Issuu on Google+

Ano XIV - Nº 48- Agosto a Novembro de 2010

Uma publicação do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e Malharias da Região Nordeste do RS

Tricot,

o charme e a elegância do Inverno 2011


SINTETIZANDO GENTE & NEGÓCIOS Uma publicação do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e Malharias da Região Nordeste do RS Rua Ítalo Victor Bersani, 1134 Caixa Postal 1334 95050-520 - Caxias do Sul - RS Fone/Fax (54) 3228.4722 fitemasul@fitemasul.com.br www.fitemasul.com.br

PA L AV R A D O P R E S I D E N T E

Diretoria Presidente: Carlos Graça de Araújo Diretor Secretário: Paola Maria Viana Reginatto Vist Diretor Tesoureiro: André Carra Suplentes: José Roberto Pimmel José Carlos Zamboni Conselho Fiscal Efetivos: Lourdes Doloris Thiele Tonetto, Ruberlei Zanatta, Nilva Nair Feix Suplentes: Solon Ernani Raphaelli Delegados Representantes Efetivos: Gilson Luiz Tonet Solon Ernani Raphaelli Suplentes: Ivanira Motterle Dal Bó Alexandre Tomasi Conselho Consultivo Doviglio Gianella João Paulo Reginatto Aldenir Roberto Stumpf Severo Signori Sérgio Tomazzoni Nelso Giacomin Gilson Luiz Tonet

CARLOS DE ARAÚJO Presidente do Fitemasul

Sintetizando Executiva: Caroline Rech Colaboração: Comitê de Estilo Edição: Jair da Motta Fotos: Júlio Soares, Marina Granzotto, e Comitê de Estilo Editoração Eletrônica e Impressão: Editora São Miguel Tiragem: 1.000 exemplares Distribuição gratuita

embro

do licação Uma Pub

0 de 201

m a Nov Tecelage Agosto Fiação, - Nº 48strias de Ano XIV te do RS o das Indú Nordes Sindicat

e Malhar

ias da

Região

Tricot,

ia

gânc e e a ele o charm 2011 o do Invern

2

O momento econômico não é dos melhores para o setor têxtil gaúcho. Apesar da luta incessante liderada pela ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), a qual sempre contou com irrestrito apoio do Fitemasul, sabemos que o momento é de reverter este quadro. De momento, nos resta a satisfação de saber que o setor malheiro da Serra gaúcha se mantém em primeiro lugar no quadro nacional em termos de qualidade e quantidade produzida. Trata-se de um sinal inequívoco de que nossas empresas têm sua qualidade reconhecida e que, apesar de todas as adversidades, vêm se superando e atingindo um patamar invejável. Muito nos orgulhamos disso e conclamamos a todos os colegas empresários a que continuem apostando

no setor e, mais do que isto, em produtos diferenciados e com valor agregado. Isto colocado, lembramos que o 7° Integramoda, que teve lugar na CIC nos dias 27 e 28 de julho, foi um sucesso estrondoso, proporcionando informações das mais privilegiadas aos empresários dos setores malheiro e confeccionista e demais interessados. Na condição de presidente do Fitemasul, o nosso abraço carinhoso a todas as integrantes do Comitê de Estilo que tanto se empenharam para a realização, bem como a todos os envolvidos no evento. Iniciativas como o Integramoda, que congregam e conciliam interesses tendo por objetivo um bem maior - qual seja o crescimento do setor – reavivam nossa convicção de que a união é indispensável para que enfrentemos a concorrência do centro do Brasil (São Paulo e Minas) e da China. Quanto mais unidos, mais resistentes seremos e, com qualidade e competitividade asseguradas, estaremos menos expostos à concorrência. Defendemos, por isso, a união não apenas dos empresários locais, mas também de toda a Serra gaúcha, dos municípios de Farroupilha, Bento Gonçalves e região das Hortênsias em apoio às ações do Fitemasul. É de vital importância uma participação mais efetiva da classe empresarial nas decisões em defesa dos interesses das malharias como um todo e da indústria têxtil em geral da nossa região. Desta forma, contamos com o indispensável apoio de todos os colegas empresários e lideranças nas decisões e projetos relacionados ao setor, a fim de buscarmos o fortalecimento da estrutura sindical do Fitemasul, aumentando a sua influência nas áreas onde atua. Por fim, lembramos que em outubro teremos a negociação coletiva (dissídio), a qual exige uma grande mobilização empresarial para obtermos um bom resultado. Um grande abraço a todos e até nossa próxima edição!


