Issuu on Google+

ANO III. 148ª EDIÇÃO  R$ 1,50

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Por uma sociedade mais opinativa

principal •6e principal • 76

e7

Posto de saúde da Barra:

em plena transformação, aguardando médicos e reformas.

principal Geral • 10

•6e7

Iluminação pública:

Lâmpadas ficam acesas 24 horas, um problema que persiste há mais de ano

A maior praia do mundo completa 124 anos confira o caderno especial

Caderno • Páginas centrais

2 3 5 -6

5 3 2 3 AN

OS

ASSI

TURA NA

I C ÚN


2

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

EXPEDIENTE FOLHA GAUCHA

CHARGE

Por Alisson Affonso

EDITORIAL Veraneio é descanso ou stress?

M

Jornalista Responsável: Wanda Leite (MTB 15246) Diretor Comercial: José Valerão Editora-Chefe: Wanda Leite Revisão: Myrian Comberlato Coordenação: Franciane Wyse Diagramação: William Farias Financeiro: Viviane Rubira Assinaturas:

assinaturas@folhagaucha.com.br

Comercial:

comercial@folhagaucha.com.br

Reportagem: Matheus Magalhães Ique de La Rocha Rodrigo de Aguiar André Zenobini Camila Costa Colunistas: COMPORTAMENTO

Almira Lima Érica Halty ECONOMIA

Nerino Piotto

Curtas Folha Gaúcha Ações Contra a Dengue A Secretaria de Município de Controle e Serviços Urbanos (SMCSU) e o Programa de Prevenção da Dengue, gerido pela Secretaria de Município da Saúde (SMS), realizarão neste sábado (25) um mutirão para recolhimento de materiais que possam acumular água da chuva. O foco da ação será a região central, onde agentes municipais encontraram larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. A Prefeitura pede que as pessoas separem o entulho que possa acumular água parada e depositar o material nas calçadas. A partir das 8h, caminhões passarão para recolher os entulhos separados. De acordo com nota oficial, o objetivo é “reduzir o número de potenciais criadouros do mosquito da dengue e garantir a sua segurança”. Conjunto Habitacional Junção O endereço virtual da Prefeitura está disponibilizando lista dos cadastrados e recadastrados para seleção habitacional da Junção. A seleção deverá escolher famílias, integradas ao programa Minha Casa, Minha

Vida, para morarem no conjunto habitacional que está sendo construído no bairro e tem previsão de finalização para 2015. Cerca de 828 unidades serão construídas, visando aos participantes do programa que estão na faixa 1, isto é, com renda mensal até R$ 1,6 mil. As obras nos complexos BGV 1 e 2 seguem paralisadas. Capacitação no trânsito Eduardo Lawson, que atua como prefeito em exercício, recebeu no último dia 21 o assessor superior de segurança no trânsito, Ordeli Savedra Gomes. Junto deles, esteve André Bragagnolo, gestor da Coordenadoria de Defesa do Consumidor (Procon). A reunião serviu para a apresentação da programação do Seminário de Trânsito para Gestores e Agentes de Trânsito, que acontecerá no Município no dia 6 de maio. O objetivo da iniciativa do Governo do Estado e da Brigada Militar é capacitar trabalhadores que atuem na área. O local onde o seminário acontecerá ainda está para ser definido.

SOCIAL

André Zenobini Wanda Leite TEOLOGIA

Pastor Vilela da Costa GESTÃO & LOGÍSTICA

Márcio Azevedo ESPORTE

Claudio Galarraga GASTRONOMIA

Jesus Araújo GERAL

Alberto Amaral Alfaro Matheus Magalhães Impressão: Parque Gráfico Jornal Correio do Povo SAC: (53) 3235.6532 República do Líbano, 240 Cep: 96200-360 Centro

Este jornal não se responsabiliza por conceitos emitidos em colunas e matérias assinadas.

EDITORIAL

Foto-legenda

Foto: Carlos Wyse

Registro de um verdadeiro descuido com a iluminação pública em dois aspectos, lampada acesa em plena luz do dia e as folhas da árvore tomando conta da iluminação

Oferta de emprego - Empresa de turismo de grande porte seleciona pessoas para área de venda. Interessados encaminhar currículo com foto para o email: folhagaucha@folhagaucha.com.br

uitas pessoas, durante todo o ano, trabalham pensando na chegada das férias, do verão, que está ligado a sol, mar e descanso. Mas nos tempos de hoje, será que o verão está servindo para tirar o stress acumulado durante o ano inteiro e recarregar as baterias? Quem é daquela época lembra dos veraneios em nosso Cassino, nos anos 70. Tudo era uma tranquilidade. O acesso ao balneário e a saída da praia se dava com naturalidade. Havia movimento, mas engarrafamentos eram raros. Passear na avenida era prazeroso. Tinha os shows do Lúdio Porto Alegre, frente ao Hotel Atlântico, para descontrair. Alguns dos points eram o Bar do Zé Ivo, o Bar do Vicente, o Bar do Alemão ou o Hotel Cassino, enquanto a Sociedade Amigos do Cassino (SAC) encarregava-se de oferecer diversão a todas as idades, com boate e shows de expressão nacional, dirigidos aos mais jovens e também aos mais maduros. Naqueles tempos, o Cassino já atraía veranistas da região, também das cidades da Fronteira e de Santa Maria. Claro que havia movimento de carros, especialmente na avenida, mas tudo era mais tranquilo. As casas ficavam abertas e não tinha problema algum. Os tempos mudam, evidentemente. Nos últimos anos, o Cassino já vinha mostrando um crescimento acelerado. Só que agora a impressão é que nosso balneário já não comporta a presença de tanta gente, especialmente nos finais de semana, e o veraneio, que era para ser um descanso, acaba se tornando motivo de preocupação ou de stress. Basta analisarmos esses primeiros 25 dias de janeiro. Ir ao supermercado no Cassino, é ou não é um stress? E o que falar do trânsito? Como se não bastasse o grande número de veículos e os engarrafamentos, podemos nos deparar com motorista de todo tipo: bêbado, imprudente, irresponsável, os que se acham donos da rua, os que não sabem dirigir, os exibidos, os que gostam de som alto sem se preocuparem se os outros gostam, e por aí vai. Os pais ainda tem uma preocupação maior. Antigamente, eles sabiam que seus filhos iam para a avenida ou para a SAC, e podiam voltar caminhando tranquilamente para casa, com os amigos ou a namorada, porque não havia o temor do assalto. Hoje, eles largam os filhos sem ter a certeza de que voltarão ilesos. Só na noite cassinense, já foram registrados dois homicídios nas primeiras semanas de veraneio. Além disso, até mesmo tiroteio em plena luz do dia teria acontecido na avenida Rio Grande. Os veranistas reclamam do recolhimento do lixo, do estado das ruas, das longas filas do transporte coletivo e dos ônibus lotados. São problemas que dependem da administração pública e que poderão ser corrigidos com o passar dos dias. Mas o que mais preocupa a quem veraneia são as pessoas, os outros. Os problemas no trânsito, os problemas na praia como afogamentos, os homicídios, as brigas, são situações causadas pela imprudência do ser humano. Por isso, entendemos que mesmo o Cassino carecendo de maior infraestrutura, as pessoas podem fazer a sua parte para minorar os problemas e não para agravá-los. O bom veraneio ainda depende de nós. E dos outros.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Economia e Opinião *Nerino Dionello Piotto

PINDORAMA PAPAREIA HÁ ALGO ERRADO POR AQUI...

N

o lado macro da economia, Rio Grande vai bem. Grandes projetos – notadamente na área naval – atestam que temos qualidade. É um bem valioso, um capital raro! Quanto ao futuro, é promissor. Vários projetos de energia eólica estão sendo implantados no Município – visitamos nesta semana o da Odebrecht (um show de organização, a começar pela estrada por ela recuperada e mantida); ligação a seco com São José do Norte; nova megarrefinaria de petróleo da Petrobras, pra só falar nos gigantes. Da mesma forma como o que é bom se irradia, o que é mau também. Ex: São J.do Norte pega carona no bom, atrai com potencialidades secularmente adormecidas e vai se dando bem. Tenho conversado com leitores, moradores do centro e de bairros, e sentido que o que é mau – no âmbito interno - tem feito escola. Citei, logo que cheguei, a teoria das janelas partidas... A sensação que constato, dentre várias pessoas que conversei, com relação à operacionalização interna de nosso Município, é preocupante. Vou citar – por falta de espaço - dois exemplos, cidadãos atuantes. O ex-vereador, Prof. Antonio Maçada, que teve a maior votação proporcional ao número de eleitores de toda a história papareia. Quase impossível outro vir a ultrapassar a histórica marca do Prof. “Pelé” Maçada. E o Sr. Rodrigues, Boulivard (Coordenador do VUrbAEco/RS – Vivência Urbana e Eco-Autossustentável), cidadão ultrapreocupado com o que ocorre em nossa cidade, que usa poderosa arma , a internet, publicando textos bem elaborados, embasados em constatações e pesquisas que realiza diuturnamente. A sensação que constato e tenho a respeito de nossa Administração Municipal é um misto de preocupação e impotência. O Prof. Maçada resumiu esse sentimento ao me perguntar “o que o cidadão comum, como eu, pode fazer”? Ouvi, de pessoas preparadas, expressões como: está faltando “máquina”, “meio de campo”, “disposição para o trabalho”, “apetite”... Pois é. Boas cabeças e gente experiente na cúpula da Administração não faltam. Além do Prefeito Lindenmeyer e seu vice, Lawson, há secretários com incontestável preparo técnico e intelectual, carreiras brilhantes, que emprestam sua capacidade e experiência à comunidade, como o Prof. João Carlos Cousin. E dinheiro também não. Tem gente até devolvendo! Então... por que “ as coisas não andam “? É a pergunta que não quer calar! buracos mil – há um que ganhará em breve um bolo com velas ao completar um ano, segundo denúncia do Prof. Dornelles; as ciclovias – que aliviariam o estresse do trânsito - estão só no discurso; o lixo espalhado e por recolher, e as valetas fétidas são provas mal cheirosas e evidentes de que algo está errado. E... com o progresso batendo à porta, e entrando sem pedir licença... Afinal....O que afinal está faltando? Pensem nisso! Economista* nerinopiotto@globo.com

3

Opinião

Por que o conservadorismo é o caminho?

C

ada vez mais me convenço de um fato: não há outro caminho senão o conservadorismo. Esta palavra foi emprestada para dar sentido a uma corrente filosófica que nasceu das reações ao terror instaurado pela Revolução Francesa, que depôs a monarquia absolutista e matou milhares de pessoas no processo. O resultado foi um levante intelectual; “se a monarquia era ruim, o que a fez cair é ainda pior”. A partir deste momento, a ideia do conservadorismo surgiu como uma espécie de posição moral de cautela. Antes de buscar qualquer alternativa ao que se tem, o conservador pondera se a nova ordem que virá a ser estabelecida poderá vir a se tornar pior. Esta é a diferença fundamental entre o conservador e o “progressista” – um termo moderno para “esquerdista”, “socialista”, “comunista”, inventado pela nova esquerda americana para tentar dissociar o movimento dos horrores do comunismo do século XX: Enquanto um crê que antes da promoção de qualquer mudança radical é preciso pensar bem se o que virá é melhor, o outro crê que absolutamente tudo é justificável em nome da mudança, que é necessária a todo custo. Neste caso, a filosofia não mudou em absolutamente nada, se comparada aos movimentos totalitários do século passado. Ou seja, vale tudo em nome daquilo que um pequeno grupo de pessoas julga ser o melhor para um país (ou países) inteiro. Por este motivo, você não verá um conservador pedindo que o Estado regule, com leis, o que as pessoas devem comer, vestir e beber; como elas devem se relacionar, quais são as palavras permitidas, que religiões são autênticas e permitidas, quais os grupos que não podem ser motivo de piada (...). O esquerdista, por definição, se coloca em uma posição de superioridade moral. Ele acredita que tudo o que propõem é correto, pois está alinhado a uma agenda humanista. Utilizando o que aprendeu com o marxismo e, posteriormente, a reforma de Gramsci, o seu querer, que para ele é o único correto dentro de um universo de possibilidades, tem de ser implantado, mesmo que ao custo de cerceamento, censura e, em casos extremos, genocídio. Não foi por acidente que o francês Georges Clemenceau cunhou a famosa frase: “Um homem que não seja um socialista aos 20 anos não tem coração. Um homem que ainda seja um socialista aos 40 não tem cabeça.” O clamor da juventude, que nos faz “meter os pés pelas mãos”, é um dos combustíveis do idealismo esquerdista. Os ideais são nobres mas os meios empregados para pô-los em prática são, na maioria das vezes, perigosíssimos e inconsequentes. Não se pode decidir a política que vai gerir a vida de

milhões de pessoas sob a ótica do “pode vir a acontecer algo de ruim mas eu espero que não”. O conservador nunca pode se dar ao luxo de tal imaturidade, até porque, em diversos momentos, foram políticos, filósofos e autores conservadores que consertaram as temerosidades postas em prática por idealistas com coração mas sem cabeça. Dito isto, não quero dizer que o conservador é a pedra no caminho de todo e qualquer tipo de progresso. O que ele traz à mesa é um pessimismo político vital para qualquer discussão desta natureza. E é ele que lembra que existem instituições, e que existem leis pétreas, as quais fundaram nossa civilização. Portanto, para um conservador, nunca, em nenhum momento, é justificável o assassinato de um indivíduo para pôr em prática algum tipo de ideal. A esquerda flerta perigosamente com o contrário deste pensamento quando alia sua arrogância à falta de quorum em suas decisões, alimentada pela quimera de que é a voz do “povo”. Assim, já que não põe suas posições em dúvida, a esquerda acaba, em diversos momentos, se confundindo com o fascismo, sobretudo por sua afinidade à ideia de que o Estado é muito maior do que o valor do indivíduo e que tudo vale por sua preservação. Já temos doze anos de um governo que, apesar de não ser de extrema-esquerda, vive flertando com a mesma. Mais quatro anos podem representar um alinhamento ainda maior com esta natureza extremista, tácita mas sempre presente. Queremos um Brasil caminhando rumo ao totalitarismo? Matheus Magalhães


4

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Alfaro

Alberto Amaral

Rolezinho no Palácio do Planalto!... Nos Ministérios!... Quem sabe?...

