Page 1


CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Flavio Faria Hypolito

Revista

São Paulo 2009


Flavio Faria Hypolito

REVISTA CÓDIGO URBANO Cenários urbanos proporcionam a expressão de pensamentos e criticas à sociedade como forma de arte

Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac - Unidade Lapa Scipião, como exigência parcial para obtenção do Título de Especialista em Design Gráfico. Orientadora: Profa Dra Rita de Cássia Alves Oliveira

São Paulo 2009


Hypolito, Flavio Faria

Revista Código Urbano - Cenários urbanos proporcionam a expressão de pensamentos e criticas à sociedade como forma de arte / Flavio Faria Hypolito - São Paulo, 2009.

64 p.: il. color.; 20 x 26cm

Orientadora: Profa Dra Rita de Cássia Alves Oliveira

Monografia de Conclusão de Curso - Centro Universitário Senac Unidade Lapa Scipião, São Paulo, 2009 Pós-Graduação (lato sensu) - Especialização em Design Gráfico.

1. Design Gráfico 2. Revista 3. Graffiti 4. Cultura de Rua l. Oliveira, Rita de Cássia Alves (Orient.) ll. Hypolito, Flavio Faria lll. Título.


Aluno: Flavio Faria Hypolito

Título: REVISTA CÓDIGO URBANO

Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac - Unidade Lapa Scipião, como exigência parcial para obtenção do Título de Especialista em Design Gráfico. Orientadora: Profa Dra Rita de Cássia Alves Oliveira

A banca examinadora dos trabalhos de Conclusão em sessão pública realizada em _____/_____/______, considerou o(a) candidato(a): 1) Examinador(a) 2) Examinador(a) 3) Presidente


Agradecimentos

Primeiramente agradeço a toda minha família, principalmente aos meus pais, por me ensinarem os reais valores da vida e por terem me mostrado o caminho certo para que me tornasse um ser humano de caráter. Se hoje sou alguém é a eles e meus irmãos que devo meus agradecimentos. Agradeço também aos amigos de sala, Tatiana, Carlos e Annette, que por um ano e meio vivemos bons momentos e pude com eles aprender coisas que levarei para o resto da vida, inclusive suas amizades. E, por último, à todos os professores do curso de Pós-Graduação em Design Gráfico do SENAC, aos grafiteiros Cláudio Donato e Alexandre Órion que me ajudaram e acrescentaram muito para elaboração deste trabalho e meu crescimento pessoal e profissional. Em especial a Profa. Dra. Rita de Cássia Alves Oliveira, minha orientadora.

Obrigado!


RESUMO

Esta monografia envolve a criação e elaboração de um projeto gráfico para o qual pesquisas teóricas e iconográficas se juntam para criação de uma revista voltada para um público alternativo, dá área de design e em especial que goste das culturas de rua. A primeira edição da revista aborda-rá o tema Graffiti, o projeto será dividido em capítulos que levarão muita informação e curiosidades sobre o assunto. Tendo as cidades como plano de fundo e os muros como telas, a interação e intervenção desta arte se torna algo que enche nossos olhos e nos faz refletir. Contando um pouco da sua origem e fazendo um paralelo com o design, tal pesquisa mostrará que a arte do graffiti, vem quebrando cada vez mais barreiras e mostrando o seu valor através de ótimos trabalhos de grafiteiros pelo mundo, tornando o graffiti uma arte cobiçada e cada vez mais institucionalizada. Chegando ao ponto de em um cenário comtemporâneo tal técnica ser absorvida por inúmeros meios de comunicação para atingir o seu público.

ABSTRACT

This monograph involves a creation and development of a graphic project, include theoretical and iconographic researchs joined to create a magazine for a alternative public from design area, in special that enjoys street art. The first magazine edition brings the subject “Graffiti”, the project will be divided in chapters with a lot of information and curiosities about it. Having the cities as its background and walls as screens, the interaction and intervention of this art becomes something which fills our hearts and makes us wonder about it. Through its origin and correlation to design skills, this research will show that the graffiti art has been trespassing boundaries and proving its value through the amazing work of grafiteiros around the world, transforming graffiti into a not only coveted, but institutionalized art. This monograph also intends to point out the fact that this art has reached into contemporary scenery, and it is therefore being absorbed by countless means of communication to get its target.


Sumário

IntroduÇÃo

Arte de rua

------------------------------ 14

----------------------------- 16

Stencil e Graffiti - História

A cidade como tela

---------------- 22

Uma tela ao ar livre para todos

A relação com o design

--------- 26

A apropriação pelos meios

de comunicação

intervenções urbanas

------------ 38

Trabalhos de alguns grafiteiros

PROJETO EDITORIAL

------------------- 56

CONSIDERAÇÕES FINAIS ----------------- 60

Bibliografia

---------------------------- 62


Introdução

14


O interesse sobre a arte de rua e a vontade de

A relação com o design: ponto maior da re-

conhecer mais sobre esse assunto, foram os mo-

vista. É onde o graffiti ganha status, se mostra como

tivos que me levaram a escolher o graffiti como

uma nova tendência ganhando os olhos do mun-

tema para a primeira edição deste trabalho de

do. Aqui será mostrado e comentado também o

conclusão de curso.

caminho que o graffiti está tomando, que ao longo

No decorrer de 64 páginas mostrarei um pou-

dos anos vem moldando e modificando o campo

co dessa arte que faz dos muros de diversas ci-

da publicidade, onde agências de publicidade uti-

dades pelo mundo verdadeiras telas de arte ao

lizam tal técnica para atingir seu público.

ar livre podendo ser vista por qualquer pessoa.