Fitemasul lidera ação coletiva para não incidência de contribuição previdenciária sobre verbas indenizatórias O Fitemasul firmou convênio com o escritório NWADV para impetrar Mandado de Segurança Coletivo em razão da discussão judicial  para compensação/ suspensão dos últimos  10 anos do recolhimento patronal previdenciário (20%) incidente sobre o período de afastamento do empregado durante o acidente, doença, salário maternidade, terço constitucional e férias gozadas, tendo em vista a ausência do serviço efetivamente ou potencialmente prestados ao empregador como exige a Lei (8.212/91) . Nesta baila, o funcionário em gozo de férias, não pode estar, obviamente, prestando serviços, nem de modo efetivo nem de modo potencial. A lei determina a incidência do INSS sobre remunerações pagas por quaisquer serviços efetivamente ou potencialmente prestados ao empregador. Nas situações acima, não ocorre essa condição, as mesmas tem caráter indenizatório, portanto, não ocorre fato gerador. Idêntica situação ocorre quando um funcionário se acidenta e adoece, é afastado,  e a empresa paga seu salário durante os

quinze primeiros dias e, também, recolhe a parte patronal de 20% ao INSS. A partir do 16º dia, o INSS assume os pagamentos. Quando a funcionária fica grávida, recebe seu salário normalmente (a parte salarial já é compensada em GPS’s futuras) e a empresa recolhe a parte patronal de 20% ao INSS. Atualmente está pacífico o entendimento que não deve incidir contribuição previdenciária sobre os auxílios, bem como adicional de férias no STJ (uniformização da jurisprudência relativo ao terço constitucional no STJ, em 28/10/2009), além de decisões monocráticas referente às férias gozadas.   OBJETIVO DA AÇÃO - Através de um Mandado de Segurança Coletivo (sem risco de sucumbência) pleiteia-se judicialmente o indébito tributário relativo aos 10 (dez) anos corrigido pela SELIC, bem como a suspensão da exigibilidade dos pagamentos vincendos. FORMA DE ADESÃO - Para as empresas que não são optantes do SIMPLES (só podem as de lucro presumido ou lucro

Desafio de manter crescimento é tema de palestra gratuita Partindo do princípio de que é desafio constante das organizações manter o crescimento e criar um modelo de gestão sustentável, o Fitemasul, em parceria com o Sindivest e o Polo de Moda, promovem palestra gratuita direcionada ao setor têxtil, com o tema “Gestão Voltada para Resultados”. De acordo com o palestrante Volnei Pereira Garcia, pós-graduado em Administração RH, MBA Gestão Empresarial, Programa Estratégias para Crescimento (Olin School of Business/WASHINGTON University in St. Louis - USA), entre outros, a perspectiva é de que a verdadeira qualidade empresarial se dá pela soma da gestão da qualidade mais a qualidade da gestão. Estes e outros princípios Volnei Pereira Garcia detalhará em sua palestra. Não deixe de assistir. Data: 24 de agosto de 2010 (terça-feira). Horário: 19h30. Local: Miniauditório do Fitemasul. Confirme sua participação pelo fone (54) 3228.4722 no Fitemasul ou (54) 3228.2112 no Sindivest.

FABIANA TENTARDINI Advogada

real) e queiram gozar dos benefícios da ação coletiva, se faz necessário aderir ao contrato principal assinado entre o Fitemasul e o NWADV, pagar uma taxa que varia de R$465,28 à R$1.916,52 (de acordo com o número de funcionários), e, fornecer o resumo das folhas de pagamentos da empresa de abril/2000 até a data atual, bem como a cópia do contrato social e/ou última alteração. Será realizado por nosso auditor contábil o levantamento dos valores da empresa neste período, entretanto, pela expertise do escritório este valor compreenderá o montante de 3 a 6 vezes o valor de uma folha de pagamento. Por fim, a empresa interessada deverá entrar em contato com o escritório NWADV, com os advogados Leonardo Suarez ou Fabiana Tentardini, para solicitar o envio do termo de adesão e informativo da ação, e, mais esclarecimentos, caso necessário, pelo e-mail: fabiana.tentardini@nwadv.com.br ou telefone: (51) 3379.0300.

