Issuu on Google+

ALEXANDREMENDES designer gráfico


ALEXANDREMENDES


ALEXANDREMENDES 0. índice

1. introdução 2. Design em Portugal 3. porquê Alexandre Mendes? 4. percurso académico 5. percurso pro ssional 6. RMAC & BBDO 7. in uências e projectos 8. tipogra a 9. Prego Gourmet 10. Porto Editora 11. Conclusão


ALEXANDREMENDES 1. introdução

O

design em Portugal está em mudança, jovens designers começam a surgir com muito talento e com trabalhos de enorme qualidade. O seu reconhecimento nacional e internacional é constante pelos grandiosas ideias que têm ganhado forma. Como estudante de Design na Faculdade de Arquitectura, estando neste momento no 3º de licenciatura, procurei alguém jovem e talentoso que demonstrasse bons trabalhos com os quais me identificasse. Na longa pesquisa efectuada, encontrou-se vários nomes, mas foi o trabalho de Alexandre Mendes que ganhou mais destaque visual. Vi o seu trabalho no Behance e dei uma olhadela sobre o seu currículo no Linked In. Os seus projectos são resultado de simplicidade, coerência e versatilidade, tudo o que design precisa para funcionar. Entrei em contacto com o designer, pois seria a forma mais fácil de poder desenvolver um projecto biográfico do percurso profissional do designer até ao momento. A informação que existia na internet era reduzida, e nada como, para um trabalho deste nível, pedir informações directamente ao designer. As redes sociais foram um meio de comunicação, que rapidamente me respondeu e disponibilizou-se para qualquer ajuda. Para perceber melhor o trabalho do Alexandre Mendes, tentei conhecer um pouco dele e da sua relação com o design, perceber o seu percurso académico e profissional, e também o conceito e progresso dos seus projectos. 2008 © RMAC BBDO - GALLO WORLDWIDE


ALEXANDREMENDES 2. Design em Portugal

A

lexandre Mendes é um jovem nascido em Lisboa a 25 de Janeiro de 1979. Ano em que a revolução do 25 de Abril ainda era recente, vivia-se em Portugal momentos de mudança e tentativa de estabilização política. A 2 de Dezembro de 1979, Francisco Sá Carneiro sucede a Mário Soares, naquele que foi o segundo governo republicano em Portugal. Alexandre de Mendes cresceu acompanhado de diferentes acontecimentos políticos e sociais que marcaram os anos 80 em Portugal e no Mundo. Iniciava-se a idade da informação, tendo essa um papel importante para o Design. Foram anos de guerras e guerrilhas, de golpes de estado e ameaças nucleares, sendo que Portugal se afastava um pouco desses acontecimentos que assombravam o mundo. Mas, como já referido, em Portugal não se vivia num mar de rosas, vivia-se uma democracia herdada de um país exaurido e isolado, ressentido da guerra colonial que obrigou a desviar recursos inexistentes. Emigração, foi a palavra que entoava nas ruas e casas portuguesas,

e servia de escapatória da miséria e exclusão. O aparecimento do design foi acontecendo em Portugal, tentando acompanhar, de forma tímida, o progresso que se fazia sentir na Europa e nos Estados Unidos. O design surgia, até então, associado aos arquitectos, até que, por volta de 1980 começa-se a falar da “primeira geração” de designers portugueses. Alexandre Mendes, ainda criança, acompanhava lado a lado o crescimento do design em Portugal. 1998 foi o ano de grandeza em Portugal no campo das artes, o nosso país recebe a EXPO 98' e com isso, o design é influenciado, tal como todas as outras áreas artísticas. Curiosamente, é neste mesmo ano que o designer inicia o seu curso universitário em design.


ALEXANDREMENDES 3. porquê Alexandre Mendes?

