Issuu on Google+

Adeus problemas financeiros

Hidro personal

Você fala a língua deles?

Os seis pecados capitais na gestão de

cresce a procura por especialistas

estratégias de marketing das academias

academias. como evitá-los?

em atividades aquáticas

para se comunicarem com a 3ª idade

FitnessBusiness LATIN AMERICA

abr/mai

2011 no 52

publicação especial

a! a feir r e z a a de f ue estarão na É hor al tos q en cion Lançam Brasil Interna ess 21ª Fitn

Material Madonna torna-se empresária no fitness. Após abrir unidades da rede de academias Hard Candy no México e na Rússia, diva pop afirma, em entrevista exclusiva, ter planos de expandir negócios, inclusive no Brasil

girl

E mais: lançamentos em tênis para corridas, nadadeiras e palmares

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS 1 para aulas de natação e a chegada da Zumba ao Brasil

2 Fitness Business | mar/abr 2011

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

3

2 Fitness Business | mar/abr 2011

Sumário

FitnessBusiness LATIN AMERICA

Conselho Editorial

CAPA Madonna lança rede de academias no México e na Rússia e revela ter planos para investir no cenário fitness brasileiro. Hard Candy oferece programas de aulas coreografadas, baseadas nos ritmos mais admirados pela diva pop

35

44 52

E mais: 05 Termômetro 06 Websurf 08 Entrevista:

Alberto Perlman 11 Vitrine - Tênis para corrida 14 Mercado & Tendências Equipamentos licenciados 18 Eventos Cobertura - IHRSA (EUA) 22 Mercado & Tendências Quando a vida imita a arte 26 Gestão Adeus problemas financeiros 29 Guia de compras 40 Inovação Equipamentos funcionais 42 Caso de Sucesso Maria Luíza Coelho 44 Carreira Hidro personal 48 Mercado & Tendências Grupos de corrida 52 Blitz do bem-estar Marketing para 3ª idade 56 Equipamentos & Cia Acessórios aquáticos 58 Artigo

Presidente do Instituto Fitness Brasil: Waldyr Soares CEO e Presidente da IHRSA: Joe Moore Fitness Brasil Contato: Gustavo de Almeida gustavo@fitnessbrasil.com.br IHRSA Contato: Jacqueline Antunes ja@ihrsa.org

Projeto Editorial e Redação

Rua Sud Menucci, 154 – Vila Mariana CEP: 04017-080 – São Paulo – SP – Brasil Tel./Fax: (11) 5080-9100 Diretora de redação: Leila Gasparindo – MTB 23.449 legaspar@tramaweb.com.br Editora-chefe: Helen Garcia – MTB 28.969 helen@tramaweb.com.br Editor: Adriano Zanni – MTB 34.799 adriano@tramaweb.com.br Reportagens: Adriano Zanni, Cláudia Dias, Danilo Sanches, Juliana Lanzuolo e Marcelo Jucá Projeto gráfico e diagramação: Arthur Siqueira Revisão: Gisele C. Batista Rego (Istárion) Para assinar e/ou anunciar: assinaturas@fitnessbrasil.com.br Fone: (11) 5095-2699 ramal 635 Impressão: EGM Gráfica A Fitness Business Latin America é uma publicação bimestral do Instituto Fitness Brasil em parceria com a IHRSA. É editada pela Trama Comunicação que não se responsabiliza por informações, conceitos ou opiniões emitidos em artigos assinados, bem como pelo teor dos anúncios publicitários. A tiragem desta edição, de 10 mil exemplares, é comprovada pela BDO Trevisan.

Siga-nos no twitter: @fitbusinessla

Estamos também no Facebook: Fitness Business

Parceiros Oficiais

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

3

Editorial Reconhecimento internacional

divulgação

m

ais do que trazer Madonna na capa, a atual edição da Fitness Business está recheada de inovações e discussões sobre tendências que, certamente, ditarão os rumos da indústria do bem-estar nos próximos anos. A própria intenção da diva pop em investir no cenário fitness, disseminando sua rede de academias ao redor do planeta e com fortes planos de abrir unidades no Brasil, denota claramente a pujança do setor, que se traduz em números sólidos e crescentes. Já são mais de 15 mil estabelecimentos, onde o ticket médio varia entre R$ 51 e R$ 100 em 46,24% das academias ouvidas por recente pesquisa feita pela USP em parceria com o Instituto Fitness Brasil.

Por falar em indicadores, trouxemos alguns bastante atualizados diretamente da 30ª edição da IHRSA International Convention & Trade Show, realizada entre 16 e 19 de março, em São Francisco (EUA). A delegação brasileira, liderada pela Fitness Brasil, fez o caminho inverso do presidente norte-americano Barack Obama, que, recentemente, esteve em nosso País, para trazer na bagagem informações preciosas, muitas deles antecipadas aqui na revista e nos eventos que realizamos. As aulas em grupo e coreografadas voltaram com força. Além da nova sensação conhecida como Zumba, que estará presente na Fitness Brasil Internacional, em Santos, nos deparamos com outras modalidades, como o Batuka, uma mistura de dança, luta, atividades aeróbicas, conceitos ligados à boa nutrição, enfim, um emaranhado de metodologias que têm atraído adeptos nas academias dos EUA. Isso só reforça a tese de que o fitness não é mais aquele, e o educador físico precisa mesmo expandir horizontes se quiser oferecer atividades diferenciadas, capazes de reativar as salas de ginástica com um público cativo e bastante exigente.

4 Fitness Business | mar/abr 2011

Ainda na IHRSA, tivemos a honra de receber uma inédita homenagem, prestada pelo board da mais importante associação mundial do trade que, todos os anos, premia personalidades e organizações cujas contribuições causaram um impacto significativo sobre as comunidades e a indústria do bem-estar. QuandofuichamadoaopalcoporJoeMoore, diante de 4 mil espectadores, para a mais alta homenagem já feita pela IHRSA a um latinoamericano, como fundador da Fitness Brasil, revi todos os anos de batalha e investimentos que permitiram colocar nosso País no ápice dessa cadeia, dando um banho de conhecimento em outras nações desenvolvidas e também emergentes. Se há uma coisa da qual podemos nos orgulhar é que, hoje, somos reconhecidos internacionalmente como produtores de commodities na indústria do bem-estar e que nossos modelos de negócios estão sendo disseminados ao redor do planeta e muito bem-aceitos. Isso só nos incentiva a seguir adiante, investindo na captação de recursos financeiros e humanos para promover políticas públicas inclusivas a uma população que está crescendo e ainda não tem acesso decente a atividades físicas que melhorem sua qualidade de vida. Esse foi e sempre será nosso objetivo maior. Para fechar, vale a pena antecipar as conversas iniciais que mantivemos com executivos norte-americanos sobre a realização da primeira edição da Fitness Brasil Internacional/IHRSA em solo estrangeiro, mais precisamente em Orlando ou Miami, em 2012. Nós, brasileiros, desembarcaremos na terra do “Tio Sam” com nossas tecnologias e inovações, expandindo fronteiras. É esperar para ver. Enquanto isso não acontece, boa leitura. Grande abraço. Waldyr Soares Presidente do Instituto Fitness Brasil

termometro_ Fotos divulgação

Diferentes sotaques A rede de academias Runner lançará, no segundo semestre de 2011, duas novas unidades por meio de licenciamento de marca. As capitais escolhidas são Brasília (DF) e Natal (RN), as duas primeiras cidades a contar com uma unidade da Runner fora do estado de São Paulo. Peter Thomas, diretor da Runner Licenciamentos, ressalta que a rede não pretende crescer para abrir capital. “O nosso modelo de expansão é baseado no licenciamento, ou seja, se existe alguém no mercado que quer continuar operando sua academia, ser dono do seu próprio negócio e ainda usufruir dos benefícios de trabalhar em rede, somos uma ótima opção.”

Depois da aposentadoria

Melhores ventos no Brasil A Johnson Health Tech, fabricante dos equipamentos de ginástica Matrix, anunciou seus resultados anuais de vendas até 31 de dezembro de 2010, que mostram um aumento de 21% no mundo em comparação a 2009. No Brasil, as vendas totais aumentaram em 32%. “Estamos muito satisfeitos com o crescimento alcançado”, diz Thiago Somera, diretor geral da Johnson Health Tech Brazil. O KRANKcycle, desenvolvido com exclusividade por Johnny G (ao fundo na foto) para a marca, é um dos carros-chefe da Matrix no Brasil, alavancando vendas.

Depois de Madonna, outra celebridade decidiu investir parte de sua fortuna no fitness. Além de ser sócio da 9ine, empresa de marketing esportivo que agencia o campeão de MMA Anderson Silva, o ex-jogador Ronaldo também tem sociedade na rede de academias A! Body Tech, juntamente com João Paulo Diniz e Alexandre Accioly. Após a inauguração da unidade no Shopping Granja Vianna, os empresários preparam o lançamento de uma nova A! Body Tech no Shopping Iguatemi, em São Paulo, com investimento de R$ 13 milhões. O projeto é de autoria do renomado arquiteto Isay Weinfeld.

Um luxo só O mercado de luxo – que faturou US$ 6,45 bilhões no Brasil em 2009 – não deixa as academias de ginástica de fora. A atenção especial às pessoas de alta renda tem criado novos nichos, tanto em oferta de produtos, quanto na prestação de serviços. Focada em um atendimento customizado e de olho nesta fatia do bolo, a Fitness Together espera faturar R$ 50 milhões nos próximos cinco anos. Desde que chegou ao Brasil, em 2010, a rede tem 7 endereços e pretende chegar a 12 até o final de 2011. Para os VIPs de plantão, a Fitness Together oferece alimentação antes e após treino, como frutas, barras de cereais e água, e ainda dispõe de vestiários exclusivos com toalha, xampu, condicionador e secador de cabelo. Detalhes que, para os exigentes consumidores, parecem estar fazendo a diferença.

Erramos 1 - Em 2010, a rede de academias carioca Bodytech faturou R$ 130 milhões e não apenas R$ 13 milhões, conforme noticiamos na edição 51 da Fitness Business. 2 - Diferentemente do que foi publicado também na edição 51, o faturamento anual da rede de academias brasiliense Boobambu é R$ 400 mil e não R$ 400 milhões. A expectativa da rede para o término de 2011 é chegar a R$ 1,2 milhão de faturamento anual e não R$ 1,2 bilhão. mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

5

websurf_ Qualificação e agenda de eventos O portal da Escola Fitness, instituição educativa destinada à capacitação complementar e continuada de profissionais do bemestar, foi criado no segundo semestre de 2010. Trata-se de um espaço em que o internauta pode conferir novidades do mercado internacional aqui no Brasil, ter acesso aos artigos de profissionais respeitados do setor e acompanhar um calendário com os eventos e cursos mais importantes. Acesse já: www.escolafitness.com.br

Para ajudar na gestão O Sistema SCA é um programa que traz inúmeros recursos para o gerenciamento das academias. Com ele, é possível controlar as receitas e despesas, gerenciar matrículas, elaborar e controlar as avaliações físicas de todos os alunos. Compatível com catracas movidas a cartão ou impressão digital, a plataforma bloqueia clientes inadimplentes automaticamente. Estas e outras soluções você pode conferir em: http://www.prosistemas.com.br/SistemaSCA/Default.aspx

Networking e tour virtual Com 5 mil membros em menos de dois meses, a Body Systems acaba de lançar um site de relacionamento que funciona como um portal de serviços para professores, gestores e alunos. Nele, os instrutores têm seus dados profissionais expostos para academias de todo Brasil, o que pode ajudar no networking. No “Espaço do Gestor” estão disponíveis ferramentas de suporte que vão desde informações estatísticas, benefícios, download de imagens até campanhas de marketing. Com sistema de integração de dados, o aluno pode conhecer todo o time de professores credenciados da rede antes mesmo de fazer a primeira visita à academia. Confira: www.bodysystems.net

Lá vem o Ganso! A Gatorade lançou um vídeo em homenagem à volta de Paulo Henrique Ganso aos gramados após ter superado uma grave lesão no joelho. Visite a Fan Page da líder em isotônicos e participe do concurso cultural “Convocação #vaiGanso”, para que os usuários possam incentivar o jogador a ir ainda mais longe. Aqueles que enviarem as mensagens mais criativas em apoio ao atleta no Facebook da marca ou no Twitter usando a hashtag #vaiganso, poderão ganhar dez camisas da seleção brasileira autografadas pelo craque. Acesse e concorra! http://www.youtube.com/watch?v=BZDikDmx1hE