Fitemasul organiza missão à Febratex O Fitemasul organizou Missão à Febratex, maior feira latinoamericana da indústria têxtil, entre os dias 10 e 12 de agosto, em Blumenau. A feira reúne diversos segmentos, entre os quais máquinas de corte, aviamentos, etiquetas, acabamentos, beneficiamentos, fios, estamparias, informática, teares e matérias-primas. Com saída no dia 10 de agosto (foto), às 12h, da CIC de Caxias do Sul, a Missão teve visita programada à feira no dia 11, incluindo visita técnica à empresa Kyly.

3


Os caminhos do setor malheiro O 7° Integramoda, que apresentou as tendências para o Inverno 2011 à indústria têxtil foi realizado dias 27 e 28 de julho. Na oportunidade, o Comitê de Estilo do Fitemasul e o Núcleo de Moda do Sindivest mostraram as principais influências, formas, cores e texturas para a próxima temporada de frio no hemisfério sul. O evento se constitui em um dos mais respeitados da indústria da moda no Brasil, pelo seu caráter de atualização e inovação constante.

PALAVRA - Caminho da Poesia

Uma atmosfera moderna que volta no tempo nos remete ao Caminho da Poesia que resgata o valor das tradições e das experiências vivenciadas. No tricô, a simplicidade de padronagens antigas cria novas possibilidades de combinações. O poético fica inserido na leveza e em texturas de arans e tranças que delineiam as formas do corpo. Os conjuntos, de saia e blusa, configuram o retorno de uma elegância clássica. Tons pálidos, beges, rosados e o marrom são as principais cores das peças apresentadas.

Foco no cliente e no mercado Nesta edição, o 7º Integramoda incluiu em sua programação o projeto Alinhavando Ideias, um espaço para troca de experiências entre empresários de vários segmentos. O encontro, reManuela Zatti e Rudimar Borelli alizado na primeira noite do evento, teve a participação de Manuela Zatti, diretora presidente da Coza, e Rudimar Borelli, presidente e diretor comercial da Marelli Móveis. Os dois empresários falaram sobre a importância do design e do marketing intimista como ferramentas fundamentais na solidificação da marca. Manuela a Rudimar mostraram, na prática, como uma boa ideia, aliada a um bom design, agrega valor ao produto e o valoriza diante da concorrência. Entre os vários aspectos destacados por eles, um foi unânime: foco no cliente e no mercado.

4

COR - Caminho da Arte

Na malharia retilínea, o Caminho da Arte, simboliza as décadas de 1960 e 1990, onde retoma o futurismo com construções de modelagens mais geométricas, como a linha trapézio. Os padrões inspirados em arte e design podem ser construídos através de pontos mais volumosos ou a partir da mistura de várias tonalidades de cores em jacquards e listrados. Ferrugem, açafrão, azul petróleo, bordô e nudes são as principais cores desta tendência. A prioridade é arriscar inventando novos padrões e combinações.

Nossos Expositores Confira quem foram os expositores do Integramoda e os lançamentos de cada um Adatex (12) 2127.2300 Fio Pluma, de algodão e poliamida Arp Fios e Bordados (22) 2525.8300 Fio Mix, em diversas cores Círculo S/A (47) 3331.9500 35 fios de tricô retilíneo Dalila Têxtil (47) 3372.9600 Tecido assinado por Alexandre Herchcovitch Fiação Fides Ltda (11) 4585.7950 Fio Escócia, com lã na composição Fios Amparo (19) 3808.7800 Fio Treviso, de acrílico e poliamida, com aspecto rústico

