Issuu on Google+

Ano VIII • Edição nº 462 www.focoregional.com.br

Sindicalista quer garantia de vida 

Página 14

Sul Fluminense • 22 a 28 de março de 2010 • Distribuição dirigida toda segunda-feira

Crime contra religiosos tem várias perguntas sem respostas Foco Regional

Reprodução

Contradição: Bruno e Renan deram versões diferentes para supostos atos das vítimas

P P

or que o seminarista João Marcos da Silva foi poupado pelos assassinos do padre Dejair Gonçalves de Almeida e do exseminarista Epaminondas Marques da Silva? Por que o padre não entregou aos assassinos R$ 150,00 que tinha no bolso se estava sendo agredido porque eles queriam dinheiro? O crime que chocou Volta Redonda tem perguntas que ainda não foram respondidas. As vítimas eram homossexuais? A Igreja sustenta que não e se indignou com afirmações neste sentido feitas pelos acusados, justificando que o padre Dejair não está vivo para de defender. Além disso, a versão dos presos aponta uma contradição nos supostos atos de homossexualismo de Dejair. 

Páginas 10 e 11

Padre Dejair: Ele estava em Volta Redonda havia 5 anos e foi assassinado a tiros

Sem respostas ○

Réplicas de armas vêm sendo usadas em assaltos ○

• Por que o seminarista João Marcos da Silva foi poupado pelos assassinos? • Por que Dejair, mesmo espancado, não entregou o dinheiro que tinha no bolso?

Contradição ○

O uso de réplicas de armas - principalmente pistolas - vem se tornando comum em Volta Redonda. A polícia prendeu dois homens que, usando uma réplica, roubaram um carro e foram a Aparecida, no estado de São Paulo, onde compraram mais duas. No carro estava um menor de 14 anos, sobrinho de um policial militar.

Página 13



Mazzaropi deixa o PT e é ironizado por Inês ○

• Bruno diz que padre e seminaristas praticaram sexo oral • Renan diz que foram “apenas toques por cima das roupas”

O PT acaba de sofrer mais uma baixa: Mazzaropi da Carroça, um dos fundadores do partido, filiou-se ao PMBM já anunciando apoio ao ex-prefeito Roosevelt Brasil, que vai disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. Ele reclamou da falta de espaço no PT e foi ironizado pela deputada estadual Inês Pandeló: “Tem gente que quer ficar no PT só para comer a carne, não quer roer o osso”. 

Página 3


2

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Socorro

Ausência

Atual vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Walderli Alves Jordão parecia saber, de antemão, que a chapa que tentou registrar para disputar a eleição realizada na semana passada – e vencida por Renato Soares em chapa única – estava cheia de irregularidades, o que acabou resultando no indeferimento da inscrição. Tanto é que, acompanhado de um advogado, ele procurou o ex-presidente Luiz de Oliveira Rodrigues, o Luizinho, tentando conseguir alguns nomes para compor a tal chapa. Luizinho não topou. Ah, o encontro entre Jordão (foto) e Luizinho foi marcado por um amigo do ex-presidente do sindicato, conhecido como Raimundão.

Pré-candidato ao Senado, o exprefeito do Rio, César Maia, não participou da manifestação realizada na quarta-feira (17) contra a emenda que tira R$ 7 bilhões do estado do Rio em receita de royalties. No mesmo dia, o pai do deputado federal Rodrigo Maia (DEM), que vem sendo criticado porque não participou da votação da emenda na Câmara, estava em Volta Redonda, como principal convidado de uma palestra na Associação Comercial.

Asnos O falecido economista Roberto Campos costumava dizer que, no Brasil, a burrice tem um passado glorioso e um futuro promissor. Quando se vê a forma como age a Acciona, concessionária que administra a BR-393, tem-se mesmo que dar razão ao ex-ministro. Na semana passada, para pavimentar o trecho onde fez um desvio, em razão da lambança dela mesma que resultou no desmoronamento da pista, no km 285, a empresa conseguiu transformar num inferno a vida dos motoristas de Volta Redonda.

Travou Com o trânsito parado nos dois sentidos da rodovia, para permitir a movimentação dos carros que saiam da Radial Leste, a empresa não se preocupou em alertar os caminhoneiros para não bloquear o acesso aos bairros Água Limpa e Jardim Amália. Sem saber da obra, os motoristas de carreta davam de cara com o “pare” e fecha-

vam os acessos. O que vinha atrás parava e o da frente não tinha como dar marcha à ré para liberar a passagem. Mesmo alertada sobre o que estava acontecendo, a Acciona não se preocupou em amenizar o caos. Vai ser ruim de serviço assim lá na Espanha.

Ponto de vista Por falar em Acciona, na quinta-feira o prefeito Antônio Francisco Neto teve, conforme ele mesmo admitiu, uma tensa reunião com um diretor da empresa, no Palácio 17 de Julho. O que o prefeito não sabe é que, na empresa, o que se diz é que a cidade de Volta Redonda é a única que lhe causa problemas. Ele deve ter razão, afinal, não se tem notícias de que nas outras cidades do trecho moradores estejam tendo casas alagadas por causa de serviço porco da concessionária.

Para Resende A deputada federal Cida Diogo (PT) participou na sex-

ta-feira (19), ao lado do prefeito José Rechuan, de um programa na Rádio Agulhas Negras, de Resende. O principal assunto foram, segundo a assessoria de Cida, suas últimas emendas para Resende, que garantiram pelo menos R$ 2 milhões à cidade. Nada contra, mas, e para Volta Redonda, quanto foi?

Sem saída Desde o dia 18 de janeiro – há dois meses, portanto – um morador de Barra Mansa tenta fazer um exame de PSA e não consegue. Segundo ele, na Secretaria de Saúde a explicação que recebeu é que o contrato com o laboratório que atendia pelo SUS chegou ao fim e ainda não foi contratado outro. A coluna entrou em contato com a prefeitura de Barra Mansa. A assessoria de imprensa informou que secretário Wilton Neri pede que o morador o procure, pois quer se inteirar do caso dele.

Agronegócio Empreendedores do agro-

negócio têm encontro marcado no almoço empresarial que será realizado nesta terça-feira (23) na Aciap Volta Redonda, a partir das 11 horas. O evento é uma iniciativa da Ademp (Agência de Desenvolvimento Econômico do Médio Paraíba), em parceria com a Associação Comercial e a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro), e contará com a presença do secretário de Agricultura do estado Christino Áureo, que fará uma palestra sobre Desenvolvimento Sustentável do Agronegócio no Médio Paraíba.

No papel O secretário de Saúde de Porto Real, Alexandre Serfiotis, participa nesta quinta-feira (25), na prefeitura, da assinatura da ordem de serviço para a construção da Lavanderia Hospitalar Municipal. A solenidade será às 17 horas.

Violência Para 96% dos leitores

que participaram, na semana passada, da enquete do FOCO REGIONAL online, a violência na região está muito acima do tolerável. Apenas os 4% restantes consideraram que a violência está dentro de parâmetros aceitáveis. Volta Redonda, além do rumoroso caso envolvendo o padre Dejair e o ex-seminarista Epaminondas, ainda teve o assassinato de um pedreiro no bairro Santa Cruz, na semana que passou. Barra Mansa e Resende também registraram assassinatos.

Erramos Na edição 461, o FOCO REGIONAL publicou uma foto do evento realizado pelo Dia Internacional da Mulher no Minas Esporte Clube, em Barra Mansa e errou ao citar que quem aparece ao lado de Dona Paula, da Escola de Samba Acadêmicos da Chacrinha é o presidente do clube, Magno. Na verdade, é o produtor de eventos Amauri Ferreira.

Publicação da Empresa Jornalística de Volta Redonda Ltda. ação • Redação: Av. Lucas Evangelista, nº 700 - sala 104 - Aterrado - Volta Redonda - CEP: 27215-070 - Tel.: (24) 3343-5229 • Administr Administração ação:: Rua 3, nº 336/202 - Lot. Vista Bela - Água Limpa - Volta Redonda - R.J. - CEP: 27250-020 - CNPJ CNPJ:: 04201594/0001-50 - Inscrição Municipal: 03886600-5

EXPEDIENTE

• Jornalista Responsável: Fernando Pedrosa - E-mail: pedrosa@focoregional.com.br • Editoração Eletrônica: Daniel Gaspena • Impressão: Gráfica do Diário do Vale • E-mails para contato: Jornalismo: jornalismo@focoregional.com.br - Comercial: comercial@focoregional.com.br • Site: www.focoregional.com.br


3

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Mazzaropi sai do PT e vai para PMDB Suplente de vereador deixa o Partido dos Trabalhadores e é ironizado pela deputada Inês Pandeló

