Issuu on Google+

Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro - FOIRN /São Gabriel da Cachoeira / Jul/Ago/Set 2013

ISA/FUNAI/FOIRN / EXÉRCITO, EM REUNIÃO SOBRE AÇÃO DE FISCALIZAÇÃO NO RIO MARIÉ. Mostra de piaçava - Xié

Yanomami - Câmara Municipal/SGC-AM.

ASSEMBLEIA/ DAJIRN

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA

oficina de vídeo

OFICINA DE VÍDEO

OFICINA SOBRE DIREITOS DA MULHER Vista porto da praia


Pág.02

Histórico FEDERAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES INDÍGENAS DO RIO NEGRO - FOIRN

Av. Álvaro Maio, 79 - Centro São Gabriel da Cachoeira - AM Caixa Postal 31 - CEP. 69750000 Tel: (97) 3471-1632 Diretoria Executiva 2013-2016 Diretora-Presidente: ALMERINDA R. DE LIMA Vice-Presidente: ISAIAS PEREIRA FONTES Diretor: RENATO DA SILVA MATOS Diretor: NILDO JOSÉ MIGUEL FONTES Diretor: MARIVELTON RODRIGUES BARROSO

INFORMATIVO WAYURI São Gabriel da Cachoeira, Jul/Ago/Set 2013 • Elaboração, Distribuição e Informações: FEDERAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES INDÍGENAS DO RIO NEGRO - FOIRN • Setor de Comunicação - NIVALDO DA SILVA CORDEIRO, RAIMUNDO MIGUEL BENJAMIM e ANA PAULA MENEZES NETO.

Fundada em 30 de abril de 1987, a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro - FOIRN, representa o compromisso de defender os direitos dos povos indígenas que habitam a região do Alto Rio Negro. Composta por 5 Coordenadorias que reúnem 93 organizações de base representantes das comunidades, distribuídas aos longos dos principais rios formadores da bacia do Rio Negro. São cerca de 35 mil indígenas, entre 750 aldeias, isso representa aproximadamente 10% da população indígena brasileira, os quais são pertencentes de 23 grupos étnicos diferentes das famílias lingüísticas Tukano, Aruak, Maku e Yanomami, que habitam uma área de 10,6 milhões de hectares de terras indígenas demarcadas, que compreende os Municípios de Barcelos, Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira.Com visão de futuro, a FOIRN quer garantir aos povos indígenas instrumentos para o reconhecimento, respeito, valorização da cultura e a garantia dos direitos indígenas. A missão visa também formular e promover ações de políticas públicas (saúde, educação, economia), ações de etnodesenvolvimento e sustentabilidade.

Editorial O informativo Wayuri é uma forma de divulgar as ações que a FOIRN faz e acompanha na região do Rio Negro. O registro destas ações mostra que a FOIRN está atenta com o andamento das ações em áreas como: saúde, educação, meio ambiente, manejo de recursos naturais, pesquisa, cultura, infraestrutura, fomento e desenvolvimento regional. Esta edição contempla assuntos relacionados à articulação políticas da FOIRN junto à suas Coordenadorias regionais, fortalecimento, atividades formação política para juventude indígena, amigo do leitor você vai acompanhar as principais matéria; Pesca Esportiva no Rio Marié, II Assembleia geral do DAJIRN, Oficina de Cinema, Coiab tem novo Coordenador, Mobilização na Comunidade de Boa Vista, Oficina de Mapeamento e Conferência de Saúde Indígena. Visite o nosso site www.foirn.org.br ou no blog: www.foirn.wordpress.com Para dúvidas e sugestões acesse o nosso endereço eletrônico: comunicacao@foirn.org.br

!! trito o d n e b ília Dis ue Sa em Bras –

APOIO

Fiqdeste ano aconteceouNacional do Índiolton

e o çã a Funda do Diretor Mariv e da ig t n a a n tant sença Federal represen mo foi om a pre , c ) , é r B a S B B I/ s ia FUNA oso (etn io Negro. O me letiva r r a B s e leia E aixo R Rodrigu édio e b ipar da Assemb 3, foram m o d a Calh artic 1a2 o para p eceu nos dias 2 políticas do d a id v n co nt as que aco onjuntur mas; da APIB, as seguintes as c rasil, com os te a s s rr B discutida o Indígena do r c a ç ã o d a s Te i a t m a n o Movime , S a ú d e , D e m d e e A u t o n da a o o d E d u c a ç ã , S u s t e n t a b i l i iação do estatut ão s r c a aç n n a Indíge iscutido da nova Coorde te a d i o F . a n Financeir seguida eleição as regiões. Dura m d m su s e o e t APIB e ganizaçõ dos vários pon DE”. r O la e p RDA vanta da APIB, A DA VE do os oram le f N E ia ÍG le D b o IN Assem ISSÃO ria de t té as ó M t O is C H “ i a o deles f freram a ta toda o s n o s c a n o e s is indíg Dentre os povos e u q e r c massa s. passada décadas Contato: Tel.: (97) 3471-1450 E-mail: casawariro@gmai

