Page 1

2013 Avaliação Interna

Agr. Escolas Cónego Dr. Manuel Lopes Perdigão 01-01-2013


Índice Observatório da Qualidade .................................................................................................... 3 Reformulação do Observatório da Qualidade ........................................................................ 6 Calendarização dos trabalhos: ........................................................................................... 7 Ponto da Situação .............................................................................................................. 7 Anexo I – Modelo de um questionário do Observatório da Qualidade .................................... 9 ANEXO II – Exemplo de Relatório do Observatório da Qualidade ....................................... 11


Avaliação Interna

2013

Observatório da Qualidade O Observatório de Qualidade da Escola tem por objetivo dar cumprimento a uma das metas consagradas no Projeto Educativo de Escola, designadamente a Avaliação Interna ou auto-avaliação, estando a obrigatoriedade deste processo consignada na Lei n.º 31/2002 de 20 de dezembro. Observatório da Qualidade Educativa – Análise qualitativa e quantitativa do desempenho escolar. Este instrumento consiste num conjunto de questionários (vd. Anexo I) que são aplicados trimestralmente a diferentes níveis (docentes, não docentes, alunos e pais e encarregados de educação) de forma a avaliar qualitativamente e quantitativamente o desempenho escolar. A análise dos resultados obtidos a partir destes questionários tem permitido recolher informação acerca da opinião das várias partes interessadas sobre o desempenho do Agrupamento, assim como obter informação acerca de sugestões para melhoria das Escolas e dos seus serviços. Os resultados são analisados trimestralmente de forma a envolver todos os agentes educativos nos processos de melhoria contínua daí decorrentes. A análise é promovida pelos Coordenadores dos Departamentos /Áreas, sendo constituída por diferentes níveis de avaliação. Num primeiro nível, é feita uma autoavaliação do cumprimento de atividades planeadas e do desempenho do próprio coordenador. Num segundo nível, são analisados os resultados da aplicação dos questionários do Observatório da Qualidade às diferentes partes interessadas que intervêm e/ou usufruem das atividades desenvolvidas pelo Departamento / Área escolar a ser avaliada. Num último nível é filtrado pela Direção e Conselho Pedagógico, que propõe intervenções/planos de melhoria (vd. Figura 1) Anualmente é produzido um relatório que permite identificar alguns dos pontos fracos e linhas de intervenção.

Observatório da Qualidade

Pág. 3


Figura 1 – Organograma do Observatório da Qualidade

2013

Observatório da Qualidade

Pág. 4

Paralelamente aos questionários é efetuada periodicamente a recolha e análise de sugestões recolhidas anonimamente seguindo a mesma metodologia de intervenção, ou seja, analisadas directamente pela direcção.

Avaliação Interna


Avaliação Interna

2013

Decorrente da análise global do Relatório de Autoavaliação do Observatório da Qualidade e do relatório de avaliação externa, apresentam-se alguns comentários sobre os aspetos que consideramos mais relevantes: - Não é evidente a sistematização dos critérios e métodos de avaliação aplicados pelos diferentes Departamentos/Áreas escolares na elaboração dos relatórios e, consequentemente, consistência na tomada de decisão face aos resultados obtidos; - Os aspetos acerca dos quais são evidentes maiores preocupações ou insatisfações e que carecem de maior preocupação e atenção por parte da Gestão do Agrupamento são: • • •

Segurança nos acessos; Qualidade de Instalações e equipamentos; Custo dos transportes e AEC’s e respetivos horários;

São também apresentadas algumas sugestões por parte de docentes, alunos e encarregados de educação sobre as quais não é evidente tomada de decisão ou encaminhamento, por parte dos responsáveis. (vd. Anexo II – resumo do Observatório de qualidade para o 1º período de 2013) Em súmula, é necessário reformular todo o processo de autoavaliação, de forma a torná-lo mais formal e a abranger todas as dimensões de funcionamento do Agrupamento.

