__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO Criado em 18/02/2004 • Fundador: Antônio Galdino Paulo Afonso-BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 Ano XVII • Número 200 Aponte seu celular para o QR Code

ANEXO 99 EDIÇÃO1 ECIAL

"Até aqui nos ajudou o Senhor" (I Sm 7:12)

ESP

Jornal Folha Sertaneja – Edição Nº 200 17 anos de caminhada O sonho de fazer um jornal em Paulo Afonso é bem antigo e já teve outras tentativas na cidade de Paulo Afonso. Desde o JOPA e o ECO, dos tempos de Abel Barbosa, o Jornal do Poste, o jornal de Paulinho Residual, o Forquilha, Jornal Paulo Afonso, a Gazeta de Paulo Afonso (depois, Gazeta da Bahia), Fronteiras, Paulo Afonso Magazine, Destaques do Sertão, e outras publicações, várias foram as tentativas de se criar e manter, regularmente, uma publicação impressa em Paulo Afonso. O jornal Folha Sertaneja foi essa última iniciativa que nasceu em 18 de Fevereiro de 2004 e chega aos 17 anos de caminhada, exaurido, sem forças, sem apoios que lhe permitam continuar informando com a ética, a seriedade e a preocupação com a qualidade editorial. Esta é a edição Nº 200, com mais de 60% de seu custo pago pelo seu editor, talvez para registrar uma despedida. Como disse no Editorial desta edição, o jornal Folha Sertaneja registrou a história recente do município de Paulo Afonso nos últimos 17 anos. Mas isso parece

não interessar para muita gente. Também digo no Editorial que embora Harold Robbins tenha escrito que “Os Sonhos morrem primeiro”, há quem assegure que “os sonhos não morrem. Apenas adormecem na alma da gente.” Quem sabe, amanhã, talvez... Assim, nesta edição que marca os 17 anos de vida do jornal Folha Sertaneja queremos deixar um abraço fraterno de muita gratidão àquelas pessoas que sonharam junto comigo, e se doaram também, ao longo dessas quase duas décadas para que todos os meses este jornal chegasse a leitores de Paulo Afonso e de cidades vizinhas e voasse mais alto, pelas ondas da internet, pelos e-mails, pelos grupos de Whatsapp pelo mundo a fora. Aos jornalistas Clementino Heitor de Carvalho, Ednaldo Júnior e Lúcia Reinaldo o apoio da jornalista Veruska Alcântara em edições especiais. A Nilson Brandão que cuidou tão carinhosamente das notícias do Esporte e a Nadja Maria que cuidava da Página Social. Aos repórteres Giuliano Ribeiro e Antônio Carlos Zuca. Aos cronistas Ivus Leal, Francisco

Nery e outros colaboradores. À Secretária Zenaide Novaes e ao atual Secretário Ricardo Costa. Aos WebDesign, diagramadores, Handerson Carlos (que também foi chargista), Tony Júnior e ao atual Admilson Gomes. Durante muitos anos o jornal Folha Sertaneja foi impresso na Editora Gráfica Fonte Viva. Há um tempo vem sendo impresso na GrafMarques, em Maceió. As fotos a seguir registram o lançamento da edição Nº1 deste jornal Folha Sertaneja em evento realizado no CPAZINHO e contou com a presença dos prefeitos de Jatobá e de Delmiro Gouveia, do presidente da Câmara de Paulo Afonso, João Lima de Souza, do presidente da CDL, Francisco Rodrigues, do diretor da RD Rações/Supermercados Suprave, Sebastião Leandro de Morais, do presidente da Ascopa, Erivaldo Nascimento, do Venerável da Loja Maçônica União do São Francisco, Josimar Luís, do presidente da OAB, Adv. José Fernandes Neto, do Comandante do 20º BPM, Tenente Coronel

José Nilton, e ainda vereador Regivaldo Coriolano, e grande número de empresários e amigos de Paulo Afonso.

Na noite do lançamento do jornal Folha Sertaneja o evento foi animado pelo músico Hamilton.


A2

Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

EDITORIAL

Jornal Folha Sertaneja – 17 anos de caminhada Com a marca desta edição Nº 200, chegamos a exatos 17 anos de caminhada do jornal Folha Sertaneja. Ao longo desse tempo fomos o registro da história recente de Paulo Afonso. E há muita história nas páginas do jornal Folha Sertaneja nesses 17 anos... Muitas histórias... O Folha Sertaneja nasceu no dia 18 de fevereiro de 2004. Logo ao chegar, no final de março, acompanhou a renúncia do Prefeito Paulo de Deus que desejava, como o fez, candidatar-se a prefeito de Canindé do São Francisco, em Sergipe. Não teve sucesso. No restante do ano de 2004 o município de Paulo Afonso foi gerido pelo vice-prefeito Wilson Pereira que, também tentou a reeleição em outubro daquele ano, mas perdeu para o grupo de oposição encabeçado pelo bioquímico aposentado da Chesf Raimundo Caires Rocha, que foi o gestor do município de 2005 a 2008. Caires tentou se reeleger, mas perdeu a eleição para Anilton Bastos Pereira, apoiado pelo grupo político sob a liderança de Luiz de Deus. Teve como vice-prefeito o Sr. Jugurta Nepomuceno Agra, empresário da Casa O Ferrageiro. Governou de 2009 a 2012 e se

reelegeu para novo mandato, de 2013 a 2016, mantendo o mesmo vice-prefeito, Sr. Jugurta. Em 2016, exatamente o inverso do que aconteceu em 1992, quando Luiz de Deus encerrou o seu primeiro mandato e o seu grupo político trabalhou para a eleição de Anilton Bastos que teve o seu primeiro mandato entre 1993/1996, vinte e quatro anos depois, Anilton Bastos passava o mandato de prefeito para Luiz de Deus. O jornal Folha Sertaneja também registrou a caminhada política do médico Luiz de Deus que, ao deixar a Prefeitura de Paulo Afonso foi eleito Deputado Estadual da Bahia, sendo reeleito seguidamente para mais três mandatos, totalizando 16 anos e mais meio mandato (dois anos) como Deputado Federal, suplente que era de ACM Neto que deixou a Câmara Federal para ser prefeito de Salvador. E viu Mario Negromonte ser eleito Deputado Federal e nomeado Ministro das Cidades. E seu filho, Mário Negromonte Jr. seguir seus passos e hoje, como Deputado Federal, fazer as pazes com o prefeito Luiz de Deus e apoiar a sua reeleição em 2020, depois de 35 anos de rusgas das famílias...

Aleluia, Paulo Rangel e outros também tiveram passagem pelo jornal, vez por outra... A jornal acompanhou também as mudanças do Poder Legislativo, a morte de Juvenal Teixeira, Antônio Alexandre, as mudanças das quantidades de vereadores nas várias legislaturas, as gestões dos presidentes Antônio Alexandre (duas vezes), João Lima Souza, Ângelo Carvalho, Regivaldo Coriolano, Marcondes Francisco, Petrônio Nogueira, Pedro Macário Neto (duas vezes) e as lutas das poucas mulheres vereadoras Dra. Francisca Barros, Ivanete Avelino, Risalva Toledo, Vanessa Barbosa de Deus, Leda Chaves e Evinha Oliveira, seis das dez mulheres eleitas vereadoras em Paulo Afonso. O jornal também acompanhou o crescimento do comércio, com a chegada de grandes lojas do país e viu crescerem as universidades e até a chegada de um Centro Universitário. O jornal viu o crescimento e a decadência do Turismo em Paulo Afonso, enquanto cresce em outros municípios da Região dos Lagos do São Francisco. Nunca os valores culturais, especialmente os que se referem à Cultura Literária tiveram tanto

espaço numa publicação impressa como no jornal Folha Sertaneja que também destacou a importância das mulheres em muitas de suas edições assim como destacou a vida social e o esporte desde a sua primeira edição, quando Nadja Maria tinha uma página Social e Nilson Brandão exaltava o esporte que, nestes anos passados viveu momentos de glória. Também registrou a grandeza e o esvaziamento da Chesf, as muitas e poucas águas da Cachoeira de Paulo Afonso, a novela mexicana das idas e vindas da passagem do Hospital da Chesf, o HNAS, que acabou caindo no colo da Prefeitura de Paulo Afonso. Também estão registradas no jornal Folha Sertaneja as promessas da UTI e da construção de uma segunda ponte que liga a Ilha de Paulo Afonso ao continente... O jornal documentou várias vezes os desencontros de políticos que depois se tornaram amigos de fé, irmãos, camaradas. O jornal Folha Sertaneja, sobreviveu estes 17 anos, com muita luta, como um sonho que não podia morrer, embora, a cada ano, fossem rareando os apoios do comércio, da Chesf, da Câmara e da Prefeitura, esses três últimos citados porque possuem em seus orçamentos verba para publicidade. Infelizmente, depois destes 17 anos e do grandioso arquivo desses registros todos em suas 200 edições, o jornal Folha Sertaneja está morrendo... Nadou tanto e está morrendo na praia...

Os únicos apoios financeiros permanentes, certos, todos os meses, são os recebidos da SUPRAVE e da CASA O FERRAGEIRO, valores pequenos que, quando somados a outros eram suficientes. Mas, não há mais outros, todos os meses... A Galcom Comunicações é uma micro empresa e, portanto, tem funcionários, encargos sociais, impostos municipais e, a sua existência sempre foi uma parceria entre estas instituições, o comércio, empresários... Como está, o jornal Folha Sertaneja, depois de 17 anos de caminhada, 200 edições que somam milhares de páginas, todo um cuidado gráfico e editorial, respeito e ética, nas atuais condições, passará, infelizmente, a ser também parte da história de Paulo Afonso. E eu, ao criar esse informativo mensal, mesmo tendo decepções no dia do seu lançamento pela atitude de um político local, sempre pensei que um município como Paulo Afonso merecia ter um bom jornal, equilibrado, sério, pelo menos uma vez por vez. Harold Robbins escreveu “Os Sonhos morrem primeiro”. Mas há quem assegure que “os sonhos não morrem. Apenas adormecem na alma da gente.” Quem sabe, amanhã, talvez... Antônio Galdino da Silva Diretor da Galcom Comunicações (jornal Folha Sertaneja e site www.folhasertaneja.com.br)

Bravas mulheres brasileiras:

08 de março, Dia Internacional da Mulher. Em Paulo Afonso, nossas mulheres Elas têm o legítimo direito de não se deixar subjugar. Os homens, a parte forte apenas após nove meses de formação intensiva – na barriga delas. Fortes no físico, delas dependem para controlar as rédeas. Mulheres fortes têm sido fundamentais na vida e no desenvolvimento de consagrados líderes mundiais. Melhor quando elas são esses líderes. Basta, a título de ilustração, a citação de Ana Nery, Maria Quitéria, Joana D’Arc, Golda Meir e Ângela Merkel, para não falarmos de Maria, a mãe de Jesus. Quando a noção da superioridade dos homens for completamente apagada das nossas mentes, elas serão muito mais. O professor Antônio Galdino publicou extensa matéria que narra a visita a Paulo Afonso da pioneira da aviação brasileira Ada Leda Rogato (1910 – 1986), primeira mulher a obter licença como paraquedista e a terceira a obter uma licença de piloto de avião no Brasil. Após um dos seus feitos, foi recebida de volta no Rio de Janeiro nada menos que por Santos Dumont. A matéria citada pode ser acessada na Folha Sertaneja do professor Galdino. Em Paulo Afonso, nossas mulheres não ficam atrás. Temos duas delas na nossa Câmara Municipal, a “Irmã Lêda” e Evinha Oliveira. A

Francisco Nery Júnior Membro efetivo da ALPA Cadeira 18

última dá sinais de entender a função primordial do vereador de fiscalizar o Poder Executivo, além da atribuição de elaborar as nossas leis. Tivemos várias mulheres guerreiras e comprometidas na nossa Câmara. A primeira delas, Dinalva Simões Tourinho, filha do saudoso, comprometido e leal fundador do Colégio Paulo Afonso, professor Enoch Pimentel. Ainda passaram por lá a doutora Francisca Siebert, de saudosíssima memória, e Vanessa Barbosa de Deus, altamente avaliada pelo professor Francisco Alves do IFBA de Paulo Afonso. Temos um batalhão de professoras pacientes, dedicadas e comprometidas com o processo educacional a quem dedicamos o nosso carinho e o nosso agradecimento. Não teríamos espaço para citá-las todas. Outras heroínas poderíamos citar dos nossos hospitais, das forças de manutenção da ordem, das creches, das que nos ajudam nas nossas casas ou da turma que bravamente luta para manter a cidade limpa – que nós outros sujamos. A todas elas, o nosso carinho e o nosso reconhecimento.

EXPEDIENTE Diretor Antônio Galdino O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO Rua da Concórdia, 555-B - Gal. Dutra - Chesf Tel/fax: (75) 3282.0046 - CEP: 48607-240 Paulo Afonso - Bahia E-mail: professor.gal@gmail.com Os textos assinados não representam necessariamente a opinião do jornal, sendo da responsabilidade dos seus autores.

Secretário de Redação Ricardo da Costa Diagramação Admilson Gomes Fotos Antônio Galdino

Colaboradores desta edição Francisco Nery, Giuliano Ribeiro, Jaime Jackson, Isac Oliveira, Jovelina Ramalho, Dorisvan Lira, Vitor Batista e Juliana Ribeiro dos Santos Costa Impressão GrafMarques


Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

A3

Parabéns, D. Risalva Toledo 94 anos de muitas histórias de vida!

Os tempos em que estamos vivemos têm sido de muita notícia ruim, de gente doente, de pessoas amadas que têm nos deixado, de vivermos trancados em casa... Mas há a necessidade de celebrar a vida! E aproveitamos para falar da vida intensa de uma pessoa que tem tudo a ver com a história de Paulo Afonso hoje, cidade grande, de mais de 120 mil habitantes, centro universitário, comércio grande... Nesta segunda-feira, dia 15 de março, quando muitos olhares se voltaram para as lembranças da Chesf, criada nesta data, há 73 anos, também estava aniversariando uma doce senhora chamada Risalva Maria de Toledo, um tantinho mais idosa que a Chesf. Dona Risalva Toledo, cearense de Juazeiro do Norte, que chegou a Paulo Afonso em 11 de setembro de 1950, completava 94 anos de vida intensa e de grandes serviços prestados ao município de Paulo Afonso. A Paulo Afonso que ela ajudou a embalar no colo, quando, no começo dos anos difíceis do final da década de 1940 e das décadas seguintes, especialmente a décadas de 1950 e 1960 tudo era tão diferente dos dias atuais. Naqueles difíceis tempos, quando Paulo Afonso ainda se chamava Forquilha e depois passou a ser conhecida como Vila Poty, a Rua da Frente, hoje Avenida Getúlio Vargas era separada do Acampamento da Chesf por uma cerca de arame farpado e depois por um muro de pedras. A Vila Poty, sem calçamento, sem rede de esgotos, sem luz elétrica, que só chegou ali em 1960, abrigava milhares de pessoas que chegavam atraídos pela oferta de empregos na Chesf que construía

a sua primeira usina hidrelétrica, a Usina Paulo Afonso. E na Rua da Frente se estabeleceram os comerciantes da Vila Poty, desde a Guarita Principal da Chesf até as proximidades da Igreja de Fátima. Ali estavam os sapateiros como Bacôca, Seu Lúcio e outros, as sorveterias como a Vitória, do Seu Artur e a Botijinha, de João Mariano, a Padaria de Zé Marcelo e as muitas lojas de tecidos, confecções e de produtos variados como a Casa das Linhas de Seu Nelinho e o Loja de D. Noquinha e o Bazar das Novidades de Raimundo Toledo e D. Risalva Toledo. Esta senhora, Dona Risalva Toledo, viveu intensamente a história da emancipação política de Paulo Afonso desde os seus primórdios. Participava ativamente das reuniões secretas quando se discutia o assunto. Era a única mulher nessa atividade tão intensa, vivendo os medos das perseguições e atentados, como os que sofreu o pioneiro Abel Barbosa, seu amigo, seu compadre. Estabelecida no comércio da Rua da Frente, D. Risalva sentia a necessidade dessa independência de Paulo Afonso porque tudo estava centralizado dentro da Chesf. Ali, no Acampamento da Chesf a hidrelétrica construiu o Mercado Público e ali funcionava também a feira livre, esvaziando o movimento do comércio da Vila Poty.

Dona Risalva e Abel Barbosa

No seu Bazar das Novidades, conforme entrevistas dadas ao autor, para os seus livros: De pouso de Boiadas a Redenção do Nordeste (1995) De Forquilha a Paulo Afonso – histórias e memórias de pioneiros (2014) e Abel Barbosa – o inventor de Paulo Afonso (2019), um dos seus clientes era um sujeito baixinho chamado Abel Barbosa que, “costumava comprar meias, perfumes e a famosa Brilhantina Promessa”, muito preferida pelos rapazes daquela época”, ela me disse. Ela e Abel ficaram amigos, tornaram-se compadres e ela foi peça muito importante em todo o processo da emancipação política de Paulo Afonso. Ela sabia de tudo, inclusive sobre as fugas de Abel Barbosa e acompanhou de perto as histórias dos atentados que ele sofreu... Paulo Afonso se tornou emancipado em 28 de Julho de 1958. E só mais de 30 anos depois, quando foi eleito prefeito de Paulo Afonso o médico Luiz Barbosa de Deus, é que essa mulher fantástica recebeu o reconhecimento público de sua luta, ao ser chamada para ser a vice-prefeita de Luiz de Deus, cargo que exerceu entre os anos de 1989 e 1992, no primeiro mandato desse prefeito. Como ela nasceu em 1927, em Juazeiro do Norte, foi vice-prefeita com 62 anos de idade. Fui informado pelo ex-secretário de Administração daquele tempo que em uma reunião com o prefeito Luiz de Deus ele teria dito: "você e D. Risalva, quando morrerem vão pro céu. Vocês não sabem dizer não..."

Ainda assim, no ano de 2000, quando estava com 73 anos enfrentou uma campanha acirrada como candidata a vereadora, elegendo-se

Deputado Federal Mário Júnior comemora mais uma conquista para Paulo Afonso O Deputado Federal Mário Negromonte Júnior (PP) comemorou nesta quarta-feira (10) mais uma conquista para os pauloafonsinos. “Depois de nossa reunião virtual com nosso amigo Presidente do FNDE @marcelolponte e de diversas tratativas, conseguimos resolver todas pendências do Município de Paulo Afonso junto ao Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope). Essa ação foi muito importante para a adimplência do nosso mu-

nicípio, ou seja, estamos aptos a receber transferências, celebrar

convênios e realizar operações de crédito, em especial o Programa de Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa). Minha parceria com o nosso Prefeito @ soumaisluiz55 foi e sempre será́ para fazer bem e ajudar o nosso querido povo de Paulo Afonso,” disse Mário Júnior. O deputado vem se destacando com as suas ações voltadas para todo o estado, mas principalmente para a sua cidade natal, Paulo Afonso-Bahia. (por: giulianoribeiro.com.br)

pelo PPB, com 995 votos, para a 11ª Legislatura da Câmara Municipal de Paulo Afonso onde atuou do ano de 2001 ao ano de 2004, deixando aquela Casa Legislativa em 31 de dezembro de 2004, aos 77 anos, 9 meses e 16 dias. No ano de 2009, o Padre Celso da Anunciação teve a brilhante ideia de criar um calendário onde homenageava 12 mulheres pioneiras de Paulo Afonso, a quem chamou de Mulheres Caraibeiras, destacando cada uma delas pelo trabalho que desenvolvia em várias áreas de atuação. Entre estas estava a caraibeira frondosa na beleza dos seus 82 anos de idade.