HB Revistas (11) 3829.6777 Fashion Box, com tendências para malharias retilíneas Indústria de Meias Scalina - Trifil Divisão de Fios Especiais (11) 3598.2058 Fios Blues e Hip-Hop, com microfibras e tingimento estampado Industrial Acrilan (47) 3382.4111 Fio Ecocryl, feito de poliéster reciclado Sultextil S/A (54) 3211.2000 Tecidos de malha circular para a moda, com destaque para o acabamento Silk Skin e lançamentos Inverno 2011. ZM Acessórios de Moda (54) 3534.8362 Zipers em 49 cores, além de strass e botões com cores exclusivas


para o próximo Inverno Empresários, fornecedores, estilistas e estudantes receberam informações privilegiadas que os mantêm em contato com o que há de mais atual e moderno na moda internacional. Além disso, o Integramoda proporcionou o contato direto entre quem fabrica a matéria-prima e quem cria e produz, unindo num mesmo evento expositores, grupos de pesquisa e empresários.

SOM - Caminho da Música

Um ar bucólico fica impresso no Caminho da Música que traz referências aos anos de 1980 através de um estilo algumas vezes romântico outras andrógeno. O sexy romântico é destacado em peças ajustadas como bodies, casacos acinturados e em saias curtas que modelam os contornos do corpo. Peças desconstruídas e versáteis remetem ao delírio gótico deste tema. Vermelho, tons de carne, preto, chumbo, carbono e verde musgo dão tonalidade aos looks desenvolvidos.

Workshops demonstram processo de modelagens Fizeram parte da programação do 7° Integramoda dois workshops abordando a modelagem para o Outono/Inverno 2011. O objetivo foi demonstrar ao participante o processo de modelagens das principais peças desfiladas no evento, por meio de discussão e demonstração das técnicas de execução das modelagens das principais peças propostas para o Outono/Inverno 2011. “Modelagem para Malharia” foi ministrado por Leda Maria Stumpf Brehm. “Modelagem Plana” teve como ministrante Janete Jung Castro.

CENA - Caminho do Teatro

Uma ousadia para se colocar no palco é o destaque deste tema, Caminho do Teatro, que traz referências nas manifestações artísticas das mais variadas etnias. Fios rústicos constroem padrões mais orgânicos, com pontos escorridos, resultando na idéia do folk. Os esportes de inverno, como o esqui, inspiram na descontrução das peças. Já os blocos de cores, no infantil, remetem ao universo das brincadeiras. Tonalidades como azul marinho, marrom, magenta, gelo e bordô são apresentados nesta última tendência.

Tech Fashion mostra desenvolvimento das peças A Best Malhas - sempre parceira, nesta edição patrocinadora master do evento participou do Integramoda também com o Tech Fashion. De acordo com o diretor da empresa, Luis Seidl, para tanto a Best se posicionou ao lado do cliente, mostrando que, além de um equipamento líder, tem estrutura que é a melhor quando se procura inovação. “Temos consciência de que nenhuma outra empresa dispõe de nossa estrutura para desenvolver as amostras do Integramoda no tempo requerido e com as técnicas utilizadas. Isto é um fato que, para nós, representa um desafio de colaboração, sustentabilidade e de consolidação”. O Tech Fashion mostra o desenvolvimento de peças baseadas em pesA Best contribuiu quisas de tendências, as quais são criadas com exposição de por profissionais do mercado nacional, maquinário, e mostrou executadas pela tecnologia das máquinas a coleção desenvolvida para o Tech Fashion Shima Seiki, e mostram as possibilidades e a versatilidade dos equipamentos, sempre aliados à criatividade.

5


A estilista Haidi da Silveira é o destaque no Perfil desta edição. Conheça mais sobre ela

O desfile de Walter Rodrigues abriu a 17ª edição do Fashion Rio através de uma passarela repleta de tapumes coloridos composta de portas onde as modelos entravam e saiam alternadamente

