Page 1

& LifeStyle

€5.00 (Cont.) - Mensal

ELES & ELAS 281 . MAIO 2014

BEYONCÉ

A princesa da pop

ROMY SCHNEIDER

A estrela das estrelas

PREPARE-SE PARA O VERÃO! PORTUGAL FASHION HIPISMO: a taça do mundo SPORT LISBOA E BENFICA O milagre do Embaixador!

CRESSY BONAS CONQUISTA O PRÍNCIPE HARRY


EDITORIAL

O País que somos

A

chuva caiu lentamente, como aquela gota de vinho da pipa mal vedada. Foi ensopando o solo, que bebia ávido, até que não pôde mais e a recusou. Como diz o povo, sabedor de segredos de todos os avós, ensinados pela Natureza que é grande, “tudo o que é demais… é moléstia”. O País que somos torna-se, sem querer, no retrato acabado de um sentimento nacional que pede, e não suplica. Perde-se nas “manobras” comuns e bem humanas de um procurar de todos os dias por dias melhores… Como o “pilha-galinhas” a quem a lama não matava a fome, mas os frangos, ali à mão, desejando umas brasitas, um pouco de lume para tostar e comer. A pilhagem é velha como os tempos. Desde as guerras às grandes catástrofes que a inveja, o ódio ou a cobiça humana trouxeram irreflectidamente para si mesmos. A pilhagem não tem sentido. É “boa” quando não lesa. Mas torna-se revoltante, tortuosa, quando subtilmente se disfarça com os véus de outras catástrofes, de crises, de loas vindas pouco habilmente de quem não sabe ir buscar onde há e encontra fácil pilhar aos que não têm. Por isso, sem querermos ser profetas, arautos da desgraça ou do fatalismo inevitável, convidamos aqui a um momento de reflexão. A um olhar pela História, que é sempre uma fonte de sabedoria: Portugal não nasceu para viver assim. Que o seu destino é de glória. Atente-se nisto e que as águas tenham lavado o sujo que havia. MLB Justamente por ser a História uma fonte de sabedoria deixo-vos com este texto que escrevi e publiquei nesta vossa revista exactamente há 30 anos… ■

4 | ELES & ELAS


& Maio 2014

CAPA: Cressida Bonas| 7 PREMIÈRE Os 50 Anos do Baile da Rosa | 12 FASHION: Ouro Rosa | 16 Portugal Fashion | 25 ENTREVISTA: Maria João Bahia | 18 RUBRICAS: Vitrine | 36 Cartas das artes e do espetáculo | 62 Cocktail de Notícias | 74 HOTÉIS E SPAS: Santuário de Luxo | 42

DESTINOS: Holanda - Uma viagem cultural que se recomenda | 44 DIVAS: Romy Schneider - A beleza da tragédia | 48 O MUNDO EM PORTUGAL: Norbert Konkoly - Embaixador da Hungria | 56 GUIA GOURMET: Onde comer! | 60 ESPECTÁCULO: Beyoncé - A princesa da pop | 66 BELEZA: Verão em plena forma | 72 HIPISMO: Final da Copa do Mundo | 76 SOCIEDADE: Colares de Pérolas. O que é ser milionário | 80 Ovos da Páscoa | 82 SOCIEDADE: O canal História está de parabéns! | 84 Jantar de homenagem a Manecas Mocelek | 86 Inauguração do hotel Tryp Lisboa | 89 RUN FOR IT: Ford Focus | 90 Eles & Elas — Desde 1982 DIRETOR Maria da Luz de Bragança PRODUÇÃO César Soares EDITOR PROPRIETÁRIO Gabinete 1 Imprensa, Promoção, Relações Públicas, Lda Editor nº 211 326

DIREÇÃO, REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO, PRODUÇÃO Rua de S. Bernardo, 27 - A 1200-823 Lisboa Tel.: 210 999 674 Fax: 210 964 972 PUBLICIDADE E-mail:gabinete1@gabinete1.pt GRAFISMO, PRODUÇÃO, FOTOCOMPOSIÇÃO

SELECÇÃO DE COR E MONTAGEM Gabinete 1 E-mail:gabinete1@gabinete1.pt www.gabinete1.pt IMPRESSÃO Gabinete 1 DISTRIBUIÇÃO Logista Alcochete Telefone: 21 926 78 00

Fax: 21 926 78 45 TIRAGEM MÉDIA 60.000 exemplares ISSN 0870-8932 Depósito Legal Nº 11035/86 Publicação registada na Direcção Geral da Comunicação Social com o nº 109 161 www.eleseelasmagazine.com ELES & ELAS | 5 www.facebook.com/revistaeleseelas


CAPA

CRESSIDA BONAS por Nuno Vaz de Moura

A Próxima Princesa?

Aceitar ter uma relação com um Príncipe é mais do que apenas seguir o coração. O "viveram felizes para sempre" terá que ser conquistado com muito trabalho, sentido de Estado e o constante escrutínio dos súbditos e imprensa. Em cada aparição pública, por mais banal que seja, deverá se apresentar de forma imaculada; cada acção terá de ser perfeita; presente, passado e futuro serão analisados e julgados. Motivos suficientes para fazer com que uma jovem moça se sinta nervosa ou mesmo assustada. Cressida - ou Cressy, como lhe chamam os amigos - teve as suas reticências em aceitar o interesse que por ela demonstrava o Príncipe Harry, sabendo de antemão o que lhe esperaria. ➤ ELES & ELAS | 7


B

em nascida, possuidora de uma grande fortuna e de uma beleza encantadora, Cressida possuí as qualidades para agradar não só ao Príncipe, mas também ao público. Descendente de linha directa do Rei Eduardo VII, é filha de Lady Mary-Gaye Georgiana Lorna Curzon e neta do sexto Conde Howe. Lady Mary-Gaye sempre foi uma rebelde tendo feito as delicias da imprensa rosa nos anos sessenta com as suas aparições em festas extravagantes e poses atrevidas em editoriais. Esposou quatro vezes sendo Cressida resultado do seu terceiro casamento com o Jeffrey Bonas. Hoje possuidor de uma enorme fortuna, o banqueiro Bonas não partilha da mesma nobre ascendência. Antes pelo contrário, veio de uma família de açougueiros do bairro pobre de Battersea, no Sul de Londres. A sua inteligência aguda e espírito empreendedor permitem-lhe, porém, conquistar numa só geração, uma das maiores fortunas do Reino Unido. Dizem os amigos, que Cressy terá herdado da mãe a beleza e o espírito boémio e, do pai, a inteligência e garra. Os seus meios-irmãos não lhe ficam atrás. A mais velha, Pandora, nasce do primeiro casamento com Esmond Cooper-Key, designer de acessórios na Vivienne Westwood. Resultado do segundo casamento de Lady Mary-Gaye com o empresário John AnstrutherGough-Calthorpe, temos Georgiana, o campeão de polo Jacobi e a actriz Isabella que em tempos conquistou a atenção do Príncipe William tendo abalado a relação deste com Kate, em 2007. Hoje Isabella encontra-se casada com Sam, o filho do multi-milonário e excêntrico Sir Richard Branson. Cressy frequenta a Universidade de Leeds e diverte-se em inúmeras festas da Alta-Sociedade britânica. Entre os seus amigos contam-se muitos elementos de sangue azul e namora, na altura, com Harry WentworthStanley, filho de Nick Wentworth-Stanley e Clare, Marquesa de Milford Haven. Apesar da proximidade de Cressy com a família real, o primeiro encontro com Harry não acontece de ➤ 8 | ELES & ELAS


1

2

1. Av贸s maternos de Cressy, o 6潞 Conde Howe Edward Curzon e Grace Wakeling 2. Lady Mary-Gaye Georgiana Lorna Curzon com a filha 3. Lady Mary-Gaye, Cressy, Jeffrey Bonas e Georgiana Anstruther-Gough-Calthorpe

3

ELES & ELAS | 9


4

4. Isabella Branson e Cressy 5. Uma das raras vezes em que Cressy e Harry foram juntos em pĂşblico 6. Georgia Forbes, Tessa De Burnes e Cressy

6

10 | ELES & ELAS


Dizem os amigos, que Cressy terá herdado da mãe a beleza e o espírito boémio e, do pai, a inteligência e garra.

forma fortuita. Estes são deliberadamente apresentados pela prima de Harry, a Princesa Eugénia, num festival em Maio de 2012. Na altura, Cressy tinha acabado de se graduar no Laban Conservatoire of Music and Dance e Harry era um jovem soldado a caminho do serviço activo no Afeganistão. Conta-se que terá sido um coup de foudre e o casal parecia destinado a ficar junto. É nesta altura, porém, que veem a público as fotografias das paródias menos dignas de Harry em Las Vegas. Cressida sente-se humilhada e Harry tem que partir para o Afeganistão. O príncipe inunda-a de correspondência talvez para se desculpar, talvez para não a perder. Ao retornar a Inglaterra convida Cressy para umas férias em Verbier, na Suíça. É a altura do aniversário de Cressy e juntam-se, para festejar, as princesas Beatriz e Eugénia assim como o Princípe André e Sarah Fergurson. Os fotógrafos captam o momento e Cressy salta para a ribalta. A pretexto do casamento da sua irmã Isabella, na África do Sul, Cressy convida o Príncipe e apresenta-o à família. A relação parecia tornar-se cada vez mais séria e "ofi-

cial". O casal passa a ser visto várias vezes juntos e no início de Março deste ano, fizeram a primeira aparição num evento solidário, que decorreu na Arena Wembley, em Londres. A aparição pública do filho mais novo de Carlos, de Inglaterra e da aristocrata fez disparar os rumores de que, em breve, Harry irá pedir Cressida em casamento. Outro sinal terá sido a recente mudança de residência de Cressy. O novo apartamento, que a jovem vai dividir com amigas, fica muito próximo do Palácio de Kensington, a residência actual de Harry. Até ao momento, os rumores são muitos, as certezas poucas. Algumas vozes dizem que Cressy não quer ter de enfrentar as responsabilidades e encargos da posição de princesa; outras falam que o Príncipe de Gales, pai de Harry, está contra o casamento; outros ainda que Kate Middleton quer por entraves à união, por Cressy ser irmã de Isabella. Mas até haver uma comunicação oficial da casa real, teremos que esperar para saber se haverá ou não casamento. Até lá desejamos ao casal a maior das felicidades. ■ ELES & ELAS | 11


PREMIÈRE

OS 50 ANOS

1

DO BAILE

Rosa O

Bal de La Rose é um evento excepcional que reúne a alta sociedade e a elite internacional sendo realizado em benefício da Princess Grace Foundation. Presidido po SS.AA. SS.o Príncipe e a Princesa de Mónaco e SAR a Princesa de Hanôver, o Baile comemorou este ano a sua 50ª edição na prestigiada Salle des Etoiles do Sporting Monte-Carlo. Para a edição de 2014, SAR a Princesa de Hanôver pediu ao seu amigo Karl Lagerfeld ➤

2

1

4

3

4

12 | ELES & ELAS


5

6

8

8

6

1.Maquete inspirada na arte de Malevitch 2. Karl Lagerfeld, SAS Princesa Carolina de Hanôver, SAS Princesa Charlenne e SAS Príncipe Alberto II 3. Bailarinos da Academia de Dança Princesa Grace 4. SAS Princesa Carolina de Hanôver 5. Vista geral da Salle des Étoiles 6. Beatrice Borromeo e Pierre Casiraghi 7. Charlote Casiraghi 8. Príncipe Emmanuel Philibert de Savoie e Rita Caltagirone

6

7

ELES & ELAS | 13


9

10

11

13

12

para criar o tema deste ano. Decidiram conceber um baile "Russo" , inspirando-se no Constructivismo e prestando tributo a Kazimir Malevitch - pintor e teórico russo e principal força motriz por trás deste movimento . A Salle des Etoiles e a decoração de palco foram transformadas num over-dimentionalism, utilizando figuras geométricas e áreas de cores planas. O tecto transformou-se numa grande construção luminosa incorporando elementos do Constructivismo - rectângulos, círculos e linhas rectas , enquanto o lobby foi decorado com telas contendo desenhos que se repetiam no convite também desenhado por Karl Lagerfeld. Um deslumbre para todos os sentidos! ■

14

14 | ELES & ELAS

15

9. Serge da Yougoslávia e sua Mulher 10. SAS Princesa Carolina de Hanôver e Charlote Casiraghi 11. Guillaume e Amandine Gallienne 12. Mika e Karl Lagerfeld 13. Victoria Silvstedt 14. Max Biaggi e sua noiva, Eleonora 15. Shirley Bassy


Há algo mais romântico que

o ouro rosa? Mickael Kord

Tous

Emporio Armani

Fossil

Emporio Armani

Emporio Armani

Tous

16 | ELES & ELAS

Emporio Armani


Chopard

Mickael Kord DKNY Marc Jacobs

Chopard

DKNY

Para esta estação cubra-se, literalmente, da cabeça aos dedos dos pés em acessórios de ouro rosa ! O chamado ouro rosa oferece um toque feminino e romântico aos tons de ouro clássicos, e suaviza a aparência de acessórios rígidos. Usado sobretudo em relógios, o ouro rosa tem-se expandido em todas as categorias de acessórios, que vão desde os brincos aos dos colares às pulseiras. Apenas uma dica, mantenha-se consistente com o acabamento em metal dos seus acessórios. Não deverá misturar ou combinar o ouro rosa com tons de prata ou bronze, pois isso irá distrair e tirar a sofisticação que resulta deste deslumbrante acabamento metálico. ■ ELES & ELAS | 17


ENTREVISTA

MARIA JOÃO BAHIA por Nuno Vaz de Moura, fotos Maria Inês

A Joalheira da Excelência

Filha dos Condes da Bahia e Condessa de Sabugosa, por casamento, Maria João é a imagem da elegância, do bom gosto e da excelência. Mulher e mãe de três filhos varões, encontra tempo para desenvolver uma carreira de sucesso na área da joalharia criando peças que são um reflexo de si própria. Senhora do seu próprio destino conquistou um lugar de relevo nos negócios definindo objectivos que tenta sempre superar. Gere e multiplica o seu tempo dividida entre família, trabalho e obras de beneficiência. Conheçamos um pouco mais desta grande senhora com quem fomos conversar no seu belíssimo atelier da Avenida da Liberdade. ➤

