Issuu on Google+

RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

ANO III. 131ª EDIÇÃO  R$ 1,50

Por uma sociedade mais opinativa

Cirurgias e tratamentos estéticos

Dom Pedro II: Obras completarão dois anos e continuam sem conclusão

Os riscos que acompanham a busca desenfreada pela beleza

Foto: José Wotter

página 8

página 15

Pedestres não respeitam o trânsito e colocam em risco sua integridade física

PÁGINa 11


2

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

EXPEDIENTE FOLHA GAUCHA

CHARGE

Por Alisson Affonso

EDITORIAL

Mudanças na legislação

Jornalista Responsável: Wanda Leite (MTB 15246)

O

Diretor Comercial: José Valerão Editora-Chefe: Wanda Leite Revisão: Myrian Comberlato Coordenação: Franciane Wyse Diagramação: Valder Valeirão William Farias Financeiro: Viviane Rubira Assinaturas:

assinaturas@folhagaucha.com.br

Comercial:

comercial@folhagaucha.com.br

Reportagem: Matheus Magalhães Ique de La Rocha Rodrigo de Aguiar André Zenobini Camila Costa Colunistas: COMPORTAMENTO

Almira Lima Érica Halty ECONOMIA

Nerino Piotto SOCIAL

André Zenobini Wanda Leite TEOLOGIA

Pastor Vilela da Costa

Curtas Folha Gaúcha Trânsito Quem estacionar irregularmente em vagas reservadas a idosos ou pessoas com deficiência poderá não só ser multado, mas também ter o veículo apreendido. É o que prevê o projeto de lei da Câmara (PLC) 99/2007, aprovado pelo Plenário do Senado, semana passada. O projeto determina que a infração passe a ser considerada grave no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Sonegação Associação Comercial de São Paulo marca diariamente, hora a hora, o que o país arrecada de impostos no país, o chamado impostômetro. Agora foi criado também o sonegômetro, onde o Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz) aponta que a sonegação de impostos no país, nos estados e municípios, já ultrapassou os R$ 300 milhões em 2013. Planejamento Financeiro Sicredi convida seus associados para a pa-

lestra planejamento Financeiro, com Márcio Mancio, dia 1º de outubro às 20h, na sociedade Cultural Águia Branca. Ingresso é 1kg de alimento não perecível, que deverá ser trocado na unidade de atendimento. Planejamento Financeiro II Marcio Mancio é especialista em liderança, motivação, atendimento e vendas. Foi eleito o melhor palestrante do Rio Grande do Sul pela Ampla Eventos. É um dos palestrantes mais assistidos em palestras e treinamentos IN COMPANY do Brasil. Postos de Saúde O Prefeito Alexandre Lindenmeyer assinou está semana a autorização para o chamamento público de 35 profissionais da área da saúde para reforçar o pronto-atendimento nos postos de saúde do município. Serão nomeados, ao todo, 20 enfermeiros e 15 técnicos de enfermagem que irão atuar, prioritariamente, nas Unidades Básicas de Saúde com atendimento 24 horas do município.

GESTÃO & LOGÍSTICA

Márcio Azevedo ESPORTE

Claudio Galarraga GASTRONOMIA

Jesus Araújo GERAL

Alberto Amaral Alfaro Matheus Magalhães Impressão: Parque Gráfico Jornal Correio do Povo SAC: (53) 3235.6532 República do Líbano, 240 Cep: 96200-360 Centro Este jornal não se responsabiliza por conceitos emitidos em colunas e matérias assinadas.

EDITORIAL

Foto: André Zenobini

Foto-legenda

Moradores arriscam seus veículos para transitar pela Querência após a chuva. Uma situação que se repete constantemente

povo brasileiro está indignado com a sinalização de que o Mensalão não dará em nada. Ou melhor, dará sim, mas naquilo que a maioria já esperava: em pizza. A sensação da população é que mais uma vez quem tem dinheiro e influência política não irá para a cadeia. O voto decisivo dado pelo ministro Celso de Mello fez com que o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitasse, por seis votos a cinco, os embargos infringentes dos condenados no processo do Mensalão. A posição do STF repercutiu junto à população, nas redes sociais, no Congresso e virou alvo de discussão entre juristas. Os embargos infringentes são um tipo de recurso exclusivo da defesa, que se fundamenta na falta de unanimidade na decisão colegiada acerca de um ou mais crimes dos condenados. No caso do Mensalão, eles se aplicam a 12 dos 25 réus. A partir daí, novos julgamentos serão marcados e sabe-se lá quando os réus que forem considerados culpados irão efetivamente para a prisão, como qualquer simples mortal que comete um crime. A sensação de impunidade é o que sentem os brasileiros e, só ocasionalmente, quando surgem casos de grande repercussão na sociedade, é que são aplicadas punições exemplares, com os holofotes da mídia dando a impressão de que o Brasil está mudando, mas na maioria dos casos as penas são aplicadas de forma branda, sendo que os condenados ainda têm direito, após cumprirem um terço da sentença, à liberdade condicional. No caso dos Mensaleiros, alega-se que as penas foram exageradas para alguns ou que alguns aspectos não teriam sido levados em conta pelos julgadores, que estariam mais preocupados com os holofotes da mídia. Também defendem que a legislação brasileira deixa os juízes de mãos atadas por ter muitas brechas que acabam por favorecer os réus em condições de pagar ótimos advogados. Não é a primeira vez e nem será a última que ouviremos críticas aos “furos” da legislação brasileira. Então, por que não aproveitar mais este momento de indignação nacional para dar um fim às injustiças e impunidades que a todo momento vemos acontecer em nosso país? Entendemos que, junto com a indignação, deveria haver uma mobilização da população brasileira no sentido de mudar o que está errado em nossas leis. Por que em outros países, especialmente os mais desenvolvidos, não se vê tanta moleza para os infratores como aqui? Se o maior problema do Brasil é a impunidade, existem mecanismos para acabar com isso ou corrigir o que está errado. Alguém disse que quando uma situação é ruim para todo mundo, ela acaba. Caso contrário, é porque tem alguém ganhando. Provavelmente muitos estão ganhando com a atual situação. Ou não?


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

3

Economia e Opinião *Nerino Dionello Piotto

Governos contra o seu povo

S

exta feira última, meio dia, saí do Rio, via rodovia, para São Paulo. Duas horas para sair da cidade. Em São Paulo, à noite, mais de uma hora para entrar. Nada de anormal, ou melhor, tudo anormal, mas usual. Como em grande parte do Brasil. Os nós e enclaves nas mobilidades eram previsíveis. O Governo Federal incentiva a compra de carros. Mas não investe em infraestrutura. Subsidia o preço da gasolina. Derrete a Petrobrás e liquida com as usinas produtoras de álcool, que estão quebrando. Aí, importa gasolina e até álcool feito de milho (muito mais caro que o de cana) dos Estados Unidos. E a balança comercial apresenta sucessivos deficit. Os governos desdenham das inovações. Esquecem que o homem não é um animal forte. E que depende de outros meios, além dos recursos de seu próprio corpo, para se locomover. A roda, criada há 7 mil anos, e a fantástica revolução industrial parecem coisas etéreas. As inovações poderiam ajudar a melhorar nossas vidas. Mas muitas cabeças de nossos (des)governos só pensam naquilo, no poder, e – aí – nessa área, sim, inovam muito. Dê-lhe contabilidade malcheirosa e chamada por alguns de criativa (a meu ver, deveria ser chamada de destrutiva – ela mascara a inflação e fabrica superavit) para fingir que as contas fecham no azul. E o que dizer da criação (genial, do mal) de um duto entre as caixas do governo e as dos partidos? No início do governo Dilma, a imprensa bisbilhoteira a obrigou a demitir alguns ministros. Mas, o sistema de sangria foi aperfeiçoado para surripiar grana de forma pulverizada, haja vista os últimos e recentes e constantes golpes, por meio de ONGs, que teimam em sobreviver aos flagrantes policiais, estimulados pelas decisões do STF, que, de tão demoradas e distantes da realidade, dão a quase certeza da impunidade aos poderosos! Atarefados os entes públicos estão: uns –do mal –, em inovar para roubar, e outros – do bem –, como os MPs, a PF, a SRFB, o BC... –, em descobrir (complicado, pois ladrão não deixa recibo probatório) e desbaratar os criativos inventos. Pergunto: quem vai pensar no Povo? Em propiciar melhores meios de transportes? Em Rio Grande, por exemplo, há o sentimento de que o que se faz melhor é empurrar com a barriga e fazer ouvidos moucos aos problemas que afligem quem enfrenta a dureza no trânsito, das vias, com o lixo espalhado... Esse sentimento causa indignação e aflição e desesperança. Se existe a roda - alguém duvida?-, ciclovias, como alternativa barata de meios de transporte, poderiam ser rapidamente implantadas em nossa cidade. E inibido o uso de carroças, verdadeiro crime e prática medieval aceita por nós... Por que não se pensar em meios mais higiênicos e saudáveis de transporte? E... deixar de pensar, pelo menos de vez em quando, naquilo? Afinal, governos, em tese, deveriam pensar no bem do povo. Mas... pelo andar das carroças... O dia do “parou geral” não é uma miragem. Economista* nerinopiotto@globo.com

Opinião

Os pobres macacos desabrigados

C

omo colunista opinativo que sou neste espaço, posso dizer a vocês que sou contrário a retirada dos animais silvestres da Tamandaré. Não há a menor necessidade de dar uma ordem de despejo aos pobres bichos que não incomodam a ninguém e embelezam uma das maiores praças do estado. Concordo com todas as correntes de opinião que dizem que os animais não devem ficar enjaulados e que aquele espaço não é adequado. Então, que o município faça uma adequação do espaço, melhore as condições dos animais e amplie a segurança na Praça Tamandaré. Não acredito que aquele espaço seja tão poluído e mesmo assim atraia tantos pássaros e animais que se aninham nas árvores para passar a noite. A jaula, até concordo, é pequena para as grandes habilidades dos macacos-prego, mas mesmo que sejam silvestres, conseguem se adaptar muito bem a locais em que são criados em cativeiro. O Ibama já disse que essa decisão da retirada ou não dos animais não cabe a eles e sim ao executivo e que eles acompanhariam para ver se os bichos estão sendo bem cuidados. Pensar em modificar a Praça Tamandaré é uma ideia bastante positiva, mas há quanto tempo não há nem revitalização naquele espaço? Uma grande modificação parece utópica, em Rio Grande. O executivo já manifestou pouca ou nenhuma vontade de manter os animais naquele espaço. E mais uma vez a Cidade do Rio Grande, ao invés de melhorar, manda embora algo para ter menos trabalho. Se o Município do Rio Grande não tem condições de realizar melhorias na jaula dos animais ou uma revitalização da Praça Tamandaré, sendo o 4º maior PIB do Rio Grande do Sul, é necessário então fazer uma avaliação de onde o executivo está colocando o dinheiro da cidade. Se não há previsão orçamentária para essa obra em 2013, tenho certeza que os animais

aguentam até 2014, para que o executivo disponibilize a verba para as obras. Afinal, eles estão ali há mais de 60 anos, os menos de quatro meses que faltam não farão a menor diferença na vida deles. Os argumentos do vereador Petter, que iniciou o debate, têm fundamento e devem ser levados em consideração, mas não é admissível que essa decisão seja tomada sumariamente pelo executivo. Que se faça, então, um plebiscito para ver o que o povo quer sobre o tema. Afinal, participação popular é fundamental em qualquer democracia. Em certas horas, essa expressão é muito útil, mas não parece valer para esse caso. Até então ninguém tinha tido coragem de tocar no assunto dos macacos e a hora se mostra agradável. Não que o município não tenha nenhuma outra necessidade, mas a Tamandaré precisa de atenção há muitos anos. Há algum tempo acredito que aquele espaço poderia ser um dos mais bonitos da cidade e abrigar um amplo espaço de cultura e lazer, basta vontade. É hora de fazer uma revitalização, um estudo para ver quais árvores podem ser retiradas, tratar as que estão doentes. Em volta ao coreto, construir um espaço decente para feiras livres, como já acontece, só que de forma organizada. E por fim, o fechamento da Praça Tamandaré e a criação do horário de funcionamento para aquele espaço. Os maiores parques do mundo são cercados e possuem horário de funcionamento. Não será nenhum pioneirismo. É necessário escutar o povo para ver se os animais ficarão ou não desabrigados, caso fiquem, realizar as mudanças necessárias para dar a eles dignidade e boas condições. Caso se vão... que encontrem um lugar melhor. André Zenobini


4

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

Alfaro

Alberto Amaral

As câmaras de vereadores e o compromisso midiático

C

Projeto Luz para Todos contempla

mais de 60 bairros da cidade A implantação do projeto em sua totalidade gerará uma economia de um milhão de reais por ano POR Rodrigo de aguiar

U

ma questão de segurança, paisagismo e respeito com o cidadão rio-grandino. A prefeitura municipal está desenvolvendo o projeto “Luz Para Todos”, que irá instalar 18.596 pontos de luz nos mais de 60 bairros do município. Em alguns lugares as lâmpadas mistas estão sendo substituídas pelas de vapor de sódio, que propiciam, além de maior luminosidade, uma economia de até 50%, por possuírem uma voltagem menor. Uma das vantagens da lâmpada de vapor de sódio é a sua durabilidade: enquanto as tradicionais possuem uma vida útil de cerca de 20 dias, as novas podem chegar a dois anos. Além delas, estão sendo trocados todos os mecanismos, entre eles relés e alças de sustentação. Dos 18.596 pontos, já foram instalados mais de seis mil, contemplando Povo Novo, Quinta, Santa Rosa, Carreiros, Cohab IV, Cidade de Águeda, Proflurb I e II, Nossa Senhora de Fátima, Castelo I e II, Bosque, Vila Recreio, São João, São Miguel, Parque Marinha, Parque São Pedro, Vila Trevo, Jardim Humaitá I e II, Parque Universitário, Cibrazém, Bucholz, América, Rural, Junção, Santana, Vila Eulina, Lar Gaúcho, Getúlio Vargas, Barra Nova e Velha. Na maioria destes bairros, quase a sua totalidade foi concluída, restam apenas as denominadas “vias rápidas”, onde serão instalados reatores de