6 Fitness Business | mar/abr 2011

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

7

Entrevista

divulgação

Alberto Perlman

8 Fitness Business | mar/abr 2011

O Brasil vai cair na Zumba Criado por colombianos nos Estados Unidos, o programa de treinamento baseia-se em ritmos latinos e tem como diferencial a fácil adaptação e o custo zero para as academias. Mais de 110 países já têm representação da marca Por Danilo Sanches

n

ovo conceito de aulas de ginástica, que alia diversos ritmos latinos a um programa de fácil assimilação, a Zumba chega ao Brasil após o sucesso de uma década ao redor do mundo. A ideia de um programa de ginástica que fosse simples e divertido, baseado em danças como salsa, merengue, flamenco, reggaeton, hip hop, axé, tango e samba, surgiu do encontro de dois colombianos: Alberto Perlman e Beto Perez. No entanto, a ideia tornou-se um negócio altamente lucrativo e ganhou o mundo no ano 2000, quando a empresa de Perlman transformou o projeto em uma marca mundial em torno de uma nova filosofia de bem-estar. O modelo de negócios baseia-se na concessão de autorizações do uso da marca mediante a contratação de profissionais licenciados e treinados por um instrutor da companhia. As academias não desembolsam um dólar sequer (a licença é gratuita, a academia apenas contrata o instrutor), o que possibilita fidelizar

clientes em torno de um ambiente descontraído. “Sem perceber que está fazendo exercício, o aluno perde mil calorias em uma hora de aula e ainda faz amigos”, afirma Perlman. O sucesso do programa, presente em 110 países e 90 mil estabelecimentos, é tão notório que, inclusive, abriu outros nichos de mercado para a dupla de empresários e idealizadores: permitiu transformar a Zumba em um jogo de videogame para Xbox, Playstation e Nintendo Wii. Em entrevista exclusiva à Fitness Business, Alberto Perlman revela novos planos de crescimento para a companhia que fundou e diz por que só agora a modalidade de aulas está chegando ao Brasil. É possível dizer que a Zumba é uma tendência mundial? Alberto Perlman – A Zumba Fitness tornou-se um movimento global pelo bem-estar, atingindo milhões de pessoas semanalmente em mais de 110 países. Mais de 90 mil locais trazem o programa

Zumba e todas as especialidades diferentes que oferecemos. Então, nós definitivamente podemos dizer que este é um fenômeno mundial, mas não é apenas um movimento ou uma tendência. Nós estamos celebrando dez anos da criação da modalidade em 2011, desde que lançamos a empresa nos Estados Unidos. Como negócio, o que a Zumba Fitness agrega de valor às academias? Alberto Perlman – Em função da crescente popularidade da Zumba, academias em todo o mundo estão adicionando o programa a seus calendários de aula. Nós não apenas ajudamos as academias a economizar dinheiro (uma vez que não cobramos pelas licenças), mas também as ajudamos a fazer dinheiro com isso, atraindo novas pessoas. Há também o aspecto social em que os alunos se reúnem após as aulas para um café ou jantar. Por causa dessa dedicação, academias automaticamente percebem o aumento dos índices de retenção de alunos, ao passo que toneladas de novos membros se juntam à base. E mais, nossos instrutores mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

9

Entrevista Alberto Perlman

O Brasil é reconhecido notoriamente como um País de ritmos e danças, qual o potencial de mercado que vocês enxergam por aqui? Alberto Perlman – O Brasil é conhecido por seus ritmos e coreografias, que não são fáceis para qualquer pessoa. O Zumba Fitness é para todo mundo e qualquer pessoa pode fazer: o programa é desenhado para que qualquer ser humano possa se divertir e se entregar à música, sem se importar com a exata assimilação dos passos de dança. Então, nós acreditamos verdadeiramente que o programa tem um tremendo potencial no Brasil. É uma decisão estratégica investir aqui.

divulgação

É a primeira vez que a aula será introduzida no principal evento wellness da América Latina. Qual a expectativa para o workout e que adaptações da Zumba vocês mostrarão na aula?

divulgação

ensinam muitos outros programas como o Zumba Gold (para a terceira idade) e Zumbatomic (para crianças). Então, temos condições de encher as academias durante horas e trazer mais e mais alunos. Não vemos a hora de isso acontecer também no Brasil.

Após 10 anos da criação da modalidade que conquistou adeptos ao redor do mundo, Zumba Fitness chega ao Brasil

Alberto Perlman – A Zumba já foi lançada em mais de 110 países e nós estamos excitados para chegar ao mercado da América do Sul neste evento. Nós sabemos que uma vez que você vê a festa que é a Zumba Fitness, e se entrega a estes ritmos contagiantes, a tendência é levantar da cadeira e se mexer. Nós temos grandes expectativas quanto à adesão dos profissionais do bem-estar brasileiros na Fitness Brasil Internacional, em Santos. Acho que será o primeiro passo de muitos que estão por vir. Quais são os investimentos iniciais que uma academia precisa para implementar a Zumba em sua grade de aulas? Alberto Perlman – Não há! Nós não cobramos das academias uma licença, o que é uma economia para elas. Para que possam ter instrutores de qualidade, os donos de academias precisam contratar profissionais licenciados de Zumba para dar aulas em seus estabelecimentos. Como foi a experiência de virar um jogo de videogame? Este era um caminho para o qual o negócio se desenvolveria naturalmente ou foi uma surpresa? Alberto Perlman – A experiência foi excelente. É uma ótima forma de as

10 Fitness Business | mar/abr 2011

pessoas terem aulas de Zumba no conforto de suas casas. Tudo o que fazemos tem uma estratégia por trás. A dança/ exercício na versão para videogame se tornou popular muito recentemente e sabíamos que este seria um ótimo meio para trazer mais pessoas para as academias, então, nossos instrutores poderiam fazer sucesso e disponibilizar mais aulas no site da empresa, até como forma de atualização do programa. Depois de aderir ao jogo, a pessoa vai ficar morrendo de vontade de assistir a uma aula ao vivo. Aposto! Quanto a lucratividade, como o programa contribuiu para o crescimento das academias nos Estados Unidos? Alberto Perlman – Em função do programa Zumba, academias estão vendo um grande crescimento no número de clientes. Estão também retendo mais os clientes atuais, que querem continuar tendo aulas de Zumba. Entre os novos membros, estão aqueles que jamais pensaram em ir a uma academia. O poder da Zumba Fitness é incrível. Já tivemos experiências de academias que estavam para fechar as portas e voltaram a crescer por terem colocado o programa em suas grades de aulas. É um caminho vitorioso e sem volta.

vitrine_tenis de corrida

Não pise em falso C Mas é preciso fazer a escolha acertada do tênis que irá acompanhar o praticante nessa jornada de modo a evitar lesões e outros desgastes. O papel dos professores e personal trainers, nesse sentido, é cada vez mais com-

plexo dada à variação de atividades a que um apaixonado por corridas pode estar exposto. Além de ter de observar a conformação da pisada do atleta, assim como o peso e o nível de desempenho requerido para a prática, é preciso atentar para o local em que o corredor irá acelerar os passos. Se o caminho for uma estrada de terra irregular e com lama, melhor recomendar os tênis da categoria “trilha”. Quem corre em pisos muito duros deve optar por calçados com “sistema de amortecimento reforçado”. Resolvemos, então, mostrar alguns lançamentos que prometem fazer a cabeça, ou melhor, os pés dos alunos adeptos da corrida.

divulgação shutterstock

omprovadamente aliada do bom condicionamento físico e do equilíbrio mental, a corrida atrai um número cada vez maior de adeptos. Basta olhar para as esteiras dentro das academias e comparar a frequência de usuários exercitando-se em relação a outros aparelhos destinados às atividades aeróbicas, como as bikes e os elípticos. Correr ou caminhar quase sempre é a predileção dos alunos.

Caminhos tortuosos Para terrenos acidentados, a Adidas oferece o Adistar Ride versão 3 cuja tecnologia Formotion se adapta gradualmente à área de aterrissagem, o que diminui a tensão nos joelhos e tornozelos e permite o controle dos movimentos. Na parte interna, o tênis conta com o sistema GeoFIT, que molda os pés para maior conforto. Preço: R$ 549,00 Onde encontrar: www.adidas.com.br

Treino in door A opção adequada para os corredores de esteira é um calçado que tenha uma boa ventilação na parte de cima, pois, em ambiente fechado, os pés podem sofrer ainda mais com o calor. Tecidos com tramas especiais que facilitam a transpiração dos pés são essenciais nesse momento. Para isso, a Asics lança o modelo Gel-1160, voltado para corredores com pisada neutra ou supinada. Preço sugerido: R$ 299,90 Onde encontrar: www.asics.com.br

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

11

vitrine_tenis de corrida Ação e reação O modelo feminino Isaac, da norte-americana Newton, faz alusão à Terceira Lei do físico. Concebido com uma característica de “membrana ativa”, que promove absorção do impacto com retorno de energia, o calçado foi projetado para corredores de todos os níveis e em qualquer terreno, inclusive iniciantes. O tênis possui densidade de alta repercussão e acomodação ortopédica. A sola é feita de borracha de carbono de alto desgaste, com tração na pisada. Preço: R$ 399,00 Onde encontrar: www.tf.com.br

Passadas mais estáveis O TubeTech Neutro 2 é a grande aposta da Olympikus para o mercado. O tênis recebe inovações em seu sistema de amortecimento por conta da menor densidade da entressola de EVA e do revestimento e preenchimento em todo o solado. A passada também fica mais estável em função da introdução de uma nova abertura na sola que equilibra, de maneira uniforme, possíveis pressões irregulares sofridas pelo calcanhar. A transpiração também está ainda mais eficiente, já que o tênis recebe novo tecido de dupla frontura em seu cabedal. Preço: R$ 249,90 Onde encontrar: www.olympikus.com.br

Economia de energia A Reebok traz para o Brasil um novo produto que representa uma variação da tecnologia ZigTech. O modelo ZigFly é um tênis de alta performance, ideal para corredores e que conta com um benefício exclusivo: o atleta economiza energia, garantindo máximo rendimento e menor desgaste. O calçado mantém o design diferenciado do solado (no formato ziguezague), só que em uma versão ainda mais leve. Além disso, possui placa articulada que garante o amortecimento do impacto. Conta também com a tecnologia exclusiva da Reebok, StableFit, posicionada no calcanhar do calçado e que permite o ajuste perfeito do tênis nos pés do atleta. Preço: R$ 299,00 Onde encontrar: www.reebok.com.br

12 Fitness Business | mar/abr 2011

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

13

Mercado & TendĂŞncias Equipamentos licenciados

shutterstock

Olympikus lança linha completa de aparelhos

14 Fitness Business | mar/abr 2011

Equipamentos que simulam práticas esportivas pegam carona nos eventos sediados no País para invadir academias, resorts e condomínios. Nesse nicho de mercado, enquanto fabricantes se esforçam, distribuidores alegam que, apesar da demanda, proprietários de academias ainda resistem em investir Por Danilo Sanches FB_LEMOND_ok.pdf

4/4/11

2:52:32 PM

c

om foco na ampliação do marketing share junto ao mercado de running e uma estratégia ousada para o posicionamento da marca em outros nichos, a Olympikus fechou relacionamento exclusivo com a FIT4, com vistas ao lançamento de uma linha de equipamentos de musculação e ginástica. Dessa forma, a marca já consolidada no mercado brasileiro de calçados e vestuários esportivos dá os primeiros passos em um terreno onde alguns de seus principais concorrentes já têm negócios, tentando abocanhar espaço com produtos de marca própria ou licenciados. “Isso aumenta o nosso escopo. É um mercado bastante voraz e representativo em que algumas concorrentes têm atuado e nós, por sermos uma marca genuinamente brasileira e termos conhecimento deste

negócio, resolvemos adentrar também”, afirma Cláudio Risco, gerente de Relações Esportivas da Olympikus. Risco ainda diz que a marca pertencente à Vulcabras | azaleia enxerga o momento como muito propício para estender a atuação a um novo nicho, fruto do prestígio conquistado pela Olympikus com outros produtos. “Tudo parte do crescimento da marca. Nossa empresa apresenta sólidos indicadores em calçados, vestuário e na área de acessórios por conta do envolvimento com o running. Então, nada mais justo que investirmos na ampliação com qualidade de tudo aquilo que podemos oferecer aos consumidores”, detalha o executivo. A estratégia de licenciamento chega ao conhecimento do público cerca de dois anos após as marcas próprias desbravarem o mercado de equipamentos de muscula-

LEMOND

REVMASTER PRO O CYCLING INDOOR UM PASSO A FRENTE. ™

Tecnologia desenvolvida por quem entende de ciclismo: Greg Lemond. Design, precisão e durabilidade. Esta é a RevMaster Pro, uma bike indoor que reúne qualidades nunca vistas nas similares. • Os ajustes de altura e profundidade do assento e guidão são precisos e permitem uma perfeita ergonomia. • Peças revestidas em níquel, tão resistente quanto o aço inoxidável. • Suavidade e silêncio ao pedalar revelam que sua correia de Kevlar é mais eficiente que corrente e dispensa lubrificação. • Pedivela BMX, projetados para suportar cargas bem maiores que os convencionais. Não bastasse todos os seus atributos, a RevMaster veio para o Brasil com atendimento total no pós-venda, inclusive com a venda de peças online, manuais técnicos e vídeos explicativos.

Consulte no www.lemondfitness.com.br

NOVA GERAÇÃO Pilot II * Acessório exclusivo da RevMaster Pro que mede o tempo, distância e cadência de seu exercício, fornecendo o resultado em queima de calorias e frequência cardíaca, desde que uma cinta compatível seja usada. *Acessório vendido separadamente.

Tel.: (11) 4091-0341 • vendas@lemondfitness.com.br

Mercado & Tendências Equipamentos licenciados

A expectativa, primeiramente, é dar credibilidade e visibilidade para a marca. À medida que se tiver a credibilidade nos produtos e o conceito arraigado de que os preços são competitivos, acaba-se conseguindo trabalhar melhor as vendas. Mas o objetivo maior é que isso se torne uma modalidade de negócios da empresa Cláudio Risco, Olympikus

ção e ginástica. Risco afirma que o fator determinante para a decisão de encampar um desafio deste porte foi a recente associação da Olympikus com grandes eventos ligados à indústria do bem-estar, como a Fitness Brasil Internacional. O objetivo do relacionamento com a FIT4 é atingir um público bastante amplo e heterogêneo por meio da extensa linha de produtos que contêm cerca de 70 itens no total. A marca Olympikus deve chegar às academias a partir de setembro deste ano, levando 20 modelos entre bicicletas ergométricas, máquinas de musculação, elípticos e plataformas. O lançamento oficial da linha profissional de equipamentos ocorrerá durante a IHRSA/Fitness Brasil, em setembro, na cidade de São Paulo. Antes disso, a FIT4 planeja um lançamento de produtos voltados ao público doméstico. O portfólio que tem as esteiras e bicicletas ergométricas como principais carros-chefe deverá estar nas grandes redes de varejo a partir de julho.