18 | ELES & ELAS


ELES & ELAS | 19


C

omo surge a Maria João Bahia também, nos Estados Unidos, onde conheci uma joalheira joalheira? americana com que trabalhei, em Nova Iorque numa oficiEu comecei há 26 anos. Estava na enorme. No fundo uma coisa muito melhor que a mia tirar o curso de Direito ao nha. A oficina trabalhava com várias marcas e tive o convite mesmo tempo que tirava o cur- da empresa William Lowe para expor na feira de joalharia so de Joalharia e Desenho na com ela. Passei lá uns meses, a trabalhar mas sobretudo a Sociedade Nacional de Belas aprender. Foi uma experiência fantástica. Artes. Depois resolvi ir para o Depois dessa formação no estrangeiro, é cá, em Portugal Porto, para a oficina do Manuel que começa a sua carreira. Como é que aconteceu? Há alAlcino onde ainda passei algum tempo a trabalhar. Aí gum ponto charneira que marque o começo? aprendi a trabalhar com a prata, sobretudo objectos de pra- Uns anos mais tarde, houve em Lisboa, a primeira feira ta de grande porte: animais, travessas, etc. Na maioria ob- de joalharia e antiguidades que foi no antigo Casino do jectos cinzelados. Passado esse período, voltei a Lisboa e fui Estoril. Fui convidada para participar na feira. Nessa altutrabalhar para a oficina Raul Ferreira onde estive a trabalhar ra ainda não tinha uma estrutura nem dinheiro para uma mais 2 ou 3 anos. Mas eis que surge a hipótese de arranjar aventura dessas. Sou uma mulher muito independente e uma oficina minha na Rua da Madalena. Nessa altura tinha não gosto de pedir nada a ninguém. Mas tive a ajuda do já uma pequena oficina minha, em casa, mas necessitava de Lima de Carvalho que lá me emprestou umas vitrines de um espaço autónomo. Hoje recordo essa oficina com imen- uma exposição de medalhas que tinha havido no Casino, sa saudade. Era um espaço muito simpático, entre o velho para que eu pudesse expor as minhas peças. A exposição e o antigo, muito charmoso. Tinha portas de batentes, com foi inaugurada pela Dra. Maria Cavaco Silva, nessa altura vidros martelados, azulejos no chão, uma casa de banho era mulher do Primeiro-Ministro, que gostou muito das com um urinol... Aquilo tudo era uma aventura. Fui para lá minhas peças. Ficou com umas peças minhas e foi uma das e comecei lentamente a alterar o local, com a ajuda da mãe e minhas primeiras clientes. amigos. Primeiro ainda as limEssa feira foi em 1987, é aí pezas depois, pouco a pouco, a que começa a fazer as suas decoração. Foi um processo de colecções? crescimento. Comecei a ser convidada "... Elle fait naître des Harmonies pela Gulbenkian a entregar É nessa altura que começa a fazer as suas jóias? exposições de medalhística qui tnouvent des résonances Não foi bem. Fazia algumas, em vários países tendo sido en cnawn de nous!" mas sobretudo fazia arranjos a primeira na Finlândia. A de outras peças. Era ainda uma seguir é que fiz a primeira ex- Alain Boucheron oficina do mais básico e eleposição individual na Galeria mentar que se possa imaginar. Santa Justa, em Campolide. O Nessa altura ainda dava os pritrabalho foi aumentando até meiros passos. Não fazia a meao momento em que surge a nor ideia se ainda conseguia, oportunidade de fazer o gase tinha lugar no mercado, se o mercado me iria aceitar... lardão para os Globos de Ouro. Portugal é um meio muito pequeno e é um meio onde para Com os Globos de Ouro dá-se o grande salto, certo? se alcançar o sucesso passa-se por uma parte muito dura. De certa forma ganhei muita projecção. E logo a seguir É muito difícil passar essa barreira. Por cá parece que o in- fiz um grande projecto com a Atlantis, que consistiu em sucesso dos outros é o nosso sucesso. Quando deveria ser desenhar três linhas de copos e adereços em cristal; e um exactamente o contrário. Até porque quanto mais sucesso outro com uma companhia aérea que consistiu numa linha tiverem os outros, mais jóias lhes posso vender. Não tenho de carteiras e cintos para serem vendidos a bordo. Seguiram-se interesse nenhum em que a vida corra mal aos demais. trabalhos com bancos para os quais fiz jóias, baixelas e faFoi difícil começar? queiros. No principio da minha carreira não foi fácil. Por várias cir- Ou seja, teve várias instituições que a apoiaram e confiacunstâncias. Por ser mulher, por ser muito nova e, também, ram no seu trabalho. Com esse salto já pode avançar? por me associarem muito ao meu pai que era o escultor Ainda estive na rua da Madalena imensos anos. Por essa Charters d'Almeida. No início para conseguir arranjar di- altura o espaço já estava mais civilizado. Com uma deconheiro fazia arranjos para as lojas. E depois, pouco a pou- ração mais cuidada com uma sala para receber os clientes. co, as próprias lojas começavam a pedir-me peças minhas. Tinha também uma sala para os meus filhos que todos os Foi um processo progressivo. Acho que no meu trabalho - dias vinham lá almoçar e por lá ficavam a estudar. Já tinha como aliás em todos - é preciso ter muita força de vontade, um intercomunicador e já não tinha que atirar a chave pela muita perseverança e determinação. Assim como objecti- janela. Já não tinha que puxar o cesto com o almoço com vos muito claros e concretos. Saber onde queremos chegar. uma corda. Quanto ao resto é melhor ignorar tudo o que se passa à nos- Entretanto queria um espaço mas estava difícil. Não me sa volta de negativo. Caso contrário não há hipótese de se parecia enquadrar em lugar nenhum. Nessa altura havia a moda dos centros comerciais mas que não me atraía nada. sobreviver. Passei por um período em que fiz várias viagens. Estive na Estava a trabalhar com a Ourivesaria Portugal e eis que surHolanda numa fábrica de lapidação de diamantes. Estive, ge o Hotel D. Pedro e decidi abrir uma loja lá só com jóias ➤ 20 | ELES & ELAS


ELES & ELAS | 21


"... as suas peças... são verdadeiras esculturas de uma modernidade intemporal..." - Simonetta Luz Afonso

➤ feitas por mim. Alguns colegas aconselharam-me a vender mais coisas na loja, nomeadamente relógios que era um bom negócio. Mas não era esse o meu objectivo, não era para aí que eu estava vocacionada. Como define então qual a sua vocação? A minha vocação é o design de jóias. Fazer peças únicas. Jóias de autor. A jóia não é só um objecto de valor ou um objecto de uso. Uma jóia conta a história da nossa vida. E só percebemos isso quando morre alguém que nos é querido e herdamos. Quis, por isso, fazer jóias com um propósito, um objectivo e um significado. Mas por vezes não é necessário fazer uma peça de propósito para uma pessoa. Por vezes, os

22 | ELES & ELAS

clientes chegam e vêem uma jóia que já está feita mas identificam-se e gostam. A história de vida dessa pessoa leva-a a identificar-se com a peça porque, tal como numa pintura, cada um de nós interpreta um pouco à sua maneira. De todas as peças que fez. Há alguma que lhe seja mais cara? Há. A peça que fiz para o Papa Bento XVI aquando da sua visita a Portugal. A pedido do Patriarcado de Lisboa fiz um relicário de S. Vicente de Fora, padroeiro de Lisboa. Foi uma peça com uma grande simbologia que incluía uma relíquia que estava guardada nos cofres da Sé. A jóia representava o barco que chegou a Lisboa com o corpo intacto de ➤


➤ S. Vicente com os corvos de cada lado. Foi colocada numa

Belas Artes no Porto. Vim para Lisboa e acabei o liceu. Fiz o caixa com as armas do Patriarcado e do Vaticano e com o curso na Escola Lusitânia Feminina e trabalhava ao mesmo palmito que significa que é uma relíquia. tempo porque queria muito ser independente. Passo então A Maria João tem clientes que lhe pedem peças para um para a universidade e começo, ao mesmo tempo, a trabalhar determinado momento, para uma determinada ocasião? com joalharia. A maioria das peças que faço são pedidos de clientes para E quanto à vida familiar? esses momentos especiais. Já fiz jóias para todas as ocasiões Casei há 26 anos e nessa altura tinha já a loja da Rua da que se possa imaginar: baptizados, casamentos, aniversá- Madalena. Tenho três filhos: o António, o João e o Martim. rios,... Hoje já estão crescidos com 25, 24 e 18 anos, respectivaQuer falar-nos de um exemplo em particular? mente. Mas em bebés, iam para lá. Quando começaram a Tive alguns casos engraçados. Uma vez tenho uma cha- crescer foram para o colégio alemão. Tinham aulas só até ao mada de um cliente que queria uma jóia para a mulher que meio-dia e vinham almoçar comigo à loja e por lá ficavam fazia anos. O senhor, já de uma certa idade, vem cá e des- e ao fim da tarde vinham comigo para casa. Gostava muito creve a sua companheira com imensos elogios. Eram tantos de os ter comigo. Por vezes era bastante cansativo mas era os elogios que eu nem me atrevi a perguntar que idade ela melhor que os deixar em casa com uma empregada. Para tinha. Pedia-me para colocar imensas pedrarias para repre- mim, ser uma mãe presente, é muito importante. sentar as suas qualidades. Às tantas ficámos com uma peça Voltando à sua carreira. Houve algum momento determique era um exagero de pedras e cores. Como não conse- nante no seu percurso? gui dissuadi-lo de fazer uma coisa mais simples disse-lhe Um grande passo que eu dei foi quando saí do D. Pedro e que a sua mulher poderia passar mais tarde caso quises- passei para este espaço na Av. da Liberdade. Nunca imase fazer alguma alteração ou transformar em dois colares. ginei que um dia iria estar num prédio nesta avenida. Passado uns tempos a senhora liga e passa por cá e eis o Curiosamente, desde sempre adorei este edifício. Por altura meu espanto quando vejo que do 25 de Abril era uma oficina a senhora tinha a mesma idade que vendia pins dos partidos que o cliente. Foi engraçado políticos que eu gostava de e bonito ver aquele amor que comprar. Não é que fosse retinha durado tantos anos e exvolucionária mas atraíam-me "Être neligieux, c'est utiliser plicar à senhora que o exagero aqueles objectos. Acabei por das pedrarias tinha a ver com a adquirir o prédio e consegui ses dons et les remettre quantidade de atributos e eloconcentrar aqui tudo: loja, dars de dieu..." gios que ele lhe tinha feito. Foi atelier e oficina. Foi um souma carga emocional muito nho tornado realidade. - Albert Guerrand-Hermés grande e é esse lado das jóias Foi a Maria João que decoque me fascina. Esse significarou? do que elas têm. Fui. Mas está em constante Ao valor dos materiais nomudança. É um work-in-probres e das pedrarias que usa gress. Quando o adquiri estaacrescenta-se esse valor emocional, que é insubstituível. va desfeito. Tive que fazer obras estruturais mas tentando Se caracterizasse o seu estilo que expressões usaria? conservar o máximo da traça original. Fiz a decoração inteContemporâneo e actual. E sobretudo tento que seja sem- rior e agora uma re-decoração com a ajuda da Rosário Tello, pre original. Inclusive durante anos não fotografava as mi- que tem muito mais a ver com aquilo que eu ambicionava nhas peças para me esquecer do que já tinha feito e não desde o princípio. Foi o resultado de 30 anos de trabalho. me deixar influenciar por esses trabalhos. Queria sempre ir Para terminar, quais os seus planos para o futuro? mais além. Hoje tenho pena de não ter esse registo fotográ- O meu objectivo é continuar a fazer exposições lá fora. fico e por vezes descubro, em alguém, uma jóia minha da No ano passado já fiz duas: uma no Rio de Janeiro e outra em Luanda e ambas correram lindamente. Este ano tenho qual já não me lembrava. já perspectivas para mais duas exposições o que é muito De onde nasce o interesse e a paixão pela Joalharia? Venho de uma família ligada às artes. O meu avô era um importante para ter uma projecção internacional. Quero homem muito culto com vários cursos superiores. Das vá- igualmente frequentar feiras internacionais, não numa óprias formações que tinha uma estava ligada à música sendo tica de vender, mas para conhecer e comprar pedras para maestro e compositor. O meu pai, como lhe falei, era escul- os meus trabalhos. Gostava também de abrir uma loja no tor. Desde pequena frequentava o seu atelier e travava com estrangeiro. Mas para isso terei que fazer uma grande muos seus colegas ligados às artes o que, de alguma maneira, dança na minha vida. Não sei se já estarei nessa fase. Tenho se manifestou na minha maneira de ser. O pai não fez ob- ainda um papel de mãe a desempenhar e que me dá muito jecções a essa tendência. Fazia mais noutras coisas. E até prazer fazê-lo. Prefiro esperar que os meus filhos tenham porque a minha formação inicial foi em Direito. Ele já tinha já acabado os cursos ou, pelo menos, enquanto estiverem a sido chateado em novo pela sua opção de carreira que acho estudar lá fora também. Aí estarei mais liberta das minhas responsabilidades. Por outro lado, abrir uma loja em outro que já não valeria a pena fazer o mesmo comigo. país obriga a uma estrutura que envolve imagem, publiciJá vinha da área artística no liceu? Não propriamente. Estudei primeiro no Lycée Français, no dade, etc, que ainda não tenho. Talvez mais tarde com ajuda Porto. O meu pai, na altura, dava aulas na Faculdade de de um dos meus filhos... ■ ELES & ELAS | 23


MODA

PERFEIÇÃO ORGÂNICA Portugal Fashion

Outono-Inverno 2014-15

O

tema desta 34ª edição do Portugal Fashion é «Organic». A moda é celebrada como um organismo vivo, pulsante e irrepetível. Os desfiles começaram em Lisboa e continuaram na cidade invicta. A qualidade das colecções surpreendeu pela positiva: um novo máximo em qualidade e originalidade foi atingido. Eis as peças que precisa absolutamente de ter no seu guarda-roupa para o próximo Inverno! ■ ➤ Diogo Miranda ELES & ELAS | 25


Andreia Lexim

Alves & Gonรงalves Carlos Couto 26 | ELES & ELAS


Diogo Miranda

ELES & ELAS | 27


Diogo Miranda

28 | ELES & ELAS


Diana Matias

Carlos Gil

Daniela Barros

ELES & ELAS | 29


Fรกtima Lopes Katty Xiomara

30 | ELES & ELAS

Joรฃo Melo Costa


Diogo Miranda

ELES & ELAS | 31


Jo達o Melo e Costa

32 | ELES & ELAS


Luís Onofre

Miguel Vieira Luís Buchinho ELES & ELAS | 33


JĂşlio Torcato

Vicri 34 | ELES & ELAS

Mafalda Fonseca


VITRINE

Diga "Olá!" ao Verão! Nestes dias mais longos e luminosos os óculos de sol tornam-se no acessório fundamental. Não só nos protegem dos efeitos nefastos como complementam o look e emolduram as feições. Identificámos as cinco principais tendências para 2014 e escolhemos os melhores modelos para si. ➤

Louis Vuitton

Fendi

WAYFERER O epítome dos anos 80, popularizado pela marca Ray-Ban. Para muitos, o modelo perfeito de óculos de sol que fica bem a ambos os sexos. Muitas marcas já fizeram a sua versão e pode escolhê-los numa variedade de cores e lentes. ■

Polaroid Louis Vuitton

36 | ELES & ELAS


Marc by Jacobs

Fendi

Max & Co

Carrera

ESPELHADOS Foram o must dos finais dos anos 80 e inícios dos anos 90. Agora regressam em força. É a principal tendência para este ano. Encontramos vários tipos de espelhados em tons fortes. A escolha certa para as mais ousadas! ■ Marc by Jacobs

Carrera

Carrera

Saint Laurent

Jimmy Choo

Gucci

ELES & ELAS | 37


Louis Vuitton

Dior Gucci

AVIADOR Um modelo clássico sempre revisitado. Para esta estação estará em voga, nos seu formato mais comum e em novas intrepertações. Com lentes espelhadas terá a versão mais in. ■

Saint Laurent Carrera

Saint Laurent Carrera

Gucci

38 | ELES & ELAS

Boss


Bottega Veneta

Max & Co

Alexander McQueen

Bottega Veneta

Louis Vuitton

Marc by Jacobs

CAT-EYE

Dior

Voltou finalmente o estilo cat-eye! O estilo de óculos que mais favorece as feições femininas. Um olhar felino e sedutor. Este ano ouse e conquiste corações. ■

ELES & ELAS | 39


Dior

Polaroid

Polaroid Tommy Hilfiger

Tommy Hilfiger

Polaroid

VINTAGE Os modelos mais antigos são revisitados com novas interpretações. Armações de massa largas e modelos com um sentimento retro. Destaque absoluto para o modelo redondo, ao melhor estilo de John Lennon. ■

Gucci

Marc by Jacobs

Fendi

Polaroid

Marc by Jacobs Marc by Jacobs 40 | ELES & ELAS


HOTÉIS E SPAS

Santuário de

O

Çırağan Palace Kempinski Istanbul é o único hotel num palácio imperial otomano e o primeiro membro turco do Leading Hotels of the World. Com seu estilo esplêndido, excelente localização, vista fascinante e resort ambiente, incluindo um espaçoso jardim com palmeiras, tem sido um clássico em İstanbul desde a sua abertura em 1990. Possui 313 quartos, incluindo 20 suites no hotel e 11 suites no histórico palácio, refletindo uma mistura harmoniosa do antigo e do novo, que oferece todas as conveniências modernas, tanto para o lazer como para o viajante de negócios. Os hóspedes que escolham as suítes do palácio podem desfrutar de 24 horas de serviço de mordomo privado e privacidade absoluta, incluindo uma entrada privada e um lounge. A Sultan Suite é uma das maiores da Europa. Çırağan Palace Kempinski Istanbul oferece uma rica variedade de restaurantes, todos com varanda ou terraço com vista para o Bósforo. O Gazebo Lounge é o local "para ver e ser visto" na cidade, e é conhecido pela sua grande variedade de ➤

42 | ELES & ELAS


Localizado nas margens do magnífico Bósforo, de frente para o continente asiático e com vista para a cidade antiga, Çırağan Palace Kempinski Istanbul oferece o glamour de um verdadeiro palácio otomano numa cidade onde o leste encontra o oeste, a Europa encontra a Ásia e a história se encontra com o contemporâneo.

