Issuu on Google+


Certa Vez o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré. A uma Virgem, noiva de um homem, cujo o nome era José, da casa de Davi. E o nome da Virgem era Maria. Quando o anjo a encontrou, ele lhe disse: Salve, Agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres. Quando Maria o viu e ouviu aquelas palavras ficou perturbada com aquela saudação. Então o anjo lhe disse: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberá e darás a luz a um Filho, e porás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado Filho do Altíssimo. E o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. E reinará eternamente na casa de Jacó. Maria então perguntou ao anjo: E como se fará isto se não conheço homem Algum? E o anjo respondeu: O Espírito Santo e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que de ti irá nascer, será chamado Filho de Deus. E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril; Porque para Deus nada é impossível. E Maria disse: Eis aqui a serva do Senhor, cumpra-se em mim segundo a tua palavra.

Porque para Deus nada é impossível.


Ali começava a maior história de amor, humildade e fé. Para mim não existe prova maior do amor de Deus para conosco do que mandar seu Filho Amado para nos salvar. Como pode um rei nascer num berço de palha? Como pode um rei nascer fora de um palácio? Jesus foi o homem mais humilde que existiu, ninguém nunca poderá ser comparado a ele. Escolheu viver na dificuldade, em ter que trabalhar duro, escolheu ter não apenas calos nas mão mas cravos pela simplicidade em se doar pelo próximo. Engraçado como Jesus viveu os avessos da vida, como ele abraçou tudo que lhe foi colocado a ser feito. Em momento algum vemos Jesus murmurando ou reclamando do pouco que eles tinham, muito pelo contrário. Na multiplicação dos pães, Jesus manda que os discípulos deem àquele povo tudo o que eles tinham, pois eles tinham fome. Jesus também se mostra humilde quando oferece à Samaritana a Água Viva que vem do céu, aquela com a qual ela nunca mais teria sede. Precisamos aprender a sermos mais como Jesus, a nos doar pelo próximo, a alimentar quem tem fome não apenas de pão, mas da Palavra, de atenção, de carinho e de tempo. Acredito que o Natal é comemorado a vinda da Esperança, a vinda do Amor. Mas acima de tudo a vinda da humildade de sermos gratos por ser apenas o que estamos conseguindo ser neste momento.

Alyne Pelegrine

Missionária Fraternidade Fogo do Céu

Que, de forma clara, possamos aprender com o SIM de Maria e de José a como sermos pais. Que possamos aprender, com a simplicidade de Jesus ajudando José no trabalho, a sermos filhos melhores. E que, apesar de toda e qualquer dificuldade que estivermos enfrentando hoje na vida, lembre-se: Ele nasceu por você, por mim, por nós. E que possamos encontrar felicidade na simplicidade e na honra de sermos, em Cristo, irmãos. Que a Paz esteja sempre convosco!


Presentes, luzes, correria, ceia, papai Noel, alegria. São sinais, ainda contraditórios, que um novo tempo se aproxima: o Natal. Na esteira das grandes festas religiosas, o Natal está envolvido numa aura simbólica. E o símbolo, para a fé, não é o pouco; ao contrário, é a única maneira capaz de traduzir o Mistério, pois as palavras são impotentes para tal. Afinal, antes de qualquer coisa, celebramos a encarnação do Verbo Divino, ou seja, o Eterno entra no tempo.. E só isso seria um assombro. Abaixo, enumeramos alguns elementos simbólicos do Natal: O presépio: embora tenha surgido no segundo milênio, o nascimento de Jesus entre os pobres, envolvendo toda a criação, é uma narrativa bíblica. Destaque para a família que aponta para a realidade da encarnação do Filho de Deus;

Pastores e anjos: os que cuidavam das ovelhas foram os primeiros destinatários da Boa-nova, dada pelos anjos. O céu desce e abraça a Terra para lhe devolver o sentido divino; A estrela: segundo as profecias, o nascimento do Messias seria anunciado por uma luz intensa que iluminaria todo o mundo (cf. Is 9,1) de modo que todos soubessem dessa notícia; > Os magos: como consequência da estrela, todos os povos se põem a caminho à procura do Messias (afinal, não se fala que eram três); > Os presentes: dar-se inteiramente a Deus; os presentes ajudam a entender o sentido da busca: encontrando Deus, nada mais se torna importante. Em Is 60,6 diz-se que os presentes são ouro e incenso: o primeiro representando a realeza, o Messias-Rei; e o último, recordando a divindade – este que vem, vem da parte de Deus, não necessariamente o próprio Deus. O evangelho acrescenta um terceiro - mirra -, que recorda a paixão e o sofrimento do Messias;

Além desses símbolos bíblicos, a tradição cristã acrescentou outros, como os sinos e as velas, que reproduzem, respectivamente, a notícia dos anjos e a luz da estrela. Por outro lado, há elementos que se revelam contraditórios. São eles: a mesa farta - ao contemplarmos a pobreza onde Jesus nasceu devido a recusa de tantos, uma mesa farta soa estranha ao mistério do Natal; o papai Noel, o velhinho que reforça a divisão que há entre as pessoas, mensagem totalmente oposta ao espírito natalino. Contudo, o nosso olhar se detém no recém-nascido: é nesse ser frágil e impotente que reside a força de Deus; a salvação do gênero humano não se dará mediante a força de uma tropa de soldados, mas na candura e na paz de uma criança. Padre Marcelo Caixeta

Pároco Santuário N. Sra. Aparecida


>>Por Fabiano CĂŠsar


Olá caros irmãos, Paz e Bem! Hoje iremos falar sobre Pecados de Estimação. Para falarmos sobre esse tema, o que é pecado e estimação? O catecismo da Igreja Católica (parágrafo 1849) nos traz que pecado é uma falta contra a razão, a verdade, a consciência reta, é uma falta ao amor verdadeiro para com Deus. Já estimação, encontramos no dicionário que vem do latim aestimatione: apreciação de algo, alguém ou alguma coisa ou juízo ou análise. Podemos assim entender que pecados de estimação são atos involuntários, do qual fazemos sem perceber, e não damos conta que existe. Como vimos, o pecado nos afasta da graça de Deus, e sua consequência mais cedo ou mais tarde aparece, podendo destruir por inteiro a nossa vida. Hoje, com a correria do dia a dia, passamos despercebidos se temos algum pecado de estimação. Dessa forma, esse texto busca abordar exemplos sobre o mesmo, sendo um deles a masturbação e suas consequências. Encontramos no CIC (Catecismo da Igreja Católica), parágrafo 2352, que por masturbação se deve entender a excitação voluntaria dos órgãos genitais, a fim de conseguir um prazer venéreo. Algumas consequências da masturbação podem gerar outros pecados, como: fornicação, que é a união carnal fora do casamento entre um homem e uma mulher livres (sem estarem casados na igreja). Outro pecado é a promiscuidade, colocada no dicionário como imoralidade,

