Issuu on Google+

A1

TERÇA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012 - EDIÇÃO 836

24 de outubro de 2012

QUARTA-FEIRA nº 836, ano 8 R$ 2,00

SIQUEIRA CAMPOS

Trecho urbano da PR 092 será duplicado

A duplicação da rodovia é uma reivindicação antiga da região e garantirá mais segurança aos usuários e pedestres. A obra também reforça o acordo entre o governador Beto Richa e a diretoria da Pro Tork, que possui sua unidades industriais às margens da Parigot de Souza PÁGINA A3 ANDRÉ LUIZ FARIA - FOLHA EXTRA

De acordo com o governo, além da duplicação o local também ganhará uma passarela de pedestres, já que se trata de uma área com intensa movimentação de pessoas que atravessam a rodovia

Estado abre licitação para merenda escolar das escolas públicas

DIVULGAÇÃO

PAINEL ESPAÇOS MATEMÁTICOS, MUSICAIS, ESTILOS E OUTRAS VIAGENS

O governo vai investir mais R$ 32 milhões na compra de alimentos provenientes da agricultura familiar para enriquecer ainda mais a alimentação nas escolas da rede estadual de ensino. A chamada pública seleção de fornecedores da agricultura familiar para o Programa Estadual de Alimentação Escolar de 2013 foi autorizada por Richa no mês passado. PÁGINA A4

PÁGINA A2

Sérgio Souza aponta encolhimento do PMDB no Paraná

Neuropediatra realiza palestra sobre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade em Jacarezinho

Para o senador, o enfraquecimento do PMDB é também reflexo da despartidarização, com a personalização das eleições. Ele criticou as campanhas eleitorais que transformam o candidato num "produto de marketing" em detrimento de propostas consistentes PÁGINA A3

Mais de 180 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas no Paraná, diz Defesa Civil O último boletim divulgado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, nesta terçafeira (23/10), às 17 horas, informa que 186 mil pessoas foram afetadas pelas fortes chuvas, granizo e vendavais que ocorrem desde a tarde de segunda-feira PÁGINA A6

A palestra será ministrada pelo pediatra e neuropediatra, Dr. Clay Brites, no Cine Iguaçu de Jacarezinho, a partir das 19h30. A entrada é franca e o público alvo são professores, pedagogos, psicólogos, fonoaudiólogos, assistentes- sociais, acadêmicos e pais. PÁGINA A7

Jovem de Pinhalão se classifica nas Olimpíadas de Língua Portuguesa PÁGINA A7


TERÇA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012 - EDIÇÃO 836

ARTIGO

Por CHRONUS

2º Turno nas eleições brasileiras A lei eleitoral estabelece que todo munícipio do território nacional de mais de duzentos mil eleitores cujo embate das eleições o candidato vencedor não atingir cinquenta por cento mais um (50%+1) dos votos válidos haverá segundo turno com os dois primeiros mais bem posicionados na apuração. A real intenção é que nesta nova contenda haja melhor discussão das propostas apresentadas e um estudo por parte do eleitorado, principalmente dos indecisos, dos programas de governo dos concorrentes ao cargo majoritário. O problema em sua grande maioria, logicamente há as exceções, é que sempre no segundo turno saem de cena as reais necessidades da cidade e entram como protagonistas os ataques, acusações e o assistencialismo. A política em sua raiz apenas adquire o papel de coadjuvante da novela eleitoral brasileira. Depois de um desgastante primeiro turno, a população não aguenta mais nada que se relacione com política, mesmo que esta seja amparada por um belo marketing que insiste mostrar o engajamento de jovens, o apoio quase que total ao candidato e propostas de como tornar a cidade onde vivem como o melhor lugar do mundo.

A ânsia de vencer o derradeiro confronto coloca os dois candidatos na mira da parcela mais pobre da cidade. Há casos de assistencialismo em que veículos, mesmo que identificados com o nome e o número dos postulantes, parem em favelas, comunidades carentes, e façam a distribuição de sua boa ação de samaritano vindo a matar a fome de quem tem. Mas esquecem de que matam também quem tem fome. Matam com um governo corrupto desprovido das necessidades e direitos mais básicos ao ser humano. Saúde, educação, segurança, entre outra áreas são abandonadas por políticos eleitos de uma forma “democrática”, porém que governam em um regime ditatorial. O final deste processo todo é a desmotivação da pequena parcela da sociedade consciente dos problemas e o ganho dos mais miseráveis para o cofrinho da política dos coronéis. Logicamente estas observações aqui citadas não passam de sugestões empíricas, contundo uma observação comprovada através de estudos é que a educação levada a todos garante que cada vez menos aconteçam episódios como estes. Episódios que estamos cansados de ver em nossas cidades e a cada eleição voltam a bater à nossa porta pedindo para entrar.

