Page 1

ANO III. 150ª EDIÇÃO R$ 1,50

RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

Por uma sociedade mais opinativa

Casa & Design

Meio ambiente também é pauta Esquecida por muitos, a conscientização ambiental é fundamental para Rio Grande principal • 10

TURA NA

2 3 5 -6

5 3 2 3 AN

OS

Carnaval 2014: Impasse nas contas de 2013 vai atrasando a folia

Caderno

ASSI

Geral • 6 e 7

I C ÚN


2

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

EXPEDIENTE FOLHA GAUCHA

CHARGE

Por Alisson Affonso

EDITORIAL Cada vez mais violência

O

Jornalista Responsável: Wanda Leite (MTB 15246) Diretor Comercial: José Valerão Editora-Chefe: Wanda Leite Revisão: Myrian Comberlato Coordenação: Franciane Wyse Diagramação: William Farias Financeiro: Viviane Rubira Assinaturas:

assinaturas@folhagaucha.com.br

Comercial:

comercial@folhagaucha.com.br

Reportagem: Matheus Magalhães Ique de La Rocha Rodrigo de Aguiar André Zenobini Camila Costa Colunistas: COMPORTAMENTO

Almira Lima Érica Halty ECONOMIA

Nerino Piotto SOCIAL

André Zenobini Wanda Leite

Curtas Folha Gaúcha Projeto social para advogados Uma série de serviços será oferecida aos advogados no Cassino. Trata-se do projeto Verão da Caixa de Assistência aos Advogados (CAA) da OAB gaúcha. O projeto oferece assistência para advogados regularmente inscritos bem como seus dependentes e ao estágiarios que trabalhem com eles. Neste dia 8, sábado, ações visando saúde, educação e esporte serão executadas à beira mar. A programação se inicia às 9h com aulas de dança, exames médicos (que estarão disponíveis até as 15h30), palestras sobre hepatite e saúde bucal, bem como torneios esportivos de vôlei e futebol. Outras atrações como apresentação musical contando com diversos músicos que são advogados de profissão ou professores de direito, também estarão dentre as atrações do projeto. Feira de sucesso A Feira do Livro da Furg, tradicional evento do verão cassinense, está se destacando pelo alto número de visitas e vendagem. A 41ª edição, que acaba no dia 9 deste mês, reúne 42 bancas na praça Didio Duhá. Mais de 3000 exemplares de livros de diversos es-

tilos, desde literatura (de maior procura) até de não-ficção, já foram vendidos. Títulos de literatura infantojuvenil como "A Culpa é das Estrelas", sucesso editorial no país, comandam a lista de procura. Mário Quintana, que não produzia suas obras pensando vender para adolescentes, ganha uma exposição especial na feira, retratando sua vida e sua grande contribuição para a poesia brasileira, é outra atração do evento. A entrada é franca. Telhas para o Taim As comunidades carentes que moram na localidade do Taim receberam doação de telhas, após a destruição de casas em forte temporal ocorrido no início do mês. A ação, orquestrada pela Defesa Civil da cidade, contou com a participação da Secretaria de Município de Cidadania e Assistência Social (SMCAS). Cerca de 150 telhas foram doadas em um mutirão, para repor o material destruído pela tempestade. A Defesa Civil classificou a resposta como rápida, apenas um dia depois que o vice-prefeito Eduardo Lawson visitou a localidade para fazer um reconhecimento dos danos e das necessidades.

TEOLOGIA

Pastor Vilela da Costa GESTÃO & LOGÍSTICA

Márcio Azevedo ESPORTE

Claudio Galarraga GASTRONOMIA

Jesus Araújo GERAL

Alberto Amaral Alfaro Impressão: Parque Gráfico Jornal Correio do Povo SAC: (53) 3235.6532 República do Líbano, 240 Cep: 96200-360 Centro

Este jornal não se responsabiliza por conceitos emitidos em colunas e matérias assinadas.

EDITORIAL

Foto-legenda

Momento que só a natureza nos proporciona.

Foto: José Wotter

Brasil vive sob o medo e o comando dos marginais, que decretam a obrigatoriedade das pessoas viverem atrás das grades, ao invés deles. E se formos ver bem, eles são tão poderosos que até a Missa do Galo, que tradicionalmente acontecia à meia-noite, agora é realizada às 21 horas na maioria das cidades brasileiras devido aos assaltos. O maior problema do Brasil hoje é a impunidade, que desencadeia todos os males como a criminalidade e a corrupção. Como se não bastassem, intelectuais, sociólogos e ditos especialistas não sabemos do que, criaram o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) dizendo que seria a iniciativa mais moderna do gênero para proteger os menores, especialmente os de rua. Aí cabe a pergunta: o ECA tirou os meninos da rua e afastou-os da delinquência? Sabemos que não, muito ao contrário. Hoje a maioria dos crimes são assumidos por menores, sendo que tem vários que já mataram dois, três ou mais e vai ficar por isso mesmo. Mais tarde surgiram outros especialistas e ONGs propondo o Estatuto do Desarmamento. Foi feito um plebiscito com derrota esmagadora dos defensores do desarmamento. Mesmo assim várias restrições foram criadas, que praticamente desarmaram a população de bem. A justificativa era que a violência iria diminuir, uma vez que as armas das pessoas de bem estavam indo parar nas mãos dos marginais. A criminalidade continuou e os bandidos mostram-se cada vez mais ousados, enfrentando a Polícia e desafiando as autoridades. E as pessoas de bem nem armas podem ter para defender seu patrimônio e sua família. Pois agora o noticiário policial em Rio Grande, e também de fora daqui, dá conta que grande número de armas encontra-se em circulação. No veraneio do Cassino isso já ficou evidente. Até menores de idade carregam armas. Já tem gente apostando no pior até para o ótimo carnaval do balneário. Todas as medidas light sugeridas pelos intelectuais, sociólogos e especialistas para combater a criminalidade deram efeito contrário e não poderia ser diferente. Quem criou essas leis e estatutos parecia que estava mais preocupado mesmo era com a integridade dos bandidos e não da população. Bandido não pode ter medida light, principalmente quem já matou dois, três. Até Deus, conforme algumas religiões, condena as pessoas ao inferno. Lógico que não pregamos nenhum inferno. Todos têm direito a se redimir e a pagarem por seus erros em locais adequados e que ofereçam dignidade, mas a punição tem de ser proporcional ao crime praticado e não possibilitar que assassinos ganhem a liberdade após um pequeno cumprimento da pena. Cabe perguntar ainda: se nossas leis e estatutos são tão avançados como dizem, por que nenhum país adiantado seguiu esses exemplos? Para aqueles que atribuem a criminalidade simplesmente aos problemas sociais, enquanto a gente sabe que não é bem assim porque a maioria da população nos bairros mais pobres é constituída de pessoas de bem, se os indicadores revelados pelo governo são corretos, da ascensão das classes mais pobres, a criminalidade era para ter diminuído. E ela só aumenta. Tem que mudar a lei e acabar com a impunidade.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

Economia e Opinião

Opinião

Por que a legalização da maconha é prematura, em cinco itens

*Nerino Dionello Piotto

Todos pagaremos a conta, inclusive os que recebem bolsas do governo

N

a terça-feira da semana passada, o Jornal Financial Times, que já elogiou muito o Brasil no início do governo Lula, publicou artigo afirmando que o Brasil foi o grande perdedor do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Segundo o Jornal, o Brasil deixou uma percepção de falta de investimentos em infraestrutura e a sensação de que muito do crescimento foi proveniente do consumo. A publicação destaca, ainda, uma frase do economista-chefe do Itaú-Unibanco, Ilan Goldfajn, que afirmou “que os investidores estão olhando para os países com economia sustentável e estável” e que “o Brasil não é”. Pudera! O Brasil financia e inaugura obras gigantes, como um porto em Cuba. Obras feitas sob contratos secretos e que não sofrem fiscalização do Tribunal de Contas da União, como as feitas aqui. Enquanto isso, a China suspende a compra de soja brasileira por atrasos na entrega resultantes de congestionamentos em nossos portos. Dá para entender? O Governo Brasileiro trata, agora, João Goulart como um grande líder, como se os milicos o tivessem apeado do poder em 1964. E se esquece de consultar os jornais da época. Eu não participei (se é que entendo o sentido desse verbo naquele contexto) mas vivi e vi os desdobramentos da reação popular – apoiada por e dando intenso suporte aos militares – a uma indisfarçável orquestração de grupos bem articulados no sentido de um arremedo de “cubanização” de Pindorama. Lembro, as populações de Copacabana,RJ, Santa Maria,RS, dentre muitas, saíram às ruas saudando as tropas do exército. O passar dos anos, sob meu ponto de vista, revelou-me a que nível de entropia sócio-político-administrativa nosso País já havia chegado nos momentos imediatamente anteriores à contrarrevolução de 1964. O tempo, sem dúvida, sempre dirá mais, independente de esforços de alguns no sentido de reformatar nossa história. Aliás, nunca soube de qualquer caso em que uma montagem de modulação de fatos não tenha sido escancarada e em final desconstruída. João Goulart foi apeado pelo povo por seus desatinos, pecadilhos, se comparados com os de agora: reforma agrária demagógica; desejo de derrubar a lei da oferta e procura, ao tabelar todos os aluguéis nas áreas urbanas; quebra de hierarquia nas Forças Armadas, entre outros. O Brasil hoje comete desatinos inacreditáveis, porém de forma refinada, que o povão, repito, plagiando meu colega André Zenobini, não entende. Ex: utiliza o BNDES como braço financeiro de empréstimos de bilhões para países com histórico de péssimos pagadores, para estados e estatais. Em país, como o nosso, em que o governo tem liberdade de endividamento, o resultado dessas relações tende a ser desastroso tanto para o contribuinte como para o crescimento sustentável da economia. Todos pagaremos a conta! Inclusive os tupiniquins que recebem bolsa do governo!!! Economista* nerinopiotto@globo.com

Foto: Divulgação

1) O Brasil sofre com uma economia que apanha, diariamente, da mão de ferro do governo. Estamos em 114º lugar no Índice de Liberdade Econômica, atrás de Uganda, Camboja e, pasmem, até a Síria, em atual estado de calamidade devido à guerra civil. Se hoje, países com muito mais liberdade neste aspecto ainda discutem a legalização, estando na “esfera moral” do debate, o nosso nem mesmo tem a plataforma necessária para chegar na esfera econômica. Em um país onde a inflação sobe a cada ano e a carga tributária é a maior do mundo, existem milhares de pontos à frente de algo trivial como a legalização de uma droga ilícita. Se os grupos pró-maconha e os usuários se instruíssem e passassem a defender, inicialmente, um choque de liberalismo econômico no país, estariam no caminho certo, sem colocar a carroça na frente dos cavalos. 2) Infelizmente, os grupos pró-legalização tomam uma via onde tentam justificar moral e socialmente o apelo de discriminação da droga. Devido a isto, argumentos muito bobos e com pouquíssima ligação com a realidade brasileira surgem como esteio para as campanhas legalizatórias. O mais estapafúrdio de todos é a ideia de que a legalização teria um grande efeito em cima do tráfico de drogas. Mesmo em nossa cidade, exígua e interiorana, apenas a observação já garante que o negócio da droga funciona em cima de substâncias como cocaína e crack, com a maconha sendo um longínquo e solitário terceiro lugar. 3) Uma democracia saudável se vale de um esforço coletivo para a a garantia de liberdades civis. Porém, nada que exista pode se furtar do escrutínio da opinião pública. Legalizar a maconha no “tapetão”, como medida populista, seria ir de encontro com qualquer preceito democrático. Recentemente, um juíz de Brasília decidiu inocentar um traficante de drogas, sob a ideia de que a maconha é “recreativa”. O problema é claro: juízes não legislam, eles aplicam leis. Infelizmente, existe uma enorme promiscuidade no país, onde senadores passam julgamentos e juízes inventam leis baseadas naquilo que pensam pessoalmente. Em um cenário como este, toda e qualquer decisão precipitada pode acabar resultando em grande risco. 4) Legalizar a maconha não significa total liberdade de consumo. Nos estados americanos onde a mesma foi legalizada para fins recreativos, existe uma série de regras bem específicas que acabam por jogar a maconha em uma área cinzenta. No Colorado, empresas privadas seguiram a proibir o consumo de maconha durante o turno de serviço, claro, mas caso apareçam traços da substância em exames surpresas,o funcionário será despedido, por ter fumado fora do serviço. Principalmente: as pessoas não podem fumar em público. A “anistia” da maconha só existe para lugares privado; os americanos que consumirem em locais públicos estarão sujeitos à prisão. E apenas alguns bares e estabelecimentos permitem o consumo em suas dependências. Se você achava que, em lugares onde a droga é legal, as pessoas podem sair para a rua e fumar à vontade, como cigarro, você está totalmente enganado. Maconha nunca será tratada como o cigarro, por mais que o cigarro, em termos de saúde, faça muito mal. 5) Legalizar consiste em tributação. Se hoje você paga R$ 5,00 por uma trouxinha, saiba que a maconha legalizada terá um aumento brutal. Caso você possa pagar, tudo bem. Para quem não pode, o tráfico ainda estará lá pois todo o sistema internacional do crime continuará operando. O cigarro, recentemente, sofreu sonoro aumento na carga tributária, medida do governo paternalista para diminuir seu consumo. Por mais que o Brasil não possua uma bancada conservadora sólida, a opinião pública é muito arraigada e o “debate moral” já acontece. Provavelmente, o governo taxaria radicalmente a maconha, dentro de algum tempo, para frear seu consumo. Isto implica em tornar a maconha artigo de luxo. Será que todos os consumidores alvo poderão arcar com esta realidade?