pela prática de maus costumes, sejam eles na vida particular ou pública. A promiscuidade sexual é caracterizada pela troca constante de parceiros. É a liberdade sexual com pessoas diversas onde todos estão sujeitos ao risco de adquirirem doenças sexualmente transmissíveis, entre elas a AIDS. A prática constante da masturbação pode chegar a se tornar um vício, algo que começa sorrateiro como se não quisesse nada. Com o tempo você começa a ficar nervoso, perde compromisso, começa a se isolar somente para poder se aliviar, e acha que a masturbação é sua área de escape para liberar a sua tensão. O inimigo é astucioso e sempre fica a espreita para ver o seu ponto fraco, e usar da masturbação para te levar ainda mais ao pecado. A masturbação faz ir pela contra mão, e como todo pecado, ela não anda sozinha. Sem perceber você fica horas na frente do computador perdendo até noites de sono, procurando coisas novas para poder saciar o seu desejo sexual. Com o tempo os vídeos tradicionais passam a ficar sem atração, o que te faz procurar outros vídeos mais pesados. A masturbação te leva a pecar contra a castidade, podendo assim ter uma vida sexual desregrada e ferida, passando a tratar a(o) parceira(o) como objeto, levando a tentar reproduzir os vídeos assistidos. Em alguns ca-

“A masturbação faz ir pela contra mão, e como todo pecado(...)”


sos as coisas saem do controle, levando a procura de parceiros do mesmo sexo, para saciar o desejo. A masturbação também causa problemas à saúde, sendo um exemplo no homem a impotência sexual. Em uma reportagem no site do Sistema MPA, um adolescente foi morto em uma clínica de reabilitação, por quatro colegas porque se masturbava demais na frente deles. Eis que esse ato era algo mais frequente ao homem antigamente, mas essa triste realidade ficou no passado. Uma pesquisa realizada em 2014 por uma Psicóloga Sexual Norte Americana, Debber Herbenick, 71,5% das mulheres com idades entre 25 e 29 anos se masturbam, um número mais modesto é de 46,5 % entre mulheres de 60 a 69 anos, e acima de 70 anos, 33%. Como vencer esse vício? Segue abaixo alguns passos: Primeiro cito para lhe mostrar o que a Palavra de Deus fala sobre isto: leia Gálatas 5,16-17.

> Tenha calma, isto tem cura você não é nenhum desequilibrado sexual;

> Lute diariamente, e não se desespere. Você não irá vencer da noite para o dia, mas com persistência; > Corte todos os estimulantes dos vícios, revistas, filmes, cd, DVD, evite programas ou filmes com cenas picantes, e de olhar para mulheres com roupas curtas ou justas;

> Nas horas de folga, faça um bom uso do seu tempo, pratique esportes, leia um bom livro, não fique sem fazer nada ou sozinho; > Vá à santa missa;

> Faça uma boa confissão, leia mais a palavra de Deus, busque conhecer sobre a igreja, a vida dos Santos; > Vigilância e oração.

Há um ditado que diz: “Mosca não assenta em prato quente.” Se você mantiver sua alma aquecida com o calor do Espírito Santo “as moscas” da tentação não vão perturbá-lo. Porém, e se um dia o prato esfriar? Após uma queda no campo sexual, ficará claro que faltou “vigilância e oração” para não pecar. Muitas vezes abusamos da nossa fraqueza e nos expomos diante do perigo e caímos; como diz o provérbio “Quem ama o perigo nele perecerá.” Assim, nunca desanime diante de um pecado! Grandes batalhas foram vencidas, dia após dia, de um lutador brigando contra o outro. Seja um lutador do lado de Cristo. Jesus passou 40 dias no deserto sendo tentado, e venceu o pecado. O madeiro da cruz foi para que o sangue precioso derramado pudesse cair sobre nós para nos lavar e purificar dos nossos pecados e nos conceder a salvação, para que possamos o reconhecer como Senhor de nossas vidas. No momento de dificuldade, clame a Jesus e peça a ele os dons do Espírito Santo para que possa vencer essa batalha, e verá Cristo lhe dando o necessário para vencer. Pois em Cristo você é mais que vencedor. Espero que essa leitura tenha lhe ajudado a perceber se existe algum pecado de estimação que precisa ser vencido em você. Deus lhe abençoe.

Fabiano César

Missionário Fraternidade Fogo do Céu


A história nos conta que a virgem Maria apareceu em diversas localidades ao redor do mundo. No Brasil, Maria apareceu na forma de uma imagem negra, em uma época em que a escravidão no país estava em alta. Nossa Senhora da Conceição Aparecida (popularmente chamada apenas de Nossa Senhora Aparecida), é a forma como Nossa Senhora é carinhosamente chamada no Brasil. Esta aparição ocorreu em 1717, quando Dom Pedro de Almeida, governador da capitania de São Paulo e Minas de Ouro, passava por Guaratinguetá, interior de São Paulo, rumo a Vila Rica. Eufóricos com a visita que estava prestes a acontecer, o povo daquela localidade organizou uma grande festa para recebê-lo. Pensando nos preparativos para essa recepção, três pescadores foram ao Rio Paraíba para conseguirem muitos peixes para a alimentação de toda comitiva do governador. Mesmo não sendo tempo de pesca, Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves foram para o rio e sentindo o peso de suas responsabilidades, fizeram uma oração pedindo a ajuda da Mãe de Jesus. Depois de tentar várias vezes sem sucesso, já desistindo da pescaria, João Alves lançou a rede novamente. Não pegou nenhum peixe, mas apanhou a imagem de Nossa Senhora da Conceição. Porém está imagem estava faltando à cabeça. Emocionado, lançou de


novo a rede e, desta vez, pegou a cabeça que se encaixou perfeitamente na pequena imagem. Após esse achado, eles apanharam tamanha quantidade de peixes que tiveram que retornar ao porto com medo da canoa virar. Os pescadores chegaram a Guaratinguetá eufóricos e emocionados com o que presenciaram, e toda a população entendeu o fato como intervenção divina. Assim aconteceu o primeiro de muitos milagres pela ação de Nossa Senhora Aparecida. A imagem encontrada ficou na casa de Filipe Pedroso por 15 anos. Ali, os amigos e vizinhos se encontravam para rezar a Nossa Senhora da Conceição. Graças e mais graças começaram a acontecer e a história se espalhava Brasil afora. Por várias vezes, à noite, ao rezarem junto à imagem, as pessoas viam que as luzes se apagavam e depois se acendiam misteriosamente. Então, todo o povo da vizinhança passou a rezar aos pés da imagem. Construíram um pequeno oratório em Itaguaçu, que em pouco tempo já não comportava o grande número de fieis que para lá acorria. O vigário da cidade de Guaratinguetá resolveu construir uma capela no morro dos Coqueiros. As obras terminaram em julho de 1745 e teve o filho de Filipe Pedroso como um dos muitos fiéis que ajudaram a construir essa capela. No dia 20 de abril de 1822, o imperador Dom Pedro I, juntamente com uma grande comitiva, fizeram uma visita à capela para homenagear a imagem milagrosa da Senhora de Aparecida, como também é conhecida. A quantidade de pessoas e romeiros que visitavam a imagem aumentava a cada dia. Por isso, em 1834, deram início às obras da igreja que é conhecida hoje como Basílica Velha. Ela era bem maior que a capela e foi consagrada no dia 8 de dezembro do ano de 1888. Em sua segunda visita à basílica, feita no dia 6 de novembro de 1888, a Princesa Isabel ofereceu à santa uma bela coroa feita de ouro, enfeitada com rubis e diamantes. Era o cumprimento da promessa feita 20 anos antes, na primeira visita feita à imagem.