➤ doces

e salgados doces, trufas caseiras, bombons e chocolates, juntamente com café fresco e opções de chá ou café refrescante cocktails. Le Fumoir, com a sua espectacular decoração do Extremo Oriente, serve conhaques, maltes de qualidade e uma excelente selecção de vinhos e champanhes, bem como cocktails atraentes e charutos de qualidade servidos em humidificadores artesanais. Tudo o que precisa para se sentir como um verdadeiro Sultão! ■ Ciragan Palace Kempinski, Ciragan Caddesi 32, 34349, Istanbul Tel +90 212 326 4646 http://www.kempinski.com/

ELES & ELAS | 43


DESTINOS

HOLANDA Uma viagem cultural que se recomenda

Palácio Neercanne - Maastricht

C

onheço bem a Holanda há muitos anos. Amsterdão nunca falho. Sempre como turista. Havia um irresistível convite do Embaixador de Portugal em Haia de o ir visitar, garantia de ótimos momentos de convívio mas… a Feira de Maastricht para a qual já era convidada há muitos anos foi o motivo prioritário. Momento único para mim , grande deslumbrada do luxo, principalmente quando toca às mais maravilhosas e preciosas antiguidades e arte ao alcance de todas as bolsas (muito bem recheadas). Mas ver este espectáculo é para mim suficiente e muito agradeço ao magnífico antiquário português Jorge Welsh que me convidou. É espetacular o seu impacto e respeitabilidade nesse mundo do mais alto nível : a herança cultural no seu mercado. Depois da TEFAF, como ➤

44 | ELES & ELAS

TEFAF vista interior


Amstel Hotel

ELES & ELAS | 45


Casa Willet Holthuysen

Amsterdão

De Waag, um dos mais antigos edifícios de Amsterdão - agora uma museu histórico

➤ se chama a feira, aproveitei para aprofundar Amsterdão cujo principal museu Rijks Museum ainda não conhecia depois de fabulosas obras. Só cultura e fui ainda visitar as casas museu Van Loon e Willet-Holhuysen, passeei à noite no Red Light District, fui às compras na rua Peter Cornelius, alto luxo ao nível da Av Montaigne e passei pelos hotéis Amstel e Conservatorium. Canais, bicicletas, muita vida, boa comida e tudo muito arranjado. Um respeito enorme pelo património, sem buracos, ruínas ou grafittis: um exemplo para certas cidades que eu cá sei. Outras cidades não revisitei mas tive uma chamada urgente de Maputo e lá fui eu avaliar outras hipóteses de trabalho na minha actual especialidade: Moda e Luxo. Fui, voltei, gostei. Voltarei? ■

46 | ELES & ELAS

Vasco e Paula Bobone com os antiquários Marella Rossi e Jorge Welsh na TEFAF


DIVAS

ROMY SCHNEIDER A Beleza da Tragédia por Nuno Vaz de Moura

Considerada uma das mulheres mais fascinantes do cinema, uma actriz de registos incalculáveis e um rosto que reflecte a beleza de uma época que faz parte de nossa existência, Romy Schneider foi a estrela das estrelas. Mas o sucesso de Romy no cinema seria proporcional à desgraça na sua vida. Uma sequência de infortúnios, um sofrimento que transbordou, muito para além da ficção, numa agonia de alma crescente até ao limite da sua travessia. Disse um dia: “ Podemos permanecer jovens para sempre se, a cada dia, ficarmos mais ricos por momentos maravilhosos.” Infelizmente, não os teve suficientes. ➤

48 | ELES & ELAS


ELES & ELAS | 49


A

23 de Setembro de 1938 nasce, na cidade de Viena, Rosemarie Magdalena Albach-Retty que o mundo haveria e conhecer como a gloriosa actriz Romy Schneider. O berço não poderia ser melhor para que a sua carreira tivesse lugar na representação. O seu pai foi o actor de teatro Wolf Albach-Rhetty filho da maior actriz austríaca do início do século XX: Rosa Rhetty. A mãe, foi a actriz alemã Magda Schneider que ganhou fama em «Liebelei» do cineasta Max Ophüls. Apesar do grande sucesso das suas carreiras, Magda e Wolf não tinham uma vida familiar idílica. Casam em 1936 mas pouco depois os problemas conjugais começam. Eram constantes os desentendimentos e as discussões e nem como o nascimento do filho varão, que toma o nome do pai, a relação serena. O fim chega em 1941 quando o Wolf pai deixa o lar e procura conforto nos braços de uma outra actriz, a sedutora Trude Marlen. Como era uso naqueles tempos, Romy foi enviada para um colégio interno de freiras. O contacto com os pais haveria de ser muito reduzido. Tão reduzido que quando volta a casa, com quinze anos, descobre que a mãe se tinha casado, em segundas núpcias, com um importante empresário. Tal não abala a adolescente que pensava já em seguir os estudos na Academia de Belas Artes. Mas sua mãe tinha outros planos para a filha. Queria que Romy seguisse os seus passos. Nesse momento, Magda tinha um papel principal no filme «Lilases Brancos» de Kurt Ulrich e convence o director a aceitar Romy para o papel de sua filha. Os dados estavam ➤

50 | ELES & ELAS


Os momentos de idílio com o seu grande amor Alain Delon

lançados. A jovem faz sucesso no grande ecrã e inclusive canta o tema musical do filme. O pai não partilha do seu entusiasmo e escreve-lhe: «Põe a tua infância no bolso e foge porque isso é tudo que tens.» A mãe, mais pragmática, agarra a oportunidade e começa a servir de agente à jovem estrela. As ofertas de trabalho são muitas, mas Magda é implacável na escolha: apenas o melhor para a sua filha. O realizador Ernst Marischka vê em Romy os atributos que a tornaram famosa: o porte altivo e elegante, o andar majestático, o olhar doce e sensível. Estaria destinada a representar os papéis de rainhas. Em 1954, interpreta uma jovem Rainha Victoria apaixonada pelo Príncipe Alberto de Saxo-Coburgo em «Os Jovens Anos de uma Rainha». Marischka quer ir mais além e concebe uma trilogia centrada na vida da imperatriz austríaca Elisabeth von Bayern, carinhosamente conhecida por Sissi. Foi um sucesso absoluto e retumbante ! O mundo fica com

uma febre de Sissi. Romy está em todas as revistas, em todos os jornais, em todos os programas de televisão e em 1956 recebe o prémio, das mãos de Walt Disney, de «a mais bela rapariga do mundo». O sucesso da trilogia começa a incomodar Romy. Parecia que já não havia Romy, mas apenas Sissi. A actriz aborrece-se com a imagem de jovem e imaculada princesa. Procura agora novos desafios e procura papéis mais maduros e provocadores. A sua mãe continua a vigiar de perto a sua carreira e a controlar a sua participação nos filmes. Mas a semente da rebeldia já estava plantada e 1958 seria o ano charneira.

Já não sou Sissi.

Em «Raparigas de Uniforme» de Manuela von Meinhardis, Romy interpreta o papel de uma rapariga que é enviada para um colégio interno. A actriz revia-se no papel porque ela própria tinha passado pela mesma experiência. Contudo a ➤ ELES & ELAS | 51


história aqui era outra: no filme, a rapariga apaixona-se pela professora. O escândalo foi imenso! A mãe de Magda logo procura outro filme para a filha e eis que surge a oportunidade de fazer parte de «Christine», um re-make do filme de Maz Ophüls «Namorico», onde Magda fora a personagem principal. Tudo parecia muito acertado e mãe e filha partem para Paris. Mas quando chegam ao aeroporto de Orly, um jovem actor charmoso e de sorriso malandro esperava-as com um ramo de rosas encarnadas. Esse actor era Alain Delon. Ela não falava francês, ele não falava inglês. Mas bastou um olhar e apaixonaram-se. Enquanto as gravações decorreram os dois foram conseguindo ultrapassar as barreiras da língua. Numa viagem que fizeram a Bruxelas para participarem no Baile do Cinema a relação é consumada. Romy decide ficar a viver em Paris de vez e libertar-se do controlo materno. Magda regressa a Colónia percebendo que tinha perdido a sua filha para Delon. O casal vive uma intensa relação amplamente fotografada pelos inúmeros papparazi que os perseguiam. A 22 de Março de 1959, realizam na sua residência uma oficialização do compromisso de noivado perante um enorme grupo de jornalistas. Contudo, nunca haveriam de se casar. A Europa estava completamente deslumbrada com a actriz austríaca. Chanel quer cobri-la com os seus tailleurs; Luchino Visconti, convida-a para fazer teatro e cinema; a nata da aristocracia e realeza insiste em a ter em todas as festas. Foram os anos dourados. Dos Estados Unidos vem o convite de Orson Welles para que faça parte da sua adaptação cinematográfica da obra de Franz Kafka, «O Processo». Romy tinha uma profunda admiração por este grande mestre e imediatamente parte para Hollywood. É a vez da cidade das estrelas se render ao seu talento e encanto e os convites para filmes sucedem-se. Por lá filma «O Cardeal», «O Vencedor» e «Good Neighbor Sam» mas as saudades de Delon crescem e retorna a Paris. É uma casa vazia que encontra porém. Alain Delon tinha partido deixando sobre a cama um ramos de rosas encarnadas semelhante ao que lhe oferecera quando a conhecera e um bilhete a indicar a sua partida. Delon tinha viajado para Espanha para as filmagens de “A Túlipa Negra” onde conhece Nathalie Barthelemy com quem viria a casar e a ter um filho. Romy vê-se sozinha e desamparada e volta a procurar conforto junto da mãe que a recebe. Magda nunca tinha aprovado a relação de sua filha com o “engatatão” francês. Romy decide aceitar o papel numa comédia de Woody Allen «Que se passa, gatinha?» e retorna aos Estados Unidos. Num dos muitos eventos que frequenta conhece Harry Meyen, um actor e director de teatro, com quem inicia uma relação algo morna e que viria a revelar-se catastrófica. A 15 de Julho de 1968 unem-se em matrimónio em Cap Ferrat, na Côte-d'Azur. Ironicamente aceita entrar no filme «A Piscina» onde contracena com Alain Delon. Foi um festim para os media que especulavam sobre os motivos, sobre uniões e separações. Contudo, Romy manteve-se junto ao seu marido e esqueceu o ultraje que Delon lhe havia feito. Foi uma altura de grandes provas para a doce actriz. Eis que surge o primeiro filho, David Christopher, que passa a ser a sua única preocupação e interesse. Romy faz um hiato de dois anos para se dedicar completamente ao bebé. Nesse período morre o seu padrasto e descobre uma imensidade de dívidas que arruinaram a sua mãe. Em casa o ambiente

52 | ELES & ELAS

Romy e Alain Delon

começa igualmente a azedar. Harry revela-se um escroque e um neurótico. Claude Sautet convida-a a participar em «Les Choses de la Vie» e começam uma ligação discreta. Será no filho e no trabalho que encontra o seu porto seguro. São muitas as suas participações em filmes nos inícios de 70. quase sempre com muito sucesso: «My Lover My Son», «Qui?», «A Califa», «O Estranho Caso do Inspector Max», «O Herói», «O Assassinato de Trotsky», «César e Rosalie» e «Luís da Baviera», onde volta a representar o papel de Sissi. Nesta altura começa um grande disputa judicial pela custódia do seu filho David. Harry tem comportamentos cada vez mais neuróticos e entrega-se à bebida mas recusa-se a perder a custódia do filho. Só o fará se Romy lhe entregar metade da sua fortuna. Romy aceita essa absurda imposição para guardar junto de si o seu adorado filho. De ➤


qualquer forma, a sua carreira ía de vento em popa e o dinheiro não parecia escassear. Seguem-se mais filmes e ainda maiores sucessos. Nas rodagens de «Le Vieux Fusil», em 1975, conhece Daniel Basini com quem se casa, em Berlim, a 18 de Dezembro do mesmo ano. Tem uma primeira gravidez que corre mal mas quase dois anos mais tarde, engravida de novo e a 21 de Julho de 1977 nasce a sua filha, Sarah Magdalena, em Saint Tropez.

A espiral da tragédia

Quando tudo parecia ir em bom caminho começa a espiral da tragédia. O seu ex-marido Harry é encontrado enforcado num dos quartos do seu castelo em Hamburgo que havia comprado com o dinheiro de Romy. A actriz encontrava-se a trabalhar no México mas larga tudo para viajar até à

Alemanha e ver o pai do seu filho. O choque é tremendo. A bela austríaca deprime e fica desorientada. Entrega o seu filho aos pais de Harry contra vontade de David que queria continuar a viver com o padrasto. Surgem as insónias e a dependência do álcool e dos comprimidos para dormir. O casamento com Basini está por um fio. Consegue encontrar forças para continuar a filmar e entra em «O Fantasma do Amor» contracenando com Marcello Mastroianni. Aí conhece um jovem produtor, Laurent Petin, que a ampara e cuida das suas, cada vez mais constantes, bebedeiras. Findas as gravações, Romy muda-se com o jovem rapaz para Paris. Com o consolo de Laurent e a actividade profissional, as depressões pareciam começar a desvanecer-se. Não seria assim. 1981 seria o seu annus horribilis. Divorcia-se do seu ➤ ELES & ELAS | 53


A Europa estava completamente deslumbrada com a actriz austrĂ­aca. Chanel quer cobri-la com os seus tailleurs; Luchino Visconti, convida-a para fazer teatro e cinema; a nata da aristocracia e realeza insiste em a ter em todas as festas. 54 | ELES & ELAS


1

2

4

3

1. Romy Schneider e o seu filho David 2. Romy Scheneider com o seu marido Harry Meyen e o filho David 3. Sarah Magdalena Biasini, filha de Romy 4. Romy com o seu segundo marido Daniel Biasini

segundo marido Basini, tem um acidente durante as filmagens e parte um pé, é-lhe diagnosticado um cancro nos rins... A tudo sobrevive e ultrapassa, mas eis que acontece o impensável: o seu filho de catorze anos morre de uma forma violenta, espetado nas lanças do gradeamento que protegia a casa da actriz. O choque e a dor da actriz são indescritíveis quando recebe a notícia por Alain Delon. Perseguida sem compaixão pelos paparazzi, que chegaram a publicar fotos dramáticas sobre a morte de seu filho, Romy Schneider encerra-se num hotel e recusa-se a falar com quem quer que seja. Será, Delon, o seu primeiro amor, que a convence a sair e a leva para um refúgio seguro. Lá, aos poucos, convence-a a voltar ao cinema.

