Page 6

6

ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

Igreja da Amazônia brasileira estuda documento sinodal

LUIZ ESTUMANO

EPISCOPADO refletiu sobre a região em reunião em Belém

D

ia 28 de agosto o Encontro de Estudos do Documento de Trabalho do Sínodo começou com a presença de cerca de 120 pessoas, dentre elas os bispos das 56 dioceses e prelazias da Amazônia brasileira e lideranças, leigas, leigos, religiosos e padres, no Centro de Espiritualidade Monte Tabor, da Arquidiocese de Belém. A pauta foi o estudo do Documento de Trabalho, a partilha das experiências das escutas e da caminhada do processo sinodal nas dioceses e prelazias da Amazônia. Ao final, os participantes emitiram carta aberta à sociedade, pedindo sintonia e oração pelo Sínodo da Amazônia que ocorrerá de 6 a 27 de outubro no Vaticano. Procissão orante com a imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré juntou os participantes

do encontro no momento que uma corda recordou a preparação em Belém para o Círio de Nazaré, e a recitação da oração pelo Sínodo para a Amazônia que será realizado em outubro no Vaticano. A sessão de abertura reuniu o Cardeal Cláudio Hummes, presidente da REPAM, da Comissão Episcopal para Amazônia (CEA), e relator do Sínodo; Dom Walmor de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém; Dom Bernardo Balmann, Bispo da Diocese de Óbidos e presidente do Regional Norte 2 da CNBB; Dom Davi Martinez de Aguirre Guiné, Bispo de Puerto Maldonado (Peru), e padre Michael Czerny, subsecretário da Seção

Migrantes e Refugiados para o Serviço de Desenvolvimento Integral Humano, nomeados secretários do Sínodo para a Amazônia; Cristiane Murray, da secretaria do Sínodo e vice-diretora da Sala de Imprensa da Santa Sé e o pastor Inácio Lemke, presidente do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC). Padre Oscar Beozzo sintetizou a história dos Sínodos na Igreja. Padre Zenildo Lima, de Manaus, e Joaquim Alberto, especialista de Pastoralidade da União Brasileira de Educação Católica (UBEC), apresentaram o caminho das escutas sinodais e alguns resultados do processo que culminou na elaboração do Instrumentum Laboris. Depois, Dom Mario Antônio, Bispo de Roraima e segundo vice-

n ENCONTRO dos Bispos da Amazônia em Belém de 28 a 30 de agosto

presidente da CNBB, e Monsenhor Raimundo Possidônio, de Belém, apresentaram a primeira parte do documento de trabalho e encaminharam um trabalho grupal. Estudo e reflexões ressaltaram algumas questões relacionadas à primeira parte do documento sinodal. Em sessão plenária, os grupos partilharam as principais questões debatidas, algumas lideranças fizeram alguns apontamentos destacando os pontos importantes refletidos merecedores da atenção dos padres sinodais. ROMA - Dom Cláudio Hummes informou que outros encontros como o de Belém ocorrem nos outros países pan-ama-

zônicos. “Estamos estudando o Documento de Trabalho, na verdade é um texto ainda, apenas como um instrumento para se trabalhar, que vai sendo modificado aos poucos, e que depois, no próprio Sínodo, sairá um outro texto”, explicou. Dom Neri José Tondello, Bispo de Juína, disse que encontros como o do Brasil, na reta final da preparação para o Sínodo, ajudam na tomada de consciência da responsabilidade dos padres sinodais. “Essa etapa é fundamental, nos ajuda a visualizar daqui para frente os passos, o método do próprio Sínodo, em Roma". “O importante desse encontro é que há pos-

sibilidade de as vozes da Amazônia serem escutadas pelos padres sinodais e, acolherem em seus corações as propostas, os clamores e os desafios relatados por essas vozes”, afirmou Dorismeire Vasconcelos, liderança leiga do Xingu, uma das representantes do Regional Norte 2 no encontro. D o m Wa l m o r d e Azevedo, presidente da CNBB, também estará no Sínodo, em Roma. Em Belém, ele afirmou que a voz dos bispos e das Igrejas que estão na Amazônia, são a voz da CNBB. "A Conferência contribuirá na comunicação uma vez que os resultados do Sínodo são para toda a Igreja do Brasil e do mundo".