Os Missionários Redentoristas, congregação de origem italiana, chegaram a Aparecida em outubro de 1894. Eram padres, religiosos e irmãos que se dedicavam ao trabalho de atender a todos os romeiros que chegavam para rezar e cumprir suas promessas a Nossa Senhora Aparecida. A imagem foi solenemente coroada – com a coroa que a Princesa Isabel doou – em 8 de setembro de 1904. A imagem passou a ser apresentada, então, com o manto azul anil, bordado com ouro e pedras preciosas. A celebração foi presidida por Dom José Camargo Barros. Estavam presentes o Núncio Apostólico, vários bispos, o senhor Rodrigues Alves, então Presidente da República, e grande multidão. Após este fato, o Santo Padre concedeu ao Santuário de Aparecida outros favores: Ofício e missa própria de Nossa Senhora Aparecida e indulgências para os romeiros em peregrinação ao Santuário. Em 29 de abril de 1908, a igreja passou a ser chamada de Basílica Menor e sua sagração se deu no dia 5 de setembro de 1909. Para a solenidade o Papa Pio X enviou, de Roma, relíquias de São Vicente Mártir. No dia 17 de dezembro de 1928, a vila que crescera em volta da Basílica e que pertencia ao município de Guaratinguetá, fica independente, tornando-se o município de Aparecida do Norte. Hoje, a cidade se chama Aparecida. No dia 16 de julho de 1930 o Papa Pio XI decreta Nossa Senhora da Conceição Aparecida como Rainha e Padroeira do Brasil. No dia 16 de maio de 1978, Rogério Marcos de Oliveira, um rapaz que sofria de problemas mentais, entrou na Basílica e destruiu a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Os mais de 200 pedacinhos foram cuidadosamente recolhidos. A artista plástica Maria Helena Chartuni, do Museu de Arte de São Paulo - MASP, levou 33 dias ininterruptos, para restaurar a imagem. A imagem voltou à cidade num carro do Corpo de Bombeiros, seguida por

um grande corso de fiéis, no dia 19 de agosto. Segundo a artista, que esteve no carro dos Bombeiros, era “um corredor humano que foi da Avenida Paulista até Aparecida, de um lado e do outro”. “Os caminhoneiros vinham do Rio de Janeiro e, quando viam a imagem, se ajoelhavam em cima das cargas e rezavam”. Neste mesmo dia, o avião de um milionário que acompanhava a caravana pelo ar caiu a 300 metros do viaduto que liga a Rodovia Dutra à cidade de Aparecida. Depois disso, a imagem passou a ficar protegida sob uma redoma de vidro à prova de bala. Em 30 de junho de 1980, o Brasil rende-se ao amor incondicional de Nossa Senhora Aparecida e decreta feriado nacional no dia 12 de outubro, proclamado pelo então Presidente da República João Figueiredo. Em 04 de julho de 1980 o Papa São João Paulo II chegava à cidade de Aparecida para sua primeira visita ao Santuário. Foi um dia de grande alegria para a Igreja em Aparecida e no Brasil inteiro, porque o Papa vinha para consagrar o Santuário Nacional de Aparecida. O momento da consagração da Basílica foi muito especial porque o Santo Padre elevou uma oração a Maria na qual, de maneira muito íntima, falou com ela e pediu, como Sucessor de Pedro e Pastor da Igreja, que Maria guarde todo o povo brasileiro e toda a Igreja no Brasil. O fenômeno de Aparecida é impressionante. O número de romeiros cresce a cada dia. Milhares de graças e milagres são relatados ano após ano. Por isso, uma nova basílica, bem maior, começou a ser construída em 1955 para acolher o numeroso fluxo de romeiros vindos de todo o país. Benedito Calixto, o arquiteto responsável pela obra, idealizou um edifício no formato da cruz grega. A área específica da Basílica compreende quase 72 mil m², e inclui os pavimentos inferior e térreo, arcada e Tribuna sul, a Cúpula Central e as Capelas da Ressurreição e do Batismo, além da Torre Brasília. É no interior da Basílica, no pavimento térreo, que fica o Nicho da Imagem milagrosa da Padroeira do Brasil, exposta em um retábulo de 37 metros de altura. Neste pavimento, de 25 mil m², são realizadas as Celebrações Eucarísticas que chegam a reunir 30 mil devotos em torno do Altar Central; nas celebrações externas, a capacidade é para 300 mil.


Entre os inúmeros milagres de Nossa Senhora Aparecida, temos: A libertação do escravo Zacarias Em meados de 1850, quando um escravo fugitivo, chamado Zacarias, capturado e acorrentado por grossas correntes, passando em frente ao santuário, pediu ao seu feitor permissão para rezar a Nossa Senhora Aparecida. O feitor permitiu que o negro escravo fizesse suas orações e seus pedidos. A fé de Zacarias foi tamanha, que de joelhos, o escravo rezava quando, milagrosamente, os elos das correntes se romperam, soltando-se de seus pulsos. O feitor compreendeu que se tratava de uma intervenção sobrenatural e concordou que o escravo deveria ficar em liberdade e retornou sozinho. O cavaleiro ateu Um cavaleiro sem fé, que vinha de Cuiabá dirigindo-se para Minas Gerais, passou por Aparecida e viu a fé dos romeiros. Logo que ele observou o povo, começou a zombar, dizendo que aquela fé era uma bobagem. Quis provar o que dizia, entrando a cavalo na igreja. Não conseguiu. A pata de seu cavalo prendeu-se na pedra da escadaria da igreja (Basílica Velha), e o cavaleiro arrependido entrou na igreja como devoto. A pedra em que o cavalo ficou preso pode ser vista na Sala dos Milagres no Santuário Nacional de Aparecida. A cura da menina cega

O milagre da menina cega aconteceu quando, certo dia, mãe e filha partiram para conhecer a Santa milagrosa. Ao chegarem perto do Santuário, a menina, levantando a cabeça, disse: – Mãe, como é linda esta igreja! Milagrosamente, ela já estava enxergando. Menino no rio Um dia, pai e filho foram pescar. Durante a pescaria, a correnteza estava muito forte e por um descuido o menino, que não sabia nadar, caiu no rio. A correnteza o arrastava cada vez mais rápido e o pai desesperado pediu a Nossa Senhora Aparecida para salvar o menino. De repente, o corpo do menino parou de ser arrastado e o pai pôde salvar seu filho. Assim finalizo este texto, tomado pela emoção de poder retratar aqui a história de nossa grande mãe Aparecida. Ler e falar de Nossa Senhora Aparecida nos traz tamanha paz, pois conhecemos quanto abundante é a sua misericórdia. Então, não se deixe abalar pelos percalços da vida, lembre-se, você tem uma poderosa Mãe no céu, intercedendo, protegendo e guiando seus passos. Confie na sua fé, confie nos planos de Deus, confie em Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Paz e Bem!