3


4 geral

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

Alfaro

Alberto Amaral

Bônus e ônus na administração pública II

C

Cemitério de Rio Grande é condenado a pagar multa por cobrança vexatória Justiça determinou que divulgar nome de falecidos com familiares inadimplentes no pagamento dos jazigos é abuso e retaliação MATHEUS MAGALHÃES

da inclui que a cobrança através das páginas do jornal configura como uma "verdade represália" aos inadimplentes, agindo com "excesso e intolerância", excedendo os direitos coletivos previstos por lei. A Vara decidiu, por unanimidade, que o Cemitério da Santa Casa era culpado por crime de cobrança vexatória. Como condenação, foi aplicada uma multa de R$ 5.000 a ser depositada no Fundo Municipal de Defesa do Consumidor.

Foto: Divulgação

Q

uando nossos parentes falecem, fazemos questão de lhes prestar as últimas honras através de um enterro com dignidade. Para tal, pagamos por um espaço em um cemitério, a fim de manter os restos de nossos entes queridos resguardados, mantendo viva a memória. Porém, infelizmente, o aluguel deste espaço que, em nossa cidade, é de responsabilidade da Santa Casa do Rio Grande, pode ser afetado por práticas que ferem o bom senso e a dignidade. Tal foi o caso de nosso cemitério, que utilizou um importante veículo de informação rio-grandino para divulgar o nome de pessoas falecidas as quais os responsáveis estavam em dívida com o pagamento dos jazigos. A prática foi apontada como ilegal pelo Ministério Público e uma apelação cível junto à 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, ajuizada na comarca

ainda em 2009. José Alexandre Záchia Alan, Promotor de Justiça de Rio Grande, considerou a prática inusitada e condenou-a como ilegal, sendo um tipo de cobrança que causa o constrangimento público, através da difamação do nome de pessoas que nem mais vivas estão. Cobrança vexatória O julgamento, que ocorreu em janeiro deste ano, incluiu em sua ementa alusão ao artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor que prevê que, na cobrança de débitos "o consumidor inadimplente não será exposto ao ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça". O artigo 27 do mesmo documento prevê um prazo de cinco anos, a partir da notificação judicial, para a reparação de danos causados por qualquer dano ao consumidor previsto no código. A ementa ain-

Demora Apesar de estar dentro do tempo previsto na lei, o julgamento levou cinco anos para acontecer. Com a ação ajuizada pelo MP em 2009, apenas neste ano houve satisfação por parte da justiça a uma denúncia grave. As pessoas que foram lesadas pela situação, infelizmente, já passaram a vergonha e talvez nem esperassem que tal julgamento viesse um dia a acontecer. Záchia Allan, em seu blog pessoal, comentou sobre o atraso: "O Poder Judiciário flerta há muito tempo com uma crise enorme. Não será, certamente, crise de moralidade como sofre o Poder Legislativo ou de eficácia como sofre o Poder Executivo, mas crise de eficiência". Apesar da sentença, a decisão ainda não é definitiva e cabe recurso por parte do Cemitério de Rio Grande. Os familiares dos falecidos que tiveram seu nome exposto têm um ano para procurar o Poder Judiciário, por meio de advogado pessoal ou Defensoria Pública, para receber indenização proveniente do resultado da condenação.

ada vez mais os partidos políticos estão encontrando dificuldades em completar suas nominatas para os cargos tanto executivos como legislativos. O que se constata é a repetição de nomes e a identificação destes com corporações e segmentos econômicos. Muitas vezes injusta e generalizada, essa verdadeira xenofobia com relação a todos que ocupam cargos públicos, tem restringido a participação da cidadania, consolidando a expressão pejorativa e odiosa: “mudam as moscas...”. Sobre esse tema, Martin Luther King resumiu numa frase o que, infelizmente, ainda vivemos na nossa sociedade: “O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”. Na cidade do Rio Grande estamos sob uma nova administração há 390 dias, tempo mais do que razoável para começarem as cobranças. Os descontentamentos e as reclamações com relação à apatia e inapetência dos atuais gestores são crescentes. Até questões nebulosas vão ficando sem resposta, aumentando o desconforto e desconfiança da cidadania. Pasmem, estamos em fevereiro e ainda não foram sanadas questões do carnaval de 2013, pior, pouco ou nada se sabe sobre o evento previsto para 3 e 4 de março próximo. Independente de quem votamos, temos a exata consciência de que urgem medidas em algumas áreas estratégicas como limpeza urbana, trânsito e obras paradas, para não falar em questões graves como saúde e segurança, que tem também outros responsáveis a nível de Estado e Federação, que se agravam com o tempo. Reitero que se impõe uma agenda positiva de verdade, negociada com outros interlocutores, já que esses arranjos eleitorais têm se mostrado incompetentes em termos de propostas e resolutividade. A simples troca de seis por meia dúzia, tem se caracterizado numa verdadeira “dança das cadeiras”, tirando um daqui e pondo lá sem critérios razoáveis de aptidão ou capacidade para enfrentar os desafios cada vez maiores e crescentes. Como exemplo, relato uma sugestão que dei quando o Governo do Município completava 90 dias, com relação ao aspecto de abandonado e sujo do nosso centro da Cidade, onde moro e trabalho. Além de transformar-se, cada vez mais, num esgoto a céu aberto por incapacidade e desídia da Corsan, continua premente a substituição desses vergonhosos conteineres, que aos pedaços, de há muito perderam a sua finalidade. Registro, a bem da verdade, que a sociedade muito tem contribuído para esse emporcalhamento, colocando objetos e detritos proibidos nos conteineres e ao lado deles, além da falta de fiscalização da Prefeitura e denúncia de quem vê e simplesmente vira as costas. Uma blitz na Avenida Dom Pedro II, entrada oficial do único porto marítimo do Estado foi sugerida por este colunista há 12 meses, independente de responsabilizações sobre o não andamento das obras ali em curso. Dias atrás recebemos turistas europeus que estavam a bordo de um suntuoso cruzeiro, imagino que impressão levaram da Cidade berço da civilização gaúcha. Como comunicador, contribuinte e cidadão, tenho tido a melhor das boas vontades com os atuais dirigentes municipais, tanto que tenho perseverado em divulgar as ideias e demandas que diariamente chegam até os veículos onde atuo, e dos mesmos continuo aguardando um gesto nobre e de grandeza de poder colher opiniões e sugestões com humildade, visto que foram eleitos para fazer o que precisa ser feito, independente de grupos de apoios e ideologias. O ônus de quem administra o que é publico é imensurável, pela cultura, conforme expus acima, e, também, pela incapacidade natural do atendimento de todas as demandas, cabendo-lhes escutar à exaustão todos os segmentos e decidir com razoabilidade. Não ficando refém de acertos políticos para o preenchimento de cargos, menos ainda de promessas eleitorais, nem sempre exequíveis, nem sempre prioritárias.

Alberto Amaral Alfaro Advogado, Empresário e Corretor de Imóveis.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

GERAL 5

Festa de Iemanjá e o debate sobre o meio ambiente incendeia redes sociais Quantidade de lixo despejada na praia causa descontentamento de veranistas e moradores MATHEUS MAGALHÃES

Foto: Divulgação

U

ma forte reclamação dos moradores e veranistas que estão no bairro-balneário Cassino pôde ser ouvida, através da plataforma das redes sociais. Após a tradicional Festa de Iemanjá, em sua 39ª edição, a praia do Cassino permaneceu lotada de entulhos deixados pelos fiéis, tanto aqueles jogados para o mar quanto deixados pela orla, durante todo o domingo. A limpeza, que reuniria diversos agentes da Prefeitura e começaria bem cedo, parece não ter dado conta da quantidade enorme de lixo largado pela praia. Segundo informações liberadas pelo Executivo no dia da festa, 70 operários seriam convocados para o recolhimento dos resíduos, que começaria às 7h e terminaria 10h30. Porém, pessoas relataram que era possível encontrar muito lixo, trazido pelas ondas do mar para a orla, na tarde do domingo. É bom lembrar que, por maior o efetivo destacado para a limpeza, uma festa que reúne 100 mil pessoas produz uma quantidade de lixo enorme, na orla da praia, nas ruas do bairro-balneário e no tradicional campo em frente à estátua de Iemanjá, que abriga as pessoas que vêm acampar na espera pela festa.

Bom Senso

Defensores do meio ambiente reclamam da agressão causada pelo despejo de lixo que, de certa forma, é inerente à própria natureza da festa, já que oferendas e figuras religiosas são despejadas no mar e este material, além de poluir a água, acaba retornando para a orla. Porém, é difícil exigir uma to-

tal limpeza no dia seguinte, com a eliminação total de toda a quantidade de resíduos. Neste sentido, impera o bom senso; o “pós-festa” é, dificilmente, um bom dia para ir à praia. Deixemos que as pessoas que vieram para o Cassino com o intuito de pregar sua fé utilizem o espaço, afinal, são apenas dois dias de quebra da normalidade e ainda restam dois meses de praia, sol e diversão.

Verão, calor e abuso são a fórmula dos temidos apagões da energia elétrica Na última terça, milhões de brasileiros ficaram às escuras por problemas na rede elétrica MATHEUS MAGALHÃES

O verão 2014 está castigando os moradores da metade Sul do Rio Grande do Sul. Há poucos dias atrás, uma associação internacional que mede as temperaturas mundiais alertou que o Rio Grande do Sul, durante um relativo período, estava entre as áreas mais quentes do planeta, ficando atrás de áreas secas e de deserto do Oriente Médio. Normalmente, nosso Estado é o mais “frio” do país, o que acaba chocando ainda mais, se comparado ao fato de que, tradicionalmente, o calor maior se concentra no Nordeste brasileiro e em áreas adjacentes. Dado este cenário, o gaúcho vem se virando como pode para lutar contra o calor extremo. Para tal, os ventiladores e ares condicionados são uma “salvação da lavoura” para quem busca fugir das

altas temperaturas. Porém, o consumo de energia elétrica, que bate todos os recordes históricos, pode acabar cobrando seu preço. Recentemente, apagões deixaram diversas cidades do País às escuras. Seis milhões de pessoas ficaram sem luz durante horas a fio. 396 mil delas estavam no Rio Grande do Sul, divididas em 11 municípios. Apesar de ter durado apenas um dia, os apagões ligam uma luz vermelha. Um dia antes deles, que aconteceram no último dia 4, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou que havia risco zero de faltar energia no país, quando perguntado sobre a falta de chuvas e queda de nível dos reservatórios das hidrelétricas. De acordo com levantamento do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), as duas principais hidrelétricas, responsáveis por 70% de toda produção de energia do país,

estão com os reservatórios com armazenamento médio de 39,98%. De acordo com especialistas, o Governo Federal vem estimulando um consumo totalmente irresponsável de energia elétrica, através de isenções fiscais para o estímulo do consumismo de fora geral e da falta de campanhas para educar a população sobre os perigos e do fato de que a produção de energia elétrica não dá conta do atual nível de demanda. Rio Grande sofreu com diversos apagões setorizados nas madrugadas de janeiro. Apesar de, de acordo com a CEEE, não serem resultado direto dos problemas nacionais, já deram à população o terrível gosto amargo de ficar sem energia durante horas, com o calor lá em cima. É hora de abrir os olhos para a realidade dos apagões por falta de energia produzida.


6 geral

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Carnaval 2014: uma retrospectiva dos fatos que marcaram a folia do ano passado

E

RODRIGO DE AGUIAR

stá chegando a hora das escolas de samba do Rio Grande levar para avenida o trabalho desenvolvido durante um ano inteiro de preparação. Nesta época do ano, os ensaios nas quadras e a expectativa de dirigentes e integrantes aumentam cada vez mais e a torcida é para que em 2014 os episódios vividos no ano passado nem passem perto desta edição. A folia de 2013 era para ser um marco positivo no carnaval rio-grandino. Pela primeira vez, a festa popular foi realizada fora de época em uma tentativa de atrair o público do Carnaval do Cassino, que em anos anteriores trocava a festa no centro pelo agito da folia cassinense. Também em uma tentativa de atrair o público, a Liga de Entidades Independentes de Escolas de Samba do Rio Grande confirmou a participação do cantor Neguinho da Beija-Flor,com a divulgação de apresentações do artista nas duas noites de desfiles dos grupos de Acesso e Especial, um grande nome do samba brasileiro que abrilhantaria ainda mais o trabalho das entidades rio-grandinas. Acontece que nem tudo foi conforme o planejado. O desfile do Grupo de Acesso sofreu um atraso em virtude de um acidente com o carro que transportava os jurados e o cantor também chegou atrasado ao sambódromo, gerando muita discussão entre os envolvidos. A noite do desfile das escolas do Grupo Especial foi marcada por muitos atrasos, principalmente de Neguinho da Beija-flor, que chegou ao local da apresentação uma hora depois do acertado. Com isso, o cronograma das escolas de samba foi alterado e os desfiles que estavam previstos para serem concluídos ainda na madrugada avançaram pela manhã e a última entidade a desfilar, a Unidos da Rheigantz, passou pela passarela às 9h da manhã de domingo, o dia da suposta apuração. A madrugada de sábado para domingo foi considerada tensa. A escola de samba Unidos do Mé atrasou a sua entrada na passarela em mais de trinta minutos, o motivo foi um problema em um dos pneus do carro abre-alas, que desfilou na base do esforço de seus integrantes.

