Page 1

RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

ANO III. 166ª EDIÇÃO R$ 1,50

Por uma sociedade mais opinativa ESPECIAL • 3

GERAL • 4

Cultura Riograndina e Rádio Guaíba em sintonia

Monitoramento do ar muito em breve em Rio Grande

GERAL • 5

Brasília discute travessia Rio Grande x São José do Norte

PRINCIPAL • 8 E 9

Sociedade doente:

Os fatores que levam aos crimes contra a criança


2

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

EXPEDIENTE FOLHA GAUCHA

CHARGE

Por Alisson Affonso

SemEDITORIAL brilho, decreto pode mudar tudo

Jornalista Responsável: Wanda Leite (MTB 15246) Diretor Comercial: José Valerão Editora-Chefe: Wanda Leite Revisão: Myrian Comberlato Coordenação: Franciane Wyse Diagramação: William Ramos Jairo Lopes Financeiro: Viviane Rubira E-mail Geral:

folhagaucha@folhagaucha.com.br

Comercial:

comercial@folhagaucha.com.br

Reportagem: André Zenobini Vicente Pardo Colunistas: COMPORTAMENTO

Almira Lima Érica Halty ECONOMIA

Nerino Piotto SOCIAL

André Zenobini Wanda Leite

Curtas Folha Gaúcha Novo endereço O Procon municipal do Rio Grande informa que, a partir do próximo dia 2 de junho (segunda-feira), passará a atender os consumidores na rua General Bacelar, 476, de segunda a sexta-feira das 12h30 às 17h30. Cursos de Artes Visuais No período de 5 a 13 de junho, a FURG receberá os realizadores espanhóis Rogélio López Cuenca (Málaga/Espanha) e Elo Vega (Huelva/Espanha) que desenvolverão um conjunto de atividades no campo da arte e da crítica de arte. As atividades são promovidas pelo curso de Artes Visuais - licenciatura e Bacharelado da FURG e pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, coordenadas pela professora Teresa Lenzi, no Campus Carreiro. Travessia a seco Foi realizada pela Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados uma audiência pública na última quinta-feira (29), em Brasília, com a finalidade de debater o projeto de construção da travessia a seco entre Rio Grande e São José do Norte.

TEOLOGIA

Pastor Vilela da Costa GESTÃO & LOGÍSTICA

Márcio Azevedo ESPORTE

Claudio Galarraga GASTRONOMIA

Jesus Araújo GERAL

Alberto Amaral Alfaro Impressão: Parque Gráfico Jornal Correio do Povo SAC: (53) 3235.6532 República do Líbano, 240 Cep: 96200-360 Centro

Este jornal não se responsabiliza por conceitos emitidos em colunas e matérias assinadas.

EDITORIAL

Foto-legenda

Foto: José Valerão

Confeccionado em 1874, o Chafariz das Três Graças, que ainda hoje embeleza a Praça Xavier Ferreira, servia para a população abastecer-se de água potável

Para você acostumado a grandes anúncios em cadeia de rádio e televisão por parte do executivo nacional, é hora de começar a pensar em tudo aquilo que não é irradiado aos quatro cantos. Os grandes anúncios da presidente Dilma Rousseff parece que esqueceram de contar as mudanças que um novo decreto trouxe em todas as instâncias políticas. A Revista Veja através do colunista Reinaldo Azevedo e o Estadão através de seu editorial explicitam o que as mudanças podem significar: a reinvenção de democracia. Ou uma democracia controlada. O decreto 8.243,de 23 de maio deste ano, cria a “Política Nacional de Participação Social” e o “Sistema Nacional de Participação Social”. O governo encontrou uma maneira de, na surdina, incluir representantes de movimentos organizados em todas as esferas públicas. No decreto, assinado por Dilma Rousseff, ficam reconhecidos itens como “sociedade civil” como sendo “o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”. Mais adiante em seu decreto, a presidente garante que todos os órgãos da administração pública direta ou indireta contarão, em seus conselhos, com representantes dessa tal sociedade civil. Ficará por parte do governo decidir quem é essa sociedade civil. Ou seja, os movimentos sociais escolhidos pelo governo devem ganhar voz, já que a partir do decreto eles também são sociedade civil. O Estadão define: “o Decreto 8.243, apesar das suas palavras de efeito, tem -isso sim - um efeito profundamente antidemocrático. Ele fere o princípio básico da igualdade democrática ("uma pessoa, um voto") ao propiciar que alguns determinados cidadãos, aqueles que são politicamente alinhados a uma ideia, sejam mais ouvidos”. Pronto, acabou a democracia. Os movimentos sociais são alinhados a partidos e a políticos. Ou seja, as ideias de alguns serão privilegiadamente mais ouvidas do que outras. Para o colunista da Veja “a Constituição brasileira assegura o direito à livre manifestação e consagra a forma da democracia representativa: por meio de eleições livres, que escolhem o Parlamento. O que Dilma está fazendo, por decreto, é criar uma outra categoria de representação, que não passa pelo processo eletivo. Trata-se de uma iniciativa que busca corroer por dentro o regime democrático”. Ao invés de fortalecermos a democracia brasileira através da participação popular dos cidadãos, abrimos espaço para que movimentos sociais - obviamente serão aquela “sociedade civil” instituída pela Presidência da República - que irão defender os seus pensamentos, ou daqueles a quem são subordinados. O Brasil estáàs vésperas da eleição, e, sem anúncios espalhafatosos, de algo que pode modificar a forma de fazer política no país e a forma como serão definidas as coisas a partir de agora. É preciso ter cuidado, principalmente com aquilo que não é alardeado.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Economia e Opinião *Nerino Dionello Piotto

Inflação alta reduz consumo... E atinge em cheio a nova classe média

ESPECIAL 3

Riograndina e Guaíba formam nova parceria

Economista* nerinopiotto@globo.com

Fotos: Divulgação

N

ão adianta querer mudar a forma de calcular a inflação, o IBGE deixar de fazer pesquisas e de o governo divulgar números de nossa economia moldados por mágicas maquiavélicas de contabilidade, ironicamente chamada de criativa. Quem mais vem sofrendo – e vai sofrer ainda mais - com a alta da inflação é a parcela da população que subiu das classes “D” e “E” para a “C”. Esta passou a ser chamada de nova classe média. E é uma massa significativa, em torno de 108 milhões de pessoas, com participação mais presente no sudeste, segundo o Instituto Data Popular, especialista no assunto. O Índice Nacional de preços ao Consumidor (INPC), que acompanha a variação de preços de famílias que ganham até seis salários mínimos (classe “C”), está subindo acima do outro índice, o Índice de Preços do Atacado (IPCA), que orienta o sistema de metas de inflação do governo e mede a oscilação de preços de famílias que ganham até 40 salários mínimos. E a tendência - com o aumento dos ônibus urbanos – retido em razão dos protestos - no próximo verão, provavelmente durante as férias para evitar encrenca com os estudantes – é piorar ainda mais para a classe “C”. Mais: os preços dos alimentos e bebidas têm subido bem acima da inflação média nos últimos dois anos. Para se ter uma ideia, em 2012 a alta média foi de 10% e a inflação, 6%. Em 2013, a alta foi de 9%. A nova classe média antes de ter sua renda corroída pela inflação, trocou o tanque pela máquina de lavar, abandonou as jurássicas televisões e comprou TV de LED; contratou TV a cabo e passou a frequentar academia de ginástica. Como vai manter o padrão? Minha opinião: O governo Federal, perdulário, aumentando os gastos com a máquina pública, dá maus exemplos, infelizmente seguidos até pelo Legislativo papareia, que tentou estender retroativamente o benefício do décimo terceiro salário. Para mim, pode até ser legal, mas é imoral. Vale refletir sobre a necessidade de se manter – com o meu, o teu, o nosso, tantos vereadores em Rio Grande! Não combatendo a burocracia sufocante, investindo mal, nossos governantes brincam com fogo. Não se dão conta que a classe “C” não recebe bolsas, como as grandes empresas (bolsa BNDES) e os menos favorecidos (bolsa família) e é a mais suscetível à alta dos preços; e que entre os jovens da classe “C” (19% dessa faixa de renda), 72% acessam a internet e já se endividaram! Será que ninguém vê? Ou não quer ver, só pensando naquilo? O Brasil que se dane! Não se dão conta de que 70% dos brasileiros acredita que os preços aumentarão ainda mais. E a dona de casa, o marido que vai à feira e ao super, em Rio Grande e São José do Norte, o que acham? Pense nisso!