Thiago Nunes

Engajado Fraternidade Fogo do Céu


Galeria Festa de Nossa Senhora Aparecida

Fotos: Alma MĂ­stica


Testemunho Samantha Sempre tive uma grande devoção a Nossa Senhora, a ponto de eu e meu marido nos tornarmos escravos a Jesus por intermédio de Maria, nos consagrando a escravidão mariana. Sempre recorri a Ela em todos os momentos da minha vida, bons ou ruins, e Ela nunca me deixou sem consolo, inclusive quando pedia a Ela que me deixasse sofrer por alguém ou por alguma situação, Ela estava sempre ali comigo. Iniciei o ano de 2016 com uma tristeza muito grande em meu coração, em relação a minha vida profissional, pois tudo estava dando errado, tudo o que eu fazia para tentar melhorar não dava certo, e o sentimento de frustração crescia cada vez mais dentro de mim. Havia uma vontade enorme de desistir de tudo e sair correndo, como se isso fosse resolver. Toda essa situação estava afetando minha vida social, meu casamento, minha missão dentro da Fraternidade, e estava tudo desmoronando. Eu atirava para todos os lados para ver se acertava algo, e como nunca gostei de demonstrar meus sentimentos, pouquíssimas pessoas sabiam de toda a luta que eu estava passando. Por volta de abril/março deste ano, cheguei em casa mais uma vez frustrada e abatida,

chorando muito. Peguei a imagem do Sagrado Coração de Maria que fica na sala de entrada da minha casa e foi presente de casamento do meu cunhado, e fui pra sala de televisão, onde ali deitei com Ela em meus braços. Tivemos uma longa conversa, eu fiquei meio perdida no tempo, mas acho que durou em torno de uma hora. Pra falar a verdade, o começo não foi bem uma conversa, foi mais uma briga, com tanta profundidade que meu esposo viu a necessidade de me deixar conversar com Ela sem ser interrompida, permanecendo ao nosso lado em silêncio. Desabafei tudo o que estava preso dentro de mim. Disse a Ela que sabia que meu tudo era nada diante Dela, que meu esforço ainda deveria ser maior, mas que mesmo entregando a minha vida em suas mãos Ela parecia não querer, pois eu me via sozinha, sem chão, sem rumo, sem lugar. Ela havia me abandonado, havia me esquecido. Falava com Ela que sabia que uma vida profissional não era tudo, mas Ela sabia da minha responsabilidade como esposa e como uma mulher que sonhava em ser mãe. Na medida em que conversávamos meu coração ia se aquietando, ia me sentindo acolhida por Ela, sentia que por mais que eu abraçasse a imagem, Ela estava ali a me abraçar. Fui pedindo perdão por querer as coisas do meu jeito, fui me entregando, fui dizendo a Ela que queria que Ela me carregasse em seus braços assim como um

recém-nascido precisa ser carregado pela mãe, que Ela me guiasse como uma criança que não sabe aonde ir, que precisa ser orientada pelas mãos da Mãe. E fui me entregando, me sentindo amparada, me sentindo protegida, fui me acalmando, entregando meu casamento, minha vida profissional, minha vida como missionária, meu útero como alguém que pretende gerar vida. Nunca havia me entregado daquela forma em uma oração, nunca senti meu coração gritar tanto dessa forma, nunca senti minha alma tão tranquila ao final de uma noite, sabia que Ela estava comigo, sabia que nunca havia me abandonado, mas que era necessário carregar essa cruz para minha entrega ser verdadeira, ser total. Disse a Ela que continuaria como estava, mas que Ela aos poucos me mostraria onde era pra estar, o que era para eu estar fazendo, aonde seu Filho, meu Amado Senhor, queria de mim. Dia 17/05 recebi um e-mail, algo que até agora é difícil de acreditar, um e-mail da Seplag, um concurso que eu havia feito em 2011 para o cargo de professora, do qual nem me lembrava mais. O e-mail começou assim: “Prezado(a) Candidato(a) SAMANTHA KELLY SOARES. Informamos que foi publicada sua nomeação no Diário Oficial dos Poderes do Estado no dia 14/05/2016”.


Minha primeira reação? Claro que não acreditei, pensei ser apenas um trote e fui conversar com minha madrinha de crisma, que era professora concursada, e na hora ela me ligou dando os parabéns. Eu perguntei para ela se não era apenas um trote, e para confirmar ela entra no site pra mim e encontra minha nomeação. Era de noite, minha última aula no meu serviço, fui correndo pra casa contar pro meu marido, que vibrou junto comigo, também contei a minha mãe e irmã que também não acreditavam no que estava acontecendo. Há todo um processo depois que sai a nomeação, vários exames médicos a serem realizados, então fui correr atrás deles. Nesse intervalo de tempo continuei em segredo, poucas pessoas sabiam da nomeação. Fui no dia da apresentação dos exames, e o resultado? Não fui aprovada, pois estava com um problema nas cordas vocais que precisava ser tratado, e me deram um prazo de três meses para me apresentar. Não me desesperei, sabia que Nossa Senhora havia respondido minhas preces e não iria me desamparar. Ela mais que ninguém, sabe o quanto preciso praticar o dom da paciência e da espera, e não havia momento melhor pra Ela me fazer passar por isso. Claro que teve momentos que me desesperei, mas confiei e me entreguei a Ela. No dia 22/08 era minha volta à perícia médica, eu estava nervosa, mas estava rezando muito o tempo todo. Chegando ao local, descobri que estava faltando documentos e que isso poderia me reprovar. Conversando com a secretária consegui dois dias de prazo para correr atrás dos documentos faltantes, e mais uma vez me entreguei a Nossa Senhora, para que fosse feita a vontade Dela e não a minha. Dia 24/08 eu fui lá novamente, e com a graça de Deus e a intercessão de Minha Mãezinha fui aprovada no concurso. Terei que permanecer com o tratamento, pois ainda não está 100%, mas fui liberada para iniciar as atividades. Prorroguei minha posse por um mês, e no dia 23/09 iniciei minha vida profissional como professora de Educação Física em uma escola em Carmo do Cajuru. Peço a Minha Mãe e a Meu Amado todos os dias que me capacitem para essa jornada, e agradeço todos os dias pela graça alcançada. E mais uma vez posso dizer com amor e convicção, que não a nada que pedimos a Mãe, que o Filho não atenda com amor. Samantha Soares