16 Fitness Business | mar/abr 2011

“A expectativa, primeiramente, é dar credibilidade e visibilidade para a marca. À medida que se tiver a credibilidade nos produtos e o conceito arraigado de que os preços são competitivos, acaba-se conseguindo trabalhar melhor as vendas. Mas o objetivo maior é que isso se torne uma modalidade de negócios da empresa”, diz Risco.

ciados, mais exclusivos à medida que a aceitação se confirme”, diz Cláudio Risco. Um exemplo de novos itens que vão incrementar a linha, em um futuro próximo, são os acessórios como bolas e pesos livres que, segundo Candido, deverão somar-se aos equipamentos para academias já em meados de 2012.

A principal campanha para a promoção dos equipamentos domésticos deve se concentrar no dia dos pais, quando são esperadas vendas em torno de R$ 1 milhão em aparelhos voltados para as classes A, B e C, conforme detalha a FIT4.

A aposta da FIT4 no novo relacionamento também gerou algumas mudanças no mix de produtos ofertados pela distribuidora. Tais alterações baseiam-se na solidez e credibilidade da marca que passará a licenciar os equipamentos. “É uma relação de reciprocidade. Sabemos que até podem ocorrer reduções na venda de outras linhas de equipamentos por conta da entrada da Olympikus neste mercado, mas o ganho certamente será em médio prazo, pois marcas consagradas agregam muito ao portfólio. É uma modalidade de negócio que não admite a possibilidade de não dar certo”, confessa o executivo.

Do outro lado A FIT4 está investindo na aquisição de equipamentos de alta qualidade, na maioria importados e que apresentam vantagens competitivas para os donos de academia. “A gente acredita que vai ter em mãos um produto desejado por qualquer proprietário, com preço acessível e valor agregado”, afirma Alexandre Candido, diretor geral da FIT4. Segundo o executivo, o grande diferencial da linha profissional disponibilizada pela revendedora é aliar a credibilidade das marcas dos equipamentos a produtos com preços bastante competitivos. Para isso, a empresa lançou mão de relacionamentos com fabricantes chineses que garantem, por uma questão de produção em grande escala, aparelhos de qualidade a um baixo custo. “Esta tem sido nossa grande aposta no mercado. Nenhuma empresa conseguiu até hoje juntar estes três elementos: qualidade, preço e marca”, afirma Candido. Com a confiança de que, comercialmente, esta seja a tríade do sucesso, a FIT4 já pensa além e, de acordo com a demanda de mercado, admite a possibilidade de trazer ao País produtos com diferenciais exclusivos. “Com o crescimento do negócio passaremos a ter alguns produtos diferen-

À disposição das academias A nova linha de equipamentos da Olympikus engloba: • 1 modelo de bicicleta spinning; • 30 modelos de máquina de musculação • 12 modelos de máquina dual de musculação importados • 4 modelos de esteira • 3 modelos de bicicleta ergométricas • 2 modelos de elíptico • 2 modelos de plataforma

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

17

Eventos

fotos: divulgação

30th IHRSA International Convention & Trade Show

Três décadas de inovação e qualidade de vida Melhores momentos

30th IHRSA International Convention & Trade Show

Boas vindas aos mais de 10 mil participantes

18 Fitness Business | mar/abr 2011

Waldyr Soares e Regina Benjamin

Kranking: novamente um dos destaques da feira

Mais de 10 mil pessoas circularam pela 30th IHRSA International Convention & Trade Show, em São Francisco. Delegação latino-americana foi um dos destaques com crescimento de 50% em relação ao número de participantes. Aulas em grupo e responsabilidade social foram temas que permearam os debates Por Adriano Zanni Colaborou Jacqueline Antunes (IHRSA-EUA)

s

e a América Latina ainda tinha dúvidas sobre a importância de sua atuação na imensa cadeia mundial do bem-estar, as incertezas foram deixadas de lado em evento realizado no Moscone Center, em São Francisco (EUA). A 30th IHRSA International Convention & Trade Show movimentou mais de 10,4 mil profissionais, em apenas quatro dias, além de 305 expositores distribuídos pela feira de negócios. A participação dos latinos cresceu 50% em relação à edição anterior, com destaque para o Fórum Latino-Americano que reuniu mais de 120 pessoas e que contou com uma dinâmica diferente. Os presentes foram alocados previamente em mesas com dez integrantes para facilitar o networking. Também foram feitas três apresentações de cases de sucesso do Brasil, Argentina e Peru. Após as apresentações, as pessoas tiveram a oportunidade de fazer pergun-

Workout de Zumba atraiu dezenas de participantes

tas aos expositores. Uma fórmula que agradou a todos. “Sem dúvida, ocupamos um lugar de destaque no evento e sentimos isso pelo grande número de profissionais que vieram nos sondar sobre possibilidades de negócio no Brasil e em outros países da América Latina. Somos um dos principais polos produtores de tecnologia e serviços no bem-estar e temos de fazer valer essa condição, exportando profissionais, equipamentos e processos de gestão nos próximos anos. Então, é hora de firmar parcerias”, diz Waldyr Soares, presidente do Instituto Fitness Brasil. O executivo foi homenageado, durante o evento, como uma das personalidades mundiais cujas contribuições causaram impacto significativo em suas comunidades e no cenário wellness. “Cada um desses homenageados encarna a dedicação que é preciso para

Novidades em equipamentos e acessórios

realmente fazer a diferença. Em nome da indústria do bem-estar, quero agradecer a todos pelo compromisso com o crescimento do setor”, disse Joe Moore, CEO e presidente da International Health, Racquet & Sportsclub Association (IHRSA), em discurso na cerimônia de homenagem, para 4 mil espectadores, enaltecendo ainda a liderança de Soares, em parceria com a Prefeitura Municipal de São Paulo, no desenvolvimento de academias para atender a populações de baixa renda na periferia da metrópole. Políticas públicas

Outro ponto alto da 30ª edição do evento foi a presença de Regina Benjamin, ministra da Saúde do governo Barack Obama, que participou do Zumbathon para o Augie’s Quest, atividade física e ação na área de responsabilidade social comandada por Beto Perez, cofundador da modalidade mundialmente conhecida como Zumba.

Palestras técnicas e workshops: adesão maciça

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

19

Eventos

30th IHRSA International Convention & Trade Show

Regina Benjamin foi convidada especial do 6th Augie’s Quest, evento que levantou cerca de US$ 1,3 milhão para combater a esclerose lateral amiotrófica (ALS, ou doença de Lou Gehrig) e ainda foi keynote speaker da IHRSA, apresentando para toda a indústria sua visão acerca de uma nação saudável. A ministra falou sobre a importância de campanhas como Get Active e I Lost at the Club, ambas organizadas pela IHRSA e que visam ao combate da obesidade. A participação de Regina Benjamin no evento ocorreu, coincidentemente e de forma simultânea, à estadia do presidente Barack Obama no Brasil. Como uma maneira de “estender” o encontro entre os países, a ministra encontrou-se também com Waldyr Soares e expressou interesse em visitar o Brasil, que é o segundo maior mercado do mundo em número de academias: são mais de 15,5 mil. “Eu realmente acredito que o exercício físico representa a cura preventiva para várias doenças. A indústria fitness está pronta para ajudar a solucionar o problema dos Estados Unidos relacionado ao sobrepeso e obesidade, assim como ao redor de todo o planeta”, avaliou Regina. Highlights

Mais de 140 palestras foram realizadas na convenção deste ano com destaque para apresentações cativantes de keynote speakers como Daniel Pink, Patrick Lencioni, Phil Keoghan e Tony Hsieh. Este último abordou como deve ser feita a definição da missão e dos valores pelas academias de ginástica e seu adequado direcionamento no transcorrer das atividades pedagógicas e de gestão. O CEO da Zappos explicou a correlação entre os valores defendidos por sua empresa e a lucratividade

20 Fitness Business | mar/abr 2011

Joe Moore, CEO e Presidente da IHRSA, entrega a Waldyr Soares homenagem pelas contribuições à indústria do bem-estar

alcançada nos últimos anos. “É preciso compreender que serviço ao cliente não deve ser apenas um departamento da organização, mas sim toda a empresa”, afirma Hsieh. O executivo foi ainda mais longe e exemplificou: “Quando um empregado em situação de processo seletivo para uma vaga na Zappos se apresenta, nós o colocamos para voar de avião para outra cidade. Chegando ao destino, há um motorista que o espera. Caso esse motorista não seja bem tratado pelo candidato, nós não o contrataremos. Isso é apenas para mostrar como valores fundamentais são indispensáveis para fornecer o melhor serviço ao cliente, podendo influir diretamente na tomada de decisões”, complementa. Em tempo: no dia 13 de março, o presidente Barack Obama assinou uma lei para apoiar projeto de sua esposa que pretende reduzir a obesidade entre os pequenos, em idade escolar, por intermédio de uma alimentação mais saudável. A lei foi aprovada num momento em que há a constatação, por pesquisas científicas, de que uma em cada três crianças norte-americanas é obesa ou tem sobrepeso.

Joe Moore ratificou o discurso. “A vitalidade e a paixão nesses quatro dias de evento é um bom indicativo sobre como nós olhamos adiante e percebemos a adequação necessária da indústria do bem-estar diante dos desafios que se aproximam”. Para o CEO e presidente da IHRSA, a indústria continua a mostrar sua capacidade de inovação e espírito empreendedor para o desenvolvimento de produtos e serviços que contribuam para um mundo mais saudável. “Todos os anos, o intercâmbio de ideias e práticas de negócios permite que avancemos e pensemos em soluções voltadas ao benefício da comunidade”, conclui.

tome nota Em 2012, a 31ª edição da IHRSA International Convention & Trade Show continua na Califórnia, mas, dessa vez, em Los Angeles. Anote na agenda: entre 14 e 17 de março. Informações: www.ihrsa.org

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

21

Mercado & TendĂŞncias

fotos: shutterstock

Quando a vida imita a arte

C

Lucrando com o pas de deux 22 Fitness Business | mar/abr 2011

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Seguindo o conceito de bem-estar, o balé é capaz de unir condicionamento físico e recreação. Após o sucesso de “Cisne Negro” nos cinemas, a atividade tem adquirido contornos estratégicos para chamar de volta às academias um público cativo, com bom poder aquisitivo e que, até então, estava distante das salas de ginástica Por Danilo Sanches

m

otivadas por uma espécie de resgate do antigo sonho de tornarem-se dançarinas, mulheres de 30 a 60 anos têm procurado cada vez mais o balé no extenso portfólio de atividades oferecidas pelas academias de ginástica.

Talvez esse cenário explique também o porquê de algumas grandes redes estarem investindo na modalidade que ganhou um novo salto com o premiado filme Cisne Negro, estrelado pela ganhadora do Oscar de Melhor Atriz, Natalie Portman.

Modalidade não muito difundida entre os adultos, o balé sempre envolveu sensibilidade, equilíbrio e força física, atributos que se encaixam perfeitamente no conceito wellness do qual lançam mão as academias, que, há muito,4/4/11 deixaram de ser espaFB_NEWFITNESS_ok.pdf 3:11:37 PM ços voltados estritamente à malhação.

Mais do que a identificação com o glamour que circunda o papel desempenhado pela atriz hollywoodiana nas telonas, o balé vem se consolidando como uma opção perfeita para quem gosta de dançar e, até então, não tinha a modalidade como prioritária na lista

das desejadas, seja pela falta de oferta de cursos no mercado, seja pela inacessibilidade em função do valor das altas mensalidades geralmente praticadas por estúdios especializados. Incluso nos pacotes das academias, o balé atrai desde ex-profissionais até pessoas que sempre tiveram curiosidade em aprender alguns passos. “Voltei a praticar há dois meses para dançar e me divertir”, conta Karen Pimentel, 32, aluna da Academia Fórmula, em São Paulo (SP). “Tenho três amigas que também fizeram na infância e agora voltaram”, complementa.

Você que já tem sua Academia ou quer montá-la, deve saber que equipamentos de ponta fazem toda a diferença para o sucesso do empreendimento. Equipamentos remanufaturados são uma ótima solução para a sua academia oferecer o melhor para seus alunos com orçamentos menores em relação ao novo. Ligue para (11) 4051-1088 e confira nossas oportunidades. Siga-nos no Twitter e no Facebook, que periodicamente postamos nossas ofertas.

Nosso galpão está repleto de oportunidades para você e conta com mais de 1.000 ítens em estoque à pronta entrega, entre nacionais e importados com garantia total de até 2 anos. Por isso, antes de decidir, faça como as maiores academias do país, consulte a New Fitness.

Atendemos todo o país.

newfitness

com.br Imbatível.