F F

igura folclórica na política de Barra Mansa, pelo seu jeito simples, o suplente de vereador José de Castro Viana, o Mazzaropi da Carroça, trocou o PT pelo PMDB. Ele assinou a ficha de filiação na nova legenda na quinta-feira (18), mesmo dia em que se desfilou do Partido dos Trabalhadores. Junto, Mazzaropi carregou um grupo de pelo menos 20 pessoas, entre elas o irmão, Jânio César Viana. Mazzaropi é o segundo petista graúdo que o ex-prefeito Roosevelt Brasil, hoje na presidência do PMDB na cidade, tira do Partido dos Trabalhadores. Quando era prefeito, ele levou o então vereador José Amaral. Agora, terá mais um ex-petista trabalhando por sua candidatura, desta vez a deputado estadual. “A forma como vem sendo conduzido o PT em Barra Mansa não me agrada. Não levavam em conta as minhas opiniões e isso é ruim para os dois lados”, disse Mazzaropi sobre sua insatisfação. Além da desfiliação, ele encaminhou um pedido para que o núcleo popular que fundou na Vista Alegre, há 17 anos, também seja desvinculado do PT. Depois de frisar que sua opção e de seus seguidores foi por um partido da base aliada do governo Lula, Mazzaropi se queixou de que nem sequer ter sido sondado pelo PT de Barra Mansa – dominado pelo grupo da deputada estadual Inês Pandeló – quanto às eleições deste ano. “Com esta direção não há espaço para novas lideranças. O PT não apostou no meu nome”, reclamou. “O PT de Barra Mansa precisa ser reformulado”, emendou Jânio. Mazzaropi surpreendeu o eleitorado de Barra Mansa em 2004, quando somou

Foco Regional

1.387 votos para vereador, não conquistando uma cadeira na Câmara por pouco. Em 2006, ele teve 8.870 votos para deputado federal, mas, em 2008, viu sua votação cair para 749 votos ao disputar novamente a Câmara de Vereadores. No PMDB, ele espera ter o espaço que não conseguiu no PT: “A minha expectativa é trabalhar ajudando no que for possível para a população de Barra Mansa”. Para Roosevelt, Mazzaropi é uma grande conquista para o PMBM. Disse que “apesar de homem humilde, que não teve oportunidade de estudar, ele é uma grande liderança política”. E garantiu que, na legenda, o novo filiado terá o espaço que não conseguiu no Partido dos Trabalhadores. “Se ajo da mesma forma, a tendência é o grupo minguar”, alfinetou Roosevelt, sem esconder que terá o apoio de Mazzaropi em sua campanha à Alerj. Inês minimiza saída A deputada Inês Pandeló disse que, para ela, não foi surpresa a saída de Mazzaropi, mas ressalvou que as pessoas que saíram junto são integrantes da família dele - e que não seriam mais do que 10 pessoas. Ela classificou de “fajuta” a alegação de falta de espaço: “Acabamos de sair de um PED (eleições internas do partido) e qualquer pessoa podia se organizar e disputar. A direção é montada de forma proporcional. Só que, para sair do partido, é preciso ter uma desculpa”. Inês comentou ainda que quem está no PT precisa aprender a conviver com situações distintas. - Tem gente que quer estar no PT só para comer a carne, não quer roer o osso. Assim, as fraquezas aparecem e elas saem de acordo com as benesses que lhe são

Mazzaropi com Roosevelt: Falta de espaço no PT e garantia de apoio a campanha de ex-prefeito

oferecidas. Entrar no PT passa por uma discussão, para se manter também, mas, para sair, é uma decisão individual – acrescentou, minimizando a perda.

Ela também discorda que a legenda esteja se enfraquecendo em Barra Mansa com a saída de figuras históricas, como Amaral e o vereador Baianinho, que foi para o

PPS. Para contrapor essa visão, ela lembra a entrada do vereador Marcelo Cabeleireiro e do empresário Paulo da Celeste. “O PT nunca deixou de receber novas filiações”.


4

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Igualdade para os terceirizados ○

Carlos Reis Tratando-se das relações de trabalho, a terceirização continua sendo um tema bastante polêmico. Alvo de críticas exacerbadas ou de apoios entusiásticos, a terceirização precisa ser vista por outra ótica. Há que se conciliar interesses e o mais importante é justamente o dos trabalhadores terceirizados. Projeto de lei elaborado pelas centrais sindicais e pelo governo tem, como objetivo, garantir e exigir direitos e deveres, aos terceirizados e às empresas que usam essa modalidade de contratação. Segundo o Ministério do Trabalho, o projeto apoiado pelas centrais deverá ser analisado pela Casa Civil da Presidência da República, que ficou de fazer alguns ajustes e, logo após, enviá-lo ao Congresso Nacional para discussão e aprovação. Deverá ser um debate muito produtivo e, de nossa parte, haverá intensa participação no sentido de garantir os direitos dos terceirizados. O Sindicato dos Eletricitários sabe que, para as empresas contratantes, o trabalho terceirizado é altamente lucrativo. Mas entende, ao mesmo tempo, que não pode ser usado como forma de precarização dos serviços prestados aos consumidores. Temos dito isso desde o início do processo de terceirização e intensificamos nossa luta em 2009. Se a empresa quer terceirizar algum serviço deve ter como premissa básica a manutenção da qualidade do serviço prestado e a garantia de saúde e segurança no trabalho. Não admitimos, em hipótese alguma, “economias” geradas com má qualidade do serviço, baixo treinamento dos trabalhadores e pouco investimento em saúde e segurança. Apesar dos trabalhadores terceirizados, no caso dos eletricitários, realizarem muitas funções iguais aos

dos funcionários do quadro próprio, como manutenção de usinas, redes e equipamentos, cortes e religamentos, leitura de medidores e entrega de faturas, seus reajustes não são iguais aos dos funcionários diretos. E isto é ilegal, já que são garantidos salários iguais para funções iguais no âmbito de cada empresa. Além dos salários desiguais, o treinamento e os cuidados com a saúde e segurança dos terceirizados são bem inferiores, o que é não apenas ilegal, mas profundamente desumano. É por isso que a União Geral dos Trabalhadores (UGT) diz que “o estado de São Paulo possui cerca de um milhão de terceirizados e 40% deles sofrem algum tipo de exploração”. A importância desse novo projeto é que as empresas contratantes também terão parcela de responsabilidade quando do não cumprimento das obrigações trabalhistas por parte das empresas prestadoras desse tipo de serviço. O projeto garante ainda, como direito dos terceirizados, passíveis de serem cobrados das contratantes, as horas extras, férias, 13º salário, contribuição ao INSS e ao FGTS, entre outras condições que proporcionam uma vida digna e justa ao trabalhador. Talvez essa seja a solução para que as empresas contratantes percebam que o critério de menor preço não é suficiente para a contratação das prestadoras de serviços. Os trabalhadores não são simples peças a serem movidas em um tabuleiro, mas sim a verdadeira força de trabalho que cria os lucros das empresas. Justamente por isso e porque são seres humanos exatamente iguais aos trabalhadores contratados diretamente, merecem toda atenção e respeito. Carlos Reis é presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo

“Ninguém aguenta mais tanto transtorno, tanta tragédia, tanta chuva. Alguém precisa fazer alguma coisa pela gente” (Angélica Souza Costa, moradora do bairro Santa Maria II, sobre as constantes perdas com enchentes no bairro)

   

“Eu vou pedir encarecidamente e pela última vez

para que vocês da Acciona tenham respeito pela população de Volta Redonda. Não queiram o poder público como inimigo, pois não queremos nos colocar assim. Só que exijo que esses problemas sejam sanados o mais rápido possível, com prazos e um cronograma que possam ser cobrados legalmente”

(Prefeito Antônio Francisco Neto, em reunião com o diretor de Operações da concessionária da BR-393, Marcelo de Afonseca)

   

“A Acciona não vai medir dinheiro ou mão de obra para solucionar o problema” (Marcelo de Afonseca, estabelecendo prazo de 70 dias para a concessionária resolver o problema no bairro Água Limpa)

• FALECIMENTOS:

Foco Regional

João Alves Moreira Filho, aos 50 anos, de falência múltipla de órgãos. Morava no bairro Morada da Colina. Dia 15 Maria de Fátima Silva, aos 48 anos, de insuficiência respiratória. Morava no bairro Assunção, em Barra Mansa. Dia 15 Sônia Maria da Silva Rocha, aos 55 anos, de insuficiência respiratória. Morava na Volta Grande III. Dia 17 Mário José da Silva Cabral, aos 58 anos, de complicações por um acidente vascular cerebral. Morava no Retiro. Dia 17 José Lúcio dos Reis, aos 66 anos, de infarto. Morava no bairro Nova Esperança. Dia 18 Ana Manoelina de Souza, aos 58 anos, de insuficiência respiratória. Morava na Siderlândia. Dia 18

• PRESOS: Shaliston de Jesus Rocha, de 21 anos, suspeito de furtar o telefone celular da comerciária Mayara Mara Souza de Jesus, de 20 anos, na Vila. Dia 15 Adir Clemente Braga, de 33 anos. Ele era procurado pela Justiça de Pinheiral e foi encontrado por policiais militares na Rua PG, no Vale Verde, onde estava morando. Não foi informado o motivo do mandado de prisão contra ele. Dia 18

Susto: Belina foi atingida por poste

• ATINGIDO: Por um poste arrastado pelo deslizamento de um muro de arrimo, na Rua 2, bairro Belo Horizonte, o carro do autônomo Sebastião Henrique Ferreira, de 49 anos. ele estava saindo de casa para levar a mulher ao médico. Ninguém se feriu, mas a rua foi parcialmente interditada pela Defesa Civil. Dia 16