T

Policiamento comunitário: Reunião no 6º BPM apresentou um balanço dos primeiros trinta dias de atuação Foto: Divulgação/ Batalhão Cel Claudino

Rodrigo de aguiar

N

o dia 18 de janeiro, foi completado o primeiro mês de atuação dos núcleos do policiamento comunitário, iniciativa da Secretaria de Segurança Pública do Estado, que trouxe para Rio Grande 11 novas viaturas e demais equipamentos. A raiz do programa e os fundamentos que levaram o governo do Estado a investir no Município já foram informados em matérias anteriores sobre o assunto e hoje o jornal Folha Gaúcha quer saber: em 30 dias de atuação, qual é o balanço a ser feito? A manifestação de membros da comunidade, durante a cerimônia de entrega, de que os equipamentos seriam guardados no quartel e esporadicamente utilizados não procede! As viaturas, destinadas aos núcleos, encontram-se em circulação e as devidas prisões estão sendo efetuadas quando necessário. Para esclarecer as informações sobre este novo momento da segurança pública no município do Rio Grande, foi realizada na manhã da última quarta-feira, dia 22, uma reunião para a apresentação de dados estáticos deste primeiro mês de trabalho dos policiais em seus respectivos núcleos. O ato foi presidido pelo Tenente Coronel Carlos Alberto Brusch Terres, comandante do 6º BPM, e contou com a presença de autoridades municipais, entre eles o prefeito Alexandre Lindenmeyer. O prefeito, durante sua fala, disse que o retorno positivo por parte da população é perfeitamente perceptível e parabenizou a Brigada Militar pelo trabalho

que vem sendo desenvolvido no Município. O chefe do Executivo disse ainda que a intenção é continuar trabalhando para que os núcleos possam ser aumentados e o programa possa atender a todo o Município. O Tenente Coronel Carlos Alberto Brusch Terres informou que, apenas nos primeiros trintas dias de implantação do projeto, as viaturas entregues em dezembro rodaram neste período cerca de 25 mil quilômetros, atenderam 440 ocorrências, recuperaram oito veículos, e os policiais que atuam nos núcleos efetuaram quatro prisões de indivíduos que encontravam-se foragidos do sistema prisional. Brusch disse ainda que a segurança em Rio Grande está mudando aos poucos e os dados que foram apresentados na reunião comprovam esta mudança. É lógico que a Brigada Militar não consegue cuidar de todos os problemas de uma vez só, mas com a implantação do policiamento comunitário, o efetivo restante consegue manter seu foco no centro da cidade e também no balneário Cassino. A Polícia Comunitária é um projeto do Governo do Estado, implantado através da Secretaria de Segurança Pública e já beneficia 12 municípios. Este projeto traz um conceito inédito no Brasil, aproximando os policiais da população e aumentando a segurança pública a partir desta proximidade. O grande diferencial do serviço se dá pelo fato dos policiais residirem no próprio bairro atendido, o que possibilita uma maior interação com a comunidade e o conhecimento mais a fundo das necessidades de cada uma.

odos somos unânimes em reconhecer o avanço que as redes sociais possibilitaram à universalização e à democratização das informações e do conhecimento. Não obstante, a falta de uma legislação internacional que discipline com rigor a má utilização dessas poderosas ferramentas, torna a cidadania refém de todo o tipo de organização, interesse ou crime. A bola da vez, o modismo, é o Rolezinho, convocação feita através das redes sociais para que jovens reúnam-se em horários pré-agendados, em shoppings centers ou centros comerciais, sem uma finalidade específica aparente, o que por si já é perigoso. Como diz o velho ditado: “O ócio é a ferramenta do diabo”, portanto, quem não tem o que fazer, fique em casa. Lembro que na minha juventude, “dar um rolé” era dar um passeio, uma volta ou um giro a pé ou de carro, com um ou dois amigos, também sem um objetivo definido, o que, às vezes, teve como consequência a ida a algum lugar não recomendável, quase sempre prenúncio de confusão. Potencializem isso, reunir dezenas, às vezes, centenas de jovens, convocados a invadir qualquer espaço público ou privado, é uma insanidade, uma irresponsabilidade monumental, com consequências imprevisíveis. Três segmentos, como sempre, arvoraram-se na defesa dessas balbúrdias, dessas turbas que já causaram inúmeros prejuízos a comerciantes e também a consumidores, cada um com suas justificativas e todos com um viés notadamente ideológico. Os Movimentos Sociais acusam os shoppings de “apartheid”, mais uma vez criando uma luta de classes que não existe, e o que é pior, demonizando a atividade empresarial. Espertamente, um tal Instituto de Pesquisa Data Popular, até o nome é caricato, tentando confundir-se com o consagrado Datafolha, tenta enganar a opinião pública criando números fantasmagóricos, que recriminam e menosprezam o empresariado, frisando que os mesmos estariam ignorando o potencial de consumo da Classe “C” ao proibir os tais Rolezinhos; que estariam abrindo mão de R$129 milhões, suposto potencial desses jovens, que na imaginação do Data Popular, representariam muito mais que o consumo das Classes “A”, “B” e “D”, somadas. Que delírio! Tudo isso com o intuito de provocar, mais uma vez, confronto de classes, tipo ricos X pobres, clara tentativa de ideologização do consumo. Por último, não poderia faltar, um alto prócer do petismo raivoso, mas dissimulado, o secretário Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, aquele da República de Ribeirão Preto, propôs, na mesa de entrada do gabinete da Presidente Dilma Rouseff, que: “Precisamos criar alguma convivência com o Rolezinho”. No meio de tanta desfaçatez, cabe um esclarecimento aos que porventura nunca tenham ido a um shopping center ou Centro Comercial. Esses estabelecimentos, embora de propriedade privada, jamais cobraram qualquer tipo de entrada ou constrangeram alguma pessoa a algum consumo mínimo obrigatório ou limitação de qualquer espécie para o livre acesso e circulação. Daí ser totalmente descabida a permissão da veiculação dessas convocações, e pior, a omissão do Estado ao não dar segurança aos que estão trabalhando, passeando ou fazendo compras de forma civilizada e tranquila. Minha querida Mãe, Alfa Amaral Alfaro, vinda de Santa Vitória do Palmar, e que nos deixou semana passada, diria no seu sotaque mergulhão: “Quem pariu que o embale”. Eureka! Que tal um Rolezinho no Palácio do Planalto? Ou nos Ministérios? Quem sabe.

Advogado, Empresário e Corretor de Imóveis.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

5

Planos não faltam Novo presidente do bairro São Miguel assume com muitos projetos para o bairro.

Foto: André Zenobini

IQUE DE LA ROCHA

O

bairro São Miguel, um dos principais do Rio Grande, tem novo presidente na associação de moradores. Trata-se do mecânico montador Gilmar Gonçalves, um jovem de 34 anos, que reside naquele local há 13 anos. Gilmar conta que seu filho pequeno, Gabriel, sempre reclamou da falta de uma praça no bairro. Por isso, prometeu a ele lutar pela conquista deste espaço. “Vou deixar a pracinha como legado”, afirma ele, que luta por uma área de lazer para o bairro há pelo menos 11 anos. Gestão de quatro anos A eleição ocorreu dia 12 de janeiro. O novo presidente da Associação de Moradores do Bairro São Miguel adianta que pretende passar sua gestão de dois anos para quatro, e explica: - Quero construir uma sede para a associação, colocar sócios, e dois anos para isso é pouco. Quero fazer algum empréstimo por quatro anos para as obras e, por isso, vou convocar uma assembleia de moradores. Acredito que bem trabalhado a gente paga a obra.Na verdade, a associação de moradores nem área possui para a construção da sede, mas Gilmar diz que solicitará a doação de um terreno à Prefeitura.

Bairro há anos não recebe investimentos O bairro São Miguel, durante muitos anos, muito pouco recebeu em termos de investimentos. É claro que vias como a Roberto Socoowski, a Pandiá Calógeras e a Cristovão Pereira de Abreu receberam pavimentação, mas elas cortam, não apenas com o São Miguel, como também o São João, Recreio, e os antigos Profilurb (Carlos Santos, Nossa Senhora de Fátima e Santa Rita de Cássia). No caso da Socoowski, ela vai até o bairro Santa Rosa, passando também pela Castelo Branco. A falta de uma praça e até mesmo de arborização é um dos problemas do São Miguel e de diversos outros bairros da cidade. Já uma rua que merecia pavimentação há bastante tempo é a Bernardo Taveira. “Enquanto não passava ônibus, ela não tinha calçamento. Depois que o ônibus começou a passar por lá, foi que a Prefeitura colocou calçamento”, observa o novo presidente do bairro. Muitas deficiências Indagado sobre a situação do bairro São Miguel, Gilmar Gonçalves responde que “é precária. Estrutura zero e drogadição a mil”. Sobre a sua gestão, diz que “como não tenho força para mandar calçar as ruas, nem para que cumpram o Valeta Zero, também vamos trabalhar para conscientizar a comunidade nas próximas eleições. Que os moradores pensem bem na hora de votar”. Uma das primeiras medidas do presidente da Associação de Moradores do São Miguel será uma audiência com o prefeito Alexandre Lindenmeyer (PT). “Quero ver o projeto que ele tem para o bairro São Miguel”, adianta, complementando: - Quero saber dele qual ação a gente poderá apoiar. No encontro com o prefeito, Gilmar pretende solicitar a construção de uma pracinha ou de uma área de lazer. Sua sugestão é que ela seja construída junto à rotatória da Estação Integração da Junção, cuja denominação ele discorda: - Ali é o bairro São Miguel. A Junção só vai até a Saturnino de Brito. “O estado das ruas é precário, tem muita valeta a céu aberto também. A iluminação pública está boa, mas não estão dando a manutenção necessária. Os ônibus são precários, circulam totalmente lotados. Às 6h da manhã é reclamação em cima de reclamação”, prossegue o presidente. Com relação aos postos de saúde, Gonçalves também diz que a situação “é precária. Temos dois postos no São Miguel e até mandei foto-denúncia para a Câmara de Vereadores, porque tinha bicho de pé, pulga e capim acima da janela. No bairro tem muito cachorro também”. Policiamento Comunitário e apoio Gilmar elogia a presença do Policiamento Comunitário em seu bairro. “Eles estão bastante atuantes e dão a impressão de maior segurança aos moradores”, comenta. Aproveita para destacar que recebe apoio do vereador Júlio César da Silva (PMDB), “o único dos 21 parlamentares que atende o telefone e nos dá atenção”. Também não poupa elogios ao presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande, Benito Gonçalves: - Ele é muito atuante e disponibiliza à comunidade do São Miguel vagas de emprego que surgem no sindicato. Em qualquer ação que a gente faz no São Miguel, podendo, ele está presente. Ele já esteve conosco até desentupindo valeta à meia-noite.