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

23

Mercado & Tendências Quando a vida imita a arte

Karen explica que, por ser uma atividade mais lúdica, sem aspecto competitivo, a prática torna-se mais agradável. “E também tem o fato de estar inclusa na grade de aulas da academia. Talvez, eu mesmo não a praticasse se fosse para pagar apenas pela aula avulsa”, relata. Bruno Franco, coordenador de Inovação e Produtos da A! Body Tech, controladora da rede de academias Fórmula, detalha que a demanda inicialmente era gerada por crianças e adolescentes, e a quantidade de pessoas nessa faixa etária que procuram pelas aulas de balé vem crescendo a cada ano, é o que garante Franco. “Adicionalmente, temos a demanda de adultos que começaram a frequentar aulas com objetivos distintos, como retomar o balé que desenvolviam no passado ou mesmo iniciar na modalidade. Outras pessoas também utilizam a aula para aprimorar o condicionamento físico”, diz. O coordenador acrescenta que a atividade direcionada ao público adulto precisa receber algumas modificações quanto aos objetivos, deixando de ser apenas uma aula estritamente técnica para se tornar algo mais voltado ao lazer e à recreação. “Utilizamos músicas e temáticas ligadas ao universo do balé para deixar o programa de aulas menos austero, menos rígido. Isso também funciona como um mecanismo para fidelização de determinados alunos que enxergam a modalidade praticada não como um fim em si mesma, mas como um meio para fugirem do estresse”, explica Franco.

24 Fitness Business | mar/abr 2011

Apenas para ter uma ideia do potencial de mercado gerado pelas aulas de balé, nas 25 academias da A! Body Tech espalhadas em seis cidades brasileiras, há turmas ativas para adultos em, pelo menos, uma academia localizada em cada um dos municípios atendidos pela rede. Em média, nas aulas de balé das unidades da A! Body Tech há dez alunos por turma. A Cia. Athletica, rede com 15 academias em todo o País, oferece aulas de balé desde a sua fundação, há 26 anos. Entretanto, o público adulto é um frequentador mais recente da modalidade. Um dos primeiros desafios, como explica Mônica Marques, diretora técnica da Cia. Athletica, é motivar esse contingente de pessoas a sair do sedentarismo. “O segundo é montar turmas homogêneas. Normalmente, o público é composto por mulheres que fizeram balé até a adolescência e depois cessaram. Algumas foram quase profissionais, outras fizeram quatro ou cinco anos e pararam. São turmas de alunas muito heterogêneas”, relata Mônica.

Influência da mídia A demanda para este tipo de atividade, segundo Mônica, é esporádica. A diretora técnica da Cia. Athletica afirma que a procura tem muitas vezes a mídia como baliza. “Ela está relacionada com o que está em alta naquele momento. Na época da novela O clone, da Rede Globo, a febre nas academias era a dança do ventre. As aulas eram todas lotadas”, lembra Mônica. E com o balé não seria diferente. “O balé, agora, está em alta por causa do filme Cisne Negro. Fazia muito tempo que a modalidade não se tornava o assunto principal em muitas rodas de conversa pelos corredores das academias”, diz. Para a A! Body Tech, apesar de a influência da mídia ser perceptível, não chega a determinar a demanda, uma vez que os pacotes são fechados em modelo all inclusive. Por outro lado, esta influência motiva a rede a criar novas modalidades para absorver demandas que surgem pelo caminho. “A gente sabe que a mídia influencia, tanto que, há pouco tempo, a gente lançou uma aula de dança baseada nas coreografias dos musicais da Broadway. Sem dúvida, isso representa uma tendência”, afirma Franco.

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

25

Gestão

Adeus problemas financeiros

Os seis pecados capitais Especialistas de diferentes áreas, mas com tino para negócios afiado, dão dicas sobre gestão empresarial em academias e explicam quais são as melhores soluções para empreender com segurança e triunfar no mercado Por marcelo jucá

m um mercado que se mostra cada vez mais competitivo, o proprietário de academia ou o empreendedor que pensam em investir neste negócio, devem ter alguns cuidados e buscar estratégias para não terminarem o ano no vermelho. Entre os principais problemas diagnosticados pelos empresários, destacam-se os custos descontrolados, preços errados, furos no caixa, falta de capital de giro, investimentos exagerados e inadimplência, algo que alguns poderiam chamar de “os seis pecados capitais” da boa administração. De olho nessa preocupação geral, a reportagem da Fitness Business conversou com especialistas da área de administração de ne-

26 Fitness Business | mar/abr 2011

gócios e consultores do setor esportivo para alertar e orientar o profissional do meio de modo que ele não cometa erros bobos. Investimentos exagerados Você nem terminou de pagar as parcelas dos novos equipamentos da academia e assim, sem avisar, chegam ao mercado novos modelos, dando a impressão que todo o resto é obsoleto. Mas será realmente necessário investir tão rápido assim em produtos tão caros? E mais, o retorno é realmente garantido? Essas perguntas devem ser feitas e refeitas antes de qualquer ação de compra. Para Dariane Castanheira, especialista do Programa de Capacitação de Empresa em Desenvolvimento (Proced), da FIA/USP, antes

de entusiasmar-se e sair comprando, é preciso avaliar com calma todo o cenário. Por que vai comprar? É por causa da empresa concorrente? Os equipamentos estão velhos de verdade? Os alunos indicaram preferências? Respondendo a essas questões básicas, fica mais fácil diagnosticar a necessidade e não cometer equívocos financeiros. “É essencial manter a qualidade dos equipamentos, afinal, nada mais frustrante do que uma esteira quebrar durante um exercício, mas tem de entender se realmente a troca vai valer a pena. Em muitos casos, esperar mais seis meses pode fazer a diferença”, explica. Uma solução inteligente, segundo José Eduardo Amato Balian, professor do curso de Administração e coordenador da Incubadora de Negócios da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), é pensar em novos contratos negociados diretamente com os fabricantes, um tipo de negócio que o dono pague o aluguel mensal das máquinas. Assim que um modelo novo chega, ele assume o lugar do antigo e assim por diante. Dessa forma, o dono sempre terá equipamentos atuais e o fabricante vai expor o melhor produto. Falta de capital de giro Organização, incentivo e planejamento são as palavraschave para evitar falta de capital de giro. O sócio-diretor da Start

Fitness Consultoria, Felipe Goulart, é direto ao tratar do assunto. “Planejamento total: o que fazer, como fazer, com quem e quando. Planeje o ano de sua academia. Saiba que investimentos você fará daqui a um ano e reserve capital para isso”, afirma. De acordo com o consultor, uma equipe bem-treinada e motivada pode aumentar, e muito, o índice de retenção, por isso é essencial investir e cuidar de todos os colaboradores, destacando a importância de cada um para o negócio. “Preocupe-se com o seu trabalho, crie uma identidade, uma causa para sua empresa. As pessoas costumam seguir causas”, define Goulart. Preços errados A especialista Dariane Castanheira, da FIA/USP, explica que, antes de fixar qualquer preço, o profissional deve analisar se há algum clube próximo, se os condomínios possuem academias próprias e quais são os valores cobrados por outras academias da região. “Com isso, fica mais claro entender o público e comparar os preços a serem fixados”, analisa. A rentabilidade do negócio aparece daí, complementa Dariane. O consultor Felipe Goulart concorda e completa afirmando que parcerias podem ser propostas para os estabelecimentos vizi-

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

27

Gestão

Adeus problemas financeiros

nhos, chamando novo público. “Crie sempre uma vantagem para o seu cliente. O que é bom para ele é bom para você”, define. Por isso, diversas estratégias devem ser pensadas e trabalhadas. Saber quais os serviços a academia quer oferecer, se há demanda para todos eles, o custo de professores, material e equipamentos. Todos os detalhes fazem a diferença e saber objetivar é essencial para que os clientes paguem os preços exigidos. Custos descontrolados O consultor da Trevisan, Ary Rocco, entende que quase todas as academias sofrem com problemas de custos descontrolados. A questão é que ninguém faz uma tarefa básica, uma planilha simples em que constem todas as despesas da academia e que oriente o dono a entender o que se passa em todas as áreas de seu empreendimento. “Esta é uma regra primária, mas sempre ignorada, o que prejudica grande part dos negócios.” Focando o dono de academia que atende os público B e C, o consultor explica que, a partir da planilha, ele poderá facilmente identificar os excessos do local. A partir disso, prioriza-se trabalhar os gastos nas áreas não operacionais, ou seja, que não interferem diretamente no serviço oferecido. Com essa ação, é possível reduzir significantemente os custos descontrolados e pensar em novas estratégias que vão gerar mais receita para a academia.

28 Fitness Business | mar/abr 2011

Furos no caixa José Eduardo Amato Balian, professor e coordenador na ESPM, avalia que quando se constatam furos no caixa, poucas saídas são viáveis. “Não tem milagre”, explica. Tratando-se de academias voltadas para os públicos B e C, duas ideias podem ser tentadas antes de um empréstimo financeiro, sempre a última opção para os consultores. A primeira tentativa passa pelos tópicos já tratados, o da redução de custos desnecessários. O segundo passo seria aproveitar melhor o espaço da academia em horários ociosos ou, pensando em médio prazo, nas viradas das estações (sabe-se que, no inverno, o número de alunos tende a reduzir). Palestras com os professores, exercícios lúdicos com crianças, entre outras sugestões, merecem reflexões. A última solução sugerida pelo consultor Ary Rocco, consultor da Trevisan, é recorrer a um empréstimo com instituições financeiras que ofereçam a menor taxa de juros. Inadimplência

Aspecto que faz parte do cotidiano da maioria das academias, para Ary Rocco, da Trevisan, a melhor solução é chamar o aluno para conversar e entender qual sua situação, pois, se mandá-lo embora, o cliente

não voltará nunca mais, e pior, falará mal da academia para os colegas. E vale lembrar que o boca a boca tem significativo valor nesse mercado. A conversa pode ajudar ambos os lados, encontrando valores e formas de pagamento onde todos saiam ganhando e fidelizando a pessoa de uma forma indireta, ao mostrar a preocupação da empresa com ele. E a regra do boca a boca vale aqui também, em que o respeito pela academia cresce. Outra opção é contar com contratos de adesão, seja de seis meses, seja de um ano. Os contratos atuam como incentivadores para os próprios alunos, pois mexem direto no bolso deles. É uma segurança mínima para qualquer dono de academia. Mas o que o profissional deve ter em mente que o que fideliza o aluno e não gera inadimplência é um serviço de qualidade e que supere as expectativas do cliente.

É hora de fazer a feira

Quem circular pelo pavilhão de exposições do Mendes Convention Center durante a Fitness Brasil Internacional, irá se deparar com o que há de mais inovador em relação a equipamentos para academias, acessórios, fitness wear, modalidades de aulas, sistemas de sonorização, suplementos alimentares, entre outros. São mais de 100 expositores e uma expectativa de movimentar R$ 13 milhões em negócios, em uma área com aproximadamente 4 mil m2. Diante de tantas opções, é preciso elaborar a lista de compras de modo a não deixar para trás nenhuma boa oferta. A reportagem da Fitness Business decidiu dar uma mãozinha e pensou em 12 bons motivos para ninguém deixar de “fazer a feira” enquanto estiver pela baixada santista. Pegue sua sacola de compras e aproveite as dicas!

Movement A Linha RT da Movement está completa! As esteiras da Movement, já presentes na maioria das academias brasileiras, agora contam com novidades perfeitamente adaptáveis para o público brasileiro. As academias de todo o País já têm à disposição três esteiras, duas bikes, um elíptico, além de uma completa lista de equipamentos de musculação para os mais variados perfis de treinamento. É a solução completa que o fabricante genuinamente brasileiro oferece ao mercado. Conheça mais sobre a tecnologia disponibilizada pelos aparelhos da Movement no site www.movement.com.br. SAC: 0800 772 40 80.

Olympikus Leveza e amortecimento. Estes são os grandes diferenciais do Tube OSS, lançamento exclusivo que a Olympikus apresenta na Fitness Brasil Internacional. Desenvolvidos em formatos diagonais, os tubes no solado proporcionam amortecimento na entrada e saída da pisada, acompanhando o movimento dos pés. Além de tecnologia, o tênis apresenta um cabedal refletivo que brilha conforme contato com a luz, unindo performance e conceitos da moda contemporânea ao tênis, com uma gama ampla de cores. Saiba mais em: www.olympikus.com.br. SAC: 0800 728 20 10.

Metalife Pilates O Reformer V2 Max Plus™ da Stott Pilates™, fabricado e comercializado pela Metalife Pilates, oferece funcionalidade inigualável na amplitude de movimentos e novas oportunidades. Com seu exclusivo sistema de cordas retráteis, infinidade de ajustes, estrutura vertical com sistema de polias móveis e encaixe de molas, este sistema de última geração produz sinergia nos planos vertical e horizontal. Uma excelente opção para quem busca versatilidade e novos desafios. Mais informações: www.metalifepilates.com.br. Telefones: (48) 3285-2325 ou (11) 5505-0905.

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

29

PowerPlate A grande novidade do modelo Power Plate Pro 6 é a tecnologia pro-motion, que transfere a vibração, por meio de cabos de alta resistência Vectran – cinco vezes mais fortes que aço – para os músculos dos membros superiores. À medida que a velocidade de execução do exercício aumenta, o sistema de gel do pro-motion proporciona uma maior resistência, intensificando o treinamento. Os cabos triplicam as possibilidades de exercícios quando comparados aos modelos anteriores. A tecnologia pro-motion também é uma grande aliada do treinamento funcional. Site: www.powerplate.com.br. Telefone: (21) 2540-6633.