Intervenções urbanas: ponto máximo de

O projeto, uma revista trimestral com o nome

um grafiteiro, berço de fantasias da imaginação,

“Código Urbano”, trás em seu contexto a inte-

as intervenções mostram um mundo que poucos

gração de forma e conteúdo para criação de

conseguem ver. Espaço onde será colocado al-

um projeto gráfico onde pesquisa e reflexão

guns trabalhos onde o mundo real interage com

compõem o conteúdo da mesma, onde capítu-

o da fantasia.

los são apresentados em forma de artigos sempre

Projeto editorial: se trata de uma revis-

abordando assuntos relacionados a arte de rua e

ta com seções não fixas, podendo ser alteradas

a comunicação.

conforme o tema abordado, mantendo somente

Optei em fazer um layout valorizando mais os

as cores, fonte e colunas. Todas as edições terão

espaços em branco e as imagens, deixando para

que ter espaços para inserção de anúncios, dan-

as intervenções nos textos, boxes e manchas nos

do assim sustentação para a mesma.

cantos das páginas buscarem a aproximação com o meio urbano que, no caso, é mais caótico e conturbado.

A revista Código Urbano tem como proposta principal a elaboração de um projeto gráfico contemporâneo, onde elementos

Arte de Rua: consiste em trazer a todos o

gráficos, imagens e textos, formam um

conhecimento histórico do graffiti, seu surgimen-

layout limpo para

to, precursores, técnicas, importância e curiosi-

falar de um as-

dades sobre o assunto.

sunto

que na

A cidade como tela: aqui, mostrarei a im-

maioria das vez-

portância e a função que a cidade tem para

es é visualmente

promover o trabalho de artistas.

caótico.


ARTE DE RUA

COMO, QUANDO

1

E ONDE TUDO

COMEÇOU Derivado

guerra mundial, os nazistas usaram inscrições em

da palavra Italiana

muros como meio de propaganda para provocar

sgraffito (rabisco, ranhu-

o ódio contra os judeus. Entre as décadas de 60 e

ra) o graffiti é uma forma de

70, durantes as revoltas estudantis, os manifestan-

manifestação artística em espa-

tes divulgavam suas idéias com palavras pintadas

ços públicos. A definição mais popular

em muros. Foi nessa época que surgiu a técnica

diz que o graffiti é um tipo de inscrição

do “Estêncil”, uma primeira derivação do graffiti.

feita em muros. Dessa maneira, temos

Já o graffiti contemporâneo começou a se de-

relatos e vestígios do mesmo desde o

senvolver no final da década de 70, em New York

Império Romano, com descobertas

e na Filadélfia, onde artistas como Taki, Julio, Cat e

na Grécia e França, sendo utilizado

Cornbread pintavam seus nomes em muros ou nas

técnicas com argila e anotações ent-

estações de metrô ao redor de Manhattan.1

alhadas em cavernas.1 Mais tarde, durante a segunda

Esse movimento proporcionou a vários grafiteiros um certo conhecimento, possibilitando assim

Os Gêmeos

2

16

Dalva / EUA


“Efêmero por natureza, o graffiti vai da crítica social ao descontraído. Com traços marcantes da pop art em sua estética o graffiti se torna uma expressão artística e humana, conquistando seu espaço na mídia nos anos 80, chegando à Bienal e manchetes de jornais. Sempre com muita descontração, contrapõe-se aos outdoors, não procurando levar o espectador à posição passiva de mero consumidor. É, sim, um convite ao encontro e ao diálogo”. (O que é graffiti - Celso Gitahy)


Grafiteiros nos trens de Nova Iorque / EUA

que certos artistas saíssem da pobreza e do gueto. Primeiramente, os grafiteiros usavam seus ver-

Nos dias de hoje O modelo nova-iorquino do graffiti girava em

dadeiros nomes ou apelidos, mas com o tempo

torno da distorção das letras, com o passar dos

isso mudaria e eles passariam a usar pseudóni-

anos, o estilo original de letras se desenvolveu até

mos, as tags (assinatura chamativa do grafiteiro).

gerar uma grande variedade de formas tipográ-

Com o aumento de novos artistas exibindo

ficas: a legível, o distorcido (wildstyle), os bubble

seus nomes por toda a cidade, os grafiteitos tin-

style e o 3D.1

ham que encontrar novas formas de expor suas

Mantendo a lata de spray como ferramenta

obras, os trens que por percorrer toda a cidade

fundamental para tal arte, grafiteiros do mundo

e algumas vezes outros países, acabaram difund-

todo abrem suas cabeças para as incontáveis

indo o graffiti, tornando-o assim conhecido e ex-

opções de material disponíveis hoje em dia, tais

plorado em outras partes do mundo.1

como: tinta óleo ou acrílica, aerógrafo, giz pastel

O graffiti está ligado diretamente a vários

oleoso, etiquetas entre outros.

movimentos, em especial ao hip hop. Para esse

O estêncil (uso do pincel ou lata de spray para

movimento, o graffiti é a forma de expressar toda

pintar imagens ou palavras através de um gabari-

a opressão que a humanidade vive, principal-

to), que também é uma técnica desenvolvida por

mente os menos favorecidos, ou seja, o graffiti

grafiteiros, colocou e coloca muitos artistas em ev-

reflete a realidade das ruas.

idência. Em especial, aparece o inglês “Bansky”,


17

1

Dave Chino / Nova Iorque / EUA

que com suas figuras irônicas, motivadoras e sem-

de vandalismo e não arte. Assim, muitos artistas

pre muito ousado, tornou seu nome mundialmente

preferem definir seu trabalho como “arte urba-

conhecido, ainda mais pelo fato de ninguém con-

na”, “pós-graffiti” ou “neograffiti”, com o intuito

hecer seu rosto.

de se diferenciarem uns dos outros e não serem

Com a chegada da internet, a projeção e in-

vistos como vândalos.1

stitucionalização do graffiti tornou-se ainda maior.