6 Principal

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Posto da Barra: uma unidade em transformação Local agora faz parte da ESF e a população está se acostumando ao novo funcionamento, que ainda carece de profissionais

H

á menos de um mês, o posto de saúde situado na 4ª Secção da Barra recebeu uma boa notícia. Estava se transformando em mais uma unidade básica de estratégia da saúde da família (ESF), assim como tantas outras já visitas pela equipe de reportagem do Folha Gaúcha. A comunidade vai se acostumando, enquanto os novos profissionais vão lidando com as dificuldades. Distante da cidade e com quase 4 mil moradores, a Barra é considerada um ponto estratégico para a ESF. Para isso, contudo, é preciso uma equipe que dê conta da demanda diária de pacientes. Atualmente, o posto está em falta nesse quesito, trabalhando apenas com uma médica, um agente comunitário, um técnico em enfermagem e um enfermeiro. Segundo o coordenador do local, Paulo Ary Silva, que assumiu há menos de um mês, os agentes comunitários que fazem parte da ESF estão em período de concurso e logo devem chegar. “Apesar da falta de pessoal, nós já estamos dando uma nova identificação ao posto”, afirma. Isso porque a ESF oferece novos serviços à comunidade, como exames, visitas domiciliares e grupos especiais, serviços que já estão sendo realizados.

Camila costa

Para a realização de exames de sangue, por exemplo, entre outros testes rápidos, o posto precisa de material, que também aguarda. Essas facilidades de exames em um posto de saúde, segundo Paulo Silva, agrada a população. “Eles já estão gostando do trabalho e nos receberam bem, porque agora possuem serviços que não tinham antes e percebem que a mudança é positiva”, exclama. Para a população se acostumar ao novo ritmo do posto, Silva lembra que é preciso ter paciência. “Antigamente, o paciente vinha e, se o médico estava ocupado, ia embora. Agora, tem enfermeiros que podem fazer o primeiro atendimento e, se necessário, encaminhar ao médico em seguida. A população está se acostumando com isso e com o sistema de fichas”, conta. Outra novidade no posto é a médica cubana recém-chegada na cidade. Ela, que também está atuando há menos de um mês na unidade, está sendo bem recebida pela comunidade, conforme Silva. “Os pacientes estão felizes, porque a reclamação geral era de que antes o médico mal olhava para eles, e agora eles são atendidos, tem o toque, tem o acolhimento, eles gostam bastante dela”, afirma ele, com ressalvas: “o único problema é a linguagem, algumas receitas que voltaram por causa da escrita, mas ela tem auxílio e tudo está melhorando”.

Principal

7

Coordenador do posto aguarde por nova equipe Fotos: Gui Paranhos

Espaço físico é problema com a chegada da ESF

A mudança precisa vir acompanhada de outras medidas importantes que viabilizem o funcionamento correto do posto, de acordo com os diferenciais da ESF. O espaço reduzido e a falta de recursos humanos podem dificultar o restante do trabalho. Segundo Silva, a expectativa é de que a Secretaria da Saúde atenda às solicitações da unidade. “A secretaria vem nos dando apoio e acredito que vai continuar assim”, afirma o coordenador. Como o local possui uma pequena casa desativada ao fundo de seu terreno, espera-se que ela seja reformada para viabilizar mais espaço físico, principalmente para os grupos de gestantes, diabéticos e hipertensos que o ESF atende. Alguns medicamentos ainda estão em falta

Próximo ao horário de fechamento para o almoço, no dia em que recebeu a visita do Folha Gaúcha, a movimentação no posto estava calma. Porém, Silva explica que nem todos os dias são assim. “Em muitos dias, nós não fechamos no horário de almoço e o atendimento vai até quase 14h.” Algumas medicações, de acordo com ele, ainda estão em falta. “São alguns remédios para doenças crônicas, que não deveriam faltar, mas a secretaria diz que está normalizando”, diz. A falta de segurança também já trouxe problemas. A casa aos fundos do posto foi arrombada há cerca de um ano. O posto tem um segurança no local 24h por dia. Aos poucos, a unidade vai ganhando organização. Para 2014, o pedido é único: recursos humanos para atender cada vez melhor a 4ª Secção da Barra.


*

E Não É Que Aconteceu Mesmo Venho insistindo, faz tempo, na minha coluna, sobre os perigos da Av. Dom Pedro II, e não é que dia 09/01/2014, conforme noticiou a mídia, um carro caiu em um dos 700 buracos e armadilhas existentes nela. Mas nada acontecerá, será preciso um acontecimento mais grave, talvez com morte para que, aí sim, as providências que deveriam ser tomadas a mais ou menos 18 meses atrás, sejam tomadas. É o descaso e a incompetência de mãos dadas e não me interessa o pai e o porquê do problema, quero o pai da solução, já! Crackolândia Rio-grandina Em Grande Expansão É o que acontece nas imediações da Rua Mal Andréa, rua do 5º Distrito Naval, com Rua Bento Martins, prédios abandonados, proliferação de drogas, tráfico, prostituição e bandidagem em geral. Quem são os responsáveis pelos prédios abandonados? Prefeitura e seus órgãos que tomem providências para intimar os responsáveis, multar e exigir que os prédios sejam fechados, alguma coisa precisa ser feita e urgente. É uma vergonha, um absurdo, um descaso total, uma falta de responsabilidade extrema. Todos Precisamos De Projetos Ano começando, onde estão seus projetos? Sim,

*MBA em Logística *Despachante Aduaneiro *Administrador de Empresas *Pós Graduando em Gestão de Pessoas *Professor do Curso Técnico em Logística

projetos ! Você não os fez ?. Bom, se você não fez seus projetos para 2014, a situação não é muito boa, sem projetos o ser humano perde a capacidade de sonhar e motivar-se a chegar a algum objetivo traçado. Terminar os estudos, recomeçar os estudos, entrar para uma faculdade, montar um negócio, qualificar-se ainda mais, novo emprego, novas amizades, mudança de ares. Não importa qual o seu projeto, sua ideia ou seu objetivo, o importante é montar o projeto. Tire as ideias da cabeça e coloque-as num papel, anote tudo que é necessário para atingir seu objetivo, monte seu projeto. É motivação pura, mas de nada adianta montar suas ações e ficar parado, partir para ação é o primeiro passo a partir de um projeto pronto. A pergunta é simples : O que tenho que fazer para atingir meu objetivo? O ser humano é movido de objetivos, e traçá-los é muito importante para que se saiba para onde ir e onde se quer chegar. As pessoas mais chegadas me questionam: poxa! mas você trabalha tanto e faz diversas coisas durante os três turnos do teu dia, você ainda tem projetos? Mas é claro que tenho novos projetos e não são poucos, alguns, eu diria, ousados, podem não concretizarem-se, mas não será por falta de ações, pode ser por qualquer outro motivo, nunca por omissão. Então planeje, monte seu projeto e parta para a ação hoje.

Uma dica, se o seu projeto for um grande projeto, divida-o em pequenas etapas e conquiste-as uma a uma e chegará lá. Não Tem Mais, Acabou ! É uma frase a qual estamos acostumados a ouvir em nosso comércio e seria cômica se não fosse trágica. Comércio de produtos vive de comprar produtos e revendê-los, portanto, ganha um percentual cada vez que o produto é vendido da loja. Quando não tem o produto que o consumidor procura, o comerciante está perdendo de vender, portanto, perdendo de lucrar, mas de quem é a culpa? Tem várias culpas, uma delas é a gestão do comércio, geralmente sabe-se em que período tais produtos vendem mais ou vendem menos, portanto, sabe muito bem quanto se deve ter no estoque, ou quanto de pedido deve fazer para aquele período, isso chama-se gestão. Outra culpa é dos fornecedores que prometem e não cumprem. Este problema está bastante comum em virtude da incompetência que se instaurou no mercado. Agora, a única culpa que não existe, e que muitas vezes é colocada de forma equivocada e que a gente ouve muito é: “Compraram tudo”! Ou seja, culpar o consumidor, aí é demais para minha cabeça. Boa Semana !


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Gotas de Sabedoria Pastor Vilela

Chegarás até onde a tua visão alcançar! Gên 15:1 Depois destas coisas, veio a palavra do SENHOR a Abrão em visão, dizendo: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão. 2. Então disse Abrão: Senhor DEUS, que me hás de dar, pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer? 3. Disse mais Abrão: Eis que não me tens dado filhos, e eis que um nascido na minha casa será o meu herdeiro. 4. E eis que veio a palavra do Senhor a ele dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que de tuas entranhas sair, este será o teu herdeiro. 5. Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência. 6. E creu ele no Senhor, e imputou-lhe isto por justiça. Quando Deus envia uma palavra ao teu coração, Ele renova teu pensamento e te faz ver as coisas de sua perspectiva... Em Isa 55:8, diz: Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Quando te baseias apenas nos teus pensamentos, estás no nível da terra, mas quando recebes os pensamentos de Deus, sobes a níveis celestiais! Só então, verás o que Deus tem para ti!!! Em Juízes 6 Gideão está escondido em uma cova malhando o trigo num lagar. Estava com

Depoimento de Vida

NETA CURADA DE TUMOR NA CABEÇA! Meu nome é Neli Valente, moro em Pelotas e estava desesperada ao ver minha neta enferma e desenganada pelos médicos de Pelotas. Minha irmã me falou dos milagres que estavam acontecendo na Cristo Vive do Rio Grande, e eu, em desespero, peguei um ônibus Neli Valente e vim ao culto de quarta-feira à tarde. Ao chegar, conversei com o Pr. Vilela, que me deu um tecido consagrado e me disse que eu colocasse aquele tecido sobre a cabeça da minha neta. Ao chegar em Pelotas, fui direto ao apartamento do meu genro que é incrédulo e não acreditava que poderia acontecer um milagre. Pedi que ele colocasse o lenço sobre a cabeça da minha neta, e fui para a cozinha chorar. A situação era grave pois o melhor doutor de Pelotas tinha desenganado ela. O Pai da minha neta colocou o tecido na cabeça dela e em poucos minutos ele grita para mim: Neli corra aqui, pois o tumor estourou. Corri até o quarto e vi a cabeça de minha neta toda suja com aquela inflamação e uma massa amarela escura. Desde aquele dia, ela começou a melhorar, voltou a nascer cabelo, ela está curada e perfeita para a glória de Deus. Mesmo morando em Pelotas, sempre que posso, venho a Rio Grande para participar das reuniões na Cristo Vive, e digo que vale a pena vir aqui. Divulgo para as pessoas sobre a Igreja e muitas pessoas têm vindo de Pelotas para participar dos cultos aqui na Cristo Vive. Agradeço a Deus e ao Pr. Vilela por este grande milagre que Deus fez em nossa família

medo dos Midianitas, portanto, era um MEDROSO!!! Os Midianitas eram descendentes diretos de Abraão por seu casamento com Quetura, após a morte de Sara (Gen 25:1). No cap. 6:12 diz: Então o anjo do Senhor apareceu a Gideão e lhe disse: “O Senhor está com você, poderoso guerreiro”. (Vers. Internac.) - O Senhor é contigo, homem valoroso. (Almeida Corrigida) - Jeová é contigo, valentíssimo varão. (Soc. Bíblica Britânica) - Deus muda o coração e a forma de pensar de Gideão!!! Notamos aqui que Deus está chamando um medroso de Valente, valoroso e poderoso guerreiro. - A Igreja necessita ouvir a voz de Deus para sair da cova da Derrota!!! Deveríamos ler a Bíblia diariamente, não só para conhecimento, pois de tempos em tempos, Deus nos marca uma palavra: RHEMA... Por isto, leiamos a Bíblia com EXPECTATIVA. Venhamos à Igreja com EXPECTATIVA. Em Joel 2:28 diz que: nos últimos dias, derramarei do meu Espírito sobre todos os povos. Os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos, os jovens terão visões.

Este é o Idioma de Deus: 1º PROFETIZAR / 2º SONHAR SONHOS / 3º VER VISÕES Ezeq 37:9 E ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize ao espírito: Assim diz o Senhor DEUS: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Notamos aqui que enquanto Ezequiel não soltou a palavra as coisas não aconteceram! Ezequiel 37:7 diz: Profetizei, pois, como se me deu ordem. “Enquanto eu profetizava”, houve um ruído; e eis que se fez um rebuliço, e os ossos se juntaram cada osso ao seu osso. VAMOS TER QUE APRENDER A VALORIZAR A VOZ DE DEUS PARA MUDAR NOSSO CORAÇÃO E NOSSA FORMA DE PENSAR. Temos que aprender a ler a bíblia de uma forma diferente, não apenas para adquirir conhecimento, mas para, com expectativa, buscar ouvir nela a voz de Deus para nossas vidas. Quando viermos à Igreja portemo-nos com reverente expectativa, para que possamos ouvir durante a pregação, a voz de Deus para as nossas vidas. Com carinho, Pr. Vilela da Costa.