Hoje, Dona Risalva Toledo, que chegou a Paulo Afonso em 11 de setembro de 1950, viúva há muitos anos do Sr. Raimundo Toledo que dá nome a uma escola da rede municipal, no Bairro Rodoviário, mora com um filho, o médico Roberto e sua esposa Cida no Bairro Panorama, em Paulo Afonso. Também há anos sofre do mal de Alzheimer. Nesse dia 15 de março de 2021, Dona Risalva Toledo recebeu o carinho dos familiares numa reunião íntima, da família, apenas para marcar essa data tão importante na vida de quem há mais de 70 anos se tornou, naturalmente, filha do município de Paulo Afonso.

Sempre muito agradecido a ela pelas muitas informações que me deu sobre todo o processo da emancipação política de Paulo Afonso, informações utilizadas nesses meus livros citados e em várias revistas que também publiquei, além de várias matérias especiais sobre Paulo Afonso publicadas no Jornal Folha Sertaneja, quero deixar esses aplausos e pedir que todos me acompanhem nessa homenagem singela que ela nem perceberá, mas merece receber. De todos nós, pauloafonsinos. Deixamos então aqui essa nossa homenagem simples, esse registro da importância desta mulher sertaneja para a vida do município de Paulo Afonso, desde antes de sua criação, quando ainda era Forquilha, Vila Poty e Distrito de Paulo Afonso e depois, quando já município de Paulo Afonso, ela continuou contribuindo para o seu desenvolvimento, como vice-prefeita e como vereadora. É uma grande pena que a ciência ainda não tenha encontrado o remédio para a cura desse mal terrível que faz com que pessoas iluminadas e com tanto conhecimento, uma memória privilegiada por acompanhar de perto todos os acontecimentos, não tenha mais como contribuir para o resgate fiel das histórias que ajudou a construir. Parabéns, D. Risalva pelo muito que fez para que Paulo Afonso exista hoje! Feliz aniversário, de 94 anos! Feliz aniversário todos os dias!!! Com o abraço fraterno e muitos aplausos. Professor Antônio Galdino da Silva professor.gal@gmail.com Paulo Afonso- BA, 17 de março de 2021

Lançamentos de livros do escritor Luiz Ruben


A4

Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

Homenagem às mulheres da ALPA, todas MARIAS e a todas as mulheres, no seu dia especial O dia 8 de março nasceu por um fato triste: a morte de mais de 100 mulheres de uma fábrica têxtil em Nova Iorque que, ao reivindicarem a redução de sua carga de trabalho de 16 horas para 10 horas de trabalho diário, ficaram presas na fábrica que estava em chamas e ali morreram carbonizadas. Era 8 de março de 1857.

A data, ao longo dos anos, transformou-se numa oportunidade para homenagear a mulher, pela beleza, a ternura, a meiguice, a força, a inteligência, o afeto, o carinho, a capacidade de fazer tudo e ainda o sorriso que quebra qualquer situação desagradável. A mulher tem, sim, esse poder que as vezes nem ela acha que tem. Quer saber qual a força de uma mulher?

Mexa com suas crias. Ela vira uma leoa em sua defesa. Nas profissões, antes tidas com exclusivas dos homens, elas dominam e dão aulas pros marmanjos... Por todos esses predicados, a mulher tem sido, ao longo da vida, dos séculos, dos milênios, a musa inspiradora dos poetas e prosadores. Deus que tudo sabe e tudo vê, escolheu a mulher, sim-

Jovelina Maria Ramalho

Carioca, cidadã de Paulo Afonso, professora, bacharel em Direito, poetisa, cordelista e, quando tem oportunidade, alegra os eventos da ALPA com sua linda voz. Já escreveu três livros e tem participação em vários outros. Acaba de estar entre as primeiras em concorrido concurso literário. Tem participado ativamente presencialmente, antes da pandemia e apoiando de forma remota, levando o projeto da ALPA “O Escritor Vai à Escola” a várias escolas públicas de Paulo Afonso. É a Secretária Geral da ALPA, na atual gestão.

Maria do Socorro Araújo

Pauloafonsina, Pedagoga, Professora, Bacharel em Arqueologia. Podem chama-la de Marajana que é como assina suas belas poesias que estão em alguns dos seus livros e em outros, Antologias poéticas da região. Também tem participado muito ativamente presencialmente, antes da pandemia e apoiando de forma remota, levando o projeto da ALPA “O Escritor Vai à Escola” a várias escolas públicas de Paulo Afonso. É a diretora tesoureira da ALPA atualmente.

Maria Cleonice Vergne

Baiana, soteropolitana, também foi acolhida por Paulo Afonso. Professora da UNIRIOS e da UNEB por muitos anos, Doutora e Pós-Doutora na área de Arqueologia, tem uma grande história da descoberta e organização dos sítios arqueológicos de Xingó que resultaram na criação do Museu Arqueológico de Xingó quando do enchimento da barragem e, mais recentemente, ainda na gestão do ex-prefeito Raimundo Caires a identificação de cerca de 100 sítios rupestres no município de Paulo Afonso, na região do Rio do Sal, Malhada Grande, Mão Direita dentre outros lugares que gerou um livro chamado Pedras Pintadas.

Maria Thelma Acioly

Pauloafonsina dos primeiros tempos - Escritora, estudou durante a sua infância e adolescência nas escolas da Chesf em Paulo Afonso de onde guarda as melhores recordações que lhe renderam um livro chamado Um rio que mora em mim, que traz suas vivências com o rio São Francisco, dentre outros livros que já escreveu. Há anos, esta pauloafonsina mora em São Paulo. É membro correspondente da ALPA.

ples, humilde, anônima, do meio do povo simples, para ser a mãe do Salvador do mundo... Criou-se um dia, no mundo, para que seja exaltada, homenageada, apenas para que todos possamos lhe dizer, nesse Dia Internacional da Mulher, que dela, da mulher, são todos os dias, onde ela, reina, ama, se enternece, chora, ri e afaga com o seu

ser tão especial, aqueles que rodeiam o seu trono... A Academia de Letras de Paulo Afonso tem 38 membros, escritores e escritoras, poetas e poetisas, cordelistas, violeiros, historiadores, pesquisadores. Desse total de gente que pensa, escreve, busca informações e sobretudo que deixa que seus sentimentos explodam em versos falan-

do de coisas, de ambientes, lugares e de pessoas, entre os 38 membros da ALPA, sete são mulheres, todas MARIAS, as MULHERES DA ALPA: Jovelina Maria Ramalho, Maria Socorro de Mendonça, Maria do Socorro Araújo, Maria da Glória Lira, Maria Cleonice de Souza Vergne, Maria Gorette Moreira e Maria Telma Barbosa Aciole de Lima.

Maria Socorro de Mendonca

Nasceu no Ceará e ainda menininha se achegou por aqui. Virou cidadã dessa terrinha hospitaleira. Pedagoga, Professora, também poetisa de mão cheia. Já ganhou concursos e escreveu vários livros e tem participado de muitas antologias poéticas. No seu livro mais recente, Cozinhar 100 Segredos, mostra os seus dotes culinários. Também tem participado ativamente presencialmente, antes da pandemia e apoiando de forma remota, levando o projeto da ALPA “O Escritor Vai à Escola” a várias escolas públicas de Paulo Afonso.

Maria da Glória Lira

Paraibana de Esperança - Historiadora e Bióloga, tem uma história de gestão de atividades culturais no município de Paulo Afonso o que a fez ser membro fundadora da ALPA onde tem contribuições muitos preciosas. A sua experiência a leva a coordenar as ações de organização da Biblioteca Abel Barbosa, criada pela ALPA e a ser instalada no Memorial Abel Barbosa este ano.

Maria Gorette Moreira

Pernambucana de Triunfo - Pedagoga, Professora, Bacharel em Direito, escritora, poetisa, publicou o seu primeiro livro ainda dos tempos do Movimento Modernismo. Atua também como Secretaria Executiva da Câmara Municipal de Paulo Afonso e é presidente da Associação Comercial de Paulo Afonso. Tem participado ativamente dos movimentos que têm trazido benefícios para a mulher em Paulo Afonso, como a luta para a criação da DEAM. É a vice-presidente da ALPA, na atual gestão.

Estas poucas referências sobre cada uma dessas mulheres são apenas para lembrar a cada uma delas que elas são essenciais, importantes na caminhada desta Academia de Letras de Paulo Afonso e onde quer que elas, mulheres de todo o mundo, estejam. Que estas 7 MULHERES DA ALPA continuem alegrando a todos com a sua presença entre nós por muitos anos. Através destas pauloafonsinas, escritoras, poetisas, as 7 Marias da ALPA, saudamos e homenageamos todas as mulheres de Paulo Afonso e de todos os lugares. PARABÉNS!!! Professor Antônio Galdino da Silva Presidente da ALPA Paulo Afonso/BA, 8 de março de 2021


Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

A5

Breve história das Mulheres no Parlamento de Paulo Afonso - 10 mulheres nota 10 – E luta / Se aprimora / Fica igual / Se supera / Mostra competência / Vence!

Dinalva Tourinho-1959

Ivanete Bento-1994/1996 1997/2000 - 2001/2004

Lizette Alves-1959/1963

Francisca Barros-1983/1985 - 2001/2004

Risalva Toledo-2001/2004

Em 7 de abril de 1959 a Câmara Municipal de Paulo Afonso foi instalada quando foi realizada a primeira sessão, histórica, de posse dos primeiros oito (8) vereadores e do primeiro prefeito de Paulo Afonso, o comerciante Otaviano Leandro de Morais, estabelecido comercialmente com o seu Armazém Sertânia no número 316 da Rua da Frente que passou a ser depois a Avenida Getúlio Vargas. Em 7 de abril de 1959, num universo de extremo machismo da época, foram empossados na Câmara Municipal de Paulo Afonso 6 vereadores e 2 vereadoras. Ou seja, quase ninguém acreditava que 25% dos vereadores da primeira Legislatura de Paulo Afonso eram mulheres, mas ali estavam a Professora Lizette Alves dos Santos e a estudante Dinalva Simões Tourinho. E destaque ainda maior: a Vereadora Dinalva Tourinho, foi eleita como a primeira presidente da Câmara Municipal de Paulo Afonso. Mas, infelizmente, esse impacto causado na primeira legislatura foi rareando ao longo dos anos. Crescia o número de vereadores em cada Legislatura e diminuía o número de mulheres vereadoras. Em 7 de abril de 2021 a Câmara Municipal de Paulo Afonso completa 62 anos. Ao longo dessa história de 62 anos a Câmara Municipal de Paulo Afonso teve 210 vereadores eleitos e mais 20 que eram suplentes e assumiram os cargos que ficaram vagos, por morte, licença ou cassação de mandatos. Desse total de 230 vereadores que atuaram no parlamento municipal de Pau-

Vanessa de Deus-2005/2008

Irmã Leda-2014/2016 2016/2020 - 2021/2024

lo Afonso, até o ano de 2020, apenas 9 desses edis eram mulheres. Em 15 de novembro de 2020 foi eleita mais uma mulher vereadora: Evinha Oliveira. Ante, houve períodos muito longos sem a presença feminina na Câmara Municipal de Paulo Afonso. Na primeira Legislatura da Câmara, de 1959 a 1963, duas vereadoras estavam entre os 8 eleitos para a Câmara Municipal, como vimos: a Professora Lizette Alves dos Santos (irmã da Professora Lindinalva Cabral, as duas filhas do dentista Severino Alves dos Santos, de estreita relação com a diretoria da Chesf e Dinalva Simões Tourinho. Se foram eleitas com a influência dos pais ou não, o fato que ali estavam, vereadoras, defendendo os interesses da comunidade tão carente. Como precisava concluir os seus estudos, Dinalva se licenciou da Câmara e logo em seguida, em outubro de 1959 renunciou ao cargo. Somente 24 anos depois, na 7ª Legislatura, de 1º de janeiro de 1983 a 31 de dezembro de 1988, a Câmara de Paulo Afonso voltou a ter mulheres entre os vereadores, quando foram eleitas, em outubro de 1982 e empossadas em 01/01/1983, as vereadoras Maria José Barros Lins e Francisca Barros de Sousa Siebert, num quadro de 13 vereadores. Como Dinalva, a médica Francisca Barros também exerceu a presidência do Legislativo Municipal de Paulo Afonso, no período de 01 de março de 1984 a 31 de dezembro de 1985. Tendo sido eleita Vice-Prefeita na chapa do também

O Sinal

Os homens perguntaram a JESUS, quando seria o final dos tempos? O Mestre respondeu que não sabia, e sim só o Pai sabe, mas vocês verão através dos tempos os avisos, ainda assim não será o fim. Essa Pandemia já é o indício de um aviso, mas os homens ainda não perceberam que o Senhor Deus não está satisfeito com a humanidade. A corrupção dos políticos na compra dos medicamentos, a roubalheira para seus próprios bens vem acontecendo aqui no Brasil. A falta de leito em hospitais, mesmo tendo recursos recebidos pelo governo agu-

Maria José-1983/1988

çou ainda mais o mau caratismo da classe política que esquece a classe mais pobre que precisa ganhar o pão de cada dia. O Senhor Deus enviou Moisés, para tirar o povo do Egito, mandou dez pragas para que soubessem que o “EU SOU” o Senhor e Salvador, e também ao mesmo tempo endureceu o coração do faraó. Assim são os políticos com os corações duros, cheios de maldades só pensando neles. A maioria faz as suas festas às escondidas usando o dinheiro que lhes foi enviado para custear as despesas dos hospitais, pede ao povo que fique em casa, esque-

Nélia Correia-1989/1992

Evinha Oliveira-20021/20024

vereador José Ivaldo de Brito Ferreira, assumiu este cargo no Executivo Municipal em 1º de janeiro de 1986. Em 1989, na 8ª legislatura municipal que foi até 31 de dezembro de 1992, ainda com 13 vereadores, ocupa uma cadeira na Câmara outra médica, Nélia Correia da Silva Souza que teve uma atuação destacada na Câmara Municipal Constituinte, instalada em 10 de novembro de 1989, cujos trabalhos resultaram na criação da Lei Orgânica do Município de Paulo Afonso, promulgada em 21 de junho de 1990. O presidente da Câmara Constituinte foi o vereador Luiz Carlos de Carvalho. Na 9ª legislatura, de 1º de janeiro de 1993 a 31 de dezembro de 1996, agora com 15 vereadores, a suplente de vereadora Ivanete Avelino Bento assume a cadeira deixada pelo vereador Orlando Carvalho Lima, cassado pelo Poder Legislativo em 4 de julho de 1994. Ivanete Bento é reeleita nas duas legislaturas seguintes, a 10ª, de 1º de janeiro de 1998 a 31 de dezembro de 2001, com 15 vereadores e a 11ª legislatura, de 1º de janeiro de 2001 a 31 de dezembro de 2004, com 17 vereadores. Nessa 11ª legislatura, com 17 vereadores, também se reelege Francisca Barros de Souza Siebert, para outro mandato na Câmara de Paulo Afonso e elege-se Risalva Maria de Toledo, pioneira da emancipação política de Paulo Afonso que havia sido vice-prefeita na gestão do prefeito Luiz Barbosa de Deus (1989/1992). Assim, a 11ª legislatura da Câmara de Paulo Afonso, dos 17 edis, três eram mulheres: Ivanete

Jaime Jackson cendo das famílias que não têm o pão de cada dia. O Senhor Deus está Irado, pois a maldade do povo está indo longe demais. As orgias, as drogas, o tráfico tomando conta do país e ninguém toma uma providência, os crimes, assassinatos de jovens, filho matando pai e vice versa. Essa Pandemia meus amigos é um aviso do Senhor Deus para que nos aproximemos Dele, não só os brasileiros, também o mundo inteiro. Vamos observar, tudo vai passar, mas, virão outras e com certeza serão mais fortes, aí sim, será o grande sinal do final dos tempos.

Bento (em seu terceiro mandato), Francisca Barros (no segundo mandato) e Risalva Toledo. Para a 12ª legislatura, de 01 de janeiro de 2005 a dezembro de 2008, com 11 vereadores, foi eleita Vanessa Rodrigues Barbosa de Deus. Somente na 14ª legislatura, de 1º de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2016, no dia 5 de dezembro de 2014, a suplente de vereadora Leda Maria Rocha Araújo Chaves (irmã Lêda) assume a vaga deixada pelo vereador Juvenal Teixeira Lima, falecido no dia 28 de novembro de 2014. Irmã Leda foi eleita para a 15ª Legislatura (2016/2020) e reeleita para a 16ª Legislatura (2021/2024). Para esta 16ª Legislatura também foi eleita Evanilda Gonçalves de Oliveira (Evinha Oliveira), a 10ª vereadora a atuar no plenário da Câmara Municipal de Paulo Afonso. Em resumo, estas foram as mulheres no Parlamento de Paulo Afonso: 1959/1963 – Dinalva Simões Tourinho Lisette Alves dos Santos. 1983/1988 – Francisca Barros de Sousa Siebert Maria José Barros Lins 1989/1992 – Nélia Correia da Silva Souza 1992/1996 – Ivanete Avelino Bento - (assumiu em 5/07/1994 1997/2000 Ivanete Avelino Bento 2001/2004 – Francisca Barros de Sousa Siebert Ivanete Avelino Bento Risalva Maria de Toledo 2005/2008 – Vanessa Rodrigues Barbosa de Deus 2013/2016 Leda Maria Rocha Araújo Chaves (irmã Lêda)- (assumiu em 05/12/2014) 2016/2020 Leda Maria Rocha Araújo Chaves (irmã Lêda) 2021/2024 Evanilda Gonçalves de Oliveira (Evinha Oliveira) Leda Maria Rocha Araújo Chaves (irmã Lêda) Antônio Galdino da Silva Email: professor.gal@gmail.com Whatsapp – 99234-1740

Sobre esse tema, assim escreveu a poetisa Jovelina Ramalho, da Academia de Letras de Paulo Afonso -ALPA:

Mulheres no Parlamento Jovelina Ramalho Há uma doce fragrância Que faz bem e encanta Um toque diferente Uma inteligência persicaz e fina Um riso suave e doce Uma guerreira que se faz bonita. Uma mão suave De um lutar tão forte Um sexo “frágil” Onde a fortaleza mora Uma ninfa, uma deusa Uma doce e jovem senhora. Uma, das várias Marias Que no Brasil habitam. Loiras, morenas, mamelucas Todas belas, sem repetição É o feminino que brilha No lar, na escola ou repartição No sorriso brejeiro Sob o batom encarnado Há uma busca incessante No olhar aguçado Há o sonho da igualdade No direito que é legítimo que outrora foi negado. É a mulher que assume o pleito Onde só homem era votado Num Brasil de preconceitos Ingrato e masculinizado O feminino ganha um rosto Nas prefeituras, câmaras, presidência e senado. Eis a mulher do parlamento Que não esqueceu a canção de ninar Nem a suprema missão de gerar vidas Que cozinha, acolhe, pare e faz amor Que decide, planeja e acredita Que também é responsável por um Brasil melhor E luta Se aprimora Fica igual Se supera Mostra competência, Vence!