Comente o artigo www.jp5.com.br

Alunos da rede municipal assistem teatro de bonecos em Jacarezinho JulIANA MODOTTI Na tarde desta terça-feira, centenas de alunos da rede municipal de ensino de deslocaram ao Cine Iguaçu de Jacarezinho, para assistirem as duas apresentações do espetáculo “O Jardim das Virtudes”, do Grupo Almazém Teatro de Bonecos. Com temas voltados para a amizade, solidariedade, cidadania e demais valores importantes para a formação da sociedade, a peça transcorre no jardim da casa de Clarinha, onde, as flores semeadas são comparadas com as virtudes desta vida. Para Carlos Henrique Costa, diretor de Cultura do Município, trabalhos como estes, que tratam os valores da sociedade, são importantes, principalmente para as crianças, pois elas ainda estão formando sua

opinião e personalidade. “A peça foi maravilhosa, é um espetáculo cativante, que de uma forma muito simples e objetiva, apresenta para as crianças, qualidades como a generosidade, paciência, diálogo, humildade, sabedoria, amor, entre outras virtudes que estão presentes na nossa vida”, citou. Segundo a professora da Escola Municipal de Educação Fundamental (Emef ) Maria de Tereza Quevedo, Josiane Baggio, diversos trabalhos serão realizados em sala de aula com as 200 crianças que estavam presentes na apresentação, visando a valorização dos sentimentos abordados. “Com as crianças do jardim, vamos fazer diversas flores e nomeá-las com os nomes das plantinhas da peça. Além disso, vamos discutir a como usar estes sentimentos (virtudes) no dia- a- dia”, explicou.

A2

OPINIÃO

PAINEL Espaços matemáticos, musicais, estilos e outras viagens Gustavo Gollo A palavra "espaço" significava, originalmente, lugar. O uso frequente de gráficos analisando os vários movimentos acarretou uma generalização desse conceito, de modo que os gráficos em geral passaram a descrever "espaços". Assim, não mais apenas os lugares, mas quaisquer variáveis referidas pelos eixos de um gráfico constituem um “espaço”. Seguindo essa maneira de descrever e analisar o mundo, podemos falar de um espaço das notas musicais, constituídos por um eixo cravejado pelas notas lá, lá#, si, dó, dó#, etc.. Relacionando esse eixo com um outro que descreva o tempo, podemos construir o equivalente a uma partitura simplificada, despojada de outras indicações, que não as notas e tempos. Indicações musicais, como o andamento, instrumentos, compassos, ou quaisquer outras que um compositor resolvesse adicionar para descrever e governar a execução de sua obra poderia ser inserido no gráfico, introduzindo-se neles novos eixos contendo as indicações. Via de regra, os matemáticos possuem um instrumental imenso e versátil, capaz de descrever e analisar com precisão

uma variadíssima gama de coisas. Quando analisados sob esses pontos de vista, os vários estilos musicais adquirem certas semelhanças, de modo que as músicas de cada estilo podem ser agrupadas em decorrência de semelhanças em seus ritmos, acordes frequentemente utilizados, instrumentos, andamentos, etc., mas uma análise desse tipo não sugeriria, penso a necessidade de estilos. Quero dizer, uma análise assim sugeriria que um compositor poderia se libertar de todos os estilos compondo canções bastante inovadoras, constituindo, cada uma delas, um novo estilo. Na verdade, conforme o ponto de vista que se olhe para a coisa, isso pode parecer extremamente fácil, ou difícil. Para um músico pode parecer difícil criar um novo estilo musical, mas isso só é verdade se ele está preso a certas restrições impostas pelos vários estilos, um músico matemático não precisaria se ver preso a tais restrições. O acréscimo de outros eixos ao espaço musical esboçado acima acarreta outras formas artísticas. Assim, se acrescentarmos um eixo contendo imagens ao espaço contendo notas e tempos musicais, podemos construir

CHARGE DA EXTRA

um vídeo clipe. Se adicionamos as posições de vários cantores, gestuais e trajes, podemos fazer uma ópera. Também é possível adicionar um eixo contendo a descrição de movimentos corporais ao espaço musical, criando assim um balé. Não há limites para tais generalizações, exceto a imaginação. O acréscimo de outros eixos acarretaria a criação de novas formas artísticas. Houve um tempo em que tudo

O acréscimo de novos eixos ao espaço de todas as artes pode levar à construção de um hiper-espaço cultural riquíssimo. Penso que a nova era consistirá, em larga medida, na exploração de tais espaços. Acredito que as pessoas passarão a ter uma percepção espacial muito mais rica que as de eras passadas; perceberão um mundo muito mais rico e complexo, viverão imersas em um hiper-espaço ao mesmo

