Page 1

cultwine fev.2014


PLANO

100

L de Laffitte Laujac 2006 --Château Laffitte Laujac, França Safra 2006 Corte de Merlot e Cabernet Sauvignon Álcool 12,5% Potencial de guarda de 10 anos Decanter 30 min Temperatura 16 a 18°C

Garzon Tannat 2011 --Bodega Garzon, Uruguai Safra 2011 100% Tannat Álcool 14,6% Potencial de guarda de 7 anos Decanter opcional Temperatura 16 a 18°C

[ [ m R [ e f [ S p

PORQUE É ESPECIAL

Médoc é uma sub-região ao norte de Bordeaux, localizada na margem esquerda do rio Gironde, reconhecida internacionalmente pelos famosos (e caros!) tintos que ali são produzidos há séculos. A palavra Médoc significa “terra do meio”, pois está localizada entre o Oceano Atlântico e o estuário do Gironde. Médoc existe graças ao trabalho de engenheiros holandeses que, ao drenar um pântano no século XVIII, viram surgir um solo abençoado para a produção de grandes vinhos. A drenagem resultou em um solo pobre, permeável e cheio de cascalho e pedras ricas em sedimentos. Em um local aonde sopra o vento frio do Oceano, as pedras tem uma importante função para reter o calor do dia e garantir o amadurecimento das uvas no tempo certo. Este tinto é produzido a partir de uma mistura das duas principais castas da região: 50% Cabernet Sauvignon e 50% Merlot. Envelhecido por 12 meses em barricas de carvalho francês. De cor vermelha rubi, no nariz apresenta frutas vermelhas e negras, toques de especiarias e carvalho. Na boca é elegante, equilibrado, com boa acidez e taninos presentes. Bom corpo e longa persistência. Harmoniza bem com carnes vermelhas grelhadas ou assadas, como filet mignon ao molho madeira ou alcatra assada na brasa.

PORQUE É ESPECIAL

Os vinhedos da Bodega Garzon estão plantados em um solo pobre e ondulado, divididos em pequenas parcelas com menos de um hectare cada, permitindo orientações com diferentes níveis de umidade e exposição solar de acordo com as características de cada variedade. A região de Garzon está localizada ao norte da província de Maldonado, a somente 18 km do Oceano Atlântico e próxima de pontos turísticos como Punta del Elste, Jose Ignacio e La Barra. Compartilha da mesma latitude de clima fresco das principais regiões vinícolas do Chile, África do Sul, sul da Austrália e Nova Zelândia . É uma região relativamente nova no cenário vinícola uruguaio, sendo que a produção ali é insignificante se comparada a outras regiões mais antigas e conhecidas como Canelones e San Jose. Este Garzon Tannat 2011 representa a variedade emblemática do Uruguai e encontrou em Garzon um terroir ideal para seu cultivo e elaboração, através de uma parceria entre a Bodega e o renomado enólogo italiano Alberto Antonini. O vinho tem uma cor rubi intensa com reflexos granada e aromas de frutas vermelhas maduras, notas defumadas e toques de café e cacau. Na boca é um vinho fino mas que apresenta as características do país, com taninos intensos e redondos e um longo e agradável final. Vai bem especialmente com carnes vermelhas com bom teor de gordura.

[ a m c D a m ó u d m f u f d


Chef Marcelo Bortolon (Bistrô Deodoro)

para acompanhar o L de Laffitte Filet mignon com molho de frutas vermelhas e trouxinha de queijo

PLANO

Ingredientes (2 porções) 500 g de filet mignon bovino 20 g de manteiga 80 g de amora 80 g de morango 80 g de framboesa 50 g de açúcar 200 ml de fundo de carne 50 g de massa phylo 20 g de ricota 20 g de queijo amarelo Tomilho a gosto Sal e pimenta do reino a gosto

25

Matarromera Reserva 2008 --Bodega Matarromera, Espanha Safra 2008 100% Tempranillo Álcool 14,5% Potencial de guarda de 15 anos Decanter 45 minutos Temperatura 16°C

Chef Marcelo Bortolon (Bistrô Deodoro)

para acompanhar o Garzon Tannat Picanha ao molho de vinho tinto com torta de baroa