• FURTADAS: Na Escola Municipal Maestro Franklin de Carvalho Junior, no Dom Bosco, a bolsa da diretora Madalena de Deus Pinto, de 45 anos. Na bolsa havia R$ 700,00 em dinheiro. Dia 15 A residência de do empresário Felipe Alves Simões, de 31 anos, na Rua Algenivia Lobo de Freitas, no bairro Voldac. O ladrão levou R$ 1.350,00 em dinheiro, um computador completo e um videogame. Dia 16

• ENGANADA: Por uma mulher que fingiu estar se sentindo mal, na Avenida Paulo de Frontin, no Aterrado, a estudante Jamilla Oliveira Neves, de 21 anos. A golpista convenceu a estudante a deixar com ela sua bolsa para pedir ajuda numa loja que seria, supostamente, de seu pai. A estudante ficou sem R$ 2,5 mil que acabara de sacar num banco. Dia 15


5

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Associação ganha liminar contra Acciona Juiz determina a concessionária manutenção de trecho excluído de concessão. Dnit contrata empreiteira

A A

Associação de Moradores do Conforto obteve liminar da Justiça determinando à Acciona, empresa concessionária da BR-393 (Rodovia Lúcio Meira), que faça a manutenção dos seis quilômetros entre o bairro, em Volta Redonda, e o entroncamento com a Dutra, na Região Leste de Barra Mansa. A ação está sendo movida por advogados cedidos pelo Sindicato dos Metalúrgicos. A liberação dos advogados para atuar em favor da associação se deveu às constantes reclamações de trabalhadores metalúrgicos que usam o trecho da estrada para trabalhar fora de Volta Redonda. No ano passado, o sindicato chegou a participar de uma manifestação organizada por associações de bairro contra as más condições de conservação do trecho excluído da concessão. “O protesto não surgiu efeito, então resolvemos atender o pedido da

Foco Regional

associação de moradores. Aquele trecho ficou sem pai nem mãe”, disse o presidente do sindicato, Renato Soares. Na época o sindicato pensou em mover a ação, mas não o fez por uma questão de representatividade. O advogado João Campanário sustenta que o edital de privatização da BR-393 não menciona que o trajeto excluído – que na verdade começa no Jardim Amália, também em Volta Redonda – tenha sido especificado no edital. - O edital fala em “ligação com a Dutra” e não com a Rodovia do Contorno, como querem fazer crer, até porque o Contorno é trecho futuro. O atual é este que passa pelo Conforto e chega a Barra Mansa. A responsabilidade é da Acciona. Lembrado que até o Ministério Público já teria se convencido de que o trajeto em questão não está mesmo sob a responsabilidade da concessionária, Campanário argu-

Dário (à esq), com Campanário e Renato: Associação ganhou liminar

mentou que a decisão judicial sobrepõe o entendimento do MP: “Se for preciso iremos até o STF (Supremo Tribunal Federal) discutir a questão”. O presidente da associação de moradores Dário José de Carvalho disse que a comunidade se sente excluída. É a partir do Conforto que a falta de manutenção começa a ser percebida pelos motoristas: “Como se privatiza

uma estrada e se exclui uma parte? Por isso procuramos o sindicato, que nos deu suporte jurídico”. Em sua decisão, o juiz Flávio Pimentel de Lemos Filho, da 3ª Vara Cível, estabelece multa diária de R$ 10 mil à Acciona em caso de descumprimento. “A má conservação do trecho de grande fluxo gera iminente risco de vida para milhares de motoristas”, salientou o juiz, or-

denando a realização de obras emergenciais de pavimentação e sinalização. A Acciona informou que ainda não foi notificada e que, por isso, não comentaria a liminar. Já na sexta-feira (19), a deputada estadual Inês Pandeló (PT) informou ao FOCO REGIONAL que foi publicado no Diário Oficial da União o resultado da licitação feita pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) para que a empresa São Marcos faça a manutenção do trecho por quatro meses, por um valor de R$ 149 mil. Segundo ela, o contrato prevê manutenção e conservação, incluindo tapa-buracos, contenção de barreiras e sinalização horizontal, já que nem isso aquela parte da estrada tem. Inês chegou a viajar a Brasília, em companhia do deputado federal Luiz Sérgio (PT), para pedir providências ao Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).


6

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Por Marcelo Mello

Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra Três décadas do final de uma das principais bandas de rock de todos os tempos Reprodução

P ○

o ○

s ○

i

t ○

violino, para delírio dos fãs. Em 1979 nasce “Throught The Out Door”. Agora eram oito discos na lista top da Billboard e shows com ingressos esgotados por todos os lados, provando que o Led Zeppelin estava cada vez mais forte. Nos Estados Unidos, já era considerada a maior de todos os tempos. Uma turnê mundial é interrompida pois John Bonham apresenta problemas de estômago, mas eles voltam ao palco logo em seguida. Em setembro desse ano, no dia 25, John Bonham, aos 32 anos, é encontrado morto, sufocado pelo próprio vômito. Segundo a historiam Bonham havia tomado 40 doses de vodka em 12 horas. Era o fim de tudo. Dois anos após a morte de John Bonham a banda editou Coda, uma coleção de músicas não-editadas. Em 1985, o Led Zeppelin reuniu-se para o concerto Live Aid, com Tony Thompson e Phil Collins na bateria. Muito ainda se especulou sobre um rcomeço do Led, desta vez com a participação do Jason Bonhan, filho de John, na bateria. A ideia nunca decolou e o Led, definitivamente, ficava para a história cujo último capítulo ocorreria em 2006, quando a banda recebeu o Prêmio Polar de Música, um dos mais prestigiosos do mundo, como a melhor banda de rock de todos os tempos. Em janeiro de 2009 Jimmy Page declarou que todos os planos de reviver o Led Zeppelin foram definitivamente abandonados.

às críticas, entretanto, o Led Zeppelin lança, em 1971, seu quarto álbum, sem título (que muitos chamam de “Led IV”). É desse álbum “Stairway to Heaven”, considerada uma obra-prima e eleita no início dos anos 2000, nos Estados Unidos, como a maior composição do século. O título trazia também a fortíssima “Black Dog” e “Rock & Roll”. Em 1973 sai “Houses Of The Holly”, que vai, mais uma vez, ao topo das paradas americanas. No ano seguinte a banda lança um selo próprio, a “Swan Song”, que seria distribuído pela Atlantic. Em março de 1975 sai o primeiro álbum duplo da banda, “Phisical Graffiti”. A repercussão é tão grande que o Led Zeppelin se torna a primeira banda de rock a ter cinco discos simultaneamente no topo da revista Billboard, a principal publicação musical dos Estados Unidos. Os álbuns anteriores haviam voltado às paradas, sempre nos primeiros lugares. “Presence”, de 1976, conquista disco de platina antes de chegar às lojas, algo inédito para a época. O filme “The Song Remains The Same” sai no final do ano juntamente com o álbum duplo da trilha sonora, que inclui “Rock & Roll”, “Stairway To Heaven”, “Celebration Day” e a monstruosa e interminável “Dazed and Confused”, original do primeiro disco do Led e, na versão ao vivo, com mais de 25 minutos de performance de um Jimmy Page solando sua guitarra usando um arco de

Há exatos 30 anos, uma fatalidade determinava o fim daquela que seria considerada uma das principais bandas de rock de todos os tempos. Em 1980, John Bonham morria asfixiado pelo próprio vômito em um quarto da mansão de Jimmy Page, dando fim à carreira do Led Zeppelin. Entre outras opiniões, o Led é considerado pelos críticos como o precursor do heavy metal, além de ser dono de uma história de sucessos e milhões de discos vendidos em todo o mundo. Sem contar, claro, com a autoria daquela que foi considerada a música mais bonita de todos os tempos, “Stairway to Heaven”. Formada na Inglaterra pelo guitarrista Jimmy Page, o baixista John Paul Jones, o baterista-canhão John Bonhan e o vocalista Robert Plant, o Led iniciou sua carreira de sucesso em 1968, depois de fim dos Yabirds, outra banda inglesa liderada por Page. No ano seguinte, o Led lançava seu primeiro e homônimo álbum, gravado em 20 dias. Em outubro do mesmo ano tocam pela primeira vez com o nome de Led Zeppelin. O segundo álbum, Led Zeppelin II, atinge o 1º lugar nas paradas, “Whole lotta Love” conquista as paradas americanas. Em outubro de 1970 sai Led Zeppelin III, não tão aclamado quanto os anteriores pela crítica. Mas para os fãs da banda como eu, um disco histórico, à medida que resgata um pouco da alma folk e blues do Led. Como resposta

i

v ○

o ○

Muito bom o programa “Conexão Repórter”, do SBT. O programa, com reportagens investigativas, mostra um Roberto Cabrini em excelente forma e com reportagens muito bem produzidas. Até a Globo teve que engolir e dar, em pleno Jornal Nacional, a nota do Vaticano repercutindo a denúncia de Cabrin sobre pedofilia na Igreja Católica.

N ○

e ○

g ○

a

t ○

i

v ○

o ○

Enquanto o SBT ressuscitou Roberto Cabrini, a Band deixa na geladeira outra das melhores jornalistas da TV. Lorena Calabria está encostada e sem nenhum programa na emissora paulista. O contrato de Lorena vai até o fim de 2011. Um imenso desperdício.

