Issuu on Google+

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

1


2 Revista Laboratório desenvolvida na Disciplina Produção e Edição de Revistas 6º período de Jornalismo 2º semestre 2009 Curso de Comunicação Social PUCPR Reitor Prof. Doutor Clemente Ivo Juliatto Decano do CCJS Prof. Roberto Linhares da Costa Decano Adjunto do CCJS Profª Marilena Indira Winter Direção do Curso de Jornalismo Profª Mônica Fort Editor de Redação Prof. Cícero Lira (MTB 1681) Editora de Arte Profª Queila Matitz Editores Flávia Zanforlim, Gabriel Bozza, Giovana Gulin Repórteres Amanda Bahl, Ana Carolina Paiva, Andrizy Bento, Anelise Caparica, Arthur Santana, Barbara Albuquerque, Bruna Alcantara, Bruno Manenti, Caroline Brand, Caroline do Prado, Claudia Guadagnin, Daniel Courtouke, Douglas Trevisan, Edu Baggio, Eloá Cruz, Fernanda Berlinck, Fernanda Giotto Serpa, Fernando Zimmer, Flavia Zanforlim, Gabriel Bozza, Giovana Gulin, Guilherme Binder, Guilherme Melo, Gustavo Yuki, Iara Maggioni, Igor Shiota, Jadson Tinelli, João Guilherme Frey, Juliana Lima, Julliana Bauer, July Portioli, Karin Sampaio, Leticia Baptistela, Liz Khury, Lucas Rocha, Marcos Silva, Maria Augusta Zeni Brandt, Mariana Scoz, Mariana Guzzo, Mariana Alves, Marina Salmazo, Natasha Schaffer, Oliver Altaras, Patricia Sheisi, Pedro Henrique Dourado, Renata Muzzolon, Rodrigo Aron, Rodrigo Pinto, Samantha Fontoura, Silvia Cunha, Simone Bremm, Stephanie Ferrari, Tabata Viapiana, Tatiana Olegário, Thainá Laureano, Vanessa Carolina de Lima Ronchi contato flaneur.revista@gmail.com É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização dos artistas ou da edição da revista


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

3

Flanar é apreciar o ludismo e o que é louco em nós Os textos que você vai encontrar na Revista Flâneur são soltos, ousados e irreverentes. A proposta é vivenciar a notícia, romper o compromisso com a formalidade do jornalismo tradicional. Um flâneur é um narrador-personagem que caminha tranquilamente pelas ruas e corre atrás das informações onde os fatos acontecem. Flanar é praticar o jornalismo literário, narrando a notícia com sensibilidade e senso crítico. O olhar é voltado ao detalhe mais simples das pessoas, dos objetos e dos lugares, que permite estabelecer uma relação diferenciada com o espaço urbano, se apropriando dele. Desde os aspectos superficiais de cena até aqueles que dizem respeito à caracterização do personagem devem constar como forma de apuração e detalhamento de uma reportagem flâneur. O flâneur rompe a barreira do espaço público e busca revelar cada personagem no seu íntimo. É necessário desvendar um mistério, entrar no meio da multidão, observar quem passa em cada ponto da esquina, apreciando, refletindo e contemplando a pós-modernidade existente. Esse observador não vive num tempo específico, muitas vezes traz a nostalgia e décadas vivenciadas dos seus personagens. Cada transformação urbana relatada é fruto da percepção e da vivência de cada narrador, o que faz de cada reportagem flâneur uma história única.


4

Vida e Morte

09 A 11 A 13 A

Amar

17 O 19 “G

nunca se Esquece

Tempo no Espaço

s ruas, um bom lugar

bre a janela, por favor verdadeira tristeza da morte

amanhã nunca chega rossas camadas de

23 05 25 UFO: A 27 R 29 N

Pó”

de maio verdade está lá fora

etronado

- Moda Retrô

o íntimo colorido


5

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Droga

que deixa marcas

Vibração no Esporte

Flanando no Tijucas

33 R 35 K

eunião AA riptonina no

39 U 41 C

Cristo Rei

m estádio, muitas histórias riança brincando de ser Adulto

45 O 47 R 49 T 51 B

gênio das lâmpadas

ita e seus 23 familiares na “selva urbana”

ijucas, um lugar de muitas histórias oca

Maldita sem o Boca


6

Vida e


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

morte

7


8


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

As ruas, um bom lugar Adriano Ribeiro, Caroline Brand, Renata Muzzolon, Stephanie Ferrari e Thaina Laureano

J

á era tardar da noite, carros envolviam esquinas das principais Avenidas do Bairro Água Verde. A noite fria e solitária, já não era mais tão silenciosa assim. Por uma dessas Avenidas, mas precisamente, sentada em frente a uma loja de animais, se encontrava Maria Zeferina e seu cão Dylon. Muitos transeuntes sempre passam por ela durante o dia, já estão acostumados a olhar para as feições de Dona Maria. Seu traje cheio de panos coloridos, explica ela, é para ficar mais “chique” e se esconder do frio e do vento que insistem em bater em seu rosto. Dylon, o cão coragem, mais precisamente nas palavras de Maria, fica ao seu lado o dia todo. O animal não tem raça, o que ele tem é um carinho enorme pela dona, que o enche de mimos sempre quando pode. Maria é curitibana, morava com os pais no Xaxim, ambos falecidos, mas chegou um dia que teve vontade de levar uma vida com mais emoção. Largou tudo, morou em alguns lugares que não deram certo, e hoje prefere as ruas. Para Maria, as ruas sempre foram bons lugares. Ela

chegou a ficar um tempo no centro, mas prefere hoje o bairro Água Verde. As ruas são cheias de mistérios, ela sempre vê coisas inéditas e diverte-se com quem anda sem rumo à noite. Próximo de dois bares, o local onde Maria dorme na Avenida Iguaçu serve também de refúgio para alguns jovens depois da balada. Ela conta que tem muitos amigos na rua, principalmente as que são suas “vizinhas”, e também de pessoas que tem comércio por ali. Maria toma café quase sempre em uma confeitaria próxima. Os donos da confeitaria sentem pena por a verem sempre ali. Seu cão emociona e chama a atenção, por ser dócil e sempre acompanhá-la em qualquer situação. Maria não recebe nenhuma assistência da prefeitura, por escolher tomar o caminho de viver sozinha nas ruas para se aventurar. As vizinhas da qual ela sempre cita, se tratam de moradores que vivem em um condomínio ao lado. Dylon, seu cão, tem o apelido por ser corajoso, pois a acompanha desde o Centro, dorme com ela, e não sai de perto. O amigo é companheiro e fiel. Abaixa a cabeça simultaneamente a cada palavra que a dona dá e balança o rabo delicadamente sempre que alguém se aproxima, parece querer conversar.

9

As ruas são cheias de mistérios, Maria sempre vê coisas inéditas e diverte-se com as pessoas que andam sem rumo à noite

Maria não quer e nem deseja sair das ruas. É sua família, tudo que está lá. É sua vida e sua história tudo que acontece também. O rosto já degenerado pelo tempo, as marcas e expressões de vivência, não lhe tiram por um instante a vontade de continuar, e nem muito menos o brilho no olhar. Os cabelos quebrados, as unhas não feitas, também não lhe incomodam. É aqui o meu lugar, insiste. Quando questionada sobre o sofrimento de viver assim, ela não diz em nenhum momento que sofre. Quando perguntada sobre o Brasil, sobre questões sociais, sobre o que acompanhava nos noticiários, apenas diz que só quer saber do bairro Água Verde, e nada mais.