Diretora Geral Wanda Leite e Diretor de programação José Valerão

A

partir do dia 1º de junho os ouvintes da Rádio Cultura Riograndina serão contemplados com muito mais informação estadual, já que esta é a data em que passaremos a transmitir conjuntamente com a Rádio Guaíba. O fortalecimento da Riograndina na área esportiva contará com a experiência da Guaíba nas transmissões estaduais, assim como a capital também terá mais informações do sul Estado. A Rádio Guaíba desde as suas primeiras transmissões, em abril de 1957 tem uma programação de qualidade em jornalismo, serviços e entretenimento. A trajetória percorrida pela AM 720 (Porto Alegre) ao longo destas cinco décadas inclui episódios memoráveis, nos quais a emissora se fez presente para reportar em primeira-mão e apurar seus desdobramentos. Deixaram marcas na história da imprensa brasileira, por exemplo, as transmissões radiofônicas das Copas do Mundo, a começar pela edição de 1958, quando a Guaíba foi a única emissora presente na Suécia. Desde março de 2007 sob administração do Grupo Record, a emissora vem implementando inovações em todos os seus setores, ampliando a competitividade em um mercado sob forte concorrência. Além da contratação de profissionais e da realização de reformas em suas infraestruturas física e tecnológica, esse processo tem alcançado formatos e conteúdos, com novos programas e modelos diferenciados de gestão, produção e operação sintonizados com o que há de

Gerente de Programação Rádio Guaiba Gerson Ponts

mais moderno em âmbito mundial, sem comprometer a tradição, que é uma das marcas registradas da Guaíba AM e da Guaíba FM. A Cultura Riograndina através dessa nova parceria mantém o seu formato de integração regional. Com seu estúdio principal no município do Rio Grande e sucursal em São José do Norte, transmite para 50 cidades da zona sul. Com a Rádio Guaíba e seus profissionais em diversas regiões do Estado, será possível formar uma grande cadeia de informação. “Nos sentimos muito honrados em formalizar essa parceria que inicia neste dia 1º de junho. A Guaíba é sinônimo de tradição e bom jornalismo, marcas essenciais que nos fazem acreditar que só vêm a fortalecer aquilo que nós aqui na Cultura acreditamos: verdade na informação e fé nas pessoas”, comemora a diretora geral da Cultura Riograndina, Wanda Leite. A parceria entre as duas emissoras permitirá que os ouvintes do interior do Estado tenham acesso às principais informações do Rio Grande do Sul e do mundo. Com a Guaíba transmitiremos os principais jogos de futebol do Estado e as principais coberturas jornalísticas, como a repercussão das eleições estaduais e presidenciais. “É um momento excepcional que Rio Grande vive e informação é indispensável para nosso crescimento. Tenho certeza que nossos ouvintes ficarão muito felizes com essa nova parceria”, conclui Wanda.


4 GERAL

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Alfaro Alberto Amaral

Legado da Copa? Despertar da Cidadania!

T

Rio Grande irá ter monitoramento constante do ar ANDRÉ ZENOBINI

A

través de uma iniciativa do Ministério Público, Rio Grande irá contar com um sistema de monitoramento de ar de última geração. Segundo o secretário-adjunto de Município de Meio Ambiente, Wagner Terra, o equipamento a ser instalado na cidade é único no país “e semelhante a ele só existe na Finlândia”, garante. O equipamento já foi comprado por empresas do distrito industrial e deve ser instalado em um prédio público em breve. As empresas Timac Agro Indústria e Comércio de Fertilizantes Ltda. e Yara Brasil Fertilizantes S.A. firmaram um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público do Rio Grande, com o objetivo de implantar um sistema de monitoramento da qualidade do ar no Polo de Fertilizantes. Também assinou o TAC a Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler – Fepam. O sistema irá monitorar a amônia e os compostos fluoretados (HF e SiF4), que podem ou não ser gerados pelas unidades industriais das empresas e também por terceiros ou novos empreendimentos que venham a ser instalados em Rio Grande. O promotor de justiça José Alexandre Zachia Alan, da 1ª Promotoria de Justiça Especializada da Comarca, explica que, com o sistema de monitoramento, os dados serão consultados, de forma on-line, pelo Ministério Público e Fepam. “O equipamento oferecerá dados imediatos acerca da qualidade do ar relativos aos contaminantes relacionados à indústria de fertilizante”, destaca. O promotor de justiça acrescenta que, com o ajustamento de conduta, o Polo de Fertilizantes do Rio Grande “será o primeiro no Brasil a adotar tal tipo de tecnologia”. O TAC firmado é resultado de um inquérito civil instaurado pelo MP, com o intuito de apurar eventual dano ambiental causado pelo funcionamento sinérgico das empresas investigadas no contexto do Distrito Industrial que pudesse eventualmente gerar atividade degradatória da qualidade do ar. O prazo fixado pelo MP é que até o dia 31 de julho o equipamento seja instalado em um prédio público, e deve entrar em operação nos 30 dias seguintes. “Existiam máquinas em Rio Grande que faziam o monitoramento do ar, mas aos poucos elas foram sendo desativadas e hoje, num belo trabalho do Ministério Público, já temos o equipamento”, comemora a secretária de município de Meio Ambiente, Dra. Miriam Balestro.

Arborização Seguindo o projeto de arborização de Rio Grande, começaram os processos de supressão de árvores do município. “Ano passado foi feito o trabalho de marcar nas praças públicas as árvores que oferecem riscos. O que estamos fazendo neste momento é o processo de supressão [corte] das árvores”, garante a secretária Balestro. O corte tem autorização da comissão de arborização do município e prevê reposição. “Para este trabalho temos ainda o apoio da CEEE e do Corpo de Bombeiros, já que cada uma dentro do seu papel vai cuidar da arborização da nossa cidade”, conclui.

Fotos: Divulgação

O secretário-adjunto Wagner Terra explica que a partir do momento que a pessoa planta uma nova árvore ela não pode decidir o destino da mesma. “É muito recorrente que a pessoa ache que porque ela plantou ela pode cortar e este não é o caso. Rio Grande possui um plano diretor para arborização e para que aconteça a poda ou a supressão é preciso passar por uma avaliação”, explica. Para que as pessoas comuniquem sobre uma árvore pode ser utilizado o telefone (53) 3233.7275. Sobre a quantidade de árvores para garantir uma qualidade de ar no município, a secretária explica que não há como fazer essa análise. “Infelizmente não possuímos diagnóstico do patrimônio arbóreo. Temos uma equipe de estagiários tentando fazer o levantamento dessas informações, mas pelas informações que temos, nosso patrimônio é inferior àquilo que é preconizado pela Organização Mundial da Saúde”, conclui Miriam. “O que temos feito é trabalhado na questão da compensação ambiental com as empresas. Já temos acertadas 1,2 mil árvores para julho deste ano e até o final devemos chegar a três mil”, explica a secretária. A compensação ambiental ocorre quando empresas em seu processo de implantação ou de operação causam algum dano ambiental, seja ele com corte de árvores ou com algum descumprimento de legislação que pode ter causado algum dano ao meio ambiente.

odas as Copas que vivenciei realizaram-se fora do Brasil, dentre elas logramos ser campeões em cinco edições. Lembro que essa distância não nos afastava do evento, pelo contrário preparava-nos fazendo jornadas maiores de trabalho para compensar os dias em que estaríamos “ocupados” em assistir os jogos, pintávamos nossas ruas e decorávamos nossas casas, comércio e até escolas, criando aquele clima de otimismo que parecia inevitável. Governos, como sempre oportunistas, subliminarmente ou as escancaras usavam essa euforia para fomentar proselitismo político, que ao fim e ao cabo sempre objetivam a manutenção do poder. Pois bem, estamos a poucos dias de uma nova edição da Copa do Mundo de Futebol, desta feita novamente no Brasil, só que passados 64 anos do “Maracanaço”, famosa decisão entre nós e o Uruguay, vencida por nossos hermanos, que causou uma das maiores frustrações do povo brasileiro, como sempre tão cioso de grandes conquistas e de grandes emoções, como todos os latinos. Paradoxalmente, ao contrário de todas as edições anteriores, independente do país da sua realização, o ambiente é estranho, as pessoas mais questionam os problemas do advento da organização e pouco falam das disputas e da perspectiva de que possamos ser campeões. Ninguém foi contaminado pelo “prá frente Brasil”, ruas sem o verde amarelo e no comércio o pouco que se vê é em função dos grandes patrocinadores do evento, que decoram os estabelecimentos na busca de vendas, que, segundo consta, está bem aquém do esperado. Parece que a Copa é nos EUA, tamanha a frieza e despreocupação de significativa parcela da população. Será que estão torcendo contra o Brasil? Em absoluto, só que, ao contrário de outras edições, o povo simplesmente não se interessa só pelo fazer, pelo realizar ou pelo patrocinar o evento, todos querem saber como está sendo feito, a que custo. Todas as informações disponibilizadas e, o que é pior, as constatações nas cidades sede, escancaram gastos exorbitantes, superfaturados e sem qualquer controle, privatização de espaços públicos, remoção de 280.000 pobres, num flagrante desrespeito aos direitos humanos. Infraestrutura precária com aeroportos obsoletos e fedidos, transporte público, segurança e até rede hoteleira, com problemas sérios de atendimento aos visitantes. Todas essas questões são levantadas em função de os governantes terem vendido aos brasileiros que a vinda da Copa para o Brasil seria uma oportunidade para o País se vender, melhorar a imagem no exterior, mostrar que efetivamente já é uma Nação desenvolvida, do primeiro mundo, etc. e tal. Tem sido e será um rotundo fracasso nesses termos, sem considerar, é óbvio, os resultados dentro do campo, onde sempre somos favoritos. São centenas de tópicos a serem questionados, escolhi o investimento em estádios para compará-los com os gastos das duas últimas Copas. Vejam: no Brasil gastamos R$ 8,5 bilhões em 12 estádios que podem acolher 668.000 assistentes, o que corresponde a um custo de R$ 12 mil por cadeira. Na Alemanha esse valor foi de R$3,4 mil e na África, de R$ 5,3 mil. Não sei a qual “primeiro mundo” vamos nos comparar. A escolha é livre!... As manifestações de Ronaldo Nazário e Paulo Coelho, embaixadores da Copa, são patéticas; isto sem falar da declaração da Diretora do Comitê Organizador local da Copa, a desavergonhada Joana Havelange, neta de João e filha de Ricardo Teixeira, que pedindo apoio ao evento consola a todos nós brasileiros: “Apoiem a Copa, pois o que tinha que ser roubado, já foi”. Respeitem esta manifestação, ela fala de cadeira, como dirigente e também fortalecida pelo DNA. Rescaldo de todo esse quadro apocalíptico: o Despertar da Cidadania, para mim é o que vale.