No ano seguinte, Romy faz um novo filme, «La Passante du Sans-Souci ». Nele contracena com um jovem actor de 14 anos. Dolorosa experiência que lhe relembra seu filho David. Seria sua última actuação. A 29 de Maio de 1982, depois de um serão na casa da irmã de Laurent, o casal chega a casa de madrugada. Romy recusa-se a se deitar alegando que tem umas cartas para escrever. Laurent deita-se e ao acordar encontra o leito vazio. Sobre o sofá, na mesma posição que a tinha deixado estava Romy, morta. Correm boatos de suicídio mas o medico legista atesta morte natural por paragem cardíaca. Um coração demasiado dolorido que se recusou a bater mais. Poucas semanas antes de morrer, dissera à mãe ao telefone: "Sou uma mulher acabada. E isto com 43 anos". ■ ELES & ELAS | 55


O MUNDO EM PORTUGAL

NORBERT KONKOLY por Maria Bragança, fotos Maria Inês

Sua Excelência o embaixador da Hungria à conversa

56 | ELES & ELAS


Ao serviço diplomático da Hungria há 22 anos veio para Portugal, há mais de três anos, ocupar o seu primeiro posto como Embaixador. Uma figura cativante que vale a pena conhecer, diz-nos que é o calor humano que lhe parece ser a característica mais marcante do povo português.

C

om a experiência que já tem deste país, o que tem a dizer sobre Portugal? Em primeiro lugar, quero dizer que gosto muito de Portugal e dos portugueses e aprecio muito a sua simpatia, afabilidade e tolerância. Gosto de tudo o que todos os outros Embaixadores gostam: do sol, o fantástico clima, o mar e as praias, o património arquitectónico ímpar, a natureza maravilhosa, mas para mim o melhor de Portugal é mesmo o calor humano da sua gente. A aceitação tranquila do diferente, a inexistência do extremismo e da exclusão são valores que marcam muito a vida social de Lisboa e de Portugal em geral. Estou aqui há mais de três anos e desde o início que tenho procurado conhecer por dentro a vida e a cultura deste país, entendendo e tanto quanto possível partilhando as referências e paixões deste povo que tão bem me acolheu.

Por exemplo: aos sábados jogo futebol no Grupo Desportivo do Linhó, num campo de futebol que um grupo de amigos (homens de negócios, advogados, banqueiros etc.) arranjou há 20 anos, tratando do óptimo relvado, drenagem e tudo o que o torna um óptimo campo de futebol. Às vezes convidamos outras equipas para jogarem, uma vez desafiámos os guardas da Prisão do Linhó para jogarem connosco. Para os presos oferecemos roupa e fazemos o que podemos. Como gosto muito do mar, faço surf em Carcavelos com outro grupo de amigos. Não sou grande profissional, tento surfar em ondas amigáveis porque como tenho três filhos não posso arriscar a Nazaré com ondas de 30 metros. Fale-me deles, da Sua Família. Está em Portugal? Tenho um filho com 20 anos na universidade em Budapeste, outro com 16 anos, na secundária e uma filha de 15 anos, que estão com a minha mulher em Budapeste. Ela vem cá regularmente e faz um trabalho muito interessante na Hungria: é professora de história da música na Academia de Dança em Budapeste e é uma reconhecida crítica de música. ➤ ELES & ELAS | 57


58 | ELES & ELAS


➤ Já

que tocou em música, o que me diz do Fado? treinador Húngaro, o Béla Guttmann, que ganhou Gosto muito de fado. Encontrei pequeninas casas de tudo para o Benfica. Dizem que ele era um feiticeifado onde vou com os meus amigos que chegam da ro. Conquistou duas Taças dos Campeões Europeus e Hungria e todos gostam muito, vou várias vezes à numa das finais, estando a perder por 0 a 3 com o Real Casa da Mariquinhas, da Maria João Quadros. Nós na Madrid (golos, aliás, marcados por um outro húngaro, Hungria também temos canções populares muito sen- Puskás), conseguiu animar os jogadores de tal forma tidas e tristes. Sinto que a proximidade entre a alma que o Benfica acabou por ganhar por 5 a 3. Mas ao sair portuguesa e a húngara também se reflecte na forma do clube, o feiticeiro deixou uma maldição: “o Benfica, como apreciamos e entendemos a música, os sabores e sem mim, não voltará a ganhar uma única taça euroa cultura de ambos e, quanto aos sabores, devo dizer- peia durante os próximos 100 anos!” Entretanto já pas-lhe que há mesmo uma afinidade gastronómica. Os saram 52 anos e o Benfica jogou várias finais sem nunpastéis de nata, bem como os vinhos portugueses, têm ca ter conseguido ganhar. Eu sugeri então erguer uma feito um enorme sucesso na Hungria e o chefe de cozi- estátua a esse treinador para trazer Béla Guttmann de nha do melhor restaurante de Budapeste é português, volta ao Estádio da Luz e assim quebrar a maldição. o Chefe Vieira. Por outro lado, os nossos convidados No dia 28 de Fevereiro deste ano inaugurámos a estáportugueses apreciam muito o bolo “Dobos” e a sopa tua realizada por um escultor Húngaro. Na entrada 18 “Gulyás”. Desde o ano passado já se pode provar em do Estádio, lá está o Béla Guttmann com as duas taças Portugal a excelente doçaria húngara, na pastelaria que ganhou nos braços e agora já podemos dizer que o “Choco & Mousse”, na Parede. treinador voltou ao estádio da Luz! Ontem (sorriu) o A Hungria tem muitas semelhanças com Portugal. Benfica ganhou aos holandeses! A área geográfica e a população são idênticas, te- Gostaria de dizer que o desporto é muito importante. mos igualmente 10 milhões Eu próprio, para além do fude habitantes mais 4 a 5 mitebol e do surf, faço também lhões em diáspora. Tal como todos os anos a meia maratoPortugal, a Hungria tem uma na de Lisboa, a 16 de Março. “CORTÁMOS cultura rica, já que o Reino Gosto muito, são 7,2 km desOS IMPOSTOS PELA húngaro foi estabelecido no de o Cristo Rei, atravessanano 1000. do a ponte, depois a Avenida METADE E É minha observação pessoal da Índia e os Jerónimos! São CONSEGUIMOS que a alma portuguesa e a alma 40 mil pessoas com famílias, húngara têm muito em comum. crianças e avós, tirando foLIVRAR-NOS DO FMI” Nós sentimos e identificamotografias. É quase impossível -nos perfeitamente com os três correr mas é muito saudável e “F” mais poderosos da língua engraçado. É um tempo bem portuguesa: Fátima, Futebol e passado. … FMI. Dos três F já os falou em Fátima e no Futebol e agora Em Fátima as famílias húngaras no exílio, depois da o que nos diz sobre o FMI? 2ª guerra mundial, construíram um grande Calvário. A Hungria também tem a sua história com o FMI. Essa Via Sacra de Fátima que termina na capela de Sto. Depois de uma década de má governação económiEstevão, o nosso primeiro Rei, onde encontramos to- ca, em 2008 a Hungria ficou à beira da bancarrota dos os santos húngaros. e foi resgatada pelo FMI e pela União Europeia. Em Uma das coisas de que gostei muito de fazer foi o ir a 2010 chegou o novo Governo e começou a luta conpé a Fátima em Maio passado. Éramos uns quinze que tra o endividamento, optando por um caminho mais caminhámos 80 quilómetros durante 3 dias. Foi uma criativo. Em vez de aumentar os impostos, optou por coisa fantástica! Três dias a caminhar! Há uma sau- baixá-los. Cortou o IRS (hoje é de 16%) e o IRC pela dação diferente entre os peregrinos. Não dizem bom metade, baixou o custo da energia apoiando assim dia, boa tarde ou boa noite… dizem: Boa caminhada! a classe média. Há três anos consecutivos, o défice Foi muito, muito interessante. Chegámos a Fátima a 12 mantêm-se abaixo dos 3%. Em 2012 livrámo-nos do de Maio, o Bispo do Rio de Janeiro celebrou a missa à FMI e agora somos financiados pelos mercados. Os eleitores húngaros gostaram desta política e reelegemeia-noite, passámos lá a noite e voltámos de carro. Fátima, cheia de espiritualidade deu-me a conhecer ram o Governo de Centro Direita em Abril deste ano repetindo os dois terços de maioria. As pessoas gosmelhor este país e a sua gente de que gosto tanto. tam de pagar menos… E o futebol? Portugal e a Hungria partilham as mesmas emoções e Pode deixar-nos uma mensagem para o futuro dos a mesma paixão pelo futebol. Anos atrás a Hungria ex- portugueses? portava bons jogadores e treinadores para Portugal e Aprecio muito o esforço dos portugueses durante estes anos que tenho observado este país e este povo. Creia hoje é Portugal que exporta para a Hungria. Quando cheguei, fui visitar o Benfica onde me rece- que fiquei com um grande respeito pelos portugueses. beram calorosamente, mostrando-me as instalações, Sinto que Portugal está destinado ao sucesso! Acho que o relvado etc., mas disseram-me: “nós aqui temos um este povo com esta atitude está mesmo destinada ao problema.” É que trabalhou, nos anos sessenta, um sucesso! ■ ELES & ELAS | 59


GUIA GOURMET

A CASA DA RITA

As novas tradições da Estrela

Foto: Maria Inês

A Rita, natural de África do Sul, é mãe de dois filhos, um de cinco e outro de quatro. Empreendedora por natureza, já abriu vários espaços comerciais de sucesso. O último foi «A Casa da Rita», ali na rua Álvares Cabral, perto do Jardim da Estrela; lugar habitual dos alunos do Liceu Pedro Nunes e dos residentes daquele que é um dos bairros mais elegantes de Lisboa. O espaço demarcou-se dos habituais restaurantes e pastelarias da zona. Uma decoração fresca e jovem com espaços para leitura - onde encontrará a sua Eles & Elas - e a disponibilidade para as novas tecnologias: encontrará tomadas para ligar o seu portátil e wi-fi gratuito. Quanto à comida, Rita apostou na cozinha caseira servindo diariamente pratos lá confeccionados,sempre variados mas com o já clássico Caril à Moçambicana, servido aos Domingos. E para os mais jovens a atracção da fast-food, dos coloridos cup-cakes e das cookies à moda americana, mas com um gosto caseiro e bem português. As crianças não foram esquecidas. Um pequeno espaço com brinquedos mantém-nas entretidas para que as mães possam ter um momento seu. Definitivamente, um espaço a visitar. ■

60 | ELES & ELAS

Pratos referência: Caril à Moçambicana e cup-cakes Preço médio: 10€ a 15€ p/pessoa Horário de Funcionamento: Todos os dias das 07:30 às 23:00. Morada: Avenida Álvares Cabral 63 A e B, Lisboa Contacto telefónico: 216039294 Site: www.facebook.com/casadarita63


A MESA

No já célebre espaço comercial e cultural Lz Factory encontra-se o novo restaurante de Betina Conceição e João Sotto Mayor: A Mesa. Com um ambiente elegante mas descontraído, este espaço destaca-se pelo facto que lhe dá nome: uma imensa meda agrupa todos os clientes que podem chegar ao número de meia centena. Com uma decoração vintage, os menus são escritos em livros e alfarrábios e há que notar que todas as pizzas têm nomes de bairros lisboetas. ■

Pratos referência: Risottos, Pizzas, Pastas e Saladas Preço médio: 15€ a 20€ p/pessoa Horário de funcionamento: 2ª a 6ª das 12.00h às 15.00h e das 19.30h às 00.00h Sábado das 13.00h às 16.00h e das 19.30h às 00.00h Domingo das 13.00h às 17.00h Morada: Rua Rodrigues Faria, nº103 - Loja 01B – 1300-511 Alcântara Contacto email: reservas@amesadolx.pt Contacto telefónico: 213624351/ 918885154 Site: www.amesadolx.pt

OCEAN

O restaurante Ocean, distinguido com duas estrelas Michelin, reabriu. Para este aguardado regresso o chef Hans Neuner e a sua equipa prepararam um conjunto de três menus inspirados na Primavera e nos produtos locais, que irão surpreender e proporcionar uma experiência memorável. ■

Prato de referência: o “Oceano para Dois”. O programa, uma escapadela gourmet para duas pessoas, inclui um jantar no Ocean com um menu de três pratos, harmonização de vinhos e um cocktail de champanhe. E também, claro, uma noite de sonho no resort, com pequeno-almoço (servido no quarto ou num dos restaurantes da unidade), fruta da época e água mineral à chegada, utilização do Health Club, piscinas, jacuzzi ou sauna. Tudo isto, com o oceano como pano de fundo. Preço: 476€ (preço para duas pessoas, com tudo incluído). Horário de funcionamento: Jantar apenas. Fechado às terças e quartas-feiras. As datas de fecho semanal do restaurante Ocean podem variar. Morada: Hotel Vita Parc, Rua Anneliese Pohl, Alporchinhos, Porches, Algarve Contacto email: reservas@vilavitaparc.com Contacto telefónico: 282 310 100

ADLIB

Do latim ad libitum, AdLib significa “tanto quanto desejado”, uma promessa do que encontra neste restaurante, que utiliza também um jogo de palavras em torno da sua localização, a Avenida da Liberdade. Aliando um ambiente sofisticado e intimista a um serviço de excelência, o AdLib é um apelo a todos os sentidos oferecendo uma cozinha de aliança entre o sabor francês e a gastronomia portuguesa. ■ Pratos de referência: O Sofitel De-Light foi desenvolvido pelo Sofitel Quiberon Thalassa sea & spa, especialista em nutrição e bem-estar, localizado na revigorante costa atlântica Francesa. O chef Daniel Schlaipfer apresenta receitas baixas em calorias que irá encantar o seu paladar e revigorará a sua alma. Preço médio: 30€ a 50€ por pessoa Horários: Almoço - 2ª Feira a 6ª Feira - 12h30-15h00; Jantar Domingo a 4ª Feira - 19h30 - 22h30; 5ª Feira a Sábado 19h30 - 24h00 Morada: Hotel Sofitel, Avenida da Liberdade, 127, Lisboa Contacto telefónico: 213 228 350 E-mail: adlib@accor.com

ELES & ELAS | 61


CARTAZ

~ LIVROS ~ STEVE JONES «A PROMESSA DA SERPENTE» Círculo dos leitores/ temas e debates Algumas pessoas negam o poder da fé, outras o poder da ciência. Esta obra inovadora explora os mistérios que ambas partilham: das origens da vida e da humanidade ao sexo, ao envelhecimento, à morte e ao fim do universo. Mas distancia-se do debate exaltado entre crentes e não crentes para mostrar que as mesmas questões nos preocupam hoje como o faziam nos tempos bíblicos – e que a ciência proporciona muitas das respostas. O geneticista Steve Jones investiga as páginas da Bíblia do ponto de vista de um cientista e conta de novo as histórias bíblicas à luz da ciência moderna. Erudito mas acessível, este livro é uma análise espirituosa e profunda da capacidade e dos limites da ciência para nos dizer o que somos. ■

HAROLD BLOOM «GÉNIO» Círculo dos leitores/ temas e debates Os 100 autores mais criativos da história da literatura O que é o génio? Como diz Harold Bloom, é a capacidade para estar acima da sua época, o princípio antigo que reconhece e exalta o que temos de divino, e o dom de dar vida àquilo que de melhor há em nós. Nesta obra monumental, um dos mais proeminentes críticos literários do mundo faz uma celebração inigualada de cem dos espíritos mais criativos da história. Da Bíblia a Sócrates, passando pelas obras-primas transcendentes de Dante, Camões e Shakespeare, até à modernidade de Pessoa, Faulkner e Hemingway, Harold Bloom expõe os numerosos paralelismos entre os génios que selecionou e as formas surpreendentes como se influenciaram mutuamente ao longo dos séculos. Acompanhada por excertos reveladores de livros que continuam a inspirar, encantar e comover os leitores, a análise viva e perspicaz de Bloom ilumina e amplia a nossa compreensão da cultura literária do Ocidente... e proporciona-nos um périplo grandioso mas íntimo pelos génios da nossa história. ■