Observatório da Qualidade

Pág. 5


Avaliação Interna

2013

Reformulação do Observatório da Qualidade Decorrente da necessidade verificada, está-se em fase de elaboração de uma autoavaliação sistematizada e consubstanciada, que no plano de trabalhos assenta nas seguintes fases:

1. Nomeação da equipa de Trabalho: Inicialmente será nomeada uma equipa de trabalho que será constituída por um mínimo de 6 elementos da Escola, representantes dos seus diferentes setores. Desta forma pretendese que a equipa de trabalho seja multidisciplinar e tenha capacidade de resposta ao plano de trabalhos apresentado. 2. Elaboração de procedimento e fluxograma do processo de avaliação interna: Esta fase de trabalhos consiste na identificação de todos os instrumentos existentes e que serão necessários desenvolver para recolha e tratamento da informação que permita uma avaliação interna integrada da Escola. Como resultado será elaborado um procedimento documentado que descreve os vários instrumentos que contribuem para a avaliação interna e respetivos métodos de aplicação, assim como o fluxograma de atividades a realizar e circuitos de informação. 3. Elaboração de Matriz de Avaliação Interna: De seguida serão discutidos e identificados os indicadores e objetivos de qualidade que serão o suporte da avaliação interna da Escola e do seu Projeto Educativo. Com base nos indicadores e objetivos aprovados, será desenvolvida uma matriz de Avaliação interna, que permitirá a monitorização e medição dos resultados de avaliação de uma forma sistemática e integrada, permitindo dessa forma o acompanhamento do desempenho da escola em tempo útil. 4. Desenvolvimento de Instrumentos de Avaliação Interna: Nesta fase serão identificados quais os instrumentos que servirão de suporte à recolha de informação de avaliação e as metodologias para a sua aplicação. Serão considerados todos os instrumentos já utilizados pela Escola, sendo propostos e desenvolvidos todos os instrumentos de avaliação inexistentes e que se considerem necessários para a concretização da avaliação interna da Escola. 5. Implementação do Sistema de Avaliação Interna: A fase de implementação será a mais longa, uma vez que nesta fase serão implementados todos os instrumentos e métodos anteriormente definidos e aprovados. A fase de implementação permitirá validar a aplicação dos instrumentos definidos. Após a recolha de dados de avaliação, estes serão compilados e tratados de forma integrada. 6. Avaliação dos Resultados de Avaliação Interna e Validação do Sistema: Após a obtenção de toda a informação disponível para a avaliação da Escola, serão analisados os resultados e validados relativamente aos objetivos definidos. Esta fase permitirá confirmar a adequação do Sistema de Avaliação implementado, assim como Reformulação do Observatório da Qualidade

Pág. 6


Avaliação Interna

2013

validar a sua aplicabilidade na avaliação do desempenho da escola e do seu Projeto Educativo.

Calendarização dos trabalhos: Para a execução dos trabalhos anteriormente apresentados, é proposta a seguinte calendarização: 2012/2013 SET

OUT

NOV

DEZ

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Nomeação da equipa de Trabalho Elaboração de procedimento e fluxograma do processo de avaliação interna Elaboração de Matriz de Avaliação Interna Desenvolvimento de Instrumentos de Avaliação Interna Implementação do Sistema de Avaliação Interna Avaliação dos Resultados de Avaliação Interna e Validação do Sistema

A implementação do presente plano de melhoria será efetuada ao longo dos próximos quatro anos letivos. O seu acompanhamento será feito pela equipa de autoavaliação (coordenada pela Direção), que incorporará no seu relatório anual uma avaliação das ações implementadas no âmbito do presente plano de melhoria. No final dos quatro anos será elaborado um relatório que evidencie a concretização deste plano e os resultados alcançados.

Ponto da Situação No decurso deste ano letivo, o Diretor de acordo com o planeado nomeou a equipa de autoavaliação, mas devido aos constrangimentos provocados pelas alterações legislativas e ainda quanto à incerteza sobre a manutenção ou não do Agrupamento, os trabalhos arrastaram-se um pouco. Assim, de momento ainda se está na fase de elaboração de procedimento e fluxograma do processo de avaliação interna, tendo-se já optado por efetuar a melhoria/evolução do Observatório utilizando o modelo Balanced Scorecard, assente nos seguintes vetores: Reformulação do Observatório da Qualidade

Pág. 7


Avaliação Interna

2013

Figura 2 – Vetores do Balanced Scorecard De forma a consubstanciar todo o processo e a garantir a sua exequibilidade está de momento a decorrer uma formação neste domínio no agrupamento onde estão presentes 25 docentes. Prevêse que no final de julho a calendarização apresentada esteja ajustada, podendo-se em setembro iniciar a sua implementação.