9


10

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Luminárias acesas fazendo aniversário Portuário aposentado faz levantamento de luminárias funcionando 24 horas por dia sem que providências sejam tomadas

O

portuário aposentado Carlos Wyse, há muitos anos, tem se dedicado a denunciar irregularidades na cidade. Seu alvo principal é o trânsito da cidade, as buraqueiras nas rodovias, mas ultimamente ele teve sua atenção despertada para as inúmeras luminárias que permanecem acesas durante as 24 horas do dia nas ruas da cidade. Este assunto, Wyse inclusive encaminhou para a Promotoria Pública, em novembro de 2012, tendo em vista que ele constatou naquela época a existência de nada menos que 2.500 luminárias em situação irregular. Isto aconteceu no governo anterior, mas o problema ainda persiste. Carlos Wyse salienta que, em levantamento junto à CEEE, apurou que a despesa do Município com essas luminárias é bastante elevada. Por isso, entende que a omissão do Poder Público deveria culminar na punição dos responsáveis.

17 meses ligada (Gen. Neto - frente aos Correios)

Há 7 meses sem funcionar

IQUE DE LA ROCHA

Na edição correspondente ao período de 22 a 28 de junho do ano passado, o Folha Gaúcha abordou o assunto. Na ocasião, Wyse foi entrevistado e comentou: “Se todo mundo começar a observar, verá que o número de lâmpadas acesas nas ruas durante o dia é um absurdo. Alguma coisa está falhando”. Ele afirmava que as luminárias acesas já chegavam a 3.500 no ano passado, ou seja, mil a mais que em 2012, quando fez a denúncia ao Ministério Público. De acordo com a Prefeitura, o problema é o relé fotoelétrico, mecanismo que aciona a célula da lâmpada automaticamente quando escurece. Neste caso, o equipamento precisa ser substituído, porque normalmente é interligado com outros postes. Acontece que as providências não foram tomadas como deveriam. E, para provar isso, Carlos Wyse apresenta uma relação de luminárias que apresentam o problema há bastante tempo, sem que tenha surgido alguma solução. Como se pode constatar a seguir:

Ligada há 2 anos, 24 horas por dia

Fotos: Carlos Wyse


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Caderno Especial


Cassino: anos de vida, de histórias e de futuro Orgulho dos rio-grandinos, a maior praia do mundo completa 124 anos e acompanha a chegada do desenvolvimento Camila Costa

S

ão 124 anos de histórias. São 124 anos de vidas passando, deixando um pouco de si e levando mais um pouco deste lugar no canto do país, quase no fim. Mas não é o fim, muito pelo contrário. Foi aqui, na Praia do Cassino, que tudo começou para os balneários brasileiros. Completando mais um ano de vida cheio de histórias, o balneário segue vivo, recebendo quase 500 mil pessoas aos finais de semana e atraindo moradores de cidades da região (Pelotas, Bagé, São Lourenço do Sul). Além disso, é rota também para inúmeras espécies de animais, principalmente aves e tartarugas. Entre as particularidades, está a possibilidade de transitar pela orla da praia com o automóvel. Há espaço para quem quer pescar, acampar, passear de vagoneta enquanto assiste a um verdadeiro espetáculo da natureza, ou até para quem quer apenas se divertir. A extensão da Praia do Cassino tem reconhecimento mundial. Os seus mais de 254 km, que vão desde Rio Grande até o Chuí, tornam a praia como a maior do mundo em extensão. Sua criação aconteceu para criar um novo centro de turismo na região sul, aproveitando a linha férrea que chegava à cidade. Pensado de acordo com os balneários que estavam começando a fazer sucesso no Uruguai – ideia copiada dos europeus, o Cassino foi projetado pela Companhia de Bondes Suburbanos da Mangueira, subsidiária da Companhia Carris Urbanos. Com investimentos da alta sociedade Rio-grandina da época, e mais apoio do governo do Estado, Antônio Cândido Sequeira, então diretor da companhia, inaugurou em 26 de janeiro de 1890 o Balneário Cassino, considerado o balneário marítimo mais antigo do Brasil. Em homenagem ao seu fundador, chegou a se chamar “Villa Sequeira”. Grandes empresários, que estiveram pela cidade do Rio Grande após a inauguração do novo centro

Expediente Repórteres: Camila Costa Matheus Magalhãtes Rodrigo de Aguiar Diagramação: Willian Farias

Fone: (53)3235-6532 República do Líbano, 240 Centro - Rio Grande - RS

Este caderno não pode ser vendido separademente

de lazer, buscavam o local para se divertir. Foi exatamente assim que surgiram os cassinos da época, que atraíam jogadores de todos os lugares, e vieram, posteriormente, a dar nome ao balneário. Segundo contam moradores antigos, um dos maiores cassinos estava localizado onde hoje há somente ruínas, e foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial. Considerado um bairro do Rio Grande – e ainda dependente economicamente do centro da cidade –, o Cassino possui curiosidades interessantes. Em 1966, a NASA esteve no local para realizar lançamentos de foguetes durante um eclipse total do Sol. A cidade foi praticamente invadida por cientistas de todo o mundo, juntamente com curiosos e turistas, que acompanharam o evento histórico e inédito para o país. Outro fato marcante aconteceu em 1976, quando o Navio Altair navegava em águas rio-grandinas e acabou, pela ação do mau tempo, encalhando na praia. Embora muitos outros naufrágios já tenham sido registrados, a embarcação é especial, pois acabou sendo incorporada à paisagem do Cassino e hoje é ponto de referência para turistas e para aqueles que praticam a pesca e reúnem-se próximo ao navio. Atualmente, o Navio Altair está sendo encoberto pela areia. As dunas do Cassino, que tornam única a paisagem do

balneário, são atração ecológica. Desenvolvidas a partir de uma interação entre o vento, a areia e a vegetação, elas têm importante função ambiental, pois protegem o lençol freático e são barreiras naturais contra a ressaca do mar. A cada ano, vive-se o Cassino um pouco mais além do verão. Atualmente, há mais de 40 mil moradores fixos no bairro-balneário, que, com o desenvolvimento do Polo Naval, tornou-se grande alternativa de moradia, tanto para quem vem de fora quanto para a própria população da cidade, que elogia a calma do local durante o resto do ano e as vantagens de estar perto do mar e da natureza.

A Avenida Rio Grande, considerada como a principal via do Cassino, ainda hoje conserva algumas residências do seu tempo de fundação. Ali, destaca-se a arquitetura, as famílias que viram o local crescer e um toque especial das marcas do tempo que ficaram e tentarão resistir por ainda mais 124 anos. E os jovens também têm atrações na Praia do Cassino. A cada ano, novas festas e bares chegam durante a alta temporada, para levar diversão a quem passa por lá, movimentando a noite na praia. Além disso, restaurantes e lojas seguem aumentando o ritmo do comércio. É assim, sempre atual e sem perder o toque do seu passado, que a maior praia do mundo comemora mais um ano de vida, sonhando com dias cada vez mais prósperos.


Entre pedras e livros: uma praia de opções A maior praia do mundo tem atrações para todos os tipos de público Camila Costa

A

o completar os seus 124 anos, o Cassino ainda busca renovar-se para atrair, tanto os turistas quanto os próprios rio-grandinos. Desde festas já tradicionais a novidades, como trilhas até o Chuí, a maior praia do mundo se torna rota para quem quer ser feliz, preferencialmente, “o ano inteiro”. As pedras históricas dos Molhes da Barra ou as páginas da já conhecida Feira do Livro: tudo é festa no Cassino. Confira aqui as atrações que a Praia do Cassino, ao longo dos seus anos, vem oferecendo para quem passa por lá. São pontos turísticos e festas culturais que exaltam a comunidade local, sejam da gastronomia ou da cultura. O artesanato e os frutos do mar são marcas do balneário, que não esquece suas origens.

• Molhes da Barra Sua função é proteger a entrada e a saída de navios no canal de acesso do Porto do Rio Grande. Porém, a grande obra marítima acabou virando referência para quem passa pelo Cassino. Sua construção iniciou no ano de 1911 e desde lá já sofreu várias outras intervenções. O molhe oeste tem 2,2 km, onde os turistas podem aproveitar os trilhos para um passeio de vagoneta e apreciar a paisagem e o contato com a natureza.

• Festa de Iemanjá A “Rainha do Mar” também está presente na Praia do Cassino. A cada início do mês de fevereiro, reúnem-se milhares de fiéis de Iemanjá ao redor de sua estátua, produzida pelo artista plástico rio-grandino, Érico Gobbi. Pessoas de todo o País deslocam-se para comemorar, agraciar pedir proteção, com oferendas e muita festa, celebrando a diversidade religiosa. Anualmente, mais de 200 mil pessoas prestigiam a data.

• Feira do Livro A cultura também não é esquecida pelo Cassino. A Feira do Livro da Furg chega à sua 41ª edição neste ano, e já é esperada por muitos leitores, que todos os anos vão à Praça Dídio Duhá para aproveitarem a programação recheada de eventos culturais. Em 2014, a Feira inicia dia 29 de janeiro e estende-se até 9 de fevereiro.


• Navio Altair Encalhado em 1976, o Navio Altair virou parte do Cassino. Como não houve interesse dos responsáveis em retirar o navio após o seu encalhe, ele está até hoje na praia e o local é um dos mais visitados e fotografados por turistas de toda a parte. Embora esteja cada vez mais sendo encoberto pela areia, ainda causa muita curiosidade. Seu ponto é também referência para quem busca descanso à beira-mar ou a prática da pesca.

• Artesanato da Av. Rio Grande Os artesãos da cidade aproveitam a temporada de verão para irem ao Cassino mostrar o seu produto ao público. Costumam reunirem-se na entrada do Cassino ou ao lado da Igreja Sagrada Família, expondo a arte que fazem com as mãos e conquistando clientes fiéis, que ano após ano sabem onde encontrar o melhor do artesanato local.

Para os interessados em passar uma temporada ou até mesmo um final de semana no Cassino, e visualizar fotos antigas como as desta edição, podem encontrar estes serviços no site www.cassinopraia.com.br.


Ações visando limpeza, manutenção estrutural e trânsito no Cassino Pastas da Prefeitura ficarão a cargo de diversas operações no bairro-balneário

E

as ações intensivas visando a alta temporada no Cassino prosseguem. No último dia 18, o prefeito Alexandre Lindenmeyer reuniu-se com os titulares de pastas como a Secretaria de Município do Cassino (SMC), Secretaria de Município de Controle e Serviços Urbanos (SMCSU) e Secretaria de Município de Mobilidade Urbana e Acessibilidade (SMMUA), para discutir o resultado das ações já postas em prática e quais serão as próximas frentes de trabalho, levando em conta as necessidades do bairro-balneário, que vem recebendo grande público nestes primeiros momentos de 2014. As ações deverão prosseguir abrangendo a limpeza do bairro-balneário, muito necessária devido à enorme quantidade de lixo despejado nas ruas pelos veranistas, bem como obras de infraestrutura e melhorias em vias de acesso. Tendo em vista o enorme fluxo de automóveis, sobretudo nas ruas de grande circulação, placas e pinturas de sinalização estão entre as prioridades das pastas envolvidas.

Camila Costa Estrutura

A SMC deverá ficar responsável por obras que visem à melhoria da infraestrutura geral do bairro-balneário. Dentre elas, há um grande empenho posto no trabalho de nivelamento das ruas, que sofrem com o desgaste durante o inverno e acabam tornando-se propensas a buracos e erosões. Serviços anuais, como o recolhimento do lixo nas ruas, se intensificarão no período, aumentando o número de efetivo disposto para tal, bem como para a limpeza na beira da praia. Outra medida será a revitalização da passarela das dunas que, desde sua construção, ainda não havia sofrido reparos consistentes. A ideia é trocar as tábuas, colunas e o corrimão. O recolhimento de galhos na zona tem planejado a coleta de, ao menos, três cargas por dia. Por fim, a SMC também estará responsável pela colocação de 18 placas de sinalização nas ruas do Cassino e na praia. A SMCSU também deverá ter papel importante na manutenção da limpeza do Cassino. As equipes de varrição, controladas pela pasta, deverão prosseguir trabalhando em todos os domingos, na Avenida Rio Grande, das 7h40min até às

Trânsito

A SMMUA ficou a cargo do cuidado com o trânsito nas ruas do Cassino. Está em sua pauta a manutenção da sinalização do bairro-balneário. As ações devem dar prosseguimento ao que já está sendo feito. Antes mesmo da reunião com o prefeito, 24 placas já haviam sido trocadas ou colocadas. Faixas de pedestre deverão receber pinturas novas. Bem como havia prometido o titular da SMC, Nando Ribeiro, a praia vem recebendo placas que identificam zonas para prática de esportes, banho e outras atividades. Apesar de ainda ser uma ação tímida, perto das pretensões de “lotear” zonas da orla com fins de permitir apenas determinadas atividades, a novidade pode vir a ser um princípio para a demarcação mais radical.