Dica de Viagem

P E R F I L

FABÍULA ANGONESE

6

Nome: Haidi da Silveira Idade: 35 anos Local de nascimento: Santa Cruz do Sul Profissão: Designer de moda Formação: Curso Superior de Tecnologia em Moda e Estilo da UCS Experiência Profissional: Iniciei na moda aos 16 anos como vendedora e depois gerente de boutique na minha cidade natal. Em Caxias, fiz estágio durante a faculdade, em malharia retilínea e continuo atuando até hoje com trabalhos de consultoria em criação e desenvolvimento de produto Que outra profissão gostaria de ter tentado? Arquitetura e design de interiores Defeito: Dentre alguns, talvez a impaciência seja o pior. Qualidade: Generosidade Qual sua palavra preferida? Amor Qual palavra que menos gosta? Vingança. Não tem sentido! Uma causa: Animais abandonados Um temor: Deixar as pessoas que amo Sonho: Conhecer vários lugares do mundo Conselho: Aproveitar o hoje e confiar na amanhã, sem remoer mágoas ou tristezas do passado Um desafio: Viver Um momento marcante: Até hoje, foi quando ouvi a primeira vez o coração da minha filha batendo no ultrassom Música: Gosto de diversos estilos desde Maria Rita a U2 e eletrônicas. Mas, no atual momento estou ouvindo o new-age da Lorena McKennit, relaxa e faz bem pra alma Comida: Grelhados e saladas Cor: Branco Moda é... Estar aberto para as mudanças e sentir-se bem com elas Família: Amor incondicional, razão de viver Emprego: Necessário para a dignidade do ser humano, caminho para a realização profissional Principal meta de vida: Realização pessoal, estar perto de quem amo O que lhe motiva criativamente, espiritualmente e emocionalmente? Saber que a felicidade é feita de momentos, e que só dependem do nosso empenho e merecimento. A partir daí...desistir jamais! O que lhe desmotiva? Perceber que no mundo atual se perdeu o senso da gentileza, do respeito e amor ao próximo Se o paraíso existisse, o que teria nele? Uma colina bem verde, com muitas flores, pássaros e bichos , uma brisa leve nos cabelos e só pessoas do bem.

O Rio de Janeiro, hoje uma das maiores metrópoles do Brasil, mantém a mais do que merecida e reconhecida condição de cartão postal do país, na rota das maravilhas mundiais. Mas não é apenas pelo futebol, pela música, pelo carnaval ou pelas praias que vem chamando a atenção. Duas vezes ao ano, a cidade se prepara para o murmurinho das passarelas que atrai a atenção do mundo. Milhares de pessoas movimentam o mercado nesta época. Um mercado criativo, que dá força às marcas como realidade econômica, cultural e social no país. O Fashion Rio se tornou ícone de brasilidade, principalmente pela moda praia, que esquenta, cada vez mais, as temperaturas e serve de pilar na construção de nossa identidade. Se você tiver a oportunidade de mergulhar neste universo nos meses de ja-

neiro ou maio, aproveite também para visitar o Rio-à-Porter, um salão de negócios de moda e design, que na última edição contou com mais de 250 expositores dos mais diversos segmentos. Estes eventos dividem paralelamente os armazéns do Cais do Porto, porto de entrada, expressão de revitalização e manifestação contínua da cidade em movimento. Para quem quiser atualização no setor de moda, na mesma época, o Senai/Cetiqt promove o Encontro Nacional de Tecelagem e Confecção (ENAT), que através de palestras e debates apresenta os novos avanços tecnológicos do setor têxtil, as tendências internacionais de matérias e cores adaptados à realidade nacional e a perspectiva do mercado para os próximos anos. Com as ruas cheias de fashionistas, uma boa dica, para quem trabalha no setor de criação e desenvolvimento de coleções, é estar atento à moda de rua, já que as tendências, hoje, nascem com as pessoas.