Reformulação do Observatório da Qualidade

Pág. 8


Avaliação Interna

2013

Anexo I – Modelo de um questionário do Observatório da Qualidade

Anexo I

Pág. 9


Avaliação Interna

Anexo I

2013

Pág. 10


Ensino Aprendizagem / Atividades Curriculares

Anexo I

Actividades de Enriquecimento

Cultura de Escola

6ºB – “ A nível da Matemática agradece-se o esclarecimento de dúvidas aos alunos.” 8ºB –“ Consideramos que o facto de existirem nesta turma vários alunos com “apoio especial” está a perturbar o bom funcionamento das aulas prejudicando os alunos e gerando por vezes conflitos graves.” RIO DE COUROS - sala 1: Os alunos do pré com necessidades especiais deveriam de ter apoio adicional/especializado;

EB1 DE URQUEIRA – Prof. Rosa Valinho: O espaço do recreio é um pouco limitado e cria alguns obstáculos para os jogos de preferência das crianças, nomeadamente, o futebol. - Por vezes, demasiado ruído e desarrumação de cadeiras no refeitório à hora do almoço e nas salas de aula, além de lixo no chão. 5ºA – “ Podia haver mais clubes escolares. Como por exemplo: ateliers artes, basquetebol, voleibolO” 5ºB – “O clube de solidariedade devia funcionar mais vezes por semana e o futsal também.” 8ºB – “ A turma considera que deveria haver futsal, andebol, voleibol para iniciados.” 8ºC – “ Criação do clube de basquetebol.” ESPITE: A carga horária dos alunos é muito grande;

5ºB – “Higiene nas casas de banho. Falta de água quente nos balneários.”

Problemáticas / Sugestões

EE 1ºCiclo

Pág. 11

- Reflexão não aplicável relativamente à carga horária curricular. A de enriquecimento curricular é sob a responsabilidade e interesse dos respetivos encarregados de

- A refletir com os departamentos.

- Reflexão com os vários implicados sobre estas problemáticas.

Dep. CSH

Alunos

- A refletir com os responsáveis educativos do concelho (CMO / OurémViva).

- Reflexão com os vários implicados sobre estas problemáticas.

- Não aplicável normativamente.

- Reflexão nos Departamentos sobre estas situações.

Plano de atuação

2013

Dep. 1º C

EE

Alunos

EE Pré

EE

Alunos

Origem

ANEXO II – Exemplo de Relatório do Observatório da Qualidade Resumo geral e plano de atuação elaborado pela Direção Ano letivo 2012/2013 – 1º Período

Área

Avaliação Interna


Anexo I

Área

Avaliação Interna

- Referencia-se muito positivamente o interesse das crianças e educadoras no projeto “Sentir a Música”. - É referenciada ainda a existência de oferta ao nível da expressão físicomotora no Jardim de Pisões, apresentando resultados positivos. EB1 DE RIO DE COUROS – Prof. Susana Sousa: O facto de não existir um espaço adequado à prática de atividades física e desportivas, leva a que as mesmas tenham que ocorrer dentro da sala de aula (aquando de situações climatéricas adversas). Esta situação provoca alguma confusão na organização do espaço e do material/mobiliário existente dentro da sala de aula. Para além deste inconveniente, a própria atividade está condicionada pela falta de espaços adequados à sua prática. EB1 Rio de Urqueira – Prof. Rosa Valinho: A docente titular de turma refere que se denota alguma falha de recursos (equipamentos e instalações) nomeadamente para a Atividade Física e Desportiva. No entanto, os docentes que lecionam estas atividades conseguem superar a falta de condições com estratégias alternativas.

- O espaço exterior no que se refere a equipamento, pavimento e iluminação;

- Maior oferta de atividades de enriquecimento curricular e de preferência gratuita;

CASAL DOS BERNARDOS:

EB1 MATA (MAT/B): A representante considera que existem atividades repetidas, como por exemplo, Expressão Plástica e Animação Sócio Cultural. Refere ainda que o facto dos alunos dos quatro anos de escolaridade estarem todos juntos, e por mais que tentem, os professores poderão ter dificuldade em avançar nos anos mais avançados e em enquadrar os primeiros anos de escolaridade, nomeadamente nas disciplinas de Inglês e de Música.