Mas, felizmente a realidade é outra e o graf-

Artistas, designers e pessoas comuns conseguem

fiti vem sendo visto com bons olhos por países da

ver e ter como referência trabalhos de grafiteiros

Europa, América do Norte e mais recentemente

de todo o mundo.

América do Sul, principalmente o Brasil.

Hoje em dia, muitos falam de um movimento

Hoje em dia, é normal ver um design inspirado

denominado “Pós-Graffiti”, caracterizado por

no graffiti, ou com um estilo de graffiti, seja em

abordagens mais inovadoras quanto à forma e

t-shirts, Cds, posters ou publicidade.

técnica, que vão além das percepções tradicionais do estilo clássico do graffiti. Com isso, muitos artistas tendem a se distanciar dessa palavra (graffiti) porque acham que ela já não é contemporânea e pelo fato de muitas vezes lembrar atos 2 Gillesklein / França


Os Gêmeos / São Paulo / Brasil

No Brasil O graffiti como movimento começa a surgir

Villaça, Carlos Matuck, Hudinilson Jr. entre outros também se destacaram.

em São Paulo por volta de 1978, com o período

Os brasileiros por sua vez não se contentaram

da abertura política. A crescente necessidade de

com o estilo norte-americano, então, começaram

comunicação, insatisfações e desejos da popu-

a modificar a arte com um toque brasileiro. O estilo

lação fizeram do graffiti um meio de expressão

do graffiti nacional é reconhecido e admirado en-

para atingir e emitir mensagens a um grande

tre os melhores do mundo, papel esse, muito bem

número de pessoas que compartilhavam de um

representato por nomes como: Os Gêmeos, Titi

mesmo espaço social: a cidade.2

Freak, Nunca, Nina, Órion, Donato, entre outros.

Mas o nome que popularizou o graffiti no brasil

Antes, já haviam outras formas de manifesta-

foi, “Alex Vallauri”, no final da década de 70, em

ções urbanas no Brasil denominada pichação,

São Paulo. Com seu universo provocativo, sensual,

tendo início com os movimentos estudantis contra

e muitas vezes carnavalesco, espalhou pela ci-

a ditadura na década de 60.

dade botas pretas, luvas, biquínis, televisão e outros elementos de comunicação de massa. Para ele,

“uma das diferenças entre o graffiti e a pichação

o grafite é a forma de comunicação que mais se

é que o primeiro advém das artes plásticas e o se-

aproxima do seu ideário de arte para todos.3

gundo da escrita, ou seja, o graffiti privilegia a ima-

Nessa época, outros nomes como Maurício 1 - O mundo do grafite - Nicholas Gans - 2009 - Ed. Martins Fontes

gem e a pichação, a palavra e/ou a letra” (O que é graffiti - Celso Gitahy, 1999, p.19)

2 - Revista Mural - 2006 - trabalho de conclusão de curso - Senac Lapa - Pós Graduação Design Gráfico - Marcelo Rodrigues Azevedo

20

3 - http://www.stencilbrasil.com.br/home.htm


Alex Vallauri

Hudinilson Jr.

Mascara (stencil) de um dos trabalhos de Celso Gitahy

Mauricio Villaรงa

Carlos Matuck

Carlos Matuck

Rosto de Alex Valauri em Stencil


A CIDADE COMO TELA

FONTE DE INSPIRAÇÃO

E CULTURA AO ALCANCE

DE TODOS

“Paisagens Urbanas, é uma reflexão sobre a arte em

verdadeiras obras de arte.

relação definida com o lugar.” - “Redefinir o lugar

O graffiti só é o que é porque por trás dele tem

da obra de arte contemporânea, a partir da sua inte-

sempre uma cidade proporcionando o pensa-

gração com outras linguagens e suportes.” “É a ex-

mento criativo de um grafiteiro.

periência da metrópole, a cidade como horizonte, que possibilita esse entrelaçamento de linguagens”

“Transformar a cidade com uma arte viva e po-

(Paisagens Urbanas - Nelson Brissac. 1996)

pular e induzir à efetiva participação da comunidade. Eis a minha intenção.”

As cidades são repletas de verdadeiras obras

da

engenharia.

Com

seus

(Alex Vallauri)

prédios

imponentes, suas pontes ousadas e avenidas

Como já dizia Chico Sciense, (...) “A cidade se

largas as cidades estão cada vez mais se

encontra prostituída por aqueles que a usaram

impondo e fazendo de suas construções pontos

em busca de saída”(...). Prostituída. Essa é a pala-

turisticos, onde a mão do homem torna possivél

vra que resume todas essas informações que na

sonhos jamais acreditados. Mas dentro dessa

cidade são depositadas.

cidade existe outra, uma outra cidade que

Políticos, empresas, vendedores, grafiteiros e

poucas pessoas tem o prazer de conhecer,

pichadores, utilizam a cidade como suporte para

é uma cidade formada pelas pessoas que

comunicação, protesto ou exposição gratuita de

mais gostam das cidades, que fazem de seus

sua arte. E é isso que os grafiteiros mais sabem

muros uma ferramenta de sobrevivência que

fa-zer, esplorar o meio urbano, traduzir toda a sua

encanta e enche os olhos de quem passa com

inspiração, criatividade e indignação em forma


23

“São Paulo tem o privilégio de ser a única cidade do mundo a ter um grupo de artistas trabalhando dentro de uma coerência linguística com homogeneidade que não se encontra nem mesmo em New York. Conheço todas as capitais do mundo e posso garantir que São Paulo é o centro do graffiti ocidental”. (Enio Massei - crítico de arte e repórter fotográfico O que é graffiti - Celso Gitahy)

Artista desconhecido / Paris / França


“Encaramos a cidade inteira como uma tela. A cidade nos usa, então temos que usar ela também.” (Os Gêmeos)

Painel pintado em 2008 pelos Gêmeos em conjunto com Nunca, Nina, Finok e Zefix no acesso da avenida 23 de Maio ao Minhocão, no bairro da Bela Vista (680 metros quadrados). Uma empresa contratada pelo programa “cidade limpa” cobriu o mural anterior (2002) de tinta cinza.