Foto: Rodrigo de Aguiar

100 e 150 watts. Os próximos bairros a receberem melhorias na iluminação serão Parque Coelho, Bernadeth e Vila Maria. De acordo com o secretário de controle e serviços urbanos, Nilson Pinheiro, essas modificações proporcionarão uma economia na taxa de iluminação pública, o que irá beneficiar tanto o município como os munícipes. O titular da pasta disse, ainda, que em janeiro de 2012 a conta mensal chegou ao valor de 370 mil reais. A implantação do projeto em sua totalidade gerará uma economia de um milhão de reais por ano. Ainda segundo Pinheiro, da totalidade de reclamações de problemas de iluminação que chegavam à secretaria, mais de 70% concentrava-se no perímetro entre o Povo Novo e a São Miguel e dentro deste percentual, mais de 20% vinham do bairro Parque Marinha. Atualmente, todo o sistema da Secretaria de Controle e Serviços Urbanos é informatizado. Com isso é possível a obtenção de dados mensais, que auxiliam no trabalho desenvolvido e na elaboração de estratégias para um melhor atendimento da comunidade. Nilson aproveitou para informar que os rio-grandinos podem entrar em contato com a secretaria para solicitar serviços ou realizar denúncias através dos telefones 3231.4549, 3231.1763, 3231.1758 e 3232.3437.

om o advento de novos e contundentes meios de comunicação, a classe política em geral e as câmaras de vereadores, em especial, ocupam-se praticamente em se manterem em destaque nas mídias sociais. As sessões são transmitidas ao vivo por rádio, televisão e internet, e essa exposição obriga os parlamentares a falarem diariamente, tendo ou não pauta a tratar. Essa exibição, ao contrário do que possam pensar suas Excelências, tem servido mais para desgastar a imagem e os trabalhos dos legislativos do que informar ou ressaltar o mandato. Registro que as redes sociais tornaram-se também ferramentas que têm exposto ao extremo a classe política, já que a cada momento há um interesse diferente, horizontal, sem um aprofundamento das questões propostas, tornando os vereadores, em particular, objeto de ataques e críticas permanentes. Além de uma prestação de contas aos seus eleitores, os edis diariamente brigam pela paternidade das ideias que, embora repetidas anualmente, causam um frisson diário, já que os veteranos, portando suas surradas pastas de registros, não admitem sequer a proposição de uma melhora ao já proposto. Registre-se que esses requerimentos, protocolados aos milhares anualmente, poderiam, ou melhor, deveriam ser objeto de correspondência direta aos detentores de cargos executivos, os que realmente têm a possibilidade de fazer. Constata-se que essa prioridade em aparecer a qualquer custo demonstra uma intenção velada em permanecer na função, adotá-la como profissão, meio de vida. Essa talvez seja a maior causa dessa desconexão entre o que esperam os eleitores e o que lhe entregam os representantes. Oposição por oposição, independente dos interesses maiores da sociedade, também explicita que esse maniqueísmo tão danoso, conservando-se o sistema político vigente no País, tende a perdurar, infelizmente. Passados alguns meses da posse dos novos vereadores, considerando o acréscimo de mais oito representantes, o que se houve pelas ruas são criticas e decepção pela performance dos representantes recentemente escolhidos. Convenhamos, é sempre assim, não nos responsabilizamos pelas nossas decisões e escolhas, menos ainda procuramos entender o funcionamento desse verdadeiro quebra-cabeças da política, onde, ao contrário do que se poderia esperar, nem sempre o bem comum é a prioridade. Um comezinho interesse contrariado ou uma derrota eleitoral torna os vencedores donos da verdade e os perdedores, arautos do quando pior, melhor. Pena, os que recebem mandato para fazer deveriam simplesmente cumprir o proposto no período eleitoral, já que obtiveram procuração para o tratado. No tocante aos que se elegeram para verear, suas responsabilidades são claras: fiscalizar os atos do Executivo, propor solução aos problemas e demandas, escutando as vozes das ruas. Sugiro que fazer, em ambas as situações, é muito mais importante do que dizer, propalar, cantilenar.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

Ique

Estaleiro em Porto Alegre - Quando de sua palestra na Câmara de Comércio, indaguei ao diretor-presidente da Engevix, Gerson Almada, sobre a instalação de um estaleiro em Porto Alegre, conforme divulgação na imprensa da capital. Ele garantiu que o empreendimento não é concorrente do Polo Naval do Rio Grande e que só fez isso para a fabricação de componentes que estavam sendo feitos no Rio de Janeiro. Disse, ainda, que o investimento do estaleiro aqui é infinitamente superior ao de Porto Alegre. Confirmou o desejo de realizar outros investimentos no Rio Grande do Sul, onde já possui uma hidrelétrica. O próximo passo poderá ser a participação da Engevix na construção da ferrovia Norte-Sul. Estaleiro em Porto Alegre (II) – Só não dá para a gente se conformar com essa história de Polo Naval do Rio Grande do Sul. Antes eu dizia que como não conseguiram levar nossos estaleiros para Porto Alegre, criaram um em Charqueadas, mas agora até que conseguiram um estaleiro na capital. A gente não vê os paulistas, nem paulistanos, querendo ligar sua capital com o mar, em detrimento do porto de Santos, e se no porto de Santos tivesse um estaleiro, jamais São Paulo iria disputar. Isto só acontece aqui no Rio Grande do Sul, terra do centralismo, dos governos estaduais que atendem aos interesses da Fiergs, cujos associados, por sua vez, dão a impressão de atenderem a um determinado grupo de empresários. Depois não sabem por que o estado está nesta situação. Terceirizadas do Polo Naval – Semana passada este jornal apresentou reportagem sobre as rescisões mal feitas pelas empresas terceirizadas ou quarteirizadas do Polo Naval. A Petrobras, que é a dona do dinheiro, deveria fiscalizar esta situação e impedir que empresários caloteiros, mal intencionados ou seja lá o que forem, prestem serviço para o Polo Naval. Na cidade já tivemos pequenos empresários lesados e muitos casos de injustiças com os trabalhadores têm acontecido. É bom ressaltar que existem muitas empresas que merecem a nossa credibilidade, mas nem tudo são flores no Polo Naval.

Estação de transbordo da

Junção deverá sofrer mudanças Obras prometem a construção de corredor que alterará a rota dos ônibus na ERS-734 por MATHEUS MAGALHÃES

A

estação de transbordo da Junção está passando por novas obras para melhora de sua infraestrutura. De acordo com as pastas de Mobilidade Urbana (SMMUA) e Infraestrutura (SMI), a intenção é criar um corredor destinado exclusivamente ao tráfego de ônibus. Para tal, já foram iniciadas as obras para colocação da base de reforço no acostamento da ERS-734, perpendicular à estação. A grande novidade referente ao tráfego dos coletivos é que não mais as linhas que acessam a estrada terão de entrar na estação, passando pelo corredor, o que deverá diminuir o tempo dos percursos, motivo de reclamação constante dos usuários, assim como a promoção de maior agilidade no trânsito do trecho, bastante prejudicado pela rótula instalada para o acesso dos coletivos a estação. De acordo com o secretário Edson Lopes, titular da SMMUA, a expectativa é de reduzir de 10 a 15 minutos no tempo de deslocamento dos coletivos. Outras adições deverão ser feitas na estação, como a colocação de paradas no local, o que deve promover

Foto: GH

de La Rocha

5

uma mudança geral no panorama. Em conjunto com as recentes obras de manutenção e troca de lâmpadas na estação, o Executivo Municipal parece estar atendendo às reivindicações do povo em relação ao caos do setor de transporte coletivo. Via de acesso à Furg é reaberta Enfim a via alternativa de acesso à Fundação Universidade do Rio Grande (Furg), através da estrada Roberto Socoowski, foi reaberta. Inaugurado em 2011, o acesso foi fechado em junho deste ano devido à determinação do Ibama. A reabertura da via, que aconteceu no dia 18 deste mês, atende ao pedido da comunidade, que utilizava este caminho como alternativa para a ERS-734, congestionada em horários de pico, muitos destes horários que correspondem ao início dos turnos letivos na Universidade. De acordo com a Pró-Reitoria de Infraestrutura da Furg (Proinfra), a via funciona das 7h às 23h, permanecendo fechada nos fins de semana e feriados.


6

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

Juvenal Miller comemora o centenário Por Camila Costa

Foto: divulgação

C

onsiderado por muitos como a maior escola da cidade, o Instituto Estadual de Educação Juvenal Miller comemora o seu centenário no próximo dia 12 de outubro. As paredes do atual prédio guardam histórias e memórias vividas por rio-grandinos que hoje estão por todas as partes. A escola é, atualmente, um grande legado para a cidade do Rio Grande, além de seguir em pleno funcionamento com 1.268 alunos. Criado em 12 de outubro de 1913, a partir do Decreto Nº 1935 de 13 de fevereiro daquele ano, o Juvenal Miller foi assim intitulado para homenagear o rio-grandino homônimo, Juvenal Octaviano Miller, político, militar e escritor de grande importância para a defesa da cidade em tempos de guerra, que chegou a alcançar grandes patamares na política, ocupando o cargo de vice-presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Em um primeiro prédio, situado na Rua General Osório e com apenas cinco salas, o Instituto logo se transferiu para o prédio na Rua do Riachuelo, tendo como sua primeira diretora a educadora Helena Carrigan Small, que acompanhou a escola durante longos 25 anos e deixou a sua contribuição e marca para as décadas seguintes. Somente em 1941 foi inaugurado o atual prédio onde está localizada a escola, na Rua Andrade Neves. No ano de 2000 passou a se chamar definitivamente Instituto Estadual de Educação Juvenal Miller. São uniformes, fotografias, livros, educadores e alunos que passaram pelos portões do Juvenal Miller. Como destaca a atual diretora, Márcia Oliveira, o Instituto foi responsável por formar inúmeras gerações na cidade. “Hoje em dia todos os setores possuem ex-alunos do Juvenal.” E em época de celebração, a saudade e a nostalgia parecem tomar conta desses ex-alunos. “Ao longo do ano muita gente veio visitar a escola, ex-alunos vieram, falaram da saudade e do que viveram aqui. É um momento muito especial para nós”, conta Márcia. A comissão para organizar a programação do Centenário foi organizada pela professora Ana Cardone e contou com a ajuda de várias pessoas que fizeram parte dessa história. Para integrar a comunidade nas comemorações, a escola visou proporcionar atividades du-

rante todo o ano. Em abril foi realizada a Mostra Iconográfica do Centenário, onde a trajetória da escola foi contada através de fotografias e vídeos, muitos doados pelos próprios alunos que passaram pela escola. Em junho foi escolhida a corte do Centenário, sendo formada pela Rainha Sarah Almeida e as Princesas Débora Cunha e Amanda Carolina Azevedo. Para o mês de outubro as comemorações se intensificam. No dia 3 acontece a Sessão Solene na Câmara de Vereadores, às 19h. No dia 10 será a vez e lembrar do patrono da escola, Juvenal Mil-

ler, em uma missa às 11h. No dia seguinte, 11, ocorre uma caminhada, além de um abraço simbólico na escola e o Parabéns. À noite, os cantores Jeff Keller e Phantom Band se apresentam no Teatro Municipal a partir das 20h30. No dia 12 a programação é intensa. Pela manhã será lançado o livro “Centenário do Instituto Estadual de Educação Juvenal Miller”, escrito por Teresinha Rangel e Daniel Sperling. Logo após serão descerradas as placas comemorativas do centenário. E o grande momento será à noite, em um jantar dançante realizado na SAC.


8

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO A 4 DE OUTUBRO de 2013

Obras na Rua D. Pedro II continuam paralisadas: quando as promessas sairão do papel? Moradores sofrem com lama, buracos, falta de sinalização e trânsito perigoso de veículos por MATHEUS MAGALHÃES

A

s obras na Rua D. Pedro II, que deveriam durar dez meses, estão próximas de completar seu aniversário de dois anos. Iniciadas em fevereiro de 2012, as obras previam uma revitalização da rua, presente no Bairro Getúlio Vargas. Entretanto, o que deveria ser um novo começo, tornou-se o início de um declínio da via, que hoje se encontra enlameada, esburacada e com poças de água distribuídas ao longo da pista da direita, que ficou sem calçamento. A via calçada, porém, sofre com falta de sinalização apropriada e uso inapropriado, já que muitos motoristas a acessam na contramão, oferecendo perigo aos moradores e à própria integridade física. Durante o curso da obra, em dezembro do ano passado, a construtora licitada paralisou as operações devido a falta de pagamento de faturas vencidas nos meses de julho e agosto de 2012. Devido a isto, a UGP acresceu oito meses à previsão inicial do término da obra, para conseguir tempo de negociar. Os oito meses se passaram e a rua continua na mesma situação, com as obras paradas e sem qualquer previsão real de mudanças. Em agosto deste ano, o coordenador de Programas e Projetos Especiais da GPU, Jomar Lima, anunciou que as obras seriam retomadas no início de setembro, após o fechamento de acordo com a Construtora Pelotense, empresa responsável pela empreitada. Entretanto, os moradores podem garantir que não avistaram qualquer trabalhador ou máquina no local; as obras continuam paralisadas e o Executivo não tocou mais no assunto, a despeito de uma temporada de chuvas que tornou a via sem calçamento ainda mais inacessível e a via calçada ainda mais caótica. Única via, motoristas na contramão Se a via da direita ainda espera por obras, a via em que as obras já foram concluídas começa a apresentar sinais de desgaste. Devido ao uso contínuo, pelo fato de que acabou restando como única opção possível, já que é rota de acesso ao Super Porto, o calçamento já está desgastado. Outra reclamação é sobre a falta de sinalização, que acarreta em acidentes e perigo para os pedestres. Estreita, a rua não possui espaço para acosta-

mento e está dividida da outra pista através de um “canteiro”, cheio de entulho, lama e esgotos a céu aberto. No caso de tráfego de veículos, outro enorme problema preocupa a população local. Com a falta de acesso na outra pista, os veículos andam em contramão na via da esquerda, ocasionando graves riscos de colisão. De acordo com moradores, em determinados momentos veículos trafegam em alta velocidade. A rua abriga duas escolas de ensino fundamental: E.E.E.F. Cel. Juvêncio de Lemos e E.E.E.F. Dr. Augusto Duprat, o que torna o risco de acidentes ainda maior, já que a falta de sinalização e a total ausência de vigias de trânsito deixam os motoristas sem a orientação de que, em horários de entrada e saída de estudantes, haverá um maior volume de pessoas atravessando a via. O solitário quebra-molas não tem sinalização e nem pintura. No caso da pista que foi abandonada pelas obras, as poças de água em períodos de chuva se acumulam, tornando tortuoso o processo de trafegar a pé e praticamente impossível para veículos. Por ser uma zona residencial e densamente populada, as impérvias causadas pela paralisação das obras se tornam ainda mais flagrantes. A revitalização, anunciada ainda pela outra gestão do Executivo Municipal, se estende a todo o Bairro Getúlio Vargas. Porém, as obras já passam por duas administrações e seguem sem sair do lugar, presas pela burocracia, enquanto os moradores sofrem com o resultado. Alguns até mesmo alegam que a rua estava muito melhor no período anterior ao início da empreitada, tendo sido danificada no processo que permanece inconcluído. Com a proximidade de dois anos de promessas não cumpridas e descaso, resta perguntar quando a obra vai ser retomada e quando a voz dos moradores suplicando pela tal “revitalização” - palavra predileta da atual gestão Municipal -, será ouvida. O fato é que, devido à falta de pagamento e cumprimento de termos acordados na licitação, bem como da enorme burocracia para resolver a situação, a população sofreu e continua a sofrer com os danos de uma obra que prometia mudar a paisagem da D. Pedro II e, de fato, cumpriu esta promessa: mudou para muito pior.