Led Zeppelin: Para muitos, a maior banda de rock de todos os tempos


7

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Divulgação

VEM AÍ Zezé di Camargo & Luciano vão se apresentar em Volta Redonda, dia 2 de maio, na Ilha São João. O show será promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos, em comemoração ao Dia do Trabalho. A intenção era que a dupla se apresentasse no dia 1º, mas como não tinha data na agenda, o presidente Renato Soares optou pelo dia 2, que será num domingo. Por isso, o show será às 20 horas.

Outro O sindicato ainda tenta fechar mais uma atração para abrir a noite. O mais cotado é o cantor Latino.

NEUZA COMBATE PEDOFILIA Depois de ler em POUCAS & BOAS (edição 461), que um grande número de pessoas de Volta Redonda, Barra Mansa e região aparece na internet dispostas ao sexo casual, ou seja, sem nenhum compromisso, a vereadora Neuza Jordão (PV) apresentou na Câmara de Volta Redonda projeto de lei que institui e disciplina regras de políticas públicas de combate à pedofilia na cidade, Uma das preocupações dela são as “lan houses”. Pela proposta, estes estabelecimentos serão obrigados a manter cadastro atualizado dos usuários e também afixar uma placa informativa sobre pedofilia, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente. O projeto prevê também que sejam realizadas periodicamente campanhas de conscientização, envolvendo o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e o Conselho Tutelar, além das secretarias de Ação Comunitária, Saúde e Educação.

Consciência Diz Neuza: “A intenção é convocar toda a sociedade para participar da prevenção e combate à violência sexual contra crianças e adolescentes, pois ninguém está

SUSTOS NO COMEÇO Por essa a Locanty não esperava. Com o slogan “Soluções e Qualidade” a nova empresa responsável pela coleta do lixo em Volta Redonda iniciou os trabalhos na segunda (15) e já na quinta pelo menos dois caminhões pararam. Na Avenida 17 de julho, no Aterrado, um dos veículos quebrou a barra da direção. Pouco antes, outro caminhão, desgovernado, aparentemente com problema semelhante, partiu morro abaixo, na Voldac, e só parou depois de destruir uma casa e um carro na garagem.

Dedo de prosa: César Maia, Deley e Neto antes de debate sobre desenvolvimento

ENCONTRO O ex-prefeito do Rio Cesar Maia, que busca uma vaga no Senado participou na quarta (17), em Volta Redonda, do debate promovido pela TV Rio Sul. Sócio da emissora, o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho, que deve ser o primeiro suplente de Cezar, foi o mediador. Na foto, Cesar Maia troca um dedo de prosa com Neto e o deputado federal Deley de Oliveira (PSC), antes do evento. O ex-prefeito carioca foi só elogios para os colegas voltarredondenses. livre de ser atingido por essa situação. É preciso formar uma consciência nacional para denunciar, romper com esse ciclo de violência e proteger nossos meninos, meninas e adolescentes”.

VIRTUAL Por falar em Neuza: em seu twiter, ela contou que, nesta segunda (22), Dia Mundial da Água, o PV de Volta Redonda prepara um evento. Nada de mobilização, manifestação ou panfletagem. Na verdade o registro da data será virtual. Um panfleto será disparado pela internet.

Falando em twitter Recentemente, a revista “The Economist” publicou pesquisa apontando os 10 países que mais usam o twitter. Deu Austrália em primeiro. Lá, os internautas ficam em média sete horas por mês nos miniblogs. O Brasil ficou em sétimo lugar

(cinco horas por mês), à frente da Alemanha, França e Japão.

EMOÇÃO DUPLA Semana passada uma mulher encontrou com o ex-prefeito Gothardo Netto no bairro Siderlândia e fez questão de abraçá-lo. Ela abraçava, abraçava e agradecia se dizia emocionada e eternamente grata a ele, sem dar maiores detalhes. Ficou curioso? O ex-prefeito também.

DEAM PARA BM O deputado estadual Edson Albertassi (PMDB) solicitou ao governo do estado uma unidade da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) para Barra Mansa. Segundo ele, a solicitação foi aprovada pelo governador Sérgio Cabral e já foi encaminhada à chefia da Polícia Civil para um estudo de viabilidade.

Recall A empresa deve cobrar soluções e explicação dos fabricantes, já que quando desembarcaram na cidade afirmando que os caminhões era novinhos em folha...

. . . . . RAPIDINHAS  A vacinação das gestantes contra o vírus Influenza A (H1N1) está prevista para começar em Volta Redonda nesta quarta-feira (24) e vai até 21 de maio, em todas as Unidades da Rede Básica de Saúde e na Policlínica da Mulher, das 8 às 17 horas.  A data inicial prevista era nesta segunda (22), mas houve atraso na distribuição, pela Secretaria estadual de Saúde, dos lotes específicos da vacina para gestantes.  Mas é importante frisar: para

pessoas com menos de 60 anos, com doenças crônicas, e as crianças de seis meses a menores de 2 anos, a data foi mantida e começa nesta segunda, prosseguindo até 1º de abril.  A terça-feira (23) será festiva

na Academia da Vida Oscar Cardoso, sediada no setor laranja do Estádio Raulino de Oliveira. A academia festeja oito anos de fundação e haverá festa a partir das 15 horas.


8

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Reeleito, Renato ironiza Jordão Sucessão de derrotas do adversário na Justiça, segundo ele, prova que oposição não tem competência

R R

enato Soares está reeleito presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, o maior da região Sul Fluminense. Na noite da quarta-feira (17), no Recreio do Trabalhador, foram apurados os votos de 3.691 trabalhadores, dos quais 95,04% votaram no seu nome, que concorreu em chapa única. O percentual de votantes chegou a 46%, acima do mínimo de 30% previsto pelo estatuto para que a primeira votação tenha validade. Ele considerou o número satisfatório, acreditando que os metalúrgicos não tiveram uma participação mais efetiva justamente porque não havia outra chapa na disputa. “As urnas mostraram que os trabalhadores reconhecem a nossa administração”, resumiu o presidente, que não deixou de ironizar seu atual vice-presidente, Walderli Alves Jordão, a quem acusou de incompetente. Para Renato, as sucessivas derrotas sofridas por Jordão na Justiça, desde que o adversário passou a contestar o edital de convocação para as eleições, mostra que sua crítica tem razão de ser. Com a chapa indeferida porque 10 dos 40 nomes inscritos apresentou alguma irregularidade, a última cartada de Jordão foi tentar suspender a eleição no segundo dia, justamente na segunda-feira. Um metalúrgico entrou com ação na 6ª Vara Cível alegando que a eleição deveria ter sido convocada com base no novo estatuto proposto por Renato e aprovado em assembléia, mas barrado por seus opositores na Justiça. O novo estatuto, que está sub-judice, prevê a convocação da eleição no boletim do sindicato e a possibilidade de apenas uma reeleição do presidente, conforme promessa de campanha de Renato em 2006. A princípio, o juiz André Aiex Martins concedeu a liminar, suspensa por ele mesmo logo depois quando foi informado pelos advogados do sindicato da situação jurídica do novo estatuto – que não chegou sequer a ser registrado. - É como filho em cartório. O estatuto tem que estar registrado para poder vigorar e isso não aconteceu justamente porque a oposição entrou na Justiça – comparou Renato, considerando estranho a atitude: “Eles sempre foram contra o

José Roberto Mendonça

novo estatuto e, na última hora, tentaram induzir a Justiça ao erro para se utilizar dele e disputar a eleição”. Renato afirmou ainda que, coincidentemente, foi Jordão, na condição de vice-presidente, quem recebeu a liminar para suspender a eleição: “Acho que eles são tão incompetentes que nem sei se sabiam que para vigorar o novo estatuto precisa ser registrado”. O presidente não descartou que seus opositores tentem mais alguma iniciativa na Justiça, mesmo depois de realizada a votação e a apuração, mas se disse tranquilo quanto a isso. “É um direito que eles têm, mas desde o edital de convocação eles estão tentando ganhar na Justiça e, quando mostramos a realidade dos fatos, conseguimos reverter. Fizemos tudo de acordo com o que manda o estatuto”, frisou. Renato Soares disse que agora vai concentrar suas atenção é na campanha salarial. Ele disse que pretende realizar, já na próxima semana, uma plenária para discutir as propostas que serão apresentadas às empresas: “Queremos fazer pautas de reivindicações enxutas. Esperamos negociações mais positivas este ano porque não estamos sob os impactos da crise, como no ano passado”. O sindicato, que fechou acordo com a MAN (antiga Volkswagen), em Resende, onde obteve 3% de aumento real, já está negociando também com empresas do consórcio modular da fábrica. Renato disse que o aumento real que será pedido em todas as negociações será de 10%, de acordo com o que chamou de “nosso parâmetro”. E disse que o sindicato não aceitará menos que os 3% conquistados em Resende. Ele aproveitou para convocar os trabalhadores que tinham vinculo com a CSN em 1998 e 2003 para a reunião que será realizada nesta quarta (24), às 18 horas, na subsede do Retiro, com o advogado Murilo Batista, que vem conduzindo as ações judiciais relacionadas à mudança na forma de cálculo da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) na empresa. Em 1998, a CSN mudou a forma de cálculo do benefício, que de 10% do lucro passou a ser 2,5% do EBITIDA e, em 2003, foi alterada de novo para duas folhas salariais.