Dica de Leitura A integrante do Comitê de Estilo e do Conselho Fiscal do Fitemasul, Lourdes Tonetto, recomenda o livro “A Viagem do Elefante”, de José Saramago “Por muito incongruente que possa parecer...”, assim começa o romance de José Saramago, sobre a insólita viagem de um elefante chamado Salomão, que no século XVI cruzou metade da Europa, de Lisboa a Viena, por extravagâncias de um rei e um arquiduque. O episódio é verdadeiro. Dom João III, rei de Portugal e Algarves, casado com dona Catarina d’Áustria, resolveu numa bela noite de 1551 oferecer ao arquiduque austríaco Maximiliano II, genro do imperador Carlos Quinto, nada menos que um elefante. De início, o exotismo de um paquiderme deslumbrara os portugueses, mas agora Salomão não passava de um elefante fedorento e sujo, mantido num cercado nos arredores de Lisboa. Até que surge a ideia mirabolante de presenteá-lo ao arquiduque, então regente da Espanha. Esse fato histórico é o ponto de partida para José Saramago criar, com sua prodigiosa imaginação, uma ficção em que se encontram pelos caminhos da Europa personagens reais de sangue azul, chefes de exército que quase chegam às vias de fato, padres que querem exorcizar Salomão ou lhe pedir um milagre.


Homem volta a se preocupar com o visual

Quais as mudanças do comportamento masculino e  como isso se reflete na moda atual? Já nos anos 1960 percebemos que todas as mudanças sociais exigiam um novo comportamento dos homens, depois de um período mais relaxado e sem a “armadura” do macho. Nos anos 1980 veio a Aids associada erroneamente aos gays, o que fez com que os homens dessem muitos passos para trás. O novo milênio chegou exigindo que o homem tivesse uma nova postura em relação à vida pessoal e profissional. Vivemos uma era de imagens, então, a preocupação com o visual voltou a preocupar o homem, temos visto vários novos tipos de consumidores.

Como se apresenta o segmento de moda masculina no Brasil? Apresenta crescimento? Em função da necessidade de novos segmentos masculinos, sim, estamos em crescimento.

Quais os desafios de criar uma marca de moda masculina e estar  na SPFW?

Foto: America Cuppelo

O estilista Mário Queiroz entrou no mundo da moda pela porta das grandes indústrias do varejo e, posteriormente, ingressou no circuito dos desfiles apresentando coleções na Semana Barra Shopping, Phytoervas Fashion e Semana de Moda Casa dos Criadores, entre outros. Em seguida, foi convidado a ingressar na São Paulo Fashion Week, edição Verão 2001/2002. Mário já desfilou sua coleção no Salão de Pret-à-Porter de Paris. Nessa ocasião, também integrou a Mostra Casabo, que reuniu estilistas e designers selecionados por Christine Walter Bonini. Participaram do evento John Galliano, Chloe e Christian Dior. Mário Queiroz concedeu entrevista ao Sintetizando, na qual fala da moda atual e das mudanças do comportamento masculino, entre outros assuntos. Confira.

Qual a visão de Mário Queiroz com relação à moda tricô masculina? O tricô é um segmento muito importante para a moda, seja masculina ou feminina. Há muitos recursos e as coleções ficam muito mais ricas. Sempre gostei da retilínea, e hoje, com a parceria com a Malharia Zanatta, onde realizamos um trabalho muito sério, tenho certeza de que fazemos peças surpreendentes e comerciais.

“Os homens são muito rigorosos, não podemos criar tão livremente”

Os homens, ainda que mais abertos, são muito rigorosos. Então, não podemos criar tão livremente como se faz na moda feminina. Porém, tanto o público quanto a mídia esperam se surpreender a cada desfile. Talvez esteja aí o desafio de estar na SPFW, além do alto custo de um show. Para a moda masculina no geral a questão mais difícil talvez seja a distribuição: cresceu o número de lojas próprias e diminuíram as multimarcas, que, por sua vez, não se prepararam para o novo momento da moda.

De que detalhes você não abre mão em uma peça? A exclusividade e o acabamento.

Qual sua principal dica para um guarda-roupa versátil? As peças devem se coordenar, com a utilização de peças da mesma coleção, assim como peças de coleção passada. E, claro, tudo deve ficar com o estilo do dono.

Como você define moda? Moda é expressão e te faz ao mesmo pertencer a grupo(s) como também se diferenciar dentro dele(s).