Em julh

PARCERIA:


Pág.03

PESCA ESPORTIVA NO RIO MARIÉ

A Associação das Comunidades Indígenas do Baixo Rio Negro (Acibrn), filiada à Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn), representa 14 comunidades e 26 sítios dentro dos limites das Terras Indígenas Médio Rio Negro I e Médio Rio Negro II Desde 2010 a Foirn acompanha as denúncias da Acibrn sobre o turismo de pesca esportiva no em sua área de uso tradicional: o rio Marié. As lideranças foram aliciadas por empresários que firmaram contratos ilegais, causaram impactos ambientais e geraram conflitos por não terem feitos os estudos necessários e uma ampla consulta às comunidades. A Foirn enviou as denúncias para o Ministério Público Federal (MPF-AM) em 2011 e foi aberto um inquérito para acompanhar o caso. Com apoio da Funai, foram realizadas expedições ao Marié para monitoramento e apreensão das empresas, mas conseguiram liberação das embarcações e voltaram a pescar na região. Em novembro de 2012, em uma operação articulada com o Exército Brasileiro, as empresas foram finalmente retiradas do rio Marié. O histórico desse conflito motivou a decisão do MPF em abril deste ano para a suspensão das atividades, proibida a venda de novos pacotes turísticos e notificando Funai e Ibama para realizarem os estudos necessários para regulamentação da atividade.A Coordenação Regional do Rio Negro (CRRN) da Funai priorizou essa atividade e realizou duas oficinas sobre pesca esportiva e uma viagem de levantamento com apoio e participação

Rio Marié

da Foirn. Entre os dias 17 e 22 de junho de 2013, foi realizada a viagem de levantamento nas 14 comunidades, com a participação de representantes da CRRN-Funai, Foirn, Caimbrn, Acibrn e ISA. No final da viagem, ocorreu uma oficina ampliada em Tapuruquara Mirim, na foz do rio Marié, com presença de capitães, lideranças e moradores das comunidades, Prefeitura Municipal de São Gabriel da Cachoeira e a Secretaria de Estado para os Povos Indígenas (Seind). Foi esclarecido para as comunidades sobre a ação de retirada dos empresários e a importância de realizar os estudos de impacto e viabilidade antes de qualquer atividade. Foi manifestado o desejo das comunidades de regulamentar o turismo e outras atividades econômicas para a sustentabilidade do território e melhoria da qualidade de vida.A segunda oficina foi realizada nos dias 12 e 13 de julho, coordenada pelo diretor da Foirn Marivelton Barroso e pelo vice coordenador da CRRN-Funai, Tulio Binotti. Além das lideranças e comunidades da Acibrn, Seind e Prefeitura de São Gabriel da Cachoeira, a oficina

contou com apresentações da Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável (DPDS) da Funai de Brasília e da Coordenação de Recursos Pesqueiros (Corep) do Ibama. Foi discutida a metodologia e procedimentos necessários para os estudos de impacto e os passos para a regulamentação da atividade de pesca esportiva. Compartilhado o entendimento e o interesse das comunidades, foi definida uma agenda de trabalho. A CRRN está coordenando os estudos de impacto em parceria com o Ibama e o Instituto Socioambiental (ISA), considerando o interesse das comunidades e as orientações da Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas – PNGATI, que determina que deve ser dado o devido suporte para que os povos indígenas desenvolvam atividades de acordo com os preceitos legais, garantidos seus direitos e modos de vida. A Foirn está participando do processo, apoiando a Acibrn e trabalhando junto para a elaboração de um plano de gestão e manejo da pesca na região com compromissos e responsabilidades entre os parceiros envolvidos e os órgãos competentes. Para garantir que não haja mais invasão por parte das empresas de pesca esportiva e que os estudos fossem realizados com tranquilidade e segurança, a Funai e o Exército Brasileiro iniciaram uma operação de fiscalização na foz do rio Marié desde o dia 2 de agosto. Os estudos foram iniciados ainda em setembro, com participação de Funai, Ibama, Foirn e ISA e apoio da SEIND e Prefeitura Municipal de São Gabriel da Cachoeira.