Dirigentes da Unidos da Rheigantz corriam de um lado a outro do Centro de Eventos para providenciar alguma forma de levar os destaques dos carros alegóricos até suas devidas posições, pois a empilhadeira, contratada para fazer este serviço, tinha o contrato até às 3h da madrugada. Os atrasos acabaram causando prejuízos para as agremiações, principalmente no contingente de pessoas, que foi diminuindo à medida que os desfiles iam atrasando e os integrantes tinham de trabalhar no dia que começava a raiar. Com os desfiles de uma maneira ou outra encerrados, a expectativa girava em torno da apuração dos votos dos jurados, que apontariam as entidades campeãs e aquelas que estariam ascendendo ao Grupo Especial de 2014. Inicialmente marcada para começar às 15h, a única movimentação que se viu no sambódromo foi a de funcionários, que começavam a desmontar as estruturas utilizadas pelo público, imprensa e autoridades locais durante as apresentações.Após alguns minutos, membros das entidades carnavalescas começaram a chegar e não acreditavam no cenário que estavam vendo: o local destinado para a divulgação dos resultados estava vazio e não apresentava sinais de que a situação seria modificada.

de La Rocha Ique

Camarão – A safra do camarão não será, ao que tudo indica, farta como em outros anos, mas o crustáceo está sendo comercializado na cidade e região. Na volta do mercado pode ser encontrado a R$ 15 com casca e R$ 32 sem casca. Frito com casca é ótimo para aperitivo, mas camarão é bom de qualquer jeito: com arroz, com massa, à baiana, em pizza, em pastel, como tira-gosto, como acompanhamento de peixes e outros. Para quem não sabe, o camarão da nossa Lagoa dos Patos é considerado um dos mais gostosos do mundo. Dizem que só perde para o da Tailândia. Bauru de camarão – Uma dica para quem gosta de camarão e de lanche como eu. Não sei se ele vai fazer este ano, mas na época da safra, o Serginho Lanches, situado na rua Dom Pedro I (Cidade Nova), entre Portugal e Mauá costuma fazer um excelente bauru de camarão. Ele não economiza e é excelente, por isso merece esse comercial. Praia da Capilha – Uma dica diferente para este verão é curtir a bela Praia da Capilha, na Lagoa Mirim. Fica no Taim e aos domingos tem recebido cerca de duas mil pessoas. O rio-grandino precisa conhecer a sua terra, mas pelo visto muitos já descobriram essa praia na região de Delamar Mirapalheta. Prefeito – Horário de verão na Prefeitura é para algumas secretarias, mas o prefeito Alexandre Lindenmeyer (PT) não para, às vezes nem para o almoço. O trabalho inicia às 8 horas e vai até à noite. Muito bem assessorado pela também incansável Simone, que cuida da agenda do Chefe do Executivo. Estive lá na segunda e encontrei o vereador Charles Saraiva (PMDB mais esbelto do que nunca. Petrobras – Reportagens sobre as dificuldades financeiras da Petrobras apontam como uma das causas a construção de navios e plataformas no Brasil, que continuam saindo mais caras que no exterior. Penso que as coisas irão se acomodando com o tempo, mas precisamos ficar atentos. Nossos estaleiros no Brasil terão de ser mais competitivos e mais pontuais nas entregas. Futebol – Na véspera da estreia, disse que seria uma façanha o São Paulo vencer ao Juventude em Caxias do Sul e ela aconteceu. Espero uma sequência de jogos para mudar minha opinião que, de início, era pessimista. Escrevo antes do jogo de quinta, mas minha torcida agora é para que eu morda a língua do que vinha comentando anteriormente. Independentemente do resultado, a torcida tem de continuar lotando o Aldo Dapuzzo. Importante colaboração - O São Paulo está contando com o apoio de gente importante da nossa sociedade. Quem sempre apoiou o clube por ser rubro-verde desde pequeno é Malte Carvalho, uma das lideranças do setor imobiliário do Rio Grande. O proprietário da imobiliária Liony Carvalho tem, inclusive, contribuído para facilitar a hospedagem dos jogadores de fora e mostra-se entusiasmado com seu time de coração em 2014. Carnaval Oficial de 2014 – Pelo visto ficou tudo para a última hora, de novo. Tem entidade que nem iniciou os ensaios ainda.

Com a demora cada vez maior e os ânimos exaltados, cerca de duzentas pessoas começaram a protestar e questionar onde estavam a urna e as notas dadas pelos jurados vindos de Porto Alegre. Ao longo deste período, representantes da Prefeitura e da Lieesa não foram encontrados para fornecer informações sobre o que realmente estava acontecendo.Sem receberem respostas, uma manifestação foi rapidamente organizada e trancou o trânsito na Avenida Rheigantz. Agentes da Secretaria de Trânsito buscaram controlar a situação, mas sem êxito. A Brigada Militar foi acionada para conter os ânimos, mas quando os policiais chegaram, os manifestantes estavam desbloqueando as vias e se dirigindo ao largo da Prefeitura, onde o prefeito Alexandre Lindenmeyer realizou uma reunião emergencial com os presidentes das escolas de samba. O chefe do Executivo comentou da importância da Liga para a realização do carnaval, mas disse que o controle sobre ela teria de estar dividido entre representantes de cada uma das escolas participantes. O ex-presidente da Lieesa, Sandro Borges, informou na época que a urna havia sido levada para Porto Alegre pelos jurados, não por falta de pagamento, mas sim pela falta de um local seguro para depositar os votos diante da ausência de policiais militares no segundo dia de desfiles. O presidente do corpo de jurados, Anderson Chagas, confirmou a informação dada pelo mandatário da Liga e disse ainda que a apuração não ocorreu pela falta de pagamento, apenas porque não havia ninguém para receber a urna com segurança. Naquela semana, supostas acusações de corrupção envolvendo o, na época, presidente da Liga, Sandro Borges, e o secretário adjunto da Secretaria de Município de Turismo Esporte e Lazer, Paulo Medina, foram levantadas. A mais relevante foi com relação à empresa responsável pelas estruturas das arquibancadas, o que gerou muita discussão sobre os valores cobrados pelo serviço de montagem das mesmas.

geral 7

Fotos: Divulgação

Promotor José Alexandre Zachia Alan

Atualmente, esse impasse ainda segue e com isso o evento de 2014 pode vir a ser prejudicado. Até agora as contas da folia do ano passado ainda não foram contabilizadas, e sem a resposta do Executivo sobre este assunto, um novo convênio para o repasse de verbas para a Lieesa não pode ser firmado. Nossa equipe de reportagem esteve nesta semana na sede do Ministério Público para conversar com o promotor José Alexandre Zachia Alan, para saber como anda a situação junto ao órgão fiscalizador da lei. O promotor de justiça explicou que, com relação ao carnaval do ano passado, já existe um procedimento investigatório sobre o repasse da verba e esta investigação só não chegou ao final em virtude de uma sindicância aberta pelo Município, que ainda não foi concluída. Até agora não há uma decisão sobre a correta utilização do dinheiro e esta falta de informação impede que o repasse de 2014 seja realizado para as agremiações participantes. “O entrave para o carnaval deste ano passa diretamente por essa morosidade na passagem das informações da contabilidade”, completou o representante do Ministério Público. Ainda segundo Alan, por um problema de informação, as prestações de contas das escolas de samba foram parar na sede do órgão, quando na verdade deveriam ter sido encaminhadas para a Procuradoria do Município. Este é setor competente para fazer a análise dos gastos, uma vez que foi o Município quem repassou a verba, cabendo ao Ministério Público apenas agir em caso de alguma irregularidade que pudesse ser encontrada.

Neguinho da Beija-Flor, atração do carnaval 2013

Sobre os demais assuntos, como o de um suposto pedido de propina, o promotor informou que estão sendo realizadas investigações, no entanto, informações sobre estes casos específicos ainda não podem ser repassadas para evitar que o procedimento seja prejudicado. O ex-presidente da Liga, Sandro Borges, disse que a prestação de contas do convênio firmado pela prefeitura com a entidade gestora do carnaval foi entregue para a administração municipal no dia 9 de maio do ano passado, o que lhe causa espanto o fato de até agora a prefeitura não conhecer este documento que inclusive foi protocolado na data citada anteriormente. Ainda de acordo com Borges, a prestação apresentada por ele foi entregue também, no mesmo dia, ao Ministério Público e ao Poder Legislativo, nos mesmos moldes da de 2012. Sandro disse também que causa-lhe espanto o fato da prefeitura municipal manifestar-se apenas agora, ou seja, nove meses após a entrega do documento no Gabinete, o que na visão dele parece ser uma tentativa de tirar a responsabilidade do Município e imputar tão somente a sua pessoa o ônus de responder pelos fatos. Para ele, a realização de um bom carnaval em 2014 passa imprescindivelmente pela quitação das contas de 2013. De outra maneira, seria impossível começar um novo carnaval de maneira exitosa. Nossa equipe de reportagem tentou contato com o na época secretário adjunto da Secretaria de Município de Turismo Esporte e Lazer, Paulo Medina, para saber dele como anda esta discussão junto à pasta e se existe alguma resposta sobre o impasse causado, no entanto não conseguimos obter resposta por parte desta secretaria.


8

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Gotas de Sabedoria Pastor Vilela

CHEGARÁS ATÉ ONDE A TUA VISÃO ALCANÇAR!

G

ên 15:1 Depois destas coisas veio a palavra do SENHOR a Abrão em visão, dizendo: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão. 2. Então disse Abrão: Senhor DEUS, que me hás de dar, pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer? 3. Disse mais Abrão: Eis que não me tens dado filhos, e eis que um nascido na minha casa será o meu herdeiro. 4. E eis que veio a palavra do Senhor a ele dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que de tuas entranhas sair, este será o teu herdeiro. 5. Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência. 6. E creu ele no Senhor, e imputou-lhe isto por justiça. Quando Deus envia uma palavra ao teu coração, Ele renova teu pensamento e te faz ver as coisas de sua perspectiva.... Em Isaías 55:8 diz: Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Quando te baseias apenas nos teus pensamentos, estás no nível da terra, mas quando recebes os pensamentos de Deus, sobes a níveis celestiais! Só então, verás o que Deus tem para ti!!! Em Juízes 6 Gideão está escondido em uma cova malhando o trigo num lagar. Estava com medo dos Midianitas, portanto era um MEDROSO!!! Os Midianitas eram descendentes diretos de Abraão por seu casamento com Quetura, após a morte de Sara (Gen 25:1). No cap.6:12 diz: Então o anjo do Senhor apareceu a Gideão e lhe disse: "O Senhor está com você, poderoso guerreiro". (Vers. Internac.) - O Senhor é contigo, homem valoroso. (Almeida Corrigida) - Jeová é contigo, valentíssimo varão. (Soc. Bíblica Britânica) - Deus muda o coração e a forma de pensar de Gideão!!! Notamos aqui que Deus está chamando um medroso de valente, valoroso e poderoso guerreiro. - A Igreja necessita ouvir a voz de Deus para sair da cova da Derrota!!! Deveríamos ler a bíblia diariamente, não só para conhecimento, pois de tempos em tempos, Deus nos marca uma palavra: RHEMA... Por isto, leiamos a Bíblia com EXPECTATIVA. Venhamos à Igreja com EXPECTATIVA; Em Joel 2:28 diz que nos últimos dias, derramarei do meu Espírito sobre todos os povos. Os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos, os jovens terão visões. Este é o Idioma de Deus: 1º PROFETIZAR / 2º SONHAR SONHOS / 3º VER VISÕES Ezeq 37:9 E ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize ao espírito: Assim diz o Senhor DEUS: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Notamos aqui que Enquanto Ezequiel não soltou a palavra as coisas não aconteceram! Ezequiel 37:7 diz: Profetizei, pois, como se me deu ordem. “Enquanto eu profetizava”, houve um ruído; e eis que se fez um rebuliço, e os ossos se juntaram cada osso ao seu osso. VAMOS TER QUE APRENDER A VALORIZAR A VOZ DE DEUS PARA MUDAR NOSSO CORAÇÃO E NOSSA FORMA DE PENSAR. Temos que aprender a ler a bíblia de uma forma diferente, não apenas para adquirir conhecimento mas para, com expectativa, buscar ouvir nela a voz de Deus para nossas vidas. Quando formos à Igreja portemo-nos com reverente expectativa para que possamos ouvir durante a pregação, a voz de Deus para as nossas vidas.

Com carinho Pr. Vilela da Costa

Depoimento de Vida - Viviane Mendes

TRASFORMAÇÃO DE VIDA E LIVRE DA MORTE! Cheguei na Igreja com a vida destruída! Não havia esperança de dias melhores. Não tínhamos paz, pois nem conseguia dormir mais. Sofria de uma depressão profunda, de muito tormento, onde tentei o suicídio por várias vezes. Na última vez, só não morri porque Deus tinha um plano na minha vida. Como das outras vezes tinha fracassado na tentativa de suicídio, então desta vez, me tranquei dentro de casa, esperei meus filhos irem para a escola, e coloquei fogo na casa. No desespero e na demora da morte, no meio das chamas peguei uma faca e me encravei várias vezes no corpo, onde carrego até hoje as cicatrizes dos ferimentos e das queimaduras. Meus vizinhos me retiraram de dentro da casa desacordada. Através de uma amiga que, vendo todo o meu sofrimento, cheguei a um encontro verdadeiro com Jesus.