AS MULHERES Isac Oliveira Parabenizo todas as mulheres, Cantadas e decantadas, desejadas ou não! Menos arrumadas, mais ajeitadas, As musas e as que não são amadas. As que lutam por igualdade! As que sonham e são fantasmas de quem dorme. As mulheres mães e as que lutam para ser. Aquelas que são a inspiração para as composições E as que consolam os que pagam para tê-las com brevidade. Mulheres de todo cheiro e nação, De qualquer etnia e fervor. As que partiram e não deixaram saudades E aquelas que nunca se deixaram ir. As cruéis e desalmadas, As que pararam o poeta E as que açoitam os versos ainda guardados

A todas elas, flores, perfume e um coração! Mulheres que têm a sina fatigante Mesmo assim, aplacam a desgraça Rindo-se vermelho carmim e cantante De qualquer idade, sabem parar o tempo As feias? Só são as que querem ser! Mulheres que choram, riem, surtam Tudo de uma vez e ainda se recompõem altivas. Dançando e amando são quão Pomba gira! Quando mães, são santas e mártires vivas! Gozam fôlego de sete gatos. Se humanizam desumanizando homens E humanizam homens desumanizados Inflamam guerra e laboram pela paz. Marcam a ferro e fogo qualquer infantilizado Brincam com a vaidade e a sorte Desafiam o destino e num só golpe são a felicidade.


A6

Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

Dia 8 de março não é a data de aniversário de Maria Bonita Maria Bonita nasceu em 17 de janeiro de 1910 conforme pesquisa de Voldi Ribeiro publicada no seu livro Lampião e o nascimento de Maria Bonita

Rogério Xavier, Superintendente de Cultura de Paulo Afonso e Rubinho Lima, editor do livro de Voldi Ribeiro, me enviam link de matéria publicada pela jornalista Melina Dalboni que fala sobre esse livro chamado Lampião e o nascimento de Maria Bonita, publicado em 2019. De fato, a data do nascimento de Maria Bonita foi celebrada durante décadas e tem sido citada em dezenas de livros por muitos anos como sendo o dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher. Essa referência se tornou habitual, levando-se em conta que um dos seus defensores foi o renomado escritor, modelo de todos os outros que estudam o cangaço, Dr. Antônio Amaury Corrêa, falecido recentemente, em 26 de fevereiro, em São Paulo, aos 86 anos, como noticiou o site www. folhasertaneja.com.br. Dr. Antônio Amaury já havia reconhecido a descoberta fantástica de Voldi Ribeiro. Em Paulo Afonso, dentre os admiradores e fiéis seguidores do Dr. Antônio Amaury estão os escritores

Luiz Ruben, João de Souza Lima e o próprio Voldi Moura Ribeiro, também falecido em 20 de janeiro. Em intensa pesquisa, que levou anos, o sociólogo Voldi Ribeiro, apoiado pelo também pesquisador das coisas no Nordeste, Padre Celso da Anunciação, hoje morando na Alemanha, encontrou nos registros da Igreja Católica da Paróquia de Jeremoabo, as anotações da certidão de batismo de Maria Gomes de Oliveira, que viria a ser conhecida internacionalmente como Ma-

ria do Capitão, Maria Bonita e nesta certidão de batismo, reconhecido documentalmente, na ausência de outro documento de identidade, segundo o escritor Voldi Ribeiro, consta que o seu nascimento foi em 17 de janeiro de 1910, cerca de um ano e dois meses antes da data comemorada todos os anos – 8 de março. A descoberta de Voldi Ribeiro foi publicada inicialmente, quando ainda em sua fase de conclusão, no jornal Folha Sertaneja, edição Nº 91, páginas 5 e 6 e, quando

da realização do evento Cariri Cangaço, em foi por ele defendida publicamente. Em 2019, Voldi Ribeiro lançou o livro Lampião e o nascimento de Maria Bonita, pela Editora Oxente, de Paulo Afonso/BA, com 192 páginas fartamente ilustradas apresentando aos pesquisadores do tema cangaço esta data do nascimento de Maria Bonita: 17 de janeiro de 2010. O tema Maria Bonita, a companheira do cangaceiro Lampião tem merecido continuados estudos, livros,

filmes, documentários, teses de doutorado no Brasil e em outros países. Ela nasceu no Povoado Malhada da Caiçara que, na época do seu nascimento pertencia ao município de Santo Antônio da Glória, hoje Glória/BA. Esse povoado, como vários outros de Santo Antônio da Glória, passou a fazer parte do território do município de Paulo Afonso/BA quando ele foi emancipado em 28 de julho de 1958. Maria Bonita tem uma estátua de mais de dois metros de altura, em pedra sabão na Praça das Mangueiras, em Paulo Afonso e sua casa, na Malhada da Caiçara foi transformada em Museu Casa de Maria Bonita, após ser restaurada, sob a coordenação do escritor Luiz Rubem Bonfim, na gestão do Prefeito Raimundo Caires e faz parte de um dos Roteiros Turísticos do Cangaço. Em março de 2010, quando ainda não se tinha ainda o resultado dessa pesquisa de

Voldi Ribeiro, a Prefeitura de Paulo Afonso, através do Departamento Municipal de Turismo, na época dirigido pelo Professor Antônio Galdino da Silva e sob a coordenação direta do Coordenador de Cultura, escritor e historiador João de Sousa Lima, realizou, na Universidade do Estado da Bahia, em três dias, o 1º Seminário do Centenário de Maria Bonita, evento registrado em um Caderno Especial de 8 páginas do jornal Folha Sertaneja daquele mês de março. (Por Antônio Galdino da Silva)

Projeto de Lei do Executivo para compra Prefeito Luiz de Deus realiza videoconferência com Rui Costa sobre HNAS de vacinas contra covid-19 é aprovado O Hospital Nair Alves por unanimidade pelos vereadores de Souza (HNAS) foi pauta videoconferência entre Consórcio dao prefeito Luiz de Deus e o

Foi aprovado por unanimidade pelos vereadores, o Projeto de Lei de autoria do prefeito Luiz de Deus que prevê a inclusão de Paulo Afonso no consórcio para a compra de vacinas contra a covid-19. O ato do Executivo tem como objetivo acelerar a imunização da população e faz parte de ação liderada pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP). O documento foi aprovado em regime de urgência devido a sua importância dian-

te da pandemia vivenciada pelo mundo todo. “Com essa aprovação da Câmara, estamos enviando a documentação para a FNP para fazer parte do consórcio. Nossa esperança é que essa compra por parte dos municípios possa ser feita o mais breve possível e assim possamos adquirir mais doses, uma vez que atualmente dependemos do plano de imunização do Governo Federal para a chegada de doses”, ressalta o prefeito Luiz de Deus.

A ideia de constituir um consórcio público para aquisição de vacinas, medicamentos, insumos e equipamentos está fundamentada na Lei nº. 11.107/2005. De acordo com o Plano Nacional de Imunização (PNI), a obrigação de adquirir imunizantes para a população é do governo federal. No entanto, diante da situação de extrema urgência em vacinar brasileiros e brasileiras para a retomada segura das atividades e da economia, o consórcio público, amparado na segurança jurídica oferecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), torna-se uma possibilidade de acelerar esse processo. Os recursos para compra de vacinas poderão ser disponibilizados de três formas: por meio dos municípios consorciados, de aporte de recursos federais e de eventuais doações nacionais e internacionais. Ascom/PMPA

governador Rui Costa, realizada na tarde desta sexta-feira (19). Durante o encontro virtual foi passado ao governador os custos atuais com a unidade de saúde, onde foi solicitado o apoio ao Governo do Estado, uma vez que o HNAS atende pacientes não somente de Paulo Afonso, mas de toda a região, inclusive de outros estados que fazem fronteira com Paulo Afonso, como Sergipe, Alagoas, Pernambuco, além das cidades circunvizinhas da Bahia. “Solicitamos o apoio imediato do Governo do

Estado que se sensibilizou com os dados sobre o Nair, inclusive enviando ainda no início da próxima semana uma equipe para realizar um diagnóstico da unidade de saúde a assim partir para tomada de decisões”, enfatiza o prefeito O secretário de Estado da Saúde, Fábio Vilas Boas e a chefe de gabinete Eliza

Pellegrini também participaram, assim como a equipe municipal, composta pelo secretário de Saúde, Adonel Júnior; a secretária de Planejamento, Patrícia Alcântara; a Assessora de Controle Administrativo e Financeiro da Saúde, Ozenilde Souza e o subsecretário de Fazenda, Mozart Bezerra. Ascom/PMPA


O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO Criado em 18/02/2004 • Fundador: Antônio Galdino Paulo Afonso-BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 Ano XVI • Número 199 Aponte seu celular para o QR Code

"Até aqui nos ajudou o Senhor" (I Sm 7:12)

Chegou a Vacina do Covid. Renovação da Esperança! Aos poucos Paulo Afonso vai recebendo doses da vacina contra o Covid-19. Com cautela, buscou-se imunizar primeiro aqueles que estão na linha de frente de combate a este vírus. Muito justo! Quantos profissionais não deram suas vidas na defesa da nossa? Depois, fazendo renascer o brilho da esperança nos olhos dos idosos, primeiro os mais idosos, até de mais de cem anos e os nonagenários foram (e estão sendo) beneficiados com a vacina. Um fila grande, de mais 400 senhorzinhos e senhorinhas, pioneiros responsáveis pelo desenvolvimento de Paulo Afonso que vão recebendo a primeira dose. Enquanto os políticos brigam por causa da cor da bandeira da vacina que chega, o que importa mes-

Caros leitores do jornal Folha Sertaneja: Esta é a edição Nº 199, de Janeiro de 2021, deste jornal mensal, criado em 18 de Fevereiro de 2004 pela Galcom Comunicações. A próxima edição, de Nº 200, que vai sair no final de Fevereiro, é a edição do aniversário de 17 anos deste jornal. Durante estes anos fizemos o registro da história recente de Paulo Afonso. - Os últimos meses da gestão do prefeito Paulo de Deus e os 9 meses de gestão do seu vice-prefeito, Wilson Pereira. - A eleição, posse e o mandato do prefeito Raimundo Caires; - A eleição e reeleição e os 8 anos dos dois mandatos do prefeito Anilton Bastos;

mo é que ela seja eficiente e traga o alento do renovar de esperança de que amanhã será um novo e agradável dia.

Não importa se a vacina fale mandarim, inglês ou russo. Importa que ela cure! Para que se possa voltar a abraçar pessoas como Dona Noquinha(97),

- A eleição de Luiz de Deus em 2016. A atuação do vice-prefeito Flávio Henrique nos 100 dias no final de 2017 e nos 10 dias no final de 2020. - A reeleição de Luiz de Deus, agora tendo como vice Marcondes Francisco. Também acompanhamos e registramos a vida da Câmara Municipal em todos esses anos. O município, a Chesf, o comércio, a cultura, a região, estiveram nas páginas do jornal Folha Sertaneja todo esse tempo. Nos últimos 12 meses não temos tido o apoio de que precisamos. Ainda assim, com esforço supremo, estamos preparando esta edição Nº 199 e, no final de Fevereiro, a edição Nº 200, sem a certeza ainda de que elas serão impressas, como as 198 edições anteriores.

Adotamos um princípio de fé, copiando o que fazia o saudoso Professor Gilberto Oliveira que, a cada vitória dizia como o Profeta Samuel: “Ebenézer. Até aqui nos ajudou o Senhor”. Em cada mês, foi uma vitória! E sempre agradecemos a Deus a cada obstáculo vencido. Se for da vontade de Deus, outras, muitas outras edições impressas virão. Meu agradecimento a todos os fiéis leitores, aos que nos ajudaram ao longo da caminhada e aos anunciantes que estão conosco até agora: SUPRAVE e CASA O FERRAGEIRO... Antônio Galdino da Silva Criador e Diretor do jornal Folha Sertaneja e site www.folhasertaneja.com.br

Dona Risalva(93), Dona Josefa(101), Dona Maria Silva(97), Dona Mocinha(93), João Bezerra(90), José Leão(92), Pedro Barbosa, o soldado de Cristo

(100 anos) e centenas de outros moradores de Paulo Afonso, que construíram a história desse município.


8 2A A

Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

Secretário de Cultura, Jânio Soares, fala sobre a Lei Aldir Blanc e seus benefícios para os artistas de Paulo Afonso

Secretário de Cultura, Jânio Soares conduz reunião de organização do Carnaval 2020

Quando Janinho me disse da luta que a Secretaria de Cultura e Esportes travou contra o tempo para não deixar que os 825 mil reais destinados ao município através da Lei Aldir Blanc fossem devolvidos, sugeri que ele escrevesse algo sobre essa importante ajuda à classe cultural, que continua sendo uma das mais prejudicadas nessa pandemia. Aproveitei também a oportunidade e lhe ofereci o espaço desta Folha para que o mesmo ficasse à vontade para falar sobre sua pasta, que logo após o Carnaval de 2020 se viu forçada a suspender todos os eventos culturais e esportivos do município. Para minha surpresa (já que Janinho não é muito chegado aos holofotes), poucos dias depois ele me mandou este texto que publico a seguir. “Meu caro Galdino, ou melhor, Tio Gal, já que faço parte daquela geração que cresceu moldada pelo Coliseu Show, Palace de Atrações, aniversários das Casas Pesqueiras e barracas com nomes das músicas de

Roberto Carlos nas festas de Natal na Rua da Frente, onde se podia tomar uma cerveja Embaixo dos Caracóis de Seus Cabelos, comer um churrasquinho nas Flores do Jardim da Nossa Casa e terminar a noitada perambulando entre As Curvas da Estrada de Santos e Como é Grande o Meu Amor Por Você. Antes de qualquer coisa quero lhe parabenizar pela circulação física desta Folha Sertaneja, que a exemplo dos grandes jornais do país - como O Globo, Folha de São Paulo, A Tarde, Diário de Pernambuco e outros -, continua circulando tanto na forma online quanto no velho e bom formato de papel, fato que proporciona ao leitor mais tradicional o automático ato de lamber os dedos para que as páginas fluam com mais facilidade diante de seus olhos. Aliás, esta Folha tem uma coisa fundamental na imprensa séria, que é o fato de não se vender em troca de publicar notinhas de acordo com o interesse dos patrocinado-

Prefeito Luiz de Deus retorna a Paulo Afonso O gestor, que esteve internado 43 dias, deverá ter cautela no atendimento ao público de acordo com ordens médicas

Após o tratamento em São Paulo para a Covid-19, o prefeito Luiz de Deus retornou ao município nesta quinta-feira (14). O gestor, que esteve internado 43 dias, deverá ter cautela no atendimento ao público, de acordo com ordens médicas. “Passei esses dias longes fisicamente, mas estava sempre aqui de coração. O meu desejo era voltar logo para essa terra, para dar continuidade ao trabalho de perto. Mesmo trabalhando por videoconferência, não via a hora de estar aqui, respirando os ares da minha Paulo Afonso. Agradeço a todos que oraram pela recuperação da minha saúde e também a minha equipe e ao vice-prefeito Marcondes Francisco, que foi um grande parceiro na condução dos trabalhos”, diz o gestor.

De acordo com a chefe de gabinete, Maria da Saúde, a ordem médica é mantê-lo ainda sem visitas, concluindo a fisioterapia para fortalecer o organismo e assim iniciar a agenda. “Nesse primeiro momento a ordem é a suspensão total de visitas e atendimento ao público. Após a liberação médica, ele cumprirá a agenda. Portanto, pedimos a compreensão de todos”, explica Saúde. Ascom/PMPA

res, fato bastante comum nessas bandas. Mas isso fará parte de um futuro texto que farei sobre as pitorescas histórias de nossa imprensa (pra quem não sabe, há mais de 12 anos tenho uma coluna quinzenal no jornal A TARDE, além de publicar crônicas nos sites Bahia Notícias e Bahia em Pauta), que vão desde o patrocínio do jornal Folhas e Pimentas naquele famoso show fake de Fábio Jr., passando pela ousada performance de Paulinho Residual ao ficar completamente pelado depois de um strip-tease num barzinho, até o papelão de um certo jornalista ainda em atividade, que nos anos 80 obrou-se todo na sala da APA ao levar uns tapas de um ex-prefeito do nosso município, fato que ainda hoje provoca no local (segundo um funcionário que trabalha por lá) odores característicos dos condimentos ingeridos pelo dito-cujo naquele inusitado dia. Mas vamos ao que interessa. A Lei Aldir Blanc foi uma feliz iniciativa da deputada

federal Benedita da Silva (posteriormente aperfeiçoada por outros parlamentares) que contemplou o nosso município com exatos R$ 825,148,19 destinados aos trabalhadores da cultura e espaços culturais que tiveram suas atividades interrompidas pela pandemia do Covid-19. Acontece que o principal problema enfrentado pelos mais de 4 mil municípios contemplados, foi exatamente o curtíssimo prazo estabelecido pelo governo federal para que as prefeituras efetuassem todos os trâmites exigidos (até o dia 31 de dezembro de 2020), ainda mais num período eleitoral e com uma pandemia a limitar tudo. É tanto que, infelizmente, temos informações de que milhares de municípios não conseguiram finalizar o processo e tiveram que devolver a quantia recebida, inclusive muitos de nossa região, a exemplo de Glória (150 mil), Jeremoabo (311 mil), Rodelas (94 mil) e Pedro Alexandre (149 mil), entre outros. No nosso caso felizmente deu tudo certo e quero aqui agradecer aos setores jurídico e financeiro da prefeitura e, em particular, ao superintendente de Cultura Rogério Xavier, uma peça fundamental para a conclusão do complicado processo, que no final contemplou mais de mil pessoas através de 133 entidades físicas e jurídicas, que podem ser acessadas através do link em anexo. Mas aí, Tio Gal, como um assunto puxa outro, gostaria

de numa próxima oportunidade falar um pouco sobre alguns eventos culturais e esportivos que ficaram marcados em nosso município e que precisam ser lembrados, principalmente para que os jovens que na época ainda nem tinham nascido saibam, por exemplo, que nosso futsal foi tricampeão baiano e terceiro lugar no campeonato brasileiro, que semanalmente estávamos nos principais programas da Rede Globo como a capital dos esportes de aventura do país (ou a Nova Zelândia brasileira, como a revista Veja estampou em suas páginas), sem falar nas primeiras festas juninas sob a lona de um circo na Getúlio Vargas, naquele histórico São João Radical no Parque de Exposição (que teve a cobertura dos principais meios de comunicação do país) ou em todo o processo que transformou os antigos Car-

navais na atual Copa Vela. A propósito, este mês completa um ano do nosso último grande evento com a participação do público, que foi justamente o Carnaval Cultural do Coreto, que depois de décadas retornou num formato totalmente voltado para sua verdadeira essência. Mas isso é papo pra mais adiante. É isso, Tio Gal, agradeço de coração o seu interesse em saber como foi aplicada a verba da Lei Aldir Blanc (aliás, você foi o único da imprensa que teve essa preocupação) e aproveito pra desejar longa vida a esta Folha, que apesar dos trancos e barrancos continua, como disse acima, sendo um dos poucos veículos de comunicação da cidade que não vende sua alma em troca de elogios gratuitos ou críticas contaminadas pelos mais variados intere$$e$. Forte abraço e se cuide”.