24


de arte. Escadarias, becos e paredes transfor-

a transformação constante do design, especial-

mam-se em suportes de diálogos gráficos que

mente o gráfico, que muitas vezes vai buscar nas

atravessam os anos resistindo às rápidas transfor-

ruas sua fonte de inspiração, seja ela tipográfica,

mações de uma metrópole que marca a efeme-

texturas, cores, imagens, estilos ou linguagens1.

ridade dessas intervenções, fazendo dos muros verdadeiras telas e, das cidades, galerias ao céu

“A metropole apresenta-se como panorama

aberto ao alcance de todos.

sumanamente variado e móbil, que abarca seus

A comunicação contemporânea desenvolve-

comportamentos, referências, linguagens e for-

se em estreita relação com essas culturas de rua.

mas de sociabilidade”

São elas que informam, oxigenam e pressionam

(Margulis e Urresti, 1998)

1 - Vida na metrópole: comunicação visual e intervenções juvenis em São Paulo (Profa. Dra. Silvia Helena Simões Boreli e Profa. Dra. Rita de Cássia Alves Oliveira)


RELAÇÃO COM O DESIGN

A APROPRIAÇÃO

PELOS MEIOS DE

COMUNICAÇÃO “O artista de um modo geral tem que sobreviv-

Wave, organizada por Diego Cortez, em 1981, no

er do seu trabalho. Poucos conseguem produzir

PS1, um dos principais espaços de vanguarda de

algo relevante com trabalhos paralelos. A pu-

New York1. Ainda no mesmo ano é inaugurada

blicidade é um poderoso mercado que devolve

pela atriz de cinema underground Patty Astor a

essa dignidade financeira ao artista. Claro que

primeira galeria dedicada inteiramente ao gra-

isso tem um preço e cada artista tenta trabalhar

ffiti, a “Fun Gallery”, no Manhattan’s East Village.

com isso à sua maneira. Eu acho importante que

Cada vez mais, cantores, estabelecimentos,

o artista tenha muito claro alguns limites, ou seja,

autores, campanhas publicitárias, marcas fa-

o que está à venda e o que não está. Vender

mosas nacionais e estrangeiras, utilizam em suas

a alma para o mercado é um preço muito alto

peças gráficas, decoração, e até mesmo em

que a maioria, quero acreditar não está disposta.

suas logotipo, técnicas relacionadas ao graffiti.

Mas é pura ilusão achar que, num mercado de

Um exemplo disso é o “Hotel Fox” (imagens

arte como o nosso, o artista não fará nenhuma

ao lado), www.hotelfox.dk. O Hotel Dinamarquês

concessão. Em resumo, tudo é uma questão de

contratou um grupo de grafiteiros para personali-

equilíbrio. E só se acha o seu na prática.”

zar seus quartos com a técnica do graffiti e não

(Claudio Donato)

simplesmente pintar com cores chapadas. Cada aposento recebeu uma pintura diferente, com

A primeira grande exposição de graffiti foi re-

desenhos que representavam a arte de rua da

alizada em 1975, no Artist`Space, de New York,

cidade em que se encontrava o hotel. Essa mani-

com apresentação de Peter Schejeldahl, mas a

festação representa a apropriação do popular

consagração veio com a mostra New York/New

pelo privado, com a finalidade da construção de


27

Quartos Hotel Fox / Dinamarca


1

uma identidade comercial. A apropriação material de bens vindos do popular, especificamente da arte de rua (graffiti), é uma estratégia de construção de identidade que visa uma maior aproximação com o público alvo (consumidores). No final dos anos 80, e começo dos 90, o graffiti passa a ser visto com outros olhos e algumas galerias ao redor do mundo se curvam para tal arte e abrem suas portas. Grafiteiros que até então eram vistos como vândalos são chamados para expor seus trabalhos. É a institucionalização da estética do graffiti que ganha o mundo da arte Os Gêmeos / Tate Modern / Londres

e posteriormente os meios de comunicação. Assim, entende-se que a institucionalização do graffiti é a incorporação dessa linguagem urbana às produções do circuito oficial das artes plásticas, da mídia de forma geral e de toda uma indústria que comercializa uma vasta série de produtos estampados com imagens inspiradas nos graffitis contemporâneos.2 Na contra mão dessa institucionalização alguns grafiteiros são críticos e vêem com outros olhos essa apropriação. Como é o caso do grafiteiro Chico, integrante da Nação Crew, que diz: “Por mais que, de repente, uma empresa chegue pra mim e fale assim “Faça o que você quiser aí”, eu acho que só por ser uma empresa ou alguma outra coisa já tem uma influência. Já muda, mesmo que inconscientemente, alguma coisa na minha cabeça. Agora, na rua, eu faço o que quero.”

28 Nunca / Tate Modern / Londres

2 Os Gêmeos


“A incorporação dessas formas artísticas pela

“A arte de rua foi apropriada pela publicidade

publicidade se baseia no interesse dela por

da mesma forma que toda a indústria cultural

aquilo que é polêmico, o que faz atingir um

adapta práticas que funcionam bem no cotidia-

maior número de pessoas. Com certeza, a

no cultural popular. A publicidade logo captou a

publicidade é muito influenciada pelo o que

eficiência e a aceitação da arte de rua e quis se

acontece nas ruas. Está infestada de grafite

aproveitar disso de alguma forma. Fazendo isso,

em propagandas dos mais diversos produtos.

renova seu discurso e conquista o público jovem,

É uma questão de aceitação.”

que vive com mais intensidade essa arte.”