Advogado, empresário e corretor de imóveis alfaro@simcard-rs.com.br


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

GERAL 5

Mais perto da Travessia a Seco

R

io Grande e São José do Norte receberam boas notícias diretamente de Brasília na última quinta-feira (29), quando dados sobre a real possibilidade de uma travessia a seco entre os dois municípios foi debatida na Câmara dos Deputados. A Audiência Pública na Comissão de Viação e Transportes contou com a participação do representante do Ministro dos Transportes Cesar Borges, Diretor de Planejamento e Pesquisa do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT, Adailton Cardoso Dias. Por ele foram apresentados os dados do andamento do projeto anunciado pela presidente Dilma Rousseff no ano passado para que fosse elaborado um estudo de viabilidade para a travessia. A conclusão do Termo de Referência que irá possibilitar a contratação do estudo será em junho de 2014. Em julho deverá ser lançado o edital para estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental, que deve ser aberto em setembro deste ano, tendo sua contratação em outubro de 2014. O estudo completo deverá ser entregue para o governo federal até novembro de 2015, quando então será iniciado o trâmite para a realização das obras. Será este estudo que apontará

Fotos: Divulgação

ANDRÉ ZENOBINI

qual a melhor opção para a travessia a seco: ponte ou túnel. A discussão poderá acabar com uma solução mista, para que o projeto se torne viável. Na reunião foram apresentadas as três possibilidades de ligação:

túnel ligando a BR-392 à Ponta dos Pescadores, conectando à BR-101 em São José do Norte; uma ponte nas imediações da Vila Mangueira e Ponte dos Franceses, e ligação mista, começando com ponte com saída nas proximidades do Clube

de Regatas Rio Grande, culminando em túnel na estrada do canal, a exemplo da construção na Dinamarca. Em Brasília estiveram diversos representantes da zona sul, além dos vereadores dos dois municípios, prefeitos da região e também representantes de entidades de classe. Na oportunidade, o vereador Jair Rizzo apresentou seu trabalho na defesa pela travessia e um dossiê com os 40 anos de luta por ela. Além disso, foi apresentado um abaixo assinado com mais de 30 mil assinaturas. Overeador Jair Rizzo levará ao Ministro Chefe da Casa Civil, solicitando a inclusão da obra no PAC 2015, para a elaboração do projeto de construção. “É uma grande emoção ver uma luta de tantos anos dar um passo tão significativo. A realização da Travessia a Seco entre Rio Grande e São José do Norte vai trazer grande desenvolvimento a esses municípios e também a Tavares, Mostardas, Palmares do Sul, Pinhal, Capivari, Tramandaí, Cidreira, Osório e demais localidades.” exaltou o vereador. A obra ainda não tem sua execução garantida. É preciso que todos esses estudos garantam a viabilidade do projeto para que, aí sim, após sua conclusão, o governo possa apreciar a realização da obra.


6 GERAL

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Importância das abelhas vai muito além da produção do mel Curso técnico do Colégio Estadual Lemos Júnior visa conscientizar a população rio-grandina da importância do inseto VICENTE PARDO

Wanda Leite Parceria Nos últimos anos muito se fala em parceria e união de forças para vencer obstáculos e dificuldades, nas mais diversas áreas. Pois é isso que nós da Cultura Riograndina fizemos e continuaremos a fazer. Por mais de dez anos tivemos uma grande parceria com a Rádio Gaúcha, integrávamos a rede de rádio e transmitíamos os jogos e os correspondentes e com isso completávamos o nosso jornalismo e fortalecíamos a nossa programação. Portanto, ao finalizar esta caminhada, nos resta agradecer e desejar muito sucesso à Rádio Gaúcha, que a partir deste momento se torna independente, com estúdio local em Pelotas e Rio Grande. Parceria II É com muita alegria e satisfação que a partir do dia 1º de junho estaremos em uma nova fase, mas com o mesmo objetivo, o de bem servir e informar à comunidade da cidade e região com credibilidade e responsabilidade. A nova parceria é com a Rádio Guaíba, uma emissora com selo de responsabilidade da notícia e muito da história do Estado, a rádio da legalidade e a rádio do esporte, como sempre foi vista. Rádio Guaíba, seja bem-vinda, a zona sul te recebe de braços abertos. E os rio-grandinos podem continuar se orgulhando deste prefixo 740kzh, pois, através dele, sempre estaremos valorizando o que é nosso.

Fotos: Divulgação

O

Colégio Estadual Lemos Júnior, através de seu Curso Técnico em Meio Ambiente, pretende abrir os olhos da comunidade a respeito da importância das abelhas para o dia a dia do homem. Segundo um dos professores do curso, Gostaires Gonzalez, é importante mostrar para as pessoas que a importância do inseto vai muito além da produção do mel. “O mel é um produto secundário. A abelha é essencial para a polinização, principalmente para a polinização cruzada, que é aquela das árvores frutíferas que são de extrema importância para o ser humano”, explica Gonzalez. Ainda segundo o professor, as abelhas são responsáveis por 73% desta polinização, se sobressaindo a outras espécies como morcegos, moscas, borboletas e até mesmo ao vento. “Sem a abelha teríamos uma redução de produção bem grande”, destaca. De acordo com Gostaires, além de ensinar a importância da abelha o projeto também visa ensinar um convívio pacífico entre o inseto e as pessoas. “Estamos fazendo este tipo de trabalho nas escolas. É possível existir esta convivência de forma pacífica, basta saber pontos-chaves, como manter uma distância mínima e evitar determinados comportamentos”. Como se comportar diante de um enxame também faz parte dos ensinamentos propostos pelo projeto. O professor também destaca que um comportamento comum das pessoas, ao se depararem com uma abelha em suas casas, é partir para o ataque do inseto. “Uma abelha sozinha nunca vai atacar, ela só fará isso se for perturbada, portanto é importante saber lidar com este tipo de situação. No verão elas podem se tornar mais agressivas, mas o comportamento deve ser o mesmo”, afirma.

Travessia Comitiva de Rio Grande e São José do Norte estiveram em Brasília em uma audiência pública na Câmara dos Deputados. O assunto em pauta foi a travessia a seco entre as duas cidades, que tramita há mais de trinta anos. A necessidade cresce a partir do salto das duas cidades, com desenvolvimento do Polo Naval. Travessia II O vereador Jair Rizzo diz ter saído emocionado da audiência pública e acredita que um grande passo foi dado e que até o próximo ano sai o projeto de viabilidade. Falam até que poderá ser Túnel e Ponte. Esperamos a solução, não importa o que seja, desde que se resolva esse impasse.

O curso técnico o Colégio Lemos Júnior atinge todas as áreas voltadas ao meio ambiente. Gonzalez justifica a escolha pela abordagem na abelha por ela “ser um animal que está em desvantagem. Todos pensam nela como uma vilã, um animal perigoso. Queremos mudar esta imagem”. Além do professor Gostaires, o curso técnico conta com Daiana Paula Franchia Lucas e Suelem dos Santos Gioza. O trabalho de orientação é da professora Cristina Maria Machim Acosta.