SÓNIA MORAIS SANTOS A CULPA NÃO É SEMPRE DA MÃE Esfera dos Livros

PETER ENGLUND A BELEZA E A DOR DA GUERRA HISTÓRIA ÍNTIMA DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL Bertrand

Com base em relatos de diversas mães, recorrendo à análise de psicólogos, pediatras, e com a experiência de 12 culposos anos de maternidade, a jornalista Sónia Morais Santos, mãe de três crianças, traz-nos A Culpa não é sempre da Mãe! Um livro bem-humorado da autora do blogue Cocó na Fralda, onde as leitoras se vão comover com algumas histórias, identificar-se com outras tantas situações, gozar consigo próprias, pensar sobre a maternidade e rir-se à gargalhada com situações por que todas nós já passámos. Porque a maternidade não é uma competição. Porque as mães não são super-heroínas, apenas mães e como todas nós sabemos… não há mães perfeitas! ■

Há muitos livros sobre a I Guerra Mundial, mas o premiado historiador Peter Englund, Secretário Permanente da Academia Sueca, que atribui o Prémio Nobel da Literatura, aborda-a de uma forma inédita e espantosa: através da experiência de homens e mulheres comuns oriundos de várias partes do globo, explorando os aspetos quotidianos da guerra, não só a tragédia e o horror, mas também o absurdo, a monotonia e até a beleza.Há, por exemplo, a história de uma americana casada com um aristocrata polaco, que vivia uma vida recatada e de luxo quando a guerra começou e que, em última instância, será levada a declarar: «Ao olhar a Morte nos olhos, perde-se-lhe o medo.» A Beleza e a Dor da Guerra é um brilhante mosaico de perspetivas que reconstrói sentimentos, impressões, experiências e flutuações de humor de vinte pessoas específicas, deixando-as falar não apenas por si próprias, mas também por todos aqueles que foram de alguma forma moldados pela guerra, mas cujas vozes foram esquecidas e ignoradas, ou simplesmente não foram ouvidas. ■

62 | ELES & ELAS


~ TEATRO ~ TRÊS MULHERES ALTAS 19 JUNHO A 13 JULHO 2014 Teatro Nacional D. Maria II - Sala Garrett Três mulheres altas foi escrita pouco tempo após a morte da mãe adotiva do dramaturgo norte-americano Edward Albee e, para a crítica, é talvez a sua peça mais pessoal. Perversamente engraçada, e dita com uma verdade intransigente, a peça reflete profundamente sobre a vida humana, a partir do olhar de três mulheres de diferentes gerações - uma mulher na juventude, uma mulher de meia idade, e uma mulher próxima da morte. Enquanto a mulher mais velha medita sobre a sua vida - incluindo o afastamento do seu filho, visto pela crítica como um alter ego do próprio Albee - desenvolve uma clareza de espírito que transcende o seu corpo debilitado. Ao partilharem as suas esperanças, estas três gerações de mulheres confrontam os seus arrependimentos e pronunciam ressentimentos. Lida como um retrato do complexo relacionamento de Albee com a sua mãe adotiva, Três mulheres altas continua a ser uma das peças sombriamente mais divertidas do dramaturgo. ■

BOVARY 7 a 15 Junho Teatro S. Luiz Dizemos “Bovary” em voz alta e sentimos imediatamente o cheiro a perfume e escândalo. Retrato da vida de uma mulher que, buscando fugir ao tédio de uma vida banal, embarca em relações adúlteras e vive muito acima das suas possibilidades, Madame Bovary é hoje considerada a obra seminal do realismo e um dos marcos da literatura mundial. Publicado pela primeira vez em fascículos em La Revue de Paris, em 1856, o romance de Gustave Flaubert foi acolhido por uma parte da sociedade francesa como um atentado à boa moral cristã. Em Janeiro de 1857 começa o julgamento que senta o autor no banco dos réus, acusado de obscenidade pelo Ministério Público. Tal como em Três dedos abaixo do joelho, a multipremiada colagem teatral de relatórios dos censores do teatro durante a ditadura em Portugal, Tiago Rodrigues visita o território do confronto entre arte e lei, entre artistas e Estado. Em Bovary, o julgamento de Gustave Flaubert por atentado à moral serve como ponto de partida para uma adaptação da sua obra prima. Texto e encenação de Tiago Rodrigues a partir de Gustave Flaubert. ■

~ CONCERTOS ~ EDP COOL JAZZ FEST 3, 6, 10, 13 e 26 de Julho Jardins Marquês do Pombal, Oeiras

ERP REMEMBER CASCAIS 13 e 14 de Junho Hipódromo Manuel Possolo, Cascais

Mais uma edição do Cool Jazz Fest que este ano conta com as participações de Orquesta Buena Vista Social Club , Suzanne Vega, Pink Martini, José James, Laura Mvula e Gregory Porter. Destaque para a Orquesta Buena Vista Social Club, que desde 1997 tem andado pelo mundo inteiro com diferentes formatos, configurações e combinações, este ano de 2014 fará a sua última digressão mundial designada de “Adios Tour”, uma síntese de mais de mil concertos que envolveram a participação de mais de quarenta músicos nos últimos 16 anos. O espectáculo será ainda mais relevante pois contará com a participação especial da fadista portuguesa Ana Moura.

Após o sucesso das primeiras duas edições, o festival ERP Remember Cascais “The Recycling Festival”, volta a celebrar a década de 80, trocando o mês de Setembro, em que habitualmente se realizava e encerrava a época dos Festivais de Verão, pela abertura, passando a realizar-se em Junho. Este ano conta com as presenças de Kim Wilde, Rick Astley, Billy Ocean, Bananarama, Lena d´Água & Rock´n´Roll Station e Barry White. ■ ELES & ELAS | 63


CARTAZ

~ ESPECTÁCULOS E EVENTOS ~ MAIS PRA MENOS QUE PRA MAIS DE VERA MANTERO & CONVIDADOS De Quarta 25 a Domingo 29 de Junho Horas, locais e duração a anunciar CULTURGEST Mais Pra Menos Que Pra Mais é uma instalação-performance, tal como os dois projectos mais recentes de Vera Mantero: Oferecem-se Sombras, em Setembro de 2013 em Montemor- -o-Novo, e Mais Pra Menos Que Pra Mais – trabalho em progresso, no 20.º aniversário da Culturgest, em Outubro do mesmo ano. Nestes projectos Vera Mantero está interessada em criar eventos em que o público possa atravessar o acto performático, visitá-lo, activá-lo, sentir-se dentro dele. Mais Pra Menos Que Pra Mais acontecerá tanto em exteriores como em interiores e, desta vez, entre dois teatros da cidade, Maria Matos e Culturgest, criando um percurso de eventos entre ambos. ■

50 SHADES! THE MUSICAL Até data a definir Elektra Theatre - 300 West 43rd St. New York, NY Estreou no circuito offbroadway, o divertido e maroto musical 50 Shades! The Musical. Trta-se de uma paródia ao best-seller com o mesmo nome que tem deixado as senhoras loucas nos últimos anos. Há muitas algemas, palmadas, sedução e aventura. Para uma noite de risota com um pouco de picante! ■

THE STARS OF THE BALLET DA ROYAL BALLET DO CAMBODJA 6 e 14 de Maio Fundação Oriente Famoso pelos graciosos gestos manuais e pelos trajes magníficos, o Royal Ballet do Camboja, ligado à corte khmer há mais de mil anos, é objeto de veneração por parte dos cambojanos. Tradicionalmente, acompanhava cerimónias reais como coroações, casamentos, funerais ou festividades e perpetua as lendas associadas às origens do povo khmer. No repertório clássico há quatro personagens distintas: Neang, a mulher, Neayrong, o homem, Yeak, o gigante e Sva, o macaco. Cada uma tem a sua cor, os seus trajes, maquilhagem e máscaras próprios. Os gestos e as poses, trabalhados pelos bailarinos ao longo de anos de treino intenso, evocam toda a escala de emoções humanas, do medo e da raiva ao amor e à alegria. Uma orquestra acompanha a dança, enquanto um coro feminino vai comentando o enredo, chamando a atenção para as emoções expressas pelos bailarinos, que eram considerados os mensageiros do rei enviados aos deuses e antepassados. ■ 64 | ELES & ELAS


~ EXPOSIÇÕES ~ PAPARAZZI ! PHOTOGRAPHES, STARS ET ARTISTES Até 9 de Junho Centre Pompidou-Metz - Paris Percorrendo meio século de fotografias de estrelas, a exposição incide sobre o trabalho dos «caçadores de imagens», abordando a tão complexa quanto emocionante relação estabelecida entre fotógrafo e celebridades, para revelar a influência do fenómeno "paparazzi" na fotografia de moda e de arte. ■

THE GLAMOUR OF ITALIAN FASHION 1945 – 2014 Até 27 de Junho Victoria & Albert Museum, Londres

NÚCLEO MUSEOLÓGICO DE FRANCISCO E JACINTA MARTO Fundação «Casa das Candeias» Rua de S. Pedro, n.º 9, Cova da Iria, Fátima Aberto todos os dias, das 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, com entrada livre. Noventa e cinco anos depois da morte do beato Francisco abriu, em Fátima, o núcleo museológico dedicado a Francisco e Jacinta Marto, que reúne objetos dos videntes, mas também do Papa João Paulo II, que os beatificou. A viagem pela vida dos beatos faz o percurso pelo seu batismo, exibindo o fato, e, também, as reproduções dos seus registos de batismo e de óbito, chegando à beatificação com o livro do seu decreto. As peças mais “valiosas" do núcleo museológico serão os dois relicários, em forma de candeia contendo um fragmento de uma costela de Francisco Marto e um pedacinho de cabelo da Jacinta Marto. ■

Esta exposição é uma mostra compreensiva da moda italiana desde o fim da II Grande Guerra Mundial até aos dias de hoje. A história é explorada através de membros e organizações chave que contribuíram para a elevar o nome da moda italiana ao seu topo inatingível. É tempo de rever Valentino, Gucci, Prada, Armani, Balenciaga,... todos os deuses da moda juntos! ■

HENRI MATISSE: THE CUT-OUTS Até 7 de Setembro Tate Modern, Londres Henri Matisse é um gigante da arte moderna. Esta exposição explora o capítulo final da sua carreira em que ele começou a "escultura em cor" e nasce a sua série de espetaculares recortes. A exposição representa uma oportunidade única para ver muitos dos trabalhos do artista num só local e descobrir o triunfo artístico final de Matisse. No final dos anos sessenta, quando problemas de saúde o impediram de pintar, Matisse começou a cortar em papel pintado com uma tesoura para fazer rascunhos para um número de comissões. Com o tempo, Matisse escolheu recortes sobre a pintura: tinha inventado um novo meio. A exposição apresenta um deslumbrante conjunto de 120 obras realizadas entre 1936 e 1954. Ousado, exuberante e muitas vezes em grande escala, os cortes têm uma simplicidade cativante, juntamente com incrível sofisticação criativa. ■ ELES & ELAS | 65


ESPECTテ,ULO

66 | ELES & ELAS


BEYONCÉ Texto: Roman Émil

A princesa da pop

Beyoncé Giselle Knowles, conhecida por milhões de pessoas apenas como Beyoncé é uma das artistas femininas mais bem-sucedidas da actualidade. Conheceu o sucesso ainda jovem como vocalista no grupo feminino R&B Destiny’s Child. É um ícone da beleza e da feminilidade que aos 32 anos alcançou objectivos que muitos artistas sonham e apenas alguns conseguem realizar! Vendeu mais de 115 milhões de discos. Em 2013 surgiu entre o top dos artistas mais bem pagos do mundo na Revista Forbes. Até a data arrecadou 17 Grammy´s (14 na carreira solo e 3 com Destiny’s Child). É a primeira cantora a chegar ao Nr.º1 da Billboard com cinco álbuns consecutivos.

B

Beyoncé já realizou três tournées mundiais, sendo a mais recente “The MRS. Carter Show World Tour, “com 132 shows ao redor do mundo. Coube a Portugal receber e aplaudir em Lisboa o último show desta tournée que começou há cerca de um ano! A história de vida da artista começa em Houston, na maior cidade de Texas, onde nasceu no dia 4 de Setembro de 1981, na família de Mathew e Tina Knowles que se conheceram no final de 1970. O romance entre os dois começou um ano após se terem conhecido, quando se cruzaram acidentalmente por três vezes no mesmo dia, no centro da cidade. Antes do seu nascimento os seus pais decidiram escolher o nome da filha em conjunto. Mathew escolheu o segundo nome, Giselle, enquanto Tina o primeiro nome, Beyoncé, em honra dos seus pais, uma vez que não havia outros membros da família para darem continuidade ao

sobrenome da família: Beyince. Beyoncé tem ainda uma irmã mais nova, Solange, que também é cantora e actriz. O amor pela música esteve sempre presente no seu lar. O seu pai tocava piano com frequência enquanto Beyoncé com a mãe e a irmã o acompanhavam com a voz. Ainda hoje tem uma relação muito estreita com a família. Acredita que a chave do sucesso não reside apenas nas habilidades musicais e de negócio que possui, mas também na “forte ligação familiar”. O caminho para a fama foi gradual e notável. Beyoncé começou a actuar em concursos locais com idade precoce. Aos sete anos de idade já participava em concursos e conquistava os espectadores e os júris com a sua capacidade natural de cantar e dançar. Ganhou mais de 30 competições de talentos locais. Teve aulas de dança, frequentou escolas como “High School for the Performing and Visual Arts,” e “Alief Elsik High School,” e cantou no coro da Igreja onde desenvolveu as suas habilidades artísticas. ➤ ELES & ELAS | 67