Hoje estou 100% recuperada, tenho muitas bênçãos recebidas, tenho paz interior e tenho forças para lutar. Hoje estou também livre das drogas, cigarro e bebidas, e o melhor de Deus foi me devolver minha vida e voltar a sonhar. Hoje trabalho como colaboradora no Ministério Cristo Vive Rio Grande, juntamente com meus filhos. Nosso sonho hoje é ser cada vez mais usados por Deus para salvar aqueles que estão perdidos nas drogas, assim como um dia eu estava e fui salva em nome de Jesus. Queremos junto com o Pastor Vilela e a pastora Celenita ser fonte de avivamento nesta cidade. Temos o maior prazer em ajudar as pessoas fazendo parte da equipe de voluntários dos Prs. Vilela e Celenita Costa.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

Temporários

D

urante algumas épocas do ano, as empresas fazem contratação de mão de obra temporária para suprir um aumento de demanda específico. Por exemplo, Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e, o mais próximo do calendário, Páscoa. Tanto lojas que vendem as delícias de chocolate têm sua clientela aumentada, quanto as próprias fábricas também precisam de mais ajudantes para produzir o produto. Mesmo que você esteja procurando uma oportunidade efetiva, vale a pena dar uma olhada com carinho nas vagas temporárias. Elas podem ser a abertura para atuar em alguma área diferente da sua, porta de entrada para que uma empresa conheça o seu trabalho, oportunidade para estar atuante no mercado, a chance de aprender coisas novas, de ganhar um dinheiro extra, conquistar o primeiro emprego, reinserir-se no mercado de trabalho após um tempo fora, etc. Muitas empresas utilizam esses períodos de vagas temporárias também como um momento de vitrine. Aproveitam para observar os funcionários do período para ver se existe algum talento entre eles. Por isso, mesmo que não exista, a princípio, chance de

efetivação, esta possibilidade pode surgir se o colaborador se destacar e mostrar um excelente desempenho. Mesmo que não haja espaço para mais alguém na equipe naquele momento, com certeza seu nome ficará guardado para uma futura vaga. Além do mais, hoje em dia é difícil que uma empresa queira dispensar um funcionário talentoso e motivado. Por isso, veja com bons olhos essas vagas! O seu papel será dedicar-se e mostrar a sua capacidade no tempo disponível. Seja um funcionário atento, aprenda rápido o serviço, mostre-se agradável com clientes, dinamismo é uma competência valorizada e, mais importante, comprometimento. Mostre que está engajado com a empresa mesmo que temporariamente e que está motivado. Para saber a maneira ideal de se comportar para conquistar uma oportunidade efetiva, faça um exercício mental para se preparar Pense se você fosse o líder da equipe ou o proprietário da loja ou da fábrica onde você vai trabalhar, qual o comportamento que esperaria dos colaboradores? Que apoio precisam? Que atitudes são necessárias para dar conta do trabalho proposto? Responda a essas perguntas com sinceridade para você mesmo e mãos à obra!

9


10 PRINCIPAL

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Um meio ambiente que não fala, mas grita Pouco lembrado pela população, o meio ambiente grita pela conscientização de cada um em prol do futuro

A

educação ambiental parece não ter a mesma importância de temas como a segurança e a saúde pública, por exemplo. O trabalho desenvolvido já há quase 30 anos na cidade, pelo Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (Nema), luta para seguir defendendo o assunto e mostrar a sua importância. Enquanto isso, as mudanças já estão evidentes. Enquanto capitalismo e meio ambiente travam batalhas, o Nema tenta alertar a população sobre as mudanças que já ocorreram ao nosso redor. A geógrafa e doutora Carla Crivellaro trabalha há 22 anos na associação, que não possui fins lucrativos e tem seus recursos para projetos oriundos de órgãos públicos e privados por meio de editais. Ela participa da execução de muitos desses projetos relacionados à educação ambiental, conservação e gestão. Para ela, os problemas de discordância entre o desenvolvimento e a natureza começam em cada um: “O apelo capitalista está cada vez mais avassalador, suas manifestações estão voltadas para apelos de melhor qualidade em morar e cada vez mais o que importa é o Eu e não o Nós”. Carla, que colabora com diversas oficinas promovidas pelo Nema, acredita que “o processo de conscientização é longo e depende de cada um”. Indo mais longe, ela destaca a multidisciplinaridade que envolve o assunto. “A sustentabilidade ecológica é também sustentabilidade ética, estética, cultural”, afirma. E para salvar o futuro, nada melhor do que ir diretamente nele: as crianças. É justamente com elas que o Nema tem trabalhos especiais, buscando levar a elas cada vez mais uma percepção crítica das questões ambientais. Conscientizar as crianças, aqueles que ainda estão formando o seu pensamento quanto ao mundo, pode tornar-se uma boa estratégia. Na década de 70 e 80, a realidade era outra. “Não havia essa abordagem na mídia, na escola, nos espaços de trabalho, isso é novo”, comenta Carla sobre as décadas passadas e os reflexos disso nos adultos que hoje apresentam dificuldades em se preocupar com o meio ambiente. Porém, ela ressalta que o próprio Nema surgiu na década de 80 por estudantes de Oceanologia, preocupados com a situação ambiental no Município. E quais as consequências de ignorar o meio ambiente? Manter o ecossistema da cidade o mais inalterado possível é o objetivo do Nema e de todos os envolvidos. Para tornar o assunto mais real, próprio do dia a dia, basta pensar nas atuais ondas históricas de calor que estão acontecendo na região. Tudo está relacionado ao cuidado do ser humano com a natureza.

Camila Costa Fotos: Divulgação

Quando se fala em conscientização ambiental também se está falando de ações práticas, como separar o lixo orgânico em casa, não sujar ruas e calçadas e economizar água. Na Praia do Cassino, a urgência de proteção ambiental se faz presente: as dunas são responsáveis por proteger as construções da ação do mar. Com um ecossistema rico de uma vegetação diversificada e rota migratória, principalmente para aves, há pontos da cidade que exigem atenção especial. As ilhas, riqueza natural do Rio Grande, também estão no radar ecológico do Nema. Para preservá-las, é preciso ser incansável. “É necessário esforço conjunto, da sociedade civil, poder público e órgãos de fomento. Uma das estratégias de conservação é a criação de Unidades de Conservação como, por exemplo, a Lagoa Verde, o Refúgio da Vida Silvestre, que por meio dos seus planos de manejo irá estabelecer as diretrizes e orientar e as ações de uso e isolar algumas amostras representativas dos ecossistemas”, explica Carla.

A cidade já sofre hoje em dia com o descaso da própria população. Carla cita as mudanças mais significativas que se teve ao longo do tempo: o crescimento desordenado, a fragmentação dos ecossistemas, a introdução de espécies exóticas, o declínio da pesca, a falta de saneamento básico, o descumprimento de políticas públicas. Acostumada a lidar com o tema, ela prefere ser realista quanto às consequências desse descaso. “As consequências são as piores, pois, se a qualidade ambiental piora, piora a qualidade de vida da sociedade”, associa ela. Recentemente, a polêmica da construção de novos empreendimentos na Praia do Cassino colocou defensores ambientais, poder público e empresários em um verdadeiro jogo de xadrez: cada um queria a sua vitória. Quanto a isso, a geógrafa argumenta que, apesar da abertura do espaço para debate público, a alteração do Conselho Gestor sem a consulta da comunidade causa frustração. “Uma pena, acontecer essas decisões arbitrárias em tempos democráticos acaba afastando a comunidade da participação em outras decisões”, lamenta. Para seguir na tarefa de proteger e conservar o meio ambiente, Carla afirma que o Nema procura trabalhar forte com as comunidades. Segundo ela, “a educação é o meio mais eficaz e toda educação deve ter a dimensão ambiental como meio para essa nova concepção da realidade”. E quando fala dessa nova concepção de realidade, Carla é exata na sua definição: “um planeta vivo, que respira e interage”.


Especial


Editorial Uma casa bonita, quem não quer? Foi partindo desse princípio que começamos a traçar o projeto Casa & Design, um caderno que lançamos hoje, com muito empenho, dedicação e principalmente certeza de estar oferecendo aos leitores do nosso Folha Gaúcha um produto diferenciado, com informações, tendências e orientações dos mais renomados profissionais da área. O caderno vem com objetivo de preencher uma lacuna existente na cidade já que os rio-grandinos estão cada vez mais exigentes e buscando, além da qualidade, a beleza e o requinte para as suas casas. Da construção ou reforma à decoração, muitas são as opções que o nosso mercado oferece. Agora é seguir as dicas e buscar o produto certo no lugar certo. O caderno desta semana traz informações sobre acabamentos e as novidades no mercado em fechaduras, portões , telhas , estofados e espaço pra tornar seus ambientes mais aconchegantes e confortáveis. Um grande abraço a todos e até o segundo sábado de Março.

2

Foto: Divulgação

Loja Telhas e Pedras

Fotos: Divulgação

Referência na comercialização de materiais de revestimento Rodrigo de Aguiar

Expediente:

Diagramação:Jairo Lopes e Willian Ramos

Jornalista e colaboradores:Wanda Leite,Deise Mattoso, Camila Costa, Rodrigo de Aguiar e Thais Salomão

Trabalhando há 18 anos com as marcas Icetec, Cláudio Vogel, Sartori Pedras, Basalto Trevisan, entre outras, a loja Telhas e Pedras figura no cenário rio-grandino como umas das principais fornecedoras de telhas e revestimentos para obras de todos os tamanhos, na cidade do Rio Grande, e há três anos mantém sua sede na Avenida Itália, onde também comercializa outros produtos do setor. De acordo com o proprietário do estabelecimento, Arli Luiz Caumo, o trabalho iniciou de porta em porta. De posse das informações dos produtos mais adequados para cada construção, o empresário visitava obra por obra da cidade e apresentava aos seus responsáveis os diferenciais desses produtos, prestando junto a isso um serviço de consultoria, tornando-se um grande nome neste ramo da construção. Durante quinze anos, esta rotina se repetiu, até que as empresas fornecedoras do material o orientaram a criar um espaço adequado para o atendimento de seus clientes e estoque desses materiais: estava surgindo neste momento a loja Telhas e Pedras. De acordo com ele, 2013 foi um ano marcado por vitórias: a empresa comemorou a marca de chegar ao segundo ano consecutivo como lider de vendas no estado, a que mais comercializou as telhas produzidas pela marca Icetec e tudo isso pode ser facilmente explicado pela qualidade empregada na fabricação deste material. As telhas da marca Icetec são uma das poucas a possuírem certificado de garantia pelo Inmetro, o que acaba por atrair ainda mais a atenção dos clientes, que optam por produtos qualificados na hora de construir ou reformar a cobertura de suas residências. Além disso, a empresa trabalha também com churrasqueiras um tanto quanto diferenciadas, o grande diferencial desta churrasqueira para as demais que normalmente conhecemos é com relação ao material utilizado em sua fabricação: Arli contou a nossa reportagem que ela é composta basicamente por pó de pedra moída e cimento, se diferenciando completamente das tradicionais. O cliente que quiser conhecer o estoque de produtos pode ir até a loja a qualquer momento, pois os materiais estão à disposição e a maioria deles podem ser encontrados à pronta entrega. Alguns mais sofisticados, como por exemplo, a telha de vidro, deve ser encomendada e em um tempo inferior a uma semana estão sendo entregues para o comprador. Também são comercializados diversos acessórios, entre eles mantas térmicas, e uma grande quantidade de Pedra Palito, utilizada geralmente para acabamentos de lareiras, churrasqueiras e paredes. Para desempenhar um melhor atendimento dos clientes, o empresário procura realizar treinamentos e comparecer a eventos voltados ao setor, o que justamente irá acontecer no meio do ano, quando Arli e sua equipe irão participar de uma feira nacional, onde serão expostas as últimas novidades que tão logo estarão no mercado à disposição dos interessados.

3


Tradição aliada à tecnologia Com mais de 40 anos na cidade, loja traz produtos inovadores e com design moderno para a sua casa A mais antiga casa de fechaduras da cidade não deixa a idade pesar. Administrada atualmente por Telmo Rodrigues, a Casa de Fechaduras Vicente foi fundada em 1970, pelo seu sogro, Ricardo Vicente. Embora o tempo passe, o local está atento às novidades e demandas do mercado, especialmente em um momento propício à construção civil. Entre os produtos inovadores que estão em alta, Telmo destaca a barra antipânico e as molas hidráulicas. Mas a grande atração tecnológica é mesmo a fechadura biométrica. Trabalhando com o produto desde o meio do ano passado, Telmo diz que ainda não houve procura, mas que o produto é tendência para quem busca última geração até na hora de construir. Dispensando o uso da chave, a fechadura biométrica realiza reconhecimento digital ou ainda pela íris do olho, protegendo ainda mais você e a sua família, além de possuir um design diferenciado.

Sofás e poltronas

uma combinação perfeita

Deise Mattoso

Camila Costa

Para quem está construindo ou reformando, o mais indicado, segundo Telmo Rodrigues, é o “kit 3 em 1”, composto por três fechaduras que abrem com a mesma chave, chamada de “tetra”. O kit bivotante também está entrando na moda: além de uma aparência mais sofisticada, oferece mais segurança e facilidade na abertura de portas. Entre outros serviços, a empresa trabalha ainda com atendimento a domicílio. “Atendemos em casa, é um dos nossos grandes diferenciais, e somos a única loja na cidade especializada em fechaduras”, garante Telmo. No local também podem ser encontradas dobradiças, trincos, cópias de chaves e outros serviços. Como diz Telmo, “tudo o que envolver fechaduras”.

Na hora de compor a decoração da sala, a preocupação maior acaba sendo a escolha do sofá e da poltrona, uma parceria que precisa ser bem sucedida.

Geralmente, um é mais discreto, enquanto o outro nem tanto. Coordenar as formas e padronagens é a garantia de um visual perfeito, a harmonia vem do jogo de proporções. São inúmeras as combinações possíveis, como o receptivo e o versátil, onde a definição de móvel espaçoso fica com o sofá. Para fazer a melhor escolha é importante lembrar que, se um apresenta cores perenes, o outro não precisa de tons vibrantes ou estampas da moda. Diferenças conciliadas geram resultados surpreendentes.

Com planos de expandir tanto em estrutura física quanto nas plataformas digitais, a loja exalta o seu passado, que começou com um marceneiro atendendo a insistência para trabalhar com chaves, e pensa sempre adiante. Seja no orgulho da tradição ou nas fechaduras biométricas, a Casa de Fechaduras Vicente é a porta ideal para o seu problema com fechaduras.