Violência Infantil No programa Sintonia desta semana recebi os seguintes convidados: promotor de justiça Dr. Marcio Schlee Gomes, delegado de polícia Leandro Amaral , Dr. Enio Fernandez e Cristian Morais, além da participação da delegada Caroline de Bem e da conselheira tutelar Sonia Maria. O tema debatido foi a violência contra a criança e o adolescente. O programa tomou uma dimensão maior com as colocações e posicionamentos dos debatedores, que associam a maioria dos casos à falta de estrutura familiar e falta de educação. Violência Infantil II Abuso sexual, exploração, maus tratos agressões, negligência. Em todo país, sabe-se que a cada hora 15 crianças são vítimas de algum tipo de violência, mas o número pode ser bem maior, já que a maioria sofre e não denuncia.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

BAIRROS 7


8 PRINCIPAL

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Violência contra criança e adolescente é reflexo de uma sociedade doente Casos que chocam o país abrem espaço para discussões que escancaram os problemas estruturais do Brasil VICENTE PARDO

A

brutalidade surreal do caso envolvendo a morte do menino Bernardo chocou todo o país e reativou as discussões a respeito da violência infantil. Não só da violência sofrida por menores de idade, como também as questões de abandono que acabam levando a criança ou o adolescente ao mundo do crime. O debate, que envolve mais do que simples suposições a respeito dos casos, foi pauta do programa Sintonia 740, da Rádio Cultura Riograndina, na última terça-feira (27). Na ocasião, a jornalista Wanda Leite recebeu no estúdio o delegado de São José do Norte, Leandro Amaral, os advogados Enio Duarte Fernandez e Cristian Moraes e o Promotor de Justiça Cível do Rio Grande, Márcio Schlee Gomes. Além deles, participaram da mesa-redonda, por telefone, a Delegada Caroline de Bem e a representante do 3º Conselho Tutelar, Sônia Almeida. “O tema é pertinente, provocante e é necessário que se discuta muito a respeito da criança e do adolescente envolvido na criminologia como um todo, tanto como vitima ou como enquanto agente desta sociedade criminosa”, afirmou o Doutor Enio Duarte Fernandez. “São dois grupos considerados vulneráveis e, temos, sim, que discutir este assunto para o futuro de nossa sociedade”, expressou o delegado Leandro Amaral. Rio Grande também foi palco, em 2005, de um crime semelhante ao ocorrido em Três Passos. O caso da menina Thayná, que desapareceu em dezembro daquele ano na Vila da Quinta e gerou grande comoção popular. “Estes casos de violência independem do nível social, educação. Eles podem acontecer na classe média, com o pobre ou rico. Na família bem inserida em seu meio social ou em regiões periféricas. Pode acontecer em inúmeras condições. O grande problema é que não estamos conseguindo, enquanto sociedade, destinar de fato proteção a estas crianças”, expõe o doutor Enio Duarte.

“A situação da pena no Brasil não intimida, passou a ser irrelevante. Não adianta pensar em prisão perpétua, redução da maioridade penal e pena de morte. É preciso pensar na origem. E a origem está lá na educação. Se não investirmos em educação, não conseguiremos salvar nem as gerações futuras” Enio Duarte Fernandez

Fotos: José Valerão e Divulgação

“O tema é pertinente, provocante e é necessário que se discuta muito a respeito da criança e do adolescente envolvido na criminologia como um todo, tanto como vitima ou como enquanto agente desta sociedade criminosa” Enio Duarte Fernandez

Os casos que chocam a sociedade são, em grande parte, reflexos do rumo que a própria está tomando. De acordo com o Fernandez, “Vivemos em uma sociedade que vem, reiteradamente, se mostrando doente. O seu núcleo está doente”. Por núcleo, entende-se que as relações familiares estão enfraquecidas. Relações estas que são de extrema importância na formação do caráter de um jovem, que reflete socialmente aquele ambiente em que está inserido. “Vemos o crescimento da criminalidade, da violência, a partir desta desintegração total de valores que antigamente tínhamos”, expressa o promotor Márcio Schlee Gomes. De acordo com o Delegado Leandro Amaral, que acompanha de perto a realidade de São José do Norte, grande parte do problema está localizado na falta de uma figura familiar em casa. “Os valores da estrutura familiar estão mudando em relação ao que tínhamos antes. Não que sejam piores, eles são outros, e dentro deles a família tomou outros rumos. Pai e mãe trabalham e não dividem tarefas extremas. Eles estão na rua, trabalhando, e as crianças passam a ser criadas por outras pessoas”, explica Amaral. “A violência nasce no seio familiar e quanto mais educação, mais os valores forem positivos, certamente teremos uma diminuição disso. Teremos uma evolução. Vivemos uma falta de trato das coisas, falta de cultuar as coisas positivas, do bem. Isso aí vai refletir em violência. É como um animal que é agredido e vira uma fera”, aponta Gomes.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

PRINCIPAL 9

Proteção a menores no município De acordo com Sônia Almeida, do 3º Conselho Tutelar do município, o órgão atua com o objetivo de proteger os menores, evitando que situações extremas aconteçam. “Em todos os conselhos temos situações praticamente diárias. Os nossos adolescentes são vítimas e eles precisam de uma orientação diferenciada. Caso as medidas de proteção não sejam cumpridas, nós informamos a situação ao Ministério Público”, explica Sônia. O conselho tutelar do Rio Grande localiza-se na rua Vice Almirante Abreu, 425. Muitas vezes, a violência ou abandono sofrido pelo menor acontece dentro de casa, um ambiente onde supostamente ele deveria sentir-se protegido. É neste ponto que a atuação do conselho tutelar necessita da colaboração da sociedade. Esta sociedade que, muitas vezes, opta por omitir-se, perpetuando um comportamento de brutalidade doméstica. “Não basta o combate, é necessária uma prevenção, uma educação. É uma sociedade que vive uma cultura machista em relação a mulheres e crianças que se submetem a todo o tipo de violência. Queremos mudar esta realidade”, explica a delegada Carolina de Bem. “É necessário o nosso combate, a prisão, mas precisamos mudar o quadro através conscientização, de educação. Que as crianças sejam educadas de uma forma diferente, que as pessoas entendam que o abuso sexual não pode ser escondido dentro das casas”. Delegado de São José do Norte, Leandro Amaral, Promotor de Justiça Cível do Rio Grande, Márcio Schlee Gomes e Doutor Enio Fernandes

A delegada também ressalta a importância do trabalho conjunto dos órgãos responsáveis pela segurança pública, na missão de proteger crianças e adolescentes. “É uma mudança de mentalidade em que são necessários diversos organismos. Temos a necessidade de trabalhar em rede, envolvendo o conselho, delegacia e promotoria, para mudar esta realidade”, conclui.

Punições brandas e a justiça com as próprias mãos

Advogado Enio Duarte Fernandes

Ao longo das investigações do caso envolvendo a morte de Bernardo Boldrini, detalhes chocantes foram divulgados. Entre eles, uma conversa telefônica entre o pai e o irmão da madrasta do menino. Na conversa, é possível ouvi-los supondo a duração da pena que Graciele Ugulini seria submetida. Neste momento, o irmão cita que a enfermeira, por conta de bom comportamento na prisão, deve ter seu período de cárcere reduzido. Apesar de a temática demonstrar uma falácia no sistema judicial brasileiro, que incentiva a prática criminosa, a educação segue sendo o cerne da discussão, explica o advogado Enio Duarte Fernandez. Tantos problemas que giram em torno do sistema judicial brasileiro fizeram com que, nos últimos tempos, a sociedade passasse a abraçar a cultura da justiça com as próprias mãos. Em todo o país, inclusive em Rio Grande, casos de linchamentos de criminosos se tornaram comuns. O que expressa, mais uma vez, o reflexo de uma sociedade doente. “Temos que tomar cuidado, prestar atenção, para que não deixemos de querer justiça e passemos a querer vingança. Eu vejo muitas pessoas conversando sobre vingança. Com ela só iremos alimentar esta violência, esta coisa ruim que toma nossa sociedade. Muito cuidado na hora de desejar vingança. O que estamos pedindo é justiça, é educação, é amor de uma família”, conclui o advogado Cristian Moraes. Advogado Cristian Moraes