Saiba mais no nosso Site/www.foirn.org.br Bolg:www.foirn.wordpress.com


Pág.04

COIAB TEM NOVO COORDENADOR

Nos dias 26 e 27 de agosto aconteceu a X Assembleia, na aldeia Umutina, em Barra do Burges (MT). Estavam presente mais de 300 pessoas dos noves estados da Amazônia Legal Brasileira, havia 130 delegados indígenas durante a Assembleia foram discutidos; Políticas Públicas governamentais, após trabalho

OFICINA DE VÍDEO

em grupo, pactuaram caminhos de mobilização e na ocasião elegeram um novo Coordenador. A eleição da nova Coordenação foi um dos momentos centrais, 4 candidatos concorreram S o n i a G u a j a j a ra , L ú c i o Te re n a , JanderMarubo e Maximiliano Correia Menezes . Resultou que Maximiliano – Coordenador Geral, Lourenço Krikati – Vice, João Neves Galibi - Secretário e Francinara Soares - Tesoureira. Essa diretoria irá coordenar a partir de 2014 – 2017. Maximiliano Correia Menezes, nascido na comunidade de Ananás médio Waupés, já está a 30 anos dentro do Movimento Indígena, foi diretor da FOIRN no ano de A FOIRN, através do Projeto Pontão de Cultura realizou a I oficina de Cinema Indígena do Rio Negro, que aconteceu nos dias 1 a 7 de julho. Objetivo da oficina foi de identificar e criar condições para a produção e reprodução das expressões culturais dos jovens indígenas do rio negro através do uso de mídias audiovisuais. Foi passado aos participantes da oficina uma ideia geral sobre teoria e a prática da produção de um filme de curta metragem de 1 minuto, passando pelo roteiro, direção, atuação e produção. Foi discutido as técnicas de elaboração desde o surgimento da idéia, criação do argumento, estruturação e montagem de uma cena para a execução do filme. Após a parte teórico, os jovens passaram para prática onde colocaram suas idéias em roteiros e juntos produziram,

1993 a 1996, sendo reeleito em 1997 a 2000. Também foi Conselheiro do Conselho Diretor da FOIRN e no seu último mandato foi vice presidente na gestão de 2009 a 2012. Atualmente Maximiliano Correia Menezes (EtniaTu ka n o ) , e stá t ra b a l h a n d o n o Departamento de Educação da FOIRN. A nova Coordenação da COIAB espera contar com o apoio e colaboração de todos, para agilizar o processo de mobilização e articulação do Movimento Indígena na Região Norte, principalmente neste momento de ameaças e retrocessos de direitos, de ofensiva aos nossos direitos, quando se trata de assassinatos e de injustiças. atuaram, dirigiram e filmaram. Ao todo foram 60 jovens onde muitos, pela primeira vez, tiveram o contato com mundo do audio visual, ampliando a curiosidade e o interesse destes por diferentes meios de expressão e comunicação. Como resultado da oficina foram produzidos 5 curta metragens que concorreram ao prêmio, onde 2 foram escolhidos. A oficina teve o apoio do DAJIRN, SETCOM, FUNAI e SEIND.

Fique por dentro!!! Você sabia que há 25 anos, nós povos indígenas do Brasil, ajudamos a mudar a história deste país, propondo parte da Constituição Federal, que completa 25 anos em 2013. Nela estão os artigos 231 e 232, que garantem os nossos direitos, mas também muitos outros artigos que asseguram direitos à cultura, ao meio ambiente e outras importantes conquistas da sociedade brasileira. Vinte e cinco anos é o tempo de uma geração e nós, povos indígenas, estamos aqui há milênios. Ao completar 25 anos, a nossa Constituição e os nossos direitos fundamentais à terra estão sofrendo um forte ataque por parte daqueles que sempre ambicionaram nossas terras e riquezas. Mas a nossa vida não se negocia e no nosso sangue corre o orgulho dos nossos antepassados. Por eles e pelas gerações futuras, vamos lutar pelos direitos que conquistamos.