[1] Pique os dois queijos e misture com tomilho. Reserve. [2] Em uma forminha untada com manteiga coloque a massa phylo recheada com a mistura de queijos. Faça uma trouxinha como na foto e leve ao forno a 180 C até dourar. Reserve. [3] Bata as frutas vermelhas com o açúcar em um liquidificador, passe por uma peneira e misture ao fundo de carne. Aqueça com sal, pimenta e manteiga. Reserve o molho e as frutas que ficaram na peneira. [4] Grelhe o filet em todos os lados e finalize no forno até atingir o ponto desejado. Sirva o filet sobre o molho, com a trouxinha de queijo em cima. Use as frutas vermelhas peneiradas para decorar. Ingredientes (2 porções) 500 g de picanha bovina 250 ml de vinho tinto seco 80 g de batata baroa 80 g de batata branca 30 g de queijo amarelo 2 cebolas 1 cenoura 1 talo de salsão 2 dentes de alho 200 g de carne de segunda com osso 20 g de manteiga 20g de farinha de trigo 30 g de açúcar Sal, pimenta do reino e azeite a gosto

[1] Fazer o fundo: Em uma panela grande doure a carne de segunda com osso, junte as cebolas, a cenoura, o salsão e o alho e deixe até ficarem dourados. Acrescente 50 ml de vinho e em seguida de 3 a 4 litros de água. Deixe reduzir no fogo até sobrar cerca de 300 ml (deve demorar de 2 a 3 horas). Retire os sólidos e reserve o líquido. DICA: faça o dobro e congele para usar em outros pratos futuramente. [2] Descasque as batatas brancas e as baroas e rale com um ralador grosso. Rale também o queijo e misture tudo acrescentando sal e pimenta do reino. Ponha em uma forma utada com óleo, leve ao forno a 180 C por 20 minutos. [3] Ponha os 200 ml de vinho restantes em uma panela no fogo e deixe por 5 minutos para queimar o álcool. Acrescente o açúcar e deixe por mais 2 minutos. Acrescente o fundo que estava reservado e em seguida uma mistura feita a mão de 20g de farinha com 20g de mantegia, sempre batendo com um fouet para não empelotar, até ficar com a consistência de molho (se empelotar bata em um liquidificador). [4] Grelhe brevemente a picanha em todos os lados e finalize no forno até atingir o ponto desejado. [5] Sirva a torta de batata com a picanha e o molho de vinho por cima.

PORQUE É ESPECIAL

O rio Douro português, que cruza o norte do país, nasce, na verdade, no coração da Espanha e ganha ali o nome de Duero. Este belo e abençoado rio banha, em ambos os países, as mais importantes regiões produtoras de vinho da Península Ibérica. Em terras espanholas, na D.O Ribera del Duero, a maior parte do solo é do tipo calcário, arenoso, bastante pobre, com baixa fertilidade. A região se situa num altiplano a 800 metros acima do nível do mar e a insolação recebida pelos vinhedos é bastante intensa. Na região predominam vinhedos da uva Tempranillo, também conhecida pelos nomes de Tinta del País ou Tinto Fino. Essa variedade se adaptou de maneira perfeita ao duro microclima da região, pois suporta bem o frio brotando de forma tardia e se previne dos rigores do outono com uma maturação precoce. O Matarromera Reserva 2008 utiliza somente uvas Tempranillo e o envelhecimento é de 18 meses em barricas de carvalho, mais 18 meses em garrafa antes de ser comercializado. Um vinho elegante e complexo, é dominado por frutas pretas como amoras bem maduras e frutas vermelhas que variam entre groselha e morango, muito bem integradas com aromas procedentes do longo tempo em barricas, destacando os aromas picantes de especiarias, defumados, couro, café, chocolate preto, baunilha e canela. Em boca persistem os mesmos aromas sentidos pelo nariz, com taninos doces equilibrados com uma boa acidez. Um vinho potente, com final longo, harmonioso e elegante. Acompanha bem carnes de caça e carnes vermelhas assadas lentamente, como pernil de cordeiro ou porco.