Siga Livre

15h30min. Limpeza urbana diária, com a coleta de entulhos deixados em calçadas e vias, também estará sob os cuidados da secretaria. Além da limpeza, a SMCSU, assim como faz nos outros bairros do Município, planeja o plantio de cinco mil mudas de flores. O sistema de iluminação também deverá sofrer reparos.

Outra novidade é o “Siga Livre”, uma operação que modificou a forma com que os motoristas utilizarão o semáforo no início da Avenida Rio Grande: a partir de agora, para quem for virar à direita na Rua São Leopoldo, não haverá mais necessidade de esperar o sinal ficar verde. A medida foi tomada como forma de desafogar o trânsito no trecho, tendo em vista que a maioria dos carros estão indo no sentido da ERS-734, para saírem do bairro-balneário. Uma placa foi instalada nas proximidades do semáforo, para explicar aos motoristas sobre a novidade.


Bem-estar

Uma opção de esporte e aliada aos cuidados com a saúde

O

s veranistas do Balneário Cassino possuem mais uma oportunidade de lazer à beira-mar. O projeto Estação Verão do Sesc já é tradicionalmente conhecido e proporciona diversos momentos de descontração aliados aos cuidados com a saúde. Realizado nas praias do litoral sul e norte, o objetivo é o de ofertar áreas de lazer gratuitas e diferenciadas aos veranistas, com atividades que vão desde o caráter esportivo, ecológico e lúdico criativo. Com o slogan “Diversão até o sol se pôr para você e sua família”, o Estação Verão apresenta, para a temporada de veraneio de nossas praias, inclusive o Cassino, atividades como aulas de treinamento suspenso, circuito fitness à beira-mar, oficina de ecosurf e arrastão ecológico. Está previsto ainda a organização de campeonatos de vôlei de duplas, handball e beach soccer, entre os dias 22 e 23 de fevereiro. As inscrições podem ser realizadas no Sesc e os eventos contam com o apoio da Prefeitura Municipal. Os vencedores destas competições classificam-se para representar o Município na final estadual, que será realizada em Torres, reunindo delegações de todo o Estado, em um evento considerado um dos maiores do esporte amador. Também no dia 22 de fevereiro será organizada mais uma edição da Nigth Run, o evento tem parceria com a Associação dos Corredores de Rua do Rio Grande e Prefeitura Municipal e as inscrições devem ser feitas diretamente no site da Associação. Já, diariamente, acontecem aulas de dança recreativa, às 9h e às 18h, e caminhadas orientadas são sempre realizadas às 8h da manhã. O Sesc trabalha ainda com o empréstimo de bola e guarda-sol para os veranistas e os interessados devem dirigir-se à casa da instituição instalada próximo à estátua de Iemanjá. Confira a programação mais detalhada no quadro abaixo: Segunda-feira 08h: Caminhada Orientada 09h: Dança Recreativa 10h às 14h: Quick massagem 10h às 12h e 14h às 18h: Recreação com infláveis e jogos gigantes 18h: Dança Recreativa (zumba) Terça-feira 08h: Caminhada Orientada 09h: Dança Recreativa 10h às 14h: Quick massagem 10h às 12h e 14h às 18h: Recreação com infláveis e jogos gigantes 18h: Dança Recreativa (zumba)

Rodrigo de aguiar

O Sol nos dá luz, calor, alegria e energia! Mas também pode ser muito perigoso!

S

e não tivermos cuidado, o sol pode provocar desidratação, insolação, queimaduras, descamação, dor, pele vermelha, entre outras. A desidratação acontece quando o nosso corpo perde água e sais minerais. A água é muito importante para o nosso organismo. Nos dias de calor, transpiramos mais e perdemos mais água. Para não desidratarmos, é importante bebermos muita água. A insolação acontece quando estamos muito tempo expostos ao sol. A desidratação é muito grave e afeta o corpo todo. A insolação caracteriza-se por pele quente, avermelhada, suores, dor de cabeça, vontade de vomitar e cansaço. Para que isso não aconteça, devemos evitar estar muito tempo ao sol, não fazer grandes esforços físicos nos dias de maior calor e beber muita água. A exposição direta ao sol pode provocar queimaduras. Nas queimaduras, são frequentes a pele quente, vermelha e seca, dor ou ardor e bolhas. Existem certas zonas de alto risco, que devemos proteger mais do que o normal, durante a exposição ao sol. São elas: o rosto, o contorno dos olhos, os lábios, o nariz, as maçãs do rosto, o peito, as virilhas, a parte interna dos joelhos, os ombros e as costas. Proteger o rosto atrasa o processo de envelhecimento produzido pelos raios solares. Óculos de sol, com lentes à prova de raios solares, são bastante úteis. Os lábios são revestidos por pele muito fina, é importante protegê-los com batom apropriado. O nariz, devido a ser a parte mais saliente do rosto, tem tendência a avermelhar, recomendando-se proteção extrema. Normalmente, os ombros e as costas são as zonas mais expostas ao sol, portanto, mais sujeitas a queimaduras. A barriga é a zona menos sensível, mas nunca devemos nos esquecer de protegê-la.

Farmácia Saúde Vital: 24 horas atendendo a comunidade cassinense

Quarta-feira 08h: Caminhada Orientada 09h: Dança Recreativa 10h às 14h: Quick massagem 10h às 12h e 14h às 18h: Recreação com infláveis e jogos gigantes 18h: Dança Recreativa (zumba) Quinta-feira 08h: Caminhada Orientada 09h: Dança Recreativa 10h às 14h: Quick massagem 10h às 12h e 14h às 18h: Recreação com infláveis e jogos gigantes 18h: Dança Recreativa (zumba) Sexta-feira 08h: Caminhada Orientada 09h: Dança Recreativa 10h às 14h: Quick massagem 10h às 12h e 14h às 18h: Recreação com infláveis e jogos gigantes 18h: Dança Recreativa (zumba)

A exposição ao sol pode causar lesões na pele, nomeadamente uma forma grave de cancro, muitas vezes mortal, conhecida como melanoma. Por isso: • Faça uma exposição progressiva ao sol, começando por períodos curtos nos primeiros dias do verão; • Evite a exposição aos raios solares mais fortes (entre 11h e 16h30min); • Use óculos escuros que ofereçam uma proteção eficaz; • Utilize sempre um protetor solar adequado à sua pele e aplique-o 30 minutos antes de se expor ao sol, para que tenha tempo de penetrar na pele; • Volte a aplicar o protetor durante o dia, principalmente depois de ir à água; • Não use perfume, loção de barba ou cosméticos que contenham álcool: eles tornam a pele mais sensível ao sol; • Beba líquidos com frequência, pois ajudam a hidratar o corpo e a pele. Cuidados especiais com as crianças: • Aplicar sempre um creme com fator de proteção igual ou superior a 50; • Os bebês de até 1 ano devem estar pouco tempo na praia ou na piscina, e sempre à sombra; • Depois desta idade, as crianças já podem estar ao sol, mas não devem ficar paradas; • Devem usar chapéu e camiseta. Estas medidas de proteção devem ser tomadas mesmo que: • O céu esteja nublado, porque as radiações atravessam as nuvens; • Permaneça debaixo de um toldo ou guarda-sol, onde os raios solares incidem de forma indireta; • Haja vento ou esteja dentro da água, num barco ou colchão, pois os riscos se mantêm, apesar da sensação de frescor. Fonte:Vita Saurium

Rodrigo de Aguiar

Se você, que está veraneando no Balneário Cassino, precisar de um medicamento durante a madrugada, não fique apavorado, procure a farmácia Saúde Vital. Fundada em 1974, o estabelecimento foi o primeiro do bairro e também o pioneiro no atendimento 24 horas. Junto ao posto médico, a farmácia realiza o atendimento da comunidade cassinense e oferece um amplo estoque, que passa pelos medicamentos propriamente ditos, além de perfumaria e acessórios farmacêuticos. Diariamente, são recebidas diversas mercadorias, o que mostra o comprometimento de sua equipe de funcionários com o melhor atendimento ao cliente. De acordo com o proprietário, Aldeney Costa, o grande diferencial da farmácia Saúde Vital para as demais que abrem diariamente no Cassino é, sem dúvida nenhuma, o atendimento personalizado. O diálogo com o cliente também é outra ferramenta de gestão, que transforma-os em verdadeiros amigos.


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

11

Não se julga o livro pela capa

Falar menos e ouvir mais Mesmo tendo certeza do que estamos dizendo, ainda é melhor seguir o velho ditado bíblico que diz, se Deus quisesse que nós falássemos mais do que ouvíssemos, Ele teria nos dado duas bocas e um ouvido, e não o contrário. Aconteceu comigo ao me indignar ouvindo a entrevista de um certo artista, falei o que não devia. Ele comentava que já teria ganho muitos títulos de cidadão na maioria das cidades que passou e que só faltava ganhar aqui na cidade do Rio Grande. O meu infeliz comentário foi que concordava desde que fizesse alguns shows de graça nas tantas instituição que tem aqui como Asyilo, Apae, entre outros. A assessoria, que escutava atentamente a rádio não gostou dos comentários e impediu qualquer pauta que o artista estivesse gravado para a emissora. Sei que errei por ser sincera e expor o que eu penso, cometi um tremendo erro, falei demais. Mas, foi no sentido de dizer que isso é coisa séria, é preciso conquistar certas coisas para depois ganhar. Se a Câmara de Vereadores sair dando títulos para qualquer um que queira colecionar ,cairá na vala comum e perderá o valor para quem de fato merece.

Como tudo, nunca devemos julgar pela aparência, mas em especial a capa de um livro. O conteúdo pode surpreender independente da aparência e uma obra literária ou de qualquer gênero exige tempo e dedicação, não vale sair julgando sem pelo menos ler um bom título. Às vezes, vai além da aparência, porém valorize o trabalho alheio, e ao pegar, não tente ler o final tentando adivinhar o que tem nas muitas páginas escritas. Tenho lido coisas leves, nada que me deixem agoniada. Esta semana, terminei de ler mais um do Augusto Cury. A capa não chama a atenção, mas pelo autor, logo queremos devorá-lo. Em uma das páginas ele diz: “os que amam a vaidade são indignos da vitória. Os que amam o poder são indignos dele. Ter sucesso para estar acima dos outros é mais insano do que as alucinações de um psicótico.” Um livro sempre é um bom presente e sempre nos surpreende se estivermos receptivos a aprender. É das páginas de um que tiramos grandes aprendizados. Em breve estaremos vivendo mais uma Feira do Livro, é uma grande oportunidade para nos envolver com as centenas e centenas de títulos que a cada ano vêm crescendo. E não esqueça de incentivar as crianças a lerem, e com isso afastá-las da televisão e computadores.

Trânsito A cidade está abarrotada de carros e motos, isso todo mundo sabe. O que está dando para perceber é a ausência de educação e respeito por parte dos motoristas, o que também está crescendo. Poucos motoristas respeitam as leis de trânsito, e faixa de pedestre é como se não existisse, os motoristas não param e ainda se irritam, buzinam e dizem palavrões, um horror! Ouvi diversas pessoas de fora fazerem comentários negativos em relação ao nosso trânsito, e eu que sou uma defensora das coisas da cidade, não pude defender. Caros motoristas, muita calma nesta hora, não esqueça que ao conduzir um veículo, isso não lhe faz nem melhor nem pior, mas aumenta a responsabilidade no trânsito. Dê bom exemplo!


12 São José do Norte

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Comunidade e BM juntas

Apontamentos

Tenente Flores diz que aproximação com a população dá resultado positivo

IQUE DE LA ROCHA IQUE DE LA ROCHA

A

Operação Golfinho 2014 está sendo tranquila na esfera da Brigada Militar e muito disso se deve ao trabalho de aproximação feito pela corporação junto à comunidade. Este trabalho, diga-se de passagem, é iniciativa do comandante do Pelotão da Brigada Militar em São José do Norte, 1º Tenente Rodnei Flores, que chegou a criar uma página no facebook (brigadamilitarsjn). Através dela, o internauta pode acompanhar e comentar todas as ações da BM no Município, receber orientações, e ainda tem o link “Delegacia virtual”, onde também é possível fazer registros e declarar perda de documentos. Já são mais de mil participantes e, também graças ao facebook, o policiamento dá resposta rápida à comunidade. Um exemplo é que várias operações no trânsito, de fiscalização a motociclistas, já foram feitas baseadas nas denúncias encaminhadas à BM. “Quanto menos esperam, estamos dando a resposta”, comemora o Tenente Flores.