Ponto Crítico Matheus Magalhães

Dos cilindros envergonhados Eu gosto dos índios. Não há como negar; eles são demais. Eu gosto ainda mais das índias. Elas, em sua beleza silvícola com os seios a mostra, demonstram, para a mulher “ocidental”, que existe uma espécie de liberdade além da liberdade sexual. A nudez das índias nada tem a ver com volúpia ou manifesto político; elas, apenas, vivenciam uma cultura onde o corpo humano não virou tabu. As índias não são prisioneiras do próprio corpo. Esta é uma liberdade que nenhuma mulher civilizada vai conhecer no decorrer de sua vida. Temos uma linguagem estética muito particular com o corpo humano. O Ocidente, hoje, não é muito pudico para tratar sobre seios. É um pouco mais para falar sobre vagina. Entretanto, o Ocidente não fala, sob hipótese nenhuma, sobre pênis. Certa feita, eu assistia um filme no cinema onde, durante alguns segundos, o pênis de um dos personagens aparecia na tela. Um amigo que me acompanhava se sentiu desconfortável claramente e metralhou um obrigatório comentário: “que “viadagem”, isso aí”. Apesar da necessidade de externar uma reação negativa ao acontecimento, notei que ele e outros homens, sobretudo homens, no cinema, não conseguiram desviar o olhar do falo badalante do ator. As mulheres pareciam não muito interessadas. Isso é curioso. Vivemos em uma sociedade estritamente machista. Esqueçam os avanços, eles riscaram uma superfície no que tange à discussão política. A principal discussão sobre o machismo não é política. A reação deste amigo, em particular, sintetiza o poder do machismo que está internalizado. O pênis, que ele também possui, o agrediu ao ponto de que ele não conseguiu prestar atenção no entorno da cena que, se não me engano, era um diálogo entre um homem e uma mulher. Tudo o que ele via ali era a torneirinha do ator que, no contexto da cena, estava nu, pois recém havia transado com sua parceira. Este tabu é um efeito do machismo. Todo homem possui uma visão adolescente sobre a vagina. E nunca passaremos disto. É um órgão muito menos vulgar, esteticamente e fisiologicamente, do que o pênis. Para torná-lo menos impossível, o vulgarizamos. Entretanto, em contrapartida, criamos uma redoma sobre o órgão masculino. É quase proibido que um homem heterossexual possa, por exemplo, passar na frente de um amigo, nú, em direção ao quarto para se vestir. Tudo é “gay”. Tudo é “viadagem”. No meu cotidiano, eu sou muito brincalhão. Gosto bastante de fazer piadas sobre homossexualismo, admito. Não piadas sobre homossexuais, mas piadas que coloquem os outros em posições defensivas. Faço porque é divertido ver alguém se justificando para uma piada que é, apenas, uma piada, sem nenhuma acusação ou asserção da verdade absoluta. Entretanto, ultimamente tenho me policiado, pois é cada vez mais crescente o número de pessoas que podem achar que sou homossexual por fazer piada com isto. Não teria nenhum problema caso fosse; não teria nenhum problema se fosse piada. Mas tenho um problema quando as pessoas, devido a uma visão falocêntrica, não percebem que eu estou apenas fazendo uma troça sobre sexualidade. O homem é muito idiota. Se a mulher de hoje vem sendo idiotizada, minha turma já nasce com o dom da estupidez. É impressionante que o gênero que abriga Milan Kundera, Handel e Verdi é o mesmo compartilhado pelos homens do nosso tempo. Quando, no Brasil, aceitamos que a indústria da propaganda lapide nas nossas efígies o estereótipos do “homem só pensa em bunda, cerveja e futebol” e nos orgulhamos da “macheza” disto, desaparecem os Verdi e Kundera e fica o Serginho Mallandro. As feministas querem erradicar o machismo, mas falham em perceber que os homens falocêntricos – totalmente obcecados pelo pênis, que lhes causa espanto -, empurram as mulheres para um abismo também. Entre o idiota e ficar sozinha, a mulher se sujeita a viver o paradigma da “bunda marcada na ralabela”, como nas propagandas de cerveja onde diversos homens –apenas homens – se sentam em uma mesa e são servidos por uma garçonete com um profundo decote. Mulher não bebe, não fuma, não dirige carro, não come. Foi o mundo da publicidade em que nós, homens burros e complexados, decidimos viver. Muito cuidado com o cilindro, sem vaselina, da vida real.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

9

Gotas de Sabedoria Pastor Vilela

Onde estaríamos sem o Espírito Santo?

Q

uando Jesus esteve na terra, os discípulos o viram, tocaram, viram os milagres, mas nenhum deles foi mudado!!! Viram Lázaro ressuscitar, Jesus andar sobre as águas, ordenar a tempestade, a Transfiguração, viram a nuvem, três homens dentro, a voz de Deus e não foram mudados. Quando Jesus foi pendurado, todos foram embora!! Viram sua Glória, Poder, Força, demonstração do Espírito Santo, que sacudiram o mundo, mas na hora H disseram: “Nós pensamos que ele era o Messias!!!” Como pode? Depois de ouvir a voz de Deus dizendo: Este é o meu filho!!! Por quê? Não é por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. (Zac 4:6). Sem o Espírito Santo, tudo o que Jesus fez e tudo o que jesus falou teria se perdido!!!!!! Pedro o negou; João ficou do lado, Tiago, Mateus, Bartolomeu, todos! Jesus morreu na cruz sozinho!!! Por que estes mesmos covardes e medrosos mais tarde morreram por Jesus, mesmo Jesus não estando presente? Os milagres e maravilhas não são suficientes!!! Ver e sentir sua glória e ouvir sua voz não é o suficiente! Nós precisamos do Espírito Santo! SEM O ESPÍRITO SANTO, O CRISTIANISMO NÃO TEM PODER!!! 2º Cor 3:6 diz: A letra mata, mas o Espírito vivifica.

Sem o Espírito Santo, a chance das pessoas de seguirem a JESUS é zero. Se o Espírito Santo não tivesse vindo, o Cristianismo não duraria um ano!!! João 16:7 Jesus diz: Vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá. A principal diferença das religiões para o Evangelho é que as religiões baseiam-se em uma mensagem, mas o Evangelho baseia-se em uma Pessoa!!! UM CRISTO VIVO. CRISTO VIVE! Falo com ele, e Ele comigo. Amo Ele e Ele me ama. Sigo Ele e Ele me guia. Ele me ouve e eu o ouço. Como isto é possível? Pelo Espírito Santo. OBS: Cristianismo não é uma mensagem, é JESUS VIVO!!! Quando o Espírito Santo veio... O mesmo Jesus que caminhou c/ eles; falou c/ eles/ operou milagres etc., passou a viver dentro deles! Col 1:27 diz: Cristo em vós, esperança da glória. Cristo com eles, não os mudou, mas, dentro deles, TODOS FORAM TRANFORMADOS. Sinais e milagre não são suficientes!!! Precisamos do Espírito Santo, pois onde Ele está: milagres acontecerão; os corações se derreterão; famílias se converterão; Por isto Jesus disse: é melhor que eu vá! Porque estava limitado, e estando em carne não podia mudá-los.

HOJE, JESUS É PARA NÓS MAIS REAL DO QUE FOI PARA OS DISCÍPULOS! Nós, mesmo sem O termos conhecido, fomos transformados e não O abandonaremos. Os cristãos de Roma nunca O viram, mas foram no Coliseu torturados por Nero... (queimados/destroçados), mas adoravam a Jesus enquanto morriam. Nunca o viram, mas o amavam mais que a própria vida... Como pode ser isto? Zacarias 4:6. O Espírito Santo fez Jesus tão real para eles que nada mais importava. Foram comidos, despedaçados, por causa de sua fé em Jesus. Por quê? Jesus era mais real para eles do que para os discípulos! Os discípulos viram milagres, curas e ressurreições. Isto é FORÇA. Viram o vento acalmar. Isto é PODER. MAS, FORÇA e PODER não mudam uma pessoa! Só o Espírito Santo! O mesmo PEDRO que virou as costas para a cruz morre em uma cruz, e pede para não ser crucificado da mesma forma de Jesus, pois não se achava digno. Onde estaríamos nós, sem o ESPÍRITO SANTO?

Com carinho, Pr. Vilela da Costa.


10

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro 4 de outubro de 2013

Lieesa já pensa no Carnaval 2014 Entidades aguardam reunião com a Prefeitura e querem jurados da cidade

“O que a gente quer é esquecer o que aconteceu em 2013 e fazer uma comissão de Carnaval com a participação de todos para que haja transparência. Não digo que vamos fazer um grande Carnaval, mas um Carnaval com transparência e sério, apresentando e divulgando à sociedade, no final, um relatório com todos os gastos”. A declaração é do novo presidente da Liga Independente de Escolas e Entidades Carnavalescas (Lieesa), Chico Santos. Francisco Carlos Santos Lemos é um antigo conhecido dos carnavalescos rio-grandinos. Ele participou em entidades carnavalescas locais nos anos 70, mas também tem “uma história de Carnaval em Porto Alegre”, como ele mesmo diz. Na Capital do Estado foi compositor e intérprete de samba-enredo (puxador) durante seis anos na escola Império da Zona Norte, mais seis anos na Estação Primeira da Figueira (que não existe mais), dois anos na Imperatriz Dona Leopoldina e um ano no Bambas da Orgia, da qual é conselheiro. Ele também é fundador e ex-presidente da Grêmio Recreativo e Academia Águias do Samba, que participa do Grupo de Acesso em nosso Carnaval. Chico Santos foi eleito dia 19 de junho na presidência da Lieesa, por aclamação. Ele diz que já se reuniu com o promotor público e vereadores e todos concordaram que a dívida de R$ 108 mil da entidade é de responsabilidade do presidente anterior. “Depois disso, estamos tomando as decisões necessárias para reerguer nosso Carnaval 2014”, declarou ele. Uma das primeiras medidas tomadas pela nova gestão da Lieesa foi solicitar à Prefeitura que desvincule o Carnaval da Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer (SMTEL) e que passe para a alçada da Secretaria de Município da Cultura. Verba e infraestrutura Agora, os carnavalescos aguardam uma reunião com o Executivo Municipal, sinalizada para o início de outubro, para tratar da infraestrutura e, principalmente, da verba a ser destinada às entidades. As entidades já prestaram contas dos R$ 282 mil repassados pela administração municipal para o Carnaval 2013. Agora, elas - que estão regularizando suas documentações -, acreditam que haverá um aumento do auxilio destinado pela Prefeitura. Ano passado as escolas do Grupo Especial receberam R$ 35 mil de verba e as do Acesso, R$ 18 mil. Segundo Santos, o valor deu praticamente “para empatar”. Para 2014 a intenção é que as seis escolas do

Fotos: Divulgação

POR IQUE DE LA ROCHA

Grupo Especial recebam R$ 50 mil e as quatro do Grupo de Acesso, R$ 25 mil. “As escolas precisam fazer contratos com serralheiros, costureiras, soldadores, puxadores de samba, compositores, mestre de bateria e com todas as pessoas que ajudam a montar uma entidade e ainda têm de fazer as compras do material. Para isso, necessitam de recursos”, justifica Santos. Carnaval fora de época e participação dos blocos O presidente da Lieesa não descarta a realização novamente de um Carnaval fora de época em 2014: “Neste ano gostamos muito do Carnaval fora de época. Não pensamos em um mês de folia, mas, terminado o Carnaval oficial se faria, uma semana depois, o Carnaval fora de época. O público gostou, tanto que aumentou de quatro mil para oito mil pessoas no Sambódromo, em comparação com 2012”.