Outra comemoração: Renato foi reeleito em chapa única para ficar mais 4 anos


9

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Saae começa recadastramento Autarquia está tomando outras medidas para melhorar atendimento à população de Volta Redonda Foco Regional

A A

partir desta semana, uma equipe de 40 pessoas treinadas pelo Saae e munidas de um palm-top começa um trabalho de recadastramento dos usuários de água em Volta Redonda. A previsão é de que o trabalho dure seis meses e vai ajudar a autarquia a melhorar os serviços prestados à população. O último recadastramento ocorreu há 14 anos. Os pesquisadores, que estarão identificados, vãos percorrer todos os pontos da cidade com o objetivo de colher dados que permitam ao Saae ter uma noção melhor da ocupação dos imóveis, o tempo de vida dos hidrômetros, confirmar se o consumo é em residência ou estabelecimento comercial e o tamanho das caixas d’água utilizada pelos usuários. “Já faz algum tempo que as cidades não trabalham mais com o abastecimento full-time (ininterrupto). Por isso, o mínimo que o consumidor precisa é de um reservatório de mil litros, mas alguns não têm sequer caixa d’água”, explicou o diretor-executivo do Saae, Paulo César de Souza. Volta Redonda tem 75 mil hidrômetros, que os técnicos chamam de ligações, e 112 mil economias. Este número é o resultado do total de consumidores abastecidos pela mesma rede ligada a apenas um hidrômetro, como os condomínios. Segundo o diretor, o recadastramento é apenas uma das medidas destinadas a permitir uma noção melhor da demanda. O Saae também está implantando um sistema que vai permitir que, em caso de reparos na rede de abastecimento, seja afetado o menor número de pessoas possível. Isso se dará através da comunicação entre as equipes de manutenção

B. Mansa investe nas estações de tratamento

Apresentação: O diretor-executivo do Saae, Paulo César de Souza

e o Centro Operacional da autarquia, que funciona no Aterrado. “Quando houver o rompimento de uma rede, a equipe vai ligar para o centro e informar o local. O sistema vai apontar qual o registro ou registros mais próximos que precisarão ser fechados para que o reparo seja feito”, explicou Paulo César. O sistema instalado no Centro Operacional simulará a área que será afetada e, com o cadastro telefônico dos usuários, o próprio sistema enviará uma mensagem eletrônica aos consumidores informando o motivo da interrupção no fornecimento. “Além de aumentar a nossa comunicação com o público, isso vai evitar que áreas desnecessárias tenham o abastecimento cortado enquanto a manutenção na rede estiver sendo realizada”, ressaltou Paulo César. Para que o procedimento funcione uma equipe está fazendo, por geoprocessamento, um levantamento para indicar a localização dos estimados 3,1 mil registros existentes na cidade, a

maior parte deles instalados quando Volta Redonda foi construída. Com isso, será possível ao Saae determinar os que continuarão sendo aproveitados e os que podem ser inutilizados. O grande número de registros contribui para que a cidade não sofra tantos transtornos no abastecimento quando uma área precisa ter o abastecimento interrompido. O Saae também já vem fazendo a troca, por conta própria, dos hidrômetros mais antigos utilizados por consumidores. “Encontramos um de 1959, dos primórdios da emancipação de Volta Redonda. Foi guardado como relíquia”, disse o diretor. Ele solicitou que os moradores recebam as equipes a fim de que o recadastramento seja concluído dentro do tempo previsto. “De início, eles terão um acompanhamento, mas depois vão prosseguir com o que aprenderam. É importante que a população facilite e preste as informações, pois assim vamos conseguir atender com um serviço de melhor qualidade”, pediu o diretor.

O Saae de Barra Mansa implantou um novo sistema de desinfecção nas ETAs (Estações de Tratamento de Água) da Vista Alegre, Colônia e Floriano e instalará, na principal estação de tratamento da cidade, que também vai receber novos equipamentos de laboratório, um sistema automático do controle de teor de cloro e flúor. Segundo a autarquia, esta é a primeira de investimentos e o valor chega a quase R$ 100 mil. O novo sistema de desinfecção vem rendendo, segundo o Saae, resultados positivos para os consumidores e para quem trabalha na operação das estações. Barra Mansa é a única cidade da região que conta com três estações com equipamento gerador de cloro, na própria unidade, utilizando como matéria-prima sal e água. Todo processo, da produção à dosagem do cloro, é totalmente automatizado, possibilitando melhor controle e ajuste de dosagem, além de evitar que o operador fique em contato direto com o hipoclorito, uma substância química, ainda tendo que carregar as bombonas com o produto de uma estação para outra. O prefeito Zé Renato disse que a intenção é estender o mesmo benefícios às demais estações. Um estudo de viabilidade vai ser feito para que a automatização beneficie, depois, a

ETA São Sebastião. Investimentos também foram feitos para aprimorar o monitoramento da qualidade da água bruta e tratada. As ETAs da Vista Alegre e Colônia receberam equipamentos de laboratório para análises operacionais que facilitam o ajuste do processo de tratamento, o que permite melhor controle de qualidade. Na estação principal, conhecida como ETA Nova, que abastece cerca de 50 bairros, os investimentos foram voltados para automação: os equipamentos monitoram em tempo real o teor de flúor e de cloro na água, reduzindo o consumo de produtos químicos. Para a segunda fase de investimentos está prevista a implantação da dosagem automática, ou seja, o próprio equipamento fará as correções necessárias. As cinco estações de Barra Mansa tratam 390 litros por segundo e a intenção é que outras sejam construídas. “O poder público vem buscando cumprir o papel de preservação do meio ambiente. Além dessas melhorias nas estações de tratamento de água, nós temos projetos para a ampliação de umas e criação de outras, de acordo com crescimento populacional”, afirmou o diretor do Saae, Renine César. Ele confirmou a previsão de uma ampliar a ETA da Colônia Santo Antônio nos próximos meses.


10

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Crime tem muitas perguntas não respondidas Delegado diz que rapazes presos tentam desqualificar vítimas ao mencionar suposto homossexualismo

A A

polícia de Volta Redonda considera elucidado o assassinato do padre Dejair Gonçalves de Almeida, de 32 anos, e do ex-seminarista Epaminondas Marques da Silva, de 22. Na terça-feira (16), dois dias depois do crime, foi preso Bruno Quintiliano da Silva, o “Bruninho G-3”, de 19 anos. O segundo acusado, Renan Luis Gomes dos Santos, também de 19 anos e, a exemplo de Bruno, morador da Água Limpa, se apresentou acompanhado de um advogado na quinta-feira (18). Segundo o delegado Alexandre Leite, a razão do duplo homicídio teve motivação patrimonial: os suspeitos invadiram a casa paroquial da Igreja Divino Espírito Santo, no Jardim Amália, com o intuito de roubar. Levaram R$ 350,00 em dinheiro e um notebook. A versão dos dois presos - que o delegado classificou de tentativa de desqualificar as vítimas, algo comum no mundo do crime - é outra. Não para o roubo, mas para o motivo da execução do padre e do exseminarista. Bruno assumiu a autoria dos disparos que resultaram na morte de Epaminondas, na madrugada do dia 14, e na do padre Dejair, no Hospital São João Batista, justamente no dia em que ele foi preso: disse que ele e Renan foram convidados pelo padre e por Epaminondas para um programa num motel. A conversa neste sentido, iniciada num bar da Água Limpa, teria terminado, na versão do assassino confesso, quando ele e Renan decidiram assaltar as vítimas e mandaram que Dejair seguisse com eles para sua casa. Só ao chegarem em frente à Igreja do Divino Espírito Santo, no Jardim Amália, Dejair teria contado aos acusados que era padre, o que teria revoltado Bruno. Em seu depoimento à polícia, o rapaz afirmou ainda ter ficado furioso porque Dejair disse que era padre apenas “para tirar dinheiro dos fiéis”. A versão de ambos os acusados, porém, esbarra numa contradição quanto aos supostos atos de homossexualismo que teriam partido de Dejair e Epaminondas. Enquanto Bruno disse à polícia que as vítimas fizeram sexo oral nele e em

Alexandre Leite: Polícia identificou e prendeu suspeitos do crime que chocou a cidade

Renan, este - em depoimento acompanhado pelo advogado Paulo Avelar, que o apresentou na delegacia -, afirma que “houve apenas toques por cima da roupa”. Antes da prisão de Bruno, a versão corrente para o que ocorreu era que padre Dejair e Epaminondas tinham participado de uma festa de aniversário na Água Limpa e que foram rendidos, já no início da madrugada de domingo, quando chegavam à casa paroquial. Lá já dormia o seminarista João Marcos da Silva, de 35 anos, que também foi à festa e acordou sob a mira de uma arma, sendo amarrado e amordaçado pelos assaltantes. Eles fugiram levando o padre e o ex-seminarista. João Marcos, de acordo com a mesma versão, conseguiu se soltar por volta das 4 horas, mas, com medo de que os assaltantes ainda estivessem na casa, esperou o dia amanhecer, quando então procurou ajuda e a polícia foi acionada. Padre Dejair e Epaminondas foram encontrados por volta das 7 horas da manhã no trecho da Rodovia do Contorno que passa na Água Limpa. O ex-seminarista já estava morto e o padre foi socorrido, morrendo dois dias depois no Hospital São João Batista.

