Issuu on Google+

Drawing by Guido Scarabottolo

REVISTA DE DESIGN ARQUITETURA SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA

Salone Internazionale del Mobile: a excelência está de volta! Salone Internazionale del Mobile / Eurocucina, Salão Internacional de Móveis de Cozinha SaloneUfficio, Bienal Internacional do Ambiente de Trabalho / Salão Internacional da Casa de Banho Salão Internacional de Acessórios de Decoração / SaloneSatellite Feira de Milão, Rho 16/21.04.08

Cosmit spa Foro Buonaparte 65 20121 Milão, Itália

+ 39 02725941 + 39 0289011563 fax

www.cosmit.it e-mail info@cosmit.it

R$ 16.50 Nº 57 QUADRIFOGLIO EDITORA

ARC DESIGN

N º 57

2007

2007

PRÊMIOS E CONCURSOS 2007 DESIGN SOCIAL E CONSCIENTE JANETE COSTA ESCOLAS DE DESIGN


DM9 É DDB

A gente pode citar todos os designers que assinam os produtos da Tok&Stok. Você tem meia horinha?

DESIGN

A Tok&Stok trabalha com designers nacionais e inter nacionais. O resultado são produtos exclusivos e i n t e l i g e n t e s q u e d e i x a m c a s a s m a i s b o n i t a s e t r a z e m m a i s p r a t i c i d a d e p a r a o d i a - a - d i a . Acesse www.tokstok.com.br e conheça melhor os produtos da Tok&Stok. Tem design para todos os gostos.

TEM

Design assinado | Ponto vermelho | Entrega e montagem | Projeto de decoração | Lista de casamento | Garantia de 2 anos | 25 lojas no Brasil


12/14/07

10:18 AM

Page 1

“O mo men to em que o olhar nas ce”, es cre ve o ar qui te to fran cês Port zam pac em ar ti go so bre Ni e me yer (Fo lha de S.Pau lo, 10.12.2007). É o ins tan te do des lum bra men to, aque le no qual se des co bre o mun do, nes te caso, por meio de uma obra ar qui te tô ni ca. Um pe da ço de fra se que tra duz, de cer ta ma nei ra, a in ten ção ex plí ci ta des ta edi ção de ARC DE SIGN. Na abor da gem de suas di ver sas ma té ri as, pode-se des co brir esse mo men to em que o olhar nas ce, em uma bre ve e ho nes ta re fle xão so bre o pa pel do pro je to e dos pro je tis tas, hoje, no mun do. A mos tra fran ce sa na VIA, os di ver sos con cur sos de de sign des te fi nal de ano, a Bi e nal de Ar qui te tu ra, a ex po si ção Uru bu-Rei e a pri mei ra de uma sé rie de ar ti gos so bre as es co las de de sign no Bra sil, to dos, de uma for ma ou de ou tra, nos le vam a re fle tir no des ti no do am bi en te em que vi ve mos. Re fle xõ es que são en fa ti za das no ca der no Sus ten ta bi li da de. A Marca Registrada, destinada aos interiores de casas e espaços públicos e institucionais, traz a obra da arquiteta Janete Costa que, podemos dizer, já nasceu com a maravilha no olhar. O Bra sil e sua cul tu ra po pu lar es tão pre sen tes, des de sem pre, em cada es pa ço que de se nha. Uma for ma um pou qui nho di fe ren te, no de sign ou na ar qui te tu ra, já não tem mais a mes ma im por tân cia, em bo ra agra de e se du za. É pre ci so mos trar no vos ser vi ços para o ob je to já exis ten te... ou no vas for mas de olhar. O luxo, ah! o luxo, quan tos “pe ca dos” são co me ti dos em seu nome. Os pro fis si o nais, com as atu ais exi gên ci as do pro je to, ga nham um novo es tí mu lo e di men são, mais ex ci tan te, como “agen tes que pos si bi li tam as trans for ma çõ es”, se gun do John Thac ka ra, em re cen te se mi ná rio em São Pau lo. São ar qui te tos e de sig ners que, con fron ta dos com nos sos imen sos pro ble mas am bi en tais e so ci ais, têm um novo de sa fio – gra ti fi can te – pela fren te. Você concorda? Ma ria He le na Es tra da Edi to ra

Na capa, Mu seu Ro din, Ba hia, pro je to do es cri tó rio Bra sil Ar qui te tu ra, dos arquitetos Fran cis co Fa nuc ci e Mar ce lo Fer raz. Foto Nel son Kon

ARC DESIGN

editorial 57 Final:editorial 57 Final


16

Dois ar tigos sobre concursos que estimulam o uso de um material específico – laminados de madeira e plásticos. O primeiro tem o mérito de propor como tema projetos para famílias de baixa renda; o segundo, o uso do plástico, iniciativa bem-vinda. O do Museu da Casa Brasileira, amplo, geral e irrestrito, chega com seu regulamento intocado à 21ª edição

32

38

Iniciamos nesta edição uma série de apresentações sobre o ensino de design nas diversas escolas existentes em nosso país. Pretendemos traçar um panorama para os futuros alunos, dando a palavra aos professores sobre os conceitos com os quais trabalham as instituições de ensino

O que faz um concurso para estudantes dar bom resultado? O acompanhamento, em todas as fases, dos professores e orientadores. É com esse estímulo, com o envolvimento das escolas, além da proximidade entre designer e mercado, que o Concurso Tok & Stok se diferencia e traz projetos capazes de fazer par te de sua coleção

REVISTA DE DESIGN ARQUITETURA SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO

NEWS

nº 57, dezembro 2007

PARA VER E COMPRAR

Ana Sant’Anna

JANETE COSTA

MARCA REGISTRADA

Da Redação

Page 2

ES TU DAN TES CRI AM PARA O MER CA DO

11:55 AM

Ana Sant’Anna e Daniel Paronetto

12/15/07

ENSINO DE DE SIGN NO BRA SIL

Maria Helena Estrada

CON CUR SOS DE DE SIGN

7647-Indice 57 final2:Indice 57 final2

40

Conheça a trajetória de Janete Costa, a primeira arquiteta brasileira a obser var com olhos atentos a arte popular e a incluí-la em todos os seus projetos de interiores. Desde hotéis como o Ceasar Park, em São Paulo e no Rio de Janeiro, e o Pergamon, em São Paulo, a inúmeras residências em todo o país. Suas diversas mostras sobre cultura e arte popular enriquecem nosso conhecimento do Brasil

8 28


49

O I Fórum Internacional de Design Social, em São Paulo, nos fala do artesanato e da opor tunidade de termos uma indús tria que va lori ze, resgate e apri more a di ver sidade cultural latino-americana. A economia de energia no ambiente de trabalho é tratada por arquitetos, especialistas no setor. Uma exposição francesa traz o design ecológico e inusitado. Novidades sobre o construir e o morar na seção de notas

67

70

Tex to de Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci sobre o Museu Rodin, projeto premiado na Exposição Geral dos Arquitetos, 7ªBienal. Convivência, matéria-prima brasileira em um mundo de intolerância, é o ideário-guia do projeto. Dois edifícios, separados por uma distância de 100 anos, e um jardim tropical que os une, reforçam o for te caráter e a tensão que existe entre eles. A presença de Rodin nos espaços internos e no jardim propicia o maravilhamento e a contemplação

EXPEDIENTE

80

COMO ENCONTRAR (ENDEREÇOS)

84

Ciro Pirondi traça um perfil da arquitetura brasileira e mostra o quanto ela, hoje, está viva. De Niemeyer aos jovens projetistas, um século de boa arquitetura. Veja por que ele afirma que estamos vivendo rotas mais seguras, sem as vãs pretensões e os “ismos” de décadas passadas. A Exposição Geral de Arquitetos, com proje tos contemporâ neos, “mostra que vivemos um momento novo em nossa arquitetura”

ENGLISH VERSION

Carine Portela

ESPETÁCULO GLOBAL

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

Ciro Pirondi

PENSAMENTO CRÍTICO E REFLEXÕES

Page 3

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

11:55 AM

Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz

ARQUITETURA DE CONVIVÊNCIA

12/15/07

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

Mariana Lacerda

CA DER NO SUS TEN TA ÇÃO

7647-Indice 57 final2:Indice 57 final2

74

17 arquitetos estrangeiros, de 20 países. Destaque para a qualidade conceitual das propostas, e o debate sobre a interação entre o público e o privado. O japonês Shuhei Endo e o surpreendente experimentalismo asiático; Vicente Guallart, com seus diversos projetos para Valencia, baseados no tripé – sociedade, natu reza, tec nologia; ar ra nha-céu horizontal de Steven Holl; uma casamochila de Stefan Eberstadt

www.arcdesign.com.br


7647-NEWS 57 final:NEWS 57 final

12/14/07

7:30 AM

Page 10

6º PRÊMIO MAX FEFFER A Suzano Papel e Celulose anunciou os 15 vencedores e o destaque da 6ª edição do Prêmio Max Feffer de Design Gráfico. Este ano, a premiação passou a incluir também a categoria Estudante. O prêmio foi criado com o objetivo de reconhecer o talento dos profissionais brasileiros e valorizar trabalhos desenvolvidos em Reciclato®, papel-cartão Supremo Duo Design® e Supremo Alta Alvura®. Os três primeiros colocados de cada uma das quatro categorias tradicionais (Embalagens, Promocional,

ALTERO NA GABRIEL

Editorial e Miscelânea) receberam prêmios em dinheiro de R$

O arquiteto Olegário de Sá é o responsável pelo projeto da

15.000,00; os segundos, de R$ 7.000,00; e R$ 3.000 para os tercei-

nova loja da Altero. Especializada em acessórios e metais

ros lugares. O autor da “Peça Destaque” (à esquerda)

para casa, a marca acaba de inaugurar um novo espaço. Qua-

ganhou uma viagem internacional para

se sem pilares, a loja se distribui em 600 m2 de vão livre.

participar de um evento do mercado

Para expor os acessórios de banho, o arquiteto criou uma ex-

de design gráfico. Já o primeiro coloca-

tensa parede abaulada, feita de madeira na cor “apricot”. Já

do na categoria Estudante (livro acima)

as duchas automáticas – que funcionam normalmente aos

foi premiado com um computador da

olhos do cliente – ficam expostas dentro de boxes de vidro.

Apple; o segundo lugar levou uma Tablet;

Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1.442, tel. (11) 3085-0096.

e o terceiro, uma câmera digital.

www.altero.com.br

www.suzano.com.br/premiomaxfeffer

JÓIA-ES CULTURA CELEBRAÇÃO DO PAÍS

Feitas não necessariamente para se vestir, elas se

“O Brasil na Visualidade Popular” reúne diferentes manifes-

expandem além dos limites do corpo e com-

tações espontâneas do povo brasileiro em suas mais sur-

preendem determinado ritual na sua execu-

preendentes formas. Feita a partir de pesquisas realizadas

ção. Esse é o conceito das peças apre-

durante décadas, a mostra – com concepção e curadoria do

sentadas no Projeto Novas Jóias. Esses

artista plástico e pesquisador José Alberto Nemer – é como

adereços, que nas civilizações antigas já tive-

um auto-retrato do Brasil, construído por mãos anônimas de

ram funções mágicas de celebração, são re-

cada cidadão, levado pelo desejo de expressar uma idéia de

visitados aqui – por Salma Nasser (foto),

país e com ele se identificar. São bandeiras, paisagens, san-

Elizabeth Franco e Lúcia Abdenur – com um

tos e alvoradas, muitas

olhar contemporâneo. Salma coletou e combi-

vezes representadas em

nou objetos que sugerem novas interpretações, idéias

mitos nacionais. Até 30

e possibilidades. Elizabeth optou por retomar as formas femininas en-

de dezembro. Caixa Cultu-

contradas em silhuetas e frascos de perfumes e óleos antigos. E Lú-

ral RJ, Av. Chile, 230, Anexo,

cia valorizou os rituais que celebram encontros e experiências pes-

Centro, tel. (21) 2262-5483. www.caixacultural.com.br

soais. Em exposição e à venda na Zona D, tel. (11) 3088-0399. www.zonad.com.br


7647-NEWS 57 final:NEWS 57 final

12/14/07

7:30 AM

Page 12

MILANO: BUON GUSTO, BUON DE SIGN! O evento, que apresenta o show-room da MACEF - Salão Internacional da Casa, uma das maiores feiras mundiais de negócios para o segmento de decoração e utensílios domésticos, e a inusitada mostra “Oggetti Esistibili – Objetos Possíveis”, criada por publicitários italianos, acontece pela primeira vez no Brasil. Promovido pela Câmara do Comércio de Milão, em parceria com o D&D (Decoração e Design Center) e o IED (Istituto Europeo di Design), “Milano: Buon Gusto, Buon Design!” tem o objetivo de promover a aproximação entre os dois países por meio de diversas atividades para a apresentação do trabalho desenvolvido por toda a Lombardia (região italiana, cuja capital é Milão) e para a criação de oportunidades de negócios entre empresas.