Indagado sobre a volta de entidades tradicionais, como a Cuca, As Mariquitas e Império Serrano, Chico Santos diz que não tem nenhuma informação a respeito, mas adianta que se houver interesse os representantes dessas entidades ou de novas entidades, poderão participar das reuniões da Lieesa que acontecem no Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação (avenida Portugal, esquina Caramuru), em primeira chamada às 19h30 e segunda chamada às 20h15. As reuniões ordinárias acontecem na primeira e na última segunda-feira de cada mês, enquanto as extraordinárias são nas quintas-feiras da segunda e última semana de cada mês. Quem quiser informações com o presidente da Lieesa também poderá obter através do telefone 9908-0977. Chico Santos acrescenta que está em tratativas para que os blocos de bairros desfilem no Sambódromo e que façam também eventos em suas comunidades, os chamados carnavais de bairro. Salienta que no Bairro Getúlio Vargas existem blocos como o Retrato Falado, Erva Santa e Bloco do Galo; o Eles e Elas, na Vila Santinha; o Vim Prá Ficar, no Santa Tereza; a Marilú, na Cidade Nova; o Bafo da Onça, no Miguel de Castro Moreira (Municipal) e a Banda da Feira, dentre outros. “Muitos desses blocos estão hoje, em sua maioria, atrelados ao Cassino, mas eles costumam desfilar no Sambódromo e iremos incentivar a realização do Carnaval nos bairros”, informa. Indagado se prefere o Carnaval oficial de três dias ou uma semana, Santos responde: “Três dias estão de bom tamanho, mas é outra coisa também a ser discutida. Vamos definir em reunião com as entidades e a Prefeitura, quando também trataremos do Carnaval nos bairros”. Jurados da cidade O presidente da Lieesa também adianta que pretende a participação de jurados locais no Carnaval local, e não mais vindos de Porto Alegre: - Faremos o possível para que sejam rio-grandinos, porque temos pessoas capacitadas aqui. Temos grandes compositores, músicos, estilistas, carnavalescos. Não precisa trazer gente de fora. Podemos fazer um Carnaval de igual para melhor do que Porto Alegre, Pelotas e Santa Maria com gente nossa. Para concluir, Chico Santos reafirma: “Estamos trabalhando para que saia um bom Carnaval, de qualidade e transparente. Não vamos prometer o que não pudermos cumprir e estamos na expectativa da reunião com a Prefeitura para definirmos questões importantes como a verba e a infraestrutura que será montada”.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro 4 de outubro de 2013

Principal

11

Pedestres e motoristas disputam espaço para saber quem leva vantagem Disponibilização de agentes de trânsito, em caráter instrutório, são apontados como solução pela maioria das pessoas

Fotos: Divulgação

por Rodrigo de Aguiar

N

ossas ruas e avenidas estão ficando cada vez mais inchadas por carros e motos e a resposta para este problema de mobilidade pode ser facilmente encontrada e tem ligação com o incentivo do governo para a aquisição do transporte individual. Com tantos veículos circulando, os atos de imprudência tornam-se inevitáveis, mas nem sempre a culpa é do motorista. É comum encontrarmos nos principais cruzamentos da cidade uma batalha entre pedestres e motoristas para saber quem levará vantagem. Na maioria das vezes os próprios pedestres são negligentes e atravessam com o sinal fechado ou simplesmente passam sem observar as condições de fluxo, colocando em risco sua vida e a dos demais condutores. Um local perfeito para a constatação dessas atitudes é o cruzamento entre as ruas General Bacelar e Duque de Caxias. Ali, por conta da grande movimentação, é possível perceber que as pessoas

não respeitam a sinalização e atravessam mesmo com o semáforo aberto para os veículos, que precisam reduzir a velocidade para evitar um atropelamento. Outras vezes, os mesmos aguardam a passagem dos carros debaixo da calçada, o que causa com frequência revolta e discussão entre os envolvidos. O Código de Trânsito Brasileiro é taxativo ao dispor que aos pedestres e motoristas cabem os seus devidos espaços de circulação e o artigo 69, inciso II, alíneas a e b, corrobora, respectivamente estas distinções: “Art. 69 - Para cruzar a pista de rolamento o pedestre tomará precauções de segurança, levando em conta, principalmente a visibilidade, a distância e a velocidade dos veículos, utilizando sempre as faixas ou passagens a ele destinadas sempre que estas existirem numa distância de até 50 metros dele, observadas as seguintes disposições: (...) II- para atravessar uma passagem sinalizada para pedestres ou delimitada por marca sobre a pista: a) onde houver foco de

pedestres, obedecer às indicações das luzes; b) onde não houver foco de pedestres, aguardar que o semáforo ou o agente de trânsito interrompa o fluxo de veículos.” Com relação à ideia de que a faixa de pedestres sempre possui prioridade sobre os veículos, dispõe o artigo 70 e seu parágrafo único: “Art. 70- Os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica, onde deverão ser respeitadas as disposições deste Código. Nos locais em que houver sinalização semafórica de controle de passagem será dada preferência aos pedestres que não tenham concluído a travessia, mesmo em caso de mudança do semáforo liberando a passagem dos veículos.”. Alguns pedestres e motoristas sugerem a colocação, em caráter instrutório, de agentes de trânsito naquela região, dessa forma os profissionais orientariam pedestres e motoristas sobre as regras de convivência no trânsito.


12 sociais FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

sociais 13

Por: André Zenobini

Aconteceu na noite da última quinta-feira (26) o jantar em comemoração ao 169º aniversário da Câmara do Comércio. Fundada em 26 de setembro de 1844, a Câmara de Comércio do Rio Grande, a primeira entidade de classe do estado e a quarta mais antiga do Brasil, tem um longo histórico de serviços pelo nosso município. A noite marcou a entrega do título de Cidadão Rio-Grandino aos conterrâneos que se destacam profissionalmente fora de sua terra natal e a entrega do Troféu Câmara de Comércio a uma personalidade que muito contribui para o desenvolvimento do Rio Grande. Estará recebendo o Troféu Câmara de Comércio o diretor-presidente do Tecon Rio Grande S/A, Paulo Bertinetti. Foram escolhidos como “Rio-Grandinos Ilustres”: o engenheiro civil Alfredo Lisboa Ribeiro Tellechea, do Conselho de Administração da Braskem; Carlos Eduardo Goulart Meirelles Leite, gerente nacional Divisão AMPM da Ipiranga no Rio de Janeiro, e o engenheiro civil Mauro Cardoso de Aguiar, diretor técnico da Construtora Ferreira Guedes S/A. Um grande abraço ao presidente da Câmara do Comércio, Renan Lopes e a primeira-dama da entidade, Carla Lopes. Cumprimentando a ele, parabenizo a toda diretoria da casa. Parabéns aos homenageados e aos organizadores do evento pela belíssima festa. Fotografias de Sandro Machado

Homenagem ao Notável do Seguro O Sindicato das Seguradoras no RS – Sindseg-RS concedeu recentemente, em Porto Alegre - RS, durante o Almoço do Mercado Segurador, o Certificado de Notável do Seguro a Sérgio Secchi da Silva. Ele é sócio proprietário e administrador da Loufil Corretora de Seguros Ltda., em Rio Grande.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

Por: André Zenobini

Brasil esnoba leasing na construção naval Vale pretende continuar venda de ativos Rússia limita importação de carne brasileira TCU quer regras mais claras para modelo de licitação de ferrovias


Brasil esnoba leasing na construção naval

Q

uando presidia o BNDES, Carlos Lessa recebeu sugestão de adotar o leasing – aluguel com opção de compra – para navios. Como um estudioso da economia, Lessa se empolgou com a possibilidade, mas essa opinião não foi bem recebida pelos quadros técnicos do banco. No Brasil, o leasing é usado – com enorme eficácia – para aviões, mas não para navios. No resto do mundo a situação é diversa. A gigante suíça MSC acaba de contratar 18 navios, em operação de leasing capitaneada por Minsheng Financial Leasing, da China, com a participação de Bank of Communications Financial Leasing. A operação se refere a três navios de 18.400 TEUs (contêineres de 20 pés ou equivalentes), que serão os maiores do mundo, e seu valor total é de US$ 420 milhões. Os navios serão construídos no estaleiro coreano Daewoo, a exemplo de outros seis, do mesmo porte, comprados recentemente pela MSC, vice-líder mundial de navegação, atrás apenas da dinamarquesa Maersk. Um bom exemplo de como funciona o leasing se dá com aviões: a Boeing cede unidades, seja para a uma empresa inglesa tradicional ou para uma pequena companhia africana. Em caso de não pagamento, o avião é devolvido instantaneamente à Boeing, sem qualquer trauma. Já no financiamento tradicional, ocorre o que foi registrado há dias com o navio Angra Star, do grupo Fragoso Pires. O grupo está inadimplente, mas o BNDES não retoma o bem. Com isso, o banco não recebe, o bem perde valor e a sociedade é afetada, pois um produto financiado por crédito público – do Fundo de Marinha Mercante, que corresponde a um imposto – fica parado, em vez de transportar riquezas. O mais interessante da adoção do leasing é que a

A

Rússia proibiu temporariamente a importação de carne de dez frigoríficos brasileiros - nove de carne bovina e um de suína -, em mais um episódio envolvendo restrições ao produto nacional. Das unidades de bovinos com restrições, seis são do frigorífico JBS, duas do Minerva e uma do Marfrig. A unidade de suínos com limitações pertence ao frigorífico Pamplona, em Santa Catarina. O embargo temporário à carne brasileira é resultado de uma missão russa que esteve no país em julho. Durante a inspeção a 18 frigoríficos, os técnicos russos identificaram não conformidades com as regras do país em dez, o que provocou as barreiras.

O Ministério da Agricultura disse, em nota, que está traduzindo o relatório enviado pela Rússia para identificar os problemas apontados e adotar as medidas necessárias para resolvê-los o quanto antes. JBS, Minerva e Marfrig disseram que continuarão atendendo a Rússia a partir de outras unidades no Brasil ou no exterior. Segundo a Abiec (Associação dos Exportadores de Carne Bovina), 14 frigoríficos no Brasil continuam habilitados a exportar carne bovina para a Rússia, que neste ano perdeu o posto de maior importador da carne bovina brasileira para Hong Kong. Fonte: Canal do Transporte

Governo vai cumprir só 8 de 25 leilões programados

empresa operadora não precisaria comprovar patrimônio exagerado para dispor de vários navios. Uma empresa de menor porte poderia dispor de inúmeros navios, pois em caso de inadimplência não haveria perda para o banco financiador, nem para o FMM ou para a economia. No entanto, não se sabe por que, nem o FMM e tampouco BNDES, BB, Caixa, Banco

da Amazônia e Banco do Nordeste ainda resistem ao leasing. Preferem o sistema antigo, de financiamento direto, que, no caso recente do navio Angra Star, gerou perdas e ainda ameaça poluir o ambiente, com óleo de seus tanques. Fonte: Portos e Navios

Vale pretende continuar venda de ativos neste ano, diz presidente A Vale ainda tem que tomar decisões em matéria de ativos, afirma o presidente da mineradora, Murilo Ferreira. O executivo disse que a empresa pretende continuar venda de ativos neste ano. Entre os possíveis ativos para venda, ele citou a participação que a companhia tem na Mineração Rio do Norte (MRN), de bauxita, e as ações que a companhia detém na Norsk Hydro, de alumínio. Ferreira também voltou a dizer que existem ativos na área de óleo e gás que a empresa pretende se desfazer. “E ainda tem coisas para fazer, incluindo uma surpresa, que não vou dizer qual”, afirmou para jornalistas no 15º Congresso Brasileiro de Mineração, que ocorre nessa semana em Belo Horizonte (MG). O presidente da Vale foi questionado sobre as negociações do grupo alemão ThyssenKrupp para a venda da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA). “Eu tenho certeza que tudo será resolvido no melhor sentido do futuro da CSA”, afirmou. A Vale tem uma fatia de 26,87% de participação na siderúrgica instalada em Santa Cruz, na zona oeste do

Rússia limita importação de carne brasileira

Atrasos, indefinições e fracassos vão fazer com que o governo Dilma consiga realizar neste ano, no máximo, 8 dos 25 leilões de rodovias, ferrovias, aeroportos e petróleo programados para o período pelo Programa de Investimento em Logística lançado no ano passado. Assessores presidenciais disseram à Folha que, além da BR 050 (MG-ES), já leiloada, também será possível conceder, em 2013, o campo de Libra na região do pré-sal e blocos de óleo e gás não convencionais, os aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG) e mais três rodovias. Essas três estradas (BR-060/DF/GO/MG, BR-163/ MT e BR-040/DF- MG) foram apontadas pelo mercado como as viáveis para já irem a leilão, em reuniões na semana passada com o governo. Como, após a reunião, o governo reduziu em cerca de 10% os valores dos pedágios - teto para viabilizar a aprovação dos estudos pelo TCU-, uma nova consulta será feita aos empresários. Segundo os assessores, outros cinco trechos de ro-

dovias e os onze de ferrovias previstos inicialmente para este ano vão ficar para 2014 ou, em alguns casos, serão até retirados do programa. Na tentativa de amenizar os efeitos negativos de cumprir apenas um terço do programado em 2013, o discurso do governo é de que leilões importantes, como os do campo de Libra e dos aeroportos, têm sucesso garantido. Segundo um assessor, as três concorrências vão ser disputadas por investidores estrangeiros, o que irá contribuir para melhorar a confiança na economia brasileira aqui dentro e lá fora. Entre as três rodovias que o governo aposta leiloar em 2013, a BR-040 corre certo risco, porque seus estudos ainda precisam ser concluídos e enviados ao TCU. Ontem, o tribunal aprovou os estudos e liberou a divulgação do edital das rodovias 060 e 163. A primeira pode ir a leilão no dia 30 de outubro e a segunda, em 19 de novembro. Outra estrada, a BR-153 (TO-GO), também foi liberada pelo órgão, mas deve ficar para 2014. Publicamente, o governo ainda insiste que terá condições

de leiloar mais essa rodovia e um primeiro trecho de ferrovia, Açailândia (MA) - Vila do Conde (PA). Técnicos envolvidos com os projetos afirmam, contudo, que é praticamente impossível, e que é melhor concentrar esforços nos leilões com viabilidade econômica, para evitar a repetição do fracasso do leilão da BR-262. A BR-153, por exemplo, já foi apontada pelos empresários do setor como uma rodovia sem muita atratividade. No caso de ferrovias, eles afirmam que os estudos são muito superficiais. Em 2013, o governo realizou também o leilão da 11ª rodada de petróleo, no mês de maio. Essa licitação havia sido aprovada, porém, em 2011, antes do lançamento do programa de infraestrutura. O governo ainda tem programados mais 20 leilões de terminais portuários em Belém e Santos para 2013, mas eles estão ameaçados por estudos considerados ruins e riscos jurídicos elevados. Fonte: Canal do Transporte

Rio. A controladora da siderúrgica é a alemã Thyssen, que tenta encontrar comprador para a unidade. Quando questionado de quanto seria uma possível indenização a ser paga à Vale pela Thyssen por questões de má gestão na CSA, o executivo afirmou não ter ideia. “Esse assunto já era para estar resolvido há muito tempo.” Anteontem, o Valor publicou que a Vale cobra uma fatura por má gestão da siderúrgica por parte da Thyssen superior a US$ 500 milhões prevista na reorganização de acordo de acionistas em 2009, quando a Vale injetou 1 bilhão de euros, dinheiro usado na conclusão da CSA. Murilo Ferreira foi questionado, ainda, sobre a tramitação do projeto que estabelece o novo código da mineração. “A agenda do Congresso depende de deputados e senadores. Eles vão fazer [a tramitação] no tempo que acharem”, disse. No entanto, na avaliação do executivo, o Congresso vai aprovar um “marco regulatório de boa qualidade”.

