Page 27

espetáculos São Paulo, segunda-feira, 11 de novembro de 2013

27

Relatos de viagem depois de rodar o País A história da humanidade não seria a mesma se não houvesse o espírito aventureiro de Colombo, Vasco da Gama, Marco Polo, Hans Staden, Visconde de Taunay, até chegarmos aos dias atuais, com Amyr Klink, por exemplo. Impulsionados por esses pioneiros, Ivan Costa e seu amigo e músico Thiago Nuts partiram para percorrer 10 mil km em uma Kombi (os últimos 3,6 mil km Ivan fez sozinho), passando por São Paulo, Salvador, Arembepe (BA) e Paraty (RJ). O relato dessa empreitada de seis meses de estrada em 2012 está sendo lançado no livro “Clarice, Minha Menina”, de Ivan Costa (Editora Novo Século, 200 págs., sendo 56 com imagens, R$ 34,90). Narrado em primeira pessoa, entre versos e prosas, autor costura momentos de angústia e euforia. O nome, segundo o autor, é homenagem à escritora Clarice Lispector, toda “tatuada” com poemas e “com largo sorriso na lataria dianteira” da Kombi.

fotos: acêrvo Pessoal

Seis meses - Autor rodou 10 mil km de estradas em uma Kombi

Baixo custo - Roteiro feito para poder dormir na casa de conhecidos

Ivan Costa nasceu em Aracaju (SE), mas desde criança morou em Estância, 72 km distante. Aos 16, voltou a morar em Aracaju, aos 20 foi para Manaus. Seis anos depois, mudou-se para São Paulo e aos 30 caiu na estrada. Cursou filosofia e história em Aracaju e Manaus, mas não concluiu nenhum dos dois. Atualmente mora em Aracaju.

“Brincando de Viver” e economizando O nome do livro, segundo o autor, é homenagem à escritora Clarice Lispector, “tatuada” com poemas e “largo sorriso” na Kombi

Ivan Costa e Thiago Nuts elaboraram um roteiro em que pudessem dormir na casa de conhecidos e, assim, economizar nas despesas. Deram nome ao projeto de “Brincando de Viver”. Na Bahia, passaram por Arembepe, Salinas da Margarida, Porto Seguro, Itacaré e Salvador. Em seguida, ruma-

ram para Marataízes, no Espírito Santo. Um dos últimos, depois de passar por São Paulo e São Thomé das Letras, em Minas, foi Paraty e Búzios, no Rio. Em Búzios, por sinal, conta Ivan, eles conheceram um casal de argentinos que rodava a América Latina de bicicleta.

Amilton Godoy e Léa Freire quarta na Praça das Artes

Algumas das composições já foram mostradas pelo Quinteto Vento em Madeira, do qual Léa faz parte

há muito tempo e, principalmente, músicos que se admiram. Quando Léa teve a ideia de registrar suas composições, não teve dúvidas em convidar o pianista. “Tive uma sensação de encantamento na primeira vez que vi Amilton tocar sozinho, em uma sala do Clam [Centro Livre de Aprendizagem Musical], a primeira escola de música popular brasileira em que estudei. O cara toca com alegria, gosta de música de verdade, não tem sofrimento ali, tem uma pessoa usufruindo do seu dom e do seu trabalho [árduo] e te fazendo feliz. E a compreensão de estilo, nele, é muito forte - coisa rara em qualquer época”, diz. “A música de Léa tem conteúdo de alta qualidade,

Admiração mútua rendeu álbum

Patrícia Menezes

A série Instrumental no Conservatório, promovida pela Fundação Theatro Municipal, recebe na quarta-feira, às 20h, o pianista Amilton Godoy e a flautista Léa Freire, na Praça das Artes, na Avenida São João, 281 (3397-0327), com ingressos a R$ 30. Léa e Amilton são amigos

Registro - Léa não teve dúvidas em convidar o pianista para o novo CD

um profundo conhecimento harmônico, com uma característica muito própria, como se fosse, naturalmente, a continuidade do que fez Heitor Villa-Lobos, Camargo Guarnieri e Francisco Mignone, citando uns poucos. Como eles,

Léa desenvolve seu trabalho com o mesmo nível, o mesmo padrão, a mesma seriedade. É a maneira contemporânea de escrever música brasileira, uma grande contribuição para a nossa literatura musical”, diz Amilton.

O resultado da admiração e respeito entre Amilton Godoy e Léa Freire é o CD “Amilton Godoy e a Música de Léa Freire” (www.maritaca.art.br), em que Amilton faz uma viagem pelo universo criativo de Léa em temas como “A Coisa Ficou Russa”, “Caminhos das Pedras”, “Brincando com Theo”, “Mamulengo” e “Vento em Madeira”, entre outras. Algumas dessas composições já foram mostradas pelo Quinteto Vento em Madeira, do qual Léa faz parte e que se apresenta sempre, principalmente em São Paulo.

Metrô News 11/11/2013  

Metrô News - a gente circula com você

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you