Pág.05

II ASSEMBLEIA GERAL DE ADOLESCENTES E JOVENS INDÍGENAS DO RIO NEGRO

FOIRN através do Departamento de Adolescentes e Jovens Indígenas do Rio Negro, em parceria com a Fundação Nacional do Índio realizaram nos dia 08 a 10 de julho a II Assembleia, com o objetivo de fortalecer as ações e o movimento de adolescentes e jovens indígenas do Rio Negro junto a FOIRN, instâncias de governo municipal, estadual, federal, ONG's e instituições internacionais. O tema da II AGAJIRN foi: Valorizando a Cultura e Buscando Políticas Públicas, foram abordados temas importantes para o público juvenil: Movimento Juvenil, Valorização Cultural, Empreendedorismo Juvenil, Comunicação entre outros. Durante esses dias foram feita: palestras, mesa redonda, debates, passeata pacífica, grupos de trabalho, apresentações com danças tradicionais, grupos de teatro e momento esportivo. Os delegados indicados das 05 Coordenadorias: CABC-06 delegados, CAIARNX - 06 delegados, COITUA - 06 delegados, COIDI - 06 delegados, CAIMBRN - dividiu SIRN (02), BARCELOS (02) jovens residentes no interior (02) totalizando em 06 delegados juntamente com os responsáveis das coordenadorias , Coordenadora e Assessoria do DAJIRN, participaram da reunião onde houve deliberações importantes sobre o Departamento de Jovens. Os delegados aprovaram que a coordenadora continuasse e pudesse realizar a III Assembleia em 2016 no município de Barcelos. Foi criado um grupo de jovens para representar as 05 coordenadorias, para estreitar a comunicação com a juventude das bases: COIDI- Aldiana Mereira Cordeiro e Arlison Marinho Ferraz, COITUA - Adonilson Figueira Castilho e Daniela Sampaio da Silva, CABC- Deusimar Morais Cordeiro e Franklin Bitencourt Fontes, CAIARNX- Adelina Assis Sampaio Veloso e Leomar Melgueiro Narciso, CAIMBRN-Isaque Figueiredo Pinheiro e Géssica Lopes Aragão, Santa Isabel do Rio Negro-Maria Fabiana Sampaio e Geisiane M. Muniz, e Barcelos - Celso Jânio Dias Campos e Aldenilson Fidelis Cordovil. Na tarde do dia 10 de julho os jovens participantes da Assembleia foram percorrer as ruas da cidade para uma passeata pacífica, onde reivindicaram políticas publicas para juventude, melhores condições de vida, educação de qualidade, áreas de lazer, saúde em fim vários temas no que beneficia os jovens e a população em geral. Os manifestante de todas as idades se fizeram presentes dos 03 municípios; São Gabriel da

Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos, construíram um momento histórico no pequeno município, mostrando que não estão alienados dos acontecimentos do país e que esperam que as mudanças tão aclamadas cheguem no interior. No encerramento foi entregue uma carta, dos jovens para as autoridades dos 3 Municípios, diretores da FOIRN, Prefeito, vereadores, representantes das escolas e outros, na carta havia reivindicações de políticas públicas para os jovens, os mesmos pedem um olhar especial para esta classe. Mais de 200 adolescentes e jovens indígenas dos 3 municípios do Rio Negro participaram .

Mobilização na Comuinidade de Boa Vista

Em parceria com a Coordenadoria das Associações Baniwa e Coripaco, aconteceu nos dias 24 e 25 de agosto uma grande Mobilização na Comunidade de Boa Vista, foz do Rio Içana a 180 Km do Município de São Gabriel da Cachoeira, que reuniu jovens indígenas Baniwas, Barés e Werekenas, Departamento de Adolescentes e Jovens Indígenas do Rio Negro - DAJIRN. O Encontro foi para conscientizar e articular jovens indígenas na comunidade de Boa Vista. O tema foi, JUVENTUDE É O PRESENTE. O Encontro deu inicio com a pergunta; A JUVENTUDE É O FUTURO, será inesquecível para a comunidade porque essa foi a primeira vez que Departamento de Jovens da FOIRN, chegaram a esta comunidade. Assim incluir os mesmo dentro do Movimento e deixar os mesmo informados do que está acontecendo a nível do Rio Negro e do País. Estavam presentes Edneia Teles – Coordenadora do DAJIRN, Anair Sampaio – Vice Coordenadora do Departamento de Mulheres, Raimundo Benjamim – Setor de Comunicação, Odimara Ferraz e Odivaldo Ferraz – Cantores Indígenas. Ednéia Teles, na abertura disse: “Somos o presente, nós Jovens não podemos ficar de braços cruzados, precisamos entrar na luta, buscar o reconhecimento, o respeito e o cumprimento de nossos direitos”. Mais de 100 jovens Barekeniwa. Durante o encontro foi discutido sobre Influências das Novas Tecnologias na vida dos jovens indígenas, é necessário uma discussão sobre o tema, onde pais, professores, lideranças da comunidade e os jovens devem avaliar e chegar a um acordo, de como os jovens devem aproveitar os recursos tecnológicas para a formação e crescimento.