No séc. XX ocorreram várias rupturas com tais regras, de maneira que hoje vivemos uma espécie de reverência às inovações

isso costumava ser bastante restrito, havendo regras de conveniência que impediam a livre criação. No séc. XX ocorreram várias rupturas com tais regras, de maneira que hoje vivemos uma espécie de reverência às inovações. Como resultado, temos uma liberdade de estilos muito maior que em outros tempos, embora os meios de comunicação costumem se comportar de maneira bastante conservadora, omitindo quase qualquer inovação. Tais restrições, provavelmente, decorrem de um conservadorismo inerente à psique humana. Mesmo querendo ser moderninhos, gostamos daquilo que nos é familiar, inovações nos incomodam (embora alguns as reverenciem naturalmente).

tempo artístico e científico, não impedindo a inclusão nele de formas tecnológicas, atléticas, sensuais, nem de qualquer outra que a imaginação, o sonho, ou o desejo façam imiscuir no grande espetáculo, na grande obra em que se constitui qualquer vida humana. Talvez a descoberta sutil que nos insere na nova era seja a percepção de que o mundo é aberto, de que existe uma infinidade imensa de possibilidades, e que não precisamos nos agrilhoar, nos manter cativos a formas meramente convencionais de expressão, ou de existência.

Comente o artigo www.jp5.com.br


VIDA PÚBLICA

TERÇA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012 - EDIÇÃO 836

A3

SIQUEIRA CAMPOS - PR 092

Beto Richa autoriza projeto para duplicar rodovia no Norte Pioneiro O processo licitatório será realizado na modalidade de concorrência pública. Além da duplicação, o projeto prevê a implantação de vias marginais, melhorias nas interseções da rodovia com a PR-424 e a PRC-272 e implantação da interseção do Saltinho, no município de Siqueira Campos AEN/REDAÇÃO

O governador Beto Richa autorizou nesta semana a abertura de processo licitatório para a elaboração de um projeto de engenharia para duplicação da rodovia PR-092, no perímetro urbano do município de Siqueira Campos, na região do Norte Pioneiro. O estudo prevê obras em quatro quilômetros da rodovia, entre o km 279 e o km 283. A duplicação da rodovia é uma reivindicação antiga da região e garantirá mais segurança aos usuários e pedestres. “Trata-se de um projeto importante, que vai contribuir para a melhoria do tráfego e para o desenvolvimento do município”, afirmou o governador Beto Richa. O processo licitatório será realizado na modalidade de concorrência pública. Além da duplicação, o projeto prevê a implantação de vias marginais, melhorias nas interseções da rodovia com a PR-424 e a PRC272 e implantação da interseção do Saltinho, no município de Siqueira Campos.

De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER), a escolha do trecho atendeu critérios técnicos, que incluem número de acidentes e fluxo de veículos. “Essa obra está de acordo com o objetivo do Estado de garantir a infraestrutura viária para também promover a industrialização do interior”, disse o diretor-geral do DER, Paulo Milani. CONTORNO – O governador assinou ainda um decreto declarando de utilidade pública um terreno com 670 mil metros quadrados que está localizado na faixa de domínio do contorno rodoviário de Palotina, no entroncamento entre a PR-182 e a PR-364 na região Oeste. A desapropriação deverá custar aproximadamente R$ 4,5 milhões. O DER deve abrir nos próximos dias processo licitatório para contratação de empresa para construção do contorno de Palotina. A obra será realizada em 15,6 quilômetros de extensão. O projeto, no valor de R$ 32 milhões, interligará as rodovias PR182 e PR-364. No trecho serão construídas duas pontes.

DIVULGAÇÃO

O estudo prevê obras em quatro quilômetros da rodovia, entre o km 279 e o km 283. A duplicação da rodovia é uma reivindicação antiga da região e garantirá mais segurança aos usuários e pedestres

MÁ FASE

Sérgio Souza aponta encolhimento do PMDB nas últimas eleições AGÊNCIA SENADO/ REDAÇÃO

O senador Sérgio Souza (PMDBPR) comentou em Plenário, nesta terça-feira (23), sobre a redução no número de prefeitos eleitos por seu partido no Paraná. Enquanto em 2008 foram 136, no primeiro turno deste ano foram apenas 56, e o partido não concorre em nenhum dos cinco municípios paranaenses onde haverá segundo turno. Segundo ele, a sigla encolheu 60% no estado. – O PMDB perdeu cerca de 160 municípios no Brasil e metade disso está no Paraná – lamentou Souza, acrescentando que, nas maiores cidades, o partido elegeu um único vereador e, em alguns casos, nenhum. De acordo com o senador, a redução se deve ao baixo índice de candidaturas próprias, o que seria uma consequência de um "descontrole do diretório esta-

dual". Em sua avaliação, o partido acabou entregue a grupos políticos que não são de "peemedebistas natos". – Houve uma manifestação de alguns segmentos do PMDB em conceder o comando [do partido], em alguns municípios do Paraná, àqueles que não tinham a essência da militância emedebista brasileira – afirmou. Partidos Para Sérgio Souza, o enfraquecimento do PMDB é também reflexo da despartidarização, com a personalização das eleições. Ele criticou as campanhas eleitorais que transformam o candidato num "produto de marketing" em detrimento de propostas consistentes. – Elegemos o vereador do ônibus, o prefeito da ambulância. E elegemos também aqueles que foram, em dado momento, artistas ou esportistas - ressaltou o senador, que repudiou o uso dos partidos políticos como mera sigla para registro de candidaturas.