Criminalidade

Com relação à criminalidade, o Tenente Flores confirma que “o tráfico de drogas está muito expandido. Os traficantes estão migrando para a praia nesta temporada, mas estamos trabalhando forte em cima deles. O maior ponto do tráfico na cidade é na volta do Ferrari. Na praia, são mais escondidos. Não conseguem efetivar tanto porque estamos em cima e é mais descampado, mais aberto. Os traficantes são os mesmos daqui. Eles migram, os conhecidos têm casa na praia e a gente aborda eles, mas não tivemos ainda ocorrências de tráfico na praia”. O comandante do Pelotão da BM no Município diz que “dentro das condições, estamos conseguindo manter a situação sob controle, mas em razão do que está por vir [o estaleiro da EBR], se não tivermos mais apoio, a situação ficará pior”.

Os quase 40 graus

O calor castigou a todos nesta semana. Quem pôde foi para a Praia do Mar Grosso. Teve gente que até passou mal devido às altas temperaturas. Dava para fritar ovo na calçada. O que mais se viu foram as casas com as portas abertas para arejar mais. O verão entrou mesmo com toda a força, mas a situação deverá amenizar a partir de agora. É o que espera aqueles que têm de trabalhar.

Turistas sempre presentes

Muita embriaguez ao volante Com relação à Operação Golfinho, o militar informa que, como acontece todos os anos, a corporação recebeu o reforço de mais uma viatura e dez policiais “para dar maior atenção aos veranistas na paia”. A Brigada Militar trabalha forte na utilização do etilômetro para flagrar embriaguez ao volante. As operações no trânsito visam a esse objetivo e a colocação do cinto de segurança, “porque nossas ruas são muito deficientes, principalmente as que levam à praia. Também estamos orientando os motoristas sobre a sistemática do trânsito, que envolve tudo: embriaguez, direção, imprudência....Na área do 6º BPM, quem mais prendeu gente embriagada foi o pelotão de São José do Norte”.

São José do Norte 13

Nesta época, a presença de turistas em São José do Norte é bastante grande. O pequeno, mas belo Município, tem muito que mostrar, como os prédios históricos. Visitantes não deixam de apreciar o Sobrado dos Imperadores, que lamentavelmente ainda não contou com o apoio de uma grande empresa ou de verbas governamentais para a sua recuperação.

Constatações e novas ações E o veraneio? - Está tranquilo. O povo está dando resposta à medida que vamos orientando. Neste meu segundo ano executando a Operação Golfinho, pude notar uma diferença gradativa em comparação com a Operação Golfinho do ano passado. O povo aqui não está acostumado a um regramento mais forte para um comportamento mais seguro no trânsito. Procuramos levar isso para o público e temos uma resposta positiva. O povo está se aproximando mais da Brigada, apoiando nossas ações, tanto na cidade como na praia. O Tenente Flores enfatiza que procura trabalhar muito com o policiamento comunitário, “porque aproxima a comunidade da Brigada. Antes, sempre havia uma distância, as pessoas tinham receio e não se aproximavam. Hoje, o pessoal participa, denuncia e isso tem somado muito para nós”.

Catálogo do Sebrae apresenta as empresas do projeto “Avançar São José do Norte” Em vista da confirmação do estaleiro EBR no Município, o Sebrae está realizando o projeto “Avançar São José do Norte”. Ele iniciou em 31 de julho último, com o levantamento das empresas locais e também das necessidades em gestão de pequenos negócios. Os resultados da primeira fase do projeto foram apresentados nesta última quarta-feira (22), pela gerente Regional Sul do Sebrae, Rosâni Ribeiro, que na ocasião estava acompanhada da representante da instituição em Rio Grande, Sâmela Mackdanz. O evento aconteceu no auditório do Ministério Público, quando também foram entregues os catálogos com as 500 empresas participantes do projeto. Estavam presentes o vice-prefeito Francisco Xavier, secretários municipais e empresários locais. Quem não compareceu, poderá retirar o catálogo na Secretaria de Finanças.

No encontro, foram reveladas as necessidades do empresariado local que participa do projeto, como o fato de 253 microempresas necessitarem de apoio em gestão financeira; 208 necessitarem de apoio em gestão de marketing; 34 necessitarem de apoio em planejamento estratégico e 5 necessitarem de apoio na área de Recursos Humanos. A fase 2 do projeto “Avançar São José do Norte” prevê para 2014 capacitações e palestras, rodadas de negócios, oficinas de crédito e rodada de crédito, missões empresariais ( Mercopar e Feira do Empreendedor), assessorias e consultorias nos temas prioritários levantados pelo diagnóstico e levantamento de oferta e demanda.

Fornecedores locais para grandes empresas Rosâni Ribeiro diz que “concluímos a primeira fase hoje (quarta-feira), que foi mais de levantamento do que atendimento de demandas. O objetivo era conhecer as empresas e o pessoal recebeu o projeto muito bem. Este projeto serve para o estaleiro e para qualquer outra grande empresa que venha a necessitar de fornecedor local. É para fortalecer o empreendedorismo local. O que as grandes empresas puderem comprar em São José do Norte certamente o farão. Já temos as ofertas das empresas locais, que agora têm de conhecer mais as demandas”.

Jantar com empresários E o camarão?

A gente já sabe que por aqui, quando faz muito calor, vem chuva em seguida e ela andou aparecendo, até com intensidade, mas não conseguiu derrubar as altas temperaturas. Foi mais um motivo de preocupação para nossos pescadores. Como fica a safra do camarão, prevista para iniciar em 1º de fevereiro? O presidente da Colônia de Pescadores Z-2, Irandi Silveira Rodrigues, observa que “o pescador já está meio apavorado. O que o clima nos oferece? Esperava o tempo seco e vento sudoeste bom e não chegou esse vento. A Lagoa, por incrível que pareça, é água mais para doce que salgada. Quer dizer, água doce ainda e não se pode garantir o camarão. Acredito que até 10 de fevereiro, se houver um bom vento sudoeste por três ou quatro dias, com bastante força, a água doce vai embora. A previsão da meteorologia é favorável, mas previsão é uma coisa e a realidade às vezes é outra”.

Cláudio Tarouco

Ex-presidente da Acisnorte, Cláudio Tarouco, nesta virada de ano, trocou a direção da Câmara Municipal pela assessoria ao prefeito Zeny de Oliveira no Gabinete de Comunicação e Imprensa, da Prefeitura de São José do Norte. Ao amigo, votos de sucesso nessa nova função.

O carnaval nortense

A secretária municipal de Turismo e Promoções, Leísa de Llano, tratou do Carnaval 2014, que acontecerá de 1º a 4 de março, em reunião na semana passada com os representantes das entidades carnavalescas. A titular da SMTP apresentou a proposição do vereador Anderson Duarte para realização do carnaval também em Bujuru e na 5ª Secção da Barra, mas os presentes disseram não ter interesse em participar. Os blocos Caçulão, Conexão Turma da Folia e Dois Palitos já confirmaram presença no carnaval nortense. Dia 3, tem folia na Praia do Mar Grosso e o encerramento da festa será no dia 9 de março, com o Enterro dos Ossos. A ordem dos desfiles será definida em sorteio no dia 20 de fevereiro.

Na segunda-feira (20), o vice-prefeito Francisco Xavier e o secretário de Obras e Urbanismo, Christian Lemos, participaram de jantar realizado no Galpão Crioulo do Palácio Piratini, com a participação do vice-governador Beto Grill, de delegação empresarial da Noruega e prefeitos dos municípios vinculados à indústria naval gaúcha. Durante o encontro, a Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI) apresentou as potencialidades do Estado para investimentos externos e ouviu dos visitantes noruegueses a disposição para a formalização de parcerias, com destaque à área naval.

Reforço para a travessia

Pelo andar da carruagem, ou melhor, pela movimentação da embarcação, a nova lancha da travessia São José do Norte-Rio Grande, adquirida pela Transnorte, logo, logo estará em atividade. Ela foi trazida para São José do Norte e na quarta-feira foi até Rio Grande e retornou em seguida. A “Brisa El Shaday” passou “voando” pela lancha que eu estava e mostrou que tem condições de fazer o trajeto em muito menos tempo que as lanchas atuais. Um belo reforço para a travessia.

SindicatodosMetalúrgicosemSJN

O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande já está em São José do Norte. Inicialmente, a sede era na rua General Osório, mas agora o novo endereço é na Getúlio Vargas, 108. O presidente Benito Gonçalves e o diretor Sandro Laranjo nos informam que o STIMMMERG já proporcionou cursos de qualificação na cidade, através da empresa Global, onde os interessados só pagam a inscrição. Cerca de 60 pessoas já concluíram os cursos e dia 3 de fevereiro começa o de esmerilhador para mais 40 interessados, de ambos os sexos.


14 esporte FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Sport Club Rio Grande marca um golaço fora das quatro linhas Clube mais velho do futebol brasileiro firmou contrato para o fornecimento do material esportivo pela marca Nike, mundialmente conhecida em todas as modalidades Foto: Divulgação

A

Rodrigo de aguiar

Foto: Divulgação

cidade do Rio Grande voltou a se tornar referência no cenário futebolístico estadual por conta do acesso do São Paulo para a Primeira Divisão e, se 2014 será um ano diferenciado para os torcedores rubro-verdes, não poderia ser diferente para os do Sport Club Rio Grande. No ano de realização da Copa do Mundo no Brasil, o primeiro clube de futebol do País marcou um golaço fora das quatro linhas: a direção, através de seu presidente, Rafael Leonetti, firmou com a empresa WBA o fornecimento do material esportivo do vovô, que estampará em sua camisa de jogo a marca da Nike, mundialmente conhecida. A notícia soou muito bem nos ouvidos dos torcedores tricolores, que em 2013 viram escapar a chance do clube de retornar à Série A2 e brigar por uma das vagas na elite do futebol gaúcho. Dessa forma, o mais velho começa muito bem sua preparação para a disputa da Terceirona, campeonato criado pela Federação Gaúcha de Futebol, que tem, na visão dos clubes, o intuito de fechar vários departamentos esportivos e enxugar cada vez mais a quantidade de equipes na disputa da divisão principal. Conversamos com o mandatário tricolor a respeito desta acertada decisão de trazer para o Rio Grande uma marca de nome e patrocinadora dos maiores clubes e atletas mundiais. Folha Gaúcha: Então Rafael, como surgiu a ideia de estampar a marca Nike no uniforme do mais velho? Rafael Leonetti: Então, quando eu assumi a presidência do clube, em janeiro do ano passado, não havia contrato em vigor para o fornecimento do material esportivo. A última empresa, que forneceu no ano anterior, eu acompanhei de fora e percebi que havia sido

um contrato nada bom para o clube. Passei então a procurar outros fornecedores, de alguns nem sequer tive retorno, e os que retornaram os contatos não puderam ter seus contratos firmados pelo clube, pois se tornariam muito onerosos para nós. Diante disso, tentei negociar por bastante tempo com uma marca que apresenta um material de qualidade, sob o meu ponto de vista, e que em outras oportunidades já havia nos fornecido material esportivo. Acontece que foram desculpas em cima de desculpas, adiavam as reuniões todas as vezes, e com isso decidi que jogaríamos com o material que tínhamos de anos anteriores e que não assinaríamos um contrato que não fosse bom para nós. FG: E o contato com a WBA, quando aconteceu? RL: Bom, depois de todos esses problemas, eu segui procurando por algo melhor para 2014. Em novembro, fiz minha primeira reunião com o empresário Willian Assis, da empresa WBA Sports, que é a responsável por estar colocando o nome de grandes marcas nos materiais esportivos de clubes do interior do Estado. A ideia sempre foi de que no ano da Copa do Mundo o clube pudesse de alguma forma homenagear em seu uniforme a Seleção Brasileira, e depois de reuniões aqui e em Porto Alegre, acabamos então assinando o contrato em Pelotas, no último domingo. FG: Já existe o modelo da camisa para os torcedores tricolores conhecerem? RL: Ainda não, no entanto, dentro de alguns dias estaremos divulgando o modelo a ser utilizado, mas como havia dito antes, ele irá homenagear a Seleção Brasileira pelo fato da realização da Copa do Mundo em nosso País.

Jogo Virando o Virando o Jogo Claudio Galarraga SURPREENDENTE – A estreia do São Paulo

foi uma demonstração de força da camisa rubro-verde, pois o time da Linha do Parque entrou como “azarão” e acabou derrotando o Juventude em pleno estádio Alfredo Jaconi. Confesso que não esperava uma atuação tão sólida de um time montado a tão pouco tempo e passando por uma adaptação ao estilo do futebol gaúcho.

CONFIRMAÇÃO – Estou fechando a coluna an-

tes dos jogos diante do Brasil e do Esportivo e, portanto, difícil saber se o time de Agenor Piccinin poderá confirmar a solidez da atuação de Caxias do Sul nestes dois jogos. A esperança e o desejo de que o padrão seja aquele, pois assim poderemos esperar bastante desse time.

