Issuu on Google+

Sexta-feira, 07 de Setembro/2012

2ª Edição

FOLHA CIPOENSE. INDEPENDÊNCIA DE QUE?

Desfile da Independência segundo o PT de Jailton

Hitler observa desfile cívico do palanque. Qualquer semelhança é mera coincidência.

Cipó está em festa! O Sete de Setembro já virou uma tradição. Mas será que todos nós sabemos o que esta festa simboliza? Nessa mesma data, no ano de 1822, D. Pedro I decretava o desligamento do Brasil do Império de Portugal. Muitas manifestações populares movidas pela insatisfação dos brasileiros levaram D. Pedro a tomar essa atitude. Hoje, 190 anos depois, o mesmo espírito de revolta ascende no coração dos cipoenses. A maneira ultrapassada de governar, a forma centralizadora com que toma suas decisões e o descaso com que trata questões im-

portantes do interesse público transformaram Jailton Macêdo (PT) num símbolo do descompromisso como gestor. Onde está a Independência em nossa cidade se os servidores públicos, os professores e os estudantes não têm seus interesses defendidos pelo prefeito reeleito para nos representar? Jailton parece ter esquecido que sua função como gestor público é servir o povo. Prefeitos e vereadores são nossos funcionários. São pagos com nossos impostos para brigar por nossas necessidades. Porém, ao contrário, o que temos visto são verbas voltando por falta de uso, obras interrompidas, quadras de esporte sem ocupação efetiva, instalações públicas em

ruínas e funcionários indignados. A ironia no desfile cívico de Sete de Setembro em Cipó é o fato de estarmos comemorando a Independência numa cidade escravizada por um governo que tirou a liberdade de seu povo. O palanque está montado. Encima dele o ditador* observa junto com seus correligionários o desfile de estudantes. Na plateia, a população comemora a Independência do Brasil. Mas a nossa maior felicidade é saber que essa é a última vez que Sua Excelência, Jailton Macêdo, assiste o desfile de cima.

*Ditadura é a designação dos regimes não-democráticos ou antidemocráticos, ou seja, governos onde não há participação popular, ou que essa participação ocorre de maneira muito restrita. Na ditadura, o poder está em apenas uma instância, ao contrário do que acontece na democracia, onde o poder está em várias instâncias, como o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Fonte: Wikipédia.

JUVENTUDE OCIOSA: PRATO CHEIO PARA AS DROGAS

Jovens e drogas: Resultado do descaso do governo

Ginásio de Esportes: Abandono de instalações deixa o jovem sem opção

Já dizia o ditado: ‘Cabeça vazia, oficina do diabo’. Nossos jovens estão entregues ao ócio. Não existem políticas públicas que promovam a inclusão social das crianças e adolescentes cipoenses. Prova disso são os índices cada vez mais al-

tos de tráfico e consumo de drogas e álcool na cidade. Sem opções de lazer e esporte para ocupar o seu tempo, a cada dia perdemos mais crianças para este pesadelo. A estudante Aline (nome fictício) confessa: “Conheço muita gente da minha escola que bebe e

é menor de idade. Aqui em Cipó não tem muita coisa para o jovem fazer, só resta beber”. Enquanto isso, a atual gestão deixa o Teatro Municipal, o Ginásio de Esportes e o Estádio Municipal chegarem à ruína. A situação é crítica e exige planejamento e conscientização.


FOLHA CIPOENSE. Sexta-feira, 07 de Setembro de 2012

SISTEMA DE SAÚDE DE CIPÓ PEDE SOCORRO Segundo os dados dos cadernos um guarda municipal, que até onde das contas do município no setor de informação de saúde disponibiliza-

se sabe, tem como responsabilida- saúde. Ficam as perguntas: Você sabi-

do em junho de 2009, as principais de zelar pela segurança do patrimô- a da existência do conselho? Quais os morbidades hospitalares – causas de nio? E quantas crianças não pude-

incentivos que a população recebeu

internação – do município de Cipó em

ram nascer cipoenses, por falta de para construí-lo? Diante desses exem-

2009 foram: doenças do aparelho

médico e estrutura básica para

plos, é possível constatar que a saúde

respiratório, algumas doenças infeccio- executar um parto? Nossas crian- do nosso município encontra -se doen-

Fachada do Hospital. Tão descascada quanto a imagem do prefeito

sas e parasitárias e gravidez, parto e

ças não estão podendo nascer em

te, grita por uma assistência de quali-

puerpério, respectivamente. Aprovei-

sua cidade, a cidade de seus pais e dade e responsável. Nesta cidade já

tando esse dado, é interessante colo-

familiares. O SUS prevê a participa- não se pode nascer, já é vedada a

car em evidência a situação atual do

ção popular nas ações de saúde e

oportunidade de ouvir nossos direitos,

Hospital Municipal de Cipó. São desu-

nas decisões orçamentárias e im-

não é possível enxergar avanços nas

manas as condições estruturais das

plementação de projetos. A partici-

condições de saúde da população, o

instalações. Desde a fachada, com a

pação popular através do Conselho que nos resta é FALAR! E usar o VOTO

pintura descascada até as péssimas

Municipal de Saúde (formado por

condições dos leitos e banheiros, que

representantes sociais e da comu- atual gestor construiu como uma bo-

possuem infiltrações e insetos. Ao se

nidade) tem muito poder, e essa neca de pano: cega, surda e muda.

para desmoronar essa saúde que o

falar em recursos humanos, quantas entidade é de formação obrigatória vezes ao se chegar à emergência os

porque é determinante na arreca-

cipoenses foram recepcionados por dação de recursos, e a aprovação

NEM CASA E NEM CULTURA Convênios são acordos firmados entre órgãos públicos ou entre órgãos privados para realização de atividades de interesse comum dos participantes. Mas, diferente do que a frase acima afirma, o atual gestor do nosso município não tem o menor interesse que os convênios saiam do papel e proporcionem o desenvolvimento da nossa cidade. Exemplo disso é o convênio CR.NR.0238317 40 do Ministério do Turismo, no valor de R$ 536.250,00, referente a “Construção da Casa da Cultura e Aquisição de Equipamentos”, recebido em 06/03/2009 que teve que ser devolvido por que o serviço não foi executado dentro do prazo estipulado. A tradução desse absurdo é que o atual gestor, além de não ter COMPROMISSO

com a cidade revela, no seu perfil de gestor, um atributo que não deve existir nos homens públicos: a IRRESPONSABILIDADE. A Casa Da Cultura, que seria interessante tanto para os moradores quanto para os visitantes, serviria para contar a história de Cipó; disponibilizar o acervo fotográfico da cidade; Museu; divulgação do artesanato; homenagear figuras importantes da nossa história; apresentações culturais, etc. Desse projeto tão importante para nós cipoenses (exceto para o gestor e sua equipe) restou apenas a foto de onde ele seria construído. No lugar da casa o desrespeito, no lugar da cultura o abandono. E assim, continuamos com saudade do que nunca tivemos!

Terreno abandonado do que seria a casa de cultura

Charge de Sábado


Folha Cipoense- 2ª Edição