MAIS 290 M2, MAIS NOVIDADES

No D&D, até 21 de dezembro. Av.

A Conceito: FirmaCasa cresceu. Passou por uma reforma e agora

das Nações Unidas, 12.555, São

está com 510 m2. Além disso, até 4 de janeiro de 2008, mantém em

Paulo, SP, tel. (11) 3043-9000.

cartaz a exposição “Toy Art Chrysler”. A mostra apresenta réplicas

www.dedshopping.com.br

do automóvel PT Cruiser assinadas por personagens paulistanos como o arquiteto Marcelo Rosenbaum, o artista plástico Ricky Castro, a designer Elisa Stecca, a consultora Isabella Prata, o VJ Spetto, a stylist Chiara Gadaleta, o fotógrafo Renato De Cara, a Galeria Melissa, os DJs Igor Cavalera e Mau Mau, entre outros. O objetivo é revelar o design inovador do carro sob a ótica de expoentes da cena contemporânea.

Alan Nielsen

DE SIGN + TECNOLOGIA Parceria entre a BMW Design-

Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1.522, tel. (11) 3068-0380. www.conceitofirmacasa.com.br

works USA e a Pado aliam biometria, design e ergonomia à segurança e funcionalidade. As empresas acabam de lançar maçanetas e puxadores. São três opções: a linha

LUZ DIFUSA

Contemporânea, a Tradicional e a Yacht. A primeira

A marca Accenda!, do grupo Studioluce, apresenta ao mercado

é produzida em alumínio, com acabamento cromado escova-

sete novas coleções de luminárias. A Tenda (foto) é uma delas.

do, opções de quatro modelos de maçanetas e complemen-

Nas versões grande (98,5 cm de diâmetro x 51 cm de altura) e

tos de roseta ou espelho e um puxador. A linha Tradicional se-

pequena (60 cm de diâmetro x 30 cm de altura), o pendente tem

gue as mesmas características da Contemporânea – só muda

altura regulável – para se adaptar à necessidade de cada ambi-

o desenho. Já a Yacht conta com maçanetas em aço inoxidá-

ente. A cúpula tem estrutura em alumínio e vidro, e acabamento

vel polido ou escovado. Composta de um puxador e quatro

de fita de tafetá, nas cores palha, cinza, branca e verme-

modelos de maçanetas, com roseta ou espelho, essa última

lha. Luz: difusa. Lâmpada: incandescente ou fluo-

tem como diferencial o tratamento resistente à maresia, o que torna o produto ideal para barcos e regiões litorâneas. Tel. 0800-701-4224. www.pado.com.br

rescente compacta eletrônica. Os outros lançamentos da marca: Fiori, Enzo, Polar, Otto, Sher e Blaze. www.accendabystudio.com.br


7647-NEWS 57 final:NEWS 57 final

12/14/07

7:30 AM

Page 14

A ÁFRICA ESTÁ VIVA... Para comemorar os três anos do Museu Afro Brasil: “Benin Está Vivo ainda lá – Ancestralidade e Contemporaneidade”. A exposição, em cartaz até 27 de janeiro de 2008, conta com obras de nove artistas contemporâneos do país africano, sendo acompanhada de mesa-redonda, ciclo de filmes e oficinas de arte-educação. Promovida pela Petrobras, Associação Museu Afro Brasil e a Prefeitura da Cidade de São Paulo, a mostra internacional dá ênfase ao aspecto da tradição e da contemporaneidade beninense. Entre os trabalhos apresentados: fotografia, pintura, escultura, instalação e artesanato. Tel. (11) 55798542, Parque do Ibirapuera. www.museuafrobrasil.com.br

INOVAÇÃO EM TALHERES Além de atrair a atenção do mundo todo com arranha-céus e projetos arrojados, como a rampa de esqui em Innsbruck, na Áustria; e o Centro Rosenthal de Arte Contemporânea, em Cincinatti, nos Estados Unidos; a arquiteta iraquiana Zaha Hadid desenvolve móveis e outros produtos. O conjunto de talheres Zaha, com cinco peças, é uma das mais recentes criações nessa linha. É fabricado em aço inox pela WMF – uma das maiores empresas européias no segmento – e está à venda na Spicy. Tel. 0800-168-388. www.spicy.com.br

PREMIAÇÃO INTERNACIONAL Os interessados em partici-

LE VINHO, LE VINHO!

par do Prêmio Red Dot, uma

Chega ao mercado o LG LYNX (MG370b), o novo

das principais competições

celular da LG. O modelo – de apenas 68 g –

de design internacional, de-

tem design simples e compacto, campainha

vem se inscrever até 18 de

polifônica de 16 tons e rádio FM, além do re-

janeiro de 2008. Nesta edição há 60 em vez de 13 categorias

curso gravador de voz, economia de energia,

de produtos. Foram acrescentados: Kitchen (cozinha), Gar-

agenda telefônica de até 500 contatos (quatro entradas –

den (jardim), Automobiles (automóveis), Transport & Cara-

nome, mobile, home e office). Ainda oferece SMS (envio

vans (transportes e trailers) e Communication (comunicação).

de mensagem de texto), plataforma de jogos JAVA, discagem rápida,

A premiação dos vencedores será em 23 de junho de 2008.

conversor de unidade, horário mundial, calendário, calculadora, três ti-

O Museu do Red Dot irá apresentar os ganhadores numa

pos de alarme e opção de idioma português, inglês e espanhol. O apa-

exibição de 24 de junho a 27 de julho. Seguindo esse acon-

relho dispõe de display interno de 65 mil cores e memória de 450 KB.

tecimento, os produtos vencedores serão expostos por pelo

Pode ser encontrado nas cores preta com prata. Medidas: 85 mm x 45

menos um ano. Mais informações: team@red-dot-award.com,

mm x 20 mm. Tel. 0800-707-5454. www.lge.com.br

www.red-dot.de/registration


513874_21x28_ARC_DESINGN_324.pdf

December 3, 2007

16:35:40

1 de 1


7647-NEWS 57 final:NEWS 57 final

12/14/07

7:31 AM

Page 15

COOK TOP PORTÁTIL Cozinhar e interagir com seus convidados é a grande vantagem de quem opta pelo Cooktop Portátil, da Electrolux. O eletrodoméstico é acionado por um mecanismo digital e funciona à base de indutores eletromagnéticos que promovem o aquecimento somente da panela – o que facilita o preparo dos alimentos à mesa. O sistema de indução permite grande precisão no cozimento, além de maior segurança e conforto, uma vez que a mesa vitrocerâmica não emana calor, nem tem chama, tampouco exala cheiro de gás. Tel. 0800-728-8778. www.electrolux.com.br

CAR TAZES... EM CAR TAZ Um dos maiores designers gráficos da Europa expõe seus cartazes pela primeira vez na América Latina. A mostra “Pierre Mendell, Cartazes” apresenta mais de 50 obras do artista alemão que, atuando desde 1961, já recebeu a medalha de ouro do Art Directors Club de Nova York e da Alemanha, além do primeiro prêmio da Bienal Internacional do Cartaz de Teatro, na Polônia. Com o uso de técnicas como recorte e colagem, fotografia e lettering no computador, poucas cores e tipografia concentrada, Mendell aposta no pragmatismo e em obras que possam ser inseridas no cotidiano. Até 13 de janeiro de 2008. Mais informações: tel. (11) 3321-4400, www.caixacultural.com.br, www.pierremendell.com.br

PONTE ENTRE A BAHIA E BENIN Um singular retrato das raízes da Bahia no coração da África. “Impressões de Carybé nas suas Visitas ao Benin 1969 e 1987” é um verdadeiro diário de Hector Julio Paride Bernabó, conhecido e rebatizado como Carybé – o mais baiano dos argentinos. Realizado em parceria com o Museu Afro Brasil, o título retrata, em 67 páginas, obser vações coletadas pelo autor em suas duas viagens ao continente africano, com seu amigo, o antropólogo e fotógrafo Pierre Verger. São 50 expressivos desenhos com anotações manuscritas reunidas em montagem gráfica da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Venda pelo site www. imprensaoficial.com.br/livraria

ERRATA Ao contrário do que informamos na matéria “Projeto Olimpíadas 2012” (pág. 16, da separata da edição 56 de ARC DESIGN), o escritório que colaborou com o arquiteto Paulo Mendes da Rocha é o Piratininga Arquitetos Associados e a arquiteta entrevistada, Renata Semin, tel. (11) 32567077.


CONCURSOS DE DESIGN

7647-Masisa final:Masisa Final2

16 ARC DESIGN

12/14/07

10:33 AM

Page 16

Fi nal de ano, épo ca de dis tri bu i ção de prê mi os. Pu bli ca mos nes ta edi ção de ARC DE SIGN os re sul ta dos dos mais pres ti gia dos con cur sos na área de de sign de pro du tos. Des de aque les que se dis tin guem por ti po lo gias ou ma te ri ais es pe cí fi cos, até os mais ge né ri cos. Ve ja os di fe ren ci ais – e os re sul ta dos – en tre os con cur sos da Ma si sa, da Abi plast e do Mu seu da Casa Bra si lei ra Maria Helena Estrada

Nes ta pá gi na, mó vel Mul ti u so, ver sá til, seu en cos to é fa cil men te des lo ca do, for man do uma cama de casal. Gaveteiros encaixados na base ser vem também como acabamento. Fácil de construir, pode ser montado pelo usuá rio. Projeto de Laís Cor teletti, da Uni versidade do Vale dos Sinos, Novo Hamburgo, RS. Fabricante: Placacentro Placa Sul. Terceiro coloca do


7647-Masisa final:Masisa Final2

12/14/07

10:33 AM

Page 17

CONCURSO DE DESIGN PARA ESTUDANTES MASISA

FOCO NO OBJETIVO Começamos pelo Concurso Latino-americano de Design Masisa, inovador este ano ao propor aos candidatos – apenas estudantes – projetos de móveis para casas de habitantes de baixa renda. Esta nos parece uma decisão corajosa e necessária, em tempos que não permitem que se perpetue o “mais do mesmo”, ou seja, apenas a repetição, sem acrescentar novas funções ou tecnologias – nem cuidados com as questões ambientais – de objetos já existentes. No Concurso Masisa, a faixa de renda das futuras famílias que utilizarão o mobiliário foi estipulada, no Brasil, em um e meio salário mínimo. Assim, a idéia inicial, o projeto, a matéria prima básica (MDF e OSB Masisa) e as formas construtivas deveriam se submeter a um critério absoluto de preço. Em sua fase internacional o concurso julgou, em 16 de novembro, trabalhos de estudantes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México Peru e Venezuela. O júri reu ni do em Bu e nos Ai res, na Casa FOA, des ti nou os prê mi os, do pri mei ro ao ter cei ro, res pec ti va men te, ao Chi le, à Ar gen ti na e ao Bra sil.

No alto, à direita, Mó du lo Estú dio, mesa-ar má rio que pode ser uti li za da por duas crian ças, para estu do ou ou tros fins. Pro je to de Alejan dro Mon te ro, Juan Pa blo Vi ey ra, Javi er Ra mi rez e Ju li án Vig no lo, da Uni ver si dad Ma yor, Chi le. Fa bri can te: Di mad. Pri mei ro co lo ca do

Aci ma e à es quer da, “Tri ple”, be li che trí pli ce que pode ser con fi gu ra do co lo can do-se uma cama so bre a ou tra. Por meio de um me ca nis mo pi vo tan te, elas po dem ser gi ra das, como na foto ao lado, ou usa das de for ma se pa ra da. Pro je to de Mar co An to nio Va nel la Go di no, da Uni ver si dad Em presa rial Si glo XXI, Cór do ba, Argen ti na. Fa bri can te: Dash – Sergio Much nik & Design Team. Se gun do co lo ca do

17 ARC DESIGN


7647-Masisa final:Masisa Final2

12/14/07

10:33 AM

Page 18

Acima, finalistas do Concurso de Desenho Masisa para Estudantes e a diretoria da empresa. Repare no painel feito com as chapas de madeira Masisa, que ser vem de fundo para a exposição dos produtos selecionados.