Pág.06

Oficina sobre Direitos da Mulher

Rosane -Coord.DAJIRN

Mulheres Indígenas do Distrito de Iauaretê, Barcelos, São Gabriel da Cachoeira e de Santa Isabel do Rio Negro, tomaram conta do Auditório Salesiano entre os dias 23 a 25 de setembro. Entre elas estavam representantes do Departamento de Mulheres da ASIBA Associação Indígena de Barcelos, ACIMRN - Associação das Comunidades Indígenas do Médio Rio Negro e dos bairros de Santa Isabel. A oficina aconteceu no Município de Santa Isabel do Rio Negro, conhecida por Tapuruquara, o evento teve o apoio da FUNAI/CCRN. O objetivo principal “Promoção em direitos Indígenas da Mulher e Fortalecer a Cidadania. Durante os três dias aconteceu, palestras, debates e discussões em torno de problemas enfrentadas pelas mulheres indígenas nos três Municípios e comunidades do Rio Negro. Os grupos de trabalhos foram orientados por perguntas votadas e elaboradas com base nas palestras: Direitos da Mulher Professora Madalena Gama Bendaham – Secretária do Conselho Municipal de Direitos da Mulher/SGC; Cultura Indígena como Direito - Higino Tenório – L i d e r a n ç a Tu y u k a ; D i r e i t o s Indígenas como Direitos Humanos Benjamim Baniwa – VicePresidente da ASIBA; – e exposições dos Departamentos de Mulheres da FOIRN, ASIBA e

Higino Tenório - Liderança

Participantes

ACIMRN. A realidade foi que das 50 d e a ç õ e s v o l t a d a s p a r a o mulheres vinda das mais diversas atendimento especializado à elas. l o c a l i d a d e s , p o u c a s d e l a s Em carta elaborada ao final da conheciam seus direitos. Pois agora oficina, deixou bem claro e exigiram elas vão fazer valer seus direitos, a mais respeito e atenção: Disseram violência que acontece na zona estudamos sobre como nós Urbana, também acontece na devemos proteger a integridade da comunidade. Rosane Cruz – etnia mulher e como denunciar as Piratapuya, Coordenadora do violências que as mulheres sofrem. Departamento de Mulheres Debatemos sobre as melhores Indígenas do Rio Negro disse formas de comunicação entre nós “fundamental que o movimento de para criarmos canais seguros de mulheres construa estratégias de informação, proteção e segurança comunicação e informação para para mulheres. Diante dessas que as mulheres que ficam nas realidades exigimos que os comunidades mais distantes das Municípios e as Câmaras cidades também conheçam seus Municipais criem estruturas de direitos. “Traduzir as leis, como a da atendimento dos direitos das Maria da Penha nas línguas mulheres: Secretaria Municipal da indígenas pode ser uma forma de Mulher; Criação do Conselho; torná-la essa lei conhecida pelas Municipal dos Direitos da Mulher; mulheres indígenas nas Delegacia Especializada para comunidades. Como também exigir atendimento a Mulher; Casa de mais a presença e participação dos abrigo em casos de violência, órgãos competentes na divulgação ameaças, etc. Finaliza a carta que dessas leis”- finalizou. Em três dias será destinada aos Prefeitos dos de oficina, com base nos resultados três municípios do Rio Negro dos Grupos de Trabalhos - GTs, Barcelos, Santa Isabel e São ficou bastante claro e preocupante a Gabriel, com copias para as ausência do poder público e a falta Câmaras Municipal.