10


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

11

Abre a janela, por favor

“Mas o Colombo-CIC é bem pior”, conformou-se a mulher de saias longas e sacola de papelão que discutia com a colega, em pé, a melhor forma de manter-se pudica nos ônibus de Curitiba. A conversa foi escutada pela metade, não só por mim, mas por todos que estavam sem fones de ouvido naquela viagem do Santa Cândida – Capão Raso. Esse é um tipo de habilidade que a curiosidade me levou a desenvolver nos ônibus: inferir conversas sufocadas pelo barulho do trânsito, pelo começo perdido por um desencontro de pontos de entrada ou pelo interesse que me causam todas as expressões que pululam entre os passageiros. “Passageiro”. Essa é – sem dúvidas – a palavra mais apropriada para definir o comportamento no ônibus. Como naquele momento assim nos sabemos; assim agimos. Nenhuma conversa pode evoluir mais do que o próximo ponto. Nenhuma ação pode ficar pendente; a prorrogação da conversa é, no máximo, o grito através da janela para aquele que já desceu. Mas aí, cuidado! “Esses dias mesmo eu vi um garoto, lá na Estação Central, que se debruçou nas grades em torno do ponto e, de fora pra dentro, roubou o boné do garoto que – até então – julgava-se privilegiado por ser um dos poucos

Por Bruna Alcantara; Guilherme Binder; Gustavo Yuki; João Frey; Mariana Alves.

a sentir um ventinho na cara. E ali, rapaz, na Estação Central... Curitiba tá mudada mesmo”, contou um, tipicamente saudoso, curitibano da Barreirinha. Além de observar o comportamento dos passageiros, o hábito me levou a reparar também nos motoristas e cobradores. Isso já coloca a situação em outro contexto: eles não estão ali de passagem. Isso, na minha análise, explica seus comportamentos. Aquela imponência antipática só pode surgir de um sentimento parelho aos donos de uma casa que, ao abrirem as portas, veem sua propriedade invadida por uma corja de pés sujos, com o odor natural que as 8 horas diárias de trabalho imputam e, no caso de Curitiba, respingos de guarda-chuvas que completam a desordem. Entendamos, seria exagero esperar reações amistosas. Com a simpática exceção dos rebolados tímidos das polacas curitibanas. A conversa entre eles, porém, evolui com uma naturalidade admirável, com aquelas palavras entrecortadas que só funcionam para os que dividem, e sabem que dividem, o mesmo sentimento na mesma situação. “Qual o ponto mais perto da Rua XV?”, perguntou-me uma senhora encoberta pela nuvem de sotaque carioca. Minha reação acostumada a observar; não a interferir, foi súbita: “pergunte ao cobrador, eu desço agora”.


12


13

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Amanda Bahl, Barbara Albuquerque, Claudia Guadagnin e Marina Salmazo

A verdadeira

risteza da Morte

Já dizia Fernando Pes-

soa: “morrer é apenas não ser visto. Morrer é a curva da estrada.” Em anos de trabalho, o poe-

E é nisso que viemos nos empen-

fessa não acreditar no que não pode ver.

hando ao longo dos séculos. Enquanto

“Para mim é tudo fantasia, pura imaginação.

algumas pessoas defendem que a morte

Mas vejo que o pior da morte, é mesmo a

nada mais é do que o fim da vida, outras

dor que antecede o fim.”

a veem como uma oportunidade para o

começo.

quem se casou e se autodenomina “o viúvo

João perdeu as duas mulheres com

Ao mesmo tempo em que filósofos,

negro”. “Enterrei as duas. Foi dolorido, mas

físicos, matemáticos e psicólogos procuram

por ser católico, acredito que a alma per-

desvendar esse mistério, uma outra parcela

tence a Deus e é para ele que deve voltar!”

pela capacidade de adentrar

da população faz da morte o sustento da

no íntimo do ser humano e

própria família: os coveiros – ou “pedreiros”,

já não se lembra de quantos corpos chegou

como preferem ser chamados – enxergam o

a enterrar, mas deduz: “Acho que em uma

revelar suas angústias, in-

processo como algo natural, “parte da vida”,

semana, enterrei cerca de 40. Mas cada sep-

certezas,

como mesmo define Gustavo dos Santos

ultamento é diferente. Alguns são emocio-

Cardoso, 33 anos, há 12 na atividade.

nantes, bonitos, enquanto outros são muito

“Alguns colegas dizem que enxergam

tristes, não só pela dor da família que per-

coisas no cemitério. Esses dias mesmo me

deu a pessoa querida, mas porque fica evi-

falaram que estavam vendo vultos atrás de

dente que o interesse maior é a herança”,

mim. Aquilo não me incomodou. Para falar a

diz ele, lembrando-se de um fato inédito

quista adeptos e incomoda

verdade, acho que isso é falta de reza”, diz

que o marcou.

os céticos.

ele.

ta português se notabilizou

inseguranças

e

desejos. No entanto, a frase que ele criou há pelo menos 70 anos, ainda hoje con-

Em 33 anos de profissão, o pedreiro

“Na hora de colocar o caixão no túmu-

Católico desde a infância, Gustavo

lo ouvi uma gritaria e, quando olhei para

Afinal, o que, realmente, é a morte?

ainda diz que para sua família a morte tam-

trás, dois jovens estavam rolando no chão

Tudo indica que a humanidade não deve

bém já se tornou bastante natural. “No início

e brigando pelo dinheiro que o falecido ti-

chegar a uma conclusão tão cedo. Pelo me-

da minha profissão, minha namorada não

nha deixado. Aquilo sim foi triste”, finaliza

nos, não nas próximas décadas. Enquanto

gostava do meu trabalho. Achava estranho.

ele, de maneira simples, mas demonstrando

isso, o que nos resta é buscar possíveis ex-

Hoje ela é minha esposa e já pede para que

uma percepção de vida e morte que talvez

plicações para essa questão, para alguns,

eu a enterre.”

nenhum estudioso pudesse concluir tão

tão incômoda.

rapidamente.

João Evaldo Jungles, 53, também con-


14

Amar nunca

e


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

a se

esquece

15


16


17

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Grossas

camadas de pó

A

Daniel Courtouke Fernanda Serpa Guilherme Mélo Tatiana Olegario

parentemente é apenas uma casa comum. obrigado a ficar, a falta de companhia, de atenção. Cada pessoa dessa é a peça de um quebraUma convidativa porta de madeira antiga, janelas abertas para deixar o ar entrar e cabeça, que jamais será montado de novo. São Marias, arejar o ambiente e um tapetinho surrado Paulos, Josés, Joanas, Aparecidas, perdidos nessa casa escrito “Bem-Vindo” em frente ao portão. Então você que parece tão aconchegante e convidativa, mas ao pensa: por que não entrar, certo? Mas fique sabendo mesmo tempo tão vazia de família. Muitos já cansaque as pessoas que estão lá dentro não pensam da mes- ram de enxugar as lágrimas, outros ainda choram para se consolar, e sempre há aqueles que esperam pela boa ma maneira. Elas esperam um convite para sair. As pessoas estão sentadas. A idade já dá o as- notícia. E claro, não podemos esquecer aqueles que especto de encolhimento. As rugas, as mãos trêmulas, as quecem. Não podemos de deixar de imaginar a história pequenas manchas na pele, os pêlos grandes demais no que eles imaginam. Não podemos deixar de sorrir os rosto, os cabelos brancos, os passos curtos e arrastados, seus sorrisos. e olhar de quem pede por atenção. Isso é o que você É assim com Manoel Barbosa. Pelo menos é asdepois de atravessar a convidativa porta de madeira. sim que ele diz que se chama. Militar linha dura. Sem A sua frente o senhor idoso e vaidoso já não pre pede pelo seu uniforme. “Cadê meu uniforme?” consegue levantar o queixo e manter-se em postura el- ele pede pra enfermeira. Ou ainda: “Traz meu traje de egante e ereta. Se é a idade? Acredito que seja a triste- gala, hoje meu filho vem me ver”. A enfermeira conza, principalmente a tristeza. A corda, diz que tudo bem e que já senhora que fica no canto direito, volta com a roupa. Dois minutos “Meus filhos me perto da janela, sempre lançando depois tudo é esquecido. Ele não um olhar ligeiro para a rua, como é mais um militar, ele não espera deixaram um dia aqui, se esperando alguém chamar pelo pelo seu filho. Ele é apenas mas falaram que vem me mais seu nome, também conserva sua um velho com o olhar perdido, buscar” vaidade. Mas não para si, e sim que não sabe por que está ali. Ele para aquele que um dia virá buscáé alguém que deu muito trabalho la. Disso ela tem certeza, e não se após apresentar os sintomas do cansa de esperar. Ou aquele outro senhor, que caminha Mal de Alzheimer. para lá e para cá, e simplesmente tenta puxar assunto Já Maria Aparecida de Lourdes sabe por que com todos os que passam por ele. Ele quer compa- está ali. A senhora vaidosa do canto direito, perto da nhia, ele não espera que ninguém apareça para tirá-lo janela. Lembra? “Meus filhos me deixaram um dia dali. Ele simplesmente tenta suprir, no lugar no qual foi aqui, mas falaram que vem me buscar”. É fácil enten-

der dona Maria, pois é mais simples terminar o resto da sua vida acreditando numa doce ilusão do que deixarse amargurar pela dura verdade. Não importa quem são seus filhos, e por que eles a deixaram ali. O que importa é que mesmo a deixando ali, sozinha, eles ainda fazem um bem especial para ela, já que ela alimenta a esperança de revê-los. O mais difícil é dar as costas a tudo isso. Infelizmente, eles não são seus bisavôs, avôs ou pais. O máximo que se pode fazer é dar um pouco de atenção, e pelos sorrisos deles você sabe que é suficiente, pelo menos durante aquele pequeno momento. Mas depois que você vai embora, que as janelas se f�� echam, que o sol deixa de entrar, que o tapete é recolhido e que a porta de madeira é apenas mais uma porta de madeira, eles voltam a ser peças de quebra-cabeças que jamais serão montados, que tentam se encaixar em algum lugar, mas principalmente tentam entender, na escuridão de toda noite, porque aquela grossa camada de tristeza que os envolve não pode ser soprada e lustrada como se fosse uma simples camada de pó.