Governo do Estado apoia empresas gaúchas em feira internacional

Fonte: Guia Oil e Gás

Fonte: Governo do Estado do RS

O Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (SDPI), subsidiará a participação de oito empresas gaúchas na China World Brands Import Fair (Chimport). Esta é a primeira edição da feira voltada exclusivamente a expositores internacionais, que ocorre entre os dias 26 e 28 de setembro de 2013, na província de Guandong. “O setor de alimentação tem muito a ganhar neste evento. Será uma troca de conhecimento para as empresas, ampliando a visão de mercado,” explica Maria Clarice Mezes, assistente administrativa do Sindicato da Indústria de Alimentação – parceiro institucional da SDPI na mostra. Para Maria Clarice, um dos segmentos que deve se destacar é o de conservas, item tradicional da indústria gaúcha. A Sus Hauss, de Morro Reuter, considera que sua linha de produtos deve conquistar o paladar dos consumidores locais. “No Brasil, os biscoitos amanteiga-

dos são muito comercializados e acredito que devem agradar aos chineses”, afirma Gabriel Utzig, diretor da Sus Hauss. Esta é a primeira vez que a marca vai ao exterior divulgar seu portfólio. Obter contatos com importadores e distribuidores está nos objetivos da Germani Alimentos, de Santa Cruz do Sul, que pretende tornar a marca conhecida mundialmente. A empresa, veterana em feiras internacionais embarca com uma estratégia definida para exportar. “Vamos adaptar as embalagens para cores semelhantes ao mercado e, além do idioma inglês, talvez elaborar embalagens em mandarim”, explica a supervisora de Comércio Exterior da Germani Alimentos, Patrícia Ilha Vianna Gueths. Presente na China desde 2010, a Miolo Wine Group conta com uma loja de vinhos em Shanghai. Segundo a gerente de Exportação, Morgana Miolo, a China foi a primeira colocada nas exportações brasileiras de vinho do Wines of Brasil em 2012 e é, atual-

mente, o país com maior crescimento em consumo de vinhos. “De olho no potencial desse mercado, a Miolo tem desenvolvido estratégias pontuais de promoção e distribuição de vinhos, com o objetivo de reforçar nossa presença no país.” – afirma. Sobre a Chimport: A Chimport é voltada a expositores internacionais que queiram inserir sua marca naquele mercado. A feira se propõe a conectar produtos e serviços internacionais com os consumidores, oportunizando o contato direto com agentes e canais de distribuição. O público abrange representantes, importadores, investidores e distribuidores. A mostra faz parte de uma missão do Governo do Estado e Fiergs, com atividades em Shanghai e Zuhai, entre 18 de setembro e 1º de outubro.


TCU quer regras mais claras para modelo de licitação de ferrovias

N

a tentativa de acertar os ponteiros com o Tribunal de Contas da União (TCU), o governo levou ontem ao órgão de controle, esclarecimentos para destravar as concessões de ferrovias e de aeroportos. No caso dos aeroportos, a expectativa é fazer o leilão do Galeão (RJ) e de Confins (MG) no dia 22 de novembro. Para as licitações de ferrovias, o objetivo do Palácio do Planalto é evitar um “não” ao novo modelo do setor. O presidente do TCU, Augusto Nardes, reconheceu que as regras para a exploração das novas ferrovias ainda geram dúvidas no tribunal. A equipe técnica do órgão indicou que falta amparo legal ao modelo e apontou a necessidade de definir com mais clareza se haverá concessões ou parcerias público-privadas. “É um modelo que ainda não está bem formatado”, admitiu Nardes, após reunião com os ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil), César Borges (Transportes) e Moreira Franco (Secretaria de Aviação Civil). Avisado sobre a intenção do governo de editar uma medida provisória ou um projeto de lei para reestruturar a estatal Valec, Nardes pediu que as mudanças na legislação atual “não deixem dúvidas”. Ele descartou a existência de problemas em levar adiante a análise da primeira concessão de ferrovias, no trecho Açailândia (MA)-Barcarena (PA), com base apenas em uma MP. “O tribunal tem a flexibilidade de fazer sua análise conforme o andar

da carruagem”, disse o presidente. César Borges reiterou a esperança de fazer “pelo menos” um leilão de ferrovias ainda neste ano e disse que a mudança na legislação deixa mais claro o papel da Valec - cujo nome passará a ser Empresa Brasileira de Ferrovias (EBF) - na compra do direito de transporte de carga dos trechos concedidos. Nardes considerou a alteração bem-vinda: “A imagem da Valec no tribunal é realmente muito negativa”. Para ele, não há atrasos do TCU. “A bola, desta vez, está com o governo.” O caminho parece mais aberto para a concessão dos dois aeroportos. Na semana retrasada, o tribunal de contas liberou a publicação dos editais definitivos para os leilões do Galeão e de Confins, mas cobrou a apresentação de “justificativas técnicas e legais” sobre duas exigências feitas pelo governo. Uma delas era sobre a presença de um operador estrangeiro nos consórcios privados, com experiência na movimentação de aeroportos com pelo menos 35 milhões de passageiros por ano. Outra era o limite de 15% à participação de acionistas dos três aeroportos já privatizados - Guarulhos, Viracopos e Brasília - nos consórcios que vão disputar a próxima rodada. O governo explicou ao TCU que a faixa de corte para os operadores leva em conta a experiência internacional recente em processos de concessão. Nas últimas privatizações de aeroportos no exterior, exigem-se operadores que tenham experiência em processar

2,2 vezes a quantidade de passageiros do aeroporto leiloado, no momento da licitação. Com isso, manteve-se a exigência de 35 milhões de passageiros para o Galeão, mas houve uma redução para 20 milhões de passageiros no caso de Confins. A informação foi antecipada pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor. Essa mudança amplia o número de operadores estrangeiros habilitados para a concorrência em torno do aeroporto mineiro. Nos cálculos do governo, antes eram 34 empresas. Com a flexibilização, mais 13 operadores se enquadram no critério, o que aumenta as possibilidades de associações com grupos nacionais. O TCU se comprometeu a analisar as explicações na sessão marcada para quarta-feira da semana que vem. Com isso, os editais seriam publicados no dia 3 de outubro e o leilão finalmente ocorreria em 22 de novembro. Para Moreira Franco, o mais importante é a manutenção do limite de 15% aos atuais controladores de aeroportos já concedidos. “O governo quer estimular a competição no setor”, disse o ministro. “Se tiverem até 15% do capital, eles não podem indicar ninguém para o conselho de administração. Logo, não terão acesso a informações que lhes deem vantagem na operação de outros aeroportos que administram.” Fonte: Portos e Navios


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO A 4 DE OUTUBRO de 2013

15

Cirurgia plástica: uma fixação brasileira

Foto: Divulgação

Por Camila Costa

S

ão muitos os lados de uma mesma moeda: a obsessão por um corpo perfeito, o sonho de mudar a sua identidade sexual, a vaidade, a necessidade. Cada vez mais as mulheres buscam tratamentos estéticos e até cirurgias para ter um corpo, ou uma determinada parte dele, de acordo com o seu sonho. Em dados do ano de 2011, divulgados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o Brasil se encontra na vice-liderança do ranking mundial em cirurgias plásticas, com cerca de 905 mil intervenções cirúrgicas – um número que dobrou nos últimos quatro anos. A liderança é ocupada pelos Estados Unidos, com mais de um milhão de cirurgias. A grande vencedora desse ranking nacional é a lipoaspiração (23% a 32% da preferência) – processo que modela o corpo a partir da retirada do excesso de depósitos de gordura. Logo em seguida vêm os implantes mamários de silicone. Essa nova obsessão brasileira, seja por estética ou por uma necessidade do corpo, como em caso de redução das mamas, exige cuidados. Desde as intervenções mais simples, realizadas em consultórios médicos, às mais complexadas, que exigem um centro cirúrgico, é preciso conhecer os riscos e

os cuidados a serem tomados após o procedimento. Entre as cirurgias mais comuns estão o aumento da mama e a lipoaspiração (já citadas), a blefaroplastia (retira o excesso de pele ou acúmulo de gordura nas pálpebras) e a rinoplastia (remodelagem do nariz). Para o médico Luciano Bastos Moreira, com pós-graduação em Medicina Estética, essa obsessão das mulheres brasileiras pela beleza começa nos meios de comunicação. “No Brasil a beleza é muito valorizada; a televisão e as revistas só mostram mulheres bonitas.” Segundo o Dr. Moreira, os tratamentos estéticos mais procurados atualmente são as bioplastias, o botox e as subcisions para celulite. Quanto a procedimentos como a lipoaspiração, o médico aconselha que devam ser feitos em hospitais e não em clínicas e com a escolha de um bom profissional. “Quem procura clínicas clandestinas é devido aos baixos preços, correndo riscos. Acaba se tornando caro”, adverte. A cirurgia bariátrica, ou redução de estômago, também é muito requisitada no país. De 2005 a 2010 a procura triplicou. Contudo, não pode ser vista como um mero tratamento estético, mas sim um tratamento contra a obesidade. A realização do procedimento

clínico é o início de uma vida com uma nova rotina alimentar. O paciente precisa estar de acordo com determinados padrões de obesidade para ser apto à realização da cirurgia. Através do Sistema Único de Saúde (SUS) é possível realizar algumas plásticas reparadoras, em caso de acidentes ou doenças graves. Entre elas estão a mudança de sexo, silicone mamário para mulheres que tiveram câncer de mama, fenda palatina e a chamada “orelha de abano”. Tomar precauções é fundamental na hora de decidir por tratamentos e cirurgias estéticas, conforme indicado por especialistas e listado abaixo: • Se você fuma, pare ao menos um mês antes do procedimento; • Se você é mulher, evite a pílula um mês antes da cirurgia, especialmente se o procedimento for durar mais do que 4 horas; • Não faça procedimentos estéticos como esfoliação, peeling profundo ou dermoabrasão antes da cirurgia; • É importante estar com o peso estabilizado, para evitar o efeito-sanfona, especialmente se a cirurgia for feita na barriga, no bumbum ou nas mamas; • Só opere em hospitais ou clínicas que tenham suporte para atuar em casos de emergência.

MW Veículos


16 bairros

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

bairros 17

Querência pede ajuda Parque Guanabara vive entre obras e buracos Após dias consecutivos de chuva, a reportagem do Jornal Folha Gaúcha visitou a localidade da Querência a pedido dos próprios moradores, que estavam quase ilhados. O resultado está nas fotos desta matéria, que ilustram a situação local. A nossa equipe visitou, ainda, o Parque Guanabara, encontrando um verdadeiro canteiro de obras e, também, pouca estrutura.

Fotos: André Zenobini

Por Camila Costa

Situação das pontes é caótica

A

Querência foi um dos lugares mais procurados na cidade para novas habitações nos últimos anos. O crescimento veio impulsionado com o Polo Naval, levando milhares de trabalhadores a se fixarem na área. Mas a infraestrutura não acompanhou esse avanço Carros se arriscam para passar populacional. O cenário encontrado na Querência na do transporte coletivo é um desses exemplos. Moramanhã do dia 25 de setembro era como o de dores já acostumados com a rotina também passam um rally que poderia dar inveja às competições Brapelo local, cientes do prejuízo que seu veículo sofre. sil afora. Até o simples acesso ao bairro por suas duas No mesmo caminho, encontra-se a pequena merceaentradas principais estava conturbado, sendo necesria onde Deivid Teixeira trabalha. Morador do bairsários muitos contornos para adentrar determinados ro há dois anos, ele diz que a situação fica cada vez pontos. Quem chega ao local pela Avenida Beira mais séria: “Já vi muita gente atolando o carro ali, e Mar transita por duas pequenas pontes, em diferentes só piora, principalmente agora que muitos ônibus de momentos em estado de total falta de segurança, um empresas passam por aqui, e os políticos prometem quadro que é realidade há muitos anos. Em frente a que vão arrumar e nada acontece.” Embora seja um algumas casas era impossível a entrada ou saída de bairro seguro, na visão de Deivid, o posto de saúde é automóveis, provando o que se ouviu em muitas ligaum problema: “nunca tem remédio”, exclama. ções recebidas pela equipe de reportagem: é impossíEm direção ao camping Stella Maris, o trajeto sevel sair de casa quando começa a chover. gue difícil. A chuva castigou o bairro inteiro. Para O que mais chama a atenção em meio a tanto chão quem já está familiarizado, entretanto, essa não é a em péssimas condições é a cena de quase uma rua inprimeira e nem a última vez que a Querência pede teira tomada pela água e por buracos, que juntos ofesocorro. recem riscos a quem se encoraja a passar. O ônibus

Deivid mora há dois anos no bairro

Próximo à Querência está o Parque Guanabara. O bairro se tornou uma alternativa para muitos rio-grandinos nos últimos dez anos. As cenas de rally se repetiram no local, mas o que surpreende é o incontável número de obras. Lurdes Machado é a moradora perfeita para ilustrar esta matéria. Ela ainda tem claro em sua memória o início do bairro em que mora há 15 anos. “Quando eu e minha família viemos construir nossa casa, só tinha duas aqui do lado, mais uma ali e só, não se via quase nada por aqui”, lembra. Mas o crescimento ainda não foi suficiente, segundo ela. Em frente a sua casa, o problema da chuva se repete. “Enche a rua toda de água quando chove, a prefeitura vem e joga areia, mas não adianta nada, a gente não pode nem sair de casa”, afirma ela apontando para os buracos no meio da rua que acumulam água em dias de chuva e deixam rastros de lama nos dias seguintes, além dos canos que estouram, aumentando o caos. O transporte coletivo, segundo ela, passa somente de hora em hora, e o posto de saúde sofre com a falta de médicos. Ainda que mais amenos, repetem-se os problemas de trânsito para os veículos, no Parque Guanabara. É preciso muitos desvios e atenção para não causar dano ao automóvel ou até mesmo ficar pelo caminho. Já o comércio, é ainda mais raro do que na Querência. Uma volta pelo bairro é suficiente para perceber que áreas antigamente vazias agora abrigam inúmeras moradias. Há ruas recebendo casas populares e residenciais. O ritmo acelerado assusta, mas os moradores parecem viver em ritmo calmo, assim como dona Lurdes, acostumando-se pouco a pouco com a nova vida – e com a falta de calçamento.