A primeira fase deste concurso bienal julga os projetos de cada país, e o júri final escolhe os melhores entre os primeiros colocados desses países.

Abai xo, à es quer da, Prac ti ca ma. Mo du lar, fá cil de pro du zir e de lo co mover, tem um jogo de orga ni za do res na par te in fe ri or que per mi te guar dar uten sí li os es co la res, rou pas e sa pa tos. Pro je to de Si mon Jo sué Pe rez Car re ro, da Uni ver si dad de los An des, Ve ne zu e la. Fa bri can te: Kia’s Mu e bles. Abai xo, à di rei ta, Mu e ble Sim si, cria do para oti mi zar es pa ços re du zi dos. Assu me a fun ção de es tan te, de mesa de cen tro ou, ain da, de pol tro na. Pro je to de Hil da Ma les An ran go, da Uni ver sidad de las Amé ri cas, Equador. Fa bri can te: Fa del

18 ARC DESIGN

“O objetivo do Concurso de Design Masisa para Estudantes é potencializar a gestão do futuro profissional e o desenvolvimento da indústria do mobiliário, incentivando a criatividade e a inovação tecnológica por meio do design”, comenta Jaime Valenzuela, diretor da Masisa Argentina. D


Cursos de Formação Cursos de Curta Duração Cursos Master

www.escola-panamericana.com.br


7647-Abiplast Final:Abiplast Final

12/14/07

9:46 AM

Page 2

Wave Light, de Vic tor Hen ri que Fa gun des. Pro du to ino va dor, si mu la lu zes di ver sas pa ra di fe ren tes am bi en tes, oca si õ es e fi na li da des. Ven ce dor na ca te go ria pro fis si o nal (no pé da pá gi na al guns exem plos)

PRÊMIO ABIPLAST DESIGN

PLÁSTICOS? SIM, POR FA VOR Outro concurso dirigido à utilização de matéria prima específica é o Prêmio Abiplast. Iniciativa pela qual ARC DESIGN tem grande apreço por permitir o exercício do design com materiais artificiais, diversificando nosso repertório e estimulando o desenvolvimento de tecnologias específicas

200 ARC DESIGN


7647-Abiplast Final:Abiplast Final

12/14/07

9:47 AM

Page 3

Em sua terceira edição, o Prêmio Abiplast Design consolida-se pela ênfase dada aos materiais artificiais e à sua tecnologia. Resultado de uma iniciativa da Associação Brasileira de Plásticos e do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (SIRESP), recebe também o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). “Além do design, há uma preocupação cada vez maior com questões de responsabilidade socioambiental e preservação do meio ambiente”, afirma José Ricardo Roriz Coelho, presidente do SIRESP. Segundo ele, “nesta edição do prêmio serão analisados, além dos aspectos formais, funcionais e criativos dos projetos, a responsabilidade social e o compromisso ambiental”. Destinado a profissionais e a estudantes, é natural a diferença de amadurecimento demonstrada nos projetos classificados. Mas, se compararmos com as edições anteriores, percebemos com prazer que o desenho industrial e a tecnologia necessária ao uso dos plásticos também se desenvolvem no Brasil. MHE

O gran de prê mio foi dado à em pre sa In dio da Cos ta De sign Ltda e aos de sig ners Ra fae la Ma ce do e Ni co lai Rut ke vich. Te le fo ne pú bli co vei cu lar, Télo (nas duas fo tos à di rei ta), tem como ca rac te rís ti cas a ro bus tez, a pra ti ci da de, a se gu ran ça e o con for to em vá ri as con di çõ es de uso. Pro du to já ins ta la do em li nhas de ôni bus de Por to Ale gre (RS)

Acima, Pack-Ball, fi nal men te uma em ba la gem ori gi nal: prá ti ca, sim ples e bo ni ta, para bo las es por ti vas. Pro je to fi na lis ta da es tu dan te Clau dia Lei din ger. À esquerda, Sis te ma de Mó du los Ba ca na, de sign Vi ni ci us Re bel lo Lima, fa bri ca do em ABS in je tá vel, foi fi na lis ta na ca te go ria pro fis si o nal


7647-Premio MCB Final:Premio MCB Final

12/14/07

7:15 AM

Page 2

21º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA

O MAIS TRADICIONAL DOS CONCURSOS Depois de dois concursos totalmente focados, abordamos outro, “amplo, geral e irrestrito”, o mais tradicional, aquele realizado pelo Museu da Casa Brasileira, este ano em sua 21ª edição! O cartaz escolhido serve de “link” às considerações abaixo, que questionam o formalismo como elemento

Paula Sertório e Victor Paixão

primordial no design

No alto da pá gi na, car taz ven ce dor em 2007, pro je to grá fi co de Da ni lo To le do, SP. Aci ma, a boa sur presa da es tu dan te Pau la Ser tó rio na ca te go ria Novas Idéias/Con ceitos, com a ca dei ra Atia ti (gai vo ta gran de, em tupi-gua ra ni). Estru tu ra formada por quatro arcos estruturais idênticos, ligados dois a dois e que, em vir tude de suas larguras diferentes, o assento e o encosto podem ser encaixados. Recebeu menção honrosa

22 ARC DESIGN


12/14/07

7:15 AM

Page 3

Fotos Nelson Kon

7647-Premio MCB Final:Premio MCB Final

Nesta página, pri mei ro prê mio na ca te go ria Ilu mi na ção, para o desig ner Fer nan do Pra do, SP, com a li nha de ba li za do res Cut, em di ver sas ver sõ es. Um pro du to Lu mi ni, em aço inox com o uso de Leds de alto ren di men to

3 ARC DESIGN


7647-Premio MCB Final:Premio MCB Final

12/14/07

Acima, capa do li vro “O Design Brasileiro na Órbita da I Exposição Nacional de Arte Concreta: 1948-1966”, de André Stolarski, RJ, edição MAM, SP. Vencedor na categoria Trabalhos Escritos. Abaixo, banco Canoe, design Marcelo Ligieri, BH, com estrutura metálica e assento em fibra natural ou sintética. Selecionado para a mostra

7:15 AM

Page 4

Acima, lava do ra semi-au to má ti ca Duppla, pro je to de Guto In dio da Costa, Fe lippe Bi cu do, Ado Aze ve do, Ma nu e la Vi la se ca, An dré Lobo e Gustavo Russi, RJ, pro du zida pela Arno. Sua inova ção? Lava, de modo se pa ra do, rou pas mais resistentes e pe que nas pe ças de li ca das, gra ças ao com par ti mento Pro tè ge. Ven ce dor na ca te go ria Equi pa mentos Ele trô ni cos. Abaixo, ta lher Inova, design Ri car do Ta ke da, RS, pro du ção Di Sol le Cu te la ria. Bom pro je to que pri vi le gia com o dese nho de seu cabo a possi bi li da de do ta lher não to car na mesa. Pro du to se le ci o na do para a mos tra

Moresco Studio Foto

Muito se tem falado e escrito sobre este concurso. Ele é um dos mais conceituados e o de maior duração ininterrupta. Mas de seu início até hoje o design mudou – e muito. Podemos dizer que seus conceitos, critérios e objetivos viraram “de cabeça para baixo”. Se em seus primórdios o design postulava que “a forma segue a função”, nos anos 1960 Ettore Sottsass dava o primeiro grito de liberdade com “form follows fiasco”. Desafiava o papel da função, mas a forma ainda reinava soberana. Hoje a mudança é muito mais radical e o designer tem que estar disposto a atuar com a nítida consciência de que nosso planeta, e nós mesmos, estamos “a perigo”. A noção de sustentabilidade, de perspectivas sociais e ambientais é um argumento transversal que abrange todas as atividades, principalmente a do criador de artefatos. O Museu da Casa Brasileira, como sempre, apresenta projetos que até hoje eram considerados corretos, alguns com boas qualidades formais, outros inovando nos materiais e na tecnologia. Mas sentimos falta de um reposicionamento, de um olhar crítico e criativo que contribua para a saúde do planeta. Assim, como solução possível, pensamos: por que não re24 ARC DESIGN

Cli

ck

ver, radicalmente, o regulamento deste concurso? Os critérios


12/14/07

7:15 AM

Page 5

Car los Emi lio

7647-Premio MCB Final:Premio MCB Final

da sustentabilidade, como dissemos, são transversais e absolutos. Não se pode hoje pensar o

O ca ni ve te é um obje to ar que tí pi co, re me te à me mó ria. Neste, dos “mestres car pintei ros”, os desig ners ca ri o cas Fer nan do Men des de Al meida e Rober to Hirth, da Mendes & Hirth, a beleza do Ta lis man está no rigor de seu desenho. Produ to se le ci o na do para a mos tra

Jorge Ito

Aci ma, se le ci o na da para a mos tra, a lu mi ná ria Essa ya ge tem es tru tu ra em ara me de aço e di fu sor em “não-te ci do” (com pos to de fi la men tos de po li e ti le no). Uma re gu la gem no cabo permite modificar a forma da cú pu la. Design Baba Va ca ro para a Do mi ni ci. Abai xo, jipe Stark, pro je to Ques tto Design, SP, men ção hon ro sa na ca te go ria Novas Idéias/Con ceitos. Constru í do pela TAC, Tec no lo gia Au to mo ti va Ca ta ri nen se, em com pó si tos, tem es tru tu ra tu bu lar es pa cial

projeto sem considerar, ao menos, suas premissas básicas para que se alcancem os objetivos necessários. O design, visto em seus aspectos apenas formais, perde o interesse. Em seu lugar, outros valores são considerados. Acreditamos que o Museu da Casa Brasileira, para agregar valor a um concurso que se realiza há anos sem grandes novidades, poderia adequar-se, por meio de seu regulamento, à nova realidade mundial. Este ano o júri foi severo, criterioso, e algumas categorias não foram contempladas. Um cuidado louvável. Vamos, com o auxílio de membros dos diversos júris nos últimos anos, discutir as questões pertinentes ao nosso mais tradicional concurso? ARC DESIGN se propõe a divulgar as mais interessantes propostas para depois, com a colaboração de profissionais interessados, submetê-las à direção do Museu da Casa Brasileira. D MHE 25 ARC DESIGN


12/14/07

7:16 AM

Page 6

Jomar Bragança

7647-Premio MCB Final:Premio MCB Final

PREMIADOS NO 21º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS Menção honrosa: lavadora semi-automática Duppla, design Guto Indio da Costa, Felippe Bicudo, Ado Azevedo, Manuela Vilaseca, André Lobo e Gustavo Russi (Rio de Janeiro, RJ), produção Arno CATEGORIA ILUMINAÇÃO 1º lugar: linha de balizadores Cut, design Fernando Prado (São Paulo, SP), produção Lumini Menção honrosa: lu mi ná ria pen den te Do bra, de sign Mar ce lo Si korski (São Paulo, SP), produção TYG Menção honrosa: lu mi ná ria pen den te Rail, de sign Mar ce lo Si korski (São Paulo, SP), produção TYG

Acima, na foto mai or, Kalls cre ek, e nas me no res, da es quer da para a di rei ta, Yel lows to ne e Da kar, da co le ção Na tu re za Ur ba na, design Be a triz Let ti é re e Már cia Berg mann, RJ. Na sequência, os tapetes Pai nel e JK, da desig ner Na ta cha Rena, MG, são da co le ção Mo der no. Todos se le ci o na dos para a ex po si ção

CATEGORIA MOBILIÁRIO 1º lugar: poltrona Gisele, design Aristeu Pires (Gramado, RS), produção Aristeu Pires & Cia Menção honrosa: cadeira de balanço Verão, design Fernando Mendes de Almeida e Roberto Hirth (Rio de Janeiro, RJ), produção Mendes-Hirth CATEGORIA NOVAS IDÉIAS / CONCEITOS Menção honrosa: cadeira Atiati, design Paula Sertório (São Paulo, SP) Menção honrosa: jipe Stark, criação Questto Design (São Paulo, SP), produção Tecnologia Automotiva Catarinense (TAC) CATEGORIA TRABALHOS ESCRITOS 1º lugar: “O Design Brasileiro na Órbita da I Exposição Nacional de Arte Concreta: 1948-1966”, autor André Stolarski (Rio de Janeiro, RJ), edição Museu de Arte Moderna de São Paulo

Ace

rvo

ARC

DES

IGN

CATEGORIA UTENSÍLIOS 1º lugar: faqueiro 130 peças Arthur Casas, design Arthur Casas (Caxias do Sul, RS), produção Riva Menção honrosa: vaso Rei das Flo res, de sign Me ga box De sign – Agui lar Se lhorst Ju ni or, Fe li pe Lo ca tel li, Vi ní ci us Lu bel e Wag ner Nono (Curitiba, PR), pro du ção ABC Indústria de Plásticos

À esquerda, primeiro prêmio na categoria Móveis, poltrona Gisele, design Aris teu Pi res, de Gra ma do, RS. Es tru tu ra em je qui ti bá, ma dei ra cer ti fi ca da, aca ba men to em ver niz à base de água, as sen to e en cos to em fios de al go dão ou cou ro (pa ra béns!), tem cons tru ção ar tesa nal e uti li za en cai xes, es pi gas e cavi lhas

26 ARC DESIGN


513876_210x280_An Notebook_Rev Arc Design_333 .pdf

December 3, 2007

18:06:15

1 de 1


12/14/07

12:12 PM

Page 28

Maureen Bisilliat

7647-Exposic?a?o Urubu-Rei Final:Exposic a o Urubu-Rei Final

O Memorial da América Latina tem como uma de suas diretoras a fotógrafa, e estudiosa da cultura latino-americana, Maureen Bisilliat. Quando esta mulher luminosa se une a Renato Imbroisi, o resultado só poderia ser um encanto para o olhar

Fabio Del Re

No alto da página, vista geral da “alojiinha”, com ar tesanato indígena e peças de Taubaté (SP). Aci ma, co lar de ba ga ço de cana pin tado com pigmentos de barro. Acima, à direita, fruteira feita com a mesma técnica. Ambos são da coleção Palavras Bem Ditas, produ zida em Limeira do Oeste (MG)

28 ARC DESIGN

PARA VER E COMPRAR

Fa b i

l o De

Re

Da Redação Uma exposição – Urubu-Rei – celebra o encontro entre Minas Gerais (Brasil) e Moçambique (África). E não por acaso.