Decoração do Carnaval de Paulo Afonso em 2020

Prefeitura divulga artistas e entidades contemplados com a Lei Aldir Blanc Após um intenso trabalho da Prefeitura de Paulo Afonso, por meio da Secretaria de Cultura e Esportes, 133 entidades culturais e artistas foram contemplados com os recursos da Lei Aldir Blanc, que prevê auxílio financeiro para a classe devido a pandemia da covid-19. “Ao todo são 133 entidades e artistas que estarão realizando suas apresentações. Com isso, serão beneficiadas mais de mil pessoas no geral, entre artistas, produtores culturais, entidades culturais, dançarinos, técnicos de som, técnicos de luz, que estarão envolvidas. Essas lives serão uma prestação de conta porque a verba já está disponibilizada desde dezembro, de acordo com a Lei Aldir Blanc”, explica o secretário de Cultura e Esporte, Jânio Soares. A partir da quinta-feira (28/01), teve início as apre-

sentações das lives. Foram realizados quatro chamamentos públicos – prêmio Leonam, prêmio Oswaldo Silva, prêmio Zé Miron e Prêmio Euclides Batista, com propostas nos valores de R$ 10 mil, R$ 2.037mil, R$ 2 mil, respectivamente. No caso do premi Euclides, foram divididas em duas categorias com valores de R$ 2 mil e R$ 1.507,40. Neste primeiro momento, serão realizadas as apresentações do edital da premiação Oswaldo Silva, que contemplou 35 produtores audiovisuais. Todas as atrações serão realizadas de forma virtual (lives) e terão acesso gratuito através das plataformas digitais dos artistas. De acordo com o superintendente de Cultura, Rogério Xavier, esse próximo passo é a prestação de contas, uma vez que os

projetos serão executados. “Passamos pela fase das inscrições no ano passado até o dia 31 de dezembro, onde foram fechadas todas as pessoas selecionadas e contempladas que já estão com os seus recursos em conta. Agora vamos para o processo de prestação de contas que são os projetos que vão estar em execução. Como as lives e produções audiovisuais podem ser realizadas durante a pandemia, nós iremos iniciar o calendário com a Premiação Oswaldo Silva, onde vamos

ter várias apresentações de lives, vídeos aulas e documentários. A partir de janeiro até maio, nós temos 35 contemplados, que irão fazer essas produções serem transmitidas e, na medida que foram se aproximando as apresentações, será divulgado através os canais oficiais da Prefeitura, para que todos possam acompanhar ao vivo, toda as publicações do edital dessa premiação”, explica. Premiação Leonam – eventos presenciais pós-pandemia – 22 entidades/ artistas Premiação Oswaldo Silva – Lives e produções audiovisuais – 35 artistas Zé Miron – Documentários – 3 artistas Euclides Batista – Produções artísticas, audiovisuais, literatura, peças artísticas etc – 31 artistas Ascom/PMPA


Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

9 A3A

Paulo Afonso, berço da Chesf, redenção do Nordeste, há 66 anos 66 anos da luz de Paulo Afonso para mudar a história do Nordeste

Professor Antônio Galdino

Durante séculos a região Nordeste viveu em grande atraso e era comparada, quase sempre, às regiões mais pobres do continente africano. A miséria era absoluta. Os índices que medem o desenvolvimento humano eram os mais baixos enquanto a taxa de mortalidade infantil era das mais altas do país. A energia que movimentava o Nordeste e iluminava as residências nas cidades de maior porte nesta região vinham de geradores, tinha pouca qualidade e poucas horas depois do pôr-do-sol eram desligados deixando casas e ruas às escuras. Não havia como desenvolver grandes projetos industriais. Não havia eletricidade, a luz elétrica que iluminava e promovia o progresso de outras regiões do país.

Ministro Apolônio Sales

Um sertanejo nascido em Altinho-PE, Apolônio Jorge de Farias Sales, formou-se em Agronomia. Destacou-se na política com senador da República e foi Ministro da Agricultura do governo do Presidente Getúlio Vargas. Esse ministério tinha sobre si a responsabilidade de administrar as questões relacionadas às muitas águas do Brasil e os projetos a elas relacionados. Apolônio Sales começou então a apresentar projetos

de construção de pequenas hidrelétricas. Fez assim para a pequena Hidrelétrica de Itaparica, no rio São Francisco, na região de Petrolândia, em seu estado, Pernambuco, para atender às necessidades do polo agrícola de Barreiras, naquela região. Anos depois, levou ao presidente Vargas o projeto para a construção da Usina Piloto, no povoado Forquilha, território do município de Glória. Essa obra, do lado alagoano, na visão do sertanejo de Altinho, poderia fornecer energia hidroelétrica para as cidades centenárias de Glória e Jeremoado, em território baiano e forneceria a energia necessária para a construção de uma usina de grande porte, a Usina Paulo Afonso, para que, a ideia e o sonho de Delmiro Gouveia pudessem acontecer: levar a energia da força das águas do rio São Francisco para todo o Nordeste, a partir de uma grande empresa estatal. Em 3 de outubro de 1945, o Ministro Apolônio Sales, levou para a assinatura do presidente Getúlio Vargas os Decretos-Leis Nº 8.031 e 8.032 que criavam a CHESF – Companhia Hidroelétrica do São Francisco. Getúlio assinou os decretos mas, 26 dias depois, em 29 de outubro de 1945, foi deposto. O Brasil passou a ter como presidente o jurista José Linhares, presidente do STF. Em 31 de janeiro de 1946, o General Eurico Gaspar Dutra, ex-ministro da Guerra do governo do presidente Getúlio é eleito, de forma indireta, e assume o cargo de presidente do Brasil. Os decretos de criação da Chesf ficaram adormecidos nos arquivos do palácio do governo, no Rio de Janeiro por um bom tempo.

Em julho de 1947, a Revista O CRUZEIRO acompanhou a visita do presidente Dutra à Cachoeira de Paulo Afonso e ele estava acompanhado de grande comitiva formada por ministros e por governadores de estados da região Nordeste. A partir dessa visita, os decretos de criação da Chesf ganharam vida e os estudos sobre esta região foram retomados a nível de governo federal. Em 15 de março de 1948, o presidente Dutra nomeou a primeira diretoria da Chesf, formada pelos engenheiros Adozindo Magalhães de Oliveira, Carlos Berenhauser Júnior e Octávio Marcondes Ferraz sob a presidência do também engenheiro Antônio José Alves de Souza.

Em outubro de 1954 o rio foi desviado e suas águas começaram a fazer girar as máquinas e a energia das águas do rio São Francisco, a luz de Paulo Afonso, começou a percorrer os milhares de quilômetros das linhas de transmissão para mudar a vida do povo sofrido do Nordeste e permitir à toda a região nordestina a condição de desenvolvimento que a coloca em nível de igualdade com as outras regiões do país. No dia 15 de janeiro de 1955, engenheiros e trabalhadores da Chesf em Paulo Afonso puderam acompanhar uma grande comitiva formada por governadores da região, ministros da República e outras autoridades regionais participarem chegarem em frente da Usina Paulo Afonso, ao lado da Subestação Elevadora e o presidente da República, João Café Filho, nordestino do Rio Grande do Norte, inaugurar o funcionamento das primeiras máquinas desta Usina Paulo Afonso, que já levava a sonhada energia elétrica para Salvador e para Recife e, nos anos seguintes para oito dos nove estados do Nordeste. Lembro de um depoimento do antigo engenheiro da Chesf, Antônio Feijó, em uma reportagem de jornal do Recife, dizendo de sua alegria quando a luz de Paulo Afonso chegou ao Recife e que sua primeira providência foi comprar um liquidificar para sua mãe e logo depois, geladeira e outros eletrodomésticos.

Primeira diretoria da Chesf

A partir de 1949, o pequeno e inexpressivo povoado de Forquilha, pertencente ao território do município de Glória/BA, começou a receber técnicos, engenheiros e uma multidão sempre crescente de trabalhadores para construir a Barragem Delmiro Gouveia e a Usina Paulo Afonso, a primeira subterrânea da América Latina, com os seus geradores instalados a 80 metros de profundidade. A obra da engenharia brasileira, tanto do difícil fechamento do rio São Francisco como para a construção da Usina Paulo Afonso, assombrou o mundo.

Av. Landulfo Alves, 276 | Centro | Paulo Afonso-BA Tel.: (75) 3281.3030 | E-mail: ferrageiropa@ferrageiro.com.br

A chegada da energia das usinas da Chesf em Paulo Afonso aos mais distantes rincões do nordeste brasi-

leiro foi de uma importância digna das maiores teses de doutorado em todo o mundo. A sua chegada mexeu muito com o orgulho dos sertanejos, desde os mais humildes moradores dos sertões aos governadores, prefeitos, vereadores, autoridades constituídas. Até Luiz Gonzaga (nordestino de Exu/PE) e Zé Dantas, (nordestino de Carnaíba/PE) se empolgaram e criaram uma música contando essa história: Paulo Afonso Delmiro deu a ideia Apolônio aproveitou Getúlio fez o decreto E Dutra realizou O presidente Café A usina inaugurô E graças a esse feito De homens que tem valô Meu Paulo Afonso foi sonho Que já se concretizô Olhando pra Paulo Afonso Eu louvo nosso engenheiro Louvo o nosso cassaco Caboclo bom verdadeiro Oi! Vejo o Nordeste Erguendo a bandeira De ordem e progresso A nação brasileira Vejo a indústria gerando riqueza Findando a seca Salvando a pobreza Ouco a usina feliz mensageira Dizendo na força da cocheira O Brasil vai, o Brasil vai O Brasil vai, o Brasil vai Vai, vai, vai, vai, vai, vai Os que deixaram o registro da situação da vida dos moradores do Nordeste an-

Presidente da República, João Café Filho, inaugurando o funcionamento das primeiras máquinas desta Usina Paulo Afonso

Casa O Ferrageiro nasceu em Santana do Ipanema/AL em 1922 e desde os anos de 1970 sua filial de Paulo Afonso ajuda este município a crescer.

tes da energia hidroelétrica da Chesf e o comparam com a condição de vida e de desenvolvimento na região nos dias de hoje, são unânimes em afirmar que, de fato, a Chesf foi a grande redentora do Nordeste. Tenho dito em escritos em livros e outras publicações e em palestras que desenvolvi ao longo dos últimos anos sobre esse tema que a história do Nordeste brasileiro tem dois grandes capítulos. Um, do Nordeste Antes da Chesf e outro do Nordeste Depois da Chesf. Paulo Afonso foi o berço da Chesf. Nas profundezas dos grandes túneis abertos por trabalhadores nordestinos, no ventre dos paredões de granito, foram construídos os ninhos para agasalhar os enormes geradores da energia que mudou a história do Nordeste. Este 15 de janeiro de 2021, marca os 66 anos da inauguração desse processo. O dia 15 de janeiro de cada ano precisa ser reverenciado, estar nos anais das Câmaras de Vereadores de Paulo Afonso e de todo o Nordeste como a data que marca a libertação de um povo, das garras da miséria e do infortúnio para vislumbrar a oportunidade de crescimento, desenvolvimento, de vida intensa. Paulo Afonso, berço da Chesf, redenção do Nordeste. 66 anos da luz de Paulo Afonso para mudar a história do Nordeste.!!!


10 4A A

Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

As quedas da Cachoeira fizeram de D. Pedro II, um dos primeiros turistas de aventura nesta região No momento em que o Jornal Folha Sertaneja completa os seus 17 anos de circulação e o site chega aos 16 anos de vida com, no ano de 2020, mais de 1 milhão e 360 mil acessos, média diária superior a 4 mil acessos, resolvemos apresentar aos nossos internautas em dois dos canais desse site www.folhasertaneja.com.br conteúdos de conotação histórica, resultados de pesquisas e de estudos e material que

estará sendo apresentado depois, aos leitores, em formato de livros. No canal de TURISMO estaremos falando sobre esse importante segmento essencial da economia mundial e na vida de muitos países como a França, Espanha, Itália e muitos outros que têm o turismo coo sua principal receita e como o turismo se desenvolveu em Paulo Afonso desde os seus primórdios.

Em um canal novo chamado PAISAGENS SERTANEJAS, estaremos falando sobre o rio São Francisco, a Caatinga, o Cânion, a Estrada de Ferro Paulo Afonso, os Sítios Arqueológicos de Paulo Afonso, as Usinas Hidreléticas de Paulo Afonso e Região e outros temas reionais. Estes artigos periódicos serão escritos inéditos de Antônio Galdino da Silva ou parte de seus livros já publicados ou em construção e

de outros autores de Paulo Afonso e da região dos Lagos do rio São Francisco – Sertão de Paulo Afonso. Falamos de TURISMO, começando pela Cachoeira de Paulo Afonso que, embora seja também uma paisagem sertaneja, é apresentada aqui pelo seu potencial turístico e, mesmo seca, os seus imensos paredões de granito impressionam a todos os visitantes, como o Imperador D. Pedro segundo, que a visitou em 20 de outubro de 1859.

D. Pedro II, um dos primeiros turistas de aventura na Cachoeira de Paulo Afonso

O turismo, fenômeno relacionado com as viagens, a visita a um local diverso do de residência das pessoas, existe há milênios e, basicamente, dentro das mesmas características como se apresenta hoje. É o que afirma Luiz Ignarra (1999) “O turismo de aventura data de milênios antes de Cristo”. A motivação religiosa remonta ao tempo das cruzadas, há séculos. Eram comuns as viagens dos romanos para os banhos me-

dicinais nas termas. “Foram os primeiros SPAS registrados na história da humanidade.”(1999 -pag.16) Citando McIntosh, Luiz Ignarra diz que “o turismo deve ter surgido com os babilônicos, 4.000 a.C. No Egito, 3.000 a.C. já chegavam caravanas para contemplar as pirâmides. Na Grécia, viagens foram organizadas para participação nos jogos olímpicos. Na região de Éfeso, onde hoje está a Turquia, eram registrados mais de 700 mil visitantes para apreciarem as apresentações de mágicos, acrobatas e outros artistas. Era o primeiro registro de turismo de eventos. Nesses eventos havia, de acordo ainda com esse autor, “grande número de prostitutas”, o que faz crer que o turismo sexual existe desde essa época.” No Brasil este fenômeno é relativamente novo, se

bem que há quem assegure que os portugueses que aqui chegaram em 1500 foram os primeiros turistas, aliás bastante surpresos com as belezas do lugar e a nudez das índias, como relata Pero Vaz de Caminha em sua carta a El-Rei D. Manoel. (Texto de O Caminho das Águas – Turismo Sustentável em Paulo Afonso e Região dos Lagos do rio São Francisco – de Antônio Galdino – Lisboa/Portugal 25/11/2005) As narrativas históricas dão conta que esta bela região nordestina, fronteira de quatro estados sempre foi abençoada por Deus. Chamado por Edson Mendes, de “o coração do Brasil”, o município de Paulo Afonso é mesmo um privilegiado em belezas naturais, sendo a principal delas e a mais importante também do ponto de vista econômico, a Cachoeira de Paulo Afonso,

de que nos resta apenas “retratos da parede”, mas que precisa ter a sua história, que encantou o poeta Castro Alves, o industrial Delmiro Gouveia e o Imperador D. Pedro II, resgatada. Estas magníficas quedas já eram conhecidas séculos antes e até 1725, quando as terras onde estavam essas cachoeiras foram doadas pelo governador da Capitania de Pernambuco, a quem estas terras pertenciam, ao português Paulo Viveiros Afonso e a maior das quedas d`água passou então a ser

chamada de Cachoeira de Paulo Afonso. Antes disso eram conhecidas como Sumidouro, Forquilha (que era também o nome de uma das ilhas próximas da cachoeira) e Cachoeira Grande. Foi a grandiosidade das suas quedas d`água, registradas fielmente por Guilherme Halfeld no ano de 1856, num detalhado estudo feito por ele e grande equipe a mando do Imperador D. Pedro II, mapeando o rio São Francisco desde Pirapora até a sua foz, no Oceano Atlântico, foram esses

relatos apresentados ao Imperador que o motivou a se aventurar numa longa viagem, desde a corte, no Rio de Janeiro até esta região, para conhecer a Cachoeira de Paulo Afonso. Saiu do Rio de Janeiro em grandes embarcações. Para chegar até Piranhas se utilizou de navios menores e a cavalo todos chegaram à Cachoeira de Paulo Afonso. Há registros de que o jovem inquieto, no vigor dos seus 33 anos, também se aventurou para ver de bem perto a Furna dos Morcegos e, para chegar bem perto levou três tombos...

CASA O FERRAGEIRO vai completar 50 anos em Paulo Afonso

A Casa O Ferrageiro foi fundada em Santana do Ipanema, em Alagoas, em 1922, pelo Sr. Manoel Nepomuceno, vulgo Sr. Nezinho, tio do Sr. Jugurta Nepomuceno, casado com a Sra. Jovita Nepomuceno Agra, mãe do Sr. Jugurta.

Nos anos de 1950, o Sr. Nezinho, adoentado e depois de 28 anos à frente desse negócio resolveu vender a loja e o fez para o seu gerente Bartolomeu Barros e para o sobrinho, Jugurta, que tinha uma lanchonete...

Cerca de 20 anos, no ano de 1972, depois o Sr. Jugurta percebeu o crescimento da cidade de Paulo Afonso e resolveu instalar uma filial da Casa O FERRAGEIRO nesta cidade baiana que tinha apenas 14 anos. O Sr. Jugurta conversou

com o prefeito Edson Teixeira Barbosa sobre sua ideia e, incrível, o prefeito o desestimulou, dizendo que não acreditava que Paulo Afonso tivesse desenvolvimento... Ainda assim, o Sr. Jugurta, com seu tino comercial, instalou a CASA O FERRAGEIRO em Paulo Afonso, em Fevereiro de 1972. No próximo ano, a Casa O Ferrageiro de Santana do Ipanema completa 100 anos e a de Paulo Afonso, administrada desde o seu começo pelo Sr. Jugurta Nepomuceno Agra, completa o seu Jubileu de Ouro – 50 anos! O jornal Folha Sertaneja, esse adolescente de apenas 17 anos de vida, parabeniza o Sr. Jugurta Nepomuceno pela tenacidade e determinação de manter vivo esse patrimônio que dá emprego a dezenas de funcionários e chega aos 50 anos de vida nesta terra sertaneja – Paulo Afonso/BA.


Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

O jovem Imperador D. Pedro II, mostrou-se encantado, extasiado mesmo com tanta beleza à sua volta. Fez alguns desenhos que ele mesmo reconheceu que não ressaltavam as belezas das muitas quedas d`água de que tinha uma visão privilegiada da margem alagoana do rio São Francisco no alto do cânion, local que ficou conhecido como Limpo do Imperador, onde sua comitiva montou acampamento. Ao relatar as suas impressões sobre esta Cachoeira de Paulo Afonso, assim escreveu o Imperador: “Tentar descrever a cachoeira em poucas páginas, e cabalmente, seria impossível, e sinto que o tempo só me permitisse tirar esboços muito imperfeitos.” Foi a partir dessa viagem que o Imperador D. Pedro II ordenou que fosse construída a Estrada de Ferro Paulo Afonso, também conhecida como Estrada de Ferro Piranhas/Jatobá (nome da antiga Petrolândia), para ligar o baixo São Francisco ao sub-médio e médio São Francisco. Sobre cujo tema falaremos em breve no espaço desse site chamado Paisagens Sertanejas, através de um depoimento do escritor Luiz Rubem Alcântara Bonfim, um estudioso desse Estrada de Ferro. (LEIA: Estrada de Ferro Paulo Afonso – 1882 – 1964, de Luiz Rubem F. de A. Bonfim) Ora se, como vimos, o turismo de aventura existe desde milênios antes de Cristo, nada de mais que o Imperador D. Pedro II seja

considerado por muitos como o precursor do Turismo de Aventura nesta região ao fazer a sua visita à Cachoeira de Paulo Afonso em 20 de outubro de 1859. D. Pedro II nasceu no Rio de Janeiro em 2 de dezembro de 1825. Portanto, ao visitar a Cachoeira de Paulo Afonso estava com 33 anos de idade, faltando apenas 42 dias para os 34 anos. A visita do Imperador D. Pedro II à Cachoeira de Paulo Afonso foi registrada em uma placa de bronze que foi colocada próximo à Usina Angiquinho, de propriedade da Chesf. Essa placa, com aproximadamente 500 quilos de bronze estava sendo quebrada por pessoas interessadas nesse metal. A Administradora da Chesf na época, Dra. Diana Suassuna, atendendo a proposta do seu assessor de comunicação, Professor Antônio Galdino, houve por bem retirá-la daquele local, restaurar esse patrimônio e recolocá-lo na Mirante da Cachoeira, na Ilha do Urubu, local de concentração de turistas. Na ocasião foi observado que o local onde estava esta placa não foi o visitado pelo Imperador que viu as quedas d`água do local que ficou conhecido como Limpo do Imperador. (LEIA: O Bronze do Imperador e a Cachoeira de Paulo Afonso, de Luiz Rubem F. de A. Bonfim) “A Cachoeira de Paulo Afonso” é o nome de grandioso poema do poeta baiano Antônio de Castro Alves que a descreveu de forma primorosa sem a conhecer, apenas a partir de relatos

que lhe chegavam sobre estas cachoeiras. No início do século XX, o cearense Delmiro Gouveia enxergou na Cachoeira de Paulo Afonso mais que a sua beleza. Viu na força das suas águas, a oportunidade de gerar energia para mudar a história do Nordeste. E construiu a Usina Angiquinho, inaugurada em 1913. Angiquinho também será tema de outro artigo para o canal Paisagens Sertanejas. (LEIA: ANGIQUINHO – 100 Anos de História – de Antônio Galdino da Silva) Quando a Chesf se instalou na região de Paulo Afonso e iniciou as obras de construção da Usina de Paulo Afonso, era grande o número de pessoas, técnicos, especialistas nesse tipo de obras e milhares de outros, interessados em conhecer as obras da Chesf e a Cachoeira de Paulo Afonso. E tantos eram os interessados nessas visitas que a Chesf construiu a Sala dos Visitantes e treinou uma equipe de recepcionistas só para receberem e orientarem as visitas des-

sas muitas pessoas. Só na gestão do Prefeito Abel Barbosa e Silva, o turismo passou a ser tratado pela gestão municipal e, para isso, firmou-se parceria com o governo do Estado da Bahia, através da Bahiatursa, na época presidida por Paulo Gaudenzi. Uma equipe da Bahiatursa fotografou todos os atrativos da cidade e a Cachoeira de Paulo Afonso correu o mundo em uma publicação de revista bilingue – português e inglês – o que aumentou consideravelmente o fluxo de visitantes para Paulo Afonso. No final deste século XX, início dos anos de 1990, a Chesf, através do Engenheiro João Paulo Maranhão Aguiar contratou o Alejandro Luiz para fazer um estudo dos principais atrativos turísticos da região entre Xingó e Paulo Afonso. Foram identificados, o cânion, as usinas hidrelétricas e sobre a Cachoeira de Paulo Afonso assim escreveu Alejandro Luiz: “A Cachoeira de Paulo Afonso se constitui num atrativo natural de interesse universal, que poderá ser ampliado pela sua inédita situação de operar programadamente e da repercussão positiva de se recuperar esse espetáculo da natureza depois de décadas de extinção. Atinge, portanto, o mercado geral e todos os segmentos do mercado. Dá-

-se a ela, quanto ao atributo atratividade/intensidade, o conceito excepcional e peso 10, sendo fator de potencialização de atratividade/intensidade de todos os outros atrativos existentes na área. A compatibilização de sua operação com a geração de energia elétrica, e os riscos da sazolanidade decorrentes do regime hidrológico do rio, se constituem em aspectos restritivos”. (1996, p.66) No final dos anos de 1990, também através do engenheiro João Paulo Aguiar, o Sebrae de Pernambuco realizou um intenso trabalho de levantamento do potencial turístico de 28 municípios dos Estados da Bahia, Alagoas, Sergipe e Pernambuco, todos limítrofes com o município de Paulo Afonso. Novamente as conclusões apontaram para o rio São Francisco e as cachoeiras de Paulo Afonso como grandes atrativos para receber turistas de todo o mundo. Apesar das muitas avaliações sempre muito positivas à cerca desse impressionante patrimônio natural, os outros interesses foram se tornando cada vez maiores, a falta de um programa completo e definitivo para a revitalização do rio fez todos os nossos olhos vissem acontecer o que já dissera o historiador e poeta José Carlos Feitosa, de saudosa memória, ainda na década de 1980, ao escrever

11 A5A

O Grito do Velho Chico Choro contigo meu Velho, Sei que a queda da cachoeira Será em breve um retrato na parede. Hoje o que foi a imponente Cachoeira de Paulo Afonso que mereceu entusiasmo do Imperador e os versos de Castro Alves se resume a um filete de água que mostra o caminho por onde corriam as águas do leito principal do rio São Francisco. Ainda assim o local impressiona pela magnitude dos paredões graníticos do cânion, de onde as águas despencavam e voltam a cair nas grandes cheias, se assim quiserem os dirigentes da Agencia Nacional das Águas e o órgão Operador Nacional dos Sistemas hidrelétricos porque a Cachoeira de Paulo Afonso é a única cachoeira programada do mundo. (Do livro O Caminho das Águas - Turismo em Paulo Afonso e Região dos Lagos do São Francisco, de Antônio Galdino da Silva (em construção) (Por Antônio Galdino da Silva, com trechos de sua dissertação de Mestrado com o tema O Caminho das Águas - Turismo Sustentável em Paulo Afonso e Região dos Lagos do rio São Francisco, defendida e aprovado em 25 de Novembro de 2005 em Lisboa/ Portugal)

SUPRAVE, além de Supermercado, um ponto de Cultura em Paulo Afonso, há mais de 40 anos

Há mais de 40 anos que as famílias de Paulo Afonso têm o Supermercado Suprave como o seu ponto de encontro onde abastecem suas casas. Mas, a iniciativa de Sebastião Leandro de Morais segue a tradição da família. Seu pai, conhecido como Zé Paizinho foi dos comerciantes pioneiros de Paulo Afonso e seu tio, Otaviano Leandro de Morais, o primeiro prefeito de Paulo Afonso era o proprietário do Armazém Sertânia, na Rua da Frente, hoje Av. Getúlio Vargas, ainda hoje centro comercial da cidade. Mas o olhar de Sebastião da Suprave foi também além das vendas de produtos alimentícios e outros. Há nele, desde os tempos de estudan-

te do Ginásio Paulo Afonso, uma atenção especial para a valorização da Cultura local. Por muitos anos manteve um Clubinho da Criança, dentro do Supermercado, e ali, além de brinquedos, as crianças tinham acesso aos livros infantis.

No São João, um conjunto de forró pé-de-serra anima os clientes e preserva essa cultura nordestina. No Natal, o Coral da Chesf ali se apresenta cantando louvores ao Altíssimo.

E, Sebastião Leandro decidiu também, sem nenhum lucro manter uma pequena livraria dentro do seu Supermercado. Ali estão livros de autores pauloafonsinos e da região e, de vez em quando está lançando um livro novo que ele próprio, e agora com o apoio da locutora Ilma Cordeiro, anuncia a sua existência. E, há muitos anos apoia os novos escritores e ajuda a manter vivo o jornal Folha Sertaneja desde o seu primeiro número. A ele, a gratidão e o aplauso dos que fazem esse jornal que completa 17 anos de vida. Por estes gestos ele é homenageado pela Academia de Letras de Paulo Afonso como Membro Honorário


6A 10 A

Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

Galpões da Fábrica da Pedra, são transformados em um complexo de empreendimentos no sertão alagoano O cearense Delmiro Augusto da Cruz Gouveia é considerado por muitos como o pioneiro da industrialização do sertão do São Francisco. Ele fundou um Núcleo Industrial no lugarejo de Pedra, município de Água Branca. Sob seu comando foi construída a Usina Hidrelétrica de Angiquinho, primeira hidroelétrica do Nordeste, inaugurada em 26 de janeiro de 1913. Também foi desse comerciante a ideia de construir um núcleo residencial e uma fábrica de linhas. A partir da inauguração da usina hidroelétrica e da fábrica, o Núcleo Fabril da Pedra vai se transformar segundo palavras de Plínio Cavalcanti, primeiro a escrever sobre o núcleo industrial sertanejo, numa colmeia de trabalho e ordem social. Chegou a ter quatro mil pessoas nos primeiros anos de atividades. Com o assassinato de Delmiro Gouveia, em 1917, seu sócio Lionelo Iona assume o comando da companhia, tendo a fábrica a gerencia de Adolpho Santos. Desavenças com os herdeiros de Delmiro Gouveia afastam Lionelo Iona do comando da Companhia. Noé Gouveia e as irmãs Noêmia e Maria Gouveia, representadas por respectivos esposos, passam a comandar os destinos da empresa.

A concorrência desleal da Machine Cottons, empresa estrangeira concorrente da fábrica de linhas Estrela, foi intensificada nos anos de 1925 e 1926 levando a indústria de linhas a uma crise econômica. Adicione as dificuldades vividas pelas indústrias têxteis brasileiras que enfrentavam a concorrência das empresas estrangeiras e o baixo preço dos produtos importados. Não suportando as dificuldades e sem tino para os negócios os filhos de Delmiro Gouveia vendem o complexo industrial e comercial fundado no sertão alagoano no início do século XIX. Em 1927 assumem o comando dos negócios da Companhia Agro Fabril Mercantil o grupo Menezes Irmãos & Cia., tradicional na indústria têxtil pernambucana. Será na gestão dos irmãos Luiz e Vicente Lacerda de Menezes firmado um acordo com a Machine

Cottons, para a fábrica encerrar a produção de linhas e entregar as máquinas a sua principal concorrente. Este fato ocasionará em um dos mais trágicos acontecimentos da indústria sertaneja, que teve no início de 1930 parte do maquinário quebrado e jogado penhasco abaixo na cachoeira de Paulo Afonso. O parque industrial é reestruturado e a fábrica passa então a produzir tecidos. Com a morte de Vicente Lacerda de Menezes na década de 1940, seu filho Antônio Calos de Menezes assumiu o comando das empresas. Foi esse empresário que conduziu por mais tempo os negócios da Companhia Agro Fabril Mercantil, e da Fábrica da Pedra. A indústria sertaneja na gestão de Antônio Carlos se consolida como uma das principais do setor têxtil no Brasil. As dificuldades econômicas nas empresas levaram o in-

dustrial a cometer suicídio em 10 de maio de 1983. Ameaçada de paralisar suas atividades a fábrica é adquirida pelo empresário Ivan Botelho em 1986. A razão social da companhia passa a ser Multifabril Nordeste S/A. Apenas oito anos sob o comando do grupo mineiro, o grupo Cataguases Leopoldina vende a indústria para o Grupo empresarial alagoano Carlos Lyra. Quando assumiu a empresa em 1992, a fábrica da Pedra realizou altos investimentos na modernização do seu maquinário e equipamentos, totalizando mais de 22 milhões de investimentos. Na gestão do empresário alagoano a fábrica têxtil conquista o mercado brasileiro e sul americano. A crise na indústria têxtil internacional trouxe uma série de dificuldades para a empresa. A fábrica da Pedra encerrou suas atividades em 2017.Tinha 420 funcionários. A indústria sertaneja funcionou por mais de um século como fábrica de linhas e indústria de tecidos e confecções. Com o falecimento do empresário Carlos Lyra coube ao seu genro Fernando Farias reestruturar os negócios do grupo empresarial. Após resolver todas as pendências com funcionários e fornecedores, o em-

Professor Edvaldo Nascimento

presário alagoano volta-se para planejar o futuro das empresas. Após o impacto do seu fechamento, o desafio posto ao empresário Fernando Lopes de Farias, era transformar a área localizada no centro da cidade de Delmiro Gouveia, edifícios e galpões em novos empreendimentos. Uma decisão importante foi a de preservar os edifícios que compunham a indústria têxtil, aproveitando-os para novos empreendimentos. Em seguida, realizar estudos de viabilidade e buscar parcerias. É criado então, a Vila da Pedra Empreendimentos Imobiliários, que após ter projeto aprovado firmou contrato com o Banco do Nordeste para a construção do Shopping da Vila, no município do Sertão de Alagoas. A obra iniciada com recursos próprios, será reali-

zada em quatro fases, tendo a primeira previsão de ser inaugurada em julho deste ano. O aporte de R$ 5,7 milhões do BNB, garante o andamento das obras seguindo o cronograma previsto. Já na etapa de reformas o projeto do Shopping gera 50 empregos diretos. Toda área pertencente a empresa (terrenos, galpões, museu e residências) estará sendo transformada em um ousado projeto de desenvolvimento econômico para o sertão, especialmente para o município de Delmiro Gouveia. O empreendimento Vila da Pedra incorporou todo o patrimônio, os terrenos e os edifícios da antiga fábrica da Pedra. Parte dos terrenos foram destinados para um loteamento em área privilegiada no centro da cidade. Os lotes estão sendo comercializados, tendo uma área para comércio e outra residencial.

Nova destinação para edifícios e galpões da antiga fábrica

Os galpões da antiga fábrica da Pedra terão nova utilização. Alguns foram alugados para terceiros. É o caso do galpão de 3.200 m², onde funcionaram a confecção de calças e posteriormente depósito de algodão e poliéster. Nesse espaço foi inaugurado o Supermercado MIX, que tem ainda uma área de 1.600 m² para estacionamento de carga e descarga. Esse foi o primeiro dos empreendimentos que compõem o complexo do Shopping da Vila a ser

inaugurado, gerando 105 empregos diretos. A área onde funciona o agora MIX Supermercado foi totalmente revitalizada, inclusive o símbolo da fábrica e da cidade e a chaminé recebeu reforço estrutural, sendo um belo cartão postal da cidade. O próximo empreendimento será a inauguração da Escola Santa Rita, que está sendo instalada em uma área de 1.100 m², em um dos três galpões onde funcionou a confecção de camisas, e posteriormente o setor de

acabamento que era composto por alvejamento, tinturaria e estampa da fábrica. A escola manterá uma área destinada para a praça. Esse estabelecimento educacional gerará 45 empregos e tem perspectiva de atender 600 estudantes. Já estão bastante avançadas as obras nos galpões onde funcionaram o almoxarifado e o galpão de estoque de peças e acessórios têxteis, para funcionar o DR Home Center, que será inaugurado em março. Esse na primeira fase funcionará em uma loja com 1.000 m². Será construído no local onde existiram os tanques de água um galpão com 4.000 m², também para atender o Home Center. De início são mais 30 empregos diretos. Em andamento está o mais esperado empreendimento do empresário Fernando Lopes de Farias, o Shopping da Vila, primeiro estabelecimento de gênero na região.

Funcionará no edifício mais antigo da fábrica da Pedra. O Shopping funcionará no prédio onde foi setor de encarretamento, embalagem e confecção de linhas, quando de seu funcionamento em 1914, e depois de sua reestruturação pelos irmãos Menezes, preparação para tecelagem, urdideira e engomadeiras indianas, em uma área de 6.600 m². Quando concluídas as etapas seguintes o Shopping utilizará os 8 galpões da fábrica no prédio principal, em um total de 14.000 m². O projeto arquitetônico foi da arquiteta Humberta Farias e teve a consultoria histórica do Pesquisador Edvaldo Nascimento, estudioso da vida e obra de Delmiro Gouveia. A primeira etapa tem previsão para ser inaugurada em julho. No Shopping da Vila funcionarão agências bancárias, cinemas, lojas e praça de alimentação.

Assim, a área onde outrora funcionou a fábrica da Pedra com seus edifícios e terrenos vai sendo transformada em novos empreendimentos. Para o Assessor da diretoria do Vila da Pedra Empreendimentos Imobiliários, Jorge Luiz Cavalcanti, responsável direto pela condução do projeto, o Shopping vai gerar 250 empregos diretos. O sertão alagoano no início do século XIX foi palco de um ciclo de industrialização. Pouco mais de um século após, a região tem crescido significativamente, especialmente o município de Delmiro Gouveia, que transformou-se em polo educacional com um Campus da Universidade Federal de Alagoas, de serviços com diversos órgãos públicos que realizam atendimento à população da região, além de ser um dos principais roteiros turísticos do Estado. Com esses novos e importantes empreendimentos, além de gerar empregos e renda, manterá

viva a história do seu fundador Delmiro Augusto da Cruz Gouveia. Aliás, o primeiro grande empreendimento de Delmiro foi o Mercado do Derby, fundado por ele no Recife, o primeiro Shopping Center do Brasil. Agora, o edifício onde funcionou por mais de um século uma indústria símbolo da industrialização na região do sertão sediará o primeiro empreendimento do gênero no sertão do São Francisco: um shopping center, que tem como nome: Shopping da Vila, em homenagem ao núcleo urbano fundado por Delmiro Gouveia. Sem dúvida alguma, Delmiro Gouveia, Vicente e Luiz Lacerda de Menezes, Ivan Botelho e Carlos Lyra são empreendedores que apostaram no sertão e acreditaram na sua gente. Agora, é o empresário Fernando Farias que aposta no projeto idealizado por Delmiro Gouveia, reestruturando para os tempos atuais, o desenvolvimento dessa região.


Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

Faleceu a Professora Maria do Carmo. Do Colepa e do Polivalente

“Minha vó nasceu em 1947 em Arcoverde/PE, filha de Osvaldo Fernandes de Melo e Geni Silva de Melo. Sempre foi boa nos estudos e chamou atenção desde cedo pro ensino, ensinava as crianças mais nova na mesma escola que estudava. Foi professora de Matemática, Francês, História e Geografia. Tinha um grande amor pela história e seus grandes símbolos, reis e rainhas. O COLEPA foi o terceiro colégio em que lecionou. Tinha um profundo amor pela instituição, companheiros e alunos, ajudou a pintar a rosa dos ventos que ainda persiste onde hoje é o IFBA. Mesmo após se aposentar, continuou lecionando, porque amava o que fazia. O Polivalente foi o quinto colégio, se não me engano, foi a segunda casa dela por muito tempo, onde tinha sua segunda família. Lá atuou como professora e, posteriormente, como Vice diretora.

Lá ela gestou Cursos Profissionalizantes, onde ensinava diversas profissões aos alunos que se interessassem com o fim de ajudá-los a entrar no mercado de trabalho. Inclusive chegou a ministrar no curso de culinária por bastante tempo. Também fundou a Noite das Estrelas, uma comemoração anual para reconhecer o empenho dos profissionais que se destacavam. Sempre foi uma boa ouvinte e conselheira, uma pessoa alto astral, gostava de reunir a família para comer e conversar. Católica e caridosa, tinha um grande coração. Sempre muito vaidosa e presando muito pela saúde, praticava hidroginástica diariamente no CPA, onde cativou bons amigos, caminhava e tinha uma alimentação saudável. Se aposentou no início de 2020, no final do mesmo ano pegou corona, mesmo cumprindo rigorosamente a quarentena. No dia 27 de janeiro, ela faleceu no Recife onde buscava tratamento para o Covid-19. O sepultamento foi dia 28/01/2021, no Cemitério Padre Lourenço Tori, em Paulo Afonso. Houve um cortejo onde foi aplaudida em frente ao Polivalente pelos profissionais e amigos. Deixou 3 filhos e 6 netos com muita saudade, mas gratos por todo o aprendizado e legado deixado.” (Da neta Ilia)

13 A7A

Morre Voldi Ribeiro, sociólogo, escritor, aposentado chesfiano, aos 63 anos

No dia 20 de janeiro a comunidade chesfiana e pauloafonsina recebeu o impacto da notícia do falecimento do Sociólogo, aposentado da Chesf, pesquisador da história do Nordeste e do cangaço e escritor Voldi Moura Ribeiro. A notícia chegou ao conhecimento do também escritor e seu grande amigo Luiz Ruben no final tarde daquela quarta-feira, 20 de janeiro. Luiz foi informado pela secretária do Padre Antônio que mora em uma fazenda próxima da fazenda de Voldi Ribeiro, no município de Jatobá-PE, onde ele estava morando ultimamente, e o Padre Antônio pediu que ela informasse a Luiz Ruben que Voldi Ribeiro foi encontrado morto, vítima de um infarto. Voldi nasceu em Picos, no Piauí, em 1957. Estudou no

Recife, onde fez Ciências Sociais, Sociologia, na Universidade Católica de Pernambuco. Foi admitido na Chesf no ano de 1977 e teve atuação importante no apoio às ações da Chesf para os reassentamentos dos moradores que precisaram ser deslocados dos municípios que foram inundados com a construção da barragem de Itaparica. Concluído esse trabalho, Voldi ocupou uma assessoria da Administração da Chesf em Paulo Afonso que cuidava, dentre outras atividades, dos contratos relacionados a administração da Usina de Angiquinho por outras instituições, como a Fundação Delmiro Gouveia. Foi também indicado pela Chesf para ser um dos membros da Comissão de Tombamento Histórico da Usina Angiquinho

pelo Estado de Alagoas, o que aconteceu em 30/11/2006. Como sociólogo, era um apaixonado pelos estudos e pesquisas relacionadas ao Nordeste e ao cangaço e foi justamente nessa área que deixa uma grande contribuição quando, com o apoio do Padre Celso da Anunciação encontrou documentos que provam que o nascimento de Maria Gomes, conhecida como Maria Bonita, a companheira de Lampião, o Rei do Cangaço, que nasceu no Povoado Malhada da Caiçara, hoje pertencente ao município de Paulo Afonso, foi no dia 17 de janeiro de 1910 e não no dia 08 de março de 2011, como sempre foi divulgado até por renomados escritores sobre esse tema. Voldi defendeu essa sua descoberta em um dos eventos do Cariri Cangaço, publicou inicialmente no jornal Folha Sertaneja e no ano de 2019 publicou esse seu achado sobre a data do nascimento de Maria Bonita no livro Lampião e o nascimento de Maria Bonita. (Editora Oxente. Paulo Afonso-BA. 2019). O livro, de 196 páginas, ricamente ilustrado com fotos e documentos inéditos, traz vários textos do Padre Celso da Anunciação, Luiz Ruben Alcântara e de Frederico Pernambucano de Melo, que faz também o seu Prefácio.