EUFORIA – O torcedor está empolgado com esse

início, busca associar-se ao clube e também ajuda nos ajustes que são necessários no Aldo Dapuzzo. Mais uma prova de que, havendo resultados no campo, as coisas ficam um pouco mais fáceis. RIO GRANDE – Conforme já havíamos publicado

aqui, Julio Batisti foi confirmado como técnico tricolor, que terá na comissão técnica a presença do Fábio Recife, além de alguns atletas que atuaram pelo São Paulo em 2013. A pergunta que fica é se seriam necessários gastos tão grandes com o técnico, já que provavelmente o tricolor utilizará uma equipe da base do sub-23 ? AYLON – Atacante revelado pelo Rio Grande, passagem pelo Caxias, mas afirmado no São Paulo, agora brilha no Internacional de Porto Alegre. Assisti o jogo com o São Luiz e realmente jogou

crjnovo@gmail.com

muito, e deve ser aproveitado por Abel Braga no time principal em 2014. E pelo andamento, esse garoto vai longe. CRÍTICAS – Atletas do São Paulo criticaram o

que foi falado pela imprensa com relação à preparação para o campeonato gaúcho. Apenas falamos e escrevemos aquilo que assistimos, e cabe a eles, profissionais da bola, provarem o contrário, como fizeram em Caxias do Sul. Cada um cuida da sua ... GAUCHÃO – Nenhum bicho papão por enquanto, portanto, por que não sonhar com uma classificação do São Paulo para as finais? SAUDAÇÃO ESPECIAL – Adão Rosa, Carlos

Eduardo Concli e ao vovô Paulinho Parada.

E até semana que vem...


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Ique

Carnaval - Depois que falei com o Chico Santos, presidente da Liga das Escolas e Entidades do Samba (Lieesa), e com a Chefe de Gabinete do Prefeito, Darlene Pereira, fiquei com a impressão de que poderemos ter alguma divergência novamente neste carnaval. Acontece que Chico diz que as entidades receberão determinado valor, já contando com o reajuste proposto por elas, e o Executivo dá a entender que não é bem assim. E novamente ficou tudo para a última hora. Vamos aguardar. Na terra natal - Rio-grandino Manuel Luiz Touguinha, que foi assessor de Gilberto Gil no Ministério da Cultura, esteve em sua terra natal neste último final de semana. Foi uma passada rápida para rever familiares e amigos, quando também deu uma esticada no Cassino. Disse-me que em fevereiro acompanhará seu amigo, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, na viagem ao Vaticano, onde o religioso receberá o título de Cardeal do Papa Francisco, na presença de cardeais do mundo inteiro. Em maio, trará Gilberto Gil a Ilópolis, município do Vale do Taquari, onde Touguinha desenvolveu um projeto cultural para a Nestlé, com a recuperação de antigos moinhos. Atualmente residindo em Porto Alegre, nosso conterrâneo planeja fixar residência no Nordeste, mais especificamente em Teresina (PI), para ficar mais próximo de sua filhinha. Novo Cardeal em Rio Grande - O Arcebispo do Rio e mais novo Cardeal brasileiro, Dom Orani Tempesta, já esteve em Rio Grande. Touguinha e meu irmão Daoiz, no final dos anos 70, estiveram no Mosteiro Cisterciense de São José do Rio Pardo, em São Paulo, onde fizeram uma forte amizade. Por isso, o religioso veio até aqui conhecer nossas famílias, bem como manter contato com lideranças locais, dentre elas o saudoso Bispo Dom Frederico Didonet. No cemitério - Touguinha aproveitou sua estada para visitar o Cemitério Católico e ficou surpreso com a ação dos vândalos e marginais que furtaram inúmeras peças de bronze e até obras de arte dos túmulos. No túmulo do escultor Matteo Tonietti, mestre do também saudoso Erico Gobbi, uma escultura estava sem a cabeça e nem a placa de bronze em homenagem ao artista foi poupada.

Dia do portuário aproxima-se no calendário Data especial comemora o ofício, um dos mais importantes para a economia rio-grandina MATHEUS MAGALHÃES Foto: Divulgação

de La Rocha

15

N

este mês, comemoramos uma data que tem significado muito especial para os rio-grandinos: o dia do portuário. A homenagem foi estabelecida no dia 28 de janeiro pois faz referência ao dia em que os portos brasileiros foram abertos para o comércio exterior, no longínquo ano de 1808. Assim, a tradição foi estabelecida e a data acabou tornando-se especial para estes trabalhadores, responsáveis pela movimentação de um dos setores econômicos mais prolíficos do País. Hoje, o Brasil conta com mais de 40 mil portuários, sendo o Rio Grande do Sul um dos Estados da Federação com mais trabalhadores na área. Em seu dia a dia, eles têm como atividades: movimentar mercadorias em navios, aeronaves, caminhões e vagões; preparar cargas e descargas de mercadorias; entregar e coletar encomendas e manusear cargas especiais. São muitas as possibilidades de trabalho, com atuação em empresas de transporte terrestre, aéreo e

aquaviário, bem como quaisquer atividades que estejam anexas ao ramo do transporte. A htistória do nosso porto se confunde com a própria história da cidade; ainda no século XIX, foi fundado um pequeno porto, onde hoje se localiza o “porto velho”. A intenção era receber, sobretudo, caravelas. Porém, as dificuldades apresentadas pelo canal, que possuía diversos acidentes geográficos e era muito revolto, acabaram cobrando seu preço com diversos naufrágios na costa. Posteriormente, diversas obras foram feitas, e até o início do século XX, o porto já era totalmente funcional e se tornou uma das maiores atividades da Cidade. Hoje, Rio Grande conta com um enorme investimento na área naval, o que vem tornando a importância do histórico porto ainda maior. Por isso, diversos trabalhadores estarão de parabéns por moverem este importante negócio para a economia da cidade. Esperamos que, por muitos anos, o porto do Rio Grande e seus portuários sigam sendo referência nacional.


16

FOLHA GAUCHA

FOLHA GAUCHA

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

17

André Zenobini - andre.zenobini@gmail.com

Formatura

A formatura é a realização de um sonho. Formar-se em medicina traz por si só uma carga muito maior do que qualquer outra realização. Agora é a hora de partir para o mundo e ajudar a salvar vidas, uma missão e tarefa muito bonitas e com muita responsabilidade. Responsabilidade essa que tenho muita certeza que Paula Trevisol vai ter ao longo de toda sua carreira. Com certeza, a gurizada que for atendida por essa futura pediatra, já que é essa a especialização que pretende seguir, vai ser muito bem cuidada. Parabéns Paula por essa conquista e que o futuro só reserve coisas boas!

Viagem Parada LGBT em mais um ano

As cores do Cassino neste domingo (26) exaltarão a diversidade. Em mais um ano, se repetirá a Parada LGBT, organizada pela Associação de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros do Rio Grande (ALGBT-RG), e que já faz parte do calendário oficial de eventos do Município. Essa é a 4ª edição e iniciará a partir das 16h, no Campo do Praião. Com trio elétrico e performances transformistas, a ideia é propagar o respeito e, claro, a alegria e a confraternização entre todos os presentes. Como em outros anos, será uma festa colorida e todos estão convidados a prestigiar.

A empresária Michele e seu esposo o médico Luciano Bazzanella, em recente viagem a Istanbul na Turquia.

Etapa final do Garota Verão

Rio Grande já tem a sua candidata ao Garota Verão 2014.Érica Marques de 18 anos vai disputar a grande final do concurso nos dias 20,21 e 22 de fevereiro em Capão da Canoa. Boa Sorte!


18

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Resenha da Semana

Viva Vida

ique de la rocha

Almira Lima vivavida7@gmail.com

MAMADEIRAS...ROLEZINHOS e TED X...

E

Vereadores buscam explicações sobre apagões - Os vereadores Julio Cesar (PMDB) e José Antônio Silva, o “Repolhinho”, estiveram na tarde desta quinta-feira (23), na subestação da CEEE, na Avenida Pelotas. O objetivo era de visitar e lá buscar explicações quanto à constante interrupção no fornecimento de energia elétrica. No entanto, os parlamentares não foram recebidos. Julio Cesar e Repolhinho ainda tentaram contatos para, de alguma forma, vistoriar o local com equipamentos adequados, mas não houve sucesso. A companhia estará comunicando aos parlamentares quanto a uma reunião com o engenheiro responsável pela subestação em encontro que deverá acontecer até a próxima segunda-feira (27). No entendimento do vereador Repolhinho, o investimento da CEEE no Rio Grande deveria ser maior em função da expressiva arrecadação da companhia no Município. O vereador Julio Cesar afirma que a estatal precisa esclarecer tantos apagões. “Gostaria que a CEEE prestasse contas para a comunidade, explicando os motivos das falhas de energia, em especial nesta época de altas temperaturas, onde é necessária a utilização de refrigeradores, ventiladores, ar-condicionados, entre outros equipamentos fundamentais ao bem-estar e até à saúde da população”, explicou. O vereador do PMDB também demonstra preocupação com a segurança já que os apagões, além de prejudicar domicílios e estabelecimentos comerciais, afeta a iluminação pública. FGTAS/Sine volta a funcionar normalmente - A Secretaria Municipal de Administração (SMA) informa que os problemas técnicos no sistema de informática interligado à rede do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) foram solucionados nesta quinta-feira (23), de modo que a agência nortense do FGTAS/ Sine voltou a funcionar normalmente, disponibilizando o serviço de emissão de Carteiras de Trabalho e Previdência Social (CTPS). Feiras itinerantes no Cassino em discussão - No final da manhã de terça-feira (21), o prefeito Alexandre Lindenmeyer (PT) recebeu em seu gabinete a diretoria da Câmara de Dirigentes Lojistas do Rio Grande, liderada pelo presidente Renato Juliano Lima. O motivo que levou a CDL a

marcar o encontro foi a proliferação das feiras de fábrica no Município, especialmente no Cassino. A diretoria da entidade de classe também entregou um ofício ao chefe do Executivo sobre o assunto, com fotos de comercialização de produtos em vários pontos da cidade. Os lojistas solicitaram uma manifestação do prefeito, “para que possamos entender quais os critérios que estão sendo adotados, como foram os processos de liberação dos alvarás e qual será a postura da administração com relação a estes eventos”. Lembraram que recentemente a própria Prefeitura foi parceira para que a Câmara Municipal aprovasse alterações na lei que regulamenta esse tipo de atividade. O presidente Renato Lima reiterou que “estes eventos prejudicam o comércio local, pois ocorrem no momento em que nossos lojistas teriam o faturamento mais significativo, equilibrando os custos anuais de quem aqui investe, paga aluguel, reside com suas famílias, gera empregos e impostos durante todo o ano”. Lima lembrou que a CDL do Rio Grande é composta basicamente por lojistas de pequeno porte “e que lutam muito para conseguir se manter”. No final do encontro, o prefeito salientou “a importância do diálogo com a sociedade civil organizada, independentemente do olhar que o Poder Público possa ter. Essa interação com a administração pública possibilita a reafirmação das políticas públicas que estão dando certo ou que seja feita uma correção de rumos de outras ações”. O presidente Renato Lima salientou que “foi importante o contato com o prefeito e ele nos atendeu muito bem. Disse que irá conversar com a Fiscalização no sentido de atuar mais fortemente nesta questão das feiras itinerantes. Assim, a CDL está cumprindo mais uma vez sua missão, que é defender os comerciantes estabelecidos dessa concorrência injusta”. Ainda no encontro, a CDL acertou a presença do prefeito Alexandre Lindenmeyer no próximo Café da Manhã da entidade, previsto para o dia 28 de janeiro, quando o chefe do Executivo falará sobre o primeiro ano de sua gestão. Na ocasião, também serão repassados recursos da CDL para o Asylo do Rio Grande, arrecadados durante a campanha Natal Premiado 2013.