Em Minas, Renato Imbroisi começou a bordar, a tecer tramas, a fazer crochê, sempre em contato com as artesãs locais, aprendendo com elas. Na África, ele completa um percurso de mais de 20 anos, nos quais fez nascer o mais belo repertório da cultura popular contemporânea no Brasil. ARC DESIGN publica sempre os trabalhos das equipes coordenadas por Imbroisi. Para nós, são irresistíveis! “Por que surgiu a idéia de unir Minas Gerais e Moçambique? Pois foi em Minas que tudo aprendi, a arte do fazer, o empreendedorismo necessário. Foram estas as ferramentas que me permitiram trabalhar com o Sebrae e descobrir cada canto do Brasil onde houvesse a possibilidade de criar uma nova linguagem e dar suporte econômico, ambiental e social a comunidades miseráveis, mas potencialmente capazes”, afirma Renato, que completa “a África foi a oportunidade de levar para outro continente designers, artesãos e empreendedores sociais, dando início a um trabalho semelhante.” Por outro lado, é difícil a comercialização do artesanato de


Lucas Moura

7647-Exposic?a?o Urubu-Rei Final:Exposic a o Urubu-Rei Final

12/14/07

12:12 PM

Page 29

Nes ta pá gi na, de ta lhe da ex po si ção Uru bu-Rei. Te ci dos tra ma dos no tear ma nu al, al mo fa das de fu xi co e cor ti na de cro chê, de Mu quém (MG). Os bu quês de flo res do Cer ra do, ar ran ja dos no piso da vi tri ne, são de Mon te Car me lo (MG)


12/14/07

12:13 PM

Page 30

Fotos Lucas Moura

7647-Exposic?a?o Urubu-Rei Final:Exposic a o Urubu-Rei Final

Aci ma, exem pla res do tra ba lho das co mu ni da des ao nor te de Mo çam bi que, na provín cia de Cabo Del ga do. As bol sas são de pa lha; os co la res, à di rei ta, de ma dei ra; e as ce nas do co ti dia no, abai xo, es cul pi das em ma dei ra ma fru ei ra, também do Senegal. Re pa re: há um ce ná rio de praia, um de hos pi tal, um de mer ca do e ou tro de ate liê de cos tu ra. Abai xo, vis ta ge ral da ex po si ção

qualidade no Brasil. Um problema que começa a ser solucionado por Maureen, com sua “alojiinha”, inaugurada no Memorial da América Latina. É lá que se poderá encontrar Renato (em seus raros “pousos” em São Paulo), e onde estarão à venda os produtos resultantes das diversas equipes de trabalho, em todo o Brasil, além de outros achados de Maureen. Um dos artigos encontrados na “alojiinha” é o Alfabeto, parte da coleção Palavras Bem Ditas, ainda não divulgado. Feito em Limeira do Oeste (MG), com massa do bagaço de cana e pintura em barro. Um projeto bonito do princípio ao fim. O método de Renato, nos parece, dá resultado porque é iniciado com a inclusão das pessoas da comunidade. Não há uma orientação, mas uma integração de idéias e saberes. No caso do Alfabeto, “a brincadeira começou com todos os integrantes do grupo rolando no barro dos pés à cabeça. Era o início da integração com a matéria-prima e as 90 cores e tonalidades do barro da região”. Por que Urubu-Rei como nome da mostra? “Esta ave de rapina voa muito e vai limpando toda a sujeira que encontra à sua volta. É mais ou menos o que fazemos”, conclui Renato. D

30 ARC DESIGN


DP_Cantu_ARC.ai

26.11.07

18:38:04


7647-Escolas de Design Final:Escolas de Design Final

12/14/07

7:38 AM

Page 2

ENSINO DE DESIGN NO BRASIL Iniciamos a publicação de uma série de “radiografias” sobre o ensino de design no Brasil, com depoimentos de representantes de várias escolas. A cada edição de ARC DESIGN pretendemos abordar aspectos do panorama acadêmico em nosso país. Neste número: programas, atividades e pontos de vista da Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI), RJ; Instituto Europeu de Design (IED), SP; Centro Universitário Belas Artes, SP e SENAC, SP. É a nossa contribuição para divulgar e incentivar as boas práticas acadêmicas, e assim contarmos, no futuro, com profissionais competentes, curiosos e conscientes de seu papel na sociedade Ana Sant’Anna e Daniel Paronetto

Fru to da par ce ria en tre duas em pre sas pré-in cu ba das na ESDI, Hab to e Fi bra, o mó du lo ARCO® é fei to com MDF e Ba na na plac, pai nel la mi na do com pos to por fi bras de ba na nei ra e resi na de ori gem ve ge tal


7647-Escolas de Design Final:Escolas de Design Final

12/14/07

7:38 AM

Page 3

PROFESSOR AMILTON ARRUDA, IED Por suas considerações abrangentes, começamos com o que nos diz Amilton Arruda, professor e coordenador do programa de formação avançada em design estratégico, do Instituto Europeu de Design (IED). “Os cursos de design no Brasil, atualmente, se dividem em duas grandes áreas: as escolas acadêmicas (universidades públicas, privadas e centros universitários) e as escolas técnico-profissionais (faculdades isoladas, faculdades tecnológicas e CEFETs).” ... “Acredito hoje que, em função dos novos rumos da economia, da globalização da competitividade industrial, nosso papel como educador seja aquele de voltar nossos conhecimentos e capacidades para ajudar nossas empresas, nossas cidades, nosso país, rumo ao desenvolvimento coerente e sustentável.” São idéias que surgem graças às transformações, cada vez mais frequentes, do próprio conceito de design, que não pode perder sua identidade, a visão real de mercado e, principalmente hoje, sua responsabilidade com os aspectos sociais e ambientais. “Traduzindo para o âmbito das escolas, isto significa que devemos estar atentos às disciplinas transversais e aos novos conteúdos, como: as áreas ambiental e sustentável, aquelas de conteúdos e estudos de economia, e também a de marketing estratégico, sem esquecer dos novos materiais e a área de estudos e pesquisas mercadológicas, entre outras.” ... “Penso que devemos”, enfatiza Amilton, “cada vez mais agir localmente com uma mentalidade global, e acredito que seja correto dizer que o designer do presente e também aquele de um futuro próximo seja GLOCAL [global + local].” “Creio que, atualmente, são poucas as escolas no Brasil que têm uma preocupação com o jovem designer que sai de um curso superior. Este é um assunto que serviria a uma reflexão e debate. Um ponto que eu gostaria de ressaltar é o compromisso social que uma empresa na área da educação, seja ela pública ou privada, tem com seus estudantes e futuros profissionais.”

PROFESSOR RODOLFO CAPETO, ESDI “A explosão de cursos de design no Brasil nos últimos anos nos coloca diante da responsabilidade de repensar o modelo de ensino no país e o quanto efetivamente ele se sustentará nos moldes atuais”, nos diz o professor Capeto, vicediretor da Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ (ESDI). Em sua opinião, “o mercado existe (embora, por ironia, os seus próprios agentes nem sempre tenham, ainda, a consciência disso), a necessidade humana de design permanece, mas o modo como o ensino tem respondido a este contexto deve ser objeto de uma reflexão crítica.”

Copo para mar ti ni da alu na Vi vi a ne Spa co, do IED. Se gun do lu gar no con cur so na ci o nal pro mo vi do pela Bom bay Sap phi re

33 ARC DESIGN


7647-Escolas de Design Final:Escolas de Design Final

12/14/07

7:38 AM

Page 4

No caso da ESDI, é importante lembrar que ela foi criada no início dos anos 1960, na esteira do projeto desenvolvimentista do presidente Juscelino Kubitschek. Ao longo destas décadas a economia e as mudanças nas perspectivas do país foram notáveis, influenciando, naturalmente, o design e seu ensino. Mas há aspectos permanentes. “Na ESDI queremos valorizar o espírito crítico, a capacidade de pensar os problemas sob ângulos novos, repropô-los, redefinilos. O fundamental é ter o espírito de permanente reavaliação e revisão do ensino. Do momento que pensamos o design como instrumento permanente de inovação, deveríamos também aplicar esse princípio ao seu ensino”, afirma o professor Capeto, que conclui, “alguns acham necessária uma faculdade que adestre o estudante no atendimento às mais imediatas necessidades do mercado. Na ESDI preferimos pensar num egresso com uma formação mais holística, aliando a competência técnica a um espírito humanístico e uma visão cultural mais completa. Daqui a alguns anos, o mercado e suas necessidades já serão diferentes, e queremos formar profissionais que não só acompanhem essas mudanças, como possam estar entre aqueles que as formulem.” Na ESDI, escola que recebeu a nota máxima no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes do Ministério da Educação (ENADE), e foi o curso de graduação em design mais bem avaliado entre todos os 131 que participaram do exame, destacamos uma atividade fundamental, sobre a qual voltaremos em uma próxima edição de ARC DESIGN: as incubadoras, que têm dado excelentes resultados. Além delas, uma parceria com algumas indústrias, como a Electrolux, Microsoft, Motorola e Embraer, tem aberto várias possibilidades.

PROFESSORA CYNTIA MALAGUTI, SENAC E BELAS ARTES Para falar sobre a orientação seguida pelo Centro Universitário Senac e do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, SP, ouvimos a opinião de Cyntia Malaguti. Fazendo referência ao modo de pensar de algumas escolas, ela afirma que “há uma pressão pelo pragmatismo, muitas vezes associado ao domínio de softwares, a receitas para resultados rápidos, em detrimento de disciplinas de formação de repertório, do aprofundamento da visão crítica, da problematização, e também da experimentação, fundamentais na formação do designer, como procuramos orientar o ensino no SENAC. É preciso lembrar que muita coisa mudou, até mesmo os contextos histórico, econômico e social do país”, comenta essa “expert” em ensino e em design. “No início tínhamos modelos transplantados de fora, sobretudo da Alemanha; hoje já se procura adequar os cursos à nossa realidade, mas ainda no âmbito de uma economia e, também, de uma concorrência globalizada. Temos referências de projetos, designers e histórias locais; começamos a ter uma produção Acima: Hab to e a Fi bra, em presas in cu ba das na ESDI, pro du zem a ca dei ra de ba lan ço do brá vel ZEN. Feita com la mi na do de bam bu, é leve e resistente

34 ARC DESIGN

acadêmica própria. Os diferentes setores produtivos, indústria, comércio e serviços já possuem uma visão do que é design, ainda que, muitas vezes, limitada e deturpada. Mas há uma demanda.”