A escola não possui um espaço coberto para que as crianças possam brincar nos dias de chuva.

Problemáticas / Sugestões

Dep. 1º C

Dep. Pré

EE Pré

Origem

Plano de atuação

aos

parceiros

Pág. 12

- A refletir com os responsáveis educativos do concelho (CMO / OurémViva).

Dar conhecimento envolvidos.

- A refletir com os responsáveis educativos do concelho (CMO / OurémViva).

- Não aplicável normativamente.

- Os conflitos de conteúdos na perseguição do programa curricular e das atividades de enriquecimento devem ser refletidas pelo professor titular de turma / Conselho de Docentes. Relativamente ao número de alunos nas atividades e à disparidade dos anos escolares envolvidos, não existe alternativa.

educação. - A refletir com os responsáveis educativos do concelho (CMO / OurémViva).

2013


Anexo I

Serviços

Área

Avaliação Interna

CARVOEIRA: Falta de segurança devido à facilidade com o portão e muros são transpostos, mesmo pelas crianças; PISÕES: O espaço exterior tem o pavimento danificado e o escoamento de águas é

EB1 MATA (MAT/A): A representante da turma refere que os pais estão descontentes com o comportamento de uma das funcionárias que acompanha as crianças à hora do almoço, pois a mesma tem comportamentos incorretos com o seu filho e grita com as crianças o tempo todo. Foi dado conhecimento à OurémViva, Câmara Municipal e Direção do Agrupamento de comportamentos pouco adequados de uma auxiliar educativa; EB1 MATA (MAT/B): Nos dias de chuva, a sala polivalente torna-se pequena para acolher os alunos, o que implica que os mesmos tenham de permanecer sentados sem poder aproveitar de forma plena os momentos livres. EB1 RIO DE COUROS (RC/A): Os transportes escolares deveriam ser gratuitos para todas as crianças, não só na deslocação para o almoço mas também quando terminam as aulas e se deslocam para o ATL, uma vez que a escola não dispõe de condições para assegurar a continuidade das crianças no estabelecimento.

No geral, os EE referem que os autocarros nem sempre cumprem os horários pré-estabelecidos, circulam com pessoas em pé, além de sugerirem a alternância de circuitos para não serem sempre os mesmos a ter horários menos benéficos.

6º B – Por vezes o motorista conduz a falar ao telemóvel. Falta sabão e papel. Muito barulho na biblioteca e no refeitório. Falta de higiene nas casas de banho. 8ºD – Com alguma frequência há falta de papel higiénico e de secar as mãos. Sugerimos sítio para estacionar bicicletas (grelhas).

Problemáticas / Sugestões

EE Pré

EE 1ºCiclo

EE

Alunos

Origem

Pág. 13

- Dar conhecimento à CMO, entidade responsável pelos espaços e recursos

- Reflexão com a CMO / OurémViva sobre estas problemáticas.

- Reflexão com a CMO / OurémViva sobre estas problemáticas.

- A oficiar à CMO e informar o responsável pelo serviço de transportes.

- Reflexão com os intervenientes das questões / problemáticas referenciadas. - Sobre o estacionamento, a Direção deve equacionar esta situação.

Plano de atuação

2013


Anexo I

Outras situações / sugestões

Área

Avaliação Interna

Problemáticas / Sugestões

EB1 CARVOEIRA (CAR/A e C): Devido à inexistência de um parque infantil na vila de Caxarias, deve ser criado no interior da escola um que cumpra todos os requisitos ou, uma área onde as crianças possam jogar futebol ou outros jogos, uma vez que a escola tem espaço físico que permite esta implementação. Esta frase faz parte deste observatório há já alguns anos mas até hoje os encarregados de educação não obtiveram qualquer resposta. Já que tal não é possível, em virtude da conjuntura atual, e no que concerne à atividade de lazer e bem-estar, as crianças têm demonstrado insatisfação por não gozarem na plenitude desta temática. Esta situação poderá verificar-se porque faltam assistentes operacionais em número suficiente para o acompanhamento das crianças nestas horas. Esta situação poderá colocar em causa o bem-estar das crianças, gerando insatisfação, já que não lhes é permitido utilizar o pouco tempo que têm para dar largas à sua imaginação. Os encarregados de educação solicitam apenas que deixem as crianças brincar um pouco mais livremente, já que só o podem fazer em determinado local da escola, não lhes sendo permitido fazê-lo em todo o perímetro existente. Deve ser equacionada a construção de um telheiro com as condições adequadas, de modo a que nos dias de chuva, os alunos não permaneçam sempre dentro do edifício, permitindo desta forma a