DIVULGAÇÃO

Reforma política

Sérgio Souza propôs aos correligionários um debate para a reformulação do PMDB e cobrou celeridade do Congresso Nacional na reforma política. Em aparte, Tomás Correia (PMDB-RO) demonstrou preocupação com os números apresentados por Sérgio Souza, lembrando que o PMDB sempre teve tradição de partido forte no Paraná. Ele defendeu a discussão do problema pelo diretório nacional. Já o senador Cidinho Santos (PR-MT) informou que apresentará projeto de lei para coibir o que chamou de "estelionato eleitoral". A proposta é responsabilizar os candidatos que não executarem os planos de governo. Com punição a cargo da Justiça eleitoral, o objetivo de Cidinho é impedir de disputar novo mandato quem não cumprir ao menos um determinado número de promessas de campanha.

Para Sérgio Souza, o enfraquecimento do PMDB é também reflexo da despartidarização, com a personalização das eleições

Escândalos envolvendo o PMDB NOME José Borba IDADE 63 anos PROFISSÃO/CARGO Ex-deputado federal, atual prefeito de Jandaia do Sul PARTIDO PMDB

Envolvimento O ex-líder do PMDB recebeu 2,1 milhões de reais do valerioduto. Foi denunciado por corrupção. O que aconteceu Renunciou ao mandato para fugir da cassação e não conseguiu se eleger para a Câmara no ano seguinte. Aposentado como deputado, recebe 5.000 reais por mês. Em junho de 2006 foi condenado pela Justiça do Paraná, mas por outro crime: desvio de verba pública da prefeitura de Maringá entre 1997 e 2000, quando a cidade era administrada por Jairo Gianoto. O ex-deputado recorreu da decisão. Foi eleito em 2008 prefeito da pequena cidade de Jandaia do Sul, no Paraná. Responde por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Em setembro de 2012, foi condenado pelo STF por corrupção passiva.


TERÇA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012 - EDIÇÃO 836

PINHALÃO

A4

EDITAIS SANTANA DO ITARARÉ

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHALÃO ESTADO DO PARANÁ EDITAL N0 04/2012 CONCORRÊNCIA A Comissão Permanente de Licitação, da PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHALÃO, no exercício das atribuições que lhe confere a Portaria nº. 103/2012, de 05/07/2012, torna público, para conhecimento dos interessados que fará realizar no dia 28/11/2012, às 08:30 horas, no endereço, RUA DOMINGOS CALIXTO, 483, PINHALÃO-PR, a reunião de recebimento e abertura das documentações e propostas, conforme especificado no Edital de Licitação Nº. 04/2012-CO na modalidade CONCORRÊNCIA. Informamos que a íntegra do Edital encontra-se disponível no endereço supracitado. Objeto da Licitação: Seleção de pessoa jurídica do ramo pertinente para contratação, pelo menor preço ofertado, de empresa especializada na ampliação da Unidade de Saúde da Vila Guarani. Critério de Julgamento – Menor preço. Pinhalão, 23 de outubro de 2012. Arão Xavier de Freitas Junior Presidente da Comissão de Licitação

EDUCAÇÃO

Governador homologa licitação para merenda escolar de 2013 AGÊNCIA ESTADO /REDAÇÃO

O governador Beto Richa homologou esta semana o resultado do pregão eletrônico realizado para compra de gêneros para a alimentação nas 2,2 mil escolas da rede pública estadual em 2013. A compra, no valor total de R$ 6,8 milhões, vai beneficiar 1,3 milhão de estudantes de escolas regulares e também de escolas de educação especial. A compra está dividida em cinco lotes: gêneros básicos (como açúcar, arroz, farinha de milho, chá mate, fubá, granola, cereal de milho e sal marinho), enlatados, desidratados, derivados de trigo e congelados. No total, são 78 itens e 18.266 mil toneladas de alimentos, que serão enviados em cinco remessas durante o próximo ano. “A alimentação escolar ganha cada vez mais qualidade e diversidade. Estamos investindo na compra de produtos selecionados para compor a refeição dos nossos estudantes”, disse o governador. O governo vai investir mais R$ 32 milhões na compra de alimentos provenientes da agricultura familiar para enriquecer ainda mais a alimentação nas escolas da rede estadual de ensino. A chamada pública seleção de fornecedores da agricultura familiar para o Programa Estadual de Alimentação Escolar de 2013 foi autorizada por Richa no mês passado. O valor a ser aplicado na compra é dez vezes maior que o de 2010, quando foram investidos R$ 3 milhões no programa. Em 2011, Richa ampliou o recurso para R$ 23 milhões. “Essa medida é um estímulo ao pequeno agricultor e vai contribuir para o crescimento dos municípios, além de assegurar alimentos saudáveis para a merenda escolar”, destacou o governador.