18


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

19

O Amanhã Nunca Chega

E

Ana Carolina Paiva e Anelise Caparica

u nunca imaginei que quando chegasse ao fim da vida fosse capaz de amar novamente e, além disso, ser feliz novamente. Ainda lembro como se fosse ontem, quando os nossos olhares se cruzaram, não durou mais do que duas batidas de coração para que eu soubesse que os havia ganho. Imaginei que dali para frente a minha vida seria só alegria. Cama quentinha, “casa, comida e roupa lavada”, enfim a vida que qualquer um pediu a Deus. Os primeiros anos da minha vida foram os mais maravilhosos que alguém poderia ter. Mas então começaram as implicâncias porque eu deixava a roupa espalhada, fazia sujeira em lugares que não devia, bagunçava as almofadas da sala e mais uma porção de detalhes que por mim não eram vistos como maldade, mas sim como uma maneira de chamar a atenção e têlos mais perto. Sempre imaginei que o amor que sentiam por mim era o mesmo que eu tinha por eles: incondicional. Não é possível que as pessoas tenham coragem de abandonar alguém tão frágil! Depois desse dia, parecia que minha vida não teria mais sentido. Foram noites dormindo ao relento, procurando comida em qualquer lugar. As pessoas me desprezavam, diziam que não valia nada, que não faria diferença se eu não existisse. A partir daí, meu conceito sobre o homem mudou. Foram quase 10 meses nesse vai-e-vem, tentando convencer quem passava de que eu

não era tão ruim assim, eu só queria brincar, Eu já era mais velho do que os meus irmãos e queria carinho e atenção. Alguns até tentavam estava desacreditado de que ficar comigo, mas assim que eu aprontava algualguém pudesse olhar para mim e sentir alguma coisa, desistiam e me lançavam à sorte noma coisa, até que os nossos olhares se enconvamente. Eu estava quase desistindo, quando traram, senti uma onda de emoção e confusão ela me encontrou. Que mulher boa, que corapercorrer cada milímetro de minhas veias, o ção enorme! Me levou a um lugar onde, eu nem medo da rejeição foi dominado pelo sentimenimaginava, existiam muitos na mesma situação to de amor que eu não sentia há muito tempo. em que eu me encontrava. Lá sim, me senti Como se fosse num filme, vi cada pedaço da miquerido. nha vida passar pelos meus olhos, demorando Passou-se um certo um pouco em cada nova esperança que eu sentempo, muitas visitas de tia até ser enxotado por alguém. desconhecidos queren Era como um mecanismo de defesa me avisando para não sair do local em que eu esdo nos levar para casa, e tava, para não arriscar sofrer novamente por em nenhuma dessas eu alguém que só estava a fim de diversão. Mas fui escolhido. Por mais com ele foi diferente, eu tive a certeza de que que meus olhos brilhasaquele garoto não iria me abandonar na manhã sem, não era o suficiente. Como estava sendo seguinte. E eu estava certo! cuidado, acabei desistindo dessa história de ir Após tantos anos de companheirismo e para cuidados, o pequeno André, que hoje já é adulum lar, afinal A Sociedade to, luta para reverter situações como as que eu de contas Protetora dos Animais passei. Quanto a ele, uma certeza eu tenho: o apesar de abriga hoje, em Curitiba, André não tem um coração que bate. O dele, algumas dimais de 800 animais, entre late. Assim como eu. ficuldades, cães e gatos, que foram aquela boa abandonados e maltratasenhora condos. Mas ao contrário de Zorro – narrador da história “O seguia nos amanhã nunca chega”, nem todos têm a mesma sorte de manter bem. serem adotados, e acabam ficando à deriva e deÉramos pendendo da solidariedade daqueles que ainda se em muitos, quase 900 preocupam em dar, por menor que seja, um pouco na mesma situação que de dignidade para aquelas vidas que sofrem sem eu. O amor extravasava escolhas. Para ajudar, entre em contato através do pelas paredes. telefone (41) 3256-8211 ou pelo site www.spacuritiba. Foi num sábado, pela org.br manhã, que recebemos uma visita diferente.

“Eu só queria brincar, queria carinho e atenção”


20

Tempo

e


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

o no

espaço

21


22

1965

1975

1985 1995 2005


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Memórias reveladas 05 de 1995 Maio 1985 2005

23

Por Andrizy Bento, Letícia Baptistella, Marcos Silva e Samantha Fontoura

No dia 5 de maio de 1965, ele completava 20 anos e não sabia ao certo se o que acontecera no ano anterior fora uma ‘revolução democrática’ ou um ‘golpe de Estado antidemocrático’, para ser sincero, não queria mesmo saber. Sua única preocupação era terminar o curso de datilografia que sua mãe o obrigava a frequentar. Quarenta anos depois, no ano de 2005, nessa mesma data, ele completava 60 anos ao lado da esposa, dos quatro filhos e dos dois netos e a datilografia já havia se tornado praticamente obsoleta. Viu a tecnologia evoluir tão rapidamente que superou sua capacidade de absorver tantas mudanças. Passou por todas elas. Constatou, muito mais tarde, que a vida nada mais é do que um ciclo de notícias rotineiras, completamente previsíveis. Seu Benedito não sabe o que aconteceu exatamente no dia 05 de maio ao longo das décadas desde os seus 20 anos, mas poderia acertar ao menos o rumo das notícias desta reportagem ...

5

19

7

65

19

U

m olhar sereno e um modo pausado de falar. Benedito Ferreira de 64 anos de idade, recorda-se com lucidez de boa parte da infância passada na capital paranaense. Residente do bairro Centro Cívico onde mora com a esposa e é sempre visitado pela neta de 6 anos, Benedito, apesar de aposentado, está sempre fazendo alguma coisa para passar o tempo. Jardinagem, longas caminhadas em praças da cidade, leitura de bons livros e reformar a casa constituem algumas de suas atividades.

Em 5 de maio de 1965, o clássico Barrabás, do cineasta Richard Fleischer, ainda levava os espectadores às salas do extinto cinema Marabá, em Curitiba. Seu Benedito recorda do filme e do cinema. “Algumas passagens, apenas. Preciso revê-lo”. No mesmo dia, Castelo Branco confirmava possibilidade do envio de tropas brasileiras à Guatemala e a manchete que estampava os jornais na data era o início do primeiro Campeonato Paranaense de Futebol. Outra notícia de destaque na mesma data era a visita de governadores do Japão ao Paraná. Ao observar os classificados dos principais jornais, era possível perceber que a experiência em datilografia garantia muitas vagas de emprego para jovens a partir dos 23 anos. Neste ano, o Paraná ainda estava engatinhando na questão agrícola.

Dentre eles, 7 astronautas, 2 macacos e 24 ratos! Seu Benedito acha a notícia curiosa e divertida e diz que nessa época lia menos jornal.

Uma década depois, a já soberana Rede Globo apresentava ao público um novo horário de telenovelas. A faixa das seis da tarde era inaugurada com Helena, adaptação para a teledramaturgia do popular romance de Machado de Assis. Benedito lembra de ter lido o romance de Machado, mas não tinha muito interesse em ver a novela. Nessa data os jornais noticiavam o surgimento da hoje poderosa escola Positivo, o centenário de emancipação da cidade de Jaguariaíva e a legalização do divórcio. Também nesse dia, nascia o cantor Wilson Sideral.

As manchetes dos jornais de todo o mundo não eram muito animadoras nessa mesma data dez anos depois, em 2005. Explosivos eram detonados perto do Consulado Britânico em Nova York. As FARC fazia um novo bloqueio e disparava contra uma ambulância na via Panamericana na Colômbia e soldados americanos presos eram acusados de vender armas para a AUC, também na Colômbia.