7647-Escolas de Design Final:Escolas de Design Final

12/14/07

7:38 AM

Page 5

Uma boa notícia apontada por Cyntia é que já começa a existir massa crítica a respeito do assunto, em vários níveis e segmentos, e até diversas iniciativas governamentais e afins, que objetivam apoiar o desenvolvimento do design, ainda que com deficiências. “Há uma tendência comum às diversas áreas do design de, cada vez mais, se aproximarem, dialogarem entre si, como moda, interiores e produto, por exemplo. Dessa forma, a base da formação do profissional deve ampliar o repertório relacionado a estilos de vida, comportamento, movimentos sociais, assim como de dinâmica de mercados”, afirma. A profissão designer é hoje das mais complexas e os escritórios de design são multidisciplinares. Não basta executar bem um projeto a partir de uma demanda ou por conta própria; “é preciso fortalecer sua visão no campo de negócios, se antecipar às demandas, identificar oportunidades, ser pró-ativo. Em resumo, entender também de gestão de negócios”. “Por outro lado”, enfatiza Cyntia, “fala-se muito e propõe-se muito a tal da interdisciplinaridade, ou transdisciplinaridade, porque o aluno muitas vezes ainda não percebe como as disciplinas se articulam umas com as outras, nem alguns professores... Mas fazer acontecer de fato vi muito poucas vezes. O que quero dizer com isso é que não basta acrescentar algo mais no conteúdo programático, mas fazê-lo ser aproveitado melhor, seria fundamental.” “A formação relativa a materiais e processos de fabricação também sofreu grande impacto em função do enorme e contínuo avanço ocorrido nesse campo e dos se gre dos in dus tri ais envolvidos, o que dificulta muito o acompanhamento das faculdades e a atualização dos equipamentos de suas oficinas. O que me parece um bom caminho é a parceria com algumas empresas de setores de ponta, para prestação de serviços de pesquisa e desenvolvimento de projetos especiais, remunerados à

À esquerda e acima, o pro je to Co pan dos es tu dan tes do SE NAC, Éri ka Bla sel bau er e Fa bio Bra zil. Des ta que para o des cas ca dor de fru tas e le gu mes e para a tesou ra, que, sem mola, evi ta fer ru gem, mau fun ci o na men to e acú mu lo de su jei ra. Dois des tes pro du tos, o bo le a dor e a tesou ra, fo ram classi fi ca dos para o IF

35 ARC DESIGN


7647-Escolas de Design Final:Escolas de Design Final

12/14/07

7:38 AM

Page 6

base de permutas que auxiliem as faculdades a superarem esse ‘gap’ tecnológico.” “Outra discussão que acompanho diz respeito ao tema do design para sustentabilidade. Alguns cursos adotaram uma disciplina específica para tratar do assunto; outros consideram uma questão tão transversal que todos os projetos devem adotar, assim como todos os professores. Dessa forma, retarda-se todo um processo de formação mais específica na área; não se sai nunca das soluções apoiadas no uso de materiais recicláveis, reciclados ou renováveis, como se sustentabilidade se limitasse a isso! E, finalmente, um profissional de design hoje deve ter em mente que seu processo de aprendizagem deverá ser contínuo, se quiser ter sucesso. As transformações do mundo estão muito aceleradas e ainda, considerando-se os riscos socioambientais que vivemos hoje, muitas novas competências precisarão ser desenvolvidas; sobretudo as que nos permitem fazer “mais com menos”, como já dizia Wright, há tanto tempo.”

PROFESSOR EDY, BELAS ARTES E FAAP Auresnede Pires Stephan, ou o professor Edy, como todos o conhecem, tem uma longa bagagem no campo universitário. Hoje ele ensina na graduação e pós-graduação da FAAP e é assessor de desenvolvimento educacional na Escola de Belas Artes. Como uma das funções dessa assessoria ele realiza todas as articulações necessárias no núcleo de design, que conta com cursos de design de produto, design gráfico, moda e interiores. Segundo o prof. Edy, analisar os cursos de design existentes hoje no Brasil é uma tarefa quase impossível. Temos escolas desde Rondônia até Santa Maria, no Rio Grande do Sul; de Mato Grosso até Vitória, no Espírito Santo. São de 400 a 450 cursos, segundo o Guia do Estudante. “Observando esses levantamentos, achei interessante o caso de uma escola que tem nove cursos tecnológicos de produto! E além dos bacharelados, há os cursos sequenciais, os tecnológicos. Assim, é um diagnóstico muito complicado, dificilmente uma palavra ou uma posição seria muito clara, o que podemos fazer são prognósticos.” “A verdade é que tudo mudou muito, desde que iniciei minha carreira no magistério: dos conteúdos e significados do design até a forma de apresentação dos trabalhos, com a informática.” “Os problemas são os mais diversos, a velocidade de expansão dos cursos geEs tu dan tes do Cen tro Uni versitá rio Be las Ar tes, Em ma nu el Melo e Kátia Nakamoto, conquistaram menção honrosa no Prêmio ABIPLAST 2007, com a cozinha móvel Celebratio (fotos acima): compac ta di versos utilitários relacionados ao espaço gourmet com a mais nova tecnologia de cocção

36 ARC DESIGN

rou a necessidade de mais professores, e é difícil encontrar os que estão sintonizados com um conceito acadêmico. Mas acredito que isso seja uma fase de transição.” As universidades, na opinião do prof. Edy, precisam de mais flexibilidade nas estruturas curriculares, conteúdos mais dinâmicos. “Precisamos pensar em acabar com a grade curricular e ter um grau de flexibilidade capaz de atender a todas as demandas do mercado.” D


DO_Essay_ARC.ai

26.11.07

18:35:11


7647-Premio Tok Stok Final:Premio Tok Stok Final

12/14/07

12:31 PM

Page 2

2º PRÊMIO TOK & STOK DE DESIGN UNIVERSITÁRIO

ESTUDANTES CRIAM PARA O MERCADO A empresa Tok & Stok apresenta o resultado de seu segundo concurso de design para estudantes. Este ano tínhamos medo do resultado, porque a empresa foi direto na tipologia (ou atividade) mais difícil no design: o sentar. Vejamos o que e como pensam os jovens projetistas diante deste desafio

Da Redação A aposta foi alta: assentos. É fato notório que o desejo secreto, ambicionado por cada arquiteto ou designer é desenhar uma cadeira. Simples assim: o primeiro homem que sentou em uma pedra inventou a cadeira. Mas este, parece, é o objeto mais complexo para ser desenhado. E a história, através dos séculos, complica cada vez mais este elementar objeto. Dos tronos ricamente elaborados aos postulaNes ta pá gi na, pri mei ro prê mio do Con cur so Tok & Stok, o pufe Me xe ri quei ra, design Le tí cia Ve lo so Bar ros, da Fa cul da de UEMG (BH)

dos da ergonomia, o que parecia muito simples se tornou uma ciência – e das bem complicadas. Em nossa memória afetiva, em meio a esta babel de formas e materiais, despontam nosso banquinho rural, de três pés e assento, e também o arquétipo da cadeira, belo, com seus simples quatro pés, e um “L” para sentar e recostar. É a nossa cadeira caipira ou, em sua versão mais sofisticada, a cadeira de taboa. Simples demais para nossos dias, de tantas exigências. A primeira delas: passar o dia, e boa parte da noite, sentados. Outra, contemporânea: as diversíssimas for-

38 8 ARC DESIGN


12/14/07

12:31 PM

Page 3

Rogerio Pallatta

7647-Premio Tok Stok Final:Premio Tok Stok Final

Acima, banco Orisu, segundo colocado, em papelão dobrado, projeto de Débora Lika Yakushiji, aluna da FAU/USP (SP). Abaixo, cadeira Ioio, terceiro prêmio do concurso, design Alexandre Dor neles, da UTESC (SC), “vestida” para o verão

mas de sentar, sendo que aquela tradicional é hoje a menos interessante (a não ser para o operário do teclado). Também despertando atenção, podemos pensar na mobilidade, ou nos inúmeros locais para onde queremos transportar um assento, da praia aos eventos públicos. Mas, cadeiras à parte, uma fundamental importância do concurso promovido pela Tok & Stok é a proximidade com a empresa, no caso, editora e distribuidora. Também outra realidade: ela não promove concursos como simples ferramenta de marketing, mas procura produtos e profissionais quando reúne estudantes em torno de um tema. O primeiro, realizado em 2006, com o conceito “guardar”, trouxe duas novas designers para o time de desenvolvimento de produtos, chefiado por Ademir Bueno. Essa inserção de jovens talentos no mercado de trabalho talvez seja o maior prêmio deste concurso. Sem esquecer, é claro, que os protótipos vencedores, a cada ano, serão testados para fazer parte da coleção Tok & Stok. O tema para 2008 é “Estudar”. D 39 ARC DESIGN


7647-janete costa Final:janete costa Final

12/14/07

10:47 AM

Page 40

MARCA REGISTRADA

40 ARC DESIGN

HOTEL CAESAR PARK BUSINESS VILA OLÍMPIA, SP

HOTEL CAESAR PARK VILA OLÍMPIA, SP

Aci ma, na obra exe cu ta da em 2004: in ter ven ção to tal. Ja ne te de fi niu des de a cor das pa re des até os ob je tos a se rem uti li za dos. Des ta que para as lu mi ná rias de piso dese nha das por ela e a tra ma com con tas de ma dei ra da ar tis ta plás ti ca e desig ner He loí sa Croc co

Abai xo, um de ta lhe do lu xu o so ho tel pau lis ta no que, pe las mãos da ar qui te ta per nam bu ca na, exi be para o mun do a nossa arte po pu lar. As ár vo res es cul pi das em ma dei ra são do ar tis ta José Ben to e a mesa ma ci ça, dese nha da pelo seu ma ri do e ar qui te to Acá cio Gil Bor soi


7647-janete costa Final:janete costa Final

12/14/07

10:47 AM

Page 41

HOTEL CAESAR PARK, RJ Não é di fí cil iden ti fi car a assi na tu ra de Ja ne te nes ta obra ca ri o ca. O jei to de ar ran jar as ca be ças de barro do ar tis ta plás ti co Mau rí cio Sil va com provam que a ar qui te ta sabe “es co lher os vo lu mes dos ob je tos em suas ana lo gias de for ma, or de nan do e agru pan do-os de ma nei ra rít mi ca”, como dis se, cer ta vez, o pai sa gis ta Bur le Marx. O re cur so usado para va lo ri zar a re pe ti ção das pe ças: uti li zar ni chos re cor ta dos na pa re de. Des ta que para as lu mi ná rias de piso, de Acá cio Gil Bor soi

JANETE COSTA O que hoje é moda começou há décadas com critério e convicção pelo olhar dessa pernambucana de Guaranhuns. Janete Costa, que desde criança conviveu com o imaginário popular, com as figuras feitas em barro ou madeira, foi a primeira arquiteta no Brasil a observar com olhos atentos a arte popular e a especificar, em seus Marcelo Correa

projetos, obras de artesãos brasileiros. Imperativa e ao mesmo tempo dona de uma generosidade sem fim, ela faz isso como ninguém Ana Sant’Anna / Fotos MCA Estúdio 41 ARC DESIGN


7647-janete costa Final:janete costa Final

12/14/07

10:47 AM

Page 42

RESIDÊNCIA EM PORTO DE GALINHAS, PE

HOTEL SHERATON BARRA, RJ

Aci ma, nesta casa de 900 m 2, so lu çõ es re gio nais se mistu ram a ma te riais de origem in dustrial. Ob ser ve: con vi vem per feita mente as pe ças de arte po pu lar ar ran ja das no jar dim inter no e a es ca da me tá li ca com de graus de gra nito. A pa re de ver me lha dá ex pressão à sala de estar

Abai xo, no pavi lhão de aces so – que faz a li ga ção en tre as duas tor res do ho tel –, se con cen tram o lobby, a re cep ção, as lo jas, o bar, o res tau ran te, as sa las de con ven çõ es e ser vi ços. Pró xi mo à en tra da, pol tro nas e me sas fei tas no in te ri or de Ala go as com raiz de co quei ro

Pense na imagem de um arquiteto entrando em contato com um espaço vazio a ser projetado. A atitude mais provável num primeiro momento: lançar mão da sua trena, tirar as medidas dos ambientes, desenhar tudo em escala e, só então, procurar soluções arquitetônicas para a obra em questão. Nos 50 anos de carreira de Janete Costa, isso jamais ocorreu. O processo criativo da arquiteta pernambucana é bastante peculiar e passa bem longe de metodologias convencionais. Ela costuma dizer que primeiro faz, depois pensa. Para quem nunca participou da sua trajetória profissional, talvez isso seja de difícil entendimento. Mas, para os que convivem com essa senhorinha porreta, nascida em Garanhuns, o real sentido de suas palavras se resume em rapidez de pensamento, amor pela profissão e extrema generosidade com todos os que estão a seu 42 ARC DESIGN