A

informação sobre o Alexandre Mendes é reduzida. Um jovem com apenas 34 anos de idade, uma geração muita próxima, mas que ao mesmo tempo viu o aparecimento dos computadores no design em Portugal. Pouco mais de 10 anos separam estas duas gerações ambiciosas, talentosas, e que enfrentam a crise socioeconomica que se vive, actualmente, em Portugal. Não é fácil, descrever este jovem designer portugues, considera-se um sortudo, mas parte dessa sorte deve-se a ele, ao seu espirito empreendedor e sobretudo, ao seu talento. Lutou pelos os seus sonhos, cresceu e construiu o seu património, abriu horizontes e voou atrás dos seus objectivos. Frequentou a universidade, mas não se deixou por isso, insatisfeito, procurou e descobriu mais, ferramentas que lhe pudessem ser úteis na vida. Trabalhador de equipa e ambicioso, não se deixa cair e alimenta, quando o tempo assim lhe permite, a carreira de freelancer. Corre por gosto à camisola, amigo dos amigos, criou laços e sobretudo bons colegas de trabalho. Abriu os braços a este projecto,

disponibilizou ajuda e abriu as portas da BBDO para me receber. Conversámos e abriu o livro de histórias e experiências da sua vida, muito haverá para dizer, mas certamente muito ficou por dizer, uma conversa de trabalho, que se transformou numa conversa de duas pessoas que se pareciam conhecer à algum tempo. Aprendi muito, descobri muito da vida e experiência de um designer, do trabalho de equipa em agência e ateliers, do ter que abdicar do tempo de livre por prazer ao design. Compreendi algumas dificuldades que teve quando enfrentou o mundo profissional, e identifiquei-me com algumas resposta que me deu. Consciente das suas capacidades e do seu trabalho, considera-se um grande apreciador do minimalismo, e da fórmula “design-simplicidade-funcionalidade”. Apto a novos conhecimentos, descobre e aplica, inventa e recriar, pensa e reproduz, orgulhoso do que faz, pesquisa e aprende com experiências e projectos de outros colegas e amigos.

2012 © VINOSITAS


ALEXANDREMENDES 4. percurso académico

N

o secundário, Alexandre Mendes já tinha as suas escolhas feitas, design era aquilo que queria fazer da sua vida. Fugitivo da matemática, frequentou um curso tecnológico de design. Não se arrepende da escolha, e salienta o método prático e incisivo que outros cursos não têm. Preparado e com 12º completo, entra no IADE em 1998, por referência de amigos e conhecidos, em vez da Faculdade de Belas Artes. O pouco equipamento, e a pouca preparação de Belas Artes, foi um factor que facilitou a sua escolha. Os primeiros dois anos foram de design, curso geral que preparou, de algum modo, para todas as áreas do design, porém, nos dois anos seguintes especificou-se em Design Visual, ou então, mais conhecido por Design Gráfico. Identificava-se com esta área, e sentia que haveriam mais hipóteses de trabalho lá fora. Iludido, enfrentou, como todos os estudantes, um mundo diferente. Mal acompanhado pelo ensino, procurou crescer em pequenos cursos e workshop, construindo portfólio, e sobretudo um futuro consistente. Ainda no primeiro ano de IADE, ressentiu o falecimento da

sua mãe, questionou a continuação dos seus estudos, procurou bolsas, mas não encontrou. Temeu que para ele o design acabasse por ali, e viu-se na pele da mãe como comerciante. Porém, contou com IADE que em troca de uma bolsa ofereceu-lhe trabalho como designer na universidade, ganhou uns trocos para poder pagar as propinas. Certamente não era o trabalho que idealizava, mas face as circunstâncias e as dificuldades, aceitou e, como consequente, seguiu com os estudos, até 2002, ano em que termina o curso. Começa também aqui a sua vida de freelancer, com pequenos projectos que desafiaram as suas capacidades e conhecimentos, desde então, não abandonou a vida de freelancer e viu nesta uma forma de ganhar mais uns trocos extra. Ainda, durante o seu percurso universitário participou, em modo desportivo, num concurso lançado pela AXE. Espantado, vence o concurso e com ele recebe o seu primeiro Mac acompanhado de uma viagem a Londres. Assistiu a todo o projecto que lhe foi solicitado, e por alguns tempos, a AXE manteve contacto com ele, procurando-o para a realização de outros projectos.


ALEXANDREMENDES 4. percurso académico

Q

uestionado pelo ensino de design no IADE e em Portugal, o designer disse ter ressentido algumas debilidades e falta de preparação. O saber fazer é importante no design, e o IADE ainda não estava preparado para instruir os seus alunos. Descontente com ensino, quis aprender ferramentas básicas, que o preparasse melhor um aluno para a vida profissional. Procurou e investigou muito para além das aulas. Em tempos em que a Internet tinha impacto e acesso debilidato, debruçou-se nos livros como grande ferramenta de pesquisa de conhecimento. Hoje, considera estar tudo na internet. Começou assim, a construir aquilo que considera ser o seu património, foram os livros que motivaram e fizeram do Alexandre, o que ele é hoje. Para elucidar melhor o ensino dos finais do século XX e incios do século XXI, o designer conta que em apenas 4 anos, viu um aluno partir em programa de Erasmus. Eram outros tempos, e o espirito autodidata ajudaram no desenvolvido e crescimento como designer. A má preparação no ensino universitário, iludiram-no para um mundo profissional complemente diferente do real, o choque foi grande, mas o Alexandre lentamente procurou e encontrou formas de se adaptar ao meio.