Dele gado: ‘seria le viano Deleg leviano falar de homosse xualismo’ homossexualismo’ Sendo verdadeira a versão inicial, fica uma pergunta óbvia que até agora ninguém conseguiu responder: por que Bruno e Renan que não quiseram conversar com os jornalistas - pouparam João Marcos, mesmo sendo vistos por ele? Outra questão intrigante: por que o seminarista não sofreu nenhum outro tipo de agressão, enquanto conforme ele mesmo contou à polícia - Dejair e Epaminondas eram agredidos na casa paroquial? Em entrevista no dia seguinte, o bispo dom João Messi chegou a afirmar que os dois “foram torturados”. Ainda seguindo a mesma versão, uma terceira pergunta ainda não foi respondida: por que padre Dejair não deu aos assaltantes os R$ 150,00 que tinha no bolso? O depoimento de João Marcos tem pelo menos uma contradição em relação ao que foi dito pelo advogado da Mitra Diocesana, o ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) Volta Redonda, Luiz Orlando Coelho, ao FOCO REGIONAL. Segundo o advogado, João Marcos teria sido surpreendido no quarto, no segundo andar da casa paroquial, por apenas um dos acu-

sados. No depoimento que prestou à polícia, João Marcos disse que foi rendido na cozinha por um dos rapazes, que ameaçava Epaminondas com a arma e logo depois passou a agredir o ex-seminarista. Luiz Orlando disse não ter ideia do motivo de o seminarista não ter sido levado junto com Dejair e Epaminondas: “Talvez tenham esquecido dele”. O delegado Alexandre Leite, que antes da apresentação de Bruno passou cerca de uma hora reunido com o advogado da Mitra Diocesana - que também acompanhou a entrevista coletiva - disse que a menção do acusado ao suposto homossexualismo da vítima não foi comentado por ele com a imprensa “porque seria leviano”. No mesmo dia em que prendeu Bruno, a polícia recuperou o notebook roubado da casa paroquial, que estava escondido no terreno da Escola Municipal Juracy Varanda, juntamente com as roupas usadas pelos dois presos, a arma do crime (um revólver calibre 38) e três cápsulas deflagradas do mesmo calibre, recolhidas no lugar onde Dejair e Epaminondas foram baleados. Bruno, acusado de outro homicídio, tinha mandado de prisão expedido pela Justiça de Barra Mansa. Sobre Renan ainda não havia notícias de antecedentes criminais até o fechamento desta edição. Em seu depoimento, disse à polícia que, quando voltaram para a Água Limpa, ele desceu do carro do padre cerca de 500 metros e ficou esperando Bruno, que teria dito que deixaria as vítimas um pouco mais adiante. Segundo ele, ao voltar, Bruno contou que tinha atirado no padre e no ex-seminarista. Epaminondas foi enterrado no mesmo dia em que foi morto. Padre Dejair, depois de uma missa de corpo presente que emocionou cerca de 2,5 mil pessoas na superlotada Igreja Nossa Senhoras das Graças, no Aterrado, foi sepultado em Arantina (MG), sua terra natal. A comunidade, chocada com a brutalidade e perplexa com as com as declarações dos acusados, espera respostas e a ação da Justiça. O padre e o ex-seminarista foram vítimas de uma violência brutal. E disso não se deve perder o foco.


11

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Dom João defende as vítimas Bispo refuta afirmação de acusados e lembra que padre e ex-seminarista não têm como se defender Foco Regional

O O

bispo da Diocese Barra do PiraíVolta Redonda, dom João Maria Messi, reagiu com indignação às declarações dos dois acusados da morte do padre Dejair Gonçalves de Almeida, que, em depoimento à polícia afirmaram que o religioso seria homossexual. Em entrevista coletiva na tarde da sexta-feira (19), na Cúria Diocesana, na Vila, o bispo contou que o padre Dejair estava em Volta Redonda havia cinco anos, três deles como seminarista. “Nunca soubemos que ele tivesse esses tipos de encontros com outras pessoas”, afirmou o bispo sobre o homossexualismo mencionado pelos presos. O bispo se mostrou indignado também com a afirmação de um dos acusados, Bruno Quintiliano da Silva, de 19 anos, de que Dejair teria dito que era padre apenas “para tirar dinheiro dos fiéis”. “Os depoimentos da pessoas que conheciam ele contrasta com isso. A missa (de corpo presente), lotada de pessoas, mostra que ele não era um ladrão. Não podemos acreditar em uma pessoa que mata de forma fria, num ladrão que rouba, num sanguinário, pois vimos o sangue no chão”, acrescentou, referindo-se à violência sofrida pelo padre e pelo ex-seminarista Epaminondas Marques da Silva, de 26 anos, que foi assassinado junto com o religioso. Dom João disse ainda que o acusado “está desfiando acusações à vítima, que não pode se defender”. Depois de afirmar que espera que Deus perdoe os assassinos, assim como ele já perdoou, o bispo ressaltou, porém, que espera que eles sejam responsabilizados judicialmente pelos crimes que praticaram: “Eu já os perdoei e já rezei por

O bispo dom João Maria Messi: ‘Perdoar não significa acreditar naquilo que eles dizem’

eles, mas isso não significa que a gente acredita naquilo que dizem. Perdoar é uma atitude cristã, necessária, mas admitir que aquilo que eles fizeram ou dizem seja certo, isso não”. No dia seguinte ao crime, em outra entrevista coletiva, o bispo já havia afirmado que a Igreja queria o esclarecimento do ocorrido e a punição dos responsáveis. “Mas não queremos vingança. Os violentos devem ser chamados a assumir a responsabilidade por seus atos”, frisou. Em entrevista ao FOCO REGIONAL, na delegacia de Volta Redonda, o advogado Luiz Orlando Coelho, da Mitra Diocesana, também questionou as declarações dos presos sobre o padre. E apontou o que seria uma incoerência nas afirmações. “Um padre muito conhecido como ele vai para um bar?”, questionou. Ele ainda explicou porque, no

dia da apresentação de Bruno, o primeiro a ser preso, se reuniu antes com o delegado Alexandre Leite por quase uma hora: alegou que a polícia ainda estava fazendo a representação contra o acusado. Luiz Orlando, porém, não escondeu que conversou com o delegado sobre a questão da Igreja: “Sempre pedi que a Igreja fosse preservada. Ninguém pode falar sem a devida certeza, ainda mais em se tratando de uma pessoa que cometeu dois crimes. A autoridade policial tem que ter cuidado”. Críticas à impr ensa imprensa Na entrevista da sextafeira, em que estava ao lado do coordenador do Resgate da Paz, padre Juarez Sampaio, e do vigáriogeral, padre Bernardo Thus, dom João também criticou o comportamento da imprensa pelo destaque

dado às afirmações feitas por Bruno e Renan Luiz Gomes dos Santos, o outro acusado. “Me admira que a imprensa vá atrás disso como se fosse um tesouro. A imprensa deve ir atrás da verdade, mas não a verdade de uma pessoa só”, disse o bispo. Sobre Epaminondas, dom João disse que o ex-seminarista fez uma experiência vocacional, mas que não continuou porque “tinha muitas dificuldades nos estudos”. O bispo, ao ser perguntado pelo FOCO REGIONAL sobre a questão do homossexualismo na Igreja, disse que padre, seminarista ou religioso continuam sendo uma pessoa normal como todas as outras: “A sociedade tem um alto grau de corrupção e permissividade. Quantos homens e mulheres são infiéis à opção que fazem? Por que toda esta veemência contra o homem padre e a mulher re-

ligiosa? Por que toda essa agressividade contra a Igreja e o padre e não contra pessoas da sociedade que são abertamente agressivas à família, à juventude e à infância? Há uma tendência de se exagerar quando se fala do religioso”. O padre Juarez Sampaio aproveitou para elogiar o trabalho da polícia pela rapidez na identificação e prisão dos acusados, mas cobrou que agilidade deve ocorrer em todos os casos de homicídio: “Merecem louvor as pessoas que trabalharam no caso, mas todos deveriam merecer a mesma investigação, pois seria uma forma de minimizar os efeitos da violência na nossa região”. Ele confirmou a realização do encontro, quinta-feira (25) para debater a violência na região, para o qual foram convidadas diversas autoridades. A reunião será na Cúria, às 9 horas, e já estava programada antes da morte do padre, devido ao aumento do número de assassinatos em Volta Redonda, desde o final de 2009. Segundo o coordenador, o seminarista João Marcos da Silva, que foi amarrado e amordaçado pelos acusados do duplo assassinato dentro da casa paroquial da Igreja Divino Espírito Santo, no Jardim Amália, está sofrendo os impactos do que assistiu. “Ela ainda está sob o trauma do ocorrido. Está em estado de choque, de estresse, sendo submetido a tratamento psicológico e médico”, informou. A missa de sétimo dia de Epaminondas foi celebrada no domingo (21) na Igreja de Santa Cruz, bairro onde o ex-seminarista morava. A missa pelo padre Dejair será nesta segundafeira (22), às 19 horas, na Igreja Nossa Senhora das Graças, no Aterrado.