Escola Fitness

JFSUN Não é de hoje que a JFSUN traz para o mercado de óculos de sol novidades e tecnologia de ponta. A sensação da vez é o Modelo 1085. Produzido especialmente para suprir a necessidade de corredores, maratonistas e praticantes de esportes que precisam de acessórios feitos para dar proteção e com maior durabilidade, o modelo tem a armação confeccionada em TR-90, material que proporciona extremo conforto. O kit vem com quatro pares de lentes, uma para cada tipo de situação. Outra vantagem é o adaptador para corredores que usam lente de grau, assim os praticantes poderão ter o conforto de usar um óculos de sol com todos esses benefícios, treinando normalmente com as lentes corretivas de uso no dia a dia. Saiba mais em: www.jfsun.com.br.com

30 Fitness Business | mar/abr 2011

O Gymstick é a grande novidade trazida pela Escola Fitness e que promete agitar as academias brasileiras a partir do segundo semestre. Trata-se de um aparelho multifuncional voltado ao fortalecimento e tonificação dos grupos musculares, desenvolvido para todas as idades e níveis de treinamento. O Gymstick em sua versão original é uma barra de fibra de vidro com proteção em EVA, com elásticos nas extremidades e alças. Com ele, é possível reproduzir os mesmos exercícios que se faz com pesos livres, como agachamento e flexões. Há também as versões Aqua, para a piscina, e o Nordic Walking, para exercícios ao ar livre. Quem assina o lançamento do aparelho e suas modalidades de treinamento no Brasil é Cida Conti. Informações: www.escolafitness.com.br ou (11) 3081-1676.

SysTware Na era high-tech, até mesmo o controle dos batimentos cardíacos ganharam novos contornos. A SysTware lança o novo software para monitoramento individual ou em grupo das batidas do coração. A solução SysTrainer funciona a uma distância de até 1,2 mil metros, podendo ser estendida com o uso de repetidoras. Além de emitir e compartilhar relatórios via internet, o sistema cria aulas e treinos personalizados e tem como novidade a filtragem de picos, evitando o registro de batimentos cardíacos equivocados ou nulos. Permite também a integração que a solução oferece com o personal trainer do praticante. Mais informações: www.systrainer.com.br ou pelo telefone (15) 3318-9510.

Physio Pilates O CoreAlign, febre nos Estados Unidos e na Austrália, promete ser a sensação nos estúdios de Pilates e academias em todo Brasil. O aparelho alia trabalho funcional, cardiovascular e exercícios que equilibram o corpo e a mente. O “queridinho” une atividades que melhoram a postura e auxiliam no bom equilíbrio. Desenvolvido pelo fisioterapeuta Jonathan Hoffman em parceria com a Balanced Body®, o equipamento CoreAlign chega ao Brasil pela Physio Pilates. Conheça a loja on-line: www.pilatesloja.com. Telefones: (71) 3381-8000 ou 3443-0600.

Toca Online Se você ainda é do tempo do CD ou mesmo do MP3 para esquematizar as aulas em grupo, esqueça! O Top Club, serviço de transmissão de músicas on-line, inédito no mundo e desenvolvido pela Toca Online, promete balançar as salas de ginástica de norte a sul do Brasil. Com um login e senha, o profissional cadastrado poderá acessar e utilizar via internet um acervo com mais de 280 horas de músicas de excelente qualidade, sempre atualizado, podendo escolher várias opções de gêneros musicais, estilos de aulas e até a ordem das canções. Tudo simples, prático e sem necessidade de downloads intermináveis. Escute esse recado! Acesse: www.tocaonline.com.br. Mais informações: (13) 3222-1509 ou (13) 3302-0007.

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

31

Test Trainer Exclusivamente direcionada a profissionais de educação física credenciados, a Test Trainer Franchise lança um modelo inédito de franquia para personal trainers. O sistema, que já possui grande aceitação e repercussão nacional, representa uma boa oportunidade para muitos profissionais ingressarem ou mesmo ampliarem seus negócios em uma das mais vantajosas fatias do mercado wellness. Informações: (11) 3493-7560 ou www.testtrainer.com.br.

Rythmoon Do acessório mais simples ao equipamento de última geração. É o que promete o estande da Rythmoon, empresa revendedora de diversas marcas consagradas de equipamentos para academias como Torian, Polar, Everlast, Polimet, Pretorian, Maktub, entre outras. A aposta para a feira são os aparelhos para Pilates, yoga e treinamento funcional, utilizados tanto por clientes residenciais, quanto por grandes redes. Quer saber mais? Acesse: www.rythmoon.com.br. Telefone: (11) 5016-2515.

Supertech Qualidade e conforto são duas características presentes no mais novo lançamento da Supertech para o mercado: a esteira Express 2.0. Extremamente compacto, o equipamento foi projetado para suportar o uso contínuo e também usuários com sobrepeso. A estrutura pode receber praticantes de atividades físicas com até 150 quilos. O design inovador, o motor Weg de 2 HP com comando push botton de alta resistência e o painel luminoso são outras especificidades do aparelho. Saiba mais em: www.supertechfitness.com.br

A Fitness Store é outra novidade da feira. O espaço comercializará camisetas com design e tecido diferenciados relativas à 21ª edição do evento. Basta escolher a cor: platina, preta, vermelha ou verde bandeira Os preços vão de R$ 35 a R$ 45. Cadernos personalizados, com capa dura e 100 folhas (R$ 10) estarão à venda no estande, além do recém-lançado livro Ser mais saudável e melhorar o seu bem-estar (R$ 39,90), lançado pelo Instituto Fitness Brasil em parceria com a Universidade de Inteligência. Aproveite as ofertas.

32 Fitness Business | mar/abr 2011

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

33

Capa

34 Fitness Business | mar/abr 2011

Material girl ataca de empresária no fitness Após inaugurar unidades de sua rede de academias batizada como Hard Candy, na Cidade do México e em Moscou, Madonna revela planos de expandir a marca para a América Latina e já busca parceiros no Brasil. Em entrevista, a “pop star” aposta no crescimento gradativo dos negócios e afirma participar, até mesmo, do processo de estruturação da metodologia de aulas Por Jon Feld (IHRSA - EUA) Com colaboração de Adriano Zanni

m

fotos: divulgação

adonna Louise Ciccone, ou simplesmente Madonna, é um ícone pop conhecido por quebrar paradigmas desde que entrou em cena em 1983. A diva já vendeu mais de 300 milhões de discos no mundo todo e foi reconhecida como a artista feminina de maior vendagem mundial de todas as gerações. Ao mesmo tempo em que estabeleceu sua reputação como um verdadeiro camaleão, reinventando-se a cada instante, Madonna também é conhecida na indústria fonográfica por fazer as coisas a sua maneira, baseada em sua intuição e no perfeccionismo. A cantora tem múltiplas facetas: atriz premiada pelo Globo de Ouro por Evita, estilista, escritora de livros infantis, diretora e produtora de filmes, além de proprietária de sua própria gravadora, a Maverick Corporation, uma joint venture com a Time Warner.

Nos últimos 20 anos, Madonna tornou-se símbolo do fitness e é considerada uma das artistas mais atléticas do planeta. E justamente nesse quesito passou a reinventar-se novamente, buscando práticas de atividades físicas mais voltadas ao conceito de bem-estar do que propriamente à malhação de carteirinha. Essa alternância a inspirou na criação de seu mais novo negócio: a rede de academias Hard Candy Fitness, inaugurada no final de 2010, na Cidade do México, em sociedade com a New Evolution Ventures (NEV), e que já se expandiu para outras cidades como Moscou, na Rússia. Em maio, a pop star inaugura mais uma unidade neste país, em São Petersburgo.

Com sede em Lafayette, na Califórnia, é uma empresa norte-americana especializada na aquisição, desenvolvimento, gestão e operação de instituições ligadas ao fitness, à mídia e aos esportes

Em entrevista, a eterna material girl revela por que decidiu atacar de empresária do setor e demonstra grande envolvimento com mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

35

Capa seu novo negócio, desde a composição do programa de aulas até a estruturação das estratégias de marketing e de busca por novos parceiros, principalmente na América Latina. Madonna quer abrir unidades da Hard Candy no Brasil, na Itália, na Argentina e em outros países. O que fez você decidir entrar na indústria fitness? Certamente, é uma opção lógica como extensão de sua marca e de sua imagem atlética, mas como foi o processo? Houve algum fator motivacional específico? Madonna – Comecei como dançarina no Ensino Médio e tenho malhado desde então. Assim, eu sempre estive ligada ao fitness de certa forma. Malhei em academias e estúdios do mundo inteiro, participei de milhares de aulas de danças e muitos tipos de exercício. Isso foi natural para mim: sempre tive um ponto de vista sobre o que parecia certo ou errado nos ambientes das academias, como técnicas de ensino, vestiários e os diferentes elementos que envolvem o funcionamento das academias. Acho que eu estava formando em minha cabeça como deveria ser ou parecer o ambiente ideal para exercitar-se. E a Hard Candy Fitness nasceu. Você está em forma há décadas. Qual é a importância do fitness em seu estilo de vida? Madonna – Ele é algo essencial. A ideia que me inspira é a de incentivar outras pessoas a sentirem-se do mesmo jeito que me sinto por meio das minhas academias. Um lugar em que as pessoas irão querer se exercitar. Esse é meu objetivo com a criação da rede. Como você escolheu o nome Hard Candy Fitness? Madonna – É o nome de meu último álbum e todos nós gostamos do simbolismo de hard body (corpo duro) e eye candy (sarado). Gosto do jogo de palavras e da ironia que elas carregam.

36 Fitness Business | mar/abr 2011

Madonna ao lado dos empresários Guy Oseary e Mark Mastrov: planos de expansão para a América Latina

Veremos você malhando nos clubes Hard Candy? Por que você escolheu a Cidade do México para lançar os clubes? Madonna – Com certeza. Na verdade, eu já pensei em algumas aulas de abertura, como a que participei na primeira unidade, na Cidade do México. O local foi uma das paradas do tour Sticky + Sweet. Amei a energia do lugar e das pessoas. Também era uma localização ideal por eu estar intimamente envolvida em cada etapa da criação da primeira unidade, ou seja, eu tinha de participar de tudo. Eu não daria meu nome a algo em que eu não pudesse estar envolvida e supervisionar. Como todos sabem, sou cheia das opiniões. Parece que não há projeto de nenhuma academia nos Estados Unidos. Por quê? Madonna – Decidimos focar inicialmente no México e na América do Sul e depois ir para além-mar e expandir para muitos países da Eu-

ropa e também na Rússia. No final, eu adoraria ter academias Hard Candy nos EUA. Mas isso veremos com o tempo. Onde você quer montá-las? Você mencionou Rússia, Brasil, Argentina e outros locais na Europa e Ásia? Você tem uma estratégia específica em relação à localização? Madonna – Isso vai depender das oportunidades de negócios e imobiliárias nos vários mercados que temos focado. Mark Mastrov e sua equipe da New Evolution Ventures (NEV), que já foram muito bem-sucedidos em encontrar os lugares e os operadores de clube certos, irão nos ajudar a determinar onde as próximas academias Hard Candy serão abertas. Seu plano prevê dez academias no total. Dez será o número máximo previsto? Quando você espera que todas as dez academias estejam prontas e funcionando? Madonna – Estes dados não são

precisos. Não temos pressa de abrir no maior número de locais possível. Queremos que cada lugar seja bem-sucedido por si mesmo antes de darmos qualquer outro passo. De novo, é uma questão de acharmos os elementos certos. É isso o que determinará o ritmo de abertura de novas academias e os períodos em que as abriremos. Como você se associou ao Mark e à New Evolution? Madonna – Guy Oseary, meu empresário e sócio, conheceu Mark em 2008, e nos encontramos depois disso. Fiquei impressionada com suas ideias e gostei de como eles ouviram as ideias que eu e Guy tínhamos. Há muito respeito mútuo e uma comunicação aberta sobre todos os aspectos. Qual é sua relação de trabalho com a equipe da Hard Candy? Dizem que você participa do design e dos programas de aulas. É verdade? Madonna – Com certeza. Tenho me envolvido em cada detalhe, incluindo o nome, logo, criação da marca e layout do projeto. Temos muitas reuniões, conversas, trocas de e-mail e textos. Mas o melhor é que todos têm o mesmo objetivo. Eles gostam de determinadas ideias minhas, mas, ao mesmo tempo, eu valorizo o conhecimento e a experiência que eles têm em criar centros de bem-estar no mundo todo. Qual será ou você terá algum papel nas operações diárias ou que estão em andamento? Madonna – Estou envolvida em todos os detalhes de criação: da iluminação à música, da madeira que será utilizada no piso para dança ou yoga ao tipo de aula que será ministrada. Mas, para ter a Hard Candy como um dos centros de lazer, saúde e fitness mais procurados do mundo, eu conto com os melhores treinadores e gerentes. Quero que os pro-

fissionais envolvidos estejam livres para fazer o que eles sabem melhor. Haverá algum elemento on-line? Madonna – A Hard Candy Fitness terá uma única plataforma on-line suportada pelo dotFIT.com que possui um sistema de rastreamento de gerenciamento de atividade e outro de conteúdo relacionado ao fitness. A Academia Virtual Hard Candy é um exemplo dos recursos que desejamos fornecer a nossos membros.

Você tem alguma participação financeira nas academias? Qual é seu objetivo em termos de receita? Madonna – Sou uma acionista importante e sócia de Mark e da equipe da NEV. Se tudo der certo – cruzem os dedos – meu objetivo será cumprido em médio prazo, dada a força por trás da ideia que criou a rede. Estou bem otimista quanto ao retorno do capital investido.