Prezados amigos e amigas, muito obrigada pelas condolências e pelas palavras de conforto! Painho está nos braços do Pai e só tenho que agradecer pelos momentos que tivemos neste último ano. Ainda tive o privilégio de convivência com ele recentemente, entre natal e ano novo até a semana passada; foram excelentes essas 3 semanas que ele esteve em nossa casa,

um querido! Amoroso e cuidadoso conosco. Estou no Recife e aguardo meu irmão, Victor, chegar dos Estados Unidos para prosseguirmos com os ritos finais, dignos que painho merece. Só gratidão pelas palavras de conforto e pelo carinho de todos e todas!! Obrigada! Obrigada! ... Recife, 21/01/2021 (Camilla, filha de Voldi)

O velório de Voldi Ribeiro foi realizado no Velório Grupo Baptista, em Santo Amaro, no Recife, no sábado, dia 23 de janeiro das 19 às 22 horas e no domingo, 24, das 7 às 10 horas quando o corpo foi levado para o Cemitério Parque e Crematório Jardim Metropolitano, em Águas Compridas, Olinda/PE, onde foi cremado às 11 horas.

Além do seu trabalho na Chesf, onde contribuiu de forma grandiosa para a região Nordeste, esta sua obra é um marco muito importante para os estudiosos do cangaço e da história do Nordeste brasileiro. Muitos escritores de Paulo Afonso que conviveram com Voldi Ribeiro, estão pesarosos com a sua partida. Aos familiares e aos amigos, nos solidarizamos nesse momento de tristeza e dor. Muitos escritores da Academia de Letras de Paulo Afonso, embora Voldi ainda não fosse membro dessa instituição, deixaram sua tristeza no grupo de Whatsapp, como Rubinho Lima, o diretor da Editora Oxente, que fez o seu livro, Jotalunas, Luiz José, Professor Fernando, Luiz Ruben e Ângela, seus amigos de longa data e muitos outros. O escritor, poeta e Professor de História, Alcivandes Santana, membro da ALPA e autor da poesia chamada Maria Bonita, especialmente criada para ser publicada na última capa do livro de Voldi Ribeiro – Lampião e o nascimento de Maria Bonita, além de externar o seu sentimento de perda e de dor postou nas redes sociais uma foto ao lado de Voldi com a mensagem que é o sentimento de muitos... (Antônio Galdino)

“Painho está nos braços do Pai”

Calou-se a voz do poeta Cloves Marques, escritor, professor, engenheiro chesfiano Estávamos manuseando alguns livros de autores da região e me deparei com um chamado de Crônicas do Encontro, de Cloves Marques com uma dedicatória do autor para mim, datada de 20/12/1994, o ano em que este livro foi publicado. Em seguida comecei a escrever sobre o tempo de tantos desencontros que vivemos nos dias atuais. Enquanto acompanhava as mensagens que chegam a todo instante pelo Whatsapp, trabalhava a ideia de escrever sobre esses fatos, fazendo uma avaliação desse quadro medonho e aterrorizante que nos invade a todo instante e me deparo com a notícia do falecimento de Clóves Marques, engenheiro da Chesf,

poeta, cronista, escritor premiado com oito livros publicados, nascido em Delmiro Gouveia/Alagoas, o autor de Crônicas do Encontro que acabava de folhear... Ele, irmão da Professora Cida, cunhado de Carlos Daniel, filho do Sr. Antônio Marques que durante muitos anos trabalhou no comércio na Av. Getúlio Vargas, de uma

sensibilidade poética pouco comum aos engenheiros que precisam tratar de números frios, das réguas de cálculos, dos princípios matemáticos... Cloves escreveu vários outros livros, quase sempre inspirado na cultura japonesa, como ele declara em entrevista concedida a uma rede de Televisão do Recife (Veja o vídeo no final do texto). Quase um ano depois que o Covid tem feito milhões de vítimas em todo o mundo, vemos os leitos de UTI cheios e uma luta intensa nos profissionais da área da saúde, muitos deles vítimas deste mal, atuando como heróis anônimos, para salvar vidas e nem sempre têm o êxito que esperam e para o que tanto lutam.

Em cada um de nós, renova-se a esperança que a vacina ainda salve a muitos. Uns, no entanto, não conseguiram ser alcançados por ela a tempo e partiram, deixando um vazio imenso, nos deixando entristecidos, sem ação, pesarosos, vivendo intensamente pela renovação permanente da nossa FÉ, a esperança que dias melhores virão e haveremos de voltar a nos abraçar... Para todos os familiares de Cloves Marques, Cida e Carlos Daniel e filhos e outros familiares e de tantos que sofrem pela despedida prematura daqueles seus mais queridos, o nosso fraterno e virtual abraço. (Antônio Galdino)


14 8A A

Paulo Afonso - BA • Edição Janeiro • 31 de Janeiro de 2021 • Ano XVI • Número 199

Lions Clube de Paulo Afonso completa 46 anos de vida intensa Os quase cem membros do Lions Clube de Paulo Afonso comemoram, naturalmente com as restrições impostas pela pandemia do coronavírus, os 46 anos de criação desse clube de serviços, completados no dia 10 de Janeiro e lembram, com saudade do seu criador, Carlos Formigli, falecido em 7 de junho de 2019, em Salvador/BA. Lembra José Fernandes Neto que já presidente do Lions Clube de Paulo Afonso e Governador do Distrito LA-2, que ele foi fundado em 10/01/75, e teve como clube padrinho o Lions Clube de Itabuna-Centro. Tudo começou através do Professor Manoel Carlos Formigli Souza, que era sócio do Lions Clube de Amargosa/ BA, e ao se transferir para Paulo Afonso, a fim de trabalhar na Companhia Hidro Elétrica do São Francisco-CHESF, teve a iniciativa de implantar o leonismo na nossa cidade.

O Lions Clube de Paulo Afonso fundou vários outros clubes irmão na região, tais como: o Lions Clube de Petrolândia, no Estado de Pernambuco em 1979, o Lions Clube de Jeremoabo/ BA., em 1990, o Lions Clube de Glória/BA.. em 2014, o Lions Clube de Ribeira do Pombal/BA, também em 2014, e o Lions Clube de Serrinha/BA., em 2020. Também foi fundado no dia 14/11/92 o LEO CLUBE DE PAULO AFONSO, integrado por jovens da nossa comunidade em idade de 14 a 25 anos, que tem sua Diretoria própria e também a sua programação de atividades voltada para os mais carentes. Os trabalhos do LEO são acompanhados e orien-

tados por uma Comissão do LIONS. Nesses 46 anos de história, é expressiva a folha de serviços prestada pelo LIONS na comunidade pauloafonsina nas seguintes atividades: - Preservação da vista e ajuda aos cegos, através de doações para cirurgias, consultas oftalmológicas e aquisição de óculos. - Assistência médica odontológica, através de um gabinete odontológico instalado na Escola Lions Clube. - Doação de medicamentos - Assistência à velhice através das Domadoras na Casa de Repouso São Vicente de Paula. - Campanha do Agasalho. - Campanha de conscientização acerca de drogas - Campanha de conscientização sobre diabetes. - Participação em atividades promocionais, cívicas e outras de interesse da comunidade. - Doação de Cadeiras de Rodas. - Doação de Cestas Básicas. - Campanha de Orientação sobre Hipertensão Arterial. - Campanha

Feira da Saúde. - Campanha Natal da Criança Carente. Doação às Creches. - Construção e manutenção de duas escolas. - Construção do MARCO LEONÍSTICO Entre os serviços de arrecadação de fundos para as suas atividades, o LIONS promove bingos, sorteios, Chá das Domadoras e a tradicional FESTA DO NORDESTE. Importante salientar que o Lions Clube de Paulo Afonso celebrou no dia 26/12/1998 uma JUMELAGEM (irmanação) com o LIONS CLUB TORINO DUE, da cidade de Torino/ Itália, por ocasião da visita a cidade de Paulo Afonso da Companheira Magda, Presidente 1998/1999 do Clube Torino Due. Também celebramos em dezembro/2006 uma JUMELAGEM (irmanação) com o Lions Club Borgomanero Host, da cidade de Borgomanero-Itália. Essa cidade é a terra natal de Dom Mário Zanetta, e a irmanação foi celebrada em memória do

nosso querido e inesquecível Bispo. Como fato relevante para a nossa cidade, destacamos a eleição do Leão José Fernandes Neto, para o cargo de Governador do Distrito LA_2, no período 2013/2014, e do Leão Ubirany Luiz de Souza, também para o cargo de Governador do Distrito LA-2, no período 2019/2020. Isto significa para todos nós motivo de orgulho, pois Leões pauloafonsinos ocuparam o maior cargo de liderança do leonismo da Bahia, cujas posses ocorreram nas Convenções Internacionais de Hamburgo (Alemanha) e Milão (Itália), respectivamente. Em Paulo Afonso, um dos eventos mais marcantes para os leões e domadoras do Lions Clube da cidade e para toda a comunidade pauloafonsina, pela sua grandiosidade e carga de emoção que trouxe para muitos foi a realização da XV Convenção Distrital LA-2, entre os dias 11 e 13 de abril de 2014, que reuniu mais de 500 participantes de toda a Bahia, reunidos no Clube Paulo Afonso. O número de convencionais dos 44 Lions Clubes da Bahia inscritos e presentes à XV Convenção do Distrito LA-2 chegou 465, e a estes se somaram os 32 membros do Lions Clube de Glória, criado no mês de Março de 2014 e os 16 Leos do Lions Clube de Paulo Afonso, todos isentos da inscrição e também participantes da Convenção.

Dessa Convenção participou o Professor Manoel Carlos Formigli Souza, fundador do Lions Clube de Paulo Afonso que, naquele ano completava 39 anos. Em seu emocionado discurso ele “trouxe à memória, em poucas palavras, “a dura e ao mesmo tempo prazerosa caminhada para construir, há 39 anos, ao lado de José Sérgio Filho, já falecido, o Lions Clube que hoje é o que estamos vendo, grande, um dos maiores da Bahia, que elege o governador do Distrito LA-2 que compreende todo o território baiano e sedia esta XV Convenção Distrital, mérito do meu grande amigo José Fernandes e dos companheiros leões e domadoras que o acompanham nesta caminhada”. Dizendo do seu amor pelo Lions Clube e por Paulo Afonso, Carlos Formigli anunciou o lançamento do livro ‘Pensando o Leonismo’ “que tenho a alegria e a grande honra de lançá-lo em uma segunda edição atualizada nesta XV Convenção, por insistência do governador José Fernandes e convidá-los a re-

fletir sobre esta mensagem de boas vindas que diz “Somos, cada um de nós, anjos com apenas uma asa e só podemos voar abraçando uns aos outros”. (jornal Folha Sertaneja Nº122 -Abril/2014)

Atualmente o Lions Clube de Paulo Afonso conta com 99 associados, sendo, em número de Leões, o maior clube da Bahia e o 3º no Brasil. À frente da Diretoria, como Presidente 2020/2021 encontra-se o Companheiro Leão João Bartolomeu de Albuquerque.

Diretoria – Gestão 2020/2021

João Bartolomeu de Albuquerque - Presidente, Jurandir Vieira Lima - Ex-Presidente imediato, Almir Araújo Lisboa - 1º Vice-Presidente, Robernan Correia da Silva - 2º Vice-Presidente, Flavio Rogério Feitosa da Silva - Tesoureiro, Geraldo Avelino da Silva - Diretor Social, José Fernandes Neto - Diretor de Associados, Adeilda Moura Carvalho Xavier - Diretora Animadora, Luís Lira Leal - Diretor Vogal (02 anos), Geraldo Pereira Leite - Diretor Vogal (02 anos), Gilvan Barbosa da Silva - Diretor Vogal (01 ano), Cristiano Alves Santana - Diretor Vogal (01 ano).

Vereadora Evinha Oliveira desenvolve agenda de visitas durante o recesso da Câmara

A vereadora Evinha Oliveira foi diplomada pela Justiça Eleitoral, assim como os seus pares da Câmara Municipal de Paulo Afonso, no dia 16 de dezembro. No dia 1º de janeiro de 2021 foi empossada, com os outros 14 vereadores

para a 16ª Legislatura da Câmara Municipal de Paulo Afonso para o quadriênio 2021/2024. Evinha de Oliveira é a 10ª vereadora eleita pela Câmara Municipal de Paulo Afonso nos 62 anos de vida do Poder Legislativo deste município.

Desde então tem desenvolvido uma intensa agenda de visitas a instituições e procurado conversar com pessoas buscando conhecer mais ainda sobre o município de Paulo Afonso e buscando assim subsídios para os projetos que pretende apresentar no plenário da Câmara Municipal. Uma das suas visitas foi ao jornal Folha Sertaneja onde conversou durante um bom tempo com o diretor/ fundador deste jornal que é também historiador de Paulo Afonso com mais de 15 publicações, livros e revistas sobre o município e a região e sobre a cultura local. Evinha falou dos seus planos de procurar ampliar

os seus conhecimentos sobre o município embora, muito já conheça das dificuldades das famílias que a Ong Anjo Negro, que ele criou e dirige há vários tem prestado assistência. Com esse propósito, a nova vereadora já esteve em visita ao secretário interino de saúde de Paulo Afonso,

Adonel Júnior, acompanhou a chegada de lotes de vacina do coronavírus em Paulo Afonso, já esteve conhecendo melhor o trabalho da Ronda Maria da Penha e esteve em várias outras instituições da cidade. Para conhecer o trabalho da Ronda Maria da Penha, Evinha Oliveira esteve no

20º Batalhão da Polícia Militar onde foi recebida pelo Capitão Estevam e os membros da Ronda Maria da Penha, a Comandante e sub tenente Elisangela, Sargenta Elizangela, Sargento Osmario, Cabo Marilza, Cabo Katia e Cabo Salvador que fazem parte da rádio patrulha da Ronda Maria da Penha.


Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

Embaixadora da República Zâmbia no Brasil visita Paulo Afonso

A Embaixadora da República da Zâmbia no Brasil, Alfreda Kasembre Mwamba, realizou uma visita à cidade de Paulo Afonso, na manhã desta quinta-feira (11), para conhecer as ações da Prefeitura, entre eles o Programa Mais Leite. Ela foi recebida pelo vice-prefeito Marcondes Francisco. A comitiva foi a campo acompanhada da equipe da Secretaria de Agricultura e Aquicultura. O Mais Leite é um projeto desenvolvido por meio do programa Campo Forte, que objetiva transformar o município em uma bacia leiteira. Entre as ações para o fortalecimento da produção, está a distribuição de palma forrageira para alimentar o rebanho. O viveiro, implantado no povoado Baixa do Boi, é o maior do

país e já produziu cerca de 1,5 milhão de raquetes de palmas resistentes à praga cochonilha do carmim, que foram distribuídas para os criadores. “Foi um prazer receber a visita da embaixadora para apresentar um projeto que é motivo de orgulho para a sociedade pauloafonsina, e assim estreitarmos as relações”, ressalta o vice Marcondes Francisco. Ascom/PMPA

Alunos da rede municipal recebem medalhas da OBA/MOBFOG

Na manhã da sexta-feira (5), os alunos da Escola Municipal Rivadalva de Carvalho receberam as 13 medalhas conquistadas nas competições nacionais de conhecimento - na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e na 14ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG). Na OBA foi uma medalha de ouro e duas de bronze, e na MOBFOG, dez medalhas, sendo seis de ouro, uma de prata e três de bronze.

A solenidade aconteceu no prédio da escola, reunindo diretores, coordenadores e professores. A ação foi realizada com um número

reduzido de pessoas e respeitando o distanciamento recomendando pela Organização Mundial da Saúde (OMS), devido à pandemia do coronavírus. “Os nossos parabéns aos alunos premiados com as medalhas e ao empenho das professoras e da direção da escola. Nós ficamos muito orgulhosos pelas medalhas conquistadas e pelo trabalho efetuado. Continuaremos incentivando a participação em outras olimpíadas educativa”, destacou a Secretária de Educação, Elza Brito.