Rua Moron, 367 - Centro


10 GERAL

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Risco de Um Fiasco Mundial E vem chegando a temida Copa do Mundo, evento em que os olhos do mundo estarão voltados para o Brasil e suas incompetências administrativas governamentais e políticas. Obras para a Copa, que obras? Estádios apenas, o resto papo furado e a construção de alguns “puxadinhos” e lugares em que nem “puxadinhos” foram feitos. Anúncios de vários protestos pelas grandes capitais, alguns já vêm ocorrendo e o funcionalismo público na espera de, às vésperas da Copa, cruzarem os braços por lutas pelo direito de suas categorias. Copa do Mundo, tiro no pé deste governo representante do continuísmo, pode ser um divisor de águas para provarmos ao mundo o que todo mundo já tem quase a certeza: somos um país mal administrado, mal governado, nossos legisladores, uma piada e nossos eleitores sem capacidade de indignação no sentido de mudar a diretriz do nosso Brasil. Preparemo-nos para, talvez, o maior fiasco mundial da história deste país, o que deixa a nós, Brasileiros, sentidos, mas ao mesmo tempo com a esperança que renasça uma mentalidade e, a partir deste evento mundial, uma nova nação. Complexo Esportivo da Praça Saraiva Um dos raros espaços que a população rio-grandina

tem para lazer, esportes, descontração, está sem administrador já há alguns meses. É inconcebível que esteja sem comando, com certeza tem muita coisa a fazer por lá. Falta comando superior para designar e manter um gestor ou falta vontade política de que as coisas em Rio Grande aconteçam? Na minha opinião, faltam as duas coisas, e ainda uma grande pitada de organização e planejamento. Lamentável. Acesso ao Molhe da Barra O Molhe da Barra está sem acesso. Para quem vem pela estrada da Barra, acredito que deveria ser feito um acesso ao molhe ou pelo menos mantido o acesso que é feito no verão, que não é lá essas coisas, mas pelo menos é um acesso. O grande fluxo de veículos na praia mesmo, no inverno, justifica tal acesso, pelo menos aos finais de semana, onde a praia sempre recebe muitas pessoas e conforme já disse por aqui e repito, se os molhes da barra fossem em Gramado, teria toda estrutura para receber turistas, restaurantes, lojinhas, café colonial e com certeza teria excursão do estado inteiro para visitar tal ponto turístico. Lamentável que não saibamos valorizar e aproveitar nossas atrações. Som Alto É impressionante a falta de capacidade mental

de alguns seres humanos descaracterizados de inteligência que executam geralmente seus potentes sons em seus veículos em volumes absurdos, não respeitam escolas, asilo de idosos, hospitais, nem mesmo o simples fato da pessoa estar em sua casa não querendo escutar a música que o indivíduo está escutando. Que procurem um lugar adequado para esta prática, que a fiscalização atue com pulso firme nestes imbecis, que se acham donos das ruas. Rua Dom Pedro II e adjacências Continua o abandono e o descaso da Rua Dom Pedro II, principal via de acesso ao Porto do Rio Grande, já não dá para chamar mais de vergonha porque são dois anos de abandono. Na verdade acredito que nossos governantes estão de brincadeira, como diria na gíria popular “tão de sacanagem”, mesma coisa quando falam em construir moradias, também estão de sacanagem, nem terminaram o BGV I e BGV II, que estão abandonados e abertos a qualquer tipo de marginal e drogado e falam em construir novos, só pode ser brincadeira dos senhores, os senhores são uns farristas. Aliás, o BGV tem que tomar vergonha na cara e eleger um representante da sua comunidade para a próxima Câmara de Vereadores, BGV está atirado às traças pela prefeitura e faz tempo.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

SOCIAL 11

André Zenobini andré.zenobini@gmail.com

Mais inaugurações no Praça Rio Grande Shopping Os acontecimentos no Praça Rio Grande Shopping não param. Muitas lojas semanalmente abrem as portas e o público de Rio Grande é contemplado com mais atrações no primeiro shopping center da cidade. Na sexta-feira, 23, aconteceu o coquetel de inauguração das lojas Ortobom. Jader e Kátia Conradt, proprietários, brindaram com amigos e convidados a inauguração da loja no shopping. Integrantes do Grupo Toll levaram alegria e irreverência ao evento. Parabéns aos proprietários pela inauguração.

Franz Dacks, Gerente das Franquias Ortobom; Cristiano Oliveira, Assessor; Jader e Kátia Conradt, proprietários da Loja; Cícero Pacífico, Gestor de Ações de Vendas da marca

Grupo Toll na Loja Ortobom

Sr. Valter Schneider, Gerente Geral do Praça Rio Grande Shopping e os proprietários da Loja Ortobom em Rio Grande, Sr Jader e Sra Katia Conradt

Gerente da Ortobom Praça Rio Grande, Sr. Clodoaldo Oliveira e Equipe


12 CULTURA

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

1ª Prenda do Estado, rio-grandina exalta o orgulho de representar o município Caroline Lemos passou por diversas etapas antes da final e, pela primeira vez, traz a conquista para Rio Grande

F

oi realizada em Santa Maria, durante os dias 15 e 17 de maio, a 44ª Ciranda Cultural de Prendas. No evento, foram eleitas as prendas que representarão o estado e exaltarão as qualidades da mulher gaúcha. Pela primeira vez na história, a 1ª Prenda é uma rio-grandina. Caroline Castanha de Ávila de Lemos, representando o CTG Antônio de Souza Netto, da Vila da Quinta, foi a vencedora na categoria adulta. A relação de Caroline com as tradições gaúchas começou bem antes da jovem nascer. Ela conta que os pais se conheceram dentro de um CTG. “Eles dançaram a invernada juntos por muito tempo. Namoraram, noivaram e casaram dentro do CTG. Com filhos, trabalhos, eles acabaram se afastando do movimento”, conta a 1ª Prenda. Para chegar ao posto, Caroline teve de enfrentar diversas etapas. O estado é dividido em 30 regiões tradicionalistas, com o objetivo de descentralizar as ações, e cada região possui as suas entidades. “Primeiro concorremos dentro da entidade e, depois, é feita uma seletiva dentro de cada região. Somente após isso que as primeiras colocadas vão para o concurso do estado”, explica a prenda que representou no concurso a 6ª Região Tradicionalista. Chegar ao posto de 1ª Prenda não é uma missão simples. As candidatas passam por uma prova escrita, onde precisam estudar temas como a geografia do estado, história do Brasil relacionada ao estado, além de temas relacionados à tradição, tradicionalismo e folclore. Para os estudos, as prendam dispõem de uma ampla bibliografia. Além do teste, existe uma prova folclórica, onde as candidatas recebem um tema e precisam fazer uma pesquisa sobre o assunto. Caroline explica que, este ano, a temática escolhida foi a literatura, o que a inspirou em falar sobre a poetisa Delfina Benigna da Cunha, de São José do Norte. Não é só o conhecimento que pesa na hora de escolher uma prenda, os dotes artísticos são colocados à prova. “Existe, também, uma prova artística, onde a prenda tem de dançar, cantar ou tocar um instrumento. No meu caso, eu cantei”. Outro desafio para as candidatas é uma prova oral, cujo tema é sorteado somente 15 minutos antes de sua realização. O que torna todo o estudo preliminar extremamente importante. “Nesta prova oral, eu

Foto: Divulgação

POR VICENTE PARDO

falei sobre o trecho do Hino Tradicionalista, “Coisa linda é se ver as gerações convivendo em santa paz”. Caroline Lemos pretende, após a conquista, trabalhar e provar que a 1ª Prenda não serve somente como um “cabide de faixa”. “Viajar pelo Rio Grande do Sul e conhecer o estado representando a minha região, a minha cidade e o meu CTG. Representando, principalmente, a mulher gaúcha”, explica Caroline. Além disso, a jovem quer servir de exemplo para outras jovens. “Eu coloquei como missão representar muito bem todas as prendas que sonham, pois agora eu levo comigo o que um dia foi o meu sonho e que é, também, sonho de outras meninas”. Com a vitória de Caroline, Rio Grande ganha o direito de sediar, pela primeira vez, a Ciranda Cultural de Prendas em 2015. “Eu simpatizo muito com a minha cidade, Rio Grande tem muita coisa pra mostrar pra todo o estado. É importante trazer este evento e fazê-lo da melhor maneira possível, já que Rio Grande é o berço do estado, é o início de tudo”, exalta a 1ª Prenda do Rio Grande do Sul.