Cidade do México: o projeto da Hard Candy A ideia da Hard Candy Fitness surgiu em 29 de novembro de 2010, na Cidade do México, na área dos Bosques de las Lomas. O primeiro clube da marca tem instalações de 2.700 m² e seu programa e comodidades dão só uma ideia do que está por vir. “A Hard Candy Fitness foi inspirada nas experiências pessoais de Madonna. Sua atenção aos detalhes e seu envolvimento têm sido incríveis”, observa Mark Mastrov, presidente da New Evolution Ventures (NEV). A área fitness, por exemplo, inclui um estúdio para mente-corpo “The Great Candy Wall”, onde os membros podem praticar barras, capoeira e as últimas tendências do yoga. “Por causa do incrível histórico de Madonna em métodos de treinamento de dança e funcional, temos de pensar ‘fora da caixa’ e ser muito criativos”, observa Craig PepinDonat, vice-presidente executivo de Marketing e Desenvolvimento da marca. “Como resultado, desenvolvemos alguns programas inovadores especificamente para a Hard Candy”, adianta.

relaxar e recarregar as energias após os exercícios. Os luxuosos vestiários são construídos com os melhores materiais e projetados para ser um refúgio onde as pessoas poderão se soltar e relaxar. Incluem também saunas seca e a vapor. No futuro, as instalações também poderão abrigar day spa e piscinas.

Uma grande parede de ônix na entrada iluminada da academia, um imenso mural de Madonna e imagens especiais da Hard O clube também conta com os Candy estão entre os elementos-chave da equipamentos mais modernos da indústria marca. Na recepção, imagens provocantes cardiovascular com telas de visualização de Madonna com mensagens irônicas pessoais, equipamentos de força e como “My Club, My Way” (em tradução pesos livres e os últimos acessórios de livre, minha academia, meu jeito) e “You treinamento funcional. Todos os clubes Will Submit” (em tradução livre, você vai incluirão um Hard Candy Energy Bar se entregar), tudo pensado para refletir o and Lounge onde os membros poderão universo lúdico proposto pela cantora pop.

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

37

Inovação

Equipamentos funcionais

Eles pedem passagem no mercado nacional Equipamentos que simulam práticas esportivas pegam carona nos eventos sediados no País para invadir academias, resorts e condomínios

Por Danilo Sanches

a

s Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro (RJ), vão trazer de volta o golfe como modalidade após um século de fora dos jogos. E quem tem comemorado isso é Eduardo Fraga, sócio do fabricante brasileiro D&D Pilates, que enxerga um grande mercado se abrindo para seu simulador de golfe, tanto no Brasil quanto no exterior. Os equipamentos funcionais, os quais simulam esportes que normalmente precisariam de grandes estruturas para treinamento, como a canoagem, o beisebol e o próprio golfe, têm um enorme mercado potencial no Brasil e devem se aproveitar dos grandes eventos esportivos que serão sediados por aqui para ganhar maior projeção. “Na simulação das tacadas que um golfista realiza, conseguimos aplicar alguns conceitos do Pilates com base na utilização do sistema de molas que envolvem os aparelhos, fazendo um trabalho tanto concêntrico quanto excêntrico, o que proporciona força e flexibilidade aos músculos”, explica Fraga.

38 Fitness Business | mar/abr 2011

O conceito é simples: aliar os benefícios dos esportes que exigem vigor muscular, postura e controle da respiração à praticidade dos espaços da academia ou dos fitness centers de hotéis e condomínios. E a empresa de Fraga tem investido alto para pegar onda nesta tendência , já muito difundida no exterior. Segundo o executivo, neste ano, serão investidos R$ 2 milhões na divulgação do equipamento, inclusive com a participação na tradicional feira norte-americana

Swing Pilates, da fabricante D&E Pilates: aposta no golfe como modalidade olímpica para ampliar portfólio de negócios

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

39

Inovação

Equipamentos funcionais

Idea Fitness Convention, que acontece em agosto, na Califórnia.

cionais como produtos complementares no portfólio.

Por outro lado, o próprio mercado reconhece que não são produtos que almejam se tornar, um dia, os principais equipamentos dentro das academias. Mas, mesmo como produtos complementares, a indústria enxerga um potencial de mercado que abrange cerca de 15 mil academias no País, sem contar resorts e condomínios, que passam por um grande momento de expansão.

“Eles não serão jamais o equipamento principal de uma academia. Não é essa a tendência de mercado. Eles serão, sim, um produto complementar importante que veio para ficar. Em academias mais simples, serão uma fração não maior que 10%, enquanto nas maiores academias esse número pode subir para 20% das máquinas instaladas”, explica o executivo.

Por serem produtos de alto valor agregado, mesmo que não tenham uma grande representatividade em volume, são alternativas bastante vantajosas para as empresas. Fraga revela que o simulador de golfe representou em 2010 cerca de 10% do faturamento da D&D Pilates, que fechou o ano passado com R$ 12 milhões.

Somera acredita no mercado brasileiro, que ainda divide com o restante do mundo os 20% da demanda que não advém dos Estados Unidos e da Europa. “O mercado fitness brasileiro ainda não conhece o que é crise e isso é uma boa notícia. A indústria cresce dois dígitos todos os anos e não há sinal de redução da velocidade de incremento”, avalia.

“A receita relativa a este segmento é composta também pelos programas de treinamento que envolvem o produto comercializado. Outro aspecto importante é que as pessoas acabam comprando, por consequência, diversos aparelhos de Pilates, uma vez que o treinamento como um todo contempla vários outros exercícios além daqueles específicos para o golfe”, afirma Fraga.

Segundo Somera, o boom ainda está por vir e apenas depende de tempo e do conhecimento dos profissionais do setor. “Nada que não veremos em uma evolução natural acontecendo a cada ano”, afirma.

Polivalência A multinacional Johnson Health Tech, que tem fábrica também no interior de São Paulo, tem como aposta um equipamento funcional multimodalidades que simula movimentos do golfe, beisebol, tênis, basquete, entre outros esportes. O equipamento, desenvolvido pela subsidiária Matrix, contempla mais de 200 exercícios funcionais. Thiago Somera, gerente geral da Johnson Health Tech no Brasil, acredita que o equipamento tenha espaço em todos os tipos e tamanhos de academia e ratifica a tendência dos aparelhos fun-

40 Fitness Business | mar/abr 2011

Know-how é o desafio O conhecimento dos profissionais do setor é exatamente o ponto onde está o gargalo do desenvolvimento deste mercado, conforme Ailton Schiavetto Marques, sócio da KA Sports, distribuidora com sede em São Paulo (SP). Segundo ele, as vendas de equipamentos funcionais representam menos de 10% do faturamento total da empresa, apesar de terem um potencial muito maior.

“A aceitação das academias não é tão grande, porque talvez o proprietário não saiba bem o que fazer com eles. Não sabe o quanto de opções ele pode oferecer aos alunos com estes equipamentos, criando novos serviços”, afirma Marques. O executivo completa dizendo que o público já demonstra uma demanda pelos funcionais, mas os investimentos em equipamentos e treinamento podem estar desanimando o mercado. “A resistência não é do público, mas dos donos das redes de academias, porque eles acreditam que o profissional que trabalha em suas unidades não tenha o devido conhecimento e habilidade para trabalhar atividades físicas em cima dessas estruturas”, afirma.

Functional Trainer, da Matrix: mais de 200 exercícios funcionais

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

41

Caso de Sucesso Maria Luíza Coelho

Craque no hole in one n

a contramão dos profissionais do bem-estar que voltam sua atuação com base na inserção cada vez maior da classe média no ambiente das academias de ginástica, Maria Luíza Coelho é dessas que optaram por investir no espírito empreendedor para atuar em um nicho de negócios voltado, segundo ela mesma, à classe AAA da população: a preparação física de atletas amadores e profissionais para o golfe.

fotos: Gustavo Paschoal Célio

O esporte, pouco difundido no Brasil, certamente ganhará muitos adeptos nos próximos anos; sobretudo, porque a modalidade tornouse olímpica e estará no calendário dos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro. A “grande tacada” da personal trainer já começa a render bons resultados. Aos 25 anos, Maria Luíza observa sua base de clientes aumentar consideravelmente e afirma: “é possível chegar até R$ 16 mil de salário mensal atuando no ramo. Um pouco abaixo dos US$ 20 mil que um profissional recebe nos Estados Unidos. Hoje, vivo exclusivamente para a minha profissão”, diz. APPROACH Durante toda minha infância, tive contato com educação física, não somente na escola, mas também com recreacionistas, uma vez que meus pais são proprietários de um hotel fazenda, onde há a presença de um recreador em

42 Fitness Business | mar/abr 2011

todos os finais de semana. Em casa, todo mundo sempre praticou e ainda pratica esportes, visando à melhoria da saúde, mas nunca fomos de discutir o assunto em si, pois o interesse acontecia naturalmente. Aos 16 anos, comecei a trabalhar como recreacionista e acabei me interessando pela profissão. Fiz a graduação em Educação Física e especialização em Fisiologia do Exercício. Em 2010, fui para a Califórnia (EUA) fazer a certificação em Golf Fitness Instructor pela TPI (Titleist Performance Institute). TEE Fiquei interessada pelo trabalho no segmento do golfe quando um aluno golfista começou a queixar-se de dores em lugares diferentes e em várias ocasiões de seu dia a dia. Ao pesquisar esses incômodos, pude perceber que todos eles eram causados pelo esforço realizado durante a prática do esporte. Com base nisso e em conversas com esse mesmo aluno, decidi me dedicar à modalidade que é tão carente de informações aqui no Brasil. HAZARDS Hoje, nós temos um mercado de profissionais de educação física saturado, porém, crescente, principalmente no direcionamento das atividades que levam à criação de especialistas em diferentes áreas. Em minha opinião, o futuro da profissão será como a da medicina de hoje, quando você procura um médico específico para seu objetivo final. Os profissionais têm de ser cada vez mais especializados para que possam atender de maneira extremamente satisfatória e profunda as necessidades de cada um. Enfrentamos hoje uma epidemia de obesidade e doenças ligadas a ela. Por isso, a busca pela atividade física será cada vez maior e a busca por professores também aumentará continuamente. As atividades personalizadas têm essa crescente procura, principalmente em função da privacidade e da adaptação que o aluno tem em seus treinos que são desenvolvidos somente para ele.

HANDCAP Pelo fato de o golfe não ser um esporte de muito conhecimento pelos educadores físicos brasileiros, a tendência é que os praticantes busquem profissionais que tenham mais conhecimento específico, obtendo assim um melhor resultado com os exercícios, uma vez que eles são elaborados especificamente para o esporte que ele pratica. Um personal trainer voltado para o golfe cobra de R$ 100 a R$ 120 a hora-aula. O ideal para o profissional é de 6 a 8 aulas por dia. A remuneração mensal do professor varia de acordo com o número de aulas, podendo chegar a R$ 16 mil por mês, considerando 40 aulas semanais a um custo de R$ 100 cada. STANCE O perfil de meus clientes é classe AAA, com idades entre 35 e 60 anos. O melhor meio de comunicação para atingir esse público, sem dúvida, é o boca a boca. Dessa forma, os praticantes podem passar uns aos outros as sensações e resultados obtidos durante o treinamento. No entanto, um trabalho de comunicação específico pode ser muito útil, pois abre os objetivos de nosso trabalho para toda a mídia, assim como as parceiras com professores de golfe e até mesmo os clubes.

O golfe é um esporte crescente no País com a presença de muitos executivos que realizam reuniões durante os jogos. O número de campos e de condomínios com clubes de golfe também vem crescendo, principalmente nos arredores de São Paulo. Eu acredito que o número de praticantes do esporte cresça em razão dos Jogos Olímpi-

cos, ainda mais se até lá conseguirmos um nome brasileiro qualificado para a disputa no Rio de Janeiro, em 2016. YARDS Meu intuito é realizar cursos para profissionais para que haja um aumento do número desse pessoal com capacidade e que possa atender da melhor forma esses praticantes. Nos Estados Unidos, um golf fitness instructor trabalha sempre em conjunto com um professor de golfe e um fisioterapeuta. O salário dele gira em torno de US$ 20 mil, acima da nossa média. Hoje, vivo exclusivamente para a minha profissão. Meu objetivo maior é alcançar o topo da carreira, ser bem-sucedida e bem remunerada, algo que na área da Educação Física parece impossível para muitas pessoas. Mas não é. Basta acreditar.

Glossário do esporte approach: tacada que leva ao green (campo de golfe) handcap: tipo de pontuação que mede o aproveitamento de cada golfista, sendo subtraído do total de tacadas hazards: como são chamados os obstáculos no green hole in one: acertar o buraco com uma única tacada stance: posição do jogador no momento da tacada tee: local onde é dada a primeira tacada em cada buraco yards: jardas; no golfe, as distâncias são medidas em jardas. Cada jarda equivale a 91,4 cm

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

43

Carreira

fotos: shutterstock

Hidro personal

Exclusividade até debaixo d’água programas direcionados à terceira idade, aulas de mergulho profissional, exercícios de reabilitação: tudo isso dentro da piscina e com ótimas oportunidades de remuneração para quem pretende se especializar em atividades aquáticas Por Juliana Lanzuolo

44 Fitness Business | mar/abr 2011

p

roveniente da Alemanha, a hidroginástica chegou ao Brasil nos anos 80, quando virou mania nas academias por conciliar malhação, música e piscina. O corpo fica mais leve embaixo d’água, o que torna a maioria dos treinamentos mais fáceis de serem executados. “Talvez por isso, durante algum tempo, sustentou-se o mito de que os exercícios na água não tinham a mesma eficiência que os terrestres. Acreditava-se que as propostas aquáticas eram mais leves e, portanto, recomendáveis às gestantes e à terceira idade”, comenta a hidro personal Denise Rodrigues do Amaral, que começou seu trabalho há 20 anos com gestantes. Atualmente, essa crença vem se desmistificando e a modalidade tem atraído um contingente cada vez maior de mulheres e jovens cujas expectativas compõem um treino completo. “Com os exercícios aquáticos, é possível desenvolver resistência natural, funções cardiorrespiratórios, aprimorar condicionamento físico e resistência muscular. Apenas não é possível trabalhar hipertrofia muscular na hidroginástica”, afirma Denise.