Em 1985 uma curiosa notícia estampava as páginas da Gazeta do Povo: a nave espacial Challenger viajava pelo espaço com 33 passageiros.

O mundo espantou-se uma década depois com a maior tormenta de granizo da história dos Estados Unidos na área de Dallas Fort-Worth. Os metereologistas norte-americanos da época disseram que algumas pedras de granizo eram maiores que laranjas. Estas vieram acompanhadas de rajadas de vento de até 140 km/h. Os danos provocados pela tempestade foram estimados em dois bilhões de dólares, o que a incluiu no ranking das dez piores tempestades em prejuízos financeiros da história dos Estados Unidos. A essa altura, Benedito já havia desistido das notícias e sequer lembra-se de ter ouvido sobre esse fato.

E seu Benedito Ferreira? Talvez não se espante com as últimas notícias, talvez não queria nem mesmo lê-las. Já há muito sabe que notícias da guerra ‘são velhas como o tempo’ e acredita que pode ser apenas um novo recomeço do antigo ciclo que já havia constatado.


24 Bruno Manenti, Caroline do Prado e Liz Khury


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

J

á dizia Shakespeare “Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia”. Em 1947 durante a Segunda Guerra Mundial, pilotos alemães e norte-americanos relataram que enquanto voavam, avistaram artefatos luminosos na atmosfera aparentemente perseguindo e observando seus aviões, com manobras incompreensíveis e inconcebíveis para a tecnologia terrestre na época. A partir desse episódio, as pessoas passaram a acreditar na possibilidade de haver vida em outros planetas, e o principal, que esses seres estariam “visitando” o planeta Terra. Muitas pessoas passaram a se interessar e se especializar em ufologia para tentar desvendar esse mistério que até hoje não está nem perto de ser desvendado. Acelino Toczek está entre as pessoas que acreditam na vida extraterrestre. Mas, para quem pensa que Toczek só se interessou pela ufologia quando avistou um objeto no céu, está enganado. O interesse dele vem desde que ele tinha entre 13 e 14 anos. Para entender melhor o assunto começou lendo e pesquisando livros sobre ufologia e também sobre geologia, ciência e ficção. Foi nessa época também que iniciou a participação em eventos sobre o tema. O primeiro avistamento ocorreu quando estava em Piraquara, região metropolitana de Curitiba. “Vi um objeto luminoso, que poderia ser confundido com um meteoro, mas pelo ângulo que se deslocava, e pela velocidade alta não era um aparelho terrestre”, relata. Anos mais tarde quando estava com 19 anos, teve o seu segundo contato na cidade de Curitiba. “Cerca de seis objetos estavam parados em formação, pouco acima das nuvens. O céu estava claro e azul, com poucas nuvens brancas e os objetos estavam sobre elas.

Eram muito brilhantes e quando ficavam atrás das nuvens, desapareciam, voltando a aparecer logo em seguida”, conta. Acelino Toczek ainda presenciou mais uma vez o fenômeno. Desta vez, ele estava na Amazônia, próximo a Belém, acompanhado de sua esposa, que trabalhava na assistência aos moradores da mata, que haviam sido expostas a radiação de naves e acabaram ficando com feridas pelo corpo que não cicatrizavam. Outro interessado em assuntos da ufologia é o escritor e consultor do Fórum Mundial Espírito e Ciência, Alcione Giacomitti. Ele apresentou durante quatros anos um programa de rádio sobre o tema, o Programa UFO: Arquivo Confidencial. Ainda nessa época, trabalhou como produtor de TV e apresentador, produzindo reportagens ligadas à ciência e espiritualidade. Depois foi convidado a trabalhar no SBT a pedido de Carlos Roberto Massa, o Ratinho. Giacomitti conta que o seu primeiro contato com os UFOS aconteceu quando ele tinha nove anos. “Um objeto estranho cruzou o céu sob minha casa. Minha mãe, que estava do lado de fora, me chamou para vê-lo. Quando corri a janela para olhar para fora, vi um objeto de forma discoidal passando a uma altitude normal dos aviões, mas que nesse mesmo tempo acelerou a uma velocidade surpreendente, desaparecendo no horizonte”, conta. Contudo, quando se trata de ufologia, apesar das pesquisas avançadas e dos vários relatos feitos de acontecimentos ufólogos, muitas pessoas não acreditam nesse fenômeno e ficam surpresas todas as vezes que aparece alguma notícia na televisão. Enquanto o mundo se surpreende, os militares juntamente com o governo tratam do assunto com a maior naturalidade e de forma sigilosa.

25 Quando questionado sobre a postura dos governos de manter em sigilo quaisquer informações sobre o assunto, Alcione afirma que acredita que os “governos não divulgam na maioria das vezes pelo simples fato deles não terem quase nada a dizer, exceto pelo fato de existir um fenômeno complexo se manifestando em nosso meio e cujo qual eles quase nada sabem a respeito”. Segundo ele, nenhuma potência mundial, jamais capturou alguma nave espacial acidentada ou mesmo algum ser vindo do espaço. Isso vende muito livro e revista, mas não passam de falsas crendices. “O que existe entre alguns organismos de defesa de alguns países, é de cautela na divulgação desse tipo de informação. Em se tratando de segurança militar, isso é bem compreensível, pois não se pode ficar divulgando que coisas estranhas sobrevoam nossos céus sem que tenhamos idéia do que isso seja.”. Contudo, Giacomitti afirma que existem pessoas sérias que dedicaram parte de suas vidas a essas pesquisas elas concordam, que a única coisa que se pode afirmar disso tudo é que “nós somente iremos compreender melhor esse fenômeno, quando ele próprio se dispuser a nos informar. Por enquanto, restam algumas poucas informações contraditórias, relatos vagos, outros objetivos, mas por demais complexos e que transpassam a nossa capacidade de compreendê-los”. “Enfim, até lá, seremos apenas alguém cruzando uma longa caverna escura que enquanto a atravessa, tenta imaginar o que pode ser aquele chispa de luz ao seu final. Pode ser apenas o brilho do sol de uma tarde de primavera, mas pode ser também alguém vindo no sentido contrário segurando uma lanterna. Quem seria ele?”, finaliza Giacomitti.


26


27

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Retronado Por Carolina, Daniela, Eduardo e Rafaela

R

etrô olha para trás. Ou melhor, vê beleza à frente quando olha para trás. Vê beleza quando desdobra o antigo casaco do avô, ou quando reinaugura o cachecol clássico da avó. O retrô está longe das novidades da moda e, assim, virou novidade. O blassé, brega e rejeitado livrou-se das traças e desfila nas ruas novamente. A parafernália que compõe o estilo retrô é encontrada como que numa caça ao tesouro. Mas, neste caso, não se procura baús em ilhas desertas visitadas por piratas; mas brechós. Em meio a uma porção de roupas de todo tipo, o retrô encontra sua identidade nos brechós e revalida uma porção de estilos postos de lado. Mas seria vago citar o retrô tão somente como uma maneira de vestir-se. O retrô pode se revelar num gesto da mão que segura o cigarro e sustenta o fino fio de fumaça que sobe ao teto. Há uma certa angústia na tragada e no olhar, é claro. Mas seus óculos escuros oitentistas escondem olhos vazios de vida, mas exigentes de uma poesia direta. O retrô gosta de artistas e estilos que ninguém aprecia ou conhece. Ele prefere o vinil ao cd; prefere a calça xadrez ao jeans; prefere bebidas com nomes elegantes à cerveja; prefere paredes roxas com anúncios antigos às paredes brancas e iluminadas. Não assiste TV, apenas filmes antigos; de preferência de estética francesa, bem Brigitte Bardot. E também não compra Gol 1.0. Seu carro é o Fusca, a Kombi, a Vespa; todos pintados com cores frias e púrpuras. As calças justas de cor bege de Diego foram apertadas sob

medida. Do brechó onde as encontrou, veio também um cinto preto com detalhes prateados, um tênis Adidas estilo olímpico clássico, uma camiseta de estampa maluca quase baby-look, uma jaqueta jeans quadradona, e uma boina marrom estilo soviético. Para proteger-se da luz (o sol é uma agressão à estética pálida do retrô), um par de óculos enormes de lentes amareladas. O rapaz caminha pela cidade, muitas tatuagens pelo corpo, corrente na calça, cigarro aceso, e um livro de poesias de Silvia Plath debaixo do braço. Diego tem 22 e adotou o estilo em 2003. Ele e seus amigos usavam uma moda indie mais alternativa que o normal, mas ainda se sentiam limitados dentro das poucas opções oferecidas pela indústria do segmento. Decididos a reviver décadas passadas e inovar diante do moderno, eles encontraram refúgio nos brechós. Uma nota de cinquenta reais rende muitas peças nestes lugares. Já os broches que decoram a jaqueta são feitos por amigos, com mensagens originais ou nonsense. Seu estilo incomoda os olhos, mas conserva um ar de mistério. Nas