5

5


Tendências

da construção à decoração Deise Mattoso

Engana-se quem pensa que o termo “tendência” aplica-se ao mundo da moda. Hoje ele é frequentemente utilizado quando se fala em casa, da construção à decoração. Saiba então o que vem ganhando destaque para as próximas temporadas.

Decoração

Tal como em muitas áreas onde a beleza e a harmonia são essenciais, na decoração, a cor e as peças utilizadas têm de combinar. O xadrez volta a estar na moda. No próximo ano, este padrão será usado nos mosaicos do chão, no forro das cadeiras, nas toalhas e cortinados, nas almofadas e até no próprio tecido de sofás. As cabeceiras de camas também começam a aparecer com força na decoração dos quartos. A nova tendência é mandar fazer uma cabeceira forrada como quiser, de maneira a combinar com as cores e o estilo usado nessa divisão. A simplicidade também está aí para ficar. Decoração baseada num design minimalista, em que se projeta beleza sem, no entanto, se exibir. Outra tendência marcante para o próximo ano será uma decoração urbana, mas com padrões e cores mais tradicionais. Desta junção de estilos resulta uma decoração arrojada, mas com sensações familiares.

Jardinagem

Vale misturar texturas naturais e sintéticas, e não pode faltar cor, já que todos os tons fazem parte de nosso DNA, para equilibrar a mistura, o ideal é optar por uma base neutra, com madeira, cimento, fibra e muito branco.

6

Revestimento Cerâmico

Os pisos e revestimentos são os que devem ser escolhidos com cuidado e atenção, pois exigem qualidade, garantia e durabilidade. Além da qualidade, eles devem ser bonitos e modernos. Os novos modelos vêm com laminado ou vinílico em texturas, lâminas e tons da madeira, porcelanato com alto brilho, pisos que imitam madeira com arremate vintage, acetinado ou inspirados em materiais naturais. O destaque fica para os ladrilhos hidráulicos com padronagens nostálgicas que imitam o patchwork.

Móveis

Para 2014, o clássico, por exemplo, está de volta. Aqui entram móveis com inspiração vintage e muitos detalhes rebuscados, como os arabescos. A transparência também está em alta para 2014. Para investir nessa tendência, móveis para casa com detalhes de vidro e acrílico são os mais indicados. Outra forte tendência é a mescla do rústico ao moderno. Já no quesito cores, o berinjela e violeta são as grandes apostas para 2014.

7


A cada dia que passa, o metro quadrado se torna cada vez mais caro, o que tem feito as construtoras aproveitarem ao máximo a área de seus empreendimentos, e crescer a demanda por móveis ergonomicamente mais bem planejados. Dentro dessa mesma tendência, os fabricantes de colchões vêm aumentando o seu mix de produtos no intuito de facilitar a vida das pessoas, e aproveitando cada centímetro dos quartos. Vários produtos foram desenvolvidos, como por exemplo, os Box com cama auxiliar, fazendo com que um quarto, muitas vezes extremamente pequeno, se torne um cômodo para duas pessoas. Outro produto que vem chamando a atenção dos consumidores é a cama tripla, que, em um elemento só, oferece colchão, cama auxiliar e baú, podendo, além de acomodar confortavelmente duas pessoas, ainda guardar cobertores, lençóis ou até roupas.

PERSIANAS

Harmonia para a sua decoração Fotos: Divulgação

Como ganhar espaço no quarto? Uma inovação que está chamando a atenção dos consumidores são as camas baú. Com um espaço interno amplo, elas podem até suprir a falta de um guarda-roupas no quarto. Além de todos esses benefícios, elas podem, ainda, ser um item de decoração, pois lojas, como a Beden Sleep Comfort, oferecem a opção de personalizar o baú, com uma grande variedade de tecidos, como sued ou chenile. Revestido em várias tonalidades, faz com que o quarto ganhe muito em requinte. Vale lembrar que, na hora de adquirir sua cama baú,

8

você deve ter uma atenção especial a alguns itens, tais como a qualidade da madeira usada na fabricação da estrutura, pois uma madeira de baixa qualidade pode fazer com que esse baú acabe se desestruturando rapidamente. Outro fator importante é quanto ao revestimento, pois se for todo fechado, pode fazer com que os itens dentro dele mofem, sendo assim, o ideal é que o baú seja revestido só com tecido, sem ter madeira em sua volta, mas o fator mais importante é quanto ao sistema de articulação. Os sistemas mais adequados são os de molas, pois além de ficarem posicionados onde queremos, são os mais confiáveis que existem. O outro sistema ( amortecedor a óleo),

Fotos: Divulgação

Não é de hoje que as persianas fazem sucesso entre os consumidores, sempre ávidos por produtos bonitos e de fácil manutenção. Como as persianas se mantém com força total na decoração, os fabricantes estão sempre apresentando novas opções e modelos, buscando associar funcionalidade com a praticidade e a resistência. Além da beleza, vários fatores são levados em conta na escolha do material de que é feito a persiana, alguns deles são: acústica (ruídos), térmico

(calor) e a transparência (luminosidade). As persianas podem ser feitas sob medida, com o maior número de material móvel possível, inclusive com a opção de controle elétrico. Na hora de escolher a persiana, a peça deve harmonizar com o restante da decoração e servir adequadamente para cada tipo de ambiente, afinal há sempre um modelo certo para cada projeto, tudo depende do efeito desejado. Conhecendo as opções que o mercado oferece é fácil escolher a que mais se adapta ao projeto de decoração.

além de pouco confiável, pode causar vazamento, danificando de forma irreparável o tecido do Box. Quem não lembra daquele carro que a tampa traseira não para mais aberta por causa do amortecedor pifado, transtorno total , fazendo até com que o proprietário vire um “engenheiro mecânico” , inventando formas de travar a tampa aberta. Todas essas opções podem ser encontradas em qualquer uma das cinco lojas de Rio Grande ou Pelotas. Pense bem, aproveitar espaço é fundamental nos dias de hoje, mas sem abrir mão do requinte e conforto.

9


De

ecoração cologicamente corret

a

Deise Mattoso

Tudo que é natural tem conotação especial. É um novo jeito de mostrar respeito ao meio ambiente. A preocupação com o meio ambiente é cada vez maior, despertando nas pessoas a importância da preservação das riquezas naturais. Isso tudo tem levado os designer’s a criarem peças com matéria-prima que não agrida o nosso ecossistema.

Os materiais são muitos e a criatividade dos artistas ainda mais. Atualmente, o mercado oferece uma infinidade de peças produzidas com matéria-prima ecologicamente correta, como ratã, vime, palha, sisal, junco, além de fibras e talos de coco e bananeira. O mercado já acordou para a importância do manejo como garantia à longevidade da mata e dos negócios. Enquanto isso, o desafio é sintonizar o útil ao correto.

10

Um exemplo disso são os móveis de vime, ratã ou fibras naturais. As peças feitas com tramas estão cada vez mais presentes na decoração de ambientes. O vime é um material leve e charmoso, que combina com diversos tipos de móveis. Com pequenos toques é possível decorar a casa com simplicidade, economia e principalmente com consciência tranquila.

11


Simplifique e renove-se Renovar é preciso. No universo da arquitetura e do design essa palavra é essencial. Essa mudança pode ser iniciada nos ambientes com pequenas alterações, como por exemplo, alterando as cores, os móveis ou até mesmo apenas alguns objetos decorativos. Bastam apenas alguns detalhes e pronto! A sensação já é de ganhar um espaço novo, modificando não apenas a percepção visual, mas também o conforto e o bem-estar. Sendo assim, para acertar essas mudanças, se- Lagoa Particular, a cor de 2014, eleita pelo Colour Futures guem algumas dicas e tendências desse ano. A energia das cores estará presente, tanto nas paredes como nos objetos, e a preferência é por cores vibrantes para melhorar o astral. Se o assunto é renovar, então que tal reaproveitarmos caixotes e palletes no detalhe da decoração??

Colaboração Thais Salomão – (53)9103.0201 Thaise Almeida - (53) 8105.2305

Quanto aos pequenos espaços? Existem várias maneiras para termos o melhor aproveitamento deles, tornando-os elegantes e acolhedores. Nas cozinhas, por exemplo, o ideal seria aplicar cores claras que dão a percepção de um espaço maior. Uma das vantagens da cozinha pequena é o fato de que você tem liberdade para “pensar fora da caixa”, ou seja, extravasar com detalhes do tipo retrô ou vintage, e por que não um quadro negro?

A superdica para encontrar produtos artesanais diferenciados é ir conhecer a loja Regallo’s em Rio Grande. Quem curtiu segue no instagram e facebook, como @lojaregallos e Regallo’s respectivamente. 12


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Comércio Precisa Rever Seus Conceitos Conversando com uma amiga estes dias, ela me comentou que não consegue achar, em Rio Grande, estas barracas de praia tipo tenda. Ela deslocou-se à cidade vizinha para encontrar várias opções do mesmo produto. Outro dia, entrei em uma loja de conveniência de um posto no Cassino, atrás de água mineral com gás, não encontrei e a desculpa era que o fornecedor não havia entregue, nunca ninguém assume que foi comprado pouco, que o estoque foi calculado errado, todos sabemos que a água, no verão, tem um consumo grande e os comerciantes não fizeram a conta do estoque direitinho Não é de hoje que temos dificuldade de encontrar vários produtos em nossa cidade. Não sei bem o que acontece, mas me parece que é o mesmo problema de sempre, que já coloquei várias vezes nas minhas colunas, mentalidade pequena. Já está mais do que na hora de mudar isso, é inadmissível certas posturas de nosso comércio em relação à satisfação dos seus clientes. Cassino de Aniversário É incrível como o Cassino sobrevive a mais de 100 anos com migalhas de investimentos de todos

os governos que passaram pela administração pública. O Cassino sobrevive por si só, pela sua exuberância, pela sua natureza, portanto, ao meu ver, não se tem muito para comemorar em termos de investimentos que são ridículos e desproporcionais a sua grandeza. Pobre Cassino rico. Elogiar Será que Basta ? Nem sempre os colaboradores fazem jus a um elogio, mas o que os merecem, esperam muito mais que um elogio, ou seja, o reconhecimento através de prêmios tangíveis, somente o agrado verbal pode gerar o descontentamento. É claro que é bom receber elogios, ser elogiado, mas quando você passa suas compras no supermercado não se paga com elogios, não se diz para o caixa olha vou pagar com elogios. A valorização completa de um profissional passa por elogios e a valorização financeira, já o reconhecimento profissional é aquela manifestação do mercado, de que o seu trabalho é diferenciado e valioso. Uma das equações para o reconhecimento profissional é a paciência, muitos profissionais não têm maturidade suficiente para aguardar a sua hora chegar e se precipitam trocando de empresa e mudando o foco da sua carreira.

11

Muitas vezes se perde uma carreira ou um grande profissional porque as coisas não aconteceram no momento exato, por precipitação ou demora das partes, tanto da empresa como do próprio profissional. A empresa, por esperar demais para valorizar seu colaborador, acaba perdendo-o para o concorrente e o colaborador perde a paciência de esperar ser valorizado e procura novos horizontes. Na verdade, o empresariado tem que se lembrar que um colaborador feliz no seu trabalho trará clientes sim, portanto elogie sim seu colaborador caso ele mereça, mas não esqueça de remunerá-lo de acordo com os resultados que ele traz para a empresa, assim todos ganham. Santa Catarina Amigo que chegou de Santa Catarina de férias, onde esteve recarregando as baterias, me relatou que rodou cerca de 500 km naquele estado, sem pagar nenhum pedágio e com gasolina a R$ 2,80, ou seja, nós gaúchos e rio-grandinos, somos os bobos da corte e como estamos num país sem autoridade e sem critérios, vivemos estas discrepâncias absurdas que são uma afronta ao nosso bolso. Somos roubados oficialmente em nosso dia a dia. Boa Semana!

Viva Vida O que é mesmo essencial...?

E

o que será esta tal de essência? Em um perfume, por exemplo, a essência é o que realmente importa, o que faz o perfume ser de primeiríssima qualidade, como um Chanel 5...! Na vida, essencial é também o que realmente importa e nos faz evoluir com consciência,contribuindo para um viver planetário também melhor! Nossa alma sabe das verdadeiras essências que importam mesmo... Precisamos aprender a escutar nossa alma e o divino em nós! Qual a nossa própria essência como seres humanos? Possivelmente seja nossa vocação para evoluir, seguir sempre cada vez uma pessoa melhor, mais íntegra, mais ética, mais amorosa, mais solidária, tendo a sabedoria de enfrentar as dificuldades com fé, resiliência e coragem! E somente se tivermos consciência

plena desta nossa essência pessoal é que poderemos escolher um viver de essências... Essências do bem, essências da verdade, essências do amor, essências da solidariedade com qualquer ser vivo! Mais uma vez, esta descoberta, esta plena consciência do “quem sou eu?” e de “qual a minha missão nesta vida?” é um processo pessoal, desafiador e intransferível! Processo desafiador e também privilégio! Estou vivendo-escolhendo as melhores essências em minha vida pessoal? Em minha vida familiar? Em minha vida de trabalho? Em minha vida como cidadão planetário? Estou cultivando em mim, como o perfume especial chanel 5..., a essência que me faça também uma pessoa realmente única e especial, até mesmo transcendente? Vamos refletir bem a essência deste artigo? E Vivavida!