Nos últimos anos, as pessoas têm se tornado mais individualistas, seletivas e exigentes. O consumidor deseja que o mercado o atenda com exclusividade em quase todos os segmentos. “Essa tendência é favorável, portanto, ao atendimento personalizado na educação física, o que inclui o hidro personal, que encontra um mercado promissor e em expansão a sua frente, já que ele atende a uma demanda exclusiva, baseada nas necessidades e desejos de cada um de seus alunos”, afirma Denise. O profissional pode atuar em condomínios, clubes e academias e propor um atendimento individualizado a todos os públicos, com uma demanda acentuada de gestantes, idosos e pessoas cujas atividades físicas precisam ser supervisionadas. Terceira idade: lucro certo Em meados dos anos 70, um período de pouquíssima difusão da hidroginástica no País, Maria Alice Corazza conta que ingressou na faculdade já com o intuito de atuar com o idoso, mas os professores a criticaram alegando que este público não frequentaria academia, que não haveria campo para tal função.

O hidro personal encontra um mercado promissor e em expansão a sua frente, já que ele atende a uma demanda exclusiva, baseada nas necessidades e desejos de cada um de seus alunos Denise Rodrigues do Amaral, hidro personal

Mesmo contrariada, ela resolveu seguir a vocação e, em 1972, criou uma metodologia própria e, sem atribuir o nome conhecido atualmente, começou a dar aulas como hidro personal. “Naquela época, eu era professora particular de pós-enfartados e já trabalhava com materiais alternativos. Usava garrafas PET que funcionavam como suporte para flutuar, trabalhava exercícios de peso, sobrecarga e também alongamento com a ajuda de uma toalha e o chinelo substituía muito bem o palmar”, lembra Maria Alice.

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

45

Carreira

Hidro personal

Para a professora, os idosos formam o maior contingente nas aulas de hidro. Ela conta que, durante o Congresso da Feliz Idade, realizado no ano passado em Olímpia (SP), 60% dos 400 alunos que prestigiavam suas aulas tinham passado dos 50 anos. Maria Alice explica que há três perfis de idosos que procuram pelo hidro personal. São eles: o presentivo, que frequenta as aulas em função de alguma patologia, por recomendação médica; o corretivo, que para se exercitar depende da ajuda do profissional para executar movimentos, além do apoio psicológico; e o idoso ativo, que iniciou na modalidade aquática por afinidade e prazer após os 60 anos. Habilidades requeridas Para obter êxito na função, é indispensável que o hidro personal entenda profundamente os aspectos que permeiam as atividades aquáticas. “É necessário conhecer as propriedades físicas da água e as consequências da pressão hidrostática para que o professor foque o grupo muscular que pretende. Ele deve conhecer também as posições básicas da hidroginástica (rebote, posição neutra, ancorada e suspensão) para que ele consiga desenvolver exercícios mais elaborados”, afirma Denise. Maria Alice ressalta outra característica que foge ao conhecimento técnico do instrutor: “Para ser hidro personal, sobretudo, no trabalho com idosos, é necessário uma dose cavalar de paciência para explicar o mesmo exercício mais de uma vez e tranquilidade para conduzir os trabalhos dentro d’água”. A remuneração vai depender da cidade de atuação do profissional. Denise estima que, em São Paulo, a hora-aula custe entre R$ 90 e R$ 100, mas que, no ABC Paulista, e em outras cidades do interior o

46 Fitness Business | mar/abr 2011

no fundo do mar

Em Santos, no litoral paulista, encontra-se a Divers University, maior faculdade de mergulho de toda a América Latina. O curso de mergulhador profissional raso oferecido pela instituição, por exemplo, habilita a trabalhar com equipamento autônomo e dependente, em profundidades iguais ou inferiores a 50 metros, utilizando ar ou misturas gasosas ricas em oxigênio. Após o cumprimento da carga horária de 428 horas, divididas em dez semanas, o indivíduo pode atuar em plataformas de petróleo, portos, represas, barragens etc. “Na primeira opção, o profissional executa manutenção e inspeção nas estruturas de navios, além de lidar diretamente com os processos de conexão do petróleo do fundo do mar até a base. Um mergulhador iniciante nesta função pode ganhar até R$ 3 mil. Já o salário de um supervisor pode chegar a R$ 8 mil”, explica Renato Duarte, gerente geral da Divers University.

(Fefis), na Unimes, não há nenhuma formação profissional específica requerida, basta apenas que o aluno não tenha fobia de água. Para isso, o candidato se submete ao exame médico hiperbárico, ministrado lá mesmo na universidade. O preço do curso é de R$ 3,5 mil. A grade curricular inclui disciplinas como: aspectos oceanográficos relacionados à atividade de mergulho, física aplicada ao mergulho, fisiologia e anatomia aplicada ao mergulho, história do mergulho, noções de marinharia, primeiros socorros, medicina hiperbárica (acidentes causados pelos efeitos diretos e indiretos da pressão), resgate aquático para mergulhadores, entre muitas outras. Além disso, a instituição também forma instrutores de mergulho voltados para atividades de lazer, muito comuns em cidades litorâneas de águas calmas e límpidas.

Para ingressar no curso abrigado na Faculdade de Educação Física de Santos

É outro nicho para o profissional da educação física apaixonado por atividades aquáticas e que pode complementar sua renda, trabalhando em locais como estes durante os fins de semana, acreditam os especialistas entrevistados pela Fitness Business. Quer saber mais? Acesse: www.diversuniversity.com.br

valor seja um pouco inferior e fique entre R$ 50 e R$ 70. “Sem dúvida, trata-se de um trabalho recompensador aqueles que

têm dom e o prazer de atuar em parceria com o aluno na busca por seu bem-estar”, ressalta Maria Alice.

Nos portos, o profissional atua na limpeza, construção de barragens, drenagens e dragagem (processo de retirada da areia acumulada pelas ondas no fundo do mar para viabilizar a passagem do navio).

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

47

Mercado & Tendências Grupos de corrida

Passos lucrativos

Depois do futebol, a corrida de rua é o esporte mais praticado no Brasil. Hoje, são mais de 4 milhões de atletas dentro de um mercado que movimenta R$ 3 bilhões anualmente. Números que fizeram muitas academias criarem grupos em torno da modalidade, passando a explorar novos nichos de negócios Por Cláudia Dias

a

febre das corridas de rua no Brasil continua abrindo novas oportunidades às academias de ginástica. Apenas para ter uma ideia, trata-se de um mercado que cresce cerca de 30% ao ano. Expansão justificada pelas inúmeras possibilidades que a atividade oferece aos praticantes, capaz de reunir qualidade de vida, bom condicionamento físico, emagrecimento e, até mesmo, a socialização em grandes centros, pois, acredite você ou não, há muitas pessoas que correm para fugir do estresse. Embora este mercado não seja novo, ele continua gerando frutos, ou melhor, lucros. O ex-técnico da seleção brasileira de triátlon, Marcos Paulo Reis, hoje diretor técnico da MPR Assessoria Esportiva,

48 Fitness Business | mar/abr 2011

teve uma espécie de premonição sobre o crescimento da corrida de rua no País há mais de 20 anos. Como treinava a seleção, muitas pessoas o procuravam para receber orientação adequada na hora de praticar corrida. Foi, então, que surgiu a primeira assessoria de esportes no País. Hoje, atuando em São Paulo e Santos, com um ticket médio de R$ 180, ele tem mais de mil alunos distribuídos em academias como a Reebok Sports Club, que já congrega mais de 200 participantes. “Fazemos parceria com empresas e academias que querem oferecer esse serviço com desconto aos alunos e percebemos o resultado positivo, já que a

corrida em grupo aumenta a autoestima, porque os praticantes perdem peso, melhoram o condicionamento físico e ainda conhecem outras pessoas interessantes”, explica. A Bio Ritmo, em São Paulo, também apostou neste nicho e há seis anos oferece o Bio Running Plus. Hoje, com cerca de 300 alunos, o programa oferece treino de corrida outdoor, orientação personalizada e treino específico, dependendo do objetivo do atleta. Além da mensalidade da academia, o aluno do grupo de corrida paga R$ 75 por mês. “O crescimento do nicho fez a academia abrir as portas para os adeptos desta modalidade”, diz Saturno de Souza, diretor técnico da Bio Ritmo.

fotos: shutterstock

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

49

Mercado & Tendências Grupos de corrida

Começamos porque percebemos que os alunos se interessam e têm vontade de participar de provas. Aqueles que ainda não pensam nas provas se animam com o gasto calórico que, ao ar livre, pode aumentar em 30% Sanclher Carvalho, Triathon Academia

A inovação foi quando a rede de academias se associou a uma das mais respeitadas assessorias esportivas outdoor, a 5 Ways, liderada por Ronaldo Martinelli. “Em conjunto, passamos a atender e oferecer suporte não só nos treinos outdoor, mas também nas principais provas da modalidade, nacionais e internacionais”, completa. Em março, a Triathon Academia, no bairro paulistano de Pinheiros, lançou seu grupo de corrida ao ar livre. Para estimular e facilitar a participação dos alunos, a academia oferece aulas em um parque a apenas 300 metros da unidade. Com um horário pela manhã e outro à noite, sem nenhum custo adicional além da mensalidade, dez alunos já aderiram ao projeto em menos de um mês de sua implementação. A perspectiva é que, em três meses, pelo menos 30 alunos já façam parte do grupo. “Começamos porque percebemos que os alunos se interessam e têm vontade de participar de provas. Aqueles que ainda não pensam nas provas se animam com o gasto calórico que, ao ar livre, pode aumentar em 30%”, explica Sanclher Carvalho, professor do grupo. Essa mania não é apenas um luxo necessário nas grandes capitais. Em Campinas, interior paulista, também existem muitos

50 Fitness Business | mar/abr 2011

grupos. É nesta cidade que está o Clube da Corrida. Halim Rached Neto, diretor técnico, há pouco mais de dez anos, começou com seis inscritos em uma academia local. Em 2002, montou sua própria assessoria e, atualmente, já conta com 208 adeptos. Os encontros acontecem três vezes por semana no Parque do Taquaral. Os alunos já participaram da São Silvestre, Volta da Pampulha, Meia Maratona do Rio de Janeiro, dentre outras provas. Para fazer parte do grupo, o valor varia de R$ 30 a R$ 80, de acordo com o acompanhamento necessário. “Percebi essa tendência de as pessoas procurarem parques, ruas, ambientes abertos e de contato com a natureza. Assim, surgiu e cresceu o grupo. Hoje, organizamos eventos para todos se socializarem, criando laços de amizade”, conta Halim. Know-how de peso Para o consultor em fitness Junior Crocco, formar grupos de corrida dentro da academia pode ser um excelente negócio, porém é comum ouvir histórias de projetos fracassados. Esse resultado depende da estratégia, planejamento e, principalmente, de quem está à frente do negócio. “Se a ideia é ter mais serviços na prateleira e vender mais com isso, o gestor

deve pensar que o foco deste produto não são apenas os alunos que já frequentam a academia, e sim os clientes em potencial, como funcionários de empresas da região”, destaca. Segundo Crocco, é essencial que a equipe responsável pelo grupo esteja bem alinhada com os objetivos da academia, focado nos resultados que devem obter dentro dos prazos acordados, nas metas e ter em mente que o grupo de corrida faz parte da academia também, não devendo ser tratado como “pessoas de fora”. A integração com todas as atividades da academia deve ser explorada, principalmente, se uma assessoria terceirizada for contratada. “Não é um negócio isolado, faz parte do conjunto de atividades como a musculação, natação, ginástica, cada um com seus clientes-alvo”, diz o consultor, acrescentando que o pontochave é alinhar a importância desse projeto dentro da academia. “A dica é ressaltar para o gestor que oferecer mais um serviço ao cliente, além de gerar retorno financeiro, acarreta no fortalecimento da marca, agregando valor ao negócio”, alerta o especialista.

Fitness Brasil

2011 Programe já sua agenda: as maiores feiras de bem-estar do ano estão com data marcada e você não pode faltar!

PRODUTOS EXCLUSIVOS

21 a 24 de abril • Santos, SP

FITNESS BRAS NÃO PERCA!