orelhas, Diego usa um alargador. A barba no queixo é estilo bode e forma grossas costeletas loiras nas laterais. Um piercing na orelha, outro no lábio inferior. Ao mesmo tempo em que nos chocamos com seu estilo, nos perguntamos como ele optou por ele. O rapaz não liga. Na verdade, é desse jeito para ser invisível. Quando frequenta bares retrô, como o Wonka Bar, no Centro, ele é só mais um. Já nas ruas, é um ser esquisito que procura antipatia e a encontra. Sua angústia se vê completa e feliz. É o preço do sossego. Na tribo de Diego cabe de tudo, quase sempre com a mesma história e inadequação. Ironias fazem parte e, muitas vezes, o retrô vinil junta-se à modernidade eletrônica. Nádia tinha estilo diferente das garotas de sua idade. Enquanto suas amigas estavam na moda e ouviam as músicas das paradas, Nadia sentia uma estranha nostalgia ao ver roupas e ao ouvir canções das décadas passadas. O atual companheiro, Matheus, também circulava por outras décadas. Adorador de Beatles e Elvis Presley, rodava a cidade atrás de discos de vinil. Ela, aos 20 anos, morava no interior de São Paulo. Suas roupas e acessórios eram tão chamativas quanto as de Diego, e tão cheia de acessórios quanto as de Matheus. Mas a adequação se confirma. No figurino, saias compridas e estampadas, blusas coloridas e chinelos. Matheus tocava numa banda de rock. Apresentavase todo fim de semana em um barzinho. Tinha 27 anos, cabelos na altura do ombro e gostava de usar boinas e AllStar. Nadia era adepta da famosa frase hippie dos anos 70, “paz e amor”. O lema era tudo que ela queria. E era tudo que Matheus também procurava em seus discos. Por descuido do destino, os dois jovens adoradores da nostalgia acabaram “se esbarrando” em um dos meios de comunicação mais modernos dos dias atuais: a internet. Hoje, dois anos depois, Nádia e Matheus moram juntos em Curitiba. Dividem um apartamento modesto no centro da cidade. A decoração do “apê” conta com LP’s, uma vitrola e um radio antigo que não funciona. O músico Diego, e o casal Nádia e Matheus resgatam um passado que não viveram entre tanta modernidade existente. Para eles, o retrô e o moderno se completam.


28

h


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

no íntimo Por Julliana Bauer, Mariana Guzzo, Mariana Scoz e Silvia Cunha

Um som ligado, uma vela acesa, incensos e um pacote de biscoitos aberto. O cenário que, se não fosse pelo último item poderia parecer um tanto místico, é o ambiente onde Priscila Dias, de 22 anos, desenvolve sua arte. Dalí, colares multicoloridos, feitos de variados materiais, diferentes do que as frequentadoras de shopping Center estão habituadas a comprar, são produzidos diariamente. E pra criar brincos, colares e pulseiras, Priscila prova que é bem possível dispensar a leitura de revistas sobre alta costura. Afinal, quem deu a ideia de começar a criar acessórios para vender não foi nenhuma revista de moda, e sim a tia Bete, durante um café da tarde. A inspiração vem de tudo que Priscila sente, ouve e vê. Músicas de que gosta e pintores favoritos são constante fonte de idéias, e até mesmo um passeio de bicicleta pode resultar em novas criações. A grande culpada de tudo, aponta, é a mãe. Quando Priscila e a irmã eram crianças, tudo o que era arte era brincadeira, e até mesmo uma fogueira no carpete de casa a mãe das meninas inventou para entretê-las. A “mãe artista” ajudou em muito para a formação da filha, agora também artista. Uma alma livre que permite a criação de uma arte livre. Apesar de possuir porte pequeno, Priscila tem uma imagem marcante. Ela diz que os cabelos com grandes cachos e suas roupas coloridas fazem com que muitas pessoas a estranhem e a julguem esquisita. Mas o que vale são

aqueles desconhecidos que, inesperadamente, interrompem o que estão fazendo para dizer que gostaram do cabelo e das roupas diferentes da menina. E um dos ideais de Priscila é relacionado justamente à beleza feminina. Ela acredita que não existem determinados modelos de roupas para respectivos corpos. Essa história de que uma menina gordinha ou magra demais não tem corpo para determinadas roupas soa absurda para a artista. E por isso mesmo, as fotos de divulgação da marca Intimo Colorido, da qual é dona, são fotos de meninas com uma beleza verdadeira e diferente do encontrado em capas de revista. “Por que eu iria chamar uma modelo para representar minha marca? Quem representa minha marca são minhas próprias clientes, são elas que usam, acompanham e vibram com o meu trabalho, e é essa a imagem que quero vender com o meu produto - essa imagem real.” As clientes de Priscila, que antes eram apenas amigas e pessoas que a abordavam na rua por gostar de seus acessórios, agora são também as frequentadoras da Feira do Largo da Ordem, onde ela vende sua arte para todos os tipos de mulher. As “alternativas” são as que mais compram, porém o desejo de Priscila é que aquelas meninas habituadas a comprar em

29

shoppings também passem a se interessar por seu trabalho. Não pelo consumo, mas como uma forma de abertura para novos tipos de arte. Antes de decidir ser estilista, Sarah Patrícia Bauer, de 21 anos, já quis ser médica, psicóloga e chegou a ingressar no curso de Artes Visuais da Faculdade de Artes do Paraná. A vontade de criar as próprias roupas e acessórios surgiu quando percebeu que as roupas das quais gostava eram muito caras, ou mesmo quando não encontrava roupas de acordo com seu estilo. Então, tirou a poeira da antiga máquina de costura da mãe e começou a fazer cursos de corte e costura. As amigas se empolgaram ao ver as bolsas que a nova estilista fazia, e passaram a fazer encomendas. Sarah gosta de misturar estampas e cores, e prefere criar bolsas em pano a usar couro sintético. O quarto de Sarah se transformou rapidamente em um ateliê, com tecidos, pincéis e livros sobre moda espalhados por todos os cantos. Em Curitiba, diz a garota, há um bom mercado para a moda alternativa, e existem também muitas pessoas produzindo esse tipo de roupas. No grupo de amigas, conhece muitas que também costuram e produzem as próprias roupas, o que permite experiências divertidas de troca de ideias sobre moda. Volta e meia ela e as colegas promovem bazares, onde todas expõem e vendem as criações. E assim, de forma sorrateira, a moda alternativa vai se misturando ao convencional nas ruas de Curitiba. Meninas como Sarah e Priscila mostram não apenas que podem transformar o hobbie em profissão, mas também que não há nada de errado em vestir o que realmente gostam – estejam essas roupas na moda ou não –, mostrando, através da imagem, sua personalidade.


30

Droga que d

m


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

deixa

marcas

31


32

Fernanda Berlinck Natasha Victoria Schaffer Patricia Sheisi dos Santos Simone Bremm Domingos


A Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

33

AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA AA

Um quadro negro e giz branco, algo muito parecido com os velhos tempos no colégio. Cadeiras brancas estão dispostas em fileiras, a frente uma mesa coberta com uma toalha azul que traz em branco duas letras “A” significando esperança para cada um que adentra a sala. Sobre a mesa estão alguns dizeres: “Quem você vê aqui, o que você vê aqui, quando você sair daqui, deixe que fique aqui”. Para quebrar a seriedade do azul intenso, uma pequena coleção de tartarugas ocupa um espaço na mesa. “Elas andam devagar, mas vão longe, como nós”, explica a coordenadora de uma das muitas reuniões dos Alcoólicos Anônimos de Curitiba. Eram 20h15min quando o encontro começou, entre as quatro paredes um tanto amareladas havia uma mistura intensa de sentimentos, mas era o orgulho que se fazia mais presente. Rostos cansados e sofridos deixavam transparecer toda a dificuldade do caminho até ali. A coordenadora levanta-se e escreve no quadro o tema do dia, o plano das 24 horas, em seguida diz seu nome e conta que também é uma alcoólatra em recuperação. A todo o momento é ressaltado, por meio de olhares e gestos, que todos os presentes são iguais, são doentes em recuperação, todos vítimas do alcoolismo. A reunião é uma troca de experiências. Pessoas tão diferentes que descobrem ter vivido realidades muito parecidas. Quem tinha muito, perdeu tudo, quem tinha pouco perdeu também. Os companheiros da associação contam que em sua maioria todos começaram a beber muito cedo, entre 13 e 15

anos. Uns com os próprios familiares aos finais de semana, em bailes, baladas diversas e por fim acabavam suas noites seguindo de bar em bar. A reação das famílias também é sempre a mesma, de alguma forma a família também fica doente, negam a verdade, mentem para os outros, ligam para o trabalho dos dependentes com desculpas para faltar, escondem dos parentes e vizinhos o que está acontecendo e do mesmo jeito ficam deprimidos. Raul*, 49, teve seu primeiro porre aos 14 anos. Por 25 anos bebeu todos os dias. Sofreu vários acidentes de carro, foi duas vezes internado por causa de bebida, se afastou da família, perdeu carro e tudo que estava no seu nome, perdeu também a infância dos filhos. Todo o salário que ganhava gastava com o álcool. Depois de várias promessas quebradas, Raul resolveu ir procurar ajuda. Em 1995 conheceu o AA. Acreditava que assim iria aprender a beber socialmente, e que se contentaria com duas ou três cervejas. “Comecei a ver as coisas diferentes, prosperei bastante espiritualmente. Quando achei que estava bem, parei de freqüentar as reuniões diariamente”, lembra. Vieram os churrascos com os amigos de trabalho até dar seu primeiro gole novamente. No primeiro dia foi um copo, no segundo meia garrafa, no terceiro já não podia mais se controlar. E por cinco anos, se afundou nesta recaída da pior forma que poderia ter feito. Quando voltou ao AA, há quatro

anos atrás, iniciou o tratamento com responsabilidade. Hoje, frequenta sessões de psicoterapia, toma medicamentos e não perde as reuniões. Enche a boca ao listar suas conquistas: pagará o casamento da filha no próximo ano, tem dois carros, casa própria, uma família com quem pode compartilhar tudo e é coordenador da irmandade. Os companheiros, como gostam de se referir uns aos outros, estão ali para se superar como pessoas, enfrentar seus medos e nunca se esquecer do passado. As lembranças são os maiores motivos para continuar lutando e assim evitar o primeiro gole. Sabem que ninguém ganha uma batalha sem lutar, que ninguém é considerado um herói por salvar a própria vida e que parar de beber é apenas o primeiro passo. Para eles, a luta de todos os dias é se manter sóbrio, agüentar as conseqüências do depois e conseguir mudar a vida. Buscam dia-a-dia o resgate da dignidade, o amor próprio e o prazer de reviver, saborear os prazeres da vida, sentir o gosto da realidade e querer conquistar ainda mais. Gostam de ressaltar que, o mais sóbrio não é aquele que está limpo há anos, e sim aquele que acordou mais cedo. Ao deixar a sala de paredes amareladas, deixam-se também os rostos e os nomes dos companheiros. Ainda assim é possível identificar nas caras anônimas que descem as escadas do prédio velho, o orgulho de mais um dia vitorioso em cada um deles. A guerra ainda é longa, provavelmente vai durar uma vida, mas apesar de serem quase abstratos, é possível contar com cada companheiro da irmandade.


34


35

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

e lá foram eles para mais uma noite em claro sob a luz da pedra caramelada, a kriptonita dos baixios.

arthur santana • jadson andré lucas rocha • pedro dourado rodrigo pinto

kriptonita no

Cristo Rei

um encontro com um usuário de crack da classe média

Ir à praça central do bairro Cristo Rei, em Curitiba, às 23h30, não é uma boa ideia. Por mais que o local seja rodeado de residências da classe média da cidade, a praça costuma concentrar todos os “malacos” da região, sempre depois da meia-noite. Mas devido ao nosso estado mental naquela quarta à noite fomos para lá, acompanhados, é claro, de um velho barreiro, uma garrafa de refrigerante de limão quente e com a fumaça das abelhas infestando como neblina, tanto por dentro quanto por fora. Existem dois bancos de madeira que ladeiam o campinho de areia. Do lado de cima fica o parquinho das crianças, a única parte da praça que fica iluminada ao entardecer. Mais abaixo do campinho, atrás do alambrado, fica uma pequena plantação de arbustos, que impedem a visão para a rua inferior. Num piscar de olhos, com auxílio da penumbra que embaçava nossas vistas mais ainda, eis que surge Biela e seus dois ajudantes.

Os ajudantes se ocuparam da função de preparar mais um gole, com a vodka vagabunda e um refrigerante de cola que eles trouxeram numa sacola plástica branca, a única coisa nítida num raio de metros. Nesse momento, a neblina subiu. Qualquer um que não conhece o Biela, como nós não conhecíamos naquela madrugada, consegue facilmente arrancar o passado dele em pouco tempo. Ele sempre fala demais. Magricelo e loiro com os olhos claros de um descendente de alemães, usa um boné velho da Nike, calças jeans e um sapato social preto, e se diz o melhor mecânico das concessionárias da avenida Vitor Ferreira do Amaral. E por este dom se livrou de um cano de uma escopeta calibre 12, enfiado dentro de sua boca por um policial militar. “‘Você gosta de uma brita?’ O cara da Rotam me disse. Isso foi depois de ele perguntar o que eu tinha escondido no poste da esquina de

baixo da pracinha. Não menti porque já sentia o gosto amargo do bafo da pólvora na minha garganta. Respondi: ‘duas buchas de pedra senhor’. Logo em seguida veio a coronhada e a ordem para buscar o bagulho escondido. Quase chorei, mas nem sabia que isso não era nada perto do que iria rolar quando eu voltasse com as duas buchas na mão”. Esses crackeiros, principalmente os de classe média, que são mais instruídos, costumam vir com essa história de “abrir o jogo” justamente quando querem algo em troca, ou quando querem ‘pescar’ o interlocutor com algum objetivo, que nunca se sabe qual é. Geralmente é mentira, mas como dissemos no começo, devido ao nosso estado mental naquela quarta à noite, firmamos o contrato e aceitamos a narrativa até o fim. “Tive que engolir as pedras. O cara da Rotam me obrigou. Nessa hora pensei que o caminho que seguiria depois dali era a delegacia e depois ‘Piraquara’ (Centro de Triagem II, carceragem que fica em Piraquara, região metropolitana de Curitiba). Sorte que o motorista da viatura me reconheceu. ‘Bieeela!’, ele disse. Depois explicou para os companheiros que o carro da mãe dele, um Gol 98, estava com o motor desenganado e que me conhecia da oficina. ‘Esse cara é bom, é bom mecânico, trocou umas duas peças e a velha saiu com o carro de boa outra vez’. Salvo pelo cara, né? Me liberaram. O martírio foi a azia e a diarreia. Menos mal”. No auge da conversa, os dois ajudantes já mordendo as orelhas de ansiedade, como se fosse à milionésima vez que escutavam a mesma história, intimaram: ‘Vamos nessa aí Biela!’. E lá foram eles para mais uma noite em claro, sob a luz da pedra caramelada - a kriptonita dos baixios.


36

Vibração

e


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

o no

esporte

37


38


39

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

ESPORTE

Um estádio, muitas histórias

Douglas Trevisan, Giselle Farinhas, Igor Shiota, Mariana Virgilio, Oliver Altaras, Rodrigo Aron

H

á 50 anos o Estádio Durival Brito sediava a principal competição mundial de futebol, a Copa do Mundo. Passaram pelo estádio em Curitiba, Suécia, Espanha, Estados Unidos e Portugal. Hoje, quase 60 anos depois, ele é sede de um time com menos de 20 anos, o Paraná Clube. Dentre os grandes paranaenses, é o mais novo, criado da fusão entre Pinheiros e Colorado. Sua principal torcida organizada é a Fúria Independente, que acompanha o time em todos os momentos. Assim como toda torcida, os apaixonados pelo time estão nas mais diversas classes sociais, etárias e étnicas, porém, dentro do fervor de uma partida, são todos iguais. São todos torcedores. Na hora do gol, todos festejam juntos, na hora de levar o gol, todos lamentam juntos. Quer evento mais democrático? Conhecido como Seu Zé, José dos Santos, é, há 50 anos, zelador do Durival Brito, a conhecida Vila Capanema. Mesmo antes da criação do Paraná Clube, ele já cuidava da sala de troféus pertencentes ao antigo