(Mário Leandro Rufino - Artista Plástico)

(Luiz Navarro, Coletivo Culundria Armada)

“2nd floor”, campanha da “Ellus” que busca

São Paulo. Da arte underground para o graffiti.

elitizar o graffiti numa campanha nacional, onde

O universo subvertivo como inspiração, o graffiti

25 jovens foram convidados para participar

como linguagem, foram as linhas traçadas pela

do projeto grafitando outdoors pela cidade de

“Ellus” para promover sua marca.


31


Anúncio da “Oi” para revista “Super Interessante” Agosto de 2009 Artista Speto


O graffiti está se tornando cada vez mais uma ferramenta de lucro, tornando-se assim cada vez mais institucionalizado. Até que ponto isso é bom? De fevereiro a maio de 2009,foi exibida no “The Andy Warhol Museum”, em Pittsburgh, Pensilvânia, o “The Vader Project”, com capacetes de Darth Vader customizados por graffiteiros, artístas e designers. A primeira edição do projeto foi no ano de 2007 em Los Angeles, no Star Wars Celebration IV.


33

“Acho que o graffiti é um meio de comunicação.

1

Quanto à apropriação pela propaganda, acho que devem se pagar os devidos direitos da imagem ao artista. Hoje a maioria dos diretores de arte conhece e sabe como contatar pelo menos os grafiteiros maisconhecidos que podem identificar os menos conhecidos. Em relação ha outros meios de comunicação como TV, cinema, revista, internet, acredito que se apropriam dos graffitis com a intenção de representar o ambiente urbano. No fim, servem para divulgar nosso trabalho. O

de comunicação como sintoma de um movimento

problema é que tem muita gente preguiçosa que

cultural de carater popular que hoje recebe louros

não procura identificar o autor da obra e dar os

de erudito pertencendo à coleções e galerias”.

devidos créditos. No mais, o graffiti está nas ruas

(André Monteiro - Pato - Mestre e Bacharel

de todo o mundo e faz sentido aparecer nos meios

em Artes plásticas pela Unesp e Artista plástico) 2

Campanha dupla Apple + Eminem, 2009: Incluindo peças impressas e outdoors com uma estética de arte urbana em meio a fundos com imagens e belíssimos efeitos de graffiti. É um comercial de duas vias, pois anuncia o iPod e a coletânea chamada “Curtain Call”, que será lançada pelo rapper em dezembro. 3

A ação foi feita pela Agência Unitas/RNL da cidade de Santiago, no Chile. O objetivo é comunicar a variedade de cores da marca e dar a ilusão de que o graffiti foi feito com os lápis da Faber-Castell


34


Anúncio do “MorumbiShopping” para revista “Veja São Paulo” Junho de 2009 Artista Tikka


1

2004 - MTV - Ninguém entende melhor a lingua dos jovens Nem sempre entendemos o que muitos grafiteiros escrevem em suas obras e, aproveitando esse mote, a agência Age. espalhou pela cidade cartazes em pontos específicos que “traduzem” esses grafites. Uma bela sacada, criativa e muito barata. 2

2007 - Goodyear - “Viva nas asas da Goodyear” A campanha criada pela agência Y&R, trás em todo o seu conteúdo a estética e o conceito da arte urbana “Graffiti”, para consolidar o conceito de liberdade e movimento, convidando as pessoas a aproveitarem mais a vida.


37

1

Campanha da “Vivo”, entitulada “Pai e Filho” onde oito artistas foram convidados para estilizar a cadeira usada no filme da mesma campanha. Posteriormente essas cadeiras foram leiloadas no Mercado Livre, e sua renda foi revertida para instituições com projetos sociais. 1

2

Capa CD Green Day, 2009

Capa DVD Marcelo D2, 2004

3

Capa CD O Rappa, 2000

“A explosão demográfica das cidades, e o seu

mente, observamos que uma forma artística es-

consequente crescimento desordenado, e a in-

pecifica é retirada de seu contexto original para

dustrialização da construção civil, transformaram

atender à estratégias de mercado. Foi necessário

o espaço urbano em um aglomerado de pessoas

que essa apropriação fosse absorvida pelos mei-

que tentam compartilhar desse espaço, muitas

os de comunicação, de maneira que as empre-

vezes conflituoso, e, por necessidade de comuni-

sas adquirissem visibilidade social e pudessem

cação, surgiram os chamados `meios de comu-

cumprir suas metas comerciais.

nicação urbana`, onde o graffiti é forte represent-

A comercialização e institucionalização do

ante na história contemporânea”

graffiti se inscreve nesse fenômeno geral de con-

(Costa, 1994:74)

versão, que nesse caso do graffiti a baixa seria a não liberdade de pensamento e ação que os mu-

Constatado que o processo cultural é dinâmi-

ros da cidade oferecem, tendo que seguir regras

co e está em constante transformação, atual-

impostas pelo anunciante. Assim o graffiti perde

1 - O que é Graffiti - Celso Gitay 2 - Culturas juvenis no século XXI - Imagens urbanas: alguns aspectos da produção contemporânea de graffiti no Rio de Janeiro (Janice Caiafa e Rachel Sodré)

seu caráter puramente transgressor.


INTERVENÇÕES URBANAS

MUROS

GRAFFITI

INTERAÇÃO Primeiramente, com a intenção de criar

de tal técnica para vender e atingir seu público,

uma marca pessoal, o graffiti veio para sair do

tornando assim, o grafite não mais uma arte de rua

comum, jogar nas ruas uma nova forma de ex-

alternativa e sim um veículo de consumo.

pressão artística, demarcação de grupos, estilos.