No total, são 78 itens e 18.266 mil toneladas de alimentos, que serão enviados em cinco remessas durante o próximo ano

PORTARIA Nº 249 / 2012 O Senhor JOSÉ DE JESUS ISAC, Prefeito Municipal de Santana do Itararé, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por lei, RESOLVE: Artigo 1º - Aposentar o funcionário JOÃO MARIA DA SILVA, Operário, portador da cédula de identidade RG nº. 6.253.597-0-SSP/PR, por invalidez, a partir de 05/09/2012, em conformidade com a carta de concessão emitida pelo INSS . Artigo 2º. Esta Portaria entra em vigor a partir da data de sua publicação. Artigo 3º - Revogam-se as disposições em contrário. Santana do Itararé, 17 de outubro de 2012 JOSÉ DE JESUS ISAC PREFEITO MUNICIPAL PORTARIA Nº 250 / 2012 O Senhor JOSÉ DE JESUS ISAC, Prefeito Municipal de Santana do Itararé, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por lei, RESOLVE: Artigo 1º - Aposentar a funcionária MARIA APARECIDA DE SOUZA, Professora, portadora da cédula de identidade RG nº. 4.312.106-5-SSP/PR por idade, a partir de 01/08/2012, em conformidade com a Carta de Concessão emitida pelo INSS. Artigo 2º. Esta Portaria entra em vigor a partir data. Artigo 3º - Revogam-se as disposições em contrário. Santana do Itararé, 17 de outubro de 2012 JOSÉ DE JESUS ISAC PREFEITO MUNICIPAL


TERÇA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE

                                                                                                                  

                                                                                                     

                                                                                                     



 

 

                                                                                          ���           

                                                                                                     

                                                                                                   CONTINUA...   

                    2012 - EDIÇÃO 836                WENCESLAU BRAZ                                                                                                                                                                                                                                                

         CONTINUAÇÃO                                              

EDITAIS

                                                            

                                                            

          ���                                                  

                                                            

                                                            

                                                          CONTINUA...   

                                                                  CONTINUAÇÃO                                                                                                                                                 

A5

Seara investe R$ 50 mi em terminal no Porto AGÊNCIA ESTADO

O mais novo Terminal Rodoferroviário de grãos do Porto de Paranaguá deve ser inaugurado até janeiro de 2013 pela Seara Agropecuária - empresa sediada em Sertanópolis (Norte) com atuação nos estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País. A unidade, que terá capacidade para embarcar 4,5 milhões de toneladas de grão por ano, vai contribuir com a melhoria da logística de exportação e redução do tempo de espera de trens e caminhões. Com investimento de R$ 50 milhões, o empreendimento receberá carga dos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. A capacidade estática de armazenamento será de 100 mil toneladas. Localizado a 5 km do Porto, o Terminal poderá operar normalmente mesmo no pico da safra - quando a BR-277 costuma conviver com longas filas de caminhões que se dirigem aos armazéns localizados dentro do Porto. O deslocamento da carga entre o Terminal e o Porto será feito por um trem com 50 vagões que também foi adquirido pela Seara Agropecuária para dar agilidade à operação. A ideia de terminais assim é funcionar como pulmão: mesmo em períodos de chuva, ou quando os armazéns do Porto estão lotados, poderemos continuar a receber carga para formar estoque. Depois, esse volume vai sendo transferido internamente, explica Victor Goltz, Gerente de Operações da empresa. Por dia, a empresa calcula que

irá transportar 4 mil toneladas de grãos entre o Terminal e a área de atracagem de navios. Além da logística de transporte, o projeto também abarca serviços de armazenamento e beneficiamento de grãos. Segundo o gerente da Seara, os clientes do Terminal poderão colocar suas cargas dentro dos padrões exigidos pelo mercado internacional, garantindo o fluxo das exportações. A inauguração em Paranaguá virá menos de um ano após a Seara Agropecuária colocar em operação o Terminal Rodoferroviário de Itiquira, no Mato Grosso. Direcionado aos produtores do Centro-Oeste, Itiquira destina cargas diretamente para o Porto de Santos, reduzindo fretes e custos de logística. Em menos de seis meses, o Terminal já opera com embarque médio de 150 mil toneladas de grãos por mês. Empresa A Seara Agropecuária é uma empresa nascida há 60 anos em Sertanópolis e que atua no setor de logística, transporte e exportação de grãos. Em 2011, foi responsável pelo embarque de 1,5 milhão de toneladas de grãos para o exterior. Além disso, a empresa atua na agroindustrialização, com a produção de derivados de milho, como canjica, fubá e polenta, e a comercialização de açúcar e ração animal. Em 2012, a Seara foi apontada como a maior empresa da região de Londrina pelo ranking do jornal Valor Econômico. Na lista, ela aparece como a 17 maior empresa do Paraná e 38 do Sul do Brasil.