Colorado. Participou de toda a história do clube e do estádio, é conhecido como o “guardião da vila”. Tudo isso pelo amor ao futebol e ao clube, que hoje é grato à dedicação do apaixonado torcedor. “Nunca pediu nada para a diretoria, sempre humilde e disposto a ajudar qualquer um que chegar aqui (Vila Capanema)”, contou Fábio Figueiredo, antigo torcedor e freqüentador da Vila. Para seu Zé, o trabalho dele já foi remunerado, porém, faz mais de 23 anos que o trabalho é voluntário. É dia de jogo, o estádio não está muito cheio. O time está na segunda divisão, a situação não é das melhores. Curioso notar que, independente da situação do time, o clima que ronda o estádio, em especial a torcida organizada, é de que o time está disputando o título de uma grande competição. O apoio é irrestrito. Na última partida na Vila Capanema, um empate por 1x1 com o Juventude, não satisfez os presentes, no entanto, no próximo jogo, eles estarão lá também. Nessa partida, o Juventude saiu na frente com um gol que desanimou, em

parte, a torcida. Os mais apaixonados não desistem tão fácil, e o gol de empate explodiu a torcida. A esperança acabou com o apito final e o resultado foi considerado medíocre. “Passo frio, chuva, gasto dinheiro e o time não mostrou o que a gente estava esperando. Mas no Próximo ‘tamo’ aí”, disse o conformado torcedor tricolor, Olavo Diniz. Com uma simples observação, fica notório o quanto é complicada a vida de cada um presente no jogo. As expressões no rosto do torcedor mostram que o dia não foi fácil. Trabalho, filhos, contas pra pagar. O jogo, a torcida, os gritos de raiva, de amor, tudo isso no momento em que todo o resto dos problemas parecem sumir. Seria a válvula de escape para muitos que ali estão. O time ganhando ou não, parece que o que importa é estar presente naquele momento. São muitos anos de histórias e acontecimentos na “Vila mais querida” que não podem ser esquecidos. Que nos próximos 50 anos, a história do futebol paranaense continue com um estádio, e muitashistórias.


40


41

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Ninguém nunca tinha ensinado o porquê precisávamos vencer e o quanto isso teria reflexos na nossa carreira.

criança adulto brincando de ser

iara maggioni • karin sampaio tabata viapiana

A rotina começava cedo, 6h30 já era hora de levantar, tomar café e ir para escola. O quarto, bastante desarrumado, era dividido com mais outro amigo, que também levantava no mesmo horário. Os dois seguiam para o refeitório. Era dia de bolo de banana com Nescau, “o melhor café da manhã”, segundo Fagner. Eram 20 minutos para comer, pois a van que os levaria para a escola já estava à espera. Fagner e Juninho seguiam até o portão de saída. No caminho, encontravam mais outros colegas que iam na mesma direção. Todos meninos de 10, 11, 12 e até 15 anos, se dirigindo para a Escola Júlia Vanderlei, que fica no centro da capital, tão distante da pequena cidade onde Fagner nasceu. Com 11 anos, Fagner veio para Curitiba. Seu sonho sempre foi o de ser jogador de futebol. Sonho, talvez, hereditário, já que seu pai se imaginava assim, conseguindo até ser titular em um grande time de uma cidade do interior. Aos 10 anos, Fagner já chamava atenção de quem ia assistir aos jogos do São Lucas Futsal.

O time era tradicional na região noroeste do Estado, e Fagner foi, por muitas vezes, artilheiro dos campeonatos que disputou. Aos 9 anos, um “olheiro da capital” fez o primeiro contato com seu pai, falando do interesse de um grande clube pelo talentoso Fagner. Donizete mostrouse bastante interessado, afinal as chances de ver seu filho como profissional poderiam estar nesse primeiro contato. No entanto, Arlete, a mãe, achou que ainda era cedo para deixar seu “caçula” ir embora. Dois anos se passaram, e, mesmo sem o conhecimento de Arlete, Donizete mantivera contato com Márcio, o olheiro. Era novembro de 1998 e o Coritiba Futebol Clube estava em processo de recrutamento de novos meninos para as categorias de base. Márcio entrou em contato com a família de Fagner e, após muitas conversas, ficou decidido que ele viria “tentar a sorte” na capital. E em janeiro de 1999, Fagner partiu. A adaptação não foi fácil. Morar longe de casa, longe dos pais e da família, e ainda por cima

em uma grande cidade onde é muito difícil se encontrar conhecidos, não foi uma tarefa fácil. Por muitas vezes, Fagner lembra de ter ligado chorando pedindo para desistir. “Pelo menos duas vezes na semana eu pensava em ir embora. Ligava pra casa e pedia pra voltar. Minha mãe dizia que viria me buscar, mas meu pai mandava continuar”, recorda ele. E assim foi por alguns anos. A rotina não era fácil. Acordar cedo, ir para escola e treinar todas as tardes de segunda a sexta. O treinamento, mesmo não sendo profissional, exigia bastante e era cansativo. Por mais que soasse apenas como diversão, sempre havia um profissional acompanhando tudo. “Todo menino gosta de jogar futebol, mas a nossa brincadeira era séria. Muitas vezes os treinadores brigavam se a gente fazia gracinha ou dava um passe só pra brincar”, lembra. Além dessa rotina diária de treinamento, muitos eram os campeonatos que Fagner disputava: metropolitanos, paranaenses e alguns nacionais. Ele conta que foi durante um desses jogos que teve certeza de que estava no caminho certo. “O legal era quando a gente ia disputar campeonato. Por maiores que fossem as tensões todo mundo gostava. As orações dentro do vestiário, eu sempre lembrando do meu pai, as comemorações quando ganhávamos, tudo isso era muito gostoso. Toda aquela preparação pra entrar em campo, o nervosismo, o treinador dizendo pra gente ficar calmo e isso só deixava mais nervoso. Essa parte do futebol é que encanta e faz com que a gente aguente todo o resto”, recorda com saudade. Os jogos e campeonatos também eram levados a sério, e a pressão sofrida, por menor que fosse, já fazia diferença na vida dos meninos. “A gente estava ali mais pra brincar e fazer o que gostava. Ninguém nunca tinha ensinado o porquê precisávamos vencer e o quanto isso teria reflexos na nossa carreira”, conta Fagner. Ele e os outros meninos da sua idade não sabiam que a todo momento estavam sendo analisados e observados. Não sabiam que semanalmente haviam relatórios produzidos pelos treinadores, e muito menos que todas as medições de massa, peso e resistência tinham a ver com o futuro profissional deles. Na época quase nenhum sabia realmente aonde poderiam chegar como atletas profissionais.


42

Flanando


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

no

Tijucas

43


44

s

ê G n io d a s o a L â m pa d


O

45

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

nome da loja foi inspirado na história que veio da literatura persa: As mil e uma noites, conhecida atualmente pelos desenhos da Walt Disney, o menino que encontra uma lâmpada mágica e, ao tentar limpá-la, descobre que dentro dela mora um gênio. Aladim anda

sempre com sua lâmpada mágica, e, precisando de uma ajudinha, ele esfrega a lâmpada e faz um pedido para seu fiel amigo, o gênio. Miguel Abdallah Zahdi abriu sua lojinha de roupas no centro da cidade de Curitiba. O movimento das vendas foi aumentando e o comerciante foi buscar novidades na capital paulista. Na época, o Positivo, que era um colégio pequeno, pedia para seu Miguel trazer

lâmpadas

de

São

Paulo.

O

negócio

deu

certo.

As lâmpadas iluminaram a vida de seu Miguel. A loja de confecções foi

trasformada em um comércio de lâmpadas. Começou com uma

representação pequena, mas parece que o gênio também deu uma forcinha para seu Miguel. Hoje a lojinha importa e vende lâmpadas de todos os gêneros, para hospitais no uso de raiox,

dentistas,

gráficas,

escolas,

a

lista

é

interminável.

A loja Aladim Importação e Comércio de Lâmpadas LTDA está localizada no Edifício Tijucas, no 11º andar. O lugar escondido contava com a divulgação “boca a boca”, até seu Miguel ficar conhecido. Depois ita são Aos

de

que

30

seu

Sírios 72

anos,

anos talento

vendendo para

e

também

seu

Miguel

lâmpadas,

vendas

veio

trabalhavam é

uma

seu

Miguel

do

seus

como

referência

na

acred-

pais,

que

comerciantes. cidade

quan-

do se trata de compra ou manutenção de lâmpadas, ele mesmo brinca que é conhecido com Miguel, “o gênio das lâmpadas mágicas”.