7


Empresas que tecem história C A Distribuidora Têxtil - 15 anos

A empresa conta 18 funcionários, distribuídos em cinco lojas e trabalha inclusive com fios diferenciados

A empresa C A Distribuidora Têxtil foi fundada no dia 1° de outubro de 1995. Devido à venda do setor têxtil do Moinho Santista - da qual José Carlos Bergamaschi era representante, para a Paramount Lansul - ele teve que buscar uma nova atividade. “Meus primos tinham uma rede de lojas de fios têxteis com sede em Porto Alegre e filiais pelo estado”. Desta forma a filial que a Bergamaschi Distribuidora de Fios Têxtil tinha em Caxias do Sul se transformou em C A Distribuidora Têxtil, com os sócios Carlos e André Berteli. José Carlos revela que no início a firma tinha somente uma funcionária e que, como todo o início, foi difícil pela limitação de recursos, mas nos primeiros anos os sócios reaplicaram todo resultado das vendas na empresa e desta forma ela pode crescer. No decorrer desses 15 anos o mercado passou por muitas mudanças, diz o empresário, revelando que atualmente o mercado da revenda de fios para malharia representa cerca de 15% e é baseado na venda de fios diferenciados, tipo Lycra, Elastano, Lurex e fios fantasia. “O restante da venda está no varejo de fios para tricô, crochê, bordados, tecidos para patchwork, toalhas, entre outros”. Tendo como planos para o futuro trabalhar para melhorar o atendimento ao cliente, a empresa conta 18 funcionários, distribuídos em cinco lojas e é administrada pelo casal José Carlos e Clenar Bergamaschi.

Isaura Nunes - 15 anos A malharia Isaura Nunes, de Nova Petrópolis, foi fundada no dia 10 de julho de 1995, por decisão da família de Vera Nunes, que a administra até os dias atuais. Como todo e qualquer negócio, no começo surgiram muitas dúvidas. “Para nós, contudo, as dificuldades se tornaram um desafio e, com muita garra, conquistamos nosso espaço”, afirma Vera. Ela reconhece que os primeiros tempos não foram fáceis, exigindo muito trabalho. “O começo foi em família, então todos faziam tudo e assim vencemos e hoje estamos satisfeitos”. Vera revela que as dificuldades foram vencidas através da busca de conhecimento e, com muito trabalho, sem medir esforços. “Meu marido tecia e cortava, eu tecia, cortava e costurava, ou melhor, fazia de tudo, e as nossas duas filhas faziam acabamento e revisavam as peças para o destino final, que era a comercialização”. Em seguida, contudo, o esforço e o trabalho renderam frutos. As máquinas, até então motorizadas e manuais, deram espaço para as eletrônicas e assim, consequentemente, contribuíram para melhorar a qualidade dos produtos. “Foi então que começamos a fazer seleção e treinamento de pessoas capacitando-as para trabalhar na empresa”, orgulha-se a empresária, ao revelar que hoje conta com 15 funcionários e que a empresa tem como principais mercados o atacado e o varejo. A produção destina-se aos públicos jovem e jovem senhora feminino, mas a empresa já está fazendo uma pesquisa para entrar na moda masculina. Os planos para o futuro são muitos mas, ensina Vera, é preciso viver a realidade. “Entre nossas metas estão a construção de um pavilhão e a compra de mais máquinas para empregar mais pessoas e contribuir para o crescimento da nossa cidade que é maravilhosa”, enfatiza.

Janmeg Malhas - 15 anos A Janmeg Malhas foi fundada dia 15 de setembro de 1995, por iniciativa da empresária Maria Dal Magro Signori.  Ela revela que os primeiros tempos foram muito difíceis, com pouco maquinário e com as vendas crescendo aos poucos.  As dificuldades, contudo, foram superadas com o aumento das vendas, o que possibilitou à empresa aumentar o maquinário. “E, além disso, sempre buscamos atualização no setor de moda”, completa.  O principal mercado da Janmeg é o atacadista, e a empresa conta em seu quadro funcional com dois profissionais internos e quatro externos.  Administrada por João Ricardo Signori e Maria Dal Magro Signori, os planos para o futuro são o crescimento no mercado da moda, cada vez buscando um maior reconhecimento.  A produção da empresa é direcionada ao público masculino e feminino ( jovem senhora).

Maria Dal Magro Signori e João Ricardo Signori são os administradores


Sintetizando 48