7647-janete costa Final:janete costa Final

12/14/07

10:47 AM

Page 43

RESIDÊNCIA NA PRAIA DE ICARAÍ, RJ A re for ma des te apar ta men to pri o ri zou ma te riais na tu rais. Lo ca li za da em Ni te rói, a resi dên cia de 300 m 2 con ta com qua tro su í tes. O pro je to in clu iu des de dese nhos de mó veis até de ta lhes, como a es co lha de ob je tos. Aci ma, à es quer da, por ta fei ta com ma dei ra de de mo li ção. Cria ção de Eu des Mota. Para com por a sala de TV, aci ma, à di rei ta, a ar qui te ta op tou por um buf fet de ma dei ra eba ni za da, que con tras ta com a to na li da de cla ra da obra de arte, na pa re de, assi na da por He loí sa Croc co

redor. “Ela tem o poder de transformar o nada em

rânea é, sem dúvida, uma forte característica da arqui-

belo”, afirma Eliane Guglielme, sua produtora. “Olha

teta. Muito antes de o artesanato virar moda, Janete já

um espaço vazio e inexpressivo e, quase que instanta-

utilizava a expressão popular – principalmente em ho-

neamente, concretiza a obra final na sua cabeça. Defi-

téis – afim de apresentar esse nosso Brasil ao mundo e

ne desde um nicho a ser feito na parede até quais ar-

também como incentivo social. Não é à toa que, pelas

tistas plásticos e artesãos pretende chamar para com-

mãos da nossa arquiteta – mais recente ganhadora do

por a ambientação”, diz.

prêmio As Mulheres Mais Influentes do Brasil, no seg-

Em suas mais de 400 obras – incluindo bibliotecas, ci-

mento Arquitetura & Decoração –, muitos artistas nor-

nemas, auditórios, galerias, halls, salões, lojas, museus,

destinos e de outros Estados brasileiros têm suas obras

restaurantes, teatros, escritórios, residências e cerca de

expostas em luxuosos hotéis e que, como consequên-

60 hotéis e 44 exposições – a arquiteta se dedica com a

cia, ascenderam socialmente. Isso, é claro, faz com que

mesma intensidade. “Já cheguei a tocar mais de 40

ela conquiste muitos admiradores. Mas a verdade é que

obras ao mesmo tempo”, conta, faceira. E todas, como

Janete não arranca elogios apenas dos mais humildes

se diz, colocando a mão na massa, fugindo de fórmulas

ou menos abastados. Intelectuais, como o paisagista

preestabelecidas e buscando novas maneiras de repre-

Roberto Burle Marx (1909-1994), também parecem ter

sentação. Combinar peças artesanais e arte contempo-

fortes motivos para admirá-la. “Desde que a conheci, 43 ARC DESIGN


7647-janete costa Final:janete costa Final

12/14/07

10:48 AM

Page 44

HOTEL PERGAMON, SP Fi na li za do em 1999, é con si de ra do o pri mei ro ho tel-design. Seus 123 apar ta men tos, re cep ção, lobby, res tau ran te, bar, sa lõ es de som, in for má ti ca, te le fo nia e con ven çõ es, se guem a pre missa Chic & Che ap. No lobby, aci ma, à es quer da, os mó veis le vam a assi na tu ra de Ja ne te. A es cul tu ra na pa re de é de Ema no el Araú jo. Na re cep ção, aci ma, à di rei ta, o piso de már mo re ita lia no con tras ta com a es cul tu ra de Mar ce lo Sil vei ra. Abai xo, uma nova idéia, na épo ca: in cor po rar a bi bli o te ca ao res tau ran te

44 ARC DESIGN


7647-janete costa Final:janete costa Final

12/14/07

10:48 AM

Page 45

MARABÁ HOTEL, SP Qua se na es qui na da Ave ni da São João com a Ipi ran ga, o ho tel foi in tei ra men te re mo de la do em 2006 – in clu in do seus 95 apar ta men tos, bi bli o te ca, lo cal de acesso à in ter net, sau na e sala de gi nás ti ca. Os es pa ços mis tu ram o tra ba lho de desig ners pro fissi o nais e de ar tesãos au to di da tas. No pe que no lobby, aci ma, à es quer da, lu mi ná rias dese nha das pelo ar qui te to Acá cio Gil Bor soi. Aci ma, à direi ta, em uma das pa re des do res tau ran te, es cul tu ras de fer ro e ce râ mi ca assi na das pelo ar tesão José Pau lo

não houve um momento que a banalidade a dominou”,

paisagista, isso ela faz como ninguém. “A repetição dá

expressou, certa vez. Em outra oportunidade: “Ela sabe

força à unidade”, explica Janete. É a pura verdade. Veja

utilizar a cor em função de outra cor, escolher os volu-

só as cabeças enfileiradas nos nichos iluminados do Ho-

mes dos objetos em suas analogias de forma, ordenan-

tel Caesar Park, no Rio de Janeiro; as pequenas árvores

do e agrupando-os de maneira rítmica”. E deixa isso evi-

arranjadas de maneira compassada com as frestas de

dente em diversas obras, como uma espécie de assina-

luz do painel de madeira do Caesar Park Vila Olímpia, as

tura. Tons quentes que denotam personalidade são

esculturas de ferro e cerâmica no restaurante do Hotel

seus prediletos. A escolha por algumas paredes e mó-

Marabá, ou ainda as peças alinhadas em uma das pare-

veis vermelhos no Hotel Caesar Park Business, no bair-

des do Hotel Pergamon, todos em São Paulo.

ro da Vila Olímpia, em São Paulo; e na residência em

As escolhas parecem partes independentes envoltas

Porto de Galinhas, na praia de Toquinho, em Pernambu-

em certa fragilidade, que, unidas com maestria, ga-

co, são exemplos disso. Quanto à forma de arranjar ob-

nham força e luz. Imagine só se a arquiteta pensasse

jetos e peças artesanais de um jeito ritmado, citada pelo

antes de fazer! D 45 ARC DESIGN


7647-TOPXXI 2008 Final:TOPXXI 2008 Final

12/13/07

11:10 AM

Page 46

Depois do sucesso da primeira edição, você pode esperar muito mais em 2008 Novas categorias de premiação: maior abrangência Cresce o número de parceiros: mais representatividade Uma grande festa para o design brasileiro: mais visibilidade E você também pode participar, indicando os produtos, projetos e profissionais de sua preferência para concorrer ao Prêmio

Acesse, confira e participe!

www.arcdesign.com.br/top21

Troféu para os vencedores, criação Fernando e Humberto Campana

46 ARC DESIGN


BY

2UA!SPICUELTA 6ILA-ADALENA&ONE LOJA DECAMERONDESIGNCOMBR WWW D E C A ME RO N D E SIG N  C O M B R


DvCM

BIENAL INTERNACIONAL

ARQUITETURA

o público e o privado

arquitetura

e urbanismo belas artes A única instituição de ensino superior entre os patrocinadores do mais importante evento de arquitetura do país, organizado pelo Instituto de Arquitetos do Brasil.

0800 772 5010

belasartes.br


ARQUITETURA DE CONVIVÊNCIA

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

7647-Museu Rodin Final:Museu Rodin Final

12/14/07

12:50 PM

Page 67

O Museu Rodin Bahia, projeto dos arquitetos Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz, é o primeiro museu internacional do Brasil e a primeira filial do Museu Rodin de Paris. Implantado no Palacete Comendador Catharino, em Salvador, recebeu o grande prêmio da Exposição Geral de Arquitetos, na 7ª BIA. Seus autores relatam detalhes do projeto Fotos Fotos Nelson Nelson Kon Kon


7647-Museu Rodin Final:Museu Rodin Final

12/14/07

12:50 PM

Page 68

Convivência é a palavra que melhor expressa o ideárioguia do projeto de arquitetura do museu. Convivência de dois edifícios com diferença de idade de um século. Ambos com personalidade própria, envolvidos por um jardim tropical que os une sem tirar o forte caráter, ou mesmo, a forte tensão. Os salões do Palacete e seu jardim se destinam às obras do mestre francês, enquanto as exposições temporárias ocupam um novo bloco. O Palacete recebeu intervenções delicadas e pontuais, necessárias para prepará-lo para sua nova vida. Foi acrescentado mais um lance à escadaria original, abrindo acesso ao surpreendente espaço do sótão, agora um pequeno auditório. Seus pavimentos principais (1º e 2º pisos) são dedicados à exposição da coleção Rodin e o andar térreo abriga as atividades educativas e o acolhimento. A necessidade de criar outro sistema de circulação vertical ágil e eficiente no Palacete direcionou uma implantação na

Na pá gi na anterior, de ta lhe do Pa la ce te restau ra do e, em pri mei ro pla no, o pré dio novo com fa cha da em tre li ça de ma dei ra, vidro e con cre to, e tam bém a ponte, uma lâ mi na de con cre to com 3,20 m de al tu ra, que ser ve como liga ção entre os pré di os e a co ber tu ra para quem está no ní vel do solo

68 ARC DESIGN


7647-Museu Rodin Final:Museu Rodin Final

12/14/07

12:50 PM

Page 69

parte posterior da edificação, justamente no centro geo-

vidro e treliças de madeira. O núcleo do bloco novo é

métrico de todo o conjunto. Um volume de concreto

seu salão central, com pé-direito duplo e iluminação ze-

aparente, amalgamado ao edifício histórico e contendo

nital natural controlada.

escada e elevador, liga seus três pavimentos principais

O tratamento dado ao jardim valoriza os caminhos atra-

e anuncia o bloco novo, construído sem tocar nas cen-

vés de um piso modulado de pedra portuguesa. Ao lon-

tenárias árvores do jardim nem competir com a presen-

go desse percurso, as obras de Rodin em meio à rica

ça dominante da construção histórica.

vegetação tropical, a leitura à sombra de uma manguei-

Uma lâmina de concreto liga os dois blocos, como co-

ra, a simples contemplação, o nada fazer... Inspiração

bertura para quem caminha no nível do solo e como

primeira de todo o projeto, esse jardim é o principal

passarela, a 3,20 metros de altura. Essa lâmina de con-

apelo à convivência, hoje obrigatória em um museu

creto penetra a nova construção ou a abraça exterior-

que assume também a função de um centro de encon-

mente, procurando se aproximar e oferecer um ponto

tro por meio da arte e da cultura. Encontro dos habitan-

privilegiado de observação da “Porta do Inferno”, insta-

tes da Bahia e de todos os que por ali passarem.

lada no espaço livre aberto entre as duas construções.

Convivência tem sido matéria-prima brasileira em um

Pelo térreo ou pela passarela, é possível acessar o novo

mundo de intolerância, e especialidade da Bahia de To-

edifício por vários pontos. Seu volume é constituído

dos os Santos. Neste novo museu, com a bênção do

pela associação de grandes planos de concreto aparente,

mestre Rodin. D

Na pá gi na ao lado, acima, a pro xi mi da de en tre as duas construções e a pon te que as en vol ve. Abaixo, vis ta do pré dio novo com de ta lhe do jar dim. Nes ta pá gi na, abaixo, o edifício novo, des ta can do-se os mu ros em con cre to e tre li ça de ma dei ra, e a pon te de li ga ção en tre as construções

69 ARC DESIGN


7647-7a Bia Nacional:7a BIA Nacional final

12/15/07

12:09 PM

Page 70

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

PENSAMENTO CRÍTICO E REFLEXÕES As civilizações consistem em continuar o mesmo veio dos bons trabalhos que nos antecederam. As Bienais ressaltam essas produções construindo memórias para as futuras gerações

Arquiteto Ciro Pirondi / Fotos Gian Spina

70 ARC DESIGN

A 7ª Bienal Internacional de Arquitetura, inaugurada no

uma quantidade considerável de bons trabalhos.

último dia 11 de novembro no Pavilhão Ciccilo Matarazzo

Desde a 2ª BIA em 1993, quando assinamos com a pre-

no Parque do Ibirapuera em São Paulo, é um trabalho gi-

sidência da Fundação Bienal em um almoço na presen-

gantesco realizado pelo Instituto de Arquitetos do Brasil

ça de todos os representantes nacionais e internacio-

(IAB). Todas as críticas são possíveis, desde que sejam re-

nais o convênio IAB/Bienal, sempre se cumpriu a expo-

flexões e não julgamentos, muitas vezes feitos a priori.

sição internacional de arquitetura.