Sendo assim, esses graffitis servem para que

No começo, tais artistas (grafiteiros) nem sabiam

as pessoas, andando pelas ruas, possam interagir

muito bem o que estavam fazendo, mas aquele

com a arte, viver, nem que por alguns segundos,

ato de rebeldia, muitas vezes fora da lei, seria o

um mundo de fantasia, ilusão, um mundo projeta-

marco para uma nova estética artistica cultural.

do nos muros das cidades com tinta e criatividade

A cidade se apresenta, o grafiteiro agradece.

que nos fazem sonhar de olhos abertos.

O graffiti fez e faz das cidades em todo o mundo uma grande tela de arte, onde

Grafitar é a atitude de imprimir poesia na arquite-

se tem desde ótimos trabal-

tura da cidade. Quando o artista de rua interfere

hos de arte, criticas ao

poeticamente na cidade, ele quer simplesmente

socie-

humanizar aquele espaço, deixar um rastro, uma

dade, pensam-

marca que acrescente beleza à cidade, ainda que

entos, ideologias,

a beleza seja um conceito questionável. É, antes de

e em uma fase mais

qualquer coisa, um ato afetivo, e claro, de auto afir-

contemporânea

se

mação, de auto valorização. É também um ato de

tornando ferramenta

extrema generosidade, pois bancar do próprio bol-

governo,

38 Donato

da publicidade, onde

so murais e intervenções de rua não é mole não.

empresas se utilizam

(Cláudio Donato)


Isso é um muro Isso é um poema Impresso no muro No muro que esmurro No ex-muro, agora poema. (Claudio Donato)

Vitché / São Paulo / Brasil


41

Banksy Qualquer branco magrela, nascido nas redondezas de Bristol, Inglaterra, há mais ou menos 30 anos, que use camiseta, boné e brinco pode ser Banksy. Visto como o “justiceito” Banksy que prefere ficar no anonimato, surge das sombras com sua latinha de spray e bombardeia os muros ao redor do mundo com imagens contra a injustiça, a guerra e o capitalismo. ( http://www.banksy.co.uk )


42


Nova Orleans / EUA


45


46 Palestina / Cisjord창nea 2005


O duo 6emeia foi criado e desenvolvido pelos artistas Anderson Augusto, conhecido como SÃO, e Leonardo Delafuente, conhecido como Delafuente, moradores do bairro da Barra Funda (São Paulo), onde se iniciou o projeto com o intuito da mudança e transformação do cotidiano. O objetivo é modificar o meio ao qual todos vivemos propondo um novo olhar e uma reflexão para quem passa pelos bairros da Barra Funda, Bom Retiro, Santa Cecília, Higienópolis, Pacaembu e Campo Limpo, que consiste em pintar bueiros, postes, tampas de esgoto e qualquer outro objeto que construa o cenário urbano. Em uma cidade tensa, confusa e mergulhada em cores como o cinza e beje, o duo 6emeia destoa da paisagem com sua paleta de cores, levando vida e bom humor a todos. ( http://www.6emeia.com/ )

1 - http://www.6emeia.com/


49

Órion, 27 anos, nascido na cidade de São Paulo é Designer e Artista Plástico, trabalha com o graffiti linguagem de intervenção urbana desde 1995. ( http://www.alexandreorion.com )


Cláudio Donato artista plástico por profissão e grafiteiro por opção Donato faz parte da geração anos 90 do Estêncil Graffiti Paulistano. ( http://www.flickr.com/photos/claudiodonato/ )

50


53


54


PROJETO EDITORIAL

CONSTRUÇÃO

PASSO A PASSO A partir de uma pesquisa editorial e iconográ-

tos gráficos, imagens e textos, formam um layout

fica realizada, chego ao projeto gráfico da revis-

limpo para falar de um assunto que na maioria das

ta “Código Urbano”. Trazendo em seu contexto

vezes é visualmente rico e caótico.

a integração de forma e conteúdo para criação

Optei em fazer um layout valorizando os es-

de um projeto gráfico onde pesquisa e reflexão

paços em branco e as imagens, deixando para

compoem seu próprio conteúdo da mesma,

as intervenções nos textos, boxes e manchas nos

onde os capítulos são apresentados em forma de

cantos das páginas buscarem a aproximação

artigos, identificados cada um com uma cor.

com o meio urbano, mais poluído e conturbado.

Codigo Urbano é, primeiramente, uma revista de arte visual que articula arte urbana e comu-

A revista será comercializada trimestralmente, vendida em bancas de jornal e galerias.

nicação, levando aos leitores conhecimento e

Primeiramente, gostaria de agradecer três

aprofundamento das culturas de rua e da arte

pessoas que atráves de e-mail e telefone me

que elas proporcionam.

ajudaram bastante na construção desse proje-

A revista tem como proposta a elaboração de um projeto gráfico contemporâneo, onde elemen-

to, são eles: Alexandre Órion, Cláudio Donato e André Monteiro, o Pato, todos grafiteiros.

----------------------------------------------------------------------------------------Temas Como já diz o nome da revista “Código Urbano” os temas serão sempre relacionados com as cidades e principalmente com as culturas de rua, todo assunto que tiver em sua essência as ruas como base de sustenção poderá emplacar um próximo tema. Edição 1 - Jan/Fev/Mar 2010: Graffiti

Edição 3 - Jul/Ago/Set 2010: Hippies

Edição 2 - Abr/Maio/Jun 2010: Skate

Edição 4 - Out/Nov/Dez 2010: Stress


57

painel estĂŠtico / grĂĄfico


PÚBLICO ALVO Perfil demográfico: pessoas de 15 a 45 anos, classes A, B e C. Perfil psicográfico: pessoas ligadas e interessadas em manifestações urbanas, culturas alternativas, freguentadoras de galerias, designers.