Almira Lima vivavida7@gmail.com


12 São José do Norte

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Emergência 100% SUS

Apontamentos

Com isso, atendimentos chegam a três mil por mês

IQUE DE LA ROCHA IQUE DE LA ROCHA

A

ntigamente, o atendimento no pronto-socorro do Hospital São Francisco oscilava entre 800 e 900 por mês. Depois que a Fundação Hospitalar da Fundação Getúlio Vargas assumiu a administração daquela casa de saúde, a Emergência passou a ser 100% SUS, o que significa que o atendimento é para todos. Com isso, agora estão sendo registrados entre 2.800 a 3.000 atendimentos/mês. Quem afirma é o diretor administrativo do agora Hospital Municipal São José do Norte, Rodrigo Perez, e o diretor assistencial Márcio Borges. A Emergência foi adaptada ao Protocolo de Manchester, que está sendo implantado nos hospitais brasileiros. Através dele, o atendimento é feito, não por ordem de chegada, mas a preferência fica com os casos de maior gravidade. “Trabalhamos com acolhimento e classificação de risco”, explica Márcio Borges. Quem recebe a ficha vermelha é para atendimento imediato. A ficha amarela prevê um atendimento a partir de 30 minutos, a verde até duas horas e a azul até quatro horas. Esta última é dada às pessoas que poderiam ser atendidas no posto de saúde, mas que procuram a Emergência para tratar de casos comuns, como uma dor que perdura há dias, a busca de uma receita ou de um exame. Os diretores do Hospital São José do Norte admitem que “tudo que é novo tem uma certa resistência”. Dizem que, de início, as pessoas reclamavam da demora no atendimento da Emergência. Por isso, foi feito e continua sendo feito um trabalho de conscientização junto à população. Segundo eles, muitos agora entendem que a Emergência poderia ter menos lotação se a rede básica de saúde fosse procurada nos casos sem gravidade. Mesmo com a conscientização, a Emergência também é muito procurada porque o Município não tem um posto de atendimento 24 horas, nem nos finais de semana e feriados. Os postos da rede básica

Impasse na Prefeitura

Jorge Madruga e lideranças do PT nortense estão preparando uma comitiva para ir ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em Brasília, para tentar agilizar o julgamento do processo de cassação do prefeito Zeny Oliveira. A informação dos petistas é que o processo de cassação já encontra-se naquele órgão e acreditam que, a partir daí, o TSE deverá confirmar a sentença do TRE gaúcho. Para isso, se juntarão à comitiva nortense os advogados de Porto Alegre e Brasília que estão encarregados do processo e pretendem argumentar tecnicamente com os ministros a respeito da liminar. “Queremos assegurar o julgamento e a queda da liminar”, diz o presidente do Partido dos Trabalhadores em São José do Norte, Ernani Machado Teixeira Jr. Na quinta-feira passada, véspera de fechamento desta edição, tentamos contato com Jorge Madruga, que será o prefeito caso o candidato peemedebista seja cassado. Na ocasião, ele tratava de um assunto demorado ao telefone, mas prontificou-se a atender o Folha Gaúcha em outro momento, até mesmo no dia seguinte. Casualmente, estava em contato com Brasília.

Processos contra Madruga considerados improcedentes

Diretores Márcio Borges e Rodrigo Perez

de saúde só funcionam das 8h às 17h. Os administradores do hospital salientam que o quadro de médicos está completo na Emergência. São dois médicos plantonistas pela manhã e três à tarde, já que neste período também tem um pediatra que atende de segundas a sextas-feiras. A Emergência recentemente recebeu cinco leitos completos do Governo do Estado, com respiradores, monitores e macas especiais.

Crianças participaram do projeto “Defesa Civil na Comunidade” Aconteceu nesta última sexta-feira, 7, no auditório do Ministério Público, a formatura das 35 crianças de São José do Norte que participaram do projeto “Defesa Civil na Comunidade”. Ele foi desenvolvido neste verão pela Coordenação Estadual da Defesa Civil em 16 municípios do litoral gaúcho, sendo que em fevereiro as atividades aconteceram no Litoral Sul. Em São José do Norte, as atividades foram coordenadas pela tenente Luzelani Ziegler, auxiliada pelo soldado Forneck, e aconteceram nesta última semana, com atividades de segunda a sexta-feira, na Escola Municipal Cel. Antônio Soares de Paiva, em parceria com a Prefeitura. As crianças dos 9 aos 12 anos, encaminhadas pelo Centro de Referência e Assistência Social (Cras) participaram de atividades lúdicas que

São José do Norte 13

Calor

Mesmo com temperaturas muito elevadas, a Emergência do Hospital Municipal não tem registrado ocorrências provocadas pelo calor. Ocasionalmente, algumas pessoas podem sofrer de gastroenterite, que provoca diarreia e vômitos, ou de desidratação decorrente dela. Também surgem algumas pessoas com pressão baixa, que já sofrem desse problema há tempos, só que no verão a tendência é da pressão baixar ainda mais.

Da Prefeitura Trânsito na Prainha - A SMTT editou Portaria regulamentando o fechamento da Prainha, em caráter experimental, aos domingos à noite, na rua General Osório, entre as ruas Senador Pinheiro Machado e General Andréa, e na rua Bento Gonçalves, entre as ruas Marechal Deodoro e General Andréa. A determinação foi do prefeito para dar maior segurança às famílias e jovens que costumam utilizar o local como ponto de encontro.

Comunidade assistiu palestra sobre a Defesa Civil

trataram de questões importantes, como a defesa do meio ambiente e noções de cidadania, respeito, autoestima e assuntos intrínsecos à Defesa Civil. “Trabalhamos na formação das crianças para serem futuras cidadãs, e cidadãs conscientes”, salientou a tenente Luzelani. Na quinta-feira, 6, no auditório do Ministério Público, o coordenador da Defesa Civil na Região Sul, Major Márcio André Facin, palestrou aos representantes da Prefeitura e associações de bairros sobre o que é e como age a Defesa Civil.

SMF realiza Censo do Produtor Primário - O setor de Fiscalização da SMF realiza o Censo do Produtor Primário até o dia 21 de janeiro, das 8h30min às 13h, na E.M.E.F. Soares de Paiva. Os produtores rurais e pescadores deverão levar o Talão para informar dados sobre a movimentação no exercício de 2013, os quais serão repassados à Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), com registro no Sistema de Informações Tributárias sobre a Agropecuária (Sitagro), com vistas à aposentadoria ou cancelamento do Talão caso não tenha havido movimento. Inscrições para Torneios de Verão até dia 14 - Devido à baixa procura, as inscrições para os Torneios de Verão foram prorrogadas até o dia 14 de fevereiro. O evento será realizado na Praia do Mar Grosso, no dia 18. Inscrições para as modalidades Beach Soccer, Vôlei de Dupla e Futevôlei, nas categorias Masculino e Feminino, das 8h às 14h, na sede da Secretaria Municipal de Turismo e Promoções (SMTP), na rua XV de Novembro, 164.

O presidente do PT nortense, Ernani Machado Teixeira Jr., informa que a Juíza Eleitoral de São José do Norte julgou improcedentes ações movidas pela coligação PSDB/DEM, que acusavam a coligação Frente Popular de praticar ilícitos durante a campanha de 2012. A Magistrada, como também o Ministério Público, não constataram irregularidades nos fatos apresentados e mandou cópia à Justiça Federal para apurar crime de falso testemunho praticado por um dos integrantes da coligação. Conforme Ernani, “com estas decisões, não há mais nenhum processo eleitoral contra a Frente Popular, nem contra Madruga e Gilmar”.

Mau tempo na Festa de Navegantes

O temporal que caiu no domingo, dia da Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, acabou causando transtornos. O público que se esperava de cidades vizinhas, especialmente Rio Grande, ficou abaixo da expectativa e comerciantes que esperavam faturar durante o evento reclamaram que as vendas ficaram abaixo do esperado. Uma pena.

Fotos: Ique de La Rocha

Nada de camarão

A safra de camarão é sempre aguardada com grande expectativa pelos pescadores da região por ser o grande momento de faturarem um bom dinheiro. A safra movimenta o comércio de São José do Norte, que tem sua economia baseada na pesca e cebola. Quando é boa, dá até para alguns fazerem uma poupança que lhes garante uma maior tranquilidade por alguns meses. Para este ano, a expectativa não era boa e o pior está se confirmando. Em São José do Norte, o camarão não apareceu e os depósitos de pescado próximos à Hidroviária estão vazios. Conversamos com o pescador André Luiz Pontes e ele lamentou: “É muito pouca coisa. Agora mesmo, nem existe camarão. Para ele se criar tem de dar uma água salgada, diminuir a chuva, mas agora também está tarde para isso. Choveu muito no inverno e a água ficou doce”. Sobre o fato do camarão já estar sendo comercializado em Rio Grande, o pescador José Luiz Pontes observa: “Lá eles pegam na Henrique Pancada e no Saco da Mangueira, mas para o lado do canal não existe camarão. E para cima da Lagoa dos Patos a situação é pior ainda”. André Luiz conclui de forma nada otimista: “No momento, estamos parados e a previsão não é boa. Só Deus sabe”, diz ele, observando que sem camarão o pescador não tem renda nessa época do ano.

“Tchê Garotos” em março

Sem dúvida, o show do “Tchê Garotos” seria um dos maiores espetáculos já apresentados em São José do Norte. Foi montada uma estrutura de megashow, mas o mau tempo obrigou os organizadores a cancelarem a apresentação. Tudo levava a crer que, se não fosse o temporal, o estádio do Liberal receberia um grande público, tanto que uma megaestrutura foi montada. Para se ter uma ideia, haviam sido vendidos de forma antecipada cerca de mil ingressos na cidade. As lanchas estavam preparadas para levar o pessoal de outras cidades para Rio Grande após o show. Conforma apuramos, a grande promoção do Liberal só foi adiada. O “Tchê Garotos” se apresentará em São José do Norte no próximo dia 30 de março. Vai ser uma festa.

Catamarã executivo

Conforme apuramos, a nova lancha adquirida pela empresa Nortense para a travessia São José do Norte-Rio Grande, “Brisa el Shaday” será utilizada no transporte executivo. Terá capacidade para 240 lugares e fará o percurso em apenas 15 minutos. Depende da liberação da Metroplan, que também determinará o preço da passagem. Casualidade ou não, quinta-feira passada, representantes da Metroplan encontravam-se em São José do Norte.

O homem e seu cão

Calor demais

O calor infernal desta semana fez com que todos ficassem de língua de fora, não apenas os cachorros. Houve quem aproveitasse a sombra e a brisa do mar para preparar uma rede com a maior tranqüilidade, na companhia de seu amigo fiel, enquanto no centro da cidade alguns sentaram na calçada para desfrutar da pequena sombra e o ventinho que costuma se fazer presente na esquina do Banco do Brasil com a Hidroviária. No comércio, os aparelhos de ar- condicionado e climatizadores desapareceram. Não há nem previsão de entrega.


14 esporte FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

E a bola voltou a rolar na pré-temporada do Rio Grande, no estádio Arthur Lawson

Rodrigo de aguiar

O

Sport Club Rio Grande apresentou na tarde da última segunda-feira, dia 3, parte do plantel que irá disputar a Segundona Gaúcha em 2014. O ato, realizado no Centro Esportivo Dênis Willian Lawson, marcou também o pontapé inicial dos trabalhos de pré-tem-

porada comandados pelo técnico Júlio Batisti e sua comissão técnica. Como a competição deste ano deverá ser disputada com jogadores de até 23 anos e com um limite de inscrição de até três atletas acima desta idade, o destaque será o goleiro Luciano, o mesmo que defendeu as cores do

Abaixo você poderá conhecer os nomes dos atletas que defenderão o vovô do futebol brasileiro em 2014: -Atleta: Luciano Ribeiro Posição: Goleiro; -Atleta: Jorge André Posição: Zagueiro; -Atleta: Adriano Réus Monteiro Rocha Posição: Zagueiro; -Atleta: Denis Luiz Diniz de Oliveira Posição: Lateral direito; -Atleta: Michel Soares Saraiva Posição: Lateral esquerdo; -Atleta: Tássio Santos da Paixão Posição: Volante;

-Atleta: Rafael dos Santos (Pelezinho) Posição: Meia; -Atleta: Tainã Martins Posição: Meia;

Pereira

-Atleta: Fabiano Weeg da Rocha Posição: Meia; -Atleta: Leandro Hemeque Posição: Atacante; -Atleta: Flávio Camargo Posição: Atacante; -Atleta: Leonardo Jaques Rodrigues Posição: Atacante.

São Paulo na temporada do ano passado e foi peça fundamental para a garantia do acesso à Primeira Divisão pelo time, na época, comandado por Rudi Machado. Do elenco do ano passado, retornaram os jogadores Tássio, Tainã e Flavinho, os demais nomes foram anunciados pela primeira vez durante a coletiva no vestiário. O presidente do clube, Rafael Leonetti, deu início à apresentação dizendo que antes da definição do Congresso Técnico, realizado dia 22 de janeiro, na sede da Federação Gaúcha de Futebol, que definiu equipes sub 23 para o campeonato de 2014, muitos contatos haviam sido realizados, no entanto tiveram de ser desfeitos em virtude desta decisão tomada em conjunto com os representantes de cada equipe participante durante a reunião, na capital. Leonetti disse ainda que o clube está aberto para o in-

Foto: Aline Rodrigues

gresso de jovens jogadores rio-grandinos para compor o plantel do mais velho durante a Segundona gaúcha. Além de Luciano e Rafael, o terceiro atleta mais experiente terá seu nome divulgado nos próximos dias pela comissão técnica. O presidente do Conselho Deliberativo, Maicon Lawson, explanou para os jogadores sobre a honra de defenderem as cores do primeiro clube de futebol do Brasil e agradeceu a estes mesmos atletas por terem aceitado o convite de

atuarem pelo mais velho no ano da Copa do Mundo no Brasil. O técnico Júlio Batisti saudou a união dos dirigentes neste ano e disse que este já passa a ser um diferencial para o que se viu no ano passado e cobrou a dedicação integral de todos em prol do objetivo tricolor: garantir uma das três vagas para a Divisão de Acesso de 2015. De acordo com ele, este será um desafio de todos e que será alcançado se houver confiança, fé e muito trabalho.