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

Comissão Episcopal Especial para a Amazônia

Carta do Encontro de Estudo do Instrumento de Trabalho do Sínodo da Amazônia “Cristo aponta para a Amazônia” São Paulo VI

R

eunidos em Belém do Pará, com o objetivo de estudar o Instrumento de Trabalho do Sínodo da Amazônia, nós, bispos, padres, religiosas e religiosos, leigas e leigos das Igrejas amazônicas, como também irmãs e irmãos que compartilham a caminhada ecumênica, queremos manifestar nossas preocupações com a “Casa Comum” e uma missão evangelizadora encarnada, samaritana e ecológica. Desde 1952, os bispos da Amazônia se reúnem periodicamente para se posicionar sobre a missão da Igreja na realidade peculiar da Amazônia. “Cristo aponta para a Amazônia” é a expressão profética e programática do Papa São Paulo VI que em 1972 repercutiu no Encontro de Santarém. A nossa Igreja assumiu, então, o compromisso de se “encarnar, na simplicidade”, na realidade dos povos e de empenhar-se para que por meio da ação evangelizadora se tornasse cada vez mais nítido o rosto de uma Igreja amazônica, comprometida com a realidade dos povos e da terra. No encontro de 1990, em Belém-Icoaraci, os bispos da Amazônia foram os primeiros a advertir o mundo para um iminente desastre ecológico com “consequências catastróficas para todo o ecossistema que ultrapassam, sem dúvida, as fronteiras do Brasil e do Continente” (Documento “Em defesa da Vida na Amazônia”). Novamente reunidos em Icoaraci/

PA em 2016, os bispos da Amazônia dirigiram uma carta ao Papa Francisco pedindo um Sínodo para a Amazônia. Acolhendo o desejo da Igreja nos nove países amazônicos, o Papa convocou em 15 de outubro de 2017 a “Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazônia”, com o tema “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. A Igreja Católica desde o século XVII está presente na Amazônia preocupando-se com a evangelização e a promoção humana ao mesmo tempo. Quantas escolas, hospitais, oficinas, obras sociais se construíram e foram mantidas durante séculos em todos os rincões da Amazônia. Vilas e cidades se edificaram a partir das “missões” da nossa Igreja. Quanto sangue, suor e lágrimas foram derramados na defesa dos direitos humanos e da dignidade, especialmente dos mais pobres e excluídos da sociedade, dos povos originários e do meio ambiente tão ameaçados. Lamentamos imensamente que hoje, em vez de serem apoiadas e incentivadas, nossas lideranças são criminalizadas como inimigas da Pátria. Junto com o Papa Francisco, defendemos de modo intransigente a Amazônia e exigimos medidas urgentes dos Governos frente à agressão violenta e irracional à natureza, à destruição inescrupulosa da

floresta que mata a flora e a fauna milenares com incêndios criminosamente provocados. Ficamos angustiados e denunciamos o envenenamento de rios e lagos, a poluição do ar pela fumaça que causa perigosa intoxicação, especialmente das crianças, a pesca predatória, a invasão de terras indígenas por mineradoras, garimpos e madeireiras, o comércio ilegal de produtos da biodiversidade. A violência, que ultimamente cresceu de maneira assustadora, nos causa horrores e exige também o engajamento da nossa Igreja para que a paz e o respeito, a fraternidade e o amor prevaleçam. Defendemos vigorosamente a Amazônia, que abrange quase 60% do nosso Brasil. A soberania brasileira sobre essa parte da Amazônia é para nós inquestionável. Entendemos, no entanto, e apoiamos a preocupação do mundo inteiro a respeito deste macro-bioma que desempenha uma importantíssima função reguladora do clima planetário. Todas as nações são chamadas a colaborar com os países amazônicos e com as organizações locais que se empenham na preservação da Amazônia, porque desta macrorregião depende a sobrevivência dos povos e do ecossistema em outras partes do Brasil e do continente. O Sínodo, convocado pelo Papa

Francisco, chega num momento crucial de nossa história. Queremos identificar novos caminhos para a evangelização dos povos que habitam a Amazônia. Ao mesmo tempo, a Igreja se compromete com a defesa desse chão sagrado que Deus criou em sua generosidade e que devemos zelar e cultivar para as presentes e futuras gerações. Cabe um agradecimento especial à Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM por todo o esforço dedicado no importante processo de ESCUTA das comunidades e no envolvimento dos diversos segmentos do Povo de Deus, especialmente mulheres e com forte participação das juventudes e dos povos originários. Pedimos que rezem por nós, irmãs e irmãos, para que a caminhada sinodal reflita “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens e das mulheres de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem” (GS 1). Que Maria de Nazaré, expressão da face materna de Deus no meio de nosso povo, por sua intercessão, acompanhe os passos da Igreja de seu Filho nas terras e águas amazônicas para que ela seja sinal e presença do Reino de Deus. Que ajude, com sua missão evangelizadora e humanizadora, a dignificar cada vez mais a vida em nossa região. Belém, Icoaraci, 30 de agosto de 2019.

Bispos da Amazônia Brasileira e participantes do Encontro de Estudo do Instrumento de Trabalho do Sínodo da Amazônia

Profile for Fundação Nazaré de Comunicação

Voz de Nazaré  

Edição de 6 a 12 de setembro de 2019.

Voz de Nazaré  

Edição de 6 a 12 de setembro de 2019.

Advertisement