IL

1 a 3 de setembro • São Paulo, SP

30 de setembro a 2 de outubro • Salvador, BA

www.fitnessbrasil.com.br mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

51

Blitz do bem-estar Marketing para a 3ÂŞ idade

Sem tempo para

52 Fitness Business | mar/abr 2011

perder

Com o crescimento da expectativa de vida, público da terceira idade se interessa cada vez mais pela prática de exercícios físicos, mas as academias também devem fazer seu papel e oferecer planos interessantes para fidelizar os novos clientes. Como fazer para comunicar-se com eles? Por Marcelo Jucá

a

pergunta dirigida à atendente é das mais simples e objetivas. “Quero matricular meu avô na academia, vocês possuem algum treinamento específico para ele?” Ela pede para aguardar um pouco, enquanto chama um consultor para melhor explicar as propostas. O profissional entusiasta logo assume a posição e começa a explicar os motivos e alternativas existentes para matricular uma pessoa acima de 60 anos em uma série de treinamentos.

fotos: shutterstock

Para o público da terceira idade, a academia oferece um pacote especial que envolve aulas de alongamento e hidroginástica, todos os dias da semana. Para matriculá-lo, basta apresentar um atestado médico autorizando a prática de exercícios livres.

atendente logo chamou a responsável pela unidade, que perguntou de saída a idade dela e se possuía algum problema de saúde. Respondidas suas questões, informou que ela seria muito bem-vinda e que o tipo de treinamento oferecido seria adequado a seu perfil. Os exemplos mostram que, apesar da demanda do público da terceira idade, o mercado de academias ainda engatinha nesse segmento e que o diálogo precisa ser mais bem desenvolvido, afinal, como apontam os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida do brasileiro beira os 73 anos de idade. Ou seja, há muito campo a ser explorado nesse sentido.

Em outra academia, a história foi um pouco diferente, mas não menos atraente. Cliente acima de 60 anos tem desconto na mensalidade, só que, assim como qualquer outro aluno, o plano de treinos será montado por um instrutor, a partir de uma conversa sobre gostos, dificuldades e intenções.

Esses números positivos indicam um público significante que procura, por pura e espontânea vontade, a prática de exercícios físicos, de forma proativa e não induzido pelas ações de relacionamento pensadas hoje pelas academias. Ou seja, há ruídos de comunicação a perder de vista.

Em uma terceira academia consultada, foi necessário trocar o personagem. No caso, algo para a avó. A

Via de duas mãos A FitCor Aptidão Física e Saúde é uma academia diferenciada que mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

53

Blitz do bem-estar Marketing para a 3ª idade

funciona dentro do complexo hospitalar do Hospital Sírio Libanês, com coordenação do professor José Alberto Aguilar Cortez. Com 38 anos de existência, já tem muita história para contar, principalmente pelos avanços nos trabalhos de fitness com idosos. Mesmo que aberta para todo tipo de público, seu referencial é o treinamento para a terceira idade. “O público predominante é acima de 50 anos e que já sofre com dificuldades impostas pela idade”, afirma. A ideia do projeto é oferecer maior segurança para esse público, pois conta com uma equipe multifuncional, entre cardiologistas, fisioterapeutas e psicólogos, que desenvolvem trabalhos direcionados e voltados para o bem-estar de cada um. “Nossos profissionais cuidam de cada aluno, com uma ficha de seu histórico médico na mão, sabendo os tipos de problema ou fratura que aquele cliente passou”, explica. “Dessa maneira, podemos atendê-los da forma mais segura”, destaca Cortez. De acordo com o especialista, a FitCor é um exemplo a ser seguido e as

academias devem abrir a cabeça (e o bolso) para entender o valor representativo desse segmento. “A partir do momento em que as academias oferecerem a mesma segurança, a mesma preocupação e atenção para a terceira idade, em pouco tempo, centenas de interessados podem aparecer. É uma via de duas mãos na qual donos de academias e público-alvo saem ganhando”, sugere. Cuidados especiais A Fórmula Academia, uma das mais tradicionais do País, oferece uma filosofia de trabalho que pode interessar os vovôs ainda resistentes em participar de alguns treinamentos. O plano Care é o recomendado, com treinos direcionados para prevenir doenças, além de trabalhar musculatura e resistência física, claro, tudo com acompanhamento de perto de um instrutor em tempo integral. O espaço também conta com avaliações físicas periódicas, fisioterapia e orientação nutricional. Outro destaque do setor, a Runner, é uma opção valiosa pela metodologia aplicada a todos os alunos, com mais de 30 variações de exercícios e aulas, divi-

didos em ginástica, musculação, exercícios aquáticos, além de contar com uma agenda cheia de eventos, ideal para motivar os alunos. A rede Curves, conhecida por seu método e exclusividade de trabalhar com o sexo feminino, também se mostra uma alternativa interessante. O circuito de atividades ofertado para a participante da terceira idade promove a interação entre as diferentes gerações e não gera nenhum tipo de competição ou mal-estar. A responsável pelo atendimento ainda destaca que, de sete em sete minutos, a pressão de todas as alunas é monitorada, a fim de entender se o corpo delas está acompanhando bem os exercícios. Mea-culpa Os casos registrados comprovam o que Cortez citou anteriormente. As academias ainda estão muito tímidas e têm de aprender a lidar melhor com esse público promissor. Mas quem se interessou em investir no segmento deve ter em mente uma série de fatores que devem ser tratados. Não basta disparar um e-mail oferecendo aulas para idosos. A professora de educação física Marcia Neide Zmorzynsi, que possui estudos sobre a motivação do idoso em programas de atividades físicas, escreve que a “interação geracional era o que os mantinha longe das salas de musculação”. Até chegar a esta conclusão, a profissional quebrou a cabeça, pesquisou e conversou com ex-alunos para entender a desmotivação geral. Depois das dúvidas esclarecidas, reformulou o antigo programa de treinos e alcançou resultados significativos. Além do acompanhamento médico especializado, deve-se tratar com dignidade e respeito o público. Palestras com psicólogos e geriatras também servem como incentivo para mantê-los interessados em frequentar as academias e conquistá-los de vez.

54 Fitness Business | mar/abr 2011

Essencial para o seu negócio.

Apenas A revista Fitness Business é a principal fonte de informações e notícias sobre o mercado de fitness e bem-estar. Com periodicidade bimestral, traz reportagens sobre tendências nacionais e internacionais, práticas de gestão, inovação, valor de produtos, serviços e soluções, cases de sucesso e muito mais.

R$ 89,00 por ano

Uma publicação indispensável para gestores de academias, empresas fabricantes, distribuidores, revendedores e provedores de serviços e soluções para o segmento. Essencial para quem quer ter sucesso no mundo dos negócios.

Assine já: (11) 5095 2699 / r. 635 • assinaturas@fitnessbrasil.com.br mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

55

equipamentos & cia_

Acessórios aquáticos

Eles fazem a diferença dentro da piscina Palmares, nadadeiras e muitos outros acessórios levam cor à piscina e podem tornar as aulas mais dinâmicas e atraentes se o instrutor conhecer de fato suas atribuições Por Juliana Lanzuolo

Nocentini alerta também que os acessórios são parte da academia e, portanto, refletem sua imagem. Então, é importante que haja um cuidado não só na compra, mas também na manutenção periódica do equipamento, além de garantir que sejam acondicionados e higienizados corretamente, em ambiente seco para evitar mofo. Aliados dos professores de natação, os acessórios podem ajudar no desenvolvimento das aulas, tornando-as mais criativas e motivantes. “Entretanto, há que se cuidar com o uso abusivo e indiscriminado; sobretudo, dos palmares e das nadadeiras, que oferecem mais riscos de lesões. A primeira recomendação, portanto, é que, ao efetuar a compra, o gestor tenha o cuidado de contemplar todas as faixas etárias, tamanhos e níveis de desenvolvimento”, ressalta Rogério Nocentini, técnico da seleção paulista de natação.

Conhecer profundamente as funções de cada acessório e traçar um plano de aula para evitar uso repetitivo e sem o devido propósito respalda o professor. “Utilizado corretamente, o palmar aperfeiçoa a posição da mão e braçada do nadador. O acessório ajuda no desenvolvimento da técnica e da força. Já a nadadeira auxilia no deslocamento mais rápido e com menor esforço físico”, explica Nocentini. Nossa reportagem separou alguns modelos destes acessórios para facilitar o trabalho dentro d’água. Confira!

shutterstock

56 Fitness Business | mar/abr 2011

Power

Meia lua

Power Fin

Training

Fiore

Aquatica Slade

Speedo

Floty

Silicone

Nadadeiras siliconizadas com calcanhares inteiros

O lançamento Power Fin é feito de silicone, com a calçadeira aberta para mais mobilidade

Polietileno rígido

Nadadeiras de natação são diferentes das de mergulho. Elas têm função específica de fortalecimento de pernada

Prática de natação em geral

Treinamento de membros inferiores

Permite-se trabalhar força sem impacto nos membros inferiores. Possui alças para serem fixadas nos pés

33 a 44

38/40, 40/42 e 42/44

P (34-36), M (37-39) e G (40-42)

XS 34/35, S 36/37, M 38/39 L 40/41 e XL 42/43

R$ 128,00

R$ 95,00

R$ 132,00

R$ 135,00

www.fiore.com.br

www.aquaticaslade.com.br

www.speedo.com.br

www.floty.com.br

Training

Power Paddle

Fiore

Aquatica Slade

Speedo

Floty

Polipropileno e poliestireno, todos com tiras em silicone

O modelo meia-lua é feito de PP

O modelo Power Paddle é feito de polipropileno e tiras de silicone

Polietileno injetado e tiras de silicone

O Palmar Power aperfeiçoa técnica e força nos nados de costas e crawl

Aumenta a resistência e ajuda no aperfeiçoamento do nado. Mais indicados para a modalidade peito

Todos aprimoram a eficiência das braçadas

Trabalhar força sem impacto nos membros superiores. As aberturas permitem não perder a sensação do fluxo da água

Único

Pequeno, médio e grande, de acordo com o nível do aluno

Há três designs conforme a intensidade desejada do treino

Único

R$ 35,00

R$ 15,00

R$ 46,90

R$ 30,00

www.fiore.com.br

www.aquaticaslade.com.br

www.speedo.com.br

www.floty.com.br

Modelo

Marca

Material

Aplicação

Tamanho

Preço R$

Onde encontrar

mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

57

Artigo Luiz Pavão

Divulgação

Compras coletivas: como tirar proveito sem correr riscos

a

s compras coletivas – ofertas com descontos vendidas em sites para grupos mínimos de consumidores – apresentam fortes sinais de que não são uma moda passageira. Elas vieram para ficar. A prática, que chegou ao Brasil em março de 2010, já atingiu mais de 10 milhões de consumidores em apenas um ano. Hoje, há quase 2 mil clubes de compras coletivas, cada vez mais segmentados por regiões e categorias específicas. Mas é bom refletir um pouco antes de aventurar-se neste cenário.

Luiz Pavão é formado em Publicidade e Propaganda e pós-graduado em Administração de Empresas. Foi coordenador do Departamento Comercial da empresa B2W – Companhia Global de Varejo – e especializouse, nos últimos quatro anos, em marketing digital, ajudando pequenas empresas de varejo a montarem suas lojas na internet. Atualmente, é diretoracionista do BeClub (www.beclub.com.br) – primeiro site de clubes de compras coletivas do Brasil

58 Fitness Business | mar/abr 2011

Como é sabido, todo estabelecimento prestador de serviços possui períodos de ociosidade nos quais tem de arcar com custos fixos, mesmo sem clientes. Sendo assim, nada melhor que os empresários façam ofertas ao mercado, com descontos dentro desses períodos, do que simplesmente ficarem sem receita, apenas observando passivamente sua lucratividade em queda.

Resumindo: de um lado, temos a ociosidade e a ação para captação de novos clientes. De outro, o consumidor que aceita tomar serviços na sazonalidade. Entre as duas pontas da cadeia, as redes sociais, muito fortes no Brasil, propagando as ofertas. No entanto, assim como o número de compradores e o faturamento, o montante de reclamações de clientes insatisfeitos relativo ao universo das compras coletivas já é bastante expressivo no País. Isso acontece porque muitos estabelecimentos despreparados anunciam nos grandes sites de compras coletivas, oferecendo um número de produtos ou serviços muito acima do que podem entregar. Outras reclamações ficam por conta de clientes que chegam ao estabelecimento e recebem produtos ou serviços de qualidade inferior ao vendido no site.

Outro fator que permite o oferecimento de descontos está ligado à redução no preço de produtos e serviços com alta margem de lucro a fim de atrair novos clientes com a expectativa que estes consumam mais do que apenas o produto ofertado com desconto.

A forma mais segura de garantir a qualidade é a boa estruturação e planejamento das ofertas antes de irem ao ar em alguns desses sites. É preciso que os estabelecimentos também tenham conhecimento do portal com o qual realizam parcerias, pois, muitos deles, não estão preocupados com a entrega dos serviços.

Aliado a tudo isso, há de se destacar que a vantagem para o consumidor, além dos inúmeros descontos, é a oportunidade de sair de lugares rotineiros de compra e conhecer melhor sua cidade, pagando menos por aquilo que intenciona adquirir.

A chave para o futuro das compras coletivas está na segmentação de mercado. Cada vez mais, os clubes especializam-se em universos definidos por segmento e região, o que poderá gerar maior satisfação para quem vende e para quem compra.

20ª Fitness Brasil Internacional 2010 - Santos/SP

SANTOS / SP

Visite o estande da Movement, conheça toda a nossa linha de produtos, e confira nossos lançamentos.

Venha experimentar as mais novas tecnologias desenvolvidas em prol da saúde e do esporte.

LINHA RT A Linha RT com toda a tradição em durabilidade, segurança, conforto, design moderno e tecnologia que fez das esteiras RT presentes nas academias, agora conta com um completo mix de equipamentos para musculação. Os equipamentos da Linha RT foram desenvolvidos para gerar uma solução completa para os mais diferentes perfis de academias e centros de treinamento.

0800 772 40 80 www.movement.com.br

Equipamento Oficial da 21ª Fitness Brasil mar/abr 2011 | FITNESS BUSINESS

59

60 Fitness Business | mar/abr 2011


Fitness Business 52