46

Rita e seus 23 familiares na “selva urbana�


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

O

que vamos relatar é uma incrível e fantástica experiência no apartamento 2409 do Edifício Tijucas. Chegamos ao fim do corredor do andar, tocamos a campainha, as luzes se ascenderam, e detrás daquela porta sai uma carismática senhora trajando um roupão cinza escuro. Olhar de desconfiada, reflexos lentos e um leve sorriso no rosto são as expressões de Rita Aparecida Josli, 77 anos. Ao abrir a porta de seu apartamento de 56 m2, logo sentimos um ar frio encanado vindo em direção de nossos rostos de alguma janela do ambiente. Vovó Rita como é carinhosamente chamada por seus parentes e vizinhos já foi logo pedindo desculpas pelos outros membros da família serem tão “antissociais”. Porém ao dar o primeiro passo para dentro daquele ambiente frio, não imaginaríamos que teríamos uma grande surpresa. No segundo passo já pudemos ver que aquele cenário remetia a algo nunca imaginado - ela divide espaço com uma verdadeira “selva urbana”. São nada menos que quatro gatos – Fê, Mancha, Minky, Tafarel - e 18 passarinhos – desde periquitos, canários, agapórnis, uma calopsita, um pombo e um papagaio – dão o ar da graça ao perceber nossa entrada na pequena residência do 24º andar. Para os senhores terem uma ideia, o amor dela é tanto que um dos quartos foi transformado num viveiro. Com as luzes da sala acesas e com nossa aproximação as gatas logo se escondem, os pássaros piam e o papagaio aproxima-se, olha com o canto do olho, e passa por trás de nós caminhando no chão de madeira como se nada tivesse acontecendo. Numa rápida observação, nos deparamos ainda com vasos de plantas – 130 mais precisamente –, e aquários espalhados pela casa. Ainda tivemos o cuidado para que não pisássemos nos vários potes com ração e água espalhados pelo chão de toda casa. Além disso, uma olhada rápida para o outro canto e é possível observar a coleção de corujas de diversos materiais e tipos nas estantes, assim como os inúmeros discos de vinil e uma coleção de fotografias que retratam as diversas fases de crescimento das plantas e bichos da “ecológica” vó Rita. Essa visão inusitada logo dá lugar à descontração do ambiente. Gatas se esfregam em nossas pernas, a calopsita canta, e o local se transforma e a melodia parece ecoar numa

perfeita harmonia. Umificador ligado e as janelas abertas, que segundo Rita são fundamentais para ventilação e “estão sempre assim, dia e noite, verão e inverno”, por gostar de “sentir o ar entrando” são o motivo daquele ar gelado. Ela conta emocionada e orgulhosa que sua filha, Mauren Joslin, é bióloga e diretora do Parque Nacional de Ilha Grande. Com essa função, ainda sobre tempo para trabalhar no diretório regional do IBAMA. A jovem também fez parte da Sociedade Protetora dos Animais, e na época em que acumulava essa função fez com que o apartamento de sua mãe virasse um centro de recuperação dos pássaros feridos. Hoje é possível ver que dona Rita tem amor e carinho para dar e vender aos seus bichos, ela faz tudo o que eles querem e os animais parecem retribuir com os mais diversos sons e formas essa satisfação de ter uma “mãe” tão zelosa. Compartilhando alegria e carisma com todos, ela mostra que é possível dividir o apartamento com mais “gente”. Ou seja, 23 filhos. Não é uma arca de Noé, mas quem diz que depois dessa constatação num apartamento simples não se pode viver em companhia de animais e construir uma verdadeira mata atlântica em casa.

47


48


49

Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

Tijucas, um lugar de muitas histórias

do doado a Nei Leprevost pelas freiras da Santa Casa de Misericórdia. Localizado próximo a Praça Osório, o Texto e diagramação por Flávia Zanforlin, Giovana Gulin e Juliana Lima

O

edifício ainda é um dos lugares mais movimentados da cidade, desde 1958, quando foi inaugurado. Reúne espaços residenciais e comer-

Edifício

Tijucas,

que tem sua história contada por fatos e

lendas, já foi o maior prédio de Curitiba, sendo o primeiro com 32 andares. Um dos contos mais populares a respeito do local é o da Loira de Vermelho. Reza a lenda que no início dos anos 60 residiam um alfaiate e sua esposa. Ela sofria de problemas neurológicos, e quando surtava falava sozinha pelos corredores. Suas crises geravam especulações entre os moradores do prédio, a mais comum delas de que a moça tinha problemas espirituais. Durante uma alucinação, a loira, que estava vestida com uma camisola vermelha, jogou-se do prédio. Essa história é repetida até os dias de hoje por moradores e fofoqueiros. Tijucas, que inclusive significa pântano assombrado em TupiGuarani, segundo historiadores foi construído sobre um banha-

ciais em dois blocos. O primeiro tem 12 andares comerciais e 17 residenciais e, está de frente para o calçadão da XV, na Av. Luiz Xavier, a menor em extensão do mundo. E o segundo possui 21 andares comerciais com vista para a Rua Cândido Lopes. Totalizando 419 apartamentos. Na década de 70, o Tijucas ficou conhecido como o “reduto dos alfaiates” com o número elevado destes profissionais no local. A maioria deles não está mais lá. No prédio, as pessoas ainda encontram quase tudo, roupas, ótica, lanchonetes, farmácia, salão de beleza, alfaiate, tabelionato, entre outros serviços. Por lá passam entre 4 e 5 mil pessoas diariamente. O Edifício se tornou um símbolo do progresso de Curitiba. Por muito tempo, as pessoas se deslocavam até o centro com a exclusiva finalidade de conhecer o Tijucas. Os primeiros estúdios do Canal 12 era um dos pontos mais atrativos do prédio, sendo muito freqüentados por artistas. O Edifício Tijucas ainda guarda muitas histórias, e outras ainda serão escritas.


50


Flâneur :: Revista Literária produzida pelo 6º período de Jornalismo da PUCPR :: 2º SEMESTRE 2009

O

Boca Maldita sem o Boca

nde antes havia um ícone tradicional da cidade provinciana, hoje há um ícone da modernidade. Lugar de encontros e conversas sem pressa regadas a café e política que cedeu espaço às refeições rápidas e globalizadas. Saudosismo presente em muitos curitibanos que não viveram em Curitiba do século passado em choque com a realidade ativa e a lucidez daqueles que viram a cidade expandir além do que a visão poderia acompanhar. Figuras que freqüentavam a Rua XV de Novembro há décadas e acompanhavam de perto a tomada da rua por grandes empreendimentos, lojas modernas e fast-foods, contraste sempre crescente, do novo e do antigo. Cinemas de rua, lojas tradicionais e cafés compunham o cenário efervescente da Rua XV, resquícios de um passado borrado pela

expansão e crescimento da cidade. Preservando a memória daqueles que fizeram parte desta história, permanecia, quase intacto, o Café da Boca, na loja 01 do tradicional Edifício Tijucas. Quase 50 anos de história – mais antigo que o próprio calçadão da Rua XV, que completou 37 anos neste ano. Este espaço cedeu lugar à rentabilidade da apressada vida moderna. E adaptandose à essa realidade, estão muitos “velhinhos”, figuras constantes da Rua XV e freqüentadores assíduos do Café da Boca. O Café da Boca era um ponto de encontro da Rua XV, fechado desde 2008, reduto da masculinidade curitibana. Antes do Café da Boca existia o Café Tingui, localizado onde há muitos anos está a já tradicional Confeitaria das Famílias. Depois disso, a efervescência da Rua XV mudou-se para o Palácio Avenida e, então, surgiu o Café da

51

Boca, que por anos foi o principal ponto de encontro do calçadão. “E agora que a gente não tem mais o café, vamos a outros que existem por aqui por perto. A vida é assim, as coisas mudam”, disse, conformado, Aureliano Gonçalves, 82 anos, morador de Santa Felicidade, e que todos os dias vai à Rua XV “encontrar os velhos amigos”. Além de Aureliano, o senhor Reynaldo Fagundes, 78 anos, também é freqüentador da Boca Maldita há mais de cinco décadas, e lamenta o fechamento do Café, mas não o considera como o fim da Boca Maldita. Para Fagundes, é necessário ceder espaço à modernidade, e considera: “nós somos como uma árvore, bonita quando nova e, com o passar do tempo torna-se torta, seca, grossa. É preciso renovar-se e acompanhar o progresso”.

“ É preciso renovar-se e acompanhar o progresso”


52


REVISTA FLÂNEUR