           T E R Ç A - F E I R A , 2 4 D E O U T U B R O D E 2 0 1 2 - E D I Ç Ã O 8 36       WENCESLAU  BRAZ                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            CONTINUA...                              

                                                                                                                                  

                                                                                                                                  

EDITAIS

                                                                                                                                  

     

   

 

 

CONTINUAÇÃO 



      

A6 Mais de 180 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas no Paraná, diz Defesa Civil AGÊNCIA ESTADO

O último boletim divulgado pela Coordenadoria Estadual de Defesa  Civil, nesta terça-feira (23/10), às   17 horas, informa que 186 mil pessoas foram afetadas pelas fortes   chuvas, granizo e vendavais que  ocorrem desde a tarde de segun da-feira (22) no Estado. Dessas,  250 estão desalojadas (pessoas  que se encontram temporariamen te na casa de familiares e amigos)  e 15 desabrigadas (deixaram suas  casas e estão em abrigo público).  Até o momento, 19 municípios fo ram atingidos pelos fenômenos e  são monitorados e atendidos pelo  Governo do Estado, por meio de  equipes da Defesa Civil e Corpo  de Bombeiros, com a distribuição  de lonas e telhas.  Os municípios que registraram  ocorrências foram: Antonina,  Araucária, Candói, Campina do  Simão, Campo Largo, Carambeí,   Cascavel, Curitiba, General Car neiro, Guamiranga, Guarapuava,  Guaratuba, Manfrinópolis, Pato  Branco, Pinhais, Piraquara e Ponta  Grossa, Rio Branco do Sul e Turvo.  Segundo os dados do relatório,  2.239 residências sofreram algum  dano e oito foram destruídas.  Também foi registrados estragos  em 23 edificações públicas desses  municípios, como escolas e postos  de saúde.  ESTRAGOS – Desde o final da  manhã, a Defesa Civil realiza a  distribuição de 32.400 metros de  lonas plásticas e 10 mil telhas de   fibrocimento para os moradores. Na região Metropolitana de Curi tiba, os municípios mais afetados  foram Campo Largo, com 54 mil  pessoas atingidas, e Pinhais com   4,5 mil. Na região Oeste, Cascavel  teve mais de 120 mil pessoas afe tadas. O município registrou nesta  madrugada rajadas de vento de  mais de 76,6 km por hora. 

 

  

  

  

 



Campanha vai orientar idosos sobre contratação de empréstimo consignado



     

 

 

   

   

   

 

 

  

   

    

 CONTINUA...

  

AGÊNCIA ESTADO Será lançada em todo o Brasil nesta segunda-feira (29/10) uma campanha esclarecendo os idosos sobre a contratação de empréstimo consignado. Serão veiculados em emissoras de rádio spots com alertas sobre os cuidados que devem ser tomados ao contrair um empréstimo, os riscos de superendividamento e a possibilidade de ocorrer exploração financeira por parte de terceiros ou dos próprios familiares. A iniciativa é do Ministério Público Federal, em parceria com os Conselhos Nacional e estaduais dos Direitos do Idoso. “Essa campanha contribuirá para a proteção e o desenvolvimento da consciência crítica dos idosos”, disse José Araújo da Silva, presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Idoso no Paraná, vinculado à Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos. Foram elaborados três spots, de aproximadamente um minuto cada, para veiculação em rádios de todo o País. A campanha vai ao ar a partir de novembro, visando coibir a exploração de idosos no período das festas de fim de ano, quando costumam ser bastante assediados – inclusive por familiares – para que contratem empréstimos.


                                   

                            ��� TERÇA-FE I R A , 2 4 D E O U T U B R O D E 2 0 1 2 - E D I Ç à O 8 3 6                                    CONTINUAÇÃO                                                                                                                       

WENCESLAU BRAZ

COTIDIANO

A7

APRENDIZAGEM INFANTIL

Neuropediatra realiza palestra sobre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

DIVULGAÇÃO

       

TALENTO

Jovem de Pinhalão se classifica nas Olimpíadas de Língua Portuguesa DIVULGAÇÃO

Nesse processo, o aluno Cleberson Aparecido da Silva Carneiro, do C E Rodolfo I Pereira - EFM, do município de Pinhalão, foi selecionado como 3º suplente dos semifinalistas

DA ASSESSORIA

A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro concluiu os trabalhos da etapa estadual que selecionou os semifinalistas do concurso deste

ano. Em todo o Brasil são 500 estudantes selecionados, 125 para cada categoria (poema, memórias literárias, crônica e artigo de opinião). Esse número é dividido pelos 27 Estados brasileiros e pelo Distrito Federal, de forma proporcional ao número total de textos enviados pelas comissões julgadoras municipais de

cada unidade da federação à coordenação da Olimpíada. Nesse processo, o aluno Cleberson Aparecido da Silva Carneiro, do C E Rodolfo I Pereira - EFM, do município de Pinhalão, foi selecionado como 3º suplente dos semifinalistas, no gênero crônica. O aluno teve como orientadora a professora Roselis Alves de Oliveira Braga (foto).