Podemos aprimorá-la, talvez devêssemos estabelecer

O belo desenho da mostra feito pelos arquitetos André

um corpo de curadores isentos do IAB, mas respeitan-

Vainer e Guilherme Paoliello, utilizando material doado

do o princípio de exposição da produção nacional e

para a confecção dos suportes, propiciou transparência

atendidas as curadorias internacionais.

e leveza ao espaço, favorecendo a visitação.

Se compararmos com a Bienal Internacional de Artes, a

As exposições de Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da

crise atual sem precedentes, inviabilizando provavel-

Rocha revelam a produção incessante destes dois mes-

mente sua realização ou buscando artifícios retóricos

tres da arquitetura mundial.

para avalizar a incompetência, a Bienal de Arquitetura,

A mesa contínua com desenhos intercalados com ma-

ao contrário, está aí, viva, com um grande público e

quetes dá a sensação de visita ao escritório de Paulo


7647-7a Bia Nacional:7a BIA Nacional final

12/15/07

12:09 PM

Page 71

Na pá gi na ao lado, en tra da do Au di tó rio Ibi ra pu e ra, pro je to de Os car Ni e me yer inau gu ra do em São Pau lo em ou tu bro de 2005. Nes ta pá gi na, aci ma e abai xo, de ta lhes de ma que tes do pro je to de Pau lo Men des da Ro cha com a colaboração do escritório Piratininga Arquitetos Associados. Ex pos tas na 7ª BIA, nos tra zem a sen sa ção de que es ta mos no es cri tó rio do ar qui te to

71 ARC DESIGN


7647-7a Bia Nacional:7a BIA Nacional final

12/15/07

12:09 PM

Page 72

Aci ma, de ta lhe de ma que te de Pau lo Hen ri que Pa ra nhos. Um dos ar qui te tos con vi da dos a par ti ci par da 7ª BIA, apre sen ta o pro je to do Es tá dio Nil ton San tos, em Bra sí lia, e outros. Abai xo, de ta lhe de ma que te do Ins ti tu to Ber lar ge, da Ho lan da, para re si dên ci as uni fa mi li a res no Pla no Pi lo to do Dis tri to Fe de ral: vi são es té ti ca e ge o grá fi ca das pos si bi li da des de ex pan são da ci da de

Mendes. Os croquis de Niemeyer e o gentil texto do prof. Rodrigo Queiroz, conjuntamente com a exposição na marquise, dão o sentido “popular” da obra do nosso sublime arquiteto. A sala de Paulo Henrique Paranhos é de uma sensibilidade marcante, com poucos recursos, ilumina a Bienal e a produção recente da arquitetura brasileira. O percurso da Exposição Geral dos Arquitetos, desta vez feita com curadoria, elevou os projetos apresentados e indica caminhos possíveis para a seleção da próxima BIA. Caminhando vemos um pensamento crítico na maioria dos trabalhos. Estamos nos libertando das modas elegantes, dos “ismos” desnecessários e vivendo rotas mais seguras, as quais não desprezam a contribuição dos antepassados. A Exposição Geral nos faz pensar que vivemos um novo momento de nossa produção. O olhar respeitoso ao passado já nos permite dizer que temos uma jovem, elegante e íntegra produção atual, capaz de representar o Brasil em qualquer mostra internacional. Destaco o Museu Rodin de Francisco Fanucci e Marcelo 72 ARC DESIGN


7647-7a Bia Nacional:7a BIA Nacional final

12/15/07

12:09 PM

Page 73

Aci ma, ma que te do pro je to Ocu pa ção de Fave la. Tra ba lho dos alu nos do cur so de Ar qui te tu ra da Uni ver si da de Fe de ral de Mi nas Ge rais, ter ce iro co lo ca do no Con cur so In ter na ci o nal de Es co las, pro mo vi do pelo Ins ti tu to de Ar qui te tos do Bra sil

Ferraz como resultado de anos de trabalho de um es-

sempre possível, devido a interesses mercantilistas.

critório com identidade própria, capaz de realizar uma

Uma Bienal é também prospectiva. Uma espécie de

obra complexa de restauro e anexo novo, com integri-

educação sentimental, um certo olhar preciso, mas in-

dade e beleza, tendo recebido do júri o primeiro prêmio

fiel sobre a realidade.

na Exposição Geral dos Arquitetos.

O Instituto Berlage, da Holanda, indica esse vetor com

Com maquetes semelhantes a uma obra de arte em ma-

sua sala sobre Brasília e seu entorno. Uma provocativa

deira, a sala da Faculdade de Arquitetura de São Carlos,

visão estética e geográfica das possibilidades de expan-

com as vilas de Andréa Palladio e suas relações geomé-

são da cidade. Uma memória poética da proposta origi-

tricas constituem uma aula de arquitetura e parada

nal de Rino Levi para o concurso do plano piloto.

obrigatória, principalmente para os estudantes. Le Cor-

Muitas vezes em debates e simpósios ouvimos afirma-

busier referia-se a Palladio como o arquiteto fundamen-

ções sobre a morte da arquitetura ou a excelência da

tal na passagem do mundo antigo para o moderno. Pro-

produção brasileira apenas entre os anos 1930 e 1970,

vavelmente suas vilas inspiraram Corbusier nas casas

nos restando hoje estudá-los ou desistir.

brancas, na Vila Savoay, na Vila Stein: volumes puros,

A 7ª BIA é a prova real da ausência de realidade de tais

geometrias variáveis e sobrepostas.

afirmações. Para o bem das cidades brasileiras, existem

O termômetro de nossa produção também pode ser me-

ótimos jovens e “velhos” arquitetos na ativa, pois a arte

dido na boa qualidade dos trabalhos apresentados pelas

não é e nunca será qualificada pela idade de seus pro-

escolas. Temas variados, a maioria com preocupação ur-

dutores e sim pela sua condição de indicar caminhos

bana e ambiental, indicando que nossos professores e

para as civilizações na construção de outras formas

estudantes buscam a melhor qualidade do ensino, nem

mais fraternas de vida. D 73 ARC DESIGN


12/14/07

12:55 PM

Page 74

Fotos Yos hi ha ru Mat su mu ra

7647-7a BIA internacional:7a BIA internacional Final

ESPETÁCULO GLOBAL

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

Ro of tec tu re S, a casa me tá li ca pen du ra da em um pe nhas co, do ar qui te to ja po nês Shu hei Endo, é exem plo das ex pe ri ên ci as com no vas tec no lo gias cons tru ti vas apre sen ta das na 7ª BIA

Do Japão à África do Sul, da Inglaterra aos Estados Unidos, da Noruega à Venezuela. Em sua 7ª edição, a Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo reuniu projetos de 17 arquitetos estrangeiros convidados, 13 representações nacionais e obras originárias de mais de 20 países, erguidas nos quatro cantos do globo. Quem visitou o evento pôde se lançar em uma inspiradora volta ao mundo, a partir dos traços vanguardistas e das idéias inquietantes de alguns dos maiores nomes da arquitetura contemporânea, como o norte-americano Steven Holl e o japonês Shuhei Endo. Cada um à sua maneira, eles le varam à exposição o que há de melhor em sua produção atual e enriqueceram o debate sobre as interações e intersecções entre os espaços públicos e privados. Mais do que formas surpreendentes, o destaque ficou por conta da qualidade conceitual das propostas, que revelam os novos rumos da arquitetura e do urbanismo no século 21: de modelos urbanos revolucionários a pequenas – e brilhantes – soluções para a superlotação das metrópoles. Um espetáculo, sim, mas com conteúdo Carine Portela

74 ARC DESIGN


7647-7a BIA internacional:7a BIA internacional Final

12/14/07

12:56 PM

Page 75


12/14/07

12:56 PM

Page 76

Yos hi ha ru Mat su mu ra

7647-7a BIA internacional:7a BIA internacional Final

SHU HEI ENDO: EX PE RI MEN TA LIS MO ASI Á TI CO

Yos hi ha ru Mat su mu ra

76 ARC DESIGN

Yos hi ha ru Mat su mu ra

na 7ª BIA, está a Ro of tec tu re S, uma casa, li te ral men te, pen du ra da em um pe nhas co. Suas me di das, assim como o vi sual, se guem a li nha mi nimalista: construída em Kobe, Japão, a residência não tem mais de 4 me tros de largu ra e 50 me tros qua dra dos. Ou tro des ta que da ex po si ção é a Bub ble tec tu re M, uma es co la in fan til em Mai ha ra, na re gião me tro po li ta na de Osa ka. Sua es tru tu ra con sis te em uma se quên cia de cai xas de con cre to co ber tas por um ex pressi vo te lha do de ma dei ra. Esse ele men to, por sua vez, é com pos to por cen te nas de su per fí ci es trian gu la res que, uni das, criam o as pec to de uma gran de bo lha ge o mé tri ca, es pa lhan do-se pela cons tru ção. Se gun do Endo, sua obra é emblemática quanto à impor tância de se projetar es pa ços de qua lida de para crian ças: “os tra ços fo ram pen sa dos exa ta mente para esti mu lar a ima gi na ção e o pro cesso cria ti vo”, afir ma.

Dese nhos ou sa dos e es tru tu ras au da ci o sas mar cam o es ti lo ex pe ri men tal do ar qui te to ja po nês Shu hei Endo. Seus pro je tos in ves ti gam novas al ter na ti vas de tran si ção en tre o es pa ço ex ter no e in ter no, pro pon do for mas flu i das e ele gan tes, ge ral men te cria das a par tir de so lu çõ es cons tru ti vas inova do ras. Ven ce dor de vá rias pre mia çõ es, en tre as quais a mos tra es pe cial da 9ª Bi e nal In ter na ci o nal de Ve ne za, Endo é co nhe ci do como o “ar qui te to do aço”, jus ta men te pe las inu si ta das possi bi li da des que con fe re ao ma te rial. Sua sé rie Ro of tec tu re, com pos ta por mais de dez edi fí ci os para di fe ren tes usos – de fá bri cas a lo jas de veí cu los, passan do por um ba nhei ro pú bli co e um es ta ci o na men to de bi ci cle tas –, reú ne es pa ços ar qui te tô ni cos cria dos a par tir de um úni co ele men to me tá li co, que as su me múl ti plas fun çõ es: es tru tu ra, pa re des e te lha do. Em des ta que


7647-7a BIA internacional:7a BIA internacional Final

12/14/07

12:56 PM

Page 77

STE VEN HOLL: AR RA NHA-CÉU HO RI ZON TAL Ar qui te tos do mun do in tei ro par ti ci pam de uma ver da dei ra cor ri da ma lu ca em bus ca de pré di os cada vez mais al tos. Na con tra mão des ta ten dên cia, o nor te-ame ri ca no Ste ven Holl pro cu ra al ter na ti vas para erguer edi fí ci os de gran des pro por çõ es, sem des res pei tar pai sa gens lo cais ou des va lo ri zar as re la çõ es hu ma nas. Na 7ª BIA, o des ta que da sua ex po si ção é uma amos tra exem plar des ta li nha de tra ba lho. Tra ta-se do Van ke Cen ter, um edi fí cio de uso mis to com mais de 320 mil me tros qua dra dos, que está sen do cons tru í do em Shen zen, na Chi na, e abri ga rá ho tel, cen tro de con fe rên cia, es cri tó ri os e re si dên ci as. Se gun do o pró prio ar qui te to, a obra pode ser de fi ni da como um “ar ra nha-céu ho ri zon tal”, que in cor po ra inú me ros con cei tos de sus ten ta bi li da de e, a par tir de uma es tru tu ra au da ci o sa, pa re ce flu tu ar su ave men te, a cer ca de 10 me tros do chão. Através de seu ge ne ro so

vão, se des cor ti na uma vis ta im pres si o nan te, que pode ser di re ci o na da para a ci da de ou para o oce a no. Holl, que ga nhou os prê mi os Pro gres si ve Ar chi tec tu re (1996), Na ti o nal AIA De sign e Me da lha Al var Aal to (am bos em 1998), afir ma que bus cou ins pi ra ção na cul tu ra chi ne sa ao de se nhar o pré dio, com bi nan do tra di ção com mo der ni da de. Daí nas ceu a vo lu me tria ir re ve ren te do com ple xo, se me lhan te a um “dra gão cu bis ta vo a dor”. Entre as so lu çõ es eco ló gi cas ado ta das, desta cam-se um te lha do ver de que co la bo ra para a ma nu ten ção da tem pe ra tu ra inter na, siste ma de aproveita mento de energia so lar e fa cha das re vestidas por pai néis de vidro de alta per for man ce, que contro lam a in cidên cia dos rai os so la res e po dem ser re po si ci o na dos de acor do com o cli ma, pro por ci o nan do venti la ção na tu ral ou pro te gen do o edi fí cio de ci clo nes e fu ra cõ es.