18

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

Publicado edital para modernização de 1.125m de cais do Porto Novo por Rodrigo de Aguiar

Foto: Divulgação

N

esta quinta-feira (26), foi publicado no Diário Oficial da União o Aviso de Licitação para a contratação de empresa de engenharia especializada para execução das obras de modernização do cais público do Porto do Rio Grande. Esta é a primeira obra no cais do Porto Novo após sua construção há 97 anos. Os recursos no valor de R$ 143 milhões são oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC do Governo Federal. Esta obra abrange uma área de 1.125 metros de cais e compreende a segunda etapa da modernização. A primeira etapa, 450 metros, foi realizada entre 2002 e 2004. “A publicação deste edital é um avanço significativo para o crescimento do Porto do Rio Grande. O trabalho desenvolvido em conjunto entre os governos estadual e federal trará ganhos consideráveis para a infraestrutura e a capacidade de operação do porto gaúcho”, avaliou o Superintendente do Porto, Dirceu Lopes. A nova estrutura de cais possibilitará que os operadores portuários utilizem novos e maiores equipamentos de carga e descarga de mercadorias. Essa obra proporcionará ao Porto do Rio Grande, a melhoria necessária para atender o mercado nos próximos 50 anos. Além disso, a modernização promovida no cais do Porto Novo também trará reflexos na receita operacional da Superintendência do Porto do Rio Grande (SUPRG), qualificação nas atividades portuárias do Rio Grande do Sul e uma melhor remuneração aos trabalhadores portuários. O projeto foi desen-

volvido pela SUPRG e entregue à Secretaria de Portos para ser licitado. Conforme a publicação, a licitação será realizada utilizando-se o Regime Diferenciado de Contratações Públicas. A abertura da licitação está programada para o próximo dia 18 de outubro, às 9h30, na Sede

da Secretaria de Portos, em Brasília, no Distrito Federal. O Edital com todas as instruções e seus anexos estará à disposição dos interessados nos endereços www.portosdobrasil.gov.br, www.comprasnet.gov. br ou no endereço da SEP. Mais informações pelo email licitacao.engenharia@portosdobrasil.gov.br.

Praça Rio Grande Shopping participa do Brasilshop

Principal feira do setor varejista de shopping estreia em Porto Alegre

A

Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) realiza no dia 1º de outubro, no Sheraton Hotel, em Porto Alegre, o Brasilshop Congresso Internacional do varejo. É o principal evento voltado ao setor varejista de shopping center no Brasil. O Praça Rio Grande Shopping, que inaugura em março, é um dos principais patrocinadores da primeira edição gaúcha do evento. O congresso acontece há 12 anos em São Paulo, mas em função do mercado de shopping centers estar em grande evolução no Rio Grande do Sul, a organização elegeu a capital gaúcha como a única da Região Sul para reunir especialistas e empresários a debater os principais temas do setor. Merchandising, economia, qualificação de mão de obra, marketing, redes sociais, e outros assuntos estão na pauta da programação. “É fundamental que o setor esteja organizado e qualificado, isso garante que os investimentos sejam feitos de forma sólida, com a certeza de um futuro próspero para todas as partes, e o Brasilshop será palco para isso.” – explica Cesar Garbin diretor de operações da 5R Shopping Centers. Conteúdo e networking Com a finalidade de levar conhecimento e networking ao setor e capacitar os varejistas, o evento contribuirá também para a formação de empreendedores e profissionais que pretendem ingressar no mer-

cado, além de ser uma oportunidade de reciclagem profissional e pessoal. O conteúdo didático do congresso abordará temas e assuntos de importância para a gestão de empresas varejistas de qualquer porte e contará com a participação de importantes conferencistas na apresentação de cases e modelos de gestão. Idealizadores A Alshop é a principal entidade representativa do setor varejista, um elo entre lojistas, empreendedores, poder público e demais segmentos da economia. O objetivo dela é promover o fortalecimento e a capacitação do mercado de shoppings e comércio varejista. A 5R Shopping Centers consolida-se como um dos principais players do setor. Tem projetos de nove shoppings em andamento no Brasil. Só no Rio Grande do Sul está construindo três: um em Porto Alegre – na Cavalhada –, outro em Alvorada, e em Rio Grande, que inaugura em março. Os três empreendimentos assinam o Brasilshop. Serviço Local: Sheraton Hotel Endereço: Rua Olavo Barreto Viana, 18 - Moinhos de Vento – Porto Alegre Data: 1º de Outubro de 2013 Horário: 8h30 às 17h30

Programação: 8h30 às 9h30 - Recepcção e Credenciamento 9h30 às 10h - Abertura 10h às 11h - Transforme Consumidores em Propagadores, Daniel Zanco – Sócio-diretor da Universal Varejo 11h às 12h - O Atual Panorama do Varejo e as Tendências para o Setor 12h às 13h30 - Almoço 13h30 às 14h30 - Shopping Center: Passado, Presente e Futuro, Eduardo Oltramari - Superintendente do Shopping Total 14h30 às 15h30 - Os Desafios do Varejo, Nabil Sahyoun - Presidente da Alshop 15h30 às 16h - Cooffe Break 16h às 17h30 - O Presente e o Futuro do Marketing de Varejo Washington Olivetto - Chaiman, W/Mc Cann Acesse o site para maiores informações: http://www.alshop.com. br/brasilshop2013/porto-legre/index.html#.Uh9n06xIXwA Fonte: Assessoria de Imprensa RioGranacci Consulting and Business Jornalista Responsável: Tyele Dias Antonacci


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

Beleza Há muito o poeta já dizia. “As feias que me perdoem, mas beleza é fundamental”. Lamentável que esse desejo virou obsessão e nunca mais ninguém se contentou com o que era. E passaram a viver em uma constante busca pela pseudoperfeição. Nos últimos anos, centenas e centenas de pessoas recorreram às clínicas para a realização de cirurgias plásticas, mesmo que, em alguns casos, seja desnecessário tais procedimentos. Nada passa a ser mais importante do que se modelar, se refazer, aumentar ou diminuir medidas, um desafio para a medicina e para os adeptos dos silicones, implantes e outras tantas alterações físicas, que, em alguns casos, causam outras transformações, muitas vezes piorando a aparência ao invés de melhorar, alterando comportamentos e personalidades, mutilando em nome da beleza. A beleza maior de cada um está dentro de si, na sua essência, e não apenas na aparência física. Pois esta semana, mais um jovem foi vítima da sua própria decisão: aos vinte e poucos anos e muitos planos futuros, teve a vida ceifada de maneira brutal por um procedimento em busca da beleza. Homens e mulheres, cuidado! Afinal de contas, ser o que somos na fase que estamos vivendo tem o seu valor. Se já passamos da idade de usar saia curta, viva o seu tempo e suas experiências com inteligência e sabedoria. Afinal de contas, todo belo está nos olhos de quem vê.

Superação Superar limites. Como isso acontece? Ao acaso, ou com muita determinação e coragem? Acredito que somos capazes de vencer qualquer batalha, seja ela física, psicológica ou espiritual, desde que nos conheçamos o bastante e treinemos com determinação e vontade. Um atleta, quando entra numa competição, passa por uma avaliação e corre atrás do resultado. Um nadador em segundos atravessa uma piscina olímpica e só consegue porque está determinado e treinou, dedicou horas de sua vida para obter esse resultado. Penso que, em geral, é assim: superar os próprios limites exige determinação e luta, ninguém é melhor que ninguém, mas muitos são melhores porque buscam se aperfeiçoar e nunca desistem dos seus objetivos.

19

Felicidade Dizem que felicidade permanente não existe, o que temos são momentos felizes. Seja o que for, permanente ou não, o certo é que ninguém é feliz sozinho e que felicidade se constrói, se oportuniza para que ela venha e consigamos transpor e compartilhar com outras pessoas. A felicidade é vista no olhar, pessoas bem resolvidas tornam o ambiente leve e suave e, em pequenas coisas e gestos, somos capazes de vivenciar essa razão maior de ser feliz.


20 Saúde

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

Os benefícios da caminhada N os dias de hoje, a prática regular da atividade física tem sido um fator de grande importância para a manutenção da saúde e prevenção de doenças. A caminhada é considerada uma das melhores atividades físicas e deveria ser praticada todos os dias, pois faz muito bem à saúde. Ela pode ser praticada por quem tem o hábito de se exercitar ou por pessoas que estão acima do peso, seja na rua, na academia ou na sua residência. A caminhada é um exercício aeróbico sem muita complexidade, exige apenas um calçado adequado para não causar lesões, sendo o tênis o mais indicado. Ele deve ter boa absorção de impacto para manter a integridade das articulações dos joelhos, pés, coluna e quadris. Pode ser realizada por qualquer pessoa, independente de idade e sexo, sendo importante lembrar que o indivíduo deve passar por uma avaliação, para ver se encontra-se apto para a atividade física. Além disso, é uma atividade indicada para adultos, pessoas idosas, portadores de doenças como diabetes, obesidade, colesterol alto e osteoporose. Além dos benefícios físicos, caminhar também contribui para o tratamento de distúrbios psicológicos como a depressão, que é uma doença que acomete uma grande parte das pessoas. Caminhar diariamente por apenas 30 minutos, três vezes por semana, auxilia na eficácia do tratamento de depressão e é o mínimo para

você não fazer parte do grupo de sedentários, contribuindo também para a prevenção de inúmeros males. No entanto, é preciso alguns cuidados para a realização da atividade física. Se você sofre de obesidade mórbida, hipertensão arterial ou algum outro tipo de acometimento, é importante que o exercício seja realizado apenas com a orientação de um profissional, para que seja realizado de maneira correta. O exercício deve ser sempre iniciado devagar. No princípio pode-se realizar a caminhada por 20 minutos, três vezes por semana, e fazer alongamento de membros inferiores e superiores antes e depois da caminhada são imprescindíveis. Nunca realize os exercícios em jejum; antes de começar a atividade tome um ou dois copos de água e beba sempre água durante e depois da caminhada. Ao caminhar, mantenha um ritmo e evite parar no momento da atividade. Evite horários de sol a pino, use roupas leves, use protetor solar no rosto e nas áreas que ficarão expostas durante o exercício, aplicando meia hora antes de sair de casa e use chapéu ou boné para proteger o pescoço e o rosto. Ande, se exercite, e não espere mais para começar, e boa caminhada. Fonte:Viva Itabira

Guia da caminhada: Horário e local - procure caminhar antes das 10h ou depois das 16h, para evitar os raios solares mais fortes e o calor intenso. “Se o objetivo da prática for perda de peso, o melhor horário é o da manhã, por uma questão metabólica”, revela o Dr. Marcos Brazão, coordenador da Câmara Técnica de Medicina Desportiva do Cremerj. Procure um local agradável, onde o terreno não seja muito acidentado e prefira grama, terra ou areia batida, evitando paralelepípedos. Se estiver chovendo, pode-se optar por locais cobertos, como áreas de lazer de prédios e até mesmo as esteiras indoor. “Os benefícios são os mesmos, entretanto, existem trabalhos científicos mostrando que caminhar ao ar livre exerce um efeito positivo sobre a depressão e ansiedade”, explica o Dr. Marcos. Alimentação - atividade física não combina com jejum. Deixe de lado a tentação de pensar que com o estômago vazio se gasta mais calorias, porque há o risco de passar mal e até desmaiar por causa da hipoglicemia, ou seja, falta de açúcar no sangue. “O ideal é que se faça uma refeição leve (sanduíche, fruta) com um suco, até duas horas antes do início da caminhada”, afirma o Dr. Marcos Brazão. Após o exercício, as recomendações seguem os mesmos critérios, sendo que alimentos à base de carboidratos e proteínas são os recomendados. E, assim, como em qualquer atividade física, deve-se tomar água antes, durante e depois de praticá-la. Para se vestir - para caminhar, a roupa deve ser bem simples, leve e confortável, de preferência de cores claras. Dispense as roupas sintéticas, porque o seu organismo precisa transpirar! Além disso, não vista as que prendem o seu movimento. Quanto aos pés, o calçado é muito importante. Você sabia que, numa caminhada bem ritmada, se dá cerca

de 120 passos em um minuto? Imagine se os sapatos não forem confortáveis! O ideal é usar tênis com sistema de amortecimento e meias, para evitar bolhas. Na bolsa - leve uma garrafinha com água e beba pequenos goles durante o percurso, porque o organismo precisa se manter hidratado. Leve, também, um boné, óculos escuros e protetor solar para se proteger do sol. Os especialistas recomendam, ainda, a utilização de um frequencímetro para monitorar os batimentos cardíacos. E não se esqueça do relógio para marcar o seu tempo de caminhada! Alongando - antes e após a atividade, é interessante alongar os músculos dos braços, do tronco, das pernas e dos pés. Marcello Barbosa, personal trainer das atrizes Ana Furtado e Juliana Silveira, afirma que o alongamento, em si, não previne lesões, mas o aumento da temperatura corporal antes de uma atividade mais vigorosa, sim. Com isso, tem-se menos chances de câimbra e de noites mal dormidas por causa de dores musculares. Feito o aquecimento, você está prontinho para dar a largada!

Fonte: site Bem Leve


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

D

21

Acompanhamento Funcional

urante o dia a dia de profissionais de recursos humanos ou gestores de empresas existe esta atividade chamada acompanhamento funcional, que é de extrema importância para o sucesso de contratações e retenção de talentos. Mas o que ela é exatamente? Qual a importância? Como se faz? O acompanhamento funcional deve acontecer em dois momentos diferentes: quando o funcionário entra na organização durante o seu período de 90 dias de experiência e, ao longo de sua trajetória dentro da companhia, esporadicamente. Ambos os momentos visam à adaptação favorável do colaborador e a sua satisfação no ambiente de trabalho. Durante o período de experiência, é imprescindível, para sintonizar as necessidades do novo colaborador com as da organização. Ainda que um bom processo seletivo tenha sido conduzido, será necessário ajustar os ponteiros. A empresa possui uma cultura e forma de funcionar, o funcionário está acostumado de uma maneira e tem seus próprios valores. É preciso entrar em sintonia e favorecer a adaptação do novo membro da equipe. Além disso, é importante expressar qual é

a expectativa da empresa com relação ao desempenho deste novo colaborador. Após o período de experiência, surgem necessidades, a cada tanto, de o líder ou até mesmo a área de recursos humanos sentar e ter um momento formal de conversa com o colaborador, mesmo mais antigo. Ao notar que seu desempenho caiu, seu rendimento não é o mesmo, um ar tristonho ou sentir que algo não vai bem é importante abrir as portas para a comunicação e tentar entender o que está acontecendo. Isto ajuda a criar e manter um bom relacionamento interpessoal, além de estreitar laços para manter um clima organizacional agradável. Ainda, momentos de transição de carreira dentro da empresa também sugerem um acompanhamento mais próximo, como em promoções, transferências e mudanças de setor. Também são períodos em que existe a necessidade de atentar para a adaptação e equilíbrio do profissional. Não existe uma fórmula pronta para realizar esta atividade, pois ela estará associada à cultura da empresa e ao que precisa ser ajustado. Entretanto, o objetivo sempre é facilitar a adaptação do colaborador,

fazê-lo se sentir bem e expressar as expectativas e observações da empresa. É importante ressaltar que feedback é válido e bem-vindo nestes momentos. Apontar, tanto ao novo colaborador quanto ao mais antigo, no que está errando e no que está acertando, verificar como pode ajudar a melhorar ainda mais o seu desempenho e ressaltar o funcionamento da organização e seus procedimentos. Existem companhias que bolam um formulário para este momento, especialmente no acompanhamento dos primeiros 90 dias de trabalho. O principal é uma postura humana, aberta ao diálogo e pronta para ouvir. O profissional que realiza este momento, seja de recursos humanos ou o líder de área, precisa ter habilidade para lidar com pessoas e querer realmente buscar o seu desenvolvimento, não enxergando o outro como alguém facilmente descartável. Uma empresa que adota este tipo de prática se mostra responsável e verdadeiramente humana, buscando excelência, tanto na qualidade do ambiente para o seu colaborador quanto em produtividade e resultados.