Confira a lista: Isabela Estevam da Silva 5º ano D - OBA/MOBFOG Ouro/Ouro Breno Lucas Gama da Silva 5º ano A - OBA/MOFOG Bronze/Bronze Aquésio dos Santos Silva 5º ano F - OBA/MOB - Bronze/Ouro Ingrid Joce Teixeira dos Anjos 5º ano C - MOBFOG - Ouro Ana Beatriz Ferreira Nunes 4 º ano C - MOBFOG - Ouro Hadassa Ferreira da Silva 4º ano A - MOBFOG - Ouro Tácila Cibele da Silva Ribeiro 5º ano B - MOBFOG - Ouro Raney Maria da Silva Virginio 5º ano G - MOBFOG - Prata José Mateus Teixeira da Silva 4º ano B - MOBFOG - Bronze Nicole Soares da Silva 5º ano E - MOBFOG – Bronze ASCOM/PMPA

Seduc divulga calendário de matrículas para o ano letivo de 2021 A Secretaria Municipal de Educação informa como serão realizadas as matrículas para o ano letivo de 2021. As aulas terão início no dia 15 de abril, e permanece de forma não presencial, devido à pandemia. A renovação da matrícula será automática para os alunos que já pertencem à rede municipal de ensino. As escolas de origem enviarão listas com os nomes dos alunos a serem matriculados nas escolas de destino, considerando a proximidade com o endereço residencial. A direção da escola fará primeiro um contato com os pais informando para qual unidade o aluno será encaminhado

e, aos poucos, os pais serão convidados para assinarem o livro de matrícula. Já para novas matrículas, o calendário tem início no dia 22 de março. Acompanhe as datas: - Creches, Cempa (Centro) e Cempa (BTN) - 22 a 26 de março. - Novas matrículas para alu-

nos não pertencentes à Rede Municipal de Ensino - 29, 30 e 31 de março e nos dias 05 e 06 de abril. Os pais devem comparecer as escolas que desejam matricular seus filhos para receber um comprovante de pré-matrícula. Em seguida, devem aguardar que a unidade de ensino entre em contato para que eles assinem o livro de matrícula. O atendimento será realizado das 7h às 13h. Documentos necessários (cópias) para matrículas novas: - Certidão de nascimento do aluno; - 3 fotos ¾ recentes; - RG do aluno; - CPF do aluno;

- Cartão SUS do aluno; - Histórico Escolar (transferência) ou declaração de escolaridade do aluno (original); - Comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone); - RG dos pais; - CPF dos pais. “A documentação deverá ser entregue em um classificador com elástico que será colocado em uma caixa para, somente após dez dias, ser manuseado pelos funcionários da escola. Tal medida será adotada para evitar o risco de contaminação, tendo em vista a atual pandemia da covid-19”, informa o subsecretário de Educação, Pedro Gomes. Ascom/PMPA

7 A15

Justiça reconhece legalidade do decreto que prevê desligamento dos servidores aposentados A Prefeitura de Paulo Afonso publicou o Decreto nº 5931, em fevereiro, que prevê o desligamento dos servidores municipais efetivos aposentados, que terão até o dia 26 de março para solicitar o desligamento voluntário da administração. Mesmo tendo amparo legal, a medida foi contestada na justiça por um grupo de professores, que impetrou mandado de segurança, registrado sob o n°. 800094947.2021.8.05.0191, pleito este que foi julgado liminarmente improcedente pelo Juiz da 2° Vara Cível da Comarca de Paulo Afonso, Cláudio Pantoja. Os impetrantes alegaram que o documento contrariava a Constituição Federal e a jurisprudência predominante, porém a justiça não concordou com tais alegações, decidindo pela manutenção do Decreto em todos os seus termos.

“O decreto leva em consideração o Estatuto do Servidor Público do Município de Paulo Afonso, a Constituição Federal/ 88 e decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), então não há o que discutir perante essa realidade”, explica o procurador Igor Montalvão. O documento explica que os aposentados pelo Regime Geral da Previdência Social, e que continuam no exercício do mesmo cargo/função objeto da respectiva aposentadoria, apresentem requerimento solicitando o seu desligamento voluntário, sob pena de afastamento compulsório do cargo/função em exercício. O não cumprimento da recomendação permite à Procuradoria Geral do Município adotar os atos legais para o afastamento dos servidores efetivos de que trata o Decreto. Ascom/PMPA

Integrante da nova geração política, vereadora Evinha Oliveira se destaca em ações na Câmara Eleita vereadora pelo SOLIDARIEDADE na eleição de 2020, Evinha Oliveira da nova geração de políticos de Paulo Afonso, tem se destacado entre os seus colegas da Câmara e pela luta em favor da classe mais vulnerável da sociedade. Cursando advocacia, Evinha Oliveira pertence a tradicional família Oliveira, de raízes nordestinas e tem desenvolvido na cidade um trabalho de extrema importância comunitária. Seu gabinete é um dos mais organizados e estruturados na orientação

e ajuda aos cidadãos; sua política não é direcionada aos seus eleitores, mas a todas as pessoas que precisam dos serviços públicos. Comprometida com as causas do povo, a jovem vereadora espera poder desempenhar o seu mandato em favor da melhoria, do progresso e do desenvolvimento do município de Paulo Afonso, e para tanto, na Câmara, assegura que vai aprovar aquilo que considera importante para a população e vetar aquilo que possa ser contrário aos interesses coletivos.


186 A

Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

A Academia de Letras de Paulo Afonso realiza, de forma virtual, a Abertura do Ano Acadêmico 2021

Sob a presidência do Professor Antônio Galdino da Silva, a Academia de Letras de Paulo Afonso – ALPA - realizou, no sábado, 20 de março, a cerimônia de Abertura do Ano Acadêmico 2021, evento aberto ao público. No evento, o presidente informou a todos das conquistas do ano de 2020, quando, “apesar da pandemia a ALPA conseguiu publicar três livros, com o apoio da Prefeitura de Paulo Afonso e também viu o sonho de muitos anos ganhar vida quando os vereadores da Câmara Municipal de Paulo Afonso aprovaram por unanimidade a criação do Memorial Abel Barbosa a ser organizado pela ALPA no prédio do Espaço Cultural Raso da Catarina, que sediou durante mais de 20 anos a Prefeitura Municipal de Paulo Afonso. O Memorial Abel Barbosa foi criado pela Lei Municipal 1.455/2020, sancionada pelo Prefeito Luiz Barbosa de Deus em 27 de outubro de 2020 e,

nesse prédio também funcionará a Academia de Letras, responsável pela manutenção do Memorial Abel Barbosa, conforme esta Lei 1.455” O evento também foi uma oportunidade de homenagear as Mulheres da ALPA e todas as mulheres e, para isso contou com a participação do violonista Willame Silva, da cantora Nilza Melo e a participação especial do membro da ALPA Oscar Silva. Outro acadêmico

da ALPA, Marcos Antônio Lima, diretamente de Santa Brígida, declamou um poema em homenagem às mulheres que foram saudadas com belo texto do acadêmico Edson Mendes, direto do Recife. Também o Professor Roberto Ricardo, membro fundador da ALPA deixou com a presidência da ALPA um poema de sua autoria, que reproduzimos no final desse texto, dedicado às mulheres pela passagem, em março, do Dia Internacional da Mulher. Nessa LIVE da ALPA foram apresentados pelos seus autores, pais de gêmeos literários, os novos livros lançados pelos acadêmicos Socorro Araújo, um livro duplo, de poesias e dois livros, cada um com quase 500 páginas, ambos resultados de intensa pesquisa do acadêmico Luiz Ruben sobre a temática do cangaço, sobre a qual já escreveu 14 outros livros, além de 7 outros de outros temas.

O encontro virtual da ALPA foi encerrado com a posse formal do acadêmico Oscar Silva que, por mais de dois anos esteve ausente do convívio com a ALPA em face de problemas de saúde da esposa, que faleceu em 2020, em Maceió. Oscar Silva foi saudado pelo presidente da ALPA, Professor Antônio Galdino, que o indicou para esta Academia. Ele é o autor do Hino de Paulo Afonso, composta em parceria com

a sua esposa (falecida) Vilma Rodrigues e centenas de outras composições gravadas por ele em vários CDs e por outros cantores de música gospel. Oscar Silva recebeu o Diploma, a carteira de membro da ALPA, a estola e 4 livros publicados pela ALPA e agradeceu emocionado pelo carinho de todos. Também foi saudado por outros participantes e atendeu ao pedido de Alcivandes Santana, cantando um dos seus

A Sabiá

primeiros sucessos, a canção Vôo Livre, gravada ainda em LP, no início de sua carreira musical. Esse 1ª encontro virtual da ALPA, que acontecerá todos os meses, foi prestigiado pela presença do Superintendente Municipal de Cultura de Paulo Afonso, o também poeta, Rogério Xavier. Esta Live da ALPA foi aberta com o canto do Hino Nacional Brasileiro pela cantora Nilza Melo, acompanhada ao violão pelo professor Willame Silva e encerrada com o Hino de Paulo Afonso, cantado pelo seu autor, Oscar Silva, membro da ALPA, Cadeira Nº 31 que tem como patrono o poeta pernambucano Manuel Bandeira. A Live da ALPA foi realizada das 17 às 18 horas pelo Google Meet e teve a coordenação técnica de Nilton Alcântara (Negrito) diretor do site e rádio net – www. seliganamúsica.com.br

Roberto Ricardo

Um dia a sabiá já no seu ninho Protegia e esquentava os seus filhotes E, depois, os viu crescerem, belos e fortes, Amando-os com muito zelo e carinho. E ao passo que se venciam os dias, Já crescidos e senhores dos seus passos, Sem necessitar do seu apoio e seu regaço, Muito pouco a sabiá os via.

Isso acontece entre os pais e os seus filhos, Quando o tempo doloroso os separam...os distanciam Deixando saudades e um vazio profundo. É que o amor de pai e mãe tem mais que brilho, Tem afago e carinho todo dia E todo o tempo disponível desse mundo!

A vacina como medida de prevenção de doenças: um marco na história da humanidade Vitor Batista dos Santos e Juliana Ribeiro dos Santos Costa A vacinação representa um marco na história da humanidade, no enfrentamento, prevenção, controle de doenças e promoção da saúde pública. Desde seu surgimento, por volta do século XVIII, a vacina é responsável pela erradicação de várias doenças infectocontagiosas no mundo, por meio da imunização da população, através de campanhas de vacinação. A história da vacina teve início há mais de um milênio no continente asiático, mais especificamente, na China. Todavia, foi o médico e cientista inglês Edward Jenner o responsável pela descoberta da primeira vacina a qual se tem registro. Esta trajetória iniciou com o surgimento da varíola no

continente europeu, uma doença altamente infectocontagiosa causada pelo vírus da varíola “orthopoxvirus variolae” (nome científico) que causa sintomas como febre alta, dores de cabeça e no corpo, mal-estar, lesões na pele e morte. A vacina contra a varíola no início sofreu resistências, todavia, sua importância e eficácia foram comprovadas e reconhecidas através de respostas imunológicas positivas, sendo adotada a nível mundial, tornando a varíola à primeira doença viral erradicada globalmente, por meio da vacinação em massa. No Brasil a vacina remonta a 1804, e teve sua trajetória marcada por conflitos. Em 1904, o Rio de

Janeiro, capital do país na época, sofria com a falta de saneamento básico, fato que desencadeou uma série de epidemias, incluindo a peste bubônica, a febre amarela e a varíola. Com o intuito de reduzir essas enfermidades, o médico e sanitarista Oswaldo Cruz, iniciou a efetivação de estratégias como a remoção de lixo, entre outras medidas mais extremas como a Lei da Vacina Obrigatória, a qual instituía a população a obrigatoriedade da vacinação profilática contra varíola, resultando na insatisfação da população, devido ao desconhecimento e insegurança em relação à vacina. O descontentamento da população decorrente da obrigatoriedade da vacina gerou protestos e consequen-

temente confrontos entre a população, as forças policiais e profissionais da saúde, conflito que ficou conhecido historicamente, como a Revolta da Vacina. A Lei da Vacina Obrigatória foi revogada em 16 de novembro 1904, todavia, a Revolta da Vacina vitimou inúmeras pessoas (mortos, feridos e presos). A vacina representa um longo percurso histórico, constituindo uma das maiores conquistas da humanidade que proporciona a profilaxia e enfrentamento de doenças graves. Para tal, tem sido empreendidos além de investimentos financeiros e tecnológicos, grandes esforços de cientistas e pesquisadores no desenvolvimento, produção e aplicação de vacina em

massa, para controle e/ou erradicação de diversas doenças, ao longo da história da humanidade. Sem dúvida a imunização através das vacinas tem possibilitado a prevenção e evitado a disseminação de doenças infectocontagiosas causadas por vírus e bactérias. No Brasil, por exemplo, existe um Programa Nacional de Imunização (PNI), desenvolvido pelo Ministério da Saúde, que tem como objetivo atuar na prevenção e combate de doenças, e para isto, disponibiliza gratuitamente uma diversidade de vacinas a população em todas as faixas de idade. As Campanhas Nacionais de Imunização erradicaram a varíola (1973), a poliomielite (1989), e atualmente, o Pro-

grama de Vacinação atua no controle de doenças como o tétano, febre amarela, formas graves de tuberculose, coqueluche, caxumba, sarampo, rubéola, gripe, influenza H1N1... E, mais recentemente, as tão sonhadas e esperadas vacinas contra a COVID-19, trazendo-nos a esperança de dias melhores. Os benefícios da imunização através das vacinas são evidentes, e quanto maior o número de pessoas vacinadas e protegidas, maiores são as chances de controle e erradicação de doenças imunopreveníveis, evitando assim, perdas humanas para as doenças infectocontagiosas. A IMUNIZAÇÃO POR MEIO DA VACINA, EVITA DOENÇAS E SALVA VIDAS!


Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

9182 VACINAS ENTRE 1ª E 2ª DOSE*

*Os dados acima informados pela Vigilância Epidemiológica até o dia 21/03/2021

SECRETARIA DE SAÚDE

9 A17


18 10 A

Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

Há 73 anos, em 15 de março de 1948, nascia a Chesf para a redenção do Nordeste

A bem da verdade, a Chesf foi gerada mesmo em 3 de outubro de 1945 quando o ministro da Agricultura do presidente Getúlio Vargas levou para ele assinou os decretos 8.031 e 8.032, criando a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco, com o objetivo de gerar e transmitir energia hidroelétrica saída das forças das águas do rio São Francisco na região, com a sua magnífica Cachoeira de Paulo Afonso, como já fizera, em menor escala, o cearense Delmiro Augusto da Cruz Gouveia ao construir a sua Usina Angiquinho, em 1913. Por causa de uma destas crises políticas por que tem passado o Brasil ao longo de sua história, os Decretos, assinados por Getúlio Vargas, ficaram dormindo em alguma gaveta do palácio do governo, no Rio de Janeiro, uma vez que, no final daquele mês de outubro, Getúlio Vargas foi deposto, o Brasil ficou sendo governado pelo presidente do STF até o final do ano quando aconteceu a eleição indireta do Presidente General Eurico Gaspar Dutra, que governou o Brasil de 1946 até 1951, quando teve início o período conhecido como Quarta República Brasileira. Esse período iniciou-se com a deposição de Getúlio Vargas (em 29 de outubro de 1945) e se estendeu até 1964, quando ocorreu o Golpe Militar. Asseguram alguns historiadores que os Decretos de criação da Chesf foram enfim

ressuscitados pelo presidente Dutra, inicialmente por razões de estratégia militar. E explicam: a terceira guerra mundial tinha acabado em 1945. O general Eurico Gaspar Dutra era Ministro da Guerra de Getúlio Vargas. Havia em Natal/RN uma base militar dos Estados Unidos. A Cachoeira de Paulo Afonso está situada em uma região de fronteira ou proximidade com quatro estados brasileiros: Bahia, Alagoas, Sergipe e Pernambuco. Pelo sim, pelo não, em Julho de 1947, o já eleito presidente Dutra fez uma visita à Cachoeira de Paulo Afonso e se fez acompanhar de grande comitiva formada por ministros do seu governo e governadores de estados brasileiros, muitos deles de estados do Nordeste. O fato é que, ao retornar ao Rio de Janeiro, capital do Brasil, começaram as reuniões preparatórias para a atuação efetiva de uma grande empresa estatal para prover de energia hidroelétrica a atrasada e carente região Nordeste. Em 15 de março de 1948, foi empossada a primeira diretoria da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf, assim formada: presidente, Engenheiro Antônio José Alves de Souza, que já atuava há anos na Divisão de Águas do Ministério da Agricultura e já estivera na região da Cachoeira de Paulo Afonso fazendo estudos da região, muitos anos antes. Com ele estavam os diretores, os engenheiros Octávio

Marcondes Ferraz - Diretor Técnico, Carlos Berenhauser Júnior, Diretor Comercial e Adozindo Magalhães de Oliveira, Diretor Administrativo. A partir daí começou o grande desafio de fazer valer a ideia de Delmiro Gouveia e levar a “luz de Paulo Afonso” para todo o Nordeste, ou quase todo, porque o Estado do Maranhão foi beneficiado com outra hidrelétrica da região. A notícia da criação da Chesf se espalhou pelo mundo, pelo Brasil, pelo Nordeste e milhares de sertanejos, que costumeiramente buscavam melhorar a vida em São Paulo, foram-se chegando às terras secas da caatinga, em Forquilha e se arrumando como dava, morando em casebres de pau-a-pique, forrados e cobertos com sacos vazios do cimento da marca Poty, fartamente utilizada nas grandes obras da Chesf. Assim, com a Chesf, de Forquilha, nasceu a Vila Poty que, depois se transformou no Distrito de Paulo Afonso, ligado ao município de Glória a quem pertencia todo esse território e, em 1958 tornou-se município de Paulo Afonso, permanecendo abandonado por Glória assim como foi desde quando era apenas um insignificante povoado de 6 ou 7 casas espalhadas na aridez da caatinga, mesmo com a chegada da Chesf e as ruas fervilhando de gente, disse um jornalista em reportagem da Revista Manchete. “Não convém que Vila Poty exista no mapa” (Revista Manchete Nº 233, de outubro de 1956). Quase dois anos antes dessa reportagem, a Chesf já havia inaugurado festivamente a sua Usina de Paulo Afonso e a energia hidrelétrica já chegara a Salvador e a Recife e já se espalhada, nas redes das linhas de transmissão, por outros lugares do Nordeste. E, no mesmo mês desta reportagem da Revista Man-

Av. Landulfo Alves, 276 | Centro | Paulo Afonso-BA Tel.: (75) 3281.3030 | E-mail: ferrageiropa@ferrageiro.com.br

chete, no dia 10 de outubro de 1956, a Câmara Municipal de Glória/BA, por uma iniciativa e luta do vereador Abel Barbosa e Silva, votou pela emancipação política de Paulo Afonso, o que só viria a acontecer pra valer em 28 de julho de 1958, após a aprovação da emancipação pela Assembleia Legislativa da Bahia e a sanção da Lei Estadual 1.012, pelo governador Antônio Balbino de Carvalho. A história mostra, nesses 73 anos de caminhada da Chesf, o quanto ela foi importante para o desenvolvimento de toda a região Nordeste e, mais recentemente, com a interligação dos sistemas elétricos do Brasil, como diz a canção Paulo Afonso, de Gordurinha, a energia da Chesf “ilumina o Rio, São Paulo e toda nação.” Luiz Gonzaga e Zé Dantas, já diziam em 1955 que a partir da energia saída inicialmente e por muitos anos apenas das usinas de Paulo Afonso, “O Brasil, vai, vai, vai...” E o Brasil, o Nordeste, melhorou pelo trabalho intenso do “nosso cassaco, caboclo bom, verdadeiro”, como também disse Zé Dantas. Com a chegada da Chesf a Paulo Afonso, onde estão cinco das suas usinas hidrelétricas (uma em território alagoano), muita coisa mudou na região. O inexpressivo povoado de Forquilha hoje é uma cidade respeitada na região com uma população de mais de 120 mil habitantes, uma das maiores do Estado da Bahia. Outros muitos municípios, como Paulo Afonso, nasceram a partir da presença da Chesf nesta região. E o Nordeste coitadinho, miserável, de antes da Chesf, cujos índices de pobreza eram comparados aos países mais pobres da África, “oxe, hoje é uma belezura só, seu moço”, como diz o sertanejo orgulhoso de ser nordestino.