Missionária Fraternidade Fogo do Céu


tinha me esquecido da razão do meu viver que era Ele, Jesus, meu Deus, meu Senhor e Salvador. Na minha vida eu havia colocado em primeiro lugar as festas, “amigos” e bebidas. E em último lugar ficava Deus, os meus familiares, aqueles que realmente me amavam. “Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus” (Romanos 8:8) “Não ameis o mundo nem as coisas do mundo. Não está nele o amor do Pai” (I João 1:15) Não me envergonho de relatar isso porque hoje eu sei quem sou, e em quem, com todas as minhas forças e com todo o meu coração, eu creio. Para descrever o que a Fraternidade Fogo do Céu significa na minha vida, primeiramente tenho que contar como foi minha conversão. A grande destruição da nossa alma acontece no momento em que nos esquecemos o quanto Deus nos ama, e que tudo faz, e sempre fará, por nós. Eu estava embriagada do mundo. Eu preferia passar meus finais de semana na companhia de “amigos”, e não na companhia de meus familiares; eu preferia ir a festas e bares, e não à igreja; eu preferia bebidas alcoolicas e não um bom guaraná ou um suco talvez. E tudo isso que eu vivenciei, me fez perceber que aos poucos eu estava ficando solitária, porque não permiti que Deus estivesse comigo. Eu

“Mas, onde abundou o pecado, superabundou a graça. Assim como o pecado veio para a morte, assim também a graça reinaria para a justiça, para a vida eterna, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor” (Romanos 5:21). “Se, pois, o filho vos libertar, verdadeiramente sereis livre” (João 8:36). Minha alma estava vazia, quando sozinha chorava sem motivo aparente. Mas foi aí que o Senhor começou a agir em minha vida.

O PRIMEIRO CHAMADO: Atualmente estamos muito próximos à tecnologia, e no meu caso, a rede social Facebook foi justamente onde Deus usou para me chamar atenção. Vi uma publicação da missionária Danielly Silveira, que constava uma foto do cartão de inscrição do Retiro Jovens em Renovação, que aconteceria nos dias 12, 13 e 14 de Junho de


2015. Na minha mente algo começou a me dizer “Você precisa ir ao retiro”. Percebi que Deus estava me chamando, e o mais importante, meu coração ardia de vontade de estar naquele retiro. Mas muitas vezes não conseguimos ser independentes, principalmente quando vamos a um local onde não há ninguém que conhecemos, então comecei a procura por alguém que pudesse ir comigo, pra me fazer companhia. Depois de muitas tentativas, não encontrei ninguém que pudesse ir, e as desculpas eram sempre as mesmas “Vou ver e te falo” ou “Acho que não vai dar”, e para mim estas respostas se definem muitas vezes em apenas uma palavra: “NÃO”. Comecei a desistir, mas Deus é persistente.

O SEGUNDO E ÚLTIMO CHAMADO Depois de alguns dias, vi que não iria encontrar ninguém que pudesse ir comigo ao retiro, então comecei a desistir. Mas Deus me chamou atenção novamente, pelo Facebook, e pela mesma pessoa. Novamente a missionária Danielly Silvera publicou mais uma foto com o cartão de inscrição do retiro, mas dessa vez com uma frase: “Tá chegando e você tá ficando de fora. Larga de bobeira e vem com a gente, mas corre que tá acabando!”. E então aquela vontade enorme de ir voltou, mas desta vez fiz diferente, pedi para que Deus me desse uma luz, para que eu encontrasse a companhia que eu estava tanto procurando para ir ao retiro. Pois bem, Ele atendeu meu pedido! E o mais incrível, a pessoa que chamei estava também a procura de uma companhia. Todos nós somos chamados, mas são poucos os que escutam. Acredito que se ouvir a

“ Eu me abro ao Teu querer Eu meu rendo à Tua voz Quero me submeter Quero conhecer Teus planos. Os passos que dei sem Você Só me fizeram fracassar O tanto que eu já chorei Me arrependo dos meu planos. Sem Ti nada posso fazer Onde eu posso ir Se o céu que eu procuro só virá por Tua voz. Os meus passos são Teus O meu próximo minuto é Teu Se não for assim não me deixe ir Dou minha mão para Ti Fecho os olhos e confio em Ti Leva-me Senhor!”


primeira vez a voz que fala no seu coração, não cometerá tantos erros. Essa voz é o Espírito Santo que fala conosco. Sejamos bons ou não, pessoas de Deus ou não. Jesus fala todos os dias em nosso coração e foi assim que Ele falou comigo e é também por isso que a minha vida começou a mudar. Esta é a música que mais foi cantada no retiro, e principalmente, a que marcou a minha vida, a minha conversão. As palestras, as adorações, as partilhas em grupo, cada palavra que ali era dita, se encaixava em mim como um quebra-cabeça. Eu resolvi, naquele retiro, entregar a minha vida a Deus, e a cada momento eu me entregava mais e mais. E o Espírito Santo de Deus me limpou, me lavou, me renovou! Voltei para casa transformada, mudei meu hábitos, minhas amizades, deixei que minha vida fosse escrita por Deus e não por mim mesma. “O espírito do Senhor está sobre mim, por que me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor” (Lucas4:18-19). O MAL foi destruído pelo BEM. As algemas do pecado foram quebradas. Louvo ao Senhor pela Fraternidade Fogo do Céu, pois foi o ponto de partida, o incentivo para o meu recomeço. Depois do retiro faço sempre o possível para não perder os encontros, pois é com a fé dos missionários e o Grupo de Oração que estou a cada dia me aproximando mais de Jesus, e faço Dele meu fiel amigo. Todos os dias minhas experiências com Deus são maravilhosas.

“Jovens de todos os continentes, não tenhais medo de ser os santos do novo milênio!” (Mensagem por ocasião da XV JMJ – 29/06/1999)


Que Deus, através da Fraternidade, possa transformar o coração de cada vez mais pessoas, e então fortalecer a cada dia a caminhada contra o mal, pois a autoridade do nome de Jesus expulsa todo o mal e toda a maldade. “Precisamos de Santos sem véu ou batina. Precisamos de Santos de calças jeans e tênis. Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos. Precisamos de Santos que coloquem Deus em primeiro lugar, mas que se “lascam” na faculdade. Precisamos de Santos que tenham tempo todo dia para rezar e que saibam namorar na pureza e castidade, ou que consagrem sua castidade. Precisamos de Santos modernos, Santos do século XXI com uma espiritualidade inserida em nosso tempo. Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e as necessárias mudanças sociais. Precisamos de Santos que vivam no mundo, se santifiquem no mundo,

que não tenham medo de viver no mundo. Precisamos de Santos que bebam Coca-Cola e comam hot dog, que usem jeans, que sejam internautas, que escutem discman. Precisamos de Santos que amem a Eucaristia e que não tenham vergonha de tomar um refrigerante ou comer pizza no fim-de-semana com os amigos. Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro, de música, de dança, de esporte. Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos, alegres, companheiros. Precisamos de Santos que estejam no mundo e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo mas que não sejam mundanos.” “Jovens do mundo inteiro, tenham a santa ousadia, de serem os santos do novo milênio”. - Beato João Paulo II