Viva Vida Almira Lima vivavida7@gmail.com

Fazer o bem... Faz bem...!!! Sempre quer fazemos o BEM, seja através de uma boa palavra, de um gesto amigo e de apoio, de uma escuta respeitosa, ou seja lá o que for de ajuda a algum ser vivo, ou mesmo a nós, como nos sentimos? Muito bem, mais leves, com a nossa consciência (o Divino em nós?) aplaudindo... Sorrindo! Tens consciência deste “ser um apoiador”, um amigo de um ser vivo que esteja necessitando de apoio? Tens consciência de que muitas vezes precisas ser mais AMIGO de ti mesmo...? Recebo hoje a valiosa revista “Vida Simples” que, como sempre, nos enleva e faz refletir dimensões maiores que a de nosso ego material. Ao meu lado na cama, também sempre relido e relido, Enio Burgos e seu “Medicina Interior”. Na “Vida Simples”, Padma Santem assina um lúcido artigo sobre vida simples, talvez a base da sabedoria do “Fazer o Bem”, de um “Bem-Viver-Ser”! Simplicidade implica em viver-escolher o que for ESSENCIAL para nosso evoluir, o que realmente valha a pena,tenha um sentido maior. Enio Burgos, também com uma filosofia budista, nos alerta da ignorância dos apegos, das aversões e das indiferenças! E somente nos libertando destas ignorâncias no nosso cada dia é que poderemos alcançar a plenitude de um bem viver, de sermos então “apoiadores”, pessoas caridosas, pessoas que praticam a empatia, como postura de vida. E o que é mesmo EMPATIA? “SENTIR com o outro SER VIVO, como se...” Imaginemos um Mundo Empático, um mundo em que lideranças, famílias, professores, políticos, empresas, escolas, comunidades pratiquem a EMPATIA, percebendo o que os outros necessitam para estarem beme viverem com DIGNIDADE, PAZ e AMOR! Neste tempo (utopia?) a missão da Humanidade cumprida, o MUNDO poderá respirar-viver em PAZ e de mãos dadas! IMAGINEMOS! Talvez John Lennon, onde estiver espiritualmente, sorria feliz e aliviado por ver seu SONHO realizado! Vamos agora, amigo leitor, fazer, e BEM, a nossa PARTE??? Quem sabe, refletir em nossos grupos este artigo? E Vivavida!


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

ESPORTE 13

Tecnologia é mais uma aliada na hora de praticar esportes Aplicativos ajudam a acompanhar a evolução nas atividades físicas, além de incentivarem o usuário

POR VICENTE PARDO

C

om a evolução tecnológica dos smartphones e tablets, os aparelhos tomaram um papel importante na vida diária de grande parte das pessoas. Além das funções básicas, existe uma variada gama de aplicativos que atendem às mais diferentes necessidades do usuário. Os “apps” voltados para atividade física estão entre os que mais se popularizaram e vêm ganhando muitos usuários fiéis. Confira a lista de algumas opções práticas que podem ajudar no seu condicionamento físico. Lembrando que os aplicativos são alternativas e o ideal é procurar um médico antes de praticar qualquer atividade física e conhecer as limitações de seu corpo.

Nike Running (Grátis para Android e iOS) Um dos mais populares aplicativos voltados a corridas, o Nike Running oferece uma forma de completa de acompanhar os resultados de suas atividades. Nele o usuário pode mapear as suas corridas, além de monitorar todo o progresso ao longo do tempo. Através do GPS do telefone, o aplicativo também mede distância percorrida, velocidade e, a partir destes dados, apresenta as calorias queimadas pelo usuário. Além dos pontos já citados, o Nike Running apresenta diversas formas de incentivo ao usuário, como a possibilidade de compartilhar a atividade nas redes sociais e ganhar o apoio dos amigos. Outro ponto positivo é que o “app” está totalmente disponível em português.

Pocket Yoga (Grátis para Android e iOS) Como é tendência em aplicativos deste segmento, o Pocket Yoga é ideal para pessoas que não tem tempo de ir até um lugar específico para praticar uma atividade física. Este app auxilia o usuário a criar uma rotina regular de exercícios. O sistema também apresenta as poses e ensina o usuário como realizá-las e por quanto tempo. Além disso, o Pocket Yoga também apresenta a possibilidade de customização da rotina de exercícios. O usuário pode escolher o nível, prática e duração de suas atividades. A partir daí o aplicativo oferece uma combinação de posturas, todas elas ensinadas com imagens e instruções sonoras, em inglês.

Nike Training Club (Grátis para Android e iOS) Mais um aplicativo com a assinatura da empresa norte-americana, o Nike Training Club segue a tendência dos circuitos de atividades físicas que estão se popularizando nas academias. O aplicativo oferece mais de 100 treinos pré-determinados, e voltados para o público feminino. As atividades são desenvolvidas por personal trainers de celebridades e por grandes estrelas do esporte, como as tenistas Maria Sharapova e Serena Williams. Além de listar os exercícios, o aplicativo oferece vídeos e áudios explicando detalhadamente cada atividade. O próprio “app” também permite ao usuário escolher o seu nível entre iniciante, intermediário e expert, para que as atividades não fujam de seus limites. O aplicativo só está disponível em inglês.

Lose It! (Grátis para Android e iOS) O aplicativo surge como um complemento às atividades físicas. O Lose It permite ao usuário acompanhar o seu peso e as colorias ingeridas e eliminadas durante o dia. Com ele, você pode criar um objetivo de perda ou ganho de peso e escolher um plano de perda de até dois quilos por semana. Com estes dados, o “app” oferece plano de gastos calóricos diários que o ajudarão a alcançar esta meta pré-determinada. O aplicativo possui uma base de dados com os mais variados alimentos, permitindo que o usuário facilmente cadastre aquilo que ingeriu ao longo do dia. Além disso, o Lose It permite o registro de quais atividades físicas você praticou, e qual foi a perda calórica obtida através delas. Além do telefone ou tablet, o Lose It é uma rede social, onde usuários podem trocar experiências e ganhar incentivos para alcançar suas metas. A PEDIDO

Ferragem Pinheiro Série Ouro - 2014 Aos amigos leitores, venho esclarecer o acontecido do último domingo dia 18, no ginásio da Iara situado na rua Domingos de Almeida. Absurdos e abuso de poder marcaram os acontecimentos da noite, bom senso e ética profissional marcaram o julgamento equivocado e severo que acabou com a exclusão da equipe DIR/OS DANADOS, aos presentes um espanto a decisão da comissão julgadora que, com o perdão da palavra, foi a verdadeira aberração da natureza. Ficamos todos tristes, perplexos e indignados, elenco e pessoas que, além de torcerem por nós, nos ajudam na organização e no planejamento que existe por trás da equipe DIR/OS DANADOS, ficamos tristes em perceber que o nosso futsal está nas mãos de pessoas tão despreparadas, e pretenciosas. Na última terça-feira dia 20, o organizador e participante da briga Fabiano Castilho, vai à rádio minuano conceder entrevista, dando

nome de atletas, denegrindo as suas imagens e denegrindo o nosso trabalho em equipe. Acreditem, em Rio Grande, árbitro agredir jogador PODE! O árbitro Mauro Celso Silveira, que deveria manter a ordem e a harmonia do jogo, agride um atleta e é expulso esse ano, podendo retornar no ano que vem; os atletas que apenas se defenderam das agressões sofridas pela arbitragem: Maxwell Carazzai foi EXPULSO POR DOIS ANOS e o Jeferson Silveira, POR CINCO ANOS, e não se dando por contentes eliminaram a equipe da competição, rebaixando-nos à série prata no ano de 2015. Parece brincadeira, neh!? Mas não é, é apenas o nosso futsal e a sua comissão “desorganizadora” e incompetente, onde a mesma pessoa organiza, apita, julga, pune e se autopune. A ética e o bom senso nesse julgamento, onde foram parar mesmo? O argumento para a eliminação da equipe dada pelo organizador do campeonato, Fabiano

Castilho, foi com base no artigo 7° da competição, no qual diz que briga acarreta a eliminação da equipe envolvida. Mas as agressões partiram da arbitragem e não dos atletas, que apenas se defenderam, e isso é inadmissível, uma arbitragem não saber que é antiético a agressão a atletas. É uma decepção para a equipe passar por esse tipo de constrangimento, serem tachados como “marginais”, depois de terem um trabalho reconhecido não é nada fácil, mas quem conhece sabe o nosso caráter e o trabalho digno que fazemos. Assim nos despedimos do Campeonato Ferragem Pinheiro Série Ouro-2014, eliminados, injustiçados, e com prejuízo financeiro de inscrição e taxas de juiz por cada jogo, pagamos para ter uma arbitragem tão despreparada e acabarmos eliminados, mas seguiremos de cabeça erguida e com determinação para seguir na caminhada. Atenciosamente equipe DIR/ OS DANADOS.


FOLHA GAUCHA

14

RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Gotas de Sabedoria Pastor Vilela

REFLEXÕES SOBRE O 1º MILAGRE DE JESUS

J

OÃO 2:9 Quando o mestre-sala provou a água tornada em vinho, não sabendo donde era, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água, chamou o mestre-sala ao noivo (:10) e lhe disse: Todo homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho. (:11) Assim deu Jesus início aos seus sinais em Caná da Galileia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele. SINAL, QUE MANIFESTOU SUA GLÓRIA... - Temos que aprender a ler e discernir os SINAIS... (Ex: sinais de Trânsito) - Deus não fez o vinho para te embriagues, e sim para benefício digestivo, conforme o livro de Timóteo. - Jesus não fez o vinho para excesso, mas para DAR-LHES SINAL... 1º Porque o Senhor fez o vinho? Se o vinho pode embriagar? E se Ele mesmo, em sua palavra, diz para que não nos embriaguemos com ele? (Ef. 5:18) Assim como fez a vida, a mente, o corpo e a praia. Como usas é problema teu. É fácil criticar um bêbado por fazer mal uso do vinho. E o que dizer, então, quando fazem mal uso da vida para destruí-la com drogas, ódio, invejas etc., da mente colocando nela maus pensamentos, do corpo, para prostituir-se, destruir casamentos, etc... SENDO QUE ESTAS COISAS SÃO MAIS IMPORTANTES QUE O VINHO! 2º Por que fez o bom vinho NO FINAL? Jesus não fez o bom vinho no final, e sim quando lhe tocou!!!