Ingredientes (2 porções) 300g filé mignon picado ou moído 70g linguiça defumada de sua preferência moida 1/2 colher de sopa de banha de porco 1/2 fatia de pão branco esfarelado sem casca Sal e Pimenta preta do moinho Para o acompanhamento: 4 fatias espessas de cebola roxa, fritas 2 fatias de um bom gorgonzola 10 batatinhas novas cozidas e salteadas em óleo quente Molho barbecue Óleo de oliva Folhas de salsinha lisa Sal e pimenta do moinho

Gelson Radaelli (Atelier de Massas)

O Veneto é uma das regiões mais importantes do mundo na produção de vinhos. Além de ser a casa do famoso espumante Prosseco é, mais especificamente em Valpolicella, onde são feitos vinhos tintos únicos e excêntricos, oriundos de uvas pouco populares por aqui e com uma técnica de produção diferenciada. As uvas secam em soleiras por até 4 meses depois da colheita, ocasionando uma perda de até 40% do volume de água, para depois serem vinificadas. Assim nasce o maior ícone desta região, o Amarone Della Valpolicella. No caso do nosso Ripassa, o processo de vinificação consiste em submeter os melhores vinhos de Valpolicella a uma segunda fermentação, porém desta vez em contato com o bagaço das uvas que produziram o renomado Amarone Clássico. Dessa forma o vinho ganha em cor, estrutura, aromas e taninos - além de até 1,5 % a mais de álcool. Por fim, envelhece 18 meses em barricas de carvalho de 500 litros.O resultado é um vinho profundo, cor vermelho rubi, taninos doces e suaves e aromas intensos de frutas negras, café e pimenta. Na boca é um vinho estruturado, harmonioso e aveludado. Final longo e com lembranças de frutas vermelhas. Harmoniza bem com carnes grelhadas com molho temperados, churrasco e queijos de boa intensidade.

[1] Misture filé, linguiça, pâo, e banha em uma tigela usando colher ou espátula. Usando as mãos eles podem ficar acinzentados. Tempere com sal e pimenta a gosto. [2] Divida a mistura em duas partes forme duas bolas que quando achatadas vão ficar com 2 a 3 cm de espessura. Se resfriadas por mais ou menos 30 min ficarão mais firmes e coesas na hora do cozimento. [3] Asse no carvão sobre grelha grossa preferencialmente de ferro, untada com óleo de cozinha. [4] Sirva com o molho barbecue, gorgonzola, cebolas e batatinhas aquecidas. Oleo de oliva, salsinha e pimenta do moinho.

para acompanhar o Valpolicella Cogumelos castanhos recheados com espinafre

PORQUE É ESPECIAL

Marcelo Gonçalves (Pâtissier)

Zenato Ripassa Valpolicella DOC Superiore 2009 --Zenato, Itália Safra 2009 Corte de Corvina, Rondinella e Oseleta Álcool 14% Potencial de guarda de 15 anos Decanter 45 minutos Temperatura 18°C

para acompanhar o Matarromera Hamburger do Pâtissier

50

Ingredientes (2 porções) 6 cogumelos tipo castanho graúdos e frescos folhas 5 ramos de espinafre, picadas 2 dentes de alho finamente fatiados 1 cebola roxa pequena, picada 1/2 pimentão vermelho pequeno, picado 100ml vinho branco seco 100g de queijo parmesão ralado em lascas óleo de oliva extra-virgem, a gosto pimenta-do-reino a gosto sal

[1] Em uma frigideira quente, coloque um pouco de óleo de oliva, refogue o alho, a cebola e o pimentão. [2] Acrescente o espinafre e espere murchar bem. Ponha o vinho branco e deixe cozinhar por alguns minutos. Coloque sal e pimenta. [3] Tire os talos do cogumelo e recheie-os com o refogado de espinafre. Complete com as lascas de parmesão sobre o recheio. (obs.: os talos dos cogumelos podem ser picados e entrarem junto com o espinafre na frigideira) [4] Transfira os cogumelos para uma forma, regue com óleo de oliva e leve ao forno pré aquecido por 4 ou 5 minutos.


