Issuu on Google+

OPaiNatal-M20-PS

21/10/09

10:21

Page 5

Para o Pai Natal Obrigado a Abel Ugba, pelos seus conselhos, e a Thomas Gromoff, pelo seu apoio. — R. D.

Para Rebecca Lynn — B. A.

5


OPaiNatal-M20-PS

23/10/09

18:25

Page 7

7


OPaiNatal-M20-PS

21/10/09

10:21

Page 8

8


OPaiNatal-M20-PS

24/10/09

11:28

Page 9

CAPÍTULO UM

Era véspera de Natal em Dublin e estava um calor de rachar pedras. Os lagartos tinham de andar de chinelas e os cactos que ladeavam as ruas da cidade quase não conseguiam respirar. — Água! — arfava um cacto. — Água light! — arquejava a namorada dele, ao seu lado. O rio Liffey tinha secado e os pneus de todos os autocarros da cidade tinham derretido. 9


OPaiNatal-M20-PS

21/10/09

10:21

Page 10

O Robbie e o Jimmy Mack estavam a estrelar um ovo numa pá de ferro e... Espera aí. O que é? Dublin não é assim no Natal. Começa outra vez. Está bem. Era véspera de Natal em Dublin e já há várias semanas que estava a nevar. Do céu cinzento caíam flocos de neve do tamanho de ratos, e os cactos que ladeiam as ruas da cidade estavam cheios de frio e confusos. O Jimmy e o Robbie Mack estavam a tentar raspar um ovo congelado de uma pá de ferro e... Pára. O que é? Dublin também não é assim. Ou paras com as parvoíces, ou eu não compro o livro. Desculpa. Era véspera de Natal em Dublin e estava a chover. Já há várias semanas que estava a chover e os cactos que ladeiam as ruas da cidade estavam fartos de chuva. — Estou farto — disse um cacto. — Estou gorda — disse a namorada, ao lado dele. 10


OPaiNatal-M20-PS

21/10/09

10:21

Page 11

Robbie e Jimmy Mack estavam a atirar ovos um ao outro porque não havia neve para fazerem bolas. Um dos ovos deslizou pela erva molhada e rolou para debaixo de um arbusto muito molhado e a pingar. Foi parar junto a um lagarto. O lagarto olhou para o ovo. Não quis comê-lo. — Porque não? — perguntou o ovo. Estava com demasiado frio para o comer. Estava hirto, molhado e infeliz. Mudou a cor da pele para vermelho, na esperança de que isso o fizesse sentir mais quente. Mas não fez. — Que cor tão bonita! — afirmou uma voz atrás dele. Era uma voz encantadora. A voz mais encantadora que o jovem lagarto alguma vez ouvira. Olhou

11


OPaiNatal-M20-PS

21/10/09

10:21

Page 12

e viu uma jovem lagarto, que era a mais encantadora que alguma vez vira. E continuou vermelho, porque corou. —

Parece

que

estás com calor — disse a jovem lagarto mais encantadora de todas as jovens lagartos. — Ah — respondeu o jovem lagarto —, mas na verdade estou com muito frio. E, a pouco e pouco, foi perdendo a cor vermelha e ficando com uma cor muito mais fria, cinzenta. — Tu não tens frio? — quis saber. — Não — respondeu a jovem lagarto mais encantadora de todas as jovens lagartos —, porque eu tenho o nome adequado. — O que queres dizer com isso? — Bem — respondeu a jovem lagarto mais encantadora de todas as jovens lagartos —, é que eu mudo o meu nome sempre que o tempo muda. Quando está muito calor, escolho um nome de um país quente, e sinto-me bem. E quando está muito frio ou muita humidade, como 12


OPaiNatal-M20-PS

21/10/09

10:21

Page 13

agora, escolho um nome de um país mais frio. Qual é o teu nome? — perguntou. — Omar. — É um nome bonito — disse ela —, mas não está de acordo com este tempo. Experimenta mudar o teu nome para «Hans». É um bom nome para condizer com o frio. — Está bem — concordou Omar, tossindo —, o meu nome é Hans. — Como é que te sentes agora? — perguntou a jovem lagarto mais encantadora de todas as jovens lagartos. Hans baixou-se, encostando a barriga à erva fria e molhada. — Sinto-me bem — respondeu —, muito bem. Esfregou a barriga nas ervas. Começou a sentir um calor muito agradável; e a sua pele foi adquirindo um tom prateado. — Sinto-me muito, muito bem. E o teu nome, qual é? — Heidi — respondeu a mais encantadora de todas as jovens lagartos. — Olá, Heidi. Muito prazer! — cumprimentou Hans. 13


OPaiNatal-M20-PS

23/10/09

17:08

Page 14

— Olá, Hans. Muito prazer! — cumprimentou Heidi. De repente, Hans estendeu a língua comprida e apanhou uma mosca que estava a descansar num muro lá muito longe, em Marrocos. — Uau! — exclamou Heidi. — Queres provar estas asas tão saborosas? — perguntou Hans. Hans mastigava e sorria para Heidi. Heidi mastigava e sorria para Hans. Já tinham enchido as barrigas com a mosca e estavam a sentir-se apaixonados um pelo outro. Mas esta história não é sobre o Hans e a Heidi, embora eles entrem nela. E garanto que não é sobre a mosca. (Esta tinha ido parar à barriga da Heidi, entoando uma canção muito triste chamada «Despedaçada por Dois Lagartos».) A história é sobre Robbie e Jimmy, um cão, mais algumas pessoas, e sobre o que fizeram na véspera de Natal. E começa na página seguinte, no Capítulo Dois. O que quer dizer que estiveste a perder tempo a ler o Capítulo Um. Desculpa.

14


O_Pai_Natal_Chegará_a_Tempo