Paradigma: Muitos dizem que o bom vinho se serve de último... Penso que o bom vinho se serve quando serve CRISTO!!! No COMEÇO, no MEIO ou no FIM. Esperamos para o final para desfrutar de algo de Deus, quando podemos desfrutar AGORA!!! (Alegria, presença, abundância). É como crer que a boa vida vai te chegar quando sejas velho!!! As dores, os cabelos brancos ou a calvície, isto sim chegará. Temos que aprender a viver a cada dia com nossa família e as pessoas que amamos, e não esperar uma felicidade utópica e que virá um dia. 3º Por que fazer mais de 120 Litros do melhor vinho para gente que não ia apreciar... Pois já tinham tomado bastante??? Por que Deus dá a vida para gente que não sabe desfrutá-la? Penso que é porque Ele não sabe fazer nada mais ou menos, só o melhor!!! (Ex. O céu, a terra, o homem, fez o melhor!) Por isto, há pedidos que fazemos a Deus que não tem como nos atender!

(VERSO 10) Disse o Mestre Sala: Este vinho é formidável SINAL: Vim fazer com excelência (Igreja é hora de fazer com excelência.) Fui em uma igreja que o piano soava mal e todos diziam: Glória a Deus! Outro foi cantar, e disse: Esqueci da letra, pois não ensaiei, mas é para a glória de Deus. Outro cita João 10:10 e todos dizem: Amém, e glórias a Deus... Pensei comigo: Estes dizem glória a Deus quando a mim me dá VERGONHA... - Um irmão me disse: Pr. quero Testificar de Cristo... Eu lhe disse: Pelo menos te arruma e te penteia o cabelo, pois as pessoas não querem nem te ver, muito menos te ouvir... - Outro jovem me disse: Pastor, Eu não entendo porque os pais da minha namorada não me querem!!! Respondi-lhe: Estás cabeludo; camiseta rota, desbotada e dois números acima do teu, calças caídas mostrando as nádegas... Teu sogro não sabe se vais ver a filha ou o filho dele... - Outro me disse: Quero ser Pastor, Acho que vou abrir uma Igreja...

Há um grupo de gente que não sabe fazer nada bem!!! Dizem: qualquer coisa tá bom, não importa, já estou cansado, é o que tem, dá prá quebrar o galho, é só provisório, não é para concurso de beleza, tá bom, etc... Não esqueça que o tá bom é inimigo do melhor e amigo do tá ruim.

Pense um pouco: Nunca foram fiéis; Não conhecem nem o básico da palavra; Foram obreiros relaxados, rebeldes e infrutíferos; não dizimavam, e nunca foram braços direitos de seus pastores...

DEUS ESTÁ LEVANTANDO UMA GERAÇÃO QUE NÃO ACEITA FAZER MENOS QUE O MELHOR!!!

Continua na próxima semana. Com carinho, Pr. Vilela da Costa.

NETA CURADA DE TUMOR NA CABEÇA! Meu nome é Neli Valente, moro em Pelotas e estava desesperada ao ver minha neta enferma e desenganada pelos médicos de Pelotas. Minha irmã me falou dos milagres que estavam acontecendo na Cristo Vive de Rio Grande, e eu, em desespero, peguei um ônibus e vim ao culto de quarta-feira à tarde. Ao chegar, conversei com o Pr. Vilela, que me deu um tecido consagrado e me disse que eu colocasse aquele tecido sobre a cabeça da minha neta. Ao chegar em Pelotas, fui direto ao apartamento do meu genro que é incrédulo e não acreditava que poderia acontecer um milagre. Pedi que ele colocasse o lenço sobre a cabeça de minha neta e fui para a cozinha chorar. A situação era grave, pois o melhor doutor de Pelotas tinha desenganado ela. O Pai da minha neta colocou o tecido na cabeça dela e em poucos minutos ele grita para mim: Neli corra aqui, pois o tumor estourou. Corri até o quarto e vi a cabeça de minha neta toda suja com aquela inflamação e uma massa amarela escura. Desde aquele dia ela começou a melhorar, voltou a nascer cabelo e ela está curada e perfeita, para a glória de Deus. Mesmo morando em Pelotas, sempre que posso venho a Rio Grande para participar das reuniões na Cristo Vive, e digo que vale a pena vir aqui. Divulgo para as pessoas sobre a Igreja e muitas pessoas têm vindo de Pelotas para participar dos cultos aqui na Cristo Vive. Agradeço a Deus e ao Pr. Vilela por este grande milagre que Deus fez em nossa família. - Neli Valente


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

Aromas e Sabores

CULINÁRIA 15

*Jesus R. de Araújo jesusculinarista@gmail.com jesusculinarista@gmail.com

Banana, uma dádiva da natureza!

E

sta semana eu estava em um supermercado no setor de hortifruti, quando encontrei um casal de amigos, comprando bananas. E, entre conversa séria e brincadeiras, me perguntaram sobre a parte nutricional da banana, e pediram receitas. A banana é uma fruta de valor nutricional indiscutível, representa uma excelente fonte de energia de rápida absorção e fácil digestão devido ao seu teor de carboidrato e fibras. Contém vitaminas A, B, C e minerais, como: cálcio, magnésio, selênio, fósforo, potássio, e é recomen-

Bolo de Banana com Canela

Ingredientes: 7 bananas caturras bem maduras 3 ovos inteiros 100 g de margarina ½ xícara de leite 1 colher sopa de canela em pó 1 xícara de açúcar 2 ½ xícaras de farinha de trigo 1 colher de sopa de fermento em pó

dada para todas as idades. Para bebês, na formulação de papinhas; crianças em idade escolar, pois tem nutrientes que ativam a memória; para esportistas, pois possui elementos importantes para um bom desempenho muscular. E o seu alto teor de potássio, evita cãibras, fadiga muscular e alterações nos batimentos cardíacos, além de ajudar no combate à gastrite. A banana também é um antidepressivo, pois contém triptofano, um tipo de proteína que o organismo converte em seratonina, reconhecida por relaxar, melhorar o humor

Pudim de Banana

Para polvilhar: 2 colheres de sopa de açúcar com pitada de canela

Ingredientes: 1 xícara de açúcar 1 lata de leite condensado 1 colher de sopa de margarina 3 ovos inteiros 6 bananas caturras picadas 1 xícara de farinha de rosca

Preparo: Com um garfo, amasse 4 bananas. Reserve. No liquidificador, bata os ovos, a margarina, o leite, a canela em pó e o açúcar. Transfira para uma tigela, misture a farinha, o fermento e a banana reservada. Coloque em uma fôrma de 22 centímetros de diâmetro, untada e enfarinhada, e cubra com o restante das bananas, fatiadas ao meio. Polvilhe com açúcar e canela e asse em forno preaquecido a 180ºC, durante aproximadamente 35 minutos ou até dourar. Desenforme frio.

Preparo: Em uma panela, leve o açúcar ao fogo baixo, mexendo sempre até obter um caramelo. Coloque em uma fôrma de buraco no meio de 20 centímetros de diâmetro e reserve. No liquidificador, bata o leite condensado, a margarina, os ovos, as bananas e a farinha de rosca. Despeje sobre a fôrma e leve ao forno médio preaquecido, a 180°C em banho-maria por 1 hora ou até que, ao enfiar um palito, ele saia limpo. Leve à geladeira por 2 horas e desenforme depois de frio. Se desejar, decore com fatias de banana.

Rende: 10 porções.

Rende: 6 porções.

e, de modo geral, aumentar a sensação de bem estar e a autoconfiança. E, finalmente para todos nós, ela pode isoladamente constituir ou complementar uma refeição rápida e agradável. Portanto, temos uma fruta com uma riqueza imensa de nutrientes, de baixo valor comercial, nos proporcionando uma saúde duradora, se criarmos o hábito de saborear duas a três unidades diariamente. Deixo receitas práticas e fáceis para interagir na saúde e bem estar de todos meus estimados leitores, e até a próxima semana!