12

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Sindicato dos Metalúrgicos E os metalúrgicos ainda acharam que os problemas com o Perrut tinham acabado. Chapa única é a maior prova de que o Renato aprendeu tudinho que o Perrut fez. Raniere, no FOCO REGIONAL online, sobre matéria da edição 461

Acredito na boa intenção do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, entretanto, não há como presidir uma instituição nos mesmos moldes da diretoria passada, qual seja, a representatividade de várias classes em um só sindicato, não é possível, cada classe de trabalhador tem uma prioridade, não é possível negociar com a Volkswagen (Resende) e tentar a mesma coisa com a CSN. São empresas diferentes. A diretoria anterior não entendia e a atual continua se fazendo de boba, só pensando neles mesmo, e nós trabalhadores estamos a mercê deles. “Acho que não haverá mudança”, podemos ter Luizinho, Perrut, Renato ou Jordão, todos só querem engordar o bolso dos 40 diretores, que, duvido não estejam recebendo salários nas empresas que trabalham e um gorda “ajuda de custo” do dinheiro do sindicato. É revoltante, uma oposição que faz tudo igualzinho como era antes. Até a eleição em chapa única Bruno, no FOCO REGIONAL online

Não falem de coisas que vocês não sabem, pois a atual diretoria em três anos conseguiu melhorias para nós trabalhadores que há 15, 16 anos não foram conquistados e que hoje nós podemos ter a certeza que eles estão vestindo a nossa camisa:busca de

melhores salários, estão próximos de nós para reivindicar novas melhorias. Jose Maria, no FOCO REGIONAL online

Não sei de que melhores condições você fala, o que eu tive foi uma estagnação no meu salário, ou seja, aumento muito menor que a inflação. O Renato não sabe administrar e nem fazer acordos por nós trabalhadores. Ricardo, no FOCO REGIONAL online

Lembrem-se de que quem detém o poder do capital (empresário) não quer que o outro lado tenha conquistas significativas e nem tão pouco que um representante (sindicalista ou político) se torne um herói. Pois assim perderiam o controle da situação e se tornaria chantagem. Acho que o melhor é sempre negociar ou apelar para a Justiça, que muitas vezes é cega ou tapa os olhos.Boa sorte, Renato Soares. Carlos, no FOCO REGIONAL online

Não gosto da forma como a reeleição ocorreu, mas a oposição teve tempo mais que suficiente para se inteirar sobre o estatuto da entidade e formar uma chapa, agora não adianta chororó !!! Betão, no FOCO REGIONAL online

Já que vocês são tão competentes, por que não entram como sócio do sindicato para serem os futuros negociadores e administradores? Venham mudar a história, que, como vocês dizem, não vem mudando faz tempo. João Bastos, no FOCO REGIONAL online

Defesa Civil Fiquei decepcionado ao

abrir o tablóide FOCO REGIONAL, edição nº 461, página 2 (De Olho) e ler em uma nota, com o título “Circulando”, que “Tem algum funcionário da Defesa Civil de Volta Redonda que mora em Pinheiral. Só pode, pois volta e meia, um carro do órgão é visto nas proximidades da cabine da Polícia Militar”. Esclarecimentos: 1) Nenhum funcionário desta coordenadoria mora em pinheira; 2) Ao lado da cabine da Polícia Militar, citada na nota, reside o senhor Waldomiro, cafeteiro que foi contratado pela PMVR para colocar capas de proteção nos assentos das viaturas da Defesa Civil para preservá-los nos dias de chuva, em que os agentes ficam completamente encharcados; 3) Para a medição dos assentos, costura e colocação das capas faz-se necessária a presença “física” das viaturas no local; 4) O senhor Waldomiro, ciente e sensibilizado com a urgência das ações da Defesa Civil, deixou de lado outros serviços que já estavam previamente contratados e priorizou o atendimento à PMVR; 5) Nenhum servidor desta coordenadoria permaneceu no local aguardando a conclusão do serviço; 6) Se o “repórter” fosse persistente, sagaz e interessado nesse “furo” jornalístico, ele teria observado também que as viaturas 062, 355 e 354 estiveram no local citado para a realização do mesmo serviço; 7) No dia 6 de março (sábado) o coordenador e o coordenador adjunto saíram para atender ocorrências na mesma viatura, não trazendo qualquer prejuízo aos serviços prestados à comunidade. Por fim, gostaria de registrar que minha decepção se deu porque tenho profunda admiração, respeito e consideração pelo trabalho isento, transparente e responsável do FOCO REGIONAL. Atenciosamente,

Hoje (18/03/2010) estive presente na inauguração do novo prédio do Centro Municipal Integrado de Educação Bem-me-quer, no bairro Santo Agostinho e deparei com uma placa no pátio da escola onde estava escrito: “Nós amamos esta comunidade! Doação é desprendimento, é enxergar além de si, é dedicar-se sem esperar retorno. Quem se doa é alimentado pela paixão, pelo amor e pala certeza de um mundo melhor.” Como parte da comunidade: resolvi agradecer. Muito obrigado! Doamos nossa confiança na escola para educação de nossos filhos e desprendido de valores enxergamos uma nova escola toda reformada e, na inauguração, a comunidade comparece alimentada pela paixão por seus professores, diretores e funcionários para doar seu tempo, pois a certeza é que essa instituição de ensino é a ponta de um iceberg para um mundo melhor. Nós amamos essa escola! Competência é a palavra que uso para definir o trabalho desenvolvido no Centro Municipal Integrado de Educação Bem-me-quer. Sei que dá um trabalho danado cuidar de tantas crianças, é preciso contar com profissionais sérios que doam sua paixão, seu amor à profissão. Não são pessoas que vestem o uniforme e vão para a escola dizer que são professores, diretores e funcionários da escola. Isso não! São pessoas qualificadas que tem nome e sobrenome: Professoras do Bem-me-quer. Meus filhos não estudam mais no Bem-me-quer, mas minha esposa, eu e meus dois filhos amamos essa escola. É de dar orgulho ser convidado para a inauguração da escola e ser considerado por todos, mesmo passando tempo em que meus filhos saíram do Bem-me-quer. É de dar arrepio ajudar a descerrar a placa de inauguração e de consideração por continuar a ajudar a escola, mesmo indiretamente e de forma discreta. Mas com o peito cheio de coragem, suficiente para dizer: nós amamos essa escola! Agradeço a cada um que trabalha no C. M. I. E. Bem-me-quer, na pessoa de sua diretora Tânia Regina Souza Rocha.

Rodrigo Ibiapina Chiaradia,

Antonio Carlos Andrade Martins,

Coordenador Municipal de Defesa Civil (por e-mail)

Volta Redonda (por e-mail)

Escola


Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

13

Quem consegue notar diferença? Réplica de arma de fogo é usada em assalto. Suspeitos foram comprar mais 2 em cidade paulista Foco Regional

A

Polícia Militar de Volta Redonda prendeu na terçafeira (18), no início da noite, dois homens que, de manhã, tinham roubado um carro no Jardim Amália. A motorista Mirlene Maria Pereira de Oliveira, de 47 anos, foi surpreendida por um homem assim que estacionou, na Rua Miguel Couto, o Vectra KUQ-9986. Para intimidar a mulher, ele levantou a camisa de forma que ela pudesse avistar uma pistola escondida em sua cintura e entregasse a chave do carro. Mirlene saiu do Vectra, que logo em seguida, já com mais um homem em seu interior, saiu em alta velocidade mesmo com o alarme sonoro do veículo soando. Dois suspeitos do assalto foram presos depois por policiais militares, no bairro Santa Rita do Zarur. Com os dados do veículo passados à central de rádio do 28º Batalhão, os policiais interceptaram o carro e conduziram para a delegacia George Emanuel de Castro, de 31 anos, e Thiago Coelho da Silva. A primeira surpresa: além deles estava no Vectra um menor de 14 anos, sobrinho de um policial militar que, digase de passagem, não aliviou o garoto: ele também foi conduzido à delegacia e entregue aos cuidados da família depois que os dois maiores disseram que ele não sabia que o carro era roubado. A segunda surpresa: foram apreendidas três réplicas de pistola, uma delas a que teria sido usada no assalto à dona do carro. A terceira surpresa: para comprar mais duas réplicas, os suspeitos teriam ido à Aparecida (SP), onde este tipo de “brinquedo” é vendido no comércio local. “Nunca passou pela minha cabeça que fosse uma arma de brinquedo”, disse Mirlene na delegacia, antes de ter o carro de volta. Nem ela, nem ninguém, provavelmente, ao ver uma réplica tão semelhante a uma original, vai perder tempo ou resistir levando em conta que pode não ser uma arma de verdade. Mas como essas réplicas são vendidas? A resposta é simples: são produtos importados do Paraguai, já que a fabricação é proibida no Brasil. A lei 10.826/03 (Estatuto do Desarmamento) proíbe não só a fabricação e venda como a importação de “brinquedos, réplicas e simulacros de armas de fogo, que com estas se possam confundir”. Entretanto, se a legislação restringiu o

A réplica usada no assalto (à dir.) e as outras compradas em Aparecida: Impressiona como parecem armas de verdade

comércio de réplicas de arma de fogo, por outro lado não especifica qualquer tipo de penalidade ao infrator. Assim, armas de brinquedo, que impressionam pela semelhança com as de verdade, chegam ao país clandestinamente e são oferecidas até em sites na internet, embora até onde se sabe, mesmo nos mercados municipais da região, abarrotados de produtos importados ilegalmente, sobretudo eletrônicos, não haja venda destes objetos. Tanto que a dupla presa em Volta Redonda viajou cerca de 120 quilômetros até Aparecida para adquirir as “pistolas”. O uso da réplica em assaltos amedronta as vítimas, mas também aumenta o risco para os assaltantes. “Se eu não perceber que se trata de uma arma de brinquedo e estiver armado, certamente eu vou atirar”, admite o delegado Alexandre Leite, de Volta Redonda, defendendo a fiscalização para que tais produtos não sejam vendidos, como determina a legislação. O comandante do 28 BPM, tenente-coronel Licínio Fróes, com a ressalva de que preferia não comentar sobre a venda, por ser algo que foge à sua competência, observou que, principalmente à noite, é praticamente impossível que alguém consiga distinguir a réplica de uma arma de verdade.