Mathew e Tina Knowles ficaram encantados com o talento da filha e deixaram-na seguir o sonho de se tornar artista. Um passo importante neste sentido foi a participação de Beyoncé no programa “Star Search” enquanto vocalista do grupo “Girl´s Tyme” que formou. O grupo não ganhou a competição, mas ganhou experiência e mais tarde mudou o nome para Destiny´s Child que se tornou num dos mais apreciados grupos R&B de sexo feminino. Com o pai da cantora na gerência da banda, em 1997, esta conseguiu um contrato de gravação com a Columbia Records e vendeu mais de 60 milhões de discos mundialmente. Em 2006 a banda ainda foi homenageada com uma estrela na Calçada da Fama. Com Destiny´s Child, Beyoncé realizou singles de sucesso como “Bills, Bills, Bills” e “Say My Name” que lideraram a Billboard Hot 100. A cantora co-escreveu para a banda canções como "Independent Women Pt. 1", "Jumpin Jumpin" e "Survivor",e, em 2002 foi galardoada pela Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores (ASCAP) com o prémio “Pop Songwriter of the Year Award”. Enquanto vocalista de Destiny´s Child, Beyoncé Knowles decidiu embarcar na carreira solo e começou a trabalhar na gravação de um álbum solo que lançou em 2003. “Dangerously in Love”, que apenas na primeira semana de lançamento vendeu cerca de 317 mil cópias. O multiplatinado álbum de estreia de Beyoncé ficou no topo da Billboard 200, constituindo um começo promissor para a sua carreira artística solo. O disco contou com colaborações de outros artistas como Missy Elliott, Sean Paul e Jay-Z; vendeu milhões de cópias e em 2004 valeu-lhe 5 prémios Grammy na 46ª edição dos prémios anuais Grammy Awards – um grande recorde profissional para Beyoncé e ao mesmo tempo uma surpresa! “É inacreditável. Actuar já foi o suficiente para mim,” disse Beyoncé na recepção dos prémios. Recorde-se que nessa noite, a cantora abriu o show com o seu hit “Crazy in love” e mais tarde cantou “Dangerously in Love.” Nesse mesmo ano realizou com Destiny´s Child aquilo que seria o quarto álbum de estúdio da banda: “Destiny Fulfilled”, antes da separação da mesma em 2005. Apesar da extinção do grupo, Beyoncé focou-se no trabalho artístico por conta própria e em 2006 deu continuidade à sua carreira solo com o lançamento do segundo álbum de estúdio “B´Day,” que a colocou novamente no topo da Billboard 200 e com o qual ganhou o Grammy “Best Contemporary R&B Album”. Já o single “Irreplaceable,” deste disco, permaneceu por cerca de dez semanas consecutivas no primeiro lugar da Billboard Hot 100. Em 2008 Beyoncé consolidou as bases enquanto cantora de primeira classe, com o lançamento do terceiro álbum a solo “I Am...Sasha Fierce.” “Este álbum permitiu-me correr mais riscos, sair de mim mesma (…) revelar um lado meu que apenas as pessoas que me conhecem conseguem ver,” confessou Beyoncé sobre este trabalho. Com o novo álbum Beyoncé voltou a quebrar o recorde de prémios recebidos numa só noite, na 52ª edição dos prémios Grammy em 2010. A artista levou para casa seis grammy´s - recorde feminino igualado pela cantora Adele dois anos mais tarde. Em Março de 2011, a galardoada artista, lançou o quarto álbum: “4” que tal como os anteriores chegou ao topo das paradas de álbuns, liderando a Billboard 200. “4” chamou a atenção não só pelas canções, tais como “Run the World (Girls)” e “Love

68 | ELES & ELAS

on Top”, com a qual Beyoncé ganhou em 2013 o Grammy Award “Best Traditional R&B Vocal Performance,” mas também pelo seu simbolismo. É no dia 4 que Beyoncé nasceu (em Setembro), que casou (em Abril), que o seu marido (em Dezembro) e a sua mãe (em Janeiro) fazem anos. Dois anos depois do lançamento de “4”, Beyoncé regressou com o quinto álbum, auto-intitulado “Beyoncé” . Um álbum surpresa divulgado exclusivamente no iTunes e que surpreendeu críticos e fãs. Apenas no primeiro fim-de-semana do lançamento, vendeu mais de 800.000 cópias em todo o mundo. Beyoncé é uma artista versátil que além de música ao longo dos anos tem vindo a explorar outras vertentes artísticas. Em 2001 estreou-se como actriz no musical “Carmen: ➤


➤ A Hip Hopera”, protagonizando Carmen Brown, produzido pela MTV. Em 2002 contracenou com Mike Myers em “Austin Powers in Goldmember, “ um filme que liderou o topo das bilheteiras. Beyoncé interpretou o papel de Foxxy Cleópatra e gravou as músicas para a trilha sonora do filme, “Work It Out” e “Hey Goldmember.“ Um ano mais tarde, em 2003, deu vida a personagem Lilly, uma cantora de jazz, vivendo a sua história de amor no filme “The Fighting Temptations.” Admirada não só pelos fãs, mas também pelos media e por outros artistas e magnatas da indústria do entretenimento, em 2005, juntamente com a sua mãe lançou a linha de roupa “House of Dereon,” inspirada em detalhes e técnicas de costura passadas pela sua avó materna, Agnes Dereon. Em 2006

regressou ao grande ecrã ao lado de actores conhecidos como Jennifer Hudson, Jaime Foxx e Eddie Murphy, no drama musical “Dreamgirls” que mais indicações teve para os Oscars de 2007. A sua actuação neste filme rendeu-lhe duas indicações aos Globos de Ouro, uma pelo papel de Deena Jones e outra pela trilha sonora “Listen”. No mesmo ano, interpretou o papel da pop-star Xania no filme “The Pink Panther”. Ainda no cinema brilhou no papel de Etta James na biografia musical “Cadillac Records” (2008) dirigida por Darnell Martin. Com uma carreira brilhante de cantora, compositora, actriz, dançarina, coreografa e empresária, em 2010 deu azo à criatividade e criou a sua própria fragrância “Heat”. Mais recentemente, no início de 2014, Beyoncé deu muito que ➤ ELES & ELAS | 69


➤ falar com o videoclipe da música “Partition”, que por muitos é considerado o mais sensual da carreira da artista até ao momento. Mas, se na profissão dá o seu melhor para entreter o público, quando se trata da vida pessoal, Beyoncé tenta manter-se longe dos holofotes. É casada desde 2008 com o magnata do hip-hop Jay-Z. O casamento ocorreu em Nova Iorque, numa cerimónia privada que contou com a presença de pessoas próximas como os pais da cantora; a irmã Solange e a amiga Gwyneth Paltrow. Em Agosto de 2011 Beyoncé anunciou a gravidez na cerimónia dos Prémios de Vídeo de Música da MTV e em Janeiro do ano seguinte o casal deu as boas vindas à sua filha Blue Ivy

70 | ELES & ELAS

Carter. “O nascimento de Blue Ivy foi emocionante e pacífico, estamos no céu”, referiram os pais num comunicado. Jay-Z chegou a dedicar à filha uma canção especial, “Glory” com versos carinhosos como “Minha maior criação foste tu”. Também Beyoncé, sempre que tem oportunidade faz referência à sua filha e agradece todo o apoio da parte dos fãs, como o fez no último show da sua tournée mundial “The MRS. Carter Show World Tour,” em Lisboa. “Essa tournêe foi incrível (…) Quando começámos, a minha filha nem andava ainda (…) Obrigada por me permitirem ter uma carreira. Quando eu caio, vocês levantam-me. Quando tenho fome, vocês alimentam-me” confessou Beyoncé. ■


BELEZA

VERÃO EM PLENA FORMA O tempo de sol, calor e praia obriga, necessariamente, à exposição do corpo. Para desfrutarmos desta estação, que é para muitos a melhor do ano, sem restrições ou complexos é fundamental preparar o corpo, tornando-o modelado e flexível. Recuperar a boa forma exige naturalmente o equilíbrio entre consumos e gastos energéticos. Quer isto dizer que um plano alimentar adequado e o exercício físico regular são peças chave para o sucesso. Há que eliminar os erros alimentares, evitar os enchidos, pastéis, bebidas alcoólicas e gaseificadas, porções excessivas de alimentos e certas misturas alimentares como, por exemplo, a associação de frutos ácidos com amidos (pão, massas, cereais.)

VENTRE LISO E FIRME

C

om a nova estação, em que as roupas leves ou justas irão substituir as lãs e os casacos que encobrem ou disfarçam as imperfeições do corpo, torna-se necessário recuperar uma barriga lisa e firme, que possamos exibir sem complexos. A gordura acumulada na barriga e, em volta da 72 | ELES & ELAS

cintura, constitui uma preocupação estética não só masculina mas da mulher de tipo somático andróide, chamada “tipo maçã”. Nestes casos, os braços e membros inferiores podem apresentar proporções harmoniosas, em contraste com um excesso de volume abdominal que desequilibra a silhueta. ➤


RECUPERAR A FIRMEZA Para reduzir a gordura localizada subcutânea o LipoAdvance crf ,exclusivo do Body in Balance Centre, constitui um método válido como alternativa à cirurgia. Em consequência dos efeitos gerados por ondas ultra-sónicas da baixa frequência, verifica-se o rompimento das células gordas (adipócitos), com redução efetiva da gordura, sem necessidade de cortes, sem dor ou anestesia. O processo é seletivo, atuando nas células adiposas sem causar danos aos tecidos adjacentes, vasos sanguíneos e linfáticos, nervos ou músculos. O conteúdo das células gordas e os resíduos celulares são eliminados pelos mecanismos fisiológicos normais. O método oferece segurança e eficácia na redução da circunferência corporal e permite resultados mensuráveis desde as primeiras sessões. O LipoAdvance crf é a opção para quem pretende resultados rápidos na redução da gordura localizada. Uma vantagem a assinalar relativamente ao método LipoAdvance crf é o facto de integrar uma tecnologia que permite prevenir e tratar a flacidez que muitas vezes ocorre quando se verifica a redução da gordura corporal.

A

flacidez consiste na perda de elasticidade das fibras da pele. É importante distinguir a flacidez da pele e a atonia, a perda de tonicidade dos músculos. Uma das zonas do corpo que frequentemente apresenta sinais de flacidez são os glúteos. O seu descaimento pode resultar de fatores como falta de exercício e distensão do tecido seguida de emagrecimento rápido. O método CACI realiza um Lifting Corporal não cirúrgico e a sua grande vantagem é atuar quer a nível muscular quer dos tecidos. É considerado um equipamento inovador e de excelência no âmbito dos tratamento não invasivos. O CACI utiliza micro-correntes de baixa intensidade semelhantes às que são produzidas pelo próprio campo bioelétrico do corpo humano, sendo capazes de levantar e reeducar os músculos até que os mesmos recuperem a posição original. Além disso, proporciona uma bioestimulação, aumentando a energia celular e a produção de colagénio e elastina, o que revitaliza a pele, reparando os efeitos da idade e a ação da gravidade. O resultado é um corpo modelado e firme. ■ ELES & ELAS | 73


COCKTAIL DE NOTÍCIAS SOUNDCAST PARA AS ADEPTAS DOS OUTDOORS HARD ROCK CAFE ABRE O APETITE COM NOVO MENU A marca introduz 30 novas opções, incluindo saladas, hambúrgueres, sobremesas, entradas e bebidas O Hard Rock Cafe Lisboa apresenta o seu novo menu redesenhado, proveniente de mais de 14 meses de uma rigorosa investigação, de testes, de desenvolvimento de culinária e avaliação da opinião dos clientes. Um processo exigente que resultou na inserção de 30 novos componentes do menu e na alteração de 28 dos já existentes da cadeia conhecida por ser a “the finest in american diner food”. Todos os espaços do Hard Rock Cafe nos EUA e na Europa vão, assim, começar a servir um conjunto de novas ofertas e de melhorias dos seus pratos favoritos, a mais de 92 milhões de pessoas que os visitam anualmente. A marca inquiriu mais de 3000 clientes em cafes por todos os continentes para conhecer a opinião que tinham sobre mais de 100 itens do menu existente e sobre os novos itens. A pesquisa, levada a cabo pelo Cohen Research Group, requereu uma comparação entre os ingredientes existentes no antigo menu e as versões modificadas para avaliar os temperos, as texturas, os perfis de sabores, as várias combinações de hambúrgueres e de molhos, cortes das batatas fritas, entre outros. ■

Podendo ser usada dentro de casa, a Soundcast Melody foi pensada sobretudo para reprodução de áudio no exterior. A sua caixa em matéria plástica é resistente à água e aos raios ultravioleta, o que a torna perfeita para fazer companhia em festas ao ar livre, jardins, junto à piscina ou até a bordo de uma embarcação. A bateria tem duração para até 20 horas de reprodução ininterrupta de música numa área de 360 graus e pode ser facilmente recarregada a partir de uma tomada micro USB. O desenho da Melody foi objeto de grande cuidado, no sentido de adequar a forma à função: o formato cilíndrico ajuda a dispersar mais facilmente a música numa grande área, evitando a distorção do som; a pega foi desenhada para que sirva de suporte a um smartphone ou leitor de áudio que pode assim ficar assente de forma segura na própria coluna; as ligações de áudio auxiliar e USB para recarregar a bateria estão escondidas sob uma porta em borracha para melhor resistência à humidade e poeira. Abriu o espaço My.Suit, em Lisboa (Telheiras) A My.Suit em Telheiras reserva para si o segredo das maiores marcas de roupa masculina no mundo, o segredo da arte dos melhores alfaiates na confecção de fatos personalizados à medida de cada cliente. No novo espaço My.Suit em Telheiras, poderá encontrar tudo que precisa para se vestir de forma elegante e sofisticada e mais importante, à sua medida. Afinal se não há dois homens iguais, não pode haver dois fatos iguais e nisso, estaremos todos de acordo. Porque a vaidade não é um defeito, é uma exigência. www.mysuit.pt - tel. 211 361 345 / 961 937 171. ■

MAIS DE 20 ANOS DE TECNOLOGIA ANALÓGICA NUM GIRA-DISCOS PARA O SÉCULO XXI O novo gira-discos Pro-Ject Xtension 9 Evolution é uma decisiva entrada no high-end mas com preços que continuam ao alcance dos entusiastas do vinilo. A Pro-Ject Audio Systems, distribuída em Portugal pela Supportview, estabeleceu as suas credenciais no mundo do vinilo no já longínquo ano de 1991 com o modelo P1 – um gira-discos que oferecia um som fabuloso num desenho simples e com um preço extremamente baixo: uma abordagem refrescante numa altura em que os gira-discos baratos eram muito maus e os bons eram… muito caros. Esta filosofia da Pro-Ject, de simplicidade e qualidade da engenharia capaz de oferecer excelentes resultados a preços acessíveis, foi uma das grandes responsáveis pelo regresso em força dos gira-discos no século XXI. Hoje, a Pro-Ject Audio Systems é o líder mundial em equipamentos analógicos de alta-fidelidade e apresenta o novo Xtension 9 Evolution, um gira-discos que incorpora mais de 20 anos de experiência e engenharia da empresa, numa unidade que oferece qualidade de nível high-end num equipamento que se mantém acessível aos entusiastas do vinilo que procuram um som sem compromissos. ■

74 | ELES & ELAS


A AQUAZZURA REVELA A SUA CAMPANHA PARA A PRIMAVERA / VERÃO 2014. Nascido na Colômbia e criado entre Miami e Londres, Edgardo Osorio combina o seu olho para o glamour, a sua paixão pelo design moderno, e a sua mão para aventuras highluxe em sapatos. Depois de frequentar a Faculdade de Moda e Central Saint Martins em Londres, ele fez os seus primeiros passos no mundo do calçado com as marcas de luxo mais prestigiadas, como Salvatore Ferragamo, Sigerson Morrison, René Caovilla e Roberto Cavalli. Em 2011, depois de trabalhar no sector há 10 anos, ele lança a nova marca de calçados de luxo Aquazzura. Para este Verão, os modelos icónicos da marca italiana, ganham agora novos padrões, aos quais se juntam flats e scarpins. ■

YVES ROCHER LANÇA A NOVA COLECÇÃO DE VERÃO COM UMA EDIÇÃO LIMITADA Este verão, passeie ao longo do mediterrâneo, num tesouro escondido entre terra e mar. Descubra as notas refrescantes das flores cítricas com a eau de toilette e o Gel duche repletos d e suavidade e elegância. Renda-se às cores vivas de uma colecção de maquilhagem trendy e estival. Com tudo isto, ficará maquilhada e perfumada para desfrutar de umas férias inesquecíveis ao longo do mar mediterrâneo. ■

MODALISBOA PROCURA SANGUE NOVO A ModaLisboa continua a apostar na descoberta e promoção de novos talentos da Moda Portuguesa. As inscrições para a próxima edição do SANGUE NOVO, a realizar em Outubro de 2014, decorrem até ao dia 16 DE JUNHO DE 2014. O Sangue Novo destina-se a todos os alunos portugueses finalistas de Cursos de Design de Moda de escolas nacionais ou internacionais e jovens designers de moda que já tenham terminado a sua formação e estejam actualmente a iniciar a sua marca. Cada candidato deverá entregar um projecto original, de Homem e/ou Senhora, para o verão 2015. Após apreciação individual de cada projecto, ao nível de conceito, design, cores e matérias-primas, o júri apurará entre 8 a 10 para a fase seguinte. A apresentação pública dos projectos realizar-se-á no desfile Sangue Novo integrado na 43ª Edição da ModaLisboa – Lisboa Fashion Week, em outubro de 2014. Para mais informações consulte: http:// dailymodalisboa.blogspot.pt/2014/04/ modalisboa-procura-sangue-novo.html. ■