22 esporte FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

Rio Grande começa bem o segundo turno e São Paulo inicia na Copa Sul Fronteira Clubes rio-grandinos almejam um segundo-turno diferente em suas respectivas competições Por Rodrigo de aguiar

Fotos: Divulgação

E

nquanto para o Tricolor o segundo turno já começou, para o Leão o período é de preparação. No último final de semana, o Rio Grande enfrentou a equipe do Bagé no estádio Pedra Moura e somou um ponto na primeira partida dessa segunda etapa da Segundona Gaúcha. O time do técnico Júlio Batisti poderia até ter saído com a vitória, mas esbarrou nas várias chances perdidas ou afastadas pela defesa adversária. O comandante do mais velho avaliou a reestreia como positiva, mas lances como os que foram perdidos devem ser aproveitados com mais efetividade, pois é através deles que os gols são marcados e os pontos conquistados. Na noite de quarta-feira o time recebeu, no estádio Arthur Lawson, o Tupy de Criciumal pela segunda rodada. A equipe visitante foi a campeã do primeiro turno e já conta com vaga assegurada na Série A2 do ano que vem. Com um público longe do ideal, o time fez o dever de casa. Antes dos 25 minutos do primeiro tempo, Mano Garcia e Tássio já haviam balançado as redes do Tupy e agitando o pequeno contingente de torcedores presentes no estádio. O campeão do primeiro turno bem que tentou, mas o goleiro Alisson protegeu a meta tricolor. Na volta para o segundo tempo a equipe visitante assumiu uma postura diferente. Com a vontade de sair de Rio Grande com um resultado favorável, o time do técnico Paulo Marques partiu para o ataque. O gol de Alisson foi rondado, até que, aos 14 minutos, a vantagem foi diminuída: 2 a 1. As tentativas seguiram, mas o árbitro Paulo Gutierrez encerrou a partida com o placar favorável

ao mais velho. Com a vitória, a equipe chegou a quatro pontos, está invicta e chegou à liderança do segundo turno. Já para os jogadores do time da Linha do Parque, o feriado do dia 20 de setembro foi de disputa de jogo-treino. Rudi Machado e seus comandados estiveram na cidade de Santa Vitória do Palmar para enfrentar a equipe do Brasil local e a partida

foi vencida pelo São Paulo pelo placar de 4 a 0. Os gols foram marcados por Saraiva, André Filipe e Robert por duas vezes. Para Rudi Machado, a avaliação deste retorno da equipe aos gramados após 15 dias foi positiva. Segundo ele, o time rio-grandino não deixou o adversário respirar e a partida foi importante para impor o ritmo de jogo e a apresentação de um bom futebol.

Jogo Virando Virando o o Jogo Claudio Galarraga Obras – Conforme já havia comentado aqui, o presidente Paulo Costa tinha alguma carta na manga com relação ao início das obras no estádio Aldo Dapuzzo. Tenho certeza de que houve uma conversa entre os homens influentes do São Paulo e que deve ter encaminhado alguma coisa em termos de eleição, que acontece no mês de outubro. Prioridades – Arquibancadas, gramado, vestiários, banheiros e cabines de imprensa devem ser as prioridades. Confesso que não vejo a hora de presenciar um Aldo Dapuzzo remodelado, com pelo menos condições mínimas de receber um jogo de campeonato gaúcho, com boas instalações para os visitantes e também com conforto para os rio-grandinos. Dinheiro – Sei que os gastos não serão pequenos, mas os números apresentados me surpreenderam, pois imaginei que para realizar todas as obras necessárias seriam gastos mais de um milhão de reais. É difícil conseguir o numerário para realizar todas as

obras, mas o torcedor do São Paulo é capaz de bancar esse salto de qualidade. Rio Grande – Começou o segundo turno empatando com o Bagé fora de casa e voltaria a jogar na quarta-feira em casa, após o fechamento dessa coluna. Em caso de vitória, já fica brigando entre os primeiros. Com um tempo maior de treinamento e algumas contratações, acredito no tricolor nesse segundo turno. Postura – Mudança radical de postura do time tricolor, com um preparo físico melhor, entrosamento melhor, mais ousadia e um grupo com mais qualidade. Os atletas que entraram em campo mostraram vontade e, mantendo esse comportamento, certamente os resultados vão aparecer no campo de jogo. Liga de Veteranos – Na categoria 40 anos, um dos mais equilibrados campeonatos dos últimos anos. Na classificação, Santa Bárbara tem 37 pontos; Piratiny

crjnovo@gmail.com

e Cassino, 34; Barcelona, 33, e Real Nortense, 32. Esses cinco clubes brigam pelas quatro primeiras vagas, que dão vantagem na fase de mata-mata. Confrontos – Nesse final de semana, os cinco primeiros têm jogos difíceis. Barcelona x Santa Bárbara, na Cohab II; Piratiny x Cassino, na Praça Saraiva; Palmeira x Real Nortense, também na Praça Saraiva. Os outros três classificados serão Palmeira, Nacional e Caxa D’água. Piratiny – Clube da Praça Saraiva completou aniversário na semana que passou. Parabéns aos atletas, direção e simpatizantes desse tradicional clube de futebol, que faz parte da história do nosso amador. Saudação Especial – Miguel Satt, Claudinei Costa, alemão Wagner, Selson Gassen, presidente Bilú, Wagner (Tedi). E até semana que vem...


24

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

Resenha da Semana por ique de la rocha

Lindenmeyer realiza ações importantes na Saúde e postos terão reforço para atendimento - O Prefeito Alexandre Lindenmeyer assinou a autorização para o chamamento público de 35 profissionais da área da saúde para reforçar o pronto atendimento nos postos de saúde do município. Serão nomeados, ao todo, 20 enfermeiros e 15 técnicos de enfermagem, que irão atuar prioritariamente nas Unidades Básicas de Saúde com atendimento 24 horas do município. Lindenmeyer lembrou que algumas ações importantes já foram realizadas nestes primeiros meses de governo, como a transformação da Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) da Vila da Quinta em um posto 24 horas, a ampliação da rede municipal de urgência e emergência com a colocação de uma ambulância no Povo Novo, a utilização de uma motolância para agilizar os atendimentos em toda a cidade e a assinatura do contrato junto ao Governo do Estado para a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na Junção. “Pouco a pouco estamos conseguindo dar retorno para as demandas da nossa comunidade”, disse o Chefe do Executivo, ao destacar que a ampliação do quadro profissional nos postos era uma das principais demandas do “Prefeitura na Rua”. O documento será encaminhado para a Secretaria de Município de Gestão Administrativa. De acordo com as secretárias responsáveis pela pasta da Saúde, Vera da Silva e Fernanda Freire, a secretaria está estudando novas formas de ampliar ainda mais o quadro funcional e melhorar o atendimento à comunidade. Participaram da assinatura a secretária da Saúde Vera da Silva, a adjunta Fernanda Freire, o Superintendente de Média e Alta Complexidade Maicon Lemos e a Gerente de Urgência e Emergência Patrícia Vieira. Construção defende a valorização do corpo técnico da SMCP - Da mesma forma que aconteceu recentemente a valorização de técnicos da Secretaria de Município de Meio Ambiente (SMMA), responsáveis pelos licenciamentos ambientais, os construtores de Rio Grande estão defendendo que esta valorização também se estenda ao corpo técnico da Secretaria de Município de Coordenação e Planejamento (SMCP).

O presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Rio Grande, Hugo Santana, entende que os engenheiros e arquitetos da SMCP precisam ser mais valorizados, já que eles não recebem o salário mínimo profissional de suas categorias. Sugere que seja criada uma espécie de gratificação, seguindo o exemplo da SMMA. - A medida funcionaria como uma motivação no desempenho das atividades dos engenheiros e arquitetos da SMCP. O corpo técnico da Coordenação e Planejamento desempenha uma função de fomento, pois toda a atividade produtiva do município passa por ali, o que requer uma atenção especial aos processos e também maior celeridade na tramitação deles. Daí a importância de serem melhor remunerados. “Cidadão Kane” no próximo Cine Arte - A Esc ola de Belas Arte s “Heitor de Lemos” exibe nesta se gunda-feira , 30, às 19 hora s, o c lássico de Orson Welles, Cidadão Ka ne. Lançado e m 1941, o longa -me tra gem é base ado na vida do magnata das c omunicações W illiam Ra ndolph Hearst, na tra ma sob o pseudônimo de Cha rles Foste r Kane, o homem que c onstruiu um impé rio a pa rtir do nada, ma s que vivia uma vida pessoal extre mamente ruim. Vencedor do Oscar de Melhor Rote iro, Cida dão Kane é conside ra do um dos filmes ma is importantes da história. Os ingre ssos são gra tuitos e podem se r retira dos na se cre taria da EBAHL. Entrada da Furg pela Socoowski: novas linhas de ônibus - Novas alternativas de transporte coletivo foram desenvolvidas pela Prefeitura em razão da abertura dos portões da Furg na entrada pela estrada Roberto Socoowski, visando atender a comunidade universitária. Segundo a Secretaria de Mobilidade Urbana e Acessibilidade, as novas linhas entram em funcionamento a partir do início do mês de outubro. A linha Furg/Marluz atende à Zona Oeste. A linha Furg/IFRS entra pela Vila Maria e retorna pela Roberto Socoowski. A linha Marluz passa pelo bairro do mesmo nome, pela Vila Maria, Furg, e sai na Roberto Socoowski em direção aos bairros Castelo Branco e Santa Rosa.

Viva Vida Heróis ou vilões???

N

estes tempos confusos de mediocridades, corrupções e ausência de ÉTICA em muitos momentos, muitas vezes a delimitação-separação dos que são heróis e dos que são vilões fica bastante enevoada e pouco clara! Alguns exemplos trágicos: um Eduardo Sabóia, corajoso e ético, repreendido por nosso “ético governo” (???) e um governo ditatorial exigindo devolução de um outro herói (vilão?) que lutava contra uma ditadura feroz! Quem os heróis? Quem os vilões? E a triste história continua: os “mensaleiros! considerados pelo Direito (ou “Errado”???) inocentes vítimas com direito a “novo julgamento” e os “joaquins barbosas” da vida mal vistos pelo “poder vigente.”. Quem são os heróis e quem os vilões merecedores de castigo? Podemos, mesmo, dar um salto no globo terrestre e chegar à Síria e Egito, África e Índia, China etc. e tal, onde governos ditatoriais e lideranças INSANAS mandam e desmandam como se fossem verdadeiros heróis e milhões de vítimas morrem de fome, de violências, de armas químicas... de estupros coletivos... de outras tantas injustiças sociais. E violências inenarráveis! Parece que boa parte dos “humanos” (???) não está desperta e, anestesiada-comandada pelas suas próprias SOMBRAS, se travestem de “heróis”, quando, na verdade, são verdadeiros carrascos - de gentes e de outros tantos seres vivos. Aqui nem citei o mundo animal, também vítima de insanidades “humanas” as mais diversas e atuais! ! (o que fica para outro artigo!!!) E cada um de nós, como se percebe: como um guerreiro da LUZ - herói que faz o BOM COMBATE? Ou como vilão que, sem maior consciência, pratica muitos males? Neste recomeçar primaveril, sempre é tempo de uma boa e corajosa reflexão em nossas famílias, empresas, comunidades e governos! Falando em “guerreiros”, homenageamos aqui nosso heróis farroupilhas, estes sim, sem dúvida, verdadeiros e puros heróis, de quem devemos nos orgulhar e seguir o exemplo! E VIVAVIDA!!!! Almira Lima vivavida7@gmail.com


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de SETEMBRO a 4 de outubro de 2013

25

azevedo.fenix@vetorial.net

Você é o Gerente? Muita gente que acha que é maravilhoso ser o gerente ou a gerente de qualquer empresa e que geralmente o gerente é o que fica no pé dos colaboradores e não faz muita coisa não sabe o que geralmente ocorre nos bastidores. Como estou praticamente formado na especialização MBA em Gestão de Pessoas, troco muitas ideias com gestores e gestoras e identifico que geralmente todos sofrem dos mesmos problemas. Geralmente, quando a pessoa é designada a gerenciar alguma empresa ou algum departamento, logo ela pensa em montar uma bela equipe com os melhores. Primeiro engano: descobre-se que, com o que a empresa paga aos colaboradores, você não conseguirá montar a equipe dos sonhos; no máximo uma equipe mediana e, muitas vezes, você que tem que fazê-la. Por outro lado, as exigências, sim, estas serão por resultados como se você tivesse a melhor equipe e melhores salários do mundo. Isso serve também para as condições, instalações, computadores, programas etc. Seria mais ou menos cobrarem resultados como se fosse a equipe do Barcelona e você com uma equipe de juvenis da segunda divisão, por exemplo. Muitas empresas não investem em treinamentos, em motivação, cabendo ao gerente se virar para desempenhar estas funções. Gerentes são gestores,

administradores, treinadores, psicólogos, motivadores e, muitas vezes, mágicos, a fim de obter os resultados que são cobrados. Muitos livros indicam como uma das formas de motivação elogiar quando o funcionário “veste a camisa”, como a gente diz, mas isso funciona pouco e acaba rápido. Colaborador quer é bem tangível, ninguém passa as compras no caixa de supermercado e as paga com elogios, convenhamos, né? Elogio faz parte, sim, e é bom, mas o que vale mesmo é dinheiro no bolso. Gerir pessoas no mundo real é muito mais difícil do que as teorias constantes nos livros, muito embora já se achem livros que interligam o glamour das teorias de gestão com a realidade espinhosa enfrentada no dia a dia. Planejamento é Fundamental O fundamento da logística chama-se planejamento, toda estrutura organizacional necessita de planejamento em todas as suas atividades, mas isso não basta, é necessário que todos os processos estejam integrados e alinhados, só assim começa-se a chegar perto do que a gente chama resultado satisfatório. Infelizmente, não é o que vemos por aí. Muito difícil presenciarmos uma empresa totalmente alinhada em termos de produtos ou serviços. Qualquer empresa que seja mediana em termos de organização já nos surpreende e ficamos achando

a oitava maravilha do mundo, mas isso acontece porque a coisa está nivelada por baixo. A incompetência está instaurada na maioria, principalmente dos prestadores de serviços, então, qualquer luz no final do túnel muitas vezes faz transparecer que aquela empresa é maravilhosa. Planejar é fundamental na logística, inclusive planejar o que pode dar errado e já ter em mente as devidas soluções emergenciais. Em relação às áreas de planejamento, os níveis de serviço ao cliente, a localização, os estoques e o transporte são as principais áreas que não sobrevivem sem planejamento logístico por causa do impacto financeiro que as decisões mal tomadas nessas áreas podem causar. Neste contexto e num mercado altamente disputado, planejar faz parte dos primeiros mandamentos das empresas que desejam atingir uma excelência na qualidade, principalmente dos seus serviços. A Pergunta da Semana : Foi criada a terceira faixa na Rua 24 de Maio justamente para desafogar o tráfego, principalmente dos ônibus. Por que a maioria deles não anda na terceira faixa?? Boa Semana !