2007 @ Santafé Associates - IBERSOL


ALEXANDREMENDES 5. percurso pro ssional

A

sua vida começa a desenrolar-se numa sequência de acontecimentos variados, ainda durante a universidade, Alexandre Mendes mais um amigo, entram no espirito de equipa de design, e juntos, resolvem alugar um espaço. Fugiu, assim, ao cómodo T1 que não lhe dava espaço de manobra para poder executar os seus projectos de freelancer. As portas começaram-se a abrir, e o talento do Alexandre começa a vir ao de cima. É, assim, convidado por um amigo para trabalhar como designer, numa revista que o amigo procurava implementar em Portugal, a RockSound. Amante de bons desafios, aceitou o convite. Hoje, relembra essa sua passagem, uns dias muito trabalho, noutros dias pouco havia para fazer, um estranho ritmo de trabalho que o obrigava a trabalhos muitos exigentes, para um jovem muito verde, que em tom de brincadeira disse, ser cedo demais para ganhar cabelos brancos. Foi, assim, uma passagem curta, de apenas 8 meses, que, apesar de tudo, considera ter retirado alguns aspectos positivos dessa experiência. Era apenas um começo,

a carreira do Alexandre tinha ainda muito por contar. Sentado em casa, num dia normal de uma pessoa que procura calmamente um emprego, surge-lhe à porta, uma vizinha de bairro, que, em nome do filho, convida o designer gráfico para uma entrevista de emprego. Mediacaos, era assim o nome da empresa do filho da dita senhora. A polivalência na área do design, tornouo num fruto irresistível para esta empresa, jovem, talentoso, formado em design gráfico, apresentava ainda alguns conhecimentos em webdesign e 3d. Conhecimentos que adquiriu durante o seu percurso

2011 © RMAC BBDO - RAIZ EDITORA


ALEXANDREMENDES 5. percurso pro ssional

2013 © Le Moose

universitário, por iniciativa própria, em cursos e workshops. Era difícil deixar fugir um Homem destes que respondia às diferentes necessidades de uma empresa de design. Ficou lá cerca de um ano, porém o seu sonho de vida não era aquele, insatisfeito queria mais e, convidado por um outro amigo, vai trabalhar na paginação da editora Almanaxi. Durante cinco anos, o designer viajou por diferentes tipos de ateliers, conheceu diferentes pessoas e ambientes, e trabalhou em diferentes valências

do design. À Almanaxi segue-se a Brandcom, pequeno atelier, que fez do Alexandre o supervisor criativo. Foi uma forma diferente de ver os projectos. De entre todas a empresas/ateliers já referidos, foi neste que encontrou e percebeu a importância de saber trabalhar em equipa. Existia maior envolvência entre designers e os projectos, trocavam-se experiências, e percebeu a importância que um comentário dos colegas pode ter no nosso trabalho. “Por vezes passas demasiado tempo fixado no trabalho e não reparas em coisas que os teus colegas, com um toque no ombro te alertam”. O design é a alma de Alexandre, trabalhava das 9h30 às 19h. Mas, nunca querendo abandonar a sua carreira como freelancer, juntamente com o amigo, Rui Quinta, alugaram um espaço em Santos, onde trabalhavam das 20h às 3h da madrugada. Era um horário de loucos e extremamente cansativo, o tempo pessoal deixava de existir, teve mesmo de abandonar algumas actividades que preenchiam os seus tempos livres. Ecoava design na sua cabeça, e o descanso era muito reduzido. Segue-se assim, a proposta de um


ALEXANDREMENDES 5. percurso pro ssional

2012 © RMAC BBDO - C.M. ODEMIRA


ALEXANDREMENDES 5. percurso pro ssional cliente para formar a Codex Design, juntamente com Joana Brigido, Pedro Ludovic e Rui Quinta, e avançou-se com o projecto. Não querendo correr riscos, o Alexandre acompanhou com algum afastamento este projecto, pois para um jovem atelier de design era complicado pagar quatro elementos efectivos. Assim, reduziam-se custos, e o jovem designer mantinha um trabalho fixo e garantido que lhe pagava todas as

2013 © Kitchen Makeup Boutique

despesas de vida. Foi um projecto que teve pouco futuro, tentou-se fundir com a Metrópoles, mas a conexão falhou. Ao mesmo tempo que era um dos sócios da Codex, o designer trabalhava para a primeira agência de design com alguma dimensão, a Santafé Associates. Era uma equipa composta por 20 designers, que demonstra de certo modo a grandeza desta empresa, em relação a todas as outras por onde passou. A nível


ALEXANDREMENDES 5. percurso pro ssional profissional, foi o primeiro contacto que teve com uma empresa em que o trabalho é individualizado e onde cada profissional é responsável única e exclusivamente para uma tarefa. O percurso profissional do Alexandre parecia ter um trajecto já delineado, a sua chegada à RMAC está em muito, relacionada com a sua passagem pelo Santafé Associates. A sua facilidade em criar amizades, para além da qualidade do seu trabalho, ajudaram-no sempre na sua carreira profissional. Um dos seus colegas no Santafé Associates, acabou por seguir para a RMAC, enquanto Alexandre Mendes se manteve, porém o contacto entre ambos conservou-se. Certo dia, esse amigo falou-lhe de uma vaga que havia 2010 © RMAC BBDO - GALP ENERGIA

na RMAC por preencher, a perante tal convite não recusou trabalhar numa das grandes empresas de design da área de Lisboa. A RMAC faz parte do grupo BBDO Portugal, juntamente com a Proximity (todas pertencentes ao Grupo Omnicom). Para se perceber a dimensão desta agência, marcas como ZON, GALLO, JUMBO, GALP ENERGIA, BES, DELTA CAFÉS, TURISMO DE PORTUGAL e muitas outras, confiaram no trabalho e projecto desta companhia e dos seus profissionais. Isto reflecte um pouco a dimensão desta empresa, e da qualidade dos seus profissionais. Actualmente, a RMAC tem apenas 3 designers, sendo um deles o Alexandre Mendes. O trabalho de equipa é muito importante, e saber fazê-lo em equipa é essencial para o funcionamento desta empresa. O designer descreve o ambiente como bastante agradável, onde há partilha de ideias e opiniões, e sobretudo, muita entreajuda. A carreira de freelancer nunca foi posta de lado, e sempre que pode, dedica algum do seu tempo a projectos individuais, sempre com a preocupação de não prejudicar o seu trabalho diário.


ALEXANDREMENDES 6. RMAC & BBDO

D

epois de delineado o seu percurso profissional, como futuro designer, questionei o designer do seu processo de trabalho. Todavia, consoante o cliente e o seu pedido, as exigências são outras, e isso altera ligeiramente o método de trabalho. Na agência o Alexandre desempenha apenas as parte criativa de um projecto que passa por várias fases. A BBDO, pode-se comparar a uma industria

automóvel, onde cada funcionário desempenha exclusivamente a sua parte, aplicando-se o método da linha de montagem implementada por Henry Ford na industria automóvel nos início do século XX. Sendo assim, o processo criativo na BBDO funciona em várias fases. O cliente dirige-se à agência e apresenta o projecto à equipa, é, depois, realizado um briefing, onde o departamento de estratégia entra em acção, analisando e definindo a estratégia da marca. O processo segue-se para o criativo ou mesmo para uma dupla criativa consoante a complexidade do projecto. O account fica encarregue pela gestão do projecto e é o elo de ligação entre o cliente e a agência de design. A equipa de criativos, onde está o Alexandre Mendes, desenvolvem as propostas sob o acompanhamento e supervisão do director criativo. Depois, a proposta é apresentada internamente a todos os departamentos para análise e critica, após a aprovação segue-se a apresentação ao cliente, estando sujeito a retificações. São dados os últimos


ALEXANDREMENDES 6. RMAC & BBDO

refinamentos e materializado todas as peças, e aquando da aprovação do cliente, encaminha-se todo o trabalho para a arte final. Só depois, e por fim, é que o projecto segue para produção. Este esquema e linha de processo, ajuda a perceber um pouco do dia-a-dia do nosso designer, e também, a importância do espirito de equipa que tem de existir numa agência de design.


ALEXANDREMENDES 7. in uências e projectos

O

s anos foram passando, e com eles o Alexandre Mendes foi aprendendo mais e mais sobre o mundo do design. Questionado pelas suas influências, hesitou, reação normal para um designer. No design vivese muito de imagens, do ver e do olhar. Pois então, o designer não se restringe a um pequeno grupo de artistas. Foi acompanhando o design e a sua adaptação aos tempos. Hoje, não dispensa da internet e de websites como o Behance, vive das imagens e da partilha de ideias dos outros, ficando o mundo do design tão perto. Fã do minimalismo e da função, o bom design, é algo que se percebe facilmente, sem rodeios, “é aquilo”. Disponibilizou alguns endereços de websites que fazem, nos dias de hoje, parte dos favoritos do seu browser. O design não tem estilo, vive do contexto cultural, social e económico de uma região, e sobretudo das tecnologias da época. Hoje, Portugal está em expansão no mundo do design, surgem novos nomes, de jovens ambiciosos e com vontade de trabalhar e expor o seu talento. Eis

pois, que a escolha de um jovem design, ajuda a perceber melhor uma geração que servirá de auxilio e inspiração, dos jovens que hoje se formam nas universidades portuguesas. Alexandre Mendes é um desses nomes, poder conhecer de perto o seu trabalho também ajudou a perceber a visão que tem das coisas, e a forma que tem de responder aos desafios. E é disto que vive o design, de desafios, o Alexandre Mendes teve de enfrentar alguns, e o que tem maior destaque é o da Porto Editora, uma marca com grande dimensão em Portugal. Não seria fácil proceder-se ao rebranding da maior editora portuguesa, mas o desafio estava lançado e o Alexandre tinha de saber responder. O conceito estava traçado, e a Porto Editora já não vivia apenas de livros, agora vive de conteúdos acima de tudo. Então, seguiu-se um mapa de ideias, que não foi tão simples como pode parecer. As editoras vivem de palavras, símbolos, números e caracteres. E o que são as aspas? As aspas são normalmente utilizadas para citar alguém,


ALEXANDREMENDES 7. in uências e projectos

sendo assim, pretendeu-se que as aspas abrissem conteúdo, desliga-se a forma do livro, mantendo a mensagem. A forma das aspas é assim adaptada para as iniciais da editora “P” e “E”, e a limpeza visual é conseguida, ao mesmo tempo que não se perde o conceito.

2009 © RMAC BBDO - PORTO EDITORA


ALEXANDREMENDES 7. in uências e projectos

O

design evolui e vive de tendências. Uma boa identidade, segundo o designer, é aquela que é intemporal ou com larga duração, como é o caso da Coca-Cola. Isto é atingir a perfeição de uma marca, uma imagem que perdure durante o passar dos tempos. Os trabalhos realizados na RMAC marcam o período de maior destaque, até ao momento, do Alexandre Mendes. Questionado sobre algumas imagens de marca, o designer encara cada desafio de forma diferente e personalizada. O caso do Instituto Superior Técnico é muito curioso, foi lançado um concurso e a RMAC entrou em prova. Alexandre mais um colega de trabalho apresentaram duas propostas muito interessantes, era o centenário do Técnico, e pretendia-se alterar a imagem da universidade. Enquanto o amigo apresentou uma reformulação da marca, o Alexandre aproveitou para desenvolver algo diferente baseado no estudo das ligações de comunicação entre departamentos. O resultado foi bastante positivo, e a RMAC aparecia com

duas propostas. Porém, o júri gostou de ambas, acabando por optar pela reformulação do logo para a imagem do técnico e pela solução do Alexandre Mendes para a comemoração dos 100 anos. O portfólio do Alexandre Mendes já pode contar com algumas obras de calibre, sendo o trabalho e a dedicação os grandes responsáveis por esse sucesso. Como já referido, design vive de desafios, e procurou-se saber quais eram as marcas que sugeriam mais interesse ao designer para reformular, não é uma pergunta fácil, mas o Alexandre encontrou várias respostas, e salienta que gostaria muito de ter sido o criador do logo do Multibanco, pois é uma imagem com grande impacto, aparecendo em toda as zonas do país. A Delta e o Jumbo, também seriam algumas das muitas marcas que gostaria de alterar, não só pela grandeza destas, bem como pela visibilidade que têm no mercado.


ALEXANDREMENDES 7. in uências e projectos

2010 © RMAC BBDO - INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO


ALEXANDREMENDES 8. tipogra a

O

tipo de letra é um elemento muito importante numa marca, e, mal escolhido põe em causa a identidade da empresa. É sem dúvida o ponto identificador da marca, existindo muitas marcas que vivem apenas do Typeface. Formado em dois cursos de Tipografia, o designer gráfico apresenta alguma sensibilidade no que toca a fontes de letra. Desde os tempo de universidade, juntava alguns trocos com os colegas para poder comprar uma fonte de letra. Não existem regras cientificas para a tipografia, sendo a sensibilidade e a concentração factores importantes quando se desenha um letra. Deve também haver coerência, e todos esses critérios devem ser tidos em conta quando se desenha uma letra. Porém não é um trabalho simples, e o Alexandre conta que gastou um bloco de folhas até chegar ao “Odemira” que agora vigora como identidade visual do concelho. Com conhecimentos na área, Alexandre consegue salientar alguns nomes de referência portugueses, como Dino dos Santos, Mário Feliciano e Ricardo Santos. A nível internacional, destaca entidades como a Hoefler & Frere-Jones, a Lineto e a Commercial Type.

2012 © RMAC BBDO - GALLO WORLWIDE


ALEXANDREMENDES 9. Prego Gourmet


ALEXANDREMENDES 9. Prego Gourmet «Primeiro, pensaram um produto português. Depois, estudaram as melhores combinações de carnes e pão. “Embrulharam” a tradição num conceito fast-food e lançaram um desafio: “vamos torná-lo sexy”. O resultado que se vê e prova no Amoreiras Plaza, em Lisboa, é um prego com ares, e com nome, gourmet.»

E

ste é o conceito definido pela Prego Gourmet, e apreciado pelos críticos, partiu-se disto, e procurou-se diferenciar da concorrência, retratando ao mesmo tempo a tradição portuguesa. Muitos outros aspectos foram tidos em conta, mas mantêm-se no segredo dos seus profissionais. O tipo de letra e o símbolo teriam de retratar estes aspectos referidos, projectando a marca e o ícone gastronómico. Eis pois, que se encontra a frase chave para o projecto, “Um Ritual Português Aperfeiçoado”. Uma marca simples, coesa e distinta de todas as outras, pensada ao pormenor, sendo a monocromia factor importante na expressividade comunicativa da sua identidade visual.


ALEXANDREMENDES 10. Porto Editora


ALEXANDREMENDES 10. Porto Editora

O

rebranding da Porto Editora foi o grande projecto, até ao momento, em que Alexandre Mendes participou. Actualizar a identidade da marca foi o grande objectivo, desprende-la dela própria e abrir portas ao mundo da leitura. A Porto Editora hoje é mais do que livros de educação, é fruto de conhecimento e saberes, expande cultura e desperta curiosidade. “Abrir aspas é iniciar discurso, é virar a marca para fora”, é expandir a marca a todos os conteúdos e saberes. Com esta ideia, conseguiu-se libertar a editora dela própria e abrir horizontes a projectos futuros.


ALEXANDREMENDES 10. Porto Editora


ALEXANDREMENDES 10. Conclusão

P

ara além do designer, existe um homem como muitos outros, com os seus tempos livres que aproveita das mais variadas formas. É, assim, nos veículos motorizados que Alexandre gosta mais de libertar o pensamento criativo, desligando do mundo de atelier, entrando num mundo, em que, sozinho, observa tranquilamente o que lhe rodeia. Porém, a adrenalina da Triumph é também vítima da sua criatividade, sendo, segundo o designer um veiculo motorizado ao seu estilo. Alexandre Mendes é um jovem designer, que, apesar da sua curta idade, apresenta já um portfolio rico em projectos de grande dimensão. Conta também com várias experiências no campo do design e sobretudo demonstra uma enorme polivalência para responder aos desafios. Hoje está na RMAC, onde trabalha e projecta e responde aos desafios que lhe são lançados. Apesar do momento actual vivido em Portugal, Alexandre Mendes tem um futuro que lhe permite afirmar em qualquer local do mundo. Abriu-me as portas, e recebeu-me, para ele vai o meu agradecimento especial, sem ele, não era possível realizar este trabalho.


ALEXANDREMENDES

trabalho de: Filipe

Sousa


Alexandre Mendes