REVOLUCIONÁRIAS E INOVADORAS MANGUEIRAS DE JARDIM DO SISTEMA ORIGINAL GARDENA

MI MONEDA: JOIAS QUE COMBINAM COM QUALQUER OUTFIT

Tudo se liga na perfeição! A Gardena apresenta as mangueiras de jardim FLEX, com uma qualidade extraordinária, trazendo para este produto o conceito de qualidade comprovado do Sistema Original Gardena, utilizando materiais Premium extremamente duradouros e a que se alia o novo sistema Power Grip. O Sistema Original Gardena garante soluções de elevada qualidade. O seu conceito de ligação, em que é possível conectar qualquer elemento ao longo do sistema de rega, de forma segura e fácil, sem fugas de água desde o início até ao final, foi testado milhões de vezes, e agora expandido para ser aplicado às mangueiras de jardim. Dependendo da sua procura e das necessidades, os apaixonados pela jardinagem têm agora a possibilidade de escolher entre os modelos Gardena SuperFLEX, Gardena HighFLEX e Gardena FLEX. A principal vantagem das novas mangueiras de jardim da Gardena é que devido ao novo sistema Power Grip, a mangueira e os acessórios de rega asseguram uma ligação perfeita e resistente com as ligações do Sistema Original Gardena. ■

A inovadora marca de joalharia chegou a Portugal. A marca de joalharia com grande sucesso e expansão a nível internacional, MI MONEDA, chegou a Portugal. Inspirada em moedas “vintage”, combina joalharia com estilo sofisticado e significado espiritual. Este novo conceito de joalharia permite criar múltiplas combinações personalizadas e adequadas para cada look e ocasião, através de três peças: o fio, o aro e a moeda, criando uma joia única. Desde o Antigo Egipto e ao longo da história, as moedas têm sido utilizadas como amuletos para serem usadas junto ao coração e com um significado especial. Em 2009, os holandeses Michelle Mentrop e Joery Tol decidiram transformar este pensamento espiritual e a sua paixão por moedas, em peças de joalharia inovadoras e únicas. ■ ELES & ELAS | 75


HIPISMO

FINAL DA COPA DO MUNDO

FEI Longines de Salto

O

alemão Daniel Deusser de 32 anos e Cornet d´Amour, um garanhão westfalen de 11 anos, foram os vencedores na Final da Copa do Mundo FEI Longines de Salto, realizada em Lyon. Ludger Beerbaum com Chiara 22 sagrou-se vice-campeão e o britânico Scott Brash montando Ursula XII fechou sua primeira participação numa final de Copa do Mundo em 3 lugar. A Final da Copa do Mundo - FEI World Cup Show Jumping Final - é uma competição anual que reúne os melhores cavaleiros, amazonas e cavalos do mundo. Criada em 1978, hoje compreende 14 ligas selectivas totalizando aproximadamente 132 GPs selectivos. Rodrigo Pessoa e o garanhão sela-francês Baloubet du Rouet são o conjunto mais premiado na história da competição nas suas 31 edições. Rodrigo e Baloubet du Rouet levantaram além do tricampeontato consecutivo em 1998/ 1999 /2000, nada menos que dois vice-campeonatos em 2001/ 2003 e uma 3ª colocação, em 2002. Rodrigo ainda aparece em 4º com Special Envoy na Final de 1994 e, finalmente, em 2009, em 5º, montando Rufus. Outros tricampeões da competição foram o alemão Marcus Ehning (2003, 2006, 2010), a norte-americana que defende a Alemanha, Meredith Michaels-Beerbaum (2005, 2008, 2009) e o austríaco Hugo Simon (1979, 1996, 1997). Cavaleiros de 13 países participaram na Final: Alemanha, EUA, Australia, Azerbeijão, Brasil, França, Egipto, Grã Bretanha, Latvia, Marrocos, Portugal, Suécia e Suíça. Os EUA tiveram a maior representação com sete conjuntos, a Alemanha contou com cinco e Suíça, Grã Bretanha e França mandaram dois cavaleiros cada. Vinte e sete conjuntos largaram na prova final na corrida pelo título 2013/2014, sete zeraram a primeira volta, cinco zeraram a segunda volta e quatro fecharam com duplo zero falta. ➤

76 | ELES & ELAS

Daniel Deusser


1ยบ Lugar Daniel Deusser

2ยบ Lugar Ludger Beerbaum

ELES & ELAS | 77


3º Lugar Scoot Brash

O

desenhador Frank Rothenberger, testou-os em ambos os percursos, mas a qualidade da prova foi excepcional. Como ele disse esta noite “o dia foi perfeito, não vimos grandes erros”. O Presidente da Comissão de Salto da FEI, John Madden, felicitou os atletas e os organizadores. “Este é um local fantástico e no fim do dia tenho um sentimento de profundo apreço e gratidão por todas as equipas que nos permitiram desfrutar deste desporto fantástico. Estou feliz por representar a FEI, e também aprecio muito as pessoas que produziram um evento tão bom, como Longines que trouxeram os prémios em espécie até o nível adequado para este tipo de campeonato - e os cavaleiros , é claro.” ■

Daniel Deusser 78 | ELES & ELAS

Resultado - Classificação Final: 1, Daniel Deusser (GER ) 2; 2, Ludger Beerbaum (GER) 4; 3, Scott Brash (GBR) 5; 4, Marcus Ehning (GER) 6; 5, Steve Guerdat ( SUI) 8 6, Maikel van der Vleuten (NED) 10; 7, Beezie Madden ( EUA ) 12; 8, Pius Schwizer ( SUI) 12; 9, McLain Ward ( EUA), 17; 10, Charlie Jayne ( EUA ) 23.


SOCIEDADE

COLARES DE PÉROLAS O que é ser milionário “ Deus fuma charutos havanos”.Com esta citação terminei o meu último “Colar de Pérolas” sobra as vidas dos muito ricos. Falando de charutos, no século XIX, descobriu-se em Cuba a potencial fama dos charutos. São o prazer máximo de muitos e até de algumas mulheres.

H

á muitas notáveis variedades, os Coronna,os Panetela (de 13 cm), os Lindsala (entre 15 e 17 cm), os Double Coronna (de 20 cm),… Há uns bem pequenos Corona Bolivar, de 4 cm, sendo os mais compridos os Panetela, de 60 cm, mandados fazer para um certo Marajá. Depois da revolução castrista, apareceram charutos muito caros Bolivar, Cohiba, Davidoff 1 e 2, Partagas e o Romeu e Julieta - o preferido de Churchill e também o Ambassatrice, para mulheres. A sua conservação faz-se numa atmosfera de 60 a 67 percentagem de humidade e temperatura de 20 a 25 graus. Devem guardar-se na cave e ter uma caixa de humidificação. Depois de desembalados do alumínio e do celofane precisam de respirar. E como fumar charutos por esses experts poderosos? Tira ou não a cinta? A tendência actual é tirar, cortar com a guilhotina, acender não com isqueiro mas com envelope de madeira. A degustação é feita pelo aroma, plenitude e potência. Deixa-se sempre um terço no cinzeiro. Mudando agora para as grandes mesas, os mais famosos restaurantes que essas pessoas frequentam: Em Paris, o Bocconi, Bristol, Carpaccio, Pierre Gagnaire, Guy Savoy, Grand Véfour, Plazza Athéné e Tour d'Argent. Em Londres irá ao Annabels, ao Cipriani, Ramsy e San Lorenzo. Para tomar um chá ou um copo mais ao fim da tarde passará pelo Hall do Hotel Claridge. 80 | ELES & ELAS

Quanto a lugares para ser visto recomendam-se terras privilegiadas, lugares abençoados dos deuses, de riqueza, dos felizes do planeta, autênticos refúgios de bem-estar do mundo. Há que experimentar a opulência e a prosperidade, onde se instala o êxito pecuniário. Mónaco, para os apaixonados de carros, paraíso da fortuna, Olimpo dos privilegiados, onde encontra gastronomia sumptuosa. Policia e câmaras de vigilância e ainda melhor no Grand Prix, em Maio, e a Gala da Cruz Vermelha, em Agosto. Os restaurantes são o Rampoldi, Mia Rocca, Saint Jean de Cap Ferrat, Sass Café enfim e as modas ocupam-se de mudanças. Em França, são fundamentais sítios como Deauville, Megeve, Saint Tropez. Os grandes barcos são um must. Ainda ir almoçar no Joseph, no Club 55, a Nikki Beach, Hotel Byblos, Dizcoteca, Caves du Roy ou Papagayo. As celebridades vão estar na Brasserie du Port. Na Suíça os sítios são muitos: Gstaad no Hotel Palácio e no restaurante La Fromagerie, almoçar no Eagle Club. Sr Moritz é um rival melhor frequentado. Em Itália, Capri obriga o restaurante Canzone del Mar no Natal e Fim do Ano pois é um centro da vida mundana internacional desde os tempos passados do Jet Set e da Café Society. E se for à Sardenha, Costa Esmeralda e Porto Cervo lá estarão eles nos seus barquinhos como eles dizem. Nunca dirão o meu iate, para fingir que são simples. E mais sítios, Hotel Cala di Volpe, Porto Rottondo e o restaurante e night club Billionaire do Briattore. Mas também há ➤


➤ destinos fabulosos em Marrocos. Ter um Riad, em Marrakech, o Hotel Mamounia de 1923, refeito em 2006 por Jacques Garcia. Também Tanger, É local de milionários excêntricos. Por vezes fazem um Bal Costumé temático no Hotel el Minzah e Mirage. E tantos outros sítios como ir ao Relais de Paris e Casa d’Italia, Aspen, Dubai Hotel Burg El Arab é um símbolo ou passar uns dias nas Seychelles. Quanto ao shopping, é uma distracção dos ricos, uma ocupação do tempo, uma febre, uma doença ou mesmo uma patologia e há lojas para eles. É talvez uma profissão, mesmo um suplicio. Para tal existem coaches e personal shoppers. Há lojas de marcas com desfiles só para eles e show rooms. Paris, Genebra, Londres, Madrid, Milão, Nova York para se ”relookarem”. “Só o dinheiro ajuda a esquecer que não se é rico” disse Philippe Bouvard. As pessoas já não se vestem conforme a classe social. Apenas nas soireés mundanas se vestem conforme a classe social. Aí é a imaginação e a liberdade que marcam a diferença. Devem evitar o look mafia russa ou dinheiro fácil. Também está ultrapassado o velho estilo aristocrata. A diferença está no pormenor e no estilo. Hoje os estilos confundem-se: velho hippie, vintage, bling bling do rapper americano Puff Daddy, o Bobo do Ralph Lauren e Lacoste, Chanel, Hugo Boss e também a extravagância da alta-costura. As silhuetas, o Cardin geométrico, o ir vestido de ir aos Oscares: a moda segue a roupa das vedetas de cinema. Tudo tem um significado. Os acessórios são muito importantes. Podem deslocar-se e adaptar-se mais que a roupa. Cada um dá a força de sedução que consegue. E quando ao sítio e a casa onde montam. Home sweet home. Diz Paulo Coelho:«Não se pode fiar num homem se não se lhe conhece a casa» Pode ser antiga ou moderna. Hoje há uma mudança de estilos do oriente e ocidente e também o estilo despojado. Escolhem-se com as cores, os estilos, materiais, moveis, objectos que revelam a personalidade de cada um. Maneira de viver não é estar num museu. É um habitat. Há o toque ecológico e as energias renováveis. Feng shui em chinês é vento e água. Na China antiga procurava diagnosticar-se este equilíbrio. Ambientes do “Leopardo” de Visconti ou loft colonial zen, o barroco. Podem ter sauna, jacuzzi, piscina, cinema, Karaoke, duches com cheiros relaxantes. Agora há um betão translucido, há casas inteligentes, tectos amovíveis, toque artístico, toque sofisticado no interior. Enfim um menu sem fim. Quanto aos carros: O dinheiro não dá a felicidade mas “prefiro chorar num Rolls do que

rir numa bicicleta» disse Patrizia Reggiani, a extravagante mulher de Maurizio Gucci. Expressam o status. São um brinquedo que gosta de ser exibido e também exprime a personalidade. Um Smart com vidros fumados na cidade é elegante. Um Porsche é um valor seguro e desportivo. O Cayenne é elegância e potência. O Hummer 4/4 e impressionante. Vem dos EUA e não é um bólide mas uma alta cilindrada. Substitui o lendário Jeep. Ficou famoso com Schwarzenegger e a guerra do golf. O Jaguar XK tem apaixonados: há o coupé e o cabriolet e é luxuoso e moderno. O Mercedes ou BMW, 2 eternos concorrentes alemães a cada um os seus aficionados. Maserati, criado em 1914 Bolonha. Conheceu sucessos com Fangio em 1968. Hoje o luxo é o 4 portas. O Ferrari enfim… Casas, carros, saber viajar, ilhas, palácios, os melhores hotéis, Desportos que são a eterna juventude e a juventude eterna. Fortunas, imobiliário, bolsa, casamentos, heranças, divórcios. É a felicidade dos ricos, o encanto do supérfluo, o consumo imoderado, a prosperidade: Códigos, modas, regras de privilegiados: o paraíso na terra. A sua vida amorosa não é fácil. Milionários são os que não sabem o que têm, é tudo aproximativo. Milionário não é literal como no passado. A palavra faz sempre sonhar. Lógica capitalista: a acumulação de dinheiro para alguns faz mudar o papel do dinheiro. A sociedade e os media descrevem a vida dos ricos contribuindo para o desenvolvimento da inveja. Capitalismo e moralidade podem coabitar. Ele vive com a felicidade da riqueza dos outros. Tem que se saber gastar de forma sofisticada. A generosidade é sempre recompensada. É preciso despender somas para responder com chique aos ritos da sociedade. O dinheiro não é nada se ignorar os códigos e usos de um mundo de requinte onde o dinheiro está mas não se fala dele: Questões existenciais. Há que aprender a ser rico e ter o sonho do milionário. ■ Paula Bobone ELES & ELAS | 81


SOCIEDADE

OVOS DA PÁSCOA

N

a Páscoa os cristãos celebram a Ressureição de Jesus Cristo, depois da sua morte por crucificação. O evento referido ocorreu no período que os judeus designavam por “Pesa” e que correspondia à celebração da libertação do povo judaico da sua escravatura no Egipto e da sua posterior fuga para a Terra Prometida. Consequentemente, a Páscoa é uma festa religiosa por excelência, ao contrário do que acontece com o Carnaval que, como referimos, tem origens pagãs. Quando falámos da nossa vivência do Natal referimos que o associávamos, essencialmente, à nossa família materna. Acontece que, pelo contrário, as nossas principais referências relacionadas com a Páscoa estão mais associadas à nossa família paterna, tendo passado as férias pascais na Casa do Adro, propriedade do nosso avô paterno, situada no Sardoal. Localizado a cerca de 10 km a Norte de Abrantes, o Sardoal é uma vila que se desenvolve sobre uma elevação, tendo no seu ponto de cota mais alta a Igreja Matriz, ao lado da qual está implantada a Casa do Adro, de origem seiscentista. A referida casa terá, inicialmente, estado ligada à citada igreja, contra a qual encosta, pelo que tem uma situação privilegiada em termos de vistas panorâmicas, abrangendo um campo de visão que cobre uma vasta região até Abrantes. Sabe-se que essa sua localização privilegiada terá sido a razão pela qual, durante o período das invasões francesas que se iniciou em 1807, o General Jean-Andoche Junot terá instalado nela o seu quartel-general na zona, facto atestado pela descoberta, nos jardins da casa, de inúmeros artefactos desse período que se encontravam enterrados, nomeadamente, punhais. Recorde-se que Junot viria a usar o título de Duque de Abrantes, o que indicia a sua forte ligação à região centrada nesta cidade. 82 | ELES & ELAS