Salada de frutas

Ingredientes: 2 mamões papaia pequenos 1 laranja média 6 bananas caturras 2 maçãs 1 kiwi 6 morangos maduros 12 grãos de uva (qualquer variedade) 1 caixa leite condensado 1/2 colher de sopa canela em pó Preparo: Pique todos os ingredientes, a laranja em pedaços menores que as outras frutas, depois ela solta o caldo e a salada não fica tão ácida. Coloque tudo em um prato fundo e adicione o leite condensado, a canela em pó, e mexa bem e leve a geladeira por 30 minutos. Rende: 6 porções.

Dica Saborosa Segundo dados estatísticos de pesquisadores de universidades americanas e inglesas, se comermos uma banana em jejum, 5 minutos antes de tomar café, e uma após o jantar, nosso metabolismo estará bem mais protegido e teremos um sono mais tranquilo e feliz.


16 Contracapa

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 31 de maio a 6 de junho de 2014

CREA completa 32 anos em Rio Grande e 80 no Estado

O

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado do Rio Grande do Sul – CREA-RS é uma entidade autárquica de fiscalização do exercício e das atividades profissionais dotada de personalidade jurídica de direito público, constituindo serviço público federal, vinculada ao Conselho Federal de Engenharia e Agronomia – Confea. A entidade foi instituída no Estado em 23 de abril de 1934 e há 80 anos presta serviços à comunidade. Em Rio Grande, a inspetoria local foi criada em 9 de junho de 1982. Há 32 anos a cidade conta com os serviços do Conselho. O inspetor chefe do Crea-RS em Rio Grande, engenheiro mecânico e de segurança do trabalho, Jacques Salies, explicou o trabalho da instituição e as ações que têm sido feitas no município. Com a explosão do desenvolvimento através do Polo Naval, a área de abrangência do CREA também cresceu, já que as atividades dentro da indústria naval estão diretamente ligadas à área de engenharia. “O Crea está há 80 anos atuando no Estado e conta com um universo de mais 300 profissões regulamentadas, o que gera um número de mais de 70 mil profissionais e envolve 15 mil empresas. Além disso, ainda são 75 entidades de classe que compreendem o Crea”, explica o inspetor-chefe. O Conselho é o órgão de fiscalização, controle, orientação e aprimoramento do exercício e das atividades profissionais da Engenharia Civil; Geografia; Agrimensura; Engenharia Elétrica e Eletrônica, Eletrotécnica; Engenharia Industrial, Mecânica, Têxtil, Química, Naval, Aeronáutica e Metalúrgica; Agronomia; Meteorologia; Geologia; Engenharia de Minas; Engenharia Florestal;

Foto: Divulgação

Engenharia Química; Engenharia de Segurança do Trabalho; Tecnólogos e os Técnicos de Nível Médio. “As pessoas acham que o Crea está voltado somente à construção civil, mas na verdade é muito mais do que isso. Quando você olha para o lado tem alguma coisa que tem o envolvimento do Crea”, explica Salies. Para ele, “o nosso trabalho é garantir a sociedade que somente profissionais atuem e temos que combater o exercício ilegal da profissão. Não somos um órgão policialesco, mas atuamos como defensores da sociedade”. Atuando no Estado, são 43 Inspetorias, além de seis Inspetorias Especiais e 10 representações municipais. “O nosso trabalho é registrar os profissionais para o controle deles e das empresas e também fiscalizar essas ações em defesa da sociedade”, afirma ele. Para obter o registro junto ao Crea não é necessário uma prova especial, como no caso da OAB, mas é preciso que o curso realizado juntamente com a universidade ou escola esteja registrado junto ao MEC e ao Crea. “Antes de fazer a matrícula, veja se o curso está registrado. É preciso ter esse cuidado para que no final não tenha uma surpresa”, afirma ele. Também é atribuição do Crea registrar a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), documento que especifica as responsabilidades do profissional quanto aos serviços/ obras executados. “Recomendo que os profissionais tenham esses regis-

tros. Que quando desenvolvem uma atividade dentro de uma empresa façam a ART, pois isso vai compor o arquivo do profissional. Você ficou tantos anos dentro de uma empresa, mas o que fez lá, com a ART você tem o histórico”, afirma.

André zenobini

Com uma equipe de dois fiscais, o inspetor-chefe garante que em determinado momento achou que o número de profissionais para a fiscalização fosse pouco. “Na explosão do Polo Naval, achei que não fosse ser suficiente, mas o Crea possui um programa intenso de fiscalização uma vez ao ano, quando recebemos ficais de outros locais para nos auxiliar. E na rotina, apertadamente damos conta de toda a demanda”, explica. “O Crea age em defesa da sociedade. Tem dúvidas sobre o profissional, pega o nome dele e leva no Crea que você vai obter todas as informações sobre ele antes de contratar”, conclui o inspetor. O Crea em Rio Grande está localizado na Avenida Silva Paes, 266. O horário de funcionamento é das 9h às 12h e das 13h às 17h45.


16 CONTRACAPA

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, DE 31 DE MAIO A 6 DE JUNHO DE 2014

CREA completa 32 anos em Rio Grande e 80 no Estado

O

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado do Rio Grande do Sul – CREA-RS é uma entidade autárquica de fiscalização do exercício e das atividades profissionais dotada de personalidade jurídica de direito público, constituindo serviço público federal, vinculada ao Conselho Federal de Engenharia e Agronomia – Confea. A entidade foi instituída no Estado em 23 de abril de 1934 e há 80 anos presta serviços à comunidade. Em Rio Grande, a inspetoria local foi criada em 9 de junho de 1982. Há 32 anos a cidade conta com os serviços do Conselho. O inspetor chefe do Crea-RS em Rio Grande, engenheiro mecânico e de segurança do trabalho, Jacques Salies, explicou o trabalho da instituição e as ações que têm sido feitas no município. Com a explosão do desenvolvimento através do Polo Naval, a área de abrangência do CREA também cresceu, já que as atividades dentro da indústria naval estão diretamente ligadas à área de engenharia. “O Crea está há 80 anos atuando no Estado e conta com um universo de mais 300 profissões regulamentadas, o que gera um número de mais de 70 mil profissionais e envolve 15 mil empresas. Além disso, ainda são 75 entidades de classe que compreendem o Crea”, explica o inspetor-chefe. O Conselho é o órgão de fiscalização, controle, orientação e aprimoramento do exercício e das atividades profissionais da Engenharia Civil; Geografia; Agrimensura; Engenharia Elétrica e Eletrônica, Eletrotécnica; Engenharia Industrial, Mecânica, Têxtil, Química, Naval, Aeronáutica e Metalúrgica; Agronomia; Meteorologia; Geologia; Engenharia de Minas; Engenharia Florestal;

Foto: Divulgação

Engenharia Química; Engenharia de Segurança do Trabalho; Tecnólogos e os Técnicos de Nível Médio. “As pessoas acham que o Crea está voltado somente à construção civil, mas na verdade é muito mais do que isso. Quando você olha para o lado tem alguma coisa que tem o envolvimento do Crea”, explica Salies. Para ele, “o nosso trabalho é garantir a sociedade que somente profissionais atuem e temos que combater o exercício ilegal da profissão. Não somos um órgão policialesco, mas atuamos como defensores da sociedade”. Atuando no Estado, são 43 Inspetorias, além de seis Inspetorias Especiais e 10 representações municipais. “O nosso trabalho é registrar os profissionais para o controle deles e das empresas e também fiscalizar essas ações em defesa da sociedade”, afirma ele. Para obter o registro junto ao Crea não é necessário uma prova especial, como no caso da OAB, mas é preciso que o curso realizado juntamente com a universidade ou escola esteja registrado junto ao MEC e ao Crea. “Antes de fazer a matrícula, veja se o curso está registrado. É preciso ter esse cuidado para que no final não tenha uma surpresa”, afirma ele. Também é atribuição do Crea registrar a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), documento que especifica as responsabilidades do profissional quanto aos serviços/ obras executados. “Recomendo que os profissionais tenham esses regis-

tros. Que quando desenvolvem uma atividade dentro de uma empresa façam a ART, pois isso vai compor o arquivo do profissional. Você ficou tantos anos dentro de uma empresa, mas o que fez lá, com a ART você tem o histórico”, afirma.

ANDRÉ ZENOBINI

Com uma equipe de dois fiscais, o inspetor-chefe garante que em determinado momento achou que o número de profissionais para a fiscalização fosse pouco. “Na explosão do Polo Naval, achei que não fosse ser suficiente, mas o Crea possui um programa intenso de fiscalização uma vez ao ano, quando recebemos ficais de outros locais para nos auxiliar. E na rotina, apertadamente damos conta de toda a demanda”, explica. “O Crea age em defesa da sociedade. Tem dúvidas sobre o profissional, pega o nome dele e leva no Crea que você vai obter todas as informações sobre ele antes de contratar”, conclui o inspetor. O Crea em Rio Grande está localizado na Avenida Silva Paes, 266. O horário de funcionamento é das 9h às 12h e das 13h às 17h45.

Folha Gaúcha ed 166