Assinaturas

Folha Gaúcha

U

3235.6532

ste artigo inspira-se nestas três palavrinhas que refletem três realidades bem atuais... Por ORDEM:

*Estou voltando à realidade diária (BEM TRABALHOSA), de três em três horas, de dar uma mamadeira de leite a CINCO GATINHOS que acolhi do terreno baldio em frente a minha casa, onde foram atirados como lixo (com testemunha ocular), no dia 15/1, por um “ILUSTRE” vizinho meu que atua na área do DIREITO À VIDA e À JUSTIÇA (???) Dando a mamadeira, muitas vezes com sono e cansada (mas cumprindo a MINHA PARTE nesta triste historinha)...repenso a questão da PRECIOSIDADE SAGRADA da VIDA de qualquer SER VIVO! Repenso também a URGÊNCIA da CASTRAÇÃO de cadelas e gatas de rua ou mesmo particulares...Repenso também a questão do ABORTO e de mães (HUMANAS?) que abandonam seus filhos até mesmo em latas de lixo!Repenso tantos outros DESRESPEITOS à VIDA! E em todos os manuais o princípio inquestionável de que “Todo ser tem direito à VIDA e À EDUCAÇÃO COM DIGNIDADE...! “ Serão apenas palavras esquecidas, pois o HOMEM está por demais ocupado em pressas...tecnologias, clicadas e consumismos ilusórios??? Vou, mesmo breve, precisar de apoio de meus queridos leitores e pessoas solidárias para BREVE adoção destes cinco lindos GATINHOS! (já com foto no meu FACE) Sempre nos lembrando de que GATOS são animais abençoados, que nos TIRAM os negativos e nos trazem muito carinho!E também lembrando da “LEI do RETORNO”, que sempre nos chega de volta as nossas ESCOLHAS! *ROLEZINHOS: paradoxalmente...as pessoas, no geral, valorizam MUITO a beleza, segurança(?) e CONSUMISMO dos shoppings, agora palco de uma nova forma de PROTESTO de jovens excluídos, da PERIFERIA: os ROLEZINHOS...em que, de forma até violenta,gritam por INCLUSÃO e JUSTIÇA SOCIAL... Inicialmente, em São Paulo, esta cena...mas se alastrando, com certeza, por todo este sofrido e “maquiado Brasil”! Nossas autoridades saberão ESCUTAR- AVALIAR-RESOLVER ? *O TED x- rede de BOAS e VALIOSAS ideias, que iniciou na Califórnia e que se dissemina na Internet...Visite TED.COM/TEDEX ou “ aficha caiu.worldpress.com “(Blog de Rodrigo Vieira da Cunha,nosso embaixador do TED na América Latina). Quem sabe, possamos todos acordar de nossas anestesias, apegos e ignorâncias,através de um AUTOQUESTIONAMENTO e melhores CONHECIMENTOS e acertadas ESCOLHAS? Quem sabe, em 2014, o SER HUMANO seja menos “coisificado!”? Em meio a TUDO isto, um BBB e uma COPA do MUNDO, (e similares) desviando a ATENÇÃO do POVO e fortalecendo sua anestesia consciencial! Quem sabe haja um DESPERTAR GERAL, em que o EVOLUIR com CONSCIÊNCIA e MENTE ATENTA sejam uma bela REALIDADE?! QUEM SABE??? E VIVAVIDA


FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Aromas e Sabores

Culinária 19

*Jesus R. de Araújo jesusculinarista@gmail.com jesusculinarista@gmail.com

Receitas de pães de liquidificador

T

enho recebido algumas solicitações de receitas de pão caseiro e de torresmo. E também algumas leitoras me pediram algumas elaborações no liquidificador. E, aproveitando a oportunidade, vou adicionar receitas de pão de ló e pães caseiros feitas em liquidificador, pois a praticidade deste equipamento transformou-se em um dos itens indispensáveis do dia a dia na cozinha, um verdadeiro aliado das donas de casa e até dos grandes profissionais desta área. Foi-se o tempo em que a gente tinha tempo para ficar horas e horas frente ao fogão. Com a vida acirrada, os mil e um compromissos do dia a dia, a praticidade tornou-se a palavra chave para solucionar os momentos de preparo da alimentação da família. Pois, com o liquidificador, podemos fazer receitas práti-

cas e saborosas, tais como: Bolos, tortas, pudins, pães, pizzas, omeletes, sobremesas, salgadinhos, e outros. Quando eu era um guri no interior de Mostardas, onde nasci, muitas vezes eu via minha mãe fazendo pão comum, pão de ló e pão de torresmo, e perguntava por que aquelas pequenas porções de massa ficavam grandes e bem fofinhas, após ficar algum tempo num forno de fogão à lenha. E ela que mal sabia desenhar seu nome, mas com um olhar calmo e com extrema sabedoria, me dizia: -“Filho, a natureza não dá pulos e anda devagar... Aqui nessa gamela, também tem dois ingredientes principais: A simplicidade e a dedicação com muito amor!”. E, com 11 anos, fui internado por seis anos no Salesiano, pois

Pão de ló de liquidificador

naquele tempo ainda não tinha o segundo grau escolar na campanha, e sempre sentia muitas saudades das gostosas comidas de minha mãe. Hoje, ela é uma humilde e dedicada cozinheira no Paraíso, fazendo quitutes divinos para meu pai, milhares e milhares de almas, e talvez para Jesus, São João, São Pedro, e outros... Portanto, adaptei receitas antigas que minha mãe fazia com tanta paciência, amor e carinho, dando a mesma textura e sabor, embora usando outros métodos de elaboração. Mas a essência ainda é a mesma. E, ainda com a simplicidade e o carinho de mamãe, que passo a todos vocês meus estimados leitores estas simples receitas, e que sejam elas o elo principal de alegria e muita paz em vossas famílias. E até a próxima semana!

Pão caseiro de torresmo Ingredientes:

Ingredientes:

7 ovos inteiros 7 colheres de sopa de açúcar 7 colheres de sopa de farinha de trigo 1 colher de café de essência de baunilha 1 colher de sopa de fermento em pó.

3 tabletes de fermento biológico fresco (45g) 2 xícaras de água morna 1 colher de sopa de açúcar 1 xícara de óleo 1/2 colher de sopa de sal 2 ovos inteiros 1kg de farinha de trigo 4 xícaras de torresmos picados Óleo e farinha de trigo para untar 1 gema e 1 colher de sopa de água para pincelar.

Preparo:

Preparo:

Bata no liquidificador os ovos por cerca de 3 minutos, e sem desligar o liquidificador acrescente o açúcar, em seguida a farinha de trigo e a essência de baunilha. Bata tudo por, aproximadamente, mais 2 minutos. Desligue o liquidificador, acrescente o fermento e bata a massa à mão. Em uma fôrma untada com margarina e enfarinhada, despeje a massa. Leve ao forno pré-aquecido, por aproximadamente 35 minutos em temperatura média, a 180°. A massa fica leve, fofa e muito saborosa, além de ser muito fácil de preparar.

No liquidificador, bata o fermento com a água, o açúcar, o óleo, o sal e os ovos. Coloque a farinha em uma tigela e misture com o líquido, sovando até desgrudar das mãos. Coloque em uma tigela untada com óleo, cubra e deixe por 45 minutos. Divida em 2 partes e abra, espalhe o torresmo e enrole como rocambole. Coloque em uma forma untada e enfarinhada e pincele com a gema batida com a água. Leve ao forno médio, pré-aquecido a 180° por 30 minutos.

Rende: 2 pães.

Rende: 8 porções.

Pão de liquidificador Ingredientes:

1 xícara de água morna 1 ovo inteiro 3 colheres de sopa de açúcar 3 colheres de sopa de óleo 30 g de fermento biológico para pão 1 colher de chá de sal 5 xícaras de farinha de trigo.

Preparo:

Em um liquidificador, adicione a água, o ovo, o açúcar, o óleo, o fermento e o sal. Bata bem até obter uma mistura homogênea. Transfira a massa para uma vasilha grande, e vá acrescentando a farinha aos poucos e amassando bem. Modele dois pães e coloque em uma fôrma untada com óleo e deixe descansar por meia hora em um lugar abafado e morno, não quente. Asse em forno pré-aquecido a 180º C, por meia hora.

Rende: 2 pães de 350 g Fazer um pão nunca foi tão fácil. Com a praticidade do liquidificador, fica até difícil pensar que o pão vai ficar tão gostoso. Só provando para acreditar.

Dica Saborosa Para o torresmo ficar macio, crocante e com pouca gordura, coloque-o em uma panela cubra com água e cozinhe durante 20 minutos. Coe e escorra bem. Coloque em uma frigideira antiaderente, sem gordura, e frite durante 20 minutos, sempre mexendo. Elimine a gordura e seque em papel toalha.


Contracapa

FOLHA GAUCHA RIO GRANDE, de 25 a 31 de janeiro de 2014

Reféns da ditadura: os prisioneiros de um cativeiro psicológico Rodrigo de Aguiar

N

o dia 31 de março de 2014, um dos momentos mais obscuros da história do Brasil completará 50 anos, uma boda de ouro sem muito o que comemorar, haja vista os episódios de tortura e repressão praticados durante mais de vinte anos: estamos nos referindo ao período da ditadura militar. Os livros de história relatam este momento sob uma ótica, e o que para a grande maioria parece estar apenas na memória de quem viveu e no imaginário de quem estuda, para uma pequena parcela ainda é um pesadelo que insiste em atormentar. Nosso caso tem início no dia 13 de março de 1964, quando o Decreto nº 53701 encampou a, na época, Refinaria Ipiranga e outras indústrias brasileiras de petróleo ao patrimônio e controle acionário da Petrobras. O decreto, chamado “Reformas de base”, acabou causando euforia entre os empregados, que após esta decisão tornavam-se funcionários públicos. Em virtude disso, houveram vários comícios de partidos de esquerda pelo País e os operários, como forma de comemoração, participavam dos eventos. Em Rio Grande, o encontro aconteceu em frente à prefeitura municipal, no governo do então prefeito Farido Salomão. Esses comícios acabaram sendo divulgados nos jornais da época e a diretoria Câmara do Comércio divulgou uma nota de repúdio aos atos, gerando uma repercussão distorcida dos fatos. A mensagem emitida na nota alertava o antigo Dops para que fosse tomada alguma atitude diante do caso. Entre os diversos funcionários que participaram do comício em Rio Grande, estava nosso entrevistado. Com medo de alguma repressão, ele optou por não ter seu nome divulgado, portanto, passaremos a lhe chamar na matéria pelo codinome “João”. Após trabalhar durante três anos na refinaria, João foi demitido assim como os demais colegas, por ter apoiado o movimento de encampação, mas nos registros da empresa não constam motivos concretos para a oficialização da demissão, o que na visão dele e do advogado Renato Passos, integrante do escritório Lindenmeyer Advocacia & Associados caracterizam um motivo meramente político. Com a tomada dos militares e a instauração de um novo sistema de governo, o decreto publicado antes do golpe foi revogado seis meses depois. Nesse caso, apenas o que estava escrito no papel é que foi desfeito e a vida de João tomou outro rumo, além do que ele imaginava. O ato da demissão rendeu a ele a inscrição no Dops, e assim como seus colegas, ele também sofreu com a tortura realizada pelos militares. Por esta mesma época, João foi aprovado em um concurso público, e diante do sonho e da intenção de mudar de vida, ele foi barrado quando iria assumir o cargo: o motivo era a inserção de seu nome junto ao Dops. Durante a entrevista, ele contou a nossa reportagem que o momento era totalmente diferente do que é atualmente vivenciado. As liberdades e o direito de acesso à informação eram duramente cerceados e ele lembrou com clareza de um dia em que teve de ir ao fórum para a retirada de uma certidão negativa, e foi informado de que havia um processo em seu nome. Ao tentar saber mais informações com o atendente, o servidor respondeu que não havia mais o que dizer, apenas que uma demanda em seu nome tramitava em uma das varas da justiça estadual. A ditadura hoje já não existe mais, vivemos em um estado democrático desde 1988, com a promulgação da Constituição Federal, mas até hoje os resquícios do passado vivem atormentando-o e impedindo o prosseguimento de uma vida digna e sem ter mais o que se preocupar. Com os episódios muito vivos em sua memória, João diz culpar-se

Foto: Divulgação

por tudo que aconteceu e nunca procurou um atendimento psicológico. Seu único tratamento é encarar o problema e todos os seus fantasmas de frente. “A perseguição contra mim só vai acabar quando a minha geração e a de meu filho morrer”, disse ele em meio a diversas recordações angustiantes. Por várias vezes, João tentou a anistia, mas diante da pretensão resistida por parte da União, o advogado Renato Passos ingressou com a demanda na Justiça Federal. O juiz, na sentença publicada no último dia 2 de dezembro, concedeu a anistia política e condenou a União ao pagamento de indenização por dano moral, em virtude do sofrimento e da demissão sem explicações aparentes. Com relação à prescrição do pedido, o magistrado entendeu, baseado na decisão do Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial 1165986/SP, que quando a ação versa sobre a violação de direitos humanos, a demanda não perde sua validade. João contou que sua felicidade ao saber do resultado do processo foi tão grande que acabou sofrendo um infarto, e atualmente está sob cuidados médicos. Até agora, apenas dois ex-funcionários ingressaram com demandas contra a União, mas o advogado alerta que as chances de ganho de causa são grandes. Podem ingressar todos aqueles que foram demitidos sem justa causa na época da revolução,


Folha Gaúcha ed 148