A Igreja Matriz é célebre pela sua decoração com várias telas da escola do Mestre do Sardoal, elementos notáveis da pintura religiosa medieval. No Sardoal pernoitaram, por diversas vezes, vários dos nossos reis e rainhas, nomeadamente D. Pedro I, D. Fernando I, D. Leonor Teles, D. João I, D. Duarte e D. Afonso V. Uma filha de D. Duarte, a Infanta D. Maria, nasceu e morreu no Sardoal, vila onde também morreu uma filha bastarda do Rei D. Manuel I. Durante as estadias deste monarca esteve no Sardoal o célebre poeta Gil Vicente que se referiu à vila na parte final da sua “Tragicomédia Pastoril da Serra da Estrela”. Dado que o nosso avô e o seu irmão (este foi Presidente da Câmara da vila) foram generosos mecenas para várias instituições do Sardoal, particularmente da sua importante filarmónica, esta actuava todos os anos, durante o período da Páscoa, nos jardins da Casa do Adro, em sinal de agradecimento aos seus patrocinadores da família Mattos e Silva. Era um momento alto em que a família se juntava para assistir à actuação musical, a que se associava o padre da vila que, seguidamente, almoçava lá em casa. Foram para nós, enquanto crianças, momentos inolvidáveis, associados à procura dos Ovos da Páscoa, de delicioso chocolate, que os adultos escondiam nos jardins, e às habituais amêndoas doces que se comiam gulosa e excessivamente. Mas, já na fase adulta, passámos outras férias pascais em locais distintos sendo que, um dos períodos mais marcantes, foi o da Semana Santa em Sevilha. É um espectáculo inesquecível de côr e de sensações, com as várias confrarias a acederem à Catedral, com os seus uniformes coloridos em que ressaltam os capuzes cónicos lembrando, na sua indumentária, os tristemente célebres “Ku Klux Klan” dos Estados Unidos da América do Norte. O interior da Catedral ricamente decorado, ➤


➤ alberga o túmulo do célebre navegador Cristóvão Colon, também associado à conhecida história do “Ovo de Colombo”. Embora exista uma conhecida teoria que defende a naturalidade genovesa de Colon, vários autores consideram-no português de nascimento e filiação. De acordo com uma teoria que, recentemente, tem vindo a ser divulgada pelos irmãos José e António Mattos e Silva, o pai do navegador terá sido D. João Menezes da Silva (que mais tarde, depois de abraçar a vida religiosa, viria a ser conhecido pelo Beato Amadeu de Portugal) e a sua mãe uma irmã de D. Afonso V, a Infanta D. Leonor, a qual, depois de ter tido esse seu filho bastardo, viria a casar-se com o Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, Frederico III, tendo tido, como seu filho legítimo, o Imperador Maximiliano I. Cristóvão Colon terá sido baptizado com o nome de Salvador Anes da Silva (é de referir que ele designou, por S. Salvador, a primeira ilha do continente americano a que aportou) mas, como não podia ser assumido publicamente como filho dos seus pais biológicos, foi confiado a uma família constituída por Inês Gomes (uma aia da Infanta) e pelo seu marido Diogo de Pedrosa, tendo passado a usar o nome de Sancho de Pedrosa, o qual se encontra referido em vários documentos oficiais quer em Portugal quer em Espanha. Posteriormente, quando assumiu as funções de agente secreto de D. João II (do qual seria primo direito), passou a usar o nome de Cristóvão Colon. Os Reis Católicos, de quem também seria primo, saberiam a sua identidade mas desconheciam que ele estava ao serviço dos interesses de Portugal. Supõe-se que terá nascido, cerca do ano de 1450, na vila alentejana de Cuba (razão pela qual designou, com esse nome, uma das ilhas que descobriu). Viria a casar, por 1479, com Filipa Moniz Perestrelo, filha de Isabel Moniz e de Bartolomeu Perestrelo, 1.º Capitão-donatário da Ilha de Porto Santo. Desse casamento teve o seu único filho varão legítimo que se conhece, Diogo, que viria a herdar as mercês do seu pai e que foi o 1.º Duque de Verágua. Colon teve um filho bastardo, Hernando, filho de Beatriz de Arana, com quem terá vivido em Córdova. Esta teoria está registada num painel de azulejos no Hotel Farol, em Cascais, bem como numa placa metálica colocada no Hotel Altis Belém, em Lisboa. A missão de Colon, ao serviço de Portugal, consistiu em criar as condições que viriam a permitir a celebração do

Tratado de Tordesilhas, em 1494, mediante o qual parte significativa do território do actual Brasil ficou no hemisfério atribuído a Portugal. Colon efectuou quatro viagens ao continente americano, com partidas de Espanha em 1492, 1493, 1498 e 1502, tendo morrido em 20/05/1506 e sido enterrado em Valhadolid. Mais tarde, os seus restos mortais foram transladados para o Mosteiro da Cartuxa, em Sevilha. Posteriormente, em 1542, satisfazendo um desejo do navegador, a sua nora enviou os seus restos mortais para a cidade de Santo Domingo, na actual República Dominicana, onde ficou enterrado na respectiva catedral. Em 1795, devido à derrota espanhola na guerra hispano-francesa, o seu corpo foi enviado para Havana onde ficou até que, devido à guerra hispano-americana de 1898, foi levado para a Catedral de Sevilha. Contudo, as autoridades dominicanas entendem que parte do corpo de Colon terá ficado em Santo Domingo, dado terem encontrado uma caixa metálica indicando o nome do navegador e contendo parte dum esqueleto humano, pelo que nesta cidade foi erigido um imponente mausoléu para alojar os seus despojos: o Farol de Colon. Muito embora se pense que outros portugueses, nomeadamente João Vaz Côrte-Real, terão chegado ao continente americano quase duas décadas antes, a primeira viagem de Colon continua a ser considerada a da descoberta desse continente. ■ José Mattos e Silva

ELES & ELAS | 83


ELES & ELAS

1 2

O CANAL HISTÓRIA ESTÁ DE PARABÉNS! Numa magnífica festa no hotel Ritz, o canal História celebrou o 15º ano de existência. Reuniram-se amigos e caras conhecidas do mundo das artes e da televisão. A receber-nos esteve Carolina Godayol, directora do canal. O mote desta festa foi tomado do celebérrimo evento de Truman Capote "Black and White Ball Masqué". ■ ➤

84 | ELES & ELAS

1. Maria da Luz de Bragança e Carolina Godayol 2. Paula Lobo Antunes 3. Sinome de Oliveira 4. Paula Bobone 5. Fátima Lopes 6. Catarina Morazzo 7. Carla Salgueiro 8. Tristana Esteves Cardoso 9. Fernando Alvim 10. Pedro Reis e Raquel Loureiro 11. Nuno Vaz de Moura e Maria da Luz de Bragança


3

4

5

6

7

8

10

11

9

ELES & ELAS | 85


ELES & ELAS

Jantar de homenagem

A MANECAS MOCELEK

1

R

ealizou-se um jantar de homenagem a Manuel Kelecom de Sousa Eusébio, mais conhecido por Manecas Mocelek, promovido por um grupo de amigos entre os quais Diogo Saraiva e Sousa, João Braga, José Mesquita, Jorge Ribeiro de Sousa e Luís Ferreira de Almeida, aos quais se associou o filho do homenageado, Gonçalo de Sousa Eusébio. O jantar decorreu no restaurante “Vela Latina”, no qual Vera Machaz fez as honras da casa, e destinou-se a celebrar os 80 anos que o Manecas faria se fosse vivo. Juntaram-se no magnífico jantar muitos outros amigos do Manecas que encheram o restaurante e assistiram a um vídeo que reproduziu os passos mais importantes da vida do homenageado. Para além de diversas imagens relativas às discotecas das quais Manecas foi gerente em Portugal (nomeadamente Caixote, Van Gôgo, Ad Lib, Rampoldi, Banana Power, Kasbah e Stone’s), e às quais imprimiu o seu cunho pessoal de as transformar em clubes de amigos, houve evocações da sua carreira desportiva no automobilismo e de um momento de grande imaginação e divertimento: a simulação da presença dum grupo de árabes em Lisboa. Este evento ocorreu em Fevereiro de 1971, quando o Mundo atravessava um choque petrolífero. Espalhou-se a notícia de que um grupo de “sheiks” árabes ia passar por Lisboa e jantar no “Tavares”. Na realidade, tratava-se dum grupo de divertidos portugueses que incluía, para além de Manecas Mocelek, Michel Costa (o único, do grupo, que sabia falar um pouco de árabe, dado ter nascido em Marrocos), Nicha Cabral, Manuel Correia, Frederico ➤

86 | ELES & ELAS

2


3

4

5

8 7 6

9

1. José Manuel Trigo e Luís Reprersas 2. José António Marques da Costa e Maria João Quadros 3. Teresa e Diogo Saraiva e Sousa 4. Jorge Ribeiro de Sousa e Teresa Ferreira 5. Gonçalo Eusébio Agradecendo a homenagem a seu Pai 6. Alice Pinto Coelho e Vera Cardoso 7. Nicha Cabral 8. Teresa Talone, Gonçalo Lucena e Zinha Cazal-Ribeiro 9. Luís Pedreira, Toni Pereira Coutinho e Luís Ferreira de Almeida 10. José Mattos e Silva com Zinha Cazal-Ribeiro

10

Abecassis e Jorge Correia de Campos (em cujo Rolls Royce os “árabes” se deslocaram). A ideia inicial era uma simples brincadeira de Carnaval, tendo o grupo saído do Stone’s cerca das 19h, dirigindo-se para o “Tavares” onde os esperava Eduardo Oliveira Rocha, vestido de smoking, que fazia o papel de tradutor. Um amigo do grupo, que pertencia à TAP, deu a informação ao jornal “o Século” cujo chefe de redacção, José Mensurado, acreditou na história a ponto de ter decidido enviar o repórter Roby Amorim para cobrir o evento. Supostamente o chefe do grupo era o “príncipe Iben Seddak” (Jorge Correia de Campos) e Nicha Cabral fazia de provador da comida daquele, para evitar que o mesmo pudesse ser envenenado, tendo mandado para trás ➤

ELES & ELAS | 87


11

12

13

14

15

11. Ana Braga e Luís Ferreira de Almeida 12. Mitó Costa Quinta, Mané e Henrique Syder Freire 13. António Estarreja, Gonçalo Lucena e Luís Quartim Graça 14. Henrique Polignac de Barros, Rucas e João de Castro 15. Helena e João Alarcão 16. Henrique Syder Freire, Jorge Correia de Campos com José Mattos e Silva 17. Xico Lucena com Diogo Saraiva e Sousa

16

alguns dos pratos que vinham para a mesa. Todos os “arabes” se manifestaram relutantes à intromissão jornalística, falando muito pouco e apenas através do tradutor. No dia seguinte o jornal anunciava: “Negoceia-se em Teerão, mas encontram-se árabes em Lisboa e o tema também é petróleo”. A notícia levou mesmo um membro do governo da época a deslocar-se, com urgência, de Coimbra para Lisboa, para tentar contactar com o grupo de “árabes” na perspectiva de conseguir, através deles, minorar o impacto negativo do choque petrolífero no nosso país. Dado que o Presidente do Conselho, Marcelo Caetano, tinha sido padrinho de casamento de Jorge Correia de Campos, o assunto acabou por não ter consequências negativas para o grupo de foliões. Depois de se ter visto o citado vídeo houve várias intervenções por parte dos organizadores do jantar de homenagem e, no final, Gonçalo Sousa Eusébio agradeceu, emocionado, a todos os presentes. Foi sugerido procurar, anualmente e na mesma data, continuar a recordar, desta forma, um dos maiores expoentes da “noite” portuguesa. ■

José Mattos e Silva

88 | ELES & ELAS

17


1

2

ELES & ELAS

INAUGURAÇÃO DO HOTEL TRYP LISBOA AEROPORTO LISBOA

4 5

3

O Tryp Lisboa Aeroporto, a mais recente unidade do Grupo Hoti Hotéis, fez uma belíssima inauguração com a presença de muitas caras conhecidas e oficializada pelo Secretário de Estado do Turismo, o Dr. Adolfo Mesquita Nunes. O Director geral do Hotel, Paulo Sassetti. recebeu os convidados que foram surpreendidos com uma Equipa de Hospedeiras e Comandantes a servirem um cocktail com carrinhos de avião da “ Tryp Lisboa Airlines”. Um sucesso! ■ 6

7

9 8

1. Jorge Santos e Helena 2. Claúdia Jacques, Paulo Sassetti, Maria José Galvão de Sousa, Humberto Leal e Patricia-Pereira da Silva 3. Paulina e António Figueiredo 4. Ana Borges e José Agualuza 5. Paula Taborda 6. José António Tenente 7. Lili Caneças 8. Eládio Climaco e Carlos Veríssimo 9. Vasco e Paula Bobone

ELES & ELAS | 89


RUN FOR IT

O Novo Ford Focus

O

novo Ford é um dos automóveis mais avançados tecnologicamente na estrada hoje em dia. Está equipado com uma gama de sistemas e características topo de gama, concebidos para tornar cada viagem mais segura, confortável, eficiente, económica, empolgante e fácil. Por exemplo, o Controlo de Vectores de Binário equilibra de forma contínua a potência entre as rodas dianteiras para proporcionar uma aderência, controlo e manuseamento excepcionais quando acelerar nas curvas. Por sua vez, o Auto-Start-Stop detecta quando o automóvel pára, poupando combustível ao desligar automaticamente o motor. E quando estiver a estacionar, o Sistema Auxiliar de Estacionamento Activo manobra automaticamente o Focus ajudando-o a estacionar nos lugares mais apertados, em modo mãos livres. O novo Focus leva o Ford kinetic Design a um novo nível. O novo design do capô e os faróis traseiros envolventes proporcionam ao Focus uma aparência mais elegante e mais atractiva. Além disso, a forma aerodinâmica permite reduzir a resis-

90 | ELES & ELAS

tência ao ar, oferecendo assim um melhor desempenho e uma maior economia combustível. As cores, os materiais e os acabamentos do habitáculo foram cuidadosamente coordenados. Ficará surpreendido com o elevado nível de construção, desde os pespontos superiores nos bancos e materiais suaves à consola central passando pelo painel de instrumentos. Poderá optar por bancos totalmente em pele (Individual), parcialmente em pele ou em tecido. A primeira vez que conduzir o novo Focus, irá sentir-se imediatamente em perfeita harmonia com o automóvel. O cockpit tem um design ergonómico que permite que todos os comandos e as principais funções sejam acessíveis ao condutor proporcionando uma utilização intuitiva. Os bancos do condutor e do passageiro da frente são totalmente ajustáveis para proporcionar mais conforto. Além disso, em alguns modelos pode até ajustar a luz nocturna. Na verdade, existem muitas formas inovadoras e bem concebidas que facilitam, tornam mais segura e mais agradável a condução do Focus. ■


COLEÇÃO Distribuidor exclusivo: Selective & Parfums ELES & ELAS | 1 R. Aires de Ornelas, 244/252 | 4000-022 Porto Tel. 229 698 890 | E-mail: geral@selective.pt


Eles & Elas 281  

Revista Eles & Elas 281

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you