundo Nonato da Silva Filho; Prof. Bruno Pires; Profª. Carolina de Souza Silva; Profª. Paula Zequetti; Assistente Social Janete da Silva. Alunos do projeto: Adailson Costa, Aline Lima, Alice do Carmo, Ana Carolina Tavares, Ananda de Souza, Christian dos Santos, Gabriela Nogueira, Guilherme Tavares, Ketlen Gomes, Paulo Gonçalves, Raysah Oliveira e Taline Ferreira. Contato: (11) 4357-6240 ou nonnatto@ig.com.br


JANEIRO DE 2012

5

Nossa Gente

Fazendo a Diferença: Conheça os jovens do projeto “Ler a Vida”

E

m busca de novos conhecimentos, integração social, valorização e registro dos acontecimentos da região do Jardim Represa, cada vez mais jovens ingressam no projeto “Ler a vida”.

O projeto, que teve início em Agosto/2011, conta atualmente com a participação de 14 jovens da comunidade local, por onde já passaram, cerca de 30 participantes. O projeto está sempre de portas abertas

para novos integrantes e para participar, basta ter vontade e iniciativa, como os jovens que já participam do projeto ativamente. Vamos conhecer um pouco cada um deles?

Ketlen Gomes Caciel - 14 anos

Aline Lima - 21 anos

Paulo Henrique dos Santos - 16 anos Pq. Imigrantes

Eu adorei participar do projeto da AMIRP porque esse curso pode ajudar muito na minha vida profissional. E também pode ajudar as pessoas do bairro porque oferece varias oportunidades não só para mim mas para as pessoas que moram no bairro.

Já terminei meus estudos . “ Para mim participar do projeto vai ser muito importante para adquirir mais conhecimento e conscientizar a população sobre o que acontece ao nosso redor e ajudar a minha comunidade.”

“Pretendo acompanhar o desenvolvimento desse projeto que vai ser de grande importância para o meu desenvolvimento profissional e o do bairro onde moramos; com expectativa de deixar os moradores do bairro bem informados sobre os projetos, eventos, amostras culturais, contação de historias, show de musica e muitos outros eventos.

Adailson Guimarães - 14 anos

Taline Ferreira - 13 anos Jardim Represa

Raysah Oliveira Ribeiro - 13 anos

“Eu achei essa idéia bacana, porque ensina a cuidar do meio ambiente e também ensina a tirar foto e eu amei.”

“Eu espero que esse projeto mude um pouco a imagem do nosso bairro Jd Represa em relação aos outros bairros.”

Batisttin

Pq. Imigrantes

Jd Represa

Jardim Represa


JANEIRO DE 2012

6

Guilherme da Silva Tavares - 15 anos Jardim da Represa “O projeto é bastante importante não só para os envolvidos como também para a comunidade. Estou participando com a expectativa de aprender coisas novas e conhecer novas pessoas e principalmente o nosso bairro.” Ananda de Souza - 16 anos Jardim Represa “Esse é um projeto excelente e gostei muito. É uma nova oportunidade, aprendi muitas coisas e sei que com esse projeto posso crescer para algum dia ajudar pessoas que precisam aprender coisas diferentes”.

Alice do Carmo - 17 anos

Ana Carolina Tavares - 14 anos Jardim Represa

Christian dos Santos - 14 anos Pq. Imigrantes

Gabriela Andressa Nogueira -16 anos Jd Represa

“Acho muito legal,gosto muito, espero aprender coisas diferentes, espero que o projeto se desenvolva e chegue ao seu objetivo.”

“ Esse projeto é legal e significa bastante para mim. Espero que a cada dia vá ficando melhor, a única coisa que não gosto é que tem que acordar cedo...”

“Gosto muito do curso pra mim é muito interessante as oficinas de fotografia, redação e informática espero que ajude a comunidade.”

T

Jardim Represa

“Esse curso vai ser muito importante para conscientizar as pessoas do que acontece ao nosso redor.”

odos os meses, vamos apresentar no Folha Verde o perfil de um morador da região, conhecer um pouco de sua história de vida e benfeitorias.