PLANO

Alta Vista Alto --Alta Vista Wines, Argentina Safra 2005 75% malbec e 25% cabernet sauvignon Àlcool 15,5% Pronto pra beber ou guardar por mais 5 anos Decantar 1 hora ou mais Temperatura 16 a 18°C

500 Pittacum Aurea 2007 --Viñeno y Bodegas Pittacum, Espanha Safra 2007 100% mencia Àlcool 14,5% Potencial de guarda de 10 anos Decantar 1 hora Temperatura 15 a 18°C

PORQUE É ESPECIAL

A Alta Vista foi fundada em Mendoza em 1997 pela família d’Aulan, ex-proprietários da casa Piper Heidseik de Champagne, com o objetivo determinado de elaborar vinhos com a verdadeira expressão dos terrenos que foram escolhidos com cuidado e com destaque para uvas que se adaptaram de maneira perfeita na Argentina: Malbec e Torrontés. Essas escolhas, somadas à tradição e investimentos em tecnologia, levaram a vinícola a conquistar com rapidez respeito internacional e seus vinhos logo foram classificados entre os melhores do país. O Alta Vista Alto é considerado um ícone da vinicultura Argentina, mantendo um altíssimo padrão de qualidade em todos os anos em que foi produzido: o da safra de 2005 recebeu 94 pontos da revista Wine Spectator.

É um vinho encorpado, elaborado com uvas Malbec com corte de 25% de Cabernet Sauvignon, colhidas aos pés da Cordilheira dos Andes em uma altitude de mais de 1000 metros. Passa por 15 meses em barricas de carvalho francês novas. Um vinho potente, nariz riquíssimo, com muita fruta madura (amora, ameixa, cerejas pretas…), doce de figo, notas marcantes de alcaçuz e chocolate. Na boca, uma explosão: fresco e fascinante, graças aos seus taninos finos e acidez perfeitamente integrada, com final interminável. Harmoniza bem com carnes gordas assadas e carnes vermelhas com molhos intensos.

PORQUE É ESPECIAL

Localizada em Arganza, coração de Bierzo, na Espanha, um lugar de grande tradição vinícola, a Viñedos y Bodegas Pittacum sempre teve como principal objetivo criar vinhos com personalidade, sem renunciar o caráter que lhes imprime a variedade Mencia, a região e o clima desses vinhedos. O Pittacum Aurea é um vinho de Pago - micro-região com características especiais próprias - elaborado com uvas l00% Mencia, de cultivo orgânico em parreiras centenárias. É visto como obra única, um vinho potente, escuro, roxo, quase opaco, com grande estrutura e carnosidade, de aroma intenso e complexo, que lembra morangos quentes, amoras maduras e evolução mineral, com um fundo que remete a fumaça.

Um grande vinho seco, cheio de sabor. Na boca é equilibrado, com acidez perfeitamente integrada: o frutado se harmoniza de maneira elegante com os sabores de chocolate escuro e couro. Tem um final longo e sedoso. Daria pra beber o dia todo….Tente harmonizar com atum cozido com pimentões, aves grelhadas, cabrito ou cordeiro assado.


Um grupo de adoradores do vinho resolveu compartilhar suas descobertas e assim nasceu o cultwine: apresentar a outros adoradores de vinho o resultado de nosso garimpo entre todas as importadoras e vinícolas, atrás daquele vinho especial escondido entre todas as opções do mercado. Nós descobrimos em todo o mercado os melhores rótulos de diferentes faixas de preço para você. Juntamente com os vinhos do seu plano, você recebe as informações necessárias para curtir ao máximo seus vinhos e uma receita exclusiva para harmonizar com cada vinho. Assim, nosso associado tem a oportunidade de conhecer e degustar dois novos rótulos selecionados todo mês a um preço acessível. Boa degustação! cW

cultwine

R$100 mensais + frete

PLANO

1

{

100

R$250 mensais + frete

PLANO

250

Visite nosso site e escolha o plano ideal para você

PLANO

500 2

3 4

www.cultwine.com.br

R$500 mensais + frete

Preencha o cadastro

Pagamento através do PagSeguro

Você recebe suas garrafas em sua casa

acondicionadas em embalagem segura juntamente com a publicação

www.cultwine.com.br 51 3574 4952

Revista Cult Wine - Fevereiro de 2014  

Publicação do CW

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you