Pág.07

Plano de Gestão Territorial das Terras Indígenas do Rio Negro Em Junho de 2013, o PGTA RN foi elaborado e encaminhado ao Projeto Demonstrativo dos Povos Indígenas PDPI. Em Outubro de 2013, chegou uma boa noticia de sua aprovação para ser executado no prazo de 12 meses. O principal objetivo do plano é capacitar 15 lideranças indígenas, indicadas pelas 05 coordenadorias regionais do rio Negro para implantar planos de gestões territoriais junto às suas comunidades a partir de 2015. O valor aprovado é de R$ 334.294,00 (trezentos, trinta e quatro mil, e duzentos e noventa e quatro reais). Atualmente no Brasil na prática há dois modelos planos; Plano nacional de gestão ambiental nas terras indígenas que está sendo discutido pelo governo e a sociedade civil, representada por

indígenas, para treinar seus técnicos e Plano de gestão territorial e ambiental é da Chamada Pública para Elaboração de Planos de Gestão Territorial e Ambiental em Terras Indígenas da Amazônia Legal no âmbito do Ministério do Meio Ambiente, através do PDPI - Projetos Demonstrativos dos Povos Indígenas. Por isso esses planos são semelhantes, mas são distintas. Ao tomar conhecimento sobre a chamada pública do PDPI, a FOIRN através do Setor de Projetos e em parceria com a equipe técnica do ISA – instituto socioambiental, reuniu os representantes das instituições locais: FUNAI – fundação nacional do índio; ICMBio – instituto Chico Mendes e as lideranças indígenas

Com o tema Subsistema de Atenção a Saúde Indígena e SUS: Direito, acesso, Diversidade e atenção Diferencia, aconteceu nos dias 17 a 19 de setembro no auditório do Instituto Federal d o A m a z o n a s – Campus/SGC, esta grande Conferência, reuniu os Municípios de Barcelos, ticas de saúde e medicinas tradicionais Santa Isabel do Rio Negro, indígenas. Garantir o acesso da população S ã o G a b r i e l e v á r i a s indígena à rede de saúde e aos serviços da lideranças das 5 regiões atenção básica e da atenção especializada administrativas. Durante os 3 (média e alta complexidade) com qualidade e dias foram discutido vários e m t e m p o a d e q u a d o . F o r t a l e c e r e assuntos: Regimento das Regulamentar a Medicina Tradicional Etapas Local e Distrital da 5ª Indígena, garantindo que os hospitais adéqüemConferência Nacional de se a realidade dos povos indígenas. Fortalecer e Saúde Indígena onde foi Unificar a Participação do Controle Social aprovado um documento na junto às esferas Municipal, Estadual e 1ª Reunião da Comissão Nacional, ampliando o recurso financeiro Organizadora realizada no garantindo sua autonomia na execução das dia 18 de fevereiro de 2013. ações. Criação de políticas públicas de autoDiretrizes e propostas sustentabilidade para os povos indígenas de 5ª a p r o v a d a s a s e r e m conferencia Municipal de Saúde Indígena em encaminhadas para a etapa SGCuma forma que propiciem a melhor n a c i o n a l c o m a t e n ç ã o utilização das terras; assegurando alimentação integral e diferenciada nas adequada e incentivo à produção agrícola nas três esferas de governo, comunidades indígenas.Garantir qualificação e gestão, recursos humanos, aprimoramento dos Recursos Humanos na capacitação, formação e prá- Saúde Indígena dando efetividade a Educação.

do rio Negro para levantar os problemas atuais existentes em terras demarcadas, inclusive sobre as áreas remotas e desabitadas, localizadas nas cabeceiras dos rios: Marié, Ira, Xié e a região do Traíra. Entre essas questões levantadas, perceberam-se a necessidade de capacitar mais lideranças, tendo em vista, que as lideranças antigas são poucas para colaborar com a gestão de seus territórios que tradicionalmente ocupam. Investimento para novos quadros de recursos humanos é necessário, pois a área técnica de gestão como um todo não é suficiente para atender a demanda das comunidades dos 8 territórios demarcados e homologados da região do Rio Negro

RADIOFONIA Mais comunidades, localizadas nos municípios de São Gabriel da Cachoeira e Santa Isabel do Rio Negro, ganharam mais radiofonia, equipamentos adquiridos através do convênio com a Embaixada da Noruega e com apoio do SESC-SP. A rede de comunicação da Foirn, reúne mais de 60 Associações de base, tendo no total de 158 rádios,funcionando dentro das comunidades indígenas localizadas nos 10,6 milhões de hectares de Terras demarcadas, onde temos 23 povos de diferentes etnias que utilizam esse meio de comunicação. As rádios instalados vão facilitar os trabalhos dos agentes indígenas de saúde com a CentralFOIRN e DSEI/SGC.Radiofonias instalados: Nova Jerusalém – Alto Rio Negro, São Pedro/Foz do Ení – Alto Rio Negro, Santa Rosa – Rio Xié, Juruti – Alto Rio Negro, Cunuri- Rio Xié e Monte Alegre – Baixo Waupés. No município de Barcelos e Santa Isabel do Rio Negro: Santa Inês, Canafé, Mafi, Samauma, Maricota, Iahá, São Francisco. Funciomento da Radiofonia Segunda a Sexta: Manhã 8:00 às 9:30/Tarde 14:00 às 15:30 .