Manuel Tavares da Silva - 65 anos

Perfil do mês

Nascido em Minas gerais, veio para São Bernardo do Campo em 1969 aos 24 anos. Aqui, encontrou uma região composta de chácaras. Sem a instalação de água encanda, luz ou asfalto. Por muito anos morou de alguel devido as dificuldades financeiras vividas na época. Com o tempo, muito trabalho e suporte de sua esposa, consegui comprar sua casa própria, onde vive até hoje. Há dois anos, o Sr. Manoel fundou a AMIRP - Assossiação de Movimento Integrado de Reivindicações Populares, com o intuito de ajudar a comunidade e proporcionar novas oportunidades para as pessoa. Com muita experiência e sabedoria, o Sr. Manoel acredita e torce pela melhoria no meio ambiente e na vida das pessoa. Ele crê que nós - seres humanos - precisamos nos ajudar mutuamente para podermos crescer, nos respeitar e termos um futuro digno. E que todos devemos contribuir para manter o meio ambiente limpo e saudável.

Manoel Tavares da Silva


JANEIRO DE 2012

7

Cultura e Lazer

Folha Verde: Lançamento em grande estilo

E

m 17 de ezembro de 2011, ocorreu o lançamento oficial do “Jornal Folha Verde”.

O Jornal, faz parte do projeto Ler a Vida, apoiado e gerido pela AMIRP - Associação de Movimentos integrados de Reivindicações Populares e, é desenvolvido por jovens moradores da região, visando a valorização e o registro das ações culturais e acontecimentos sociais da região do Jardim Represa. Nesse dia representantes do Camp – Centro de formação e integração social, puderam apresentar aos presentes as oportunidades oferecidas pela instituição, para jovens que estudam na rede de ensino publico, oferecendo a eles preparação profissional de ótima qualidade, para o mercado de trabalho sem nenhum custo ao participante.

1ª edição do Jornal Folha Verde

Moradores da região, representantes da Secretaria da Cultura e o vereador Paulo Dias, também compareceram ao evento, reconhecendo e incentivando o trabalho dos alunos.

Lançamento do Jornal Folha Verde, reúne comunidade e convidados especiais

Inscreva-se! CURSO PREPARATÓRIO PRÉ-VESTIBULAR ENEM As políticas públicas disponibilizadas pelo Governo Federal, voltadas para a área de educação, especialmente as ligadas à democratização do Ensino Superior no Brasil, encontram hoje, sem dúvida, um importante gargalo na passagem do Ensino Médio para o ingresso em uma universidade. Pensando nisso, o Ponto de Cultura João Santigo em parceria com a Natura Cosméticos disponibilizará a preço popular, o curso preparatório pré-vestibular, que visa sanar em partes as dificuldades advindas do ensino público secundário. O curso preparatório para o Enem - Exame Nacional de Ensino Médio, encontra-se com inscrições abertas. Para participar é necessário que os interessados estejam cursando entre o 2º ou 3º ano do Ensino Médio, ou já tenham concluído seus estudos. Neste curso serão ofereceridas disciplinas que compõe as áreas de Ciências da natureza, Códigos e Linguagens, Ciências Humanas, Matemática e suas tecnologias. As aulas têm início previsto para o dia 25/02/2012. Os alunos interessados, devem fazer sua inscrição no Ponto de Cultura João Santiago - Rua Ponta Grossa nº1, jardim represa, aos sábados das 8h às17h. Informações: Tel: 43576240 ou 8320-3202 e no e-mail: nonnatto@ig.com.br


JANEIRO DE 2012

Cultura e Lazer Comunicação comunitária integra projetos sociais no Jardim Represa A Associação de Movimento Integrado de Reivindicações Populares – AMIRP, e Associação Cultural Jardim Represa, articulam integração de projetos sociais no campo da comunicação comunitária. A AMIRP desenvolve por meio do Ponto de Cultura João Santiago, um jornal que tem como preocupação inicial levar ao conhecimento da população as dificuldades vividas pela comunidade e, sobretudo, protagonizar os jovens participantes. A Associação Cultural colocou no ar uma rádio comunitária, Represa FM 87,5, que tem como objetivo principal levar informações ligadas às comunidades do entorno do grande Batisitini. Em visita ao local os jovens do projeto Ler a Vida, que produzem o Jornal Folha Verde, declararam que essa é uma oportunidade ímpar, o fato de possuírem no bairro dois veículos de comunicação tão importantes. Guilherme da Silva Tavares diz que: “poder participar do projeto Ler a Vida, produzir um jornal e ainda conhecer o estúdio de uma rádio, mostrou-se muito importante, tanto para mim quanto para meus colegas e, sobretudo, para a região”.

Apoio:

Leitura: instrumento de transformação social

8

Jornal Folha Verde  

Jornal Folha Verde- Ediçao 2