Issuu on Google+

Pierdomenico Baccalario Davide Morosinotto

Ilustraçþes de

Matteo Piana


1 Uma surpreendente reunião de negóciOs

Onde se começa com um grande desafio, um ex-polícia bebe uma água com gás e os objetos decidem, sozinhos, em que bolso enfiar-se

No restaurante cozinhavam-se crianças. O chefe enfiava-as num forno do tamanho da caldeira de uma locomotiva até estarem no ponto. Às vezes, punha-as em enormes caldeirões com um pouco de água, cebola e aipo. Outras vezes, porém, acrescentava azeitonas. – Não acredito numa única palavra – disse Finally. Mas, para esconder o seu medo, enfiou na cabeça o velho boné colorido. Nick, o Seco, riu-se de troça. – Mas é tudo verdadeiro. O Toni Chave-de-Fendas 10


entrou na cozinha do restaurante e o cozinheiro começou a correr atrás dele com uma faca deste tamanho. Queria cortá-lo às fatias e, depois, comê-lo. – Uuuh! – Ah ah! – Às fatias! – exclamaram os outros. – O Toni disse que o creme de pasteleiro era feito de… – Já chega! – atalhou Finally, levantando-se. Nick, o Seco, soltou uma gargalhada pérfida e os rapazes imitaram-no, nervosamente. Eram todos magros, com os cabelos besuntados de gordura, e apertavam-se uns contra os outros como pequenos ratos assustados. Todos vestiam fatos de trabalho imundos e do tamanho errado, ressaltando no peito uma Agulha Milfaíscas, o símbolo vermelho flamejante dos maquinistas da Speedster. As jardineiras de Finally, pelo contrário, não traziam ainda nenhum distintivo. Mas, em breve, as coisas iriam mudar. – Então eu vou – exclamou a jovem. Olhou Nick nos olhos. – Prometeram-no. Se conseguir entrar na cozinha do Garfo d’Ouro, deixar-me-ão trabalhar convosco. Repararei as locomotivas. – Antes, terás de sair de lá com vida – alertou-a Nick. – E, como prova do teu êxito, deverás trazer contigo a colher de pau do chefe. – Tudo bem – retorquiu Finally. 11


Mas, na verdade, não estava nada bem. Era quase uma da manhã e a Estação Cinzenta parecia-se mais com um castelo assombrado. Ao longo do dia, o chão de mármore ecoava sob o peso dos sapatos de milhares de viajantes e os altifalantes grasnavam incessantemente. À noite, pelo contrário, o silêncio era absoluto: sombras longas recortavam-se sobre as maciças carruagens dos comboios, adormecidas nas linhas, e as gárgulas de pedras sorriam, cínicas, no topo das imponentes colunas. Sob os seus tetos altos e cinzentos reinava um silêncio avassalador, apenas quebrado pelo murmúrio das crianças que trabalhavam na estação. – Então? Vais ou não vais? – atiçou-a Nick, o Seco. Percorrendo a sua sombra comprida, Finally olhou para as luzes amarelas da estação. O letreiro de néon do Garfo d’Ouro brilhava de forma ameaçadora, como um chamamento que atrai borboletas noturnas. E Finally sabia muito bem como acabavam essas borboletas. Engoliu em seco e cerrou os punhos. O restaurante nunca fechava, nem na noite de Natal. Havia sempre algum homem elegante sentado a uma das suas mesas, com o grande menu aberto à frente da cara, um relógio de ouro brilhante e óculos com armação de tartaruga. Aqueles eram os viajantes importantes da Speedster.Traziam consigo pequenas malas que já tinham atravessado o mundo inteiro, sobre os carris da grande companhia. 12


Maydala Express