77 ARC DESIGN


7647-7a BIA internacional:7a BIA internacional Final

12/14/07

12:56 PM

Page 78

VI CEN TE GUAL LART: O INÍ CIO DE UMA RE VO LU ÇÃO Novos tem pos pe dem uma nova ar qui te tu ra. Vi cen te Gual lart, um dos mais in flu en tes ar qui te tos es pa nhóis da atua li da de, se gue essa fi lo so fia à ris ca. Seu tra ba lho, ba se a do no tri pé so ci e da de, na tu re za e tec no lo gia, pro põe uma ver da dei ra re vo lu ção no que diz res pei to aos atuais mo de los de cria ção ar qui te tô ni ca e desen vol vi men to ur ba no. Em ima gens e ma que tes de um co lo ri do vi bran te, seus pro je tos apresen ta dos na 7ª BIA são exem plos de como esses con cei tos po dem ser co lo ca dos em prá ti ca. “So ci ó po lis”, en co men da do pela pre fei tu ra de Va lên cia, é um pla no di re tor em que uni da des resi den ciais e equi pa men tos mul ti fun ci o nais se in te gram à zona agrí co la si tua da no en tor no. Sha ring To wer, em cons tru ção na mes ma ci da de, é uma pro pos ta de co mu ni da de ver ti cal ali nha da às ne cessi da des dos novos tem pos: um edi fí cio mul ti fun ci o nal que abri ga rá apar ta men tos resi den ciais, cen tros de arte e de tec no lo gia. Já o Par que Cul tu ral de De nia, em Ali can te, foi con ce bi do a par tir da re cons tru ção de um an ti go cas te lo mou ro e tem como ob je ti vo res ga tar o va lor his tó ri co da re gião. Em to dos os pro je tos do es pa nhol está presen te o viés re vo lu ci o ná rio: sua bus ca cons tan te é por novas e efi ci en tes es tra té gias para a re nova ção da re la ção en tre o es pa ço pú bli co e a co mu ni da de. “O essen cial é res pon der às ne cessi da des so ciais, eco nô mi cas, tec no ló gi cas e cul tu rais do sé cu lo 21, sem dei xar de lado a in te gra ção e a pro te ção dos ele men tos que cons ti tu em a pai sa gem na tu ral e ge o grá fi ca, bem como seu desen vol vi men to”, resu me Gual lart. “O pla no di re tor de So ci ó po lis, por exem plo, é uma gran de opor tu ni da de de inova ção ur ba na. É si mul ta ne a men te lo cal e glo bal. Pode ser se gui do em qual quer lu gar do mun do, em mai or ou me nor es ca la”, acon se lha o ar qui te to.

78 ARC DESIGN


12/14/07

12:56 PM

Page 79

Hana Schä fer

7647-7a BIA internacional:7a BIA internacional Final

O pú bli co e o pri va do, a arte e a ar qui te tu ra: nes te pro je to do ale mão Ste fan Ebers tadt, ba ti za do de Ruck sack Haus (em por tu guês, casa-mo chi la), esses con cei tos se re la ci o nam em um di á lo go provo ca dor, van guar dis ta e, so bre tu do, per ti nen te. Cria da para pessoas que an seiam por mais es pa ço, a cai xa de 2,5 m x 3,6 m x 2,5 m pode ser an co ra da na es tru tu ra de qual quer edi fí cio, por meio de ca bos de aço. Ini cial men te, Ebers tadt, que mi nis tra au las na Aca demy of Fine Arts, em Mu ni que, con ce beu o pro je to como uma es cul tu ra ar qui te tô ni ca pós-mo der na: “por que um pré dio deve aca bar onde as pa re des ter mi nam? Nossa per cep ção ba se a da no sen so co mum pre ci sa ser desa fia da. En tão, que tal in ter rom per uma fa cha da pla na com um vo lu me sur pre en den te, que con fun de o li mi te en tre a rua e a cons tru ção?”, ques ti o na o ar qui te to. Mas, lon ge de ser ins pi ra da ape nas em uma re fle xão con cei tu al, a idéia da Ruck sack Haus res pon de a uma ne ces si da de bem con cre ta: o apro vei ta men to in te li gen te dos exí guos es pa ços de gran des me tró po les. “Vivi em con di çõ es claus tro fó bi cas em ci da des como Lon dres ou N. York, pe que nos apar ta men tos que às ve zes ti nham ape nas uma ja ne la para o mun do ex te ri or”, con ta Ebers tadt, lem bran do que sua ex pe ri ên cia pessoal foi de ter mi nan te para a cria ção da pro pos ta. Em bo ra ra di cal, a so lu ção ofe re ci da por ele é sim ples e rá pi da. A ins ta la ção leva pou cas ho ras e re quer ape nas uma grua para erguer e fi xar o mó du lo. Nas ima gens ex pos tas na Bi e nal, o vi si tan te pôde con fe rir uma casamo chi la co lo ca da em prá ti ca: o exem plar foi ane xa do em se tem bro de 2004 à fa cha da de um edi fí cio resi den cial na ci da de ale mã de Leip zig e, des de en tão, está aber to à vi si ta ção pú bli ca – pa ra do xal men te, como uma es tru tu ra provi só ria em ex po si ção per ma nen te.

Hana Schä fer

STE FAN EBERS TADT: A CASA-MO CHI LA

79 ARC DESIGN


Quadrifoglio Editora Roma Editora, Projetos de Marketing Ltda.

Apoio:

Diretora Editora Maria Helena Estrada Diretor de Marketing Cristiano S. Barata

Apoio Institucional:

Diretora de Arte Fernanda Sarmento REDAÇÃO Editora Geral Maria Helena Estrada Redatoras Ana Sant’Anna Mariana Lacerda Assistente de Redação Daniel Paronetto Revisora Jô A. Santucci ARTE Chefe de Arte Betina Hakim Designer Ana Beatriz Avolio Designer Assistente Renata Lauletta Participaram desta Edição Carine Portela Ciro Pirondi Francisco Fanucci Marcelo Ferraz Comercial e Marketing Cristiano Barata Bruna Lazarini (estagiária) Publicidade Christiane de Almeida Sandra Pantarotto Circulação e Assinaturas Lúcia Martins Pereira Conselho Consultivo Professor Jorge Cunha Lima, diretor da Fundação Padre Anchieta; arquiteto Julio Katinsky; Emanuel Araujo; Maureen Bisilliat; João Bezerra, designer, especialista em ergonomia; Rodrigo Rodriquez, especialista em cultura e design europeus, consultor de ARC DE SIGN para assuntos internacionais

ARC DESIGN Rua Lisboa, 493 – CEP 05413-000 São Paulo – SP Telefones Tronco-chave: + 55 (11) 6808-6000 Fax: + 55 (11) 6808-6026

Assinaturas assinatura@arcdesign.com.br Arte arte@arcdesign.com.br Editora mh@arcdesign.com.br Redação editora@arcdesign.com.br redacao@arcdesign.com.br Marketing cbarata@arcdesign.com.br Publicidade publi@arcdesign.com.br publi1@arcdesign.com.br

Os direitos das fotos e dos textos assinados pelos colaboradores da ARC DESIGN são de propriedade dos autores. As fotos de divulgação foram cedidas pelas empresas, instituições ou profissionais referidos nas matérias. A reprodução de toda e qualquer parte da revista só é permitida com a autorização prévia dos editores, por escrito. Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião da revista.

Pré-impressão e Impressão Eskenazi Indústria Gráfica

Cromos e demais materiais recebidos para publicação, sem solicitação prévia de ARC DESIGN, não serão devolvidos.

Distribuição Nacional Fernando Chinaglia Distribuidora S/A

www.arcdesign.com.br


㄰ 㤵 㜵

䅮﩮捩漠䭂㈰〸′ㅸ㈸捭⁰潲 獥硴愭晥楲愬″〠摥潶敭扲漠摥′〰㜠㄰㨲㠺㈸


NTOS

FEIRA

ME EVESTI R E D AL ACION N R E T IN

to n e v e or i a os m t n O e tim s e v e ina t a de r L a ric é m A da edição

4 1 1 1 arço

etor

do s e n i r t vi

m

enter C o p x E il mérica • Bras o l u Transa a São P

5

89 755

com.br

(11) 32

tir. oreves fo@exp

in

Promoção

www.anfacer.org.br

AF Anúncio Revestir 2008 Portug1 1

Apoio

www.apexbrasil.com.br

cipal oras d a v o A prin ções in u l o s iais e cios Mater ó g e n es de d a d i n u Oport com s e t a b s e de a i c n ê Tend ndiais u m s t exper Eventos conjuntos

www.exporevestir.com.br

www.kitchenbathexpo.com.br

11/30/07 5:58:52 PM


COMO ENCONTRAR

como encontrar 57 Final2:como encontrar 57 Final2

12/14/07

9:53 AM

FO CO NO OB JE TI VO Masisa www.masisa.com

PLÁSTICOS? SIM, POR FA VOR Abiplast www.abiplast.org.br

O MAIS TRA DI CI O NAL DOS CON CUR SOS Museu da Casa Brasileira www.mcb.sp.gov.br

Page 84

A SI LEN CI O SA RE VO LU ÇÃO DO AR TE SA NA TO Cristina Piñeda http://cristinapineda.com Instituto d’A manhã www.institutodamanha.com.br Laura Novik blinkdesign@vtr.net Piñeda Covalín www.pinedacovalin.com Tok & Stok www.tokstok.com.br

EFICIÊNCIA ENER GÉ TI CA ESCRITÓRIOS PARA VER E COMPRAR Alojiinha Memorial da América Latina Rua Auro Soares de Moura Andrade, 664 Barra Funda – São Paulo – SP Tel.: (11) 3823-4684

EN SI NO DE DE SIGN NO BRA SIL Centro Universitário Belas Artes de São Paulo www.belasartes.br Centro Universitário Senac São Paulo www.sp.senac.br

Aflalo & Gasperini Associados www.aflaloegasperini.com.br Esther Stiller www.estherstiller.com.br

DE SIGN CONS CI EN TE Via www.via.fr

AR QUI TE TU RA DE CONVIVÊNCIA Brasil Arquitetura www.brasilarq.com.br

Escola Superior de Desenho Industrial www.esdi.uerj.br

PENSAMENTO CRÍTICO E REFLEXÕES

Istituto Europeo di Design – Brasil www.iedbrasil.com.br

7ª Bienal Internacional de Arquitetura www.iabsp.org.br/7bia Instituto de Arquitetos do Brasil www.iab.org.br

ES TU DAN TES CRI AM PARA O MER CA DO Tok&Stok www.tokstok.com.br

ESPETÁCULO GLOBAL Shuhei Endo www.paramodern.com

MAR CA RE GIS TRA DA

Steven Holl www.stevenholl.com

Janete Costa borsoicosta@gmail.com

Vicent Guallart www.guallart.com


DM9 É DDB

A gente pode citar todos os designers que assinam os produtos da Tok&Stok. Você tem meia horinha?

DESIGN

A Tok&Stok trabalha com designers nacionais e inter nacionais. O resultado são produtos exclusivos e i n t e l i g e n t e s q u e d e i x a m c a s a s m a i s b o n i t a s e t r a z e m m a i s p r a t i c i d a d e p a r a o d i a - a - d i a . Acesse www.tokstok.com.br e conheça melhor os produtos da Tok&Stok. Tem design para todos os gostos.

TEM

Design assinado | Ponto vermelho | Entrega e montagem | Projeto de decoração | Lista de casamento | Garantia de 2 anos | 25 lojas no Brasil


Drawing by Guido Scarabottolo

REVISTA DE DESIGN ARQUITETURA SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO

7ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA

Salone Internazionale del Mobile: a excelência está de volta! Salone Internazionale del Mobile / Eurocucina, Salão Internacional de Móveis de Cozinha SaloneUfficio, Bienal Internacional do Ambiente de Trabalho / Salão Internacional da Casa de Banho Salão Internacional de Acessórios de Decoração / SaloneSatellite Feira de Milão, Rho 16/21.04.08

Cosmit spa Foro Buonaparte 65 20121 Milão, Itália

+ 39 02725941 + 39 0289011563 fax

www.cosmit.it e-mail info@cosmit.it

R$ 16.50 Nº 57 QUADRIFOGLIO EDITORA

ARC DESIGN

N º 57

2007

2007

PRÊMIOS E CONCURSOS 2007 DESIGN SOCIAL E CONSCIENTE JANETE COSTA ESCOLAS DE DESIGN


Arc Design