É disso que o mundo precisa, de Jovens Santos, jovens como você e eu, e é esse um dos desejos de Deus para a sua vida. Busquem ser jovens de Deus, não deixando nada para depois, pois será que podemos deixá-Lo para depois também? Andar com Deus é bom demais, isso eu posso garantir, eu fiz a minha escolha, escolhi servi-Lo e não há um dia sequer na minha vida que eu meu arrependa do que escolhi. Felizes são aqueles que voltam para o Criador, pois ele nunca será derrotado. “Eu vos escrevi, filhinhos: conheceis o Pai. Eu vos escrevi, pais: conheceis aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens: sois fortes, a Palavra de Deus permanece em vós, e vencestes o Maligno. Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai. Porque tudo o que há no mundo — a concupiscência humana, a cobiça dos olhos e a ostentação da riqueza — não vem do Pai, mas do mundo. Ora, o mundo passa, e também a sua cobiça; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre” (I João 2:14-17). Isabella Silva

Vocacionada Fraternidade Fogo do Céu


Bate-papo Betinho Nome: Roberto Celestino Gontijo (Betinho) Idade: 28 anos 1- Você frequenta o grupo desde quando: Minha primeira vivência com o grupo foi no retiro Jovens em Renovação de 2016, de 1 a 3 de julho. 2- Como você conheceu o grupo? Já tem alguns anos que minha prima Priscila Silva e eu íamos juntos à Missa da Família, e nós sempre víamos integrantes do grupo lá. Como minha prima sempre foi uma pessoa religiosa e carismática, já se identificou e começou a participar do grupo. Ela sempre me chamava para participar, e eu sempre a enrolava e acabava não indo. Com o tempo, ela se tornou missionária e sempre que me via fazia o convite novamente. Somente após mais de 2 anos me convidando para participar, e eu só falando que um dia ia, ela me convidou para o retiro Jovens em Renovação de 2016 e eu respondi que iria pensar (mas já quase com a certeza de que não iria). Porém, graças a Deus, pude dizer o meu primeiro SIM ao grupo, que tenho a certeza de que foi um SIM diretamente a Deus. 3- Após participar do grupo, o que mudou em sua vida? Tudo, e quando digo tudo, é tudo. Sempre fui um cara brincalhão, rodeado de amigos e colegas, e vivia de um jeito que o mundo adora. Mas muitas vezes, mesmo rodeado de pessoas, eu me sentia sozinho, sentindo que faltava algo.


Por frequentar a igreja desde os 17 anos, e por tantos anos também frequentar a Missa da Família, que é uma bênção imensa de Deus para Divinópolis, eu nunca imaginei que pudesse ainda não ter tido um encontro pessoal com Deus. E foi no grupo de oração que esse vazio que eu sentia começou a ser preenchido. Lá, eu pude perceber que Deus habita em mim, mas eu ainda não o transmitia verdadeiramente para as pessoas. Aprendi também que o Deus que existe em mim deve ser doado, deve ser oferecido, deve ser mostrado em cada gesto, e que, o Deus que eu tanto procurava, estava nas pessoas através de um abraço, de um sorriso, de um gesto de carinho. No grupo eu estou aprendendo a agir e não reagir. 4- Hoje, como vocacionado da Fraternidade Fogo do céu, o que te levou a desejar ser um missionário dessa fraternidade? Hoje vejo o mundo de uma maneira diferente, conheço e entendo os planos de Deus pra minha vida, planos de me fazer prosperar, e não de causar danos. 5- O que você vê de diferencial no Fogo céu? E o que contribui para você? Gosto muito da união do grupo. É lógico que, como toda família, não somos uma fraternidade perfeita, mas somos uma fraternidade que busca crescer a cada encontro, e tenta levar esse crescimento a todos, principalmente aos que mais necessitam. E isso é fundamental para que eu também aprenda e busque ajudar e amar, principalmente, o não amável. 6- Deixe uma mensagem: Que possamos demonstrar o Deus Eterno e Todo Amoroso que habita em nós. Que a cada situação que nós encontrarmos, que tenhamos o discernimento de demonstrar esse Deus que é Misericordioso e Justo. Que nunca deixemos de buscar, cada dia mais, ensinar e defender a Sua vontade.

Betinho

Vocacionado Fraternidade Fogo do Céu


Tempo de escolher e conhecer. É preciso primeiramente escolher bem a pessoa que você deseja namorar, se há afinidade, conhecer os valores, os gostos e qual a reta intenção um do outro.

Paz e bem a todos. É com grande alegria em que venho escrever sobre esse tema no qual é fonte de plena realização em minha vida. O namoro é a primeira e importante etapa a ser vivida rumo à vida matrimonial. Assim, é o desejo de Deus: “crescei e multiplicai-vos” (Gen. 1,28). É linda e rica essa etapa. Tempo de escolher, de crescer, de conhecer e de amadurecer rumo à construção de um amor que perdurará por muitos anos. Muitos casamentos não tiveram sucesso porque o namoro não foi vivenciado de forma correta. Algo que começa certo, dificilmente dará errado. Então fica a pergunta: como viver bem o tempo de namoro? O intuito desse texto é aconselhar a partir de experiências vivenciadas por casais que deram certo e que hoje colhem os frutos no matrimônio.

Não faça do seu namoro um passa tempo, uma aventura. Lembre-se de que se trata da vida, dos sentimentos seus e de outra pessoa, e principalmente, saiba o que e com quem deseja construir esse relacionamento. Se você é uma pessoa que deseja viver um namoro segundo os princípios religiosos, procure uma pessoa com mesmo desejo. Após a escolha, vem a etapa do conhecimento, da revelação, do tirar o véu e as máscaras conhecendo a história um do outro, os valores, os hábitos, os defeitos e as qualidades. Não amamos aquilo que não conhecemos. Estejam atentos ao contexto familiar um do outro e seja sempre autêntico e verdadeiro.

Tempo de crescer a dois Cada um traz uma história de vida, uma realidade diferente. Para alinhar os pensamentos e desejos é essencial que haja o diálogo, via imprescindível para esse crescimento. Invista no autoconhecimento, excelente caminho que ajuda a identificar as lacunas a serem preenchidas e ajuda na verbalização dos sentimentos e necessidades de forma correta, sem que haja cobranças errada e excessivas. Identificar a forma como seu cônjuge se sente mais amado(a) é uma grande ferramenta que permite manter sempre cheio o tanque de amor dos dois. Faça sempre uma avaliação do crescimento. É importante que aconteça de forma mútua e edifique a vida afetiva e pessoal.