Meu lugar Andando pelos bosques e estradas do campo, percebe-se a beleza do lugar onde vivo. A beleza e a humildade do meu lugar, que percebo agora. Já moro aqui há uns dez anos e não percebia onde vivia. Percebo andando, as pessoas, os “boias-frias” colhendo os cafezais de um fazendeiro ou um simples agricultor. Continuo a andar pelo lugar e vejo pássaros cantando alegremente nos eucaliptos da beira da estrada. Todos os dias iguais, com colheita, com cantos...com humildade das pessoas do meu lugar. Bem que tem pessoas mais ambiciosas, mas o meu povo é humilde e gentil com os outros. Já perto de anoitecer os “ boias-frias ” vão catando seus panos debaixo dos pés de café, juntando suas peneiras, alguns ainda terminando de colher sua “rua”. Outros terminando de abanar o café, que ali está, amontoado sobre um pano. O sol já cansado, vai indo embora e o anoitecer vai se aproximando devagar, sem pressa. Os ônibus, os caminhões que estão parados na beira do cafezal, acordam seus motores, que dormiram o dia inteiro. Mas o dia ainda não acabou! O agricultor, dono do cafezal sai de trator com seus filhos, para catar os saquinhos de café, do meio do cafezal. A gentileza da noite os ajuda. Finalmente termina-se o serviço. E esse agricultor vai para sua casa, muito alegre pela produção do seu café, mas cansado pelo dia estressante. Eu também chego em casa, e penso em tudo que vi hoje. A noite passa depressa, logo no amanhecer do dia todos estão de pé, tomando seu café da manhã, que para famílias simples, pode ser só um pão com café preto. Para fazendeiros uma mesa farta. Depois de todos tomarem seu café da manhã, dirigem-se ao trabalho. O sol ardente, seca o café no terreiro. Café que vai para a venda nas cafeeiras importantes da cidade. O mesmo sol ardente faz o suor dos trabalhadores. Do suor sofrido, surge o dinheiro, simples notas que irão se transformar no café da manhã, no almoço e jantar de pessoas humildes.

A palestra será ministrada pelo pediatra e neuropediatra, Dr. Clay Brites, no Cine Iguaçu de Jacarezinho

Juliana Modotti

A Prefeitura Municipal de Jacarezinho, através da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes, com o apoio da equipe Multidisciplinar, realiza nesta quintafeira, 25, a palestra “Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade – TDHA Contribuições da neurociência para a aprendizagem infantil”. A palestra será ministrada pelo pediatra e neuropediatra, Dr. Clay Brites, no Cine Iguaçu de Jacarezinho, a partir das 19h30. A entrada é franca e o público alvo são professores, pedagogos, psicólogos, fonoaudiólogos, assistentes- sociais, acadêmicos e pais.

Segundo a professora na função de assistente ao educando da Secretaria Municipal da Educação, Rosângela Tonet, esta palestra trará a oportunidade para que os participantes conheçam os sintomas e as características da dificuldade de aprendizagem e transtornos de déficit de atenção das crianças. Ela considera ainda que estes sintomas podem ser confundidos com falta de educação e falta de limites. “Neste momento os participantes terão a oportunidade de perceber se a sua criança não pára, se ela se distrai facilmente, se não obedece à ordens domésticas, ou se obedece mas sempre pela metade, ou ainda se essa criança apresenta dificuldades de aprendizagem na escola. Tudo isso será explicado pelo

Dr. Clay, que é renomado nacionalmente nesta área”, afirmou. Sobre o palestrante O Dr. Clay Brites é pediatra e neuropediatra formado pela Santa Casa de São Paulo, docente de Neurologia da Aprendizagem de pós- graduação em Psicopedagogia da Unopar (Universidade do Norte do Paraná) e Unifil (Centro Universitário Filadélfia), vice- presidente da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil (Abenepi/PR). Também esta cursando mestrado em neurologia pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e trabalha como neuropediatra na Secretaria da Educação de Siqueira Campos, Mandaguari e São João do Ivaí.


TERÇA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012 - EDIÇÃO 836

DESTAQUE

A8

QUALIDADE

FICAFÉ 2012 é ‘vitrine’ para cafeicultura do norte pioneiro Feira internacional reúne cadeia produtiva de cafés especiais e será realizada no Pavilhão de Convenções do Centro de Eventos de Jacarezinho, nos dias 7, 8 e 9 de novembro deste ano DA ASSESSORIA