----------------------------------------------------------------------------------------Grid / margens / colunas A definição dos elementos básicos de uma revista (layout) são peças fundamentais para um bom projeto gráfico, a harmonia entre formato do arquivo, grid, margens, colunas e entrelinhas são fundamentais para tornar o projeto mais tranquilo e prazeroso. Sendo assim, vamos por partes...O formato da revista é 20x26cm, o grid é composto de duas colunas de 7,6cm cada por página e com 0,8cm de distância entre uma coluna e outra (medianiz). As margens estão definidas com 3cm (superior), 2cm (inferior), 2cm (interna), 2cm (externa) e com entrelinha de 0,7cm. Com essa definição de 0,7cm de entrelinhas o texto quando colocado na página, sempre respeitará as linhas que ficaram alinhadas em relação às outras colunas. Isso não quer dizer que o texto não poderá sofrer alterações na sua diagramação. Poderá ocorrer intervenções nos textos através de imagens e qualquer outro tipo de elemento gráfico, mas a ordem das linhas sempre terá que ser respitada.

Fontes A escolha da fonte foi algo mais tranquilo, pois já tinha definido que queria utilizar fontes de fácil leitura, limpas, sem serifa e que, por fazer um projeto limpo, usaria no máximo quatro tipos de fontes na revista, sendo pelo menos um com o traço que lembrasse o graffiti. Utilizei só duas e a Myriad Pro bold condensed nas legendas.

58


Após estudos, as seguintes fontes foram usadas no projeto da revista: HVD Peace - utilizada na construção do logo da revista, índice, numeração de página, em todas as

chamadas e nos nomes dos grafiteiros na matéria “intervenções urbanas”.

Century Gothic - Regular / Bold / Bold italic / Italic - utilizada em toda a revista, no texto corrido Regular (corpo 9) e em todos os títulos, sempre em caixa alta, alternando o corpo conforme estrutura do layout.

memorial descritivo Nome: Código Urbano

impressão: off-set

Tipo de impresso: Revista

Papel capa: couchê fosco 150g

Periodicidade: trimestral

Papel miolo: couchê fosco 115g

Tema do projeto: Arte de rua, design

Lâminas: 16

Linha editorial do impresso: Experimental

Páginas: 64

Formato aberto: 40x26cm

Número de cores / escala de impressão: 4x4 - CYMK

Formato fechado: 20x26cm

Acabamento gráfico: dobra central, refile e grampo

Pré-impressão: Software/plataforma utilizada para finalização do arquivo de saída: Adobe PDF Software/plataforma utilizados para editoração, manipulação de imagens e criação de ilustrações: In Design, Photoshop e Ilustrator Formato das imagens: Jpeg 300 dpi Resolução impressa a ser utilizada: 300 dpi


Considerações finais

BOM ESTÁ!

MELHOR, SEMPRE PODE FICAR Com a pesquisa feita para criação desse tra-

vemos hoje em dia.

balho, tive a satisfação de conhecer mais sobre

Posso dizer que o processo não foi tão complica-

um assunto que gosto, mas que pela correria do

do, pois tive tempo suficiente e me organizei para

dia-a-dia nunca obtive muito conhecimento.

que tudo corresse bem. Fui em exposições, percorri

O graffiti foi um tema que escolhi de primeira.

bairros e ruas de São Paulo, li muita coisa e, além

Escolhi o tema na entrega do pré-projeto e, com

disso, tive uma ajuda muito grande de dois grafi-

ele, vim até o final. No começo, tinha a certeza

teiros em especifico: Cláudio Donato e Alexandre

com relação ao tema, mas não sabia de que

Órion, que atráves de contato telefonico e e-mail

forma nem como iria abordar o assunto fazendo

me explicaram e auxiliaram em muitas coisas.

essa relação com o design. Mas uma coisa era certa, iria daria certo!

Mas, como em todo trabalho existem os problemas, eles apareceram. Por duas vezes tive um

Com o tempo, fui juntando textos, nomes, ima-

CD de imagens (Donato) estraviado pelos cor-

gens, artigos, livros, tudo para compor um cenário

reios e, no final, acabei ficando sem o mesmo

rico de informações para, aí sim preencher o es-

Máquina fotográfica roubada, difícil acesso com

paço que ainda estava vazio. E foi nas conver-

outros grafiteiros e dias e mais dias de sol sentado

sas e apresentações em aula, junto com alguns

na frente do computador.

colegas de sala e alguns professores(a)

Mas tudo bem. Nesta vida tudo é recompen-

que dei um rumo ao meu projeto de

sado e uma hora meu dia vai chegar. Fora que

TCC. Faria o projeto de uma

tive o maior prazer do mundo em fazer esse trab-

revista com o tema gra-

alho, pois acrescentou em muito meus conheci-

ffiti, abordando desde

mentos em vários pontos.

sua história até o graffiti

Trabalho terminado, pronto para ir para gráfica.

contemporâneo que vi-

Como é chato isso! Mas é de mim, não tem jeito.


61

Depois de tudo pronto, vem aquela voz: “poderia

mais uns três ou quatro estilos de fonte, assim daria

ter ficado melhor”. Realmente, isso sempre acon-

um movimento maior no decorrer das páginas.

tece e nesse projeto não seria diferente. Em uma

Devidas considerações citadas, encerro este

próxima edição, ou se tivesse mais tempo, sei lá,

trabalho muito satisfeito e renovado com pontos

faria um layout mais desconstruído, com mais in-

relacionados ao design, que no decorrer de um

tervenções, conseguiria imagens com uma melhor

ano e meio de curso pude aprender, conhecer,

resolução e reveria a questão das fontes, que nesse

e acrescentar muito conhecimento para minha

projeto só utilizei duas, acho que caberia utilizar

vida profissional e pessoal.