Namoro e sexo A união de dois corpos vai muito além de simplesmente um ato físico, sinaliza a união dos corações, do espírito pelo amor. É a repleta perfeição de Deus no qual, duas pessoas se unem para gerar e procriar. Uma verdadeira harmonia conjugal. Não há um só casal que tenha se arrependido de viver a castidade no namoro, muito pelo contrário, hoje colhem no matrimônio, os frutos de um namoro sadio e edificante. A união sexual tem o verdadeiro sentido quando realizado após o casamento, pois é nele que existe o compromisso de fidelidade aos dois. Há um sentido maior. É um sentimento inexplicável, pois há a consciência de se entregar a pessoa que escolheu para a vida toda. Não é algo construído da noite para o dia, mas sim durante toda a etapa do namoro. Portanto, canalizem os desejos sexuais para os estudos, lazer, esporte e viva sua vida sexual de forma plena no momento certo, no matrimônio.

“A união sexual tem o verdadeiro sentido quando realizado após o casamento.”

Enfim, tudo isso só obterá sucesso se deixar com que Deus faça parte de cada escolha, de cada momento. Traga-o para a vida a dois. Faça da oração um instrumento para um namoro feliz e saudável, que os levará a realização de um matrimônio segundo o coração de Deus.

Rosiane Cândida de A. Andrade Missionária Fraternidade Fogo do Céu


Sobre que tema falar? Dias após receber o convite de escrever para revista, me surgiu, em pensamento, um “personagem” bíblico: o fariseu. Percebi que antes de falar com os leitores, Deus queria falar comigo. Então chegou pelo WhatsApp o evangelho do dia. Este era uma amostra do comportamento dos fariseus. O contexto era o seguinte: pela Lei dos judeus deve-se guardar o sábado e foi nesse dia da semana que Jesus entrou no templo e deparou-se com um homem que tinha a mão direita seca. Imaginando que Jesus o curaria em dia de sábado, os mestres da lei e os fariseus o observavam a fim de encontrar motivo para acusá-lo. Conhecendo suas intenções, Jesus disse.“

Eu vos pergunto: o que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar uma vida ou deixar que se perca?” (Lc 6, 9).


Jesus não veio mudar a Lei, no entanto, era essencial que reconhecessem Ele como o Senhor da Lei, e compreendê-la como fonte para o exercício da caridade, e não de aprisionamento.

Quem é o fariseu? Segundo o Minidicionário Escolar Língua Portuguesa, (2010): o fariseu é “originalmente, membro de uma seita judaica surgida no séc. II a.C., que cumpria com rigor máximo as prescrições da lei mosaica. Aquele que segue apenas formalmente uma religião. O que ostenta santidade falsa. Homem hipócrita, fingido e orgulhoso.” (p. 240). Diante deste significado, fica evidente a proposta de refletir nosso comportamento O Autêntico: Usa o cinto de segurança porque como religioso, indagando se estamos sendo fariseus ou autênticos, ou seja, católicos se conscientizou da importância do seu uso. Não de embalagem/aparência ou de conteúdo. se estima demais por cumprir a regra, pois sabe que está fazendo aquilo que é melhor pra si mesSe aplicarmos esta reflexão à regra de mo e para os outros. usar cinto de segurança para condutores e Uma diferença fundamental entre o religioso aupassageiros que circulam em veículos, tetêntico e o “religioso fariseu” está em guardar a fé ríamos: porque a internalizou. Porque vem de dentro para •O Fariseu: usa o cinto por pura obriga- fora. É quando a Lei é escrita no coração e transção, por medo de ser multado ou pra ser formada em gesto. “Vós, fariseus, limpais o copo e visto como “bom cidadão” por respeitar as o prato por fora, mas vosso interior está cheio de leis de trânsito e se considera grandioso por roubos e maldades” (Lc 11, 39). observar a regra.

Uma pessoa pode aparentar ser humilde, aparentar ser cristão, até pregar sobre Cristo, vestir camisas religiosas, usar o terço pendurado nas calças, ir à missa aos domingos e dias de festa, etc., mas o verdadeiro termômetro para medir sua autenticidade cristã é a caridade. A Igreja clama por atitudes de amor. Creio ser este o desejo do Papa Francisco ao instituir 2016 como o ano da misericórdia. Parece-me que o papa quer nos fazer sair da posição de fariseu, de acusador, de soberbo, para nos encontrarmos com o verdadeiro sentido da Lei. “Os preceitos – não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não cobiçarás e todos os outros – se resumem nesta sentença: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. A ca-


ridade não pratica o mal contra o próximo. Portanto, a caridade é a plenitude da lei.” (Rom 13, 9-10). Parece simples, mas não é. Facilmente, se não estivermos em Deus, podemos ser cristão de embalagem. Como quando fazemos uma boa obra ou servimos por vaidade, ou quando damos contratestemunho. Ou ainda, quando debatemos ideologias com ira. Aliás, toda forma de pecado nos devia da autenticidade cristã. Mas, diante desta realidade:

Como não se comportar como fariseu? Retirei do Livro Imitação de Cristo uma resposta: através da humildade e da tolerância para com o próximo. “Esforça-te por sofrer com paciência quaisquer defeitos e fraquezas alheias, pois há muito em ti que os outros têm que suportar.” (p.69). Portanto, devemos fazer frequentemente um exercício de autoconhecimento. Sermos verdadeiros conosco e enxergar nossas mazelas, não para nos afundar nelas, mas para nos lembrar de ter paciência com o irmão que peca. O que não significa omissão. Voltando ao Evangelho que deu origem a este artigo, Jesus nos indaga sobre salvar uma vida ou deixar que esta se perca. Em nosso modo de Evangelizar, devemos aproximar as pessoas de Cristo, e não afastá-las. Nossas atitudes, postura e modo de se expressar serão instrumentos neste processo. Termino com a frase de Santa Tereza de Calcutá: “quem julga não tem tempo para amar”. E deixo um pedido: oração por mim e minha família, para que sejamos Católicos autênticos e não nos comportemos como Fariseus, que vivem na hipocrisia da aparência religiosa. Fiquem com Deus!

Tatiana Santos

Engajada Fraternidade Fogo do Céu


VOCACIONAL FOGO DO CÉU “Se não dermos ouvidos ao Senhor quando Ele nos chama, pode acontecer que não consigamos encontrá-lo quando o quisermos” (Santa Teresa de Jesus). A Fraternidade Fogo do Céu vive um tempo de construção e descobrimento de sua identidade. Porém, ciente do chamado a uma evangelização feita com “renovado ardor”, enraizando o “jeitinho Fogo do Céu de ser e fazer as coisas”, que nada mais é que: fazer as coisas com diligência, alegria e entusiasmo. Diante deste chamado, os missionários da fraternidade visam trazer esta “nova evangelização”, entregando sua vida pela Igreja através deste carisma. Assim, surgiu a necessidade de fornecer um acompanhamento vocacional, destinado a um número crescente de pessoas que desejam trilhar conosco este caminho. O acompanhamento vocacional tem a duração mínima de um ano, dependendo da resposta de cada um, pois se trata de um discernimento muito pessoal, e é feito por uma equipe de missionários da Fraternidade. Ressaltando que o vocacionado deve participar, pelo menos uma vez, do retiro “Jovens em Renovação”. É necessário, ainda, frequentar as reuniões vocacionais que acontecem uma vez por mês, com o intuito de aprofundar seu chamado por meio de uma vida de intimidade com Deus. Durante o caminho vocacional, o vocacionado é chamado a estar presente nas missões e vivências fraternas, que irão proporcionar um amadurecimento no chamado que o Senhor faz a cada pessoa. Por fim, se você deseja fazer um discernimento vocacional na Fraternidade Fogo de Céu, procure um missionário para mais informações e orientações.