O maior evento da cafeicultura do Paraná acontece em Jacarezinho, no Norte Pioneiro, nos dias 7, 8 e 9 de novembro. A quinta edição da Feira Internacional de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná – FICAFÉ terá diversas atrações que visam a capacitação dos produtores, além da aproximação dos cafeicultores e compradores de cafés especiais e certificados de todo o mundo. A FICAFÉ é uma feira de negócios com o objetivo de tornar o norte pioneiro paranaense referência na produção de cafés de qualidade. Segundo Odemir Capello, consultor do Sebrae/PR, a FICAFÉ foi idealizada para que produtores de cafés especiais possam ofertar e apresentar seus produtos ao mercado nacional e internacional. Ele destaca que a edição de 2012 será especial, já que, durante a abertura do evento, marcada para o dia 8 de novembro, às 9 horas, haverá o lançamento da Indicação Geográfica de Procedência (I.G.P.). Em maio de 2012, a Associação dos Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (ACENPP) recebeu a certificação que garante a qualidade do café produzido na região. A I.G.P. garante a origem, os processos de produção e algumas características sensoriais dos produtos de uma determinada região, conferindo-lhes destaque no mercado mundial. “É uma ferramenta coletiva de promoção e de comercialização

AEN

dos produtos. É uma das mais importantes ações realizadas pelo Projeto Cafés Especiais, com a missão de transformar o Norte Pioneiro em uma região reconhecida como produtora de cafés de qualidade”, explica Odemir Capello.

Eventos técnicos Um dos atrativos da FICAFÉ 2012 será a ampliação dos eventos técnicos. O primeiro dia da Feira será reservado para a realização do “I Simpósio de inovação e difusão tecnológica da cafeicultura do norte pioneiro do Paraná”, além de minicursos e exposição de painéis. Nos dias 8 e 9 de novembro, acontecem palestras voltadas para o cenário da cafeicultura da região. Em pauta, temas como acesso a novos mercados, produção de cafés de qualidade, manejo integrado de pragas do cafeeiro, entre outros. “A geração de conhecimento é um diferencial da FICAFÉ. Nossa intenção é levar informações para produtores rurais, técnicos agrícolas, engenheiros agrônomos e estudantes, com a intenção de capacitar todos os envolvidos na cadeia da cultura do café”, afirma Odemir Capello. Para ele, o evento tem mudado os conceitos da produção cafeeira no norte do Paraná, pois incentiva os cafeicultores a valorizarem a qualidade do produto, a gestão empresarial das propriedades agrícolas e a inovação tecnológica. “O resultado é a produção de grãos com maior valor agregado, melhorando a rentabilidade do produtor.”

Um dos atrativos da FICAFÉ 2012 será a ampliação dos eventos técnicos. O primeiro dia da Feira será reservado para a realização do “I Simpósio de inovação e difusão tecnológica da cafeicultura. Em 2011 ( foto), Beto Richa fez a abertura do evento

MELHORIAS

Cambará, Jacarezinho e Santo Antônio da Platina receberão R$ 4,7 milhões em obras da Sanepar Os recursos, financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), estão gerando 715 empregos, diretos e indiretos, e beneficiam mais de 25 mil pessoas AGÊNCIA ESTADO

A Sanepar está investido cerca de R$ 4 milhões e 700 mil em obras de melhorias nos sistemas de abastecimento de água das cidades de Cambará, Jacarezinho e Santo Antônio da Platina, Região do Norte Pioneiro. Os recursos, financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), estão gerando 715 empregos, diretos e indiretos, e beneficiam mais de 25 mil pessoas. As obras são para substituir 56 mil metros de tubulações antigas da rede de distribuição de água das três cidades. Em San-

to Antônio da Platina, a primeira etapa das obras teve início na quarta-feira (17), na Avenida Coronel Oliveira Motta, entre as ruas Munhoz da Rocha e Rua Deputado Benedito Lúcio Machado. Na cidade serão investidos R$ 524 mil para a substituição de 6.761 metros de rede, especialmente na região central. A previsão é concluir as obras em março de 2013. Nesta quinta-feira (18), estão sendo iniciadas as obras em Cambará e Jacarezinho. Cambará é a principal beneficiada com a substituição de 38.263 metros de rede. Com o recurso de R$ 3,3 milhões, serão beneficiadas 22.150 pessoas. As obras devem ficar prontas em 11 meses. Em Jacarezinho, até maio de

2013, mais de 11 mil metros de rede de distribuição de água serão substituídos. Cerca de 720 famílias terão suas ligações remanejadas, com impacto direto no seu abastecimento. Serão investidos aproximadamente R$ 900 mil. As novas tubulações têm diâmetro maior e propiciam maior vazão de água, mantendo a pressão da rede. “Sabemos que há um incômodo inicial com a obra que interfere nas calçadas e, eventualmente no trânsito. No entanto, todo o processo deve ser executado de modo a minimizar os transtornos gerados. O transtorno passa e os benefícios da obra se tornam permanentes”, diz o gerente regional da Sanepar, no Norte Pioneiro, Gandy Ney de Camargo.

AGÊNCIA ESTADO

As obras são para substituir 56 mil metros de tubulações antigas da rede de distribuição de água das três cidades


FOLHA EXTRA ED 836