----------------------------------------------------------------------------------------relação das imagens capa - graffiti Banksy, trabalhado com outras imagens no photoshop pag 9 - “O mundo do grafite” - Nicholas Gans pag 10 - Livro Banksy “Wall and piece” pag 12 - Titti Freak - www.tfreak.com/streets.php pag 13 - Imagem da avenida paulista retirada do google pag 14 - Banksy “Wall and piece” pag 15 - Banksy - www.banksy.co.uk pag 16 - 1- Os Gêmeos - www.lost.art/gemeos.htm / 2- Dalva - EUA - www.graffiti.org/index/best.htm pag 17 - banco de imagens - www.photostogo.com pag 18 - Grafiteiros - EAU - “O mundo do grafite” - Nicholas Gans pag 19 - 1- Dave Chino - EUA - “O mundo do grafite” - Nicholas Gans / 2- Gillesklein - França - www.graffiti.org/index/best.htm pag 20 - Os Gêmeos - www.lost.art/gemeos.htm pag 21 - www.stencilbrasil.com.br pag 23 - “O mundo do grafite” - Nicholas Gans pag 24 e 25 - http://www.lost.art.br/muralsp2.htm pag 27 - Hotel Fox - Dinamarca - imagens retiradas do google pag 28 - 1- Os Gêmeos e Nunca - Tate Modern - Londres - imagens google / 2- Os Gêmeos - “O mundo do grafite” - Nicholas Gans pag 29 - www.grafikonstruct.com.br/works/ellus/grafitedeluxe pag 30 e 31 - Speto - anúncio Oi - revista Super interessante, agosto 2009 pag 32 - www.typograff.com pag 33 - 1- André Monteiro - imagem fornecida pelo grafiteiro / 2- www.apple.com / 3- www.typograff.com pag 34 e 35 - Tikka - anúncio Morumbi Shopping - revista Veja São Paulo, junho 2009 pag 36 - 1- www.typograff.com / 2- www.yrbrasil.com.br pag 37 - 1- www.vivo.com.br / 2- www.yrbrasil.com.br / 3 / 4- imagens retiradas do google pag 38 - Cláudio Donato - www.flickr.com.br/claudiodonato pag 39 - Vitché - “O mundo do grafite” - Nicholas Gans pag 40, 41, 42, 43, 44, 45, 46 e 47 - Banksy “Wall and piece” - www.banksy.co.uk pag 48 - 6 e meia - www.6emeia.com pag 49 - Alexandre Órion - www.alexandreorion.com pag 50, 51, 52, 53, 54 e 55 - Cláudio Donato - www.flickr.com.br/claudiodonato pag 60 - Banksy - “Wall and piece” pag 63 - Banksy - www.banksy.co.uk pag 64 - anúncio faculdade Belas Artes - revista ZUPI - ano 03 - edição 01 - www.zupi.com.br


Bibliografia

POR TRÁS DE UM

BOM TRABALHO, SEMPRE EXISTE BOAS

REFERÊNCIAS Sites: http://www.lost.art.br http://colunistas.ig.com.br/street/tag/grafite/ http://www.banksy.co.uk http://www.tiagopimentel.com/blog/tag/grafite/ http://www.stencilbrasil.com.br http://www.alexandreorion.com http://www.lost.art.br/osgemeos_01_08.htm http://www.laurie.com.br/category/geral/grafite/os-gemeos/ http://www.artesubterranea.com/ http://www.flickr.com/photos/claudiodonato/ http://www.grafikonstruct.com.br/works/ellus/grafitedeluxe/ http://www.roadsworth.com/main/index.php?x=browse&pagenum=1&category=2 http://www.graffiti.org/index/best.html http://www.lost.art.br/titi_freak.htm http://www.tfreak.com/streets.php http://www.6emeia.com/ http://typograff.com/ http://www.flickr.com/search/?w=all&q=Graffiti&m=text

http://www.lost.art.br/muralsp2.htm Livros: - Paisagens Urbanas – Peixoto, Nelson Brissac. São Paulo: Editora Senac, 1996 - Comunicação e Sociabilidade – Janice Caiafa - O mundo do grafite - Nicholas Gauz - Ed. Martinsfontes, 2008 - Wall and Peace - Banksy - Ed. Century, 2006 - O mundo codificado - Flusser, - Graffiti Brasil - Manco, Tristan, LOST ART e NEELON, Caleb - Londres: Thames & Hudson, 2005 - O que é Graffiti - Celso Gitay - Ed. Brasiliense

62


Artigos: - A arte de rua entrou na moda - Vida na metrópole: comunicação visual e intervenções juvenis em São Paulo (Profa. Dra. Silvia Helena Simões Boreli e Profa. Dra. Rita de Cássia Alves Oliveira)

- Arte de rua a artes gráficas: paralelos e influências (Ivan Ordonha Cechinel, aluno do curso de Design Gráfico do Centro Universitário Senac - Trabalho apresentado no III Intercom Júnior, 2007)

- A Arte Graffiti e a industria cultural (Jeyson Duarte Martins, Luiz Augusto Seguin e Ruan Carlos Sasaki, alunos de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal do Pará- Trabalho apresentado ao GT Teoria e Metodologia da Comunicação do VI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Norte)

- Culturas Juvenis no século XXI - Imagens urbanas: alguns aspectos da produção contemporânea de graffiti no Rio de Janeiro (Janice Caiafa e Rachel Sodré)

Conclusão de curso: - Revista Mural - Marcelo Rodrigues Azevedo (Pós Graduação em Design Gráfico, 2007 - Senac - Unidade Lapa Scipião) Revistas: - ZUPI - ano 03 - edição 01 - www.zupi.com.br - SUPER INTERESSANTE - agosto 2009 - VEJA SÃO PAULO - junho 2009 - PIAUÍ - novembro 2008


Anúncio para faculdade “Belas Artes” retirado da revista “Zupi” - ano 03 - edição 01

Revista Código Urbano  

Projeto Revista Pós Graduação

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you