Jogo Virando o Virando o Jogo Claudio Galarraga PREOCUPAÇÃO – Atuação muito fraca diante do

Aimoré acaba preocupando torcedores, dirigentes e imprensa. O time tem apresentado oscilação e até o jogo diante do Lajeadense (5ª rodada) e que foi realizada após o fechamento da coluna, não conseguiu regularidade no campeonato. LIBERAÇÃO – Uma conquista para os que tra-

balharam a liberação do estádio Aldo Dapuzzo. Remodelado, dentro das condições do clube, apenas o gramado deixa a desejar na comparação com as demais melhorias. – Apresentou parte do grupo que vai disputar a terceira divisão e com alguns nomes que chamam a atenção, como o goleiro Luciano. Como a competição será sub-23, com apenas 3 atletas de idade superior, acredito que RIO GRANDE

o tricolor tem boas chances de realizar boa campanha por ter começado cedo a sua preparação. TÉCNICO – Mantendo o treinador, pelo menos

segue uma filosofia que é apreciada pela maioria, a continuidade do trabalho. Muda a maioria dos jogadores, mas a filosofia segue a mesma.

AMADOR – Uma verdadeira barbaridade o que aconteceu na final do segundo turno do campeonato amador. Briga, agressão ao árbitro e até uso de arma de fogo. Cada vez mais o público vai sendo afastado das praças de esporte. ORGANIZAÇÃO – A Prefeitura Municipal é res-

ponsável pela organização da competição e desde o início foi mal conduzida. Normalmente o que começa errado, termina errado.

crjnovo@gmail.com

FATOR – O São Paulo joga dentro de casa mais dois jogos nessa semana. O jogo do meio dessa semana é o clássico com o Brasil, que está “engasgado” na garganta do torcedor rubro-verde. Bom jogo para embalar de vez e acabar com essa coisa de rebaixamento. VETERANOS – Segue no campo do Cassino

F.C. já na fase de quartas-de-final com os jogos nos sábados e domingos. As quartas apresentam: Imigrantes x Quinta, Caxa D’água x Villarreal, Cassino x Piratiny e Barcelona x Sindicato.

SAUDAÇÃO ESPECIAL – Claudio Renê, Clau-

dinei Costa, Flavio Leonetti Jr., Paulo Pedone. E até semana que vem ...


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

15

De volta às atividades Começa a temporada 2014 do Centro de Referência Esportiva do Rio Grande IQUE DE LA ROCHA

O

Centro de Referência Esportiva do Rio Grande iniciou as atividades de 2014 na tarde desta última terça-feira, 4. Na ocasião, cerca de 300 crianças e adolescentes se apresentaram no Centro Esportivo do SC Rio Grande, um número considerado excelente levando-se em conta a alta temperatura registrada. Os jovens foram encaminhados para as atividades de natação, futebol, basquete, vôlei, boxe e taekwondo. Uma novidade é que as turmas do basquete e vôlei desenvolverão suas atividades no ginásio do Clube de Regatas Rio Grande. O basquete já passou para lá no ano passado (aulas às quartas e sextas), enquanto o vôlei foi transferido agora (aulas às terças e quintas). A ideia é fazer a captação de jovens para o projeto naquela região, que compreende a Vila Militar, bairros Getúlio Vargas e Santa Teresa. Como se sabe, o Centro de Referência Esportiva do Rio Grande é desenvolvido pela Fundação Sociocultural Esportiva do Rio Grande (Funserg) com patrocínio da Petrobras. Trata-se de um dos quatro centros de esporte educacional patrocinados pela estatal no Brasil. Atende jovens de ambos os sexos da rede pública de ensino, na faixa dos sete aos 17 anos, em seis modalidades esportivas. Além disso, oferece vale-transporte, lanche, atendimento psicopedagógico e aulas de reforço escolar.

Inscrições continuam abertas

O coordenador geral do Creep, Carlos Eduardo Patrício, informa que a meta do projeto é atender 600 jovens. Serão feitas visitas às escolas, mas, independentemente delas, os interessados ainda poderão fazer suas inscrições no Centro Esportivo do SC Rio Grande, situado na avenida Itália, no horário das 9h às 12h e das 14h às 18h. O telefone é 32351157. Quem pretende participar do basquete ou vôlei poderá inscrever-se no SC Rio Grande ou no Regatas (situado junto ao Porto Novo). Só não existem mais vagas para natação. Cabe destacar que nessas duas primeiras semanas, as atividades do Centro de Referência Esportiva acontecerão somente à tarde, sendo que depois as turmas serão divididas nos turnos da manhã e tarde, conforme o interesse dos participantes. Paralelamente às aulas, a Funserg faz a manutenção do Centro Esportivo do Rio Grande. Nesta semana, um funcionário executou serviços de corte de grama naquele complexo esportivo.

Visita aos municípios da Rede Multiplicadora de Esporte Educacional A coordenadora de Formação do Centro de Referência Esportiva, Ana Paula Oliveira, e o assessor de Formação, Douglas Fernandez, já estão dando início às visitas aos municípios que integram a Rede de Multiplicadores de Esporte Educacional na região, para onde está sendo disseminada a metodologia do Instituto Esporte e Educação (IEE). Nesta quinta-feira, 6, eles estiveram em Santa Vitória do Palmar e Chuí. No dia 13 de fevereiro, serão visitados os municípios de Pedro Osório e Rio Grande. Em março estão previstas visitações à Pelotas, dia 7; Canguçu, dia 14, e São Lourenço do Sul, dia 21.

Garotada voltou com bastante animação

Professor da UFSC diz que Centro de Referência Esportiva é destaque nacional Nesta semana, o rio-grandino Paulo Capela, professor de Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), esteve em visita ao Centro de Referência Esportiva do Rio Grande, acompanhado do acadêmico de Educação Física também da instituição catarinense, Vitor da Silva Gonçalves. Capela foi um dos que contribuiu na formatação do projeto elaborado pela Funserg, e que conta com o patrocínio da Petrobras. “Minha contribuição foi na questão teórico-conceitual do projeto”, diz ele, explicando: - Tem uma coisa muito nova ainda para a Educação Física no Brasil, que é o esporte educacional. Trata-se de uma nova concepção para formação do cidadão. Para um leigo, quando se fala em esporte é uma coisa só, mas para o professor de Educação Física não. O esporte educacional inclui a prática de valores. Prepara nossos jovens para a vida adulta e estimula as pessoas a praticarem várias atividades esportivas. Hoje no Brasi,l não temos uma população adulta que pratique esportes porque não tiveram oportunida-

de de experimentar como as crianças estão tendo a oportunidade neste projeto do Centro de Referência Esportiva. Por isso ele é uma referência nacional. O professor Capela destaca a importância desta iniciativa da Funserg. “Volto a Rio Grande após um ano e vejo que os rio-grandinos precisam valorizar mais este projeto que tem aqui. O Brasil tem 5.568 municípios e, desses, só quatro foram contemplados com o Centro de Referência Esportiva pela Petrobras: Rio de Janeiro, Salvador, Manaus e Rio Grande. Neste meu retorno, estou admirado com todas as experiências que estão sendo realizadas aqui dentro”. Experiências do projeto em livro Paulo Capela está participando de um trabalho, através do Núcleo de Pesquisas da UFSC, denominado “Vitral Latino Americano de Educação Física, Esportes e Saúde”, que também conta com o Grupo de Estudos em Cultura Popular e de Movimento/Futebol. Este grupo criou um blog (gecupomfutebolvitral.blogspot.com) com vários textos e comentários interessantes.

Vitor Gonçalves e o professor Paulo Capela

Capela convidou a equipe do Centro de Referência Esportiva do Rio Grande para produzir textos sobre as experiências obtidas no projeto, que posteriormente serão publicados no blog “e que vão se transformar em livros para referenciar outras experiências dentro das mais diferentes instâncias no Brasil: cursos de Educação Física, políticas públicas para esporte e lazer, clubes profissionais e amadores no Brasil e exterior, e outros”. O visitante também participou de reunião com a equipe técnica do Centro de Referência Esportiva do Rio Grande, liderada pelo coordenador geral Carlos Eduardo Patrício.


16 Social

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

RIO GRANDE, de 8 a 14 de fevereiro de 2014

Social 17

Wanda Leite wandapleite@gmail.com

Aniversário No último dia 3 a advogada Bárbara Lopes comemorou mais um ano de vida. Na foto, ela está ao lado do namorado, Chrytopher Espinoza. Completando 23 anos, Bárbara, recém graduada em Direito e já atuando na área, é sempre motivo de orgulho para os pais e amigos. Esta coluna lhe deseja muitos anos de vida e comemorações!

O Casal Paulinho e Milene, proprietário da Grazzioli veículos desfrutando férias em Punta, uma das praias mais lindas do Uruguai, e foi impossível não registrar a foto do monumento Los Dedos, que foi esculpida pelo artista plástico chileno Mario Irrazábal.

Aconteceu no dia 24 de Janeiro, uma grande premiação no Memorial da América Latina em São Paulo, organizada pela Associação dos Quadrinistas e Caricaturistas. O evento está na 30ª edição e premiou a revista de histórias em quadrinhos Plataforma HQ, que conquistou o Troféu Angelo Agostini na categoria Melhor Lançamento Nacional. Em sua primeira edição, a revista apresenta em suas páginas narrativas como tema central a cidade do Rio Grande. Parabéns e sucesso aos editores Alisson Affonso e Everton Cosme.

Realização de um sonho No próximo dia 15 é a vez de Bruna Gibbon comemorar sua graduação em Administração, pela Faculdade Anhanguera. Após longos anos de estudo, Bruna, que é natural de São José do Norte, tem estampado no sorriso da foto a felicidade em mais esta conquista na sua vida, que vem após muito esforço, e merecidamente. Bruna irá comemorar com toda a sua família e amigos, que não poderiam estar mais felizes pela nova etapa que começará a partir de agora, certamente tão vitoriosa quanto essa que se encerra.


18 cultura

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Livro de Romeu Tuma Jr. expõe bastidores do poder no Brasil

RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

Da janela de Martha Medeiros

Fotos: Divulgação

Livro de crônicas da autora, lançado em 2012, é convite – e uma tentação – para viagens e descobertas muito além das paisagens pelo caminho Camila Costa

Corrupção, assassinatos,espionagem, traição e ideologia fazem parte da rotina de um país que caminha a passos largos rumo a instauração de um estado policial

U

ma parcela dos brasileiros assistiu, estarrecida, ao programa Roda Viva na última segunda-feira, dia 4 de fevereiro. O entrevistado da noite foi Romeu Tuma Jr., ex-secretário Nacional de Justiça. Ele recentemente lançou o livro – já um best seller – “Assassinato de Reputações: um crime de Estado”, que definiu como “peça de defesa”. Tuma foi secretário durante o governo Lula e saiu do cargo devido a acusações de que estaria envolvido com a máfia chinesa. O livro trouxe seu testemunho não apenas sobre o que realmente se passou antes de sair do governo como, também, sobre uma série de acusações gravíssimas que, feitas em uma democaracia de fato, causariam uma mixórdia da qual, dificilmente, algum envolvido sairia ileso. O delegado, filho do homem que liderou uma divisão do DOPS durante o período militar, se disse vítima de uma trama macabra, onde foi espionado através do grampo de seu telefone pessoal. Ele era amigo de um homem chamado Paulo Lee que, posteriormente, foi indiciado por formação de quadrilha, a tal “máfia chinesa”. Segundo Tuma, a verdade é bem mais sórdida: Lee estava denunciando um esquema de facilitação de entrada de estrangeiros ilegais no país. Sua associação com o na época secretário nasceu deste fato. Membros do governo ordenaram a Polícia Federal a vasculhar a vida de Tuma, que vinha se tornando indesejado no governo devido a seu pai, na época disputando a Prefeitura de São Paulo. Após um inquérito fantasma surgir, o caso foi arquivado e o nome do secretário foi limpo. Porém, logo que saiu do governo, o jornal Estado de São Paulo trouxe matéria recheada de dados que, segundo Tuma, eram fabricados, acerca de seu envolvimento com o crime. Daí nasceu a ideia de contra-atacar e com ela, o livro. Nele, Tuma discorre sobre os dossiês criados pelo governo petista para atacar e destruir reputações de adversários (ou de aliados, para mantê-los sempre “na coleira”); a instrumentalização total da Polícia Federal que trafega

MATHEUS MAGALHÃES

na completa ilegalidade e criou um banco de dados enorme da qual ninguém pode acessar se não eles, se tornando uma polícia política nos moldes da antiga KGB; o caso Celso Daniel, prefeito de Santo André que estava envolvido em um esquema de caixa 2 para o PT e que foi morto e, segundo Tuma, torturado brutalmente a mando de uma turma que inclui o atual ministro-chefe da Secretaria da Presidência da República Gilberto Carvalho e Zé Dirceu, o “preso político”; grampos telefônicos praticados contra ministros do STF e a participação de Lula como informante do DOPS durante a ditadura. De forma geral, o livro apresenta um governo que anda a passos largos ruma a uma ditadura. Não acredita? Procure saber sobre o que significa uma “polícia política” e quais os regimes que fizeram uso deste tipo de expediente de exceção. Tuma não poupa também a imprensa, da qual acusa de conivente e, ainda pior, traficante de “favores” com o Governo Federal. A prova do que diz está na repercussão midiática tanto do bombástico livro quanto da entrevista; próxima a zero, com pautas como o beijo de dois homens em uma novela ganhando enorme destaque em todas as grandes publicações. Até agora, nenhuma das pessoas citadas – e acredite, são várias – no livro processaram o autor. Ele não poupa e dá detalhes, sem esquecer de pôr o nome de ninguém. Se isto não se traduz em processo, a única resposta é que existe uma ordem vinda de cima para que não se mexa no vespeiro. Um processo judicial exigiria contra-provas, poderia acabar rendendo em uma CPI e mais um escândalo titânico na conta do PT. Porém, a pergunta é: onde está o STF? O Congresso Nacional? A OAB, que só se mete em trivialida-

cultura 19

des que contenham algum tipo de lorota ideológica? Onde está Lula depondo na Comissão da Verdade, na condição de alcaguete da ditadura? Talvez mais importante: onde está a oposição? É dever do cidadão ler o livro. É seu dever lê-lo e levar as apocalípticas relevações de Tuma, somando a elas os desvarios recentes como o misterioso investimento no Porto de Cuba e o contrato de escravidão firmado com o mesmo país para importar seus “médicos cativos” e pagar milhões anuais à ditadura sanguinária dos Castro, em conta quando for decidir em quem votar nas urnas. Às vezes, as coisas chegam em um ponto sem retorno – como chegaram, sem possibilidade de escolha, para a bela ilha caribenha há mais de 50 anos atrás. Escolheremos este caminho para o Brasil?