Pág.08

OFICINA DE INTERCÂMBIO Entre os dias 16 e 17 de setembro aconteceu em Brasília oficina de intercâmbio com os temas; Arranjos Institucionais para criação, implementação e governança de fundos de apoio para projetos indígenas. O objetivo foi para; Compartilhar experiências sobre concepção, com os temas acima citados, em especial sobre o Fundo Kayapó – PA-MT e fundo Suruí – RO, o segundo objetivo foi, subsidiar lideranças indígenas com informações estratégicas sobre criação, governança, gestão e implementação de fundos destinados a apoiar projetos indígenas; e o último objetivo identificar parcerias importantes e chave na construção e implementação para fundo de apoio a Projetos Indígenas. Estavam presentes, Maximiliano Menezes – FOIRN, Benk Pianko APIWTXA, FranciscoPianko APIWTXA, Sonia Guajajara – COIAB, Francisco Avelino – COIAB, Bonifácio José – SEIND, Jânio Coutinho – MMA, Almir Suruí – Fundo Suruí, Elcio Manchineri – GIZ, Katrin Marggraff – GIZ, Janina Budi – GIZ e Cristina Hinz–Consultora. Resultado esperado, lições aprendidas e compartilhadas entre as lideranças sobre o tema, entraves e etc.

Oficina de Mapeamento do Rio Negro

Oficina de mapeamento de iniciativas do Rio Negro, aconteceu nos dias 10 a 12 de setembro, na Maloca da FOIRN, com objetivo de reunir dados existentes sobre os povos do Rio Negro, a oficina intitulada para a Articulação para propostas de Gestão dos Territórios Indígenas do Rio Negro”, Discutir criticamente as informações a fim de criar dados confiáveis sobre a população indígena do Rio Negro, foi o foco da oficina, que contou com a participação de lideranças das cinco coordenadorias regionais (CABC, CAIARNX, CAIMBRN, COIDI e COITUA), professores e gestores de escolas de Pari Cachoeira, Iauaretê e Aprenda a nossa língua Nhengatú lideranças de associações, totalizando mais de 50 Kurumim - menino participantes.Em dois dias,de apigawa - homem exposições feitas pelo atores que reruri -traz trabalham com algum tipo de usú - vai usasá - passou censo, como o DSEI no campo da uka - casa saúde, SEMEC em educação, e kutara - depressa dados do IBGE, e acompanhadas waimí - velha por debates, a oficina rendeu os tuyué - velho primeiros resultados, até mesmo uwi - farinha propostas iniciais de fichas de iwaca - céu censo, elaborados por Gts que yautí - jabuti foram organizados por kwaíra - pouco Coordenadorias.Foram expostos yandú - aranha experiências desse tipo de kuxiíma - antigamente trabalho já em andamento pela saí - azedo equipe do município de Barcelos, ara - dia

que foi bastante elogiada pelos participantes e pela Coordenanação da oficina. Os debates foram feitas em torno de como se chegar a um censo que consiga ter a “qualidade e quantidade” juntas. Pois, segundo, alguns participantes, na maioria dos censos feitos na região não são bem “feitas” ou não são completas. “As coisas devem ter equilíbrio”frisou o professor e Gestor da Escola de Pari Cachoeira, Protásio Como fazer um censo que sirva de base para elaboração de um projeto de Gestão Territorial? “As exposições feitas são importantes para elaborarmos um modelo de censo que consiga reunir em um só lugar informações sociais, econômicos e populacionais, que poderão ser consultados por qualquer um que tiver necessidade e interesse”- explicou Domingos Barreto, Coordenador Regional da FUNAI/CRRN-Coordenação Regional do Rio Negro. PARABÉNS FOIRN 26 ANOS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS DO ALTO RIO NEGRO.


Pág.09

Médicos Cubanos visitaram a FOIRN

CURIOSIDADES Preserve a Natureza

A mais nova proposta que os governantes estão promovendo para evitar a destruição da mata é chamada REDD ou REDD+, palavrinhas que muita gente já viu falar. Muitas vezes, os promotores do REDD vêm fazer seus projetos em área tropicais, onde vivem comunidades que dependem da mata para sua sobrevivência. Para as Comunidades, o desmatamento nunca foi uma prática comum, Costuma cortar algumas árvores para suas necessidades básicas ou limpam uma pequena área da mata para produzir alimentos, sendo que esses locais costumam se recuperar. Destruir áreas de mata não faz sentido para as comunidades, seria como destruir sua própria casa.

Com o objetivo de conhecer os Polos Base do alto rio negro 5 médicos cubanos visitaram a FOIRN no dia 11 de outubro. Durante a visita os diretores apresentaram um slides institucional da FOIRN. Esses profissionais foram contratados pelo DSEI/ARN, o contrato será de 3 anos, todos eles tem suas formações a mais de 22 anos nessa área, serão distribuídos nas 5 regiões administrativas, suas formações é na especialização pública, eles estão aptos para trabalhar com 95% da nossa população indígena das 5 regiões existente aqui no alto Rio Negro.

Diretora Almerinda Ramos com Ministro do Esporte Ministro Aldo Rabelo/Senadora Vanessa Grazziotin e Autoridades/SGC

Edneia Teles - Coord. DAJIRN/ Almerinda Ramos - Presidente FOIRN

No dia 11 de outubro no pátio de Formatura da 2ª Brigada de Infantaria de Selva o Ministro de Esporte - Aldo Rabelo, acompanhado da Secretária de Desporto e Lazer do Estado do Amazonas - Alessandra Campêlo, Senadora Vanessa Grazziotin, Prefeito Municipal - Renê Coimbra, Vice Domingos Sávio Camico, Diretora Presidente da FOIRN - Almerinda Ramos, Secre-

taria da SEMJEL/SGC Claudia Soares, Diretor Geral da UFAM - Elias Brasilino, Vereadores e 100 alunos de duas Escolas, 50 da Escola Estadual Irmã Inês Penha e 50 alunos da Escola Municipal Dom Miguel Alagna. Objetivo da Visita foi para o lançar o Programa Força no Esporte. O Ministro do Esporte Aldo Rebelo (PC do B-SP) em sua falas disse: “O programa visa beneficiar crianças e adolescentes que vivem em áreas de vulnerabilidade social.

O Ministro e Comitiva foram saudados por 3 alunos na línguas cooficializada, Tukano, Baniwa e nhegatú. Esse Projeto está coordenado pelo Ministério da Defesa, em parceria com o Ministério do Esporte e Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Em São Gabriel 100 crianças participam do programa, parabéns São Gabriel, que foi contemplado por esse Projeto. No final da visita o Ministro, esteve em uma reunião com as lideranças Indígenas, onde foi entregue um Projeto do DAJIRN – Departamento de Adolescente e Jovens Indígenas do Rio Negro, nas mãos do Ministro.

FOIRN 26 anos em defesa dos direitos dos povos indígenas


Pág.10

CASA DE PRODUTOS INDÍGENAS DO RIO NEGRO Os Povos Indígenas do alto Rio Negro conservam a sua rica cultura através da cestarias e cerâmica que tem destaque na sua forma,variedade e utilidade.O artesanato indígena não se destina apenas para o uso doméstico, mas também ao uso simbólico em rituais tradicionais. Wariró é o nome de um ser ancestral que aparece nos mitos de vários povos indígenas da região que viveu na serra do Curicuriari, conhecida como Bela Adormecida e situada dentro da Terra Indígena Médio Rio Negro II. Wariró também é o nome da casa de produtos indígenas do rio Negro, porta de entrada para a diversidade cultural dos povos da floresta. O espaço foi criado pelos indígenas para a venda direta dos produtos e para a troca de informações entre artesãos, produtores e consumidores. As peças são feitas à mão e de maneira sustentável. Ao adquiri-las você promove não só a geração de renda, mas a preservação da cultura,dos mitos e histórias

Conheça agora os nossos produtos

Ficamos agradecidos se puder apoiar o movimento indígena contribuindo para o Fundo FOIRN: Banco do Brasil AG: 1136-3 / CC: 17.563-3

Endereço: Avenida 31 de Março, s/n - Centro São Gabriel da Cachoeira - AM CEP:69750-000

Contato: Tel:(97) 3471-1450 E-mail: wariro@foirn.org.br Arte Gráfica:Nivaldo da Silva Cordeiro


Edição 2 2013