O Senhor vos abençoe! Jaqueline Costa

Missionária Fraternidade Fogo do Céu


O que podemos aprender com...

Santa Teresa de Jesus?

Certamente, muitas coisas! Mas, gostaria de destacar aqui, duas que me ajudaram muito na minha vida de oração e na minha relação com Jesus. Forma da Oração: “(...) a oração é tratar de amizade, estando muitas vezes a sós com Aquele que sabemos que nos ama. É imaginar que está diante de Cristo e acostumar-se a enamorar-se da Sua sagrada humanidade, tendo-O sempre consigo, falando com Ele, (...) e sem procurar orações prontas, preferindo palavras que exprimam seus desejos e necessidades.” A oração é um relacionamento com Jesus, é proximidade, é intimidade. Santa Teresa nos mostra o quanto é bom e agradável nos colocarmos, nos imaginarmos na presença de Jesus e falar com Ele! Ou, às vezes, nem precisamos falar, como aquele amigo que nos co-


nhece tanto, que só de nos olhar, já sabe como estamos! Toda amizade é construída. A amizade com Jesus também. É construída com a convivência, com as conversas, com os conselhos, com a escuta, com as risadas, com as lágrimas... A única forma de vivermos tudo isso com Jesus e construirmos com Ele uma amizade profunda e sincera, é na oração. Por isso precisamos dedicar tempo e vontade para estar com Ele, para ouvi-Lo, para aprender Dele, para falar com Ele. Que Deus inspire a sua vontade e te dê a graça de desejar profundamente estar com Ele, a sós, todos os dias!

O Amor Esponsal a Jesus Cristo “Eis aqui meu coração: deponho-o na vossa palma; minhas entranhas, minha alma, meu corpo, vida e afeição. Doce Esposo e Redenção, a vós entregar-me vim: que mandais fazer de mim?” A amizade com Jesus, construída na oração cotidiana e na contemplação dos santos mistérios de Sua vida, paixão e morte, vai crescendo e se solidificando até chegarmos ao ponto de nos entregarmos totalmente a Jesus, assim como Ele fez. Ver e sentir Jesus como Esposo, que se entrega livremente ao sofrimento da cruz por amor, pela “amada”, para salvá-la, é graça de

Deus! Santa Teresa nos faz perceber a entrega do mais belo Esposo, o infinito e incomparável amor Dele para com seus “amados”, e ao mesmo tempo nos convida a nos entregarmos também à Ele, totalmente, como uma esposa à seu Esposo! Entregamo-nos na oração de cada dia, mas, principalmente nas nossas relações com as pessoas, pessoas pelas quais Jesus se entregou inteiramente. Conviver com Jesus é aprender Dele como amar, mas não basta somente aprender, é preciso praticar! Ser alma esposa de Cristo é abandonar, com profunda alegria, tudo aquilo que nos impede de amá-Lo mais, e desejar, ardentemente, tudo aquilo que nos aproxima mais Dele! É cuidar das coisas Dele e permitir que Ele cuide das nossas, que Ele faça de nós o que melhor O servir. Um amor assim depende da nossa vontade, dedicação e esforço, mas, depende principalmente da graça de Deus. Que Ele nos conceda, pela intercessão de Santa Teresa, vê-Lo desta forma, encontrá-Lo no nosso dia a dia. Que Ele nos conceda a graça de entregarmos nosso coração livremente, por amor, ao Belíssimo Esposo! Que nossa alma seja inflamada deste Amor e que consigamos vivê-lo na oração diária e no cuidado com o outro. Que nosso maior desejo seja agradar ao Esposo, tão grande e bondoso Senhor! Marcely Costa

MIssionária Fraternidade Fogo do Céu


“Perdido em marte”

“Ignacio de Loyola” Um filme de ação e contemplação sobre a vida do fundador da Companhia de Jesus. O filme foi produzido “principalmente para os jovens que têm dificuldades para tomar decisões cruciais em sua vida”, indica o diretor artístico da obra, o padre jesuíta filipino Rene Javellana. Ele afirma que o filme foi concebido como uma resposta à “ausência de material contemporâneo” sobre Santo Inácio de Loyola. Excelente filme, no mesmo nível de “Padre Pio”, uma bela produção. Claro que, Santo Inácio também ajuda com a imensa riqueza de sua história de vida.

Durante uma missão em Marte, o astronauta Mark Watney (Matt Damon) é dado como morto após uma feroz tempestade e é deixado para trás por sua tripulação. Mas Watney sobrevive e encontra-se sem recursos e sozinho no planeta hostil. Apenas com suprimentos escassos, Watney, deve contar com a sua criatividade, engenho e espírito para subsistir e encontrar uma maneira de sinalizar à Terra que está vivo. A milhões de quilômetros de distância, a NASA e uma equipe de cientistas internacionais trabalham incansavelmente para trazer “o marciano” de volta enquanto seus colegas de tripulação, simultaneamente, traçam uma ousada, se não impossível missão de resgate. Esse filme nos inspira um sentimento de fraternidade universal, ao ver potências mundiais rivais trocarem tecnologias e informações secretas pelo objetivo de salvar um único ser humano deixado por acidente em Marte. Também o protagonista Mark, que ao decidir lutar por sobreviver, enfrentando todas dificuldades e escassez, não perde a esperança em voltar para casa.


“Por que sou Católico” Livro escrito pelo Professor Felipe Aquino. Este livro mostra, de forma orgânica e clara, as riquezas e verdades da nossa Igreja e fé católica, vai nos ajudar muito a conhecer e amar cada vez mais a única igreja fundada por Cristo, qual seja, a Igreja Católica Apostólica Romana.

“Práticas de amor a Jesus Cristo” Escrito por Santo Afonso de Ligório, é uma leitura considerada obrigatória para todos aqueles que desejam seguir Jesus de forma mais perfeita e a iniciarem na vida interior.O livro também é carregado de conselhos voltados para a direção espiritual, baseado nos ensinamentos de grandes santos que eram referência para Santo Afonso.

Helder Andrade

Missionário Fraternidade Fogo do Céu



Revista Digital Fraternidade Fogo do Céu - Edição 4