26 cultura

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

Furg promove oficinas de audiovisual e mídia em outubro Evento, que já está em sua sétima edição, terá oficinas de artistas e professores da região Sul por MATHEUS MAGALHÃES

E

m outubro, o Ponto de Cultura ArtEstação, em conjunto com a Diretoria de Arte e Cultura (DAC) da Furg, irá promover a sétima edição de evento dedicado ao audiovisual e aos diferentes nichos de mídia praticados no município. O evento já contou com honrarias como o prêmio Aretê 2009 e está inserido no Programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura. As oficinas, que serão oferecidas gratuitamente na DAC, localizada no Centro de Convivência do Campus Carreiros, são frutos da parceria entre a Rede de Pontos de Cultura da Furg e Pontão Geribanda. Gerindo a programação, a rede da Furg deverá contar com o fomento de pontos de cultura como Outro Sul (Pelotas) e do Ponto de Cultura Barra Viva (Barra do Ribeiro). Programação das oficinas: 1 - Introdução ao Storyboard, com o arte-educador e produtor de audiovisual do Pontão Geribanda/FURG, Law Tissot; 2 - Exercícios de Edição e Animação, com o arte-educador e cocriador da web TV Geribanda, Vinícius Rocha e com a artista plástica e acadêmica de cinema da UFPel, Su Santos; 3 - Vídeo Exquisito: influências da escrita surrealista, com o professor doutor do curso de Artes Visuais da FURG, Cláudio Azevedo. Para maiores informações acerca dos horários e data, ainda não liberadas pela organização do evento, ligue para os fones 3233-6831 e 3293-5222 ou envie um email para dac@furg.br.

Law Tissot, arte-educador e produtor audiovisual do Pontão Geribanda/FURG

Cartunista rio-grandino vai representar a cidade em evento de cartum

Alisson Affonso será o representante do município no 10º Cartucho em Santa Maria O cartunista Alisson Affonso, que colabora com seu trabalho autoral nas páginas do Folha Gaúcha, foi convidado para representar o município no evento Cartucho, o mais importante e maior evento de cartum no Rio Grande do Sul. O artista rio-grandino deverá participar de diversas atividades que propõem expor os trabalhos de cartunistas gaúchos para o público. O Cartucho está em sua décima edição e ocorrer na cidade de Santa Maria. O evento, que ocorre anualmente, é tradicionalmente sediado na cidade gaúcha e é organizado pelo cartunista Máucio Rodrigues, professor de desenho industrial da UFSM.A cada ano, o evento reúne quinze artista de todo o Estado. O evento conta com uma série de atividades onde os convidados participam, durante os dias em que transcorre. O “Chimarrão com Nanquim” é a tradição da programação do Cartucho, onde os cartunistas expõem e criam desenhos para o público no calçadão de Santa Maria, além de apresentarem cartuns temáticos que obedecem a tema eleito na abertura do evento.

Programação

de

Cinema

De 27/09 até 03/10

CINE DUNAS CIDADE não exibe segunda-feira O Tempo e o Vento • diariamente às 16h45min, 19h05min e 21h30min CINE DUNAS CASSINO não exibe segunda-feira Aviões • livre • dublado • diariamente às 18h • Sex, Sáb, dom também às 16h Os Smurfs 2 • livre • dublado • diariamente às 19h40min


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

Aromas e Sabores

Culinária 27

*Jesus R. de Araújo jesusculinarista@gmail.com jesusculinarista@gmail.com

O azeite de oliva – A divina gordura do bem!

R

ecebi e-mail de uma leitora, dizendo o seguinte: “Tenho sérios problemas de colesterol. Meu médico restringiu o uso de comidas gordas, frituras, maionese... O senhor que é chef de cozinha internacional, tem algumas receitas comuns e fáceis, sem gordura que eu possa fazer no dia a dia da minha casa? Ficarei muito agradecida!” D. Sandra, sou um simples chef, um humilde catador de conhecimentos e manipulador de alimentos, e todos os dias eu estou aprendendo com meus leitores! Na França, Dinamarca e principalmente na Noruega, existe uma preocupação constante com a saúde, pois eu trabalhava sempre com orientações técnicas de uma nutricionista, naqueles países. Usava pouco sal, nenhuma gordura saturada (de origem animal), e muito azeite de oliveira.

As vantagens de usar azeite de oliva na sua cozinha são muitas, mas podemos resumi-las em duas: sabor e saúde. Sabor porque o toque gourmet do azeite de oliva faz a diferença em qualquer receita. É por isso que é usado nas criações dos mais importantes chefs. Saúde porque é a única gordura vegetal rica em HDL (colesterol bom), que traz efeitos benéficos para o coração, ajudando a prevenir doenças cardiovasculares, devido ao alto teor de ácidos monoinsaturados. Além disso, numerosos pesquisadores, médicos e nutricionistas afirmam que o azeite de oliva, além de inúmeras vitaminas, também é uma fonte rica em vitamina E, que protege contra o câncer e as doenças do coração. Rico em antioxidantes, retarda o processo de envelhecimento celular. Ajuda a prevenir a ar-

teriosclerose e seus riscos, melhora o funcionamento do estômago e do pâncreas, acelera as funções metabólicas, produz efeito protetor e tônico da epiderme. Mas a má alimentação com alimentos industrializados, lanches rápidos e gordurosos atualmente fazem parte de uma epidemia devastadora, segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde. D. Sandra, com o azeite de oliva a senhora pode fazer bolos, doces, lanches, pães, sobremesas e inúmeras elaborações gostosas e saudáveis para toda sua família.Faça esta maionese que aprendi na Noruega, criando uma salada leve, nutritiva e sem colesterol, e este bolo sem gordura saturada. Que Deus ilumine vossos lares com amor, paz e compreensão. E, até a próxima semana com muita saúde!

Maionese de leite com beterraba Uma preparação elaborada com a mesma técnica da maionese tradicional. Nesta versão, o ovo foi substituído pelo leite desnatado, que antes é batido com beterraba, que dá cor e sabor na maionese. O resultado é preparação simples, mas com uma linda apresentação, cremosa, cor rosada com a vantagem de não ter colesterol. O sabor final é dado pelo azeite de oliva. Ingredientes: 1 beterraba média – 100 g ½ xícara de leite desnatado – 120 ml 1 ½ xícara de azeite de oliva extra virgem Sal a gosto

Preparo: Lave a beterraba, seque-a com um papel toalha, descasque e pique em cubinhos pequenos, e coloque no copo do liquidificador. Adicione o leite (deve estar em temperatura ambiente) e bata por 1 minuto, ou até ficar um creme homogêneo. Sem parar de bater, adicione o azeite de oliva, o mais devagar possível, como se fosse gota a gota. E, continue batendo por 10 a 12 minutos, ou até ficar cremosa como a maionese. Retire, tempere com sal, e adicione em sua salada. Rende: 500 g.

Bolo de laranja com leite de coco A textura é macia e úmida. O sabor é inconfundível do coco, do azeite e da laranja. Ingredientes: 1 laranja média – 180 g ½ xícara de azeite de oliva – 100 g 5 ovos inteiros 1 caixinha de leite condensado – 390 g 2 e ½ xícaras de farinha de trigo 1 colher de sopa de fermento em pó 1 caixinha de leite de coco – 200 g 2 colheres de sopa de açúcar ½ xícara de coco ralado Preparo: Lave a laranja, pique-a com a casca, despreze as sementes, e coloque-a no copo do liquidificador. Junte o azeite de oliva (reserve uma colher de sopa de azeite), os ovos, o leite condensado e bata até ficar homogêneo.

Dica Saborosa

Transfira para uma tigela e reserve. Em outra tigela, peneire a farinha de trigo com o fermento, e, aos poucos, vá misturando na farinha com fermento à parte líquida do bolo, sem bater. Com a colher de sopa de azeite reservada, unte uma assadeira (33 cm x 23 cm) e enfarinhe. Despeje a massa e leve ao forno médio pré-aquecido a 180ºC por mais ou menos uns 30 minutos ou até que, enfiando um palito, este saia limpo. Retire do forno. Desenforme o bolo ainda morno. Reserve. Cobertura: Coloque o leite de coco e o açúcar em uma panela, e leve ao fogo até ferver. Retire. Fure a superfície do bolo com um garfo e regue com o leite de coco quente e espalhe por cima o coco ralado. Espere esfriar um pouco e sirva. Ou, se preferir, sirva gelado. Rende: 15 porções.

E este poderoso remédio da natureza, além de nos brindar com inúmeros benefícios ao nosso organismo, ainda ajuda no processo de uma dieta saudável para emagrecimento, pois ele aumenta o tempo da digestão dos alimentos e diminui a concentração de glicose no sangue. Realmente, é a gordura do bem!


28

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 28 de setembro a 4 de outubro de 2013

Expressão através do teatro Deficientes visuais da escola Álvares de Azevedo formam grupo teatral

Autoestima O grupo de teatro da escola Álvares

de Azevedo chega a ter 30 participantes. Os deficientes visuais são professores, dançarinos, cuidam da casa, administram a família e ainda, fazem a criação e os textos das peças a serem apresentadas, também bastante diversificadas. “Eles mostram realmente a capacidade deles como atores e trabalham comédia, drama e outras apresentações com tom mais crítico, mostrando coisas que desvalorizam as pessoas, como o fato de não servir ao próximo”, observa Matheus Ribeiro. O fisioterapeuta destaca a presença de uma senhora castelhana, que já possui bisnetos e sentia-se desacreditada devido a um problema de audição. “Com a participação no grupo, ela agora está orgulhosa. O teatro está fazendo com que a autoestima aumente e eles estão se sentindo mais vivos, realmente”, comemora Ribeiro. Interessados em agendar apresentações do grupo de teatro Corpo e Mente poderão entrar em contato com a escola José Álvares de Azevedo, situada na Rua Major Miguel Pereira, 70 (próximo à Refinaria Rio-Grandense), ou através do telefone 3232.1777.

Fotos: Ique de La Rocha

A

tradicional Escola de Educação Especial José Álvares de Azevedo tem um belo histórico de realizações em favor dos deficientes visuais e, mais recentemente, acabou por criar o Grupo de Teatro Corpo e Mente, que tem na coordenação os professores Matheus Ribeiro e Denise Santos. “Além do teatro, eles trabalham muito o corpo, a criatividade, memorização e têm essa atividade também como de muito lazer. Eles se sentem bem, se divertem, se sentem mais vivos e a autoestima deles cresce”, explica Ribeiro. Conforme o fisioterapeuta, que por três anos chegou a cursar uma faculdade de teatro fora de Rio Grande, “não é apenas um grupo de teatro, porque trabalhamos muito o corpo, a criatividade, a memorização e muito o lazer. É um lugar onde nossos alunos se sentem bem, mais criativos, onde eles comentam bastante do que surgiu nas reuniões. Foi uma ideia deles. Muda o modo deles se expressarem, de se divertirem”.

POR IQUE DE LA ROCHA

Só alegria

O Centro de Referência Esportiva Petrobras, coordenado pela Fundação Sócio Cultural Esportiva do Rio Grande (Funserg) proporciona a seus participantes não apenas a prática de esportes, mas também procura fazer com que as crianças e adolescentes participem de eventos sociais e culturais. Para registrar a passagem do Dia do Teatro, 19 de setembro, o Centro convidou o grupo Corpo e Mente, para apresentar a peça “Escolinha do Barulho” aos participantes do projeto. O evento aconteceu no DTG do SC Rio Grande, no Centro Esportivo da Avenida Itália, durante a tarde. Entre as crianças e jovens atendidos pelo Centro de Referência Esportiva, muitos ainda não haviam assistido a uma peça de teatro. Por isso, a expectativa era imensa e o evento foi um sucesso, a julgar pelos aplausos e risos da garotada. Atividade ao ar livre Após a peça teatral, a equipe técnica do Centro de Referência Esportiva convidou a criançada para uma atividade ao ar livre, denominada “Oficina dos Sentidos”. Os participantes tiveram de adivinhar, de olhos vendados, os materiais esportivos que lhes eram passados às mãos, com o objetivo de fazer com que eles experimentassem outros sentidos. O coordenador geral do projeto, Carlos Eduardo Patrício, destacou a empolgação da garotada com a peça teatral e a participação sempre alegre na atividade ao ar livre. “Vamos continuar oferecendo eventos como estes, porque queremos formar cidadãos e as atividades sociais e esportivas também são importantes para a formação de nossos jovens”, disse ele.


Folha gaúcha ed 131