Apolônio Sales

Getúlio Vargas

Eurico Gaspar Dutra

Primeira diretoria da Chesf. A partir da esquerda: Adozindo Magalhães, Carlos Berenhauser, Antônio Alves de Souza e Octávio Marcondes Ferraz

Ao longo destes 73 anos, obviamente que muita coisa mudou. Houve um presidente da Chesf o ex-ministro Antônio de Oliveira Brito que dizia, de peito aberto: “A Chesf não tem dono, nem senhor”. Isso foi mudando com o tempo. Já houve um tempo em que as diretorias da Chesf eram divididas entre vários partidos políticos, muitos donos. Hoje, parece existir um total desprezo pelas raízes pioneiras da Chesf nesta região. Há anos que os governos federais, a quem pertence a Chesf, vêm esvaziando a força da Chesf na região. Com a decisão, ainda na gestão do Presidente Collor de Melo, alagoano, nordestino, da Chesf cuidar apenas da “geração, distribuição e comercialização da energia elétrica”, todo o chamado Acampamento da Chesf passou para a gestão da Prefeitura, inclusive os belos lagos, hoje quase todos poluídos e abandonados, foram fechados o zoológico, todas muitas escolas da Chesf e, por fim, a hidrelétrica se desfez do Hospital Nair Alves de Souza. Os belos espaços da área da Chesf, que se transformaram em importantes atrativos turísticos, uma receita importante para o município, não mais são abertos aos vi-

Casa O Ferrageiro nasceu em Santana do Ipanema/AL em 1922 e desde os anos de 1970 sua filial de Paulo Afonso ajuda este município a crescer.

sitantes como o Teleférico, o Modelo Reduzido de Paulo Afonso, os muitos mirantes, como o da Cachoeira de Paulo Afonso. A própria Cachoeira, que motivou o Imperador D. Pedro II a se deslocar do Rio de Janeiro para visita-la, em 1859, como disse o historiador, chesfiano de saudosa memória, José Carlos Feitosa, o Carlinhos da Sala dos Visitantes, “a cachoeira de Paulo Afonso é apenas um retrato na parede”. Todas estas ações mais recentes da diretoria da Chesf referem-se à gestão da empresa, das prefeituras de Paulo Afonso e região, do governo federal desde Collor de Mello e Fernando Henrique... Tudo isso, no entanto, mesmo triste e preocupante, não tira o mérito da importância da Chesf para o desenvolvimento do Nordeste que - sempre repetirei isso - tem a sua história contada em dois grandes capítulos: Nordeste A/C (antes da Chesf ) e Nordeste D/C (depois da Chesf ). Assim, parabéns à Chesf, redenção do Nordeste, pelo aniversário de 73 anos nesse 15 de março de 2021. (Por Antônio Galdino da Silva)


Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

Morre, em Aracaju, o Dr. Francisco de Assis Pereira, da Clínica Santa Mônica

Era ainda madrugada do dia 27 de fevereiro quando a notícia nos atingiu com grande impacto. “...Dr. Francisco de Assis Pereira partiu para a eternidade”. Vivemos esses dias terríveis de insegurança, de notícias desconcertantes de perdas de gente querida. E de médicos, enfermeiros, profissionais da saúde que estão ali, na linha de frente dessa guerra, expondo a sua própria vida para salvar outros muitos porque a sua formação foi para aliviar a dor, salvar vidas, fazer com que os pacientes voltem ao aconchego dos seus lares. E muitos têm sido atingidos por esse mal terrível e tombam na linha de frente desta batalha interminável. Mais uma vez precisamos dizer a muitos que perdemos mais um ser muito querido, da família, dos filhos, de todos. Ainda nem enxugamos as lágrimas pela ida da Professora Zuleik e já choramos pela viagem de Dr. Francisco que se destacam por serem pessoas públicas mas também choramos pelos muitos Josés e Marias, anônimos, que também perderam a luta contra esse vírus infame ou que morreram também de outros males.

A despedida de um ser querido sempre dói e deixa marcas fortes. Impotentes contra esse mal a que todos estamos sujeitos, ficamos com o grito travado na garganta e só sabemos chorar, lamentar, nos entristecer pela partida de mais uma pessoa querida, agora o Dr. Francisco de Assis Pereira, de quem dizia um amigo, colega de profissão e desde os tempos de estudantes de medicina: “Perdi um amigo e um irmão” Recebo aqui os lamentos de dor dos seus irmãos da maçonaria, dos seus amigos e colegas médicos, que, como nós, se associam à dor terrível da Professora Yeda, a esposa, dos filhos também médicos e dos familiares e até de gente anônima, talvez um seu paciente que recebeu o alento da dor pelos seus cuidados. Sobre o Dr. Francisco de Assis Pereira, que faleceu no início dessa madrugada de 27 de fevereiro no Hospital Primavera, em Aracaju, chega a notícia que o seu sepultamento será no cemitério de Olhos D´Água do Souza. Resta, a cada um de nós, frágeis e indefesos, esperar na misericórdia de Deus para as nossas vidas e que o Espírito Santo consolador alivie a dor de cada um dos familiares e amigos destes que nos deixam e partem para a morada do Altíssimo. Porque, estamos certos, que “O Senhor está perto dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito abatido.” (Salmos 34:18)

Morre Pelé, aos 59 anos. Ele era mais um ícone da Rua D, da Chesf

Acompanhamos o site Giulianoribeiro.com.br para nos solidarizar com os familiares, amigos e os radialistas da Rádio Angiquinho pelo falecimento, na manhã deste domingo, 21 de março do radialista José Osman de Lima, de 59 anos, o popular PELÉ da Rua D. Diz o site Giulianoribeiro. com.br: Ele vinha debilitado devido a uma infecção e acabou falecendo na manhã deste domingo (21) no Hospital Nair Alves de Souza em Paulo Afonso-BA. Fica a lembrança e a saudade de um grande irmão e amigo que tinha um jeito muito próprio de viver, contundente e alegre. Pelé, era radialista e fazia parte do Programa Balaio na Rádio Angiquinho, funcionário aposentado da Chesf e

Grupo Sete de Setembro lamenta morte de Zuleik Correia, esposa do diretor do Grupo, Jacson Oliveira É com grande pesar que informamos a toda a comunidade que a professora Zuleik Correia de Oliveira, esposa do professor Jacson Oliveira, diretor do Colégio Sete de Setembro e reitor do Centro Universitário UniRios, faleceu na manhã desta quarta-feira, 24/02, em Recife-PE, por complicações decorrentes da COVID-19. Zuleik Correia era pós-graduada em Orientação Educacional pela Universidade Salgado Oliveira e em Ecoturismo pela Universidade Federal de Lavras - UFLA. Possuía graduação em Medicina Veterinária e Biologia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Participou da implantação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente em Paulo Afonso, atuando como presidente e vice-presidente em várias gestões.

Ela trabalhou por mais de 25 anos na educação básica e no ensino superior como coordenadora e professora da rede pública e particular. No Colégio Sete foi coordenadora do Ensino Fundamental Anos Finais. O Colégio Sete e o UniRios estarão em LUTO oficial

11 A19

e todas as atividades de ensino e administrativas previstas até sexta-feira, 26/02, estão suspensas. Em breve, divulgaremos em nosso site, o calendário de recomposição. Os familiares e amigos agradecem, desde já, às manifestações de carinho e solidariedade.

desportista. A Rádio Angiquinho está de luto. Pelé, fica na paz de Deus! A família enlutada e o site Giulianoribeiro.com.br agradecem a Corrente de Orações. Pelé foi um guerreiro, lutou muito, mas partiu. Nossos profundos sentimentos. "Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá." (João 11:25-26). O velório foi realizado no SAF da Av. Apolônio Sales, em Paulo Afonso a partir das 13 horas do dia 21/03 e o sepultamento foi no Cemitério Padre Lourenço Tori às 16 horas. (www.giulianoribeiro.com.br). Nas redes sociais, o domingo 21 de março de 2021, era só de mensagens de pesar pela morte de Pelé da Rua D: Nosso parceiro do programa Balaio. Muitas tardes de sábados, indo e voltando de Delmiro Gouveia. 05 anos ao lado de Pelé e Jorge Papapá. Pelé cumpriu sua missão. Que o Eterno D'us receba-o em sua glória. (Prof. Fernando) Pelezinho era mais que um amigo, um irmão que tinha uma voz inconfundível, carismático e torcedor fanático do Flamengo, essas eram suas marcas e com isso ele

conquistou e fez grandes amigos em nossa cidade e região. O amigo Pelé vai deixar saudades. Meus sentimentos aos amigos e familiares. Que Deus o tenha em seus braços. (Aníbal Jr.) Que Deus conforte a família de Pelezinho imagens que não tem como esquecer de Pelezinho ele sentado na farmácia de Teixeirinha e outra imagem quando ele era mesário no Carlina nas eleições, sempre sorrindo e muito feliz ESTÁ NOS BRAÇOS DO PAI. (Ver. Marcondes Daniel) Não tenho palavras para externar o sentimento do meu coração nesse momento. Foste um irmão mais velho de toda a turma de garotos, adolescentes, que cresceram num círculo de amizade das mais sinceras e abençoadas por Deus. Apesar da sua deficiência física desde criança, sempre foi um cara alegre, descontraído e muito fiel aos amigos. Tudo era na esportiva. Quantas noites e madrugadas ficamos ao lado da sua casa, esquina com Avenida Bahia, ouvindo Rádio Globo e "discutindo", brincando, eu, Vasco, você, Flamengo. Alí, naquele cantinho "sagrado" ouvíamos os maiores âncoras, repórteres e programas com os melhores comunicadores desse país na eterna Rádio Globo AM-1220, despertou o meu

gosto, o sonho em ser radialista. Você fez e foi parte importantíssima nessa minha história e trajetória de vida. Nossos pais adoravam nossa amizade. Passamos diversos momentos de tristezas juntos. Entretanto, Deus nos permitiu milhares de alegrias que superam facilmente os momentos difíceis. É, meu nobre "mancha", apelido brincalhão que sempre o chamava, chegou o momento de você reencontrar seus pais, irmãos e vários outros amigos que descansam no paraíso divino. Tenho plena certeza que hoje o céu está muito mais alegre. Obrigado, por tudo! Valeu, Pelé, Pelezinho, Meu Amigo, Meu Irmão!!! (Adriano, radialista) O site www.folhasertaneja. com.br e o jornal Folha Sertaneja, pelo seu diretor e seus colaboradores também nos associamos à dor dos familiares, amigos e dos seus colegas da Rádio Angiquinho, nesse momento de tristeza pela perda de pessoa tão querida de todos nós e rogamos ao Espírito Santo para que console a todos e nos fortaleça para continuarmos a nossa caminhada enquanto for o querer de Deus.

Professora Zuleik Correia, do Grupo Sete de Setembro, faleceu no Recife Na manhã da quarta-feira, 24/02, no Recife, vítima de Covid, faleceu a Professora, Sra. Zuleik Correia de Oliveira, do Grupo Educacional Sete de Setembro. A direção e funcionários da Galcom Comunicações, jornal Folha Sertaneja e do site www. folhasertaneja.com.br, com uma relação de amizade com os que

fazem o Grupo Sete de Setembro desde os seus primórdios, todos lamentamos profundamente e em nossas orações pedimos que o Espírito Santo traga o consolo ao seu esposo, Jacson Gomes de Oliveira, Reitor da UNIRIOS, aos seus filhos e demais familiares. O grupo Sete de Setembro também externou o seu pesar na nota oficial.

A Academia de Letras de Paulo Afonso, que agrega em seu quadro muitos professores atuantes na UNIRIOS e vários outros egressos da Faculdade Sete de Setembro também externa a sua tristeza pelo falecimento da Sra. Professora Zuleik Correia de Oliveira em Nota de Pesar da ALPA.

ACADEMIA DE LETRAS DE PAULO AFONSO – ALPA Sala Euclides Batista Filho - Casa da Cultura Av. Getúlio Vargas, s/nº - Paulo Afonso – BA Fundada em 20/11/2005 – CNPJ-07.823.981/0001-16 Reconhecimento de Utilidade Pública Municipal Lei 1.397, de 12/12/2018

Moção de Pesar A Academia de Letras de Paulo Afonso – ALPA-, por sua diretoria e todos os seus membros, apresenta à família de Jacson Gomes de Oliveira o profundo pesar de todos que fazem esta Academia, boa parte deles professores ativos ou egressos da Faculdade Sete de Setembro, hoje UNIRIOS, pelo falecimento da

Sra. Zuleik Correia de Oliveira ocorrido na manhã desta quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021, no Recife. Muito entristecidos oramos para que o Espírito Santo traga o conforto aos corações do seu esposo Jacson Gomes de Oliveira, dos filhos e demais familiares e amigos nesse momento de irreparável perda.

“O Senhor está perto dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito abatido.” (Salmos 34:18)

Antônio Galdino da Silva Academia de Letras de Paulo Afonso – ALPA Presidente


20 12 A

Paulo Afonso - BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 • Ano XVII • Número 200

IAJUF e EBRASAUDE passam a fazer parte do UniRios. Marcas são voltadas para oferta de pós As marcas IAJUF - Instituto de Aperfeiçoamento Jurídico e Fiscal e a EBRASAÚDE – Escola Brasileira de Aperfeiçoamento em Saúde passam a fazer parte do Centro Universitário UniRios. As duas iniciativas educacionais são voltadas

para a oferta de cursos de especialização nas áreas de Direito e Saúde, respectivamente. O anúncio foi feito no início do mês pelo reitor do UniRios, Jacson Oliveira, e o vice-reitor, Sérgio Oliveira. Para a reitoria, a chegada do

IAJUF e da EBRASAÚDE reafirma o posicionamento estratégico da instituição na oferta de soluções educacionais, diversificando ainda mais seu portfólio. Em 2019, após 17 anos, a Faculdade Sete de Setembro - FASETE, fundada pelo

professor Gilberto Gomes de Oliveira, deu lugar ao Centro Universitário do Rio São Francisco - UniRios, com a oferta de 11 cursos presenciais. Pouco depois, foi lançado o UniRios EAD, com mais 21 cursos.

ESPECIALIZAÇÃO DE VERDADE, MODERNA E EFICAZ O pró-reitor de ensino, Evandro Souza, destaca esse passo como importante para atender as demandas dos profissionais por aperfeiçoamento de qualidade. “A busca pelo conhecimento, bem como pela transformação do ser humano através da educação é fundamental. A pós-graduação em nível de especialização latu sensu vem suprir essa demanda, pois ela permite que, de forma ágil e rápida, o

profissional se especialize qualificadamente, acompanhados por profissionais de destaque nacional, e passe a ter um diferencial no mercado de trabalho. Desta forma o UniRios se posiciona de forma expressiva, frente à oferta de diversos cursos de pós reconhecidos como modernos e realmente focados no aperfeiçoamento profissional, e não em momentos ‘revisionais’ da área onde atua”, comentou.

NOVIDADE: PÓS EM SAÚDE PÚBLICA

Para Baixar: E-book traz informações educativas para ajudar pessoas em situação de violência Lançado no dia 4 de março o e-book “Não se nasce homem, torna-se” agora estará à disposição para download. A obra traz informações educativas, reflexivas e preventivas voltadas para homens em situação de violência. A publicação é resultado da parceria entre Clínica-Escola do Centro Universitário UniRios e a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM da cidade de Paulo Afonso, região norte da Bahia. Os textos foram construídos por estagiários do 9º e 10º período de Psicologia ao longo dos ciclos de debate do Grupo Ressignificar, grupo reflexivo com homens autores de violência doméstica. A professora Dra. Larissa Raposo, responsável do laboratório e orientadora do projeto, destaca a importância para a sociedade da iniciativa. “Esse trabalho se tornou um produto que po-

derá atingir um público para além do pensado inicialmente, servindo como fonte de informação para estudantes e todos os profissionais de diferentes formações que compõem a rede de assistência às mulheres que sofrem violência doméstica”. A Cartilha é composta por três partes, referentes às te-

máticas dos debates: Masculinidades, Homens Autores de Violência Doméstica e/ou Familiar e o último, que trata sobre os Grupos Reflexivos. Para baixar, acesse o site www.unirios.edu.br Autores: Deise Santos Soares; Fátima Carolina Ferino Monteiro da Silva; Iasmin Eduarda Ribeiro dos Santos;

Jaiane Geíza da Silva; Larissa Cristine Oliveira Ribeiro; Laura Beatriz de Melo França; Sanches Max Jesus Viana; Sarah Angélica Gomes Sandes; Tais Moreira da Silva; Larissa Raposo Diniz Organização: Larissa Raposo Diniz (Dorisvan Lira | Dep. Comunicação)

Em 2020 o UniRios/ IAJUF lançou as primeiras especializações na área do Direito. O sucesso da iniciativa se confirmou e, em menos de 1 ano de existência, já são mais de 300 estudantes oriundos de vários estados do Brasil. Agora, o UniRios passa a oferecer a pós-graduação em Saúde Pública por meio da EBRASAÚDE. O curso foi anunciado na última semana, durante a I Jornada Nacional de Saúde Pública que contou com mais de 7 mil inscritos. “Entendemos que é uma maneira de contribuir para a qualificação dos profissionais da saúde nesse momento de pandemia, além de ofertar cursos de qualidade numa área tão importante, não só para os nossos egressos, mas também para profissionais de todo

o Brasil, utilizando-se da tecnologia como um dos principais instrumentos de conexão entre os atores. Aproveitar a expertise e conhecimentos dos excelentes profissionais que lecionarão as aulas, se tornará um momento ímpar nesta formação”, ressalta Evandro. As novidades anunciadas pelo UniRios mostram que a instituição está atenta as necessidades constantes de novas soluções educacionais. Através da Educação a Distância, o centro universitário consolida a graduação e a pós-graduação, em patamares importantes. A expectativa é que mais novidades cheguem ainda em 2021. (Dorisvan Lira | Dep. Comunicação)

“As vacinas devem ser distribuídas nos PSFs”, sugere Evinha Oliveira Na segunda-feira, 15 de março, durante a sessão ordinária da Câmara Municipal, a vereadora Evinha Oliveira (Solidariedade) fez observações importantes no que diz respeito à vacinação dos idosos ocorridas neste domingo (14), no Centro e no BTN, além das demissões feitas pelo prefeito Luiz de Deus (PSD), no fim de semana. “O prefeito grava uma mensagem correta homenageando os profissionais de saúde e no outro dia, somos

surpreendidos com as demissões de 28 profissionais de saúde; a gente não pode, numa cidade como Paulo Afonso acordar com mais 50 pessoas demitidas sem qualquer justificativa”, comentou a líder da oposição. Evinha acrescentou que se é para demitir, o prefeito deve ter outro critério em razão da pandemia. “Eu não concordo com essa história de que Luiz de Deus não sabe quem são os profissionais demitidos, ele sabe, e nós precisamos de esclarecimentos.”

A vacinação Comentando o dia problemático envolvendo a vacinação de idosos a partir dos 75 anos, neste domingo, a vereadora criticou a falta de planejamento da prefeitura e sugeriu mudanças a fim de atender idosos que não têm carro e/ou moram muito longe: “Fazem tudo sem planejamento, a toque de caixa.

Temos lá [no Ginásio] um espaço gigante com apenas uma mesa com três ou quatro vacinadoras, porque não fazer como na ocasião do recadastramento? Então colocam as pessoas idosas para sofrer em filas intermináveis, sem necessidade”, criticou Evinha. A vereadora disse ainda que a prefeitura poderia criar um aplicativo para

atender ao cidadão. “Não só para a Covid, mas também para os serviços, agora a prefeitura está fechada e como fica? A prefeitura tem um disque denúncia e uma ouvidoria que, infelizmente não funcionam”. De acordo com ela, quando os grupos a serem vacinadas diminuírem para a casa de 70 ou 60 anos será um inferno. “Você imagina o sofrimento que será para a população quando baixar mais a idade?”

Sobre as vacinas, Evinha afirmou que tem poucas informações sobre as aplicações e que isto pode gerar favorecidos na fila da vacina. “Nós fiscais não podemos permitir apadrinhamento ou que furem a fila, em detrimento de um idoso; por isso apresentei aqui um projeto de lei que pede a alimentação do sistema no site da prefeitura para que o cidadão saiba quem está sendo vacinado.”

Profile for Jornal Folha Sertaneja

JORNAL FOLHA SERTANEJA Ano XVII • Número 200  

Paulo Afonso-BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 Ano XVII • Número 200

JORNAL FOLHA SERTANEJA Ano XVII • Número 200  

Paulo Afonso-BA • Edição Fevereiro/Março • 21 de Março de 2021 Ano XVII • Número 200

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded