Page 1

Fmagazine Flinpo Magazine Ano II Nยบ 5 Agosto de 2012


Flinpo Magazine Ano II. Nยบ 5 Agosto de 2012 www.flinpo.net


editoral Esta revista serve, essencialmente, para agradecer e dar destaque a todos aqueles que semanalmente participam nos nossos desafios fotográficos e que, cada vez mais, fazem crescer este espaço que de pretende ser comunitário. Neste número, para além da apresentação das fotografias vencedoras dos desafios 76 a 90, dá­mos a conhecer um pouco mais, o fotógrafo Jorge Monteiro, vencedor do desafio da capa da revista. E publicamos uma pequena parte do projecto "Ancestralidade Espelhada" da fotógrafa Marta Varela. Ao longo das páginas seguintes, podemos apreciar fantásticas fotografias, ilustrando os mais variados temas, de pessoas que gostam de fotografia e que gostam de as partilhar, para esses o nosso muito obrigado.


conteĂşdo entrevista

Jorge Monteiro

vencedores Desafios #76 a #90


escolhas editores Desafios #76 a #90

projecto

Ancestralidade Espelhada


jorge monteiro

o­meu­olhar­fotografia.blogspot.pt

Nasceu em 1970 em Vila Nova de Gaia, local onde reside e trabalha. É casado e tem um filho chamado Gonçalo Monteiro, que também tem o gosto pela fotografia e que participa com frequência nos desafios do Flinpo. Considera­se um amador de fotografia autodidacta, sem um estilo próprio e que não olha a regras.


Recorda­se das motivações e do momento que o levou a interessar­se pela fotografia? O gosto pela fotografia surgiu na minha juventude, o acto de eternizar e de poder recordar mais tarde um momento, de mostrar aquilo que via aos outros, a forma como via o mundo em meu redor, fascinava­me! Mas, só na idade adulta quando comprei a minha primeira máquina digital, consegui eternizar os momentos e mostrá­los a todos. Porque área dentro da fotografia se sente mais atraído? É­me difícil responder a esta pergunta pois o meu trabalho é muito abrangente e versátil no que respeita a estilos e áreas da fotografia. Mas, de momento estou a identificar­me muito com a fotografia de rua, embora esteja ainda a dar os primeiros passos nesta área.

Existe algum fotógrafo(a) que o inspire particularmente? São vários os fotógrafos que me inspiram, desde profissionais a amadores, mas não vou nomear nenhum, pois tenho a certeza que algum seria esquecido... o que seria uma injustiça da minha parte.


Qual o material fotográfico que utiliza? Recentemente passei a usar uma câmara Canon 600D, equipada com as seguintes objetivas: 18­ 55mm, 50mm, e 55­250mm, utilizo também uma câmara Sony DSC­H9, com a qual fiz a maior parte dos meus trabalhos publicados. Para além destas duas uso uma câmara compacta Olympus u5000.

Tem um blogue fotográfico onde apresenta o seu trabalho, que importância este têm para si? Tem o hábito de visitar o espaço de outros fotógrafos? O meu blogue foi criado não só para mostrar os meus trabalhos, mas também para saber a opinião dos outros. Tanto a opinião dos outros como a visita habitual a espaços de outros fotógrafos, contribuíram significativamente para a recolha de conhecimentos que levaram à minha evolução como fotografo, bem como à evolução dos meus trabalhos.


O que acha de espaços de partilha fotográfica, como o Flinpo? São fundamentais para quem quer, através da partilha, mostrar os seus trabalhos, conhecer técnicas e formas de fotografar e para quem busca inspiração nos trabalhos de outros fotógrafos.


Pode­nos contar um pouco sobre a fotografia que venceu este desafio? A fotografia foi feita sem propósito específico, apenas tinha em mente partilhá­la no meu blogue. Achei interessante a forma arredondada da cadeira, que junto a uma janela, proporcionava uma visão de sombras e luzes interessante... um efeito cruzado. A peça de vestuário, foi acrescentada à cena, por forma a quebrar os brancos e ao mesmo tempo criar contraste. Só depois me apercebi do resultado final de todos estes "ingredientes"... uma fotografia, que certamente iria despertar o olhar e a mente das pessoas.


#76 flor

Esta linda fotografia é o resultado de um olhar atento durante um passeio, como nos diz a sua autora: "esta fotografia foi tirada durante o Festival de Jazz de Montreux, durante um passeio matinal, hora em que ainda se podia andar ao longo do passeio do Lago Geneve, com alguma serenidade e sem chocar com ninguém...Como a estátua do Freddie Mercury tinha sempre um turista "agarrado" a uma perna, para tirar uma fotografia, resolvi ir para os belíssimos jardins que a luz do sol começava a iluminar. A flor em causa chamou­me a atenção pelo efeito da luz criado no seu interior e pelas apelativas cores. Usei uma objectiva macro e foi este um dos resultados, entre muitos". Sementes de sol de L.Reis

Sem informação


Fotografia eliminada pelo autor

#2

#3

#4


#76 flor

#2 ­ João Mourão de João Mourão #3 ­ Pretty in Pink de Luis Felicio #4 ­ Rosa és ... de F.Reis #5 ­ tulipa de ruimnm #5


#77

vista de janela

O Outono entra­nos "luminosamente" pelos olhos adentro com esta bela fotografia, vencedora do tema "Vista de Janela". O seu autor fala­nos um pouco sobre ela: "trata­se de uma fotografia feita nas ruínas das minas do Braçal, em Silva Escura, Sever do Vouga, do interior de uma casa, também ela em ruínas. Da penumbra do interior avistava­se aquele fabuloso quadro Outonal que a janela emoldurava na perfeição. Não resisti. Uma última nota para dizer que o local é fabuloso e promete satisfazer as delícias dos mais exigentes. Estou certo de que qualquer um de vós fará ali verdadeiras obras primas". Prenúncio de Outono de CR

Abertura: f/6.3 Velocidade: 1/15 ISO: 200 Distância focal: 28mm Com tripé Sem flash


#2

#3

#4


#77

vista de janela #2 ­ Is there any hope? de Adelina Silva #3 ­ PhotoAttraction de Pedro Alves

#4 ­ Reservatório da Mãe d'Água de Paulo Bastos #5 ­ Diana Tavares de Diana Tavares #5


#78

mentira

Realmente, às vezes, o que parece ser, à primeira vista, não o é na realidade. E esta fotografia vencedora do tema Mentira é um real exemplo disso mesmo. Mas deixe­mos o seu autor explicar o que é: "esta é uma fotografia que tirei quando andava à volta com uma meloa como possível objecto "fotografável". Virei­ a de um lado e do outro e de repente vi um seio e seu mamilo nas minhas mãos(!). Depois foi só buscar a minha fonte de luz "sofisticadíssima" (um candeeiro de secretária), colocar a meloa sobre uma mesa e como fundo uma cartolina negra. Tecnicamente apenas referir a escolha por uma abertura que me permitisse isolar o mamilo". Mamilo de Ruimnm

Abertura: f/2.8 Velocidade: 1/30 ISO: 100 Distância focal: 36mm Com tripé Sem flash


#2

#3

#4


#78

mentira #2 ­ Kaipiroska de Kaipiroska

#3 ­ Someone's dressing room de Telmo Nunes #4 ­ Grande Dentada de Sandro Porto #5 ­ war saw de João Mourão

#5

Fotografia eliminada pelo autor


#79 páscoa

A fotografia vencedora deste desafio é uma lição de história: "Esta foto foi tirada em Cabanas de Viriato. O que está fotografado é a ruína da casa de Aristides Sousa Mendes, que foi Cônsul Português em Bordéus e assinou todos os vistos que pode de entrada em Portugal, aos refugiados que fugiam do nazismo durante a Segunda Guerra Mundial. Nesta casa alojava­os, alimentava­os, vestia­os... tudo contra as ordens expressas e política "neutral" de Portugal e de Oliveira Salazar que o penalizou, acabando este mecenas por morrer na mais abjecta miséria. Os Sousa Mendes eram uma família devota do cristianismo e o cruxifixo que podemos ver na foto, era uma reliquía da família, e um memento do que se passara na Primeira Guerra Mundial. Tinha sido trazido para a casa dos campos de batalha da Flandres durante essa guerra. A foto, para além de ser a propósito da Páscoa, é também uma homenagem ao homem que se sacrificou, com Cristo como exemplo, pelos outros. E a lembrança de que a guerra faz as suas vítimas para além e muito depois de acabarem.". João Mourão de João Mourão

Abertura: f/7.1 Velocidade: 1/1000 ISO: 200 Distância focal: 20mm


#2

#4

#3


#79 páscoa

#2 ­ Pray for us de Helena Prata

#3 ­ Compasso Pascal de Adelina Silva #4 ­ Clara Gamito de Clara Gamito

#5 ­ «Feria V in Coena Domini» de Remus #5


#80 céu

Persistência dá sempre frutos, se não vejamos a história por detrás desta fotografia: "Acordei nesse dia e o mundo parecia que ia acabar... Estava um temporal de meter medo... Não sei bem porquê, mas lembrei­me de ir à Foz ver como estava a mar. Fui lá, mas a maré estava baixa pelo que o "espectáculo" não era grande coisa. Tirei umas fotografias e voltei para casa. Verifiquei quando era a maré cheia e voltei lá a essa hora. Fiz uma série de fotos a ambos os molhes e faróis que resultaram muito bem. Quando já vinha para o carro, deparo­me com esta maravilha... Tinha a lente certa, escolhi o enquadramento de modo a ter todo aquele céu e... click. Uma só tentativa e uma bela fotografia.". A calma depois da tempestade de Pedro Alves

Abertura: f/8 Velocidade: 1/250 ISO: 200 Distância focal: 14mm


#2

#3

Fotografia eliminada pelo autor

#4


#80 céu

#2 ­ Draconids Star Trail de Pedro Galamarra #3 ­ João Mourão de João Mourão

#4 ­ Jorge Monteiro de Jorge Monteiro #5 ­ Digit@l Pixels de L.Reis

#5


#81 fogo

Na semana em que andamos a brincar com fogo, a fotografia vencedora usou como elemento principal lã de aço: «A foto foi tirada no Parque das Nações em Lisboa numa noite fria a 18 de Fevereiro de 2012 num encontro de amigos com o mesmo gosto pela fotografia. O tema dessa noite era fazer fotografia com fogo/luzes, e o efeito que se vê nesta imagem é o de um bocado de lã de aço a arder na ponta de uma corda. As fotografias com efeitos de luz sempre me fascinaram e esta é uma das minhas melhores.» .

This is Hell de Luis Felicio

Abertura: f/6.3 Velocidade: 30 seg. ISO: 100 Distância focal: 18mm Com tripé Sem flash


#2 #4

#3


#81 fogo

#2 ­ Kaipiroska de Kaipiroska #3 ­ Bico de Remus

#4 ­ Fight Fire With Fire de Marta Varela #5 ­ Burn.... de José Cardoso

#5


#82

local de trabalho

Quando a fotografia surge de forma inesperada, ela ganha automaticamente outro encanto e dimensão: «Esta fotografia foi uma agradável surpresa quando a tirei, pois o objectivo nesse dia de manhã era outro, ou seja ia visitar e fotografar o navio Sagres que estava atracado na doca de Alcântara, no caminho a pé passei pela ponte 25 de Abril que estava em obras de manutenção, reparei que alguém ia a sair do pilar (nem sabia que era possível) e o momento é tão "sui generis" que aproveitei para apontar a objectiva e captar o trabalhador, que depois agradeci.» The Worker de Paulo Sérgio Guerra Bastos

Abertura: f/7.1 Velocidade: 1/250 ISO: 200 Distância focal: 105mm Sem tripé Sem flash


#2

#3

#4


#82

local de trabalho #2 ­ fatima condeço de fatima condeço

#3 ­ Força Indomável de João Coutinho #4 ­ JOÃO MENÉRES de João Menéres #5 ­ Fazedor de cestos de CR #5


#83

alfabeto: A

Diz o aforismo popular que deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer. Mas podemos também acrescentar que permite criar belas fotografias, senão vejamos: «Esta é uma fotografia madrugadora! Foi tirada mesmo ao nascer do sol, na praia fluvial da Mina de São Domingos, perto de Mértola. As cores e texturas da alvorada neste local inspirador depressa fizeram esquecer a cama quentinha que tinha abandonado a custo. Depois de vários disparos na horizontal usando uma grande angular, resolvi testar uma abordagem diferente ao local, usando uma tele e orientação vertical e este foi o resultado. Usei uma abertura pequena, ISO 100 e tripé para garantir a máxima nitidez. A natureza fez o resto! Esta foi uma das minhas fotografias preferidas dessa manhã, tendo sido a que escolhi para foto do dia 98 no meu projecto fotográfico "Projecto 2012 ­ 366 Dias, 366 Fotos".» A de água, árvore e Alentejo de Clara Gamito

Abertura: f/16 Velocidade: 1/2 ISO: 100 Distância focal: 155mm Com tripé Sem flash


#2

#4

#3


#83

alfabeto: A #2 ­ Água ­ Kaipiroska de Kaipiroska #3 ­ Almourol de Luis Felicio

#4 ­ (Água) Marco C. de Marco C.

#5 ­ ARCO ­ João Mourão de João Mourão

#5

Fotografia eliminada pelo autor


#84 quatro

Mais uma vez, ruimnm mostra­nos que com simples objectos do dia­a­dia se podem fazer excelentes fotografias. "Esta fotografia faz parte de uma série que fiz com berlindes esquecidos no fundo de uma gaveta e ela nada tem de especial: apenas um vidro para os colocar por cima, um candeeiro de secretária, como única fonte de luz, por trás da "cena" com uma folha de cartolina a "filtrar" um pouco a luminosidade e um tripé. A única dificuldade foi manter os berlindes alinhados, pois ao mais pequeno "sopro" lá se mexiam mesa fora..." .

4berlindes de ruimnm

Abertura: f/3.2 Velocidade: 1/20 ISO: 100 Distância focal: 10mm Com tripé Sem flash


#2 #3

#4


#84 quatro

#2 足 Os 4 primos de Pedro Alves

#3 足 Diana Tavares de Diana Tavares

#4 足 4 TIRAS DE LUZ de Marta Varela

#5 足 Moinhos da Serra da Atalhada de Lacorrilha

#5


#85 vertical

Uma bela e singela flor. Foi tudo o que foi preciso para fazer uma bela fotografia: «Quem fotografa, sabe que nem sempre existe uma história interessante por trás de uma foto que resultou bem. Neste dia, em passeio com câmara na mão e com a lente “generalista” colocada, não estava a conseguir ver boas fotos. Nestas alturas torna­se muito conveniente uma lente macro. Bastou trocar de lente, baixar o ângulo de visão mais rente ao chão, olhar atentamente através da lente macro para descobrir uma infinidade de pormenores que depressa se tornaram apelativos. E é esta a história desta foto. Simples. Uma troca de lente e uma forma diferente de olhar. Deitado, numa posição bem horizontal, para captar esta foto na vertical. Agradeço ainda a todos os que votaram na foto e permitiram que esta vencesse este desafio Flinpo.» .

Marco C. de Marco C.

Abertura: f/5.6 Velocidade: 1/125 ISO: 400 Distância focal: 100mm


#2 #3

#4


#85 vertical

#2 ­ ENERGIAS ALTERNATIVAS de BEAN FELY #3 ­ Mais do que o medo de Remus

#4 ­ GRIFO PLANANTE de João Menéres #5 ­ Jorge Monteiro de Jorge Monteiro #5


#86 silhueta

Não conseguimos desvendar quem é a figura enigmática que aparece na fotografia, mas para quem é seguidor do trabalho da Kaipiroska, com certeza que saberá quem é: «Antes de mais, quero agradecer a todos aqueles que votaram na minha fotografia, bem como felicitar todos os outros vencedores e participantes. Há fotos que para nós são mais especiais que outras, por esta ou aquela razão, e esta foto é, sem dúvida, uma daquelas fotos especiais. Sempre me atraiu fotografar ao pôr­do­sol justamente pelas silhuetas que se criam em contraste com os tons do céu. Neste final de tarde em particular, o céu estava glorioso, com as nuvens a ajudar a dar alguma textura ao cenário idílico de final de dia na costa sul da minha ilha (S. Miguel). Opto por não revelar o local onde foi tirada a foto, pois não quero que "mo roubem", pois é um sítio que já me deu outras boas fotos. Quanto à "figura enigmática" presente na foto, digamos que é um outro blogger bem nosso conhecido e também assíduo participante do Flinpo. O enigma mantém­se portanto... :)». Kaipiroska de Kaipiroska

Abertura: f/11 Velocidade: 1/125 ISO: 200 Distância focal: 29mm Sem tripé Sem flash


#2

#3

#4


#86 silhueta

#2 ­ Sonho de Voar de João Coutinho

#3 ­ vamos conversar de Helena Lagartinho #4 ­ Pds na praia de Céu Vieira

#5 ­ Cerimónia do chá de Remus

#5


#87 papel

Ninguém ficou surpreendido que neste tema, tenha ficado em primeiro lugar uma fotografia da L. Reis. Até porque, como alguém já disse, a "rainha do papel" não podia deixar escapar o seu tema de eleição: «Todos aqueles que costumam "espreitar" o meu blog sabem desta minha "mania" pelo papel...Esta fotografia foi tirada num daqueles dias em tudo se faz, porque nada se tem que fazer e a sua história é por demais simples. Coloquei a máquina a jeito, peguei numas quantas folhas e comecei a experimentar tudo o que me vinha à cabeça, ajudada pela facilidade com que o papel assume formas sinuosas ( quanto a mim, de uma voluptuosa beleza) Depois foi experimentar ângulos diferentes e ver a infinidade de "desenhos" que se consegue, a partir de quase nada . Este foi um dos "versos" conseguidos numa tarde de pura brincadeira. (Nesta fotografia foi ajustado o balanço dos brancos, de forma a conseguir aquele tom azulado)». 8º verso de L.Reis

Abertura: f/2.8 Velocidade: 1/60 ISO: 111 Distância focal: 4.6mm


#2 #3

#4

Fotografia elimin pelo autor


nada

#87 papel

#2 ­ MOVIMENTO PERPÉTUO de elsa mendes #3 ­ folhas de papel de ruimnm

#4 ­ Ponte Vecchio de João Mourão #5 ­ Poesia de Sandro Porto

#5


#88

alfabeto: B

Esta é uma fotografia que podemos dizer que começou a ser idealizada há 30 anos: "Em Abril deste ano, eu e mais 5 apaixonados pela fotografia fomos até Tróia á procura de uns barcos semi­afundados que eu conhecia de há 30 anos atrás. Depois de os localizar­mos no Google Earth, lá fomos e tivemos de andar cerca de 40 minutos a pé no meio do mato, e por entre muitas peripécias, lá descobrimos alguns barcos, só que a chuva era uma constante, mas mesmo a fotografar debaixo de chapéus de chuva não arredamos pé. E acho que fomos recompensados com muitas belas imagens, esta é uma delas." B de Barcos de Luis Felicio

Abertura: f/4 Velocidade: 10 seg. ISO: 100 Distância focal: 10mm Com tripé Sem flash


#2

#3

#4


#88

alfabeto: B #2 ­ Barco de João Coutinho #3 ­ berlinde de ruimnm

#4 ­ Borboleta de Carlos Nicolau #5 ­ Bolhas de Nuno Monteiro

#5


#89 estrada

Ingredientes para criar uma fotografia memorável: Levantar cedo, uma manhã fria, um lugar com uma atmosfera mágica e viajar dentro de um carro no lugar do pendura. Nas palavras da autora: "Esta foto foi tirara numa manhã gelada de dezembro. Levantei cedinho para apanhar os primeiros raios de sol e a luz nos cristais de gelo. A caminho de casa, já com o carro em andamento esta árvore chamou­me a atenção assim como os campos com a neblina e as luzes da manhã e disparei, as vantagens de viajar ao lado do condutor :).". espero por ti de fatima condeço

Abertura: f/6.3 Velocidade: 1/160 ISO: 200 Distância focal: 18mm Sem tripé Sem flash


#2

#3

#4


#89 estrada

#2 ­ Ao fundo do tunel de Clara Gamito #3 ­ Estrada de luz de CR #4 ­ Road de Ana Lúcia

#5 ­ ESTRADA de Marta Varela

#5


#90

redondo Na arte fotográfica, como em qualquer outra arte, quem tem criatividade é rei. E criatividade, é algo que sabemos que não falta à L. Reis: "A ideia para esta fotografia nasceu de um monte de clips coloridos. Estava com eles na mão para arquivar uns papéis, quando me ocorreu que aquelas cores e formas poderiam fazer um efeito engraçado vistos à transparência de uma gota de água. Peguei numa cadeira, improvisei dois suportes laterais com 4 pacotes de leite, sobre os quais coloquei uma folha de acetato salpicada de gotas de água. A fotografia dos clips resultou e comecei a imaginar as imensas possibilidades que aquele efeito proporcionava. Fui experimentando diferentes fundos com tudo o que me ocorria, à medida que ia também alterando a disposição e tamanho das gotas, a incidência da luz e a distância entre o motivo e as gotas. Entretanto, os pacotes de leite, num equilíbrio instável, caíram com frequência, as gotas resvalaram para sítios que eu não queria e até o tripé resolveu pregar­me uma partida ou duas. Acabou por ser uma "brincadeira" divertida e esta fotografia foi uma das que mais me agradou e surpreendeu em termos de resultado final. O fundo é constituído pela página de um livro com a impressão de uma ilusão ótica.". Gota a gota de L.Reis

Abertura: f/2.8 Velocidade: 1/125 ISO: 250 Distância focal: 100mm Com tripé Sem flash


#2

#3

#4


#90

redondo #2 ­ frasco de ruimnm

#3 ­ Equilibrismo ilusório de Remus

#4 ­ Espiral de Luz de João Coutinho #5 ­ Circumpolar de Clara Gamito

#5


escolhas editores

dos

#76­1 #76­2

#76­1 ­ Ricardo Martins de Ric

#76­2 ­ Polygonum Capitatum

#77­1 ­ Nuno Sousa de Nuno S


cardo Martins

#77­2 ­ SPorto de Sandro Porto

Sousa

#78­2 ­ Speed! de Nuno Monteiro

m de Cristina Teixeira

#77­2

#78­1 ­ Verdade ou mentira de Ana Lúcia

#77­1

#78­1 #78­2


escolhas editores

dos

#79­1

#79­2

#79­1 ­ Pietà, signore de Alfre

#79­2 ­ JOÃO MENÉRES de Jo

#80­1 ­ Amanhecer de Jorge C


edo Nogueira

#80­2 ­ Vagamundos de Alexandre e Anabela

C. Reis

#81­2 ­ Shouting Engine de Dix

oão Menéres

#81­1 ­ Em foco de Clara Gamito

#80­1

#80­2

#81­1

#81­2


escolhas editores

dos

#82­1

#82­2

#82­1 ­ Dupla visão de Remus

#82­2 ­ the family stand de IR

#83­1 ­ AVE (porphyrio phorp


s

#83­2 ­ Arrábida de Pedro Alves

RIS

#84­1 ­ P_L de Paulo Lima

phyrio) de ruimnm

#84­2 ­ Kaipiroska de Kaipiroska

#83­1

#84­2 #84­2

#83­2


escolhas editores

dos

#85­1 #85­2

#85­1 ­ Invasor de Ana Lúcia #85­2 ­ Na Vertical de Sérgio

#86­1 ­ Pé ante pé! de Adelino


a

#86­2 ­ birds silhouettes de Paulo Lima

Nuno Pontes

#87­1 ­ Colorido especial de Remus

o Chapa

#87­2 ­ A Bailarina de Manuel Ribeiro

#87­1 #86­1

#87­2

#86­2


escolhas editores

dos

#88­1

#88­2

#88­1 ­ Banco gelado de Lacor #88­2 ­ Batráquio de Helena

#89­1 ­ hora da missa de ruim


rrilha

#89­2 ­ caminho para o nada de Helena Lagartinho

Prata

#90­1 ­ Redondos metalizados de Sérgio Nuno Pontes

mnm

#90­2 ­ SPorto de Sandro Porto

#89­1

#89­2

#90­1

#90­2


marta varela

www.martavarelafotografia.webnode.pt

Marta Varela nasceu em 1988 e iniciou­se na fotografia em 2008, aquando da aquisição da sua primeira câmera reflex. Progressivamente, foi desenvolvendo a sua paixão pela fotografia e em 2011 decide ingressar no curso profissional de fotografia do Instituto Português de Fotografia, no Porto. O seu portefólio revela polivalência temática, desde o fotojornalismo até à macrofotografia, passando pela foto­ grafia de paisagem, de retrato e de moda. Enquanto autora, procura sempre formas de enriquecer o seu trabalho e melhorar a sua educação visual, visualizando e analisando obras de grandes autores, os quais surgem como referências em cada tema que aborda. Divide­se ainda entre a necessidade de fotografar por impulso e a fotografia pensada, com uma intenção desenvolvida antes mesmo de pegar na câmera. Por considerar a fotografia uma arte e não apenas uma forma de transmitir a realidade ou informações, trata e manipula as suas imagens de forma a evidenciar os elementos a que pretende dar destaque. A sua constante necessidade de evolução e o gosto pela aprendizagem levam­na a procurar diariamente novos desafios, novas técnicas para a realização do seu trabalho, novos temas e motivos para fotografar, assim como o contacto com profissionais da área e com apreciadores de fotografia, quer pela troca de opiniões / críticas, como pela procura de inspiração e pelo contacto com outras ideologias e formas de fotografar.


projecto

Ancestralidade Espelhada

No presente projecto, com uma afigura­ ção de carácter intervencionista, o objetivo primordial da autora passa por personi­ficar uma problemática com propensão para o crescimento (o aban­ dono e o esquecimento de indivíduos aposentados ou que atingem a terceira idade), ao mesmo tempo que procura imbuir a sociedade duma consciência que estimule o retrocesso deste flagelo. Todos os retratos se apresentam através de um espelho. Esta particularidade surge como uma metáfora dentro do conceito desenvolvido, ilustrando a comparação entre o nosso olhar sobre nós próprios e a forma como somos definidos por outrem. Pela ausência de progenitores, a vinculação da autora a pessoas que atravessam esta etapa da vida revela­se como uma das motivações para a realização deste projecto.


Participa: O Flinpo aceita participações como esta, para os próximos números da FMagazine. Colabora e envia uma apresentação do teu ensaio, projecto, artigo ou portefólio, para o e­mail projectos@flinpo.net. Obtém mais informações aqui.


Flinpo 2012

www.flinpo.net

Flinpo Magazine 005  

Flinpo Magazine - Nº 5 - Agosto 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you