D

o Japão ao Peru, passando por Istambul, pela Grécia ou pela típica Nova Iorque. Martha Medeiros, uma das maiores cronistas do cenário literário brasileiro resolveu aliar suas experiências em viagens pelo país e pelo mundo com aquilo que sabe de melhor: escrever. No livro “Um lugar na janela” ela compartilha com o leitor sua vontade inesgotável de conhecer o mundo. O livro não é mais um lançamento (2012) e já o li faz um tempo, mas segue atual e seguirá assim, passe o tempo que for. Através de crônicas – sua marca registrada –, a autora fez relatos sobre suas mais variadas viagens pelo mundo. Na lista está desde o distante Japão até o “logo ali” Rio de Janeiro, relembrando sua aventura no primeiro Rock in Rio da história, em 1985. Esse é justamente o diferencial de Martha Medeiros, a gaúcha que os brasileiros de todos os cantos aprenderam a amar e parafrasear: ela não fala apenas dos lugares, mas também de suas sensações e emoções, tão particulares de cada um. O melhor de seus textos é que Martha parece sempre a mesma jovem de vinte e poucos anos, que saiu com um namorado percorrendo as praias brasileiras até chegar ao Rio de Janeiro e testemunhar o histórico momento de Freddie Mercury cantando “Love of My Life” com o público do Rock in Rio. Lembrei-me, então, de ter visto o vídeo desse episódio na internet mais de uma vez. Eu e Martha, sem ela saber, junta-

mos nossas memórias, principalmente hoje, quando já tive minha experiência no mesmo evento musical e lá, enquanto olhava tudo em volta com ar de encantamento, revisitei o livro em minha memória para ter uma certeza: “é muito melhor fazer parte da história e dos lugares do que vê-los de longe”. Ninguém melhor do que Martha Medeiros para deixar em nós a sensação de que as emoções da vida estão passando e nos questionarmos: “onde estamos nesse filme da vida?”. Muito mais do que viagens, lugares históricos ou desconhecidos, o seu livro nos faz refletir sobre o que estamos fazendo enquanto há um mundo inteiro lá fora esperando para ser explorado. E até de onde achamos que nada sairia, a surpresa vem para nos pegar pela mão e deixar um sorriso no rosto. Foi o que aconteceu com a escritora ao visitar Tóquio. A ideia, segundo ela mesma, foi um “devaneio”, totalmente apoiado pela filha, que sonhava em conhecer o lugar. Ao chegarem à cidade, Martha relata seu único pensamento ao se deparar com o movimento alucinado: “eu não vou conseguir dominar esta cidade”. Passou toda responsabilidade para a filha, que entendia muito mais sobre a cultura japonesa. Lá, Martha, de imediato, sentiu-se perdida, mas decidiu que ganharia aquela batalha. Aos poucos foi se permitindo conhecer e se surpreender com a cidade que é mais uma daquelas que parece nunca dormir. Visitando templos e passando por bairros de onde se avista o monte Fuji, a cronista se deixou apaixonar, ver o melhor, aquilo que está muito além da imagem inicial de uma cidade Fotos: Divulgação cheia de luzes e um metrô enlouquecedor. Foi uma viagem para ela conhecer a si mesma e não se deixar acomodar com os lugares comuns. Pela Europa sua primeira passagem foi aventureira, como a de muitos jovens, aos 24 anos. Com a viagem dividida em duas partes – 40 dias sozinha e 20 com o namorado –, ela mesma faz questão de reconhecer que ao longo do seu texto pouco falou sobre as atrações turísticas. No fim, lugares como esses ficam nas fotografias, mas há aquilo que fica em nós, que é capaz de nos

modificar, como ela mesma diz: “Preferi privilegiar aqui as roubadas, as surpresas, os malabarismos que se faz para sobreviver diante do inesperado. Viajar é a arte do improviso”. Ao fim das cinco crônicas que contam a viagem, ela constata a importância de viajar sozinha. Embora não reclame da presença do namorado nos últimos dias, ela repetiu a façanha de sair sozinha pelo mundo mais vezes a partir dessa. Fica na balança entre ter a companhia do outro e a sua, mas é exata, como praticamente sempre: “Outros amores vieram e virão, outras viagens também”. No livro ela ainda conta muitas de suas outras experiências, sempre enfatizando as “roubadas” e descobertas do que a paisagem registrada em álbuns de fotos. A cada página, parece que estamos viajando com a autora, conhecendo lugares pela primeira vez ou não, expondo os nossos medos e encarando um a um em cada viagem diferente. Ao terminarmos as 191 páginas, fechamos o livro e queremos correr para comprar uma passagem imediatamente. Queremos o nosso “lugar na janela”. O livro nos faz pensar que a liberdade de viajar é a mesma que nos prende onde estamos. Desbravar o mundo pode ser inesperado, mas talvez não possa esperar. Não quero estragar o final, mas nas suas últimas frases, Martha define a inquietação que há em muitos de nós: “Desisto de tudo, menos de permanecer na estrada e conhecer melhor esse planeta que nunca esgota minhas expectativas”. Abra o livro e boa viagem!


Contracapa

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 8 A 14 de fevereiro de 2014

“Rio Grande será polo do setor eólico” Prefeito diz que área de desenvolvimento é estratégica em sua gestão IQUE DE LA ROCHA

A

revitalização da terceira e última parte do Calçadão da Bacelar, situada entre a Duque de Caxias e General Netto, abrangendo ainda a praça Dr. Pio, tem o projeto urbanístico pago pela CDL, mas ainda necessita de projetos complementares, como o da parte elétrica ou da Corsan. Além disso, necessita de um levantamento arqueológico, por exigência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE). Por outro lado, a Prefeitura pretende tirar do papel o projeto do arquiteto Raul Macadar, referente à revitalização do Porto Velho, e ir atrás de recursos do BNDES. Essas informações foram prestadas pelo prefeito Alexandre Lindenmeyer (PT), que nesta semana recebeu nossa reportagem para falar sobre o primeiro ano de sua gestão. O Chefe do Executivo destacou a implantação do Policiamento Comunitário, que abrange todo o Município; a colocação de 2.500 tubos para o escoamento pluvial; colocação de ponto de acessibilidade nas ruas União e Major Assumpção, do Povo Novo; pavimentação de 1 km da rua Ana Pernigotti, que vai ligar o Bolaxa ao Parque Guanabara e a .participação no APL da indústria naval. Lindenmeyer citou que “a área de desenvolvimento é uma ação estratégica dentro do governo e o resultado disso é a implantação do parque eólico e atração de outros investimentos que vão fortalecer o parque eólico. O Município não quer ser apenas captador de vento ou linha de montagem, mas agregar a cadeia produtiva no entorno.Ser um polo de conhecimento do setor eólico”. Na área dos Serviços Urbanos, salientou a revitalização e ampliação da iluminação pública e a revitalização das praças, com serviços de pintura, manutenção e recuperação de brinquedos. Afirmou que essa manutenção será permanente e, para isso, o quadro da secretaria será ampliado.

Saúde

Na área da Saúde, o prefeito informou que a cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) passou de 45% para 52% do Município, o maior índice apresentado entre os municípios com mais de 100 mil habitantes. Com a adesão ao programa Mais Médicos, foi possível ampliar o ESF e fortalecer o atendimento 24 Horas no Posto do Cassino. O atendimento foi ampliado no Parque Marinha, chegando a 1.900 consultas/mês, com a consequente ampliação na compra de medicamentos e na oferta de exames. Lindenmeyer entende que o atendimento noturno na Quinta, que não havia nos finais de semana, “está salvando vidas, atendendo toda a população do interior do Município”. Justificou a criação de uma unidade de saúde prisional, porque todos têm direito à saúde e também porque cada deslocamento de um detento do Presídio para o hospital requer uma estrutura de agentes penitenciários e mexe com a sistemática de atendimento dos pronto-socorros. Destacou o atendimento do ônibus de oftalmologia a jovens e crianças em idade escolar, que detecta se o aluno tem algum problema e ele já sai com os óculos ou o diagnóstico. A destinação de uma ambulância para o Povo Novo proporciona um atendimento mais eficaz àquela localidade e seu entorno, enquanto no SAMU foram inseridos novos médicos e implantada a Motolância, que faz com que um técnico chegue antes da ambulância para prestar os primeiros socorros.

Habitação

“Até 2012, apenas 240 unidades habitacionais haviam sido construídas para baixa renda no Município, gerando um passivo histórico”, observou Lindenmeyer, que em seu primeiro ano fechou contrato para construção de mais 1.297 unidades, na Junção, para renda até R$ 1.600. A Prefeitura trabalha, agora, na construção de mais 2.800 unidades habitacionais. Afora isso, no Cidade de Águeda, para onde tem 102 pessoas cadastradas desde o governo passado e que não receberam casas ainda, foi firmado contrato para construção de 161 unidades, tendo preferência os que já estão cadastrados. O Legislativo recentemente aprovou contrato para construção de mais 600 unidades habitacionais, “sem falar no investimento privado”. Destacou também

Foto: Divulgação

a regularização de 3.090 lotes no Município através do programa Papel Passado. Este número corresponde a 11% do que foi regularizado em todo o País e vai possibilitar para os proprietários a legalização de suas propriedades e a participação no programa “Construa no seu terreno”, implantado pela Prefeitura e que a Caixa Federal adotou como projeto piloto para todo o País. Atualmente, a Prefeitura tem 1.297 pessoas cadastradas para terem acesso à casa própria e elas terão prioridade.

Novos concursos

O prefeito destacou a política de valorização dos servidores, como o aumento do vale-alimentação de R$ 130 para R$ 300 e a nomeação de 250 novos servidores em todas as áreas. Para 2014, será feito concurso público para 40 vagas, sendo 16 cargos novos, como geógrafo, geólogo e arqueólogo, dentre outros, necessários para os projetos terem maior celeridade. Será implementado o Cartão Combustível, que proporcionará um controle mais eficaz da frota de veículos e haverá convênios com uma rede de oficinas mecânicas para manutenção da frota visando ao aumento da vida útil dos veículos.

Esporte

Nesta área foram aprovados recursos do Governo Federal para construção de cinco quadras poliesportivas, sendo duas cobertas, e a implantação do Centro de Iniciação ao Esporte, no Parque Marinha. O Programa Segundo Tempo tem a participação de 700 crianças e adolescentes, sendo que serão buscados R$ 5 milhões, em nível federal, para recuperação do ginásio da Praça Saraiva.

Fechamento de prédios

O prefeito justificou o fechamento do Teatro Municipal, Centro de Eventos, ginásio da Praça Saraiva e Posto 4, da Saúde, devido à necessidade de obras e o risco que eles proporcionavam às pessoas. Disse que já recebeu os prédios nesta situação. “Ninguém destrói uma estrutura física desse vulto de uma hora para outra”, justificou. Explicou que os projetos estão encaminhados aos órgãos competentes e que no caso do ginásio Farydo Salomão a licitação terá de ser feita por partes.

Concursos na Educação

Em 2013, foram feitos concursos para bibliotecária, professores, assistentes sociais, secretários de escolas e nutricionistas.

Alexandre Lindenmeyer

Foto: Arquivo Folha Gaúcha

Para este ano, serão feitos concursos para professores de Educação Física, professores do Ensino Fundamental e séries iniciais, professora de artes, monitor e transporte escolar. Está sendo oferecida formação continuada para 1.400 professores. “Vamos sair de 60% para 100% de nosso quadro de professores com respeito à hora-atividade, que é o período em que o professor deve ter para preparar a aula e não tem”, explicou o prefeito. Com relação às creches paradas, explicou que até novembro do ano passado, elas deveriam estar prontas, mas a creche com maior volume de obra que ele encontrou ao assumir era de apenas 40% “e no setor público recomeçar uma obra não é fácil. Passada a última eleição, o governo municipal parou de pagar as contas e isso gerou um efeito cascata. As empresas deixaram de pagar as contas e os funcionários. As empreiteiras não voltaram a trabalhar, mesmo a gente tentando negociar. Tivemos de fazer medições, obra por obra, para definir o que foi feito e colocar os editais na rua, que é a fase em que nos encontramos”.

Mobilidade

Nesta área, o Chefe do Executivo destacou a concessão de passe livre a idosos com mais de 60 anos, conforme consta no Estatuto do Idoso; ampliação da meia passagem para estudantes, podendo usar no turno estendido e extensão desse benefício para quem participa de cursos profissionalizantes acima de 600 horas; o corredor de ônibus na rua 24 de Maio e o convênio da Balada Segura com o Detran e Governo do Estado, e melhoramentos no sistema de transporte coletivo, como o ônibus direto para o Parque Marinha, dentre outros.

Folha Gaúcha ed 150  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you