5ºA – “Os EE presentes manifestaram que os seus educandos se queixam de água fria após as atividades de Educação Física.”

5ºA – Gostaríamos de poder ter mais mesas de ping-pong, um campo de berlindes cimentado; colocar balizas novas no campo de futebol; arranjar as mesas de cimento.” 7ºC –“ O campo de sirumba devia ser pintado. As mesas de ping-pong exteriores nem sempre são bem estimadas.”

deficitário; MATA: O aquecimento da sala é a lenha e não é eficaz para os espaços a climatizar.

EE 1ºCiclo

EE

Alunos

Origem

Plano de atuação dos

Pág. 14

- Todas estas situações já foram objeto de comunicação às entidades responsáveis. No entanto, deve-se novamente dar conhecimento destas preocupações e necessidades.

- Sobre a água no pavilhão, e se o problema subsistir, deve oficiar-se à entidade responsável para solucionamento do problema;

- Reflexão sobre estes assuntos, se possível com todos os alunos.

- Refletir com os responsáveis por estes espaços.

humanos para solucionamento problemas referidos.

2013


Anexo I

Área

Avaliação Interna

Problemáticas / Sugestões

Dep. MCExp.

Dep. CSH

- Deve haver maior número de docentes a participar / colaborar nos grupos de trabalho para reformulação de documentos internos orientadores.

Dep. Exp.

aos

departamentos

para

Pág. 15

Não aplicável normativamente e economicamente. - Sensibilizar os departamentos para a deflagração de voluntários para grupos temáticos.

- A sugerir voluntários.

- A analisar e reflexão com o serviço respetivo.

- Os Professores podem requisitar o livro de sumários aos serviços auxiliares.

Dep. Pré

Plano de atuação

- Averiguar se o problema continua; - Sobre o telheiro, dar conhecimento desta preocupação às entidades responsáveis (CMO / OurémViva).

Origem

- Uma docente refere que o bar, da parte da tarde deveria estar aberto até mais tarde (bastava até às 16.45) pois quem termina as aulas às 16.25 se se atrasar um pouco já o encontra fechado. - Criar/existir um responsável por manter os placards informativos da sala dos professores limpos e ordenados, tornando a sua leitura rápida e eficiente. Se possível distinguir espaços para convocatórias. - Porque não fechar o telheiro para lá se criar um espaço polivalente?

EB1 RIO DE COUROS (RC/A): Os pais continuam a referir que a não existem as condições mínimas de segurança na vedação da escola, que é muito baixa e facilmente transponível por qualquer criança ou animal. Nas janelas da escola deveria ser colocado um gradeamento para impedir os assaltos, que nesta escola têm sido frequentes. Deveria haver um telheiro a fazer a ligação entre a porta de saída da escola e o portão de saída para o exterior do recinto escolar, para evitar que as crianças estejam à chuva enquanto aguardam o autocarro. O representante da turma salienta ainda que, a escola não tem condições para a prática de Educação Física, sendo esta atividade fundamental para o desenvolvimento das crianças. Esta atividade é realizada no recinto exterior da escola estando condicionada pelas condições atmosféricas. URQUEIRA: Falta de Internet e falta de equipamentos no espaço exterior. Rio de Couros, sala 2: O telheiro de acesso às casas de banho devia de estar fechado pois, com a chuva, fica húmido e escorregadio. - Necessidade de existência do livro de ponto no pavilhão para a Ed. Física além dos registos de sumários do Desporto Escolar.

dinamização de mais atividades ao ar livre.

2013


Avaliação interna  

Documento sobre a avaçliação interna do Agrupamento Lopes Perdigão de Caxarias

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you