14

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

Sindicalista quer proteção Depois de escapar de tentativa de homicídio, Neném cobra punição para o homem que atirou nele Foco Regional

D D

epois de passar feira, o homem que está cinco dias inter- sendo acusado por Neném nado no Hospi- prestou depoimento na detal São João Batista, víti- legacia de polícia. O FOCO ma de uma tentativa de ho- REGIONAL tentou, mas micídio praticada por um não obteve o conteúdo do homem que foi identificado que o ele disse. O acusado por ele – conforme consta não ficou preso porque não em registro de ocorrência houve flagrante. registrado na delegacia de - Estou pedindo proteção Volta Redonda – o sindica- para mim e para todas as lista Carlos Augusto da Sil- pessoas que se sentem ameva, o Neném, de 45 anos, açadas. Inclusive, duas tesquer garantias de vida da temunhas que viram ele polícia. Enquanto esteve matar o Lico ficaram com no hospital, Neném, que foi medo de denunciar porque atingido por dois tiros en- não têm garantias – afirquanto um terceiro pegou mou. O acusado, disse o sinde raspão num dedo da dicalista, mora em Santa mão esquerda, ficou sob Cruz, mas tem parentes no proteção de policiais mili- Sessenta, lugar onde é constares, a pedido do Sindica- tantemente. Neném asseto dos Metalúrgicos, ao gura que a pessoa a quem qual é filiado. Desde que acusa anda armada no bairobteve alta, no entanto, ele ro e intimida desafetos, voltou para o bairro Ses- sempre por motivos fúteis. senta, onde já foi presiden- “O sobrinho dele quebrou o te da associação de mora- carro de um morador pordores, e reside sozinho. que o som estava alto. E foi Neném foi baleado no ameaçado por ele”, contou. dia 13 deste mês, à tarde, Neném diz que não pretenna Rua 318, no bairro Ses- de deixar o bairro, mesmo senta. O autor estava de correndo risco de ser morto. moto e chegou atirando. A - Vou deixar o lugar vítima susonde vivo há tenta que a 45 anos, onde pessoa a ‘Quantas pessoas fui presidenquem acusa te da associavão ter que teria matado, ção de moramorrer no bairro em 11 de fevedores duas reiro deste vezes? Por para que tomem ano, Silvio da que continua providência?’ Silva, o Lico, a impunidade e estaria dele? Quem ameaçando outros morado- lhe dá proteção? – questires do bairro. Neném dis- onou, dizendo-se disposto se que foi vítima da tenta- a procurar o Ministério tiva de assassinato porque Público pedindo proteção o autor ficou sabendo que para ele e os demais que ele iria denunciá-lo à polí- estariam ameaçados. cia e ao padre Juarez SamPara Neném, a tentatipaio, coordenador do Res- va de homicídio que sofreu gate da Paz, movimento é uma prova de que nem ligado à Igreja Católica que todos os assassinatos ocorcombate a violência. Se- ridos na cidade têm ligagundo Neném, outras cin- ção com o tráfico de droco pessoas estariam “mar- gas. “Quase todo crime que cadas para morrer no bair- acontece na cidade é relaro Sessenta”. Na quarta- cionado com tráfico. E não

Neném mostra curativos feitos onde foi atingido: Ele passou 5 dias hospitalizado e teme ser morto

é bem assim. Eu não sei quantas pessoas vão ter que morrer no bairro para que tomem alguma providência”, alertou. Logo depois que teve

alta do hospital, Neném acompanhou uma reunião sobre segurança realizada no bairro Jardim Suíça, em que esteve presente o delegado titular da cidade,

Alexandre Leite. Ele disse que comentou sobre o risco de vida que corre e pediu providências. Um dos tiros que recebeu atravessou um pulmão.


15

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010

LDVR tenta renascer Nova diretoria toma posse em abril tentando devolver à liga de desportos o prestígio do passado Foco Regional

H H

ouve um tempo em que a LDVR (Liga de Desportos de Volta Redonda) era uma referência do esporte amador no estado do Rio. E é exatamente este status que José das Graças Lima quer recuperar para a entidade. No próximo dia 1º de abril, ele toma posse no cargo de presidente (a solenidade será na sede da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Volta Redonda) dizendo-se incumbido “desta missão”. Para isso, mediante um acordo com o atual presidente, José Maria, ele já vem dando expediente na sede da LDVR, no bairro Sessenta, há algum tempo. Tanto que já anuncia os primeiros eventos antes mesmo da posse, ainda neste mês: no próximo sábado (27) está programado o 2º Campeonato de Marchas, nas categorias 40 e 50 anos; no domingo (28) será realizada a primeira prova de ciclismo promovida pela LDVR. “Temos que resgatar a liga e fazê-la de novo uma referência”, diz o presidente eleito, disposto a criar condições para que a entidade promova competições no maior número de modalidades possível. Pelo estatuto, a LDVR pode realizar eventos de 27 modalidades e, mesmo sem fixar um número, a intenção de Lima é que sejam “quantos forem possíveis”. Para isso, ele conta com parceiros como o Sindicatos dos Metalúrgicos, a Associação dos Aposentados e, principalmente, a prefeitura de Volta Redonda. Lima diz que o prefeito Antônio Francisco Neto manifestou interesse de que a LDVR, de fato, recupere a posição que já ocupou no esporte amador. - Além de parcerias com estas entidades e com o poder público, já estamos buscando apoio da iniciativa privada. Nós temos de mostrar, acima de tudo, a nossa capacidade. Temos uma diretoria muito qualificada. Ninguém trabalha sozinho e eu também quero trabalhar em equipe para fazer a liga crescer. O campeonato de futebol amador era uma das principais realizações da LDVR até meados da década de 1990, quando a competição mobilizava diversas equipes e as comunidades que representavam. Lima considera essencial resgatar

Lima: ‘Queremos ver a liga no seu devido lugar e tenho certeza que vamos conseguir’

aquele espírito que acabou se perdendo, mas não enxerga a liga promovendo apenas futebol: “É claro que o futebol é o carro chefe do esporte amador, mas queremos desenvolver projetos em outras modalidades”. Ele também quer de volta à instituição clubes tradicionais de Volta Redonda, como Náutico, Funcionários e Comercial. “Temos certeza de que teremos capacidade para mobilizar estes clubes e quem vai ganhar com isso são os despor-

tistas de Volta Redonda”. Lima não titubeia ao ser perguntado em que condições encontrou a LDVR, não agora, mas quatro anos atrás, quando, juntamente com José Maria, assumiu a liga na condição de interventor. “Na lama”, responde no ato. “Hoje a liga está de pé, só falta andar, dar um passo para sair da lama”. O presidente eleito explica que, naquela ocasião, havia 78 cheques sem fundos emitidos pela entida-

de. Alguns foram quitados e outros estão sendo pagos até hoje, depois de negociações. Por isso, para ele o mais importante é que a LDVR readquira a credibilidade. Um dos passos neste sentido foi enviar uma carta ao prefeito assegurando que, além do patrocínio do poder público, haverá o compromisso de buscar apoio da iniciativa privada. A receita da LDVR vem, principalmente, das inscrições que recebe nas competições ou cursos (como os de arbitragem, promovidos pela Federação de Futebol do Rio de Janeiro). “A liga tem um custo mensal fixo, só para funcionar, de R$ 2,3 mil. Pode parecer pouco, mas para uma entidade de esporte amador é uma quantia significativa. Há outras despesas, mas pretendemos fazer tudo de forma criteriosa, porque não queremos ver a LDVR de volta à lama”, reforça Lima, aproveitando para ressaltar a intenção de reativar o Departamento de Árbitros da entidade, que também já foi um dos mais qualificados do estado. Dizendo-se aberto a ideias, ele conclama os desportistas a participarem sugerindo e discutindo projetos. “Para voltar a ter o prestígio do passado, a LDVR precisa de competência, audácia e vontade de vencer. Tenho certeza de que, de parte da nossa diretoria e de nossos colaboradores, isso não vai faltar”.


16

Edição nº 462 • Ano VIII • 22 a 28 de março de 2010


Foco Regional ed° 462